APRIMORAMENTO DO CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA COMERCIAL DE ALIMENTOS POFFO LTDA. UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ. Administração de Materiais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APRIMORAMENTO DO CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA COMERCIAL DE ALIMENTOS POFFO LTDA. UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ. Administração de Materiais"

Transcrição

1 0 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO GIL BERNARDO SANDRI DE SOUZA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE ESTÁGIO APRIMORAMENTO DO CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA COMERCIAL DE ALIMENTOS POFFO LTDA. Administração de Materiais ITAJAÍ (SC) 2009

2 1 GIL BERNARDO SANDRI DE SOUZA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO APRIMORAMENTO DO CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA COMERCIAL DE ALIMENTOS POFFO LTDA. Trabalho de Conclusão de Estágio desenvolvido para o Estágio Supervisionado do Curso de Administração do Centro de Ciências Sociais Aplicadas da Universidade do Vale do Itajaí. ITAJAÍ SC, 2009

3 2 AGRADECIMENTOS Em primeiro lugar a Deus, por me conceder a vida e as oportunidades que recebo. Aos meus pais, pela boa criação e dedicação, para que eu me tornasse uma pessoa de caráter e correta. A família, pelo incentivo, disposição, e por orientar-me sempre a fazer a melhor escolha. Aos verdadeiros amigos, que mesmo distantes, permanecem comigo.

4 3 EQUIPE TÉCNICA a) Nome do estagiário Gil Bernardo Sandri de Souza b) Área de estágio Administração de Materiais c) Orientador de campo Marina Heusi Sandri d) Orientador de estágio Guido Renato Miranda e) Responsável pelos Estágios em Administração Prof. Eduardo Krieger da Silva.

5 4 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA a) Razão social Comercial de Alimentos Poffo Ltda. b) Endereço Rua Indaial n 1730 Bairro: São João Itajaí CEP: c) Setor de desenvolvimento do estágio Logística d) Duração do estágio 240 horas e) Nome e cargo do supervisor de campo Marina Heusi Sandri Supervisora Geral da Comercial de Alimentos Poffo LTDA. f) Carimbo e visto da empresa

6 5 AUTORIZAÇÃO DA EMPRESA ITAJAÍ, 13 de OUTUBRO de A empresa COMERCIAL DE ALIMENTOS POFFO LTDA, pelo presente instrumento, autoriza a Universidade do Vale do Itajaí - UNIVALI, a publicar, em sua biblioteca, o trabalho de Conclusão de Estágio executado durante o Estágio Supervisionado, pelo acadêmico GIL BERNARDO SANDRI DE SOUZA. Marina Heusi Sandri

7 6 RESUMO Na busca constante das empresas em reduzir seus custos e maximizar seus lucros sem perder a qualidade, para que assim possam se manter presentes no mercado, ganhando cada vez mais espaço e clientes, tem-se a administração de materiais como um dos principais meios para alcançar este resultado. O objetivo deste trabalho foi analisar a curva ABC e propor sugestões para a administração de materiais da empresa Comercial de Alimentos Poffo, para que não haja mais divergências em seu estoque, proporcionando melhor compra e controle de mercadorias. Para levantamento dos dados, foram analisados o processo de recebimento e expedição de mercadorias, foram extraídas vendas no período de 01/05/08 a 31/10/08, bem como a análise de cada departamento da empresa, para melhor controle e diagnóstico dos problemas a serem encontrados. Após estas análises, foram identificados os problemas, e feita sugestões para melhoria da administração do controle de estoque da empresa. A pesquisa se caracterizou como qualitativa, com aporte quantitativo. Os resultados obtidos foram satisfatórios, de modo que não haja mais divergências no estoque da organização, caso os diretores venham a acatar o projeto desenvolvido, tendo então o objetivo do trabalho sido alcançado. Em uma análise geral, conclui-se que o controle de estoque da empresa pode ser gerenciado com eficiência, fazendo com que informações possam ser pilares concretos para tomadas de decisões. PALAVRAS-CHAVE: Administração de Materiais, Controle de Estoque e Curva ABC

8 6 LISTA DE FIGURAS Figura 1 - Organograma da Comercial de Alimentos Poffo LTDA...37 Figura 2 - Geração de pedidos...38 Figura 3 - Produtos cadastrados...39 Figura 4 - Valor total do pedido...40 Figura 5 - Prazo de pagamento...41 Figura 6 - Produtos na devolução...49 Figura 7 - Fluxograma de Devolução de Mercadorias...81 Figura 8 - Fluxograma de Recebimento de Mercadorias pela Central de Distribuição...82 Figura 9 - Fluxograma de Recebimento de Mercadorias pelo Fornecedor...83

9 8 SUMARIO 1 INTRODUÇÃO Problema de Pesquisa/Justificativa Objetivo Geral e Específico Aspectos Metodológicos Caracterização do Trabalho de Estágio Contexto e Participantes do Trabalho de Estágio Procedimentos e Instrumentos de Coleta de Dados Tratamento e Análise de Dados FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Adminitração Administração de Materiais Logística Estoque Objetivos e Custos do Estoque Custo de Manutenção ou Armazenagem de Estoque Custo de Compras/Aquisição/Pedidos Custo da Falta Controle de Nível de Estoque Manutenção de Altos Níveis de Estoque Manutenção de Baixos Níveis de Estoque A Curva ABC usada no Gerenciamento de Estoques DESENVOLVIMENTO DA PESQUISA DE CAMPO Caracterização da Empresa Histórico Missão e Visão Organograma Recebimento da Mercadorias Compras pelo fornecedor Recebimento de Mercadorias do fornecedor Recebimento de Mercadorias pela Central de Distribuição Expedições de Produtos Transferência Interna de Mercadorias Transferência Interna de Mercadorias entre filiais Transferência de Mercadorias da Central de Distribuição para filiais Transferência de Mercadorias das Filiais para Central de Distribuição Nota de Devolução de Mercadorias Identificar as Possíveis Falhas dos Procedimentos de Recebimento e Expedição Processo de Recebimento de Mercadorias Processo de Expedição de Mercadorias Processo de Expedição de Mercadorias para outras filiais...52

