Universidade Candido Mendes Instituto A Vez do Mestre Pós-Graduação Lato Sensu

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade Candido Mendes Instituto A Vez do Mestre Pós-Graduação Lato Sensu"

Transcrição

1 Universidade Candido Mendes Instituto A Vez do Mestre Pós-Graduação Lato Sensu Impacto Ambiental Causado por Óleo Vegetal Fernanda Soton Ferreira Salles Orientador: Francisco Carrera Rio de Janeiro 2010

2 2 Universidade Candido Mendes Pós Graduação Lato Sensu Instituto A Vez Do Mestre Impacto Ambiental Causado por Óleo Vegetal Objetivos: Este trabalho tende analisar o impacto causado pelo óleo vegetal na água e solo, apresentando formas de reutilização do óleo vegetal usado a fim de diminuir esse impacto. Gestão Ambiental Fernanda Soton Ferreira Salles

3 3 Agradecimentos: Agradeço primeiramente a Deus, meu criador, mantenedor e Salvador, à Ele toda honra e toda glória. Aos meus pais Creida e Godofredo, ao meu amado esposo Marcio. À minha amiga Elaine, Alessandra e Beth pelo incentivo. Também ao professor Francisco Carrera e a todos os professores e alunos da Universidade Candido Mendes do Curso de Gestão Ambiental. À todos meus sinceros agradecimentos.

4 4 Dedicatória: Dedico este trabalho a todos que se preocupam e lutam por um mundo mais sustentável e ecologicamente equilibrado.

5 5 Resumo O Brasil produz cerca de 9 bilhões de litros de óleo por ano, e apenas uma pequena parte desse óleo produzido é reutilizado e inserido novamente na cadeia produtiva. A maior parte do óleo produzido, depois de utilizado é descartado de forma inadequada, poluindo o ambiente aquático, terrestre e até mesmo contribuindo para a poluição atmosférica. A educação ambiental e a reciclagem são as maiores e melhores soluções para este grande problema não só ambiental, mas também econômico e social.

6 6 Metodologia Este trabalho trata-se de um levantamento bibliográfico, onde foram pesquisados livros, revistas, trabalhos acadêmicos e sites. Os principais autores consultados nesta pesquisa foram: Eliane Moretto, Roseane Fett e Marcos Reigota.

7 7 Sumário INTRODUÇÃO CAPÍTULO I O ÓLEO VEGETAL CAPÍTULO II IMPACTO AMBIENTAL CAPÍTULO III RESÍDUOS SÓLIDOS CAPÍTULO VI RECICLAGEM DO ÓLEO VEGETAL CONCLUSÃO BIBLIOGRAFIA ANEXOS... 31

8 8 Introdução O planeta Terra está sob sérias ameaças: poluição, aumento da temperatura global, destruição da camada de ozônio, enchentes, esgotamento de recursos naturais, extinção de espécies etc. Tudo isso em decorrência do crescimento da população humana e do desenvolvimento industrial e tecnológico, implementado pelo progresso científico. Nos últimos dois séculos, o desenvolvimento da sociedade industrial e o crescimento da população humana tem causado impactos ambientais sem precedentes. Muitos recursos naturais estão se esgotando e os resíduos produzidos pela atividade humana acumulam-se no ambiente, degradando-o seriamente. Ambientalistas apontam o óleo vegetal, que é utilizado principalmente na alimentação humana, como uma das maiores substâncias poluidoras do mundo. Apesar de não ser uma substância tóxica, é considerada uma substância de potente grau de poluição. O tema desta monografia é sobre o impacto que o óleo vegetal vem causando ao meio ambiente. O óleo vegetal é extraído de plantas chamadas de oleaginosas( plantas que fornecem óleo através das sementes ou frutos) como o girassol, a conola, milho, arroz, soja etc. No Brasil há uma variedade de plantas desse tipo, sendo a mais cultivada a soja. O óleo vegetal é uma substância importantíssima na alimentação humana por suas funções no organismo. Mas seu consumo exagerado e sem qualidade pode trazer sérios danos ao organismo. Como, por exemplo, a obesidade, aumento da pressão sanguínea e etc. O óleo utilizado em frituras de alimentos traz ainda mais danos à saúde, pois quando o óleo é submetido a altas temperaturas sua estrutura química se modifica formando novas substâncias, que são nocivas ao organismo humano. O Brasil produz nove bilhões de óleo vegetal por ano. Desse volume produzido 1/3 vai para óleos comestíveis. Apenas 2,5% de todo esse óleo

9 9 descartado é reciclado, ou seja, separado, coletado, filtrado e inserido novamente na cadeia produtiva. Grande parte desse óleo é descartado de forma inadequada diretamente na rede de esgoto ou lançado em lixões juntamente com outros resíduos. Essas ações tem levado a sérios impactos no meio ambiente, destruindo e desequilibrando vários ecossistemas. Um litro de óleo usado contamina um milhão de litros de água, quantidade suficiente para a sobrevivência de uma pessoa, desde banho, comida e consumo, por até 14 anos. A Educação Ambiental é uma ferramenta importantíssima e fundamental na sociedade e deve ser um processo permanente e contínuo, de promover a sensibilização, de oferecer conhecimento, habilidades e atitudes para minimizar tais problemas ambientais. Segundo Reigota (2004), é por meio da Educação Ambiental em todos os níveis sociais, intelectuais, técnicos, e científicos que podemos atingir a meta do desenvolvimento sustentável criando condições para a sobrevivência futura. Nesse sentido, a atuação individual do ser humano se somará coletiva busca de soluções para os problemas ambientais e sociais, que hoje se somam, tendo em vista que conscientemente se percebe as conseqüências da degradação ambiental. O óleo vegetal já é reutilizado como matéria-prima para fabricar produtos como: sabão e detergentes, massa de vidraceiro, tintas, glicerina e até combustível. O que falta é uma campanha de divulgação a nível nacional mais eficiente a fim de que as pessoas se conscientizem de suas ações e espalhar pontos de coleta do óleo em todo país. O objetivo deste estudo é avaliar o impacto ambiental causado pelo óleo vegetal na água e no solo, apresentando formas de reutilização desse óleo, evitando assim o despejo do óleo de fritura em aterros sanitários e na rede de esgoto, promovendo a saúde da população, protegendo os recursos naturais, reaproveitando resíduos e gerando renda.

10 10 CAPÍTULO I O ÓLEO VEGETAL. O óleo vegetal é uma gordura obtida através de plantas, predominantemente das sementes. Suas moléculas são formadas pela união de glicerol e ácido graxos insaturados chamados triglicerídeos que são classificados como lipídios. Os óleos vegetais são líquidos em temperatura ambiente e insolúvel em água, porém são solúveis em solventes orgânicos. Os óleos vegetais não são só usados como óleo de cozinha (comestíveis), mas também como lubrificantes, cosméticos, produtos farmacêutico, fabricação de tintas, combustíveis etc. O óleo vegetal, que dá origem aos óleos de cozinha, pode ser obtido de várias plantas oleaginosas, como a soja, canola, girassol, milho, etc. O Brasil possui uma enorme diversidade de espécies vegetais oleaginosas das quais se podem extrair uma grande quantidade de óleos. Segundo a EMBRAPA (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária), o país é o segundo maior produtor de soja do mundo. De acordo com as projeções realizadas, verifica-se que nesse ano de 2010 o Brasil deverá estar produzindo cerca de 57 milhões de toneladas de soja. 1.1 A Importância dos óleos na alimentação humana. Os óleos são gorduras que possuem importância fundamental na alimentação. As gorduras têm várias funções importantes em nosso organismo e constituem a maneira mais eficiente de reserva de energia. Nosso organismo armazena gorduras em células adiposas, especialmente sob a pele, formando o panículo adiposo. Além da reserva de energia, esse tecido adiposo funciona como isolante térmico e como proteção contra choques mecânicos.

