PRESTAÇÃO DE CONTAS 2009 DOCUMENTOS PREVISIONAIS 2005 CÂMARA MUNICIPAL DE ESPINHO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRESTAÇÃO DE CONTAS 2009 DOCUMENTOS PREVISIONAIS 2005 CÂMARA MUNICIPAL DE ESPINHO"

Transcrição

1 PRESTAÇÃO DOCUMENTOS PREVISIONAIS 2005 DE CONTAS 2009 CÂMARA MUNICIPAL DE ESPINHO

2 Í N D I C E RELATÓRIO DE GESTÃO RELATÓRIO DE ACTIVIDADES SITUAÇÃO PATRIMONIAL E FINANCEIRA EXECUÇÃO DOS DOCUMENTOS PREVISIONAIS EVOLUÇÃO DO ENDIVIDAMENTO MUNICIPAL RECURSOS HUMANOS PROPOSTA DE APLICAÇÃO DE RESULTADOS BALANÇO (31.Dezembro.2009) DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS MAPAS DE EXECUÇÃO ORÇAMENTAL MAPA DO CONTROLO ORÇAMENTAL - DESPESA MAPA DO CONTROLO ORÇAMENTAL - RECEITA MAPA DA EXECUÇÃO ANUAL DO PLANO PLURIANUAL DE INVESTIMENTOS MAPA DE FLUXOS DE CAIXA MAPA DE CONTAS DE ORDEM MAPA DE OPERAÇÕES DE TESOURARIA ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CARACTERIZAÇÃO DA ENTIDADE NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS MAPA DAS MODIFICAÇÕES DO ORÇAMENTO - RECEITA MAPA DAS MODIFICAÇÕES DO ORÇAMENTO - DESPESA MAPA DAS MODIFICAÇÕES DAS GRANDES OPÇÕES OPÇÕES DO PLANO MAPA DAS MODIFICAÇÕES DO PLANO PLURIANUAL DE INVESTIMENTOS MAPA DAS MODIFICAÇÕES DO PLANO DE ACTIVIDADES MAPA DAS TRANSFERÊNCIAS CORRENTES - DESPESA MAPA DAS TRANSFERÊNCIAS DE CAPITAL - DESPESA MAPA DAS TRANSFERÊNCIAS CORRENTES - RECEITA MAPA DAS TRANSFERÊNCIAS DE CAPITAL - RECEITA NOTA DEMONSTRATIVA DAS IMPORTÂNCIAS RECEBIDAS E CERTIFICADAS PELAS INSTITUIÇÕES RELAÇÃO DAS IMPORTÂNCIAS RECEBIDAS DO ESTADO E DE OUTROS ENTES PÚBLICOS MAPA DA CONTRATAÇÃO ADMINISTRATIVA - SITUAÇÃO DOS CONTRATOS MAPA DOS EMPRÉSTIMOS MAPA DE OUTRAS DÍVIDAS A TERCEIROS OUTROS DOCUMENTOS SÍNTESE DAS RECONCILIAÇÕES BANCÁRIAS RELAÇÃO NOMINAL DOS RESPONSÁVEIS

3 RELATÓRIO DE GESTÃO

4 CÂM AR A MU NICIPAL DE ESPINHO RELATÓRIO DE ACTIVIDADES Dando seguimento à obrigatoriedade legal, a Câmara Municipal de Espinho elaborou e apresenta à apreciação e votação dos órgãos autárquicos competentes os documentos respeitantes à Prestação de Contas relativo ao ano de 2009 para que sejam posteriormente analisados pelas instâncias competentes. O conteúdo deste documento que apresentamos é da responsabilidade do executivo anterior. Tendo o actual executivo tomado posse apenas no penúltimo mês do ano transacto, as actividades e contas nele referenciadas reportam directamente à acção do executivo anterior pelo que foram os serviços municipais que o prepararam e por isso se encontram em melhores condições para responder a qualquer pedido de esclarecimento. Numa análise sumária aos números que nos são apresentados, são visíveis os grandes constrangimentos financeiros em áreas que normalmente eram privilegiadas Destacamos a dívida a terceiros no valor de ,74 dos quais ,72 correspondem a empréstimos bancários, os custos com pessoal correspondem a 38,47% do Orçamento, a despesa corrente representa 74,97% em contraponto com os 25,03% da despesa de capital. No que toca à execução orçamental do Plano Plurianual de Investimentos PPI a mesma quedou-se pelos 18,93%. O Presidente da Câmara Municipal de Espinho (Dr. Joaquim José Pinto Moreira)

5 ANÁLISE DA SITUAÇÃO PATRIMONIAL E FINANCEIRA Com o fim de avaliar os resultados alcançados pelo Município de Espinho, bem como a sua situação patrimonial e financeira em 31 de Dezembro de 2009, efectuou-se a presente análise da situação económica e financeira. 1 - BALANÇO Um dos documentos mais importantes no âmbito da análise financeira de uma entidade é o Balanço, na medida em que apresenta a sua situação patrimonial reportada a determinado momento. Por se tratar de um documento estático, apenas a comparação entre balanços sucessivos permite obter uma ideia dinâmica da evolução da posição financeira do Município. Neste sentido, o próximo quadro reflecte a estrutura do Balanço em 31/12/2009 e período homólogo de anos anteriores Aplicação de Fundos Aplicações de Fundos Bens de Domínio Público (em curso) Imobilizado Incorpóreo Imobilizado Corpóreo Investimentos Financeiros Existências Dívidas de Terceiros Disponibilidades Acréscimos e Diferimentos Total 2006 ( ) 2007 ( ) 2008 ( ) 2009 ( ) , , , , , , , , , , , , , , , ,47 0, , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,03 Da leitura deste quadro pode-se concluir que o montante das aplicações de fundos diminuiu, o que se ficou a dever, sobretudo, á diminuição dos bens

6 de domínio público. De salientar, que as imobilizações corpóreas continuam a representar mais de metade do conjunto do imobilizado Origem de Fundos Origens de Fundos Fundos Próprios Dívidas médio/longo prazo Dívidas curto prazo Acréscimos e Diferimentos Total 2006 ( ) 2007 ( ) 2008 ( ) 2009 ( ) , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,03 No que se refere às origens, ou seja, recursos de que a Autarquia dispõe para fazer face às aplicações, observa-se que, houve um aumento quer das dívidas de curto prazo, quer dos acréscimos e diferimentos. Concluindo, podese afirmar que, a regra do equilíbrio do Balanço se mantêm muito por força da diminuição dos fundos próprios. 2 - DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS A Demonstração de Resultados apresenta os resultados económicos das operações realizadas no exercício. Assente no princípio da especialização do exercício, reconhece os custos no ano em que são reconhecidos os proveitos que lhe estão associados. Os resultados alcançados no exercício em análise, encontram-se patentes no quadro que a seguir se apresenta. Resultados Valor ( ) Resultados Operacionais ,44 Resultados Financeiros ,26 Resultados Correntes Resultados Extraordinários , ,00 Resultado Líquido do Exercício ,18

7 Pela observância do gráfico, facilmente se observa que, no ano de 2009 houve uma diminuição do resultado líquido do exercício face ao ano anterior. Resultado Líquido do Exercicio 0, , , , , , , , , , , , , Resultados Resultados Operacionais Os resultados operacionais apresentam a seguinte composição: Custos Operacionais 2006 ( ) % 2007 ( ) % 2008 ( ) % 2009 ( ) % Custo Merc. Vend. E Mat. Cons. (CMVMC) Fornecimento e Serviços Externos Custos com Pessoal Transferências e Sub. Correntes Concedidos Amortizações Provisões Outros Custos e Perdas Operacionais 0,00 0,00% ,74 2,41% ,49 2,63% ,92 2,63% ,92 28,27% ,33 23,67% ,82 25,50% ,24 23,01% ,80 33,04% ,33 35,13% ,40 34,27% ,84 38,47% ,71 13,14% ,87 12,02% ,84 11,72% ,81 11,97% ,95 25,35% ,95 26,55% ,58 25,57% ,26 23,30% ,77 0,18% ,23 0,20% ,64 0,29% ,62 0,60% 3.159,18 0,01% 3.754,79 0,02% 4.998,07 0,02% 3.880,64 0,01% Total ,33 100,00% ,24 100,00% ,84 100,00% ,33 100,00% Os custos operacionais destacam-se os Custos com Pessoal (38,47%), as Amortizações (23,30%) e os Fornecimentos e Serviços Externos (23,01%). E em conjunto detêm um peso decisivo sobre a estrutura dos Custos Operacionais e representam aproximadamente 84,78% dos Custos Totais.

