DOCUMENTO PROTEGIDO PELA LEI DE DIREITO AUTORAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DOCUMENTO PROTEGIDO PELA LEI DE DIREITO AUTORAL"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES INSTITUTO A VEZ DO MESTRE PÓS-GRADUÇÃO LATO SENSU EM DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR UNIVERSIDADE E MERCADO: O ENSINO DE TECNOLOGIAS EMPRESARIAIS NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM TURISMO DOCUMENTO PROTEGIDO PELA LEI DE DIREITO AUTORAL POR: RAQUEL SOUZA DA SILVA Prof. Orientador Dr Vilson Sergio Rio de Janeiro 2013

2 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES INSTITUTO A VEZ DO MESTRE PÓS-GRADUÇÃO LATO SENSU EM DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR UNIVERSIDADE E MERCADO: O ENSINO DE TECNOLOGIAS EMPRESARIAIS NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM TURISMO POR: RAQUEL SOUZA DA SILVA Apresentação de monografia ao Instituto A Vez do Mestre como requisito parcial para obtenção do título de especialista em Docência no Ensino Superior. Orientador: Porf. Dr. Vilson Sergio Rio de Janeiro 2013

3 AGRADECIMENTOS Agradeço especialmente ao meu marido, Guilherme Butter Scofano, pelos conselhos e orientações, e a minha mãe, Maria Silvana de Souza, por tudo que sou hoje e pelo que poderei ser no futuro.

4 RESUMO A presente monografia tem como objetivo principal analisar o ensino de tecnologias no curso de Graduação em Turismo. Para compreender o fenômeno do Turismo, foi discutida a importância socioeconômica desta atividade, bem como sua relação com as modernas tecnologias. Verifica-se, em particular, a necessidade de analisar as ferramentas tecnológicas desenvolvidas exclusivamente para este setor. Para que este estudo fosse realizado de acordo com o contexto atual do tema, foram necessárias, além da pesquisa bibliográfica, consultas a artigos recentemente publicados, sites de empresas de tecnologias, notícias e legislação pertinentes ao assunto. Também foram observadas as necessidades das empresas do setor, através do acompanhamento de dois sites que oferecem oportunidades de emprego. Constatou-se que as empresas, em geral, exigem pouco ou nenhum conhecimento em tecnologias, mesmo quando as atividades descritas nos cargos demandam conhecimentos tecnológicos. Em complemento, avaliou-se como as universidades públicas do Estado do Rio de Janeiro que oferecem curso de bacharel em Turismo inserem o tema tecnologia em sua grade curricular. Este estudo foi realizado com base nos documentos disponibilizados pelas universidades, no que diz respeito ao planejamento curricular dos seus cursos de Turismo. Por fim, conclui-se que, mesmo não havendo a necessidade de formar profissionais especializados no uso das tecnologias utilizadas no mercado, é essencial que o graduando em Turismo seja familiarizado com as tecnologias que têm sido desenvolvidas na sua área de atuação.

5 METODOLOGIA O presente trabalho terá três formas diferentes de pesquisa: a pesquisa bibliográfica a fim de analisar os conceitos pertinentes ao trabalho e embasar teoricamente o desenvolvimento de algumas ideias; uma pesquisa quantitativa a fim de analisar as exigências do mercado referente ao conhecimento de tecnologias e uma pesquisa qualitativa sobre os currículos desenvolvidos nos cursos de turismo das universidades públicas do estado do Rio de Janeiro. Por ser um tema muito recente, durante todo o trabalho serão citados não só os escritores que tratam sobre os temas, como também artigos acadêmicos e notícias divulgadas pela mídia, bem como a legislação pertinente e outras fontes governamentais. Dessa forma, será possível realizar análises teóricas e conceituais mais contemporâneas e dinâmicas, de acordo com o próprio perfil do tema proposto. Alguns dos temas a serem desenvolvidos que exigem pesquisa bibliográfica são: finalidades e funções da universidade, conceitos e análises sobre currículo, o avanço da tecnologia na atualidade, conceitos que envolvem o mercado de turismo e as principais tecnologias desenvolvidas para esta área, dentre outros assuntos. A pesquisa bibliográfica será realizada a partir de fontes que envolvam os temas turismo, tecnologia e ensino superior tanto isoladamente quanto dois ou três desses elementos de forma conjunta. A fase quantitativa do presente trabalho será uma pesquisa realizada diariamente durante 90 dias no site de ofertas de emprego Catho e no setor de vagas do site da ABAV-RIO. A empresa Catho foi escolhida após uma pesquisa tanto em artigos sobre oportunidades de emprego encontrados nas mídias de grande circulação quanto em mídias especializadas em oportunidades e empregos. Além disso, foi observado o número de vagas oferecidas por cinco sites de emprego em três dias diferentes: nos dias 20 de setembro, 24 e 31 de outubro. Em todas as situações, o site que apresentou maior número de vagas foi a Catho. A outra fonte desta pesquisa, a Associação Brasileira dos Agentes de Viagens do Rio de Janeiro ABAV-RIO, é uma das poucas entidades que mantém, em seu site, um espaço permanente para a oferta de empregos e, por isso, também será examinada. Nesta pesquisa, será

6 contabilizado o número total de ofertas de empregos na área do turismo bem como o perfil dessas vagas. Vale ressaltar que o turismólogo (termo recentemente concedido ao profissional especialista na área do turismo) tem uma grande variedade de opções de trabalho. Segundo Trigo (2000), seu portifólio engloba: planejamento turístico (privado e público), agências de viagens, operadoras turísticas, hotelaria, consolidadoras, preservação artística e histórica, gastronomia, eventos, turismo rural e ecológico em geral, centros de informação e documentação para pesquisa turística, cruzeiros marítimos, educação para o turismo, marketing direcionado, dentro muitos outros setores e segmentos. Levando em consideração a afirmação acima, serão registrados, sempre que possível o tipo de empresa que está oferecendo a vaga, lembrando que a empresa tem a opção de aparecer como confidencial. Caso não seja possível identificar o tipo de empresa pelo nome desta, o texto da oferta será analisado por inteiro a fim de observar algum elemento que deixe claro a qual setor a empresa pertence. Vale destacar também que serão contabilizadas apenas as vagas que exigem formação em turismo. Dessa forma, não serão consideradas as vagas que, apesar de serem oferecidas por empresas da área de turismo, exigem exclusivamente outro tipo de formação e/ou experiência que não o turismo, como, por exemplo, contabilidade, marketing ou apenas ensino fundamental. A pesquisa sobre a oferta de empregos será contabilizada em documento do Excel, onde haverá uma planilha para cada site pesquisado. Nesta planilha serão inseridas as seguintes informações: data da pesquisa, data em que a vaga foi publicada no site, número da oferta (para que não haja repetições), nome no cargo, formação acadêmica exigida, conhecimento de softwares exigidos ou considerados como diferencial, nível hierárquico de acordo com a divisão do próprio site e, sempre que possível o setor da empresa. Ao final de 90 dias, as informações sobre número total de ofertas, exigências, nível hierárquico e setor serão contabilizadas e cruzadas para a realização de uma análise do perfil do profissional mais procurado nestes sites.

