Índice. Relatório e Contas. Hospital de São Teotónio, E.P.E. Relatório e Contas 2008

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Índice. Relatório e Contas. Hospital de São Teotónio, E.P.E. Relatório e Contas 2008"

Transcrição

1 Índice RelatórioeContas HospitaldeSão Teotónio,E.P.E. RelatórioeContas2008 HospitaldeSãoTeotónio,E.P.E.

2 Índice do Relatório e Contas MENSAGEM DO PRESIDENTE... 3 O HOSPITAL... 4 HISTÓRIA... 4 O novo Hospital de São Teotónio... 4 ENQUADRAMENTO NA REGIÃO... 6 GOVERNO DA SOCIEDADE... 8 MISSÃO, OBJECTIVOS E POLÍTICAS GERAIS... 8 Missão... 8 Objectivos gerais... 8 Políticas gerais... 8 SERVIÇO PÚBLICO, OBJECTIVOS E GRAU DE CUMPRIMENTO... 9 Obrigações de serviço público... 9 Termos contratuais da prestação de serviço público... 9 Modelo de financiamento... 9 Grau de cumprimento dos objectivos de Serviço Público Grau de cumprimento da Resolução de Conselho de Ministros n.º 34/ MODELO DE GOVERNO Órgãos Sociais Composição, mandato, competências e estatuto Notas curriculares Organograma REMUNERAÇÕES E OUTROS DIREITOS Estatuto remuneratório Remunerações REGIME JURÍDICO Regulamentos externos Regulamentos internos Atribuições TRANSACÇÕES RELEVANTES Transacções relevantes com entidades do Ministério da Saúde Transacções relevantes com outras entidades SUSTENTABILIDADE CUMPRIMENTO DOS PRINCÍPIOS DE BOM GOVERNO ACTIVIDADE GLOBAL EM MOVIMENTO ASSISTENCIAL Ambulatório Internamento Meios complementares de diagnóstico e terapêutica ANÁLISE ECONÓMICA E FINANCEIRA Resultados Custos Consumos Fornecimentos e serviços externos Custos com pessoal Amortizações e provisões Proveitos Prestações de serviços Relatório e Contas 2008 Hospital de São Teotónio, E.P.E.

3 Índice do Relatório e Contas Outros proveitos operacionais Proveitos e ganhos extraordinários Análise da estrutura Indicadores económicos e financeiros RECURSOS HUMANOS EVOLUÇÃO PREVISÍVEL DO HOSPITAL PROPOSTA DE APLICAÇÃO DE RESULTADOS CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA NOTAS AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS NOTA INTRODUTÓRIA NOTA NOTA NOTA NOTA NOTA NOTA NOTA NOTA NOTA NOTA NOTA NOTA NOTA NOTA NOTA NOTA NOTA NOTA NOTA NOTA Estado e outros entes públicos Acréscimos e diferimentos Acréscimo de proveitos (Activo) Custos diferidos (Activo) Acréscimos de custos (Passivo) Proveitos diferidos (Passivo) Contrato Programa Contrato programa S.I.G.I.C Passivo contingente CERTIFICAÇÃO LEGAL DE CONTAS RELATÓRIO E PARECER DO FISCAL ÚNICO Relatório e Contas 2008 Hospital de São Teotónio, E.P.E.

4 MensagemdoPresidente MensagemdoPresidente 3 A requalificação efectiva empreendida no Hospital de São Teotónio, E.P.E., englobada numapolíticademodernizaçãoenadefesado Serviço Nacional de Saúde, garante de um futuro de uma sociedade evoluída e justa, atribui às tecnologias de informação e comunicaçãoumlugardedestaquecomtodaa suaactividadecentradanodoente. O objectivo programático mantémse na acessibilidadedoscidadãos,aqualidadedoserviçoprestadoeaoptimizaçãodosrecursos,no pressupostoqueasaúdenãoéumadespesa,massimuminvestimentonobemestarfísicoe psíquicodaspopulações. Aumentodaesperançadevida,diminuiçãodastaxasdemorbilidadeemortalidadeconstituem instrumentos muito importantes no crescimento da economia em saúde e todas as apostas encetadas inseremse no desafio colectivo que se quer ganhar, prestação de melhores cuidadosatodosecommenoscustos. AlexandreJosédosSantosRibeiro RelatórioeContas2008 HospitaldeSãoTeotónio,E.P.E.

5 OHospital 4 OHospital História OHospitaldeViseutemumlongopercursohistórico, cujaorigemremontaaoséculoxvi. Oprimeirohospitaldatade1565efoioHospitaldasChagas,pertencenteàMisericórdia,o qualentre1758e1760foireedificadoeampliado. NofinaldoséculoXVIIIaSantaCasa,emfacedosrecursosdisponíveisedapequenadimensão do hospital, resolveu edificar um outro mais novo.aprimeirapedrafoilançadanodia29 de Março de A construção correu lentamente e esteve alguns anos suspensa por falta de dinheiro e por causa da Guerra da Península e guerras civis posteriores. A construção, daquele que é considerado o primeiroedifíciodeviseu,pelasuavastidão, majestade e solidez, prolongouse por 49 Ilustração1 Ohospitalvelho anos, tendo as despesas ascendido a reis. O Hospital recebeu os primeirosdoentesem1842estandoaindainacabado. OnovoHospitaldeSãoTeotónio ActualmenteoHospitaldeViseufuncionanumedifíciomodernocujaaberturasedeuem14 dejulhode1997eestálocalizadonafreguesiadesantamariadeviseu. Oedifícioprincipaldohospitalocupaumaáreadeimplantaçãode21.000mm 2 eavolumetria atingidasepara,claramente,aáreadopódiodaárea docorpoverticaldeinternamento. A entrada no recinto do Hospital, que é totalmentevedado,fazseporintermédiode duas portarias, uma principal para acesso a doentes, pessoal e visitas e uma secundária paraoserviçodeabastecimentosedesaídas defunerais. Oespaçoenvolventedoedifícioépreenchido com zonas ajardinadas, passeios, estacionamentos, arruamentos e um Heliporto. As áreas ajardinadas englobam os Ilustração2 Ohospitalnovo relvados, zonas herbáceas de revestimento e arbustos, áreas dotadas de rega automática por aspersão. As árvores dispersas por toda a envolvente estão dotadas de rega automática gota a gota. O número total de lugares de estacionamentoéde1160,dosquais85ficamsituadosnopiso0doedifício,eosrestantes RelatórioeContas2008 HospitaldeSãoTeotónio,E.P.E.

6 OHospital 5 distribuídos, estrategicamente, junto das várias entradas do Hospital, estando definidos percursospedonaisnasligaçõesentreestacionamentoeasdiversasentradasnohospital. Umaredeprincipaldearruamentosdáacessoàsurgências,admissãodedoenteseentrada principal. Uma rede secundária dá acesso à cozinha, farmácia, aprovisionamento, zona industrial e casa mortuária. Há ainda uma rede terciária para acesso às zonas de estacionamento. Todos estes arruamentos estão dotados de sinalização vertical de aproximação,deorientação detrânsitoedesinalizaçãohorizontal,constituídaporsetasno pavimentoapassadeirasparapeões. Ilustração3 PanorâmicadoHospitaldeSãoTeotónio O compromisso de preservação deste património tem sido assegurado ao longo dos anos, assim, em 2004, no âmbito do Programa Conforto, cujo objectivo foi o de avaliar e propor intervençõesàscondiçõesdeconfortonaszonaspúblicas 1 doshospitaissociedadeanónima,o HospitaldeSãoTeotónioobteve,numaescalade0a5,aclassificaçãode4,15. Ilustração5 ÁtriodoHospital Ilustração6Auditório Ilustração4 UnidadeCuidadosIntensivos Ilustração7 Blocooperatório 1 Envolventeexterior(estacionamentos,zonasverdesezonaspedonais) ),halldeentrada,salasdeespera erespectivasinstalaçõessanitárias. RelatórioeContas2008 HospitaldeSãoTeotónio,E.P.E.