11 11 A ingestão de gordura é essencial e indispensável na alimentação por duas razões: eles são veículos para absorção de vitaminas lipossolúveis(vitaminas A, D, E, K) e precisamos de certos ácidos graxos que não são sintetizados pelo organismo e devem provir diretamente da dieta. Essas moléculas de ácidos graxos pertencem às famílias chamadas ômega 6 e ômega 3. Os principais ácidos graxos que compõem a família ômega 6 são o ácido linoléico e o ácido araquidônico. Esses ácidos são encontrados em óleos vegetais, principalmente no óleo de milho, de girassol, de gergelim, de linhaça, de canola e de soja. A carência do ácido linoléico acarreta a alterações na membrana plasmática das células, que levam ao aumento da permeabilidade e à diminuição da resistência dos capilares sanguíneos. A carência do ácido araquidônico interfere na síntese de uma classe de substâncias chamadas prostoglandinas, que participam de grande variedade de processos em diferentes tecidos do corpo. Participam, por exemplo, em processos inflamatórios, na taxa de filtração do sangue nos rins e no controle da febre. A família ômega 3 contém três ácidos graxos: o linolênico, cujas principais fontes são os óleos vegetais de soja e canola; o eicosapentanóico e o decosahexaenóico. Esses ácidos contribuem para: diminuir a formação de coágulo, importante causa de infartos do miocárdio; reduzir o excesso de colesterol no sangue; ajuda a diminuir a pressão sanguínea alta; atenuar estados inflamatórios, como a artrite reumatóide. 1.2 O excesso de óleo na alimentação. O consumo de óleo na alimentação é importantíssimo, mas o excesso dele vem trazendo grandes complicações na saúde dos seres humanos. A quantidade e a qualidade do tipo de óleo/gordura devem ter atenção especial.

12 12 Em curto prazo, os problemas já são significativos, mas incorporando-se a gordura em excesso à alimentação diária, acaba-se desencadeando uma série de doenças silenciosas, porém graves. Uma das sérias doenças é a obesidade, que é um problema de saúde pública que atinge o mundo todo, onde a TV exerce grande influência sobre os hábitos alimentares e ainda gera o sedentarismo. O excesso de gordura na alimentação se acumula nos vasos da circulação sanguínea e, com o passar do tempo, formam-se as placas de gorduras chamadas de placas de ateroma, que provocam o aumento das taxas de colesterol no sangue, hipertensão arterial, aterosclerose, entre outras doenças. 1.3 A influência da temperatura sobre o óleo vegetal. Os óleos são muito utilizados na preparação de alimentos nos domicílios, estabelecimentos industriais e comerciais de produção de alimento. A fritura é uma operação de preparação rápida que utiliza óleo ou gordura como meio de transferência de calor, cuja importância é indiscutível para a produção de alimentos em lanchonetes, restaurantes comerciais ou industriais a nível mundial. Em estabelecimentos comerciais utilizam-se fritadeiras elétricas com capacidade que variam de 15 à 350 litros. Em indústrias de produção de alimentos, o processo normalmente é contínuo e a capacidade das fritadeiras pode ultrapassar a 1000 litros. Com a falta de legislação, o tempo de utilização do óleo varia de um estabelecimento a outro. (Santos, 2009). No processo de fritura, o alimento é submerso em óleo quente na presença de ar, e assim, é exposto à oxidação interagindo com uma série de agentes que (ar, água, alta temperatura e componentes dos alimentos que estão sendo fritos) causam degradações em sua estrutura, especialmente quando utilizado por um longo período, gerando compostos responsáveis por

13 13 odor e sabor desagradáveis, incluindo substâncias que podem causar riscos à saúde do consumidor. O consumo de alimentos fritos tem aumentado e pesquisas revelam que o óleo quente, em ebulição, altera as características químicas e orgânicas do alimento que é mergulhado nele. Segundo a nutricionista Maria Silvia da Unifesp, no processo de fritura, além da perda de nutrientes do alimento frito, a água presente no alimento cede lugar à gordura. Como se não bastasse, na maioria das vezes, as frituras são provenientes de óleos reaproveitados. A reutilização de gorduras e óleos para o preparo dos alimentos torna as frituras ainda mais perigosas (www.invivo.fiocruz.com.br). Segundo Moretto e Fett (1998), durante o aquecimento do óleo, no processo de fritura, ao mesmo tempo em que se infere ao alimento características organolépticas favoráveis, uma série de reações produz numerosos composto de degradação. Com o decorrer das reações, as qualidades funcionais, sensoriais e nutricionais se modificam e pode-se chegar a níveis em que não se consegue produzir alimento com qualidade. Por esse motivo, pesquisadores examinaram 22 pratos de alimentos diferentes, submetidos a frituras, utilizando o óleo de milho em temperatura entre 170 a 200ºC. Não se constatou nenhuma alteração significativa na composição de ácido graxo do óleo de milho. Ultrapassando-se, porém, a temperatura de 200ºC na fritura, constataram-se alterações no óleo utilizado, destacando-se uma diminuição dos ácidos graxos e a elevação da viscosidade. Foi comprovado que com o aumento da temperatura e do tempo da fritura, ocorrerá o aparecimento de substâncias prejudiciais à saúde humana. Por esta razão é condenável a prática, geralmente utilizada por pastelaria e lanchonetes, em não trocar o óleo velho por um novo, reusando sem limitação de tempo (Maretto e Fett, 1998).

14 14 Quando o óleo é submetido à alta temperatura, os triglicerídeos sofrem mudanças químicas. O glicerol, com a ação do calor, provoca a desidratação das moléculas. Nesse processo é formada uma substância chamada acroleína. A acroleína destrói as fibras elásticas, que conferem firmeza, elasticidade e rigidez às paredes das artérias. Além disso, causam irritação as mucosas gastrintestinal e nasal. Existem suspeitas que essa substância química seja cancerígena, mas ainda não há nada confirmado cientificamente. 1.4 Regulamentação sobre o descarte do óleo de fritura. Em alguns países como, Alemanha, Bélgica, Chile, Estados Unidos, Holanda, Suíça e França, existem regulamentações sobre as condições em que o óleo de fritura usado deve ser inutilizado para fins comestíveis. Em nosso país, não existe qualquer regulamentação que estabeleça regras para as alterações no óleo. Existe apenas na Resolução RDC-216, que dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas no Serviço de Alimentação da ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) uma citação em que os óleos e gorduras utilizados devem ser aquecidos a temperaturas não superiores a 180ºC, sendo substituído imediatamente sempre que houver alteração evidente das características físico-químicas ou sensoriais, tais como aroma e sabor, e formação intensa de espuma e fumaça.

15 15 CAPÍTULOII IMPACTO AMBIENTAL. Num futuro bem próximo, qualquer sistema econômico terá de se submeter, mais e mais, às exigências dinâmicas da natureza, entendida não como o mico-leão, o tatu-bola ou a orquídea selvagem em extinção, mas como a utilização dos recursos naturais para fins produtivos e com métodos não predatórios. Falar hoje em meio ambiente, portanto, é pensar em atuações econômicas e empresariais ( Hans Jöhr). Segundo a Resolução 1 de 23 de janeiro de 1986, do Conselho Nacional do Meio Ambiente, considera-se impacto ambiental qualquer alteração das propriedades físicas, químicas e biológicas do meio ambiente, causada por qualquer forma de matéria ou energia resultantes da atividades humanas que, direta ou indiretamente, afetem: I- a saúde, a segurança e o bem-estar da população; II- III- IV- as atividades sociais e econômicas; a biota; as condições estéticas e sanitárias do meio ambiente; V- a qualidade dos recursos ambientais. A Constituição Federal afirma no capítulo VI, artigo 225 que todos tem direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações. 2.1 Impactos Ambientais causados pelo óleo vegetal. Com o aumento do consumo de alimentos fritos pela população e a produção em estabelecimentos comerciais como bares, restaurantes e lanchonetes, indústrias são motivados a produzir cada vez mais óleo vegetal. O Brasil produz nove bilhões de óleo vegetal por ano. Desse volume produzido 1/3 vai para óleos comestíveis. Apenas 2,5% de todo esse óleo

16 16 descartado é reciclado, ou seja, separado, coletado, filtrado e reinserido novamente na cadeia produtiva. A maior parte desse óleo é descartado diretamente no esgoto doméstico ou lançado em lixões juntamente com outros resíduo. Quando lançados diretamente na rede de esgoto, o óleo emulsifica-se com a matéria orgânica ocasionando entupimento nas caixas de gordura e tubulações ocasionando prejuízo para o proprietário ou estação de tratamento aumentando o custo da manutenção. Em alguns casos a desobstrução de tubulações necessita de produtos químicos tóxicos. O óleo ainda pode chegar a rios, lagos e mares causando desequilíbrio nos ecossistemas. Estima-se que um litro de óleo lançado em um curso d água pode degradar um milhão de litros de água. O óleo não é considerado um contaminante grave, ele é considerado um contaminante de auto-volume, polui, mas não é tóxico. 2.2 Os Ecossistemas Aquáticos e a Influência do Óleo Vegetal. Os ecossistemas aquáticos estão representados pelos oceanos, rios e lagos. Os oceanos podem ser considerados o maior ecossistema da Terra, pois cerca de 70% da superfície do planeta está coberta por eles. Os oceanos, rios e lagos são responsáveis pela grande quantidade de oxigênio para a atmosfera, devido à atividade fotossintética do fitoplâncton (algas, geralmente microscópicas como as Diatomáceas). A produção de oxigênio é ainda maior à costa dos oceanos, pois nessa região há maior concentração de nutrientes provenientes dos rios, o que propicia o desenvolvimento de algas, especialmente as unicelulares. A fotossíntese depende da luz solar, e assim, no ambiente aquático, esse processo depende da penetração da luz na água. Em regiões claras, a luz penetra até 200m de profundidade enquanto em águas turvas essa penetração é bem menor. A região que recebe luz é denominada zona fótica, e é nessa região que os produtores fotossintetizantes sustentam a diversidade biológica.

