GT 03 Juventudes, Cidade e Violência

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GT 03 Juventudes, Cidade e Violência"

Transcrição

1 3 GT 03 Juventudes, Cidade e Violência NO JOGO DA INTERAÇÃO: JOVEM ATOR DE ATO INFRACIONAL E SUAS RELAÇÕES NO AMBIENTE DA ESCOLA Iraci Bárbara Vieira Andrade Universidade Federal do Rio Grande do Norte Mestranda em Ciências Sociais - UFRN Universidade Federal do Rio Grande do Norte

2 2 O presente trabalho tem como foco a interação do jovem ator de ato infracional no espaço da escola. A escola escolhida como lócus da pesquisa foi a Escola de Ensino Fundamental e Médio São Francisco de Assis, localizada no Bairro Grande Bom Jardim. Tal localidade faz parte do imaginário da cidade como área de atribuições ao crime e a violência. O imaginário do medo que percorre o Bairro é propagado pelas mídias, que não cessam em noticiar os fatos que ocorrem no lugar, em sua grande maioria, ou melhor, exclusivamente, relacionados a questões de violência e criminalidade que ali ocorrem. O Bairro Bom Jardim faz parte do Território do Grande Bom Jardim, que em 2008 recebeu o título de Território de Paz do Ministério da Justiça junto ao PRONASCI (Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania); onde a partir desse momento o Bairro estaria recebendo recursos para desenvolver diversos projetos que auxiliassem na diminuição e retração da vulnerabilidade do bairro, entre estes projetos estava um que tinha como público alvo os jovens da localidade: o PROTEJO (Projeto Jovem em Território de Vulnerabilidade). Porém mesmo com esse auxílio do governo federal o bairro continuou a fazer parte dos noticiários policiais de Fortaleza. Esta interferência midiática gera um lócus de produção da tragédia (ALVES e FREITAS, 2008, p. 265). Esse estigma aflige principalmente os jovens do bairro que já tão caracterizados pelos problemas comumente associados a eles como: drogadição, rebeldia, más companhias (CASTRO E AQUINO, 2008), ainda se veem julgados pelo estigma por endereço (NOVAES, 2003). A mídia traz um processo de criminalização dessa parte da população: jovem e pobre. Percebemos pelos programas policialescos qual o alvo das reportagens e do apelo dos repórteres por maior punição para essa classe da sociedade, desmerecendo o grau punitivo e até mesmo a existência de instrumentos como o ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente) e o Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo SINASE e gerando opiniões estereotipadas e preconceituosas com relação aos jovens moradores da periferia. Através da repetição dos casos e dos atores envolvidos em alguma ação infratora, disseminam-se, através da fala do crime, a discriminação e a criminalização de grupos minoritários da sociedade como os jovens, pobres, negros, mulheres (CALDEIRA, 2003). A falta de perspectiva assola os jovens que vivem nessas condições de pobreza e vulnerabilidade social. Muitas vezes lhes restando apenas o crime, talvez não somente como forma de sobrevivência, mas como forma identitária. Isso acontece, pois muitas vezes esses

3 3 jovens não encontram reconhecimento e nem alguém para se reconhecer dentro de seus lares ou grupo de amigos. Dessa forma, eles buscam um ambiente onde podem ser reconhecidos e onde eles encontrem alguém em quem possam espelhar-se, muitas vezes alguém que tenha o respeito de toda a comunidade, como a figura do traficante. Entre diversos processos de exclusão, o jovem que já está inserido no sistema de repressão e punição, é obrigado a frequentar o ambiente da escola, local onde ele vive diversas formas de exclusão, a começar pelo preconceito. Inicialmente, é bom frisar como esse jovem é encaminhado para a escola. Ao receber como punição a medida socioeducativa em meio aberto, a liberdade assistida foi a medida encontrada na escola pesquisada, esse jovem tem que está obrigatoriamente matriculado em alguma escola. A realidade da escola foi percebida em conversas com a gestão, onde esta muitas vezes se vê obrigada a estar aceitando esse jovem, mesmo sem estrutura física ou humana para dispor a este os meios necessários para o seu desenvolvimento. A caminhada é a seguinte: quando a escola não dispõe de estrutura e se recusa a aceitar este aluno, o conselho tutelar é quem, através de uma ordem judicial, faz valer os direitos desse jovem de frequentar a escola. O conselheiro tutelar e na maioria das vezes uma assistente social, que faz parte do grupo de profissionais correspondente ao Sistema de Medidas Socioeducativas que acompanhará esse jovem, durante o tempo determinado pelo juiz, acompanham este jovem à escola. Na escola percebemos a fragilidade da efetivação das Medidas Socioeducativas. Segundo o ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente), em relação a Liberdade Assistida, vemos no artigo 119, 2º cap. o seguinte termo quanto a responsabilidade do orientador: supervisionar a frequência e o aproveitamento escolar do adolescente, promovendo, inclusive, sua matrícula (2010). Aqui podemos perceber um dos pontos interessantes percebidos ao longo do trabalho de campo, a presença de apenas um jovem que está inserido no Sistema de Medidas Socioeducativas frequentando regularmente a escola. É de conhecimento da gestão da escola que outros jovens 1, que também estão matriculados, não frequentam a escola. Segundo a 1 Na época da pesquisa, no ano de 2011, era cerca de 6 a 8 jovens cumprindo Liberdade Assistida.

4 4 gestão eles aparecem apenas para buscar uma declaração de que estão estudando, para entregar a equipe de operadores da coordenação do Sistema de Medidas Socioeducativas. Não era intenção de esse trabalho trazer hipóteses do não comparecimento desses jovens as aulas, mas em conversas informais, foram levantadas questões como: a vontade de não estudar, de não frequentar aquele espaço, além da reincidência. Segundo o jovem que frequenta essa escola, esse espaço também não lhe é atrativo Todo dia eu vou embora 8:15 (20:15). (Aluno que cumpre Medida Socioeducativa) Por quê? (Pesquisadora) Por que eu num dou muito valor em tá aqui dentro do colégio. (Aluno que cumpre Medida Socioeducativa) Por quê? (Pesquisadora) Por que eu num gosto muito não, de estudar mais não, eu venho pro colégio só por causa da minha mãe mesmo tia. Se num fosse por ela eu num vinha mais não. (Aluno que cumpre Medida Socioeducativa) (ANDRADE, 2011, p. 60) Mas o que gostaria de trazer, é que não há, pelo menos na escola pesquisada, nenhuma 2 forma de fiscalização da frequência desse jovem ao espaço da escola. Assim a partir das ausências já citadas percebemos, que pelo menos no que diz respeito à educação, e principalmente a questão da escola, uma fragilidade da rede que compõe a ideia inicial das medidas socioeducativas. 1- O CAMPO E OS SUJEITOS Já mostramos aqui o espaço ao qual a E.E.F.M. São Francisco de Assis está inserida, mas demonstraremos uma breve história do Território GBJ. Os bairros do GBJ são considerados como uns dos mais violentos da capital cearense, junto com Praia do Futuro, Messejana, Barra do Ceará e Lagamar 3. A região é assolada por uma extrema situação de pobreza e desigualdade. As pessoas residentes da localidade se encontram em situação de vulnerabilidade social, o que as tornam alvos de políticas públicas, mas nem todos os indivíduos residentes ali estão em situação de risco, pois dentro do próprio bairro existe uma desigualdade social entre os moradores. Na localidade do Grande Bom Jardim, os indivíduos convivem com a pobreza e com uma classe emergente financeiramente, já que o processo de ocupação do lugar não formou uma unidade homogênea em termos econômicos, embora a 2 Pelo que foi informado pela coordenação da escola. 3 Informação extraída do jornal Diário do Nordeste do dia 13/12/2010.

