REPORT ZUR FACHAUFGABE RELATÓRIO DA TAREFA. Henrique Kolling Limberger. T-Systems do Brasil Ltda

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REPORT ZUR FACHAUFGABE RELATÓRIO DA TAREFA. Henrique Kolling Limberger. T-Systems do Brasil Ltda"

Transcrição

1 ausbildung formação mündl.prüfung prova final oral REPORT ZUR FACHAUFGABE RELATÓRIO DA TAREFA fach formação Ο Informatikkaufmann Gestão de Informática thema der aufgabe Sistema de Controle de Despesas de Viagens Internacional tema da tarefa name des prüflings Henrique Kolling Limberger nome do candidato (gültig 2011) (válido 2011) telefone (válido 2011) (47) ausbildungsbetrieb sede da aprendizagem T-Systems do Brasil Ltda tutor Marco Aurélio da Silva Pereira Persönliche Erklärung zur Fachaufgabe und zum Report Ich versichere durch meine Unterschrift, dass ich die Fachaufgabe im Einsatzgebiet und den Report selbstständig erarbeitet habe. Im Report verdeutliche ich, was genau mein persönlicher Anteil erbrachter Leistungen und gegebener Informationen ist. Ich habe sämtliche Texte, Bilder und Grafiken sowie alle Teile derselben, die ich gedruckten und digitalen Medien, Schul- und Betriebsdokumenten jeglicher Art entnommen habe, sei es direkt oder modifiziert, entsprechend als Zitate, Vorlagen und Quellen kenntlich gemacht. Declaração pessoal de autenticidade da autoria Eu asseguro por meio da minha assinatura que a tarefa junto à empresa e este relatório foram por mim desenvolvidos de maneira autónoma. No relatório eu esclareço qual foi exatamente a minha contribuição nos processos e resultados relatados. Todos os textos, imagens, gráficos ou subelementos dos mesmos que eu retirei de mídias impressas ou digitais, documentos escolares ou empresariais, seja diretamente ou mediante modificações, estão identificadas como citações, modelos e fontes. Blumenau, 20 de janeiro de 2011 Dieses Formular als Kopfblatt des Reports benutzen. Dahinter eine Kopie der 2. Seite das Antragsformulars! Dann gleich das Inhaltsverzeichnis + Text + Anhang. 5 komplette, einfach geklammerte Exemplare abgeben! Usar esta folha como CAPA do relatório da tarefa integrada. Em seguida uma copia da 2 a página do formulário de requerimento! Em seguida, diretamente prosseguir com o índice + texto + anexos. Entregar 5 vias completas, simplesmente grampeadas! Arquivo: Henrique_Relatorio-final_AHK-2011.doc Data: Autor: Henrique Kolling Limberger 1/22

2 Índice 1 Introdução Visão geral Entendimento do problema Stakeholders Contatos Análise do Processo Atual Processo atual Software e arquivos Proposta de Melhoria Conceito Recursos extras Registro de estabelecimentos Roteiro de viagem Arquivos Diagrama de cadeia de processos orientados a eventos Usuários, hierarquia e direitos de acesso Diagrama de classes Diagrama de casos de uso Diagrama entidade-relacional Planejamento do Projeto Plano sequencial das tarefas Planejamento dos pacotes de trabalho Diagrama de rede de tarefas Planejamento de recursos necessários Tecnologias Hardware Recursos Humanos Planejamento de custos e análise econômica Cálculo de custo Análise econômica Análise de riscos e indicadores de desempenho Considerações Finais Referências Arquivo: Henrique_Relatorio-final_AHK-2011.doc Data: Autor: Henrique Kolling Limberger 2/22

3 Índice de Tabelas Tabela 1 - Stakeholders... 4 Tabela 2 - Contatos... 5 Tabela 3 Direitos de usuário... 9 Tabela 4 Plano sequencial de tarefas Tabela 5 Comparativo entre linguagens Tabela 6 Análise de ponto de função Tabela 7 Cálculo de custo do projeto Tabela 8 Cálculo de custo das transições Tabela 9 Cálculo da economia gerada Tabela 10 Análise de riscos Índice de Diagramas Diagrama 1 - Stakeholders... 5 Diagrama 2 - EPK... 8 Diagrama 3 - Hierarquia... 9 Diagrama 4 - Stakeholders Diagrama 5 Caso de uso Diagrama 6 Modelagem Entidade-Relacional Diagrama 7 Pacotes de trabalho Diagrama 8 Rede de tarefas Diagrama 9 Arquitetura do sistema Diagrama 10 Comparativo entre linguagens Arquivo: Henrique_Relatorio-final_AHK-2011.doc Data: Autor: Henrique Kolling Limberger 3/22

4 1 Introdução 1.1 Visão geral Nos últimos anos, os serviços de TI deram ao Brasil uma posição de destaque, incluído recentemente como um dos 30 melhores países para fazer Offshore, ou seja, a prestação de serviços de TI para outros países. Dentro dessa estatística encontra-se a T-Systems, especialmente a unidade Blumenauense, onde encontra-se o primeiro centro de competência Offshore do Brasil que presta seus serviços exclusivamente na lingua alemã. Diferencial que tem proporcionado a Blumenau um evolução muito grande nesta área, tendo começado em 2006 com apenas 22 funcionários e atualmente comportando mais de 220. Através da oferta de suporte à Alemanha em lingua materna, o número de projetos importados cresce constantemente, o que origina uma demanda grande de viagens para a realização de transições de serviços. Tais transições são os repasses de conhecimento sobre serviços que eram realizados na Alemanha e serão realizados no Brasil. Em cada viagem realizada o funcionário deverá realizar a própria contabilidade, que serão apresentadas ao setor financeiro após o término da transição. Estes custos são declarados manualmente, através de arquivos em formato.xls Entendimento do problema Hoje a contabilidade das viagens para transições de serviços da T-Systems do Brasil é realizada manualmente, tomando um tempo precioso das pessoas envolvidas. Elas necessitam de uma boa parte do tempo da transição somente para declarar seus gastos, o que torna a transição mais demorada, gerando custos extras. Além disso, como não há um gerenciamento de qualidade sobre os gastos realizados, ocorrem constantes transtornos devido a perda de comprovantes ou falta de histórico em uma base única. Este documento tem como objetivo fazer o planejamento de um sistema de controle para a otimização destes processos junto ao controle dos custos de uma transição para que os envolvidos possam focar-se nas tarefas que lhes foram delegadas Stakeholders Em princípio foram identificados os Stakeholders, ou seja, as pessoas que são direta ou indiretamente afetadas através da criação do projeto. No gráfico seguinte, encontram-se os principais interessados no projeto e quais seus possíveis pontos positivos ou negativos. Tabela 1 - Stakeholders Arquivo: Henrique_Relatorio-final_AHK-2011.doc Data: Autor: Henrique Kolling Limberger 4/22

5 Stakeholder P¹ I² Positivas Negativas T-Systems Blumenau CBM 6 8 Setor de Finanças Sistema auxiliará no controle de despesas de todas as viagens realizadas novo sistema. Demora na adaptação ao 4 5 por funcionários da T-Systems Blumenau, reduzindo os gastos substancialmente. 3 3 Funcionários 1 2 Team Leaders ¹ P = Poder ² I = Interesse 3 2 A conta do cliente pode ter um custo reduzido, gerando um lucro maior para a T-systems Brasil. Maior controle dos gastos, reduzindo o tempo necessário. Economia de tempo da viagem para focar-se nas tarefas da mesma; redução da frequência de lacunas das declarações. Possível demora na a- provação de custos. Podem alegar a inconfiabilidade do sistema. Demora na declaração de despesas; possível descaso na participação de todo o novo processo. Melhor acompanhamento do líder Não há pontos negativos. sobre os gastos do funcionário, reduzindo o trabalho gerencial. Em seguida, a representação gráfica da tabela anterior, usando como critérios o poder e o interesse dos agentes. Diagrama 1 - Stakeholders Poder CBM T-Systems Blumenau Setor de Finanças Team Leaders Interesse Funcionários 1.2 Contatos Tabela 2 - Contatos Name Área Telefone Blumenschein, Markus Systems Integration Vital, Eduardo SI Sales Imme, Edney PoP Offshore Pereira, Marco PoP Offshore Arquivo: Henrique_Relatorio-final_AHK-2011.doc Data: Autor: Henrique Kolling Limberger 5/22

