Estribos verticais: 2 Largura X: 45.0 cm Ø10 CA-50-A P9, P10, P11, Largura Y: 45.0 cm

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estribos verticais: 2 Largura X: 45.0 cm Ø10 CA-50-A P9, P10, P11, Largura Y: 45.0 cm"

Transcrição

1 1 MEMÓRIA DE CÁLCULO - ESTRUTURAL 4.1 MEMÓRIA DE CÁLCULO FUNDAÇÕES DESCRIÇÃO Referências Estacas Material Geometria Armadura P1, P2, P3, P4, Tipo: 18x18 Concreto: C25, Bloco de 1 estaca Estribos horizontais: 2 Controle Ø8 CA-50-A P5, P6, P7, P8, Penetração: Aço: CA-50-A Estribos verticais: 2 Largura X: 45.0 cm 10.0 cm e CA-60-B Ø10 CA-50-A P9, P10, P11, Largura Y: 45.0 cm Estribos verticais: 2 Ø10 CA-50-A P12, P13, P14, Altura: 45.0 cm P15, P16, P17, P18, P19, P20, P21, P22, P23, P24, P25, P26, P27, P28, P29, P30, P31, P32, P33, P34, P35, P36, P37, P38, P39, P40, P41, P, P43, P44, P45, P46, P47, P48, P49, P50, P51, P52, P53, P54, P55, P56, P57, P58, P59, P60, P61, P62, P63, P64, P65, P66, P67, P68, P69, P70, P71, P72, P VERIFICAÇÃO Referência: P1 até P73 Verificação Valores Estado Distância mínima a partir do perímetro da estaca: Mínimo: 0.10 m Recomendação do livro "Estructuras de cimentación", M.Cunha Moraes. ed. McGraw-Hill, Direção X: Calculado: 0.13 m Passa -Direção Y: Calculado: 0.13 m Passa Dist.Máx. Pilar-Face Bl. aconselhável: Máximo: 0.9 m Critério da CYPE Ingenieros -Direção X: Calculado: m Passa -Direção Y: Calculado: m Passa Altura mínima do bloco: Mínimo: m Passa 40

2 Referência: P1 até P73 Verificação Valores Estado Recomendação do livro "Estructuras de cimentación", M.Cunha Moraes. ed. McGraw-Hill, 1976 Calculado: 0.45 m Espaço para ancorar arranques na fundação: Mínimo: 10 cm Calculado: 33 cm Passa Altura máxima aconselhável: Máximo: 0.45 m Critério da CYPE Ingenieros Calculado: 0.45 m Passa Largura mínima de estacas: Mínimo: 0.16 m Critério da CYPE Ingenieros. Calculado: 0.18 m Passa Distância mínima entre estribos: Mínimo: 0.02 m Artigo (norma EHE-98) -Estribos XZ: Calculado: m Passa -Estribos YZ: Calculado: m Passa Espaçamento mínimo entre estribos horizontais: Mínimo: 0.02 m Artigo (norma EHE-98) Calculado: m Passa Distância máxima entre estribos: Máximo: 0.3 m Artigo.3.1 (norma EHE-98) -Estribos XZ: Calculado: m Passa -Estribos YZ: Calculado: m Passa Distância entre estribos horizontais: Máximo: 0.15 m Artigo.3.1 (norma EHE-98) Calculado: m Passa Diâmetro mínimo estribos verticais: Mínimo: 10 mm Critério da CYPE Ingenieros -Estribos XZ: Calculado: 10 mm Passa -Estribos YZ: Calculado: 10 mm Passa Diâmetro estribos horizontais: Mínimo: 8 mm Arm.perimetral que envolve arm. comprimida. Art..3.1(norma EHE-98) Calculado: 8 mm Passa Área máxima de armadura: Máximo: 81 cm2 Critério do Eurocódigo (CEB) -Direção vertical: Calculado: 6.4 cm2 Passa -Direção horizontal: Calculado: 6.4 cm2 Passa Distância mínima a partir do pilar: Mínimo: 0.05 m Critério da CYPE Ingenieros Calculado: 0.11 m Passa Capacidade portante da estaca: Máximo: 31 tf Valor introduzido pelo usuário: Calculado: tf Valor introduzido pelo usuário Passa Quantidade geométrica mínima: Mínimo: Ações estáticas: Calculado: Quantidade geométrica na seção de concreto estaticamente necessária Passa Compressão sobre bloco: Máximo: tf Ações estáticas: Calculado: tf Artigo (norma NBR 6118:2003) Passa Área resistente estribos horizontais: Mínimo: cm2 Ações estáticas: Calculado: 2 cm2 Recomendação do livro "Estructuras de cimentación", M.Cunha Moraes. ed. McGraw-Hill, 1976 Passa Todas as verificações foram cumpridas CARGAS ADMISSÍVEIS DAS FUNDAÇÕES

3 Tipo de Estaca Tipo do solo Sondagem Cota (m) N SPT Argila Siltosa Argila Arenosa Silte Argiloso Silte Arenoso Areia Argilosa Areia Siltosa Areia Areia com pedregulhos Premoldada (concreto ou aço) Franki Hélice Contínua Escavadas sem revestimentos Escavadas com revestimentos ou lama Hollow Auger Raiz Comprimento total da estaca (m) 5,0 m 4 9 VERDADEIRO ###### 5 8 Lado seção quadrada * ,0 mm OK Volume base alargada (Franki) (L) 9 26 litros Tipo de carregamento "P.P.C.V" Compressão * Resultado dos "processos" Carga admissível da estaca (t) Capacidade de carga total da estaca (t) Capacidade de carga resistência de ponta (t) Capacidade de carga atrito lateral (t) Pedro Paulo Costa Velloso Ai-Velloso 12,7 6,4 5,1 3,3 19,1 8,3 7,7 4,2 Decourt-Quaresma 12,0 3,2 15,2 10,0 Alberto Henriques Teixeira 8,1 1,6 9,7 4,8 Urbano Rodrigues Alonso 8,9 2,8 11,7 5,8 Média dos processos 9,4 3,5 12,8 6,

4 Tipo de Estaca Tipo do solo Sondagem Cota (m) N SPT VERDADEIRO ###### Premoldada (concreto ou aço) 5 8 Tipo de Estaca Lado seção quadrada * Franki ,0 mm Tipo do solo 7 13 Hélice Contínua Sondagem 8 20 OK Escavadas Volume sem base revestimentos alargada (Franki) (L) Cota (m) Resultado Comprimento dos "processos" total da estaca (m) ,0 m 16 Carga admissível da estaca (t) 4 9 VERDADEIRO ###### 17 Capacidade de carga total da estaca (t) 5 8 Lado seção quadrada * 18 Capacidade de carga resistência de ponta (t) ,0 mm 19 Capacidade de carga atrito lateral (t) OK Volume base alargada (Franki) (L) 21 Pedro Paulo Costa Velloso 16,3 6,8 23,2 9, litros 22 Ai-Velloso 6,5 4,1 10,6 5, Decourt-Quaresma 14,7 3,7 18,4 12, Tipo de carregamento "P.P.C.V" Alberto Henriques Teixeira 10,4 1,4 11,8 5, Compressão * Urbano Rodrigues Alonso 11,5 2,9 14,4 7, N SPT Argila Siltosa Argila Arenosa Silte Argiloso Silte Arenoso Areia Argilosa Areia Siltosa Areia Areia com pedregulhos Argila Siltosa Argila Arenosa Silte Argiloso Silte Arenoso Areia Argilosa Areia Siltosa Areia Areia com pedregulhos Premoldada (concreto ou aço) Franki Hélice Contínua Escavadas sem revestimentos Escavadas com revestimentos ou lama Hollow Auger Raiz Comprimento total da estaca (m) 6,0 m Escavadas com revestimentos litrosou lama Hollow Auger Tipo de carregamento "P.P.C.V" Raiz Compressão * Resultado 11,9 dos "processos" 3,8 15,7 Média dos processos 8, Carga admissível da estaca (t) Capacidade de carga total da estaca (t) 18 Capacidade de carga resistência de ponta (t) 19 Capacidade de carga atrito lateral (t) Pedro Paulo Costa Velloso Ai-Velloso 82,1 30,3 32,8 16,3 112,4 49,1 45,0 24,5 Decourt-Quaresma 58,6 17,8 76,5 49,6 Alberto Henriques Teixeira 52,1 7,1 59,3 29,6 Urbano Rodrigues Alonso 57,8 13,0 70,8 35,4 Média dos processos 56,7 16,9 73,6 36,8