7 EnquadramentonaRegião OHospitaldeSãoTeotónioestálocalizadona Região do Centro e a sua área de influência directaabrange18concelhos,nomeadamente ospertencentesàregiãodão Lafões 2,aqual éconstituídapor14concelhosdodistritode Viseue1ConcelhodoDistritodaGuarda. A área de influência directa do hospital é de residentes,sendoque,ocrescimento demográfico ocorrido tem sido sustentado pelaevoluçãoverificadanoconcelhodeviseu. O índice de envelhecimento 3 é de 148%, superior à média nacional em 28%. Acresce que,dosresidentescommaisde65anos,49% têmmaisde75anos.estasituaçãoapresenta uma elevada correlação ao nível da morbilidade e gestão de recursos das unidadesdesaúdedodistrito. OHospital Ilustração8 MapadoDistritodeViseu 6 Quadro1ÁreadeinfluênciadoHospitalerespectivaevoluçãodemográfica Concelhos AguiardaBeira CarregaldoSal CastroDaire FornosdeAlgodres Mangualde MoimentadaBeira Nelas OliveiradeFrades PenalvadoCastelo Penedono SantaCombaDão SãoPedrodoSul Sátão Sernancelhe Tondela VilaNovadePaiva Viseu Vouzela Total NomenclaturadasUnidadesTerritoriaisparafinsestatísticos(I.N.E.). 3 Índicedeenvelhecimentoéoquocienteentreapopulaçãoidosa(+65anos)eapopulaçãojovem(dos 0aos14anos). RelatórioeContas2008 HospitaldeSãoTeotónio,E.P.E.

8 OHospital 7 Quadro2EstruturaetáriaeíndicedeenvelhecimentodaáreadeinfluênciadoHospitaldeSãoTeotónio Indicede 014anos 1524anos 2564anos +65anos Envelhecimento Concelhos AguiardaBeira % CarregaldoSal % CastroDaire % FornosdeAlgodres % Mangualde % MoimentadaBeira % Nelas % OliveiradeFrades % PenalvadoCastelo % Penedono % SantaCombaDão % SãoPedrodoSul % Sátão % Sernancelhe % Tondela % VilaNovadePaiva % Viseu % Vouzela % Total % Portugal 115% RelatórioeContas2008 HospitaldeSãoTeotónio,E.P.E.

9 GovernodaSociedade 8 GovernodaSociedade Missão,objectivosepolíticasgerais Missão A missão do Hospital é prestar cuidados de saúde diferenciados, em articulação com os cuidados de saúde primários e com os hospitais integrados na rede do Serviço Nacional de Saúde,comqualidadeeeficiênciaelevados. AoHospitalcompete,ainda,colaborarnapromoçãodasaúde,noensino,nainvestigaçãoeno desenvolvimento científico e tecnológico, procurando assegurar a cada doente os cuidados quecorrespondamàsuanecessidade. Objectivosgerais Noâmbitodasuaactuação,oHospitalvisaprosseguirumaatitudecentradanodoenteena promoção da saúde na comunidade, bem como a prestação de cuidados de saúde com qualidade, eficácia e eficiência, num quadro de desenvolvimento económico e financeiro sustentável. Políticasgerais Actuaçãoorientadapelasustentabilidadeeconómicaefinanceira,consideradaesteioprincipal para a continuidade da promoção e acessibilidade aos cuidados de saúde a médio e longo prazo. Manutenção da política de consolidação do Hospital Central com o apetrechamento dos Serviços, com aproveitamento de espaços, beneficiação e conservação, modernização e actualizaçãodeequipamentoseintroduçãodenovastécnicasenovasunidadesfuncionais. Assunção da responsabilidade social do Hospital na promoção de saúde e na articulação de cuidados,nocumprimentodosnormativoslegaisenagarantiadesegurançaparadoentese profissionais, na gestão do risco clínico e não clínico e na responsabilidade ambiental exemplar. Potenciaraexcelênciadeactividades,naeficáciadoscuidadosacustorazoável,naprestação deserviçosecuidadosemtempooportuno,naavaliaçãodasatisfaçãodetodososutentese profissionais,naeficiênciaesustentabilidadedosresultadosedosganhosemsaúde. RelatórioeContas2008 HospitaldeSãoTeotónio,E.P.E.

10 ServiçoPúblico,objectivosegraudecumprimento Obrigaçõesdeserviçopúblico GovernodaSociedade 9 Asobrigaçõesdeserviçopúblicosãotodasasqueresultemdalegislaçãoaplicável. São de basilar importância, neste âmbito, as obrigações consagradas pela Constituição da RepúblicaPortuguesa,asdecorrentesdaLeidebasesdaSaúdeeasprevistaspeloEstatutodo ServiçoNacionaldeSaúde. Termoscontratuaisdaprestaçãodeserviçopúblico Os termos contratuais da prestação de serviço público para os beneficiários do Serviço NacionaldeSaúde,exceptuandoseoscuidadosprestadosautentesbeneficiáriosdosserviços desaúdedasregiõesautónomas,desubsistemaspúblicoseprivadosedequaisquerterceiros legaloucontratualmenteresponsáveis,sãoestabelecidosporcontratoprograma,homologado pelosenhorsecretáriodasaúdeem29defevereirode2008eoutorgadoentreaa.r.s.c. AdministraçãoRegionaldeSaúdedoCentro,aA.C.S.S. AdministraçãoCentraldoSistemade SaúdeeoHospitaldeSãoTeotónio,E.P.E. Asprestaçõesdesaúdequedevamsercobradasaossubsistemasdesaúdecujosbeneficiários destasusufruam,bemcomoaquaisquerentidades,públicasouprivadas,responsáveispelos respectivosencargos,encontramsecontratualmentedefinidaspeloregulamentodastabelas de Preços das Instituições e Serviços Integrados no Serviço Nacional de Saúde (Portaria n.º 567/2006de12deJunhodoMinistériodaSaúde,comasalteraçõesintroduzidaspelaPortaria n.º110a/2007de23dejaneirodoministériodasaúde). Ostermoscontratuaisrelativosàstaxasmoderadorasparaacessoàsprestaçõesdeserviços, noâmbitodoserviçonacionaldesaúde,sãoosestabelecidospelaportarian.º395a/2007de 30deMarçodoMinistériodaSaúdeeDecretoLein.º173/2003de1deAgosto. Modelodefinanciamento OHospitaldeSãoTeotónio,E.P.E.éfinanciadonostermosdabaseXXXIIIdaLeideBasesda Saúde(Lei48/90de24deAgosto,comasalteraçõesintroduzidaspelaLein.º27/2002de8de Novembro). OendividamentodoHospitalnãopodeexceder,emqualquermomento,olimitede30%do respectivocapitalestatutário. O pagamento dos actos e actividades do Hospital pelo Estado é feito através de contrato programaacelebrarcomoministériodasaúdeetemcomoreferencialospreçospraticados nomercadoparaosdiversosactosclínicos. RelatórioeContas2008 HospitaldeSãoTeotónio,E.P.E.

11 GovernodaSociedade 10 GraudecumprimentodosobjectivosdeServiçoPúblico O grau de cumprimento dos objectivos quantitativos estabelecidos no contratoprograma e decorrentesdasobrigaçõesdeserviçopúblicofoide100,4%. Quadro3GraudecumprimentodosobjectivosquantitativosdeServiçoPúblico ContratoPrograma Desvio Cumprimento Quantidade Valor( ) Quantidade Valor( ) (%) Consultasexternas N.ºdeprimeirasconsultasmédicas ,8% N.ºdeconsultasmédicassubsequentes ,9% Internamento Doentesequivalentes GDHmédicos ,2% GDHcirúrgicos ,0% GDHcirúrgicosurgentes ,0% Diasdeinternam.dedoentescrónicos Medicinafísicaedereabilitação ,7% Psiquiatriacrónicos ,3% EpisódiosdeGDHdeambulatório GDHcirúrgicos ,0% GDHmédicos ,5% Urgências Atendimentos ,4% Sessõesemhospitaldedia Hematologia ,2% Imunohemoterapia ,2% Infecciologia Psiquiatria ,8% Outros ,3% Diálise Hemodiálise ,0% DiálisePeritoneal ,0% IGaté10semanas Medicamentosa ,0% Cirúrgica ,0% Serviçosdomiciliários Visitasdomiciliárias ,8% ProduçãoadicionalS.I.G.I.C. GDHcirúrgicos(internamento) GDHcirúrgicos(ambulatório) ,4% RelatórioeContas2008 HospitaldeSãoTeotónio,E.P.E.