6 2 Análise do Processo Atual 2.1 Processo atual Atualmente a contabilidade das viagens é realizada manualmente. Os funcionários que estão em viagem recebem um pagamento pré-calculado, baseado na quantidade de dias previstos para a transição. Ele deve coletar todos os recibos referentes aos seus gastos para que sejam comprovados ao final da viagem. Estes gastos são divididos em três tipos: transporte, hospedagem e custos extras. Todos os gastos devem ser comprovados, exceto trinta euros ( 30,00) diários, considerados per diem. Quanto aos gastos com transporte, a única declaração que não é necessária é a da viagem de partida e retorno das transições, por serem previamente calculadas. Já para os outros custos de transporte, devem ser declarados o trecho, o valor, a localidade e a data. Já para os custos de hospedagem, deve ser registrado o estabelecimento, a diária e o valor pago e a localidade. Nos custos extras, há necessidade da descrição do custo, da localidade e do valor gasto. Todos os custos que não se enquadram em hospedagem ou transporte recaem sobre custos extras, com exceção do per diem. Este é o valor destinado para gastos com alimentação a cada dia. Caso o funcionário utilize menos que esse valor, o restante não necessita de declaração. Ao final da viagem, o funcionário recebe uma planilha para que seja preenchida. Nela o funcionário declara seus gastos com hospedagem, transporte e extras, anexando ao arquivo os respectivos comprovantes. Do valor pago inicialmente, o chamado pré-pagamento, desconta-se o valor do per diem multiplicado pelo número de dias da transição. Sobre do restante são abatidos os gastos do funcionário. Se houver sobras, o funcionário deve devolvê-las à empresa e, caso o funcionário tenha utilizado dinheiro próprio para suas despesas, a T-Systems o reembolsa com o mesmo valor. 2.2 Software e arquivos A declaração de despesas era realizada pelo aplicativo Microsoft Office Excel ou similares, através de um formulário em formato XLS disponibilizada pelo departamento SI Sales que realiza o controle das despesas de viagem. Arquivo: Henrique_Relatorio-final_AHK-2011.doc Data: Autor: Henrique Kolling Limberger 6/22

7 3 Proposta de Melhoria 3.1 Conceito O projeto baseia-se em um sistema web onde as despesas deverão ser declaradas diariamente pelo funcionário para que haja um controle mais exato e elimine a frequência de problemas ligados a essas declarações. O processo inicia com o registro de uma nova viagem por parte do Team Leader do projeto. Ele deverá cadastrar todos os dados necessários para que essa transição se inicie. Inicialmente devem ser registrados dados como funcionário, projeto, data de partida e retorno, percurso da viagem aérea, número de dias de transição e valor do pré-pagamento. Tanto os Team Leaders como os funcionários deverão ser registrados no sistema para que possam utilizá-lo. Quando o funcionário já estiver em viagem ele deverá registrar diariamente seus gastos. Também deverá em algum momento escanear os recibos e anexá-los a seus respectivos registros, assim terá maior controle. Os registros de gastos estão divididos em três categorias, hospedagem, transporte e extras. ara cada item de hospedagem é necessário o cadastro do estabelecimento, caso não exista. Assim haverá um registro para futuras viagens, onde a empresa poderá basear para consulta de locais e valores. Ao final da transição será emitido um relatório de viagem. Nele contarão os custos declarados, o pré-pagamento, o cálculo do per-diem, valores de transferências entre funcionários e um possível reembolso por parte do funcionário para a T- Systems ou o inverso. Juntamente com o relatório deverá o funcionário entregar todos os recibos coletados. 3.2 Recursos extras Registro de estabelecimentos Como as viagens ao exterior são frequentes, o sistema será também uma base de dados de estabelecimentos já frequentados, assim como a média das diárias pagas. Com isso, a empresa poderá prever o seu gasto para futuras viagens. O sistema armazenará o histórico automaticamente Roteiro de viagem Outro recurso que o sistema trará é o roteiro de viagem. Este utiliza o aplicativo web Google Maps, que mostra a visualização dos locais por onde o funcionário passou durante a viagem. roteiro é demarcado automaticamente ao cadastrar os custos das viagens entre as cidades visitadas. 3.3 Arquivos Para cada transição realizada o sistema gerará um único documento para acompanhamento gerencial, um resumo de viagem, onde se apresentarão todos os dados da transição e os gastos relacionados a ela. Arquivo: Henrique_Relatorio-final_AHK-2011.doc Data: Autor: Henrique Kolling Limberger 7/22

8 3.4 Diagrama de cadeia de processos orientados a eventos O diagrama de cadeia de processos orientado a eventos (EPK) mostra o fluxo do processo de inserção de uma nova transição. Após ser identificada, o Team Leader deve registrá-la no sistema, então determinar o funcionário que será responsável. Se este funcionário não estiver cadastrado, ele terá que cadastrar e delegar os direitos de acesso à ele. Cada transição necessita de um pré-pagamento, pago ao funcionário previamente. Uma transição deve ter este cadastro necessariamente, feito pelo Team Leader. Ao final, o sistema verificará se o valor do per diem está definido, só então o Team Leader poderá determinar o tempo planejado de dias da transição. Diagrama 2 - EPK Nova Transição Identificada Team leader Cadastrar Transição Nova Solicitação de Cadastro Aberta Determinar Funcionário Funcionário encontrado XOR Funcionário não encontrado Cadastrar Funcionário Funcionário cadastrado XOR Definir Prépagamento Prépagamento definido Sistema Per diem determinado? Per diem já determinado XOR Per diem não determinado Team leader Determinar Per diem Per diem determinado XOR Definir tempo de transição Transição cadastrada Arquivo: Henrique_Relatorio-final_AHK-2011.doc Data: Autor: Henrique Kolling Limberger 8/22

9 3.5 Usuários, hierarquia e direitos de acesso O sistema proposto deverá comportar uma hierarquia de usuários com direitos específicos de acordo como funcionário em questão. O sistema terá quatro níveis hierárquicos. Administrador do sistema, Gestores, Team Leaders e Funcionários: Administrador Possui funções básicas do sistema. O princípio é a manutenção das senhas dos dados e senhas de todos os níveis inferiores. Gestores Mesma função que um administrador, porém, possui direitos de manutenção somente sobre os usuários abaixo de seu nível hierárquico e sob sua jurisdição. Team Leaders Nomenclatura do cargo de chefe de equipe. Como usuário possui todos os direitos de acesso e manutenção sobre os usuários abaixo de seu nível hierárquico e sob sua jurisdição. Funcionários Nível hierárquico mais baixo, concedido aos funcionários que realizam as transições. Possui direitos referentes ao registro dos gastos. Abaixo o diagrama da hierarquia de usuários e a tabela de direitos de cada um. Diagrama 3 - Hierarquia Administrador Gestor Gestor Team Leader Team Leader Team Leader Funcionário Funcionário Funcionário Funcionário Funcionário Funcionário Direitos Administrador Gestor Team Leader Cadastrar, modificar e apagar usuários Tabela 3 Direitos de usuário Funcionário ¹ ¹ Modificar dados de usuário Modificar senha de usuário Resetar senha ¹ ¹ Conceder direitos a usuários ¹ ¹ Cadastrar, modificar e apagar estabelecimentos Cadastrar e modificar transições Definir per diem padrão Registrar gastos Imprimir resumo de viagem Visualizar roteiro de viagem ¹ Usuário a partir do nível hierárquico inferior. Arquivo: Henrique_Relatorio-final_AHK-2011.doc Data: Autor: Henrique Kolling Limberger 9/22

