MyMiB: Desenvolvimento de um software para implantação de microblogs

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MyMiB: Desenvolvimento de um software para implantação de microblogs"

Transcrição

1 MyMiB: Desenvolvimento de um software para implantação de microblogs André Fonseca, Felipe Ribas Forbeck, Julio César Araújo Galvão Filho, Murilo Tosatti, Tiago Gerke Departamento de Ciência da Computação Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO) {andrebritofonseca, Resumo. A Internet passa por diversas tendências desde o seu surgimento. Pode-se citar que, em diferentes épocas, salas de bate-papo, comunicadores instantâneos e redes sociais atingiram seus auges, sendo considerados grandes novidades quando foram lançados. Atualmente, o conceito de microblog é o que mais se destaca neste contexto. O objetivo deste artigo é expor o desenvolvimento de um software para implantação de microblogs, facilitando a criação de sites de mensagens curtas de temas específicos, através de simples configurações, utilizando conceitos de Web 2.0. Palavras-chave: Microblog, Web 2.0, AJAX, RIA. Abstract. The Internet passes through several trends since its inception. It may be mentioned that at different times, chat rooms, instant messengers and social networks reached their peaks, being considered big news when were released. Nowadays, the concept of microblogging is what stands out as the most popular in this context. The present paper aims to describe the development of a software to release microblogs, facilitating the creation of short messages sites, of specific themes, through simple configuration, using the concepts of Web 2.0. Key-words: Microblog, Web 2.0, AJAX, RIA. 1. Introdução Segundo Povoa (2006) a expressão Web 2.0 foi criada pela empresa O Reilly Media, gerando com isso uma série de conferências e livros, atingindo grande popularidade nas comunidades de desenvolvimento Web. Depois disso, com a observação de padrões em comum em uma variedade de projetos Web levou a classificação como Web 2.0. Conforme artigo publicado no jornal Folha de São Paulo (2006), a Web 2.0 é a segunda geração da World Wide Web, que vem com o intuito de reforçar a colaboração

2 dos usuários com sites e serviços virtuais. A idéia é que o ambiente se torne mais dinâmico e que os usuários colaborem para a organização de conteúdo. Um exemplo desse contexto é o site Wikipedia 1, onde são os próprios usuários que disponibilizam e editam as informações presentes no site. Ainda segundo o jornal Folha de São Paulo (2006), muitos consideram toda a divulgação em torno da Web 2.0 um golpe de marketing. Como o universo digital sempre apresentou interatividade, o reforço desta característica seria um movimento natural e, por isso, não daria à tendência o título de "a segunda geração". Polêmicas à parte, o número de sites e serviços que exploram esta tendência vem crescendo e ganhando cada vez mais adeptos. Fanara (2008), ao se referir aos blogs, cita que há quem diga que a queda da indústria fonográfica se deu mais pela troca de informações sobre faixas ruins nos CDs do que pela chamada pirataria em si. O fato é que o blog deixa a gente comentar e isso significa dar a cara a tapa. Alguns jornais, uma década depois da dos primeiros sites na internet, resolveram abrir as portas aos comentários e participação do leitor. O mesmo autor também afirma que, logo após o surgimento dos blogs, surgiram os microblogs, onde a idéia principal não era escrever comentários longos, e sim pequenas dicas e principalmente colocar a questão geográfica em cena. Por só aceitar pequenas frases, ele tem um apelo enorme ao uso por dispositivos móveis. Segundo [INFO, 2008] a principal ferramenta do gênero microblog é o Twitter 2, criado na Califórnia por um grupo de amigos interessados em compartilhar suas rotinas. Evan Williams, um dos amigos, foi o criador do Blogger 3, maior serviço de publicação de blogs do mundo, hoje parte do Google. Os microblogs têm uma característica em comum com as redes sociais, como Orkut 4 e Facebook 5. No Twitter, cada usuário tem uma rede de amigos e que recebem automaticamente as postagens de seus contatos. Os primeiros a se entusiasmar com esse novo sistema de publicação foram empresas do Vale do Silício, sempre dispostos a tentar a última novidade digital. Depois, o Twitter conquistou adolescentes em busca de diversão. Hoje, quase dois anos depois de lançado, o serviço já conta com quase meio milhão de adeptos e o número não pára de crescer. Um levantamento recente da empresa de pesquisas Forrester Research 6 indicou que 6% dos internautas americanos adultos acessam o Twitter. "A chave dessa tecnologia é conectar a tela do computador a outra tela, a do celular", diz Peter Kim, analista da Forrester. "O lado social da computação é uma das chaves do sucesso desse tipo de serviço" Disponível em 3 Disponível em 4 Disponível em 5 Disponível em 6 Disponível em

3 Sendo assim, o objetivo desse artigo é detalhar o desenvolvimento um software para implantação de microblogs em Web 2.0, denominado MyMiB (My Micro Blog). Utilizou-se algumas conceitos tecnológicos como RIA (Rich Internet Application), AJAX (Asynchronous Javascript And XML) e JSF (JavaServer Faces), que serão detalhadas na seção 2. A seção 3 mostra como o software foi propriamente construído. A seção 4 apresenta alguns resultados obtidos. A seção 5 traz algumas propostas para trabalhos e futuros, e por fim, na seção 6, são mostradas as conclusões. 2. Conceitos tecnológicos 2.1 RIA O termo Aplicação de Internet Rica foi introduzido pela Macromedia em março de 2002 [RIA, 2009], embora o seu conceito já possuira outras denominações anteriores, tais como: Remote Scripting, pela Microsoft, em 1998; X Internet, pela Forrester Research em Outubro de 2000; Cliente (Web) Rico; Aplicação Web Rica. Aplicações Web tradicionais centralizam todo seu código em torno de uma arquitetura de cliente-servidor, ou seja, todo o processamento é realizado no servidor, e o cliente apenas utiliza uma interface estática (neste caso em HTML). A grande desvantagem deste sistema é que a interação com a aplicação deve ser feita através do servidor, onde os dados são enviados para o servidor, são respondidos e a página é recarregada no cliente como resposta. Utilizando uma tecnologia aplicação-cliente, que possa executar instruções no computador do usuário podem reduzir significativamente o número de sincronizações e aumentar a interatividade com o cliente, sendo o caso das RIAs. Ainda, segundo [RIA, 2009] Aplicações de Internet Rica são aplicações web que tem características e funcionalidades de softwares tradicionais do tipo aplicativo. Essas aplicações transferem todo o processamento da interface para o navegador da internet, porém mantém a maior parte dos dados (como por exemplo, o estado do programa, dados do banco) no servidor de aplicação, sendo assim, o que pode ser feito em uma RIA é limitado pela robustez do sistema utilizado no cliente. 2.2 AJAX Segundo Ajax (2009), o AJAX (Asynchronous JavaScript And XML) foi criado por Jesse James Garret, e basicamente significa carregar e renderizar uma página, utilizando recursos de scripts rodando pelo lado cliente, buscando e carregando dados em background sem a necessidade de atualizar a página. Ressalta-se que o AJAX não é uma única tecnologia, mas sim um conjunto de tecnologias. O AJAX trabalha da seguinte maneira: enquanto em uma aplicação web clássica o navegador busca informações no servidor e as retorna para o cliente, no AJAX ocorre de

