A AMI4 tem por Missão incentivar, desenvolver, regulamentar e promover o uso dos meios interativos para ações de comunicação e marketing através:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A AMI4 tem por Missão incentivar, desenvolver, regulamentar e promover o uso dos meios interativos para ações de comunicação e marketing através:"

Transcrição

1 Public Policy ESTATUTO SOCIAL1 CAPÍTULO I Do Grupo, seus fins, sua sede e denominação Artigo Primeiro: A Associação de Mídia Interativa tem sede na Capital de São Paulo à Rua Helena, 309 cj. 92, Estado de São Paulo e, a todo o território nacional, estende se a sua atividade social. Artigo Segundo: A AMI4 tem por Missão incentivar, desenvolver, regulamentar e promover o uso dos meios interativos para ações de comunicação e marketing através: Da criação de normas e padrões para o planejamento, criação, compra, venda, veiculação e mensuração de mensagens comerciais; Do intercâmbio de experiências e conhecimentos técnicos de seus associados; De pesquisas e estudos que comprovem a eficiência da mídia interativa. Parágrafo primeiro: Entende se por meios interativos a rede mundial de computadores (Internet), a TV Interativa, as plataformas para envio de mensagens comerciais por telefones celulares e

2 aparelhos de mão portáteis ( PDAS ), bem como os novos canais de comunicação que possuam surgir com avanço da tecnologia e que permitam a publicação ou envio de mensagens comerciais de características semelhantes às atuais. 1 As alterações processadas no Estatuto Social da AMI tem seu fulcro no art do Novo Código Civil Brasileiro, Lei de 10 de janeiro de As disposições relativas às Associações foram introduzidas no Livro I, Título II, Capítulo II do dispositivo legal supra, em seus artigos 53 a A Denominação adotada, de conformidade com o Livro II, Título IV, Capítulo II, para o exercício de empresa, a que se equiparam as denominações das sociedades simples, associações e fundações (NCC, art e par. Único) 3 Dispositivo consoante ao artigo 54, I, NCC. 4 O direito de associação é previsto na Carta Maior em seu artigo 5º, incisos, XVII, XVIII, XIX e XX. Parágrafo segundo:

3 A AMI promoverá o intercâmbio nacional e internacional de experiências e conhecimentos técnicos através de cursos, palestras, publicações, artigos e pesquisas cujos resultados sejam de interesse comum ao mercado. Parágrafo terceiro: A AMI passa a utilizar o nome Interactive Advertising Bureau Brasil (IAB Brasil) como nome fantasia. Artigo Terceiro: É vetado aos Diretores Estatutários perceber qualquer forma de remuneração pelo exercício dos respectivos cargos ou por serviços prestados à Associação de Mídia Interativa, exceto nos casos dispostos no Art.13º, desse Estatuto Social. Artigo Quarto: Nenhum membro da Associação de Mídia Interativa, observados os limites estatutários, qualquer que seja sua categoria, responde, ainda que subsidiariamente, pelas obrigações contraídas, por qualquer forma, em nome da Sociedade. Capítulo II Dos Sócios Direitos e Deveres5 Artigo Quinto: A Associação de Mídia Interativa terá 04 (quatro) categorias de sócios 6, assim discriminadas, sendo que, o valor da anuidade para cada categoria será estipulado pela Diretoria Executiva segundo padrões de mercado.

4 1) Grupo I: 5 Atendendo ao art. 54, III, NCC. 6 O art. 55 do NCC dispõe que: Os associados devem ter iguais direitos, mas o estatuto poderá instituir categorias com vantagens especiais. 3 Pessoas jurídicas cujo produto ou serviço seja de distribuição nacional ou regional e que tenham interesse legítimo na atuação da Associação de Mídia Interativa, a saber: sites provedores de conteúdo genérico e/ou acesso a Internet ( portal ), sites de conteúdo segmentado ou interesse especial, editoras, jornais, revistas, emissoras de rádio e/ou televisão, e outras categorias similares. O sócio dessa categoria tem direito a votar e ser votado como membro da Diretoria Executiva. 2) Grupo II: Pessoas jurídicas cujo produto ou serviço seja de distribuição nacional ou regional e que tenham interesse legítimo na atuação da Associação de Mídia Interativa a saber: agências de publicidade, produtoras interativas, consultorias, empresas de tecnologia,

5 pesquisa e outras categorias de empresas similares. O sócio dessa categoria tem direito a votar e ser votado como membro da Diretoria Executiva. 3) Grupo III: Pessoas físicas com interesse legítimo na atuação da Associação de Mídia Interativa e que atuam nas áreas de marketing, publicidade, comunicação, jornalismo, tecnologia e outras categorias similares. Os sócios dessa categoria tem direito a votar, mas não pode ser votado como membro da Diretoria Executiva. 4) Grupo IV especial: Universidades, escolas, faculdades e outras entidades de ensino que tenham interesse legítimo na atuação da Associação de Mídia Interativa visando prover benefícios a seu corpo docente e discente. Os sócios dessa categoria não tem direito a votar e ser votado como membro da Diretoria Executiva, bem como não pagam anuidade. Parágrafo primeiro7º: As anuidades cobradas dos associados compõem a fonte primária de recursos para a manutenção da associação, sendo 7 Parágrafo 1º incluído por força do disposto no art. 54, IV, do NCC.

6 4 que os demais recursos, serão oriundos dos eventos e outras ações por essa promovidos. Parágrafo segundo8: Cabe a Diretoria avaliar em que categoria o interessado na filiação será enquadrado. Não serão aceitos recursos contra essas decisões. Parágrafo terceiro: A qualidade de associado é intransmissível, salvo as disposições estatutárias. Se o associado for titular de cota ou fração ideal do patrimônio da associação, a transferência daquela não importará, de per si, na atribuição da qualidade de associado ao adquirente ou ao herdeiro, salvo disposição diversa no estatuto. Parágrafo quarto: Os Grupos I e II, conforme definidos no caput do presente artigo, serão subdivididos nas seguintes categorias: A Sócio Pleno Benefícios:

7 Acesso completo a todas as informações, pesquisas e dados produzidos pela entidade; Participação nos Comitês Executivos Participação através de artigos nas colunas que a entidade dispõe em veículos de comunicação; Participação através de artigos na newsletter da entidade Divulgação de seus cases, eventos e notícias na newsletter da entidade; Participação em matérias (entrevistas) na newsletter da entidade; 8 Parágrafo 2º incluído pelo artigo 56 do NCC e seu Par. Único. 5 Participação nos eventos da entidade como debatedor, palestrante ou indicando um participante;

8 Prioridade e preço especial na compra de Cotas de Patrocínio ou Apoio nos eventos da entidade; Prioridade na divulgação de material da empresa nos eventos da entidade; Convites cortesia para todos eventos da entidade (quantidade limitada por evento); Ingressos com desconto especial para funcionários ou convidados em todos eventos da entidade. Votar e ser votado nas eleições da entidade Participar como membro da Diretoria Executiva, incluindo o cargo de Presidente Participar do Conselho Consultivo da entidade B Sócio Titular Benefícios: Acesso completo a todas as informações, pesquisas e dados produzidos pela entidade; Participação nos Comitês Executivos ; Participação através de artigos nas colunas que a entidade dispõe em veículos de comunicação; Participação através de artigos na newsletter da entidade Divulgação de seus cases, eventos e notícias na newsletter da entidade;

9 Participação em matérias (entrevistas) na newsletter da entidade Participação nos eventos do IAB Brasil como debatedor, palestrante ou indicando um participante; Prioridade e preço especial na compra de Cotas de Patrocínio ou Apoio nos eventos da entidade; Prioridade na divulgação de material da empresa nos eventos da entidade; 6 Convites cortesia para todos eventos da entidade (quantidade limitada por evento); Ingressos com desconto especial para funcionários ou convidados em todos eventos da entidade. Votar e ser votado nas eleições da entidade Participar como membro da Diretoria Executiva, excluindo o cargo de Presidente

10 C Sócio Honorário Benefícios: Acesso completo a todas as informações, pesquisas e dados produzidos pela entidade; Participação nos Comitês Executivos Divulgação de seus cases, eventos e notícias na newsletter da entidade; Participação em matérias (entrevistas) na newsletter da entidade; Ingressos com desconto especial para funcionários ou convidados em todos eventos da entidade. Votar e ser votado nas eleições da entidade Participar como membro da Diretoria Executiva, excluindo o cargo de Presidente D Sócio Regional (categoria exclusiva a empresas de atuação limitada a um estado, cidade ou região) Benefícios: Participação nos Comitês Executivos Acesso completo a todas as informações, pesquisas e dados produzidos pela entidade;

