EMENDA ADITIVA - ANEXO EMENDA N /2011 AO PROJETO DE LEI N 131/2011.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EMENDA ADITIVA - ANEXO EMENDA N /2011 AO PROJETO DE LEI N 131/2011."

Transcrição

1 EMENDA ADITIVA - ANEXO EMENDA N /2011 AO PROJETO DE LEI N 131/2011. Acrescente-se o item 1.5 na Dimensão 1, Área 1 do Anexo III, de que trata o art. 2, com a seguinte redação: ANEXO III METAS E PRIORITÁRIAS Dimensão 2 Infraestrutura e Fortalecimento da Base Econômica Área 1 Desenvolvimento Econômico e Proteção Ambiental, com os objetivos de: Apoiar e Fomentar o desenvolvimento das formas de organização do trabalho coletivo, com ênfase para a economia solidária. Justificativa: Paraíba é o segundo Estado do país em desigualdade social. A presente constatação é feita no 58º Comunicado do Instituto de Pesquisas Econômicas e Aplicadas (Ipea). Segundo dados do IPEA do ano 2008, aproximadamente 51,9% da população paraibana vivia em estado de pobreza absoluta. Boa parte dos paraibanos são vitimados pela pobreza devido a exclusão social e econômica, pois estão sem oportunidade de trabalho e, por conseqüência, sem acesso à renda. Por outro lado, existem experiências sendo desenvolvidas por diversos setores de nossa sociedade, organizadas sob os fundamentos e princípios da economia solidária, que têm representado importantes avanços no contexto do combate a pobreza, da geração de ocupação e de renda e, sobretudo de inclusão social. Estima-se que a economia solidária representa cerca de 15 mil trabalhadores paraibanos, segundo informações da Comissão Gestora da Pesquisa do Sistema Nacional de Economia Solidária Sies, na Paraíba. Fazem parte desse campo diversos empreendimentos econômicos solidários, organizados a partir de grupos informais, de cooperativas populares e de associações de produtores/as, nos meios rural e urbanos. Além disso, há uma diversidade de

2 empreendimentos que encontraram na organização do trabalho coletivo, um meio de fortalecer práticas econômicas, em diálogo com as questões sociais, a exemplo das Estratégias de Finanças Solidárias: bancos comunitários, fundos rotativos solidários, clubes de troca, moedas socais e dos bancos de sementes, entre outros; das Estratégias de Formação/ Educação: Intercâmbios Produtivos, Oficinas Locais, Qualificação e Profissionalização Solidária, etc.; das Estratégias de Apoio e Fortalecimento à Comercialização, tais como: Centros Públicos, Feiras Itinerantes, Pontos Fixos de Comercialização Solidária, entre outros. Além disso, os empreendimentos têm resistido bravamente frente a diversas dificuldades de sobrevivência, tendo em vista que faltam às condições básicas de apoio e fomento, a exemplo de acesso à recursos para investimento na logística, no transporte, na ampliação da capacidade produtiva e no acesso ao capital de giro para viabilizar a produção. Para se ter uma idéia dos desafios enfrentados pelo campo da economia solidária, no ano de 2009 o Fórum Estadual de Economia Solidária da Paraíba, conseguiu aprovar, em diálogo com o Governo do Estado da Paraíba e a Secretaria Nacional de Economia Solidária do MTE, a implantação de um Centro Público de Economia Solidária espaço voltado para comercialização, incubação e formação dos empreendimentos econômicos solidários - sendo que a implantação do referido equipamento não se viabilizou por falta de provisão orçamentária no âmbito estadual, prejudicando centenas de trabalhadores e trabalhadoras que seriam beneficiados/as com a implantação do Centro Público. Outra experiência negativa no âmbito das políticas públicas e da gestão orçamentária prejudicial à economia solidária se deu com aplicação dos recursos do Fundo Estadual de Combate à Pobreza, a partir de um convênio celebrado entre o Governo do Estado da Paraíba e o BNDES que direcionou um volume de 17 milhões de reais no ano de 2009 para os Arranjos Produtivos locais, quando o convênio obrigava destinar apoio aos empreendimentos econômicos solidários. Essa manobra se deu em meio à ausência de entendimento por parte do Governo a respeito do significado da economia solidária e pela falta de orientação orçamentária específica para este fim. Para que esses equívocos não venham a se repetir e objetivando fortalecer as políticas públicas de economia solidária no âmbito do Estado da Paraíba é de fundamental importância que as Leis que compõem o Ciclo do Planejamento Orçamentário passem a tratar da matéria com a importância devida. Assim sendo apresentamos a presente emenda e, na ausência de um campo específico para a definição de metas orçamentárias apresentamos anexo uma proposta com esta finalidade. João Pessoa/PB, em 07 de junho de FREI ANASTÁCIO Deputado Estadual - PT

3 Anexo 1. Desenvolvimento de Programa de Formação e Qualificação em Economia Solidária: 1.1 Público Beneficiário: 1000 pessoas diretamente (100 empreendimentos econômicos). 1.2 Objetivo Específico: Formar/ educar pessoas em situação de vulnerabilidade social, participantes empreendimentos econômicos coletivos. 1.3 Área de incidência: Estado da Paraíba Estimativa de implantação: 1.5 Investimento: R$ ,00 (trezentos mil reais) Intersetorialidade para Execução da Ação: Execução própria. 2. Implantação do Centro Público de Economia Solidária:

4 2.1 Público Beneficiário: 1000 pessoas diretamente (100 empreendimentos econômicos). 2.2 Objetivo Específico: Implantação e Equipar 01 Centro Público de Economia Solidária, objetivando criar um espaço voltado para comercialização, formação e incubação dos empreendimentos econômicos solidário. 2.3 Área de incidência: Estado da Paraíba Estimativa de implantação: 2.5 Investimentos (Contrapartida): R$ ,00 (Quinhentos mil reais) Intersetorialidade para Execução da Ação: Convênio (Gov. da Paraíba/ SENAES/MTE). 3. Logística e Fomento a Comercialização Solidária: 3.1 Público Beneficiário: 2000 pessoas diretamente (200 empreendimentos econômicos). 12 Feiras Itinerantes 04 Pontos Fixos Regionalizados 3.2 Objetivo Específico: Apoiar a organização e adquirir equipamentos para a realização de Feiras Itinerantes e Pontos Fixos de Economia Solidária. 3.3 Área de incidência: Estado da Paraíba Estimativa de implantação:

