Anexo VI Títulos Públicos Federais. - Critérios de cálculo. - Metodologia de Precificação

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Anexo VI Títulos Públicos Federais. - Critérios de cálculo. - Metodologia de Precificação"

Transcrição

1 COM - CÓDIGO OPERACIONAL DO MERCADO Anexo VI Títulos Públicos Federais - Critérios de cálculo (Agosto 2009) - Metodologia de Precificação (Outubro de 2009) 1

2 Anexo VI Títulos Públicos Federais Seções A Critérios de Cálculo dos Títulos em Mercado B Metodologia de Precificação O Anexo VI do Código Operacional do Mercado COM apresenta procedimentos específicos do segmento de títulos públicos federais, tanto no que se refere aos critérios de cálculo adotados no mercado primário e secundário dos títulos, quanto às informações diárias de preços e taxas divulgadas pela ANDIMA. Na seção A, são relacionados os critérios de cálculo e os principais procedimentos e condutas utilizados no mercado secundário de títulos públicos federais. A primeira parte desse seção traz os critérios de cálculo e o número de casas decimais para cálculos realizados nas negociações com títulos públicos federais. Essas informações estão consolidadas em um quadro utilizado como referência para as operações, registro e prestação de informações e resultaram de um trabalho conjunto de padronização entre a ANDIMA, Secretaria do Tesouro Nacional, Banco Central, BM&F, BOVESPA e CETIP. Para facilitar sua apresentação foram também incluídos exemplos de cálculos nos quais são abordados as formas de expressão e os parâmetros aplicáveis a todos os títulos objetos da padronização. Nas seções referentes a cada título estão dispostas as características, formas de cálculo e práticas de padronização nos mercado primário e secundário. Os aspectos relacionados ao mercado primário vêm sofrendo diversas modificações e os respectivos textos estão em processo de atualização, devendo ser em breve reformulados. Na seção B, é apresentada a metodologia desenvolvida pela ANDIMA para precificar esses títulos a partir de uma amostra de instituições ativas no segmento. O Anexo VI tem por objetivo reunir as melhores práticas e procedimentos adotados pelos participantes do mercado de títulos federais, orientando as instituições sobre os padrões operacionais e de cálculo utilizados em seu dia-a-dia e os procedimentos contemplados ou não na normatização pertinente. 2

3 Anexo VI Títulos Públicos Federais Seção A Critérios de Cálculo Índice 1. Critério e número de casas decimais para cálculo de Títulos Públicos Federais (vigente a partir de 12/5/08) quadro resumo 2 - LTN - Letras do Tesouro Nacional Características Leilão Primário Negociação no Mercado Secundário Fórmula de Cálculo Exemplo prático 3 - NTN-F - Notas do Tesouro Nacional, Série F Características Leilão Primário Negociação no Mercado Secundário Fórmula de Cálculo Exemplo prático 4 - LFT - Letras Financeiras do Tesouro Características Leilão Primário Negociação no Mercado Secundário Fórmula de Cálculo 4.5 Exemplo prático 5 - NTN-B - Notas do Tesouro Nacional, Série B Características Leilão Primário Negociação no Mercado Secundário 5.4- Fórmula de Cálculo 5.5 Exemplo prático 6 - NTN-C - Notas do Tesouro Nacional, Série C Características Leilão Primário Negociação no Mercado Secundário Fórmula de Cálculo Exemplo prático 3

