A Inserção da População do Rio de Janeiro no Mundo do Trabalho

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Inserção da População do Rio de Janeiro no Mundo do Trabalho"

Transcrição

1 A Inserção da População do Rio de Janeiro no Mundo do Trabalho Adriana Fontes Andréia Arpon Os efeitos da desaceleração da atividade econômica resultante da instabilidade internacional, elevação dos juros e racionamento de energia ainda não se manifestaram no mercado de trabalho da Região Metropolitana do Rio de Janeiro (RMRJ). A taxa de desemprego tem se mantido em patamares inferiores aos do ano passado, sendo que no Rio de Janeiro, apresenta o menor percentual dentre as maiores regiões metropolitanas, em torno de 4,4% da população economicamente ativa. A taxa sintetiza o comportamento da oferta e da demanda de trabalho. Verifica-se até julho de 2001 uma retração da oferta de trabalho (queda de 0,6% na população economicamente ativa) em relação ao mesmo período de 2000, resultante da menor proporção de pessoas participando do mercado de trabalho (queda da taxa de participação). Desta forma, a demanda de trabalho, apesar de não ter forte aquecimento (aumento de 0,8% no total de ocupados), mostrou-se suficiente para absorver a mão de obra sem gerar elevação da taxa de desemprego. Uma análise mais minuciosa mostra que o crescimento do nível de ocupação, na média até julho de 2001 em relação ao mesmo período do ano passado, foi muito influenciado pelo comportamento positivo do primeiro quadrimestre. Todavia, nos últimos três meses, o número de pessoas ocupadas ficou igual ou inferior ao do ano passado, o que pode ser indícios da desaceleração econômica. Além do crescimento do número de ocupados e da retração da taxa de desemprego, como podemos observar na Tabela 1, outros fenômenos ocorridos em 2001 devem ser enumerados: o avanço do emprego com carteira; a redução do número de desempregados; o crescimento do nível de rendimentos. Tabela 1 Principais Dados do Mercado de Trabalho - Média até Julho

2 Variação População em Idade Ativa ,9% População Economicamente Ativa ,6% Taxa de Participação 54,3% 53,0% -1,3 População Ocupada ,8% Taxa de Desemprego 5,8% 4,4% -1,4 Número de Desempregados ,5% Emprego com carteira ,3% Renda Real Média* R$ 690 R$ 707 2,5% Fonte: IETS, a partir de tabulações especiais da PME/IBGE. * Em reais de janeiro de Os dados de renda utilizados são até junho/01. O fato de a taxa de desemprego ser baixa e de ter ocorrido melhoria de alguns indicadores não significa, porém, que a situação do mercado de trabalho seja satisfatória. No imaginário coletivo, conseguir um emprego, sobretudo um "bom emprego", está cada vez mais difícil. O descompasso entre o que alguns indicadores mostram, como a baixa taxa de desemprego, e o que a população percebe está relacionado à informalidade e a dificuldade de inserção de alguns grupos (jovens, baixa escolaridade e mulheres). Apesar do expressivo crescimento do emprego com carteira assinada em 2001, essa forma de inserção já não representa a maioria dos ocupados como no início da década passada. O peso do emprego com carteira assinada na ocupação total da RMRJ é de 41,9%, segundo menor dentre as regiões metropolitanas. Na Região Metropolitana do Rio de Janeiro, o trabalho por conta própria tem funcionado como um colchão, no sentido em que o aumento da participação deste segmento na ocupação total tem sido a principal contrapartida da queda do emprego com carteira de trabalho assinada. No primeiro semestre deste ano, mais de 27% dos ocupados no Rio eram trabalhadores autônomos. Vale destacar que essa forma de inserção continuou aumentando em 2000 e 2001 apesar do aumento do emprego com carteira assinada, o que significa dizer que a dinâmica do trabalho autônomo pode não estar atrelada à queda do emprego formal. Composição da Ocupação por Região Metropolitana (Média do 1º semestre de 2001) Funcionários públicos Emprego com Emprego sem carteira Trabalho Empregadores por conta Rio Belo de Horizonte Janeiro 10,4% 8,4% 41,9% 46,6% 15,9% 18,3% 27,1% 21,5% 4,0% 4,7% São Recife Paulo 6,1% 8,1% 46,6% 41,1% 21,7% 21,1% 20,2% 25,1% 4,5% 3,2% Porto Salvador Alegre 7,8% 6,5% 49,0% 43,8% 14,7% 18,9% 22,9% 27,5% 4,7% 2,7%

3 Porto Alegre 7,8% 49,0% 14,7% 22,9% 4,7% Belo Horizonte 8,4% 46,6% 18,3% 21,5% 4,7% Recife 8,1% 41,1% 21,1% 25,1% 3,2% Salvador 6,5% 43,8% 18,9% 27,5% 2,7% Brasil Metropolitano 7,7% 45,1% 19,1% 23,0% 4,2% Fonte: IETS, a partir de tabulações especiais da PME/IBGE e da Pesquisa Sócio- Econômica em Comunidades de Baixa Renda (PCBR/SCIENCE) Este mesmo fenômeno não se repete em São Paulo, onde o emprego sem carteira assinada tem desempenhado este papel. Essa diferenciação do comportamento do mercado de trabalho das duas principais Regiões Metropolitanas do país está relacionada a suas estruturas produtivas, mais centrada na indústria em São Paulo e nos serviços no Rio de Janeiro. Já o emprego sem carteira absorve uma parcela inferior de 16% do total de ocupados no Rio de Janeiro, tendo apresentado retração no último ano. É importante frisar que essa forma de inserção é a mais precária, pois o trabalhador está subordinado a um patrão sem ter acesso a nenhum direito trabalhista e, ainda, possui rendimentos médios menores, como veremos em seguida. Em todas as regiões metropolitanas o emprego sem carteira assinada é a forma de inserção que remunera pior, sendo que na RMRJ, em média, tem rendimentos 40% inferiores aos dos empregados formalmente. Fonte: IETS, a partir de tabulações especiais da PME/IBGE. Já os trabalhadores por conta própria auferem rendimentos bem mais próximos aos dos empregados formalmente, porém ainda inferiores. No caso do Rio de Janeiro essa diferença é de 16%, sendo que em Porto Alegre cai para apenas 1%. Poderia se intuir que essa menor distância se deve ao fato do trabalho autônomo ser extremamente heterogêneo e incluir desde

