Bactérias intracelulares e fungos. Infecções bacterianas e fúngicas de repetição. Infecções nos primeiros meses de vida, morte

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Bactérias intracelulares e fungos. Infecções bacterianas e fúngicas de repetição. Infecções nos primeiros meses de vida, morte"

Transcrição

1 IMUNODEFICIÊNCIAS Prof. Sérvio Túlio Stinghen Congênita ou primária: Imunodeficiências defeitos genéticos que resultam em um aumento da suscetibilidade a infecções bebês ou crianças (1/500) pequena porção com imunodeficiência grave Adquirida ou secundária: desnutrição protéico-calórica câncer disseminado (metástases) irradiação e quimioterapia tratamento com imunossupressores infecção das céls. do sistema imunológico (/AIDS) remoção do baço Imunidade inata Doença Doença granulomatosa crônica Síndrome de Chédiak- Higashi Doença SCID ligada ao X Enzima adenosina desaminase (ADA) Síndrome de DiGeorge Imunodeficiências congênitas Deficiência Produção do ânion superóxido (microbicida) Fusão das vesículas e na função lisossômica dos neutrófilos, macrófagos, cels. dendríticas, NK,Tc Imunodeficiências combinas graves (SCIDs): humoral e celular Deficiência Sinalização das citocinas. Desenvolvimento e céls. T e NK Cél. B normal ou aumentada Redução de céls. B e T Desenvolvimento defeituoso do timo. Céls. T ausentes ou Suscetibilidade Bactérias intracelulares e fungos Infecções bacterianas e fúngicas de repetição Suscetibilidade Infecções nos primeiros meses de vida, morte Micobactérias, vírus e fungos. Infecção pelo Vírus V da Imunodeficiência Humana () e AIDS Dr. Michael Gottlieb Nova síndrome em homens homossexuais: Pneumonia porpneumocystiscarinii e candidíase em mucosa 1. HISTÓRICO 1983 Paris - França: Prof. Luc Montagnier isolou um vírus associado a linfadenopatia de um paciente homossexual: denominou LAV 1984 EUA: Prof. Robert Gallo isolou vírus semelhantes com tropismo por linfócitos T CD4+ denominou vírus linfotrópicos das células T humanas HTLV- III 1987 Comitê Internacional de Taxonomia de Vírus LAV e HTLV-III = (vírus da imunodeficiência humana) 1987 Brasil: Prof. Galvão Castro Fundação Oswaldo Cruz primeiro caso de isolamento e identificação do -1 transfusão sanguínea 1. HISTÓRICO 2008: Luc Montagnier e Françoise Barre-Sinoussi: Prêmio Nobel em Medicina pela descoberta do vírus 1

2 2. EPIDEMIOLOGIA: DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DO NO MUNDO 3. EPIDEMIOLOGIA: DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DO NO BRASIL TOTAL = casos (até jun/06) 1999 casos de /100 mil habitantes 740 mil 1,7 milhões Itajaí 88,8 1,4 milhões 250 mil 1,7 milhões 460 mil 24,7 milhões 750 mil 7,8 milhões 81 mil 13,7 mil (3,2%) 24 mil (5,6%) 47,7 mil (11%) 269 mil (62,3%) S. José R.Preto-SP 71,0 Santos 67,8 Florianópolis 67,7 Ribeirão Preto 67,6 Porto Alegre 65,0 30º = Curitiba 37,4 Número de pessoas infecctadas pelo /AIDS. Fonte: UNAIDS - OMS, milhões infectados 5 milhões novos casos milhões de mortes ,6 mil (17,9%) 29 casos/ hab Número de pessoas infecctadas pelo /AIDS nov/2006. Fonte: MINISTÉRIO DA SAÚDE DO BRASIL - DST/AIDS, Nº Ótibos ano 2006: Brasil = Paraná = 567 Curitiba = 234 Fonte: MS/SVS/PN-DST/AIDS 3. EPIDEMIOLOGIA: DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DO NO BRASIL (jovens de anos) Gráfico 1- Casos de aids, segundo as principais categorias de exposição e ano de diagnóstico. Brasil, * Relação sexo M/F 0,6:1 Paraná: 12/ habitantes (alto índice) Ano: 2005 Fonte: MS/SVS/PN-DST/AIDS Número de pessoas infecctadas pelo /AIDS 1980 a Fonte: MINISTÉRIO DA SAÚDE DO BRASIL - DST/AIDS, Fonte: MINISTÉRIO DA SAÚDE DO BRASIL. DST/AIDS, Gráfico 2 - Taxa de incidência de AIDS (por hab.), segundo ano de diagnóstico e região de residência. Brasil, * 4. VÍRUS V Retrovírus (genoma: RNA) Família: Retroviridae Gênero: Lentivirus Tipos: -1 e -2 Subtipos do -1: Grupo M (major = principal): 10 subtipos A a J Grupo O Grupo N (1998) Grande variedade gênica: erros da transcriptase reversa Fonte: MINISTÉRIO DA SAÚDE DO BRASIL. DST/AIDS,

3 SUB-TIPOS Sub-tipos de DO ESTRUTURA DO VÍRUS V B B C F B C E A B D G B F o C D B E G A A B E B D C C E D D F H H o B E Elementos mais importantes do core Duas hélice de RNA Uma proteína p7 (nucleocapsídio), Três proteínas enzimáticas, p66/p51 (transcriptase reversa), p11 (protease) p31 (integrase) Diferenças 4.2 DIFERENÇAS internas entre INTERNAS -1 e ENTRE -2 OS VÍRUS V -1 1 E Proteínas envelope gp 41 gp 120 enzimas p 66/51 p 31 proteínas gag p 16 p 26 enzimas p 68 p GENOMA DO VÍRUS V Genoma: RNA vírus geneltr: integração do DNA viral ao genoma do hospedeiro proteínas gag p 17 p 24 RNA Proteínas envelope gp 36 gp 125 Transcriptase reversa genes vif/vpr/tat/rev/vpu/nef: Codificam proteínas que regulam ciclo de vida do vírus 4.3 GENOMA DO VÍRUS V Genes gag/pol/env: codificam proteínas estruturais e enzimas gene Gag Grupo Antígeno Específico codifica as proteínas da matriz do vírus p24, p17, p9 e p7 4.3 GENOMA DO VÍRUS V gene Pol: gene Env: Gene da polimerase Codifica três proteínas p 66/p51 associada à transcriptase reversa p 31 associada à integrase Codifica os antígenos do envelope gp 160, gp 120 e gp 41 gp 160 = gp gp 41 3

4 5. MODOS DE TRANSMISSÃO DO SEXUAL heterossexual homossexual PARENTERAL agulhas ( drogas injetáveis) transfusão de sangue ocupacional: terapia após 2h(ideal) até máx. 72h VERTICAL mãe portadora para recém nascido risco de 20% * AZT diminui em 67,5 % este risco* 6. CONCENTRAÇÕES NOS FLUIDOS CORPORAIS Sangue Sêmen Leite materno Fluido Cerebroespinhal Secreção Vaginal *Fonte: MINISTÉRIO DA SAÚDE DO BRASIL. DST/AIDS, 2002/ CICLO DE VIDA DO 7. CICLO DE VIDA DO citoplasma : Gp 120 Fusão Transcriptase reversa DNA RNA LINFÓCITO: TCD4+ receptor quimiocina Síntese de proteínas núcleo Integrase Partícula viral madura (infectante) Protease 8. PATOGÊNESE DO 8. PATOGÊNESE DO INFECÇÃO PRIMÁRIA INFECÇÃO DOS LINFÓCITOS CD4+ (e células dendríticas) TRANSPORTE PARA LINFONODOS E BAÇO LATÊNCIA CLÍNICA INFECÇÃO CRÔNICA: VÍRUS CAPTURADOS NOS TECIDOS LINFÓIDES PELAS CÉLULAS DENDÍTRICAS BAIXO NÍVEL DE PRODUÇÃO VIRAL SÍNDROME AGUDA VIREMIA Outras infecções microbianas, citocinas REPLICAÇÃO VIRAL AUMENTADA RESPOSTA IMUNE ANTICORPOS ANTI- e T C ESPECÍFICOS AO CONTROLE PARCIAL DA REPLICAÇÃO VIRAL AIDS DESTRUIÇÃO DO TECIDO LINFÓIDE DEPLEÇÃO DAS CÉLULAS T CD4+ < 200/mm 3 4

