PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE SMS GERÊNCIA DE SAÚDE DO SERVIDOR MUNICIPAL EQUIPE DE PERÍCIA TÉCNICA EPT

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE SMS GERÊNCIA DE SAÚDE DO SERVIDOR MUNICIPAL EQUIPE DE PERÍCIA TÉCNICA EPT"

Transcrição

1 PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE SMS GERÊNCIA DE SAÚDE DO SERVIDOR MUNICIPAL EQUIPE DE PERÍCIA TÉCNICA EPT LAUDO 003/2014 COORDENADORIA GERAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - CGVS SMS LAUDO PERICIAL DE INSALUBRIDADE PERICULOSIDADE N 003/2014 IDENTIFICAÇÃO ORGÃO: SMS SETOR: COORDENADORIA GERAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE CGVS ENDEREÇO: Av. Padre Cacique, Porto Alegre - RS. TÉCNICOS QUE REALIZARAM A PERÍCIA: Suzy Maria Rocha Vianna - Médica do Trabalho. Matrícula Dulce Helena de Ávila Técnica em Segurança do Trabalho. Matricula PERÍODO DA PERÍCIA: janeiro e fevereiro de 2014.

2 O presente trabalho tem como objetivo a análise das atividades dos trabalhadores da Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde - CGVS especialmente nos aspectos relacionados com atividades e operações insalubres e perigosas, baseado na Lei Federal 6514/77, nas Normas Regulamentadoras n.º 15 e 16 da Portaria 3214/78, no Decreto 93412/86 Trabalhadores no Setor de Energia Elétrica, na Portaria 518/ Radiações Ionizantes ou Substâncias Radioativas, na Lei Municipal n 6309/88 e na Ordem de Serviço n 019/94 da PMPA. Compete a CGVS zelar pelo cumprimento da legislação sanitária vigente; inspecionar, normatizar, controlar e fiscalizar o funcionamento de estabelecimentos relacionados a produtos e serviços de interesse à saúde; investigar e fiscalizar: a qualidade sanitária dos alimentos, produtos e serviços de consumo e uso humanos; a qualidade de produtos e serviços de interesse à saúde; as condições sanitárias e técnicas de extração, produção, manipulação, beneficiamento, acondicionamento, transporte, armazenamento, depósito, distribuição, aplicação, comercialização e uso de produtos e tecnologia de interesse à saúde e destinados ao consumo humano; as condições dos processos de produção, neles incluídos os objetos, instrumentos, tecnologia, produtos e organização do trabalho; a qualidade da água distribuída pelo sistema de abastecimento público e sistemas individuais de abastecimento de água; organizar o sistema municipal de informações de vigilância à saúde, com dados relativos a: óbitos, nascidos vivos, risco nutricional, doenças de notificação compulsória e vacinações; supervisionar, controlar e avaliar a execução de vacinações; normatizar, controlar e fiscalizar as condições sanitárias de criação, manutenção, alojamento e remoção de animais; realizar o controle de vetores e hospedeiros intermediários responsáveis pela transmissão de doenças ou agravos à saúde; normatizar, controlar, inspecionar e fiscalizar as condições sanitárias das piscinas; exercer o poder de polícia sanitária. Administrativamente está vinculada ao Gabinete do Secretário, possui um total de 222 servidores e é composta pelos seguintes setores básicos: COORDENADORIA GERAL DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE NÚCLEO DE APOIO ADMINISTRATIVO EQUIPE DE VIGILÂNCIA DE SERVIÇOS DE INTERESSE À SAÚDE EQUIPE DE ENGENHARIA E ANÁLISE DE PROJETOS EQUIPE DE VIGILÂNCIA DE PRODUTOS DE INTERESSE À SAÚDE EQUIPE DE VIGILÂNCIA AMBIENTAL E SAÚDE DO TRABALHADOR EQUIPE DE VIGILÂNCIA DE ALIMENTOS EQUIPE DE CONTROLE SANITÁRIO DA ÁGUA EQUIPE DE CONTROLE EPIDEMIOLÓGICO EQUIPE DE VIGILÂNCIA em EVENTOS VITAIS E AGRAVOS NÃO TRANSMISSÍVEIS EQUIPE DE ZOONOSES NÚCLEO DE MANUTENÇÃO E ZELADORIA NÚCLEO DE TRANSPORTES 2

3 1. DESCRIÇÃO DO AMBIENTE DE TRABALHO DESCRIÇÃO GERAL e ÁREA FÍSICA A Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde (CGVS) localiza-se na Avenida Padre Cacique nº. 372, Porto Alegre RS, ocupa um prédio de seis pavimentos, onde se distribuem suas equipes e seus respectivos núcleos. O prédio é construído em alvenaria e possui layout adaptado para atividades administrativas, de alimentação de sistemas de informação, de educação e armazenamento dos imunoderivados (vacinas) utilizados pela rede de serviços públicos de saúde de Porto Alegre, tendo as seguintes características: As salas de trabalho, localizadas entre o primeiro e o sexto andar, possuem piso revestido em vinil, paredes externas em alvenaria com pintura, paredes internas em alvenaria e madeira (eucatex) e vidros translúcidos e teto em alvenaria (concreto) com pintura. A ventilação e iluminação são naturais através de janelas maxim ar com vidros translúcidos e persianas verticais e artificiais através de luminárias tipo calha com lâmpadas fluorescentes e aparelhos de ar condicionado. O Laboratório de Entomologia, localizado no quarto andar, possui piso revestido em cerâmica. A sala de lavagem de materiais do Laboratório de Entomologia, localizada no quarto andar, possui piso em cerâmica, paredes em alvenaria parcialmente revestidas com azulejos, teto rebaixado em gesso, ventilação e iluminação natural através de janelas basculantes com vidros canelados e iluminação artificial através de luminárias tipo calha com lâmpadas fluorescentes. Não possui climatização (ventilação) artificial. As salas de trabalho localizadas no andar térreo possuem piso frio, paredes externas em alvenaria e em vidro translúcido e internas em alvenaria com revestimento parcial em cerâmica ou madeira (eucatex), teto em alvenaria (concreto), ventilação e iluminação natural através de janelas maxim ar com vidros translúcidos e persianas verticais e artificial através de luminárias tipo calha com lâmpadas fluorescentes e aparelhos de ar condicionado. O Depósito de raticida e inseticida possui piso frio, paredes em alvenaria com pintura, teto em alvenaria (concreto), ventilação e iluminação natural através de porta de ferro vazada (veneziana) e janela maxim ar sem vidros e artificial através de luminária tipo calha com lâmpadas fluorescentes. Não possui sistema de exaustão. (ventilação/exaustão). Recepção Localiza-se no térreo, possui área aproximada de 27m², pé direito aproximado de 2,80m e dispõe de bancadas de trabalho, cadeiras, armários, arquivos, telefone e material de escritório. Serviço de Portaria Localiza-se no térreo, possui área aproximada de 5m², pé direito aproximado de 2,80m e dispõe de bancada de trabalho, cadeira, armário, arquivo, telefone, refrigerador e material de escritório. 3

4 COORDENAÇÃO Localiza-se no sexto andar frente com pé direito aproximado de 3 m e é composta por: Recepção que possui área aproximada de 13m² e dispõe de bancada de trabalho, cadeiras, poltronas, microcomputadores, telefones e material de escritório; Sala do Coordenador Geral a qual possui área aproximada de 18 m e dispõe de mesa de trabalho, mesa de reuniões, cadeiras, armário, arquivo, microcomputador, impressora, telefone e material de escritório; Sala do Coordenador Adjunto com área aproximada de 13m² e mobiliada com mesa de trabalho, cadeiras, armário, arquivo, microcomputador, impressora, telefone e material de escritório; Sala dos Assessores que possui área aproximada de 105m², e dispõe de mesas de trabalho, cadeiras, armários, arquivos, microcomputadores, impressoras, telefones, forno micro-ondas, refrigerador e material de escritório e Sala de Reuniões com possui área aproximada de 22 m², mesa de reuniões, cadeiras, armário, microcomputador, telefone e televisor. NÚCLEO DE APOIO ADMINISTRATIVO Localiza-se no segundo andar - frente, possui área aproximada de 160 m² e pé direito de 3 m. Composto de Recepção que possui área aproximada de 15,50m² e dispõe de bancada de trabalho, cadeiras, armário, arquivo, microcomputador, impressora e telefone; Sala de Receituário com área aproximada de 13m² e que dispõe de mesas de trabalho, cadeiras, armário, arquivo, microcomputador, impressora e telefone; Sala da Equipe com área aproximada de 115m², mobiliada e equipada com mesas de trabalho, cadeiras, armários, arquivos, microcomputadores, impressoras, telefones, forno micro-ondas, refrigerador, e material de escritório, Almoxarifado composto por três salas, com área aproximada de 6m², 6m² e 8m² respectivamente, que dispõem de estantes para armazenagem de formulários, pacotes de papel toalha, caixas de papel ofício, material de escritório, produtos de limpeza (detergente, álcool, sabão em pó), fardos de papel higiênico, pacotes de papel toalha, caixas com cartuchos de toner para as impressoras, extintores, caixas de papelão com documentos e Sala da Telefonista que se localiza no segundo andar fundos, possui área aproximada de 5,50m² e dispõe de mesas de trabalho, cadeiras, arquivos, microcomputador, central telefônica e material de escritório. EQUIPE DE VIGILÂNCIA DE SERVIÇOS DE SAÚDE A Equipe de Serviços de Interesse à Saúde é a área da Vigilância Sanitária responsável pelo conjunto de ações capazes de prevenir, minimizar ou eliminar riscos e agravos à saúde e de intervir nos problemas sanitários decorrentes da prestação de serviços de interesse da saúde. Tem como atribuição a normatização, o licenciamento, a vigilância e a fiscalização/inspeção de todos os estabelecimentos de saúde, desde a alta até a pequena complexidade (Hospitais com suas áreas de isolamento, CME, Centros Obstétricos e UTIs, entre outros; Clínicas/Serviços de Hemodiálise, Quimioterapia; Clínicas Médicas com e sem procedimentos cirúrgicos; Consultórios e Clínicas Odontológicas com e sem RX; Clínicas de Fisioterapia; Laboratórios de Análises Clínicas e Patológicas; Geriatrias, Gerontologias e 4

5 Residenciais Terapêuticos; Centros de Atendimento Psiquiátrico; Bancos de Sangue, Leite e Tecidos e Escolas Infantis, entre outros). Localiza-se no terceiro andar - frente, possui área aproximada de 170 m² e pé direito de 3 m. Composta de Recepção com área aproximada de 3m², mesas de trabalho, cadeiras, armários, arquivos, microcomputadores, impressoras, telefones, forno microondas, refrigerador, e material de escritório e Sala da Equipe que possui área aproximada de 169m², mobiliada e equipada com mesas de trabalho, cadeiras, armários, arquivos, microcomputadores, impressoras, telefones, forno microondas, refrigerador, e material de escritório. EQUIPE DE ENGENHARIA E ANÁLISE DE PROJETOS A Equipe de Engenharia é responsável pela aprovação e licenciamento de projetos arquitetônicos de estabelecimentos de saúde de maior complexidade como Hospitais, Serviços de Medicina Nuclear, Radioterapia, Quimioterapia, Radiodiagnóstico, Ressonância Magnética e de Endoscopia, Clínicas com cirurgia, Pronto Atendimentos de Urgência, Hemodiálises, Bancos de Tecidos, Bancos de Leite, Hemoterapias (Bancos de Sangue), Serviços de Nutrição Enteral, Serviços de Nutrição Parenteral, Centros de Partos Normais e Serviços de Oxigenioterapia Hiperbárica. Também é de sua responsabilidade o licenciamento e inspeção de todos os Serviços de Diagnóstico por Imagem com Radiação Ionizante e os Consultórios / Clínicas odontológicas que possuem Serviço de Radiodiagnóstico, juntamente com o Núcleo de Vigilância de Serviços de Interesse à Saúde. Localiza-se no sexto andar - fundos, possui área aproximada de 35m² e pé direito de 3m. Dispõe de mesas de trabalho, cadeiras, armários, arquivos, microcomputadores, impressoras, telefones, forno micro-ondas, refrigerador e material de escritório. EQUIPE DE VIGILÂNCIA DE PRODUTOS DE INTERESSE À SAÚDE - EVSIS Realiza ações de fiscalização no comércio farmacêutico buscando a adequação destes estabelecimentos às normas sanitárias municipais, estaduais e federais visando à proteção e manutenção da saúde da população. A equipe fiscaliza drogarias, farmácias (manipulação), distribuidoras de medicamentos e correlatos, controladoras de pragas urbanas, cosméticos e saneantes, produtos de interesse à saúde e óticas, entre outros. Localizada no terceiro andar fundos, com área aproximada de 60 m², possui pé direito de 3 m e divide-se em Recepção mobiliada com mesas de trabalho, cadeiras, armários, arquivos, microcomputadores, impressoras, telefones, forno microondas, refrigerador, e material de escritório e Sala da Equipe com área aproximada de 56m², mobiliada e equipada com mesas de trabalho, cadeiras, armários, arquivos, microcomputadores, impressoras, telefones, forno microondas, refrigerador, e material de escritório. EQUIPE DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL E DO TRABALHADOR A Equipe de Vigilância em Saúde Ambiental e do Trabalhador realiza ações voltadas para a vigilância da saúde humana exposta a riscos ambientais. As atividades realizadas pela equipe articulam ações voltadas para os ambientes internos e externos, verificando processos de degradação ambiental, poluição ou potencial 5

