CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADE ABC NA ATIVIDADE ELÉTRICA: O caso de uma indústria de geradores de Francisco Beltrão Paraná, Brasil.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADE ABC NA ATIVIDADE ELÉTRICA: O caso de uma indústria de geradores de Francisco Beltrão Paraná, Brasil."

Transcrição

1 CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADE ABC NA ATIVIDADE ELÉTRICA: O caso de uma indústria de geradores de Francisco Beltrão Paraná, Brasil. Leonice Raimundo, Graduada Instituição: Universidade Paranaense (Brasil) Alisson Lucas Mariotti, Graduado Instituição: Universidade Paranaense (Brasil) André Luiz Comunelo, Mestre Instituição: Universidade Paranaense (Brasil) Palavras Chaves: Atividade Elétrica Custeio Baseado em Atividades (ABC), Tomada de decisão. Área temática: A8 Custos em perspectivas setoriais (indústria) Metodologia de Investigação: M2 Case/Field Study

2 Resumo: O estudo foi realizado em uma indústria de geradores, situada no Sudoeste do Paraná, tendo como objetivo encontrar qual a melhor estrutura para a aplicação do sistema de custeio ABC. Foi aplicado o conceito do Método de Custeio Baseado em atividades (ABC), o qual permite identificar através dos direcionadores de custos os custos de todas as atividades. Esta ferramenta auxilia no processo de análise de quais atividades precisam reduzir os gastos ou sofrer processos de racionalização, pois ela possibilita a mensuração do desperdício em cada atividade dentro do sistema produtivo e também dando suporte para conhecer os reais custos das atividades com maior exatidão e assim contribuindo com os gestores no processo de tomada de decisão tornando-os mais eficientes e eficazes. Esta pesquisa se caracteriza como um estudo de caso, desenvolvido por meio de coleta de dados in loco na unidade social estudada, mediante a aplicação de um protocolo de procedimentos. Após realizada a coleta de dados, esse foram tabulados e iniciado o processo de implementação do método na organização. Esses dados foram apresentados no formato de tabelas, com o intuito de apresentar a evolução e a sistemática do método ABC. Foram identificadas 15 atividades no departamento de fabricação de bobinas para geradores, sendo que a atividade mais onerosa é a atividade de inserção de fita de mica. 1. INTRODUÇÃO Ao longo das pesquisas científicas no campo da contabilidade de custos aplicadas ao setor de prestação de serviços, pode-se citar uma linha de pesquisadores que partem para o estudo de quais os métodos de custeios estão sendo praticados pelas organizações, nesta direção cita-se a pesquisa de Rosa e Morgan (2006). De outro lado têm-se pesquisadores que emanam suas pesquisas na aplicação de métodos de custeio nas empresas, com o intuito de verificar se determinado método é mais indicado à aquela estrutura organizacional, dentre esses pode-se citar Jerico e Castilho (2010) e Nogueira et all (2001). A nova realidade empresarial, destacada por Garrison e Noreen (2001), determina que as empresas devem buscar diferenciais para seus clientes, devido a globalização e a perda de reservas de mercado, os consumidores passaram a ter um leque maior de opções, com preços diferenciados e ainda com mais qualidade. Nesse sentido, a contabilidade como fonte de informações para seus usuários, se destaca ao implementar os pressupostos da Contabilidade Gerencial e assim fornecer informações importantes para o processo de tomada de decisão. E dentro dessa ramificação da contabilidade Martins (2006), destaca que a contabilidade de custos surgiu tendo por objetivo inicial resolver os problemas de mensuração dos estoques e dos resultados. Porém, com o decorrer do tempo, e mediante a nova realidade das empresas, esta passou a ser encarada como forma de auxílio ao processo decisório. Nas últimas décadas como afirma Viceconti (2009), a contabilidade de custos passou a prestar funções importantes para a contabilidade gerencial que é a utilização dos dados dos custos para o auxílio ao controle e para a tomada de decisões. Dentro desse cenário, destaca-se o Método de Custeio Baseado em Atividades ABC, o qual segundo Martins (2006) surgiu com o intuito de reduzir as distorções provocadas pelos

3 critérios de rateio dos custos indiretos. Além disso, sua utilização não se limita apenas ao custeio de produtos; trata-se, pois, de um mecanismo eficaz na gestão de custos. Concomitantemente a afirmação anterior, Horngren, Foster e Datar (2004) afirmam que essa foi uma das melhores ferramentas para o aprimoramento de um sistema de custeio. O Custeio por Atividades considera atividades individuais como objetos de custos fundamentais; cada tarefa é um evento específico. Esses autores afirmam ainda que esse sistema calcula os custos das atividades e atribuem custos para os objetos de custos, como os produtos ou serviços, com base nas atividades necessárias para produzir cada produto ou serviço. Nesse sentido esse trabalho possui como questão orientativa: Qual é a estrutura de um modelo de custeio aplicável à atividade de fabricação de bobinas para geradores, considerando os conceitos do método de custeio ABC (Activity Based Costing)? Como objetivo desse trabalho tem-se o de desenvolver um modelo de custeio para aplicação na atividade de fabricação de bobinas para geradores, descrevendo, os conceitos relacionados ao negócio utilizando como ferramenta o ABC. O presente trabalho faz-se necessário devido às escassas pesquisas na área de indústria de geradores e ainda, conforme descreve Iudícibus (1996, pág. 31): Em primeiro lugar, é importante deixar claro que o que mais importa, na realidade. É a qualidade da prática contábil. A doutrina tem sua grande importância, é bem verdade, quando consegue projetar estruturas conceituais que se antecipam à prática (mas que devem ser validadas pelos experimentos reais). O trabalho está divido em cinco seções. Na seção seguinte apresenta-se a revisão da literatura, na terceira seção a metodologia da pesquisa. A análise dos dados esta descrita na quarta seção, e por fim, a conclusão está apresentada na quinta seção. 2. REFERENCIAL TEÓRICO Devido a utilização de conceitos teóricos e práticos, o referencial teórico, está estruturado como intuito de apresentar os conceitos do método de custeio ABC. Após analisar-se-á as vantagens e desvantagens da utilização do método discutindo as ferramentas gerenciais que este método proporciona para o processo de tomada de decisão. Por fim, será apresentado um roteiro de implementação e operacionalização. 2.1 Método de Custeio Baseado em Atividades (ABC) Este método, segundo Kaplan e Cooper (1998, p. 16) é uma abordagem que analisa o comportamento dos custos por atividade, estabelecendo relações entre as atividades e o consumo de recursos. Ainda o ABC é considerado uma metodologia desenvolvida para melhorar e facilitar a

4 análise estratégica de custos relacionados a atividades que mais agregam gastos nas empresas. Segundo NAKAGAWA (2008), a quantidade, a relação de causa e efeito e a eficiência e eficácia com que os recursos são consumidos nas atividades mais relevantes de uma empresa constituem o objetivo da análise estratégica de custos do ABC. NAKAGAWA (2008) relata ainda que embora caracterizado por esta simplicidade, o ABC é uma poderosa ferramenta de alavancagem de atitudes das pessoas envolvidas no processo de mudanças de uma empresa. Sua principal característica é atribuir os custos às atividades e posteriormente atribuir dessas aos produtos/serviços em questão. Segundo Martins (2006, p. 87), esse método é uma metodologia de custeio que procura reduzir sensivelmente as distorções provocadas pelo rateio arbitrário dos custos indiretos, buscando amenizar as distorções provocadas pelo uso do rateio, necessários aos outros sistemas. O método ABC pondera sobre as atividades envolvidas em cada processo de produção, seja de uma mercadoria ou um serviço, como afirma Martins (2006, p.96) em que há que se distinguirem dois tipos de direcionador... direcionador de custos de recursos, e os...direcionadores de custos de atividades. O citado autor continua afirmando que o primeiro identifica a maneira como as atividades consomem recursos e serve para custear as atividades. Afirma ainda que o segundo identifica a maneira como os produtos consomem atividades e serve para custear produtos. Quanto ao conceito de atividade Nakagawa (2008, p.42), conceitua como um processo que combina, de forma adequada, pessoas, tecnologias, materiais, métodos e seu ambiente, tendo como objetivo a produção de produtos. Em sentido mais amplo, entretanto, a atividade não se refere apenas a processos de manufatura, mas também à produção de projetos, serviços etc, bem como às inúmeras ações de suporte a esses processos. O ABC reconhece que os produtos não usam diretamente os recursos; o que eles usam de maneira direta são as atividades (COOPER, 1990) que podem ser definidas como as ações que são realizadas por diversos indivíduos ou grupos especializados, buscando atingir os objetivos da empresa. De acordo com BRIMSON (1991): "Uma atividade é uma combinação de pessoas, tecnologia, materiais, métodos e ambiente, que realiza um dado produto ou serviço. As atividades descrevem o que a empresa faz." "A premissa básica do Custeio Baseado em Atividades é que as atividades consomem recursos e os produtos consomem as atividades." (CHALOS, 1992). Isso significa que os custos de uma empresa devem ser primeiramente alocados no nível de seus departamentos, e a seguir relacionados aos serviços.