5 8. PATOGÊNESE DO 8. PATOGÊNESE DO Reconhecem antígenos estranhos ou marcadores de células infectadas Ativam as células supressoras Dão o sinal para as células B produzirem anticorpos CD4+ Orquestram a imunidade mediada por células (CD8+ e Natural Killer-NK) Controlam a produção e interrupção dos tipos de anticorpos formados Fonte: Janeway et al, PARÂMETROS LABORATORIAIS DA INFECÇÃO PELO TCD4+ < 200/µL Fonte: FIOCRUZ - Biomanguinhos. 10. ETAPAS DA INFECÇÃO PELO 10.1 Infecção Aguda Primária 10.2 Etapa Clinicamente Asintomática (latência) 10.3 Infecção de Sintomática 10.4 Progressão de infecção por a AIDS 10.1 INFECÇÃO AGUDA PRIMÁRIA RIA Assintomáticas ou subclínicas Sintomáticas: semelhante à influenza ou mononucleose Sintomas: febre, calafrios, artralgias, mialgias, malestar, letargia, anorexia, náusea, diarréia, faringite e edema Sintomas neurológicos: dores de cabeça, dores retroorbitais, neurites, mielopatias, fotofobia, irritabilidade, depressão e encefalopatia Alterações laboratorias: leucopenia, linfopenia, monocitose relativa, trombocitopenia, VHS, relação CD4/CD8 invertida 5

6 10.2 ETAPA CLINICAMENTE ASSINTOMÁTICA TICA Sem evidências de infecção viral Vírus fica latente Infecção crônica pode persistir por 10 anos ou mais Declínio gradativo das células T CD INFECÇÃO SINTOMÁTICA TICA Indivíduos soropositivos podem apresentar sinais e sintomas variáveis: febre crônica, sudorese noturna, diarréia, perda de peso, infecção por herpes zoster, candidíase oral ocorrem de maneira individual, simultânea ou em sequência 10.4 PROGRESSÃO DE INFECÇÃO POR A AIDS após um período que pode levar anos (10 anos ou mais) células T CD4+: caem abaixo do nível crítico < 200 células/mm 3 suscetível a doenças oportunistas morte System Respiratory system Gastro-intestinal system Examples of Infection/Cancer Pneumocystis Carinii Pneumonia (PCP) Tuberculosis (TB) Kaposi's Sarcoma (KS) Cryptosporidiosis Candida Cytomegolavirus (CMV) Isosporiasis Kaposi's Sarcoma Central/peripheral Nervous system Cytomegolavirus Toxoplasmosis Cryptococcosis Non Hodgkin's lymphoma Varicella Zoster Herpes simplex Skin INFECÇÕES OPORTUNISTAS E CÂNCER Progression from to AIDS Herpes simplex Kaposi's sarcoma Varicella Zoster 11. TERAPIA ANTI-RETROVIRAL Inibidor de transcriptase reversa análogo de nucleosídeo (ITRN): AZT = zidovudina; ddi = didanosina; d4t = estavudina; 3TC = lamivudina; ABC = abacavir Inibidores da transcriptase reversa não análogo de nucleosídeo (ITRNN): EFV = efavirenz; NVP = nevirapina Inibidores de proteases (IP): IDV = indinavir; NFV = nelfinavir; RTV = ritonavir; SQV = saquinavir; APV = amprenavir; LPV = lopinavir 11. TERAPIA ANTI-RETROVIRAL AZT (zidovudina): análogo de nucleosídeo Compete com o trifosfato de timidina 6

7 11. TERAPIA ANTI-RETROVIRAL Início do tratamento: assintomáticos: TCD4+ entre 200 e 350/mm 3 (Nível de evidência 2b Grau de recomendação B) Combinações de três drogas: 2 inibidores da transcriptase reversa análogos de nucleosídeos (ITRN) associados e 1 inibidor de transcriptase reversa não-análogo de nucleosídeo (ITRNN) ou 1 inibidor da protease reforçado com ritonavir (IP/r) (Nível de evidência 1a - Grau de recomendação A) Janela imunológica infecção 12. CURSO SOROLÓGICO DO RNA p 24 Ag anti dias Janela imunológica: período após infecção onde ainda não são detectados anticorpos específicos Diagnóstico DIAGNÓSTICO laboratorial LABORATORIAL da infecção pelo 13.1 DETECÇÃO DE ANTICORPOS: DIAGNÓSTICO DOADORES DE SANGUE MÉTODOS: detecção de -1, -1 subtipo O e -2 ELISA Quimioluminescência/Eletroquimioluminescência MEIA ELFA Aglutinação Dot Blot IFI Western Blot Diagnóstico DIAGNÓSTICO laboratorial LABORATORIAL da infecção pelo 13.2 DETECÇÃO DE ANTÍGENO: DIAGNÓSTICO DOADORES DE SANGUE MÉTODOS: Cultivo de linfócitos: pesquisa Deteção do antígeno p DETECÇÃO DE RNA: DIAGNÓSTICO DOADORES DE SANGUE (NAT) SEGMENTO DE TERAPIA: CARGA VIRAL Técnicas de Amplificação biologia molecular PCR, NASBA, TMA NAT Nucleic Acid Test (Teste do ácido nucléico) TESTES PARA TESTES RÁPIDOSR < 15 min, sangue total Teste Controle Fonte: Fiocruz Biomanguinhos. 7

8 TESTES RÁPIDOSR < 15 min, sangue total ELISA INDIRETO POSITIVO NEGATIVO Fonte: Fiocruz Biomanguinhos. ELISA IMUNOMÉTRICO (Ac sanduíche che) IMUNOFLUORESCÊNCIA INDIRETA (IFI) NÃO REAGENTE REAGENTE Fonte: Fiocruz Biomanguinhos. WESTERN BLOT -1/ 1/-2 WESTERN BLOT PARA -2 Membrana de nitrocelulose Contém os antígenos do separados por eletroforese Teste confirmatório Detecta ANTICORPOS 8

9 INTERPRETAÇÃO DO WESTERN BLOT (Immunoblot) Existem vários critérios no mundo Ministério da Saúde do Brasil: não reagente: ausência de bandas reagente: presença de 2 bandas dentre: gp160/120, gp 41, p24 indeterminado: qualquer outro padrão 14. ACOMPANHAMENTO DO PACIENTE Contagem de linfócitos CD4+: valor de referência: > 3 anos = 600 a 2100/µl Contagem de linfócitos CD8+: valor de referência: > 3 anos = 250 a 950/µl Carga viral Biologia molecular 14. ACOMPANHAMENTO DO PACIENTE Falha terapêutica não-obtenção ou não-manutenção de carga viral indetectável carga viral confirmada após início do tratamento: > 400 cópias/ml após 24 sem ou > 50 cópias/ ml após 48 sem 14. ACOMPANHAMENTO DO PACIENTE Genotipagem do : >2.000 cópias/ml detecta mutações do genoma do reação em cadeia da polimerase (PCR) amplificação do genoma que codifica para transcriptase e protease gene Pol sequenciamento e comparação com genoma selvagem do vantagens: otimiza a terapia de resgate orienta a mudança precoce do esquema anti-retroviral reduz a chance do acúmulo progressivo de mutações e de ampla resistência anti-retroviral Fonte: Fiocruz Biomanguinhos. 15. LEGISLAÇÃO BRASILEIRA BANCOS DE SANGUE Portaria nº 488/MS, de 17 de junho de testes de triagem diferentes: com antígenos e/ou princípios metodológicos diferentes 1 dos testes deve detectar -1 grupo O e -2 RESULTADOS: Não reagentes: liberar Reagentes: confirmar com IFI ou Westernblotting (Immunoblot) 15. LEGISLAÇÃO BRASILEIRA Fonte: BRASIL. Portaria n. 488, 17 jun Revogada em Para bancos de sangue. 9

