Relação entre cursos presenciais dosinstitutos Federais de Pernambuco e arranjos produtivos locais do estado

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relação entre cursos presenciais dosinstitutos Federais de Pernambuco e arranjos produtivos locais do estado"

Transcrição

1 Relação entre cursos presenciais dosinstitutos Federais de Pernambuco e arranjos produtivos locais do estado LILIANA ANDRÉA DOS SANTOS Universidade Federal Rural de Pernambuco PAMELA CONSUELO CASTRO E SANT''ANNA Universidade Federal Rural de Pernambuco DÉBORA DOS SANTOS FERREIRA PEDROSA UFRPE SORAYA GIOVANETTI EL-DEIR Universidade Federal Rural de Pernambuco ADMILSON JOSÉ DO NASCIMENTO FILHO Instituto de Tecnologia de Pernambuco ITEP

2 Relação entre cursos presenciais dos Institutos Federais de Pernambuco e arranjos produtivos locais do estado. RESUMO Os municípios do estado de Pernambuco possuem potencialidades econômicas nas mais diversas áreas, podemos citar como exemplo,os setores da agricultura, agropecuária, turismo, tecnologias, artesanato, confecções de vestuário, dentre outros. Para o crescimento econômico das pequenas e médias empresas destes aglomerados, a relação entre os atores sociais, políticos e econômicos, possibilita a externalidade e o fortalecimento do produto. Fatores que corroboram para a caracterização de Arranjos Produtivos Locais APL nestas regiões. Para tanto, é necessária a utilização de mão de obra capacitada para desenvolver tais atividades. A ação dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco e do Sertão Pernambucano, frente a esta necessidade, é fundamental para a formação deste capital humano. Diante do exposto, o presente trabalho tem por objetivo analisar a relação dos APL constituídos no estado de Pernambuco com os cursos presenciais ofertados pelos Institutos Federais, a fim de identificar se as capacitações ofertadas pelos Institutos Federais atendem a demanda dos arranjos produtivos locais existentes no estado. Desta análise, conclui-se que novos cursos poderiam ser criados para atender ao mercado local, e que novos arranjos poderiam ser constituídos, tendo em vista o potencial vocacional produtivo e os cursos já ofertados pelos Institutos Federais nestas regiões. Palavras chave: Desenvolvimento Sustentável, Educação, Mercado local. Relationship between classroom courses of the Federal Institutes of Pernambuco and local clusters in the state. ABSTRACT The municipalities of the state of Pernambuco have economic potential in several areas, we can cite as an example, the agriculture, livestock, tourism, technology, crafts, apparel clothing, among others. For economic growth of small and medium-sized companies in these clusters, the relationship between the social, political and economic actors enables the externality and strengthening the product. Factors that support for the characterization of Local Productive Arrangements - APL in these regions. For this, the use of skilled labor to develop such activities is required. The action of the Federal Institutes of Education, Science and Technology and the backlands of Pernambuco, meet this need, is critical to the formation of this human capital. Given the above, this study aims to examine the relationship of the clusters formed in the state of Pernambuco with the classroom courses offered by the Federal Institutes in order to identify whether the training offered by the Federal Institutes meet the demand of existing local clusters in the state. From this analysis, it is concluded that new courses could be created to serve the local market, and that new arrangements could be made, given the productive potential and vocational courses already offered by the Federal Institutes in these regions. Keywords:Development sustainable, Education, Market place.

3 1. Introdução O apoio a Arranjos Produtivos Locais - APL no Brasil é fruto de uma nova percepção de políticas públicas de desenvolvimento, em que o local passou a ser visto como um eixo orientador de promoção econômica e social. Seu objetivo é orientar e coordenar os esforços governamentais na indução do desenvolvimento local, buscando-se, em consonância com as diretrizes estratégicas do governo, a geração de emprego e renda e o estímulo às exportações (MAAPL, 2006). Para estruturar uma área produtiva, entre tantos fatores necessários, um é essencial: o acesso à mão-de-obra qualificada. Pessoas capacitadas que possam atuar como agentes sociais ativos são de fundamental importância para o êxito de um APL. Portanto, a instalação de Institutos Federais próximos aos polos de desenvolvimento, com a oferta de cursos específicos voltados para área de produção local, é uma estratégia extremamente eficaz para atender as demandas exigidas pelos APL.Os APL constituem empresas organizadas em uma lógica própria de cadeia produtiva e mercado, articuladas para ações de cooperação, capacitação e desenvolvimento mútuo integrado, com apoio de instituições diversas conforme as competências básicas necessárias a esse desenvolvimento (FIRJAN,2009). Segundo o Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), um APL deve ter a seguinte caracterização (BUENO, 2006): (i) ter um número significativo de empreendimentos no território e de indivíduos que atuam em torno de uma atividade produtiva predominante e (ii) que compartilhem formas percebidas de cooperação e algum mecanismo de governança. Pode incluir pequenas, médias e grandes empresas. De acordo com o Art. 2 da Lei de n de 29 de dezembro de 2008, os Institutos Federais são instituições de educação superior, básica e profissional, pluricurriculares e multicampi, especializados na oferta de educação profissional e tecnológica nas diferentes modalidades de ensino, com base na conjugação de conhecimentos técnicos e tecnológicos com as suas práticas pedagógicas (...).Um dos objetivos dos Institutos Federais é estimular e apoiar processos educativos que levem à geração de trabalho e renda, e à emancipação do cidadão na perspectiva do desenvolvimento socioeconômico local e regional (PDI,2009). Diante do exposto, o presente trabalho tem por objetivo analisar a relação dos cursos dos Institutos Federais localizados em Pernambuco com os APL existentes no estado, a fim de identificar se os campi atendem as demandas do mercado. Além de analisar a possibilidade de caracterização de novos arranjos, tendo em vista as regiões que possuem aglomerados com potencial produtivo e econômico, bem como, a presença de mão-de-obra capacitada por meio da Rede de Ensino Federal. 2. Arranjo Produtivo Local como foco de análise dos Institutos Federais de ensino O APL pode ser descrito como um grande complexo produtivo, geograficamente definido, caracterizado opor um grande número de firmas envolvidas nos diversos estágios produtivos e, de várias maneiras, na fabricação de um produto, onde a coordenação das diferentes fases e o controle da regularidade de seu funcionamento é submetida ao do mercado e a um sistema de sanções sociais aplicados pela comunidade (BECATTINI, 1999; MAAPL, 2006). De acordo com oapud, Manual de Apoio aos Arranjos Produtivos Locais (MAAPL, 2006), a opção estratégica pela atuação em APL decorre, fundamentalmente, do reconhecimento de que políticas de fomento a pequenas e médias empresas são mais efetivas quando direcionadas a grupos de empresas e não a empresas individualizadas. O tamanho da empresa passa a ser secundário, pois o potencial competitivo advém de ganhos decorrentes de uma maior cooperação entre as firmas.

