discriminação e o preconceito que recai sobre o deficiente, garantindo a este sua integração ao meio social.

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "discriminação e o preconceito que recai sobre o deficiente, garantindo a este sua integração ao meio social."

Transcrição

1 Concurso Melhores Práticas do Ministério Público de Minas Gerais Vencendo o Desafio da Inclusão no Mundo do Trabalho Empregabilidade das Pessoas com Deficiência Novas Perspectivas Eixo temático na categoria extrajudicial: Efetividade dos Direitos Sociais Objeto: O trabalho tem por objeto uma atividade idealizada pela Promotoria Justiça Especializada na Defesa da Pessoa Portadora de Deficiência de Uberlândia, que há mais de 06 anos faz reuniões mensais com todos os segmentos da área da Pessoa Portadora de Deficiência. Em uma dessas reuniões foi apresentado às dificuldades do mercado de trabalho para a pessoa com deficiência, mesmo existindo as quotas nas empresas com mais de 100 empregados. Assim foi criada por esta Promotoria uma Comissão que foi denominada Comissão de Assessoria a Empregabilidade com a finalidade de preparação e encaminhamento da pessoa com deficiência para o mercado de trabalho, num processo inverso: a Comissão vai até a empresa, identifica às dificuldade apresentadas, capacita e encaminha a pessoa com deficiência compatível com o cargo oferecido e faz o acompanhamento. O trabalho é realizado com a parceria com o Ministério Público do Trabalho, Superintendência da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Urbana, da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social e Trabalho, do Núcleo de Apoio às Diferenças Humanas (NADH), da Sala Braille Inhazinha Vilela Biblioteca Pública Municipal de Uberlândia, do Conselho da Pessoa Portadora de Deficiência (COMPOD) e das Instituições de Atendimento às Pessoas como Deficiência. Essa proposta visa a inclusão das pessoas portadoras de deficiência no mercado de trabalho, por meio do desenvolvimento de uma política social que objetiva dissipar a

2 discriminação e o preconceito que recai sobre o deficiente, garantindo a este sua integração ao meio social. Há muito se vem discutindo sobre a necessidade de transformação no tratamento dado ao portador de deficiência, que apresenta dificuldade em algumas atividades, bem como facilidades em outra, como uma pessoa qualquer, que quer e pode assumir responsabilidades por suas próprias decisões. É finalidade da Comissão de Assessoria à Empregabilidade da Pessoa com Deficiência assessorar as empresas, principalmente as que já possuem TAC Termo de Ajustamento de Conduta celebrado com o pelo Ministério Público do Trabalho e demais empresas que disponibilizem vagas para a inclusão das pessoas com deficiência no mercado de trabalho, a capacitação dessas pessoas e implementação de políticas de responsabilidade social e cidadania, com a atuação conjunta dos empregadores e instituições de atendimento locais (ONG s). Essa prática contribui para a cidadania no Brasil ao possibilitar que as pessoas com deficiência seja capacitadas e incluídas no mercado de trabalho, já que várias empresas ainda não conseguem cumprir a reserva legal de cargos e por outro lado as pessoas com deficiência em idade economicamente ativa não possuem a escolaridade desejada ou a experiência profissional, motivado por fatores diversos que contribuíram para a sua não inserção na vida social e econômica do país. As ações para a plena inclusão das pessoas com deficiência são bastante recentes, o que lhes dificultaram à época a complementação da escolaridade e sua qualificação profissional. A inclusão do portador de deficiência no mercado de trabalho significa a evolução de uma sociedade que se preocupa com os anseios de seus cidadãos e com o atendimento das necessidades de todos. Mostrar com dignidade a realidade da deficiência, bem como valorizar as diferenças e necessidades decorrentes da mesma não é apenas ter consciência dos direitos que a pessoa portadora de deficiência possui, sendo necessário a realização de atividades que efetivem essas garantias previstas constitucionalmente e infraconstitucionalmente.

3 Nesse sentido, é fácil perceber que há sim dificuldades para a inclusão do deficiente no mercado de trabalho. Contudo, este problema advém de fatores outros criados tanto pelas empresas empregadoras, quanto pelas próprias pessoas portadoras de deficiência, seja pelo fato das empresas precisarem de uma estrutura para receber estas, que por sua vez necessitam de capacitação para desenvolver seu lado laborativo e ocuparem as vagas ofertadas. A conjugação de esforços de vários órgãos, entidades e ONG s além de cumprir a determinação legal que instituiu a reserva de cargos, possibilita a criação de um mercado de trabalho inclusivo, com o respeito à cidadania e à dignidade das pessoas com deficiência e seu direito ao trabalho, sobretudo daquelas com deficiência mais graves ou pertencentes a segmentos mais excluídos, como os deficientes visuais e intelectuais. A experiência obtida no contato com as empresas apontou a dificuldade em acompanhar o processo admissional, intermediando as vagas entre as empresas e as instituições, bem como a utilização do banco de dados, em razão da falta de recursos humanos e materiais, já que todos os integrantes da Comissão são voluntários. Outra dificuldade é a resistência de alguns empregadores quanto à adaptação e implementação de ações inclusivas nas empresas. Por fim, demais fatores como falta de informações, de acessibilidade nos espaços das empresas, preconceito, invisibilidade das pessoas com deficiência, assistencialismo, falta de apoio familiar, o BPC, dentre outros ainda dificultam a efetivação dos objetivos da Comissão. E é frente a essa dificuldade de relacionamento entre as pessoas com deficiência e as empresas, que cabe aos órgãos governamentais, bem como as instituições que auxiliam no funcionamento e atendimento das necessidades públicas e coletivas, buscar a capacitação dos portadores de deficiência com a atuação conjunta das empresas, garantindo a acessibilidade lato senso para que todos consigam alcançar o interesse comum, qual seja formar e integrar cidadãos dignos do trabalho diário.

4 Objetivos: É objetivo do presente trabalho auxiliar as empresas empregadoras principalmente as que já assinaram Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) no cumprimento da reserva de cargos e vagas, juntamente com a realização de cursos de capacitação das pessoas portadoras de deficiência em uma atuação conjunta do empregador e das instituições de atendimento a pessoa portadora de deficiência em Uberlândia, por meio da atualização de banco de dados com informações pessoais e profissionais das pessoas com deficiência associadas às instituições de atendimentos em Uberlândia; do atendimento às empresas empregadoras; e, da realização de cursos de qualificação. A atuação conjunta dos órgãos e entidades locais para a concretização do objetivo proposto à Comissão é um fator de sucesso, sendo que já foram beneficiados direta ou indiretamente mais de 600 pessoas. A Comissão criada por esta Promotoria conta com representantes da instituições que trabalham com a pessoa portadora de deficiência auditiva, física, intelectual e visual do município, além do Conselho Municipal da Pessoa Portadora de Deficiência e da Superintendência da Pessoa com Deficiência. Destaca-se, ainda, a produção do documentário em vídeo Vencendo o desafio da inclusão no Mundo do Trabalho (em anexo) também como um fator de sucesso para a Comissão, a medida em que permitiu a mobilização e conscientização junto às empresas, familiares e as próprias pessoas como deficiência sobre a importância do trabalho e o seu potencial produtivo. A Comissão de Assessoria à Empregabilidade da Pessoa com Deficiência direcionou suas atividades para a realização de treinamentos para os gestores e principalmente para os responsáveis pelo setor de recursos humanos das empresas, visando à sensibilização e esclarecimentos quanto à contratação da pessoas com deficiência. Além disso, a Comissão atua na divulgação das Vagas ofertadas e acompanha os encaminhamentos feitos pelas instituições, auxiliando conforme o caso no mapeamento dos cargos e perfil dos candidatos que melhor atendam à empresa e se

