UMA PERSPECTIV* BRASILEIRA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UMA PERSPECTIV* BRASILEIRA"

Transcrição

1 2 a tiragem Organizadores Fernando Veloso Pedro Cavalcanti Ferreira Fabio Giambiagi Samuel Pessöa DESENVOUflMENTO ECONOMICO UMA PERSPECTIV* BRASILEIRA "ELSEVIER. CAMPUS

2 J SUMÄRIO Organizadores Autores Apresenta^äo vii ix xiii PREFÄCIO Prefäcio xix GUSTAVO H. B. FRANCO PARTE I CAPiTUL01 Desenvolvimento em perspective teörica e comparada Experiencias comparadas de crescimento econömico no pös-guerra 3 FERNANDO VELOSO PEDRO CAVALCANTI FERREIRA SAMUEL PESSÖA Introdupäo 3 Fatos estilizados 4 O desastre de produtividade da America Latina 18 O milagre de produtividade dos Tigres Asiäticos 24 O milagre de produtividade da China 29 Resumo 32 Leituras recomendadas 33 Referencias 33 Apendice 35 A. Lista de pai'ses por regiöes 35 B. Lista de paises por grupos de crescimento 36 C. Derivapäo da förmula da decomposigäo do crescimento alternativa 37

3 xxviii j DESENVOLVIMENTO ECONÖMICO: UMA PERSPECTIVA BRASILEIRA CAPiTULO 2 Desenvolvimento econömico: uma breve incursäo teörica 39 CARLOS EDUARDO SO ARES GONf ALVES IntroduQäo 39 Modelos de Solow e Ramsey 41 Modelos de crescimento endögeno 44 Modelos AK 44 Tecnologia endögena 46 Barreiras ä adopäo de tecnologias: o argumento de Prescott e Parente 48 Instituigöes e desenvolvimento 52 PoKticas econömicas versus instituipöes 55 Resumo 57 Leituras recomendadas 58 Referencias 59 Apändlce matemätico 61 CAPiruLO 3 O desenvolvimento econömico em perspectiva histörica 63 ANDRE VILLELA Introdugäo 63 O crescimento econömico na histöria: alguns fatos estilizados 64 O crescimento econömico moderno 71 A desigualdade de renda na histöria 81 Resumo 84 Leituras recomendadas 86 Referencias 86 PARTE 11 Uma perspectiva brasileira CAPiTULO 4 O desenvolvimento econömico no Brasil pre ANDRE VIILELA Introdupäo 91 O desenvolvimento econömico do Brasil: um panorama histörico 92 Tristes tröpicos: a America portuguesa, 1500-c Ficando para träs de verdade: o seculo XIX 102 Revolugäo industrial ä brasileira, c A Era Vargas e o "deslocamento do centro dinämico" da economia 115 Desigual desde sempre? Breve histöria da distribuipäo de renda no Brasil 120 Resumo 124 Leituras recomendadas 125 Referencias 125

4 Sumärio xxix CAPiTULO s O desenvolvimento econömico brasileiro no pös-guerra 129 PEDRO CAVALCANTI FERREIRA FERNANDO VELOSO Introdugäo 129 As fontes do crescimento econömico brasileiro no pös-guerra 130 Uma interpretagäo do desenvolvimento econömico brasileiro no pös-guerra 140 Eficiencia e ambiente de negöcios 150 Educapäo, inclusäo e crescimento 156 Resumo 161 Leituras recomendadas 161 Referencias 162 Apendice 164 CAPITULO 6 Polftica econömica, reformas institucionais e crescimento: a experiencia brasileira ( ) 166 RENATO FRAGELU CARDOSO Introdupäo 166 O pös-guerra democrätico ( ) 167 O Paeg de Castello Branco ( ) 171 Milagre econömico ( ) 184 Crescimento com endividamento externo ( ) 187 Crise da divida externa e inflapäo ( ) 189 Redemocratizapäo e hiperinflapäo ( ) 192 O Piano Real (1993 a 2002) 195 Crescimento com distribuipäo de renda ( ) 205 Resumo 207 Leituras recomendadas 208 Referencias 208 CAPITULO 7 Educagäo e desenvolvimento no Brasil 211 FERNANDO DE HOLANDA BARBOSA FILHO SAMUEL PESSÖA Introdugäo 211 Educagäo bäsica: o grande erro coletivo de nossa sociedade no seculo XX 212 Retornos da educapäo 215 Equagäo de Mincer 215 Taxa interna de retorno 217 AHR para cada ciclo de educagäo 219 Educagäo e crescimento econömico 222

5 xxx I DESENVOLVIMENTO ECONÖMICO: UMA PERSPECTIVA BRASILEIRA Educapäo e desigualdade de renda per capita entre os pai'ses 229 Outros impactos da educapäo 230 Resumo 232 Leituras recomendadas 233 Referencias 233 CAPiTULo s Crescimento brasileiro revisitado 236 REGIS BONEUJ EDMARBACHA Introdupäo 236 Decomposipäo do crescimento do capital 238 Relacionamento do crescimento do PIB com o do capital 238 O papel da poupanpa 241 Utilizapäo de capacidade (u) 243 Relapäo produto/capital em uso (v) 244 Prego relativo do investimento (p) 245 Taxas de investimento: valores originais e revistos 249 Colapso do crescimento do capital 251 Produtividade e o colapso do crescimento 253 Resumo 258 Leituras recomendadas 259 Referencias 260 Anexo estatfstlco ( ) 261 CAPiTULo 9 O milagre, a estagnagäo e a retomada do crescimento: as lipöes da economia brasileira nas ültimas decadas 263 ROBERTO ELLERY ARILTON TEIXEIRA Introdupäo 263 Modelo neoclässico 264 Preferencias 264 Tecnologia 265 Equilibrio e solupäo do modelo 266 Contabilidade do crescimento 267 Calibrapäo 267 Crescimento sem progresso tecnico: A decada ou as decadas perdidas? 273 Elevapäo da carga tributäria e desempenho recente da economia brasileira 278 Resumo 283 Leituras recomendadas 284 Referencias 284