10 3.6 Diagrama de classes O diagrama a seguir representa o escopo das classes do sistema. Apenas as classes de negócios estão nele representadas. Diagrama 4 - Stakeholders Estabelecimento nome: String endereco: String numero: int complemento: int cidade: Cidade String site: String ultimadiaria: double linkgmaps: String tipo: String Construtor() remover() adicionar() selecionar() 0..* * Cidade nome: String uf: String linkgmaps: String Construtor() remover() adicionar() selecionar() Hospedagem:Custo estabelecimento: Estabelecimento dataate: Date valordiaria: Double Construtor() remover() adicionar() selecionar() * 0..* Extra:Custo descricao: String local: Cidade Construtor() remover() adicionar() selecionar() Transporte:Custo de: Cidade para: Cidade tipo: String Construtor() remover() adicionar() selecionar() Custo valor: Double transicao:transicao data: Date Construtor() remover() adicionar() selecionar() Viagem tipo: String trecho: String data: Date transicao: Transicao Construtor() remover() adicionar() selecionar() 0..* Funcionario nome: String String chaverede: Date tipo: String senha: String Construtor() remover() adicionar() selecionar() Transicao wbs: String projeto: String funcionario: Funcionario destino: String tempo: int prepagamento: double Construtor() remover() adicionar() selecionar() 1 1..* Arquivo: Henrique_Relatorio-final_AHK-2011.doc Data: Autor: Henrique Kolling Limberger 10/22

11 3.7 Diagrama de casos de uso Diagrama 5 Caso de uso Sistema Cadastrar Usuário Administrador Alterar Dados de Usuário Gestor Pesquisar Usuários Resetar Senha Alterar Senha de Usuário Cadastrar Transições Pesquisar Transições Team Leader Definir Per Diem Funcionário Registrar Gastos Cadastrar Estabelecimentos Pesquisar Estabelecimentos Modificar Estabelecimentos Visualizar Resumo de Viagem Visualizar Transições Imprimir Resumo de Viagem Visualizar Roteiro Arquivo: Henrique_Relatorio-final_AHK-2011.doc Data: Autor: Henrique Kolling Limberger 11/22

12 3.8 Diagrama entidade-relacional Diagrama 6 Modelagem Entidade-Relacional local nome Realizado na Movese de descricao Extra cidade de partida tipo trecho tipo Viagem data Contém transição transição data valor wbs pré-pagamento tempo Transição destino projeto Possui link gmaps uf cidade Cidade Localizase na Movese para cidade destino Transporte Custo funcionário Realiza tipo ultima diária link gmaps complemento endereco Estabelecimento numero nome site Realizado no dataate Hospedagem valor diária senha tipo Funcionário chave rede nome Arquivo: Henrique_Relatorio-final_AHK-2011.doc Data: Autor: Henrique Kolling Limberger 12/22

13 4 Planejamento do Projeto 4.1 Plano sequencial das tarefas Seq Descrição Tempo Anter. Próximo Tabela 4 Plano sequencial de tarefas FAZ FEZ SAZ SEZ GP FP 1 Descrever o processo atual Indetificar os Gaps Coletar as sugestões de melhoria Elaborar a proposta de melhoria 4 3 5,6,7, Verificar os recursos físicos Verificar os recursos de software Verificar os recursos humanos Calcular os custos 3 5,6, Calcular retorno sobre o investimento (ROI) Identificar os Stakeholders Elaborar o plano de comunicação Identificar os riscos 2 9, Elaborar plano de ação Criar os índices de desempenho (KPI) 15 Elaborar documentação do projeto FAZ Prazo mínimo para início SAZ Prazo máximo para início GP Tempo total de flexibilidade FEZ Prazo mínimo para término SEZ Prazo máximo para término FP Tempo de flexibilidad Arquivo: Henrique_Relatorio-final_AHK-2011.doc Data: Autor: Henrique Kolling Limberger 13/22

14 4.2 Planejamento dos pacotes de trabalho O organograma abaixo ordena os pacotes de trabalho do processo de planejamento. Diagrama 7 Pacotes de trabalho Planejamento do Sistema Análise do processo atual e dos Gaps Levantamento de Recursos Cálculo de custos Levantamento dos Stakeholders Análise de Riscos Elaboração da Documentação Descrever o processo atual Varificar os recursos físicos necessários Calcular os custos Identificar os Stakeholders Identificar os Riscos Elaborar a documentação do projeto Identificar os Gaps Verificar os recursos de software necessários Cálcular o retorno sobre o investimento Elaborar o plano de comunicação Elaborar plano de ação Coletar as sugestões de melhoria Verificar os recursos humanos necessários Criar o índices de desempenho (KPI) Elaborar a proposta de melhoria Arquivo: Henrique_Relatorio-final_AHK-2011.doc Data: Autor: Henrique Kolling Limberger 14/22

15 4.3 Diagrama de rede de tarefas Este diagrama representa a tabela anterior. Cada pacote de trabalho é representado por um elemento do diagrama, onde o numero do pacote está acima, abaixo estão, sequencialmente o tempo de duração da atividade, a sobra de tempo total e a sobra de tempo de cada processo. A linha crítica é o trecho do processo que não pode sofrer atrazos. É determinada através da identificação de tempo livre 0 em todos os processos que dela fazem parte Diagrama 8 Rede de tarefas Linha crítica: 1, 2, 3, 4, 5/6/7, 8, 9, 12, 13, 14, 15 Arquivo: Henrique_Relatorio-final_AHK-2011.doc Data: Autor: Henrique Kolling Limberger 15/22

16 4.4 Planejamento de recursos necessários Tecnologias Para o desenvolvimento do projeto, optou-se a utilização de ferramentas gratuítas. O sistema será baseado em interface web, sendo escolhida a linguagem mais adequada Java, por conter soluções já prontas necessárias ao projeto como o Framework de segurança Spring, além do JPA que realiza a interface objeto-relacional. Já a interface com o usuário será baseada no framework Zkoss, que integra um conjunto de ferramentas como Java Server Faces e Google Maps e imprime páginas HTML com funções em JavaScript abstraídas de outras mais complexas da linguagem Ajax. Para a solução de armazenamento não foi necessária a realização de um comparativo entre os bancos gratuitos existentes. O banco de dados MySql mostra se a opção mais robusta e com ferramentas de desenvolvimento avançadas, além de integrar-se com facilidade à linguagem Java e seus Frameworks. É o banco de dados gratuito mais usado entre os desenvolvedores, mesmo e- xistido outras bases conhecidas como PostgreeSql, não há um concorrente à sua altura. Em resumo das tecnologias selecionadas, o diagrama abaixo mostra um esboço arquitetura do sistema. Diagrama 9 Arquitetura do sistema Client Browser JavaScript Server Webserver Apache Tomcat JVM Java Apresentação ZKoss Spring Security Persistência JPA Armazenamento MySQL Arquivo: Henrique_Relatorio-final_AHK-2011.doc Data: Autor: Henrique Kolling Limberger 16/22