17 17 O processo de fotossíntese é fundamental para a vida tanto aquática quanto terrestre, pois é através desse processo que os seres autotróficos (produtores) fabricam seu próprio alimento e adquirem a energia necessária para sua sobrevivência. E ao longo da cadeia alimentar esses seres servirá de alimento para os seres heterotróficos. Quando o heterótrofo se alimenta de um autótrofo, como acontece com os consumidores primários, ocorre a alimentação de forma direta da matéria orgânica produzida pelo autotrófico; quando o heterotrófico se alimenta de outro heterotrófico, como acontece com os consumidores secundários, terciários e quaternários,ocorre a alimentação de forma indireta da matéria orgânica produzida pelo autotrófico. Desse modo a energia luminosa do sol, fixada pelos autótrofos, é transmitida sob forma de energia química aos demais seres vivos. Quando o óleo é descartado de forma inadequada alcançando um curso d água, ele vai trazer para aquele ecossistema um desequilíbrio, afetando todo esse processo de fotossíntese e desenvolvimento dos seres vivos que habitam naquele local, pois o óleo não se dissolve na água, ele forma uma película superficial, diminuindo a área de contato entre a superfície da água e o ar atmosférico, impedindo a entrada de luz solar que é fundamental para a realização da fotossíntese. Além disso, dificulta ou até mesmo impede a troca de gases (oxigênio e gás carbônico) dificultando a respiração no ambiente aquático. 2.3 A Influência do Óleo Vegetal nos Ambientes Terrestres e no clima do Planeta. O óleo vegetal causa sérios problemas não só no ambiente aquático, mas no terrestre também. Quando despejados diretamente em terrenos baldios ou no lixo junto com outros resíduos acaba chegando aos lixões, o óleo em contato com o solo impermeabiliza-o contribuindo com enchentes, pois a água da chuva tem dificuldade de se infiltrar no solo ficando retida e alagando sua superfície. O óleo pode ser capaz de vedar os estômatos das plantas, que são estruturas localizadas nas folhas responsáveis por sua transpiração e pela

18 18 troca de gases com a atmosfera (gás carbônico e oxigênio). É através da abertura dos estômatos que as plantas capturam o gás carbônico, um dos componentes essenciais para a realização do processo de fotossíntese e libera o oxigênio na atmosfera, tornando o ar mais puro. E é também através dos estômatos que as plantas liberam água na forma de vapor na atmosfera contribuindo para a manutenção da temperatura compatível com o desempenho de suas atividades e contribuindo com o ciclo hidrológico. O óleo pode ainda impermeabilizar as raízes de plantas, órgão responsável pela absorção de água e sais minerais do solo, além da fixação. A decomposição do óleo gera ainda mais prejuízo ao meio ambiente. No processo de decomposição do óleo é gerado o gás metano que é liberado na atmosfera. O gás metano, junto com outros gases como o gás carbônico, na atmosfera é responsável pelo fenômeno conhecido por efeito estufa: a energia luminosa atravessa livremente a atmosfera, e é absorvida pela terra e convertida em calor na superfície. O calor é irradiado de volta, sob a forma de radiação infravermelha, mas grande parte fica retida, pela ação de isolante térmico, do gás metano. O efeito estufa tem grande importância para a vida no planeta; sem ele, a temperatura da superfície da Terra seria, em média, de - 18ºC, o que não permitiria a existência de vida. Fica claro, assim, que o clima do planeta depende da presença de gases como o metano e o carbônico, o problema é o excesso desses gases na atmosfera por atividades humanas, o que vem causando o aquecimento global. O gás metano está em menor proporção em relação ao gás carbônico e possui um tempo menor de residência na atmosfera. No entanto, ele possui um potencial de aquecimento 60 vezes maior quando comparado ao gás carbônico. 2.4 Educação Ambiental.

19 19 Entende por educação ambiental os processos por meio dos quais o indivíduo e a coletividade constroem valores sociais, conhecimentos, habilidades, atitudes e competências voltadas para a conservação do meio ambiente, bem de uso comum do povo, essencial à sadia qualidade de vida e sua sustentabilidade. (Política Nacional de Educação Ambiental 9795.) Segundo Carvalho, Educação Ambiental é como um processo crítico transformador capaz de promover no indivíduo um questionamento mais profundo sobre a realidade ambiental onde se encontra inserido, levando-o a assumir uma nova mentalidade ecológica, pautada no respeito mútuo para com o meio ambiente e os que nele convivem (CARVALHO, 2003). Os estabelecimentos de ensino e os meios de comunicação são os maiores responsáveis pela educação do indivíduo e consequentemente da sociedade. Os problemas causados pelo óleo vegetal, quando lançados de forma incorreta no meio ambiente, é uma questão de educação e conscientização da população. Segundo a lei Federal Nº 9795, de 27 de abril de 1999, no artigo 3º, todos tem direito à educação ambiental. E ainda no artigo 10º, a educação ambiental será desenvolvida como uma prática educativa integrada, contínua e permanente em todos os níveis e modalidades do ensino formal. 2.5 A Importância da Educação Ambiental. Diante a tantos desastres ecológicos que vem acontecendo durante os últimos anos, a preocupação quanto à preservação do meio ambiente tem aumentado. Vários setores da sociedade são chamados a desenvolver atividades e projetos com o objetivo de educar as comunidades, procurando sensibilizá-las para as questões ambientais e mobilizá-las para adoção de atitudes e posturas benéficas a preservação ambiental. Os problemas ambientais causados pelo homem obrigam o mundo a refletir sobre a necessidade de priorizar e impulsionar a educação ambiental. O cenário é muito preocupante e deve ser levado a sério, pois as conseqüências vão atingir a todos.

20 20 A Educação Ambiental fomenta sensibilidades afetivas e capacidades cognitivas para uma leitura do mundo do ponto de vista ambiental. Dessa forma, estabelece-se como mediação para múltiplas compreensões da experiência do indivíduo e dos coletivos sociais em suas relações com o ambiente. Esse processo de aprendizagem, por via dessa perspectiva de leitura, dá-se particularmente pela ação do educador como intérprete dos nexos entre sociedade e ambiente e da Educação Ambiental como mediadora na construção social de novas sensibilidades e posturas éticas diante do mundo. (Carvalho, Isabel C. M. Educação Ambiental: A Formação do Sujeito Ecológico, p75). 2.6 Beneficiados com o Programa de Educação Ambiental: Meio Ambiente melhor qualidade na água, no solo e no ar; Cidadão construção de valores sociais e ambientais. Conscientização ambiental e redução nos gastos com desentupimento de tubulações e limpezas de caixa de gordura; Prefeituras redução nos gastos com limpeza e manutenção nas redes de esgoto; Secretaria de Educação cumprimento da Constituição de 1988, em seu artigo 225, parágrafo primeiro, inciso VI, determina que, para garantir a efetividade do direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, cabe ao poder público a incumbência de promover a educação ambiental em todos os níveis de ensino e a conscientização pública, com vista à preservação do meio ambiente.

