ROTEIRO PARA A RETENÇÃO PREVIDENCIÁRIA NA FONTE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ROTEIRO PARA A RETENÇÃO PREVIDENCIÁRIA NA FONTE"

Transcrição

1 ROTEIRO PARA A RETENÇÃO PREVIDENCIÁRIA NA FONTE (APLICÁVEL ÀS DESPESAS EXECUTADAS SOB O REGIME DE ADIANTAMENTO FINANCEIRO) Descrição Página 1 Apresentação 2 2 Retenção de Impostos na Fonte 2 3 Contratação de Serviço Pessoa Física 3 4 Contratação de Serviços de Pessoa Jurídica 7 5 Contratação de serviços de Microempreendedor 12 Individual MEI 6 Limite máximo do salário-de-contribuição do INSS 13 7 Anexo: Modelo Comprovante de Pagamento 14 Elaborado pela Assessoria de Finanças e Execução Orçamentária ASFIN. Versão 1.e fev/2013 Página 1 de 14

2 1) APRESENTAÇÃO O presente roteiro decorre do comando inserto no art. 32-A da Portaria nº 1.745, de 24 de maio de 2005, tendo por escopo fixar orientações gerais relativamente às retenções na fonte e definir os procedimentos administrativos a serem adotados pelos responsáveis por adiantamento financeiro nas hipóteses que menciona. Foi elaborado com o objetivo de ser uma ferramenta útil para os responsáveis por adiantamentos financeiros na identificação da necessidade de se proceder à retenção da contribuição previdenciária na fonte, bem como dar conhecimento das obrigações acessórias decorrentes das contratações com pessoa física, em especial. Nesse tomo, conquanto este roteiro não esgote o assunto, surgindo dúvidas no enfrentamento da matéria é recomendável recorrer à regulamentação expedida pela Receita Federal do Brasil, atualmente a Instrução Normativa RFB nº 971, de 13 de novembro de 2009, ou aos Órgãos Técnicos da DIRFIN. 2) RETENÇÃO DE IMPOSTOS NA FONTE Somente nas despesas que envolvam uma prestação de serviços é que poderá haver uma retenção de impostos na fonte. Reter na fonte significa descontar certo valor de um pagamento a ser realizado e esse valor descontado deve ser recolhido ao seu titular, o Fisco. É obrigação do prestador de serviço conhecer a legislação tributária aplicável a sua atividade e, dessa forma, preencher corretamente o Recibo de Pagamento a Autônomo (RPA) ou a Nota Fiscal de Serviço (NFS), inclusive com as incidências tributárias na fonte. Todavia, se o prestador não cumprir tais formalidades, a obrigação de reter e recolher tempestiva e corretamente o imposto, nos casos em que devido, continua prevalecendo, pois as legislações que tratam da matéria atribuem ao tomador do serviço, leia-se Tribunal, a responsabilidade tributária pela retenção e recolhimento dos impostos, independentemente se retido ou descontado do prestador. E em não o fazendo, o Tribunal poderá ser autuado pelo órgão fiscalizador e notificado a recolher o valor do principal acrescido dos encargos moratórios. Dessa forma, recomendamos a leitura da base regulamentar citada, posto que seja dever daqueles que, por qualquer meio, executam despesas, aí Página 2 de 14

3 incluídos os responsáveis por adiantamento financeiro, terem conhecimento mínimo da matéria. Assim, de posse da NFS ou RPA e antes do efetivo pagamento, é necessário que o responsável pelo Adiantamento analise criteriosamente o caso concreto, a fim de verificar se o serviço prestado está ou não sujeito à retenção de impostos na fonte. E caso prevaleça dúvidas poderá saná-las por meio do , ou por telefone, (31) Por fim, importante ressaltar que a falta de recolhimento, no prazo legal, das importâncias retidas configura, em tese, crime contra a Previdência Social previsto no art. 168-A do Código Penal, introduzido pela Lei nº 9.983, de 2000, ensejando a emissão de Representação Fiscal para Fins Penais RFFP. 3) CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE PESSOA FÍSICA 1. Disposições gerais: 1.1. Somente contrate pessoa física (profissional autônomo) que forneça o Número de Identificação do Trabalhor (NIT) perante a Previdência Social ou o número de inscrição no PIS/PASEP E antes da execução dos serviços, sempre valide o nº fornecido pelo prestador no sítio eletrônico do Ministério da Fazenda, em sa2.html, opção Obter Dados Cadastrais" Para fins previdenciários o profissional autônomo é considerado segurado obrigatório, na qualidade de Contribuinte Individual, de sorte que adotaremos ambas as nomenclaturas neste roteiro O Tribunal, ao contratar um profissional autônomo, fica obrigado a recolher a Contribuição Previdenciária Patronal (CPP), independente se feita a retenção ou o desconto, à alíquota de 20% sobre a remuneração paga, sem limite de valor Já o encaminhamento das informações à Previdência Social (via GFIP) ficará centralizada e sob a responsabilidade da DIRFIN, mediante o encaminhamento das informações pelo servidor Responsável pelo Adiantamento, de conformidade com o estabelecido neste roteiro. 2. Contribuição devida pelo Contribuinte Individual Página 3 de 14

4 2.1. Base de cálculo: O preço contratado, tecnicamente considerado remuneração, é regra geral a base de cálculo da contribuição previdenciária devida pelo contribuinte individual, beneficiário do pagamento Ressalte-se que não há permissivo legal para descontar do preço valor relativo ao material eventualmente empregado na prestação dos serviços Esta base de cálculo tem como teto o limite máximo do salário-de-contribuição determinado pela Previdência Social, não podendo nenhum contribuinte individual sofrer retenção sobre as remunerações que excedam esse teto Por tal razão, excepcionalmente poderá a base de cálculo ser inferior ao preço contratado No caso de adiantamento financeiro, a hipótese possível de não se fazer o desconto será quando o Contribuinte Individual receber, no mesmo mês, remuneração de mais de uma fonte pagadora, com ou sem vínculo empregatício, e a soma dessas remunerações ultrapassarem o limite máximo do salário-decontribuição Mas para que o Responsável pelo Adiantamento Financeiro observe essa regra da base de cálculo, competirá exclusivamente ao Contribuinte Individual informar o fato, mediante a apresentação: dos comprovantes de pagamento das remunerações como segurado empregado, inclusive o doméstico, relativos à competência anterior à da prestação de serviços; da declaração, sob as penas da lei, de que é segurado empregado, inclusive o doméstico, consignando o valor sobre o qual é descontada a contribuição naquela atividade ou que a remuneração recebida atingiu o limite máximo do saláriode-contribuição, identificando o nome empresarial da empresa ou empresas, com o número do CNPJ, ou o empregador doméstico que efetuou ou efetuará o desconto sobre o valor por ele declarado; do comprovante de pagamento a que se refere o inciso IV do art. 47 da Instrução Normativa RFB nº 971, de 2009, semelhante ao documento contido no Anexo desse roteiro, emitido por outra(s) empresa(s) e desde que relativo a mesma competência da prestação dos serviços para o Tribunal. Página 4 de 14

