CENTRAL ELÉCTRICA A GÁS NATURAL DE RESSANO GARCIA (300 MW) CAPÍTULO I

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRAL ELÉCTRICA A GÁS NATURAL DE RESSANO GARCIA (300 MW) CAPÍTULO I"

Transcrição

1 CENTRAL ELÉCTRICA A GÁS NATURAL DE RESSANO GARCIA (300 MW) CAPÍTULO I 1. ENQUADRAMENTO METODOLÓGICO, JUSTIFICAÇÃO E DESCRIÇÃO DO EMPREENDIMENTO O presente documento constitui a Adenda ao Estudo de Impacto Ambiental (EIA) da Central Eléctrica de Ressano Garcia (CERG) pertencente à Gigawatt Moçambique S.A. e é relativo ao aumento da capacidade de produção para 300 MW. O objectivo principal do presente Estudo é o de actualizar a aferição dos impactos ambientais resultantes não só do incremento da capacidade proposta mas também da utilização de uma tecnologia de produção mais avançada. O presente Estudo abrange ainda a Linha de Alta Tensão que liga a Central Eléctrica à Rede Nacional da EDM e a estrada de acesso ao local da Central Eléctrica a partir da EN4. A realização deste estudo envolveu a recolha de um conjunto significativo de informações, através da busca bibliográfica, de trabalhos e estudos realizados, de verificação e do levantamento de campo efectuado na fase anterior e ainda a modelação do novo processo tecnológico. Desse modo, a equipa técnica que realizou o presente trabalho conseguiu analisar as condições ambientais existentes no local de implantação da CERG, identificar e avaliar os potenciais impactos, especialmente os considerados de maior significância, assim como recomendar e propor medidas de mitigação e de incrementação dos impactos avaliados com o objectivo principal de contribuir para o desenvolvimento e implementação de um projecto mais equilibrado do ponto de vista ambiental. O projecto da Central Eléctrica de Ressano Garcia enquadra-se nos planos do Governo do presente quinquênio e visa contribuir para a superação do défice de energia no País e na região. O País tem vindo a registar um aumento contínuo do consumo de energia eléctrica resultante dos investimentos que têm sido realizados nos últimos anos, tanto em actividades de caráter socioeconómico dependentes de energia eléctrica, como de ligação de novos consumidores. Os estudos descritos na presente adenda incluem a proposta de medidas de minimização dos impactos negativos e de maximização de impactos positivos. A avaliação feita seguiu os mesmos moldes do EIA aprovado e compreendeu uma abordagem multidisciplinar, com o detalhe adequado, às várias temáticas de expressão territorial e ambiental, com especial realce para qualidade do ar, ruído, paisagem, habitats, flora, fauna, socioeconomia, património antropológico e arqueológico, saúde pública e economia dos recursos. O estudo dos vários aspectos referidos baseou-se na análise de informações existentes e disponíveis sobre a região, assim como em levantamentos de campo e consultas a entidades locais, regionais e nacionais, a partir das quais se procedeu à avaliação ambiental através de um conjunto de metodologias específicas.

2 1.1 METODOLOGIA E OBJECTIVOS A metodologia seguida ao longo dos trabalhos foi estruturada de modo a tornar possível equacionar as questões fundamentais, que se destacam da análise integrada dos diversos descritores ambientais estudados, visando o cumprimento dos objectivos preconizados. Face ao aumento da capacidade de produção da CERG e dadas as características ambientais e sociais da área de inserção do empreendimento, a metodologia adoptada foi conduzida de modo a que se pudesse analisar e avaliar ambientalmente as componentes do empreendimento, caracterizar a região onde se implantará o empreendimento, determinar e avaliar as condicionantes ambientais e os impactos potenciais significativos, formular medidas de controlo dos impactos negativos, estabelecer as directrizes do Plano de Gestão Ambiental e definir directrizes para o Plano de Desenvolvimento Comunitário. Integram o presente Estudo de Impacto Ambiental os seguintes volumes: Volume 1 Adenda ao Estudo de Impacto Ambiental (Documento principal), contendo os seguintes Capítulos: Capítulo 1 - Enquadramento Metodológico, Justificação e Descrição do Empreendimento Capítulo 2 - O Meio Receptor Capítulo 3 Impactos e Medidas de Mitigação Capítulo 4 Plano de Gestão Ambiental Capítulo 5 - Lacunas Técnicas e de Conhecimento Capítulo 6 Conclusões Capítulo 7 Peças Desenhadas Anexos Volume 2 Resumo Não Técnico Identificação do Proponente do Projecto O proponente do projecto, que é reponsável pelo desenvolvimento e implementação do empreendimento, é a Gigawatt Moçambique S.A.. A Gigawatt Moçambique S.A. é uma sociedade constituída nos termos do Direito Moçambicano e é detentora de uma concessão do Governo de Moçambique, para produzir e

3 vender energia eléctrica. A sede da Gigawatt Moçambique S.A. situa-se na Rua Lucas Elias Kumato Nº222, Bairro da Sommerschield, PO Box 4204, Maputo, Moçambique Entidade Licenciadora e Autoridade da AIA O processo da Avaliação do Impacto Ambiental (AIA) que antecede o licenciamento ambiental será conduzido pelo Ministério para a Coordenação da Acção Ambiental MICOA, através da Direcção Nacional da Avaliação do Impacto Ambiental (DNAIA), na qualidade de Autoridade da AIA Consultor Ambiental Para a realização do Estudo do Impacto Ambiental (EIA) do aumento da capacidade de produção da Central Eléctrica para 300 MW, a Gigawatt Moçambique S.A. designou a Ecotécnica Lda. A Ecotécnica Lda é uma empresa estabelecida em Moçambique e está registada como consultora ambiental independente na DNAIA do MICOA para realizar projectos de AIA de EIA em Moçambique. A ECOTÉCNICA Lda tem a sua sede na Rua do Rio Matola 59, na Cidade da Matola, Moçambique. A composição da equipa de AIA para o presente trabalho está indicada na Tabela 1. Tabela 1 - Composição da Equipa Técnica Consultor Função Vasco Júnior, PhD Director do Projecto de AIA e especialista em Tecnologia e Meio Ambiente Bento Cambula, MSc Especialista em Poluição Atmosférica Sipho Madumela, MSc Especialista em Bodiversdade e Ecosistemas Raimundo Nguenha Componente Socioeconómica Loide Bazar Especialista em Direito Stélio Matsinhe Especialista em Geologia e Hidrologia 1.2 Contacto ENQUADRAMENTO LEGAL O enquadramento legal apresenta o quadro jurídico e os procedimentos necessários para a AIA em Moçambique que são aplicados durante a elaboração do EIA e do PGA para o projecto da CERG.

4 1.2.1 Legislação Nacional Aplicável ao Projecto As principais leis e decretos que regulam a AIAS, procedimentos de auditoria e inspecção ambiental em Moçambique são: A Lei do Ambiente (Lei nº 20/97, de 1 de Outubro). Esta lei especifica que todas as actividades públicas ou privadas com potencial para influir sobre as componentes ambientais, devem ser precedidas de uma Avaliação de Impacto Ambiental (AIA), com vista à obtenção de uma Licença Ambiental (LA). As LA são emitidas pelo MICOA através da DNAIA. Esta Lei baseia-se especialmente no princípio de precaução que incide em evitar a ocorrência de impactos ambientais negativos significativos ou irreversíveis, independentemente da existência de certeza científica sobre a ocorrência de tais impactos sobre o meio ambiente. O Processo de AIA está regulamentado pelo Decreto n.º 45/2004, de 29 de Setembro que foi objecto de actualização de algumas das suas cláusulas por intermédio do Decreto nº 42/2008 de 4 de Novembro Diploma Ministerial nº 129/2006, de 19 de Julho E Diploma Ministerial nº 130/2006, de 19 de Julho estabelecem os princípios para a elaboração do EIA e o PPP durante o processo de AIAS. Decreto nº 32/2003, de 20 de Agosto regula o processo de Auditoria Ambiental. Este decreto indica que qualquer actividade pública ou privada pode ser objecto de auditorias ambientais públicas realizadas pelo MICOA. A entidade alvo de auditoria deve facultar aos auditores o livre acesso aos locais a serem auditados, bem como toda a informação solicitada. Decreto nº 11/2006, de 15 de Julho regula o processo de Inspecções Ambientais. Este decreto governa os mecanismos legais de inspecção de actividades públicas e privadas, que directa ou indirectamente são passíveis de causar impactos negativos no ambiente. Este diploma tem como objectivo regular a actividade de supervisão, controlo e fiscalização do cumprimento das normas de protecção ambiental a nível nacional. Para além disso, o MICOA endossa as recomendações sobre reassentamento humano e requer que a localização e dimensão das áreas de reassentamento sejam conduzidas de uma maneira participativa. O objectivo é permitir um crescimento demográfico natural, fornecimento e manutenção de serviços, bem como a geração de oportunidades económicas e sociais locais com o acesso a benefícios resultantes do programa de reassentamento. O EIA vai garantir discussões em grupos focais e reuniões de consulta pública para aumentar a participação das comunidades locais em todo o processo. Adicionalmente, objectivo do Processo de Participação Pública é garantir que um processo inclusivo transparente de engajamento - a partilha de informação, a recepção de comentários, expressão de questões e preocupações, resposta e feedback sobre questões e preocupações - seja realizado, que