5 enquadrem nas possibilidades do segmento. Compete-lhe ainda acompanhar o desempenho profissional dos empregados após a contratação e manter banco de dados atualizados com informações das pessoas encaminhadas. Por fim, a Comissão realiza a viabilização de cursos de capacitação, qualificação e formação escolar (supletivo) para as pessoas com deficiência dos vários seguimentos. Metodologia: Neste trabalho, de acordo com o relatório das atividades da Comissão de Assessoria à Empregabilidade da Pessoa com Deficiência, as propostas a serem desenvolvidas para efetivação dos objetivos projetados e realizados permanente desde 2010 são as seguintes: 1) Estabelecer como prioridade à intervenção junto as Empresas com TAC, para visitas, orientações, treinamentos e qualificação de pessoas com deficiência para atendê-las; 2) Receber as solicitações de encaminhamento e orientações de todas as Empresas, sem TAC, encaminhando as mesmas às instituições, para atenderem as suas necessidades de contratação de pessoas; 3) Monitorar e acompanhar o trabalho das instituições mensalmente, verificando a movimentação na intermediação de candidatos e solicitando a atualização das informações no mesmo período; 4) Levantar junto às instituições suas dificuldades na intermediação de candidatos com deficiência em conjunto com as empresas empregadoras. A Comissão é formada por membros voluntários das instituições que trabalham com a pessoa com deficiência auditiva, física, intelectual e visual do município, por isso não possui recursos financeiros disponíveis, sendo que cada integrante arca com seus gastos com deslocamento, material de escritório etc. os cursos de capacitação são financiados por verbas decorrentes de multas aplicadas às empresas por violação à reserva legal de cargos.

6 Resultados: A Comissão iniciou suas atividades coma a criação do Banco de Dados relatórios com informações pessoais e profissionais das pessoas com deficiência associadas às instituições de atendimento e aptas a ingressar no mercado de trabalho, com a finalidade de acompanhar a sua rotatividade, o seu nível de escolaridade, os motivos das demissões etc. posteriormente foi produzido o documentário Vencendo o desafio da inclusão no mundo do trabalho. Ainda, a partir da elaboração de seus instrumentais (formulários, proposta de trabalho, relatórios, dinâmicas, vivências etc) a Comissão passou a reunir-se com empresas para apresentar seu trabalho; realizar visitas in locu para a análise de vagas e dos locais de trabalho; realizar orientação, discussão e vivência da inclusão das pessoas com deficiência no mercado de trabalho, para gestores e colaboradores dos setores de recursos humanos, segurança do trabalho e jurídico das empresas, incluindo a redução da mobilidade dos participantes e execução de tarefas, apresentação de vídeo e do documentário elaborado pela Comissão, dinâmicas e palestras sobre o processo de seleção, contratação e convivência com o colaborador com deficiência, visando à sensibilização e esclarecimentos quanto à contratação. Além disso, a Comissão realizou atendimento de empresas em geral, através do encaminhamento das vagas disponíveis às instituições, para que elas encaminhassem os candidatos, com o acompanhamento. Por fim, a Comissão promoveu, os seguintes cursos: Cursos de Capacitação: 1) Práticas para o trabalho e Informática básica para as pessoas com deficiência visual, finalizando com 15 pessoas capacitadas; 2) Curso de Designer Gráfico para pessoas com deficiência auditiva, totalizando 14 pessoas capacitadas; 3) Curso supletivo Ensino Fundamental (TELECU RSO) para 20 pessoas com deficiência física e reabilitados do INSS (2), por meio de convênio firmado entre uma ONG e uma instituição credenciada para ministrar este curso;

7 4) Curso Qualificando para Empregar (Rotinas Administrativas e informáticas) para 10 pessoa com deficiência física, também implementado através de convênio. O exercício da Comissão de Assessoria à Empregabilidade da Pessoa com Deficiência está em andamento desde 2010, sendo uma atividade permanente de inclusão das pessoas portadoras de deficiência no mercado de trabalho. Em síntese, o ultimo relatório das atividades da referida Comissão realizadas em 2011, em face das propostas que foram apresentadas, têm-se os seguintes levantamentos: 1) Conforme atividade prioritária, houve a intervenção junto ao Grupo Algar; 2) Foram atendidas seis empresas que não possuem TAC, conforme o procedimento definido pela Comissão; 3) Estima-se que tenha sido atingido o universo de 600 beneficiários diretos nas atividades desenvolvidas pela Comissão, incluindo-se pessoas encaminhadas para o mercado; pessoas capacitadas; empresas atendidas quanto à solicitação de vagas, treinamentos e orientações; É importante frisar que a Comissão se reúne na sede do Ministério Público Estadual, especificamente na Promotoria Especializada Defesa da Pessoa com Deficiência pelo menos uma vez por mês ordinariamente e também são realizados encontros nas sedes das empresas. Todo o trabalho é voluntário, não existindo qualquer remuneração para seus membros. Paralelamente, esta Promotoria Especializada Defesa da Pessoa com Deficiência continua realizando as reuniões com todas as instituições, Conselho Municipal da Pessoa com Deficiência e Superintendência da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Urbana, da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social e Trabalho todas 1ª terçasfeiras de cada mês.

8 TRANSPORTE PÚBLICO ACESSÍVEL Outro ponto a ser ressaltado é o TRANSPORTE PÚBLICO para a pessoa com deficiência uma vez que não adiantaria ter a vaga no trabalho se não houvesse o transporte acessível. Devido a um TAC firmado nesta Promotoria com o município e as empresas concessionárias, Uberlândia é hoje a única cidade do Brasil onde o transporte público é todo acessível. Temos hoje a frota 100% acessível, todos com elevadores e com ônibus com apenas 3 anos de uso, em média. Também são transportados, em vans adaptadas, mais de 850 pessoas diariamente, que não conseguem utilizar o transporte público, por problemas de maior gravidade. Com isso, Uberlândia ganhou reconhecimento e projeção mundial, tendo recebido o Certificado 100% Acessible Public Transportation in Uberlândia: Free Path to Social Inclusion, Brazil O Prêmio Internacional, de Dubai para Boas Práticas é vinculado ao Programa das Nações Unidas para Assentamentos Humanos (UM- Habitat). O prêmio é concedido às cidades e países que se destacam em seus trabalhos de boas práticas para melhorar a qualidade de vida da população em diferentes áreas. Enfim, esta é uma síntese desse Projeto criado por esta Promotoria que vem dando resultados excelentes, devido às parcerias criadas com o Ministério Público do Trabalho, Conselho Municipal da Pessoa com Deficiência, Superintendência da Pessoa com Deficiência, entidades que trabalham com a Pessoa com Deficiência (visual, auditivo, físico e mental), demonstrando que o Promotor de Justiça possui sua responsabilidade social e deve trabalhar para uma Sociedade melhor e mais justa. (vídeo - parte 1) (vídeo - parte 2)

