RESÍDUOS SÓLIDOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (RCC)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESÍDUOS SÓLIDOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (RCC)"

Transcrição

1 1 RESÍDUOS SÓLIDOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (RCC) Autores: Kátia Regina Alves Nunes e Cláudio Fernando Mahler 1. Introdução As terminologias Resíduos Sólidos de Construção e Demolição (RCD) e Resíduos Sólidos da Construção Civil (RCC) vêm sendo difundidas nos meios acadêmicos brasileiros para a denominação de resíduos sólidos freqüentemente chamados de entulho de obras, caliça ou metralha. A sigla RCD provavelmente é oriunda da tradução do termo em inglês Construction and Demolition Waste (C&D Waste). Neste trabalho será empregada a terminologia Resíduos Sólidos da Construção Civil (RCC), por mais se assemelhar àquela adotada na Resolução CONAMA n Sendo gerados em quantidade significativa, os RCC agravam os problemas municipais com coleta, transporte e disposição final dos resíduos sólidos ocorrendo freqüentemente a deposição ilegal dos resíduos em locais não adequados, tais como ruas, calçadas, terrenos baldios, encostas, leitos de córregos e rios e áreas com importância ambiental. A figura 1 mostra a deposição clandestina em uma esquina do bairro da Tijuca (Cidade do Rio de Janeiro). A figura 2 mostra a mesma esquina no dia seguinte, após a limpeza corretiva feita pela COMLURB. 1 A Resolução CONAMA n 307 emprega a terminologia Resíduos da Construção Civil, gerando a sigla RCC. Adotou-se, porém neste trabalho a terminologia Resíduos Sólidos da Construção Civil, por ser mais completa.

2 2 Figura 1: Local com deposição clandestina Figura 2: O local após a limpeza Conforme dados da Prefeitura de São Paulo (IPT, 2000, p. 179) são gerados t/dia de RCC. SCHNEIDER (2003, p.49) cita que o aterro público do Município de São Paulo (Aterro de Itatinga) recebeu 1,1 milhão de toneladas de RCC no ano de 2001 (cerca de t/dia), o que representa aproximadamente 21% do total estimado de resíduos gerados. No ano de 2002 houve um aumento significativo de RCC disposto, pois o mesmo aterro recebeu cerca de 1,5 milhões de toneladas deste resíduo (cerca de t/dia) (SCHNEIDER, 2003, p.84) 2. Informações coletadas junto à Prefeitura do Rio de Janeiro (COMLURB, 2004a) estimaram em t/dia a quantidade de RCC coletado pelo município. Dados fornecidos pela Prefeitura de Salvador (CARNEIRO; BRUM; SILVA, 2001, p. 64) indicavam que cerca de t de RCC eram coletadas diariamente, o que representava cerca 50% dos resíduos sólidos urbanos coletados pelo município. Porém, deve-se considerar que, os valores de geração apresentados estão baseados nas quantidades de RCC destinadas aos aterros municipais. Os valores reais de geração podem ser bem maiores, ao se incluir as deposições ilegais em terrenos baldios, encostas, entre outras áreas, que acabam sendo incorporadas às paisagens das cidades. 2 Quantidades relacionadas a um ano de 365 dias.

3 3 É importante observar ainda que todas estas informações têm que ser analisadas com extremo cuidado, tendo em vista, por exemplo, o fato da população de Salvado ser menor do que a do Rio de Janeiro, mas produzir quase o triplo de RCC. Ao desconhecer os valores corretos de geração, os agentes envolvidos na construção civil e os gestores públicos e privados de resíduos sólidos têm dificuldade em estabelecer um gerenciamento integrado adequado dos resíduos sólidos urbanos, sendo freqüentemente ignorada a sua influência nos gastos municipais com limpeza urbana. Os custos sociais e ambientais com as deposições inadequadas, cujas apropriações são mais complexas, nem sempre são observados, o mesmo acontecendo com a oportunidade de reaproveitamento dos RCC. Através da reutilização e reciclagem destes resíduos, obtém-se insumos para cadeias produtivas, principalmente a da própria indústria da construção civil. 2. Impactos ambientais provocados pelos RCC Em sua grande maioria os RCC são resíduos inertes, de baixa periculosidade, cujos impactos ambientais originam-se basicamente do expressivo volume gerado e da sua disposição ilegal em locais não adequados, tais como ruas, calçadas, terrenos baldios, encostas, leitos de córregos e rios, etc. A prática de deposição ilegal é observada freqüentemente em quase todas as cidades brasileiras. Em Salvador foram levantados 161 pontos de disposição clandestina de RCC no ano de 2000 (CARNEIRO; BRUM; SILVA, 2001, p.133) e em Belo Horizonte foram encontrados 134 destes pontos em 1993 (DO CAOS..., 1996 Apud: IPT, 2000, p.179). As áreas de disposição ilegal de RCC deterioram a região onde se situam e atraem a disposição de outros tipos de resíduos sólidos, tais como lixos volumosos (móveis, geladeiras, por exemplo), galhadas (resto de poda ou corte de árvores), lixo domiciliar e resíduos industriais. As figuras 3 e 4 trazem fotos de disposições ilegais.

4 4 Figura 3: Detalhe de disposição ilegal Figura 4: Deposição ilegal: Variedade de materiais Junto com o lixo domiciliar que traz parcela de resíduos orgânicos, estas áreas podem se transformar em locais com incidência de insetos e roedores (moscas, mosquitos, baratas, escorpiões e ratos), trazendo riscos à saúde da população vizinha. Devido aos custos com descartes especiais dos resíduos industriais, estes podem ser também encontrados dispostos ilegalmente nos pontos de bota-fora de RCC clandestinos. Dependendo da quantidade e do grau de toxicidade destes resíduos industriais, os pontos poderão representar graves riscos sanitário e ambiental para a localidade.

5 5 As áreas de bota-fora de RCC próximas a talvegues, encostas, redes de drenagem e córregos podem, por carreamento, provocar assoreamento dos rios e obstrução de redes de drenagem, aumentando os custos com limpeza pública e os riscos de enchentes e de deslizamento de encostas. A figura 5 mostra a disposição de RCC em encosta junto a talvegue. Figura 5: Disposição de RCC em encosta junto a talvegue Com o crescimento gradativo dos aterros clandestinos em áreas de valor ambiental, nos médios e grandes centros urbanos, tais como várzeas, vales e manguezais, ocorrem impactos no ecossistema, e ainda estimula-se a ocupação irregular destas áreas por imóveis de população carente. Por serem construídos sem embasamento técnico, tanto estes aterros quanto os imóveis irregulares, poderão apresentar sérios problemas de recalque ou de enchentes, tendo os municípios muitas vezes que arcar com ônus de realocação das famílias carentes. Isto gera um dispendioso ciclo vicioso para os municípios, pois uma vez que estas áreas perdem as características naturais após a retirada dos imóveis irregulares, novas ocupações ilegais virão, devido ao crescente déficit habitacional nas médias e grandes cidades brasileiras. A reinserção dos RCC no processo produtivo da construção civil evita a extração de recursos naturais não renováveis.

6 6 Por serem gerados em grandes quantidades, outro impacto ambiental oriundo dos RCC é a aceleração do término da vida útil dos aterros municipais. Sendo basicamente minerais e inertes, os RCC podem ser empregados pelos gestores destes aterros como material de cobrimento de camadas do lixo urbano, evitando-se assim a exposição ao ar livre das frações orgânicas, que atraem insetos, roedores e urubus. Os RCC também são utilizados para a construção de vias de acesso e áreas de manobras para os veículos que transportam e despejam o lixo urbano no aterro. Estes cobrimentos de vias e áreas de manobra ficam incorporados aos aterros. Empregando-se os RCC dentro dos aterros, os municípios economizam na aquisição de agregados (areia e brita), o que a princípio faz dos RCC um material de interesse dos gestores dos aterros. Contudo, os gestores não avaliam que a quantidade em excesso e o peso significativo dos RCC encurtam a vida útil dos aterros, trazendo a longo prazo, outros tipos de custos (procura de novas áreas para aterro mais afastadas dos locais de geração, implantação de instalações em novos aterros, aumento do custo de transporte, entre outros) e danos ambientais, causados pela criação de novos aterros e novas áreas de empréstimo. 3. Arcabouço Legal e Normativo 3.1. Legislação LEITE (2003, p. 22) afirma que as legislações ambientais envolvem diferentes aspectos do ciclo de vida útil de um produto, desde a fabricação e o uso de matériasprimas virgens até sua disposição final ou a dos produtos que o constituem. Dessa maneira, essas legislações regulamentam a produção e o uso de matérias-primas virgens até sua disposição final ou a dos produtos que o constituem. Atualmente no Brasil estão sendo elaborados, discutidos e colocados em vigor novos mecanismos reguladores e econômicos em relação aos resíduos sólidos, que aperfeiçoam os já existentes, incentivam as práticas econômica e ambientalmente sustentáveis, responsabilizam os geradores e punem as práticas abusivas. Dentro destes novos mecanismos estão se firmando princípios de proteção ambiental, tal como o de EPR (extended product responsability responsabilidade estendida do produto), através do qual a cadeia industrial produtora ou o próprio produtor, que de certa maneira agride o meio ambiente, deve se responsabilizar pelo seu produto até a decisão correta do seu destino após seu uso original (LEITE, 2003, p.22).