5 De acordo com NAKAGAWA (2008) o ABC "tem como objetivo facilitar a mudança de atitudes dos gestores de uma empresa, a fim de que estes, paralelamente à otimização de lucros para os investidores, busquem também a otimização do valor dos produtos para os clientes, tanto interno quanto externo. BERLINER & BRINSON (1988), por sua vez, afirmam que a Contabilidade por Atividades fornece uma linha básica natural para descrever o processo de manufatura e estabelecer um denominador comum entre a Contabilidade de Custos, a Mensuração de Desempenho e a Administração de Investimentos. Além disso, essa contabilidade pode também propiciar a visibilidade de atividades que não adicionam valor ao produto. A importância que se dá à utilização do método de custeio ABC é em virtude do mesmo não ser apenas um sistema que dá valor aos estoques, mas também proporciona informações gerenciais que auxiliam os tomadores de decisão, como por exemplo, os custos das atividades, que ajudam aos gestores atribuírem responsabilidades aos responsáveis pelas mesmas. Dentre as vantagens, Martins (2010) descreve que o sistema de custeio ABC permite que os processos que ocorrem dentro da empresa também sejam custeados não restringindo apenas ao custo do produto, a sua continuidade ou não, a sua lucratividade ou não, ele permite uma visão mais adequada para a análise da relação custo/benefício de cada atividade e processo. Bornia (2009) descreve que uma das principais vantagens do ABC sobre o método dos centros de custos seja permitir o gerenciamento das atividades através do qual é possível identificar os custos com as atividades, medir o desempenho e reconhecer quais atividades estão influindo significativamente nos gastos da empresa e a partir dessa informação a gerência pode planejar e executar ações de controle sobre atividades específicas. No que se refere às desvantagens, Leone (2009) menciona que é preciso ter muito cuidado no trabalho contábil de identificação dos custos e despesas em relação às atividades. Como em todo trabalho dessa natureza, poderemos encontrar alguns itens de custos e despesas que são diretamente relacionados à atividade em estudo e muitos itens que são comuns a muitas atividades e precisam ser apropriados por meio de critérios subjetivos ou presumidamente científicos, estes resultantes de uma pesquisa estatística dispendiosa, demorada e complexa. Em análise as desvantagens, Martins (2010), comenta que diversas críticas são feitas ao ABC no sentido de que este método de custeio não elimina a figura do rateio dos custos e ele explica que no rateio há a alocação dos custos de forma altamente arbitrária e subjetiva e que no método do rastreamento, este procura analisar a verdadeira relação entre o custo e a atividade através do direcionador de recurso, identificando o que é que efetivamente gerou o custo de maneira racional e analítica de forma a dirimir as possíveis distorções.

6 2.3 Etapas do Método de Custeio ABC A implementação do ABC possui as seguintes etapas segundo BORNIA (2009). 1ª Etapa: Mapear as atividades; Nesta etapa, a empresa será divida em setores, e posteriormente alocar as atividades que cada setor desenvolve, proporcionando assim, a visualização e distribuição dos custos. Essa etapa é considerada um dos pontos cruciais para uma boa implantação do método ABC, pois segundo Bornia (2009, p.114): A organização deve ser modelada em atividades, as quais, encadeadas, formam os processos. Essa visão de processo, talvez seja a maior diferença entre ABC e os métodos tradicionais, pois facilita o apoio a ações de melhoria da empresa. O citado autor continua afirmando que o nível de detalhamento a ser empregado é uma decisão importante na implantação do ABC e está intimamente relacionado aos objetivos do sistema. Se o objetivo for meramente o cálculo dos custos dos produtos, pode-se usar um menor grau de detalhamento, ao passo que, se o objetivo for apoio ao controle operacional e à maioria do processo, é necessário detalhar mais as atividades. Para o correto mapeamento das atividades é necessário realizar procedimentos como: entrevistas as pessoas envolvidas, ou seja, os colaboradores, para detalhar as rotinas internas de forma a atender as necessidades anteriormente fixadas pela empresa, para posteriormente formar o processo. 2ª Etapa: Distribuição dos custos às atividades; Nesse momento são distribuídos os custos de forma primária e da melhor maneira possível para as atividades, é onde os custos devem representar os insumos por ele utilizados, o critério para o rateio deve ser o dos custos indiretos, já que os diretos são de fácil alocação. Conforme BORNIA (2009, p.115). O cálculo dos custos das atividades corresponde à distribuição primária do método dos centros de custos. Os custos a serem distribuídos são os custos indiretos, já que os custos diretos não apresentam dificuldade para serem alocados aos produtos. 3ª Etapa: Distribuição dos custos das atividades indiretas até as diretas; O grande fator que distingue o ABC dos métodos tradicionais é a maneira como ele atribui os custos aos produtos. Portanto, o grande desafio, a espinha dorsal, a verdadeira arte do ABC está na escolha dos direcionadores de custos (MARTINS, 2000, p.103).

7 4ª Etapa: Distribuição dos custos dos produtos. Para a distribuição dos custos dos produtos são utilizados os direcionadores de custos, os quais devem ser definidos no momento da implantação do método e de acordo com o nível de detalhamento das informações que deverá gerar. Conforme BORNIA (2009) de forma geral, os custos são alocados em objetos de custos, que podem ser produtos, clientes e canais de distribuição, entre outros. O citado autor afirma ainda que com a utilização dos direcionadores de custos, o ABC objetiva encontrar os fatores que causam os custos, isto é, determinar a origem dos custos de cada atividade para, dessa maneira, distribuí-los corretamente aos produtos, considerando o consumo das atividades por eles. 3. DESIGN DA PESQUISA DE CAMPO Neste tópico se estabelecem os fundamentos metodológicos, os quais validam a pesquisa como científica, sendo considerado a tipologia da pesquisa, amostra e a coleta e tratamento dos dados. 3.1 Classificação da Pesquisa, Amostra, Coleta e Tratamento dos Dados. A referida pesquisa está inclusa dentro do contexto estabelecido pelos estudos de casos, os quais para Martins (2006, p.2) "[...] o seu objetivo é o estudo de uma unidade social que analisa profunda e intensamente [...], pesquisa fenômenos dentro de seu contexto real". Richardson (1999, p.80) afirma que estes estudos "podem descrever a complexidade de determinado problema, analisar a interação de certas variáveis, compreender e classificar processos dinâmicos vividos por grupos sociais". Os trabalhos realizados mediante a aplicação da metodologia de estudo de caso, possui como pontos fortes, a profundidade, a possibilidade de geração de novas teorias empiricamente validadas e a possibilidade de testes por meio de constructos mensuráveis. (YIN, 2005) Nesse sentido o referido trabalho tratou-se de um caso único, pois se pretendeu analisar os procedimentos das áreas focadas com profundidade e maior detalhadamente. Quanto ao desenvolvimento da referida pesquisa, primeiramente os pesquisadores analisaram a teoria que norteia os pressupostos do método de custeio ABC e ainda a estrutura e desenvolvimento da atividade de geradores. Posteriormente, os mesmos, realizaram a coleta de dados, onde visitas na empresa para desenvolver a observação direta da estrutura e dos procedimentos e ainda a pesquisa de documentação mediante a analise dos registros em arquivos da unidade social em estudo foram os mecanismos adotados.