7 A pesquisa será limitada às vagas oferecidas por empresas localizadas na cidade do Rio de Janeiro. A pesquisa qualitativa consiste na coleta documentos curriculares dos cursos de bacharel em Turismo oferecidos pelas universidades públicas do Estado do Rio de Janeiro Universidade Federal Fluminense (UFF), que oferece o curso em Niterói e em Quissamã, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO), com o curso localizado na cidade do Rio de Janeiro, e Universidade Rural do Estado do Rio de Janeiro (UFRRJ), oferecendo o curso no campus de Nova Iguaçu. Será observada a forma que o conhecimento sobre tecnologia é tratado como conteúdo. Vale ressaltar que esses cursos tem algo em comum: todos foram criados a partir de 2003, quando também foi criado o Ministério do Turismo. Dentre os autores que norteiam esta monografia, diversos foram utilizados como base para cada um dos temas. Em relação aos conceitos gerais de turismo, os autores COOPER et al (2001) e LAGE e MILONE (2000) estão entre os principais que abordaram os temas mais pertinentes ao presente trabalho. Já os autores BARRETTO (1995 e 2004) e TRIGO (1999), puderam ser citados tanto no que diz respeito ao turismo quanto no que diz respeito ao ensino superior nesta área. Outros autores também auxiliaram na análise sobre a evolução da educação em Turismo como ANSARAH (2002) e MATIAS (2002). Outros autores foram discutidos em áreas mais específicas como MARÍN (2004) e VALLEN e VALLEN (2003) que apresentaram ótimas análises sobre a tecnologia desenvolvida para o setor do Turismo, ou, no caso da educação, TRALDI (1987), PIMENTA e ANASTASIOU (2005) e MOREIRA e SILVA (2005) cujas duas últimas obras citadas tratam mais especificamente do currículo escolar.

8 LISTA DE SIGLAS ABBTUR - Associação Brasileira de Bacharéis em Turismo ABDETH - Associação Brasileira de Dirigentes de Escolas de Turismo e Hotelaria BDET - Boletim de Desempenho Econômico do Turismo BSP - Business Server Provider CBO - Classificação Brasileira de Ocupações CEDERJ - Centro de Educação Superior a Distância do Rio de Janeiro CEEAD - Comissão de Especialistas de Ensino de Administração CF - Constituição Federal CFE - Conselho Federal de Educação CNE - Conselho Nacional de Educação CRM - Costumer Relationship Management (Gestão do Relacionamento com o Cliente) CRO - Central Reservation Office (Escritórios Centrais de Reservas) CRS - Central Reservation System (Sistemas Centrais e Reservas) DM - Datamining DW - Datawarehouse EMBRATUR - Instituto Brasileiro de Turismo ENBETUR - Encontro Nacional de Bacharéis em Turismo ERP - Enterprice Resourse Planning (Sistema de Planejamento de Recursos Empresariais) GDS - Global Distribuiton System (Sistemas de Distribuição Global) GPS - Global Position System IES - Instituição de Ensino Superior

9 IUOTO - União Internacional das Organizações Oficiais de Propaganda Turística LDB - Lei de Diretrizes e Bases para o Ensino MEC - Ministério da Educação MTE - Ministério do Trabalho e Emprego MTur - Ministério do Turismo OMT - Organização Mundial do Turismo PMS - Property Management System (Sistema Gerenciamento de Propriedade) PNT - Plano Nacional do Turismo SeSu - Secretaria de Educação Superior SIG - Sistema de Informação Geográfica TI - Tecnologia da Informação TICs - Tecnologias da Informação e Comunicação UFF - Universidade Federal Fluminense UFRRJ - Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro UHs - Unidades Habitacionais UNIRIO - Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

10 LISTA DE TABELAS Tabela 1 - Quadro de Pessoal (%): empresas que aumentaram, mantiveram ou reduziram seu quadro de funcionários Tabela 2 - Quadro de Pessoal (%): empresas que aumentaram, mantiveram ou reduziram seu quadro de funcionários (Transporte Aéreo) Tabela 3 - Quadro de Pessoal (%): empresas que aumentaram, mantiveram ou reduziram seu quadro de funcionários (Operadoras de Turismo) Tabela 4 Empresas que exigem experiência anterior (Catho e ABAV-RIO). 61 Tabela 5 Exigência de experiência no setor de Turismo (Catho e ABAV-RIO) Tabela 6 Vagas que exigênciam em conhecimento em algum tipo de tecnologia (Catho e ABAV-RIO) Tabela 7 - Tecnologias exigidas de acordo com a categoria da vaga (Catho) 65 Tabela 8 - Tipos de tecnologias exigidas de acordo com a categoria da vaga (ABAV-RIO) Tabela 9 - Número de cursos ligados à área do Turismo LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1 - Evolução do Emprego Gráfico 2 - Categoria dos Cargos (Catho) Gráfico 3 - Categoria dos Cargos (ABAV-RIO) Gráfico 4 - Formação acadêmica exigida (Catho) Gráfico 5 - Tipos de tecnologias exigidas (Catho) Gráfico 6 - Tipos de tecnologias exigidas (ABAV-RIO) LISTA DE FIGURAS Figura 1 - Ciclo estratégico do CRM... 41

11 SUMÁRIO INTRODUÇÃO CAPÍTULO I O TRADE TURÍSTICO E SUA RELAÇÃO COM A TECNOLOGIA O fenômeno do turismo O conceito de tecnologia e sua influência sobre o turismo CAPÍTULO II AS PRINCIPAIS TECNOLOGIAS VOLTADAS PARA O MERCADO DO TURISMO Como os setores do Trade Turístico utilizam a tecnologia Setor hoteleiro Setor de agências de viagem Os principais Sistemas de Reservas e de distribuição global CAPÍTULO III AS EXIGÊNCIAS DO MERCADO Análise teórica Análise quantitativa sobre a pesquisa de campo CAPÍTULO IV A QUESTÃO DA TECNOLOGIA DENTRO DAS UNIVERSIDADES A finalidade da universidade e seu papel na sociedade Debates sobre o currículo e o currículo no Ensino Superior A evolução do curso superior em Turismo no Brasil Análise sobre a abordagem da tecnologia nas IES públicas do Rio de Janeiro Universidade Federal Fluminense Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro... 97

12 4.5 Considerações finais CONCLUSÃO BIBLIOGRAFIA WEBGRAFIA

13 12 INTRODUÇÃO O objetivo geral do presente trabalho é demonstrar a importância do ensino das tecnologias desenvolvidas no mercado do turismo para a formação profissional do bacharel em turismo. A fim de desenvolver plenamente este objetivo, são considerados no decorrer da pesquisa os seguintes objetivos secundários: contextualizar o fenômeno do turismo bem como as tecnologias envolvidas nesta área; estudar como o mercado de trabalho se comporta no que diz respeito à exigências de conhecimento em tecnologias e finalmente observar tanto do ponto de vista teórico quanto na prática como as universidades públicas se comportam frente a essa demanda. A opção de analisar o ensino da tecnologia no curso de Turismo se mostra relevante pela importância que as atividades deste setor vêm alcançando nas últimas décadas e como o desenvolvimento econômico do turismo vem ganhando destaque no mundo e no Brasil, mesmo diante das recentes crises econômicas, criando cada vez mais postos de trabalho e atraindo a atenção do governo e de grandes investidores. Podemos observar a importância que o Estado tem dado a este setor com a criação do Ministério do Turismo (MTur) em 2003 e, neste mesmo ano, com a publicação do primeiro Plano Nacional do Turismo (PNT). Paralelamente à criação do MTur e do PNT, foram criados os primeiros cursos de graduação em Turismo nas universidades públicas do estado do Rio de Janeiro. Em 2006, o Ministério da Educação (MEC), em conjunto com o Conselho Nacional de Educação e a Câmara de Educação Superior publicou a resolução nº 13, que instituiu as diretrizes curriculares nacionais do curso de graduação em turismo. Tudo isso demonstra que, nos últimos anos, o Estado tem considerado a formação acadêmica do profissional como um dos determinantes para o desenvolvimento do Turismo. Como podemos observar atualmente, a tecnologia está cada vez mais presente em todas as áreas do conhecimento, influenciando inclusive na formação acadêmica. E não é diferente com o turismo. Desde a década de 1970, sistemas tecnológicos vêm sendo desenvolvidos especialmente para o

