UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA RONNY KNOCH GIESELER

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA RONNY KNOCH GIESELER"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA RONNY KNOCH GIESELER Projeto de Trabalho de Conclusão de Curso TCC Domótica: Controle e Segurança JOINVILLE/SC 2012

2 RONNY KNOCH GIESELER Projeto de Trabalho de Conclusão de Curso TCC Domótica: Controle e Segurança Relatório Final apresentado ao Professor Fabrício Noveletto como requisito para aprovação na disciplina TCC2001 do curso de Engenharia Elétrica. Orientador: Fabrício Noveletto JOINVILLE/SC 2012

3 RESUMO GIESELER, Ronny Knoch. Domótica: Controle e Segurança TCC (Bacharelado em Engenharia Elétrica Área: Processamento de Energia Elétrica) Universidade do Estado de Santa Catarina, Joinville, Os conhecimentos e conceitos aprendidos por um engenheiro podem ser utilizados em inúmeras situações. Uma dessas situações em que esse profissional melhor se encaixa é na criação e desenvolvimento de produtos. Isso reflete o profissional criativo e com alto conhecimento técnico que o engenheiro deve ser. Com o atual crescimento da população mundial, existe uma grande preocupação quanto à eficiência dos recursos utilizados em uma casa, bem como aspectos relacionados à segurança, controle e automação. Nesse sentido, um sistema que possa controlar, por exemplo, a luminosidade e a temperatura de um ambiente de forma eficiente, buscando um melhor aproveitamento do consumo de energia elétrica, atende as necessidades atuais relacionadas à eficiência energética. Além disso, o trabalho proposto também contempla um sistema de segurança e possíveis aplicações para sensoriamento de pessoas idosas ou com deficiência, extremamente importante nos dias atuais. Como principal característica, o protótipo desenvolvido será baseado em um sistema de comunicação sem fio para os sensores e atuadores, buscando facilidade de instalação e adequação aos projetos residenciais existentes, resultando assim, em um ótimo produto para o mercado. Além disso, será utilizado um webserver a partir de uma unidade central de processamento, que também gerenciará um sistema de senhas, atualização e leitura da página web e envio e recebimento de dados wireless. Por fim, será implementado um sistema secundário de automação a partir de infravermelho em interruptores de residências. Ele receberá dados de controles remotos de televisores ou ar condicionados para alterar o estado da iluminação. Palavras-chave: Wireless, Infravermelho, Microcontrolador, Ethernet, Domótica.

4 AGRADECIMENTOS Agradeço ao meu orientador Fabrício Noveletto pela dedicação e entusiasmo, ao Adriano Pires pelo auxílio na programação em PHP e pelas diversas conversas construtivas, ao i9 por encher minha mente de ideias e finalmente aos integrantes do grupo PET pelo apoio e amizade.

5 LISTA DE FIGURAS FIGURA 1 - PROPOSTA DE APLICAÇÃO...10 FIGURA 2 - FILTRO NÃO IDEAL...11 FIGURA 3 MODULAÇÃO ASK FIGURA 4 - MODULAÇÃO OOK...12 FIGURA 5 - MODULAÇÃO FSK FIGURA 6 MODULAÇÃO PSK FIGURA 7 MODULO RF TRANSMISSOR (TX) E RECEPTOR (RX) FIGURA 8 - DIFERENÇA DE OCUPAÇÃO DE BANDA FIGURA 9 - CODIFICAÇÃO MANCHESTER...16 FIGURA 10 SINAL PWM DEMODULADO SIRC NO RECEPTOR DE INFRAVERMELHO FIGURA 11 DIAGRAMA DE BLOCOS DE UM CHIP RECEPTOR DE IV...17 FIGURA 12 DADOS DE CONEXÃO FIGURA 13 ENC28J60 UTILIZADO COMO INTERFACE ETHERNET X SERIAL FIGURA 14 ESQUEMÁTICO DE APLICAÇÃO FIGURA 15 WEBSERVER HOSPEDADO PELO ARDUINO MEGA FIGURA 16 - MUDANÇA DA IMAGEM APÓS ACIONAMENTO PELO USUÁRIO...22 FIGURA 17 ESQUEMÁTICO DE APLICAÇÃO FIGURA 18 - WEBSERVER HOSPEDADO POR UM COMPUTADOR FIGURA 19 PÁGINA DE DOMÓTICA...25 FIGURA 20 - UNIDADE CENTRAL DE PROCESSAMENTO (UCP)...26 FIGURA 21 - UNIDADE CENTRAL DE PROCESSAMENTO (UCP), VISÃO EXTERIOR FIGURA 22 - ESTRUTURA DE COMUNICAÇÃO DISPOSITIVO-CENTRAL...27 FIGURA 23 - MODULO SENSOR DE PRESENÇA RF FIGURA 24 - ESQUEMÁTICO DO MÓDULO DE SENSOR DE PRESENÇA...28 FIGURA 25 - MODULO ACIONADOR RF FIGURA 26 - ESQUEMÁTICO DO ACIONADOR RF FIGURA 27 - SHIELD DESENVOLVIDA PARA O ARDUINO MEGA, UCP...30 FIGURA 28 - INTERRUPTOR IV FIGURA 29 - LÓGICA DE ACIONAMENTO FIGURA 30 - ESQUEMÁTICO DO INTERRUPTOR IV FIGURA 31 - PLUG AND PLAY PARA O QUARTO FIGURA 32 - CONCURSO UNIVERSITÁRIO INOVADOR....34

6 TABELA 1 - DADOS DO ATMEGA TABELA 2 - DADOS ARDUINO MEGA TABELA 3 - DADOS DO PIC 16F628A...20 TABELA 4 - REQUISIÇÕES PHP...24 TABELA 5 - CÓDIGOS DE INFRAVERMELHO...31 TABELA 6 - WEBSERVER HOSPEDADO PELO ARDUINO MEGA TABELA 7 - WEBSERVER HOSPEDADO POR UM COMPUTADOR TABELA 8 - EM PHP PARA ENVIAR REQUISIÇÃO DE ACIONAMENTOS TABELA 9 - ALGORITMO EM PHP PARA LER O ESTADO DE SENSORES TABELA 10 - CÓDIGO ATUADOR TABELA 11 - CÓDIGO DO SENSOR DE PRESENÇA....41

7 LISTA DE ABREVIATURAS RF ASK FSK PSK AM FM PM OOK CC IV SIRC IP DHCP MAC IEEE DNS CSMA/CD Gateway TDMA FDMA CDMA PHP Radiofrequência Amplitude Shift Keying Frequency Shift Keying Phase Shift Keying Amplitude Modulation Frequency Modulation Phase Modulation On-Off Keying Corrente Contínua Infravermelho Serial Infra-Red Control Internet Protocol Dynamic Host Configuration Protocol Media Access Control Instituto de Engenheiros Eletricistas e Eletrônicos Domain Name System Carrier Sense Multiple Acess/Colision Detection Dispositivo de interface entre redes Time Domain Multiple Acess Frequency Domain Multiple Acess Code Domain Multiple Acess Hypertext preprocessor

8 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO Sistemas de domótica Análise de mercado SISTEMAS PARA TRANSMISSÂO DE DADOS Modulação Digital Protocolos de múltiplo acesso Sinais infravermelhos Comunicação Ethernet Microcontrolador Integração de sistemas DOMÓTICA VIA WEB Webserver Algoritmo Webserver hospedado em um computador Periféricos INTERRUPTOR INFRAVERMELHO RESULTADOS GERADOS Testes CICPG Prêmio universitário inovador Concurso de inovação ALGAR Trabalhos futuros APÊNDICE... 36

