Resultados do Projeto de Melhoria 5ª Edição da Semana Aberta. Um Espaço Aberto à Comunidade

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Resultados do Projeto de Melhoria 5ª Edição da Semana Aberta. Um Espaço Aberto à Comunidade"

Transcrição

1 Resultados do Projeto de Melhoria 5ª Edição da Semana Aberta Um Espaço Aberto à Comunidade Fevereiro / 2015

2 INDÍCE Semana Aberta Um Espaço Aberto à Comunidade Relatório Anual I. Introdução II. III. IV. Metodologia Resultados Ações de Melhoria V. Pontos Fortes VI. Galeria de Fotos VII. Conclusão

3 Semana Aberta Um Espaço Aberto à Comunidade Relatório Anual I. INDRODUÇÃO

4 I. INTRODUÇÃO Atualmente, Portugal é o país da Europa com a maior prevalência de doenças mentais na população. Mais de milhão e meio de portugueses, entre os 18 e 65 anos, sofrem de doença mental. O Estigma relacionado com a doença mental provém do medo do desconhecido, de um conjunto de falsas crenças que origina a falta de conhecimento e compreensão. O actual projecto de intervenção na área da Saúde Mental e Luta contra o Estigma estabelece enquanto resposta assistencial para a população portadora de doença mental, uma prioridade nas políticas actuais, no panorama local e nacional da Saúde Mental. Neste sentido, a Casa de Saúde do Espírito Santo pretendeu organizar um conjunto de ações/ atividades com objetivo de sensibilizar a comunidade para a problemática da doença mental e para o reconhecimento do Centro como Instituição que presta cuidados assistências a pessoas com doença mental, promovendo a luta contra a discriminação e desigualdade social.

5 I. INTRODUÇÃO Considera-se que este evento constitui uma mais-valia em termos de intervenção na mudança de mentalidades e estereótipos, na medida em que, procura dinamizar actividades que estimulem o envolvimento e proximidade da comunidade, promovendo a interação com as utentes, sendo uma forma impulsionadora do bem-estar Físico-psico-social. Esta actividade para além de promover a luta contra o estigma, também procura promover um ambiente favorável ao envelhecimento activo e encontrar/reforçar soluções que o permitam transformar numa oportunidade. Objetivo Geral: Promover o envolvimento entre comunidade/ utente através de várias iniciativas que facilitem a diminuição do estigma e discriminação em relação a pessoa portadora de doença mental, alertando a sociedade para a problemática.

6 I. INTRODUÇÃO Objetivos Específicos Fomentar a interacção e partilha de conhecimentos entre o Centro e pelo menos 3 Instituições locais; Assegurar a participação de pelos menos 30 alunos da Escola Superior de Enfermagem nas conferências; Promover a participação de pelos menos 80 utentes nas atividades programadas; Possibilitar a pelo menos 45% dos colaboradores do Centro a participação em atividades lúdicas; Promover o envolvimento da comunidade com a participação de pelo menos 30 pessoas nas conferências programadas;

7 I. INTRODUÇÃO Objetivos Específicos Promover o envolvimento da comunidade com a participação de pelo menos 15 pessoas nas atividades das oficinas temáticas; Possibilitar a participação de pelo menos 45% dos colaboradores nas conferências; Promover o envolvimento de 10 familiares dos utentes do Centro nas atividades programadas; Fomentar o envolvimento das crianças e jovens com a participação de pelo menos 60 alunos do 1º e 2ºCiclo da Ilha Terceira nas dinâmicas do Centro; Informar os participantes acerca do Serviço de Voluntariado do Centro de forma a obter pelo menos uma inscrição no serviço.

8 Semana Aberta Um Espaço Aberto à Comunidade Relatório Anual II. METODOLOGIA

9 CONSTATAÇÕES II. METODOLOGIA DA AUDITORIA Público-alvo: Utentes da CSES; Familiares; Colaboradores; Voluntários; Estagiários; Parceiros; Profissionais de Saúde; Estudantes da Escola Superior de Enfermagem ; estudantes do 1º e 2º Ciclo e Comunidade Estratégias/ Atividades: a) Painéis (Painel I- A saúde mental em Portugal ; Painel II- A importância da Reabilitação Psicossocial ; Painel III- Processo de Envelhecimento e estilos de vida saudáveis ); b) Oficinas temáticas (Oficina Arte e Cultura; Oficina de Exercício Físico e Estimulação Cognitiva e Oficina de Alimentação Saudável); c) Visitas de Escolas (Escolas do Básico e Secundário do Concelho de Angra e Escola Superior de Enfermagem). Avaliação: Questionário de satisfação com o Evento e Questionário do Grau de Conhecimento da Comunidade.

10 CONSTATAÇÕES II. METODOLOGIA DA AUDITORIA ENTREVISTA COM PROFISSIONAIS Amostra da Comunidade Voluntário 2% Desempregado 2% Representantes da Liga dos Amigos dos Doentes 5% Franciscano 2% Agrónoma 2% Professora 3% Assistente Social 5% Psicóloga 7% Reformada 3% Estudante 55% Doméstica 3% Enfermeira 11%

11 Semana Aberta Um Espaço Aberto à Comunidade Relatório Anual III. RESULTADOS

12 CONSTATAÇÕES III. RESULTADOS DA AUDITORIA PONTOS FORTES Indicadores de Resultados Resultado Previsto Resultado Obtido Nº de utentes que participaram nas atividades programadas Nº de familiares de utentes da CSES 10 4 Nº de Visitantes participantes nas conferências Taxa de participação dos colaboradores nas conferências e nas oficinas temáticas 45% 95% Nº de Visitantes participantes nas oficinas lúdicas Nº de Inscrições no Serviço de Voluntariado 1 0 Nº de alunos da Escola Superior de Enfermagem Nº de alunos das Escolas do 1º e 2ºCiclo Nº de Instituições Envolvidas no Evento 3 9 Taxa de sucesso do programa 75% 78%

13 CONSTATAÇÕES III. RESULTADOS DA AUDITORIA Outros Indicadores Resultado Obtido Nº de Questionários de avaliação da Semana Aberta 68 Nº de Questionários do Grau de Conhecimento da Comunidade 56 Nº de preletores 14 Nº de alunos nas visitas (Ensino Superior e Ensino Secundário) 138 Nº de patrocínios e Apoios 10 Nº de colaboradores envolvidos na implementação do projeto 26 Nº de Ações de divulgação 9 Nº de Oficinas Temáticas 3 Nº de atividades lúdicas 9 Nº de exposições 3 Nº de Reuniões Equipa Projeto Semana Aberta/ Equipa Técnica 6 Divulgação dos Serviços da Instituição (Nº de documentos entregues por pessoa) 3 Taxa de satisfação com o evento 89%

14 Semana Aberta Um Espaço Aberto à Comunidade Relatório Anual GRAU DE SATISFAÇÃO COM O EVENTO

15 CONSTATAÇÕES SATISFAÇÃO COM DA O AUDITORIA EVENTO Acesso a informações relevantes sobre o evento: datas, local, programa, preço Facilidade em efetuar a inscrição ou estabelecer contacto com a organização Legenda: 1-Muito Insatisfeito; 2-Insatisfeito; 3-satisfeito; 4-Muito Satisfeito; NS- Não sei; NA- Não se aplica; NR- Não respondeu