5 permite a participação de todas as pessoas e entidades que possam ser afectadas pelo projecto proposto e/ou tenham interesse nele. Procedimentos para informar as partes interessadas sobre um projecto e envolvimento da sua participação tornaram-se prática padrão. Actualmente, não existe legislação no país que cubra o reassentamento involuntário, se não a Lei de Planeamento (Lei 19/2007). O Artigo 20 desta Lei refere-se à possibilidade de expropriar a propriedade privada pertencente ou usada pelas comunidades tradicionais, se for de interesse, necessidade ou utilidade pública. Também determina que nestes casos há a obrigatoriedade de pagar uma indemnização justa para compensar a perda de bens tangíveis e intangíveis, a desagregação da coesão social, e a perda de bens produtivos. A Lei de Terras 19/97 fornece a base para definir os direitos à terra das pessoas afectadas, com base no direito consuetudinário e os procedimentos para adquirir o título de uso e aproveitamento por parte das comunidades e de particulares. O regulamento da Lei de Terras Decreto n º 66/98 e as orientações básicas de compensação produzidas pelas Direcções Provinciais da Agricultura, cobrindo os custos mínimos de diversas árvores e culturas, regula a compensação para as perdas sofridas pelo processo de relocalização. As Directrizes para a avaliação do valor das casas, produzidas pelas Direcções Provinciais das Obras Públicas e Habitação são baseadas no Decreto Ministerial n º 119/94 de 14 de Setembro. Além dos acima indicados, os seguintes instrumentos legais servirão como referência para a avaliação de impacto ambiental: Regulamento sobre os Padrões de Qualidade Ambiental e de Emissão de Efluentes (Decreto 18/2004 de 2 de Junho); Regulamento sobre Lei de Florestas e Fauna Bravia (Decreto nº 12/2002 de 6 de Junho) Lei do Trabalho (Lei n º 8 / 98 de 20 de Julho); Regulamento sobre a qualidade da água para consumo humano (Diploma Ministerial nº 180/2004 de 15 de Setembro); e Regulamento sobre a Gestão dos Resíduos (Decreto nº 13/2006 de 15 de Junho). A seguinte legislação específica aplica- se ao sector energético: Política e Estratégia Energética (Resolução nº 10/2009, de 4 de Junho.); Política de Energia Renovável (Resolução nº 62/2009, de 14 de Outubro.) Estratégia de Desenvolvimento de Mercado de Gás Natural (Resolução nº 64/2009, de 2 de Novembro;

6 Lei de Electricidade (Lei nº 2/97, de 1 de Outubro). Regulamento que estabelece as competências e procedimentos para a atribuição de licenças para produtos, transporte, distribuição de electricidade, bem como a sua importação e exportação (Decreto nº 8/2000, de 20 de Abril.); Regulamentos sobre a Rede Nacional de Transmissão de Energia (Decreto nº 42/2005, de 29 de Novembro.); Regulamento sobre a Gestão da Rede Nacional de Energia Eléctrica que designa a Electricidade de Moçambique (EDM), EP, para realizar o serviço público de gestão da Rede Nacional de Energia Eléctrica (Decreto nº 43/2005, de 29 de Novembro.); Regulamento de distribuição e comercialização de gás natural e revoga o regime tarifário aprovado pelo Decreto Nº 46/98 de 22 de Setembro (Decreto nº 44/2005 de 29 de Setembro.); Regulamentos sobre a gestão de instalações de energia construídas ou reabilitadas com recursos próprios nos distritos que não tenham sido atribuídos a uma empresa pública (Decreto N º 45/98, de 25 de Setembro.); Regulamento de Competências Técnicas para preparação, implementação e operação de instalações de energia de serviço particular (Diploma Ministerial nº 31/85, de 31 de Julho.); Regulamentos de Licenciamento de Instalações Eléctrica (Decreto nº 48/2007, de 22 de Outubro). Regulamento que estabelece as competências e os procedimentos relativos à atribuição de concessões de produtos, Transporte, Distribuição de energia eléctrica, bem como a sua importação e exportação (Decreto nº 8/2000, de 20 de Abril); e Estatuto Orgânico do Conselho Nacional de Electricidade, abreviadamente designado por CNELEC. Indica as atribuições e competências do CNELEC, a sua constituição e composição, o processo de selecção e nomeação dos membros bem como a duração e cessação das funções de cada membro (Decreto 25/2000, de 3 de Outubro). A Gigawatt Moçambque SA carede da autorização do projecto ao abrigo da legislação ambiental Moçambicana. Consequentemente, a AIA é realizada de acordo com os regulamentos moçambicanos de AIA (Decreto 45/2004 de 29 de Setembro de 2004, alterado pelo Decreto nº 42/2008, de 04 de Novembro de 2008 Regulamentos de Estudo de Impacto Ambiental (EIA)). Neste Estudo foram utilizadas ainda as Diretrizes Internacionais Aplicáveis ao Projecto.

7 1.2.2 Princípios da Gigawatt Moçambque S.A. O Desenvolvimento Sustentável é o principal objectivo do quadro de negócios da Gigawatt Moçambique S. A. Consequentemente, a Gigawatt Moçambque SA está empenhada em garantir a realização dos seus negócios de uma forma duradoira e sustentável. O projecto da CERG será, essencialmente, parte deste processo através da produção de eletricidade para a rede Moçambicana. A Gigawatt Moçambque SA pretende trabalhar para o Desenvolvimento Sustentável através dos seguintes meios: Utilização sensata e lógica dos recursos naturais; Cumprimento de toda a legislação aplicável; Tratamento equitativo de todos os seus trabalhadores e prestadores de serviços de forma justa; e Gestão consciente dos impactos sociais, ambientais e requisitos de segurança.. A Gigawatt Moçambque SA reportará as suas iniciativas de Desenvolvimento Sustentável numa base anual. A Gigawatt Moçambque SA pretende alcançar a meta de eficiência energética através da identificação e implementação de iniciativas adicionais, pois isso faz parte do seu compromisso de reduzir as suas emissões de gases de efeito estufa. Além disso, a Gigawatt Moçambque SA implementará a norma ISO e a Avaliação de Saúde e Segurança Ocupacional (OHSAS). De acordo com o compromisso da Gigawatt Moçambque SA de segurança, saúde e ambiente, a empresa será gerida de uma forma ética que estabelece um equilíbrio adequado e bem fundamentado das necessidades económicas, sociais e ambientais, Assim, a Gigawatt Moçambique SA compromete-se a: Realizar os negócios com respeito e cuidado para as pessoas e o meio ambiente; Melhorar continuamente o desempenho de segurança, saúde e ambiente; Cumprir, no mínimo, com todas as normas legais e outros requisitos acordados; Utilização responsável dos recursos naturais; Promover o diálogo com as partes interessadas sobre segurança, saúde, e desempenho ambiental (Política de Segurança, Saúde e Ambiente da GIGAWATT). Para o bom desempenho do empreendimento, a Gigawatt Moçambique SA procederá aos seguintes actos:

8 Obtenção de uma concessão de geração de electricidade a partir de gás natural do Governo de Moçambique (acto já realizado). Assinatura contratso de fornecimento de energia a longo prazo (15 anos ou mais) com consumidores credíveis. Operacionalização da CERG no segundo semestre de Geração de empregos e receitas para o Estado. Redução das perdas nas linhas de transmissão e aumento da estabilidade da rede eléctrica de da região sul de Moçambique. Desenvolvimento sócio-económico de Ressano Garcia e da região. A Gigawatt S.A. no quadro das suas actividades de responsabilidade social guiarse-á por um Plano de Desenvolvimento Comunitário (PDC) que terá como objectivo principal garantir que a implementação do Projecto resulta em oportunidades para o desenvolvimento local e melhoria efectiva das condições socioeconómicas da comunidade de Ressano Garcia. Algumas das acções a implementar no quadro do PDC contemplam o seguinte: Capacitação de camponeses locais na utilização de novas técnicas agrícolas. Qualificação da mão-de-obra local (acções de formação profissional, concessão de bolsas de estudo a estudantes residentes em Ressano Garcia, etc.). Formação em Artes e Ofícios e Educação Ambiental. O Plano deve ser implementado por profissionais experientes (e/ou pessoal interno devidamente capacitado), capazes de conceber e aplicar Programas de Desenvolvimento Comunitário concretos e de estimular e promover debates. A GIGAWATT SA será responsável pela nomeação interna ou contratação destes profissionais, aos quais competirá produzir os materiais didácticos adequados e conduzir as acções de formação necessárias para implementação dos diversos Programas. Relativamente à integridade técnica da CERG, ela é comprovada pelos pelos seguintes factos: Totalmente independente da Eskom e da EDM A CERG utilizará tecnologia comprovada que oferece alta confiabilidade Adesão a códigos e normas aplicáveis A CERG é projectado com a facilidade de manutenção em mente Identificação antecipada e mitigação de riscos operacionais