8 Proveitos Operacionais 2006 ( ) % 2007 ( ) % 2008 ( ) % 2009 ( ) % Vendas e Prestação de Serviços Impostos e Taxas Proveitos Suplementares Transferências e Subsídios Obtidos Trabalhos para a Própria Entidade Variação da Produção Outros Proveitos e Ganhos Operacionais ,89 17,30% ,74 15,60% ,46 17,20% ,12 16,95% ,65 48,03% ,05 46,63% ,12 44,95% ,88 39,43% 0,00 0,00% 0,00 0,00% 0,00 0,00% 0,00 0,00% ,44 34,67% ,28 37,77% ,28 37,85% ,89 43,62% 0,00 0,00% 0,00 0,00% 0,00 0,00% 0,00 0,00% 0,00 0,00% 0,00 0,00% 0,00 0,00% 0,00 0,00% 0,00 0,00% 0,00 0,00% 0,00 0,00% 0,00 0,00% Total ,98 100,00% ,07 100,00% ,86 100,00% ,89 100,00% Os proveitos e ganhos operacionais são maioritariamente compostos pelos Impostos e Taxas (39,43%), nomeadamente, IMT, SISA, Contribuição Autárquica e Taxas de loteamentos e obras, bem como pelas Transferências Obtidas (43,62%), de onde se destacam os fundos municipais previstos no Orçamento de Estado Resultados Financeiros Ano Custos e Perdas Financeiras ( ) Proveitos e Ganhos Financeiros ( ) , , , , , , , ,67 Como se pode observar pelo quadro supra citado, os proveitos financeiros foram superiores aos custos financeiros, ao contrário dos anos transactos, devendo-se a uma diminuição dos juros suportados e de outros custos e perdas financeiras, muito por força da forte redução da taxa de juro de referência, que se verificou no 3º trimestre de 2009 e que se acentuou no 4º trimestre do mesmo.

9 Resultados extraordinários Ano Custos e Perdas Extraordinarios ( ) Proveitos e Ganhos Extraordinarios ( ) , , , , , , , ,39 No exercício em estudo, os resultados extraordinários apresentam um valor negativo, em virtude do elevado montante das transferências de capital que a Autarquia concedeu, especialmente para a Administração Publica que engloba as Freguesias, as Instituições Particulares e as Empresas Publicas, Municipais e Intermunicipais. No entanto, verifica-se uma ligeira diminuição no montante das transferências das instituições sem fins lucrativos, mas que foi rapidamente absorvida pelo aumento, embora ligeiro, das transferências para as juntas de freguesias. Tansferências para Freguesias e Instituições , , , , , , , , , , , , Transf erencias Freguesias Out ras Inst. Inst. s/ f ins lucrat.

10 3 - ESTRUTURA DA DÍVIDA DE E A TERCEIROS Relativamente à estrutura da Dívida de Terceiros de curto prazo podemos destacar os utentes c/c com ,05, referente a créditos sobre os utilizadores dos diversos serviços autárquicos, em especial a água, saneamento e resíduos sólidos. Também são de destacar os, Outros Devedores, com ,10 [ ,60 do Instituto Turismo no âmbito da Zona de Jogo e Fundos e Serviços Autónomos e ,50 de Empresas, nomeadamente, da REFER no âmbito do enterramento da linha férrea e EP Estradas de Portugal, no âmbito da ligação da rotunda do IC24 à Rua Prof. Dias Afonso]. Seguem-se os clientes, contribuintes e utentes de cobrança duvidosa, para os quais foram criadas provisões em virtude de rendas da habitação social em atraso. De terceiros valor A terceiros valor Dividas de terceiros - médio e longo prazo: 0,00 Dividas a terceiros-médio e longo prazo Empréstimos de m.l.prazos ,72 Outros credores de m.l.prazos ,77 Dividas de terceiros - curto prazo: Dividas a terceiros-curto prazo Contribuintes c/c ,44 Fornecedores c/c ,45 Utentes c/c ,05 Fornecedores de imobilizado c/c ,56 Client., contrib. e utentes de cobr. duvid ,54 Estado e outros entes públicos ,73 Estado e outros entes públicos 0,00 Outros credores ,47 Outros Devedores ,10 Clientes e utentes c/ caução ,49 Fornec. imobilizado c/ caução ,55 Total ,13 Total ,74 Na Divida a Terceiros de Médio e Longo Prazos destacam-se os Outros Credores com ,77. Os empréstimos bancários totalizam ,72 e foram aplicados, essencialmente, em projectos em curso no município, bem como, no pagamento de dívidas a fornecedores no âmbito do Programa Pagar a Tempo e Horas e do PREDE.

11 Dívidas de Terceiros Dívida a Terceiros Contribuintes c/c Utentes c/c Client, contrib e utentes de cobr. duvid Emprestimos de m.l. prazo Outros credores de m.l. prazo Fornecedores c/c Fornecedores imobilizado c/c Estado e outros entes públicos Estado e outros entes públicos Outros credores Clientes e utentes c/ cauçao Outros Devedores Fornec. imobilizado c/ cauçao Relativamente às Dívidas a Terceiros de curto prazo, são de salientar as dívidas aos fornecedores de imobilizado c/c, nomeadamente a Civopal, FDO Projectos, Jose Reis, Link, Manuel Francisco Almeida, Patrícios, Pereira e Soares e Silarba. Das dívidas aos fornecedores c/c, que totalizam um valor de ,45, são de destacar, Águas do Douro e Paiva, ADCE, EDP, Lipor e SIMRIA. Convém referir, que na estrutura de dívidas de terceiros, é importante realçar que as verbas relativas a comparticipações, só foram contabilizadas após respectivo Pedido de Pagamento. 4 - ACRÉSCIMOS E DIFERIMENTOS A observância dos princípios contabilísticos definidos no POCAL na elaboração das demonstrações financeiras, no caso concreto o princípio da especialização dos exercícios, conduz à assunção dos custos e dos proveitos quando incorridos ou obtidos, independentemente do momento em que ocorra o seu pagamento ou recebimento.

12 Tais circunstâncias são vertidas no agrupamento dos Acréscimos e Diferimentos que, no activo, se desdobram em Acréscimos de Proveitos e Custos Diferidos, sendo a seguinte a sua composição em ACRÉSCIMOS E DIFERIMENTOS ,73 Acréscimos de Proveitos Juros a Receber 42,05 Impostos e Taxas ,40 Outros Acréscimos de Proveitos ,65 Total Acréscimos de Proveitos ,10 Custos Diferidos Outros Custos Diferidos ,63 Total de Custos Diferidos ,63 Subjacente ao princípio da especialização dos exercícios, tal como é verificado no activo, surge também no passivo os Acréscimos e Diferimentos, subdividindo-se em Acréscimos de Custos e Proveitos Diferidos, sendo a seguinte a sua composição em ACRÉSCIMOS E DIFERIMENTOS ,72 Acréscimos de Custos Remunerações a Liquidar ,50 Outros Acréscimos de Custos ,02 Total Acréscimos de Custos ,52 Proveitos Diferidos Subsidios para Investimentos Cooperação técnica e financeira 7.800,00 Outras ,80 Fundos e Serviços Autónomos Feder , ,73 Total de Proveitos Dìferidos ,20 Ao nível dos Proveitos Diferidos, existiu um reforço nas rubricas de fundos e Serviços Autónomos e do FEDER, muito por força, do reconhecimento de proveitos no ano 2009, de subsídios ao investimento, de entre os quais se destacam os relacionados com os pedidos da Zona de Jogo

13 de Espinho, os dos PER 's, do encerramento das candidaturas do POSI e ainda a construção da cantina e 4 salas da EB1/JI Espinho 2, bem como, da ligação da Rotunda do IC24 à Rua Prof. Dias Afonso.

14 ANÁLISE DA EXECUÇÃO ORÇAMENTAL As Grandes Opções do Plano e Orçamento inscritas nos documentos previsionais definiram, para 2009, as principais escolhas da política de desenvolvimento para o Concelho, identificando os projectos prioritários e mobilizando os recursos técnicos, humanos e financeiros necessários à sua execução. No que concerne à Contabilidade Orçamental, a prestação de contas é feita em termos da execução dos documentos previsionais Orçamento e Grandes Opções do Plano de Esta execução, consubstancia-se no desenvolvimento das acções necessárias à arrecadação de receitas previstas e à realização de despesas inscritas no Orçamento, visando alcançar os objectivos fixados nas Grandes Opções do Plano. 1 EXECUÇÃO GLOBAL DO ORÇAMENTO 1.1 Orçamento Inicial versus Final e Executado Pela análise da contabilidade orçamental, podemos visualizar e acompanhar todo o processo de realização de despesa e arrecadação de receitas. Com o objectivo de avaliar, quer a fiabilidade do orçamento apresentado, quer a capacidade financeira da sua execução em função do montante das receitas efectivamente arrecadadas, bem como da actividade de planeamento, procede-se à apresentação do Quadro n.º 1, com os valores do orçamento inicial, final e executado, da receita e da despesa, e respectivos desvios. Este estudo, tendo por base os mapas de execução orçamental que fazem parte dos documentos de prestação de contas da Autarquia, visa, numa

