3. RELATÓRIO SITUAÇÃO ECONÓMICA E FINANCEIRA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "3. RELATÓRIO SITUAÇÃO ECONÓMICA E FINANCEIRA"

Transcrição

1 PRESTAÇÃO DE CONTAS

2

3 ÍNDICE 1 ÍNDICE 5 1. INTRODUÇÃO ACTIVIDADES 2.1. Renovar Continuamente as Origens da Água e Cuidar das Existentes 2.2. Optimizar o Grau de Operacionalidade e Fiabilidade do Sistema de Adução, Armazenamento e Distribuição de Água 2.3. Garantir a Qualidade da Água Fornecida 2.4. Alcançar a Cobertura Integral pelo Sistema de Drenagem de Águas Residuais e Alargar a Capacidade de Resposta do Sistema de Drenagem de Águas Pluviais 2.5. Gerir o Sistema Público de Tratamento de Águas Residuais 2.6. Prosseguir uma Gestão Pública, Solidária, Eficiente e Transparente RELATÓRIO SITUAÇÃO ECONÓMICA E FINANCEIRA 3.1. Investimentos 3.2. Custos e Proveitos 3.3. Receitas e Despesas 3.4. Indicadores de Gestão 3.5. Proposta de Aplicação de Resultados BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS MAPAS DE EXECUÇÃO ORÇAMENTAL ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANEXO II - SITUAÇÃO DOS CONTRATOS ANEXO I - MAPAS DE ACTIVO BRUTO (*) (*) Este anexo encontra-se disponibilizado em caderno separado

4 2 INTRODUÇÃO PRESTAÇÃO DE CONTAS 2010

5 INTRODUÇÃO

6 4 INTRODUÇÃO PRESTAÇÃO DE CONTAS 2010

7 INTRODUÇÃO 5 1.INTRODUÇÃO Em 2010 as Nações Unidas proclamaram o acesso à água e ao saneamento como um Direito Humano Fundamental. Tal proclamação da ONU sublinha e reconhece os direitos de cada ser humano no acesso à água e ao saneamento, independentemente das condições económicas, culturais ou geográficas em que viva. A água e o saneamento são indispensáveis à vida humana, à biodiversidade do planeta, constituindo um elemento essencial para uma vida digna dos seres humanos. Importa pois entender a água não como mais um bem mercantilizavel, mas, ao invés, deve-se entendê-la, e tratá-la, como um direito humano fundamental. A sua consideração como Direito Humano evidencia a sua condição de bem público, cuja gestão deverá ser centrada na criação de condições para garantir o acesso de todos à sua plena fruição e nas preocupações ambientais de preservação e racionalização, como forma de conservar este precioso recurso natural para as gerações futuras, logo fora de qualquer lógica comercial de lucro. Aos Serviços Municipalizados de Água e Saneamento de Almada, enquanto serviço público de referência local, regional e nacional, estão atribuídas especiais competências municipais na gestão deste bem - a água de Almada - através da gestão global do ciclo urbano (captando, armazenando, distribuindo água para consumo e tratando as águas residuais) o que fazemos com elevados índices de desempenho operacional, ambiental e de gestão, conforme se demonstra no presente relatório e contas relativo ao desenvolvimento das actividades no ano de Sublinhamos os resultados globais alcançados no ECSI - Portugal (European Customer Satisfaction Index Portugal), pela indicação relativa à satisfação global dos nossos utentes com o serviço prestado pelos SMAS de Almada. A satisfação dos utentes é a primeira preocupação da nossa intervenção enquanto serviço público. Registamos os resultados expressivos, superiores à média do sector, e o posicionamento dos SMAS de Almada, em 3º lugar entre todas as entidades gestoras avaliadas, o que confirma este modelo organizacional, a sua prática e a sua gestão rigorosa, virada para a prestação de um serviço público de excelência. Em 2010, os resultados internos relativos à satisfação dos utentes identificam menos 15,4% de reclamações relacionadas com a facturação de consumos, tarifas ou outros. As reclamações recebidas, e tratadas com toda a atenção e rigor, têm uma pequena relevância numérica, atenta a actividade desenvolvida ao longo do ano, o número de utentes e o volume de facturação registado. Sublinhamos com interesse os números crescentes de adesão dos consumidores a novas formas de relacionamento comercial, com mais transferências bancárias para pagamento dos seus consumos, registando-se leituras de consumos comunicadas por telefone, bilhete postal ou Internet.

8 6 INTRODUÇÃO Destaque para a formalização do Protocolo de Atendimento aos nossos utentes celebrado com as Juntas de Freguesia, o que permitirá manter postos de atendimento de proximidade em todas as freguesias e uma maior intervenção nas áreas da água e do saneamento, por parte dos eleitos e serviços das freguesias, com ganhos de proximidade para os utentes que podem usar 13 balcões de atendimento (11 nas juntas, a sede dos SMAS e a loja do Munícipe), telefone, carta e ainda as novas formas de comunicação via internet. Assim se assegura uma gestão próxima, permanente e acessível. No decurso de 2010 reafirmámos a defesa da água pública, do serviço público e da autonomia do poder local democrático na definição dos elementos essenciais da gestão e disponibilização da água aos cidadãos, aí integrando o modelo de gestão (público e municipal), o tarifário e as políticas sociais de acesso desenvolvidas no nosso município. Pensamos que só pública a água é de todos. Mantivemos uma permanente colaboração com as entidades do sector, participando nas suas comissões especializadas, de que são exemplo a participação nas estruturas técnicas da Entidade Reguladora dos Serviços de Água e Resíduos (ERSAR), da Associação Portuguesa de Distribuição e Drenagem de Água (APDA), da Associação Intermunicipal de Água da Região de Setúbal (AIA), no Observatório da Água, entre outras. Destaque, para a participação dos SMAS Almada na comissão técnica da ERSAR sobre materiais em contacto com a água, na APDA na comissão técnica da qualidade da água. Os Serviços Municipalizados participaram, em cooperação com diversas entidades, no desenvolvimento de projectos de investigação e pesquisa técnica e científica, de entre os que se destaca o Safewater estudo de utilização da nanofiltração na água destinada ao consumo humano, o BioMonit Tejo monitorização das comunidades biológicas da frente ribeirinha do Concelho ou ainda no PAST21 - iniciativa nacional de avaliação de desempenho de ETA e ETAR urbanas. Os SMAS de Almada desenvolveram uma profunda e diversificada actividade em todos os domínios da sua intervenção na gestão da água, do saneamento e tratamento de águas residuais e do sistema de águas pluviais, cumprindo de forma expressiva o plano de actividades e orçamento que orientou a sua actividade. As necessidades de água por parte da nossa população foram asseguradas em permanência, com a disponibilização de milhares de m3 de água, registando-se um acréscimo de 512 contratos, que totalizam assim contratos comerciais activos. Não obstante, regista-se um decréscimo de 5,8% no consumo de água por parte dos utentes domésticos com a redução de 545 mil m3, o que resultará de uma maior racionalização do bem, por maior consciência ambiental e certamente também fruto das dificuldades financeiras das famílias. Dificuldades sociais criadas pelas políticas nacionais, mas que se reflectem na relação dos utentes com os serviços, não obstante o não aumento do tarifário pelo segundo ano consecutivo e a manutenção de uma política PRESTAÇÃO DE CONTAS 2010

