Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download ""

Transcrição

1

2

3

4

5

6

7 Dedicamos este livro a todos os alunos de graduação, mestrado e doutorado que participam ou participaram do Projeto AulaNet. Dedicamos também a todos que, implantando o ambiente AulaNet em suas organ izações ou atuando como professores ou aprendizes, produzem experiências e contribuem para o desenvolvimento de uma cultura de educação apoiada na Web e, em particular, associada de uma comunidade a este Projeto.

8 Apresentação Já se foi a época em que se via um intelectual comentando com ar intel igente: "Não gosto de computador. Prefiro a minha velha e boa máquina de escrever". De alguns anos para cá, a informática saiu das revistas especializadas para freqüentar as páginas dos jornais diários, das revistas em geral e para a televisão. Com o crescimento da capacidade dos computadores de estocar, transmitir e processar informações (o que permitiu a utilização de imagens, animações e sons) e com a redução dos preços dos equipamentos e serviços, a informática e a Internet se tornaram mais acessíveis, saindo da academia e das BBS (Bulletim Board System - um espécie de provedor popular anterior à disseminação da Internet) começando a chegar a uma significativa parcela da população. Com o crescimento do número de usuários, os interesses se deslocaram do campo das questões de tecnologia, informática, equipamentos, programas, etc., para - os serviços que a Internet poderia vir a oferecer.

9 A Educação na Era da Internet A primeira grande discussão que ganhou a mídia aconteceu quando as empresas começaram a entrar na Internet. Durante 1997, 1998 e 1999, por toda a parte só se ouviu falar de e-bank, de e-business, de e-commerce, enfim, de negócios e coisas que diziam respeito aos interesses e dinâmica das empresas na Internet. Como desdobramento, descobriu-se a possibilidade de emprego que essa indústria criava, num momento em que eles minguavam por toda parte. Foi nesse quadro que, nesses dois últimos anos, começou-se a falar, primeiro esporadicamente, depois incessantemente, de Educação à Distância usando a Internet. No início, esta discussão apareceu ainda impulsionada pelas empresas: afinal, essa dinâmica poderia viabilizar a formação e treinamento dos seus trabalhadores, de maneira mais veloz e mais barata. Isso seria bom para as em-... presas, que poderiam garantir e baratear a preparação de seu pessoal. Mas, ao mesmo tempo, interessava aos profissionais, que viam aí uma nova fonte de trabalho e prestação de serviços. Mais recentemente, a discussão sobre educação à distância invadiu os espaços da educação formal, dos organismos de financiamento, das secretarias de educação, das reitorias, diretorias, coordenações e mesmo de uma grande parcela de professores que começaram a perceber as potencial idades dessas novas tecnologias, ou, simplesmente, acordaram para o fato de que era necessário descobrir do que se tratava... para não ficar para trás. Desde então, um grande número de pessoas, organizações e empresas tem se dedicado à atividade de construir recursos, instrumentos e experiências práticas de educação à distância. Por um lado, temos o esforço de profissionais de informática que procuram ampliar os recursos e tornar as máquinas mais acessíveis aos profissionais de educação. Por outro, temos professores e organiza-

10 Apresentação ções educacionais que começam a desbravar esta fronteira desconhecida da educação, que deixava de estar sob o confortável controle de antes, no interior das salas de aulas e dos departamentos. A utilização da informática no Brasil já vinha se generalizando na universidade e em centros de pesquisa, e depois de muitas tentativas fracassadas, começou a penetrar no ensino primário e secundário (inicialmente nas escolas privadas, mas agora tendendo a general izar-se para todo o ensino). No ensino superior, sua utilização já é massiva como meio de comunicação (mensagens e circulação de documentos e textos), como instrumento de informação e pesquisa (Web) e, num grau menor, como elemento de debate nos grupos de discussão. Em alguns casos, ainda raros, são utilizados programas de chat (conversas à distância pelo teclado), de vídeo e videoconferência, de simulações, de sustentação e de secretaria de grupos de trabalho (operando à distância). Em casos mais raros ainda, existem experiências mais sofisticadas como asde operação à distância (por exemplo, telemedicina) e de utilização de realidade virtual. Ainda que não tenha se implantado na estrutura formal de educação, os recursos da Internet para uma atividade educativa se tornam cada vez mais acessíveis ao grande público, impulsionados por provedores e empresas que buscam ampliar sua gama de serviços para atrair o público, criando áreas de entretenimento, de educação e de edição (de todo o tipo de "publicação" - texto, sons, imagens e animações). O grande problema é que o "ambiente" para utilização destes instrumentos de úma maneira sistemática ainda não está disponível. Os seus instrumentos e ferramentas não são ainda suficientemente fáceis de manipular; os preços ainda não os tornaram suficientemente acessíveis para parcelas amplas da população. - Mas

11 A Educação na Era da Internet existe um problema maior, em particular, que é uma certa incompatibilidade entre as culturas, as práticas educativas, as formas de organização e a própria concepção de educação tradicionais em nossa estrutura educacional e a chamada Instrução Baseada na Web. Informática Educativa: uma H istória de Tropeços Parte das dificuldades para a utilização de recursos de informática na educação e de uma certa resistência dos seus profissionais em incorporar as novas tecnologias está ligada à própria história da tentativa de implantação de informática nas atividades das escolas em nosso país. Em primeiro lugar, porque para o educador, qualquer atividade que envolva computadores aparece como herdeira e continuadora da política de "Tecnologia Educacional" impulsionada a partir do final da década de 1960, quando se procurou levar a escola a um "funcionamento racional de formação de mão de obra". À época, era flagrante a crise que se manifestava na estrutura, no conteúdo e nos métodos arcaicos de uma prática educativa que não respondia às necessidades de desenvolvimento do país. O que marca as iniciativas nesta área, que se articulam com outras como os Acordos MEC-Usaid e com a política de privatização da educação (que estão na origem das grandes mobilizações estudantis de 1968), é a supervalorização da Tecnologia Educacional - o tecnicismo educacional - como solução apresentada para os problemas da educação brasileira. As Tecnologias Educativas (TVs, videocassete, retroprojetor, etc.) eram vistas como tendo um caráter

12 Apresentação.«racionalizador e propulsor de u-m aumento de produtividade, em uma concepção da escola como tendo o funcionamento similar à organização fabril, onde os instrumentos se destacam em detrimento dos sujeitos do processo de ensino-aprendizagem. A supervalorização instrumental, reflexo de políticas que não alcançavam a raiz dos problemas que a educação vivia, terminou, apenas, por tornar mais operativo o mesmo modelo tradicional vigente e criar entre muitos educadores um sentimento de descrédito em relação à introdução de tecnologias no processo educativo. Na década de 1980, o uso das Tecnologias Educacionais voltou a ser re-valorizado, agora tendo o computador como um dos seus instrumentos centrais. Como no final da década de 60, essa nova experiência não partiu da decisão dos educadores, mas da iniciativa de altos escalões do governo brasileiro. Em 1980, a Secretaria Especial de Informática (órgão ligado à presidência da República) criou a Comissão Especial de Educação com o objetivo de criar normas e diretrizes para a área da informação. Nos anos 1981 e 1982, foram realizados o I e II Seminário Nacional de Informática na Educação envolvendo, pela primeira vez, pessoas ligadas diretamente ao processo educacional. Estesseminários mostraram uma comunidade educativa ressabiada com as experiências anteriores de Tecnologia Educacional. Entre as recomendações do seminário, conforme Ramon de Oliveira, se destacam: (a) A preocupação em afirmar que investir em Tecnologia Educacional não era resposta aos problemas que vivia a educação: "não (se deve) considerar o uso de computadores e recursos computacionais como a nova panacéia para enfrentar problemas de educação básica ou como substituto eficaz das carências em - larga