4 Conforme o Portal APL, devido à necessidade de articular as ações governamentais com vistas à adoção de apoio integrado a Arranjos Produtivos Locais, foi instituído, em agosto de 2004, pela Portaria Interministerial nº 200, de 02 de agosto de 2004, o Grupo de Trabalho Permanente para Arranjos Produtivos Locais GTP APL, envolvendo 23 instituições governamentais e não-governamentais. Em outubro de 2005, foram integradas mais 10 instituições (Portaria Interministerial nº 331, de 24 de dezembro de 2005), totalizando as 33 que atualmente constituem o grupo. Entre essas instituições está o Ministério da Educação MEC, em que sua maior atuação está no eixo estruturante de Formação e Capacitação (Figura 1). Figura 1. Eixo Estruturante de Formação e Capacitação: Mapa Mental. Grupo de Trabalho Permanente para Arranjos Produtivos Locais. Fonte: Portal APL (2014). Para atender a demanda do mercado por qualificação profissional, o Governo Federal retomou os investimentos na Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica e o Ministério da Educação (MEC) está investindo mais de R$ 1,1 bilhão na expansão da educação profissional. Atualmente, são 354 unidades e mais de 400 mil vagas em todo o país. Com outras 208 novas escolas previstas para serem entregues até o final de 2014 serão 562 unidades que, em pleno funcionamento, gerarão 600 mil vagas (MEC, sem ano). Segundo Schneider (2009) a educação profissional e tecnológica possui o desafio de renovar-se permanentemente para atender de forma efetiva às necessidades sociais e econômicas nas diferentes regiões do país. O autor ainda afirma ainda que as vocações regionais representam as demandas concretas dos setores produtivos, bem como aquelas vocações que se apresentam sob a forma de potencialidades para futuras demandas devem ser consideradas no planejamento da oferta de Educação Profissional e Tecnológica. O Art. 2 da Lei de n de 29 de dezembro de 2008define os Institutos Federais como: Instituições de educação superior, básica e profissional, pluricurriculares e multicampi, especializados na oferta de educação profissional e tecnológica nas diferentes modalidades de ensino, com base na conjugação de

5 conhecimentos técnicos e tecnológicos com as suas práticas pedagógicas, nos termos desta lei. O Art. 6da Lei de n de 29 de dezembro de 2008, nos incisos I, II e IV, dispõem a finalidade dos Institutos Federais em detrimento dos Arranjos Produtivos Locais como para I - ofertar educação profissional e tecnológica, em todos os seus níveis e modalidades, formando e qualificando cidadãos com vistas na atuação profissional nos diversos setores da economia, com ênfase no desenvolvimento socioeconômico local, regional e nacional; II - desenvolver a educação profissional e tecnológica como processo educativo e investigativo de geração e adaptação de soluções técnicas e tecnológicas às demandas sociais e peculiaridades regionais; (...) IV - orientar sua oferta formativa em benefício da consolidação e fortalecimento dos arranjos produtivos, sociais e culturais locais, identificados com base no mapeamento das potencialidades de desenvolvimento socioeconômico e cultural no âmbito de atuação do Instituto Federal; (...) Estudos do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC)levantaram143 APL, cujo objetivo esperado é acrescer as unidades de expansão da Rede Federal de Educação Tecnológica em 131 APLs dos 143 indicados (BRASIL,2010). Atualmente Pernambuco possui dois Institutos Federais: o Instituto Federal de Pernambuco- IFPE com nove campi em funcionamento, sete novas unidade acadêmicas e dezoito polos de Educação a Distância; e o Instituto Federal do Sertão Pernambucano-IF-Sertão, o qual possui cinco campi em funcionamento. Os campi do IFPE estão localizados nos municípios de Recife, Garanhuns, Vitória de Santo Antão, Ipojuca, Barreiros, Afogados da Ingazeira, Caruaru, Belo Jardim e Pesqueira. Em outubro de 2014, está previsto o funcionamento de sete novas unidades acadêmicas que estão localizadas nos municípios de Olinda, Paulista, Jaboatão dos Guararapes, Cabo de Santo Agostinho, Igarassu, Palmares e Abreu e Lima. Os campi do IF-Sertão estão localizados em Petrolina, Zona Rural de Petrolina, Ouricuri, Salgueiro e Floresta. Todos os cursos foram criados com o intuito de atender os potenciais produtivos locais. Para os novos campi foram feitos estudos em cada Município com base nos arranjos produtivos locais, para identificar as demandas de formação técnica nos próximos dez anos. A escolha definitiva foi feita pela sociedade civil através da realização de audiências públicas em cada cidade-sede (ACCIOLY, 2014). 3. Metodologia Para realização do trabalho foi realizado um levantamento de dados secundários através de sites oficiais, portais, artigos, manuais e leis com objetivo de (i) identificar os principais Arranjos Produtivos em Pernambuco e as cidades-polo que estão localizados, (ii) verificar os campi dos Institutos Federais existentes nesta localidade ou proximidade, (iii) levantar os cursos existentes nas unidades acadêmicas, (iv) avaliar a relação dos cursos disponíveis com os APL e(v) avaliar a sua atuação como elemento estruturante para o desenvolvimento produtivo local. A partir dos dados levantados, foram propostas novas ações para suprir as demandas originárias da região/local produtivas, visando, inclusive, atender as necessidades de outros polos já difundidos no estado pernambucano.

6 4. Articulação dos APL de Pernambuco e os Institutos Federais de Ensino De acordo com o Mapa da APL no Nordeste brasileiro, foram identificados os principais APL do estado de Pernambuco e as cidades-polos que estão localizados (Figura 2). Neste sentido destacam-se o Polo da Apicultura, localizado no entre os municípios de Santa Maria de Boa Vista, Dormentes, Afrânio e Petrolina; Polo de Confecções, localizado entre Caruaru, Toritama e Santa Cruz; Polo Gesseiro, localizado na cidade de Araripe; Polo da Tecnologia da Informação Porto Digital, localizado em Recife; Polo Ovino caprino cultura, localizado nos municípios de Salgueiro e Floresta e Polo da Fruticultura, localizado na fronteira entre Petrolina-PE e Juazeiro-BA. Figura 2. Arranjos Produtivos Locais no Nordeste Brasileiro. Fonte: IPEA (2014). Confrontando estes dados com a localização dos campi dos Institutos Federais no estado de Pernambuco (Figura 3), observa-se que dos sete novos campi, seis serão situados na Região Metropolitana do Recife, o que denota uma concentração do saber nesta região em detrimento de uma interiorização de especializações fundamentais para um apoio as atividades dos APL. Entretanto, como polo técnico-científico consagrado, esta região tem papel de difusão do conhecimento para todo o estado, mesmo que localizada distante destas regiões.