10 15. LEGISLAÇÃO BRASILEIRA 15. LEGISLAÇÃO BRASILEIRA ALGORITMO PARA LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS LABORATÓRIOS DE ANÁLISES CLÍNICAS Portaria nº 59/MS 28 de janeiro de teste de triagem: não pode ser teste rápido deve detectar -1 e -2 ETAPA I ETAPA II TRIAGEM: IMUNOENSAIO - não pode ser teste rápido Não reagente Reagente ou Inconclusivo SEGUNDO IMUNOENSAIO e IFI ou Imunoblot (Western blot) ETAPA III Fonte: portaria 59, MS, 2003 Westernblot (membrana de nitrocelulose): para resolver discrepâncias 16. REFERÊNCIAS ABBAS, A.K.; LITCHMAN, A.H. Imunologia Básica. Funções e Distúrbio do Sistema Imune. Rio de Janeiro: Revinter, p. BRASIL. Portaria n. 488, de 17 de junho de Estabelece procedimentos seqüenciados para detecção de anticorpos anti-, que deverão ser seguidos pelas unidades hemoterápicas, públicas ou privadas, visando a redução de resultados falso-positivos ou falso-negativos. BRASIL. Portaria n. 59, de 28 de janeiro Estabelece normas para laboratórios que realizam testes sorológicos para detecção de anticorpos anti-. Diário Oficial da União, 30 jan FERREIRA, W.A., AVILA, S.L.M. Diagnóstico Laboratorial das Principais Doenças Infecciosas e Auto-Imunes. 2. ed. Rio de Janeiro: Ed. Guanabara Koogan S.A., p. JANEWAY, C.; TRAVERS, P; WALPORT, M.; SHLOMCHIK, M. Imunobiologia: o sistema imune na saúde e na doença. 5.ed. Porto Alegre: Artmed, p. MINISTÉRIO DA SAÚDE (Brasil). Programa Nacional de DST e AIDS. Disponível em: < >. ROSEN, F.; GEHA, R. Estudos de Casos em Imunologia: um Guia Clínico. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, p. UNAIDS Organização Mundial da Saúde. AIDS epidemic update: Genebra, Fonte: portaria 34, SVS/MS, 2005 VAZ, A.J.; TAKEI, K.; BUENO, E.C. Imunoensaios: fundamentos e aplicações. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan,

Introdução. Infecção pelo HIV. Uma das mais devastadoras pandemias da história da humanidade. Profundas repercussões sociais

Introdução. Infecção pelo HIV. Uma das mais devastadoras pandemias da história da humanidade. Profundas repercussões sociais Introdução Uma das mais devastadoras pandemias da história da humanidade Profundas repercussões sociais Possibilitou um enorme avanço no campo da virologia Prof. Marco Antonio Passou de doença letal a

Leia mais

Vírus da Imunodeficiência Humana

Vírus da Imunodeficiência Humana Universidade Federal do Rio Grande do Sul Departamento de Microbiologia, Imunologia e Parasitologia Vírus da Imunodeficiência Humana Fabrício Campos Pós-doc Laboratório de Virologia Fonte: http://ultramedcampos.com.br/wp-content/uploads/2015/06/hiv.jpg

Leia mais

XVI IMUNODEFICIÊNCIAS

XVI IMUNODEFICIÊNCIAS Universidade Federal da Bahia Faculdade de Medicina Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal Disciplina de Imunologia MED 194 XVI IMUNODEFICIÊNCIAS Monitor: Ana Cláudia Trigo Imunodeficiências

Leia mais

AIDS Síndrome da Imunodeficiência Humana

AIDS Síndrome da Imunodeficiência Humana AIDS Síndrome da Imunodeficiência Humana Vírus da imunodeficiência humana (HIV) gp120 gp41 p17 Dupla camada de lipídeos p24 Material genético e enzimas Estrutura do genoma do HIV-1 vpr rev rev gag vif

Leia mais

INFECÇÃO PELO HIV E AIDS

INFECÇÃO PELO HIV E AIDS INFECÇÃO PELO HIV E AIDS Infecção pelo HIV e AIDS 1981: pneumonia por Pneumocystis carinii/jirovecii outros sinais e sintomas: infecção do SNC, infecção disseminada por Candida albicans, perda de peso,

Leia mais

HIV E EXERCÍCIO PROF. DR. JONATO PRESTES

HIV E EXERCÍCIO PROF. DR. JONATO PRESTES HIV E EXERCÍCIO PROF. DR. JONATO PRESTES VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA HUMANA (HIV) Síndrome da imunodeficiência adquirida (AIDS): 1) CAUSADA PELO HIV 2) ASPECTOS CLÍNICOS: imunodepressão com infecções oportunistas,

Leia mais

TOXOPLASMOSE. Prof. Sérvio Túlio Stinghen

TOXOPLASMOSE. Prof. Sérvio Túlio Stinghen TOXOPLASMOSE Prof. Sérvio Túlio Stinghen 1 Toxoplasmose: histórico 1908: Charles Nicolle e Louis Hubert Manceaux Toxoplasma gondii em roedores 1932: doença infecciosa 1939: Wolf et al infecção congênita

Leia mais

1/12/2008. HIV como modelo de estudo de retrovírus e patogênese. Retrovírus e oncogênese. Retrovírus e oncogênese.

1/12/2008. HIV como modelo de estudo de retrovírus e patogênese. Retrovírus e oncogênese. Retrovírus e oncogênese. HIV como modelo de estudo de retrovírus e patogênese Retrovírus e oncogênese. Um pouco de história: 1904: Ellerman and Bang, procurando por bactérias como agentes infecciosos para leucemia em galinhas,

Leia mais

VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. HIV

VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. HIV Instituto Federal de Santa Catarina Curso Técnico em Biotecnologia Unidade Curricular: Microbiologia VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. Prof. Leandro Parussolo O que é um retrovírus? É qualquer vírus que possui o

Leia mais

Imunodeficiências: classificação e diagnóstico

Imunodeficiências: classificação e diagnóstico Imunodeficiências: classificação e diagnóstico Distúrbios de funcionamento do sistema imunológico conseqüências risco aumentado de infecções, doenças auto-imunes e câncer Características das infecções:

Leia mais

Cuidados Pós-Exposição Profissional a Materiais Biológicos

Cuidados Pós-Exposição Profissional a Materiais Biológicos Cuidados Pós-Exposição Profissional a Materiais Biológicos ACADÊMICOS: Humberto Sauro V. Machado Pedro Dutra Barros Profa. Carmen Saramago PROFISSIONAIS DE SAÚDE E TIPOS DE EXPOSIÇÕES Exposições percutâneas

Leia mais

Infecção pelo HIV e AIDS

Infecção pelo HIV e AIDS Infecção pelo HIV e AIDS Infecção pelo HIV e AIDS 1981: pneumonia por Pneumocystis carinii/jirovecii outros sinais e sintomas: infecção do SNC, infecção disseminada por Candida albicans, perda de peso,

Leia mais

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS HIV/AIDS

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS HIV/AIDS FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS HIV/AIDS Descrição Doença que representa um dos maiores problemas de saúde da atualidade, em função de seu