14 13 gerenciamento e operação das mais diversas áreas setor de turismo, otimizando e maximizando sua produtividade. A popularização da internet foi outro marco que, sob vários aspectos, trouxe grandes modificações no meio profissional, dentre os quais: novas formas de comunicação com clientes e fornecedores, sistemas tecnológicos interligados mundialmente por redes, acesso às informações em tempo real, dentre outros. O último elemento deste tema, a educação no Ensino Superior, demanda maiores reflexões principalmente no que diz respeito ao contato inicial do graduando em Turismo com as ferramentas tecnológicas mais utilizadas na sua área. Dois fatores nos alertam para os problemas a serem enfrentados por esses alunos: de um lado, um mercado altamente competitivo e que exige cada vez mais do profissional, do outro lado, cursos de bacharel em Turismo oferecidos pelas universidades públicas do Rio de Janeiro, criados recentemente e ainda em fase de adequação de acordo com as normas mais atuais sobre as Diretrizes Curriculares do curso. Esses dois fatores nos alertam duas questões que neste trabalho serão analisadas de forma conjunta: como a universidade está preparada para a inserção da tecnologia no seu currículo e qual é a importância deste conhecimento para a formação do bacharel em turismo? O presente trabalho se justifica pelas contribuições que pode oferecer sobre o desenvolvimento curricular do curso de Turismo, a formação do graduando e sua preparação para o mercado de trabalho. Este estudo se encontra dividido em quatro capítulos. No primeiro capítulo serão delineados os conceitos básicos relacionados ao fenômeno do turismo para entendermos melhor o contexto desta atividade atualmente. Posteriormente neste mesmo capítulo serão desenvolvidos os conceitos básicos que envolvem a ideia de tecnologia: tecnologia da informação, inteligência artificial, programas e softwares. Por último, será apresentada uma breve análise relacionando os dois elementos: tecnologia e turismo. No capítulo seguinte serão detalhadas as diversas formas que a tecnologia foi desenvolvida para auxiliar exclusivamente o setor de Turismo. Haverá um subcapítulo em especial para os Sistemas de Distribuição Global e Sistemas de Reservas, ferramentas que possuem um histórico próprio e que

15 14 atualmente são indispensáveis para os principais setores do turismo (Hospedagem, agenciamento e transporte aéreo). No terceiro capítulo será apresentado um breve debate teórico sobre o que o mercado espera do profissional de turismo. Posteriormente, através dos resultados sobre a pesquisa de ofertas de emprego será possível observar até que ponto o conhecimento de tecnologias poderia auxiliar o turismólogo na sua inserção ao mercado de trabalho. No quarto capítulo o presente estudo se volta para a Educação Superior. Inicialmente haverá um debate sobre a finalidade da universidade frente ao aluno e à sociedade. Posteriormente, em um subcapítulo separado será dada uma atenção especial ao Currículo, principal ferramenta de planejamento e controle de uma instituição de ensino. Serão desenvolvidos alguns conceitos gerais sobre o tema, os elementos e atores que o influenciam, bem como o seu planejamento, em especial, no ensino superior. No próximo subcapítulo será realizado um enfoque no ensino superior em Turismo, apresentando um breve histórico no Brasil e no Rio de Janeiro. Este capítulo será finalizado com uma análise sobre como o tema tecnologia é abordado nos cursos de Graduação em Turismo oferecidos pelas universidades públicas do Estado do Rio de Janeiro. Tal análise será realizada através de um estudo sobre as ferramentas curriculares disponibilizadas pela coordenação dos cursos. O quinto e último capítulo, será finalizado, a partir dos capítulos anteriores, com um panorama geral sobre o tema a fim de delinear o objetivo principal: concluir até que ponto as tecnologias são importantes na formação profissional do turismólogo. Além disso, será possível identificar as lacunas entre as tecnologias desenvolvidas para o setor do Turismo e o que é visto sobre o assunto nas universidades pesquisadas. E finalmente, serão apresentadas sugestões de como abordar o tema Tecnologia tanto na questão de conteúdo quanto na questão metodológica.

16 15 CAPÍTULO I O TRADE TURÍSTICO E SUA RELAÇÃO COM A TECNOLOGIA 1.1 O fenômeno do turismo O ato de se deslocar, segundo alguns autores, segue a história do homem há milhares de anos (BARRETTO, 1995; IGNARRA, 2000; DIAS, 2005). Barretto, ressalta que esses deslocamentos foram as primeiras grandes imigrações, não podendo ser consideradas como viagens, pois viajar implica voltar, e o homem primitivo ficava no novo lugar desde que este lhe garantisse o sustento; ele não tencionava retornar (BARRETTO, 1995, p. 44). De qualquer maneira, as primeiras eras da nossa evolução são constantemente mencionadas pelos autores para demonstrar que o ato de se movimentar é algo inerente ao homem. Para entender melhor o fenômeno do turismo, é preciso salientar algumas características acerca da sua teorização. Em primeiro lugar, o turismo é um tipo de viagem, mas nem toda viagem é turismo conforme será detalhado posteriormente (BARRETTO, 1995 e DIAS, 2005). Além disso, de acordo com Dias (2005), o conceito de turismo é uma matéria bastante controversa segundo os vários autores que tratam desse assunto (p. 23). Margarida Barretto (1995), por exemplo, citou 17 definições diferentes que foram elaboradas no decorrer da história teórica e acadêmica do turismo. Finalmente, se compararmos a história teórica do turismo com outras áreas de conhecimento, observamos que este é muito recente. Sancho (2001) e BARRETTO (1995) afirmam que o início das teorias que envolvem este fenômeno surgiu com a criação da escola de Berlim, por volta da década de Devido às dificuldades em definir o tema (semelhança da conceituação com outras atividades, diversidade de conceituações entre grande número de autores e teorização relativamente recente), é importante relacionar os elementos que são comuns a todas as definições e, consequentemente, diferenciam esta atividade de outras, como viagens e migrações:

17 16 Existe um deslocamento por parte da demanda até o local de consumo; Existe um prazo de permanência (a viagem pode ser um deslocamento só de ida, contudo no turismo deve existir o deslocamento de ida e volta ) O turismo compreende tanto as atividades no local de visitação, quanto seu deslocamento até o destino; Seja qual for o motivo da viagem, para ser considerado turismo, ela inclui serviços e equipamentos criados para satisfazer as necessidades dos turistas. (o que pode não ocorrer em uma viagem comum, como, por exemplo, para trabalho temporário ou estudos) 1. Um exemplo do quão recente é a conceituação de turismo é a definição estabelecida pela Organização Mundial do Turismo (OMT), publicada apenas em 1994, a ser adotada pelos países membros com o propósito de padronizar as pesquisas estatísticas no mundo: O turismo compreende as atividades que realizam as pessoas durante suas viagens e estadas em lugares diferentes ao seu entorno habitual, por um período consecutivo inferior a um ano, com finalidade de lazer, negócios ou outras. (SANCHO, 2001, p. 38) Vale ressaltar que a OMT foi criada em 1970 com o nome União Internacional das Organizações Oficiais de Propaganda Turística (IUOTO), adotando o nome atual em Atualmente a OMT é um órgão especializado das Nações Unidas, se tornando a principal organização internacional com papel de promoção e desenvolvimento do turismo responsável e sustentável no mundo (DIAS, 2005). A história das viagens é longa, passando pelos gregos que viajavam para tratar da saúde e para se reunirem para os jogos olímpicos. Na Idade Média, destacam-se as grandes cruzadas, era também uma época em que as viagens dentro da Europa se mostravam pouco seguras e apenas aquelas pessoas que tinham necessidades administrativas ou sociais a realizavam. Depois na Idade Moderna, a partir do século XVI, começam as grandes 1 Tópicos adaptados de Sancho (2001, p. 39) e Quevedo (2007, p. 20).