21 21 CAPÍTULO III RESÍDUOS SÓLIDOS. Para compreender a expressão resíduo sólido é necessário entender a acepção da expressão lixo. A palavra lixo, que deriva do latim lix, significa cinza. No dicionário Aurélio está definido como: o que se joga fora, sujeira, coisa imprestável, velha, sem valor. Lixo, na linguagem técnica, é sinônimo de resíduo sólido e é representado por materiais descartados pela humanidade. Segundo a ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), resíduo é definido como: restos das atividades humanas, considerados pelos geradores como inúteis, indesejáveis ou descartáveis, podendo se apresentar no estado sólido ou semi-sólido... Segundo o IBGE, são produzidas no Brasil cerca de 250 mil toneladas de lixo por dia. O aumento excessivo da quantidade de resíduo se deve ao aumento do poder aquisitivo e pelo aumento de consumo de uma população. Além disso, quanto mais produtos industrializados, mais lixo é produzido, como embalagens, garrafas, etc. 3.1 Tipos de Resíduos Normalmente, os resíduos são definidos segundo processo ou atividade que lhes deu origem e classificados de acordo com o seu risco em relação ao homem e ao meio ambiente. Segundo a origem, os lixos são classificados como: Domésticos: também chamados de lixo domiciliar ou residencial, é produzido pelas atividades domésticas. È constituído por aproximadamente 60% de matéria orgânica, resto de alimentos, papéis em geral, embalagens plásticas, latas, vidros, entre outros.

22 22 Comercial: é gerado pelo setor terciário (comércio em geral) e é composto especialmente por materiais recicláveis como papel e papelão, plásticos etc. Industrial: originados das atividades secundárias(indústrias), possui composição bastante diversificada, podendo conter restos de alimentos, madeiras, tecidos, couros, metais, produtos químicos e outros. Pode ser altamente prejudicial à saúde humana e ao meio ambiente. Hospitalar: também chamado de lixo de serviço de saúde. Proveniente de hospitais, farmácias, postos de saúde e casa veterinárias. Composto por seringas, vidros de remédios, algodão, gazes etc. São resíduos perigosos, pois pode conter contaminação de microrganismos patogênicos. Deve ter um tratamento diferenciado, desde coleta até seu depósito. Nuclear: é todo resíduo formado por compostos radioativos. As principais fontes de produção são as usinas nucleares, com sobra de uso de urânio; fabricação, manutenção ou desativação de armas nucleares e por laboratórios de exames clínicos. O contato do ser humano com este tipo de lixo pode ter como conseqüência o desenvolvimento de várias doenças (câncer é a principal) e até a morte imediata. Entulhos: restos provenientes de construção e demolição de edificações, compostos por pedaços de tijolos, blocos, concretos, entre outros componentes de uma construção. Agrícola: gerados pela atividade agropecuária. Além dos restos das colheitas, aqui se incluem as sobras de fertilizantes e agrotóxicos usados nas plantações, bem como de rações e produtos veterinários utilizados na pecuária. As embalagens desses produtos requerem cuidados especiais para não prejudicarem o meio ambiente.

23 A importância da Reutilização dos Resíduos. A questão do lixo, apesar de muito séria, ainda não tem recebido a devida atenção da sociedade. A maior parte desses restos, tidos como inúteis, indesejáveis ou descartáveis, vai para lixões a céu aberto. Apenas uma pequena parte do lixo produzido é encaminhado para compostagem, técnica que transforma resto de material orgânico em adubo, e apenas 2% é reciclado. É uma estatística muito pobre para um lixo avaliado como o mais caro do mundo. Uma possível solução para o lixo no mundo é a prática dos quatro Rs : reduzir, repensar, reutilizar e reciclar. A redução e a racionalização do consumo de produtos e embalagens descartáveis devem ser levadas em consideração pelos consumidores, bem como o impacto causado pela extração de matéria-prima, produção do produto, transporte e armazenamento. Deter o consumo desenfreado, repensar atitudes e evitar desperdícios, reduzindo o volume de lixo. Junto com o processo de redução do lixo está a questão da reutilização e da reciclagem que são formas de reaproveitamento de resíduos. É importante saber que a produção de todo e qualquer produto há um determinado gasto de energia. E quando esses materiais não são reaproveitados, significa que há energia sendo desperdiçada, pois como dizia Lavoisier, na natureza, nada se cria, nada se perde e tudo se transforma. Transformar o lixo em algo novamente utilizável é com certeza, um dos meios mais vantajosos do que produzir produtos que necessitem de novos recursos e de mais energia. A palavra reciclar no dicionário Aurélio está definida como: 1. Fazer passar por novo ciclo; 2. Reaproveitar material já utilizado na obtenção ou

24 24 fabricação de novos produtos. Reciclar é, portanto, o retorno da matéria-prima ao ciclo de produção, normalmente o produto reciclado é diferente do produto inicial. De acordo com a Resolução 275 de 25 de abril de 2001 do Conselho Nacional de Meio Ambiente (CONAMA), a reciclagem de resíduos deve ser incentivada, facilitada e expandida no país, para reduzir o consumo de matériaprima, recursos naturais não-renováveis, energia e água;

PROJETO DO LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS

PROJETO DO LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS GOVERNO DE ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETÁRIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO ESCOLA ESTADUAL NAIR PALÁCIO DE SOUZA NOVA ANDRADINA - MS PROJETO DO LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS 1.TÍTULO: Projeto Óleo e água não se

Leia mais

SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ. O ciclo do óleo de cozinha

SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ. O ciclo do óleo de cozinha SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ O ciclo do óleo de cozinha Felipe Zulian dos Santos f.zulian@hotmail.com Marivaldo Freixo Neto neto_surfigp@hotmail.com Renato Oliveira

Leia mais

Página 1 de 8-01/04/2014-5:59

Página 1 de 8-01/04/2014-5:59 PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS BANCO DE QUESTÕES - LÍNGUA PORTUGUESA - 4 ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ========================================================================== Texto 1 LIXO NO LIXO Dá para

Leia mais

Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE

Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE Preservação e Conservação A preservação é o esforço para proteger um ecossistema e evitar que ele seja modificado. Depende também da presença e ação do homem sobre

Leia mais

Problemas Ambientais Urbanos

Problemas Ambientais Urbanos Problemas Ambientais Urbanos INVERSÃO TÉRMICA É comum nos invernos, principalmente no final da madrugada e início da manhã; O ar frio, mais denso, é responsável por impedir a dispersão de poluentes (CO,

Leia mais

Aula 16 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO

Aula 16 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO Aula 16 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO I Ocorre de maneira natural; Atividade humana; Década de 1970 preocupação com a biodiversidade e poluição; Esforço global... Substituir civilização

Leia mais

CONTROLE DA POLUIÇÃO AMBIENTAL

CONTROLE DA POLUIÇÃO AMBIENTAL CONTROLE DA POLUIÇÃO AMBIENTAL Prof. Eduardo Lucena Cavalcante de Amorim Qual a diferença entre poluição e contaminação? Poluição é qualquer fator que altera o aspecto do sistema original; seja água, ar,

Leia mais

PRESERVAR O MEIO AMBIENTE UMA MISSÃO DE TODOS NÓS

PRESERVAR O MEIO AMBIENTE UMA MISSÃO DE TODOS NÓS PRESERVAR O MEIO AMBIENTE UMA MISSÃO DE TODOS NÓS Meio Ambiente Tudo que está a nossa volta: todas as formas de vida e todos os elementos da natureza. Ecologia Ciência que estuda a relação dos seres vivos

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA QUÍMICA I TRIMESTRE CIÊNCIAS NATURAIS SABRINA PARENTE

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA QUÍMICA I TRIMESTRE CIÊNCIAS NATURAIS SABRINA PARENTE INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA QUÍMICA I TRIMESTRE CIÊNCIAS NATURAIS SABRINA PARENTE A química é a ciência que estuda a estrutura, a composição, as propriedades e as transformações da matéria. Ela é frequentemente

Leia mais

Poluição do ar. Segundo o pesquisador Paulo Saldiva, coordenador. Deu no jornal. Nossa aula

Poluição do ar. Segundo o pesquisador Paulo Saldiva, coordenador. Deu no jornal. Nossa aula A UU L AL A Poluição do ar Segundo o pesquisador Paulo Saldiva, coordenador do laboratório de poluição atmosférica experimental da Faculdade de Medicina da USP, a relação entre o nível de poluição e a

Leia mais

Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1

Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1 Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1 Conteúdo: O efeito estufa. Habilidade: Demonstrar uma postura crítica diante do uso do petróleo. REVISÃO Reações de aldeídos e cetonas. A redução de um composto

Leia mais

Coleta e reciclagem de óleo de fritura.