5 5 maior parte da população seja composta por trabalhadores de baixa renda (PAIVA, 2008, p.243). A ocupação no bairro inicia-se no início dos anos 1950, onde naquela região existiam propriedades rurais que foram compradas pela Caixa Econômica Federal, com a intenção de construir casas populares para atender à demanda populacional da cidade. Outras foram compradas por imobiliárias e por pessoas com interesse em construir seu imóvel em uma região que antigamente era considerada calma e tranquila. A maior parte das pessoas que ocuparam o território do Grande Bom Jardim veio do interior do Estado, devido à seca, e de moradores dos bairros vizinhos. Hoje o GBJ é formado por territórios distintos entre si, ainda que ocupando o mesmo espaço, são eles: Ocupação Conjunto Urucutuba, Ocupação Santo Amaro, Ocupação Lago Verde, Ocupação Nova Canudos, Ocupação Igualdade, Ocupação Nova Esperança, e Ocupação Marrocos. Esses territórios são as comunidades que surgiram na região, alguns moradores que não residem nessas comunidades, não as consideram como sendo áreas do GBJ, caracterizando-as como favelas e não regiões do bairro (PAIVA, 2008). Em momento de reconhecimento do Bairro, que se deu no caminhar da parada de ônibus em que eu descia até a chegada a escola, pude perceber, e aqui se concorda com Paiva (2008), os diferentes modos de vida dos indivíduos que ali residiam. Ao caminhar por esse pequeno trecho do bairro, vi casas duplex de um lado e casas mais simples do outro; vi casas com carros na garagem e do outro casas que pareciam ser de brinquedo de tão pequenas que eram. De frente com essa realidade, fugiu-se da teoria de que ali seria um espaço de famílias pobres, e até miseráveis (imaginário que perpassa a população fortalezense), vimos a heterogeneidade que compõe aquele espaço. Depois desse breve passeio pelo Bairro Bom Jardim, adentremos na interação dos sujeitos na escola O jogo da interação Você já atirou em alguém? (Pesquisadora) Já tia, é fácil, é só apertar assim e pá e sai a bala. (Jovem em conflito com a lei) Já acertou em alguém? (Pesquisadora) Já atirei nos outros aí, já atirei em umas três pessoas, duas sei lá.na Osório ali, aquela avenida ali, eu quase matou um lá chega cara ficou lá se batendo que nem uma galinha no chão (risos). Roubei a mobilete do cara

6 6 tia que eu cheirava cocaína, eu vendia e cheirava, ô era o maior estrago, ai deu logo uma doida em mim e coloquei logo um revólversão na cintura e foi roubar. Roubei logo a mobilete e atirei nas costelas de um cara, aí o cara se batendo no meio da ciclovia, e veio logo um policial assim com a pistola deu um tiro nele, pegou a mobilete e saiu voado. Foi no dia que o pivete morreu, um pivete na rua luminosa, nesse dia aí tava embaçado lá na Luminosa. [...](Jovem em conflito com a lei) Você se arrependeu? (Pesquisadora) Nã o que tá feito, tá feito. (Jovem em conflito com a lei) (ANDRADE, 2011, P.57). Com esta citação, percebemos que o jovem aqui analisado, já se caracteriza como delinquente nos termos foucaultianos. Para Foucault (2009) existe uma diferença entre os infratores e os delinquentes, onde a vigilância policial leva as prisões os infratores e esta acaba por transformá-los em delinquentes. O jovem aqui considerado como sujeito importante para a pesquisa já tinha sido levado a cumprir Medida Socioeducativa em Centro Educacional. Mas o que vale ressaltar aqui é que a partir dessa sua forma (considerada transgressora) de viver, faz surgir uma forma de interação entre os sujeitos do espaço escolar que não é a mesma que a produzida com esse jovem. A realidade desse jovem tida como desviante, não surge do mero princípio de legislação, mas sim de um principio de cultura interacional onde o desvio só é caracterizado como tal quando se dá a interação com os outros indivíduos, porque seriam estes que diriam o que seria o desvio, pois o desviante ao infringir a moral de algum ou de alguns faria com que aqueles a que Becker (2008) chama de empreendedores formularem leis para forçar a interrupção desse ato. Além daqueles empreendedores que formulam as leis, existem aqueles que aplicam as leis, e aqui entramos no nosso tema. A escola como um dos ambientes de aplicação de uma lei, se torna espaço da interação entre empreendedores e desviantes. E dessa interação, por vezes tensas 4, surgem consequências que tornam o ambiente da escola um lugar hostil para esse jovem. A escola, considerada no imaginário de todos como espaço de inclusão, por vezes pode tornar-se o local da exclusão, da dinâmica tensa. Iniciamos com a chegada desse jovem a escola. Como já explicado esse jovem chega à escola com toda uma equipe que já o 4 Explicaremos isso melhor ao longo do texto.

7 7 trata de forma diferenciada e faz com que os membros da escola também o tratem de maneira diferenciada. Dessa forma já se instala um clima de tensão entre os indivíduos. Em entrevistas com a gestão e o jovem podemos perceber a dinâmica entre eles. A gestão diz que dá todo o apoio para esse jovem, mesmo que não tenha pessoas capacitadas para lidar com esse tipo de situação; o jovem, por sua vez, diz que a gestão e a coordenadoria já chegaram falar palavrões com ele e a não querer abrir o portão da escola. Nessa dinâmica dos atores, percebemos como na interação estes sujeitos se tratam como diferentes como não inseridos em uma mesma realidade. Nessa repulsa de um pelo outro, acaba-se a ideia de enfrentamento entre esses diferentes, e de muitas vezes a anulação desses estranhos (BAUMAN, 1998) onde a partir de um olhar para o outro, de entendimento e compreensão das realidades de cada um, poderia assim surgir algo novo, algo que encurtasse a distância entre esses agentes (SENNET, 1988). 2 IN-CONCLUSÕES A consequência dessa interação, nesses termos, nos faz chegar a conclusão desta pesquisa. Aqui dispomos de três, que serão levantadas nesse momento, mas que se tornam inconclusões para maior análise em trabalhos futuros. A primeira conclusão (ou in-conclusão) que chegamos é a fragilidade do próprio Sistema de Medidas Socioeducativas. Se pensarmos na obrigatoriedade da escola no âmbito das medidas socioeducativas em meio aberto, percebemos a importância que é dada a esta para o melhor desenvolvimento de cada medida. Mas a realidade que encontramos é de regras e determinações que surgem de maneira vertical, sem levar em consideração a realidade dos espaços que são condicionados a participar de uma estrutura como esta. Outro fator que se relaciona diretamente com esta fragilidade do Sistema de Medidas Socioeducativas, é a ausência de pessoal qualificado para lidar com a situação desses jovens como: assistentes sociais ou psicólogos nas escolas; vemos a fragilidade dessa rede quando verificamos as ausências desses jovens na escola, o que explicita a falta de uma fiscalização maior por parte dos operadores em relação a estes jovens, mas esse problema é estrutural. Em pesquisa 5 (ANDRADE, 2010) realizada no ano de 2010, percebemos a falta de operadores nos núcleos de atendimento, no momento da pesquisa havia uma assistente social com 57 5 Esta pesquisa foi realizada no núcleo de aplicação das Medidas Socioeducativas do próprio GBJ. Assim podemos relacionar estes trabalhos no momento de falar sobre a falta de pessoal que esse núcleo enfrenta.