18 17 viagens exploratórias para as Américas. Foi neste momento que surgiu o termo tour, de origem francesa. Eram assim chamadas as viagens que os jovens de família rica realizavam pela Europa, particularmente pela França, por alguns anos, antes de retornarem e recomeçarem seus estudos. Ainda que esta seja uma das primeiras manifestações de viagens que se assemelhem com o turismo atual, foi apenas no final do século XIX, com o crescimento das ferrovias e trens, que este fenômeno começou a se desenvolver como o conhecemos hoje, contudo ainda se manifestava apenas entre as elites. (DIAS, 2005; IGNARRA, 2000; BARRETTO, 1995). O turismo só começou a tomar a dimensão que vemos hoje após a Segunda Guerra Mundial, na década de 1950, quando surge um novo mundo que, por conta de diversos fatores presenciou o advento de uma nova concepção de turismo: o turismo de massas. Alguns desses fatores foram: desenvolvimento da aviação civil que diminuiu as distâncias, o direito às férias remuneradas e maior democratização do ensino (TRIGO, 1999, p. 15), dentre outros fenômenos. Com o advento do turismo de massas, nos países industrializados, integrantes de todas as classes sociais tendem a praticar o turismo, que se incorpora gradativamente aos hábitos e costumes, convertendo-se em um fato significativo da vida das pessoas, principalmente daquelas que habitam os grandes centros. (DIAS, 2005, p. 38) A partir deste momento, houve uma explosão do turismo das massas, que tinha como características viagens padronizadas e, em muito casos, em grupo a fim de manter o baixo custo. Nunca houve um número tão grande de viagens a turismo, pois esta atividade se tornou algo inerente aos mais diversos grupos sociais (DIAS, 2005). Hoje vivemos um novo momento deste fenômeno que se torna global. Vemos principalmente o desenvolvimento do turismo segmentado (diferente daquele turismo das massas, padronizado), compreendendo serviços e atividades voltadas especialmente para os mais diversos perfis de turista: terceira idade, jovens estudantes, esportistas, amantes da natureza, o turismo social, dentre outros (QUEVEDO, 2007 e LAGE e MILONE, 2000). Segundo Quevedo:

19 18 Atualmente, é possível observar que o fenômeno do turismo tomou grandes proporções e se tornou uma das atividades econômicas e sociais mais importantes do mundo influenciado por uma sociedade caracterizada pelo acesso ilimitado à informação, maior tempo livre e busca por uma melhor qualidade de via. (QUEVEDO, 2007, P. 27). Lage e Malone (2000) detalham algumas características da sociedade contemporânea que influenciam uma nova forma de pensar em turismo: Com a modernidade e o desenvolvimento da comunicação, do avanço tecnológico, de novos costumes, valores culturais e hábitos emergentes, as viagens foram crescendo, sofisticandose e se adequando às novidades globais da época, demandada pelos consumidores e oferecida pelos produtores. (LAGE e MALONE, 2000, p. 26) Assim, a partir de diversos autores é possível concluir que o perfil da demanda do turismo no século XXI se apresenta cada vez mais informada e informatizada. Atualmente, com grande experiência em viagens, o turista não aceita qualquer tipo de serviço e o custo da viagem já não é o principal fator decisivo e motivacional (como foi com o turismo de massas), sobretudo por conta da alta concorrência que força os produtores a otimizarem sua produtividade diminuindo da melhor forma possível seus preços. Cooper destaca o novo perfil do turista sob o viés do mercado, destacando-o como novo um consumidor que: Tem capacidade de discernimento, busca qualidade e participação e, no mundo desenvolvido, faz cada vez mais parte de um grupo etário mais velho. As motivações para a viagem estão se afastando do passivo prazer ao sol, indo em direção a outras mais relacionadas à educação e à curiosidade. (Cooper et all, 2001, p. 483) Por ser um tema amplamente analisado sob o enfoque econômico, o presente trabalho levará em consideração o conceito de mercado turístico (ou Trade Turístico, Dias (2005)) cujo sistema o futuro turismólogo está inserido. Ao levar em consideração o mercado como um conceito geral, é preciso observar que há dois elementos fundamentais para sua existência: a oferta e a demanda (LAGE e MILONE (2000), SANCHO (2000) e DIAS (2005)). Lage e Milone (2000) determinam demanda e oferta como os agentes econômicos, respectivamente, consumidores e produtores cuja relação se define através de uma troca de informações e decisões de compra e venda de diversos bens e

20 19 serviços a disposição. Essa relação chamada pelos autores de vasta rede de informações (Ibid, 2000, p.29) é o que chamamos de mercado turístico. Segundo Dias (2005), no caso do turismo, a demanda é composta por: (1) turistas efetivos; (2) turistas potenciais (aqueles que pretendem ou desejam realizar turismo). Lage e Milone detalham que a demanda pode ser interpretada como a quantidade de bens e serviços que os consumidores estão dispostos a adquirir por um dado preço e em um dado período de tempo (2000, p. 26). Analisando a demanda com base neste conceito é possível quantifica-la através de pesquisas de campo sobre o consumo real e potencial de equipamento e serviços turísticos, obtendo assim uma análise sobre o perfil do turista (Ibid, 2000). Já a oferta, segundo Dias (2005) é composta por: (1) recursos turísticos, são os atrativos turísticos naturais e artificias; (2) serviços e equipamentos turísticos, que são: meios de hospedagem, alimentação, entretenimento, e outros serviços como agência de viagem, transportadoras, locadoras de veículos, etc; e (3) infraestrutura e serviços básico, definido por Lage e Milone como infraestrutura de apoio turístico, formada pelo conjunto de obras e instalações de estrutura física de base para a atividade turística (2000, p. 29). Alguns exemplos de infraestrutura de apoio turísticos são: sistema de transportes urbanos, sistemas de comunicações, serviços urbanos como esgoto e água, energia, sinalização, limpeza urbana, dentre outros (Ibid, 2000). É dentro da oferta que se encontram os chamados setores turísticos, composto por todos os tipos de empresas que oferecem direta ou indiretamente equipamentos e serviços para a realização de uma viagem a turismo. Ao analisarmos os setores turísticos é possível observar o mercado de trabalho onde o turismólogo poderá atuar (Ansarah, 2005). Foram encontradas diversas formas de divisões do setor, contudo a classificação resumida no presente trabalho utilizará as fontes que apresentaram as divisões semelhantes entre si como Dias (2005), Ansarah (2005) e dois documentos estatísticos do MTur: Estatíticas Básicas de Turismo, Outubro de 2010 e Boletim de Desempenho Econômico do Turismo, publicado em Outubro de 2012.