9 INTRODUÇÃO 7 social de apoio aos mais carenciados, tendo para o efeito registado 1422 planos de pagamento diferidos e 214 agregados com redução de 50% das tarifas. Daqui resulta um apoio efectivo a cerca de mil e quinhentos agregados com dificuldades sociais. Disponibilizámos água em quantidade e em qualidade para a satisfação das necessidades de todos. Água de excelência - a água de Almada - conforme se constata dos resultados recolhidos em análises realizadas, dando uma conformidade de 99,53 % e ainda pela aprovação pela ERSAR do Programa de Controlo da Qualidade da Água de 2010 e pela participação no desenvolvimento do Plano de Segurança da Água, projecto piloto que integramos a convite da mesma entidade. Geriu-se o Plano de Controlo de Qualidade 2010 e estabeleceu-se o novo Plano para 2011, em articulação com a entidade reguladora do sector. Construíu-se um novo furo de captação em Vale de Milhaços, iniciou-se a 3ª fase (a última) de implementação da telegestão do sistema de abastecimento, assim se assegurando uma monitorização e controlo em permanência dos equipamentos (furos, adutoras, reservatórios) mas igualmente da quantidade e qualidade da água aí presente. A integração de todos os elementos na telegestão, a ser consagrada com esta fase, permitirá alargar a gestão online do consumo de energia a todos os equipamentos, assim se atingindo maior eficiência. Promoveu-se uma profunda reabilitação e renovação da rede de distribuição, com destaque para as obras desenvolvidas em 18 grandes intervenções nas freguesias do Laranjeiro, Charneca de Caparica, Sobreda e Caparica. Aspecto assinalável resulta da expressiva renovação de rede de águas conseguida por administração directa, sem recurso a empreitada, tendo ultrapassado os 6 km. Igual destaque para a intervenção nas redes de saneamento de águas residuais e de drenagem de águas pluviais, atingindo acções por administração directa realizadas por todo o Concelho e ainda empreitadas como a das Infra-estruturas VII no Núcleo 37, de Vale Cavala, que assegurou a sua construção em mais de 15 arruamentos na freguesia da Charneca de Caparica. Ainda em 2010 foram adjudicadas empreitadas de renovação da rede que decorrerão no essencial em 2011 e de que se destacam, pela dimensão e importância para as populações as Infra-estruturas VIII na freguesia da Sobreda e a empreitada do Parque dos Fróis na Caparica. No decurso do ano foram elaborados um número expressivo de projectos de concepção e execução das redes de águas, saneamento e pluviais que permitirão intervenções futuras com soluções devidamente estudas e articuladas. Destaque para a elaboração dos projectos da Rua Cândido dos Reis em Cacilhas,

10 8 INTRODUÇÃO da Rua da Liberdade em Almada, projecto da estação elevatória da Tagol, no PIA, projecto de drenagem da D. Sancho e Quinta da Alegria em Cacilhas. Acresce um número significativo de projectos resultantes do protocolo com a CostaPolis, de que se destacam a elaboração dos projectos de remodelação das estações elevatórias da Costa da Caparica e do Torrão, esta na Trafaria, e ainda o emissário doméstico do Torrão -Trafaria. Destaque para as intervenções promovidas pelos serviços na manutenção do sistema de águas residuais e pluviais, com acções de desentupimento, limpezas de sumidouros e fossas, promovidas por todo o Concelho. O sistema municipal de tratamento de águas residuais garantiu o funcionamento permanente das quatro ETAR, com elevados parâmetros quantitativos e qualitativos do sistema de tratamento dos efluentes. Regista-se um aumento de 14% no volume de águas residuais tratadas e uma melhoria no desempenho ambiental atingido. Destaque para: os programas associados à gestão dos equipamentos e para os seus elevados níveis de desempenho, tais como o Plano Anual de Controlo e Monitorização das águas tratadas e lançadas no meio receptor, com uma execução global de 99,7% ; para o Sistema de Gestão da Qualidade do Laboratório de Águas residuais, com uma conformidade de 84% dos ensaios realizados; a execução dos Programas Ambientais com a redução do ruído, a reutilização de água tratada, o aumento da utilização de biogás na co-geração, as medidas de minimização do consumo de energia, que no global atingiram resultados expressivos. A titulo de exemplo, a ETAR da Mutela atingiu uma independência energética de 11% e o Portinho da Costa de 57,30%, através da produção de energia a partir de biogás e pela introdução de painéis solares e outras medidas de racionalização. No decurso do ano foram recebidas as propostas para a renovação da ETAR da Quinta da Bomba, assim como a aprovação de financiamento comunitário pelo Programa Operacional Temático de Valorização do Território, tendo-se iniciado a sua apreciação e perspectivando-se o início da obra em O ano de 2010 foi marcado por sucessivas alterações legislativas, com implicações na gestão de recursos humanos, criando às entidades públicas acrescidas dificuldades no recrutamento de pessoas e na tramitação dos processos. Não obstante, promoveu-se uma gestão rigorosa, eficiente e transparente dos processos de recrutamento e selecção de trabalhadores. Promoveu-se a aplicação da opção gestionária, assegurando uma promoção a 91 dos trabalhadores do serviços municipalizados. Promoveram-se acções de formação internas, com 650 formandos e externas com 74 formandos, assim se garantindo uma média por trabalhador de 25,3 horas/ano de formação. PRESTAÇÃO DE CONTAS 2010

11 INTRODUÇÃO 9 Em 2010 decorreu a obra de renovação das Oficinas Gerais no Bairro do Matadouro, orçada em mais de um milhão e cem mil euros, perspectivando-se o seu funcionamento pleno em Projectou-se a intervenção de melhoria das condições de trabalho na sede e do centro de comandos de Vale de Milhaços, com projectos de execução elaborados e obras a decorrerem em 2011, e deu-se especial prioridade às condições de trabalho dos nossos funcionários e ao seu envolvimento na organização e acção dos serviços municipalizados. Foi elaborado, aprovado e implementado o Plano de Prevenção de Riscos de Corrupção e de Infracções Conexas. Foi elaborada e aprovada a macro-estrutura e definido o modelo de estrutura orgânica dos Serviços Municipalizados de Água e Saneamento de Almada. Foram aprovados procedimentos que visam a generalização, a todos os serviços, de medidas de simplificação procedimental e de desmaterialização dos processos, pela aplicação de novas soluções tecnológicas. No decurso de 2010 na aquisição de bens e serviços e nas contratações de empreitada aprofundou-se o uso da plataforma electrónica, com significativos ganhos procedimentais. No plano económico e financeiro o ano de 2010 foi de grande normalidade e equilíbrio, não obstante a conjuntura exterior, o que se demonstra por uma receita global de e uma despesa global de ,28 e taxas de execução orçamental de 93,4 % na Receita - 95% nas Receitas Correntes e 0,08% nas Receitas de Capital - e de 79% na Despesa - 91% nas Despesas Correntes e de 55% nas Despesas de Capital. O investimento no ano foi de , 24, de que se destacam os cerca de dois milhões de euros na renovação e conservação da rede de água e esgotos e de um milhão e cem mil euros na ampliação e renovação das oficinas gerais. O exercício fechou com um resultado económico positivo de , 98, assegurando a continuação de um elevado nível de autofinanciamento. Os SMAS de Almada apresentam uma disponibilidade no final de 2010 de , o que permite encarar com normalidade os investimentos previstos e a satisfação, em tempo, dos seus compromissos, mantendo uma evolução sólida no que respeita à independência financeira, que neste ano atingiu os 80%.

12 10 CAPITULO I - LINHAS ESTRATÉGICAS E ACTIVIDADES O Conselho de Administração dos SMAS de Almada tem a honra de apresentar o relatório de gestão, actividades e contas de 2010, manifestando o seu apreço e agradecimento pelo empenho de todos os funcionários e dirigentes, públicos sublinha-se, e entidades que contribuíram decisivamente para a materialização de tão relevante desempenho. Almada, 30 de Março de 2011 O Conselho de Administração O Presidente do Conselho de Administração (José Manuel Raposo Gonçalves) Vogal do Conselho de Administração (Maria Amélia de Jesus Pardal) Vogal do Conselho de Administração (Francisco António Fernandes Navarro) PRESTAÇÃO DE CONTAS 2010

13 ACTIVIDADES

14 12 CAPITULO I - LINHAS ESTRATÉGICAS E ACTIVIDADES PRESTAÇÃO DE CONTAS 2010

15 CAPITULO I - LINHAS ESTRATÉGICAS E ACTIVIDADES ACTIVIDADES Renovar Continuamente as Origens da Água e Cuidar das Existentes Identificar e reservar novas áreas de captação: Foi lançado o concurso para a elaboração de um projecto de todas as infra-estruturas necessárias ao desenvolvimento da exploração da zona de captação designada por Ponta dos Corvos, dando seguimento ao protocolo estabelecido entre os SMAS de Almada e a Marinha Portuguesa. Aumentar a capacidade captação através de novos furos: Iniciou-se e concluiu-se a execução de um furo de captação de água profundo localizado em Vale de Milhaços. Foi viabilizada a solução técnica encontrada de qualificação do furo de captação SL1, em Nisa. Promover uma captação racional e sustentável: Prosseguiram as acções de monitorização em tempo real da evolução das características hidráulicas dos furos de captação e nível hidráulico do aquífero. Decorrem reuniões de trabalho entre a ARH, C.M do Seixal e SMAS de Almada para conclusão do processo de definição do perímetro de segurança dos furos de captação. Teve início a obra para a execução da 3ª fase da Telegestão, que englobará a automatização dos recintos ainda não concluídos e completará o plano de automatização das operações de captação e adução. Iniciou-se a reabilitação do posto de transformação da Central do Cassapo e do Quadro Geral de Baixa Tensão na Central de Corroios. Os SMAS continuaram em 2010 a participar nos trabalhos desenvolvidos no âmbito do Observatório da Água da Península de Setúbal e da representação Municipal na AIA. No ano em análise foram elevados milhares de m3 de água a partir das cinco Estações Elevatórias Primárias.