5 3.5 Investimento: R$ ,00 (Quatrocentos e vinte mil reais) Intersetorialidade para Execução da Ação: execução própria. 4. Finanças Solidárias: 3.1 Público Beneficiário: 500 pessoas diretamente (50 empreendimentos econômicos). 12 Feiras Itinerantes 04 Pontos Fixos Regionalizados 3.2 Objetivo Específico: Financiar o Investimento e a formação de Capital de Giro para os empreendimentos econômicos solidários, apoiar e fortalecer os Bancos Comunitários e Fundos Rotativos Solidários. 3.3 Área de incidência: Estado da Paraíba Estimativa de implantação: 3.5 Investimento: R$ ,00 (Seiscentos mil reais) Intersetorialidade para Execução da Ação: execução própria. Relação dos Programas, obras e serviços

6 Especificação ESTADO DA PARAÍBA Metas Regionalização Unidade Quantidade Meta Borborema/ Agreste Cariri Sertão 1. Formação e Qualificação em Economia Solidária EES* Centro Público de Economia Solidária EES Logística e Fomento a Comercialização Solidária EES Finanças Solidárias EES * EES: Empreendimento Econômico Solidário

GERENCIA DE APOIO À ECONOMIA SOLIDÁRIA, CRIATIVA E APLS

GERENCIA DE APOIO À ECONOMIA SOLIDÁRIA, CRIATIVA E APLS GERENCIA DE APOIO À ECONOMIA SOLIDÁRIA, CRIATIVA E APLS 1 Organograma da SEMPTQ Secretaria da Micro e Pequena Empresa Trabalho e Qualificação SECRETARIO DA SEMPETQ Carolina Soares SECRETARIA EXECUTIVA

Leia mais

SECRETARIA NACIONAL DE ECONOMIA SOLIDÁRIA

SECRETARIA NACIONAL DE ECONOMIA SOLIDÁRIA SECRETARIA NACIONAL DE ECONOMIA SOLIDÁRIA BALANÇO E PERSPECTIVAS Maio - 2012 ECONOMIA SOLIDÁRIA Formas de organização econômica de produção, comercialização, finanças e consumo que têm por base o trabalho

Leia mais

Programas 2014. Março de 2014

Programas 2014. Março de 2014 Programas 2014 Março de 2014 RoteirodestaApresentação 1.Informações gerais sobre a SUDENE 2.Ações da Sudene disponíveis em 2014 para recebimento de propostas 3.Informações para apresentação de propostas

Leia mais

CENTROS PÚBLICOS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA

CENTROS PÚBLICOS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA Secretaria Nacional de Economia Solidária Departamento de Fomento à Economia Solidária Esplanada dos Ministérios, bloco F, sala 347 70.059-900 - Brasília DF - Brasil - Tel.: 61-317-6882 - senaes@mte.gov.br

Leia mais

Ampliar e fortalecer as iniciativas de Segurança Alimentar e Economia Solidária, assegurando o direito de todos ao acesso regular e permanente a

Ampliar e fortalecer as iniciativas de Segurança Alimentar e Economia Solidária, assegurando o direito de todos ao acesso regular e permanente a 2017 SESAES A Secretaria Executiva da Segurança Alimentar e Economia Solidária SESAES é fruto da proposição da sociedade civil que vem pautando junto ao governo estadual a organização e implementação de

Leia mais

CARTA DA PLENÁRIA ESTADUAL DE ECONOMIA POPULAR SOLIDÁRIA DE PERNAMBUCO AO MOVIMENTO DE ECONOMIA SOLIDÁRIA, AOS MOVIMENTOS SOCIAIS E À SOCIEDADE

CARTA DA PLENÁRIA ESTADUAL DE ECONOMIA POPULAR SOLIDÁRIA DE PERNAMBUCO AO MOVIMENTO DE ECONOMIA SOLIDÁRIA, AOS MOVIMENTOS SOCIAIS E À SOCIEDADE FORUM DE ECONOMIA POPULAR SOLIDÁRIA DE PERNAMBUCO CARTA DA PLENÁRIA ESTADUAL DE ECONOMIA POPULAR SOLIDÁRIA DE PERNAMBUCO AO MOVIMENTO DE ECONOMIA SOLIDÁRIA, AOS MOVIMENTOS SOCIAIS E À SOCIEDADE Recife,

Leia mais

O DIRIGENTE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NO PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DA CONAE 2014 E DO PNE. Célia Maria Vilela Tavares

O DIRIGENTE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NO PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DA CONAE 2014 E DO PNE. Célia Maria Vilela Tavares O DIRIGENTE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NO PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DA CONAE 2014 E DO PNE Célia Maria Vilela Tavares Pré PNE: conferências municipais de educação, participação nas conferências estaduais e na

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE TRABALHO E RENDA

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE TRABALHO E RENDA GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE TRABALHO E RENDA COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO ORGANIZADORA Secretaria Estadual de Trabalho e Renda Secretaria Especial de Desenvolvimento Econômico

Leia mais

Pontos Fixos de Comercialização Solidária

Pontos Fixos de Comercialização Solidária Série Trocando Ideias Caderno 5 Pontos Fixos de Comercialização Solidária Termo de Referência Pontos Fixos de Comercialização Solidária Termo de Referência União Brasileira de Educação e Ensino - UBEE

Leia mais

Territórios de atuação do PGI no Pará

Territórios de atuação do PGI no Pará Projeto - Pará Territórios de atuação do PGI no Pará Itaituba 97 mil Habitantes - Distrito de Miritituba - Distrito de Campo Verde Barcarena 99 mil Habitantes - Vila Itupanema - Vila Nova / Vila União

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL CONTRATAÇÃO DE ASSESSOR TÉCNICO COTAÇÃO ELETRÔNICA Nº 03/2016 -

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL CONTRATAÇÃO DE ASSESSOR TÉCNICO COTAÇÃO ELETRÔNICA Nº 03/2016 - EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL CONTRATAÇÃO DE ASSESSOR TÉCNICO COTAÇÃO ELETRÔNICA Nº 03/2016 - A UNICAFES torna pública a realização de Cotação Eletrônica nº 03/2016 - do Tipo Melhor Técnica para contratação

