Faculdade da Serra Gaúcha FSG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Faculdade da Serra Gaúcha FSG"

Transcrição

1

2 2 Faculdade da Serra Gaúcha FSG Manual para Elaboração e Normatização de Trabalhos Acadêmicos Prof. Me. Odir Berlatto (Organizador) Profa. Ma. Sandra Maria de Oliveira Caxias do Sul 2012

3 FACULDADE DA SERRA GAÚCHA Nelson Felipe de Vargas Diretor Luiz Fernando Calage Alvarenga Coordenador de Graduação

4 Capa: Núcleo Design Gráfico da FSG M266 Manual para elaboração e normatização de trabalhos acadêmicos/ Organizado por Odir Berlatto. - Caxias do Sul: Faculdade da Serra Gaúcha, p. Maria de 1. Metodologia Científica I.Berlatto, Odir II.Oliveira, Sandra CDU Ficha catalográfica elaborada pela Bibliotecária Nara Rúbia Paranhos Pinto CRB - 10/1585

5 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 8 INTRODUÇÃO NORMAS DE FORMATAÇÃO E APRESENTAÇÃO Tipo de papel e impressão Tamanho e tipo da letra (fonte) Margens Parágrafos Alinhamentos Espacejamento Paginação Numeração dos títulos e subtítulos Alíneas Figuras ou ilustrações Tabelas Siglas Equações e fórmulas Orientações textuais CITAÇÕES DE DOCUMENTOS IMPRESSOS OU DA INTERNET Sistema autor-data Citações diretas Citações indiretas Citações diretas e indiretas com dois autores ou três autores Citações diretas e indiretas com mais de três autores Citação de citação Citações de leis e outros atos normativos Citações de documentos sem autoria explícita Citações de informações obtidas verbalmente Sistema numérico Notas de rodapé Notas de referência Notas explicativas ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHOS DE DISCIPLINAS E ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS (APS) Investigação mais ampla Investigação mais sucinta Atividade Prática Supervisionada (APS) ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO TÉCNICO E/OU CIENTÍFICO Capa Folha de rosto Resumo Listas Lista de ilustrações Lista de tabelas Lista de abreviaturas e siglas Lista de símbolos... 48

6 4.4.5 Sumário Introdução Desenvolvimento Considerações finais Referências Apêndice(s) Anexo(s) ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO Estrutura do artigo científico Apresentação gráfica dos artigos científicos ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE PROJETOS Capa Folha de rosto Listas Lista de ilustrações Lista de tabelas Lista de abreviaturas e siglas Lista de símbolos Sumário Parte Introdutória ou introdução Apresentação do tema e do problema de pesquisa Hipótese(s) Objetivos Geral Específicos Justificativa Fundamentação teórica Procedimentos metodológicos ou Metodologia Método(s) de pesquisa Delimitação da população (amostragem) ou objeto da investigação Técnicas de coletas de dados Técnicas de análise de dados Cronograma das atividades Recursos Referências Apêndice(s) Anexo(s) ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) OU MONOGRAFIA Ordenamento dos elementos do TCC ou monografia Capa Folha de rosto Errata Folha de aprovação Dedicatória(s) Agradecimento(s) Epígrafe Resumo em língua vernácula Resumo em língua estrangeira Listas

7 7.12 Lista de ilustrações Lista de tabelas Lista de abreviaturas e siglas Lista de símbolos Sumário Introdução Desenvolvimento Fundamentação teórica Procedimentos metodológicos Apresentação e análise dos resultados Considerações Finais Referências Apêndice(s) Anexo(s) ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE REFERÊNCIAS Ordenamento das referências Transcrição dos elementos Documentos monográficos referenciados na sua totalidade Documentos monográficos em meios eletrônicos referenciados na sua totalidade (internet) Parte de documentos monográficos Parte documentos monográficos em meios eletrônicos Referências de publicações periódicas Referências de artigo ou matéria de jornal Referências de eventos Referências de trabalho apresentado em evento Referências de documentos jurídicos Referências de documentos cartográficos Referências de imagem em movimento (filmes, DVD) REFERÊNCIAS

8 APRESENTAÇÃO O Manual para Elaboração e Normatização de Trabalhos Acadêmicos da Faculdade da Serra Gaúcha (FSG) visa a nortear o planejamento de orientação e execução de pesquisas que culminem na ordem metodológica e científica. Trata-se de um instrumental indispensável para o estudo e a pesquisa, independente da área de conhecimento, calcado na atualização das Normas Técnicas Nacionais - Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) e respeitoso às singularidades dos cursos que, a partir dos Projetos Pedagógicos, definem o formato dos Trabalhos de Conclusão de Curso - TCC e pesquisas internas às unidades curriculares. A equipe do Ensino Integrado acredita na necessidade do estabelecimento de padrões formais para a apresentação de trabalhos acadêmicos, refletindo na qualidade, na disponibilidade de pesquisas bem organizadas, na comunicação e no intercâmbio das informações geradas pela Faculdade da Serra Gaúcha.

9 INTRODUÇÃO Durante a vida acadêmica, o aluno elabora diversos tipos de trabalhos científicos, todos seguindo normas em vigor na Instituição que frequenta, baseados na Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). Desse modo, este manual visa a elucidar aos acadêmicos e Professores dos diferentes Cursos da Faculdade da Serra Gaúcha as normas vigentes, para a elaboração de trabalhos acadêmicos, com explicações acerca das exigências metodológicas e de formatação. Para melhor entendimento, o manual é dividido em capítulos para que o acadêmico, de maneira ágil e simples, possa encontrar as informações necessárias para sua produção acadêmica. Nesse sentido, o primeiro capítulo trata das normas de formatação e suas especificidades. O capítulo 2 diz respeito a citações de documentos impressos ou da internet. Por sua vez, no terceiro encontram-se as orientações para elaboração de trabalhos de disciplinas e atividades práticas supervisionadas (APS). No quarto capítulo, apresentam-se orientações sobre a estrutura e apresentação de relatórios técnicos e/ou científicos. O capítulo quinto discorre sobre a estrutura e apresentação de artigo científico. Ademais, o sexto trata da organização e apresentação do projeto de pesquisa. O sétimo aborda a estrutura e apresentação do trabalho de conclusão de curso (TCC). No último são apresentadas as orientações para elaboração de referências. Assim, este manual objetiva ainda a auxiliar o acadêmico em sua jornada em busca do conhecimento, quando da produção de textos científicos alinhados às normas vigentes.

10 10 1 NORMAS DE FORMATAÇÃO E APRESENTAÇÃO Apresentar trabalhos acadêmicos com qualidade exige também o cumprimento de regras de formatação e apresentação que são estabelecidas pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). Mesmo que a responsabilidade da organização do trabalho seja do(a) acadêmico(a), na NBR (ABNT, 2011) são definidas algumas regras gerais que estarão transcritas na sequência. Além disso, há que se ter o cuidado de conciliar a autonomia ao bom senso quando da elaboração do trabalho. 1.1 Tipo de papel e impressão Quanto ao formato, a NBR 14724:2011 estabelece que os textos apresentemse em papel branco, formato A4 (21 cm x 29,7 cm), digitados no anverso das folhas, impressos em cor preta (exceto outras cores quando de ilustrações). 1.2 Tamanho e tipo da letra (fonte) A ABNT não determina um tipo de letra específico. Por isso, recomenda-se o uso de um formato padrão para todo o trabalho, visando torná-lo bem estruturado e apresentado. Sobre o tamanho da fonte devem ser utilizadas as seguintes configurações: a) no corpo do texto 12 pt; b) nos títulos e subtítulos devem ter o mesmo do corpo do texto, ou seja, 12 pt; c) nas citações diretas longas, isto é, aquelas superiores a três linhas 10 pt; d) nas notas de rodapé 10 pt; e) nas legendas das ilustrações e tabelas que envolvem a sua identificação (título) e fonte bibliográfica 10 pt; Em relação ao uso de destaques tais como negrito 1 ou itálico nas palavras do corpo do texto, deve-se observar as seguintes recomendações: a) os títulos devem ser destacados em negrito e letra maiúscula; 1 Grifo nosso.

11 11 b) os subtítulos também devem ser destacados em negritos, mas em letra minúscula; b) as palavras ou pequenas frases podem ser negritadas, desde que seja colocado em nota de rodapé a observação grifo nosso; e c) a fonte itálico somente deve ser utilizado para as palavras latinas e de origem estrangeira ainda não aportuguesada. 1.3 Margens A apresentação estética do texto depende do uso adequado das margens, desta forma a ABNT recomenda que as folhas apresentem as seguintes margens: a) margem superior: 3,0 cm; b) margem inferior: 2,0 cm; c) margem esquerda: 3,0 cm; d) margem direita: 2,0 cm; 1.4 Parágrafos 3 cm 3 cm 2 cm 2 cm O parágrafo consiste na parte do texto que tem por finalidade expressar as etapas do raciocínio. (SEVERINO, 2000, p. 84). Quer dizer, é um recurso de muita importância no ordenamento e sequência do texto. Desse modo, deve ser utilizado da seguinte forma: a) o recuo de primeira linha do parágrafo pode ser de 1,25 cm (uma tabulação padrão) ou 2,5 cm (o importante é que todo o trabalho tenha o mesmo recuo) e texto justificado; e b) o recuo de parágrafo para citação direta longa (aquelas mais de três linhas) é de 4 cm e texto justificado. Outras orientações importantes: a) os subtítulos não podem aparecer como última linha de uma página; e b) os parágrafos são diferentes de frases. Normalmente são constituídos por mais de uma frase.

12 Alinhamentos Referente ao alinhamento dos trabalhos acadêmicos, orienta-se: a) o texto deve estar justificado; b) os títulos e subtítulos com numeração devem estar alinhados à esquerda e separados do seu numeral por um único espaço de caractere. Quer dizer, não se utilizam ponto, hífen, travessão ou qualquer sinal entre a numeração e o título e subtítulo; Exemplo de títulos e subtítulos com indicativo numérico: 1 INTRODUÇÃO 2 DESENVOLVIMENTO 2.1 As influências da cultura nos processos de saúde Quando o título tem Número, deve estar alinhado à esquerda. c) os títulos sem numeração como errata, agradecimentos, lista de ilustrações, lista de abreviaturas e siglas, lista de símbolos, resumo, abstract, sumário, referências, glossário, apêndice(s), anexo(s) e índice(s) não recebem indicativo numérico e devem ser centralizados. Quando o título NÃO tem Número, deve estar CENTRALIZADO. SUMÁRIO REFERÊNCIAS 1.6 Espacejamento Para uma melhor apresentação do texto, bem como para a sua reprodução e encadernação, recomenda-se observar o seguinte espacejamento: a) no parágrafo, ou seja, no corpo do texto, o espacejamento entrelinhas é de 1,5 (utilizar a opção de formatação de parágrafo); b) nas citações diretas longas (aquelas com mais de três linhas), notas de rodapé, resumo, abstract e texto que apresenta a natureza do trabalho na folha de rosto o espacejamento é simples;

13 13 c) nas tabelas, figuras ou quadros, deve-se deixar uma linha em antes das ilustrações e outra depois da legenda; d) nas legendas de ilustrações e tabelas o espacejamento também é simples; e) nos títulos com ou sem numeração, deve-se separá-los do texto que os sucede por duas linhas em branco. Além disso, eles devem começar sempre em nova folha; f) nos subtítulos, o espacejamento com o texto que os precede ou que os sucede é de uma linha em branco; g) nas referências no final de cada trabalho, o espaço é simples e separado uma da outra por uma linha em branco; h) na folha de rosto, o pequeno texto que apresenta a natureza do trabalho, o objetivo, o nome da instituição e o curso a que é submetida também deve ser digitado em espaço simples, alinhado e justificado do meio da folha para a margem direita. Outras orientações importantes: a) no corpo do texto, não deixar espaço em branco entre um parágrafo e outro; b) na página de agradecimentos, dedicatória e epígrafe, quando colocadas no trabalho, sua apresentação e formatação são de liberdade do seu autor. 1.7 Paginação Nos trabalhos acadêmicos, todas as páginas são contadas. No entanto, as folhas pré-textuais como folha de rosto, errata, folha de aprovação, dedicatória, agradecimento, epígrafe, resumo em língua vernácula e estrangeira, listas e sumário devem ser contadas sequencialmente, porém não são numeradas. Desse modo, a numeração das páginas começa a ser colocada a partir da parte textual, ou seja, da introdução até o final do trabalho incluindo referências, anexos e apêndices. A numeração é feita em algarismos arábicos, devendo aparecer no canto superior direito da folha a 2cm da borda superior e da borda direita da folha.

14 Numeração dos títulos e subtítulos A sistematização dos conteúdos nos trabalhos acadêmicos segue a numeração progressiva para as seções do texto. Quer dizer, quando se fala de seções, está se falando de títulos e subtítulos. Assim, os títulos são entendidos como seções primárias [1, 2, 3] e que podem ser divididos e subdivididos em outros subtítulos, chamados de seções secundárias 1.1, terciárias 1.1.1, quaternárias [ ] e quinárias Em síntese, em qualquer trabalho acadêmico os títulos são definidos como seção primária e devem ser digitados alinhados à esquerda, com fonte tamanho 12, negrito e em maiúscula. Os subtítulos, definidos de seções binárias até quinárias, devem ser digitados também com fonte tamanho 12, alinhados à margem esquerda, com a primeira letra maiúscula, utilizando o recurso negrito, como segue no exemplo: 1 TÍTULO 1.1 Subtítulo Seção terciária (divisão do subtítulo) Seção quaternária (outra subdivisão) Seção quinaria (outra divisão da subdivisão) Quadro 1: Numeração dos títulos e subtítulos Fonte: NBR 6024 (ABNT, 2003) 1.9 Alíneas De um modo geral, o texto acadêmico é construído com parágrafos bem elaborados e com a ideia bem desenvolvida. Por isso, deve-se ter o cuidado para não fragmentá-las. Quando houver a necessidade da organizá-las em itens, a NBR 6024 (ABNT, 2003) recomenda o uso da alínea, a qual deve ser indicada por uma letra do alfabeto em minúscula seguida de parênteses. Assim, a alínea pode ser utilizada quando é necessário enumerar vários assuntos de uma seção em que não há título. A sua ordenação gráfica deve seguir as seguintes regras: a) o final do texto anterior à primeira alínea termina com dois pontos;

15 15 b) as alíneas 2 seguem ordenação alfabética; c) as letras de indicação das alíneas são reentradas com o mesmo espaço de parágrafo em relação à margem esquerda; d) o texto de cada alínea começa com letra minúscula e termina em ponto-evírgula, com exceção da última que deve terminar em ponto; nas situações em que se seguem subalíneas; e) a segunda e demais linhas do texto da alínea devem começar sob a primeira letra do texto da própria alínea; f) as alíneas também podem ser subdivididas em subalíneas, quando a exposição de uma ideia assim o exigir. Sua disposição gráfica deve seguir as seguintes regras: - começar por um hífen [-], colocado sob a primeira letra do texto da alínea correspondente; - o hífen e o início do texto são separados apenas por um espaço; - a segunda e as demais começam sob a primeira letra do texto das alíneas; - a pontuação final das subalíneas também é o ponto-e-vírgula, com exceção da última que termina em ponto; e g) o espacejamento das alíneas e subalíneas são os mesmos do corpo do texto, ou seja, espaço 1, Figuras ou ilustrações Na construção do trabalho acadêmico é corriqueiro o uso de figuras, quadros e tabelas. No entanto, deve-se ter o cuidado na sua apresentação, pois são situações diferentes. As tabelas seguem as normas estabelecidas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE, 1993), que estão descritas no próximo subtítulo. Quanto a quadros e demais figuras ou ilustrações, as orientações estão na NBR (ABNT, 2011), a qual define como figura ou ilustrações desenhos, fluxogramas, organogramas, diagramas, gráficos, mapas, fotografias, quadros, esquemas, plantas, retratos, e outros elementos que são utilizados como complementos ao texto do trabalho científico. Considerando que gráficos são bastante utilizados, segue um exemplo: 2 A descrição explicativa das alíneas já é um exemplo de como elas devem ser formatadas.

16 16 Gráfico 1: Participação dos acadêmicos no processo de avaliação Fonte: FSG (2009) Os quadros consistem em informações textuais sistematizadas de forma clara e objetiva, ou seja, dados qualitativos organizados para melhor visualização, conforme exemplo: Ex. 1º) Ideia do Tema 2º) Formalização 3º Tema definido 1 Contabilidade gerencial. A contabilidade gerencial nas pequenas e médias empresas. A contabilidade gerencial como instrumento para a tomada de decisão das pequenas e médias empresas na cidade de Flores da Cunha RS. 2 Princípios contábeis. Princípios fundamentais de contabilidade. 3 Importação A importação e a questão fiscal 4 Contabilidade rural Os benefícios que a Contabilidade traz para o Pequeno Produtor Rural Quadro1: Etapas para a delimitação do tema Fonte: Berlatto (2010, p. 7) Princípios fundamentais de contabilidade e o conflito com a legislação tributária do Rio Grande do Sul. Os impactos da tributação nas importações para o Brasil: um estudo de caso... A contabilidade como ferramenta de gestão para as pequenas empresas rurais. A contabilidade rural: Análise de uma pequena empresa de Caxias do Sul.