5 Não sendo apresentada nenhuma documentação aplica-se a regra geral, ou seja, a base de cálculo será o preço contratado Alíquota: A alíquota a ser aplicada sobre a base de cálculo é a de 11% (onze por cento) Valor Líquido a pagar: Conforme dito, apura-se a contribuição a ser retida e recolhida pela fórmula: Retenção = Base de Cálculo x Alíquota Assim, o valor a pagar ao profissional autônomo corresponderá ao preço contratado deduzido o valor da contribuição retida, esta apurada de conformidade com a orientação deste tópico. 3. Contribuição Previdenciária Patronal (CPP) 3.1. O cálculo e o recolhimento da Contribuição Previdenciária Patronal (CPP) caberão ao Responsável pelo Adiantamento A Contribuição Previdenciária Patronal (CPP) corresponderá a 20% (vinte por cento) da remuneração do Contribuinte Individual, ou seja, a base de cálculo é o próprio preço contratado, não existindo limite de valor para esta contribuição. 4. Arrecadação: 4.1. O recolhimento da contribuição retida mais a da Contribuição Previdenciária Patronal (CPP) será por meio da Guia da Previdência Social GPS, cuja emissão e quitação junto ao agente arrecadador (Bancos) são de responsabilidade do Responsável pelo Adiantamento, que observará no preenchimento da GPS: Campo 1. Nome ou Razão Social/Fone/Endereço:Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais Av. Afonso Pena, 1420, Centro, Belo Horizonte/MG ; Campo 2. Vencimento: deixar esse campo em branco; Campo 3. Código de pagamento: 2402 (Órgãos do Poder Público - CNPJ); Campo 4. Competência: mês e ano do RPA ou NFS avulsa, no formato MM/AAAA; Campo 5. Identificador: / ; Campo 6. Valor do INSS: Somar o valor descontado do Contribuinte Individual com a Contribuição Previdenciária Patronal (CPP), esta calculada conforme item 3 deste tópico; Página 5 de 14

6 Campo 7, 8 e 9: Deixar em branco; Campo 10. ATM, Multa e Juros: Inserir o valor apurado de atualização monetária, multa e juros, na eventualidade do recolhimento em atraso. Os valores deste campo não podem compor a prestação de contas do adiantamento recebido, ônus esse que correrá por conta do responsável pelo adiantamento; Campo 11. Total: Inserir o valor apurado correspondente a soma dos Campos 6 e A GPS pode ser emitida e impressa diretamente no sítio eletrônico do Ministério da Previdência e Assistência Social, em sa2.html, acessando primeiro a opção Obter Dados Cadastrais. Carregada a nova tela com os dados corretos, a opção é Confirma Esse meio de emissão permite calcular automaticamente eventuais multas, juros e atualização monetária por recolhimento em atraso, sendo o indicado A atividade de recolher a contribuição retida na rede bancária jamais pode ser delegada ao prestador do serviço. 5. Do fornecimento do Comprovante de Pagamento: 5.1. Junto à quitação da remuneração deve o Responsável pelo Adiantamento entregar ao Contribuinte Individual o Comprovante de Pagamento, preenchido em todos os seus campos e devidamente firmado, cujo modelo consta deste roteiro. 6. Envio de informações ao Tribunal: 6.1. Em relação a cada serviço tomado de Contribuinte Individual, apenas o encaminhamento das informações à Previdência ficará centralizado e sob a responsabilidade da DIRFIN, obrigando o Responsável pelo Adiantamento a enviar à CODES, em até cinco dias após o pagamento ao prestador do serviço ou até o último dia útil do mês da prestação dos serviços, o que ocorrer primeiro: Cópia da Nota Fiscal de Serviço ou do Recibo de Pagamento a Autônomo; Cópia do comprovante de pagamento a que se refere o item 5 deste tópico; Cópia dos documentos apresentados para fins do controle do limite do salário-de-contribuição, descritos no subitem deste tópico, quando for o caso; Página 6 de 14

7 Comprovante do recolhimento efetuado (GPS) O envio das informações será, preferencialmente, por meio eletrônico no Alternativamente, via fax, telefone Alguns Exemplos: 7.1. Contribuinte Individual presta serviço ao Fórum mediante remuneração de R$150,00 e não apresenta comprovação para fins do controle do limite máximo do salário-de-contribuição (pressuposto de que não auferiu mais nenhuma remuneração naquele mês). a. Contribuição previdenciária retida: R$16,50 ($150,00 x 11%) b. Líquido a receber: R$133,50 ($150,00 - $16,50) c. Contribuição Previdenciária Patronal (CPP): R$30,00 ($150,00 x 20%) d. Valor a ser arrecadado sob código 2402: R$46,50 ($16,50 + $30,00) Contribuinte Individual presta serviço ao Fórum mediante remuneração de R$200,00 e apresenta comprovação para fins do controle do limite máximo do salário-de-contribuição, no montante de R$4.000,00. (limite, ref. 2012, de R$3.916,20) a. Contribuição previdenciária retida: R$0,00 (limite de R$3.916,20 no mês superado) b. Líquido a receber: R$200,00 c. Contribuição Previdenciária Patronal (CPP): R$40,00 ($200,00 x 20%) d. Valor a ser arrecadado sob código 2402: R$40,00 ($0,00 + $40,00) Contribuinte Individual presta serviço ao Fórum mediante remuneração de R$200,00 e apresenta comprovação para fins do controle do limite máximo do salário-de-contribuição, no montante de R$2.500,00. (limite, ref. 2012, de R$3.916,20) a. Contribuição previdenciária retida: R$22,00 ($200,00 x 11%) b. Líquido a receber: R$178,00 ($200,00 - $22,00) c. Contribuição Previdenciária Patronal (CPP): R$40,00 ($200,00 x 20%) d. Valor a ser arrecadado sob código 2402: R$62,00 ($22,00 + $40,00). 4) CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE PESSOA JURÍDICA Página 7 de 14

8 1. Disposições gerais: 1.1. Como já anotado, toda a regulamentação relativa à retenção previdenciária encontra-se na Instrução Normativa RFB nº 971, de 14/11/2009, e mais precisamente nos seus arts. 112 a 150 no caso da contratação de serviços de pessoa jurídica Pois bem, de citada IN, os arts. 115 e 116 conceituam a cessão de mão-de-obra e a empreitada e os arts. 117 e 118 definem os serviços sujeitos a retenção Buscando resumir esse conteúdo normativo no que interessa ao regime de adiantamento financeiro, estarão sujeitos à retenção: se contratados mediante cessão de mão-de-obra ou empreitada, os serviços de: Limpeza, conservação e zeladoria, que constituam em varrição, lavagem, enceramento ou em outros serviços destinados a manter a higiene, o asseio ou a conservação de edificações, instalações, dependências, pátios ou de áreas de uso comum; Vigilância ou segurança, que tenham por finalidade a garantia da integridade física de pessoas ou a preservação de bens patrimoniais; Construção civil, as atividades identificadas no Anexo VIII como serviços, cujos exemplos mais comuns podem ser vistos no subitem 4 deste tópico; e se contratados mediante cessão de mão-de-obra, os serviços de: Copa, que envolvam a preparação, o manuseio e a distribuição de todo ou de qualquer produto alimentício Nestes casos, deverá o Responsável pelo Adiantamento reter 11% (onze por cento) do valor bruto da Nota Fiscal de prestação de serviço (NFS) e recolher a importância retida à Previdência Social Quando da emissão da nota fiscal, a contratada deverá destacar o valor da retenção com o título de Retenção para a Seguridade Social O destaque do valor a ser retido deverá ser indicado logo após a descrição dos serviços, apenas para produzir efeito como parcela dedutível no ato da quitação da nota fiscal, sem alteração do valor bruto da nota Da mesma forma que nas contratações de pessoa física, apurase a retenção sobre o faturamento pela fórmula: Retenção = Base de Cálculo x Alíquota. Página 8 de 14

