Pérola Mourão de Souza Sardo de Abreu Pereira Instituto Pandiá Calógeras Ministério da Defesa. VIII CEDN, Belém do Pará, 08/04/2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Pérola Mourão de Souza Sardo de Abreu Pereira Instituto Pandiá Calógeras Ministério da Defesa. VIII CEDN, Belém do Pará, 08/04/2014"

Transcrição

1 A POLÍTICA NACIONAL DE DEFESA, A ESTRATÉGIA NACIONAL DE DEFESA E O LIVRO BRANCO DE DEFESA NACIONAL COMO INSTRUMENTOS GERADORES DE CONFIANÇA MÚTUA NA AMÉRICA DO SUL Pérola Mourão de Souza Sardo de Abreu Pereira Instituto Pandiá Calógeras Ministério da Defesa VIII CEDN, Belém do Pará, 08/04/2014

2 SUMÁRIO 1. A racionalidade teórica por trás dos White Papers 2. O Brasil e seu ambiente regional: integração e confiança na América do Sul 3. A Política Nacional de Defesa (PND) 4. A Estratégia Nacional de Defesa (END) 5. O Livro Branco de Defesa Nacional (LBDN) 6. Considerações Finais

3 1 A racionalidade teórica dos white papers DIAGNÓSTICO REALISTA ANARQUIA INCERTEZA INSEGURANÇA DILEMA DA SEGURANÇA PARA OS REALISTAS, UM DILEMA SEM SOLUÇÃO: Não-armamentismo vulnerabilidade Armamentismo conflito

4 O dilema da segurança pode ter consequências dramáticas... I Guerra Mundial: a guerra acidental Não houve potência agressora ou expansionista Europa vivia momento de armamentismo e construção de alianças secretas Fato isolado acabou desencadeando uma guerra sistêmica

5 ... E mostrar a necessidade de medidas O caso dos HMS dreadnoughts de construção de confiança Programas Navais de 1904 e 1906: reaparelhamento da Armada Brasil anunciou aquisição de 3 encouraçados britânicos (São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro) Reação regional, chilena, peruana e principalmente argentina, com Zeballos. Brasil imperialista. No final, vieram apenas o Minas Gerais e o São Paulo

6 PERSPECTIVA LIBERAL-INSTITUCIONALISTA ANARQUIA INCERTEZA INTERDEPENDÊNCIA E SOFT POWER OU PAZ DEMOCRÁTICA POSSIBILIDADE DE MITIGAÇÃO PORÉM Interpendência assimétrica Zona cinzenta hard vs. soft power Democracias vão à guerra

7 PERSPECTIVA CONSTRUTIVISTA REALIDADE SOCIALMENTE CONSTRUÍDA ANARQUIA É PERCEBIDA A PARTIR DE CULTURAS DIFERENTES ESTADOS PODEM SE PERCEBER COMO INIMIGOS, RIVAIS OU AMIGOS A TENDÊNCIA É UMA MOVIMENTAÇÃO PARA CULTURAS MAIS PACÍFICAS IMPORTÂNCIA DA CONSTRUÇÃO DA CONFIANÇA PARA IMAGEM DE AMIZADE

8 O PAPEL DOS WHITE PAPERS Na prática, todas as premissas e tendências preconizadas pelas teorias se misturam e têm consequências para o mundo real. São, hoje, condição documental para a consolidação de regiões de paz e de concertação para alcançar objetivos externos comuns; Compartilham e dão publicidade a informações sobre defesa, fortalecendo a percepção de condomínio comum, cuja defesa e regramento são tarefas compartilhadas, assim como a identidade comum de defesa. No âmbito interno, sensibilizam e envolvem a sociedade civil em relação à importância da defesa nacional; São chancelados pelo Congresso Nacional, o que promove um nível normativo de envolvimento da sociedade.

9 2 O Brasil e seu ambiente regional: integração e confiança na América do Sul Teoria do Regionalismo Tipologia da Integração Regional (Béla Balassa) Zona de Livre Comércio: redução de barreiras comerciais (NAFTA); União Aduaneira: política comercial comum, tarifa comum extrabloco (MERCOSUL); Mercado Comum: 4 liberdades de circulação (pessoas, serviços, mercadorias e capitais); União Monetária: competência monetária supranacional (UE).

10 2 O Brasil e seu ambiente regional: integração e confiança na América do Sul Teoria do Desenvolvimento Econômico Estrutural Relativização da perspectiva da integração econômica entre países em desenvolvimento (Paul Krugman, CEPAL, entre outros) Padrões semelhantes de especialização produtiva grau insuficiente de complementaridade econômica; Instituições políticas heterogêneas maiores custos para convergência de estruturas normativas; Déficits de infraestrutura elevados custos de transporte e comunicações também mais elevados para os fluxos intrarregionais.

11 CONTEXTO SISTÊMICO Maior complexidade da agenda internacional pós-guerra Fria: novos temas e atores ganham relevância; Emergência de conflitos na periferia do sistema, às vezes com intervenção de potências (DI); Período de prosperidade e diminuição dos gastos com defesa, seguido por uma retomada dos investimentos depois dos ataques de 11 de setembro; A partir de 2008, são retomados esforços de redução desses gastos, principalmente nos países que mais vêm sofrendo as consequências da crise. Apesar disso, ainda não se pode comparar os valores das potências com os gastos sul-americanos; Os conflitos internacionais, na atualidade, podem ser causados por diversas razões (étnicas, religiosas, recursos naturais, etc.). A emergência de crises pode levar à maximização dos confrontos. Quanto mais causas possíveis, mais difícil será prevê-los.

12 CONTEXTO SISTÊMICO

13 CONTEXTO REGIONAL Estabilidade como importante característica do último século, apesar da permanência de algumas divergências; Recente processo de institucionalização: Mercosul, Unasul, CDS, etc.; As democracias da região estão em fase de consolidação; Brasil aparece como liderança natural, apesar de optar por não exercer tal papel abertamente. Essa opção não significa que o exercício da liderança não seja esperado por outros países. A coordenação político-econômica passa por um processo de avanços e retrocessos. Necessidade de construção de uma identidade comum de defesa.

14 Integração da América do Sul

15 Integração da América do Sul em matéria de defesa Destaque para a progressiva institucionalização da UNASUL que, apesar dos vários desafios que tem pela frente, tem no CDS um mecanismo efetivo de concertação sul-americana para questões de defesa: Cooperação com avião de treinamento de pilotos das forças aéreas da UNASUL (UNASUL-I) Plano de Ação 2013 Realização de Seminários Criação de Grupos de Trabalho Projeto de desenvolvimento e produção de um sistema regional de aeronaves não tripuladas (VANT REGIONAL) Plano de Ação 2014 Realização de cursos e de capacitações técnicas O CADSUL, por exemplo, está em sua terceira edição. Outros indícios de que começa a se fortalecer o processo de integração sul-americana em defesa: Compra de 4 lanchas patrulheiras de rio da Colômbia pelo Brasil; Compartilhamento de inteligência do SIVAM para combate ao narcotráfico no âmbito da Organização do Tratado de Cooperação Amazônico (OTCA).