16 14 CAPITULO I - LINHAS ESTRATÉGICAS E ACTIVIDADES A maior quota corresponde à Estação Elevatória de Vale de Milhaços (56,10%), seguida de Corroios (25,20%), Quinta da Bomba (10,85%), Sobreda (4,59%) e Niza (3,26%). Em termos globais, os valores são semelhantes aos do ano transacto. Quadro 1 - Exploração das Estações Elevatórias de Água Estações Elevatórias Primárias Reservatório DestinoÁgua Elevada Incidência no Total (1000m3) (%) Vale de Milhaços Raposo, Lazarim e Cassapo ,10 Corroios Pragal, Caparica/Lazarim ,20 Quinta da Bomba Laranjeiro ,85 Sobreda Feijó 792 4,59 Niza Feijó 563 3,26 Total ,00 Estações Elevatórias Secundárias Reservatório DestinoÁgua Elevada Incidência no Total (1000m3) (%) Feijó Feijó ,93 Cassapo Cassapo ,42 Raposo Raposo ,19 Lazarim Lazarim ,33 Laranjeiro Laranjeiro, Feijó ,75 Pragal Cristo Rei 112 1,38 Total ,00 O quadro seguinte apresenta a evolução do volume total de água elevada nos últimos 5 anos, que traduz a estabilização do consumo de água no concelho de Almada. Quadro 2 - Evolução da Captação de Água Água Captada (milhares m3) Optimizar o Grau de Operacionalidade e Fiabilidade do Sistema de Adução, Armazenamento e Distribuição de Água Aumentar a capacidade de armazenamento de água: Foram concluídos os projectos com vista à construção de duas novas células nos reservatórios do Lazarim e de Brielas. Foi lançado o concurso para execução do projecto de construção de novos Reservatórios na Quinta da Bomba, enquadrando-os numa solução global com a adução da Ponta dos Corvos. PRESTAÇÃO DE CONTAS 2010

17 CAPITULO I - LINHAS ESTRATÉGICAS E ACTIVIDADES 15 Foi iniciado o processo da definição de um local apropriado para a construção futura de um reservatório aéreo e um apoiado na Aroeira. Promover a manutenção e conservação do sistema de armazenamento: Foi iniciado o plano de limpeza e desinfecção de todos os reservatórios, de forma a assegurar as boas condições de exploração e segurança do abastecimento público. Procedeu-se à execução de pintura no edifício onde se situa o furo de captação CBR 3 e na Estação Elevatória do Lazarim. Foi definida e implementada uma zona de armazenamento de garrafas com cloro, no depósito de água do Feijó. Foi iniciado o estudo técnico para o projecto da rede de distribuição a norte da linha do Metro Sul Tejo (MST), na freguesia de Almada. Procedeu-se ao arranjo do espaço exterior da nova Central do Lazarim. Foi concluído o projecto com vista à remodelação dos Reservatórios Apoiados do Monte da Caparica. Foram adjudicadas as empreitadas para a pintura dos Reservatórios do Lazarim e do Raposo. Foi adjudicado o projecto para a reabilitação dos Reservatórios do Feijó. Promover o reforço do sistema adutor e distribuidor: Foi iniciado o projecto de remodelação da conduta adutora Nisa Feijó, no troço de Nisa Estrada da Algazarra, fase 2, ficando a aguardar o desenvolvimento do processo de Revisão do Plano Geral de Abastecimento de Água. Foi feito o acompanhamento dos estudos em desenvolvimento no âmbito do Programa Polis da Costa. Foram concluídos os estudos técnicos para a construção das condutas adutoras Corroios - Quinta da Bomba e Vale de Milhaços - Corroios. Encontra-se em fase de conclusão o projecto da adutora Vale de Milhaços - Feijó. Foi adjudicada a empreitada para a construção do troço final da adutora Corroios Pragal, troço de Corroios.

18 16 CAPITULO I - LINHAS ESTRATÉGICAS E ACTIVIDADES Promover a manutenção e renovação do sistema municipal de adução e distribuição: Os SMAS continuaram a investir significativamente na reabilitação da rede de abastecimento. No ano em análise foram renovados metros de rede de água, dos quais metros por administração directa e em regime de empreitada, que corresponde a uma extensão equivalente a 2,5% da rede municipal. Salientam-se as intervenções de reabilitação da rede de águas nos seguintes locais: > Rua E, Funchalinho, Rua de Mirabelem e Rua dos Cooperativistas, na freguesia de Caparica; Rua Henrique Moreira, na freguesia de Charneca de Caparica; Rua Mário Sacramento e Jardim dos Caranguejais, na freguesia de Cova da Piedade; Rua Quinta do Salgado, na Freguesia de Sobreda; Rua D. Francisco Xavier de Noronha, na freguesia de Almada; Rua Galileu Saúde Correia e Largo Costa Pinto, na freguesia de Pragal; Rua Luís de Pina, Rua Manuel Guimarães, Rua José Ernesto de Sousa, Praceta José Ernesto de Sousa na Quinta do Chiado, freguesia do Feijó; Base Naval do Alfeite, na freguesia de Laranjeiro. > Remodelação da rede de abastecimento água do Laranjeiro - 2ª Fase que incluiu diversos locais, nomeadamente: Rua 8 de Setembro; Rua D. Francisco Melo Noronha; Azinhaga do Rato; Bairro do Arsenal do Alfeite; Quinta do Rato; Rua João de Deus; Rua, Travessa e Praça das Laranjeiras; Rua Josefa de Óbidos; Rua Nuno Gonçalves; Rua Rocha Martins; Rua Fialho de Almeida; Rua Cavaleiro de Oliveira; Rua da Alegria; Largo Fernão Vasques; Rua e Praça Bento de Jesus Caraça; Rua João Jacinto de Magalhães; Rua Manuel Azevedo Fortes; Rua e Travessa D. Duarte; Praça Diogo Couto; Praceta Duarte Infante Galvão; Travessa João Gomes; Rua e Travessa dos Eucaliptos; Praceta Machado de Castro; Praceta Bento Moura; Largo. Mouzinho da Silveira; Praceta André de Resende; Rua das Flores; Praceta António Ribeiro Sanches; Praceta António Soares Albergaria; Rua Francisco Sousa Tavares; Largo Francisco Sanches; Avenida Prof. Rui Luís Gomes; Rua Marcos de Portugal; Rua Filipe Folque; Rua André Gouveia; Praceta Dr. Barbosa du Bocage; Rua Raúl Proença; Praceta José Correia da Serra; Terreiro Amato Lusitano. > Remodelação da rede de abastecimento água, infra-estruturas VII - Núcleo 37 Vale Cavala que abrangeu diversos locais: Avenida e Travessa da Eira; Rua do Casal do Poço; Rua 25 de Abril; Rua Júlio Dantas; Rua das Areias; Rua Teixeira de Pascoais; Rua Augusto Pires; Rua Moreira da Silva; Rua Borges Carneiro; Travessa das Areias; Rua e Praça Fausto de Carvalho; Rua Miguel Bombarda; Rua e Travessa António Flores; Rua e Travessa Venceslau de Morais. Na construção de redes de abastecimento de água destinadas a servir novas urbanizações, foram instalados por empreitada metros de tubagem. No final de 2010 a rede de distribuição totalizava cerca de 886 Km. A conservação, manutenção e construção das redes de água, adutoras e distribuidoras, obrigou a diversas intervenções no decurso do ano, resumidas no Quadro seguinte: PRESTAÇÃO DE CONTAS 2010