9 1. INTRODUÇÃO 1.1. Sistemas de domótica A automação é a aplicação de técnicas computadorizadas ou mecânicas com o objetivo de atenuar a necessidade de mão de obra em qualquer processo [1]. Esta área sempre teve forte presença no ramo industrial e ultimamente com o baixo custo de componentes eletrônicos, tem sido possível estender os benefícios da automação para a população civil, automatizando tarefas braçais que em uma casa convencional estariam a cargo de seus moradores. O termo domótica se refere a sistemas de automação residencial. A maioria dos sistemas de domótica, no Brasil, conta apenas com algum tipo de automação da iluminação, como o circuito clapper capaz de ligar e desligar luzes por meio de palmas, ou sistemas de alarme integrados com celulares e smartphones, mas as vantagens de um sistema totalmente integrado garante maior segurança, aliada aos ganhos em economia de tempo, praticidade e conforto possibilitando uma ampla utilização desses sistemas. Com o atual crescimento da população mundial, existe uma grande preocupação quanto à eficiência dos recursos utilizados em uma casa, bem como aspectos relacionados à segurança. Nesse sentido, um sistema que possa controlar, por exemplo, a luminosidade e a temperatura de um ambiente de forma eficiente, buscando um melhor aproveitamento do consumo de energia elétrica, atende as necessidades atuais relacionadas à eficiência energética. Além disso, uma pesquisa realizada pela Motorola Mobility que entrevistou 3 mil brasileiros mostrou que 78% tem interesse por automação residencial.[2] Outra característica dos sistemas de domótica é a praticidade com que podem ser manuseados e instalados. Para tornar o sistema viável o trabalho proposto também contempla um sistema de segurança, extremamente importante nos dias atuais. Como principal característica, o protótipo desenvolvido será baseado em um sistema de comunicação sem fio, buscando facilidade de instalação e adequação aos projetos residenciais existentes, resultando assim, em um ótimo produto para o mercado. Por fim, será utilizada uma interface de comunicação via Web, possibilitando o controle e monitoramento através da internet, uma vez que 49.7% das residências brasileiras de classes A, B e C contam com banda larga fixa e 17% das pessoas utilizam seu celular para acessar a internet [2]. Por outro lado, pequenos dispositivos de fácil integração e instalação que realizem apenas uma pequena ação de automação residencial, também podem ser atrativos para o usuário. Um dispositivo deste tipo que será descrito neste trabalho, configura qualquer controle remoto de uma residência para mudar o estado da iluminação de um cômodo. Desta forma, o usuário poderá utilizar um aparelho que já possui para fazer uma aplicação de domótica Análise de mercado Como foi verificado anteriormente, o brasileiro está se mostrando muito interessa em sistemas de automação residencial. Devido a estas perspectivas, varias empresas de domótica surgiram na última década com diferentes tipos de serviços e produtos [15]. Só a associação brasileira de automação residencial possui 16 9

10 empresas filiadas, que trabalham em diferentes frentes, podendo variar de automação com cabos ou wireless, sistemas de sensoriamento e acionamento sem a interferência do usuário, como fechamento automático de persianas no caso de chuva, integração e automação por meio de aparelhos da Apple ou Android ou aplicações com infravermelho para integração com aparelhos como televisores e condicionadores de ar. Mesmo com tantas empresas já trabalhando nesse ramo, não há ainda grandes empresas capazes de suprir demandas fora de seu estado, ou até mesmo do seu município. Desta forma o desenvolvimento de uma interface barata, prática, de fácil instalação, aliado a uma boa campanha de marketing torna a aplicação de domótica viável mercadologicamente. Além de fazer o controle de dispositivos via web e os módulos dos dispositivos serem wireless, o sistema proposto também se diferencia dos demais pela utilização de um conceito de plug and play, onde a interface detecta automaticamente qualquer sensor e atuador que enviar um determinado protocolo. Quando o servidor detectar esse dispositivo, ele adicionava a sua figura específica no webserver, tornando a adição de dispositivo mais simples e aberta. Abaixo uma figura representativa da automação em um quarto. Figura 1 - Proposta de aplicação Fonte: Adaptado de Web Page.. 2. SISTEMAS PARA TRANSMISSÂO DE DADOS Sinais digitais são enviados basicamente de duas formas. Transmissão em banda base por meio de cabos, ou através de sinais modulados para envio no próprio meio de propagação através de RF. No primeiro caso o lado transmissor tem a finalidade de adaptar níveis de potência, impedância e codificar o sinal, caso necessário. Já o lado receptor tem a finalidade de regenerar o sinal recebido, decodificá-lo e também adaptar níveis de potência e impedância. O caso em que os dados são enviados através de RF terá mais utilidade, uma vez que o aparato utilizado em uma automação residencial (domótica) deve ser o mais prático possível de ser instalado, com menos cabeamento e menor custo de instalação e manutenção. Utilizam-se em RF, métodos de modulação digital principalmente pelo fato de sinais de baixas frequências terem grandes perdas ao serem enviados em banda 10

11 base. Isso ocorre devido à baixa constante de propagação dos sinais (γ) que pode ser deduzida a partir das equações de Maxwell para um meio dielétrico com perdas. Onde ω é a frequências do sinal, µ é a permeabilidade do meio, σ a condutividade e ε a permissividade [3]. γ² = jωµ(σ +jωε) (1.1) Outro fator para utilização de modulação digital é a escolha da antena. O seu tamanho para um sinal em baixa frequência acaba sendo muito grande, tomando-se como exemplo a antena monopólo λ/4, tornando inviável sua construção. Há também questões como segurança de transmissão e qualidade das comunicações, que são melhoradas com a modulação em medias e altas frequências, uma vez que antenas também acabam funcionando como um filtro passa-baixas [3] Modulação Digital Sistemas de comunicação digital possuem filtros tanto no transmissor quanto no receptor. Eles servem para suavizar as transições de bits, limitando a largura de faixa necessária para transmitir o sinal e também para reduzir as interferências e ruído na recepção. Porém, a filtragem pode criar a interferência intersimbólica (ISI Inter-Symbol Interference), onde um símbolo passa a interferir no outro. Considerando-se a taxa de transmissão fb [bits/seg] e a banda de transmissão B[Hz] necessária, que, para transmissões binárias teóricas, é igual a Bteórica =. Devido a não idealidade do filtro utilizado na transmissão, a banda utilizada acaba recebendo um acréscimo relativo ao fator α, fazendo com que a banda total utilizada pelo sinal seja de B=0.5.fb (1+ α).. Figura 2 - Filtro não ideal As modulações para sinais digitais ASK, FSK e PSK podem ser comparadas com seus similares em modulação analógica, ou seja, AM, FM e PM. Na modulação ASK, a mensagem (sequência de bits) é somada a um nível CC e então multiplicada por uma senoide de frequência fc. Ψask=[A+Q(t)].cos(wc.t) (1.2) 11

12 Figura 3 Modulação ASK. Para uma relação m=1 entre a tensão de pico da onda enviada e do nível CC (m=qpk/a), é possível obter a chamada modulação OOK, modulação mais simples pois equivale apenas a enviar ou não sinal para cada bit. Figura 4 - Modulação OOK Fonte: [4] Como o sinal enviado tem uma banda B, ele pode ser filtrado antes da modulação com um filtro passa-baixa de banda B ou após, com um filtro passa-faixa centrada em fc e com largura de banda 2B. Para modulação FSK o sinal tem a frequência de oscilação alterada para cada estado de bit. 12

13 Figura 5 - Modulação FSK. O sinal resultante pode ser considerado dois sinais OOK, de frequência f0 e f1 somados. Devido à banda necessária para cada um desses sinais modulado ser 2B, o filtro necessário após a modulação será um passa-faixa centrado em (f1+f2)/2 e com largura de banda f1-f0+2b. Sendo B=0.5(fb+α). O sinal também pode ser filtrado antes da modulação, como já foi descrito anteriormente, através de um filtro passa baixa de largura B. O ultimo modo de modulação que será visto é o PSK. Este tipo de modulação altera a fase do sinal modulado, dependendo do estado do bit. Para este caso será visto a modulação onde a estado do bit altera a defasagem da portadora em 180 como abaixo. Figura 6 Modulação PSK. A frequência do filtro passa-faixa utilizado após a modulação será centrada em fc com largura de banda de 2B. Como a modulação de fase tem apenas dois níveis 13