Leia mais

O QUE ORIENTA O PROGRAMA

O QUE ORIENTA O PROGRAMA O QUE ORIENTA O PROGRAMA A Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres estabeleceu um diálogo permanente com as mulheres brasileiras por meio de conferências nacionais que constituíram um marco na

Leia mais

Findeter financiamento para a reconstrução e a mitigação de mudanças climáticas

Findeter financiamento para a reconstrução e a mitigação de mudanças climáticas Findeter financiamento para a reconstrução e a mitigação de mudanças climáticas Linhas de Financiamento para Reconstrução e Mitigação de Mudanças Climáticas Fortalecimento de estratégias e produtos financeiros

Leia mais

II CONFERÊNCIA ESTADUAL DAS CIDADES

II CONFERÊNCIA ESTADUAL DAS CIDADES II CONFERÊNCIA ESTADUAL DAS CIDADES PROPOSTAS PRIORITÁRIAS: 1. PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL Criar o Conselho Estadual da cidade e apoiar a criação dos conselhos municipais, de forma paritária, de caráter

Leia mais

Banco do Nordeste do Brasil S.A.

Banco do Nordeste do Brasil S.A. Banco do Nordeste do Brasil S.A. POLÍTICAS DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL PARA O NORDESTE Novembro 2003 Banco do Nordeste do Brasil S.A. Instituição financeira pública, de caráter regional, criado pela Lei

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO PLANO DE TRABALHO Cooperativa de Segundo Grau de Comercialização de Materiais Recicláveis da Cidade de São Paulo.

APRESENTAÇÃO DO PLANO DE TRABALHO Cooperativa de Segundo Grau de Comercialização de Materiais Recicláveis da Cidade de São Paulo. APRESENTAÇÃO DO PLANO DE TRABALHO Cooperativa de Segundo Grau de Comercialização de Materiais Recicláveis da Cidade de São Paulo. COOPERATIVA DE SEGUNDO GRAU DE COMERCIALIZAÇÃO DE MATERIAIS RECICLÁVEIS

Leia mais

DIRETRIZES PARA O PROGRAMA DE GOVERNO

DIRETRIZES PARA O PROGRAMA DE GOVERNO DIRETRIZES PARA O PROGRAMA DE GOVERNO Formular e implementar estratégias de gestão com participação, transparência, compromisso, responsabilidade e efetividade, potencializando a administração pública

Leia mais

SELEÇÃO PÚBLICA Nº01/2014 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL PUCRS

SELEÇÃO PÚBLICA Nº01/2014 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL PUCRS SELEÇÃO PÚBLICA Nº01/2014 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL PUCRS NO CONTEXTO DA CHAMADA PÚBLICA MCTI/SESIC/MTE/SENAES/CNPQ Nº89/2013 1. Apresentação 1.1. A Incubadora de Empreendimentos

Leia mais

Sistema Nacional de Comércio Justo e Solidário - SCJS

Sistema Nacional de Comércio Justo e Solidário - SCJS Meta: Sistema Nacional de Comércio Justo e Solidário - SCJS Realização Parcerias: O Processo de Construção do Comércio Justo e Solidário - CJS Década de 1970 experiências de organização de consumidores

Leia mais

Elaboração do Plano Plurianual

Elaboração do Plano Plurianual Elaboração do Plano Plurianual 2016-2019 Fórum Dialoga Brasil Interconselhos Brasília-DF, 14 a 16 de abril de 2015 1 O que é o PPA É o instrumento constitucional de planejamento governamental que espelha

Leia mais

11) Incrementar programas de mobilidade e intercâmbio acadêmicos. Propiciar a um número maior de discentes a experiência de interação

11) Incrementar programas de mobilidade e intercâmbio acadêmicos. Propiciar a um número maior de discentes a experiência de interação Apresentação A vocação natural da instituição universitária é fazer-se um centro de convergência e articulação de esforços intelectuais, científicos, artísticos e culturais, estimulando o pensamento crítico,

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Administração Financeira MÓDULO 4: BANCOS MÚLTIPLOS Os bancos múltiplos são instituições financeiras privadas ou públicas que realizam as operações ativas, passivas e acessórias das diversas instituições

Leia mais

REDE PAULISTA DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS. O Programa Estadual de APLs. 4ª. Conferência Nacional de APLs

REDE PAULISTA DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS. O Programa Estadual de APLs. 4ª. Conferência Nacional de APLs REDE PAULISTA DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS O Programa Estadual de APLs 4ª. Conferência Nacional de APLs Brasília, 28 de outubro de 2009 A Secretaria de Desenvolvimento Missão Promover o crescimento econômico

Leia mais

FOME ZERO. VI Encontro Nacional dos Coordenadores Estaduais e Centros Colaboradores em Alimentaçã. ção CGPAN/MS/Brasília

FOME ZERO. VI Encontro Nacional dos Coordenadores Estaduais e Centros Colaboradores em Alimentaçã. ção CGPAN/MS/Brasília FOME ZERO VI Encontro Nacional dos Coordenadores Estaduais e Centros Colaboradores em Alimentaçã ção e Nutriçã ção CGPAN/MS/Brasília lia-df Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Abril/2006

Leia mais

O BNDES no Apoio a APLs de Baixa Renda 28/10/2009

O BNDES no Apoio a APLs de Baixa Renda 28/10/2009 O BNDES no Apoio a APLs de Baixa Renda 28/10/2009 BNDES - Estados: Objetivos do Apoio Complementar o apoio financeiro dos estados a empreendimentos solidários de baixa renda Contribuir para a redução de

Leia mais

Os mercados institucionais: mecanismos e modalidades de compras públicas

Os mercados institucionais: mecanismos e modalidades de compras públicas Os mercados institucionais: mecanismos e modalidades de compras públicas Lecian Gilberto Conrad Especialista em cooperativismo e Consultor em Políticas Públicas para a Agricultura Familiar. leciangilberto@yahoo.com.br

Leia mais

Agenda MEI de Inovação e Manufatura Avançada

Agenda MEI de Inovação e Manufatura Avançada 10 Diálogos da MEI Agenda MEI de Inovação e Gilberto Peralta - GE Salvador, 04 de abril de 2016 A Economia Digital revolucionará o cotidiano das pessoas e das empresas, transformando nosso dia-a-dia Internet

Leia mais

Programa Social. Eixo Cidadania e Direitos Humanos. Criança e Adolescente. Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres

Programa Social. Eixo Cidadania e Direitos Humanos. Criança e Adolescente. Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres Programa Social Eixo Cidadania e Direitos Humanos Criança e Adolescente Secretaria Especial dos Direitos Humanos Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Ministério da Educação Ministério

Leia mais

Projeto Inclusão Social Urbana Nós do Centro. Prefeitura de São Paulo União Européia

Projeto Inclusão Social Urbana Nós do Centro. Prefeitura de São Paulo União Européia Projeto Inclusão Social Urbana Nós do Centro Prefeitura de São Paulo União Européia Histórico do Projeto Cooperação técnica bilateral da Prefeitura de São Paulo com a União Européia com duração de quatro

Leia mais

FORTALECIMENTO DA ECONOMIA SOLIDÁRIA NO BRASIL

FORTALECIMENTO DA ECONOMIA SOLIDÁRIA NO BRASIL EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO DE PROJETOS REABERTURA APRESENTAÇÃO A Cáritas Brasileira é um organismo vinculado à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) que possui a missão de Testemunhar e anunciar

Leia mais

[INCLUSÃO] Economia solidária recupera empresas falidas e cria novos postos de trabalho

[INCLUSÃO] Economia solidária recupera empresas falidas e cria novos postos de trabalho A economia solidária tem se consolidado como uma importante alternativa para inclusão de trabalhadores no mercado de trabalho. O último mapeamento do setor realizado pelo Ministério do Trabalho e Emprego

Leia mais

ESPELHO DE EMENDAS AO TEXTO DA LEI

ESPELHO DE EMENDAS AO TEXTO DA LEI Página: 1 de 11 EML 10/2007 CTASP - Modifica a alínea "c" do inciso IV do art. 94 Modificativa Corpo da lei - Artigo 94 Inciso IV Alinea c c) reestruturação produtiva, com vistas a estimular a competitividade

Leia mais

GOVERNANÇA E AS MUDANÇAS NA LEI 13.019/14 JOSÉ ALBERTO TOZZI

GOVERNANÇA E AS MUDANÇAS NA LEI 13.019/14 JOSÉ ALBERTO TOZZI GOVERNANÇA E AS MUDANÇAS NA LEI 13.019/14 JOSÉ ALBERTO TOZZI Empresa especializada na prestação de serviços ao Terceiro Setor Consultoria Auditoria Cursos Presenciais e à Banco de Dados sobre o Terceiro

Leia mais

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA Disciplina: D.4.6. Gestão, Avaliação e Revisão do PPA (20h) (Caso 2: Piloto do Monitoramento do PPA 2012-2015 - Programa Mudanças Climáticas) Professor:

Leia mais

Institui, na forma do art. 43 da Constituição Federal, a Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia SUDAM, estabelece a sua composição, natureza

Institui, na forma do art. 43 da Constituição Federal, a Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia SUDAM, estabelece a sua composição, natureza Institui, na forma do art. 43 da Constituição Federal, a Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia SUDAM, estabelece a sua composição, natureza jurídica, objetivos, área de competência e instrumentos

Leia mais

ECONOMIA CRIATIVA E DESENVOLVIMENTO. Cláudia Leitão Rio de Janeiro, 10 de junho de 2011

ECONOMIA CRIATIVA E DESENVOLVIMENTO. Cláudia Leitão Rio de Janeiro, 10 de junho de 2011 ECONOMIA CRIATIVA E DESENVOLVIMENTO Cláudia Leitão Rio de Janeiro, 10 de junho de 2011 ECONOMIA CRIATIVA BRASILEIRA: 4 PRINCIPAIS DESAFIOS OS 4 GRANDES DESAFIOS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL 1º DESAFIO:

Leia mais

LANÇAMENTO DO SITE DO I SIMPOSIO DE FORTALECIMENTO DO SISTEMA DE GARANTIA DE DIREITOS DO CENTRO OESTE E 6º ENCONTRO NACIONAL DE CREAS

LANÇAMENTO DO SITE DO I SIMPOSIO DE FORTALECIMENTO DO SISTEMA DE GARANTIA DE DIREITOS DO CENTRO OESTE E 6º ENCONTRO NACIONAL DE CREAS LANÇAMENTO DO SITE DO I SIMPOSIO DE FORTALECIMENTO DO SISTEMA DE GARANTIA DE DIREITOS DO CENTRO OESTE E 6º ENCONTRO NACIONAL DE CREAS DATA: dia 03 de maio de 2016 LOCAL: Sala das Comissões Deputado Solon

Leia mais

ITAPEMIRIM. DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA: Ficha 95. PROCESSO: Protocolo nº 1.090/2016.

ITAPEMIRIM. DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA: Ficha 95. PROCESSO: Protocolo nº 1.090/2016. L I C I T A Ç Õ E S RESUMO DO 2º TERMO ADITIVO AO CONTRATO Nº 491/2014 CONTRATADA: ROTA INDÚSTRIA E CO- MÉRCIO LTDA EPP OBJETO: Prorrogação de prazo de execução/ vigência. EXECUÇÃO/VIGÊNCIA: 365 (trezentos

Leia mais

Projeto Movimento ODM Brasil 2015 Título do Projeto

Projeto Movimento ODM Brasil 2015 Título do Projeto Título do Projeto Desenvolvimento de capacidades, de justiça econômica sustentável e promoção de boas práticas para alcance dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio no Brasil. Concepção Estabelecimento

Leia mais

Art. 3º Constituem objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil: I - construir uma sociedade livre, justa e solidária

Art. 3º Constituem objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil: I - construir uma sociedade livre, justa e solidária Art. 3º Constituem objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil: I - construir uma sociedade livre, justa e solidária Constituição do Brasil O que é SCJS Uma Estrategia De Reconhecimento e

Leia mais

ELEIÇÕES 2012 DIRETRIZES DO PROGRAMA DE GOVERNO DO CANDIDATO JOSÉ SIMÃO DE SOUSA PARA A PREFEITURA DE MANAÍRA/PB ZÉ SIMÃO 45 - PREFEITO

ELEIÇÕES 2012 DIRETRIZES DO PROGRAMA DE GOVERNO DO CANDIDATO JOSÉ SIMÃO DE SOUSA PARA A PREFEITURA DE MANAÍRA/PB ZÉ SIMÃO 45 - PREFEITO ELEIÇÕES 2012 DIRETRIZES DO PROGRAMA DE GOVERNO DO CANDIDATO JOSÉ SIMÃO DE SOUSA PARA A PREFEITURA DE MANAÍRA/PB ZÉ SIMÃO 45 - PREFEITO OBJETIVOS DO GOVERNO: Consolidar e aprofundar os projetos e ações