6 contaminação por substâncias químicas que podem trazer efeitos nocivos às populações expostas. No que diz respeito à saúde do trabalhador, desenvolve um conjunto de atividades que se destina à promoção e proteção á saúde dos trabalhadores submetidos aos riscos e agravos gerados pelas atividades produtivas, formais ou não nas diversas formas de representação desses ambientes de trabalho. O objeto dessas ações compreende o território, sua ocupação e uso e consequentes efeitos dessa ocupação. Os processos de produção e consumo, bem como o modelo de desenvolvimento urbano local constitui indicadores para execução do trabalho. Localiza-se no sexto andar - fundos, possui área aproximada de 44m² e pé direito de 3m. Dispõe de mesas de trabalho, cadeiras, armários, arquivos, microcomputadores, impressoras, telefones, forno micro-ondas, refrigerador e material de escritório. EQUIPE DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE ALIMENTOS - EVA Promove a segurança e a qualidade dos alimentos comercializados e/ou consumidos em Porto Alegre, por meio de ações que busquem eliminar, diminuir ou prevenir riscos à saúde. Fiscaliza diariamente o comércio de alimentos no município, investiga surtos de doenças de transmissão alimentar (DTA). Além disso, promove ações de educação em saúde voltada para a prevenção das DTAs, entre outras atividades. Tem por finalidade evitar as toxinfecções alimentares através de educação em saúde, com a realização quinzenal de uma palestra educativa obrigatória (sobre princípios básicos de higiene dos alimentos para encaminhamento do Alvará de Saúde e vistorias em estabelecimentos que comercializem alimentos, verificando as condições de higiene, conservação, armazenamento, transporte e manipulação dos alimentos). Localiza-se no quinto andar - fundos, com área aproximada de 140 m² e pé direito de 3m. Possui uma Sala da Equipe com área aproximada de 116 m² que dispõe de mesas de trabalho, cadeiras, armários, arquivos, microcomputadores, impressoras, telefones, forno micro-ondas, refrigerador, material de escritório, termômetros, sacos plásticos, lacres e adesivos, uma Sala de Serviços Administrativos com área aproximada de 7m², que dispõe de mesa de trabalho, cadeiras, armário, arquivo, microcomputador, impressora, telefone e material de escritório e uma Sala de Reuniões com área aproximada de 16m² que dispõe de mesa de reuniões, cadeiras, armário, microcomputador e refrigerador (para armazenar amostras de alimentos). EQUIPE DE CONTROLE SANITÁRIO DE ÁGUAS A Equipe de Águas tem como objetivo a resolução de problemas relacionados à deficiência na qualidade da água e no saneamento em ambientes de trabalho, convívio ou moradia, por meio de ações de vigilância ambiental. O trabalho é predominantemente educativo em todas as áreas de atuação, em ações de rotina ou atendimento a denúncias e, em um segundo momento emitindo autos de infração, multas e interdição de estabelecimentos. Fiscaliza Sistemas de Abastecimento de Água realizando cadastro, controle e vigilância da qualidade da água distribuída pelos mesmos em cumprimento à legislação pertinente, realiza vigilância de reservatórios de água, monitoramento da 6

7 qualidade da água de fontes coletivas na cidade e poços profundos, vigilância dos teores de flúor nas águas de abastecimento público, avaliação de extravasamento de esgotos (particularmente esgotos cloacais) para a via pública, fiscalização das condições sanitárias das piscinas de uso coletivo, e privado e fiscalização das condições fisico-químicas e biológicas das águas utilizadas em hemodiálises. Localiza-se no sexto andar - fundos, possui área aproximada de 28m² e pé direito de 3m. Dispõe de mesas de trabalho, cadeiras, armários, arquivos, microcomputadores, impressoras, telefones, forno micro-ondas, refrigerador e material de escritório. EQUIPE DE CONTROLE EPIDEMIOLÓGICO - VIGILÂNCIA DE DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS (EVDT) A Equipe de Controle Epidemiológico (ECE) da Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde (CGVS) é responsável pela vigilância epidemiológica dos agravos transmissíveis de notificação compulsória elencados em território nacional, estadual e municipal. É responsável pelos sistemas de informação SINAN (Sistema Nacional de Agravos de Notificação), API (Avaliação do Programa Imunizações), EDI (Estoque e Distribuição de Imunobiológicos), AIU (Apuração de Imunobiológicos Utilizados) e Sistema de Supervisão em Salas de Vacina no nível municipal. A ECE se organiza internamente em três núcleos: - Núcleo de doenças transmissíveis agudas: trabalha com as doenças agudas tais como meningite, sarampo, hepatites, dengue, entre outras; - Núcleo de doenças transmissíveis crônicas: trabalha com as doenças de evolução crônica como hanseníase, tuberculose e aids, entre outras; - Núcleo de Imunizações: responsável pelo Programa Nacional de Imunização no município que inclui a distribuição, controle da qualidade dos imunobiológicos e investigação de eventos adversos. Possui atividades no quarto andar frente com área aproximada de 215m² e pé direito de 3 m e no térreo, com área aproximada de 36,50m² e pé direito de 3,70m. A Sala da Equipe e Sala de Reuniões se localizam no quarto andar e possuem área aproximada de 153 e 25,60 m² respectivamente. A primeira dispõe de mesas de trabalho, cadeiras, armários, arquivos, microcomputadores, impressoras, telefones e material de escritório e a segunda de mesa de reuniões, cadeiras, armário, microcomputador, refrigeradores e caixas térmicas para transporte de material biológico; a Sala de Imunizações localiza-se no térreo, possui área aproximada de 36,50m² e dispõe de mesas de trabalho, armários, arquivos, microcomputadores, impressora, telefone, forno microondas, refrigeradores e câmara refrigerada para armazenagem de vacinas, material de escritório e pia para lavagem de mãos; a Sala de Imunizações Serviços Administrativos também no térreo, possui área aproximada de 18,50m², piso em cerâmica e é mobiliada e equipada com mesas de trabalho, cadeiras, armários, arquivos, microcomputadores, impressora, telefone material de escritório e seringas em embalagens fechadas e o Almoxarifado, composto de duas salas localizadas no térreo que possuem área aproximada de 9m² e 6,50m² e pé direito aproximado de 3,70m e 2,80m respectivamente, e dispõem de refrigeradores para armazenagem de vacinas, caixas térmicas, banners, carro para transporte de carga, forno micro-ondas e impressos. 7

8 EQUIPE DE VIGILÂNCIA EM EVENTOS VITAIS, AGRAVOS E DOENÇAS NÃO TRANSMISSÍVEIS - EVEV A Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos não Transmissíveis gerencia em nível municipal os Sistemas Nacionais de Informação referentes a Nascidos Vivos (SINASC), Mortalidade (SIM), Vigilância Alimentar e Nutricional (SISVAN/Bolsa Família), Pré-natal (SISPRENATAL), Câncer de Colo de Útero (SISCOLO) e Violência (VIVA). É responsável também pelos Programas de Vigilância que, a partir dos Sistemas Nacionais de Informação, permitem monitorar a saúde da população de Porto Alegre com Prá-Nenê (saúde das crianças no primeiro ano de vida), Prá-Crescer (estado nutricional de crianças), Prá-Viver (mortalidade) e Prá-Parar (violência). Localiza-se no quinto andar - frente, com pé direito aproximado de 3 m. Dividida em Sala da Equipe que possui área aproximada de 147 m² e dispõe de mesas de trabalho, cadeiras, armários, arquivos, microcomputadores, impressoras, telefones, forno microondas, refrigerador, telefone e material de escritório; Arquivo de Documentos com área aproximada de 6 m² e dispõe de estantes, caixas para arquivo de documentos e carro para transporte de caixas e Sala de Reuniões com área aproximada de 16 m² e dispõe de mesa de reuniões, cadeiras, armário, arquivo e microcomputador. EQUIPE DE VIGILÂNCIA DE ZOONOSES A Equipe de Vigilância de Zoonoses conta com o Núcleo de Vigilância de População Animal (NVPA) e com o Núcleo de Vigilância de Roedores e Vetores (NVRV). - Núcleo de Vigilância de População Animal Desenvolve atividades de vigilância e controle de enfermidades próprias dos animais capazes de acometer o homem (e vice-versa) e incômodos causados por animais de hábitos sinantrópicos (bicho-de-pé, baratas, roedores, pernilongos, entre outros). Localiza-se no terceiro andar, possui área aproximada de 44,00m² e pé de 3m; Dispõe de mesas de trabalho, cadeiras, armários, arquivos, microcomputadores, impressoras, telefones, refrigerador, e material de escritório. - Núcleo de Roedores e Vetores Realiza vigilância ambiental de fatores biológicos de interesse em saúde pública. Entre as ações, está a vigilância do Aedes aegypti (mosquito transmissor da dengue), através da coordenação técnica do Programa de Prevenção à Dengue, a vigilância da leptospirose, da leptospirose canina, das mordeduras de ratos, da lagarta Lonomia obliqua, do flebótomo transmissor de leishmaniose, ações de educação ambiental e orientações sobre outros animais incômodos. Localiza-se no quarto andar fundos com possui área aproximada de 122m² e pé direito variando entre 2,50 de 3m e possui um depósito no andar térreo. No quarto andar localizam-se a Sala da Equipe com área aproximada de 100m² mobiliada e equipada com mesas de trabalho, cadeiras, armários, arquivos, microcomputadores, impressoras, telefones, forno micro-ondas, refrigerador e material de escritório; o Laboratório de Entomologia com área aproximada de 5,50m², que dispõe de bancada de trabalho, cadeiras, armário, arquivo, microscópio, microscópios-esteroscópicos, armadilhas para captura de insetos no campo, material de laboratório (lâminas, lamínulas), produtos químicos (frascos com 8

9 lactofenol, álcool, éter, clorofórmio, acetatodietila); a Área de Lavagem do Material do Laboratório de Entomologia que possui área aproximada de 3,60m² e dispõe de bancada de trabalho, bancos, armários, lixeira e caixa para descarte de material perfurocortante e a Sala de Reuniões com possui área aproximada de 13m² mobiliada com mesa de reuniões, cadeiras, armário, microcomputador, refrigerador e televisor. No andar térreo encontra-se o Depósito de Raticida e Inseticida, localizado na área externa/fundos, com área aproximada de 5,80m² e pé direito de 3,60m. Dispõe de prateleiras para armazenagem de aparelhos pulverizadores, caixas de papelão com raticida em blocos parafinados (Bromadiolone), caixas de papelão com recipientes plásticos de 1kg com raticida em pó (Cumatetralil), recipientes plásticos de 20l com inseticida (Deltametrina) recipientes plásticos de 10l/20l com inseticida (Vetobac 12 AS), recipientes plásticos com gasolina para abastecer aparelhos de aplicação de inseticida. EQUIPE DE MANUTENÇÃO O serviço de manutenção, responsável pela conservação do prédio, é composto atualmente por servidores estatutários que realizam serviços de pinturas em alvenaria e aberturas, carpintaria, elétricos, hidrossanitários, rede lógica e pequenos serviços de serralheria. A Sala da Equipe localiza-se no terceiro andar - fundos, possui área aproximada de 29,50m², pé direito de 3m e dispõe de mesas de trabalho, cadeiras, armários, arquivos, estantes, microcomputadores, impressoras, telefones, forno micro-ondas, refrigerador, material de escritório, carro para transporte de materiais, ferramentas manuais, ferramentas elétricas (solda elétrica, furadeira, serra circular manual, serra mármore, serra tico-tico, serra copo, plaina elétrica, esmeril manual, esmeril de bancada, maçarico, ar comprimido), material elétrico, material hidráulico, material para pintura, ferragens em geral, varetas para soldagem K 46, cola de contato para piso vinílico, massa plástica, massa rápida, tinta a óleo e verniz, esmalte sintético, cola branca, solventes (thiner), espuma para fixar portas, adesivo de silicone, adesivo plástico para PVC, anel de cera para fixar vaso sanitário e o Depósito de Materiais se localiza no andar térreo área externa/fundos, possui área aproximada de 5m², pé direito aproximado de 3,60m e dispõe de prateleiras para armazenagem de materiais diversos como material para jardinagem, material para pintura, lâmpadas fluorescentes novas, torno, canos de PVC, material para alvenaria, solvente, máquina para cortar grama elétrica, carregador de bateria para carros e escadas. NÚCLEO DE TRANSPORTES Responsável pela disponibilização de carros próprios e locados para a realização de atividades das Equipes da CGVS. Localiza-se no térreo - área lateral externa, possui área aproximada de 15m², pé direito de 3,70m e dispõe de mesas de trabalho, cadeiras, armários, arquivos, microcomputadores, impressora, telefone, refrigerador e material de escritório. 9