Coleta e reciclagem de óleo de fritura. Nivia Sueli de Freitas e Ricardo Motta Pinto Coelho Coleta e reciclagem de óleo de fritura. Saiba como contribuir com o meio ambiente e ainda ganhar em troca. Belo Horizonte. MG 201 1-3 - 2ª Edição Prêmio

Leia mais

ESCOLA SENAI CELSO CHARURI CFP 5.12 PROGRAMA DE COLETA DE ÓLEO COMESTÍVEL USADO

ESCOLA SENAI CELSO CHARURI CFP 5.12 PROGRAMA DE COLETA DE ÓLEO COMESTÍVEL USADO ESCOLA SENAI CELSO CHARURI CFP 5.12 PROGRAMA DE COLETA DE ÓLEO COMESTÍVEL USADO PROGRAMA Nº1/ 2012 SENAI-SP. Projeto desenvolvido pelo CFP 5.12 Escola SENAI Celso Charuri. 2ª edição, revisão e atualização

Leia mais

REVISÃO 2º BIMESTRE LIXO E SEU DESTINO

REVISÃO 2º BIMESTRE LIXO E SEU DESTINO REVISÃO 2º BIMESTRE LIXO E SEU DESTINO 1) Analise as alternativas sobre aspectos relacionados ao lixo e marque (V) para as verdadeiras e (F) para as falsas. ( ) O lixo é caracterizado como tudo aquilo

Leia mais

1. A água. 1.1. A água e as atividades humanas

1. A água. 1.1. A água e as atividades humanas 1. A água 1.1. A água e as atividades humanas O homem utiliza a água para os mais determinados fins (Figura 1): consumo doméstico higiene pessoal e da casa, preparar os alimentos; agricultura; indústria;

Leia mais

Coleta e reciclagem de óleo de fritura.

Coleta e reciclagem de óleo de fritura. Nivia Sueli de Freitas, Roberto Góes Menicucci e Ricardo Motta Pinto Coelho Coleta e reciclagem de óleo de fritura. Saiba como contribuir com o meio ambiente e ainda ganhar em troca. Belo Horizonte. MG

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa Universidade Federal do Ceará Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica Universidade Federal do Ceará Biomassa Professora: Ruth Pastôra Saraiva

Leia mais

Logística Ambiental: Adequação das organizações a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Msc. Renata Quemel Pires

Logística Ambiental: Adequação das organizações a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Msc. Renata Quemel Pires Logística Ambiental: Adequação das organizações a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Msc. Renata Quemel Pires Desenvolvimento Sustentável É obter o crescimento econômico contínuo através de um manejo

Leia mais

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear.

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Tipos de Energia Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Primaria fontes que quando empregadas diretamente num trabalho ou geração de calor. Lenha, para produzir

Leia mais

Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas

Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas CONCURSO PETROBRAS TÉCNICO(A) AMBIENTAL JÚNIOR Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas Questões Resolvidas QUESTÕES RETIRADAS DE PROVAS DA BANCA CESGRANRIO DRAFT Produzido por Exatas Concursos www.exatas.com.br

Leia mais

Lixo. A vida é repleta de Química, Física, História e todas outras ciências que estudamos. Da mesma maneira, o ENEM, aborda os conteúdos que

Lixo. A vida é repleta de Química, Física, História e todas outras ciências que estudamos. Da mesma maneira, o ENEM, aborda os conteúdos que Lixo 1 A vida é repleta de Química, Física, História e todas outras ciências que estudamos. Da mesma maneira, o ENEM, aborda os conteúdos que estudamos em temáticas que rementem ao nosso cotidiano. Dessa

Leia mais

Biocombustíveis da Amazônia. Primeira Iniciativa Comercial na Produção de Biodiesel no Estado do Amazonas

Biocombustíveis da Amazônia. Primeira Iniciativa Comercial na Produção de Biodiesel no Estado do Amazonas Biocombustíveis da Amazônia Primeira Iniciativa Comercial na Produção de Biodiesel no Estado do Amazonas Biocombustíveis da Amazônia Ltda Capacidade inicial de 15 milhões de litros/ano Expansão em 2011

Leia mais

Magazine Meio Ambiente

Magazine Meio Ambiente Página 1 de 5 Magazine Meio Ambiente MEIO AMBIENTE Dez atitudes domésticas ecologicamente corretas Publicado a 28 Janeiro 2011 por Danielrox01 Substituir sacolas de plástico A sacola de plástico é a atual

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Projeto de olho no óleo

Mostra de Projetos 2011. Projeto de olho no óleo Mostra de Projetos 2011 Projeto de olho no óleo Mostra Local de: São José dos Pinhais Categoria do projeto: II - Projetos finalizados Nome da Instituição/Empresa: Escola da Colina Educação Infantil e Ensino

Leia mais

Maxillaria silvana Campacci

Maxillaria silvana Campacci Ecologia Aula 1 Habitat É o lugar que reúne as melhores condições de vida para uma espécie. Temperatura, quantidade de água, intensidade da luz solar e tipo de solo determinam se o habitat é adequado ao

Leia mais

PROBLEMAS AMBIENTAIS INVERSÃO TÉRMICA INVERSÃO TÉRMICA 14/02/2014. Distribuição aproximada dos principais poluentes do ar de uma cidade (SP)

PROBLEMAS AMBIENTAIS INVERSÃO TÉRMICA INVERSÃO TÉRMICA 14/02/2014. Distribuição aproximada dos principais poluentes do ar de uma cidade (SP) PROBLEMAS AMBIENTAIS Distribuição aproximada dos principais poluentes do ar de uma cidade (SP) Liga-se com a hemoglobina impedindo o O2 de ser conduzido INVERSÃO TÉRMICA *Inversão térmica é um fenômeno

Leia mais

Ideal Qualificação Profissional

Ideal Qualificação Profissional 2 0 1 1 Finalista Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Vencedora Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Finalista Nacional Categoria Serviços de Educação Apresentação O desenvolvimento

Leia mais

DATA: 17/11/2015. 2. (ENEM) Discutindo sobre a intensificação do efeito estufa, Francisco Mendonça afirmava:

DATA: 17/11/2015. 2. (ENEM) Discutindo sobre a intensificação do efeito estufa, Francisco Mendonça afirmava: EXERCÍCIOS REVISÃO QUÍMICA AMBIENTAL (EFEITO ESTUFA, DESTRUIÇÃO DA CAMADA DE OZÔNIO E CHUVA ÁCIDA) e EQUILÍBRIO QUÍMICO DATA: 17/11/2015 PROF. ANA 1. Na década de 70, alguns cientistas descobriram quais

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST CIÊNCIAS HUMANAS

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST CIÊNCIAS HUMANAS SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST CIÊNCIAS HUMANAS Título do Podcast Área Segmento Duração Consumo, consumismo e impacto humano no meio ambiente Ciências Humanas Ensino Fundamental; Ensino Médio 6min29seg Habilidades:

Leia mais

Of. nº 21 /2015. Guaporé, 25 de junho de 2015.

Of. nº 21 /2015. Guaporé, 25 de junho de 2015. Of. nº 21 /2015. Guaporé, 25 de junho de 2015. Senhor Presidente, Encaminho nesta Casa Legislativa, para apreciação e votação dos nobres Edis, o projeto de lei legislativa nº 009/2015, que INSTITUI O PROGRAMA

Leia mais

NUTRIÇÃO E SUSTENTABILIDADE. Luciana Dias de Oliveira CRN2 4498

NUTRIÇÃO E SUSTENTABILIDADE. Luciana Dias de Oliveira CRN2 4498 NUTRIÇÃO E SUSTENTABILIDADE Luciana Dias de Oliveira CRN2 4498 O que é SUSTENTABILIDADE? Como aliar SUSTENTABILIDADE e NUTRIÇÃO? O que é sustentabilidade? Constituição Federal Art. 225. Todos têm o direito

Leia mais

PROJETO ÓLEO DE COZINHA

PROJETO ÓLEO DE COZINHA PROJETO ÓLEO DE COZINHA Orientador: Paulo Egydio Berkenbrock, CPF: 005.078.559-14 Alunos: Leonardo Demitti CPF: 054.818.109-80 Sergio Paulo Bordin de Mello CPF: 082.071.129-21 Vânia Couto CPF: 050.518.299-88

Leia mais

O Aquecimento Global se caracteriza pela modificação, intensificação do efeito estufa.

