POLÍTICAS SOCIAIS DE COMBATE A POBREZA, NA GARANTIA DE DIREITOS: UM BREVE RELATO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "POLÍTICAS SOCIAIS DE COMBATE A POBREZA, NA GARANTIA DE DIREITOS: UM BREVE RELATO"

Transcrição

1 POLÍTICAS SOCIAIS DE COMBATE A POBREZA, NA GARANTIA DE DIREITOS: UM BREVE RELATO Clarice Ana Ruedieger Jaqueline Fernanda Machado Jaqueline Nadir da Silva Rosiléia Cavalli Weber INTRODUÇÃO: Com o desenvolvimento do capitalismo concorrencial, o governo passa a interferir diretamente na organização da economia através da legislação, e o Estado torna-se responsável pela prestação de serviços sociais que são necessários a nova forma vigente, imposta pelo capital. É a partir da formação de monopólios econômicos que surge o capitalismo monopolista o qual evidenciou a acumulação do capital e acentuou a relação entre o capital e o trabalho, surgindo assim as expressões da questão social. No século XIX com as lutas, mobilizações operárias é que surgem as políticas sociais provenientes desta relação de contradição. As políticas sociais foram de certa forma uma estratégia por parte do Estado para amenizar os problemas da questão social, onde o Estado retrata uma relação de dominação dos homens sobre os homens, relação de dominados e dominantes baseada na força e imperatividade da lei. Desta forma, as políticas sociais são criadas para amenizar os efeitos nocivos das políticas enonômicas, ou seja, elas surgem a partir da reivindicação da classe trabalhadora, mas vem atender aos interesses da classe dominante. O Brasil é um país marcado pela desigualdade social a qual faz parte do seu contexto histórico, pois desde sua colonização convivemos com os problemas provenientes da exclusão social. A miséria é resultado de seu subdesenvolvimento, onde apenas ocorre o crescimento de alguns, que se dá através da exclusão social, econômica e política. Pode-se observar que a pobreza e outros fenômenos a ela associados como a fome, a miséria, o desabrigo, o abandono, entre tantos outros, não podem seguir sendo tratados através de gestos de caridade, Acadêmica do Curso de Serviço Social, 3 ano- UNIOESTE Campus de Toledo. R: Protasio Alves, n 1941, Fone(0xx) Toledo PR.

2 ajuda ou como solidariedade. Estes problemas que atingem a vida de milhões de pessoas não resultam de causas naturais, identificadas como fragilidades individuais ou grupais, ao contrário, a pobreza é manifestação social, historicamente identificada com as sociedades promotoras de desigualdades sociais. Ao longo de sua história a sociedade brasileira, via a miséria como algo natural ou de vontade de um ser superior, sendo impossível de ser evitada, isto gerava um sentimento de impotência quanto à capacidade de superação do problema. Só a partir de 1993, começou a ser visto as mudanças nas percepções e discursos sobre a pobreza no Brasil, com início da "Ação da Cidadania a qual tomou conta das ruas do país. Neste ano foi divulgado o Mapa da Fome produzido pelo IPEA (Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas, ligado ao Ministério da Fazenda) identificando a existência de 32 milhões de pessoas vivendo em condições de pobreza absoluta no país. Surgem milhares de iniciativas da sociedade civil, voltadas para a distribuição de alimentos e outras atividades de cunho social. A Pobreza é a carência de meios essenciais que garantam a sobrevivência, as necessidades básicas que se referem à manutenção da vida, as quais dependem do padrão de vida de cada região. Desta forma é possível afirmar que maior parte da população brasileira sobrevive em condições de pobreza, e consomem a maior parte de suas energias apenas com o objetivo de suprir suas necessidades básicas: habitação, alimentação, saúde, educação e transporte. Esta pobreza é reproduzida de geração em geração, pois estes indivíduos passam a maior parte do seu tempo no trabalho ou a procura deste, sem possibilidades de acesso a uma melhor qualificação por não terem tempo de estudar ou condições para tanto porque o acesso é negado a estes indivíduos. O que os mantém em uma condição de subalternidade e de exclusão. Na atual conjuntura brasileira é nítido o compromisso que o Estado tem com a área social, este compromisso não ocorre por iniciativa do governo, mas há uma cobrança da sociedade, como uma forma de controle social, que acredita que através do investimento na área social é que se torna possível à constituição da cidadania e a consolidação da democracia. Segundo dados do CFESS (Conselho Federal de Serviço Social) há 1,7 milhões de brasileiros ricos o que corresponde a 1%

3 da população, 86,5 milhões são pobres (50%), destes 53,9 milhões se mantém com 160,00 reais por mês. O Brasil nas últimas décadas confirma uma tendência de enorme desigualdade e distribuição de renda, e elevados níveis de pobreza. A pesquisa realizada pelo IPEA nos permite visualizar o agravamento da desigualdade, onde em 1960 os 10% mais ricos detinham 34 vezes a renda dos 10% mais pobres, em 1990 eles detêm 78 vezes a renda obtida pelos setores mais destituídos. Considerando-se a distribuição da renda nacional por estratos: em ,9% estava nas mãos de 1% da população; os 10% mais ricos detinham 45%; os 50% dos mais pobres controlavam apenas 1,1 da renda nacional, cabendo aos 10% mais pobres exíguos 0,8%. Portanto cabe a política social o papel de garantir padrões minímos de vida, reduzindo a pobreza, e projetando as demandas para a proteção social, com o objetivo de reduzir as desigualdades, afirmar os direitos sociais e efetivar o universalismo das políticas públicas. O crescimento econômico é fundamental, mas para isso é necessário também atender aos interesses das classes subalternas que percebem nas políticas sociais a possibilidade de acesso a seus direitos sociais, a satisfação de suas necessidades humanas básicas e vitais, a melhoria da qualidade de vida. OBJETIVOS: Este artigo tem como objetivo fazer um breve resgate de como surgiram as políticas sociais, para se ter uma melhor compreensão sobre elas, analisando a sua efetividade e de seus programas mediante a pobreza e as desigualdades sociais existentes em nosso país. Buscamos também mostrar a visão que a sociedade brasileira tem sobre a pobreza e os direitos sociais adquiridos pela população, através das lutas sociais históricas de reivindicação de seus direitos. METODOLOGIA: Foi tomado como referência textos para analisar o desenvolvimento das políticas sociais de combate a pobreza e as desigualdades sociais no Brasil, fazendo uma correlação entre as políticas econômicas e seus objetivos, e as políticas sociais e o que elas objetivam. Colocando dados estatísticos para mostar os índices de pobreza.