8 No processo de coleta de dados, foram utilizados ainda, entrevistas semi-estruturas com os profissionais que trabalham nos setores além do administrador, contador e proprietário. Com o intuito de direcionar a pesquisa, elaborou-se um protocolo de estudo, o qual segundo YIN (2005) é utilizado para aumentar a confiabilidade da pesquisa, pois o mesmo serve como um sistema de orientação no desenvolvimento dos trabalhos. O referido protocolo contemplou o projeto de pesquisa, os procedimentos de campo, as questões de estudo e o plano de análise, ou seja, contou com os procedimentos e regras gerais desta pesquisa. A referida pesquisa foi realizada em uma indústria de geradores localizada na cidade de Francisco Beltrão estado do Paraná, o qual possui 40 anos no mercado e ainda uma estrutura com 200. O estudo ainda possui as características de um estudo ex post fact, pois esses estudos segundo Cooper e Schindler (2003), os pesquisadores não possuem controle das variáveis, sendo que o intuito dessa pesquisa é apenas relatar a aplicabilidade do método de custeio ABC na indústria já mencionado acima. No sentido de atendimento ao objetivo proposto, a pesquisa realizou um estudo transversal, ou seja, foi realizado em um período definido, à , retratando assim esse momento da organização. 4. ANÁLISE DE DADOS O conceito do método ABC foi aplicado apenas no departamento de fabricação de bobinas para geradores por ser um dos setores que possui as atividades totalmente mapeadas, controles internos atualizados, pela disposição do responsável pelo departamento em fornecer as informações para a análise e tendo em vista também a complexidade das demais atividades relacionadas ao processo de fabricação de geradores, para tanto foi realizado a análise do processo e identificado às atividades relevantes, conforme segue: Foram identificadas 15 atividades dentro do processo de fabricação de bobinas e realizado a análise e detalhamento de cada atividade para encontrar as causas dos custos e alocar os custos aos produtos.

9 Tabela 1 Levantamento das atividades relevantes do departamento de fabricação de bobinas. Departamento Fabricação de bobinas ATIVIDADES ISOLAMENTO ELÉTRICO/ MECÂNICO PRÉ-MOLDADOR INSTALAÇÃO DO ISOLAMENTO ESCRAVO MODELAGEM AJUSTE FINO DA BOBINA REMOÇÃO DO ISOLAMENTO ESCRAVO INSERÇÃO DA CAMISA DE POLIÉSTER APLICAÇÃO DE VERNIZ - Etapa 1 INSERÇÃO DA FITA MICA INSERÇÃO DA FITA DE FIBRA DE VIDRO APLICAÇÃO DE VERNIZ - Etapa 2 PRENSAGEM TESTE DE ISOLAMENTO ELÉTRICO LIMPEZA DA PONTA DAS BOBINAS APLICAÇÃO DE TINTA CONDUTORA E TINTA SEMICONDUTORA/CORTINA D'ÁGUA Fonte: Dados da Pesquisa (2012). Para o processo de fabricação de bobinas o mesmo inicia-se com o isolamento elétrico/mecânico até chegar a atividade de aplicação de tinta condutora e tinta semicondutora/cortina d água. Para encontrar os fatores que causam os custos e realizar a distribuição dos custos das atividades aos produtos, foram escolhidos os direcionadores de recursos de cada atividade, como segue: Tabela 2 Natureza do gasto versus direcionadores de recursos NATUREZA DO GASTO mão de obra (supervisão ) mão de obra (técnico) manutenção das máquinas depreciação máquina energia elétrica DIRECIONADORES DE CUSTOS custo da hora custo da hora custo da hora custo da hora Quilowatt - hora Depreciação prédio área utilizada (m 2 ) limpeza e conservação área utilizada (m 2 ) iluminação do ambiente área utilizada (m 2 ) seguro do imóvel área utilizada (m 2 ) Fonte: Dados da pesquisa (2012)

10 Nota-se que para a mão de obra (supervisão e técnica), manutenção das máquinas e depreciação das máquinas, foram utilizados como direcionados de custo o custo hora, ou seja, o tempo gasto. Quanto a energia elétrica utilizou-se o gasto com o quilowatt-hora e por fim a depreciação do prédio, a limpeza e conservação, iluminação do ambiente e seguro do imóvel, utilizou-se como direcionador a área utilizada do setor em questão. Com relação ao direcionador de custos custo da hora, considerou-se os tempos gastos em cada produto para que a atividade seja efetuada e foram utilizados para o cálculo os gastos com pessoal e encargos e o gasto com manutenção e depreciação das máquinas. No que se refere à natureza do gasto energia elétrica utilizou-se a média da fatura de energia durante o período mencionado e o cálculo de quilowatt hora baseado nas horas máquina utilizadas por produto. Quanto às naturezas dos gastos com depreciação, limpeza e conservação, iluminação do ambiente e seguro do imóvel, foram encontrados os gastos relativos aos mesmos nas demonstrações contábeis e realizado o cálculo encontrando os valores pela área utilizada e apropriando os custos de acordo com as unidades produzidas. Foram extraídos os valores das demonstrações contábeis da empresa para efetuar os cálculos dos direcionadores de custos, dos demonstrativos financeiros foram retirados os valores dos gastos e da planta do imóvel a metragem para utilização nos cálculos para a alocação dos custos às atividades, valores conforme demonstra a tabela 3: Conforme a tabela abaixo, identificou-se que o setor, possui um parque de máquinas avaliados conforme demonstrativos contábeis em R$ ,00. Ainda o valor gasto com manutenção desse maquinário totalizou R$ 1.775,00, sendo que a grande maioria desse valor considera-se manutenção preventiva. Tabela 3 Descrição de custos e dados Máquinas R$ ,00 Manutenção Máquinas / Ano R$ 1.775,00 Instalações R$ ,00 Seguro do imóvel R$ 8.600,00 Energia Elétrica R$ ,00 Área total metros quadrados Área ocupada (departamento) 720 metros quadrados Salários e encargos R$ 5.759,00 Fonte: Dados da pesquisa (2012)

11 Ainda as instalações da empresa possui um valor de R$ ,00, sendo que o seguro dessa instalação é de R$ 8.600,00. O consumo de energia no referido período estudado foi de R$ ,00 e os salários e encargos foi de R$ 5.759,00. A referida empresa possui como área total metro quadrados e o setor em questão e em estudo consume 720 metros dessa. Mapeadas as atividades, realizado o cálculo dos custos das atividades utilizando como base os direcionadores encontrou-se o custo de cada atividade no processo de fabricação, considerando o custo de cada unidade produzida conforme demonstra a Figura 1. Figura 1 Fluxograma de processos e alocação dos custos às atividades Fonte: Dados da Pesquisa (2012) O critério utilizado para a distribuição dos custos foi o consumo dos insumos pelas atividades, não foi considerado para o cálculo a matéria prima consumida em cada atividade, uma vez que esses custos não apresentam dificuldades para serem alocados aos produtos. Identifica-se que a tabela 4 apresenta todas as atividades do departamento de fabricação de bobinas para geradores, totalizando um custo de R$ 190,59 para cada unidade produzida, sendo que a atividade que mais consome recursos é a inserção de fita mica a qual representa 16,62% dos custos totais, seguida da atividade de instalação do isolamento escravo que representa 7,75% dos custos totais, a terceira atividade que mais consome recursos é a modelagem representando 7,5% dos custos totais e conclui-se que há três atividades que consomem menos recursos sendo elas