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DA INFECÇÃO PELO HIV NA POPULAÇÃO CARCERÁRIA DO COMPLEXO PRISIONAL DE APARECIDA DE GOIÂNIA

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DA INFECÇÃO PELO HIV NA POPULAÇÃO CARCERÁRIA DO COMPLEXO PRISIONAL DE APARECIDA DE GOIÂNIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS E SAÚDE PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DA INFECÇÃO PELO HIV NA

Leia mais

env Glicoproteína de superfície gp120 gag Proteína da matriz associada à membrana p17 gag Proteína do capsídio p24

env Glicoproteína de superfície gp120 gag Proteína da matriz associada à membrana p17 gag Proteína do capsídio p24 AIDS Infecção HIV Estimativa de adultos e crianças infectadas com HIV 2005 Western & Eastern Europe Central Europe & Central Asia North America 720 000 1.5 million [550 000 950 000] [1.0 2.3 million] 1.3

Leia mais

SIMPÓSIO SATÉLITE O ACESSO AOS ARV E A COOPERAÇÃO SUL-SUL: DA UTOPIA À REALIDADE. Rosa Alencar Coordenação Estadual DST/AIDS- SP CRT-DST/Aids

SIMPÓSIO SATÉLITE O ACESSO AOS ARV E A COOPERAÇÃO SUL-SUL: DA UTOPIA À REALIDADE. Rosa Alencar Coordenação Estadual DST/AIDS- SP CRT-DST/Aids SIMPÓSIO SATÉLITE O ACESSO AOS ARV E A COOPERAÇÃO SUL-SUL: DA UTOPIA À REALIDADE Rosa Alencar Coordenação Estadual DST/AIDS- SP CRT-DST/Aids Maio 2009, Rio de Janeiro Início da Distribuição de Antirretrovirais

Leia mais

ATENDIMENTO HIV. Ana Claudia Morandi. Médica CCIH Hospital Eduardo de Menezes/FHEMIG

ATENDIMENTO HIV. Ana Claudia Morandi. Médica CCIH Hospital Eduardo de Menezes/FHEMIG ATENDIMENTO PÓS-EXPOSIÇÃO BIOLÓGICA HIV Ana Claudia Morandi Médica CCIH Hospital Eduardo de Menezes/FHEMIG Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (Aids) No mundo, a Aids é a quarta principal causa de morte,

Leia mais

INFECÇÕES VIRAIS. Prevenção: Tratamento: Nutrição adequada Higiene pessoal Vacinação Saúde pública

INFECÇÕES VIRAIS. Prevenção: Tratamento: Nutrição adequada Higiene pessoal Vacinação Saúde pública FÁRMACOS ANTIVIRAIS INFECÇÕES VIRAIS Prevenção: Nutrição adequada Higiene pessoal Vacinação Saúde pública Rede pública de água Tratamento de esgotos Controle de insetos Práticas clínicas apropriadas Formação

Leia mais

Aula de Antivíricos. Vírus : noção. Porto 29-11-2002. Jorge Manuel Moreira de Carvalho. Não são seres vivos São entidades biológicas.

Aula de Antivíricos. Vírus : noção. Porto 29-11-2002. Jorge Manuel Moreira de Carvalho. Não são seres vivos São entidades biológicas. Aula de Antivíricos Porto 29-11-2002 Jorge Manuel Moreira de Carvalho Vírus : noção Não são seres vivos São entidades biológicas. 1 Vírus : estrutura Ácido nucleico ( DNA ou RNA ) Invólucro proteico (

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Unidade Universitária CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Curso: Farmácia Disciplina: Imunologia Básica Código da Disciplina 02014890 Professor(es) Yoshimi Imoto Yamamoto Etapa 4ª. Carga horária:

Leia mais

Retrovírus: AIDS. Apresentador: Eduardo Antônio Kolling Professor: Paulo Roehe Pós doutorandos: Fabrício Campos e Helton dos Santos

Retrovírus: AIDS. Apresentador: Eduardo Antônio Kolling Professor: Paulo Roehe Pós doutorandos: Fabrício Campos e Helton dos Santos Retrovírus: AIDS Apresentador: Eduardo Antônio Kolling Professor: Paulo Roehe Pós doutorandos: Fabrício Campos e Helton dos Santos HIV (Vírus da Imunodeficiência Humana) Surgimento: -Provável origem durante

Leia mais

Qual é a estrutura típica de um vírus?

Qual é a estrutura típica de um vírus? Vírus Qual é a estrutura típica de um vírus? CICLOS REPRODUTIVOS Em relação a reprodução dos vírus, podemos dizer que eles podem realizar um ciclo lítico ou um ciclo lisogênico. Qual é a principal

Leia mais

A portaria 29, de 17 de dezembro de 2013 SVS/MS, regulamenta o diagnóstico da infecção pelo HIV, no Brasil.

A portaria 29, de 17 de dezembro de 2013 SVS/MS, regulamenta o diagnóstico da infecção pelo HIV, no Brasil. Aula 3 Base racional da portaria 29 de 17/12/2013 SVS/MS A portaria 29, de 17 de dezembro de 2013 SVS/MS, regulamenta o diagnóstico da infecção pelo HIV, no Brasil. Ao se elaborar uma portaria para normatizar

Leia mais

Informação é a melhor proteção. AIDS

Informação é a melhor proteção. AIDS Informação é a melhor proteção. AIDS AIDS A AIDS (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida) atinge indiscriminadamente homens e mulheres e tem assumido proporções assustadoras desde a notificação dos primeiros

Leia mais

NOTA TÉCNICA 04/08 ASSUNTO: UTILIZAÇÃO DOS TESTES RÁPIDOS ANTI- HIV EM SITUAÇÕES DE EMERGÊNCIA.

NOTA TÉCNICA 04/08 ASSUNTO: UTILIZAÇÃO DOS TESTES RÁPIDOS ANTI- HIV EM SITUAÇÕES DE EMERGÊNCIA. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA DAS DST/HIV/AIDS NOTA TÉCNICA 04/08 ASSUNTO:

Leia mais

Hepatites. Inflamação do fígado. Alteração em enzimas hepáticas (alaminotransferase aspartatoaminotransferase e gamaglutamiltransferase ALT AST e GGT

Hepatites. Inflamação do fígado. Alteração em enzimas hepáticas (alaminotransferase aspartatoaminotransferase e gamaglutamiltransferase ALT AST e GGT Hepatites Virais Hepatites Inflamação do fígado Alteração em enzimas hepáticas (alaminotransferase aspartatoaminotransferase e gamaglutamiltransferase ALT AST e GGT Sinais clínicos: Náuseas, dor abdominal,

Leia mais

Aids em Pedia tria edia

Aids em Pedia tria edia Aids em Pediatria AGENDA Considerações epidemiológicas atuais Prevenção da transmissão vertical Diagnóstico em Pediatria Noções básicas de tratamento Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº

Leia mais

1.4 Metodologias analíticas para isolamento e identificação de micro-organismos em alimentos

1.4 Metodologias analíticas para isolamento e identificação de micro-organismos em alimentos Áreas para Submissão de Resumos (1) Microbiologia de Alimentos Trabalhos relacionados com micro-organismos associados aos alimentos: crescimento, identificação, biossíntese, controle, interação com o hospedeiro,

Leia mais

Professor: David Vieira Valadão. Biologia

Professor: David Vieira Valadão. Biologia Professor: David Vieira Valadão Biologia 1981 registro de casos atípicos de pneumonia entre homens homossexuais em Los Angeles (EUA). 1983 descoberta de um novo vírus em um paciente com AIDS. 1984 descoberta