19 CAPITULO I - LINHAS ESTRATÉGICAS E ACTIVIDADES 17 Quadro 3 Intervenção de construção, conservação e manutenção de redes de água Tipo de Intervenção Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez TOTAL Remod./Const. Condutas (grandes intervenções) Remod./Const. Condutas (pequenas intervenções) Ligação Ramais Dom. Água Modificação Ramais Água Reparação Acessórios Rede (bocas incêndio/rega, etc.) Roturas na Rede (SMAS e Terceiros) Intervenções Diversas * TOTAL Tubagem Instalada (m) Na sequência das acções de renovação, manutenção e construção das redes de água foi necessário repor 5891 m2 pavimento em calçada, dos quais 983 m2 por Administração Directa e m2 por Empreitada. Foi concluído o projecto para a remodelação do Reservatório Apoiado do Cassapo e adjudicada a respectiva empreitada. Foi concluído o projecto com vista à renovação da rede de distribuição na Rua da Liberdade, na freguesia de Almada. Foi executado o estudo técnico para a renovação da conduta de distribuição da Rua Cândido Capilé, na freguesia de Almada. Foram concluídos os projectos de renovação das redes de distribuição da Quinta da Cerieira e Quinta da Graça, na freguesia da Sobreda e na Rua Conselheiro Manuel Luís Fernandes e na Rua da Maçaroca, na freguesia da Caparica. Foi concluído o projecto de renovação das redes de distribuição no Feijó, 2ª fase. Foram executados projectos pontuais com vista à remodelação e renovação de redes de distribuição de água na Cova da Piedade, Charneca da Caparica, Monte da Caparica e Costa da Caparica. Foi adjudicado o projecto para a remodelação e renovação das redes de distribuição da Costa da Caparica.

20 18 CAPITULO I - LINHAS ESTRATÉGICAS E ACTIVIDADES Promover a manutenção e a qualificação dos recintos e órgãos do sistema municipal de adução e distribuição de água: Foram executados diversos levantamentos topográficos com vista ao lançamento de obras de protecção de vários recintos, nomeadamente 11 furos de captação e 5 Reservatórios. Foi adjudicado o projecto de execução da remodelação do Centro de Comando de Vale de Milhaços. Foi concluído o processo de definição da futura localização do novo Laboratório de Águas para Consumo Garantir a Qualidade da Água Fornecida Garantir o Controlo da Qualidade da Água Distribuída: Foi garantido o controlo de qualidade da água distribuída à população do Concelho, tendo sido asseguradas as determinações respeitantes às: > Análises obrigatórias de água tratada destinada ao consumo humano, cumprindo as exigências do Decreto-Lei 306/2007 de 27 de Agosto, constantes do Programa de Controlo de Qualidade da Água apresentado e aprovado pela ERSAR para o ano de > Análises obrigatórias, exigidas pelo Decreto-Lei 236/98 de 1 de Agosto, para as águas brutas destinadas à produção de água para consumo humano. > Análises facultativas de controlo operacional, nos sistemas de produção e abastecimento. > Análises à água de piscinas do concelho de Almada. > Análises de controlo na sequência de incumprimentos verificados e reclamações. Foram realizadas análises, que respeitam a amostras, o que representa 100% das análises obrigatórias e cerca de 93% das análises facultativas programadas. No Laboratório de Água dos SMAS foram realizadas análises, as restantes foram contratadas ao laboratório Microbiologia Industrial (LMI/LNEG), ao laboratório Quimiteste e ao laboratório do DCEA da FCT/UNL. Os resultados do controlo analítico demonstraram que os Almadenses consomem uma água de elevada qualidade cumprindo, com um nível médio de conformidade de 99,53%, as exigências determinadas na legislação aplicável. PRESTAÇÃO DE CONTAS 2010

21 CAPITULO I - LINHAS ESTRATÉGICAS E ACTIVIDADES 19 Quadro 4 Controlo de Qualidade da Água Anual Nº amostras Nº análises Sistema Requeridas Realizadas Acumulado Nº violações Mês acumul Mês acumul Mês acumul int ext % Mês Ano Confor SMAS captações % ,93% SMAS centrais % ,90% SMAS reservatórios % ,95% SMAS extras % SMAS interlaborat % SMAS ZA % ,86% SMAS ZA % ,47% SMAS ZA % ,70% SMAS ZA % ,31% SMAS ZA % ,00% SMAS Distribuição % ,53% Piscinas % Outros % Totais ,65% No desenvolvimento do Programa de Controlo de Qualidade da Água promoveu-se o controlo dos diferentes órgãos do sistema de distribuição de água, nomeadamente 33 furos de captação, 6 centrais elevatórias de água com cloragem, 11 reservatórios e 465 pontos de amostragem, segundo as 5 zonas de abastecimento definidas. A divisão destas zonas de abastecimento deriva da interpretação da ERSAR sobre o disposto no Decreto-Lei 306/2007. Foram apresentadas 20 reclamações relativas à qualidade de água, na quase totalidade respeitantes a problemas de canalizações internas da responsabilidade dos proprietários, mas sem expressão significativa (<2/mês), constam do Quadro N.º 15 Reclamações Recebidas. Procedeu-se à elaboração do Programa de Controlo de Qualidade da Água para 2011 (PCQA2011), que foi apresentado à ERSAR, através do portal, tendo sido por este organismo aprovado no final do ano. Foram instalados a instrumentação de controlo da qualidade da água captada em tempo real, nos reservatórios do Lazarim e do Raposo. Foram consideradas, no âmbito da obra em curso de implementação da 3.ª fase da Telegestão, a implementação de medidas de segurança da água, constituindo exemplos a colocação de dispositivos de alarme, sensores, sinalética e equipamentos de emergência.

Grandes Opções do Plano 2013-2016

Grandes Opções do Plano 2013-2016 Grandes Opções do Plano 2013-2016 Plano Plurianual de Investimentos 2013-2016 O Grupo Águas de Portugal apresentou aos Municípios do Oeste, no segundo semestre de 2009, as possibilidades de constituição

Leia mais

Grandes Opções do Plano 2011-2014

Grandes Opções do Plano 2011-2014 Grandes Opções do Plano 2011-2014 Plano Plurianual de Investimentos 2011-2014 Apesar da apresentação efectuada pelo Grupo Águas de Portugal no segundo semestre de 2009 das possibilidades de constituição

Leia mais

ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS. Serviços Municipalizados de Água e Saneamento de Almada

ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS. Serviços Municipalizados de Água e Saneamento de Almada ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS Serviços Municipalizados de Água e Saneamento de Almada O QUE SÃO ÁGUAS RESIDUAIS? São águas que resultam de diversos usos ou atividades ligadas à vida humana:

Leia mais

5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS

5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS 5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS 1 PRINCIPAIS DESTAQUES [Indicadores] Indicadores 2010 2011 RECEITA Crescimento da Receita Total 19,8 3,7 Receitas Correntes / Receita Total 61 67,2 Crescimento das

Leia mais

JUNTAS DE FREGUESIA, INSTITUIÇÕES E AGREMIAÇÕES PRIVADAS DE BENEFICÊNCIA, CULTURAIS, DESPORTIVAS E OUTRAS DE INTERESSE PÚBLICO. Escalão único 2,0524

JUNTAS DE FREGUESIA, INSTITUIÇÕES E AGREMIAÇÕES PRIVADAS DE BENEFICÊNCIA, CULTURAIS, DESPORTIVAS E OUTRAS DE INTERESSE PÚBLICO. Escalão único 2,0524 ÁGUA* CONSUMO DE ÁGUA CONSUMO DOMÉSTICO 1º Escalão (0 5 m 3 /mês) 0,4452 2º Escalão (6 15 m 3 /mês) 0,8101 3º Escalão (16 a 25 m 3 /mês) 1,3461 4º Escalão (superior a 25 m 3 /mês) 2,1690 COMÉRCIO, INDÚSTRIA,

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS 2010 5 ANÁLISE ORÇAMENTAL

RELATÓRIO E CONTAS 2010 5 ANÁLISE ORÇAMENTAL 5 ANÁLISE ORÇAMENTAL 1 PRINCIPAIS DESTAQUES [Indicadores] Indicadores 2009 RECEITA Crescimento da Receita Total -18,8 19,8 Receitas Correntes / Receitas Totais 76,1 61 Crescimento das Receitas Correntes