Instituto Educacional Santa Catarina. Faculdade Jangada. Atenas Cursos

Instituto Educacional Santa Catarina. Faculdade Jangada. Atenas Cursos Instituto Educacional Santa Catarina Faculdade Jangada Atenas Cursos Curso de Capacitação em AEE Aluna: Analice Poleto Passo Fundo, 21 de maio de 2015 1-Tema: O deficiente eo mercado de trabalho 2- Problema:

Leia mais

PACTO COLETIVO DE TRABALHO PROGRAMA DE INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

PACTO COLETIVO DE TRABALHO PROGRAMA DE INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA PACTO COLETIVO DE TRABALHO PROGRAMA DE INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Entre as partes, de um lado o, SINAENCO - SINDICATO NACIONAL DAS EMPRESAS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA, inscrito no

Leia mais

EDITAL Bolsas FAPTO/TE-PNCA - Nº 002/2011 ANEXO III. Título do Projeto: Transporte Escolar Pesquisa Nacional Custo Aluno

EDITAL Bolsas FAPTO/TE-PNCA - Nº 002/2011 ANEXO III. Título do Projeto: Transporte Escolar Pesquisa Nacional Custo Aluno EDITAL Bolsas FAPTO/TE-PNCA - Nº 002/2011 ANEXO III Título do Projeto: Transporte Escolar Pesquisa Nacional Custo Aluno Identificação do Proponente: Universidade Federal do Tocantins por meio do Núcleo

Leia mais

Resultados do Serviço Preparação para o Primeiro Emprego

Resultados do Serviço Preparação para o Primeiro Emprego Resultados do Serviço Preparação para o Primeiro Emprego Ano 2014 Administração: Rodrigo Antônio de Agostinho Mendonça Secretária do Bem Estar Social: Darlene Martin Tendolo Diretora de Departamento: Silmaire

Leia mais

RESIDÊNCIA EM GESTÃO DE TI

RESIDÊNCIA EM GESTÃO DE TI RESIDÊNCIA EM GESTÃO DE TI Proposta de Programa de Pós-Graduação Lato Sensu, em Nível de Especialização Identificação do Programa Denominação: Programa de Residência em Gestão de TI Natureza: Semi-presencial,

Leia mais

A INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO: UMA REALIDADE POSSÍVEL

A INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO: UMA REALIDADE POSSÍVEL A INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO: UMA REALIDADE POSSÍVEL Priscila Mallmann Bordignon Mestre em Educação pelo Centro Universitário La Salle (UNILASALLE). e Terapeuta Ocupacional

Leia mais

c) Aplicar os princípios de pesquisa operacional mediante:

c) Aplicar os princípios de pesquisa operacional mediante: GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE ATRIBUIÇÕES DOS PROFISSIONAIS DA EQUIPE DE SAÚDE PROGRAMA MUNICIPAL DE CONTROLE DA HANSENÍASE 1. Atribuições

Leia mais

REABILITAÇÃO PROFISSIONAL. INSS- Gex RJ Norte

REABILITAÇÃO PROFISSIONAL. INSS- Gex RJ Norte REABILITAÇÃO PROFISSIONAL INSS- Gex RJ Norte Auxílio Doença do Segurado Empregado Acidente/Doença Incapacidade laborativa Afastamento > 15 dias Auxílio Auxílio Doença Segurado em Auxílio Doença Estabilização

Leia mais

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA VOLUNTÁRIO PIC DIREITO/UniCEUB EDITAL DE 2016

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA VOLUNTÁRIO PIC DIREITO/UniCEUB EDITAL DE 2016 PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA VOLUNTÁRIO PIC DIREITO/UniCEUB EDITAL DE 2016 O reitor do Centro Universitário de Brasília UniCEUB, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, torna público que

Leia mais

DEFICIÊNCIA E EMPREGO Vinte e quatro anos depois da criação da lei de cotas, número de empregos ainda é relativamente baixo

DEFICIÊNCIA E EMPREGO Vinte e quatro anos depois da criação da lei de cotas, número de empregos ainda é relativamente baixo Setembro 2015 DEFICIÊNCIA E EMPREGO Vinte e quatro anos depois da criação da lei de cotas, número de empregos ainda é relativamente baixo Pelo menos uma em cada cinco pessoas no país, ou mais de 45 milhões

Leia mais

A EDUCAÇÃO E PROFISSIONALIZAÇÃO DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

A EDUCAÇÃO E PROFISSIONALIZAÇÃO DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA 1 A EDUCAÇÃO E PROFISSIONALIZAÇÃO DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Eliane de Sousa Nascimento 1 Theresinha Guimarães Miranda 2 Introdução A educação, a organização política e o trabalho são formas de participação

Leia mais

08/11/2004. Discurso do Presidente da República

08/11/2004. Discurso do Presidente da República Discurso do presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na abertura da 4ª reunião do Grupo de Alto Nível do Programa Educação para Todos da Unesco Palácio Itamaraty, 08 de novembro de 2004 Senhor

Leia mais

CARTA DE NATAL. Nós, autodefensores presentes no 7 Fórum Nacional de Autogestão, Autodefensoria e Família em Natal-RN reivindicamos:

CARTA DE NATAL. Nós, autodefensores presentes no 7 Fórum Nacional de Autogestão, Autodefensoria e Família em Natal-RN reivindicamos: CARTA DE NATAL Nós, autodefensores presentes no 7 Fórum Nacional de Autogestão, Autodefensoria e Família em Natal-RN reivindicamos: ACESSIBILIDADE Que as políticas públicas de acessibilidade sejam respeitadas

Leia mais

Escola São Paulo de Ciência Avançada - 4ª Chamada (Chamada FAPESP 18/2011)

Escola São Paulo de Ciência Avançada - 4ª Chamada (Chamada FAPESP 18/2011) FAPESP :: Home» Chamadas de Propostas Escola São Paulo de Ciência Avançada - 4ª Chamada (Chamada FAPESP 18/2011) Auxílio à Pesquisa Organização de Evento Científico Escola São Paulo de Ciência Avançada

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº BRASÍLIA DF

RESOLUÇÃO Nº PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº BRASÍLIA DF RESOLUÇÃO Nº PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº -.2011.6.00.0000 BRASÍLIA DF Relator: Ministro Interessado: Tribunal Superior Eleitoral Institui o Programa de Acessibilidade da Justiça Eleitoral e dá outras providências.