4 Seção A - Critérios de Cálculo dos Títulos em Mercado 1. Critério e número de casas decimais para cálculo de Títulos Públicos Federais (vigente a partir de 12/5/08) Os critérios para cálculo e para a prestação de informações (arredondamento ou truncagem) e o correspondente número de casas decimais utilizados nas negociações no mercado secundário de títulos públicos federais foram consolidados por meio de uma iniciativa conjunta da Andima, STN, Banco Central, CETIP e BM&F. Os padrões refletem, portanto, aqueles requeridos para o registro nos sistemas de liquidação (SELIC) e de negociação eletrônica, bem como devem orientar as práticas observadas pelas instituições no mercado secundário deste segmento. CRITÉRIOS DE CÁLCULO PARA TÍTULOS PÚBLICOS FEDERAIS (Arredondamento, truncagem e prestação de informações e número de casas decimais para cálculos) Variáveis Prefixados Índices de Preços Taxa SELIC Títulos LTN NTN-F NTN-B NTN-C LFT Taxa de Retorno (% a.a.) ¹ T - 4 / I - 4 T - 4 / I - 4 T - 4 / I - 4 T - 4 / I - 4 T - 4 / I - 4 Juros Semestrais (%) -- A - 5 A - 6 A Fluxo de Pagamentos -- A - 9 A - 10 A Descontados Cotação T - 4 T - 4 T - 4 Valor Nominal Atualizado T - 6 / I - 6 T - 6 / I - 6 T - 6 / I - 6 (VNA) ² Valor Nominal Atualizado T - 6 T - 6 T - 6 (VNA) Projeções Fator Acumulado da Taxa A - 16 SELIC ³ Projeções A - 2 A Fator Pro Rata (Projeções) T - 14 T Variação Mês Oficial T - 16 T Exponencial de Dias T - 14 T - 14 T - 14 T - 14 T - 14 Preço Unitário (PU) 4 T - 6 / I - 6 T - 6 / I - 6 T - 6 T - 6 T - 6 Valor Financeiro (R$) T - 2 T - 2 T - 2 T - 2 T - 2 Legenda: T = Truncado A = Arredondado I = Informado Notas: ¹ Como o Sisbex e o CetipNET são sistemas de negociação, as Taxas de Retorno são informadas pelos usuários, o que explica a legenda I-4. ² O Sisbex e o CetipNET capturam o VNA Oficial informado pelo Banco Central e STN, o que explica a legenda I-6. ³ No primeiro dia útil, o fator da Taxa SELIC é arredondado na oitava casa decimal; a partir do segundo dia útil passa a ser acumulado e arredondado com 16 casas decimais, conforme regra atual. 4 Nos leilões de títulos prefixados, o Preço Unitário é informado pelo participante, o que explica a legenda I-6. de Preços 4

5 2 - LTN Letras do Tesouro Nacional 2.1 Características Emissor: Secretaria do Tesouro Nacional. Tipo de Rentabilidade: Prefixada. Função: Prover o Tesouro Nacional de recursos necessários para cobertura de seus déficits explicitados nos orçamentos ou para realização de operações de crédito por antecipação de receita, respeitados a autorização concedida e os limites fixados na Lei Orçamentária, ou em seus créditos adicionais. Prazo: Definido pelo ministro de Estado da Fazenda, quando da emissão do título. Juros: Não há. Modalidade: Escritural, nominativa e negociável. Forma de Colocação: Oferta pública. Atualização do Valor Nominal: Não há. Pagamento de Juros: Não há. Resgate do Principal: Na data do vencimento. Valor Nominal no Vencimento: R$1.000,00 Base Legal: Lei nº , de 06/02/01; Decreto nº 3.859, de 04/07/01; Portaria nº 554, da STN, de 12/12/01; Portaria nº 183, do MF, de 31/07/03; Portaria nº 410, da STN de 04/08/03; Comunicado nº 7.818, do BC, de 31/08/00; Comunicado nº , do BC, de 21/06/ Leilão Primário PROPOSTA: - Na formulação das propostas, deverá ser utilizado preço unitário (PU) com seis casas decimais, devendo o montante de cada proposta contemplar quantidades múltiplas de cinqüenta títulos. LIQUIDAÇÃO: - A liquidação financeira deverá ser feita na forma de PU com seis casas decimais, truncando-se a última casa.. RESULTADO: - O Banco Central divulga os resultados na forma de PU com truncagem em seis casas decimais e taxa efetiva anual, na forma percentual, com quatro casas decimais. CONTAGEM DE DIAS: - De acordo com o Comunicado nº 7.818, do BC, de 31/08/00, no leilão primário, utiliza-se o critério de contagem de dias úteis entre duas datas, que contempla sempre um ano com 252 dias úteis, por se tratar de um ativo referenciado em reais. PRAZO: - O prazo do papel compreende a data de liquidação (inclusive) até a data de resgate (exclusive). 5

6 2.3 Negociação no Mercado Secundário - A taxa utilizada é a taxa efetiva anual, base 252 dias úteis. - Considera-se somente o prazo, em dias úteis, a decorrer do título. 2.4 Fórmula de Cálculo - Cálculo da Taxa efetiva anual a partir do PU: VN Taxa = PU 252 du Taxa = Taxa efetiva anual. VN = Valor nominal de resgate. PU = Preço unitário. du = Dias úteis entre a data de liquidação (inclusive) e a data de vencimento (exclusive). - Cálculo do PU a partir da Taxa efetiva anual: PU = VN Taxa du 252 Taxa = Taxa efetiva anual. VN = Valor nominal de resgate. PU = Preço unitário. du = Dias úteis entre a data de liquidação (inclusive) e a data de vencimento (exclusive). 6