Leia mais

Seminário Internacional Trabalho Social em Habitação: Desafios do Direito à Cidade. Mesa 2: AGENTES PÚBLICOS, NORMATIVOS E DIREÇÃO DO TRABALHO SOCIAL

Seminário Internacional Trabalho Social em Habitação: Desafios do Direito à Cidade. Mesa 2: AGENTES PÚBLICOS, NORMATIVOS E DIREÇÃO DO TRABALHO SOCIAL Seminário Internacional Trabalho Social em Habitação: Desafios do Direito à Cidade Mesa 2: AGENTES PÚBLICOS, NORMATIVOS E DIREÇÃO DO TRABALHO SOCIAL Elzira Leão Trabalho Social/DHAB/DUAP/SNH Ministério

Leia mais

Câmara Municipal de São Carlos Rua 7 de Setembro, Centro - CEP São Carlos - SP

Câmara Municipal de São Carlos Rua 7 de Setembro, Centro - CEP São Carlos - SP LEI Nº 15.196 DE 26 DE FEVEREIRO DE 2010. Dispõe sobre o Programa de Fomento à Economia Solidária e dá outras providências. O Prefeito Municipal de São Carlos faz saber que a aprovou e ele sanciona e promulga

Leia mais

Apresentar alternativas compensatórias a estas medidas.

Apresentar alternativas compensatórias a estas medidas. SUSTENTABILIDADE DOS FUNDOS CONSTITUCIONAIS DE FINANCIAMENTO: efeito das medidas excepcionais necessárias frente à manutenção do patrimônio dos Fundos Constitucionais de Financiamento. Discutir os efeitos

Leia mais

Agenda. Contexto. O Nordeste Territorial. Fórum de Governança da Atividade Econômica. Formas de Financiamento

Agenda. Contexto. O Nordeste Territorial. Fórum de Governança da Atividade Econômica. Formas de Financiamento Agenda Contexto O Nordeste Territorial Fórum de Governança da Atividade Econômica Formas de Financiamento Área de atuação do BNB Nordeste: 1.554,4 mil Km 2 Semi-árido: 974,4 mil Km 2 (62,7% do território

Leia mais

O Processo Participativo na Elaboração do PLANSAB

O Processo Participativo na Elaboração do PLANSAB 1º. Seminário Franco-Brasileiro Sobre Saúde Ambiental Água, Saúde e Desenvolvimento O Processo Participativo na Elaboração do PLANSAB Ernani Ciríaco de Miranda Gerente de Projetos Especialista em Infraestrutura

Leia mais

PODER EXECUTIVO DECRETO Nº DE 15 DE ABRIL DE 2013.

PODER EXECUTIVO DECRETO Nº DE 15 DE ABRIL DE 2013. DECRETO Nº 44.159 DE 15 DE ABRIL DE 2013. DISPÕE SOBRE A CONSTITUIÇÃO DO RIO CRIATIVO - PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DA ECONOMIA CRIATIVA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO,

Leia mais

A importância do FCO para o desenvolvimento do Centro-Oeste

A importância do FCO para o desenvolvimento do Centro-Oeste A importância do FCO para o desenvolvimento do Centro-Oeste José Wanderley Uchoa Barreto Diretor do Departamento de Prospecção, Normas e Análise dos Fundos Secretaria de Fundos Regionais e Incentivos Fiscais

Leia mais

Capítulo I DO PROGRAMA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL

Capítulo I DO PROGRAMA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL LEI Nº 2.598 DE 21 DE MAIO DE 2015. Dispõe sobre o Programa Municipal de Habitação de Interesse Social PMHIS, cria o Fundo Municipal e Habitação de Interesse Social FMHIS, revoga a Lei Municipal n 2.235,

Leia mais

MANDATOS DECORRENTES DA SEXTA CÚPULA DAS AMÉRICAS. As Chefes e os Chefes de Estado e de Governo das Américas nos comprometemos a:

MANDATOS DECORRENTES DA SEXTA CÚPULA DAS AMÉRICAS. As Chefes e os Chefes de Estado e de Governo das Américas nos comprometemos a: SEXTA CÚPULA DAS AMÉRICAS OEA/Ser.E 14 a 15 de abril de 2012 CA-VI/doc.6/12 Rev.2 Cartagena das Índias, Colômbia 23 maio 2012 Original: espanhol MANDATOS DECORRENTES DA SEXTA CÚPULA DAS AMÉRICAS As Chefes

Leia mais

E AUTONOMIA DAS MULHERES

E AUTONOMIA DAS MULHERES E AUTONOMIA DAS Faz-se necessário identificar as organizações de mulheres artesãs e possibilitar a articulação das cadeias produtivas de artesanatos geridas por mulheres. o que orienta o Programa O desafio

Leia mais

Parceria Social Público Privada (PSPP) como estratégia para o desenvolvimento sustentável dos territórios minerais

Parceria Social Público Privada (PSPP) como estratégia para o desenvolvimento sustentável dos territórios minerais 1 Parceria Social Público Privada (PSPP) como estratégia para o desenvolvimento sustentável dos territórios minerais Sistema legal institucional brasileiro Empresa Poder público municipal, estadual e federal

Leia mais

MDIC E A POLÍTICA DE APOIO A APLs

MDIC E A POLÍTICA DE APOIO A APLs XIII Seminário Nacional de Arranjos Produtivos Locais de Base Mineral X Encontro do Comitê Temático Rede Brasileira de APL de Base Mineral - CT RedeAPLmineral MDIC E A POLÍTICA DE APOIO A APLs Grupo de

Leia mais

ATLAS DA ECONOMIA SOLIDÁRIA NO BRASIL

ATLAS DA ECONOMIA SOLIDÁRIA NO BRASIL ATLAS DA ECONOMIA SOLIDÁRIA NO BRASIL - 2005 - PRESIDENTE DA REPÚBLICA Luiz Inácio Lula da Silva MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO E EMPREGO Luiz Marinho SECRETÁRIO EXECUTIVO Marco Antonio de Oliveira SECRETÁRIO

