REVISÃO: O ENIGMA DA FIBROMIALGIA (também conhecida por Síndrome da fadiga crônica)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REVISÃO: O ENIGMA DA FIBROMIALGIA (também conhecida por Síndrome da fadiga crônica)"

Transcrição

1 REVISÃO: O ENIGMA DA FIBROMIALGIA (também conhecida por Síndrome da fadiga crônica) Jin H, Patil PM, Sharma A. Topical review: the enigma of fibromyalgia. Journal of Oral & Facial Pain and Headache. 2014; volume 28 (2): (Resumo traduzido pela Dra. Danielle Louise Sposito Bourreau) Fibromialgia é uma desordem caracterizada por dor, fragilidade e rigidez musculoesquelética, fadiga, problemas cognitivos e de memória, distúrbios do sono, insônia e distresse psicológico. O termo fibromialgia vem do novo latim (fibro = tecido fibroso) e do grego (myo = músculo e algos = dor). Sua prevalência abrange 2 a 4%, sendo mais comum em mulheres adultas, entre 60 e 79 anos de idade. A doença é um enigma para os cirurgiões-dentistas devido à complexidade e sobreposição de sintomas, correspondentes a múltiplas doenças do sistema orofacial, por isso o estudo da patofisiologia, de tratamento e critérios de diagnóstico é de suma importância para a melhora da prática clínica. DIAGNÓSTICO: Não há um simples teste para concluir o diagnóstico da fibromialgia e os critérios que devem ser considerados essenciais ainda estão em debate. Não se sabe nem se um diagnóstico objetivo é possível. Na maioria dos casos, pacientes com sintomas de fibromialgia apresentam resultados laboratoriais normais e muitos dos sintomas podem mimetizar aqueles de condições reumáticas como artrites e osteoporoses. No geral, o diagnóstico diferencial é realizado com base nos sintomas do paciente, sexo, idade, localização geográfica, história médica e outros fatores. Os critérios para diagnóstico da fibromialgia, de 1990, estabelecidos pelo American College of Rheumatology, foram revisados e aceitos em maio de 2010, simples e práticos para o diagnóstico clínico, adequados tanto aos primeiros cuidados quanto aos cuidados especializados, sem exigir o exame dos tender-points, fornecendo uma escala de severidade para os sintomas característicos da fibromialgia. O Canadian Fibromyalgia Guidelines Commitee (CFGC) lançou um guia para diagnóstico da fibromialgia, endossado pela Canadian Pain Society e pela Canadian Rheumatology Association, que inclui pacientes portadores de dor corporal difusa, persistente por mais de três meses, associada à fadiga, distúrbios do sono, alterações cognitivas, desordens do humor e outros sintomas somáticos em variáveis graus, além de sintomas que não pode ser explicados por nenhuma outra doença. Recursos de imagem funcional, tais como a ressonância magnética funcional (fmri), a tomografia computadorizada pela emissão de um único fóton (SPECT), tomografia pela emissão de pósitrons (PET) e a ressonância magnética espectroscópica (H-MRS) tem sido largamente usados. A fmri comprovou o menor limiar de dor dos pacientes fibromiálgicos comparados ao grupo controle. O SPECT scan em pacientes fibromiálgicos mostrou uma redução do fluxo sanguíneo cerebral nas estruturas moduladoras da percepção da dor. Um estudo recente em pacientes fibromiálgicos, no qual foi utilizada uma análise morfométrica de MRI baseada em voxel, mostrou que estes pacientes apresentam uma atrofia da massa cerebral cinzenta nas áreas envolvidas no estresse e no processamento da dor assim como nas

2 áreas das dificuldades cognitivas. Mostrou, também, uma redução do volume cerebral total comparado com o grupo controle. Neuroimagens demonstraram anormalidade e aumento do recrutamento neural durante as tarefas cognitivas em pacientes fibromiálgicos. SINAIS E SINTOMAS: De acordo com os critérios de 1990, a fibromialgia é definida como uma dor difundida, com mais de três meses de duração, com exacerbação da dor à palpação em 11 dos 18 tender points específicos e protocolados do corpo. Dor, fadiga e distúrbios do sono são observados em todos os pacientes. Adicionalmente, podemos notar rigidez muscular, depressão, ansiedade, intolerância a exercícios físicos, problemas de equilíbrio, dor lombar, fragilidade da pele, período menstrual doloroso, síndrome do intestino irritável, distúrbios cognitivos, síndrome da bexiga hiperativa, cistites, dores de cabeça tensionais ou enxaquecas, tonturas, retenção de líquidos, parestesias, pernas inquietas, fenômeno de Raynaud (exagero de respostas à temperatura fria: vasoconstrição, isquemia na pele, cianose <arroxeamento> na pele, formigamento ou amortecimento e dor) e distúrbios do humor. Os pacientes podem ser altamente sensíveis a frio, barulhos, odores e luz, que podem levá-los a uma sobrecarga sensorial. A síndrome de Sjögren apresenta muitas características que se sobrepõem àquelas encontradas na fibromialgia, tais como pele seca, boca seca, dor muscular e articular, edema das glândulas salivares, fadiga crônica, fenômeno de Raynaud e neuropatia periférica. Como manifestações orais, temos xerostomia, úlceras, glossodinia (inflamação ou infecção da língua), disgeusia (distorção ou diminuição do senso do paladar), disfagia (dificuldade de deglutição), DTMs e outros tipos de dor orofacial. PATOFISIOLOGIA: A causa exata da fibromialgia é, ainda, desconhecida. Entretanto, percepções sugerem que é uma doença de processamento sensorial central, que compreende uma predisposição genética e uma exposição, de natureza física e psicológica, ao estresse emocional. Ambientalmente, agentes estressores associados ao desenvolvimento da fibromialgia incluem trauma físico; algumas infecções como a hepatite C, herpes tipo IV (Epstein barr), parvovirose, borreliose de Lyme e estresse emocional. Em parte, o aumento da experiência dolorosa em indivíduos com fibromialgia está relacionado com um excesso de facilitação do sinal aferente para as regiões de processamento de dor no cérebro ou, ainda, uma deficiência nas regiões cerebrais responsáveis pela transmissão do amortecimento nociceptivo. Estes fatores estão, também, associados com desordens que sobrepõe a fibromialgia, como distúrbio de depressão maior, síndrome do colo irritável e DTMs. Dor crônica generalizada e um limiar de dor mais baixo do que em pessoas saudáveis são características da fibromialgia. Alodinia (percepção da dor através de um estímulo não doloroso, ocasionada por uma alteração na mensagem das fibras nervosas) e hiperalgesia são respostas comuns nestes pacientes. A sensibilização central pode ser a causa da amplificação da dor, do ruído, do odor e da luz nos fibromiálgicos e, possivelmente, seja proveniente de:

3 1. Ativação dos receptores ácidos N-metil-D-aspárticos, no chifre dorsal da medula, após repetidas despolarizações neuronais; 2. Ativação das células da glia (células não-neuronais que proporcionam suporte e nutrição aos neurônios) circundantes dos neurônios nociceptivos dentro do SNC como um resultado do lançamento de várias citocinas pró-nociceptivas; 3. Deficiência da transmissão nociceptiva inibitória pelas projeções noradrenérgicas e serotonérgicas descendentes, originárias do tronco cerebral para a medula; 4. Desequilíbios neuroquímicos, os quais aumentam a substância P e o fator de crescimento do nervo; 5. Disfunção adrenal do eixo hipotálamo-hipófise (HPA), resultando em baixos níveis de cortisol sérico matinal, o que reduz a resposta psicológica ao estresse. Débito do sono é observado em mais de 90% dos fibromiálgicos e o estágio 3 do sono e a atividade das ondas alpha são deficientes. Repetidas noites com débito do sono podem causar fadiga extrema e exacerbação da dor. Disfunções cognitivas contribuem para dificuldades com a memória e débito cognitivo. Entretanto, a atual hipótese implica em alterações no eixo do estresse (relacionadas a uma baixa resposta do eixo hipotálamo-hipófise e o SNA), que contribuem para o aumento da dor devido a uma desregulação central. A alteração nas respostas fisiológicas necessária para a administração efetiva do estresse e a inibição da via da dor diminui a produção do hormônio do crescimento e de um fator de crescimento semelhante à insulina, o que contribui para os sintomas. Recentemente, estudos começaram a identificar polimorfismos genéticos específicos, que são associados ao aumento do risco para o desenvolvimento da fibromialgia. TRATAMENTO: O tratamento da fibromialgia é baseado nos sintomas e tem como objetivo o alívio da dor, a restauração do sono e a melhora do estado físico. Em geral, o tratamento integra terapia medicamentosa, orientações educacionais, exercícios aeróbios e terapias cognitivocomportamentais. TRATAMENTO FARMACOLÓGICO: A American Pain Society, em 2005, lançou um guia para a administração e a avaliação dos pacientes. O Europe League Against Reumatism lançou um guia de tratamento em As diretrizes da farmacologia atual recomendam antidepressivos tricíclicos, analgésicos, relaxantes musculares, benzodiazepínicos, corticosteróides, opióides e injeções tópicas de anestésicos em tecidos moles. A maioria deles foi efetiva na melhora dos sintomas fibromiálgicos, como fadiga, distúrbios do sono e alterações no humor. Os antidepressivos tricíclicos como a Amitriptilina, a Nortriptilina e a Imipramina são os medicamentos mais efetivos no tratamento da fibromialgia, pois aumentam a concentração da