7 Figura 3. Mapa de distribuição dos Campi do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia no estado de Pernambuco. Fonte: MEC (2014). Quanto aos cursos presenciais disponíveis nos campi do IFPE e IF-Sertão (Quadro 1), observa-se que as temáticas que são focais dos APL são em parte atendidas (Quadro 2). Quadro 1. Cursos presenciais ofertados no IFPE. Fonte: IFPE (2014) e IF-Sertão-PE (2014). CURSOS DO INSTITUTO FEDERAL DE PERNAMBUCO Campus Modalidade Curso Recife Química Industrial Segurança do Trabalho Eletrotécnica Eletrônica Mecânica Industrial Refrigeração Saneamento Ambiental Telecomunicações Licenciatura em Geografia Engenharia de Produção Civil Análise e Desenvolvimento de Sistemas Design Gráfico

8 Vitória de Santo Antão Pesqueira Garanhuns Ipojuca Afogados da Ingazeira Barreiros Belo Jardim Pós- Graduação Proeja Radiologia Gestão Ambiental Mestrado em Meio Ambiente Agricultura Agropecuária Manutenção e Suporte de Informática Zootécnica Licenciatura em Química Bacharelado em Agronomia Eletroeletrônica Eletrotécnica Enfermagem Bacharelado em Física Bacharelado em Matemática Eletrotécnica Auxiliar Administrativo Eletroeletrônica Informática Meio Ambiente Construção Naval Automação Industrial Química Industrial Petroquímica Segurança do Trabalho Licenciatura em Química Eletroeletrônica Saneamento Ambiental Educação, Conservação e Manejo dos Recursos Naturais no Semiárido brasileiro Informática Agropecuária Agricultura Recursos Naturais Hospedagem Zootecnia Licenciatura em Química Tecnologia em Agroecologia Enfermagem

9 Caruaru Olinda Cabo de Santo Agostinho Abreu e Lima Igarassu Jaboatão dos Guararapes Palmares Paulista Petrolina Zona Rural de Petrolina Informática Licenciatura em Música Segurança do Trabalho Mecatrônica Mecânica Engenharia Mecânica Artes Visuais Controle Ambiental Computação Gráfica Logística Meio Ambiente Cozinha Mecânica Rede de Computadores Segurança do Trabalho Informática para Internet Logística Química Informática para Internet Qualidade Fabricação Mecânica Soldagem Manutenção e Suporte em Informática Redes de Computadores Eletroeletrônica Administração Automação Industrial Mecânica Manutenção e Suporte em Informática CURSOS DO INSTITUTO FEDERAL DO SERTÃO PERNAMBUCANO Eletrotécnica Química Industrial Tecnólogo em Alimentos Licenciatura em Computação Licenciatura em Física Licenciatura em Química Licenciatura em Música Agricultura Agropecuária

10 Ouricuri Floresta Salgueiro Pós- Graduação Zootecnia Tecnologia e Horticultura Tecnologia em Viticultura e Enologia Tecnologia em Agroecologia Bacharelado em Agronomia Fruticultura no Semiárido Agropecuária Informática Licenciatura em Química Agricultura Agropecuária Zootecnia Informática Gestão da Tecnologia da Informação Licenciatura em Química Agropecuária Informática Licenciatura em Física De acordo com os cursos presenciais ofertados no IFPE, (4) constatamos que para atender os APL sconstituídos temos a demonstração do quadro abaixo: Quadro 2. APL s no Estado de Pernambuco e sua relação com os Cursos ofertados no IFPE. APL's Campus -IFPE Cursos Polo de Apicultura Pesqueira, Belo Jardim, Zona Rural de Petrolina e Petrolina Não há cursos com relação direta aos APL Polo de Confecções Caruaru Não há cursos com relação direta aos APL Polo Gesseiro Ouricuri Polo da TI Recife Análise e Desenvolvimento de Sistemas Polo Ovinocaprinocultura Floresta, Salgueiro Agropecuária Polo da Fruticultura Zona Rural de Petrolina e Petrolina Viticultura e Enologia, Horticultura, Agricultura,, Fruticultura no Semi-árido, Agronomia, Agroecologia, Tecnólogo em Alimentos Observa-se que os campi de Caruaru, Pesqueira, Belo Jardim, Zona Rural de Petrolina e Petrolina não possuem cursos diretamente relacionados com a área de atuação dos APL. Diante disso recomenda-se a inclusão de cursos voltados para área de Moda, Têxteis e Design para o campus de Caruaru, e a inserção de cursos sobre Técnicas de Apicultura para os campi

11 de Pesqueira, Belo Jardim, Zona Rural de Petrolina e Petrolina. Parece de fundamental importância a exploração de novos polos com potencial produtivo para execução de um Arranjo Produtivo Local no estado de Pernambuco. Há uma série de setores econômicos que podem ser explorados no estado como: Turismos, Jóias, Cerâmica, Petróleo e Gás, Rochas Ornamentais, Madeira e Móveis, Construção Naval, Construção Civil, Fitoterápicos e Fitocosméticos, Álcool, dentre outros que recebem apoio de diversas organizações governamentais se configurado um APL. Novos cursos podem ser implantados em regiões que dispõem de APL já constituídos. Por sua vez, aglomerados que possuem as características e potenciais de um APL e que ainda não são classificados como tal, podem usufruir de capacitação já disponível pela Rede de Ensino Federal em seus municípios. Pode-se citar, como exemplo de aglomerado com potencial econômico, o Polo de Construção Naval e Petróleo e Gás localizado em Suape Ipojuca que dispõem em sua proximidade do IFPE Campus Ipojuca, o qual possui cursos presenciais de Construção Naval, Petroquímica, Química Industrial e Automação Industrial, com potencial para atender as demandas deste polo. Contudo, este município não é considerado um APL, conforme pesquisa realizada pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada- IPEA. 5. Considerações Finais A implantação de APL proporcionou o desenvolvimento econômico local, principalmente em regiões do semiárido e no sertão pernambucano. Região que outrora fora esquecida surge então com potencialidades econômicas. A formação de aglomerações de pequenas empresas, a participação de capital investidor, o desenvolvimento social e a exportação em grande escala, favorecem o fortalecimento da economia local. O ensino técnico e superior gratuito, por décadas centralizado em centros urbanos, impossibilitou o acesso dos moradores da área rural. A instalação de novos campi proporcionou o acesso a educação e o crescimento da produção local nestas regiões. Não se pode perder de vista a importância da relação dos cursos ofertados pela Rede Ensino Federal com a demanda de mercado local, pois este é um fator decisivo para o progresso dos arranjos produtivos locais. Referências ACCIOLY, Gil. Novos Campi abrem as portas. IFPE-acontece. ed. 59. Ago BRASIL. Lei n.º de 29 de dezembro de Institui a Rede Federal deeducação Profissional, Científica e Tecnológica, cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, e dá outras providências.presidência da República, Casa Civil. Brasília DF, 29 dez Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato /2008/lei/l11892.htm>. Acesso em: 14, jun BRASIL.Ministério da Educação.Expansão da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica.Disponível em:<http://redefederal.mec.gov.br/expansao-da-redefederal> Acesso em: 14, Jun BRASIL.Ministério da Educação. Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica,Processo de Contas Ordinária Anual: Relatório de Gestão do Exercício Brasília, Disponível em: <portal.mec.gov.br> Acesso em: 29, set BRASIL.Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior.Eixo Estruturante de Formação e Capacitação: Mapa Mental. Grupo de Trabalho Permanente para Arranjos