9 1.3 Construção sem incidentes nem acidentes Operação segura e confiável Produção de electricidade a preços competitivos Vida vútil mínima de 20 anos Gestão ambiental permanente da CERG Minimização do consumo de água e da geração de efluentes ANTECEDENTES Em 2008, a Gigawatt Moçambique SA (então denominada Ecomoz) concebeu o projecto de construção de uma Central Eléctrica a Gás Natural com uma capacidade inicial de 50 MW com possibilidade de expandir para 150MW a ser implantada em Ressano Garcia. Em conformidade com a legislação Moçambicana, foi realizado o Estudo de Impacto Ambiental (EIA) e o relatório foi submetido ao MICOA através da Direcção Nacional de Avaliação do Impacto Ambiental (DNAIA) e foi aprovado em A aprovação do projecto foi para uma capacidade total activa de 50 MW que utilizava 54 unidades de geração de 1.1MW cada uma e incluía uma estação eléctrica de transformação (subestação) permanente. Devido à conjuntura de crise internacional, o projecto sofreu um atraso de dois anos. Ultrapassada a crise, o projecto encontra-se actualmente em condições de prosseguir, tendo contudo sido feitos alguns ajustamentos para conferir maior eficiência quer do ponto de vista técnico como do ponto de vista ambiental. Entretanto neste período, foi constatado que o registo Ecomoz estava duplicado, tendo esta optado por alterar o nome, passando a designar-se Gigawatt Moçambique S.A., conforme o registo na Conservatória de Registos das Entidades Legais, em anexo. O projecto inicial já previa uma expansão da central para 150MW, tendo inclusivamente sido referenciado na avaliação do Estudo do Impacto Ambiental apresentado em 2008, pois já nessa altura se previa o crescimento da demanda de energia no País e na região. O projecto então revisto pretendia adaptar-se à tecnologias mais modernas, usando unidades geradoras a gás de maior capacidade. Para a produção dos iniciais 100 MW, a capacidade de geração de cada unidade será de aproximadamente 4 MW e serão instaladas num edifício adequado de carácter permanente. O edifício será desenhado com características de supressão de som para reduzir o impacto do ruído de forma mais eficaz. Uma outra vantagem ambiental a referir no uso da tecnologia mais moderna, é que os motores tem uma maior eficiência, pois o consumo específico é de 9 GJ/MWh em comparação com os 11 GJ/ MWh das unidades de 1,1 MW anteriormente previstas.

10 Os gases de escape serão lançados a uma altura não inferior a 15 metros em comparação com a altura da chaminé anterior que era de 5 metros. Esse facto permitirá melhorar a dispersão dos gases de escape, atenuando e melhorando os impactos em relação aos indicados no REIA aprovado. A ligação do ramal de linha de Alta Tensão da Central para a Rede Nacional será efectuada no circuito de 275 kv Komatipoort/ Infulene com maior capacidade de transmissão que se situa na mesma área, distante aproximadamente 1800 m da Central. 1.4 LOCALIZAÇÃO DO PROJECTO E EXPANSÃO DA CAPACIDADE O local proposto para o projecto da CERG está situado em Ressano Garcia, Distrito da Moamba, Província de Maputo. O local fica 115 km a Noroeste da Cidade de Maputo, perto da fronteira com a África do Sul. A Central será construída num espaço verde de 30 hectares, localizados no topo de uma colina que é actualmente desabitada. A autorização provisória de uso de terra foi concedido pela Administração de Moamba (vide Anexos). Os grupos geradores instalados num espaço verde de 12,5 hectares (5,3 hectares para a produção de 100 MW e 7,2 hectares para a geração de 200 MW de energia eléctrica). A central fica localizada no topo de uma colina que é actualmente desabitada e inclui cerca de 0,65 ha para a instalação de infra-estruturas de apoio, sob a forma de contentores apropriados para a instalação da área administrativa, armazéns e instalações sánitárias. A autorização provisória de uso de terra foi concedido pela Administração de Moamba para uma área total de 30 hectares. A Central Elécttrica de Ressano Garcia ficará localizada nas proximidades da Vila de Ressano Garcia, localização considerada ideal pelos seguintes motivos: a) Proximidade da linha de 275 kv Komatipoort-Infulene; b) Proximidade da fonte de abastecimento de gás através do gasoduto da Matola Gas Company (MGC) que constitui um ramal do gasoduto principal da Sasol e que fornece gás à Maputo e Matola. Acrescente-se a isso, a existência de uma Estação de Redução de Pressão no local; c) Facilidade de acessos, pela proximidade da Estrada Nacional 4 (Maputo-Witbank) e pela possibilidadede aproveitamento do acesso à Estação de Redução de Pressão da MGC; e d) Proximidade à fronteira que implica a redução dos custos de transmissão. Uma futura expansão da CERG beneficiaria da proximidade do gasoduto principal da Sasol, o que faz com seja tecnicamente vantajoso colocar um ramal de alimentação da CERG, por

11 motivos que se prendem com os gradientes de pressão que se verificam ao longo dos gasodutos principais. Não menos importante, o local proposto para a localização da CERG situa-se a cerca de 220 metros acima do nível do mar, o que reduz ao mínimo potenciais interferências na eficiência dos geradores, que é negativamente afectada por altitudes elevadas. Neste contexto, foi identificada e reservada para uso industrial (para a implementaçäo do projecto da CERG), pelo Governo Provincial, uma área de 30 hectares, situada nas proximidades de Ressano Garcia. Recentemente, a Sociedade Aggreko International, sediada em Dubai e a Sociedade Msumbiji Group S.A, sediada em Moçambique, assinaram um Memorando de Entendimento para a geração de 200MW adicionais de energia com o intuito de fornecer o potencial mercado da África Austral que se recente da falta de energia. Para a materialização do Memorando de Entendimento, a sociedade Aggreko International e a sociedade Msumbiji solicitaram à Gigawatt Moçambique S.A, actual detentora da concessão, o fornecimento de 200 MW de energia eléctrica, expandido desse modo a capacidade da Central Eléctrica de Ressano Garcia para 300 MW. Assim, a expansão comprenderá a aquisição e instalação de 198 grupos geradores (mais 10 em standby) com uma produção contínua em regime trifásico a 275kV, 50 Hz e com um factor de potência de 0,85. Este equipamento será instalado numa área adjacente à já planificada Central de 100 MW da Gigawatt Moçambique SA (vide Capítulo 10 Peças Desenhadas). A Central Eléctrica Elécrica de Ressano Garcia deverá estar operacional no segundo semestre de de 2012 (primeira fase) e será concluída em 24 meses (segunda fase) de acordo com o cronograma apresentado na Tabela 2.

12 Tabela 2 Cronograma de actividades Investimento A actualização do projecto resultou num aumento significativo do investimento que agora se situa à volta de USD 103 milhões, comparativamente muito maior ao investimento anterior de USD $67,7 milhões. 1.5 TECNOLOGIA DA CENTRAL ELÉCTRICA DE RESSANO GARCIA O projecto da Central Eléctrica de Ressano Garcia irá usar gás natural como matéria-prima para produzir 300 MW de electricidade bruta usando grupos de motores-geradores a gás. Duas alternativas tecnológicas foram consideradas: geradores a gás e turbinas a gás. Os geradores a gás (comumente conhecidas como motores de combustão interna) foram selecionados pela Gigawatt Moçambique SA como a tecnologia preferida na base do custo do seu ciclo de vida, eficiência térmica, simplicidade operacional e desempenho ambiental.

13 O gás natural para o projecto da CERG será transportado a partir de um gasoduto já existente que passa cerca de 1,2 km a norte do local proposto para o projecto da CERG. Um novo gasoduto será conectado a este gasoduto principal existente e conectado ao local da central energética ao longo da área de serviço da Matola Gas Company, numa distância de aproximadamente 1 km de comprimento e diâmetro de 8 a 14 polegadas. Aliada ao projecto da central Electrica está a construção de uma estrada de acesso com 2 km de comprimento a partir da EN4 para o local proposto (a rota provisória já foi identificada). O gasoduto de gás natural, infra-estruturas (estradas de acesso de 2 km, edifícios, etc), linha de transmissão eléctrica, subestação, abastecimento de água, bem como a própria central eléctrica são considerados na Avaliação do Impacto Ambiental. A Figura 1 mostra o conjunto de infraestruturas. Figura 1 - Infra-estruturas do projecto da CERG incluindo a linha de transmissão Uma descrição detalhada dos principais processos associados à unidade principal do projecto proposto é feita em duas secções: (i) Central de geração de energia; e (ii) Instalações auxiliares (fornecimento de matéria-prima e utilidades). Sempre que relevante, as alternativas potenciais serão descritas e avaliadas, de forma a racionalizar a selecção da opção preferida Central de Geração de Energia Em termos de requisitos da AIA é imperativo que critérios técnicos, económicos e ambientais sejam considerados no processo de seleção de tecnologia. Técnicas de combustão de combustível gasoso incluem principalmente duas tecnologias, nomeadamente, turbinas a gás