15 primeira abordagem, comparar o valor do orçamento inicial e corrigido final, resultado das modificações orçamentais, com os valores da execução orçamental a fim de evidenciar os desvios de execução mais significativos. Importa referir que, no âmbito da análise deste capítulo, as taxas de execução de despesa, reportam-se a obrigações efectivamente pagas e não a despesa traduzida no total das obrigações assumidas para com terceiros (despesa facturada). Quadro n.º 1 - Execução do Orçamento 2009 Previsão Execução Taxas de Execução Capítulos Inicial Final Desvio Valor Desvio Exec % Exec % (a) (b) (b)-(a) (c) (c)-(b) (c)/(a) (c)/(b) Receitas Receitas Correntes , , , , ,46 88,30% 87,93% Receitas de Capital , ,00 0, , ,75 26,66% 26,66% Total , , , , ,21 58,53% 58,40% Despesas Despesas Correntes , , , , ,18 84,98% 84,52% Despesas de Capital , , , , ,69 30,29% 30,32% Total , , , , ,87 58,53% 58,40% Do observado do quadro n.º 1 Execução do Orçamento de 2009, resulta que o total do orçamento aprovado para o ano de 2009 foi de ,00, tendo sido corrigido ao longo do ano para ,00, sendo o total da receita cobrada de ,79 e o total de despesa executada de ,13. Do mesmo, se pode constatar que o grau de execução situou-se em 58,40% tanto para a receita como para a despesa. Comparando as taxas de execução ao nível das cobranças e dos pagamentos em relação ao ano anterior (comportamento do valor cobrado e pago face ao previsto corrigido), verifica-se que durante o ano de 2009, a execução da receita e da despesa são iguais e rondam os 58,40%, enquanto durante o ano de 2008, este valor foi superior, apresentando uma execução de despesa e de receita que rondavam os 69%. No âmbito das receitas e despesas de natureza Corrente é notória uma boa performance da sua execução, acima dos 84% e que se traduz por inerência em baixos desvios.

16 Já o mesmo não se poderá dizer quanto às rubricas de natureza de Capital, que apresentam baixos valores de execução, situando-se bem abaixo dos 50%. É importante referir que no lado da despesa a execução, se reporta à relação entre a Despesa Paga e Despesa Orçada, quando em rigor o que deveria ser comparado para avaliar a fiabilidade da Elaboração do Orçamento deveria ser a relação entre a Despesa Realizada (cabimentada) e a Despesa Orçada, o que traduziria níveis de execução mais elevados que rondariam os 82,78%. No entanto, a análise detalhada da execução da receita e da despesa será feita oportunamente no seu capítulo próprio e específico. De seguida demonstra-se graficamente as oscilações do Orçamento Global da Receita e da Despesa: Gráfico n.º 1 Comparação entre Receita Orçamental Inicial, Final e executada , , , , ,00 0,00 Receitas Correntes Receitas de Capital , ,00 Inicial Final Desvio Valor Desvio , ,00 Previsão Execução

17 Gráfico n.º 2 Comparação entre Despesa Orçamental Inicial, Final e executada , , , , ,00 0,00 Despesas Correntes Despesas de Capital , ,00 Inicial Final Desvio Valor Desvio , ,00 Previsão Execução Modificações aos Documentos Previsionais Orçamento e GOP s O Orçamento de 2009 e as GOP s obtiveram aprovação pelo órgão executivo em 05/12/2008 e pela Assembleia Municipal em 29/12/2008. Ao longo do ano de 2009, foram efectuadas 9 (nove) alterações orçamentais não se realizando nenhuma revisão orçamental. Assim, estas 9 modificações orçamentais foram realizadas nos seguintes termos: 6 tiveram impacto no Plano Plurianual de Investimentos (PPI); 4 tiveram impacto no Plano de Actividades Municipais. Apesar de não ter existido nenhuma revisão orçamental, convêm referir que o aumento/diminuição das dotações orçamentais traduz, unicamente, movimentação inter-rubricas, em que reforços tiveram como contrapartida anulações, e vice-versa.

18 Quadro n.º 2 - Alterações e Revisões Orçamentais 2009 Dotação Inicial Alterações e Revisões Capítulos Valor % Reforços Anulações Dotação Final Valor % Variação Valor % Despesas Correntes ,00 51,64% , , ,00 51,80% ,00 0,54% Despesas com Pessoal ,00 22,24% , , ,87 22,40% ,87 0,96% Aquisição de Bens e Serviços ,00 17,55% , , ,16 17,89% ,16 2,14% Juros e Outros Encargos ,00 1,14% , , ,00 0,66% ,00-74,37% Transferências Correntes ,00 10,24% , , ,22 10,14% ,78-0,74% Outras Despesas Correntes ,00 0,47% , , ,75 0,71% ,75 33,99% Despesas de Capital ,00 48,36% , , ,00 48,20% ,00-0,12% Aquisição Bens de Capital ,00 39,88% , , ,00 39,72% ,00-0,20% Transferências Capital ,00 3,89% , , ,00 3,90% 8.360,00 0,47% Passivos Financeiros ,00 4,59% , , ,00 4,58% 0,00 0,00% Total da Despesa ,00 100,00% , , ,00 100,00% ,00 0,22% Conforme se pode observar, as variações líquidas orçamentais mais significativas em termos absolutos, ocorreram nas rubricas de Aquisição de Bens e Outros Serviços ( ,16 ), Outras Despesas Correntes ( ,75 ), Despesas com Pessoal (99.205,87 ) e Transferência de Capital (8.360,00 ). As dotações para Aquisição de Bens e Outros Serviços apresentaram um acréscimo de , muito por força do aumento da rubrica relativa a Outros Serviços, nomeadamente, no que diz respeito ao Tratamento de Águas Residuais pela Simria. Também, dentro desta rubrica, a Promoção Turística sofreu um aumento significativo. São de referir, ainda, os aumentos na rubrica de Outros Trabalhos Especializados, particularmente, no que diz respeito aos Serviços Informáticos de Gestão que se relacionam com as aplicações informáticas e com os encargos inerentes à empresa (Lógica) que faz a cobrança da Água do Município. Nas Despesas com Pessoal, os reforços do valor orçado devem-se principalmente ao aumento verificado na rubrica do Pessoal Contratado a Termo. Os reforços das dotações para Transferências de Capital recaíram essencialmente para as transferências de verba para as Empresas Públicas Municipais e Intermunicipais, nomeadamente, LIPOR e SIMRIA e ainda para a Acção Social.

19 Uma palavra final para o decréscimo global de ,00, verificado nos Juros e Outros Encargos, fruto da forte redução verificada ao nível das taxas de juro de referência que se verificaram no 3º trimestre de 2009 e que se acentuaram no 4º. Em conclusão, podemos afirmar que, a dotação das despesas correntes e de capital sofreram alterações significativas com as modificações orçamentais realizadas ao longo do ano de Uma visão mais atenta, permite-nos concluir que a dotação inicial sofreu um aumento de e que esse valor implicou uma alteração da relação existente entre as rubricas de Despesas Correntes e as Despesas de Capital Resumo da Execução Orçamental Durante o ano económico de 2009, assistiu-se a um crescimento das receitas arrecadadas e das despesas pagas, na ordem dos 6,38% e 6,37%, respectivamente. Comparando com a gerência do ano anterior, temos o seguinte quadro: Quadro n.º 3 Designação Realizado Orçado (corrigido) Diferença Receitas Correntes , , , , ,00 Receitas de Capital , , , , ,00 Receitas Totais , , , , ,00 Despesas Correntes , , , , ,00 Despesas de Capital , , , , ,00 Despesas Totais , , , , ,00 Da análise do quadro apresentado verifica-se que, relativamente ao ano de 2008, a arrecadação de Receitas Correntes aumentou 10,70% tendo as Receitas de Capital apresentado um decréscimo de 6,56%. As Despesas Correntes sofreram um acréscimo de 9,48% e as Despesas de Capital um decréscimo de 1,96% relativamente às realizadas no ano de 2008.