16

17 CONTEXTO DOMÉSTICO Democracia recente, o que influencia a relação entre civis e militares; Apesar de termos diminuído a desigualdade social, ainda há um longo caminho a seguir em termos de políticas sociais; Política Externa pacífica e baseada em princípios do Direito Internacional; Bons resultados econômicos, mas manutenção de problemas de infraestrutura e dificuldade de planejamento no longo prazo; O Brasil ainda é um país que está compreendendo o significado de seu recente processo de emergência. Os limites de nossas capacidades estão sendo conhecidos; A criação do Ministério da Defesa é recente e a sociedade tem pouco interesse na temática.

18 BRASIL UM PAÍS DE DIMENSÕES CONTINENTAIS -4 h -3 h -2 h Km Km Km Km

19 1.000,00 943,40 bi R$ 757,10 bi R$ 840,00 bi (LOA) R$ 943,40 bi (PLOA) 900,00 800,00 700,00 600,00 500,00 400,00 Despesa Primária União (R$ bi de reais) Desp Primária MD (R$ bi de reais) 300,00 102,95 bi 200,00 100,00 12,66 bi 12,3% 2012 = R$ 61,8 bi 2013 = R$ 69,4 bi 7,36% -

20 A grande estratégia: cooperação e dissuasão Ênfase: manutenção da paz Solução pacífica de diferenças Zonas de paz e cooperação Estabilidade econômica, inclusão social: liderança pelo exemplo; o Brasil como modelo Enfrentamento concertado de desafios comuns: crimes transfronteiriços e outros Ênfase: defesa e desenvolvimento Vizinhos vs atores extrarregionais Capacidades Autonomia tecnológica e industrial

21 Histórico dos documentos de defesa Escola Superior de Guerra Estado-Maior das Forças Armadas Estado-Maior Geral Política Militar Brasileira Estrutura Militar de Guerra Política Militar Brasileira Estratégia Militar Brasileira Política de Defesa Nacional Doutrina Militar de Defesa Criação do Ministério da Defesa Nova PDN SPEM Nova PMD Política Militar de Defesa/ Estratégia Militar de Defesa Nova EMiD Nova DMD Atualização da END Estratégia Nacional de Defesa LBDN PND END Avaliação Estratégica de Defesa

22 Principais documentos de defesa brasileiros Política Nacional de Defesa

23 A Política Nacional de Defesa IMPORTÂNCIA DO DESENVOLVIMENTO, DA INTEGRAÇÃO REGIONAL E DA COOPERAÇÃO Criada em 2005 e atualizada em 2012, a Política Nacional de Defesa (PND) é o documento condicionante de mais alto nível do planejamento de ações destinadas à defesa nacional. Ela apresenta o que fazer, principalmente em casos de ameaças externas. O documento divide-se em sete partes: a primeira, introdutória, apresenta a PND e seus principais objetivos. As demais apresentam os conceitos de Estado, Segurança e Defesa (seção 2); a visão do ambiente internacional (seção 3); o ambiente regional e o entorno estratégico (seção ); o Brasil (seção 5); os objetivos nacionais de defesa (seção 6); e as orientações (seção 7). A PND pressupo e que a defesa do Pai s e insepara vel do seu desenvolvimento, fornecendo-lhe o indispensa vel escudo. A PND interessa a todos os segmentos da sociedade brasileira. Baseada nos fundamentos, objetivos e princi pios constitucionais, alinha-se a s aspirac o es nacionais e a s orientac o es governamentais, em particular a poli tica externa brasileira, que propugna, em uma visa o ampla e atual, a soluc a o paci fica das controve rsias, o fortalecimento da paz e da seguranc a internacionais, o reforc o do multilateralismo e a integrac a o sul-americana. Um dos objetivos da PND é conscientizar todos os segmentos da sociedade brasileira da importância da defesa do país, mesmo em um contexto em que a percepção de ameaças ao território nacional está desvanecida para muitos brasileiros.

24 A Política Nacional de Defesa Estado, Segurança e Defesa O Estado tem como pressupostos básicos território, povo, leis e governo próprios e independência nas relações externas. Ele detém o monopólio legítimo dos meios de coerção para fazer valer a lei e a ordem, estabelecidas democraticamente, provendo, também, a segurança. A defesa externa é a destinação precípua das Forças Armadas. SEGURANÇA - condição que permite ao País a preservação da soberania e da integridade territorial, a realização dos seus interesses nacionais, livre de pressões e ameaças de qualquer natureza, e a garantia aos cidadãos do exercício dos direitos e deveres constitucionais DEFESA NACIONAL - conjunto de medidas e ações do Estado, com ênfase na expressão militar, para a defesa do território, da soberania e dos interesses nacionais contra ameaças preponderantemente externas, potenciais ou manifestas

25 A Política Nacional de Defesa O ambiente internacional O mundo vive hoje desafios complexos à segurança, que têm que ver com a multipolaridade do contexto pós Guerra Fria, com a globalização e com a interdependência. É pouco provável que haja conflito generalizado entre as nações, mas devem ser consideradas as possibilidades de exacerbação de conflitos étnicos e religiosos e de conflitos por recursos, como água e fontes de energia, além de disputas por áreas marítimas e aeroespaciais. Com a ocupação dos últimos espaços terrestres, as fronteiras continuarão a ser motivos de litígios internacionais. A integração entre países em desenvolvimento, como na América do Sul, contribui para que mais países alcancem seus objetivos de inserção e crescimento. Prevalência do multilateralismo e de princípios consagrados pelo DI, como soberania, não-intervenção e igualdade entre as nações. Questões ambientais, mudanças climáticas e biodiversidade. Avanços tecnológicos mais eficiência vs maior vulnerabilidade.

26 A Política Nacional de Defesa O ambiente regional e o entorno estratégico

27 A Política Nacional de Defesa O Brasil Dimensões continental, marítima e aeroespacial são de suma importância. A PND confere destaque para a terceira, e menciona o desenvolvimento da capacitação aeroespacial brasileira como objetivo setorial prioritário. Democracia, multilateralismo e cooperação; proscrição de armas químicas, biológicas e nucleares. Repúdio ao terrorismo princípio constitucional de relações internacionais. Prioridade aos países da América do Sul e da África, em especial os da África ocidental e de língua portuguesa. Operações de paz participação sob a égide da ONU, sempre de acordo com os interesses nacionais e para contribuir para a paz e segurança internacionais. Ameaças reaparelhamento das Forças Armadas com ênfase no apoio à ciência e à tecnologia para o desenvolvimento da indústria nacional de defesa. Signatário do TNP negociação para eliminação total das armas nucleares por parte das potências (VI) + direito de todos os países ao uso da tecnologia nuclear para fins pacíficos (IV).

28 A Política Nacional de Defesa Objetivos nacionais de Defesa I garantir a soberania, o patrimônio nacional e a integridade territorial; II defender os interesses nacionais e as pessoas, os bens e os recursos brasileiros no exterior; III contribuir para a preservação da coesão e da unidade nacionais; IV contribuir para a estabilidade regional; V contribuir para a manutenção da paz e da segurança internacionais; VI intensificar a projeção do Brasil no concerto das nações e sua maior inserção em processos decisórios internacionais; VII manter Forças Armadas modernas, integradas, adestradas e balanceadas, e com crescente profissionalização, operando de forma conjunta e adequadamente desdobradas no território nacional; VIII conscientizar a sociedade brasileira da importância dos assuntos de defesa do País; IX desenvolver a indústria nacional de defesa, orientada para a obtenção da autonomia em tecnologias indispensáveis; X estruturar as Forças Armadas em torno de capacidades, dotando-as de pessoal e material compatíveis com os planejamentos estratégicos e operacionais; XI desenvolver o potencial de logística de defesa e de mobilização nacional.