8 8 jovens, quando que o máximo segundo o SINASE (Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo), é de 25 jovens por operador. O trabalho se torna exaustivo quando esses operadores têm que além dos atendimentos no próprio núcleo, tem que fazer visitas domiciliares, fiscalizar a frequência e ainda fazer relatórios para enviar ao juiz sobre a situação de cada jovem. Nessa perspectiva vemos a fragilidade da rede que esse jovem está inserido Um terceiro fator conclusivo é a relação de preconceito que se estabelece com este jovem Eles num querem nada, só matar e roubar. Agora a não ser que houvesse uma lei rigorosa, lei rigorosa. Matou, cortou um braço, uma perna alguma coisa pra ele poder ficar marcado quem sabe, se houvesse uma lei rigorosa no Brasil adiantasse alguma coisa, ia se salvar muito jovem, mas do jeito que tá; na hora que eles fazem um delito, tem as FEBEMs pra dá de comer, né. Quando faz outro, quando tá de maior nós junto com o governador vamos pagar hospedagem pra eles lá no presídio. A maioria deles diz, quantos e quantos jovens já chegaram pra mim e disse: nã é melhor ir matar, pelo menos nós temos nossa hospedagem certa. É isso, agora porque? Porque não tem nenhum sinal, mas agora faça um sinal nele, mas não tem nenhuma lei, né, nenhuma lei rígida. Aí quem perde somos nós, né, nós que fica com o salário baixo, que ele tem que dá de comer pro monte de gente nos presídios, né, porque o custo é muito alto pro governador. (Fala da funcionária) Com essa fala, fica claro o preconceito e o despreparo de alguns atores do sistema escolar em trabalhar com jovens, principalmente em áreas como a do Grande Bom Jardim, onde se evidencia um alto índice de violência entre eles, que são vítimas e também vitimizadores. E tal condição não os tira do universo escolar, ou seja, mesmo os jovens que se articulam em ambientes hostis não deixam de frequentar o ambiente da escola. Entretanto, passam a estabelecer uma relação de adversidade e um sentimento de não pertencimento em relação à escola, sendo esta um espaço de não construção de sociabilidades. Para finalizar, podemos ver que não são apenas estes jovens desviantes que são sujeitos estranhos, que são desviantes, mas também aqueles que o rotulam como tal é considerado por este jovem como um estranho, como um desviante. Nesta interação repleta de afetações está nosso objeto, nossos sujeitos importantes da pesquisa, onde todos interagem entre si, criam novas formas de interação, diferenciam sujeitos e nos explicita a fragilidade de todo um sistema que é de fundamental importância para a sociedade: a retomada da vida desses jovens a partir de um processo de ressignificação de seus atos.

9 9 Essa falta de ligação entre os componentes do sistema mostra-se para esse jovem como mais uma deficiência de todo o complexo sócio-político-jurídico que se põe a ele. A falta de políticas na comunidade e de verbas na escola faz com que ela se mostre ineficiente, mas, por trás dessa ineficiência, vê-se um todo fragilizado. Em entrevistas com a direção, citou-se a necessidade de psicólogos na escola, para lidar melhor com a problemática desse jovem; ocorreu também a necessidade de visita às casas destes, para saber de suas condições objetivas, mas também da necessidade de se chamar a família para o diálogo. Como fazer isso sem condições? Como chamar a família se muitas vezes ela também está fragilizada? Como a escola pode ser a única política do governo dentro de uma comunidade como a do Bom Jardim? Essas são indagações que talvez não foram respondidas nesse texto, nem foi a intenção desse trabalho respondê-las, pois entendemos a complexidade em que se encontram inseridos todos os atores do contexto analisado. Dessa forma surge a necessidade de uma rede que salvaguarde esse adolescente, não apenas ele, mas também todas as instituições que devem apará-lo. Nesse sentido, deve-se haver maior investimento estatal nas políticas e instituições que possam vir a perpassar o cotidiano de jovem.

10 10 Referências Bibliográficas ANDRADE. Iraci Bárbara V. Uma análise dos processos de inclusão e exclusão do jovem em conflito com a lei em ambiente escolar f. Monografia - Curso de Ciências Sociais, Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza ANDRADE. Iraci Bárbara V. A percepção das mães diante da realidade de seu(s) filho(s) envolvido(s) em conflitos com a lei. Disponível em: Acessado em 22/11/2010. BAUMAN, Zygmunt. O mal-estar da pós modernidade. Rio de Janeiro: Zahar, BRASIL. Estatuto da Criança e do Adolescente. Lei nº de 13 de julho de Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Brasília, DF, CALDEIRA, Teresa Pires do Rio. Cidade de Muros: crime, segregação e cidadania em São Paulo. São Paulo: Edusp, CASTRO, J. A. e AQUINO, L. Juventude e políticas sociais no Brasil. Brasília: Ipea, p. DAYRELL, Juarez Tarcísio e GOMES, Nilma Lino. A juventude no Brasil: questões e desafios. In: DAYRELL, Juarez Tarcísio. GOMES, Nilma Lino e MATOS, Marlise. Cidadania e a luta por direitos humanos, sociais, econômicos, culturais e ambientais. Belo Horizonte: UFMG, P FOUCAULT. Michel. Vigiar e punir. História da violência nas prisões. Petrópolis RJ: Ed. Vozes, NOVAES, Regina. Juventude, exclusão e inclusão social: aspectos e controvérsias de um debate em curso. In. FREITAS, Maria Virgínia de, PAPA, Fernando de Carvalho. Políticas públicas: juventude em pauta. Cortez, p. PAIVA, Luiz Fábio Silva. Bairro Bom Jardim: Formação, desigualdade e segurança pública. In. ARAGÃO, Elisabeth F. e FREITAS, Geovani J. (Org.). Fortaleza e Suas Tramas: Olhares sobre a cidade. Fortaleza: Ed.UECE, P SENNET. R. O declínio do homem público. As tiranias da Intimidade. São Paulo: Companhia das Letras, SINASE. Secretaria Especial dos Direitos Humanos. Brasília-DF: CONANDA, 2007.

CARTA ABERTA À PRESIDENTA DILMA ROUSSEFF E ÀS AUTORIDADES POLÍTICAS E JUDICIÁRIAS BRASILEIRAS SOBRE A REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL

CARTA ABERTA À PRESIDENTA DILMA ROUSSEFF E ÀS AUTORIDADES POLÍTICAS E JUDICIÁRIAS BRASILEIRAS SOBRE A REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL Boaventura de Sousa Santos Coimbra, 20 de Julho de 12015 CARTA ABERTA À PRESIDENTA DILMA ROUSSEFF E ÀS AUTORIDADES POLÍTICAS E JUDICIÁRIAS BRASILEIRAS SOBRE A REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL DAS VIOLÊNCIAS

Leia mais

Integração social e Segregação real: uma questão para as medidas socioeducativas no Brasil

Integração social e Segregação real: uma questão para as medidas socioeducativas no Brasil Integração social e Segregação real: uma questão para as medidas socioeducativas no Brasil Fídias Gomes Siqueira 1 Andréa Maris Campos Guerra 2 [...] a gente carecia de querer pensar somente nas coisas

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA INSTITUTO DE PSICOLOGIA

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA INSTITUTO DE PSICOLOGIA CONSELHO DO DA UnB SE POSICIONA CONTRA A REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL O Conselho do (CIP/UnB) da, instância máxima do Curso de Psicologia (graduação e pós-graduação), em Reunião Ordinária de 23 de junho

Leia mais

Gangues, Criminalidade Violenta e Contexto Urbano: Um Estudo de Caso

Gangues, Criminalidade Violenta e Contexto Urbano: Um Estudo de Caso Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Centro de Estudos de Criminalidade e Segurança Pública (CRISP) Conferencia Internacional Violencia en Barrios en America Latina Sus Determinantes y Politicas

Leia mais

Cartilha da CRianca e do adolescente

Cartilha da CRianca e do adolescente Cartilha da CRianca e do adolescente Mais um dia vivido pela familia Brasilino Oi, pessoal, cheguei! Oi, filho, tudo bem? Hum... que cheiro bom! Tô morrendo de fome! Vou lá dentro lavar as mãos, guardar