12 Produtivos Locais. Disponível em: <http://portalapl.ibict.br/export/sites/apl/menu/itens_menu/gtp_apl/reunioes/links/mapeam ENTO_DEMANDAS_X_OFERTAS_-_GTP_APL_-_MARCOS_OTxVIO.pdf> Acesso em: 14, jun BRASIL.Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior.Grupo de Trabalho Permanente para Arranjo Produtivo Local:Manual de Apoio ao Arranjo Produtivo Local, Brasília, p. BRASIL.Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior.Levantamento Institucional dos APLs no País. Elaboração: IPEA, Disponível em: <http://desenvolvimento.gov.br/arquivos/dwnl_ ppt> Acesso em: 13, Jun BUENO, Ana Maria.Arranjos Produtivos Locais: Análise Da Caracterização do APL de Ponta Grossa com base nos indicadores. Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Ponta Grossa, Disponível em: <http://www.pg.utfpr.edu.br/dirppg/ppgep/dissertacoes/arquivos/34/dissertacao.pdf> Acesso em: 29, set FIRJAN, Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro. Mapa de Desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro: Rio de Janeiro, Disponível em: <http://www.firjan.org.br/anexos/mapa/mapa_ver1.pdf>acesso em: 30, set INSTITUTO FEDERAL DE PERNAMBUCO.Cursos. Disponível em: <http://reitoria.ifpe.edu.br/campus/reitoria/index.jsf> Acesso em: 14, jun INSTITUTO FEDERAL DO SERTÃO PERNAMBUCANO. Cursos. Disponível em: <http://www.ifsertao-pe.edu.br/> Acesso em:14, jun INSTITUTO FEDERAL DE PERNAMBUCO. Plano de Desenvolvimento Institucional. Recife, Disponível em: <http://ipojuca.ifpe.edu.br/arquivos/pdf/pdi.pdf> Acesso em: 29 set OBSERVATÓRIO BRASILEIRO DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS.O Grupo de Trabalho Permanente para Arranjos Produtivos Locais GTP APL, Disponível em: <http://portalapl.ibict.br/menu/itens_menu/gtp_apl/gtp_apl.html> Acesso em: 14, jun SCHNEIDER,M. C. K. Contribuição dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia para as Organizações Produtivas e o Desenvolvimento Local. In: 4ª Conferência Brasileira de Arranjos Produtivos Locais, 2009.Brasília, Disponível em:<http://www.desenvolvimento.gov.br/conferenciaapl/modulos/arquivos/mariaclarakaschnyschneider.pdf> Acesso em 14, jun.2014.

MODALIDADE CURSO INSCRITOS VAGAS CONCORRÊNCIA MODALIDADE CURSO INSCRITOS VAGAS CONCORRÊNCIA

MODALIDADE CURSO INSCRITOS VAGAS CONCORRÊNCIA MODALIDADE CURSO INSCRITOS VAGAS CONCORRÊNCIA CONCORRÊNCIA GERAL Campus Afogados da Ingazeira INTEGRADO TÉCNICO EM SANEAMENTO - MANHÃ 99 30 3,30 TÉCNICO EM INFORMÁTICA - MANHÃ 62 30 2,07 TÉCNICO EM AGROINDÚSTRIA - TARDE 108 40 2,70 TÉCNICO EM ELETROELETRÔNICA

Leia mais

Contribuição dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia para as Organizações Produtivas e o Desenvolvimento Local

Contribuição dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia para as Organizações Produtivas e o Desenvolvimento Local Contribuição dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia para as Organizações Produtivas e o Desenvolvimento Local 4ª Conferência Brasileira de Arranjos Produtivos Locais Brasília, 29 de

Leia mais

Vestibular IFPE. Inscrições serão realizadas de º a de outubro. Isenção da taxa de inscrição deve ser solicitada a partir desta quarta ( )

Vestibular IFPE. Inscrições serão realizadas de º a de outubro. Isenção da taxa de inscrição deve ser solicitada a partir desta quarta ( ) Vest i IFPE bular 2015 Seu fu t uro ma is pert o de vo cê IFPE oferece. vagas em Vestibular Inscrições serão realizadas de º a de outubro. Isenção da taxa de inscrição deve ser solicitada a partir desta

Leia mais

OFERTA INSTITUICAO CAMPUS CURSO GRAU TURNO

OFERTA INSTITUICAO CAMPUS CURSO GRAU TURNO 106137 UFPE CARUARU MEDICINA Bacharelado Integral (Mat/Vesp) 50 807,69 810,71 810,14 106117 UFPE RECIFE MEDICINA Bacharelado Integral (Mat/Vesp) 87 782,54 786,23 787,68 94728 UNIVASF CENTRO PETROLINA MEDICINA

Leia mais

PARECER. Justificativa

PARECER. Justificativa Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás IFG - Campus Anápolis Departamento das Áreas Acadêmicas Parecer: Do:

Leia mais

VESTIBULAR IFPE 2014 - CONCORRÊNCIA

VESTIBULAR IFPE 2014 - CONCORRÊNCIA VESTIBULAR IFPE 2014 - CONCORRÊNCIA RELATÓRIO ANALÍTICO DAS Campus/Polo: CAMPUS RECIFE P.P.I. Outras P.P.I. Outras Ampla Camp o PROEJA 1-0107 - REFRIGERAÇÃO E CLIMATIZAÇÃO - NOITE 148 62 42 13 0 0 265

Leia mais

Código da. Código do Área de Enquadramento Código da IES Nome da IES Sigla da IES Área

Código da. Código do Área de Enquadramento Código da IES Nome da IES Sigla da IES Área Ano Código da Código do Área de Enquadramento Código da IES Nome da IES Sigla da IES Área Município Município do curso UF do curso 2014 21 ARQUITETURA E URBANISMO 11 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO

Leia mais

FOCOS DE ATUAÇÃO. Tema 8. Expansão da base industrial

FOCOS DE ATUAÇÃO. Tema 8. Expansão da base industrial FOCOS DE ATUAÇÃO Tema 8. Expansão da base industrial Para crescer, a indústria capixaba tem um foco de atuação que pode lhe garantir um futuro promissor: fortalecer as micro, pequenas e médias indústrias,

Leia mais

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Resumo Gabriel Mathias Carneiro Leão1 - IFPR, UFPR Rosane de Fátima Batista Teixeira2 - IFPR Grupo de Trabalho Cultura, Currículo e Saberes

Leia mais

Ações IFPE Área Metal Mecânica

Ações IFPE Área Metal Mecânica Ações IFPE Área Metal Mecânica PROF. ENIO CAMILO DE LIMA VICE REITOR E DIRETOR GERAL DO CAMPUIS IPOJUCA MODALIDADE DE CURSOS OFERECIDOS Ensino Técnico Integrado ao Ensino Médio Ensino Técnico Subsequente

Leia mais

CURSOS SUPERIORES PRESENCIAIS NOS CAMPI

CURSOS SUPERIORES PRESENCIAIS NOS CAMPI CURS SUPERIORES PRESENCIAIS N CAMPI VITÓRIA - 1ª entrada QUÍMICA / BACHARELADO EM AGRONOMIA RETARDATÁRI 06/01/2014 08h às 11h 13h às 16h 07/01/2014 08h às 11h 13h às 16h 10/01/2014 08h às 11h 13h às 16h

Leia mais

PORTARIA Nº 870, DE 16 DE JULHO DE 2008.