14 de modulação (0 e 180 ) será chamada de 2-PSK, mas comumente é utilizado modulações de até 16-PSK. Devido a banda utilizado ser aproximadamente a mesma para todos os casos, pode-se utilizar qualquer tipo de modulação. Vale salientar que os moduladores QAM permitem uma maior transmissão de dados com a mesma banda, uma vez que os sinais são módulos para ficarem ortogonais entre si. Existem alguns circuitos integrados que realizam a função de modulação de sinais, são os módulos RF TX e RX utilizados entre 200MHz e 500MHz[1]. Eles utilizam modulação ASK e são comumente utilizados em acionamento sem fio como em portões eletrônicos. Para este projeto serão utilizados esses módulos devido à robustez dos mesmos, não sendo necessário realizar o design de placas de alta frequência. Figura 7 Modulo RF Transmissor (TX) e Receptor (RX). Fonte: [5] Esses módulos possuem uma distância máxima de comunicação de aproximadamente 100 metros em campo aberto, mas isso pode ser melhorado com a adição de uma antena de 17,5 cm (λ/4), aumento da tensão de alimentação para até 12 Volts, ou reduzindo a taxa de transmissão para menos do que 1200bps, diminuindo assim a probabilidade de erro de envio de sinal. O transmissor TX do módulo RF à esquerda da figura 7 é alimentado através dos pinos VCC e GND. No pino AN é conectada uma antena auxiliar. Os dados que serão transmitidos são enviados serialmente através do pino DA. Usualmente sensores enviam apenas um tipo de dado como em sensores de presença, desta forma é possível desenvolver circuitos capazes de enviar serialmente os dados sem a necessidade de um microcontrolador. Os pinos do receptor RX do módulo RF à direita da figura 7 são conectados da mesma forma e recebem os dados serialmente dependendo da taxa de transmissão Protocolos de múltiplo acesso Transmitir uma maior quantidade de dados com a mesma banda é um problema recorrente para sistemas de comunicação. Algumas soluções foram propostas pelas operadoras de telefonia móvel no inicio da década como TDMA (Time Division Multiple Acess), FDMA (Frequêncy Division Multiple Acess) e CDMA (Code Division Multiple Acess). [6] Canais FDMA são definidos por uma faixa de frequências de rádio onde somente um usuário é designado para cada canal. Nenhum outro usuário pode acessar este canal até que a transmissão seja concluída. 14

15 Canais TDMA também são divididos em canais, mas agora cada canal pode ter acessos múltiplos, isso porque cada usuário transmite em um intervalo de tempo diferente (time slot). Os usuários devem se manter em seu time slot, independentemente se os outros usuários estiverem, ou não, enviando dados. Devido ao sinal ser enviado em intervalos de tempo, ele será captado em rachadas e deverá ser ainda reconstruído. Canais CDMA síncronos, por outro lado, utilizam codificações ortogonais para criptografar o sinal, assim como em multiplicações escalares em álgebra linear. Exemplos de códigos seriam (1,0), (0,1), (-1,0), (0,-1). Agora, se o sinal enviado for (1,0,0,1) e o sinal de codificação for (1,0) o resultado será (1,0,0,0,0,0,1,0). Para decodificar o sinal é preciso conhecer o sinal de codificação. A figura 8 demonstra a comparação de ocupação de banda. Figura 8 - Diferença de ocupação de banda. Fonte: SAJAN P PHILIP, TDMA vs FDMA vs CDMA, disponível em to.ly/hczl, acesso em 18/11/2012 Devido à facilidade de implementação, baixa quantidade de dados enviados por canal, sendo apenas quatro bytes por comando, baixa banda disponível, uma vez que os módulos RF previamente citados trabalham com pouca excursão em torno de 433MHz, será utilizado o protocolo de múltiplo acesso por tempo de acesso (TDMA). Desta forma o canal nunca será acessado por dois usuários no mesmo instante Sinais infravermelhos Sinais infravermelhos (IV) eram muito utilizados no passado para transferências de dados, mas devido ao avanço de tecnologias de radiofrequência (RF), o envio de dados acabou se tornando mais econômico e prático por meio destas, isso porque sinais de IV tem alcance de apenas 10 metros e exigem linha de visão, além de apresentarem vários problemas de interferência. Vale citar que as interferências de IV são causadas por bloqueio na linha de visão ou sinais IV externos, enquanto que sistemas de RF só sofrem interferência de sinais da mesma frequência. 15

16 Um controle remoto com infravermelho funciona utilizando protocolos como o SIRC ou o RC5. O protocolo RC5 utiliza a codificação Manchester para definição de bits conforme figura 9, enquanto que o bit zero na codificação SIRC é representado por um nível lógico alto de período igual ao nível lógico baixo enquanto que o bit um é representado pelo nível lógico alto com tamanho aproximadamente três vezes maior que o nível lógico baixo, como a figura 10 [8]. Figura 9 - Codificação Manchester Figura 10 Sinal PWM demodulado SIRC no receptor de Infravermelho. Para diminuir os erros na recepção do sinal, o controle remoto envia, por um grande período, o nível lógico zero antes de enviar qualquer pacote de bits. O mesmo ocorre para o final do pacote. Cada pacote que é enviado contém sete bits de dados seguidos por quatro bits que identificam o controle remoto. Devido às interferências causadas por outras fontes de infravermelho como luzes fluorescentes, solar ou até mesmo pelo corpo humano, dados enviados em 16

17 infravermelho são modulados em AM e os receptores captam apenas a frequência de modulação que, para controles remotos, fica em torno de 30kHz. Figura 11 Diagrama de blocos de um chip receptor de IV Comunicação Ethernet Fonte: [8] A comunicação Ethernet se baseia na organização do envio de pacotes através de protocolos IP. O pacote IP tem dados do IP de destino, IP de envio e quantidade de bytes. Um IP pode ser tanto estático, possuindo sempre o mesmo valor em uma determinada rede, como dinâmico, quando um IP é atribuído pelo DHCP (comumente presente no próprio gateway) à uma maquina, dependendo da ordem de conexão. Normalmente os IPs de uma rede doméstica não são únicos no mundo, apenas na sua rede local, mas o IP do roteador deve ser único para garantir diferenciação entre equipamentos. Cada aparelho de rede possui um endereço físico, MAC, diferente que é formado por 6 bytes referentes a norma IEEE e aos dados do fabricante[9]. Para facilitar a integração do usuário, redes Ethernet utilizam o DNS (comumente presente no próprio gateway), um provedor que traduz seu IP em palavras para que possa ser entendido, ou seja, é muito mais fácil que um usuário se conecte a \\dee-pet1 do que a \\ , por exemplo. A máscara de sub-rede serve apenas para delimitar quantos IP serão usados por uma rede local. Caso a conexão se dê por meio de IPs xxx.yyy, a máscara será , caso seja xxx.yyy e zzz.www, a máscara será [14]. Dados de conexão podem ser visto na figura abaixo. 17

18 Figura 12 Dados de conexão. Fonte: produção do próprio autor O protocolo Ethernet tem uma função específica para organização e envio de pacotes entre vários aparelhos ligados a rede utilizando o CSMA/CD (Carrier Sense Multiple Acess/Colision Detection). Esse tipo de função faz com que cada aparelho ligado espere para que o canal esteja livre para, só então, tentar enviar seus pacotes, caso haja colisão entre pacotes, cada usuário espera um tempo aleatório, baseado no tempo máximo que um pacote demora a percorrer e retornar pelo canal, antes de tentar enviar novamente. Para criar um webserver em um determinado IP, é necessário obter um hardware que seja capaz de receber pacotes Ethernet e decodificá-los, portador de MAC e IP únicos de rede [9]. Um exemplo de circuito que realiza esse tipo de função é o ENC28J60 (Controlador ethernet com SPI), que realiza a conversão do protocolo de rede padrão Ethernet IEEE para serial utilizando o circuito integrado PHY, com MAC integrado e capacidade de transmissão de 10BASE-T (10Mbps), conforme ilustrado na figura

