3. VISÃO DE FUTURO E ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DE LONGO PRAZO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "3. VISÃO DE FUTURO E ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DE LONGO PRAZO"

Transcrição

1 3. VISÃO DE FUTURO E ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DE LONGO PRAZO 47

2 48

3 3.1. VISÃO DE FUTURO DO MAIS RN PARA 2035 A classe empresarial ptiguar apresenta para a sciedade uma Visã de Futur usada e desafiadra. Das entrevistas realizadas a lng ds trabalhs, algumas citações transcritas ilustram as principais aspirações quant a futur d Ri Grande d Nrte: Que as classes empresarial e plítica se deem as mãs para cnstruir um Ri Grande d Nrte de prtunidades para a mairia da sua ppulaçã N futur, RN deve ser um estad prósper e empreendedr cm desenvlviment sustentável basead nas ptencialidades lcais e cm respnsabilidade ambiental e scial Um estad cm educaçã de alt nível, da pré-escla às universidades, livre de crrupçã, cm plen empreg, justiça funcinand, cultura de preservaçã d mei ambiente, saúde de alt nível e indústrias primárias e de transfrmaçã trabalhand a plena capacidade Um Estad que valrize mais sua cultura, cm um Gvern que apie empreendedrism, de frma a utilizar e preservar s recurss e as belezas naturais...que se cnstrua demcraticamente n Ri Grande d Nrte um nv mdel de desenvlviment ecnômic, que seja dinâmic na geraçã de riquezas e prmva a preservaçã d mei ambiente e a inclusã scial das pessas pbres, via trabalh decente Estas aspirações fram sistematizadas em uma Visã de Futur quantificada em cinc Metas-Síntese. 49

4 A VISÃO DE FUTURO MAIS RN 2035 PODE SER SINTETIZADA NA COMBINAÇÃO DOS SEGUINTES ATRIBUTOS Ppulaçã educada, prdutiva e próspera Pujança ecnômica, cm serviçs e indústria integrads nacinal e internacinalmente Explraçã inteligente e sustentável de seus ativs naturais Infraestrutura de qualidade AS METAS SÍNTESE SÃO UM INSTRUMENTO PARA DAR MATERIALIDADE À VISÃO DE FUTURO PRO- POSTA PELO MAIS RN E À MAGNITUDE DAS TRANSFORMAÇÕES SOCIAIS DESEJADAS, A SABER: Pact plític e scial: alcançar um IDH superir a 0, Empreendedrism e investiment: alcançar um PIB acima de R$ 100 bilhões em Capital human: registrar mais de 90% ds jvens cm 25 ans cm Ensin Técnic u Superir Estad eficiente e instituições de qualidade: alcançar e manter taxas médias anuais de investiment estadual em 20% da RCL Infraestrutura ampliada: integraçã, qualidade e diversidade de mdais lgístics, energia limpa, telecmunicações e ampla dispnibilidade hídrica 3.2. ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DO MAIS RN O desenvlviment ecnômic de lng praz d Ri Grande d Nrte será resultante de duas grandes estratégias de lnga maturaçã: 1. A melhria cntínua d ambiente de negócis e a prmçã da cmpetitividade sistêmica d Ri Grande d Nrte a médi e lng prazs; e 2. O incentiv a empreendedrism ptiguar e uma prmçã ativa de investiments 10 Índice referência, an Em reais de utubr de

5 1 MELHORIA DO AMBIENTE DE NEGÓCIOS E A PROMOÇÃO DA COMPETITIVIDADE SISTÊ- MICA A MÉDIO E LONGO PRAZOS A Estratégia de Desenvlviment Ecnômic e Prmçã de Investiments d Ri Grande d Nrte tem cm um ds pilares sustentadres a ampliaçã a médi e lng praz da cmpetitividade sistêmica estadual, entendida cm as cndições d ambiente sciecnômic e institucinais d Estad, prtant, externas às atividades prdutivas, que definem a psiçã diferenciada d estad (territóri) num cntext mais ampl de cncrrência cm utrs estads e países. Nessas cndições sciecnômicas e institucinais destacam-se a infraestrutura ecnômica, a educaçã, e qualificaçã prfissinal (capital human), e sistema de invaçã, além ds fatres facilitadres d ambiente de negócis. A cmpetividade sistêmica facilita investiment pels ganhs de prdutividade e qualidade em determinada regiã. Ela pde ser btida em decrrência da melhria simultânea e da interaçã sinérgica entre fatres cm frte impact ecnômic cm: infraestrutura cm ba capacidade e qualidade, capital human qualificad, instituições eficientes, acess à tecnlgia de pnta, capacidade de invaçã, Estad eficiente e qualidade e magnitude ds investiments públics. Esses fatres sã determinantes para a eficiência da prduçã e cmpetitividade pr gerarem um efeit sistêmic que aumenta a atratividade ds investiments e ds negócis em tda a extensã das cadeias prdutivas. O prcess de desenvlviment dessas vantagens cmpetitivas é gradual, mas seus efeits sã expnenciais e duradurs cm elevad pder de irradiaçã para td estad. A ampliaçã da cmpetitividade sistêmica cntribui para a cnfiguraçã de um ambiente de negócis prmissr e atraente as investiments, favrecend desenvlviment ecnômic sustentad a médi e lng praz. A estratégia de ampliaçã da cmpetitividade sistêmica é válida mesm se prevalecer atual ambiente de guerra fiscal pr mais 20 ans, uma vez que ela tem caráter adicinal à qualquer plítica de investiment direcinada e pde ser diferencial quand s instruments de renúncia fiscal estaduais anularem-se mutuamente. Dentre tds s elements essenciais à cmpetitividade sistêmica, na Estratégia d Ri Grande d Nrte destacam-se pr seu elevad pder de alavancagem: Capital Human, a Infraestrutura e a Qualidade Institucinal. 51