16 CONSTATAÇÕES SATISFAÇÃO COM DA O AUDITORIA EVENTO Interesse e qualidade do evento Relação qualidade - preço do evento Legenda: 1-Muito Insatisfeito; 2-Insatisfeito; 3-satisfeito; 4-Muito Satisfeito; NS- Não sei; NA- Não se aplica; NR- Não respondeu

17 CONSTATAÇÕES SATISFAÇÃO COM DA O AUDITORIA EVENTO Duração do evento Documentação e Material fornecidos Legenda: 1-Muito Insatisfeito; 2-Insatisfeito; 3-satisfeito; 4-Muito Satisfeito; NS- Não sei; NA- Não se aplica; NR- Não respondeu

18 CONSTATAÇÕES SATISFAÇÃO COM DA O AUDITORIA EVENTO Exposições e animação durante o evento Conforto e qualidade das instalações e equipamento: auditório, iluminação, som, etc Legenda: 1-Muito Insatisfeito; 2-Insatisfeito; 3-satisfeito; 4-Muito Satisfeito; NS- Não sei; NA- Não se aplica; NR- Não respondeu

19 CONSTATAÇÕES SATISFAÇÃO COM DA O AUDITORIA EVENTO Qualidade do acolhimento ao longo do evento Interesse e pertinência dos painéis Legenda: 1-Muito Insatisfeito; 2-Insatisfeito; 3-satisfeito; 4-Muito Satisfeito; NS- Não sei; NA- Não se aplica; NR- Não respondeu

20 CONSTATAÇÕES SATISFAÇÃO COM DA O AUDITORIA EVENTO Como tomou conhecimento do evento? Através do jornal, website, convite Apreciação Global Legenda: 1-Muito Insatisfeito; 2-Insatisfeito; 3-satisfeito; 4-Muito Satisfeito; NS- Não sei; NA- Não se aplica; NR- Não respondeu+

21 Semana Aberta Um Espaço Aberto à Comunidade Relatório Anual IV. AÇÕES DE MELHORIA

22 CONSTATAÇÕES DA AUDITORIA AÇÕES DE MELHORIA Divulgação da informação nos meios de comunicação social com algum tempo de antecedência (criar um página na internet sobre o evento); Divulgar o site da Casa de Saúde do Espírito Santo com o objetivo de partilhar informação sobre o evento; Envolver mais elementos na organização do evento de forma a partilhar responsabilidades; Possibilidade de realizar o programa noutra altura do ano; Estabelecer novas parcerias; Melhorar os mecanismos de comunicação de forma a ser fácil de aceder à informação (ex. divulgação da página Web do Centro, divulgação nos meios de comunicação social, nas escolas, nos jornais e nas rádios); Promover "semanas abertas" à comunidade com maior frequência.

23 Semana Aberta Um Espaço Aberto à Comunidade Relatório Anual V. PONTOS FORTES

24 PONTOS FORTES Planificação, organização e implementação do projeto com eficácia e eficiência; Trabalho em equipa; envolvimento; motivação e boa disposição dos colaboradores e equipas organizadoras do projeto; Capacidade de resolução de problemas; Concretização dos principais objetivos do projeto, envolvimento de todas as partes interessadas - Voluntários, comunidade, familiares, parceiros, instituições, utentes, entidades financiadoras, estagiários e escolas; Disseminação e divulgação do evento através da rádio local, do jornal, do seminário organizado pela Escola Superior de Enfermagem, do envio de s, de entrega de convites, posters e folhetos informativos; Feedback positivo dos participantes no evento (89% satisfeitos).

25 Semana Aberta Um Espaço Aberto à Comunidade Relatório Anual VI. GALERIA DE FOTOS

26 Galeria de Fotos Semana Aberta: Espaços AÇÕES DE MELHORIA

27 Galeria de Fotos Semana Aberta AÇÕES Sessão DE de MELHORIA Abertura Sessão de Encerramento

28 Galeria de Fotos Semana Aberta: Painéis AÇÕES DE MELHORIA

29 Galeria de Fotos Semana Aberta: Oficinas Temáticas AÇÕES DE MELHORIA Arte e Cultura

30 Galeria de Fotos Semana Aberta: Oficinas Temáticas AÇÕES DE MELHORIA Exercício Físico e Estimulação Sensorial

31 Galeria de Fotos Semana Aberta: Oficinas Temáticas AÇÕES DE MELHORIA Alimentação Saudável

32 Galeria de Fotos Semana Aberta: Oficinas Temáticas Alimentação AÇÕES Saudável: DE MELHORIA Festival de Sopas

33 Galeria de Fotos Semana Aberta: Oficinas Temáticas AÇÕES Alimentação DE Saudável: MELHORIA Festival de Sopas

34 Galeria de Fotos Semana Aberta: Visitas AÇÕES DE MELHORIA

35 Galeria de Fotos Semana Aberta: Visitas AÇÕES DE MELHORIA

36 Galeria de Fotos Semana Aberta: Exposições AÇÕES FelizMente DE MELHORIA

37 Galeria de Fotos Semana Aberta: Exposições AÇÕES Oficina DE de MELHORIA Empalhamento

38 Galeria de Fotos Semana Aberta: Exposições AÇÕES Oficina de Tapeçaria DE MELHORIA

39 Galeria de Fotos Semana Aberta: Exposições AÇÕES Trabalhos de DE MELHORIA Utentes

40 Semana Aberta Um Espaço Aberto à Comunidade Relatório Anual VII. CONCLUSÃO

41 CONTRIBUTOS DO PROJETO Formato do programa, com a inclusão de oficinas temáticas e dinâmicas inovadores (Cozinha pedagógica; workshop Alimentação saudável ; coffee break inovadores; oficina de exercício físico com a presença de uma técnica de musicoterapia e aula de Zumba e um Festival de sopas com prova de degustação de produtos regionais); Propostas para o desenvolvimento de novas parcerias; Desenvolvimento do espírito de equipa, de colaboração e de união; Envolvimento dos colaboradores dos vários serviços e unidades para a concretização plena do evento; Envolvimento de várias Instituições promovendo a partilha de conhecimentos, projetos e programas de intervenção.

42 CONCLUSÃO A Semana Aberta teve um formato do tipo educativo, que procurou reformular e informar a comunidade sobre a doença mental através da apresentação de interpretações alternativas sobre a problemática, e um formato de con tacto directo, que estabeleceu uma forte proximidade entre o público e a pessoa portadora de doença mental. Em relação às estratégias educativas / sensibilização, houve um fornecimento de informação e elementos factuais, confrontando as audiências com argumentos fortes acerca de uma determinada realidade (A saúde Mental na Região, Projetos terapêutico-reabilitativos inovadores e Estratégias de Intervenção para um Envelhecimento Saudável). No entanto, também neste caso, mesmo perante informação fidedigna, os estereótipos podem ser muito resistentes à nova informação e, neste caso, as abordagens educacionais apresentam-se insuficientes para alterar as atitudes de discriminação. Daí que, o contacto interpessoal com membros do grupo estigmatizado se apresente como um meio eficaz para reduzir o preconceito intergrupal (Oficinas temáticas, visitas ao Centro e Participação ativa nas conferências de pessoas portadoras de doença mental).