17 17 Assim, ilustrações, gráficos e quadros devem ser identificados na parte inferior precedido da palavra figura, gráfico ou quadro por extenso, seguida de seu número de ordem de ocorrência no texto em algarismos arábicos [Figura 1: Título, Figura 2: Título ou Quadro 1: Título, Quadro: 2: Título ou Gráfico 1: Título, Gráfico 2: Título], do respectivo título e/ou legenda explicativa da fonte. No entanto, as legendas devem ser breves e claras, dispensando consulta ao texto e ser inseridas o mais próximo possível do trecho a que se referem. Exemplo: Figura 1: Identificação institucional para trabalhos acadêmicos Fonte: Assessoria de Comunicação Quanto à formatação e apresentação, as ilustrações, os gráficos e quadros devem seguir as mesmas dimensões e margens do texto, isto é, devem aparecer centralizadas na folha ou dispostas no mesmo espaçamento do texto. Quando for uma planta, desenho técnico ou mapa que necessita outro formato de papel deve ser dobrado nas dimensões das folhas do trabalho Tabelas A tabela consiste numa forma não discursiva de apresentar informações das quais o dado numérico se destaca como informação central. (ABNT, NBR 15287, 2011, p. 3). Em outros termos, apresentam informações organizadas estatisticamente e devem ser apresentadas de acordo com as Normas de Apresentação Tabular do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Desse modo, os dados nas tabelas devem ser apresentados de forma resumida e precisa, oferecendo uma visão completa da situação apresentada. De um modo geral, as tabelas constituem-se dos seguintes elementos:

18 18 a) pelo título ou legenda que a precede e contém a identificação numérica da própria tabela, o fenômeno que está sendo descrito, o local onde o evento ocorreu e a época da observação; b) pelo cabeçalho que é a parte superior em que são especificados os conteúdos das colunas; c) pelo corpo da tabela que é o espaço no qual são colocadas as informações ou dados estatísticos sobre o fenômeno observado; e d) pela fonte que indica a entidade responsável pelo levantamento ou publicação dos dados e o ano da publicação. Tabela 1 Rendimento Médio Real - a preços de Janeiro de Região Metropolitana : Porto Alegre Idade Mínima: 10 anos Pesquisa Mensal de Emprego - PME Especificação Estimativas - em reais Habitualmente Recebido por Mês - Trab. Principal jan/09 dez/09 jan/10 Pessoas Ocupadas(*) 1.298, , ,90 Empregados no Setor Privado(**) 1.059, , ,60 Empregados no Setor Público 2.436, , ,50 Posição na Ocupação - Setor Privado(*) - Trab. Principal Empregados com Carteira de Trabalho Assinada(***) 1.119, , ,00 Empregados sem Carteira de Trabalho Assinada(**) 801,72 854,00 850,80 Conta Própria 1.117, , ,40 Efetivamente Recebido no Mês de Referência - Trab.Principal dez/08 nov/09 dez/09 Pessoas Ocupadas(*) 1.611, , ,47 Empregados no Setor Privado(**) 1.371, , ,14 Empregados no Setor Público 3.472, , ,23 Posição na Ocupação - Setor Privado - Trab. Principal Empregados com Carteira de Trabalho Assinada(***) 1.498, , ,80 Empregados sem Carteira de Trabalho Assinada(**) 826,76 837,25 883,16 Conta Própria 1.116, , ,29 (*) Exclusive Trabalhadores Não Remunerados (**) Exclusive Trabalhadores Domésticos e Trabalhadores Não Remunerados de Membro da Unidade Domiciliar que era Empregado (***) Exclusive Trabalhadores Domésticos Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Indústria (2010)

19 Siglas As siglas podem ser utilizadas para amenizar o texto. No entanto, quando a expressão aparece pela primeira vez, deve ser escrita por extenso seguida da sigla entre parênteses. demais situações, devem ser usadas apenas as siglas. Exemplos: a) Faculdade da Serra Gaúcha (FSG); b) Conselho Regional de Contabilidade (CRC); c) Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE); e d) Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) Equações e fórmulas Nos trabalhos acadêmicos também são utilizadas muitas equações e fórmulas. A NBR (ABNT, 2011) recomenda que elas devam ser: a) colocadas na sequência normal do texto; b) destacdas por meio do uso de uma entrelinha maior que comporte seus expoentes, índices e outros; e c) numeradas com algarismos arábicos entre parênteses, alinhados à direita. Exemplo: X²+y²=z² (x²+y²)/5=n (1) (2) 1.14 Orientações textuais Há também regras referentes à linguagem para a elaboração do texto científico. Esta deve ser apresentada de maneira clara, concisa, coesa e coerente, assim como estar de acordo com as normas gramaticais, evitando exageros estilísticos. A clareza é construída a partir do emprego de um vocabulário simples, da elaboração de frases mais curtas e em ordem direta (sujeito, predicado e complementos), evitando-se a prolixidade e as repetições desnecessárias. Enfatize-se igualmente que o texto científico NÃO é uma mera cópia do que foi exposto pelos autores em seus textos originais. Portanto, elaboram-se paráfrases, ou seja, frases elaboradas com as próprias palavras do(a) acadêmico(a)

20 20 que requerem a habilidade em interpretar a informação dada e reescrevê-la de outra forma, respeitando as ideias originais do texto-fonte. Para a sua elaboração, utilizam-se construções e vocabulário distintos dos apresentados pelo autor pesquisado e, quando necessário, utilizam-se também citações para justificar e complementar as ideias desenvolvidas.

21 21 2 CITAÇÕES DE DOCUMENTOS IMPRESSOS OU DA INTERNET 3 A NBR (ABNT, 2002, p. 1) define citação como sendo a menção de uma informação extraída de outra fonte. Podem ser classificadas em diretas, aquelas em que ocorre a transcrição textual de um fragmento da obra do autor que está sendo consultado; indiretas, aquelas na qual o acadêmico está parafraseando as ideias do texto consultado; e citação de citação, quando o autor não tem acesso ao texto original e embasa-se em texto trazido por outro autor para agregar à sua produção intelectual. As normas sobre citações para o corpo do texto independem do documento que foram retiradas (livro e revista impressos ou artigos, revistas, periódicos, livros e outros documentos online, ou seja, da internet). 4 O que muda são as referências completas descritas no final do trabalho e que são tratadas na última parte deste manual. Nesse sentido, as informações que devem ser colocadas ao se citar um documento no corpo do texto são o último sobrenome do autor ou o nome da Instituição autora, ano e quando se tratar de citação direta acrescenta-se a página. Quando o documento não tem autoria explícita deve ser referenciado pela primeira letra do título do documento. Na sequência do texto são apresentadas as orientações de forma mais detalhada. A ABNT estabelece dois modos para se elaborar as citações: sistema autordata e sistema numérico. 2.1 Sistema autor-data Neste sistema, a indicação da fonte é realizada no corpo do texto pelo último sobrenome de cada autor, seguido da data de publicação do documento e da página, quando se tratar de citação direta. Na sequência, apresenta-se os diferentes modelos de citação no sistema autor-data que podem ser utilizados nos trabalhos acadêmicos. 3 Ressalta-se que no texto não há diferença no corpo do texto entre documentos impressos e online. A diferença se dá na lista de referências. 4 Grifo nosso.

22 Citações diretas Nas citações diretas deve-se descrever o último sobrenome que pode estar fora ou dentro dos parênteses (como nos exemplos abaixo); a data da publicação e a página sempre dentro dos parênteses. Quando a parte copiada é menor de três linhas, deve estar entre aspas duplas e continuar no texto. Exemplo 1: Padoveze (2009, p. 205) descreve que os indicadores econômico-financeiros são os elementos que tradicionalmente representam o conceito de análise de balanço. Exemplo 2: Analisando os indicadores econômico-financeiros, Padoveze (2009, p. 205) afirma que eles são os elementos que tradicionalmente representam o conceito de análise de balanço. Exemplo 3: De um modo geral, os indicadores econômico-financeiros são os elementos que tradicionalmente representam o conceito de análise de balanço. (PADOVEZE, 2009, p. 205). Quando a citação tem mais de três linhas deve ser recuada a 4 cm da margem esquerda. Além disso, deve-se reduzir a fonte para o tamanho 10, não devendo apresentar aspas. Exemplo 1: Exemplo 2: Os indicadores econômico-financeiros são os elementos que tradicionalmente representam o conceito de análise de balanço. São cálculos matemáticos efetuados a partir do balanço patrimonial e da demonstração de resultados, procurando números que ajudem no processo de clarificação do entendimento da situação da empresa, em seus aspectos patrimoniais, financeiros e de rentabilidade. (PADOVEZE, 2009, p. 205). Por outro lado, Padoveze (2009, p. 205) descreve que: Os indicadores econômico-financeiros são os elementos que tradicionalmente representam o conceito de análise de balanço. São

23 23 cálculos matemáticos efetuados a partir do balanço patrimonial e da demonstração de resultados, procurando números que ajudem no processo de clarificação do entendimento da situação da empresa, em seus aspectos patrimoniais, financeiros e de rentabilidade. Exemplo 3 (com Instituição como autora): No texto: As principais estratégias que contribuíram para o aumento de arrecadação durante o ano de 1990 foram: Retenção de todos os ativos financeiros e tributação desses ativos através do IOF, cuja arrecadação passou de 0,15%, em 1989, para 1,30% do PIB, em 1990; Permissão para pagamento de tributos atrasados com os cruzados novos retidos o que induziu a um grande número de contribuintes a acertar as contas com o Fisco. (RECEITA FEDERAL, 2010, p.1) Na Lista de referências: RECEITA FEDERAL. Principais Fatos que Influenciaram a Arrecadação dos Impostos e Contribuições Federais Administrados pela RFB (1990 a 2001). Disponível em: < Acesso em: 10 jan A NBR estabelece ainda a possibilidade de se realizar supressões em trechos citados, isto é, quando alguma parte da frase que está sendo copiada não interessa, não é necessário copiar. Para tanto, deve-se substituir o texto suprimido por três pontos entre colchetes. Em outros termos, quando se faz uma citação direta longa, é possível suprimir as partes do texto que não tem relação com a discussão que está sendo construída. Segue o exemplo: O senso comum é indisciplinar e imetódico: não resulta de uma prática especificamente orientada para o produzir, reproduz-se espontaneamente no suceder quotidiano da vida. [...] aceita o que existe tal como existe; privilegia a acção que não produza rupturas significativas no real. Por último, o senso comum é retórico e metafórico; não ensina, persuade. (SANTOS, 1989, p. 55).

24 24 Também é possível enfatizar trechos de citação, para isso deve-se destacálos, indicando a alteração com a expressão grifo nosso entre parênteses, após a chamada da citação, ou grifo do autor, caso o destaque já faça parte da obra consultada. Exemplos: O lucro contábil enfatiza a objetividade é e muito pobre no que diz respeito ao atendimento das necessidades informativas dos gestores, pois fundamenta-se em regras e critérios dogmáticos. Corresponde ao resíduo oriundo do confronto entre a receita realizada e o custo consumido. (SOUZA, 2007, p. 85, grifo do autor). O controle interno compreende também a Contabilidade, com seu plano de contas, manual de procedimentos, sistema de registros e auditoria interna, bem como todos os meios por ela utilizados para controlar as operações registradas: não se cinge, porém, apenas a esses elementos de natureza contábil, mas abrange todos os sistemas e métodos colocados à disposição da Administração para que esta possa obter informações e conferi-las com segurança a respeito do patrimônio e das atividades da entidade. (FRANCO, 2006, p. 220, grifo nosso). 2.2 Citações indiretas As citações indiretas são também conhecidas como citações livres ou paráfrases. Ou seja, são aquelas em que o pesquisador vai trabalhando as ideias de outro autor com suas próprias palavras. No entanto, continua a responsabilidade em se deixar claro a fonte de onde se retirou a idéia. Por isso, é necessário citar apenas o último sobrenome do autor e o ano. Exemplos: Na visão de Santos (1989), o senso comum produz densas rupturas na realidade, e em verdade mais persuade que ensina. De um modo geral, o senso comum produz densas rupturas na realidade, e em verdade mais persuade que ensina (SANTOS, 1989).

25 Citações diretas e indiretas com dois autores ou três autores Independente se for citação direta ou indireta, quando forem dois ou três autores 5, a obra deve ser citada da seguinte maneira: Exemplos de citações indiretas com dois ou três autores: Ao analisar as características das ciências, Iudícibus e Marion (2008) apontam que a contabilidade não integra o rol das ciências exatas, e sim das ciências sociais. Analisando as características das ciências, a contabilidade integra o rola das ciências sociais e não das ciências exatas (IUDÍCIBUS; MARION, 2008). Exemplos de citações diretas com dois ou três autores: A contabilidade não é uma ciência exata. Ela é uma ciência social, pois é a ação humana que gera e modifica o fenômeno patrimonial. Todavia, a Contabilidade utiliza os métodos quantitativos (matemática e estatística) como sua principal ferramenta. (IUDÍCIBUS; MARION, 2008, p. 35). Referindo-se à Escola Administrativa ou Lombarda, Schmidt e Santos (2008, p. 38) trazem importantes informações acerca de seu nascedouro: A Escola Administrativa surgiu em 1840, quando Francesco Villa escreveu o livro La contabilitá applicata alle amministrazioni private e pubbliche; iniciava-se, assim, o período científico da Contabilidade. Os principais pensadores dessa escola foram Francesco Villa e Antonio Tonzig, o primeiro professor de Contabilidade. Seguindo as explicações, os autores esclarecem os motivadores de seu aparecimento: O fator propulsor desse movimento contábil foi a conexão entre os elementos contabilísticos, principalmente técnicos e doutrinários, e elementos econômico-administrativos. Essa ligação ocorreu através da inclusão na Contabilidade de fatores econômicos de produção e de consumo que faziam parte da gestão das entidades, como forma de melhor qualificar a informação sobre essa gestão. (SCHMIDT; SANTOS 2008, p. 39). 5 Grifo nosso.

26 Citações diretas e indiretas com mais de três autores Para citação de obra com mais de três autores 6, utiliza-se somente um deles e o termo et al. que significa e outros. Exemplos: - no texto; Bastos et al. (2001) (SZUSTER et al., 2009, p.103). Quanto ao uso de maiúsculas ao longo do texto, segundo Bastos et al. (1979) é recomendável a adoção das normas provenientes da Academia Brasileira de Letras. A realização do balanço patrimonial tem como objetivo mostrar a posição financeira de determinada empresa em um momento específico e informar a capacidade de geração dos fluxos futuros de caixa. (SZUSTER et al., 2009, p. 103). - nas referências; SZUSTER, Natan et al. Contabilidade geral: introdução à contabilidade societária. 2. ed. São Paulo: Atlas, Citação de citação Com relação à citação de citação, utiliza-se quando o autor não pode consultar o documento original, fazendo a reprodução textual ou da ideia de um autor já citada numa outra obra. No entanto, deve-se ter o cuidado para não fazer prevalecer tal modalidade de citação no corpo do trabalho, e na medida do possível, buscar a fonte original e citá-la. Para tanto, utiliza-se a expressão latina apud (que tem o mesmo sentido de citado por, conforme, de acordo com, segundo) é que identifica a citação de citação e pode ser usada tanto no texto como em notas de rodapé. A digitação começa com o sobrenome do autor original e ano (se for direta, coloca-se também a página) seguida da expressão apud e do sobrenome do autor 6 Grifo nosso.

27 27 que fez a citação e demais complementos (ano e página) de acordo com o tipo de citação. Exemplos: A pesquisa ação pode ser definida como: [...] um tipo de pesquisa com base empírica que é concebida e realizada em estreita associação com uma ação ou com a resolução de um problema coletivo e no qual os pesquisadores e participantes representativos da situação ou do problema estão envolvidos de modo cooperativo ou participativo. (THIOLLENT apud GIL, 2007, p. 55). Em relação ao Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), Neves (apud SILVA, 2008, p. 105) aponta que pode ser considerado contribuinte qualquer estabelecimento de importador, industrial ou comerciante, em relação a cada fato gerador que decorra de ato que praticar e cada estabelecimento que tem a sua autonomia, seja matriz, sucursal, filial, agência. 2.6 Citações de leis e outros atos normativos 7 O desenvolvimento de trabalhos acadêmicos e pesquisas também exige a análise de muitas leis e atos normativos. Na norma da ABNT que trata das citações não há uma orientação clara sobre essa questão. As orientações que seguem serão descritas a partir da tradição seguida no âmbito jurídico. Exemplo 1: - no texto - quando estiver fazendo referência a aspectos gerais da lei. A Lei nº /07 também estende às sociedades de grande porte disposições relativas à elaboração e divulgação de demonstrações financeiras. - nas referências; LEI Nº , DE 28 DE DEZEMBRO DE Disponível em: 7 Recomenda-se fazer uso de sites oficiais, nos quais as leis e atos normativos estão sempre atualizados.

28 28 <https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato /2007/lei/l11638.htm>. Acesso em: 22 mar Exemplo 2: - no texto com citação direta - quando estiver fazendo referência a um artigo da lei. O Balanço Social é definido como: o documento pelo qual as empresas e demais entidades apresentam dados que permitam identificar o perfil da sua atuação social durante o exercício, a qualidade de suas relações com os empregados, o cumprimento das cláusulas sociais, a participação dos empregados nos resultados econômicos e as possibilidades de desenvolvimento pessoal, bem como a forma de interação das empresas e de mais entidades com a comunidade e sua relação com o meio ambiente. (LEI /2000, Art. 2º). - nas referências; ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Lei Nº , de 18 de janeiro de Disponível em: <http://www.al.rs.gov.br/legiscomp/arquivo.asp?rotulo=lei nº 11440&idNorma=219&tipo=pdf>. Acesso em: 15 mar Exemplo 3: - no texto; O Art. 7º, V da Lei nº /06 define como violência moral contra a mulher a qualquer conduta que configure calúnia, difamação ou injúria. - nas referências; LEI Nº , DE 07 DE AGOSTO DE Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato /2006/lei/l11340.htm>. Acesso em: 12 abr Citações de documentos sem autoria explícita Normalmente os textos têm como autoria pessoas físicas ou uma instituição ou organização. No entanto, quanto não há autoria explícita ele deve ser citado pela primeira palavra do título como segue nos exemplos.