6 Sumärio xxxi PARTE III Töpicos do desenvolvimento brasileiro CAPITULO 10 Poupanga e investimento: o caso brasileiro 287 PAULO MANSUR LEVY FABIO GIAMBIAGI Introdugäo 287 Conceitos: as relagöes entre poupanga, investimento e o balango de pagamentos 289 Determinantes da poupanga domestica 293 O conceito de restrigäo ao crescimento e o caso da restrigäo de poupanga 297 Poupanga e investimento na economia brasileira 300 A evolugäo da economia brasileira 300 A evolugäo da poupanga e do investimento 303 Resumo 314 Leituras recomendadas 315 Referöncias 315 Apendice estatfstico 318 Apendice metodolögico - A poupanga publica segundo o IBGE 320 CAPITULO 11 Infraestrutura e desenvolvimento no Brasil 322 CLAUDIO FRISCHTAK Introdugäo 322 Infraestrutura e desenvolvimento 323 A microeconomia da infraestrutura 326 Os investimentos de infraestrutura no Brasil 333 Poltticas de infraestrutura 340 Resumo 343 Leituras recomendadas 344 Referencias 344 CAPlTULo 12 Padröes de crescimento industrial no Brasil 347 REGIS BONELLI SAMUEL PESSÖA SILVIA MATOS Introdugäo 347 Padröes de crescimento 348 Padröes de crescimento inter e intrassetorial no Brasil 352 A desindustrializagäo no Brasil 357 O Brasil no concerto das nagöes 360

7 xxxii DESENVOLVIMENTO ECONÖMICO: UMA PERSPECTIVA BRASILEIRA O Brasil e o padräo "normal" de crescimento industrial 365 Resumo 372 Leituras recomendadas 374 Referencias 375 Anexos 376 CAPiTULo 13 Experi&ncias comparadas de politica industrial no pös-guerra: ligöes para o Brasil 381 MAURlCK) CAMCDOflNHEIRO Introdupäo 381 Por que politica industrial? 382 Externalidades no aprendizado 383 Extemalidades entre setores e problemas de coordenapäo 384 Externalidades informacionais e diversificapäo 386 Comparando diferentes experiencias de politica industrial 387 Politica industrial no Japäo 388 Politica industrial na Coreia do Sul 390 Politica industrial na China 391 Politica industrial no Brasil 393 Quais as diferenpas, afinal? 397 Alem de politica industrial, o que mais? 399 Resumo 401 Leituras recomendadas 402 Referencias 402 CAPiTULo 14 Abertura comercial, exportagöes e inovagöes no Brasil 405 NAERCIO MENEZES FILHO StRGIO KAH'ifüi NIOR Introdupäo 405 Modelos teöricos: abertura, exportagöes e produtividade 407 Abertura comercial, exportapöes e produtividade 410 Abertura e mercado de trabalho 414 Inovapöes e crescimento econömico 416 Politicas de inovapäo 421 Resumo 422 Leituras recomendadas 423 Referencias 423

8 Sumärio CAPITULO is Desigualdades regionale e desenvolvimento econömico 426 ALEXANDRE RANDS BARROS Introdugäo 426 Evidencias empiricas das desigualdades regionais 427 Natureza das desigualdades regionais 434 Desigualdades emergindo por diferengas nas remuneragöes dos atributos produtivos entre regiöes 434 Desigualdades emergindo por diferengas na disponibilidade relativa de atributos produtivos e remuneragöes deles semelhantes entre regiöes 436 Fontes das desigualdades regionais: o caso do Brasil 437 O que poderia explicar as diferengas de disponibilidade relativa de fatores de produgäo entre regiöes? 440 Politicas regionais 444 Resumo 446 Leituras recomendadas 447 Referencias 447

Produtividade e Eficiência. Pedro Cavalcanti Ferreira Fundação Getulio Vargas

Produtividade e Eficiência. Pedro Cavalcanti Ferreira Fundação Getulio Vargas Produtividade e Eficiência Pedro Cavalcanti Ferreira Fundação Getulio Vargas Introdução Países são pobres não só porque possuem relativamente menos (e piores) fatores de produção, mas porque organizam

Leia mais

Alexandre Rands Barros. Natureza, causas, origens e soluções

Alexandre Rands Barros. Natureza, causas, origens e soluções Alexandre Rands Barros O Natureza, causas, origens e soluções ELSEVIER CAMPUS Sumário de tabelas Sumário de figuras xiii xvii Introdução 1 1. Introdução 1 2. Convergência regional dos níveis de desenvolvimento

Leia mais

EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ECONÔMICO

EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ECONÔMICO EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ECONÔMICO Adam Smith: divisão do trabalho, produtividade e custos David Ricardo: vantagens comparativas Malthus: controle demográfico Marx: mais-valia e crises capitalistas Marx:

Leia mais

Prof. Danilo Pastorelli Mestre em Economia UNESP Graduado em História UNESP Graduando em Pedagogia UNESP

Prof. Danilo Pastorelli Mestre em Economia UNESP Graduado em História UNESP Graduando em Pedagogia UNESP Prof. Danilo Pastorelli Mestre em Economia UNESP Graduado em História UNESP Graduando em Pedagogia UNESP prof.danilopastorelli@saojudas.br características gerais intenso crescimento do PIB intenso crescimento

Leia mais

Educação e Desenvolvimento

Educação e Desenvolvimento Educação e Desenvolvimento Pedro Cavalcanti Ferreira Fundação Getulio Vargas edro Cavalcanti Ferreira Fundação Getulio Vargas ()Educação e Desenvolvimento 1 / 25 Máquina de Criar Pobres Brasil: Máquina

Leia mais

Curso Preparatório para o Exame Nacional da ANPEC

Curso Preparatório para o Exame Nacional da ANPEC Curso Preparatório para o Exame Nacional da ANPEC ECONOMIA BRASILEIRA Programa, Cronograma e Bibliografia Recomendada Prof. Dr. Amaury Patrick Gremaud Programa Aula Conteúdo 1 Apresentação e aspectos gerais

Leia mais

MODELOS DE CRESCIMENTO ECONÔMICO

MODELOS DE CRESCIMENTO ECONÔMICO Existem várias teorias de crescimento econômico: Corrente clássica (Adam Smith, David Ricardo, Thomas Malthus) Corrente Keynesiana (Damodar-Harrod, Kaldor) Corrente neo-clássica (Solow) Crescimento endógeno

Leia mais

Parceria entre Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) e Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) Objetivos: analisar o

Parceria entre Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) e Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) Objetivos: analisar o Parceria entre Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) e Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) Objetivos: analisar o comportamento e a evolução da produtividade no Brasil e, principalmente,

Leia mais

Competitividade Brasil e países selecionados Determinantes macroeconômicos Renato da Fonseca

Competitividade Brasil e países selecionados Determinantes macroeconômicos Renato da Fonseca Competitividade Brasil e países selecionados Determinantes macroeconômicos Renato da Fonseca Seminários IBRE: Os Desafios da Competitividade Sessão 1: Determinantes macroeconômicos Rio de Janeiro, 28 de