9 1.6. Os serviços relacionados à construção civil (construção de edifícios ou execução de obras de engenharia em geral) comumente contratados no regime de adiantamento com microempresas (ME) e empresas de pequeno porte (EPP), optantes pelo Simples Nacional, enquadram-se na hipótese exceptiva da regulamentação que obrigaria a retenção previdenciária. (ver Nota redigida no item 4.1. deste tópico) Convém anotar que a empreitada realizada nas dependências da contratada afasta a obrigação de retenção na fonte. 2. Retenção Previdenciária 2.1. Base de cálculo: A base de cálculo é o valor bruto da nota fiscal de prestação de serviço Como em regime de adiantamento financeiro as despesas não são lastreadas por contrato formal, a base de cálculo será sempre o valor bruto Alíquota: A alíquota é de 11% (onze por cento) Valor Líquido a pagar: O valor a pagar ao prestador corresponderá ao preço contratado deduzido o valor da retenção previdenciária, esta apurada de conformidade com a orientação deste tópico Quando da emissão da nota fiscal o prestador deverá destacar o valor da retenção com o título Retenção para a Previdência Social, identificado logo após a descrição dos serviços e apenas para produzir efeito com parcela dedutível no ato de quitação. 3. Arrecadação: 3.1. O recolhimento da retenção será por meio da Guia da Previdência Social GPS, cuja emissão e quitação junto ao agente arrecadador (Bancos) são de responsabilidade do Responsável pelo Adiantamento, que observará no preenchimento da GPS: Campo 1. Nome ou Razão Social/Fone/Endereço: Denominação Social e endereço da empresa contratada; Campo 2. Vencimento: deixar esse campo em branco; Campo 3. Código de pagamento: 2640 (Contribuição Retida sobre NF/Fatura da Prestadora de Serviço - CNPJ - Uso Página 9 de 14

10 Exclusivo do Órgão do Poder Público - Administração Direta, Autarquia e Fundação Federal, Estadual, do Distrito Federal ou Municipal (contratante do serviço); Campo 4. Competência: mês e ano da Nota Fiscal Serviço, no formato MM/AAAA; Campo 5. Identificador: CNPJ da empresa contratada; Campo 6. Valor do INSS: Inserir o valor da retenção descontado no ato de quitação; Campo 7, 8 e 9: Deixar em branco; Campo 10. ATM, Multa e Juros: Inserir o valor apurado de atualização monetária, multa e juros, na eventualidade do recolhimento em atraso. Os valores deste campo não podem compor a prestação de contas do adiantamento recebido, ônus esse que correrá por conta do responsável pelo adiantamento; Campo 11. Total: Inserir o valor apurado correspondente a soma dos Campos 6 e A GPS pode ser emitida e impressa diretamente no sítio eletrônico do Ministério da Previdência e Assistência Social, em sa2.html, acessando primeiro a opção Obter Dados Cadastrais. Carregada a nova tela com os dados corretos, a opção é Confirma Esse meio de emissão permite calcular automaticamente eventuais multas, juros e atualização monetária por recolhimento em atraso, sendo o indicado A atividade de recolher a contribuição retida na rede bancária jamais pode ser delegada ao prestador do serviço Caso o valor da retenção seja inferior ao mínimo permitido para recolhimentos em GPS, atualmente em R$10,00, a retenção fica dispensada. 4. Alguns Exemplos: 4.1. São casos de retenção quando se tratar de prestador pessoa jurídica: Serviço de pintura de paredes, muros, portas, janelas, etc; Serviço de conserto de portas, janelas/vitros, inclusive colocação ou substituição de vidros, e reparos no telhado; Serviço de instalação de grades e alambrados; Página 10 de 14

11 Serviços nas instalações elétricas, hidráulicas e vigilância; Serviços de limpeza de caixa d àgua, caixa de gordura calhas, canaletas, coletores e galeria de águas pluviais; Serviços de desentupimento de tubulações de esgoto; Serviço de limpeza das áreas comuns; Serviço de manutenção e conservação de prédios, capina, manutenção, paisagismo e conservação de jardim; Serviço de colocação de pisos e azulejos; Serviço de preparação de alimentação para sessão do Tribunal do Júri, se for colocado trabalhador à disposição do Fórum. NOTA: Com exceção do serviço elencado no subitem , os demais se sujeitarão à retenção para a Previdência Social mesmo se prestados por microempresas (ME) e empresas de pequeno porte (EPP), optantes pelo Simples Nacional Não são casos de retenção quando se tratar de prestador pessoa jurídica: Serviço de recarga de extintores de incêndio; Serviço de lavagem de beca; Serviço de confecção de carimbos; Serviço de desisetização e desratização; Serviço de confecção de grades; Serviço de aluguel de caçamba; Serviço de manutenção e conserto de máquinas e equipamentos móveis Serviço de preparação de alimentos para sessão do Tribunal do Júri, se todo o serviço for executado nas dependências da contratada. 5. Envio de informações ao Tribunal: 5.1. Não há necessidade do envio antecipado de informações ao Tribunal, ao passo que inexiste, no caso, obrigações tributárias acessórias a serem cumpridas pelo Tribunal Contudo, é obrigatório anexar à prestação de contas do adiantamento o devido comprovante de recolhimento dos valores retidos. Página 11 de 14

12 5) CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI 1. Disposições Gerais: 1.1. O MEI contratado é obrigado a forneçer Nota Fiscal de Serviço, com inscrição no CNPJ A contratação dos serviços de Microempreendedor Individual MEI não enseja nenhuma retenção de impostos na fonte, salvo o disposto abaixo. 2. Para os serviços de hidráulica, eletricidade, pintura, alvenaria, carpintaria e manutenção ou reparo de veículos, se contratados de MEI: 2.1. Mantém-se a obrigatoriedade de recolhimento da Contribuição Previdenciária Patronal (CPP), cabendo ao Responsável pelo Adiantamento aplicar: o item 3 do tópico relativo à contratação de serviços de pessoa física, para fins de apurar a Contribuição Previdenciária Patronal (CPP); o item 4 do tópico relativo à contratação de serviços de pessoa física, para fins de recolhimento da contribuição patronal. Considerando que não existe, no caso, valor descontado do MEI, o campo Campo 6. Valor do INSS, da GPS, conterá, apenas, o valor da Contribuição Previdenciária Patronal (CPP); o item 5 do tópico relativo à contratação de serviços de pessoa física, para fins do fornecimento do Comprovante de Pagamento; 2.2. Mantém-se a obrigatoriedade de prestar informações à Previdência Social, via GFIP Apenas o encaminhamento das informações à Previdência ficará centralizado e sob a responsabilidade da DIRFIN, obrigando o Responsável pelo Adiantamento: a enviar à CODES, em até cinco dias após o pagamento ao prestador do serviço ou até o último dia útil do mês da prestação dos serviços, o que ocorrer primeiro: Cópia da NFS emitida pelo MEI; Cópia do comprovante de pagamento fornecido ao MEI, com o NIT / PIS / PASEP do MEI válido; Página 12 de 14

13 Comprovante do recolhimento efetuado (GPS) O envio das informações será, preferencialmente, por meio eletrônico no Alternativamente, via fax, telefone ) LIMITE MÁXIMO DO SALÁRIO-DE- CONTRIBUIÇÃO O limite máximo do salário-de contribuição, a partir de 1º de janeiro de 2013, é de R$4.159,00. Base legal: Portaria Interministerial MPS/MF nº 15, de 10 de janeiro de 2013 (art. 2º) Página 13 de 14

14 COMPROVANTE DE PAGAMENTO À CONTRIBUINTE INDIVIDUAL (a que se refere o inciso IV do art. 47 da Instrução Normativa RFB nº 971, de 2009) Senhor Contribuinte Individual: O Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais, inscrito no CNPJ sob o nº / , situado à Av. Afonso Pena, 1.420, Centro, em Belo Horizonte/MG, CEP , na qualidade de contratante dos serviços de Vossa Senhoria, informa que a remuneração paga será lançada na GFIP e a contribuição retida recolhida na forma da lei. DADOS ADICIONAIS: Nome do Contribuinte: NIT / PIS / PASEP: CPF: Serviço Prestado de: Data do RPA: / /. Valor da remuneração: R$ (+) Retenção previdenciária: R$ ( ) Outros descontos: R$ ( ) Valor líquido recebido: R$ (=), / / (a) Nome/Matrícula do Servidor Página 14 de 14

Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. 1 - INTRODUÇÃO. nº 123/2006, com a redação dada pela Lei Complementar nº 128/2008.

Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. 1 - INTRODUÇÃO. nº 123/2006, com a redação dada pela Lei Complementar nº 128/2008. Trabalhistas MICROEMPREENDEDOR - Alterações INDIVIDUAL - MEI - Aspectos Previdenciários e Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. Sumário: 12 Conceito Introdução 3.1 - Tributação

Leia mais

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Conheça as condições para recolhimento do Simples Nacional em valores fixos mensais Visando retirar da informalidade os trabalhadores autônomos caracterizados como pequenos

Leia mais

http://www.merchant.com.br

http://www.merchant.com.br DOU de 29.10.2004 Dispõe sobre a retenção de tributos e contribuições nos pagamentos efetuados pelas pessoas jurídicas de direito privado a outras pessoas jurídicas pela prestação de serviços. O SECRETÁRIO

Leia mais

Receita Federal do Brasil. Lei Complementar 128. Alterações na Legislação Previdenciária

Receita Federal do Brasil. Lei Complementar 128. Alterações na Legislação Previdenciária Lei Complementar 128 Alterações na Legislação Previdenciária Microempreendedor Individual MEI Conceito: É o empresário individual, referido no art. 966 do Novo Código Civil, que tenha auferido receita

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 27 DE MARÇO DE 2003

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 27 DE MARÇO DE 2003 Ministério da Previdência Social Instituto Nacional do Seguro Social Diretoria Colegiada INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 27 DE MARÇO DE 2003 Dispõe sobre a contribuição para o financiamento da aposentadoria

Leia mais

Elaboração: Nilson José da Silva. Auditor do Estado. Cristina Santos Vilella. Auditora do Estado

Elaboração: Nilson José da Silva. Auditor do Estado. Cristina Santos Vilella. Auditora do Estado Versão 1 - Cuiabá Novembro de 2005 1 Elaboração: Nilson José da Silva Auditor do Estado Cristina Santos Vilella Auditora do Estado 2 APRESENTAÇÃO A Auditoria-Geral do Estado de Mato Grosso AGE-MT após

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 0 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 186 - Data 25 de junho de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS PREVIDENCIÁRIAS SERVIÇOS DE CONTROLE DE VETORES

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 004/DIR/2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 004/DIR/2011 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 004/DIR/2011 ESTABELECE NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA O PAGAMENTO DE SERVIÇOS PRESTADOS POR PESSOA FÍSICA, EM CARÁTER EVENTUAL, POR MEIO DE RECIBO DE PAGAMENTO A CONTRIBUINTE INDIVIDUAL

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 003/DIR/2013

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 003/DIR/2013 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 003/DIR/2013 ESTABELECE NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA O PAGAMENTO DE SERVIÇOS PRESTADOS POR PESSOA FÍSICA, EM CARÁTER EVENTUAL, POR MEIO DE RECIBO DE PAGAMENTO A CONTRIBUINTE INDIVIDUAL

Leia mais

Retenção de Impostos e Contribuições

Retenção de Impostos e Contribuições Retenção de Impostos e Contribuições COMO A FONTE PAGADORA DEVE DESCONTAR: IR PIS/PASEP COFINS CSLL ISS INSS Resumo do conteúdo: IR Fonte Assalariados / Pro Labore IR Fonte Terceiros e Não Assalariados

Leia mais

FORMALIZAÇÃO formalização será feita pela internet no endereço no endereço www.portaldoempreendedor.gov.br, a partir de 01/07/2009.

FORMALIZAÇÃO formalização será feita pela internet no endereço no endereço www.portaldoempreendedor.gov.br, a partir de 01/07/2009. M.E.I. (Micro empreendedor Individual) Lei Complementar numero 128 de 19 de dezembro de 2008. Considera-se MEI o empresário individual a que se refere o art. 966 da Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Tributos Microempreendedor Individual (MEI)

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Tributos Microempreendedor Individual (MEI) 04/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 3.1 Contratação de Empregado... 7 3.2 Cessão ou Locação de Mão-de-Obra... 7

Leia mais

CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS e PREVIDENCIÁRIAS OUTUBRO/2010

CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS e PREVIDENCIÁRIAS OUTUBRO/2010 1 CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS e PREVIDENCIÁRIAS OUTUBRO/2010 Dia 06-10-2010 (Quarta-feira): SALÁRIOS Todos os empregadores, assim definidos pela CLT (Consolidação das Leis do Trabalho). Fato

Leia mais

PREVIDÊNCIA SOCIAL INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL. Educação Previdenciária

PREVIDÊNCIA SOCIAL INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL. Educação Previdenciária Todo(a) brasileiro(a), a partir de 16 anos de idade, pode filiar-se à Previdência Social e pagar mensalmente a contribuição para assegurar os seus direitos e a proteção à sua família. Vejamos com isso

Leia mais

ROTEIRO PARA RETENÇÃO DE IMPOSTOS NA FONTE

ROTEIRO PARA RETENÇÃO DE IMPOSTOS NA FONTE INSTRUÇÃO FDE / DRA Nº 002/2011: ROTEIRO PARA RETENÇÃO DE IMPOSTOS NA FONTE 2011 (Destinado a Associações de Pais e Mestres - APMs de Escolas Estaduais de São Paulo) Página 1 de 22 1) APRESENTAÇÃO Este

Leia mais

1 APRESENTAÇÃO 5 3 ORIENTAÇÃO GERAL PARA REALIZAÇÃO DE RETENÇÃO 5 4 CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA 5 4.1 IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE - IRRF 5

1 APRESENTAÇÃO 5 3 ORIENTAÇÃO GERAL PARA REALIZAÇÃO DE RETENÇÃO 5 4 CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA 5 4.1 IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE - IRRF 5 PRE F E I T URADACI DADEDORI ODEJ ANE I RO Co n t r o l a d o r i age r a l d omu n i c í p i o SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO 5 2 INTRODUÇÃO 5 3 ORIENTAÇÃO GERAL PARA REALIZAÇÃO DE RETENÇÃO 5 4 CONTRATAÇÃO DE

Leia mais

ELABORAÇÃO DE GFIP OBRA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PESSOA JURÍDICA

ELABORAÇÃO DE GFIP OBRA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PESSOA JURÍDICA ELABORAÇÃO DE GFIP OBRA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PESSOA JURÍDICA LEGISLAÇÃO Lei 8.212 de 24/07/91, com alterações estabelecidas pelas Leis 9.528/97 e 11.941/2009 Dispõe sobre a exigência de entrega de GFIP

Leia mais

REONERAÇÃO PREVIDENCIÁRIA ASPÉCTOS JURÍDICOS

REONERAÇÃO PREVIDENCIÁRIA ASPÉCTOS JURÍDICOS INTRODUÇÃO NORMAS LEI N. 12.546, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011, alterada pela Lei 12.715/2013 MEDIDA PROVISÓRIA N. 601, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2012 (vigência encerrada no dia 3 de junho de 2013) MEDIDA PROVISÓRIA

Leia mais

3 ORIENTAÇÃO GERAL PARA REALIZAÇÃO DE RETENÇÃO 5 4.1 IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE - IRRF 5. 4.1.1 ALÍQUOTA E DEDUÇÕES (Item alterado) 5

3 ORIENTAÇÃO GERAL PARA REALIZAÇÃO DE RETENÇÃO 5 4.1 IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE - IRRF 5. 4.1.1 ALÍQUOTA E DEDUÇÕES (Item alterado) 5 SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO 5 2 INTRODUÇÃO 5 3 ORIENTAÇÃO GERAL PARA REALIZAÇÃO DE RETENÇÃO 5 4 CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA 5 4.1 IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE - IRRF 5 4.1.1 ALÍQUOTA E DEDUÇÕES (Item alterado)

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Divergência nº 36 - Data 4 de dezembro de 2013 Processo Interessado CNPJ/CPF INSTALAÇÃO, MANUTENÇÃO E REPARAÇÃO HIDRÁULICA, ELÉTRICA, SANITÁRIA, DE GÁS

Leia mais

SOLUÇÕES DE CONSULTA DA RFB DE INTERESSE DA CONSTRUÇÃO CIVIL

SOLUÇÕES DE CONSULTA DA RFB DE INTERESSE DA CONSTRUÇÃO CIVIL SOLUÇÕES DE CONSULTA DA RFB DE INTERESSE DA CONSTRUÇÃO CIVIL SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 38, DE 2 DE DEZEMBRO DE 2013 ASSUNTO: CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS PREVIDENCIÁRIAS EMENTA: CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Emissão do Recibo Pagamento de Autônomo (RPA)

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Emissão do Recibo Pagamento de Autônomo (RPA) 30/06/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 3.1 Lei Complementar nº 87 de 13 de setembro de 1996.... 4 3.2 Convênio ICMS

Leia mais

RESOLUÇÃO DE ORIENTAÇÃO nº 002/2008. Edição em 01 de maio de 2011.