14 e motores de combustão interna. As diferenças fundamentais entre as duas tecnologias estão descritas na Tabela 3. Tabela 3 - Comparação de Motores de Combustão Interna e Turbinas a Gás TECNOLOGIA DESCRIÇÃO Turbinas a Gás A turbina a gás consiste essencialmente de um compressor, uma câmara de combustão e uma turbina de expansão. O ar ambiente é filtrado para evitar entupimento das lâminas da turbina e, em seguida, comprimido. O combustível e o ar comprimido são queimados em uma câmara de combustão à temperaturas que variam de 1235 C a 1430 C. Esta é dependente do tamanho da turbina. Os gases de escape expandem-se através da turbina, activando o gerador para produzir energia elétrica. Motores de Combustão Interna Motores de combustão operam no mesmo princípio que o processo mecânico de um motor automóvel padrão. O combustível é queimado em um ou mais cilindros, resultando na conversão da energia química do combustível em energia mecânica com eficiência térmica de até 44% e 54%, no modo de ciclo aberto e combinado, respectivamente. O motor é acoplado ao eixo do gerador e fornece a energia mecânica para accionar o gerador para produzir eletricidade. Unidades geração de combustão interna para motores de energia são normalmente projetadas para operar em ciclos de quatro tempos ou dois tempos e podem ter uma capacidade de produção elétrica variando de 2 MW para mais de 50 MW. É geralmente aceite que estes motores são mais eficientes do que as turbinas a gás, têm menores custos de capital e podem gerar eletricidade quase que imediatamente no arranque. O modelo de gerador QSK60G de 60 litros, 16 cilindrs trabalha a uma rotação de rpm (50 Hz). O motor é baseado na bem-sucedida tecnologia lean-burn e, segundo o fabricante, os níveis de emissões de NOx (óxidos de azoto) são tão baixos como 0,7 g / bhp-hr. A selecção do fornecedor de motores a gás foi baseada num estudo detalhado feito pela Ggawatt Moçambque SA que comparou o desempenho técnico de várias alternativas de geração de energia eléctrica a partir de gás natural. Os critérios de selecção compreenderam considerações do custo e viabilidade técnica e económica da tecnologia e e requisitos ambientais, especificamente no que diz respeito à emissões de gases do efeito de estufa. Com base neste estudo, para a produção dos adicionais 200 MW, foram selecionados os motores foram selecionados os motores QSK60G. O motor QSK60G é um avançado motor a gás natural usado para geração de energia eléctrica que combina alta eficiência, baixo nível de emissões, a flexibilidade de combustível e reduzido custo de aquisição. O motor QSK60G é o resultado dos esforços de investigação de

15 vários parceiros da esfera tecnológica, incluindo a Cummins, a DOE e várias universidades. Os motores operam com uma eficiência térmica de freio de 50% e tem a vantagem de emissões ultra-baixas de NOx. O motor combina o princípio lean-burn com tecnologia de combustão de ciclo Miller e um sistema de gestão electrónica do motor. Além disso, o QSK60G possui: Um pistão com uma elevada capacidade de compressão Longa duração de velas de ignição Baixa perda de válvulas de escape Alta eficiência. O motor a ser usado é o de 50 Hz, muito utilizado na Europa e em Africa e pode ser visualizado na Figura 2. Figura 2 O selecionado motor QSK60G O princípio lean-burn utiliza um óptimo ratio de ar de combustão e combustível no cilindro, que é uma mistura pobre, ou seja, não está presente mais ar no cilindro do que o necessário para a combustão. A fim de estabilizar a ignição e a combustão da mistura, em tipos de motores maiores é utilizada uma ante-câmara com uma mistura rica de ar/combustível. A ignição é iniciada por uma vela de ignição localizada na ante-câmara, resultando numa fonte de ignição de alta energia para a carga de combustível no cilindro. A mistura de queima de combustível e ar expande-se, empurrando o pistão. Finalmente, os produtos da combustão são removidos do cilindro, completando o ciclo. A energia libertada pela combustão do gás é transferida para o motor através do pistão em movimento. Um alternador é conectado ao motor rotativo do volante e produz eletricidade. O tipo de motor é tipicamente projectado para uso com gás à baixa pressão como combustível. Os principais estágios/componentes do funcionamento do motor são resumidos como segue: Processo de Combustão: O processo de combustão é dividido nas seguintes componentes: Pré-câmara: O pré-câmara é a fonte de ignição para a carga de combustível principal e é um dos componentes essenciais de uma magra-queima de ignição por

16 centelha motor a gás. O projecto da pré- câmara é um factor determinante em termos de valores e eficiência de combustão; Sistema de ignição: O módulo de ignição controla os tempos dos cilindros específicos de ignição com base na qualidade de combustão, assegurando a combustão óptima em todos os cilindros com relação à confiabilidade e eficiência, e Taxa de Combustível e ar: Uma válvula dos gases de escape para ajustar a taxa de arcombustível, a fim de assegurar o desempenho correcto do motor em todos os tipos de condições. Sistema de Controlo do Motor: Todas as funções do motor são controladas pelo sistema de controlo do motor baseado num microprocessador montado no motor. Os diversos módulos eletrônicos são dedicados e optimizados para determinadas funções; Sistema de arrefecimento: O sistema de refrigeração de água é um sistema de radiador em malha fechada. A água inicial seria usada para completar o sistema e colmatar eventuais perdas de pressão do sistema; e Sistema de lubrificação de óleo: A tecnologia proposta inclui um sistema de lubrificação de óleo integrado compreendendo um reservatório de óleo, uma bomba acionada por um motor principal, uma bomba de pré-lubrificação acionada eletricamente, radiador, filtro de fluxo completo, filtro centrífugo completo. O gás natural para o projecto da CERG, cujas especificações estão indicadas na Tabela 4, será transportado a partir de um gasoduto já existente que passa aproxmadamente a 1,2 km a norte do local proposto para o projecto CERG. Um novo gasoduto será conectado a este gasoduto principal existente e ligado ao local da central energética ao longo da área de serviço da Matola Gas Company. Tabela 4 - Especificações do gás alimentado aos geradores de energia CRITÉRIO DE REQUISITOS PROJECTO Consumo estimado 40.3 toneladas por hora (baseado em ~21 PJ/ano) Pressão de serviço Menos de 10 bar Temperatura de serviço Composição Varia entre 0 C e 50 C Componente % Metano 95.0 Dióxido de carbono 2.0 Nitrogênio 3.0 TOTAL 100 Sem vestígios de água e hidrocarbonetos condensados

17 A pressão de operação será alcançada através das técnicas padrão de redução da pressão. De forma a ir de encontro às especificações da composição do gás, o projecto preliminar prevê a instalação de uma unidade de filtração de gás natural. A Ecotécnica Lda procedeu ao cálculo do nível de dispersão atmosférica de poluentes emitidos pelos geradores da Central Eléctrica de Ressano Garcia fazendo uso de um modelo de dipersão. O cálculo teve como base os dados fornecidos no Manual de Especificações Técnicas do projecto. Os dados meteorológicos foram obtidos do Instituto Nacional de Meteorologia (INAM). Climatologia de ventos A Figura 3 mostra mapas climatológicos da velocidade do vento de uma vasta área que inclui a região de interesse deste estudo, que foram determinadas apartir da média climatológica de da NCEP-NCAR (National Centers for Environmental Protection - National Center for Atmospheric Research). Neste mapas é possivel observar que os ventos diminuem de intensidade em direcção ao interior sendo relativamente fracos na época fria (abaixo de 2,5m/s) nas zonas altas de Ressano Garcia, aumentando de intensidade na época quente, principalmente entre Setembro e Outubro.

18 Figura 3 - Climatologia da velocidade do vento (m/s) determinada através de dados climatológicos da NCEP/NCAR ( )

19 Figura 3 - Continuação

20 Modelo de dispersão A dispersão da poluição foi estimada usando o Modelo Gaussiano. Para efeitos de cálculo da concentração da poluição que possa afectar área de interesse, este modelo usa informações sobre a fonte de emissão (coordenadas geográficas, altura física, altura da chaminé, diâmetro da chaminé, velocidade de saída dos gases da chaminé, temperatura em que os gases são emitidos e a taxa de emissão dos gases), as condições meteorológicas (direcção do vento predominante, velocidade do vento, classes de estabilidade de Pasquill, temperatura ambiente e altura de mistura atmosférica) e das possíveis áreas afectadas (coordenadas geográficas e altura). Com base nos quatro cenários indicados no manual de especificações do projecto, foram calculadas as concentrações, sendo os resultados obtidos resumidos nas Figuras 4 até 7. Na figura do topo esquerdo está descrito o cenário que se espera num dia com insolação forte ou insolação moderada e ou insolação fraca associada a velocidades do vento abaixo dos 2 m/s. Nestas condições a poluição tende a se acumular até uma distância máxima de 0,3 km, decrescendo depois muito rapidamente à medida que se caminha na direcção do vento. A insolação forte está associada à grande instabilidade atmosférica sendo assim maior a dispersão. Nos dias de insolação fraca, os poluentes tendem a acumular-se na área circunvizinha da fonte de emissão. Os gráficos representam uma situação típica de época quente. A Figura 8 mostra o cenário da distribuição da concentração estimada na direcção horizontal, sendo a velocidade de vento entre 3 a 5 m/s para uma taxa de emissão de 1.94 kg/s. As distâncias y escolhidas são de 0,1 km, 1 km e 10 km. Estas figuras mostram claramente que a concentração está conforme a distribuição normal de Gauss.