4 RESULTADOS: O Brasil vem tendo uma experiência de reformas na área social, o que demonstra que as políticas sociais não dão conta de atender toda demanda, pois necessitam de apoio da sociedade civil a qual deve cobrar ações do Estado para que ele responda as carências das camadas mais pobres da população. Mas escapa às suas capacidades e objetivos reverter ou mesmo reduzir níveis tão altos de pobreza e desigualdade, quando o meio econômico em que opera é o do baixo crescimento, forte desemprego, de fragilização da geração de renda e de restrições fiscais duras, situação a qual fragiliza ainda mais as políticas sociais, mesmo quando aperfeiçoadas por reformas. Embora estejam sendo desenvolvidos programas como: renda mínima, PETI (Programa de Erradicação do Trabalho Infantil), bolsa escola, auxílio gás, fome zero, estes programas necessitam de uma melhor formulação para alcançarem realmente os seus objetivos com relação às expressões da questão social, como: outras maneiras de obter medidas de enfrentamento a pobreza, novas ações voltadas à geração de renda a partir de ações que levem ao crescimento da economia nacional, através da geração de novos empregos e ações que combatam eficientemente a pobreza, só desta forma é possível combater à desnutrição e a miséria. As experiências nacionais e internacionais mostram que somente com a intensificação dos investimentos em educação, saúde, saneamento básico será possível alcançar a erradicação da desnutrição e da miséria. CONCLUSÕES: Os indivíduos que vivem na situação de pobreza se tornam fracos e dependentes de políticas sociais e impossibilitados de atuar como cidadãos ativos e conscientes de seu papel na sociedade, o que compromete a todos os membros dessa sociedade os quais são privados de seus direitos e de sua liberdade. Diante dos indicadores de pobreza e desigualdade percebe-se os limites das políticas sociais, que esbarram em fenômenos estruturais, que se agravam pelo desemprego, pela instabilidade do trabalho e pela redução da renda das famílias. Então, pode-se observar, que no Brasil as políticas sociais e seus programas não tem dado conta de atender a todos os cidadãos que estão em estado de miséria, pobreza, vulnerabilidade, estes programas elaborados pelos governantes apenas beneficia uma pequena parcela da população necessitada,

5 desta forma, pode-se dizer que as políticas sociais apenas reiteram a pobreza, não conseguindo dar soluções para acabar com ela. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: ABRANCHES, Sérgio Henrique. Os Despossuídos: crescimento e pobreza no país do milagre. 2ª ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, ABRANCHES, Sérgio Henrique; COIMBRA, Marcos Antônio; SANTOS, Wanderley Guilherme dos. Política Social e combate a pobreza. 2ªed. Jorge Zahar Editor CAMPOS, Edval B. Assistência Social: direito do cidadão e dever do Estado. Revista Polêmica, ano 1, nº 1. Belém - Pa: CRESS 1ª Região, MARTINS, José de Souza. Exclusão social e a nova desigualdade. 2ª ed. São Paulo, SP: Paulus, Site: SPOSATI, Aldaiza de O. Assistência na Trajetória das Políticas Sociais Brasileiras: uma questão em análise. 6ª ed. São Paulo: Cortez, 1995.

UM CONFRONTO COM A REALIDADE DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

UM CONFRONTO COM A REALIDADE DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA UM CONFRONTO COM A REALIDADE DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA Direitos sociais, políticas sociais e o Bolsa Família. Elizete Aparecida Zanellatto Lílian Rezende 1 Lucilene da Silva Olga Michalzeszen Suséle Aparecida

Leia mais

REFLEXÃO SOBRE O ACESSO AO BPC PARA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Eixo Temático: Política Social e trabalho

REFLEXÃO SOBRE O ACESSO AO BPC PARA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Eixo Temático: Política Social e trabalho ISSN 2359-1277 REFLEXÃO SOBRE O ACESSO AO BPC PARA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Ana Carolina Ribeiro Dos Santos, Carol_santos94@live.com Jaqueline dos Santos Zuin (Orientadora ), jaque.zuin.s@gmail.com Universidade

Leia mais

FINANCIAMENTO DA SAÚDE

FINANCIAMENTO DA SAÚDE FINANCIAMENTO DA SAÚDE Garantir a universalidade e integralidade diante de um cenário de restrições orçamentárias e financeiras e alocar recursos de forma equânime num país de tantas desigualdades sociais

Leia mais

Na copa, comemorar o quê? Queremos saúde e transporte públicos de qualidade! Queremos moradia digna!

Na copa, comemorar o quê? Queremos saúde e transporte públicos de qualidade! Queremos moradia digna! Na copa, comemorar o quê? Queremos saúde e transporte públicos de qualidade! Queremos moradia digna! Na Copa, comemorar o quê?. É com este mote criativo e provocativo que o Conjunto CFESS- CRESS apresenta

Leia mais

Projeto 10Envolver. Nota Técnica

Projeto 10Envolver. Nota Técnica Nota Técnica Referência: Análise dos dados do componente Educação do Índice de Desenvolvimento Humano dos municípios de 2013 (Atlas do Desenvolvimento Humano 2013, PNUD, IPEA, FJP) para os municípios incluídos

Leia mais

Sistema de Indicadores de Percepção Social (SIPS) Percepção sobre pobreza: causas e soluções Assistência Social

Sistema de Indicadores de Percepção Social (SIPS) Percepção sobre pobreza: causas e soluções Assistência Social Sistema de Indicadores de Percepção Social (SIPS) Percepção sobre pobreza: causas e soluções Assistência Social SIPS O Sistema de Indicadores de Percepção Social (SIPS), elaborado pelo IPEA, é uma pesquisa

Leia mais

Resultados do Serviço Preparação para o Primeiro Emprego

Resultados do Serviço Preparação para o Primeiro Emprego Resultados do Serviço Preparação para o Primeiro Emprego Ano 2014 Administração: Rodrigo Antônio de Agostinho Mendonça Secretária do Bem Estar Social: Darlene Martin Tendolo Diretora de Departamento: Silmaire

Leia mais

AS EXPRESSÕES DA QUESTÃO SOCIAL NA CONTEMPORANEIDADE. Eixo Temático: Questão Social e Serviço Social

AS EXPRESSÕES DA QUESTÃO SOCIAL NA CONTEMPORANEIDADE. Eixo Temático: Questão Social e Serviço Social AS EXPRESSÕES DA QUESTÃO SOCIAL NA CONTEMPORANEIDADE Camila Marques dos Santos - CamilaMarques2114@Outlook.com Daniela Aparecida de Melo Francisco - dmelofrancisco@hotmail.com Jaqueline Campois Santos