5 Tipo de Estaca Tipo do solo Sondagem Cota (m) N SPT Argila Siltosa Argila Arenosa Silte Argiloso Silte Arenoso Areia Argilosa Areia Siltosa Areia Areia com pedregulhos Premoldada (concreto ou aço) Franki Hélice Contínua Escavadas sem revestimentos Escavadas com revestimentos ou lama Hollow Auger Raiz Comprimento total da estaca (m) 10,0 m 4 9 VERDADEIRO ###### 5 8 Lado seção quadrada * ,0 mm OK Volume base alargada (Franki) (L) 9 26 litros Tipo de carregamento "P.P.C.V" Compressão * Resultado dos "processos" Carga admissível da estaca (t) Capacidade de carga total da estaca (t) Capacidade de carga resistência de ponta (t) Capacidade de carga atrito lateral (t) Pedro Paulo Costa Velloso Ai-Velloso 47,6 23,5 19,0 14,7 71,1 33,7 28,5 16,8 Decourt-Quaresma 35,2 13,3 48,5 30,4 Alberto Henriques Teixeira 30,2 4,6 34,9 17,4 Urbano Rodrigues Alonso 33,5 10,0 43,6 21,8 Média dos processos 33,1 13,2 46,4 23,

6 Tipo de Estaca Tipo do solo Sondagem Cota (m) N SPT Argila Siltosa Argila Arenosa Silte Argiloso Silte Arenoso Areia Argilosa Areia Siltosa Areia Areia com pedregulhos Premoldada (concreto ou aço) Franki Hélice Contínua Escavadas sem revestimentos Escavadas com revestimentos ou lama Hollow Auger Raiz Comprimento total da estaca (m) 12,0 m 4 9 VERDADEIRO ###### 5 8 Lado seção quadrada * ,0 mm OK Volume base alargada (Franki) (L) 9 26 litros Tipo de carregamento "P.P.C.V" Compressão * Resultado dos "processos" Carga admissível da estaca (t) Capacidade de carga total da estaca (t) Capacidade de carga resistência de ponta (t) Capacidade de carga atrito lateral (t) Pedro Paulo Costa Velloso Ai-Velloso 82,1 30,3 32,8 16,3 112,4 49,1 45,0 24,5 Decourt-Quaresma 58,6 17,8 76,5 49,6 Alberto Henriques Teixeira 52,1 7,1 59,3 29,6 Urbano Rodrigues Alonso 57,8 13,0 70,8 35,4 Média dos processos 56,7 16,9 73,6 36,

7 Tipo do solo Sondagem Cota (m) N SPT Argila Siltosa Argila Arenosa Silte Argiloso Silte Arenoso Areia Argilosa Areia Siltosa Areia Tipo de Estaca Areia com pedregulhos Premoldada (concreto ou aço) Franki Hélice Contínua Escavadas sem revestimentos Escavadas com revestimentos ou lama Hollow Auger Raiz Comprimento total da estaca (m) 2,0 m 4 9 VERDADEIRO ###### 5 8 Diâmetro seção circular * ,0 mm OK Volume base alargada (Franki) (L) 9 26 litros Tipo de carregamento "P.P.C.V" Compressão * Resultado dos "processos" Carga admissível da estaca (t) Capacidade de carga total da estaca (t) Capacidade de carga resistência de ponta (t) Capacidade de carga atrito lateral (t) Pedro Paulo Costa Velloso Ai-Velloso 1,2 2,4 0,6 2,2 3,6 2,7 1,4 1,4 Decourt-Quaresma 3,4 2,9 6,3 3,3 Alberto Henriques Teixeira 1,6 1,2 2,8 1,4 Urbano Rodrigues Alonso 1,5 2,1 3,5 1,8 Média dos processos 1,6 2,1 3,8 1, MEMÓRIA DE CÁLCULO DA ESTRUTURA

8 4.2.1 Dados geométricos de grupos e pisos Grupo Nome do grupo Piso Nome Altura Cota 2 Superior 2 Superior Baldrame 1 Baldrame Fundaçäo Relatório de panos Nervuradas consideradas Descrição: LAJE NERV. 90X82.5X22.5 L=10 Nome Altura Eixos(x/y) Larg. mín. Larg. máx. Peças Peso próprio(tf/m2) ATEX9A /90 12/12 20/ Normas consideradas Concreto: NBR 6118:2003 Aços dobrados: AISI Aços laminados e soldados: NBR Ações consideradas Verticais Nome do grupo S.C.U (tf/m2) C. permanentes (tf/m2) Superior Baldrame Fundaçäo Vento Realiza-se análise dos efeitos de 2ª ordem Valor para multiplicar os deslocamentos 1.43 Coeficientes de Cargas +X: Y: X:1.00 -Y:1.00

9 NB-599. Forças devidas ao vento em edificações Velocidade Básica: Rugosidade: Categoria: II Classe: B Fator Probabilístico: 1.00 Fator Topográfico: +X:1.00 -X:1.00 +Y:1.00 -Y:1.00 Larguras de faixa Plantas Largura de faixa Y Largura de faixa X Em todas as plantas Hipóteses/ações de carga Automáticas Permanente Sobrecarga Vento +X Vento -X Vento +Y Vento -Y Estados limites E.L.U. Concreto E.L.U. Concreto em fundações Deslocamentos NRB 6118:2003(ELU) Uso da edificação: Locais em que não há predominância de pesos e de equipamentos que permanecem fixos por longos períodos de tempo, nem de elevadas concentrações de pessoas. Edificações residenciais de acesso restrito NRB 6118:2003(ELU) Uso da edificação: Locais em que não há predominância de pesos e de equipamentos que permanecem fixos por longos períodos de tempo, nem de elevadas concentrações de pessoas. Edificações residenciais de acesso restrito Ações características Situações de projeto Para as distintas situações de projeto, as combinações de ações serão definidas de acordo com os seguintes critérios:

10 Com coeficientes de combinação γ G + γ Ψ Q + γ Ψ Q Gj kj Q1 p1 k1 Qi ai ki j 1 i >1 Sem coeficientes de combinação γ G + γ Q Gj kj Qi ki j 1 i 1 Donde: Gk Qk γg γq,1 γq,i ψp,1 ψa,i Ação permanente Ação variável Coeficiente parcial de segurança das ações permanentes Coeficiente parcial de segurança da ação variável principal Coeficiente parcial de segurança das ações variáveis de acompanhamento (i > 1) Coeficiente de combinação da ação variável principal Coeficiente de combinação das ações variáveis de acompanhamento (i > 1) Coeficientes parciais de segurança (γ) e coeficientes de combinação (ψ) Para cada situação de projeto e estado limite, os coeficientes a utilizar serão: E.L.U. Concreto: NBR 6118:2003 E.L.U. Concreto em fundações: NBR 6118:2003 Situação 1 Coeficientes parciais Coeficientes de combinação (ψ) de segurança (γ) Favorável Desfavorável Principal (ψp) Acompanhamento (ψa) Permanente Sobrecarga Vento (Q) Neve (Q) Sismo (A) Coeficientes parciais de Situação 2 Coeficientes de combinação (ψ)

11 Favorável Desfavorável Principal (ψp) Acompanhamento (ψa) Permanente Sobrecarga Vento (Q) Neve (Q) Sismo (A) (*) (*) Fração das solicitações sísmicas a considerar na direção ortogonal: As solicitações obtidas dos resultados da análise em cada uma das direções ortogonais combinarse-ão com o 0 % dos da outra. Deslocamentos Situação 1: Ações variáveis sem Coeficientes parciais de Favorável Desfavorável Permanente Sobrecarga Vento (Q) Neve (Q) Sismo (A) Materiais utilizados Concretos Elemento Concreto Pisos fck(kgf/cm2) γc Pisos C25, em geral Todas Pilares e pilares-paredes C25, em geral Todas Cortinas C25, em geral Todas

12 Aços por elemento Aços em barras Elemento Posição Aço fyk γs Pilares e Barras(Verticais) CA-50-A e CA-60-B 5097 a Estribos(Horizontais) CA-50-A e CA-60-B 5097 a Vigas Negativos(superior) CA-50-A e CA-60-B 5097 a Positivos(inferior) CA-50-A e CA-60-B 5097 a Montagem(superior) CA-50-A e CA-60-B 5097 a Pele(lateral) CA-50-A e CA-60-B 5097 a Estribos CA-50-A e CA-60-B 5097 a Pisos Punção CA-50-A e CA-60-B 5097 a Negativos(superior) CA-50-A e CA-60-B 5097 a Positivos(inferior) CA-50-A e CA-60-B 5097 a Negativos nervuras CA-50-A e CA-60-B 5097 a Positivos nervuras CA-50-A e CA-60-B 5097 a Aços em perfis Tipo aço Aço Lim. elástico (kgf/cm2) Módulo de elasticidade (kgf/cm2) Aços dobrados A Aços laminados A MEMÓRIA DE CÁLCULO DO RESERVATÓRIO Dados geométricos de grupos e pisos Grupo Nome do grupo Piso Nome piso Altura Cota 3 Tampa 3 Tampa Vertedouro 2 Vertedouro Fundo 1 Fundo Fundaçäo Dados geométricos de pilares, pilares-paredes e cortinas