Leia mais

Norma CNEN para. Concessão de Bolsas no País

Norma CNEN para. Concessão de Bolsas no País Norma CNEN para Concessão de Bolsas no País NORMA CNEN PARA CONCESSÃO DE BOLSAS DE ESTUDO NO PAÍS SUMÁRIO ITEM PÁGINA 1. Da Finalidade, Campo de Aplicação e Conceitos Gerais 2 1.1 Da Finalidade 2 1.2 Do

Leia mais

PROCESSO SELETIVO N 02-2011 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL

PROCESSO SELETIVO N 02-2011 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL PROCESSO SELETIVO N 02-2011 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL A unidade nacional do Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo - Sescoop, personalidade jurídica de direito privado, sem fins lucrativos,

Leia mais

EDITAL DE CREDENCIAMENTO N 002/2013 - OFICINAS E PALESTRAS PARA INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E SERVIÇOS DE ACESSIBILIDADE O SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM DO COOPERATIVISMO NO ESTADO DE SÃO PAULO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO UNIVERSITÁRIO. ANEXO I DA RESOLUÇÃO Nº. 02/2014 CUn

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO UNIVERSITÁRIO. ANEXO I DA RESOLUÇÃO Nº. 02/2014 CUn ANEXO I DA RESOLUÇÃO Nº. 02/2014 CUn PLANO DE CAPACITAÇÃO DE SERVIDORES DESTA UNIVERSIDADE 1. APRESENTAÇÃO O Plano de Cargos e Carreiras do Pessoal Técnico-Administrativo em Educação (PCCTAE) foi implantado

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO DA ESCOLA INCLUSIVA. Marcos Legais Resolução CNE-CES 1-2001 Resolução CNE-CES 1-2007 PROJETO PEDAGÓGICO

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO DA ESCOLA INCLUSIVA. Marcos Legais Resolução CNE-CES 1-2001 Resolução CNE-CES 1-2007 PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO DA ESCOLA INCLUSIVA Marcos Legais Resolução CNE-CES 1-2001 Resolução CNE-CES 1-2007 PROJETO PEDAGÓGICO Campo Limpo Paulista 2016 1 CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO

Leia mais

INCLUSÃO SOCIAL DO DEFICIENTE POR MEIO DO AMPARO JURÍDICO

INCLUSÃO SOCIAL DO DEFICIENTE POR MEIO DO AMPARO JURÍDICO INCLUSÃO SOCIAL DO DEFICIENTE POR MEIO DO AMPARO JURÍDICO Vanessa Cristina Lourenço Casotti Ferreira da Palma Doutoranda em Educação pelo Programa de Pós Graduação em Educação - PPGEdu da Faculdade de

Leia mais

A RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL NO CONTEXTO DO PODER JUDICIÁRIO

A RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL NO CONTEXTO DO PODER JUDICIÁRIO A RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL NO CONTEXTO DO PODER JUDICIÁRIO Renatto Marcello de Araujo Pinto Comitê Gestor da PNRSJT Comissão de Responsabilidade Socioambiental DILEMAS DO DESENVOLVIMENTO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Projeto Facipe Carreiras POLÍTICAS ACADÊMICAS

Projeto Facipe Carreiras POLÍTICAS ACADÊMICAS Projeto Facipe Carreiras POLÍTICAS ACADÊMICAS 2 Sumário Introdução... 3 Objetivos do Programa... 3 Objetivo Geral... 4 Objetivos Específicos... 4 Sistematização do Programa... 4 3 Introdução A Faculdade

Leia mais

Conselho Municipal de Habitação

Conselho Municipal de Habitação Conselho Municipal de Habitação O que é o Conselho Municipal de Habitação? Canal institucional de participação da população na gestão habitacional da cidade. Caráter deliberativo, fiscalizador e consultivo.

Leia mais

Escritório Modelo de Administração da Faculdade de Araçatuba - EMAFAAR

Escritório Modelo de Administração da Faculdade de Araçatuba - EMAFAAR Escritório Modelo de Administração da Faculdade de Araçatuba - EMAFAAR Profª. Carla Noli Bisco Flozi Coordenação de Curso Profª. Andresa Canola Coordenação do EMAFAAR ARAÇATUBA, 2016 Introdução Atualmente

Leia mais

Pólos de Educação Permanente em Saúde: a participação na Roda de Gestão

Pólos de Educação Permanente em Saúde: a participação na Roda de Gestão Pólos de Educação Permanente em Saúde: a participação na Roda de Gestão Introdução Em 13 de fevereiro de 2004 o Ministério da Saúde emite a Portaria Nº 198/GM/MS instituindo a Política Nacional de Educação

Leia mais

PROGRAMA BRIGADAS ESCOLARES DEFESA CIVIL NA ESCOLA

PROGRAMA BRIGADAS ESCOLARES DEFESA CIVIL NA ESCOLA PROGRAMA BRIGADAS ESCOLARES DEFESA CIVIL NA ESCOLA DE BARROS, Edemílson 1 barros@pm.pr.gov.br RESUMO O Programa Brigadas Escolares Defesa Civil na Escola é uma parceria da Casa Militar da Governadoria

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE PERNAMBUCO Comissão Multidisciplinar de Acessibilidade PROGRAMA DE ACESSIBILIDADE DA JUSTIÇA ELEITORAL DE PERNAMBUCO

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE PERNAMBUCO Comissão Multidisciplinar de Acessibilidade PROGRAMA DE ACESSIBILIDADE DA JUSTIÇA ELEITORAL DE PERNAMBUCO REQUISITO - Art. 3º: Objetivando a plena acessibilidade nos locais de votação, os Tribunais Regionais Eleitorais, em conjunto com as respectivas Zonas Eleitorais, elaborarão plano de ação destinado a:

Leia mais

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Nº 0558-2009-01 MÉDICO FISIATRA DS/REABILITAÇÃO R$ 4.105,18-20 horas semanais SESI-SP

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Nº 0558-2009-01 MÉDICO FISIATRA DS/REABILITAÇÃO R$ 4.105,18-20 horas semanais SESI-SP EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Nº 0558-2009-01 MÉDICO FISIATRA DS/REABILITAÇÃO R$ 4.105,18-20 horas semanais SESI-SP A Diretoria de Recursos Humanos do SESI-SP abre inscrições para candidatos interessados

Leia mais

Sumarização Gráfica do Questionário Sócioeducacional

Sumarização Gráfica do Questionário Sócioeducacional Questão: 1 Qual o nível de instrução do seu pai? Página 1 de 19 21/9/211 17:21:44 A Sem Escolaridade 527 B Nível fundamental incompleto (1º Grau) 3773 C Nível fundamental completo (1º Grau) 163 D Nível

Leia mais

O BENEFÍCIO DA PRESTAÇÃO CONTINUADA FRENTE À CONVENÇÃO SOBRE DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA. Maria Aparecida Gugel 1

O BENEFÍCIO DA PRESTAÇÃO CONTINUADA FRENTE À CONVENÇÃO SOBRE DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA. Maria Aparecida Gugel 1 O BENEFÍCIO DA PRESTAÇÃO CONTINUADA FRENTE À CONVENÇÃO SOBRE DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Maria Aparecida Gugel 1 A Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência A Convenção sobre os

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA 1. Projeto: OEI/BRA/09/004 - Aprimoramento da sistemática de gestão do Ministério da Educação (MEC) em seus processos de formulação, implantação e

Leia mais

DIVISÃO DE RECURSOS HUMANOS (DRH)

DIVISÃO DE RECURSOS HUMANOS (DRH) MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO DIVISÃO DE RECURSOS HUMANOS (DRH) A Divisão de Recursos Humanos (DRH) e suas Seções são responsáveis pelas demandas referentes

Leia mais

Contribuição da União, de suas Autarquias e Fundações para o Custeio do Regime de Previdência dos Servidores Públicos Federais

Contribuição da União, de suas Autarquias e Fundações para o Custeio do Regime de Previdência dos Servidores Públicos Federais Programa 1374 Desenvolvimento da Educação Especial Ações Orçamentárias Número de Ações 15 05110000 Apoio ao Desenvolvimento da Educação Especial Projeto apoiado Unidade de Medida: unidade UO: 26298 FNDE

Leia mais

Lato Sensu da FGV Management Rio compreende uma análise curricular. Desta forma, solicitamos o

Lato Sensu da FGV Management Rio compreende uma análise curricular. Desta forma, solicitamos o Prezado (a) Sr.(a.), Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS DA SAÚDE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS DA SAÚDE Página 1 de 5 PROCESSO DE SELEÇÃO PARA O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE - 2015 - O Programa de Pós-Graduação da Universidade Federal do Paraná está abrindo inscrições para

Leia mais

DECRETO Nº 239/2015. Aprova o Regimento Interno do Conselho Municipal de Anti Drogas (COMAD) de Gramado.