4 forma diferente. No carregamento da página, toda a lógica de processamento de dados é passada ao cliente. Quando o usuário faz uma requisição, quem busca e retorna as informações é o JavaScript, de forma assíncrona, não necessitando atualizar a página. O encarregado do tratamento dos dados é o script que foi carregado inicialmente quando se acessou a página. O processo inicial de carregamento é mais lento que de uma aplicação comum, pois muitas informações são pré-carregadas. Mas depois, somente os dados são carregados, tornando assim o site mais rápido. 2.3 JSF Segundo Pitanga (2004), o JSF (JavaServer Faces) é uma tecnologia que incorpora características de um framework MVC para WEB e de um modelo de interfaces gráficas baseado em eventos. Por basear-se no padrão de projeto MVC, uma de suas melhores vantagens é a clara separação entre a visualização e regras de negócio (modelo). A idéia do padrão MVC é dividir uma aplicação em três camadas: modelo, visualização e controle. O modelo é responsável por representar os objetos de negócio, manter o estado da aplicação e fornecer ao controlador o acesso aos dados. A visualização representa a interface com o usuário, sendo responsável por definir a forma como os dados serão apresentados e encaminhar as ações dos usuários para o controlador. Por outro lado, a camada de controle é responsável por fazer a ligação entre o modelo e a visualização, além de interpretar as ações do usuário e as traduzir para uma operação sobre o modelo, onde são realizadas mudanças e, então, gerar uma visualização apropriada. No JSF, o controle é composto por um servlet denominado FacesServlet, por arquivos de configuração e por um conjunto de manipuladores de ações e observadores de eventos. O FacesServlet é responsável por receber requisições da web, redirecioná-las para o modelo e então remeter uma resposta. Os arquivos de configuração são responsáveis por realizar associações e mapeamentos de ações e pela definição de regras de navegação. Os manipuladores de eventos são responsáveis por receber os dados vindos da camada de visualização, acessar o modelo, e então devolver o resultado para o FacesServlet. Ainda, o modelo representa os objetos de negócio e executa uma lógica de negócio ao receber os dados vindos da camada de visualização. Finalmente, a visualização é composta por component trees (hierarquia de componentes), tornando possível unir um componente ao outro para formar interfaces mais complexas. 3. Metodologia Nesta seção demonstra-se como o software foi desenvolvido. Aplicou-se um processo de software de protótipo evolutivo, onde a partir de um sistema simples são agregadas novas funcionalidades. Os testes foram informais, desconsiderando a aplicação de alguma metodologia específica. Primeiramente, cita-se as tecnologias utilizadas. Em seguida, demonstra-se as modelagens realizadas antes do desenvolvimento, para então abordar a implementação em três camadas, conforme o modelo MVC proposto pela tecnologia JSF, adicionando a

5 camada de segurança. Por fim, trata-se de aspectos da utilização do Google Code 7 em todo o processo. 3.1 Tecnologias Antes do desenvolvimento do MyMiB foram definidas quais as tecnologias utilizadas no processo. Primeiramente, optou-se pela linguagem de programação Java, para utilização do framework MVC Icefaces, que implementa a especificação JSF. Para o banco de dados decidiu-se pelo MySQL, um banco de dados gratuito e de fácil utilização. Para o mapeamento objeto-relacional, que realiza a interligação entre as classes Java e as tabelas do banco de dados, utilizou-se o Hibernate. A implantação do aplicativo é realizada no servidor web Apache Tomcat, e o ambiente de programação é o Eclipse. Estes possuem uma boa integração, o que facilita tanto o desenvolvimento como o deploy e testes. 3.2 Diagramas UML Dois diagramas UML foram feitos para guiar o desenvolvimento do software. O primeiro é o diagrama de casos de uso, que segundo Guedes (2008) visa à compreensão do comportamento externo do sistema, apresentando o sistema na perspectiva do usuário. Desse modo, procurou-se modelar quem são utilizadores do sistema (atores) e o quais as funcionalidades providas para os mesmos. A Figura 1 apresenta o diagrama desenvolvido. Figura 1. Diagrama de casos de uso do MyMiB Conforme se observa, o usuário pode se cadastrar, e, sendo cadastrado, pode postar, listar todos os posts que já realizou e excluir qualquer um deles, além das demais 7

6 funcionalidades providas para usuário anônimo. Como anônimo pode-se comentar um post e também realizar busca de posts por filtros específicos: data, tags e usuário. O administrador do sistema pode configurar o microblog, indicando informações como tema abordado, título, palavras-chave e cor de fundo, e também gerenciar o conteúdo. O administrador pode excluir um usuário ou post, caso considere que esteja em desacordo com a política do microblog. O segundo diagrama desenvolvido foi o diagrama de classes. Guedes (2008) afirma que este é o mais utilizado e mais importante diagrama da UML, permitindo a visualização das classes que compõem o sistema. Dessa maneira, foi utilizado como guia para a implementação, prevendo a representação dos objetos de domínio da aplicação. Na Figura 2 demonstra-se este diagrama. Figura 2. Diagrama de classes do MyMiB 3.3 Arquitetura MVC Conforme a proposta do JSF definiu-se uma arquitetura em três camadas, compreendida por modelo de dados, controladores e visualização. Uma camada adicional foi incluída, que se refere às funcionalidades de segurança a aplicação Modelo de dados Nesta camada buscou-se representar os objetos de domínio da aplicação através da criação de classes conforme o diagrama, e realizou-se o mapeamento objeto-relacional para as operações de persistência em banco de dados. A comunicação com o banco de dados MySQL é configurada através de um arquivo denominado persistence.xml. Neste arquivo descreve-se a localização e algumas propriedades do banco de dados utilizado (usuário, senha, nome do banco), bem como o driver associado. Ressalta-se que também por este arquivo pode-se delegar ao