Leia mais

D.R. DO AMBIENTE Despacho n.º 1059/2012 de 25 de Julho de 2012

D.R. DO AMBIENTE Despacho n.º 1059/2012 de 25 de Julho de 2012 D.R. DO AMBIENTE Despacho n.º 1059/2012 de 25 de Julho de 2012 Nos termos e para efeitos do disposto no n.º 2 do artigo 110.º do Decreto Legislativo Regional n.º 30/2010/A, de 15 de novembro, que estabelece

Leia mais

Plano de Sustentabilidade e Gestão da Segurança Social PSGSS

Plano de Sustentabilidade e Gestão da Segurança Social PSGSS Plano de Sustentabilidade e Gestão da Segurança Social PSGSS Manuel Moreira Coordenador do PSGSS Benguela, 22 e 23 de Maio Agenda Objetivos Gerais Objectivos Estratégicos Estrutura do Projecto Inciativas

Leia mais

MAPA DE PESSOAL. Gabinete de Apoio ao Presidente. Gabinete de Fiscalização Sanitária

MAPA DE PESSOAL. Gabinete de Apoio ao Presidente. Gabinete de Fiscalização Sanitária Preenchidos A preencher Preenchidos Gabinete de Apoio ao Presidente Coordenar e executar todas as atividades inerentes à assessoria, secretariados, protocolos da Presidência e assegurar a interligação

Leia mais

Projecto HidroValor. Avaliação dos Impactos Económicos, Sociais e Ambientais de Novos Médios e Grandes Aproveitamentos Hídricos na Região Centro

Projecto HidroValor. Avaliação dos Impactos Económicos, Sociais e Ambientais de Novos Médios e Grandes Aproveitamentos Hídricos na Região Centro Projecto HidroValor Avaliação dos Impactos Económicos, Sociais e Ambientais de Novos Médios e Grandes Aproveitamentos Hídricos na Região Centro 11 Agradecimentos Os autores do presente estudo, querem

Leia mais

Projeto Heróis da Água Fase III - 2014/2015

Projeto Heróis da Água Fase III - 2014/2015 O projeto O Projeto Heróis da Água é promovido pela EMAS de Beja e pela Câmara Municipal de Beja, enquadra-se na área da sensibilização e educação ambiental. O projeto mantem-se pelo 3.º ano e continua

Leia mais

São mais de 80 os serviços que garantem o correcto acondicionamento e encaminhamento do papel/cartão para os respectivos pontos de recolha.

São mais de 80 os serviços que garantem o correcto acondicionamento e encaminhamento do papel/cartão para os respectivos pontos de recolha. A Câmara Municipal procura ser um exemplo de bom desempenho ambiental. A gestão ambiental da autarquia promove, através de um conjunto de projectos, a reciclagem junto dos munícipes e dos seus trabalhadores.

Leia mais

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social PLANO DE ACÇÃO 2007 Introdução O CLASA - Conselho Local de Acção Social de Almada, de acordo com a filosofia do Programa da Rede Social, tem vindo a suportar a sua intervenção em dois eixos estruturantes

Leia mais

A Evolução dos Serviços de Água em Portugal

A Evolução dos Serviços de Água em Portugal A Evolução dos Serviços de Água em Portugal AcquaLifeExpo Lisboa, 22-25 de Março de 2012 Centro Empresarial Torres de Lisboa Rua Tomás da Fonseca, Torre G 8º 1600-209 LISBOA - PORTUGAL www.ersar.pt Tel.:

Leia mais

TARIFÁRIO PARA 2013 CARTAGUA, ÁGUAS DO CARTAXO, S.A.

TARIFÁRIO PARA 2013 CARTAGUA, ÁGUAS DO CARTAXO, S.A. CARTAGUA, ÁGUAS DO CARTAXO, S.A. TARIFÁRIO PARA 2013 O presente tarifário está de acordo com o adicional ao protocolo aprovado relativo à aplicação do tarifário dos serviços de água e saneamento do Cartaxo

Leia mais

PROTOCOLO SIMPLEX AUTÁRQUICO

PROTOCOLO SIMPLEX AUTÁRQUICO CONSIDERANDO QUE: PROTOCOLO SIMPLEX AUTÁRQUICO A simplificação administrativa e a administração electrónica são hoje reconhecidas como instrumentos fundamentais para a melhoria da competitividade e da

Leia mais

Investimento Adjudicado 2007-2009

Investimento Adjudicado 2007-2009 Programa de Modernização das Escolas do Ensino Secundário Investimento Adjudicado 2007-2009 Comissão Parlamentar de Educação e Ciência, Memorando de apoio à audição parlamentar de 24 Março de 2010 NOTA

Leia mais

WORKSHOP Plano para preservar os Recursos Hídricos da Europa (Blueprint) - Perspetivas para Portugal

WORKSHOP Plano para preservar os Recursos Hídricos da Europa (Blueprint) - Perspetivas para Portugal Eficiência dos sistemas de abastecimento de água para consumo humano WORKSHOP Plano para preservar os Recursos Hídricos da Europa (Blueprint) - Perspetivas para Portugal IPQ, 9 de abril de 2014 Os serviços

Leia mais

Certificação de Sistema de Gestão Relatório de Auditoria

Certificação de Sistema de Gestão Relatório de Auditoria Organização: Morada: Locais Auditados: Certificação de Sistema de Gestão Relatório de Auditoria MUNICÍPIO DE MIRANDELA Sede : Praça do Municipio 5370-288 MIRANDELA Sr. Presidente da Câmara: Eng.º António

Leia mais

A Participação Voluntária No Planeamento, Execução E Controlo Social Do Orçamento. Participativo

A Participação Voluntária No Planeamento, Execução E Controlo Social Do Orçamento. Participativo Cecília Branco Programa Urbal Red 9 Projecto Orçamento Participativo Reunião de Diadema Fevereiro 2007 A Participação Voluntária No Planeamento, Execução E Controlo Social Do Orçamento Participativo Município

Leia mais

NO ÂMBITO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

NO ÂMBITO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE INTRODUÇÃO Página: / Revisão:0 MANUAL DE FUNÇÕES NO ÂMBITO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE XZ Consultores Direção INTRODUÇÃO Página: / Revisão:0 ÍNDICE CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1 Mapa de Controlo das Alterações

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO EM FUNÇÕES PÚBLICAS POR TEMPO INDETERMINADO

CONTRATO DE TRABALHO EM FUNÇÕES PÚBLICAS POR TEMPO INDETERMINADO CONTRATO DE TRABALHO EM FUNÇÕES PÚBLICAS POR TEMPO INDETERMINADO Cargo/Carreira/Categoria Atribuições/Competências/Actividades UNIDADE DE AMBIENTE, SERVIÇOS URBANOS, INFRA-ESTRUTURAS E EQUIPAMENTOS MUNICIPAIS

Leia mais

Jornadas Técnicas de Água e Saneamento da África Sub-Saheliana Apresentação da Situação de Abastecimento de Água e Saneamento em Cabo Verde

Jornadas Técnicas de Água e Saneamento da África Sub-Saheliana Apresentação da Situação de Abastecimento de Água e Saneamento em Cabo Verde Jornadas Técnicas de Água e Saneamento da África Sub-Saheliana Apresentação da Situação de Abastecimento de Água e Saneamento em Cabo Verde ABRIL DE 2009 Índice Apresentação da ELECTRA, SA Papel da empresa

Leia mais

Preâmbulo CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

Preâmbulo CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO DE SERVIÇOS DE SANEAMENTO Preâmbulo A Câmara Municipal de Manteigas não possui Regulamento sobre o Saneamento no Concelho. A legislação entretanto publicada pelo Governo - Decreto-Lei nº 207/94,

Leia mais

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO Eixo Prioritário IV Protecção e Valorização Ambiental ACÇÕES DE VALORIZAÇÃO E QUALIFICAÇÃO AMBIENTAL GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ÁGUAS INTERIORES Aviso nº : CENTRO-VQA-2009-14-PIN-07

Leia mais

ABASTECIMENTO DE ÁGUA, SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS E GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS

ABASTECIMENTO DE ÁGUA, SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS E GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS ABASTECIMENTO DE ÁGUA, SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS E GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS O setor de serviços de águas compreende: as atividades de abastecimento de água às populações urbanas e rurais e às atividades

Leia mais

Na sua experiência profissional, salienta-se uma longa lista de obras realizadas, entre as quais:

Na sua experiência profissional, salienta-se uma longa lista de obras realizadas, entre as quais: 1. A EMPRESA retende-se com o presente capítulo efectuar a apresentação da Tomás de Oliveira, do seu compromisso em relação à qualidade e da organização que disponibiliza para alcançar esse objectivo.

