Modelo de simulação de um processo de requisições em um servidor web de alta disponibilidade

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Modelo de simulação de um processo de requisições em um servidor web de alta disponibilidade"

Transcrição

1 Modelo de simulação de um processo de requisições em um servidor web de alta disponibilidade Tiago de Azevedo Santos João José de Assis Rangel RESUMO Este trabalho apresenta um modelo de simulação para análise da carga de requisições feitas em um servidor Web de alta disponibilidade, instalado no Instituto Federal Fluminense. O modelo foi gerado a partir de informações extraídas dos logs de sistema, os quais são arquivos gerados pelo sistema operacional após cada evento que nele acontece. O modelo permitiu analisar as atuais cargas de requisições feitas ao servidor Web, assim como suas limitações em relação ao número máximo de requisições suportadas na atual configuração. Palavras-chave: Simulação, Modelagem, Servidor Web, Redes de Computadores, Análise da Carga. Simulation model of a requisition process in a high availability web server ABSTRACT This paper presents a simulation model for the analysis of the load requisitions made in a web server of high availability, which was installed at the Instituto Federal Fluminense. The simulation model was generated from information extracted from system logs, which are files generated by the operating system after the occurrence of each event. The model allowed the analysis of the current load requisitions made to the web server, as well as its limitations in relation to the maximum number of requisitions supported in the current configuration. Key words: Simulation, Modeling, Web Server, Computer Network, Load Analysis. 248

2 Modelo de simulação de um processo de requisições em um servidor web de alta disponibilidade 1. Introdução A convergência das tecnologias de comunicação e computação tem proporcionado o surgimento de novos tipos de aplicações e serviços oferecidos pela Internet, contribuindo substancialmente para o seu crescimento. Hoje, várias transações comerciais, antes realizadas apenas presencialmente com a participação do cliente ou por telefone, agora podem ser realizadas com a facilidade e flexibilidade propiciada pelo uso da Internet. Alguns exemplos desses novos serviços são: o comércio eletrônico, internet bank, comércio móvel (m-commerce), educação a distância, entretenimento e multimídia, entre outros. Todos esses serviços adotam a Internet como via de informação global e apresentam novas demandas em questões de desempenho, segurança e confiabilidade. Dentro desse cenário, motivado pelo crescimento do número de serviços oferecidos pela Internet, dentro do paradigma de mesmo serviço para todos da Internet atual, a comunidade científica desenvolve pesquisas na área de QoS (Qualidade de Serviço). Para suprir as necessidades das atuais aplicações web, garantindo requisitos de QoS, servidores web devem se tornar providos de mecanismos que garantam o atendimento aos clientes, por isso a importância de se analisar a reação do servidor quando deparado com sobrecargas. Segundo Vasiliou e Lutfiyya (2000), o servidor web, elemento principal na maioria das aplicações realizadas através da internet, não apresenta mecanismos de diferenciação de serviços, tratando as requisições a essas páginas de maneira uniforme, sem levar em consideração a identidade dos clientes, as condições de carga do servidor ou o tipo de requisição. Para suprir as necessidades das atuais aplicações web, garantindo requisitos de QoS, servidores web devem se tornar providos de mecanismos e políticas, a fim de evitar sobrecargas, conhecer suas limitações e explorar todo o recurso hardware e de software que a máquina pode oferecer. Uma forma interessante de se fazer essa análise é simulando todo o processo antes de implementá-lo fisicamente. De acordo com Freitas Filho (2008), a simulação tem sido cada vez mais aceita e empregada, visto que houve aumento significante no poder de processamento das estações de trabalho aliado à facilidade de uso e à sofisticação dos ambientes de desenvolvimento de modelos computacionais. Nesse contexto, a simulação discreta tornase útil, pois é excelente ferramenta e proporciona aos administradores de servidores web a certeza que está sendo bem administrado e opere buscando o máximo de eficiência possível. Dentro desse quadro, este trabalho descreve um modelo de simulação que aborda o processo de requisições em um servidor web de alta disponibilidade implementado no Instituto Federal Fluminense, a fim de analisar a variação e as limitações de carga que esse servidor suporta. Para isso, foram desenvolvidos experimentos, e dados gerados pelo sistema operacional foram analisados. Esses dados se tornaram subsídios para efetuar a modelagem e simulação com o software Rockwell Arena. 2. Descrição do processo de requisição em um servidor web A modelagem proposta neste trabalho seguirá uma estrutura lógica, pois fisicamente os processos são alocados no mesmo servidor. Na Figura 1, pode-se notar a estrutura que é transparente para o usuário que solicita as requisições. Figura 1 - Fluxo simples de uma requisição. A requisição é feita pelo usuário através dos protocolos de internet, chega ao servidor e retorna a resposta para o usuário. A Figura 2 representa como realmente é o fluxo da requisição solicitada pelo usuário. 249

3 Tiago de Azevedo Santos e João José de Assis Rangel Figura 2 - Fluxo detalhado de uma requisição. A requisição que chega ao servidor web é processada por um software chamado de Apache, e esse mesmo software analisa a requisição e a repassa para outro software, chamado de Varnish, que é responsável por fazer o cache das informações, ou seja, ele consegue guardar, dentro de um limite de espaço, as informações que são mais comumente requisitadas e, assim, retornar diretamente para o usuário, reduzindo o tempo de atendimento à requisição. Essa etapa otimiza aproximadamente 32% das requisições recebidas pelo servidor. Se a requisição não for atendida pelo Varnish, ela é encaminhada para outro software, o Pound, que é responsável por encaminhar a requisição de forma balanceada para um dos três clientes Zope, que finalmente irão processar e retornar a resposta da requisição para o usuário que a solicitou. Todos esses processos juntos demandam menos que 1 seg para serem atendidos. A representação do modelo conceitual mais detalhada, utilizando elementos do IDEFSIM (MONTEVECHI, 2010), assim como as funções utilizadas na simulação, pode ser mais bem visualizada na Figura 3. Figura 3 - Modelo conceitual (IDEF-SIM) do sistema de requisições em um servidor web. 250