12 GovernodaSociedade 11 O grau de cumprimento dos objectivos de qualidade e eficiência estabelecido no contrato programaedecorrentesdasobrigaçõesdeserviçopúblicoéapresentadonoquadroseguinte. Quadro4Graudecumprimento 4 dosobjectivosdequalidadeeeficiênciadeserviçopúblico ObjectivosNacionais Qualidadeeserviço Taxadereinternamentonosprimeiroscincodias(%) Númerodeprofissionaisenvolvidosemprogr.de formaçãonaáreadocontrolodeinfecção Acesso NúmerodedoentesreferenciadosparaaRNCCsobre onúmerodedoentessaídosemmedicinainterna, Cirurgia,NeurologiaeOrtopedia(%) Pesodasprimeirasconsultasmédicasnototalde consultasmédicas(%) Desempenhoassistêncial Cumprimento Pond. Contratado Realizado Desvio (%) 6,750% 2,0% 2,2% +8,0% 0,0% 6,750% 10,0% 59,2% +491,5% 591,5% 6,750% 1,0% 2,0% +98,0% 198,0% 6,750% 29,0% 31,5% +8,6% 108,6% Pesodacirúrgiasdeambulatórionototaldascirúrgias programadas(%) 4,500% 29,0% 30,9% +6,6% 106,6% Demoramédia(dias) 4,500% 7,80 7,84 +0,5% 0,0% Desempenhoeconómicofinanceiro Custounitáriopordoentepadrãotratado( ) 4,500% ,0% Resultadooperacional( ) 4,500% ,9% 22,1% ObjectivosRegionais Desempenhoeconómicofinanceiro Taxadecrescimentodos Fornecimentoseserviçosexternos(%) 5,000% 4,0% 7,8% +94,5% 0,0% Compras(%) 5,000% 4,0% 14,3% +257,5% 0,0% Consumos(%) 5,000% 4,0% 8,8% +119,0% 0,0% Custoscompessoal(%) 5,000% 0,0% 7,0% +74,0% 0,0% OutrosobjectivosRegionais TaxadecrescimentodaListadeEspera Cirúrgica(%) 9,450% 10,0% 36,7% +267,5% 367,5% Hérniasdiscais 1,575% 10,0% 67,1% +571,0% 671,0% Varizes 1,575% 10,0% 55,0% +449,8% 549,8% TiróideeParatiróide 1,575% 10,0% 55,0% +449,7% 549,7% Op.Nosmúsculosexteriores/Estrabismo 1,575% 10,0% 69,8% +598,4% 698,4% TaxadecrescimentodaListadeEsperadas primeirasconsultas(%) 19,250% 2,0% +55,2% 2858,0% 0,0% 100% 40,5% 4 Grau de cumprimento de acordo com a monitorização mensal (acumulada) da A.C.S.S. relativa ao períododedezembrode2008dohospitaldesãoteotónio,e.p.e. RelatórioeContas2008 HospitaldeSãoTeotónio,E.P.E.

13 GovernodaSociedade 12 OHospitaldeSãoTeotónioE.P.E.atingiuquatrodeseisobjectivosnacionaisdequalidadee serviço,acessoedesempenhoassistencial. Relativamenteaosobjectivosregionaisrelevamseareduçãode36,7%nataxadecrescimento dalistadeesperacirúrgica,bemcomoasreduçõesde55,0%a69,8%nastaxasdecrescimento daslistasdeesperadasentidadesdosigicseleccionadasparaohospitaldesãoteotónio. O desempenho económicofinanceiro do Hospital de São Teotónio, E.P.E. apresentouse positivopeloterceiroexercícioconsecutivo,tendosidoobtidosresultadoslíquidospositivosde emaisrelevante,ainda,resultadosoperacionaispositivosde Osobjectivosnacionaiseregionaisdedesempenhoeconómicofinanceiroforamestabelecidos emfunçãodoorçamentoeconómicopara2008,oqualreflectiuocrescimentozeronoscustos compessoalecrescimentosde4%nosconsumosenosfornecimentoseserviçosexternos. A restrição orçamental de crescimento zero nos custos com pessoal afectou os resultados orçados em e por conseguinte, sobreavaliando o referido objectivos em igual valor. Acresce que, apesar dos proveitos do exercício de 2008 superarem em 0,97% os proveitos orçados,oefeitodasrestriçõesorçamentais,nomeadamente,noscustoscompessoalenos consumos, constrangeram o cumprimento dos objectivos nacionais e regionais de desempenhoeconómicofinanceiro,osquaisrepresentaram29%dosobjectivosdequalidade eeficiência. Em suma, considerando os objectivos contratualizados (quantidade, qualidade e eficiência, acesso,desempenhoassistencialereduçãodelistasdeesperaparacirurgias)ohospitaldesão Teotónio,E.P.E.cumpriuosseuscompromissosdeserviçopúbliconasuaglobalidade. RelatórioeContas2008 HospitaldeSãoTeotónio,E.P.E.

14 GovernodaSociedade 13 GraudecumprimentodaResoluçãodeConselhodeMinistrosn.º34/2008 Resolução do Conselho de Ministros n.º 34/2008 aprovou o Programa Pagar a Tempo e Horas definindo como objectivo reduzir significativamente os prazos de pagamento a fornecedoresdebenseserviçospraticadosporserviçosefundosdaadministraçãodirectae indirecta do Estado, Regiões Autónomas, municípios e empresas públicas, nas quais estão incluídasoshospitaise.p.e. AResoluçãon.º34/2008define,também,ograudecumprimentodoobjectivoassociadoao ProgramaPagaraTempoeHoras,estabelecendoqueparaasentidadescomprazosmédiosde pagamento 5 doanoanteriorsuperioresouiguaisa45diasoobjectivodereduçãodop.m.p.é cumpridoseareduçãosesituarentreos15%a25%,nãocumpridoseareduçãodop.m.p.for inferiora15%ouinexistenteesuperandoseareduçãoforsuperiora25%. OindicadordoprazomédiodepagamentosafornecedoresfoiredefinidopelaDespachon.º 9870/2009doMinistériodasFinançasedaAdministraçãoPública. Em31deDezembrode2008oP.M.P.doHospitaldeSãoTeotónio,E.P.E.,segundooindicador revisto pelo Despacho n.º 9870/2009, foi de 131 dias, 36% inferior ao P.M.P. obtido, pelo mesmoindicador,em31dedezembrode2007,superando,assim,oobjectivodereduçãodos P.M.P.estabelecidonoProgramaPagaraTempoeHoras. AevoluçãodoP.M.P.dohospitaldeSãoTeotónio,E.P.E.éapresentadanoquadroseguinte. 5 P.M.P. Prazomédiodepagamentos RelatórioeContas2008 HospitaldeSãoTeotónio,E.P.E.

15 GovernodaSociedade Quadro5EvoluçãodoP.M.P. CódigoPOCMS DF=DívidasaFornecedores Saldodascontas: Saldodascontas: Saldodascontas: Saldodascontas: Saldodascontas: Saldodascontas: Saldodascontas: Saldodascontas: 31Mar07 30Jun07 30Set07 31Dez07 31Mar08 30Jun08 30Set08 31Dez08 SaldodasContas: 22 Fornecedores FornecedoresdeImobilizado Consultores,assessoreseintermediários 2685 Credoresporreembolsosautentes 2686 Credoresp/acordoscomconvencionados 2687 Credoresp/honoráriosClínicos OutrosCredoresdiversos OutrosDevedoreseCredoresDiversos CredorespelaExecuçãodoOrçamento AquisiçãodeBenseServiços AquisiçãodeBensdeCapital AquisiçãodeBenseServiços AquisiçãodeBensdeCapital Total InstituiçõesdoEstado Total2DF=(dívidasaFornecedores) CódigoPOCMS A=Aquisições Saldodascontas: Saldodascontas: Saldodascontas: Saldodascontas: Saldodascontas: Saldodascontas: Saldodascontas: Saldodascontas: 31Mar07 30Jun07 30Set07 31Dez07 31Mar08 30Jun08 30Set08 31Dez08 ValoresAcumulados: 31 Compras(deduzidasdasdevoluções,descontoseabatimentos) FornecimentoseServiçosExternos ValoresAcumuladosparaoano(aquisiçõesdopróprioano): 42 ImobilizaçõesCorpóreas ImobilizadoemCursodeImob.Corpóreo 445 Imob.emcursodebensdedomíniopúblico 45 BensdeDomínioPúblico Total SaldodacontaTrabalhosExec.noExteriorementidadesdoMS Total4A=Aquisições DF=DívidasaFornecedores AntiguidadedaDívida A=Aquisições 4T2007 1T2008 2T2008 3T2008 4T2008 DívidasaFornecedores AquisiçõesTrimestrais PMPPonderado MédiadasDívidasaFornecedores SomatóriodasAquisiçõesTrimestrais RelatórioeContas2008 HospitaldeSãoTeotónio,E.P.E. 14 OP.M.P.publicadoparaoanode2008foide128diaseoP.M.P.doquartotrimestrede2008publicadofoide88dias,poràdatanãosedispordoselementosfinaisde2008.