17 O uso da linguagem Java e do Framework Zkoss foram selecionados baseando-se em um comparativo com outras possibilidades: Diagrama 10 Comparativo entre linguagens Tecnologia Quesito Segurança Nível de Desenvolvimento Requerido Integração ao Banco de Dados Execução Avaliação Geral Hardware Java + Zkoss Java + JSP Ruby on Rails PHP Nível de segurança apurados, devido a excelentes frameworks existentes baseados em Java. Nível de segurança apurados, devido a excelentes frameworks existentes baseados em Java. O Framework Zkoss Possui inúmeras abstrai inúmeros tecnologias para elementos Web tornando o desenvol- de abstração não integração. O nível vimento e a manu- é tão elevado, re- tenção do programa mais suaves. Requer nível de conhecimento médio. Comporta a maioria das soluções existentes. Há uma solução pronta de execução que provém do Framework Zkoss. Processamento mais lento por rodas em Máquina Virtual. querendo do programador um conhecimento elevado. Comporta a maioria das soluções existentes. Executado através do contêiner de Servlets Apache Tomcat, projeto de software livre para execução de páginas de linguagem JSP. Processamento mais lento por roda em máquina virtual. O JSF é uma extensão baseada em uma extensão O JSP ainda é XML, sendo o muito utilizada no Zkoss uma evolução desta tecnolo- Web, apesar de desenvolvimento gia. Para desenvolver basta ter coluções sinificati- não receber evonhecimentos em vas. É interessante por ser conhe- JSF, há um grande número de desenvolvedores. Melhor volvedores Java. cida entre desen- opção para desenvolver. Ferramenta com grau de segurança maturo para uma tecnologia nova. Não possui muitas soluções externas. Tem nível de programação simplificado, porém ainda não possui muitas soluções para integrá-la. Ruby aceita os principais bancos. Há poucas soluções prontas para esse quesito no php. Possui nível de programação simplificado e um número baixo de soluções para integração. Suporta conexões com alguns bancos, princialmente os mais conhecidos como MySql, Postgree, Oracle e Firebird. Utiliza o Apache Server para execução das Melhor linguagem para processamento. Extremamente rápido. O Rails utiliza páginas. o Apache Server para execução. Ruby on Rails tem se tornado popular entre desenvolvedores, porém, apesar da crescente evolução, é ainda uma linguagem pouco explorada. O PHP é uma das linguagens mais populares para Web. Por ser de um nível mais simplificado, não é a melhor indicada quando se busca maior integração. O projeto deverá ser implantado em servidores já existentes dentro da T- Systems Blumenau e sistema necessitará de requisitos de hardware mínimo, já que Arquivo: Henrique_Relatorio-final_AHK-2011.doc Data: Autor: Henrique Kolling Limberger 17/22

18 os servidores possuem uma capacidade ampla e o sistema requer processamento e armazenamento baixos Recursos Humanos Para realização do projeto será necessário programadores com conhecimentos na tecnologia Java, especificamente nos frameworks de integração JSF, JPA e S- pring. Além disso, será necessário que o programador tenha conhecimentos em banco de dados MySql, assim como publicação do aplicativo através da ferramenta Apache Tomcat, além de um analista para acompanhamento das atividades de desenvolvimento e coordenação dos testes e implantação do sistema. 4.5 Planejamento de custos e análise econômica Cálculo de custo O sistema não será hospedado no DataCenter interno na T-Systems Blumenau, o que resultará em custo de hardware não significativo. O sistema envolve apenas os custos com pessoal para realizar o desenvolvimento. A análise de pontos de função é uma prática de mensuração de software. Sua técnica é realizar um cálculo sobre as funcionalidades do sistema para designar o custo total do projeto. Este cálculo é realizado sobre as funcionalidades específicas visíveis aos usuários, como um campo da tabela ou uma transação. O objetivo é substituir o cálculo de horas trabalhadas diretamente, focando-se no que será feito para melhor avaliar os valores. A tabela abaixo mostra os pontos de função identificados através do diagrama entidade-relacional e do diagrama de caso de uso: Tabela 5 Análise de ponto de função Arquivos Internos (ALI) Arquivos Interface Externa Qtde Peso Total Características do Ambiente Simples Comunicação de Dados 1 Médio Processamento Distribuído 1 Complexo Configuração Altamente Utilizada 0 Simples Entrada de Dados On-Line 5 Médio Eficiência do Usuário Final 5 (AIE) Complexo Atualização On-Line 3 Entradas Externas (EE) Saídas Externas (SE) Consulta Simples Facilidade de Operação 5 Médio Modificação Facilitada 1 Complexo Características do Sistema Simples Performance 1 Médio Volume de Transações 1 Complexo Processamento Complexo 1 Simples Reusabilidade 1 Externas Médio Facilidade de Instalação 1 (CE) Complexo Múltiplos Locais 2 Cálculo de pontos por Função Total Geral 28 Tabela 6 Cálculo de custo do projeto Fator de Ajuste APF 0,93 Arquivo: Henrique_Relatorio-final_AHK-2011.doc Data: Autor: Henrique Kolling Limberger 18/22

19 Pontos por função bruto 838,00 Pontos por função ajustado 779,34 Produtividade do ambiente e equipe 5,00 % Risco (Identificado no F36) 0% Produtividade Ajustada com Risco 5,00 Horas trabalhadas por dia 8,00 Esforço para desenvolvimento do projeto (horas) 3.896,70 Custo do desenvolvimento do projeto , Análise econômica O custo diário de uma transição gira em torno de 140,00 e o tempo de permanência em uma transição é de uma semana a três meses, gerando uma média de um mês e quinze dias em cada transição. Além disso, anualmente são realizadas em torno de cinco transições. Tudo isso resulta no cálculo de custo abaixo: Tabela 7 Cálculo de custo das transições Custo diário de um funcionário em transição 140,00 Euros Tempo médio de permanência do funcionário 45 Dias Média de transições realizadas por ano 5 Custo total das transições de um ano ,00 Euros Custo convertido para moeda nacional (cotação 1:2,25) ,00 Reais A declaração de despesas manual toma aproximadamente dez porcento do tempo de uma transição, sem contar as freqüentes falhas que ocorrem devido a perdas de comprovantes ou falta de organização. A declaração através do software custaria menos de cinco porcento do tempo de transição, tirando em torno de 20 minutos diários do funcionário para declaração, o que resulta em uma economia de tempo, consequentemente redução de custos. Tabela 8 Cálculo da economia gerada Custo total das transições de um ano ,00 Reais Custo das declarações feitas manualmente sobre o custo total 10% 7.087,50 Reais Economia gerada anualmente 5% 3.543,63 Reais O tempo gasto indiretamente em declarações manuais, ou seja, os transtornos gerados pela falta de organização não podem ser mensurados. Portanto, deve-se levar em conta de que o valor da economia gerada não os inclui. Assim, pode-se concluir que o valor retornado é ainda superior ao apresentado. Arquivo: Henrique_Relatorio-final_AHK-2011.doc Data: Autor: Henrique Kolling Limberger 19/22

20 4.6 Análise de riscos e indicadores de desempenho A tabela abaixo mostra os riscos identificados relativos ao sucesso do projeto, as possíveis causas de cada um, as ações que devem ser tomadas para que este risco possa ser prevenido assim como as ações para contenção do problema que pode ser gerado caso o risco venha a se concretizar. Juntamente, para cada risco será criado um índice de desempenho para que haja um controle da qualidade do processo. Risco Potencial Possível Causa Ações preventivas Atrazos nas declarações Falha no sistema Descaso por parte dos funcioná- inicial do Reciclagem Treinamento Ações de rios sistema Erro de código Resistência por Dificuldade de parte dos usuários novo adaptação ao processo Incompatibilidade da aplicacesso falha Análise do proção com os requisitos da empresa Falha de Segurança Testes prévios no sistema Desenvolvimento Testes de do sistema sem segurança a prévia observação das normas de segurança Ações de (KPI) Índice de contingência desempenho Solcitação de correção do erro Treinamento Orientação pré- individual implemen- tação suários pro- com os u- blemáticos Auditoria Nova análise e corre- prévia sobre o processo ção do problema Solicitação de mudança do código Número de a- trazos Número de falhas Tabela 9 Análise de riscos Contagem Dias de atrazo e quantidade por transição Tickets por mês - - Data final de conclusão da implementação Número de falhas Dias de atrazo Tickets por mês Arquivo: Henrique_Relatorio-final_AHK-2011.doc Data: Autor: Henrique Kolling Limberger 20/22

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 SUMÁRIO DEFINIÇÃO DE REQUISITOS 4 1. INTRODUÇÃO 4 1.1 FINALIDADE 4 1.2 ESCOPO 4 1.3 DEFINIÇÕES, ACRÔNIMOS