4 serotonina e/ou da norepinefrina, bloqueando a sua recaptura. As limitações destes medicamentos estão relacionadas ao estreito índice terapêutico e à baixa tolerância. Os inibidores da recaptura seletiva da serotonina melhores tolerados, como a Fluoxetina, o Citalopram e a Sertralina, mostraram benefícios inconsistentes para pacientes com fibromialgia, além de serem muito mais caros. Os inibidores da serotonina e da norepinefrina, tais como Venlafaxina, Duloxetina* e Milnaciprano*, são melhores tolerados que os velhos antidepressivos tricíclicos e os dois últimos (*) são aprovados pela FDA para o tratamento da fibromialgia. Nos efeitos colaterais incluem cefaléia, náusea, taquicardia, hipertensão e hipotensão, aumento do risco de hemorragia e suicídio. Todas as categorias de antidepressivos, incluindo os tricíclicos, os inibidores da recaptura seletiva da serotonina e os inibidores da recaptura da serotonina e da norepinefrina, podem ser usados no tratamento da dor e outros sintomas em pacientes fibromiálgicos, com a escolha baseada nas evidências disponíveis para a eficácia, conhecimento físico, características de cada paciente e atenção ao perfil do paciente relacionado aos efeitos colaterais. Anticonvulsivantes, tais como a Gabapentina e a Pregabalina (primeira droga aprovada pela FDA na administração da fibromialgia) também são utilizados no tratamento da fibromialgia. Seus mecanismos de ação, provavelmente, envolvem a redução dos neurotransmissores excitatórios e propriedades moduladoras da dor e o tratamento deveria começar com a menor dose possível, com atenção aos efeitos adversos. O Tramadol é um opióide fraco, receptor agonista e inibidor da recaptura da serotonina e da noradrenalina. Estudos indicam que o seu uso pode resultar no alívio da dor e na melhora da função física, mas deve estar reservado aos pacientes que apresentam dor moderada a severa, os quais não responderam a nenhuma outra modalidade de tratamento, pois seu uso tem sido associado ao aumento de abuso, dependência e presença de sintomas clássicos inerentes à suspensão dos opióides. Analgésicos opióides convencionais não são, geralmente, recomendados no tratamento da fibromialgia. AGENTES FARMACOLÓGICOS MAIS NOVOS: Sedativos hipnóticos, como o Oxibato de sódio, usado no tratamento da catalepsia e da narcolepsia, também foram avaliados para o tratamento da fibromialgia devido aos distúrbios do sono, frequentemente observados nestes pacientes. Entretanto, há um alto risco de abuso, letalidade e overdose desta droga, ainda questionável. A aprovação da FDA para o tratamento da fibromialgia foi negado devido à preocupação com abusos. É concebível que agonistas da dopamina, tais como o Pramipexol e a Tizanidina, possuam efeitos benéficos para os pacientes fibromiálgicos com a síndrome das pernas inquietas ou espasticidade (aumento do tônus muscular, envolvendo hipertonia e hiperreflexia no momento da contração muscular, causado por uma condição neurológica anormal), respectivamente. O Pramipexol pode melhorar a dor e o sono nos pacientes fibromiálgicos. A Tizanidina tem ação central, nos agonistas alpha-2-adrenérgicos, que possui efeitos relaxantes musculares e reduzem a substância P no fluido cérebro-espinal nos pacientes portadores de espasticidade. Entretanto, numerosos efeitos colaterais, incluindo o aparecimento de transtornos compulsivos como jogar ou comprar, levou a uma preocupação sobre a droga. Há alguma evidência da deficiência funcional do hormônio do crescimento em algum subgrupo de

5 pacientes fibromiálgicos. Infelizmente, enquanto a terapia com hormônio de crescimento poderia oferecer a este subgrupo alguma melhora sintomática, considerações financeiras inviabilizam a terapia, de longo prazo, nesta população. Um novo fármaco para o tratamento da fibromialgia, que inclui antagonistas da 5-HT3 (tropisteron) e antagonistas do NMDA (dextrometorfano), mostrou resultados promissores. Entretanto, mais estudos são necessários antes do seu uso na fibromialgia ser aprovado. Somente a Pregabalina e a Duloxetina são aprovados pela Health Canada para o controle sintomático da fibromialgia, segundo a CFGC. MÉTODOS NÃO FARMACOLÓGICOS: Estes métodos incluem a orientação física dos pacientes, que objetiva aumentar o entendimento da complexa natureza da interação entre o processo comportamental neurobiológico, como o sono e/ou níveis de atividades, e os sintomas. A CFGC sugere que uma avaliação psicológica e/ou um aconselhamento podem ajudar os pacientes fibromiálgicos em vista da associação com o distresse psicológico. Outras modalidades incluem intervenções motivacionais, terapias cognitivo-comportamentais ou terapias em grupo. A terapia cognitiva é baseada na premissa da modificação dos maus pensamentos, que resulta em mudanças nos aspectos afetivo e comportamental. A terapia comportamental está enraizada na teoria que estados interiores (pensamentos e sentimentos) são menos importantes que o uso de técnicas comportamentais na melhora do comportamento adaptativo através do reforço de positivo e negativo e da extinção da punição. A CFGC diz que a terapia cognitivo-comportamental por um curto período de tempo é útil e pode reduzir o medo da dor e o medo das atividades. Técnicas de relaxamento (meditação, imaginação guiada, relaxamento muscular progressivo, treinamento autógeno) também podem ajudar. Há evidências que técnicas de relaxamento podem produzir efeitos coadjuvantes no tratamento da fibromialgia. O biofeedback da variabilidade cardíaca mostrou-se efetivo no tratamento, visto que no funcionamento do SNA de pacientes fibromiálgicos nota-se uma elevada atividade simpática, uma pobre atividade parassimpática e um ciclo autonômico anormal em 24 horas. Exercícios aeróbicos, de fortalecimento ou na água, em casa ou em grupo, trazem benefícios para a melhora da capacidade e do bem-estar físicos e para o alívio da dor e são frequentemente recomendados como o primeiro passo da estratégia de tratamento. Exercícios aquáticos, além de propiciarem um bem estar físico, auxiliam no bem estar emocional dos fibromiálgicos. Um programa de 12 semanas de exercícios de Pilates mostrou-se bastante efetivo na melhora da dor, mais do que programas de relaxamento, porém notou-se uma pobre aderência ao tratamento. Tai chi é uma atividade que combina componentes físico e mental, o que é bastante adequado para pessoas com fibromialgia, com melhora da função e da qualidade de vida. Quando o yoga tradicional foi comparado ao yoga combinado com a técnica do yoga touch (Tui Na), melhorias foram mais sustentadas no grupo do yoga