Leia mais

Pedro Carvalho de Mello

Pedro Carvalho de Mello Pedro Carvalho de Mello ODde BRICs Potencial de consumo, recursos naturais e economia brasileira Sumärio Apresentagäo 17 Introdugäo 19 PARTE I Os BRICs e a economia mundial CAPiTULO 1 BRICs na economia

Leia mais

Diferenças de produtividade na indústria: evolução comparada Brasil / EUA

Diferenças de produtividade na indústria: evolução comparada Brasil / EUA Diferenças de produtividade na indústria: evolução comparada Brasil / EUA Regis Bonelli* Pesquisador do IBRE * Com a colaboração de Daniel A. Duque Seminário Indústria e Desenvolvimento Produtivo no Brasil

Leia mais

Dinâmica Recente da Produtividade no Brasil

Dinâmica Recente da Produtividade no Brasil Dinâmica Recente da Produtividade no Brasil Fernando A. Veloso IBRE/FGV Conferência do Desenvolvimento 2013 21 de Março de 2013 Estrutura da Apresentação Evolução da produtividade no Brasil nas últimas

Leia mais

INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA Turma I - 3as e 5as feiras, às 8 h

INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA Turma I - 3as e 5as feiras, às 8 h UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DEPARTAMENTO DE SOCIOLOGIA Disciplina: INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA Turma I - 3as e 5as feiras, às 8 h Professor: Prof. Dr. Sergio B. F. Tavolaro sergiotavolaro@unb.br

Leia mais

Noções (?) de Economia Concurso de Admissão à Carreira Diplomática. Alterações do Edital 2017

Noções (?) de Economia Concurso de Admissão à Carreira Diplomática. Alterações do Edital 2017 Noções (?) de Economia Concurso de Admissão à Carreira Diplomática Alterações do Edital 2017 Microeconomia Noções Preliminares/ Fundamentos da Oferta e Demanda/ Teoria do Consumidor 1.1 Demanda do Consumidor.

Leia mais

UNIVERSIDADE DOS AÇORES DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E GESTÃO Economia Internacional I

UNIVERSIDADE DOS AÇORES DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E GESTÃO Economia Internacional I UNIVERSIDADE DOS AÇORES DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E GESTÃO Economia Internacional I Enquadramento: A disciplina de Economia Internacional I está planeada como obrigatória na Licenciatura em Economia e na

Leia mais

II PND: Crescimento ou Ilusão

II PND: Crescimento ou Ilusão II PND: Crescimento ou Ilusão Uma abordagem neoclássica Daniela Viana Costa Universidade de Brasília 11 de Maio de 2011 Daniela (Institute) Projeto de Dissertação 11/05/11 1 / 26 Objetivo Analisar o desempenho

Leia mais

Exercício de Decomposição do Crescimento

Exercício de Decomposição do Crescimento Exercício de Decomposição do Crescimento A Produtividade Total dos Fatores Para estimar a função de produção utiliza-se, comumente, a seguinte forma da Cobb- Douglas Y = A K α L 1-α = (A K) α (AL) 1-α

Leia mais

Crescimento econômico - Parte I Modelo sem progresso tecnológico

Crescimento econômico - Parte I Modelo sem progresso tecnológico Crescimento econômico - Parte I Modelo sem progresso tecnológico Dr. Antony P. Mueller Professor de Economia Universidade Federal de Sergipe (UFS) www.continentaleconomics.com PIB per capital China e Europa

Leia mais

Os Dilemas e Desafios da Produtividade no Brasil

Os Dilemas e Desafios da Produtividade no Brasil A Produtividade em Pauta Fernanda De Negri e Luiz Ricardo Cavalcante 8 de Agosto de 2015 Fernanda de Negri A Produtividade em Pauta Graduada em economia pela UFPR, mestre e doutora pela UNICAMP e atualmente

Leia mais

Figura I Experiência prévia em Teatro dos alunos do 1º período do Curso de Graduação em Teatro da EBA/UFMG no 1º semestre de 2009.

Figura I Experiência prévia em Teatro dos alunos do 1º período do Curso de Graduação em Teatro da EBA/UFMG no 1º semestre de 2009. Lista de Figuras Figura I Experiência prévia em Teatro dos alunos do 1º período do Curso de Graduação em Teatro da EBA/UFMG no 1º semestre de 2009. Figura 2- Local onde os alunos, com experiência prévia,

Leia mais

Produtividade de Capital

Produtividade de Capital Produtividade de Capital Termo de Parceria e&e/mct Alguns dos Aspectos Abordados I WORKSHOP SOBRE PRODUTIVIDADE DE CAPITAL AUDITÓRIO BNDES 13/12/2010 ECENTEX COPPE Produtividade de Capital no Brasil Avaliações

Leia mais

Relação de Pré-Requisitos

Relação de Pré-Requisitos Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF Centro de Gestão do Conhecimento Organizacional - CGCO Sistema Integrado de Gestão Acadêmica - SIGA CDARA - COORDENADORIA DE ASSUNTOS E REGISTROS ACADÊMICOS

Leia mais

TABELA DE CONTRIBUIÇÃO DO SEGURADO EMPREGADO, DOMÉSTICO E AVULSO

TABELA DE CONTRIBUIÇÃO DO SEGURADO EMPREGADO, DOMÉSTICO E AVULSO TABELA DE CONTRIBUIÇÃO DO SEGURADO EMPREGADO, DOMÉSTICO E AVULSO A PARTIR DE 1º DE JANEIRO DE 2010 Salário-de-contribuição (R$) INSS até 1.040,22 8,00% de 1.040,23 até 1.733,70 9,00% de 1.733,71 até 3.467,40

Leia mais

Renda Nacional. Copyright 2004 South-Western

Renda Nacional. Copyright 2004 South-Western Renda Nacional 15 Microeconomia Renda Nacional Microeconomia é estudo da decisão individual de consumidores e firmas e da interação entre eles no mercado. Macroeconomia Macroeconomia é o estudo da economia

Leia mais

I Cenário Mundial. II Contexto Internacional e o Brasil. III Brasil: Situação Externa e Interna. Tendências. IV Paraná em Destaque V Brasil:

I Cenário Mundial. II Contexto Internacional e o Brasil. III Brasil: Situação Externa e Interna. Tendências. IV Paraná em Destaque V Brasil: I Cenário Mundial. II Contexto Internacional e o Brasil. III Brasil: Situação Externa e Interna. Tendências. IV Paraná em Destaque V Brasil: Projeções e Reflexões Fonte: FMI G7: EUA. Alemanha, Japão,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIAS DE 22 DE JUNHO DE 2012

