DIAGNÓSTICO DE MATÉRIAS-PRIMAS PARA A PRODUÇÃO DE BIODIESEL EM PERNAMBUCO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIAGNÓSTICO DE MATÉRIAS-PRIMAS PARA A PRODUÇÃO DE BIODIESEL EM PERNAMBUCO"

Transcrição

1 ASSOCIAÇÃO INSTITUTO DE TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO MESTRADO PROFISSIONAL EM TECNOLOGIA AMBIENTAL DIAGNÓSTICO DE MATÉRIAS-PRIMAS PARA A PRODUÇÃO DE BIODIESEL EM PERNAMBUCO CIDOMAR ALVES DOS SANTOS RECIFE, OUTUBRO DE 2007

2 ii CIDOMAR ALVES DOS SANTOS DIAGNÓSTICO DE MATÉRIAS-PRIMAS PARA A PRODUÇÃO DE BIODIESEL EM PERNAMBUCO Dissertação apresentada ao Programa do Mestrado Profissional de Tecnologia Ambiental ITEP, como parte dos requisitos para obtenção do título de Mestre em Tecnologia Ambiental. Orientadora Ana Rita Fraga Drummond, Ph.D Co-orientador João Luis Coutinho, M.Sc. RECIFE, OUTUBRO DE 2007

3

4

5 iv Dedico este trabalho a todos que colaboram com o meio ambiente e pensam na humanidade daqui a dois mil anos.

6 v AGRADECIMENTOS A Deus pela força que recebo todos os dias. À Professora Ana Rita Drummond pela tolerância e paciência durante a elaboração desta dissertação e quando para esclarecer minhas dúvidas além de disponibilizar o laboratório para pesquisa. Ao amigo Francisco Sávio, pelo apoio e colaboração na organização deste trabalho. A equipe Leydjane, Maria Helena, Anacleto, Roberto, Evaldo do Laboratório de Fluidos pelo incentivo e apoio técnico. Aos colegas Edimilson, Ismael Conceição e Tibério pela amizade construída durante o curso. A professora Hélida Phillipins pelas observações e sugestões estando sempre disponível. A coordenação do mestrado. Aos funcionários da Secretaria do Mestrado Cris e Marcos sempre prestatívos. A todos os professores que ministraram as disciplinas de forma eficiente. Aos meus colegas de turma pelos agradáveis momentos durante todo curso. A todos que de alguma forma contribuíram para a realização deste trabalho.

7 vi O motor Diesel pode ser alimentado com óleos vegetais e poderá ajudar consideravelmente o desenvolvimento da agricultura nos países onde ele funcionar. Isto parece um sonho do futuro, mas eu posso predizer com inteira convicção que esse modo de emprego do motor Diesel pode, num tempo dado, adquirir uma grande importância. Rudolph Diesel

8 vii RESUMO Neste trabalho é apresentado o diagnóstico quanto às alternativas de matériasprimas existentes no Estado de Pernambuco que podem ser usadas na produção do biodiesel. Foram realizadas as projeções e potencialidades para o futuro de oleaginosas no Estado, assim como também foram avaliadas as disponibilidades de gorduras de origem animal e resíduos de frituras. Nesta pesquisa verificou-se que Pernambuco possui matérias-primas suficiente para atender a Lei de 13 de janeiro de 2005 que obriga a adição de 2% de biodiesel ao Diesel de origem fóssil. Dentre as culturas de oleaginosas cultivadas em Pernambuco verificou-se que atualmente: ha são utilizadas de mamoneira com capacidade para produzir m 3 de óleo, ha são destinados para a cultura do algodão com produção de 240 m 3 de óleo, 917 ha são usadas na cultura do amendoim com capacidade de produzir 276 m 3 de óleo. Outra área de estudo deste trabalho foi a geração de óleo a partir de gordura de origem animal. Quando se compara a quantidade de animais abatidos: são aves, uma potencial de fonte de óleo da ordem de m 3 ; de bovinos com capacidade de gerar m 3 de gordura e de suínos, o que renderiam 427 m 3 de gordura. Outro foco desse estudo são as gorduras de resíduos de frituras, hoje um dos maiores problemas de poluição ambiental devido à quantidade descartada; em Pernambuco esta quantidade chega a m 3 proveniente de estabelecimentos comerciais e m 3 das residenciais, perfazendo um total de m 3 os quais são desprezados na natureza causando dano irreparável ao meio ambiente, quando poderia ser aproveitados como matéria-prima para a produção de biodiesel. Os resultados mostram que Pernambuco tem disponibilidade de matérias para produzir biodiesel podendo suprir a necessidade de B2 ( m 3 ), em que 2% de biodiesel é adicionado ao Diesel de petróleo; e até ser equiparado com a necessidade de produção até B5 ( m 3 ) previsto para o ano de 2013, onde 5% de biodiesel é adicionado ao Diesel de petróleo. E desta forma, além de atender a Lei , Pernambuco se tornaria modelo em utilização de resíduos os quais poluem o meio ambiente. PALAVRAS-CHAVES: Oleaginosas; Gorduras Saturadas; Biodiesel

9 viii ABSTRACT This work presents the diagnostic alternatives for raw materials in the state of Pernambuco that can be used in the production of biodiesel. Productions were studied and potential for the future of oil in the state, as well as the availability of fats of animal origin and waste frying oil. This research found that Pernambuco has enough raw materials to meet the Law of January 13, 2005 requiring the addition of 2% of biodiesel to diesel from fossil origin. The crops of oilseed crops shows that Pernambuco has currently 6,935 ha. planted with mamoneira and capacity to produce 2,184 m 3 of oil, and 2,289 ha of cotton crop with production of 240 m 3 of oil a production of groundnut 917 hectares with a capacity to produce 276 m 3 of oil. Another area of study in this work was the generation of oil from fat of animal origin; which drew the most attention is when comparing the number of animals slaughtered poultry a potential source of oil in the order of m 3, cattle capacity to generate m 3 fat, and pigs which generete 427 m 3 of fat. Another focus of study are the residue of frying fats oil; today one of the biggest problems of contamination by the amount discarded; In Pernambuco this amount reaches m 3 of businesses and 3346 residences m 3 totallyzing m 3. The results show that Pernambuco is self sufficient to produce biodiesel from the availability presented here, this volume can meet the need of B2 ( m 3 ), 2% of biodiesel added to diesel oil; and the future need production of B5 ( m 3 ) in 2013, 5% of biodiesel added to diesel oil; thus in addition to attend the Law 11097, Pernambuco could be a model in use of waste which harm the environment KEY WORDS: Oleiferous; Biodiesel; Saturated Fat

10 ix LISTA DE FIGURAS Pág. Figura 01 Enfoques mundiais para produção do biodiesel (NAPPO, 2004) 16 Figura 02 - Processo de Transesterificação de Óleos Vegetais (NAPPO, 2004) 17 Figura 03 - Integração agrícola e industrial com enfoque ambiental e sustentável (NAPPO, 2004). 28 Figura 04 Potencial de expansão agrícola do Brasil (NAPPO, 2004) 32 Figura 05 Principais oleaginosas brasileiras e produtividade agrícola (BELTRÃO, 2005) 39 Figura 06 Potencial de oleaginosas por região do Brasil (NAPPO, 2004) 42 Figura 07 - Reação de formação do biodiesel (REGITANO-D ARCE, 2006). 49 Figura 08 Cadeia produtiva do biodiesel (NAPPO, 2004) 50 Figura 09 Motivações regionais para o uso de biodiesel no Brasil (NAPPO, 2004) 52 Figura 10 Demonstrativo das cinco regiões do Estado de Pernambuco com diferentes condições agro-climáticas (Governo de Pernambuco). Figura 11 Plantio de mamoneira em Itambé cultivar Nordestina Figura 12 Dia de campo para o plantio de oleaginosas Figura 13 Plantio de mamoneira consorciado com amendoim Figura 14 - Plantio de mamoneira consorciado com feijão na cidade de Pesqueira Figura 15 - Plantios de algodão do município de Limoeiro Figura 16 Plantio de mamoneira (à esquerda); diferentes espécies de sementes de mamoneira (à direita). Figura 17 Extratores de óleo utilizados neste trabalho, soxhlet (à esquerda) e prensagem (à direita) Figura 18 Vista geral de matadouro bovino (à esquerda) e tanque de gordura animal pronto para estocagem (à direita) Figura 19 Aves (frangos e galinhas) em abatedouro (à esquerda); vísceras que poderiam ser matéria-prima para a produção de biodiesel (à direita)