29 29 Exemplo 1: No texto: As Instituições de Ensino Superior implementarão mecanismos democráticos, legítimos e transparentes de avaliação sistemática das suas atividades, levando em conta seus objetivos institucionais e seus compromissos para com a sociedade. (ANTEPROJETO..., 1987, p. 55). Na lista de referências: ANTEPROJETO de lei. Estudos e Debates, Brasília, DF, n. 13, p , jan Exemplo 2: Em relação ao uso do saldo do FGTS: Na lista de referências: O trabalhador interessado em usar o saldo da conta vinculada deve procurar a administradora de seu consórcio. A novidade reforça outros dois serviços ligados à aquisição de imóveis: usar o saldo da conta do FGTS para complementar a carta de crédito e para composição de lance. Para essas modalidades, as regras são as mesmas. (TRABALHADORES..., 2010, s.p.). TRABALHADORES poderão usar FGTS para pagar consórcios imobiliários. Zero Hora.Com. Disponível em: es-poderao-usar-fgts-para-pagar-consorcios-imobiliarios-a-partir-destaquinta.html. Acesso em: 17 mar Citações de informações obtidas verbalmente É possível fazer citação de informações obtidas verbalmente de aulas, palestras, debates, comunicações. Dentro dos parênteses deve ser descrito o termo: informação verbal e, em nota de rodapé, acrescentar os demais dados disponíveis. Exemplo: No texto: O percentual de crescimento da FSG no primeiro semestre de 2010 em relação ao segundo semestre de 2009 foi 13,5% (informação verbal)¹.

30 30 No rodapé da página: ¹ Dado fornecido pelo Diretor João Dal Bello na apresentação do Planejamento Estratégico da FSG para 2010, em Caxias do Sul, em março de Sistema numérico No sistema numérico de indicação das citações, deve-se indicar a fonte por meio de uma numeração única e consecutiva, em algarismos arábicos. Se a numeração for feita para todo o trabalho, a lista de referências completas deve ser colocada no final do trabalho; caso seja organizada por capítulo ou parte, a lista de referências completas deve ser colocada no final do capítulo ou parte. Devese ter o cuidado para não iniciar a numeração das citações a cada página. A NBR (2002) determina que, quando há notas de rodapé em um trabalho, não se deve fazer uso do sistema numérico. Assim, como em boa parte dos trabalhos acadêmicos é necessário fazer alguma nota de rodapé, recomendase o uso dos demais sistemas 8. A indicação da numeração é colocada após a pontuação que fecha a citação e pode ser colocada entre parênteses, alinhada ao texto, ou em forma de expoente. Exemplo 1: Em todo projeto de pesquisa que se desenvolve, faz-se necessário a utilização de inúmeras técnicas para a obtenção dos dados. Define-se como técnica o [...] conjunto de preceitos ou processos de que se serve uma ciência ou arte [...] (1) Exemplo 2: Na pesquisa qualitativa, os processos de coleta de dados combinam-se, pois conforme o processo de pesquisa [...] vai avançando e mais entrevistas vão sendo conduzidas, há a tendência de o pesquisador direcionar certos tópicos. Isso porque o entrevistador vai identificando padrões nos dados e 8 Grifo nosso.

31 31 tende a querer explorá-los em certas direções Notas de rodapé As notas de rodapé consistem em indicações, observações ou aditamentos ao texto feitos pelo seu autor, tradutor ou editor. Podem ser colocadas nos trabalhos acadêmicos com o objetivo de esclarecer ou inserir considerações complementares, cujas inclusões no texto normal interromperiam a sequência lógica da leitura. Devem ser digitadas na mesma página da indicação, dentro das margens, separadas do texto por um traço de aproximadamente 3 cm a partir da margem esquerda, o texto das notas de rodapé deve ser digitado com a fonte 10 e com espacejamento simples entre as linhas. As notas de rodapé são numeradas por algarismos arábicos [¹], devendo ter numeração única e consecutiva para cada capítulo ou parte do trabalho acadêmico. Quando uma nota tiver mais de uma linha ou numa página houver duas notas ou mais, a segunda e demais linhas devem ser colocadas alinhadas, abaixo da primeira letra da primeira linha para que o expoente [¹] seja destacado. Também não se deixa espaço ou linha em branco entre as notas numa mesma página. De acordo com a NBR (2002), as notas de rodapé podem ser de referência ou explicativas Notas de referência As notas de referência são utilizadas para indicar a fonte da qual foi tirada uma citação. Esse tipo de referência é muito utilizado em algumas áreas do conhecimento: o Direito é uma delas. Quando se faz citação de uma obra, deve-se colocar a referência completa na nota de rodapé. No entanto, nas referências subsequentes de uma mesma obra, a NRR (2002) abre a possibilidade de serem referenciadas de forma abreviada, utilizando-se expressões latinas por extenso ou abreviadas. De um modo geral, as notas de referências podem ser apresentadas nos seguintes modelos: a) com todas as informações da obra citada;

32 32 Exemplo: No rodapé da página 5 SANTOS, Boaventura de Sousa. Um discurso sobre as ciências. 3. ed. São Paulo: Cortez, b) nas citações subsequentes numa mesma página, - idem do mesmo autor Id. (forma abreviada); Exemplo: 6 DEMO, Pedro. Metodologia do conhecimento científico. São Paulo: Atlas, p Idem ou Id., ibidem - da mesma obra ibid. (forma abreviada); Exemplo: 8 CÓDIGO DE CONDUTA DA AESUL, 2006, p Ibidem ou Ibid., p opus citatum, opere citado obra citada op. cit. (forma abreviada); Exemplo: 10 KUHN, Thomas S. A estrutura das revoluções científicas. 9. ed. São Paulo: Perspectiva, CÓDIGO DE CONDUTA DA AESUL, 2006, p KUHN, op. cit., p confira, confronte Cf.. Exemplo: 13 Cf. GIL, c) outras abreviações que podem estar presentes em todo o trabalho, - sequentia seguinte ou que se segue et seq.; Exemplo: 14 MARCONI; LAKATOS, 2006, p. 262 et seq. - passim aqui e ali, em diversas passagens passim; Exemplo: 15 MARCONI; LAKATOS, 2006, passim.

33 33 - loco citado no lugar citado loc. cit.; Exemplo: 16 BRANDÃO; STRECK, 2006, p BRANDÃO; STRECK, 2006, p. loc. cit. - apud citado por, conforme, segundo apud, esta expressão pode ser usada tanto nas notas de rodapé como no texto. Exemplo: - no texto; As tabelas visam a [...] ajudar o investigador para que distinga semelhanças, diferenças e relações [...] (ANDER-EGG, 1978, p. 150 apud MARCONI; LAKATOS, 2006, p. 199). Segundo Schein (1972 apud ROESCH, 2007), os modelos de consultoria [...] - na nota de rodapé. 18 ANDER-EGG, 1978, p. 150 apud MARCONI; LAKATOS, 2006, p SCHEIN 1972 apud ROESCH, Notas explicativas As notas explicativas são utilizadas para apresentar comentários, esclarecimentos ou observações pessoais do autor e/ ou informações obtidas por meio de terceiros. Exemplo: - no texto; A pesquisa-ação tem causado algumas controvérsias pelo fato de exigir envolvimento ativo do pesquisador e ações dos sujeitos envolvidos no problema de pesquisa 20.

34 34 - na nota de rodapé. 20 Sobre pesquisa-ação, ver também Thiollent, 2004.

35 35 3 ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHOS DE DISCIPLINAS E ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS (APS) No processo de formação acadêmica, é corriqueira a elaboração de diferentes tipos de trabalhos. Entretanto, praticamente todas as disciplinas exigem a elaboração de um processo investigativo e posterior organização textual referente a um assunto específico chamada de Atividade Prática Supervisionada 9, como complemento de estudo da disciplina e como uma das formas de avaliação. Nesse sentido, os trabalhos devem ser elaborados de forma organizada e sistematizada. De acordo com os procedimentos técnicos que serão utilizados na sua construção, eles podem ser: a) uma investigação temática a partir de relatos de experiência, pesquisa de campo, estudos de caso etc.; e b) de revisão, que consiste numa investigação que resume, analisa e discute informações já publicadas. Quanto à estrutura de apresentação, recomenda-se três modalidades: uma primeira (conforme exemplo 1) com capa, sumário, introdução, capítulos do desenvolvimento, considerações finais, referências, anexos e apêndices para aquelas investigações mais amplas; uma segunda com cabeçalho padrão (conforme exemplo 2) para aquelas investigações mais sucintas, como uma síntese de uma temática específica com até duas páginas e um terceiro exemplo para as atividades práticas supervisionadas (APS). 3.1 Investigação mais ampla Compreende-se por uma investigação mais ampla aqueles trabalhos em que os acadêmicos fazem uma fundamentação teórica sobre uma determinada realidade e também observam essa realidade, ou fazem alguma observação, ou estudo de caso. Exemplo 1: a) capa da primeira modalidade; 9 Grifo nosso.

36 36 Curso de... Disciplina: Nome do Aluno TÍTULO DO TRABALHO Caxias do Sul Ano c) o sumário deve indicar as principais subdivisões e a página; SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS UTILIZADOS APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DE DADOS CONCLUSÕES OU CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS ANEXOS APÊNDICES d) a introdução deve apresentar e contextualizar o tema, apontando os objetivos, justificando e descrevendo como o trabalho está organizado. Ela deve iniciar numa nova página; [3cm de margem superior] 1 INTRODUÇÃO [duas linhas brancas até o início do texto]

37 37 e) o desenvolvimento pode ser feito com um texto único ou dividido em capítulos, contendo: a fundamentação teórica, a descrição do contexto, análise crítica fundamentada em argumentos precisos, objetivos, enunciação dos resultados, apresentação de propostas, etc. Quando o desenvolvimento estiver dividido em capítulos, cada um deles deve começar em nova página, [3cm de margem superior] 2 DESENVOLVIMENTO [duas linhas brancas até o início do texto] Obs. na opção pelo texto único deve-se trabalhar todos os pontos do desenvolvimento em sequência. f) ou dividindo o desenvolvimento em capítulos separados; [3cm de margem superior] 2 PROSPECÇÃO DE MERCADOS INTERNACIONAIS DE SERVIÇOS [duas linhas brancas até o início do texto] 2.1 Os serviços no mercado internacional 2.2 Principais dificuldades enfrentadas g) em todos os trabalhos é importante colocar os procedimentos metodológicos utilizados na sua elaboração; [3cm de margem superior] 3 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS [duas linhas brancas até o início do texto]

38 38 h) a parte da análise e interpretação dos dados é extremamente importante, visto que é o momento em que o(a) acadêmico(a) faz as relações de todo o processo investigativo realizado; [3cm de margem superior] 3 ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DE DADOS [duas linhas brancas até o início do texto] i) na conclusão deve-se fazer o resgate do que foi trabalhado, apontando sugestões. Na conclusão não se deve introduzir elementos novos, apenas retomar o que já foi explicado na introdução e no desenvolvimento, acrescentando-se, é claro, as conclusões decorrentes dos fatos observados; [3cm de margem superior] 5 CONCLUSÕES OU CONSIDERAÇÕES FINAIS [duas linhas brancas até o início do texto] j) nas referências devem ser indicados todos os documentos utilizados; As referências devem ser organizadas e apresentadas em ordem alfabética, com todos os elementos essenciais e complementares em sequência padronizada. Quer dizer, a colocação da edição, por exemplo, coloca-se a partir da segunda. As referências devem ser digitadas em espaçamento simples, alinhadas somente na margem esquerda do texto e separadas umas da outras por uma linha em branco. Os títulos devem ser destacados em negrito, exceto as obras sem indicação de autoria, em que o primeiro elemento é

39 39 o próprio título, no qual a primeira palavra deve ser digitada em letra maiúscula. As demais orientações e exemplos são encontrados no capítulo sobre elaboração de referências. Exemplo: [3cm de margem superior] REFERÊNCIAS [duas linhas brancas até o início do texto] DEMO, Pedro. Metodologia do conhecimento científico. São Paulo: Atlas, GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, k) no apêndice são colocados materiais elaborados pelo(a) acadêmico(a), tais como: questionários, fotografias tiradas pelo pesquisador, roteiros de entrevistas, formulários, roteiros de observação, diagramas, fluxogramas. Os apêndices são identificados por letras maiúsculas consecutivas e com seu respectivo título na própria folha. Caso não seja possível colocar a identificação no início da sua página, deve-se colocar numa anterior, centralizando a identificação na extensão da página. As páginas de apêndices são numeradas normalmente na sequência do trabalho; e Exemplo: APÊNDICE A Roteiro de entrevistas APÊNDICE B Questionário aplicado aos funcionários da empresa APÊNDICE C Roteiro das observações realizadas l) nos anexos são elementos não elaborados pelo(a) acadêmico(a), como o organograma da empresa, fluxograma elaborada pela empresa ou autor consultados, fichas, formulários, impressos, quadros, esquemas, figuras. Os anexos também são identificados por letras maiúsculas consecutivas e com seu respectivo título. Caso não seja possível colocar a identificação

40 40 no início da sua página, deve-se colocar numa anterior, centralizando a identificação na extensão da página. As páginas dos anexos são numeradas normalmente na sequência do trabalho. Como os anexos não são de autoria de quem está escrevendo o trabalho, deve-se indicar a fonte. Exemplo: ANEXO A Entrevista de desligamento Fonte: RH/Empresa X 3.2 Investigação mais sucinta Entende-se por investigação sucinta, aqueles trabalhos curtos de uma ou duas páginas. Desse modo, este também é um trabalho acadêmico e deve estar estruturado e organizado dentro das referidas normas. Exemplo 2: Curso de... Disciplina: Professor: Acadêmico(s): [DEIXAR DUAS LINHAS EM BRANCO AQUI DE ESPAÇO] TÍTULO DO TRABALHO [CENTRALIZADO, EM NEGRITO E TAMANHO DA LETRA 14; DEIXAR TAMBÉM DUAS LINHAS EM BRANCO DO TÍTULO ATÉ O TEXTO] Fazer um primeiro parágrafo introdutório. O desenvolvimento pode ter vários parágrafos. Fazer um último parágrafo como conclusão. REFERÊNCIAS

41 Atividade Prática Supervisionada (APS) A atividade prática supervisionada é uma atividade obrigatória em todas as disciplinas do Curso e tem como objetivo estabelecer a relação da teoria aprofundada ao longo do percurso acadêmico com a vivência da prática organizacional. Sua avaliação envolve a elaboração e apresentação do trabalho ao professor responsável pela disciplina, sendo avaliada de acordo com os critérios estabelecidos pelo professor da disciplina cabendo a este a atribuição da nota da atividade, sendo que está comporá a média da avaliação da disciplina. (FSG, 2009, p. 34). No entanto, seguem como sugestões de passos que podem ser desenvolvidos do sentido de apresentar um trabalho qualificado e bem organizado. Na sequência, serão apresentadas orientações sobre cada uma das partes que podem compor o relatório da referida atividade: a) capa; Curso de... Nome do(s) Aluno(S) TÍTULO DA APS Caxias do Sul Ano b) folha de rosto;

42 42 NOME DO(S) ALUNO(S) TÍTULO DA APS Relatório da Atividade Prática Supervisionada apresentado à Faculdade da Serra Gaúcha FSG, como parte das exigências do Curso de... para aprovação na disciplina de... Prof. Caxias do Sul ano c) sumário; SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS UTILIZADOS 06 4 APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DE DADOS CONCLUSÕES OU CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS ANEXOS APÊNDICES d) introdução - Nesta deve-se apresentar informações tais como: Apresentação e contextualização do tema, problematização, objetivos, justificativa e estrutura do relatório; e) fundamentação teórica refere-se à revisão bibliográfica de autores sobre o assunto investigado; f) procedimentos metodológicos utilizados neste ponto devem ser descritos como e onde foram buscadas as informações para o desenvolvimento da

43 43 fundamentação teórica, bem como as técnicas utilizadas na busca dos dados a serem analisados. Se necessário, descrever também quem foi envolvido na pesquisa. Aqueles alunos que já cursaram a disciplina de metodologia podem seguir suas orientações metodológicas; g) apresentação e análise dos dados Fazer aqui a apresentação e interpretação dos dados a partir das entrevistas, questionários, observações e demais informações coletadas para a realização da APS. h) considerações finais descrever as conclusões, limitações como também as possíveis intervenções avaliadas pelo grupo como adequadas à realidade investigada. i) referências descrever as informações dos documentos utilizados para a realização da APS; j) apêndice aqui podem ser colocados materiais elaborados pelo grupo e que ajudaram na busca das informações; k) anexos aqui podem ser colocados materiais desenvolvidos por outros autores e que ajudaram na busca das informações.