13 Cortinas - As coordenadas dos vértices inicial e final são absolutas. - As dimensões estão expressas em metros. Dados geométricos da cortina Referência Tipo cort. GI- GF Vértices Piso Dimensões C1 Muro de concreto armado 1-3 ( 0.10, 1.90) (10.10, 1.90) =0.12 C2 Muro de concreto armado 1-3 ( 0.10, 0.10) (10.10, 0.10) =0.12 C3 Muro de concreto armado 1-3 (0.10, 0.10) ( 0.10, 1.90) =0.12 C4 Muro de concreto armado 1-2 ( 9.02, 0.10) ( 9.02, 1.90) =0.15 C5 Muro de concreto armado 1-3 (10.10, 0.10) (10.10,1.90) =0.12 Empuxos e sapata da cortina Referência Empuxos Sapata da cortina C1 Empuxo esquerdo: Terra Sem vinculação exterior Balanços: esq.:0.00 dir.:0.00 altura:0.12 Empuxo direito: Água C2 Empuxo esquerdo: Água Sem vinculação exterior Balanços: esq.:0.00 dir.:0.00 altura:0.12 Empuxo direito: Terra C3 Empuxo esquerdo: Terra Sem vinculação exterior Balanços: esq.:0.00 dir.:0.00 altura:0.12 Empuxo direito: Água C4 Empuxo esquerdo: Água Empuxo direito: Sem empuxos Sem vinculação exterior Balanços: esq.:0.00 dir.:0.00 altura:0.12 C5 Empuxo esquerdo: Sem empuxos Empuxo direito: Terra Sem vinculação exterior Balanços: esq.:0.00 dir.:0.00 altura: Normas consideradas

14 Concreto: NBR 6118:2003 Aços dobrados: AISI Aços laminados e soldados: NBR Ações consideradas Verticais Nome do grupo S.C.U tf/m2) C. permanentes(tf/m2) Tampa Vertedouro Fundo Fundaçäo Hipóteses/ações de carga Automáticas Permanente Sobrecarga Empuxos nas cortinas Terra Uma situação de carga horizontal Carga:Permanente Com reaterro/água: Cota: 0.00 m Ângulo do talude: 0.00 Graus Densidade aparente: 1.80 tf/m3 Densidade submersa: 1.10 tf/m3 Ângulo atrito interno: Graus Alívio por drenagem: % Carga 1: Tipo: Uniforme Valor: 1.00 tf/m2 Água

15 Uma situação de carga horizontal Carga:Permanente Com água: Cota: m Estados limites E.L.U. Concreto E.L.U. Concreto em fundações Deslocamentos NRB 6118:2003(ELU) Uso da edificação: Locais em que não há predominância de pesos e de equipamentos que permanecem fixos por longos períodos de tempo, nem de elevadas concentrações de pessoas. Edificações residenciais de acesso restrito NRB 6118:2003(ELU) Uso da edificação: Locais em que não há predominância de pesos e de equipamentos que permanecem fixos por longos períodos de tempo, nem de elevadas concentrações de pessoas. Edificações residenciais de acesso restrito Ações características Situações de projeto Para as distintas situações de projeto, as combinações de ações serão definidas de acordo com os seguintes critérios: Com coeficientes de combinação γ G + γ Ψ Q + γ Ψ Q Gj kj Q1 p1 k1 Qi ai ki j 1 i >1 Sem coeficientes de combinação γ G + γ Q Gj kj Qi ki j 1 i 1 Donde: Gk Qk Ação permanente Ação variável

16 γg γq,1 γq,i ψp,1 ψa,i Coeficiente parcial de segurança das ações permanentes Coeficiente parcial de segurança da ação variável principal Coeficiente parcial de segurança das ações variáveis de acompanhamento (i > 1) Coeficiente de combinação da ação variável principal Coeficiente de combinação das ações variáveis de acompanhamento (i > 1) combinação (ψ) Coeficientes parciais de segurança (γ) e coeficientes de Para cada situação de projeto e estado limite, os coeficientes a utilizar serão: E.L.U. Concreto: NBR 6118:2003 E.L.U. Concreto em fundações: NBR 6118:2003 Coeficientes parciais de segurança (γ) Situação 1 Favorável Desfavorável Principal (ψp) Coeficientes de combinação (ψ) Acompanhamento (ψa) Permanente (G) Sobrecarga (Q) Vento (Q) Neve (Q) Sismo (A) Situação 2 Coeficientes parciais de Coeficientes de combinação (ψ) segurança (γ) Favorável Desfavorável Principal (ψp) Acompanhamento (ψa) Permanente (G) Sobrecarga (Q) Vento (Q) Neve (Q) Sismo (A) (*)

17 (*) Fração das solicitações sísmicas a considerar na direção ortogonal: As solicitações obtidas dos resultados da análise em cada uma das direções ortogonais combinar-se-ão com o 0 % dos da outra. Deslocamentos Situação 1: Ações variáveis sem sismo Coeficientes parciais de segurança (γ) Favorável Desfavorável Permanente Sobrecarga Vento (Q) Neve (Q) Sismo (A) Materiais utilizados Concretos Elemento Concreto Pisos Fck γc (kgf/cm2) Pisos C25, em geral Todas Pilares e pilares-paredes C25, em geral Todas Cortinas C25, em geral Todas Aços por elemento Aços em barras Elemento Posição Aço fyk(kgf/cm2) γs Pilares e pilares-paredes Barras(Verticais) CA-50-A e CA-60-B 5097 a Estribos(Horizontais) CA-50-A e CA-60-B 5097 a Vigas Negativos(superior) CA-50-A e CA-60-B 5097 a Positivos(inferior) CA-50-A e CA-60-B 5097 a Montagem(superior) CA-50-A e CA-60-B 5097 a Pele(lateral) CA-50-A e CA-60-B 5097 a Estribos CA-50-A e CA-60-B 5097 a Pisos Punção CA-50-A e CA-60-B 5097 a

18 Negativos(superior) CA-50-A e CA-60-B 5097 a Positivos(inferior) CA-50-A e CA-60-B 5097 a Negativos nervuras CA-50-A e CA-60-B 5097 a Positivos nervuras CA-50-A e CA-60-B 5097 a Aços em perfis Tipo aço Aço Lim. Elástico Módulo de elasticidade (kgf/cm2) Aços dobrados A Aços laminados A

* variável em função do 145 ' ~$.O. Fundações - 1" sem 2012. Padm(kN) - estrutural Com rimento (m) 100 a 300 3 a 15 150

* variável em função do 145 ' ~$.O. Fundações - 1 sem 2012. Padm(kN) - estrutural Com rimento (m) 100 a 300 3 a 15 150 Fundações - 1" sem 2012 Paulo Albuquerque oníveis no mercado Padm(kN) - estrutural Com rimento (m) 100 a 300 3 a 15 150 Pré-moldada (concreto) secção quadrada 200 350 450 700 200 350 emenda Pré-moldada

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE FUNDAÇÕES PROFUNDAS DE GALPÃO INDUSTRIAL

DIMENSIONAMENTO DE FUNDAÇÕES PROFUNDAS DE GALPÃO INDUSTRIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERIAIS ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ESTRUTURAS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ESTRUTURAS DIMENSIONAMENTO DE FUNDAÇÕES PROFUNDAS DE GALPÃO INDUSTRIAL LINEKER

Leia mais

Tecnologia da Construção Civil - I Fundações. Roberto dos Santos Monteiro

Tecnologia da Construção Civil - I Fundações. Roberto dos Santos Monteiro Tecnologia da Construção Civil - I Fundações Após a execução da sondagem, iremos definir qual o tipo de fundação mais adequada a ser utilizado no nosso empreendimento. As Fundações são elementos estruturais

Leia mais

TC 071 PONTES E ESTRUTURAS ESPECIAIS II

TC 071 PONTES E ESTRUTURAS ESPECIAIS II TC 071 PONTES E ESTRUTURAS ESPECIAIS II 16ª AULA (19/10/2.010) MEZOESTRUTURA DE PONTES A mezoestrutura de ponte é a parte da estrutura (pilares) responsável por transmitir as cargas da superestrutura à

Leia mais

CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL. Profª Aline Cristina Souza dos Santos

CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL. Profª Aline Cristina Souza dos Santos CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Profª Aline Cristina Souza dos Santos MÉTODOS ESTÁTICOS Capacidade de carga total da estaca Capacidade de carga lateral da estaca Peso próprio