4 Modelo de simulação de um processo de requisições em um servidor web de alta disponibilidade A descrição do modelo conceitual utilizando a técnica IDEF-SIM pode ser mais bem visualizada na Tabela 1. Tabela 1 - Descrição do modelo conceitual Descrição E1 Entidade 1: Requisição solicitada ao servidor web P1 Processo: Análise feita pelo Apache P2 Processo: Análise, encaminhamento ou entrega feita pelo Varnish P3 Processo: Análise e encaminhamento feita pelo Pound Parâmetro Função: LOGN (0.259, 0.173) a cada segundo durante 24 horas. Função: WEIB ( , 5.69) por segundo. Função: NORM(0.0178, ) por segundo. Função: NORM (0.024, ) por segundo. P4 Processo: Processamento e entrega da Requisição pelo 1º cliente ZOPE Função: * BETA (5.7, 4.54) por segundo. P5 Processo: Processamento e entrega da Requisição pelo 2º cliente ZOPE Função: * BETA (5.7, 4.54) por segundo. P6 Processo: Processamento e entrega da Requisição pelo 3º cliente ZOPE Função: * BETA(5.7, 4.54) por segundo. R1 Recurso: Apache R2 Recurso: Varnish R3 Recurso: Pound R4 Recurso: Cliente Zope 1 R5 Recurso: Cliente Zope 2 R6 Recurso: Cliente Zope 3 3. Descrição do modelo de simulação O modelo de simulação proposto neste trabalho foi elaborado segundo a metodologia de Freitas Filho (2008), em que foram seguidos os seguintes passos: formulação de análise do problema, planejamento do projeto, formulação do modelo conceitual, coleta de macroinformações e dados, tradução do modelo, verificação e validação, projeto experimental final, experimentação, interpretação e análise estatística dos resultados, comparação e identificação das melhores soluções, documentação e apresentação dos resultados. O modelo foi construído considerando um período de tempo preestabelecido para o início e término das operações, caracterizando, assim, o modelo como de um sistema terminal. É importante ressaltar que, de acordo com Banks (2010), o modelo concebido neste trabalho pode ser classificado tanto como um modelo voltado para a previsão quanto um modelo específico, pois é usado para prever seu comportamento atual e como continuará se comportando ao longo do tempo, podendo-se variar o fluxo de entrada e também ser usado para decidir sobre qual o poder de processamento necessário a um servidor, de acordo com diferentes tipos de cargas no sistema. Entretanto, a segunda classificação não será abordada neste trabalho. O tipo de teste realizado na simulação computacional é citado em Sargent (2010) como Testes de Degenerescência ou Robustez, ou seja, nesses testes a verificação do modelo é feita aplicando-se sobre os parâmetros valores extremos. O parâmetro de entrada do modelo (chegadas) são requisições que são enviadas ao servidor web. As requisições chegam com uma frequência que segue uma distribuição que pode ser vista no modelo IDEF-SIM, presente no trabalho, que representa a quantidade de usuários por segundo que acessam o servidor de alguma forma, e essa frequência de chegadas foi alterada de acordo com os diferentes cenários simulados. O modelo conceitual proposto neste trabalho foi traduzido para o software Arena 12 versão acadêmica para a realização das simulações computacionais. As simulações apenas foram iniciadas após o modelo ter sido verificado e validado por completo e garantido que os pressupostos e as simplificações adotadas do sistema real estavam corretamente implementadas no modelo computacional. 251

5 Tiago de Azevedo Santos e João José de Assis Rangel 4. Projeto experimental e análise dos resultados A abordagem utilizada nas simulações computacionais foi seguida, a fim de se poder analisar uma sobrecarga no servidor. Isso foi feito alterando-se um dos fatores do problema, a quantidade de requisições que chegam ao servidor. A ideia é iniciar os experimentos com a configuração típica, ou seja, a mesma utilizada na validação do modelo e depois incrementar a quantidade de chegadas, realizando-se essa rotina nove vezes, gerando um total de 10 cenários. A cada incremento feito na quantidade de chegadas, o lead time da requisição, é analisado. É importante ressaltar que os incrementos realizados na quantidade de chegadas são sempre 100% do valor inicial (Nível 1), ou seja, o Nível 2 tem valor de 100% a mais do que o Nível 1, o Nível 3 tem valor de 200% a mais do que o Nível 1, e assim sucessivamente. O modelo foi preparado para rodar em um período de um dia útil, contando um às 24 h, e cada cenário foi replicado 10 vezes, a fim de obter uma convergência dos resultados. Os cenários, assim como os resultados com as simulações computacionais, podem ser vistos na Tabela 2. Tabela 2 Resultados obtidos através da simulação computacional Cenários Chegada de requisições Lead time Varnish Lead time clientes Zope Total de requisições atendidas 1 Nível 1 0,03 segundo 0,13 segundo Nível 2 0,03 segundo 0,14 segundo Nível 3 0,03 segundo 0,14 segundo Nível 4 0,03 segundo 0,14 segundo Nível 5 0,03 segundo 0,15 segundo Nível 6 0,03 segundo 0,16 segundo Nível 7 0,03 segundo 0,17 segundo Nível 8 0,03 segundo 0,18 segundo Nível 9 0,03 segundo 0,20 segundos Nível 10 0,03 segundo 0,22 segundo De acordo com a Tabela 1, é possível notar que, à medida que as requisições aumentam o lead time do Varnish, permanece o mesmo valor, e o contrário acontece com o lead time dos clientes Zope, que obteve aumento de até 69,23%, no Nível 10. Isso se dá pelo fato de que o Processo Varnish consegue responder a mais requisições que os processos dos Clientes Zope. Ou seja, se continuarmos aumentando o valor de entrada de requisições, provavelmente os processos dos Clientes Zope serão o primeiro gargalo do modelo analisado. Isso pode ser visualizado na Tabela 3, que mostra a taxa de utilização dos recursos de acordo com os cenários simulados. Tabela 3 - Taxa de utilização dos recursos Cenários Recurso Apache (%) Recurso Varnish (%) Recurso Pound (%) Recurso clientes Zope (%)