Leia mais

O PROGRAMA DE TRASFERÊNCIA DE RENDA AGENTE JOVEM EM CASCAVEL

O PROGRAMA DE TRASFERÊNCIA DE RENDA AGENTE JOVEM EM CASCAVEL O PROGRAMA DE TRASFERÊNCIA DE RENDA AGENTE JOVEM EM CASCAVEL Elizangela de Souza Marinêz de Carvalho Verff Neusa Eli Figueiredo Cerutti 1 Patrícia Maria Bueno Amália Madureira Paschoal 2 O presente trabalho

Leia mais

Juliana Curzi Bastos UFJF e-mail: julianacurzi@yahoo.com.br INTRODUÇÃO

Juliana Curzi Bastos UFJF e-mail: julianacurzi@yahoo.com.br INTRODUÇÃO ORIENTAÇÃO VOCACIONAL / PROFISSIONAL DE ABORDAGEM SÓCIO- HISTÓRICA: UMA PROPOSTA DE CONCRETIZAÇÃO DA ORIENTAÇÃO PARA O TRABALHO SUGERIDA PELOS PARÃMETROS CURRICULARES NACIONAIS. Juliana Curzi Bastos UFJF

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A POLÍTICA DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA BRASILEIRA. Eixo Temático: Política social e Trabalho

REFLEXÕES SOBRE A POLÍTICA DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA BRASILEIRA. Eixo Temático: Política social e Trabalho ISSN 2359-1277 REFLEXÕES SOBRE A POLÍTICA DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA BRASILEIRA Caroline Ribeiro, Caroline_ribeiro_s2@hotmail.com Talita Fernanda Rodrigues, talitafernanda25@hotmail.com Professor/a Jaqueline

Leia mais

BOLSA FAMÍLIA: OS IMPACTOS POSITIVOS NAS FAMÍLIAS BENEFICIÁRIAS DO PROGRAMA NO SETOR AEROPORTO NO MUNICÍPIO DE OURILÂNDIA DO NORTE/PA

BOLSA FAMÍLIA: OS IMPACTOS POSITIVOS NAS FAMÍLIAS BENEFICIÁRIAS DO PROGRAMA NO SETOR AEROPORTO NO MUNICÍPIO DE OURILÂNDIA DO NORTE/PA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Gezeir Farias da Silva Juliana Sousa Porto Maurício Carlos da Silva

Leia mais

O PLANO BRASIL SEM MISÉRIA

O PLANO BRASIL SEM MISÉRIA O PLANO BRASIL SEM MISÉRIA A adoção de uma estratégia multidimensional coordenada, com objetivos e metas claros e mensuráveis, é uma das iniciativas mais importantes dos países que buscam reduzir seus

Leia mais

A MESA EDUCADORA COMO PROPOSTA PEDAGÓGICA

A MESA EDUCADORA COMO PROPOSTA PEDAGÓGICA A MESA EDUCADORA COMO PROPOSTA PEDAGÓGICA Lisiane Gazola Santos Nanci Gabriela Cardoso Fernandes Resumo: Este trabalho visa acompanhar e analisar a continuidade de um projeto de formação de educadores

Leia mais

Integração de Políticas Públicas e seus desafios

Integração de Políticas Públicas e seus desafios Integração de Políticas Públicas e seus desafios Rômulo Paes de Sousa Secretário Executivo do MDS Rio de Janeiro, 5 de agosto de 2011. MODELO PRÉ-SISTÊMICO Transição da Política Pública Baseado em programas

Leia mais

O SR. REMI TRINTA (PL-MA) pronuncia o seguinte. discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores

O SR. REMI TRINTA (PL-MA) pronuncia o seguinte. discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores O SR. REMI TRINTA (PL-MA) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, venho a esta tribuna para registrar pesquisa que aponta o Nordeste como a região onde há maior

Leia mais

Referências Bibliográficas

Referências Bibliográficas Referências Bibliográficas ABREU, M. M. Assistência Social e conquista dos direitos sociais: elementos para uma problematização. Universidade e Sociedade, ano XI, no 25, 2001. ALCOCK P. Social McMillan

Leia mais

INFORME ETENE. INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NO NORDESTE 2ª Edição 1. INTRODUÇÃO

INFORME ETENE. INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NO NORDESTE 2ª Edição 1. INTRODUÇÃO Ano V Maio de 2011 Nº 8 INFORME ETENE Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste - ETENE Ambiente de Estudos, Pesquisas e Avaliação-AEPA Célula de Estudos e Pesquisas Macroeconômicas, Industriais

Leia mais

André Urani (aurani@iets.inf.br)

André Urani (aurani@iets.inf.br) Um diagnóstico socioeconômico do Estado de a partir de uma leitura dos dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios do IBGE (1992-4) André Urani (aurani@iets.inf.br) Maceió, dezembro de 5 Introdução

Leia mais

O Brasil e os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio

O Brasil e os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio O Brasil e os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio O Brasil avançou muito em relação ao cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio e pavimentou o caminho para cumprir as metas até 2015.

Leia mais

Eixo Temático: Questão Social e Serviço Social

Eixo Temático: Questão Social e Serviço Social ISSN 2359-1277 POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA: UMA EXPRESSÃO DA QUESTÃO SOCIAL RESUMO Bruna Caroline Joinhas, brunajoinhas@hotmail.com; Priscila Semzezem (Orientadora), priscilasemzezem@hotmail.com; Universidade

Leia mais

A SOCIEDADE SALARIAL EM CRISE: A NOVA QUESTÃO SOCIAL

A SOCIEDADE SALARIAL EM CRISE: A NOVA QUESTÃO SOCIAL A SOCIEDADE SALARIAL EM CRISE: A NOVA QUESTÃO SOCIAL Disciplina: Trabalho, Sociedade e Desigualdades Professor: Francisco E. B. Vargas Instituto de Filosofia, Sociologia e Política IFISP/UFPel - 2013/2

Leia mais

Políticas públicas, Pobreza Urbana e Território

Políticas públicas, Pobreza Urbana e Território Políticas públicas, Pobreza Urbana e Território Eduardo Marques DCP/USP e CEM/CEBRAP www.centrodametropole.org.br Sumário da apresentação 1. Porque usar a dimensão territorial nas políticas sociais 2.