16 GovernodaSociedade 15 ModelodeGoverno ÓrgãosSociais Os órgãos sociais do Hospital de São Teotónio, E.P.E. são constituídos pelo Conselho de AdministraçãoepeloFiscalÚnico. Quadro6 ModelodeGovernonoexercíciode2008 ÓrgãosSociais Cargo Eleição Mandato ConselhodeAdministração AlexandreJosédosSantosRibeiro Presidente Despachoconjunton.º 79/2006comefeitosa partirde31dedez.2005 JoséAlbertoVenturadaCruzMartins Vogal Despachoconjunton.º 25099/2006de30de Outubro CílioPereiraCorreia Vogal Despachoconjunton.º 79/2006comefeitosa (DirectorClínico) partirde31dedez.2005 JoséLuísGomes Vogal Despachoconjunton.º (Enfermeiro.Director) 79/2006comefeitosa partirde31dedez.2005 FiscalÚnico A.FigueiredoLopes&Manuel Figueiredo,S.R.O.C. JorgeSilva,Vítor,Neto,Fernandes& Associados,S.R.O.C. Efectivo Suplente Despachoconjunton.º 5377/2006de21de Fevereiro Despachoconjunton.º 5377/2006de21de Fevereiro Número4doartigo6.º dosestatutosanexosao DecretoLein.º233/2005 de29dedezembro (3anoserenovávelpor iguaisperíodos) Número2doartigo15.º dosestatutosanexosao DecretoLein.º233/2005 de29dedezembro (3anoserenováveluma vez) O mandato dos Órgãos Sociais para o triénio expirou em 31 de Dezembro de 2008,tendohavidoreconduçãoparaotriénio detodososelementosdosÓrgãos Sociais,atravésdosDespachosn.º10546/2009en.º10650/2009doMinistériodasFinançase daadministraçãopúblicaedasaúde. Quadro7ModelodeGovernoparaoexercíciode2009 ÓrgãosSociais Cargo Eleição Mandato ConselhodeAdministração AlexandreJosédosSantosRibeiro Presidente JoséAlbertoVenturadaCruzMartins CílioPereiraCorreia JoséLuísGomes Vogal Vogal (DirectorClínico) Vogal (Enfermeiro.Director) Despachon.º10546/2009 de16deabrilde2009, comefeitosapartirde1 dejaneirode2009 FiscalÚnico A.FigueiredoLopes&Manuel Figueiredo,S.R.O.C. JorgeSilva,Vítor,Neto,Fernandes& Associados,S.R.O.C. Efectivo Suplente Despachon.º10650/2009 de9deabrilde2009, comefeitosa1dejaneiro de2009 Número4doartigo6.º dosestatutosanexosao DecretoLein.º233/2005 de29dedezembro (segundomandatode3 anos) Número2doartigo15.º dosestatutosanexosao DecretoLein.º233/2005 de29dedezembro (segundomandatode3 anos) RelatórioeContas2008 HospitaldeSãoTeotónio,E.P.E.

17 GovernodaSociedade 16 Composição,mandato,competênciaseestatuto A composição e mandato do Conselho de Administração são regulados pelo art. 6.º dos EstatutosdosHospitaisE.P.E.emanexoaoDecretoLein.º233/2005de29deDezembro. AscompetênciasdoConselhodeAdministraçãoeseusmembros,nomeadamente,Presidente, DirectorClínicoeEnfermeiroDirectorencontramsedefinidas,respectivamente,nosart.º7.º, art.º8.º,art.9.ºeart.º10.ºdosmesmosestatutos. O estatuto dos membros do Conselho de Administração é o estatuto de gestor público, conformedispostonoart.º13.ºdosestatutosdoshospitaise.p.e. OfuncionamentodoConselhodeAdministraçãodoHospitaldeSãoTeotónio,E.P.E.éfeitono modeloseguinte: oconselhodeadministraçãoreúne,comcarácterordinário,semanalmente; sempre e quando as circunstâncias o exijam poderão ser convocadas reuniões extraordinárias,poriniciativadopresidentedoconselhodeadministração,porsolicitação a este de dois membros ou por indicação do Fiscal Único. As reuniões extraordinárias deverãoterlugarnoprazomáximode8diasapósasuasolicitação.asuaconvocatória nãodeveserfeitanumprazoinferiora48horas; competeaosecretariadodoconselhodeadministraçãoelaboraredistribuir,comadevida antecedência, a agenda contendo a descrição detalhada dos documentos a apreciar na reunião; asdeliberaçõesdoconselhodeadministraçãosãoexaradassobreosdocumentosaque reportam e assinadas por todos os presentes. Em caso de empate na votação das deliberações,opresidentedoconselhodeadministraçãotem,nostermosdalei,votode qualidade; competeaosecretariadodoconselhodeadministraçãoaelaboraçãodaactadareunião,a qual deverá conter o resumo exacto de todos os assuntos apreciados, a transcrição integral das deliberações exaradas sobre os documentos base, as deliberações verbais transmitidaspelopresidentedoconselhodeadministraçãoouaindadeclaraçõesdevoto; decadaactadeverãoconstar,obrigatoriamente,adata,ahoradeinícioefimdareunião, o local, os elementos presentes e menção justificativa dos ausentes. As actas são apresentadas no início da reunião seguinte para leitura e aprovação, devendo ser rubricadastodasasfolhaseassinadaaúltima,portodososelementospresentes;e todos os documentos sobre os quais sejam exaradas as deliberações do Conselho de Administração são fotocopiadas para arquivo e registo informático e das respectivas deliberaçõesserádadoconhecimentoatodososinteressados.semprequeseconsidere necessário,osdocumentosoriginaisserãoentreguesnosrespectivosserviçosdeorigem, sendo arquivadas as cópias. A recepção dos documentos emanados do secretariado do conselho de administração será confirmada pelos destinatários mediante assinatura em documentocomprovativo. RelatórioeContas2008 HospitaldeSãoTeotónio,E.P.E.

18 GovernodaSociedade 17 RelativamenteaoFiscalÚnicoasuanatureza,regimedesubstituição,mandatoeregimede exercíciode funções,bemcomo competênciassãoreguladas pelodispostonasecçãoiidos EstatutosdosHospitaisE.P.E.emanexoaoDecretoLein.º233/2005de29deDezembro. A nomeação do Fiscal Único do Hospital de São Teotónio, E.P.E. foi feita pelo Despacho conjunton.º5377/2006dosministériosdasfinançaseadministraçãopúblicaedasaúdeem de21defevereiro,emconformidadecomodispostononúmero2doart.º15.ºdosestatutos doshospitaise.p.e. OFiscalÚniconomeadoA.Figueiredo&ManuelFigueiredo,sociedadederevisoresdecontas n.º85érepresentadoporalbertohenriquedefigueiredolopes,revisoroficialdecontasn.º 710. RelatórioeContas2008 HospitaldeSãoTeotónio,E.P.E.

19 GovernodaSociedade 18 Notascurriculares Presidente,AlexandreJosédosSantosRibeiro Nascidoem1950. Licenciado em Medicina pela Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra e pertencendoàordemdosmédicoscomaespecialidadedecirurgiageral. NopassadoexerceucargodechefianaUnidadedeCirurgiadeAmbulatóriodoHospitalde São Teotónio, foi Director do Centro de Medicina Desportiva de Viseu (1979 a 1984) e dirigentenadirecçãoclínicados.a.m.s.centro(1995a2005). Foi docente da Escola Secundária Alves Martins e docente da Escola de Enfermagem de Viseu. PalestranteemcongressosnacionaiseinternacionaisnaáreadaCirurgiadeAmbulatório. Desde Junho de 2005 é Presidente do Conselho de Administração do Hospital de São Teotónio. Vogal,JoséAlbertoVenturaCruzMartins Nascidoem1953. Administrador hospitalar de carreira, possui licenciatura em Direito, tem o curso de AdministraçãoHospitalardaEscolaNacionaldeSaúdePúblicaedeentrevárioscursosde formação e actualização, na sua área profissional, tem o curso sobre técnicas de engenhariaindustrialaplicadasaoshospitais,ministradoporconsultoresdauniversidade norteamericanadewisconsin.nestesanosdeexercícioprofissionalestevesempreligado àadministraçãohospitalar. Iniciou a sua actividade profissional no ano de 1986, nos Hospitais da Universidade de Coimbra, onde foi administrador da Maternidade Dr. Daniel de Matos. Presidente do Conselho de Administração do Hospital Distrital de Oliveira de Azeméis ( ). Durante esse período desempenhou igualmente as funções inerentes ao cargo de administradordelegado. Entre1999a2001regressouaosHospitaisdaUniversidadedeCoimbraondefoiDirector do Serviço de Doentes e Estatística e responsável pela direcção do Gabinete de PlaneamentoeControlodeGestão. AdministradordelegadodoCentroHospitalardeVilaNovadeGaiaem2002. De2003a2005foiDirectorFinanceirodosHospitaisdaUniversidadedeCoimbra,sendo dasuaresponsabilidadeadirecçãodosserviçosfinanceirosedecontencioso. Desde Novembro de 2006 assume o cargo de vogal executivo do Conselho de AdministraçãodohospitaldeSãoTeotónio,E.P.E. Para além da participação em variados encontros e seminários, tem vindo a colaborar comoprelectoremváriosmestradosepósgraduaçõesnaáreadaadministraçãoegestão deserviçosdesaúde. RelatórioeContas2008 HospitaldeSãoTeotónio,E.P.E.