11 x Figura 20 Descarte incorreto de óleos residuais; esgoto (á esquerda) e calçada (à direita). Figura 21 Resíduos de Fritura (óleo saturado) coletados em residências do Recife. 75 Figura 22 Plantio de mamona em consórcio com milho Figura 23 Cultura da mamoneira solteira 76 Figura 24 Cultura da mamona em consórcio com feijão 76 Figura 25 Problemas na calçada e caixa coletora causado pelo acumulo de gordura 84 saturada Figura 26 Danos á calçada e entupimento do encanamento pelo descarte inadequado de gorduras. Figura 27 Caixa coletora de uma indústria da cidade de Paulista 85 Figura 28 Caixa coletora de um restaurante com excesso de gordura 86 Figura 29 Restos de fritura descartados a céu aberto pelos ambulantes 87 Figura 30 Restos de frituras descartados nas ruas do Recife pelos ambulantes 87 Figura 31 Embalagens com gorduras saturadas recolhidas em residências do Recife 90 Figura 32 - Vísceras separadas e encaminhadas através de tubulação para retirada do 94 sebo Figura 33 - Tanque utilizado para escaldar as vísceras 94 Figura 34 - Poço de armazenamento, onde as gorduras são encaminhadas após a separação 95 pelo processo de aquecimento. Figura 35 - Tanque de homogeneização do sebo bovino 95 Figura 36 - Tanque de estocagem do sebo bovino 96 Figura 37 - Biodiesel produzido no ITEP 100 Figura 38 - Biodiesel comercializados em Pernambuco

12 xi LISTA DE TABELAS Tabela 01 Consumo de diesel em 2006 no Brasil, Nordeste e em alguns Estados da região (Adaptado da ANP, 2007). Pág. 26 Tabela 02 Produção de biodiesel no Brasil, Nordeste e em Estados da região 27 (Adaptado da ANP, 2007). Tabela 03 Área plantada com cultura de mamona, em 2006 (Adaptado do IBGE, ). Tabela 04 Área plantada com cultura de amendoim, em 2006 (Adaptado do IBGE, 2007) 35 Tabela 05 Área plantada com cultura de algodão, em 2006 (Adaptado do IBGE, ). Tabela 06 Características de alguns vegetais oleaginosos de potencial uso energético (NOGUEIRA & LORA, 2003). 43 Tabela 07 Questionário para estimar o consumo de óleo em residências do Recife 71 Tabela 08 Cultura de oleaginosas do Estado de Pernambuco (Adaptado do IPA, ) Tabela 09 Experimento em diferentes sementes de mamoneira, realizado em (Adaptado do IPA, 2007) Tabela 10 Teores de óleo, torta e umidade de diferentes variedades de mamoneira. 77 Tabela 11 Segmentos e quantidade de estabelecimentos na produção de alimentos 82 e geradores de gorduras saturadas Tabela 12 Segmentos de matéria-prima para produção de biodiesel em 83 Pernambuco Tabela 13 Demonstrativo do consumo médio de óleo comestível em residências 91 nos bairros do Recife. Tabela 14 - Mostra a quantidade de animais abatidos no Brasil e no Estado de Pernambuco 93 Tabela 15 - Disponibilidade de matéria-prima atual para a produção de biodiesel no Estado 97 de Pernambuco, no ano de LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 01 Produtividade da mamona entre 1990 e 2006 (IBGE, 2007). 30 Gráfico 02 - Produtividade do amendoim entre 1990 e 2006 (IBGE, 2007). 36 Gráfico 03 - Produtividade do algodão entre 1990 e 2006 (IBGE, 2007). 38 Gráfico 04 Teores de óleo e torta de mamona em função do tipo de semente 79 Gráfico 05 - Comparação da necessidade de Biodiesel (2% e 5%) com a 99 disponibilidade de matérias primas

13 xii LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ANP Agência Nacional de Petróleo AVIPE Avicultura Pernambucana B2 Adição de 2 por cento ao combustível fóssil B5 Adição de 5 por cento ao combustível fóssil COELCE Companhia de Eletricidade do Estado do Ceará CTA Centro Técnico Aeroespacial EMBRAPA Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária EUA Estados Unidos da América FAO Food and Agriculture Organization (Organização de Alimentos e Agricultura) FGV Fundação Getúlio Vargas FINEP Financiadora de Estudos e Projetos ha Hectare HCI Ácido clorídrico IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IPA Empresa Pernambucana de Pesquisa Agropecuária ITEP Associação Instituto de Tecnologia de Pernambuco JUCEPE Junta Comercial de Pernambuco MMA Ministério do Meio Ambiente MME Ministério das Minas e Energia NaCl Hidróxido de sódio NUTEC Fundação Núcleo de Tecnologia Industrial PNPUB Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel PRODIESEL Programa Brasileiro de Produção de Diesel PROERG Produtora de Sistemas Energéticos Ltda PRO-ÓLEO Plano de Produção de Óleos Vegetais para Fins Energéticos t Tonelada UE União Européia UFPE Universidade Federal de Pernambuco UNICAP Universidade Católica de Pernambuco UTD Unidade Técnica de Demonstração

14 xiii SUMÁRIO Pág. RESUMO vii ABSTRACT viii LISTA DE FIGURAS ix LISTA DE TABELAS xi LISTA DE GRÁFICOS xi LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS xii 1 INTRODUÇÃO 15 2 OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos 20 3 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Contextualização Mundial Sobre Biocombutíveis Contextualização e Potencialidades Energéticas Brasileira Contextualização e Potencialidade do Estado De Pernambuco Zoneamento Agroclimático de Algumas Oleaginosas Brasileira Cultura do Amendoim Cultura do Algodão Cultura da Mamona Versatilidade de Matéria-Prima para Produção De Biodiesel Oleaginosas Óleos Residuais de Fritura Resíduos Graxos de Abates Biodiesel Definição, Principal Reação de Formação E Cadeia Produtiva Conjuntura Econômica, Ecológica e Social do Biodiesel 50 4 METODOLOGIA Plantas ou Arbustos Oleaginosos Trabalho de Campo Em Plantio De Oleaginosas Experimentos em Laboratório para Obtenção de Óleo Matéria-Prima de Origem Animal Resíduos como Máteria-Prima para a Produção de Biodiesel 69

15 xiv 5 RESULTADOS E DISCUSSÃO Descrição dos Resultados Produção de Oleaginosas Para Extração De Óleo Experimentos em Plantio em Mamoneira Consorciado Processos de Extração do Óleo Gorduras Saturadas Gorduras Saturadas Geradas em Estabelecimentos Comerciais Gorduras Saturadas Geradas nas Residências de Pernambuco Gorduras Animal Síntese das Discussões e Resultados Obtidos Biodiesel, uma Realidade Brasileira CONCLUSÂO SUGESTÕES PARA TRABALHOS FUTUROS REFERÊNCIAS 105

16 15 1. INTRODUÇÃO O crescente consumo de energia de origem fóssil nos países industrializados e em desenvolvimento, torna cada vez mais alarmante o problema do aquecimento global. Diante dessa problemática é importante analisar a disponibilidade de diversas fontes de energia para o futuro, pois o mundo industrial moderno utiliza largamente as fontes não renováveis, potencialmente poluidoras e finitas. O Brasil dispõe de alguns requisitos para minimizar este problema de dimensão global. Possui uma enorme área agrícola, um setor tecnológico bem estruturado, além de diversas espécies de oleaginosas promissoras e disponíveis para oferta de óleo. Além desse óleo de origem vegetal, pode-se incluir também os de origem animal provenientes de abatedouros, especialmente os de aves e bovinos. Juntos, estes insumos agropecuários podem contribuir para a produção de biocombustíveis que complementem a matriz energética brasileira ou, até mesmo, possam substituir os combustíveis fósseis. Segundo Ramos (2006), entre as fontes de biomassa prontamente disponíveis, os óleos vegetais têm sido largamente investigados como fonte alternativa de energia descentralizada e de apoio à agricultura familiar. O desenvolvimento desta biotecnologia contribuirá para a melhoria da qualidade de vida em regiões carentes, para a valorização das potencialidades regionais e oferecer alternativas para os problemas sócio-econômicos e ambientais de difícil solução. A utilização de óleos vegetais como matéria-prima para a produção de combustível alternativo tem sido alvo de diversos estudos. Esse biocombustível alternativo mais promissor para nessa integração econômica, ambiental e social é o biodiesel. A Figura 01 retrata, de forma resumida, os três enfoques que justificam a produção do biocombustiveis no mundo: a) nos Estados Unidos (EUA) o principal objetivo é a questão econômica, para evitar a dependência de fontes provenientes de petróleo; b) na Europa (UE), o enfoque principal é o ambiental devido à sua pequena extensão territorial, alta população e redução de disponibilidade agrícola e

17 16 c) no Brasil, o enfoque principal é o social, destacando-se a necessidade de inclusão social e de geração de emprego e renda. Figura 01 Enfoques mundiais para a produção do biocombustíveis (NAPPO, 2004) Tecnicamente, o biodiesel é definido como um éster alquílico de ácidos graxos, obtido a partir da reação de transesterificação de qualquer triglicerídeo (óleos e gorduras vegetais ou animais) com álcool de cadeia curta (metanol ou etanol). A transesterificação (Figura 02) consiste na reação química de um óleo vegetal com um álcool, que pode ser etanol ou metanol, na presença de um catalisador ácido (HCl - ácido clorídrico) ou básico (NaOH - hidróxido de sódio). Como resultado, obtendo-se como produtos o éster metílico ou etílico (biodiesel), conforme o álcool utilizado, e a glicerina ou glicerol (MEIRELLES, 2003).