4 trabalho autônomo ser extremamente heterogêneo e incluir desde ocupações mais precárias até consultores de empresas, que distorceriam a média. Há indícios, no entanto, de que esse último grupo de ocupações de alta qualificação constitui uma parcela irrisória (0,1%) do total de trabalhadores por conta própria. Uma pesquisa feita em 52 comunidades carentes do Rio de Janeiro, no entanto, identificou que os trabalhadores por conta própria residentes em comunidades de baixa renda, grupo que tende a ser mais homogêneo, ao contrário do que ocorre para o total da região metropolitana, auferem rendimentos, em média, 14 % superiores aos dos empregados com carteira assinada. Isso vem relativizar a noção de que o emprego com carteira assinada sempre gera rendimentos mais altos. O bom desempenho do mercado de trabalho é ainda menos percebido por alguns grupos que apresentam maiores dificuldades de inserção. Dificuldades essas que se traduzem em altas taxas de desemprego, rendimentos baixos e/ou grande informalidade. Esses grupos são compostos por jovens, mulheres e trabalhadores com baixa escolaridade e serão analisados a seguir. Mulheres As mulheres vêm se inserindo no mercado de trabalho de forma crescente e a sua participação na população economicamente ativa da Região Metropolitana do Rio de Janeiro já chega a 40%. A inserção produtiva ocorre de forma diferenciada à dos homens, tanto em termos de quantidade como de qualidade. As mulheres são mais prejudicadas na busca por trabalho, tendo em vista que a taxa de desemprego desse grupo, apesar da significativa retração ocorrida nesse ano, é mais elevada que a dos homens (4,8% contra 4,0%, respectivamente, na média do primeiro semestre). Além disso, elas já constituem cerca de 45% do total de desempregados na RMRJ. A queda do emprego com carteira, durante a última década, foi menor para mulheres que para homens, de forma que, em 2001, a representatividade desse tipo de ocupação é a mesma para homens e mulheres (em torno de 40% da população economicamente ativa de cada grupo). A resposta para a retração dos postos formais é que foi diferenciada por gênero: enquanto as mulheres aumentaram a sua participação no emprego sem carteira, os homens foram para o trabalho por conta própria. Fonte: IETS, a partir de tabulações especiais da PME/IBGE.

5 Fonte: IETS, a partir de tabulações especiais da PME/IBGE. Em termos de qualidade do trabalho, observa-se que a remuneração média das mulheres continua significativamente inferior à dos homens, embora o diferencial tenha diminuído de 60% para 44% ao longo da década passada. Através da análise do CAGED/MTE, observa-se que o diferencial foi ainda menor para as mulheres admitidas no mercado de trabalho formal, no primeiro semestre de 2001, contratadas por um salário 10% inferior ao dos homens. No entanto, verifica-se que as mulheres representaram apenas 36% do total de admitidos nesse período. Pode-se observar ainda as diferenças de salário para uma mesma profissão. As três ocupações que mais contratam mulheres no primeiro semestre do ano 2001, e que também são as que mais admitiram trabalhadores em geral, ofereceram salários inferiores ao dos homens. Enquanto os vendedores do comércio atacadista e varejista, os auxiliares de escritório e os trabalhadores da área de limpeza masculinos são contratados por um salário médio de R$327, R$665 e R$246, respectivamente, as mulheres são admitidas nessas mesmas ocupações por um salário médio de R$285, R$523 e R$226. Outro exemplo das diferenças existentes por gênero, é o baixo peso das mulheres nas ocupações que remuneram melhor. Diretor de empresas de transportes e comunicações é a ocupação que ofereceu, em média, o maior salário, sendo que 83% dos trabalhadores contratados eram homens e as poucas mulheres admitidas tinham um salário 27% inferior. Vale ressaltar que existem ocupações que oferecem salários mais elevados para mulheres que para homens, como, por exemplo, engenharia química. Essas profissões, porém, ainda constituem a minoria em relação ao total de mulheres contratadas. Em que pese os diferenciais estarem se reduzindo drasticamente, a inserção da mulher no mercado de trabalho ainda é pior que a dos homens, tanto em termos de qualidade (rendimentos mais baixos) como de quantidade (taxa de desemprego mais alta). Jovens O forte aumento da idade média da população economicamente ativa (PEA) é resultado do envelhecimento da população como um todo e da tendência de queda da taxa de participação dos grupos mais jovens. Menos de 10% da população com 15 a 17 anos está trabalhando ou procurando trabalho, percentual que apresentou queda contínua na última década (em 1991 era cerca de ¼ desse grupo). Isso pode ser explicado pela busca por escolarização aliada a dificuldades de inserção no mercado de trabalho, sobretudo, formal, como veremos em seguida. As pessoas com até 24 anos formam o grupo com a maior taxa de desemprego (10,3%) da RMRJ. Enquanto essas pessoas representam apenas 17% da PEA e da ocupação, são mais de

6 representam apenas 17% da PEA e da ocupação, são mais de 40% do total de desempregados. O forte peso dos jovens no desemprego pode estar relacionado a grande dificuldade de conseguir o primeiro emprego. Apesar da juventude ser valorizada no momento da contratação, a falta de experiência constitui um fator negativo com maior influência. Os jovens de 15 a 24 anos que conseguiram o primeiro emprego foram apenas 11% do total de admissões formais, na RMRJ. A inserção dos trabalhadores mais jovens (15 a 17 anos) é predominantemente precária. Há baixa representatividade do emprego com carteira assinada para esse grupo, dado que apenas 20% dessa faixa etária estão no mercado formal. O mesmo não ocorre na faixa etária imediatamente posterior, já que 42% dos jovens com 18 a 24 anos trabalhavam com carteira assinada no primeiro semestre de O fato que merece maior destaque na análise dos jovens é a grande inserção desse grupo no emprego sem carteira, maior que em qualquer outra faixa etária. Já o trabalho por conta própria não é tão representativo, o que vem confirmar a necessidade de uma certa experiência anterior para esse tipo de ocupação. Fonte: IETS, a partir de tabulações especiais da PME/IBGE. Em relação à qualidade da ocupação, mais especificamente os rendimentos recebidos, observa-se uma relação diretamente proporcional entre idade e renda. O maior ganho de renda ocorre nas faixas mais jovens quando a renda cresce 71% entre o grupo de 15 a 17 anos (R$ 213,00) e aqueles com 18 a 24 e 56% deste para os trabalhadores com 25 a 29 anos (R$ 568,00). A partir daí os ganhos são bem inferiores estabilizando em torno de 20% de uma faixa etária para a outra. Evidencia-se, desta forma, uma tendência decrescente dos ganhos de rendimentos. O baixo nível de rendimentos dos jovens é influenciado pelo grande peso do emprego sem carteira pior forma de remuneração. Porém, não se resume a isso, dado que a diferenciação salarial se confirma no mercado de trabalho formal.

7 diferenciação salarial se confirma no mercado de trabalho formal. Os trabalhadores que possuíam entre 15 e 17 anos e 18 a 24 foram contratados com um salário médio de R$ 222,00 e R$ 343,00, respectivamente, enquanto o menor salário de admissão entre as outras faixas etárias foi de R$ 506,00. A falta de experiência também se traduz em salários inferiores em atividades idênticas. Vendedores do comércio varejista e atacadista foi à ocupação que mais admitiu jovens entre 18 e 24 anos, oferecendo um salário médio de R$ 265,00, enquanto que os trabalhadores com 25 a 29 anos foram contratados nesta mesma ocupação com salários quase 20% superiores. Fatores como o reconhecimento da importância crescente de escolarização associado a uma alta taxa de desemprego e uma inserção precária no mercado de trabalho em grande parte, emprego sem carteira assinada com baixos rendimentos, tem feito com que os jovens retardem seu ingresso no mercado de trabalho, o que é constatado pela queda brusca da taxa de participação deste grupo. Escolaridade para aqueles que possuem baixa escolaridade Outro fenômeno marcante tem sido o forte aumento da escolaridade da força de trabalho. O fato está associado tanto à tendência de escolarização da população como um todo como à redução da participação das pessoas com escolaridade baixa no mercado de trabalho. O percentual de pessoas menos escolarizadas na população economicamente ativa tem se reduzido muito: para os que não completaram nem um ano de estudo passou de 42% no início da década para 28% em Isso pode ser fruto de um desalento aliado a uma busca de escolarização. Nesse processo a profunda queda de jovens no mercado de trabalho analisada anteriormente tem grande peso. A taxa de desemprego das pessoas com até quatro anos de estudo é baixa em relação aos demais níveis de escolaridade, em torno de 3%. Isso não significa dizer que a escolaridade das pessoas desempregadas na RMRJ não seja um fato extremamente preocupante tendo em vista que 32% não completaram o primeiro grau. O peso do emprego com carteira assinada para aqueles com escolaridade mais baixa (com até quatro anos de estudo) é relativamente inferior aos outros níveis de escolaridade e absorve apenas 33% do total da PEA deste grupo. Já o trabalho autônomo é especialmente importante para aqueles com até quatro anos de estudo, tendo em vista que mais de 40% são trabalhadores por conta própria. Esse fato aliado à relevância desse tipo de inserção para faixas etárias mais elevadas confirma a hipótese de que a experiência é um fator mais predominante que a escolarização no trabalho por conta própria.