20 GovernodaSociedade 19 Vogal(DirectorClínico),CílioPereiraCorreia Nascidoem1957. LicenciadoemMedicinapelaFaculdadedeMedicinadaUniversidadedeCoimbra. PossuicursodePósgraduaçãoemMedicinadoTrabalhopelaFaculdadedeMedicinada UniversidadedeCoimbra. NopassadoexerceucargosdechefianaUnidadeMédicaFuncionalnoServiçodeMedicina InternaenaEquipadeUrgência(1999a2002)doHospitaldeSãoTeotónio. FoidinamizadordaComissãodeInfecçãodomesmoHospital.Orientadordeformaçãode internos do internato geral e do complementar e formador pelo Departamento de EducaçãoPermanente. MembrodaComissãodeAcompanhamentodoHospitaldeSãoSebastiãodeSantaMaria dafeiranoâmbitodaexperiênciainovadoradegestãotipoempresarial. ExerceufunçõesdechefiadoServiçodeMedicinaInternadoHospitalCândidoFigueiredo emtondela(outubrode2002amarçode2004). DesdeMarçode2004éDirectorClínicoeVogaldoConselhodeAdministraçãodoHospital desãoteotónio. DesdeSetembrode2007éPresidentedoConselhodeAdministraçãodoHospitalCândido Figueiredo que exerce em acumulação de funções com o cargo de Director Clínico do HospitaldeSãoTeotónio,E.P.E. Vogal(EnfermeiroDirector),JoséLuísGomes Nascidoem1957. LicenciadoemEnfermagempelaEscolaSuperiordeSaúdedeViseu. PossuicursodePósgraduaçãoemAdministraçãodeServiçosdeEnfermagem. PossuicursodeMestradoemGestãodeUnidadesdeSaúde. IniciouasuaactividadeprofissionalcomoenfermeironoHospitaldeSãoTeotónio(1979), enfermeiroespecialistaemenfermagemdereabilitação(1986),enfermeirochefe(1989)e EnfermeiroSupervisor(2000). Foi Enfermeiro Director do Hospital de São Teotónio (1997 a 2003) e Presidente do ConselhoJurisdicionaldaSecçãoRegionaldoCentro(1999a2007). Desde Junho de 2005 é Enfermeiro Director e Vogal do Conselho de Administração do HospitaldeSãoTeotónio,E.P.E. RelatórioeContas2008 HospitaldeSãoTeotónio,E.P.E.

Princípios de Bom Governo

Princípios de Bom Governo Princípios de Bom Governo Regulamentos internos e externos a que a empresa está sujeita O CHC, E.P.E. rege-se pelo regime jurídico aplicável às entidades públicas empresariais, com as especificidades previstas

Leia mais

Identificação da Empresa. Missão. Visão

Identificação da Empresa. Missão. Visão Identificação da Empresa Designação social: Centro Hospitalar de Lisboa Central, EPE Sede: Rua José António Serrano, 1150-199 - Lisboa Natureza jurídica: Entidade Pública Empresarial Início de actividade:

Leia mais

Índice Descrição Valor

Índice Descrição Valor 504448064 Índice Descrição Valor 1 Missão, Objectivos e Princípios Gerais de Actuação 11 Cumprir a missão e os objectivos que lhes tenham sido determinados de forma económica, financeira, social e ambientalmente

Leia mais

Princípios de Bom Governo

Princípios de Bom Governo Princípios de Bom Governo Regulamentos internos e externos a que a empresa está sujeita O Centro Hospitalar do Barlavento Algarvio, E. P. E. rege-se pela legislação e demais normativos aplicáveis às Entidades

Leia mais

Cargo Órgãos Sociais Eleição Mandato. Mesa da Assembleia-geral. Não Aplicável. Conselho de Administração

Cargo Órgãos Sociais Eleição Mandato. Mesa da Assembleia-geral. Não Aplicável. Conselho de Administração Modelo de Governo Cargo Órgãos Sociais Eleição Mandato Presidente Vice-Presidente Secretário Mesa da Assembleia-geral Não Aplicável Presidente Conselho de Administração Izabel Maria Nunes Rodrigues Daniel

Leia mais

Estatutos - Hospitais E.P.E.

Estatutos - Hospitais E.P.E. Estatutos - Hospitais E.P.E. ANEXO II ao Decreto-Lei n.º 233/05, de 29 de Dezembro ESTATUTOS CAPÍTULO I Princípios gerais Artigo 1.º Natureza e duração 1 - O hospital E. P. E. é uma pessoa colectiva de

Leia mais

CUMPRIMENTO DOS PRINCIPIOS DE BOM GOVERNO DAS EMPRESAS DO SEE

CUMPRIMENTO DOS PRINCIPIOS DE BOM GOVERNO DAS EMPRESAS DO SEE CUMPRIMENTO DOS PRINCIPIOS DE BOM GOVERNO DAS EMPRESAS DO SEE Princípios do Bom Governo das Cumprir a missão e os objetivos que lhes tenham sido determinados, de forma económica, financeira, social e ambientalmente

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho, EPE. Vila Nova de Gaia, 30 de Agosto de 2007

REGULAMENTO INTERNO. Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho, EPE. Vila Nova de Gaia, 30 de Agosto de 2007 REGULAMENTO INTERNO Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho, EPE Vila Nova de Gaia, 30 de Agosto de 2007 1ª Revisão: Vila Nova de Gaia, 30 de Setembro de 2010 ÍNDICE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

Leia mais

MAPA ANEXO. Grupos de pessoal Nível Área funcional Carreira Categoria

MAPA ANEXO. Grupos de pessoal Nível Área funcional Carreira Categoria 3464 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 163 17-7-1998 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS E MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA SAÚDE Portaria n. o 413/98 17 Julho O quadro pessoal do Hospital Sousa Martins

Leia mais

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto 1 - O presente Decreto-Lei estabelece o regime jurídico da carreira dos

Leia mais

Índice do Relatório e Contas 2010. Relatório e Contas. Centro Hospitalar Tondela-Viseu, E.P.E. Relatório e Contas 2011

Índice do Relatório e Contas 2010. Relatório e Contas. Centro Hospitalar Tondela-Viseu, E.P.E. Relatório e Contas 2011 Índice do Relatório e Contas 2010 1 2011 Relatório e Contas Centro Hospitalar Tondela-Viseu, E.P.E. Índice do Relatório e Contas 2010 1 O CENTRO HOSPITALAR... 4 HISTÓRIA... 4 Hospital de Viseu... 4 O novo

Leia mais

Princípios de Bom Governo

Princípios de Bom Governo Princípios de Bom Governo Regulamentos internos e eternos a que a empresa está sujeita A Unidade Local de Saúde do Alto Minho (ULSAM), rege-se pelos Estatutos constantes do aneo ao Decreto-Lei nº 183/2008

Leia mais

S.R. DA SAÚDE Portaria n.º 58/2015 de 6 de Maio de 2015

S.R. DA SAÚDE Portaria n.º 58/2015 de 6 de Maio de 2015 S.R. DA SAÚDE Portaria n.º 58/2015 de 6 de Maio de 2015 A redução de listas de espera cirúrgicas, de consultas e de meios complementares de diagnóstico e terapêutica para tempos de espera clinicamente

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA-GERAL

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA-GERAL Circular Normativa Nº 01 Data 12/01/2006 Para conhecimento de todos os serviços e estabelecimentos dependentes do Ministério da Saúde ASSUNO: Regime de trabalho de horário acrescido Critérios. A Circular

Leia mais

santa casa da misericórdia

santa casa da misericórdia santa casa da misericórdia 5 de Outubro de 1945 Inaugurada uma enfermaria, com 6 camas, a juntar às 3 outras já existentes. 14 de Dezembro de 1947 Inauguração do Serviço de Radioscopia. 27 de Agosto de

Leia mais

AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE

AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE 18 MARÇO 2015 Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa PATROCINDADORES Apoio Patrocinadores Globais APDSI SIG / Plataforma de Gestão de MCDT (Glintt) Evolução nos modelos

Leia mais

Nº de Utilizadores do Hospital Psiquiátrico. Nº de Utilizadores do Hospital Psiquiátrico. Fecho (Ano N-2) Estimado (Ano N-1) Acumulado (Ano N)

Nº de Utilizadores do Hospital Psiquiátrico. Nº de Utilizadores do Hospital Psiquiátrico. Fecho (Ano N-2) Estimado (Ano N-1) Acumulado (Ano N) Q 2 Número de Utilizadores do Hospital (P) Instituições Unidade Local de Saúde de Castelo Branco, EPE Agr. Scenario Contratualização Time Dezembro 2012 Área de Influência Fora da Área de Influência Notas:

Leia mais

Região Centro. Instituição Instituição local Contexto de Prática Clínica. Cuidados de Saúde Primários. Unidade de Saúde Familiar Lusitana

Região Centro. Instituição Instituição local Contexto de Prática Clínica. Cuidados de Saúde Primários. Unidade de Saúde Familiar Lusitana Região Centro Instituição Instituição local Contexto de Prática Clínica Cuidados de Saúde Primários ACeS Dão Lafões Unidade de Saúde Familiar Lusitana Unidade de Saúde Familiar Viseu Cidade Unidade de

Leia mais

Princípios de Bom Governo

Princípios de Bom Governo Princípios de Bom Governo Regulamentos internos e externos a que a empresa está sujeita Sendo a STCP uma sociedade anónima, rege-se pelo previsto nos seus estatutos, aprovados pelo Decreto-Lei 202/94,

Leia mais

Artigo 2.º (Definições) Para efeitos da aplicação do SIADAP no seio da UC, entende-se por: a) «Dirigente máximo do serviço», o reitor.