10 2. ANALISE QUALITATIVA 2.1 DA FUNÇÃO DO TRABALHADOR COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Atividade de Coordenador: coordenar as políticas e ações da CGVS-SMS no atendimento das suas competências e atribuições; propor as diretrizes, padrões e parâmetros dos planos de vigilância à saúde da SMS; representar a CGVS promovendo a articulação interinstitucional necessária para garantir a vigilância em saúde; estabelecer a política de recursos humanos da CGVS; organizar a elaboração de relatório anual da CGVS e participar de ações de fiscalização de qualquer uma das equipes sempre que necessário, para dar respaldo na ação. Atividade de Assistente Técnico: substituir o coordenador da CGVS nos seus impedimentos; assessorar o coordenador do CGVS; coordenar as atividades relacionadas aos recursos humanos; coordenar e acompanhar o desenvolvimento de convênios com outras instituições; coordenar a participação da CGVS em eventos internos e externos da Secretaria; assessorar técnica e administrativamente as chefias das equipes e gerenciar grupos de trabalho interdisciplinares e o trabalho desenvolvido pelos integrantes da assessoria técnica do Coordenador da CGVS. Atividade de Assessor Técnico: realizar atividades visando melhorias nos relacionamentos das equipes, na organização do trabalho, na capacitação e nos recursos humanos, sempre com ênfase na área de atuação do assessor; discutir e repassar orientações de procedimentos na fiscalização; coordenar o processo administrativo sanitário, tanto no Eixo Sanitário quanto no Eixo Epidemiológico. Assessor Técnico do Grupo de Controle de Infecção: realizar investigação de surtos de infecção hospitalar notificadas; participar, junto com a Equipe de Serviços, das interdições em serviços de saúde; realizar pesquisas em prontuários; acompanhar situações de alerta e participar de reuniões em hospitais. Assessor Técnico do Grupo de Educação em Vigilância em Saúde: responder pela Residência Multidisciplinar em Vigilância em Saúde; coordenar e produzir meios para a adequada execução de atividades educacionais; realizar preceptoria em campo, acompanhando as equipes nas suas atividades. Atividade de Assessor de Planejamento: planejar, avaliar e acompanhar o Plano Municipal de Saúde e pactuações com esferas superiores. Atividade de Assessor de Tecnologia: coordenar o funcionamento dos programas de informática na CGVS; participar de reuniões externas e nas Equipes. Atividade Administrativa: elaborar documentos, ofícios e memorandos; registrar entrada e saída de documentos; digitar dados no banco de dados; prestar informações ao telefone; controlar o estoque de material de escritório e realizar pedidos de compras; registrar certificados de cursos e palestras para o público interno e externo. 10

11 NÚCLEO DE APOIO ADMINISTRATIVO Chefe do NAA: supervisionar a atividade dos assistentes administrativos; controlar e monitorar a efetividade de todas as equipes da CGVS; participar de reuniões; elaborar relatório gerencial a cada dois meses; atualizar a demanda de reclamações e pedidos de providências pelo telefone n 156; selecionar e coordenar as atividades dos estagiários; encaminhar documentos através da EAA-CATA; elaborar relatórios, documentos, ofícios e memorandos para a coordenação; receber e distribuir processos de pedidos de Alvará de Saúde, multas e DAMs; protocolar processos; digitar dados no banco de dados; prestar informações ao telefone sobre o andamento de processos e pedidos de alvará; controlar o estoque de material de escritório e realizar pedidos de compras; agendar documentos de notificação para a Equipe de Alimentos e participar do Comitê de Informática da SMS. Atividade Administrativa: elaborar relatórios, documentos, ofícios e memorandos; realizar emissão e entrega de alvarás, multas e DAMs; protocolar processos; digitar dados no banco de dados; atualizar, no terminal, a situação de multas e alvarás; prestar informações ao telefone sobre o andamento e recebimento de denúncias, processos e pedidos de alvará; controlar o estoque de material de escritório e realizar pedidos de compras; agendar documentos de notificação e multas para as Equipes; realizar comunicação telefônica de multas e entrada de dívida ativa; emitir certidões; encaminhar laudos; registrar certificados de cursos e palestras para o público interno e externo; registrar certificados; elaborar a folha de pagamento da CGVS; realizar o controle patrimonial; fazer recepção e atendimento no guichê e distribuir receituários de medicação especial. Atividade de Contínuo: entregar documentos em outros setores, receber e transportar malote e entregar correspondência. EQUIPE DE VIGILÂNCIA DE SERVIÇOS DE INTERESSE À SAÚDE A Equipe é composta por dois núcleos de atuação, no que se refere aos serviços inspecionados: Núcleo de Baixa Complexidade creches, escolas de educação infantil, abrigos para crianças com deficiência, geriatrias, consultórios sem procedimentos, clínicas estéticas, comunidades terapêuticas, óticas, estúdios de tatuagem, locais com procedimentos invasivos sem processamento de material. Núcleo de Alta Complexidade Hospitais, consultórios com procedimentos sem processamento de material, hemodiálises, clínicas de quimioterapia, endoscopia e odontologias. Atividade do Chefe de Equipe: gerenciar os núcleos; coordenar as atividades administrativas; elaborar relatórios técnicos e de prestação de contas; responder a processos administrativos e às demandas específicas provenientes de outras instituições do nível municipal, estadual e federal; representar a Equipe em reuniões; realizar as atividades de campo descritas na sequência e acompanhamento a outros membros da Equipe. Atividade do Chefe de Núcleo: gerenciar o núcleo e administrar o pessoal; planejar atividades; solicitar material e equipamentos; elaborar relatórios e prestar contas; responder a processos administrativos e às demandas específicas provenientes de outras instituições (p.ex Ministério Público); participar de reuniões diversas; fazer 11

12 representações junto a órgãos como o Ministério Público e acompanhar as vistorias realizadas pelos núcleos de sua equipe, inclusive indo a campo. Atividade de Fiscal de Nível Superior: realizar vistorias técnicas em estabelecimentos, de alta, média e baixa complexidade, que prestam atendimento à população como: Hospitais; Clínicas Médicas, de Medicina Estética, de Fisioterapia, de Odontologia, de Vacinação; Laboratórios de Análises Clínicas e Patologia, Postos de Coleta; Bancos de Leite, de Células e Tecidos; Serviços de Hemoterapia; Centrais Sorológicas de Triagem Laboratorial de Doadores e Controle de Transporte de Plasma; Serviços de Nutrição Enteral, de Oxigenioterapia Hiperbárica, de Endoscopia, de Quimioterapia, de Hemodiálise, de Medicina Nuclear, de Radioterapia, de Radiodiagnóstico Odontológico (avaliar o funcionamento dos locais, sendo a análise de exposição solicitada à Equipe de Engenharia), de Atendimento Domiciliar, de Remoção de pacientes (Ambulâncias); Pronto Atendimentos de Urgência; Consultórios Médicos; Escolas Infantis e Casas Geriátricas, entre outros. Verificar a rotulagem e validade de produtos e medicamentos utilizados em procedimentos de saúde; vistoriar as condições físicas dos locais (banheiros, vestiários, quartos, salas de procedimentos e demais dependências); verificar torpedos de gases medicinais, equipamentos eletromédicos em geral, carros de parada, extintores de incêndio e material de emergência; realizar inspeção do armazenamento, disposição final, separação, depósito e descarte de resíduos com contaminantes biológicos e químicos (analisar capelas de produtos radiativos); fazer controle de separação, depósito e descarte de resíduos; entrevistar os proprietários dos estabelecimentos sobre as atividades de prestação de serviços; solicitar laudos da limpeza e desinfecção dos reservatórios de água potável dos estabelecimentos, laudos da qualidade de água e de equipamentos; fazer controle e orientar a respeito das condições de biossegurança do local; receber cadastro e listagem de doadores de bancos de sangue; verificar eventos mórbidos ocorridos em hemodiálises e hospitais; vistoriar em casos de surtos de infecção nosocomial (acinetobacter, bactérias pan resistentes, micobactérias, H1N1, Hepatites, etc), acompanhar e orientar o trabalho das Comissões de Controle de Infecção Hospitalar; vistoriar creches em casos de surtos alimentares; licenciar, notificar e autuar estabelecimentos em situação irregular; realizar análise documental dos processos de alvará de saúde, cadastrar e licenciar os estabelecimentos; responder às solicitações do Ministério Publico e Conselhos e elaborar pareceres técnicos. Realizam avaliação de setores de isolamento (área física, ventilação, pressão negativa e filtros específicos). Atividade de Agente de Fiscalização de Nível Médio: realizar vistorias técnicas em estabelecimentos, de alta, média e baixa complexidade, que prestam atendimento à população como: Hospitais; Clínicas Médicas, de Medicina Estética, de Fisioterapia, de Odontologia, de Vacinação; Laboratórios de Análises Clínicas e Patologia, Postos de Coleta; Bancos de Leite, de Células e Tecidos; Serviços de Hemoterapia; Centrais Sorológicas de Triagem Laboratorial de Doadores e Controle de Transporte de Plasma; Serviços de Nutrição Enteral, de Oxigenioterapia Hiperbárica, de Endoscopia, de Quimioterapia, de Hemodiálise, de Medicina Nuclear, de Radioterapia, de Radiodiagnóstico Odontológico (avaliar o funcionamento dos locais, sendo a análise de exposição solicitada à Equipe de Engenharia), de Atendimento Domiciliar, de Remoção de pacientes (Ambulâncias); Pronto Atendimentos de Urgência; Consultórios Médicos; Escolas Infantis e Casas Geriátricas, entre outros. Verificar a rotulagem e validade de produtos e medicamentos utilizados em 12

13 procedimentos de saúde; vistoriar as condições físicas dos locais (banheiros, vestiários, quartos, salas de procedimentos e demais dependências); verificar torpedos de gases medicinais, equipamentos eletromédicos em geral, carros de parada, extintores de incêndio e material de emergência; realizar inspeção do armazenamento, disposição final, separação, depósito e descarte de resíduos com contaminantes biológicos e químicos (analisar capelas de produtos radiativos); fazer controle de separação, depósito e descarte de resíduos; entrevistar os proprietários dos estabelecimentos sobre as atividades de prestação de serviços; solicitar laudos da limpeza e desinfecção dos reservatórios de água potável dos estabelecimentos, laudos da qualidade de água e de equipamentos; fazer controle e orientar a respeito das condições de biossegurança do local; receber cadastro e listagem de doadores de bancos de sangue; verificar eventos mórbidos ocorridos em hemodiálises e hospitais; vistoriar em casos de surtos de infecção nosocomial (acinetobacter, bactérias pan resistentes, micobactérias, H1N1, Hepatites, etc), acompanhar e orientar o trabalho das Comissões de Controle de Infecção Hospitalar; vistoriar creches em casos de surtos alimentares; licenciar, notificar e autuar estabelecimentos em situação irregular; realizar análise documental dos processos de alvará de saúde, cadastrar e licenciar os estabelecimentos; realizar análise documental dos processos de alvará de saúde, cadastrar estabelecimentos e dirigir veículos. Eventualmente fazem apreensão de alimentos e medicamentos vencidos. Realizam avaliação de setores de isolamento (área física, ventilação, pressão negativa e filtros específicos). Atividade Administrativa: atender telefone; fornecer informações; receber boletins dos bancos de sangue; conferir e encaminhar à vigilância do Estado; fazer recepção do público em geral; realizar o cadastramento de médicos de Porto Alegre; digitar; solicitar cópias e encaminhar correspondência e documentos. EQUIPE DE ENGENHARIA Atividade de Chefe da Equipe: dirigir os serviços administrativos e planejar atividades; administrar pessoal; solicitar materiais e equipamentos e realizar as demais atividades do núcleo, inclusive as de campo. Atividade de Fiscal de Nível Superior: aprovar e licenciar projetos arquitetônicos de Serviços de Interesse à Saúde; licenciar e inspecionar todos os serviços de diagnóstico por imagem com radiações ionizantes, inclusive realizando medições com câmara de ionização; realizar inspeções em serviços da saúde diversos entre eles os consultórios e clínicas odontológicas, notificar e autuar estabelecimentos em situação irregular. Atividade de Agente de Fiscalização de Nível Médio: inspecionar os serviços de diagnóstico por imagem com radiações ionizantes; realizar inspeções em serviços da saúde diversos entre eles os consultórios e clínicas odontológicas; notificar e autuar estabelecimentos em situação irregular. Atividade Administrativa: atender telefone; fornecer informações; fazer recepção do público em geral; digitar; solicitar cópias e encaminhar correspondência e documentos. 13