6 Modelo de simulação de um processo de requisições em um servidor web de alta disponibilidade Os valores referentes à quantidade de requisições atendidas nos diferentes cenários simulados podem ser mais bem visualizados na Figura 4. Figura 4 - Gráfico das requisições atendidas em relação aos cenários. Na Figura 5 é possível visualizar os valores do lead time do Varnish e do cliente Zope em relação aos cenários simulados. Tempo (Segundos) Requisições 0,25 0,2 0,15 0,1 0, Figura 5 - Relação dos lead times em relação aos cenários. 5. Conclusões Níveis Níveis Lead time Clientes Zope Total de Requisições Atendidas O modelo de simulação proposto neste trabalho abordou as operações realizadas no processo de requisições realizadas a um servidor web de alta disponibilidade e permitiu analisar o impacto da quantidade de requisições no lead time de entregas destas aos clientes. Também, foi possível analisar um processo de sobrecarga no sistema que compõe o servidor. O modelo também incluiu em sua elaboração, além do cálculo do lead time de entrega das requisições solicitadas, a taxa de utilização dos Tempo (Segundos) 0,04 0,03 0,03 0,02 0,02 0,01 0, Níveis Lead time Varnish recursos presentes no modelo. Os resultados da simulação indicaram que, no atual cenário, o servidor web analisado para a elaboração do modelo de simulação está sendo utilizado abaixo do que ele realmente pode suportar. Também foi possível verificar que, mesmo com aumento na quantidade na chegada de requisições de 900%, o servidor não obteve taxa de ocupação de sobrecarga em nenhum dos recursos computacionais simulados. Isso levando-se em conta que a sobrecarga é atribuída quando um recurso adquire 90% ou mais na taxa de utilização. O modelo de simulação apresentou alternativa para estudos estratégicos que podem ser utilizados antes da elaboração física em um servidor web. Nesse sentido, o uso da simulação permite que algumas alternativas em termos de hardware e software sejam testadas antes de sua implementação real, diminuindo custos e verificando possíveis dificuldades. De acordo com os resultados, é possível perceber que existe relação de proporcionalidade entre a quantidade de chegada de requisições e o valor do lead time destas. Também, é possível prever que, se o incremento ocorrer na função de chegada de requisições, provavelmente os processos dos Clientes Zope serão os primeiros gargalos do modelo analisado. 6. Agradecimentos Ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), à Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (FAPERJ) e à Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (FAPEMIG), pelo suporte financeiro a esta pesquisa. 7. Referências BANKS, J.; CARSON, J. S.; NELSON, B. L.; NICOL, D. M. Discrete-event system simulation. 5nd ed. New Jersey: Prentice Hall, FREITAS FILHO, P. J. de. Introdução à modelagem e simulação de sistemas: com aplicações em arena. 2. ed. Florianópolis: Visual Books, MONTEVECHI, J. A. B.; LEAL, F.; PINHO, A. F.; COSTA, R. F. S; OLIVEIRA, M. L. M.; SILVA, A. 253

7 Tiago de Azevedo Santos e João José de Assis Rangel L. F. Conceptual modeling in simulation projects by mean adapted IDEF: An application in a Brazilian tech company. In: WINTER SIMULATION CONFERENCE, 2010, Baltimore. Proceedings Baltimore, p SARGENT, R. G. Verification and validation of simulation models. In: WINTER SIMULATION CONFERENCE, 2010, Baltimore. Proceedings Baltimore, p VASILIOU, N.; LUTFIYYA, H. Providing a differentiated quality of service in a world wide web server. SIGMETRICS Perform. Eval. Rev., v. 28, n. 2, p , Artigo selecionado entre os 10 melhores do VI Encontro Mineiro de Engenharia de Produção - EMEPRO

Modelo de simulação de um processo de requisições em um servidor web de alta disponibilidade

Modelo de simulação de um processo de requisições em um servidor web de alta disponibilidade Modelo de simulação de um processo de requisições em um servidor web de alta disponibilidade Tiago de Azevedo Santos tiago@iff.edu.br João José de Assis Rangel joao@ucam-campos.br RESUMO Este trabalho

Leia mais

UM MODELO DE SIMULAÇÃO PARA ANÁLISE DO FLUXO DE CLIENTES EM UMA AGÊNCIA BANCÁRIA

UM MODELO DE SIMULAÇÃO PARA ANÁLISE DO FLUXO DE CLIENTES EM UMA AGÊNCIA BANCÁRIA 5, 6 e 7 de Agosto de 2010 ISSN 1984-9354 UM MODELO DE SIMULAÇÃO PARA ANÁLISE DO FLUXO DE CLIENTES EM UMA AGÊNCIA BANCÁRIA João José de Assis Rangel (UCAM-Campos) joao@ucam-campos.br Anna Christine Azevedo

Leia mais

Simulação computacional para análise do sistema de fabricação de sapatas diamantadas um estudo de caso

Simulação computacional para análise do sistema de fabricação de sapatas diamantadas um estudo de caso Simulação computacional para análise do sistema de fabricação de sapatas diamantadas um estudo de caso Eglon Rhuan Salazar Guimarães eglon_rhuan@hotmail.com João José de Assis Rangel joao@ucam-campos.br

Leia mais

SIMULAÇÃO COM OTIMIZAÇÃO: UMA APLICAÇÃO PARA O DIMENSIONAMENTO DE CENTRAIS DE ATENDIMENTO

SIMULAÇÃO COM OTIMIZAÇÃO: UMA APLICAÇÃO PARA O DIMENSIONAMENTO DE CENTRAIS DE ATENDIMENTO SIMULAÇÃO COM OTIMIZAÇÃO: UMA APLICAÇÃO PARA O DIMENSIONAMENTO DE CENTRAIS DE ATENDIMENTO Ozéas dos Santos Leite * João José de Assis Rangel ** RESUMO: Este trabalho apresenta um modelo de simulação com

Leia mais

Avaliação de Desempenho em Sistemas de Computação e Comunicação

Avaliação de Desempenho em Sistemas de Computação e Comunicação Avaliação de Desempenho em Sistemas de Computação e Comunicação Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM UFES Objetivos

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE DE SIMULAÇÃO ARENA PARA CRIAÇÃO DE FERRAMENTAS DE APOIO AO ENSINO

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE DE SIMULAÇÃO ARENA PARA CRIAÇÃO DE FERRAMENTAS DE APOIO AO ENSINO ISSN 1984-9354 UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE DE SIMULAÇÃO ARENA PARA CRIAÇÃO DE FERRAMENTAS DE APOIO AO ENSINO Jonathan Velasco da Silva (Instituto Federal Fluminense) Dalessandro Soares Vianna (Universidade

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA SIMULAÇÃO EM GESTÃO HOSPITALAR: APLICAÇÃO DE UM MODELO COMPUTACIONAL EM UM CENTRO DE IMOBILIZAÇÕES ORTOPÉDICAS

A UTILIZAÇÃO DA SIMULAÇÃO EM GESTÃO HOSPITALAR: APLICAÇÃO DE UM MODELO COMPUTACIONAL EM UM CENTRO DE IMOBILIZAÇÕES ORTOPÉDICAS A UTILIZAÇÃO DA SIMULAÇÃO EM GESTÃO HOSPITALAR: APLICAÇÃO DE UM MODELO COMPUTACIONAL EM UM CENTRO DE IMOBILIZAÇÕES ORTOPÉDICAS André Monteiro Klen (UFOP) Klen@bol.com.br Irce Fernandes Gomes Guimarães