Leia mais

FOME ZERO. VI Encontro Nacional dos Coordenadores Estaduais e Centros Colaboradores em Alimentaçã. ção CGPAN/MS/Brasília

FOME ZERO. VI Encontro Nacional dos Coordenadores Estaduais e Centros Colaboradores em Alimentaçã. ção CGPAN/MS/Brasília FOME ZERO VI Encontro Nacional dos Coordenadores Estaduais e Centros Colaboradores em Alimentaçã ção e Nutriçã ção CGPAN/MS/Brasília lia-df Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Abril/2006

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NO NUCLEO DE ESTUDOS E DEFESA DOS DIREITOS DA INFÂNCIA E JUVENTUDE - NEDDIJ. Política Social e Trabalho

O SERVIÇO SOCIAL NO NUCLEO DE ESTUDOS E DEFESA DOS DIREITOS DA INFÂNCIA E JUVENTUDE - NEDDIJ. Política Social e Trabalho ISSN 2359-1277 O SERVIÇO SOCIAL NO NUCLEO DE ESTUDOS E DEFESA DOS DIREITOS DA INFÂNCIA E JUVENTUDE - NEDDIJ Ana Caroline (Acadêmica), carolsantos_94@live.com; Caroline Ribeiro Patrícia Almeida (Acadêmica),

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DO PROGRAMA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO ENSINO BÁSICO

CONTRIBUIÇÕES DO PROGRAMA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO ENSINO BÁSICO ISSN: 2237-8022 (on-line) ISSN: 2318-4469 (CD-ROM) CONTRIBUIÇÕES DO PROGRAMA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO ENSINO BÁSICO RESUMO Terezinha Severino da SILVA terezinhasilvafeitas@yahoo.com.br

Leia mais

Microcrédito e Comércio Justo

Microcrédito e Comércio Justo Microcrédito e Comércio Justo Antiga DIT Antiga DIT A Antiga DIT A Antiga DIT baseava-se no princípio da especialização. Os países do Sul especializavam-se em produtos de baixo valor acrescentado. Quando

Leia mais

As Diferenças Sociais

As Diferenças Sociais As Diferenças Sociais 1 A Estratificação Social É a separação da sociedade em grupos de indivíduos que apresentam características parecidas, como: negros, brancos, católicos, protestantes, homem, mulher,

Leia mais

Dimensão, evolução e projeção da pobreza por região e por estado no Brasil

Dimensão, evolução e projeção da pobreza por região e por estado no Brasil Nº 58 Dimensão, evolução e projeção da pobreza por região e por estado no Brasil 13 de julho de 2010 Governo Federal Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República Ministro Samuel Pinheiro

Leia mais

A Agenda de Desenvolvimento pós-2015 e os desafios para os Governos Locais. Belo Horizonte 26 de Agosto de 2015

A Agenda de Desenvolvimento pós-2015 e os desafios para os Governos Locais. Belo Horizonte 26 de Agosto de 2015 A Agenda de Desenvolvimento pós-2015 e os desafios para os Governos Locais Belo Horizonte 26 de Agosto de 2015 Os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) Em 2000, durante a Cúpula do Milênio, líderes

Leia mais

Palavras chave: gênero, pobreza, Programa Bolsa Família, politicas de redistribuição, politicas de reconhecimento.

Palavras chave: gênero, pobreza, Programa Bolsa Família, politicas de redistribuição, politicas de reconhecimento. Pobreza e desigualdade no Brasil: para além das políticas de redistribuição, a necessidade das políticas de reconhecimento como forma de combate á pobreza e desigualdade de gênero. Angélica Cristina Nagel

Leia mais

A IMPORTANCIA DA FAMÍLIA NO INGRESSO DA CRIANÇA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTANCIA DA FAMÍLIA NO INGRESSO DA CRIANÇA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTANCIA DA FAMÍLIA NO INGRESSO DA CRIANÇA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Gislaine Mª K. Dwulatka 1 Profª Rejane Klein 2 RESUMO: O presente artigo tem por finalidade apresentar as atividades de Estágio Supervisionado

Leia mais

PACTO DE APRIMORAMENTO DA GESTÃO DO SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - SUAS

PACTO DE APRIMORAMENTO DA GESTÃO DO SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - SUAS ISSN 2359-1277 PACTO DE APRIMORAMENTO DA GESTÃO DO SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - SUAS Patrícia Guilherme de Almeida (Acadêmica), forever_guilherme@hotmail.com Jaqueline Zuin dos Santos (Orientadora),

Leia mais

O PAPEL DOS MUNICÍPIOS NA CONSOLIDAÇÃO DO SUS DENISE RINEHART ASSESSORA TÉCNICA

O PAPEL DOS MUNICÍPIOS NA CONSOLIDAÇÃO DO SUS DENISE RINEHART ASSESSORA TÉCNICA Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde Seminário Cidadania, Fiscalização e Controle Social em Defesa da Saúde e do SUS O Direito à Saúde e o SUS O PAPEL DOS MUNICÍPIOS NA CONSOLIDAÇÃO DO

Leia mais

Agricultura e Alimentação (JA)

Agricultura e Alimentação (JA) O SR. INOCÊNCIO OLIVEIRA (PL/PE pronuncia o seguinte discurso.) Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados: Relatório da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO), organismo da ONU,

Leia mais

O que vêm à sua mente?

O que vêm à sua mente? Controle Social O que vêm à sua mente? Controle Social Controle da sociedade Algo controla a sociedade X Controle da sociedade A sociedade controla algo Quando o Algo controlou a sociedade Breve resgate

Leia mais

7. Referências Bibliográficas

7. Referências Bibliográficas 7. Referências Bibliográficas ABRANCHES, S.H. e outros. Política Social e Combate à Pobreza. RJ: Ed. Zahar, 1997. ANTUNES, Ricardo. Adeus ao Trabalho? Ensaio sobre as Metamorfoses e a Centralidade no Mundo

Leia mais

Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais. 14º Encontro Nacional do Congemas

Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais. 14º Encontro Nacional do Congemas Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais 14º Encontro Nacional do Congemas Plano deve ser visto como uma marca que explicita o compromisso com a intrínseca

Leia mais

O COMBATE À POBREZA E ÀS DESIGUALDADES É UM DESAFIO IMEDIATO PARA PORTUGAL

O COMBATE À POBREZA E ÀS DESIGUALDADES É UM DESAFIO IMEDIATO PARA PORTUGAL O COMBATE À POBREZA E ÀS DESIGUALDADES É UM DESAFIO IMEDIATO PARA PORTUGAL I. ENQUADRAMENTO A pobreza e a desigualdade na distribuição de rendimentos são problemas que persistem na sociedade portuguesa,