7 7 A principal legislação em relação aos RCC é a Resolução n 307 do CONAMA, que será apresentada a seguir A Resolução n o 307 do CONAMA A Resolução CONAMA n o 307, de 05/07/2002, publicada no DOU (Diário Oficial da União) em 17/07/2002, tem como objetivo estabelecer diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos de construção civil, disciplinando as ações necessárias de forma a minimizar os impactos ambientais (MME, 2002, p.1). As definições adotadas nesta resolução estão descritas no quadro 1. A classificação dos RCC, seguida na resolução (art. 3 o ), e as suas respectivas destinações (art. 9 o ), conforme o mesmo documento, são apresentadas no quadro 2. Quadro 1: Definições conforme Resolução CONAMA n o 307 ITENS DEFINIÇÕES Resíduos da Resíduos provenientes de construções, reformas, reparos e demolições de obras de construção civil construção civil, e os resultantes da preparação e da escavação de terrenos, (...), comumente chamados de entulhos de obras, caliça ou metralha. Geradores Pessoas, físicas ou jurídicas, públicas ou privadas, responsáveis por atividades ou empreendimentos que gerem os resíduos definidos na resolução. Transportadores São as pessoas, físicas ou jurídicas, encarregadas da coleta e do transporte dos resíduos entre as fontes geradores e as áreas de destinação. Agregado reciclado Gerenciamento de resíduos Reutilização Reciclagem Material granular proveniente do beneficiamento de resíduos de construção, que apresenta características técnicas para a aplicação em obras de edificação, de infraestrutura, em aterros sanitários ou outras obras de engenharia. Sistema de gestão que visa reduzir, reutilizar ou reciclar resíduos, incluindo planejamento, responsabilidades, práticas, procedimentos e recursos para desenvolver e implementar as ações necessárias ao cumprimento das etapas previstas em programas e planos. Processo de reaplicação de um resíduo, sem transformação do mesmo. Processo de reaproveitamento de um resíduo, após ter sido submetido à transformação. Beneficiamento Ato de submeter um resíduos à operações e/ou processos que tenham por objetivo dotá-los de condições que permitam que sejam utilizados como matéria-prima ou produto. Aterro de resíduos da construção civil Áreas de destinação de resíduos Área onde serão empregadas técnicas de disposição de resíduos da construção civil Classe A no solo, visando a preservação de materiais segregados de forma a possibilitar seu uso futuro e/ou futura utilização da área, utilizando princípios de engenharia para confiná-los ao menor volume possível, sem causar danos à saúde pública e ao meio ambiente. Áreas destinadas ao beneficiamento ou à disposição final de resíduos. FONTE: MME (2002, p.1 e 2)

8 8 Quadro 2: Classificação e destinação dos RCC conforme Resolução CONAMA n o 307 Tipo de Definição Exemplos Destinações Obrigatórias RCC Classe A Resíduos reutilizáveis ou recicláveis como - RCC de pavimentação e de outras Reutilização ou reciclagem obras de infra-estrutura, inclusive na forma de agregados, ou agregados solos provenientes de terraplanagem; encaminhados a áreas de - RCC de edificações: componentes aterro de resíduos sólidos da cerâmicos, argamassa e concreto; construção civil, sendo - resíduos de processo de fabricação dispostos de modo a permitir e/ou demolição de peças prémoldadas a sua utilização ou em concreto, produzidas reciclagem futura. no canteiro de obras. Classe B Resíduos recicláveis para outras destinações Classe C Resíduos para os quais não foram desenvolvidas tecnologias ou aplicações economicamente viáveis que permitam a sua reciclagem / recuperação perigosos oriundos do processo de construção, ou aqueles contaminados Classe D Resíduos oriundos de demolições, reformas e reparos de determinadas instalações - plásticos; - papel/papelão; - metais; - vidros; - madeiras e outros. Reutilização / reciclagem ou encaminhamento a áreas de armazenamento temporário, sendo dispostos de modo a permitir a sua utilização ou reciclagem futura. - produtos oriundos do gesso. Armazenamento, transporte e destinação final conforme normas técnicas específicas. Resíduos tais como: - tintas, solventes e óleos; - RCC de clínicas radiológicas, instalações industriais e outros. Armazenamento, transporte, reutilização e destinação final conforme normas técnicas específicas. FONTE: MME (2002) O art. 4 o da Resolução enfatiza que o objetivo principal dos geradores de RCC deve ser a não geração de resíduos e, secundariamente, a redução, a reutilização, a reciclagem e a destinação final. Já o art. 5 o especifica como instrumento para a implementação da gestão dos resíduos da construção civil o Plano Integrado de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil, realizado por Municípios e Distrito Federal.

9 Normas Norma NBR A norma NBR , de 1987, trata sobre a classificação dos resíduos sólidos. Segundo esta norma, são várias as formas de classificação dos resíduos sólidos, como por exemplo: - Por sua natureza física: seco e molhado; - Por sua composição química: matéria orgânica e matéria inorgânica; - Pelos riscos potenciais ao meio ambiente: perigosos, não inertes e inertes. Outro tipo de classificação é feito em relação à origem, podendo os resíduos ser classificados como domiciliar, comercial, varrição e feiras livres, serviços de saúde e hospitalar, portos, aeroportos e terminais ferroviários e rodoviários, industriais, agrícolas e entulhos (IPT, 2000). A classificação dos resíduos sólidos quanto à periculosidade é apresentada a seguir. Quadro 3: Classificação dos resíduos sólidos quanto à periculosidade CATEGORIA Classe I (Perigosos) Classe II (Não Inertes) Classe III (Inertes) CARACTERÍSTICAS Apresentam risco à saúde pública ou ao meio ambiente, caracterizandose por possuir uma ou mais das seguintes propriedades: inflamabilidade, corrosividade, reatividade, toxicidade e patogenicidade. Podem ter propriedades como: combustibilidade, biodegradabilidade ou solubilidade, porém, não se enquadram como Resíduo I ou III Não tem constituinte algum solubilizado em concentração superior ao padrão de potabilidade de águas FONTE: ABNT, 1987 Apud: IPT, 2000, p.29. Pela classificação quanto á periculosidade, como mostra o quadro 3, considerase os RCC como sendo materiais de categoria classe III, caso estejam livres de substâncias tóxicas Normas brasileiras para RCC A ABNT publicou em junho de 2004 as seguintes normas (ABNT, 2004): - NBR 15112: Resíduos sólidos de construção civil e resíduos volumosos - Áreas de transbordo e triagem - Diretrizes para projeto, implantação e operação;

10 10 - NBR 15113: Resíduos sólidos de construção civil e resíduos inertes Aterros - Diretrizes para projeto, implantação e operação; - NBR 15114: Resíduos sólidos de construção civil - Áreas de reciclagem - Diretrizes para projeto, implantação e operação; - NBR 15115: Agregados reciclados de resíduos sólidos da construção civil - Execução de camadas de pavimentação Procedimentos Normas Resíduos Sólidos Inertes da COMLURB A norma institucional Resíduos Sólidos Inertes da COMLURB (Companhia Municipal de Limpeza Urbana) estabelece procedimentos para acondicionamento, coleta, transporte e destinação final dos resíduos sólidos inertes gerados no Município do Rio de Janeiro (COMLURB, 2002a). Para esta norma, resíduos sólidos inertes são aqueles oriundos de obras de construção civil, renovação e demolição de imóveis. Nesta classificação também estão incluídos os bens móveis inservíveis e os resíduos oriundos de poda de árvores (galhada) e limpeza de jardins (folhagem). A norma informa que os serviços de coleta, transporte e destinação final são executados diretamente pela COMLURB ou através de terceiros, mediante a contratação entre as partes interessadas, caso em que o prestador do serviço (empresa ou coletor transportador autônomo) deve ser credenciado pela COMLURB (COMLURB, 2002a). O pequeno gerador de resíduos sólidos inertes é definido na norma como o imóvel somente de uso residencial que gera até 150 sacos de RCC, com capacidade máxima de 20 litros, ou até dois metros cúbicos de galhada e/ou folhagem, em um intervalo mínimo de cinco dias. Este tipo de gerador pode entregar os resíduos até um dos locais autorizados pela COMLURB, ou utilizar o Serviço de Remoção Gratuita, mediante solicitação direta pelo (Tele-atendimento COMLURB tel ). Já o grande gerador de resíduos sólidos inertes é definido como o imóvel residencial que gera quantidades de RCC, galhada e folhagem superiores aos limites do pequeno gerador. Adicionalmente inclui-se como grande gerador o imóvel não residencial que produz qualquer quantidade de resíduos sólidos inertes. 3 Município do Rio de Janeiro.

11 11 Segundo a norma, o grande gerador de resíduos sólidos inertes pode, a seu critério, efetuar o transporte dos resíduos por meios próprios, até um dos locais autorizados pela COMLURB, ou contratar prestadores de serviços de coleta, transporte e destinação final, empresa ou coletor transportador autônomo, credenciado na COMLURB. Para a destinação final, a norma estabelece que (COMLURB, 2002a): - O serviço de tele-atendimento da COMLURB divulgará de forma permanente os locais autorizados para disposição de resíduos sólidos inertes; - A disposição dos resíduos sólidos inertes em locais que não os previamente determinados pela COMLURB, somente poderá ser realizada após autorização específica da COMLURB; - Áreas privadas, devidamente licenciadas pelos órgãos competentes 4, poderão ser utilizadas por prestador de serviços (de coleta, transporte e destinação final) e por empresa ou coletor transportador autônomo como áreas para disposição final dos resíduos sólidos inertes. Consultando o site da COMLURB (COMLURB, 2004b), verificou-se que os transportadores de RCC são isentos de pagamento de taxas para depositar o RCC, para quantidades até 18 t/dia (do mesmo gerador), quando dispostas em uma das seguintes unidades: - Aterro de Missões (km 0 da Rodovia Washington Luiz); - Aterro de Gramacho (localizado no Município de Duque de Caxias); - CTR Gericinó (Estr. do Gericinó s/nº - Bangu). Para quantidades superiores a 18 t/dia, os transportadores deverão pagar taxa no valor de R$10,00/t para dispor nos locais acima citados. As seguintes infrações estão sujeitas a multas, com valores entre 1 a 100 UNIFs (Unidade de Valor Fiscal do Município do Rio de Janeiro), sendo que elas poderão ser aplicadas cumulativamente, quando houver a prática simultânea de dois ou mais atos puníveis (COMLURB, 1990): - Lançamento ou depósito de resíduos sólidos em logradouros públicos (Art. 44 I); - Lançamento de RCC em imóveis não edificados, públicos ou privados, bem como em rios, canais, lagos e lagoas (Art. 44 XVI); 4 COMLURB, Secretaria Municipal de Meio Ambiente, FEEMA, entre outros.