18 17 Metanol ou Etanol + Catalisador Metil-Ésteres de AGCL Realidade atual (Mundo) Etil-Ésteres de AGCL Nova Tecnologia (Brasil) Óleos Vegetais Transesterificação Biodiesel óleos de soja, colza, palma, etc... Glicerina Figura 02 - Processo de Transesterificação de Óleos Vegetais (NAPPO, 2006) No Brasil, o Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel (PNPUB), instituído pelo governo federal em 2005, foi criado com a finalidade de viabilizar a produção de energia a partir de biomassa, principalmente oleaginosas de diferentes tipos existentes no território nacional. Existe no Brasil grande variedade de oleaginosas que se prestam à produção do biodiesel, entretanto o PNPUB escolheu inicialmente quatro dessas oleaginosas para incentivo à sua produção: dendê, girassol e soja, e para o Nordeste a mamona. O Governo Federal tem incentivado a agricultura familiar, principalmente para a cultura da mamoneira na região nordeste do País. Como em Pernambuco o incentivo principal têm sido para praticamente uma cultura (a mamoneira), dificuldades tem surgido quanto à demanda de matéria-prima e com isso talvez tenha havido o desestímulo de investidores privados em instalação de unidades esmagadores de sementes para a produção de óleo. Também parece que existe um desestímulo de investidores privados para a instalação de indústrias de biodiesel, quer seja utilizando matéria-prima de origem de diversos vegetais, animal ou, até mesmo, de resíduos, como por exemplo, óleos de fritura. A Lei n de 13/01/2005, introduz o biodiesel na matriz energética brasileira, facultando a adição de 2 % (B2) ao diesel mineral e obrigando a adição deste percentual a partir de 2008 sendo que, em 2013, será obrigatória a adição de 5 % (B5). Segundo a National Biodiesel Board, órgão responsável pela implantação do biodiesel nos Estados Unidos, o Brasil tem possibilidades de liderar a produção mundial de biodiesel e atender até 60% da demanda mundial. Também foram

19 18 definidos o regime tributário diferenciado para tipos de agricultura (familiar ou comercial), as oleaginosas prioritárias para servirem de matérias-primas e as regiões que receberão incentivos pelo cultivo de oleaginosas inseridas nesta cadeia de produção. É de responsabilidade da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) a regulação, contratação e fiscalização das atividades econômicas integrantes do biodiesel (BRASIL, 2005). Até o presente momento outubro/2007 não existe nenhuma produção de biodiesel em Pernambuco. Apenas duas unidades de produção de biodiesel foram instaladas, porém estão ainda em fase experimental, e as mesmas foram implantada com recursos do Governo Federal, através do Ministério de Minas e Energia (MME), sendo uma no município de Pesqueira e a outra no município de Caetés. No Brasil, as pesquisas sobre matérias-primas para produzir biodiesel têm sido direcionadas para os óleos vegetais extraídos de plantas regionais. Em Pernambuco o zoneamento agroecológico estima um potencial de hectares de área agricultável com aptidão para o cultivo de oleaginosas. De acordo com a distribuição de culturas, feita pela Empresa Pernambucana de Pesquisa Agropecuária - IPA em 2004, as mais viáveis para o Nordeste são: mamona, algodão, amendoim e pinhão manso. Este zoneamento é feito baseando-se no clima de cada região do semi-árido nordestino. A cultura da mamona é uma nova tentativa de sustentabilidade e de inclusão social, através da agricultura familiar, por permitir o consórcio com outra oleaginosa ou com alguma cultura alimentar. Dessa forma, não se impede a produção de alimentos para a subsistência mas criar melhores condições de vida em regiões carentes, integrando o homem do campo e oferecendo alternativas econômicas, sociais e ambientais (BELTRÃO, 2005). Outras opções viáveis de matérias-primas para a produção do biodiesel são os insumos de origem animal: o sebo bovino, o óleo de peixe e a banha de porco, tendo em vista que no Estado de Pernambuco a quantidade de animais abatidos representa uma fatia expressiva. Além desses insumos, pode-se acrescentar as gorduras residuais das aves, também como possíveis matérias-primas na produção de biodiesel.

20 19 Outra fonte potencial de matéria-prima para produzir o biodiesel são os óleos residuais de frituras, comerciais e domiciliares, que atualmente não são recolhidos em Pernambuco para esta finalidade. A utilização desses óleos residuais, para a geração de energia, apresenta dois fatores relevantes: ecologicamente evita que as lanchonetes, restaurantes, hospitais, empresas e residências continuem descartando-os em locais inadequados, o que causa a poluição do meio ambiente, contribuindo com a redução da biota dos corpos hídricos, principalmente dos rios. Socialmente, a coleta desses resíduos pode ser traduzida como um fator socioeconômico, tendo em vista o grande percentual de pessoas com baixa renda na região metropolitana do Recife e que poderiam ter aumento significativo de renda quando reunidas em associações ou cooperativas de recicladores. Um levantamento primário da oferta de óleos residuais de fritura, suscetíveis de serem coletados revela um potencial de oferta no País superior a 30 mil toneladas por ano. Neste trabalho, é demonstrado que o Estado de Pernambuco apresenta excelente posição quanto à disponibilidade de matéria-prima para a produção de biodiesel, estudando o setor agro-pecuário do Estado, levando em consideração suas potencialidades: agronômica (mamona, algodão e amendoim); pecuária (aves, bovino e suíno) e resíduos de frituras (residências e estabelecimentos comerciais).

21 20 2. OBJETIVOS 2.1.Objetivo Geral Diagnosticar a demanda de matérias-primas alternativas: oleaginosas, óleos e gorduras residuais de frituras e gorduras animais, para a produção de biodiesel no Estado de Pernambuco Objetivos Específicos Identificar, por região no Estado de Pernambuco, áreas com potencialidade para o cultivo de oleaginosas para a produção de biodiesel. Quantificar, por hectare disponível, o zoneamento agroecológico para o cultivo de oleaginosas em Pernambuco. Estimar a quantidade de óleos e gorduras residuais de fritura em estabelecimentos, comerciais e domiciliares, na Região metropolitana do Recife. Estimar a quantidade de gordura animal gerada no abate de aves e de bovinos e suínos no Estado de Pernambuco. Relacionar com a demanda por biodiesel.

22 21 3. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA A abordagem bibliográfica permeia pelos tópicos sobre a contextualização energética mundial e brasileira, seguindo-se por relatos sobre zoneamento agroclimático de oleaginosas e potencialidade de matérias-primas disponíveis para a produção do biodiesel, com ênfase para o Estado de Pernambuco. Conclui-se a revisão bibliográfica no aprofundamento da questão energética desse biocombustível, que no momento esta em alta, desde as definições, reações, processos produtivos e análises de conjunturas, econômica, ecológica e social Contextualização mundial sobre biocombustíveis Os cientistas afirmam que a humanidade interferiu no ambiente e que futuras mudanças climáticas, induzidas pelo homem, estão a caminho. A principal causa dessas mudanças climáticas são as emissões de gases de efeito estufa provenientes de atividades humanas, principalmente da queima de combustíveis fósseis. Embora mais mudanças no clima global agora sejam inevitáveis, o futuro, particularmente em longo prazo, está completamente em nossas mãos. A magnitude da mudança esperada depende do que o homem decidir fazer sobre as emissões de gases. Preocupados com o futuro, os países desenvolvidos decidiram buscar soluções, tentando reverter ou amenizar os efeitos das mudanças climáticas. Apostam na redução das emissões gasosas, investindo em fontes renováveis de combustíveis, produtores de energia limpa, que promovam a inclusão social, pois, a produção das matérias-primas principais (oleaginosas) gera empregos e essas culturas reduzem os danos ambientais, diminuindo a dependência do petróleo (COLLINS, 2007). No mundo, vários países vêm desenvolvendo e testando diversos biocombustíveis. Nos países desenvolvidos, em particular, o interesse em sua utilização tem a ver com a preocupação com o efeito estufa e com o esgotamento das reservas de petróleo no mundo. Alguns países já produzem biocombustíveis comercialmente, sendo utilizados em veículos de passeio, transportes coletivos e na geração de