PORTARIA Nº 870, DE 16 DE JULHO DE 2008. PORTARIA Nº 870, DE 16 DE JULHO DE 2008. O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso de suas atribuições, tendo em vista o disposto no Capítulo III Da Educação Profissional, da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 870, DE 16 DE JULHO DE 2008 O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso de suas atribuições, tendo em vista o disposto

Leia mais

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS EIXO III - CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

SENAI abre mais de 18 mil vagas em cursos técnicos

SENAI abre mais de 18 mil vagas em cursos técnicos http://portaldaindustria.com.br/agenciacni/ 04 FEV 2013 SENAI abre mais de 18 mil vagas em cursos técnicos None Inscrições estão abertas em nove estados com prazos variados até o fim de março. Maior parte

Leia mais

Política de Software e Serviços

Política de Software e Serviços Política de Software e Serviços Encontro de Qualidade e Produtividade em Software - Brasília Dezembro / 2003 Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria de Política de Informática e Tecnologia Antenor

Leia mais

Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola. Projeto Básico

Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola. Projeto Básico Secretaria de Educação a Distância Departamento de Planejamento em EAD Coordenação Geral de Planejamento de EAD Programa TV Escola Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola Projeto Básico

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS Centro Federal de Educação Tecnológica do Amazonas CEFET-AM Lei Nº 11. 892, de 29 de dezembro de 2008, Art. 5º, inciso IV, criou o Instituto

Leia mais

Janelas de Oportunidades Locacionais: o PAPL alagoano. Francisco Rosário FEAC/UFAL Keuller Hissa FEAC/UFAL

Janelas de Oportunidades Locacionais: o PAPL alagoano. Francisco Rosário FEAC/UFAL Keuller Hissa FEAC/UFAL Janelas de Oportunidades Locacionais: o PAPL alagoano Francisco Rosário FEAC/UFAL Keuller Hissa FEAC/UFAL Agenda 1. Por que Janelas de Oportunidades Locacionais? O contexto do debate. 2. A política de

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

A EXO 2 - LISTA DE VAGAS - DOCE TES

A EXO 2 - LISTA DE VAGAS - DOCE TES A EXO 2 - LISTA DE VAGAS - DOCE TES Campus Graduação na área de Artes Ministrar aulas em disciplinas relacionadas à área de Artes em geral. Desenvolver projetos e atividades extra-curriculares nas Artes

Leia mais

Projeto Prominp IND P&G 75 Propostas de Política para Mobilização e Desenvolvimento de APLs para o Setor de Petróleo, Gás E Naval

Projeto Prominp IND P&G 75 Propostas de Política para Mobilização e Desenvolvimento de APLs para o Setor de Petróleo, Gás E Naval WORKSHOP INICIAL Plano de Desenvolvimento de Arranjos Produtivos Locais para o Setor de Petróleo, Gás e Naval Projeto Prominp IND P&G 75 Propostas de Política para Mobilização e Desenvolvimento de APLs

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 239, DE 2012

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 239, DE 2012 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 239, DE 2012 O CONGRESSO NACIONAL decreta: Altera a Lei nº 11.892, de 29 de dezembro de 2008, que institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica

Leia mais

Desenvolvimento I CONFERÊNCIA ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL VETORES DE DESENVOLVIMENTO

Desenvolvimento I CONFERÊNCIA ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL VETORES DE DESENVOLVIMENTO Desenvolvimento I CONFERÊNCIA ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL VETORES DE DESENVOLVIMENTO 1 Desenvolvimento... o desenvolvimento é uma corrida de longa distância, e nela há um elemento de solidão,

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA Nº 04

TERMO DE REFERENCIA Nº 04 TERMO DE REFERENCIA Nº 04 CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA APOIO NA ELABORAÇÃO DE PRODUTO REFERENTE À AÇÃO 02 DO PROJETO OBSERVATÓRIO LITORAL SUSTENTÁVEL - INSTITUTO PÓLIS EM PARCERIA COM A PETROBRAS. Perfil:

Leia mais

CEFET-RJ para onde vamos? Fevereiro de 2013 Rio de Janeiro

CEFET-RJ para onde vamos? Fevereiro de 2013 Rio de Janeiro CEFET-RJ para onde vamos? Fevereiro de 2013 Rio de Janeiro Nenhum vento sopra a favor, de quem não sabe para onde ir. (Lucius A. Sêneca) Sumário O resultado do CPC Engenharia Estudantes e professores do

Leia mais

OFICINA REGIONAL ESTADUAIS DE APOIO A ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ARTICULADOS AO GTP APL. Curitiba-PR outubro/2006

OFICINA REGIONAL ESTADUAIS DE APOIO A ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ARTICULADOS AO GTP APL. Curitiba-PR outubro/2006 OFICINA REGIONAL INSTALAÇÃO DE NÚCLEOS N ESTADUAIS DE APOIO A ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ARTICULADOS AO GTP APL Curitiba-PR outubro/2006 Opções Estratégicas e Diretrizes para o Desenvolvimento Sustentável

Leia mais

IV. Visão Geral do Mapa Estratégico da Indústria Capixaba 2008/2015

IV. Visão Geral do Mapa Estratégico da Indústria Capixaba 2008/2015 IV. Visão Geral do Mapa Estratégico da Indústria Capixaba 2008/2015 Quem disse que nada é impossível? Tem gente que faz isso todos os dias!. Alfred E. Newman O Mapa Estratégico da Indústria Capixaba 2008/2015

Leia mais

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico seguranca.cidada@mj.gov.br até o dia 20 de dezembro de 2015.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Página 1 de 7 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 13.089, DE 12 DE JANEIRO DE 2015. Mensagem de veto Institui o Estatuto da Metrópole, altera a Lei n o 10.257,

Leia mais

O impacto da expansão do setor de mineração, metalurgia e de materiais no Espírito Santo na Academia

O impacto da expansão do setor de mineração, metalurgia e de materiais no Espírito Santo na Academia 1 O impacto da expansão do setor de mineração, metalurgia e de materiais no Espírito Santo na Academia Eng. Maristela Gomes da Silva, Dr. 1 Os objetivos desta primeira intervenção são apresentar a situação

Leia mais

Plano Plurianual 2012-2015

Plano Plurianual 2012-2015 12. Paraná Inovador PROGRAMA: 12 Órgão Responsável: Contextualização: Paraná Inovador Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI As ações em Ciência, Tecnologia e Inovação visam

Leia mais

V CINFORM Encontro Nacional de Ciência da Informação. Política de Informação Pública

V CINFORM Encontro Nacional de Ciência da Informação. Política de Informação Pública V CINFORM Encontro Nacional de Ciência da Informação Política de Informação Pública Salvador, 28 a 30 de junho de 2004 Política de Informação Pública Inclusão Digital de Micro e Pequeno Empresa Telecentros

Leia mais

211A02 Artes Visuais - Bacharelado 212C02 Produção cênica - Tecnológico

211A02 Artes Visuais - Bacharelado 212C02 Produção cênica - Tecnológico Código Área Nome Área 1 Educação 2 Humanidades e Artes TABELA DE CURSO DE FORMAÇÃO SUPERIOR Código OCDE Nome do Curso - Grau Grau 142C01 Ciência da educação - 142P01 Pedagogia - Licenciatura Licenciatura

Leia mais

RELAÇÃO DE CURSOS POR TIPO DE OFERTA EM CADA CÂMPUS DO IFPR.