10 Processo de Expedição de Mercadorias da Filial para a Central de Distribuição Processo de Expedição de Mercadorias da Central de Distribuição para a Filial Processo de Expedição de Mercadorias da Filial para o Fornecedor Analisar a Curva ABC da Empresa Açougue Bazar Bebidas Cereais Confecções Hortifrutigranjeiro Frios Limpeza Mercearia Padaria Perfumaria Propor um Método de Inventário Cíclico Eficaz Açougue Bazar Bebidas Cereais Confecções Hortifrutigranjeiro Frios Limpeza Mercearia Padaria Perfumaria Propor Melhorias na Administração de Materiais Conhecimento do Processo do Controle de Estoque Conferencia de Mercadorias Expedição de Mercadorias Transferência Interna de Mercadorias Transferência Interna de Mercadorias de Filial para Filial e da Filial para a Central de Distribuição Transferência de Mercadorias da Central de Distribuição para as Filiais Expedição de Mercadoria por Nota de Devolução Digitação de Notas Fiscais Contagem de Produtos Fluxogramas CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...83 APÊNDICES...85 ASSINATURA DOS RESPONSÁVEIS

11 10 1 INTRODUÇÃO O mercado vive constantes mudanças no período em que vivemos, mudanças decorrentes da rápida corrida tecnológica, da necessidade de inovação das organizações,e tudo isso para satisfazer o maior número de clientes possível, já que estamos passando por um dos períodos de maior consumo do mercado. Devido a essa fase consumista, o setor supermercadista brasileiro, sofre positivamente com grandes mudanças devido a sua forte concorrência no mercado atual,e vem a cada ano aumentando sua lucratividade, como podemos perceber de acordo com o site da ABRAS (Associação Brasileira de Supermercados). As empresas estão buscando atualmente, conhecer, ouvir, e descobrir o que seus colaboradores estão pensando, o que acham, o que querem dizer a respeito do mercado e de melhorias à própria organização, a fim de obterem maiores retornos e resultados, tanto na parte financeira, como na parte de ambiente de trabalho, e para isso utilizam especificamente de uma área do marketing, o endomarketing, com objetivos ligados totalmente à satisfação do colaborador e do ambiente em que estão inseridos. Desta forma, com um ambiente totalmente motivacional, tende-se a diminuir os erros e riscos dentro da organização, como por exemplo, os erros de estoque, tendose um melhor resultado no controle, no inventario, e diminuindo assim,os desperdícios. A administração do controle de estoque deve minimizar o capital total investido em estoques, pois ele é caro e aumenta continuamente, uma vez que, o custo financeiro também se eleva. Uma empresa não poderá trabalhar sem estoque, pois sua função amortecedora, entre vários estágios da produção vai até a venda final do produto. O controle de estoque é de suma importância para a empresa, sendo que controlam-se os desperdícios, desvios, apuram-se valores para fins de análise, bem como, apura o demasiado investimento, o qual prejudica o capital de giro da empresa.

12 11 O controle de estoque deve também planejar, controlar, o material armazenado na empresa, e tem como um de seus objetivos, otimizar o investimento em estoque, aumentando o uso dos meios internos da empresa, diminuindo as necessidades de capital de giro. A empresa onde será desenvolvido o trabalho a ser apresentado, é a Comercial de Alimentos Poffo LTDA., cujo nome fantasia é Mini Preço, que por sua vez, situa-se no estado de Santa Catarina, onde possui 13 filiais e uma Central de Distribuição. A empresa deseja satisfazer o seu cliente, e a consumidores que por ventura, possam vir a ser, com extrema qualidade nos seus serviços e produtos oferecidos, e para isso deseja atender com todos os produtos oferecidos, sem que haja ruptura e insatisfação do cliente. A união da empresa com o trabalho a ser apresentado, será de grande valia, pois ele espera atender da melhor forma possível a organização,para que a mesma possa diminuir seus problemas com estoque, suas rupturas, facilitando suas compras e dados a serem analisados, deixando assim, a diferença de mercadorias inexistentes fora do sistema da empresa. Desta forma, pretende-se diminuir fortemente a insatisfação do cliente para com a organização, para que não haja necessidade e oportunidade da concorrência satisfazer o consumidor final. 1.1 Problema de pesquisa/justificativa Para Gil (2002, p.24) pode-se dizer que um problema é de natureza científica quando envolve variáveis que podem ser tidas como testáveis. Conforme Viana (2000), para o perfeito gerenciamento de materiais, é imprescindível o exercício do controle físico, registro de todas as operações,o que possibilita informações precisas a respeito do saldo existente em estoque. Quais aspectos influenciam o controle de estoque a não terem as informações verdadeiras?