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIAS DE 22 DE JUNHO DE 2012 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIAS DE 22 DE JUNHO DE 2012 O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio

Leia mais

Uma Análise Econométrica do Crescimento Econômico Brasileiro

Uma Análise Econométrica do Crescimento Econômico Brasileiro Uma Análise Econométrica do Crescimento Econômico Brasileiro Fernando A. Veloso * Setembro de 2009 Resumo O objetivo deste estudo é fazer uma análise econométrica dos determinantes do crescimento econômico

Leia mais

A Restrição Política ao Crescimento Econômico

A Restrição Política ao Crescimento Econômico A Restrição Política ao Crescimento Econômico Marcos de Barros Lisboa Insper O Desafio Fiscal Brasileiro A Restrição Imediata Em 2014, Brasil teve déficit primário de 0,6% do PIB. Estabilização da dívida

Leia mais

O projeto Objetivos: Diversidade

O projeto Objetivos: Diversidade O projeto Parceria entre Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) e Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) Objetivos: analisar o comportamento e a evolução da produtividade no Brasil

Leia mais

Integração regional Fundamentos

Integração regional Fundamentos Integração regional Fundamentos Reinaldo Gonçalves Professor titular UFRJ reinaldogoncalves1@gmail.com Bibliografia básica R. Baumann, O. Canuto e R. Gonçalves Economia Internacional. Teoria e Experiência

Leia mais

Desenvolvimento Produtivo Além da Indústria - O Papel dos Serviços

Desenvolvimento Produtivo Além da Indústria - O Papel dos Serviços Desenvolvimento Produtivo Além da Indústria - O Papel dos Serviços Jorge Arbache UnB e BNDES FGV-SP 27/5/2014 As opiniões são do autor e não necessariamente refletem as visões do BNDES 1 Vivemos uma nova

Leia mais

Curso de Atualização de Economia

Curso de Atualização de Economia 1 Curso de Atualização de Economia CACD 2017 O Edital de 2017 veio com várias mudanças, sendo que, em termos de conteúdo programático, a disciplina de Economia surpreendeu a todos. Estruturalmente, pouca

Leia mais

LEI Nº 4.035. De: 04 de julho de 2014. A CÂMARA MUNICIPAL DE UMUARAMA, ESTADO DO PARANÁ, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 4.035. De: 04 de julho de 2014. A CÂMARA MUNICIPAL DE UMUARAMA, ESTADO DO PARANÁ, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 4.035 De: 04 de julho de 2014. Desafeta do domínio público os imóveis localizados no CONJUNTO HABITACIONAL SONHO MEU, na cidade de Umuarama - PR. A CÂMARA MUNICIPAL DE UMUARAMA, ESTADO DO PARANÁ,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 084/2015 CONSU/IFAC.

RESOLUÇÃO Nº 084/2015 CONSU/IFAC. RESOLUÇÃO Nº 084/2015 CONSU/IFAC. Dispõe sobre o Regulamento das Atribuições da Coordenação Técnico Pedagógica COTEP do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Acre IFAC. O PRESIDENTE SUBSTITUTO

Leia mais

Brasil: Desafios para o Desenvolvimento Econômico e Social

Brasil: Desafios para o Desenvolvimento Econômico e Social 12º Semana de Tecnologia Metroferroviária UNIMETRO - AEAMESP Brasil: Desafios para o Desenvolvimento Econômico e Social Glauco Arbix Professor do Depto. de Sociologia Universidade de São Paulo - USP São

Leia mais

Uma estratégia para dobrar a renda per capita do Brasil em quinze anos

Uma estratégia para dobrar a renda per capita do Brasil em quinze anos Uma estratégia para dobrar a renda per capita do Brasil em quinze anos Marcio Holland Secretário de Política Econômica Ministério da Fazenda 10º. Fórum de Economia FGV, 30 de setembro de 2013 2 1º. Painel:

Leia mais

IMPACTOS DO DECLÍNIO DO BÔNUS DEMOGRÁFICO SOBRE A OFERTA DE MÃO DE OBRA E O CRESCIMENTO ECONÔMICO NO PERÍODO

IMPACTOS DO DECLÍNIO DO BÔNUS DEMOGRÁFICO SOBRE A OFERTA DE MÃO DE OBRA E O CRESCIMENTO ECONÔMICO NO PERÍODO NOTA TÉCNICA IMPACTOS DO DECLÍNIO DO BÔNUS DEMOGRÁFICO SOBRE A OFERTA DE MÃO DE OBRA E O CRESCIMENTO ECONÔMICO NO PERÍODO 2014-2030 1 José Ronaldo de Castro Souza Júnior 2 Paulo Mansur Levy 3 1 INTRODUÇÃO

Leia mais

Perspectivas econômicas: o Brasil e o mundo

Perspectivas econômicas: o Brasil e o mundo Perspectivas econômicas: o Brasil e o mundo ABDE Fabio Giambiagi Dezembro 2016 1 SUMÁRIO 1. Um mundo comme ci, comme ça 2. A economia em 2013 3. A economia em 2016 4. Reformas: por que? 2 1 - Um mundo

Leia mais

Considerando os termos da Constituição Federal de 1988, que garantem os direitos dos Povos Indígenas e Comunidades Quilombolas;

Considerando os termos da Constituição Federal de 1988, que garantem os direitos dos Povos Indígenas e Comunidades Quilombolas; O MINISTRO DE ESTADO CHEFE DA SECRETARIA GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA E O MINISTRO DE ESTADO, INTERINO, DAS RELAÇÕES EXTERIORES, no uso das atribuições que lhes confere o art. 87, parágrafo único,

Leia mais

BOLETIM: fevereiro/2016. Produtividade e comportamento do setor industrial PESQUISA DE PRODUTIVIDADE

BOLETIM: fevereiro/2016. Produtividade e comportamento do setor industrial PESQUISA DE PRODUTIVIDADE BOLETIM: fevereiro/2016 Produtividade e comportamento do setor industrial PESQUISA DE PRODUTIVIDADE SOBRE A EQUIPE TÉCNICA DA FUNDAÇÃO DOM CABRAL (FDC) COORDENAÇÃO TÉCNICA DA PESQUISA DE PRODUTIVIDADE:

Leia mais

Marcos da Evolução do Sistema Brasileiro de Ciência e Tecnologia

Marcos da Evolução do Sistema Brasileiro de Ciência e Tecnologia Marcos da Evolução do Sistema Brasileiro de Ciência e Tecnologia 1950 1960 1951 Criação do Conselho Nacional de Pesquisas e da CAPES CNPq e CAPES apóiam estudantes e pesquisadores individuais (bolsas e