RESOLUÇÃO DE ORIENTAÇÃO nº 002/2008. Edição em 01 de maio de 2011. RESOLUÇÃO DE ORIENTAÇÃO nº 002/2008. Edição em 01 de maio de 2011. Orienta os procedimentos necessários para o pagamento de honorários aos professores dos cursos de Pós-Graduação promovidos pelo IEDUCORP

Leia mais

INSTRUÇÕES BÁSICAS PARA PAGAMENTO DE HONORÁRIOS PROFISSIONAIS DE ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA ADVOGADOS E PERITOS PESSOA FÍSICA JURISDIÇÃO DELEGADA

INSTRUÇÕES BÁSICAS PARA PAGAMENTO DE HONORÁRIOS PROFISSIONAIS DE ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA ADVOGADOS E PERITOS PESSOA FÍSICA JURISDIÇÃO DELEGADA 0 HONORÁRIOS PROFISSIONAIS DE ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA ADVOGADOS E PERITOS PESSOA FÍSICA JURISDIÇÃO DELEGADA RESOLUÇÃO 541/2007 - CJF JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU SÃO PAULO NÚCLEO FINANCEIRO SEÇÃO DE

Leia mais

GUIA DE ORIENTAÇÕES PARA PRESTAÇÃO DE CONTAS DE RECURSOS FINANCEIROS REPASSADOS PELO CREA-RS ÀS ENTIDADES DE CLASSE.

GUIA DE ORIENTAÇÕES PARA PRESTAÇÃO DE CONTAS DE RECURSOS FINANCEIROS REPASSADOS PELO CREA-RS ÀS ENTIDADES DE CLASSE. GUIA DE ORIENTAÇÕES PARA PRESTAÇÃO DE CONTAS DE RECURSOS FINANCEIROS REPASSADOS PELO CREA-RS ÀS ENTIDADES DE CLASSE. Gerência de Contabilidade Março/2014 APRESENTAÇÃO A finalidade deste guia é orientar

Leia mais

EMBASAMENTO LEGAL SOBRE RETENÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA DOS SERVIÇOS PROFISSIONAIS PRESTADOS POR PESSOAS JURÍDICAS

EMBASAMENTO LEGAL SOBRE RETENÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA DOS SERVIÇOS PROFISSIONAIS PRESTADOS POR PESSOAS JURÍDICAS EMBASAMENTO LEGAL SOBRE RETENÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA DOS SERVIÇOS PROFISSIONAIS PRESTADOS POR PESSOAS JURÍDICAS Art. 647. Estão sujeitas à incidência do imposto na fonte, à alíquota de um e meio por cento,

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 13 12 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 18 - Data 16 de janeiro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: SIMPLES NACIONAL Serviços de coleta de resíduos não-perigosos. Enquadramento.

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS PERGUNTAS E RESPOSTAS Palestra Imposto de Renda: "entenda as novas regras para os profissionais da Odontologia" Abril/2015 Palestra Imposto de Renda 2015 A Receita Federal do Brasil RFB para o exercício

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 004, de 02 de setembro de 2013.

INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 004, de 02 de setembro de 2013. INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 004, de 02 de setembro de 2013. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR PRÓREITORIA DE ADMINISTRAÇÃO PROAD Disciplina no âmbito da UDESC os procedimentos

Leia mais

MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - MEI - Aspectos Previdenciários e Trabalhistas - Alterações

MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - MEI - Aspectos Previdenciários e Trabalhistas - Alterações MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - MEI - Aspectos Previdenciários e Trabalhistas - Alterações Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 20/08/2014. Sumário: 1 - Introdução 2 - Conceito 3 - Opção

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenções na fonte IRRF e CSRF geradas na DIRF

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenções na fonte IRRF e CSRF geradas na DIRF Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenções na fonte IRRF e CSRF geradas na DIRF 27/11/2014 Título do documento Sumário 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER CORAG/SEORI/AUDIN-MPU Nº 0819/2014

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER CORAG/SEORI/AUDIN-MPU Nº 0819/2014 MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER CORAG/SEORI/AUDIN-MPU Nº 0819/2014 Referência : Correio eletrônico de 13/3/2014. Protocolo AUDIN-MPU nº 453/2014.

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Retenção INSS por Contribuinte Individual

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Retenção INSS por Contribuinte Individual 12/05/2016 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas Pelo Cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 3.1 Instrução Normativa RFB nº 971, de 13 de novembro de 2009... 4 3.2 Exemplo

Leia mais

Especial Imposto de Renda 2015

Especial Imposto de Renda 2015 Especial Imposto de Renda 2015 01. Durante o ano de 2014 contribuí para a Previdência Social como autônoma. Como devo fazer para deduzir esses valores? Qual campo preencher? Se pedirem CNPJ, qual devo

Leia mais

ROTEIRO PARA RETENÇÃO DE IMPOSTOS NA FONTE

ROTEIRO PARA RETENÇÃO DE IMPOSTOS NA FONTE MANUAL DE INSTRUÇÃO FDE/DRA Nº 002/2016: ROTEIRO PARA RETENÇÃO DE IMPOSTOS NA FONTE 2016 (Destinado a Associações de Pais e Mestres - APMs de Escolas Estaduais de São Paulo) Página 1 de 25 1) APRESENTAÇÃO

Leia mais

Código: Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz Diretoria de Administração. Orientação Normativa

Código: Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz Diretoria de Administração. Orientação Normativa Versão: 1/2007 Nome: para recolhimento de tributos previdenciários e IR I Introdução: Devido às dúvidas originadas por várias unidades da Fiocruz no que se refere ao recolhimento de Tributos Previdenciários

Leia mais

ROTEIRO PARA RETENÇÃO DE IMPOSTOS NA FONTE

ROTEIRO PARA RETENÇÃO DE IMPOSTOS NA FONTE MANUAL DE INSTRUÇÃO FDE/DRA Nº 002/2015: ROTEIRO PARA RETENÇÃO DE IMPOSTOS NA FONTE 2015 (Destinado a Associações de Pais e Mestres - APMs de Escolas Estaduais de São Paulo) Página 1 de 25 1) APRESENTAÇÃO

Leia mais

ROTEIRO PARA RETENÇÃO DE IMPOSTOS NA FONTE

ROTEIRO PARA RETENÇÃO DE IMPOSTOS NA FONTE MANUAL DE INSTRUÇÃO FDE/DRA Nº 002/2013: ROTEIRO PARA RETENÇÃO DE IMPOSTOS NA FONTE 2013 (Destinado a Associações de Pais e Mestres - APMs de Escolas Estaduais de São Paulo) Página 1 de 25 1) APRESENTAÇÃO

Leia mais

ANO XXVI - 2015-2ª SEMANA DE JANEIRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 02/2015