13 12 Desse modo, o objetivo é demonstrar a empresa os fatores contribuintes para as informações falsas dentro do sistema, que geram divergências nos estoques. O trabalho a ser desenvolvido, busca aperfeiçoar as técnicas de controle de estoque, tentando diminuir ao máximo as rupturas de produtos, desse modo, criando mais satisfações aos clientes, e a sociedade que ali consome. Dentro desta organização, este trabalho jamais foi pesquisado, e se quer feito quaisquer levantamentos sobre a diferença que há nos estoques na empresa. As informações a serem disponibilizadas para o estagiário, não deverão ter problemas a serem divulgadas, do mesmo modo que o custo do projeto será de valor quase insignificante. O estagiário terá fácil acesso as informações da empresa, assim como aos participantes do projeto a ser feito, com reais chances do projeto ser colocado em prática dentro da organização. 1.2 Objetivo Geral e Específico O presente projeto de estágio tem como objetivo geral diagnosticar a origem dos erros e falhas do estoque da organização, e propor ações para inibi-los. Para Roesch (2007, p.96) o objetivo geral define o propósito do trabalho.num projeto,não é suficiente definir apenas objetivos gerais, vistos que estes são amplos e dificilmente podem ser avaliados. Considerando o objetivo geral apresentado acima, definem-se os seguintes objetivos específicos: - Descrever o processo de recebimento de mercadorias - Descrever o processo de expedição dos produtos - Identificar as possíveis falhas dos procedimentos de recebimento e expedição - Analisar a curva ABC da empresa - Propor um método de inventário cíclico eficaz - Propor melhorias na administração de materiais

14 Aspectos Metodológicos Neste item será descrita a metodologia utilizada no projeto, onde esclarecerá os tipos de projeto, métodos e técnicas. Para Pavão é o estudo de um conjunto de etapas, ordenadamente dispostas, a serem vencidas na investigação da verdade, no estudo de uma ciência, ou para alcançar um determinado fim Caracterização do trabalho de estágio qualitativa. O projeto usará uma tipologia pesquisa-diagnóstico, sendo uma pesquisa De acordo com Roesch (2007, p.66) Na pesquisa-diagnóstico propõe-se levantar e definir problemas [ou oportunidades], explorar o ambiente [organizacional e de mercado]. A tipologia pesquisa-diagnóstico foi escolhida, para melhorar as informações contidas dentro do sistema da empresa Comercial de Alimentos Poffo LTDA, onde o acadêmico levantou que será necessário remodelar o processo utilizado. Sobre o método,para Gil (apud Thiollent, 1985, p.14) pode ser definida como: [...] um tipo de pesquisa com base empírica é concebida e realizada em estreita associação com uma ação ou com a resolução de um problema coletivo e no qual os pesquisadores e participantes representativos da situação ou do problema estão envolvidos de modo cooperativo ou participativo. Para uma maior coleta de informações, o acadêmico utilizará de uma pesquisa qualitativa-quantitativa, com coleta de dados, análises, planejamento, onde Richardson (1999, p.80),explica o que é uma pesquisa qualitativa:

15 14 Os estudos que empregam uma metodologia qualitativa podem descrever a complexidade de determinado problema, analisar a interação de certas variáveis, compreender e classificar processos dinâmicos vividos por grupos sociais, contribuir no processo de mudança de determinado grupo e possibilitar, em maior nível de profundidade, o entendimento das particularidades do comportamento dos indivíduos. Para uma pesquisa exploratória, Gil (2002, p.41) define o objetivo como: pesquisas que tem como objetivo proporcionar maior familiaridade com o problema, com vistas a torná-lo mais explícito ou a construir hipóteses. Pode-se dizer que estas pesquisas têm como objetivo principal o aprimoramento de idéias ou a descoberta de intuições. Assim, o estagiário pretende obter grande familiaridade com o problema, para conseguir construir o maior número de possibilidades para a construção do remodelamento do processo Contexto e Participantes do Trabalho de Estágio Para a realização do projeto, será necessário o máximo de informações com colaboradores que atuam no setor de conferência, digitação de notas, de recebimento de mercadorias, compradores, pessoal envolvido com abastecimento de loja, bem como informações contidas no sistema (Sysmo) utilizado pela empresa,para que o acadêmico consiga remodelar as informações contidas no sistema Procedimentos e Instrumentos de Coleta de Dados O acadêmico terá a oportunidade de ter acesso a dados primários e dados secundários. Os dados primários são aqueles que ainda não foram coletados e serão coletados para a realização do estudo, enquanto os dados secundários são aqueles

16 15 que já foram coletados, tabelados e organizados e, algumas vezes analisados por outros interessados e podem ser utilizados por outras pessoas que necessitem deles. Para obter os dados primários, o acadêmico utilizará de entrevistas com colaboradores ligados ao recebimento de mercadorias (conferente), a colaboradores que digitam as notas fiscais, ou seja, o centro de processamento de dados da filial (c.p.d.), e colaboradores que abastecem as mercadorias nas gôndolas da empresa, buscando assim, uma maior gama de informações. Para os dados secundários, utilizará informações presente no sistema da organização,onde contém dados sobre entrada e saída de mercadorias, suas quantidades, a data em que foi feita a digitação, e informações como quantidades vendidas e vencidas, onde encontrará as diferenças de estoque do inventário, para o estoque físico. Os dados primários serão coletados através de entrevista não-estruturada. De acordo com Richardson (2007, p.208), [...] entrevista em profundidade, em vez de responder à pergunta por meio de diversas alternativas pré-formuladas, visa obter do entrevistado o que ele considera os aspectos mais relevantes de determinado problema: as suas descrições de uma situação em estudos. Por meio de uma conversação guiada, pretende-se obter informações detalhadas que possam ser utilizadas em uma análise qualitativa. Desta forma, o acadêmico espera obter o maior número de aspectos relevantes por meio de análises e sugestões, para uma maior arrecadação de informações Tratamento e Análise de Dados Após a pesquisa, os dados serão analisados, selecionados e separados,de forma a atender o objetivo do trabalho, apresentando-se em forma de relatório para a organização.