6 2 ESTÍMULO AO EMPREENDEDORISMO POTIGUAR E PROMOÇÃO ATIVA DE INVESTIMENTOS O empreendedrism cnstitui-se em um ds principais mtres d desenvlviment ecnômic a médi e lng prazs de países avançads, send parte central da estratégia de desenvlviment ecnômic d Mais RN, cnjuntamente cm a prmçã ativa de investiments. O empreendedrism, tant em nível individual quant cletiv u scial, cnsiste na cmbinaçã de um cnjunt de habilidades e cmpetências para realizar, fazer u executar. Uma sciedade empreendedra tem frte prpensã para criar, abrir e gerir negócis e frte sens de iniciativa para realizar prjets de interesse públic, privad u públic-privad, sem depender de estímuls superires. Pessas e sciedades empreendedras valrizam e premiam sucess, a criatividade, a capacidade de rganizaçã e planejament, a assunçã de respnsabilidades, a liderança, a visã de futur e cragem para assumir riscs, a persistência e a busca sistemática de nvas cmpetências. A história d Ri Grande d Nrte tem marcantes exempls de empreendedrism que pdem dar inspiraçã e sustentaçã a esta estratégia. O cresciment ecnômic cnstitui-se em um pders instrument para a prmçã da qualidade de vida e d bem estar, principalmente a se cnsiderar estági atual d Ri Grande d Nrte. A prsperidade scial e fim da pbreza n estad smente serã alcançads cm a ampliaçã, adensament e diversificaçã das cadeias prdutivas e a incrpraçã tecnlógica e a agregaçã de valr n agrnegóci, na indústria e ns serviçs. A transfrmaçã das ptencialidades ecnômicas naturais em negócis prmissres e lngevs cnstituem-se em um ds grandes desafis d estad, bem cm desenvlviment de nvs segments, ancrads pr exempl n capital human. Para Ri Grande d Nrte prtagnism empresarial e Empreendedrism Ptiguar serã determinantes para a cnstruçã d melhr futur. Adicinalmente, além de um ambiente amigável a empreendedr, as diversas instituições ptiguares envlvidas n desenvlviment ecnômic deverã adtar uma pstura de Prmçã Ativa de Investiments, buscand investidres ptenciais ns diverss segments relevantes da ecnmia ptiguar. Esta estratégia se justifica pel acirrament da cmpetiçã internacinal e interestadual pr investiments e negócis. A pratividade, planejament estratégic, a ferta de estuds e infrmações atualizadas e a cnfiabilidade das instituições e d ambiente empresarial sã cndições necessárias para superar s estads cncrrentes. 52

7 Ft 4. Slenidade de lançament d Prgrama Mais RN na Gvernadria reúne plítics, empresáris e representantes de instituições, entre utras autridades Ampl Pact Plític e Scial para Desenvlviment Estadual O pnt de partida da Estratégia de Desenvlviment Ecnômic e Prmçã de Investiments d Ri Grande d Nrte é a celebraçã de um Ampl Pact Plític e Scial para implementar esta usada agenda que articule a qualidade das instituições, a eficiência d estad, ajuste fiscal, s investiments em infraestrutura e em educaçã cm empreendedrism ptiguar. Desta frma, para cncretizar a Visã de Futur Mais RN 2035, há cinc grandes alavancas de transfrmaçã capazes de em cnjunt lançar Ri Grande d Nrte a um nv patamar de desenvlviment ecnômic n espaç tempral de duas décadas. Sã elas: Ampl Pact Plític e Scial para Desenvlviment Estadual Ampliaçã d Empreendedrism Ptiguar e Prmçã Ativa de Investiments Estad eficiente e instituições de qualidade Ampliaçã e Qualificaçã da Infraestrutura Ptiguar Prmçã de um Salt Educacinal e de Capital Human n espaç de uma geraçã Apresenta-se a seguir um diagrama que sintetiza em uma visã de cnjunt a Estratégia de Desenvlviment Ecnômic e Prmçã de Investiments d Ri Grande d Nrte Psterirmente sã detalhadas cada uma das cinc estratégias cm as respectivas metas indicativas e estratégias específicas. 53

8 Figura 3. Síntese da visã de cnjunt da Estratégia de Desenvlviment Ecnômic e Prmçã de Investiments d Ri Grande d Nrte VISÃO DE FUTURO MAIS RN Salt de desenvlviment basead na cmbinaçã de: ESTRATÉGIA DE LONGO PRAZO AMPLO PACTO PELO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL DO RN Ppulaçã educada e prdutiva Serviçs e indústria integrads nacinal e internacinalmente EMPREENDEDORISMO POTIGUAR E INVESTIMENTOS ESTADO EFICIENTE E INSTITUIÇÕES DE QUALIDADE Explraçã inteligente e sustentável de seus ativs naturais Infra estrutura de qualidade Instituições de qualidade, gvern eficiente e bm ambiente de negócis METAS SÍNTESE PARA 2035 Pact plític e scial alcançar um IDH de 0,818 Empreendedrism e investiment - PIB acima de R$ 100 bilhões em 2035 (R$ mai/2014) Capital human - mais de 90% ds jvens cm 25 ans cm ensin técnic u superir ENERGIA FRUTICULTURA ALIMENTOS E BEBIDAS ÓLEO E GÁS PESCA E AQUICULTURA BASE TECNOLÓGICA INDÚSTRIA EXTRATIVA CONSTRUÇÃO CIVIL P, D & INOVAÇÃO INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO CERÂMICA AMPLIAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DA INFRAESTRUTURA FERROVIAS PORTOS AEROPORTOS RODOVIAS ENERGIA TELECOM RECURSOS HÍDRICOS REDE DE CIDADES REGIÃO METROPOLITANA SALTO EDUCACIONAL E DO CAPITAL HUMANO EDUCAÇÃO INFANTIL ENSINO FUNDAMENTAL ENSINO MÉDIO PROFISSIONAL SUPERIOR EQUILÍBRIO FISCAL E INVESTIMENTO PÚBLICO INCENTIVOS FISCAIS AMBIENTE DE NEGÓCIOS REGULAÇÃO E GESTÃO AMBIENTAL QUALIDADE INSTITUCIONAL REDES DE SERVIÇOS PÚBLICOS AMBIENTE SOCIAL Estad eficiente - taxas anuais de investiment estadual de 20% da RCL Infraestrutura - integraçã, qualidade e diversidade de mdais, energia limpa e ampla dispnibilidade hídrica FINANCIAMENTO TURISMO CONFECÇÃO SERVIÇOS AVANÇADOS Fnte: Macrplan,

O fomento e a seleção de Planos de Negócio no âmbito do Inova Energia se destinará a cadeias produtivas ligadas às três linhas temáticas a seguir:

O fomento e a seleção de Planos de Negócio no âmbito do Inova Energia se destinará a cadeias produtivas ligadas às três linhas temáticas a seguir: Objetivs O Plan de Açã Cnjunta Inva Energia é uma iniciativa destinada à crdenaçã das ações de fment à invaçã e a aprimrament da integraçã ds instruments de api dispnibilizads pel BNDES, pela Agência Nacinal

Leia mais

Objetivo: Desenvolver as condições ideais para a boa formulação de objetivos, transformando-os em metas realizáveis.

Objetivo: Desenvolver as condições ideais para a boa formulação de objetivos, transformando-os em metas realizáveis. 1 Transfrmand Snhs em Metas Objetiv: Desenvlver as cndições ideais para a ba frmulaçã de bjetivs, transfrmand-s em metas realizáveis. Públic-Alv: Pessas interessadas em atingir sucess prfissinal e realizaçã

Leia mais

Estratégia Nacional de Especialização Inteligente. Lisboa, 2 de fevereiro de 2017 José Carlos Caldeira

Estratégia Nacional de Especialização Inteligente. Lisboa, 2 de fevereiro de 2017 José Carlos Caldeira Estratégia Nacinal de Especializaçã Inteligente Lisba, 2 de fevereir de 2017 Jsé Carls Caldeira Estrutura da Apresentaçã I. ENEI: prcess em Prtugal II. Mnitrizaçã e avaliaçã III. Primeirs resultads I.