7 Hibernate a criação das tabelas. Desta forma, esta opção foi utilizada para simplificar a criação do modelo. O mapeamento foi realizado por meio do Hibernate, utilizando anotações. Desta forma, cada classe é associada a uma tabela, e cada instância (objeto) é uma tupla Cada atributo do objeto é relacionado a uma coluna através da Outras funcionalidades providas pelas anotações são e operações em cascata. As operações CRUD são realizadas através de um objeto chamado EntityManager. Para as operações de inserção, deleção e atualização criou-se um gerenciador centralizado que administra o EntityManager, realizando as operações de modo comum para qualquer tipo de objeto. Para as buscas especializadas foram criados métodos estáticos nas classes específicas, que também administram as named queries. Estas são consultas escritas em linguagem própria da API Java Persistence (JPQL), onde são denominadas. Assim, são chamadas pelo nome definido, aplicando-se os parâmetros necessários para o EntityManager. Um exemplo de utilização da maneira de busca implementada é Usuario.buscarPor ( ); Controladores O controle da aplicação é realizado pelos Managed Beans (MBeans) da implementação JSF. Estes são objetos que controlam as telas do sistema, onde cada MBean trata de uma tela, configuração que é realizada no arquivo faces-config.xml. Entretanto, podem ser utilizados para controle da aplicação como um todo, já que tratam das requisições realizada via interface gráfica. Dessa forma, a cada requisição realizada o MBean recebe os parâmetros enviados, e pode executar a lógica do sistema, interligando-se com o modelo de dados Visualização Para o desenvolvimento da camada de apresentação da aplicação apresentada foi utilizado o framework Java Server Faces (JSF) Icefaces (ICESOFT, 2009). A ferramenta é uma implementação de uma especificação da Sun (SUN, 2009) utilizada para a criação de interfaces web ricas por meio de componentes visuais para aplicações JEE (JEE, 2009). O framework sendo open source oferece um conjunto vasto de componentes para desenvolvimento. Sendo que tais componentes podem ser encontrados em (ICESOFT, 2009). E, além de abordar o conceito RIA, apresenta um novo conceito de navegação de páginas, a navegação orientada a estados onde uma mesma tela pode ter diferentes estados / comportamentos, dependente do contexto. O desenvolvimento das interfaces gráficas aconteceu de forma evolutiva e incremental, sendo que teve início com telas protótipos, e a medida que novas funcionalidades eram implementadas, novas interfaces eram produzidas. O sistema contém cinco telas principais, sendo que as figuras de 3 à 7 as ilustram. Em linhas gerais, a figura 3 apresenta a tela de login; a figura 4 a tela de cadastro de usuário do microblog; a figura 5 apresenta a tela inicial do microblog que permite visualizar os posts, bem como acessar outras funcionalidades do aplicativo; a figura 6 exibe as configurações de

8 customização do MyMiB; a figura 7 ilustra a pesquisa de posts por meio de alguns filtros, como data, tag e usuário. Figura 3 - Tela de Login Figura 4 - Tela de Cadastro de Usuário Vale ressaltar sobre a utilização de Facelets para a construção das telas e páginas permite e facilita a criação de templates e oferece dinamismo nas mesmas Segurança Para a camada de segurança optou-se pela implementação de um módulo de login, seguindo a especificação do JAAS (Java Authentication and Authorization Service). Basicamente, o JAAS prevê que os usuários autenticados deverão ser etiquetados, podendo receber um ou mais papéis (roles) dentro do sistema. O processo de autorização se dá conforme os papéis recebidos pelo usuário. No arquivo web.xml descreve-se quais roles estão associadas a quais recursos. Dessa forma, a cada requisição de recurso o JAAS verifica se o usuário possui o papel necessário para o acesso. Se

9 houver autorização o recurso é liberado; caso contrário, o usuário é redirecionado a uma página de erro. Figura 5 - Tela Inicial do MyMiB Figura 6 - Tela de Configuração do Microblog Em caso de solicitação de um recurso protegido por um usuário que ainda não esteja autenticado no sistema, este é automaticamente redirecionado à página de login. 3.4 Utilização do Google Code Utilizou-se o Google Code no gerenciamento do projeto. Este ambiente fornece uma série de recursos para a hospedagem e gerência de projetos, e a única exigência é a disponibilização sob uma licença de software livre. Portanto, o MyMiB é disponibilizado sob a GNU General Public License v3. Dentre os recursos utilizados destaca-se a hospedagem e controle de versões através de um servidor SVN, a criação de wikis e a abertura e gerenciamento de problemas e bugs relacionados ao desenvolvimento. O MyMiB pode ser acessado em

10 Ressalta-se que o Google code não possui um canal de comunicação para os desenvolvedores, como fórum ou lista de s do projeto. Dessa forma, a comunicação foi realizada em reuniões presenciais e troca de s pessoais, por tratar-se de um projeto ainda incipiente. 4. Resultados Obtidos Pode-se considerar que os resultados obtidos no desenvolvimento do MyMiB estão de acordo com o esperado e, portanto, afirma-se que houve êxito na implementação. O objetivo principal de se disponibilizar uma aplicação para facilitar a implantação de um microblog foi atingido, permitindo também a configuração de maneira simplificada. Considera-se que os microblogs criados através do MyMiB serão seguros, devido à implementação da camada de segurança conforme o JAAS. Dessa forma, temse um software não apenas funcional, mas também que atende a um dos requisitos básicos de uma aplicação web. 5. Trabalhos Futuros Algumas das limitações conhecidas do MyMiB e passíves de implementação são: Moderação de posts: um post realizado não é diretamente exibido na página principal do microblog, mas deve passar pela aprovação dos demais usuários. Dessa forma, ganha-se em interatividade e também qualidade de conteúdo; Templates customizáveis: pode ocorrer a criação de diversos templates para que o administrador escolha ao mais adequado, trazendo maior riqueza visual ao microblog. Pode-se, também, permitir que o próprio administrador crie seu template e configure através de uma ferramenta de customização; Evolução para uma engine: hoje o sistema disponibilizado permite a criação de apenas um microblog. Pode-se incrementar o software para que permita a criação de múltiplos microblogs dentro da mesma aplicação, permitindo que todo usuário crie seu microblog. Desta forma, a criação estaria acessível a qualquer usuário que desejar, sem a necessidade de implantar o software em um servidor; Mecanismo de recuperar informações do usuário, como senha e para login; Implementação da funcionalidade de avaliação de posts. Esta não foi implementada devido à certa complexidade de controle, para não permitir que um mesmo usuário avalie o mesmo post mais de uma vez. Sugere-se que a avaliação seja realizada somente em conjunto com o comentário. Dessa forma, evita-se que usuários anônimos possam realizar avaliações consecutivas vezes; Melhoria no estilo (CSS) da página, que atualmente tem seu comportamento homologado apenas para o navegador Internet Explorer. Ressalta-se que, dada a disponibilidade do MyMiB como software livre, não necessariamente os autores do projeto irão implementar estas funcionalidades, estando aberta esta possibilidade a qualquer pessoa que desejar fazê-lo.

11 6. Conclusão O uso da tecnologia JSF no projeto MyMiB permite concluir que esta tem como um de seus principais atributos a facilidade de desenvolvimento de sistemas web. A comunicação entre as páginas e os MBeans facilita tanto a renderização do conteúdo que se deseja como o controle das operações de background a serem realizadas pelo servidor. Além disto, o JSF traz qualidade não somente em termos de projeto, mas também em relação ao desempenho e ao visual do sistema. Isto ocorre devido à aplicação dos conceitos de Ajax e RIA, trazendo ao navegador um visual um pouco mais próximo àquilo que se encontra no desktop. Por fim, ressalta-se que o Google Code é um importante ambiente para a gerência do projeto, por permitir a sincronização do código entre múltiplos desenvolvedores e a criação de documentos para transmissão de informações, como wikis explicativas (que foram utilizadas para relatar o processo de configuração do JAAS) e também informações sobre bugs e o processo realizado para resolução, através de issues. 7. Referências AJAX, CodigoFonte O que é o AJAX e como ele funciona? Disponível em: <http://codigofonte.uol.com.br/artigo/javascript-dhtml/o-que-e-o-ajax-e-como-elefunciona >. Acesso em 5 dez FANARA, João MICROBLOG Uma pincelada sobre o tema. Disponível em: <http://www.joaofanara.com/content/microblog-uma-pincelada-sobre-o-tema>. Acesso em 5 dez FOLHA, Folha de São Paulo , Entenda o que é a WEB 2.0. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/folha/informatica/ult124u20173.shtml>. Acesso em 5 dez GUEDES, Gilleanes T. A.. UML: Uma abordagem Prática. 3. ed. São Paulo: Novatec Editora, INFO, Plantão Info O enigma dos microblogs. Disponível em: <http://info.abril.com.br/aberto/infonews/012008/ shl>. Acesso em 5 dez