Leia mais

CAPÍTULO 4 4. ELEMENTOS ESTRUTURAIS. 4.1 Classificação Geométrica dos Elementos Estruturais

CAPÍTULO 4 4. ELEMENTOS ESTRUTURAIS. 4.1 Classificação Geométrica dos Elementos Estruturais Elementos Estruturais 64 CAPÍTULO 4 4. ELEMENTOS ESTRUTURAIS 4.1 Classificação Geométrica dos Elementos Estruturais Neste item apresenta-se uma classificação dos elementos estruturais com base na geometria

Leia mais

INFRAESTRUTURA DE PONTES FUNDAÇÕES PROFUNDAS

INFRAESTRUTURA DE PONTES FUNDAÇÕES PROFUNDAS INFRAESTRUTURA DE PONTES FUNDAÇÕES PROFUNDAS GENERALIDADES Fundações são elementos estruturais destinados a transmitir ao terreno as cargas da estrutura; Devem ter resistência adequada para suportar as

Leia mais

Cada aluno deve resolver 4 exercícios de acordo com o seu número FESP

Cada aluno deve resolver 4 exercícios de acordo com o seu número FESP Cada aluno deve resolver 4 exercícios de acordo com o seu número FESP Final 1 exercícios 1, 5, 16, 24 Final 2 exercícios 2, 6, 17, 25 Final 3- exercícios 3, 7,, 26 Final 4 exercícios 4, 8, 19, 27 Final

Leia mais

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil Departamento de Estruturas. Elementos estruturais. Prof. MSc. Luiz Carlos de Almeida

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil Departamento de Estruturas. Elementos estruturais. Prof. MSc. Luiz Carlos de Almeida Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil Departamento de Estruturas Elementos estruturais Notas de aula da disciplina AU405 Concreto Prof. MSc. Luiz Carlos de Almeida Agosto/2006

Leia mais

ÍNDICE 1.- NORMA E MATERIAIS... 2 2.- AÇÕES... 2 3.- DADOS GERAIS... 2 4.- DESCRIÇÃO DO TERRENO... 2 5.- GEOMETRIA... 2 6.- ESQUEMA DAS FASES...

ÍNDICE 1.- NORMA E MATERIAIS... 2 2.- AÇÕES... 2 3.- DADOS GERAIS... 2 4.- DESCRIÇÃO DO TERRENO... 2 5.- GEOMETRIA... 2 6.- ESQUEMA DAS FASES... ÍNDICE 1.- NORMA E MATERIAIS... 2 2.- AÇÕES... 2 3.- DADOS GERAIS... 2 4.- DESCRIÇÃO DO TERRENO... 2 5.- GEOMETRIA... 2 6.- ESQUEMA DAS FASES... 3 7.- RESULTADOS DAS FASES... 3 8.- COMBINAÇÕES... 3 9.-

Leia mais

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo. ESTACAS DE CONCRETO PARA FUNDAÇÕES - carga de trabalho e comprimento

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo. ESTACAS DE CONCRETO PARA FUNDAÇÕES - carga de trabalho e comprimento FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo ESTACAS DE CONCRETO PARA FUNDAÇÕES - carga de trabalho e comprimento Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios ESTACAS PRÉ-MOLDADAS DE CONCRETO NBR 6122/1996

Leia mais

CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL. Profª Aline Cristina Souza dos Santos

CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL. Profª Aline Cristina Souza dos Santos CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Profª Aline Cristina Souza dos Santos (alinecris16@hotmail.com) MÉTODOS ESTÁTICOS Capacidade de carga total da estaca Capacidade de carga

Leia mais

PROJETO DE ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO CENTRO ESPECIALIZADO EM REABILITAÇÃO

PROJETO DE ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO CENTRO ESPECIALIZADO EM REABILITAÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO EXECUTIVO PROJETO DE ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO Referência: Projeto: Data: MD-ESTRUTURA DE CONCRETO CENTRO ESPECIALIZADO EM REABILITAÇÃO 11/OUTUBRO/2013 SUMARIO 1 DADOS GERAIS

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Assunto: Cálculo de Lajes Prof. Ederaldo Azevedo Aula 3 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br 3.1. Conceitos preliminares: Estrutura é a parte ou o conjunto das partes de uma construção que se destina a

Leia mais

ESTRUTURAS DE FUNDAÇÕES RASAS

ESTRUTURAS DE FUNDAÇÕES RASAS Universidade Federal de Ouro Preto - Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV620-Construções de Concreto Armado ESTRUTURAS DE FUNDAÇÕES RASAS Profa. Rovadávia Aline Jesus Ribas Ouro Preto,

Leia mais

EDIFICAÇÕES. Técnicas construtivas Memória de aula 04 FUNDAÇÕES

EDIFICAÇÕES. Técnicas construtivas Memória de aula 04 FUNDAÇÕES Professora Carolina Barros EDIFICAÇÕES Técnicas construtivas Memória de aula 04 FUNDAÇÕES 1. INTRODUÇÃO Fundações são elementos estruturais destinados a transmitir ao terreno as cargas da estrutura. Devem

Leia mais

A AÇÃO DO VENTO NOS EDIFÍCIOS

A AÇÃO DO VENTO NOS EDIFÍCIOS 160x210 A AÇÃO DO VENTO NOS EDIFÍCIOS ARAÚJO, J. M. Projeto Estrutural de Edifícios de Concreto Armado. 3. ed., Rio Grande: Dunas, 2014. Prof. José Milton de Araújo FURG 1 1 O PROJETO ESTRUTURAL E A DEFINIÇÃO

Leia mais

4. DIMENSIONAMENTO DE ESCADAS EM CONCRETO ARMADO

4. DIMENSIONAMENTO DE ESCADAS EM CONCRETO ARMADO 4. DIMENSIONAMENTO DE ESCADAS EM CONCRETO ARMADO 4.1 Escada com vãos paralelos O tipo mais usual de escada em concreto armado tem como elemento resistente uma laje armada em uma só direção (longitudinalmente),

Leia mais

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo. ESTACAS DE CONCRETO PARA FUNDAÇÕES - carga de trabalho e comprimento

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo. ESTACAS DE CONCRETO PARA FUNDAÇÕES - carga de trabalho e comprimento FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo ESTACAS DE CONCRETO PARA FUNDAÇÕES - carga de trabalho e comprimento Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios ESTACAS PRÉ-MOLDADAS DE CONCRETO NBR 6122/1996

Leia mais

FUNDAÇÕES RASAS DIMENSIONAMENTO GEOTÉCNICO

FUNDAÇÕES RASAS DIMENSIONAMENTO GEOTÉCNICO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI INSTITUTO DE CIÊNCIA, ENGENHARIA E TECNOLOGIA ENGENHARIA CIVIL ECV 114 FUNDAÇÕES E OBRAS DE TERRA FUNDAÇÕES RASAS DIMENSIONAMENTO GEOTÉCNICO ana.paula.moura@live.com

Leia mais

DESENHOS DAS FORMAS ESTRUTURAIS LEVANTAMENTO DAS AÇÕES VERTICAIS

DESENHOS DAS FORMAS ESTRUTURAIS LEVANTAMENTO DAS AÇÕES VERTICAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Departamento de Estruturas e Construção Civil ECC 1008 Estruturas de Concreto DESENHOS DAS FORMAS ESTRUTURAIS LEVANTAMENTO DAS AÇÕES VERTICAIS Aulas 13-16 Gerson Moacyr

Leia mais

TÉCNICAS CONSTRUTIVAS I. Fundações

TÉCNICAS CONSTRUTIVAS I. Fundações Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios TÉCNICAS CONSTRUTIVAS I Fundações Prof. Leandro Candido de Lemos Pinheiro leandro.pinheiro@riogrande.ifrs.edu.br Função dos elementos estruturais

Leia mais

Sistemas de Fundação. Sobre o Projeto de Fundações. Prof. MSc. Douglas M. A. Bittencourt FUNDAÇÕES AULA 02.