Leia mais

Governo de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento e Coordenação Geral Superintendência de Planejamento Coordenadoria de Avaliação

Governo de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento e Coordenação Geral Superintendência de Planejamento Coordenadoria de Avaliação Governo de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento e Coordenação Geral Superintendência de Planejamento Coordenadoria de Avaliação ET CAV/SP/SEPLAN nº 03/2013 A década virtuosa: pobreza e desigualdade

Leia mais

Pobreza e exclusão Ciências Sociais Prof. Guilherme Paiva

Pobreza e exclusão Ciências Sociais Prof. Guilherme Paiva As evidências históricas mostram que a cultura humana esteve sempre intimamente ligada [ ] à ideia da distinção e discriminação entre grupos sociais (COSTA, 2005, p.247). Igualdade: utopia, ou seja, um

Leia mais

PROGRAMA BOLSA-FAMÍLIA, AÇÕES SÓCIO-EDUCATIVAS E A REPRESENTAÇÃO SOCIAL DAS FAMÍLIAS

PROGRAMA BOLSA-FAMÍLIA, AÇÕES SÓCIO-EDUCATIVAS E A REPRESENTAÇÃO SOCIAL DAS FAMÍLIAS PROGRAMA BOLSA-FAMÍLIA, AÇÕES SÓCIO-EDUCATIVAS E A REPRESENTAÇÃO SOCIAL DAS FAMÍLIAS REISDÖRFER *, Lara Aparecida Lissarassa FURB/SC larareisdorfer@terra.com.br SILVA **, Neide de Melo Aguiar FURB/SC nmelo@furb.br

Leia mais

Congresso de Fundação da Força Sindical do Distrito Federal Mercado de trabalho e negociação coletiva no DF

Congresso de Fundação da Força Sindical do Distrito Federal Mercado de trabalho e negociação coletiva no DF Congresso de Fundação da Força Sindical do Distrito Federal Mercado de trabalho e negociação coletiva no DF 25 Março de 2009 Conjuntura marcada pela crise Produto Interno Bruto do país teve queda de 3,6%

Leia mais

Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Piracaia PIRAPREV CNPJ: 10.543.660/0001-72. Política de Responsabilidade Social

Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Piracaia PIRAPREV CNPJ: 10.543.660/0001-72. Política de Responsabilidade Social Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Piracaia PIRAPREV CNPJ: 10.543.660/0001-72 Política de Responsabilidade Social Dezembro de 2011 1 PREÂMBULO O IPSPMP-PIRAPREV, sendo uma

Leia mais

ASSEMBLEIA NACIONAL. Cidade da Praia, 25 de Outubro de Senhor Presidente da Câmara dos Deputados do Luxemburgo, Mars de Bartolomeo,

ASSEMBLEIA NACIONAL. Cidade da Praia, 25 de Outubro de Senhor Presidente da Câmara dos Deputados do Luxemburgo, Mars de Bartolomeo, ASSEMBLEIA NACIONAL Discurso do Presidente da Assembleia Nacional, Engº Jorge Santos, na Sessão Plenária de Boas Vindas, ao Presidente da Câmara dos Deputados do Luxemburgo, Mars de Bartolomeo Cidade da

Leia mais

IV JORNADA DE ESTUDOS EM SERVIÇO SOCIAL

IV JORNADA DE ESTUDOS EM SERVIÇO SOCIAL ISSN 2359-1277 O SURGIMENTO DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO PARA INFÂNCIA NO CAPITALISMO Andressa Maria Pulis Saracho, andressasaracho@hotmail.com; Keila Pinna Valensuela (Orientadora), keilapinna@hotmail.com;

Leia mais

Bahia. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado da Bahia (1991, 2000 e 2010)

Bahia. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado da Bahia (1991, 2000 e 2010) Bahia Em, no estado da Bahia (BA), moravam 14, milhões de pessoas, onde uma grande parcela (7,2%, 1, milhão) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 417 municípios, dos quais 69 (16,6%)

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PIAUÍ PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA. Centro de Apoio Operacional de Defesa da Infância da Juventude CAODIJ

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PIAUÍ PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA. Centro de Apoio Operacional de Defesa da Infância da Juventude CAODIJ MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PIAUÍ PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA Centro de Apoio Operacional de Defesa da Infância da Juventude CAODIJ PACTO PELOS DIREITOS DAS CRIANÇAS, ADOLESCENTES E JOVENS DA CIDADE

Leia mais

Leônidas Siqueira Duarte 1 Universidade Estadual da Paraíba UEPB / leonidas.duarte@hotmail.com 1. INTRODUÇÃO

Leônidas Siqueira Duarte 1 Universidade Estadual da Paraíba UEPB / leonidas.duarte@hotmail.com 1. INTRODUÇÃO REFLEXÕES SOBRE ASPECTOS TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO ENSINO DE GEOGRAFIA PRATICADO POR PROFESSORES CURSISTAS DA ESPECIALIZAÇÃO EM FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO UEPB 2013/2014 Leônidas Siqueira Duarte 1 Universidade

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS: PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA DISTRIBUIÇÃO REGIONAL DE RECURSOS REFERENTE AO MÊS DE ABRIL/2016

POLÍTICAS PÚBLICAS: PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA DISTRIBUIÇÃO REGIONAL DE RECURSOS REFERENTE AO MÊS DE ABRIL/2016 1 POLÍTICAS PÚBLICAS: PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA DISTRIBUIÇÃO REGIONAL DE RECURSOS REFERENTE AO MÊS DE ABRIL/2016 SANTOS, Eliane Silva dos 1 Eixo Temático: Política Pública do Meio Ambiente e Segurança Alimentar

Leia mais

Repartição dos rendimentos

Repartição dos rendimentos Repartição dos rendimentos Repartição primária do rendimento rendimentos primários Rendimentos primários e rendimentos secundários Os rendimentos do trabalho (salários) e do capital (juros, lucros e rendas)

Leia mais

Foto: Alejandra Martins Em apenas 35% das cidades a totalidade das crianças de 0 a 6 anos estão imunizadas (vacinadas) contra sarampo e DTP.