RELAÇÃO DE CURSOS POR TIPO DE OFERTA EM CADA CÂMPUS DO IFPR. RELAÇÃO DE CURSOS POR TIPO DE OFERTA EM CADA CÂMPUS DO IFPR. TOTAL DE CURSOS S 0 TOTAL DE CURSOS TECNÓLOGOS 6 TOTAL DE CURSOS EM BACHARELADO 9 TOTAL DE CURSOS EM LICENCIATURA 8 TOTAL DE CURSOS 6 Fonte:

Leia mais

Doutoranda: Nadir Blatt

Doutoranda: Nadir Blatt Territórios de Identidade no Estado da Bahia: uma análise crítica da regionalização implantada pela estrutura governamental para definição de políticas públicas, a partir da perspectiva do desenvolvimento

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

PROJETO OUVIDORIA VAI À ESCOLA

PROJETO OUVIDORIA VAI À ESCOLA PROJETO OUVIDORIA VAI À ESCOLA SALVADOR 2012 GOVERNADOR Jaques Wagner VICE-GOVERNADOR Otto Alencar SECRETÁRIO DA EDUCAÇÃO Osvaldo Barreto Filho SUB-SECRETÁRIO DA EDUCAÇÃO Aderbal de Castro Meira Filho

Leia mais

CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO (MECATRÔNICA)

CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO (MECATRÔNICA) UNIVERSIDADE PAULISTA - UNIP 5. Santos: Oportunidades e Riscos do Desenvolvimento CAMPUS- SANTOS A cidade de Santos, na região metropolitana da Baixada Santista, com mais de 430 mil habitantes é na atualidade

Leia mais

PORTARIA Nº 10, DE 28 DE JULHO DE

PORTARIA Nº 10, DE 28 DE JULHO DE PORTARIA Nº 10, DE 28 DE JULHO DE 2006. Aprova em extrato o Catálogo Nacional dos Cursos Superiores de Tecnologia O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso de suas atribuições, tendo em vista o disposto

Leia mais

APL como Estratégia de Desenvolvimento

APL como Estratégia de Desenvolvimento APL como Estratégia de Desenvolvimento Marco Crocco Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional 3a Conferência Brasileira de Arranjos Produtivos Locais 1 A Difusão da Perspectiva de APL Um balanço

Leia mais

Políticas e Programas de Desenvolvimento Regional

Políticas e Programas de Desenvolvimento Regional Políticas e Programas de Desenvolvimento Regional Silvana Parente Secretária do Planejamento e Gestão Desequilíbrio Intra- Estadual População Total - 8.185.286 PIB - R$ 46,3 bilhão PIB per capita - R$

Leia mais

Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada

Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada 1 O Projeto Litoral Sustentável 1ª Fase (2011/2012): Diagnósticos municipais (13 municípios) Diagnóstico regional (Já integralmente

Leia mais

2 Oferta de cursos técnicos e superiores por eixo tecnológico, por Campus. Taxa de ingresso nos cursos técnicos na forma de oferta, por Campus

2 Oferta de cursos técnicos e superiores por eixo tecnológico, por Campus. Taxa de ingresso nos cursos técnicos na forma de oferta, por Campus PERSPECTIVA OBJETIVO INDICADOR META RESULTADOS INSTITUCIONAIS 1 Nº de cursos técnicos e superiores, articulados com os arranjos produtivos locais por Campus; 2 Oferta de cursos técnicos e superiores por

Leia mais

Secretaria de Trabalho, Qualificação e Empreendedorismo

Secretaria de Trabalho, Qualificação e Empreendedorismo Secretaria de Trabalho, Qualificação e Empreendedorismo Programa Chapéu de Palha Com a finalidade de adotar medidas de combate aos efeitos do desemprego em massa, decorrentes da entressafra da cana-de-açúcar

Leia mais

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia ANEXO XIII XXXIII REUNIÓN ESPECIALIZADA DE CIENCIA Y TECNOLOGÍA DEL MERCOSUR Asunción, Paraguay 1, 2 y 3 de junio de 2005 Gran Hotel del Paraguay Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia Anexo XIII Projeto:

Leia mais

Presidência da República

Presidência da República Página 1 de 5 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 6.095, DE 24 DE ABRIL DE 2007. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84,

Leia mais

Universidade Anhembi Morumbi On-line. Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. Tudo a um clique de você.

Universidade Anhembi Morumbi On-line. Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. Tudo a um clique de você. Universidade Anhembi Morumbi On-line. Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. Tudo a um clique de você. Educação a Distância Anhembi Morumbi Agora você pode estudar em uma universidade internacional

Leia mais

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE IV. CÂMARA TEMÁTICA DA EDUCACÃO, CULTURA E DESPORTOS Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola; Meta 2 Até 2010, 80% e,

Leia mais

Palavras-chave: Arranjos Produtivos Locais; Economia do conhecimento; Incubação de empresa; Política Pública; Pernambuco.

Palavras-chave: Arranjos Produtivos Locais; Economia do conhecimento; Incubação de empresa; Política Pública; Pernambuco. OS ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS NO DESENVOLVIMENTO DA ECONOMIA DO CONHECIMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO PROGRAMA DE INCUBAÇÃO DE EMPRESAS DE BASE TECNOLÓGICA DO INSTITUTO DE TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO Christianne

Leia mais

Por Talamira Taita Rodrigues Brito

Por Talamira Taita Rodrigues Brito Programas acadêmicos e o ensino de graduação: estratégias para o fortalecimento da formação - Panorama da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB Por Talamira Taita Rodrigues Brito Localização

Leia mais

Termo de Referência para Política Nacional de Apoio ao Desenvolvimento de Arranjos Produtivos Locais

Termo de Referência para Política Nacional de Apoio ao Desenvolvimento de Arranjos Produtivos Locais 1 POLÍTICA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Termo de Referência para Política Nacional de Apoio ao Desenvolvimento de Arranjos Produtivos Locais Versão para Discussão do GT Interministerial

Leia mais

A Engenharia e o Desenvolvimento Regional. Palestrante: Prof. Dr. Ivaldo Leão Ferreira Professor Adjunto II VEM/EEIMVR/UFF

A Engenharia e o Desenvolvimento Regional. Palestrante: Prof. Dr. Ivaldo Leão Ferreira Professor Adjunto II VEM/EEIMVR/UFF A Engenharia e o Desenvolvimento Regional A Engenharia e o Desenvolvimento Regional Resumo A importância da qualidade e diversidade na formação do corpo de engenheiros regionais e a integração da indústria

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

Capacitação de Recursos Humanos para o Planejamento e Gestão do Desenvolvimento Regional

Capacitação de Recursos Humanos para o Planejamento e Gestão do Desenvolvimento Regional Programa 0757 Gestão da Política de Integração Objetivo Apoiar o planejamento, avaliação e controle dos programas da área de integração nacional. Público Alvo Governo Ações Orçamentárias Indicador(es)

Leia mais

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA RELAÇÕES ENTRE A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O SETOR DE HOSPITALIDADE: um estudo de caso aplicável ao curso Técnico de Hospedagem Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente de Pernambuco Autores: ANNARA

Leia mais

Secretaria de Ciência e Tecnologia para a Inclusão o Social. Institutos Federais. Secretaria de Ciência e Tecnologia para Inclusão Social - SECIS

Secretaria de Ciência e Tecnologia para a Inclusão o Social. Institutos Federais. Secretaria de Ciência e Tecnologia para Inclusão Social - SECIS Secretaria de Ciência e Tecnologia para a Inclusão o Social Fórum Extensão o Tecnológica dos Institutos Federais Secretaria de Ciência e Tecnologia para Inclusão Social - SECIS Ministério da Ciência e

Leia mais

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social II Fórum de Informação em Saúde IV Encontro da Rede BiblioSUS O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social Maria de Fátima Ramos Brandão Outubro/2007 1 Apresentação O Projeto Casa Brasil Modelos

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto Nacional CONSULTOR JÚNIOR Número e Título do Projeto: BRA/09/004 Fortalecimento da CAIXA no seu processo

Leia mais

DA ESCOLA DE APRENDIZES ARTÍFICES AO IFAM: UM BREVE HISTÓRICO SOBRE O PROCESSO DE IFETIZAÇÃO NO AMAZONAS.