O Aquecimento Global se caracteriza pela modificação, intensificação do efeito estufa. O que é o Aquecimento Global? O Aquecimento Global se caracteriza pela modificação, intensificação do efeito estufa. O efeito estufa é um fenômeno natural e consiste na retenção de calor irradiado pela

Leia mais

Cadeia alimentar 3º ano

Cadeia alimentar 3º ano Cadeia alimentar 3º ano O equilíbrio ecológico depende diretamente da interação, das trocas e das relações que os seres vivos estabelecem entre si e com o ambiente. Os seres respiram, vivem sobre o solo

Leia mais

Poluição da água é a introdução de partículas estranhas ao Quantidade de água disponível. ambiente natural, bem como induzir condições em um

Poluição da água é a introdução de partículas estranhas ao Quantidade de água disponível. ambiente natural, bem como induzir condições em um POLUIÇÃO DA ÁGUA Poluição da água é a introdução de partículas estranhas ao Quantidade de água disponível ambiente natural, bem como induzir condições em um determinado curso ou corpo de água, direta

Leia mais

Motor Diesel Vantagens na utilização do Biodiesel Vantagens do Eco Óleo Dúvidas mais freqüentes Óleos Vegetais Biodiesel Características do Biodiesel

Motor Diesel Vantagens na utilização do Biodiesel Vantagens do Eco Óleo Dúvidas mais freqüentes Óleos Vegetais Biodiesel Características do Biodiesel Motor Diesel p02 Vantagens na utilização do Biodiesel p04 Vantagens do Eco Óleo p05 Dúvidas mais freqüentes p08 Óleos Vegetais Biodiesel p11 Características do Biodiesel p13 Meio Ambiente: Responsabilidade

Leia mais

ECOLOGIA IMPACTOS ANTRÓPICOS (AR E ÁGUA) - AR

ECOLOGIA IMPACTOS ANTRÓPICOS (AR E ÁGUA) - AR ECOLOGIA IMPACTOS ANTRÓPICOS (AR E ÁGUA) é uma das áreas da biologia que mais cai no ENEM, sendo que, dentro da ecologia, impactos ambientais são pontos bem cobrados. Nessa aula, iremos estudar alguns

Leia mais

ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL

ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL MENDONÇA, Ana Maria Gonçalves Duarte. Universidade Federal de Campina Grande. E-mail: Ana.duartemendonca@gmail.com RESUMO

Leia mais

Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo.

Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade IV Natureza sociedade: questões ambientais. Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo. 2 CONTEÚDO

Leia mais

Matéria: Biologia Assunto: Problemas Ambientais Prof. Enrico Blota

Matéria: Biologia Assunto: Problemas Ambientais Prof. Enrico Blota Matéria: Biologia Assunto: Problemas Ambientais Prof. Enrico Blota Biologia Ecologia Problemas ambientais Em ecologia, POLUIR é contaminar um ecossistema ou parte dele com fatores prejudiciais ao equilíbrio

Leia mais

Exercícios de Problemas Ambientais

Exercícios de Problemas Ambientais Exercícios de Problemas Ambientais Material de apoio do Extensivo 1. Observe a imagem, que apresenta uma situação de intensa poluição do ar que danifica veículos, edifícios, monumentos, vegetação e acarreta

Leia mais

A Ecologia e sua Importância. Componentes Estruturais. Estudo das Relações dos Seres Vivos entre si e com o meio onde vivem

A Ecologia e sua Importância. Componentes Estruturais. Estudo das Relações dos Seres Vivos entre si e com o meio onde vivem Link para acessar o conteúdo, calendário, notas, etc. www.e-conhecimento.com.br Ensino Médio Primeiros Anos Ecologia oikos casa ; logos - estudo A Ecologia e sua Importância Estudo das Relações dos Seres

Leia mais

Noções de Cidadania. Profª Karin

Noções de Cidadania. Profª Karin Noções de Cidadania Profª Karin Meio Ambiente e Saúde Ecologia: estudo seres vivos, ambiente, solo, água, ar, animais e vegetais. Equilíbrio entre o homem e meio ambiente. Avaliar as atitudes e consequências

Leia mais

RECICLANDO ATITUDES. Ana MariaVenquiaruti 1 ;Janice de Fátima Preuss dacruz 2 ;Natanael Martins Ajala 3 ; Tanise da Silva Moura 4 ;

RECICLANDO ATITUDES. Ana MariaVenquiaruti 1 ;Janice de Fátima Preuss dacruz 2 ;Natanael Martins Ajala 3 ; Tanise da Silva Moura 4 ; RECICLANDO ATITUDES Ana MariaVenquiaruti 1 ;Janice de Fátima Preuss dacruz 2 ;Natanael Martins Ajala 3 ; Tanise da Silva Moura 4 ; 1 Farmacêutica, Bioquímica e Pós Graduada em Educação Ambiental- Professora

Leia mais

Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida.

Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida. Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida. Plástico é Energia Esta cidade que você está vendo aí de cima tem uma população aproximada de 70.000 mil habitantes e

Leia mais

Guia de sustentabilidade para plásticos

Guia de sustentabilidade para plásticos Guia de sustentabilidade para plásticos Maio 2014 1 2 3 4 5 6 7 8 Introdução... 4 Contextualização dos plásticos... 6 Composição dos móveis e utensílios de plásticos...7 Requerimentos para materiais que

Leia mais

BIOCOMBUSTÍVEL O SONHO VERDE PROFª NEIDE REGINA USSO BARRETO

BIOCOMBUSTÍVEL O SONHO VERDE PROFª NEIDE REGINA USSO BARRETO BIOCOMBUSTÍVEL O SONHO VERDE PROFª NEIDE REGINA USSO BARRETO BIOCOMBUSTÍVEL Qualquer combustível de origem biológica, não fóssil. Mistura de uma ou mais plantas como: cana-de-açúcar, mamona, soja, cânhamo,

Leia mais

BIOCOMBUSTÍVEIS: UMA DISCUSSÃO A RESPEITO DAS VANTAGENS E DESVANTAGENS RESUMO

BIOCOMBUSTÍVEIS: UMA DISCUSSÃO A RESPEITO DAS VANTAGENS E DESVANTAGENS RESUMO BIOCOMBUSTÍVEIS: UMA DISCUSSÃO A RESPEITO DAS VANTAGENS E DESVANTAGENS Juliana da Cruz Ferreira 1 ; Leila Cristina Konradt-Moraes 2 UEMS Caixa Postal 351, 79804-970 Dourados MS, E-mail: julianacruz_gnr@hotmail.com

Leia mais

Grandes Problemas Ambientais

Grandes Problemas Ambientais Grandes Problemas Ambientais O aumento do efeito de estufa; O aquecimento global; A Antárctica; A desflorestação; A Amazónia; A destruição da camada de ozono; As chuvas ácidas; O clima urbano; Os resíduos

Leia mais

Prof. Paulo Medeiros

Prof. Paulo Medeiros Prof. Paulo Medeiros Em 2010 entrou em vigor no Brasil a lei dos Resíduos Sólidos. Seu objetivo principal é diminuir a destinação incorreta de resíduos ao meio ambiente. Ela define que todas as indústrias,

Leia mais

Ecologia. 1) Níveis de organização da vida

Ecologia. 1) Níveis de organização da vida Introdução A ciência que estuda como os seres vivos se relacionam entre si e com o ambiente em que vivem e quais as conseqüências dessas relações é a Ecologia (oikos = casa e, por extensão, ambiente; logos

Leia mais

Os lipídios são substâncias com estrutura variada sendo muito abundantes em animais e vegetais;

Os lipídios são substâncias com estrutura variada sendo muito abundantes em animais e vegetais; Lipídios Os lipídios são substâncias com estrutura variada sendo muito abundantes em animais e vegetais; Eles compartilham a característica de apresentarem baixa solubilidade em água sendo solúveis em

Leia mais

NOSSO PLANETA. O planeta Terra se caracteriza por uma história evolutiva complexa:

NOSSO PLANETA. O planeta Terra se caracteriza por uma história evolutiva complexa: NOSSO PLANETA O planeta Terra se caracteriza por uma história evolutiva complexa: Interações entre atmosfera, terra sólida, oceanos e a biosfera resultaram no desenvolvimento de uma grande e complexa variedade

Leia mais

DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO Provas 2º Bimestre 2012 CIÊNCIAS DESCRITORES DESCRITORES DO 2º BIMESTRE DE 2012

Leia mais

Os resíduos sólidos podem ser classificados de acordo com a origem, tipo de resíduo, composição química e periculosidade conforme abaixo:

Os resíduos sólidos podem ser classificados de acordo com a origem, tipo de resíduo, composição química e periculosidade conforme abaixo: TIPOS DE RESIDUOS Os resíduos sólidos podem ser classificados de acordo com a origem, tipo de resíduo, composição química e periculosidade conforme abaixo: Resíduo Hospitalar ou de Serviços de Saúde :

Leia mais

Lixo é tudo aquilo que já não tem utilidade e é jogado fora, qualquer material de origem doméstica ou industrial.