6 tradicional. Embora os pacientes com fibromialgia, frequentemente, relatem uma incapacidade física, a capacidade cardiorrespiratória encontrada foi similar ao grupo controle, sugerindo que os fibromiálgicos exageram em sua percepção de esforço e que um simples relato de dor muscular subjetiva pode ser uma barreira para uma atividade física ideal. Os pacientes precisam ser encorajados a escolherem uma atividade, terrestre ou aquática, que seja agradável, fácil, conveniente e dentro do orçamento, para favorecer a aderência. Pacientes com fibromialgia tem, em sua maioria, buscado outras formas de terapia, tal como a medicina alternativa (massoterapia, acupuntura, hidroterapia, fitotermoterapia, terapia crânio-sacral, TENS, câmaras hiperbáricas, homeopatia, etc), porém há, cientificamente, poucas evidências estudadas. MANIFESTAÇÕES OROFACIAIS São caracterizadas pela percepção intensificada da dor, incluindo hiperalgesia, alodinia, dor muscular e redução dos efeitos de inibição da dor. O mecanismo patofisiológico da dor orofacial e o mesmo que em outras partes do corpo. O paciente fibromiálgico pode ter vários músculos mastigatórios afetados por mio tender points (MTPs), os quais são alterados pela oclusão. Uma DTM pode coexistir. A fibromialgia é, provavelmente, originária da persistência de uma DTM. No entanto, é importante distinguir o diagnóstico. Uma mialgia mastigatória e uma dor articular têmporo mandibular podem estar relacionadas à fibromialgia, enquanto que uma degeneração interna da ATM não está. Uma dor de dente, geralmente intermitente, pode ser causada por vários MTPs, principalmente nos músculos temporais, digástrico e masséteres. Cada MTP parece ter o seu próprio padrão dentário... Por exemplo, o MTP do digástrico anterior refere dor para os incisivos centrais inferiores, além de dificultar a deglutição. Esta dor é, frequentemente, confundida com uma pulpite e muitos procedimentos endodônticos desnecessários são realizados. Problemas para deglutir, dor ao mastigar, bruxismo, clics articulares, DTM, dor na garganta, salivação excessiva, dor sinusal, babar enquanto dorme, engasgar com a saliva são sinais e sintomas, sugestivamente, ocasionados pelo MTP do pterigoideo, frequentemente negligenciado. Estouros, clics ou dor na mandíbula e DTMs podem ser associados com um ou mais MTPs nos masséteres, embora trapézio e temporais também estejam envolvidos. Um formigamento na região da mandíbula pode ser causado por compressão do nervo bucal pelo pterigoideo lateral no bruxismo crônico. Esta sensação ocorre, geralmente, ao levantar de manhã ou durante períodos de intenso estresse. Uma simples profilaxia bucal de rotina pode ser muito dolorosa para os pacientes portadores de fibromialgia devido à sensibilização periférica ou central, que amplifica a dor, que poderá durar semanas.

7 Cefaléias também são relatadas em até 82% dos casos de fibromialgia. Enxaquecas e cefaléias por sobredose de analgésicos são relatadas em 63% e 8% dos pacientes, respectivamente. Xerostomia é comum, mas não se sabe, ainda, se é uma verdadeira manifestação oral da doença ou um sintoma somatizado. Vários fatores poderão colaborara para a xerostomia, tais como uma hepatite C ou uma candidíase ou o uso de medicamentos. Glossodinia e ardência bucal são observadas em 1/3 dos pacientes fibromiálgicos e são causadas pelos medicamentos xerostômicos, tais como antidepressivos, hipnóticos, relaxantes musculares, anticonvulsivantes e hormônios. Disgeusia é relatada em 34% dos pacientes, principalmente usuários de Amitriptilina, Fluoxetina, Venlafaxina, Ciclobenzaprina e Zopiclona. CONSIDERAÇÕES PARA O TRATAMENTO BUCAL: Sintomas de fibromialgia e da DTM coexistem e o tratamento deverá ser multidisciplinar. Medicamentos utilizados no tratamento da fibromialgia produzem manifestações bucais como bruxismo, ulcerações ou lesões liquenóides e, portanto, estes pacientes deverão ser acompanhados pelo dentista. Atentar às interações medicamentosas.

FICHA DE INCLUSÃO DO PACIENTE

FICHA DE INCLUSÃO DO PACIENTE FICHA DE INCLUSÃO DO PACIENTE Deverá ser preenchida pelo médico assistente O paciente não pode ter sido incluído na primeira fase do Epifibro Data: / / Nome: DN: / / RG: UF: Sexo: ( ) Feminino ( ) Masculino

Leia mais

Profº André Montillo

Profº André Montillo Profº André Montillo www.montillo.com.br Definição: É a causa mais comum de dor musculoesquelética generalizada. É a enfermidade reumática mais frequente Os primeiros relatos datam de 1850, onde os pacientes

Leia mais

DOR PROTOCOLO DO TRATAMENTO CLÍNICO PARA O NEUROLOGISTA. Laura Sousa Castro Peixoto

DOR PROTOCOLO DO TRATAMENTO CLÍNICO PARA O NEUROLOGISTA. Laura Sousa Castro Peixoto DOR PROTOCOLO DO TRATAMENTO CLÍNICO PARA O NEUROLOGISTA Laura Sousa Castro Peixoto DOR Dor é uma sensação ou experiência emocional desagradável, associada com dano tecidual real ou potencial. IASP Tratamento

Leia mais

26ª Reunião, Extraordinária Comissão de Assuntos Sociais

26ª Reunião, Extraordinária Comissão de Assuntos Sociais 26ª Reunião, Extraordinária Comissão de Assuntos Sociais Dr. Sandro José Martins Coordenador Geral de Atenção às Pessoas com Doenças Crônicas Diretoria de Atenção Especializada e Temática Secretaria de

Leia mais

Fibromialgia DOR - USP. Roberto Vlainich 2013

Fibromialgia DOR - USP. Roberto Vlainich 2013 Fibromialgia DOR - USP Roberto Vlainich 2013 1 Dados históricos 1900 Edward Gowers Fibrosite 1970 Smythe tender points 1970 Moldofsky Distúrbio sono 1980 Yunus Fibromialgia 1988 Vaeroy Substância P 1990

Leia mais

FICHA DE CONSULTA Deverá ser preenchida pelo médico assistente

FICHA DE CONSULTA Deverá ser preenchida pelo médico assistente FICHA DE CONSULTA Deverá ser preenchida pelo médico assistente Data: / / Nome: 1) Avaliação de melhora pelo paciente (NÃO USAR NA PRIMEIRA): Muito pior Pior Igual Melhor Muito melhor 2) Índice de dor generalizada:

Leia mais

ODONTOLOGIA PREVENTIVA. Saúde Bucal. Dores na mandíbula e na face.

ODONTOLOGIA PREVENTIVA. Saúde Bucal. Dores na mandíbula e na face. ODONTOLOGIA PREVENTIVA Saúde Bucal Dores na mandíbula e na face. O que é ATM? ATM significa articulação temporomandibular, que é a articulação entre a mandíbula e o crânio. Portanto, temos duas ATM, cada

Leia mais

Alexandre de Araújo Pereira Psiquiatra, Msc, Doutorando em Medicina pela UFMG Professor do Curso de Medicina UNIFENAS - BH

Alexandre de Araújo Pereira Psiquiatra, Msc, Doutorando em Medicina pela UFMG Professor do Curso de Medicina UNIFENAS - BH Alexandre de Araújo Pereira Psiquiatra, Msc, Doutorando em Medicina pela UFMG Professor do Curso de Medicina UNIFENAS - BH PREMISSA: Circuitos cerebrais disfuncionais podem mediar sintomas psiquiátricos

Leia mais

NEUROPATIA DIABÉTICA

NEUROPATIA DIABÉTICA NEUROPATIA DIABÉTICA FATORES DE RISCO Hiperglicemia crônica Idade Duração da doença Obesidade HAS Tabagismo Etilismo Dislipidemia DCV Albuminúria Retinopatia Diabética CAUSAS Ocorrem vários processos cujo

Leia mais

Trimedal Tosse bromidrato de dextrometorfano

Trimedal Tosse bromidrato de dextrometorfano Trimedal Tosse bromidrato de dextrometorfano Forma farmacêutica, via de administração e apresentações: Filme de desintegração oral. Uso oral. Trimedal Tosse 7,5 mg: cartuchos com 16 filmes de desintegração