14 EQUIPE DE PRODUTOS DE INTERESSE À SAÚDE Atividade de Chefe da Equipe: gerenciar o núcleo; elaborar relatórios; prestar contas; responder processos administrativos; participar de reuniões diversas; responder às demandas específicas proveniente de outras instituições (p.ex Ministério Público) e acompanhar as vistorias realizadas pela sua equipe. Atividade de Fiscal de Nível Superior: fiscalizar e licenciar farmácias (privadas, públicas, internas e hospitalares), drogarias, distribuidoras, controladoras de pragas urbanas e transportadoras (medicamentos e produtos para saúde, cosméticos e saneantes); desenvolver ações de orientação técnica às farmácias, drogarias, distribuidoras, controladoras de pragas urbanas e transportadoras (medicamentos, produtos para saúde, cosméticos e saneantes); emitir parecer para autorizações de funcionamento de distribuidoras e transportadoras; fornecer autorização especial para medicamentos controlados de farmácias; fiscalizar estoques; fiscalizar a prestação de serviços farmacêuticos (atenção farmacêutica domiciliar, aferição de parâmetros biológicos e bioquímicos, administração de medicamentos, perfuração de lóbulo auricular para colocação de brincos); fiscalizar a aplicação das Boas Práticas de Distribuição e Armazenamento; fiscalizar a aplicação das Boas Práticas de Manipulação de preparações magistrais e oficinais para uso humano em farmácias; vistoriar a procedência e condições de estocagem e controle de qualidade da matéria prima, manipulação e produto final em farmácias; fiscalizar a procedência de produtos industrializados em drogarias; apreender produtos sem procedência; orientar sobre os procedimentos para descarte de medicamentos e produtos vencidos; receber reclamações, balanços e relatórios de farmácias e drogarias; emitir pareceres técnicos e ofícios de encaminhamento relativos ao seu âmbito de atuação; emitir notificações e autos de infração; montar, instruir e analisar processos administrativo sanitários referentes aos estabelecimentos autuados por infringir os dispositivos da legislação sanitária vigente; realizar ações envolvendo irregularidades no comércio farmacêutico de medicamentos, insumos, produtos para saúde, cosméticos e saneantes em conjunto com a Polícia Civil, Polícia Federal, ANVISA, Conselhos Regionais,etc. Atividade de Agente de Fiscalização de Nível Médio: fiscalizar drogarias, distribuidoras, controladoras de pragas urbanas e transportadoras (medicamentos e correlatos, cosméticos e saneantes); acompanhar o profissional farmacêutico na fiscalização de farmácias; emitir parecer para as autorizações de funcionamento de distribuidoras e transportadoras; fiscalizar estoques e sala de aplicação de injetáveis em drogarias; fiscalizar a aplicação das Boas Práticas de Distribuição e Armazenamento; vistoriar estocagem e procedência de produtos industrializados em drogarias e distribuidoras; apreender produtos sem procedência; orientar sobre o descarte de medicamentos e produtos vencidos; receber reclamações, boletins e relatórios de drogarias; emitir parecer e ofícios de encaminhamento de alvará sanitário; fornecer orientações; fazer análise de ofícios e processos da área de medicamentos e produtos para a saúde; emitir notificações e autos de infração; realizar ações envolvendo irregularidades no comércio farmacêutico de medicamentos, insumos e produtos para a saúde, cosméticos e saneantes em conjunto com a Polícia Civil, Polícia Federal, ANVISA, Conselhos Regionais, etc. Atividade Administrativa: atender telefone, fornecer informações; receber boletins do banco de sangue, conferir e encaminhar à vigilância do Estado; fazer recepção do público em geral; realizar o cadastramento de médicos de Porto Alegre; receber 14

15 mensalmente relatórios dos medicamentos controlados das distribuidoras; receber medicamentos vencidos; digitar; solicitar cópias e encaminhar correspondência e documentos. EQUIPE DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL E DO TRABALHADOR Atividade do Chefe de Equipe: coordenar as atividades administrativas; elaborar relatórios técnicos e de prestação de contas; responder a processos administrativos; representar a Equipe em reuniões; responder às demandas específicas provenientes de outras instituições do nível municipal, estadual e federal, além de realizar as atividades de campo descritas na sequência e acompanhamento a outros membros da Equipe. Atividade de Fiscal de Nível Superior: realizar vistorias das condições ambientais de áreas internas e externas de estabelecimentos (banheiros, quartos, pátios, ambientes de trabalho, áreas de entorno, tipo de construção, rede de vizinhança, impacto nos recursos naturais disponíveis próximos, depósitos de lixo, vazamentos e ou acidentes com produtos perigosos, entre outros) públicos e privados; realizar inspeções em áreas de risco para desastres ambientais, áreas em situação de degradação natural (enchentes, desmoronamentos, deslizamentos) e por contaminação de produtos químicos (benzeno, amianto, mercúrio, entre outros); realizar inspeção em áreas degradadas, condomínios, comunidades e vilas de Porto Alegre, verificando gerenciamento dos resíduos sólidos e líquidos e impactos no ambiente acionando órgãos competentes; participar do controle de separação, depósito e descarte de resíduos com órgão responsável do município; realizar visitas domiciliares a expostos, entrevistando os proprietários e trabalhadores sobre condições de trabalho e moradia; solicitar laudos de água e equipamentos; examinar os resíduos e orientar a respeito de recolhimento de lixo; notificar e autuar estabelecimentos em situação irregular; cadastrar e licenciar estabelecimentos, responder a solicitações do Ministério Público e emitir parecer técnico sobre situação ambiental ou relacionada à saúde do trabalhador. Trabalham por denúncias através do telefone 156. Atividade de Agente de Fiscalização de Nível Médio: realizar vistorias das condições ambientais de áreas internas e externas de estabelecimentos (banheiros, quartos, pátios, ambientes de trabalho, áreas de entorno, tipo de construção, rede de vizinhança, impacto nos recursos naturais disponíveis próximos, depósitos de lixo, vazamentos e ou acidentes com produtos perigosos, entre outros) públicos e privados; realizar inspeções em áreas de risco para desastres ambientais, áreas em situação de degradação natural (enchentes, desmoronamentos, deslizamentos) e por contaminação de produtos químicos (benzeno, amianto, mercúrio, entre outros); realizar inspeção em áreas degradadas, condomínios, comunidades e vilas de Porto Alegre, verificando gerenciamento dos resíduos sólidos e líquidos e impactos no ambiente acionando órgãos competentes; participar do controle de separação, depósito e descarte de resíduos com órgão responsável do município; realizar visitas domiciliares a expostos, entrevistando os proprietários e trabalhadores sobre condições de trabalho e moradia; solicitar laudos de água e equipamentos; examinar os resíduos e orientar a respeito de recolhimento de lixo; notificar e autuar estabelecimentos em situação irregular; cadastrar e licenciar estabelecimentos e responder a solicitações do Ministério Público. 15

16 Atividade do Assistente Administrativo: atender telefone; fornecer informações; receber e despachar documentos; recepcionar o público em geral; digitar notificações no sistema de informação específico; elaborar atas e registro de reuniões; auxiliar no cadastramento de áreas e locais sob atuação da equipe e encaminhar correspondência e documentos. EQUIPE DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE ALIMENTOS Atividade de Chefe de Equipe: coordenar e supervisionar o planejamento, execução, monitoramento e avaliação das ações; definir prioridade; supervisionar e avaliar o trabalho dos grupos, dos responsáveis técnicos e do apoio operacional; representar a Equipe de Vigilância de Alimentos no Colegiado da CGVS e reuniões ; elaborar relatórios; supervisionar estagiários e ministrar palestras e cursos; elaborar pareceres técnicos e acompanhar as vistorias em operações especiais. Realiza sua atividade base. Atividade de Chefe Adjunto: participar de reuniões da Equipe; controlar a produtividade e efetividade; auxiliar na definição de prioridades; organizar eventos; realizar a distribuição de trabalho; elaborar relatórios e supervisionar estagiários, realizar inspeção sanitária e substituir a chefia na sua ausência. Realiza sua atividade base. Atividade de Fiscalização de Nível Superior: realizar a inspeção sanitária de rotina e decorrente de reclamações, solicitação de Alvará de Saúde, barreiras, surtos e operações especiais; realizar palestras de orientação técnica sobre normas sanitárias de manipulação, acondicionamento, produção e comércio de alimentos; emitir notificações, autos de apreensão e autos de infração; recolher e inutilizar o material apreendido e transportar para o aterro sanitário. Durante a realização de inspeções, são verificados prazos de validade dos alimentos, acondicionamento, limpeza e higiene do local e dos funcionários, armazenamento do lixo, temperatura do ambiente (incluindo câmaras resfriadas e túneis de congelamento), utensílios, embalagem, presença de insetos e roedores e são preenchidas fichas de inspeção e notificação (ver anexo I) e emitidos os autos de apreensão e infração quando necessário. O material apreendido é separado manualmente, pesado, ensacado e transportado para o aterro sanitário onde a sua inutilização deve ser acompanhada. É atividade exclusiva dos técnicos de nível superior a emissão de pareceres técnicos e a coleta de amostras clínicas. Em investigações de surtos de toxiinfecções alimentares são feitas coletas clínicas (fezes) e bromatológicas (água e alimentos), além dos procedimentos realizados nas vistorias de rotina. São realizadas entrevistas com funcionários, pacientes e familiares em residências e hospital e entrega do material coletado no Laboratório Central-LACEN. Atividade de Fiscalização de Nível Médio: realizar a inspeção sanitária de rotina e decorrente de reclamações, solicitação de Alvará de Saúde, barreiras, surtos e operações especiais; realizar palestras de orientação técnica sobre normas sanitárias de manipulação, acondicionamento, produção e comércio de alimentos; emitir notificações, autos de apreensão e autos de infração; recolher e inutilizar o material apreendido e transportar para o aterro sanitário. Durante a realização de inspeções, são verificados prazos de validade dos alimentos, limpeza e higiene do local e dos funcionários, armazenamento do lixo, temperatura do ambiente (incluindo câmaras resfriadas e túneis de congelamento), utensílios, embalagem, presença de insetos e roedores e são preenchidas fichas de inspeção e notificação (ver anexo I) 16