20 1.4 - Relação entre Receita e Despesa Evolução dos Fluxos Monetários No âmbito desta análise interessa avaliar as componentes que detêm reflexos no saldo final da conta de gerência, ou seja, pretende-se relacionar a evolução das despesas e receitas efectivas confrontando-as com o desenvolvimento, quer do saldo corrente do exercício (receita corrente despesa corrente), quer do capital (receita de capital despesa de capital), com o objectivo de avaliar uma possível fonte de financiamento da gerência seguinte. Quadro n.º Receita cobrada Despesa Paga Diferença Receita cobrada Despesa Paga Diferença Receita cobrada Despesa Paga Diferença Saldo da Gerência anterior 1.490, ,76 68,25 68,25 259,93 259,93 Corrente , , , , , , , , ,72 Capital , , , , , , , , ,06 TOTAL , ,77 68, , ,95 259, , , ,59 Gráfico n.º 3 Evolução dos Fluxos Monetários , , , , , ,00 0,00 Saldo da Gerência Anterior Receita cobrada Despesa Paga Verifica-se que ao longo dos últimos três anos o montante de receitas correntes cobradas é superior ao montante de despesas pagas, traduzindo-se em saldos correntes positivos, a designada poupança corrente bruta. A relação

21 inversa é estabelecida quanto às rubricas de natureza de capital, originando saldos de capital negativos. Assim, podemos concluir que parte importante das despesas de capital pagas nestes últimos três anos foram financiadas pela poupança corrente gerada no exercício económico. Poupança Corrente De acordo com o ponto do POCAL, no qual está consagrado o princípio do equilíbrio orçamental, existe a obrigatoriedade de o orçamento prever os recursos necessários para cobrir todas as despesas, enquanto que as receitas correntes devem ser pelo menos iguais às despesas correntes. Efectivamente, esta norma manteve-se na presente execução orçamental desenvolvida pela autarquia, funcionando, assim, como forma de contenção do deficit orçamental e de formação da poupança corrente, com vista à sua aplicação na despesa de investimento. Com este princípio orçamental, pretende-se afectar ao investimento a globalidade da receita de capital e ainda uma percentagem da receita denominada Poupança Corrente. Contudo, em termos previsionais corrigidos, apresentou-se uma Receita Corrente de ,00, e uma Despesa Corrente de ,00, não existindo poupança corrente, por isso mesmo. Pese embora o facto anterior, em termos de execução orçamental, foi possível realizar uma Poupança Corrente de ,72, uma vez que se registou uma Receita Corrente de ,54 e uma Despesa Corrente de ,82. A Poupança Corrente relativa ao exercício económico de 2009 cresceu cerca de 52,96% em relação ao registado no ano de Refira-se que em 2008 verificou-se um decréscimo de 73,06% face ao ano de 2007.

22 Gráfico n.º 4 Evolução da Poupança Corrente , , , ,00 Receitas Correntes Despesas Correntes Poupança Corrente ,00 0, Fontes de Financiamento do Investimento Também o princípio da não consignação, previsto na alínea g) do ponto do Decreto-Lei n.º 54-A/99, de 22 de Fevereiro, segundo o qual as receitas especificadas no orçamento quando liquidadas e arrecadadas não se destinam a solver um determinado compromisso, antes constituirão um único fundo que servirá de cobertura a todas as despesas da Autarquia não foi esquecido. No entanto e tal como estipula este principio, existem excepções em determinados casos previstos na Lei, como por exemplo, as despesas suportadas por recursos financeiros provenientes de empréstimos, contratos programa ou comparticipações de fundos comunitários já contratualizados e, por isso, cujas contrapartidas foram contabilizadas para o efeito da obtenção das receitas orçamentais, pretende-se, de seguida, aferir como foi financiado o investimento. Assim, pela análise do quadro seguinte, podemos verificar que o Investimento absorveu cerca de 62,35% das receitas provenientes das diversas fontes de financiamento, sendo que as Outras Transferências de Capital, os empréstimos bancários, o Fundo de Equilíbrio Financeiro (parte capital) e a Poupança Corrente aparecem com os maiores contributos. No entanto, é talvez importante lembrar que o investimento directo e indirecto não traduz a

FLUXOS DE CAIXA CONSOLIDADOS

FLUXOS DE CAIXA CONSOLIDADOS CÂMARA MUNICIPAL DO / SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE TRANSPORTES COLECTIVOS DO RECEBIMENTOS Saldo da gerência anterior 2.363.424,49 Execução Orçamental 1.404.990,71 Operações de Tesouraria 958.433,78 Total

Leia mais

F L U X O S D E C A I X A ANO 2013 ENTIDADE MVN MUNICIPIO DE VENDAS NOVAS Pág. 1 PERÍODO JANEIRO A DEZEMBRO - 2013/12/31 R E C E B I M E N T O S

F L U X O S D E C A I X A ANO 2013 ENTIDADE MVN MUNICIPIO DE VENDAS NOVAS Pág. 1 PERÍODO JANEIRO A DEZEMBRO - 2013/12/31 R E C E B I M E N T O S ENTIDADE MVN MUNICIPIO DE VENDAS NOVAS Pág. 1 PERÍODO JANEIRO A DEZEMBRO - 2013/12/31 R E C E B I M E N T O S SALDO DA GERÊNCIA ANTERIOR... 213.697,03 EXECUÇÃO ORÇAMENTAL... 67.235,92 OPERAÇÕES DE TESOURARIA...

Leia mais

R E L A T Ó R I O E C O N T A D E G E R Ê N C I A 2 0 0 8

R E L A T Ó R I O E C O N T A D E G E R Ê N C I A 2 0 0 8 R E L A T Ó R I O E C O N T A D E G E R Ê N C I A 2 0 0 8 índice Índice (numeração conforme a indicação no POCAL) índice... 2 5 - Balanço... 3 6 Demonstração de Resultados... 9 7 Mapas de Execução Orçamental...

Leia mais

5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS

5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS 5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS 1 PRINCIPAIS DESTAQUES [Indicadores] Indicadores 2010 2011 RECEITA Crescimento da Receita Total 19,8 3,7 Receitas Correntes / Receita Total 61 67,2 Crescimento das

Leia mais

MAPAS DE FLUXOS FINANCEIROS

MAPAS DE FLUXOS FINANCEIROS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS 2010 MAPAS DE FLUXOS FINANCEIROS Documentos de Prestação de Contas 2010 DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS 2010 Fluxos de Caixa Documentos de Prestação de Contas 2010 DOC

Leia mais

Fluxos de Caixa. Recebimentos

Fluxos de Caixa. Recebimentos Recebimentos Saldo da Gerência Anterior 7.946.571,02 Execução Orçamental 5.519.930,76 Operações de Tesouraria 2.426.640,26 das Receitas Orçamentais 58.322.634,95 Receitas Correntes 55.610.658,97 01 Impostos

Leia mais

DOCUMENTOS Prestação de Contas 2014

DOCUMENTOS Prestação de Contas 2014 DOCUMENTOS Prestação de Contas 2014 VIZELA Câmara Municipal VIZELA INDÍCE MENSAGEM DO PRESIDENTE 1 BALANÇO (PONTO 5 DO POCAL) - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS 2010 5 ANÁLISE ORÇAMENTAL

RELATÓRIO E CONTAS 2010 5 ANÁLISE ORÇAMENTAL 5 ANÁLISE ORÇAMENTAL 1 PRINCIPAIS DESTAQUES [Indicadores] Indicadores 2009 RECEITA Crescimento da Receita Total -18,8 19,8 Receitas Correntes / Receitas Totais 76,1 61 Crescimento das Receitas Correntes

Leia mais

Fluxos de Caixa. Recebimentos

Fluxos de Caixa. Recebimentos Recebimentos Saldo da Gerência Anterior 1.348.952,41 Total das Receitas Orçamentais Execução Orçamental 1.034.500,26 Operações de Tesouraria 314.452,15 16.035.427,63 Receitas Correntes 11.478.511,35 01

Leia mais

Documentos de Prestação de Contas

Documentos de Prestação de Contas Documentos de Prestação de Contas E DOCUMENTOS ANEXOS Segundo a Resolução nº04/2001-2ª Secção APROVAÇÃO Câmara Municipal - Reunião de / / Assembleia Municipal - Sessão de / / ACÓRDÃO DO TRIBUNAL DE CONTAS

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS 2007 O Órgão Executivo; O Órgão Deliberativo;

PRESTAÇÃO DE CONTAS 2007 O Órgão Executivo; O Órgão Deliberativo; PRESTAÇÃO DE CONTAS 2007 Junto se remetem os Documentos de Prestação de Contas referentes à Gerência de 2007, organizados em conformidade com o POCAL e de acordo com a Resolução n.º 04/2001 2.ª Secção,

Leia mais

Orçamento 2010. Município de Murça

Orçamento 2010. Município de Murça Orçamento 2010 Município de Murça ÍNDICE DOCUMENTOS PREVISIONAIS 4 INTRODUÇÃO 5 1- ORÇAMENTO DE 2010 6 2- RECEITA 7 2.1- RECEITA CORRENTE 8 2.2- RECEITA DE CAPITAL 9 3- DESPESA 9 3.1- DESPESA CORRENTE

Leia mais

DESIGNAÇÃO DA ENTIDADE

DESIGNAÇÃO DA ENTIDADE ANEXO 1 DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS Nº DESIGNAÇÃO CÓDIGO POCAL 1 Balanço 5 2 Demonstração de resultados 6 3 Plano plurianual de investimentos - aprovado por deliberação de 3/12/2009 7.1 4 Orçamento