11 Divulgação de seus cases, eventos e notícias na newsletter da entidade; Participação em matérias (entrevistas) na newsletter da entidade; Ingressos com desconto especial para funcionários ou convidados em todos eventos da entidade 7 Votar nas eleições da entidade. Parágrafo quinto: Os benefícios de cada categoria de associado, acima definidos, devem estar claramente discriminados na proposta de filiação. Parágrafo sexto:

12 Os sócios dos grupos I e II, que já integram a Associação nas categorias titular, honorário e/ou regional, deverão, caso tenham interesse e preencham os requisitos deste Estatuto, proceder a seu recadastramento junto à AMI, no que se refere às demais categorias criadas pelo parágrafo quarto, acima, inclusive para efeitos de cadastramento na categoria pleno, sendo certo que tal recadastramento deverá ser efetuado até o dia 20 de setembro de Caso o sócio não proceda ao recadastramento de categorias, este poderá ser feito de ofício, pela Diretoria Executiva, em reunião especialmente convocada para tanto. Parágrafo sétimo: O sócio que, na forma do parágrafo anterior, for recadastrado de ofício, poderá formular requerimento escrito à Associação, através de sua Diretoria Executiva, pleiteando novo enquadramento de categoria. Entretanto, o novo enquadramento somente se efetivará a partir do primeiro dia útil do ano calendário seguinte àquele em que o pedido foi formulado. Dos direitos dos sócios Artigo Sexto: São direitos dos sócios: 1) Votar e serem votados, desde que, enquadrados nas normas do artigo quinto;

13 8 2) Solicitar da Diretoria a convocação de Assembléias Gerais Extraordinárias, desde que obtenham anuência escrita de, pelos menos, um quinto9 do total dos sócios titulares. 3) Oferecer sugestões à Diretoria no interesse da classe e do aperfeiçoamento das finalidades da Associação de Mídia Interativa; 4) Participar de eventos especiais, apresentações, cursos e freqüentar a sede social; 5) Denunciar, por escrito, à Diretoria, através do seu Presidente, que encaminhará a Diretoria de Ética, a quebra da ética profissional por qualquer membro da Associação de Mídia Interativa ou ato que resulte em ofensa à classe ou a Associação de Mídia Interativa. Dos deveres dos sócios Artigo Sétimo: São deveres dos sócios: 1) Observar e fazer os preceitos da ética profissional; 2) Observar os preceitos de ética da entidade, inclusive o Código de Melhores Práticas em E mail Marketing, cujo conteúdo deve estar disponível publicamente no website da entidade

14 3) Acatar as decisões emanadas da Diretoria e das Assembléias; 4) Comparecer às reuniões para as quais tenham sido convocados, às Assembléias e demais eventos patrocinados pela Associação de Mídia Interativa; 5) Contribuir regularmente com as quantias ou serviços a que estiverem obrigados; 6) Comunicar qualquer mudança de endereço, bem como de atividade e/ou administração, quando se tratar de pessoa jurídica; e 7) Defender a legitimidade da Associação de Mídia Interativa junto aos companheiros e ao mercado. 9 Dispositivo consoante ao artigo 60 do NCC. 9 Artigo Oitavo: A falta de pagamento, por parte do Associado, da taxa de admissão e/ou das contribuições devidas, dentro de 90 (noventa) dias após aviso de sua admissão ao

15 quadro associativo, tornará nula essa admissão. Demais punições seguem o disposto no Artigo décimo nono desse Estatuto. Parágrafo Primeiro. A Diretoria Executiva terá poderes para, em casos especiais, suspender a exigência de pagamento e manter o Associado no quadro da Associação de Mídia Interativa. Parágrafo Segundo. Os Associados que não estiverem em dia com suas obrigações pecuniárias com a Associação de Mídia Interativa ficam proibidos de participar, com direito a voto, nas Assembléias Gerais, bem ainda, exercerem cargos de Diretoria e demais direitos previstos neste Estatuto. Capítulo III Da Administração10 Composição da Diretoria e Competência Artigo Nono: São órgãos da administração da Associação de Mídia Interativa: Diretoria Executiva Conselho Consultivo Artigo Décimo:

16 10 A forma de constituição e funcionamento dos órgãos deliberativos e administrativos está regrado no inciso V, do artigo 54 do NCC. 10 A diretoria executiva será composta de 4 (quatro) diretores eleitos, pertencentes a qualquer grupo e/ou categoria de sócios, exceto dos grupos III e IV, e das categorias de sócio regional em qualquer grupo. A Diretoria será assim composta: 1 ( um ) Presidente eleito dentre os sócios da categoria Pleno de qualquer Grupo; 1 ( um ) Vice Presidente eleito dentre os sócios do Grupo I; 1 ( um ) Vice Presidente eleito entre os sócios do Grupo II, dentre os representantes de Agências e Produtoras Interativas; 1 ( um ) Vice Presidente eleito entre os demais sócios do Grupo II. Parágrafo Primeiro:

17 Comporá a Diretoria Executiva, sem direito a voto, eventual profissional contratado na forma do artigo 12º, parágrafo 3º, que venha a exercer a função de gerente ou diretor executivo contratado. Parágrafo Segundo: Em função das alterações estatutárias ora promovidas, os antigos cargos de Diretoria serão mantidos até a realização das eleições anuais, quando os novos cargos serão preenchidos e as antigas diretorias deixarão de existir, substituídas pelos Comitês Executivos de que dispõe o artigo 12º, com nova redação. Artigo Décimo Primeiro: O Conselho Consultivo é o orgão eminentemente consultivo, de alto nível, e tem como função auxiliar a Diretoria na execução e aprimoramento das atividades da Associação e será constituído por, no mínimo, 5 (cinco) Conselheiros, todos sem honorários ou qualquer outra espécie de remuneração, a saber: 1 (um) Presidente do Conselho Consultivo Ex Presidente da Associação de Mídia Interativa da gestão imediatamente anterior a em exercício Presidentes de Entidades ligadas à área de atuação da AMI a ser indicadas pela diretoria executiva;

18 11 Sócios da categoria Pleno, em qualquer grupo; Profissionais da área, convidados pela Diretoria Executiva; Ex Presidentes da Associação de Mídia Interativa. Parágrafo Primeiro: O cargo de Presidente do Conselho Consultivo será ocupado pelo período de 1 (hum) ano, acompanhando o mandato da Diretoria em exercício. Igual período será observado para a renovação dos Conselheiros convidados pela Diretoria Executiva. Parágrafo Segundo: A Diretoria Executiva ou os membros do Conselho podem ampliar a composição desse, desde que aprovados os nomes pelo Conselho em maioria simples. Parágrafo Terceiro: Quando ocorrer a primeira reunião regular da Diretoria Executiva da entidade, o Presidente deverá pedir referendo para os nomes que irão compor o Conselho Superior. Parágrafo Quarto:

19 O convite às Instituições, sócios e aos ex Presidentes deverá ser feito por escrito, sendo condição necessária para o convite aos Ex Presidentes da Associação de Mídia Interativa, que os mesmos pertençam às empresas filiadas. Parágrafo Quinto: Caso o Presidente do Conselho Consultivo, por qualquer motivo, venha a se afastar ou renuncie ao cargo, o próprio Conselho elegerá um Presidente interino, que exercerá as funções do Presidente até o seu retorno ou, caso tal não ocorra, até o final do mandato. 12 Parágrafo Sexto: Os sócios da Categoria Pleno e os Presidentes de entidades poderão, independentemente de convite, pleitear diretamente ao Conselho a sua admissão, cabendo a este admitir ou negar o pedido, fundamentadamente. Parágrafo Sétimo:

20 A participação de cada Presidente é exclusiva da Instituição, pelo que, ocorrendo sua substituição à frente de sua Empresa ou Instituição, a Associação de Mídia Interativa, cientificada, poderá efetuar convite ao novo Presidente para participar do Conselho Superior. Parágrafo Oitavo: A Diretoria Executiva, após consultar o Conselho Superior, poderá substituir quaisquer destas Entidades em caso de perda de representatividade junto ao mercado publicitário ou se ocorrer qualquer impedimento para que assumam os mandatos. Parágrafo Nono: Inexistindo ex Presidentes da Associação de Mídia Interativa, em empresas associadas a entidade, independente da categoria, ou havendo qualquer impedimento para que assumam as funções de Presidente ou membro do Conselho, o Presidente da Diretoria Executiva poderá indicar até três representantes de empresas associadas a entidade para aprovação da Diretoria Executiva. Parágrafo Décimo: Fica facultado às entidades integrantes do Conselho Superior, indicar um representante para participar das reuniões ordinárias da Diretoria Executiva, dos Comitês Executivos e comissões especiais que venham a ser constituídas, na qualidade de observador, sem direito a voto. Parágrafo Décimo Primeiro:

21 13 Os membros do Conselho Superior, para os casos que não possam estar presentes, deverão indicar um suplente. Parágrafo Décimo Segundo: Compete ao Conselho Consultivo, coletivamente: a) reunir se, por convocação por escrito do Presidente da Diretoria Executiva, ou por, pelo menos, 2 (dois) membros da Diretoria Executiva, ou por iniciativa da maioria absoluta dos membros do próprio Conselho, para emitir parecer sobre os assuntos constantes da convocação, na qualidade de foro superior e de alto nível da atividade publicitária; b) emitir parecer sobre questões que lhe sejam submetidas por escrito, pela Diretoria Executiva; c) representar, por solicitação da Diretoria Executiva, a Associação de Mídia Interativa junto à autoridades constituídas, órgãos públicos, entidades de classe e associações, com o fim de tratar de interesses da entidade e de seus associados, desde que não atribuídos estatutariamente a outrem. Artigo Décimo Segundo: As atividades da Associação de Mídia Interativa serão apoiadas por 11 (onze) Comitês Executivos, cada um deles encabeçado por um Presidente, indicado pela Diretoria

22 Executiva e referendado pelo conselho Consultivo, que será o responsável pela escolha dos membros, sem número limite, de cada Comitê, conforme se vê abaixo. Comitê Financeiro Comitê Jurídico Comitê de Ética e Melhores Práticas Comitê de Marketing Comitê de Marketing de Otimização para Buscadores Comitê de Eventos Comitê de Pesquisa Comitê de Agências Comitê de Veículos Comitê de Relações Públicas Comitê de Métricas e Padrões

23 14 Parágrafo Primeiro: Admite se, eventualmente, superposição de funções da Diretoria da Associação de Mídia Interativa com cargos no Conselho e Comitês, assim como sócios de qualquer categoria, incluindo os Diretores, podem ser convidados a exercer função como membros dos Comitês. Parágrafo Segundo: Admite se formação de novos Comitês ou comissões especiais, sem necessidade de reforma de Estatuto, desde que eles, bem como o seu Presidente, sejam aprovados pela Diretoria, Adreferendum do Conselho Consultivo. Parágrafo Terceiro: Admite se a contratação de Executivos e funcionários remunerados para a Associação de Mídia Interativa, inclusive para cargos estatutários, desde que aprovados pela Diretoria, por maioria simples. a. Estando constituído o Conselho Consultivo da Associação de Mídia Interativa, esse deverá referendar a indicação e contratação do executivo apontado pela Diretoria para assumir um cargo estatutário. b. Os salários serão pagos segundo média de mercado. Artigo Décimo Terceiro:

24 A Associação de Mídia Interativa terá 04 (quatro) tipos de reuniões: Mensais de Diretoria, convocadas por escrito pelo Diretor/Presidente, com antecedência mínima de 03 (três) dias úteis, contendo na convocação, a pauta da agenda e os assuntos a serem apreciados, com presença facultativa dos membros do Conselho Consultivo e dos presidentes dos Comitês Executivos, e presença obrigatória de pelo menos 02 (dois) membros da diretoria executiva ou seus representantes, desde que enquadrados no parágrafo único deste artigo. 15 Dos Comitês, sempre que necessárias, com a presença obrigatória de metade mais um dos membros do Comitê, sendo facultativa a participação dos membros da Diretoria Executiva e do Conselho Consultivo. Assembléias Gerais Ordinárias, realizadas anualmente em não mais que 12 meses a contar da posse da Diretoria e as Extraordinárias quando convocadas legalmente nos termos destes estatutos, estas últimas com um mínimo de assinaturas representativas dos associados, conforme Artigo 18º. Do Conselho Consultivo, convocadas segundo o previsto no artigo décimo primeiro desse estatuto, com antecedência mínima de 05 (cinco) dias úteis,contendo na

25 convocação, a pauta da agenda e os assuntos a serem apreciados. O Conselho deve reunir se no mínimo 2 (duas) vezes a cada 12 (doze) meses após sua constituição. Parágrafo Único: Fica facultado ao Presidente convocar sócios de qualquer grupo e/ou categoria e Presidentes de Comitês Executivos para participar das reuniões da Diretoria, assim como Diretores Executivos poderão indicar substitutos para as mesmas reuniões, sendo que, em casos de votação, devem ser observadas as disposições estatutárias. As ausências devem ser previamente justificadas por escrito. Artigo Décimo Quarto: O mandato do Presidente é de 01 (hum) ano, a contar de 1 de novembro, podendo haver reeleição por mais um período, extensivo o direito a qualquer dos membros da Diretoria. O mandato do Conselho Consultivo acompanha o do Presidente. Após tomar posse, o Presidente e a Diretoria tem 30 (trinta) dias para dar posse aos membros do Conselho Consultivo. Competência da Diretoria Executiva Artigo Décimo Quinto: Compete: a) Ao Diretor Presidente exclusivamente:

26 16 nomear, eventualmente, substituto nas suas ausências; conduzir as operações, acompanhar as atividades da Associação de Mídia Interativa e as reuniões da Diretoria através de 09 (nove) Divisões, contribuindo para o efetivo cumprimento das metas fixadas; representar a Associação de Mídia Interativa em juízo ou fora dele; assinar, juntamente com o Diretor Financeiro, cheques, ordens de pagamento, balanços, demonstrativos e demais documentos de sua competência. zelar pelo fiel cumprimento do Estatuto Social. convocar e presidir reuniões da Diretoria e da Assembléia Geral; abrir sessões das Assembléias Gerais e pedir a esta a indicação do respectivo Presidente, quando se tratar de eleições ou de tomadas de contas; solucionar casos de urgência, submetendo os, em seguida, à aprovação da Diretoria; ordenar o pagamento das despesas autorizadas e autorizar as despesas até o limite autorizado pela Diretoria; assinar as atas das sessões;

27 assinar as correspondências que gerem obrigações/controvérsias, da Associação; tomar medidas ou praticar atos da defesa dos direitos e interesses patrimoniais da Associação de Mídia Interativa, controlando e exigindo o cumprimento destes estatutos, regulamentos e deliberações dos órgãos da Administração; convocar as Assembléias Gerais e anualmente submeter a ela, uma exposição das atividades da Associação; fixar as datas das reuniões ordinárias e extraordinárias da Diretoria; 17 assinar convênios, ajustes, contratos de natureza oficial e privada; constituir procuradores com os poderes ad judicia e especiais, com poderes expressos e prazos determinados.

28 Destituir diretores que não estejam desempenhando suas funções segundo o disposto nesse estatuto Participar das reuniões do Conselho Consultivo apresentando os fatos mais relevantes do exercício b) Ao Diretor Presidente, em conjunto com os membros da Diretoria Executiva no que couber: apresentar planos de trabalho e prestação de contas aos associados; zelar pela representatividade do profissional e da Associação de Mídia Interativa em todos os seus aspectos; coordenar ações institucionais da Associação de Mídia Interativa; assessorar as Divisões na implantação dos trabalhos; decidir, por maioria simples em primeira convocação de reuniões e/ou segunda convocação, com qualquer número presente; propor penalidades a serem aplicadas aos sócios; votar e decidir assuntos em plenário, encaminhando os à Diretoria; fixar diretrizes norteadoras das atividades da Associação de Mídia Interativa; julgar recursos interpostos contra decisões da Diretoria; deliberar sobre casos omissos no Estatuto;

29 promover o desenvolvimento moral, intelectual e econômico da Associação de Mídia Interativa, pelos meios ao alcance; autorizar despesas que não decorram da administração ordinária da Associação de Mídia Interativa; dar posse à Diretoria eleita, podendo, neste caso, e para este atofuncionar em reunião com qualquer número; fixar os valores das eventuais contribuições dos associados, bem como a forma de pagamento e taxa de admissão de novos sócios; oferecer sugestões à Diretoria, sempre no interesse da categoria e do aperfeiçoamento das finalidades e atividades da Associação de Mídia Interativa; participar das assembléias ordinárias e extraordinárias. 18

30 c) Ao Presidente do Comitê Financeiro e demais membros docomitê, compete exclusivamente: exercer as funções de Diretor do Patrimônio da Associação de Mídia Interativa; assinar, juntamente com o Diretor Presidente, cheques, ordens de pagamento, balanços, demonstrativos e demais documentos de sua competência. organizar e fiscalizar a contabilidade da sociedade; apresentar para aprovação da Diretoria e da Assembléia Geral, o balanço e conta de resultados correspondente a cada exercício. contratar e demitir funcionários, em conjunto com o Presidente. apresentar o fluxo de receitas e despesas; no encerramento do exercício social, apresentar o balanço geral, acompanhado dos relatórios e exposições os quais serão submetidos à apreciação da diretoria; manter o relacionamento com a contadoria; proceder ao recadastramento de sócios; cuidar de questões de sede social. d) Ao Presidente do Comitê Jurídico e seu Comitê compete exclusivamente:

31 Dar a orientação jurídica necessária ao bom funcionamento da AMI, atuando em Juízo e/ou fora dele, ou ainda recomendando a contratação de profissionais especializados para tanto; Resolver, emergencialmente, as questões estatutárias, submetendo sua decisão à Diretoria Executiva e/ou Conselho Consultivo, no que couber; Na ausência do Diretor Presidente, receber citações; e) Ao Presidente do Comitê de Ética e Melhores Práticas e seu Comitê, compete exclusivamente: analisar com os membros de seu Comitê, denúncias ou assemelhados, encaminhando, com parecer, ao Diretor Presidente para as medidas de julgamento adequadas e aplicação das penas cabíveis. zelar pela ética da atividade de Mídia Interativa; emitir o aval da Associação de Mídia Interativa para ações/peças promocionais de veículos; 19

32 f) Ao Presidente do Comitê de Eventos e seu Comitê compete exclusivamente: estabelecer com o Comitê, critérios para legalização, realização e gerenciamento dos mais diferenciados eventos, divulgando a atividade, participando e fazendo participar a Associação de Mídia Interativa de congressos, cursos, seminários e afins. organizar seminários e afins; organizar palestras especiais; Organizar cursos de treinamentos e reciclagens; g) Ao Presidente do Comitê de Relações Públicas e seu Comitê compete exclusivamente: Concretizar relevantes relacionamentos entre o mercado de mídia interativa e provedores de acesso de conteúdo e demais classes pertinentes ao mercado de comunicação; Representar e identificar junto ao mercado Internacional oportunidades de relacionamento da Associação. cuidar de filiação com entidades internacionais; Promover intercâmbios culturais entre faculdades e afins objetivando o aprimoramento dos novos profissionais direcionados à classe de mídia interativa; cuidar do relacionamento com escolas de comunicação; atuar de forma proativa na busca de novos filiados para a entidade reforçar os laços da entidade com a Academia, Sociedade Civil e Governo h) Ao Presidente do comitê de Métricas e Padrões e seu Comitê,

33 compete exclusivamente: cuidar de trabalhos e intercâmbio técnicos; identificar e avaliar melhores práticas de outros mercados para sua introdução no mercado brasileiro coordenar os esforços de produção de documentos que incentivem e aprimorem a comercialização de mídia interativa avaliar e emitir pareceres técnicos i) Ao Presidente do Comitê de Marketing e seu Comitê, compete: Coordenar os esforços de divulgação e comunicação institucional da entidade Apoiar os demais comitês em ações de valorização da entidade 20 Coordenar a criação de materiais promocionais e institucionais para a entidade Zelar pelo conteúdo do site da entidade

34 j) Ao Presidente do Comitê de Marketing de Otimização para Buscadores e seu Comitê, compete: Trabalhar em defesa das empresas representativas do segmento Atuar junto com outros comitês na criação de eventos específicos ao segmento Atuar junto com outros comitês na produção de materiais e documentos que incentivem e criem condições ideais para o desenvolvimento do segmento k) Ao Presidente do Comitê de Pesquisas e seu Comitê, compete: Responsabilidade pela coleta, administração e divulgação dos dados estatísticos da Internet Brasileira através do site da entidade. organizar pesquisas próprias sobre a atividade de mídia Interativa; identificar oportunidades de participação em pesquisas criadas por terceiros cuidar do relacionamento com institutos de pesquisas e outros serviços de mídia; atuar junto aos outros comitês na elaboração de estudos e pesquisas por segmentos l) Ao Presidente do Comitê de Agências e seu Comitê, compete: Trabalhar em defesa das empresas representativas do segmento Atuar junto com outros comitês na criação de eventos específicos ao segmento Atuar junto com outros comitês na produção de materiais e documentos que incentivem e criem condições ideais para o desenvolvimento do segmento m) Ao Presidente do Comitê de Veículos e seu Comitê, compete:

CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL

CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEUS FINS, SEDE E DURAÇÃO ARTIGO 1º O Clube de Seguros de Pessoas e Benefícios do Estado

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO Art. 1º - O presente Regimento tem por finalidade estabelecer normas para o funcionamento do Conselho Deliberativo da Associação Atlética Banco do Brasil São

Leia mais

ORDEM BRASILEIRA DE ASSISTÊNCIA AO SERVIDOR PÚBLICO OBASP

ORDEM BRASILEIRA DE ASSISTÊNCIA AO SERVIDOR PÚBLICO OBASP ORDEM BRASILEIRA DE ASSISTÊNCIA AO SERVIDOR PÚBLICO DA ASSOCIAÇÃO E SEUS FINS OBASP Art 1º - A ORDEM BRASILEIRA DE ASSISTÊNCIA AO SERVIDOR PÚBLICO também designado pela sigla OBASP, é uma pessoa jurídica

Leia mais

b - O sócio Institucional terá anuidade correspondente a dez vezes a dos sócios efetivos e colaboradores.

b - O sócio Institucional terá anuidade correspondente a dez vezes a dos sócios efetivos e colaboradores. Regimento Interno da Sociedade dos Zoológicos do Brasil - SZB Da Sociedade Artigo 1º - A sociedade dos Zoológicos do Brasil SZB, fundada em 23 de setembro de 1977, funciona conforme o disposto nos seus

Leia mais

ESTATUTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (ANPARQ)

ESTATUTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (ANPARQ) ESTATUTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (ANPARQ) CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, REGIME JURÍDICO, DURAÇÃO, SEDE E FORO Art. 1 - A Associação Nacional de Pesquisa

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I 1 Conselho Municipal do Idoso de São Caetano do Sul Lei n 4.179 de 23/10/2003. R. Heloísa Pamplona, 304 B. Fundação CEP 09520-310 São Caetano do Sul/SP. cmi@saocaetanodosul.sp.gov.br REGIMENTO INTERNO

Leia mais

U N I R P A R A F O R T A L E C E R REGIMENTO INTERNO

U N I R P A R A F O R T A L E C E R REGIMENTO INTERNO Artigo 1 - A Associação de Reflorestadores do Estado de Mato Grosso AREFLORESTA-MT, reger-se-á pelo seu ESTATUTO e por este REGIMENTO INTERNO. Finalidade Artigo 2 - O presente Regimento Interno tem por

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ARTE FOTOGRÁFICA CAPÍTULO I. Da Associação e seus fins

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ARTE FOTOGRÁFICA CAPÍTULO I. Da Associação e seus fins ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ARTE FOTOGRÁFICA CAPÍTULO I Da Associação e seus fins Art. 1º - A Associação Brasileira de Arte Fotográfica, ABAF, fundada em 9 de fevereiro de 1951, no Rio de Janeiro

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ACADEMIA BRASILEIRA DE CIRURGIA PLÁSTICA DA FACE - ABCPF

ESTATUTO SOCIAL DA ACADEMIA BRASILEIRA DE CIRURGIA PLÁSTICA DA FACE - ABCPF ESTATUTO SOCIAL DA ACADEMIA BRASILEIRA DE CIRURGIA PLÁSTICA DA FACE - ABCPF TÍTULO I Denominação, Prazo de duração, Sede e Finalidades Art. 1º - A ACADEMIA BRASILEIRA DE CIRURGIA PLÁSTICA DA FACE, denominada

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL ABEL - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS DE LEASING CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, PRAZO DE DURAÇÃO, OBJETIVO SOCIAL E FORO

ESTATUTO SOCIAL ABEL - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS DE LEASING CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, PRAZO DE DURAÇÃO, OBJETIVO SOCIAL E FORO ESTATUTO SOCIAL ABEL - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS DE LEASING CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, PRAZO DE DURAÇÃO, OBJETIVO SOCIAL E FORO Artigo 1º - Sob a denominação de "ABEL - Associação Brasileira

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA GERIATRIA E GERONTOLOGIA - LIG Capítulo I - Da Natureza e Finalidade ART. 1º - A LIGA DE GERIATRIA E GERONTOLOGIA é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob a supervisão

Leia mais

REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO

REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO Capítulo I da Finalidade Art. 1o. - Este Regimento Interno complementa e disciplina disposições do Estatuto da Associação Brasileira de Manutenção

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA ACADÊMICA DE ESPORTES E SAÚDE - LIES Capítulo I - Da Natureza e Finalidade ART. 1º - A Liga Acadêmica de Esportes e Saúde é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob

Leia mais

ESTATUTO CAPÍTULO I. DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE e DURAÇÃO CAPÍTULO II DAS FINANÇAS

ESTATUTO CAPÍTULO I. DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE e DURAÇÃO CAPÍTULO II DAS FINANÇAS ESTATUTO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE e DURAÇÃO Art. 1 o. Sob a denominação APA de Jaboticabal - Associação Protetora dos Animais de Jaboticabal - fica fundada nesta cidade, onde terá sua sede,

Leia mais

Estatuto Social. Contribuir para a revitalização do Distrito Industrial, tanto na sua imagem quanto na sua infra-estrutura.