Leia mais

PAULO FERRAZ GUIMARÃES ATUAÇÃO REGIONAL DO BNDES. Cadernos do Desenvolvimento vol. 5 (7), outubro 2010

PAULO FERRAZ GUIMARÃES ATUAÇÃO REGIONAL DO BNDES. Cadernos do Desenvolvimento vol. 5 (7), outubro 2010 240 PAULO FERRAZ GUIMARÃES ATUAÇÃO REGIONAL DO BNDES O presente texto tem por objetivo fazer um breve relato da atuação regional recente do BNDES baseado na apresentação realizada no Seminário de Comemoração

Leia mais

1. Legislação federal referente à cultura no Brasil

1. Legislação federal referente à cultura no Brasil 1. Legislação federal referente à cultura no Brasil Emenda Constitucional 48/2005: cria o Plano Nacional de Cultura LEI Nº 12.343/2010- Aprova o Plano Nacional de Cultura e estabelece o Sistema Nacional

Leia mais

7º Gestão das Cidades

7º Gestão das Cidades 7º Gestão das Cidades INVESTIMENTO PRODUTIVO NOS MUNICÍPIOS Vitória, 21 de novembro de 2012 Walsey de Assis Magalhães O BNDES e a Administração Pública Objetivo estratégico: redução das desigualdades regionais

Leia mais

FORUM FPA IDÉIAS PARA O BRASIL

FORUM FPA IDÉIAS PARA O BRASIL FORUM FPA IDÉIAS PARA O BRASIL Ideias Centrais Metodologia de Construção do Programa Quatro instâncias: 1. Fóruns de discussão regionalizados Um coordenador regional; Espaço de discussão permanente; Diálogo

Leia mais

Programa Municípios Sustentáveis

Programa Municípios Sustentáveis Programa Municípios Sustentáveis Objetivo geral: Promover o desenvolvimento sustentável dos municípios da Amazônia Mato-grossense, através do fortalecimento da economia local, da melhoria da governança

Leia mais

O Mercado Institucional para a agricultura Familiar

O Mercado Institucional para a agricultura Familiar O Mercado Institucional para a agricultura Familiar Porto Alegre, 14 de novembro de 2014 Lecian Gilberto Conrad Assessor Técnico SDR/IICA lecian.conrad@iica.int (51) 3218.3378 Mercado institucional conceito

Leia mais

BRASIL 5a. ECONOMIA DO MUNDO: CHEGAREMOS LÁ?

BRASIL 5a. ECONOMIA DO MUNDO: CHEGAREMOS LÁ? 1 Secretaria de Acompanhamento Econômico - SEAE BRASIL 5a. ECONOMIA DO MUNDO: CHEGAREMOS LÁ? Antonio Henrique P. Silveira Secretário de Acompanhamento Econômico 6 de fevereiro de 2010 1 Sumário A Estratégia

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SOCIAL

DESENVOLVIMENTO SOCIAL ENCONTRO DE GESTORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DA PARAÍBA FORTALECIMENTO DA GESTÃO MUNICIPAL PARA O DESENVOLVIMENTO SOCIAL João Pessoa PB / 18, 19, 21 e 22 de março O PNUD reconhece a capacidade do TCE-PB de

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário GABINETE DO MINISTRO PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 2, DE 24 DE SETEMBRO DE 2008 Institui o

Ministério do Desenvolvimento Agrário GABINETE DO MINISTRO <!ID1397273-0> PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 2, DE 24 DE SETEMBRO DE 2008 Institui o Ministério do Desenvolvimento Agrário GABINETE DO MINISTRO PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 2, DE 24 DE SETEMBRO DE 2008 Institui o Programa Organização Produtiva de Mulheres Rurais, que visa

Leia mais

Relatório Investimento Social - 2013

Relatório Investimento Social - 2013 Relatório Investimento Social - 2013 Divisão de Promoção da Cidadania Empresarial e Projetos com a Sociedade - PCSC Departamento de Responsabilidade Social e Projetos com a Sociedade PCS Sumário Projetos

Leia mais

A Câmara Municipal de São Bernardo do Campo decreta: CAPÍTULO I DA POLÍTICA DE FOMENTO À ECONOMIA SOLIDÁRIA E SEUS AGENTES

A Câmara Municipal de São Bernardo do Campo decreta: CAPÍTULO I DA POLÍTICA DE FOMENTO À ECONOMIA SOLIDÁRIA E SEUS AGENTES P R O J E T O D E L E I - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - Institui a política de fomento à economia solidária, e dá outras providências. A Câmara Municipal de São Bernardo do Campo decreta: CAPÍTULO

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL Nº 002/2013 Portaria SEME nº 014/2013 Título: Ambiente e Vida Área: Educação Ambiental Coordenação: Cássia Mara Silveira Leal Supervisora: Júnia

Leia mais

FUNDAÇÃO COORDENAÇÃO DE PROJETOS, PESQUISAS E ESTUDOS TECNOLÓGICOS - COPPETEC.

FUNDAÇÃO COORDENAÇÃO DE PROJETOS, PESQUISAS E ESTUDOS TECNOLÓGICOS - COPPETEC. FUNDAÇÃO COORDENAÇÃO DE PROJETOS, PESQUISAS E ESTUDOS TECNOLÓGICOS - COPPETEC. CHAMADA PÚBLICA PARA CONTRATAÇÃO DE AGENTES DE DESENVOLVIMENTO SOLIDÁRIO DO PROJETO BRASIL LOCAL ETNODESENVOLVIMENTO E ECONOMIA

Leia mais

AVISO DE PRORROGAÇÃO

AVISO DE PRORROGAÇÃO CENTRAL DE COOPERATIVAS E EMPREENDIMENTOS SOLIDÁRIOS UNISOL BRASIL AVISO DE PRORROGAÇÃO Chamada Pública Nº 032 / 2011 (Seleção simplificada para contratação por prazo determinado) Cargo: AGENTE DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental da PREVI

Política de Responsabilidade Socioambiental da PREVI 1.1. A PREVI, para o cumprimento adequado de sua missão administrar planos de benefícios, com gerenciamento eficaz dos recursos aportados, buscando melhores soluções para assegurar os benefícios previdenciários,

Leia mais

Componentes do Programa e papel dos principais participantes em apoio aos municípios

Componentes do Programa e papel dos principais participantes em apoio aos municípios Componentes do Programa e papel dos principais participantes em apoio aos municípios Eixo 1: Fortalecimento da gestão ambiental municipal AGENDAS PRIORITÁRIAS 1. IMPLANTAR E/OU CONSOLIDAR O SISTEMA MUNICIPAL