ANO XXVI - 2015-2ª SEMANA DE JANEIRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 02/2015 ANO XXVI - 2015-2ª SEMANA DE JANEIRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 02/2015 ASSUNTOS PREVIDENCIÁRIOS RECOLHIMENTO EM ATRASO - TABELA JANEIRO/2015... Pág. 49 ASSUNTOS TRABALHISTAS MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL

Leia mais

VARGAS CONTABILIDADE atendimento@vargascontabilidaders.com.br ORIENTAÇÃO

VARGAS CONTABILIDADE atendimento@vargascontabilidaders.com.br ORIENTAÇÃO VARGAS CONTABILIDADE atendimento@vargascontabilidaders.com.br ORIENTAÇÃO PREVIDÊNCIA SOCIAL Décimo Terceiro Salário Nesta orientação, vamos apresentar como deve ser preenchida a declaração do SEFIP Sistema

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

ALGUNS ESCLARECIMENTOS SOBRE A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO (LEI 12.546/2011)

ALGUNS ESCLARECIMENTOS SOBRE A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO (LEI 12.546/2011) ALGUNS ESCLARECIMENTOS SOBRE A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO (LEI 12.546/2011) A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO consiste na substituição, total ou parcial, do cálculo da contribuição previdenciária

Leia mais

MATERIAL EXTRAIDO DA REVISTA SEMANA COAD Nº 19 PG. 285 / 2009

MATERIAL EXTRAIDO DA REVISTA SEMANA COAD Nº 19 PG. 285 / 2009 MATERIAL EXTRAIDO DA REVISTA SEMANA COAD Nº 19 PG. 285 / 2009 Informativo 19 - Página 285 - Ano 2009 ORIENTAÇÃO MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Opção pelo SIMEI Conheça as condições para recolhimento

Leia mais

AFONSO MACCHIONE NETO, Prefeito do

AFONSO MACCHIONE NETO, Prefeito do 1 DECRETO N 5.14S, DE 24 DE JUNHO DE 2.00S DISPÕE SOBRE O SISTEMA DE INFORMATIZAÇÃO E ESCRITURAÇÃO ELETRÔNICA DO ISSQN E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. AFONSO MACCHIONE NETO, Prefeito do Município de Catanduva,

Leia mais

DECRETO Nº. 531 DE 01 DE JULHO DE 2012.

DECRETO Nº. 531 DE 01 DE JULHO DE 2012. DECRETO Nº. 531 DE 01 DE JULHO DE 2012. Regulamenta o uso da Nota Fiscal de Serviços Eletrônica no ISSQN, a forma e o prazo de recolhimento dos tributos municipais e respectivos acréscimos perante o Código

Leia mais

CÓPIA. Relatório. 27 Cosit SRRF06/DISIT

CÓPIA. Relatório. 27 Cosit SRRF06/DISIT Fl. 11 Fls. 1 nfls txtfls Solução de Consulta Interna nº MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL COORDENAÇÃO GERAL DE TRIBUTAÇÃO 27 Data 13 de setembro de 2013 Origem SRRF06/DISIT

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

VIGENTE A PARTIR DE 01.01.2014 - Portaria Interministerial MPS/MF 19/2014

VIGENTE A PARTIR DE 01.01.2014 - Portaria Interministerial MPS/MF 19/2014 1 DESCONTO NO CONTRA CHEQUE Ao receber o contra cheque é muito comum ver as pessoas indignadas com a quantidade de descontos no salário. Entretanto não existe salário sem descontos, por isso há uma diferença

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO MATEUS ESTADO DO ESPÍRITO SANTO GABINETE DO PREFEITO

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO MATEUS ESTADO DO ESPÍRITO SANTO GABINETE DO PREFEITO 1 LEI Nº. 949/2010 INSTITUI A NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇOS E DISPÕE SOBRE A DECLARAÇÃO MENSAL DO IMPOSTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE QUALQUER NATUREZA - ISSQN. O Prefeito Municipal de São Mateus,

Leia mais

OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12

OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12 CIRCULAR 37/12 Novo Hamburgo, 02 de julho de 2012. OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12 DIA 04 IR-FONTE Pessoas obrigadas: pessoas jurídicas que efetuaram retenção na fonte nos pagamentos ou créditos decorrentes

Leia mais

Assim, esperamos agilizar o processo de pagamento, evitando cancelamentos, trocas ou atrasos no pagamento por falta do documento fiscal correto.

Assim, esperamos agilizar o processo de pagamento, evitando cancelamentos, trocas ou atrasos no pagamento por falta do documento fiscal correto. Prezado Credenciado, Visando dirimir dúvidas quanto ao preenchimento do documento fiscal Recibo de Pagamento a Autônomo - RPA emitido pelos credenciados Pessoas Físicas do Plano Complementar de Assistência

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenção de Tributos por Entidades Públicas Federais na Intermediação de Viagens

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenção de Tributos por Entidades Públicas Federais na Intermediação de Viagens Retenção de Tributos por Entidades Públicas Federais na Intermediação de 17/06/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PREVIDÊNCIA SOCIAL/SENAR PRODUTOR RURAL PESSOA JURÍDICA. Receita Federal do Brasil

CONTRIBUIÇÃO PREVIDÊNCIA SOCIAL/SENAR PRODUTOR RURAL PESSOA JURÍDICA. Receita Federal do Brasil CONTRIBUIÇÃO PREVIDÊNCIA SOCIAL/SENAR Receita Federal do Brasil SEFIP/GFIP? Como declarar no SEFIP/GFIP a Receita da Comercialização Rural Versão 8.4 SENAR Previdência Rural CONTRIBUIÇÃO PREVIDÊNCIA SOCIAL/SENAR

Leia mais

Quarta-feira, 14 de Maio de 2014 N 628

Quarta-feira, 14 de Maio de 2014 N 628 LEI N 812 de 12 de maio de 2014. Institui a Nota Fiscal de Serviços Eletrônica - NFS-e, a Ferramenta de Declaração Eletrônica de Serviços - DES, e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE GUAPIMIRIM,,

Leia mais

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SOF Nº

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SOF Nº PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SOF Nº 06, de 17.2.09 O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO o disposto nos arts.

Leia mais

1º O acesso ao Sistema deverá ser feito por meio de Senha Web ou certificado digital.

1º O acesso ao Sistema deverá ser feito por meio de Senha Web ou certificado digital. ÍNTEGRA DA INSTRUÇÃO NORMATIVA O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE FINANÇAS, no uso de suas atribuições legais, considerando o disposto nos artigos 113 e 114 do Decreto n 53.151, de 17 de maio de 2012, RESOLVE:

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 315 - Data 7 de novembro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS PREVIDENCIÁRIAS EMPREITADA. FORMA DE CONTRATAÇÃO.

Leia mais

Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo 1 2 3 4 5 6 Clique e veja o compromisso do dia aqui

Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo 1 2 3 4 5 6 Clique e veja o compromisso do dia aqui Atenção 01 Aqueles contribuintes obrigados ao envio mensal do arquivo SINTEGRA ao SEFAZ, devem observar a data de entrega, conforme definido pelo fisco. Atenção 02 Essas informações não substituem aquelas

Leia mais

RETENÇÃO PREVIDENCIÁRIA DOS 11% - SERVIÇOS PRESTADOS POR EMPRESAS.

RETENÇÃO PREVIDENCIÁRIA DOS 11% - SERVIÇOS PRESTADOS POR EMPRESAS. RETENÇÃO PREVIDENCIÁRIA DOS 11% - SERVIÇOS PRESTADOS POR EMPRESAS. A Lei nº 9.711/1998, que passou a vigorar a partir de fevereiro de 1999, introduziu a obrigatoriedade da retenção pela empresa contratante

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos IRRF de Locador Residente no Exterior

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos IRRF de Locador Residente no Exterior IRRF de 23/07/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 5 3.1 Incidência do Imposto de Renda Sobre Locação de Imóveis... 5 3.2

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenção do PCC nos Pagamentos por Compensação

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenção do PCC nos Pagamentos por Compensação 17/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 4. Conclusão... 5 5. Referências... 5 6. Histórico de alterações... 5 2 1.