12 12 - Disposição ou permissão de acúmulo de lixo a céu aberto, ou sob qualquer outra forma que prejudique o meio ambiente (Art. 44 XIX). Segundo INDICADORES (2002), a UNIF foi extinta em 1996 e o cálculo de valores a serem pagos em UNIF para valores atuais pode ser feito ao se multiplicar o valor em UNIF por 25,08 e depois pelo último valor da UFIR (Unidade de Referência Fiscal), também extinta (R$ 1,2130). Conforme o processo descrito, as multas da COMLURB por práticas puníveis variam de R$ 30,42 a R$ 3.042,20 5, podendo ser acumulativas. 4. Gestão dos RCC em áreas urbanas 4.1. Gestão corretiva Atividades de reformas e ampliações são geralmente construções informais, ilegais ou isentas de pedido de licenciamento, que representam pouco volume de serviços e que geram isoladamente pequena quantidade de RCC. Porém, por serem freqüentes, a soma das quantidades não significativas de RCC resulta em valores expressivos, que não podem ser desconsiderados pelos municípios. Quando um município não disponibiliza alternativas para a captação dos RCC gerados nos serviços de construção e demolição de pequeno porte, as áreas livres vizinhas aos locais destes serviços tornam-se vazadouro para estes resíduos. Grande parte dos municípios brasileiros emprega ações corretivas em relação aos RCC, somente agindo após o acontecimento das disposições ilegais, realizando limpezas emergenciais dos locais atingidos. Essas ações, segundo PINTO (1999, p.45) quando rotineiras, têm significado sempre atuações em que os gestores se mantêm como coadjuvantes dos problemas, confirmando, num ou noutro caso, uma prática que pode ser denominada de Gestão Corretiva. Características peculiares de cada município influenciam na maior ou menor ocorrência de disposições clandestinas de RCC: existência de política e de normas municipais para os RCC, capacidade fiscalizadora, capacidade gerencial e operacional da empresa de limpeza urbana, existência de áreas para entrega voluntária de RCC, distância entre os aterros sanitários ou aterros de inertes e os centros urbanos, altimetria típica, densidade demográfica, entre outras. 5 Fevereiro de 2004.

13 13 O quadro 4 mostra o número de disposições clandestinas e as quantidades removidas diariamente destes locais em alguns municípios brasileiros. Quadro 4: RCC irregularmente disposto e removido pelos municípios MUNICÍPIOS N de deposições clandestinas DEPOSIÇÕES CLANDESTINAS Total de RCC Total de RCC Ano do removido removido levantamento (t/dia) (m³/mês) Custos com a remoção dos RCC (10³ US$/t) Rio de Janeiro (01) n.d. n.d. n.d ,054 Salvador (02) 161 n.d. n.d n.d. São Paulo (03) n.d n.d ,23 Ribeirão Preto (04) n.d. S. J. Campos (05) n.d. Piracicaba (06) 80 a 100 n.d. n.d n.d. Vinhedo n.d. n.d. n.d. - n.d. Guarulhos n.d. n.d. n.d. - n.d. Ribeirão Pires n.d. n.d. n.d. - n.d. S. J. Rio Preto n.d. n.d. n.d. - n.d. Belo Horizonte (07) 134 n.d. n.d n.d. Londrina (08) 40 n.d. n.d n.d. Brasília n.d. n.d. n.d. - n.d. Macaé (09) 92 n.d. n.d n.d. n.d.: informação não disponível FONTES: (01) COMLURB (2002c, p.1); (02) CARNEIRO (2001, p.133); (03) SCHNEIDER (2003, p.84). Considerou-se o total de RCC coletado em 2002 dividido por 365 dias; (04) e (05): PINTO (1999, p.39 e 47) (06) Dado coletado junto a EMDHAP em julho de 2003; (07) Dado coletado junto a SLU em agosto de 2003; (08) Dado coletado junto a Prefeitura de Londrina em agosto de 2003; (09) DIDONET (2001, p.4) 4.2. A Implantação da Resolução n 307 do CONAMA O art. 4 determina que, no prazo máximo de dezoito meses após a entrada em vigor da resolução 6, os RCC não poderão ser mais destinados para aterros de resíduos domiciliares, áreas de bota fora, encostas, corpos d água, lotes vazios e em áreas protegidas por legislação específica. Como a entrada em vigor da resolução foi em 02/01/2003, o prazo máximo ficou fixado em 01/07/ Referência ao artigo 13 da Resolução.

14 14 O art. 5 da resolução do CONAMA especifica o Plano Integrado de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil como instrumento para a implementação da gestão dos RCC. O Plano deverá incorporar: - Programa Municipal de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil; e - Projetos de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil. Uma peça fundamental para o programa é a elaboração de normas institucionais pela empresa municipal encarregada pela limpeza urbana, tais como a norma da COMLURB 7, que estabelece procedimentos para acondicionamento, coleta, transporte e destinação final dos resíduos sólidos inertes, que é basicamente voltada para os RCC. As normas devem definir os critérios técnicos de limpeza urbana local, englobando as seguintes informações, entre outras: - Quem são os pequenos e os grandes geradores (definição pelas quantidades de geração, pela origem residencial, comercial, industrial); - Quais são os procedimentos e as responsabilidades para acondicionamento, coleta, transporte e destinação para os pequenos e os para grandes geradores; - Quais os tipos de serviços municipais de limpeza urbana que estarão disponíveis para os pequenos e para os grandes geradores (tele-atendimento, coleta domiciliar, áreas para recebimento, triagem e armazenamento temporário, ou áreas para destinação final, tanto para pequenos volumes, quanto para grandes volumes); - Quais os critérios para o cadastramento de transportadores de RCC; - Quais os tipos de práticas que serão considerados infrações (disposição de RCC em logradouros públicos, rios, áreas não licenciadas, por exemplo); - Quais os valores das multas a serem aplicadas para cada tipo de infração. O Plano Integrado de Gerenciamento Municipal de RCC, além de incluir o Programa de Gerenciamento, deverá também conter as diversas ações a serem realizadas pelo poder municipal para que as normas sejam efetivamente cumpridas pelos geradores. As ações devem ser descritas, os prazos para suas conclusões estimados e as responsabilidades por suas execuções estabelecidas. Entre as ações do plano estão: treinamento de funcionários, preparação de equipe fiscalizadora (ações de orientação, de fiscalização e de controle dos agentes envolvidos), preparação, discussão, votação e publicação de legislação necessária 7 Apresentada no item III.2.3.

15 15 (obrigatoriedade do cumprimento de normas institucionais para RCC), estabelecimento de processos de licenciamento para as áreas de beneficiamento e de disposição final de resíduos e proibição da disposição dos RCC em áreas não licenciadas). Outro ponto a ser abrangido no plano é o incentivo à reinserção dos resíduos reutilizáveis ou reciclados no ciclo produtivo, que será comentado no capítulo V. Ações educativas visando reduzir a geração de resíduos e possibilitar a sua segregação deverão, também estar incluídas no Plano de Gerenciamento de RCC, segundo a resolução do CONAMA. As ações deverão atingir os geradores e os transportadores através de meios como a mídia, distribuição de impressos, visitas a escolas, centros de educação profissionalizantes e a canteiros de obras. Contatos, palestras e treinamentos dos agentes envolvidos com RCC (sindicatos de construção civil, associações de catadores, de carroceiros, de coletores de entulho, por exemplo) aumentarão as chances de sucesso do plano. Um item a ser incluído é a definição de áreas aptas para recebimento, triagem e armazenamento temporário de pequenos volumes, que será comentado no item Segundo o art. 11 da resolução, os municípios e o Distrito Federal deveriam ter elaborado, até janeiro de 2004, os seus Planos Integrados de Gerenciamento de RCC. O prazo limite para a implantação dos planos foi até julho de A resolução do CONAMA estabelece ainda que os geradores não enquadrados como geradores de pequenos volumes, conforme critérios técnicos do sistema de limpeza urbana local, deverão elaborar e implementar Projetos de Gerenciamento de RCC próprios, especificando os procedimentos a serem executados para manejo e destinação adequados dos RCC. Os projetos deverão ser apreciados pelo poder público municipal, conforme as exigências contidas no Plano de Gerenciamento de RCC de cada município e, conterão basicamente as seguintes informações sobre os RCC gerados, que são: caracterização, triagem, acondicionamento, transporte e destinação Gestão sustentável de RCC A gestão sustentável de RCC proposta pela resolução do CONAMA amplia os tradicionais serviços de limpeza urbana, incluindo também ações de coleta, transporte, reciclagem e destinação específica para os RCC.