29 A Política Nacional de Defesa Orientações Contém série de orientações práticas sobre o quais devem ser as respostas e prioridades do país ao gerenciar crises internacionais e ameaças ou agressões. Medidas vão desde a promoção do desenvolvimento mútuo na América do Sul até o aumento da presença militar no território brasileiro, e destacam a necessidade de capacitação e autonomia tecnológica para que o país disponha de meios para exercer vigilância, controle e defesa. Setores espacial, cibernético e nuclear são estratégicos para a Defesa Nacional e devem ser fortalecidos. O que é defesa nacional: Nos termos da Constituição, as Forças Armadas poderão ser empregadas pela União contra ameaças ao exercício da soberania do Estado e à indissolubilidade da unidade federativa. O emprego das Forças Armadas na garantia da lei e da ordem é regido por legislação específica.

30 A Estratégia Nacional de Defesa Composto por parte introdutória em que se contextualiza a concepção e a formulação do documento; Diretrizes da END 25 Diretrizes gerais Marinha, Exército, Aeronáutica Os setores estratégicos Espacial Cibernético Nuclear Reorganização da indústria nacional de defesa O serviço militar obrigatório Medidas de implementação Ações estratégicas

31 A PND e a END: cadeia lógica do processo decisório e estratégico: Objetivo (PND): V - contribuir para a manutenção da paz e da segurança internacionais. Orientação (PND): 7.14 O Brasil deverá dispor de capacidade de projeção de poder, visando à eventual participação em operações estabelecidas ou autorizadas pelo Conselho de Segurança da ONU. Diretriz (END): 19. Preparar as Forças Armadas para desempenharem responsabilidades crescentes em operações internacionais de apoio à política exterior do Brasil. Ação Estratégica (END): Operações Internacionais - Promover o incremento do adestramento e da participação das Forças Armadas em operações internacionais em apoio à política exterior, com ênfase nas operações de paz...

32 A Estratégia Nacional de Defesa Estrate gia nacional de Defesa é inseparável da estratégia nacional de desenvolvimento. Esta motiva aquela. Aquela fornece escudo para esta. Cada uma reforça as razões da outra. Em amas, se desperta para a nacionalidade e constrói-se a Nação. Difi cil e necessário é para um País que pouco trato teve com guerras convencer-se da necessidade de defender-se para poder construir-se. Os recursos demandados pela defesa exigem uma transformação de consciências para que se constitua uma estratégia de defesa para o Brasil. Capacidade de negação capacidade de construção de um modelo próprio de desenvolvimento.

33 A Estratégia Nacional de Defesa OBJETIVOS ESTRATÉGICOS DA MARINHA 1. TAREFAS: NEGAÇÃO DO USO DO MAR; CONTROLE DAS ÁREAS MARÍTIMAS E PROJEÇÃO DE PODER: Defesa das PLATAFORMAS PETROLÍFERAS. Defesa das instalações navais e portuárias, arquipélagos e ilhas das águas jurisdicionais. Prontidão para responder a ameaças de Estado ou forças nãoconvencionais. Participar de operações internacionais de paz. 2. TRABALHAR A BASE INDUSTRIAL PARA DESENVOLVER UM AVIÃO VERSÁTIL QUE AUMENTE O PODER AERONAVAL. 3. ACELERAR OS TRABALHOS DE INSTALAÇÃO DE SUAS BASES DE SUBMARINOS CONVENCIONAIS E DE PROPULSÃO NUCLEAR.

34 A Estratégia Nacional de Defesa OBJETIVOS ESTRATÉGICOS DO EXÉRCITO 1 CONCEITOS ESTRATÉGICOS DE FLEXIBILIDADE E DE ELASTICIDADE 2 DOTAR O EXÉRCITO COM MEIOS MODERNOS E EFETIVOS BEM ADESTRADOS 3 - TRANSFORMAR-SE COM BASE NO MÓDULO BRIGADA 4 - MANTER RESERVAS REGIONAIS E ESTRATÉGICAS EM EXPECTATIVA

35 A Estratégia Nacional de Defesa OBJETIVOS ESTRATÉGICOS DA FORÇA AÉREA 1 PRIORIDADE NA VIGILÂNCIA AÉREA. 2 RECURSOS TÉCNICOS PARA OPERAR NA AMAZÔNIA. 3 INVESTIR NO COMPLEXO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO. 4 RENOVAÇÃO DA FROTA AÉREA E MODERNIZAÇÃO DOS SISTEMA DE ARMAS.

36 A Estratégia Nacional de Defesa

37 O Livro Branco de Defesa Nacional O LBDN é documento síntese da tendência de envolvimento da sociedade civil nas questões de Defesa Nacional 6 seminários temáticos em 2011 contemplaram todas as regiões do país Confecção do documento: Grupo de Trabalho Interministerial composto por representantes de outros sete Ministérios e três Secretarias Site interativo e recursos audiovisuais envolvimento da sociedade civil Aprovação pelo Congresso (26/09/2013), juntamente com as versões atualizadas da PND e da END.

38 O Livro Branco de Defesa Nacional

39 O Livro Branco de Defesa Nacional Capítulos: O Estado brasileiro e a Defesa Nacional O ambiente estratégico do século XXI A defesa e o instrumento militar Descrição organizacional da defesa brasileira (MD e FFAA) Descrição dos setores estratégicos, sistemas de monitoramento e controle, mobilização nacional, sistemas de inteligência, principais escolas militares. Defesa e sociedade Programas sociais da Defesa, ações subsidiárias

40 O Livro Branco de Defesa Nacional A transformação da Defesa Plano de Articulação e Equipamentos da Defesa (PAED) Projetos de gestão, recuperação e capacitação das três Forças e da Administração central. Elevado nível de detalhamento. Efeitos positivos transbordamento Base Industrial de Defesa (BID) Economia da Defesa Anexos Pessoal, equipamentos, orçamento (dotações, gastos e arrecadação) Plano de Articulação e Equipamento da Defesa (PAED) Projetos e subprojetos prioritários da Administração Central; da Marinha; do Exército e da Aeronáutica Apêndice Instituições envolvidas e colaboradores

41 CONSIDERAÇÕES FINAIS Os recursos potenciais, um possível cenário de agravada escassez e o atual nível de crescimento do Brasil demandam a construção de uma importante capacidade de defesa; Apesar de não termos ameaças claras, a construção de capacidades é fundamental para o país; Os investimentos vêm sendo realizados, mas ainda há a necessidade de aumento do orçamento de defesa a consolidação dos projetos do PAED depende de valores correspondentes a 2,4% do PIB ao ano; O processo de transformação e rearticulação da defesa deve se dar de modo aberto e transparente, com olhos atentos às demandas da sociedade e procurando minimizar as incertezas dos vizinhos; Os três documentos de defesa brasileiros são fundamentais para esse processo, e exercem importante papel para ambas as condições: envolvem a sociedade e minimizam incertezas dos vizinhos.