Leia mais

A escola inclusiva e a formação de educadores: reflexões preliminares

A escola inclusiva e a formação de educadores: reflexões preliminares 3 PONTO DE VISTA A escla inclusiva e a frmaçã de educadres: reflexões preliminares Dra. Rberta Gai 1 Há muit temp tem se falad numa refrma esclar, mas puc tem sid feit para que iss crra. As crianças, de

Leia mais

Açovisa Referência em distribuição de AÇOS. Comunicação de Progresso 2015-16

Açovisa Referência em distribuição de AÇOS. Comunicação de Progresso 2015-16 Açvisa Referência em distribuiçã de AÇOS. Cmunicaçã de Prgress 2015-16 Onde tem Açvisa, Tem a realizaçã de um prjet. O aç se trnu imprescindível as mais diverss segments da indústria, transfrmand criatividade

Leia mais

Programa IBP de Bolsas de Mestrado

Programa IBP de Bolsas de Mestrado 1. Infrmações Gerais Prgrama IBP de Blsas de Mestrad Term de Referência 8 Cicl - 2014 O Institut Brasileir de Petróle, Gás e Bicmbustíveis, ciente da imprtância da frmaçã de prfissinais cm capacitaçã adequada

Leia mais

A Internet como possibilidade para articulações micropolíticas.

A Internet como possibilidade para articulações micropolíticas. XXVII Cngres de la Asciación Latinamericana de Scilgía. VIII Jrnadas de Scilgía de la Universidad de Buens Aires. Asciación Latinamericana de Scilgía, Buens Aires, 2009. A Internet cm pssibilidade para

Leia mais

Primeira Intervenção (Oradores)

Primeira Intervenção (Oradores) Oeiras, Ambiente e Mei Urban - Relatóri da Sessã Cm bjectiv de trnar prcess de revisã d PDM Oeiras numa prtunidade de definir um cnjunt de estratégias e linhas de acçã sólidas e eficazes na cncretizaçã,

Leia mais

Programa Estágios Profissionais

Programa Estágios Profissionais Prgrama Estágis Prfissinais Cnsiste num estági cm a duraçã de 9 meses, pdend prlngar-se, cm autrizaçã d IEFP, excepcinalmente, até 12 meses, quand fr cmplementad pr um estági a realizar em territóri nacinal

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS Questã n 1 Cnheciments Específics O text dissertativ deve cmtemplar e desenvlver s aspects apresentads abaix. O papel d PPA é de instrument de planejament de médi/lng praz que visa à cntinuidade ds bjetivs

Leia mais

RECURSOS FINANCEIROS EXTRA PARA O CRESCIMENTO DO SEU NEGÓCIO. BRACING PT2020 PDR2020 (Jovens agricultores) Página 1 de 7. Bracing Consulting, Lda.

RECURSOS FINANCEIROS EXTRA PARA O CRESCIMENTO DO SEU NEGÓCIO. BRACING PT2020 PDR2020 (Jovens agricultores) Página 1 de 7. Bracing Consulting, Lda. RECURSOS FINANCEIROS EXTRA PARA O CRESCIMENTO DO SEU NEGÓCIO BRACING PT2020 PDR2020 (Jvens agricultres) Página 1 de 7 Bracing Cnsulting, Lda. Rua d Tâmega, S/N. 4200 502 Prt Prtugal +351 917 000 020 inf@bracing

Leia mais

ESTRATÉGIA DE CURTO PRAZO TRANSIÇÃO E 1º ANO DE GOVERNO

ESTRATÉGIA DE CURTO PRAZO TRANSIÇÃO E 1º ANO DE GOVERNO ESTRATÉGIA DE CURTO PRAZO TRANSIÇÃO E 1º ANO DE GOVERNO AGENDA DA TRANSIÇÃO (DA ELEIÇÃO ATÉ A POSSE) Fazer uma avaliaçã prfunda e detalhada da situaçã financeira e fiscal d estad e definir uma estratégia

Leia mais

AVALIAÇÃO, COMPRA E VENDA DE EMPRESAS (VALOR JUSTO) BRACING Avaliação, Compra e Venda de Empresas Página 1 de 10. Bracing Consulting, Lda.

AVALIAÇÃO, COMPRA E VENDA DE EMPRESAS (VALOR JUSTO) BRACING Avaliação, Compra e Venda de Empresas Página 1 de 10. Bracing Consulting, Lda. AVALIAÇÃO, (VALOR JUSTO) COMPRA E VENDA DE EMPRESAS BRACING Avaliaçã, Cmpra e Venda de Empresas Página 1 de 10 Bracing Cnsulting, Lda. Rua d Tâmega, S/N. 4200 502 Prt Prtugal +351 917 000 020 inf@bracing

Leia mais

Preparação para a Certificação de Gestor da Qualidade - Excelência Organizacional

Preparação para a Certificação de Gestor da Qualidade - Excelência Organizacional Preparaçã para a Certificaçã de Gestr da Qualidade - Excelência Organizacinal OBJETIVOS DO CURSO Apresentar as participantes s cnteúds d Crp de Cnheciment necessáris à certificaçã, pssibilitand que aprimrem

Leia mais

As Vantagens Competitivas Baseando-se na Redução do Tempo

As Vantagens Competitivas Baseando-se na Redução do Tempo PROCESSAMENTO DE PEDIDOS Temp é dinheir : a velcidade e a precisã das infrmações lgísticas ditam a eficiência peracinal da empresa. As atividades de prcessament de pedids pdem tmar mais de 50% d temp d

Leia mais

Pobreza, Exclusão e Políticas Públicas inclusivas para a Infância

Pobreza, Exclusão e Políticas Públicas inclusivas para a Infância Clóqui Dinâmicas Actuais da Pbreza e da Exclusã Scial Cnceptualizações, Plíticas e Intervenções Assciaçã Prtuguesa de Scilgia 25 de Nvembr de 2010 Lisba Pbreza, Exclusã e Plíticas Públicas inclusivas para

Leia mais

Cinco sentidos da Economia Social. Américo M. S. Carvalho Mendes

Cinco sentidos da Economia Social. Américo M. S. Carvalho Mendes Cinc sentids da Ecnmia Scial Améric M. S. Carvalh Mendes ATES Área Transversal de Ecnmia Scial Universidade Católica Prtuguesa Prt 29 de Nvembr de 2015 Améric M. S. Carvalh Mendes Cinc sentids da Ecnmia

Leia mais

Gestão para a Excelência O caminho para um brasil melhor

Gestão para a Excelência O caminho para um brasil melhor Gestã para a Excelência O caminh para um brasil melhr Fórum Internacinal de Bas Práticas (IBPF) - ut/16 RELATÓRIO DE COMPETITIVIDADE GLOBAL 2016-2017 Brasil (81 de 138) Ambiente macrecnômic instável Baixa

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 124\ 2014

PROJETO DE LEI Nº 124\ 2014 Estad d Ri de Janeir Gabinete d Vereadr Jean Carls de Almeida PROJETO DE LEI Nº 124\ 2014 Dispõe sbre O Prgrama de Treinament as Servidres Públics Municipal e Cargs Cmissinads, que exercem funções de atendiment