23 22 energia elétrica. A competitividade do biodiesel tem sido garantida através do apoio à produção e da criação de mecanismos, tais como: a tributação específica sobre o diesel de petróleo, incentivos tributários para a cadeia produtiva e alterações na legislação ambiental além de subsídios concedidos aos produtores (COIMBRA, 2007). Na Europa, o processo de produção de biodiesel foi iniciado em 1990, dez anos após o lançamento no Brasil. Hoje os maiores produtores de biodiesel da Europa são Alemanha, França e Itália. Na França, o biodiesel já é adicionado na proporção de 5%, em virtude da disponibilidade e da melhoria na qualidade das emissões de gases dos veículos. Todos os ônibus franceses utilizam 30 % de biodiesel na mistura com o diesel mineral (COIMBRA, 2007). A Alemanha estabeleceu um expressivo programa de produção de biodiesel com a utilização da colza (canola) como matéria-prima utilizando a mesma tecnologia desenvolvida no Estado do Ceará, sendo hoje o maior produtor e consumidor europeu desse biocombustível, com capacidade de 1 milhão de toneladas por ano. A tecnologia de Biodiesel utilizada na Alemanha foi inicialmente desenvolvida no Brasil, cerca de 30 anos atrás; esta tecnologia foi abandonada pelo Brasil por falta de incentivo do Governo, o qual voltou toda a sua atenção para o Pro-álcool, nos anos 70 (PARENTE, 2003). O modelo de produção do Biodiesel na Alemanha, assim como em outros países da Europa, tem características importantes. Nesse País os agricultores plantam a canola para nitrogenar naturalmente o solo esgotado desse elemento químico e dessa planta extraem o óleo, que é a principal matéria-prima para a produção de biodiesel. A Alemanha conta com uma rede de mais de postos de vendas de biodiesel (PARENTE, 2003). A França, com capacidade de 460 mil toneladas por ano, é, atualmente, o segundo maior produtor de biodiesel extraído da canola. As motivações e os sistemas produtivos na França são semelhantes ao adotado na Alemanha, porém o biocombustível é fornecido no posto, já misturado com o óleo Diesel de petróleo, na proporção de 5%. Atualmente, os ônibus urbanos franceses consomem uma mistura

24 23 de 30% de biodiesel. Além de países da Europa, alguns países em outros continentes, já se mobilizam para produzir o biodiesel (MEIRELLES, 2003). A grande motivação para os Estados Unidos utilizarem o biodiesel é no que tange a qualidade do meio ambiente. Os americanos estão se preparando, com muita seriedade, para o uso deste biocombustível, especialmente nas grandes cidades. A capacidade de produção é de 210 a 280 milhões de litro por ano. O programa americano de biodiesel é baseado na produção e pequenos agricultores (PARENTE, 2003). Na Malásia foi implantado um programa para a produção de biodiesel a partir do óleo de palma de dendê (MEIRELLES, 2003). Este país é o maior produtor mundial desse óleo, com uma produtividade de kg de óleo por hectare/ano. Vários outros países têm demonstrado interesse no óleo para biodiesel Contextualização e potencialidade energética brasileira O Brasil, por sua extensão territorial e condições de solo e clima favoráveis a diversas culturas, pode ser considerado uma potência mundial na produção de biomassa agrícola para fins alimentares ou energéticos. A questão do uso energético de óleos vegetais começou a ser discutida pelo Governo Federal em 1975, sob a coordenação do Ministério da Agricultura, dando origem ao Pró-óleo Plano de Produção de Óleos Vegetais para fins Energéticos (PARENTE, 2003). O objetivo do Pró-óleo foi gerar um excedente significativo de óleo mineral. Previase uma regulamentação de se adicionar 30% de mistura de óleo vegetal no óleo Diesel. A política do Pró-óleo previa uma tendência no crescimento do preço do Diesel de origem mineral, levando o governo a identificar as culturas, custos, problemas agronômicos e a promover pesquisa e extensão (OLIVEIRA, 2001). Durante anos, o Brasil foi considerado o maior produtor mundial de mamona e exportador do seu óleo. No entanto, essa posição vem sendo ocupada atualmente pela Índia, seguida da China, sendo o Brasil o terceiro produtor mundial. Do total produzido no mundo em 2004, (cerca de 1,2 milhões de toneladas), a participação

25 24 desses três países foi de 62%, 19% e 11%, respectivamente (NOGUEIRA, 2005). A nível nacional, no ano de 2004, a maior produção concentra-se nos Estados da Bahia, com 83% de toda produção do país, Mato Grosso, com cerca de 6%, e o Ceará, com uma participação de 5% (IBGE, 2005). Ainda pelo IBGE (2005), em 2004 a área plantada na Bahia foi de 150 mil hectares. Os primeiros ensaios de produção de biodiesel no Brasil através de fontes renováveis foram realizados no Estado do Ceará em Na época participaram do lançamento autoridades dos governos estaduais e federais, além de empresas, como: Mercedes Benz, Scania, Volkswagen, Ford, General Motors e outras autoridades. Com a intenção de aumentar a produção do novo combustível, foi criada, na cidade de Fortaleza, a empresa Produtora de Sistemas Energéticos Ltda (PROERG), que implantou uma unidade piloto com capacidade de produção de 200 litros/hora, com recursos liberados pela Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP). Em 1986, como conseqüência da queda no preço do barril de petroleo, o projeto para a geração de energia através fontes alternativas foi desarticulado. (SOUZA, 2006). Participaram da pesquisa a Fundação Núcleo de Tecnologia Industrial (NUTEC), o Centro de Tecnologia da Universidade do Ceará, a Companhia de Eletricidade do Estado do Ceará (COELCE) e o Centro Técnico Aeroespacial do Ministério da Aeronáutica (CTA). No período de 1981 a 1982, foram produzidos aproximadamente 300 mil litros de óleo a paritr de oleaginosa, estes destinados aos fabricantes de motores e veículos do ciclo Diesel no Brasil. (CARTAXO, 2004). Ainda no início dos anos oitenta foi solicitado e concedido, à empresa PROERG, a primeira patente sobre biodiesel no Brasil. Testes foram realizados em motores de ônibus, caminhões e tratores de diversos fabricantes chegando a percorrer quase um milhão de quilômetros, utilizando combustível de origem vegetal. Também foram produzidos centenas de litros de biodiesel a partir de óleo usado, os quais foram doados pela rede de restaurantes McDonalds Comércio de Alimentos Ltda (PANTALEO 2007). Em novembro de 2003 foram concluídos os estudos sobre a viabilidade da utilização de óleo vegetal como fonte alternativa e renovável para complementar ou até

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL.

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 1 BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. PROGRAMA NACIONAL DE PRODUÇÃO E USO DO BIODIESEL Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 2 BIODIESEL. A ENERGIA PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

BIODIESEL ENERGIA MÓVEL GARANTIDA 100% ECOLOGICA PARA COPA E PARA O MUNDO

BIODIESEL ENERGIA MÓVEL GARANTIDA 100% ECOLOGICA PARA COPA E PARA O MUNDO BIODIESEL ENERGIA MÓVEL GARANTIDA 100% ECOLOGICA PARA COPA E PARA O MUNDO O que é BIODIESEL BIODIESEL é um combustível produzido a partir de óleos vegetais ou gordura animal, que pode ser utilizado em

Leia mais

Os Benefícios do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel (PNPB) para a sociedade e suas perspectivas para os próximos anos.

Os Benefícios do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel (PNPB) para a sociedade e suas perspectivas para os próximos anos. Os Benefícios do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel (PNPB) para a sociedade e suas perspectivas para os próximos anos. Industria Matéria-prima Mão de obra Saúde e Meio Ambiente Economia 2

Leia mais

Biodiesel Uma Sinopse das Conjunturas Brasileira e Mundial.