17 16 2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA As atividades de administração de materiais são bastante complexas e completamente interrelacionadas, cada atividade é parte do processo. Segundo Martins e Alt (2000) a administração dos recursos materiais engloba a seqüência de operações que tem seu início na identificação do fornecedor, na compra do bem, em seu recebimento, transporte interno e acondicionamento, em seu transporte durante o processo produtivo, em sua armazenagem como produto acabado e, finalmente, em sua distribuição ao consumidor final. Conforme MARTINS & ALT, 2000, relaciona-se abaixo a seqüência de operações desde a identificação do fornecedor até o consumidor final: 1. Cliente. 2. Sinal de demanda 3. Identificar fornecedor 4. Comprar materiais 5. Transportar 6. Recebimento de armazenagem 7. Movimentação interna 8. Armazenagem do produto acabado 9. Expedição 10. Transporte Independente da área selecionada, o trabalho deve ser feito voltado para o lado de uma administração profissional a quem cabe o gerenciamento, o controle e a direção da organização de suas áreas específicas. Desta maneira o administrador prevê, planeja, organiza, comanda e controla o funcionamento, visando aumentar a produtividade, rentabilidade e controle dos resultados.

18 Administração Dentre inúmeras mudanças nas empresas, de uma forma geral a administração surge com o intuito de fornecer informações que favoreçam as empresas inseridas em um mundo cada vez mais globalizado. Ao longo de toda história o homem sempre possuiu inteligência para inventar maneiras de melhor utilizar seus esforços e conseguir os melhores resultados para a sua vida pessoal e profissional. Como pessoa, um administrador tem seu dia-a-dia cheio de decisões que tem que ser tomadas, envolvendo assim todo o conteúdo do administrativo. Ressalta Maximiano (2000, p.22) que a tarefa de tomar decisões sobre a definição de objetivos e a utilização dos recursos necessários para atingi-los chama-se administração. A administração pode ser considerada como sendo em primeiro lugar a ação para o desenvolvimento da empresa ou para a tomada de decisão. Segundo Maximiano (2000, p.26) a administração é um processo de tomar decisões e realizar ações que compreende quatro processos principais interligados: planejamento, organização, execução e controle. A administração também combina um objetivo determinado com a facilitação de sua utilização para atingir as metas da empresa. Alcançando ações de maneira coerente a utilizar seus recursos e realizando os objetivos pela empresa almejada, sendo que, o estudo da administração é propriamente o impacto sobre o desempenho das organizações. A administração é simplesmente fazer algo que possa ser inovador, flexível e criativo. Este setor foi dividido em grandes áreas: administração financeira, administração de recursos humanos, administração da produção, administração mercadológica, organização sistemas e métodos e administração de materiais. Todas as atividades empresariais envolvem recursos financeiros que se destinam para obtenção de lucros, a função financeira compreende um conjunto de atividades relacionadas com a gestão dos fundos movimentados por todas as áreas da

19 18 empresa, sendo responsável pela obtenção dos recursos necessários e pela formulação de uma estratégia voltada para otimização do uso desses fundos, essa função também contribui significativamente para o sucesso do empreendimento (BRAGA, 1989). Gitmam (2001) define finanças como a arte e a ciência de administrar fundos. Onde quase todos os indivíduos e organizações obtêm receitas ou levantam fundos, gastam ou investem. Finanças abrangem processos, instituições, mercados e investimentos envolvidos na transferência de fundos entre pessoas, empresas e governos. Administração financeira ajuda a empresa a manterem seus negócios e funcionando de acordo com os padrões e as necessidades das mesmas. Manter o negócio em operação significa usar da melhor forma os fundos de recursos obtidos. De acordo com Kawasnicka (1987) o sistema global da administração financeira está baseado nas decisões de investimento e a decisão de distribuição, de lucros e de financiamentos. A função de administração de pessoal está diretamente direcionada a área de departamento de recursos humanos que procura desenvolver a empresa e os funcionários que nela trabalham através de recursos, selecionando e desenvolvendo todo o potencial desses colaboradores. As pessoas trazem para a organização suas habilidades, conhecimentos, atitudes, comportamentos, percepções etc. Sejam diretores, gerentes, funcionários, operários ou técnicos, as pessoas desempenham papéis altamente diferentes, os cargos dentro de uma hierarquia da autoridade e de responsabilidade existente na organização. Ademais, as pessoas são extremamente diferentes entre si, constituindo um recurso altamente diversificado em face das diferenças individuais de personalidade, experiência, motivação etc. (CHIAVENATO, 1999, p. 141). A administração de produção é uma função muito importante na organização, porque se mal administrada afeta diretamente o nível pelo qual ela satisfaz a seus consumidores, tendo impacto sobre a produção de bens e serviços. (SLACK, 1997). Para Erdmann (2000), é a geração de produtos que podem variar desde ferramentas e maquinaria até a recreação ou informação, isto é, desde bens até serviços, é, portanto o resultado prático, material ou imaterial, gerado intencionalmente