13 A Educação na Era da Internet elementa- escala de docentes e recursos instrucionais res ou de outra natureza"; (b) a preocupação quanto ao uso indiscriminado de programas estrangeiros que pudessem influenciar os conceitos e padrões culturais nacionais: "que as atividades de informática na educação sejam balizadas por valores culturais, sociopolíticos e pedagógicos da realidade brasileira"; (c) a preocupação quanto ao investimento em máquinas, apenas para "satisfazer os interesses do mercado, principalmente ao considerarmos que, no Brasil, o início do uso dos computadores nas escolas públicas ocorreu no momento em que se investia no crescimento e no favorecimento das indústrias brasileiras de informática". Apesar destas preocupações, os participantes de ambos seminários se declararam favoráveis a que o governo viabilizasse "recursos como forma de desenvolver atividades de pesquisa e experimento sobre o uso dos computadores na educação", em particular, criando projetos pilotos de caráter experimental. Esta proposta veio se materializar em 1983 no Projeto Educom (Educação com Computadores), quando foram criados cinco projetos pilotos com o objetivo de desenvolvimento de pesquisas e disseminação do uso de computadores no processo de ensino. Mesmo passando grandes dificuldades, inerentes ao próprio ineditismo da atividade e devido à falta de continuidade dos recursos, eles serviram para acumular uma certa experiência e criar condições para duas iniciativas importantes. O Projeto Formar, visando a preparação de professores e técnicos das redes municipais e estaduais de ensino, e o projeto da criação dos Centros de Informática e Educação (Projeto Cied), - O Projeto dos Cieds, em 1987, representou uma nova etapa da Informática Educativa onde se dá uma

14 Apresentação descentralização, do MEC para as Secretarias Municipais e Estaduais que passam a participar da construção dos Laboratórios, elemento chave nesta nova etapa. EssesLaboratórios, instalados no interior da Escola, seriam uma espécie de frente avançada do processo de informatização da educação, se constituindo em equipes e espaços de experimentação, que posteriormente serviriam de difusão para outros professores e alunos. dos anos seguintes foram frustran- dos recursos, a ausência de supor- As experiências tes. A descontinuidade te, a falta de preparação das equipes constituídas, a ausência de discussão e de participação mais ampla de professores e estudantes, excetuando-se casos isolados onde a dedicação e a criatividade permitiram algumas experiências interessantes, terminaram por paralisar e isolar os Laboratórios no interior da Escola. A falta de infra-estrutura, ainda que não exclusiva deste projeto, visto o quadro deficitário das escolas públicas, teve nesta atividade conseqüências mais graves, pois além das dificuldades próprias de uma prática sem tradição, a obsolescência extremamente rápida da informática e a falta de manutenção podem paralisar as atividades. Acrescente-se às dificuldades o fato de professores, alunos e funcionários que até aqui haviam sido marginalizados do processo de elaboração e decisão sobre estas políticas verem, agora, seu papel reduzido a mero aplicadores de decisões preestabelecidas, cobrados por uma política e iniciativas das quais não tinham sido constituintes. Os computadores que chegavam às escolas provocavam reações contraditórias: por um lado, eram vistos como algo que poderia melhorar e facilitar o trabalho (tanto administrativo quanto educativo). por outro, vistos como improdutivos, como um desperdício do dinheiro que faltava em tantas coisas "mais - importantes".

15 A Educação na Era da Internet A falta de participação de educadores e educandos no processo de elaboração de uma política para introdução do computador na escola, assim como a descontinuidade dos investimentos e suporte, cobravam seu preço paralisando as iniciativas. Mas, na realidade, existia um problema mais geral que era uma confusão entre uti lizar a informática na prática educativa e ensinar informática. A informática, nessa época, e de uma certa maneira até nossos dias, ainda era uma atividade de informáticos. Para a comunicação com a máquina ainda eram utilizados sistemas baseados em comandos, e a util ização de recursos gráficos, baseados no uso do mouse e na representação de uma mesa de trabalho, ainda davam seus primeiros passos. Os poucos aplicativos que o leigo em informática conseguia usar (como editor de textos e planilhas), exigia ainda o conhecimento de sistemas operacionais, de comandos e codificações. A interatividade era ainda praticamente nula. Nestas condições, os computadores não podiam ser acessíveis à grande massa de professores e só atraiam aqueles que percebiam as potencial idades ainda não realizadas pela informática. A tônica dos poucos programas educativos existentes apoiava-se no computador apenas como algo capaz de substituir atividades repetitivas desempenhadas pelo homem, de ajudá-ios na memorização ou para a transferência de informações para o aluno. Neste quadro, a "educação utilizando informática" praticamente inexistia e o que se fazia era "ensino de informática". O programa do curso de formação dos professores (um pouco o que era feito em todo o Brasil), realizado pelo Educom!UFPE em 1988, nos mostra o quanto a -atividade de informática educativa estava longe do cotidiano dos professores:

16 Apresentação 1) Introdução à microinformática; 2) Introdução à linguagem algorítmica; 3) Introdução à programação Logo; 4) Ensino de informática na escola; 5) Desenvolvimento cognitivo, cultura e ensino; 6) Informática, educação e sociedade; 7) Utilitários I; 8) Prática do ensino de Informática; 9) Prática de Laboratório de Informática; 10) Estudo individual assessorado e 11) Estágio nas escolas do NAE (Projeto Educom, 1988). Um curso deste tipo era algo muito distante da vida das escolas e necessitava um esforço dos educadores que não se justificava, já que os resultados eram muito limitados e que eles tinham mais com que se preocupar, envolvidos nas dificu Idades próprias do precário sistema educativo e de sua atividade do dia-a-dia. Refletia uma iniciativa que não partia das pessoas envolvidas no cotidiano da atividade educativa, mas de pessoas ligadas ao aparato burocrático do Estado, preocupadas em levar este recurso para o interior das escolas, de formar mão-de-obra capacitada e mercado para a indústria de informática que estava em expansão, bem como pela necessidade de formação de um novo tipo de trabalhador e de prestador de serviços adequados às necessidades de uma economia que cada vez mais incorporava as mudanças promovidas pela informática. Existe uma associação do conceito de tecnologia ao moderno, ao novo e, em particular, às máquinas eletromecânicas e agora às máquinas de informática. Mas, tecnologia existe em qualquer atividade humana. A escola sempre utilizou uma tecnologia que aparece na organização do espaço escolar, na sala de aula, nos instrumentos de trabalho (quadro-negro, giz, livros, apostilas, cadernos, borrões, mimeógrafos, retroprojetores, etc.) e no privilégio da palavra e da escrita como elemento constituinte de - significados.