12 aplicação de verniz etapa 1, aplicação de verniz etapa 2 e limpeza das pontas das bobinas sendo que cada uma delas consomem 4,08% do total dos custos, as demais atividades representam 55,89 do custo total. 5. Conclusão e Recomendações O referido estudo desempenhou um papel de busca de informações e operacionalização acerca do método de Custeio Baseado em Atividades (ABC), desde a escolha, passando pela fase de implementação e operacionalização até a fase de análises e de informações que este proporciona para seus usuários. Através do cálculo efetuado para todas as atividades demonstramos que a atividade inserção da fita mica é a atividade que mais consome recursos e em análise, este consumo é justificado pelo fato de que esta atividade utiliza em grande quantidade a natureza do gasto mão de obra do técnico, sendo um processo que não existe a possibilidade de automatizar esta atividade devido ao tamanho da bobina, as atividades aplicação de verniz-etapa1, aplicação de vernizetapa 2 e limpeza da ponta das bobinas são as três atividades que consomem menos recursos. O projeto de implantação do método de custeio ABC visa mensurar o custo das atividades para obter vantagens competitivas e é caracterizado por decisões estratégicas onde objetiva a melhoria dos processos, a eliminação de desperdícios para que a empresa consiga manter-se no mercado com produtos de alta qualidade em um mercado competitivo. Conclui-se que o resultado apresentado pela aplicação do método ABC pode contribuir para a tomada de decisão no que tange a gestão dos custos, porém a tarefa de coleta das atividades deve ser feito de forma detalhista e minuciosa para que se tenha um resultado confiável, que realmente apresente o valor de cada atividade e sendo assim é um projeto caro, demorado e depende de bons controles internos que devem estar sempre atualizados e ainda colaboradores comprometidos a prestar às informações, pois estes têm o conhecimento dos processos, depende de pessoas capacitadas para coletar e analisar os dados e dar continuidade ao projeto. De acordo com as literaturas o método ABC elimina as distorções provocadas pelos métodos de custos tradicionais permitindo identificar os custos através de análise das atividades desempenhadas e suas respectivas relações com os produtos, propiciando aos gestores informações precisas sobre o custo de cada produto. Em resposta ao objetivo deste estudo identificou-se o custo de cada atividade dentro do processo de fabricação de bobinas para geradores, apresentando a estrutura de um projeto de implantação do sistema de custeio através do método de custeio baseado em atividades. Como o presente estudo abordou somente as atividades da fabricação de bobinas, do processo de fabricação

13 de geradores, fica como sugestão o estudo deste método nos demais departamentos com o objetivo de identificar, reduzir ou eliminar custos que não agregam valor ao produto. Bibliografia ANDRADE, N. A.; BATISTA, D. G.; SOUSA, C.B.de. Vantagens e desvantagens da utilização do sistema de custeio ABC BERLINER, C. & BRINSON, J. A. Cost Management for Today's advanced manufacturing. Boston: Harvard Business School Press, BRIMSON, J.A. Contabilidade por Atividades: uma abordagem de custeio baseado em atividades. São Paulo: Atlas, p. BRUNI, A. L. Gestão de custos e formação de preços:com aplicações na calculadora HP 12C e Excel.5.Ed.São Paulo,Atlas,2008. CATARINO, Jorge Aníbal (1999). Poised to Explode. Diário econômico ( ), Lisboa. CERVO, A. L. Metodologia Cientifica 6 Edicao, São Paulo: Pearson Prentice Hall, CHALOS, P. Managing Cost in Today's Manufacturing Environment. New Jersey, Prentice Hall, COOPER, R. ABC: A need, not an option. Accountancy. Sep GARRISON, R. H.; NOREEN, E. W. Contabilidade gerencial. 9 ed. Rio de Janeiro: LTC, GASPARETTO, V. Uma discussão sobre a seleção de direcionadores de custos na implantação do custeio baseado em atividades. Dissertação. Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção (PPGEP), UFSC, Florianópolis, SC, GIL, A. C, Como elaborar projetos de pesquisa, 4ed. São Paulo: Atlas, 2002 HORNGREN, C. T.; FOSTER,G.; DATAR, S. Contabilidade de custos. 11 ed. Vol. I. São Paulo: Pearson Prentice Hall, KAPLAN, Robert; COOPER, Robin. Custo e desempenho: administre seus custos para ser mais competitivo. Trad. O.P. Traduções. São Paulo: Futura, LEONE, G.S.G. Curso de contabilidade de custos. 3. Ed. São Paulo:Atlas, MARTINS, E. Contabilidade de custos. 7 ed. São Paulo: Atlas, Contabilidade de custos. 9 ed. São Paulo: Atlas, MARTINS, Gilberto de Andrade. Estudo de Caso Uma Estratégia de Pesquisa. 1.ed. São Paulo: Atlas, NAKAGAWA, M. ABC: Custeio baseado em atividades. 2. ed. São Paulo: Atlas, NEVES, S. das.; VISCONTI, P. E. V. Contabilidade de custo: um enfoque direto e objetivo. 8. Ed. São Paulo: Frase, ROSA, M. S.; MORGAN, B. F. Custos em Empresas Prestadoras de Serviços: O Conceito de Objeto de Custo e a Realidade das Empresas. In: Congresso de Contabilidade e Controladoria USP. 6º, São Paulo. Anais... São Paulo: Congresso de Contabilidade e Controladoria, Disponível em Acesso em 06 jul YIN, Robert K. Estudo de Caso: planejamento e métodos. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

SISTEMA DE CUSTEIO ABC ACTIVITY BASED COSTING. Jaime José Veloso

SISTEMA DE CUSTEIO ABC ACTIVITY BASED COSTING. Jaime José Veloso SISTEMA DE CUSTEIO ABC ACTIVITY BASED COSTING Métodos de Custeio Os métodos de custeio são as maneiras de alocação dos custos aos produtos e serviços. São três os métodos mais utilizados: Custeio por absorção

Leia mais

CUSTEIO POR ABSORÇÃO X CUSTEIO ABC

CUSTEIO POR ABSORÇÃO X CUSTEIO ABC Resumo CUSTEIO POR ABSORÇÃO X CUSTEIO ABC Ana Paula Ferreira Azevedo Faculdade de Ciências Econômicas, Administrativas e da Computação Dom Bosco Associação Educacional Dom Bosco E-mail: apfazevedo@ig.com.br

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE QUAL CRITÉRIO DE CUSTO UTILIZAR NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA? Por: Maikon Bruno Cordeiro da Silva Rodrigues Orientador Prof.

Leia mais

29/10/2014. Métodos de Custeio TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO. Formas de Custeio

29/10/2014. Métodos de Custeio TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO. Formas de Custeio Gestão de Custos TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO Métodos de Custeio TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO Formas de Custeio TEORIA DA INFORMAÇÃO MODELOS DE INFORMAÇÃO Sistemas de acumulação A

Leia mais

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Paula Michelle Purcidonio (UTFPR) ppurcidonio@ig.com.br Kazuo Hatakeyama (UTFPR) hatakeyama@pg.cefetpr.br Resumo Com a atual competitividade

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenação/Colegiado ao(s) qual(is) será vinculado: Curso (s) : Ciências Contábeis Nome do projeto: LEVANTAMENTO E APLICAÇÃO DO OS MÉTODOS

Leia mais

O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia

O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia Elaine Gomes Assis (UNIMINAS) elainega@uniminas.br Luciane

Leia mais

Profa. Ma. Divane A. Silva. Unidade II ANÁLISE DE CUSTOS

Profa. Ma. Divane A. Silva. Unidade II ANÁLISE DE CUSTOS Profa. Ma. Divane A. Silva Unidade II ANÁLISE DE CUSTOS A disciplina está dividida em 02 unidades. Unidade I 1. Custos para Controle 2. Departamentalização 3. Custo Padrão Unidade II 4. Custeio Baseado

Leia mais

Discente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. Docente do Curso de Ciências Contábeis da UNOESTE. E mail: irene@unoeste.br

Discente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. Docente do Curso de Ciências Contábeis da UNOESTE. E mail: irene@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 425 FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA NA MICRO E PEQUENA EMPRESA Cassia de Matos Ramos 1, Dayane Cristina da Silva 1, Nathana

Leia mais

Revista Contemporânea de Contabilidade ISSN: 1807-1821 sensslin@gmail.com Universidade Federal de Santa Catarina Brasil

Revista Contemporânea de Contabilidade ISSN: 1807-1821 sensslin@gmail.com Universidade Federal de Santa Catarina Brasil ISSN: 1807-1821 sensslin@gmail.com Universidade Federal de Santa Catarina Brasil Queiroz, Antônio Diomário de; Costa, Renato; Gomes Silva, Sônia Maria da O ABC em uma empresa de desenvolvimento de Software:

Leia mais

Custeio baseado em atividades em laboratórios de análises clínicas

Custeio baseado em atividades em laboratórios de análises clínicas Custeio baseado em atividades em laboratórios de análises clínicas Mirian Aparecida Micarelli Struett (HURM) micarelli@brturbo.com.br Antônio Artur de Souza (UFMG) artur@face.ufmg.br Simone Letícia Raimundini

Leia mais

Análise e Aplicação de Controle de Custos na Gestão por Processo: Estudo de caso em uma indústria de implementos agrícolas.