ESTUDO DO IMPACTE AMBIENTAL

ESTUDO DO IMPACTE AMBIENTAL ENERGIN AZÓIA Empresa de Cogeração Industrial, S.A. CENTRAL DE COGERAÇÃO A INSTALAR NA SOLVAY PORTUGAL (PÓVOA DE SANTA IRIA, VILA FRANCA DE XIRA) ESTUDO DO IMPACTE AMBIENTAL RESUMO NÃO TÉCNICO Maio de

Leia mais

3 QUADRO LEGAL E INSTITUCIONAL

3 QUADRO LEGAL E INSTITUCIONAL 3 QUADRO LEGAL E INSTITUCIONAL 3.1 QUADRO INSTITUCIONAL O Ministério para a Coordenação da Acção Ambiental (MICOA) criado pelo Decreto Presidencial 6/95 de 16 de Novembro, é responsável por todas as actividades

Leia mais

Capítulo 15. Impactos Cumulativos

Capítulo 15. Impactos Cumulativos Capítulo 15 Impactos Cumulativos ÍNDICE 15 IMPACTOS CUMULATIVOS 15-1 15.1 INTRODUÇÃO 15-1 15.1.1 Limitações e Mitigação 15-1 15.1.2 Recursos e Receptores Potenciais 15-3 15.2 IMPACTO CUMULATIVO DA ZONA

Leia mais

EMPRESA DE ELECTRICIDADE DA MADEIRA SA

EMPRESA DE ELECTRICIDADE DA MADEIRA SA EMPRESA DE ELECTRICIDADE DA MADEIRA SA CENTRAL TÉRMICA DO PORTO SANTO EEM/DSP 1 16 MWe Central Térmica do Porto Santo 1 Descrição Geral A Central Térmica do Porto Santo entrou em funcionamento em 1992,

Leia mais

EMPRESA DE ELECTRICIDADE DA MADEIRA SA

EMPRESA DE ELECTRICIDADE DA MADEIRA SA EMPRESA DE ELECTRICIDADE DA MADEIRA SA CENTRAL TÉRMICA DA VITÓRIA EEM/DSP 1 117 MWe Central Térmica da Vitória 1 Descrição Geral A Central Térmica da Vitória entrou em funcionamento em 1979, para fazer

Leia mais

Cogeração Motores a Gás e Diesel

Cogeração Motores a Gás e Diesel Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores 4º Ano, 2º Semestre Gestão de Energia 2002/2003 Cogeração Motores a Gás e Diesel Afonso Oliveira,

Leia mais

PROJECTO DE REMODELAÇÃO DA CENTRAL GEOTÉRMICA DO PICO VERMELHO RELATÓRIO DE CONFORMIDADE AMBIENTAL DO PROJECTO DE EXECUÇÃO

PROJECTO DE REMODELAÇÃO DA CENTRAL GEOTÉRMICA DO PICO VERMELHO RELATÓRIO DE CONFORMIDADE AMBIENTAL DO PROJECTO DE EXECUÇÃO PROJECTO DE REMODELAÇÃO DA CENTRAL GEOTÉRMICA DO PICO VERMELHO RELATÓRIO DE CONFORMIDADE AMBIENTAL DO PROJECTO DE EXECUÇÃO CENTRAL GEOTÉRMICA DO PICO VERMELHO VOLUME II - SUMÁRIO EXECUTIVO 1 - INTRODUÇÃO

Leia mais

PARQUE EÓLICO DA SERRA DA ALVOAÇA VOLUME 1 SUMÁRIO EXECUTIVO

PARQUE EÓLICO DA SERRA DA ALVOAÇA VOLUME 1 SUMÁRIO EXECUTIVO PARQUE EÓLICO DA SERRA DA ALVOAÇA PROJECTO DE EXECUÇÃO RELATÓRIO DE CONFORMIDADE AMBIENTAL DO PROJECTO DE EXECUÇÃO (RECAPE) VOLUME 1 SUMÁRIO EXECUTIVO ÍNDICE DE PORMENOR 1. INTRODUÇÃO...1 2. PROCESSO DE

Leia mais

SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA

SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA Ciclo de melhoria contínua conhecido como Ciclo PDCA (Plan-Do-Check-Act) EMAS METODOLOGIA FASEADA DE IMPLEMENTAÇÃO FASEADA DO EMAS In, APA,

Leia mais

Impactos Ambientais Prof. Hannah Amaral

Impactos Ambientais Prof. Hannah Amaral Impactos Ambientais Prof. Hannah Amaral O QUE É IMPACTO AMBIENTAL Art. 1o da Resolução CONAMA n.1/86 Considera-se Impacto Ambiental qualquer alteração das propriedades físicas, químicas e biológicas do

Leia mais

Logística e Gestão da Distribuição

Logística e Gestão da Distribuição Logística e Gestão da Distribuição Depositos e política de localização (Porto, 1995) Luís Manuel Borges Gouveia 1 1 Depositos e politica de localização necessidade de considerar qual o papel dos depositos

Leia mais

PLATAFORMA LOGÍSTICA DE LEIXÕES PÓLO 2 GATÕES / GUIFÕES (Área de Serviços Logísticos)

PLATAFORMA LOGÍSTICA DE LEIXÕES PÓLO 2 GATÕES / GUIFÕES (Área de Serviços Logísticos) ! " Capítulo I Introdução Geral Capítulo II Antecedentes do Projecto Capítulo III Conformidade com a DIA Capítulo IV Planos de Monitorização Ambiental Capítulo V Conclusões ANEXOS TÉCNICOS BIBLIOGRAFIA

Leia mais

Projecto de Lei nº /X

Projecto de Lei nº /X Grupo Parlamentar Projecto de Lei nº /X ESTABELECE O REGIME APLICÁVEL À GESTÃO DE ÓLEOS ALIMENTARES USADOS Exposição de motivos: Os óleos alimentares usados são um resíduo não perigoso que carece de legislação

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD)

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL RAQUEL ALVES DA SILVA CRUZ Rio de Janeiro, 15 de abril de 2008. TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL TERMOELÉTRICAS

Leia mais

Fase de construção do Prolongamento da Linha Vermelha, entre Alameda e São Sebastião

Fase de construção do Prolongamento da Linha Vermelha, entre Alameda e São Sebastião Fase de construção do Prolongamento da Linha Vermelha, entre Alameda e São Sebastião Identificação dos factores ambientais verdadeiramente significativos Descrição do projecto Prolongamento da Linha Vermelha

Leia mais

Manual de Apoio ao Cogerador Simulador do Cogerador

Manual de Apoio ao Cogerador Simulador do Cogerador Manual de Apoio ao Cogerador Simulador do Cogerador Jorge Mendonça e Costa jmcosta@cogenportugal.com Manual de Apoio ao Cogerador Simulador do Cogerador Manual de Apoio ao Cogerador: Motivação Manual de

Leia mais

Contribuição de Hidroeléctricas e Barragens para o Desenvolvimento Sustentável em África

Contribuição de Hidroeléctricas e Barragens para o Desenvolvimento Sustentável em África Contribuição de Hidroeléctricas e Barragens para o Desenvolvimento Sustentável em África Madalena Dray Consultora Socio-Ambiental Luanda, 24 a 27 de Setembro de 2013 CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE ENERGIA

Leia mais

1. Em que consiste o Resumo Não Técnico?

1. Em que consiste o Resumo Não Técnico? 1. Em que consiste o Resumo Não Técnico? Este Resumo Não Técnico é um volume independente que integra o Estudo de Impacte Ambiental do Parque Eólico de S. Lourenço da Montaria. Destina-se, como o nome

Leia mais

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa TE GEE.281.01 II Nos termos do Decreto-Lei n.º 233/2004, de 14 de Dezembro, com as alterações introduzidas pelos Decretos-Lei n.º 243-A/2004, de 31 de Dezembro,

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS

REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS 1 SUMÁRIO RESUMO......2 1 INTRODUÇÃO......3 1.1 OBJETIVO......3 1.2 APLICABILIDADE...3 1.3 TERMOS E DEFINIÇÕES...3 2 LICENCIAMENTO AMBIENTAL......3

Leia mais

Posição da SPEA sobre a Energia Eólica em Portugal. Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves

Posição da SPEA sobre a Energia Eólica em Portugal. Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves Posição da SPEA sobre a Energia Eólica em Portugal Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves 1. Introdução A energia eólica é a fonte de energia que regista maior crescimento em todo o mundo. A percentagem

Leia mais

Regulamento Interno da Direcção National de Energias Novas e Renováveis

Regulamento Interno da Direcção National de Energias Novas e Renováveis 31 DE DEZEMBRO DE 2009 394 (157) A r t ig o 18 Reuniões do Colectivo de Direcção O Colectivo de Direcção reúne-se ordinariamente uma vez por semana e extraordinariamente quando convocado pelo Ar t ig o

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO DE CONTROLE

Leia mais

ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL

ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL APROVEITAMENTO HIDROELÉCTRICO DO FRIDÃO ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL CAPÍTULO I INTRODUÇÃO GERAL 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJECTO O Estudo de Impacte Ambiental (EIA) que agora se apresenta é relativo ao Aproveitamento

Leia mais

PE-CONS 3619/3/01 REV 3

PE-CONS 3619/3/01 REV 3 PE-CONS 3619/3/01 REV 3 relativa à avaliação dos efeitos de determinados planos e programas no ambiente O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume II Locais e Postos de trabalho. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume II Locais e Postos de trabalho. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume II Locais e Postos de trabalho um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

4 DESCRIÇÃO DA ACTIVIDADE

4 DESCRIÇÃO DA ACTIVIDADE 4 DESCRIÇÃO DA ACTIVIDADE O presente capítulo fornece uma descrição detalhada do Projecto, actividades associadas e infra-estrutura de apoio. 4.1 JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO Em Moçambique o manuseio e a eliminação

Leia mais

www.soumaisenem.com.br

www.soumaisenem.com.br 1. (Enem 2011) Uma das modalidades presentes nas olimpíadas é o salto com vara. As etapas de um dos saltos de um atleta estão representadas na figura: Desprezando-se as forças dissipativas (resistência

Leia mais

Resumo Não Técnico. Projecto de Alteração.