17 A Educação na Era da Internet Nem por isto precisamos de seminários e cursos de formação de professores do seguinte tipo: 1) Introdução às técnicas de impressão (a utilização do mimeógrafo, impressão a off-set, técnica da caneta tinteiro, etc.): 2) Introdução à linguagem gráfica; 3) Introdução à técnica de reunião de professores e de pais e mestres); 4) Ensino de giz e quadro-negro na escola; 5) Desenvolvimento cognitivo, cultura e ensino; 6) Processos Gráficos, educação e sociedade; 7) Utilitários I; 8) Prática de ensino de mimeógrafo; 9) Prática de Laboratório de Quadro-negro; 10) Estudo individual assessorado e 11) Estágio nas escolas do NAE (Projeto Edugiz, 1998). Ainda que estes assuntos envolvam a tecnologia educativa, usada ainda hoje na escola e que faz parte da formação dos professores aprender a utilizá-ias da melhor maneira possível, pensar um curso deste tipo como formação para professores seria uma evidente aberração, mais ou menos a mesma coisa do que se fazia com a tecnologia de informática, dando-lhe uma importância maior do que a prática pedagógica. A tecnologia educativa não pode estar desligada da teoria da educação que envolve várias ciências. A tecnologia, como a prática usada no ensino, é fruto de uma proposta político-pedagógica respaldada por conceitos que são o lastro dessa proposta. Ou seja, tanto faz o quadro de giz ou a Web, a tecnologia usada há de ser referendada para poder fazer sentido. A técnica, por si só, não forma nem o professor nem o aluno. Esta tecnologia é uma cristalização de práticas desenvolvidas nas atividades educativas. Ela é ao mesmo tempo a expressão de uma prática e um elemento que a modifica. Normalmente, uma tecnologia surge como uma pro- de uma prática anterior. Antes do giz e do -jeção quadro-

18 Apresentação negro, as pessoas escreviam ou desenhavam em algum suporte ou no chão, por exemplo, para ajudar a tornar mais visível ou fixar algo que estavam explicando. Esta prática evoluiu criando instrumentos particulares para melhorar esta forma de expressão; primeiro o quadro negro, depois os diapositivos, o retroprojetor, etc. Para fazer contas utilizavam os dedos, o ábaco e mais tarde a régua de cálculo. E ao se criarem estes instrumentos, estas práticas se generalizavam e ao mesmo tempo se modificavam em função das particularidades dos instrumentos criados. Quando uma tecnologia surge, ela parece substituir a prática anterior, ela tende a ganhar mais importância do que o que se faz com ela. Utilizá-Ia nesse momento exige o esforço de intervir e conhecer todos os seus mecanismos, para poder corrigir suas falhas, suprir suas lacunas, fazer as opções de desdobramento que ainda não se inscreveram em seus instrumentos. Se no primeiro momento se cria a tecnologia com o intuito de fazer melhor, mais rápido e com maior efetividade o que se fazia antes, no processo de consolidação de uma tecnologia, se começa a produzir novas práticas e novas maneiras de se fazer as mesmas coisas e outras. Quando a tecnologia está amadurecida e consolidada, ela parece desaparecer e se tornar invisível, jáque se incorpora à dinâmica do cotidiano (o qual ela também modificou), e a maneira de utilizá- Ia e o resultado da sua ação tendem a ganhar destaque sobre a tecnologia propriamente dita, que passa a ser parte do ambiente. Estas observações permitem entender um pouco o misto de dificuldades e potencial idades que cercam o estágio da Informática Educativa, em que falamos anteriormente (que de uma certa maneira ainda se manifesta até hoje). Vivíamos um momento em que a tecnologia informática - procurava ainda se constituir. Ela se propunha facilitar a

19 A Educação na Era da Internet - (mesma) prática que se tinha até aquele momento. Mas não realizava esta promessa, ao contrário ela somava novas dificuldades às dificuldades existentes, tanto maiores porque exigiam uma nova linguagem e novos conhecimentos, muito distantes da prática do educador. Nestas condições, a rejeição era um fato quase inevitável, em particular ao inexistir um trabalho de informação e de discussão entre educadores, funcionários e estudantes, e ao fato de se decidir sem eles os passos que deveriam ser seguidos. Os problemas que vivemos nesse período, pode-se dizer, são universais. Em um artigo publicado no "The American Prospect On Line", Paul Star cita as três fases por que passou a relação entre informática e educação nos Estados Unidos: (a) Na primeira metade dos anos 1950 até avançados anos 1980, os interesses maiores eram com o desenvolvimento da "Instrução Assistida por Computador" e com o ensino de programação do computador (em grande parte este esforço se deu através da organização de cursos de linguagens de programação). (b) Entre 1981 e 1989, com a propagação de computadores pessoais, os software aplicativos em geral e o início das interfaces gráficas (que começam a reduzir a necessidade de conhecimentos de linguagem de programação e comandos), os computadores ficam situados tipicamente em Laboratórios especiais. (c) A terceira fase começa na década passada, anos 1990, com o advento da multimídia, com o crescimento explosivo da Internet, da Web e com a integração da informática e do computador no trabalho e na vida cotidiana. A história da educação no Século XX foi marcada por previsões e expectativas fracassadas de revoluções da educação a partir da incorporação de tecnologias. Em

20 Apresentação 1913, Thomas Edison previu que os livros nas escolas logo estariam obsoletos por causa do cinema. O mesmo aconteceu quando o rádio foi inventado nos anos 1920 e 30 e com a televisão a partir dos anos Em seu livro "Os professores e as Máquinas", Larry Cuban aponta que estas expectativas foram decepcionadas repetidamente, apesar do esforço e do investimento "não pelas razões que geralmente se afirma - execução deficiente, dinheiro insuficiente, resistência dos professores - mas por causa de um obstáculo mais fundamental: a lógica da sala de aula" (d. Star,1996). Segundo ele, "as ferramentas que os professores acrescentaram a seu repertório no correr do tempo (por exemplo o quadro-negro e o livro de textos) foram simples, duráveis, flexíveis e respondiam aos problemas encontrados pelo professor em suas demandas de instrução diária". Os filmes, o rádio e a televisão requeriam muito trabalho e esforço técnico específicos que dificultaram a sua relação com a sala de aula. Esta razão possibilitou que simplificações destas tecnologias, como o retroprojetor, os slides e o videocassete, passíveis em certo nível de se integrarem à lógica da sala de aula, fossem incorporados ao ensino, mesmo que de maneira limitada). O fracasso das primeiras fases da integração do computador à prática educativa parece seguir, aparentemente, o mesmo ciclo de entusiasmo e desapontamento e fracasso das previsões relativas à introdução na educação destas outras tecnologias. No entanto, já no percorrer da segunda fase, aparecem questões que se desviam do padrão das tentativas de introdução de outras tecnologias avançadas. A mais importante delas é que os computadores começam a atrai r - o interesse não apenas dos administradores mas, cada

21 A Educação na Era da Internet vez em maior número, dos estudantes e professores. Ao contrário do cinema, do rádio e da TV, os computadores se mostraram mais suscetíveis e úteis às atividades centradas no estudante e definidas pelo professor. E quando a Internet explode à luz do dia, elas começaram a se transformar cada vez mais naquelas ferramentas, definidas por Cuban, como "simples, duráveis, flexíveis e capazes de responder a necessidades definidas pelo professor em função das demandas de instrução diária". O período que passamos hoje no Brasil poderia ser relacionado com a transição da segunda para a terceira fase que ocorreu com a integração do computador à educação nos Estados Unidos. Ocorre, a nosso ver, uma simultaneidade entre ambas, como resultado de uma dinâmica que corresponde a uma trajetória nacional sobredeterminada pela sua integração em um processo mais geral de globalização. Se, por um lado, ainda não encontramos profissionais, estruturas e recursos aplicados dentro das escolas e do aparato educativo, capazes de introduzir o computador na dinâmica da escola, este equipamento e, em particular, a Internet, entraram a tal ponto no trabalho e na vida cotidiana de uma grande parcela da população, e ganharam a tal ponto repercussão na mídia que se incorporaram à prática educativa dos estudantes e professores por fora da escola. Hoje, o computador é usado como editor de texto, como planilha eletrônica, como instrumento de edição e publicação de pequenos trabalhos, como agenda, como meio de comunicação e pesquisa, como entretenimento, por uma grande parte do que se poderia chamar a comunidade educativa, mesmo que não -de maneira intensiva.