Leia mais

37.100.500,00 TOTAL DA RECEITA: TOTAL DA DESPESA: 37.100.500,00

37.100.500,00 TOTAL DA RECEITA: TOTAL DA DESPESA: 37.100.500,00 TOTAL DA RECEITA: TOTAL DA DESPESA: 37.100.500,00 37.100.500,00 0 DA CÂMARA MUNICIPAL DE LEIRIA ANO 2013 RECEITAS DESPESAS CORRENTES 23.469.442,00 CORRENTES 23.270.500,00 CAPITAL 13.631.058,00 CAPITAL

Leia mais

DOTAÇÕES INICIAIS MUNICIPIO DO PORTO SANTO ( POR CLASSIFICAÇÃO ORGÂNICA/ECONÓMICA ) DO ANO 2012

DOTAÇÕES INICIAIS MUNICIPIO DO PORTO SANTO ( POR CLASSIFICAÇÃO ORGÂNICA/ECONÓMICA ) DO ANO 2012 ENTIDADE ORÇAMENTO DA DESPESA DOTAÇÕES INICIAIS MUNICIPIO DO PORTO SANTO ( POR CLASSIFICAÇÃO ORGÂNICA/ECONÓMICA ) DO ANO 2012 PÁGINA : 1 01 ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL 4.684.112,00 01.01 ADM/OPERAÇÕES FINANCEIRAS

Leia mais

DOCUMENTOS PREVISIONAIS PARA O ANO DE 2009

DOCUMENTOS PREVISIONAIS PARA O ANO DE 2009 DOCUMENTOS PREVISIONAIS PARA O ANO DE 2009 - ORÇAMENTO DA RECEITA E DA DESPESA - PLANO PLURIANUAL DE INVESTIMENTOS - GRANDES OPÇÕES DO PLANO - RESUMO DE ORÇAMENTO APROVADO EM: C.A. / / C.M. / / A.M. /

Leia mais

1. Do Plano Plurianual de Investimentos. 1.1.- Introdução

1. Do Plano Plurianual de Investimentos. 1.1.- Introdução Página 1 de 16 1. Do Plano Plurianual de Investimentos 1.1.- Introdução Pretende-se com o presente relatório complementar os documentos que constituem a Conta de Gerência relativa ao ano de 2006, elaborada

Leia mais

DESIGNAÇÃO DA ENTIDADE

DESIGNAÇÃO DA ENTIDADE ANEXO 1 DESIGNAÇÃO DA ENTIDADE MUNICÍPIO DE GUIMARÃES GERÊNCIA 1 DE JANEIRO A 31 DE DEZEMBRO DE 2014 DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS Nº DESIGNAÇÃO CÓDIGO POCAL 1 Balanço 5 2 Demonstração de resultados

Leia mais

Junta de Freguesia de Alcabideche

Junta de Freguesia de Alcabideche Junta de Freguesia de Alcabideche (Sede da Junta de Freguesia de Alcabideche) Conta de Gerência 2012 Junta de Freguesia de Alcabideche Conta de Gerência 2012 Prestação de Contas Ano de 2012 Prefácio Orçamental

Leia mais

Documentos de Prestação de. Contas

Documentos de Prestação de. Contas Documentos de Prestação de Contas Ano Financeiro de 2010 INDICE GERAL 7.3.1 CONTROLO ORÇAMENTAL DA DESPESA 7.3.2 CONTROLO ORÇAMENTAL DA RECEITA 7.4 EXECUÇÃO ANUAL DO PLANO PLURIANUAL DE INVESTIMENTOS 7.4A

Leia mais

Município de Alcácer do Sal Relatório de prestação de contas consolidadas

Município de Alcácer do Sal Relatório de prestação de contas consolidadas 1- INTRODUÇÃO A lei das Finanças Locais (Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiros) veio determinar a obrigatoriedade da consolidação de contas para os Municípios que detenham serviços municipalizados e/ou a totalidade

Leia mais

AGRUPAM ENTO SUB- ALINEA ALÍNEA RUBRICA SUBAGRUP AMENTO 01 ASSEMBLEIA MUNICIPAL DESPESAS CORRENTES

AGRUPAM ENTO SUB- ALINEA ALÍNEA RUBRICA SUBAGRUP AMENTO 01 ASSEMBLEIA MUNICIPAL DESPESAS CORRENTES CÓDIGO P AM 01 ASSEMBLEIA MUNICIPAL DESPESAS CORRENTES 01 DESPESAS COM O PESSOAL 0102 ABONOS VARIÁVEIS OU EVENTUAIS 010204 AJUDAS DE CUSTO 500 010213 OUTROS SUPLEMS E PRÉMIOS 01021302 OUTROS 30.000 30.000

Leia mais

MPS PERIODO : JANEIRO A NOVEMBRO - 2014/11/30 2014/12/15 2014 1 DOTAÇÃO MOVIMENTO DO PERIODO MOVIMENTO ACUMULADO SALDO

MPS PERIODO : JANEIRO A NOVEMBRO - 2014/11/30 2014/12/15 2014 1 DOTAÇÃO MOVIMENTO DO PERIODO MOVIMENTO ACUMULADO SALDO MPS PERIODO : JANEIRO A NOVEMBRO - 2014/11/30 2014/12/15 2014 1 010101 TITULARES DE ÓRGÃOS DE SOBERANIA E 98.400,00 98.400,00 98.373,57 77.242,97 77.242,97 98.400,00 98.373,57 77.242,97 77.242,97 26,43

Leia mais

ORÇAMENTO RECEITA E DA DESPESA

ORÇAMENTO RECEITA E DA DESPESA MUNICÍPIO DAS VELAS ORÇAMENTO DA RECEITA E DA DESPESA ANO DE 2010 MUNICÍPIO DAS VELAS ORÇAMENTO DA RECEITA 2010 Código Class. Económica ORÇAMENTO PARA O ANO 2010 - Receita 01 Impostos directos 0102 Outros

Leia mais

Freguesia de Tabuadelo e São Faustino. Concelho de Guimarães

Freguesia de Tabuadelo e São Faustino. Concelho de Guimarães Freguesia de Tabuadelo e São Faustino Concelho de Guimarães Relatório de Gerência de Contas e Relatório de Actividades Ano de 2013 Índice: Introdução:... 3 Analise Económica e Financeira... 5 Execução

Leia mais

FREGUESIA DE MEXILHOEIRA GRANDE ORÇAMENTO DA RECEITA

FREGUESIA DE MEXILHOEIRA GRANDE ORÇAMENTO DA RECEITA FREGUESIA DE MEXILHOEIRA GRANDE ORÇAMENTO DA RECEITA RECEITAS CORRENTES 01 Impostos directos 10.102,Oe 01 02 Outros 10.102,Oe 010208 imposto municipal imóveis (rústico) 1.000,00 010209 Imposto Municipal

Leia mais

Quadro 1. Execução do Plano

Quadro 1. Execução do Plano Município de Condeixa-a-Nova - Relatório de Gestão 2008 1. Do Plano Plurianual de Investimentos 1.1. Introdução Pretende-se com o presente relatório complementar os documentos que constituem a Conta de

Leia mais

MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS

MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS A prestação de contas é matéria que deve respeitar o quadro normativo em vigor actualmente (consultar nota final deste manual). No POCAL Simplificado,

Leia mais

Documentos de Prestação de Contas

Documentos de Prestação de Contas Documentos de Prestação de Contas E DOCUMENTOS ANEXOS Segundo a Resolução nº04/2001-2ª Secção APROVAÇÃO Câmara Municipal - Reunião de / / Assembleia Municipal - Sessão de / / ACÓRDÃO DO TRIBUNAL DE CONTAS

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS 2010 Nº do Dimensão Data de Designação documento em bytes criação 53,4 KB 08/04/2011 24,6 KB 08/04/2011 72,2 KB 29/04/2011

PRESTAÇÃO DE CONTAS 2010 Nº do Dimensão Data de Designação documento em bytes criação 53,4 KB 08/04/2011 24,6 KB 08/04/2011 72,2 KB 29/04/2011 PRESTAÇÃO DE CONTAS 2010 Junto se remetem os Documentos de Prestação de Contas referentes à Gerência de 2010, organizados em conformidade com o POCAL e de acordo com a Resolução n.º 04/2001 2.ª Secção,

Leia mais

documentos DEprest ação cont as

documentos DEprest ação cont as documentos DEprest ação DE cont as 2013 Índice Índice: 5. Balanço 5.1 Balanço 6. Demonstração de Resultados 6.1 Demonstração de Resultados 7. Mapas de Execução Orçamental. 7.3 Mapas de Controlo Orçamental.