Leia mais

ANSIEDADE E DEPRESSÃO

ANSIEDADE E DEPRESSÃO ANSIEDADE E DEPRESSÃO PSICOPATOLOGIA E ASPECTOS DIAGNÓSTICOS Definição de Dor (IASP, 1979) Dor segundo a definição de Meskley, aceita pela IASP é: Experiência sensorial e emocional desprazerosa associada

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 430/2014 Informações sobre Depressão: Clo e Frontal

RESPOSTA RÁPIDA 430/2014 Informações sobre Depressão: Clo e Frontal RESPOSTA RÁPIDA 430/2014 Informações sobre Depressão: Clo e Frontal SOLICITANTE Drª Herilene de Oliveira Andrade Juíza de Direito Comarca de Itapecerica NÚMERO DO PROCESSO Autos nº 0335.14.1563-7 DATA

Leia mais

Fármacos antidepressivos. Prof. Dr. Gildomar Lima Valasques Junior Farmacêutico Clínico-Industrial Doutor em Biotecnologia

Fármacos antidepressivos. Prof. Dr. Gildomar Lima Valasques Junior Farmacêutico Clínico-Industrial Doutor em Biotecnologia Prof. Dr. Gildomar Lima Valasques Junior Farmacêutico Clínico-Industrial Doutor em Biotecnologia Jequié 2015 Introdução Depressão é um dos transtornos psiquiátricos mais comuns Classificação Depressão

Leia mais

DIRETRIZES PARA O DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA FIBROMIALGIA

DIRETRIZES PARA O DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA FIBROMIALGIA DIRETRIZES PARA O DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA FIBROMIALGIA QUE CURIOSO??? JÁ ESTOU FICANDO VELHA! ELA É TODA NOSSA! COMISSÃO DE DOR, FIBROMIALGIA E OUTRAS SÍNDROMES DOLOROSAS DE PARTES MOLES DA S.B.R.

Leia mais

Transtornos podem ser considerados como Psíquicos Psiquiátricos

Transtornos podem ser considerados como Psíquicos Psiquiátricos Transtornos podem ser considerados como Psíquicos Psiquiátricos Alguns autores colocam como alterações de comportamento não acompanhadas de alterações de consciência Conceito de neurose Conceito de psicose

Leia mais

ASPECTOS GERAIS DA FIBROMIALGIA

ASPECTOS GERAIS DA FIBROMIALGIA HISTÓRICO 1904 Gowers Fibrosite 1981 Yunus Fibromialgia ASPECTOS GERAIS DA FIBROMIALGIA FIBRO fibras de tecido conjuntivo MIA músculo ALGIA dor ou condição dolorosa EPIDEMIOLOGIA CONCEITO 5% da população

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 106/2014 APRAZ NO TRATAMENTO DA FIBROMIALGIA. Ilma Dra Valéria S. Sousa

RESPOSTA RÁPIDA 106/2014 APRAZ NO TRATAMENTO DA FIBROMIALGIA. Ilma Dra Valéria S. Sousa RESPOSTA RÁPIDA 106/2014 APRAZ NO TRATAMENTO DA FIBROMIALGIA SOLICITANTE Ilma Dra Valéria S. Sousa NÚMERO DO PROCESSO 0112.13.005931-7 DATA 07/03/2014 SOLICITAÇÃO Trata-se de Ação de Obrigação de Fazer

Leia mais

Centro de Dor e Neurocirurgia do Hospital Nove de Julho

Centro de Dor e Neurocirurgia do Hospital Nove de Julho Cliente Centro de Dor e Neurocirurgia do Hospital Nove de Julho Veículo Terra Coluna/Programa Chat Data 21/8/2008 Chat com Cláudio Corrêa (21/8/2008) 11:12:46 Dr. Cláudio Corrêa Cláudio Fernandes Corrêa

Leia mais

Patologias psiquiátricas mais prevalentes na atenção básica: Alguns sintomas físicos ocorrem sem nenhuma causa física e nesses casos,

Patologias psiquiátricas mais prevalentes na atenção básica: Alguns sintomas físicos ocorrem sem nenhuma causa física e nesses casos, Diretrizes Gerais de Abordagem das Somatizações, Síndromes ansiosas e depressivas Alexandre de Araújo Pereira Patologias psiquiátricas mais prevalentes na atenção básica: Somatizações Transtornos Depressivos

Leia mais

FIBROMIALGIA. Dr Roberto E. Heymann UNIFESP- EPM

FIBROMIALGIA. Dr Roberto E. Heymann UNIFESP- EPM FIBROMIALGIA Dr Roberto E. Heymann UNIFESP- EPM O que é Fibromialgia? Quadro de dor crônica no corpo todo associado a uma grande variedade de outros sintomas Qual a população mais sujeita a Fibromialgia?

Leia mais

Drogas do Sistema Nervoso Central

Drogas do Sistema Nervoso Central Drogas do Sistema Nervoso Central Depressão Conceito: Transtorno do humor(abaixamento persistente de humor) que influencia profundamente o comportamento e o pensamento, uma síndrome com sintomas e sinais

Leia mais

TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR

TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR Até recentemente o Transtorno Bipolar era conhecido como psicose ou doença maníaco-depressiva. É um transtorno no qual ocorrem alternâncias do humor, caracterizando-se por períodos

Leia mais

Faculdades Integradas de Taquara

Faculdades Integradas de Taquara Faculdades Integradas de Taquara DEPRESSÃO Disciplina: Fisiologia Humana Semestre: 1/2016 Docente: Debora Morsch Acadêmicas: Haiesha Wolff Katieli Córdova Vanessa A. Brocker Vanessa S. Ferreira Priscila

Leia mais

PRESCRIÇÃO DE ATIVIDADE FÍSICA PARA PORTADORES DE DIABETES MELLITUS

PRESCRIÇÃO DE ATIVIDADE FÍSICA PARA PORTADORES DE DIABETES MELLITUS PRESCRIÇÃO DE ATIVIDADE FÍSICA PARA PORTADORES DE DIABETES MELLITUS Acadêmica de medicina: Jéssica Stacciarini Liga de diabetes 15/04/2015 Benefícios do exercício físico em relação ao diabetes mellitus:

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 105 /2013

RESPOSTA RÁPIDA 105 /2013 RESPOSTA RÁPIDA 105 /2013 SOLICITANTE Juíza de Direito: Dr(a). Juizado Especial 0512 Pirapora NÚMERO DO PROCESSO nº0512.13 003595-3 DATA 17/05/2013 1- O medicamento solicitados Venlafaxina (Venlift),é

Leia mais

Distúrbios do Na+ 0 7 / 1 2 / 2 0 1 5

Distúrbios do Na+ 0 7 / 1 2 / 2 0 1 5 Distúrbios do Na+ MARIANA PEREIRA RIBEIRO 6 SEMESTRE 0 7 / 1 2 / 2 0 1 5 Principais problemas clínicos na emergência; Cuidado com pacientes críticos: Grande queimado; Trauma; Sepse; ICC e IRA; Iatrogenia.

Leia mais

DOR E CEFALEIA. Profa. Dra. Fabíola Dach. Divisão de Neurologia FMRP-USP

DOR E CEFALEIA. Profa. Dra. Fabíola Dach. Divisão de Neurologia FMRP-USP DOR E CEFALEIA Profa. Dra. Fabíola Dach Divisão de Neurologia FMRP-USP Dor Experiência sensitiva e emocional desagradável associada ou relacionada a lesão real ou potencial dos tecidos. Cada indivíduo

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE CAMPINAS CÂMARA TÉCNICA DE ESPECIALIDADES. Documento anexo do Manual de Ortopedia FIBROMIALGIA

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE CAMPINAS CÂMARA TÉCNICA DE ESPECIALIDADES. Documento anexo do Manual de Ortopedia FIBROMIALGIA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE CAMPINAS CÂMARA TÉCNICA DE ESPECIALIDADES Documento anexo do Manual de Ortopedia FIBROMIALGIA Em 1904, Gowers descreveu um conjunto de sinais e sintomas onde predominavam

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 443/2014

RESPOSTA RÁPIDA 443/2014 RESPOSTA RÁPIDA 443/2014 SOLICITANTE Drª Herilene de Oliveira Andrade Juíza de Direito da Comarca de Itapecerica NÚMERO DO PROCESSO 0335.14.1576-9 DATA 01/08/2014 Ao NATS, SOLICITAÇÃO Reinteramos solicitão