Resumo Não Técnico. Projecto de Alteração. ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL Resumo Não Técnico TAFE TRATAMENTO DE ALUMÍNIO E FERRO, S.A. Projecto de Alteração. Data: 11 de Dezembro de 2003 Copyright SIA / NAIMET 2003 1.- Índice 1.- Índice... 2 2.- Introdução...

Leia mais

TÉCNICOS. CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA

TÉCNICOS. CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA TÉCNICOS CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA A utilização racional de energia (URE) visa proporcionar o mesmo nível de produção de bens, serviços e níveis de conforto através de tecnologias que reduzem

Leia mais

ISEL. Centrais Termoeléctricas do Carregado e do Ribatejo. Relatório de Visita de Estudo. 30 Novembro 2004. Secção de Sistemas de Energia

ISEL. Centrais Termoeléctricas do Carregado e do Ribatejo. Relatório de Visita de Estudo. 30 Novembro 2004. Secção de Sistemas de Energia ISEL INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E AUTOMAÇÃO Centrais Termoeléctricas do Carregado e do Ribatejo Relatório de Visita de Estudo 30 Novembro 2004

Leia mais

CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS

CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS. O Sol, o vento, os mares...fontes naturais de energia que não agridem o meio ambiente. Será viável utilizá-las? A Energia renovável é aquela que é obtida

Leia mais

A Influência da Indústria em Meio Urbano. Metodologia de Estudo. Sara Capela, Luísa Carrilho, Carlos Pedro Ferreira RESUMO

A Influência da Indústria em Meio Urbano. Metodologia de Estudo. Sara Capela, Luísa Carrilho, Carlos Pedro Ferreira RESUMO A Influência da Indústria em Meio Urbano Metodologia de Estudo Sara Capela, Luísa Carrilho, Carlos Pedro Ferreira RESUMO A metodologia de avaliação da influência da indústria na qualidade do ar em meio

Leia mais

EDP - Gestão da Produção de Energia, S.A. Central Termoelétrica de Sines. Produção de Energia Elétrica e Deposição de resíduos não perigosos em aterro

EDP - Gestão da Produção de Energia, S.A. Central Termoelétrica de Sines. Produção de Energia Elétrica e Deposição de resíduos não perigosos em aterro 2.º ADITAMENTO À LICENÇA AMBIENTAL nº 300/2009 Nos termos da legislação relativa à Prevenção e Controlo Integrados da Poluição (PCIP), é emitido o 2.º Aditamento à Licença Ambiental do operador EDP - Gestão

Leia mais

GESTÃO, TRATAMENTO E REUTILIZAÇÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS. José dos Santos Santiago (*)

GESTÃO, TRATAMENTO E REUTILIZAÇÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS. José dos Santos Santiago (*) GESTÃO, TRATAMENTO E REUTILIZAÇÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS José dos Santos Santiago (*) RESUMO: Apresenta-se, neste artigo, a metodologia a seguir para gerir, tratar a reutilizar os efluentes industriais,

Leia mais

Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena

Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena E1819 V6 Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena REHABILITATION OF LUENA WATER SUPPLY SYSTEM PGA PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL (PGA) ENVIRONMENTAL MANAGEMENT PLAN (EMP) Adjudicante: Financial

Leia mais

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.:

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= TEMPO ATMOSFÉRICO

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o, L 197/30 PT Jornal Oficial das Comunidades Europeias 21.7.2001 DIRECTIVA 2001/42/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 27 de Junho de 2001 relativa à avaliação dos efeitos de determinados planos e

Leia mais

DECRETO-LEI N.º 68/2002 DE 25 DE MARÇO

DECRETO-LEI N.º 68/2002 DE 25 DE MARÇO A disponibilização para consulta do teor de diplomas legislativos não dispensa a consulta do Diário da República, não se responsabilizando a ERSE pelo seu conteúdo. DECRETO-LEI N.º 68/2002 DE 25 DE MARÇO

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Lei nº 10/96 De 18 de Outubro A actividade petrolífera vem assumindo nos últimos tempos importância fundamental no contexto da economia nacional, constituindo por isso,

Leia mais

Geração de energia elétrica

Geração de energia elétrica Geração de energia elétrica Suprimento (geração, transmissão e distribuição) de energia elétrica: aspectos socioambientais Lineu Belico dos Reis REQUISITOS BÁSICOS: Atendimento ao arcabouço legal ambiental

Leia mais

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA PÓS - GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA ADP8088 - SEMINÁRIOS EM ENGENHARIA AGRÍCOLA II USO DO GÁS NATURAL DE

Leia mais

CAPÍTULO 7 EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO

CAPÍTULO 7 EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO CAPÍTULO 7 EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO ÍNDICE DE TEXTO VII. EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO...219 217 218 VII. EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO O presente capítulo tem como

Leia mais

d) Licença ambiental de operação documento

d) Licença ambiental de operação documento I SÉRIE N.º 84 DE 13 DE JULHO DE 2007 1283 Decreto n.º 59/07 de 13 de Julho Considerando que a Lei n.º 5/98, de 19 de Junho, Lei de Bases do Ambiente, estabelece a obrigatoriedade de licenciamento das

Leia mais

ANEXO IV PORTARIA Nº 421, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL - RCA. TERMO DE REFERÊNCIA Conteúdo Mínimo

ANEXO IV PORTARIA Nº 421, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL - RCA. TERMO DE REFERÊNCIA Conteúdo Mínimo ANEXO IV PORTARIA Nº 421, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL - RCA TERMO DE REFERÊNCIA Conteúdo Mínimo O presente Termo de Referência tem como objetivo estabelecer um referencial

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º3 /2009. Política de Cidades - Parcerias para a Regeneração Urbana. Programas integrados de criação de Eco-Bairros

ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º3 /2009. Política de Cidades - Parcerias para a Regeneração Urbana. Programas integrados de criação de Eco-Bairros ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º3 /2009 Política de Cidades - Parcerias para a Regeneração Urbana Programas integrados de criação de Eco-Bairros 1. ENQUADRAMENTO GERAL A Autoridade de Gestão do Programa Operacional

Leia mais

SISTEMA ENERGÉTICO PORTUGUÊS

SISTEMA ENERGÉTICO PORTUGUÊS SISTEMA ENERGÉTICO PORTUGUÊS (ELETRICIDADE E GÁS NATURAL) Contexto Regulamentar O enquadramento legal decorre da implementação do designado "Terceiro Pacote Energético", da União Europeia, do qual fazem

Leia mais

ELECTRICIDADE DOS AÇORES, S.A. ANÚNCIO DE CONCURSO

ELECTRICIDADE DOS AÇORES, S.A. ANÚNCIO DE CONCURSO ELECTRICIDADE DOS AÇORES, S.A. ANÚNCIO DE CONCURSO SECÇÃO I: ENTIDADE ADJUDICANTE I.1) DESIGNAÇÃO, ENDEREÇOS E PONTOS DE CONTACTO Designação Oficial: ELECTRICIDADE DOS AÇORES, S.A. Endereço postal: RUA

Leia mais

TUTORIAL PARA PREENCHIMENTO DO MEMORIAL DESCRITIVO

TUTORIAL PARA PREENCHIMENTO DO MEMORIAL DESCRITIVO TUTORIAL PARA PREENCHIMENTO DO MEMORIAL DESCRITIVO Campos A Preencher: Todos os campos deverão ser preenchidos. Os campos que não se aplicam ao estabelecimento/empreendimento, preencher com não há. 01

Leia mais

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Como as pessoas tendem a imitar os seus líderes, estes devem-se empenhar e comprometer-se com o QSSA, para servirem

Leia mais

PÓS-AVALIAÇÃO EM AIA

PÓS-AVALIAÇÃO EM AIA Engenharia Civil: 5º ano / 10º semestre Engenharia do Territorio: 4º ano / 8º semestre PÓS-AVALIAÇÃO EM AIA Articulação da AIA com outros regimes de licenciamento IMPACTES AMBIENTAIS 9 ª aula Prof. Doutora

Leia mais

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural Guião de Programa de Rádio e Televisão Tema: Redução de Emissões de Desmatamento e Degradação Florestal (REDD+) Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante

Leia mais

Resultados dos Estudos Preliminares da Captura e Utilização de Biogás dos Aterros Sanitários de Uberaba e Santana do Paraíso

Resultados dos Estudos Preliminares da Captura e Utilização de Biogás dos Aterros Sanitários de Uberaba e Santana do Paraíso Resultados dos Estudos Preliminares da Captura e Utilização de Biogás dos Aterros Sanitários de Uberaba e Santana do Paraíso Belo Horizonte, 26 de Abril de 2011 Jim Michelsen SCS Engineers & Frederico

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Pág. 1 de 15. Actuar. Verifica r. Data: 09/05/2011 Edição: 01 Revisão: 00 Entrada em vigor:

MANUAL DA QUALIDADE. Pág. 1 de 15. Actuar. Verifica r. Data: 09/05/2011 Edição: 01 Revisão: 00 Entrada em vigor: MANUAL DA QUALIDADE Pág. 1 de 15 Planear Realizar Actuar Verifica r Rubrica: Rubrica: MANUAL DA QUALIDADE Pág. 2 de 15 INDICE: CAP. 1 - MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE 1.1. - Objectivo 1.2. - Âmbito e exclusões

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NA ÁGUAS DO VOUGA

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NA ÁGUAS DO VOUGA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NA ÁGUAS DO VOUGA Tiago PARENTE 1 Fausto OLIVEIRA 2, RESUMO A promoção pela eficiência energética tem sido uma das medidas impostas pelas actuais políticas europeias com o objectivo

Leia mais

Central de Produção de Energia Eléctrica

Central de Produção de Energia Eléctrica Central de Produção de Energia Eléctrica Ref.ª CPEE Tipo 1 Tipo 2 Tipo 3 Tipo 4 Tipo 5 5 a 25 kva 25 a 150 kva 150 a 500 kva 500 a 1.000 kva 1.000 a 2.700 kva Pág. 1 ! Combustível Diesel! Frequência 50

Leia mais

O futuro da energia. Pro2.