Leia mais

ALTOS DIRIGENTES VISEU (PORTUGAL), - 2/3 2013 2-3 DEZEMBRO

ALTOS DIRIGENTES VISEU (PORTUGAL), - 2/3 2013 2-3 DEZEMBRO Encntr de Alt Dirigentes - Viseu 2/3 Dez 2013 Cm Invar para Ser Mais Cmpetitiv ENCONTRO de ALTOS DIRIGENTES VISEU (PORTUGAL), 2-3 DEZEMBRO 2013 Apresentaçã Crprativa Cnfidencial Cnclusões finais Página

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DE ECONOMIA

PLANIFICAÇÃO DE ECONOMIA Módul 5 O ESTADO E A ATIVIDADE ECONÓMICA 1- Estad nçã e Apresentar a nçã de Estad Expsiçã ral Avaliaçã d prcess de 32 funções Trabalhs de grup trabalh: grelhas de Nçã Caraterizar as funções d Leitura e

Leia mais

Seção II AÇÕES DE ASSESSORAMENTO, DEFESA E GARANTIA DE DIREITOS

Seção II AÇÕES DE ASSESSORAMENTO, DEFESA E GARANTIA DE DIREITOS OBSERVAÇÕES IMPORTANTES: Seçã II AÇÕES DE ASSESSORAMENTO, DEFESA E GARANTIA DE DIREITOS 1. A seçã II deverá ser preenchida após realizaçã de visita técnica; 2. Este Instrumental de Visita Técnica cntém

Leia mais

Gestor de Inovação e Empreendedorismo (m/f) GIE /15 P

Gestor de Inovação e Empreendedorismo (m/f) GIE /15 P A Pessas e Sistemas, empresa de Cnsultria na área da Gestã e ds Recurss Humans e cm atividade nas áreas de Recrutament e Seleçã, Frmaçã e Cnsultria, prcura para a Câmara Municipal de Amarante - Agência

Leia mais

1 - Quais competências socioemocionais são mais importantes?

1 - Quais competências socioemocionais são mais importantes? Que cmpetências sciemcinais precisam ser desenvlvidas? Cm deve ser a frmaçã ds prfessres para lidar cm esse desafi? Que cuidads sã necessáris na avaliaçã? O desenvlviment intencinal de capacidades que

Leia mais

PROGRAMA DE REALIZAÇÃO E APOIO A EVENTOS DE ESPORTE, LAZER E INCLUSÃO SOCIAL

PROGRAMA DE REALIZAÇÃO E APOIO A EVENTOS DE ESPORTE, LAZER E INCLUSÃO SOCIAL MINISTÉRIO DO ESPORTE SECRETARIA NACIONAL DE ESPORTE, EDUCAÇÃO, LAZER E INCLUSÃO SOCIAL DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PROGRAMAS DE ESPORTE, EDUCAÇÃO, LAZER E INCLUSÃO SOCIAL PROGRAMA DE REALIZAÇÃO E APOIO

Leia mais

REGULAMENTO 1ª EDICÃO PRÉMIO FOOD FAB LAB

REGULAMENTO 1ª EDICÃO PRÉMIO FOOD FAB LAB REGULAMENTO 1ª EDICÃO PRÉMIO FOOD FAB LAB O TAGUSVALLEY assume um papel fundamental cm agente dinamizadr da invaçã e ecnmia da regiã e prcura as cndições necessárias para que as atividades ecnómicas sejam

Leia mais

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões:

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões: Pessal, vislumbr recurss na prva de cnheciments específics de Gestã Scial para as seguintes questões: Questã 01 Questã 11 Questã 45 Questã 51 Questã 56 Vejams as questões e arguments: LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Leia mais

GEOGRAFIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO

GEOGRAFIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO GEOGRAFIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO ENSINO MÉDIO SÉRIE: 3ª TURMAS:ABC ETAPA:2ª ANO: 2017 PROFESSOR(A): CÁSSIO LIMA ALUNO(A): Nº: I INTRODUÇÃO Este rteir tem cm bjetiv rientá-l ns estuds de recuperaçã. Ele

Leia mais

Waikato Innovation Park. Nova Zelândia. Beef SolutioNZ. Soluções para a Indústria de Carne Bovina

Waikato Innovation Park. Nova Zelândia. Beef SolutioNZ. Soluções para a Indústria de Carne Bovina Waikat Innvatin Park Nva Zelândia Beef SlutiNZ Sluções para a Indústria de Carne Bvina Angus selecinads para criaçã em pastagens alcançam pes para abatiment em mens de dis ans. Prprcinand a prduçã de carne

Leia mais

Resultados 4º Trimestre de de Fevereiro de 2017

Resultados 4º Trimestre de de Fevereiro de 2017 Resultads 4º Trimestre de 2016 24 de Fevereir de 2017 Resultads 4º Trimestre de 2016 24 de Fevereir de 2017 Faturament d segment Alimentar atinge R$ 45 bilhões em 2016, cresciment de 11,7%, acelerand para

Leia mais

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO Um prject eurpeu em clabraçã cm a EHFA Eurpean Health and Fitness Assciatin, cm sede em Bruxelas Regist ds Prfissinais Intrduçã Estams numa fase em que a Tutela

Leia mais

Resumos Soltos Geografia 9º ano. Unidade 1: Contrastes de Desenvolvimento. 1.2 Interdependência entre espaços com diferentes níveis de desenvolvimento

Resumos Soltos Geografia 9º ano. Unidade 1: Contrastes de Desenvolvimento. 1.2 Interdependência entre espaços com diferentes níveis de desenvolvimento Unidade 1: Cntrastes de Desenvlviment 1.2 Interdependência entre espaçs cm diferentes níveis de desenvlviment Os principais países em desenvlviment surgem de antigas clónias eurpeias. Principais bstáculs

Leia mais

Governação Integrada em Territórios Vulneráveis

Governação Integrada em Territórios Vulneráveis Fórum GOVINT GOVERNAÇÃO INTEGRADA. A EXPERIÊNCIA INTERNACIONAL E DESAFIOS PARA PORTUGAL 16 utubr 2015 Gvernaçã Integrada em Territóris Vulneráveis Jã Ferrã, ICS-UL (crd.) Jã Murat (ICS-UL) Jrge Malheirs

Leia mais

SIC Gerenciando Através s da Confiabilidade. Fabiana Pereira da Silva Vale

SIC Gerenciando Através s da Confiabilidade. Fabiana Pereira da Silva Vale SIC 2013 Gerenciand Através s da Cnfiabilidade Fabiana Pereira da Silva Vale Intrduçã Atualmente as empresas de mineraçã vivem num cenári parecid cm s estudads e bservads pr Adam Smith e Frederick Taylr

Leia mais

Eric Arthur Bastos Routledge rotledge@agricultura.gov.br (61) 218-2866 Cláudia Ramos Zagaglia zagaglia@agricultura.gov.