Leia mais

SISTEMA HORMONAL. Funções: coordenação do organismo e manutenção do seu equilíbrio

SISTEMA HORMONAL. Funções: coordenação do organismo e manutenção do seu equilíbrio SISTEMA NEURO-HORMONAL SISTEMA NERVOSO SISTEMA HORMONAL Funções: coordenação do organismo e manutenção do seu equilíbrio REAÇÃO DO ORGANISMO A ESTÍMULOS Estímulo Receptor sensorial Órgãos efectores REAÇÃO

Leia mais

Estresse: Teu Gênero é Feminino... Dr. Renato M.E. Sabbatini Faculdade de Ciências Médicas UNICAMP

Estresse: Teu Gênero é Feminino... Dr. Renato M.E. Sabbatini Faculdade de Ciências Médicas UNICAMP Estresse: Teu Gênero é Feminino... Dr. Renato M.E. Sabbatini Faculdade de Ciências Médicas UNICAMP O nosso amiguinho do dia a dia: Estresse Você é estressada? 1. Sim, muito estressada, sou ansiosa e reajo

Leia mais

LABIRIN. dicloridrato de betaistina

LABIRIN. dicloridrato de betaistina LABIRIN dicloridrato de betaistina APRESENTAÇÃO Comprimidos de 24 mg. Caixa com 30 e 60 comprimidos. USO ORAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada comprimido contém: dicloridrato de betaistina... 24 mg Excipientes

Leia mais

Assistência Farmacêutica na Depressão

Assistência Farmacêutica na Depressão Definição Assistência Farmacêutica na Depressão Grupo de atividades relacionadas com o medicamento, destinadas a apoiar as ações de saúde demandadas por uma comunidade, envolvendo o abastecimento de medicamentos

Leia mais

Para: Geral AR Âmbito: Outro Nome: Joana Filipa Santos Mensagem: Petição em defesa de todos os doentes portadores de Fibromialgia

Para: Geral AR Âmbito: Outro Nome: Joana Filipa Santos Mensagem: Petição em defesa de todos os doentes portadores de Fibromialgia De: noreply@ar.parlamento.pt [mailto:noreply@ar.parlamento.pt] Enviada: segunda-feira, 21 de Março de 2016 21:11 Para: www Team Assunto: Correio do Cidadão - Petição pública

Leia mais

FIBROMIALGIA Mitos & Realidades

FIBROMIALGIA Mitos & Realidades FIBROMIALGIA Mitos & Realidades Dr Roberto E. Heymann UNIFESP- EPM Afinal que é a Fibromialgia? A.E um quadro de depressão que tem como conseqüência um quadro de dor crônica no corpo todo? B.Em um quadro

Leia mais

NORM.TEC.Nº003/2010/DIR (Normativa possui ANEXOS I e II) Maringá, 17 de março de 2010

NORM.TEC.Nº003/2010/DIR (Normativa possui ANEXOS I e II) Maringá, 17 de março de 2010 NORM.TEC.Nº003/2010/DIR (Normativa possui ANEXOS I e II) Maringá, 17 de março de 2010 Ref.: Protocolo para liberação de Toxina Botulínica. (De acordo com Portaria Nº 376 e 377 de 10 de novembro de 2009)

Leia mais

27/05/2017. É um sintoma fundamental de muitos distúrbios psiquiátricos e um componente de muitas condições clínicas e cirúrgicas.

27/05/2017. É um sintoma fundamental de muitos distúrbios psiquiátricos e um componente de muitas condições clínicas e cirúrgicas. Psicofarmacologia Prof. Herval de Lacerda Bonfante Departamento de Farmacologia PSICOFARMACOLOGIA Distúrbios Psiquiátricos - Tratamento : 1950 10 a 15% de prescrições - EUA Brasil prevalência de transtornos

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação à classificação diagnóstica em psiquiatria e considerando o DSM-IV-TR e a CID-10, julgue os itens a seguir. 63 O uso da L-tri-iodotironina (T3) com vistas a potencializar

Leia mais

entendendo as diretrizes profissionais

entendendo as diretrizes profissionais ASMA GRAVE entendendo as diretrizes profissionais Asthma UK Este guia inclui informações sobre o que a Sociedade Respiratória Europeia (ERS) e a Sociedade Torácica Americana (ATS) divulgaram sobre asma

Leia mais

CICLOMIDRIN BULA PARA O PACIENTE LATINOFARMA INDÚSTRIAS FARMACÊUTICAS LTDA. Solução Oftálmica Estéril. tropicamida 10 mg/ml

CICLOMIDRIN BULA PARA O PACIENTE LATINOFARMA INDÚSTRIAS FARMACÊUTICAS LTDA. Solução Oftálmica Estéril. tropicamida 10 mg/ml CICLOMIDRIN LATINOFARMA INDÚSTRIAS FARMACÊUTICAS LTDA. Solução Oftálmica Estéril tropicamida 10 mg/ml BULA PARA O PACIENTE COLÍRIO CICLOMIDRIN tropicamida 1% MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO

Leia mais

Ansiedade. Estado de tensão,apreensão ou inquietude,com causa iden4ficável ou não

Ansiedade. Estado de tensão,apreensão ou inquietude,com causa iden4ficável ou não Ansiedade Estado de tensão,apreensão ou inquietude,com causa iden4ficável ou não Manifestações somá4cas freqüentemente associadas:(palpitação torácica,sudorese,tremores Ansiedade Manifestações leves ou

Leia mais

Síntese CÉREBRO. Qual é sua importância?

Síntese CÉREBRO. Qual é sua importância? CÉREBRO Síntese Qual é sua importância? O cérebro é o órgão mais importante do ser humano. Trata-se de um órgão extremamente complexo que desempenha um papel preponderante em todas as funções do corpo.

Leia mais

Insônia é a percepção ou queixa de sono inadequado, ou de baixa qualidade, por causa das seguintes razões:

Insônia é a percepção ou queixa de sono inadequado, ou de baixa qualidade, por causa das seguintes razões: O que é Insônia? Insônia é a percepção ou queixa de sono inadequado, ou de baixa qualidade, por causa das seguintes razões: Dificuldade em cair no sono Levantar freqüentemente durante a noite com dificuldade

Leia mais

Proposta de Criação do Curso Pós-Graduado em Disfunção da ATM e Dor Orofacial

Proposta de Criação do Curso Pós-Graduado em Disfunção da ATM e Dor Orofacial UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO ESCOLA PAULISTA DE MEDICINA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO UNIVERSIDADE DO PORTO FACULDADE DE MEDICINA Proposta de Criação do Curso Pós-Graduado em Disfunção da ATM e Dor Orofacial

Leia mais

ANSIEDADE. Por: Tharcila Viana Chaves. O grito Edvard Munch

ANSIEDADE. Por: Tharcila Viana Chaves. O grito Edvard Munch ANSIEDADE Por: Tharcila Viana Chaves O grito Edvard Munch ANSIEDADE DEFINIÇÃO Desordem psiquiátrica caracterizada por sensações subjetivas de angústia e apreensão, acompanhadas de alterações periféricas,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO NACIONAL CONTRA A FIBROMIALGIA E SÍNDROME DEFADIGACRÓNICA (MYOS) APIFARMA / ASSOCIAÇÕES DE DOENTES NOTAS DE UMA PARCERIA

ASSOCIAÇÃO NACIONAL CONTRA A FIBROMIALGIA E SÍNDROME DEFADIGACRÓNICA (MYOS) APIFARMA / ASSOCIAÇÕES DE DOENTES NOTAS DE UMA PARCERIA ASSOCIAÇÃO NACIONAL CONTRA A FIBROMIALGIA E SÍNDROME DEFADIGACRÓNICA (MYOS) APIFARMA / ASSOCIAÇÕES DE DOENTES V 4 APIFARMA / ASSOCIAÇÕES DE DOENTES b) Âmbito da Associação A Myos Associação Nacional

Leia mais

Conheça algumas doenças tipicamente femininas

Conheça algumas doenças tipicamente femininas Uol - SP 03/12/2014-11:51 Conheça algumas doenças tipicamente femininas Da Redação ANSIEDADE: este transtorno mental é caracterizado por preocupações, tensões ou medos exagerados, sensação contínua de