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA SIMPLIFICADA nº 053/2015. Convênio PMSP/TERMO DE CONVÊNIO nº 025/2014/SDTE

CHAMADA PÚBLICA SIMPLIFICADA nº 053/2015. Convênio PMSP/TERMO DE CONVÊNIO nº 025/2014/SDTE CHAMADA PÚBLICA SIMPLIFICADA nº 053/2015 Convênio PMSP/TERMO DE CONVÊNIO nº 025/2014/SDTE A Central de Cooperativas e Empreendimentos Solidários do Brasil UNISOL, entidade sem fins econômicos, com sede

Leia mais

Circular nº 704, de 30 de dezembro de 2015

Circular nº 704, de 30 de dezembro de 2015 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Vice-Presidência de Fundos de Governo e Loterias Diretoria Executiva de Fundos de Governo Superintendência Nacional de Fundo de Garantia Gerência Nacional de Ativo do FGTS Circular

Leia mais

FINANCIAMENTO DA SAÚDE

FINANCIAMENTO DA SAÚDE FINANCIAMENTO DA SAÚDE Garantir a universalidade e integralidade diante de um cenário de restrições orçamentárias e financeiras e alocar recursos de forma equânime num país de tantas desigualdades sociais

Leia mais

Painel 2: Como o PNE poderá contribuir para formar novos profissionais de que o Brasil precisa?

Painel 2: Como o PNE poderá contribuir para formar novos profissionais de que o Brasil precisa? Painel 2: Como o PNE poderá contribuir para formar novos profissionais de que o Brasil precisa? Brasil Competitivo São Paulo, 19 de agosto de 2014 Aléssio Trindade de Barros alessio.barros@mec.gov.br Metas

Leia mais

Linhas de Financiamento Belo Horizonte, MG - 26/06/2017

Linhas de Financiamento Belo Horizonte, MG - 26/06/2017 Linhas de Financiamento Belo Horizonte, MG - 26/06/2017 :: FINANCIAMENTOS RESPONSABILIDADES Esclarecimentos e orientação às empresas associadas e seus clientes sobre linhas de financiamento disponíveis

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR)

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Código: CDH -EC- 009 A presente Consultoria visa contratar serviços profissionais especializados

Leia mais

Circular nº 735, de 05 de outubro de 2016

Circular nº 735, de 05 de outubro de 2016 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Vice-Presidência de Fundos de Governo e Loterias Diretoria Executiva de Fundos de Governo Superintendência Nacional de Fundo de Garantia Gerência Nacional de Ativo do FGTS Circular

Leia mais

O Papel dos Catadores de Materiais Reciclados em suas Organizações e Cooperativas

O Papel dos Catadores de Materiais Reciclados em suas Organizações e Cooperativas O Papel dos Catadores de Materiais Reciclados em suas Organizações e Cooperativas Nossos Avanços Visão de Futuro Desafios 1 2 3 Atuação do MNCR 800.000 catadores em atividade (estimativa) 85.000 catadores

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Deputado Federal Zé Silva - Solidariedade/MG REQUERIMENTO. (Do Sr. Zé Silva) Senhor Presidente:

CÂMARA DOS DEPUTADOS Deputado Federal Zé Silva - Solidariedade/MG REQUERIMENTO. (Do Sr. Zé Silva) Senhor Presidente: REQUERIMENTO (Do Sr. Zé Silva) Requer o envio de Indicação à Secretaria de Governo, relativa à liberação de recursos destinados aos serviços de assistência técnica e extensão rural. Senhor Presidente:

Leia mais

Inovação como prioridade estratégica do BNDES

Inovação como prioridade estratégica do BNDES Inovação como prioridade estratégica do BNDES Helena Tenorio Veiga de Almeida APIMECRIO 20/04/2012 Histórico do apoio à inovação no BNDES 2 Histórico do apoio à inovação no BNDES 1950 Infraestrutura Econômica

Leia mais

Ações do SEBRAE Agreste de Pernambuco

Ações do SEBRAE Agreste de Pernambuco Ações do SEBRAE Agreste de Pernambuco Comissão de Desenvolvimento Regional - Turismo do Senado Federal - CDR Caruaru PE/ACIC Aloísio Ferraz Diretor técnico SEBRAE/PE aloisioferraz@pe.sebrae.com.br Aumento

Leia mais

FINACIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL Secretaria de Fundos Regionais e Incentivos Fiscais

FINACIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL Secretaria de Fundos Regionais e Incentivos Fiscais FINACIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL Secretaria de Fundos Regionais e Incentivos Fiscais Maio/2013 INSTRUMENTOS DE FINANCIAMENTO DA PNDR ORIGEM FUNDOS CONSTITUCIONAIS DE FINANCIAMENTO Constituição

Leia mais

DECRETO Nº , DE (DOE RS de )

DECRETO Nº , DE (DOE RS de ) _ DECRETO Nº 52.914, DE 18.02.2016 (DOE RS de 19.02.2016) Estabelece os limites de subsídios e a forma dos financiamentos que poderão ser efetuados pelo Fundo Estadual de Apoio ao Desenvolvimento dos Pequenos

Leia mais

2.2 Ambiente Macroeconômico

2.2 Ambiente Macroeconômico Por que Ambiente Macroeconômico? Fundamentos macroeconômicos sólidos reduzem incertezas sobre o futuro e geram confiança para o investidor. A estabilidade de preços é uma condição importante para processos

Leia mais

REUNIÃO NÚCLEO DE PLANEJAMENTO E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO

REUNIÃO NÚCLEO DE PLANEJAMENTO E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO REUNIÃO NÚCLEO DE PLANEJAMENTO E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO 15 DE AGOSTO DE 2012 NÚCLEO DE PLANEJAMENTO E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO 15/08/12 PAUTA 1. AGENDA PLANEJAMENTO II SEMESTRE 2012 2. ESCRITÓRIO DE PROJETOS

Leia mais

Seminário em prol do Desenvolvimento. Socioeconômico do Xingu. Agenda de Desenvolvimento Territorial do Xingu BNDES

Seminário em prol do Desenvolvimento. Socioeconômico do Xingu. Agenda de Desenvolvimento Territorial do Xingu BNDES Seminário em prol do Desenvolvimento Socioeconômico do Xingu Agenda de Desenvolvimento Territorial do Xingu BNDES 16/06/2015 1 Atuação do BNDES no Entorno de Projetos A Política de Atuação no Entorno busca

Leia mais

Nº / ANO DA PROPOSTA: /2015 DADOS DO CONCEDENTE OBJETO: Construção de Infraestrutura para Comercialização da Produção Agropecuária.