20 19 por um conjunto de fatores, para ter uma utilidade. A Administração mercadológica tem como objetivo gerir e sustentar a política da demanda do mercado em função da empresa, preocupando-se em desenvolver e analisar todas as suas áreas. Desenvolver planos relacionados aos setores de planejamento de vendas, projetos de novos produtos, plano de distribuição dos produtos, previsão dos recursos humanos necessários, pesquisa de mercado, análise das tendências do consumidor e plano de promoção e propaganda. Marketing é o processo de planejamento e execução desde a concepção, apressamento, promoção e distribuição de idéias, mercadorias e serviços para criar trocas que satisfaçam os objetivos individuais e organizacionais (COBRA, 1992, p. 34). De acordo com Rocha (2001) assim define-se Organizações Sistemas e Métodos (OSM) como uma função mista das funções de organizar e planejar uma empresa, desenvolvendo uma estrutura de recursos e operações, para poder ser determinado os planos que a empresa traçou e, consecutivamente, seus métodos. A OSM definitivamente realiza um trabalho importante dentro das organizações, pontos específicos, localizados no interior das estruturas organizacionais ajudando assim para uma melhor compreensão da estrutura da empresa. 2.2 Administração de Materiais A administração de materiais tem como responsabilidade o planejamento e o fluxo de materiais e seus objetivos principais são maximizar a utilização dos recursos da empresa e fornecer o nível requerido de serviço ao consumidor. Definindo de maneira mais ampla a administração de materiais, sabe-se que esta estabelece conceitos e aquisições sobre a compra de produtos desempenhando um papel de ajudar na parte de estocagem e na própria entrega do produto. A administração de materiais deve planejar as propriedades da empresa para atender a demanda. A capacidade é a habilidade do sistema de produzir ou entregar bens. Prioridade e capacidade devem ser planejadas e controladas para atender a

21 20 demanda de consumidores e custo mínimo. (ARNOLD, 1999, p.31). De acordo com análises essa definição acima, de administração de materiais, ainda pode ter incluído o planejamento da produção e dos tempos necessários para vários processos, o controle de estoques, inspeção de recebimento, entrada de produtos, estoques dos produtos acabados. De uma forma geral, as empresas, sem dúvida possuem idéias para maximizar mais ainda o lucro sobre o capital investido em sua empresa, sendo esses investimentos em fábricas, equipamentos, financiamentos de vendas e reserva de caixa ou em estoques. Os enfoques encontrados na administração de materiais são dirigidos a administração de recursos, sistemas de controle e de informações e processos. A administração de recursos é uma parte baseada em técnicas que integram os elementos de tecnologia e otimização na integração de pessoas e na utilização de materiais e instalação ou equipamentos. De acordo com Martins (2000), as principais técnicas ligadas à administração de materiais são: JIT (Just in Time), que é um sistema que os fornecedores devem mudar os suprimentos a medida que eles vão sendo necessários na produção; o fornecedor preferencial, que é a técnica de selecionar fornecedores e garantir qualidade, eliminando testes de recebimento e garantindo feedback e correção de defeitos na fábrica do fornecedor; dentre outras várias técnicas existentes na administração de matérias. Na administração de materiais, a política de estoque também é algo importante, principalmente no que diz respeito a estabelecer padrões para medir controles de performance dos produtos que são entregues aos clientes. Conforme Dias (1995) na política de estoques administração controle da empresa deverá determinar ao departamento de controle de estoques o programa de objetivos a serem atingidos, metas da empresa quanto ao tempo de entrega de produtos ao cliente, a definição da rotatividade dos estoques, a especulação com relação aos estoques. Na verdade todos são administradores de materiais, só que não se percebe. Pense no abastecimento da sua própria casa: comprar mantimentos, produtos de limpeza, de higiene pessoal, vestuário, etc. Para isso, é necessário: saber comprar, para garantir a qualidade e a quantidade do que será consumido, ao menor custo; controlar, para evitar consumo desnecessário e não correr risco de falta; armazenar adequadamente, para evitar perdas (VIANA, 2000, p. 41).

22 21 O objetivo de materiais é maximizar o investimento em estoques, aumentando o uso eficiente dos meios internos da empresa, diminuindo assim o capital investido. De acordo com Dias (1995) os estoques de produtos acabados, para quaisquer que sejam as decisões tomadas, terão influência sobre todos os tipos de estoques, é preciso repensar dentro da área de matérias, investir em produtos com maior rotatividade e que não fiquem parados no armazém. Pode-se dizer que administração de materiais é um conjunto de atividade que permite o planejamento e a operação de sistemas que envolvem as diversas etapas pelas quais passam tanto a matéria-prima como os produtos acabados, desde o fornecedor, as fases intermediárias, até o consumidor final. 2.3 Logística A origem da Logística é militar. Foi desenvolvida visando colocar os recursos certos, no local certo, na hora certa, com um só objetivo: vencer batalhas. Até alguns anos atrás, o termo logística continuava associado a transporte, depósitos regionais e atividades ligadas a vendas. Logística é responsável pelo planejamento, operação e controle de todo o fluxo de mercadorias e informação, desde a fonte fornecedora até o consumidor. (MARTINS e ALT, 2000,p.251). Dentro de um cenário cada vez mais competitivo e em pleno crescimento, os supermercados também procuram se adaptar a Logística e implantá-la de maneira rápida e eficaz para que não venham a sofrer conseqüências irreparáveis no futuro. Dentre destas conseqüências pode-se citar: o comprometimento da imagem da empresa pela não realização de seus compromissos assumidos junto aos clientes, o descrédito na praça que atua e, o desgaste de sua imagem junto à sociedade e seus funcionários. As empresas operam dentro de um ambiente em mutação constante, devido aos avanços tecnológicos, às alterações na economia e na legislação e à disponibilidade de recursos, sendo necessário se adaptarem o tempo todo às novas