A INSERÇÃO INTERNACIONAL DO BRASIL E SEUS REFLEXOS PARA A DEFESA. Juliano da Silva Cortinhas Instituto Pandiá Calógeras MD

A INSERÇÃO INTERNACIONAL DO BRASIL E SEUS REFLEXOS PARA A DEFESA. Juliano da Silva Cortinhas Instituto Pandiá Calógeras MD A INSERÇÃO INTERNACIONAL DO BRASIL E SEUS REFLEXOS PARA A DEFESA Juliano da Silva Cortinhas Instituto Pandiá Calógeras MD Palestra UFMS 05/06/2013 CONTEXTO SISTÊMICO Maior complexidade da agenda internacional

Leia mais

OBJETIVO. Conhecer a Sistemática de Planejamento Estratégico do Exército (SIPLEx)

OBJETIVO. Conhecer a Sistemática de Planejamento Estratégico do Exército (SIPLEx) 06 ABR 15 OBJETIVO Conhecer a Sistemática de Planejamento Estratégico do Exército (SIPLEx) SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. O CENTRO DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS DO EXÉRCITO (CEEEx) 3. A REDE DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.484, DE 30 DE JUNHO DE 2005. Aprova a Política de Defesa Nacional, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA,

Leia mais

A AMAZÔNIA NA INTEGRAÇÃO SUL-AMERICANA Convergências e Divergências

A AMAZÔNIA NA INTEGRAÇÃO SUL-AMERICANA Convergências e Divergências A AMAZÔNIA NA INTEGRAÇÃO SUL-AMERICANA Convergências e Divergências Principais Biomas Sul-Americanos Amazônia: mais de 40% da América do Sul Vegetação da Grandeá Regiões Amazônicas dos países sul-americanos

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

A Política, a Estratégia e o Livro Branco de Defesa Nacional como instrumentos geradores de confiança mútua na América do Sul

A Política, a Estratégia e o Livro Branco de Defesa Nacional como instrumentos geradores de confiança mútua na América do Sul A Política, a Estratégia e o Livro Branco de Defesa Nacional como instrumentos geradores de confiança mútua na América do Sul Luiz Antônio Gusmão, pesquisador IPC/MD IX Curso de Extensão sobre Defesa Nacional

Leia mais

Um dos grandes desafios para tornar o Brasil mais condizente com os anseios da sua população é a "modernização" da vida política.

Um dos grandes desafios para tornar o Brasil mais condizente com os anseios da sua população é a modernização da vida política. Apesar dos problemas associados à má distribuição de renda, o Brasil- ingressa no século XXI com uma das maiores economias do mundo e um compromisso com a paz mundial e o sistema democrático e sem conflitos

Leia mais

Identificar as Concepções Política e Estratégica do Exército

Identificar as Concepções Política e Estratégica do Exército Identificar as Concepções Política e Estratégica do Exército 1. INTRODUÇÃO - 7ª Subchefia do Estado-Maior do Exército 2. DESENVOLVIMENTO - Concepções Política e Estratégica do Exército 3. CONCLUSÃO Política

Leia mais

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS 7.PROJETO PEDAGÓGICO 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ECONOMIA EMENTA: Conceitos Fundamentais; Principais Escolas do Pensamento; Sistema Econômico; Noções de Microeconomia; Noções de Macroeconomia;

Leia mais

IDENTIDADE DA CPLP NO DOMÍNIO DA DEFESA

IDENTIDADE DA CPLP NO DOMÍNIO DA DEFESA 1 IDENTIDADE DA CPLP NO DOMÍNIO DA DEFESA 1. INTRODUÇÃO As identidades coletivas, em qualquer domínio considerado, assumem uma importância central; a sua afirmação dá sentido aos projetos comuns, promove

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999 Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas.

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE DEFESA

MINISTÉRIO DA DEFESA POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE DEFESA MINISTÉRIO DA DEFESA PLD POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE DEFESA 2006 MINISTÉRIO DA DEFESA SECRETARIA DE ENSINO, LOGÍSTICA, MOBILIZAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE DEFESA 1 a Edição 2006 MINISTÉRIO

Leia mais

Primeira Reunião de Cúpula das Américas Declaração de Princípios

Primeira Reunião de Cúpula das Américas Declaração de Princípios Primeira Reunião de Cúpula das Américas Declaração de Princípios A seguir inclui-se o texto completo da Declaração de Princípios assinada pelos os Chefes de Estado e de Governo que participaram da Primeira

Leia mais

O ATLÂNTICO SUL NAS PERSPECTIVAS ESTRATÉGICAS DE BRASIL, ARGENTINA E ÁFRICA DO SUL

O ATLÂNTICO SUL NAS PERSPECTIVAS ESTRATÉGICAS DE BRASIL, ARGENTINA E ÁFRICA DO SUL O ATLÂNTICO SUL NAS PERSPECTIVAS ESTRATÉGICAS DE BRASIL, ARGENTINA E ÁFRICA DO SUL Alcides Costa Vaz* 1 INTRODUÇÃO As percepções e as avaliações sobre a importância estratégica do Atlântico Sul vêm se

Leia mais

AEDB CURSO DE ADMINISTRAÇÃO AULA 1 GESTÃO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS

AEDB CURSO DE ADMINISTRAÇÃO AULA 1 GESTÃO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS AEDB CURSO DE ADMINISTRAÇÃO AULA 1 GESTÃO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS * NEGÓCIOS INTERNACIONAIS: Definição: Por negócios internacionais entende-se todo negócio realizado além das fronteiras de um país.

Leia mais

ESCOLA DE DEFESA. Projetos de Pesquisa em Gestão de Defesa. Prof. Dr. Luiz Rogério F. Goldoni. lgoldoni@hotmail.com

ESCOLA DE DEFESA. Projetos de Pesquisa em Gestão de Defesa. Prof. Dr. Luiz Rogério F. Goldoni. lgoldoni@hotmail.com ESCOLA DE DEFESA Projetos de Pesquisa em Gestão de Defesa Prof. Dr. Luiz Rogério F. Goldoni lgoldoni@hotmail.com 08 Jul 2015 Luiz Rogério Franco Goldoni - Doutor em Ciência Política pela UFF (2011); -

Leia mais

Mestrados ENSINO PÚBLICO. 1-ISCTE Instituto Universitário de Lisboa

Mestrados ENSINO PÚBLICO. 1-ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Mestrados ENSINO PÚBLICO 1-ISCTE Instituto Universitário de Lisboa *Mestrado em Ciência Política O mestrado em Ciência Política tem a duração de dois anos, correspondentes à obtenção 120 créditos ECTS,

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

José Augusto Zague Programa de Pós-Graduação em Relações Internacionais San Tiago Dantas (Unesp, Unicamp, PUC-SP)

José Augusto Zague Programa de Pós-Graduação em Relações Internacionais San Tiago Dantas (Unesp, Unicamp, PUC-SP) Perspectivas para o desenvolvimento de uma indústria Sul- Americana de material de defesa: o Conselho de Defesa Sul- Americano como catalisador da cooperação regional. José Augusto Zague Programa de Pós-Graduação

Leia mais

PRINCÍPIOS DO RIO. Princípio 1

PRINCÍPIOS DO RIO. Princípio 1 PRINCÍPIOS DO RIO António Gonçalves Henriques Princípio 1 Os seres humanos são o centro das preocupações para o desenvolvimento sustentável. Eles têm direito a uma vida saudável e produtiva em harmonia

Leia mais

Novos paradigmas para a defesa e a segurança nacionais

Novos paradigmas para a defesa e a segurança nacionais Novos paradigmas para a defesa e a segurança nacionais Adriano Portella de Amorim Sumário Introdução. 1. Democratização e as funções de defesa e segurança. 2. Três pilares para a defesa nacional. Considerações