Nº / ANO DA PROPOSTA: /2015 DADOS DO CONCEDENTE OBJETO: Construção de Infraestrutura para Comercialização da Produção Agropecuária. MINISTERIO DO DESENVOLVIMENTO AGRARIO PORTAL DOS CONVÊNIOS SICONV - SISTEMA DE GESTÃO DE CONVÊNIOS Nº / ANO DA PROPOSTA: 032134/2015 OBJETO: DADOS DO CONCEDENTE JUSTIFICATIVA: MUNICÍPIO: IBARAMA - RS está

Leia mais

XII Congresso Brasileiro de Fomento Comercial. 1º de maio de 2014

XII Congresso Brasileiro de Fomento Comercial. 1º de maio de 2014 XII Congresso Brasileiro de Fomento Comercial 1º de maio de 2014 Humberto Luiz Ribeiro Secretário de Comércio e Serviços (SCS) Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) Apresentação

Leia mais

CAPÍTULO III DO FINANCIAMENTO

CAPÍTULO III DO FINANCIAMENTO PROJETO DE LEI Institui o Plano Estadual de Cultura da Bahia e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DA BAHIA, faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO

Leia mais

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social. FINAME (Agência Especial de Financiamento Industrial) BNDESPAR (BNDES Participações)

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social. FINAME (Agência Especial de Financiamento Industrial) BNDESPAR (BNDES Participações) Mercado Financeiro Os segmentos do Mercado Financeiro e seus Principais Produtos: Fontes de Financiamento de Longo Prazo Módulo: Mercado Financeiro 1 Mercado Financeiro Fontes de Longo Prazo O Banco Nacional

Leia mais

Projeto ARRANJO PRODUTIVO DE PLANTAS MEDICINAIS E FITOTERÁPICOS DO RIO GRANDE DO SUL

Projeto ARRANJO PRODUTIVO DE PLANTAS MEDICINAIS E FITOTERÁPICOS DO RIO GRANDE DO SUL Projeto ARRANJO PRODUTIVO DE PLANTAS MEDICINAIS E FITOTERÁPICOS DO RIO GRANDE DO SUL Estrutura da apresentação: Antecedentes Fórum pela Vida Cenário Atual Rede Fito RS Objetivos Organização Atores participantes

Leia mais

POSSIBILIDADES DE FINANCIAMENTO PARA A APICULTURA

POSSIBILIDADES DE FINANCIAMENTO PARA A APICULTURA POSSIBILIDADES DE FINANCIAMENTO PARA A APICULTURA MECANISMOS DE POLÍTICAS DE CRÉDITO RURAL JOÃO CLAUDIO DA SILVA SOUZA SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA Brasília, 27 de novembro de 2015 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

Desenvolvimento Urbano Novas estratégias para as diretrizes da Nova Política Nacional de Desenvolvimento Regional.

Desenvolvimento Urbano Novas estratégias para as diretrizes da Nova Política Nacional de Desenvolvimento Regional. NOTA TÉCNICA Nº 015/2012 Brasília, 27 de Agosto de 2012. ÁREA: TÍTULO: REFERÊNCIA(S): Desenvolvimento Urbano Novas estratégias para as diretrizes da Nova Política Nacional de Desenvolvimento Regional.

Leia mais

Discussão participativa da revisão do PPAG para o exercício 2017

Discussão participativa da revisão do PPAG para o exercício 2017 Discussão participativa da revisão do PPAG 2016-2019 para o exercício 2017 EIXO: DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO, CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO TEMA: AGROPECUÁRIA E DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO SECRETARIA DE ESTADO DE

Leia mais

Workshop Planejamento Urbano: saberes técnicos e demandas populares

Workshop Planejamento Urbano: saberes técnicos e demandas populares Workshop Planejamento Urbano: saberes técnicos e demandas populares Kazuo Nakano Curitiba - 2014 Sumário Trajetória histórica do planejamento urbano no Município de São Paulo ao longo da segunda metade

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO FPES

REGIMENTO INTERNO DO FPES REGIMENTO INTERNO DO FPES CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º O Fórum Paulista de Economia Solidária, doravante denominada FPES, é um espaço de articulação, mobilização, debate, desenvolvimento

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Paraguai. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Paraguai. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Paraguai Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios No Paraguai, as micro, pequenas e médias empresas (MPMEs) podem ser classificadas

Leia mais

E C O N Ô S O C E N T A L. Cultura e Tradição

E C O N Ô S O C E N T A L. Cultura e Tradição 3º. Seminário Responsabilidade Social com Foco nos Atores Interessados 7 a 8/10/2008 Biodiesel e Agricultura Familiar www.biodiesel.gov.b PNPB Pilares de Sustentação PNPB S O C I A L E C O N Ô M I C O

Leia mais

Mauro Luiz Rabelo Decano de Ensino de Graduação Universidade de Brasília

Mauro Luiz Rabelo Decano de Ensino de Graduação Universidade de Brasília Mauro Luiz Rabelo Decano de Ensino de Graduação Universidade de Brasília NOVAS DIRETRIZES GRANDES AVANÇOS, MAS TAMBÉM Pontos de tensionamento: Infraestrutura física e de pessoal (+400h); 400 h transformadas

Leia mais

XI ENCONTRO NACIONAL POR MORADIA POPULAR PRODUÇÃO SOCIAL DA MORADIA UM DESAFIO PARA A POLÍTICA DE HABITAÇÃO

XI ENCONTRO NACIONAL POR MORADIA POPULAR PRODUÇÃO SOCIAL DA MORADIA UM DESAFIO PARA A POLÍTICA DE HABITAÇÃO XI ENCONTRO NACIONAL POR MORADIA POPULAR PRODUÇÃO SOCIAL DA MORADIA UM DESAFIO PARA A POLÍTICA DE HABITAÇÃO Janice Mendonça Fernandes Gerente Nacional de Habitação Social 1 - Goiânia, 06/06/2008 CRÉDITO

Leia mais