17 e emitidos os autos de apreensão e infração quando necessário. O material apreendido é separado manualmente, pesado, ensacado e transportado para o aterro sanitário onde a sua inutilização deve ser acompanhada. Em investigações de surtos de toxiinfecções alimentares são feitas coletas bromatológicas (água e alimentos) além dos procedimentos realizados nas vistorias de rotina. São realizadas entrevistas com funcionários, pacientes e familiares e entrega do material coletado no Laboratório Central-LACEN. Atividade de Assistente Administrativo: atender ao telefone; prestar informações ao telefone e no setor; elaborar e digitar ofícios e memorandos; receber dados e alimentar o banco de dados; controlar a entrada e saída de processos e receber e direcionar reclamações e denúncias pelo telefone 156. EQUIPE DE CONTROLE SANITÁRIO DE ÁGUAS Atividade de Chefe de Equipe: além de sua atividade base, compete ao Chefe da equipe organizar escalas de trabalho, escalas de férias, folgas e horas extras; participar de reuniões do Colegiado, do fórum de saneamento e de outros órgãos (CARS, DMAE, DEP); coordenar reuniões de equipe; despachar processos; controlar entrada e saída de documentos; fazer pedidos de material; elaborar memorandos, relatórios e pareceres técnicos e supervisionar estagiários. Atividade de Fiscalização de Nível Superior: realizar inspeção das condições dos reservatórios de água em estabelecimentos com atividade alimentar e águas irregulares; verificar a qualidade da água distribuída pelo sistema de abastecimento público por meio de coleta e análise bacteriológica e de cloro em pontos determinados da cidade; coletar águas de fontes, vertentes e poços artesianos; controlar e vistoriar as condições de higiene, cloro e PH em clubes e piscinas; fiscalizar e vistoriar as condições hidrossanitárias e caixas de gordura dos estabelecimentos comerciais; fiscalizar denúncias de extravasamento de águas servidas ou residuais providos de residência e comércio; atender a processos do Ministério Público e da polícia, realizar palestras para orientação e conscientização com a comunidade e emitir pareceres técnicos. Trabalha junto às comunidades em beira de arroios e realiza trabalhos em conjunto com DEP, DMLU e DMAE em educação ambiental, orientação sobre resíduos sólidos e água e promoção à saúde. Atividade de Fiscalização de Nível Médio : realizar inspeção das condições dos reservatórios de água em estabelecimentos com atividade alimentar e águas irregulares; verificar a qualidade da água distribuída pelo sistema de abastecimento público por meio de coleta e análise bacteriológica e de cloro em pontos determinados da cidade; coletar águas de fontes, vertentes e poços artesianos; controlar e vistoriar as condições de higiene, cloro e PH em clubes e piscinas; fiscalizar e vistoriar as condições hidrossanitárias e caixas de gordura dos estabelecimentos comerciais; fiscalizar denúncias de extravasamento de águas servidas ou residuais providos de residência e comércio; atender a processos do Ministério Público e da polícia, realizar palestras para orientação e conscientização com a comunidade e lavrar notificação e ato de infração. Trabalha junto às comunidades em beira de arroios e realiza trabalhos em conjunto com DEP, DMLU e DMAE em educação ambiental, orientação sobre resíduos sólidos e água e promoção à saúde realiza palestras para orientação e conscientização com a comunidade; 17

18 Atividade de Assistente Administrativo: atender ao telefone; prestar informações ao telefone e no setor; elaborar e digitar relatórios, ofícios e memorandos; receber dados e alimentar o banco de dados; controlar a entrada e saída de processos e controlar estoque de material. EQUIPE DE CONTROLE EPIDEMIOLÓGICO Atividade de Chefe de Equipe: além das atividades inerentes à sua função, participar de reuniões do Colegiado; responder administrativamente pela Equipe; responder, junto ao coordenador, Secretaria da Saúde, instituições e órgãos de imprensa, pela Equipe de Controle Epidemiológico. Faz o relacionamento e integração com outras equipes da CGVS. NÚCLEO DE DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS AGUDAS Atividade de Chefe do Núcleo: responder frente à chefia da equipe pelo núcleo; organizar o pessoal do núcleo; controlar efetividade (licenças, escalas, férias, horas extras); ministrar treinamento para a rede de saúde (tuberculose, leptospirose, hepatites, meningite e vacinação), realizar visitas hospitalares e domiciliares e participar de discussões clínicas. Atividade de Agente de Controle Epidemiológico de Nível Superior: realizar visitas a hospitais para discussão de casos de notificação compulsória; realizar visitas domiciliares em casos de óbitos ou investigação de agravos inusitados; analisar dados de doenças; emitir relatórios; realizar busca ativa e coleta de sangue e fluidos quando necessário; realizar atendimento telefônico e atendimento ao público; participar de operações de emergência (combate à entrada de doenças) e campanhas de vacinação; elaborar relatórios; orientar e entregar quimioterápicos; transportar placas de cultura semeadas, realizar treinamentos em hospitais e fazer supervisão técnica. O responsável pelo controle de surtos de hepatite A, realiza busca ativa quando necessário e sempre que surgem dois ou mais casos relacionados faz controle ambiental, que consta de visita domiciliar com entrevista e observação, visita a estabelecimentos de ensino ou trabalho, solicitação de coleta de água e transporte de material biológico para o PAM ou LACEN; encaminha pacientes para vacinação; emite autorizações de PCR (exame retroviral) e fichas de investigação e atende ao público. Atividade de Agente de Controle Epidemiológico de Nível Médio: realizar, diariamente, busca ativa de pacientes em hospitais a procura de casos de tuberculose, leptospirose, hepatites, hantavirose, meningites, AIDS, Influenza e outras doenças de notificação compulsória. Esta busca se inicia no laboratório, emergência, UTIS e posteriormente Unidades. É preenchida uma ficha de informações sobre a doença do paciente e os dados são recolhidos nos prontuários ou através de entrevistas com médicos, pacientes e familiares. Ao agente cabe avaliar, no laboratório, os exames de líquor e recolher amostras de sangue e líquor para ser transportado para o LACEN para análise; transportar placas semeadas com bactérias multirresistentes; analisar, nas emergências, as listagens de pacientes atendidos, consulta fichas de pacientes e examinar prontuários nas UTIs e, quando possível, entrevistar o paciente; na farmácia controlar o estoque de medicamentos para meningite meningocócica e fazer busca no SAME-Arquivo médico. Nos 18

19 andares, entrevista os pacientes e familiares nas salas de observação e salas de isolamento e realiza observação de pacientes com meningite meningocócica. Atividade de Assistente Administrativo: digitar, redigir memorandos, ofícios e relatórios de produção; atender telefone; controlar a efetividade dos estagiários; fazer controle dos resultados do LACEN; abrir pastas para arquivo; solicitar reposição e fazer controle de estoque de material; encaminhar documentos para postos de saúde, hospitais e outros locais; quando necessário, deslocar-se para postos de saúde, LACEN e coordenadorias do estado transportando documentos. NÚCLEO DE DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS CRÔNICAS Atividade de Chefe do Núcleo: responder frente à chefia da equipe pelo núcleo; organizar o pessoal do núcleo; controlar efetividade (licenças, escalas, férias, horas extras); ministrar treinamento para a rede de saúde (tuberculose, leptospirose, hepatites, meningite e vacinação), realizar visitas hospitalares e domiciliares e participar de discussões clínicas. Atividade de Agente de Controle Epidemiológico de Nível Superior: processar e consolidar dados recebidos dos hospitais e Unidades Sanitárias; realizar busca ativa e revisar prontuários de novos casos de tuberculose em hospitais (UTIs, Unidades, Centro de Controle de Infecção), Unidades Sanitárias e casas geriátricas; realizar visitas domiciliares a contatantes de paciente; realizar investigação e confirmação diagnóstica principalmente em casos de multi-resistência, pacientes com tuberculose coinfectados com HIV e meningite tuberculosa; transportar material do local de coleta para o laboratório (líquor e peças de biópsia); prestar orientação em hospitais; investigar surtos em instituições e realizar capacitação de pessoal. Atividade de Agente de Controle Epidemiológico de Nível Médio: realizar busca ativa em hospitais e Unidades Sanitárias, de casos de tuberculose. Nas unidades dos hospitais verificar prontuários para a confirmação do caso e após entrevistar o paciente ou familiar; transportar material (escarro, sangue e líquor) para o LACEN ou outro laboratório e participar de campanhas de vacinação de rotina ou surtos. NÚCLEO DE IMUNIZAÇÕES Atividade de Chefe do Núcleo: além das atividades inerentes à sua função, planejar e organizar cursos e campanhas de vacinação; planejar as atividades do Núcleo de Imunizações; controlar efetividade (férias, horas extras, licenças); supervisionar salas de vacinação em hospitais e Unidades Sanitárias; investigar eventos adversos pós-vacinação; controlar a manutenção das vacinas e participar de reuniões da SMS. Atividade de Técnico de Nível Superior: coordenar as atividades dos TNM; supervisionar a manutenção e a entrega de vacinas em Unidades Sanitárias; realizar vacinações domiciliares, em empresas, nas campanhas e bloqueios (aplicação IM, IV e SC); distribuir material nas U.S.; investigar eventos adversos notificados em Hospitais e UTIs e busca ativa domiciliar; realizar cursos de capacitação; fiscalizar clínicas de vacinação; fornecer informações por telefone ou nos postos de vacinação; controlar estoques e realizar diariamente busca ativa de casos de Paralisia Flácida todos os casos de perda de força (H. Clínicas, Santa Casa e H.Conceição). A busca, que é direcionada para crianças até 14 anos e adulto que viajaram a áreas endêmicas, usualmente ocorre nas UTIs pediátricas com avaliação do paciente e conversa com a mãe e coleta de fezes levadas ao LACEM. 19

20 Atividade de Técnico e Auxiliar de Enfermagem: entregar, diariamente, vacinas em Unidades Sanitárias; realizar vacinações domiciliares, em empresas, em hospitais se solicitado, nas campanhas e bloqueios (aplicação IM, IV e SC) e fazer anotações e preenchimento de cadernetas de vacinação; buscar vacinas no setor de abastecimento, transportar material biológico e realizar investigação de casos de Paralisia Flácida. Atividade de Técnico de Nível Médio: entregar, diariamente, vacinas em Unidades Sanitárias; buscar vacinas no setor de abastecimento e transportar material biológico. EQUIPE DE VIGILÂNCIA EM EVENTOS VITAIS, AGRAVOS E DOENÇAS NÃO TRANSMISSÍVEIS Atividade de Chefe de Equipe: além das atividades inerentes à sua função, representar a Equipe junto à Coordenação; participar de reuniões com a Coordenação e Gerências Distritais; responder administrativamente pelo setor, seus programas e sistemas; responder, junto ao coordenador, Secretaria da Saúde, instituições e órgãos de imprensa, pela Equipe; participar de reuniões nas Unidades Sanitárias para capacitações; controlar efetividade e solicitar material. Atividade de Responsável por Atividade (Chefe do Núcleo de Informática): além das atividades inerentes à sua função, assessorar os programas e sistemas da equipe, dar direção técnica às pesquisas e finalizar dados; realizar visitas de busca de informações sempre que necessário. Atividade de Coordenador do SINASC (Sistema de Informação sobre Nascidos Vivos): além das atividades inerentes à sua função, coordenar o trabalho e atividades do programa; fazer contatos com a promotoria e juizado; realizar visitas hospitalares e domiciliares quando necessário, analisar, compilar e divulgar dados e escreve artigos científicos. Atividade de Coordenador do SIM (Sistema de Informação de Mortalidade): além das atividades inerentes à sua função, coordenar o trabalho e atividades do programa; preparar escalas de férias; responder pelo programa junto à chefia da equipe; realizar visitas hospitalares e domiciliares quando necessário; analisar, compilar e divulgar dados. Atividade de Coordenador do DANTS (Doenças e agravos não transmissíveis) e BOLSA FAMÍLIA: além das atividades inerentes à sua função, coordenar o trabalho e atividades do programa; realizar o fechamento de relatórios; capacitar pessoal; realizar visitas hospitalares e domiciliares quando necessário; realizar busca ativa a famílias que não fazem acompanhamento na UBS para informação ao Bolsa Família; analisar, compilar e divulgar dados e elaborar planilhas. Atividade de Coordenador do Programa PRÁ-NENE: além das atividades inerentes à sua função, coordenar o fluxo de informações do programa, receber, analisar e compilar dados de avaliação das crianças e remete informações para as Unidades Sanitárias; supervisionar as atividades e capacitar funcionários; elaborar relatórios e cronograma de atividades; participar de reuniões da equipe e reuniões nas Unidades; realizar capacitação nas Unidades Sanitárias; responder pelo programa junto à coordenação. Atividade de Técnico de Nível Superior: Realizar pesquisa em prontuários hospitalares e em UBS de pessoas que foram a óbito; fazer visitas hospitalares, 20

INSPEÇÃO EM CLINICAS E CONSULTÓRIOS MÉDICOS I- DADOS CADASTRAIS

INSPEÇÃO EM CLINICAS E CONSULTÓRIOS MÉDICOS I- DADOS CADASTRAIS Prefeitura Municipal do Salvador Secretaria Municipal da Saúde Coordenadoria de Saúde Ambiental Subcoordenadoria de Vigilância Sanitária INSPEÇÃO EM CLINICAS E CONSULTÓRIOS MÉDICOS Razão Social: CGC/CNPJ/CPF:

Leia mais

Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários.

Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários. Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários. Nº PROCESSO REQUERIMENTO RAZÃO SOCIAL IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO NOME DE FANTASIA NÚMERO DO CNPJ NÚMERO ÚLTIMO

Leia mais

ROTEIRO PARA COLETA DE ALIMENTO EM CASO DE SURTOS DE DOENÇAS TRANSMITIDA POR ALIMENTO DTA

ROTEIRO PARA COLETA DE ALIMENTO EM CASO DE SURTOS DE DOENÇAS TRANSMITIDA POR ALIMENTO DTA ROTEIRO PARA COLETA DE ALIMENTO EM CASO DE SURTOS DE DOENÇAS TRANSMITIDA POR ALIMENTO DTA 1) PRIMEIRO PASSO - Recebimento da Notificação: Quando recebida a notificação de surto de DTA, deve-se notificar

Leia mais

LAUDO 012/2013 SAE C.S. SANTA MARTA. SMS LAUDO PERICIAL DE INSALUBRIDADE/ PERICULOSIDADE N 012/2013 1

LAUDO 012/2013 SAE C.S. SANTA MARTA. SMS LAUDO PERICIAL DE INSALUBRIDADE/ PERICULOSIDADE N 012/2013 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE - SMS GERÊNCIA DE SAÚDE DO SERVIDOR MUNICIPAL - GSSM EQUIPE DE PERÍCIA TÉCNICA - EPT LAUDO 012/2013 SAE C.S. SANTA MARTA. SMS LAUDO PERICIAL

Leia mais

PROBLEMAS SANITÁRIOS NA PRÁTICA

PROBLEMAS SANITÁRIOS NA PRÁTICA PROBLEMAS SANITÁRIOS NA PRÁTICA Dr. Alessandro Vieira De Martino Farmacêutico Bioquímico CRF 33754 Formado no curso de Farmácia e Bioquímica pela Universidade Bandeirante de São Paulo UNIBAN Pós-Graduado

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM HOTEIS E MOTEIS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM HOTEIS E MOTEIS SUPERINTEDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERENCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL E SAÚDE DO TRABALHADOR COORDERNAÇÃO DE FISCALIZAÇÃO DE AMBIENTES E SAÚDE DO TRABALHADOR Av. Anhanguera, nº 5.195 Setor Coimbra

Leia mais

*RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009

*RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009 *RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009 O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor, e CONSIDERANDO o Decreto Municipal

Leia mais

Atualizada.: 19/04/2012 ANEXO 1 E

Atualizada.: 19/04/2012 ANEXO 1 E COORDENADORIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA E AMBIENTAL MEDIA COMPLEXIDADE ANEXO 1 E Ótica; Creches; Instituições de longa permanência para idosos; Instituições que prestem serviços de atenção a pessoas com

Leia mais

PRINCIPAIS LEGISLAÇÕES SANITÁRIAS REFERENTES A ESTABELECIMENTOS DE SAÙDE PROJETOS UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR

PRINCIPAIS LEGISLAÇÕES SANITÁRIAS REFERENTES A ESTABELECIMENTOS DE SAÙDE PROJETOS UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 1 PRINCIPAIS LEGISLAÇÕES SANITÁRIAS REFERENTES A ESTABELECIMENTOS DE SAÙDE PROJETOS RDC/ANVISA nº 50 de 21 de fevereiro de 2002 RDC/ANVISA nº 307 de 14/11/2002 Dispõe sobre o Regulamento Técnico para planejamento,

Leia mais

Uma arte que deve andar lado a lado com a saúde. Secretaria de Saúde de Vila Velha Vigilância Sanitária

Uma arte que deve andar lado a lado com a saúde. Secretaria de Saúde de Vila Velha Vigilância Sanitária Uma arte que deve andar lado a lado com a saúde. Secretaria de Saúde de Vila Velha Vigilância Sanitária objetivo Este manual estabelece os critérios de higiene e de boas práticas operacionais para o controle

Leia mais

Resolução Estadual nº 08, de 11 de março de 1987

Resolução Estadual nº 08, de 11 de março de 1987 Resolução Estadual nº 08, de 11 de março de 1987 O Secretário de Estado da Saúde e do Bem-Estar Social, no uso de suas atribuições conferidas pelos artigos 45, letras A e P da Lei Estadual nº 6636/74,

Leia mais

Competências da SUBVISA

Competências da SUBVISA (Decreto Nº 33.360 de 17 de janeiro de 2011 - Dispõe sobre a Estrutura Organizacional da Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil - SMSDC) Competências da SUBVISA S/SUBVISA Subsecretaria de Vigilância,

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS. Art. 1º - Por resíduos perigosos entende-se todo o lixo produzido por:

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS. Art. 1º - Por resíduos perigosos entende-se todo o lixo produzido por: 1 LEI Nº 897, DE 10 DE OUTUBRO DE 2013. DISPÕE SOBRE "PROCEDIMENTOS RELATIVOS AOS RESÍDUOS PERIGOSOS" E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Prefeito Municipal de Mangaratiba faz saber que a Câmara Municipal de Mangaratiba,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE TERMO DE REFERÊNCIA PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE CURITIBA

Leia mais

FARMÁCIAS E DROGARIAS

FARMÁCIAS E DROGARIAS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE FARMÁCIAS E DROGARIAS Nome Fantasia: Razão Social: Endereço: Responsável Técnico: CRF: Telefone: CNPJ: Secretaria Municipal de Saúde de Feira de Santana - Av. João Durval

Leia mais

RENASES LISTA 2012 V I G I L Â N C I A S A N I T Á R I A

RENASES LISTA 2012 V I G I L Â N C I A S A N I T Á R I A RENASES LISTA 2012 V I G I L Â N C I A S A N I T Á R I A Nota: A lista de critérios ou regramentos de acesso às ações e serviços constantes da RENASES está prevista no art. 7º da Portaria nº 842/GM/MS,

Leia mais

Tatuagem e Colocação de Adornos

Tatuagem e Colocação de Adornos ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DIVISÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Centro Estadual de Vigilância em Saúde Núcleo de Estabelecimento de Saúde Tatuagem e Colocação de Adornos Ana Carolina Kraemer Enfermeira - Especialista

Leia mais

INSTITUIÇÃO: DATA: RESPONSÁVEL PELA INSPEÇÃO: NOME DO RESP. PELO SERVIÇO;

INSTITUIÇÃO: DATA: RESPONSÁVEL PELA INSPEÇÃO: NOME DO RESP. PELO SERVIÇO; INSTITUIÇÃO: DATA: RESPONSÁVEL PELA INSPEÇÃO: NOME DO RESP. PELO SERVIÇO; Tipo do Serviço: ( ) Próprio ( )terceirizado Nome; Possui Licença sanitária? ( ) SIM ( ) NÃO N /ANO: Há um encarregado do setor

Leia mais

ROTEIRO PARA AUTO INSPEÇÃO

ROTEIRO PARA AUTO INSPEÇÃO Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Vigilância em Saúde Gerência de Produtos e Serviços de Interesse da Saúde Subgerência de Produtos Para a Saúde, Saneantes Domissanitários e Cosméticos Roteiro

Leia mais

DISTRIBUIDORA DE COSMÉTICOS

DISTRIBUIDORA DE COSMÉTICOS 1. Identificação do Estabelecimento Razão Social: Nome Fantasia: CNPJ: Endereço: Bairro: Município: CEP: Fone: Fax: E-mail: Responsável Legal: CPF: Responsável Técnico: CPF: CR : 2. Inspeção Data: Objetivo:

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM BANCO DE TECIDOS OCULARES BTOC INFORMAÇÕES GERAIS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM BANCO DE TECIDOS OCULARES BTOC INFORMAÇÕES GERAIS Instruções de preenchimento - Somente itens cumpridos integralmente pelo serviço devem ser considerados SIM ; - Nos casos em que o serviço realize apenas parte do disposto no item avaliado, este deve ser

Leia mais

09/02/2006. Anvisa lança regras para atendimento médico domiciliar.

09/02/2006. Anvisa lança regras para atendimento médico domiciliar. 09/02/2006 Anvisa lança regras para atendimento médico domiciliar. Os pacientes que recebem atendimento médico em casa têm agora um regulamento para esses serviços. A Anvisa publicou, nesta segunda-feira

Leia mais

WebSite da Vigilância Sanitária

WebSite da Vigilância Sanitária Página 1 de 5 SERVIÇOS MAIS ACESSADOS: Selecione um Serviço Página Principal Quem somos Regularize sua Empresa Roteiros Denúncias e Reclamações Vigilância e Fiscalização Sanitária em Indústrias de Alimentos

Leia mais

ROTEIRO PARA INSPEÇÃO SANITÁRIA EM COMUNIDADES TERAPÊUTICAS PARA DEPENDENTES DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS

ROTEIRO PARA INSPEÇÃO SANITÁRIA EM COMUNIDADES TERAPÊUTICAS PARA DEPENDENTES DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS ESPECIFICIDADES DO SERVIÇO Data de início das atividades: Cadastro em entidades associativas e/ou federativas Não Sim Especificar: Prestação de serviço Contrato Convênio Especificar: Outros financiamentos

Leia mais

2. FUNCIONÁRIOS - CONTRATADOS POR TEMPO DETERMINADO

2. FUNCIONÁRIOS - CONTRATADOS POR TEMPO DETERMINADO 1. FUNCIONÁRIOS - EFETIVOS Médico Clínico 0 Médico Pediatra 1 Médico de Estratégia PSF 3 Psicólogo Clínico 30 horas 0 Psicólogo Clínico 40 horas 1 Cirurgião Dentista 2 Auxiliar de Saúde Bucal 2 Fonoaudiólogo

Leia mais

SAÚDE. Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: Localização do empreendimento (Endereço): Bairro: CEP:

SAÚDE. Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: Localização do empreendimento (Endereço): Bairro: CEP: SAÚDE 1. Identificação Empresa/Interessado: Endereço: Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: E-mail: Atividade: Localização do empreendimento (Endereço): Bairro: CEP: Contato: Cargo/Função: 2.Informações

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SERAFINA CORRÊA ANEXO I - ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS E EMPREGOS

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SERAFINA CORRÊA ANEXO I - ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS E EMPREGOS ANEXO I - ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS E EMPREGOS CARGO: ALMOXARIFE a) Descrição Sintética: Zelar pelo Patrimônio Público. b) Descrição Analítica: Controlar as mercadorias de uso da administração municipal;

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais

Legislação em Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº11, DE 26 DE JANEIRO DE 2006.

Legislação em Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº11, DE 26 DE JANEIRO DE 2006. Página 1 de 6 Legislação em Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº11, DE 26 DE JANEIRO DE 2006. Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Funcionamento de Serviços que prestam Atenção

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO, TECNOLOGIA E GESTÃO - SEPLAG EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N.

PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO, TECNOLOGIA E GESTÃO - SEPLAG EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N. PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO, TECNOLOGIA E GESTÃO - SEPLAG EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N.º 01/2011 O SECRETÁRIO DE PLANEJAMENTO, TECNOLOGIA E GESTÃO DO MUNICÍPIO

Leia mais

LEI Nº 4.254 DE 12 DE NOVEMBRO DE 2010

LEI Nº 4.254 DE 12 DE NOVEMBRO DE 2010 LEI Nº 4.254 DE 12 DE NOVEMBRO DE 2010 Cria cargos de provimento efetivo de Agente de Combate a Endemias, Auxiliar de Tesouraria, Farmacêutico e Fiscal Ambiental. Bel. PEDRO PAULO PREZZOTTO, Prefeito Municipal

Leia mais

Atualizada.: 20/08/2013 BAIXA COMPLEXIDADE

Atualizada.: 20/08/2013 BAIXA COMPLEXIDADE BAIXA COMPLEXIDADE Atualizada.: 20/08/2013 OUTROS ANEXO 1 B Depósito de produtos não relacionados à saúde; Estação rodoviária; veículo de transporte coletivo interestadual com banheiro (ônibus); Academias

Leia mais

043765 S/SUBVISA/SVFSZ/UJV Unidade de Diagnóstico, Vigilância, Fiscalização Sanitária e Medicina Veterinária Jorge Vaitsman

043765 S/SUBVISA/SVFSZ/UJV Unidade de Diagnóstico, Vigilância, Fiscalização Sanitária e Medicina Veterinária Jorge Vaitsman DO de 08/08/13 NOVA ESTRUTURA 043765 S/SUBVISA/SVFSZ/UJV Unidade de Diagnóstico, Vigilância, Fiscalização Sanitária e Medicina Veterinária Jorge Vaitsman Cumprir e fazer cumprir no Município do Rio de

Leia mais

ANEXO 8 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE ESTABELECIMENTOS VETERINÁRIOS

ANEXO 8 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE ESTABELECIMENTOS VETERINÁRIOS ANEXO 8 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE ESTABELECIMENTOS VETERINÁRIOS PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE ESTABELECIMENTOS VETERINÁRIOS Data da vistoria: / / A CADASTRO

Leia mais

DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA EMISSÃO DO ALVARÁ SANITÁRIO. Área de Medicamentos e Produtos de Interesse à Saúde (AMPIS)

DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA EMISSÃO DO ALVARÁ SANITÁRIO. Área de Medicamentos e Produtos de Interesse à Saúde (AMPIS) 1 DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA EMISSÃO DO ALVARÁ SANITÁRIO Área de Medicamentos e Produtos de Interesse à Saúde (AMPIS) DROGARIAS (CONFORME LEI FEDERAL 5991/73, RESOLUÇÃO RDC ANVISA 44/09 E OUTRAS PERTINENTES)

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE COORDENADORIA GERAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE NORMA TÉCNICA 2/07

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE COORDENADORIA GERAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE NORMA TÉCNICA 2/07 PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE COORDENADORIA GERAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE NORMA TÉCNICA 2/07 Esta Norma dispõe sobre a Regulamentação e Controle das Condições Sanitárias

Leia mais

DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO ÚNICO

DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO ÚNICO LEI N 2.232, DE 11 DE MAIO DE 1998 Institui o Sistema Municipal de Vigilância Sanitária e contém outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE QUIRINÓPOLIS APROVOU E EU, PREFEITO MUNICIPAL, SANCIONO A SEGUINTE

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013.