8 Fonte: IETS, a partir de tabulações especiais da PME/IBGE. A baixa formalização dos pouco escolarizados é confirmada através das informações sobre movimentação de mão-de-obra formal do CAGED/MTE, onde o único grupo que apresentou mais demissões que contratações foram, justamente, os menos escolarizados. Há uma tendência de expulsão dessas pessoas do mercado de trabalho formal, e a contrapartida tem sido a realização de atividades por conta própria. Os menos escolarizados, além de estarem sendo preteridos na hora da contratação, recebem salários mais baixos. O diferencial em função da escolarização, apesar de ter reduzido sensivelmente na última década, chega a cinco vezes entre os analfabetos e aqueles que ao menos entraram na Universidade. Fonte: IETS, a partir de tabulações especiais da PME/IBGE. Os dados gerais de ocupação assim como os de emprego formal, confirmam que ocorrem ganhos de renda com aumento da escolaridade, sendo que só ocorrem de forma expressiva com a obtenção do primeiro grau completo (26%), do segundo grau completo (47%) e, sobretudo, para os que ao menos ingressaram na Universidade (145%). Evidencia-se desta forma a importância da obtenção do diploma para o crescimento da renda. Vale ressaltar que as ocupações da área de conservação e

9 Vale ressaltar que as ocupações da área de conservação e limpeza e construção civil - as que mais contratam trabalhadores com até quatro anos de estudo - apesar de não apresentarem grande diferenciação entre os níveis de escolaridade, oferecem baixos salários médios de admissão (R$ 235 e R$ 371, respectivamente). A contração dos postos de trabalho e os baixos salários no mercado de trabalho formal para os trabalhadores que possuem baixa escolaridade têm feito com que o trabalho por conta própria, apresente-se como principal alternativa. Estratégias que visem a melhoria das condições de vida da população devem atuar em várias frentes. No tocante ao mercado de trabalho formal deve-se buscar não só o casamento eficaz da oferta e da demanda de mão-de-obra, mas também o aumento da empregabilidade, sobretudo, dos grupos mais fragilizados como os jovens, as pessoas pouco escolarizadas, as mulheres e os residentes em comunidades de baixa renda. A formação, seja ela geral e/ou profissional, é elemento fundamental nesse processo. Os esforços, porém, não podem se esgotar por aí, pois há que se pensar em alternativas para aqueles não empregáveis. Tendo em vista que o emprego formal, sobretudo na nas grandes empresas, atende uma parcela cada vez menor da população, outras possibilidades de reprodução têm sido geradas e devem ser apoiadas. Incentivos a novos empreendimentos e apoio aos já existentes sejam micro, pequenos ou trabalhadores autônomos, devem sustentar-se em ações de capacitação, transferência de tecnologia e acesso ao crédito. PAINEL DA CAT/SDS A Central de Apoio ao Trabalhador (CAT), de janeiro a agosto de 2001, captou mais de 71 mil vagas no Rio de Janeiro, com um salário médio de R$ 389,83. O número de pessoas inscritas para tentar conseguir um posto de trabalho foi de mais de 90 mil, nesse período, e cerca de 26,3 mil trabalhadores foram colocados no mercado de trabalho.

10 Desagregando as vagas ofertadas e os trabalhadores colocados de acordo com as características pessoais requeridas pelo empregador, se confirma a diferenciação entre alguns grupos. No que se refere à análise por gênero, 43% das vagas não fazem distinção de sexo, ou seja, aceitam homens ou mulheres e oferecem um salário médio de R$ 431. Do restante das vagas, apenas 12% exigem somente mulheres, enquanto que 45% só aceitam homens, sendo que o salário médio oferecido às mulheres é 12% inferior ao dos homens. Porém, a mão-de-obra feminina é claramente preterida, uma vez que apenas 36% dos trabalhadores colocados nos primeiros oito meses desse ano são mulheres. A idéia de que o jovem possui maior dificuldade de inserção no mercado de trabalho formal fica comprovada quando observa-se que apenas 8% dos trabalhadores colocados através da CAT tinham menos de 20 anos. Além disso, o salário médio das vagas oferecidas aos trabalhadores com até 30 anos é de R$ 285, ou seja, 27% inferior ao salário médio total. Com relação à escolaridade, 30% dasagas aceitavam até trabalhadores sem o primeiro grau completo e ofereciam um salário médio de R$ 309. Porém, esta impressão, de baixa exigência de escolaridade, se desfaz quando verifica-se que na hora da contratação apenas 16% dos trabalhadores colocados tinham o primeiro grau incompleto.os diferenciais salariais também se confirmam, dado que o salário médio oferecido para esse grupo foi 80% inferior ao oferecido para os trabalhadores com terceiro grau completo.

REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA Especial 8 de Março Dia Internacional da Mulher

REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA Especial 8 de Março Dia Internacional da Mulher REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA Especial 8 de Março Dia Internacional da Mulher Edição Especial INSERÇÃO DAS MULHERES DE ENSINO SUPERIOR NO MERCADO DE TRABALHO Introdução De maneira geral, as mulheres

Leia mais

Situação do jovem no mercado de trabalho no Brasil: um balanço dos últimos 10 anos 1

Situação do jovem no mercado de trabalho no Brasil: um balanço dos últimos 10 anos 1 Situação do jovem no mercado de trabalho no Brasil: um balanço dos últimos 1 anos 1 Marcio Pochmann 2 São Paulo fevereiro de 2.7. 1 Texto preliminar, sujeito a modificações. Situação do jovem no mercado

Leia mais

O JOVEM COMERCIÁRIO: TRABALHO E ESTUDO

O JOVEM COMERCIÁRIO: TRABALHO E ESTUDO O JOVEM COMERCIÁRIO: TRABALHO E ESTUDO O comércio sempre foi considerado como porta de entrada para o mercado de trabalho sendo, assim, um dos principais setores econômicos em termos de absorção da população

Leia mais

PEQUENOS NEGÓCIOS E A BUSCA POR TRABALHO

PEQUENOS NEGÓCIOS E A BUSCA POR TRABALHO PEQUENOS NEGÓCIOS NOTA CONJUNTURAL MARÇO DE 2014 Nº30 E A BUSCA POR NOTA CONJUNTURAL MARÇO DE 2014 Nº30 PANORAMA GERAL As razões para que um indivíduo abra um pequeno negócio são diversas. Não obstante,

Leia mais

PERFIL DO MICROEMPREENDEDOR

PERFIL DO MICROEMPREENDEDOR PERFIL DO MICROEMPREENDEDOR do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, DEZEMBRO DE 2011 06 2011 PANORAMA GERAL Os microempreendedores