22 Apresentação Neste sentido, criaram-se as bases para uma real incorporação da informática à prática educativa em nosso país. Por Que este livro? '. Temos hoje um "parque informático" significativo no nosso país (equipamentos e programas em instituições, empresas e residências); temos já uma significativa parcela da população alfabetizada em informática (alguns milhões de usuários da Internet, de computadores pessoais, de celulares e outros serviços informáticos e telernáticos). Se observarmos esta real idade, não podemos deixar de estranhar a precariedade da utilização da informática na prática educativa. Estadebilidade não é fruto da falta de esforços. Dois caminhos, não excludentes, têm sido empreendidos. Por um lado, um esforço de equipar as escolas (criação de laboratórios, salas, classes e cursos pilotos ou mesmo escolas especiais) e informatizar serviços (bancos de dados administrativos, biblioteca, serviços de edição, etc.). Por outro lado, existem iniciativas de criação de ambientes informáticos que aproximam a máquina dos usuários. Instituições de ensino e empresas têm produzido programas e sistemas voltados para a criação deste tipo de ambiente. Em alguns casos são ambientes particulares, como os laboratórios de que já falamos, cursos usando CD-ROM e a Internet, bibliotecas digitais, quadros de avisos, serviços de mensagens da instituição e dos cursos, assim como comunicação entre alunos e professores, home-pages e bancos de dados.

23 A Educação na Era da Internet --l Mas cada passo dado parece provocar um sem número de reações e dificuldades já que entram em contradição com culturas, hábitos e instrumentos arraigados e incrustados em nossas práticas educativas, comunicativas e culturais, criadas por tecnologias e relações sociais anterrores. Muitas das experiências que vivemos fracassam ao tentar reproduzir a mesma prática anterior utilizando as novas tecnologias. A grande questão, que não está resolvida, é a criação de uma nova prática comunicativa e de processamento de informações condizentes com estas novas tecnologias. Numa sociedade de abastança de informações, onde o problema não é possuí-ia, mas achá-ia e descobrir sua relevância, onde os homens compartem seu poder com as máquinas ao compartir com elas seu processamento, e onde o controle da informação se torna inviável, não é mais possível manter a mesma prática educativa que antes. Por sua vez, a criação de uma nova cultura, de novos paradigmas, novos valores, hábitos e práticas não pode ser feita em laboratórios. Esta nova cultura se cria em práticas contraditórias, em idas e vindas, onde se alternam grandes experiências com fracassos (que às vezes ocorrem mesmo simultaneamente). Elas surgem de projetos, de práticas e de experiências onde se procura equipar o professor e dar sustentação a sua atividade. Uma experiência particularmente importante neste caminho é a de criação de ambientes telemáticos para o desenvolvimento de uma prática educativa, que rompendo a barreira do espaço físico da escola ensaia passos no terreno da comunicação digital. Uma práti- educativa que não se baseia na continuidade do -ca tem-

24 Apresentação '- ṙ. po, que é independente de distâncias e que não se referencia no espaço físico, e que, ao "abol i-lo" (ou ao torná-io único) subverte toda prática educativa pré-existente. Este livro procura refletir sobre este tipo de prática e contribuir para a criação desta cultura. Ele procura apresentar, para os que desbravam este caminho, um conjunto de idéias, técnicas, metodologias e experiências construídas por uma equipe de professores e estudantes, coordenados pelos professores Carlos Lucena e Hugo Fuks, autores deste livro. Esta experiência se articula em torno da criação do ambiente AulaNet, a partir de uma estrutura conceitual para a implementação de inovações tecnológicas em educação baseada em três argumentos: A adoção precede a mudança - Para que qualquer mudança pretendida ocorra, a inovação tem que ser adotada em primeiro lugar pelos alunos e professores; Realização é re-criação - O processo de implementação de uma inovação é, em essência, um processo de re-criação no qual professores e alunos reinterpretam a inovação em seus próprios termos. Desta forma a real ização de uma inovação freqüentemente reflete um conjunto de soluções de compromisso entre a forma nova e a antiga de fazer as coisas. Aprendizado é a evolução do conhecimento - Seres humanos são ativos criadores de conhecimento, conhecimento mas falíveis. O criado deve ser refinado pela crítica dos seus pares. Os objetivos da equipe do Projeto Aulanet são: (a) Promover a adoção da Web como um ambiente educacional; (b) contribuir, sem impor, mudanças pedagógicas dando - suporte à re-criação;

25 A Educação na Era da Internet - (c) encorajar a evolução do conhecimento (tanto para alunos quanto para professores). Por esta própria concepção de estrutura conceitual, fica evidente que este Iivro não proporá uma receita de -i prática educativa, uma concepção fechada e definitiva do que será a educação na era da Internet, quanto mais não seja por entender que por um bom tempo trabalharemos com uma transição da prática educativa. O que ele faz é apresentar idéias, reflexões, teorias e experiências, muitas das quais servem também à educação presencia!. Um pouco também por isto, a edição do livro acompanhou esta idéia. Ele foi redigido e editado a partir de documentos, papers, aulas, em particular dos conteúdos do curso "Tecnologias de Informática Aplicadas à Educação" coordenado pelos autores deste livro, desenvolvido no próprio ambiente AulaNet. Na sua estruturação, permitindo redundâncias e desmembrando o material em cinco partes relativamente independentes, o editor procurou, deliberadamente, evitar a tentação da busca da coerência. Seria empobrecedor reduzir um material tão rico e multiforme, cujas diferentes partes podem interessar a públicos tão diferentes, a algo contínuo com início, meio e fim. Tivemos a preocupação de criar uma metainformação (uma informação da informação) através de notas para tornar o livro acessível a uma grande parcela de professores, aprendizes e agentes de cultura não habituados a linguagens da informática. Mas permitimos a sobrevivência das mesmas redundâncias, contradições, pontos de vista e linguagens diversificadas que encontramos na Internet e nessa experiência, onde o leitor se ai imenta dos conteúdos apresentados para os destruir, criando e construindo os seus próprios significados.

Aula 8 Conversação e rede social na web

Aula 8 Conversação e rede social na web Aula 8 Conversação e rede social na web Aula 8 Conversação e rede social na web Meta Apresentar um programa de voz sobre IP (VoIP), o Skype, e fazer uma breve introdução ao mundo das redes sociais online,

Leia mais

Projeto Blogs! Paraná. Autor: Rodrigo Asturian Jornalista da Companhia de Habitação do Paraná (Cohapar).

Projeto Blogs! Paraná. Autor: Rodrigo Asturian Jornalista da Companhia de Habitação do Paraná (Cohapar). Projeto Blogs! Paraná Autor: Rodrigo Asturian Jornalista da Companhia de Habitação do Paraná (Cohapar). Introdução Enquanto a tecnologia avança vertiginosamente, o problema da exclusão digital persiste

Leia mais

INTERNAUTA, O HOMEM E O MITO

INTERNAUTA, O HOMEM E O MITO INTERNAUTA, O HOMEM E O MITO No ano 2000, surgiu no mundo uma nova geração de seres. Esses estranhos personagens postulavam que a realidade virtual era mais importante do que a vida real. Comunicavam-se

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI Elaborado e adaptado por: Prof.Mestra Rosimeire Ayres Sistemas Colaborativos Empresariais (ECS) Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar

Leia mais

Profa Alessandra Regina Brito Mestre em Ciências Ambientais e Saúde Docente EAD Pós-graduações: Epidemiologia e Saúde Trabalhador Coordenação

Profa Alessandra Regina Brito Mestre em Ciências Ambientais e Saúde Docente EAD Pós-graduações: Epidemiologia e Saúde Trabalhador Coordenação Profa Alessandra Regina Brito Mestre em Ciências Ambientais e Saúde Docente EAD Pós-graduações: Epidemiologia e Saúde Trabalhador Coordenação Pedagógica Pós-graduação Epidemiologia Como surgiu a EAD O