Eric Arthur Bastos Routledge rotledge@agricultura.gov.br (61) 218-2866 Cláudia Ramos Zagaglia zagaglia@agricultura.gov. Relatóri da 1ª Reuniã Cmitê Temátic Permanente 7. Treinament, capacitaçã, pesquisa e transferência de tecnlgia, realizada ns dias 10 e 11 de març de 2005, n Ministéri da Fazenda, Setr de Autarquia Sul,

Leia mais

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000 GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisã: 000 A Mercur S.A., empresa estabelecida desde 1924, se precupa em cnduzir as suas relações de acrd cm padrões étics e cmerciais, através d cumpriment da legislaçã

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS EMPRESAS DO GRUPO TIM NO BRASIL

RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS EMPRESAS DO GRUPO TIM NO BRASIL RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS EMPRESAS DO GRUPO TIM NO BRASIL PREMISSA Cnectar e cuidar de cada um para que tds pssam fazer mais Esse é prpósit da TIM que, além de traduzir sua atuaçã invadra, também se

Leia mais

Conheça o Programa de Afiliados Ganhos Automáticos passo a passo.

Conheça o Programa de Afiliados Ganhos Automáticos passo a passo. Cnheça Prgrama de Afiliads Ganhs Autmátics pass a pass. O Ganhs Autmátics é um negóci que qualquer pessa pde desenvlver, pis vams dispnibilizar um Kit de Prduts e Serviçs cm fc em Ajudar e Dispnibilizar

Leia mais

Tecnologia & Inovação em Santa Catarina

Tecnologia & Inovação em Santa Catarina Tecnlgia & Invaçã em Santa Catarina Evertn Gubert Vice-Presidente Assciaçã Catarinense de Empresas de Tecnlgia Flrianóplis, 19 de nvembr de 2012. Pls Reginais de Tecnlgia e Invaçã Jinville (Sftville) Jaraguá

Leia mais

A FLORESTA DE QUE PRECISAMOS...

A FLORESTA DE QUE PRECISAMOS... A FLORESTA DE QUE PRECISAMOS... SUMÁRIO EXECUTIVO DAS CONCLUSÕES 17 DE OUTUBRO DE 2016 ENQUADRAMENTO O Clégi de Engenharia Flrestal da Ordem ds Engenheirs, em clabraçã cm a Universidade de Lisba, a Universidade

Leia mais

APOLLO 13 MISSÃO AGROTECH REGULAMENTO GERAL (MANUAL DE INSTRUÇÕES)

APOLLO 13 MISSÃO AGROTECH REGULAMENTO GERAL (MANUAL DE INSTRUÇÕES) APOLLO 13 MISSÃO AGROTECH REGULAMENTO GERAL (MANUAL DE INSTRUÇÕES) A Missã Agrtech é cmpsta de 4 estágis: ESTÁGIO 1 Cnhecend as DORES d Agrnegócis Hustn, we have a prblem ESTÁGIO 2 Ind a CAMPO Pisand n

Leia mais

Assembléia Le islativa do Estado de Rondôni

Assembléia Le islativa do Estado de Rondôni Recebid, Autue-se e Inclua em pauta. Assembléia Le islativa d Estad de Rndôni ọ...j c, ATOR: ESTADO DE RONDÔNIA Assembléia Leail?tiva 1 2 MAl 2015 Prll: j q6'! 5-,--_ TADO AELCIO DA TV - PP Prcess: J1().

Leia mais

SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE CAPACITAÇÃO EM MOÇAMBIQUE 27 e 28 de Outubro em Chinhambudzi / Manica 30 e 31 de Outubro 2014 em Maputo

SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE CAPACITAÇÃO EM MOÇAMBIQUE 27 e 28 de Outubro em Chinhambudzi / Manica 30 e 31 de Outubro 2014 em Maputo SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE CAPACITAÇÃO EM MOÇAMBIQUE 27 e 28 de Outubr em Chinhambudzi / Manica 30 e 31 de Outubr 2014 em Maput Intrduçã Esta prpsta prevê a realizaçã de um seminári avaliaçã

Leia mais

Sondagem do Bem-Estar

Sondagem do Bem-Estar 1 PERCEPÇÃO SOBRE A QUALIDADE DOS SERVIÇOS PÚBLICOS NO RIO DE JANEIRO E EM SÃO PAULO A crescente demanda pr melhria ds serviçs públics n Brasil ganhu ainda mair evidência ns dis últims ans, quand a recessã

Leia mais

FACULDADE AGES CURSO DE ENFERMAGEM REGULAMENTAÇÃO DAS PRÁTICAS EDUCATIVAS ADMINISTRAÇÃO APLICADA A ENFERMAGEM

FACULDADE AGES CURSO DE ENFERMAGEM REGULAMENTAÇÃO DAS PRÁTICAS EDUCATIVAS ADMINISTRAÇÃO APLICADA A ENFERMAGEM FACULDADE AGES CURSO DE ENFERMAGEM REGULAMENTAÇÃO DAS PRÁTICAS EDUCATIVAS ADMINISTRAÇÃO APLICADA A ENFERMAGEM As Práticas Educativas serã realizadas em hráris pré-determinads n períd diurn para aluns regularmente

Leia mais

Universidade Luterana do Brasil Faculdade de Informática. Disciplina de Engenharia de Software Professor Luís Fernando Garcia www.garcia.pro.

Universidade Luterana do Brasil Faculdade de Informática. Disciplina de Engenharia de Software Professor Luís Fernando Garcia www.garcia.pro. Universidade Luterana d Brasil Faculdade de Infrmática Disciplina de Engenharia de Sftware Prfessr Luís Fernand Garcia www.garcia.pr.br EVOLUÇÃO EM ENGENHARIA DE SOFTWARE 10 Sistemas Legads O investiment

Leia mais

1 - Introdução. 2 - Desenvolvimento

1 - Introdução. 2 - Desenvolvimento Desenvlviment e Otimizaçã de Hidrciclnes Frente a Mdificações de Variáveis Gemétricas e de Prcess Hérmane Mntini da Silva 1 Gilssaha Franklin Maciel 2 Orientadra: Ph.D. Andréia Bicalh Henriques RESUMO

Leia mais

Descrição do serviço. Visão geral do serviço. Escopo dos serviços Copilot Optimize. Copilot Optimize CAA-1000. Escopo

Descrição do serviço. Visão geral do serviço. Escopo dos serviços Copilot Optimize. Copilot Optimize CAA-1000. Escopo Descriçã d serviç Cpilt Optimize CAA-1000 Visã geral d serviç Esta Descriçã d serviç ( Descriçã d serviç ) é firmada pr vcê, cliente, ( vcê u Cliente ) e a entidade da Dell identificada na fatura de cmpra

Leia mais

Transição escola mercado de trabalho: duração da procura do 1º emprego

Transição escola mercado de trabalho: duração da procura do 1º emprego 6. TEMA EM ANÁLISE Transiçã escla mercad de trabalh: duraçã da prcura d 1º empreg Susana Neves* Institut Nacinal de Estatística Francisc Lima* Institut Superir Técnic e CEG-IST 1. Intrduçã De acrd cm s