Leia mais

PERFIL DAS MULHERES empreendedoras da Região Metropolitana do Rio de Janeiro

PERFIL DAS MULHERES empreendedoras da Região Metropolitana do Rio de Janeiro PERFIL DAS MULHERES empreendedoras da Região Metropolitana do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JUNHO DE 2012 12 2012 PANORAMA GERAL

Leia mais

A INSERÇÃO DOS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO EM 2012

A INSERÇÃO DOS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO EM 2012 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE NOVEMBRO DE 2013 A INSERÇÃO DOS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO EM 2012 Em comemoração ao dia 20 de novembro, Dia da Consciência

Leia mais

PED - PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA CIDADE DE SANTOS

PED - PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA CIDADE DE SANTOS PED - PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA CIDADE DE SANTOS MARÇO-2009 OBJETIVO Os principais objetivos desta pesquisa são: conhecer e divulgar a situação do emprego e desemprego na cidade de Santos, de

Leia mais

A população negra ainda convive com patamares de desemprego mais elevado

A população negra ainda convive com patamares de desemprego mais elevado OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2011 OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS A população negra ainda convive com patamares de desemprego mais elevado A população

Leia mais

SETOR DE COSMÉTICOS E BELEZA: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro

SETOR DE COSMÉTICOS E BELEZA: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro SETOR DE COSMÉTICOS E BELEZA: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, OUTUBRO DE 2012 16 2012 PANORAMA

Leia mais

Algumas características da inserção das mulheres no mercado de trabalho

Algumas características da inserção das mulheres no mercado de trabalho 1 Pesquisa Mensal de Emprego Algumas características da inserção das mulheres no mercado de trabalho Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre 2003-2008 Rio de Janeiro

Leia mais

A inserção do negro no mercado de trabalho no Distrito Federal

A inserção do negro no mercado de trabalho no Distrito Federal PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL A inserção do negro no mercado de trabalho no Novembro de 2011 A discussão sobre trabalho decente, capitaneada pela Organização Internacional do Trabalho

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2010 MULHER NO MERCADO DE TRABALHO: PERGUNTAS E RESPOSTAS A Pesquisa Mensal de Emprego PME, implantada em 1980, produz indicadores

Leia mais

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2012 A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS A sociedade brasileira comemora, no próximo dia 20 de novembro, o Dia da

Leia mais

REDUÇÃO DO DESEMPREGO NÃO DIMINUIU DESIGUALDADE ENTRE HOMENS E MULHERES NO MERCADO DE TRABALHO

REDUÇÃO DO DESEMPREGO NÃO DIMINUIU DESIGUALDADE ENTRE HOMENS E MULHERES NO MERCADO DE TRABALHO A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO METROPOLITANO Março de 2008 REDUÇÃO DO DESEMPREGO NÃO DIMINUIU DESIGUALDADE ENTRE HOMENS E MULHERES NO MERCADO DE TRABALHO Para subsidiar o debate sobre a inserção feminina

Leia mais

no mercado de trabalho

no mercado de trabalho A Desigualdade de Gênero no mercado de trabalho Eugenia Troncoso Leone 1 Agradeço ao GT Gênero da Abep a oportunidade de participar desta mesa redonda e agradeço, principalmente, a Moema Guedes que me

Leia mais

OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, FEVEREIRO DE 2013

OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, FEVEREIRO DE 2013 NOTA CONJUNTURAL FORMALIZAÇÃO DOS PEQUENOS NEGÓCIOS no Estado do Rio de Janeiro OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, FEVEREIRO DE 2013 20 2013 PANORAMA GERAL No Brasil,

Leia mais

Emprego na Região Metropolitana de Campinas 1

Emprego na Região Metropolitana de Campinas 1 Emprego na Região Metropolitana de Campinas 1 Período: Março a Abril de PRINCIPAIS DESTAQUES Na RMC foram criados 10.646 novos postos de trabalho. O saldo de emprego acumulado em corresponde a 47% de todo

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO NO RJ: uma análise da PNAD de 2012

MERCADO DE TRABALHO NO RJ: uma análise da PNAD de 2012 MERCADO DE TRABALHO NO RJ: NOTA CONJUNTURAL OUTUBRO DE 2013 Nº25 uma análise da PNAD de 2012 NOTA CONJUNTURAL OUTUBRO DE 2013 Nº25 PANORAMA GERAL Ao acompanhar a evolução dos pequenos negócios no Estado

Leia mais

PESQUISA MENSAL DE EMPREGO

PESQUISA MENSAL DE EMPREGO PESQUISA MENSAL DE EMPREGO ESTIMATIVAS PARA O MÊS DE J ANE I R O DE 2004 REGIÕES METROPOLITANAS DE: RECIFE, SALVADOR, BELO HORIZONTE, RIO DE JANEIRO, SÃO PAULO e PORTO ALEGRE I) INTRODUÇÃO Para o primeiro

Leia mais

A inserção feminina no mercado de trabalho da RMPA

A inserção feminina no mercado de trabalho da RMPA A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE MARÇO - 2011 A inserção feminina no mercado de trabalho da RMPA De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

Mercado de Trabalho na Região Metropolitana de Campinas

Mercado de Trabalho na Região Metropolitana de Campinas Informativo Mensal Mercado de Trabalho na Região Metropolitana de Campinas Agosto / 2018 N o 1 Edição 1 /2018 PROFESSOR EXTENSIONISTA (): Profa. Dra. Eliane Navarro Rosandiski Destaques: 1. Em julho de

Leia mais

ANÁLISE DO EMPREGO E DESEMPREGO A PARTIR DO CADASTRO DA CAT Andréia Arpon* Adriana Fontes *

ANÁLISE DO EMPREGO E DESEMPREGO A PARTIR DO CADASTRO DA CAT Andréia Arpon* Adriana Fontes * ANÁLISE DO EMPREGO E DESEMPREGO A PARTIR DO CADASTRO DA CAT Andréia Arpon* Adriana Fontes * Pesquisas indicam que o desemprego é um dos maiores problemas, senão o maior, enfrentados pela população brasileira

Leia mais

O PROGRAMA AVALIAÇÃO ECONÔMICA DE PROJETOS SOCIAIS conta com a coordenação técnica da Gerência de Avaliação de Projetos do Itaú Unibanco.

O PROGRAMA AVALIAÇÃO ECONÔMICA DE PROJETOS SOCIAIS conta com a coordenação técnica da Gerência de Avaliação de Projetos do Itaú Unibanco. 1 2 O PROGRAMA AVALIAÇÃO ECONÔMICA DE PROJETOS SOCIAIS conta com a coordenação técnica da Gerência de Avaliação de Projetos do Itaú Unibanco. Equipe responsável pela avaliação: Itaú Unibanco: Lígia Vasconcellos

Leia mais

Informativo Mensal Mercado de Trabalho na Região Metropolitana de Campinas Agosto / 2018

Informativo Mensal Mercado de Trabalho na Região Metropolitana de Campinas Agosto / 2018 Informativo Mensal Mercado de Trabalho na Região Metropolitana de Campinas Agosto / 2018 No1 Edição 1 /2018 PROFESSOR EXTENSIONISTA: Profa. Dra. Eliane Navarro Rosandiski Destaques: 1. Em julho de 2018

Leia mais

MULHERES SOFREM MAIS COM O DESEMPREGO E GANHAM MENOS QUE OS HOMENS NA RMBH

MULHERES SOFREM MAIS COM O DESEMPREGO E GANHAM MENOS QUE OS HOMENS NA RMBH A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MARÇO - 2008 MULHERES SOFREM MAIS COM O DESEMPREGO E GANHAM MENOS QUE OS HOMENS NA RMBH A inserção ocupacional feminina no mercado