7 7

8 3.1 Características Emissor: Secretaria do Tesouro Nacional. Tipo de Rentabilidade: Prefixado. 3 - NTN-F Notas do Tesouro Nacional, Série F Função: Prover o Tesouro Nacional de recursos necessários para cobertura de seus déficits explicitados nos orçamentos ou para realização de operações de crédito por antecipação de receita, respeitados a autorização concedida e os limites fixados na Lei Orçamentária, ou em seus créditos adicionais. Prazo: Definido pelo ministro de Estado da Fazenda, quando da emissão do título. Juros: Definido pelo emissor quando da emissão, em porcentagem ao ano. Modalidade: Escritural, nominativa e negociável. Forma de Colocação: Oferta pública. Atualização do Valor Nominal: Não há. Pagamento de Juros: Semestralmente, com ajuste no primeiro período de fluência, quando couber. O primeiro cupom de juros a ser pago contemplará a taxa integral definida para seis meses, independente da data de emissão do título. Resgate do Principal: Na data do vencimento. Valor Nominal no Vencimento: R$1.000,00 Base Legal: Lei nº , de 06/02/01; Decreto nº 3.859, de 04/07/01; Portaria nº 442, da STN, de 05/09/00; Portaria nº 183, do MF, de 31/07/03; Portaria nº 410, da STN de 04/08/03; Comunicado nº 7.818, do BC, de 31/08/00; Comunicado nº , do BC, de 21/06/ Leilão Primário PROPOSTA: - Na formulação das propostas, deverá ser utilizado preço unitário (PU) com seis casas decimais, devendo o montante de cada proposta contemplar quantidades múltiplas de cinqüenta títulos. LIQUIDAÇÃO: - A liquidação financeira deverá ser feita na forma de PU com seis casas decimais, truncando-se a última casa.. RESULTADO: - O Banco Central divulga os resultados na forma de PU com truncagem em seis casas decimais e taxa efetiva anual, na forma percentual, com quatro casas decimais. CONTAGEM DE DIAS: - De acordo com o Comunicado nº 7.818, do BC, de 31/08/00, no leilão primário, utiliza-se o critério de contagem de dias úteis entre duas datas, que contempla sempre um ano com 252 dias úteis, por se tratar de um ativo referenciado em reais. 8

9 PRAZO: - O prazo do papel compreende a data de liquidação (inclusive) até a data de resgate (exclusive). FLUXO DE PAGAMENTO: - Quando o resgate/pagamento dos juros ocorrer em dia não útil, o resgate/pagamento dos juros será feito no dia útil imediatamente posterior. CUPONS DE JUROS: - Os cupons de juros poderão ser negociados separadamente do principal, mantidas as características da emissão. Essa opção é definida na portaria de oferta pública. 3.3 Negociação no Mercado Secundário - A taxa utilizada é a taxa efetiva anual, base 252 dias úteis. - Considera-se o prazo, em dias úteis, de pagamento de juros e principal a decorrer do título. 3.4 Fórmula de Cálculo - Cálculo do Juros: 6 i 12 PU de Juros = Juros = Taxa de juros do cupom no semestre. i = Taxa de juros (% a.a.). - Cálculo do PU a partir da Taxa efetiva anual: O PU é o somatório dos pagamentos de juros e do principal, descontados (trazidos a valor presente) pela TIR. n PU = 6 12 i + 1 1X du i TIR TIR dun i= i = Taxa de juros (% a.a.) definido no edital de leilão. n = Número de fluxos de pagamento do título. TIR = Taxa interna de retorno, corresponde a taxa efetiva anual. du i = Dias úteis entre a data de liquidação (inclusive) e a data do pagamento de juros i (exclusive). du n = Dias úteis entre a data de liquidação (inclusive) e a data de vencimento (exclusive). 9