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM MICROBIOLOGIA APLICADA UNIOESTE PROF. RAFAEL ANDRADE MENOLLI

ESPECIALIZAÇÃO EM MICROBIOLOGIA APLICADA UNIOESTE PROF. RAFAEL ANDRADE MENOLLI ESPECIALIZAÇÃO EM MICROBIOLOGIA APLICADA UNIOESTE PROF. RAFAEL ANDRADE MENOLLI Imunologia Definição: estudo do sistema imune (SI) e dos mecanismos que os seres humanos e outros animais usam para defender

Leia mais

Estudo Clínico Multicêntrico de Pacientes com HIV/Aids submetidos a Tratamento com o Imunomodulador Canova, Associado com Medicamentos Antiretrovirais

Estudo Clínico Multicêntrico de Pacientes com HIV/Aids submetidos a Tratamento com o Imunomodulador Canova, Associado com Medicamentos Antiretrovirais Estudo Clínico Multicêntrico de Pacientes com HIV/Aids submetidos a Tratamento com o Imunomodulador Canova, Associado com Medicamentos Antiretrovirais Alair A. Berbert (1), Paulo T. Castanheira (2), Daniel

Leia mais

REDE LABORATORIAL DE DENGUE

REDE LABORATORIAL DE DENGUE Capacitação em Eventos REDE LABORATORIAL Área de Produção Editorial e Gráfica Núcleo de Comunicação Secretaria de Vigilância em Saúde DE DENGUE 23 e 24 de junho de 2010 CGLAB/SVS/MS Vanessa.porto@saude.gov.br

Leia mais

Co-infecção HIV/HBV. Quando e como tratar?

Co-infecção HIV/HBV. Quando e como tratar? Co-infecção HIV/HBV. Quando e como tratar? XVI WORKSHOP INTERNACIONAL DE HEPATITES VIRAIS DE PERNAMBUCO, 2012 Marcos Caseiro Médico Infectologista IIER-II Santos SP Centro de Referência em AIDS de Santos

Leia mais

Métodos de Pesquisa e Diagnóstico dos Vírus

Métodos de Pesquisa e Diagnóstico dos Vírus Métodos de Pesquisa e Diagnóstico dos Vírus Estratégias Isolamento em sistemas vivos Pesquisa de antígeno viral Pesquisa de anticorpos Pesquisa do ácido nucléico viral (DNA ou RNA) Pré requisitos para

Leia mais

Prevenção da transmissão do HIV. Fórum científico de Infecção pelo HIV/Aids

Prevenção da transmissão do HIV. Fórum científico de Infecção pelo HIV/Aids Prevenção da transmissão do HIV Fórum científico de Infecção pelo HIV/Aids Transmissão sexual Fundamentos A avaliação de risco para Infecção pelo HIV deve ser um componente essencial das ações de atendimento

Leia mais

TERAPIA NUTRICIONAL NA SÍNDROME DE IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA PROF. DRIELLY R VIUDES DISCIPLINA DE DIETOTERAPIA II UNISALESIANO

TERAPIA NUTRICIONAL NA SÍNDROME DE IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA PROF. DRIELLY R VIUDES DISCIPLINA DE DIETOTERAPIA II UNISALESIANO TERAPIA NUTRICIONAL NA SÍNDROME DE IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA PROF. DRIELLY R VIUDES DISCIPLINA DE DIETOTERAPIA II UNISALESIANO SIDA 1981 Los Angeles e Novar York primeiros relatos de pacientes com quadro

Leia mais

Prof. Claudia Vitral

Prof. Claudia Vitral Prof. Claudia Vitral HIV e aids- Histórico 1981: 5 casos de pneumonia por Pneumocystis carinii em Los Angeles 1981: 26 casos de sarcoma de Kaposi em Nova York e São Francisco Todos pacientes homossexuais

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Programa Nacional de DST e AIDS

Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Programa Nacional de DST e AIDS Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Programa Nacional de DST e AIDS 2001. Ministério da Saúde É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte. Série Manuais

Leia mais

HIV 1 E 2 - ANTICORPOS - CLIA - TESTE DE TRIAGEM

HIV 1 E 2 - ANTICORPOS - CLIA - TESTE DE TRIAGEM HIV 1 E 2 - ANTICORPOS - CLIA - TESTE DE TRIAGEM Material...: Método...: Soro Quimioluminescência - Imunoensaio de 4ª geração Leitura...: 0,13 Não reagente: Inferior a 1,00 Reagente...: Superior ou igual

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PARA TERAPIA ANTI-RETROVIRAL EM ADULTOS E ADOLESCENTES INFECTADOS PELO HIV 2001 Ministério da Saúde

RECOMENDAÇÕES PARA TERAPIA ANTI-RETROVIRAL EM ADULTOS E ADOLESCENTES INFECTADOS PELO HIV 2001 Ministério da Saúde RECOMENDAÇÕES PARA TERAPIA ANTI-RETROVIRAL EM ADULTOS E ADOLESCENTES INFECTADOS PELO HIV 2001 Ministério da Saúde Introdução Entre agosto e setembro de 2001, a Coordenação Nacional de DST e Aids, do Ministério

Leia mais

Retrovírus Felinos. Fernando Finoketti

Retrovírus Felinos. Fernando Finoketti Retrovírus Felinos Fernando Finoketti Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil Maio de 2014 Retrovírus - Características Capsídeo icosaédrico. Possuem envelope. Genoma composto de duas moléculas idênticas

Leia mais

Universidade Federal da Bahia Faculdade de Medicina Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal Disciplina de Imunologia MED 194

Universidade Federal da Bahia Faculdade de Medicina Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal Disciplina de Imunologia MED 194 Universidade Federal da Bahia Faculdade de Medicina Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal Disciplina de Imunologia MED 194 Imunologia das Viroses Monitor: Daniel Valente 1.Introdução...

Leia mais

Resposta imune a vírus. Regis Mariano de Andrade/Cleonice Alves de Melo Bento Médico Infectologista (FIOCRUZ)/Professora de Imunologia(UNIRIO)

Resposta imune a vírus. Regis Mariano de Andrade/Cleonice Alves de Melo Bento Médico Infectologista (FIOCRUZ)/Professora de Imunologia(UNIRIO) Resposta imune a vírus Regis Mariano de Andrade/Cleonice Alves de Melo Bento Médico Infectologista (FIOCRUZ)/Professora de Imunologia(UNIRIO) Conceitos básicos sobre vírus Tamanho: 30 300nm Estrutura:

Leia mais

Seleção de Temas. Questionário - Proficiência Clínica. Área: Imunologia Rodada: Julho/2008. Prezado Participante,

Seleção de Temas. Questionário - Proficiência Clínica. Área: Imunologia Rodada: Julho/2008. Prezado Participante, Seleção de Temas Prezado Participante, Gostaríamos de contar com a sua contribuição para a elaboração dos próximos materiais educativos. Cada questionário desenvolve um assunto (temas) específico dentro

Leia mais

Infecções congênitas. Prof. Regia Lira

Infecções congênitas. Prof. Regia Lira Infecções congênitas Prof. Regia Lira 12 de maio de 2015 ADAPTAÇÃO IMUNOLÓGICA MATERNO-FETAL Interpretação de resultados dos imunoensaios: Feto ou necém-nascido: sistema imune em desenvolvimento (fora

Leia mais

Olavo Henrique Munhoz Leite. Hospital das Clínicas Faculdade de Medicina da USP Brasília, julho de 2004

Olavo Henrique Munhoz Leite. Hospital das Clínicas Faculdade de Medicina da USP Brasília, julho de 2004 Recomendações para a Terapia Anti- Retroviral em Adultos e Adolescentes Infectados pelo HIV II Diretrizes Brasileiras para Tuberculose 2004 I Encontro Nacional de TUBERCULOSE Olavo Henrique Munhoz Leite