O futuro da energia. Pro2. O futuro da energia. Pro2. w O FUTURO DA ENERGIA Mais exigência, mais desempenho. Pro2. A Pro2 é o seu parceiro de excelência de sistemas para tecnologias de energia descentralizada e bioenergia. As nossas

Leia mais

Reforço de Potência Aproveitamento Hidroeléctrico de Vila Nova/Venda Nova. (Venda Nova II) Relatório de Visita de Estudo.

Reforço de Potência Aproveitamento Hidroeléctrico de Vila Nova/Venda Nova. (Venda Nova II) Relatório de Visita de Estudo. ISEL INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E AUTOMAÇÃO Reforço de Potência Aproveitamento Hidroeléctrico de Vila Nova/Venda Nova (Venda Nova II) Relatório

Leia mais

MODELO DE INQUÉRITO PARA EXECUÇÃO DE UMA AUDITORIA ENERGÉTICA

MODELO DE INQUÉRITO PARA EXECUÇÃO DE UMA AUDITORIA ENERGÉTICA PARA EXECUÇÃO DE UMA AUDITORIA ENERGÉTICA A. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA: 1.SEDE 1.1 NOME... 1.2 ENDEREÇO.. 1.3 CÓDIGO POSTAL... 1.4 LOCALIDADE... 1.5 CONCELHO. 1.6 DISTRITO... 1.7 TELEFONE.. 1.8 TELEFAX...

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO

Leia mais

Portaria n.º 240/92 de 25 de Março

Portaria n.º 240/92 de 25 de Março Portaria n.º 240/92 de 25 de Março O Decreto-Lei n. º 88/91, de 23 de Fevereiro, que procedeu à transposição da Directiva n. º 87/101/CEE, do Conselho, de 22 de Dezembro de 1986, remeteu expressamente,

Leia mais

ANEXO 14- PILHAS DE COMBUSTÍVEL

ANEXO 14- PILHAS DE COMBUSTÍVEL ANEXO 14- PILHAS DE COMBUSTÍVEL 198 Conteúdo 1 Pilha de combustível... 199 1.1 O que é um elemento a combustível... 199 1.2 Princípio de funcionamento... 200 1.3 Tipos básicos de elementos a combustível...

Leia mais

GNV. Combustível de baixo impacto ambiental para frotas de Táxis.

GNV. Combustível de baixo impacto ambiental para frotas de Táxis. GNV Combustível de baixo impacto ambiental para frotas de Táxis. REUNIÃO DE ESPECIALISTAS SOBRE TRANSPORTE URBANO SUSTENTÁVEL MODERNIZAR E TORNAR ECOLÓGICA A FROTA DE TÁXIS NAS CIDADES LATINO AMERICANAS

Leia mais

Grandes Problemas Ambientais

Grandes Problemas Ambientais Grandes Problemas Ambientais O aumento do efeito de estufa; O aquecimento global; A Antárctica; A desflorestação; A Amazónia; A destruição da camada de ozono; As chuvas ácidas; O clima urbano; Os resíduos

Leia mais

A NOVA LEGISLAÇÃO PARA RESÍDUOS RESULTANTES DA ACTIVIDADE EXTRACTIVA

A NOVA LEGISLAÇÃO PARA RESÍDUOS RESULTANTES DA ACTIVIDADE EXTRACTIVA A NOVA LEGISLAÇÃO PARA RESÍDUOS RESULTANTES DA ACTIVIDADE EXTRACTIVA João M. L. Meira Geólogo Mário J. N. Bastos Engenheiro de Minas INTRODUÇÃO A exploração de minas e pedreiras, bem como a actividade

Leia mais

PROCEDIMENTO LEVANTAMENTO AMBIENTAL

PROCEDIMENTO LEVANTAMENTO AMBIENTAL PROCEDIMENTO LEVANTAMENTO AMBIENTAL Regulamento EMAS (EC Nº. 761/2001) A organização deve estabelecer e manter um ou mais procedimento para identificar os aspectos ambientais das suas actividades, produtos

Leia mais

Plano de Emergência Externo do Estabelecimento de Armazenagem de Produtos Explosivos da MaxamPor, S.A.

Plano de Emergência Externo do Estabelecimento de Armazenagem de Produtos Explosivos da MaxamPor, S.A. Plano de Emergência Externo do Estabelecimento de Armazenagem de Produtos Explosivos da MaxamPor, S.A. CÂMARA MUNICIPAL DE VILA POUCA DE AGUIAR SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL SETEMBRO DE 2010 ÍNDICE

Leia mais

Descrever o princípio de funcionamento dos motores Ciclo Otto Identificar os componentes básicos do motor.

Descrever o princípio de funcionamento dos motores Ciclo Otto Identificar os componentes básicos do motor. Objetivos Descrever o princípio de funcionamento dos motores Ciclo Otto Identificar os componentes básicos do motor. Descrição Neste módulo são abordados os princípios de funcionamento do motor Ciclo Otto,

Leia mais

6º Fórum Mundial da Água

6º Fórum Mundial da Água 6º Fórum Mundial da Água A gestão integrada de recursos hídricos e de águas residuais em São Tomé e Príncipe como suporte da segurança alimentar, energética e ambiental Eng.ª Lígia Barros Directora Geral

Leia mais

Equipamentos primários. L. Roriz

Equipamentos primários. L. Roriz Equipamentos primários L. Roriz Unidades de Arrefecimento Unidades de Arrefecimento de Ar Unidades Produtoras de Água Refrigerada Sistemas de compressão de vapor Sistemas de expansão directa Sistemas utilizando

Leia mais

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa TE GEE.208.04 II Nos termos do Decreto-Lei n.º 233/2004, de 14 de Dezembro, com as alterações introduzidas pelos Decretos-Lei n.º 243-A/2004, de 31 de Dezembro,

Leia mais

Universidade Eduardo Mondlane FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engª Mecânica

Universidade Eduardo Mondlane FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engª Mecânica Universidade Eduardo Mondlane FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engª Mecânica Tema: Dimensionamento de uma instalação combinada de energia solar e eólica Autor: Quintino, Bernardo Supervisor: Dr.

Leia mais

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo.

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo. Ciclo hidrológico Quase toda a água do planeta está concentrada nos oceanos. Apenas uma pequena fração (menos de 3%) está em terra e a maior parte desta está sob a forma de gelo e neve ou abaixo da superfície

Leia mais

ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL. Resumo Não Técnico

ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL. Resumo Não Técnico ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL Resumo Não Técnico PEDREIRA DA PEDRINHA II Julho de 2011 GEOTROTA Unipessoal Lda Quinta do Castanheiro, Canada dos Caracóis, nº3, 9600-059 Pico da Pedra Tel./Fax: 296498259

Leia mais

República de Angola MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS

República de Angola MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS República de Angola MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS Conferência e exposição ipad angola 2011 Luanda, 15 de Setembro de 2011 Fontes de Energias renováveis no Contexto angolano APRESENTAÇÃO SANDRA CRISTÓVÃO

Leia mais

IV - Aeroportos, conforme definidos pelo inciso 1, artigo 48, do Decreto-Lei nº 32, de 18.11.66;

IV - Aeroportos, conforme definidos pelo inciso 1, artigo 48, do Decreto-Lei nº 32, de 18.11.66; Página 1 de 5 Resoluções RESOLUÇÃO CONAMA Nº 001, de 23 de janeiro de 1986 Publicado no D. O. U de 17 /2/86. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE - IBAMA, no uso das atribuições que lhe confere o artigo

Leia mais

Questionário para Subscrição de Seguro de Responsabilidade Ambiental e por Contaminação

Questionário para Subscrição de Seguro de Responsabilidade Ambiental e por Contaminação Questionário para Subscrição de Seguro de Responsabilidade Ambiental e por Contaminação Este questionário deve ser preenchido pelo Segurado ou por um representante autorizado, devendo dar-se resposta completa