43 Qualidade é responsabilidade de todos! Direção Técnica Responsável: Dra Margarida Moniz Ir. Leopoldina Angélica Coordenação do projeto: Dra. Mariana Correia Enf. Catarina Sousa Enf. Sónia Pereira Enf. Elisabete Ourique Enf. Célia Nunes Equipa Organizadora: Ir. Lúcia Reduto Ir. Crisantina Nogueira Sra. Carla Lourenço Animador Marco Pereira Dra Maria José Barata Sra. Rosa Martins Sra. Genoveva Dias Sra. Manuela Sousa Sra. Teresa Vieira Sra. Luísa Alves Sra. Manuela Medeiros Sra. Isabel Ferreira

CLUBE DE EMPREGO SOCIOHABITAFUNCHAL PLANO DE ACTIVIDADES

CLUBE DE EMPREGO SOCIOHABITAFUNCHAL PLANO DE ACTIVIDADES PLANO DE ACTIVIDADES 2010 2011 Identificação Entidade: Sociohabitafunchal, E.M Animadora: Célia Dantas Localização: Centro Cívico de Santo António Designação O Clube de Emprego é um serviço promovido pelo

Leia mais

Casa de Saúde São João de Deus

Casa de Saúde São João de Deus Casa de Saúde São João de Deus Funchal Outubro 2013 Manuel Freitas CSSJD Funchal Caminho percorrido SGQ- Situação atual CSSJD Funchal CSSJD Inaugurada 10/08/1924 OHSJD Província Portuguesa ISJD Fins de

Leia mais

Resultados da Avaliação do Grau de Satisfação das Partes Interessadas 2012

Resultados da Avaliação do Grau de Satisfação das Partes Interessadas 2012 Resultados da Avaliação do Grau de Satisfação das Partes Interessadas 2012 Utentes, Familiares/ Pessoa significativa, Profissionais Voluntários e Entidades Parcerias Março / 2013 Índice 1. Introdução 2.

Leia mais

PROGRAMA DE CANDIDADURA

PROGRAMA DE CANDIDADURA PROGRAMA DE CANDIDADURA Corpos Directivos Região dos Açores da Ordem dos Engenheiros! 1 de 7! COMPOSIÇÃO DA LISTA RA REGIÃO AÇORES MANDATÁRIOS Duarte Manuel Melo Amorim da Cunha Manuel Carvalho Cansado

Leia mais

Objectivos Específicos Acções Principais Resultados a Atingir

Objectivos Específicos Acções Principais Resultados a Atingir Núcleo Executivo / Secretariado Técnico Rede Social Loures Aprovado na reunião de CLAS de 19.Fevereiro.2009 Objectivo Superior Objectivos Específicos Acções Principais Resultados a Atingir Monitorização

Leia mais

CARTA DE RECOMENDAÇÕES Elaborada pelos participantes do 2º Encontro da Rede Participação Juvenil de Sintra

CARTA DE RECOMENDAÇÕES Elaborada pelos participantes do 2º Encontro da Rede Participação Juvenil de Sintra CARTA DE RECOMENDAÇÕES Elaborada pelos participantes do 2º Encontro da Rede Participação Juvenil de Sintra 03.03.2012 PARTICIPAÇÃO EM ACTIVIDADES JUVENIS 1. Realizar inquéritos, a nível local, para averiguar

Leia mais

Conselho Local de Ação Social

Conselho Local de Ação Social Conselho Local de Ação Social Índice Introdução... 6 Eixo I - Demografia... 7 Eixo II Educação/Nível de Instrução... 8 Eixo III Economia... 11 Eixo IV Grupos Vulneráveis... 13 Avaliação.26 2 Ficha Técnica

Leia mais

REGULAMENTO DO VOLUNTARIADO DE APOIO SOCIAL DO MUNICÍPIO DE VIDIGUEIRA

REGULAMENTO DO VOLUNTARIADO DE APOIO SOCIAL DO MUNICÍPIO DE VIDIGUEIRA REGULAMENTO DO VOLUNTARIADO DE APOIO SOCIAL DO MUNICÍPIO DE VIDIGUEIRA Nota justificativa A Câmara Municipal de Vidigueira assume o papel de agente fundamental na aplicação de políticas de protecção social,

Leia mais

PROGRAMA de FORMAÇÃO CONTÍNUA em CUIDADOS CONTINUADOS e PALIATIVOS 2015

PROGRAMA de FORMAÇÃO CONTÍNUA em CUIDADOS CONTINUADOS e PALIATIVOS 2015 PROGRAMA de FORMAÇÃO CONTÍNUA em CUIDADOS CONTINUADOS e PALIATIVOS 2015 Unidade de Cuidados Continuados e Paliativos do Hospital da Luz Justificação, Finalidade e Objectivos: Os Cuidados Paliativos assumem-se

Leia mais

Resultado do Projeto de Melhoria Visita Solidária 2014

Resultado do Projeto de Melhoria Visita Solidária 2014 Resultado do Projeto de Melhoria Visita Solidária 2014 Índice Introdução 1ª Fase Disseminação do Projeto 2ª Fase Decoração da árvore solidária 3ª Fase Visitas da Comunidade 4ª Fase Visita Solidária dos

Leia mais

e tecnologia de ciência V semana logotipo Concurso e tecnologia de ciência V semana Concurso logotipo V semana logotipo e tecnologia de ciência

e tecnologia de ciência V semana logotipo Concurso e tecnologia de ciência V semana Concurso logotipo V semana logotipo e tecnologia de ciência Concurso Concurso Concurso Concurso TEMA: A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA NO DESENVOLVIMENTO REGIONAL PREMIAÇÃO: 1o. Lugar R$ 700,00 2o. Lugar R$ 300,00 INSCRIÇÕES E ENTREGA DA PROPOSTA ATÉ 20 DE JUNHO NA SECRETARIA

Leia mais

Prioridades de capacitação em saúde da comunidade nos cuidados de saúde primários: um estudo com os ACES de Almada Seixal e Cascais

Prioridades de capacitação em saúde da comunidade nos cuidados de saúde primários: um estudo com os ACES de Almada Seixal e Cascais Prioridades de capacitação em saúde da comunidade nos cuidados de saúde primários: um estudo com os ACES de Almada Seixal e Cascais Capacitação em saúde como prioridade A capacitação dos cidadãos em saúde

Leia mais

AVALIAÇÃO DO GRAU DE SATISFAÇÃO

AVALIAÇÃO DO GRAU DE SATISFAÇÃO AVALIAÇÃO DO GRAU DE SATISFAÇÃO Entidades Parceiras 2013 DOC. 412.1 1. PROCEDIMENTO O questionário de avaliação do grau de satisfação das entidades parceiras foi aplicado por via Web distribuído por e-mail.