Leia mais

Município de Mortágua

Município de Mortágua Município de Mortágua Documentos de Prestação de Contas Balanço Demonstração de Resultados Mapas de Execução Orçamental Anexos às Demonstrações Financeiras Relatório de Gestão 2004 Índice Índice: 5. Balanço

Leia mais

DOTAÇÕES INICIAIS MUNICIPIO DE VILA VELHA DE RODAO ( POR CLASSIFICAÇÃO ORGÂNICA/ECONÓMICA ) DO ANO 2007

DOTAÇÕES INICIAIS MUNICIPIO DE VILA VELHA DE RODAO ( POR CLASSIFICAÇÃO ORGÂNICA/ECONÓMICA ) DO ANO 2007 ENTIDADE ORÇAMENTO DA DESPESA DOTAÇÕES INICIAIS MUNICIPIO DE VILA VELHA DE RODAO ( POR CLASSIFICAÇÃO ORGÂNICA/ECONÓMICA ) DO ANO 2007 PÁGINA : 1 01 CAMARA MUNICIPAL 1.433.053,00 01.01 OPERAÇOES FINANCEIRAS

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS As Demonstrações Financeiras anexas foram elaboradas de acordo com os princípios contabilísticos definidos pelo Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE GONDOMAR. Mapas da Prestação de Contas (Anexo I)

CÂMARA MUNICIPAL DE GONDOMAR. Mapas da Prestação de Contas (Anexo I) CÂMARA MUNICIPAL DE GONDOMAR Mapas da Prestação de Contas (Anexo I) Ano de 2007 CC ÂÂMM AARR AA MM UU NN I IICC IIPP I AALL DD EE GG OONN DD OOMM AARR R EE LL AA TT ÓÓ RR II IOO EE C OO NN TT AA SS / 22

Leia mais

Valores estimados PAF. Justificação em PAF (acumulado) 2011 2012 total 2013 2014

Valores estimados PAF. Justificação em PAF (acumulado) 2011 2012 total 2013 2014 QUADRO I: SÍNTESE DA SITUAÇÃO FINANCEIRA ATUAL E PREVISÕES DE EVOLUÇÃO Município: Miranda do Douro 31-12-214 estimados estimados / Apurados / Apurados 213 212 (acumulado) 211 212 total 213 214 Apurados

Leia mais

Município de Mesão Frio

Município de Mesão Frio Relatório Anual 2014 Execução do Plano de Saneamento Financeiro (n.º7, do artigo 40.º, da Lei das Finanças Locais) ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO 3 2 EMPRÉSTIMO A MÉDIO E LONGO PRAZO 4 3 ANÁLISE ECONÓMICA E FINANCEIRA

Leia mais

DIVISÃO DE GESTÃO FINANCEIRA E PATRIMONIAL ORÇAMENTO. (Transposto 2014)

DIVISÃO DE GESTÃO FINANCEIRA E PATRIMONIAL ORÇAMENTO. (Transposto 2014) ORÇAMENTO 2015 (Transposto 2014) A presente proposta de Orçamento foi elaborada no respeito pelas regras previsionais constantes no ponto 3.3 do POCAL (Plano Oficial das Autarquias Locais), aprovado pelo

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Designação da Entidade: CÂMARA MUNICIPAL DE ODIVELAS Gerência de 1 de Janeiro a 31 de Dezembro de 2006 8.2.1 Não se aplica. 8.2.2 Os conteúdos das contas

Leia mais

Relatório de execução orçamental Anual. Índice Página: 1 - O grau de execução orçamental 2

Relatório de execução orçamental Anual. Índice Página: 1 - O grau de execução orçamental 2 Índice Página: 1 - O grau de execução orçamental 2 2 - Análise detalhada 2 2.1-Despesa total efetuada, em 2014, através das fontes de financiamento 2 2.2 - Despesa total efetuada, em 2014, pela fonte de

Leia mais

Instrumentos de Gestão Previsional

Instrumentos de Gestão Previsional Instrumentos de Gestão Previsional Ano 2012 Relatório 1.Introdução Dando cumprimento ao artigo 40º da Lei 53-F/2006 de 29 de Dezembro, a Empresa Municipal, TEGEC Trancoso Eventos, EEM, vem apresentar os

Leia mais

Serviços Municipalizados da C.M.Guarda

Serviços Municipalizados da C.M.Guarda 01 Orçamento-Exercício corrente 12.450.272,25 12.450.272,25 0,00 0,00 011 Receitas,00 12.133.603,25 0,00 12.133.603,25 01104 Taxas, multas e outras penalidades,00 19.860,00 0,00 19.860,00 0110402 Multas

Leia mais

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados consolidados

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados consolidados ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADOS NOTA INTRODUTÓRIA A Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiro (Lei das Finanças Locais), dispõe no seu Artigo 46.º o seguinte: «1 - Sem prejuízo dos documentos

Leia mais

Em 31 de Dezembro do ano de 2011 e 31 de Dezembro de 2012, estas rubricas tinham a seguinte composição:

Em 31 de Dezembro do ano de 2011 e 31 de Dezembro de 2012, estas rubricas tinham a seguinte composição: 8.2 Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados As demonstrações financeiras relativas ao exercício de 2012, foram preparadas de acordo com os princípios contabilístico fundamentais previstos no POCAL

Leia mais

Nº do. Dimensão em Designação documento. Data de criação. bytes

Nº do. Dimensão em Designação documento. Data de criação. bytes PRESTAÇÃO DE CONTAS 2008 Junto se remetem os Documentos de Prestação de Contas referentes à Gerência de 2008, organizados em conformidade com o POCAL e de acordo com a Resolução n.º 04/2001 2.ª Secção,

Leia mais

RESUMO FREGUESIA DE BENFICA. Ano :2012 (Unidade: EUR) Receitas Montante Despesas. Corrente... Capital... Outras Receitas... 0,00 3.432.

RESUMO FREGUESIA DE BENFICA. Ano :2012 (Unidade: EUR) Receitas Montante Despesas. Corrente... Capital... Outras Receitas... 0,00 3.432. RESUMO Ano :2012 Receitas Montante Despesas Montante Corrente... 4.349.118,00 Corrente... Capital... 2,00 Capital... Outras Receitas... 0,00 3.432.383,80 960.736,20 Total 4.349.120,00 Total 4.393.120,00

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO ORÇAMENTAL E PATRIMONIAL DO POCAL, APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 54-A/99, DE 22 DE FEVEREIRO

CLASSIFICAÇÃO ORÇAMENTAL E PATRIMONIAL DO POCAL, APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 54-A/99, DE 22 DE FEVEREIRO Classe 0 Contas do controlo orçamental e de ordem* 01 Orçamento Exercício corrente* 02 Despesas 021 Dotações iniciais* 022 Modificações orçamentais* 0221 Transferências de dotações 02211 Reforços* 02212

Leia mais

ANO 2007 ENTIDADE C.M.L. MUNICÍPIO DE LAGOA Pág. 1

ANO 2007 ENTIDADE C.M.L. MUNICÍPIO DE LAGOA Pág. 1 ENTIDADE C.M.L. MUNICÍPIO DE LAGOA Pág. 1 R E C E B I M E N T O S SALDO DA GERÊNCIA ANTERIOR... 383.685,64 EXECUÇÃO ORÇAMENTAL... 161.920,09 OPERAÇÕES DE TESOURARIA... 221.765,55 RECEITAS ORÇAMENTAIS...

Leia mais

F L U X O S D E C A I X A ANO 2007 ENTIDADE MUN. VNFAMALICAO MUNICIPIO DE VILA NOVA DE FAMALICAO Pág. 1 PERÍODO JANEIRO A DEZEMBRO - 2007/12/31

F L U X O S D E C A I X A ANO 2007 ENTIDADE MUN. VNFAMALICAO MUNICIPIO DE VILA NOVA DE FAMALICAO Pág. 1 PERÍODO JANEIRO A DEZEMBRO - 2007/12/31 ENTIDADE MUN. VNFAMALICAO MUNICIPIO DE VILA NOVA DE FAMALICAO Pág. 1 PERÍODO JANEIRO A DEZEMBRO - 2007/12/31 R E C E B I M E N T O S SALDO DA GERÊNCIA ANTERIOR... 2.998.192,70 EXECUÇÃO ORÇAMENTAL... 1.267.764,59

Leia mais

Fluxos de Caixa. Recebimentos

Fluxos de Caixa. Recebimentos Recebimentos Saldo da Gerência Anterior 393.778,77 Total das Receitas Orçamentais Execução Orçamental 263.966,97 Operações de Tesouraria 129.811,80 16.355.231,25 Receitas Correntes 12.596.773,53 01 Impostos

Leia mais

Relatório de Gestão MUNICÍPIO DE VILA NOVA DE POIARES

Relatório de Gestão MUNICÍPIO DE VILA NOVA DE POIARES 2014 Relatório de Gestão MUNICÍPIO DE VILA NOVA DE POIARES Índice Geral 1. INTRODUÇÃO... 4 2. ANÁLISE SUMÁRIA DA EXECUÇÃO ORÇAMENTAL E PATRIMONIAL... 6 2.1. EXECUÇÃO ORÇAMENTAL... 6 2.2. EXECUÇÃO PATRIMONIAL...