Sistemas de Fundação. Sobre o Projeto de Fundações. Prof. MSc. Douglas M. A. Bittencourt FUNDAÇÕES AULA 02. Sistemas de Fundação Sobre o Projeto de Fundações FUNDAÇÕES AULA 02 Prof. MSc. Douglas M. A. Bittencourt prof.douglas.pucgo@gmail.com ENGENHARIA DE FUNDAÇÕES Sistemas de fundação Geotecnia e Estrutura

Leia mais

1 INTRODUÇÃO 3 2 DIRETRIZES DE CÁLCULO 3 3 MATERIAIS 3 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3 5 GERADOR DE IMPULSO E DIVISOR DE TENSÃO DE 6,4 MV 4

1 INTRODUÇÃO 3 2 DIRETRIZES DE CÁLCULO 3 3 MATERIAIS 3 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3 5 GERADOR DE IMPULSO E DIVISOR DE TENSÃO DE 6,4 MV 4 Documento: Cliente: MEMÓRIA DE CÁLCULO CEPEL CENTRO DE PESQUISAS DE ENERGIA ELÉTRICA SISTEMA ELETROBRAS LDIST-ST-A4-002-0 Pag: 1 of 32 Título: EQUIPAMENTOS E FUNDAÇÕES PARA PÓRTICOS TECHNIP ENGENHARIA

Leia mais

DESENHOS DAS FORMAS ESTRUTURAIS LEVANTAMENTO DAS AÇÕES VERTICAIS

DESENHOS DAS FORMAS ESTRUTURAIS LEVANTAMENTO DAS AÇÕES VERTICAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Departamento de Estruturas e Construção Civil ECC 1008 Estruturas de Concreto DESENHOS DAS FORMAS ESTRUTURAIS LEVANTAMENTO DAS AÇÕES VERTICAIS Aulas 13-16 Gerson Moacyr

Leia mais

INVESTIGAÇÃO DO SUBSOLO. Rômulo Castello H. Ribeiro

INVESTIGAÇÃO DO SUBSOLO. Rômulo Castello H. Ribeiro INVESTIGAÇÃO DO SUBSOLO Rômulo Castello H. Ribeiro SONDAGEM SPT SONDAGEM SPT SONDAGEM SPT SONDAGEM SPT SONDAGEM SPT SONDAGEM SPT SONDAGEM SPT SONDAGEM SPT - CORREÇÕES Energia no Brasil: 70% da energia

Leia mais

UNIVERSIDADE MOGI DAS CRUZES CAMPUS VILLA LOBOS. Construção Civil

UNIVERSIDADE MOGI DAS CRUZES CAMPUS VILLA LOBOS. Construção Civil UNIVERSIDADE MOGI DAS CRUZES CAMPUS VILLA LOBOS Construção Civil 7 semestre Prof. Me. Jorge S. Lyra 2017 Fundações Introdução Fundações NBR 6122/2010 Esta Norma fixa o procedimento, projeto e execução

Leia mais

SONDAGEM À PERCUSSÃO DATA: 15/04/2010 HORA: 07:36 / 23:41 COTA : 2,23 COORDENADAS: N: 748137.82 E: 982 8295.35

SONDAGEM À PERCUSSÃO DATA: 15/04/2010 HORA: 07:36 / 23:41 COTA : 2,23 COORDENADAS: N: 748137.82 E: 982 8295.35 SONDAGEM TMU 2 : 15/04/2010 HORA: 07:36 / 23:41 COTA : 2,23 COORDENADAS: N: 748137.82 E: 982 8295.35 SP-01 0.00 Obs: Extremidade do revestimento ao N.A 1,50 COTA: 2.48 COTA: 2,23 N.A MAX. Lámina D'agua

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESTACAS TIPO FRANKI Grupo de Serviço OBRAS D ARTE ESPECIAIS Código DERBA-ES-OAE-09/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a utilização de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA Departamento de Estruturas e Construção Civil Disciplina: ECC 1008 Estruturas de Concreto TRABALHO: 1 SEMESTRE DE 2015 Suponha que você esteja envolvido(a)

Leia mais

Investigações Geotécnicas!" " #$"""

Investigações Geotécnicas!  #$ Investigações Geotécnicas!" " #$""" Investigações Geotécnicas Investigação geotécnica de campo: levantamento de superfície, sondagens, ensaios; coleta de amostras. Investigação geotécnica de Laboratório

Leia mais

Geotecnia de Fundações TC 041

Geotecnia de Fundações TC 041 Geotecnia de Fundações TC 041 Curso de Engenaria Civil 8º Semestre Vítor Pereira Faro vpfaro@ufpr.br Roberta Bomfim Boszczowski roberta.bomfim@ufpr.br Setembro 2016 Carregamento Lateral em Estacas 1 Carregamento

Leia mais

Pré-dimensionamento das fôrmas dos elementos de concreto

Pré-dimensionamento das fôrmas dos elementos de concreto Pré-dimensionamento das fôrmas dos elementos de concreto China International Trust&Investment Plaza CITIC - Sky Central Plaza - 1997 Guangzhou/China (391m/322m) Referência: Introdução à concepção estrutural

Leia mais

Introdução às Estruturas de Edificações de Concreto Armado

Introdução às Estruturas de Edificações de Concreto Armado Introdução às Estruturas de Edificações de Concreto Armado Prof. Henrique Innecco Longo longohenrique@gmail.com Departamento de Estruturas Escola Politécnica da Universidade Federal do Rio de Janeiro 2017

Leia mais

LT 500kV MARIMBONDO - ASSIS MEMORIAL DO PROJETO BÁSICO DE FUNDAÇÕES

LT 500kV MARIMBONDO - ASSIS MEMORIAL DO PROJETO BÁSICO DE FUNDAÇÕES 24/09/2013 Complementação torres MF SA 0A 03/05/2013 Emissão Inicial MF SA Rev. Data Descrição Por Aprovação Nome da Obra Título do Documento Projeto MARCOS F. 24/09/2013 Nº Rev Folha 1/13 Aprovação SÉRGIO

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE LAJES E VIGAS EM CONCRETO ARMADO. Trabalho Prático

DIMENSIONAMENTO DE LAJES E VIGAS EM CONCRETO ARMADO. Trabalho Prático Universidade do Estado de Mato Grosso UNEMAT - Campus de Sinop Curso de Engenharia Civil Estruturas de Concreto Armado I DIMENSIONAMENTO DE LAJES E VIGAS EM CONCRETO ARMADO Trabalho Prático Prof.: Flavio

Leia mais

ESTRUTURA DE CONCRETO MEMÓRIA DE CÁLCULO

ESTRUTURA DE CONCRETO MEMÓRIA DE CÁLCULO ESTRUTURA DE CONCRETO MEMÓRIA DE CÁLCULO RESPONSÁVEL: Eng. Eduardo Both CREA: 5063648354 OBRA: LOCAL: 6098 - Subestação Universidade Federal do Sul da Bahia UFSB CEPLAC (SEDE), BR-415, RODOVIA ITABUNA/ILHÉUS

Leia mais

LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS. Prof. Janine Gomes da Silva

LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS. Prof. Janine Gomes da Silva LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE PROJETOS ELEMENTOS ESTRUTURAIS ELEMENTOS ESTRUTURAIS - LAJES Elementos estruturais Elementos Lajes Elemento plano bidimensional Duas dimensões são da mesma ordem de grandeza

Leia mais

Tabela de cargas, projetos de fundações e a revisão da. Frederico F. Falconi

Tabela de cargas, projetos de fundações e a revisão da. Frederico F. Falconi Tabela de cargas, projetos de fundações e a revisão da ABNT-NBR 6112 Frederico F. Falconi INTRODUÇÃO Resumo Serão apenas 2 tópicos: 1. Coisas que achamos importantes vocês saberem e 2. Coisas que realmente

Leia mais

Isostática. 1. Introdução à Engenharia de Estruturas

Isostática. 1. Introdução à Engenharia de Estruturas Isostática 1. Introdução à Engenharia de Estruturas Rogério de Oliveira Rodrigues 1.1. Definição de Engenharia de Estruturas Engenharia de Estruturas é o ramo da Engenharia Civil dedicado primariamente

Leia mais

TQS - SISEs Parte 9 Fundações em bloco sobre uma estaca sem baldrame

TQS - SISEs Parte 9 Fundações em bloco sobre uma estaca sem baldrame Palavras-chave: SISEs, bloco sobre estacas, pórtico espacial. Neste texto será falado um pouco da interação entre pilares, vigas e lajes de uma edificação usual com os elementos estruturais de estabilidade

Leia mais

UNIP - Universidade Paulista SISTEMAS ESTRUTURAIS CONCRETO SEC

UNIP - Universidade Paulista SISTEMAS ESTRUTURAIS CONCRETO SEC - 1 - UNIP - Universidade Paulista CONCRETO SEC NOTAS DE AULA - 01 PRÉ-DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS CONCRETO (SEC) NOTAS DE AULA - PARTE 1 PRÉ-DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS - 2 - NA_01/2014 1. CARGAS

Leia mais

DEFINIÇÃO. Fundações Rasas. Fundações Diretas Aquelas que transmitem a carga do pilar para o solo, através de tensões distribuídas pela base;

DEFINIÇÃO. Fundações Rasas. Fundações Diretas Aquelas que transmitem a carga do pilar para o solo, através de tensões distribuídas pela base; DEFINIÇÃO Fundações Diretas Aquelas que transmitem a carga do pilar para o solo, através de tensões distribuídas pela base; D / B 1,0 Fundações Rasas caracterizam por se apoiarem no solo em pequenas profundidades

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Local: Jardim Zaira - Mauá. 1. Concepção estrutural. 2. Materiais. Obra: Tipologia Habitacional para Encostas. Data: Junho de 2014

RELATÓRIO TÉCNICO. Local: Jardim Zaira - Mauá. 1. Concepção estrutural. 2. Materiais. Obra: Tipologia Habitacional para Encostas. Data: Junho de 2014 RELATÓRIO TÉCNICO Obra: Tipologia Habitacional para Encostas Local: Jardim Zaira - Mauá Data: Junho de 2014 1. Concepção estrutural A estrutura dos edifícios foi concebida em alvenaria estrutural não armada.