Biodiesel Uma Sinopse das Conjunturas Brasileira e Mundial. Biodiesel Uma Sinopse das Conjunturas Brasileira e Mundial. * Penteado, R. A. N. (1) ; * Cunha, R. B. C.; * Penteado, A.P. (1)l renato@lactec.org.br (*) Instituto de Tecnologia para o Desenvolvimento (LACTEC)

Leia mais

BIOCOMBUSTÍVEL O SONHO VERDE PROFª NEIDE REGINA USSO BARRETO

BIOCOMBUSTÍVEL O SONHO VERDE PROFª NEIDE REGINA USSO BARRETO BIOCOMBUSTÍVEL O SONHO VERDE PROFª NEIDE REGINA USSO BARRETO BIOCOMBUSTÍVEL Qualquer combustível de origem biológica, não fóssil. Mistura de uma ou mais plantas como: cana-de-açúcar, mamona, soja, cânhamo,

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA PRODUÇÃO DE MAMONA EM UMA AMOSTRA DE PRODUTORES FAMILIARES DO NORDESTE

LEVANTAMENTO DOS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA PRODUÇÃO DE MAMONA EM UMA AMOSTRA DE PRODUTORES FAMILIARES DO NORDESTE LEVANTAMENTO DOS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA PRODUÇÃO DE MAMONA EM UMA AMOSTRA DE PRODUTORES FAMILIARES DO NORDESTE Vicente de Paula Queiroga 1, Robério Ferreira dos Santos 2 1Embrapa Algodão, queiroga@cnpa.embrapa.br,

Leia mais

A MAIOR EMPRESA DE BIODIESEL DO BRASIL

A MAIOR EMPRESA DE BIODIESEL DO BRASIL A MAIOR EMPRESA DE BIODIESEL DO BRASIL BIODIESEL O que é? O biodiesel pode ser produzido a partir de qualquer óleo vegetal - tal como soja, girassol, canola, palma ou mamona -, assim como a partir de gordura

Leia mais

BIOCOMBUSTÍVEIS E SUAS IMPLICAÇÕES SOCIOAMBIENTAIS

BIOCOMBUSTÍVEIS E SUAS IMPLICAÇÕES SOCIOAMBIENTAIS BIOCOMBUSTÍVEIS E SUAS IMPLICAÇÕES SOCIOAMBIENTAIS Marilia de Jesus Oliveira 1 ; Letícia de Jesus Castro Morais dos Santos 2 ; Jeferson Santos Barros 3 ; José Carlson Gusmão Silva 4 1 Instituto Federal

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

Potencial dos Biocombustíveis

Potencial dos Biocombustíveis Potencial dos Biocombustíveis Mozart Schmitt de Queiroz Gerente Executivo de Desenvolvimento Energético Diretoria de Gás e Energia Petrobras S.A. Belo Horizonte, 17 de outubro de 2007 Evolução da Capacidade

Leia mais

RELOP III Reunião Anual Rio de Janeiro, 04 de novembro de 2010

RELOP III Reunião Anual Rio de Janeiro, 04 de novembro de 2010 Os Biocombustíveis no Brasil RELOP III Reunião Anual Rio de Janeiro, 04 de novembro de 2010 SUMÁRIO 1. Alguns dados d sobre o Brasil e a ANP 2. Os biocombustíveis no Brasil 3. O etanol 4. O biodiesel PANORAMA

Leia mais

Sumário Executivo: WWF-Brasil

Sumário Executivo: WWF-Brasil Sumário Executivo: O Impacto do mercado mundial de biocombustíveis na expansão da agricultura brasileira e suas consequências para as mudanças climáticas WWF-Brasil Um dos assuntos atualmente mais discutidos

Leia mais

Agro-Combustíveis e segurança alimentar

Agro-Combustíveis e segurança alimentar Agro-Combustíveis e segurança alimentar Jean Marc von der Weid Novembro/2008 Não há dúvida de que estamos vivendo o início de uma grave crise alimentar mundial. Após décadas de excedentes na produção agrícola

Leia mais

BIOCOMBUSTÍVEIS: UMA DISCUSSÃO A RESPEITO DAS VANTAGENS E DESVANTAGENS RESUMO

BIOCOMBUSTÍVEIS: UMA DISCUSSÃO A RESPEITO DAS VANTAGENS E DESVANTAGENS RESUMO BIOCOMBUSTÍVEIS: UMA DISCUSSÃO A RESPEITO DAS VANTAGENS E DESVANTAGENS Juliana da Cruz Ferreira 1 ; Leila Cristina Konradt-Moraes 2 UEMS Caixa Postal 351, 79804-970 Dourados MS, E-mail: julianacruz_gnr@hotmail.com

Leia mais

Biocombustíveis. Também chamados de agrocombustíveis

Biocombustíveis. Também chamados de agrocombustíveis Biocombustíveis Também chamados de agrocombustíveis Biomassa É o combustível obtido a partir da biomassa: material orgânico vegetal ou animal Uso tradicional: lenha, excrementos Etanol: álcool combustível.

Leia mais

COMBUSTÍVEIS BIOCOMBUSTÍVEIS: EVOLUÇÃO ENERGÉTICA, COMPOSIÇÃO E IMPACTOS AMBIENTAIS.

COMBUSTÍVEIS BIOCOMBUSTÍVEIS: EVOLUÇÃO ENERGÉTICA, COMPOSIÇÃO E IMPACTOS AMBIENTAIS. COMBUSTÍVEIS BIOCOMBUSTÍVEIS: EVOLUÇÃO ENERGÉTICA, COMPOSIÇÃO E IMPACTOS AMBIENTAIS. Ana L. B. Silva 1 (analuciasilva36@hotmail.com); Aquila B. do Rosario² (aquilabueno@gmail.com); Hevelyn L. Avila³ (hevelyn-avila@hotmail.com);carine

Leia mais

Conjuntura e perspectivas. Panorama do mercado de extração de óleos

Conjuntura e perspectivas. Panorama do mercado de extração de óleos Conjuntura e perspectivas Panorama do mercado de extração de óleos I Simpósio Tecnológico PBIO de Extração de Óleos Vegetais Daniel Furlan Amaral Economista Rio de Janeiro - RJ 03 Dezembro 2009 Roteiro

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO SISTEMA HÍBRIDO HIDRÁULICO NOS VEÍCULOS COMERCIAIS RESUMO

UTILIZAÇÃO DO SISTEMA HÍBRIDO HIDRÁULICO NOS VEÍCULOS COMERCIAIS RESUMO UTILIZAÇÃO DO SISTEMA HÍBRIDO HIDRÁULICO NOS VEÍCULOS COMERCIAIS Luis Eduardo Machado¹ Renata Sampaio Gomes ² Vanessa F. Balieiro ³ RESUMO Todos sabemos que não é possível haver regressão nas tecnologias

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 41 INTRODUÇÃO

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 41 INTRODUÇÃO Página 41 BIODIESEL: UMA UTILIZAÇÃO DA BIOTECNOLOGIA A FAVOR DO DESENVOLVIMENTO SÓCIO- ECONÔMICO E AMBIENTAL NO BRASIL Emanoela Moura Toscano¹; Aurilene de Souza Costa¹; Andréa Amorim¹; Giselle Medeiros

Leia mais

Biodiesel e Bio-óleo: Alternativas Energéticas Limpas

Biodiesel e Bio-óleo: Alternativas Energéticas Limpas A1 XII Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica 22 a 26 de agosto de 2005 - Ilha Solteira - SP Biodiesel e Bio-óleo: Alternativas Energéticas Limpas José Dilcio Rocha NIPE/UNICAMP BIOWARE

Leia mais

ESTUDO DO IMPACTO DA ADIÇÃO DO BIODIESEL DE MAMONA AO ÓLEO DIESEL MINERAL SOBRE A PROPRIEDADE VISCOSIDADE CINEMÁTICA

ESTUDO DO IMPACTO DA ADIÇÃO DO BIODIESEL DE MAMONA AO ÓLEO DIESEL MINERAL SOBRE A PROPRIEDADE VISCOSIDADE CINEMÁTICA ESTUDO DO IMPACTO DA ADIÇÃO DO BIODIESEL DE MAMONA AO ÓLEO DIESEL MINERAL SOBRE A PROPRIEDADE VISCOSIDADE CINEMÁTICA Ana Carolina de Sousa Maia 1 ; Jonathan da Cunha Teixeira 2 ; Suzana Moreira de Lima

Leia mais

BIODIESEL PARA O CIB

BIODIESEL PARA O CIB BIODIESEL PARA O CIB Roteiro Explicativo de Slides em Power Point Gil Miguel de Sousa Câmara 1 Slide 1 Abertura Slide 2 Famosa frase proferida por Rudolph Diesel em 1912. Slide 3 Razões que justificam

Leia mais

Biocombustíveis da Amazônia. Primeira Iniciativa Comercial na Produção de Biodiesel no Estado do Amazonas

Biocombustíveis da Amazônia. Primeira Iniciativa Comercial na Produção de Biodiesel no Estado do Amazonas Biocombustíveis da Amazônia Primeira Iniciativa Comercial na Produção de Biodiesel no Estado do Amazonas Biocombustíveis da Amazônia Ltda Capacidade inicial de 15 milhões de litros/ano Expansão em 2011