Leia mais

A DESIGUALDADE ENTRE NEGROS E NÃO-NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO, NO PERÍODO

A DESIGUALDADE ENTRE NEGROS E NÃO-NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO, NO PERÍODO OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE Novembro de 2009 A DESIGUALDADE ENTRE NEGROS E NÃO-NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO, NO PERÍODO As informações captadas pela Pesquisa de

Leia mais

EMPREGO E RENDA 2003 UM ANO DE DESEMPREGO E DE QUEDA ACENTUADA DO RENDIMENTO NOS GRANDES CENTROS URBANOS

EMPREGO E RENDA 2003 UM ANO DE DESEMPREGO E DE QUEDA ACENTUADA DO RENDIMENTO NOS GRANDES CENTROS URBANOS EMPREGO E RENDA 2003 UM ANO DE DESEMPREGO E DE QUEDA ACENTUADA DO RENDIMENTO NOS GRANDES CENTROS URBANOS Em dezembro, a pesquisa de emprego do IBGE registrou uma taxa de desocupação de 10,9%. Como é normal

Leia mais

MICROEMPREENDEDORES FORMAIS

MICROEMPREENDEDORES FORMAIS MICROEMPREENDEDORES FORMAIS NA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO: uma análise a partir da contribuição para Previdência NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO

Leia mais

ISSN INFORMATIVO MENSAL Ano 1 Número 17 Julho de 2001 APRESENTAÇÃO

ISSN INFORMATIVO MENSAL Ano 1 Número 17 Julho de 2001 APRESENTAÇÃO ISSN 19-9568 INFORMATIVO MENSAL Ano 1 Número 17 Julho de 1 APRESENTAÇÃO Este Boletim apresenta o comportamento do desemprego e dos rendimentos na Região Metropolitana de Belo Horizonte após os primeiros

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DO RIO GRANDE DO NORTE. Relatório 2: O Mercado de Trabalho Formal no Rio Grande do Norte

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DO RIO GRANDE DO NORTE. Relatório 2: O Mercado de Trabalho Formal no Rio Grande do Norte OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DO RIO GRANDE DO NORTE Relatório 2: O Mercado de Trabalho Formal no Rio Grande do Norte 1998-2007 Termo de Contrato Nº. 23/2008 Dezembro de 2008 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 3 I. ANÁLISE

Leia mais

Taxa de desemprego segue em alta em maio

Taxa de desemprego segue em alta em maio Taxa de desemprego segue em alta em maio Taxa de 6,5% representará o maior aumento em 12 meses desde 2003 A taxa de desemprego nas seis regiões metropolitanas acompanhadas pela PME/IBGE deve ficar em 6,5%

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO EM 2011

O MERCADO DE TRABALHO EM 2011 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DO DISTRITO FEDERAL Novembro de 2012 O MERCADO DE TRABALHO EM 2011 Em comemoração ao Dia Nacional da Consciência Negra Os dados da Pesquisa de Emprego e Desemprego podem

Leia mais

EFEITOS DA CRISE ECONÔMICA NA SITUAÇÃO DO TRABALHADOR DA CONSTRUÇÃO EM SÃO PAULO

EFEITOS DA CRISE ECONÔMICA NA SITUAÇÃO DO TRABALHADOR DA CONSTRUÇÃO EM SÃO PAULO TRABALHO E CONSTRUÇÃO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAILO AGOSTO DE 2017 EFEITOS DA CRISE ECONÔMICA NA SITUAÇÃO DO TRABALHADOR DA CONSTRUÇÃO EM SÃO PAULO A atual crise econômica abalou fortemente as conquistas

Leia mais

OCUPAÇÃO E EMPREENDEDORISMO NAS REGIÕES DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: uma análise a partir do Censo 2010

OCUPAÇÃO E EMPREENDEDORISMO NAS REGIÕES DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: uma análise a partir do Censo 2010 OCUPAÇÃO E EMPREENDEDORISMO NAS REGIÕES DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: uma análise a partir do Censo 2010 NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, MAIO

Leia mais

PESQUISA DO EMPREGO BANCÁRIO

PESQUISA DO EMPREGO BANCÁRIO PESQUISA DO EMPREGO BANCÁRIO Ano 2 No. 5 - junho de 2010 CONTRAF DIEESE SETOR BANCÁRIO GERA 2.840 NOVOS POSTOS DE TRABALHO NO 1º. TRIMESTRE DE 2010 No primeiro trimestre de 2010, o saldo nacional de empregos

Leia mais

INSERÇÃO DAS MULHERES COM ESCOLARIDADE SUPERIOR NO MERCADO DE TRABALHO

INSERÇÃO DAS MULHERES COM ESCOLARIDADE SUPERIOR NO MERCADO DE TRABALHO São Paulo, março de 2011 nº 22 INSERÇÃO DAS MULHERES COM ESCOLARIDADE SUPERIOR NO MERCADO DE TRABALHO Inserção feminina no mercado de trabalho em 2010 principais resultados A inserção das mulheres com

Leia mais

Mercado de trabalho segue em tendência de piora em março

Mercado de trabalho segue em tendência de piora em março Mercado de trabalho segue em tendência de piora em março Pelo quinto mês consecutivo a taxa de desemprego do mês corrente deve ser pior do que a do mesmo mês do ano anterior A taxa de desemprego nas seis

Leia mais

A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA

A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA MARÇO - 2012 DINAMISMO DO MERCADO DE TRABALHO ELEVA A FORMALIZAÇÃO DAS RELAÇÕES DE TRABALHO DE HOMENS E MULHERES, MAS A

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego

Pesquisa Mensal de Emprego Comunicação Social 25 de março de 2004 Pesquisa Mensal de Emprego Taxa de desocupação é de 12% em fevereiro Em fevereiro de 2004, a taxa de desocupação ficou estável tanto em relação ao mês anterior (11,7%)

Leia mais

A PRESENÇA FEMININA NO MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO DO ABC EM 2015

A PRESENÇA FEMININA NO MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO DO ABC EM 2015 A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Março de 2016 A PRESENÇA FEMININA NO MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO DO EM 2015 A taxa de participação das mulheres no mercado

Leia mais

A inserção das mulheres no mercado de trabalho urbano brasileiro em um contexto expansionista e estruturador

A inserção das mulheres no mercado de trabalho urbano brasileiro em um contexto expansionista e estruturador A INSERÇÃO DAS MULHERES NO MERCADO DE TRABALHO MARÇO DE 2012 A inserção das mulheres no mercado de trabalho urbano brasileiro em um contexto expansionista e estruturador De maneira geral, as mulheres enfrentam

Leia mais

SOCIAL MERCADO DE TRABALHO: ESTAMOS DIANTE DA RETOMADA?