Leia mais

OBJETIVOS DA AREA DE RECURSOS HUMANOS

OBJETIVOS DA AREA DE RECURSOS HUMANOS OBJETIVOS DA AREA DE RECURSOS HUMANOS RH É a parte fundamental das rganizações atuais; Interesses das Organizações x Interesses ds Funcináris; Organizações atuais - DP trabalhand em paralel cm RH; Eficácia:

Leia mais

REGULAMENTO DA 4ª OLIMPÍADA DE EMPREENDEDORISMO UNIVERSITÁRIO

REGULAMENTO DA 4ª OLIMPÍADA DE EMPREENDEDORISMO UNIVERSITÁRIO REGULAMENTO DA 4ª OLIMPÍADA DE EMPREENDEDORISMO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CATEGORIA 1 EMPREENDEDORISMO DE NEGÓCIOS Outubr de 2017 REGULAMENTO CATEGORIA 1 EMPREENDEDORISMO DE NEGÓCIOS

Leia mais

Administração AULA- 7. Economia Mercados [3] Oferta & Procura

Administração AULA- 7. Economia Mercados [3] Oferta & Procura Administraçã AULA- 7 1 Ecnmia Mercads [3] Oferta & Prcura Prf. Isnard Martins Bibligrafia: Rsseti J. Intrduçã à Ecnmia. Atlas 06 Rbert Heilbrner Micr Ecnmia N.Gregry Mankiw Isnard Martins Pag - 1 Oferta,

Leia mais

22/02/2015 MKI 1. Tópicos. Comunicar é um processo de troca de informações. Informação é um conjunto de dados organizados, com sentido e utilidade.

22/02/2015 MKI 1. Tópicos. Comunicar é um processo de troca de informações. Informação é um conjunto de dados organizados, com sentido e utilidade. Tópics pg 1. Intrduçã 2 2. Empresa 3 3. Cmunicaçã Empresarial 4 4. Imagem Institucinal 5 5. Cmunicaçã Institucinal 6 6. Cnceituaçã 8 7. Necessidades e bjetivs 9 8. Principais Instruments 10 9. Identidade

Leia mais

FINANCIAMENTO: REINO DE ESPANHA RESPONSAVEL DE PROGRAMA, PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA (PPP) E MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS

FINANCIAMENTO: REINO DE ESPANHA RESPONSAVEL DE PROGRAMA, PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA (PPP) E MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS FINANCIAMENTO: REINO DE ESPANHA RESPONSAVEL DE PROGRAMA, PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA (PPP) E MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS Departament: Infraestrutura Direçã: Unidade de PPDU Categria: P4 Salári anual: USD 44,328

Leia mais

As cópias dos contratos, assim como outros documentos do projeto, a seguir relacionados serão fornecidos após celebração do contrato dos serviços:

As cópias dos contratos, assim como outros documentos do projeto, a seguir relacionados serão fornecidos após celebração do contrato dos serviços: Term de Referência para cntrataçã de Auditres Externs A Rede Nrte-Sul http://www.nrd-sued-netz.de é um departament da DGB Bildungswerk BUND, instituiçã educacinal pertencente à Cnfederaçã ds Sindicats

Leia mais

Substituição de descodificadores antigos

Substituição de descodificadores antigos Substituiçã de descdificadres antigs De md a assegurar a dispnibilizaçã cntínua da tecnlgia mais recente as seus subscritres a MultiChice África irá realizar um prcess de actualizaçã ds descdificadres

Leia mais

PROJETO PENSAR: FILOSOFIA COM CRIANÇAS - Uma Odisséia

PROJETO PENSAR: FILOSOFIA COM CRIANÇAS - Uma Odisséia PROJETO PENSAR: FILOSOFIA COM CRIANÇAS - Uma Odisséia Prfª/Ms: Ivne Ferreira Csta Baldan Faculdades Integradas Tled Araçatuba - SP RESUMO Este text descreve a trajetória d Prjet Pensar: Filsfia cm Criança,

Leia mais

Índice. Comercializar e Vender Módulo 8- Atendimento e Venda

Índice. Comercializar e Vender Módulo 8- Atendimento e Venda Índice Atendiment e Venda... 2 Atendiment:... 2 Cmpetências d atendedr:... 2 Empatia:... 3 Qualidade d atendiment:... 4 Etapas de um atendiment eficaz:... 4 Prcess de cmunicaçã:... 4 Assertividade:...

Leia mais

Serviço Social

Serviço Social Serviç Scial 2012-13 Tmada de Decisã UCP-CRB Pól de Viseu *- 1 A elevada velcidade da mudança intrduz um nv element na gestã, frçand s executivs, já nervss cm um ambiente nã familiar, a tmar mais e mais

Leia mais

HACKSUS. Maratona Tecnoeducacional para Saúde. Natal, Rio Grande do Norte 12 a 14/07

HACKSUS. Maratona Tecnoeducacional para Saúde. Natal, Rio Grande do Norte 12 a 14/07 HACKSUS Maratna Tecneducacinal para Saúde Este dcument cmpreende guia de trabalh d participante. Ele descreve a metdlgia d event e traz infrmações sbre bjetiv, s prduts finais esperads e a rganizaçã. Leia

Leia mais

Bertioga BASE DAS INFORMAÇÕES: ATÉ 2012 RELATÓRIO Nº 6

Bertioga BASE DAS INFORMAÇÕES: ATÉ 2012 RELATÓRIO Nº 6 Cnvêni Petrbras Institut Pólis Relatóri nº 6 Diagnóstic Urban Sciambiental Municípi de Bertiga Base das infrmações até dez 2012 - Revisã de març de 2013 Bertiga RELATÓRIO Nº 6 BASE DAS INFORMAÇÕES: ATÉ

Leia mais

NEGOCIAÇÃO COM FORNECEDORES

NEGOCIAÇÃO COM FORNECEDORES 1º Seminari Prátic Técnicas e Ferramentas de Luanda, 13,14 e 15 de Fevereir de 2017 - Htel**** NEGOCIAÇÃO COM FORNECEDORES para planificar a melhr estratégia e alcançar melhr resultad 24 hras de Frmaçã

Leia mais

Resíduos Sólidos Urbanos: Como alavancar investimentos e viabilizar a implantação da Política Nacional de Resíduos Sólidos

Resíduos Sólidos Urbanos: Como alavancar investimentos e viabilizar a implantação da Política Nacional de Resíduos Sólidos Resídus Sólids Urbans: Cm alavancar investiments e viabilizar a implantaçã da Plítica Nacinal de Resídus Sólids Seminári BNDES-BID-ABDE Brasília, 07 de Mai de 2015 Área de Mei Ambiente Guilherme Martins

Leia mais

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças)

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) 20 05 3 PLD (Preç de Liquidaçã das Diferenças) PLD - 4ª Semana de Mai de 203 (8.05.203 a 24.05.203) PLD médi PLD médi 2 R$/MWh Sudeste Sul Nrdeste Nrte Sudeste 34,58 344,32 Pesada 360,7 360,7 360,7 360,7

Leia mais

GRC - 21 Data da publicação: maio/2015

GRC - 21 Data da publicação: maio/2015 Resum Descreve a d PAULISTA. Sumári 1. Objetiv... 2 2. Públic-alv... 2 3. Definições... 2 3.1. Risc Sciambiental... 2 3.2. Escp da (PRSA)... 2 4. Gvernança da... 2 5. Avaliaçã e gestã d risc sciambiental...