Leia mais

Bancas de Monografia 2016/2 Cronograma (01/12 à 13/12)

Bancas de Monografia 2016/2 Cronograma (01/12 à 13/12) Gabriela Nunes Ferraz Data: 01/12/2016 Uma análise VAR dos determinantes da entrada de turistas no Brasil no período 1980-2015 Edson Roberto Vieira Membro 1 8 h 9 h 18 h Patrick Anderson de Oliveira Janiuci

Leia mais

DECOMTEC ÍNDICE FIESP DE COMPETITIVIDADE DAS NAÇÕES IC-FIESP José Ricardo Roriz Coelho

DECOMTEC ÍNDICE FIESP DE COMPETITIVIDADE DAS NAÇÕES IC-FIESP José Ricardo Roriz Coelho Departamento de Competitividade e Tecnologia ÍNDICE FIESP DE COMPETITIVIDADE DAS NAÇÕES E OS FATORES-CHAVE PARA O BRASIL AVANÇAR EM COMPETITIVIDADE IC-FIESP 2014 José Ricardo Roriz Coelho PARTE III Novembro

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS E PESQUISA EM ECONOMIA E GESTÃO GOVERNAMENTAL (CEPEGG): Curso Regular de Macroeconomia

CENTRO DE ESTUDOS E PESQUISA EM ECONOMIA E GESTÃO GOVERNAMENTAL (CEPEGG):  Curso Regular de Macroeconomia CENTRO DE ESTUDOS E PESQUISA EM ECONOMIA E GESTÃO GOVERNAMENTAL (CEPEGG): WWW.CEPEGG.COM.BR Curso Regular de Macroeconomia 12/25/2010 Trata se de coletânea de exercícios sobre crescimento a longo prazo

Leia mais

DIÁLOGO DA INDÚSTRIA COM CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

DIÁLOGO DA INDÚSTRIA COM CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DIÁLOGO DA INDÚSTRIA COM CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Carlos Fadigas Presidente, Braskem 30/07/2014 O Brasil tem oportunidades, mas para aproveitá-las precisa vencer alguns desafios DETERMINANTES

Leia mais

Perspectivas para 2012

Perspectivas para 2012 Abiplast Perspectivas para 2012 Antonio Delfim Netto 2 de Dezembro de 2011 São Paulo, SP 1 I.Mundo: Década de 80 e 2010 (% do PIB) 30% 23% 31% 24% 37% 22% 3,7% 3,3% 8% 7% 4,2% 4,0% 1,5% 1,2% Fonte: FMI,

Leia mais

Modelo de Desenvolvimento do Brasil: Oportunidades e Desafios. Nelson Barbosa 28 de novembro de 2011

Modelo de Desenvolvimento do Brasil: Oportunidades e Desafios. Nelson Barbosa 28 de novembro de 2011 Modelo de Desenvolvimento do Brasil: Oportunidades e Desafios Nelson Barbosa 28 de novembro de 2011 1 Oportunidades para o Brasil Comércio e financiamento externo: aumento nos termos de troca puxado pela

Leia mais

DAS COORDENAÇÃO DE EIXO_TECNOLÓGICO

DAS COORDENAÇÃO DE EIXO_TECNOLÓGICO DAS COORDENAÇÃO DE EIXO_TECNOLÓGICO TÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADES Art. 1 - À coordenação de eixo-tecnológico compete: I - Convocar e presidir as reuniões do Colegiado de Curso; II - Submeter à Coordenação

Leia mais

Investimento na Infraestrutura Para Impulsionar a Resiliência e Reequilibrar o Crescimento Econômico

Investimento na Infraestrutura Para Impulsionar a Resiliência e Reequilibrar o Crescimento Econômico Investimento na Infraestrutura Para Impulsionar a Resiliência e Reequilibrar o Crescimento Econômico Inversión en Infraestructura Para Impulsar la Resiliencia y Re-equilibrar el Crecimiento Económico O

Leia mais

Brasil : Desenvolvimento econômico, social e institucional Uma análise comparativa

Brasil : Desenvolvimento econômico, social e institucional Uma análise comparativa Brasil 2011-14: Desenvolvimento econômico, social e institucional Uma análise comparativa Reinaldo Gonçalves Professor titular Instituto de Economia UFRJ 1 Sumário I. Desenvolvimento econômico 1. Renda

Leia mais

O Modelo de Solow. Alexandre Nunes de Almeida

O Modelo de Solow. Alexandre Nunes de Almeida Alexandre Nunes de Almeida O modelo de crescimento econômico de SOLOW (1956) explica como a poupança (capital), o aumento da população e o progresso técnico influenciam a taxa de crescimento do produto

Leia mais

1) O PIB recuou 3,6% em 2016; esta taxa é a vigésima terceira taxa negativa do indicador, na taxa

1) O PIB recuou 3,6% em 2016; esta taxa é a vigésima terceira taxa negativa do indicador, na taxa Número 14 16.fevereiro.2016 O Monitor do PIB-FGV de fevereiro, mostra retração de 3,6% da economia em 2016. A economia brasileira chegou, em 2016, ao terceiro ano da mais grave e duradoura recessão jamais

Leia mais

CURRÍCULO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA DA UFSC. Atualizado para

CURRÍCULO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA DA UFSC. Atualizado para SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE COORDENADORIA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA HOSPITAL UNIVERSITÁRIO BLOCO E3 (DIDÁTICO-PEDAGÓGICO)

Leia mais

10. Em Foco IBRE: A Fragilidade do Superávit da Balança Comercial

10. Em Foco IBRE: A Fragilidade do Superávit da Balança Comercial 25 10. Em Foco IBRE: A Fragilidade do Superávit da Balança Comercial Com o superávit da balança comercial em março, o déficit acumulado no primeiro trimestre deste ano (-US$ 5,5 bilhões) foi inferior ao

Leia mais

Desigualdade e resultados económicos na África Subsariana

Desigualdade e resultados económicos na África Subsariana Desigualdade e resultados económicos na África Subsariana Perspectivas Económicas Regionais para a África Subsariana Outubro de 2015 Plano geral Tendências de desigualdade na África Subsariana Ligação

Leia mais

Progresso tecnológico e crescimento CAPÍTULO. Olivier Blanchard Pearson Education Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard

Progresso tecnológico e crescimento CAPÍTULO. Olivier Blanchard Pearson Education Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard Olivier Blanchard Pearson Education Progresso tecnológico e crescimento CAPÍTULO 12 12.1 Progresso tecnológico e taxa de crescimento O progresso tecnológico tem várias dimensões. Pode levar a: Maiores