Leia mais

ADOLESCENTES EM CONFLITO COM A LEI NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: DESAFIOS DA ESCOLA E DO EDUCADOR

ADOLESCENTES EM CONFLITO COM A LEI NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: DESAFIOS DA ESCOLA E DO EDUCADOR ADOLESCENTES EM CONFLITO COM A LEI NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: DESAFIOS DA ESCOLA E DO EDUCADOR Resumo Ronaldo Revejes Pedroso 1 - NEJA/UNESP Francisco José Carvalho Mazzeu 2 - UNESP Grupo de Trabalho

Leia mais

ENSINANDO DIREITOS HUMANOS NA EJA: LIMITES E DESAFIOS DE UMA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA

ENSINANDO DIREITOS HUMANOS NA EJA: LIMITES E DESAFIOS DE UMA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA ENSINANDO DIREITOS HUMANOS NA EJA: LIMITES E DESAFIOS DE UMA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA Maria Elizete Guimarães Carvalho 1 Resumo Discute as experiências vivenciadas no Projeto de Extensão Educando Jovens

Leia mais

AÇÕES DE POTENCIALIZAÇÃO DE JOVENS EM CUMPRIMENTO DE MEDIDA SOCIOEDUCATIVA ATENDIDOS NO CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DA ASISTÊNCIA SOCIAL

AÇÕES DE POTENCIALIZAÇÃO DE JOVENS EM CUMPRIMENTO DE MEDIDA SOCIOEDUCATIVA ATENDIDOS NO CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DA ASISTÊNCIA SOCIAL AÇÕES DE POTENCIALIZAÇÃO DE JOVENS EM CUMPRIMENTO DE MEDIDA SOCIOEDUCATIVA ATENDIDOS NO CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DA ASISTÊNCIA SOCIAL RESUMO AMORIM 1, Tâmara Ramalho de Sousa SIMÕES 2, Poliana

Leia mais

coleção Conversas #6 Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça.

coleção Conversas #6 Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça. coleção Conversas #6 Eu Posso com a s fazer próprias justiça mãos? Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora AfroReggae nasceu com o desejo

Leia mais

A redução da maioridade penal não é a solução

A redução da maioridade penal não é a solução A redução da maioridade penal não é a solução Mandato do Deputado Estadual Marcelo Freixo 2 Redação: Ana Marcela Terra Bruno Villa Sidney Teles Tomás Ramos Edição: Renata Souza Revisão: Bruno Villa Fotos:

Leia mais

ASPECTOS HISTÓRICOS RESGATE DA HISTÓRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES NO BRASIL Maria Izabel Rocha Simão e Silva Capacitação de Candidatos ao Conselho Tutelar Barbacena, julho/2010 Objetivos: 1- Entendimento

Leia mais

Como proceder à notificação e para onde encaminhá-la?

Como proceder à notificação e para onde encaminhá-la? Se a família não quiser ou não puder assumir a notificação, o educador deverá informar a família que, por força da lei, terá que notificar o fato aos órgãos competentes. Como proceder à notificação e para

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN

PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN ESPÍRITO SANTO/RN, OUTUBRO DE 2014. FRANCISCO ARAÚJO DE SOUZA PREFEITO MUNICIPAL DE ESPÍRITO SANTO/RN ELIZANGELA FREIRE DE

Leia mais

Tema: Criminalidade e Cotidiano. Título: A violência na História do Brasil.

Tema: Criminalidade e Cotidiano. Título: A violência na História do Brasil. Arquivo do Estado de SP O Uso dos Documentos de Arquivo na Sala de Aula Tema: Criminalidade e Cotidiano. Título: A violência na História do Brasil. Mariana Ramos Apolinário 2º semestre 2013 São Paulo SP

Leia mais

CONSELHOS TUTELARES FUNÇÕES E ATRIBUIÇÕES

CONSELHOS TUTELARES FUNÇÕES E ATRIBUIÇÕES CONSELHOS TUTELARES FUNÇÕES E ATRIBUIÇÕES Conselho Tutelar Órgão permanente e autônomo, não jurisdicional, encarregado pela sociedade de zelar pelo cumprimento dos direitos da criança e do adolescente,

Leia mais

Bullying é crime? Uma reflexão da psicologia moral sobre a temática. Drª Vanessa Fagionatto Vicentin GEPEM 2015

Bullying é crime? Uma reflexão da psicologia moral sobre a temática. Drª Vanessa Fagionatto Vicentin GEPEM 2015 Bullying é crime? Uma reflexão da psicologia moral sobre a temática Drª Vanessa Fagionatto Vicentin GEPEM 2015 Caso Marcela* e Juliana* De acordo com Tognetta e Vinha (2008) deve existir uma vítima indefesa

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

A PERSPECTIVA DO ADOLESCENTE QUANTO À PRIVAÇÃO DE LIBERDADE EM CASO DE INTERNAÇÃO

A PERSPECTIVA DO ADOLESCENTE QUANTO À PRIVAÇÃO DE LIBERDADE EM CASO DE INTERNAÇÃO 1 A PERSPECTIVA DO ADOLESCENTE QUANTO À PRIVAÇÃO DE LIBERDADE EM CASO DE INTERNAÇÃO Amanda Bueno da Silva 1 Kênia Maria Noma de Melo 2 Elizabete David Novaes 3 RESUMO O presente trabalho objetiva investigar

Leia mais

Pesquisa de Opinião Pública SEGURANÇA PÚBLICA. Janeiro/2015

Pesquisa de Opinião Pública SEGURANÇA PÚBLICA. Janeiro/2015 Pesquisa de Opinião Pública SEGURANÇA PÚBLICA Janeiro/2015 OBJETIVOS Objetivo Principal: Esta estudo teve como objetivo principal verificar e quantificar a opinião pública brasileira quanto ao tema Segurança

Leia mais

MÓDULO II Introdução ao Estatuto da Criança e do Adolescente AULA 04

MÓDULO II Introdução ao Estatuto da Criança e do Adolescente AULA 04 MÓDULO II Introdução ao Estatuto da Criança e do Adolescente AULA 04 Por Leonardo Rodrigues Rezende 1 1. Apresentação O Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) completa 24 anos este ano, mas sua história

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

PROVA DE REDAÇÃO 2º TRIMESTRE DE 2010 PROFª DEBORAH

PROVA DE REDAÇÃO 2º TRIMESTRE DE 2010 PROFª DEBORAH PROVA DE REDAÇÃO 2º TRIMESTRE DE 2010 PROFª DEBORAH NOME Nº 8 ANO A compreensão do enunciado faz parte da questão. Não faça perguntas ao examinador. A prova deve ser feita com caneta azul ou preta. É terminantemente

Leia mais

ADOLESCENTE, ATO INFRACIONAL E A REINCIDÊNCIA

ADOLESCENTE, ATO INFRACIONAL E A REINCIDÊNCIA 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ADOLESCENTE, ATO INFRACIONAL E A REINCIDÊNCIA BRANDÃO, Rosângela Fátima Penteado 1 HOLZMANN, Liza 2 QUADROS, Débora

Leia mais

A (in)visibilidade da violência urbana em imagens da(s) cidade(s) de Florianópolis/SC

A (in)visibilidade da violência urbana em imagens da(s) cidade(s) de Florianópolis/SC Autoras: Andréia Piana Titon; Andréa Vieira Zanella - Universidade Federal de Santa Catarina Florianópolis/SC. Tipo proposta: Comunicação Oral Título do trabalho: A (in)visibilidade da violência urbana

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

Quem somos: Movimento CONTRA a Redução da Maioridade Penal

Quem somos: Movimento CONTRA a Redução da Maioridade Penal Quem somos: Movimento CONTRA a Redução da Maioridade Penal Tema de luta histórica de entidades governamentais e não governamentais campanhas, grupos, redes, pastorais, conselhos ligadas, sobretudo aos

Leia mais

ações de cidadania ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará

ações de cidadania ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará ações de cidadania Onde o sol nasce ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará O triste cenário já é um velho conhecido por

Leia mais

Concurso Público para Admissão ao Bacharelado

Concurso Público para Admissão ao Bacharelado Concurso Público para Admissão ao Bacharelado em Ciências Policiais de Segurança e Ordem Pública da Polícia Militar do Estado de São Paulo Assinatura do Candidato 2. Prova de Escolaridade (Parte II) INSTRUÇÕES

Leia mais

LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança.

LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança. LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança. Jaquelaine SOUSA 1 Dalva Borges de SOUZA 2 Programa de Pós-Graduação em Sociologia/Faculdade de Ciências

Leia mais

Referências. mudam e impactam a construção de valores para os jovens

Referências. mudam e impactam a construção de valores para os jovens Referências FOTO: MARCELO VIRIDIANO mudam e impactam a construção de valores para os jovens DOCENTES DO INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS (ICH) DA UFJF RESSALTAM QUE DISCURSOS SOCIAIS TENDEM A ESTEREOTIPAR

Leia mais

Associação Lar do Neném

Associação Lar do Neném Criança Esperança 80 Associação Lar do Neném Recife-PE Marília Lordsleem de Mendonça Abraço solidário Todas as crianças são de todos : esse é o lema do Lar do Neném, uma instituição criada há 26 anos em

Leia mais

POBREZA E DESIGUALDADE NA FAVELA: PESQUISA ETNOGRÁFICA EM FAVELA CARIOCA

POBREZA E DESIGUALDADE NA FAVELA: PESQUISA ETNOGRÁFICA EM FAVELA CARIOCA POBREZA E DESIGUALDADE NA FAVELA: PESQUISA ETNOGRÁFICA EM FAVELA CARIOCA Aluno: Thamires Marins de Carvalho Orientadora: Maria Sarah da Silva Telles Introdução As favelas do Rio de Janeiro têm alcançado

Leia mais

Módulo 01 Professor Antonio Carlos Gomes da Costa 1

Módulo 01 Professor Antonio Carlos Gomes da Costa 1 Módulo 01 Professor Antonio Carlos Gomes da Costa 1 Vídeo Aula 1 2 A Constituição Federal de 1988 e o Estatuto da Criança e do Adolescente O contexto da Constituição Federal de 1988 foi inspirado nau idéia

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA Área Temática: Direitos Humanos e Justiça Liza Holzmann (Coordenadora da Ação de Extensão) Liza Holzmann 1 Palavras Chave:

Leia mais

SINTESE DO DIAGNÓSTICO TERRITÓRIO DE PAZ SANTO AFONSO NOVO HAMBURGO 2010/2011

SINTESE DO DIAGNÓSTICO TERRITÓRIO DE PAZ SANTO AFONSO NOVO HAMBURGO 2010/2011 SINTESE DO DIAGNÓSTICO TERRITÓRIO DE PAZ SANTO AFONSO NOVO HAMBURGO 2010/2011 REALIZAÇÃO: Diagnóstico Local - Território de Paz Santo Afonso Novo Hamburgo Página 1 DIAGNÓSTICO LOCAL TERRITÓRIO DE PAZ SANTO

Leia mais

III SEMINÁRIO INTERNACIONAL VIOLÊNCIA E CONFLITOS SOCIAIS: ILEGALISMOS E LUGARES MORAIS

III SEMINÁRIO INTERNACIONAL VIOLÊNCIA E CONFLITOS SOCIAIS: ILEGALISMOS E LUGARES MORAIS III SEMINÁRIO INTERNACIONAL VIOLÊNCIA E CONFLITOS SOCIAIS: ILEGALISMOS E LUGARES MORAIS 6 a 09 de dezembro de 2011, Laboratório de Estudos da Violência, UFC, Fortaleza-CE Grupo de Trabalho Desigualdades,

Leia mais

PROJETOS ÁREA DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA

PROJETOS ÁREA DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA Direitos Individuais e Coletivos Fortalecimento 0 378 conselheiros que Marta Mendes da Rocha Institucional da Casa atuam em 11 Conselhos dos Conselheiros de Municipais de Juiz de Contribuir para o fortalecimento

Leia mais

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a).

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). 1 Ofício nº 01/2015 - CDS - OAB/BLUMENAU Aos(as) Excelentíssimos(as) Vereadores(as) de Blumenau. Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). Conforme se denota do sítio eletrônico,

Leia mais

Representação da UNESCO no Brasil. DIREITOS HUMANOS NA MÍDIA COMUNITÁRIA: a cidadania vivida no nosso dia a dia

Representação da UNESCO no Brasil. DIREITOS HUMANOS NA MÍDIA COMUNITÁRIA: a cidadania vivida no nosso dia a dia Representação da UNESCO no Brasil DIREITOS HUMANOS NA MÍDIA COMUNITÁRIA: a cidadania vivida no nosso dia a dia 1ª Edição Brasília e São Paulo UNESCO e OBORÉ Setembro de 2009 2009 Organização das Nações

Leia mais

Egressos e mercado de trabalho. Sonora Édio Araújo : 00:26/00:45

Egressos e mercado de trabalho. Sonora Édio Araújo : 00:26/00:45 Egressos e mercado de trabalho Imagens externas de presídios no Rio de Janeiro. Imagem Édio Araújo Cooperativa eu quero Liberdade. Gráfico e imagens de apoio. Imagem Maíra Fernandes Presidente do conselho

Leia mais

Construindo uma cultura de paz. Tornando-se política pública

Construindo uma cultura de paz. Tornando-se política pública Construindo uma cultura de paz Em 2000, no marco do Ano Internacional para uma cultura de paz, a Representação da UNESCO no Brasil lançou o Programa Abrindo Espaços: educação e cultura para a paz, uma

Leia mais

coleção Conversas #26 Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #26 Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. Saí da prisão volto coleção Conversas #26 - setembro 2015 - e estou ou não desempregado, para o crime? Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS, da

Leia mais

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - Sou so profes r a, Posso m a s n ão parar d aguento m e ai ensinar s? d a r a u la s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A

Leia mais

1 Embora o ECA, o Sistema Nacional de Atendimento Sócio-educativo SINASE e o Conselho Estadual

1 Embora o ECA, o Sistema Nacional de Atendimento Sócio-educativo SINASE e o Conselho Estadual MEDIDAS SÓCIO-EDUCATIVAS: UM OLHAR SOBRE AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DESENVOLVIDAS JUNTO AOS ADOLESCENTES EM CONFLITO SOCIAL NO CENTRO EDUCACIONAL REGIONAL DE LAGES/SC PEREIRA, Josilaine Antunes UNIPLAC antunesjo@hotmail.com

Leia mais

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um.

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um. coleção Conversas #10 - junho 2014 - Eu sou Estou garoto num de programa. caminho errado? Respostas para algumas perguntas que podem estar sendo feitas Garoto de Programa por um. A Coleção CONVERSAS da

Leia mais

QUERIDO(A) ALUNO(A),

QUERIDO(A) ALUNO(A), LANÇADA EM 15 MAIO DE 2008, A CAMPANHA PROTEJA NOSSAS CRIANÇAS É UMA DAS MAIORES MOBILIZAÇÕES PERMANENTES JÁ REALIZADAS NO PAÍS, COM FOCO NO COMBATE À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E À EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS

Leia mais

LEI Nº 3.612, DE 13/09/2012.