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA

RELATÓRIO DE AUDITORIA RELATÓRIO DE AUDITORIA MUNICÍPIO DE SÁTÃO Nº EXPEDIENTE: 2008/0132/ER/01 NORMA DE APLICAÇÃO: ISO9001:2008 Nº RELATÓRIO: 08 TIPO DE AUDITORIA: AS1 Requer envio de PAC à LUSAENOR: SIM X NÃO o Data de realização

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011

GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011 GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011 Versão Preliminar Este relatório tem por objectivo da conta do que de mais relevante foi realizado no cumprimento

Leia mais

O SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DA ÁGUAS DO VOUGA

O SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DA ÁGUAS DO VOUGA O SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DA ÁGUAS DO VOUGA Ana CAMACHO 1, Fausto OLIVEIRA 2 RESUMO O Sistema de Gestão da Qualidade da empresa Águas do Vouga foi implementado com o objectivo de melhoria da eficácia

Leia mais

Tarifário para 2013. Tarifário para 2013

Tarifário para 2013. Tarifário para 2013 Tarifário para 2013 Novembro de 2012 Página 1 de 12 Índice Tarifas de Abastecimento... 3 Tarifas de Saneamento... 4 Outros serviços de abastecimento... 5 Outros serviços de saneamento... 6 Processos de

Leia mais

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 5/2013

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 5/2013 1 9 ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 5/2013 (S00537-201301) Nos termos do Artigo 33º. do Decreto-Lei n.º 178/2006, com a redação conferida pelo Decreto- Lei n.º

Leia mais

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE CLUSTER ENERGÉTICO DE BEJA OPORTUNIDADES SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA E CRESCIMENTO ECONÓMICO A sustentabilidade energética e climática é um desígnio estratégico duplo significado. Por um lado, desenvolvimento

Leia mais

O projeto da Rede Municipal de Hortas Urbanas de Vila Nova de Gaia. Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia

O projeto da Rede Municipal de Hortas Urbanas de Vila Nova de Gaia. Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia O projeto da Rede Municipal de Hortas Urbanas de Vila Nova de Gaia Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia O CONCEITO DE HORTA URBANA Possui objetivos distintos da atividade agrícola enquanto atividade económica

Leia mais

OPÇÕES DO PLANO 2015:2018 datas 2015 2016 2017 2018. conclusão. Respons. início 1 EDUCAÇÃO 207.000,00 186.840,00 191.282,00 196.

OPÇÕES DO PLANO 2015:2018 datas 2015 2016 2017 2018. conclusão. Respons. início 1 EDUCAÇÃO 207.000,00 186.840,00 191.282,00 196. 1 EDUCAÇÃO 207.000,00 186.840,00 191.282,00 196.916,00 1 ENSINO PRÉ-ESCOLAR E DO 1º CICLO 116.500,00 93.625,00 100.574,00 103.487,00 1 Apoios e subsídios CM 13 18 5 05-06-02-03-99 1.000,00 1.030,00 2.122,00

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

GUIA DO CONSUMIDOR DE ÁGUA

GUIA DO CONSUMIDOR DE ÁGUA Infomail GUIA DO CONSUMIDOR DE ÁGUA Índice Prestação do serviço de abastecimento de água Está sujeita a regras especiais? É obrigatória? O que é necessário? Como se processa a ligação à rede pública? Quem

Leia mais

GUIA DE PROJECTO E OBRA

GUIA DE PROJECTO E OBRA GUIA DE PROJECTO E OBRA Processos Prediais Direcção de Engenharia 2010 ÍNDICE 1. Âmbito de Aplicação e Objectivos... 3 2. Competências e Responsabilidades... 3 2.1 Projectista... 3 2.2 ÁGUAS DO SADO...

Leia mais

Calendário de Concursos

Calendário de Concursos Calendário de Concursos Resumo dos Principais Programas Investigação e Desenvolvimento Tecnológico Inovação Empresarial Qualificação e Internacionalização PME s Promoção da Eficiência Energética e da Utilização

Leia mais

Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental. Acções de Valorização e Qualificação Ambiental. Aviso - ALG-31-2010-02

Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental. Acções de Valorização e Qualificação Ambiental. Aviso - ALG-31-2010-02 Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental Acções de Valorização e Qualificação Ambiental Aviso - ALG-31-2010-02 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS ACÇÕES DE VALORIZAÇÃO E QUALIFICAÇÃO

Leia mais

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA EDP PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA O Grupo EDP Energias de Portugal centra as suas actividades na produção, distribuição e comercialização de energia eléctrica,

Leia mais

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às Câmara Municipal da Departamento de Educação e Desenvolvimento Sociocultural Divisão de Intervenção Social Plano Municipal contra a Violência Rede Integrada de Intervenção para a Violência na Outubro de

Leia mais

IGA Investimentos e Gestão da Água, S.A.

IGA Investimentos e Gestão da Água, S.A. Levantamento e Cadastro de Infra-estruturas associadas aos Sistemas de Abastecimento de Água e de Tratamento e Drenagem de Águas Residuais e Pluviais Ricardo Freitas 3 Objectivos Elaboração do cadastro

Leia mais

Transportes Sul do Tejo MOBILIDADE SUSTENTÁVEL

Transportes Sul do Tejo MOBILIDADE SUSTENTÁVEL Transportes Sul do Tejo MOBILIDADE SUSTENTÁVEL Graça Calapez Barreiro, 22 de Outubro de 2010 HISTÓRIA A T.S.T. constitui-se a partir de um dos centros da Rodoviária Nacional. Foi privatizada em Janeiro

Leia mais

Vale Projecto - Simplificado

Vale Projecto - Simplificado IDIT Instituto de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica Vale Projecto - Simplificado VALES Empreendedorismo e Inovação Associados Parceiros / Protocolos IDIT Enquadramento Vale Projecto - Simplificado

Leia mais

ANEXO I ORDENS DE TRABALHO DAS REUNIÕES DO PLENÁRIO DA CPEE

ANEXO I ORDENS DE TRABALHO DAS REUNIÕES DO PLENÁRIO DA CPEE ANEXO I ORDENS DE TRABALHO DAS REUNIÕES DO PLENÁRIO DA CPEE Durante o ano de 2009, nas 8 (oito) reuniões de Plenário da CPEE os assuntos abordados e as matérias alvo de deliberação foram as constantes

Leia mais

Adenda aos Critérios de Selecção

Adenda aos Critérios de Selecção Adenda aos Critérios de Selecção... Critérios de Selecção SI Qualificação PME EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE

Leia mais

Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social

Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social Enquadramento Com base numa visão estratégica de desenvolvimento social que valorize a rentabilização dos recursos técnicos e financeiros

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA

RELATÓRIO DE AUDITORIA Entidade Auditada: BIBLIOTECA MUNICIPAL SANTA MARIA DA FEIRA Tipo de Auditoria: Auditoria Interna Data da Auditoria: 09.12.2014 Duração: 1 dia Locais Auditados: Av. Dr. Belchior Cardoso da Costa / 4520-606

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DA ILHA DE S.MIGUEL AMIGOS DO AMBIENTE

ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DA ILHA DE S.MIGUEL AMIGOS DO AMBIENTE ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DA ILHA DE S.MIGUEL AMIGOS DO AMBIENTE PELO QUE S. MIGUEL TEM DE MELHOR. Na altura em que se completam dez anos sobre o início da actividade da AMISM, é oportuno fazer um balanço

Leia mais

Eixo Prioritário IV Qualificação do Sistema Urbano. Mobilidade Territorial

Eixo Prioritário IV Qualificação do Sistema Urbano. Mobilidade Territorial Eixo Prioritário IV Qualificação do Sistema Urbano Mobilidade Territorial Convite Público à Apresentação de Candidaturas no domínio dos Sistemas ferroviários ligeiros (metro) MT/01/2008 MOBILIDADE TERRITORIAL