Leia mais

LISTA ICONOGRÁFICA - (Lista de ícones do Ambiente Virtual)

LISTA ICONOGRÁFICA - (Lista de ícones do Ambiente Virtual) 1 SUMÁRIO Funcionamento dos Cursos... 04 Geração de Login e Senha... 05 Guia de Percurso... 07 Manual Acadêmico... 09 Ambiente Virtual de Aprendizagem... 11 Edição do Perfil... 13 Ambiente Colaborar e

Leia mais

Capítulo 3 Gerenciadores de EaD baseada na Internet

Capítulo 3 Gerenciadores de EaD baseada na Internet 57 Capítulo 3 Gerenciadores de EaD baseada na Internet Hoje em dia ter a Internet como aliada é um recurso indispensável para qualquer educador ou responsável por treinamento corporativo que atue em qualquer

Leia mais

O futuro do YouTube - VEJA.com

O futuro do YouTube - VEJA.com Entrevista O futuro do YouTube 29/08/2009 10:49 Por Leo Branco Nesta semana, Chad Hurley, de 32 anos, um dos criadores do YouTube, esteve no Brasil e falou a VEJA sobre o futuro do maior site de vídeos

Leia mais

DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE

DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE Mayara Teles Viveiros de Lira (UFAL) Maria Helena de Melo Aragão (UFAL) Luis Paulo Leopoldo Mercado (UFAL) Resumo Este estudo analisa

Leia mais

INTERNET -- NAVEGAÇÃO

INTERNET -- NAVEGAÇÃO Página 1 Acessando endereços simultaneamente Parte 2 Um recurso interessante e extremamente útil é o de abrir várias janelas ao mesmo tempo. Em cada janela você poderá acessar um endereço diferente na

Leia mais

MANUAL DOSVOX INTRODUÇÃO

MANUAL DOSVOX INTRODUÇÃO MANUAL DOSVOX INTRODUÇÃO O DOSVOX é um sistema para microcomputador da linha PC que se comunica com o usuário através de síntese de voz, viabilizando, o uso de computadores por deficientes visuais INICIANDO

Leia mais

Mídia, linguagem e educação

Mídia, linguagem e educação 21 3 22 Mídia, Linguagem e Conhecimento Segundo a UNESCO (1984) Das finalidades maiores da educação: Formar a criança capaz de refletir, criar e se expressar em todas as linguagens e usando todos os meios

Leia mais

A EDUCAÇÃO ALIADA AS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (NTIC)

A EDUCAÇÃO ALIADA AS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (NTIC) A EDUCAÇÃO ALIADA AS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (NTIC) José Wellithon Batista Zacarias (1); Programa de Pós Graduação, Faculdade Leão Sampaio - wellithonb@gmail.com RESUMO No mundo informatizado

Leia mais

COMENTÁRIOS DA PROVA CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - SP

COMENTÁRIOS DA PROVA CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - SP Olá pessoal, Tivemos neste último domingo (09/05/2010) a aplicação da prova da CEF para a região de SP e RJ, uma prova que todo resto Pais aguarda ansiosamente os comentários, já que servirá de base para

Leia mais

A Intel espera uma redução de 20% nos custos de audioconferências com solução de comunicações unificadas

A Intel espera uma redução de 20% nos custos de audioconferências com solução de comunicações unificadas Microsoft Office System Estudo de caso da solução do cliente A espera uma redução de 20% nos custos de audioconferências com solução de comunicações unificadas Visão geral País ou região: Estados Unidos

Leia mais

Unidade I TECNOLOGIA. Material Instrucional. Profª Christiane Mazur

Unidade I TECNOLOGIA. Material Instrucional. Profª Christiane Mazur Unidade I TECNOLOGIA EDUCACIONAL EM EAD Material Instrucional Profª Christiane Mazur Ensinar Ensinar é, também, a arte de estimular o desejo de saber. EAD - Brasil 1904: Correspondência impressos; 1923:

Leia mais

Sistema de Gestão de Aulas

Sistema de Gestão de Aulas Sistema de Gestão de Aulas criando cultura para o Ensino a Distância e melhorando o processo ensino-aprendizagem pela internet RICARDO CREPALDE* RESUMO O objetivo deste artigo é apresentar a experiência

Leia mais

TCC2036. fevereiro de 2006. Pricila Kohls dos Santos. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS. pricilas.ead@pucrs.

TCC2036. fevereiro de 2006. Pricila Kohls dos Santos. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS. pricilas.ead@pucrs. 1 O PEDAGOGO EM MULTIMEIOS E INFORMÁTICA EDUCATIVA E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A EFICÁCIA DA UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA EDUCAÇÃO TCC2036 fevereiro de 2006 Pricila Kohls dos Santos

Leia mais

Peça para um amigo baixar o programa também, e você pode começar a experimentar o VoIP para ver como funciona. Um bom lugar para procurar é

Peça para um amigo baixar o programa também, e você pode começar a experimentar o VoIP para ver como funciona. Um bom lugar para procurar é VOIP Se você nunca ouviu falar do VoIP, prepare-se para mudar sua maneira de pensar sobre ligações de longa distância. VoIP, ou Voz sobre Protocolo de Internet, é um método para pegar sinais de áudio analógico,

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB

TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB Gestão do Conhecimento hoje tem se materializado muitas vezes na memória organizacional da empresa. O conteúdo

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

SISTEMAS INTELIGENTES DE APOIO À DECISÃO

SISTEMAS INTELIGENTES DE APOIO À DECISÃO SISTEMAS INTELIGENTES DE APOIO À DECISÃO As organizações estão ampliando significativamente suas tentativas para auxiliar a inteligência e a produtividade de seus trabalhadores do conhecimento com ferramentas

Leia mais

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para:

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para: INSTITUIÇÃO: IFRS CAMPUS BENTO GONÇALVES CNPJ: 94728821000192 ENDEREÇO: Avenida Osvaldo Aranha, 540. Bairro Juventude. CEP: 95700-000 TELEFONE: (0xx54) 34553200 FAX: (0xx54) 34553246 Curso de Educação

Leia mais

Noções de Informática

Noções de Informática Noções de Informática 2º Caderno Conteúdo Microsoft Excel 2010 - estrutura básica das planilhas; manipulação de células, linhas e colunas; elaboração de tabelas e gráficos; inserção de objetos; campos

Leia mais

Novo mundo, nova web, novas habilidades

Novo mundo, nova web, novas habilidades Novo mundo, nova web, novas habilidades Novo mundo. Globalizado.. Comunicação possível 24 horas/dia, 7 dias/semana. Empresas tornam-se multinacionais. Trabalhadores podem estar em qualquer lugar. (orientais

Leia mais

Consultoria para desenvolvimento de estratégias de treinamento on-line

Consultoria para desenvolvimento de estratégias de treinamento on-line 1 2 A HIPOCAMPUS é uma empresa de consultoria em comunicação e ensino digital com foco nos profissionais de saúde. Estamos prontos a auxiliar empresas dos diferentes segmentos da área de saúde a estabelecer

Leia mais

Editor de Questões E24H

Editor de Questões E24H Editor de Questões E24H Conteúdo: Apresentação O que é o Editor de Questões Objetivos Potencialidades Vantagens adicionais Visualização no site (Quem acessa o Editor de Questões) (não Para quem o Editor

Leia mais

Modelos educacionais e comunidades de aprendizagem

Modelos educacionais e comunidades de aprendizagem Modelos educacionais e comunidades de aprendizagem Temos literatura abundante sobre comunidades de aprendizagem, sobre a aprendizagem em rede, principalmente na aprendizagem informal. A sociedade conectada