23 22 exigências de desempenho, sendo assim [...] a logística representa uma nova visão empresarial, uma nova ordem nas coisas. (BALLOU, 1995, p.17). Desta forma, a Logística é o gerenciamento do fluxo das mercadorias e serviços do produtor ao consumidor e visa, através de instrumentos de análise e decisão, proporcionarem às empresas as melhores práticas no manuseio, transporte e armazenagem das mercadorias com o único objetivo de atingir um nível de serviço cada vez melhor ao cliente, sendo parte importante na criação de valor para o mesmo. A logística é um assunto vital. É um fato econômico que tanto os recursos quanto os seus consumidores estão espalhados numa ampla área geográfica. Além disso, os consumidores não residem, se é que alguma vez o fizeram, próximos donde os bens ou produtos estão localizados. Este é o problema enfrentado pela logística: diminuir o hiato entre a produção e a demanda, de modo que os consumidores tenham bens e serviços quando e onde quiserem, e na condição física que desejarem (BALLOU, 1995, p. 17). Para Bowersox (2001), a Logística é singular, nunca pára! Está ocorrendo em todo o mundo 24 horas por dia, sete dias por semana, durante 52 semanas por ano. Poucas áreas de operações envolvem a complexidade ou abrangem os escopos geográficos característicos da Logística. O objetivo da Logística é tornar disponíveis produtos e serviços no local onde são necessários, no momento em que são desejados. Segundo Markhan (2003), a logística é o processo pelo qual materiais e informações agregam valor aos clientes, a partir de fontes de matéria prima que atravessam vários estágios de fabricação e distribuição. Este processo continua até o produto final chegar as mãos do consumidor. A Logística é muito mais que uma estratégia, é a integração de várias áreas (financeira, materiais, transporte, produção) em busca da velocidade e agilidade, que são dois fatores essenciais para o sucesso da organização. Conforme Markham (2003), gerenciar a Logística como um processo é a chave para as empresas que esperam utilizar a satisfação do cliente como o elemento principal de suas estratégias competitivas. A principal preocupação das empresas na atualidade é buscar uma forma eficaz e rápida de integração e controle dos processos em todos os níveis e áreas da organização, buscando saber e identificar suas causas e efeitos.

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE

QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE! Qual o valor de um estoque?! Quanto de material vale a pena manter em estoque?! Como computar o valor da obsolescência no valor do estoque?! Qual o custo de um pedido?!

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI GEDAÍAS RODRIGUES VIANA 1 FRANCISCO DE TARSO RIBEIRO CASELLI 2 FRANCISCO DE ASSIS DA SILVA MOTA 3

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Questões sobre o tópico Administração de Materiais. Olá Pessoal, Hoje veremos um tema muito solicitado para esse concurso do MPU! Administração de Materiais.

Leia mais

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque.

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. RAZÕES PARA MANTER ESTOQUES A armazenagem de mercadorias prevendo seu uso futuro exige investimento por parte da organização. O ideal seria

Leia mais

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Engenharia de Custos e Orçamentos Turma 01 10 de outubro de 2012 A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Estágio

Trabalho de Conclusão de Estágio SAMANTHA ANSELMO DA SILVA GAYA Trabalho de Conclusão de Estágio CONTROLE DE ESTOQUE DE MERCADORIAS DA FARMAIS NOITE E DIA 24 HORAS Relatório Final desenvolvido para o Estagio Supervisionado do Curso de

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Prof. Rafael Roesler Aula 5 Sumário Classificação ABC Previsão de estoque Custos

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE

PLANEJAMENTO E CONTROLE Unidade I PLANEJAMENTO E CONTROLE DE ESTOQUES Profa. Marinalva Barboza Planejamento e controle de estoques Objetivos da disciplina: Entender o papel estratégico do planejamento e controle de estoques.

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Objetivos da Adm. de Estoque 1. Realizar o efeito lubrificante na relação produção/vendas

Objetivos da Adm. de Estoque 1. Realizar o efeito lubrificante na relação produção/vendas 1 Objetivos da Adm. de Estoque 1. Realizar o efeito lubrificante na relação produção/vendas Aumentos repentinos no consumo são absorvidos pelos estoques, até que o ritmo de produção seja ajustado para

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III 3 CUSTOS DOS ESTOQUES A formação de estoques é essencial para atender à demanda; como não temos como prever com precisão a necessidade, a formação

Leia mais

Prof. Gustavo Boudoux

Prof. Gustavo Boudoux ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Recursos à disposição das Empresas Recursos Materiais Patrimoniais Capital Humanos Tecnológicos Martins, (2005.p.4) O que é Administração de Materiais?

Leia mais

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007.