Leia mais

Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007

Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007 Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007 Ponto de situação em 31 de Outubro de 2007 As listas de consumidores com direito à restituição de caução foram

Leia mais

Faculdade de Ciências e Tecnologia Diploma de Estudos Avançados Engenharia Sanitária e Gestão Integrada de Resíduos. 1º Período

Faculdade de Ciências e Tecnologia Diploma de Estudos Avançados Engenharia Sanitária e Gestão Integrada de Resíduos. 1º Período 1. Plano de estudos: Faculdade de Ciências e Tecnologia Diploma de Estudos Avançados Engenharia Sanitária e Gestão Integrada de Resíduos 1º Período QUADRO N.º 2-Engenharia Sanitária e Gestão Integrada

Leia mais

CIRCUITO DE UM PROCESSO PARA ABASTECIMENTO

CIRCUITO DE UM PROCESSO PARA ABASTECIMENTO CIRCUITO DE UM PROCESSO PARA ABASTECIMENTO O presente documento visa fornecer indicações sobre a elaboração e constituição de um processo para abastecimento, quer este se apresente sob a forma de Processo

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008

PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008 PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008 O ano de 2008 é marcado, em termos internacionais, pela comemoração dos vinte anos do Movimento Internacional de Cidades Saudáveis. Esta efeméride terá lugar em Zagreb,

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Introdução No âmbito da sua actividade, o Conselho de Prevenção da Corrupção (CPC), aprovou a Recomendação n.º 1/2009,

Leia mais

Newsletter. Águas de Gondomar realiza auditoria interna e arranca com projecto de certificação nas normas da Qualidade

Newsletter. Águas de Gondomar realiza auditoria interna e arranca com projecto de certificação nas normas da Qualidade info Gondomar Newsletter N.º11 Janeiro 2011 Semestral Águas de Gondomar realiza auditoria interna e arranca com projecto de certificação nas normas da Qualidade No inicio do 2º semestre de 2010, a AdG

Leia mais

instituições de comprovada valia social, o qual visa concretizar, especificando, o compromisso a que está vinculada.

instituições de comprovada valia social, o qual visa concretizar, especificando, o compromisso a que está vinculada. DECISÃO relativa ao programa para a atribuição de subsídio à aquisição de equipamentos de recepção das emissões de TDT por parte de cidadãos com necessidades especiais, grupos populacionais mais desfavorecidos

Leia mais

Turismo e Água Proteger o nosso futuro comum Dia Mundial do Turismo 2013

Turismo e Água Proteger o nosso futuro comum Dia Mundial do Turismo 2013 Turismo e Água Proteger o nosso futuro comum Dia Mundial do Turismo 2013 Caraterização das práticas relacionadas com o consumo de água nas empresas de alojamento turístico de Montemor-o-Novo Anualmente,

Leia mais

Termos de referência para o cadastro das infraestruturas de abastecimento de água e de saneamento de águas residuais

Termos de referência para o cadastro das infraestruturas de abastecimento de água e de saneamento de águas residuais Termos de referência para o cadastro das infraestruturas de abastecimento de água e de saneamento de águas residuais Enquadramento A base do conhecimento de qualquer sistema de abastecimento de água e

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O CONSELHO DISTRITAL DE LISBOA DA ORDEM DOS ADVOGADOS E A. Considerando que:

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O CONSELHO DISTRITAL DE LISBOA DA ORDEM DOS ADVOGADOS E A. Considerando que: PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O CONSELHO DISTRITAL DE LISBOA DA ORDEM DOS ADVOGADOS E A ADMINISTRAÇÃO DA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO TEJO Considerando que: Compete ao Conselho Distrital de Lisboa da Ordem

Leia mais

S. R. REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA. Plano de Actividades. Ano Económico 2010

S. R. REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA. Plano de Actividades. Ano Económico 2010 Plano de Actividades Ano Económico 2010 I - Nota Introdutória Ao Conselho de Administração da Assembleia Legislativa, incumbe, entre outras atribuições, exercer a gestão orçamental e financeira da Assembleia,

Leia mais

A implementação do balcão único electrónico

A implementação do balcão único electrónico A implementação do balcão único electrónico Departamento de Portais, Serviços Integrados e Multicanal Ponte de Lima, 6 de Dezembro de 2011 A nossa agenda 1. A Directiva de Serviços 2. A iniciativa legislativa

Leia mais

FICHA INFORMATIVA ISPA

FICHA INFORMATIVA ISPA FICHA INFORMATIVA ISPA Nº: 2000/PL/16/P/PE/015 Designação da medida: Tratamento de águas residuais e abastecimento de água em Poznan Autoridades responsáveis pela execução (definidas na Secção II (2) do

Leia mais

C Â M A R A M U N I C I P A L D E M O U R A. Regulamento de Saneamento do Concelho de Moura

C Â M A R A M U N I C I P A L D E M O U R A. Regulamento de Saneamento do Concelho de Moura Regulamento de Saneamento do Concelho de Moura Preâmbulo Os problemas ambientais, devido ao seu directo reflexo na qualidade de vida das populações, e a legislação entretanto publicada pelo Governo Central

Leia mais

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem;

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem; SIPIE SISTEMA DE INCENTIVOS A PEQUENAS INICIATIVAS EMPRESARIAIS FICHA DE MEDIDA Apoia projectos com investimento mínimo elegível de 15.000 e a um máximo elegível de 150.000, que visem a criação ou desenvolvimento

Leia mais

PESGRU - Plano Estratégico para a Gestão de Resíduos Urbanos em Angola

PESGRU - Plano Estratégico para a Gestão de Resíduos Urbanos em Angola PESGRU - Plano Estratégico para a Gestão de Resíduos Urbanos em Angola 1º CONGRESSO DOS ENGENHEIROS DE LÍNGUA PORTUGUESA 18 de Setembro de 2012 Agenda da apresentação do PESGRU I. Enquadramento do PESGRU

Leia mais

A experiência da gestão directa

A experiência da gestão directa Gestão da Água em meio urbano no quadro regional, caminho para o futuro? A experiência da gestão directa Modelos de Gestão atuais, as diferentes visões e os resultados atuais. Caracterização do Concelho

Leia mais

Freguesia de Tabuadelo e São Faustino. Concelho de Guimarães

Freguesia de Tabuadelo e São Faustino. Concelho de Guimarães Freguesia de Tabuadelo e São Faustino Concelho de Guimarães Relatório de Gerência de Contas e Relatório de Actividades Ano de 2013 Índice: Introdução:... 3 Analise Económica e Financeira... 5 Execução

Leia mais

INFRAQUINTA. Afirmação de uma Cultura Ambiental. "Modelos de Gestão no Sector do Turismo. Albufeira, 22 Abril 2009

INFRAQUINTA. Afirmação de uma Cultura Ambiental. Modelos de Gestão no Sector do Turismo. Albufeira, 22 Abril 2009 INFRAQUINTA Afirmação de uma Cultura Ambiental "Modelos de Gestão no Sector do Turismo Albufeira, 22 Abril 2009 AGENDA 1. A INFRAQUINTA Génese Estrutura Accionista Organograma Missão Competências 2. O

Leia mais

Reabilitar Portugal, 12 de Fevereiro 2015

Reabilitar Portugal, 12 de Fevereiro 2015 Reabilitar Portugal, 12 de Fevereiro 2015 Quem somos Cultura de empresa enraizada e com 90 anos de história 2 300 Colaboradores em todo o mundo Facturação de 450 M de Euros Anuais Quem somos Estamos presentes

Leia mais

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto 1 - O presente Decreto-Lei estabelece o regime jurídico da carreira dos

Leia mais

Saúde Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas S/1/2007

Saúde Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas S/1/2007 Saúde Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas S/1/2007 Saúde Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas S/1/2007 Nos termos do Regulamento Específico Saúde

Leia mais

AGENDA VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO

AGENDA VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO Novas Oportunidades para o Financiamento de Investimento Público e Empresarial no âmbito do QREN --- Sines 11 de Março de 2008 A Agenda Operacional para a Valorização do Território é uma estratégia de

Leia mais

Município de Vieira do Minho

Município de Vieira do Minho Tarifário de água 2014 Tarifa variável ( /m3) 0 a 5 m3 0,6410 6 a 15 m3 0,8000 16-25 m3 1,0000 > 25 m3 2,3000 0 a 9999 m3 1,0000 1 a 9999 m3 1,0000 Tarifa Fixa ( /30 dias) Calibre do contador (mm) Valor