Leia mais

Escola Superior de Educação Almeida Garrett

Escola Superior de Educação Almeida Garrett Escola Superior de Educação Almeida Garrett Regulamento Interno do Gabinete de Formação Contínua Preâmbulo O Gabinete de Formação Contínua (adiante designado por GFC) da Escola Superior de Educação Almeida

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO 2012 REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO 2 de 1 Índice 1. Enquadramento... 3 2. Definição... 3 3. Princípios... 4 4. Objetivos... 4 5. Direitos... 4 6. Deveres... 5 7. Inscrição... 7 8. Candidatura...

Leia mais

Contextualização da Atividade

Contextualização da Atividade Contextualização da Atividade A Volta de Apoio ao Emprego 2015 é uma parceria entre a Representação da Comissão Europeia em Portugal, o Instituto do Emprego e Formação Profissional e a rede de Centros

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Básica. AUDIÊNCIA PÚBLICA Avaliação dos Programas Federais de Respeito à Diversidade Sexual nas Escolas

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Básica. AUDIÊNCIA PÚBLICA Avaliação dos Programas Federais de Respeito à Diversidade Sexual nas Escolas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Básica AUDIÊNCIA PÚBLICA Avaliação dos Programas Federais de Respeito à Diversidade Sexual nas Escolas MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria Geral da República

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TÉNIS DE MESA

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TÉNIS DE MESA PLANO DE ATIVIDADES 2012 FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TÉNIS DE MESA DESENVOLVIMENTO DA PRÁTICA DESPORTIVA ALTO RENDIMENTO E SELEÇÕES NACIONAIS FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS MARKETING, COMUNICAÇÃO & IMAGEM 1.-

Leia mais

Projecto MIMAR O SOLAR

Projecto MIMAR O SOLAR Equipa Star Wars 1 Projecto MIMAR O SOLAR 2 Projecto Mimar o Solar Apresentação O Projecto MIMAR O SOLAR surge como iniciativa promovida pelo Solar do Mimo Centro de Acolhimento Temporário de Crianças

Leia mais

COMEMORAÇÕES DO DIA MUNDIAL DA SAÚDE MENTAL

COMEMORAÇÕES DO DIA MUNDIAL DA SAÚDE MENTAL Em Parceria com: COMEMORAÇÕES DO DIA MUNDIAL DA SAÚDE MENTAL VII Aniversário da ENCONTRAR+SE Porto, 10, 11, 12 e 21 Outubro de 2013 PROGRAMA Alto Patrocínio Parceiros Sponsors Major Minor Apoio Introdução

Leia mais

Projeto Movimento ODM Brasil 2015 Título do Projeto

Projeto Movimento ODM Brasil 2015 Título do Projeto Título do Projeto Desenvolvimento de capacidades, de justiça econômica sustentável e promoção de boas práticas para alcance dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio no Brasil. Concepção Estabelecimento

Leia mais

Plano Anual de 2015-2016. Atividades. Serviço de Psicologia e Orientação (SPO) Fernanda Moedas (Psicóloga SPO)

Plano Anual de 2015-2016. Atividades. Serviço de Psicologia e Orientação (SPO) Fernanda Moedas (Psicóloga SPO) Pl Anual de 2015-2016 Atividades Fernanda Moedas (Psicóloga SPO) Serviço de Psicologia e Orientação de Matosinhos HORÁRIO: Horário extra curricular - (preferencialmente são marcadas sessões com a colaboração

Leia mais

Educador Ambiental. Curso de Formação. Eng.ª Mariana Cruz Mariana.cruz@biorumo.com

Educador Ambiental. Curso de Formação. Eng.ª Mariana Cruz Mariana.cruz@biorumo.com 1 Curso de Formação Educador Ambiental 2009 Eng.ª Mariana Cruz Mariana.cruz@biorumo.com 2 Curso de Formação: Educador Ambiental Índice: 1 Apresentação da entidade formadora e de Coordenação do Curso 2

Leia mais

Procura de emprego na Europa

Procura de emprego na Europa Procura de emprego na Europa IEFP - EURES Volta de Apoio ao Emprego Fundão, 3 de Maio de 2016 Trabalhar noutro país Para ter sucesso é fundamental estar bem informado/preparado Rede EURES O que é? uma

Leia mais

Projeto Educativo 2013-2017

Projeto Educativo 2013-2017 Projeto Educativo 2013-2017 A Escola A CONSTRUIR Qualidade dos Recursos Recursos humanos Serviços e equipamentos Instalações Qualidade da Interação com a comunidade Família Comunidade educativa Qualidade

Leia mais

REGULAMENTO. Orçamento Participativo de Arruda dos Vinhos

REGULAMENTO. Orçamento Participativo de Arruda dos Vinhos REGULAMENTO Orçamento Participativo de Arruda dos Vinhos Aprovação Câmara Municipal: 03-08-2015 Assembleia Municipal: 21-09-2015 REGULAMENTO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DE ARRUDA DOS VINHOS PREÂMBULO A

Leia mais

WORKSHOP BUREAU VERITAS 5ªEdição da Semana da Responsabilidade Social - SRS10

WORKSHOP BUREAU VERITAS 5ªEdição da Semana da Responsabilidade Social - SRS10 WORKSHOP BUREAU VERITAS 5ªEdição da Semana da Responsabilidade Social - SRS10 Manual Primeiros Passos Cláudia Cardoso Fundação Cidade de Lisboa 5 de Maio de 2010 Grupo de Reflexão e Apoio à Cidadania Empresarial

Leia mais

O Projecto SURE-Africa: Reabilitação Urbana Sustentável Eficiência Energética em Edifícios no Contexto Africano

O Projecto SURE-Africa: Reabilitação Urbana Sustentável Eficiência Energética em Edifícios no Contexto Africano O Projecto SURE-Africa: Reabilitação Urbana Sustentável Eficiência Energética em Edifícios no Contexto Africano Manuel Correia Guedes Instituto Superior Técnico, Lisboa, Portugal (mcguedes@civil.ist.utl.pt)

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2013

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2013 RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2013 I. Introdução O ano de 2013 foi um ano marcado por grandes investimentos na Comunidade Terapêutica, por forma a criar condições estruturais que possibilitem a formação e integração

Leia mais

Governação dos laboratórios: papel da regulação

Governação dos laboratórios: papel da regulação Governação dos laboratórios: papel da regulação César Carneiro Director do Departamento de Estudos e Regulação Económica Lisboa, 20 de Maio de 2016 Agenda 1. A Entidade Reguladora da Saúde 2. As actividades

Leia mais

Planificação de Atividades do Serviço de Psicologia e Orientação Ano Letivo 2012 / 2013

Planificação de Atividades do Serviço de Psicologia e Orientação Ano Letivo 2012 / 2013 Planificação de Atividades do Serviço de Psicologia e Orientação Ano Letivo 2012 / 2013 Psicóloga Ana Rita Antunes (2º e 3º Ciclos e Coordenadora do Serviço de Psicologia e Orientação) Psicóloga Filipa

Leia mais

Constituída a equipa, iniciaram-se os trabalhos necessários à elaboração deste Plano de Melhorias.