Artigo 2.º (Definições) Para efeitos da aplicação do SIADAP no seio da UC, entende-se por: a) «Dirigente máximo do serviço», o reitor. 1 Nos termos do disposto no n.º 3 do artigo 110.º do RJIES, a aprovação do presente regulamento, elaborado ao abrigo do estatuído no artigo 3.º da Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro, é precedida da sua

Leia mais

Projecto de Lei n.º 408/ X

Projecto de Lei n.º 408/ X Grupo Parlamentar Projecto de Lei n.º 408/ X Consagra o processo eleitoral como regra para a nomeação do director-clínico e enfermeiro-director dos Hospitais do Sector Público Administrativo e dos Hospitais,

Leia mais

O CHCB emprega mais de 1400 colaboradores;

O CHCB emprega mais de 1400 colaboradores; Inaugurado em 17 Janeiro de 2000, o CHCB foi construído segundo padrões de alta qualidade, sujeito às mais rigorosas exigências tecnológicas. É a maior e mais sofisticada Unidade de Saúde de toda a Região

Leia mais

Identificação da empresa

Identificação da empresa Identificação da empresa Missão e Objectivos O Centro Hospitalar Lisboa Norte, E.P.E., estabelecimento de referência do Serviço Nacional de Saúde (SNS), desempenha funções diferenciadas na prestação de

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA NOTA JUSTIFICATIVA Em conformidade com os poderes regulamentares que lhes são atribuídos pelos artigos 112º n.º 8 e 241º da Lei Constitucional, devem os Municípios aprovar os respectivos regulamentos municipais,

Leia mais

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências da Comunicação Regulamento Julho de 2008 CAPÍTULO I Natureza, Missão, Atribuições e Constituição Artigo 1º Natureza O Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências

Leia mais

Identificação da empresa. Missão

Identificação da empresa. Missão Identificação da empresa SPMS - Serviços Partilhados do Ministério da Saúde, EPE, pessoa coletiva de direito público de natureza empresarial, titular do número único de matrícula e de pessoa coletiva 509

Leia mais

Princípios de Bom Governo

Princípios de Bom Governo Princípios de Bom Governo Regulamentos internos e externos a que a empresa está sujeita Foi aprovado pela tutela no ano de 2008 o Regulamento Interno do Centro Hospitalar do Porto que passou a reger a

Leia mais

Avaliação do Desempenho 2009

Avaliação do Desempenho 2009 Relatório Anual Instituto do Desporto de Portugal I.P. Avaliação do 2009 Sistema Integrado de Gestão e Avaliação do na Administração Pública (SIADAP) Novembro 2010 I Introdução No âmbito da aplicação do

Leia mais

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO Decreto N. 2/ 2003 De 23 de Julho Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal O Decreto Lei N 7/ 2003 relativo à remodelação da estrutura orgânica

Leia mais

XIV. Recursos Humanos ÍNDICE

XIV. Recursos Humanos ÍNDICE XIV Recursos Humanos ÍNDICE SECÇÃO I CONSIDERAÇÕES GERAIS...2 SECÇÃO II ENTIDADE GESTORA DO ESTABELECIMENTO...2 1. Planeamento de Recursos Humanos...2 2. Recrutamento...5 3. Integração e Formação Inicial...6

Leia mais

SINDICATO DOS MÉDICOS DA ZONA SUL

SINDICATO DOS MÉDICOS DA ZONA SUL 1 SM/2012/20.DIR.0302 (CJ) INFORMAÇÃO N.º 13/2012 5 DE MARÇO Trabalho Extraordinário Médico. Redução de Custos. Despacho do Secretário de Estado da Saúde SUMÁRIO 1. Em ordem à prossecução, no corrente

Leia mais

Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República

Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República publicado no Diário da Assembleia da República, II Série C, n.º 11 de 8 de Janeiro de 1991 Conselho de Administração O Conselho de Administração

Leia mais

第 三 章 執 行 預 算 第 135/2005 號 行 政 長 官 批 示. 7) Executar o plano de formação de pessoal; ( 七 ) 執 行 人 員 培 訓 計 劃 ;

第 三 章 執 行 預 算 第 135/2005 號 行 政 長 官 批 示. 7) Executar o plano de formação de pessoal; ( 七 ) 執 行 人 員 培 訓 計 劃 ; N.º 19 9-5-2005 BOLETIM OFICIAL DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU I SÉRIE 545 ( 七 ) 執 行 人 員 培 訓 計 劃 ; ( 八 ) 核 實 收 支 文 件, 並 為 船 舶 建 造 廠 的 正 常 運 作 提 供 輔 助 7) Executar o plano de formação de pessoal;

Leia mais

hospital de dia oncológico

hospital de dia oncológico guia do chtmad nota introdutória Sempre a pensar em si e para que possa beneficiar na totalidade de todos os nossos serviços, apresentam-se algumas informações que se consideram ser do seu interesse. Lembramos

Leia mais

Identificação da empresa

Identificação da empresa Identificação da empresa O Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa, EPE, criado através do Decreto Lei n.º 326/2007 de 28 de Setembro, com início de actividade a 1 de Outubro de 2007, resultou da fusão de

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA Na defesa dos valores de integridade, da transparência, da auto-regulação e da prestação de contas, entre outros, a Fundação Casa da Música,

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Alteração ao Regime Jurídico da Avaliação do Ensino Superior Num momento em que termina o ciclo preliminar de avaliação aos ciclos de estudo em funcionamento por parte da Agência de Avaliação e Acreditação

Leia mais

DESPACHO ISEP/P/51/2010. Regulamento do Departamento de Engenharia Electrotécnica

DESPACHO ISEP/P/51/2010. Regulamento do Departamento de Engenharia Electrotécnica DESPACHO DESPACHO /P/51/2010 Regulamento do Departamento de Engenharia Electrotécnica Considerando que: Nos termos do n.º 4 do artigo 43.º dos Estatutos do Instituto Superior de Engenharia do Porto, homologados

Leia mais

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Tendo em conta a história económica do nosso País após a independência, a propriedade pública ainda ocupa um lugar muito

Leia mais

NÚCLEO DE MEDICINA INTERNA DOS HOSPITAIS DISTRITAIS ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS

NÚCLEO DE MEDICINA INTERNA DOS HOSPITAIS DISTRITAIS ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS Art. 1 - O Núcleo de Medicina Interna dos Hospitais Distritais, também designado abreviadamente por N. M. I. H. D., é uma Associação sem fins lucrativos

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Assunto: Para: Organização de Serviços de Segurança e Saúde do Trabalho/Saúde Ocupacional (SST/SO) nos Cuidados Primários de Saúde - ACES e Sede de ARS(s) Todos os serviços do Ministério da Saúde Nº: 05/DSPPS/DCVAE

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO Novembro/2014 Índice INTRODUÇÃO... 3 Balanço da execução do plano... 4 Conclusão... 5 Recomendações... 8 REVISÃO DO

Leia mais

O Papel dos Protocolos Clínicos e das Recomendações Terapêuticas na Gestão Hospitalar

O Papel dos Protocolos Clínicos e das Recomendações Terapêuticas na Gestão Hospitalar O Papel dos Protocolos Clínicos e das Recomendações Terapêuticas na Gestão Hospitalar Piedade Ferreira/Rute Reis Infarmed 26 Outubro 2006 Objectivos 2006 Controlo do consumo de medicamentos Milhares Euros

Leia mais

PLANO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE GESTÃO, INCLUINDO OS RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRAÇÕES CONEXAS

PLANO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE GESTÃO, INCLUINDO OS RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRAÇÕES CONEXAS Plano de Prevenção de Riscos de Corrupção e Infrações Conexas PLANO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE GESTÃO, INCLUINDO OS RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRAÇÕES CONEXAS

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A.