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO EM REDES DE COMPUTADORES UTILIZANDO TEORIA DE FILAS 1

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO EM REDES DE COMPUTADORES UTILIZANDO TEORIA DE FILAS 1 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO EM REDES DE COMPUTADORES UTILIZANDO TEORIA DE FILAS 1 Anderson Luis Marchi 2 ; Tiago Boechel 3 ; Juliano Tonizetti Brignoli 4 INTRODUÇÃO A comunicação é uma das maiores necessidades

Leia mais

Artigo Original. Introdução

Artigo Original. Introdução Modelos de simulação a eventos discretos como ambiente de treinamento em controle digital Artigo Original Modelos de simulação a eventos discretos como ambiente de treinamento em controle digital Models

Leia mais

Aplicação da Simulação Discreta para Melhoria do Gerenciamento de Incidentes de Sistemas de Informação em uma Empresa do Setor de Petróleo e Gás

Aplicação da Simulação Discreta para Melhoria do Gerenciamento de Incidentes de Sistemas de Informação em uma Empresa do Setor de Petróleo e Gás Aplicação da Simulação Discreta para Melhoria do Gerenciamento de Incidentes de Sistemas de Informação em uma Empresa do Setor de Petróleo e Gás Hadriel Toledo Lima hadriellima@gmail.com UFF/PETROBRAS

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Introdução. Edeyson Andrade Gomes. www.edeyson.com.br

Sistemas Distribuídos. Introdução. Edeyson Andrade Gomes. www.edeyson.com.br Sistemas Distribuídos Introdução Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br Agenda Definição de Sistemas Distribuídos Evolução Histórica Exemplos Comparação com Sistemas Centralizados Conclusão 2 Definição

Leia mais

)HUUDPHQWDV &RPSXWDFLRQDLV SDUD 6LPXODomR

)HUUDPHQWDV &RPSXWDFLRQDLV SDUD 6LPXODomR 6LPXODomR GH6LVWHPDV )HUUDPHQWDV &RPSXWDFLRQDLV SDUD 6LPXODomR #5,6. Simulador voltado para análise de risco financeiro 3RQWRV IRUWHV Fácil de usar. Funciona integrado a ferramentas já bastante conhecidas,

Leia mais

APLICAÇÃO DA MODELAGEM CONCEITUAL IDEF-SIM AO SOFTWARE DE MODELAGEM COMPUTACIONAL SIMUL8: UM CASO PRÁTICO

APLICAÇÃO DA MODELAGEM CONCEITUAL IDEF-SIM AO SOFTWARE DE MODELAGEM COMPUTACIONAL SIMUL8: UM CASO PRÁTICO APLICAÇÃO DA MODELAGEM CONCEITUAL IDEF-SIM AO SOFTWARE DE MODELAGEM COMPUTACIONAL SIMUL8: UM CASO PRÁTICO Marcelo Machado Mendonca (UNIFEI ) mmmnix@yahoo.com.br Jose Arnaldo Barra Montevechi (UNIFEI )

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA)

SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA) SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA) Alessandra Lubbe 1 Alexandre Evangelista 2 Jeandro Perceval 3 José Ramiro Pereira 4 Luiz Gustavo Mahlmann 5 RESUMO

Leia mais

Projeto de Redes Top-Down

Projeto de Redes Top-Down Projeto de Redes Top-Down Referência: Slides extraídos (material de apoio) do livro Top-Down Network Design (2nd Edition), Priscilla Oppenheimer, Cisco Press, 2010. http://www.topdownbook.com/ Alterações

Leia mais

INTRODUÇÃO À OTIMIZAÇÃO

INTRODUÇÃO À OTIMIZAÇÃO INTRODUÇÃO À OTIMIZAÇÃO ZOPE / PLONE Escalando o Zope Definida configuração de hardware, existem três maneiras de aumentar o desempenho de um site Plone: Diminuir a carga no Zope usando mecanismos de cache

Leia mais

COLETA DE DADOS PARA CONSTRUÇÃO DE MODELO DE SIMULAÇÃO A EVENTOS DISCRETOS DE UM RESTAURANTE

COLETA DE DADOS PARA CONSTRUÇÃO DE MODELO DE SIMULAÇÃO A EVENTOS DISCRETOS DE UM RESTAURANTE COLETA DE DADOS PARA CONSTRUÇÃO DE MODELO DE SIMULAÇÃO A EVENTOS DISCRETOS DE UM RESTAURANTE Natacha Maria de Carvalho Oliveira Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI) Av. BPS, 1.303, Bairro Pinheirinho,

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Modelo Cliente-Servidor: Introdução aos tipos de servidores e clientes Prof. MSc. Hugo Souza Iniciando o módulo 03 da primeira unidade, iremos abordar sobre o Modelo Cliente-Servidor

Leia mais

Simulação Computacional de Sistemas, ou simplesmente Simulação

Simulação Computacional de Sistemas, ou simplesmente Simulação Simulação Computacional de Sistemas, ou simplesmente Simulação Utilização de métodos matemáticos & estatísticos em programas computacionais visando imitar o comportamento de algum processo do mundo real.

Leia mais

Varnish-Cache: Velocidade e disponibilidade para aplicações WEB

Varnish-Cache: Velocidade e disponibilidade para aplicações WEB CESUMAR Centro Universitário de Maringá Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet PROJETO INTEGRADOR Varnish-Cache: Velocidade e disponibilidade para aplicações WEB Rafael Vaz Pinto Toledo

Leia mais

Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação

Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação Prof. Simão Sirineo Toscani Projeto de Simulação Revisão de conceitos básicos Processo de simulação Etapas de projeto Cuidados nos projetos de simulação

Leia mais

SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL COMO FERRAMENTA DE ESTUDO DE UM RESTAURANTE POPULARLOCALIZADO EM GOIÂNIA- GO

SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL COMO FERRAMENTA DE ESTUDO DE UM RESTAURANTE POPULARLOCALIZADO EM GOIÂNIA- GO SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL COMO FERRAMENTA DE ESTUDO DE UM RESTAURANTE POPULARLOCALIZADO EM GOIÂNIA- GO Arineia Nogueira de Assis (MPL) aienira@hotmail.com Renata de Souza Alves Paula (IFG) renatasapaula@gmail.com

Leia mais

Um cluster de servidores de email pode ser usado para servir os emails de uma empresa.