16 16 Pode-se considerar que a gestão sustentável para RCC baseia-se essencialmente nos seguintes aspectos: - Formação de rede municipal de áreas para atração de RCC, diferenciadas para pequenos e grandes geradores e coletores, com a finalidade de maximizar a captação de RCC. A disposição de pequenos volumes de RCC é facilitada e incentivada, sendo o descarte dos grandes volumes racionalizado; - Reciclagem dos resíduos captados pela rede, em centrais de reciclagem para RCC; - Reinserção dos materiais reciclados no ciclo produtivo, principalmente da própria indústria da construção civil; - Alteração de cultura e de práticas dos geradores e coletores, em relação à intensidade de geração e à disposição dos RCC; - Alteração de cultura e de práticas da gestão corretiva empregada pelos municípios. A gestão sustentável favorece a preservação da paisagem e da qualidade de vida nos ambientes urbanos. Além disso, a mesma pode beneficiar a eficiência dos serviços de limpeza urbana, pois os municípios passam a atuar preventivamente em relação aos RCC, diminuindo as suas despesas com (PINTO, 1999): - As ações corretivas de limpeza (coleta, transporte e destinação final) das áreas diretamente afetadas (calçadas, logradouros públicos, encostas, rios, etc.) com disposição clandestina de RCC; - A freqüência dos serviços de manutenção e limpeza de redes de drenagem, devido ao carreamento dos RCC; - As ações emergenciais, no caso de inundações ou enchentes resultantes do mau funcionamento da rede de drenagem (natural ou urbana); - A recuperação ambiental de áreas degradadas por serem sorvedouros ilegais de RCC e, algumas vezes, de resíduos industriais; - Novas obras públicas, tais como obras para contenção de encostas e para dragagem e canalização de rios, necessárias devido à disposição desordenada dos RCC; - Destinação final dos resíduos (menor quantidade de resíduos aterrados e aumento da vida útil dos aterros). As diretrizes básicas da gestão sustentável dos RCC são:

17 17 facilitação total da disposição dos RCC, diferenciação integral dos resíduos sólidos coletados, e alteração da destinação dos resíduos captados, através da reciclagem e reaproveitamento racionalizado Facilitação da disposição Realizando-se um diagnóstico sobre a situação dos RCC em um município 8, visualizam-se os funcionamentos formal e informal da disposição dos RCC nas diversas áreas do município. Freqüentemente os locais com disposição clandestina constante situam-se dentro de áreas do poder público ou em suas proximidades. Estas áreas podem estar reservadas para determinado propósito (como terrenos vazios para a construção de escolas, de praças, de prédios para administração pública ou áreas de proteção ambiental) ou com uso restrito devido às suas características (áreas não edificantes como margens de rios, faixas de terrenos próximas a rodovias e viadutos e servidões). Para definir a estratégia a ser adotada para a facilitação da disposição dos RCC, devem ser considerados os seguintes aspectos: A nível público: - Boa oferta de áreas públicas de pequeno e médio porte, onde poderão ser descartados RCC de pequenos geradores. Estas áreas deverão se situar, se possível, nos locais com disposição clandestina constante ou em suas proximidades; - Direcionamento das pequenas áreas (cerca de 300 m²) para a recepção de pequenos volumes de RCC e de resíduos sólidos não-domiciliares, nãosépticos e não-industriais (tais como: podas de árvores e embalagens - alumínio, vidro, papel) transportados em veículos particulares ou em veículos de agentes informais de coleta; - Direcionamento das áreas de médio porte (entre e 5000 m²) para a recepção de volumes significativos somente de RCC, que são transportados por veículos maiores. Estas áreas podem incluir centrais de reciclagem de RCC, reduzindo-se assim custos com transporte, ou servir como local para acumulação e transbordo para a central de reciclagem, situada em outra região. 8 No item 5.4 serão apresentadas perguntas que poderão auxiliar em diagnósticos.

18 18 A nível privado: - Escolha de áreas em locais de fácil acesso e próximos a regiões de grande produção de RCC; - Emprego de instalações semi-estacionárias que possam ser removíveis visando facilidade de transporte e reaproveitamento em outro local, se as condições da área circunvizinha se alterarem; - No caso de ações de desmonte de grandes estruturas, por exemplo, a Penitenciária de São Paulo, instalação de centrais móveis no local, de forma a produzir matéria prima a partir do desmonte Segregação na captação A disponibilidade de áreas para captação de RCC permite a sua diferenciação de outros tipos de resíduos urbanos, possibilitando outro destino a estes resíduos que não seja em aterros. Apesar desta diferenciação nas áreas de captação ser um passo avançado em relação à reciclagem dos RCC no Brasil, o ideal seria que os RCC fossem segregados na fonte (no local da geração) e, além disso, eventualmente reaproveitados no local em situações de desmonte de grandes estruturas e construção de novas, de forma a Possibilitar o alcance de vantagens financeiras e ambientais Reciclagem para alteração da destinação A gestão sustentável é consolidada através do beneficiamento dos RCC em centrais de reciclagem, para onde fluem os volumes de RCC, tanto diretamente dos grandes geradores e transportadores, quanto indiretamente os oriundos das áreas da rede de atração direcionadas para pequenos volumes. No próximo item serão apresentadas maiores informações sobre reciclagem de RCC. 5. Reciclagem de RCC 5.1. Introdução Podem ser considerados dois tipos básicos de reciclagem, que são a reciclagem primária e a reciclagem secundária. A reciclagem primária acontece quando o resíduo é reciclado dentro do mesmo processo do qual se originou. Por outro lado, a reciclagem

19 19 secundária acontece quando o resíduo é reciclado em um processo diferente daquele do qual se originou (JOHN, 2001). Apesar de comum em vários setores industriais, a prática de reciclagem primaria nem sempre é possível, devido a restrições como características de materiais e de processos de produção. Nestes casos, a reciclagem secundária pode ser uma boa alternativa Reciclagem primária de RCC No início dos anos 80 começou a ser implantado no Brasil o uso de pequenos moinhos em obras de edificações. Através da moagem de resíduos menos resistentes, tais como os provenientes de argamassas e alvenaria, estes equipamentos permitem sua reutilização durante a execução da obra, principalmente nos serviços de revestimento de edificações. Devido ao seu pequeno porte, os moinhos podem ser transportados e montados com relativa facilidade, o que favorece a prática da reciclagem nos canteiros de obra. O investimento necessário para a compra do moinho é de cerca de US$ 5.000,00 (IPT/ CEMPRE 2000, p.183). A partir destas experiências verificou-se que os resultados do uso dos moinhos são bons, pois os resíduos são beneficiados e empregados no local onde foram gerados, o que favorece a homogeneidade da composição dos reciclados e a sua não-contaminação. Além disso, reduzem-se tanto os custos das perdas nas atividades de construção quanto os custos com gerenciamento de RCC. GRIGOLI (2001), voltado principalmente para obras de edificações, apresenta formas práticas de como se empregar na própria obra parte dos RCC gerados em seus postos de trabalho, com ou sem beneficiamento (reciclando-os ou somente reutilizandoos). Foram vinte os empregos pesquisados e aprovados, que são: assentamentos de batentes, assentamentos de esquadrias e/ou contramarco, enchimentos de rasgos de paredes, chumbamentos de tubulações elétricas e hidráulicas, assentamento de blocos cerâmicos, chumbamento de caixas elétricas, execução de embonecamento de tubulações, remendo e emendas em alvenarias, enchimentos de rebocos internos, enchimentos de caixões perdidos, enchimentos de degraus de escadaria, estrado sobre o solo para lançamento de contrapiso e passeio público, contrapiso e interiores de unidades habitacionais, concretos de piso para abrigos de automóveis leves, drenos de

20 20 floreiras, drenos de visitas de hidrantes e drenos de fundo de poço de elevador, drenos de escoamento de água de chuvas e drenos de pátios de estacionamento, aterramento de valetas junto ao solo, estanqueamento, fundações de muros com pequenas cargas, vigas de concreto com baixa solicitação e, pilares de concreto com baixa solicitação Reciclagem secundária de RCC Como apresentado no capítulo anterior, uma gestão sustentável de RCC é consolidada através do beneficiamento destes resíduos em centrais de reciclagem, para onde fluem os volumes de RCC, tanto os de grandes geradores e transportadores, quanto os oriundos das áreas da rede de atração direcionadas para pequenos volumes. A primeira central de reciclagem do Brasil entrou em operação no ano de 1991 na cidade de São Paulo, no final da Administração de Luiza Erundina e, desde então, outras doze centrais foram instaladas. As cidades que já possuem central de reciclagem de RCC são: São Paulo, Ribeirão Preto, São José dos Campos, Piracicaba, Vinhedo, Guarulhos, Ribeirão Pires (todas estas no Estado de São Paulo), Belo Horizonte (MG), Londrina (PR), Brasília (DF) e Macaé (PINTO, 2002) 9. Devido à publicação da Resolução CONAMA este número deve aumentar em breve. Os municípios de São José do Rio Preto, Socorro e Campinas, todos no Estado de São Paulo, tinham ate recentemente o objetivo de implantar centrais de reciclagem de RCC, o que pode não ocorrer em função dos resultados das eleições municipais.. Para viabilizar a implantação da reciclagem municipal, dentro do contexto da gestão sustentável, o município deve realizar inicialmente um diagnóstico da situação atual dos RCC. Infelizmente, ao nível de administração publica, aspectos políticos e de interesses partidários e pessoais tem interferido nas tomadas de decisões tanto técnica, quanto econômicas, levando a construção de centrais de reciclagem a preços aparentemente acima do necessário e com posterior operação muito abaixo de suas capacidades e planejamento inicial. 9 Em Belo Horizonte e Brasília possuem duas Centrais de Reciclagem cada. Existe também uma central pela iniciativa privada na cidade do Rio de Janeiro, porém ainda se encontra como um projeto-piloto.

RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96

RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96 RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96 Correlações: Alterada pela Resolução nº 448/12 (altera os artigos 2º, 4º, 5º, 6º, 8º, 9º, 10 e 11 e revoga os

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002)

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. Correlações: Alterada pela Resolução nº 469/15

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA Resolução nº 307, de 5 de Julho de 2002. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil, disciplinando as ações

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N. 307, DE 05 DE JULHO DE 2002 Alterações: Resolução CONAMA n. 348, de 16.08.04 Resolução CONAMA n. 431, de 24.05.11 Resolução CONAMA n. 448, de 18.01.12 Resolução

Leia mais

Resíduos da Construção Civil INEA DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL (DILAM)

Resíduos da Construção Civil INEA DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL (DILAM) Resíduos da Construção Civil INEA DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL (DILAM) Legislação e Normas Resolução CONAMA n 307 de 04 de Maio de 2002 Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão

Leia mais

CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS. Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA

CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS. Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA Março/2012 Gerência ESTRUTURA GELSAR 1 Gerente SERURB SERVIÇO DE RESÍDUOS URBANOS 1 Chefe de Serviço, 5 analistas

Leia mais

GESTÃO INTELIGENTE DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E DEMOLIÇÃO

GESTÃO INTELIGENTE DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E DEMOLIÇÃO GESTÃO INTELIGENTE DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E DEMOLIÇÃO Problema transformado em oportunidade Hewerton Bartoli Presidente hewerton@abrecon.org.br Panorama da apresentação O que é RCC Legislação

Leia mais

MANEJO E GESTÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (RCD) Ministério das Cidades Secretaria de Saneamento Ambiental

MANEJO E GESTÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (RCD) Ministério das Cidades Secretaria de Saneamento Ambiental MANEJO E GESTÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (RCD) RESOLUÇÃO CONAMA 307 Art. 3 o Os resíduos da construção civil deverão ser classificados, para efeito desta Resolução, da seguinte forma: I-Classe

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEMA N 109, 22 de setembro de 2005.

RESOLUÇÃO CONSEMA N 109, 22 de setembro de 2005. ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE - CONSEMA RESOLUÇÃO CONSEMA N 109, 22 de setembro de 2005. "Estabelece diretrizes para elaboração do Plano Integrado

Leia mais

CARTILHA DA LEI DO ENTULHO FERNANDÓPOLIS, SP ORIENTAÇÃO EM BUSCA DA CIDADANIA

CARTILHA DA LEI DO ENTULHO FERNANDÓPOLIS, SP ORIENTAÇÃO EM BUSCA DA CIDADANIA CARTILHA DA LEI DO ENTULHO FERNANDÓPOLIS, SP ORIENTAÇÃO EM BUSCA DA CIDADANIA - (17) 3463-9014 TEL. (17) 3463-1495 O CER também comercializa materiais reciclados para obra de ótima qualidade como areia,

Leia mais

LEI Nº 10.847, DE 9 DE MARÇO DE 2010.

LEI Nº 10.847, DE 9 DE MARÇO DE 2010. LEI Nº 10.847, DE 9 DE MARÇO DE 2010. Institui o Plano Integrado de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil do Município de Porto Alegre, estabelece as diretrizes, os critérios e os procedimentos

Leia mais

Conteúdo. Política Nacional de Resíduos Sólidos. Características do lixo domiciliar. Resíduos de Construção Civil.

Conteúdo. Política Nacional de Resíduos Sólidos. Características do lixo domiciliar. Resíduos de Construção Civil. RESÍDUOS SÓLIDOSS 1 Conteúdo Política Nacional de Resíduos Sólidos. Características do lixo domiciliar. Resíduos de Construção Civil. 2 Conteúdo Política Nacional de Resíduos Sólidos. Características do

Leia mais

ESTABELECE O SISTEMA MUNICIPAL DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO, DEMOLIÇÃO E RESÍDUOS VOLUMOSOS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

ESTABELECE O SISTEMA MUNICIPAL DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO, DEMOLIÇÃO E RESÍDUOS VOLUMOSOS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. 1/11 LEI Nº 3645, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2012. (Regulamentada pelo Decreto nº 6101/2015) ESTABELECE O SISTEMA MUNICIPAL DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO, DEMOLIÇÃO E RESÍDUOS VOLUMOSOS E DÁ OUTRAS

Leia mais

ULC/0417 PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL. 1.0 18/08/09 Ajuste de layout para adequação no sistema eletrônico.

ULC/0417 PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL. 1.0 18/08/09 Ajuste de layout para adequação no sistema eletrônico. CONTROLE DE REVISÃO Código do Documento: Nome do Documento: ULC/0417 PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL Responsável pela Elaboração: Gerente de Segurança e Meio NE/SE Responsável

Leia mais

SEMMA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 018, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2005.

SEMMA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 018, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2005. SEMMA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 018, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2005. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para gestão dos resíduos da construção civil, disciplinando as ações necessárias de forma a

Leia mais

RESÍDUOS DE GESSO NA CONSTRUÇÃO CIVIL COLETA, ARMAZENAGEM E DESTINAÇÃO PARA RECICLAGEM

RESÍDUOS DE GESSO NA CONSTRUÇÃO CIVIL COLETA, ARMAZENAGEM E DESTINAÇÃO PARA RECICLAGEM RESÍDUOS DE GESSO NA CONSTRUÇÃO CIVIL COLETA, ARMAZENAGEM E DESTINAÇÃO PARA RECICLAGEM Produção: Associação Brasileira dos Fabricantes de Chapas para Drywall. Apoio Institucional: Sindicato da Indústria

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL: Diagnóstico do Cenário atual de Três Lagoas MS.

RESÍDUOS SÓLIDOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL: Diagnóstico do Cenário atual de Três Lagoas MS. RESÍDUOS SÓLIDOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL: Diagnóstico do Cenário atual de Três Lagoas MS. Ana Cláudia Santos da Silva Graduanda em Engenharia Ambiental e Sanitária Faculdades Integradas de Três Lagoas - AEMS

Leia mais

PLANO MUNICIPAL INTEGRADO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E COLETA SELETIVA. São José, dezembro de 2012.

PLANO MUNICIPAL INTEGRADO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E COLETA SELETIVA. São José, dezembro de 2012. PLANO MUNICIPAL INTEGRADO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E COLETA SELETIVA 1 São José, dezembro de 2012. CONSIDERAÇÕES INICIAIS: Atendendo às determinações do Contrato 697/2012, as informações

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL. Eng. Antonio Henrique Candeias

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL. Eng. Antonio Henrique Candeias GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL Eng. Antonio Henrique Candeias Historia da Limpeza Urbana ( site COMLURB ) Em ROMA ano 736 AC placas não jogue lixo aqui Londres ano 1354 Lei obrigava o lixo

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) 1 JUSTIFICATIVA Este Termo de Referência tem como finalidade orientar os grandes e pequenos geradores

Leia mais

Eloisa Maria Wistuba Dezembro/2014

Eloisa Maria Wistuba Dezembro/2014 Eloisa Maria Wistuba Dezembro/2014 1. Marcos legais no município 2. Resoluções Conselho Nacional do Meio Ambiente 3. Classificação dos resíduos de construção civil 4. Plano Integrado de Gerenciamento de

Leia mais

Art. 1 Para efeito do disposto nesta lei, ficam estabelecidas as seguintes definições:

Art. 1 Para efeito do disposto nesta lei, ficam estabelecidas as seguintes definições: Página 1 de 9 Lei Ordinária nº 5159/2004 de 24/12/2004 Ementa Institui o Sistema para a Gestão Sustentável de Resíduos da Construção Civil e Resíduos Volumosos no Município de Joinville e dá outras providências.

Leia mais

Situação Atual do Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil (RCC) no Município de Toledo-PR

Situação Atual do Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil (RCC) no Município de Toledo-PR Situação Atual do Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil (RCC) no Município de Toledo-PR Débora de Oliveira Fernandes Geotécnica, Paraná, Brasil Daniela Fabiane Ely Bióloga, Toledo, Paraná, Brasil.

Leia mais

RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NOVA LEGISLAÇÃO PERMITE RÁ- PIDO AVANÇO PARA NORMAS TÉCNICAS E NOVAS SOLUÇÕES.

RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NOVA LEGISLAÇÃO PERMITE RÁ- PIDO AVANÇO PARA NORMAS TÉCNICAS E NOVAS SOLUÇÕES. RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NOVA LEGISLAÇÃO PERMITE RÁ- PIDO AVANÇO PARA NORMAS TÉCNICAS E NOVAS SOLUÇÕES. Arq. Tarcísio de Paula Pinto Mestre e Doutor pela USP Diretor da I&T Informações e Técnicas O

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE APUCARANA

CÂMARA MUNICIPAL DE APUCARANA www.apucarana.pr.leg.br - Centro Cívico José de Oliveira Rosa, ~5A - 86800-235 - Fone (43) 3420-7000 ESTADO DO PARANA SÚMULA - Institui o Plano Integrado de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil

Leia mais

O REAPROVEITAMENTO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SÓCIOAMBIENTAL NA CIDADE DE MONTES CLAROS-MG

O REAPROVEITAMENTO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SÓCIOAMBIENTAL NA CIDADE DE MONTES CLAROS-MG O REAPROVEITAMENTO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SÓCIOAMBIENTAL NA CIDADE DE MONTES CLAROS-MG Warley Barroso Silva Acadêmico do 2 Período do Curso de Engenharia Civil das

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS PREFEITURA MUNICIPAL DE TUCURUÍ PARÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE TUCURUÍ SEMMA / TUCURUÍ PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS APRESENTAÇAO O presente documento consolida o diagnóstico

Leia mais

LEI Nº 14.418 DE 05 DE OUTUBRO DE 2012

LEI Nº 14.418 DE 05 DE OUTUBRO DE 2012 LEI Nº 14.418 DE 05 DE OUTUBRO DE 2012 (Publicação DOM 08/10/2012: 03) INSTITUI O PLANO INTEGRADO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal aprovou e