Análise e Aplicação de Controle de Custos na Gestão por Processo: Estudo de caso em uma indústria de implementos agrícolas. Análise e Aplicação de Controle de Custos na Gestão por Processo: Estudo de caso em uma indústria de implementos agrícolas. Cátia Raquel Felden Bartz (FAHOR) catia@fahor.com.br Jonas Mazardo (FAHOR) jonas_mazardo@yahoo.com.br>,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DANIEL BENDER CALESSO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DANIEL BENDER CALESSO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DANIEL BENDER CALESSO Análise de custos com foco nos métodos ABC, Variável e Absorção Orientador: Prof. Dr. Paulo Schmidt Porto Alegre

Leia mais

CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA

CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA MARCIO REIS - R.A MICHELE CRISTINE RODRIGUES DE OLIVEIRA R.A 1039074 RENATA COSTA DA SILVA SIMIÃO R.A 1039444 Ciências Contábeis CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA Orientador: Prof.

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS. A necessidade da análise e do controle dos gastos empresariais acentua-se à medida que cresce a competição entre as empresas.

CONTABILIDADE DE CUSTOS. A necessidade da análise e do controle dos gastos empresariais acentua-se à medida que cresce a competição entre as empresas. CONTABILIDADE DE CUSTOS A necessidade da análise e do controle dos gastos empresariais acentua-se à medida que cresce a competição entre as empresas. A Contabilidade de Custos que atende essa necessidade

Leia mais

Marília Gottardi 1 Rodrigo Altério Pagliari 2 Rosemary Gelatti 3 FEMA 4

Marília Gottardi 1 Rodrigo Altério Pagliari 2 Rosemary Gelatti 3 FEMA 4 CUSTEIO VARIÁVEL COMO SUPORTE À TOMADA DE DECISÃO EMPRESARIAL Marília Gottardi 1 Rodrigo Altério Pagliari 2 Rosemary Gelatti 3 FEMA 4 RESUMO: Inicialmente a contabilidade tinha o objetivo de controlar

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Ciências Econômicas e Gerencias Curso de Ciências Contábeis Controladoria em Agronegócios ANÁLISE COMPARATIVA DO CUSTEIO POR ABSORÇÃO E DO

Leia mais

CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES UMA VISÃO GERENCIAL E FINANCEIRA

CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES UMA VISÃO GERENCIAL E FINANCEIRA CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES UMA VISÃO GERENCIAL E FINANCEIRA Diego Leal Silva Santos RESUMO Nos dias atuais têm surgido vários trabalhos que versam sobre custos, tais como, artigos, livros, monografias,

Leia mais

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA 7CCSADFCMT01 A UTILIZAÇÃO DA CONTABILIDADE DE CUSTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Marília Caroline Freire Cunha (1) ; Maria Sueli Arnoud Fernandes (3). Centro de Ciências Sociais Aplicadas/Departamento

Leia mais

CONTROLADORIA: UM MECANISMO DE AUXILIO A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E A TOMADA DE DECISÃO 1 RESUMO

CONTROLADORIA: UM MECANISMO DE AUXILIO A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E A TOMADA DE DECISÃO 1 RESUMO CONTROLADORIA: UM MECANISMO DE AUXILIO A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E A TOMADA DE DECISÃO 1 GELAIN, Anna Júlia Lorenzzon 2 ; LORENZETT, Daniel Benitti 3 ; GODOY, Taís Pentiado 4 ; LOSEKANN, Andresa Girardi

Leia mais

REVISTA SCIENTIFIC MAGAZINE

REVISTA SCIENTIFIC MAGAZINE APLICAÇÃO DA CONTABILIDADE DE CUSTO NO SALÃO DE BELEZA X Virginia Tavares 1 RESUMO O presente artigo tem como objetivo analisar na prática como acontece a aplicação da contabilidade de custo numa empresa

Leia mais

Análise de Custos 2014

Análise de Custos 2014 Análise de Custos 2014 Marcelo Stefaniak Aveline Análise de Custos 2014 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA Apresentação da Disciplina EMENTA Esta disciplina trata da definição de custos, da análise de custos e

Leia mais

Engenharia de Produção Custos Industriais Fundamentação Conceitual de Custos Luizete Aparecida Fabbris

Engenharia de Produção Custos Industriais Fundamentação Conceitual de Custos Luizete Aparecida Fabbris Tema Fundamentação Conceitual de Custos Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia de Produção Custos Industriais Fundamentação Conceitual de Custos Luizete Aparecida Fabbris Introdução

Leia mais

Versão 6.04.00 Setembro/2013. Manual de Processos. Módulo Protocolo

Versão 6.04.00 Setembro/2013. Manual de Processos. Módulo Protocolo Versão 6.04.00 Setembro/2013 Manual de Processos Módulo Protocolo 1 1 2 2 Sumário Sumário... 3 Introdução ao Manual de Processos... 4 Conceituado os Processos de Negócio... 5 Estrutura do Manual de Processos...

Leia mais

P ortal da Classe Contábil w w w.classecontabil.com.br. Artigo

P ortal da Classe Contábil w w w.classecontabil.com.br. Artigo P ortal da Classe Contábil w w w.classecontabil.com.br Artigo 31/10 A utilização da contabilidade de custos na formação do preço de venda INTRODUÇÃ O Atualmente a Contabilidade de Custos é vista sob dois

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 553 A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Irene Caires da Silva 1, Tamires Fernanda Costa de Jesus, Tiago Pinheiro 1 Docente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Discente

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO E ANÁLISE DAS VARIAÇÕES DE CUSTOS NO SISTEMA ABC: UMA APLICAÇÃO EM UMA INDÚSTRIA DE AUTOPEÇAS

IDENTIFICAÇÃO E ANÁLISE DAS VARIAÇÕES DE CUSTOS NO SISTEMA ABC: UMA APLICAÇÃO EM UMA INDÚSTRIA DE AUTOPEÇAS IDENTIFICAÇÃO E ANÁLISE DAS VARIAÇÕES DE CUSTOS NO SISTEMA ABC: UMA APLICAÇÃO EM UMA INDÚSTRIA DE AUTOPEÇAS José Henrique de Freitas Gomes (UNIFEI) ze_henriquefg@yahoo.com.br Edson de Oliveira Pamplona

Leia mais

ANÁLISE DO MÉTODO DE CUSTEIO ABC E FORMAÇÃO DE PREÇOS POR MARK-UP: UM ESTUDO DE CASO NUMA EMPRESA DE VAREJO DE MADEIRAS

ANÁLISE DO MÉTODO DE CUSTEIO ABC E FORMAÇÃO DE PREÇOS POR MARK-UP: UM ESTUDO DE CASO NUMA EMPRESA DE VAREJO DE MADEIRAS ANÁLISE DO MÉTODO DE CUSTEIO ABC E FORMAÇÃO DE PREÇOS POR MARK-UP: UM ESTUDO DE CASO NUMA EMPRESA DE VAREJO DE MADEIRAS Margarete Fatima Mezzomo Monteiro (FMGR) magamezzomo@hotmail.com Natalia Tomaz da

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DAS FERRAMENTAS ADMINISTRATIVAS CONTEMPORÂNEAS NA GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES

A UTILIZAÇÃO DAS FERRAMENTAS ADMINISTRATIVAS CONTEMPORÂNEAS NA GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES A UTILIZAÇÃO DAS FERRAMENTAS ADMINISTRATIVAS CONTEMPORÂNEAS NA GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES André F. Soares Correia, FSM, andre.s.correia@hotmail.com¹ Virginia Tomaz Machado, FSM, vtmachado@hotmail.com²

Leia mais

Helena Mara Oliveira Lima (UVA) - helenamaraol@yahoo.com.br Isac de Freitas Brandão (UVA) - isacdefreitas@hotmail.com. Resumo:

Helena Mara Oliveira Lima (UVA) - helenamaraol@yahoo.com.br Isac de Freitas Brandão (UVA) - isacdefreitas@hotmail.com. Resumo: Uma análise comparativa da aplicação dos métodos de custeio tradicionais e do ABC (Activity Based Cost) em uma empresa de pequeno porte de produção de sorvetes Helena Mara Oliveira Lima (UVA) - helenamaraol@yahoo.com.br

Leia mais

MACROPROCESSOS É um conjunto de processos que correspondem a uma função da organização.