Leia mais

ORIENTAÇÕES NUTRICIONAIS PARA PREVENIR O GANHO DE PESO DURANTE OS TRATAMENTOS FARMACOLÓGICOS EM PSIQUIATRIA

ORIENTAÇÕES NUTRICIONAIS PARA PREVENIR O GANHO DE PESO DURANTE OS TRATAMENTOS FARMACOLÓGICOS EM PSIQUIATRIA ORIENTAÇÕES NUTRICIONAIS PARA PREVENIR O GANHO DE PESO DURANTE OS TRATAMENTOS FARMACOLÓGICOS EM PSIQUIATRIA Coordenadora da equipe de Nutrição Clínica do AMBULIM Especialista em Distúrbios Metabólicos

Leia mais

Neurociência e Saúde Mental

Neurociência e Saúde Mental 1 DOR DE CABEÇA, TONTURAS, ENJOO... http://www.atm.hostmidia.com.br/enxaqueca_cefaleia_dor_cabeca.htm O que causa sintomas como, dor de cabeça e a tontura forte e constante, enjoo, a luz incomoda e a vista

Leia mais

FARMACOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO CENTRAL I (Ansiolíticos e hipnóticos) Prof. Igor Bomfim

FARMACOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO CENTRAL I (Ansiolíticos e hipnóticos) Prof. Igor Bomfim FARMACOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO CENTRAL I (Ansiolíticos e hipnóticos) Prof. Igor Bomfim O sintoma principal é a expectativa apreensiva ou preocupação exagerada, mórbida. ANSIEDADE ANSIEDADE Normal: - Adapta

Leia mais

DOLAMIN FLEX. Farmoquímica S/A Comprimido Revestido 125 mg + 5 mg. Dolamin Flex_AR030714_Bula Paciente

DOLAMIN FLEX. Farmoquímica S/A Comprimido Revestido 125 mg + 5 mg. Dolamin Flex_AR030714_Bula Paciente DOLAMIN FLEX Farmoquímica S/A Comprimido Revestido 125 mg + 5 mg BULA PACIENTE DOLAMIN FLEX clonixinato de lisina + cloridrato de ciclobenzaprina APRESENTAÇÃO: Comprimidos revestidos clonixinato de lisina

Leia mais

Depressão e Transtornos de Ansiedade. Depressão. Prevalência. Critérios de depressão DSM-IV FACULDADE DE MEDICINA UNIC/HGU PSIQUIATRIA.

Depressão e Transtornos de Ansiedade. Depressão. Prevalência. Critérios de depressão DSM-IV FACULDADE DE MEDICINA UNIC/HGU PSIQUIATRIA. FACULDADE DE MEDICINA UNIC/HGU PSIQUIATRIA Depressão e Transtornos de Ansiedade Alaor Santos Filho Professor de Psiquiatria da HGU/UNIC Doutor em Saúde Mental pela USP-FMRP alaorsantos@hotmail.com Prevalência

Leia mais

O PAPEL DA ESCOLA E DO PROFESSOR NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM EM CRIANÇAS COM TRANSTORNO DE DÉFICIT DE ATENÇÃO E HIPERATIVIDADE (TDAH) Introdução

O PAPEL DA ESCOLA E DO PROFESSOR NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM EM CRIANÇAS COM TRANSTORNO DE DÉFICIT DE ATENÇÃO E HIPERATIVIDADE (TDAH) Introdução 421 O PAPEL DA ESCOLA E DO PROFESSOR NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM EM CRIANÇAS COM TRANSTORNO DE DÉFICIT DE ATENÇÃO E HIPERATIVIDADE (TDAH) Amanda Ferreira dos Santos², Felipe Vidigal Sette da Fonseca²,

Leia mais

Farmacoterapia na Depressão

Farmacoterapia na Depressão Farmacoterapia na Depressão TRANSTORNOS MENTAIS Entendem-se como transtornos mentais e comportamentais condições clinicamente significativas caracterizadas por alterações do modo de pensar e do humor (emoções)

Leia mais

INDÚSTRIA FARMACÊUTICA S.A.

INDÚSTRIA FARMACÊUTICA S.A. FLOXIMED norfloxacino MEDQUÍMICA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA S.A. Comprimidos Revestidos 400mg FLOXIMED norfloxacino MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA comprimido revestido I- IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Controle farmacológico da ansiedade

Controle farmacológico da ansiedade Controle farmacológico da ansiedade Prof. Dr. Lucélio Bernardes Couto - Curso de Medicina - Disciplina de Farmacologia - Universidade de Ribeirão Preto - UNAERP ANSIEDADE GENERALIZADA: "Várias pessoas

Leia mais

DEMÊNCIA? O QUE é 45 MILHOES 70% O QUE É DEMÊNCIA? A DEMÊNCIA NAO É UMA DOENÇA EM 2013, DEMÊNCIA. Memória; Raciocínio; Planejamento; Aprendizagem;

DEMÊNCIA? O QUE é 45 MILHOES 70% O QUE É DEMÊNCIA? A DEMÊNCIA NAO É UMA DOENÇA EM 2013, DEMÊNCIA. Memória; Raciocínio; Planejamento; Aprendizagem; O QUE é APRESENTA DEMÊNCIA? O QUE É DEMÊNCIA? A demência é um distúrbio em um grupo de processos mentais que incluem: Memória; Raciocínio; Planejamento; Aprendizagem; Atenção; Linguagem; Percepção; Conduta.

Leia mais

Facyl 500 (tinidazol) Medley Indústria Farmacêutica Ltda. Comprimido revestido 500 mg

Facyl 500 (tinidazol) Medley Indústria Farmacêutica Ltda. Comprimido revestido 500 mg Facyl 500 (tinidazol) Medley Indústria Farmacêutica Ltda. Comprimido revestido 500 mg FACYL 500 tinidazol APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos de 500 mg: embalagens com 4 ou 8 comprimidos. USO ORAL USO

Leia mais

A depressão é uma doença que afeta: o bem estar físico provocando cansaço, alterações no sono e mudanças de apetite. o bem estar mental provocando

A depressão é uma doença que afeta: o bem estar físico provocando cansaço, alterações no sono e mudanças de apetite. o bem estar mental provocando Antidepressivos A depressão é uma doença que afeta: o bem estar físico provocando cansaço, alterações no sono e mudanças de apetite. o bem estar mental provocando alterações de ânimo, no pensamento e no

Leia mais

DYSPHAGIA SINTOMA Deglutição & Presbifagia 2013

DYSPHAGIA SINTOMA Deglutição & Presbifagia 2013 DYSPHAGIA SINTOMA Deglutição & Presbifagia 2013 Disfagia Conceito Compreendida como sendo uma desordem no processo de como se alimentar. Refere-se a dificuldade de comer proveniente da disfunção do processo

Leia mais

Resumo Aula 9- Psicofármacos e Transtornos de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) na infância, na adolescência e na idade adulta

Resumo Aula 9- Psicofármacos e Transtornos de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) na infância, na adolescência e na idade adulta Curso - Psicologia Disciplina: Psicofarmacologia Resumo Aula 9- Psicofármacos e Transtornos de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) na infância, na adolescência e na idade adulta Psicofármacos:Transtorno

Leia mais

Cortifar Laboratório Farmacêutico Elofar Ltda. Creme dermatológico 0,64 mg/g de dipropionato de betametasona

Cortifar Laboratório Farmacêutico Elofar Ltda. Creme dermatológico 0,64 mg/g de dipropionato de betametasona Cortifar Laboratório Farmacêutico Elofar Ltda. Creme dermatológico 0,64 mg/g de dipropionato de betametasona I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Cortifar dipropionato de betametasona MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE

Leia mais

Tríade Metabólica. As Tríades. Tríade 1 13/04/2016. Equilíbrio Frequencial. Relação entre Stress, Alimentação e Metabolismo.

Tríade Metabólica. As Tríades. Tríade 1 13/04/2016. Equilíbrio Frequencial. Relação entre Stress, Alimentação e Metabolismo. Equilíbrio Frequencial Tríade Metabólica Relação entre Stress, Alimentação e Metabolismo Dra Michelle Louise Sica de Almeida CRM-RS 37575/ CRM-SC 15203 Medicina Funcional - funcionalmed.com Primum Clínica

Leia mais

O CIOF é uma clínica de odontologia especializada que há mais de 13 anos é comprometida com saúde bucal e o bem estar de seus clientes.