Leia mais

Papel dos biocombustíveis na matriz energética brasileira

Papel dos biocombustíveis na matriz energética brasileira Papel dos biocombustíveis na matriz energética brasileira Agenda Arcabouço Legal Panorama Brasil o Matriz Energética Brasileira o Biodiesel o Etanol o Novos Biocombustíveis Comentários Finais Arcabouço

Leia mais

Utilização do óleo vegetal em motores diesel

Utilização do óleo vegetal em motores diesel 30 3 Utilização do óleo vegetal em motores diesel O óleo vegetal é uma alternativa de combustível para a substituição do óleo diesel na utilização de motores veiculares e também estacionários. Como é um

Leia mais

Seminário INVESTIMENTOS EM BIODIESEL J. H. Accarini Casa Civil da Presidência da República

Seminário INVESTIMENTOS EM BIODIESEL J. H. Accarini Casa Civil da Presidência da República Seminário INVESTIMENTOS EM BIODIESEL J. H. Accarini Casa Civil da Presidência da República Membro da Comissão Executiva Interministerial e do Grupo Gestor do Biodiesel Consolidação do Programa Nacional

Leia mais

VIABILIDADE ECONÔMICA DO BIODIESEL E IMPACTO DO SEU USO NO PREÇO DA TARIFA DE ÔNIBUS NA CIDADE DE ITABUNA, BAHIA

VIABILIDADE ECONÔMICA DO BIODIESEL E IMPACTO DO SEU USO NO PREÇO DA TARIFA DE ÔNIBUS NA CIDADE DE ITABUNA, BAHIA VIABILIDADE ECONÔMICA DO BIODIESEL E IMPACTO DO SEU USO NO PREÇO DA TARIFA DE ÔNIBUS NA CIDADE DE ITABUNA, BAHIA GEOVÂNIA SILVA DE SOUSA; MÔNICA DE MOURA PIRES; CEZAR MENEZES ALMEIDA; JAÊNES MIRANDA ALVES;

Leia mais

PRODUÇÃO DE BIODIESEL A PARTIR DO ÓLEO DE FRITURA: UMA ALTERNATIVA SUSTENTÁVEL.

PRODUÇÃO DE BIODIESEL A PARTIR DO ÓLEO DE FRITURA: UMA ALTERNATIVA SUSTENTÁVEL. PRODUÇÃO DE BIODIESEL A PARTIR DO ÓLEO DE FRITURA: UMA ALTERNATIVA SUSTENTÁVEL. M. A. C. BUMBA 1, R. K.OI 2 e H. YAMAMURA 3 1 Universidade Católica de Santos, Departamento de Engenharia de Produção 2 Universidade

Leia mais

Motor Diesel Vantagens na utilização do Biodiesel Vantagens do Eco Óleo Dúvidas mais freqüentes Óleos Vegetais Biodiesel Características do Biodiesel

Motor Diesel Vantagens na utilização do Biodiesel Vantagens do Eco Óleo Dúvidas mais freqüentes Óleos Vegetais Biodiesel Características do Biodiesel Motor Diesel p02 Vantagens na utilização do Biodiesel p04 Vantagens do Eco Óleo p05 Dúvidas mais freqüentes p08 Óleos Vegetais Biodiesel p11 Características do Biodiesel p13 Meio Ambiente: Responsabilidade

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa Universidade Federal do Ceará Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica Universidade Federal do Ceará Biomassa Professora: Ruth Pastôra Saraiva

Leia mais

Palma de óleo, agricultura familiar e desenvolvimento rural sustentável

Palma de óleo, agricultura familiar e desenvolvimento rural sustentável Palma de óleo, agricultura familiar e desenvolvimento rural sustentável Sumário Agricultura familiar no Brasil Importância e aspectos positivos da palma de óleo Programa Palma de Óleo e sinergia com o

Leia mais

Melhoramento de Plantas: Produção de Biocombustíveis vs Produção de Alimentos

Melhoramento de Plantas: Produção de Biocombustíveis vs Produção de Alimentos Melhoramento de Plantas: Produção de Biocombustíveis vs Produção de Alimentos Leonardo Lopes Bhering leonardo.bhering@embrapa.br In: 5º Congresso Brasileiro de Melhoramento de Plantas Guarapari ES, 13

Leia mais

CURSO ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSA

CURSO ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSA CURSO ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSA JULIETA BARBOSA MONTEIRO, Dra julieta@lepten.ufsc.br 2011-1 DISPONIBILIDADE DE RECURSOS ANEEL Potencial Instalado (MW) PROCESSOS DE CONVERSÃO DA BIOMASSA PNE 2030

Leia mais

A Questão da Energia no Mundo Atual

A Questão da Energia no Mundo Atual A Questão da Energia no Mundo Atual A ampliação do consumo energético Energia é a capacidade que algo tem de realizar ou produzir trabalho. O aumento do consumo e a diversificação das fontes responderam

Leia mais

Biocombustível 100% Renovável Produção Pela Usina

Biocombustível 100% Renovável Produção Pela Usina Biocombustível 100% Renovável Produção Pela Usina 1. Quem somos 2. O que é o Ethabiodiesel 2.1. Diferencial competitivo 2.2. Certificações/Autorizações 3. Transportes com Ethabiodiesel Quem somos Vinna

Leia mais

Etanol e Biodiesel na Matriz Brasileira de Combustíveis Líquidos

Etanol e Biodiesel na Matriz Brasileira de Combustíveis Líquidos Etanol e Biodiesel na Matriz Brasileira de Combustíveis Líquidos José Carlos Gameiro Miragaya Gerente de Biocombustíveis Cuiabá, 23 de agosto de 2007. Importação de Diesel Produção de Combustíveis e Dependência

Leia mais

Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados,

Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados, Discurso Dep. Antonio Joaquim PTB/MA Data: 25.04.2005. Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados, Ocupo esta tribuna para falar sobre o Biodiesel. Uma alternativa de Combustível de grande perspectiva

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE ÓLEOS E GORDURAS

SOCIEDADE BRASILEIRA DE ÓLEOS E GORDURAS SOCIEDADE BRASILEIRA DE ÓLEOS E GORDURAS PLANTAS OLEAGINOSAS POTENCIAIS PARA A PRODUÇÃO DE BIODIESEL Prof. Dr. Gil Miguel de Sousa Câmara USP / ESALQ - LPV Florianópolis - SC Novembro / 2007 O POR QUÊ

Leia mais

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com. 1 Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.br e baixe todas as cartilhas, ou retire no seu Sindicato Rural. E

Leia mais

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO GRÃOS: SOJA, MILHO, TRIGO e ARROZ TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 NO BRASIL E NO MUNDO Carlos Cogo Setembro/2012 PRODUÇÃO MUNDIAL DEVE RECUAR 4,1% NA SAFRA 2012/2013 ESTOQUES FINAIS MUNDIAIS DEVEM

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA. Lisandra C. Kaminski

USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA. Lisandra C. Kaminski USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA Lisandra C. Kaminski Casca de café Estudo realizado em 2008, pelo agrônomo Luiz Vicente Gentil, da UnB. Pode ser uma excelente opção como substituição

Leia mais

A indústria de biodiesel no Brasil: panorama atual e visão de futuro

A indústria de biodiesel no Brasil: panorama atual e visão de futuro - Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais A indústria de biodiesel no Brasil: panorama atual e visão de futuro Leonardo Zilio Assessor Econômico leonardo@abiove.org.br Brasília/DF 26 de

Leia mais

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 A economia piauiense, em 2008, apresentou expansão em volume do Produto Interno Bruto (PIB) de 8,8% em relação ao ano anterior. Foi a maior taxa de crescimento

Leia mais

O BIODIESEL E A INCLUSÃO SOCIAL

O BIODIESEL E A INCLUSÃO SOCIAL ESTUDO ESTUDO O BIODIESEL E A INCLUSÃO SOCIAL Paulo César Ribeiro Lima Consultor Legislativo da Área XII Recursos Minerais, Hídricos e Energéticos ESTUDO Março/2004 Câmara dos Deputados Praça 3 Poderes

Leia mais

CLIPPING De 04 de fevereiro de 2015

CLIPPING De 04 de fevereiro de 2015 CLIPPING De 04 de fevereiro de 2015 VEÍCULO Blog da Zulene Alves EDITORIA DATA 03/02/2015 Por Kátia Gonçalves Cerca de 20 sócios da Associação de Apicultores e Apicultoras do Sertão Central (AASC), do

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1293

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1293 Página 1293 CULTIVAR BRS NORDESTINA EM SISTEMA DE POLICULTIVO NA AGRICULTURA FAMILIAR DO MUNICÍPIO DE ESPERANÇA-PB - SAFRA 2009 1Waltemilton Vieira Cartaxo- Analista Embrapa Algodão, 2. José Aderaldo Trajano