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 8.2 - NOTAS AO BALANÇO E A DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 Indicação e justificação das disposições do POCAL que, em casos excecionais, devidamente fundamentados e sem

Leia mais

ORÇAMENTO PARA O ANO 2014 - Receita

ORÇAMENTO PARA O ANO 2014 - Receita ORÇAMENTO PARA O ANO 2014 - Receita 04 Taxas, multas e outras penalidades 0402 Multas e outras penalidades 040201 Juros de mora 6.000 040204 Coimas e penalidades por contra-ordenações 040299 Multas e penalidades

Leia mais

ANO 2006 ENTIDADE CMVM - MUNICIPIO DE VIEIRA DO MINHO PÁG. 1. (1) (2) (3) (4) (5) (6) (7) (8) (9) ( 10 = 7-9 ) (11=4+5-6-7) (12)a

ANO 2006 ENTIDADE CMVM - MUNICIPIO DE VIEIRA DO MINHO PÁG. 1. (1) (2) (3) (4) (5) (6) (7) (8) (9) ( 10 = 7-9 ) (11=4+5-6-7) (12)a MAPA DO CONTROLO ORÇAMENTAL DA RECEITA ANO 2006 ENTIDADE CMVM - MUNICIPIO DE VIEIRA DO MINHO PÁG. 1 CLA SIFICAÇÃO ECONÓMICA PREVISÕES RECEITAS POR RECEITAS LIQUIDAÇÕES RECEITAS REEMBOLSOS/RESTITUIÇÕES

Leia mais

F L U X O S D E C A I X A ANO 2010 ENTIDADE CM AMADORA MUNICIPIO DA AMADORA Pág. 1 PERÍODO JANEIRO A DEZEMBRO - 2010/12/31 R E C E B I M E N T O S

F L U X O S D E C A I X A ANO 2010 ENTIDADE CM AMADORA MUNICIPIO DA AMADORA Pág. 1 PERÍODO JANEIRO A DEZEMBRO - 2010/12/31 R E C E B I M E N T O S 15:10 2011/06/09 Fluxos de caixa Pag. 1 ENTIDADE CM AMADORA MUNICIPIO DA AMADORA Pág. 1 PERÍODO JANEIRO A DEZEMBRO - 2010/12/31 R E C E B I M E N T O S SALDO DA GERÊNCIA ANTERIOR... 54.683.639,20 EXECUÇÃO

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO ECONÓMICA DAS DESPESAS

CLASSIFICAÇÃO ECONÓMICA DAS DESPESAS DESPESAS CORRENTES DESPESAS CORRENTES 01 Despesas com o pessoal 01 Despesas com o pessoal 01 Remunerações certas e permanentes 01 Remunerações certas e permanentes 01 Titulares de órgãos de soberania e

Leia mais

Informação Financeira

Informação Financeira Informação Financeira Balanço Código das contas POCMS Imobilizado ACTIVO Exercícios AB AP AL AL Bens de domínio público: 451 Terrenos e Recursos naturais 452 Edifícios 453 Outras construções e infra-estruturas

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS A Penafiel Verde, E.M. é uma empresa municipal, com sede em Penafiel, constituída em Maio de 2006 e que tem como actividades principais a gestão e exploração

Leia mais

Orçamento 01 280.554,00 200,00 300,00 10.100,00 10.000,00 4.900,00. 30.750,00 04.01.23.99.01 Atestados, Confirmações e

Orçamento 01 280.554,00 200,00 300,00 10.100,00 10.000,00 4.900,00. 30.750,00 04.01.23.99.01 Atestados, Confirmações e Pag.: 1 04.01.23.99.03 1.500,00 Transladações 04.02 Multas e outras penalidades 04.02.99 Multas e penalidades diversas 05 Rendimentos da propriedade 05.02 Juros - Sociedades financeiras 05.02.01 Bancos

Leia mais

ORÇAMENTO DA DESPESA

ORÇAMENTO DA DESPESA 01 00 00 Administração Autárquica DESPESAS CORRENTES 01 Despesas com o pessoal 255.313,99 01 01 Remunerações certas e permanentes 176.770,19 01 01 01 Titulares de órgãos de soberania e membros de órgãos

Leia mais

Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra. Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira

Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra. Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira 18 de Maio de 2011 1 Modelo de análise económico-financeira 2 Modelo de análise económico-financeira

Leia mais

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CONTAS ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE PARAQUEDISMO RUA DA UNIDADE, 9 7000-719

Leia mais

Fluxos de Caixa. Recebimentos

Fluxos de Caixa. Recebimentos Recebimentos Saldo da Gerência Anterior 310.276,31 Total das Receitas Orçamentais Execução Orçamental 103.137,41 Operações de Tesouraria 207.138,90 6.794.667,86 Receitas Correntes 5.881.296,87 01 Impostos

Leia mais

Freguesia de Arcozelo RELATÓRIO DE GESTÃO. Conforme se encontra preceituado no POCAL, apresenta-se o relatório de Gestão relativo ao

Freguesia de Arcozelo RELATÓRIO DE GESTÃO. Conforme se encontra preceituado no POCAL, apresenta-se o relatório de Gestão relativo ao RELATÓRIO DE GESTÃO I- Introdução 1.1 Nota Prévia Conforme se encontra preceituado no POCAL, apresenta-se o relatório de Gestão relativo ao ano de 2010 para que, dentro dos prazos previstos na Lei no 98/97,

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 - Princípios Contabilísticos Na contabilidade autarca é necessário cumprir um conjunto de princípios contabilísticos, de modo a obter uma imagem

Leia mais

ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DE GUARDA

ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DE GUARDA ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DE GUARDA Ponto 2.3 Análise, discussão e votação do Plano e Orçamento para o ano 2014 DOCUMENTO PARA ANÁLISE Constitui uma competência material da Junta de Freguesia a elaboração

Leia mais

Folha de cálculo para Plano de Negócios. 7 de Novembro 2009

Folha de cálculo para Plano de Negócios. 7 de Novembro 2009 Folha de cálculo para Plano de Negócios 7 de Novembro 2009 9 de Novembro de 2009 Modelo 9 de Novembro de 2009 2 Objectivos ferramenta Disponibilizar uma ferramenta que possibilite a um empreendedor efectuar

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS 2010 6 ANÁLISE ECONÓMICO - FINANCEIRA

RELATÓRIO E CONTAS 2010 6 ANÁLISE ECONÓMICO - FINANCEIRA 6 ANÁLISE ECONÓMICO - FINANCEIRA 1 ANÁLISE DO BALANÇO O Balanço e o Sistema Contabilístico adequam-se ao previsto no Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias Locais (POCAL), espelhando a situação

Leia mais

BALANÇO ANO 2005 ENTIDADE C.M.M MUNICIPIO DE MIRANDELA PAG. 1 EXERCÍCIOS CÓDIGO DAS N N - 1 ACTIVO AB A/P AL AL

BALANÇO ANO 2005 ENTIDADE C.M.M MUNICIPIO DE MIRANDELA PAG. 1 EXERCÍCIOS CÓDIGO DAS N N - 1 ACTIVO AB A/P AL AL Prestação de Contas - 2005 Junto se remete os Documentos de Prestação de Contas referentes à Gerência de 2005, organizados em conformidade com o POCAL e a Resolução n.º 04/2001 2.ª Secção, do Tribunal

Leia mais

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ASSOCIAÇÃO POPULAR DE PAÇO DE ARCOS Rua Carlos Bonvalot, Nº 4 Paço de Arcos Contribuinte nº 501 238 840 NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE:

Leia mais

I N D I C E INTRODUÇÃO RELATÓRIO DE GESTÃO BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS MAPAS DE EXECUÇÃO ORÇAMENTAL ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

I N D I C E INTRODUÇÃO RELATÓRIO DE GESTÃO BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS MAPAS DE EXECUÇÃO ORÇAMENTAL ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS I N D I C E INTRODUÇÃO RELATÓRIO DE GESTÃO SITUAÇÃO PATRIMONIAL E FINANCEIRA EXECUÇÃO DOS DOCUMENTOS PREVISIONAIS EVOLUÇÃO DO ENDIVIDAMENTO MUNICIPAL RECURSOS HUMANOS PROPOSTA DE APLICAÇÃO DE RESULTADOS

Leia mais

Orçamento de Despesa - Dotações Iniciais

Orçamento de Despesa - Dotações Iniciais 01...... Órgãos da Autarquia 157.262,00 01.01..... 01.01.01.... 01.01.01.02... Assembleia de Freguesia 900,00 Despesas com o pessoal 800,00 Abonos variáveis ou eventuais 800,00 01.01.01.02.13.. Outros