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Operações Terminais Armazéns AULA 3 PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. A Gestão de Estoques Definição» Os estoques são acúmulos de matériasprimas,

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Controle de Estoque

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Controle de Estoque Módulo Suprimentos Controle de Estoque Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Suprimentos Controle de Estoque. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ Daiane Maria De Genaro Chiroli 1

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 553 A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Irene Caires da Silva 1, Tamires Fernanda Costa de Jesus, Tiago Pinheiro 1 Docente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Discente

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES. Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler

GESTÃO DE ESTOQUES. Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler GESTÃO DE ESTOQUES Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler Sumário Gestão de estoque Conceito de estoque Funções do estoque Estoque de segurança

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE INTRODUÇÃO

GESTÃO DE ESTOQUE INTRODUÇÃO 1 GESTÃO DE ESTOQUE Marcela Maria Eloy Paixão Oliveira Acadêmica do Curso de Ciências Contábeis email: marcela_eloy_3@hotmail.com Rafaella Machado Rosa da Silva Acadêmica do Curso de Ciências Contábeis

Leia mais

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Antonio Carlos de Francisco (UTFPR)

Leia mais

Descrição do processo de priorização para tomada de tempos: Pesquisa ação em uma empresa job shop de usinados aeronáuticos.

Descrição do processo de priorização para tomada de tempos: Pesquisa ação em uma empresa job shop de usinados aeronáuticos. Descrição do processo de priorização para tomada de tempos: Pesquisa ação em uma empresa job shop de usinados aeronáuticos. Tatiana Sakuyama Jorge Muniz Faculdade de Engenharia de Guaratingüetá - Unesp

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES Leider Simões, Unisalesiano de Lins e-mail: leidersimoes16@hotmail.com Profª M. Sc. Máris de Cássia Ribeiro, Unisalesiano Lins e-mail: maris@unisalesiano.edu.br

Leia mais

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR.

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Barbara Monfroi (Unioeste) bmonfroi@gmail.com Késsia Cruz (Unioeste) kessia.cruz@hotmail.com

Leia mais

17/08/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

17/08/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves 17//2010 Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenharia de Produção PPGEP/UFSCar

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

Artigo publicado na Revista CEPPG Nº 24 1/2011 ISSN 1517-8471 Páginas 37 à 44 RESUMO

Artigo publicado na Revista CEPPG Nº 24 1/2011 ISSN 1517-8471 Páginas 37 à 44 RESUMO CONTROLE DE QUALIDADE NA AVALIAÇÃO DE UM ESTOQUE Andre Luis de Souza Neto 1 RESUMO O presente trabalho justifica-se pela discussão do grande papel da avaliação e controle da qualidade de um estoque em

Leia mais

Gerenciamento e planejamento de estoque em lojas de mini departamentos do município de Bambuí

Gerenciamento e planejamento de estoque em lojas de mini departamentos do município de Bambuí Gerenciamento e planejamento de estoque em lojas de mini departamentos do município de Bambuí Warlei Laurindo Martins¹; Andriele de Oliveira Bernades¹; Juliana de Souza Santos¹;Pedro H. Gomes Lima¹; Diego

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Nível de Serviço ... Serviço ao cliente é o resultado de todas as atividades logísticas ou do

Leia mais

Unidade IV. Processo de inventário (Típico) Definir duplas de inventários. Aguardar segunda contagem. Não. Segunda dupla?

Unidade IV. Processo de inventário (Típico) Definir duplas de inventários. Aguardar segunda contagem. Não. Segunda dupla? GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade IV 4 PROCESSO DE INVENTÁRIO FÍSICO Para Martins (0), consiste na contagem física dos itens de estoque. Caso haja diferenças entre o inventário físico

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação;

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação; 2. ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Área da Administração responsável pela coordenação dos esforços gerenciais relativos às seguintes decisões: Administração e controle de estoques; Gestão de compras; Seleção

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL - CTAE

Leia mais

UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA

UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA ORGANIZAÇÃO DO ALMOXARIFADO NO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 ÍNDICE Introdução...3 A Necessidade do Gerenciamento e Controle das Informações...3 Benefícios de um Sistema de Gestão da Albi Informática...4 A Ferramenta...5

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL Data: 10/12/1998 Maurício Lima INTRODUÇÃO Um dos principais desafios da logística moderna é conseguir gerenciar a relação entre custo e nível de serviço (trade-off).

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS ISSN 1984-9354 MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Jamile Pereira Cunha Rodrigues (UESC) Resumo Diante do atual cenário competitivo empresarial, as empresas estão buscando

Leia mais

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem e controle Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem Armazenagem e manuseio de mercadorias são componentes essenciais do conjunto de atividades logísticas.seus custos podem absorver

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro Anexo 3 PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro 1. Capa 2. Sumário 3. Sumário executivo 4. Descrição da empresa 5. Planejamento Estratégico do negócio 6. Produtos e Serviços 7. Análise de Mercado 8. Plano de Marketing

Leia mais

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir.

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir. 1. A administração de recursos humanos, historicamente conhecida como administração de pessoal, lida com sistemas formais para administrar pessoas dentro da organização. A administração de recursos humanos

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS Gestão Estratégica de Estoques/Materiais Prof. Msc. Marco Aurélio C. da Silva Data: 22/08/2011 O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS 2 1 GESTÃO DE ESTOQUE Demanda Adequação do Estoque Investimento Série de ações

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Programação e Controle da Produção é um conjunto de funções inter-relacionadas que objetivam comandar o processo produtivo e coordená-lo com os demais setores administrativos

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

LUCROS E BENEFÍCIOS NA APLICAÇÃO DE UM SISTEMA DE ESTOCAGEM NA EMPRESA

LUCROS E BENEFÍCIOS NA APLICAÇÃO DE UM SISTEMA DE ESTOCAGEM NA EMPRESA LUCROS E BENEFÍCIOS NA APLICAÇÃO DE UM SISTEMA DE ESTOCAGEM NA EMPRESA RESUMO: Vanessa dos Santos Dada 1 Há uma grande demanda, nos mercados atuais, pelas empresas que atuam na área de operações logísticas.