21 20 A partir destes autores é possível englobar os principais setores que atendem o turista na seguinte divisão: meios de hospedagem, agências e operadoras de viagens, o setor de transportes entre os destinos (Transporte aéreo, rodoviário, marítimo e pluvial), organizadores de eventos, alimentos e bebidas (bares, restaurantes e lanchonetes) e lazer (parques temáticos, boates, casas de espetáculos, dentre outros). Muitos desses setores apresentam uma ampla demanda, sendo os turistas um dos perfis de clientes que atende (como os setores de alimentos e bebidas e de lazer localizados no destino turístico, que também atendem aos moradores da região). Finalizando este tópico, é importante destacar o contexto do turismo atualmente. Como se encontra esta atividade hoje? O turismo, mais do que outros campos do mercado, é altamente vulnerável. Consequentemente, os mais diversos fatores externos, ou seja, variáveis que estão fora do alcance dos produtores, (mudanças políticas, econômicas ou sociais, acidentes ambientais naturais ou causados pelo homem, evolução do transporte e da comunicação, dentre outros) influenciam seu futuro provocando sua expansão ou retração e alterando o perfil dos viajantes e dos fornecedores de equipamentos e serviços turísticos (Cooper et all, 2001). Na prática, é possível citar vários fatores que provocaram algum tipo de variação no mercado do turismo nos últimos anos: os conflitos políticos da Primavera Árabe, por exemplo, foram os principais fatores de redução na chegada de turistas no norte da África (-8%) e no Oriente Médio (-9%) em 2011; a crise econômica de 2008/2009 provocou redução mundial no número de turistas 2 ; problemas de saúde mundial, como, por exemplo, o que ocorreu com a disseminação da gripe H1N1 que ameaçou a movimentação dos viajantes internacionais entre 2008 e Contudo, estatísticas apresentadas tanto pelo MTur quanto pela OMT evidenciam que o turismo demonstra grande força de crescimento mesmo em meio aos grandes problemas mundiais, firmando sua importância na economia mundial. Abaixo segue uma citação do Panorama OMT del turismo editado em 2012 referente aos dados coletados de 2011: 2 OMT - Panorama del turismo. Edición MTur - Estatística e indicadores de turismo no mundo, 2009

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS História da Cultura CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º PERÍODO Repassar ao alunado a compreensão do fenômeno da cultura e sua relevância para

Leia mais

RESENHAS. Marketing Turístico e de Hospitalidade: Fonte de Empregabilidade e Desenvolvimento para o Brasil

RESENHAS. Marketing Turístico e de Hospitalidade: Fonte de Empregabilidade e Desenvolvimento para o Brasil RESENHAS Marketing Turístico e de Hospitalidade: Fonte de Empregabilidade e Desenvolvimento para o Brasil Erika Helena Bautto Completa, abrangente e extremamente didática, Marketing Turístico e de Hospitalidade:

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO DE TURSIMO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO DE TURSIMO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO DE TURSIMO Concurso Público para o Cargo de Professor Adjunto EDITAL 027/2012 Código do Candidato: PROVA ESCRITA - 17.12.2012

Leia mais

5 Proposta pedagógica da escola

5 Proposta pedagógica da escola 5 Proposta pedagógica da escola A escola onde este estudo se realizou localiza-se na periferia da cidade do Rio de Janeiro, e passou a integrar a rede FAETEC (Fundação de Apoio à Escola Técnica do Rio

Leia mais

SAP Customer Success Story Turismo Hotel Urbano. Hotel Urbano automatiza controle financeiro e internaliza contabilidade com SAP Business One

SAP Customer Success Story Turismo Hotel Urbano. Hotel Urbano automatiza controle financeiro e internaliza contabilidade com SAP Business One Hotel Urbano automatiza controle financeiro e internaliza contabilidade com SAP Business One Geral Executiva Nome da Hotel Urbano Indústria Turismo Produtos e Serviços Comercialização online de pacotes

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO MÁRCIA MARIA PALHARES (márcia.palhares@uniube.br) RACHEL INÊS DA SILVA (bcpt2@uniube.br)

Leia mais

1. Introdução: 2. Desafios da automação no Brasil

1. Introdução: 2. Desafios da automação no Brasil A automação no processo produtivo: desafios e perspectivas Bruciapaglia, A. H., Farines, J.-M.; e Cury, J. E. R. Departamento de Automação e Sistemas Universidade Federal de Santa Catarina 1. Introdução:

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Turismo, Hotelaria e Gastronomia

Universidade. Estácio de Sá. Turismo, Hotelaria e Gastronomia Universidade Estácio de Sá Turismo, Hotelaria e Gastronomia A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Turismo

Leia mais

40% dos consumidores da Copa das Confederações da FIFA 2013 consideraram a agilidade no atendimento como fator mais importante no comércio

40% dos consumidores da Copa das Confederações da FIFA 2013 consideraram a agilidade no atendimento como fator mais importante no comércio 440mil pequenos negócios no Brasil, atualmente, não utilizam nenhuma ferramenta de gestão, segundo o Sebrae Varejo 2012 27% 67% de comerciantes que não possuíam computadores dos que possuíam utilizavam

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO / BACHARELADO

ADMINISTRAÇÃO / BACHARELADO ADMINISTRAÇÃO / BACHARELADO Dos cursos mais procurados pelos estudantes, o de Administração é um dos mais novos. Enquanto Medicina e Direito formam profissionais desde o século 19, foi apenas em 1946 que

Leia mais

RESENHA - UMA ANÁLISE DO MERCADO MUNDIAL E BRASILEIRO DE CRUZEIROS MARÍTIMOS - EVOLUÇÃO, EXPANSÃO E PREVISÃO NO BRASIL E NO MUNDO

RESENHA - UMA ANÁLISE DO MERCADO MUNDIAL E BRASILEIRO DE CRUZEIROS MARÍTIMOS - EVOLUÇÃO, EXPANSÃO E PREVISÃO NO BRASIL E NO MUNDO RESENHA - UMA ANÁLISE DO MERCADO MUNDIAL E BRASILEIRO DE CRUZEIROS MARÍTIMOS - EVOLUÇÃO, EXPANSÃO E PREVISÃO NO BRASIL E NO MUNDO Léo Tadeu Robles Professor do Programa de Mestrado em Gestão de Negócios

Leia mais

Hermes Management Consulting T: +54 11 4393 2019 www.hermesmc.com.ar

Hermes Management Consulting T: +54 11 4393 2019 www.hermesmc.com.ar Análise dos custos nas agências de viagem e formas de aperfeiçoamento do setor Hermes Management Consulting T: +54 11 4393 2019 www.hermesmc.com.ar Análise dos custos nas agências de viagem e formas de

Leia mais

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Profª. Vânia Amaro Gomes Coordenação de Curso DIADEMA, 2015 Introdução Atualmente há uma grande dificuldade dos alunos egressos das Faculdades em obter emprego

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

Observatório do Turismo

Observatório do Turismo USUS 2012 Observatório do Turismo Cidade de São Paulo Brasil Turismo no Mundo 9,0% Representatividade no PIB Mundial em 2011 US$ 6,3 TRILHÕES Movimentação Financeira em 2011 980 MILHÕES Viagens no Mundo,

Leia mais

MODA. HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

MODA. HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos MODA 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto GRAU ACADÊMICO: Bacharel em Moda PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos Máximo = 7 anos 2.

Leia mais

Sua empresa focada no seu core business. Otimização direcionada. Facility Management próximo aos seus processos operacionais.