MACROPROCESSOS É um conjunto de processos que correspondem a uma função da organização. GESTÃO POR PROCESSOS Prof. WAGNER RABELLO JR PROCESSO Conjunto de recursos e atividades interrelacionadas que transforma insumos (entradas) em serviços ou produtos (saídas); GESTÃO DE PROCESSO OU GESTÃO

Leia mais

RELATÓRIOS GERENCIAIS

RELATÓRIOS GERENCIAIS RELATÓRIOS GERENCIAIS Com base na estrutura organizacional de uma entidade, a parte gerencial é o processo administrativo, onde se traça toda a estrutura fundamental para elaboração do planejamento da

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS APLICADA ÀS INDÚSTRIAS COURO- CALÇADISTAS DA CIDADE DE FRANCA (BRASIL) - UM ESTUDO DE CASO

CONTABILIDADE DE CUSTOS APLICADA ÀS INDÚSTRIAS COURO- CALÇADISTAS DA CIDADE DE FRANCA (BRASIL) - UM ESTUDO DE CASO CONTABILIDADE DE CUSTOS APLICADA ÀS INDÚSTRIAS COURO- CALÇADISTAS DA CIDADE DE FRANCA (BRASIL) - UM ESTUDO DE CASO *Adriana Cristina da Silva **Maisa de Souza Ribeiro ***Rosana C. de M. Grillo Gonçalves

Leia mais

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO Lúcia de Fátima de Lima Lisboa RESUMO O presente artigo apresenta o fluxo de caixa como uma ferramenta indispensável para a gestão financeira

Leia mais

Revista Eletrônica da FANESE ISSN 2317-3769

Revista Eletrônica da FANESE ISSN 2317-3769 O CUSTEIO ABC COMO FERRAMENTA DE GESTÃO DE CUSTOS E CONTROLE DOS PROCESSOS GERENCIAIS NO SETOR INDUSTRIAL: UMA DISCUSSÃO TEÓRICA 1 Andréa de Oliveira Lessa 2 Alex Santos Almeida 3 Cleaylton Ribeiro de

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

TÍTULO: ABORDAGEM CONCEITUAL DO SISTEMA DE CUSTEIO NA TOMADA DE DECISÃO

TÍTULO: ABORDAGEM CONCEITUAL DO SISTEMA DE CUSTEIO NA TOMADA DE DECISÃO TÍTULO: ABORDAGEM CONCEITUAL DO SISTEMA DE CUSTEIO NA TOMADA DE DECISÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADES INTEGRADAS DE SANTA FÉ DO SUL

Leia mais

Q u al i f i c a ç ã o f o r m al d o s r e s p o n s á v e i s P ó s g r a d u a d o s

Q u al i f i c a ç ã o f o r m al d o s r e s p o n s á v e i s P ó s g r a d u a d o s Justificativa do trabalho As Empresas, com fim lucrativo ou não, enfrentam dificuldades para determinar o preço de seus produtos ou serviços, visto que o preço sofre grande influência do mercado, levando

Leia mais

XI-021 GESTÃO ESTRATÉGICA DOS CUSTOS DE PRODUÇÃO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA

XI-021 GESTÃO ESTRATÉGICA DOS CUSTOS DE PRODUÇÃO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA XI-021 GESTÃO ESTRATÉGICA DOS CUSTOS DE PRODUÇÃO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA Maria da Paz Dantas (1) Engenheira Civil, Universidade de Brasília. Analista Operacional da Superintendência de Operação

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL Data: 10/12/1998 Maurício Lima INTRODUÇÃO Um dos principais desafios da logística moderna é conseguir gerenciar a relação entre custo e nível de serviço (trade-off).

Leia mais

ANÁLISE PARA IMPLANTAÇÃO DO MÉTODO DE CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADE ABC EM UMA CORRETORA DE SEGUROS

ANÁLISE PARA IMPLANTAÇÃO DO MÉTODO DE CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADE ABC EM UMA CORRETORA DE SEGUROS ANÁLISE PARA IMPLANTAÇÃO DO MÉTODO DE CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADE ABC EM UMA CORRETORA DE SEGUROS Sabrina Batista TORRES Universidade Católica de Brasília UCB (Brazil) Alexandre dos Santos SILVA Universidade

Leia mais

ÍNDICE. Estruturação e Organização da Matéria Prima...

ÍNDICE. Estruturação e Organização da Matéria Prima... ÍNDICE Apuração de Custos Estruturação e Organização I - Custos de Produção Custos Diretos Estruturação para a Apuração de Custo Matérias Primas, Produtos Químicos... Estruturação e Organização da Matéria

Leia mais

TÍTULO: "COMUNICAÇÃO E CONTABILIDADE: A TECNOLOGIA NA ROTINA DO CONTADOR"

TÍTULO: COMUNICAÇÃO E CONTABILIDADE: A TECNOLOGIA NA ROTINA DO CONTADOR TÍTULO: "COMUNICAÇÃO E CONTABILIDADE: A TECNOLOGIA NA ROTINA DO CONTADOR" CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DE RIO PRETO

Leia mais

O SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS (S.I.G.) APLICADO EM SUPRIMENTOS E PROCESSOS DECISÓRIOS

O SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS (S.I.G.) APLICADO EM SUPRIMENTOS E PROCESSOS DECISÓRIOS O SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS (S.I.G.) APLICADO EM SUPRIMENTOS E PROCESSOS DECISÓRIOS Hugo Bianchi BOSSOLANI 1 RESUMO: Sistema de Informações Gerenciais (S.I.G.) é o processo de transformação de

Leia mais

Sugestão de implantação do método de custeio baseado em atividade (ABC) para fins gerenciais em uma empresa de serviço.

Sugestão de implantação do método de custeio baseado em atividade (ABC) para fins gerenciais em uma empresa de serviço. Sugestão de implantação do método de custeio baseado em atividade (ABC) para fins gerenciais em uma empresa de serviço. Renan dos Santos Toledo (FARN) renan@ruicadete.com.br Dannyel Cardoso D avilla (FARN)

Leia mais

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS AUDITORIA INTERNA DA ATLAS A auditoria interna serve à administração como meio de identificação de que todos os processos internos e políticas definido pela ATLAS, assim como sistemas contábeis e de controle

Leia mais

MÉTODOS DE CUSTEIO COMO REFERENCIAL PARA A COMPOSIÇÃO DE UM MODELO DE LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO

MÉTODOS DE CUSTEIO COMO REFERENCIAL PARA A COMPOSIÇÃO DE UM MODELO DE LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO MÉTODOS DE CUSTEIO COMO REFERENCIAL PARA A COMPOSIÇÃO DE UM MODELO DE LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO ALVES, Vanessa T. 1 ; BARCHET, Isabela 2 ; EVANGELISTA, Mário Luiz 3 ; MULINARI, Marieli 4 ; SHIMITH, Cristiano

Leia mais

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA Laércio Dahmer 1 Vandersézar Casturino2 Resumo O atual mercado competitivo tem evidenciado as dificuldades financeiras da microempresa.