DECRETO Nº 239/2015. Aprova o Regimento Interno do Conselho Municipal de Anti Drogas (COMAD) de Gramado. DECRETO Nº 239/2015 Aprova o Regimento Interno do Conselho Municipal de Anti Drogas (COMAD) de Gramado. NESTOR TISSOT, Prefeito Municipal de Gramado, no uso de suas atribuições legais, de acordo com a

Leia mais

ANÁLISE DA ACESSIBILIDADE E INCLUSÃO DE DEFICIENTES FÍSICOS E/OU MOBILIDADE REDUZIDA PERANTE O CONHECIMENTO DOS ESTUDANTES DO CURSO DE ENGENHARIA

ANÁLISE DA ACESSIBILIDADE E INCLUSÃO DE DEFICIENTES FÍSICOS E/OU MOBILIDADE REDUZIDA PERANTE O CONHECIMENTO DOS ESTUDANTES DO CURSO DE ENGENHARIA ANÁLISE DA ACESSIBILIDADE E INCLUSÃO DE DEFICIENTES FÍSICOS E/OU MOBILIDADE REDUZIDA PERANTE O CONHECIMENTO DOS ESTUDANTES DO CURSO DE ENGENHARIA Franciele Martins Marqueze Gabriel Henrique de Oliveira

Leia mais

REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS CURRICULARES E NÃO CURRICULARES DOS CURSOS DIURNO E NOTURNO DE ODONTOLOGIA. CAPÍTULO I Da caracterização

REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS CURRICULARES E NÃO CURRICULARES DOS CURSOS DIURNO E NOTURNO DE ODONTOLOGIA. CAPÍTULO I Da caracterização REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS CURRICULARES E NÃO CURRICULARES DOS CURSOS DIURNO E NOTURNO DE ODONTOLOGIA. CAPÍTULO I Da caracterização Art. 1º Estágio curricular obrigatório é aquele definido como tal no projeto

Leia mais

Informativo Semente Esperança

Informativo Semente Esperança Campinas, fevereiro de 2016-1ª edição Informativo Semente Esperança Ano Novo... 2016 começa e com ele trazemos nossos desafios, sonhos, esperanças e todo o amor para poder transformar, a nós mesmos e àqueles

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Normativo Interno Nº Páginas 12 (Doze) Caráter Data da Aprovação Promotor: Aprovado por: Política de Responsabilidade Socioambiental 30/09/2.015 Departamento

Leia mais

Sustentabilidade no Setor Público, A3P e Planos de Logística Sustentável

Sustentabilidade no Setor Público, A3P e Planos de Logística Sustentável Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental SAIC Departamento de Produção e Consumo Sustentável DPCS Sustentabilidade no Setor Público, A3P e Planos de Logística

Leia mais

Política Institucional de Responsabilidade Socioambiental Mercantil do Brasil

Política Institucional de Responsabilidade Socioambiental Mercantil do Brasil Política Institucional de Responsabilidade Socioambiental Mercantil do Brasil versão 1.0 Belo Horizonte Julho - 2015 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 2 2. ABRANGÊNCIA... 3 3. ESTRUTURA DE GOVERNANÇA CORPORATIVA...

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL - PRSA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL - PRSA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL - PRSA A presente política foi elaborada pela PLANNER e é documento complementar ao procedimento interno, sendo proibida sua reprodução total ou parcial, de

Leia mais

FACULDADE ATENEU - FATE REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE

FACULDADE ATENEU - FATE REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE FACULDADE ATENEU - FATE REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE FORTALEZA - CE 2017 2 SUMÁRIO CAPÍTULO I... 3 DAS DISPOSIÇÕES GERAIS, DA FINALIDADE E OBJETIVOS... 3 CAPÍTULO II... 4 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL...

Leia mais

A INCLUSÃO NO ENSINO SUPERIOR: IMPLANTAÇÃO DE POLÍTICAS DE ACESSIBILIDADE NA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO.

A INCLUSÃO NO ENSINO SUPERIOR: IMPLANTAÇÃO DE POLÍTICAS DE ACESSIBILIDADE NA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. A INCLUSÃO NO ENSINO SUPERIOR: IMPLANTAÇÃO DE POLÍTICAS DE ACESSIBILIDADE NA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. contato@acessibilidade.ufrj.br Quem somos nós? Fórum Permanente UFRJ Acessível e Inclusiva,

Leia mais

INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOCIÊNCIAS NORMA 110

INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOCIÊNCIAS NORMA 110 1 INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOCIÊNCIAS NORMA 110 A Comissão de Pós-Graduação em Geociências PPGGEO/IG/UFRGS, edita a presente Norma que define as novas regras para o Credenciamento

Leia mais

REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA SUBCOMISSÃO PERMANENTE DE ASSUNTOS SOCIAIS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA SUBCOMISSÃO PERMANENTE DE ASSUNTOS SOCIAIS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA SUBCOMISSÃO PERMANENTE DE ASSUNTOS SOCIAIS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA AUDIÊNCIA PÚBLICA - Atendendo aos Requerimentos ns. 14, 19 e 31, de 2010, CAS Autoria: Senador Flávio Arns

Leia mais

PESQUISADORES RESPONSÁVEIS

PESQUISADORES RESPONSÁVEIS PESQUISADORES RESPONSÁVEIS Professora Doutora Regina Vieira Cavalcante da Silva - Professora Adjunto do Departamento de Pediatria - Hospital de Clínicas - Universidade Federal do Paraná (reginavcs@uol.com.br)

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental Criação: junho/2015 Page 1 of 5 1. OBJETIVOS A Política de Responsabilidade Socioambiental ( PRSA ou Política ) tem o objetivo de estabelecer os princípios,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Desenvolvimento do curso de formação de consultores

TERMO DE REFERÊNCIA. Desenvolvimento do curso de formação de consultores TERMO DE REFERÊNCIA Instituição Projeto Origem dos recursos Objetivo Confederação das Associações Comerciais e Empresariais do Brasil CACB Empreender Convencional Desenvolvimento do curso de formação de

Leia mais

REGULAMENTO NÚCLEO DE ATENDIMENTO EDUCACIONAL AO DISCENTE FACULDADE CNEC ILHA DO GOVERNADOR

REGULAMENTO NÚCLEO DE ATENDIMENTO EDUCACIONAL AO DISCENTE FACULDADE CNEC ILHA DO GOVERNADOR REGULAMENTO NÚCLEO DE ATENDIMENTO EDUCACIONAL AO DISCENTE FACULDADE CNEC ILHA DO GOVERNADOR Núcleo de Atendimento Educacional ao Discente NAED Regulamento CAPÍTULO I DA NATUREZA E OBJETIVOS DO NAED Art.