Foto: Alejandra Martins Em apenas 35% das cidades a totalidade das crianças de 0 a 6 anos estão imunizadas (vacinadas) contra sarampo e DTP. 23 Para a maioria dos que nascem no Semi-árido brasileiro, vencer a primeira etapa da vida não é tarefa fácil. Na região, existem poucas condições de infra-estrutura social que garantam às mães uma gestação

Leia mais

Agenda 2030 ODS: Adequação e gestão integrada das políticas públicas, instrumentos de monitoramento e participação social

Agenda 2030 ODS: Adequação e gestão integrada das políticas públicas, instrumentos de monitoramento e participação social Agenda 2030 ODS: Adequação e gestão integrada das políticas públicas, instrumentos de monitoramento e participação social Grupo de Trabalho da Sociedade Civil para a Agenda 2030 Filomena Siqueira - Ação

Leia mais

A CRIAÇÃO DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA: PERSPECTIVAS PARA O ENSINO SUPERIOR

A CRIAÇÃO DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA: PERSPECTIVAS PARA O ENSINO SUPERIOR 939 A CRIAÇÃO DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA: PERSPECTIVAS PARA O ENSINO SUPERIOR Priscila Caetano Bentin Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO) Eixo Temático:

Leia mais

CENTRO DE REFERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL- CRAS JARDIM CARVALHO PONTA GROSSA- PARANÁ

CENTRO DE REFERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL- CRAS JARDIM CARVALHO PONTA GROSSA- PARANÁ CENTRO DE REFERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL- CRAS JARDIM CARVALHO PONTA GROSSA- PARANÁ PACHECO, Flávia Sacchelli (estágio I), e-mail: flavia_sacchelli@yahoo.com.br PUCHTA, Tiago Messias Torres (estágio

Leia mais

A AUTONOMIA DA MULHER BENEFICIÁRIA DO PROGRAMA BOLSA FAMILIA. Eixo Temático - Política Social e Trabalho

A AUTONOMIA DA MULHER BENEFICIÁRIA DO PROGRAMA BOLSA FAMILIA. Eixo Temático - Política Social e Trabalho ISSN 2359-1277 A AUTONOMIA DA MULHER BENEFICIÁRIA DO PROGRAMA BOLSA FAMILIA Anna Flávia Gouvêa Falavinha, anaflaviagf@hotmail.com; Fernanda Balestri Neves, nanda_balestri@hotmail.com; Keila Pinna Valensuela

Leia mais

Material de apoio para o exame final

Material de apoio para o exame final Professor Rui Piassini Geografia 1ºEM Material de apoio para o exame final Questão 01) Com relação às cidades de Recife, Fortaleza, Belo Horizonte, bem como as de Campinas (SP) Londrina (PR) e Campina

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 68 Territórios Sociais 23 de Janeiro de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e

Leia mais

Todas as crianças, tenham ou não deficiências, têm direito a educação. enhuma criança deve ser considerada ineducável.

Todas as crianças, tenham ou não deficiências, têm direito a educação. enhuma criança deve ser considerada ineducável. TRECHOS DA PALESTRA DE MARIA AMELIA VAMPRÉ XAVIER, DA SEADS E DA FEDERAÇÃO ACIO AL DAS APAES, O ROTARY CLUBE-AEROPORTO, EM 3 DE OVEMBRO DE 2009 SOBRE O TEMA: A SITUAÇÃO DAS CRIA ÇAS O MU DO E SEU DIREITO

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA ÁREA SOCIO JURÍDICO: NOTAS SOBRE OS DESAFIOS IMPOSTOS AO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL

O SERVIÇO SOCIAL NA ÁREA SOCIO JURÍDICO: NOTAS SOBRE OS DESAFIOS IMPOSTOS AO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL ISSN 2359-1277 O SERVIÇO SOCIAL NA ÁREA SOCIO JURÍDICO: NOTAS SOBRE OS DESAFIOS IMPOSTOS AO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL Tainara Aparecida de Albuquerque do Nascimento, tainara_ap1@hotmail.com; Karima

Leia mais

A HISTÓRIA SOCIAL DOS DIREITOS

A HISTÓRIA SOCIAL DOS DIREITOS A HISTÓRIA SOCIAL DOS DIREITOS TEMÁTICA As As bases sócio-históricas da fundação dos Direitos Humanos na Sociedade Capitalista A construção dos Direitos A Era da Cultura do Bem Estar Os Direitos na Contemporaneidade

Leia mais

COPATROCINADOR UNAIDS 2015 ONU MULHERES ENTIDADE DAS NAÇÕES UNIDAS PARA IGUALDADE DE GÊNERO E EMPODERAMENTO DAS MULHERES

COPATROCINADOR UNAIDS 2015 ONU MULHERES ENTIDADE DAS NAÇÕES UNIDAS PARA IGUALDADE DE GÊNERO E EMPODERAMENTO DAS MULHERES COPATROCINADOR UNAIDS 2015 ONU MULHERES ENTIDADE DAS NAÇÕES UNIDAS PARA IGUALDADE DE GÊNERO E EMPODERAMENTO DAS MULHERES COPATROCINADORES UNAIDS 2015 O QUE É A ONU MULHERES? A igualdade de gênero é obrigatória

Leia mais

sustentabilidade Futuro em construção futuro em construção

sustentabilidade Futuro em construção futuro em construção futuro em construção ONU apresenta relatório com a síntese de todo o trabalho desenvolvido até agora para definição e negociação da agenda pós-2015, com ações que guiarão o desenvolvimento global a partir

Leia mais

Governo de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento e Coordenação Geral Superintendência de Planejamento Coordenadoria de Avaliação

Governo de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento e Coordenação Geral Superintendência de Planejamento Coordenadoria de Avaliação Governo de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento e Coordenação Geral Superintendência de Planejamento Coordenadoria de Avaliação ET CA/SP/SEPLAN nº 02/2013 Evolução da extrema pobreza em Mato

Leia mais

Responsabilidade Social Empresarial. Profa. Dra.Sylmara Gonçalves-Dias

Responsabilidade Social Empresarial. Profa. Dra.Sylmara Gonçalves-Dias Responsabilidade Social Empresarial Conceitos e estratégias Profa. Dra.Sylmara Gonçalves-Dias Principais atores sociais quanto às ações sociais Estado ONGs Ações Sociais Empresas privadas Fonte: ZENONE,

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 78 Saneamento Brasil 10 de abril de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte,

Leia mais

O conceito de Trabalho Decente

O conceito de Trabalho Decente O Trabalho Decente O conceito de Trabalho Decente Atualmente a metade dos trabalhadores de todo o mundo (1,4 bilhão de pessoas) vive com menos de 2 dólares ao dia e portanto, é pobre quase 20% é extremamente

Leia mais

Cotas raciais nas universidades, a contradição do Brasil!