Leia mais

17:39. Departamento de Construção Civil FUNDAÇÕES INTRODUÇÃO FUNDAÇÕES DIRETAS

17:39. Departamento de Construção Civil FUNDAÇÕES INTRODUÇÃO FUNDAÇÕES DIRETAS FUNDAÇÕES INTRODUÇÃO FUNDAÇÕES DIRETAS Prof. Dr. Marcelo Medeiros Grupo de Materiais de Construção Versão 2013 1 Fundações: O que são? São elementos estruturais cuja função é a transferência de cargas

Leia mais

Estruturas Especiais de Concreto Armado I. Aula 2 Sapatas - Dimensionamento

Estruturas Especiais de Concreto Armado I. Aula 2 Sapatas - Dimensionamento Estruturas Especiais de Concreto Armado I Aula 2 Sapatas - Dimensionamento Fonte / Material de Apoio: Apostila Sapatas de Fundação Prof. Dr. Paulo Sérgio dos Santos Bastos UNESP - Bauru/SP Livro Exercícios

Leia mais

CAPÍTULO 3 - FUNDAÇÕES DIRETAS

CAPÍTULO 3 - FUNDAÇÕES DIRETAS CAÍTULO 3 - FUNDAÇÕES DIRETAS 3.1. DEFINIÇÃO E TIOS De acordo com a NR 6122/1996, as fundações diretas ou superficiais são aquelas em que a carga é transmitida ao solo, predominantemente pelas tensões

Leia mais

AÇO PARA CONSTRUÇÃO CIVIL

AÇO PARA CONSTRUÇÃO CIVIL AÇO PARA CONSTRUÇÃO CIVIL GG 0 O vergalhão que está por dentro das melhores obras. VERGALHÃO GERDAU GG 0 Para o seu projeto sair do papel com segurança e qualidade, use o Vergalhão Gerdau GG 0. Produzido

Leia mais

Professor Douglas Constancio. 1 Elementos especiais de fundação. 2 Escolha do tipo de fundação

Professor Douglas Constancio. 1 Elementos especiais de fundação. 2 Escolha do tipo de fundação Professor Douglas Constancio 1 Elementos especiais de fundação 2 Escolha do tipo de fundação Americana, junho de 2005 0 Professor Douglas Constancio 1 Elementos especiais de fundação Americana, junho de

Leia mais

Caderno de Estruturas em Alvenaria e Concreto Simples

Caderno de Estruturas em Alvenaria e Concreto Simples Caderno de Estruturas em Alvenaria e Concreto Simples CONTEÚDO CAPÍTULO 1 - RESISTÊNCIA DO MATERIAL 1.1. Introdução 1.2. Definição: função e importância das argamassas 1.3. Classificação das alvenarias

Leia mais

Escola Politécnica da Universidade de São Paulo FUNDAÇÕES

Escola Politécnica da Universidade de São Paulo FUNDAÇÕES FUNDAÇÕES Situações que não podem ocorrer 1 Situações que não podem ocorrer Exemplos de Obras de Engenharia Civil Geotécnica Talude Natural Talude de corte Barragem de terra Aterro de estradas Construções

Leia mais

Escola Politécnica da Universidade de São Paulo FUNDAÇÕES. Escola Politécnica da Universidade de São Paulo MATERIAL

Escola Politécnica da Universidade de São Paulo FUNDAÇÕES. Escola Politécnica da Universidade de São Paulo MATERIAL FUNDAÇÕES MATERIAL http://www.fau.usp.br/disciplinas/mecani ca-dos-solos-e-fundacoes/ 1 Situações que não podem ocorrer Situações que não podem ocorrer 2 Exemplos de Obras de Engenharia Civil Geotécnica

Leia mais

AutoCAIXA. Software para projeto de reservatórios em concreto armado. Tipo de reservatório:

AutoCAIXA. Software para projeto de reservatórios em concreto armado. Tipo de reservatório: AutoCAIXA Software para projeto de reservatórios em concreto armado Tipo de reservatório: O primeiro passo para a elaboração do projeto de um reservatório no AutoCAIXA é a definição se este será Elevado

Leia mais

Projetos de Fundação

Projetos de Fundação Projetos de Fundação PROF. LUIS FERNANDO P. SALES Engenheiro Civil - Mestre em Geotecnia CREA/SC 039.164-3 TERMINOLOGIA: SEMINÁRIO SOBRE FUNDAÇÕES E CONTENÇÕES AREA/IT 20 DE AGOSTO DE 2014 Fundação

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE LAJES E VIGAS EM CONCRETO ARMADO. Trabalho Prático

DIMENSIONAMENTO DE LAJES E VIGAS EM CONCRETO ARMADO. Trabalho Prático Universidade do Estado de Mato Grosso UNEMAT - Campus de Sinop Curso de Engenharia Civil Estruturas de Concreto Armado I DIMENSIONAMENTO DE LAJES E VIGAS EM CONCRETO ARMADO Trabalho Prático Prof.: Flavio

Leia mais

Instabilidade e Efeitos de 2.ª Ordem em Edifícios

Instabilidade e Efeitos de 2.ª Ordem em Edifícios Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Capítulo Prof. Romel Dias Vanderlei Instabilidade e Efeitos de 2.ª Ordem em Edifícios Curso: Engenharia Civil Disciplina:

Leia mais

1 INFRA-ESTRUTURA Fundações PROFESSORA MSC DAYANA RUTH

1 INFRA-ESTRUTURA Fundações PROFESSORA MSC DAYANA RUTH 1 INFRA-ESTRUTURA Fundações PROFESSORA MSC DAYANA RUTH Fundações São elementos estruturais destinados a suportar toda a carga de pressão proveniente dos carregamentos de esforços oriundos do peso próprio

Leia mais

Compactação Exercícios

Compactação Exercícios Compactação Exercícios 1. Num ensaio de compactação foram obtidos os dados listados na tabela abaixo Identificação 1 2 3 4 5 Teor de umidade, w (%) 5,2 6,8 8,7 11,0 13,0 Massa do cilindro + solo (g) 9810

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Pato Branco. Lista de Exercícios - Sapatas

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Pato Branco. Lista de Exercícios - Sapatas Lista de Exercícios - Sapatas 1 Dimensione uma sapata rígida para um pilar de dimensões 30 x 40, sendo dados: N k = 1020 kn; M k = 80 kn.m (em torno do eixo de maior inércia); A s,pilar = 10φ12,5 σ adm

Leia mais

1) Considerem as cargas residenciais usuais e de ventos quando corresponde de acordo com a norma vigente;

1) Considerem as cargas residenciais usuais e de ventos quando corresponde de acordo com a norma vigente; Prezados alunos, 1) Considerem as cargas residenciais usuais e de ventos quando corresponde de acordo com a norma vigente; 2) Adote, quando necessário e com critério as informações faltantes; 3) O trabalho

Leia mais

CÁLCULOS DE VIGAS COM SEÇÃO T

CÁLCULOS DE VIGAS COM SEÇÃO T CÁLCULOS DE VIGAS COM SEÇÃO T Introdução Nas estruturas de concreto armado, com o concreto moldado no local, na maioria dos casos as lajes e as vigas que as suportam estão fisicamente interligadas, isto

Leia mais

TQS - SISEs Parte 10 Fundações em bloco sobre 3 estacas sem baldrame e sobre 1 estaca com baldra

TQS - SISEs Parte 10 Fundações em bloco sobre 3 estacas sem baldrame e sobre 1 estaca com baldra Palavras-chave: SISEs, bloco sobre estacas, pórtico espacial, baldrames. Seguindo o assunto da Interação entre estrutura, fundação e solo, vamos apresentar agora out ras duas possíveis soluções, tendo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI INSTITUTO DE CIÊNCIA, ENGENHARIA E TECNOLOGIA ENGENHARIA CIVIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI INSTITUTO DE CIÊNCIA, ENGENHARIA E TECNOLOGIA ENGENHARIA CIVIL UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI INSTITUTO DE CIÊNCIA, ENGENHARIA E TECNOLOGIA ENGENHARIA CIVIL ECV 114 FUNDAÇÕES E OBRAS DE TERRA RECALQUES ana.paula.moura@live.com PROGRAMAÇÃO

Leia mais

21/10/2010. Origem das estruturas... Homem. Sobrevivência. Agua, alimentos, proteção. IF SUL Técnicas Construtivas Profa.