44 44 4 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO TÉCNICO E/OU CIENTÍFICO A NBR (ABNT, 2011, p.3) define como relatório técnico e/ou científico o trabalho acadêmico que descreve formalmente o progresso ou resultado de pesquisa científica e/ou técnica. Nos cursos superiores, a relação entre teoria e prática é muito importante para construção do conhecimento de forma qualificada. A realização de pesquisas e procedimentos técnicos é uma das maneiras de se fazer essa aproximação. Os relatórios técnicos e/ou científicos devem ter os seguintes passos: Estrutura Pré-textuais Textuais Pós-textuais Quadro 2: Estrutura do relatório Fonte: ABNT (2011) Elemento Capa (opcional) Folha de rosto (obrigatório) Resumo (Obrigatório) Lista de ilustrações (opcional) Lista de tabelas (opcional) Lista de abreviaturas e siglas (opcional) Lista de símbolos (opcional) Sumário (obrigatório) Introdução (obrigatório) Desenvolvimento (obrigatório) Considerações finais (obrigatório) Referências (obrigatório) Glossário (opcional) Apêndice(s) (opcional) Anexo(s) (opcional) Índice(s) (opcional) Formulário de identificação (opcional) 4.1 Capa As informações que devem ser descritas na capa dos relatórios técnicos obedecem a seguinte estrutura (ABNT, 2011): a) nome da Instituição (logotipo, FSG e logo abaixo Faculdade da Serra Gaúcha) disponível aos acadêmicos da FSG; b) nome do curso (centralizado, minúsculo, tamanho 12 e com negrito); c) nome do autor (centralizado, minúsculo, tamanho 12 e com negrito);

45 45 d) título e subtítulo do trabalho (se houver), em maiúsculo, negrito, centralizado na metade da folha (vertical e horizontalmente), tamanho de letra 14; e) local (cidade) da instituição onde deve ser entregue, a 5cm da borda inferior, centralizado, tamanho da letra 12 com negrito e minúsculas; e f) ano de realização do trabalho, centralizado aproximadamente 3cm da borda inferior, tamanho 12 com negrito. Exemplo: Curso de... Nome do Aluno TÍTULO DO RELATÓRIO Caxias do Sul Ano 4.2 Folha de rosto A folha de rosto é o segundo elemento obrigatório nos relatórios técnicos e seus dados devem seguir a seguinte ordem: a) nome completo do autor em letra maiúscula, aproximadamente a 5cm da borda superior, tamanho de letra 12 com negrito e centralizado; b) título principal do trabalho, em caixa alta, aproximadamente a 12cm da borda superior, tamanho de letra 14 com negrito e centralizado; se houver

46 46 subtítulo, este deve estar separado do título por dois pontos [:] tamanho de letra 14 centralizado com negrito; c) número do volume, se houver mais de um, deve ser digitado abaixo do subtítulo, tamanho de letra 12 com negrito, centralizado e em letras minúsculas; d) natureza do trabalho (Relatório Técnico), objetivo do trabalho (apresentado) à Faculdade da Serra Gaúcha como parte das exigências da (nome da disciplina). Devem ser digitados do meio da folha até a margem direita, a 18cm da borda superior, justificado, espaço simples, tamanho da letra 12 em minúsculo e com negrito; e) nome do professor da disciplina ou orientador (e do co-orientador, quando houver), aproximadamente a 22,5cm da borda superior, centralizado, tamanho da fonte 12 com negrito e em letras minúsculas; f) cidade da instituição onde deve ser entregue, a 5cm da borda inferior, centralizado, tamanho da letra 12 com negrito e minúsculas; e g) ano de entrega, a 3cm da borda inferior, centralizado, tamanho da letra 12 com negrito e minúsculas. Exemplo: NOME DO ALUNO TÍTULO DO RELATÓRIO Relatório Técnico apresentado à Faculdade da Serra Gaúcha FSG como parte das exigências do Curso de Ciências para obtenção da Aprovação da disciplina... Professor Orientador Caxias do Sul Ano

47 Resumo De acordo com NBR 6028 (2003), o resumo é uma descrição sumária da totalidade do relatório, em que são destacados os objetivos, a metodologia utilizada na realização das atividades, os resultados e conclusões mais importantes. Deve ser descrito com fonte 12, espaçamento 1,5 em um único parágrafo, de forma discursiva afirmativa e não apenas uma lista dos tópicos. 4.4 Listas As listas consistem na organização e enumeração de elementos do trabalho, tais como figuras ou ilustrações na ordem como são apresentados. Desse modo, elas são definidas como elementos pré-textuais opcionais, são colocadas no projeto quando contêm figuras, tabelas, gráficos, siglas, abreviaturas e símbolos. Dependendo do número de elementos, cada lista deve ser apresentada em página diferente. No entanto, quando tem apenas um ou dois elementos podem ser apresentados numa única lista. Cabe ressaltar que as tabelas sempre são colocadas em lista diferente, pois são normatizadas pelo IBGE e tem formatação da legenda diferente das figuras e ilustrações Lista de ilustrações A NBR (2011) define como figura ou ilustração: desenhos, esquemas, fluxogramas, fotografias, gráficos, mapas, organogramas, plantas, quadros e retratos. Por isso, a lista de ilustrações deve ser elaborada conforme a ordem de colocação no texto. Cada figura ou ilustração deve ser identificada nominalmente (com seu título) e acompanhada do seu respectivo número de página. Dependendo do número de ilustrações, pode-se fazer uma lista própria para cada tipo, conforme exemplos:

48 48 Na lista de ilustrações: LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1: Organograma do escritório No texto: Figura 1: Organograma do escritório Fonte: Arquivos institucionais da empresa Lista de tabelas A lista de tabelas é um elemento opcional que deve ser elaborada conforme a ordem apresentada ao longo do texto. Cada tabela deve ser identificada com seu título e sua respectiva página Lista de abreviaturas e siglas A elaboração desta lista também é opcional, e consiste na organização, em ordem alfabética, da relação de abreviaturas e siglas utilizadas no texto com seu respectivo significado por extenso. É mais comum nos projetos aparecer somente a lista de siglas, pois as abreviaturas são pouco utilizadas. Assim, devem-se fazer listas separadas somente quando as duas situações forem muito extensas. Os exemplos de abreviaturas mais utilizadas em trabalhos acadêmicos podem ser vistos no capítulo sobre monografia ou TCC Lista de símbolos A lista de símbolos é o último elemento pré-textual opcional. Sua elaboração segue a mesma ordem em que os símbolos aparecem no corpo do trabalho.

49 49 Exemplo LISTA DE SÍMBOLOS dab H2O Distância euclidiana Água Sumário A elaboração do sumário no relatório é obrigatória, uma vez que tem como objetivo mostrar visualmente como o trabalho está organizado de um modo geral. Deve aparecer como o último elemento pré-textual. Quanto à sua apresentação, devem-se seguir as seguintes regras: a) a palavra sumário deve ser digitada da mesma forma dos demais títulos. Ou seja, em letra maiúscula, centralizada, em negrito, tamanho da fonte 12 e junto da margem superior; b) os elementos pré-textuais não são colocados. Assim, o primeiro elemento é a introdução; c) todos os itens do sumário devem seguir a mesma tipografia utilizada no corpo de texto; d) todos os indicativos das seções e os demais títulos devem estar alinhados à esquerda; e) quando um título ou subtítulo for em língua estrangeira, as traduções podem ser colocadas na sequência, separados apenas por um barra oblíqua ou travessão; e f) deixar espacejamento simples entre as linhas do sumário. Considerando que a ABNT determina a colocação de indicativo numérico somente na parte textual dos trabalhos acadêmicos, a organização do sumário deve seguir o seguinte modelo:

50 50 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO DESENVOLVIMENTO CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS ANEXO A APÊNDICE A Introdução Na introdução devem ser apresentados os objetivos e as razões para a sua elaboração. Deve iniciar em nova página e pode trazer informações sobre o contexto pesquisado e/ou onde os procedimentos foram realizados e justificativas para a escolha. 4.6 Desenvolvimento O texto do desenvolvimento também começa em nova página, é descrito de forma sistemática e deve contemplar os seguintes aspectos: a) a natureza do trabalho; b) os métodos de coleta de dados tais como testes, experiências, observações; c) mencionar e listar os equipamentos utilizados, descrevendo o nome, modelo e série de cada um; d) os resultados e as forma como foram analisados. 4.7 Considerações finais Faz uma síntese dos principais fatos observados e resultados mais importantes. Relata vantagens e desvantagens dos procedimentos adotados e as conclusões do trabalho.

51 Referências De acordo com a NBR 6023 (2003), as referências caracterizam-se por um conjunto padronizado de informações, retiradas de um documento, que permite sua identificação individual. As referências devem ser organizadas e apresentadas em ordem alfabética, com todos os elementos essenciais e complementares em sequência padronizada. Quer dizer, a colocação da edição, por exemplo, deve ser colocada a partir da segunda. As referências devem ser digitadas em espaçamento simples, alinhadas somente na margem esquerda do texto e separadas umas das outras por uma linha em branco. Os títulos devem ser destacados em negrito, exceto as obras sem indicação de autoria, em que o primeiro elemento é o próprio título, no qual a primeira palavra deve ser digitada em letra maiúscula. As demais orientações e exemplos são encontrados no capítulo sobre elaboração de referências. 4.9 Apêndice(s) O apêndice é um elemento opcional do trabalho. Nele devem constar somente materiais elaborados pelo(a) acadêmico(a), tais como: questionários, fotografias tiradas pelo pesquisador, roteiros de entrevistas, formulários, roteiros de observação, diagramas, fluxogramas. Os apêndices são identificados por letras maiúsculas consecutivas e com seu respectivo título na própria folha. Caso não seja possível colocar a identificação no início da sua página, deve-se colocar numa anterior, centralizando a identificação na extensão da página. As páginas de apêndices são numeradas normalmente na sequência do trabalho. Exemplo: APÊNDICE A Roteiro de entrevistas APÊNDICE B Questionário aplicado aos funcionários da empresa APÊNDICE C Roteiro das observações realizadas

52 Anexo(s) Os anexos também são elementos opcionais do trabalho e sua apresentação e organização seguem a mesma lógica dos apêndices. Consistem em materiais não elaborados pelo(a) acadêmico(a), como o organograma da empresa, fluxograma elaborada pela empresa ou autor consultados, fichas, formulários, impressos, quadros, esquemas, figuras. Os anexos também são identificados por letras maiúsculas consecutivas e com seu respectivo título. Caso não seja possível colocar a identificação no início da sua página, deve-se colocar numa anterior, centralizando a identificação na extensão da página. As páginas dos anexos são numeradas normalmente na sequência do trabalho. Como os anexos não são de autoria de quem está escrevendo o trabalho, deve-se indicar a fonte.

53 53 5 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO Este capítulo visa a orientar a elaboração de artigos científicos para o curso de graduação, especialização e MBA da FSG. Conforme a NBR 6022 (2003, p. 2), o artigo científico consiste numa [...] parte de uma publicação com autoria declarada, que apresenta e discute ideias, métodos, técnicas, processos e resultados nas diversas áreas do conhecimento. A referida norma estabelece também duas modalidades de acordo com os procedimentos técnicos que serão utilizados na sua construção. Assim, o artigo pode ser: a) original, que consiste numa publicação que apresenta temas ou abordagens originais a partir de relatos de experiência, pesquisa de campo, estudos de caso, etc.; e b) de revisão, que consiste numa publicação que resume, analisa e discute informações já publicadas. 5.1 Estrutura do artigo científico A estrutura de um artigo científico é composta por um texto integral, constituída por elementos: a) pré-textuais [título, nome(s) do(s) autor(es), resumo da língua do texto e as palavras-chave na língua do texto título em língua estrangeira (se houver), resumo e palavras-chave em língua estrangeira]; b) textuais [introdução, desenvolvimento e conclusão ou considerações finais]; e c) pós-textuais [nota(s) explicativas(s), referências, glossário, apêndice(s), anexo(s)]. Considerando que a apresentação de um artigo científico não inclui capa, folha de rosto e sumário, a primeira folha inicia com o próprio título. Assim, nas páginas a seguir, serão descritas as orientações gerais de apresentação e formatação no próprio modelo.

54 54 TÍTULO Autor(es) 10 Professor Orientador 11 O título deve ser digitado junto à margem superior da primeira folha, centralizado, em caixa alta e negritado na mesma fonte do texto e deve representar sua ideia central. Obs: os subtítulos são alinhados à esquerda, negritado e somente com a primeira letra maiúscula. - O(s) nome(s) do(s) autor(es) deve(m) ser digitado(s) sem abreviações, a partir da primeira linha abaixo do título, em fonte 10, sem negrito, alinhados à direita e com o número indicando nota de rodapé no qual serão colocadas a titulação, funções/cargos, instituição a que pertence, e o endereço eletrônico, conforme modelo nesta página. - O segundo e demais autores e/ou professor orientador devem ser digitados em linhas abaixo do primeiro autor também alinhados à direita. Resumo: De acordo com NBR 6028 (2003), o resumo é uma descrição sumária da totalidade do artigo entre 100 a 250 palavras, em que são destacados os objetivos, o método, os resultados e conclusões mais importantes. Deve ser descrito com fonte 10, espaçamento simples em um único parágrafo, de forma discursiva afirmativa e não apenas uma lista dos tópicos. A referida norma também determina o uso do verbo na voz ativa e na terceira pessoa do singular. A ideia central do texto deve aparecer logo na primeira frase e, na sequência, informar a sua categoria do tratamento (revisão bibliográfica, estudo de caso, análise de situação etc.). Palavras-chave: Xxxxxxx. Zzzzzzzz. Sssssssss. Xxx. De acordo com a NBR 6022 (2003), palavras-chave é um elemento pré-textual obrigatório, colocado logo abaixo do resumo. Recomenda-se colocar de três a cinco palavras que sejam representativas do texto. Deve-se usar maiúsculo somente na primeira letra e separá-las com ponto [.]. Também são digitadas em fonte 10. Abstract (em inglês) ou Resumen (em espanhol) ou Résumé (em francês): Conforme a NBR 6022 (2003), a versão do texto do resumo em língua estrangeira é um elemento obrigatório. Assim, o autor deve optar por uma língua para a devida tradução, mantendo as características do texto original. Keywords (em inglês) ou Palabras clave (em espanhol) ou Mots-clés (em francês): aqui as palavras-chave são traduzidas para a mesma língua estrangeira do resumo. 1 INTRODUÇÃO Consiste na apresentação do assunto, dos objetivos e demais elementos necessários para se ter uma visão de conjunto do tema. Para tanto deve: a) especificar qual é o assunto, objeto de estudo; b) esclarecer sobre que ponto de vista o assunto será abordado; e c) apresentar as justificativas que levaram o autor a escolher o tema, o problema de pesquisa, a hipótese de estudo, o objetivo pretendido e as razões de escolha do método. 10 Acadêmico do Curso... da Faculdade da Serra Gaúcha. 11 Mestre em... Professor nos Cursos de Graduação e Pós-graduação na FSG. Endereço eletrônico:

55 55 A introdução tem a função de despertar o interesse do leitor em relação ao texto. Assim, recomenda-se que a introdução seja a última parte do trabalho a ser redigida. Obs. O desenvolvimento do artigo científico pode ser organizado em uma única parte (2 DESENVOLVIMENTO) ou dividido em seções e subseções (2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA, 3 METODOLOGIA E 4 RESULTADOS). Os termos desenvolvimento, fundamentação teórica, metodologia e resultados podem ser subcapítulos por títulos que sejam mais representativos e significativos ao texto. 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA A importância deste item refere-se à necessidade do leitor em saber o que existe na literatura correlata, as informações e sugestões sobre o problema em estudo. Ou seja, são os fatores existentes no estoque de conhecimento e que são adequados ao problema. Para elaborar um referencial teórico consistente são necessários: amplo conhecimento dos fatores pertinentes, visão clara do problema e articulação lógica entre os diversos tipos de conhecimento utilizados. É aconselhável o uso de citações bibliográficas. Entretanto, devem seguir as mesmas normas dos demais trabalhos científicos. Assim, as citações diretas longas (com mais de três linhas) devem constituir um parágrafo independente, recuado a 4cm da margem esquerda, em letras corpo 10, com espaço simples entre linhas. Contudo, as citações diretas curtas devem ser inseridas no texto entre aspas. As citações indiretas também são inclusas no corpo do texto. 3 METODOLOGIA Este item descreve a delimitação do universo estudado (população e amostra), o método e as técnicas de coleta de dados, como foram desenvolvidas as etapas da pesquisa e suas limitações. Deve sempre ser escrito com o verbo no tempo passado, pois descreve o que já foi investigado. Nesta parte do trabalho podem ser usados subtítulos para as partes. 4 APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS Esta fase do artigo é designada a apresentar e interpretar os resultados alcançados, após a aplicação do método. Deve ser realizada de forma direta,

56 56 objetiva, sucinta e clara, apontando sua significância e sua relevância. Pode-se fazer uso de tabelas e figuras para apresentação dos resultados. O texto deve ser breve, claro, utilizando o verbo no tempo passado e na forma impessoal. Objetiva mostrar as relações existentes entre os dados coletados na pesquisa. Aqui se interpreta, critica, justifica e enfatiza os resultados encontrados. Discutem-se os resultados encontrados na investigação e comparam-se com os resultados de pesquisa anteriores (caso se tenha revisão de literatura). É a parte da argumentação. 5 CONCLUSÃO OU CONSIDERAÇÕES FINAIS É o estágio final do artigo que contém as possíveis respostas para o problema, objetivos e hipóteses propostas na introdução. Desse modo, não é uma ideia nova, consiste em uma síntese breve do que foi apresentado anteriormente. É o fechamento do estudo que pode trazer ainda recomendações e sugestões que abrem perspectivas para novas pesquisas. 6 REFERÊNCIAS É um elemento obrigatório do artigo científico. Sua apresentação deve seguir as normatizações da ABNT. As informações necessárias para sua elaboração são encontradas na folha de rosto dos livros. Todavia, quando um elemento não for encontrado na obra que está sendo referenciada, deve-se usar entre colchetes: [S.d.] sem data; sem editora [s.n.]; sem local [S.l.]. De acordo com a NBR 6023 (2002), os elementos essenciais de uma referência são: autor(es), título, edição, local,editora e data da publicação. Segue o exemplo: GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, deste manual. As demais orientações encontram-se no capítulo Elaboração de Referências

57 Apresentação gráfica dos artigos científicos A apresentação dos artigos científicos segue as normas de apresentação dos demais trabalhos científicos da Faculdade da Serra Gaúcha, assim como as normatizações da ABNT. Em síntese, as principais normas são: a) papel: A-4 (21,5 x 29,7cm); e) tipo de papel: branco ou reciclado; f) digitação do corpo do texto: tamanho 12, resumo, palavras-chave, abstract, citações diretas longas, tabelas e notas de rodapé em tamanho 10; Usar o mesmo tipo de letra para todo o trabalho; g) a impressão: é efetuada na cor preta e ocupa-se apenas uma face da folha; h) espacejamento: no corpo do texto utiliza-se o espaço 1,5. Nas tabelas, citações diretas longas, notas de rodapé, títulos com mais de uma linha e referências deve ser utilizado o espaço simples. Deixa-se um espaço antes dos Títulos, que estão em corpo 12, em letras maiúsculas, ao qual se segue o texto, sem deixar espaços; i) margens para configuração das folhas: superior e esquerda 3cm; direita e inferior 2cm; j) parágrafo: todos os parágrafos deverão ser iniciados a 1,25cm da margem esquerda. As citações diretas longas iniciam a 4cm da margem esquerda; k) paginação: todas as páginas são contadas. Entretanto, a numeração inicia a partir da página 2. Os números são colocados, sem pontuação, a 2cm acima da margem superior, no canto direito, com o último algarismo alinhado à margem direita; l) utilização de aspas: apenas para as citações diretas curtas; e m) utilização de itálico: somente para palavras de origem latina ou em outro idioma ainda não aportuguesadas.