12 PITANGA, Talita JavaServer Faces: A mais nova tecnologia Java para desenvolvimento WEB. Disponível em: <http://www.guj.com.br/content/articles/jsf/jsf.pdf>. Acesso em 5 dez POVOA, Marcelo O que é WEB 2.0?. Disponível em: <http://webinsider.uol.com.br/index.php/2006/10/30/o-que-e-web-20/>. Acesso em 5 dez RIA, Oficina da Net Ria Rich Internet Application. Disponível em: <http://www.oficinadanet.com.br/artigo/1374/ria_-_rich_internet_application>. Acesso em 5 dez

DESENVOLVENDO APLICAÇÕES UTILIZANDO JAVASERVER FACES E MVC

DESENVOLVENDO APLICAÇÕES UTILIZANDO JAVASERVER FACES E MVC DESENVOLVENDO APLICAÇÕES UTILIZANDO JAVASERVER FACES E MVC Felipe Moreira Decol Claro 1, Késsia Rita da Costa Marchi 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil felipe4258@hotmail.com, kessia@unipar.br

Leia mais

DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS

DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS Emanuel M. Godoy 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil godoymanel@gmail.com,

Leia mais

Desenvolvimento de aplicação web com framework JavaServer Faces e Hibernate

Desenvolvimento de aplicação web com framework JavaServer Faces e Hibernate Desenvolvimento de aplicação web com framework JavaServer Faces e Hibernate Tiago Peres Souza 1, Jaime Willian Dias 1,2 ¹Universidade paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil tiagop_ti@hotmail.com 2 Universidade

Leia mais

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES Alexandre Egleilton Araújo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil araujo.ale01@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional

Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional Juarez Bachmann Orientador: Alexander Roberto Valdameri Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS

UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS Edi Carlos Siniciato ¹, William Magalhães¹ ¹ Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil edysiniciato@gmail.com,

Leia mais

ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Amarildo Aparecido Ferreira Junior 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil aapfjr@gmail.com

Leia mais

Banco de Dados de Músicas. Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho

Banco de Dados de Músicas. Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho Banco de Dados de Músicas Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho Definição Aplicação Web que oferece ao usuário um serviço de busca de músicas e informações relacionadas, como compositor, interprete,

Leia mais

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento HOME O QUE É TOUR MÓDULOS POR QUE SOMOS DIFERENTES METODOLOGIA CLIENTES DÚVIDAS PREÇOS FALE CONOSCO Suporte Sou Cliente Onde sua empresa quer chegar? Sistemas de gestão precisam ajudar sua empresa a atingir

Leia mais

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar as principais características de uma Aplicação Internet Rica.

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSOS

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSOS 1 de 6 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSOS BURITREINAMENTOS MANAUS-AM MARÇO / 2015 2 de 6 PACOTES DE TREINAMENTOS BURITECH A Buritech desenvolveu um grupo de pacotes de treinamentos, aqui chamados de BuriPacks,

Leia mais

TECNOLOGIAS E FRAMEWORKS PARA O DESENVOLMENTO DE INTERFACES WEB

TECNOLOGIAS E FRAMEWORKS PARA O DESENVOLMENTO DE INTERFACES WEB TECNOLOGIAS E FRAMEWORKS PARA O DESENVOLMENTO DE INTERFACES WEB Marcelo Rodrigo da Silva Ribeiro 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil marcelo.rodrigo@live.com,

Leia mais

ANEXO 11. Framework é um conjunto de classes que colaboram para realizar uma responsabilidade para um domínio de um subsistema da aplicação.

ANEXO 11. Framework é um conjunto de classes que colaboram para realizar uma responsabilidade para um domínio de um subsistema da aplicação. ANEXO 11 O MATRIZ Para o desenvolvimento de sites, objeto deste edital, a empresa contratada obrigatoriamente utilizará o framework MATRIZ desenvolvido pela PROCERGS e disponibilizado no início do trabalho.

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 5 Servidores de Aplicação

Leia mais

ARQUITETURA DO SISTEMA ERP PEGASUS

ARQUITETURA DO SISTEMA ERP PEGASUS ARQUITETURA DO SISTEMA ERP PEGASUS Elaborado por: Bruno Duarte Nogueira Arquiteto de Software Data: 05/03/2012 1 Sumário 1. Introdução... 3 2. Tecnologias... 3 2.1. Web Tier... 3 2.1.1. Facelets 1.1.14...

Leia mais

Centro Universitário Metodista Benne1 Rio de Janeiro, Dezembro de 2009. Rafael Polo e Sabrina Arêas

Centro Universitário Metodista Benne1 Rio de Janeiro, Dezembro de 2009. Rafael Polo e Sabrina Arêas Centro Universitário Metodista Benne1 Rio de Janeiro, Dezembro de 2009 Rafael Polo e Sabrina Arêas Contexto 60 s - Primeiros sistemas de informação corporativos. 70 s Desenvolvimento e comercialização

Leia mais

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Workflow Processo

Leia mais

FERRAMENTA WEB PARA MODELAGEM LÓGICA EM PROJETOS DE BANCOS DE DADOS RELACIONAIS

FERRAMENTA WEB PARA MODELAGEM LÓGICA EM PROJETOS DE BANCOS DE DADOS RELACIONAIS FERRAMENTA WEB PARA MODELAGEM LÓGICA EM PROJETOS DE BANCOS DE DADOS RELACIONAIS PAULO ALBERTO BUGMANN ORIENTADOR: ALEXANDER ROBERTO VALDAMERI Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

WebApps em Java com uso de Frameworks

WebApps em Java com uso de Frameworks WebApps em Java com uso de Frameworks Fred Lopes Índice O que são frameworks? Arquitetura em camadas Arquitetura de sistemas WEB (WebApps) Listagem resumida de frameworks Java Hibernate O que são frameworks?