SOCIAL MERCADO DE TRABALHO: ESTAMOS DIANTE DA RETOMADA? Os últimos dados sobre o mercado de trabalho têm mostrado estabilização ou até tímidos indícios de queda da taxa de desocupação. Por outro lado, aspectos que apontam para o aprofundamento da crise no Brasil

Leia mais

Queda no salário médio de admissão do brasileiro já é maior de que na crise de 2009

Queda no salário médio de admissão do brasileiro já é maior de que na crise de 2009 Queda no salário médio de admissão do brasileiro já é maior de que na crise de 2009 Novos profissionais estão sendo contratados por um salário 10,7% menor se comparado àqueles que deixaram seus empregos

Leia mais

João Saboia Instituto de Economia UFRJ

João Saboia Instituto de Economia UFRJ João Saboia Instituto de Economia UFRJ saboia@ie.ufrj.br CODE, 20 de Março de 2013 Observações Iniciais O período de 2003/2012 representou uma fase de melhoria na maioria dos indicadores econômicos no

Leia mais

OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015

OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015 OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015 OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS E m comemoração ao 20 de novembro, consagrado como o Dia da Consciência Negra, o DIEESE

Leia mais

na Construção Civil no Estado do Rio de Janeiro

na Construção Civil no Estado do Rio de Janeiro EMPREGOS E SALÁRIOS na Construção Civil no Estado do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, AGOSTO DE 2012 14 2012 A geração de empregos

Leia mais

A DESIGUALDADE ENTRE NEGROS E NÃO-NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO, NO PERÍODO

A DESIGUALDADE ENTRE NEGROS E NÃO-NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO, NO PERÍODO OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE Novembro de 2009 A DESIGUALDADE ENTRE NEGROS E NÃO-NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO, NO PERÍODO 2004 2008 No Dia da Consciência Negra,

Leia mais

A INSERÇÃO DOS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO EM 2012

A INSERÇÃO DOS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO EM 2012 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO NO DISTRITO FEDERAL NOVEMBRO DE 2013 A INSERÇÃO DOS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO EM 2012 Em comemoração ao dia 20 de novembro, Dia da Consciência Negra, data consagrada

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL Ano 0 Número 11 Dezembro de 2000 APRESENTAÇÃO

INFORMATIVO MENSAL Ano 0 Número 11 Dezembro de 2000 APRESENTAÇÃO INFORMATIVO MENSAL Ano 0 Número 11 Dezembro de 2000 APRESENTAÇÃO Este Boletim apresenta três seções. Na primeira ressaltamos a queda da taxa de desemprego na Região Metropolitana de Belo Horizonte e a

Leia mais

DESEMPENHO DO MERCADO DE TRABALHO DE PORTO ALEGRE EM

DESEMPENHO DO MERCADO DE TRABALHO DE PORTO ALEGRE EM O MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE 2006 DESEMPENHO DO MERCADO DE TRABALHO DE PORTO ALEGRE EM 2006 1 1. Segundo a Pesquisa de Emprego e Desemprego, em 2006, a População em Idade Ativa (PIA)

Leia mais

Emprego na Região Metropolitana de Campinas 1

Emprego na Região Metropolitana de Campinas 1 Emprego na Região Metropolitana de Campinas 1 Período: Julho e Agosto de PRINCIPAIS DESTAQUES Na RMC foram criados 9.563 novos postos de trabalho. O saldo de emprego acumulado atá agosto de já é 25% superior

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE DIADEMA

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE DIADEMA OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE DIADEMA Relatório Mensal: A Movimentação do Mercado de Trabalho Formal no Município de Diadema Março de 2008 Termo de Contrato Nº. 226/2007 MAIO de 2008 SUMÁRIO Apresentação

Leia mais

A evolução recente do desemprego no mercado de trabalho brasileiro

A evolução recente do desemprego no mercado de trabalho brasileiro A evolução recente do desemprego no mercado de trabalho brasileiro Luma de Oliveira * Marina Silva da Cunha ** RESUMO - Este trabalho tem como objetivo analisar a tendência recente do desemprego no Brasil,

Leia mais

Projeto 10Envolver. Nota Técnica

Projeto 10Envolver. Nota Técnica Nota Técnica Referência: Análise dos dados do componente Educação do Índice de Desenvolvimento Humano dos municípios de 2013 (Atlas do Desenvolvimento Humano 2013, PNUD, IPEA, FJP) para os municípios incluídos

Leia mais

Uma análise do período sob a ótica do Índice da Condição do Trabalho (ICT DIEESE)

Uma análise do período sob a ótica do Índice da Condição do Trabalho (ICT DIEESE) Uma análise do período 2012-2018 sob a ótica do Índice da Condição do Trabalho (ICT DIEESE) INTRODUÇÃO O período de 2004 a 2014 caracterizou-se pelo aumento da formalização do mercado de trabalho, com

Leia mais

Mercado de Trabalho da Grande Vitória: Principais Características da Última Década ( ) RELATÓRIO DE SETEMBRO/2008

Mercado de Trabalho da Grande Vitória: Principais Características da Última Década ( ) RELATÓRIO DE SETEMBRO/2008 Mercado de Trabalho da Grande Vitória: Principais Características da Última Década (1998-2007) RELATÓRIO DE SETEMBRO/2008 OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DO ESPÍRITO SANTO Contrato de

Leia mais

Série Estudo das Desigualdades Regionais

Série Estudo das Desigualdades Regionais CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA - COFECON COMISSÃO DE POLÍTICA ECONÔMICA E DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL Série Estudo das Desigualdades Regionais BREVE RADIOGRAFIA DO MERCADO DE TRABALHO DO DISTRITO FEDERAL

Leia mais

A inserção da população negra no mercado de trabalho da Região Metropolitana de Belo Horizonte

A inserção da população negra no mercado de trabalho da Região Metropolitana de Belo Horizonte PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE A inserção da população negra no mercado de trabalho da Novembro de 2011 A discussão sobre trabalho decente, capitaneada pela

Leia mais

Ano I Nº 6 Março de 2005 Trabalho e renda da mulher na família

Ano I Nº 6 Março de 2005 Trabalho e renda da mulher na família Ano I Nº 6 Março de 2005 Trabalho e renda da mulher na família Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Sócio-Econômicos Introdução Altas e crescentes taxas de desemprego, precarização das condições

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE DIADEMA

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE DIADEMA OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE DIADEMA Relatório Mensal: A Movimentação do Mercado de Trabalho Formal no Município de Diadema Maio de 2008 Termo de Contrato Nº. 226/2007 JUNHO de 2008 SUMÁRIO Apresentação

Leia mais

Conjuntura - Saúde Suplementar

Conjuntura - Saúde Suplementar Conjuntura - Saúde Suplementar 28º Edição - Setembro 2015 Sumário Conjuntura - Saúde Suplementar Seção Especial 3 Nível de Atividade 4 Emprego 5 Emprego direto em planos de saúde 6 Renda 6 Inflação 7 Câmbio

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DO RIO GRANDE DO NORTE

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DO RIO GRANDE DO NORTE OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DO RIO GRANDE DO NORTE Relatório 1: Informativo de Indicadores de Acompanhamento de Mercado de Trabalho do Estado do Rio Grande do Norte Termo de Contrato Nº. 23/2008 Dezembro

Leia mais

Mercado de Trabalho INDICADORES GERAIS. Ortigueira Aspectos sócio-econômicos MERCADO DE TRABALHO

Mercado de Trabalho INDICADORES GERAIS. Ortigueira Aspectos sócio-econômicos MERCADO DE TRABALHO Mercado de Trabalho A leitura do mercado de trabalho foi embasada em dados de empregos formais, trabalhados pelos dados do RAIS (Relação Anula de Informações Sociais), agência do trabalhador e CAGED (Cadastro

Leia mais

Emprego formal de nível superior Região Metropolitana de Curitiba. Lenina Formaggi

Emprego formal de nível superior Região Metropolitana de Curitiba. Lenina Formaggi Emprego formal de nível superior Região Metropolitana de Curitiba Lenina Formaggi Percurso da apresentação Justificativa do tema; Fontes de informações; Perfil do emprego: Evolução do número de trabalhadores

Leia mais

Indicadores Sociais Municipais 2010. Uma análise dos resultados do universo do Censo Demográfico 2010

Indicadores Sociais Municipais 2010. Uma análise dos resultados do universo do Censo Demográfico 2010 Diretoria de Pesquisas Coordenação de População e Indicadores Sociais Indicadores Sociais Municipais 2010 Uma análise dos resultados do universo do Censo Demográfico 2010 Rio, 16/11/ 2011 Justificativa:

Leia mais

COMO ANDA O RIO DE JANEIRO?