58 58 6 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE PROJETOS A NBR (ABNT, 2011) estabelece como projeto a descrição estruturada de algo a ser realizado. Quer dizer, o projeto de pesquisa é o primeiro passo ou fase da própria pesquisa no qual é feito todo o planejamento da investigação que vai ser desenvolvida. Por isso, ele está estruturado em elementos pré-textuais, textuais e pós-textuais, conforme quadro abaixo: Estrutura Elemento Capa (opcional) Folha de rosto (obrigatório) Lista de ilustrações (opcional) Pré-textuais Lista de tabelas (opcional) Lista de abreviaturas e siglas (opcional) Lista de símbolos (opcional) Sumário (obrigatório) Parte introdutória (obrigatório) Textuais Fundamentação teórica (obrigatório) Procedimentos metodológicos (obrigatório) Referências (obrigatório) Glossário (opcional) Pós-textuais Apêndice(s) (opcional) Anexo(s) (opcional) Índice(s) (opcional) Quadro 2: Disposição de elementos Fonte: ABNT (2011) 6.1 Capa As informações que devem ser descritas na capa dos projetos de pesquisa, monografia ou TCC obedecem a seguinte estrutura (ABNT, 2011): b) nome da Instituição (logotipo, FSG e logo abaixo Faculdade da Serra Gaúcha) disponível aos acadêmicos da FSG; n) nome do curso (centralizado, minúsculo, tamanho 12 e com negrito); o) nome do autor (centralizado, minúsculo, tamanho 12 e com negrito); p) título e subtítulo do trabalho (se houver), em maiúsculo, negrito, centralizado na metade da folha (vertical e horizontalmente), tamanho de letra 14; q) local (cidade) da instituição onde deve ser entregue, a 5cm da borda inferior, centralizado, tamanho da letra 12 com negrito e minúsculas; e

59 59 r) ano de realização do trabalho, centralizado aproximadamente 3cm da borda inferior, tamanho 12 com negrito. Exemplo: Curso de... Nome do Aluno TÍTULO DO PROJETO Caxias do Sul Ano 6.2 Folha de rosto A folha de rosto é o segundo elemento obrigatório nos projetos de pesquisa acadêmicos e seus dados devem seguir a seguinte ordem: c) nome completo do autor em letra maiúscula, aproximadamente a 5cm da borda superior, tamanho de letra 12 com negrito e centralizado; s) título principal do trabalho, em caixa alta, aproximadamente a 12cm da borda superior, tamanho de letra 14 com negrito e centralizado; se houver subtítulo, este deve estar separado do título por dois pontos [:] tamanho de letra 14 centralizado com negrito;

60 60 t) número do volume, se houver mais de um, deve ser digitado abaixo do subtítulo, tamanho de letra 12 com negrito, centralizado e em letras minúsculas; u) natureza do trabalho (Projeto de Pesquisa, ou de Monografia ou Trabalho de Conclusão de Curso), objetivo do trabalho (apresentado) à Faculdade da Serra Gaúcha como parte das exigências para obtenção do título de em... [nome do curso]. Devem ser digitados do meio da folha até a margem direita, a 18cm da borda superior, justificado, espaço simples, tamanho da letra 12 em minúsculo e com negrito; v) nome do orientador (e do co-orientador, quando houver), aproximadamente a 22,5cm da borda superior, centralizado, tamanho da fonte 12 com negrito e em letras minúsculas; w) cidade da instituição onde deve ser entregue, a 5cm da borda inferior, centralizado, tamanho da letra 12 com negrito e minúsculas; e x) ano de entrega, a 3cm da borda inferior, centralizado, tamanho da letra 12 com negrito e minúsculas. Exemplo: NOME DO ALUNO TÍTULO DO PROJETO Projeto de Estágio apresentado à Faculdade da Serra Gaúcha FSG como parte das exigências do Curso de... para obtenção do título de bacharel. Professor Orientador Caxias do Sul Ano

61 Listas As listas consistem na organização e enumeração de elementos do trabalho, tais como figuras ou ilustrações na ordem como são apresentados. Desse modo, elas são definidas como elementos pré-textuais opcionais, são colocadas no projeto quando contêm figuras, tabelas, gráficos, siglas, abreviaturas e símbolos. Dependendo do número de elementos, cada lista deve ser apresentada em página diferente. No entanto, quando tem apenas um ou dois elementos podem ser apresentados numa única lista. Cabe ressaltar que as tabelas sempre são colocadas em lista diferente, pois são normatizadas pelo IBGE e tem formatação da legenda diferente das figuras e ilustrações Lista de ilustrações A NBR (2011) define como figura ou ilustração: desenhos, esquemas, fluxogramas, fotografias, gráficos, mapas, organogramas, plantas, quadros e retratos. Por isso, a lista de ilustrações deve ser elaborada conforme a ordem de colocação no texto. Cada figura ou ilustração deve ser identificada nominalmente (com seu título) e acompanhada do seu respectivo número de página. Dependendo do número de ilustrações, pode-se fazer uma lista própria para cada tipo, conforme exemplos: Na lista de ilustrações: LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1: Organograma do escritório No texto: Figura 1: Organograma do escritório Fonte: Arquivos institucionais da empresa

62 Lista de tabelas A lista de tabelas é um elemento opcional que deve ser elaborada conforme a ordem apresentada ao longo do texto. Cada tabela deve ser identificada com seu título e sua respectiva página Lista de abreviaturas e siglas A elaboração desta lista também é opcional, e consiste na organização, em ordem alfabética, da relação de abreviaturas e siglas utilizadas no texto com seu respectivo significado por extenso. É mais comum nos projetos aparecer somente a lista de siglas, pois as abreviaturas são pouco utilizadas. Assim, devem-se fazer listas separadas somente quando as duas situações forem muito extensas. Os exemplos de abreviaturas mais utilizadas em trabalhos acadêmicos podem ser vistos no capítulo sobre monografia ou TCC Lista de símbolos A lista de símbolos é o último elemento pré-textual opcional. Sua elaboração segue a mesma ordem em que os símbolos aparecem no corpo do trabalho Sumário A elaboração do sumário no projeto é obrigatória, uma vez que tem como objetivo mostrar visualmente como o trabalho está organizado de um modo geral. Deve aparecer como o último elemento pré-textual. Quanto à sua apresentação, devem-se seguir as seguintes regras: d) a palavra sumário deve ser digitada da mesma forma dos demais títulos. Ou seja, em letra maiúscula, centralizada, em negrito, tamanho da fonte 12 e junto da margem superior; e) os elementos pré-textuais não são colocados. Assim, o primeiro elemento é a introdução;

63 63 f) todos os itens do sumário devem seguir a mesma tipografia utilizada no corpo de texto; g) todos os indicativos das seções e os demais títulos devem estar alinhados à esquerda; h) quando um título ou subtítulo for em língua estrangeira, as traduções podem ser colocadas na sequência, separados apenas por um barra oblíqua ou travessão; e i) deixar espacejamento simples entre as linhas do sumário. Considerando que a ABNT determina a colocação de indicativo numérico somente na parte textual dos trabalhos acadêmicos, a organização do sumário deve seguir o seguinte modelo: SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Contextualização Apresentação do tema e do problema de pesquisa Objetivos Geral Específicos Justificativa FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Tipo e Método de Pesquisa Local/contexto/sujeitos envolvidos na pesquisa Procedimentos e/ou técnicas de coletas de dados Análise e interpretação de dados Cronograma das atividades Orçamento REFERÊNCIAS ANEXO A APÊNDICE A Parte Introdutória ou introdução O projeto de pesquisa tem uma organização diferenciada dos demais trabalhos acadêmicos, pois é o planejamento de uma investigação mais ampla. A sua primeira parte textual denomina-se introdução ou parte introdutória na qual

64 64 devem ser apresentados o tema, o problema a ser abordado, a(s) hipótese(s) quando necessário, objetivos e justificativa. 6.5 Apresentação do tema e do problema de pesquisa A apresentação do tema deve ser descrita como uma sequência lógica do processo investigativo. Deve-se historiar os antecedentes da problemática, partindo de um foco geral para o específico. Recomenda-se finalizar esse ponto com o problema de pesquisa em forma de pergunta. 6.6 Hipótese(s) do curso. Quando necessário devem ser desenvolvidas de acordo com as orientações 6.7 Objetivos Geral No projeto de pesquisa, o objetivo geral é descrito numa frase curta, iniciada sempre com apenas um verbo no infinitivo. O objetivo geral e os específicos são frases completas em si. Portanto, não se deve usar marcador no início, e, no fim da frase, coloca-se ponto final. Exemplo: Analisar a contabilidade gerencial como instrumento para a tomada de decisão numa pequena empresa da cidade de Flores da Cunha RS Específicos Os objetivos específicos operacionalizam o modo como se pretende atingir o geral. Normalmente, devem estar associados às etapas do plano. Sua redação deve ser clara e ajudar o autor do projeto a compreender o que está propondo. As

65 65 sentenças são curtas e o verbo deve estar no infinitivo com pesquisar, elaborar, investigar, elucidar. Também não se faz uso de marcadores no início e no final de cada um coloca-se ponto final. Exemplos: Identificar indicadores de resultados gerenciais. Avaliar os indicadores adequados para a empresa em questão. Elaborar um mapa com o conjunto de indicadores adequados. Propor a utilização dos indicadores sugeridos. 6.8 Justificativa A justificativa deve explicitar a relevância do estudo a ser realizado, ou seja, apresentar as razões para a existência do projeto. É na justificativa que se recorre aos objetivos-fins do estudo, plano ou programa que se está propondo. Acrescentase ainda a oportunidade e viabilidade para complementar a justificativa. 6.9 Fundamentação teórica No projeto de pesquisa, a fundamentação teórica consiste num levantamento sobre a temática, fornecendo uma visão geral das ideias dos teóricos que serão utilizados no aprofundamento da temática. É importante fazer uso de citações dos autores utilizados. Entretanto, todo o texto deve ser escrito com as palavras do autor do projeto 12. As citações complementam, fundamentam e justificam as ideias que estão sendo descritas. Em outros termos, o texto não implica em copiar e colar de ideias e pensamentos alheios, mas sim na contextualização desses itens no corpo do trabalho, justificando a sua utilização no projeto Procedimentos metodológicos ou Metodologia Método(s) de pesquisa Nesta parte do projeto são descritos os métodos que serão utilizados e suas características, bem como as suas contribuições no desenvolvimento do projeto. É 12 Grifo nosso.

66 66 importante fazer uso dos autores de metodologia para caracterizar, fundamentar e justificar o tipo e o método de pesquisa do projeto Delimitação da população (amostragem) ou objeto da investigação Este ponto envolve informações acerca do universo a ser estudado, da extensão da amostra e da maneira como será selecionada. Em outras palavras, você deve descrever o que está investigando, onde, com quem e, se necessário, ou dependendo da pesquisa, qual a amostragem da população definida Técnicas de coletas de dados A definição dos procedimentos técnicos que serão utilizados na coleta de dados deve estar de acordo com o tipo e método escolhido. Além de apontar a(s) técnica(s) tais como entrevista, testes, observação e questionário, é importante fazer uso dos autores de metodologia para caracterizá-la(s) e justificá-la(s) Técnicas de análise de dados A análise e interpretação dependem da escolha dos instrumentos de coleta. Nesta parte devem ser apontados os métodos que serão utilizados na análise dos dados os quais dependem do tipo de abordagem (qualitativa ou quantitativa ou as duas) Cronograma das atividades Consiste na elaboração de um quadro com as etapas e o tempo em que cada uma delas será desenvolvida Recursos Descrevem-se quais são os recursos necessários para concretizar o projeto em termos materiais, humanos e financeiros.

67 Referências De acordo com a NBR 6023 (2003), as referências caracterizam-se por um conjunto padronizado de informações, retiradas de um documento, que permite sua identificação individual. As referências devem ser organizadas e apresentadas em ordem alfabética, com todos os elementos essenciais e complementares em sequência padronizada. Quer dizer, a colocação da edição, por exemplo, deve ser colocada a partir da segunda. As referências devem ser digitadas em espaçamento simples, alinhadas somente na margem esquerda do texto e separadas umas das outras por uma linha em branco. Os títulos devem ser destacados em negrito, exceto as obras sem indicação de autoria, em que o primeiro elemento é o próprio título, no qual a primeira palavra deve ser digitada em letra maiúscula. As demais orientações e exemplos são encontrados no capítulo sobre elaboração de referências Apêndice(s) O apêndice é um elemento opcional do trabalho. Nele devem constar somente materiais elaborados pelo(a) acadêmico(a), tais como: questionários, fotografias tiradas pelo pesquisador, roteiros de entrevistas, formulários, roteiros de observação, diagramas, fluxogramas. Os apêndices são identificados por letras maiúsculas consecutivas e com seu respectivo título na própria folha. Caso não seja possível colocar a identificação no início da sua página, deve-se colocar numa anterior, centralizando a identificação na extensão da página. As páginas de apêndices são numeradas normalmente na sequência do trabalho. Exemplo: APÊNDICE A Roteiro de entrevistas APÊNDICE B Questionário aplicado aos funcionários da empresa APÊNDICE C Roteiro das observações realizadas

68 Anexo(s) Os anexos também são elementos opcionais do trabalho e sua apresentação e organização seguem a mesma lógica dos apêndices. Consistem em materiais não elaborados pelo(a) acadêmico(a), como o organograma da empresa, fluxograma elaborada pela empresa ou autor consultados, fichas, formulários, impressos, quadros, esquemas, figuras. Os anexos também são identificados por letras maiúsculas consecutivas e com seu respectivo título. Caso não seja possível colocar a identificação no início da sua página, deve-se colocar numa anterior, centralizando a identificação na extensão da página. As páginas dos anexos são numeradas normalmente na sequência do trabalho. Como os anexos não são de autoria de quem está escrevendo o trabalho, deve-se indicar a fonte. Exemplo: ANEXO A ARRECADAÇÃO DAS RECEITAS FEDERAIS Fonte: Receita Federal, 2010.