Leia mais

Instituto Superior de Línguas e Administração

Instituto Superior de Línguas e Administração Institut Superir de Línguas e Administraçã Estabeleciment de Ensin Superir - Vila Nva de Gaia Avaliaçã à unidade curricular de Gestã das Organizações A - DELTA CAFÉS A Delta Cafés nasceu n iníci ds ans

Leia mais

O equilíbrio económico e financeiro de uma concessão de transportes

O equilíbrio económico e financeiro de uma concessão de transportes O equilíbri ecnómic e financeir de uma cncessã de transprtes Fernand Cresp Diu UTAP Cnteúds 1) Breve apresentaçã da UTAP 2) O Value fr Mney, valr d serviç de transprtes 3) O mdel de negóci, s cntrats e

Leia mais

Projeto Pedagógico de Animação. Campo de Férias Científicas 2015

Projeto Pedagógico de Animação. Campo de Férias Científicas 2015 Prjet Pedagógic de Animaçã Camp de Férias Científicas 2015 Estremz, 25 de junh de 2015 Índice 1. O Centr Ciência Viva de Estremz 3 2. Caracterizaçã Geral Clónias de Férias Científicas 6 a. Prquê? 7 b.

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS10 Acess a Infrmaçã e engajament de stakehlders 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS10 (1/2) Delinear uma abrdagem sistemática para engajament

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Edital nº26/2015 PROPP/UEMS, 28 de agst de 2015. ABERTURA DE INSCRIÇÕES PARA O PROCESSO SELETIVO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENSINO EM SAÚDE, MESTRADO PROFISSIONAL, DA UNIVERSIDADE ESTADUAL

Leia mais

Escola Superior de Gestão

Escola Superior de Gestão Escla Superir de Gestã Institut Plitécnic de Santarém Vítr Carvalh nº 9055 Marketing e publicidade 2007 / 08 Pós Labral é nva tendência de decraçã Fashin Descubra nv papel pret RENOVA: use ser diferente

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO DO AGRUPAMENTO CONDE DE OEIRAS

PROJETO EDUCATIVO DO AGRUPAMENTO CONDE DE OEIRAS PROJETO EDUCATIVO DO AGRUPAMENTO CONDE DE OEIRAS TRIÉNIO 2011/2014 Aprvad pel Cnselh Geral abril de 2012 1ª Alteraçã - dezembr de 2012 2ª Alteraçã dezembr de 2013 ÍNDICE 1. Intrduçã... 4 2. Missã... 5

Leia mais

INFORMAÇÃO GAI. Apoios às empresas pela contratação de trabalhadores

INFORMAÇÃO GAI. Apoios às empresas pela contratação de trabalhadores INFORMAÇÃO GAI Apis às empresas pela cntrataçã de trabalhadres N âmbit das plíticas de empreg, Gvern tem vind a criar algumas medidas de api às empresas pela cntrataçã de trabalhadres, n entant tem-se

Leia mais

Atuação das Organizações da Sociedade Civil na formação docente

Atuação das Organizações da Sociedade Civil na formação docente ANEXO III Frmulári pesquisa quantitativa (segunda etapa d estud) Atuaçã das Organizações da Sciedade Civil na frmaçã dcente Obrigad pr acessar questinári da pesquisa de mapeament d trabalh das rganizações

Leia mais

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa Manual Cm intrduzir emplyeeship na empresa Índice Intrduçã Pass 1 - Cnheça as vantagens d emplyeeship para a empresa Pass 2 - Saiba que é a cultura emplyeeship Pass 3 - Aprenda a ter "bns" empregads Pass

Leia mais

I FÓRUM ECONÓMICO GLOBAL DA CPLP - A CPLP E A GLOBALIZAÇÃO

I FÓRUM ECONÓMICO GLOBAL DA CPLP - A CPLP E A GLOBALIZAÇÃO I FÓRUM ECONÓMICO GLOBAL DA CPLP - A CPLP E A GLOBALIZAÇÃO TIMOR-LESTE COMO PLATAFORMA PARA A COOPERAÇÃO EMPRESARIAL ENTRE A CPLP E A ÁSIA-PACÍFICO Centr de Cnvenções de Díli e Salã Nbre d Ministéri ds

Leia mais

Rumo Resultados 1T17

Rumo Resultados 1T17 Rum Resultads Rum Disclaimer 2 Esta apresentaçã cntém estimativas e declarações sbre perações futuras a respeit de nssa estratégia e prtunidades de cresciment futur. Essas infrmações se baseiam principalmente

Leia mais

DECISÃO EM RECURSO ADMINISTRATIVO N 001- PE 015/2013

DECISÃO EM RECURSO ADMINISTRATIVO N 001- PE 015/2013 Presidência da República Secretaria Geral Secretaria de Administraçã Diretria de Recurss Lgístics Crdenaçã-Geral de Licitaçã e Cntrat Crdenaçã de Licitaçã DECISÃO EM RECURSO ADMINISTRATIVO N 001- PE 015/2013

Leia mais

Organização de Computadores Digitais. Cap.10: Conjunto de Instruções: Modos de Endereçamento e Formatos

Organização de Computadores Digitais. Cap.10: Conjunto de Instruções: Modos de Endereçamento e Formatos Organizaçã de Cmputadres Digitais Cap.10: Cnjunt de Instruções: Mds de Endereçament e Frmats Mds de endereçament Os mds de endereçament sã um aspect da Arquitetura d cnjunt de instruções ns prjets das

Leia mais

Sinopse do PDI (Quiquênio 2013/2017)

Sinopse do PDI (Quiquênio 2013/2017) Sinpse d PDI (Quiquêni 2013/2017) Breve históric A Assciaçã de Ensin e Cultura Pi Décim existe n estad de Sergipe desde an de 1954 atuand n ensin básic. Pel Decret nº 77.232, de 25 de fevereir de 1976,

Leia mais

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito*

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* 20 Api O Setr Elétric / Julh de 2009 Desenvlviment da Iluminaçã Pública n Brasil Capítul VII Prjets de eficiência energética em iluminaçã pública Pr Lucian Haas Rsit* Neste capítul abrdarems s prjets de

Leia mais

Fórum Social Temático - Reforma Política: Pela Democratização do Poder

Fórum Social Temático - Reforma Política: Pela Democratização do Poder Text base de Metdlgia Fórum Scial Temátic Refrma Plítica Fevereir de 2015 Fórum Scial Temátic - Refrma Plítica: Pela Demcratizaçã d Pder Etapa descentralizada: de 27 de junh a 2 de julh, em td país Etapa