Leia mais

Programa Corporativo de Acessibilidade

Programa Corporativo de Acessibilidade Case Acessibilidade Programa Corporativo de Acessibilidade Introdução e Justificativa O Programa Corporativo de Acessibilidade, instituído em 2007, é um conjunto de iniciativas, ações e projetos da Copel

Leia mais

COMISSÃO DE FUNDO, ORÇAMENTO E RECURSOS PÚBLICOS. 28 ª Reunião Ordinária 13/08/2015

COMISSÃO DE FUNDO, ORÇAMENTO E RECURSOS PÚBLICOS. 28 ª Reunião Ordinária 13/08/2015 COMISSÃO DE FUNDO, ORÇAMENTO E RECURSOS PÚBLICOS 28 ª Reunião Ordinária 13/08/2015 Pauta: Execução dos recursos do Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Belo Horizonte FMDCA/BH. Fundo

Leia mais

A Mongeral Aegon é a seguradora mais antiga do Brasil em atividade contínua;

A Mongeral Aegon é a seguradora mais antiga do Brasil em atividade contínua; QUEM SOMOS A Mongeral Aegon é a seguradora mais antiga do Brasil em atividade contínua; Especializada em Vida e Previdência, possui portfólio completo para assegurar nossos clientes e seus familiares dos

Leia mais

Rede Empresarial de Inclusão Social

Rede Empresarial de Inclusão Social Rede Empresarial de Inclusão Social Rede Empresarial de Inclusão Social O que fizemos 2 de Maio 4 de Maio 11 de Maio 18 de Maio 25 de Maio 1º de Junho 26º Fórum de Empregabilidade Avaliação do 26º Fórum

Leia mais

Recrutamento & Seleção

Recrutamento & Seleção Recrutamento & Seleção de Pessoas com Deficiência Centro de Vida Independente do Rio de Janeiro CONTEXTO Pessoas com Deficiência e o Mercado de Trabalho Pessoas com Deficiência CONTEXTO Pessoas com deficiência

Leia mais

BIC AMAZÔNIA S.A. RELATÓRIO DE DESEMPENHO SOCIAL JANEIRO DE 2016 I - APRESENTAÇÃO

BIC AMAZÔNIA S.A. RELATÓRIO DE DESEMPENHO SOCIAL JANEIRO DE 2016 I - APRESENTAÇÃO BIC AMAZÔNIA S.A. RELATÓRIO DE DESEMPENHO SOCIAL JANEIRO DE 2016 I - APRESENTAÇÃO A unidade BIC Amazônia está localizada na cidade de Manaus, no Estado do Amazonas, onde são produzidos canetas, lápis,

Leia mais

MANUAL DE COMPLIANCE DOCUMENTOS DE CONTROLES INTERNOS

MANUAL DE COMPLIANCE DOCUMENTOS DE CONTROLES INTERNOS 1 / 5 FINALIDADE Documentar o processo e as diretrizes da politica de FATES (Fundo de Assistência Técnica, Educacional e Social), estabelecendo responsabilidades, ambiência, regras de aprovação, destinação

Leia mais

Michele da Silva Nimeth Riella. Coordenadoria de Concursos, Mobilidade e Acompanhamento

Michele da Silva Nimeth Riella. Coordenadoria de Concursos, Mobilidade e Acompanhamento A ATUAÇÃO DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL DE ACESSIBILIDADE (EMA) NA CARREIRA DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Michele da Silva Nimeth Riella Coordenadoria

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 98, DE 15 DE AGOSTO DE 2012

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 98, DE 15 DE AGOSTO DE 2012 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 98, DE 15 DE AGOSTO DE 2012 Dispõe sobre procedimentos de fiscalização do cumprimento, por parte dos empregadores, das normas destinadas à inclusão no trabalho das pessoas com deficiência

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA EM UMA ESCOLA PÚBLICA NO MUNICIPIO DE XINGUARA/PA¹

EDUCAÇÃO INCLUSIVA EM UMA ESCOLA PÚBLICA NO MUNICIPIO DE XINGUARA/PA¹ EDUCAÇÃO INCLUSIVA EM UMA ESCOLA PÚBLICA NO MUNICIPIO DE XINGUARA/PA¹ Vilmones da Silva 1. Marlise Geller 2 RESUMO: Neste artigo será apresentado e explanado a Educação Inclusiva nas Escolas da Rede Pública

Leia mais

Estrutura do programa:

Estrutura do programa: Diagnóstico Na Empresa X existe o projeto de inclusão de pessoas com deficiência, porém as pessoas contratadas tem pedido demissão com muita freqüência. Na maioria das equipes não estavam informadas que

Leia mais

Os requisitos para aprovação de cursos novos de mestrado deverão ser suficientes, no mínimo, para o conceito 3 (qualificação regular).

Os requisitos para aprovação de cursos novos de mestrado deverão ser suficientes, no mínimo, para o conceito 3 (qualificação regular). Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior FORMULÁRIO - REQUISITOS PARA A CRIAÇÃO DE CURSOS NOVOS IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Medicina II PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2007-2009

Leia mais

É desejável o equilíbrio entre todas as modalidades de atividades, mas o aluno é livre para definir e consolidar seu perfil em relação ao curso.

É desejável o equilíbrio entre todas as modalidades de atividades, mas o aluno é livre para definir e consolidar seu perfil em relação ao curso. Atividades Curriculares Complementares (ACC) As atividades complementares, as quais apresentam neste PPC sua carga horária computada em horas aula de 60 minutos, são aquelas realizadas pelo aluno durante

Leia mais

PLANOS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - PAS

PLANOS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - PAS Universidade do Sul de Santa Catarina UNISUL Especialização em Gestão Social de Políticas Públicas PLANOS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - PAS Janice Merigo Docente UNISUL Assistente Social FECAM social@fecam.org.br

Leia mais

I RELATÓRIO: 3865/2015, de 02/10/2015 PARECER CEE/PE Nº 103/2015-CEB APROVADO PELO PLENÁRIO EM 14/09/2015

I RELATÓRIO: 3865/2015, de 02/10/2015 PARECER CEE/PE Nº 103/2015-CEB APROVADO PELO PLENÁRIO EM 14/09/2015 INTERESSADO: CEPEM-CENTRO DE ENSINO E PESQUISA EM EMERGÊNCIAS MÉDICAS-SERRA TALHADA/PE ASSUNTO: CREDENCIAMENTO DA INSTITUIÇÃO PARA A OFERTA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO E AUTORIZAÇÃO

Leia mais

I RELATÓRIO: II ANÁLISE:

I RELATÓRIO: II ANÁLISE: INTERESSADA: AUTARQUIA EDUCACIONAL DO VALE DO SÃO FRANSCISCO AEVSF ASSUNTO: RECONHECIMENTO DO CURSO DE BACHARELADO EM DIREITO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS E SOCIAIS DE PETROLINA - FACAPE RELATOR:

Leia mais

Escrito por Administrator Seg, 22 de Novembro de :55 - Última atualização Seg, 22 de Novembro de :09