Um cluster de servidores de email pode ser usado para servir os emails de uma empresa. CLUSTERS Pode-se pegar uma certa quantidade de servidores e juntá-los para formar um cluster. O serviço então é distribuído entre esses servidores como se eles fossem uma máquina só. Um cluster de servidores

Leia mais

Simulação Transiente

Simulação Transiente Tópicos Avançados em Avaliação de Desempenho de Sistemas Professores: Paulo Maciel Ricardo Massa Alunos: Jackson Nunes Marco Eugênio Araújo Dezembro de 2014 1 Sumário O que é Simulação? Áreas de Aplicação

Leia mais

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Histórico Uso de Metodologias Histórico Uso de Metodologias Era da Pré-Metodologia 1960-1970 Era da Metodologia

Leia mais

MODELO DE SIMULAÇÃO PARA ANÁLISE DO BENEFICIAMENTO DE BLOCOS DE GRANITO UM ESTUDO DE CASO

MODELO DE SIMULAÇÃO PARA ANÁLISE DO BENEFICIAMENTO DE BLOCOS DE GRANITO UM ESTUDO DE CASO IJIE Iberoamerican Journal of Industrial Engineering Periódico da área de Engenharia Industrial e áreas correlatas Editor responsável: Nelson Casarotto Filho, Prof. Dr. Organização responsável: Universidade

Leia mais

SIMULAÇÃO DO SISTEMA DE ATENDIMENTO DE UMA CAFETERIA UNIVERSITÁRIA: UM ESTUDO DE CASO

SIMULAÇÃO DO SISTEMA DE ATENDIMENTO DE UMA CAFETERIA UNIVERSITÁRIA: UM ESTUDO DE CASO SIMULAÇÃO DO SISTEMA DE ATENDIMENTO DE UMA CAFETERIA UNIVERSITÁRIA: UM ESTUDO DE CASO JOSÉ AIRTON A. DOS SANTOS 1, ANGELA R. BEM 2, CAMILA C. C. DOS REIS 3, EDUARDO A. NAUMANN 4, MATHEUS FERNANDO MORO

Leia mais

1. DESCRIÇÃO DO SIE Sistema de Informações para o Ensino

1. DESCRIÇÃO DO SIE Sistema de Informações para o Ensino 1. DESCRIÇÃO DO SIE Sistema de Informações para o Ensino O SIE é um sistema aplicativo integrado, projetado segundo uma arquitetura multicamadas, cuja concepção funcional privilegiou as exigências da Legislação

Leia mais

SIMULAÇÃO APLICADA EM PROJETOS DE LINHAS DE MONTAGEM COM PALLETS RETORNÁVEIS 1

SIMULAÇÃO APLICADA EM PROJETOS DE LINHAS DE MONTAGEM COM PALLETS RETORNÁVEIS 1 SIMULAÇÃO APLICADA EM PROJETOS DE LINHAS DE MONTAGEM COM PALLETS RETORNÁVEIS 1 Leonardo Chwif Sinopse Simulate Tecnologia de Simulação Ltda Travessa R, n o 400, sala 19, Prédio Cietec 05508-900, São Paulo,

Leia mais

CLUSTER DE ALTA DISPONIBILIDADE COM ARQUITETURA HEARTBEAT

CLUSTER DE ALTA DISPONIBILIDADE COM ARQUITETURA HEARTBEAT Revista Rios Eletrônica - Revista Científica da Fasete ano 2 n. 2 dezembro de 2008 CLUSTER DE ALTA DISPONIBILIDADE Bacharelando do curso de Sistemas de Informação da Faculdade Sete de Setembro FASETE RESUMO

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos Introdução a Sistemas Distribuídos Definição: "Um sistema distribuído é uma coleção de computadores autônomos conectados por uma rede e equipados com um sistema de software distribuído." "Um sistema distribuído

Leia mais

Introdução. Uso do disco Vantagens Desvantagens Baixo custo, facilidade de manutenção do software e do hardware, simetria e flexibilidade

Introdução. Uso do disco Vantagens Desvantagens Baixo custo, facilidade de manutenção do software e do hardware, simetria e flexibilidade Introdução É sabido que os processos rodam em processadores. Nos sistemas tradicionais existe somente um único processador, de forma que não há dúvida a respeito de como ele deve ser usado. Em um sistema

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 3 Virtualização de Sistemas 1. Conceito Virtualização pode ser definida

Leia mais

Identificação rápida de gargalos Uma forma mais eficiente de realizar testes de carga. Um artigo técnico da Oracle Junho de 2009

Identificação rápida de gargalos Uma forma mais eficiente de realizar testes de carga. Um artigo técnico da Oracle Junho de 2009 Identificação rápida de gargalos Uma forma mais eficiente de realizar testes de carga Um artigo técnico da Oracle Junho de 2009 Identificação rápida de gargalos Uma forma mais eficiente de realizar testes

Leia mais

I Jornada de Pesquisa e Extensão Trabalhos Científicos

I Jornada de Pesquisa e Extensão Trabalhos Científicos I Jornada de Pesquisa e Extensão Trabalhos Científicos LABORATÓRIO DE CONVERGÊNCIA DE MÍDIAS PROJETO DE CRIAÇÃO DE UM NOVO AMBIENTE DE APRENDIZADO COM BASE EM REDES DIGITAIS. 1 Palavras-chave: Convergência,

Leia mais

projetos de automação

projetos de automação Utilização de técnicas de simulação para desenvolvimento, testes e validação de projetos de automação doi: 10.4322/tmm.00401004 Eduardo Ferreira de Freitas 1 Marcos de Oliveira Fonseca 2 Rodrigo Madeira

Leia mais

2 Atualidade de uma base de dados

2 Atualidade de uma base de dados 2 Atualidade de uma base de dados Manter a atualidade de uma base de dados é um problema que pode ser abordado de diferentes maneiras. Cho e Garcia-Molina [CHO] definem esse problema da seguinte forma:

Leia mais

Centro Universitário de Mineiros Sistemas de Informação Segurança e Auditoria de Sistemas

Centro Universitário de Mineiros Sistemas de Informação Segurança e Auditoria de Sistemas Centro Universitário de Mineiros Sistemas de Informação Segurança e Auditoria de Sistemas milenaresende@fimes.edu.br http://professor.fimes.edu.br/milena/ Presidência Executiva Auditoria de Sistemas Diretoria