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. BOAS PRÁTICAS PARA COMÉRCIO AMBULANTE DE ALIMENTOS A Secretaria do

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE PÚBLICA COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE PÚBLICA COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE PÚBLICA COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM LAVANDERIA ESTABELECIMENTO: DATA DA INSPEÇÃO:

Leia mais

Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno

Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno PPRA MANUAL PRÁTICO PARA ELABORAÇÃO FORMULÁRIO PARA RECONHECIMENTO DOS RISCOS AMBIENTAIS Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno RECONHECIMENTO DOS RISCOS AMBIENTAIS Esse Formulário deve ser aplicado

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos

Gerenciamento de Resíduos Gerenciamento de Resíduos ANVISA RDC 306/04 - REGULAMENTO TÉCNICO PARA GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DE SAÚDE veronica.schmidt@ufrgs.br O perigo do lixo hospitalar. Resíduos biológicos - culturas de microrganismos

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE PROMOÇÃO A SAÚDE GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Orientações

SECRETARIA EXECUTIVA DE PROMOÇÃO A SAÚDE GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Orientações SECRETARIA EXECUTIVA DE PROMOÇÃO A SAÚDE GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Orientações 2014 Vigilância Sanitária Lei Federal 8.080 de 19 de setembro de 1990 1º Entende-se

Leia mais

PUBLICADA NO DOC EM 26/JUN/2015 - Página 56

PUBLICADA NO DOC EM 26/JUN/2015 - Página 56 PUBLICADA NO DOC EM 26/JUN/2015 - Página 56 Aviso - Consulta Pública nº 002/2015 - COVISA São Paulo, 23 de junho de 2015. O Secretário Municipal de Saúde, no uso das atribuições que lhe são conferidas

Leia mais

DATA DA VISITA: 26/11/2013 DATA DA VISITA: 28/04/2015 UNIDADE DE SAÚDE DR MANOEL DA ROCHA COUTINHO

DATA DA VISITA: 26/11/2013 DATA DA VISITA: 28/04/2015 UNIDADE DE SAÚDE DR MANOEL DA ROCHA COUTINHO DATA DA VISITA: 26/11/2013 DATA DA VISITA: 28/04/2015 UNIDADE DE SAÚDE DR MANOEL DA ROCHA COUTINHO Responsável: Adriana dos Santos Leandro Endereço: Rua Fenelon Gomes, 112 Bairro: Ilha do Principe CEP:

Leia mais

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES -

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES - ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES - 1. LEGISLAÇÃO SANITÁRIA ESPECÍFICA - Lei Federal 6.360/76 e Decreto Estadual (DE) 23.430 de 24/10/1974 (http://www.al.rs.gov.br/legis/);

Leia mais

ANEXO I DO EDITAL Nº 001/2009 DE 30 DE SETEMBRO DE 2009

ANEXO I DO EDITAL Nº 001/2009 DE 30 DE SETEMBRO DE 2009 ANEXO I DO EDITAL Nº 001/2009 DE 30 DE SETEMBRO DE 2009 COMPETÊNCIAS E DESCRIÇÃO SUMÁRIA DOS CARGOS: PROFESSOR COM HABILITAÇÃO LEGAL PARA O EXERCÍCIO DO MAGISTERIO COM FORMAÇÃO EM : CIÊNCIAS; LÍNGUA PORTUGUESA;

Leia mais

E-07/204.019/05 FEEMA - FUNDAÇÃO ESTADUAL DE ENGENHARIA DO MEIO AMBIENTE

E-07/204.019/05 FEEMA - FUNDAÇÃO ESTADUAL DE ENGENHARIA DO MEIO AMBIENTE RAZÃO SOCIAL: HOSPITAL DE CLINICAS DE NITEROI LTDA UNIDADE: HOSPITAL ENDEREÇO: RUA LA SALLE, 12 BAIRRO: CENTRO MUNICÍPIO: NITEROI PROCESSO: E-07/204.019/05 1. CARACTERIZAÇÃO DA ATIVIDADE 2. CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

Resolução RDC nº 52/2009 - SERVIÇO CONTROLE DE PRAGAS (DEDETIZAÇÃO) - FUNCIONAMENTO - NOVAS REGRAS - ADEQUAÇÃO EM 180 DIAS

Resolução RDC nº 52/2009 - SERVIÇO CONTROLE DE PRAGAS (DEDETIZAÇÃO) - FUNCIONAMENTO - NOVAS REGRAS - ADEQUAÇÃO EM 180 DIAS Resolução RDC nº 52/2009 - SERVIÇO CONTROLE DE PRAGAS (DEDETIZAÇÃO) - FUNCIONAMENTO - NOVAS REGRAS - ADEQUAÇÃO EM 180 DIAS Resolução - RDC nº 52, de 22 de outubro de 2009 Dispõe sobre o funcionamento de

Leia mais

Câmara Municipal de Volta Redonda Estado do Rio de Janeiro

Câmara Municipal de Volta Redonda Estado do Rio de Janeiro Lei Municipal Nº 3.704 1 SEÇÃO IV DAS PENALIDADES I DO COMÉRCIO DE FEIRAS LIVRES, AMBULANTES, QUIOSQUES E EVENTUAIS Artigo 35 - As infrações a este Código estão sujeitas às seguintes penalidades: a- sanção:

Leia mais

COORDENADORIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

COORDENADORIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA BAIXA COMPLEXIDADE COORDENADORIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA OUTROS ANEXO 1 B Depósito de produtos não relacionados à saúde; Estação rodoviária; veículo de transporte coletivo interestadual com banheiro (ônibus);

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA Quando da apresentação de protocolos, manual de normas e rotinas, procedimento operacional padrão (POP) e/ou outros documentos,

Leia mais

PROGRAMA DE COLETA SELETIVA CODEBA

PROGRAMA DE COLETA SELETIVA CODEBA 1 PROGRAMA DE COLETA SELETIVA CODEBA SALVADOR BA FEVEREIRO - 2012 1. INTRODUÇÃO 2 O presente Programa de Coleta Seletiva trata dos resíduos gerados pela Companhia, tendo sua elaboração e implementação

Leia mais

1. FUNCIONÁRIOS - EFETIVOS

1. FUNCIONÁRIOS - EFETIVOS UNIDADE DE SAÚDE - SANTO ANDRÉ Diretora: Juliana da Conceição Fagundes E-mail: dussandre@correio1.vitoria.es.gov.br Endereço: Rua da Coragem, 200 Telefone: (27) 3323-7222 / 3332-7825 Funcionamento: 7h

Leia mais

INFOMAÇÕES IMPORTANTES CATEGORIAS

INFOMAÇÕES IMPORTANTES CATEGORIAS INFOMAÇÕES IMPORTANTES CATEGORIAS Para efeito de seleção das categorias que possuem divisão de 1 o, 2 o,3 o, vigoram os seguintes paramentos abaixo listados: 1 o categoria Contrato social acima de R$ 30.000,00

Leia mais

Diário Oficial da União Seção 1 DOU 26 de julho de 1999

Diário Oficial da União Seção 1 DOU 26 de julho de 1999 *Este texto não substitui o publicado do Diário Oficial da União* Diário Oficial da União Seção 1 DOU 26 de julho de 1999 Resolução Nº 329, de 22 de julho de 1999 Institui o Roteiro de Inspeção para transportadoras

Leia mais

ANEXO 3 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES

ANEXO 3 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES ANEXO 3 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES Data da vistoria: / / A CADASTRO

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO Pg.: 1 de Elaboração Verificação Aprovação Janaina Bacci Data: Data: Data: Título da Atividade: Procedimentos para descarte de Resíduos Quimioterápicos Executante: Colaboradores envolvidos na manipulação

Leia mais

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais,

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, DECRETO N.º 23915, DE 13 DE JANEIRO DE 2004 DISPÕE SOBRE O LICENCIAMENTO SANITÁRIO A QUE ESTÃO SUJEITOS OS SALÕES DE CABELEIREIROS, OS INSTITUTOS DE BELEZA, ESTÉTICA, PODOLOGIA E ESTABELECIMENTOS CONGÊNERES;

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS.

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS. RESOLUÇÃO.../SESA/PR O Secretário Estadual de Saúde, no uso de suas atribuições legais e: CONSIDERANDO a Portaria nº 326/1997/SVS/MS, a Resolução RDC nº275/2002, a Resolução RDC nº 216/2004, da ANVISA,

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE DISPENSAÇÃO PARA FARMÁCIA E DROGARIA RESOLUÇÃO Nº 328, DE 22 DE JULHO DE 1999

BOAS PRÁTICAS DE DISPENSAÇÃO PARA FARMÁCIA E DROGARIA RESOLUÇÃO Nº 328, DE 22 DE JULHO DE 1999 RESOLUÇÃO Nº 328, DE 22 DE JULHO DE 1999 Dispõe sobre requisitos exigidos para a dispensação de produtos de interesse à saúde em farmácias e drogarias. BOAS PRÁTICAS DE DISPENSAÇÃO PARA FARMÁCIA E DROGARIA

Leia mais

Atualizada.: 20/04/2012 COORDENADORIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA E AMBIENTAL BAIXA COMPLEXIDADE

Atualizada.: 20/04/2012 COORDENADORIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA E AMBIENTAL BAIXA COMPLEXIDADE BAIXA COMPLEXIDADE OUTROS ANEXO 1 B Depósito de produtos não relacionados à saúde; Estação rodoviária; veículo de transporte coletivo interestadual com banheiro (ônibus); Academias para práticas de esportes;

Leia mais

R E S O L V E: II - O Item 1.5 é revogado, uma vez que não haverá PROVA PRÁTICA, pois não há Lei Municipal que discipline a mesma.

R E S O L V E: II - O Item 1.5 é revogado, uma vez que não haverá PROVA PRÁTICA, pois não há Lei Municipal que discipline a mesma. CONCURSO PÚBLICO N 001/20 EDITAL COMPLEMENTAR Nº 02/20 DISPÕE SOBRE A RETIFICAÇÃO DO EDITAL DO CONCURSO PÚBLICO N 001/20, DE 11 DE MARÇO DE 20, ATRAVÉS DO EDITAL COMPLEMENTAR N 02/20, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado

Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado Gessilene de Sousa Sobecc, julho2011 Agenda Regulamentação Definição: Centro de Material Esterilizado - CME; Estrutura Física: Áreas de composição; Fluxograma

Leia mais

Orientações para a construção e ampliação de Unidades Básicas de Saúde - UBS

Orientações para a construção e ampliação de Unidades Básicas de Saúde - UBS Orientações para a construção e ampliação de Unidades Básicas de Saúde - UBS Introdução A Secretaria de Estado da Saúde estabeleceu como ação estruturante para a implantação das redes de atenção no Paraná,

Leia mais

Anexo D Divisão de Análises Clínicas HU/UFSC. Versão 01. Atribuições dos Cargos

Anexo D Divisão de Análises Clínicas HU/UFSC. Versão 01. Atribuições dos Cargos DOC MQB -02 MQB.pdf 1/5 Cargo: Assistente de Laboratório 1. Planejar o trabalho de apoio do laboratório: Interpretar ordens de serviços programadas, programar o suprimento de materiais, as etapas de trabalho,

Leia mais

LEI Nº 744/2013 De 12 de junho de 2013.