Escrito por Administrator Seg, 22 de Novembro de :55 - Última atualização Seg, 22 de Novembro de :09 MISSÃO O Serviço Social tem como missão dar suporte psico-social e emocional ao colaborador e sua família. Neste sentido, realiza o estudo de casos, orientando e encaminhando aos recursos sociais da comunidade,

Leia mais

O DEFICIENTE E SUA SAÚDE NO CENÁRIO DE VOLTA REDONDA

O DEFICIENTE E SUA SAÚDE NO CENÁRIO DE VOLTA REDONDA O DEFICIENTE E SUA SAÚDE NO CENÁRIO DE VOLTA REDONDA GT I: Evolução e Concretização dos Direitos Humanos e Fundamentais na América Latina. Brenda Quelli Ribeiro 1 Rebeca Vitória Oliveira da Silva Maria

Leia mais

Contra a dengue não se tira férias

Contra a dengue não se tira férias Edição nº 137 2ª Quinzena Jan / 2013 Ano 07 Contra a dengue não se tira férias NESTA EDIÇÃO: Trabalho, continuam acontecendo. Caso sua empresa deseje solicitar uma visita, deverá entrar em contato com

Leia mais

PROAI PROGRAMA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 1 Semestre 2017

PROAI PROGRAMA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 1 Semestre 2017 PROAI PROGRAMA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 1 Semestre 2017 FACULDADE METROPOLITANA 0 Sumário AVALIAÇÃO DA DIRETORIA PELA COORDENAÇÃO... 2 AVALIAÇÃO DA INSTITUIÇÃO PELOS FUNCIONÁRIOS... 4 AVALIAÇÃO E AUTOAVALIAÇÃO

Leia mais

Plano de Apoio à Qualificação Graduação e Pós-Graduação Lato. efetivos da UFVJM PLANQUALI

Plano de Apoio à Qualificação Graduação e Pós-Graduação Lato. efetivos da UFVJM PLANQUALI MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI Plano de Apoio à Qualificação Graduação e Pós-Graduação Lato e Stricto sensu - mediante concessão de bolsas para servidores

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO PROGRAMA VIVA LEITE UBS- BELO HORIZONTE

ESTÁGIO SUPERVISIONADO PROGRAMA VIVA LEITE UBS- BELO HORIZONTE ESTÁGIO SUPERVISIONADO PROGRAMA VIVA LEITE UBS- BELO HORIZONTE Eduardo Luis COUTO 1 Ana Paula Farias ROMERA 2 RESUMO: A presente pesquisa abordara o Programa Viva Leite, oferecido pelo Governo do Estado

Leia mais

BE_a_DOC Brazil - Europe Doctoral and Research Programme

BE_a_DOC Brazil - Europe Doctoral and Research Programme BE_a_DOC Brazil - Europe Doctoral and Research Programme Edital BE_a_DOC nº 01/2016 O Coimbra Group (CG) e o Grupo Coimbra de Universidades Brasileiras (GCUB) decidiram apoiar estudantes de doutorado e

Leia mais

LEGISLAÇÃO SISTEMA DE CONCESSÃO DE DIÁRIAS E PASSAGENS - SCDP

LEGISLAÇÃO SISTEMA DE CONCESSÃO DE DIÁRIAS E PASSAGENS - SCDP LEGISLAÇÃO SISTEMA DE CONCESSÃO DE DIÁRIAS E PASSAGENS - SCDP Art. 58ª LEI 8.112, 11 DEZEMBRO DE 1990 O Servidor que, a serviço, afastar-se da sede em caráter eventual ou transitório para outro ponto do

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL CREDITÁ S.A. Crédito, Financiamento e Investimento

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL CREDITÁ S.A. Crédito, Financiamento e Investimento POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL CREDITÁ S.A. Crédito, Financiamento e Investimento SUMÁRIO 1. Propósito 2. Abrangência 3. Política 3.1 Princípios Fundamentais 3.2 Diretrizes Socioambientais

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATEGICO DO CURSO DE LICENCIATURA EM ARTES Junho de 2014 a junho de 2016

PLANEJAMENTO ESTRATEGICO DO CURSO DE LICENCIATURA EM ARTES Junho de 2014 a junho de 2016 PLANEJAMENTO ESTRATEGICO DO CURSO DE LICENCIATURA EM ARTES Junho de 2014 a junho de 2016 Apresentação O Curso de Licenciatura em Artes da tem como meta principal formar o professor de artes através de

Leia mais

O Curso de Avaliação Econômica de Projetos Sociais

O Curso de Avaliação Econômica de Projetos Sociais O Curso de Avaliação Econômica de Projetos Sociais Betânia Peixoto Brasília, Junho de 2013 Público Alvo e Requisitos Exigidos Gestores / Coordenadores de ONGs ou OSCIPs; Secretários ou técnicos de secretarias

Leia mais

CULTURA. Reunião do dia 14/08/2014

CULTURA. Reunião do dia 14/08/2014 Reunião do dia 14/08/2014 Coordenador: João Heitor Silva Macedo Visão: Que Santa Maria seja um Polo Cultural, por meio da realização de ações culturais, nos diversos espaços do seu território, e do reconhecimento

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DO PROGRAMA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO ENSINO BÁSICO

CONTRIBUIÇÕES DO PROGRAMA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO ENSINO BÁSICO ISSN: 2237-8022 (on-line) ISSN: 2318-4469 (CD-ROM) CONTRIBUIÇÕES DO PROGRAMA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO ENSINO BÁSICO RESUMO Terezinha Severino da SILVA terezinhasilvafeitas@yahoo.com.br

Leia mais

Manual de Procedimentos ISGH Gestão de Viagens Página 1

Manual de Procedimentos ISGH Gestão de Viagens Página 1 Manual de Procedimentos ISGH Gestão de Viagens Página 1 ELABORAÇÃO Cristina Isidio Gracília dos Santos Gonçalves Tatiany Torres FORMATAÇÃO Silvânia Oliveira Teixeira DATA Estabelecido em 10/12/2013 Manual

Leia mais

FEPESE -Agência de Integração

FEPESE -Agência de Integração FEPESE - Quem é a FEPESE? Fundada em 26 de outubro de 1977 por 70 (setenta) professores da Universidade Federal de Santa Catarina das áreas de economia, administração e ciências contábeis, com o objetivo

Leia mais

Edital FAPEAL N o 001/2009 PROGRAMA ESPECIAL DE BOLSAS

Edital FAPEAL N o 001/2009 PROGRAMA ESPECIAL DE BOLSAS Edital FAPEAL N o 001/2009 PROGRAMA ESPECIAL DE BOLSAS A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Alagoas FAPEAL, em parceria com a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior CAPES,

Leia mais

Faço saber que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná aprovou e eu, ALBARI GUIMORVAM FONSECA DOS SANTOS, sanciono a seguinte lei:

Faço saber que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná aprovou e eu, ALBARI GUIMORVAM FONSECA DOS SANTOS, sanciono a seguinte lei: LEI Nº 1578/2010. Institui o Programa Social Municipal de Profissionalização de Adolescentes, assim como autoriza a Administração Pública realizar a contratação de aprendizes na forma desta lei, e da outras

Leia mais

1.0 DESCRIÇÃO DOS CARGOS... 7

1.0 DESCRIÇÃO DOS CARGOS... 7 MANUAL DE CARGOS E FUNÇÕES DS. 06 06 1 / 138 SUMÁRIO 1.0 DESCRIÇÃO DOS CARGOS... 7 1.1 Cargo: Auxiliar Operacional... 8 1.1.1 Missão do Cargo... 8 1.1.2 Competência Necessária... 9 a. Item excluído...