Leia mais

Alexandre Marques Andrade Lemos. es ao. de Contratos e Convênios. Revista, ampliada e atualizada até maio de 2015

Alexandre Marques Andrade Lemos. es ao. de Contratos e Convênios. Revista, ampliada e atualizada até maio de 2015 Alexandre Marques Andrade Lemos r1 11111 es ao.,. u ar1a de Contratos e Convênios Retenções e encargos incidentes na contratação de pessoas ffsicas e jurídicas (INSS, IRRF, CSLL, PIS, COFINS e ISS) Revista,

Leia mais

SEGURADO FACULTATIVO - Contribuição à Previdência Social - Novas Regras

SEGURADO FACULTATIVO - Contribuição à Previdência Social - Novas Regras SEGURADO FACULTATIVO - Contribuição à Previdência Social - Novas Regras Matéria atualizada com base na legislação vigente em 07/10/2011. Sumário 1 - Introdução 2 - Segurado Facultativo 2.1 - Filiação 2.1.1

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Divergência nº 35 - Data 29 de novembro de 2013 Processo Interessado CNPJ/CPF SERVIÇOS DE INSTALAÇÃO, MANUTENÇÃO E REPARAÇÃO ELÉTRICA. TRIBUTAÇÃO. ANEXO

Leia mais

I quando o prestador de serviços estabelecido no Município do Rio de Janeiro executar serviço;

I quando o prestador de serviços estabelecido no Município do Rio de Janeiro executar serviço; DECRETO N.º 32.250 DE 11 DE MAIO DE 2010. [Publicado no D.O. Rio de 12.05.2010.] [Alterado pelo Decreto nº 32.549, de 20.07.2010, publicado no D.O. Rio de 21.07.2010.] [Alterado pelo Decreto nº 32.601,

Leia mais

IRPF 2015 Imposto de Renda Pessoa Física

IRPF 2015 Imposto de Renda Pessoa Física CIRCULAR Nº 13/2015 São Paulo, 23 de Fevereiro de 2015. IRPF 2015 Imposto de Renda Pessoa Física Ano-Base 2014 Prezado cliente, No dia 03 de fevereiro de 2015 a Receita Federal publicou a Instrução Normativa

Leia mais

R E T E N Ç Ã O N A F O N T E CONTRIBUIÇÕES PIS/ S C / O C F O I F NS N / S C / S C L S / L I / RP R F P

R E T E N Ç Ã O N A F O N T E CONTRIBUIÇÕES PIS/ S C / O C F O I F NS N / S C / S C L S / L I / RP R F P R E T E N Ç Ã O N A F O N T E CONTRIBUIÇÕES PIS/COFINS/CSL/IRPF CONSTITUIÇÃO FEDERAL/88 Art. 149. Compete exclusivamente à União instituir contribuições sociais. Legislação Lei nº 10.833/2003 Art. 30 IN

Leia mais

LEI Nº 1556, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000.

LEI Nº 1556, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000. LEI Nº 1556, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000. Institui o Plano de Custeio do Regime de Previdência dos Servidores Municipais e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE DUQUE DE CAXIAS decreto e eu sanciono

Leia mais

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014. c) multa ou qualquer vantagem por rescisão de contratos.

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014. c) multa ou qualquer vantagem por rescisão de contratos. Até dia Obrigação AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014 Histórico ocorridos no período de 21 a 31.07.2014, incidente sobre rendimentos de (art. 70, I, letra "b", da Lei nº 11.196/2005 ): 5

Leia mais

Agenda Tributária: de 07 a 13 de maio de 2015

Agenda Tributária: de 07 a 13 de maio de 2015 Agenda Tributária: de 07 a 13 de maio de 2015 Dia: 07 CAGED - Cadastro Geral de Empregados e Desempregados Envio ao Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) da relação das admissões, demissões e transferências

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 255 - Data 15 de setembro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: SIMPLES NACIONAL CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SUBSTITUTIVA. EMPRESAS

Leia mais

DECRETO EXECUTIVO nº. 014/2012 D E C R E T A:

DECRETO EXECUTIVO nº. 014/2012 D E C R E T A: DECRETO EXECUTIVO nº. 014/2012 INSTITUI A NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA NFS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE UBAPORANGA, no uso de suas atribuições legais e tendo em vista o disposto

Leia mais

Agenda Tributária: de 06 a 12 de Março de 2014

Agenda Tributária: de 06 a 12 de Março de 2014 Agenda Tributária: de 06 a 12 de Março de 2014 Dia: 06 SP - Transmissão Eletrônica de Dados - Operações Interestaduais com Combustíveis - Importador O contribuinte importador de combustíveis deverá entregar,

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE ALAGOAS Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação PROPEP MANUAL DE PRESTAÇÃO DE CONTAS

ESTADO DE ALAGOAS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE ALAGOAS Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação PROPEP MANUAL DE PRESTAÇÃO DE CONTAS ESTADO DE ALAGOAS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE ALAGOAS Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação PROPEP MANUAL DE PRESTAÇÃO DE CONTAS 1 APRESENTAÇÃO As presentes instruções têm por finalidade estabelecer critérios

Leia mais

PARECER SOBRE O ENQUADRAMENTO DAS EMPRESAS DE CONTROLE DE PRAGAS URBANAS NO ANEXO III OU IV DA LEI COMPLEMENTAR N. 123/2006

PARECER SOBRE O ENQUADRAMENTO DAS EMPRESAS DE CONTROLE DE PRAGAS URBANAS NO ANEXO III OU IV DA LEI COMPLEMENTAR N. 123/2006 PARECER SOBRE O ENQUADRAMENTO DAS EMPRESAS DE CONTROLE DE PRAGAS URBANAS NO ANEXO III OU IV DA LEI COMPLEMENTAR N. 123/2006 Apesar do quanto informado pela Receita Federal no link "Perguntas e Respostas",

Leia mais

b) agrupados, por categoria, os segurados empregado, trabalhador avulso e contribuinte individual;

b) agrupados, por categoria, os segurados empregado, trabalhador avulso e contribuinte individual; Instrução Normativa RFB nº 971, de 13 de novembro de 2009 DOU de 17.11.2009 O SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL, no uso da atribuição que lhe confere o inciso III do art. 261 do Regimento Interno

Leia mais

PREVIDÊNCIA SIMULADO 02

PREVIDÊNCIA SIMULADO 02 PREVIDÊNCIA SIMULADO 02 Nas questões de 01 a 10, marque a alternativa correta: 01) I. Os beneficiários da previdência social subdividem se em dependentes e segurados. Já os segurados, podem ser obrigatórios

Leia mais

ASSUNTO: NORMAS DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA

ASSUNTO: NORMAS DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA ASSUNTO: NORMAS DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 235 de 15 de Setembro de 2010 EMENTA: Os serviços notariais e de registro (cartórios) devem possuir cadastro no CNPJ, o qual permanecerá

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 0 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 215 - Data 21 de julho de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: SIMPLES NACIONAL SERVIÇO DE SUCÇÃO DE FOSSAS, CAIXAS DE GORDURA E ESGOTOS.