Lixo é tudo aquilo que já não tem utilidade e é jogado fora, qualquer material de origem doméstica ou industrial. Lixo reflexo da sociedade Definição Lixo é tudo aquilo que já não tem utilidade e é jogado fora, qualquer material de origem doméstica ou industrial. Todo lixo gerado pode ser classificado em dois tipos:orgânico

Leia mais

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto Capítulo 21 Meio Ambiente Global Geografia - 1ª Série O Tratado de Kyoto Acordo na Cidade de Kyoto - Japão (Dezembro 1997): Redução global de emissões de 6 Gases do Efeito Estufa em 5,2% no período de

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos

Gerenciamento de Resíduos Gerenciamento de Resíduos ANVISA RDC 306/04 - REGULAMENTO TÉCNICO PARA GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DE SAÚDE veronica.schmidt@ufrgs.br O perigo do lixo hospitalar. Resíduos biológicos - culturas de microrganismos

Leia mais

DEFINIÇÃO: Matriz energética é toda a energia disponibilizada para ser transformada, distribuída e consumida nos processos produtivos.

DEFINIÇÃO: Matriz energética é toda a energia disponibilizada para ser transformada, distribuída e consumida nos processos produtivos. R O C H A DEFINIÇÃO: Matriz energética é toda a energia disponibilizada para ser transformada, distribuída e consumida nos processos produtivos. O petróleo e seus derivados têm a maior participação na

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER Conceito LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER É uma área da logística que atua de forma a gerenciar e operacionalizar o retorno de bens e materiais, após sua venda e consumo, às suas origens, agregando

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. Mônica Macedo de Jesus & Sidnei Cerqueira dos Santos RESÍDUOS & REJEITOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. Mônica Macedo de Jesus & Sidnei Cerqueira dos Santos RESÍDUOS & REJEITOS UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE Mônica Macedo de Jesus & Sidnei Cerqueira dos Santos RESÍDUOS & REJEITOS Profa. Songeli Menezes Freire Salvador 2009 RESÍDUO Qualquer material,

Leia mais

Matéria e energia nos ecossistemas

Matéria e energia nos ecossistemas Aula de hoje Matéria e energia nos ecossistemas Matéria e energia nos ecossistemas A forma e funcionamento dos organismos vivos evoluiu parcialmente il em respostas às condições prevalecentes no mundo

Leia mais

Nesse sistema de aquecimento,

Nesse sistema de aquecimento, Enem 2007 1- Ao beber uma solução de glicose (C 6 H 12 O 6 ), um corta-cana ingere uma substância: (A) que, ao ser degradada pelo organismo, produz energia que pode ser usada para movimentar o corpo. (B)

Leia mais

Poluição do Solo. Aprofundar os conhecimentos sobre como o solo pode ser poluído e as consequências para o homem e o meio ambiente.

Poluição do Solo. Aprofundar os conhecimentos sobre como o solo pode ser poluído e as consequências para o homem e o meio ambiente. Poluição do Solo 1) Objetivo Geral Aprofundar os conhecimentos sobre como o solo pode ser poluído e as consequências para o homem e o meio ambiente. 2) Objetivo Específico Conscientizar os alunos da importância

Leia mais

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água.

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. ÁGUA Água conhecida como elemento vital Comunidades primitivas evoluídas Água Sobrevivência História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. Civilizações mais primitivas comunidades nômades

Leia mais

Quanto maior o desenvolvimento econômico de um país

Quanto maior o desenvolvimento econômico de um país Capítulo 8 Quanto maior o desenvolvimento econômico de um país Maior é o consumo de energia: -Economia dinâmica; - Elevado padrão de consumo da população Aumento da capacidade produtiva Aumento do consumo

Leia mais

Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993

Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993 Resolução CONAMA Nº 009/1993 - "Estabelece definições e torna obrigatório o recolhimento e destinação adequada de todo o óleo lubrificante usado ou contaminado".

Leia mais

Ciclos Biogeoquímicos

Ciclos Biogeoquímicos Os organismos retiram constantemente da natureza os elementos químicos de que necessitam, mas esses elementos sempre retornam ao ambiente. O processo contínuo de retirada e de devolução de elementos químicos

Leia mais

A Questão da Energia no Mundo Atual

A Questão da Energia no Mundo Atual A Questão da Energia no Mundo Atual A ampliação do consumo energético Energia é a capacidade que algo tem de realizar ou produzir trabalho. O aumento do consumo e a diversificação das fontes responderam

Leia mais

COMO OS LIVROS DIDÁTICOS DE ENSINO MÉDIO ABORDAM O EFEITO ESTUFA

COMO OS LIVROS DIDÁTICOS DE ENSINO MÉDIO ABORDAM O EFEITO ESTUFA COMO OS LIVROS DIDÁTICOS DE ENSINO MÉDIO ABORDAM O EFEITO ESTUFA Elizabeth Cristina Tavares Veloso 1, Juracy Regis de Lucena Junior 2. 1 Departamento de Química, Universidade Estadual da Paraíba -UEPB,

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSAS

ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSAS ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSAS O que é biomassa? - É toda matéria orgânica proveniente das plantas e animais. Como se forma a biomassa? - A biomassa é obtida através da fotossíntese realizada pelas plantas.

Leia mais

COMBUSTÍVEIS BIOCOMBUSTÍVEIS: EVOLUÇÃO ENERGÉTICA, COMPOSIÇÃO E IMPACTOS AMBIENTAIS.

COMBUSTÍVEIS BIOCOMBUSTÍVEIS: EVOLUÇÃO ENERGÉTICA, COMPOSIÇÃO E IMPACTOS AMBIENTAIS. COMBUSTÍVEIS BIOCOMBUSTÍVEIS: EVOLUÇÃO ENERGÉTICA, COMPOSIÇÃO E IMPACTOS AMBIENTAIS. Ana L. B. Silva 1 (analuciasilva36@hotmail.com); Aquila B. do Rosario² (aquilabueno@gmail.com); Hevelyn L. Avila³ (hevelyn-avila@hotmail.com);carine

Leia mais

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS ANO BASE 2005 O Governo do Estado, por meio da Fundação Estadual de Meio Ambiente FEAM, entidade da Secretaria Estadual de Meio

Leia mais

1.1 Poluentes atmosféricos. 1.2 Principais Poluentes Atmosféricos

1.1 Poluentes atmosféricos. 1.2 Principais Poluentes Atmosféricos 18 1. Introdução Nos últimos anos, o crescimento econômico dos países desenvolvidos provocou o aumento da demanda mundial por energia. Com esta também veio um forte aumento da dependência do petróleo e

Leia mais

RESÍDUOS COMO ALTERNATIVA DE APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO SÓCIO-AMBIENTAL

RESÍDUOS COMO ALTERNATIVA DE APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO SÓCIO-AMBIENTAL RESÍDUOS COMO ALTERNATIVA DE APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO SÓCIO-AMBIENTAL SOUZA,I.C. ;BUFAIÇAL,D.S.S;SANTOS,M.D.;ARANTES,S.S.;XAVIER,L.;FERREIRA,G.K.S; OLIVEIRA,B.A.;PAGOTTO,W.W.B.S.;SILVA,R.P.;SANTOS.L.G.;SANTOS.F.F.S.;FRANCO,R.

Leia mais

Fração. Página 2 de 6

Fração. Página 2 de 6 1. (Fgv 2014) De acordo com dados da Agência Internacional de Energia (AIE), aproximadamente 87% de todo o combustível consumido no mundo são de origem fóssil. Essas substâncias são encontradas em diversas

Leia mais

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS CICLOS BIOGEOQUÍMICOS O fluxo de energia em um ecossistema é unidirecional e necessita de uma constante renovação de energia, que é garantida pelo Sol. Com a matéria inorgânica que participa dos ecossistemas

Leia mais

Cartilha informativa

Cartilha informativa Cartilha informativa CONSTRUINDO A CIDADANIA A necessidade de estabelecer a relação entre cidadania e meio ambiente está expressa no direito do indivíduo ter um meio ambiente saudável e no dever que cada

Leia mais

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução O Projeto Granja São Roque de redução

Leia mais

o ojet Pr a Consciênci 1 Resíduos

o ojet Pr a Consciênci 1 Resíduos Projeto Consciência Resíduos 1 Qual é a diferença entre resíduo e lixo? 2 Qual é a diferença entre resíduo e lixo? Resíduo pode ser considerado qualquer material que sobra após uma ação ou processo produtivo.