Leia mais

A MODERNIZAÇÃO DO COMANDO E CONTROLE DA AAAe

A MODERNIZAÇÃO DO COMANDO E CONTROLE DA AAAe A MODERNIZAÇÃO DO COMANDO E CONTROLE DA AAAe Cap João André França da Silva 1 RESUMO O presente trabalho visa apresentar alguns aspectos relacionados a modernização da artilharia antiaérea. Esta modernização

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 13 Discurso em jantar oferecido ao

Leia mais

Mestrados ENSINO PÚBLICO. 1. ISCTE Instituto Universitário de Lisboa

Mestrados ENSINO PÚBLICO. 1. ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Mestrados ENSINO PÚBLICO 1. ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Mestrado em Ciência Política O mestrado em Ciência Política tem a duração de dois anos, correspondentes à obtenção 120 créditos ECTS,

Leia mais

Segurança e Defesa em Portugal e na Europa

Segurança e Defesa em Portugal e na Europa Palestra para a divulgação no Dia de Defesa Nacional sobre Segurança e Defesa em Portugal e na Europa Carlos R. Rodolfo, Calm (Ref.) Presidente da AFCEA Portugal Proferida no MDN em 02 Set 2011 1 AGENDA

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999. Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas.

LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999. Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas. LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999 Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta

Leia mais

Carga horária total: 360 horas. Dias e horários das aulas: Aulas às terças e quintas, das 18:30h às 22:00h. Professores:

Carga horária total: 360 horas. Dias e horários das aulas: Aulas às terças e quintas, das 18:30h às 22:00h. Professores: Título do Curso: Pós-graduação em Segurança e Defesa Departamento: Ciência Política e Relações Internacionais Área de Conhecimento: Ciência Política e Relações Internacionais Dados dos Coordenadores: Gustavo

Leia mais

Não se pode ser pacífico sem ser Forte. (Barão do Rio Branco).

Não se pode ser pacífico sem ser Forte. (Barão do Rio Branco). O PA P E L DA S F O R Ç A S A R M A DA S D O B R A S I L MISSÃO CONSTITUCIONAL AT I V I D A D E S OPERACIONAIS S E R V I Ç O M I L I TA R O B R I G AT Ó R I O V O L U N TÁ R I O Não se pode ser pacífico

Leia mais

AUTONOMIA TECNOLÓGICA E SEGURANÇA CIBERNÉTICA: DESAFIOS PARA A COOPERAÇÃO ENTRE AS FORÇAS ARMADAS E O SETOR PRIVADO NO COMPLEXO INDUSTRIAL BRASILEIRO

AUTONOMIA TECNOLÓGICA E SEGURANÇA CIBERNÉTICA: DESAFIOS PARA A COOPERAÇÃO ENTRE AS FORÇAS ARMADAS E O SETOR PRIVADO NO COMPLEXO INDUSTRIAL BRASILEIRO MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO AUTONOMIA TECNOLÓGICA E SEGURANÇA CIBERNÉTICA: DESAFIOS PARA A COOPERAÇÃO ENTRE AS FORÇAS ARMADAS E O SETOR PRIVADO NO COMPLEXO INDUSTRIAL BRASILEIRO 1 / 23 OBJETIVO

Leia mais

1º ano. Os elementos da Paisagem Natural e Paisagem modificada

1º ano. Os elementos da Paisagem Natural e Paisagem modificada 1º ano Os elementos da Paisagem Natural e Paisagem modificada A origem da Terra; A origem dos continentes; A teoria da deriva dos continentes; A teoria das placas tectônicas; Tempo geológico; A estrutura

Leia mais

ESCOLA DE DEFESA. Pesquisa em Estudos da Paz e da Guerra. Prof. Dr. Carlos Frederico Coelho cafrecoelho@gmail.com 08 Jul 2015

ESCOLA DE DEFESA. Pesquisa em Estudos da Paz e da Guerra. Prof. Dr. Carlos Frederico Coelho cafrecoelho@gmail.com 08 Jul 2015 ESCOLA DE DEFESA Pesquisa em Estudos da Paz e da Guerra Prof. Dr. Carlos Frederico Coelho cafrecoelho@gmail.com 08 Jul 2015 Prof. Carlos Coelho - Graduação em Ciências Jurídicas e Sociais na Faculdade

Leia mais

Discurso da ministra do Planejamento, Miriam Belchior, no seminário Planejamento e Desenvolvimento: Experiências Internacionais e o Caso do Brasil

Discurso da ministra do Planejamento, Miriam Belchior, no seminário Planejamento e Desenvolvimento: Experiências Internacionais e o Caso do Brasil Discurso da ministra do Planejamento, Miriam Belchior, no seminário Planejamento e Desenvolvimento: Experiências Internacionais e o Caso do Brasil Brasília, 22 de novembro de 2012 É uma honra recebê-los

Leia mais

UniCuritiba Diagrama das Áreas de Concentração Monografia. Ciência Política

UniCuritiba Diagrama das Áreas de Concentração Monografia. Ciência Política Ciência Política Prof. MSc. Marlus Vinícius Forigo Política e Ideologia na Contemporaneidade. Política e Ideologia. Regimes autoritários. Cultura e Poder. Poder, ideologia e meios de comunicação. Aspectos

Leia mais

HIERARCHY IN INTERNATIONAL RELATIONS 1

HIERARCHY IN INTERNATIONAL RELATIONS 1 .. RESENHA Bookreview HIERARCHY IN INTERNATIONAL RELATIONS 1 Gustavo Resende Mendonça 2 A anarquia é um dos conceitos centrais da disciplina de Relações Internacionais. Mesmo diante do grande debate teórico

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO PARA A PROVA DE RECUPERAÇÃO - SIMULADO OBS: GABARITO NO FINAL DOS EXERCÍCIOS. QUALQUER DÚVIDA DEIXAR MENSAGEM NO FACEBOOK

EXERCÍCIOS DE REVISÃO PARA A PROVA DE RECUPERAÇÃO - SIMULADO OBS: GABARITO NO FINAL DOS EXERCÍCIOS. QUALQUER DÚVIDA DEIXAR MENSAGEM NO FACEBOOK EXERCÍCIOS DE REVISÃO PARA A PROVA DE RECUPERAÇÃO - SIMULADO OBS: GABARITO NO FINAL DOS EXERCÍCIOS. QUALQUER DÚVIDA DEIXAR MENSAGEM NO FACEBOOK 1. A vegetação varia de local para local baseada, sobretudo,

Leia mais

Resenha do Livro The Future of Power, de Joseph Nye, por Gustavo Resende Mendonça.