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 5 Servidores de Aplicação

Leia mais

AVALIAÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA DO QUADRO DE SERVIDORES DA COTEC

AVALIAÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA DO QUADRO DE SERVIDORES DA COTEC MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA Coordenação-Geral de Administração e Tecnologia da Informação Coordenação

Leia mais

Universidade Federal de Alfenas

Universidade Federal de Alfenas Universidade Federal de Alfenas Projeto e Análise de Algoritmos Aula 04 Introdução a Análise de Algoritmos humberto@bcc.unifal-mg.edu.br Última aula Fundamentos de Matemática Exercícios: Somatórios; Logaritmos

Leia mais

Gerência de Redes. Profa. Márcia Salomão Homci mhomci@hotmail.com

Gerência de Redes. Profa. Márcia Salomão Homci mhomci@hotmail.com Gerência de Redes Profa. Márcia Salomão Homci mhomci@hotmail.com Plano de Aula Histórico Introdução Gerenciamento de Redes: O que é Gerenciamento de Redes? O que deve ser gerenciado Projeto de Gerenciamento

Leia mais

Revista Manutenção y Qualidade

Revista Manutenção y Qualidade Revista Manutenção y Qualidade SIMPLIFICANDO O GERENCIAMENTO DA MANUTENÇÃO USANDO O MMS Marcelo Albuquerque de Oliveira Instituto Nokia de Tecnologia Rod. Torquato Tapajós 7200 69093-415 Manaus-AM Marcelo.a.oliveira@indt.org.br

Leia mais

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS Cilene Loisa Assmann (UNISC) cilenea@unisc.br Este estudo de caso tem como objetivo trazer a experiência de implantação

Leia mais

FIREWALL. Prof. Fabio de Jesus Souza. fabiojsouza@gmail.com. Professor Fabio Souza

FIREWALL. Prof. Fabio de Jesus Souza. fabiojsouza@gmail.com. Professor Fabio Souza FIREWALL Prof. Fabio de Jesus Souza fabiojsouza@gmail.com Professor Fabio Souza O que são Firewalls? Os firewalls são sistemas de segurança que podem ser baseados em: um único elemento de hardware; um

Leia mais

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 60 h 1º Evolução histórica dos computadores. Aspectos de hardware: conceitos básicos de CPU, memórias,

Leia mais

Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço.

Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço. O que se deve considerar no planejamento de uma rede multi-serviço? Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço. Jorge Moreira de Souza Doutor em Informática

Leia mais

APLICAÇÃO DA EAP NAS ETAPAS DE UM PROJETO DE SIMULAÇÃO A EVENTOS DISCRETOS EM UMA FÁBRICA DE LATICÍNIOS

APLICAÇÃO DA EAP NAS ETAPAS DE UM PROJETO DE SIMULAÇÃO A EVENTOS DISCRETOS EM UMA FÁBRICA DE LATICÍNIOS APLICAÇÃO DA EAP NAS ETAPAS DE UM PROJETO DE SIMULAÇÃO A EVENTOS DISCRETOS EM UMA FÁBRICA DE LATICÍNIOS Tabata Fernandes Pereira (UNIFEI) tabatafp@gmail.com Rafael de Carvalho Miranda (UNIFEI) rafaelc.miranda@yahoo.com.br

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

ANÁLISE DA CONSERVAÇÃO PÓS-COLHEITA DA ALFACE (Lactuca Sativa, L) UTILIZANDO O SISTEMA DE APOIO À TOMADA DE DECISÃO BKD

ANÁLISE DA CONSERVAÇÃO PÓS-COLHEITA DA ALFACE (Lactuca Sativa, L) UTILIZANDO O SISTEMA DE APOIO À TOMADA DE DECISÃO BKD ANÁLISE DA CONSERVAÇÃO PÓS-COLHEITA DA ALFACE (Lactuca Sativa, L) UTILIZANDO O SISTEMA DE APOIO À TOMADA DE DECISÃO BKD RESUMO Thereza P. P. Padilha Fabiano Fagundes Conceição Previero Laboratório de Solos

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE DE HELP DESK. Frederico Calazans Barbosa UBC - Universidade Braz Cubas Mogi das Cruzes/ SP

SISTEMA DE CONTROLE DE HELP DESK. Frederico Calazans Barbosa UBC - Universidade Braz Cubas Mogi das Cruzes/ SP SISTEMA DE CONTROLE DE HELP DESK Frederico Calazans Barbosa UBC - Universidade Braz Cubas Mogi das Cruzes/ SP Antonio Carlos da Cunha Migliano UBC - Universidade Braz Cubas Mogi das Cruzes/ SP RESUMO Este

Leia mais

MCITP: ENTERPRISE ADMINISTRATOR

MCITP: ENTERPRISE ADMINISTRATOR 6292: INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO WINDOWS 7, CLIENT Objetivo: Este curso proporciona aos alunos o conhecimento e as habilidades necessárias para instalar e configurar estações de trabalho utilizando a

Leia mais

Computação em cluster

Computação em cluster Computação em cluster Por Marcos Pitanga em 30 de maio de 2003 Introdução Este artigo tem por finalidade dar ao leitor uma visão mais integrada do que vem a ser a computação em cluster e como esta a cada

Leia mais

Modelos e Arquiteturas de Sistemas Computacionais

Modelos e Arquiteturas de Sistemas Computacionais Modelos e Arquiteturas de Sistemas Computacionais Prof. Ricardo J. Rabelo UFSC Universidade Federal de Santa Catarina DAS Departamento de Automação e Sistemas SUMÁRIO Importância da definição da Arquitetura

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO SQUID E DANSGUARDIAN COMO SERVIÇOS DE PROXY E FILTRO DE CONTEÚDO EM UM SERVIDOR DE SAÍDA

UTILIZAÇÃO DO SQUID E DANSGUARDIAN COMO SERVIÇOS DE PROXY E FILTRO DE CONTEÚDO EM UM SERVIDOR DE SAÍDA Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 UTILIZAÇÃO DO SQUID E DANSGUARDIAN COMO SERVIÇOS DE PROXY E FILTRO DE CONTEÚDO EM UM SERVIDOR DE SAÍDA Cláudio Leones Bazzi

Leia mais

PROJETO: CONSOLIDAÇÃO DA MODELAGEM PREVISÃO NUMÉRICA DO TEMPO DO INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET) TERMO DE REFERÊNCIA