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A. REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A. 13 de Outubro de 2015 REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO EDP Energias de Portugal, S.A. ARTIGO 1.º (Âmbito)

Leia mais

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA NOTA JUSTIFICATIVA A Lei 159/99, de 14 de Setembro, estabelece no seu artigo 19.º, n.º 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os Conselhos locais de Educação. A Lei 169/99, de 18

Leia mais

HOSPITAL GARCIA DE ORTA, E.P.E.

HOSPITAL GARCIA DE ORTA, E.P.E. Hospital GARCIA DE ORTA, E.P.E. HOSPITAL GARCIA DE ORTA, E.P.E. PLANO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS VERSÃO 2013 1 Índice 1.ENQUADRAMENTO... 3 1.1 CARACTERIZAÇÃO DO HGO... 3 1.2.

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO ÍNDICE

REGULAMENTO INTERNO ÍNDICE REGULAMENTO INTERNO ÍNDICE CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º - Natureza jurídica, constituição e sede Artigo 2.º - Finalidades/Missão Artigo 3.º - Valores Artigo 4.º - Objectivos Artigo 5.º -

Leia mais

REGIMENTO PARA O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ÁGUEDA PARTE I. Disposições Gerais. Artigo 1º. Definição e Âmbito

REGIMENTO PARA O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ÁGUEDA PARTE I. Disposições Gerais. Artigo 1º. Definição e Âmbito REGIMENTO PARA O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ÁGUEDA PARTE I Disposições Gerais Artigo 1º Definição e Âmbito 1. O Conselho Municipal de Educação de Águeda, adiante designado de Conselho é uma instância

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros DECRETO nº.../07 de... de... Considerando que as aplicações pacíficas de energia atómica assumem cada vez mais um papel significativo no desenvolvimento

Leia mais

HOSPITAL DE SANTO ESPÍRITO DE ANGRA DO HEROÍSMO, EPE

HOSPITAL DE SANTO ESPÍRITO DE ANGRA DO HEROÍSMO, EPE R E G U L A M E N T O I N T E R N O ANGRA DO HEROÍSMO, Março 2009 Homologado por Sua Excelência o Secretário Regional da Saúde a 14 de Abril de 2009 Pág 2 de 35 INDÍCE CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS...

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Aprovado em 18 de Junho de 2015 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS FACULDADES DA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA

REGULAMENTO GERAL DAS FACULDADES DA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA REGULAMENTO GERAL DAS FACULDADES DA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA Artigo 1º Denominação 1. As faculdades são unidades orgânicas da UFP que integram subunidades orgânicas, reúnem grandes áreas científicas

Leia mais

CAPÍTULO III. Estado -Maior Conjunto Artigo 8.º

CAPÍTULO III. Estado -Maior Conjunto Artigo 8.º CAPÍTULO III Estado -Maior Conjunto Artigo 8.º Missão e atribuições 1. O Estado -Maior Conjunto (EMC) tem por missão assegurar o planeamento e o apoio necessários à decisão do CEMGFA. 2. O EMC prossegue,

Leia mais

TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS SECÇÃO ÚNICA Disposições Gerais

TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS SECÇÃO ÚNICA Disposições Gerais REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DO TÍTULO DE ESPECIALISTA NA ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM S. FRANCISCO DAS MISERICÓRDIAS TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS SECÇÃO ÚNICA Disposições Gerais Artigo 1.º (Objecto e âmbito)

Leia mais

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro)

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) O sistema de avaliação e autorização de introdução no mercado de medicamentos, que tem vindo

Leia mais

Relatório Anual sobre o Acesso a Cuidados de Saúde

Relatório Anual sobre o Acesso a Cuidados de Saúde Relatório Anual sobre o Acesso a Cuidados de Saúde Hospital Garcia de Orta, E.P.E 1 31 de Março 2011 SUMÁRIO PREÂMBULO IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE CARECTERIZAÇÃO GERAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO OUTROS ASPECTOS

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013

CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013 CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 I. Âmbito de Aplicação e Princípios Gerais...4 Artigo 1.º Âmbito Pessoal...4 Artigo 2.º Âmbito Territorial...4 Artigo 3.º Princípios Gerais...4 Artigo

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL

REGULAMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL REGULAMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL CAPITULO I Disposições Gerais Artigo 1º Denominação e natureza O Instituto de Seguros de Portugal, designado abreviadamente por ISP, é uma pessoa

Leia mais

ESTATUTOS. Artigo 1º (Nome e Sede)

ESTATUTOS. Artigo 1º (Nome e Sede) ESTATUTOS Artigo 1º (Nome e Sede) O nome da associação é A Rocha Associação Cristã de Estudos e Defesa do Ambiente e a sua sede é na Cruzinha, Mexilhoeira Grande, em Portimão. Artigo 2º (Natureza e Fins)

Leia mais

República de Angola DNME/MINSA/ ANGOLA

República de Angola DNME/MINSA/ ANGOLA DNME/MINSA/ ANGOLA 1 CONCEITO E ENQUADRAMENTO DA FARMÁCIA HOSPITALAR O Hospital é o local onde as intervenções mais diferenciadas, invasivas e salvadoras de vida devem ter lugar, constituindo-se, por isso

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO GABINETE DO PRESIDENTE

REGULAMENTO INTERNO DO GABINETE DO PRESIDENTE REGULAMENTO INTERNO DO GABINETE DO PRESIDENTE CAPÍTULO I Objecto ARTIGO.º (Objecto) O presente regulamento define a composição e o regime jurídico do pessoal do Gabinete do Presidente do Tribunal de Contas.

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio Decreto Executivo nº /07 De 03 de Setembro Convindo regulamentar o funcionamento do Gabinete de Estudos, Planeamento e Estatística do Ministério do Comércio; Nestes termos, ao abrigo

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 9º. Enquadramento - Concessão do Direito de Construção, Gestão e Exploração Comercial, em Regime de Serviço Público, da Plataforma Logística. Processo:

Leia mais

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO MINISTÉRIO DO COMÉRCIO REGULAMENTO INTERNO DAS REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS DA REPÚBLICA DE ANGOLA NO ESTRANGEIRO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º (Natureza) As representações são órgãos de execução

Leia mais

- CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE LAGOS - PREÂMBULO

- CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE LAGOS - PREÂMBULO PREÂMBULO A Lei de Bases do Sistema Educativo (Lei nº 46/86 de 14 de Outubro) consagrou a interacção com a comunidade educativa local como um pilar fundamental da política educativa. Por essa razão o nº

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO CIENTIFICA TROPICAL. Artigo 1. Composição

REGULAMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO CIENTIFICA TROPICAL. Artigo 1. Composição REGULAMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO CIENTIFICA TROPICAL Artigo 1. Composição A composição do conselho científico do Instituto de Investigação Científica Tropical, I.P., abreviadamente

Leia mais

ESCOLA PROFISSIONAL DE FELGUEIRAS ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

ESCOLA PROFISSIONAL DE FELGUEIRAS ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ESCOLA PROFISSIONAL DE FELGUEIRAS ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º Denominação A Escola Profissional adopta a designação de ESCOLA PROFISSIONAL DE FELGUEIRAS e a abreviatura EPF. ARTIGO

Leia mais

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Decreto-Lei n.º 279/93, de 11 de Agosto (alterado pelo Decreto Lei N.º15/98, de 29 de Janeiro) (alterado pelo Decreto-Lei n.º 195/2001, de 27 de Junho) (alterado pelo

Leia mais

Resolução do Conselho de Ministros n.º 34/2012

Resolução do Conselho de Ministros n.º 34/2012 Resolução do Conselho de Ministros n.º 34/2012 A Resolução do Conselho de Ministros n.º 16/2012, de 14 de fevereiro, que aprova os critérios de determinação do vencimento dos gestores públicos, estabelece

Leia mais

8226 Diário da República, 1.ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007

8226 Diário da República, 1.ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007 8226 Diário da República, ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007 da Madeira os Drs. Rui Nuno Barros Cortez e Gonçalo Bruno Pinto Henriques. Aprovada em sessão plenária da Assembleia Legislativa da Região

Leia mais

REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA

REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA Aprovado pelo Presidente do ISEL a NOTA INTRODUTÓRIA Criado a 19 de Setembro de 2006 e tendo iniciado as suas funções a

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Aprovado pela Câmara em 6/02/2003, alterado em Reunião de Câmara de 18/09/2003 Aprovado pela Assembleia Municipal em

Leia mais

REGULAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS

REGULAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS REGULAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS N.º 2 do art.º 62.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro, alterado pelo Decreto-Lei n.º 224/2008, de 20 de Novembro PREÂMBULO

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL DA CULTURA

PROGRAMA OPERACIONAL DA CULTURA PROGRAMA OPERACIONAL DA CULTURA Relatório de 2000 1. Introdução e enquadramento. 1.1 Apresentação e síntese do documento O relatório de 2000 do Programa Operacional da Cultura, constitui o 1º relatório