19 Figura 13 ENC28J60 utilizado como interface Ethernet x Serial. Fonte: [10] 2.4 Microcontrolador O processamento de dados dos sensores, o acionamento de atuadores via RF e a integração com a Ethernet pode ser realizada por um microcontrolador ou através de um computador. O processamento central através de um computador tem a vantagem em nível de processamento, uma vez que sistemas operacionais podem realizar diferentes tarefas em um menor tempo, mas tem a desvantagem do computador não poder ser desligado. Para pequenas aplicações é válido utilizar um microcontrolador ao invés de um computador, pois o mesmo pode realizar as tarefas necessárias com baixo custo e consumo. Devido à facilidade de operação e manipulação de suas bibliotecas, os microcontroladores ATmega, juntamente com a interface de programação arduino, acabam se mostrando uma ótima opção para programação e utilização como UCP. Os dados do arduino Uno e Mega 2560 podem ser vistos abaixo. Tabela 1 - Dados do ATmega328 Microcontrolador ATmega328 Tensão de Entrada recomendada V Portas Digitais 14 (6 com PWM de saída, 6 analógicas) Corrente CC das portas digitais 40 ma Memória Flash 32 kb SRAM 2 kb EEPROM 1 kb Clock 16 MHz Fonte: [11] Tabela 2 - Dados arduino Mega 2560 Microcontrolador ATmega2560 Tensão de Entrada recomendada 7-12V Portas Digitais 70 (15 com PWM de saída, 16 analógicas) 19

20 Corrente CC das portas digitais Memória Flash SRAM EEPROM Clock Fonte: [11] 40 ma 256 kb 8 kb 4 kb 16 MHz Devido ao elevado número de sensores e atuadores que se deseja acionar, optou-se por utilizar um microcontrolador mais barato para o envio dos dados, diminuindo o custo do sistema de domótica e tornando mercadologicamente viável. Desta forma será utilizado também PICs 16F628a. Tabela 3 - Dados do PIC 16F628a Microcontrolador PIC16F628a Tensão de Entrada recomendada 2-5.5V Portas Digitais 16 (1 com PWM de saída, 2 serial) Memória Flash 3.5 kb SRAM 224 Bytes EEPROM 128 Bytes Clock 5 MHz Fonte: Microchip.com 2.5 Integração de sistemas Os sensores que serão utilizados na automação, podendo ser lidos via Web Server, variam de acordo com a necessidade do morador, podendo-se citar: Medição da temperatura ambiente. Sensor de chuva. Detectores de queda para residentes idosos ou com dificuldades especiais que precisam de monitoramento. Sensores de presença. Câmeras. Os atuadores utilizados podem ser: Climatizadores de ar. Portões elétricos. Sinal de alarme. Acionamento de lâmpadas. Os sensores e atuadores podem estar em qualquer parte da casa, uma vez que eles se comunicam com a central via RF com alcance de dezenas de metros. A central, por sua vez, envia os dados para o Webserver deixando a informação acessível para os moradores. O webserver pode ser hospedado na UCP como na figura 14, ou ser hospedado em um data center como na figura

21 Figura 14 Esquemático de aplicação. Fonte: produção do próprio autor 3. DOMÓTICA VIA WEB Para fazer uma automação mais avançada, é preciso que todos os equipamentos se comuniquem e, para isso, um dos modos é ter uma central que gerencie todo o processamento de dados vindos da entrada Ethernet, organizando os pacotes para o acionamento dos respectivos módulos, além de gerenciar periféricos como LCD e sistema de senhas Webserver Para fazer a automação via web, primeiramente é necessário hospedar um webserver. Este pode ser obtido através de um chip T-PHY que fará a conversão do protocolo ethernet para serial. Os chips ENC28J60 e W5100 possuem um chip T- PHY integrado, a diferença entre eles é que o W5100 faz o tratamento do protocolo via hardware enquanto que o ENC28J60 precisa fazê-lo via software, utilizando um pouco do processamento da MCU. Devido à automação proposta ser de pequeno porte, optou-se por utilizar o circuito ENC28J60, uma vez que o mesmo é mais barato. O circuito ENC28J60 foi integrado com um arduino MEGA 2560, que servirá como UCP, devido alta quantidade de memória necessária para aplicação web. 21

22 Figura 15 Webserver hospedado pelo Arduino MEGA Fonte: Criação do próprio autor Algoritmo O sistema funciona com links de páginas, quando o usuário clica em uma das imagens ele manda uma requisição de acesso em uma página diferente, acionando atuadores diferentes. O link da figura 16 da esquerda seria algo como /? quarto=ligado e o da direita /?quarto=desligado. Figura 16 - Mudança da imagem após acionamento pelo usuário Fonte: Criação do próprio autor. Devido ao tamanho do algoritmo apenas a interação de dois links foram mostradas na tabela 6 no apêndice. A função e.print() adiciona comandos HTML na página em que houve requisição de acesso. Devido às limitações da quantidade de dados e tamanho de algoritmo, foi proposta a utilização de um webserver hospedado em computador, comunicando via Ethernet com a UCP, dessa forma o servidor pode estar em um data center, disponibilizando apenas o microcontrolador para o sistema de domótica. O webserver foi hospedado através da biblioteca do próprio CI [13]. A quantidade máxima de imagens possíveis de serem colocadas em cada página foi de apenas 22

23 seis, por isso a automação se mostrou mais adequada para pequenas aplicações. Devido a lógica do algoritmo implementado com alteração de páginas, ele acabou ficando muito trabalhoso para implementação e modificação Webserver hospedado em um computador Figura 17 Esquemático de aplicação. Fonte: produção do próprio autor Como o webserver está sendo hospedado fora da UCP, já não há necessidade de grande quantidade de memória, além de o servidor poder ter mais detalhes e utilizar algumas ferramentas bem conhecidas de gerenciamento de sites como o wordpress ou Jomla. O servidor foi instalado em um wamp Server, através de um servidor APACHE versão No caso a seguir, a pagina web foi hospedada no IP estático

24 Figura 18 - Webserver hospedado por um computador. Fonte: Criação do próprio autor. Para saber os estados dos módulos, o servidor faz requisições de acesso para uma página vazia do webserver hospedado pela UCP. Ao verificar essas requisições, a UCP escreve dados de resposta. Essas respostas são recebidas pelo servidor via protocolo PHP que segue nas tabelas 8 e 9 no apêndice. As requisições de acesso feitas pelo servidor à UCP são mostradas na tabela 4. Tabela 4 - Requisições PHP Requisição de acesso Ação /pedir_requisicao.php/sensor Pergunta o valor do sensor para a UCP /pedir_requisicao.php/?atuador Pergunta o valor do atuador para a UCP /mandar_requisicao.php/?atuador=1 Manda um comando de acionamento a UCP /mandar_requisicao.php/?atuador=0 Manda um comando de desligamento a UCP Caso os dados do sensor tenham demorado mais do que 10 segundos para serem enviados via RF a UCP, ela retornará o valor 2, quando houver requisição?sensor, representando sensor fora de área. Para garantir o acionamento de atuadores, são enviados cinco pacotes pela UCP aos módulos RF, quando?atuador=1 ou?atuador=0 é requerido pelo servidor. O IP da UCP foi definido estático para uma rede local, sendo configurado manualmente para o valor Para fazer acionamentos fora da rede local é necessário descobrir o endereço de IP do roteador utilizado, que pode ser feito pelo site nesse exemplo Após feito isso será necessário acessar as configurações do roteador e redirecionar qualquer 24

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

Como em AM e FM, a portadora é um sinal senoidal com frequência relativamente alta;

Como em AM e FM, a portadora é um sinal senoidal com frequência relativamente alta; Modulação Digital Modulação Digital Como em AM e FM, a portadora é um sinal senoidal com frequência relativamente alta; O sinal modulante é um sinal digital; A informação (bits) é transmitida em forma

Leia mais

Comm5 Tecnologia Manual de utilização da família MI. Manual de Utilização. Família MI

Comm5 Tecnologia Manual de utilização da família MI. Manual de Utilização. Família MI Manual de Utilização Família MI ÍNDICE 1.0 COMO LIGAR O MÓDULO... pág 03 e 04 2.0 OBJETIVO... pág 05 3.0 COMO CONFIGURAR O MÓDULO MI... pág 06, 07, 08 e 09 4.0 COMO TESTAR A REDE... pág 10 5.0 COMO CONFIGURAR