10 10

11 4 - LFT Letras Financeiras do Tesouro 4.1 Características Emissor: Secretaria do Tesouro Nacional. Tipo de Rentabilidade: Pós-fixado. Função: Prover o Tesouro Nacional de recursos necessários para cobertura de seus déficits explicitados nos orçamentos ou para realização de operações de crédito por antecipação de receita, respeitados a autorização concedida e os limites fixados na Lei Orçamentária, ou em seus créditos adicionais. Prazo: Definido pelo ministro de Estado da Fazenda, quando da emissão do título. Juros: Não há. Modalidade: Escritural, nominativa e negociável. Forma de Colocação: Oferta pública. Atualização do Valor Nominal: Definida pela taxa média ajustada dos financiamentos apurados no SELIC, para títulos federais. Pagamento de Juros: Não há. Resgate do Principal: Na data do vencimento. Data-Base: Data de referência para atualização do valor nominal, podendo ser anterior à data de emissão. Valor Nominal na Data-Base: R$1.000,00 Base Legal: Lei nº , de 06/02/01; Decreto nº 3.859, de 04/07/01; Portaria nº 554, da STN, de 12/12/01; Portaria nº 183, do MF, de 31/07/03; Portaria nº 410, da STN de 04/08/03; Comunicado nº 7.818, do BC, de 31/08/00; Comunicado nº , do BC, de 21/06/ Leilão Primário PROPOSTA: - Na formulação das propostas, deverá ser utilizado cotação com quatro casas decimais, devendo o montante de cada proposta contemplar quantidades múltiplas de cinqüenta títulos. LIQUIDAÇÃO: - A liquidação financeira deverá ser feita na forma de preço unitário (PU) com seis casas decimais, truncando-se a última casa. RESULTADO: - O Banco Central divulga os resultados na forma de cotação com truncagem em quatro casas decimais e rentabilidade, na forma percentual, com quatro casas decimais. CONTAGEM DE DIAS: 11

12 - De acordo com o Comunicado nº 7.818, do BC, de 31/08/00, no leilão primário, utiliza-se o critério de contagem de dias úteis entre duas datas, que contempla sempre um ano com 252 dias úteis, por se tratar de um ativo referenciado em reais. PRAZO: - O prazo do papel compreende a data de liquidação (inclusive) até a data de resgate (exclusive). ATUALIZAÇÃO DE VALOR: - A atualização do valor nominal atualizado (VNA) deverá contemplar a variação do fator SELIC acumulado desde a data-base (inclusive) até a data de liquidação (exclusive). REMUNERAÇÃO: - As informações utilizadas, fator SELIC diário, são disponibilizadas pelo Banco Central através do Sisbacen, transação PTAX880, opção 01 ou PTAX860, opção 02 ou, ainda, através do próprio site: Negociação no Mercado Secundário - A taxa utilizada é a rentabilidade ao ano, base 252 dias úteis. - Considera-se somente o prazo, em dias úteis, a decorrer do título Fórmula de Cálculo - Cálculo da Rentabilidade (em % a.a.) a partir da Cotação: 100 Re ntabilidad e = Cotação 252 du Rentabilidade = Rentabilidade do título, expresso ao ano Cotação = Cotação do título, em relação ao VNA. du = Dias úteis entre a data de liquidação (inclusive) e a data de vencimento (exclusive). - Cálculo da Cotação a partir da Rentabilidade (em % a.a.): 100 Cotação = Re ntabilidade du 252 Rentabilidade = Rentabilidade do título, expresso ao ano Cotação = Cotação do título, em relação ao VNA. du = Dias úteis entre a data de liquidação (inclusive) e a data de vencimento (exclusive). - Cálculo do VNA - VNA = R$ x Fator da Taxa SELIC entre a data-base (inclusive) até a data de resgate/negociação (exclusive). - Fator da Taxa SELIC Divulgado pelo Banco Central através do Sisbacen opção PTAX 880 opção 1 ou PTAX 860 opção 2, 02 ou, ainda, através do próprio site: - Cálculo do PU a partir da Cotação: PU = Cotação VNA PU = Preço unitário. Cotação = Cotação do título, em relação ao VNA. VNA = Valor nominal atualizado. 12