Leia mais

A NOSSA GAMA DE MOTO-BOMBAS TIPOS DE MOTO-BOMBAS ALTURA DE ELEVAÇÃO

A NOSSA GAMA DE MOTO-BOMBAS TIPOS DE MOTO-BOMBAS ALTURA DE ELEVAÇÃO Moto-Bombas 12 A NOSSA GAMA DE Das moto-bombas portáteis mais pequenas às grandes moto-bombas para resíduos, a Honda tem uma gama concebida para os mais diversos usos. Perfeitas para quem pretende um funcionamento

Leia mais

Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira

Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira AULA Fundação 4 MATRIZ Universidade ELÉTRICA Federal de Mato Grosso do Sul 1 Matriz Energética Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira Prof. Márcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul FAENG /

Leia mais

Produção de Energia Alternativa

Produção de Energia Alternativa Produção de Energia Alternativa Prof.Pedro Araújo Realizado por: - Diogo Fernandes nº27097 - Gonçalo Paiva nº26743 - José Silva nº27144 Introdução A produção de energias alternativas, tem vindo a ganhar

Leia mais

WORKSHOP 'EFICIÊNCIA ENERGÉTICA - DESAFIOS E OPORTUNIDADES PARA PORTUGAL

WORKSHOP 'EFICIÊNCIA ENERGÉTICA - DESAFIOS E OPORTUNIDADES PARA PORTUGAL WORKSHOP 'EFICIÊNCIA ENERGÉTICA - DESAFIOS E OPORTUNIDADES PARA PORTUGAL Eficiência Energética na Industria Experiencia Save to Compete Sofia Tavares EDP Comercial sofia.tavares@edp.pt Lisboa, 6 Março,

Leia mais

Estado de Mato Grosso Assembleia Legislativa

Estado de Mato Grosso Assembleia Legislativa Projeto de lei - 1o15299h Estado de Mato Grosso Assembleia Legislativa Despacho NP: 1o15299h SECRETARIA DE SERVIÇOS LEGISLATIVOS 17/10/2013 Projeto de lei nº 372/2013 Protocolo nº 6443/2013 Processo nº

Leia mais

MEDIDAS DE MINIMIZAÇÃO GERAIS DA FASE DE CONSTRUÇÃO

MEDIDAS DE MINIMIZAÇÃO GERAIS DA FASE DE CONSTRUÇÃO MEDIDAS DE MINIMIZAÇÃO GERAIS DA FASE DE CONSTRUÇÃO Fase de preparação prévia à execução das obras 1 Divulgar o programa de execução das obras às populações interessadas, designadamente à população residente

Leia mais

ÍNDICE DE TEXTO. Pág. 1 - INTRODUÇÃO... 2 2 - ANTECEDENTES... 2 3 - BREVE DESCRIÇÃO DO PROJECTO... 3 4 - CONTEÚDO DA DIA... 7

ÍNDICE DE TEXTO. Pág. 1 - INTRODUÇÃO... 2 2 - ANTECEDENTES... 2 3 - BREVE DESCRIÇÃO DO PROJECTO... 3 4 - CONTEÚDO DA DIA... 7 EXPANSÃO DA INSTALAÇÃO DE REJEITADOS DE CERR RO DO LOBO UTILIZANDO TECNOLOGIA DA PASTA / REJEITADOS ESPESSADOS Sumário Executiv vo Fevereiro de 2010 ÍNDICE DE TEXTO Pág. 1 - INTRODUÇÃO... 2 2 - ANTECEDENTES...

Leia mais

Guia de Apoio à Realização de Inspecções Ambientais

Guia de Apoio à Realização de Inspecções Ambientais Guia de Apoio à Realização de Inspecções Ambientais 1-Introdução As inspecções ambientais são o garante da implementação e cumprimento da legislação ambiental por parte das empresas que exercem actividades

Leia mais

Utilização do Google Earth e Google Maps na CEMIG

Utilização do Google Earth e Google Maps na CEMIG Utilização do Google Earth e Google Maps na CEMIG Roberto Proença da Silva Carlos Alberto Moura Companhia Energética de Minas Gerais - CEMIG Superintendência de Tecnologia da Informação - TI Gerência de

Leia mais

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Tendo em conta a história económica do nosso País após a independência, a propriedade pública ainda ocupa um lugar muito

Leia mais

Estratégia Nacional para a Energia (ENE 2020) Luis Silva, ADENE Agência para a Energia

Estratégia Nacional para a Energia (ENE 2020) Luis Silva, ADENE Agência para a Energia Estratégia Nacional para a Energia (ENE 2020) Luis Silva, ADENE Agência para a Energia 6º workshop da Plataforma do Empreendedor AIP-CE, 1 Julho 2010 Índice As novas metas EU para as Renováveis Estratégia

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL. Avaliação de Impactos Ambientais ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail.com

GESTÃO AMBIENTAL. Avaliação de Impactos Ambientais ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail.com ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL GESTÃO AMBIENTAL Avaliação de Impactos Ambientais

Leia mais

Cambambe I Uma parceria para fornecer energia a Angola

Cambambe I Uma parceria para fornecer energia a Angola Cambambe I Uma parceria para fornecer energia a Angola II A Voith apoia plenamente Angola e o seu povo no processo de reconstrução após três décadas de guerra civil. Temos dado a nossa contribuição nos

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS NA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA. 15-09-2011 Agostinho Figueira

ENERGIAS RENOVÁVEIS NA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA. 15-09-2011 Agostinho Figueira PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA 15-09-2011 Agostinho Figueira TÓPICOS: 1. Política energética 2. Integração de fontes de energia renovável 3. Sistema electroprodutor Fontes renováveis 4. Plano de acção -

Leia mais

www.kaeser.com Compressores Portáteis MOBILAIR M 200 Com o mundialmente reconhecido PERFIL SIGMA Caudal: 14,5 a 21,2 m³/min.

www.kaeser.com Compressores Portáteis MOBILAIR M 200 Com o mundialmente reconhecido PERFIL SIGMA Caudal: 14,5 a 21,2 m³/min. www.kaeser.com Compressores Portáteis MOBILAIR M 200 Com o mundialmente reconhecido PERFIL SIGMA Caudal: 14,5 a 21,2 m³/min. Made in Germany Os MOBILAIR compressores portáteis da KAESER COMPRESSORES são

Leia mais

Conceitos Básicos para Avaliação de Impactos Ambientais. [Kemal Vaz] [2 F 10:15 11:15]

Conceitos Básicos para Avaliação de Impactos Ambientais. [Kemal Vaz] [2 F 10:15 11:15] Conceitos Básicos para Avaliação de Impactos Ambientais [Kemal Vaz] [2 F 10:15 11:15] Revisão: Definição da AIA A avaliação do Impacto Ambiental (AIA) é Um processo formal para identificar: Efeitos esperados

Leia mais

RELATÓRIO DE CONFORMIDADE AMBIENTAL DO PROJECTO DE EXECUÇÃO

RELATÓRIO DE CONFORMIDADE AMBIENTAL DO PROJECTO DE EXECUÇÃO RELATÓRIO DE CONFORMIDADE AMBIENTAL DO PROJECTO DE EXECUÇÃO Variante à ER1-1ª Vila Franca do Campo Sumário Executivo Índice 1. Introdução...2 2. Antecedentes do Projecto...2 3. Descrição do Projecto...3

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Executivo nº 189/08 de 9 de Setembro Considerando a necessidade do estabelecimento de disposições sobre os princípios a que devem obedecer a construção do sistema de infra-estruturas,

Leia mais

Eficiência Energética e Cuidados Ambientais em Empreendimentos a Carvão - a experiência da UTE CANDIOTA III - 350 MW (Fase C da Usina de Candiota)

Eficiência Energética e Cuidados Ambientais em Empreendimentos a Carvão - a experiência da UTE CANDIOTA III - 350 MW (Fase C da Usina de Candiota) Eficiência Energética e Cuidados Ambientais em Empreendimentos a Carvão - a experiência da UTE CANDIOTA III - 350 MW (Fase C da Usina de Candiota) Apresentação 2 Thermal Energy LatAm Rio de Janeiro, 01/02/2012

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFÊRENCIA PARA ELABORACÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE DEDETIZADORAS, LIMPA FOSSA E EMPRESAS QUE PRESTA SERVIÇO DE LIMPEZA. Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO AMBIENTAL

Leia mais

Esta radiação que atinge o solo é constituída por três componentes:

Esta radiação que atinge o solo é constituída por três componentes: Energia Solar O Sol é a nossa principal fonte de energia, responsável pela manutenção das várias formas de vida existentes na Terra. Trata-se de um recurso praticamente inesgotável e constante, quando

Leia mais

Solução de Aquecimento de Águas de Elevada Eficiência

Solução de Aquecimento de Águas de Elevada Eficiência Solução de Aquecimento de Águas de Elevada Eficiência Gama 04 Gama de 2013 O que é Therma V? 06 O que é Therma V? Vantagens Therma V 08 Elevada Eficiência Energética 10 Programação Semanal 12 Instalação

Leia mais

EQUIPAMENTO DE DESCONTAMINAÇÃO AVANÇADO

EQUIPAMENTO DE DESCONTAMINAÇÃO AVANÇADO ECOAUTO SR v 2.0 EQUIPAMENTO DE DESCONTAMINAÇÃO AVANÇADO ECOAUTO SR. EQUIPAMENTO DE DESCONTAMINAÇÃO APRESENTAÇÃO DO EQUIPAMENTO Sistema de descontaminação de Veículos Fora de Uso, especialmente concebido

Leia mais