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1

MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1 MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1 SÃO CAETANO DO SUL 06/06/2014 SUMÁRIO Descrição do Produto... 3 Características... 3 Configuração USB... 4 Configuração... 5 Página

Leia mais

CAPÍTULO 5. INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO

CAPÍTULO 5. INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO 28 CAPÍTULO 5 INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO Interfaces para periféricos de armazenamento: Periféricos de armazenamento,

Leia mais

TÍTULO: SISTEMA DE ACESSIBILIDADE E AUTOMATIZAÇÃO PARA PESSOAS PORTADORAS DE NECESSIDADE ESPECIAIS

TÍTULO: SISTEMA DE ACESSIBILIDADE E AUTOMATIZAÇÃO PARA PESSOAS PORTADORAS DE NECESSIDADE ESPECIAIS TÍTULO: SISTEMA DE ACESSIBILIDADE E AUTOMATIZAÇÃO PARA PESSOAS PORTADORAS DE NECESSIDADE ESPECIAIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE TECNOLOGIA

Leia mais

Prática 8: Comunicação SPI. 8.1 Introdução e objetivos. 8.2 Princípios básicos do protocolo SPI

Prática 8: Comunicação SPI. 8.1 Introdução e objetivos. 8.2 Princípios básicos do protocolo SPI Prática 8: 8.1 Introdução e objetivos Comunicação SPI O protocolo SPI (serial peripheral interface) é um método de comunicação utilizado para interconectar dispositivos ou chips de tal forma que estes

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO PÉGASUS (ETHERNET) STUDIO V2.02 MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO Rua Coronel Botelho, 64 - Alto da Lapa - CEP: 05088-020 São Paulo - SP - Brasil +55 (11) 3832-6102 PÉGASUS (ETHERNET) STUDIO V2.02 - MANUAL

Leia mais

Ambientes Inteligentes

Ambientes Inteligentes Ambientes Inteligentes APRESENTAÇÃO Com a grande inovação tecnológica e a evidente demanda por segurança e comodidade, o gerenciamento de todos os processos e máquinas que nos rodeia torna-se indispensável.

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Introdução Fabricio Breve Onde estão as redes? Caixa Eletrônico Terminais conectados a um computador central Supermercados, farmácias, etc... Vendas Caixa Estoque Etc... Por que Redes?

Leia mais

Automação Residencial

Automação Residencial Automação Residencial F. A. Dias G. M. de Paula L. S. de Oliveira G.F. Vieira 1 CEFET-MG, Brasil Contexto Social e Profissional, 2009 Graduação em Engenharia Mecatrônica Motivação Questão fundamental O

Leia mais

Na primeira aula, conhecemos um pouco sobre o projeto Arduino, sua família de placas, os Shields e diversos exemplos de aplicações.

Na primeira aula, conhecemos um pouco sobre o projeto Arduino, sua família de placas, os Shields e diversos exemplos de aplicações. Na primeira aula, conhecemos um pouco sobre o projeto Arduino, sua família de placas, os Shields e diversos exemplos de aplicações. A partir de agora, iremos conhecer o hardware do Arduino e suas caracteristicas

Leia mais

1 Introdução... 4. Características... 4 Requisitos do Dispositivo... 5. 2 Conhecendo o dispositivo... 6

1 Introdução... 4. Características... 4 Requisitos do Dispositivo... 5. 2 Conhecendo o dispositivo... 6 Índice 1 Introdução... 4 Características... 4 Requisitos do Dispositivo... 5 2 Conhecendo o dispositivo... 6 Verificação dos itens recebidos... 6 Painel Frontal... 7 Painel Traseiro... 8 3 Conectando o

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

Visão geral das redes sem fio

Visão geral das redes sem fio Visão geral das redes sem fio 1 - Introdução O termo redes de dados sem fio pode ser utilizado para referenciar desde dispositivos de curto alcance como o Bluetooth à sistemas de altas taxas de transmissão

Leia mais

PIC18F4550. Curso Engenharia de Controle e Automação. Alex Vidigal Bastos www.decom.ufop.br/alex/ alexvbh@gmail.com

PIC18F4550. Curso Engenharia de Controle e Automação. Alex Vidigal Bastos www.decom.ufop.br/alex/ alexvbh@gmail.com PIC18F4550 Curso Engenharia de Controle e Automação Alex Vidigal Bastos www.decom.ufop.br/alex/ alexvbh@gmail.com 1 Agenda Características do PIC18F4550 Pinagem do PIC18F4550 Pinagem do PIC18F4550 Datasheet

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Parte II: Camada Física Dezembro, 2012 Professor: Reinaldo Gomes reinaldo@computacao.ufcg.edu.br Meios de Transmissão 1 Meios de Transmissão Terminologia A transmissão de dados d

Leia mais

PROTÓTIPO DE ATENDIMENTO DOMICILIAR AUTOMATIZADO: HOME CARE DE BAIXO CUSTO

PROTÓTIPO DE ATENDIMENTO DOMICILIAR AUTOMATIZADO: HOME CARE DE BAIXO CUSTO PROTÓTIPO DE ATENDIMENTO DOMICILIAR AUTOMATIZADO: HOME CARE DE BAIXO CUSTO Wilker Luiz Machado Barros¹, Wyllian Fressatti¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil wilkermachado1@hotmail.com,

Leia mais

Rede de Computadores

Rede de Computadores Escola de Ciências e Tecnologia UFRN Rede de Computadores Prof. Aquiles Burlamaqui Nélio Cacho Luiz Eduardo Eduardo Aranha ECT1103 INFORMÁTICA FUNDAMENTAL Manter o telefone celular sempre desligado/silencioso

Leia mais

CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes. Capítulo1 - Introdução à Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Agosto de 2007 - Página

CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes. Capítulo1 - Introdução à Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Agosto de 2007 - Página CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Capítulo1 - Introdução à Redes 1 Requisitos para Conexão à Internet Para disponibilizar o acesso de um computador à rede, devem ser levados em consideração 03 parâmetros:

Leia mais

Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda.

Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda. Manual do equipamento Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda. +55 41 3661-0100 Rua Rio Piquiri, 400 - Jardim Weissópolis - Pinhais/PR - Brasil CEP: 83322-010 CNPJ: 01.245.055/0001-24 Inscrição

Leia mais

Sistemas Embarcados. Introdução aos sistemas embarcados

Sistemas Embarcados. Introdução aos sistemas embarcados Sistemas Embarcados Introdução aos sistemas embarcados Introdução aos Sistemas embarcados Definição de um sistema embarcado Exemplos de sistemas embarcados Processadores utilizados em sistemas embarcados

Leia mais

Controle de Acesso. Automático de Veículos. saiba mais. automação

Controle de Acesso. Automático de Veículos. saiba mais. automação Controle de Acesso Automático de Veículos Este trabalho tem como objetivo desenvolver uma solução tecnológica que permita o controle dos portões automáticos remotamente através da internet. Aplicando-se

Leia mais

ARDUINO UNO Guia do Usuário

ARDUINO UNO Guia do Usuário ARDUINO UNO Guia do Usuário Heco Mecatrônica Ltda. e-mail: vendas@hecomecatronica.com.br Visite nosso site: www.hecomecatronica.com.br Loja Virtual: shop.hecomecatronica.com.br Guia do Usuário - Página

Leia mais

TÍTULO: ARCASE - AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL COM ANDROID E SISTEMAS EMBARCADOS

TÍTULO: ARCASE - AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL COM ANDROID E SISTEMAS EMBARCADOS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ARCASE - AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL COM ANDROID E SISTEMAS EMBARCADOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA:

Leia mais

Arquitetura CAN. José Sérgio da Rocha Neto

Arquitetura CAN. José Sérgio da Rocha Neto Arquitetura CAN 1 Sumário Rede CAN. Arquitetura do Sistema Implementado. Interface SPI. Controlador CAN MCP2510. Transceiver MCP2551. ADuC812. Resultados Obtidos. Conclusões. 2 REDE CAN CAN Controller