Estatuto Social. Contribuir para a revitalização do Distrito Industrial, tanto na sua imagem quanto na sua infra-estrutura. Estatuto Social Da Denominação, Sede e Fins Artigo 1º - A Associação Distrito Vivo (ADV) é uma associação civil, de pessoas jurídicas instaladas no Distrito Industrial de duração indeterminada, apartidária,

Leia mais

DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

DAS DISPOSIÇÕES GERAIS ANEXO À RESOLUÇÃO Nº 490, DE 24 DE JANEIRO DE 2008 REGULAMENTO DE CONSELHO DE USUÁRIOS DO STFC CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Este Regulamento estabelece as regras básicas para implantação,

Leia mais

MODELO DE ESTATUTO DA SOCIEDADE DE AMIGOS DA BIBLIOTECA PÚBLICA (Este modelo deverá ser adaptado às situações locais)

MODELO DE ESTATUTO DA SOCIEDADE DE AMIGOS DA BIBLIOTECA PÚBLICA (Este modelo deverá ser adaptado às situações locais) MODELO DE ESTATUTO DA SOCIEDADE DE AMIGOS DA BIBLIOTECA PÚBLICA (Este modelo deverá ser adaptado às situações locais) CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE, DURAÇÃO Art. 1.º A SOCIEDADE DE AMIGOS DA

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS COLEGIADOS DE CURSOS DE GRADUAÇÃO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE SETE LAGOAS UNIFEMM

REGIMENTO INTERNO DOS COLEGIADOS DE CURSOS DE GRADUAÇÃO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE SETE LAGOAS UNIFEMM REGIMENTO INTERNO DOS COLEGIADOS DE CURSOS DE GRADUAÇÃO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE SETE LAGOAS UNIFEMM Sete Lagoas, 2010 2 REGIMENTO INTERNO DOS COLEGIADOS DE CURSOS DE GRADUAÇÃO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS DE ARTES MARCIAIS CHINESAS CEAMC ESTATUTO

CENTRO DE ESTUDOS DE ARTES MARCIAIS CHINESAS CEAMC ESTATUTO CENTRO DE ESTUDOS DE ARTES MARCIAIS CHINESAS CEAMC ESTATUTO Capítulo I - Do Centro e Seus Fins Artigo 1º - O Centro de Estudos de Artes Marciais Chinesas, representado pelas iniciais CEAMC, fundado em

Leia mais

Ao Conselho Deliberativo, como órgão que estabelece as diretrizes de atuação da ASBERGS competem:

Ao Conselho Deliberativo, como órgão que estabelece as diretrizes de atuação da ASBERGS competem: Regimento Interno Objeto Composição e Competência Presidência Reuniões Ordem dos Trabalhos Disposições Gerais Capítulo I Objeto Art. 1.º - Em cumprimento ao Estatuto Social da Associação dos Funcionários

Leia mais

Estatuto da Associação de Pais e Professores do

Estatuto da Associação de Pais e Professores do CNPJ: 82.898.404/0001-09 Estatuto da Associação de Pais e Professores do CENTRO EDUCACIONAL MENINO JESUS Fundada em 1973, Florianópolis/SC C A P Í T U L O I Da Associação e seus fins Art. 1º. - A Associação

Leia mais

FENAJ - FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS COMISSÃO NACIONAL DE ÉTICA

FENAJ - FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS COMISSÃO NACIONAL DE ÉTICA FENAJ - FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS COMISSÃO NACIONAL DE ÉTICA RESOLUÇÃO CNE Nº 01/2008, REPUBLICADA (*), DE 07/07/2008 Artigo 1º Este Regimento Interno contém as normas que regulam o funcionamento

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI

ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI Reconhecida pela SEC/SC - Portarias 0390/86 e 0424/92 ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E PROFESSORES DA ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI-ETEVI-FURB-BLUMENAU-SC CAPÍTULO I

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE FISIOLOGIA VEGETAL SBFV

ESTATUTO SOCIAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE FISIOLOGIA VEGETAL SBFV Estatuto ESTATUTO SOCIAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE FISIOLOGIA VEGETAL SBFV CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, OS FINS E A SEDE DA ASSOCIAÇÃO. Art. 1º - A associação é denominada Sociedade Brasileira de Fisiologia

Leia mais

ESTATUTO DA EMPRESA JUNIOR, Trópicos.

ESTATUTO DA EMPRESA JUNIOR, Trópicos. ESTATUTO DA EMPRESA JUNIOR, Trópicos. CAPÍTULO I:. Da Denominação, sede, Finalidade e Duração: Art. 1º - A EMPRESA JUNIOR DE ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI/ CAMPUS DE PICOS, doravante

Leia mais

Estatuto da Empresa Júnior do Centro Universitário Salesiano de São Paulo, Campus São José

Estatuto da Empresa Júnior do Centro Universitário Salesiano de São Paulo, Campus São José Estatuto da Empresa Júnior do Centro Universitário Salesiano de São Paulo, Campus São José Capítulo 1. Denominação, Sede, Finalidade e Duração Artigo 1º A Empresa Júnior do Centro Universitário Salesiano

Leia mais

ESTATUTO DA EMPRESA FAI JÚNIOR

ESTATUTO DA EMPRESA FAI JÚNIOR ESTATUTO DA EMPRESA FAI JÚNIOR Capitulo I - Denominação, Sede, Finalidade e Duração Artigo 1 - A associação civil tem com a denominação social: FAI JÚNIOR, e como o titulo do estabelecimento a expressão

Leia mais

Sociedade PÓLO DE EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE SOFTWARE DO PLANALTO MÉDIO REGIMENTO INTERNO

Sociedade PÓLO DE EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE SOFTWARE DO PLANALTO MÉDIO REGIMENTO INTERNO Sociedade PÓLO DE EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE SOFTWARE DO PLANALTO MÉDIO REGIMENTO INTERNO Aprovado em Reunião Ordinária do Conselho de Administração conforme registro em ata. Este Regimento Interno Regulamenta

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO HOSPITAL SANTA HELENA

REGIMENTO INTERNO DO HOSPITAL SANTA HELENA 20//2013 1 REGIMENTO INTERNO DO HOSPITAL SANTA HELENA CAPÍTULO I Princípios e Objetivos ARTIGO 1 O regimento interno do corpo clínico visa disciplinar a constituição, ações, relações, avaliações e direção

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO GRAVATAÍ TAEKWONDO CLUBE CAPÍTULO I

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO GRAVATAÍ TAEKWONDO CLUBE CAPÍTULO I CAPÍTULO I SEÇÃO I Denominação e Características Art. 1 ASSOCIAÇÃO GRAVATAÍ TAEKWONDO CLUBE, neste estatuto denominado GTC, é uma sociedade civil, fundada em 25 de Agosto de 2013, com personalidade distinta

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS DAS MULHERES REGIMENTO INTERNO CAPITULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE

CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS DAS MULHERES REGIMENTO INTERNO CAPITULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS DAS MULHERES REGIMENTO INTERNO CAPITULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE Art.1º _ O Conselho Nacional dos Direitos da Mulher CNDM, é órgão colegiado de natureza consultiva e deliberativa,

Leia mais

ESTATUTOS SOCIAIS DA ASSOCIAÇÃO DE MORADORES DO JARDIM FLORENÇA

ESTATUTOS SOCIAIS DA ASSOCIAÇÃO DE MORADORES DO JARDIM FLORENÇA CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Foro, Prazo de Duração e Área de Atuação Artigo 1º - Sob a denominação de Associação de Moradores do Jardim Florença, fica constituída, nos termos da legislação em vigor,

Leia mais

ESTATUTO da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de PATCHWORK e QUILT ABPQ. Capítulo I. DENOMINAÇÃO, OBJETIVOS, SEDE E DURAÇÃO

ESTATUTO da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de PATCHWORK e QUILT ABPQ. Capítulo I. DENOMINAÇÃO, OBJETIVOS, SEDE E DURAÇÃO ESTATUTO da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de PATCHWORK e QUILT ABPQ Capítulo I. DENOMINAÇÃO, OBJETIVOS, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º A Associação Brasileira de Patchwork e Quilt, doravante designada ABPQ, é uma sociedade

Leia mais

SEÇÃO SINDICAL DOS DOCENTES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA REGIMENTO. Título I Da finalidade, sede e duração

SEÇÃO SINDICAL DOS DOCENTES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA REGIMENTO. Título I Da finalidade, sede e duração SEÇÃO SINDICAL DOS DOCENTES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA REGIMENTO Título I Da finalidade, sede e duração Art. 1º. A Seção Sindical dos Docentes da Universidade Estadual de Ponta Grossa, fundada

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ABRATT ABRATT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE TECNOLOGIA NÃO DESTRUTIVA. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Duração, Fins e Patrimônio.