Leia mais

Uma Abordagem sobre Mapeamento Objeto Relacional com Hibernate

Uma Abordagem sobre Mapeamento Objeto Relacional com Hibernate Uma Abordagem sobre Mapeamento Objeto Relacional com Hibernate Luis Gustavo Zandarim Soares 1, Késsia Rita da Costa Marchi 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paraná PR Brasil luisgustavo@live.co.uk,

Leia mais

4 Desenvolvimento da ferramenta

4 Desenvolvimento da ferramenta direcionados por comportamento 38 4 Desenvolvimento da ferramenta Visando facilitar a tarefa de documentar requisitos funcionais e de gerar testes automáticos em uma única ferramenta para proporcionar

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA)

SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA) SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA) Alessandra Lubbe 1 Alexandre Evangelista 2 Jeandro Perceval 3 José Ramiro Pereira 4 Luiz Gustavo Mahlmann 5 RESUMO

Leia mais

Universidade Federal Rural de Pernambuco. Bacharelado em Sistemas de Informação. Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas de Informação

Universidade Federal Rural de Pernambuco. Bacharelado em Sistemas de Informação. Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas de Informação Universidade Federal Rural de Pernambuco Bacharelado em Sistemas de Informação Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas de Informação Docente: Rodrigo Aluna: Thays Melo de Moraes Diagramas do Projeto

Leia mais

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 Rational Quality Manager Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 1 Informações Gerais Informações Gerais sobre o RQM http://www-01.ibm.com/software/awdtools/rqm/ Link para o RQM https://rqmtreina.mvrec.local:9443/jazz/web/console

Leia mais

DMS Documento de Modelagem de Sistema. Versão: 1.4

DMS Documento de Modelagem de Sistema. Versão: 1.4 DMS Documento de Modelagem de Sistema Versão: 1.4 VERANEIO Gibson Macedo Denis Carvalho Matheus Pedro Ingrid Cavalcanti Rafael Ribeiro Tabela de Revisões Versão Principais Autores da Versão Data de Término

Leia mais

UNICE Ensino Superior Linguagem de Programação Ambiente Cliente Servidor.

UNICE Ensino Superior Linguagem de Programação Ambiente Cliente Servidor. UNICE Ensino Superior Linguagem de Programação Ambiente Cliente Servidor. Modelo Cliente/Servidor Por HIARLY ALVES Fortaleza - CE Apresentação. O mais famoso tipo de arquitetura utilizada em redes de computadores

Leia mais

Manual de Procedimentos para Desenvolvimento de Softwares

Manual de Procedimentos para Desenvolvimento de Softwares Manual de Procedimentos para Desenvolvimento de Softwares Secretaria Geral de Informática Sin Universidade Federal de São Carlos - UFSCar Versão 2.1 O(s) critério(s) de escolha pelas tecnologias para desenvolvimento

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP 2ª Edição Juliano Niederauer Novatec Copyright 2009, 2011 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução

Leia mais

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas Linguagem de Programação JAVA Professora Michelle Nery Nomeclaturas Conteúdo Programático Nomeclaturas JDK JRE JEE JSE JME JVM Toolkits Swing AWT/SWT JDBC EJB JNI JSP Conteúdo Programático Nomenclatures

Leia mais

www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Conceitos Básicos

www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Conceitos Básicos Desenvolvimento Andrique web Amorim II www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Conceitos Básicos Sites e Aplicações Web Normalmente, as pessoas utilizam o termo SITE quando se referem a blogs, sites

Leia mais

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 SUMÁRIO DEFINIÇÃO DE REQUISITOS 4 1. INTRODUÇÃO 4 1.1 FINALIDADE 4 1.2 ESCOPO 4 1.3 DEFINIÇÕES, ACRÔNIMOS

Leia mais

Prefeitura de Belo Horizonte. Sistema de Controle de Protocolo

Prefeitura de Belo Horizonte. Sistema de Controle de Protocolo Prefeitura de Belo Horizonte Sistema de Controle de Protocolo Relatório apresentado para concorrer ao 2º Prêmio Inovar BH conforme Edital SMARH nº 001/2014 Belo Horizonte Julho de 2014 Resumo Sendo grande

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE BLOG COM O BLOGGER

CONSTRUÇÃO DE BLOG COM O BLOGGER CONSTRUÇÃO DE BLOG COM O BLOGGER Blog é uma abreviação de weblog, qualquer registro frequênte de informações pode ser considerado um blog (últimas notícias de um jornal online por exemplo). A maioria das

Leia mais

SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS

SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS Pablo dos Santos Alves Alexander Roberto Valdameri - Orientador Roteiro da apresentação Introdução Objetivos Motivação Revisão bibliográfica

Leia mais

PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO PINHÃO PARANÁ MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO CVS NO ECLIPSE

PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO PINHÃO PARANÁ MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO CVS NO ECLIPSE PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO PINHÃO PARANÁ MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO CVS NO ECLIPSE Agosto 2007 Sumário de Informações do Documento Tipo do Documento: Manual Título do Documento: MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO

Leia mais

MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO

MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO UTILIZANDO O HIBERNATE Rafael Laurino GUERRA, Dra. Luciana Aparecida Martinez ZAINA Faculdade de Tecnologia de Indaiatuba FATEC-ID 1 RESUMO Este artigo apresenta

Leia mais

Sistema de Memorandos On-Line. (Projeto Arquitetural)

Sistema de Memorandos On-Line. (Projeto Arquitetural) Universidade Federal de Campina Grande Pb Departamento de Sistemas e Computação Disciplina: Projeto em Computação I 2111185 Professora: Francilene Procópio Garcia, P.Sc Alunos: Arnaldo de Sena Santos;

Leia mais

7 Utilização do Mobile Social Gateway

7 Utilização do Mobile Social Gateway 7 Utilização do Mobile Social Gateway Existem três atores envolvidos na arquitetura do Mobile Social Gateway: desenvolvedor do framework MoSoGw: é o responsável pelo desenvolvimento de novas features,

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP Aprenda a criar Websites dinâmicos e interativos com PHP e bancos de dados Juliano Niederauer 19 Capítulo 1 O que é o PHP? O PHP é uma das linguagens mais utilizadas na Web.

Leia mais

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Disciplina: Programação Orientada a Objetos II Professor: Cheli dos S. Mendes da Costa Modelo Cliente- Servidor Modelo de Aplicação Cliente-servidor Os

Leia mais

Produto IV: ATU SAAP. Manual de Referência

Produto IV: ATU SAAP. Manual de Referência Produto IV: ATU SAAP Manual de Referência Pablo Nogueira Oliveira Termo de Referência nº 129275 Contrato Número 2008/000988 Brasília, 30 de outubro de 2008 1 Sistema de Apoio à Ativideade Parlamentar SAAP

Leia mais

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Julho / 2.012 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 29/07/2012 1.0 Versão inicial Ricardo Kiyoshi Página 2 de 11 Conteúdo 1. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1 SUMÁRIO DEFINIÇÃO DE REQUISITOS 4 1. INTRODUÇÃO 4 1.1 FINALIDADE 4 1.2 ESCOPO 4 1.3 DEFINIÇÕES, ACRÔNIMOS

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO MÓVEL PARA AUXÍLIO NA PREVENÇÃO DE TRAGÉDIAS EM DECORRÊNCIA DE ENCHENTES

DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO MÓVEL PARA AUXÍLIO NA PREVENÇÃO DE TRAGÉDIAS EM DECORRÊNCIA DE ENCHENTES DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO MÓVEL PARA AUXÍLIO NA PREVENÇÃO DE TRAGÉDIAS EM DECORRÊNCIA DE ENCHENTES Autores: Luciano GONÇALVES JUNIOR, Natália Maria Karmierczak DA SILVA, Paulo César Rodacki GOMES,

Leia mais

Sistema Gerador de Anúncios para Compra e Venda On-line. Leandro de Oliveira ol.leandro@gmail.com

Sistema Gerador de Anúncios para Compra e Venda On-line. Leandro de Oliveira ol.leandro@gmail.com Sistema Gerador de Anúncios para Compra e Venda On-line Leandro de Oliveira ol.leandro@gmail.com Roteiro da Apresentação Motivação Conceitos e Tecnologias Objetivos do trabalho Sistema SideCart Conclusões

Leia mais

Índice. Para encerrar um atendimento (suporte)... 17. Conversa... 17. Adicionar Pessoa (na mesma conversa)... 20

Índice. Para encerrar um atendimento (suporte)... 17. Conversa... 17. Adicionar Pessoa (na mesma conversa)... 20 Guia de utilização Índice Introdução... 3 O que é o sistema BlueTalk... 3 Quem vai utilizar?... 3 A utilização do BlueTalk pelo estagiário do Programa Acessa Escola... 5 A arquitetura do sistema BlueTalk...