LEI Nº 744/2013 De 12 de junho de 2013. LEI Nº 744/2013 De 12 de junho de 2013. ESTABELECE PROCEDIMENTOS RELATIVOS À COLETA DE LIXO HOSPITALAR E/OU RESIDUOS PERIGOSOS NO MUNICÍPIO DE CARBONITA/MG E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Prefeito Municipal

Leia mais

Reformar o Laboratório de Entomologia e reposição de mobiliário e equipamentos;

Reformar o Laboratório de Entomologia e reposição de mobiliário e equipamentos; PLANO DE AÇÃO O presente plano de ação é parte integrante do Ofício 1.407 de 04 de dezembro do corrente ano que solicitou ao Ministério da Saúde recurso financeiro para auxiliar o Estado em decorrência

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - 2008/2009

PROGRAMAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - 2008/2009 PROGRAMAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - 2008/2009 1.Notificação AÇÃO 1.1 Realizar notificação dos casos de sífilis em gestante 48.950 casos de sífilis em gestantes notificados. 1.2 Definir Unidades

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MODELO SIMPLIFICADO PGRSS - ANEXO I

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MODELO SIMPLIFICADO PGRSS - ANEXO I Prefeitura Municipal de Curitiba Secretaria Municipal do Meio Ambiente Secretaria Municipal da Saúde PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MODELO SIMPLIFICADO PGRSS - ANEXO I SIGLAS UTILIZADAS:

Leia mais

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA DE CONTROLE DE VETORES NO AMBIENTE HOSPITALAR

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA DE CONTROLE DE VETORES NO AMBIENTE HOSPITALAR 1 COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA DE CONTROLE DE VETORES NO AMBIENTE HOSPITALAR Flávia Valério de Lima Gomes Enfermeira da CCIH / SCIH Jair

Leia mais

DIRETRIZES PARA IMPLANTAÇÃO DE SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA ESPECIALIZADA - SAE

DIRETRIZES PARA IMPLANTAÇÃO DE SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA ESPECIALIZADA - SAE DIRETRIZES PARA IMPLANTAÇÃO DE SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA ESPECIALIZADA - SAE 1. Conceito O Serviço de Assistência Especializada SAE é um serviço responsável pela assistência ambulatorial às pessoas vivendo

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE UBÁ ESTADO DE MINAS GERAIS ANEXO I DESCRIÇÃO SUMÁRIA/ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS

PREFEITURA MUNICIPAL DE UBÁ ESTADO DE MINAS GERAIS ANEXO I DESCRIÇÃO SUMÁRIA/ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS 03 DE JULHO UBÁ UBÁ 1857 PREFEITURA MUNICIPAL DE UBÁ ESTADO DE MINAS GERAIS ANEXO I DESCRIÇÃO SUMÁRIA/ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS AGENTE ADMINISTRATIVO I Local de Trabalho: Órgão da Administração Pública no

Leia mais

DROGARIAS REGULARIZAÇÃO DE ESTABELECIMENTO DE INTERESSE À SAÚDE

DROGARIAS REGULARIZAÇÃO DE ESTABELECIMENTO DE INTERESSE À SAÚDE DROGARIAS REGULARIZAÇÃO DE ESTABELECIMENTO DE INTERESSE À SAÚDE Lei 8080/90 Art. 6º, 1º: Entende-se por vigilância sanitária um conjunto de ações capaz de eliminar, diminuir ou prevenir riscos à saúde

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 001/2013 DVS/CEVS/SES

NOTA TÉCNICA Nº 001/2013 DVS/CEVS/SES NOTA TÉCNICA Nº 001/2013 DVS/CEVS/SES ASSUNTO: ações de vigilância sanitária municipal incluídas pela Resolução nº 089/12, da CIB/RS, no 1º do artigo 6º do Anexo da Resolução nº 250/07, da CIB/RS. 1.OBJETIVO:

Leia mais

International Paper do Brasil Ltda

International Paper do Brasil Ltda International Paper do Brasil Ltda Autor do Doc.: Editores: Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Título: Tipo do Documento: SubTipo: Serviços de Limpeza e Disposição

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE POR UNIDADE GERADORA E A SEGREGAÇÃO DOS RESÍDUOS POR GRUPO.

CARACTERIZAÇÃO DOS RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE POR UNIDADE GERADORA E A SEGREGAÇÃO DOS RESÍDUOS POR GRUPO. 1 Unidade ou serviço Descrição do Resíduo Grupo Estado -Secreções, excreções, e outros fluidos orgânicos. -Recipientes e materiais resultantes do processo de assistência à saúde, que não contenha sangue

Leia mais

Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008

Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008 Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008 Ementa: Regulamenta o exercício profissional nos serviços de atendimento pré-hospitalar, na farmácia hospitalar e em outros serviços de saúde, de natureza pública

Leia mais

L E I. Art. 2º. Os demais artigos das leis permanecem inalterados. Art. 3º. Esta Lei entrará em vigor na data de sua Publicação.

L E I. Art. 2º. Os demais artigos das leis permanecem inalterados. Art. 3º. Esta Lei entrará em vigor na data de sua Publicação. LEI Nº 1362 de 21 de maio de 2010 Altera dispositivos das Leis: 536/95, 931/03, 935/03 e 1302/09, alterando as atribuições de cargos existentes, na estrutura do quadro de funcionários efetivos e dá outras

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MANEJO

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MANEJO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MANEJO NATAL/RN OUT/2013 GERENCIAMENTO DOS RSS PROCEDIMENTOS PLANEJADOS E IMPLEMENTADOS minimizar a produção na fonte, destinar e dispor com segurança Planejamento

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (PGRSS)

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (PGRSS) Subcoordenadoria de Vigilância Sanitária Rio Grande do Norte PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (PGRSS) Drogarias Modelo Simplificado 0 RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DA

Leia mais

Resolução Estadual nº 05, de 1988

Resolução Estadual nº 05, de 1988 Resolução Estadual nº 05, de 1988 ASSUNTO: Aprovação da Norma Técnica Especial (NTE) relativa ao Controle de Transfusão de Sangue em Estabelecimentos Hospitalares e Afins. DATA DE ENTRADA EM VIGOR: REVOGAÇÃO:

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA SAD/FUNSAU n. 1, DE 19 DE SETEMBRO DE 2014.

RESOLUÇÃO CONJUNTA SAD/FUNSAU n. 1, DE 19 DE SETEMBRO DE 2014. RESOLUÇÃO CONJUNTA SAD/FUNSAU n. 1, DE 19 DE SETEMBRO DE 2014. APROVA O PLANO DE CLASSIFICAÇÃO DE DOCUMENTOS E A TABELA DE TEMPORALIDADE DE DOCUMENTOS DAS ATIVIDADES-FIM DA FUNDAÇÃO SERVIÇOS DE SAÚDE DE

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

ALIMENTAÇÃO DA PRODUÇÃO NO SISTEMA DE INFORMAÇÃO AMBULATORIAL (SIA/SUS)

ALIMENTAÇÃO DA PRODUÇÃO NO SISTEMA DE INFORMAÇÃO AMBULATORIAL (SIA/SUS) manual para as vigilâncias sanitárias ALIMENTAÇÃO DA PRODUÇÃO NO SISTEMA DE INFORMAÇÃO AMBULATORIAL (SIA/SUS) Agência Nacional de Vigilância Sanitária Anvisa - 1 - Conteúdo APRESENTAÇÃO...5 PROCEDIMENTOS

Leia mais

Desdobramentos do Programa de Monitoramento Estadual da Qualidade de Cosméticos 2006 Ações da GVMC/SVS/MG CATEC ANVISA/MS.

Desdobramentos do Programa de Monitoramento Estadual da Qualidade de Cosméticos 2006 Ações da GVMC/SVS/MG CATEC ANVISA/MS. Desdobramentos do Programa de Monitoramento Estadual da Qualidade de Cosméticos 2006 Ações da GVMC/SVS/MG CATEC ANVISA/MS Outubro/2006 Teresinha de Fátima Póvoa Diretora da GVMC/SVS/MG Programação Pactuada

Leia mais

ANEXO 7 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE LABORÁTORIOS DE ANÁLISES CLÍNICAS E OUTRAS ESPECIALIDADES

ANEXO 7 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE LABORÁTORIOS DE ANÁLISES CLÍNICAS E OUTRAS ESPECIALIDADES ANEXO 7 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE LABORÁTORIOS DE ANÁLISES CLÍNICAS E OUTRAS ESPECIALIDADES PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE LABORATÓRIOS DE ANÁLISES CLÍNICAS

Leia mais

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13)

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE, usando da atribuição que lhe confere o Art. 45, Inciso XIV, da Lei Estadual nº 8.485

Leia mais

ANEXO 5 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE SERVIÇOS DE TERAPIA RENAL SUBSTITUTIVA. Unidade de diálise

ANEXO 5 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE SERVIÇOS DE TERAPIA RENAL SUBSTITUTIVA. Unidade de diálise ANEXO 5 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE SERVIÇOS DE TERAPIA RENAL SUBSTITUTIVA Unidade de diálise PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE SERVIÇOS DE TERAPIA RENAL SUBSTITUTIVA

Leia mais

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos;

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos; Os 32 itens da NR-32 a serem trabalhados nesta primeira etapa do projeto 32 para implantação nos estabelecimentos de saúde até 2009 foram selecionados e estudados pela diretoria do Sinsaúde por serem os

Leia mais

NÚCLEO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR

NÚCLEO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR NÚCLEO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR Enfª Dda. Verginia Rossato Enfª Danieli Bandeira Santa Maria, 2012 Portaria GM/MS nº 2529, de 23 de novembro de 2004 Institui o Subsistema Nacional de Vigilância

Leia mais

DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRA ALTA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRA ALTA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI Nº 1.223/2013 DE 16 DE ABRIL DE 2013. DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRA ALTA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A CÂMARA MUNICIPAL DE CACHOEIRA ALTA, Estado de Goiás, por

Leia mais

ROTEIRO EMPRESA DE CONTROLE DE VETORES E PRAGAS

ROTEIRO EMPRESA DE CONTROLE DE VETORES E PRAGAS ROTEIRO EMPRESA DE CONTROLE DE VETORES E PRAGAS ROTEIRO DE INSPEÇÃO PRESTADORA DE SERVIÇOS / DEDETIZADORAS Data: A - IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA: 1-Razão Social: 2-Nome de Fantasia: 3-Alvará/Licença Sanitária:

Leia mais

SÍNTESE DA RDC 306/04 ANVISA/MS

SÍNTESE DA RDC 306/04 ANVISA/MS SÍNTESE DA RDC 306/04 ANVISA/MS NATAL/OUT/2013 RDC 306/04/ANVISA RESIDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE - RSS REGULAMENTAÇÃO HARMONIZAÇÃO ENTRE CONAMA E ANVISA Aprimorar, atualizar e complementar RDC 306/04/ANVISA

Leia mais

NR 32 - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM SERVIÇOS DE SAÚDE. Noeli Martins Médica do Trabalho Auditora Fiscal do Trabalho da SRTE/PR

NR 32 - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM SERVIÇOS DE SAÚDE. Noeli Martins Médica do Trabalho Auditora Fiscal do Trabalho da SRTE/PR NR 32 - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM SERVIÇOS DE SAÚDE Noeli Martins Médica do Trabalho Auditora Fiscal do Trabalho da SRTE/PR METODOLOGIA DE ELABORAÇÃO / REVISÃO DAS NORMAS REGULAMENTADORAS Portaria

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO, TECNOLOGIA E GESTÃO - SEPLAG EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N.

PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO, TECNOLOGIA E GESTÃO - SEPLAG EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N. PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO, TECNOLOGIA E GESTÃO - SEPLAG EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N.º 01/2011 O SECRETÁRIO DE PLANEJAMENTO, TECNOLOGIA E GESTÃO DO MUNICÍPIO

Leia mais

Riscos Ambientais e de Saúde PúblicaP

Riscos Ambientais e de Saúde PúblicaP Resíduos Hospitalares e a sua Perigosidade Segurança a e Higiene na Produção e Tratamento de Resíduos Hospitalares Riscos Ambientais e de Saúde PúblicaP 1. Gestão de Resíduos O Tratamento dos RSH é um

Leia mais

ANEXO ROTEIRO DE INSPEÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR

ANEXO ROTEIRO DE INSPEÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 1 OBJETIVO: ANEXO ROTEIRO DE INSPEÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR Este Roteiro estabelece a sistemática para a avaliação do cumprimento das ações do Programa de Controle de Infecção

Leia mais

RESÍDUOS DOS SERVIÇOS DE. Hélida Rosa Silva Enfª Resp. Técnica GRSS CTAALS

RESÍDUOS DOS SERVIÇOS DE. Hélida Rosa Silva Enfª Resp. Técnica GRSS CTAALS RESÍDUOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE Hélida Rosa Silva Enfª Resp. Técnica GRSS CTAALS 1- SUMÁRIO - O que é o plano de gerenciamento (PGRSS) e gerenciamento de resíduos (GRSS)? - Objetivo do PGRSS - Leis que

Leia mais