Constituída a equipa, iniciaram-se os trabalhos necessários à elaboração deste Plano de Melhorias. Plano de Melhoria 1. Introdução Em Julho de 2012, o Agrupamento de Escolas de Carnaxide-Valejas juntou-se à Escola Secundária Camilo Castelo Branco dando origem ao atual Agrupamento de Escolas de Carnaxide.

Leia mais

Memórias do trabalho

Memórias do trabalho Universidade Popular do Porto Candidatura de projecto à Porto 2001 SA, Capital da Cultura Memórias do trabalho testemunhos do Porto laboral no sé culo XX Agosto de 1999 (reformulação em Setembro de 2000)

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DA COMISSÃO DE PROTEÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE PENAFIEL 2015

PLANO DE AÇÃO DA COMISSÃO DE PROTEÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE PENAFIEL 2015 PLANO DE AÇÃO DA COMISSÃO DE PROTEÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE PENAFIEL 2015 INTRODUÇÃO Pretende-se com a apresentação do plano de ação 2015 da Comissão de Proteção de Crianças e Jovens de Penafiel delimitar

Leia mais

Introdução. Évora, 18 de outubro de 2014. A Direção da Associação

Introdução. Évora, 18 de outubro de 2014. A Direção da Associação Introdução A dos Amigos da Ludoteca, em parceria com a Câmara Municipal de Évora na promoção dos Direitos da Criança e da Família, pretende desenvolver em 2015 um Plano de Atividades que promova o Direito

Leia mais

Plano de atividades CATL 2016/2017

Plano de atividades CATL 2016/2017 CATL 2016_2017 Centro Social Paróquia Nossa Senhora da Ajuda, Porto Página 1 Índice Introdução 3 Descrição da valência 4 Plano de atividades 7 Centro Social Paróquia Nossa Senhora da Ajuda, Porto Página

Leia mais

DO CONCELHO DE PROENÇA-A-NOVA

DO CONCELHO DE PROENÇA-A-NOVA PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E PLANO DE AÇÃO DO CONCELHO DE PROENÇA-A-NOVA JUNHO DE 2015 A DEZEMBRO 2017 1 NOTA INTRODUTÓRIA Atualmente torna-se cada vez mais evidente a necessidade de adequar o crescimento

Leia mais

Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança

Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança Breve Enquadramento O Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança constitui o resultado do Projeto Tecer a, promovido pela Comissão Nacional de Promoção

Leia mais

Gabinete de Empreendedorismo do Município de Albufeira

Gabinete de Empreendedorismo do Município de Albufeira Gabinete de Empreendedorismo do Município de Albufeira O Apoio às Empresas: Criação do CAE Centro de Acolhimento Empresarial Paulo Dias AGE Município de Albufeira AGE Gabinete de Empreendedorismo Nasceu

Leia mais

Plataforma Saúde em Diálogo

Plataforma Saúde em Diálogo Novembro/2013 A Plataforma Mais Diálogo Farmácias/Utentes de Saúde surge em 1998 como estrutura informal Fórum Mais Diálogo Farmácia / Utentes de Saúde 13 de Janeiro de 1998 1 Assinatura do Protocolo de

Leia mais

Comunicação Integrada: uma experiência em assessoria na Saúde Pública

Comunicação Integrada: uma experiência em assessoria na Saúde Pública Comunicação Integrada: uma experiência em assessoria na Saúde Pública Kalyne Menezes, mskalyne@gmail.com, UFG Daiana Stasiak, daiastasiak@gmail.com, UFG Silvana Coleta, silvanacoleta@gmail.com, UFG Marcelo

Leia mais

Licenciatura em Serviço Social. Intervenção Social na Infância, Adolescência e Velhice. Ano letivo 2014/2015

Licenciatura em Serviço Social. Intervenção Social na Infância, Adolescência e Velhice. Ano letivo 2014/2015 A INSTITUCIONALIZAÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS Licenciatura em Serviço Social Intervenção Social na Infância, Adolescência e Velhice Ano letivo 2014/2015 O acolhimento institucional constitui uma medida de

Leia mais

2008 Concelho de Ourique

2008 Concelho de Ourique Plano de Acção 2008 Concelho de Rede Social Programa Rede Social Conselho Local de Acção Social de Janeiro 2008 Ficha Técnica Título: Plano de Acção 2008 do Concelho de Autoria: Núcleo Executivo da Rede

Leia mais

Actividades a desenvolver no âmbito das comemorações do 28 de Abril 2011

Actividades a desenvolver no âmbito das comemorações do 28 de Abril 2011 Actividades a desenvolver no âmbito das comemorações do 28 de Abril 2011 UNIDADE LOCAL DE VISEU MARÇO 2011 ÍNDICE I. INTRODUÇÃO II. ESTRUTURA DO PROJECTO 1. Caracterização do objecto 2. Definição de objectivos

Leia mais

REDE SOCIAL DE ALANDROAL

REDE SOCIAL DE ALANDROAL REDE SOCIAL DE ALANDROAL CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (MAIO ) Área de Intervenção: Equipamentos e Respostas Sociais e Serviços Objetivo Geral Objetivos Específicos Ação População - Alvo Entidades/ Parceiros

Leia mais

AVALIAÇÃO DO GRAU DE SATISFAÇÃO

AVALIAÇÃO DO GRAU DE SATISFAÇÃO AVALIAÇÃO DO GRAU DE SATISFAÇÃO Colaboradores 2012 DOC. 412.1 1. PROCEDIMENTO O questionário de avaliação do grau de satisfação dos colaboradores foi aplicado por via Web distribuído por e-mail e em suporte

Leia mais

Convite: Natal no Frei 3º CICLO. Num Externato de orientação

Convite: Natal no Frei 3º CICLO. Num Externato de orientação Newsletter Nº2 Ano Lectivo 2008 2009 Dezembro Coordenação Prof. Miguel Feio Prof. Manuel André EM DESTAQUE Natal no Frei A alegria de comunicar aos outros a Boa Nova do amor de Deus que deu ao mundo o

Leia mais

Projecto de Enfermagem para o Prestador de Cuidados

Projecto de Enfermagem para o Prestador de Cuidados Unidade de Cuidados na Comunidade-1º Ano de Vida Projecto de Enfermagem para o Prestador de Cuidados Dilma Pereira Raquel Azevedo Enfermeiras Especialistas em Enfermagem Comunitária Projecto de Enfermagem

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES DA BIBLIOTECA ESCOLAR. Ano lectivo de 2013 2014

PLANO DE ACTIVIDADES DA BIBLIOTECA ESCOLAR. Ano lectivo de 2013 2014 PLANO DE ACTIVIDADES DA BIBLIOTECA ESCOLAR Ano lectivo de 2013 2014 A Biblioteca Escolar / Centro de Recursos Educativos, de acordo com o que está definido no Projecto educativo, deste agrupamento (...)