69 69 7 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) OU MONOGRAFIA As orientações descritas neste capítulo visam a orientar a organização e sistematização do TCC e monografias dos Cursos de Graduação da FSG. 7.1 Ordenamento dos elementos do TCC ou monografia De acordo com a NBR (2011), a estrutura dos trabalhos acadêmicos é constituída de elementos pré-textuais, elementos textuais e elementos pós-textuais, conforme tabela a seguir. Estrutura Elemento Capa (obrigatório) Folha de rosto (obrigatório) Errata (opcional) Folha de aprovação (obrigatório) Dedicatória(s) (opcional) Agradecimento(s) (opcional) Epígrafe (opcional) Pré-textuais Resumo na língua vernácula (obrigatório) Resumo na língua estrangeira (obrigatório) Lista de ilustrações (opcional) Lista de tabelas (opcional) Lista de abreviaturas e siglas (opcional) Lista de símbolos (opcional) Sumário (obrigatório) Introdução Textuais Desenvolvimento Conclusão ou Considerações Finais Referências (obrigatório) Glossário (opcional) Pós-textuais Apêndice(s) (opcional) Anexo(s) (opcional) Índice(s) (opcional) Quadro 3: Disposição de elementos do TCC ou monografia Fonte: ABNT (2011). 7.2 Capa O TCC ou monografia deve ser apresentado com capa padrão da FSG e sua elaboração deve obedecer à seguinte estrutura (NBR 14724, 2011):

70 70 a) nome da instituição [logotipo, FSG e logo abaixo Faculdade da Serra Gaúcha] disponível aos acadêmicos e professores da FSG; b) nome do curso (centralizado, em minúsculo, tamanho 12 e em negrito); c) nome do autor (centralizado, em minúsculo, tamanho 12 e em negrito); d) título e subtítulo do trabalho (se houver), em maiúsculo, negrito, centralizado na metade da folha (vertical e horizontalmente), tamanho de letra 14; e) local (cidade), mês e ano da entrega do trabalho, centralizado aproximadamente 3cm da borda inferior, tamanho 12 e em negrito; e Exemplo: Curso de... Nome do Aluno TÍTULO DO TCC ou MONOGRAFIA Caxias do Sul, (mês) de (ano) 7.3 Folha de rosto A folha de rosto é o segundo elemento obrigatório do TCC ou MONOGRAFIA e seus dados devem seguir a seguinte ordem:

71 71 a) nome completo do autor em letra maiúscula, aproximadamente a 5cm da borda superior, tamanho de letra 12 em negrito e centralizado; b) título principal do trabalho, em maiúsculo, aproximadamente a 12cm da borda superior, tamanho de letra 14 com negrito e centralizado; se houver subtítulo, este deve estar separado do título por dois pontos [:], tamanho de letra 14, centralizado em negrito; c) natureza do trabalho (Trabalho de Conclusão de Curso ou Monografia), objetivo do trabalho (apresentado) à Faculdade da Serra Gaúcha como exigência para obtenção do título de bacharel em [Nome do Curso]. Devem ser digitados do meio da folha até a margem direita, a 18cm da borda superior, justificado, espaçamento simples, tamanho de letra 12, minúscula e em negrito; d) nome do orientador (e do co-orientador, quando houver), aproximadamente a 22,5cm da borda superior, centralizado, tamanho da fonte 12 com negrito e em letras minúsculas; e) local (cidade) da instituição na qual deve ser entregue, a 5cm da borda inferior, centralizado, tamanho da letra 12 em negrito e minúsculas; e f) ano de entrega, a 3cm da borda inferior, centralizado, tamanho de letra 12, em negrito e minúsculas. Exemplo:

72 72 NOME DO ALUNO TÍTULO DO TCC ou MONOGRAFIA Trabalho de Conclusão de Curso ou Monografia apresentado à Faculdade da Serra Gaúcha FSG como exigência do Estágio II para obtenção do título de (Bacharel ou Licenciado em...[nome do Curso]) Professor(a) Orientador(a) Caxias do Sul Ano 7.4 Errata Considerando que a versão do TCC ou monografia entregue para a avaliação da banca poderá sofrer ajustes, a versão final não deve ter errata. No entanto,

73 73 depois da entrega para a avaliação da banca o aluno perceber que tiver algum erro, é recomendável que apresente a errata para a banca. Essa folha deve conter a lista com o número das páginas e linhas em que ocorrem erros, seguida da devida correção (NBR, 14724, 2005), conforme exemplo abaixo: ERRATA Folha Linha Onde se lê Leia-se gerência gerencial contas contabilidade 7.5 Folha de aprovação A folha de aprovação do TCC ou monografia é um elemento obrigatório, inserido após a folha de rosto, constituída pelo: a) nome do seu autor; b) título e subtítulo (se houver) do trabalho; c) natureza, objetivo, nome da instituição e área de concentração; d) data da aprovação; e e) nome, titulação, assinatura dos componentes da banca examinadora e instituições a que pertencem. É comum a banca sugerir alterações e sugestões ao trabalho. Desse modo, a primeira entrega para a leitura dos avaliadores é provisória e sem suas assinaturas. As cópias finais devem ser entregues com os ajustes sugeridos pela banca, conferidos pelo professor orientador, com a data da aprovação e assinatura dos membros da banca. O modelo é o que segue:

74 74 NOME DO ALUNO TÍTULO DO TCC ou MONOGRAFIA Trabalho apresentado e aprovado pela Banca Examinadora em (dia) de (mês) de (ano). Nome e Titulação Nome e Titulação Nome e Titulação 7.6 Dedicatória(s) A elaboração de dedicatória no trabalho é opcional. Caso o(a) acadêmico(a) considerar importante dedicar o seu trabalho, recomenda-se fazer a algum familiar, grupo específico ou uma pessoa. A página da dedicatória deve ser organizada logo após a folha de aprovação. Sugere-se que a palavra dedicatória seja colocada em destaque próxima ao texto, junto à margem inferior e direita. Porém, tanto na dedicatória como nos agradecimentos, o aluno tem liberdade de organizar o texto e fazer a formatação. Apenas ter o cuidado para fugir da lógica de organização e apresentação do trabalho.

75 Agradecimento(s) A colocação de agradecimentos também é opcional nos trabalhos acadêmicos. Enquanto que a dedicatória é mais de ordem sentimental, os agradecimentos são feitos àquelas pessoas que colaboraram de forma decisiva para a construção do trabalho, tais como professor orientador, pessoas da empresa que colaboram com informações, instituições e organizações. Quanto à apresentação e formatação, a palavra agradecimento(s) deve estar em destaque próxima ao texto, colocado junto à margem inferior e direita. Mas, cabe ressaltar que o aluno tem liberdade na sua organização e apresentação. 7.8 Epígrafe A epígrafe consiste numa citação direta identificada com a temática tratada ao longo do trabalho. É um elemento opcional, que pode ser colocado logo após os agradecimentos ou no início de cada capítulo. Recomenda-se a identificação do(s) autor(es) da(s) epígrafe(s) e a utilização do itálico e o tamanho da fonte 10, conforme segue o exemplo: O entendimento epistemológico da Contabilidade permite uma análise dos aspectos que a identificam como uma ciência social, seus métodos e procedimentos metodológicos Ilse Maria Beuren 7.9 Resumo em língua vernácula A elaboração do resumo é obrigatória no qual devem ser apresentadas as ideias mais importantes do trabalho como tema e contexto, problema, objetivos, metodologia, resultados e conclusões.

76 76 Quanto à sua apresentação, deve ser constituído por um único parágrafo (com ou sem recuo) 13 entre 150 a 500 palavras. O conteúdo deve ser desenvolvido por uma sequência de frases interligadas e afirmativas, fazendo-se uso do verbo na voz ativa, tempo presente e na terceira pessoa do singular. Recomenda-se a não utilização de tópicos, símbolos, fórmulas, equações, diagramas e contrações que não sejam de uso corrente. Quanto a sua digitação, deve estar com espacejamento simples, com ou sem recuo de parágrafo e tamanho da fonte Logo após o parágrafo do resumo recomenda-se deixar uma linha em branco, e na sequência, devem ser apresentadas de três a cinco palavras que sejam representativas do texto. Deve-se usar letra maiúscula somente na primeira letra e separá-las com ponto [.], conforme exemplo: Palavras-chave: Conhecimento. Pesquisa. Qualificação Profissional Resumo em língua estrangeira O resumo em língua estrangeira também é um elemento obrigatório. Deve-se fazer a versão para o inglês, espanhol ou francês do resumo da língua vernácula e suas palavras-chave Listas De acordo com a NBR 6027 (ABNT, 2003, p. 2), a lista consiste numa [...] enumeração de elementos selecionados do texto, tais como datas, ilustrações, exemplos etc., na ordem de sua ocorrência. As listas, enquanto elementos pré-textuais opcionais, são colocadas no TCC ou monografia quando este contém figuras, tabelas, gráficos, siglas, abreviaturas e símbolos. Cada lista deve ser apresentada em página diferente. 13 Grifo nosso. 14 Grifo nosso.

77 Lista de ilustrações A NBR (2011) considera como ilustração desenhos, esquemas, fluxogramas, fotografias, gráficos, mapas, organogramas, plantas, quadros e retratos. Como elemento opcional, a lista de ilustrações deve ser elaborada conforme a ordem de colocação no texto. Cada figura ou ilustração deve ser identificada nominalmente (com seu título) e acompanhada do seu respectivo número de página. Dependendo do número de ilustrações, pode-se fazer uma lista própria para cada tipo. Ou seja, caso o trabalho tenha um ou no máximo duas figuras de cada tipo, podem ser listadas numa lista única. Veja o exemplo: Na lista de ilustrações: LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1: Planilha de custos No texto: Figura 1: Planilha de custos Fonte: Arquivos institucionais da empresa 7.13 Lista de tabelas A lista de tabelas é um elemento opcional que deve ser elaborada conforme a ordem apresentada ao longo do texto. Cada tabela deve ser identificada com seu título e sua respectiva página. Ver mais orientações sobre tabelas no ponto 2.1 deste manual.

78 Lista de abreviaturas e siglas A elaboração desta lista também é opcional e consiste na organização, em ordem alfabética, da relação de abreviaturas e siglas utilizadas no texto, com seu respectivo significado por extenso. É mais comum nos TCCs ou Monografia aparecer somente lista de siglas, já que as abreviaturas são pouco utilizadas. Assim, deve-se fazer listas separadas somente quando as duas situações forem muito extensas. Utiliza-se traço para separar a sigla ou abreviatura do seu nome por extenso. Exemplos de abreviaturas mais utilizadas em trabalhos acadêmicos: A. autor AA. autores av. avenida bal. balanço cap. capítulo caps. - capítulos cfe conforme Cia. companhia Dr. doutor Dra. doutora ed. edição, editora, editor ex./exs. exemplo(s) Ltda. limitada Ma. ; M a mestra Me. ; M e mestre não-pag. não paginado obs. observação p. página Prof. professor Profa. professora R. rua S.A. sociedade anônima s.d. sem data

79 79 s.e. sem editor s.l. sem local s.n.t. sem nota tipográfica trad. tradutor, tradução 7.15 Lista de símbolos A lista de símbolos é o último elemento pré-textual opcional. Sua elaboração segue a mesma ordem em que os símbolos aparecem no corpo do trabalho Sumário A elaboração do sumário no TCC ou Monografia é obrigatória, visto que tem como objetivo mostrar visualmente como o trabalho está organizado de um modo geral. Deve aparecer como o último elemento pré-textual. Quanto à sua apresentação, deve-se seguir as seguintes regras: a) a palavra sumário deve ser digitada da mesma forma dos demais títulos. Ou seja, em maiúsculo, centralizado, com negrito, tamanho da fonte 12 e junto da margem superior; b) os elementos pré-textuais não são colocados. Assim, o primeiro elemento é a introdução; c) todos os itens do sumário devem seguir com a mesma tipografia utilizada no corpo de texto, ou seja, títulos em maiúsculo e subtítulos em minúsculo; d) todos os indicativos das seções e os demais títulos devem estar alinhados à esquerda; e) quando um título ou subtítulo for em língua estrangeira, as traduções podem ser colocadas na sequência, separados apenas por um barra oblíqua ou travessão; e f) deixar espacejamento simples entre as linhas do sumário. De um modo geral, a organização do sumário deve seguir o seguinte modelo:

80 80 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO CONTEXTUALIZAÇÃO FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Xxxxxxxxxxxxxxxxxxxx DELINEAMENTO METODOLÓGICO APRESENTAÇÃO, ANÁLISE DE DADOS E PROPOSTA DE INTERVENÇÃO CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS ANEXO A APÊNDICE A Introdução A introdução é a parte inicial do texto em que se apresenta a delimitação do tema, o problema de pesquisa, os objetivos, a justificativa da temática e/ou problemática a ser tratada. Ressalta-se que o tempo verbal utilizado na introdução é o presente. Também é importante apresentar a estrutura de capítulos do trabalho Desenvolvimento Nesta parte, deve-se fazer a sistematização detalhada de todo o processo investigativo realizado, estabelecendo relações entre a realidade pesquisada e as fontes de conhecimento existentes. O desenvolvimento TCC ou a Monografia depende das orientações específicas e da proposta pedagógica de cada curso. Ele pode ter um cunho mais teórico revisão de literatura, mas pode ser resultado da relação entre teoria e prática desenvolvida ao longo do curso e nos estágios. Pontos que podem ser trabalhados no desenvolvimento: fundamentação teórica; delineamento metodológico; e apresentação e análise dos resultados (alguns cursos também contemplam a elaboração de uma proposta de intervenção; outros é a análise de uma determinada intervenção).

81 Fundamentação teórica A fundamentação teórica consiste num levantamento sobre a temática, fornecendo uma visão geral do que já existe escrito sobre o assunto e que serve como base para a investigação prática. Entretanto, todo o texto deve ser escrito com as palavras do autor da monografia ou TCC 15. As citações complementam, fundamentam e justificam as ideias que estão sendo descritas Procedimentos metodológicos Os procedimentos metodológicos consistem em descrever: a) a metodologia utilizada na realização da pesquisa; b) a população e/ou objeto investigado; bem como a amostragem; c) os procedimentos técnicos empregados na obtenção dos dados, como foram construídos e utilizados; d) a explicitação dos tipos de fontes utilizadas e dados foram coletados; e e) o relato dos diferentes momentos do processo investigativo. Ressalta-se que o tempo verbal utilizado é o passado. Ver também modelo disponível no portal do ensino integrado Apresentação e análise dos resultados Nesta parte, primeiramente, devem ser apresentados de forma sistemática os principais dados coletados, analisando-os e interpretando-os, por meio das técnicas de análise sugeridas pelos autores de metodologia, bem como à luz da revisão bibliográfica Considerações Finais O(a) acadêmico(a) deve retomar os objetivos, confrontando-os com o referencial teórico que sustenta o trabalho e com a investigação realizada. O(a) acadêmico(a) deve também avaliar os resultados obtidos, validando-os ou não com os objetivos propostos. Ademais, deve-se apresentar as limitações do trabalho e as 15 Grifo nosso.

82 82 recomendações para prováveis desdobramentos em estudos futuros. Ressalta-se que o tempo verbal utilizado nas considerações finais é o passado Referências De acordo com a NBR 6023 (2003), as referências caracterizam-se por um conjunto padronizado de informações, retiradas de um documento, que permite sua identificação individual. As referências devem ser organizadas e apresentadas em ordem alfabética, com todos os elementos essenciais e complementares em sequência padronizada. Quer dizer, a colocação da edição, por exemplo, coloca-se a partir da segunda. As referências devem ser digitadas em espaçamento simples, alinhadas somente na margem à esquerda do texto e separadas uma da outra com uma linha em branco. Os títulos devem ser destacados com o recurso tipográfico negrito, exceto as obras sem indicação de autoria, em que o primeiro elemento é o próprio título, no qual a primeira palavra deve ser digitada em maiúsculo. As demais orientações e exemplos são encontrados no capítulo sobre elaboração de referências Apêndice(s) O apêndice é um elemento opcional do trabalho. Nele devem constar somente materiais elaborados pelo(a) acadêmico(a), tais como questionários, fotografias tiradas pelo pesquisador, roteiros de entrevistas, formulários, roteiros de observação, diagramas, fluxogramas. Os apêndices são identificados por letras maiúsculas consecutivas e com seu respectivo título na própria folha. Caso não seja possível colocar a identificação no início da sua página, deve-se colocar numa anterior, centralizando a identificação na extensão da página. As páginas de apêndices são numeradas normalmente na sequência do trabalho. Exemplo: APÊNDICE A Roteiro de entrevistas

83 83 APÊNDICE B Questionário aplicado aos funcionários da empresa APÊNDICE C Roteiro das observações realizadas 7.22 Anexo(s) Os anexos também são elementos opcionais do trabalho e sua apresentação e organização segue a mesma lógica dos apêndices. Consistem em materiais não elaborados pelo(a) acadêmico(a) como o organograma da empresa, fluxograma elaborada pela empresa ou autor consultados, fichas, formulários, impressos, quadros, esquemas, figuras. Os anexos também são identificados por letras maiúsculas consecutivas e com seu respectivo título. Caso não seja possível colocar a identificação no início da sua página, deve-se colocar numa anterior, centralizando a identificação na extensão da página. As páginas dos anexos são numeradas normalmente na sequência do trabalho. Como os anexos não são de autoria de quem está escrevendo o trabalho, deve-se indicar a fonte. Exemplo: ANEXO A ARRECADAÇÃO DO IRPF Fonte: Receita Federal, 2010

5 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIAS OU TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)... 478 5.1 Ordenamento dos elementos da monografia ou TCC... 48 5.

5 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIAS OU TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)... 478 5.1 Ordenamento dos elementos da monografia ou TCC... 48 5. 5 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIAS OU TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)... 478 5.1 Ordenamento dos elementos da monografia ou TCC... 48 5.2 Capa... 48 5.3 Folha de rosto... 51 5.4 Errata... 53

Leia mais

Guia para Apresentação de Trabalho Acadêmico: de acordo com NBR 14724/2011. São Carlos

Guia para Apresentação de Trabalho Acadêmico: de acordo com NBR 14724/2011. São Carlos Guia para Apresentação de Trabalho Acadêmico: de acordo com NBR 14724/2011 São Carlos Guia para Apresentação de Trabalho Acadêmico As orientações abaixo estão de acordo com NBR 14724/2011 da Associação

Leia mais

REGRAS PARA APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO

REGRAS PARA APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO 1 REGRAS PARA APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO Os seguintes padrões atendem às exigências da FTC Feira de Santana, em conformidade com a NBR 14724:2002/2005 da Associação Brasileira de Normas Técnicas

Leia mais

Curso de Comunicação Social - Publicidade e Propaganda NORMAS PARA ELABORAÇÃO / APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS

Curso de Comunicação Social - Publicidade e Propaganda NORMAS PARA ELABORAÇÃO / APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS Curso de Comunicação Social - Publicidade e Propaganda NORMAS PARA ELABORAÇÃO / APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS 1 ESTRUTURA A estrutura e a disposição dos elementos de um trabalho acadêmico são as

Leia mais

Procedimentos para apresentação e normalização de trabalhos acadêmicos

Procedimentos para apresentação e normalização de trabalhos acadêmicos Procedimentos para apresentação e normalização de trabalhos acadêmicos Maria Bernardete Martins Alves Marili I. Lopes Procedimentos para apresentação e normalização de trabalhos acadêmicos Módulo 3 Apresentação

Leia mais

NORMAS DE FORMATAÇÃO DO TRABALHO FINAL (PIL) Apresentação Gráfica

NORMAS DE FORMATAÇÃO DO TRABALHO FINAL (PIL) Apresentação Gráfica UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Faculdade de Educação UAB/UnB Curso de Especialização em Educação na Diversidade e Cidadania, com Ênfase em EJA Parceria MEC/SECAD NORMAS DE FORMATAÇÃO DO TRABALHO FINAL (PIL)

Leia mais

Os trabalhos acadêmicos devem ser divididos em: elementos pré-textuais, textuais e

Os trabalhos acadêmicos devem ser divididos em: elementos pré-textuais, textuais e NORMAS PARA A REDAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA O projeto gráfico é de responsabilidade do autor

Leia mais

NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS ABNT TRABALHOS ACADÊMICOS:

NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS ABNT TRABALHOS ACADÊMICOS: MANUAL PARA TCC www.etecmonteaprazivel.com.br Estrada do Bacuri s/n Caixa Postal 145 Monte Aprazível SP CEP 15150-000 Tel.: (17) 3275.1522 Fax: (17) 3275.1841 NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS ABNT

Leia mais

SISTEMA DE BIBLIOTECAS FMU/FIAM-FAAM/FISP NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA

SISTEMA DE BIBLIOTECAS FMU/FIAM-FAAM/FISP NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA SISTEMA DE BIBLIOTECAS FMU/FIAM-FAAM/FISP NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA São Paulo 2014 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 1 ELEMENTOS EXTERNOS 1.1 CAPA 1.2 LOMBADA 2 ELEMENTOS INTERNOS PRÉ-TEXTUAIS

Leia mais

- TCC A/B - ORIENTAÇÕES PARA ESTRUTURAÇÃO E FORMATAÇÃO (Versão 1.3 Agosto de 2008)

- TCC A/B - ORIENTAÇÕES PARA ESTRUTURAÇÃO E FORMATAÇÃO (Versão 1.3 Agosto de 2008) Faculdade Dom Bosco de Porto Alegre Curso de Sistemas de Informação Trabalho de Conclusão de Curso Prof. Dr. Luís Fernando Garcia - TCC A/B - ORIENTAÇÕES PARA ESTRUTURAÇÃO E FORMATAÇÃO (Versão 1.3 Agosto

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ - UESC PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BOTÂNICA - PPGBOT. ANEXO 1 Normas de editoração e estruturação de dissertações

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ - UESC PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BOTÂNICA - PPGBOT. ANEXO 1 Normas de editoração e estruturação de dissertações UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ - UESC PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BOTÂNICA - PPGBOT ANEXO 1 Normas de editoração e estruturação de dissertações 1ª edição Ilhéus BA 2012 SUMÁRIO SUMÁRIO... 2 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 002/2009/PEQ-UFS ANEXO I NORMAS PARA A ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 002/2009/PEQ-UFS ANEXO I NORMAS PARA A ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA N 002/2009/PEQ-UFS ANEXO I NORMAS PARA A ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO 1. INTRODUÇÃO A Dissertação é a apresentação escrita do trabalho de pesquisa desenvolvido no âmbito do Programa de

Leia mais

Escola de Administração Biblioteca. Normas para elaboração do TCC

Escola de Administração Biblioteca. Normas para elaboração do TCC Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Administração Biblioteca Normas para elaboração do TCC O que é um Trabalho de Conclusão de Curso? O TCC, é um trabalho acadêmico feito sob a coordenação

Leia mais

ANEXO II PROCEDIMENTOS PARA ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA

ANEXO II PROCEDIMENTOS PARA ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA ANEXO II PROCEDIMENTOS PARA ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA A elaboração da monografia deve ter como referência a ABNT NBR 14724/ 2006, a qual destaca que um trabalho acadêmico compreende elementos pré-textuais,

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Programa de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas

Ministério da Educação Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Programa de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas Ministério da Educação Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Programa de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas MANUAL PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE DISSERTAÇÃO (FORMATO

Leia mais

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE INGRESSO E VITALICIAMENTO DOS NOVOS MEMBROS DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO CEARÁ

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE INGRESSO E VITALICIAMENTO DOS NOVOS MEMBROS DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO CEARÁ GESTÃO2010/2012 ESCOLASUPERIORDOMINISTÉRIOPÚBLICO(Art.1ºdaLei11.592/89) Credenciada pelo Parecer 559/2008, de 10/12/08, do CEC (Art. 10, IV da Lei Federal n.º 9.394, de 26/12/1996 - LDB) NORMAS PARA ELABORAÇÃO

Leia mais

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIA

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIA ANEXO da Norma 004/2008 CCQ Rev 1, 28/09/2009 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE QUÍMICA CURSO DE GRADUAÇÃO EM QUÍMICA Salvador 2009 2 1 Objetivo Estabelecer parâmetros para a apresentação gráfica

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE PIRENÓPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE PIRENÓPOLIS 0 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE PIRENÓPOLIS MANUAL PARA FORMATAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS DA UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE PIRENÓPOLIS PIRENÓPOLIS 2012 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1

Leia mais

CONSTRUINDO MINHA MONOGRAFIA

CONSTRUINDO MINHA MONOGRAFIA CONSTRUINDO MINHA MONOGRAFIA 1 Prezado(a) aluno(a), Este roteiro foi preparado para auxiliá-lo na elaboração de sua monografia (TCC). Ele o apoiará na estruturação das etapas do seu trabalho de maneira

Leia mais

Checklist da Estrutura de Monografia, Tese ou Dissertação na MDT UFSM 2010

Checklist da Estrutura de Monografia, Tese ou Dissertação na MDT UFSM 2010 1 Checklist da Estrutura de Monografia, Tese ou Dissertação na MDT UFSM 2010 Pré-textuais Textuais Pós-textuais Estrutura Elemento OK Capa (obrigatório) Anexo A (2.1.1) Lombada (obrigatório) Anexo H Folha

Leia mais

INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR SANT ANA LUCIO MAURO BRAGA MACHADO MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS

INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR SANT ANA LUCIO MAURO BRAGA MACHADO MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR SANT ANA LUCIO MAURO BRAGA MACHADO MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS PONTA GROSSA 2011 LUCIO MAURO BRAGA MACHADO MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS

Leia mais

(Publicações da Biblioteca; 4) ORGANIZAÇÃO. Weber Vasconcellos Gomes Maria Consuelene Marques Maurinete dos Santos

(Publicações da Biblioteca; 4) ORGANIZAÇÃO. Weber Vasconcellos Gomes Maria Consuelene Marques Maurinete dos Santos (Publicações da Biblioteca; 4) ORGANIZAÇÃO Weber Vasconcellos Gomes Maria Consuelene Marques Maurinete dos Santos Revisto e atualizado de acordo com a NBR 15287/2011 Brasília 2011 1 APRESENTAÇÃO De acordo

Leia mais

DISCIPLINA: PRÁTICA PROFISSIONAL E ESTÁGIO SUPERVISIONADO I, II E III CIÊNCIAS CONTÁBEIS ACADÊMICOS

DISCIPLINA: PRÁTICA PROFISSIONAL E ESTÁGIO SUPERVISIONADO I, II E III CIÊNCIAS CONTÁBEIS ACADÊMICOS DISCIPLINA: PRÁTICA PROFISSIONAL E ESTÁGIO SUPERVISIONADO I, II E III CIÊNCIAS CONTÁBEIS APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS PROF. DR. MARCOS FRANCISCO R. SOUSA PROF. Me. CELSO LUCAS COTRIM APRESENTAÇÃO

Leia mais

NBR 14724/2011 ABNT NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 19/10/2011. Objetivo

NBR 14724/2011 ABNT NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 19/10/2011. Objetivo Objetivo ABNT Normas para elaboração de trabalhos científicos Esta Norma especifica os princípios gerais para a elaboração de trabalhos acadêmicos, visando sua apresentação à instituição Estrutura Parte

Leia mais

ABNT NBR 15287 NORMA BRASILEIRA. Informação e documentação Projeto de pesquisa Apresentação

ABNT NBR 15287 NORMA BRASILEIRA. Informação e documentação Projeto de pesquisa Apresentação NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 15287 Primeira edição 30.12.2005 Válida a partir de 30.01.2006 Informação e documentação Projeto de pesquisa Apresentação Information and documentation Research project Presentation

Leia mais

DIRETRIZES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA TCC2

DIRETRIZES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA TCC2 UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS COORDENAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA COORDENAÇÃO ADJUNTA DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DIRETRIZES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO

Leia mais

OBRIGATÓRIO= + OPCIONAL= *

OBRIGATÓRIO= + OPCIONAL= * Lombada* UFRGS FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS BIBLIOTECA GLÁDIS W. DO AMARAL ORIENTAÇÃO SOBRE A ESTRUTURA DO TRABALHO ACADÊMICO Elementos póstextuais INDICES * PARTE INTERNA ANEXOS * APENDICES * GLOSSARIO

Leia mais

Manual para normalização de trabalhos técnicos científicos

Manual para normalização de trabalhos técnicos científicos Padrão FEAD de normalização Manual para normalização de trabalhos técnicos científicos Objetivo Visando padronizar os trabalhos científicos elaborados por alunos de nossa instituição Elaboramos este manual

Leia mais

BIBLIOTECA DE CIÊNCIAS JURÍDICAS. NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS CIENTÍFICOS: TRABALHOS ACADÊMICOS Aula 1

BIBLIOTECA DE CIÊNCIAS JURÍDICAS. NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS CIENTÍFICOS: TRABALHOS ACADÊMICOS Aula 1 BIBLIOTECA DE CIÊNCIAS JURÍDICAS NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS CIENTÍFICOS: TRABALHOS ACADÊMICOS Aula 1 Paula Carina de Araújo paulacarina@ufpr.br 2014 Pesquisa Pesquisa Atividade básica da ciência

Leia mais

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA (ABNT - NBR 15287- válida a partir de 30.01.2006) 1 COMPONENTES DE UM PROJETO DE PESQUISA (itens em negrito são obrigatórios) ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS Capa

Leia mais

NORMAS DA ABNT PARA TRABALHOS ACADÊMICOS

NORMAS DA ABNT PARA TRABALHOS ACADÊMICOS NORMAS DA ABNT PARA TRABALHOS ACADÊMICOS O texto a seguir tratará das seguintes normalizações: A. NBR 14724:2001 Informação e documentação - Trabalhos acadêmicos - Apresentação Informações pré-textuais

Leia mais

ABNT NBR 14724 [terceira edição atualizada em 2011]

ABNT NBR 14724 [terceira edição atualizada em 2011] ABNT NBR 14724 [terceira edição atualizada em 2011] Professora Alcione Mazur 25/07/11 Cancela e substitui a edição anterior. ABNT NBR 14724: 2005 Não houve alterações na estrutura do trabalho, mas em uma

Leia mais

MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISAS (PADRÃO UDF)

MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISAS (PADRÃO UDF) (Publicações da Biblioteca; 4) ORGANIZAÇÃO Weber Vasconcellos Gomes Maria Consuelene Marques Maurinete dos Santos MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISAS (PADRÃO UDF) 3ª edição Revisto e atualizado

Leia mais

Guia de Orientação para Apresentação de Projeto de Pesquisa para Alunos da FCC de acordo com as Normas da ABNT

Guia de Orientação para Apresentação de Projeto de Pesquisa para Alunos da FCC de acordo com as Normas da ABNT FACULDADE CRISTÃ DE CURITIBA Guia de Orientação para Apresentação de Projeto de Pesquisa para Alunos da FCC de acordo com as Normas da ABNT Elaborado pela bibliotecária Teresinha Teterycz - CRB 9 / 1171

Leia mais

DIRETRIZES PARA A REDAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOENGENHARIA

DIRETRIZES PARA A REDAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOENGENHARIA 1 DIRETRIZES PARA A REDAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOENGENHARIA O projeto gráfico é de responsabilidade do autor do trabalho, ou seja, o que não consta no texto destas

Leia mais

Apresentação de Trabalhos Acadêmicos ABNT

Apresentação de Trabalhos Acadêmicos ABNT Apresentação de Trabalhos Acadêmicos ABNT Editoração do Trabalho Acadêmico 1 Formato 1.1. Os trabalhos devem ser digitados em papel A-4 (210 X297 mm) apenas no anverso (frente) da folha. 2 Tipo e tamanho

Leia mais

METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO MATERIAL DIDÁTICO DA ABNT

METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO MATERIAL DIDÁTICO DA ABNT METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO MATERIAL DIDÁTICO DA ABNT www.abnt.org.br Objetivos da normalização Comunicação Simplificação Níveis de normalização Menos exigente (Genérica) INTERNACIONAL REGIONAL

Leia mais

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS 2013

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS 2013 NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS 2013 Jaciara-MT COMPOSIÇÃO DA MONOGRAFIA MONOGRAFIA Recebe nº página CAPA FOLHA DE ROSTO FOLHA DE APROVAÇÃO DEDICATÓRIA (OPCIONAL) AGRADECIMENTO (OPCIONAL) EPIGRAFE

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS Campus de Belo Horizonte Faculdade de Educação ORIENTAÇÕES GERAIS PARA NORMALIZAÇÃO DA MONOGRAFIA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS Campus de Belo Horizonte Faculdade de Educação ORIENTAÇÕES GERAIS PARA NORMALIZAÇÃO DA MONOGRAFIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS Campus de Belo Horizonte Faculdade de Educação ORIENTAÇÕES GERAIS PARA NORMALIZAÇÃO DA MONOGRAFIA 2014 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS Campus de Belo Horizonte

Leia mais

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS APRESENTAÇÃO O trabalho deve ser digitado e impresso em papel formato A4. O texto deve ser digitado, no anverso das folhas, em espaço 1,5, letra do tipo

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSOS DE GESTÃO TECNOLÓGICA PIM - III

UNIVERSIDADE PAULISTA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSOS DE GESTÃO TECNOLÓGICA PIM - III UNIVERSIDADE PAULISTA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSOS DE GESTÃO TECNOLÓGICA PIM - III Projeto Integrado Multidisciplinar Cursos Superiores Tecnológicos G. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Trabalho

Leia mais

2- DETALHES SOBRE A ESTRUTURA DO RELATÓRIO A seguir estão orientações sobre como formatar as diversas partes que compõem o relatório.

2- DETALHES SOBRE A ESTRUTURA DO RELATÓRIO A seguir estão orientações sobre como formatar as diversas partes que compõem o relatório. 1 - ESTRUTURA DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO O relatório do Estágio Supervisionado de todos os cursos do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Minas Gerais Campus Formiga - irá mostrar

Leia mais

4 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO

4 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO 4 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO Este capítulo visa a orientar a elaboração de artigos científicos para os cursos de graduação e de pós-graduação da FSG. Conforme a NBR 6022 (2003, p. 2),

Leia mais

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO 1 Modelo de Artigo de periódico baseado na NBR 6022, 2003. Título do artigo, centralizado. COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO Maria Bernardete Martins Alves * Susana Margaret de Arruda ** Nome do (s) autor

Leia mais

TRABALHO ACADÊMICO. Apresentação gráfica

TRABALHO ACADÊMICO. Apresentação gráfica 2012 2 Núcleo de Apoio à Pesquisa na Graduação- NAP/UNIMAR Projeto de Pesquisa; Apresentação gráfica TRABALHO ACADÊMICO Apresentação gráfica Segundo normas estabelecidas pela Associação Brasileira de Normas

Leia mais

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA APRESENTAÇÃO NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS O trabalho deve ser digitado e impresso em papel

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO NPGE MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO NPGE MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO NPGE MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS ARACAJU 2012 2 PREFÁCIO A apresentação dos trabalhos acadêmicos

Leia mais

Manual de Trabalho de Conclusão de Curso

Manual de Trabalho de Conclusão de Curso CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Manual de Trabalho de Conclusão de Curso Curso de Engenharia de Produção NATAL RN 2010 Apresentação O curso de Engenharia de Produção institui

Leia mais

GESTÃO HOSPITALAR. PIM VI Projeto Integrado Multidisciplinar

GESTÃO HOSPITALAR. PIM VI Projeto Integrado Multidisciplinar GESTÃO HOSPITALAR PIM VI Projeto Integrado Multidisciplinar 1 PIM PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR TEMA: Elaborar um estudo acerca Estrutura e Funcionamento do Sistema de Saúde Pública e Privada no Brasil.

Leia mais

Título do trabalho: subtítulo do trabalho

Título do trabalho: subtítulo do trabalho Título do trabalho: subtítulo do trabalho Resumo Este documento apresenta um modelo de formatação a ser utilizado em artigos e tem como objetivo esclarecer aos autores o formato a ser utilizado. Este documento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA BIOMÉDICA Regulamento do TCC

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA BIOMÉDICA Regulamento do TCC ANEXO A TERMO DE COMPROMISSO DE ORIENTAÇÃO DO TRABALHO DE Nome do Aluno: Matricula: Título do TCC CONCLUSAO DE CURSO (TCC) Solicito que seja designado como meu Orientador do Trabalho de Conclusão de Curso

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA MANUAL DO TCC ARUJÁ SP

CURSO DE PEDAGOGIA MANUAL DO TCC ARUJÁ SP CURSO DE PEDAGOGIA MANUAL DO TCC ARUJÁ SP 2011 ESTRUTURA 1 ELEMENTOS DE PRÉ-TEXTO 1.1 Capa 1.2 Lombada descendente 1.3 Folha de rosto 1.4 Folha de aprovação 1.5 Dedicatória 1.6 Agradecimentos 1.7 Epígrafe

Leia mais

MODELO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO DO CURSO DE GESTÃO AMBIENTAL CURSO DE GESTÃO AMBIENTAL - RELATÓRIO DE ESTÁGIO

MODELO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO DO CURSO DE GESTÃO AMBIENTAL CURSO DE GESTÃO AMBIENTAL - RELATÓRIO DE ESTÁGIO MODELO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO DO CURSO DE GESTÃO AMBIENTAL Estrutura formal do relatório Estrutura Elemento Capa Folha de Rosto Pré-textuais Folha de Identificação Sumário 1. Introdução Textuais 2. Atividades

Leia mais

Lendo a introdução, o leitor deve sentir-se esclarecido a respeito do tema do trabalho como do raciocínio a ser desenvolvido.