Leia mais

PROPOSTA PLANO DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO 2018

PROPOSTA PLANO DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO 2018 PROPOSTA PLANO DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO 2018 Preparad para: Assembleia Geral de Assciads 04 de Nvembr de 2017 Junts Sms Mais Frtes 1 Ações para 2018...3 Rerganizaçã interna da APELA...4 Prmçã e angariaçã

Leia mais

SOBRE O ENVIO E A APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS

SOBRE O ENVIO E A APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS SOBRE O ENVIO E A APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS Os trabalhs a serem submetids para apresentaçã em cmunicaçã ral, pôster e mesas temáticas crdenadas, deverã ser encaminhads à Secretaria d XV ENPESS até dia

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE INFOGRAFIAS

REGULAMENTO CONCURSO DE INFOGRAFIAS 1 REGULAMENTO CONCURSO DE INFOGRAFIAS SOBRE O PROJECTO O prjet EDUCO 2 CEAN é um prjet vencedr d Prgrama Eurpeu Erasmus+, que agrega várias iniciativas de api cmunitári centradas na educaçã, na aprendizagem

Leia mais

1. Apresentação - Os Princípios e Valores da Empresa

1. Apresentação - Os Princípios e Valores da Empresa Avaliaçã, Plíticas e Metas Apresentams a seguir nsss Valres e Princípis difundids entre nsss clabradres e frnecedres que regulam nssa prática ds Dez Princípis d Pact Glbal. Esta apresentaçã é frnecida

Leia mais

Transformadores. Transformadores 1.1- INTRODUÇÃO 1.2- PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO

Transformadores. Transformadores 1.1- INTRODUÇÃO 1.2- PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO Transfrmadres 1.1- INTRODUÇÃO N estud da crrente alternada bservams algumas vantagens da CA em relaçã a CC. A mair vantagem da CA está relacinada cm a facilidade de se elevar u abaixar a tensã em um circuit,

Leia mais

Boletim Técnico. esocial 1ª Liberação

Boletim Técnico. esocial 1ª Liberação Bletim Técnic escial 1ª Liberaçã O escial cnsiste na escrituraçã digital da flha de pagament e das brigações trabalhistas, previdenciárias e fiscais relativas a td e qualquer víncul trabalhista cntratad

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS1 Avaliaçã e Gerenciament de Riscs e Impacts Sciais e Ambientais 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS1 Identificar, avaliar e gerir s

Leia mais

O combate ao desemprego deve ser objectivo central das políticas económicas

O combate ao desemprego deve ser objectivo central das políticas económicas O cmbate a desempreg deve ser bjectiv central das plíticas ecnómicas O INE acaba de divulgar s dads d cresciment ecnómic e d Inquérit a Empreg para 2007. Segund estes, cresciment ecnómic d 4º trimestre

Leia mais

Rumo Resultados 3T17

Rumo Resultados 3T17 Rum Resultads 3T17 Rum Disclaimer 2 Esta apresentaçã cntém estimativas e declarações sbre perações futuras a respeit de nssa estratégia e prtunidades de cresciment futur. Essas infrmações se baseiam principalmente

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

7º Congresso Internacional sobre Geração Distribuída e Energia no Meio Rural AGRENER GD 2008

7º Congresso Internacional sobre Geração Distribuída e Energia no Meio Rural AGRENER GD 2008 7º Cngress Internacinal sbre Geraçã Distribuída e Energia n Mei Rural AGRENER GD 2008 Jim S. Naturesa*º Carls A. Maritni* Taciana de V. Menezes** Fernand P. D. Perrne** Karla K. Lepetitgaland** *Universidade

Leia mais

Sistema FM. Conceitos introdutórios. Exemplos de Orientação aos pais de crianças com deficiência auditiva

Sistema FM. Conceitos introdutórios. Exemplos de Orientação aos pais de crianças com deficiência auditiva Sistema FM Cnceits intrdutóris Exempls de Orientaçã as pais de crianças cm deficiência auditiva Prduçã: Camila Medina (Tecnlgia Educacinal FOB-USP) Bauru 2015 Autres: Fga. Ms. Raquel Franc Stuchi Siagh

Leia mais

ANEEL - CONSULTA PÚBLICA - N º 0015/2009 IMPLEMENTAÇÃO DE MEDIÇÃO ELETRÔNICA EM BAIXA TENSÃO

ANEEL - CONSULTA PÚBLICA - N º 0015/2009 IMPLEMENTAÇÃO DE MEDIÇÃO ELETRÔNICA EM BAIXA TENSÃO ANEEL - CONSULTA PÚBLICA - N º 0015/2009 IMPLEMENTAÇÃO DE MEDIÇÃO ELETRÔNICA EM BAIXA TENSÃO 29 de abril de 2009 Ats, Ats e símbl de peixe, Ats Cnsulting e própri símbl d peixe sã marcas cmerciais registradas

Leia mais

3º Encontro de Parques de Montanha. Adoção de Áreas Naturais Estratégias para aprimorar a gestão da visitação

3º Encontro de Parques de Montanha. Adoção de Áreas Naturais Estratégias para aprimorar a gestão da visitação 3º Encntr de Parques de Mntanha Adçã de Áreas Naturais Estratégias para aprimrar a gestã da visitaçã Cntext Lcalizaçã: Mata Atlântica 1909: direit d us da área cncedid pela Uniã 1912: inauguraçã d 1º teleféric

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS Ref.: nº 21/2013 Resluçã nº 13 d Senad Federal Unificaçã das alíqutas interestaduais de ICMS em 4% para prduts imprtads. (Atualizaçã) 1. Intrduçã Visand acabar cm a chamada guerra ds prts (disputa entre

Leia mais

O Mercado de Valores Mobiliários e o Desenvolvimento Económico. União dos Escritores Angolanos

O Mercado de Valores Mobiliários e o Desenvolvimento Económico. União dos Escritores Angolanos O Mercad de Valres Mbiliáris e Desenvlviment Ecnómic Uniã ds Escritres Anglans 10 de Agst de 2016 Objectivs Objectiv Geral Cmpreender papel d Mercad de Valres Mbiliáris n desenvlviment ecnómic Objectivs

Leia mais

CENTRO DE CONVIVÊNCIA E POUSADA SOCIAL PARA POPULAÇÃO ADULTA EM SITUAÇÃO DE RUA

CENTRO DE CONVIVÊNCIA E POUSADA SOCIAL PARA POPULAÇÃO ADULTA EM SITUAÇÃO DE RUA CENTRO DE CONVIVÊNCIA E POUSADA SOCIAL PARA POPULAÇÃO ADULTA EM SITUAÇÃO DE RUA O Prjet busca ferecer prtunidade de cnvivência e satisfaçã das necessidades básicas das pessas acima de 18(dezit) ans que

Leia mais

PROPOSTA PLANO DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO 2017

PROPOSTA PLANO DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO 2017 PROPOSTA PLANO DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO 2017 Preparad para: Assembleia Geral de Assciads 13 de Nvembr de 2016 Estrutura Organizacinal... 3 Ações para 2017... 4 Rerganizaçã interna da APELA... 5 Prmçã

Leia mais