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

Autores/Grupo: TULIO, LUIS, FRANCISCO e JULIANO. Curso: Gestão da Tecnologia da Informação. Professor: ITAIR PEREIRA DA SILVA GESTÃO DE PESSOAS

Autores/Grupo: TULIO, LUIS, FRANCISCO e JULIANO. Curso: Gestão da Tecnologia da Informação. Professor: ITAIR PEREIRA DA SILVA GESTÃO DE PESSOAS Autores/Grupo: TULIO, LUIS, FRANCISCO e JULIANO Curso: Gestão da Tecnologia da Informação Professor: ITAIR PEREIRA DA SILVA GESTÃO DE PESSOAS ORGANOGRAMA FUNCIANOGRAMA DESENHO DE CARGO E TAREFAS DO DESENVOLVEDOR

Leia mais

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1 SUMÁRIO DEFINIÇÃO DE REQUISITOS 4 1. INTRODUÇÃO 4 1.1 FINALIDADE 4 1.2 ESCOPO 4 1.3 DEFINIÇÕES, ACRÔNIMOS

Leia mais

UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES

UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E ATIVIDADES COMPLEMENTARES DEPARTAMENTO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENADORIA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Emerson Barros de Meneses

Leia mais

Declaração do Escopo do Projeto. SysTrack

Declaração do Escopo do Projeto. SysTrack Declaração do Escopo do Projeto SysTrack Nome do Projeto: SysTrack Versão do Documento: 1.0 Elaborado por: André Ricardo, André Luiz, Daniel Augusto, Diogo Henrique, João Ricardo e Roberto Depollo. Revisado

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

Aplicação Prática de Lua para Web

Aplicação Prática de Lua para Web Aplicação Prática de Lua para Web Aluno: Diego Malone Orientador: Sérgio Lifschitz Introdução A linguagem Lua vem sendo desenvolvida desde 1993 por pesquisadores do Departamento de Informática da PUC-Rio

Leia mais

Principais Responsabilidades:

Principais Responsabilidades: DESENHO DE CARGO E TAREFAS DO DESENVOLVEDOR WEB Conhecimento dos sistemas gerenciadores de banco (MySQL), modelagem de dados, inglês técnico. Conhecimento em plataformas e metodologias de desenvolvimento

Leia mais

Plano de Gerenciamento do Projeto

Plano de Gerenciamento do Projeto Projeto para Soluções Contábeis 2015 Plano de Gerenciamento do Projeto Baseado na 5ª edição do Guia PMBOK Brendon Genssinger o e Elcimar Silva Higor Muniz Juliermes Henrique 23/11/2015 1 Histórico de alterações

Leia mais

Declaração de Escopo

Declaração de Escopo 1/9 Elaborado por: Adriano Marra, Bruno Mota, Bruno Leite, Janaina Versão: 1.4 Lima, Joao Augusto, Paulo Takagi, Ricardo Reis. Aprovado por: Porfírio Carlos Roberto Junior 24/08/2010 Time da Equipe de

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

José Benedito Lopes Junior ¹, Marcello Erick Bonfim 2

José Benedito Lopes Junior ¹, Marcello Erick Bonfim 2 ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 Definição de uma tecnologia de implementação e do repositório de dados para a criação da ferramenta

Leia mais

UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO (Bacharelado)

UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO (Bacharelado) UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO (Bacharelado) SISTEMA INTERNO INTEGRADO PARA CONTROLE DE TAREFAS INTERNAS DE UMA EMPRESA DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Disciplina: Programação Orientada a Objetos II Professor: Cheli dos S. Mendes da Costa Modelo Cliente- Servidor Modelo de Aplicação Cliente-servidor Os

Leia mais

Documento de Visão. Sistema de Ponto Eletrônico A2MEPonto. Versão 1.0

Documento de Visão. Sistema de Ponto Eletrônico A2MEPonto. Versão 1.0 Documento de Visão Sistema de Ponto Eletrônico A2MEPonto Versão 1.0 HISTÓRICO DE REVISÕES Data Versão Descrição Autor 23/10/2010 #1 Elaboração do documento. Eduardo Neto Versão 1.0 Documento de Visão A2ME

Leia mais

Anexo I Formulário para Proposta

Anexo I Formulário para Proposta PLATAFORMA CGI.br Solicitação de Propostas SP Anexo I Formulário para Proposta Data: 05/07/2013 Versão: 1.1 Plataforma CGI.br Solicitação de Propostas - SP Anexo I Formulário para Proposta 1. Estrutura

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Partner Network. www.scriptcase.com.br

Partner Network. www.scriptcase.com.br www.scriptcase.com.br A Rede de Parceiros ScriptCase é uma comunidade que fortalece os nossos representantes em âmbito nacional, possibilitando o acesso a recursos e competências necessários à efetivação

Leia mais

2 Diagrama de Caso de Uso

2 Diagrama de Caso de Uso Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Diagrama de Caso de Uso (Use Case) Autoria:Aristófanes Corrêa

Leia mais

Sistema de Controle de Solicitação de Desenvolvimento

Sistema de Controle de Solicitação de Desenvolvimento Sistema de Controle de Solicitação de Desenvolvimento Introdução O presente documento descreverá de forma objetiva as principais operações para abertura e consulta de uma solicitação ao Setor de Desenvolvimento

Leia mais

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Ementa Introdução a Banco de Dados (Conceito, propriedades), Arquivos de dados x Bancos de dados, Profissionais de Banco de dados,

Leia mais

ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Amarildo Aparecido Ferreira Junior 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil aapfjr@gmail.com

Leia mais

Ajuda da pesquisa acerca da Governança de TI da Administração Pública Federal

Ajuda da pesquisa acerca da Governança de TI da Administração Pública Federal Ajuda da pesquisa acerca da Governança de TI da Administração Pública Federal 1. Há planejamento institucional em vigor? Deverá ser respondido SIM caso o Órgão/Entidade possua um planejamento estratégico

Leia mais

CARDS - Jogo Educativo na Internet para Ensino a Distância

CARDS - Jogo Educativo na Internet para Ensino a Distância CARDS - Jogo Educativo na Internet para Ensino a Distância 1 Introdução Bruno Astuto Arouche Nunes Sergio Barbosa Villas-Boas 1 Henrique Falleiros Tendo em vista que o processo de ensino, nos dias de hoje,

Leia mais

Há mais de 10 anos ajudando igrejas de todo o Brasil a se fortalecer, crescer e cumprir sua missão. Marcos Antonio Bassoli

Há mais de 10 anos ajudando igrejas de todo o Brasil a se fortalecer, crescer e cumprir sua missão. Marcos Antonio Bassoli Informatize sua igreja com a Gileade Sistemas! A empresa A Gileade Sistemas busca o que há de melhor em tecnologia para oferecer às igrejas soluções que auxiliem na organização administrativa e que possam,

Leia mais

AULA 01-02-03 SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DE BANCO DE DADOS

AULA 01-02-03 SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DE BANCO DE DADOS AULA 01-02-03 SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DE BANCO DE DADOS Curso: Sistemas de Informação (Subseqüente) Disciplina: Administração de Banco de Dados Prof. Abrahão Lopes abrahao.lopes@ifrn.edu.br História

Leia mais

Termo de Abertura. Projeto: SysTrack. Documento: 1.0

Termo de Abertura. Projeto: SysTrack. Documento: 1.0 Termo de Abertura Projeto: SysTrack Documento: 1.0 1 Nome do Projeto: SysTrack Centro de Custo: XXXX Gerente do Projeto: Renato Santos Empresa contratante: Hórus Empresa contratada: TechHouse Método de

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE

ENGENHARIA DE SOFTWARE Pág. 1 0. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...2 2. OBJETIVOS....2 3. ESTIMATIVAS DO PROJETO....4 4. RISCOS DO PROJETO....5 4.1. Identificação e Análise dos Riscos....5 4.1.1. Riscos de Projeto...6 4.1.2. Riscos Técnicos....6