Leia mais

Regulamento do Núcleo de Apoio à Pesquisa do Curso de Medicina da UNIFENAS-BH

Regulamento do Núcleo de Apoio à Pesquisa do Curso de Medicina da UNIFENAS-BH Regulamento do Núcleo de Apoio à Pesquisa do Curso de Medicina da UNIFENAS-BH CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO Art. 1º O Núcleo de Apoio à Pesquisa do Curso de Medicina da UNIFENAS-BH (NAPMED-BH) foi criado

Leia mais

AVISO DE SELEÇÃO Nº 07/2015 PRORROGADO

AVISO DE SELEÇÃO Nº 07/2015 PRORROGADO AVISO DE SELEÇÃO Nº 07/2015 PRORROGADO O SENAI Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial do Ceará realiza processo seletivo de profissionais para atuação em Fortaleza/CE e Maracanaú/CE. Os candidatos

Leia mais

Como Contratar Advogados em Escritórios de Volume

Como Contratar Advogados em Escritórios de Volume Como Contratar Advogados em Escritórios de Volume Garantindo a eficácia na formação da sua equipe jurídica Consultora: Fabiana Marin Rodigheri Principais desafios do RH no escritório que atua com processos

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DA APAE DE UBERLÂNDIA APAE 2008

PLANO ESTRATÉGICO DA APAE DE UBERLÂNDIA APAE 2008 PLANO ESTRATÉGICO DA APAE DE UBERLÂNDIA APAE 2008 1. NEGÓCIO Inclusão Social 2. MISSÃO Promover a inclusão social, desenvolvendo os potenciais de pessoas com deficiência mental ou múltipla. Através de

Leia mais

Palavras-chave: Organização sem fins lucrativos. Administrador de organização sem fins lucrativos. Terceiro setor.

Palavras-chave: Organização sem fins lucrativos. Administrador de organização sem fins lucrativos. Terceiro setor. O ADMINISTRADOR DE ORGANIZAÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS Marcileia Costa dos Santos* RESUMO O Terceiro Setor compreende Organizações Sem Fins Lucrativos que buscam promover o bem estar social e mudanças na

Leia mais

Inclusão sustentável. Versão 3

Inclusão sustentável. Versão 3 Inclusão sustentável Versão 3 Metodologia A VAGAS.com e a Talento Incluir se uniram com o objetivo de buscar um aprofundamento junto à Área de Recursos Humanos sobre os Profissionais com no mercado de

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO AO DISCENTE

NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO AO DISCENTE NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO AO DISCENTE REGULAMENTO DO NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO O presente regulamento tem por finalidade normatizar as atividades do Núcleo de Atendimento Psicopedagógico aos

Leia mais

PROJETO: ACOLHIMENTO E INTEGRAÇÃO DE ESTUDANTES PORTADORES DE DEFICIÊNCIA NO AMBIENTE UNIVERSITÁRIO

PROJETO: ACOLHIMENTO E INTEGRAÇÃO DE ESTUDANTES PORTADORES DE DEFICIÊNCIA NO AMBIENTE UNIVERSITÁRIO NAE Campus São Paulo PROJETO: ACOLHIMENTO E INTEGRAÇÃO DE ESTUDANTES PORTADORES DE DEFICIÊNCIA NO AMBIENTE UNIVERSITÁRIO Novembro de 2017 1 NOME DOS PROPONENTES: - Profa. Dra. Sue Yazaki Sun (Coordenadora

Leia mais

Revisão do Plano Diretor de Belém. 3ª Audiência Pública Temática Tema: INFRA-ESTRUTURA, MOBILIDADE E ACESSIBILIDADE

Revisão do Plano Diretor de Belém. 3ª Audiência Pública Temática Tema: INFRA-ESTRUTURA, MOBILIDADE E ACESSIBILIDADE Prefeitura Municipal de Belém Secretaria Municipal de Coordenação Geral do Planejamento e Gestão Revisão do Plano Diretor de Belém (Lei nº 7.603/93) 3ª Audiência Pública Temática Tema: INFRA-ESTRUTURA,

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE RIBAS DO RIO PARDO, Estado de Mato Grosso do Sul, faz saber que o Plenário Aprovou a seguinte Lei.

O PREFEITO MUNICIPAL DE RIBAS DO RIO PARDO, Estado de Mato Grosso do Sul, faz saber que o Plenário Aprovou a seguinte Lei. LEI MUNICIPAL Nº. 932/2010 Dispõe sobre o Sistema Municipal de Habitação de Interesse Social, institui a Coordenadoria Municipal de Habitação de Interesse Social e dá outras providencias. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

PROCESSO Nº 152/2012 PARECER CEE/PE Nº 18/2013-CEB APROVADO PELO PLENÁRIO EM 11/03/2013 I RELATÓRIO:

PROCESSO Nº 152/2012 PARECER CEE/PE Nº 18/2013-CEB APROVADO PELO PLENÁRIO EM 11/03/2013 I RELATÓRIO: INTERESSADO: ASSUNTO: RELATORA: PROCESSO Nº 152/2012 CEPEP - CENTRO DE PROFISSIONALIZAÇÃO E EDUCAÇÃO DE PERNAMBUCO RECIFE/PE CREDENCIAMENTO DA INSTITUIÇÃO PARA A OFERTA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA GESTÃO PÚBLICA SUPERINTENDÊNCIA DA ESCOLA DE GOVERNO REGULAMENTO DO CONCURSO DE AÇÕES INOVADORAS

GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA GESTÃO PÚBLICA SUPERINTENDÊNCIA DA ESCOLA DE GOVERNO REGULAMENTO DO CONCURSO DE AÇÕES INOVADORAS REGULAMENTO DO CONCURSO DE AÇÕES INOVADORAS A Secretaria de Estado da Gestão Pública do Governo de Alagoas torna público o 3º CONCURSO DE AÇÕES INOVADORAS NA GESTÃO DO PODER EXECUTIVO DE ALAGOAS que será

Leia mais

Administração Central Unidade do Ensino Médio e Técnico GFAC Grupo de Formulação e Análises Curriculares

Administração Central Unidade do Ensino Médio e Técnico GFAC Grupo de Formulação e Análises Curriculares Administração Central Unidade do Ensino Médio e Técnico GFAC Grupo de Formulação e Análises Curriculares Eixo Tecnológico: Turismo, Hospitalidade e Lazer CAPÍTULO 3 PERFIL PROFISSIONAL DE CONCLUSÃO Especialização

Leia mais

Plano de Acessibilidade Plano de promoção de acessibilidade e atendimento às pessoas

Plano de Acessibilidade Plano de promoção de acessibilidade e atendimento às pessoas MANTIDA INSTITUIÇÃO PAULISTA DE ENSINO E CULTURA - IPEC Plano de Acessibilidade Plano de promoção de acessibilidade e atendimento às pessoas com deficiência O Decreto no. 914, de 6 de setembro de 1993

Leia mais