21/10/2010. Origem das estruturas... Homem. Sobrevivência. Agua, alimentos, proteção. IF SUL Técnicas Construtivas Profa. Origem das estruturas... Homem Sobrevivência Agua, alimentos, proteção IF SUL Técnicas Construtivas Profa. Carol Barros Abrigo e Proteção Blocos (tijolos) 1 Alvenaria Pórticos(viga/pilar) No Egito, primerio

Leia mais

CÁLCULO DE ESTAQUEAMENTO PLANO POR MEIO DE

CÁLCULO DE ESTAQUEAMENTO PLANO POR MEIO DE CÁLCULO DE ESTAQUEAMENTO PLANO POR MEIO DE PLANILHAS ELETRÔNICAS T. R. Ferreira 1, B. C. S. Lopes 2, R. K. Q. Souza 3, R. G. Delalibera 4 Engenharia Civil Campus Catalão 1. tobias.trf@hotmail.com; 2. bcs_90@hotmail.com;

Leia mais

01 PATRICIA HISTÓRICO/INTRODUÇÃO

01 PATRICIA HISTÓRICO/INTRODUÇÃO Islide 01 - HISTÓRICO 01 PATRICIA HISTÓRICO/INTRODUÇÃO A estaca tipo Franki foi introduzida como fundação por Edgard Frankignoul na Bélgica há mais de 85 anos. Ele desenvolveu a idéia de cravar um tubo

Leia mais

ABNT NBR 7680:2015 Concreto Extração, preparo, ensaio e análise de testemunhos de estruturas de concreto Parte 1: Resistência à compressão

ABNT NBR 7680:2015 Concreto Extração, preparo, ensaio e análise de testemunhos de estruturas de concreto Parte 1: Resistência à compressão ABNT NBR 7680:2015 Concreto Extração, preparo, ensaio e análise de testemunhos de estruturas de concreto Parte 1: Resistência à compressão Eng.º Felipe C. Bungenstab, M.Sc. Brascontec Engenharia e Tecnologia

Leia mais

PATOLOGIA EM FUNDAÇÕES (RECALQUE)

PATOLOGIA EM FUNDAÇÕES (RECALQUE) PATOLOGIA EM FUNDAÇÕES (RECALQUE) SOLO + ÁGUA + AR + (MAT. ORGÂNICOS) CARGA EXTERNA TODOS SOLOS SE DEFORMAM MÉTODOS DE CÁLCULO CRITÉRIO DE RUPTURA DO SOLO CRITÉRIO DE RECALQUE ADMISSÍVEL MÉTODO / TIPO

Leia mais

MEMÓRIA DE CÁLCULO Fechamento de Terreno de Escola em Tijolos maciços e blocos de concreto

MEMÓRIA DE CÁLCULO Fechamento de Terreno de Escola em Tijolos maciços e blocos de concreto MEMÓRIA DE CÁLCULO Fechamento de Terreno de Escola em Tijolos maciços e blocos de concreto 1.0 MUROS 1.1 MURO RUA SD 03: 1.1.1 Estacas; 2,00 (profundidade) x 20 unidades = 40m 1.1.2 Armação em aço; Ø 0,30m

Leia mais

2 03/11 Relatório Final R.A. O.S. O.A. PU. 1 30/09 Alterado Endereço do Terreno R.A. O.S. O.A. PU

2 03/11 Relatório Final R.A. O.S. O.A. PU. 1 30/09 Alterado Endereço do Terreno R.A. O.S. O.A. PU Código Rev. Folha SD.KLA.PA.RE.001 2 1/ Código do cliente Rev. 0 KLABIN S. A. PARANAGUA PR TERRENO ROCHA RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO GEOTÉCNICA FUROS DE SONDAGENS Cliente : KLABIN S. A. Obra : LEVANTAMENTO

Leia mais

Blocos de Estacas com Cargas Centradas

Blocos de Estacas com Cargas Centradas FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO - FATEC SP Blocos de Estacas com Cargas Centradas DISCIPLINA: ESTRUTURAS II DEPARTAMENTO: EDIFÍCIOS PROFESSOR: JOSÉ NAGIB MIZIARA FILHO 13 Índice Geral Faculdade de

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Revisão Recalque imediato em areias Métodos

Leia mais

06/10/2009. Alvenaria. Origem das estruturas... Pórticos(viga/pilar) No Egito, primerio sistema de alvenaria.

06/10/2009. Alvenaria. Origem das estruturas... Pórticos(viga/pilar) No Egito, primerio sistema de alvenaria. Origem das estruturas... Homem Sobrevivência Agua, alimentos, proteção IF SUL Técnicas Construtivas Profa. Carol Barros Abrigo e Proteção Blocos (tijolos) Alvenaria Pórticos(viga/pilar) No Egito, primerio

Leia mais

UNIP - Universidade Paulista. ICET - Instituto de Ciências Exatas e Tecnológicas - Arquitetura e Urbanismo -

UNIP - Universidade Paulista. ICET - Instituto de Ciências Exatas e Tecnológicas - Arquitetura e Urbanismo - UNIP - Universidade Paulista ICET - Instituto de Ciências Exatas e Tecnológicas - Arquitetura e Urbanismo - Resistência dos Materiais Estabilidade Lista 1 de Exercícios Resolvidos - Tensões Lista1 de Exercícios

Leia mais

CONSUMO DE MATERIAIS Exercício IV

CONSUMO DE MATERIAIS Exercício IV CONSUMO DE MATERIAIS Exercício IV Prof. Marco Pádua Exercício: Calcular o consumo de materiais considerando uma concretagem em conjunto com uma alvenaria de blocos de concreto. profmarcopadua.net------------------------------------------exercício

Leia mais

PROJETO ESTRUTURAL. Marcio A. Ramalho ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CIMENTO PORTLAND

PROJETO ESTRUTURAL. Marcio A. Ramalho ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CIMENTO PORTLAND PROJETO ESTRUTURAL Marcio A. Ramalho Concepção Estrutural e Ações PAE / 2 Conceitos Básicos e Definições Concepção Estrutural Determinar paredes estruturais ou não-estruturais para resistir a ações verticais

Leia mais

Exercícios para resolução fora do âmbito das aulas teórico-práticas - n os 8 e 9

Exercícios para resolução fora do âmbito das aulas teórico-práticas - n os 8 e 9 Licenciatura em Engenharia Civil 4º Ano 2º Semestre MECÂNICA DOS SOLOS 2 Ano lectivo 2002/2003 FOLHA DE EXERCÍCIOS Nº 2 Impulsos de Terras. Dimensionamento de muros de suporte. Exercícios para resolução

Leia mais

08/06/2011. IF SUL Técnicas Construtivas Profa. Carol Barros. Origem das estruturas... Homem. Sobrevivência. Agua, alimentos, proteção

08/06/2011. IF SUL Técnicas Construtivas Profa. Carol Barros. Origem das estruturas... Homem. Sobrevivência. Agua, alimentos, proteção IF SUL Técnicas Construtivas Profa. Carol Barros Origem das estruturas... Homem Sobrevivência Agua, alimentos, proteção 1 Abrigo e Proteção Blocos (tijolos) 2 Alvenaria No Egito, primerio sistema de alvenaria.

Leia mais

MEMORIAL CÁLCULO DA ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO IEE INSTITUTO DE ELETROTÉCNICA E ENERGIA LABORATÓRIO MODELO E SEDE CENDAT

MEMORIAL CÁLCULO DA ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO IEE INSTITUTO DE ELETROTÉCNICA E ENERGIA LABORATÓRIO MODELO E SEDE CENDAT MEMORIAL CÁLCULO DA ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO IEE INSTITUTO DE ELETROTÉCNICA E ENERGIA LABORATÓRIO MODELO E SEDE CENDAT Índice DESCRIÇÃO DO EDIFÍCIO... 7 Corte esquemático... 7 Perpectivas da estrutura...