Cotas raciais nas universidades, a contradição do Brasil! Cotas raciais nas universidades, a contradição do Brasil! Nathália Norgi Weller 1 RESUMO: A partir do ano de 2001, entra em vigor a lei 3.708, que assegura a negros e pardos 20% das vagas nas universidades

Leia mais

Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí-Goiás. Fabiana dos Santos Santana Flávia Cristina da Silva

Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí-Goiás. Fabiana dos Santos Santana Flávia Cristina da Silva Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí-Goiás Fabiana dos Santos Santana Flávia Cristina da Silva Educação Especial: Formação dos Professores na Cidade de Itaberaí Itaberaí-GO

Leia mais

REQUERIMENTO (Do Sr. Dr. UBIALI)

REQUERIMENTO (Do Sr. Dr. UBIALI) REQUERIMENTO (Do Sr. Dr. UBIALI) Requer o envio de Indicação ao Poder Executivo, relativa à inserção do Cooperativismo como Tema Transversal nos currículos escolares do ensino Senhor Presidente: Nos termos

Leia mais

Desenvolvimento humano e objetivos do milênio. Disciplina: Geografia IFMG Campus Betim

Desenvolvimento humano e objetivos do milênio. Disciplina: Geografia IFMG Campus Betim Desenvolvimento humano e objetivos do milênio Disciplina: Geografia IFMG Campus Betim A grande heterogeneidade dos países em desenvolvimento Processo de descolonização da África e na Ásia gerou vários

Leia mais

CAMINHOS SEGUROS PARA O EMPREENDEDOR

CAMINHOS SEGUROS PARA O EMPREENDEDOR CAMINHOS SEGUROS PARA O EMPREENDEDOR 2012 Pedro Cascaes Filho; Dirceu Martins Pio Direitos desta edição adquiridos pela Paco Editorial. Nenhuma parte desta obra pode ser apropriada e estocada em sistema

Leia mais

Perspectivas de atuação da Assemae para fomento do saneamento básico no Brasil. Aparecido Hojaij Presidente da Assemae

Perspectivas de atuação da Assemae para fomento do saneamento básico no Brasil. Aparecido Hojaij Presidente da Assemae Perspectivas de atuação da Assemae para fomento do saneamento básico no Brasil Aparecido Hojaij Presidente da Assemae XV Assembleia da Assemae Regional de Santa Catarina 25 de agosto de 2015 Sobre a Assemae

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei nº de 21/10/1966

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei nº de 21/10/1966 CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICAS PÚBLICAS SELEÇÃO COMPLEMENTAR INTERNA JUNTO À UNVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PARA SELEÇÃO DE CANDIDATOS AO DOUTORADO INTERINSTITUCIONAL

Leia mais

OFERTA DA EDUCAÇÃO EM CACHOEIRA DO SUL: UM OLHAR SOBRE AS POLÍTICAS PÚBLICAS BRASILEIRAS

OFERTA DA EDUCAÇÃO EM CACHOEIRA DO SUL: UM OLHAR SOBRE AS POLÍTICAS PÚBLICAS BRASILEIRAS OFERTA DA EDUCAÇÃO EM CACHOEIRA DO SUL: UM OLHAR SOBRE AS POLÍTICAS PÚBLICAS BRASILEIRAS Mirian Cristina Hettwer Universidade Federal de Santa Maria mirian_hettwer@hotmail.com deboramellors@yahoo.com.br

Leia mais

Prof. Dra. Michelly L Wiese Assistente Social

Prof. Dra. Michelly L Wiese Assistente Social Prof. Dra. Michelly L Wiese Assistente Social 1988: Constituição Federal do Brasil Carta Cidadã do Brasil. Art. 194 - A Seguridade Social compreende um conjunto integrado de ações de iniciativa dos Poderes

Leia mais

GEOGRAFIA DA POPULAÇÃO - I -

GEOGRAFIA DA POPULAÇÃO - I - GEOGRAFIA DA POPULAÇÃO - I - DEMOGRAFIA POPULAÇÃO - conjunto de pessoas que habitam uma determinada área, classificada de vários aspectos: religião, etnia, local de moradia, atividades econômicas, faixa

Leia mais

Participação social é método de governar. Secretaria-Geral da Presidência da República

Participação social é método de governar. Secretaria-Geral da Presidência da República OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO Foram definidos para dar respostas aos principais problemas mundiais levantados nas conferências sociais que a ONU promoveu na década de 90: Criança (NY/90);

Leia mais

O Pacto Mundial para o Emprego:

O Pacto Mundial para o Emprego: O Pacto Mundial para o Emprego: Uma resposta à crise Escritório da OIT no Brasil Seminário sobre a Elaboração do PNTD e a Participação dos Trabalhadores São Paulo, 29 de setembro de 2009 Objetivo estratégico

Leia mais

Paulo Jannuzzi ENCE/IBGE

Paulo Jannuzzi ENCE/IBGE Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e as oportunidades para o aprimoramento no monitoramento e avaliação de políticas públicas em nível subnacional: reflexões a partir da experiência da SAGI/MDS Paulo

Leia mais

GT 3. Classes sociais e transformações no mundo do trabalho - Painel. Ana Lúcia Kraiewski Ana Patrícia Nalesso **

GT 3. Classes sociais e transformações no mundo do trabalho - Painel. Ana Lúcia Kraiewski Ana Patrícia Nalesso ** Anais do IV Simpósio Lutas Sociais na América Latina ISSN: 2177-9503 Imperialismo, nacionalismo e militarismo no Século XXI 14 a 17 de setembro de 2010, Londrina, UEL GT 3. Classes sociais e transformações

Leia mais

Transformações socioeconômicas e gestão territorial: o caso do município de Boa Esperança PR

Transformações socioeconômicas e gestão territorial: o caso do município de Boa Esperança PR Planejamento e Gestão do Território Transformações socioeconômicas e gestão territorial: o caso do município de Boa Esperança PR Tatiane Teonila da Silva 1 Fábio Rodrigues da Costa 2 Resumo: A pesquisa

Leia mais

Helena A Wada Watanabe 2012

Helena A Wada Watanabe 2012 Helena A Wada Watanabe 2012 Política * É uma atividade mediante a qual as pessoas fazem, preservam e corrigem as regras gerais sob as quais vivem. * É inseparável tanto do conflito como da cooperação (valores

Leia mais

São Paulo, 17 de Agosto de 2012

São Paulo, 17 de Agosto de 2012 São Paulo, 17 de Agosto de 2012 Discurso do Presidente do Banco Central do Brasil, Alexandre Tombini, no 22º Congresso da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores - Fenabrave Senhoras