Leia mais

Mais rendimento do pessoal, graças a processos eficientes

Mais rendimento do pessoal, graças a processos eficientes O DocuWare nos recursos humanos Solution Info Mais rendimento do pessoal, graças a processos eficientes Currículos, correspondência, recomendações, declarações de rendimentos, e muito mais montanhas de

Leia mais

Atendimento CREA-RO. Plano de Desenvolvimento de Software. Histórico das Reuniões do Grupo

Atendimento CREA-RO. Plano de Desenvolvimento de Software. Histórico das Reuniões do Grupo Plano de Desenvolvimento de Software Histórico das Reuniões do Grupo Data Descrição Integrantes O que foi deliberado. 1 Índice Analítico 1. Introdução 3 1.1 Finalidade 3 1.2 Escopo 3 1.3 Visão geral 3

Leia mais

Unidade 8: Padrão MVC e DAO Prof. Daniel Caetano

Unidade 8: Padrão MVC e DAO Prof. Daniel Caetano Programação Servidor para Sistemas Web 1 Unidade 8: Padrão MVC e DAO Prof. Daniel Caetano Objetivo: Apresentar a teoria por trás dos padrões na construção de aplicações Web. INTRODUÇÃO Nas aulas anteriores

Leia mais

Sistema Web para Cotação de Preços. Vitae Tec Tecnologia a Serviço da Vida!

Sistema Web para Cotação de Preços. Vitae Tec Tecnologia a Serviço da Vida! Sistema Web para Cotação de Preços Vitae Tec Tecnologia a Serviço da Vida! Segue abaixo descritivo do sistema web de cotação de preço. A solução proposta pela Vita Tec oferece: 1) Maior controle, organização,

Leia mais

Documento de Arquitetura

Documento de Arquitetura Documento de Arquitetura A2MEPonto - SISTEMA DE PONTO ELETRÔNICO A2MEPonto - SISTEMA DE PONTO ELETRÔNICO #1 Pág. 1 de 11 HISTÓRICO DE REVISÕES Data Versão Descrição Autor 28/10/2010 1 Elaboração do documento

Leia mais

Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI

Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI Janeiro de 2011 p2 Usuários comerciais e organizações precisam

Leia mais

Prezado Senhor, Em prosseguimento aos nossos entendimentos, estamos formalizando a nossa proposta para desenvolvimento do site da Digivox.

Prezado Senhor, Em prosseguimento aos nossos entendimentos, estamos formalizando a nossa proposta para desenvolvimento do site da Digivox. João Pessoa, 18 de Agosto de 2015. Prezado Senhor, Em prosseguimento aos nossos entendimentos, estamos formalizando a nossa proposta para desenvolvimento do site da Digivox. 1. Projeto Desenvolvimento

Leia mais

PRODUTO 1 (CONSTRUÇÃO DE PORTAL WEB)

PRODUTO 1 (CONSTRUÇÃO DE PORTAL WEB) RELATÓRIO DE ENTREGA DO PRODUTO 1 (CONSTRUÇÃO DE PORTAL WEB) PARA A ELABORAÇÃO DOS PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PMGIRS PARA OS MUNICÍPIOS DE NOVO HORIZONTE, JUPIÁ, GALVÃO,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE APOIO À GESTÃO DE EVENTO DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE APOIO À GESTÃO DE EVENTO DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE APOIO À GESTÃO DE EVENTO DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL Adler H. Schmidt, Caroline F. Vicentini, Patrick P. Viera, Ronaldo C. M. dos Santos, Andrea S. Charão Universidade

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

SAV Sistema de Aluguel de Veículos I - DOCUMENTO DE REQUISITOS Versão 1.00

SAV Sistema de Aluguel de Veículos I - DOCUMENTO DE REQUISITOS Versão 1.00 SAV Sistema de Aluguel de Veículos I - DOCUMENTO DE REQUISITOS Versão 1.00 Conteúdo 1. INTRODUÇÃO...3 1.1 CONVENÇÕES, TERMOS E ABREVIAÇÕES... 3 1.1.1 Identificação dos Requisitos... 3 1.1.2 Prioridades

Leia mais

Desenvolvimento de aplicação web com framework JavaServer Faces e Hibernate

Desenvolvimento de aplicação web com framework JavaServer Faces e Hibernate Desenvolvimento de aplicação web com framework JavaServer Faces e Hibernate Tiago Peres Souza 1, Jaime Willian Dias 1,2 ¹Universidade paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil tiagop_ti@hotmail.com 2 Universidade

Leia mais

Ferramenta Colaborativa para Groupware

Ferramenta Colaborativa para Groupware Ferramenta Colaborativa para Groupware Rodolpho Brock UFSC Universidade Federal de Santa Catarina INE Deparrtamento de Informática e Estatística Curso de Graduação em Sistema de Informação rbrock@inf.ufsc.br

Leia mais

QUESTINAMENTOS AO EDITAL DE CONCORRÊNCIA 01/2013

QUESTINAMENTOS AO EDITAL DE CONCORRÊNCIA 01/2013 QUESTINAMENTOS AO EDITAL DE CONCORRÊNCIA 01/2013 Prezados Senhores da comissão de licitação da UENF, seguem alguns questionamentos acerca do edital de concorrência 01/2013 para esclarecimentos: 1. ANEXO

Leia mais

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI Nome da Empresa Documento Visão Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 23/02/2015 1.0 Início do projeto Anderson, Eduardo, Jessica, Sabrina, Samuel 25/02/2015 1.1 Correções Anderson e Eduardo

Leia mais

GANHE DINHEIRO FACIL GASTANDO APENAS ALGUMAS HORAS POR DIA

GANHE DINHEIRO FACIL GASTANDO APENAS ALGUMAS HORAS POR DIA GANHE DINHEIRO FACIL GASTANDO APENAS ALGUMAS HORAS POR DIA Você deve ter em mente que este tutorial não vai te gerar dinheiro apenas por você estar lendo, o que você deve fazer e seguir todos os passos

Leia mais

Satélite. Manual de instalação e configuração. CENPECT Informática www.cenpect.com.br cenpect@cenpect.com.br

Satélite. Manual de instalação e configuração. CENPECT Informática www.cenpect.com.br cenpect@cenpect.com.br Satélite Manual de instalação e configuração CENPECT Informática www.cenpect.com.br cenpect@cenpect.com.br Índice Índice 1.Informações gerais 1.1.Sobre este manual 1.2.Visão geral do sistema 1.3.História

Leia mais

1 Inicie um novo. Guia de Referência Rápida de Gerenciamento de Projeto para o Project 2007. projeto

1 Inicie um novo. Guia de Referência Rápida de Gerenciamento de Projeto para o Project 2007. projeto Guia de Referência Rápida de Gerenciamento de Projeto para o Project 2007 1 Inicie um novo Antes de começar um novo, uma organização deve determinar se ele se enquadra em suas metas estratégicas. Os executivos

Leia mais

SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino

SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino Eduardo Kokubo kokubo@inf.univali.br Fabiane Barreto Vavassori, MSc fabiane@inf.univali.br Universidade do Vale do Itajaí - UNIVALI Centro de Ensino Superior

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DE ALAGOAS COORDENADORIA SETORIAL DE GESTÃO DA INFORMÁTICA E INFORMAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DE ALAGOAS COORDENADORIA SETORIAL DE GESTÃO DA INFORMÁTICA E INFORMAÇÃO RESPOSTA AOS QUESTIONAMENTOS DA UNITECH 1) No item 5.2 dos critérios de qualidade, entendemos que não será aceita declaração, desacompanhada do certificado de qualidade. É correto o nosso entendimento?

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP Aprenda a criar Websites dinâmicos e interativos com PHP e bancos de dados Juliano Niederauer 19 Capítulo 1 O que é o PHP? O PHP é uma das linguagens mais utilizadas na Web.

Leia mais

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar as principais características de uma Aplicação Internet Rica.