COMO ANDA O RIO DE JANEIRO? COMO ANDA O RIO DE JANEIRO? NOTA CONJUNTURAL ABRIL DE 2013 Nº22 PANORAMA GERAL Nos últimos anos, o Estado do Rio de Janeiro (ERJ) tem sido o destino de diversos investimentos de grande porte. E as perspectivas

Leia mais

ISSN INFORMATIVO MENSAL Ano 4 Número 40 Junho/Julho de 2005 APRESENTAÇÃO

ISSN INFORMATIVO MENSAL Ano 4 Número 40 Junho/Julho de 2005 APRESENTAÇÃO INFORMATIVO MENSAL Ano 4 Número 40 Junho/Julho de 2005 APRESENTAÇÃO Neste número são apresentados os dados sobre desemprego e ocupação da Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH) para o mês de junho

Leia mais

A INSERÇÃO DOS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO EM 2013

A INSERÇÃO DOS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO EM 2013 MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE Resultados de 2013 Divulgação: Novembro de 2014 A INSERÇÃO DOS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO EM 2013 Em comemoração ao dia 20 de novembro,

Leia mais

SÍNTESE DO COMPORTAMENTO DO MERCADO DE TRABALHO FORMAL EM ALAGOAS ABRIL DE 2015

SÍNTESE DO COMPORTAMENTO DO MERCADO DE TRABALHO FORMAL EM ALAGOAS ABRIL DE 2015 SÍNTESE DO COMPORTAMENTO DO MERCADO DE TRABALHO FORMAL EM ALAGOAS ABRIL DE 2015 Superintendência de Produção da Informação e do Conhecimento (SINC) Diretoria de Estatística e Indicadores Analisando os

Leia mais

População ativa, mercado de trabalho e gênero na retomada do crescimento econômico (2004-2008)

População ativa, mercado de trabalho e gênero na retomada do crescimento econômico (2004-2008) População ativa, mercado de trabalho e gênero na retomada do crescimento econômico (2004-2008) Eugenia Troncoso Leone Paulo Baltar Palavras-chave: população ativa; mercado de trabalho; gênero Resumo No

Leia mais

A presença feminina no mercado de trabalho do Distrito Federal 2016

A presença feminina no mercado de trabalho do Distrito Federal 2016 A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DO DISTRITO FEDERAL MARÇO 20 MARÇO - 2017 A presença feminina no mercado de trabalho do Distrito Federal 2016 Entre 2015 e 2016, o nível de ocupação no Distrito

Leia mais

Emprego na Região Metropolitana de Campinas 1

Emprego na Região Metropolitana de Campinas 1 Emprego na Região Metropolitana de Campinas 1 Período: Janeiro a Fevereiro de 2008 PRINCIPAIS DESTAQUES Na RMC foram criados 11.184 novos postos de trabalho. O saldo de emprego em 2008 é superior em 37%

Leia mais

ISSN INFORMATIVO MENSAL Ano 1 Número 23 Agosto/Setembro de Apresentação

ISSN INFORMATIVO MENSAL Ano 1 Número 23 Agosto/Setembro de Apresentação ISSN 119-968 INFORMATIVO MENSAL Ano 1 Número Agosto/Setembro de 00 Apresentação Neste número apresentamos três seções. A primeira aborda o comportamento do desemprego na RMBH e o dado mais atualizado se

Leia mais

As Mulheres nos Mercados de Trabalho Metropolitanos

As Mulheres nos Mercados de Trabalho Metropolitanos As Mulheres nos Mercados de Trabalho Metropolitanos Taxa de participação feminina tem comportamento diverso nas regiões E ntre 2014 e 2015, a proporção de mulheres com dez anos ou mais inseridas no mercado

Leia mais

Melhoria no mercado de trabalho não garantiu igualdade de condições às mulheres

Melhoria no mercado de trabalho não garantiu igualdade de condições às mulheres A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MARÇO 2013 Melhoria no mercado de trabalho não garantiu igualdade de condições às mulheres De maneira geral, as mulheres

Leia mais

Desempenho do mercado de trabalho ampliou a formalização do emprego feminino em 2013

Desempenho do mercado de trabalho ampliou a formalização do emprego feminino em 2013 1 A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE MARÇO 2014 Desempenho do mercado de trabalho ampliou a formalização do emprego feminino em 2013 O mundo do trabalho

Leia mais

CONSTRUÇÃO. boletim. Trabalho e APESAR DO DESAQUECIMENTO DA ECONOMIA, GERAÇÃO DE POSTOS DE TRABALHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL MANTÉM CRESCIMENTO

CONSTRUÇÃO. boletim. Trabalho e APESAR DO DESAQUECIMENTO DA ECONOMIA, GERAÇÃO DE POSTOS DE TRABALHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL MANTÉM CRESCIMENTO boletim Trabalho e Ano 1 - nº 2 - Setembro 2009 APESAR DO DESAQUECIMENTO DA ECONOMIA, GERAÇÃO DE POSTOS DE TRABALHO NA CIVIL MANTÉM CRESCIMENTO O recrudescimento da crise econômico-financeira no centro

Leia mais

Estabelecimentos e Empregos nas Micro e Pequenas Empresas 1

Estabelecimentos e Empregos nas Micro e Pequenas Empresas 1 Estabelecimentos e Empregos nas Micro e Pequenas Empresas 1 Neste texto é analisada exclusivamente a base de dados da Relação Anual de Informações Sociais (RAIS), com destaque para algumas características

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA EM 2012

O MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA EM 2012 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA 2012 Ano 5 Número Especial O MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA EM 2012 Os resultados aqui apresentados referem-se

Leia mais

Boletim eletrônico trimestral sobre a participação das mulheres no mercado de trabalho a partir dos dados da - Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE -

Boletim eletrônico trimestral sobre a participação das mulheres no mercado de trabalho a partir dos dados da - Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE - Boletim eletrônico trimestral sobre a participação das mulheres no mercado de trabalho a partir dos dados da - Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE - Elaboração: (SPM), Fundo de Desenvolvimento das Nações

Leia mais

Setor de Serviços continua sendo o destaque, apresentando o melhor desempenho em 2019

Setor de Serviços continua sendo o destaque, apresentando o melhor desempenho em 2019 Brasil gera empregos formais em todos os setores e atinge melhor resultado para o mês de Abril em seis anos Os dados de abril de 2019 do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) revelam criação

Leia mais

Boletim PNAD Resultados da PNAD 2011 Mercado de trabalho Janeiro de 2013

Boletim PNAD Resultados da PNAD 2011 Mercado de trabalho Janeiro de 2013 Boletim PNAD Resultados da PNAD 211 Mercado de trabalho Janeiro de 213 RESULTADOS DA PNAD 211 MERCADO DE TRABALHO Governo do Estado da Bahia Jaques Wagner Secretaria do Planejamento (Seplan) José Sergio