DA ESCOLA DE APRENDIZES ARTÍFICES AO IFAM: UM BREVE HISTÓRICO SOBRE O PROCESSO DE IFETIZAÇÃO NO AMAZONAS. DA ESCOLA DE APRENDIZES ARTÍFICES AO IFAM: UM BREVE HISTÓRICO SOBRE O PROCESSO DE IFETIZAÇÃO NO AMAZONAS. Martinho Correia Barros Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas martinho.correia@ifam.edu.br

Leia mais

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia Sessão Plenária 5: Programas Nacionais de Estímulo e Apoio às Incubadoras de Empresas e Parques Tecnológicos Ana Lúcia Vitale Torkomian Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério

Leia mais

Autora: MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA

Autora: MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA PERSPECTIVAS PARA OS CURSOS TÉCNICOS DO EIXO HOSPITALIDADE E LAZER: um estudo de caso aplicável ao Curso Técnico de Nível Médio em Eventos da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente de Pernambuco.

Leia mais

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL Trabalho apresentado no III ENECULT Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, realizado entre os dias 23 a 25 de maio de 2007, na Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil. METODOLOGIA

Leia mais

Plano Brasil Maior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer.

Plano Brasil Maior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer. Plano Brasil Maior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Dimensões do PBM Oportunidades Desafios Sistema de Gestão Desdobramento do Plano Brasil Maior na Política de Arranjos Produtivos

Leia mais

PAINEL V : DESENVOLVIMENTO REGIONAL NA AMÉRICA LATINA ESTRUTURA PRODUTIVA E DESENVOLVIMENTO REGIONAL: EXPERIÊNCIAS LATINO-AMERICANAS

PAINEL V : DESENVOLVIMENTO REGIONAL NA AMÉRICA LATINA ESTRUTURA PRODUTIVA E DESENVOLVIMENTO REGIONAL: EXPERIÊNCIAS LATINO-AMERICANAS PAINEL V : DESENVOLVIMENTO REGIONAL NA AMÉRICA LATINA ESTRUTURA PRODUTIVA E DESENVOLVIMENTO REGIONAL: EXPERIÊNCIAS LATINO-AMERICANAS Ricardo Romeiro Coordenador Geral de Arranjos Produtivos Locais Secretária

Leia mais

RESOLUÇÃO UnC-CONSUN 033/2012 (PARECER Nº 045/2012 CONSUN)

RESOLUÇÃO UnC-CONSUN 033/2012 (PARECER Nº 045/2012 CONSUN) RESOLUÇÃO UnC-CONSUN 033/2012 (PARECER Nº 045/2012 CONSUN) Dispõe sobre o quadro de cursos em funcionamento e respectivos números de vagas e da extinção dos cursos que não estão sendo ofertados. O Presidente

Leia mais

Desenvolvimento Territorial a partir de sistemas produtivos locais como modalidade de Política Industrial no Brasil

Desenvolvimento Territorial a partir de sistemas produtivos locais como modalidade de Política Industrial no Brasil Desenvolvimento Territorial a partir de sistemas produtivos locais como modalidade de Política Industrial no Brasil Renato Caporali Confederação Nacional da Indústria Arranjos Produtivos Locais como modalidade

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Superior Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais

EDUCAÇÃO BÁSICA E PROFISSIONAL SENAI SESI

EDUCAÇÃO BÁSICA E PROFISSIONAL SENAI SESI EDUCAÇÃO BÁSICA E PROFISSIONAL SENAI SESI SENADO FEDERAL COMISSÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTE AUDIÊNCIA PÚBLICA: IDÉIAS E PROPOSTAS PARA A EDUCAÇÃO BRASILEIRA PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO SESI

Leia mais

O desenvolvimento da indústria fornecedora de bens e serviços para petróleo e gás no Brasil e o BNDES

O desenvolvimento da indústria fornecedora de bens e serviços para petróleo e gás no Brasil e o BNDES Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social O desenvolvimento da indústria fornecedora de bens e serviços para petróleo e gás no Brasil e o BNDES 20.10.2009 Luciano Coutinho Mensagem Inicial Pré-sal:

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTEIROR 3 ª CONFERÊNCIA BRASILEIRA DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTEIROR 3 ª CONFERÊNCIA BRASILEIRA DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTEIROR DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DO COMÉRCIO EXTERIOR 3 ª CONFERÊNCIA BRASILEIRA DE ARRANJOS PRODUTIVOS

Leia mais

Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação. Política Estadual de Arranjos Produtivos Locais

Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação. Política Estadual de Arranjos Produtivos Locais Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação Política Estadual de Arranjos Produtivos Locais Política Nacional de Arranjos Produtivos Locais Premissas Reconhecimento de que políticas de fomento

Leia mais

Reunião do Fórum das Entidades Empresariais de Santa Maria

Reunião do Fórum das Entidades Empresariais de Santa Maria Reunião do Fórum das Entidades Empresariais de Santa Maria Santa Maria, 15 de Outubro de 2012 Pauta: 1) Contexto da Economia Criativa no Brasil de acordo com o Plano da Secretaria da Economia Criativa

Leia mais

2. DAS ATRIBUIÇÕES DOS PROFESSOES TUTORES PRESENCIAIS SELECIONADOS: 2.1 Atuar no polo de apoio presencial do campus para o qual foi selecionado.

2. DAS ATRIBUIÇÕES DOS PROFESSOES TUTORES PRESENCIAIS SELECIONADOS: 2.1 Atuar no polo de apoio presencial do campus para o qual foi selecionado. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO - PROPESQ EDITAL Nº. 06, DE 12 DE JULHO DE 2013. SELEÇÃO DE SERVIDORES

Leia mais

Introdução de Práticas de Inovação Contínua nas Micro e Pequenas Empresas do Arranjo Produtivo Local do Vestuário de Maringá: um Estudo de Caso

Introdução de Práticas de Inovação Contínua nas Micro e Pequenas Empresas do Arranjo Produtivo Local do Vestuário de Maringá: um Estudo de Caso Introdução de Práticas de Inovação Contínua nas Micro e Pequenas Empresas do Arranjo Produtivo Local do Vestuário de Maringá: um Estudo de Caso Cleina Yayoe Okoshi, Francisco Rodrigues Lima Junior, Leandro

Leia mais

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13 Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018 L RECyT, 8.11.13 Delineamento do Programa - Quadro Fundamentação Geral Programa público, plurianual, voltado para o fortalecimento

Leia mais

Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos

Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos Visão: "Que em 2020 Santa Maria e região sejam referência pela capacidade de empreender,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA ANEXO I CARGOS/ÁREAS, REQUISITOS E VAGAS CARGO DE PROFESSOR DA CARREIRA DE MAGISTÉRIO DO ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Tabela retificada pelos Editais 43, 44 e 45 de 014. VAGAS Áreas Requisitos