Leia mais

AUTOR(ES): LUIS WAGNER PASSINHO, ALESSANDRA CRISTINA SILVA, DANIEL ALVES DA ROCHA

AUTOR(ES): LUIS WAGNER PASSINHO, ALESSANDRA CRISTINA SILVA, DANIEL ALVES DA ROCHA TÍTULO: AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL PELA INTERNET COM PHP E ARDUINO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE CAMPINAS AUTOR(ES):

Leia mais

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Enlace de Dados - Apêndice Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Endereço MAC; ARP Address Resolution Protocol; DHCP Dynamic Host Configuration Protocol; Ethernet Estrutura do quadro Ethernet;

Leia mais

Alarme Automotivo com mensagem para móvel utilizando Arduino

Alarme Automotivo com mensagem para móvel utilizando Arduino Alarme Automotivo com mensagem para móvel utilizando Arduino Maycon Cirilo dos Santos¹, Wyllian Fressatti¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil mayconsi2012@gmail.com, wyllian@unipar.br

Leia mais

Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação. Introdução à Engenharia de Controle e Automação

Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação. Introdução à Engenharia de Controle e Automação Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação (do latim Automatus, que significa mover-se por si) ; Uso de máquinas para controlar e executar suas tarefas quase sem interferência humana, empregando

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO RÁPIDA CÓD.:682-0

GUIA DE INSTALAÇÃO RÁPIDA CÓD.:682-0 WPS Roteador Wireless 300N GWA-101 5dBi Bi-Volt GUIA DE INSTALAÇÃO RÁPIDA CÓD.:682-0 Roteador Wireless 300Mbps Guia de Instalação Rápida REV. 2.0 1. Introdução: O Roteador Wireless 300Mbps, modelo 682-0

Leia mais

Composição. Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes

Composição. Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes Composição Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes Aterramento Fio de boa qualidade A fiação deve ser com aterramento neutro (fio Terra) trabalhando em tomadas tripolares Fio negativo,

Leia mais

Infrared Data Association

Infrared Data Association IRDA Infrared Data Association Jorge Pereira DEFINIÇÃO Define-se protocolo como um conjunto de regras que estabelece a forma pela qual os dados fluem entre transmissor e receptor, critérios para verificação

Leia mais

Medidor da temperatura local

Medidor da temperatura local Objectivo: Medidor da temperatura local (Web Server) Disponibilizar numa página da internet a leitura da temperatura local, de forma automática e on-line. O sistema consiste num microprocessador devidamente

Leia mais

Manual de utilização do módulo NSE METH-8RL/Exp

Manual de utilização do módulo NSE METH-8RL/Exp INSTALAÇÃO 1 - Baixe o arquivo Software Configurador Ethernet disponível para download em www.nse.com.br/downloads-manuais e descompacte-o em qualquer pasta de sua preferência. 2 - Conecte a fonte 12Vcc/1A

Leia mais

PÉGASUS (ETHERNET POCKET) STUDIO V1.00 MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO

PÉGASUS (ETHERNET POCKET) STUDIO V1.00 MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO PÉGASUS (ETHERNET POCKET) STUDIO V1.00 MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO Rua Coronel Botelho, 64 - Alto da Lapa - CEP: 05088-020 São Paulo - SP - Brasil +55 (11) 3832-6102 PÉGASUS (ETHERNET POCKET) STUDIO

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO PÉGASUS GPRS STUDIO V3.03 MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO 3i Soluções Ind. Com. de Equip. Eletrônicos e Serviços em Materiais Elétricos Ltda. Rua Marcilio Dias, 65 Lapa CEP 05077-120 São Paulo - SP Brasil

Leia mais

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores Apresentação do professor, da disciplina, dos métodos de avaliação, das datas de trabalhos e provas; introdução a redes de computadores; protocolo TCP /

Leia mais

Marthe Ethernet A820. Manual do Usuário

Marthe Ethernet A820. Manual do Usuário Marthe Ethernet A820 Manual do Usuário Índice 1 INTRODUÇÃO... 5 2 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS... 6 3 CARACTERÍSTICAS ELÉTRICAS... 7 3.1 ALIMENTAÇÃO 7 3.1.1 ESPECIFICAÇÃO DA FONTE DE ALIMENTAÇÃO... 7 3.2 INTERFACE

Leia mais

SISTEMA DE MONITORAMENTO DIGITAL

SISTEMA DE MONITORAMENTO DIGITAL SISTEMA DE MONITORAMENTO DIGITAL Módulos para automação Características gerais - Processamento independente - Possui alerta sonoro e luminoso de falta de conexão - Não precisa ser configurado (Plug and

Leia mais

CPE Soft Manual. 125/400mW 2.4GHz. CPE Soft

CPE Soft Manual. 125/400mW 2.4GHz. CPE Soft CPE Soft Manual 125/400mW 2.4GHz CPE Soft Campinas - SP 2010 Indice 1.1 Acessando as configurações. 2 1.2 Opções de configuração... 3 1.3 Wireless... 4 1.4 TCP/IP 5 1.5 Firewall 6 7 1.6 Sistema 8 1.7 Assistente...

Leia mais

WiFiShield. Introdução

WiFiShield. Introdução WiFiShield Obrigado por adquirir o WiFiShield do Laboratório de Garagem. Através deste manual, você conhecerá maiores detalhes sobre este produto, para iniciar seus projetos com Arduino e integração com

Leia mais

ANE0003 - Configurando a pilha TCP/IP Microchip

ANE0003 - Configurando a pilha TCP/IP Microchip - Configurando a pilha TCP/IP Microchip ANE0003 Autor: 1. Introdução Marcelo Martins Maia do Couto A pilha TCP/IP é largamente utilizada para a comunicação entre elementos dentro de uma rede. Este protocolo

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO Amanda 5ª Atividade: Codificador e codificação de linha e seu uso em transmissão digital Petrópolis, RJ 2012 Codificador: Um codoficador

Leia mais

PROTÓTIPO DE CONTROLE DE ACESSO POR RFID

PROTÓTIPO DE CONTROLE DE ACESSO POR RFID 1 PROTÓTIPO DE CONTROLE DE ACESSO POR RFID Alexsandro Monteiro de Oliveira Antônio Carlos Almeida Eunice de Lassalete Sebastião Bartolomeu RESUMO O projeto de controle de acesso por RFID consiste no desenvolvimento

Leia mais

Questionário de RC Nota3

Questionário de RC Nota3 Questionário de RC Nota3 Entrega: Individual e escrita à mão. Data de entrega: 30/10. Em todas as questões deverão constar o desenvolvimento da sua resposta, caso contrário a questão será desconsiderada.

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA CCET CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO Henrique Soares Hinke José Eduardo da Silva Rodrigues Matheus Augusto de Queiroz

Leia mais

Application Note FBEE Comunicação Serial Wireless REV01. - 1 - Rev01

Application Note FBEE Comunicação Serial Wireless REV01. - 1 - Rev01 Application Note FBEE Comunicação Serial Wireless REV01-1 - Rev01 1. INTRODUÇÃO Aplicações com redes sem fio vêm se tornando bastante comuns. De aplicações industriais a projetos específicos, criou-se

Leia mais

Telecomunicações CONCEITOS DE COMUNICAÇÃO

Telecomunicações CONCEITOS DE COMUNICAÇÃO Telecomunicações CONCEITOS DE COMUNICAÇÃO 1 COMUNICAÇÃO A COMUNICAÇÃO pode ser definida como a transmissão de um sinal através de um meio, de um emissor para um receptor. O sinal contém uma mensagem composta

Leia mais

1 Modulação digital Noções básicas

1 Modulação digital Noções básicas 1 Modulação digital Noções básicas A modulação envolve operações sobre uma ou mais das três características de uma portadora (amplitude, fase, frequência). Há três técnicas básicas de modulação para transformar

Leia mais

Interface Ethernet SIEMENS 828D T60542A

Interface Ethernet SIEMENS 828D T60542A Interface Ethernet SIEMENS 828D T60542A ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. INSTALAÇÃO... 3 2.1 CNC...3 2.1.1. Configuração...3 2.2 PC...6 2.2.1 Configurar a rede Microsoft...6 2.2.2. Inibir o Firewall da rede

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

Dispositivo Electrónico Pessoal para Aquisição de Dados obtidos por Sensores

Dispositivo Electrónico Pessoal para Aquisição de Dados obtidos por Sensores Dispositivo Electrónico Pessoal para Aquisição de Dados obtidos por Sensores Análise e estudos de dispositivos semelhantes existentes no mercado (Versão 1.1) Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica

Leia mais

play Guia de uso Decodificador

play Guia de uso Decodificador play Guia de uso Decodificador Bem-vindo Agora com seu Vivo Play você se diverte na hora que der vontade. São milhares de filmes, séries e shows só esperando você dar um play. Você pausa, volta, avança,

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA. Automação residencial utilizando dispositivos móveis e microcontroladores.