Leia mais

Inovação e o Telejornalismo Digital

Inovação e o Telejornalismo Digital Inovação e o Telejornalismo Digital Prof. Antonio Brasil Cátedra UFSC - RBS 2011 Telejornalismo Digital Novas práticas, desafios e oportunidades O que é Telejornalismo Digital Inovação tecnológica Interatividade

Leia mais

1. Apresentação. 1.1. Conexão Digital para o Desenvolvimento Social. 1.2. Engajamento na Iniciativa

1. Apresentação. 1.1. Conexão Digital para o Desenvolvimento Social. 1.2. Engajamento na Iniciativa 1. Apresentação 1.1. Conexão Digital para o Desenvolvimento Social A conexão Digital para o Desenvolvimento Social é uma iniciativa que abrange uma série de atividades desenvolvidas por ONGs em colaboração

Leia mais

FACULDADE ZACARIAS DE GÓES

FACULDADE ZACARIAS DE GÓES FACULDADE ZACARIAS DE GÓES DIEGO DE JESUS BONFIM EDUCAÇÃO ONLINE Valença Bahia Dezembro 2011 DIEGO DE JESUS BONFIM EDUCAÇÃO ONLINE Resenha a ser apresentada como avaliação da disciplina EAD em Ambiente

Leia mais

SOFTWARE EDUCACIONAL: O DIFÍCIL COMEÇO

SOFTWARE EDUCACIONAL: O DIFÍCIL COMEÇO SOFTWARE EDUCACIONAL: O DIFÍCIL COMEÇO TEIXEIRA, Adriano Canabarro 1 BRANDÃO, Edemilson Jorge Ramos 2 Resumo: O presente artigo tem por objetivo discutir questões referentes ao papel do software educacional

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE O USO DA INTERNET NO PROCESSO EDUCACIONAL: O DESAFIO PARA OS PROFESSORES

Leia mais

apresentação de serviços

apresentação de serviços apresentação de serviços Nos últimos 50 anos a humanidade gerou mais informações do que em toda sua história anterior. No mercado corporativo, o bom gerenciamento de informações é sinônimo de resultados.

Leia mais

Informática. Prof. Macêdo Firmino. Macêdo Firmino (IFRN) Informática Setembro de 2011 1 / 25

Informática. Prof. Macêdo Firmino. Macêdo Firmino (IFRN) Informática Setembro de 2011 1 / 25 Informática Prof. Macêdo Firmino Introdução a Informática Macêdo Firmino (IFRN) Informática Setembro de 2011 1 / 25 O Que é um Computador? É uma máquina composta de um conjunto de partes eletrônicas e

Leia mais

Análise e Projeto de Sistemas. Engenharia de Software. Análise e Projeto de Sistemas. Contextualização. Perspectiva Histórica. A Evolução do Software

Análise e Projeto de Sistemas. Engenharia de Software. Análise e Projeto de Sistemas. Contextualização. Perspectiva Histórica. A Evolução do Software Análise e Projeto de Sistemas Análise e Projeto de Sistemas Contextualização ENGENHARIA DE SOFTWARE ANÁLISE E PROJETO DE SISTEMAS ENGENHARIA DA INFORMAÇÃO Perspectiva Histórica Engenharia de Software 1940:

Leia mais

Inteligência Artificial

Inteligência Artificial Inteligência Artificial As organizações estão ampliando significativamente suas tentativas para auxiliar a inteligência e a produtividade de seus trabalhadores do conhecimento com ferramentas e técnicas

Leia mais

TECNOLOGIAS DA COMUNICAÇÃO E DA INFORMAÇÃO: novos desafios para o educador

TECNOLOGIAS DA COMUNICAÇÃO E DA INFORMAÇÃO: novos desafios para o educador TECNOLOGIAS DA COMUNICAÇÃO E DA INFORMAÇÃO: novos desafios para o educador Maceió AL, maio/2009 Luis Paulo Leopoldo Mercado Universidade Federal de Alagoas lpmercado@oi.com.br Categoria: B- Conteúdos e

Leia mais

Fundamentos da Informática

Fundamentos da Informática 1 PROCESSAMENTO DE DADOS I - FUNDAMENTOS A) CONCEITO DE INFORMÁTICA - é a ciência que estuda o tratamento automático e racional da informação. B) PROCESSAMENTO DE DADOS 1) Conceito Processamento de dados

Leia mais

Atividade Capitulo 6 - GABARITO

Atividade Capitulo 6 - GABARITO Atividade Capitulo 6 - GABARITO 1. A Internet é uma força motriz subjacente aos progressos em telecomunicações, redes e outras tecnologias da informação. Você concorda ou discorda? Por quê? Por todos os

Leia mais

Jan.2012. Características Gerais do Sistema:

Jan.2012. Características Gerais do Sistema: Jan.2012 Características Gerais do Sistema: O Software Global Cartórios traz um conceito novo em uma plataforma inovadora que reúne todas as especialidades em um único sistema. O Global Cartórios é um

Leia mais

2. O que informatizar?

2. O que informatizar? A INFORMÁTICA NO CONSULTÓRIO MÉDICO No fascículo anterior, comentamos como a gestão de custos, mesmo sendo feita de maneira simplista, auxilia o consultório a controlar e avaliar seus resultados, permitindo

Leia mais

Introdução ao Moodle (1.6.5+)

Introdução ao Moodle (1.6.5+) Introdução ao Moodle (1.6.5+) 2 Athail Rangel Pulino Ficha Técnica Título Introdução ao Moodle Autor Athail Rangel Pulino Filho Copyright Creative Commons Edição Agosto 2007 Introdução ao Moodle 3 Índice

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA. CONVERSAS COM O PROFESSOR. Prezado(a) Professor(a),

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA. CONVERSAS COM O PROFESSOR. Prezado(a) Professor(a), MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA. CONVERSAS COM O PROFESSOR SOBRE TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS. TEMA 2: Televisão e Vídeo no Ensino Médio: algumas reflexões e sugestões. Prezado(a)

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia Área de Comunicação Produção Multimídia Curta Duração Produção Multimídia Carreira em Produção Multimídia O curso superior de Produção Multimídia da FIAM FAAM forma profissionais preparados para o mercado

Leia mais

DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO

DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO Natália Aguiar de Menezes 1 RESUMO: Observa-se que com o passar dos anos o ensino superior

Leia mais

Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar os princípios que se destacam como características da Web 2.0. INTRODUÇÃO

Leia mais

Introdução à Arte da Ciência da Computação

Introdução à Arte da Ciência da Computação 1 NOME DA AULA Introdução à Arte da Ciência da Computação Tempo de aula: 45 60 minutos Tempo de preparação: 15 minutos Principal objetivo: deixar claro para os alunos o que é a ciência da computação e

Leia mais

Conceitos e Aplicações Sobre Pastas Públicas com o MDaemon 6.0

Conceitos e Aplicações Sobre Pastas Públicas com o MDaemon 6.0 Conceitos e Aplicações Sobre Pastas Públicas com o MDaemon 6.0 Alt-N Technologies, Ltd 1179 Corporate Drive West, #103 Arlington, TX 76006 Tel: (817) 652-0204 2002 Alt-N Technologies. Todos os Direitos

Leia mais

Ferramentas de informações e comunicações e as interações possíveis Tecnologias populares para uma Educação à Distância mais Popular.