Leia mais

Curso de Extensão: Noções de Macroeconomia para RI (PIB)

Curso de Extensão: Noções de Macroeconomia para RI (PIB) Federal University of Roraima, Brazil From the SelectedWorks of Elói Martins Senhoras Winter January 1, 2008 Curso de Extensão: Noções de Macroeconomia para RI (PIB) Eloi Martins Senhoras Available at:

Leia mais

Indicadores Macro para o Brasil na área de Ciência e Tecnologia

Indicadores Macro para o Brasil na área de Ciência e Tecnologia Instituto Nacional da Propriedade Industrial - INPI Academia da Propriedade Intelectual, Inovação e Desenvolvimentos ACAD Mestrado Profissional em Propriedade Intelectual e Inovação Indicadores Macro para

Leia mais

Prefeitura Municipal de Venda Nova do Imigrante

Prefeitura Municipal de Venda Nova do Imigrante INTRODUÇÃO II - DO OBJETO E DESCRIÇÃO DOS PRODUTOS III - DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA IV - DAS CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO V - DO RECEBIMENTO DA DOCUMENTAÇÃO E DA PROPOST VI - ABERTURA DOS ENVELOPES VII - DA DOCUMENTAÇÃO

Leia mais

ITPAC - Inst. Tocantinense Pres. Antonio Carlos LTDA Processo Seletivo FAHESA/ITPAC 2013/1 Classificação Geral

ITPAC - Inst. Tocantinense Pres. Antonio Carlos LTDA Processo Seletivo FAHESA/ITPAC 2013/1 Classificação Geral 000000004397 JOLIANY CAVALCANTE OLIVEIRA EDUCACAO FISICA 1 000000004553 ANTONIO LUCAS MILHOMEM DA SILVA EDUCACAO FISICA 2 000000005072 ADENILSON MATTOS DE AQUINO EDUCACAO FISICA 3 000000002449 DRIELLY

Leia mais

CARGA DISCIPLINA HORÁRIA 1º SEMESTRE turma 1 DISCIPLINAS SEMESTRAIS

CARGA DISCIPLINA HORÁRIA 1º SEMESTRE turma 1 DISCIPLINAS SEMESTRAIS 1º SEMESTRE turma 1 21588-1 REPRESENTAÇÃO E SOCIEDADE: O BRASIL PELAS ARTES BERNARDO BORGES BUARQUE DE HOLLANDA 21569-1 INTRODUÇÃO A GESTÃO E ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA CIBELE FRANZESE 21570-1 ESTRUTURA DO

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS #1 MODELO DE SOLOW

LISTA DE EXERCÍCIOS #1 MODELO DE SOLOW UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURSO: CIÊNCIAS ECONÔMICAS DISCIPLINA: TEORIA MACROECONÔMICA II [TURMA A] PROF. GIACOMO B. NETO LISTA DE EXERCÍCIOS #1 MODELO

Leia mais

Trajetória recente dos indicadores de produtividade no Brasil

Trajetória recente dos indicadores de produtividade no Brasil Trajetória recente dos indicadores de produtividade no Brasil Fernanda De Negri Luiz Ricardo Cavalcante Janeiro de 2013 Introdução 2 Diversos autores têm se dedicado a calcular indicadores de produtividade

Leia mais

Produtividade Insper, Julho José Alexandre Scheinkman Edwin W. Rickert Professor of Economics at Columbia University

Produtividade Insper, Julho José Alexandre Scheinkman Edwin W. Rickert Professor of Economics at Columbia University Produtividade Insper, Julho 2013 José Alexandre Scheinkman Edwin W. Rickert Professor of Economics at Columbia University 1 Plano O que é produtividade? Produtividade de fatores. PTF. Mensuração. Fatores

Leia mais

Perspectivas de negócios para 2017

Perspectivas de negócios para 2017 kpmg Perspectivas de negócios para 2017 Janeiro 2017 Eduardo Navarro Posição Experiência Diretor, Consultoria Mais de 15 anos de experiência profissional em análises de negócios, estratégia e finanças

Leia mais

MUNICÍPIO DE JUAZEIRO ESTADO DA BAHIA

MUNICÍPIO DE JUAZEIRO ESTADO DA BAHIA LEI Nº 2.293 / 2012 Dispõe sobre a instituição do Bairro Monte Castelo no âmbito urbano do Município de Juazeiro Bahia e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE JUAZEIRO, Estado da Bahia, no uso

Leia mais

O FUTURO DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL RESULTADOS DE UMA PESQUISA DE PROSPECÇÃO TECNOLÓGICA PARA A CADEIA PRODUTIVA DA CONSTRUÇÃO HABITACIONAL

O FUTURO DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL RESULTADOS DE UMA PESQUISA DE PROSPECÇÃO TECNOLÓGICA PARA A CADEIA PRODUTIVA DA CONSTRUÇÃO HABITACIONAL Seminário Internacional Sobre Prospecção em C,T&I Perspectivas de Integração Ibero-Americana 07 e 08 de julho de 00 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Secretaria de Tecnologia

Leia mais

Negócios Internacionais

Negócios Internacionais International Business 10e Daniels/Radebaugh/Sullivan Negócios Internacionais Capítulo 2.3 O Meio Económico 2004 Prentice Hall, Inc 4-1 Objectivos do Capítulo Aprender as diferenças entre os maiores sistemas

Leia mais

A DESVALORIZAÇÃO DO FEMININO NO MUNDO DO CONSUMO - APLICAÇÕES 83 EXPLORATÓRIAS ÀS MARCAS, AO MARKETING E À PUBLICIDADE

A DESVALORIZAÇÃO DO FEMININO NO MUNDO DO CONSUMO - APLICAÇÕES 83 EXPLORATÓRIAS ÀS MARCAS, AO MARKETING E À PUBLICIDADE ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 19 II - METODOLOGIA I 21 III - REVISÃO TEÓRICA 23 NÚMEROS E FACTOS - A AMPLITUDE DO FEMININO 23 Demografia Nacional e Internacional 23 A Evolução da Educação 25 O Mundo Laboral 27

Leia mais

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 26 de janeiro de 2010.