Leia mais

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 1. INTRODUÇÃO O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), realiza sistematicamente

Leia mais

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 AGE - ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA Chefe da AGE: Derli Dossa. E-mail: derli.dossa@agricultura.gov.br Equipe Técnica: José Garcia Gasques. E-mail: jose.gasques@agricultura.gov.br

Leia mais

Produção e consumo de óleos vegetais no Brasil Sidemar Presotto Nunes

Produção e consumo de óleos vegetais no Brasil Sidemar Presotto Nunes Produção e consumo de óleos vegetais no Brasil Sidemar Presotto Nunes Apresentação O consumo de óleos vegetais tem aumentado no mundo todo, substituindo parte do consumo de gorduras animais. Embora tenham

Leia mais

A produção de energia devora alimentos? Oportunidades e riscos da produção de etanol derivado de cana-de-açúcar no Brasil

A produção de energia devora alimentos? Oportunidades e riscos da produção de etanol derivado de cana-de-açúcar no Brasil A produção de energia devora alimentos? Oportunidades e riscos da produção de etanol derivado de cana-de-açúcar no Brasil Uma posição conjunta do CAPA (Centro de Apoio ao Pequeno Agricultor, Brasil) e

Leia mais

OS RECURSOS ENERGETICOS

OS RECURSOS ENERGETICOS OS RECURSOS ENERGETICOS Recursos energéticos Recursos energéticos são tudo o que o Homem pode retirar da Natureza onde se obtém energia. Os recursos energéticos dividem-se em dois grupos: Energéticos renováveis

Leia mais

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos:

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Conceito são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Renováveis renovação em um curto período de tempo; Não renováveis

Leia mais

ETENE. Energias Renováveis

ETENE. Energias Renováveis Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste ETENE Fonte: http://www.noticiasagronegocios.com.br/portal/outros/1390-america-latina-reforca-lideranca-mundial-em-energias-renovaveis- 1. Conceito

Leia mais

Ordenamento Territorial para Expansão da Cana-de-açúcar no Brasil Zoneamento Agroecológico da Cana-de-açúcar

Ordenamento Territorial para Expansão da Cana-de-açúcar no Brasil Zoneamento Agroecológico da Cana-de-açúcar Ordenamento Territorial para Expansão da Cana-de-açúcar no Brasil Zoneamento Agroecológico da Cana-de-açúcar Simpósio Internacional e Mostra de Tecnologia da Agroindústria sucroalcooleira SIMTEC 01 de

Leia mais

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade significa permanecer vivo. Somos mais de 7 bilhões de habitantes e chegaremos a 9 bilhões em 2050, segundo a ONU. O ambiente tem limites e é preciso fazer

Leia mais

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear.

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Tipos de Energia Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Primaria fontes que quando empregadas diretamente num trabalho ou geração de calor. Lenha, para produzir

Leia mais

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Resultados incluem primeiro ano de cultivo de milho geneticamente modificado, além das já tradicionais

Leia mais

SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ. O ciclo do óleo de cozinha

SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ. O ciclo do óleo de cozinha SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ O ciclo do óleo de cozinha Felipe Zulian dos Santos f.zulian@hotmail.com Marivaldo Freixo Neto neto_surfigp@hotmail.com Renato Oliveira

Leia mais

Título: Desempenho de um conjunto motor gerador ciclo diesel utilizando os principais tipos de biodiesel processados na Região Oeste do Paraná

Título: Desempenho de um conjunto motor gerador ciclo diesel utilizando os principais tipos de biodiesel processados na Região Oeste do Paraná Título: Desempenho de um conjunto motor gerador ciclo diesel utilizando os principais tipos de biodiesel processados na Região Oeste do Paraná Autores: Marcelo José da Silva 1, Samuel Nelson Melegari de

Leia mais

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento agronegócio brasileiro em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento 2010 ranking Ranking Brasileiro da Produção e Exportação Fonte: USDA e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

Cadeia produ+va do Biodiesel

Cadeia produ+va do Biodiesel Recursos Energé-cos Cadeia produ+va do Biodiesel Felipe Guerra Pedro Camarero Biodiesel O que é? É um combus8vel biodegradável derivado de fontes renováveis como óleos vegetais e gorduras animais. São

Leia mais

Mudanças do clima, mudanças no campo

Mudanças do clima, mudanças no campo Mudanças do clima, mudanças no campo Sumário executivo do relatório escrito por Jessica Bellarby, Bente Foereid, Astley Hastings e Pete Smith, da Escola de Ciências Biológicas da Universidade de Aberdeen

Leia mais

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer AGRICULTURA E AQUECIMENTO GLOBAL Carlos Clemente Cerri Centro de Energia Nuclear na Agricultura (CENA/USP) Fone: (19) 34294727 E-mail: cerri@cena.usp.br Carlos Eduardo P. Cerri Escola Superior de Agricultura

Leia mais

Projeto e Construção de Usina Didática para Produção de Biodiesel

Projeto e Construção de Usina Didática para Produção de Biodiesel Projeto e Construção de Usina Didática para Produção de Biodiesel Brasil, Alex Nogueira a, Loregian, Henrique Bernardes a, Nunes, Diego Luiz b a ENERBIO, Grupo de Pesquisa em Energias Renováveis, Universidade

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 375

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 375 Página 375 MAMONA NA AGRICULTURA FAMILIAR: GERANDO RENDA E PROMOVENDO INCLUSÃO SOCIAL 1 José Aderaldo Trajano dos Santos; 1 Djail Santos; 1 Tancredo Augusto Feitosa de Sousa; 2 Hugo Cássio Lima de Souza;

Leia mais

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira Clusters para exportação sustentável nas cadeias produtivas da carne bovina e soja Eng Agrônomo Lucas Galvan Diretor

Leia mais

Brasil Ecodiesel. Movendo o Brasil com Biodiesel. Biodiesel Congress 2009 01/09/09

Brasil Ecodiesel. Movendo o Brasil com Biodiesel. Biodiesel Congress 2009 01/09/09 Brasil Ecodiesel Movendo o Brasil com Biodiesel Biodiesel Congress 2009 01/09/09 Macro Tendências do Setor de Biodiesel Pressão mundial por combustíveis renováveis Mundo Em 2008, os biocombustíveis representaram

Leia mais

1.1 - Incluir a caracterização do inciso IX se e for oriunda da agricultura familiar deverá, visando corrigir distorções.

1.1 - Incluir a caracterização do inciso IX se e for oriunda da agricultura familiar deverá, visando corrigir distorções. Assunto: Sugestões da Petrobras Biocombustível para alteração da minuta da Portaria do Selo Combustível Social, fornecida pelo MDA em reunião com representantes das empresas produtoras de Biodiesel e disponibilizada

Leia mais

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE BIODIESEL

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE BIODIESEL Programas para fortalecer a competitividade PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE BIODIESEL 1 Biodiesel Estratégias: Ampliação de Acesso (inserção social e redução das disparidades regionais) Objetivos:

Leia mais

USO DE ÓLEO BRUTO DE GIRASSOL EM MOTOR DIESEL

USO DE ÓLEO BRUTO DE GIRASSOL EM MOTOR DIESEL USO DE ÓLEO BRUTO DE GIRASSOL EM MOTOR DIESEL José Valdemar Gonzalez Maziero; Ila Maria Corrêa Centro APTA de Engenharia e Automação A retomada de estudos sobre o uso de óleos vegetais como combustível,

Leia mais

Maria Paula Martins Diretora Geral

Maria Paula Martins Diretora Geral Maria Paula Martins Diretora Geral Evolução da Matriz Energética Brasileira 1970 2010 2030 38% 48% 14% 18% 7% 29% 35% Petróleo Carvão Hidráulica Cana Gás Urânio Lenha Outras renováveis 6% 12% 46% 2000

Leia mais

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal Brasil e suas Organizações políticas e administrativas GEOGRAFIA Em 1938 Getúlio Vargas almejando conhecer o território brasileiro e dados referentes a população deste país funda o IBGE ( Instituto Brasileiro

Leia mais

A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL. Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão)

A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL. Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão) A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão) RESUMO - Graças a incentivos fiscais, ao profissionalismo

Leia mais

Amazônia Brasileira e Brasil em Crise

Amazônia Brasileira e Brasil em Crise Amazônia Brasileira e Brasil em Crise 1. (UERJ-2009) Folha de São Paulo, 01/06/2008. Adaptado de Zero Hora, 16/06/2008. Diferentes critérios e objetivos podem orientar a divisão do espaço geográfico em