Resenha do Livro The Future of Power, de Joseph Nye, por Gustavo Resende Mendonça. Resenha do Livro The Future of Power, de Joseph Nye, por Gustavo Resende Mendonça. No campo das Relações Internacionais, Joseph Nye dispensa apresentações. Um dos fundadores da teoria liberal, Nye ajudou

Leia mais

Política Nacional de Meio Ambiente

Política Nacional de Meio Ambiente Política Nacional de Meio Ambiente O Brasil, maior país da América Latina e quinto do mundo em área territorial, compreendendo 8.511.996 km 2, com zonas climáticas variando do trópico úmido a áreas temperadas

Leia mais

A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS Ana Carolina Rosso de Oliveira Bacharel em Relações Internacionais pela Faculdades Anglo-Americano, Foz do Iguaçu/PR Resumo:

Leia mais

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Este documento faz parte do Repositório Institucional do Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Michael Haradom - www.shalomsalampaz.org - ssp@shalomsalampaz.org tel (11) 3031.0944 - fax (11)

Leia mais

Declaração de Santa Cruz de la Sierra

Declaração de Santa Cruz de la Sierra Reunião de Cúpula das Américas sobre o Desenvolvimiento Sustentável Santa Cruz de la Sierra, Bolivia, 7 ao 8 de Dezembro de 1996 Declaração de Santa Cruz de la Sierra O seguinte documento é o texto completo

Leia mais

Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional do Senado Federal

Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional do Senado Federal Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional do Senado Federal Novembro 2013 Marcus Tollendal Diretor Presidente SAVIS Tecnologia e Sistemas S.A. Roteiro Quem: Sobre a SAVIS Porque: Seleção para Implantação

Leia mais

FEC 25 anos: Qual o papel das sociedades civis no desenvolvimento internacional? Iremos lembrar 2015 como um ano chave no setor do desenvolvimento?

FEC 25 anos: Qual o papel das sociedades civis no desenvolvimento internacional? Iremos lembrar 2015 como um ano chave no setor do desenvolvimento? SEMINÁRIO INTERNACIONAL REPENSAR O DESENVOLVIMENTO REINVENTAR A COOPERAÇÃO ENQUADRAMENTO : Qual o papel das sociedades civis no desenvolvimento internacional? Lisboa, 19 de novembro de 2015 Iremos lembrar

Leia mais

X CONFERÊNCIA DE MINISTROS DA DEFESA DAS AMÉRICAS PUNTA DEL ESTE - REPÚBLICA ORIENTAL DO URUGUAI 8 A 10 DE OUTUBRO DE 2012

X CONFERÊNCIA DE MINISTROS DA DEFESA DAS AMÉRICAS PUNTA DEL ESTE - REPÚBLICA ORIENTAL DO URUGUAI 8 A 10 DE OUTUBRO DE 2012 X CONFERÊNCIA DE MINISTROS DA DEFESA DAS AMÉRICAS PUNTA DEL ESTE - REPÚBLICA ORIENTAL DO URUGUAI 8 A 10 DE OUTUBRO DE 2012 DECLARAÇÃO DE PUNTA DEL ESTE (10 de outubro de 2012) Os Ministros da Defesa e

Leia mais

BRA/12/018 DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIAS DE ARTICULAÇÃO E GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA PROMOÇÃO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA

BRA/12/018 DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIAS DE ARTICULAÇÃO E GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA PROMOÇÃO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA Edital 38/2015 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL BRA/12/018 DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIAS DE ARTICULAÇÃO E GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA PROMOÇÃO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA PROCESSO SELETIVO

Leia mais

DECLARAÇÃO DE BRASÍLIA

DECLARAÇÃO DE BRASÍLIA DECLARAÇÃO DE BRASÍLIA Os Governadores e Governadoras, Intendentas e Intendentes, Prefeitas e Prefeitos do MERCOSUL reunidos no dia 16 de julho de 2015, na cidade de Brasília DF, por meio do Foro Consultivo

Leia mais

Operações Interagências na Faixa de Fronteira e Relações Internacionais

Operações Interagências na Faixa de Fronteira e Relações Internacionais Operações Interagências na Faixa de Fronteira e Relações Internacionais Cláudio Medeiros Leopoldino Coordenador-Geral Adjunto Brasil: 16.886 km de fronteiras terrestres 10 países vizinhos fronteiras plenamente

Leia mais

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO VEJA RIO+20 1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO Abstract: A declaração final da ECO-92 acenou para

Leia mais

Declaração de Joanesburgo sobre Desenvolvimento Sustentável

Declaração de Joanesburgo sobre Desenvolvimento Sustentável Declaração de Joanesburgo sobre Desenvolvimento Sustentável Das origens ao futuro 1. Nós, representantes dos povos do mundo, reunidos durante a Cúpula Mundial sobre Desenvolvimento Sustentável em Joanesburgo,

Leia mais

Construção de Navios-Patrulha Oceânicos. Desenvolvimento de Míssil Nacional Antinavio

Construção de Navios-Patrulha Oceânicos. Desenvolvimento de Míssil Nacional Antinavio Programa 0626 Reaparelhamento e Adequação da Marinha do Brasil Ações Orçamentárias Número de Ações 16 1N470000 Construção de Navios-Patrulha Oceânicos Produto: Navio construído Unidade de Medida: unidade

Leia mais

A PREPARAÇÃO DO LÍDER ESTRATÉGICO NO EXÉRCITO BRASILEIRO

A PREPARAÇÃO DO LÍDER ESTRATÉGICO NO EXÉRCITO BRASILEIRO A PREPARAÇÃO DO LÍDER ESTRATÉGICO NO EXÉRCITO BRASILEIRO UNIVERSO: OFICIAIS FORMADOS NA AMAN (origem líderes estratégicos ) PROPOSTA: Programa de Formação de Comandantes e Assessores para o Nível Estratégico

Leia mais

MARINHA DO BRASIL CENTRO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DA MARINHA NOTA À IMPRENSA

MARINHA DO BRASIL CENTRO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DA MARINHA NOTA À IMPRENSA MARINHA DO BRASIL CENTRO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DA MARINHA NOTA À IMPRENSA Brasília, em 30 de janeiro de 2014. A Marinha do Brasil (MB) esclarece que o Navio-Aeródromo (NAe) São Paulo desatracou no dia

Leia mais

ESCOLA DE DEFESA. Linha de Gestão de Defesa. Ariela Leske arieladiniz2@hotmail.com 08 Jul 2015

ESCOLA DE DEFESA. Linha de Gestão de Defesa. Ariela Leske arieladiniz2@hotmail.com 08 Jul 2015 ESCOLA DE DEFESA Linha de Gestão de Defesa Ariela Leske arieladiniz2@hotmail.com 08 Jul 2015 Apresentação pessoal Ariela Diniz Cordeiro Leske Doutora em Economia Profa da linha Pesquisa de Gestão de Defesa

Leia mais

VISÃO TERRITORIAL DO BRASIL. Uma Abordagem Estratégica. Palestrante: Luiz Cezar Loureiro de Azeredo IPEA- Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada

VISÃO TERRITORIAL DO BRASIL. Uma Abordagem Estratégica. Palestrante: Luiz Cezar Loureiro de Azeredo IPEA- Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada VISÃO TERRITORIAL DO BRASIL Uma Abordagem Estratégica Palestrante: Luiz Cezar Loureiro de Azeredo IPEA- Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada Brasília, agosto de 2009 ORDENAMENTO TERRITORIAL Marco

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003 PORTARIA DPE/SPEAI/MD 983/2003 MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003 Aprova a Diretriz para o relacionamento das Forças Armadas com as comunidades

Leia mais

COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE)

COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE) COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE) DÉCIMO PERÍODO ORDINÁRIO DE SESSÕES OEA/Ser.L/X.2.10 17 a 19 de março de 2010 CICTE/DEC.1/10 Washington, D.C. 19 março 2010 Original: inglês DECLARAÇÃO

Leia mais

Discurso da Presidenta da República, Dilma Rousseff, durante almoço de confraternização com os Oficiais-Generais das Forças Armadas

Discurso da Presidenta da República, Dilma Rousseff, durante almoço de confraternização com os Oficiais-Generais das Forças Armadas Discurso da Presidenta da República, Dilma Rousseff, durante almoço de confraternização com os Oficiais-Generais das Forças Armadas Quartel General do Exército Brasília-DF, 20 de dezembro de 2012 Boa tarde

Leia mais

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS 2014 1 Índice 1. Contexto... 3 2. O Programa Cidades Sustentáveis (PCS)... 3 3. Iniciativas para 2014... 5 4. Recursos Financeiros... 9 5. Contrapartidas... 9 2 1. Contexto

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

GUERRA FRIA 1945 1991

GUERRA FRIA 1945 1991 GUERRA FRIA 1945 1991 Guerra Fria 1945-1991 Conceito: Conflitos políticos, ideológicos e militares (indiretos), que aconteceram no pós guerra entre as duas potências mundiais EUA e URSS entre 1945-1991.