PROJETO: CONSOLIDAÇÃO DA MODELAGEM PREVISÃO NUMÉRICA DO TEMPO DO INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET) TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO: CONSOLIDAÇÃO DA MODELAGEM PREVISÃO NUMÉRICA DO TEMPO DO INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET) TERMO DE REFERÊNCIA Perfil: TI - SEPNUM (Pleno) 1. HISTÓRICO No Brasil, o uso da informação meteorológica

Leia mais

SAD orientado a MODELO

SAD orientado a MODELO Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Sistemas de Informação Prof.: Maico Petry SAD orientado a MODELO DISCIPLINA: Sistemas de Apoio a Decisão SAD Orientado a Modelo De acordo com ALTER

Leia mais

03.05.11 SIMULAÇÃO. Arq. Giovanna Ronzani Borille, M.Sc. (ronzani@ita.br)

03.05.11 SIMULAÇÃO. Arq. Giovanna Ronzani Borille, M.Sc. (ronzani@ita.br) 03.05.11 SIMULAÇÃO Arq. Giovanna Ronzani Borille, M.Sc. (ronzani@ita.br) roteiro da aula TEORIA PRÁTICA LAB conceitos Algumas definições SIMULAÇÃO: técnica de solução de um problema análise de um modelo

Leia mais

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes EN-3610 Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes Aula 01 Introdução Prof. João Henrique Kleinschmidt Santo André, julho de 2013 Roteiro PARTE I Apresentação da Disciplina Apresentação do Professor Metodologia

Leia mais

Revisão da Literatura Tema 2. Mestranda: Arléte Kelm Wiesner

Revisão da Literatura Tema 2. Mestranda: Arléte Kelm Wiesner Revisão da Literatura Tema 2 Mestranda: Arléte Kelm Wiesner Sistema Termo utilizado em muitas situações Prado (2014) afirma que: Sistema é uma agregação de objetos que têm alguma interação ou interdependência.

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid)

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS PROMOVE DE BRASÍLIA PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

FACULDADES INTEGRADAS PROMOVE DE BRASÍLIA PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADES INTEGRADAS PROMOVE DE BRASÍLIA PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA SOLUÇÃO SISTÊMICA BASEADA EM CÓDIGO ABERTO PARA DEFESA E MITIGAÇÃO DE ATAQUES À APLICAÇÕES WEB. DANIEL ALMEIDA DE PAULA BRASÍLIA

Leia mais

MODELO DE AVALIAÇÃO EM PROJETOS DE INVESTIMENTO DE CAPITAL

MODELO DE AVALIAÇÃO EM PROJETOS DE INVESTIMENTO DE CAPITAL MODELO DE AVALIAÇÃO EM PROJETOS DE INVESTIMENTO DE CAPITAL Marcelo Maciel Monteiro Universidade Federal Fluminense, Engenharia de Produção Rua Martins Torres 296, Santa Rosa, Niterói, RJ, Cep 24240-700

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Identificação do Curso Nome do Curso: Sistemas de Informação Titulação: Bacharelado Modalidade de ensino: Presencial

Leia mais

UFF-Fundamentos de Sistemas Multimídia. Redes de Distribuição de Conteúdo (CDN)

UFF-Fundamentos de Sistemas Multimídia. Redes de Distribuição de Conteúdo (CDN) Redes de Distribuição de Conteúdo (CDN) Objetivos da Apresentação Apresentar as arquiteturas de Redes de Distribuição de Conteúdo (CDN) com a ilustração de aplicações em ambientes corporativos e residenciais.

Leia mais

VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM IMPLANTAÇÃO DA SUITE DE FERRAMENTAS

VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM IMPLANTAÇÃO DA SUITE DE FERRAMENTAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM IMPLANTAÇÃO DA SUITE DE FERRAMENTAS PARA APOIO AO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB PARA VISUALIZAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DOS DADOS CLIMATOLÓGICOS DO CPTEC/INPE

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB PARA VISUALIZAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DOS DADOS CLIMATOLÓGICOS DO CPTEC/INPE DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB PARA VISUALIZAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DOS DADOS CLIMATOLÓGICOS DO CPTEC/INPE Luciana Maria de Castro Mira¹, Bianca Antunes de S. R. Alves 2, Ana Paula Tavares 3, Luíz Henrique

Leia mais

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Projeto de Sistemas Distribuídos Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Agenda Introdução Exemplos de Sistemas Distribuídos Compartilhamento de Recursos e a Web Principais Desafios para a Implementação

Leia mais

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO Intranets FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO As intranets são redes internas às organizações que usam as tecnologias utilizadas na rede mundial

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO EM PROJETOS DE SIMULAÇÃO: UMA ABORDAGEM DA ESPIRAL DO CONHECIMENTO

GESTÃO DO CONHECIMENTO EM PROJETOS DE SIMULAÇÃO: UMA ABORDAGEM DA ESPIRAL DO CONHECIMENTO GETÃO DO COHECIMETO EM PROJETO DE IMULAÇÃO: UMA ABORDAGEM DA EPIRAL DO COHECIMETO Tabata Fernandes Pereira (UIFEI ) tabatafp@gmail.com Jose Arnaldo Barra Montevechi (UIFEI ) montevechi@unifei.edu.br Rafael

Leia mais

Ferramenta Colaborativa para Groupware

Ferramenta Colaborativa para Groupware Ferramenta Colaborativa para Groupware Rodolpho Brock UFSC Universidade Federal de Santa Catarina INE Deparrtamento de Informática e Estatística Curso de Graduação em Sistema de Informação rbrock@inf.ufsc.br

Leia mais

Análise de Desempenho de um SGBD para Aglomerado de Computadores

Análise de Desempenho de um SGBD para Aglomerado de Computadores Análise de Desempenho de um SGBD para Aglomerado de Computadores Diego Luís Kreutz, Gabriela Jacques da Silva, Hélio Antônio Miranda da Silva, João Carlos Damasceno Lima Curso de Ciência da Computação

Leia mais

PROJETO: CONSOLIDAÇÃO DA MODELAGEM PREVISÃO NUMÉRICA DO TEMPO NO INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET) TERMO DE REFERÊNCIA

PROJETO: CONSOLIDAÇÃO DA MODELAGEM PREVISÃO NUMÉRICA DO TEMPO NO INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET) TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO: CONSOLIDAÇÃO DA MODELAGEM PREVISÃO NUMÉRICA DO TEMPO NO INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET) TERMO DE REFERÊNCIA 1 PERFIL CÓDIGO TI PLENO PRODUTO 01: Capacidade do INMET de aperfeiçoar e