LEI Nº 3.612, DE 13/09/2012. LEI Nº 3.612, DE 13/09/2012. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO PROGRAMA FAMÍLIA ACOLHEDORA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE ARACRUZ, ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, NO USO DE SUAS ATRIBUIÇÕES LEGAIS,

Leia mais

Atenção: Revista em desenvolvimento

Atenção: Revista em desenvolvimento Editorial Atenção: Revista em desenvolvimento Estamos iniciando nossa primeira edição, de um produto até agora novo, não na tecnologia empregada que já é sucesso na Europa, e sim em seu conteúdo. As revistas

Leia mais

Apoio. Patrocínio Institucional

Apoio. Patrocínio Institucional Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 83 Papo Reto com José Junior 12 de junho de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura

Leia mais

MÍDIA E VIOLÊNCIA COMO OS JORNAIS RETRATAM A VIOLÊNCIA E A SEGURANÇA PÚBLICA NA BAIXADA FLUMINENSE. Silvia Ramos

MÍDIA E VIOLÊNCIA COMO OS JORNAIS RETRATAM A VIOLÊNCIA E A SEGURANÇA PÚBLICA NA BAIXADA FLUMINENSE. Silvia Ramos MÍDIA E VIOLÊNCIA COMO OS JORNAIS RETRATAM A VIOLÊNCIA E A SEGURANÇA PÚBLICA NA BAIXADA FLUMINENSE Silvia Ramos A pesquisa mídia e violência O Centro de Estudos de Segurança e Cidadania da Universidade

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA 3º PERÍODO A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA 3º PERÍODO A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA 3º PERÍODO A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA Adenilton Santos Moreira* RESUMO Este trabalho analisa a Inclusão social como a capacidade

Leia mais

MEMPORIAS DOS APOSENTADOS JOSÉ CARLOS ORTIZ PROMOTOR DE JUSTIÇA APOSENTADO ENTRÂNCIA ESPECIAL INÍCIO E SAÍDA DO MPSP: 01/12/1978 A 08/08/1997

MEMPORIAS DOS APOSENTADOS JOSÉ CARLOS ORTIZ PROMOTOR DE JUSTIÇA APOSENTADO ENTRÂNCIA ESPECIAL INÍCIO E SAÍDA DO MPSP: 01/12/1978 A 08/08/1997 MEMPORIAS DOS APOSENTADOS JOSÉ CARLOS ORTIZ PROMOTOR DE JUSTIÇA APOSENTADO ENTRÂNCIA ESPECIAL INÍCIO E SAÍDA DO MPSP: 01/12/1978 A 08/08/1997 APMP: Como surgiu a ideia de prestar concurso para o MP? Desde

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher Palácio do Planalto, 12 de março de 2003 Minha cara ministra Emília Fernandes, Minha cara companheira Benedita da

Leia mais

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR Mantendo um abrigo legal O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR Segundo o art. 19, da Lei n. 8069/90, do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA): Toda criança ou adolescente tem direito a ser criado e educado

Leia mais

Agenda dos Adolescentes Brasileiros 1

Agenda dos Adolescentes Brasileiros 1 DECLARAÇÃO NACIONAL DO PARLAMENTO JUVENIL DO MERCOSUL Brasília, Brasil 14-16 setembro de 2010 Grupos 1 e 2 Tema: Inclusão Educativa Agenda dos Adolescentes Brasileiros 1 Exclusão de estudantes com deficiência

Leia mais

UNIVERSIDADE DE MINAS GERAIS - RS UFMG - EXTENÇÃO JUVIVA 2-CURSO DE ATUALIZAÇÃO EJA E JUVENTUDE VIVA 2-T9

UNIVERSIDADE DE MINAS GERAIS - RS UFMG - EXTENÇÃO JUVIVA 2-CURSO DE ATUALIZAÇÃO EJA E JUVENTUDE VIVA 2-T9 UNIVERSIDADE DE MINAS GERAIS - RS UFMG - EXTENÇÃO JUVIVA 2-CURSO DE ATUALIZAÇÃO EJA E JUVENTUDE VIVA 2-T9 RELATÓRIO: JUVENTUDE NEGRA: PRECONCEITO, VIOLÊNCIA E DISCRIMINAÇÃO RACIAL MARIA DO SOCORRO SILVA

Leia mais

Cartilha de Prevenção Orientações para o combate à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes

Cartilha de Prevenção Orientações para o combate à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Art. 5º Nenhuma criança ou adolescente será objeto de qualquer forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão, punido na forma da lei qualquer atentado, por ação ou omissão,

Leia mais

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque Fantasmas da noite Uma peça de Hayaldo Copque Peça encenada dentro de um automóvel na Praça Roosevelt, em São Paulo-SP, nos dias 11 e 12 de novembro de 2011, no projeto AutoPeças, das Satyrianas. Direção:

Leia mais

JOGO DE QUÍMICA: UM MÉTODO LÚDICO PARA COMPREENSÃO DE CONCEITOS E INTERAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS.

JOGO DE QUÍMICA: UM MÉTODO LÚDICO PARA COMPREENSÃO DE CONCEITOS E INTERAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS. JOGO DE QUÍMICA: UM MÉTODO LÚDICO PARA COMPREENSÃO DE CONCEITOS E INTERAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS. cibdo@yahoo.com.br Cristiane Barbosa de Oliveira * (PQ) Neusa Maria John Scheid (PG). Palavras-Chave: Educação

Leia mais

ESCOLA COMO ESPAÇO DE GARANTIA DE RESPEITO ÀS DIFERENÇAS

ESCOLA COMO ESPAÇO DE GARANTIA DE RESPEITO ÀS DIFERENÇAS ESCOLA COMO ESPAÇO DE GARANTIA DE RESPEITO ÀS DIFERENÇAS Verlani Catarina da Silva 1 ; Thales Valença Ferreira Castro 2 A escola como um espaço tão múltiplo de ideias, classes sociais e diversidades culturais

Leia mais

O ADOLESCENTE INFRATOR E OS DESAFIOS DA POLÍTICA DE ATENDIMENTO À INFÂNCIA E À ADOLESCÊNCIA INSTITUCIONALIZADA.

O ADOLESCENTE INFRATOR E OS DESAFIOS DA POLÍTICA DE ATENDIMENTO À INFÂNCIA E À ADOLESCÊNCIA INSTITUCIONALIZADA. O ADOLESCENTE INFRATOR E OS DESAFIOS DA POLÍTICA DE ATENDIMENTO À INFÂNCIA E À ADOLESCÊNCIA INSTITUCIONALIZADA. ANTONIO GANDINI JÚNIOR Núcleo de Estudo e Pesquisa: Política e Gestão da Educação Doutorando

Leia mais

Informações práticas para denunciar crimes raciais

Informações práticas para denunciar crimes raciais Informações práticas para denunciar crimes raciais O que é racismo? Racismo é tratar alguém de forma diferente (e inferior) por causa de sua cor, raça, etnia, religião ou procedência nacional. Para se

Leia mais

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS 8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS DOCUMENTO FINAL EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Ações de mobilização: 1. Ampla mobilização, por

Leia mais

Respostas não definitivas em uma sabatina sobre drogas

Respostas não definitivas em uma sabatina sobre drogas Respostas não definitivas em uma sabatina sobre drogas Gerivaldo Neiva * - Professor, mas o senhor não acha que um mundo sem drogas seria melhor para todos? - Definitivamente, não! Um mundo sem drogas

Leia mais

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento,

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Projetos e Capacitação TEMA: CREAS: SERVIÇOS OFERTADOS, INTERSETORIALIDADE,

Leia mais

Crianças e adolescentes vítimas do tráfico de drogas: onde fica a cidadania?