Leia mais

6.5. Estacas em rocha (Engº Armando Negreiros Caputo - BRASFOND / BRASFIX / SPFE)

6.5. Estacas em rocha (Engº Armando Negreiros Caputo - BRASFOND / BRASFIX / SPFE) 6.5. Estacas em rocha (Engº Armando Negreiros Caputo - BRASFOND / BRASFIX / SPFE) As bases que possibilitem a determinação da capacidade de carga de estacas escavadas em rocha não estão bem claras considerando

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO ARGOPAR PARTICIPAÇÔES LTDA FUNDAÇÕES ITABORAÍ SHOPPING ITABORAÍ - RJ ÍNDICE DE REVISÕES

RELATÓRIO TÉCNICO ARGOPAR PARTICIPAÇÔES LTDA FUNDAÇÕES ITABORAÍ SHOPPING ITABORAÍ - RJ ÍNDICE DE REVISÕES CLIENTE: FOLHA 1 de 17 PROGRAMA: FUNDAÇÕES AREA: ITABORAÍ SHOPPING ITABORAÍ - RJ RESP: SILIO LIMA CREA: 2146/D-RJ Nº GEOINFRA ÍNDICE DE REVISÕES REV DESCRIÇÃO E / OU FOLHAS ATINGIDAS Emissão inicial DATA

Leia mais

Serviços Preliminares: Planejamento da execução exercício

Serviços Preliminares: Planejamento da execução exercício DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PCC 2435 - Tecnologia da Construção de Edifícios I Serviços Preliminares: Planejamento da execução exercício Profs. Luiz Sergio Franco, Fernando Henrique

Leia mais

Sabesp. Profº Douglas Couri Jr. MUROS DE ARRIMO. Construção Pesada

Sabesp. Profº Douglas Couri Jr. MUROS DE ARRIMO. Construção Pesada Sabesp MUROS DE ARRIMO Construção Pesada Profº Douglas Couri Jr. Fonte / Material de Apoio: Material didático para aulas do Prof. Roberto Dias Leme Universidade Presbiteriana Mackenzie FESP /SP Definições:

Leia mais

Princípios da Mecânica Força

Princípios da Mecânica Força Mecânica dos Solos e Fundações PEF 522 5 a Aula Conceitos de Tensões total, neutra e efetiva Capilaridade Transmissão de tensões no solo Prof. Fernando A. M. Marinho Princípios da Mecânica Força Equilíbrio

Leia mais

RELATÓRIO VISTORIA NA ESTRUTURA DO CARTÓRIO ELEITORAL DE GURINHÉM - SEARQ

RELATÓRIO VISTORIA NA ESTRUTURA DO CARTÓRIO ELEITORAL DE GURINHÉM - SEARQ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DA PARAÍBA Secretaria de Administração e Orçamento Seção de Engenharia e Arquitetura / COSEG RELATÓRIO VISTORIA NA ESTRUTURA DO CARTÓRIO ELEITORAL DE GURINHÉM

Leia mais

Estrutura de uma Edificação

Estrutura de uma Edificação Sumário 1 - Apresentação...2 2 As Partes da Estrutura e Suas Funções...3 (a). Fundação...3 (d). Pilar...3 (b). Viga...3 (c). Laje...3 3- Estrutura em Concreto...4 (a). Fundação...4 a.1 Fundação Superficial

Leia mais

Paiva, Cabo de Santo Agostinho/PE

Paiva, Cabo de Santo Agostinho/PE Fundações da ponte estaiada do Paiva, Cabo de Santo Agostinho/PE Alexandre Duarte Gusmão, D.Sc. UPE e IFPE Gusmão Engenheiros Associados FORTALEZA NOVEMBRO DE 2013 Apresentação Introdução Projeto do estaqueamento

Leia mais

Alta resistência. Coeficientes Parciais γ f : Combinações Ações Especiais / Normais

Alta resistência. Coeficientes Parciais γ f : Combinações Ações Especiais / Normais Propriedades Gerais dos Aços: Propriedade Valor Módulo de Elasticidade E = 200.000 MPa Módulo de Elasticidade Transversal G = 70.000 MPa Coeficiente de Poisson ν = 0,3 Coeficiente de Dilatação Térmica

Leia mais

Dimensionamento de Estruturas em Aço. Parte 1. Módulo. 2ª parte

Dimensionamento de Estruturas em Aço. Parte 1. Módulo. 2ª parte Dimensionamento de Estruturas em Aço Parte 1 Módulo 2 2ª parte Sumário Módulo 2 : 2ª Parte Dimensionamento de um Mezanino Estruturado em Aço 1º Estudo de Caso Mezanino página 3 1. Cálculo da Viga V2 =

Leia mais

CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL FUNDAÇÃO TEORIA EC8P30/EC9P30

CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL FUNDAÇÃO TEORIA EC8P30/EC9P30 CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL FUNDAÇÃO TEORIA EC8P30/EC9P30 FUNDAÇÕES PROFUNDAS 1 semestre/2012 Capacidade de carga admissível Capacidade de carga admissível A capacidade de carga

Leia mais

Notas de aula prática de Mecânica dos Solos I (parte 4)

Notas de aula prática de Mecânica dos Solos I (parte 4) 1 Notas de aula prática de Mecânica dos Solos I (parte 4) Helio Marcos Fernandes Viana Conteúdo da aula prática Exercícios relacionados à determinação da profundidade de sondagem e aos procedimentos da

Leia mais

Estruturas de Aço e Madeira Aula 14 Peças de Madeira em Compressão Simples Centrada

Estruturas de Aço e Madeira Aula 14 Peças de Madeira em Compressão Simples Centrada Estruturas de Aço e Madeira Aula 14 Peças de Madeira em Compressão Simples Centrada - Limites de Esbeltez; - Peças Curtas e Medianamente Esbeltas; - Peças Esbeltas; - Compressão Normal e Inclinada em Relação

Leia mais

1 ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMANDO 1.1 INTRODUÇÃO

1 ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMANDO 1.1 INTRODUÇÃO 1 ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMANDO 1.1 INTRODUÇÃO Estrutura de concreto armado é a denominação de estruturas compostas de concreto, cimento + água + agregados (e às vezes + aditivos) com barras de aço no

Leia mais

LAJES COGUMELO e LAJES LISAS

LAJES COGUMELO e LAJES LISAS LAJES COGUMELO e LAJES LISAS Segundo Montoja são consideradas lajes cogumelo as lajes contínuas apoiadas em pilares ou suportes de concreto, ou seja, sem vigas. Podem ser apoiadas diretamente nos pilares

Leia mais

Arquitetura e Urbanismo

Arquitetura e Urbanismo Arquitetura e Urbanismo Sistemas Estruturais 1 APONTAMENTOS DE AULA Prof. Ricardo Karvat http://paginapessoal.utfpr.edu.br/karvat 2016/2 CLASSIFICAÇÃO DAS ESTRUTURAS ESTRUTURAS: Estrutura é todo conjunto

Leia mais

Elementos Componentes da Mesoestrutura

Elementos Componentes da Mesoestrutura UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIENCIAS EXATAS E TECNOLOGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: ESTRUTURAS DE PONTES Elementos Componentes da Mesoestrutura

Leia mais

Dimensionamento estrutural de blocos e de sapatas rígidas

Dimensionamento estrutural de blocos e de sapatas rígidas Dimensionamento estrutural de blocos e de sapatas rígidas Prof. MSc. Douglas M. A. Bittencourt prof.douglas.pucgo@gmail.com FUNDAÇÕES SLIDES 13 / AULA 17 Blocos de Fundação Elemento de fundação de concreto

Leia mais

1.8 Desenvolvimento da estrutura de edifícios 48

1.8 Desenvolvimento da estrutura de edifícios 48 Sumário Capítulo 1 Desenvolvimento histórico de materiais, elementos e sistemas estruturais em alvenaria 23 1.1 História dos materiais da alvenaria 24 1.2 Pedra 24 1.3 Tijolos cerâmicos 26 1.4 Blocos sílico-calcários

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE LAJES MACIÇAS RETANGULARES A FLEXÃO SIMPLES DIMENSIONAMENTO ATRAVÉS DA TABELA DE CZERNY APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO

DIMENSIONAMENTO DE LAJES MACIÇAS RETANGULARES A FLEXÃO SIMPLES DIMENSIONAMENTO ATRAVÉS DA TABELA DE CZERNY APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO 1 DIMENSIONAMENTO DE LAJES MACIÇAS RETANGULARES A FLEXÃO SIMPLES DIMENSIONAMENTO ATRAVÉS DA TABELA DE CZERNY APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO Professor: Cleverson Arenhart 2 1) Tipos de lajes.

Leia mais

ECC 1008 ESTRUTURAS DE CONCRETO PILARES. Exemplo de dimensionamento das armaduras ELU solicitações normais. Prof. Gerson Moacyr Sisniegas Alva

ECC 1008 ESTRUTURAS DE CONCRETO PILARES. Exemplo de dimensionamento das armaduras ELU solicitações normais. Prof. Gerson Moacyr Sisniegas Alva ECC 1008 ESTRUTURAS DE CONCRETO PILARES Exemplo de dimensionamento das armaduras ELU solicitações normais Prof. Gerson oacyr Sisniegas Alva Antigamente... INTRODUÇÃO Não era obrigatória a consideração

Leia mais