Leia mais

REALIZAR MAIS Sustentabilidade

REALIZAR MAIS Sustentabilidade REALIZAR MAIS Sustentabilidade Grupo Banco Espírito Santo Índice Cultura de cidadania empresarial no modelo de : uma visão integrada para a sustentabilidade ADN Realizar Mais: pioneirismo e profundidade

Leia mais

Crise Social & Crise das Políticas Sociais

Crise Social & Crise das Políticas Sociais V Seminário International do CESSS Crise Social & Crise das Políticas Sociais Lisboa 31Maio & 1 Junho 2012 Sala 121 FCH I. Contexto e Objectivos Este seminário enquadra-se no âmbito do plano de actividades

Leia mais

Núcleo Executivo do CLAS de Mafra, 28 Maio de

Núcleo Executivo do CLAS de Mafra, 28 Maio de Plano de Ação Rede Social Mafra Eixo I - DEMOGRAFIA E EQUIPAMENTOS (INFRA-ESTRUTURAS DE APOIO) Objectivo geral 1. Reforçar as estruturas de apoio ao idoso Objectivo Específico 1. Aumentar a capacidade

Leia mais

Case study. Mais-valias para clientes através de serviços ambientais RECOLHA DE ÓLEOS ALIMENTARES USADOS EMPRESA ENVOLVIMENTO

Case study. Mais-valias para clientes através de serviços ambientais RECOLHA DE ÓLEOS ALIMENTARES USADOS EMPRESA ENVOLVIMENTO Case study 2010 Mais-valias para clientes através de serviços ambientais RECOLHA DE ÓLEOS ALIMENTARES USADOS EMPRESA A actividade de Pingo Doce, empresa do grupo Jerónimo Martins, iniciou-se em 1980, na

Leia mais

01 D/DQ 14/07/10 CARTA DOS DIREITOS E DEVERES. do CLIENTE / UTENTE

01 D/DQ 14/07/10 CARTA DOS DIREITOS E DEVERES. do CLIENTE / UTENTE 14 07 10 01 D/DQ 14/07/10 CARTA DOS DIREITOS E DEVERES do CLIENTE / UTENTE Preâmbulo Tendo como referência o Código de Ética, a Carta dos Direitos e Deveres do Cliente reforça o compromisso da APCC com

Leia mais

Promover a inserção social de pessoas e grupos mais vulneráveis; Estimular o desenvolvimento de projectos de vida;

Promover a inserção social de pessoas e grupos mais vulneráveis; Estimular o desenvolvimento de projectos de vida; São nossos objectivos: 1ª fase: Promover a inserção social de pessoas e grupos mais vulneráveis; Alargar e consolidar a rede de parcerias de forma a fomentar e a criar novos recursos, propiciando condições

Leia mais

Relatório de Avaliação Grau de Satisfação - Colaboradores CRIT

Relatório de Avaliação Grau de Satisfação - Colaboradores CRIT Relatório de Avaliação Grau de Satisfação - Colaboradores CRIT - 2010 Grau de Satisfação para Colaboradores sobre a Satisfação Global Nº de inquéritos recebidos 90 P1. Imagem global da organização. 0 2

Leia mais

Plano Concelhio Para a Integração de Pessoas Sem Abrigo (Plano)

Plano Concelhio Para a Integração de Pessoas Sem Abrigo (Plano) Plano Concelhio Para a Integração de Pessoas Sem Abrigo (Plano) 2010-2013 RELATÓRIO DE EXECUÇÃO E AVALIAÇÃO - 2012 CMC/DIPS Ricardo Caldeira - Coordenador do Grupo de Planeamento da Intervenção com os

Leia mais

Projecto MobES, Mobilidade e Envelhecimento Saudável

Projecto MobES, Mobilidade e Envelhecimento Saudável Projecto MobES, Mobilidade e Envelhecimento Saudável Projecto MobES - JUSTIFICAÇÃO Aumento da Esperança Média de Vida associa-se a: Prevalência de doenças crónicas; Custos na saúde. Inatividade Física

Leia mais

BIC AMAZÔNIA S.A. RELATÓRIO DE DESEMPENHO SOCIAL JANEIRO DE 2016 I - APRESENTAÇÃO

BIC AMAZÔNIA S.A. RELATÓRIO DE DESEMPENHO SOCIAL JANEIRO DE 2016 I - APRESENTAÇÃO BIC AMAZÔNIA S.A. RELATÓRIO DE DESEMPENHO SOCIAL JANEIRO DE 2016 I - APRESENTAÇÃO A unidade BIC Amazônia está localizada na cidade de Manaus, no Estado do Amazonas, onde são produzidos canetas, lápis,

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE SANTARÉM

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE SANTARÉM SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE Resposta Social/Serviço: - Relatório N.º: 1 Data de Aplicação: Inicio: 29/12/2016 Fim: 05/01/2017 Local: Não se aplica Tipo de Questionário: Avaliação da Satisfação dos Clientes/Utentes

Leia mais

Descrição do Curso de Verão

Descrição do Curso de Verão Descrição do Curso de Verão Portugal - 1 de 7 - Introdução O BEST Board of European Students of Technology é uma associação sem fins lucrativos, políticos ou religiosos que reúne estudantes de Engenharia,

Leia mais

Plano de Acção 2006/2007. Rede Social Concelho da Lourinhã

Plano de Acção 2006/2007. Rede Social Concelho da Lourinhã Plano de Acção 2006/2007 Rede Social Concelho da Lourinhã E I X O I Intervenção Dirigida a Grupos Específicos EIXO I : INTERVENÇÃO DIRIGIDA A GRUPOS ESPECIFICOS OBJECTIVO GERAL: Até Dezembro de 2007 existem

Leia mais

Ficha de Actividade. Conteúdos: Os diferentes processos e serviços do Arquivo Municipal.

Ficha de Actividade. Conteúdos: Os diferentes processos e serviços do Arquivo Municipal. Ficha de Actividade Tipo: Visitas de Estudo Tema: Faz de conta que somos de papel Público-alvo: Alunos Pré-escolar e 1º ciclo Equipa: Serviço Educativo Arquivo Municipal Calendarização: Todo o ano. Agendadas

Leia mais

Ciência e sociedade: o movimento social pela cultura científica

Ciência e sociedade: o movimento social pela cultura científica Ciência 2008 Encontro com a Ciência em Portugal Ciência Viva: Promover a Cultura Científica e Tecnológica Ciência e sociedade: o movimento social pela cultura científica António Firmino da Costa Centro

Leia mais

REGULAMENTO DAS FÉRIAS DESPORTIVAS DA JUNTA DE FREGUESIA DE PARANHOS

REGULAMENTO DAS FÉRIAS DESPORTIVAS DA JUNTA DE FREGUESIA DE PARANHOS REGULAMENTO DAS FÉRIAS DESPORTIVAS DA JUNTA DE FREGUESIA DE PARANHOS PREÂMBULO No uso da competência prevista pelos artigos 112º, n.º. 8, e 241º da Constituição da República Portuguesa, e conferida pela

Leia mais

Estratégias para a Saúde

Estratégias para a Saúde Estratégias para a Saúde V.1) Cadernos do PNS Acções e Recomendações Promoção da Cidadania em Saúde (Versão Discussão) ESTRATÉGIAS PARA A SAÚDE V.1) CADERNOS DO PNS - ACÇÕES E RECOMENDAÇÕES PROMOÇÃO DA

Leia mais

ÁREA TEMÁTICA COMUNICAÇÃO

ÁREA TEMÁTICA COMUNICAÇÃO PRONTO-SOCORRO CARDIOLÓGICO DE PERNAMBUCO PROF. LUIZ TAVARES PROCAPE ÁREA TEMÁTICA COMUNICAÇÃO Representante: Ageyra Andrea Pacheco Tabosa Psicóloga Projeto: Campanhas Educativas nos Setores do Hospital

Leia mais

O PROCESSO DE ELABORAÇÃO DA CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

O PROCESSO DE ELABORAÇÃO DA CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA O PROCESSO DE ELABORAÇÃO DA CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA SECRETARIA NACIONAL DE PROMOÇÃO DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA

Leia mais

POLÍTICA ENGAJAMENTO DE STAKEHOLDERS ÍNDICE. 1. Objetivo...2. 2. Abrangência...2. 3. Definições...2. 4. Diretrizes...3. 5. Materialidade...