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 2.336, DE 22 DE JUNHO DE 2004 PROJETO DE LEI N 030/2004. (nº 019/2004, na origem) INSTITUI O SISTEMA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DE

LEI MUNICIPAL Nº 2.336, DE 22 DE JUNHO DE 2004 PROJETO DE LEI N 030/2004. (nº 019/2004, na origem) INSTITUI O SISTEMA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DE LEI MUNICIPAL Nº 2.336, DE 22 DE JUNHO DE 2004 PROJETO DE LEI N 030/2004. (nº 019/2004, na origem) INSTITUI O SISTEMA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DE RESÍDUOS SÓLIDOS e dá outras providências. JOSÉ DE FILIPPI

Leia mais

DESAFIOS PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL

DESAFIOS PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL DESAFIOS PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL Claudiceia Silva Mendes 1 Resumo: A construção civil é reconhecida como uma das mais importantes

Leia mais

Gestão Ambiental de Resíduos na Construção Civil e Benefícios para o Meio Ambiente

Gestão Ambiental de Resíduos na Construção Civil e Benefícios para o Meio Ambiente - SEPesq Gestão Ambiental de Resíduos na Construção Civil e Benefícios para o Meio Ambiente Micheli Gonçalves Zamarchi Arquiteta e Urbanista Centro Universitário Metodista - IPA arquiteta.mz@gmail.com

Leia mais

LEI Nº 6.126, DE 27 DE ABRIL DE 2006.

LEI Nº 6.126, DE 27 DE ABRIL DE 2006. LEI Nº 6.126, DE 27 DE ABRIL DE 2006. Autoria: Prefeito Municipal. INSTITUI O PLANO INTEGRADO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E VOLUMOSOS E DÁ PROVIDÊNCIAS CORRELATAS. O Prefeito do Município

Leia mais

DECRETOS E RESOLUÇÕES - RESÍDUOS INERTES / CONSTRUÇÃO CIVIL

DECRETOS E RESOLUÇÕES - RESÍDUOS INERTES / CONSTRUÇÃO CIVIL Decreto / Norma Emissor Assunto Diretrizes e procedimentos / Resíduos da Construção Civil. Define a tipologia de resíduos da construção civil Artigo2º, tem I: Resíduos da construção civil: São os provenientes

Leia mais

ESTUDO DA GERAÇÃO E DISPOSIÇÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BAIRRO DA LIBERDADE EM CAMPINA GRANDE-PB

ESTUDO DA GERAÇÃO E DISPOSIÇÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BAIRRO DA LIBERDADE EM CAMPINA GRANDE-PB ESTUDO DA GERAÇÃO E DISPOSIÇÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BAIRRO DA LIBERDADE EM CAMPINA GRANDE-PB Autoria: Rosa do Carmo de Oliveira Lima¹ (Orientadora) - Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas

Leia mais

Diagnóstico Ambiental Inerente a Gestão de Resíduos da Construção Civil na Cidade de Toledo-PR

Diagnóstico Ambiental Inerente a Gestão de Resíduos da Construção Civil na Cidade de Toledo-PR Diagnóstico Ambiental Inerente a Gestão de Resíduos da Construção Civil na Cidade de Toledo-PR MOREJON, C. M. F.,a, BIANCO, T. S. D b, LIMA, J. F.. c, PLEC, O. d a. Universidade Estadual do Oeste do Paraná,

Leia mais

LEI Nº 14.803, DE 26 DE JUNHO DE 2008

LEI Nº 14.803, DE 26 DE JUNHO DE 2008 LEI Nº 14.803, DE 26 DE JUNHO DE 2008 (Projeto de Lei nº 136/08, do Vereador Chico Macena - PT) Dispõe sobre o Plano Integrado de Gerenciamento dos Resíduos da Construção Civil e Resíduos Volumosos e seus

Leia mais

RESOLUÇÃO TÉCNICA Nº XXX

RESOLUÇÃO TÉCNICA Nº XXX RESOLUÇÃO TÉCNICA Nº XXX Estabelece as condições gerais de prestação dos serviços de saneamento para abastecimento de água, esgotamento sanitário e resíduos sólidos. A DIRETORIA EXECUTIVA da Agência Reguladora

Leia mais

PROJETO DE LEI N., DE 2015 (Do Sr. DOMINGOS NETO)

PROJETO DE LEI N., DE 2015 (Do Sr. DOMINGOS NETO) PROJETO DE LEI N., DE 2015 (Do Sr. DOMINGOS NETO) Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para gestão e aproveitamento dos resíduos da construção civil e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

PEC I - Primeiro Painel Temático de Pesquisa da Engenharia Civil da UNIJUÍ 14 de Outubro de 2014

PEC I - Primeiro Painel Temático de Pesquisa da Engenharia Civil da UNIJUÍ 14 de Outubro de 2014 PEC I - Primeiro Painel Temático de Pesquisa da Engenharia Civil da UNIJUÍ 14 de Outubro de 2014 NOME: AVALIAÇÃO DO USO DE AGREGADO MIÚDO OBTIDO ATRAVÉS DA RECICLAGEM DE ENTULHOS EM CONCRETO DE CIMENTO

Leia mais

ENTECA 2003 IV ENCONTRO TECNOLÓGICO DA ENGENHARIA CIVIL E ARQUITETURA

ENTECA 2003 IV ENCONTRO TECNOLÓGICO DA ENGENHARIA CIVIL E ARQUITETURA 614 LEVANTAMENTO E ANÁLISE COMPARATIVA DA CONSTITUIÇÃO DO RCD DE OBRAS DE REFORMA E DEMOLIÇÃO NA CIDADE DE LONDRINA-PR MENDES, Thiago Melanda 1 & MORALES, Gilson 2 1.Aluno de Iniciação Científica e bolsista

Leia mais

Reciclagem e Reaproveitamento de resíduos sólidos da construção civil em São Luís MA: um processo sustentável 1

Reciclagem e Reaproveitamento de resíduos sólidos da construção civil em São Luís MA: um processo sustentável 1 REVISTA DO CEDS Periódico do Centro de Estudos em Desenvolvimento Sustentável da UNDB N. 1 agosto/dezembro 2014 Semestral Disponível em: http://www.undb.edu.br/ceds/revistadoceds Reciclagem e Reaproveitamento

Leia mais

REAPROVEITAMENTO DOS ENTULHOS DE CONCRETO NA CONSTRUÇÃO DE CASAS POPULARES

REAPROVEITAMENTO DOS ENTULHOS DE CONCRETO NA CONSTRUÇÃO DE CASAS POPULARES REAPROVEITAMENTO DOS ENTULHOS DE CONCRETO NA CONSTRUÇÃO DE CASAS POPULARES Maria Edelma Henrique de Carvalho Porto (ISECENSA) maria_edelma@hotmail.com Simone Vasconcelos Silva (ISECENSA) simonevsinfo@yahoo.com.br

Leia mais

Gestão de Resíduos nos Canteiros: Resultados e Continuidade. Engª Tatiana G. de Almeida Ferraz, MSc. SENAI - BA

Gestão de Resíduos nos Canteiros: Resultados e Continuidade. Engª Tatiana G. de Almeida Ferraz, MSc. SENAI - BA Gestão de Resíduos nos Canteiros: Resultados e Continuidade Engª Tatiana G. de Almeida Ferraz, MSc. SENAI - BA Impacto dos Resíduos de Construção Resíduos nas obras Impacto dos Resíduos de Construção Resíduos

Leia mais

LEI Nº 10.522, DE 24 DE AGOSTO DE 2012

LEI Nº 10.522, DE 24 DE AGOSTO DE 2012 Poder Executivo Secretaria Municipal de Governo LEI Nº 10.522, DE 24 DE AGOSTO DE 2012 Institui o Sistema de Gestão Sustentável de Resíduos da Construção Civil e Resíduos Volumosos - SGRCC - e o Plano

Leia mais

III-100 PROPOSTA DE GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL MO MUNICÍPIO DE FORTALEZA.

III-100 PROPOSTA DE GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL MO MUNICÍPIO DE FORTALEZA. III-100 PROPOSTA DE GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL MO MUNICÍPIO DE FORTALEZA. Viviane de Sena Barros Mestre em Engenharia Civil, área de concentração em Saneamento Ambiental,

Leia mais

6 Projeto Logístico para o entulho no Rio de Janeiro

6 Projeto Logístico para o entulho no Rio de Janeiro 6 Projeto Logístico para o entulho no Rio de Janeiro O resíduo da construção civil no Rio de Janeiro flui por dois caminhos bem distintos, o primeiro é o entulho gerado e processado pelas obras regulares

Leia mais

RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL: CLASSIFICAÇÃO, NORMAS E RECICLAGEM

RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL: CLASSIFICAÇÃO, NORMAS E RECICLAGEM RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL: CLASSIFICAÇÃO, NORMAS E RECICLAGEM 1 Régis Budke, 1 Jackson Rainério Cardoso & 2 Silvio Bispo do Vale 1 Graduandos em Engenharia de Minas e Meio Ambiente - UFPA. 2 Prof. da

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 7.146, DE

LEI MUNICIPAL Nº 7.146, DE LEI MUNICIPAL Nº 7.146, DE 31/07/2006 - Pub. BM nº 1.739, de 29/08/2006 Institui o Plano Integrado de Gerenciamento e o Sistema de Gestão Sustentável de Resíduos da Construção Civil e Resíduos Volumosos,

Leia mais

RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NOVA LEGISLAÇÃO PERMITE RÁPIDO AVANÇO PARA NORMAS TÉCNICAS E NOVAS SOLUÇÕES.

RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NOVA LEGISLAÇÃO PERMITE RÁPIDO AVANÇO PARA NORMAS TÉCNICAS E NOVAS SOLUÇÕES. RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NOVA LEGISLAÇÃO PERMITE RÁPIDO AVANÇO PARA NORMAS TÉCNICAS E NOVAS SOLUÇÕES. Arq. Tarcísio de Paula Pinto Mestre e Doutor pela USP Diretor da I &T Informações e Técnicas -

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina III-021 - ESTAÇÃO BOTA-FORA Evandro Alceu Braga Engenheiro Mecânico pela Universidade

Leia mais

Gerenciamento e Reciclagem de Resíduos de Construção & Demolição no Brasil. Dr. Eng. Sérgio Angulo scangulo@ipt.br (11) 3767 4151

Gerenciamento e Reciclagem de Resíduos de Construção & Demolição no Brasil. Dr. Eng. Sérgio Angulo scangulo@ipt.br (11) 3767 4151 Gerenciamento e Reciclagem de Resíduos de Construção & Demolição no Brasil Dr. Eng. Sérgio Angulo scangulo@ipt.br (11) 3767 4151 PROBLEMATIZAÇÃO Coleta do RCD: um problema logístico Uma empresa de coleta

Leia mais

REAPROVEITAMENTO E RECICLAGEM DE ENTULHOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL: ESTUDO DE CASO EM PASSO FUNDO, RS

REAPROVEITAMENTO E RECICLAGEM DE ENTULHOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL: ESTUDO DE CASO EM PASSO FUNDO, RS REAPROVEITAMENTO E RECICLAGEM DE ENTULHOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL: ESTUDO DE CASO EM PASSO FUNDO, RS Evanisa F. R. Q. Melo (1); Rubens M. Astolfi (2); Leunir Freitas (3); Ricardo Henryque Reginato Quevedo

Leia mais

Caracterização dos resíduos de construção e demolição na unidade de recebimento de resíduos sólidos no município de Campo Mourão PR

Caracterização dos resíduos de construção e demolição na unidade de recebimento de resíduos sólidos no município de Campo Mourão PR Maria Cristina Rodrigues Halmeman 1 ; Paula Cristina de Souza 2 ; André Nascimento Casarin 3 1 Professora Mestre, Universidade Tecnológica Federal Campo Mourão, Departamento de Engenharia de Produção Civil.

Leia mais

Resíduos de Construção e. Vanderley M. John Dr.Eng., Prof. Associado Depto. Eng. Construção Civil Escola Politécnica da USP

Resíduos de Construção e. Vanderley M. John Dr.Eng., Prof. Associado Depto. Eng. Construção Civil Escola Politécnica da USP Resíduos de Construção e Demolição Vanderley M. John Dr.Eng., Prof. Associado Depto. Eng. Construção Civil Escola Politécnica da USP Roteiro Desenvolvimento sustentável Resíduos e desenvolvimento sustentável

Leia mais

Os resíduos sólidos podem ser classificados de acordo com a origem, tipo de resíduo, composição química e periculosidade conforme abaixo:

Os resíduos sólidos podem ser classificados de acordo com a origem, tipo de resíduo, composição química e periculosidade conforme abaixo: TIPOS DE RESIDUOS Os resíduos sólidos podem ser classificados de acordo com a origem, tipo de resíduo, composição química e periculosidade conforme abaixo: Resíduo Hospitalar ou de Serviços de Saúde :

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - PGRCC. (folha de 8 itens)

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - PGRCC. (folha de 8 itens) PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - PGRCC 1.0 DADOS DO GERADOR/CONSTRUTOR (folha de 8 itens) PROCESSO Nº: CAD Nº: 1.1. Razão Social: 1.2 Endereço: 1.3 Fone: Fax: 1.4 E-mail: 1.5 CPF:

Leia mais

RECICLAGEM DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL: Estação SLU Estoril/Belo Horizonte/MG

RECICLAGEM DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL: Estação SLU Estoril/Belo Horizonte/MG RECICLAGEM DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL: Estação SLU Estoril/Belo Horizonte/MG Caroline Moreira Nogueira Guilherme Campolina Laís Lorena Ribeiro Luiz Eduardo de Melo Guadanini Matheus Lopo Madureira

Leia mais

PROPOSTA DE GERENCIAMENTO DE RCD PARA OBRAS DE EDIFICAÇÕES VERTICAIS DE MACEIÓ-AL

PROPOSTA DE GERENCIAMENTO DE RCD PARA OBRAS DE EDIFICAÇÕES VERTICAIS DE MACEIÓ-AL PROPOSTA DE GERENCIAMENTO DE RCD PARA OBRAS DE EDIFICAÇÕES VERTICAIS DE MACEIÓ-AL Nelma Miriam Chagas de Araújo (1); Tânia Maria Gomes Voronkoff Carnaúba (2); (1) Instituto Federal de Educação, Ciências

Leia mais

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência Página 1 de 9 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 00 01 20/05/2009 30/09/2009 16/12/09 Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos

Leia mais

1. CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS

1. CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS Página1 1. CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS Diversos autores vêm utilizando metodologias próprias de classificação de resíduos sólidos, tendo como referência a fonte de geração, o local de produção, os aspectos

Leia mais

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Secretaria Municipal de Meio Ambiente. RESOLUÇÃO SMAC Nº 604 de 23 de novembro de 2015

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Secretaria Municipal de Meio Ambiente. RESOLUÇÃO SMAC Nº 604 de 23 de novembro de 2015 PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Secretaria Municipal de Meio Ambiente RESOLUÇÃO SMAC Nº 604 de 23 de novembro de 2015 Disciplina a apresentação de Planos de Gerenciamento de Resíduos da Construção

Leia mais

III-018 DIAGNÓSTICOS DAS GESTÕES MUNICIPAIS DE RESÍDUOS SÓLIDOS DA CONSTRUÇÃO

III-018 DIAGNÓSTICOS DAS GESTÕES MUNICIPAIS DE RESÍDUOS SÓLIDOS DA CONSTRUÇÃO III-018 DIAGNÓSTICOS DAS GESTÕES MUNICIPAIS DE RESÍDUOS SÓLIDOS DA CONSTRUÇÃO Kátia Regina Alves Nunes, D.Sc. (1) Doutora em Engenharia de Produção pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Mestre em

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS Sumário 1. IDENTIFICAÇÃO... 1 2. INTRODUÇÃO... 2 3. LEGISLAÇÃO APLICÁVEL... 2 3.1. DEFINIÇÕES... 2 3.2. Plano de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil PGRCC...

Leia mais

Seminário CBCS Inauguração do Comitê Temático Gerenciamento de Riscos Ambientais Estratégias para a gestão de RCD em pequenos e grandes municípios Sérgio Angulo Prof. Dr., Poli USP Fluxo do RCD Gerador

Leia mais

RECICLAGEM DE RESIDUOS SOLIDOS DA CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO NO MUNICIPIO DE GOIANIA BENEFICIOS AMBIENTAIS

RECICLAGEM DE RESIDUOS SOLIDOS DA CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO NO MUNICIPIO DE GOIANIA BENEFICIOS AMBIENTAIS RECICLAGEM DE RESIDUOS SOLIDOS DA CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO NO MUNICIPIO DE GOIANIA BENEFICIOS AMBIENTAIS Francyana Pereira Lima(*) Acadêmica do curso de Engenharia Ambiental da Unversidade Católica de Goiás

Leia mais

GESTÃO DE REJEITOS DE MADEIRA NA CONSTRUÇÃO CIVIL: Impactos no Empreendimento Way Pampulha

GESTÃO DE REJEITOS DE MADEIRA NA CONSTRUÇÃO CIVIL: Impactos no Empreendimento Way Pampulha GESTÃO DE REJEITOS DE MADEIRA NA CONSTRUÇÃO CIVIL: Impactos no Empreendimento Way Pampulha Andrew Motta Daher 1 Érika Silva Fabr2 RESUMO: A geração de rejeitos oriundos da construção civil promove severos

Leia mais

Programa de Consumo Consciente nas Instituições de Ensino Superior Particulares FOREXP. Fórum de Extensão das IES Particulares

Programa de Consumo Consciente nas Instituições de Ensino Superior Particulares FOREXP. Fórum de Extensão das IES Particulares Programa de Consumo Consciente nas Instituições de Ensino Superior Particulares FOREXP Fórum de Extensão das IES Particulares Consumir conscientemente significa atentar para os efeitos que este ato acarreta

Leia mais

Arquitetura Sustentável: Reciclagem de Resíduos da Construção Civil

Arquitetura Sustentável: Reciclagem de Resíduos da Construção Civil Arquitetura Sustentável: Reciclagem de Resíduos da Construção Civil Arq. Daniela Corcuera arq@casaconsciente.com.br www.casaconsciente.com.br Texto adaptado a partir da Dissertação de Mestrado: CORCUERA,

Leia mais

LEI Nº 11.176, DE 10 DE OUTUBRO DE 2007.