Leia mais

MUNICÍPIO DE MATOSINHOS

MUNICÍPIO DE MATOSINHOS 1. INTRODUÇÃO Nos últimos anos tem-se assistido, em Portugal, a uma alteração de paradigma ao nível do desenvolvimento das atribuições e competências dos municípios, que, numa lógica de grupo municipal,

Leia mais

Fluxos de Caixa Instituto de Higiene e Medicina Tropical - Universidade Nova de Lisboa Gerência de 01-01-2012 a 31-12-2012 Class. Económica Recebimentos Saldo da gerência anterior Execução orçamental -

Leia mais

Mapa de Fluxos de Caixa

Mapa de Fluxos de Caixa RECEBIMENTOS Saldo da Gerência Anterior 1.243.835,16 Execução Orçamental 1.090.463,60 Operações de Tesouraria 153.371,56 Receitas Orçamentais 18.346.140,09 01 IMPOSTOS DIRECTOS 4.120.643,81 0102 Outros

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

1º Semestre Relatório e Contas 2010

1º Semestre Relatório e Contas 2010 1º Semestre Relatório e Contas 2010 Índice 02 Relatório de Gestão 02 Considerações Gerais 03 Situação Económico-Financeira 09 Demonstrações Financeiras 10 Balanço 11 Demonstração de Resultados por Natureza

Leia mais

8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Nota Introdutória A Manuel Rodrigues Gouveia, S.A. ( MRG ou Empresa ) tem sede em Seia, foi constituída em 1977 e tem como actividade principal a Construção Civil

Leia mais

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020.

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020.063 NOTAS AO BALANÇO E A DEMONSTRAÇÃO

Leia mais

Freguesia de Arcozelo RELATÓRIO DE GESTÃO

Freguesia de Arcozelo RELATÓRIO DE GESTÃO RELATÓRIO DE GESTÃO I Introdução 1.1 Nota Prévia Conforme se encontra preceituado no POCAL, apresenta-se o relatório de Gestão relativo ao ano de 2009 para que, dentro dos prazos previstos na Lei nº 98/97,

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 NOTA INTRODUTÓRIA A RUMO 2020, E.M. é uma empresa pública de âmbito municipal constituída em 16 de Outubro de 2006. Tem a sua

Leia mais

8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS

8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS 8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS 1. Indicação e justificação das disposições do POC que, em casos excepcionais, tenham sido derrogadas e dos respectivos efeitos nas demonstrações financeiras,

Leia mais

2. Enquadramento Orçamental para o Exercício de 2015

2. Enquadramento Orçamental para o Exercício de 2015 G R A N D E S O P Ç Õ E S D O P L A N O E O R Ç A M E N T O 2 9 2. Enquadramento Orçamental para o Exercício de 2015 GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2015 3 0 G R A N D E S O P Ç Õ E S D O P L A N O

Leia mais

19. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS

19. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS 19. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS 19.1. INFORMAÇÕES RELATIVAS ÀS ENTIDADES INCLUÍDAS NA CONSOLIDAÇÃO a) O perímetro de consolidação do Município de Pombal integra as seguintes entidades:

Leia mais

Análise Financeira 2º semestre

Análise Financeira 2º semestre ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO Análise Financeira 2º semestre Caderno de exercícios CAP II Luís Fernandes Rodrigues António Manuel F Almeida CAPITULO II 2011 2012 Página

Leia mais

DE 1 DE JANEIRO DE 2014 A 31 DE DEZEMBRO DE

DE 1 DE JANEIRO DE 2014 A 31 DE DEZEMBRO DE CONTA DE GERÊNCIA DE 1 DE JANEIRO DE 2014 A 31 DE DEZEMBRO DE 2014 UNIVERSIDADE DOS AÇORES Relatório de contas Ponta Delgada, Abril de 2015 I INTRODUÇÃO O presente capítulo incide sobre a análise da execução

Leia mais

MUNICÍPIO DE MÊDA Plano de Contas Consolidado para o Ano Económico de 2012

MUNICÍPIO DE MÊDA Plano de Contas Consolidado para o Ano Económico de 2012 Plano de s Consolidado para o Ano Económico de 2012 1 Disponibilidades 11 Caixa 111 Caixa Principal 118 Fundo Maneio 119 Transferências de caixa 12 Depósitos em instituições financeiras 1201 Caixa Geral

Leia mais

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 ANEXO Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1 - Identificação de entidade: 1.1- Designação da entidade: GATO - Grupo de Ajuda a Toxicodependentes

Leia mais

ÍNDICE 5. DISTRIBUIÇÃO PERCENTUAL DAS RECEITAS...18

ÍNDICE 5. DISTRIBUIÇÃO PERCENTUAL DAS RECEITAS...18 ÍNDICE 1. ANÁLISE À EXECUÇÃO ORÇAMENTAL DA GERÊNCIA DE 2001... 3 1.1. EXECUÇÃO ORÇAMENTAL DE 2001... 3 1.2 EXECUÇÃO ORÇAMENTAL - MÊS... 4 2. ANÁLISE À EVOLUÇ ÃO DAS RECEITAS E DESPESAS... 7 2.1. ESTRUTURA

Leia mais

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO De acordo com as disposições legais e estatuárias venho submeter á apreciação dos senhores accionistas o Relatório de Gestão e as

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

CORRENTES CAPITAL TOTAL RECEITAS 17 526 004 7 283 896 24 809 900 DESPESAS 12 372 900 12 437 000 24 809 900

CORRENTES CAPITAL TOTAL RECEITAS 17 526 004 7 283 896 24 809 900 DESPESAS 12 372 900 12 437 000 24 809 900 ANÁLISE DO ORÇAMENTO: RECEITA E DESPESA O orçamento para 2014 volta a ser mais contido que o anterior, situando-se em 24.809.900, ou seja menos 4,3% que o de 2013. Como se verá mais à frente, o plano de

Leia mais

Potenciais Facto Pagamentos Verbas disponíveis IPV ESAV IPV ESAV IPV ESAV IPV ESAV Jan..Junho 65% 56% 35% 44% 33% 40% 340.784.566 136.649.

Potenciais Facto Pagamentos Verbas disponíveis IPV ESAV IPV ESAV IPV ESAV IPV ESAV Jan..Junho 65% 56% 35% 44% 33% 40% 340.784.566 136.649. Potenciais Facto Pagamentos Verbas disponíveis IPV ESAV IPV ESAV IPV ESAV IPV ESAV Jan..Junho 65% 56% 35% 44% 33% 40% 340.784.566 136.649.154 Jan..Agosto 54% 51% 46% 49% 45% 46% 280.821.456 124.481.637

Leia mais

NORMAS E PRINCÍPIOS DE EXECUÇÃO ORÇAMENTAL 2015

NORMAS E PRINCÍPIOS DE EXECUÇÃO ORÇAMENTAL 2015 NORMAS E PRINCÍPIOS DE EXECUÇÃO ORÇAMENTAL 2015 CAPÍTULO I 1 Artigo 1º (Objeto) O presente documento estabelece, sem prejuízo do disposto na legislação em vigor, os princípios, regras e procedimentos aplicáveis

Leia mais

Existências. Provisões para cobrança duvidosa

Existências. Provisões para cobrança duvidosa 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POR NATUREZA As demonstrações financeiras anexas foram preparadas com base nos livros e registos contabilísticos da ESHTE mantidos em conformidade com

Leia mais

Fluxos de Caixa. Recebimentos

Fluxos de Caixa. Recebimentos Recebimentos Saldo da Gerência Anterior 316.566,25 Total das Receitas Orçamentais Execução Orçamental 264.031,03 Operações de Tesouraria 52.535,22 5.031.119,33 Receitas Correntes 2.585.384,84 01 Impostos

Leia mais

Código Class. Económica ORÇAMENTO PARA O ANO 206 - Receita 0 Impostos directos 002 Outros Município de Vila Nova de Poiares Designação Montante 00202 Imposto municipal sobre imóveis.20.000 00203 Imposto

Leia mais

RELATÓRIO FIM DE ATIVIDADE e CONTAS 2015

RELATÓRIO FIM DE ATIVIDADE e CONTAS 2015 Relatório de gestão do ano de 2015 1 RELATÓRIO FIM DE ATIVIDADE e CONTAS 2015 Relatório Fim de Atividade e Contas 2015 ÍNDICE Pág. 1. Introdução 3 2. Recursos Humanos 5 3. Análise Económica e Financeira

Leia mais

União das Freguesias de Viana do Castelo (Santa Maria Maior e Monserrate) e Meadela

União das Freguesias de Viana do Castelo (Santa Maria Maior e Monserrate) e Meadela Pág. n.º 1 01 ADMINISTRAÇÃO AUTÁRQUICA... 769100,89 01 DESPESAS COM O PESSOAL:... 54506,91 01.01 Remunerações certas e permanentes:... 34358,38 01.01.01 Tit. de órgãos de soberania e m. de órgãos autárquicos

Leia mais