Ferramentas de informações e comunicações e as interações possíveis Tecnologias populares para uma Educação à Distância mais Popular. Trabalha de Conclusão do Curso Educação a Distância : Um Novo Olhar Para a Educação - Formação de Professores/Tutores em EaD pelo Portal Somática Educar Ferramentas de informações e comunicações e as interações

Leia mais

Questão em foco: Colaboração de produto 2.0. Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas

Questão em foco: Colaboração de produto 2.0. Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas Questão em foco: Colaboração de produto 2.0 Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas Tech-Clarity, Inc. 2009 Sumário Sumário... 2 Introdução à questão... 3 O futuro da

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz

Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz Autores: Ana Paula Bernardo Mendonça Ana Cristina da Matta Furniel Rosane Mendes da Silva Máximo Introdução

Leia mais

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital 11 1 Introdução Com o advento da nova era da internet, conhecida com web 2.0, e o avanço das tecnologias digitais, o consumidor passa a ter maior acesso à informação bem como à facilidade de expressar

Leia mais

A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ

A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ Selma Andrade de Paula Bedaque 1 - UFRN RESUMO Este artigo relata o desenvolvimento do trabalho de formação de educadores

Leia mais

SENAI São Lourenço do Oeste. Introdução à Informática. Adinan Southier Soares

SENAI São Lourenço do Oeste. Introdução à Informática. Adinan Southier Soares SENAI São Lourenço do Oeste Introdução à Informática Adinan Southier Soares Informações Gerais Objetivos: Introduzir os conceitos básicos da Informática e instruir os alunos com ferramentas computacionais

Leia mais

Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Intranet e Extranet Rede privada baseada na mesma tecnologia utilizada na internet, sendo sua única diferença o objetivo por trás

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

Apostilas OBJETIVA Escrevente Técnico Judiciário TJ Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo - Concurso Público 2015. Índice

Apostilas OBJETIVA Escrevente Técnico Judiciário TJ Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo - Concurso Público 2015. Índice Índice Caderno 2 PG. MS-Excel 2010: estrutura básica das planilhas, conceitos de células, linhas, colunas, pastas e gráficos, elaboração de tabelas e gráficos, uso de fórmulas, funções e macros, impressão,

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária Área de Comunicação Tecnologia em Produção Publicitária Curta Duração Tecnologia em Produção Publicitária CARREIRA EM PRODUÇÃO PUBLICITÁRIA Nos últimos anos, a globalização da economia e a estabilização

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

O Cliente ao alcance do mouse!

O Cliente ao alcance do mouse! Capítulo 11 e-crc uma importante ferramenta de marketing A minha vivência, como consultor, pôs a descoberto duas das grandes dores de cabeça dos empresários a prospecção e comunicação com clientes. Todos,

Leia mais

Palestra - "GESTÃO DE PROGRAMAS E SISTEMAS DE EAD - ADOÇÃO DE FORMAS INSTITUCIONAIS E GERENCIAIS COMPATÍVEIS COM A EAD"

Palestra - GESTÃO DE PROGRAMAS E SISTEMAS DE EAD - ADOÇÃO DE FORMAS INSTITUCIONAIS E GERENCIAIS COMPATÍVEIS COM A EAD Palestra - "GESTÃO DE PROGRAMAS E SISTEMAS DE EAD - ADOÇÃO DE FORMAS INSTITUCIONAIS E GERENCIAIS COMPATÍVEIS COM A EAD" PALESTRANTE: Maria Luiza Angelim Coordenadora do Curso de Especialização em Educação

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Gestão em TI Tópicos Especiais Informática Educativa no Brasil Professor: Fernando Zaidan 1 Referências: SANTINELLO, J. Informática educativa no Brasil e ambientes

Leia mais

transferência da gestão de atendimento para o modelo SaaS

transferência da gestão de atendimento para o modelo SaaS WHITE PAPER Setembro de 2012 transferência da gestão de atendimento para o modelo SaaS Principais problemas e como o CA Nimsoft Service Desk ajuda a solucioná-los agility made possible Índice resumo executivo

Leia mais

O futuro da educação já começou

O futuro da educação já começou O futuro da educação já começou Sua conexão com o futuro A 10 Escola Digital é uma solução inovadora para transformar a sua escola. A LeYa traz para a sua escola o que há de mais moderno em educação, a

Leia mais

Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services

Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services - Windows SharePoint Services... Page 1 of 11 Windows SharePoint Services Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services Ocultar tudo O Microsoft Windows

Leia mais

Módulo 1. Introdução. 1.1 O que é EAD?

Módulo 1. Introdução. 1.1 O que é EAD? Módulo 1. Introdução Cada vez mais o mundo social e do trabalho necessitam de sujeitos capazes de fazer a diferença através de suas ações e atitudes. A utilização do ambiente virtual, como meio de interação

Leia mais

Computadores, Internet e Educação a Distância

Computadores, Internet e Educação a Distância Computadores, Internet e Educação a Distância Alberto Tornaghi 1 Se somos progressistas (...) devemos nos esforçar, com humildade, para diminuir ao máximo a distância entre o que dizemos e o que fazemos.

Leia mais

UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem

UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem 2.1 Introdução Caro Pós-Graduando, Nesta unidade, abordaremos o Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) que será utilizado no curso: o Moodle. Serão

Leia mais

Unidade I SISTEMAS PARA INTERNET E. Prof. Emanuel Matos

Unidade I SISTEMAS PARA INTERNET E. Prof. Emanuel Matos Unidade I SISTEMAS PARA INTERNET E SOFTWARE LIVRE Prof. Emanuel Matos Sumário Unidade I Principais tecnologias da rede digital Computação cliente/servidor Comutação de pacotes TCP/IP Sistemas de informação

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO UM BREVE HISTÓRICO COMÉRCIO ELETRÔNICO O comércio sempre existiu desde que surgiram as sociedades. Ele é dito como o processo de comprar, vender e trocar produtos e serviços. Inicialmente praticado pelos

Leia mais

Relato da Iniciativa

Relato da Iniciativa 1 Relato da Iniciativa 5.1 Nome da iniciativa ou projeto Novo portal institucional da Prefeitura de Vitória (www.vitoria.es.gov.br) 5.2 Caracterização da situação anterior A Prefeitura de Vitória está

Leia mais

Informática. Informática. Valdir

Informática. Informática. Valdir Informática Informática Valdir Questão 21 A opção de alterar as configurações e aparência do Windows, inclusive a cor da área de trabalho e das janelas, instalação e configuração de hardware, software

Leia mais

Oficina Formação de Professores: Tecnologia Educacional. Prof. Dr. Luís Cláudio Dallier Professor das Faculdades COC

Oficina Formação de Professores: Tecnologia Educacional. Prof. Dr. Luís Cláudio Dallier Professor das Faculdades COC Oficina Formação de Professores: Tecnologia Educacional Prof. Dr. Luís Cláudio Dallier Professor das Faculdades COC Para início de conversa... Vamos tratar de alguns conceitos: o que é técnica, tecnologia,

Leia mais

Experiência: O novo olhar sobre a gestão de pessoas do setor público, na nova idade da democracia no Brasil.

Experiência: O novo olhar sobre a gestão de pessoas do setor público, na nova idade da democracia no Brasil. Experiência: O novo olhar sobre a gestão de pessoas do setor público, na nova idade da democracia no Brasil. RADIOBRÁS Empresa Brasileira de Comunicação S. A. Diretoria de Gestão de Pessoas e Administração

Leia mais

Curso de Especialização em Saúde da Família

Curso de Especialização em Saúde da Família MÓDULO: FAMILIARIZAÇÃO TECNOLÓGICA COM EAD UNIDADE 02 PROCESSO DE INTERAÇÃO EM EAD Prof. Msc Rômulo Martins 2.1 Interação em EAD A partir das novas mídias e tecnologias, tais como a televisão, o telefone

Leia mais

PROJETO INFORMÁTICA NA ESCOLA

PROJETO INFORMÁTICA NA ESCOLA EE Odilon Leite Ferraz PROJETO INFORMÁTICA NA ESCOLA AULA 1 APRESENTAÇÃO E INICIAÇÃO COM WINDOWS VISTA APRESENTAÇÃO E INICIAÇÃO COM WINDOWS VISTA Apresentação dos Estagiários Apresentação do Programa Acessa

Leia mais

PORTAL EDUCACIONAL COMO APOIO A UMA EDUCAÇÃO INOVADORA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

PORTAL EDUCACIONAL COMO APOIO A UMA EDUCAÇÃO INOVADORA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA 1 PORTAL EDUCACIONAL COMO APOIO A UMA EDUCAÇÃO INOVADORA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Curitiba PR Maio 2010 Roberto F. Bentes SISTEMA FIEP SENAI roberto.bentes@fiepr.org.br Silvana Martinski SISTEMA FIEP

Leia mais

Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos.

Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos. Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos. Elizabeth Sarates Carvalho Trindade 1 Resumo: A utilização e articulação das tecnologias e mídias pela educação no processo de aprendizagem

Leia mais

I Jornada de Pesquisa e Extensão Trabalhos Científicos

I Jornada de Pesquisa e Extensão Trabalhos Científicos I Jornada de Pesquisa e Extensão Trabalhos Científicos LABORATÓRIO DE CONVERGÊNCIA DE MÍDIAS PROJETO DE CRIAÇÃO DE UM NOVO AMBIENTE DE APRENDIZADO COM BASE EM REDES DIGITAIS. 1 Palavras-chave: Convergência,

Leia mais

Sistemas Colaborativos Simulado

Sistemas Colaborativos Simulado Verdadeiro ou Falso Sistemas Colaborativos Simulado 1. Todos os tipos de organizações estão se unindo a empresas de tecnologia na implementação de uma ampla classe de usos de redes intranet. Algumas das

Leia mais

Módulo 6: Inteligência Artificial

Módulo 6: Inteligência Artificial Módulo 6: Inteligência Artificial Assuntos: 6.1. Aplicações da IA 6.2. Sistemas Especialistas 6.1. Aplicações da Inteligência Artificial As organizações estão ampliando significativamente suas tentativas

Leia mais

Texto 1 - Internet emburrece? As redes facilitaram o acesso à informação, mas também facilitaram a apropriação de reflexões dos outros

Texto 1 - Internet emburrece? As redes facilitaram o acesso à informação, mas também facilitaram a apropriação de reflexões dos outros PROVA DE REDAÇÃO - 1º TRIMESTRE DE 2012 PROFa. DEBORAH NOME N o 8º ANO Leia atentamente os enunciados, capriche na letra e procure dar respostas amplas. A compreensão do enunciado faz parte da questão.

Leia mais

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS.

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. A computação em nuvem é uma mudança de paradigma no gerenciamento de TI e de datacenters, além de representar a capacidade da TI

Leia mais

Unidade I TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E. Prof. Me. Eduardo Fernando Mendes

Unidade I TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E. Prof. Me. Eduardo Fernando Mendes Unidade I TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO EM EDUCAÇÃO Prof. Me. Eduardo Fernando Mendes Introdução ao uso da tecnologia nas escolas A força que a tecnologia tem exercido em nossas vidas. Você sabe

Leia mais

Web site Espia Amazonas 1

Web site Espia Amazonas 1 1 Web site Espia Amazonas 1 Lidiane CUNHA 2 Adália CORDEIRO 3 Breno CABRAL 4 Iara RODRIGUES 5 Marcela MORAES 7 Gabrielle NASCIMENTO 8 Faculdade Boas Novas, Manaus, AM RESUMO O web site Espia Amazonas foi

Leia mais

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS.

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. A computação em nuvem é uma mudança de paradigma no gerenciamento de TI e de datacenters, além de representar a capacidade da TI

Leia mais

Guia Definitivo de Ferramentas para Micro Empreendedores Individuais

Guia Definitivo de Ferramentas para Micro Empreendedores Individuais Guia Definitivo de Ferramentas para Micro Empreendedores Individuais Introdução O Brasil já tem 4,7 milhões de microempreendedores individuais, segundo dados de janeiro de 2015 da Receita Federal. O incentivo

Leia mais

GLOSSÁRIO. Ação educacional ação de ensino-aprendizagem (ex.: curso, seminário, palestra, treinamento, capacitação).

GLOSSÁRIO. Ação educacional ação de ensino-aprendizagem (ex.: curso, seminário, palestra, treinamento, capacitação). 137 GLOSSÁRIO Abordagem sistêmica método que integra diferentes ciências na investigação, pesquisa ou estudo de determinado tema, assunto, objeto ou fenômeno. Ação educacional ação de ensino-aprendizagem

Leia mais

Projeto de Design Instrucional

Projeto de Design Instrucional Projeto de Design Instrucional Curso: Educação Financeira Modalidade: EaD on-line o que é Design Instrucional? A ação institucional e sistemática de ensino, que envolve o planejamento, o desenvolvimento

Leia mais

As cinco disciplinas

As cinco disciplinas As cinco disciplinas por Peter Senge HSM Management julho - agosto 1998 O especialista Peter Senge diz em entrevista exclusiva que os programas de aprendizado podem ser a única fonte sustentável de vantagem

Leia mais

PLANO DE AÇÃO Nº 2 LABORATÓRIO DE INOVAÇÃO EM GOVERNO

PLANO DE AÇÃO Nº 2 LABORATÓRIO DE INOVAÇÃO EM GOVERNO PLANO DE AÇÃO Nº 2 LABORATÓRIO DE INOVAÇÃO EM GOVERNO 1 I. CONTEXTUALIZAÇÃO O presente documento detalha o Plano de Trabalho 2013/2015 do CONVÊNIO SPDR USP FUNDAP SEADE CEPAM, e se enquadra dentre as Ações

Leia mais

Análise de Redes Sociais

Análise de Redes Sociais Análise de Redes Sociais É uma área científica centrada no estudo das relações, muitas vezes definidas como redes sociais. Em sua forma básica, uma rede social é uma rede onde as ligações entre organizações

Leia mais

www.sbempb.com.br/epbem APRENDIZAGEM COLABORATIVA EM AMBIENTES VIRTUAIS E AS POSSIBILIDADES PARA OS PROFESSORES DE MATEMÁTICA

www.sbempb.com.br/epbem APRENDIZAGEM COLABORATIVA EM AMBIENTES VIRTUAIS E AS POSSIBILIDADES PARA OS PROFESSORES DE MATEMÁTICA APRENDIZAGEM COLABORATIVA EM AMBIENTES VIRTUAIS E AS POSSIBILIDADES PARA OS PROFESSORES DE MATEMÁTICA Ronaldo Vieira Cabral Abdias de Brito Aguiar Júnior José Sidney Nunes de Araújo Resumo: A parte das

Leia mais

Edições Edge do SAP InfiniteInsight Visão geral Viabilizando insights preditivos apenas com cliques de mouse, sem códigos de computador

Edições Edge do SAP InfiniteInsight Visão geral Viabilizando insights preditivos apenas com cliques de mouse, sem códigos de computador Soluções de análise da SAP Edições Edge do SAP InfiniteInsight Visão geral Viabilizando insights preditivos apenas com cliques de mouse, sem códigos de computador Índice 3 Um caso para análise preditiva

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Internet Internet Internet é o conglomerado de redes, em escala mundial de milhões de computadores interligados, que permite o acesso a informações e todo

Leia mais

Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan.

Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan. Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan. A Professora Rosa Trombetta, Coordenadora de Cursos da FIPECAFI aborda o assunto elearning para os ouvintes da Jovem Pan Online. Você sabe o que

Leia mais

Introdução à Computação

Introdução à Computação Aspectos Importantes - Desenvolvimento de Software Motivação A economia de todos países dependem do uso de software. Cada vez mais, o controle dos processos tem sido feito por software. Atualmente, os

Leia mais