LEI Nº 11.176, DE 10 DE OUTUBRO DE 2007. LEI Nº 11.176, DE 10 DE OUTUBRO DE 2007. INSTITUI O SISTEMA DE GESTÃO SUSTENTÁVEL DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E DEMOLIÇÃO E O PLANO INTEGRADO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E DEMOLIÇÃO

Leia mais

ENTECA 2003 IV ENCONTRO TECNOLÓGICO DA ENGENHARIA CIVIL E ARQUITETURA POTENCIAL DE RECICLAGEM DOS RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO

ENTECA 2003 IV ENCONTRO TECNOLÓGICO DA ENGENHARIA CIVIL E ARQUITETURA POTENCIAL DE RECICLAGEM DOS RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO 606 ENTECA 2003 POTENCIAL DE RECICLAGEM DOS RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO KAMIKAWA, Miriam Yoshie(1); ANGELIS NETO, Generoso De(2), VERONES, André Luiz Garbim(1), SANCHEZ, Victor Bortolo(1), ANGELIS,

Leia mais

A Estação Resgate é uma unidade recicladora de resíduos da construção civil (RCD)

A Estação Resgate é uma unidade recicladora de resíduos da construção civil (RCD) ESTAÇÃO RESGATE RECICLAGEM CC Sistema único de Reciclagem de Resíduos da Construção e Demolição e aproveitamento dos resíduos para fabricação A Estação Resgate é uma unidade recicladora de resíduos da

Leia mais

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini O lixo é conhecido como os restos das atividades humanas considerados inúteis, indesejáveis e descartáveis. No entanto, separado nos seus

Leia mais

Gestão, Arquitetura e Urbanismo

Gestão, Arquitetura e Urbanismo CONCURSO PETROBRAS ENGENHEIRO(A) CIVIL JÚNIOR ENGENHEIRO(A) JÚNIOR - ÁREA: CIVIL Gestão, Arquitetura e Urbanismo Questões Resolvidas QUESTÕES RETIRADAS DE PROVAS DA BANCA CESGRANRIO Produzido por Exatas

Leia mais

Página 1 de 18 Endereço desta legislação http://leismunicipa.is/trmac O texto abaixo é a versão original desta Lei Ordinária, ou seja, não contém alterações posteriores, caso tenha ocorrido. LEI Nº 1585,

Leia mais

UMA PROPOSTA PARA A LOGÍSTICA DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. Joel Vieira Baptista Júnior 1.

UMA PROPOSTA PARA A LOGÍSTICA DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. Joel Vieira Baptista Júnior 1. 7 e 8 Novembro 2012 UMA PROPOSTA PARA A LOGÍSTICA DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Joel Vieira Baptista Júnior 1 Celso Romanel 2 RESUMO Neste trabalho apresenta-se um panorama

Leia mais

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI. Audiencia Pública - Prognóstico

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI. Audiencia Pública - Prognóstico PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI Audiencia Pública - Prognóstico LEGISLAÇÃO: Constituição 1988: Artigo 225 Lei 11.445/2007 (Saneamento Básico) Decreto 7.217/2010 (Saneamento

Leia mais

III - Pontos de Entrega (Pequenos Volumes) - os equipamentos públicos destinados ao recebimento de resíduos da construção civil e resíduos volumosos

III - Pontos de Entrega (Pequenos Volumes) - os equipamentos públicos destinados ao recebimento de resíduos da construção civil e resíduos volumosos Ano 47 - Número 134 - São Paulo, sexta-feira, 19 de julho de 2002 DECRETO Nº 42.217, DE 24 DE JULHO DE 2002 Regulamenta a Lei nº 10.315, de 30 de abril de 1987, no que se refere ao uso de áreas destinadas

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) Prefeitura Municipal de Fortaleza Secretaria Municipal de Urbanismo e Meio Ambiente - SEUMA Coordenadoria

Leia mais

FORTALEZA (AMARA MUNICIPAL DE

FORTALEZA (AMARA MUNICIPAL DE (AMARA MUNICIPAL DE FORTALEZA Dispõe sobre a obrigatoriedade de utilização, pelo Município de Fortaleza, de material agregado reciclado nas obras municipais., Art. 1 Fica instituída a obrigatoriedade da

Leia mais

1.2 Número de cursos sobre resíduos da construção civil realizados 5 1.3. Número de intervenções realizadas em canteiros de obras de construção civil

1.2 Número de cursos sobre resíduos da construção civil realizados 5 1.3. Número de intervenções realizadas em canteiros de obras de construção civil SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos Sensibilização para o Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil Edvaldo Sabino 04/06/2013 + = TERMO DE PARCERIA 022/2008 Sensibiliz. para

Leia mais

TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com

TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com TRATAMENTO Série de procedimentos destinados a reduzir a quantidade ou o potencial poluidor dos

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE

SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE RESOLUÇÃO CONEMA Nº 56 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013. ESTABELECE CRITÉRIOS PARA A INEXIGIBILIDADE DE

Leia mais

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS ARTIGO 13 -ORIGEM RSU(domiciliares e de limpeza pública) Comerciais e Prestadores de Serviços Serviços Públicos de Saneamento Básico Industriais

Leia mais

Acordo de Cooperação Técnica entre o Brasil e a Alemanha GTZ

Acordo de Cooperação Técnica entre o Brasil e a Alemanha GTZ PROJETO COMPETIR Projeto COMPETIR Acordo de Cooperação Técnica entre o Brasil e a Alemanha SENAI GTZ SEBRAE OBJETIVO Ampliar a competitividade das empresas da cadeia produtiva da Construção Civil, visando:

Leia mais

TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR

TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR 1 o SIMPÓSIO SINDIREPA-RS TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR Felipe Saviczki - cntl.att@senairs.org.br Engenheiro Ambiental Técnico de Desenvolvimento - Área de Consultoria

Leia mais

Faz saber que a Câmara de Vereadores de Mogi Guaçu aprovou e ele sanciona e promulga a seguinte CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

Faz saber que a Câmara de Vereadores de Mogi Guaçu aprovou e ele sanciona e promulga a seguinte CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS LEI Nº., DE DE DE 2014. Institui o Sistema de Gestão Sustentável de Resíduos da Construção Civil e de Resíduos Volumosos e o Plano Integrado de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil, de acordo

Leia mais

GESTÃO E MANEJO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL

GESTÃO E MANEJO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL GESTÃO E MANEJO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL O Ministério Público e a implementação da Resolução CONAMA 307/2002 Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério

Leia mais

Por que a mineração é importante na sua vida e no seu dia-a-dia

Por que a mineração é importante na sua vida e no seu dia-a-dia Por que a mineração é importante na sua vida e no seu dia-a-dia A importância da mineração nos dias de hoje A qualidade de vida é tema cada vez mais discutido atualmente. Quem viaja quer contar com rodovias

Leia mais

CAPÍTULO. Lixo. O efeito do lixo nas encostas 15. 1. Tipos de soluções para a coleta do lixo 15. 2

CAPÍTULO. Lixo. O efeito do lixo nas encostas 15. 1. Tipos de soluções para a coleta do lixo 15. 2 CAPÍTULO 15 Lixo O efeito do lixo nas encostas 15. 1 Tipos de soluções para a coleta do lixo 15. 2 259 15. 1 O efeito do lixo nas encostas LIXO na ENCOSTA DESLIZAMENTO CAUSADO por LIXO na ENCOSTA Adaptado

Leia mais

RECICLAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL

RECICLAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL RECICLAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL Antonio Marcel Nascimento Gradin 1 Paulo Sérgio Nunes Costa 2 Resumo: A produção e disposição de Resíduos da Construção e Demolição - RCD na Construção

Leia mais

3 Resíduo da construção e demolição (RCD)

3 Resíduo da construção e demolição (RCD) 3 Resíduo da construção e demolição (RCD) Segundo dados da SindusCon SP, (publicação Gestão Ambiental de Resíduos da Construção Civil, 2005) a atividade da construção civil gera a parcela predominante

Leia mais

ESTUDO DA RECICLAGEM DO RESÍDUO DA CONSTRUÇÃO CIVIL PARA USO EM ESTACA DE COMPACTAÇÃO

ESTUDO DA RECICLAGEM DO RESÍDUO DA CONSTRUÇÃO CIVIL PARA USO EM ESTACA DE COMPACTAÇÃO ESTUDO DA RECICLAGEM DO RESÍDUO DA CONSTRUÇÃO CIVIL PARA USO EM ESTACA DE COMPACTAÇÃO Ronaldo Alves de Medeiros Junior Escola Politécnica de Pernambuco Universidade de Pernambuco (POLI/UPE), Recife, Brasil,

Leia mais

DECRETO Nº 18.481, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2013.

DECRETO Nº 18.481, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2013. DECRETO Nº 18.481, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2013. Regulamenta a Lei nº 10.847, de 9 de março de 2010, que institui o Plano Integrado de Gerenciamento de Resíduos de Construção Civil do Município de Porto Alegre,

Leia mais

GESTÃO E MANEJO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL

GESTÃO E MANEJO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL GESTÃO E MANEJO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL O Ministério Público e a implementação da Resolução CONAMA 307/2002 Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério

Leia mais

III Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade (SimpGES) Produtos eco-inovadores: produção e consumo"

III Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade (SimpGES) Produtos eco-inovadores: produção e consumo 24 e 25 de outubro de 2013 Campo Grande-MS Universidade Federal do Mato Grosso do Sul RESUMO EXPANDIDO O CAMPO NACIONAL DE PESQUISAS SOBRE GERENCIAMENTO SUSTENTÁVEL DE RESÍDUO DA CONSTRUÇÃO CIVIL (RCD)

Leia mais

A importância do equilíbrio sócio-ambiental na extração do mármore e do granito

A importância do equilíbrio sócio-ambiental na extração do mármore e do granito Ciclo Especial de Palestras 45 anos Crea-ES A importância do equilíbrio sócio-ambiental na extração do mármore e do granito Prof. Aurélio A. Barreto Neto aurelio@cefetes.br O Setor de Rochas Ornamentais

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2011 (Do Sr. Deputado Marcelo Matos)

PROJETO DE LEI N.º, DE 2011 (Do Sr. Deputado Marcelo Matos) PROJETO DE LEI N.º, DE 2011 (Do Sr. Deputado Marcelo Matos) Institui diretrizes para a reutilização e reciclagem de resíduos de construção civil e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta:

Leia mais