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA A COLETA SELETIVA DO LIXO E DICAS DE CONSUMO CONSCIENTE

INSTRUÇÕES PARA A COLETA SELETIVA DO LIXO E DICAS DE CONSUMO CONSCIENTE 12:43 Page 1 INSTRUÇÕES PARA A COLETA SELETIVA DO LIXO E DICAS DE CONSUMO CONSCIENTE Jardins é Page 2 LIXO UM PROBLEMA DE TODOS Reduzir a quantidade de lixo é um compromisso de todos. Uma pessoa é capaz

Leia mais

Poluição da Água Poluição da água é qualquer alteração de suas propriedades físicas, químicas e biológicas, que possa implicar

Poluição da Água Poluição da água é qualquer alteração de suas propriedades físicas, químicas e biológicas, que possa implicar Poluição da Água Poluição da água é qualquer alteração de suas propriedades físicas, químicas e biológicas, que possa implicar em prejuízo à saúde, à segurança e ao bem estar das populações, causar danos

Leia mais

www.cursinhoemcasa.com Prof. Helena contato@cursinhoemcasa.com Fonte arquivo particular.

www.cursinhoemcasa.com Prof. Helena contato@cursinhoemcasa.com Fonte arquivo particular. Irradiação térmica È o processo de troca de calor que ocorre através da radiação eletromagnética, que não necessitam de um meio material para isso. Ondas eletromagnéticas é uma mistura de campo elétrico

Leia mais

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade significa permanecer vivo. Somos mais de 7 bilhões de habitantes e chegaremos a 9 bilhões em 2050, segundo a ONU. O ambiente tem limites e é preciso fazer

Leia mais

Biocombustível 100% Renovável Produção Pela Usina

Biocombustível 100% Renovável Produção Pela Usina Biocombustível 100% Renovável Produção Pela Usina 1. Quem somos 2. O que é o Ethabiodiesel 2.1. Diferencial competitivo 2.2. Certificações/Autorizações 3. Transportes com Ethabiodiesel Quem somos Vinna

Leia mais

O desmatamento das florestas tropicais responde por 25% das emissões globais de dióxido de carbono, o principal gás de efeito estufa.

O desmatamento das florestas tropicais responde por 25% das emissões globais de dióxido de carbono, o principal gás de efeito estufa. Biodiversidade Introdução Na Estratégia Nacional para a Biodiversidade, desenvolvida pelo Ministério do Meio Ambiente, acordou-se que o Brasil deve dar ênfase para seis questões básicas: conhecimento da

Leia mais

Geografia. Professor: Jonas Rocha

Geografia. Professor: Jonas Rocha Geografia Professor: Jonas Rocha Questões Ambientais Consciência Ambiental Conferências Internacionais Problemas Ambientais Consciência Ambiental Até a década de 1970 o homem acreditava que os recursos

Leia mais

O capitalismo e a sociedade de consumo

O capitalismo e a sociedade de consumo O capitalismo e a sociedade de consumo Sociedade de consumo As sociedades dos países capitalistas desenvolvidos que usufruem intensamente dos bens e serviços existentes no mundo moderno. O consumismo contribui

Leia mais

reciclagem de óleos e gorduras de uso doméstico, comercial e industrial; VII o estímulo à participação dos consumidores e da sociedade, por seus

reciclagem de óleos e gorduras de uso doméstico, comercial e industrial; VII o estímulo à participação dos consumidores e da sociedade, por seus PROJETO DE LEI Nº Institui, no Município de Canoas, o Programa de Incentivo ao Tratamento e à Reciclagem de Óleos e Gorduras, estabelece suas diretrizes e dá outras providências. Art. 1º. Fica instituído,

Leia mais

CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO

CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO Medidas estão sendo tomadas... Serão suficientes? Estaremos, nós, seres pensantes, usando nossa casa, com consciência? O Protocolo de Kioto é um acordo internacional, proposto

Leia mais

Copasa obtém resultados eficientes no tratamento de esgoto em Serro

Copasa obtém resultados eficientes no tratamento de esgoto em Serro Copasa obtém resultados eficientes no tratamento de esgoto em Serro Inaugurada há pouco mais de 3 anos, Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) garante melhorias na qualidade da água do córrego Lucas, que

Leia mais

Sistema Gestão Ambiental

Sistema Gestão Ambiental Sistema Gestão Ambiental Sistema Gestão Ambiental - ISO 14001 Agora você vai conhecer o Sistema de Gestão Ambiental da MJRE CONSTRUTORA que está integrado ao SGI, entender os principais problemas ambientais

Leia mais

Gestão dos resíduos sólidos, reciclagem e sustentabilidade ambiental

Gestão dos resíduos sólidos, reciclagem e sustentabilidade ambiental Gestão dos resíduos sólidos, reciclagem e sustentabilidade ambiental Grupo: Fabiana Augusta César Irene Benevides Vinícius Tôrres Pires Samira Chantre Gestão de Resíduos Sólidos Gestão/gerir:Administrar,dirigir,

Leia mais

Poluição das Águas. A poluição das águas gera efeitos dramáticos em todo o ecossistema COLÉGIO MARISTA SÃO JOSÉ 9º ANO ENS.

Poluição das Águas. A poluição das águas gera efeitos dramáticos em todo o ecossistema COLÉGIO MARISTA SÃO JOSÉ 9º ANO ENS. COLÉGIO MARISTA SÃO JOSÉ 9º ANO ENS. FUNDAMENTAL PROFESSOR: SEBASTIÃO ABICEU / PROFESSORA: JANILDA FRÓES Poluição das Águas A poluição das águas gera efeitos dramáticos em todo o ecossistema A questão

Leia mais

Jardim Escola Aladdin

Jardim Escola Aladdin Jardim Escola Aladdin Os 4 Rs da Sustentabilidade Rio de janeiro 2016 Objetivo geral Esse projeto tem como objetivo promover o envolvimento dos alunos, professores, pais e comunidade em defesa à sustentabilidade

Leia mais

BIODIESEL ENERGIA MÓVEL GARANTIDA 100% ECOLOGICA PARA COPA E PARA O MUNDO

BIODIESEL ENERGIA MÓVEL GARANTIDA 100% ECOLOGICA PARA COPA E PARA O MUNDO BIODIESEL ENERGIA MÓVEL GARANTIDA 100% ECOLOGICA PARA COPA E PARA O MUNDO O que é BIODIESEL BIODIESEL é um combustível produzido a partir de óleos vegetais ou gordura animal, que pode ser utilizado em

Leia mais

PROJETO CIDADANIA E SUSTENTABILIDADE

PROJETO CIDADANIA E SUSTENTABILIDADE PROJETO CIDADANIA E SUSTENTABILIDADE CONSELHEIRO LAFAIETE MG 2012 PROJETO CIDADANIA E SUSTENTABILIDADE JUSTIFICATIVA O Centro de Ensino Superior de Conselheiro Lafaiete tem como princípio desempenhar seu

Leia mais

Ambiental. Cartilha. Aquecimento Global. Saiba como reduzir ou até neutralizar suas emissões de Co2. Vamos deixar um futuro melhor para nossos filhos?

Ambiental. Cartilha. Aquecimento Global. Saiba como reduzir ou até neutralizar suas emissões de Co2. Vamos deixar um futuro melhor para nossos filhos? Cartilha Ambiental Vamos deixar um futuro melhor para nossos filhos? Saiba como reduzir ou até neutralizar suas emissões de Co2 Com atitudes simples você pode contribuir para diminuir sua emissão de CO2,

Leia mais

AMOSTRAGEM DA DESTINAÇÃO DO LIXO DOMÉSTICO EM BAIRROS NA CIDADE DE UBÁ MG RESUMO

AMOSTRAGEM DA DESTINAÇÃO DO LIXO DOMÉSTICO EM BAIRROS NA CIDADE DE UBÁ MG RESUMO 1 AMOSTRAGEM DA DESTINAÇÃO DO LIXO DOMÉSTICO EM BAIRROS NA CIDADE DE UBÁ MG Letícia Alves Pacheco 1 Kênia Ribas de Assis 2 Mariana da Costa J. Miranda 3 Eliane Aparecida de Souza 4 RESUMO A questão do

Leia mais

SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM: O QUE FAZER COM TANTO LIXO?

SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM: O QUE FAZER COM TANTO LIXO? SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM: O QUE FAZER COM TANTO LIXO? Eixo Temático -Ser Humano e Saúde. Tema -O que Fazer com Tanto Lixo? Subtema - Qualidade de Vida: A Saúde Individual, Coletiva e Ambiental. Ano/Série

Leia mais