Leia mais

O MAIOR RISCO É... ACHARMOS QUE NÃO CORREMOS RISCOS! Tiemi Arakawa

O MAIOR RISCO É... ACHARMOS QUE NÃO CORREMOS RISCOS! Tiemi Arakawa O MAIOR RISCO É... ACHARMOS QUE NÃO CORREMOS RISCOS! Tiemi Arakawa Enfermeira, Doutora em Ciências Membro do GEOTB e do GEO-HIV/aids Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto Quais imagens temos do HIV? O

Leia mais

Evolução das mutações de resistência aos inibidores de protease em pacientes infectados pelo HIV-1 subtipo F

Evolução das mutações de resistência aos inibidores de protease em pacientes infectados pelo HIV-1 subtipo F Márcia Perez Resende Oliveros Evolução das mutações de resistência aos inibidores de protease em pacientes infectados pelo HIV-1 subtipo F Tese apresentada à Faculdade de Medicina da Universidade de São

Leia mais

AIDS TRANSMISSÃO FISIOPATOGENIA. Conceição Pedrozo

AIDS TRANSMISSÃO FISIOPATOGENIA. Conceição Pedrozo AIDS TRANSMISSÃO FISIOPATOGENIA Conceição Pedrozo 2010 Fisiopatogenia, História Natural da Infecção pelo HIV e Infecção Primária ETIOLOGIA O HIV 1 E 2 são membros da família Retroviridae e pertencem ao

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO EM ANÁLISES CLÍNICAS PROFESSOR: MÁRIO PAULO AMANTE PENATTI PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO EM ANÁLISES CLÍNICAS PROFESSOR: MÁRIO PAULO AMANTE PENATTI PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO EM ANÁLISES CLÍNICAS PROFESSOR: MÁRIO PAULO AMANTE PENATTI PLANO DE ENSINO FUNÇÃO: Apoio ao Diagnóstico SUBFUNÇÃO: Imunologia II

Leia mais

PLANO DE ENSINO EMENTA

PLANO DE ENSINO EMENTA PLANO DE ENSINO DADOS DA DISCIPLINA Nome da Disciplina: Imunologia Curso: Farmácia Termo: 3º Carga Horária Semanal (h/a): 4 Carga Horária Semestral (h/a): 75 Teórica: 2 Prática: 2 Total: 4 Teórica: 30

Leia mais

Caso Clínico 1. HD: Síndrome Retroviral Recente

Caso Clínico 1. HD: Síndrome Retroviral Recente Caso Clínico 1 Mulher, 36 anos. Final Nov 2015- febre, adenomegalia cervical, cefaleia, náuseas. Relação sexual desprotegida nos últimos 30 dias. Anti HIV+ CD4+ 1.830 cel/mm³ (47%); CD8+ 904 cel/mm³ (23.2%);

Leia mais

Avaliar a evolução da infecção pelo HIV em crianças e a resposta ao tratamento anti-retroviral por meio de dados clínicos e laboratoriais.

Avaliar a evolução da infecção pelo HIV em crianças e a resposta ao tratamento anti-retroviral por meio de dados clínicos e laboratoriais. 1 1 INTRODUÇÃO Desde 1981, com a descrição do primeiro caso de AIDS e posterior identificação do HIV por cientistas franceses e americanos, em muito evoluiu a pesquisa sobre a infecção pelo vírus e a abordagem

Leia mais

Cadernos da Escola de Saúde ESTUDO DE ADESÃO AO TRATAMENTO E PRESENÇA DE MUTAÇÕES EM PORTADORES DE HIV.

Cadernos da Escola de Saúde ESTUDO DE ADESÃO AO TRATAMENTO E PRESENÇA DE MUTAÇÕES EM PORTADORES DE HIV. ESTUDO DE ADESÃO AO TRATAMENTO E PRESENÇA DE MUTAÇÕES EM PORTADORES DE HIV. STUDY OF ADHERENCE TO TREATMENT AND PRESENCE OF MUTATIONS IN PEOPLE WITH HIV. Fernanda Sala de Paula Godoy 1 Fernanda Patrícia

Leia mais

1º ENCONTRO DOS INTERLOCUTORES. Clínica, Epidemiologia e Transmissão Hepatite B e C. Celia Regina Cicolo da Silva 12 de maio de 2009

1º ENCONTRO DOS INTERLOCUTORES. Clínica, Epidemiologia e Transmissão Hepatite B e C. Celia Regina Cicolo da Silva 12 de maio de 2009 1º ENCONTRO DOS INTERLOCUTORES REGIONAIS DE HEPATITES VIRAIS Clínica, Epidemiologia e Transmissão Hepatite B e C Celia Regina Cicolo da Silva 12 de maio de 2009 CADEIA DE TRANSMISSÃO DOS VÍRUS Depende:

Leia mais

Biologia 1ª série. Profª Reisila Mendes

Biologia 1ª série. Profª Reisila Mendes Biologia 1ª série Profª Reisila Mendes Conceito e estrutura Os vírus são fragmentos não vivos de genoma, que evoluíram tanto a partir de bactérias como de eucariontes. Os vírus são os únicos organismos

Leia mais

MEDICAMENTOS... 3 DOENÇAS OPORTUNISTAS... 5 ADESÃO... 6 DICAS PARA MELHOR ADESÃO AOS MEDICAMENTOS... 7 Inibidores Da Transcriptase Reversa Análogo De

MEDICAMENTOS... 3 DOENÇAS OPORTUNISTAS... 5 ADESÃO... 6 DICAS PARA MELHOR ADESÃO AOS MEDICAMENTOS... 7 Inibidores Da Transcriptase Reversa Análogo De MEDICAMENTOS... 3 DOENÇAS OPORTUNISTAS... 5 ADESÃO... 6 DICAS PARA MELHOR ADESÃO AOS MEDICAMENTOS... 7 Inibidores Da Transcriptase Reversa Análogo De Nucleosídeos... 7 Inibidores Da Protease... 8 Inibidores

Leia mais

Consenso 2002/2003: equilíbrio no fio da navalha

Consenso 2002/2003: equilíbrio no fio da navalha -1980- INFECTOLOGIA SOCIEDADE BRASILEIRA DE tratamentohoje Boletim Terapêutico de HIV/Aids, DST e Hepatites Virais Ano I Edição Especial maio 2003 EDIÇÃO ESPECIAL Mudanças principais A orientação para

Leia mais

Diagnóstico Laboratorial de Infecções Virais. Profa. Claudia Vitral

Diagnóstico Laboratorial de Infecções Virais. Profa. Claudia Vitral Diagnóstico Laboratorial de Infecções Virais Profa. Claudia Vitral Importância do diagnóstico laboratorial virológico Determinar a etiologia e acompanhar o curso de uma infecção viral Avaliar a eficácia

Leia mais

03/04/2016. virus\youtube - O VRUS DA IMUNODEFICINCIA HUMANA.mpeg

03/04/2016. virus\youtube - O VRUS DA IMUNODEFICINCIA HUMANA.mpeg virus\youtube - O VRUS DA IMUNODEFICINCIA HUMANA.mpeg 1 AIDS (SIDA) Síndrome da Imunodeficiência Adquirida Causador: HIV Vírus da Imunodeficiência Humana. Ataca os Linfócitos T CD4 Precursoras dos ANTICORPOS

Leia mais

UFRJ - UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO IMPPG - INSTITUTO DE MICROBIOLOGIA PAULO DE GÓES CURSO - ODONTOLOGIA

UFRJ - UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO IMPPG - INSTITUTO DE MICROBIOLOGIA PAULO DE GÓES CURSO - ODONTOLOGIA IMPPG - CURSO - ODONTOLOGIA PROFESSOR RESPONSÁVEL Ana Paula Vieira Colombo CARGA HORÁRIA 180h PERÍODO DE REALIZAÇÃO CÓDIGO DISCIPLINA TEÓRICA LABORATÓRIOS DE PRÁTICA IMW238 Microbiologia e Imunologia O