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

O DIREITO CONSTITUCIONAL NO BRASIL E NA CHINA: ANÁLISE COMPARATIVA

O DIREITO CONSTITUCIONAL NO BRASIL E NA CHINA: ANÁLISE COMPARATIVA SÃO PAULO RIO DE JANEIRO BRASÍLIA CURITIBA PORTO ALEGRE RECIFE BELO HORIZONTE LONDRES LISBOA XANGAI BEIJING MIAMI BUENOS AIRES O DIREITO CONSTITUCIONAL NO BRASIL E NA CHINA: ANÁLISE COMPARATIVA DURVAL

Leia mais

ESTRATÉGIA NACIONAL DE DEFESA

ESTRATÉGIA NACIONAL DE DEFESA ESTRATÉGIA NACIONAL DE DEFESA Introdução O Brasil é pacífico por tradição e por convicção. Vive em paz com seus vizinhos. Rege suas relações internacionais, dentre outros, pelos princípios constitucionais

Leia mais

Conferência no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas Universidade Técnica de Lisboa. O Novo Quadro de Segurança e Defesa Europeia

Conferência no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas Universidade Técnica de Lisboa. O Novo Quadro de Segurança e Defesa Europeia Centro de Estudos EuroDefense-Portugal Conferência no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas Universidade Técnica de Lisboa O Novo Quadro de Segurança e Defesa Europeia Desafios e opções para

Leia mais

O Pivô. Roberto Carvalho de Medeiros.

O Pivô. Roberto Carvalho de Medeiros. O Pivô Roberto Carvalho de Medeiros. O conceituado historiador e professor britânico Timothy Gardon Ash escreveu, recentemente, no periódico The Guardian, um texto a cerca dos desafios e características

Leia mais

Art. 1º Aprovar as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19).

Art. 1º Aprovar as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19). PORTARIA Nº 483, DE 20 DE SETEMBRO DE 2001. Aprova as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19). O COMANDANTE DO EXÉRCITO, no uso da competência que lhe é conferida

Leia mais

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições I. Informações preliminares sobre a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável ( Rio+20 ) De 28 de maio

Leia mais

Minhas senhoras e meus senhores.

Minhas senhoras e meus senhores. Minhas senhoras e meus senhores. Em primeiro lugar, gostaria de transmitir a todos, em nome do Senhor Secretário de Estado das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, a satisfação pelo convite que

Leia mais

O Cebrapaz é uma expressão organizada do sentimento da sociedade brasileira contra as guerras e em solidariedade aos povos em luta no mundo.

O Cebrapaz é uma expressão organizada do sentimento da sociedade brasileira contra as guerras e em solidariedade aos povos em luta no mundo. O Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz (Cebrapaz) aprovou na Assembleia Nacional encerrada sábado (9), uma Declaração em que renova as convicções dos ativistas brasileiros pela

Leia mais

TRATADO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA SOCIEDADES SUSTENTÁVEIS E RESPONSABILIDADE GLOBAL 1

TRATADO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA SOCIEDADES SUSTENTÁVEIS E RESPONSABILIDADE GLOBAL 1 TRATADO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA SOCIEDADES SUSTENTÁVEIS E RESPONSABILIDADE GLOBAL 1 Nós, signatários, pessoas de todas as partes do mundo, comprometidos com a proteção da vida na Terra, reconhecemos

Leia mais

DESAFIOS E OPORTUNIDADES PARA A DEFESA NO ENTORNO ESTRATÉGICO BRASILEIRO

DESAFIOS E OPORTUNIDADES PARA A DEFESA NO ENTORNO ESTRATÉGICO BRASILEIRO DESAFIOS E OPORTUNIDADES PARA A DEFESA NO ENTORNO ESTRATÉGICO BRASILEIRO Palavras do Ministro da Defesa, Celso Amorim, na abertura da 1ª Jornada Estratégica da Chefia de Assuntos Estratégicos do EMCFA

Leia mais

PLANO DE TRABALHO 2014

PLANO DE TRABALHO 2014 TRADUÇÃO DE CORTESIA PLANO DE TRABALHO 2014 O presente Plano de Trabalho do CEED para o ano 2014, que se apresenta para consideração e aprovação do Conselho Diretivo, contém a descrição e objetivos das

Leia mais

Nova ética emergindo de crises mudança no sistema de emprego exclusão/marginalização social aumento das demandas sociais concentração de poder e

Nova ética emergindo de crises mudança no sistema de emprego exclusão/marginalização social aumento das demandas sociais concentração de poder e PROGRAMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FISCAL - PNEF A EDUCAÇÃO FISCAL COMO EXERCÍCIO DE CIDADANIA CONTEXTO Nova ética emergindo de crises mudança no sistema de emprego exclusão/marginalização social aumento das

Leia mais

Inovação e Inteligência Competitiva: Desafios para as Empresas e para a Economia Portuguesa

Inovação e Inteligência Competitiva: Desafios para as Empresas e para a Economia Portuguesa QUIDGEST Q-DAY: INOVAÇÃO CONTRA A CRISE Inovação e Inteligência Competitiva: Desafios para as Empresas e para a Economia Portuguesa André Magrinho TAGUSPARK: 09 de Setembro 2009 SUMÁRIO 1. Globalização

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO

PROGRAMA OPERACIONAL COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO PROGRAMA OPERACIONAL COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO Jorge Abegão Secretário-Técnico do COMPETE Coimbra, 28 de janeiro de 2015 Estratégia Europa 2020 ESTRATÉGIA EUROPA 2020 CRESCIMENTO INTELIGENTE

Leia mais

DESAFIO PORTUGAL 2020

DESAFIO PORTUGAL 2020 DESAFIO PORTUGAL 2020 Estratégia Europa 2020: oportunidades para os sectores da economia portuguesa Olinda Sequeira 1. Estratégia Europa 2020 2. Portugal 2020 3. Oportunidades e desafios para a economia

Leia mais

ROTEIRO. Apresentação de propriedade da ABIMDE (Associação das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança) 2

ROTEIRO. Apresentação de propriedade da ABIMDE (Associação das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança) 2 A INDÚSTRIA DE DEFESA E SEGURANÇA NO BRASIL 2013 ROTEIRO ABIMDE e a Base Industrial de Defesa Cenário Nacional Transferência de Tecnologia Protecionismo e Comércio Internacional Defesa e Desenvolvimento