Leia mais

CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO PROGRAMA PÓS-FLEX 2016

CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO PROGRAMA PÓS-FLEX 2016 CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO PROGRAMA PÓS-FLE 2016 CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO PROGRAMA PÓS-FLE 2016 ÁREAS DE NEGÓCIOS E ENGENHARIA O Programa Pós-Flex da Universidade Positivo possui 15 cursos voltados para

Leia mais

A CONTABILIDADE DE CUSTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA: UM ESTUDO DE CASO NA INDÚSTRIA DE PANIFICAÇÃO

A CONTABILIDADE DE CUSTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA: UM ESTUDO DE CASO NA INDÚSTRIA DE PANIFICAÇÃO Powered by TCPDF (www.tcpdf.org) A CONTABILIDADE DE CUSTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA: UM ESTUDO DE CASO NA INDÚSTRIA DE PANIFICAÇÃO Cristian Bau Dal Magro (FURB) - crisbau@unochapeco.edu.br Leossania

Leia mais

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE 1. INTRODUÇÃO A contabilidade foi aos poucos se transformando em um importante instrumento para se manter um controle sobre o patrimônio da empresa e prestar contas e informações sobre gastos e lucros

Leia mais

Análise do tratamento dado aos Custos Indiretos de Fabricação (CIF)- Um Estudo de Caso baseado no Sistema de Custeio ABC (Activity Based Costing)

Análise do tratamento dado aos Custos Indiretos de Fabricação (CIF)- Um Estudo de Caso baseado no Sistema de Custeio ABC (Activity Based Costing) Análise do tratamento dado aos Custos Indiretos de Fabricação (CIF)- Um Estudo de Caso baseado no Sistema de Custeio ABC (Activity Based Costing) Banca Examinadora Prof. João Carlos Hopp (Orientador) Prof.

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

DECISÃO DE COMPRAR OU PRODUZIR: UM ESTUDO REALIZADO EM UMA EMPRESA NA ÁREA TÊXTIL

DECISÃO DE COMPRAR OU PRODUZIR: UM ESTUDO REALIZADO EM UMA EMPRESA NA ÁREA TÊXTIL DECISÃO DE COMPRAR OU PRODUZIR: UM ESTUDO REALIZADO EM UMA EMPRESA NA ÁREA TÊXTIL Edzana Roberta Ferreira Da Cunha Vieira Lucena UFRN Jefferson Douglas Barbosa UFRN (84) 99932-3975 jeffersondouglasg3hotmail.com

Leia mais

OBRIGATORIEDADE DA EVIDENCIAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

OBRIGATORIEDADE DA EVIDENCIAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS OBRIGATORIEDADE DA EVIDENCIAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Marivane Orsolin 1 ; Marlene Fiorentin 2 ; Odir Luiz Fank Palavras-chave: Lei nº 11.638/2007. Balanço patrimonial. Demonstração do resultado

Leia mais

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ANA LAURA CANASSA BASSETO (UTFPR) alcanassa@hotmail.com Caroline Marqueti Sathler (UTFPR)

Leia mais

Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR) E-mail: cristian_dk@ig.com.br Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (PPGEP - UTFPR) E-mail: kovaleski@utfpr.edu.

Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR) E-mail: cristian_dk@ig.com.br Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (PPGEP - UTFPR) E-mail: kovaleski@utfpr.edu. Determinação do momento ótimo para a realização da manutenção preventiva em equipamentos de uma indústria metalúrgica: um estudo voltado para a redução de custos Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR)

Leia mais

Sistema de Custos ABC. As Inadequações do Sistema Tradicional de custos ao Novo Ambiente de Produção

Sistema de Custos ABC. As Inadequações do Sistema Tradicional de custos ao Novo Ambiente de Produção Sistema de Custos ABC 85 As Inadequações do Sistema Tradicional de custos ao Novo Ambiente de Produção 86 80% 70% 60% 50% 40% As Inadequações do Sistema Tradicional de custos ao Novo Ambiente de Produção

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS 0 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS AS FUNÇÕES DA CONTROLADORIA E O PERFIL DO CONTROLLER NAS EMPRESAS INTEGRANTES DOS PRINCIPAIS

Leia mais

Um Estudo Sobre Sistemas de Custeio em Empresas do Setor Hoteleiro: O Caso da Rede Carioca de Hotéis S.A.

Um Estudo Sobre Sistemas de Custeio em Empresas do Setor Hoteleiro: O Caso da Rede Carioca de Hotéis S.A. Um Estudo Sobre Sistemas de Custeio em Empresas do Setor Hoteleiro: O Caso da Rede Carioca de Hotéis S.A. Adriano Rodrigues Ricardo de Assis Faria Maria Luiza de Souza Fuentes Resumo: Este estudo se propõe

Leia mais

Manual de Processos. Versão 6.04.00 Junho/2013. Manual de. Versão 1.1. Agosto/2011. Módulo Financeiro. Processos. Financeiro

Manual de Processos. Versão 6.04.00 Junho/2013. Manual de. Versão 1.1. Agosto/2011. Módulo Financeiro. Processos. Financeiro Versão 6.04.00 Junho/2013 Versão 1.1 Agosto/2011 Manual de Processos Manual de Módulo Financeiro Processos Financeiro c 1 2 Sumário Introdução ao Manual de Processos... 7 Conceituado os Processos de Negócio...

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

SAD orientado a MODELO

SAD orientado a MODELO Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Sistemas de Informação Prof.: Maico Petry SAD orientado a MODELO DISCIPLINA: Sistemas de Apoio a Decisão SAD Orientado a Modelo De acordo com ALTER

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

METODOLOGIA ABC: IMPLANTAÇÃO NUMA MICROEMPRESA

METODOLOGIA ABC: IMPLANTAÇÃO NUMA MICROEMPRESA METODOLOGIA ABC: IMPLANTAÇÃO NUMA MICROEMPRESA v.7, n.2, p. 118-135, ago. 2000 Orlando Duran Lucas Radaelli Faculdade de Engenharia e Arquitetura Universidade de Passo Fundo Passo Fundo RS E-mail: duran@upf.tche.br

Leia mais

APLICAÇÃO DO MÉTODO ABC NO CÁLCULO DOS CUSTOS DE PRODUÇÃO EM UMA EMPRESA DE SOLADOS PARA CALÇADOS

APLICAÇÃO DO MÉTODO ABC NO CÁLCULO DOS CUSTOS DE PRODUÇÃO EM UMA EMPRESA DE SOLADOS PARA CALÇADOS APLICAÇÃO DO MÉTODO ABC NO CÁLCULO DOS CUSTOS DE PRODUÇÃO EM UMA EMPRESA DE SOLADOS PARA CALÇADOS Jaqueline Matias da Silva (UFCG) jaqueline.producao@hotmail.com Josenildo Brito de Oliveira (UFCG) josenildo_brito@yahoo.com.br

Leia mais

VANTAGENS E DESVANTAGENS DA UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE CUSTEIO ABC

VANTAGENS E DESVANTAGENS DA UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE CUSTEIO ABC VANTAGENS E DESVANTAGENS DA UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE CUSTEIO ABC Cristiane Meurer Pós-Graduanda do Curso de Pós-Graduação lato sensu em Gestão e Auditoria de Negócios da UNICENTRO. 2006 Jéferson Lozeckyi

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM BÁSICA (EBA) DISCIPLINA ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM II

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM BÁSICA (EBA) DISCIPLINA ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM II custos2009 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM BÁSICA (EBA) DISCIPLINA ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM II Gerência de Custos em Enfermagem GRECO, Rosangela

Leia mais

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO 1 CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS LEANDRO PANTOJO 1 PETERSON ROBERTO DE LARA 2 VAGNER FUSTINONI 3 RENATO FRANCISCO SALDANHA SILVA 4 VALDECIL DE SOUZA 5 RESUMO O objetivo deste trabalho será

Leia mais

A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO NO CONTROLE DO MEIO AMBIENTE

A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO NO CONTROLE DO MEIO AMBIENTE 546 A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO NO CONTROLE DO MEIO AMBIENTE Irene Caires da Silva 1, Ana Carlina Toni Pereira 2, Carlile Serafim Pestana 2, Fernando Henrique Grigoletto dos Santos 2, Henrique

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CUSTEIO EM UM LABORATÓRIO DE ANÁLISE DE SOLOS DO OESTE DE MINAS GERAIS

IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CUSTEIO EM UM LABORATÓRIO DE ANÁLISE DE SOLOS DO OESTE DE MINAS GERAIS IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CUSTEIO EM UM LABORATÓRIO DE ANÁLISE DE SOLOS DO OESTE DE MINAS GERAIS RESUMO Giselle ALVES; Érik DOMINIK * CEFET Bambuí; CEFET Bambuí O objetivo deste estudo é a análise da

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

Gerenciamento de custos em situações de risco: uma abordagem do custeio variável aplicando o Método de Monte Carlo

Gerenciamento de custos em situações de risco: uma abordagem do custeio variável aplicando o Método de Monte Carlo Gerenciamento de custos em situações de risco: uma abordagem do custeio variável aplicando o Método de Monte Carlo Pablo Rogers (UFU) msc_pablo@yahoo.com.br Eduardo José dos Santos (UFU) eduardo.js@brturbo.com

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO SÓCIO-ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS EDUARDO MATOS DE SOUZA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO SÓCIO-ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS EDUARDO MATOS DE SOUZA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO SÓCIO-ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS EDUARDO MATOS DE SOUZA PROPOSTA DE SISTEMA DE CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES EM EMPRESA PRESTADORA DE SERVIÇOS

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

MBA em Gestão Estratégica

MBA em Gestão Estratégica MBA em Gestão Estratégica Disciplina Extra Metodologia Científica Profa. Dra. Sonia Valle W. B. Oliveira Parte 1-23/03/2012 Parte 2-30/03/2012 1 Aula Extra Parte 2 Metodologia Científica 2 Agenda Dados

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE CUSTOS PARA UMA AUTO MECÂNICA

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE CUSTOS PARA UMA AUTO MECÂNICA IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE CUSTOS PARA UMA AUTO MECÂNICA Cristiane Gandolfi Piveta 1 Fernanda Mosseline Josende Coan 2 RESUMO Este artigo tem por objetivo apresentar os resultados da implantação de sistema

Leia mais

Título: Gestão dos custos em Micro e Pequenas empresas

Título: Gestão dos custos em Micro e Pequenas empresas Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão de Projetos - Turma nº150 31/08/2015 Título: Gestão dos custos em Micro e Pequenas empresas Geanderson Geraldo Silva Oliveira geandersongg@yahoo.com.br

Leia mais

INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO

INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO Sistema de informações gerenciais Sistema de informações gerencial => conjunto de subsistemas de informações que processam dados e informações para fornecer

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

ANÁLISE DE INDICADORES ECONÔMICO-FINANCEIROS PARA FINS DE TOMADA DE DECISÕES: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA NATURA COSMÉTICOS S/A

ANÁLISE DE INDICADORES ECONÔMICO-FINANCEIROS PARA FINS DE TOMADA DE DECISÕES: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA NATURA COSMÉTICOS S/A ANÁLISE DE INDICADORES ECONÔMICO-FINANCEIROS PARA FINS DE TOMADA DE DECISÕES: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA NATURA COSMÉTICOS S/A José Jonas Alves Correia 4, Jucilene da Silva Ferreira¹, Cícera Edna da

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

Modelo de apuração de custos para o agronegócio da estrutiocultura.

Modelo de apuração de custos para o agronegócio da estrutiocultura. 82 Modelo de apuração de custos para o agronegócio da estrutiocultura. Recebimento dos originais: 23/12/2009 Aceitação para publicação: 09/04/2010 Dnyse Queiroz Costa Simões Mestre em Controladoria pela

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

O MÉTODO DE CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES (ABC) E O SETOR ELÉTRICO: UMA APLICAÇÃO NA CELESC. Mônica Accioly da Costa CELESC

O MÉTODO DE CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES (ABC) E O SETOR ELÉTRICO: UMA APLICAÇÃO NA CELESC. Mônica Accioly da Costa CELESC GAE/ 21 17 à 22 de outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil GRUPO VI GRUPO DE ESTUDO DE ASPECTOS EMPRESARIAIS (GAE) O MÉTODO DE CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES (ABC) E O SETOR ELÉTRICO: UMA APLICAÇÃO

Leia mais

TEORIA DA FIRMA E CUSTOS INDUSTRIAIS

TEORIA DA FIRMA E CUSTOS INDUSTRIAIS TEORIA DA FIRMA E CUSTOS INDUSTRIAIS Bruno Aguilar da Cunha 1, Diego Alamino de Oliveira 2 1,2 FATEC SOROCABA - Faculdade de Tecnologia de Sorocaba José Crespo Gonzales 1 bruno.cunha2@fatec.sp.gov.br,

Leia mais

Resumo Aula-tema 07: Gestão de Custos

Resumo Aula-tema 07: Gestão de Custos Resumo Aula-tema 07: Gestão de Custos Vimos até então que a gestão contábil e a gestão financeira são de extrema importância para decisões gerenciais, pois possibilitam ao pequeno gestor compreender as

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

Maximização de Resultados Econômicos em Empresas Industriais que Utilizam os Sistemas de Custeio e de Gestão ABC/ABM Combinados com o EVA

Maximização de Resultados Econômicos em Empresas Industriais que Utilizam os Sistemas de Custeio e de Gestão ABC/ABM Combinados com o EVA Maximização de Resultados Econômicos em Empresas Industriais que Utilizam os Sistemas de Custeio e de Gestão ABC/ABM Combinados com o EVA JURACY VIEIRA DE CARVALHO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SANTOS-UNISANTOS

Leia mais

ANÁLISE DE CUSTOS. Prof. Dr. Armando Catelli

ANÁLISE DE CUSTOS. Prof. Dr. Armando Catelli Universidade de São Paulo Mestrado em Controladoria e Contabilidade ANÁLISE DE CUSTOS MODELO CONCEITUAL DE DECISÃO RELATIVO AO EVENTO MANTER / ELIMINAR / REORG. ATIVIDADES Prof. Dr. Armando Catelli Orientador

Leia mais

Estudo de Caso sobre o Planejamento Financeiro de uma Empresa Têxtil do Agreste Pernambucano

Estudo de Caso sobre o Planejamento Financeiro de uma Empresa Têxtil do Agreste Pernambucano Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências Sociais Aplicadas Departamento de Ciências Administrativas Mestrado Profissional em Administração Relatório Executivo Estudo de Caso sobre o Planejamento

Leia mais

A VISÃO DO GERENCIAMENTO DE CUSTOS EM EMPRESAS DE SAÚDE

A VISÃO DO GERENCIAMENTO DE CUSTOS EM EMPRESAS DE SAÚDE ROSADAS, L.A. da S.; MACEDO, M.A. da S. 1 A VISÃO DO GERENCIAMENTO DE CUSTOS EM EMPRESAS DE SAÚDE LEANDRO AZEVEDO DA SILVA ROSADAS¹ MARCELO ALVARO DA SILVA MACEDO² 1. Aluno do 7ª período do curso de Ciências

Leia mais

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751 Objetivos Nosso Objetivo é Colocar a disposição das empresas, toda nossa Experiência Profissional e metodologia moderna, dinâmica e participativa, para detectar as causas sintomáticas e seus efeitos. Realizar

Leia mais

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Matheus Castro de Carvalho (matheus_c_carvalho@hotmail.com / CESUPA) Resumo: A aplicação dos conceitos

Leia mais

Evolução dos sistemas ERP nas empresas

Evolução dos sistemas ERP nas empresas Evolução dos sistemas ERP nas empresas Aloísio André dos Santos (ITA) aloisio@mec.ita.br João Murta Alves (ITA) murta@mec.ita.br Resumo Os sistemas ERP são considerados uma evolução dos sistemas de administração

Leia mais

Análise da Utilização dos Direcionadores de Custos Transacionais na Implementação do Custeio Baseado em Atividades

Análise da Utilização dos Direcionadores de Custos Transacionais na Implementação do Custeio Baseado em Atividades Análise da Utilização dos Direcionadores de Custos Transacionais na Implementação do Custeio Baseado em Atividades Ricardo Forcenette Marcelo Seido Nagano Resumo: O artigo em questão tem como principal

Leia mais