Leia mais

AIDS e HIV AIDS NÚMERO ESTIMADO DE MORTES PROVOCADAS PELA AIDS NO MUNDO TODO (1980-2000) A AIDS ou Síndrome da Imunodeficiência

AIDS e HIV AIDS NÚMERO ESTIMADO DE MORTES PROVOCADAS PELA AIDS NO MUNDO TODO (1980-2000) A AIDS ou Síndrome da Imunodeficiência AIDS AIDS e A AIDS ou Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (do inglês Acquired Immunodeficiency Syndrome) caracteriza-se por uma profunda imunossupressão associada a infecções oportunistas, neoplasias

Leia mais

N O DE HORAS-AULA SEMANAIS TEÓRICA (32) PRÁTICA (04)

N O DE HORAS-AULA SEMANAIS TEÓRICA (32) PRÁTICA (04) UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRODE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE MICROBIOLOGIA IMUNOLOGIA E PARASITOLOGIA PLANO DE ENSINO SEMESTRE 2016-2 2016 I. IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA: CÓDIGO

Leia mais

AIDS. imunodeficiência adquirida

AIDS. imunodeficiência adquirida AIDS Síndrome da imunodeficiência adquirida Características 1-infecção de linfócitos TCD4+, macrófagos e células dendríticas pelo vírus da imunodeficiência humana - HIV 2-imunossupressão profunda 3-infecções

Leia mais

Programa Nacional de Doenças Sexualmente Transmissíveis/Síndrome da imunodeficiência adquirida

Programa Nacional de Doenças Sexualmente Transmissíveis/Síndrome da imunodeficiência adquirida Programa Nacional de Doenças Sexualmente Transmissíveis/Síndrome da imunodeficiência adquirida Autora: Jacilene Geaquinto Leão Adriano Revisão da 2ª Edição: Carolina Rodrigues Gomes e Vera Lúcia Edais

Leia mais

Universidade Federal de Goiás. Instituto de Patologia Tropical e Saúde Pública. Programa de Pós-Graduação em Medicina Tropical

Universidade Federal de Goiás. Instituto de Patologia Tropical e Saúde Pública. Programa de Pós-Graduação em Medicina Tropical Universidade Federal de Goiás Instituto de Patologia Tropical e Saúde Pública Programa de Pós-Graduação em Medicina Tropical Alexsander Augusto da Silveira Mapeamento Genético do HIV-1 e Análise de Resistências

Leia mais

WANISE BARROSO. Brasília, 31 de julho de 2008. CASO TENOFOVIR

WANISE BARROSO. Brasília, 31 de julho de 2008. CASO TENOFOVIR WANISE BARROSO Brasília, 31 de julho de 2008. CASO TENOFOVIR PROPRIEDADE INDUSTRIAL INOVAÇÃO TECNOLÓGICA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA PROPRIEDADE INDUSTRIAL O QUÊ PATENTEAR? EM QUE PAÍS

Leia mais

A i d s n a I n f â n c i a. Prof. Orlando A. Pereira FCM - UNIFENAS

A i d s n a I n f â n c i a. Prof. Orlando A. Pereira FCM - UNIFENAS A i d s n a I n f â n c i a Prof. Orlando A. Pereira FCM - UNIFENAS HISTÓRICO 1978- Em Nova York e San Francisco uma doença misteriosa e mortífera ataca homossexuais. 1981- A doença misteriosa ganha o

Leia mais

Síndrome da Imunodeficiência Adquirida

Síndrome da Imunodeficiência Adquirida Síndrome da Imunodeficiência Adquirida Síndrome : Conjunto de sinais e sintomas que se desenvolvem conjuntamente e que indicam a existência de uma doença. A AIDS é definida como síndrome porque não tem

Leia mais

O antiviral ideal. Deve interromper a replicação do vírus sem afetar significativamente o metabolismo de células do hospedeiro.

O antiviral ideal. Deve interromper a replicação do vírus sem afetar significativamente o metabolismo de células do hospedeiro. Antivirais O antiviral ideal Deve interromper a replicação do vírus sem afetar significativamente o metabolismo de células do hospedeiro. Pontos preferenciais de atuação dos antivirais Adsorção e/ou penetração:

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema IMUNOLOGIA BÁSICA Elaborador Texto Introdutório João Renato Rebello Pinho, Médico Patologista Clínico, Doutor em Bioquímica, Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo e Hospital Israelita

Leia mais

VÍRUS (complementar o estudo com as páginas 211-213 do livro texto)

VÍRUS (complementar o estudo com as páginas 211-213 do livro texto) COLÉGIO E CURSO INTELECTUS APOSTILA NOME: MAT.: Biologia I PROFº: EDUARDO SÉRIE: TURMA: DATA: VÍRUS (complementar o estudo com as páginas 211-213 do livro texto) Os vírus são os únicos organismos acelulares,

Leia mais

LEGENDA LOCAL DE ACESSO

LEGENDA LOCAL DE ACESSO MEDICAMENTOS DO COMPONENTE ESTRATÉGICO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Componente destinado a atender os agravos e programas específicos da atenção básica à saúde LEGENDA LOCAL DE ACESSO UAF Unidade de Assistência

Leia mais

Imunologia. Introdução. Imunidade = resistência a infecções. Células, tecidos e moléculas que medeiam resistência = sistema imune

Imunologia. Introdução. Imunidade = resistência a infecções. Células, tecidos e moléculas que medeiam resistência = sistema imune Imunologia Definição: Estudo do sistema imune (SI) e dos mecanismos que os seres humanos e outros animais usam para defender seus corpos da invasão de microorganimos. Introdução Imunidade = resistência

Leia mais

Tratamento médico do adolescente HIV-positivo

Tratamento médico do adolescente HIV-positivo ARTIGO ORIGINAL 25 Eduardo Pozzobom Tratamento médico do adolescente HIV-positivo RESUMO Características da infecção por HIV na adolescência. Avaliação médica inicial, revisão de sistemas, exames físico

Leia mais

INTERPRETAÇÃO DOS MARCADORES SOROLÓGICOS DAS HEPATITES VIRAIS

INTERPRETAÇÃO DOS MARCADORES SOROLÓGICOS DAS HEPATITES VIRAIS INTERPRETAÇÃO DOS MARCADORES SOROLÓGICOS DAS HEPATITES VIRAIS Francisco José Dutra Souto Hospital Universitário Júlio Müller Universidade Federal de Mato Grosso 31 de agosto de 2016 UFMT HEPATITES VIRAIS

Leia mais

AIDS: VINTE QUATRO ANOS DE LUTA.

AIDS: VINTE QUATRO ANOS DE LUTA. REVISIONES Y RESEÑAS AIDS: VINTE QUATRO ANOS DE LUTA. SIDA: VEINTICUATRO AÑOS DE LUCHA. *Leite, Joséte L., **Leite, Janete L., ***Dantas, C. de C., ****Da Silva, C. C., ****Gonçalves da Silva, D. *Enfermeira.