ESTATUTO SOCIAL DA ABRATT ABRATT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE TECNOLOGIA NÃO DESTRUTIVA. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Duração, Fins e Patrimônio. ESTATUTO SOCIAL DA ABRATT ABRATT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE TECNOLOGIA NÃO DESTRUTIVA. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Duração, Fins e Patrimônio. Artigo 1o. A ABRATT Associação Brasileira de Tecnologia

Leia mais

ESTATUTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE BIOLOGIA CELULAR - S.B.B.C. CNPJ. 61.849.352/0001-00

ESTATUTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE BIOLOGIA CELULAR - S.B.B.C. CNPJ. 61.849.352/0001-00 ESTATUTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE BIOLOGIA CELULAR - S.B.B.C. DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS CNPJ. 61.849.352/0001-00 Artigo 1º - A Sociedade Brasileira de Biologia celular (S.B.B.C.) é uma Sociedade Juridica

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DE CORRÊA RIBEIRO S/A COMÉRCIO E INDÚSTRIA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO SOCIAL E PRAZO DE DURAÇÃO:

ESTATUTO SOCIAL DE CORRÊA RIBEIRO S/A COMÉRCIO E INDÚSTRIA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO SOCIAL E PRAZO DE DURAÇÃO: ESTATUTO SOCIAL DE CORRÊA RIBEIRO S/A COMÉRCIO E INDÚSTRIA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO SOCIAL E PRAZO DE DURAÇÃO: Denominação Artigo 1º - Corrêa Ribeiro S/A Comércio e Indústria é uma sociedade

Leia mais

REGIMENTO INTERNO. Sociedade Brasileira de Educação Matemática Regional São Paulo SBEM-SP

REGIMENTO INTERNO. Sociedade Brasileira de Educação Matemática Regional São Paulo SBEM-SP REGIMENTO INTERNO Sociedade Brasileira de Educação Matemática Regional São Paulo SBEM-SP CAPÍTULO I Da caracterização (Denominação, Sede, Foro e Responsabilidade Objetivos) Art. 1º - A Sociedade Brasileira

Leia mais

DO CONSELHO MUNICIPAL DE DIREITOS DO IDOSO. Art. 2º. Compete ao Conselho Municipal de Direitos do Idoso:

DO CONSELHO MUNICIPAL DE DIREITOS DO IDOSO. Art. 2º. Compete ao Conselho Municipal de Direitos do Idoso: PROJETO DE LEI Nº 2.093/09, de 30 de junho de 2.009 Dispõe sobre criação do Conselho Municipal de Direitos do Idoso e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE GOIATUBA, Estado de Goiás, faz saber

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES CÊNICAS (ABRACE) CAPÍTULO I Da Natureza, Sede e Duração

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES CÊNICAS (ABRACE) CAPÍTULO I Da Natureza, Sede e Duração ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES CÊNICAS (ABRACE) CAPÍTULO I Da Natureza, Sede e Duração Art. 1º - A Associação Brasileira de Pesquisa e Pós-Graduação em Artes Cênicas,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL (EMBRAPII) REGIMENTO INTERNO

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL (EMBRAPII) REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL (EMBRAPII) REGIMENTO INTERNO Aprovado na 3ª Reunião Ordinária do Conselho de Administração da EMBRAPII, realizada em 25 de fevereiro de 2014 ÍNDICE

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE MORADORES DO CONDOMÍNIO RESIDENCIAL MARIA MADALENA Rua Beija-flor, 103 Bombas Bombinhas/SC.

ASSOCIAÇÃO DE MORADORES DO CONDOMÍNIO RESIDENCIAL MARIA MADALENA Rua Beija-flor, 103 Bombas Bombinhas/SC. ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE MORADORES DO CONDOMÍNIO CAPÍTULO I Do nome, da Sede, Duração e Objetivo. Art. 1º A Associação de Moradores do Condomínio Residencial Maria Madalena, é uma associação sem fins

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE TÍTULO I DA COMPOSIÇÃO E DAS COMPETÊNCIAS CAPÍTULO I - DA COMPOSIÇÃO Art. 1º O CONSEPE é o órgão colegiado superior que supervisiona e

Leia mais

Modelo de estatuto de Associação

Modelo de estatuto de Associação Modelo de estatuto de Associação CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, FINS E DURAÇÃO Art. 1º. A Associação... é uma pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, com autonomia administrativa

Leia mais

ESTATUTO. CAPÍTULO I Da Associação,sede, foro e suas finalidades pág. 02. CAPÍTULO II Dos Sócios,suas categorias, direitos e deveres

ESTATUTO. CAPÍTULO I Da Associação,sede, foro e suas finalidades pág. 02. CAPÍTULO II Dos Sócios,suas categorias, direitos e deveres ESTATUTO CAPÍTULO I Da Associação,sede, foro e suas finalidades pág. 02 CAPÍTULO II Dos Sócios,suas categorias, direitos e deveres pág.03 CAPÍTULO III Dos órgãos da Associação e sua administração pág.06

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ANINTER-SH

ESTATUTO SOCIAL DA ANINTER-SH ESTATUTO SOCIAL DA ANINTER-SH Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação Interdisciplinar em Sociais e Humanidades Aprovado em 08 de maio de 2012 CAPÍTULO I Da Constituição, Denominação, Sede e Foro.

Leia mais

Código: ESGE Revisão: 03 Páginas: 08 ESTATUTO SOCIAL GRÊMIO ESTUDANTIL

Código: ESGE Revisão: 03 Páginas: 08 ESTATUTO SOCIAL GRÊMIO ESTUDANTIL GRÊMIO ESTUDANTIL Paulo Medeiros Prudêncio Júnior 0 CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO, OBJETIVOS Art. 1º - O Grêmio Estudantil Paulo Medeiros Prudêncio Júnior, fundado no ano de 1997, com sede no

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA MARINA PORTO BÚZIOS - "AMMAR" CAPÍTULO II

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA MARINA PORTO BÚZIOS - AMMAR CAPÍTULO II ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA MARINA PORTO BÚZIOS - "AMMAR" CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃQ, SEDE, OBJETIVOS E DURAÇÃO Art.1 - Sob a denominação de AMMAR - Associação dos Moradores da Marina Porto

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS EX-ALUNOS DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE LORENA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO AEXAL-EEL/USP

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS EX-ALUNOS DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE LORENA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO AEXAL-EEL/USP ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS EX-ALUNOS DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE LORENA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO AEXAL-EEL/USP CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Finalidades Artigo 1º - A Associação dos Ex-Alunos da

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA VILA BASEVI ESTATUTO TÍTULO I DA ASSOCIAÇÃO CAPITULO I DA NATUREZA E OBJETIVOS

ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA VILA BASEVI ESTATUTO TÍTULO I DA ASSOCIAÇÃO CAPITULO I DA NATUREZA E OBJETIVOS ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA VILA BASEVI ESTATUTO TÍTULO I DA ASSOCIAÇÃO CAPITULO I DA NATUREZA E OBJETIVOS Art. 1º A Associação Comunitária dos Moradores da Vila Basevi é uma ONG Organização Não Governamental,

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL, INDUSTRIAL, SERVIÇOS E AGROPECUÁRIA DE CASCA - RS

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL, INDUSTRIAL, SERVIÇOS E AGROPECUÁRIA DE CASCA - RS 01 ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL, INDUSTRIAL, SERVIÇOS E AGROPECUÁRIA DE CASCA - RS ÍNDICE CAPÌTULO I PÁG. 2...DAS FINALIDADES II PÁG. 2...DA CONSTITUIÇÃO E SEDE III PÁG. 3...DOS ASSOCIADOS IV

Leia mais

FEDERAÇÃO CAPIXABA DE PEBOLIM

FEDERAÇÃO CAPIXABA DE PEBOLIM ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO CAPIXABA DE PEBOLIM CAPITULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINS, DURAÇÃO E FÓRUM. Art. 1º A Associação Capixaba de Pebolim também chamada em sua forma abreviada de ACP, sediada à rua Prefeito

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos (Cebraspe) REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO Art. 1º O CENTRO BRASILEIRO DE PESQUISA EM AVALIAÇÃO E SELEÇÃO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO DO HOSPITAL SANTA CRUZ

REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO DO HOSPITAL SANTA CRUZ REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO DO HOSPITAL SANTA CRUZ 1. DOS PRINCÍPIOS E OBJETIVOS O presente Regimento Interno visa disciplinar a constituição, ações, relações, avaliação e direção dos profissionais

Leia mais

ESTATUTOS DO AMERICAN CLUB OF LISBON. (Escriturados em 2014) CAPÍTULO I. Denominação, sede, duração e objectivos. Artigo Primeiro

ESTATUTOS DO AMERICAN CLUB OF LISBON. (Escriturados em 2014) CAPÍTULO I. Denominação, sede, duração e objectivos. Artigo Primeiro 1 ESTATUTOS DO AMERICAN CLUB OF LISBON (Escriturados em 2014) CAPÍTULO I Denominação, sede, duração e objectivos Artigo Primeiro Denominação, duração e sede 1. É constituído o AMERICAN CLUB OF LISBON,