O CIOF é uma clínica de odontologia especializada que há mais de 13 anos é comprometida com saúde bucal e o bem estar de seus clientes. A Clínica O CIOF é uma clínica de odontologia especializada que há mais de 13 anos é comprometida com saúde bucal e o bem estar de seus clientes. Localizada nas cidades de Fortaleza, Itapipoca e Pentecoste,

Leia mais

22 - Como se diagnostica um câncer? nódulos Nódulos: Endoscopia digestiva alta e colonoscopia

22 - Como se diagnostica um câncer? nódulos Nódulos: Endoscopia digestiva alta e colonoscopia 22 - Como se diagnostica um câncer? Antes de responder tecnicamente sobre métodos usados para o diagnóstico do câncer, é importante destacar como se suspeita de sua presença. As situações mais comuns que

Leia mais

NEURALGIA DO TRIGêMEO. uma experiência sensorial e emocional desagradável, associada a uma lesão real

NEURALGIA DO TRIGêMEO. uma experiência sensorial e emocional desagradável, associada a uma lesão real NEURALGIA DO TRIGêMEO Segundo a IASP ( International Association for Study of Pain ), a DOR é uma experiência sensorial e emocional desagradável, associada a uma lesão real ou em potencial do tecido, ou

Leia mais

FUNÇÕES HIPOTALÂMICAS

FUNÇÕES HIPOTALÂMICAS Os mecanismos hipotalâmicos agem em conjunto, no sentido de preservar a homeostasia. ANATOMIA FUNCIONAL DO HIPOTÁLAMO O hipotálamo exerce sua influência sobre o meio interno através de três sistemas: Sistema

Leia mais

Capítulo. Alterações da Glicemia 18 e Diabetes Mellittus. Capítulo 18. Alterações da Glicemia e Diabetes Mellitus 1. OBJETIVOS

Capítulo. Alterações da Glicemia 18 e Diabetes Mellittus. Capítulo 18. Alterações da Glicemia e Diabetes Mellitus 1. OBJETIVOS Capítulo Alterações da Glicemia 18 e Diabetes Mellittus 1. OBJETIVOS No final da sessão os formandos deverão ser capazes de: Conhecer os tipos de diabetes mellitus. Descrever os mecanismos de descompensação

Leia mais

Distúrbios Neurodegenerativos

Distúrbios Neurodegenerativos Distúrbios Neurodegenerativos Mecanismos de Morte Neuronal Excitotoxicidade Apoptose Estresse oxidativo Excitotoxicidade Os aminoácidos excitatórios (EAA), por ex glutamato podem causar morte neuronal.

Leia mais

FURP-DESMOPRESSINA. Fundação para o Remédio Popular FURP. Solução Nasal 0,1 mg/ml

FURP-DESMOPRESSINA. Fundação para o Remédio Popular FURP. Solução Nasal 0,1 mg/ml FURP-DESMOPRESSINA Fundação para o Remédio Popular FURP Solução Nasal 0,1 mg/ml BULA PARA O PACIENTE FURP-DESMOPRESSINA 0,1 mg/ml Solução Nasal acetato de desmopressina APRESENTAÇÃO Solução Nasal Cartucho

Leia mais

AVALIAÇÃO DA PRESCRIÇÃO DE CITALOPRAM NO MUNÍCIPIO DE CASTILHO/SP

AVALIAÇÃO DA PRESCRIÇÃO DE CITALOPRAM NO MUNÍCIPIO DE CASTILHO/SP AVALIAÇÃO DA PRESCRIÇÃO DE CITALOPRAM NO MUNÍCIPIO DE CASTILHO/SP Glaziely Jesus Freitas da Cruz Denise Cristina S. Takemoto Rodrigo Ferreira Corsato Graduando em Farmácia Juliana Gomes de Faria Silvana

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 366/2014 Dor Difusa - Duloxetina

RESPOSTA RÁPIDA 366/2014 Dor Difusa - Duloxetina RESPOSTA RÁPIDA 366/2014 Dor Difusa - Duloxetina SOLICITANTE Dra. Renata Abranches Perdigão Juíza de Direito do JESP da Fazenda Pública de Campo Belo NÚMERO DO PROCESSO Autos nº. 0112.14.005276-5 DATA

Leia mais

CALSAN COMPRIMIDO MASTIGÁVEL

CALSAN COMPRIMIDO MASTIGÁVEL CALSAN COMPRIMIDO MASTIGÁVEL Novartis Biociências S.A. Comprimido mastigável 1.250 mg de carbonato de cálcio (equivalente a 500 mg de cálcio elementar) CALSAN carbonato de cálcio Comprimidos mastigáveis.

Leia mais

ARTANE. cloridrato de triexifenidil

ARTANE. cloridrato de triexifenidil ARTANE cloridrato de triexifenidil APRESENTAÇÕES Comprimidos de 2 mg e 5 mg. Caixas com 30 comprimidos USO ORAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada comprimido contém: 2 mg 5 mg cloridrato de triexifenidil... 2

Leia mais

Epilepsia.! Causas prováveis:! infarto cerebral! tumor! infecção! trauma! doença degenerativa

Epilepsia.! Causas prováveis:! infarto cerebral! tumor! infecção! trauma! doença degenerativa Anticonvulsivantes Epilepsia! Transtorno neurológico crônico que atinge 0,5 1% da população.! Caracterizada por crises súbitas e espontâneas associadas à descarga anormal, excessiva e transitória de células

Leia mais

SINAPSE. Sinapse é um tipo de junção especializada, em que um neurônio faz contato com outro neurônio ou tipo celular.

SINAPSE. Sinapse é um tipo de junção especializada, em que um neurônio faz contato com outro neurônio ou tipo celular. Disciplina: Fundamentos em Neurociências Profa. Norma M. Salgado Franco SINAPSE Sinapse é um tipo de junção especializada, em que um neurônio faz contato com outro neurônio ou tipo celular. Podem ser:

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 375/2013 Informações sobre Desvenlafaxina e Lamotrigina

RESPOSTA RÁPIDA 375/2013 Informações sobre Desvenlafaxina e Lamotrigina RESPOSTA RÁPIDA 375/2013 Informações sobre Desvenlafaxina e Lamotrigina SOLICITANTE Sra LÚCIA HELENA FERREIRA ESCRIVÃ JUDICIAL Juizado Especial da Comarca de Pará de Minas - MG NÚMERO DO PROCESSO Nº 0471-13-017860-4.

Leia mais

Encéfalo. Aula 3-Fisiologia Fisiologia do Sistema Nervoso Central. Recebe informações da periferia e gera respostas motoras e comportamentais.

Encéfalo. Aula 3-Fisiologia Fisiologia do Sistema Nervoso Central. Recebe informações da periferia e gera respostas motoras e comportamentais. Aula 3-Fisiologia Fisiologia do Sistema Nervoso Central Sidney Sato, MSC Encéfalo Recebe informações da periferia e gera respostas motoras e comportamentais. 1 Áreas de Brodmann Obs: Áreas 1,2,3 : área

Leia mais

TEA Módulo 2 Aula 5. Transtornos alimentares e de sono

TEA Módulo 2 Aula 5. Transtornos alimentares e de sono TEA Módulo 2 Aula 5 Transtornos alimentares e de sono Transtornos alimentares Os transtornos alimentares são problemas cronicamente existentes que levam o indivíduo a ter manias, recusas ou excessos, ou

Leia mais

FLUTAMIDA. Blau Farmacêutica S.A. COMPRIMIDOS 250 MG. Blau Farmacêutica S/A.

FLUTAMIDA. Blau Farmacêutica S.A. COMPRIMIDOS 250 MG. Blau Farmacêutica S/A. FLUTAMIDA Blau Farmacêutica S.A. COMPRIMIDOS 250 MG flutamida Medicamento genérico Lei n 9.787, de 1999 MODELO DE BULA PACIENTE RDC 47/09 APRESENTAÇÕES Comprimidos contendo 250 mg de flutamida. Embalagens

Leia mais

GAMA 1xDIA. Maio 2016

GAMA 1xDIA. Maio 2016 GAMA 1xDIA Maio 2016 GAMA 1xDIA MULTI Fórmula tudo-em-um. Contém nutrientes que contribuem para a redução do cansaço e da fadiga. Contém 40 nutrientes essenciais. Sem glúten. Adequado para vegetarianos.