Leia mais

Alexandra Serra AdP Águas de Portugal Serviços Ambientais, SA

Alexandra Serra AdP Águas de Portugal Serviços Ambientais, SA Parceria Portuguesa para a Água no centro das decisões da Estratégia Europa 2020 para a Água 16.nov.2012 - eip.on.water Alexandra Serra AdP Águas de Portugal Serviços Ambientais, SA Nexus Água - Energia

Leia mais

Tarifário do Serviço de Gestão de Resíduos do Municipio de Arouca CAPÍTULO II ARTIGO 1º

Tarifário do Serviço de Gestão de Resíduos do Municipio de Arouca CAPÍTULO II ARTIGO 1º Tarifário do Serviço de Gestão de Resíduos do Municipio de Arouca CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º 1. Nos termos do Regulamento Municipal de Resíduos Urbanos e Limpeza Urbana do Município de Arouca,

Leia mais

Planos de Promoção do

Planos de Promoção do Planos de Promoção do Desempenho Ambiental Sector eléctrico Balanço de 5 anos e novas regras 20 de Maio de 2008 Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos 1 Enquadramento 4 A tem as seguintes responsabilidades

Leia mais

INSTITUCIONAL. Eixo Prioritário 5 GOVERNAÇÃO E CAPACITAÇÃO. Operações no Domínio da Administração em Rede

INSTITUCIONAL. Eixo Prioritário 5 GOVERNAÇÃO E CAPACITAÇÃO. Operações no Domínio da Administração em Rede Eixo Prioritário 5 GOVERNAÇÃO E CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL Operações no Domínio da Administração em Rede Aviso para apresentação de candidaturas - Eixo Prioritário V Governação e Capacitação Institucional

Leia mais

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA O Sistema de Certificação de Entidades Formadoras, consagrado na Resolução do Conselho de Ministros nº 173/2007, que aprova

Leia mais

Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal

Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal Piracicaba, 07 de Agosto de 2013 Atuação da CAIXA Missão: Atuar na promoção da cidadania e do desenvolvimento sustentável

Leia mais

FUNDO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL

FUNDO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL FUNDO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL A realidade do concelho de Resende e as carências reais das suas populações mais desfavorecidas impõem que a Câmara Municipal, seu órgão representativo democraticamente eleito,

Leia mais

Id Serviços de Apoio

Id Serviços de Apoio Id Serviços de Apoio Cafetaria do Museu Calouste Gulbenkian e seu prolongamento no jardim. Serviços Centrais Valores em euros Encargos com pessoal 6 219 770 Despesas de funcionamento 9 606 628 Investimento

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NA ÁGUAS DO VOUGA

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NA ÁGUAS DO VOUGA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NA ÁGUAS DO VOUGA Tiago PARENTE 1 Fausto OLIVEIRA 2, RESUMO A promoção pela eficiência energética tem sido uma das medidas impostas pelas actuais políticas europeias com o objectivo

Leia mais

Mensagem do Presidente

Mensagem do Presidente Mensagem do Presidente MENSAGEM DO PRESIDENTE PRESTAÇÃO DE CONTAS 2014 www.cm-estarreja.pt Os documentos relativos ao Relatório de Atividades e Prestação de Contas 2014 do município de Estarreja têm, como

Leia mais

ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE LICENÇA DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DESCARGA DE ÁGUAS RESIDUAIS

ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE LICENÇA DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DESCARGA DE ÁGUAS RESIDUAIS ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE LICENÇA DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DESCARGA DE ÁGUAS RESIDUAIS I IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE Nome/Denominação social, identificação fiscal n.º, bilhete

Leia mais

Sines 06.05.2009. João Martins da Silva. Direcção de Marketing Corporativo

Sines 06.05.2009. João Martins da Silva. Direcção de Marketing Corporativo Sines 06.05.2009 João Martins da Silva Em resposta ao desafio global, a UE definiu um Plano Energético Europeu assente em 3 pilares Sustentabilidade Desenvolvimento de renováveis e fontes de baixo teor

Leia mais

QUEM FAZ A AVALIAÇÃO ENERGÉTICA E EMITE O CERTIFICADO?

QUEM FAZ A AVALIAÇÃO ENERGÉTICA E EMITE O CERTIFICADO? O QUE É UM CERTIFICADO ENERGÉTICO? Um Certificado Energético (CE) de um edifício ou fracção autónoma é o documento emitido no âmbito do Sistema Nacional de Certificação Energética e Qualidade do Ar Interior

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo os de Corrupção e Infracções conexas

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo os de Corrupção e Infracções conexas Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo os de Corrupção e Infracções conexas Relatório Anual O presente relatório pretende demonstrar o acompanhamento e a forma como os diversos serviços do Município

Leia mais

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE . Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete . Objectivos e Princípios Orientadores O Sistema de Informação e Comunicação (SIC) da Rede Social de Alcochete tem como objectivo geral

Leia mais

Regime jurídico da qualificação profissional dos técnicos responsáveis por projectos, pela fiscalização de obra e pela direcção de obra

Regime jurídico da qualificação profissional dos técnicos responsáveis por projectos, pela fiscalização de obra e pela direcção de obra Área de Prática - Imobiliário Julho 2009 Regime jurídico da qualificação profissional dos técnicos responsáveis por projectos, pela fiscalização de obra e pela direcção de obra A Lei n.º 31/2009, de 03.07.,

Leia mais

A auditoria à Conta Geral da. Regiã o Administrativa Especial de Macau. no â mbito da prestaçã o de contas

A auditoria à Conta Geral da. Regiã o Administrativa Especial de Macau. no â mbito da prestaçã o de contas A auditoria à Conta Geral da Regiã o Administrativa Especial de Macau no â mbito da prestaçã o de contas São Tomé e Príncipe, 11-14 de Outubro de 2010 VI Assembleia Geral da OISC/CPLP Índice 1. Introdução

Leia mais

Turismo de Portugal é pioneiro na sustentabilidade

Turismo de Portugal é pioneiro na sustentabilidade Divulgação do primeiro relatório Turismo de Portugal é pioneiro na sustentabilidade O Turismo de Portugal apresentou ontem o seu Relatório de Sustentabilidade, tornando-se no primeiro Instituto Público

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 1/2010

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 1/2010 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 1/2010 APROVADA POR DELIBERAÇÃO DA COMISSÃO DIRECTIVA DE 19-03-2010 Altera o nº 4 da Orientação de Gestão nº 7/2008 e cria o ANEXO III a preencher pelos Beneficiários para registo

Leia mais

Área Metropolitana do. Porto 2007-2013. Programa Territorial de Desenvolvimento

Área Metropolitana do. Porto 2007-2013. Programa Territorial de Desenvolvimento Área Metropolitana do Porto 2007-2013 Programa Territorial de Desenvolvimento Modernização do Governo Electrónico e melhoria da relação das empresas e dos cidadãos com a Administração Desconcentrada e

Leia mais

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA - SIADAP - ANO DE 2015 MISSÃO E OBJECTIVOS DAS UNIDADES ORGÃNICAS DOS SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DA MAIA, PARA O ANO DE 2015 DIVISÃO ECONÓMICA

Leia mais

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 23 10 2014 Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020 Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 Victor Francisco Gestão e Promoção da Inovação 21 de outubro

Leia mais

Missão: Melhorar a qualidade de vida dos munícipes e promover a modernização administrativa com vista à aproximação dos serviços aos cidadãos.

Missão: Melhorar a qualidade de vida dos munícipes e promover a modernização administrativa com vista à aproximação dos serviços aos cidadãos. OBJECTIVOS DAS UNIDADES ORGÂNICAS - 2011 MUNICÍPIO DA MARINHA GRANDE UNIDADE ORGÂNICA: Divisão de Ambiente, Serviços Urbanos e Protecção Civil Missão: Melhorar a qualidade de vida dos munícipes e promover

Leia mais

Nota técnica Março/2014

Nota técnica Março/2014 Nota técnica Março/2014 Sistemas de Saneamento no Brasil - Desafios do Século XXI João Sergio Cordeiro O Brasil, no final do ano de 2013, possuía população de mais de 200 milhões de habitantes distribuídos

Leia mais