Leia mais

CATÁLOGO NACIONAL DE CURSOS TÉCNICOS Edição 2014

CATÁLOGO NACIONAL DE CURSOS TÉCNICOS Edição 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA E EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA Diretoria de Políticas de Educação Profissional e Tecnológica CATÁLOGO NACIONAL DE CURSOS TÉCNICOS Edição 2014 Ministério da Educação,

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro Educação a Distância Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. A única diferença é a sala de aula que fica em suas

Leia mais

Estatística Final das Inscrições - Docente

Estatística Final das Inscrições - Docente Estatística Final das - Docente de 301 ADMINISTRAÇÃO / ECONOMIA Núcleo III - Macaé e Quissamã 174 117 6 101 AGRICULTURA 202 ARQUITETURA 103 ARTES 201 ARTES 151 115 5 54 46 0 49 34 3 50 37 0 303 ARTES Núcleo

Leia mais

Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos

Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos Disseminar a cultura empreendedora e inovadora em Santa Maria Ações de disseminação da Cultura Empreendedora Ações de trabalho conjunto entre Universidades e Comunidade Divulgação do trabalho pelo CEI

Leia mais

A UAB ESTÁ INSTITUCIONALMENTE INTEGRADA COMO PROGRAMA PERMANENTE NA ESTRUTURA DA NOVA CAPES

A UAB ESTÁ INSTITUCIONALMENTE INTEGRADA COMO PROGRAMA PERMANENTE NA ESTRUTURA DA NOVA CAPES A UAB ESTÁ INSTITUCIONALMENTE INTEGRADA COMO PROGRAMA PERMANENTE NA ESTRUTURA DA NOVA CAPES UAB NA NOVA CAPES CAPES DIRETORIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DED UAB COORDENAÇÃO GERAL DE INFRA-ESTRUTURA DE PÓLOS

Leia mais

Harmonização entre Demanda e Oferta de Cursos Técnicos de Nível médio Orientações às CREs

Harmonização entre Demanda e Oferta de Cursos Técnicos de Nível médio Orientações às CREs Departamento Pedagógico Coordenação de Gestão do Ensino Médio e da Educação Profissional CGEMEP Núcleo de Política e Ações Pedagógicas da Educação Profissional - NEP Harmonização entre Demanda e Oferta

Leia mais

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Elaborada pela Diretoria de Assuntos Estudantis 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa e Extensão nos dias

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília Edital nº 20/CGPE/PRDI/IFB, de 18 de Dezembro de 2009.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília Edital nº 20/CGPE/PRDI/IFB, de 18 de Dezembro de 2009. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília Edital nº 20/CGPE/PRDI/IFB, de 18 de Dezembro de 2009. PROCESSO DE REMOÇÃO INTERNA DE SERVIDORES DOCENTES. Considerando

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS CUL 07-09 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS CUL 07-09 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS CUL 07-09 01 Vaga 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria de pessoa física para realizar ações e organizar atividades

Leia mais

PROJETO CIDADÃO EM REDE: DE CONSUMIDOR A PRODUTOR DE INFORMAÇÃO SOBRE O TERRITÓRIO PLANO DE TRABALHO

PROJETO CIDADÃO EM REDE: DE CONSUMIDOR A PRODUTOR DE INFORMAÇÃO SOBRE O TERRITÓRIO PLANO DE TRABALHO PROJETO CIDADÃO EM REDE: DE CONSUMIDOR A PRODUTOR DE INFORMAÇÃO SOBRE O TERRITÓRIO PLANO DE TRABALHO CONVÊNIO DE COOPERAÇÃO TECNOLÓGICA PRODEB-UFBA PRODEB/DSS Diretoria de Sistemas e Serviços UFBA/LCAD

Leia mais

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR...o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff Julho/2014 0 APRESENTAÇÃO Se fôssemos traduzir o Plano de Governo 2015-2018

Leia mais

As MPE s como eixo central de cadeias produtivas

As MPE s como eixo central de cadeias produtivas As MPE s como eixo central de cadeias produtivas Guilherme Lacerda Diretor de Infraestrutura Social, Meio Ambiente, Agropecuária e Inclusão Social Madrid Outubro 2012 MPEs Importância, Desafios e Contribuições

Leia mais

1 Disseminar a cultura de empreender e inovar, fortalecendo as ações do Comitê de Empreendedorismo e Inovação (CEI)

1 Disseminar a cultura de empreender e inovar, fortalecendo as ações do Comitê de Empreendedorismo e Inovação (CEI) Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos Visão: "Que em 2020 Santa Maria e região sejam referência pela capacidade de empreender,

Leia mais

Sistema produtivo e inovativo de software e serviços de TI brasileiro: Dinâmica competitiva e Política pública

Sistema produtivo e inovativo de software e serviços de TI brasileiro: Dinâmica competitiva e Política pública Conferência Internacional LALICS 2013 Sistemas Nacionais de Inovação e Políticas de CTI para um Desenvolvimento Inclusivo e Sustentável 11 e 12 de Novembro, 2013 - Rio de Janeiro, Brasil Sistema produtivo

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

META MUNICIPAL 14: elevar gradualmente o número de matrículas na pós-graduação stricto sensu, de modo a atingir a titulação anual de 60.

META MUNICIPAL 14: elevar gradualmente o número de matrículas na pós-graduação stricto sensu, de modo a atingir a titulação anual de 60. META MUNICIPAL 14: elevar gradualmente o número de matrículas na pós-graduação stricto sensu, de modo a atingir a titulação anual de 60.000 (sessenta mil) mestres e 25.000 (vinte e cinco mil) doutores.

Leia mais

TOTAL DE CANDIDATOS POR IES/CURSO

TOTAL DE CANDIDATOS POR IES/CURSO TOTAL DE CANDIDATOS POR IES/CURSO UF da IES Nome da IES Nome do Curso Qtd. Inscritos SP FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Ciência e Tecnologia ** 16.253 BA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

Leia mais

Curso de Capacitação de Gestores de APLs

Curso de Capacitação de Gestores de APLs Programa de Fortalecimento das Cadeias e Arranjos Produtivos Locais Curso de Capacitação de Gestores de APLs Porto Alegre, 22-24/abril/2013 1 Objetivo: Capacitar os gestores (técnicos) a promoverem os

Leia mais

AUXILIAR DOCENTE Atualizado em maio/2011

AUXILIAR DOCENTE Atualizado em maio/2011 AUXILIAR DOCENTE Atualizado em maio/2011 RELAÇÃO DE REQUISITOS MÍNIMOS PARA INGRESSO NO EMPREGO PÚBLICO PERMANENTE DE AUXILIAR DOCENTE I Este documento tem por finalidade apresentar os requisitos de titulação

Leia mais

Edital 03.2014 TERMO DE REFERÊNCIA 01

Edital 03.2014 TERMO DE REFERÊNCIA 01 Edital 03.2014 TERMO DE REFERÊNCIA 01 ELABORAÇÃO DE PLANOS DE SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA PARA EMPREENDIMENTOS ECONÔMICOS SOLIDÁRIOS ORGANIZADOS EM REDES DE COOPERAÇÃO NOS TERRITÓRIOS DA MATA SUL/PE, MATA

Leia mais

Ensino Superior vive aumento acelerado

Ensino Superior vive aumento acelerado Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná () Departamento de Comunicação e Marketing Publicado em: 21/03/2010 - http://www.jmnews.com.br Elaborado por: próprio jornal/site Ensino

Leia mais