Leia mais

Use a Cabeça! FREEMAN, Eric e Elisabeth. HTML com CSS e XHTML BASHMAN, Brian / SIERRA Kathy / BATES, Bert. Servlets & JSP

Use a Cabeça! FREEMAN, Eric e Elisabeth. HTML com CSS e XHTML BASHMAN, Brian / SIERRA Kathy / BATES, Bert. Servlets & JSP Use a Cabeça! FREEMAN, Eric e Elisabeth. HTML com CSS e XHTML BASHMAN, Brian / SIERRA Kathy / BATES, Bert. Servlets & JSP Software cliente: browser e outros Protocolo HTTP Infraestrutura de transporte

Leia mais

INTRODUÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO PRIMEFACES MOBILE EM APLICAÇÕES JSF

INTRODUÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO PRIMEFACES MOBILE EM APLICAÇÕES JSF INTRODUÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO PRIMEFACES MOBILE EM APLICAÇÕES JSF Guilherme Macedo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil guilhermemacedo28@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PELOTAS CENTRO DE LETRAS E COMUNICAÇÃO CURSO DE JORNALISMO TUTORIAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PELOTAS CENTRO DE LETRAS E COMUNICAÇÃO CURSO DE JORNALISMO TUTORIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PELOTAS CENTRO DE LETRAS E COMUNICAÇÃO CURSO DE JORNALISMO TUTORIAL http://pt.wordpress.com http://.wordpress.org Autor: Calvin da Silva Cousin Orientação: Profª Drª Sílvia Porto

Leia mais

Anexo V - Planilha de Apuração Aquisição de Solução de Redes Sociais

Anexo V - Planilha de Apuração Aquisição de Solução de Redes Sociais Anexo V - Planilha de Apuração Aquisição de Solução de Redes Sociais Será utilizado o seguinte critério: Atende / Não atende (Atende em parte será considerado Não atende) Item Itens a serem avaliados conforme

Leia mais

JSF - Controle de Acesso FERNANDO FREITAS COSTA

JSF - Controle de Acesso FERNANDO FREITAS COSTA JSF - Controle de Acesso FERNANDO FREITAS COSTA ESPECIALISTA EM GESTÃO E DOCÊNCIA UNIVERSITÁRIA JSF Controle de Acesso Antes de iniciarmos este assunto, é importante conhecermos a definição de autenticação

Leia mais

Ambiente Web PHP Problemas Frameworks CakePHP Symfony Zend Framework Prado CodeIgniter Demonstração O livro

Ambiente Web PHP Problemas Frameworks CakePHP Symfony Zend Framework Prado CodeIgniter Demonstração O livro Desenvolvimento em PHP usando Frameworks Elton Luís Minetto Agenda Ambiente Web PHP Problemas Frameworks CakePHP Symfony Zend Framework Prado CodeIgniter Demonstração O livro Ambiente Web É o ambiente

Leia mais

EXPRESSO LIVRE 3º Encontro Técnico de Desenvolvedores

EXPRESSO LIVRE 3º Encontro Técnico de Desenvolvedores EXPRESSO LIVRE 3º Encontro Técnico de Desenvolvedores Outubro 2008 Sumário de Informações do Documento Tipo do Documento: Ata Título do Documento: Expresso Livre 3º Encontro Técnico de Desenvolvedores

Leia mais

PROGRAMAÇÃO PARA INTERNET RICA RICH INTERNET APPLICATIONS

PROGRAMAÇÃO PARA INTERNET RICA RICH INTERNET APPLICATIONS PROGRAMAÇÃO PARA INTERNET RICA RICH INTERNET APPLICATIONS Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Objetivos Apresentar o que é uma Aplicação Rica para Internet Contextualizar tais aplicações na Web e os desafios

Leia mais

Associação Carioca de Ensino Superior Centro Universitário Carioca

Associação Carioca de Ensino Superior Centro Universitário Carioca Desenvolvimento de Aplicações Web Lista de Exercícios Métodos HTTP 1. No tocante ao protocolo de transferência de hipertexto (HTTP), esse protocolo da categoria "solicitação e resposta" possui três métodos

Leia mais

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA Manual de Utilização Google Grupos Sumário (Clique sobre a opção desejada para ir direto à página correspondente) Utilização do Google Grupos Introdução... 3 Página

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE EDUCAÇÃO LABORATÓRIO DE CULTURA DIGITAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE EDUCAÇÃO LABORATÓRIO DE CULTURA DIGITAL A coordenadoria do projeto Laboratório de Cultura Digital, vinculado ao Setor de Educação da Universidade Federal do Paraná, torna pública a seleção de equipe para o referido projeto, conforme previsto

Leia mais

QUESTIONAMENTOS ACERCA DO EDITAL DO PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 24/2015 - BNDES. Em resposta aos questionamentos formulados, o BNDES esclarece:

QUESTIONAMENTOS ACERCA DO EDITAL DO PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 24/2015 - BNDES. Em resposta aos questionamentos formulados, o BNDES esclarece: QUESTIONAMENTOS ACERCA DO EDITAL DO PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 24/2015 - BNDES Prezado Senhor, Em resposta aos questionamentos formulados, o BNDES esclarece: 1. Item 1.1.2 - Onde podemos encontrar os procedimentos,

Leia mais

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO DESCRIÇÃO DO SIGAI O SIGAI (Sistema Integrado de Gestão do Acesso à Informação) é uma solução de software que foi desenvolvida para automatizar os processos administrativos e operacionais visando a atender

Leia mais

WebUML: Uma Ferramenta Colaborativa de Apoio ao Projeto e Análise de Sistemas Descritos em Classes UML

WebUML: Uma Ferramenta Colaborativa de Apoio ao Projeto e Análise de Sistemas Descritos em Classes UML Carlos Henrique Pereira WebUML: Uma Ferramenta Colaborativa de Apoio ao Projeto e Análise de Sistemas Descritos em Classes UML Florianópolis - SC 2007 / 2 Resumo O objetivo deste trabalho é especificar

Leia mais

Documento de Análise e Projeto VideoSystem

Documento de Análise e Projeto VideoSystem Documento de Análise e Projeto VideoSystem Versão Data Versão Descrição Autor 20/10/2009 1.0 21/10/2009 1.0 05/11/2009 1.1 Definição inicial do documento de análise e projeto Revisão do documento

Leia mais

Ambiente Web PHP Problemas Frameworks CakePHP Symfony Zend Framework Prado CodeIgniter Demonstração