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e controle da produção O PCP é o setor responsável por: Definir quanto e quando comprar Como fabricar ou montar cada

Leia mais

Sistema de Administração da Produção

Sistema de Administração da Produção Sistema de Administração da Produção (Extraído do livro Planejamento, Programação e Controle da Produção Enrique Correa e Irineu Gianesi e Mauro Caon Ed Atlas, 2001) 1. Definição São sistemas de Informação

Leia mais

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO OS NEGÓCIOS Odilio Sepulcri* INTRODUÇÃO A sobrevivência dos negócios, dentre outros fatores, se dará pela sua capacidade de gerar lucro. O lucro, para um determinado produto, independente da forma como

Leia mais

Modelo para elaboração do Plano de Negócios

Modelo para elaboração do Plano de Negócios Modelo para elaboração do Plano de Negócios 1- SUMÁRIO EXECUTIVO -Apesar de este tópico aparecer em primeiro lugar no Plano de Negócio, deverá ser escrito por último, pois constitui um resumo geral do

Leia mais

PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais

PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais 1. Conceito - é a atividade de transformação (processo) de matéria-prima em utilidades necessárias ao consumidor. * Nenhuma organização sobrevive, a menos que produza alguma

Leia mais

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Peter Wanke Introdução Este texto é o primeiro de dois artigos dedicados à análise da gestão de estoques, a partir de uma perspectiva

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «21. É falacioso falar que o marketing é filho do capitalismo e, portanto, apenas ajudaria a concentrar a renda satisfazendo necessidades supérfluas

Leia mais

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing Plano de Marketing Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing 1 Plano de Marketing É o resultado de um processo de planejamento. Define o quevai ser vendido, por quanto,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

Módulo 3 Custo e nível dos Estoques

Módulo 3 Custo e nível dos Estoques Módulo 3 Custo e nível dos Estoques O armazenamento de produtos produz basicamente quatro tipos de custos. 1. Custos de capital (juros, depreciação) 2. Custos com pessoal (salários, encargos sociais) 3.

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

Ementa e Cronograma Programático...

Ementa e Cronograma Programático... Ementa e Cronograma Programático... AULA 01 Estratégia de Operações e Planejamento Agregado AULA 02 Planejamento e Controle de Operações AULA 03 Gestão da Demanda e da Capacidade Operacional AULA 04 Gestão

Leia mais

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

3 Gerenciamento de Projetos

3 Gerenciamento de Projetos 34 3 Gerenciamento de Projetos Neste capítulo, será abordado o tema de gerenciamento de projetos, iniciando na seção 3.1 um estudo de bibliografia sobre a definição do tema e a origem deste estudo. Na

Leia mais

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise -

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise - RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - Janeiro de 1998 RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - As empresas, principalmente

Leia mais

Administração de Materiais e Logística II.

Administração de Materiais e Logística II. A Administração de Material corresponde, no seu todo ao planejamento, organização, direção, coordenação e controle de todas as tarefas de aquisição, guarda, controle de aplicação dos materiais destinados

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL 1. Introdução Uma empresa é administrada para satisfazer os interesses e objetivos de seus proprietários. Em particular, a organização de atividades econômicas em

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇAO TECNOLÓGICA PÓS GRADUAÇAO LATU SENSU 15 a. Turma Gestão da Logística Logística Empresarial Elenilce Lopes Coelis Belo Horizonte MG Julho - 2006 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO À LOGÍSTICA...PÁGINA

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE RESUMO

GESTÃO DE ESTOQUE RESUMO GESTÃO DE ESTOQUE - 1 - Jéssica Taiani do Amaral - jessicataiani@hotmail.com Laurinda Oliveira Dourado - RESUMO A gestão de estoques é um assunto vital e, freqüentemente, absorve parte substancial do orçamento

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO 1 LOGÍSTICA 1 Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO Versa o presente artigo sobre logística e suas aplicabilidades no mundo moderno. A logística foi criada para suprir necessidades durante a Segunda

Leia mais

E&L ERP Almoxarifado

E&L ERP Almoxarifado Apresentação 1 PostgreSQL 8.2/ 8.3 Domingos Martins ES v. 1.0 2 Introdução: Prevendo todas as rotinas necessárias ao bom funcionamento da administração de materiais, o produz automaticamente as médias

Leia mais

Finance Training - Treinamento Gerencial e Consultoria Empresarial

Finance Training - Treinamento Gerencial e Consultoria Empresarial Página 1 de 5. 05/09/2011 ORÇAMENTO BASE ZERO uma ferramenta gerencial para redução de custos e otimização de resultados, distribuição de dividendos e nível de retorno dos investimentos Prof. Ricardo Ferro

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

Unidade II RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS

Unidade II RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Unidade II 2 TENDÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS 2.1 Gestão de compras 1 A gestão de compras assume papel estratégico na Era da competição global, devido ao volume de recursos envolvidos no processo,

Leia mais