Leia mais

MATERIAL COMPLEMENTAR. Teste Seus Chakras

MATERIAL COMPLEMENTAR. Teste Seus Chakras MATERIAL COMPLEMENTAR Teste Seus Chakras IMPORTANTE: Este teste tem como objetivo a percepção de si mesmo e o autoconhecimento. FUNCIONAMENTO A seguir você verá uma tabela com os principais sintomas de

Leia mais

SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A

SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A número 12 - outubro/2015 DECISÃO FINAL RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE Este relatório é

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 44/2014 Informações sobre carbamazepina, Gardenal,Rivotril e Risperidona

RESPOSTA RÁPIDA 44/2014 Informações sobre carbamazepina, Gardenal,Rivotril e Risperidona RESPOSTA RÁPIDA 44/2014 Informações sobre carbamazepina, Gardenal,Rivotril e Risperidona SOLICITANTE Drª Sabrina da Cunha Peixoto Ladeira Juíza de Direito do Juizado Especial -Pirapora NÚMERO DO PROCESSO

Leia mais

Gianni Mancini Josiane Budni Roberta de Paula Martins Paulo Silveira

Gianni Mancini Josiane Budni Roberta de Paula Martins Paulo Silveira Universidade Federal de Santa Catarina Programa de pós-graduação em bioquímica Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais - REUNI Gianni Mancini Josiane Budni Roberta

Leia mais

GRIFFONIA EXTRATO SECO

GRIFFONIA EXTRATO SECO Ficha de Segurança Insumo: GRIFFONIA EXTRATO SECO Nome científico: Griffonia simplicifolia. Família: Leguminosae. 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Griffonia Extrato Seco Nome da

Leia mais

Depressão em mulheres

Depressão em mulheres Depressão em mulheres Por que a depressão é maior em mulheres? O que é depressão? A depressão é um distúrbio de alteração do humor sério e por vezes incapacitante. Causa sentimentos de tristeza, desespero,

Leia mais

Doenças Reumáticas dos Tecidos Moles

Doenças Reumáticas dos Tecidos Moles Doenças Reumáticas dos Tecidos Moles Doenças Reumáticas dos Tecidos Moles DEFINIÇÃO Grupo de afecções reumáticas em que o distúrbio musculoesquelético se restringe aos tecidos moles ou periarticulares,

Leia mais

Deprozol. Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. Comprimido revestido 1000 mg. Deprozol_BU 01_VPS 1

Deprozol. Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. Comprimido revestido 1000 mg. Deprozol_BU 01_VPS 1 Deprozol Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. Comprimido revestido 1000 mg Deprozol_BU 01_VPS 1 BULA PARA PROFISSIONAL DE SAÚDE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO

Leia mais

Pressão Arterial. Profª. Claudia Witzel

Pressão Arterial. Profª. Claudia Witzel Pressão Arterial Profª. Claudia Witzel Pressão do sangue Quando o volume de sangue que sai do coração é maior do que o determinado pela Organização Mundial de Saúde, ou seja, acima de 130 x 85 mmhg. A

Leia mais

Drogas de Abuso. Equipe de Biologia

Drogas de Abuso. Equipe de Biologia Drogas de Abuso Equipe de Biologia Drogas Qualquer substância capaz de alterar o funcionamento do organismo ilícitas lícitas Drogas de abuso Drogas utilizadas sem indicação médica, tendo por objetivo alterar

Leia mais

Afinal de contas, o que é ansiedade? Mas ser ansioso não é normal? Ansiedade é uma doença?

Afinal de contas, o que é ansiedade? Mas ser ansioso não é normal? Ansiedade é uma doença? Afinal de contas, o que é ansiedade? Mas ser ansioso não é normal? Ansiedade é uma doença? Ansiedade = falta de confiança na vida No senso comum, ansiedade é igual a aflição, angústia, nervosismo, perturbação

Leia mais

Estudo sobre a forma de avaliação dos pacientes atendidos com indicação clínica de Fibromialgia no serviço de fisioterapia do ISECENSA

Estudo sobre a forma de avaliação dos pacientes atendidos com indicação clínica de Fibromialgia no serviço de fisioterapia do ISECENSA INSTITUTOS SUPERIORES DE ENSINO DO CENSA INSTITUTO SUPERIOR DE CINECIAS SOCIAIS APLICADAS E DA SAÚDE CURSO DE FISIOTERAPIA Artigo de Conclusão de Estágio I Estudo sobre a forma de avaliação dos pacientes

Leia mais

ESCLEROSE MÚLTIPLA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves

ESCLEROSE MÚLTIPLA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves ESCLEROSE MÚLTIPLA Prof. Fernando Ramos Gonçalves Unidade anatômica e funcional do SNC ESCLEROSE MÚLTIPLA Sinonímia: Esclerose em placas Esclerose insular Esclerose disseminada Conceito É uma doença crônica,

Leia mais

ANTI - INFLAMATÓRIOS Farmacologia Prof. Dr. José Edilson Gomes Júnior Enfermagem Parnamirim-RN Outubro/2016

ANTI - INFLAMATÓRIOS Farmacologia Prof. Dr. José Edilson Gomes Júnior Enfermagem Parnamirim-RN Outubro/2016 ANTI - INFLAMATÓRIOS 1 Farmacologia Prof. Dr. José Edilson Gomes Júnior Enfermagem Parnamirim-RN Outubro/2016 2 FARMACOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO CENTRAL 3 INTRODUÇÃO Fármacos que atual no sistema nervoso

Leia mais

cloridrato de fluoxetina Biosintética Farmacêutica Ltda. Cápsulas 20 mg

cloridrato de fluoxetina Biosintética Farmacêutica Ltda. Cápsulas 20 mg cloridrato de fluoxetina Biosintética Farmacêutica Ltda. Cápsulas 20 mg BULA PARA PACIENTE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 I- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO cloridrato de fluoxetina Medicamento

Leia mais

Benefícios da Massagem para a Coluna

Benefícios da Massagem para a Coluna Massagem para dores na coluna em São José SC - Vico Massagista - Massoterapia, Quiropraxia e Acupuntura (48) 3094-5746 MASSAGEM TERAPÊUTICA, MASSOTERAPIA, QUIROPRAXIA E ACUPUNTURA EM SÃO JOSÉ (SC) - VICO

Leia mais

Composição Cada comprimido de 25 mg contém 25 mg de cinarizina. Excipientes: amido, lactose, óleo vegetal hidrogenado, povidona, sacarose e talco.

Composição Cada comprimido de 25 mg contém 25 mg de cinarizina. Excipientes: amido, lactose, óleo vegetal hidrogenado, povidona, sacarose e talco. 112360002 Stugeron cinarizina comprimidos Forma farmacêutica e apresentações Comprimidos de 25 mg em embalagem com 30 comprimidos. Comprimidos de 75 mg em embalagem com 30 comprimidos. USO ADULTO Composição

Leia mais

SISTEMA EPICRÍTICO X SISTEMA PROTOPÁTICO CARACTERÍSTICAS GERAIS

SISTEMA EPICRÍTICO X SISTEMA PROTOPÁTICO CARACTERÍSTICAS GERAIS SISTEMA EPICRÍTICO X SISTEMA PROTOPÁTICO CARACTERÍSTICAS GERAIS Características Sistema epicrítico Sistema protopático Submodalidades Tato fino, propriocepção consciente Tato grosseiro, termossensibilidade,

Leia mais

Demência de Alzheimer. Dra. Célia Petrossi Gallo Garcia Médica Psiquiatra PAI-ZN

Demência de Alzheimer. Dra. Célia Petrossi Gallo Garcia Médica Psiquiatra PAI-ZN Demência de Alzheimer Dra. Célia Petrossi Gallo Garcia Médica Psiquiatra PAI-ZN Introdução Causa mais freqüente de demência (50% dos casos em > 65 anos) Neurotransmissores: diminuição de acetilcolina e

Leia mais