POLÍTICA ENGAJAMENTO DE STAKEHOLDERS ÍNDICE. 1. Objetivo...2. 2. Abrangência...2. 3. Definições...2. 4. Diretrizes...3. 5. Materialidade... ENGAJAMENTO DE STAKEHOLDERS Folha 1/8 ÍNDICE 1. Objetivo...2 2. Abrangência...2 3. Definições...2 4. Diretrizes...3 5. Materialidade...7 Folha 2/8 1. Objetivos 1. Estabelecer as diretrizes que devem orientar

Leia mais

SÍNTESE DO PLANO DE GESTÃO 2014

SÍNTESE DO PLANO DE GESTÃO 2014 SÍNTESE DO PLANO DE GESTÃO MOD.212.0 0 PAG. 1 Índice 1. Enquadramento 2. Principais necessidades e prioridades a satisfazer em 3. Planificação 4. Monitorização PAG. 2 1. Enquadramento O presente documento

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2015 Associação de Pais e Amigos do Cidadão

PLANO DE ACTIVIDADES 2015 Associação de Pais e Amigos do Cidadão Objectivo Geral Objectivo Especifico Meta Indicador Atividades a desenvolver pela - Elaborar candidaturas a fundos do estado Adquirir e instalar - Pedir orçamentos e analisar as propostas 2 Estufas adquiridas

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO

PROJETO DE REGULAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO PROJETO DE REGULAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO PROJETO DE REGULAMENTO 1.INTRODUÇÃO A prática regular e sistemática de atividades de animação gera significativas melhorias quer

Leia mais

EMPRESAS 2.1 2.2 2.3 2.4 2.5 2.6 2.6

EMPRESAS 2.1 2.2 2.3 2.4 2.5 2.6 2.6 II EMPRESAS 2.1 Termo de Adesão 2.2 Formulário de Identificação 2.3 Autorização de uso de imagem organizacional 2.4 Autorização de uso de imagem pessoal 2.5 Questionário 2.6 Diretrizes para o envio de

Leia mais

VII JORNADAS PEDAGÓGICAS O PROFESSOR FAZ A DIFERENÇA NO DESEMPENHO ESCOLAR

VII JORNADAS PEDAGÓGICAS O PROFESSOR FAZ A DIFERENÇA NO DESEMPENHO ESCOLAR VII JORNADAS PEDAGÓGICAS O PROFESSOR FAZ A DIFERENÇA NO DESEMPENHO ESCOLAR Dias 30 de abril, 14 e 21 de maio de 2016 O aperfeiçoamento profissional dos professores não é um acontecimento, é um processo.

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL Entre regulação e fundamentos da profissão

SERVIÇO SOCIAL Entre regulação e fundamentos da profissão VIII Seminário Internacional SERVIÇO SOCIAL Entre regulação e fundamentos da profissão Centenário do Relatório Flexner sobre o Serviço Social como Profissão FCH/UCP Lisboa 18 & 19 Junho 2015 I. Contexto

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE EM MEIO ESCOLAR MOVIMENTO ESCOLA/CIDADE DOS AFECTOS

PROGRAMA EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE EM MEIO ESCOLAR MOVIMENTO ESCOLA/CIDADE DOS AFECTOS PROGRAMA EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE EM MEIO ESCOLAR MOVIMENTO ESCOLA/CIDADE DOS AFECTOS GESTÃO DO PROGRAMA Cristina Pecante - Médica, Saúde Pública Fátima Neves - Enfermeira Especialista, Saúde Comunitária

Leia mais

NEWSLETTER nº 12 DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO, DESENVOLVIMENTO SOCIAL E CULTURAL DIVISÃO DE EDUCAÇÃO. Agenda Noticias Projetos Programas

NEWSLETTER nº 12 DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO, DESENVOLVIMENTO SOCIAL E CULTURAL DIVISÃO DE EDUCAÇÃO. Agenda Noticias Projetos Programas DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO, DESENVOLVIMENTO SOCIAL E CULTURAL DIVISÃO DE EDUCAÇÃO Agenda Noticias Projetos Programas NEWSLETTER nº 12 O PROJETO DE EDUCAÇÃO EM EMPREENDEDORISMO NAS ESCOLAS VENCEDORES DO MUNICIPIO

Leia mais

Projecto: Cuidar da Água para que ela cuide de nós

Projecto: Cuidar da Água para que ela cuide de nós Ambiente e Saúde: Investigação e desenvolvimento para o futuro Conferência Projecto: APPSP: Instituição com finalidades de Saúde e Solidariedade Social Objectivos - promover a Saúde - estimular e apoiar

Leia mais

Santa Casa da Misericórdia de Pombal

Santa Casa da Misericórdia de Pombal Manual de Políticas Santa Casa da Misericórdia de Pombal Índice 1. Política da Qualidade 2. Politica de Apoio Social 3. Politica de Recursos Humanos 4. Politica de Ética 5. Politica de Envolvimento Ativo

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO (INCLUINDO ALTERAÇÃO): COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO

GRUPO DE TRABALHO (INCLUINDO ALTERAÇÃO): COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO GRUPO DE TRABALHO (INCLUINDO ALTERAÇÃO): COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO Índice: DIAGNÓSTICO... 51 OBJECTIVO GERAL: PROMOVER OS DIREITOS DA CRIANÇA JUNTO

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO SAÚDE. - Advocacia junto ao Ministério da Saúde para criação de mais centros de testagem voluntária.