Crianças e adolescentes vítimas do tráfico de drogas: onde fica a cidadania? Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a 28 de agosto de 2008 Crianças e adolescentes vítimas do tráfico de drogas: onde fica a cidadania? Rosane Teresinha Carvalho Porto; Suzéte

Leia mais

Jorge Abrahão de Castro Diretor da Diretoria de Estudos Sociais Brasília, 20 janeiro de 2010

Jorge Abrahão de Castro Diretor da Diretoria de Estudos Sociais Brasília, 20 janeiro de 2010 Juventude e Políticas Sociais no Brasil Jorge Abrahão de Castro Diretor da Diretoria de Estudos Sociais Brasília, 20 janeiro de 2010 Juventude e suas questões Juventude e População: Brasil 2008: 50,2 milhões

Leia mais

Desigualdades socioespaciais no RN: velhas causas, novas formas

Desigualdades socioespaciais no RN: velhas causas, novas formas Desigualdades socioespaciais no RN: velhas causas, novas formas Rita de Cássia da Conceição Gomes Natal, 11/09/2011 As Desigualdades socioespacias em nossa agenda de pesquisa: Dialética apresentada Pesquisa

Leia mais

Música, Escola e Sociabilidades Juvenis em situação de risco social: a experiência de investigação no estágio pós-doutoral

Música, Escola e Sociabilidades Juvenis em situação de risco social: a experiência de investigação no estágio pós-doutoral 800 Música, Escola e Sociabilidades Juvenis em situação de risco social: a experiência de investigação no estágio pós-doutoral Antônio Dias Nascimento PPGMUS UFRGS/UNEB andiasst@hotmail.com Jusamara Souza

Leia mais

Homofobia nas escolas

Homofobia nas escolas Homofobia nas escolas Seminário Plano Nacional de Educação Mobilização por uma Educação sem Homofobia Brasília, 23 de novembro de 2011. Miriam Abramovay 1 Escola e violência O fenômeno das violências nas

Leia mais

Seminário Nacional Aplicação de Medidas Socioeducativas a Adolescentes Infratores

Seminário Nacional Aplicação de Medidas Socioeducativas a Adolescentes Infratores Seminário Nacional Aplicação de Medidas Socioeducativas a Adolescentes Infratores Comissão Especial PL 7197/02 Câmara dos Deputados Comissão de Constituição e Justiça e Cidadania. Brasília, 04/11/13 A

Leia mais

Ações Socioeducativas

Ações Socioeducativas AÇÕES SOCIOEDUCATIVAS NA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Assistência Social Ações Socioeducativas Garantia dos direitos Inclusão social Desenvolvimento do protagonismo Desenvolvimento da autonomia individual

Leia mais

RECENSÃO DE LIVRO DIÁLOGOS SOBRE A JUVENTUDE: IMPACTOS DA INFORMAÇÃO NA CONSTRUÇÃO DE IDENTIDADES E DE VALORES

RECENSÃO DE LIVRO DIÁLOGOS SOBRE A JUVENTUDE: IMPACTOS DA INFORMAÇÃO NA CONSTRUÇÃO DE IDENTIDADES E DE VALORES INTERACÇÕES NO. 17, PP. 215-221 (2011) RECENSÃO DE LIVRO DIÁLOGOS SOBRE A JUVENTUDE: IMPACTOS DA INFORMAÇÃO NA CONSTRUÇÃO DE IDENTIDADES E DE VALORES Ivar César Oliveira de Vasconcelos Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Curso de Direito Atividades de aprofundamento acadêmico nº 04 2S2015

Curso de Direito Atividades de aprofundamento acadêmico nº 04 2S2015 Curso de Direito Atividades de aprofundamento acadêmico nº 04 2S2015 Professor responsável: Ricardo Lorenzi Pupin Aluno: Semestre/turma: Disciplina: Geral Tema da atividade: Arrastões nas praias do Rio

Leia mais

Índice de Percepção da Presença do Estado

Índice de Percepção da Presença do Estado Índice de Percepção da Presença do Estado IBRE e CPDOC Rio de Janeiro, 21 de Junho de 2010. Objetivo O objetivo principal é desenvolver um índice que mensure a percepção da presença do Estado na sociedade

Leia mais

MULHERES EM ASCENSÃO: ESTUDO COMPARATIVO DE TRAJETÓRIAS EDUCACIONAIS DE MULHERES NEGRAS E BRANCAS NA PÓS-GRADUAÇÃO DA UFF PINTO

MULHERES EM ASCENSÃO: ESTUDO COMPARATIVO DE TRAJETÓRIAS EDUCACIONAIS DE MULHERES NEGRAS E BRANCAS NA PÓS-GRADUAÇÃO DA UFF PINTO MULHERES EM ASCENSÃO: ESTUDO COMPARATIVO DE TRAJETÓRIAS EDUCACIONAIS DE MULHERES NEGRAS E BRANCAS NA PÓS-GRADUAÇÃO DA UFF PINTO, Giselle UFF giselleuff@yahoo.com.br GT: Afro-Brasileiros e Educação / n.21

Leia mais

www.fecomercio-rj.org.br [ 1 ]

www.fecomercio-rj.org.br [ 1 ] www.fecomercio-rj.org.br [ 1 ] A SEGURANÇA PÚBLICA NO BRASIL 16 de abril de 2008 [ 2 ] (1 MENÇÃO) - SG1) Na sua opinião, quem tem mais responsabilidade pelo combate à criminalidade e violência contra as

Leia mais

A SEGURANÇA É HOJE A PRINCIPAL PREOCUPAÇÃO DO BRASILEIRO. Diversos problemas levaram à situação atual

A SEGURANÇA É HOJE A PRINCIPAL PREOCUPAÇÃO DO BRASILEIRO. Diversos problemas levaram à situação atual A SEGURANÇA É HOJE A PRINCIPAL PREOCUPAÇÃO DO BRASILEIRO Diversos problemas levaram à situação atual O problema sempre foi tratado com uma série de OUs Natureza ou policial ou social Responsabilidade ou

Leia mais

EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL

EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL Proposta I Fomentar a criação de grêmios estudantis, fóruns de juventude, diretórios centrais de estudantes,

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Escola Municipal de Ensino Fundamental David Canabarro Florianópolis, 3892 Mathias Velho/Canoas Fone: 34561876/emef.davidcanabarro@gmail.com DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Nome: Stefani do Prado Guimarães Ano

Leia mais

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO ESPECIAL Nº 01/2014 MULHERES DA PAZ

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO ESPECIAL Nº 01/2014 MULHERES DA PAZ EDITAL DE PROCESSO SELETIVO ESPECIAL Nº 01/2014 MULHERES DA PAZ A Prefeitura Municipal de Diadema por meio da Secretaria Municipal de Defesa Social, no uso de suas atribuições, torna público que estarão

Leia mais

PENSANDO NA PRÁTICA: AS AÇÕES E ATIVIDADES EXECUTADAS NOS CRAS/CREAS FACILITADORA: INÊS DE MOURA TENÓRIO

PENSANDO NA PRÁTICA: AS AÇÕES E ATIVIDADES EXECUTADAS NOS CRAS/CREAS FACILITADORA: INÊS DE MOURA TENÓRIO a Área da Assistência Social PENSANDO NA PRÁTICA: AS AÇÕES E ATIVIDADES EXECUTADAS NOS CRAS/CREAS FACILITADORA: INÊS DE MOURA TENÓRIO Assistência Social na PNAS Situada como proteção social não contributiva;

Leia mais

Manual da Aprendizagem

Manual da Aprendizagem Manual da Aprendizagem Preparado pelo Centro Social Betesda (CSB) INTRODUÇÃO Aprendizagem é uma ação promovida para incentivar a aplicação prática da Lei 10.097, que regulariza o trabalho de adolescentes