Ambiente Web PHP Problemas Frameworks CakePHP Symfony Zend Framework Prado CodeIgniter Demonstração Desenvolvimento em PHP usando Frameworks Elton Luís Minetto Agenda Ambiente Web PHP Problemas Frameworks CakePHP Symfony Zend Framework Prado CodeIgniter Demonstração Ambiente Web É o ambiente formado

Leia mais

Intranets e Capital Intelectual

Intranets e Capital Intelectual Intranets e Capital Intelectual Intranets e Capital Intelectual As mídias sociais ultrapassaram os limites da vida privada. Os profissionais são 2.0 antes, durante e depois do expediente. É possível estabelecer

Leia mais

Criando Aplicações PHP com. Zend e Dojo. Flávio Gomes da Silva Lisboa. Novatec

Criando Aplicações PHP com. Zend e Dojo. Flávio Gomes da Silva Lisboa. Novatec Criando Aplicações PHP com Zend e Dojo Flávio Gomes da Silva Lisboa Novatec Copyright 2013 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a

Leia mais

Struts 2 : Projeto e Programação Editora: Ciência Moderna Autor: Antunes Budi Kurniawan Número de páginas: 600

Struts 2 : Projeto e Programação Editora: Ciência Moderna Autor: Antunes Budi Kurniawan Número de páginas: 600 Objetivo Com enfoque totalmente prático permite que programadores Java possam ampliar seus conhecimentos no mundo Web na criação de sistemas profissionais. Utilizar os modelos de programação com Servlets,

Leia mais

Cargo Função Superior CBO. Tarefas / Responsabilidades T/R Como Faz

Cargo Função Superior CBO. Tarefas / Responsabilidades T/R Como Faz Especificação de FUNÇÃO Função: Analista Desenvolvedor Código: Cargo Função Superior CBO Analista de Informática Gerente de Projeto Missão da Função - Levantar e prover soluções para atender as necessidades

Leia mais

SISTEMA GERENCIAL TRATORPLAN

SISTEMA GERENCIAL TRATORPLAN SISTEMA GERENCIAL TRATORPLAN SIGET Fabrício Pereira Santana¹, Jaime William Dias¹, ², Ricardo de Melo Germano¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil fabricioblack@gmail.com germano@unipar.br

Leia mais

Desenvolvendo para WEB

Desenvolvendo para WEB Nível - Básico Desenvolvendo para WEB Por: Evandro Silva Neste nosso primeiro artigo vamos revisar alguns conceitos que envolvem a programação de aplicativos WEB. A ideia aqui é explicarmos a arquitetura

Leia mais

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO Intranets FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO As intranets são redes internas às organizações que usam as tecnologias utilizadas na rede mundial

Leia mais

Software Livre e Redes Sociais. Prof. Alexandro Silva

Software Livre e Redes Sociais. Prof. Alexandro Silva Software Livre e Redes Sociais Prof. Alexandro Silva Alexandro Silva penguim.wordpress.com Hacker Professor da Graduação e Pós-Graduação da Unijorge Atua no mercado OpenSource a mais de 10 anos Membro

Leia mais

O Blog do Conhecimento (http://blog.df.sebrae.com.br/ugc), desenvolvido pela UGC, é uma

O Blog do Conhecimento (http://blog.df.sebrae.com.br/ugc), desenvolvido pela UGC, é uma MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO BLOG DO CONHECIMENTO APRESENTAÇÃO O Blog do Conhecimento (http://blog.df.sebrae.com.br/ugc), desenvolvido pela UGC, é uma ferramenta de COLABORAÇÃO que tem como objetivo facilitar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ - UFC DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO - DC ESPECIALIZAÇÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Trabalho Final

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ - UFC DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO - DC ESPECIALIZAÇÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Trabalho Final UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ - UFC DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO - DC ESPECIALIZAÇÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Disciplina: Desenvolvimento de Software para Web Turma: ETI 2008 Prof.: Dr. José Maria Monteiro

Leia mais

Como Criar uma Aula? Na página inicial do Portal do Professor, acesse ESPAÇO DA AULA: Ao entrar no ESPAÇO DA AULA, clique no ícone Criar Aula :

Como Criar uma Aula? Na página inicial do Portal do Professor, acesse ESPAÇO DA AULA: Ao entrar no ESPAÇO DA AULA, clique no ícone Criar Aula : Como Criar uma Aula? Para criar uma sugestão de aula é necessário que você já tenha se cadastrado no Portal do Professor. Para se cadastrar clique em Inscreva-se, localizado na primeira página do Portal.

Leia mais

FEMA Tópicos avançados em programação Prof: Domingos OBJETIVOS / COMPETÊNCIAS

FEMA Tópicos avançados em programação Prof: Domingos OBJETIVOS / COMPETÊNCIAS FEMA Tópicos avançados em programação Prof: Domingos OBJETIVOS / COMPETÊNCIAS 1 - Desenvolver aplicativos para Desktop usando Swing, gerenciamento de Layouts, componentes swing, conectar a um banco de

Leia mais

INTRODUÇÃO. A Claireconference agradece pela escolha!

INTRODUÇÃO. A Claireconference agradece pela escolha! 1 ÍNDICE 1. IMPLEMENTAÇÃO 4 1.1 PAINEL DE CONTROLE 4 1.1.1 SENHA 4 1.1.2 CRIAÇÃO DE USUÁRIOS DO LYNC 5 1.1.3 REDEFINIR SENHA 7 1.1.4 COMPRAR COMPLEMENTOS 9 1.1.5 UPGRADE E DOWNGRADE 10 1.1.5.1 UPGRADE

Leia mais

Sistema Gerenciador de Conteúdo OpenCms: um caso de sucesso no CEFET-MG

Sistema Gerenciador de Conteúdo OpenCms: um caso de sucesso no CEFET-MG Sistema Gerenciador de Conteúdo OpenCms: um caso de sucesso no CEFET-MG Marco T. A. Rodrigues*, Paulo E. M. de Almeida* *Departamento de Recursos em Informática Centro Federal de Educação Tecnológica de

Leia mais

Capítulo 1 - Introdução 14

Capítulo 1 - Introdução 14 1 Introdução Em seu livro Pressman [22] define processo de software como um arcabouço para as tarefas que são necessárias para construir software de alta qualidade. Assim, é-se levado a inferir que o sucesso

Leia mais

2 ALGUMAS PLATAFORMAS DE ENSINO A DISTÂNCIA

2 ALGUMAS PLATAFORMAS DE ENSINO A DISTÂNCIA 2 ALGUMAS PLATAFORMAS DE ENSINO A DISTÂNCIA Neste capítulo faremos uma breve descrição de algumas plataformas para ensino a distância e as vantagens e desvantagens de cada uma. No final do capítulo apresentamos

Leia mais

World Wide Web e Aplicações

World Wide Web e Aplicações World Wide Web e Aplicações Módulo H O que é a WWW Permite a criação, manipulação e recuperação de informações Padrão de fato para navegação, publicação de informações e execução de transações na Internet