PROGRAMA DE ACÇÃO SAÚDE. - Advocacia junto ao Ministério da Saúde para criação de mais centros de testagem voluntária. PROGRAMA DE ACÇÃO A diversidade e complexidade dos assuntos integrados no programa de acção da OMA permitirá obter soluções eficazes nos cuidados primários de saúde, particularmente na saúde reprodutiva

Leia mais

Escola Básica do 1º Ciclo com Pré-Escolar da Nazaré. Atividade de Enriquecimento Curricular TIC. Pré-Escolar Nenúfares

Escola Básica do 1º Ciclo com Pré-Escolar da Nazaré. Atividade de Enriquecimento Curricular TIC. Pré-Escolar Nenúfares Escola Básica do 1º Ciclo com Pré-Escolar da Nazaré Atividade de Enriquecimento Curricular TIC Pré-Escolar Nenúfares Docente: Telma Sá Ano Letivo: 2015/2016 1 O saber é um processo, não é um produto. Jerome

Leia mais

SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE INVESTIGAÇÃO EM SAÚDE MENTAL SEMINARIO INTERNACIONAL DE INVESTIGACIÓN EN SALUD MENTAL

SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE INVESTIGAÇÃO EM SAÚDE MENTAL SEMINARIO INTERNACIONAL DE INVESTIGACIÓN EN SALUD MENTAL SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE INVESTIGAÇÃO EM SAÚDE MENTAL SEMINARIO INTERNACIONAL DE INVESTIGACIÓN EN SALUD MENTAL Data: 12 e 13 de junho, 2017 Fecha: 12 y 13 de junio, 2017 Local: Instituto de Ciências

Leia mais

EMPREENDEDO- RISMO E EMPREGABILIDADE

EMPREENDEDO- RISMO E EMPREGABILIDADE EMPREENDEDO- RISMO E EMPREGABILIDADE Programa de Ocupação de Jovens (POJ) Descrição: Programa que proporciona a jovens experiências iniciais de contacto com o mercado de trabalho facilitando o desenvolvimento

Leia mais

Agrupamento de Escolas MONSENHOR ELÍSIO ARAÚJO. Projeto PNL 2011/ 2012

Agrupamento de Escolas MONSENHOR ELÍSIO ARAÚJO. Projeto PNL 2011/ 2012 Agrupamento de Escolas MONSENHOR ELÍSIO ARAÚJO Projeto PNL 2011/ 2012 Objetivos/Estratégias do Projeto Objetivos (definidos a partir das Prioridades (1,2,3,4,5,6) Educativas definidas no Projeto Educativo

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO. Colaboradores

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO. Colaboradores RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO Colaboradores 2010 1. PROCEDIMENTO Os questionários de avaliação do desempenho dos colaboradores foram aplicados, em suporte papel, pelos respectivos responsáveis de

Leia mais

Pós Graduação Coordenação de Unidades de Saúde

Pós Graduação Coordenação de Unidades de Saúde Pós Graduação Coordenação de Unidades de Saúde 5ª Edição Coordenação Cientifica e Pedagógica Início 26 Fevereiro de 2016 Limite Inscrições 16 Fevereiro 2016 Sábados das 09h às 18 h MSc Ana Terezinha Rodrigues

Leia mais

sociedade portuguesa de enfermagem de saúde mental IV CONGRESSO INTERNACIONAL DA SPESM Padrões de qualidade em Saúde Mental

sociedade portuguesa de enfermagem de saúde mental IV CONGRESSO INTERNACIONAL DA SPESM Padrões de qualidade em Saúde Mental sociedade portuguesa de enfermagem de saúde mental IV CONGRESSO INTERNACIONAL DA SPESM Padrões de qualidade em Saúde Mental Escola Superior de Enfermagem de Coimbra - Pólo B > Coimbra > 10 e 11 de Outubro

Leia mais

CONSELHO CIENTÍFICO PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO

CONSELHO CIENTÍFICO PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO CONSELHO CIENTÍFICO PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO An 2-A NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo

Leia mais

Concurso de fotografia Somos todos peões REGULAMENTO 1. ENQUADRAMENTO

Concurso de fotografia Somos todos peões REGULAMENTO 1. ENQUADRAMENTO Concurso de fotografia Somos todos peões REGULAMENTO 1. ENQUADRAMENTO O concurso de fotografia Somos todos peões decorre por ocasião da Segunda Semana Mundial de Segurança Rodoviária, promovida pelas Nações

Leia mais

Crescer Saudável. Promover e proteger a saúde e prevenir a doença na comunidade educativa.

Crescer Saudável. Promover e proteger a saúde e prevenir a doença na comunidade educativa. Administração Regional de Saúde do Alentejo, IP Centro de Saúde de Montemor-o-Novo Crescer Saudável O Programa de Educação para a Saúde Crescer Saudável surge no âmbito do Programa Nacional de Saúde r

Leia mais

feiras congressos 2016

feiras congressos 2016 feiras congressos 2016 feiras e congressos 3 SOMOS A IFE A nossa ambição é dotar os profissionais de conhecimentos e competências para melhorar a performance e transformar o seu potencial em resultados.

Leia mais

Qual emprego, qual trabalho para as pessoas com perturbação do espetro do autismo (PEA)? José Miguel Nogueira - FPDA

Qual emprego, qual trabalho para as pessoas com perturbação do espetro do autismo (PEA)? José Miguel Nogueira - FPDA Qual emprego, qual trabalho para as pessoas com perturbação do espetro do autismo (PEA)? José Miguel Nogueira - FPDA Estrutura: i) O direito ao emprego versus o direito a uma atividade socio-ocupacional

Leia mais

ISEL Sessão de Apresentação no ISEL

ISEL Sessão de Apresentação no ISEL ISEL ISEL Sessão de Apresentação no ISEL Manuel Pires Abraços 15 Novembro 2011 Apresentação O Poliempreende é um concurso de ideias e de planos de negócios que tem como objectivo avaliar e premiar projectos

Leia mais

FUNDAÇÃO CASA DE REPOUSO D. MARIA MADALENA GODINHO DE ABREU PLANO DE ACTIVIDADES DIÁRIAS DOS UTENTES 2008

FUNDAÇÃO CASA DE REPOUSO D. MARIA MADALENA GODINHO DE ABREU PLANO DE ACTIVIDADES DIÁRIAS DOS UTENTES 2008 PLANO DE ACTIVIDADES DIÁRIAS DOS UTENTES 2008 6ª feiras PLANO DE ACTIVIDADES DIÁRIAS DOS UTENTES 2009 6ª feiras 5 de Janeiro de 2009 PLANO DE ACTIVIDADES DIÁRIAS DOS UTENTES 2010 6ª feiras 4 de Janeiro

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE DE SANTARÉM

ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE DE SANTARÉM O Instituto Politécnico de Santarém irá realizar o Dia Aberto do IPS, o qual ocorrerá no próximo dia 7 de março de 2013. Pretendemos com esta iniciativa divulgar a oferta formativa das nossas cinco escolas:

Leia mais

Regulamento Interno. Centro Ocupacional de São Brás. Capítulo I. Objectivos do Regulamento

Regulamento Interno. Centro Ocupacional de São Brás. Capítulo I. Objectivos do Regulamento Regulamento Interno Centro Ocupacional de São Brás Capítulo I Objectivos do Regulamento 1) O presente regulamento visa definir as regras de organização e funcionamento do Espaço Educacional de São Brás,

Leia mais

MANUAL DO VOLUNTÁRIO

MANUAL DO VOLUNTÁRIO MANUAL DO VOLUNTÁRIO Só é voluntário quem se põe ao serviço do OUTRO ÍNDICE 1. Introdução 2. O movimento Pais-em-Rede. 3. Ser voluntário Pais-em-Rede: 3.1 O nosso conceito de voluntariado 3.2 Direitos

Leia mais