Leia mais

Grupo Parlamentar SAÚDE PELOS UTENTES DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE. Exposição de motivos

Grupo Parlamentar SAÚDE PELOS UTENTES DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE. Exposição de motivos Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI Nº./ X CARTA DOS DIREITOS DE ACESSO AOS CUIDADOS DE SAÚDE PELOS UTENTES DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE Exposição de motivos A espera por cuidados de saúde é um fenómeno

Leia mais

de Oncologia de Lisboa SA PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE AS ACTIVIDADES DE ENSINO E INVESTIGAÇÃO E A ACTIVIDADE CLÍNICA

de Oncologia de Lisboa SA PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE AS ACTIVIDADES DE ENSINO E INVESTIGAÇÃO E A ACTIVIDADE CLÍNICA UNL Universidade Nova de Lisboa IPO-CROL SA Instituto Português de Oncologia Centro Regional de Oncologia de Lisboa SA PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE AS ACTIVIDADES DE ENSINO E INVESTIGAÇÃO E A ACTIVIDADE

Leia mais

Acordo entre o Ministério das Finanças, o Ministério da Saúde e a Indústria Farmacêutica

Acordo entre o Ministério das Finanças, o Ministério da Saúde e a Indústria Farmacêutica Acordo entre o Ministério das Finanças, o Ministério da Saúde e a Indústria Farmacêutica Os Ministérios das Finanças, representado pela Ministra de Estado e das Finanças, da Saúde, representado pelo Ministro

Leia mais

Contratualização em Cuidados Continuados

Contratualização em Cuidados Continuados Um Outro Olhar sobre o Hospital Contratualização em Cuidados Continuados João Amado Santa Casa da Misericórdia de Portimão RNCCI o início O Decreto-Lei nº 101/2006 criou a Rede Nacional de Cuidados Continuados

Leia mais

Vida por vida 2014 PLANO DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO ANO DE 2014

Vida por vida 2014 PLANO DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO ANO DE 2014 Vida por vida PL DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO DE Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Amarante Fundada em 1921 NOTA DE APRESENTAÇÃO Excelentíssimos Senhores Associados, Para cumprimento do

Leia mais

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA O Sistema de Certificação de Entidades Formadoras, consagrado na Resolução do Conselho de Ministros nº 173/2007, que aprova

Leia mais

Só um ou, quando muito, dois membros do órgão de gestão ou administração da empresa local pode ser remunerado.

Só um ou, quando muito, dois membros do órgão de gestão ou administração da empresa local pode ser remunerado. 1 Só um ou, quando muito, dois membros do órgão de gestão ou administração da empresa local pode ser remunerado. Artigo 25.º, n.ºs 3 e 4 da Lei n.º 50/2012, de 31 de agosto O valor da remuneração do(s)

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS 2004

RELATÓRIO DE GESTÃO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS 2004 RELATÓRIO DE GESTÃO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS 2004 1. Apreciação Global A existência de um Contrato de Desenvolvimento para a Medicina, celebrado entre a UNL e o Governo, em Dezembro de 2001, permitiu

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO FISCAL

REGULAMENTO DO CONSELHO FISCAL REGULAMENTO DO CONSELHO FISCAL O presente instrumento regulamenta a composição, exercício da competência, deveres, funcionamento e serviços de apoio do Conselho Fiscal da Sonae SGPS, SA. COMPOSIÇÃO 1.

Leia mais

Regulamento do Centro de Ciências Matemáticas

Regulamento do Centro de Ciências Matemáticas Centro de Ciências Matemáticas Campus Universitário da Penteada P 9000-390 Funchal Tel + 351 291 705181 /Fax+ 351 291 705189 ccm@uma.pt Regulamento do Centro de Ciências Matemáticas I Disposições gerais

Leia mais

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Auditoria do Tribunal de Contas à Direcção Geral do Tesouro no âmbito da Contabilidade do Tesouro de 2000 (Relatório n.º 18/2002 2ª Secção) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 580 ÍNDICE

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 580 ÍNDICE Directriz de Revisão/Auditoria 580 DECLARAÇÃO DO ORGÃO DE GESTÃO Dezembro de 1998 ÍNDICE Parágrafos Introdução 1-5 Objectivos 6 Requisitos da declaração 7-11 Conteúdo da declaração 12-15 Posição do revisor/auditor

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO. CAPÍTULO I Disposições Comuns

REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO. CAPÍTULO I Disposições Comuns REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO CAPÍTULO I Disposições Comuns SECÇÃO I Disposições gerais Artigo 1.º Objecto O presente regulamento procede

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE CUIDADOS PALIATIVOS. Núcleo da Região Autónoma dos Açores Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos NRA - APCP

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE CUIDADOS PALIATIVOS. Núcleo da Região Autónoma dos Açores Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos NRA - APCP ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE CUIDADOS PALIATIVOS Núcleo da Região Autónoma dos Açores Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos NRA - APCP abril de 2012 Núcleo Regional dos Açores da Associação Portuguesa

Leia mais

Regulamento para atribuição do Título de Especialista no Instituto Superior de Ciências Educativas

Regulamento para atribuição do Título de Especialista no Instituto Superior de Ciências Educativas Regulamento para atribuição do Título de Especialista no Instituto Superior de Ciências Educativas No âmbito do ensino politécnico é conferido o título de especialista, o qual comprova a qualidade e a

Leia mais

GABINETE DA MINISTRA DESPACHO

GABINETE DA MINISTRA DESPACHO DESPACHO A concretização do sistema de avaliação do desempenho estabelecido no Estatuto da Carreira dos Educadores de Infância e dos Professores dos Ensinos Básico e Secundário (ECD), recentemente regulamentado,

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA. Departamento de Relações Públicas e Comunicação

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA. Departamento de Relações Públicas e Comunicação Departamento de Relações Públicas e Comunicação Regulamento 1. Do Departamento de Relações Públicas e Comunicação 1.1 Definição 1.2. Constituição 1.3. Articulação e procedimentos 1.4. Local de funcionamento

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO EXECUTIVA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REDITUS - SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A.

REGULAMENTO DA COMISSÃO EXECUTIVA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REDITUS - SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A. REGULAMENTO DA COMISSÃO EXECUTIVA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REDITUS - SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A. ARTIGO 1.º (Âmbito e Aplicabilidade) 1. O presente regulamento estabelece as regras

Leia mais

SISTEMA DE INTEGRADO DE GESTÃO DE INSCRITOS EM CIRURGIA - SIGIC - INDICADORES

SISTEMA DE INTEGRADO DE GESTÃO DE INSCRITOS EM CIRURGIA - SIGIC - INDICADORES SISTEMA DE INTEGRADO DE GESTÃO DE INSCRITOS EM CIRURGIA - SIGIC - I Introdução INDICADORES O SIGIC é um sistema regulador da actividade cirúrgica programada que visa melhorar o acesso à prestação de cuidados

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DA COMUNIDADE DO ACES ALENTEJO CENTRAL 2

REGULAMENTO DO CONSELHO DA COMUNIDADE DO ACES ALENTEJO CENTRAL 2 REGULAMENTO DO CONSELHO DA COMUNIDADE DO ACES ALENTEJO CENTRAL 2 O Decreto-Lei n.º 28/2008 publicado em Diário da República, 1ª série, Nº 38, de 22 de Fevereiro de 2008, que criou os agrupamentos de Centros

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO RUAS RECRIAR UNIVERSIDADE ALTA E SOFIA

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO RUAS RECRIAR UNIVERSIDADE ALTA E SOFIA ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO RUAS RECRIAR UNIVERSIDADE ALTA E SOFIA CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1. Denominação e natureza A RUAS Recriar Universidade Alta e Sofia, adiante designada abreviadamente

Leia mais

NOTAS CURRICULARES. João Manuel Alves da Silveira Ribeiro Nascido a 19 de novembro de 1951, na freguesia de Cedofeita, concelho do Porto.

NOTAS CURRICULARES. João Manuel Alves da Silveira Ribeiro Nascido a 19 de novembro de 1951, na freguesia de Cedofeita, concelho do Porto. NOTAS CURRICULARES João Manuel Alves da Silveira Ribeiro Nascido a 19 de novembro de 1951, na freguesia de Cedofeita, concelho do Porto. Formação académica: 2007 - Programa de Alta Direção de Instituições

Leia mais

União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde

União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde Legislação da União Europeia Legislação nacional Jurisprudência TJUE Diretiva 2011/24 Proposta de Lei 206/XII Direitos e deveres

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Braga

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Braga Regimento do Conselho Municipal de Educação de Braga A lei de bases do sistema educativo assume que o sistema educativo se organiza de forma a descentralizar, desconcentrar e diversificar as estruturas

Leia mais