Leia mais

PLANO DE AÇÃO E DE APLICAÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE REDE CARDUME GUARUJÁ SÃO PAULO

PLANO DE AÇÃO E DE APLICAÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE REDE CARDUME GUARUJÁ SÃO PAULO PLANO DE AÇÃO E DE APLICAÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE REDE CARDUME GUARUJÁ SÃO PAULO ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 LINHAS DE AÇÃO... 4 AÇÕES ESPECÍFICAS... 5 CAMPANHAS... 6

Leia mais

TRABALHO SOCIAL COM FAMÍLIAS NO SUAS IRACI DE ANDRADE DRA. SERVIÇO SOCIAL

TRABALHO SOCIAL COM FAMÍLIAS NO SUAS IRACI DE ANDRADE DRA. SERVIÇO SOCIAL TRABALHO SOCIAL COM FAMÍLIAS NO SUAS IRACI DE ANDRADE DRA. SERVIÇO SOCIAL OBJETIVO DO CURSO Capacitar trabalhadores da assistência social para a utilização dos instrumentos técnico-operativos trabalho

Leia mais

CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ZUMBI DOS PALMARES AUTOR(ES): MARIANA TOLEDO ALVES TEIXEIRA

CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ZUMBI DOS PALMARES AUTOR(ES): MARIANA TOLEDO ALVES TEIXEIRA TÍTULO: "DIÁRIO" DE UM EX - DETENTO : AS DIFICULDADES E PRECONCEITOS ENCONTRADOS, NO DIA A DIA,PARA RESSOCIALIZAÇÃO DO EX - PRESIDIÁRIO NEGRO NO BRASIL. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E

Leia mais

CIDADÃO. A juventude não é eterna, nem a velhice uma doença. Tratar com respeito e

CIDADÃO. A juventude não é eterna, nem a velhice uma doença. Tratar com respeito e IDOSO A juventude não é eterna, nem a velhice uma doença. Tratar com respeito e carinho o idoso não é apenas uma obrigação social, mas uma forma de manter a sua dignidade. (Maria Carolina) CIDADÃO Combate

Leia mais

Aranha é chamado de 'macaco' por torcida do Grêmio

Aranha é chamado de 'macaco' por torcida do Grêmio Aranha é chamado de 'macaco' por torcida do Grêmio Publicado em 28/08/2014, 22:09 / Atualizado em 29/08/2014, 02:38ESPN.com.br O jogo entre Santos e Grêmio terminou 2 a 0 para o time alvinegro, mas a cena

Leia mais

Observação: De acordo com o art.2º da Lei 8.069/90 Estatuto da Criança e Adolescente :

Observação: De acordo com o art.2º da Lei 8.069/90 Estatuto da Criança e Adolescente : TRABALHO É toda atividade humana, remunerada ou não, sistemática, obrigatória, que pode ou não exigir conhecimentos específicos sobre determinado tema, arte ou ofício, cujo objetivo é o alcance de uma

Leia mais

MUDANÇAS NO CONTEXTO FAMILIAR

MUDANÇAS NO CONTEXTO FAMILIAR 1 MUDANÇAS NO CONTEXTO FAMILIAR 1 SOUZA, M. A. 2 ZAMPAULO, J. 3 BARROS, D. R. B. Resumo: Com esse breve estudo buscou se refletir sobre as mudanças que a família tem vivenciado no contexto social. Procura

Leia mais

O COTIDIANO DAS VARAS DA INFÂNCIA. Maria Isabel Strong Assistente Social Judiciário

O COTIDIANO DAS VARAS DA INFÂNCIA. Maria Isabel Strong Assistente Social Judiciário PROTEÇÃO À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE O COTIDIANO DAS VARAS DA INFÂNCIA E JUVENTUDE Maria Isabel Strong Assistente Social Judiciário Medidas Protetivas Lei 12.010 de 03/08/2009 Lei Nacional de Adoção Altera

Leia mais

2º SEMINÁRIO DO PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA PSE PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ E PREVENÇÃO DAS VIOLÊNCIAS

2º SEMINÁRIO DO PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA PSE PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ E PREVENÇÃO DAS VIOLÊNCIAS 2º SEMINÁRIO DO PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA PSE PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ E PREVENÇÃO DAS VIOLÊNCIAS Objetivo do PSE O Programa Saúde na Escola (PSE) vem contribuir para o fortalecimento de ações na perspectiva

Leia mais

01 Direito da Criança e do Adolescente

01 Direito da Criança e do Adolescente 01 Direito da Criança e do Adolescente Constitui-se em um direito dos pais ou responsáveis, assegurado pelo Estatuto da Criança e do Adolescente, a) adentrar no prédio escolar até as salas de aula em qualquer

Leia mais

Uma Prostituta Carioca Foi (de Novo) Sequestrada e Ameaçada pela Polícia

Uma Prostituta Carioca Foi (de Novo) Sequestrada e Ameaçada pela Polícia 1 2015 VICE Media LLC Uma Prostituta Carioca Foi (de Novo) Sequestrada e Ameaçada pela Polícia março 19, 2015 Por Matias Maxx Repórter Foto por Matias Max. No ano passado, poucas semanas antes do início

Leia mais

Introdução. Estudante de graduação, Universidade Estadual da Paraíba, Brasil. 3. Professora, Universidade Estadual da Paraíba, Brasil.

Introdução. Estudante de graduação, Universidade Estadual da Paraíba, Brasil. 3. Professora, Universidade Estadual da Paraíba, Brasil. Os desafios na implementação da política de atendimento à criança e ao adolescente: a realidade do Conselho Tutelar Sul no município de Campina Grande (PB) 1 Carlos Drumond de Andrade Vieira 2 Maria Noalda

Leia mais

Condomínios mais Seguros

Condomínios mais Seguros Condomínios mais Seguros Palestra ministrada pelo Capitão Yasui Comandante da 2ª Companhia do 49º Batalhão de Polícia Militar. 13/04/2011 Formulado por um grupo de trabalho composto por policiais civis

Leia mais

ACCJ (Comissão de Constituição e Justiça) do Senado Federal aprovou

ACCJ (Comissão de Constituição e Justiça) do Senado Federal aprovou Redução da Maioridade Penal: será esta a tão esperada solução? 79 C LARISSA H UGUET ACCJ (Comissão de Constituição e Justiça) do Senado Federal aprovou no dia 26 de abril, por 12 votos a 10, a Proposta

Leia mais

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento Eu e umas amigas íamos viajar. Um dia antes dessa viagem convidei minhas amigas para dormir na minha casa. Nós íamos para uma floresta que aparentava ser a floresta do Slender-Man mas ninguém acreditava

Leia mais

Comunicação DRUMMONZINHOS: ARTE, CIDADANIA E INCLUSÃO SOCIAL

Comunicação DRUMMONZINHOS: ARTE, CIDADANIA E INCLUSÃO SOCIAL Comunicação DRUMMONZINHOS: ARTE, CIDADANIA E INCLUSÃO SOCIAL CAMARGO, Doraci 1 FIGUEIREDO, Ricardo Carvalho de Figueiredo 2 Palavras-Chave: Carlos Drummond de Andrade, Arte-Educação, Literatura. O PROGRAMA

Leia mais

Profa. Dra. Ana Maria Klein UNESP/São José do Rio Preto anaklein@ibilce.unesp.br

Profa. Dra. Ana Maria Klein UNESP/São José do Rio Preto anaklein@ibilce.unesp.br Profa. Dra. Ana Maria Klein UNESP/São José do Rio Preto anaklein@ibilce.unesp.br 3º Seminário de Proteção Escolar / Secretaria da Educação 20 e 21 de agosto de 2014 / Serra Negra 1 Diferenças culturais

Leia mais