Leia mais

Exercício de Fixação: Características Gerais dos Vírus

Exercício de Fixação: Características Gerais dos Vírus Exercício de Fixação: Características Gerais dos Vírus 01-2017 1- Quais foram as observações feitas por Adolf Mayer que permitiram concluir que o agente etiológico da Doença do Mosaico do tabaco era um

Leia mais

VÍRUS: A ESTRUTURA DO HIV E SEU CICLO DE VIDA

VÍRUS: A ESTRUTURA DO HIV E SEU CICLO DE VIDA VÍRUS: A ESTRUTURA DO HIV E SEU CICLO DE VIDA O vírus HIV possui duas moléculas de RNA envoltas por cápsulas proteicas (capsídeo), formando o nucleocapsídeo. Além do material genético, possui algumas enzimas,

Leia mais

Exercício de Fixação: Características Gerais dos Vírus

Exercício de Fixação: Características Gerais dos Vírus Exercício de Fixação: Características Gerais dos Vírus 02-2017 1- Quais foram as observações feitas por Adolf Mayer que permitiram concluir que o agente etiológico da Doença do Mosaico do tabaco era um

Leia mais

O laboratório de biologia molecular no diagnóstico e acompanhamento da infeção pelo VIH-2

O laboratório de biologia molecular no diagnóstico e acompanhamento da infeção pelo VIH-2 Maria de Fátima Pinto Monteiro O laboratório de biologia molecular no diagnóstico e acompanhamento da infeção pelo VIH-2 Vila Nova de Gaia 2015 O presente trabalho destina-se a instruir o processo para

Leia mais

Regulamenta o uso de testes rápidos para diagnóstico da infecção pelo HIV em situações especiais.

Regulamenta o uso de testes rápidos para diagnóstico da infecção pelo HIV em situações especiais. ATUALIZAÇÃO E NORMATIZAÇÃO DO DIAGNÓSTICO LABORATORIAL DO HIV PORT 151/OUT 2009 Lúcia Sena Farmacêutica-Bioquímica do Programa de DST/AIDS do município de Duque de Caxias HISTÓRICO Diagnóstico Laboratorial

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA VACINA CONTRA ROTAVÍRUS NA POPULAÇÃO PEDIÁTRICA

A IMPORTÂNCIA DA VACINA CONTRA ROTAVÍRUS NA POPULAÇÃO PEDIÁTRICA A IMPORTÂNCIA DA VACINA CONTRA ROTAVÍRUS NA POPULAÇÃO PEDIÁTRICA BARCELLOS, R. C. * PIRES, T. B. O. * PEREIRA, A. S. M. ** AGUIAR, M. B. ** NEVES, K. S. *** MOTTA, C. F. **** COUTINHO, J. S. **** RESUMO

Leia mais

PlanetaBio Artigos Especiais www.planetabio.com AIDS- SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA

PlanetaBio Artigos Especiais www.planetabio.com AIDS- SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA AIDS- SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA (texto de Marcelo Okuma) 1. Histórico e origem do vírus HIV Há fortes indícios para se acreditar que o vírus da imunodeficiência humana (HIV) tenha evoluído

Leia mais

Vírus - Caracterização Geral

Vírus - Caracterização Geral Noções de Vírus By Profª. Cynthia Vírus - Caracterização Geral Vírus = veneno ou fluído venenoso (Latim) Acelulares/ Partículas Infecciosas Composição química de nucleoproteínas (DNA ou RNA+Proteínas)

Leia mais

HIV como modelo de estudo de retrovírus e patogênese

HIV como modelo de estudo de retrovírus e patogênese HIV como modelo de estudo de retrovírus e patogênese Retrovírus e oncogênese. Um pouco de história: 1904: Ellerman and Bang, procurando por bactérias como agentes infecciosos para leucemia em galinhas,

Leia mais

Prática 00. Total 02 Pré-requisitos 2 CBI257. N o. de Créditos 02. Período 3º. Aprovado pelo Colegiado de curso DATA: Presidente do Colegiado

Prática 00. Total 02 Pré-requisitos 2 CBI257. N o. de Créditos 02. Período 3º. Aprovado pelo Colegiado de curso DATA: Presidente do Colegiado 1 Disciplina IMUNOLOGIA PROGRAMA DE DISCIPLINA Departamento DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Carga Horária Semanal Pré-requisitos Teórica 02 Prática 00 Total 02 Pré-requisitos Unidade ICEB Código CBI126

Leia mais

Imunoensaios no laboratório clínico

Imunoensaios no laboratório clínico Imunoensaios no laboratório clínico Onde pesquisamos Ag e Ac?? Imunoensaios detecção e quantificação de antígeno e anticorpo: Doenças infecciosas: diagnóstico da doença diferenciação da fase da doença

Leia mais

Diagnóstico Imunológico das Imunodeficiências Secundárias

Diagnóstico Imunológico das Imunodeficiências Secundárias Diagnóstico Imunológico das Imunodeficiências Secundárias Dois tipos de imunodeficiências Primárias ou Congênitas Secundárias ou Adquiridas Imunodeficiências Secundárias Principais causas de imunodeficiências

Leia mais

Carga Viral do HIV. Carga Viral. Falha terapêutica. Vírus suscetivel Vírus resistente

Carga Viral do HIV. Carga Viral. Falha terapêutica. Vírus suscetivel Vírus resistente Carga Viral do HIV Estima o número de cópias do genoma viral circulante no indivíduo. Expresso em número de cópias do RNA de HIV/mL. Atualmente os testes são capazes a partir de ~50 cópias/ml. O conceito

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS HEPATITES VIRAIS. Adriéli Wendlant

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS HEPATITES VIRAIS. Adriéli Wendlant UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS HEPATITES VIRAIS Adriéli Wendlant Hepatites virais Grave problema de saúde pública No Brasil, as hepatites virais

Leia mais

HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Revisão Teórica. Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmico: Pedro Castro (6 Ano)

HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Revisão Teórica. Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmico: Pedro Castro (6 Ano) HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Revisão Teórica Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmico: Pedro Castro (6 Ano) AIDS Conceito Doença que manifesta-se por infecções comuns de repetição, infecções

Leia mais

HIV-AIDS. Infecções Peri-natais

HIV-AIDS. Infecções Peri-natais Transmissão Relação sexual Transfusão de sangue Transmissão vertical Acidente de trabalho Retrato da epidemia de aids Nacionalmente estável e concentrada em populações-chave Casos acumulados de aids (até

Leia mais

Imunologia. Introdução ao Sistema Imune. Lairton Souza Borja. Módulo Imunopatológico I (MED B21)

Imunologia. Introdução ao Sistema Imune. Lairton Souza Borja. Módulo Imunopatológico I (MED B21) Imunologia Introdução ao Sistema Imune Módulo Imunopatológico I (MED B21) Lairton Souza Borja Objetivos 1. O que é o sistema imune (SI) 2. Revisão dos componentes do SI 3. Resposta imune inata 4. Inflamação

Leia mais

Resposta imune adquirida do tipo celular

Resposta imune adquirida do tipo celular Universidade Federal do Pampa Campus Itaqui Curso de Nutrição Imunologia Resposta imune adquirida do tipo celular Profa. Dra. Silvana Boeira Imunidade adquirida Imunidade adaptativa = específica = adquirida

Leia mais

Guia de cuidados aos pacientes em uso de terapia antirretroviral

Guia de cuidados aos pacientes em uso de terapia antirretroviral Guia de cuidados aos pacientes em uso de terapia antirretroviral Fortaleza 2012 miolo_guia_cuidados_tarv_11x16cm.indd 1 22/11/2012 08:58:22 Dados Internacionais de Catalogação na Publicação Universidade

Leia mais

Recomendações para terapia antirretroviral em adultos infectados pelo HIV- 2008

Recomendações para terapia antirretroviral em adultos infectados pelo HIV- 2008 Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais Recomendações para terapia antirretroviral em adultos infectados pelo HIV- 2008 Suplemento III - Tratamento

Leia mais

Diagnóstico/Monitoramento Laboratorial e Tratamento Farmacológico em pacientes. Dr.Sandro Jorge Januário

Diagnóstico/Monitoramento Laboratorial e Tratamento Farmacológico em pacientes. Dr.Sandro Jorge Januário Diagnóstico/Monitoramento Laboratorial e Tratamento Farmacológico em pacientes HIV positivo Dr.Sandro Jorge Januário HIV/AIDS Histórico - 1981 (CDC) - aparecimento de pneumonia extremamente rara, causada

Leia mais