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 26 de janeiro de 2010. Análise CEPLAN Recife, 26 de janeiro de 2010. Temas que serão discutidos na Análise Ceplan A conjuntura econômica título em mestre 2010 e perspectivas para 2011 (Brasil, Nordeste, Estados); Informe especial

Leia mais

Legislação - Referências

Legislação - Referências Legislação - Referências Tipo Título Data Local Título da Fonte Página Ato Atos da Administração Federal Abr./1944 Rio de Janeiro RBEP nº 1 p. 132 Aviso Aviso nº 49-G-2 do Ministério da Aeronáutica 17

Leia mais

Gasto Público Total no Brasil

Gasto Público Total no Brasil Gasto Público Total no Brasil Pelos dados do FMI, Brasil tem uma despesa pública total (inclusive juros) de 40% do PIB. GASTO FISCAL NO BRASIL: crescimento e dilemas Econ. Edilson Aguiais Material Disponível

Leia mais

TOTVS S.A. CNPJ/MF nº / NIRE ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 24 DE MARÇO DE 2011

TOTVS S.A. CNPJ/MF nº / NIRE ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 24 DE MARÇO DE 2011 TOTVS S.A. CNPJ/MF nº 53.113.791/0001-22 NIRE 35.300.153.171 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 24 DE MARÇO DE 2011 1. - DATA, HORA E LOCAL DA REUNIÃO: Realizada no dia 24 de março

Leia mais

PANORAMA E DESAFIOS PARA A ECONOMIA BRASILEIRA. Bruno Leonardo

PANORAMA E DESAFIOS PARA A ECONOMIA BRASILEIRA. Bruno Leonardo PANORAMA E DESAFIOS PARA A ECONOMIA BRASILEIRA Bruno Leonardo PANORAMA E DESAFIOS PARA A ECONOMIA BRASILEIRA 1 Nível de atividade Econômica: Estamos saindo da recessão? Quais as perspectivas para os próximos

Leia mais

A Globalização como um Processo e Sociedade da Informação. (Molina & Trinca, Caldas)

A Globalização como um Processo e Sociedade da Informação. (Molina & Trinca, Caldas) A Globalização como um Processo e Sociedade da Informação (Molina & Trinca, Caldas) A Visão de Processo (Molina & Trinca, Caldas) A globalização refere-se ao processo da gradual eliminação de barreiras

Leia mais

Geometria I + Geom Euclidiana [9817] MONICA MOULIN RIBEIRO MERKLE. Assinaturas

Geometria I + Geom Euclidiana [9817] MONICA MOULIN RIBEIRO MERKLE. Assinaturas de Ciencias Matematicas e da Natureza 1 de 7 1 ALAN JUNIOR SEVERO 115031635 2 ALEXIA GLORIA LACERDA DOS REIS 115115926 3 ALVARO ALBERTO GOMES DA SILVEIRA 115111299 4 ANDRE LUIS OLIVEIRA MATOS 115091813

Leia mais

Produtividade, Carga Tributária e Setor Informal: Uma Abordagem da Década de 90 no Brasil

Produtividade, Carga Tributária e Setor Informal: Uma Abordagem da Década de 90 no Brasil 52 temas de economia aplicada Produtividade, Carga Tributária e Setor Informal: Uma Abordagem da Década de 90 no Brasil Julia Passabom Araujo (*) 1 Introdução O trabalhador típico de um país desenvolvido

Leia mais

PLANO DE AULA DISCIPLINA: ECONOMIA BRASILEIRA CONTEMPORÂNEA (CÓD. ENEX60098) PERÍODO: 7º PERÍODO. Aula expositiva com slides.

PLANO DE AULA DISCIPLINA: ECONOMIA BRASILEIRA CONTEMPORÂNEA (CÓD. ENEX60098) PERÍODO: 7º PERÍODO. Aula expositiva com slides. PLANO DE AULA DISCIPLINA: ECONOMIA BRASILEIRA CONTEMPORÂNEA (CÓD. ENEX60098) PERÍODO: 7º PERÍODO TOTAL DE SEMANAS: 20 SEMANAS TOTAL DE ENCONTROS: 40 AULAS Aulas Conteúdos/ Matéria Tipo de aula Textos,

Leia mais

ANEXO I CONVITE Nº 002/2013 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ANEXO I CONVITE Nº 002/2013 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ANEXO I CONVITE Nº 002/2013 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO NOS PRÉDIOS DA DMED LISTADOS ABAIXO 1 - OBJETO Elaboração de Projeto

Leia mais

CARREIRA DO BANCO CENTRAL DO

CARREIRA DO BANCO CENTRAL DO ESTUDO SOBRE OS PLANOS DE CARREIRA DO BANCO CENTRAL DO BRASIL PROPOSTA DE REVISÃO A SER SUBMETIDA À XXI ASSEMBLÉIA NACIONAL DELIBERATIVA AND DIAGNÓSTICO O Plano de Carreira do Banco Central do Brasil foi

Leia mais

ORIGENS E FORMAÇÃO DAS MISERICÓRDIAS PORTUGUESAS

ORIGENS E FORMAÇÃO DAS MISERICÓRDIAS PORTUGUESAS A Fernando da Silva Correia ORIGENS E FORMAÇÃO DAS MISERICÓRDIAS PORTUGUESAS I Livros I Horizonte ÍNDICE GERAL PREFÁCIO 7 NOTA LIMINAR 9 INTRODUÇÃO 13 0 CONCEITO DE ASSISTÊNCIA 13 AS DIFICULDADES DA HISTÓRIA

Leia mais

ÍNDICE GERAL. Agradecimentos.i Resumo.iii Abstract vi Índice...ix Índice de Quadros.xiv Índice de Figuras. xviii Índice de Gráficos...

ÍNDICE GERAL. Agradecimentos.i Resumo.iii Abstract vi Índice...ix Índice de Quadros.xiv Índice de Figuras. xviii Índice de Gráficos... ÍNDICE GERAL Agradecimentos.i Resumo.iii Abstract vi Índice...ix Índice de Quadros.xiv Índice de Figuras. xviii Índice de Gráficos... xviii CAPÍTULO I-INTRODUÇÃO...1 CAPÍTULO II-RACIONALIDADE DAS RESTRIÇÕES

Leia mais

Capítulo I Dos Pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis - CPC

Capítulo I Dos Pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis - CPC LIVRO : PLANO CONTÁBIL DAS ENTIDADES ABERTAS DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR, SOCIEDADES SEGURADORAS, SOCIEDADES DE CAPITALIZAÇÃO E RESSEGURADORES LOCAIS ANEXO IV: Título IV - Normas Recepcionadas Capítulo

Leia mais

Reformas, Endividamento Externo e o Milagre Econômico ( ) GIAMBIAGI; VILLELA CASTRO; HERMANN (2011 cap. 3 e 4)

Reformas, Endividamento Externo e o Milagre Econômico ( ) GIAMBIAGI; VILLELA CASTRO; HERMANN (2011 cap. 3 e 4) Reformas, Endividamento Externo e o Milagre Econômico (1960-1973) GIAMBIAGI; VILLELA CASTRO; HERMANN (2011 cap. 3 e 4) Passagem de um sistema democrático para um regime militar autoritário. Entre 1964-73