Leia mais

Engenharia de Software Aplicações de Internet

Engenharia de Software Aplicações de Internet Engenharia de Software Aplicações de Internet Eduardo Santos eduardo.edusantos@gmail.com eduardo.santos@planejamento.gov.br www.softwarepublico.gov.br Histórico Por que existe a Internet? Por que existe

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

e-ouv Passo-a-passo Sistema de Ouvidorias do Poder Executivo Federal Junho, 2015 Controladoria-Geral da União

e-ouv Passo-a-passo Sistema de Ouvidorias do Poder Executivo Federal Junho, 2015 Controladoria-Geral da União e-ouv Passo-a-passo Sistema de Ouvidorias do Poder Executivo Federal Junho, 2015 Sumário 1. Acesso ao sistema... 3 2. Funcionalidades do sistema... 5 3. Como tratar manifestações... 14 3.1 Detalhar...

Leia mais

Sumário do Plano de Testes

Sumário do Plano de Testes GESTOC Versão 9.1 Plano de Testes Sumário do Plano de Testes 1. Introdução... 2 2. Escopo... 2 3. Implementações... 2 0002061: Emissão de notas de remessa com vasilhames e embalagens... 3 0002062: Emissão

Leia mais

Dataprev Aumenta a Eficiência na Entrega de Projetos em 40% com CA Clarity on Premise

Dataprev Aumenta a Eficiência na Entrega de Projetos em 40% com CA Clarity on Premise CUSTOMER SUCCESS STORY Dezembro 2013 Dataprev Aumenta a Eficiência na Entrega de Projetos em 40% com CA Clarity on Premise PERFIL DO CLIENTE Indústria: Setor público Companhia: Dataprev Empregados: 3.000+

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações

Tecnologia e Sistemas de Informações Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 3 Componentes de SIs Pessoas SI Organiz. Unidades que exercem diferentes funções, tais

Leia mais

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC RESUMO EXECUTIVO O PowerVault DL2000, baseado na tecnologia Symantec Backup Exec, oferece a única solução de backup em

Leia mais

Retorno do investimento com aplicativos empresariais em celulares.

Retorno do investimento com aplicativos empresariais em celulares. Retorno do investimento com aplicativos empresariais em celulares. Introdução A simulação do retorno sobre o investimento (do inglês ROI return on investment) tem sido utilizada como importante ferramenta

Leia mais

Construtor de sites SoftPixel GUIA RÁPIDO - 1 -

Construtor de sites SoftPixel GUIA RÁPIDO - 1 - GUIA RÁPIDO - 1 - Sumário Introdução...3 Por que utilizar o Construtor de Sites?...3 Vantagens do Construtor de Sites...3 Conceitos básicos...3 Configuração básica do site...5 Definindo o layout/template

Leia mais

Contrato de Serviço (SLA) Para Hipermercados Extra Por Esperança_TI S.A

Contrato de Serviço (SLA) Para Hipermercados Extra Por Esperança_TI S.A Esperança_TI S.A S/A Contrato de Serviço (SLA) Para Hipermercados Extra Por Esperança_TI S.A 25/11/2014 Gerador do documento: Gerente de Negociação: Marcos Alves de Oliveira Marcos Antônio de Morais Aprovação

Leia mais

Quando se fala em ponto eletrônico, a primeira coisa que vem à sua cabeça ainda é dor?

Quando se fala em ponto eletrônico, a primeira coisa que vem à sua cabeça ainda é dor? Quando se fala em ponto eletrônico, a primeira coisa que vem à sua cabeça ainda é dor? Interagir com sistemas que ainda dependem de agendamentos manuais e de coletas presenciais em vários equipamentos

Leia mais

Aula 03 - Projeto Java Web

Aula 03 - Projeto Java Web Aula 03 - Projeto Java Web Para criação de um projeto java web, vá em File/New. Escolha o projeto: Em seguida, na caixa Categorias selecione Java Web. Feito isso, na caixa à direita selecione Aplicação

Leia mais

Introdução Diagramas de Casos de Uso Diagramas de Classes Estoque Fácil

Introdução Diagramas de Casos de Uso Diagramas de Classes Estoque Fácil UFCG Introdução Diagramas de Casos de Uso Diagramas de Classes Estoque Fácil Arthur Silva Freire Caio César Meira Paes Carlos Artur Nascimento Vieira Matheus de Araújo Maciel Tiago Brasileiro Araújo Engenharia

Leia mais

Software. Bem vindo ao mundo do GED e Tecnologias Digitais. Gerenciamento Eletrônico de Documentos, Softwares, e muito mais...

Software. Bem vindo ao mundo do GED e Tecnologias Digitais. Gerenciamento Eletrônico de Documentos, Softwares, e muito mais... Software www.imagecomnet.com.br Bem vindo ao mundo do GED e Tecnologias Digitais Gerenciamento Eletrônico de Documentos, Softwares, e muito mais... A Empresa A Imagecom, uma empresa conceituada no ramo

Leia mais

PROPOSTA COMERCIAL. Caro cliente,

PROPOSTA COMERCIAL. Caro cliente, PROPOSTA COMERCIAL Caro cliente, O MakerPlanet.COM é uma empresa que oferece serviçso de hospedagem especializado em publicação de aplicações Maker na internet. Todos os nossos planos são totalmente compatíveis

Leia mais

Inicialização Rápida do Novell Vibe Mobile

Inicialização Rápida do Novell Vibe Mobile Inicialização Rápida do Novell Vibe Mobile Março de 2015 Introdução O acesso móvel ao site do Novell Vibe pode ser desativado por seu administrador do Vibe. Se não conseguir acessar a interface móvel do

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade Disciplina: Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Professora: Carla Silva Equipe (Ciência da Computação): Airton Sobral (asds) Alan Gomes (aga) Glauco Roberto (grps)

Leia mais

O GEM é um software 100% Web, ou seja, você poderá acessar de qualquer local através da Internet.

O GEM é um software 100% Web, ou seja, você poderá acessar de qualquer local através da Internet. Olá! Você está recebendo as informações iniciais para utilizar o GEM (Software para Gestão Educacional) para gerenciar suas unidades escolares. O GEM é um software 100% Web, ou seja, você poderá acessar

Leia mais

Síntese das discussões do fórum Livro-APF: Julho/2010

Síntese das discussões do fórum Livro-APF: Julho/2010 Síntese das discussões do fórum Livro-APF: Julho/2010 Assunto: Estimativa de Aumento de Produtividade Data: 01/07/2010 Link: http://br.groups.yahoo.com/group/livro-apf/message/2577 Dúvida: Existe alguma

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ASSUNTOS LEGISLATIVOS EDITAL SAL/MJ Nº 03, DE 14 DE JANEIRO DE 2015 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ASSUNTOS LEGISLATIVOS EDITAL SAL/MJ Nº 03, DE 14 DE JANEIRO DE 2015 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ASSUNTOS LEGISLATIVOS EDITAL SAL/MJ Nº 03, DE 4 DE JANEIRO DE 205 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Projeto BRA/07/004 Seleciona: Consultor para identificação das melhores

Leia mais

Manual do Usuário. Sistema/Ferramenta: Spider-ACQ. Versão do Sistema/Ferramenta: 1.0. www.spider.ufpa.br

Manual do Usuário. Sistema/Ferramenta: Spider-ACQ. Versão do Sistema/Ferramenta: 1.0. www.spider.ufpa.br Manual do Usuário Sistema/Ferramenta: Spider-ACQ Versão do Sistema/Ferramenta: 1.0 www.spider.ufpa.br Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 27/05/2011 1.0 Criação da seção de instalação/configuração

Leia mais

1. Introdução e Objetivos 2. Fundamentação teórica 3. Desenvolvimento e Especificações do sistema

1. Introdução e Objetivos 2. Fundamentação teórica 3. Desenvolvimento e Especificações do sistema SISTEMA DE CONTROLE DE INDICADORES DE DESEMPENHO VOLTADO À DISPONIBILIDADE DE SERVIÇOS DE TI BASEADO NA BIBLIOTECA ITIL V3 Eduardo Cuco Roteiroda apresentação 1. Introdução e Objetivos 2. Fundamentação