Leia mais

OS PEQUENOS NEGÓCIOS NO RIO DE JANEIRO

OS PEQUENOS NEGÓCIOS NO RIO DE JANEIRO Estabelecimentos, emprego formal e rendimentos: NOTA CONJUNTURAL NOVEMBRO DE 2013 Nº26 OS PEQUENOS NEGÓCIOS NO RIO DE JANEIRO NOTA CONJUNTURAL NOVEMBRO DE 2013 Nº26 PANORAMA GERAL Esta nota analisa o perfil

Leia mais

Uma análise dos diferenciais salariais no Brasil

Uma análise dos diferenciais salariais no Brasil Uma análise dos diferenciais salariais no Brasil Ricardo Paes de Barros DIPES/IPEA Rosane Mendonça UFF/IPEA Gostaríamos de agradecer a toda a nossa equipe no IPEA pelo excelente trabalho de assistência

Leia mais

O acesso de jovens ao ensino superior no Estado do Rio de Janeiro

O acesso de jovens ao ensino superior no Estado do Rio de Janeiro O acesso de jovens ao ensino superior no Estado do Rio de Janeiro Giovani Quintaes* Andréia Arpon* Adriana Fontes* Beatriz Cunha* Palavras-chave: educação; universidade; jovens; favelas. Resumo O artigo

Leia mais

Relatório Mensal: A Movimentação do Mercado de Trabalho Formal no Município de Diadema Outubro de 2008

Relatório Mensal: A Movimentação do Mercado de Trabalho Formal no Município de Diadema Outubro de 2008 OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE DIADEMA Relatório Mensal: A Movimentação do Mercado de Trabalho Formal no Município de Diadema Outubro de 2008 Termo de Contrato Nº. 226/2007 NOVEMBRO de 2008 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO

Leia mais

OS EFEITOS TRABALHADOR ADICIONAL E DESENCORAJADO: UMA ANÁLISE PARA AS REGIÕES METROPOLITANAS DO BRASIL

OS EFEITOS TRABALHADOR ADICIONAL E DESENCORAJADO: UMA ANÁLISE PARA AS REGIÕES METROPOLITANAS DO BRASIL OS EFEITOS TRABALHADOR ADICIONAL E DESENCORAJADO: UMA ANÁLISE PARA AS REGIÕES METROPOLITANAS DO BRASIL Victor Rodrigues de Oliveira 1, Paulo de Andrade Jacinto 1 (orientador) Faculdade de Administração,

Leia mais

BOLETIM DO EMPREGO DE SANTO ÂNGELO 1 Ano 2- N 6 Junho de 2015

BOLETIM DO EMPREGO DE SANTO ÂNGELO 1 Ano 2- N 6 Junho de 2015 BOLETIM DO EMPREGO DE SANTO ÂNGELO 1 Ano 2- N 6 Junho de 215 Laboratório de Economia Aplicada Projeto de Extensão: Apoio ao Desenvolvimento de Arranjos Produtivos Locais 1. Apresentação Este boletim tem

Leia mais

Aparticipação da mulher no mercado de trabalho vem crescendo consideravelmente nas últimas décadas,

Aparticipação da mulher no mercado de trabalho vem crescendo consideravelmente nas últimas décadas, 141 A mulher no mercado de trabalho em Porto Alegre: uma nota introdutória Patrícia Maria Diógenes de Oliveira Follador * Aparticipação da mulher no mercado de trabalho vem crescendo consideravelmente

Leia mais

TRABALHO DECENTE E JUVENTUDE NO BRASIL. Julho de 2009

TRABALHO DECENTE E JUVENTUDE NO BRASIL. Julho de 2009 TRABALHO DECENTE E JUVENTUDE NO BRASIL Brasília, Julho de 2009 Trabalho Decente e Juventude no Brasil 1. Diagnóstico da situação magnitude do déficit de Trabalho Decente para os jovens relação educação

Leia mais

ISSN INFORMATIVO MENSAL Ano 4 Número 39 Abril/Maio de 2005 APRESENTAÇÃO

ISSN INFORMATIVO MENSAL Ano 4 Número 39 Abril/Maio de 2005 APRESENTAÇÃO INFORMATIVO MENSAL Ano 4 Número 39 Abril/Maio de 2005 APRESENTAÇÃO Neste número apresentamos os dados sobre desemprego e ocupação referentes ao mês de abril e, quanto aos rendimentos, os dados são do mês

Leia mais

Universidade Federal da Integração latino Americana. Centro de Pesquisas Econômicas e Aplicadas Cepecon. Cepecon.com.

Universidade Federal da Integração latino Americana. Centro de Pesquisas Econômicas e Aplicadas Cepecon. Cepecon.com. Universidade Federal da Integração latino Americana Centro de Pesquisas Econômicas e Aplicadas Cepecon Cepecon.com Corpo Científico Henique Coelho Kawamura, Dr. Coodenador científico Cepecon/Unila Responsável

Leia mais

Trajetórias da terceirização

Trajetórias da terceirização Trajetórias da terceirização 1. Base metodológica 2. Dinâmica da contratação da mão de obra terceirizada 3. Evolução do perfil do empregado terceirizado Gráfico 1 São Paulo: evolução da taxa de terceirização

Leia mais

PME registra menor taxa de desemprego da série histórica para o mês de fevereiro, mas indica acomodação no mercado de trabalho.

PME registra menor taxa de desemprego da série histórica para o mês de fevereiro, mas indica acomodação no mercado de trabalho. PME registra menor taxa de desemprego da série histórica para o mês de fevereiro, mas indica acomodação no mercado de trabalho. Segundo apuração da PME (Pesquisa Mensal do Emprego), realizada pelo IBGE,

Leia mais

DESEMPREGO MANTÉM-SE ESTÁVEL

DESEMPREGO MANTÉM-SE ESTÁVEL MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE JUNHO DE 2007 1 2 3 DESEMPREGO MANTÉM-SE ESTÁVEL Divulgação junho 2007 1. Para junho, as informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego de apontam estabilidade

Leia mais

BOLETIM DO EMPREGO - PERNAMBUCO

BOLETIM DO EMPREGO - PERNAMBUCO BOLETIM DO EMPREGO - RNAMBUCO E REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE Observatório do Mercado de Trabalho de Pernambuco OMT- Ano 1 - Nº 2 Junho/2017 APRESENTAÇÃO O Boletim do Emprego de Pernambuco, elaborado

Leia mais

no Estado do Rio de Janeiro

no Estado do Rio de Janeiro MICROEMPREENDEDORES FORMAIS E INFORMAIS NOTA CONJUNTURAL DEZEMBRO DE 2013 Nº27 no Estado do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL DEZEMBRO DE 2013 Nº27 PANORAMA GERAL De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra

Leia mais

Estrutura Populacional

Estrutura Populacional Estrutura Populacional A estrutura populacional consiste na divisão dos habitantes, de acordo com aspectos estruturais, possibilitando sua análise por meio: da idade (jovens, adultos e idosos); do sexo

Leia mais

5. NÍVEL DE ATIVIDADE ECONÔMICA. Álvaro Alves de Moura Jr.

5. NÍVEL DE ATIVIDADE ECONÔMICA. Álvaro Alves de Moura Jr. 98 5. NÍVEL DE ATIVIDADE ECONÔMICA Álvaro Alves de Moura Jr. O principal destaque na análise do nível de atividade econômica se refere à mudança na metodologia do cálculo do PIB, que passou a incluir informações

Leia mais