Leia mais

BOLETIM: Agosto/2016 Produtividade no Contexto Mundial: onde e porque a produtividade tem caído? PESQUISA DE PRODUTIVIDADE

BOLETIM: Agosto/2016 Produtividade no Contexto Mundial: onde e porque a produtividade tem caído? PESQUISA DE PRODUTIVIDADE BOLETIM: Agosto/2016 Produtividade no Contexto Mundial: onde e porque a produtividade tem caído? PESQUISA DE PRODUTIVIDADE SOBRE A EQUIPE TÉCNICA DA FUNDAÇÃO DOM CABRAL (FDC) COORDENAÇÃO TÉCNICA DA PESQUISA

Leia mais

ÍNDICE CAPÍTULO I - DO OBJETIVO... 03 CAPÍTULO II - DA NOMENCLATURA... 04 CAPÍTULO III - DO CREDENCIAMENTO... 06 ANEXO I - FICHA CADASTRAL...

ÍNDICE CAPÍTULO I - DO OBJETIVO... 03 CAPÍTULO II - DA NOMENCLATURA... 04 CAPÍTULO III - DO CREDENCIAMENTO... 06 ANEXO I - FICHA CADASTRAL... COMPANHIA DO METROPOLITANO DO DISTRITO FEDERAL - METRÔ-DF DIRETORIA FINANCEIRA E COMERCIAL DFC DEPARTAMENTO COMERCIAL FCO DIVISÃO DE CAPTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS - FCDP CREDENCIAMENTO PARA EXPLORAÇÃO

Leia mais

PERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRA

PERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRA PERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRA Gustavo Loyola XII CONGRESSO BRASILEIRO DE FOMENTO COMERCIAL Foz do Iguaçu (PR), abril de 2016 Estrutura 2 Cenário Internacional Cenário doméstico Conclusão Cenário

Leia mais

Dinâmica das Potencias Climáticas, Governança Global e Transição para o Baixo Carbono Rio,CINDES,10/6/2011

Dinâmica das Potencias Climáticas, Governança Global e Transição para o Baixo Carbono Rio,CINDES,10/6/2011 Dinâmica das Potencias Climáticas, Governança Global e Transição para o Baixo Carbono Rio,CINDES,10/6/2011 Eduardo Viola Professor Titular Instituto de Relações Internacionais Universidade de Brasília

Leia mais

Retomada do Crescimento Econômico

Retomada do Crescimento Econômico Retomada do Crescimento Econômico Henrique Meirelles Ministro da Março, 2017. Ajuste Fiscal como Condição Necessária 2 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007

Leia mais

MINISTÉRIO DAS COMUNICAÇÕES. ROAD SHOW LEILÃO 700MHz

MINISTÉRIO DAS COMUNICAÇÕES. ROAD SHOW LEILÃO 700MHz MINISTÉRIO DAS COMUNICAÇÕES ROAD SHOW LEILÃO 700MHz INDICADORES DE AMBIENTE 2 POPULAÇÃO BRASILEIRA divisão demográfica Região Norte 16,9 milhões de habitantes Região Nordeste 55,8 milhões de habitantes

Leia mais

Perspectivas para a indústria brasileira uma proposta baseada na exportação de manufaturados

Perspectivas para a indústria brasileira uma proposta baseada na exportação de manufaturados Perspectivas para a indústria brasileira uma proposta baseada na exportação de manufaturados Apresentação preparada para o Seminário Perspectivas para a economia brasileira nos próximos anos, na FIESP

Leia mais

I MACROECONOMIA BÁSICA: AGREGADOS MACROECONÔMICOS,

I MACROECONOMIA BÁSICA: AGREGADOS MACROECONÔMICOS, Sumário Resumido Ordem dos Economistas do Brasil, xiii Apresentação, xv Introdução Teoria Macroeconômica: Evolução e Situação Atual, 1 Parte I MACROECONOMIA BÁSICA: AGREGADOS MACROECONÔMICOS, 17 Apresentação,

Leia mais

PEA 2200 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade

PEA 2200 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade PEA 2200 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade Aula 8 Eficiência Energética e Uso Racional de Energia slide 1 / 22 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA & USO RACIONAL DE ENERGIA DEFINIÇÕES: Uso racional da energia:

Leia mais

Marcelo Neri: desenvolvimento inclusivo no Brasil

Marcelo Neri: desenvolvimento inclusivo no Brasil 11 Marcelo Neri: desenvolvimento inclusivo no Brasil RESUMO: Este artigo tem como objetivo apresentar os principais temas abordados pelo palestrante Marcelo Neri no UniBrasil Futuro, com o tema Desenvolvimento

Leia mais

ALTERNATIVAS DE ALOCAÇÃO EM CENÁRIOS DE JUROS BAIXOS

ALTERNATIVAS DE ALOCAÇÃO EM CENÁRIOS DE JUROS BAIXOS ALTERNATIVAS DE ALOCAÇÃO EM CENÁRIOS DE JUROS BAIXOS Distribuição dos Recursos das EFPCs Ativos por Tipo de Investimento Renda Variável Investimentos Estruturados Investimentos no Exterior e Outros imóveis

Leia mais

CNI. Inovação e Crescimento Econômico. Antonio Delfim Netto

CNI. Inovação e Crescimento Econômico. Antonio Delfim Netto CNI Inovação e Crescimento Econômico Antonio Delfim Netto 10 de Maio de 2013 São Paulo, SP 1 I. Os Determinantes do Crescimento Econômico 1. Quais são os determinantes do crescimento de longo prazo? Capital

Leia mais

Qual desenvolvimento queremos?

Qual desenvolvimento queremos? Qual desenvolvimento queremos? Apresentação preparada para o Forum do Desenvolvimento da ABDE Nelson Marconi Escola de Economia de São Paulo FGV e Presidente da Associação Keynesiana Brasileira 02 de dezembro

Leia mais

Doingbusiness no Brasil. Penelope Brook PSD/FSD Vice Presidência Grupo Banco Mundial Rio de Janeiro 26 de julho de 2006

Doingbusiness no Brasil. Penelope Brook PSD/FSD Vice Presidência Grupo Banco Mundial Rio de Janeiro 26 de julho de 2006 Doingbusiness no Brasil Penelope Brook PSD/FSD Vice Presidência Grupo Banco Mundial Rio de Janeiro 26 de julho de 2006 1 Indicadores Doingbusiness 2006 2007 2008 Abertura de empresas Registro de propriedades

Leia mais