Leia mais

Sociologia da Pobreza

Sociologia da Pobreza Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Filosofia e Ciências Humanas Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política 2016/2 Prof. Dr. Pedro Simões Sociologia da Pobreza Ementa: O curso visa discutir

Leia mais

QUESTÃO SOCIAL, POLÍTICA SOCIAL E SERVIÇO SOCIAL: BREVES CONSIDERAÇÕES. Eixo temático: Questão Social e Serviço Social

QUESTÃO SOCIAL, POLÍTICA SOCIAL E SERVIÇO SOCIAL: BREVES CONSIDERAÇÕES. Eixo temático: Questão Social e Serviço Social ISSN 2359-1277 QUESTÃO SOCIAL, POLÍTICA SOCIAL E SERVIÇO SOCIAL: BREVES CONSIDERAÇÕES Ariani Juliana Geronimo, arianijuly11@gmail.com Kézia de Almeida Franco, kesia_franco@hotmail.com Nayara Cristina Bueno

Leia mais

A formação e a diversidade cultural da população brasileira; Aspectos demográficos e estrutura da população brasileira.

A formação e a diversidade cultural da população brasileira; Aspectos demográficos e estrutura da população brasileira. A formação e a diversidade cultural da população brasileira; Aspectos demográficos e estrutura da população brasileira. A formação e a diversidade cultural da população brasileira Os primeiros habitantes

Leia mais

O PROEJA, A FORMAÇÃO PROFISSIONAL E O MUNDO DO TRABALHO

O PROEJA, A FORMAÇÃO PROFISSIONAL E O MUNDO DO TRABALHO O PROEJA, A FORMAÇÃO PROFISSIONAL E O MUNDO DO TRABALHO ROSMANN, Márcia Adriana 1 Palavras-chave: Educação. Jovem-Adulto. Profissionalização. Cidadania. A Educação de Jovens e Adultos foi implementada

Leia mais

Políticas Públicas Intersetoriais - A Relação Intersetorial na Consolidação da Proteção Social.

Políticas Públicas Intersetoriais - A Relação Intersetorial na Consolidação da Proteção Social. Ministério do Políticas Públicas Intersetoriais - A Relação Intersetorial na Consolidação da Proteção Social. Rômulo Paes Secretário Executivo do Ministério do Combate à Fome Rio de Janeiro, 30 de novembro

Leia mais

PARTICIPAÇÃO DEMOCRÁTICA E CONTROLE SOCIAL NA POLÍTICA PÚBLICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL. Eixo Temático: Política Social e Trabalho

PARTICIPAÇÃO DEMOCRÁTICA E CONTROLE SOCIAL NA POLÍTICA PÚBLICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL. Eixo Temático: Política Social e Trabalho ISSN 2359-1277 PARTICIPAÇÃO DEMOCRÁTICA E CONTROLE SOCIAL NA POLÍTICA PÚBLICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Letícia Guilherme de Almeida, letyalmeida_socdfs@hotmail.com Profª Ms. Nayara Cristina Bueno (Orientadora);

Leia mais

COPATROCINADOR UNAIDS 2015 UNFPA FUNDO DE POPULAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS

COPATROCINADOR UNAIDS 2015 UNFPA FUNDO DE POPULAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS COPATROCINADOR UNAIDS 2015 UNFPA FUNDO DE POPULAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS COPATROCINADORES UNAIDS 2015 UNFPA O QUE É O UNFPA? O Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) se esforça para oferecer um mundo

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL. Ações da Secretaria Nacional de

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL. Ações da Secretaria Nacional de Ações da Secretaria Nacional de Assistência Social - MDS CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1988 Art. 194 A Seguridade social compreende um conjunto integrado de ações de iniciativa dos poderes públicos e da sociedade,

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO: O APROVEITAMENTO INTEGRAL ALIMENTAR

PROJETO DE INTERVENÇÃO: O APROVEITAMENTO INTEGRAL ALIMENTAR FACULDADE SALESIANA DE VITÓRIA GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL KARLA FRANCINE MOREIRA DE JESUS(MB) ARQUIVO DISPONIBILIZADO NA BIBLIOTECA VIRTUAL DO PROJETO REDESAN Título: Projeto de Intervenção: O Aproveitamento

Leia mais

AGENDA PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

AGENDA PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL AGENDA PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Além de integrar a missão e visão da FACISC, o Desenvolvimento Sustentável passa agora a ser uma de nossas Diretrizes de atuação. Desta forma, propondo a ampliação

Leia mais

AUTONOMIA FISCAL DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS E A CAPACIDADE DE GESTÃO DO SISTEMA DE SAÚDE

AUTONOMIA FISCAL DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS E A CAPACIDADE DE GESTÃO DO SISTEMA DE SAÚDE AUTONOMIA FISCAL DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS E A CAPACIDADE DE GESTÃO DO SISTEMA DE SAÚDE Daniela Savi Geremia 1 Fátima Teresinha Scarparo Cunha 2 Liliana Angel Vargas 2 INTRODUÇÃO A política de saúde constitui

Leia mais

VULNERABILIDADE SOCIAL E AS MULHERES NA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

VULNERABILIDADE SOCIAL E AS MULHERES NA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL VULNERABILIDADE SOCIAL E AS MULHERES NA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Priscila Semzezem, UNESPAR Universidade Estadual do Paraná Campus Paranavaí / FAMMA Faculdade Metropolitana de Maringá/ Pr. Brasil.

Leia mais

Duração. Idade preferencial. Folhas de papel Documento de apoio: Fotografias e Mapas. Trabalho em pares e em grupo Debate em grupo-turma Assembleia

Duração. Idade preferencial. Folhas de papel Documento de apoio: Fotografias e Mapas. Trabalho em pares e em grupo Debate em grupo-turma Assembleia Compreender a importância da educação para o desenvolvimento do mundo e para o combate às desigualdades. Reconhecer que nem todas as crianças têm acesso às mesmas oportunidades. Cidadania e Desenvolvimento;

Leia mais

Inovação substantiva na Administração Pública

Inovação substantiva na Administração Pública Inovação substantiva na Administração Pública XI Encontro Nacional de Escolas de Governo 10 e 11 de dezembro de 2015 Rosana Aparecida Martinez Kanufre Superintendência Instituto Municipal de Administração

Leia mais

O QUE ORIENTA O PROGRAMA

O QUE ORIENTA O PROGRAMA O QUE ORIENTA O PROGRAMA A Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres estabeleceu um diálogo permanente com as mulheres brasileiras por meio de conferências nacionais que constituíram um marco na

Leia mais