Lendo a introdução, o leitor deve sentir-se esclarecido a respeito do tema do trabalho como do raciocínio a ser desenvolvido. RESUMO Elemento obrigatório, constituído de uma seqüência de frases concisas e objetivas e não de uma simples enumeração de tópicos, não ultrapassando 500 palavras, seguido, logo abaixo, das palavras representativas

Leia mais

MONOGRAFIA ESTRUTURA DE MONOGRAFIAS

MONOGRAFIA ESTRUTURA DE MONOGRAFIAS MONOGRAFIA Trata-se de uma construção intelectual do aluno-autor que revela sua leitura, reflexão e interpretação sobre o tema da realidade. Tem como base a escolha de uma unidade ou elemento social, sob

Leia mais

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO -TCC

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO -TCC UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE QUÍMICA NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO -TCC 1 APRESENTAÇÃO As recomendações a seguir resumem os princípios para a elaboração

Leia mais

PIM I. Projeto Integrado Multidisciplinar

PIM I. Projeto Integrado Multidisciplinar PIM I Projeto Integrado Multidisciplinar PIM I - PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR TEMA: Descrição e Análise de Práticas de Gestão Organizacional em uma Empresa. OBJETIVOS: Favorecer aos alunos ingressantes

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - Unioeste PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS - PPGCA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - Unioeste PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS - PPGCA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - Unioeste PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS - PPGCA Normas para elaboração de Dissertações do Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais MODELO

Leia mais

MODELO DE PROJETO DE PESQUISA DA ADJETIVO CETEP

MODELO DE PROJETO DE PESQUISA DA ADJETIVO CETEP MODELO DE PROJETO DE PESQUISA DA ADJETIVO CETEP REPRESENTAÇÕES GRÁFICAS DOS TRABALHOS Formato: A4 Cor preta Espaçamento entre linhas: 1,5cm Fonte texto: Times New Roman, 12 ou Arial, 11 Margem superior

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA (UESB) DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS (DCE) CURSO DE MATÉMATICA VANÊIDE ROCHA DIAS RIBEIRO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA (UESB) DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS (DCE) CURSO DE MATÉMATICA VANÊIDE ROCHA DIAS RIBEIRO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA (UESB) DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS (DCE) CURSO DE MATÉMATICA VANÊIDE ROCHA DIAS RIBEIRO FORMATAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS (FTA) VITÓRIA DA CONQUISTA BA 2009

Leia mais

PROJETO MULDISCIPLINAR DO CURSO DE BACHAREL EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIESP FACULDADE DO GUARUJÁ. Prof. Marat Guedes Barreiros

PROJETO MULDISCIPLINAR DO CURSO DE BACHAREL EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIESP FACULDADE DO GUARUJÁ. Prof. Marat Guedes Barreiros PROJETO MULDISCIPLINAR DO CURSO DE BACHAREL EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIESP FACULDADE DO GUARUJÁ Prof. Marat Guedes Barreiros GUARUJÁ 2º semestre de 2013 PROJETO MULDISCIPLINAR Curso superior de BACHAREL em

Leia mais

MANUAL DE NORMATIZAÇÃO PARA ARTIGOS CIENTÍFICOS

MANUAL DE NORMATIZAÇÃO PARA ARTIGOS CIENTÍFICOS CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DOS CAMPOS GERAIS - CESCAGE FACULDADES INTEGRADAS DOS CAMPOS GERAIS COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO MANUAL DE NORMATIZAÇÃO PARA ARTIGOS CIENTÍFICOS PONTA GROSSA 2010 2 SUMÁRIO 1

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PRÉ-PROJETOS DE MONOGRAFIA DO CURSO DE DIREITO/FAJ

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PRÉ-PROJETOS DE MONOGRAFIA DO CURSO DE DIREITO/FAJ Faculdade de Jussara FAJ Curso de Direito Coordenação de Trabalho de Conclusão de Curso MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PRÉ-PROJETOS DE MONOGRAFIA DO CURSO DE DIREITO/FAJ Jussara 2013 APRESENTAÇÃO Este manual

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA. Apresentação gráfica

PROJETO DE PESQUISA. Apresentação gráfica 2012 PROJETO DE PESQUISA Apresentação gráfica Revisto e atualizado segundo alterações ABNT: NBR 15287:2011 Projeto de Pesquisa; NBR 14724:2011 Trabalhos Acadêmicos. Profa. Dra. Wakiria Martinez Heinrich

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE AGUDOS - FAAG BIBLIOTECA MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS PARA O PERIÓDICO. REVISTA DiCA!

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE AGUDOS - FAAG BIBLIOTECA MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS PARA O PERIÓDICO. REVISTA DiCA! CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE AGUDOS - FAAG BIBLIOTECA MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS PARA O PERIÓDICO REVISTA DiCA! Biblioteca - FAAG Tel. (14) 3262-9400 Ramal: 417 Email: biblioteca@faag.com.br http://www.faag.com.br/faculdade/biblioteca.php

Leia mais

NORMAS PARA A APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS (ABNT/NBR-14724, AGOSTO 2002)

NORMAS PARA A APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS (ABNT/NBR-14724, AGOSTO 2002) NORMAS PARA A APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS (ABNT/NBR-14724, AGOSTO 2002) DIRETOR: Profº. Daniel Jorge dos Santos Branco Borges COORDENADORA PEDAGÓGICA: Profª. Paloma Martinez Veiga Branco COORDENADORA

Leia mais

Manual para Elaboração Trabalhos Acadêmicos Conforme a NBR 14724:2005

Manual para Elaboração Trabalhos Acadêmicos Conforme a NBR 14724:2005 Manual para Elaboração Trabalhos Acadêmicos Conforme a NBR 14724:2005 Produzido pelos bibliotecários da Rede de Bibliotecas do Senac/RS com a finalidade de orientar os usuários na elaboração de seus trabalhos

Leia mais

1 Manual de elaboração de trabalho acadêmico

1 Manual de elaboração de trabalho acadêmico 1 Manual de elaboração de trabalho acadêmico Normas de apresentação dos Trabalhos de Conclusão de Curso, segundo os padrões da ABNT e adotadas pela Faculdade do Povo. ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE UMA MONOGRAFIA

Leia mais

universia.com.br/materia/img/tutoriais/ /01.jsp 1/1

universia.com.br/materia/img/tutoriais/ /01.jsp 1/1 5/12/2008 Monografias - Apresentação Fazer um trabalho acadêmico exige muito de qualquer pesquisador ou estudante. Além de todo esforço em torno do tema do trabalho, é fundamental ainda, adequá-lo às normas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC. Título

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC. Título UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC CENTRO DE CIÊNCIAS NATURAIS E HUMANAS Programa de Pós-Graduação em Biotecnociência Título Santo André dd/mm/aaaa Normas para Dissertações Mestrado em Biotecnociência - UFABC.

Leia mais

Uma instituição qualificando a ação profissional

Uma instituição qualificando a ação profissional Uma instituição qualificando a ação profissional SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...03 2. FORMAÇÃO GERAL...05 2.1 TIPO DE PAPEL...05 2.2 MARGEM...05 2.3 ESPAÇAMENTO...05 2.4 TIPO E TAMANHO DA FONTE...06 2.5 PAGINAÇÃO...06

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE CIÊNCIAS BÁSICAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MICROBIOLOGIA AGRÍCOLA E DO AMBIENTE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE CIÊNCIAS BÁSICAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MICROBIOLOGIA AGRÍCOLA E DO AMBIENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE CIÊNCIAS BÁSICAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MICROBIOLOGIA AGRÍCOLA E DO AMBIENTE Comissão Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO Centro de Ciências Humanas e Sociais CCHS Programa de Pós-Graduação em Educação Mestrado

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO Centro de Ciências Humanas e Sociais CCHS Programa de Pós-Graduação em Educação Mestrado UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO Centro de Ciências Humanas e Sociais CCHS Programa de Pós-Graduação em Educação Mestrado MANUAL DE DEFESA Exame de Qualificação: banca examinadora

Leia mais

NORMAS PARA A ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA APRESENTADA NO FINAL DO CURSO

NORMAS PARA A ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA APRESENTADA NO FINAL DO CURSO U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D E O U R O P R E T O - U F O P ESCOLA DE MINAS EM C O L E G I A D O C U R S O E N G E N H A R I A D E C O N T R O L E E A U T O M A Ç Ã O ( C E C A U ) NORMAS PARA

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO ORIENTAÇÕES GERAIS PARA APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO Prezado(a) Aluno(a): Esta pequena orientação e o modelo de relatório em anexo foram produzidos com o objetivo de facilitar a elaboração do Relatório

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO 1 ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO 1 APRESENTAÇÃO Tanto o artigo quanto a monografia são trabalhos monográficos, ou seja, trabalhos que apresentam resultados de pesquisa sobre um

Leia mais

O título e subtítulo (quando houver) devem ser separados por dois pontos (:).

O título e subtítulo (quando houver) devem ser separados por dois pontos (:). VIII Jornada Ibmec de Iniciação Científica - 2013 Normas para submissão dos artigos Os autores devem ser cuidadosos com a apresentação técnica, com a sintaxe e a ortografia de seu texto, sob pena de recusa

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS APLICADAS BIBLIOTECA PROF. DR. ALFONSO TRUJILLO FERRARI

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS APLICADAS BIBLIOTECA PROF. DR. ALFONSO TRUJILLO FERRARI INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS APLICADAS BIBLIOTECA PROF. DR. ALFONSO TRUJILLO FERRARI GUIA PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS: diretrizes para normalização Rosemeire Zambini Bibliotecária CRB5018

Leia mais

Manual TCC Administração

Manual TCC Administração 1 Manual TCC Administração 2013 2 Faculdade Marista Diretor Geral Ir. Ailton dos Santos Arruda Diretora Administrativo-Financeiro Sra. Rafaella Nóbrega Coordenador do Curso de Administração e Gestão de

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal do Amapá. Pró-Reitoria de Pós-Graduação Curso de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas

Ministério da Educação Universidade Federal do Amapá. Pró-Reitoria de Pós-Graduação Curso de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas Ministério da Educação Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Pós-Graduação Curso de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA Segundo a NBR 15287:2011

Leia mais

Informação e documentação Trabalhos acadêmicos Apresentação

Informação e documentação Trabalhos acadêmicos Apresentação AGO 2002 NBR 14724 ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Informação e documentação Trabalhos acadêmicos Apresentação Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 2º andar CEP 20003-900 Caixa Postal

Leia mais

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO 1 Modelo de Artigo de periódico baseado na NBR 6022, 2003. Título do artigo, centralizado. COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO Andersown Becher Paes de Barros * Ideraldo Bonafé ** RESUMO Este trabalho apresenta

Leia mais

FACULDADE ÚNICA DE CONTAGEM CLAUDIANE SANTANA MANUAL DE NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS CIENTÍFICOS

FACULDADE ÚNICA DE CONTAGEM CLAUDIANE SANTANA MANUAL DE NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS CIENTÍFICOS FACULDADE ÚNICA DE CONTAGEM CLAUDIANE SANTANA MANUAL DE NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS CIENTÍFICOS Baseado nas obras de Júnia Lessa França e Ana Cristina de Vasconcellos; Rosy Mara Oliveira. Atualizado

Leia mais

REGRAS BÁSICAS PARA APRESENTAÇÃO FORMAL DE TRABALHOS

REGRAS BÁSICAS PARA APRESENTAÇÃO FORMAL DE TRABALHOS F A C UL DA DE DE P R E S I DE N T E V E N C E S L A U REGRAS BÁSICAS PARA APRESENTAÇÃO FORMAL DE TRABALHOS APRESENTAÇÃO GRÁFICA - CONFIGURAÇÃO DAS MARGENS Ir ao menu Arquivo, escolher a opção Configurar

Leia mais

NORMAS PARA REDAÇÃO E IMPRESSÃO DE DISSERTAÇÕES E TESES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL

NORMAS PARA REDAÇÃO E IMPRESSÃO DE DISSERTAÇÕES E TESES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL NORMAS PARA REDAÇÃO E IMPRESSÃO DE DISSERTAÇÕES E TESES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL AQUIDAUANA MS 2009 1. PAPEL E PROCESSO DE MULTIPLICAÇÃO O papel

Leia mais

NORMAS DE REDAÇÃO PARA QUALIFICAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE DISSERTAÇÕES E TESES

NORMAS DE REDAÇÃO PARA QUALIFICAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE DISSERTAÇÕES E TESES 1 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/ DE 30 DE MAIO DE 2011/ PRODEMA-UFS DE Estas normas de redação foram definidas como diretrizes básicas pelo Colegiado do Núcleo de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente

Leia mais

ESTRUTURA DE UM TRABALHO MONOGRÁFICO (NBR 14724/2005)

ESTRUTURA DE UM TRABALHO MONOGRÁFICO (NBR 14724/2005) Errata Folha de Rosto Capa ESTRUTURA DE UM TRABALHO MONOGRÁFICO (NBR 14724/2005) Epígrafe Resumo L. estrangeira Resumo Agradecimentos Dedicatória Folha de Aprovação Anexos Apêndices Glossário Referências

Leia mais

Faculdade de Tecnologia da Zona Sul

Faculdade de Tecnologia da Zona Sul Faculdade de Tecnologia da Zona Sul NORMAS TÉCNICAS PARA TRABALHOS ACADÊMICOS DE ACORDO COM A ABNT Profª Dra. Márcia Araújo 1 RESUMO DAS NORMAS PARA TRABALHOS ACADÊMICOS Este resumo é indicado, principalmente,

Leia mais

AJES FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRAÇÀO DO VALE DO JURUENA E AJES - INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DO VALE DO JURUENA

AJES FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRAÇÀO DO VALE DO JURUENA E AJES - INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DO VALE DO JURUENA AJES FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRAÇÀO DO VALE DO JURUENA E AJES - INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DO VALE DO JURUENA NORMAS DE APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS JUINA/MT JULHO/2009 SUMÁRIO Introdução...

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA FORMATAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE

INSTRUÇÕES PARA FORMATAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE 1 INSTRUÇÕES PARA FORMATAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE INSTRUÇÕES GERAIS: papel branco A4, fonte Arial tamanho 12, com espaçamento de 1,5 cm entre as linhas,

Leia mais

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO Modelo de Artigo de periódico baseado na NBR 6022, 2003. Título do artigo, centralizado. COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO Maria Bernardete Martins Alves * Susana Margaret de Arruda ** Nome do (s) autor

Leia mais

GUIA PARA ELABORAÇÃO DISSERTAÇÃO DE MESTRADO (SEGUNDO ABNT-NBR 14724) PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA - UFSJ

GUIA PARA ELABORAÇÃO DISSERTAÇÃO DE MESTRADO (SEGUNDO ABNT-NBR 14724) PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA - UFSJ UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI UFSJ CAMPUS CENTRO-OESTE DONA LINDU CCO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA GUIA PARA ELABORAÇÃO DISSERTAÇÃO DE MESTRADO (SEGUNDO ABNT-NBR 14724) PROGRAMA

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO MANUAL PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO FLORIANO/ 2013 É importante enfatizar que as regras constantes neste manual para a apresentação do projeto de TCC e para a apresentação do próprio

Leia mais

Trabalhos Científicos Usuais: Caracterização e Estrutura

Trabalhos Científicos Usuais: Caracterização e Estrutura Trabalhos Científicos Usuais: Caracterização e Estrutura Iniciação à Pesquisa em Informática Profª MSc. Thelma E. C. Lopes e-mail: thelma@din.uem.br 2 Texto Científico: o que é? A elaboração do texto científico

Leia mais

NORMATIZAÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DE TCC COM BASE NAS NBR S. Por: Edirlane Carvalho de Souza Freitas - Bibliotecária

NORMATIZAÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DE TCC COM BASE NAS NBR S. Por: Edirlane Carvalho de Souza Freitas - Bibliotecária NORMATIZAÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DE TCC COM BASE NAS NBR S. Quem define a normatização técnica? Normas mais comuns utilizadas em trabalhos acadêmicos: NBR 6023 Referências; NBR 6024 Numeração progressiva

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DO MARANHÃO - FACEMA

FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DO MARANHÃO - FACEMA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DO MARANHÃO - FACEMA MANUAL DE NORMALIZAÇÃO PARA TRABALHOS ACADÊMICOS Caxias MA 2012 1. INTRODUÇÃO Conforme regulamento do núcleo de trabalho de conclusão de curso da

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI CAMPO GRANDE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS MANUAL PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO INTEGRADOR 2009.

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI CAMPO GRANDE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS MANUAL PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO INTEGRADOR 2009. FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI CAMPO GRANDE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS MANUAL PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO INTEGRADOR 2009.2 Campo Grande, outubro de 2009. Versão 2/2009 1/18 SUMÁRIO:

Leia mais

Apresentação e formatação de artigo em publicação periódica científica:

Apresentação e formatação de artigo em publicação periódica científica: Apresentação e formatação de artigo em publicação periódica científica: Conforme NBR 6022:2003 Seção de atendimento ao usuário - SISBI Outubro 2013 Normas técnicas Norma técnica é um documento estabelecido

Leia mais

FACULDADE PAN AMAZÔNICA CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA. MANUAL ESPECÍFICO Projeto Integrado Multidisciplinar I PIM I

FACULDADE PAN AMAZÔNICA CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA. MANUAL ESPECÍFICO Projeto Integrado Multidisciplinar I PIM I FACULDADE PAN AMAZÔNICA CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA MANUAL ESPECÍFICO Projeto Integrado Multidisciplinar I PIM I Este manual atende todos os cursos de gestão 1º semestre, turmas ingressantes em fevereiro

Leia mais

Biblioteca Universitária Biblioteca Central. Elaboração de Artigo Científico

Biblioteca Universitária Biblioteca Central. Elaboração de Artigo Científico Biblioteca Universitária Elaboração de Artigo Científico Elaborado por Evanilde Maria Moser Izildinha Ramos Accetta Liliane Vieira Pinheiro Maria Genoveva Lemos Tânia Ferreira Ciência e Comunicação A ciência

Leia mais