Sua empresa focada no seu core business. Otimização direcionada. Facility Management próximo aos seus processos operacionais. Sua empresa focada no seu core business. Otimização direcionada. Facility Management próximo aos seus processos operacionais. Transformando desafios em oportunidades. Novas dimensões de eficácia requerem

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia Área de Comunicação Produção Multimídia Curta Duração Produção Multimídia Carreira em Produção Multimídia O curso superior de Produção Multimídia da FIAM FAAM forma profissionais preparados para o mercado

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PROJETOS

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PROJETOS 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PROJETOS OS BENEFÍCIOS DA APLICAÇÃO DAS DIRETRIZES DA GESTÃO DE PROJETOS REUNIDAS NO PMBOK NO PLANEJAMENTO TURÍSTICO DE DESTINOS ALUNA: HELENA PERES

Leia mais

Melhor Prática vencedora: Monitoramento (Capital) Observatório do Turismo da Cidade de São Paulo

Melhor Prática vencedora: Monitoramento (Capital) Observatório do Turismo da Cidade de São Paulo 1 Melhor Prática vencedora: Monitoramento (Capital) Observatório do Turismo da Cidade de São Paulo DESTINO: São Paulo/SP INSTITUIÇÃO PROMOTORA: São Paulo Turismo S/A RESPONSÁVEL: Tasso Gadzanis Luiz Sales

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE O TURISMO E O DESENVOLVIMENTO HOTELEIRO NO BRASIL

REFLEXÕES SOBRE O TURISMO E O DESENVOLVIMENTO HOTELEIRO NO BRASIL REFLEXÕES SOBRE O TURISMO E O DESENVOLVIMENTO HOTELEIRO NO BRASIL Turismo é o estudo do deslocamento humano para fora de seu habitat usual, da indústria que responde por suas necessidades e dos impactos

Leia mais

IMPACTOS DA LOGÍSTICA DE SERVIÇOS NA ECONOMIA BRASILEIRA E A CONTRIBUIÇÃO DAS FACULDADES

IMPACTOS DA LOGÍSTICA DE SERVIÇOS NA ECONOMIA BRASILEIRA E A CONTRIBUIÇÃO DAS FACULDADES IMPACTOS DA LOGÍSTICA DE SERVIÇOS NA ECONOMIA BRASILEIRA E A CONTRIBUIÇÃO DAS FACULDADES Ednilson Zanini 1 O serviço logístico tornou-se uma ferramenta importante para o desenvolvimento de relacionamentos

Leia mais

MANUAL DO CANDIDATO. Ingresso março 2011. ESPM Unidade Porto Alegre. Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS.

MANUAL DO CANDIDATO. Ingresso março 2011. ESPM Unidade Porto Alegre. Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS. MANUAL DO CANDIDATO Ingresso março 2011 ESPM Unidade Porto Alegre Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS. Informações: Central de Candidatos: (51) 3218-1400 Segunda a sexta-feira 9h00

Leia mais

Entrevistas pessoais com as 80 maiores empresas de turismo no Brasil;

Entrevistas pessoais com as 80 maiores empresas de turismo no Brasil; 10ª edição / 2014 Apresentação Entrevistas pessoais com as 80 maiores empresas de turismo no Brasil; Série histórica iniciada em 2004 Pesquisa complementar ao BDET (Boletim de Desempenho Econômico do Turismo),

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1.1 2003 by Prentice Hall Sistemas de Informação José Celso Freire Junior Engenheiro Eletricista (UFRJ) Mestre em Sistemas Digitais (USP) Doutor em Engenharia de Software (Universit(

Leia mais

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Componentes de uma empresa Objetivos Organizacionais X Processos de negócios Gerenciamento integrado

Leia mais

Comissão avalia qualidade de ensino da FABE

Comissão avalia qualidade de ensino da FABE CPA / PESQUISA Comissão avalia qualidade de ensino da FABE Avaliação positiva: A forma de abordagem dos objetivos gerais dos cursos também foi bem avaliada e a qualidade do corpo docente continua em alta.

Leia mais

Vida Universitária Maio 2007 Ano XVII Nº 172

Vida Universitária Maio 2007 Ano XVII Nº 172 Mercado exige velocidade na atualização profissional Trabalhadores precisam estar capacitados para solucionar problemas, ser criativos e flexíveis e gostar da sua atividade A competição pela colocação

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULDADES INTEGRADAS VIANNA JÚNIOR Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação Lúcia Helena de Magalhães 1 Teresinha Moreira de Magalhães 2 RESUMO Este artigo traz

Leia mais

Estratégias de recursos humanos para serviços de alimentação Profº Dr. Raul Amaral

Estratégias de recursos humanos para serviços de alimentação Profº Dr. Raul Amaral Estratégias de recursos humanos para serviços de alimentação Profº Dr. Raul Amaral Estratégias de recursos humanos para serviços de alimentação. 1. Formação e manutenção da equipe de trabalho. 2. Pesquisa

Leia mais

Habilitação Profissional do Tecnólogo em Gestão do Turismo

Habilitação Profissional do Tecnólogo em Gestão do Turismo PERFIL PROFISSIONAL Habilitação Profissional do Tecnólogo em Gestão do Turismo É o profissional que atua em agências de viagens, em meios de hospedagem, em empresas de transportes e de eventos; promove

Leia mais

Tecnologia da Informação e Comunicação. Douglas Farias Cordeiro

Tecnologia da Informação e Comunicação. Douglas Farias Cordeiro Tecnologia da Informação e Comunicação Douglas Farias Cordeiro Algumas coisas que vimos até aqui Qual a diferença entre as funções do analista e do projetista? Como funciona o ciclo de vida de um projeto

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas 1. Apresentação do Problema Epitácio José Paes Brunet É cada vez mais expressiva, hoje, nas cidades brasileiras, uma nova cultura que passa

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA NA ECONOMIA NACIONAL. Mapa de oportunidades para Agências de Viagens

GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA NA ECONOMIA NACIONAL. Mapa de oportunidades para Agências de Viagens GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA NA ECONOMIA NACIONAL Mapa de oportunidades para Agências de Viagens O que é ABAV? Entidade empresarial, sem fins lucrativos, que representa as Agências de Viagens espalhadas

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

01/12/2009 BUSINESS INTELLIGENCE. Agenda. Conceito. Segurança da Informação. Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento.

01/12/2009 BUSINESS INTELLIGENCE. Agenda. Conceito. Segurança da Informação. Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento. BUSINESS INTELLIGENCE Agenda BI Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento Segurança da Objetivo Áreas Conceito O conceito de Business Intelligencenão é recente: Fenícios, persas, egípcios

Leia mais

Prof. Lucas Santiago

Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Administração de Sistemas de Informação Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação são classificados por

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Tipos de SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução 2 n As organizações modernas competem entre si para satisfazer as necessidades dos seus clientes de um modo

Leia mais

INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos

INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos Cláudia Peixoto de Moura Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS E-mail: cpmoura@pucrs.br Resumo do Trabalho:

Leia mais

TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA RESUMO

TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA RESUMO TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA Hewerton Luis P. Santiago 1 Matheus Rabelo Costa 2 RESUMO Com o constante avanço tecnológico que vem ocorrendo nessa

Leia mais

TURISMO DE NEGÓCIO. Autores Mauricio Sanita de Azevedo Antonio Carlos Giuliani. Orientador Antonio Carlos Giuliani. 1. Introdução

TURISMO DE NEGÓCIO. Autores Mauricio Sanita de Azevedo Antonio Carlos Giuliani. Orientador Antonio Carlos Giuliani. 1. Introdução TURISMO DE NEGÓCIO Autores Mauricio Sanita de Azevedo Antonio Carlos Giuliani Orientador Antonio Carlos Giuliani 1. Introdução A indústria do turismo se tornou uma das principais atividades econômicas

Leia mais

ANÁLISE DOS RESULTADOS DAS OPERAÇÕES DE VENDA DA AGÊNCIA DE VIAGEM

ANÁLISE DOS RESULTADOS DAS OPERAÇÕES DE VENDA DA AGÊNCIA DE VIAGEM REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA TURISMO PERIODICIDADE SEMESTRAL ANO III EDIÇÃO NÚMERO 5 JUNHO DE 2006 ANÁLISE DOS RESULTADOS DAS OPERAÇÕES DE VENDA DA AGÊNCIA DE VIAGEM BARROS, Darci K. Y. de Curso de Turismo

Leia mais

Consultando o Dicionário da Língua Portuguesa de Aurélio Buarque de Holanda Ferreira, encontra-se a seguinte definição para turismo:

Consultando o Dicionário da Língua Portuguesa de Aurélio Buarque de Holanda Ferreira, encontra-se a seguinte definição para turismo: 4 Turismo O objetivo deste capítulo é apresentar definições de turismo, a relação entre turismo e fontes de emprego, a importância do domínio da língua inglesa para o mercado e o perfil do profissional

Leia mais

RÁDIO E TV TÉCNICO EM ATUAÇÃO NO MERCADO

RÁDIO E TV TÉCNICO EM ATUAÇÃO NO MERCADO O CEET - Centro Estadual de Educação Técnica Vasco Coutinho é uma Instituição de Ensino criada e mantida pelo Governo do Estado do Espírito Santo e transferido através da lei n 9.971/12, para Secretaria

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE 33/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE HOTELARIA, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA.