Leia mais

SECRETARIA DE PRODUTOS DE DEFESA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA INDUSTRIAL. FIEP - 21 Jul 14

SECRETARIA DE PRODUTOS DE DEFESA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA INDUSTRIAL. FIEP - 21 Jul 14 SECRETARIA DE PRODUTOS DE DEFESA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA INDUSTRIAL FIEP - 21 Jul 14 Base Industrial de Defesa Aspectos Relevantes Base Industrial de Defesa 1. Introdução 2. Aspectos Relevantes

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 36 Discurso por ocasião do jantar

Leia mais

Ministério da Defesa

Ministério da Defesa Marinha, Exército e Força Aérea Reestruturação das Forças Armadas Reorganização da indústria nacional de Defesa Serviço Militar Estratégia Nacional de Defesa Ministério da Defesa Paz e segurança para o

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Pontifícia Universidade Católica de São Paulo EDITAL DE SELEÇÃO DE PROFESSORES Nº1/2015 DEPARTAMENTO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS A Diretora da Faculdade de Ciências Sociais da, no uso das atribuições, Faz saber que estão abertas as inscrições para

Leia mais

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus 2013-2016 0 1 Sumário Apresentação... 2 Análise Situacional... 2 Programas Estruturantes...

Leia mais

Principais diferenças entre 2007-2013 / 2014-2020

Principais diferenças entre 2007-2013 / 2014-2020 Principais diferenças entre 2007-2013 / 2014-2020 Fundos 2 Objetivos 2 Etapas formais de programação 2 Abordagem estratégica 2 Âmbito Geográfico 3 Concentração Temática 4 Condicionalidades Ex ante 5 Adicionalidade

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI)

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI) - 1 - ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI) ANEXO I PRIMEIRA REUNIÃO INTERAMERICANA DE MINISTROS OEA/Ser./XLIII.1 E ALTAS AUTORIDADES DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

ACORDO DE COOPERAÇÃO ENTRE OS ESTADOS MEMBROS DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA SOBRE O COMBATE AO HIV/SIDA

ACORDO DE COOPERAÇÃO ENTRE OS ESTADOS MEMBROS DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA SOBRE O COMBATE AO HIV/SIDA Decreto n.º 36/2003 Acordo de Cooperação entre os Estados Membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa sobre o Combate ao HIV/SIDA, assinado em Brasília em 30 de Julho de 2002 Considerando a declaração

Leia mais

Presentation Title Presentation Subtitle

Presentation Title Presentation Subtitle Presentation Title Presentation Subtitle SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 2 ASPECTOS LEGAIS 3 ASPECTOS ESTRATÉGICOS 4 SISFRON Art. 142. As Forças Armadas, constituídas pela Marinha, pelo Exército e pela Aeronáutica,

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO 1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO A análise da evolução temporal (ou dinâmica) da economia constitui o objeto de atenção fundamental do desenvolvimento econômico,

Leia mais

Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL

Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL Apresenta à sociedade brasileira um conjunto de estratégias e ações capazes de contribuir para a afirmação de um novo papel para o rural na estratégia

Leia mais

Termo de Referência para Política Nacional de Apoio ao Desenvolvimento de Arranjos Produtivos Locais

Termo de Referência para Política Nacional de Apoio ao Desenvolvimento de Arranjos Produtivos Locais 1 POLÍTICA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Termo de Referência para Política Nacional de Apoio ao Desenvolvimento de Arranjos Produtivos Locais Versão para Discussão do GT Interministerial

Leia mais

Programa Complexo Industrial da Defesa

Programa Complexo Industrial da Defesa Programa Complexo Industrial da Defesa Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Junho/2010 Gestor: Almirante-de-Esquadra Gilberto Max Roffé Hirschfeld Secretário

Leia mais

PROGRAMA DE COOPERAÇÃO TÉCNICA DESCENTRALIZADA SUL-SUL RETIFICADO

PROGRAMA DE COOPERAÇÃO TÉCNICA DESCENTRALIZADA SUL-SUL RETIFICADO PROGRAMA DE COOPERAÇÃO TÉCNICA DESCENTRALIZADA SUL-SUL I. CONTEXTO RETIFICADO Nos anos 90 e início dos 2000, diversas cidades brasileiras e latino-americanas lançaram-se em ações internacionais, prática

Leia mais

EUA: Expansão Territorial

EUA: Expansão Territorial EUA: Expansão Territorial Atividades: Ler Livro didático págs. 29, 30 e 81 a 86 e em seguida responda: 1) Qual era a abrangência do território dos Estados Unidos no final da guerra de independência? 2)

Leia mais

O Desafio da Soberania do Estado Nacional pela União Monetária Européia

O Desafio da Soberania do Estado Nacional pela União Monetária Européia O Desafio da Soberania do Estado Nacional pela União Monetária Européia XIX Simpósio Transnacional de Estudos Científicos Aracaju 21 de Setembro de 2009 Prof. Dr. Antony Mueller UFS Soberania do Estado

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE COIMBRA 2ºANO ANIMAÇÃO SOCIOEDUCATIVA

ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE COIMBRA 2ºANO ANIMAÇÃO SOCIOEDUCATIVA ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE COIMBRA 2ºANO ANIMAÇÃO SOCIOEDUCATIVA A «Segurança Ambiental»: Oportunidades e Limites In SOROMENHO MARQUES, Viriato (2005) Metamorfoses Entre o colapso e o desenvolvimento

Leia mais

PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ

PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Art. 1 - A Política Estadual

Leia mais

AS GRANDES OPÇÕES DO CONCEITO ESTRATÉGICO DE DEFESA E SEGURANÇA NACIONAL INTRODUÇÃO

AS GRANDES OPÇÕES DO CONCEITO ESTRATÉGICO DE DEFESA E SEGURANÇA NACIONAL INTRODUÇÃO Versão CM1 19.04.2005 AS GRANDES OPÇÕES DO CONCEITO ESTRATÉGICO DE DEFESA E SEGURANÇA NACIONAL INTRODUÇÃO Cabo Verde é um pequeno Estado insular de vocação atlântica, situado a cerca de 500 km da costa

Leia mais

Declaração de Brasília: Rumo à Cidadania Sul- Americana

Declaração de Brasília: Rumo à Cidadania Sul- Americana Declaração de Brasília: Rumo à Cidadania Sul- Americana XI Conferência Sul-Americana sobre Migrações Brasília, de 19 a 21 de outubro de 2011 Declaração de Brasília Rumo à Cidadania Sul-Americana Os representantes

Leia mais

TRATADO ALTERNATIVO SOBRE COMÉRCIO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL [12] PREÂMBULO

TRATADO ALTERNATIVO SOBRE COMÉRCIO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL [12] PREÂMBULO TRATADO ALTERNATIVO SOBRE COMÉRCIO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL [12] PREÂMBULO 1. O comércio internacional deve ser conduzido de forma a melhorar o bem estar social, respeitando a necessidade de promover

Leia mais

PROGRAMA DO: Governo da República Federativa do Brasil (Ministério das Cidades Ministério do Meio Ambiente)

PROGRAMA DO: Governo da República Federativa do Brasil (Ministério das Cidades Ministério do Meio Ambiente) PROGRAMA DO: Governo da República Federativa do Brasil (Ministério das Cidades Ministério do Meio Ambiente) COM APOIO DO: Programa das Nações Unidas para os Assentamentos Humanos (UN-HABITAT) e o Programa

Leia mais