Leia mais

CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEUS FINS, SEDE E DURAÇÃO

CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEUS FINS, SEDE E DURAÇÃO CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEUS FINS, SEDE E DURAÇÃO ARTIGO 1º O Clube de Seguros de Pessoas e Benefícios do Estado

Leia mais

Estatuto Grêmio Estudantil da Escola Estadual de Educação Profissional Estrela

Estatuto Grêmio Estudantil da Escola Estadual de Educação Profissional Estrela Estatuto Grêmio Estudantil da Escola Estadual de Educação Profissional Estrela Capítulo I Da denominação, da sede, fins e duração ART. 1º - O Grêmio Estudantil da Escola Estadual de Educação Profissional

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ONG Instituto Pró-Pampa Sustentável

ESTATUTO SOCIAL DA ONG Instituto Pró-Pampa Sustentável CAPITULO I DA DENOMINAÇÃO, DA SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADES Art. 1 O, de sigla, PRÓPAMPA, é uma organização civil de interesse público de direito privado, sem fins lucrativos, de âmbito Estadual e de tempo

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAURENTINO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE COMAM REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAURENTINO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE COMAM REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE LAURENTINO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE COMAM REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE APRESENTADO PARA SER DISCUTIDO E APROVADO na reunião do Conselho CAPÍTULO

Leia mais

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PESQUISADORES EM ARTES PLÁSTICAS. Regimento Interno da ANPAP

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PESQUISADORES EM ARTES PLÁSTICAS. Regimento Interno da ANPAP ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PESQUISADORES EM ARTES PLÁSTICAS Regimento Interno da ANPAP Aprovado na Assembleia Geral Extraordinária realizada no dia 19 de outubro de 2013, durante o XXII Encontro Nacional

Leia mais

ESTATUTO DO GRÊMIO DA ESCOLA NOSSA SENHORA DAS GRAÇAS

ESTATUTO DO GRÊMIO DA ESCOLA NOSSA SENHORA DAS GRAÇAS CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Fins e Duração Artigo 1 O Grêmio Estudantil é o Grêmio geral da Escola Nossa Senhora das Graças, fundado no dia 07 de abril de 1992, com sede no estabelecimento e de duração

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DELIBERATIVO DA ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA BANCO DO BRASIL PORTO ALEGRE - RIO GRANDE DO SUL CAPITULO I

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DELIBERATIVO DA ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA BANCO DO BRASIL PORTO ALEGRE - RIO GRANDE DO SUL CAPITULO I REGIMENTO INTERNO CONSELHO DELIBERATIVO DA ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA BANCO DO BRASIL PORTO ALEGRE - RIO GRANDE DO SUL CAPITULO I Das Finalidades e Organização Art. 1º - O presente Regimento Interno destina-se

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DE PESQUISA EM PROJETO DE ARQUITETURA CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE

REGIMENTO DO NÚCLEO DE PESQUISA EM PROJETO DE ARQUITETURA CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE Preâmbulo Os representantes do CONFAUeD, reunidos em assembléia, no dia 30 de junho de 2011, para instituição dos regimentos dos seus laboratórios e núcleos, após deliberação aprovou o REGIMENTO INTERNO

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS DIÁCONOS BATISTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA ADIBERJ

ASSOCIAÇÃO DOS DIÁCONOS BATISTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA ADIBERJ ASSOCIAÇÃO DOS DIÁCONOS BATISTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA ADIBERJ Capítulo I Nome, Constituição e Objetivo Art. 1º - A ADIBERJ é uma sociedade civil de natureza religiosa constituída

Leia mais

Associação Fórum Nacional de Gestores de Inovação e Transferência de Tecnologia Página 1 de 9

Associação Fórum Nacional de Gestores de Inovação e Transferência de Tecnologia Página 1 de 9 Associação Fórum Nacional de Gestores de Inovação e Transferência de Tecnologia Página 1 de 9 ASSOCIAÇÃO FÓRUM NACIONAL DE GESTORES DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA FORTEC REGIMENTO INTERNO Sumário

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO - UNISEB COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS DA UNISEB REGIMENTO INTERNO

CENTRO UNIVERSITÁRIO - UNISEB COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS DA UNISEB REGIMENTO INTERNO CENTRO UNIVERSITÁRIO - UNISEB COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS DA UNISEB REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º A Comissão de Ética no Uso de Animais da UNISEB é um órgão deliberativo

Leia mais

1 Ou de fins não econômicos, como prefere o Código Civil em vigor (art. 53, caput).

1 Ou de fins não econômicos, como prefere o Código Civil em vigor (art. 53, caput). MODELO DE ESTATUTO DE FUNDAÇÃO CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, FINS E DURAÇÃO Art. 1º. A Fundação... é uma pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos 1, com autonomia administrativa

Leia mais

Estatuto do GRÊMIO ESTUDANTIL

Estatuto do GRÊMIO ESTUDANTIL Modelo de Estatuto Estatuto do GRÊMIO ESTUDANTIL Capítulo I Da denominação, Sede, fins e duração Art.1º - O Grêmio estudantil da Escola funcionará no referido estabelecimento de ensino com duração ilimitada.

Leia mais

PATRONATO DE PRESOS E EGRESSOS DO ESTADO DA BAHIA ESTATUTO

PATRONATO DE PRESOS E EGRESSOS DO ESTADO DA BAHIA ESTATUTO PATRONATO DE PRESOS E EGRESSOS DO ESTADO DA BAHIA ESTATUTO TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º - O Patronato de Presos e Egressos da Bahia, fundado em 29 de maio de

Leia mais

ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P Legenda: Texto em negrito: cláusulas que devem necessariamente constar do estatuto, por força da Lei nº 9.790/99 Texto em

Leia mais

REGIMENTO DAS SEÇÕES REGIONAIS. Art. 41, 42 e 43 do Estatuto

REGIMENTO DAS SEÇÕES REGIONAIS. Art. 41, 42 e 43 do Estatuto REGIMENTO DAS SEÇÕES REGIONAIS Art. 41, 42 e 43 do Estatuto 1. OBJETIVOS São objetivos das Seções Regionais: 1.1 Propiciar aos associados estabelecidos no Estado de São Paulo e fora da sua capital, uma

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE Art. 1º - O Conselho Municipal do Idoso CMI de Carlos Barbosa, criado pela Lei Municipal nº 1754,

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E ASSUNTOS DO MERCOSUL.

SECRETARIA DE ESTADO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E ASSUNTOS DO MERCOSUL. ANEXO REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM REGIONAL PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE DO ESTADO DO PARANÁ CAPÍTULO I NATUREZA E COMPETÊNCIAS Art. 1º. Ao Fórum Regional Permanente das Microempresas

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO IRD-ASSIRD ESTATUTO CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, DA SEDE E DA DURAÇÃO.

ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO IRD-ASSIRD ESTATUTO CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, DA SEDE E DA DURAÇÃO. ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO IRD-ASSIRD ESTATUTO CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, DA SEDE E DA DURAÇÃO. Art. 1º. A ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO INSTITUTO DE RADIOPROTEÇÂO E DOSIMETRIA, ASSIRD, é uma sociedade civil, sem

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS AÉREAS ABEAR

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS AÉREAS ABEAR Página 1 de 12 ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS AÉREAS ABEAR CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇAO SEDE, FINS E DURAÇÃO Artigo 1. A Associação Brasileira das Empresas Aéreas - ABEAR, doravante denominada

Leia mais

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTITUIÇÃO DA SOCIEDADE LIMITADA EMPRESA 1

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTITUIÇÃO DA SOCIEDADE LIMITADA EMPRESA 1 INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTITUIÇÃO DA SOCIEDADE LIMITADA EMPRESA 1 Pelo presente instrumento particular, atendendo as formalidades legais, SÓCIA 2; SÓCIO 2, resolvem constituir uma sociedade limitada,

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO PINACOTECA ARTE E CULTURA APAC

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO PINACOTECA ARTE E CULTURA APAC ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO PINACOTECA ARTE E CULTURA APAC CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO E DURAÇÃO Artigo 1º - Sob a denominação de Associação Pinacoteca Arte e Cultura APAC, fica constituída uma associação

Leia mais

INSTITUTO DARWIN INSTITUTO DE APOIO À EVOLUÇÃO DA CIDADANIA REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS DO REGIMENTO INTERNO

INSTITUTO DARWIN INSTITUTO DE APOIO À EVOLUÇÃO DA CIDADANIA REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS DO REGIMENTO INTERNO INSTITUTO DARWIN INSTITUTO DE APOIO À EVOLUÇÃO DA CIDADANIA REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS DO REGIMENTO INTERNO Artigo 1º - O presente Regimento Interno visa disciplinar os trabalhos Administrativos,