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

Título: De Olho na Produção

Título: De Olho na Produção Título: De Olho na Produção Resumo O De Olho na Produção trata-se de um sistema inovador de gestão de informação que tem por premissas: projetar a chegada dos vagões até os pontos de carregamento e descarga,

Leia mais

Tecnologia da Informação Aplicada a Gerenciamento de Acervo Documental Histórico

Tecnologia da Informação Aplicada a Gerenciamento de Acervo Documental Histórico Tecnologia da Informação Aplicada a Gerenciamento de Acervo Documental Histórico Kayo Delgado Medeiros de Almeida¹, Elon Gomes Vieira 2, Carlos Vitor de Alencar Carvalho 3, Magno Fonseca Borges 4, José

Leia mais

SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO

SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO FACSENAC SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO Projeto Lógico de Rede Versão: 1.2 Data: 25/11/2011 Identificador do documento: Documento de Visão V. 1.7 Histórico de revisões Versão Data Autor Descrição 1.0 10/10/2011

Leia mais

Uma Proposta de Tecnologia Embarcada na Internação Domiciliar Capítulo 5 Conclusões 133

Uma Proposta de Tecnologia Embarcada na Internação Domiciliar Capítulo 5 Conclusões 133 Capítulo 5 Conclusões 133 CAPÍTULO 5 CONCLUSÕES Neste capítulo são abordadas as conclusões traçadas no desenvolvimento e validação do SMD, e indicação de estudos futuros. Ressalta-se o atendimento aos

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE PESQUISA OPERACIONAL

ESTRATÉGIAS DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE PESQUISA OPERACIONAL ESTRATÉGIAS DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE PESQUISA OPERACIONAL André Luis Trevisan Universidade Tecnológica Federal do Paraná andrelt@utfpr.edu.br Magna Natalia Marin Pires Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

CoNaIISI 2014 2º Congresso Nacional de Engenharia Informática / Sistemas de Informação

CoNaIISI 2014 2º Congresso Nacional de Engenharia Informática / Sistemas de Informação CoNaIISI 2014 2º Congresso Nacional de Engenharia Informática / Sistemas de Informação San Luis, 13 y 14 de Novembro de 2014 CHAMADA PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS O CoNaIISI é organizado pela rede de

Leia mais

Gerência de Redes Áreas Funcionais de Gerenciamento. Douglas Duarte ddsbdc@gmail.com

Gerência de Redes Áreas Funcionais de Gerenciamento. Douglas Duarte ddsbdc@gmail.com Gerência de Redes de Gerenciamento Douglas Duarte ddsbdc@gmail.com de Gerenciamento Gerenciamento de Falhas; Gerenciamento de Desempenho; Gerenciamento de Contabilização; Gerenciamento de Configuração;

Leia mais

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML 2ª edição Eduardo Bezerra Editora Campus/Elsevier Capítulo 11 Arquitetura do sistema Nada que é visto, é visto de uma vez e por completo. --EUCLIDES

Leia mais

Avaliação de Desempenho de Sistemas

Avaliação de Desempenho de Sistemas Avaliação de Desempenho de Sistemas Introdução a Avaliação de Desempenho de Sistemas Prof. Othon M. N. Batista othonb@yahoo.com Roteiro Definição de Sistema Exemplo de Sistema: Agência Bancária Questões

Leia mais

1 http://www.google.com

1 http://www.google.com 1 Introdução A computação em grade se caracteriza pelo uso de recursos computacionais distribuídos em várias redes. Os diversos nós contribuem com capacidade de processamento, armazenamento de dados ou

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina X-015 - MONITORAMENTO VIA INTERNET DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO TIPO

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos 1 de 9 Sistemas Distribuídos O que é um sistema distribuído? Um conjunto de computadores autonomos a) interligados por rede b) usando um software para produzir uma facilidade de computação integrada. Qual

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Carlos Ferraz cagf@cin.ufpe.br Tópicos da Aula Apresentação do curso Introdução Definição de sistemas distribuídos Exemplo Vantagens e desvantagens Convergência digital Desafios Visão

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUIDOS

SISTEMAS DISTRIBUIDOS 1 2 Caracterização de Sistemas Distribuídos: Os sistemas distribuídos estão em toda parte. A Internet permite que usuários de todo o mundo acessem seus serviços onde quer que possam estar. Cada organização

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

Sistema de Administração da Produção

Sistema de Administração da Produção Sistema de Administração da Produção (Extraído do livro Planejamento, Programação e Controle da Produção Enrique Correa e Irineu Gianesi e Mauro Caon Ed Atlas, 2001) 1. Definição São sistemas de Informação

Leia mais

Aula 01 Introdução ao Gerenciamento de Redes

Aula 01 Introdução ao Gerenciamento de Redes Aula 01 Introdução ao Gerenciamento de Redes Leonardo Lemes Fagundes leonardo@exatas.unisinos.br São Leopoldo, 15 de outubro de 2004 Roteiro Apresentação da disciplina Objetivos Conteúdo programático Metodologia

Leia mais

GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS II

GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS II GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS II Servidores Definição Servidores História Servidores Tipos Servidores Hardware Servidores Software Evolução do Windows Server Windows Server 2003 Introdução Windows Server

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

MODELO CLIENTE SERVIDOR

MODELO CLIENTE SERVIDOR SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Modelo Cliente Servidor Modelo que estrutura um S.O. como um grupo de processos cooperantes, chamados servidores, que oferecem serviços a processos usuários, denominados clientes;

Leia mais

PROPOSTA DE MELHORIA PARA UMA UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO DE SAÚDE: UM ESTUDO DE CASO COM SUPORTE DE SIMULAÇÃO.

PROPOSTA DE MELHORIA PARA UMA UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO DE SAÚDE: UM ESTUDO DE CASO COM SUPORTE DE SIMULAÇÃO. PROPOSTA DE MELHORIA PARA UMA UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO DE SAÚDE: UM ESTUDO DE CASO COM SUPORTE DE SIMULAÇÃO. Aparecido Soares Filho (UFSCar/Sor) cidao_soares@hotmail.com Guilherme Tadeu Chiozzotto

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS Ciência da Computação 5ª série Sistemas Operacionais A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto

Leia mais

Modelagem e Simulação

Modelagem e Simulação AULA 11 EPR-201 Modelagem e Simulação Modelagem Processo de construção de um modelo; Capacitar o pesquisador para prever o efeito de mudanças no sistema; Deve ser próximo da realidade; Não deve ser complexo.

Leia mais