Leia mais

15/03/2010. Análise por pontos de função. Análise por Pontos de Função. Componentes dos Pontos de Função. Componentes dos Pontos de Função

15/03/2010. Análise por pontos de função. Análise por Pontos de Função. Componentes dos Pontos de Função. Componentes dos Pontos de Função Análise por pontos de função Análise por Pontos de Função Referência: Manual de práticas de contagem IFPUG Versão 4.2.1 Técnica que permite medir a funcionalidade de um software ou aplicativo, sob a visão

Leia mais

Provedor de serviços de software oferece solução econômica de gestão eletrônica

Provedor de serviços de software oferece solução econômica de gestão eletrônica Windows Azure Soluções para clientes - Estudo de caso Provedor de serviços de software oferece solução econômica de gestão eletrônica Visão geral País ou região: Índia Setor: Tecnologia da informação Perfil

Leia mais

DIGIMAN. WTB Tecnologia 2009. www.wtb.com.br

DIGIMAN. WTB Tecnologia 2009. www.wtb.com.br DIGIMAN MANDADO JUDICIAL ELETRÔNICO Arquitetura WTB Tecnologia 2009 www.wtb.com.br Arquitetura de Software O sistema DIGIMAN é implementado em três camadas (apresentação, regras de negócio e armazém de

Leia mais

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa ACESSE Informações corporativas a partir de qualquer ponto de Internet baseado na configuração

Leia mais

Etc & Tal. Volume 2 - Número 1 - Abril 2009 SBC HORIZONTES 44

Etc & Tal. Volume 2 - Número 1 - Abril 2009 SBC HORIZONTES 44 Armazenando Dados em Aplicações Java Parte 2 de 3: Apresentando as opções Hua Lin Chang Costa, hualin@cos.ufrj.br, COPPE/UFRJ. Leonardo Gresta Paulino Murta, leomurta@ic.uff.br, IC/UFF. Vanessa Braganholo,

Leia mais

BEM VINDOS AO DHL WEB SHIPPING GUIA DE USO

BEM VINDOS AO DHL WEB SHIPPING GUIA DE USO Envio de Remessas Online BEM VINDOS AO DHL WEB SHIPPING GUIA DE USO webshipping.dhl.com ACESSE O DHL WEB SHIPPING DE QUALQUER LUGAR DO MUNDO. Ideal para qualquer empresa com acesso à internet, o DHL Web

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS EXTRAJUDICIAL SIG-EX

SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS EXTRAJUDICIAL SIG-EX SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS EXTRAJUDICIAL SIG-EX Atualizado em 27.05.2011 MANUAL DO USUÁRIO 1. Apresentação 1.1. Acessando o Sistema 1.2. Tela Principal 2. Página Principal SUMÁRIO 3. Módulo Corregedoria

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA)

SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA) SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA) Alessandra Lubbe 1 Alexandre Evangelista 2 Jeandro Perceval 3 José Ramiro Pereira 4 Luiz Gustavo Mahlmann 5 RESUMO

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Criação de um site sobre Comunicação

Criação de um site sobre Comunicação Luciano Conceição Martins Criação de um site sobre Comunicação UNICAMP Universidade Estadual de Campinas Introdução: Um site é um conjunto de arquivos feitos através de códigos de programação. E, estes

Leia mais

Introdução. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos

Introdução. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos Conceitos Básicos Introdução Banco de Dados I Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Departamento de Computação DECOM Dados

Leia mais

SOBRE A SOFTLOG. APRESENTAÇÃO - SoftLog LOGuinho

SOBRE A SOFTLOG. APRESENTAÇÃO - SoftLog LOGuinho SOBRE A SOFTLOG A SoftLog Tecnologia é uma empresa especializada no desenvolvimento de soluções tecnológicas para empresas e instituições de diversos modais de transporte. Dentre os diversos tipos de soluções

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

Pontos de Função. André Chastel Lima Andréia Ferreira Pinto Diego Souza Campos. Engenharia de Software Mestrado Ciência da Computação - UFMS

Pontos de Função. André Chastel Lima Andréia Ferreira Pinto Diego Souza Campos. Engenharia de Software Mestrado Ciência da Computação - UFMS Pontos de Função André Chastel Lima Andréia Ferreira Pinto Diego Souza Campos Engenharia de Software Mestrado Ciência da Computação - UFMS Roteiro Introdução Métricas de Projeto Análise de Pontos de Função

Leia mais

Guia Rápido de Licenciamento do SQL Server 2012

Guia Rápido de Licenciamento do SQL Server 2012 Guia Rápido de Licenciamento do SQL Server 2012 Data de publicação: 1 de Dezembro de 2011 Visão Geral do Produto SQL Server 2012 é uma versão significativa do produto, provendo Tranquilidade em ambientes

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

Manual de Utilização ao Módulo Rede Federal SIMEC - Versão 14/set/2015.

Manual de Utilização ao Módulo Rede Federal SIMEC - Versão 14/set/2015. Manual de Utilização ao Módulo Rede Federal SIMEC - Versão 14/set/2015. O Sistema Integrado de Monitoramento, Execução e Controle do Ministério da Educação (SIMEC) é um portal operacional e de gestão do

Leia mais

Manual de utilização do Relatório de Viagens

Manual de utilização do Relatório de Viagens Manual de utilização do Relatório de Viagens Os Módulos do Sistema de Relatório de Viagens foram criados tendo com base a Regulamentação de Viagem da MGS - Minas Gerais Administração e Serviços S/A (RG/AD/02/10ª).

Leia mais

Frameworks para criação de Web Apps para o Ensino Mobile

Frameworks para criação de Web Apps para o Ensino Mobile 393 Frameworks para criação de Web Apps para o Ensino Mobile Lucas Zamim 1 Roberto Franciscatto 1 Evandro Preuss 1 1 Colégio Agrícola de Frederico Westphalen (CAFW) Universidade Federal de Santa Maria

Leia mais

APLICATIVO WEB PARA O SETOR DE EXTENSÃO IFC VIDEIRA

APLICATIVO WEB PARA O SETOR DE EXTENSÃO IFC VIDEIRA APLICATIVO WEB PARA O SETOR DE EXTENSÃO IFC VIDEIRA Autores: Claudiléia Gaio BANDT; Tiago HEINECK; Patrick KOCHAN; Leila Lisiane ROSSI; Angela Maria Crotti da ROSA Identificação autores: Aluna do Curso

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO DO M3

MANUAL DO USUÁRIO DO M3 MANUAL DO USUÁRIO DO M3 1 CADASTROS 1.1 Clientes Abre uma tela de busca na qual o usuário poderá localizar o cadastro dos clientes da empresa. Preencha o campo de busca com o nome, ou parte do nome, e

Leia mais

FileMaker Pro 12. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o

FileMaker Pro 12. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 12 Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 12 2007 2012 FileMaker Inc. Todos os direitos reservados. FileMaker Inc. 5201 Patrick Henry Drive Santa Clara,

Leia mais

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Workflow Processo

Leia mais

Programação com acesso a BD. Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Programação com acesso a BD. Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Introdução BD desempenha papel crítico em todas as áreas em que computadores são utilizados: Banco: Depositar ou retirar

Leia mais

Novo Guia de uso rápido do PROJUDI

Novo Guia de uso rápido do PROJUDI 1. O que é o PROJUDI? Novo Guia de uso rápido do PROJUDI O Processo Judicial Digital PROJUDI, também chamado de processo virtual ou de processo eletrônico, pode ser definido como um software que reproduz

Leia mais

IV PLANO DE GERENCIAMENTO DE TEMPO

IV PLANO DE GERENCIAMENTO DE TEMPO IV PLANO DE GERENCIAMENTO DE TEMPO 1 - Descrição do Plano de Gerenciamento detempo (PMBOK) O gerenciamento de tempo do projeto inclui os processos necessários para realizar o término do projeto no prazo.

Leia mais