Leia mais

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO Agropecuária É o termo utilizado para designar as atividades da agricultura e da pecuária A agropecuária é uma das atividades mais antigas econômicas

Leia mais

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS ANO BASE 2005 O Governo do Estado, por meio da Fundação Estadual de Meio Ambiente FEAM, entidade da Secretaria Estadual de Meio

Leia mais

Desafios Ambientais do Biodiesel no Brasil

Desafios Ambientais do Biodiesel no Brasil Desafios Ambientais do Biodiesel no Brasil Mudança do Clima A mudança do clima representa um desafio para a sustentabilidade global. Os gases de efeito estufa (GEEs) são apontados como os principais responsáveis

Leia mais

Identificando os tipos de fontes energéticas

Identificando os tipos de fontes energéticas Identificando os tipos de fontes energéticas Observe a figura abaixo. Nela estão contidos vários tipos de fontes de energia. Você conhece alguma delas? As fontes de energia podem ser renováveis ou não-renováveis,

Leia mais

Agroenergia e Agricultura Familiar

Agroenergia e Agricultura Familiar Agroenergia e Agricultura Familiar V Congresso Brasileiro de Mamona (CBM) II Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas (SIOE) I Fórum Capixaba de Pinhão-Manso Guarapari - ES Julho/2012 ÍNDICE Agricultura

Leia mais

Produção de etanol A partir Do arroz

Produção de etanol A partir Do arroz UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE AGRONOMIA ELISEU MACIEL DEPARTAMENTO CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS AGROINDUSTRIAL DISCIPLINA DE TECNOLOGIA DE ÓLEOS VEGETAIS E BIOCOMBUSTÍVEIS Produção de etanol A

Leia mais

Agricultura de Baixo Carbono e Bioenergia. Heitor Cantarella FAPESP: Programa BIOEN & Instituto Agronômico de Campinas(IAC)

Agricultura de Baixo Carbono e Bioenergia. Heitor Cantarella FAPESP: Programa BIOEN & Instituto Agronômico de Campinas(IAC) Agricultura de Baixo Carbono e Bioenergia Heitor Cantarella FAPESP: Programa BIOEN & Instituto Agronômico de Campinas(IAC) Bioenergia: energia renovável recicla o CO 2 E + CO 2 + H 2 O CO 2 + H 2 O Fotossíntese

Leia mais

UMA SOLUÇÃO PARA O ETANOL BRASILEIRO

UMA SOLUÇÃO PARA O ETANOL BRASILEIRO UMA SOLUÇÃO PARA O ETANOL BRASILEIRO O Brasil tem o programa mais bem sucedido de substituição de combustível fóssil por combustível renovável no mundo. Esse resultado só foi possível pela resposta do

Leia mais

Análise das Configurações da Cadeia Produtiva do Biodiesel no Ceará

Análise das Configurações da Cadeia Produtiva do Biodiesel no Ceará Análise das Configurações da Cadeia Produtiva do Biodiesel no Ceará Autoria: Themisa Araújo Barroso Pimentel, José Carlos Lázaro da Silva Filho, Raphael de Jesus Campos de Andrade Resumo A implementação

Leia mais

Páreo para o petróleo

Páreo para o petróleo Páreo para o petróleo Em expansão acelerada, mercado de biocombustíveis promete lucros crescentes àqueles que investirem em soluções inovadoras para produção. Biodiesel é a principal atração Francis França

Leia mais

. Reafirmar a importância do etanol como tema estratégico para a economia, o meio-ambiente, a geração de empregos e o futuro do País

. Reafirmar a importância do etanol como tema estratégico para a economia, o meio-ambiente, a geração de empregos e o futuro do País o que é O QUE É. Lançado em Brasília em dezembro de 2011, o Movimento Mais Etanol visa detalhar e disseminar políticas públicas e privadas indispensáveis para: w O restabelecimento da competitividade do

Leia mais

Características técnicas, sociais e econômicas do aproveitamento residual da agroenergia

Características técnicas, sociais e econômicas do aproveitamento residual da agroenergia Características técnicas, sociais e econômicas do aproveitamento residual da agroenergia ¹Gláucia Eliza Gama Vieira ²Maria Alzira Garcia de Freitas 3 Aymara Gracielly Nogueira Colen Fritz 3 Glecymara Sousa

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

Mudanças Climáticas. Mudanças Climáticas. Uma Questão Empresarial Estratégica

Mudanças Climáticas. Mudanças Climáticas. Uma Questão Empresarial Estratégica 1 Mudanças Climáticas Uma Questão Empresarial Estratégica 2 O aquecimento global é o maior problema que a humanidade enfrenta atualmente. As empresas devem incorporar esta questão à visão estratégica dos

Leia mais

Sustentabilidade socioambiental: qual é o papel da governança pública?

Sustentabilidade socioambiental: qual é o papel da governança pública? Sustentabilidade socioambiental: qual é o papel da governança pública? São Paulo, 22 de fevereiro de 2011 Nos últimos 5 anos, o complexo soja brasileiro vem experimentando mudanças estruturais na gestão

Leia mais

Florestas Energéticas: realidade, visão estratégica e demanda de ações

Florestas Energéticas: realidade, visão estratégica e demanda de ações 4º Congresso Internacional de Bioenergia Florestas Energéticas: realidade, visão estratégica e demanda de ações Curitiba, 20 de agosto de 2009 Alexandre Uhlig, PhD. uhlig@uol.com.br Roteiro 2 Introdução

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 05 DE JULHO DE 2005.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 05 DE JULHO DE 2005. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 05 DE JULHO DE 2005. Dispõe sobre os critérios e procedimentos relativos à concessão de uso do selo combustível social. O MINISTRO DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO, no

Leia mais

O AGRONEGÓCIO DO PALMITO NO BRASIL:

O AGRONEGÓCIO DO PALMITO NO BRASIL: O AGRONEGÓCIO DO PALMITO NO BRASIL: UMA ATUALIZAÇÃO Aníbal Rodrigues - anibal@iapar.br Pesquisador - Área de Sócioeconomia Instituto Agronômico do Paraná IAPAR, Curitiba - PR 1 Introdução 2 Metodologia

Leia mais

BLAIRO MAGGI Governador do Estado Email: blairo@terra.com.br

BLAIRO MAGGI Governador do Estado Email: blairo@terra.com.br BLAIRO MAGGI Governador do Estado Email: blairo@terra.com.br CONHECENDO A AMAZÔNIA BIOMAS DA AMAZONIA LEGAL Bioma Amazônia Fonte: Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais INPE Bioma Cerrado Biomas Território

Leia mais

unesp JABOTICABAL Programa Coleta de Óleos de Fritura

unesp JABOTICABAL Programa Coleta de Óleos de Fritura unesp JABOTICABAL Programa Coleta de Óleos de Fritura Desde maio de 2004 o LADETEL USP / RP desenvolve o projeto de reciclagem de óleo de fritura. O óleo de fritura usado é recolhido e enviado ao LADETEL

Leia mais

2. (Ifsc 2014) A reação abaixo representa este processo: CO 3H H COH H O ΔH 12 kcal/mol

2. (Ifsc 2014) A reação abaixo representa este processo: CO 3H H COH H O ΔH 12 kcal/mol 1. (Uel 2014) A gasolina é uma mistura de vários compostos. Sua qualidade é medida em octanas, que definem sua capacidade de ser comprimida com o ar, sem detonar, apenas em contato com uma faísca elétrica

Leia mais

DIMAS AGOSTINHO DA SILVA LABORATÓRIO DE ENERGIA DE BIOMASSA (LEB) UFPR dimass@ufpr.br Curitiba, 3-6 Novembro 2009

DIMAS AGOSTINHO DA SILVA LABORATÓRIO DE ENERGIA DE BIOMASSA (LEB) UFPR dimass@ufpr.br Curitiba, 3-6 Novembro 2009 DIMAS AGOSTINHO DA SILVA LABORATÓRIO DE ENERGIA DE BIOMASSA (LEB) UFPR dimass@ufpr.br Curitiba, 3-6 Novembro 2009 Introdução DESTAQUE DOS BIOCOMBUSTÍVEIS (Ignacy Sachs, 2009) PREÇO DO PETROLEO elevado

Leia mais

USO DE ÓLEO VEGETAL in natura COMO COMBUSTÍVEL PARA MOTORES DIESEL

USO DE ÓLEO VEGETAL in natura COMO COMBUSTÍVEL PARA MOTORES DIESEL USO DE ÓLEO VEGETAL in natura COMO COMBUSTÍVEL PARA MOTORES DIESEL SITUAÇÃO CRÍTICA DA QUALIDADE DO AR ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAUDE TEOR DE ENXOFRE CONTIDO NO DIESEL Emissão de partículas finas (fumaça)

Leia mais