RESOLUÇÃO CONSEPE 33/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE HOTELARIA, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. RESOLUÇÃO CONSEPE 33/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE HOTELARIA, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso da atribuição

Leia mais

Como viajar mais, gastando menos. FogStock?Thinkstock. 52 KPMG Business Magazine

Como viajar mais, gastando menos. FogStock?Thinkstock. 52 KPMG Business Magazine Como viajar mais, gastando menos FogStock?Thinkstock 52 KPMG Business Magazine Boa gestão propicia redução de custos com viagens corporativas O controle de custos é tema recorrente nas organizações. O

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: INFORMÁTICA E SOCIEDADE. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: INFORMÁTICA E SOCIEDADE. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com. FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: INFORMÁTICA E SOCIEDADE Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br A TRANSFORMAÇÃO DO TRABALHO O capítulo 4 do livro de

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DO CONHECIMENTO NAS PEQUENAS ORGANIZAÇÕES: UM MODELO DE ABORDAGEM ABRAHAM B. SICSÚ

GESTÃO ESTRATÉGICA DO CONHECIMENTO NAS PEQUENAS ORGANIZAÇÕES: UM MODELO DE ABORDAGEM ABRAHAM B. SICSÚ GESTÃO ESTRATÉGICA DO CONHECIMENTO NAS PEQUENAS ORGANIZAÇÕES: UM MODELO DE ABORDAGEM ABRAHAM B. SICSÚ 1 Contextualizando a Apresentação Gestão do Conhecimento, primeira abordagem: TI + Tecnologias Organizacionais

Leia mais

ATUALIZAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TURISMO - PDTur. Prefeitura Municipal de Mairiporã

ATUALIZAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TURISMO - PDTur. Prefeitura Municipal de Mairiporã ATUALIZAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TURISMO - PDTur Prefeitura Municipal de Mairiporã Secretaria de Meio Ambiente e Turismo Departamento de Turismo - DeTur Apresentação Um Plano Diretor de Turismo é uma ferramenta

Leia mais

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte IBM Global Technology Services Manutenção e suporte técnico Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte Uma abordagem inovadora em suporte técnico 2 Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável

Leia mais

PROJETO INTERDISCIPLINAR O TRABALHO NA SOCIEDADE CONTEMPORÃNEA TECNOLOGIA E TRABALHO

PROJETO INTERDISCIPLINAR O TRABALHO NA SOCIEDADE CONTEMPORÃNEA TECNOLOGIA E TRABALHO PROJETO INTERDISCIPLINAR O TRABALHO NA SOCIEDADE CONTEMPORÃNEA TECNOLOGIA E TRABALHO ORIENTADORA: Mariana Vilas Boas Mendes ACADÊMICOS: Daiane Graziele da Silva Labelijur Maria Fernandes Rafaela Viana

Leia mais

Software de gerenciamento de trabalho

Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho GoalPost O software de gerenciamento de trabalho (LMS) GoalPost da Intelligrated fornece informações sob demanda para medir,

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

MERCADO BRASILEIRO DE SOFTWARE PANORAMA E TENDÊNCIAS

MERCADO BRASILEIRO DE SOFTWARE PANORAMA E TENDÊNCIAS MERCADO BRASILEIRO DE SOFTWARE PANORAMA E TENDÊNCIAS 2009 Introdução Resumo Executivo Apesar das turbulências que marcaram o ano de 2008, com grandes variações nos indicadores econômicos internacionais,

Leia mais

INSERIR LOGOMARCA DA INSTITUIÇÃO PROPONENTE INSERIR O TÍTULO DO PROJETO

INSERIR LOGOMARCA DA INSTITUIÇÃO PROPONENTE INSERIR O TÍTULO DO PROJETO INSERIR LOGOMARCA DA INSTITUIÇÃO PROPONENTE INSERIR O TÍTULO DO PROJETO O título do projeto deve delimitar a área de abrangência onde as ações serão executadas. Setembro, 2014 1 SUMÁRIO 1. DADOS GERAIS

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

MBA EM GESTÃO DE SERVIÇOS E HOSPITALIDADE EM EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS E EVENTOS

MBA EM GESTÃO DE SERVIÇOS E HOSPITALIDADE EM EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS E EVENTOS MBA EM GESTÃO DE SERVIÇOS E HOSPITALIDADE EM EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS E EVENTOS O programa foi desenvolvido para capacitar o aluno a atuar no segmento Business de Turismo e Eventos, dando-lhe competências

Leia mais

6. Considerações finais

6. Considerações finais 84 6. Considerações finais Nesta dissertação, encontram-se registros de mudanças sociais que influenciaram as vidas de homens e mulheres a partir da chegada das novas tecnologias. Partiu-se da Revolução

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

* Respectivamente, gerente, administradora e engenheiro da Gerência Setorial 4 do BNDES.

* Respectivamente, gerente, administradora e engenheiro da Gerência Setorial 4 do BNDES. HOTEL DE NEGÓCIOS Mary Lessa Alvim Ayres Ilka Gonçalves Daemon Paulo Cesar Siruffo Fernandes* Resumo Muito têm-se falado de hotéis de negócios: oportunidades de investimentos, grupos estrangeiros alardeando

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

MARKETING PARA TURISMO RODOVIÁRIO. Rosana Bignami Outubro_2015

MARKETING PARA TURISMO RODOVIÁRIO. Rosana Bignami Outubro_2015 MARKETING PARA TURISMO RODOVIÁRIO Rosana Bignami Outubro_2015 ATRATIVOS CIDADES PESSOAS TRANSPORTES SISTEMA DE TRANSPORTE VEÍCULO ATENDE LOCAIS E ATENDE A MINHA EMPRESA ESTÁ PRONTA PARA O MARKETING? OUÇA

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária Área de Comunicação Tecnologia em Produção Publicitária Curta Duração Tecnologia em Produção Publicitária CARREIRA EM PRODUÇÃO PUBLICITÁRIA Nos últimos anos, a globalização da economia e a estabilização

Leia mais

CURSOS TECNOLÓGICOS EM NÍVEL SUPERIOR: BREVES APONTAMENTOS

CURSOS TECNOLÓGICOS EM NÍVEL SUPERIOR: BREVES APONTAMENTOS CURSOS TECNOLÓGICOS EM NÍVEL SUPERIOR: BREVES APONTAMENTOS Alan do Nascimento RIBEIRO, Faculdade de Políticas Públicas Tancredo Neves Universidade do Estado de Minas Gerais Maria Amarante Pastor BARACHO,

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com. Conceitos - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação - Dados x Informações Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.br Definição de Sistema Uma coleção de objetos unidos por alguma forma