Leia mais

FACULDADE LEÃO SAMPAIO

FACULDADE LEÃO SAMPAIO CONSELHO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE LEÃO SAMPAIO COORDENAÇÃO DE PESQUISA E EXTENSÃO COPEX Regimento Interno do Comitê de Ética em Pesquisa da Faculdade Leão Sampaio (CEP/LEÃO SAMPAIO) Atualizado

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS SOBRE O BEBÊ. Sob a denominação de ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS SOBRE O

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS SOBRE O BEBÊ. Sob a denominação de ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS SOBRE O ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS SOBRE O BEBÊ CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Objetivos e Duração. Art 1 - Sob a denominação de ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS SOBRE O BEBÊ (ABEBÊ) foi constituída

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO CASA COOPERATIVA DE NOVA PETRÓPOLIS" NOVA PETRÓPOLIS RS

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO CASA COOPERATIVA DE NOVA PETRÓPOLIS NOVA PETRÓPOLIS RS ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO CASA COOPERATIVA DE NOVA PETRÓPOLIS" NOVA PETRÓPOLIS RS CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINS Art. 1º - Sob a denominação de "Casa Cooperativa de Nova Petrópolis" é constituída

Leia mais

DECISÃO COREN/RJ N.º 1821/2012

DECISÃO COREN/RJ N.º 1821/2012 DECISÃO COREN/RJ N.º 1821/2012 Dispõe sobre a criação de Comissão de Ética de Enfermagem Institucional. CONSIDERANDO o disposto no artigo 8º, I, da Lei 5.905/73, que possibilita ao COFEN aprovar seu regimento

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROPPG REGULAMENTO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS CEUA

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROPPG REGULAMENTO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS CEUA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROPPG REGULAMENTO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS CEUA CAPÍTULO I DA NATUREZA E DA FINALIDADE Art. 1º. A Comissão

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL

REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL RESOLUÇÃO Nº. 073/12-COGEP de 07/12/12 Curitiba

Leia mais

ESTATUTO CÂMARA DE COMÉRCIO AMERICANA 25.03.2011

ESTATUTO CÂMARA DE COMÉRCIO AMERICANA 25.03.2011 ESTATUTO DA CÂMARA DE COMÉRCIO AMERICANA 25.03.2011 1 TÍTULO I Denominação, natureza e objetivos Artigo 1 - A American Chamber of Commerce for Brazil", em português denominada Câmara de Comércio Americana

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DAS ENTIDADES REPRESENTATIVAS DA CLASSE EMPRESARIAL DA SERRA GAÚCHA CICS - SERRA CLASSE EMPRESARIAL DA SERRA GAÚCHA CICS - SERRA,

ASSOCIAÇÃO DAS ENTIDADES REPRESENTATIVAS DA CLASSE EMPRESARIAL DA SERRA GAÚCHA CICS - SERRA CLASSE EMPRESARIAL DA SERRA GAÚCHA CICS - SERRA, ASSOCIAÇÃO DAS ENTIDADES REPRESENTATIVAS DA CLASSE EMPRESARIAL DA SERRA GAÚCHA CICS - SERRA Capítulo I DA DENOMINAÇÃO E SEDE DA ENTIDADE Artigo 1 o - ASSOCIAÇÃO DAS ENTIDADES REPRESENTATIVAS DA CLASSE

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEUROFISIOLOGIA CLINICA (SBNC)

SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEUROFISIOLOGIA CLINICA (SBNC) ESTATUTO 2013 SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEUROFISIOLOGIA CLÍNICA 1 CAPÍTULO I DEFINIÇÃO ARTIGO 1 - Define-se com o nome de Sociedade Brasileira de Neurofisiologia Clínica uma associação médica com sede física

Leia mais

Comitê de Ética em Pesquisa da Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória (CEP/Emescam) Regimento Interno

Comitê de Ética em Pesquisa da Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória (CEP/Emescam) Regimento Interno Comitê de Ética em Pesquisa da Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória (CEP/Emescam) Regimento Interno Das finalidades: Art. 1º O presente Regimento Interno contém as normas

Leia mais

FUNDAÇÃO FRANCISCO MASCARENHAS FACULDADES INTEGRADAS DE PATOS COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA ENVOLVENDO SERES HUMANOS

FUNDAÇÃO FRANCISCO MASCARENHAS FACULDADES INTEGRADAS DE PATOS COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA ENVOLVENDO SERES HUMANOS 1 REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA ENVOLVENDO SERES HUMANOS O presente Regimento (versão aprovada em reunião plenária de 24 de maio de 2011) disciplina os critérios de composição, eleição

Leia mais

Art. 2 A Liga possui estatuto, gestão e gerenciamento próprios, tendo a sua Diretoria direitos e deveres para exercer suas funções em estatuto.

Art. 2 A Liga possui estatuto, gestão e gerenciamento próprios, tendo a sua Diretoria direitos e deveres para exercer suas funções em estatuto. Estatuto da Liga de Cirurgia da Universidade Federal de São Carlos. 08/05/2013 Da Disposição Geral Sobre a Liga de Cirurgia da UFSCar Art. 1 - A Liga de Cirurgia da UFSCar é uma instituição acadêmica,

Leia mais

160945 Agrupamento de Escolas de Esgueira ÍNDICE

160945 Agrupamento de Escolas de Esgueira ÍNDICE ÍNDICE Artigo 1.... 4 Finalidades... 4 Artigo 2.... 4 Composição... 4 Artigo 3.... 4 Competências do Conselho Geral... 4 Artigo 4º... 5 Duração do Mandato... 5 Artigo 5º... 5 Perda do Mandato... 5 Artigo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CONSELHO DE GRADUAÇÃO R E G I M E N T O I N T E R N O CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CONSELHO DE GRADUAÇÃO R E G I M E N T O I N T E R N O CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CONSELHO DE GRADUAÇÃO R E G I M E N T O I N T E R N O CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1. Este Regimento dispõe sobre a composição, competências e funcionamento

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA FEPISA

REGIMENTO INTERNO DA FEPISA REGIMENTO INTERNO DA FEPISA Artigo 1º. - A FUNDAÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DE ILHA SOLTEIRA - FEPISA, além das disposições constantes de seu Estatuto, fica sujeita às determinações deste Regimento

Leia mais

ESTATUTO DO IDBRASIL CULTURA, EDUCAÇÃO E ESPORTE

ESTATUTO DO IDBRASIL CULTURA, EDUCAÇÃO E ESPORTE ESTATUTO DO IDBRASIL CULTURA, EDUCAÇÃO E ESPORTE CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINS E DURAÇÃO Artigo 1º. O IDBRASIL CULTURA, EDUCAÇÃO E ESPORTE, denominado IDBRASIL, é uma associação de direito privado,

Leia mais

Estatuto do Grêmio Estudantil

Estatuto do Grêmio Estudantil Estatuto do Grêmio Estudantil CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINS E DURAÇÃO Art. 1 O Grêmio Estudantil, é o Grêmio Geral da Escola Estadual de, fundado no dia / /, com sede neste estabelecimento e de

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO CATARINENESE DE PRESERVAÇÃO DA NATUREZA - ACAPRENA

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO CATARINENESE DE PRESERVAÇÃO DA NATUREZA - ACAPRENA ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO CATARINENESE DE PRESERVAÇÃO DA NATUREZA - ACAPRENA CAPÍTULO I - DA INSTITUIÇÃO Art. 1 - Fundada em 05 de maio de 1973, por prazo indeterminado, a ASSOCIAÇÃO CATARINENSE DE PRESERVAÇÃO

Leia mais

SINDICATO DAS LAVANDERIAS E SIMILARES DO RIO GRANDE DO SUL SINDLAV/RS ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I Constituição e Finalidades do Sindicato

SINDICATO DAS LAVANDERIAS E SIMILARES DO RIO GRANDE DO SUL SINDLAV/RS ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I Constituição e Finalidades do Sindicato SINDICATO DAS LAVANDERIAS E SIMILARES DO RIO GRANDE DO SUL SINDLAV/RS ESTATUTO SOCIAL Capítulo I Constituição e Finalidades do Sindicato Capítulo II Dos Associados dos Direitos e Deveres Capítulo III Da

Leia mais

REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I. Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos

REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I. Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos Art.1º A Diretoria Regional (DR) da SBEM-RN é órgão executivo

Leia mais

SOCIEDADE AMIGOS DE SÃO JOSÉ DO CALÇADO ESTATUTO SOCIAL

SOCIEDADE AMIGOS DE SÃO JOSÉ DO CALÇADO ESTATUTO SOCIAL SOCIEDADE AMIGOS DE SÃO JOSÉ DO CALÇADO ESTATUTO SOCIAL CAPITULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE Art. 1.º A SOCIEDADE AMIGOS DE SÃO JOSÉ DO CALÇADO, uma Organização Não Governamental - ONG,

Leia mais