PROJETO DE PESQUISA. Automação residencial utilizando dispositivos móveis e microcontroladores. PROJETO DE PESQUISA 1. Título do projeto Automação residencial utilizando dispositivos móveis e microcontroladores. 2. Questão ou problema identificado Controlar remotamente luminárias, tomadas e acesso

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Rafael Freitas Reale Aluno: Data / / Prova Final de Redes Teoria Base 1) Qual o tipo de ligação e a topologia respectivamente

Leia mais

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes Noções de Redes: Estrutura básica; Tipos de transmissão; Meios de transmissão; Topologia de redes;

Leia mais

TUTORIAL Arduino Nano

TUTORIAL Arduino Nano Conceito: O é uma plataforma de prototipagem eletrônica de hardware livre e de placa única, projetada com um microcontrolador Atmel AVR com circuitos de entrada/saída embutido que podem ser facilmente

Leia mais

Parabéns, você acaba de adquirir um produto com qualidade e tecnologia Identech.

Parabéns, você acaba de adquirir um produto com qualidade e tecnologia Identech. MANUAL Sumário 1 INTRODUÇÃO3 2 LIGANDO/CONECTANDO3 3 CONFIGURAÇÕES4 31 - INICIAL4 32 - REDE8 321-3G8 322 - WAN9 323 - LAN10 324 - Tipo de Reconexão13 325 - Redirecionar14 33 - WIRELESS16 34 - DHCP17 35

Leia mais

Características... 3. Identificando a placa... 3. Esquema de ligação... 3. Parâmetros programados no painel de alarme... 4

Características... 3. Identificando a placa... 3. Esquema de ligação... 3. Parâmetros programados no painel de alarme... 4 P18640 - Rev. 0 Índice Características... 3 Identificando a placa... 3 Esquema de ligação... 3 Parâmetros programados no painel de alarme... 4 Instalação do software programador... 4 Instalação do cabo

Leia mais

ENH916-NWY. Manual do Usuário

ENH916-NWY. Manual do Usuário ENH916-NWY Manual do Usuário Aviso da FCC Este equipamento foi testado e se encontra em conformidade com os limites de dispositivo digital de Classe B, de acordo com a Parte 15 das Regras de FCC. Estes

Leia mais

RCO2. Introdução à camada física

RCO2. Introdução à camada física RCO2 Introdução à camada física 1 Transmissão de uma stream de bits por um meio de transmissão 2 Atribuições da camada física: Transmissão de sequências de bits pelo meio físico Modulação (transmissão

Leia mais

Configurando o DDNS Management System

Configurando o DDNS Management System Configurando o DDNS Management System Solução 1: Com o desenvolvimento de sistemas de vigilância, cada vez mais usuários querem usar a conexão ADSL para realizar vigilância de vídeo através da rede. Porém

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Arquitetura Padrão 802.11 Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 Arquitetura Wireless Wi-Fi

Leia mais

Sistemas de Aquisição de Dados Baseado em Microcontroladores

Sistemas de Aquisição de Dados Baseado em Microcontroladores Universidade Federal do Pará Laboratório de Sensores e Sistemas Embarcados (LASSE) Sistemas de Aquisição de Dados Baseado em Microcontroladores Rodrigo Williams Rodrigues Ataíde rodrigowra@ufpa.br 26 de

Leia mais

ori Portaria á su R al Time e U o dlauna M

ori Portaria á su R al Time e U o dlauna M M a nua ld o Usu á roi Portaria Re al Time Sumário Introdução... Especificações... 3 3 Ilustrações Portaria RT sem descarga de coletor... Portaria RT com descarga de coletor... Portaria RT TCP/IP... Portaria

Leia mais

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

Transmissor EXT-240 de áudio e vídeo sem fio

Transmissor EXT-240 de áudio e vídeo sem fio Transmissor de áudio e vídeo sem fio Manual de operação Índice I. Introdução... 1 II. Informações de segurança... 1 III. Especificações... 1 IV. Instruções de instalação... 2 1. Opções de posicionamento...

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

Redes de Computadores Aula 2. Aleardo Manacero Jr.

Redes de Computadores Aula 2. Aleardo Manacero Jr. Redes de Computadores Aula 2 Aleardo Manacero Jr. O protocolo RM OSI 1 Camada Física e Componentes Funcionalidades relacionadas à transmissão de bits Codificação Modulação Sincronismo de bits Especificação

Leia mais

Sumário. 4. Clique no botão Salvar & Aplicar para confirmar as alterações realizadas no. Reiniciar o SIMET- BOX

Sumário. 4. Clique no botão Salvar & Aplicar para confirmar as alterações realizadas no. Reiniciar o SIMET- BOX Manual do usuário Sumário Introdução... 3! Instalar o SIMET-BOX... 4! Primeiro acesso ao SIMET-BOX... 5! Estado Atual... 7! Visão Geral... 7! Gráficos... 8! Rede... 9! Rede sem fio... 9! Ativar rede sem

Leia mais

Conversor IP Shellby RS-232 ( TCP-IP)

Conversor IP Shellby RS-232 ( TCP-IP) Conversor IP Shellby RS-232 ( TCP-IP) Gradual Tecnologia Ltda. Manual do Conversor RS-232 Ethernet 1 ÍNDICE CARACTERÍSTICAS DO APARELHO... 3 DESCRIÇÃO:... 3 CARACTERÍSTICAS MECÂNICAS:... 3 PINAGEM... 4

Leia mais

TÍTULO: SERVIÇOS HTTP COM GEOPOSICIONAMENTO DE FROTA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS

TÍTULO: SERVIÇOS HTTP COM GEOPOSICIONAMENTO DE FROTA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS TÍTULO: SERVIÇOS HTTP COM GEOPOSICIONAMENTO DE FROTA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS AUTOR(ES):

Leia mais

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Seguidor de Linha. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 2.0 REVISÃO 1211.19. www.robouno.com.br

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Seguidor de Linha. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 2.0 REVISÃO 1211.19. www.robouno.com.br R O B Ó T I C A Sensor Smart Seguidor de Linha Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 2.0 REVISÃO 1211.19 Sensor Smart Seguidor de Linha 1. Introdução Os sensores seguidores de linha são sensores que detectam

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CÂMPUS CURITIBA CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CÂMPUS CURITIBA CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO 0 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CÂMPUS CURITIBA CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO PROJETO INTEGRADO: COBERTURA AUTOMATIZADA COM DETECTOR DE CHUVA CURITIBA 2010 1 TAISA DAIANA DA COSTA PROJETO

Leia mais

PROTÓTIPO DE SOFTWARE PARA COMUNICAÇÃO DE DADOS SEM FIO UTILIZANDO UMA AGENDA ELETRÔNICA

PROTÓTIPO DE SOFTWARE PARA COMUNICAÇÃO DE DADOS SEM FIO UTILIZANDO UMA AGENDA ELETRÔNICA UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU Centro de Ciências Exatas e Naturais Bacharelado em Ciências da Computação Trabalho de Conclusão de Curso PROTÓTIPO DE SOFTWARE PARA COMUNICAÇÃO DE DADOS SEM FIO UTILIZANDO

Leia mais

Capítulo 1 INTRODUÇÃO... 3 1.1 Apresentação... 3 1.2 Sobre este manual... 3 1.3 Instruções de segurança... 3

Capítulo 1 INTRODUÇÃO... 3 1.1 Apresentação... 3 1.2 Sobre este manual... 3 1.3 Instruções de segurança... 3 Sumário Capítulo 1 INTRODUÇÃO... 3 1.1 Apresentação... 3 1.2 Sobre este manual... 3 1.3 Instruções de segurança... 3 Capítulo 2 COMPONENTES... 4 Capítulo 3 CONTROLE REMOTO... 5 Capítulo 4 CONFIGURAÇÃO...