Leia mais

AULA 1 PHP O QUE É APACHE FRIENDS

AULA 1 PHP O QUE É APACHE FRIENDS O QUE É PHP Se você já programa PHP, aconselho que pule para o capítulo 7 desse livro. Pois até esse capitulo iremos abordar algoritmos em PHP até a construção de uma classe com seus métodos e atributos

Leia mais

ARQUITETURA DE SISTEMAS. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com)

ARQUITETURA DE SISTEMAS. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) ARQUITETURA DE SISTEMAS Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) Roteiro Definição Documento de arquitetura Modelos de representação da arquitetura Estilos arquiteturais Arquitetura de sistemas web Arquitetura

Leia mais

APRESENTAÇÃO COMERCIAL. www.docpix.net

APRESENTAÇÃO COMERCIAL. www.docpix.net APRESENTAÇÃO COMERCIAL www.docpix.net QUEM SOMOS Somos uma agência digital full service, especializada em desenvolvimento web, de softwares e marketing online. A Docpix existe desde 2010 e foi criada com

Leia mais

DESENVOLVIMENTO EM DISPOSITIVOS MÓVEIS UTILIZANDO BANCO DE DADOS

DESENVOLVIMENTO EM DISPOSITIVOS MÓVEIS UTILIZANDO BANCO DE DADOS DESENVOLVIMENTO EM DISPOSITIVOS MÓVEIS UTILIZANDO BANCO DE DADOS Leandro Guilherme Gouvea 1, João Paulo Rodrigues 1, Wyllian Fressatti 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil leandrog.gouvea@gmail.com,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II. Primeiro Trabalho

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II. Primeiro Trabalho UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II Primeiro Trabalho Descrição do trabalho: Escrever um Documento de Visão. Projeto: Automatização do sistema que

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011 CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011 O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma

Leia mais

OFICINA USO DO I3GEO. Levindo Cardoso Medeiros. levindocm@gmail.com

OFICINA USO DO I3GEO. Levindo Cardoso Medeiros. levindocm@gmail.com OFICINA USO DO I3GEO Levindo Cardoso Medeiros levindocm@gmail.com ESTRUTURA INTRODUÇÃO UTILIZANDO O I3GEO Aprendendo a navegar pelo I3Geo Propriedades do mapa ADICIONANDO E MANIPULANDO CAMADAS Adicionando

Leia mais

Módulo 6 Usando a Internet. Internet. 3.1 Como tudo começou

Módulo 6 Usando a Internet. Internet. 3.1 Como tudo começou Módulo 6 Usando a Internet Internet 3.1 Como tudo começou A internet começou a se desenvolver no ano de 1969 onde era chamada de ARPANET, criada pelo departamento de defesa dos Estados Unidos com o propósito

Leia mais

Tópicos Especiais em Informática. Msc. Márcio Alencar

Tópicos Especiais em Informática. Msc. Márcio Alencar Tópicos Especiais em Informática Msc. Márcio Alencar Recursos Certamente, um dos atrativos do chamado e- Learning (ou ensino á distância com uso de ferramentas computacionais/eletrônicas), são os novos

Leia mais

Usar o Office 365 em seu telefone Android

Usar o Office 365 em seu telefone Android Usar o Office 365 em seu telefone Android Guia de Início Rápido Verificar o email Configure o seu telefone Android para enviar e receber emails de sua conta do Office 365. Verificar o seu calendário onde

Leia mais

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido Arquitetura Roteiro Arquitetura Tipos de Arquitetura Centralizado Descentralizado Hibrido Questionário 2 Arquitetura Figura 1: Planta baixa de uma casa 3 Arquitetura Engenharia de Software A arquitetura

Leia mais

Ferramentas desenvolvidas internamente não atendem às necessidades de crescimento, pois precisam estar sendo permanentemente aperfeiçoadas;

Ferramentas desenvolvidas internamente não atendem às necessidades de crescimento, pois precisam estar sendo permanentemente aperfeiçoadas; APRESENTAÇÃO O Myself é um sistema de gerenciamento de conteúdo para websites desenvolvido pela Genial Box Propaganda. Seu grande diferencial é permitir que o conteúdo de seu website possa ser modificado

Leia mais

Zend Framework. Elton Luís Minetto

Zend Framework. Elton Luís Minetto Zend Framework Elton Luís Minetto O que? Ambiente Web PHP Problemas Frameworks Padrões Zend Framework Vantagens Componentes Cases Quem? Graduado e pós-graduado em Ciência da Computação. Cursando MBA em

Leia mais

ruirossi@ruirossi.pro.br

ruirossi@ruirossi.pro.br Persistência Com JPA & Hibernate Rui Rossi dos Santos ruirossi@ruirossi.pro.br Mediador: Rui Rossi dos Santos Slide 1 Mapeamento Objeto-Relacional Contexto: Linguagem de programação orientada a objetos

Leia mais

Etc & Tal. Volume 2 - Número 1 - Abril 2009 SBC HORIZONTES 44

Etc & Tal. Volume 2 - Número 1 - Abril 2009 SBC HORIZONTES 44 Armazenando Dados em Aplicações Java Parte 2 de 3: Apresentando as opções Hua Lin Chang Costa, hualin@cos.ufrj.br, COPPE/UFRJ. Leonardo Gresta Paulino Murta, leomurta@ic.uff.br, IC/UFF. Vanessa Braganholo,

Leia mais

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Índice 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED.... 1 2. História do Flash... 4 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED. É importante, antes de iniciarmos

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PRODUÇÃO DE EVENTOS

SISTEMA DE GESTÃO DE PRODUÇÃO DE EVENTOS SISTEMA DE GESTÃO DE PRODUÇÃO DE EVENTOS Rodrigo das Neves Wagner Luiz Gustavo Galves Mählmann Resumo: O presente artigo trata de um projeto de desenvolvimento de uma aplicação para uma produtora de eventos,

Leia mais

1. Introdução pág.3 2. Apresentação do sistema Joomla! pág.4 3. Acessando a administração do site pág.4 4. Artigos 4.1. Criando um Artigo 4.2.

1. Introdução pág.3 2. Apresentação do sistema Joomla! pág.4 3. Acessando a administração do site pág.4 4. Artigos 4.1. Criando um Artigo 4.2. 1. Introdução pág.3 2. Apresentação do sistema Joomla! pág.4 3. Acessando a administração do site pág.4 4. Artigos 4.1. Criando um Artigo 4.2. Editando um Artigo 4.3. Excluindo um Artigo 4.4. Publicar

Leia mais

Sistemas de Produtividade

Sistemas de Produtividade Sistemas de Produtividade Os Sistemas de Produtividade que apresentaremos em seguida são soluções completas e podem funcionar interligadas ou não no. Elas recebem dados dos aplicativos de produtividade,

Leia mais

Software Livre, Redes Sociais e Segurança na Internet. Alexandro Silva alexos@ngsecurity.com.br

Software Livre, Redes Sociais e Segurança na Internet. Alexandro Silva alexos@ngsecurity.com.br Segurança na Internet Alexandro Silva alexos@ngsecurity.com.br 1 Alexandro Silva penguim.wordpress.com Professor da Graduação e Pós-Graduação da Unijorge Atua no mercado OpenSource a mais de 10 anos Membro

Leia mais