Leia mais

Conhecimento e Compreensão do Tema Produção Mais Limpa em Cursos de Especialização: Um Estudo de Caso

Conhecimento e Compreensão do Tema Produção Mais Limpa em Cursos de Especialização: Um Estudo de Caso Conhecimento e Compreensão do Tema Produção Mais Limpa em Cursos de Especialização: Um Estudo de Caso FRANKENBERG, C. L. C. a*, CANTELLI, M. a, DE OLIVEIRA, P. G. b a. Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

IDENTIFICANDO O HÓSPEDE EM PONTA GROSSA ATRAVÉS DO MÉTODO DE PESQUISA DE DEMANDA

IDENTIFICANDO O HÓSPEDE EM PONTA GROSSA ATRAVÉS DO MÉTODO DE PESQUISA DE DEMANDA 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( X) TRABALHO (

Leia mais

ENGENHARIA DA PRODUÇÃO 2.0

ENGENHARIA DA PRODUÇÃO 2.0 ENGENHARIA DA PRODUÇÃO 2.0 SOBRE O CURSO Mercados dinâmicos demandam profissionais com formação completa e abrangente, aptos a liderarem equipes multidisciplinares em empresas de todos os setores econômicos

Leia mais

PANORAMA DO MERCADO Asiático

PANORAMA DO MERCADO Asiático Boletim PANORAMA DO MERCADO Asiático Edição nº 1 Julho/2015 Coordenação Geral de Mercados Americanos/Asiático - CGMA Diretoria de Mercados Internacionais - DMINT Apresentação A série Boletim Panorama dos

Leia mais

O PERFIL DOS INTERCAMBISTAS NO ATUAL FLUXO DE INTERCÂMBIOS EDUCACIONAIS

O PERFIL DOS INTERCAMBISTAS NO ATUAL FLUXO DE INTERCÂMBIOS EDUCACIONAIS O PERFIL DOS INTERCAMBISTAS NO ATUAL FLUXO DE INTERCÂMBIOS EDUCACIONAIS Eline Tosta Felipe Jaciel Gustavo Kunz RESUMO: Intercâmbio cultural consiste em uma viagem ao exterior motivado pelo estudo e cultura.

Leia mais

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010 1 CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010 O Censo da Educação Superior, realizado anualmente pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), constitui se em importante instrumento

Leia mais

Unidades curriculares disponíveis para Programa IPL60+ 1º Semestre 15-16. Escola Superior de Turismo e Tecnologia do Mar

Unidades curriculares disponíveis para Programa IPL60+ 1º Semestre 15-16. Escola Superior de Turismo e Tecnologia do Mar Unidades curriculares disponíveis para Programa IPL60+ Semestre 15-16 Escola Superior de Turismo e Tecnologia do Mar Animação Turística Inglês para Animação I Língua Estrangeira I (Espanhol I / Alemão

Leia mais

SAULO PEGO JUSTINIANO DA COSTA

SAULO PEGO JUSTINIANO DA COSTA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU- MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL E SISTEMAS DE INFORMAÇÕES TURMA - 33 SAULO PEGO JUSTINIANO DA

Leia mais

Apresentação. Quem Somos

Apresentação. Quem Somos Apresentação Quem Somos A UAI Tecnologia e Comunicação, nome fantasia da UAI Software LTDA., (que significa "Unidade de Apoio à Informação do Software") foi fundada em 19 de Março de 2004, por Luiz Gustavo

Leia mais

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes Mais que implantação, o desafio é mudar a cultura da empresa para documentar todas as interações com o cliente e transformar essas informações em

Leia mais

Por que temos um Estudo de Competitividade?

Por que temos um Estudo de Competitividade? Por que temos um Estudo de Competitividade? Criação de índices nos ajuda a conhecer as dificuldades do destino turístico. O estudo proporciona informações para a elaboração de planos de ação mais objetivos.

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO CURSO: TURISMO ( bacharelado) Missão Formar profissionais humanistas, críticos, reflexivos, capacitados para planejar, empreender e gerir empresas turísticas, adaptando-se ao

Leia mais

19ª REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO ESTADUAL DE TURISMO. 05 de Dezembro de 2013 BDMG Belo Horizonte

19ª REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO ESTADUAL DE TURISMO. 05 de Dezembro de 2013 BDMG Belo Horizonte 19ª REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO ESTADUAL DE TURISMO 05 de Dezembro de 2013 BDMG Belo Horizonte ESTATÍSTICAS DO TURISMO MINEIRO -Perfil da Demanda -Estudo de Competitividade -Dados Econômicos RAFAEL OLIVEIRA

Leia mais

APRESENTAÇÃO... 2 1. ESTUDO DE COMPETITIVIDADE... 4 2. RESULTADOS... 6. 2.1 Total geral... 6. 2.2 Infraestrutura geral... 7. 2.3 Acesso...

APRESENTAÇÃO... 2 1. ESTUDO DE COMPETITIVIDADE... 4 2. RESULTADOS... 6. 2.1 Total geral... 6. 2.2 Infraestrutura geral... 7. 2.3 Acesso... PORTO SEGURO APRESENTAÇÃO Qualquer forma de desenvolvimento econômico requer um trabalho de planejamento consistente para atingir o objetivo proposto. O turismo é apresentado hoje como um setor capaz de

Leia mais

Educação a Distância:

Educação a Distância: Educação a Distância: Repensando o Fazer Pedagógico Vânia Rita Valente A Educação a distância não é um processo novo, existem exemplos de sua utilização desde o século XIX 1. O grande desenvolvimento das

Leia mais

A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2.

A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2. A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2.000 consultores que se dedicam de forma integral à gestão de riscos

Leia mais

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA 2012.1 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS É uma instituição de direito privado, sem fins lucrativos, fundada em 20 de dezembro de 1944, com o objetivo de ser um centro voltado

Leia mais

TÉCNICO EM HOSPEDAGEM

TÉCNICO EM HOSPEDAGEM Imagens para explicar que às vezes o turista quer um lugar simples, no meio da natureza para descansar, basta estar limpo, asseado e arejado, nem todos querem luxo, existe vários perfis de clientes.(grifo

Leia mais

Perfil do Curso. O Mercado de Trabalho

Perfil do Curso. O Mercado de Trabalho Perfil do Curso É o gerenciamento dos recursos humanos, materiais e financeiros de uma organização. O administrador é o profissional responsável pelo planejamento das estratégias e pelo gerenciamento do

Leia mais

Adicionando valor na produção

Adicionando valor na produção Adicionando valor na produção Em um mercado global altamente competitivo e em constantes transformações, a otimização do resultado dos processos de produção é fundamental. Pressões ambientais e de custo,

Leia mais

BALANÇO SOCIAL: UM ESTUDO DE CASO DE UMA EMPRESA DO RAMO DE ENERGIA ELÉTRICA

BALANÇO SOCIAL: UM ESTUDO DE CASO DE UMA EMPRESA DO RAMO DE ENERGIA ELÉTRICA 2, 3 e 4 de Julho de 2009 ISSN 1984-9354 BALANÇO SOCIAL: UM ESTUDO DE CASO DE UMA EMPRESA DO RAMO DE ENERGIA ELÉTRICA Sandro Vieira Soares UFSC José Meirelles Neto UFSC Gustavo Rugoni de Sousa UFSC Elisete

Leia mais

Consultoria Empresarial

Consultoria Empresarial Consultoria Empresarial Referência : OLIVEIRA, Djalma CROCCO, Luciano; GUTIMANNN, Erick Prof- Daciane de O.Silva SURGIMENTO- Desde os tempos imemoriais COMO ISSO ACONTECIA? Os rabinos aconselhavam os fieis,

Leia mais