Leia mais

CARTILHA PARA CONDOMINIOS DAS OBRIGAÇÕES TRIBUTÁRIAS DOS CONDOMÍNIOS SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA

CARTILHA PARA CONDOMINIOS DAS OBRIGAÇÕES TRIBUTÁRIAS DOS CONDOMÍNIOS SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA CARTILHA PARA CONDOMINIOS DAS OBRIGAÇÕES TRIBUTÁRIAS DOS CONDOMÍNIOS SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA Os condomínios comerciais e residenciais devem proceder à retenção e o recolhimento do Imposto Sobre Serviços

Leia mais

1.2. Classificação da empresa segundo seu porte. 1.3.1. Quando deve ser comprovado o porte da empresa. 1.3.2. Documentação para comprovação de porte

1.2. Classificação da empresa segundo seu porte. 1.3.1. Quando deve ser comprovado o porte da empresa. 1.3.2. Documentação para comprovação de porte Atualizado: 15 / 06 / 2015 - FAQ AI 1. Porte 1.1. Porte da empresa 1.1.1. Faturamento Bruto Anual 1.2. Classificação da empresa segundo seu porte 1.3. Comprovação de porte 1.3.1. Quando deve ser comprovado

Leia mais

Instrução Normativa Conjunta MINC/MF n 1, de 13.06.95

Instrução Normativa Conjunta MINC/MF n 1, de 13.06.95 Instrução Normativa Conjunta MINC/MF n 1, de 13.06.95 Dispõe sobre os procedimentos de acompanhamento, controle e avaliação a serem adotados na utilização dos benefícios fiscais instituídos pela Lei n

Leia mais

MANUAL DO CLIENTE. 2014 versão l. (Direitos reservados)

MANUAL DO CLIENTE. 2014 versão l. (Direitos reservados) MANUAL DO CLIENTE 2014 versão l (Direitos reservados) 1 Anotações: 2 MANUAL DO CLIENTE Número do Manual: Cliente: CNPJ: Recebido em: / / Entregue por: Caro cliente Este manual tem a finalidade de instruí-lo

Leia mais

Este documento tem por objetivo orientar na emissão de Guias de Retenção Previdenciária

Este documento tem por objetivo orientar na emissão de Guias de Retenção Previdenciária Versão 01 - Página 1/10 1. Objetivo Este documento tem por objetivo orientar na emissão de Guias de Retenção Previdenciária. 2. Aplicação Esta instrução aplica-se a emissão de todas as guias de retenções

Leia mais

Índice. Apresentação... 03. Por que contribuir para o SEST/SENAT... 03. Contribuintes do SEST/SENAT... 03. Como contribuir ao SEST/SENAT...

Índice. Apresentação... 03. Por que contribuir para o SEST/SENAT... 03. Contribuintes do SEST/SENAT... 03. Como contribuir ao SEST/SENAT... Índice Apresentação... 03 Por que contribuir para o SEST/SENAT... 03 Contribuintes do SEST/SENAT... 03 Como contribuir ao SEST/SENAT... 04 Alíquotas das Contribuições e Vencimentos... 04 Formas de Contribuição...

Leia mais

A TODOS OS USUÁRIOS DA FFM. (Versão atualizada)

A TODOS OS USUÁRIOS DA FFM. (Versão atualizada) Dir.Circ. 04/2015 São Paulo, 01 de abril de 2015. A TODOS OS USUÁRIOS DA FFM (Versão atualizada) Referente: Regras para preenchimento de Solicitação de Pagamento(SPe) de serviços prestados por pessoas

Leia mais

RETENÇÕES SOBRE SERVIÇOS PRESTADOS POR PESSOA FÍSICA

RETENÇÕES SOBRE SERVIÇOS PRESTADOS POR PESSOA FÍSICA RETENÇÕES SOBRE SERVIÇOS PRESTADOS POR PESSOA FÍSICA 2013 Visando esclarecer os procedimentos devidos para retenção dos tributos e contribuições sobre serviços contratados de Pessoas Físicas não assalariadas

Leia mais

Curso de Direito Previdenciário

Curso de Direito Previdenciário Curso de Direito Previdenciário dias 04, 08 e 10/07 Professora: Rita de Cássia Samyn Teixeira Sumário 1. Programa 2. Currículo da ministrante 3. Informações gerais 1. Programa: 1.1. Visão panorâmica do

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Divergência nº 32 - Data 29 de novembro de 2013 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: SIMPLES NACIONAL SERVIÇOS DE INSTALAÇÃO, MANUTENÇÃO E REPARAÇÃO

Leia mais

Retenções na Fonte. Normas e Procedimentos para retenções de tributos municipais, estaduais e federais para prestadores de serviços

Retenções na Fonte. Normas e Procedimentos para retenções de tributos municipais, estaduais e federais para prestadores de serviços Retenções na Fonte Normas e Procedimentos para retenções de tributos municipais, estaduais e federais para prestadores de serviços Retenção na Fonte IRPJ (1,5% ). Fato Gerador - O imposto de renda na fonte

Leia mais

Agenda de Obrigações Trabalhistas e Previdenciárias Janeiro de 2015

Agenda de Obrigações Trabalhistas e Previdenciárias Janeiro de 2015 Agenda de Obrigações Trabalhistas e Previdenciárias Janeiro de 2015 Dia: 07/01/2015 Pagamento de Salários Pagamento mensal de salários até o 5º dia útil. Fundamento: 1º do art. 459 e art. 465, ambos da

Leia mais

DECRETO Nº 057, de16 denovembro de 2011.

DECRETO Nº 057, de16 denovembro de 2011. DECRETO Nº 057, de16 denovembro de 2011. Regulamenta a Lei Municipal nº 1.874, de 11 de novembro de 2011, que instituiu a Nota Fiscal de Serviços Eletrônica (NFS-e) O Prefeito do Município de Campina Verde,

Leia mais

Superintendência Regional da Receita Federal do Brasil da 1ª RF

Superintendência Regional da Receita Federal do Brasil da 1ª RF Fls. 1 Superintendência Regional da Receita Federal do Brasil da 1ª RF Solução de Consulta Interna nº 1 Data 15 de junho de 2012 Origem DIFIS/SRRF01 (e processo nº 10166.725012/2012 53) Assunto: Contribuições

Leia mais

Lei Complementar 123/2006

Lei Complementar 123/2006 Lei Complementar 123/2006 Art. 18-A. O Microempreendedor Individual - MEI poderá optar pelo recolhimento dos impostos e contribuições abrangidos pelo Simples Nacional em valores fixos mensais, independentemente

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PINHEIRO PRETO DECRETO Nº 4.042, DE 22 DE JULHO DE 2014.

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PINHEIRO PRETO DECRETO Nº 4.042, DE 22 DE JULHO DE 2014. DECRETO Nº 4.042, DE 22 DE JULHO DE 2014. Regulamenta a Lei nº 1.775, de 10 de junho de 2014, dispondo sobre o modelo, requisitos, emissão e cancelamento da Nota Fiscal de Serviços Eletrônica NFS-e, institui

Leia mais

Nova sistemática de cálculo da contribuição previdenciária patronal;

Nova sistemática de cálculo da contribuição previdenciária patronal; Nova sistemática de cálculo da contribuição previdenciária patronal; Até a Lei 12.546/11 a empresa contribuía para o financiamento da Seguridade Social através dos 20% sobre a folha de pagamento. Após

Leia mais

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO RESPOSTA DA RECEITA FEDERAL AO QUESTIONAMENTO DA CBIC Carla Soares Gerente Jurídica do Sinduscon-Rio juridico@sinduscon-rio.com.br LEI 12.546/2011 ART. 7 Art. 7 o Até

Leia mais

Perguntas e respostas sobre a instrução normativa/inss/dc nº 89 de 11/06/2003 e a Lei nº 10.666 de 08/05/2003

Perguntas e respostas sobre a instrução normativa/inss/dc nº 89 de 11/06/2003 e a Lei nº 10.666 de 08/05/2003 Perguntas e respostas sobre a instrução normativa/inss/dc nº 89 de 11/06/2003 e a Lei nº 10.666 de 08/05/2003 01 De que trata a Instrução Normativa 89? A IN 89 trata da contribuição adicional para financiamento

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 002, de 31 de agosto de 2015.

INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 002, de 31 de agosto de 2015. INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 002, de 31 de agosto de 2015. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR - GAB PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO - PROAD Disciplina no âmbito da UDESC os procedimentos

Leia mais