Leia mais

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação 1 Introdução à Camada de Transporte Camada de Transporte: transporta e regula o fluxo de informações da origem até o destino, de forma confiável.

Leia mais

1 Modulação digital para comunicações móveis

1 Modulação digital para comunicações móveis 1 Modulação digital para comunicações móveis Tabela 1: Algumas modulações empregadas em telefonia celular Sistema Forma de Largura da Critério de Razão celular modulação portadora qualidade sinal-ruído

Leia mais

Data Sheet FBEE IEEE 802.15.4 SUPORTA PROTOCOLOS ZIGBEE E MIWI REV 03. - 1 - Rev02

Data Sheet FBEE IEEE 802.15.4 SUPORTA PROTOCOLOS ZIGBEE E MIWI REV 03. - 1 - Rev02 Data Sheet FBEE IEEE 802.15.4 SUPORTA PROTOCOLOS ZIGBEE E MIWI REV 03 Este equipamento opera em caráter secundário, isto é, não tem direito a proteção contra interferência prejudicial, mesmo de estações

Leia mais

Valor do curso R$129,00 (não temos opção de download, somente entrega em dvd-room via correios)

Valor do curso R$129,00 (não temos opção de download, somente entrega em dvd-room via correios) Aprenda mais de Arduino UNO, Arduino Duemilanove, arduino Mega 2560, Shield Ethernet (como usar e configurar rede (ipconfig, ping) enviar e receber dados da web, pagina php acender e apagar lampadas pela

Leia mais

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos MÓDULO 7 Modelo OSI A maioria das redes são organizadas como pilhas ou níveis de camadas, umas sobre as outras, sendo feito com o intuito de reduzir a complexidade do projeto da rede. O objetivo de cada

Leia mais

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba. Microcontrolador PIC 16F877

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba. Microcontrolador PIC 16F877 Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba MINICURSO Microcontrolador PIC 16F877 Alison Lins de Lima Fábio Montenegro Pontes Jonathan B. da Silva Rafael Tavares Coutinho Thiago Pinto

Leia mais

WirelessHART Manager

WirelessHART Manager Descrição do Produto O uso de tecnologias de comunicação de dados sem fio em sistemas de automação industrial é uma tendência em crescente expansão. As vantagens do uso de tecnologia sem fio são inúmeras

Leia mais

Conexão Sem Fio Guia do Usuário

Conexão Sem Fio Guia do Usuário Conexão Sem Fio Guia do Usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca registrada da Microsoft Corporation nos Estados Unidos. Bluetooth é marca comercial dos respectivos

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

Implementação de um módulo Ethernet 10/100Mbps com interface Avalon para o processador Nios II da Altera

Implementação de um módulo Ethernet 10/100Mbps com interface Avalon para o processador Nios II da Altera Implementação de um módulo Ethernet 10/100Mbps com interface Avalon para o processador Nios II da Altera Ricardo Menotti Orientador: Prof. Dr. Eduardo Marques Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação

Leia mais

REWIND e SI.MO.NE. Sistema de monitoramento para grupos geradores

REWIND e SI.MO.NE. Sistema de monitoramento para grupos geradores REWIND e SI.MO.NE. Sistema de monitoramento para grupos geradores SISTEMA SICES Rewind e SI.ces MO.nitoring NE.twork (SI.MO.NE.) Sistema de monitoramento remoto REWIND Rewind é um módulo microprocessado

Leia mais

Caso necessite de mais equipamentos ou em caso de dúvidas, favor enviar email para domingolegal@bistecnologia.com.br

Caso necessite de mais equipamentos ou em caso de dúvidas, favor enviar email para domingolegal@bistecnologia.com.br Instalar os equipamentos é tão fácil quanto afixar um quadro. Se você preferir, pode contratar os serviços de qualquer pessoa para afixar os equipamentos. A BIS já envia todos os equipamentos pré-configurados

Leia mais

Arduino Aula 4 SHIELDS: BLUETOOTH, ETHERNET E EMG

Arduino Aula 4 SHIELDS: BLUETOOTH, ETHERNET E EMG Arduino Aula 4 SHIELDS: BLUETOOTH, ETHERNET E EMG O que são Shields? Placas de circuito que podem ser conectadas ao Arduino, encaixando-se perfeitamente por cima dele, e expandindo suas capacidades Ethernet

Leia mais

Boletim Técnico R&D 03/08 CARACTERÍSTICAS DO DRIVER MPC6006L 14 de março de 2008

Boletim Técnico R&D 03/08 CARACTERÍSTICAS DO DRIVER MPC6006L 14 de março de 2008 Boletim Técnico R&D 03/08 CARACTERÍSTICAS DO DRIVER MPC6006L 14 de março de 2008 O objetivo deste boletim é mostrar as características do driver MPC6006L. Tópicos abordados neste boletim: APRESENTAÇÃO

Leia mais

ACENDENDO AS LUZES. Capitulo 2 - Aula 1 Livro: Arduino básico Tutor: Wivissom Fayvre

ACENDENDO AS LUZES. Capitulo 2 - Aula 1 Livro: Arduino básico Tutor: Wivissom Fayvre ACENDENDO AS LUZES Capitulo 2 - Aula 1 Livro: Arduino básico Tutor: Wivissom Fayvre Projeto 1 LED piscante Neste capitulo, todos os projetos utilizam luzes LED s de diversas formas. Em relação ao hardware,

Leia mais

com tecnologia Bluetooth

com tecnologia Bluetooth com tecnologia Bluetooth MANUAL DO USUÁRIO DESCRIÇÃO O JFA Smart Control permite controlar à distância as funções básicas do player como mudança de música e pasta, volume, pause, play e power. Esse controle

Leia mais

CES-0545. Conversor Ethernet-Serial. 2011 Safesoft Ltda. Ver. 1.0.0. Sistema de Gestão da Qualidade. Certificado por Bureau Veritas.

CES-0545. Conversor Ethernet-Serial. 2011 Safesoft Ltda. Ver. 1.0.0. Sistema de Gestão da Qualidade. Certificado por Bureau Veritas. .. CES-0545 Conversor Ethernet-Serial Sistema de Gestão da Qualidade Certificado por Bureau Veritas. ----------ISO 9001:2008------------ Conversor Ethernet-Serial Descrição geral O CES-0545 oferece uma

Leia mais

Manual. Rev 2 - junho/07

Manual. Rev 2 - junho/07 Manual 1.Desbloquear o software ------------------------------------------------------------------02 2.Botões do programa- --------------------------------------------------------------------- 02 3. Configurações

Leia mais

Características técnicas Baseado no ATMega da empresa AVR, fabricante de micro-controladores em plena ascensão e concorrente do PIC Pode usar ATMega

Características técnicas Baseado no ATMega da empresa AVR, fabricante de micro-controladores em plena ascensão e concorrente do PIC Pode usar ATMega ARDUINO O que é Arduino Arduino foi criado na Itália por Máximo Banzi com o objetivo de fomentar a computação física, cujo conceito é aumentar as formas de interação física entre nós e os computadores.

Leia mais

Alessandro F. Cunha O que são sistemas embarcados?

Alessandro F. Cunha O que são sistemas embarcados? Alessandro F. Cunha O que são sistemas embarcados? 1. Introdução Alguma vez você já se deu conta que o microondas de sua casa tem uma capacidade computacional maior do que tinha o projeto Apolo, que levou

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior Arquitetura de Computadores Professor: Vilson Heck Junior Agenda Conceitos Estrutura Funcionamento Arquitetura Tipos Atividades Barramentos Conceitos Como já discutimos, os principais componentes de um

Leia mais