13

14 5.1 Características Emissor: Secretaria do Tesouro Nacional. Tipo de Rentabilidade: Índice de Preço. 5 - NTN-B Notas do Tesouro Nacional, Série B Função: Prover o Tesouro Nacional de recursos necessários para cobertura de seus déficits explicitados nos orçamentos ou para realização de operações de crédito por antecipação de receita, respeitados a autorização concedida e os limites fixados na Lei Orçamentária, ou em seus créditos adicionais. Prazo: Definido pelo ministro de Estado da Fazenda, quando da emissão do título. Juros: Definido pelo emissor quando da emissão, em porcentagem ao ano. Modalidade: Escritural, nominativa e negociável. Forma de Colocação: Oferta pública. Atualização do Valor Nominal: IPCA, Índice de Preço ao Consumidor Amplo, apurado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Pagamento de Juros: Semestralmente, com ajuste no primeiro período de fluência, quando couber. O primeiro cupom de juros a ser pago contemplará a taxa integral definida para seis meses, independente da data de emissão do título. Resgate do Principal: Na data do vencimento. Data-Base: Data de referência para atualização do valor nominal, podendo ser anterior à data de emissão. Valor Nominal na Data-Base: R$1.000,00 Base Legal: Lei nº , de 06/02/01; Decreto nº 3.859, de 04/07/01; Portaria nº 554, da STN, de 12/12/01;; Portaria nº 573, da STN de 29/8/07; Portaria nº 410, da STN de 04/08/03; Comunicado nº 7.818, do BC, de 31/08/00; Comunicado nº , do BC, de 21/06/ Leilão Primário Modalidade : A oferta pública será realizada em duas etapas: a primeira etapa, com liquidação financeira em moeda corrente e a segunda, por meio de transferência de títulos de responsabilidade do Tesouro Nacional. Em ambas as etapas, as quantidades serão divididas entre dois grupos (I e II). PROPOSTA: 14

15 - Na formulação das propostas, deverá ser utilizado cotação com quatro casas decimais, devendo o montante de cada proposta contemplar quantidades múltiplas de cinqüenta títulos. LIQUIDAÇÃO: - A liquidação financeira deverá ser feita na forma de preço unitário (PU) com seis casas decimais,, truncando-se a última casa,. RESULTADO: - O Banco Central divulga os resultados na forma de cotação com truncagem em quatro casas decimais e taxa efetiva anual, na forma percentual, com quatro casas decimais. CONTAGEM DE DIAS: - De acordo com o Comunicado nº 7.818, do BC, de 31/08/00, no leilão primário, utiliza-se o critério de contagem de dias úteis entre duas datas, que contempla sempre um ano com 252 dias úteis, por se tratar de um ativo referenciado em reais. PRAZO: - O prazo do papel compreende a data de liquidação (inclusive) até a data de resgate (exclusive). ATUALIZAÇÃO DE VALOR: - A atualização do valor nominal atualizado (VNA) deverá contemplar a variação do IPCA acumulado desde a data-base (inclusive) até a data de liquidação (exclusive). - No caso de leilão primário de títulos indexados ao IPCA, cuja data de emissão/data-base não coincida com o 15º dia do mês, é necessário o ajuste pro rata do IPCA de acordo com a Portaria nº, 573, da STN, de 29/8/07. O normativo define o cálculo em dias corridos, diferentemente do procedimento usado nas negociações no mercado secundário. FLUXO DE PAGAMENTO: - Quando o resgate/pagamento dos juros ocorrer em dia não útil, o resgate/pagamento dos juros será feito no dia útil imediatamente posterior. CUPONS DE JUROS: - Os cupons de juros poderão ser negociados separadamente do principal, mantidas as características da emissão. Essa opção é definida na portaria de oferta pública. REMUNERAÇÃO: - As informações utilizadas, número-índice do IPCA, são disponibilizadas pelo IBGE através do próprio site: Negociação no Mercado Secundário - A taxa utilizada é a taxa efetiva anual, base 252 dias úteis. - Considera-se o prazo, em dias úteis, de pagamento de juros e principal a decorrer do título. - Para efeito do cálculo do VNA em datas não coincidentes ao décimo-quinto dia do mês (data de aniversário do título), deve-se observar os procedimentos descritos no item 1, alínea d e e do Anexo IV desse código, a saber: - d. nas negociações no mercado secundário, as estimativas do IGP-M e IPCA utilizadas deverão ser sempre acordadas e explicitadas entre as partes. A não-observância desta recomendação implica a aceitação das projeções divulgadas pela ANDIMA como referência para fins de negócio, sempre observada a data de validade em que entrar em vigor uma nova projeção; e - e. nas negociações no mercado secundário envolvendo papéis indexados a Índices de Preços, quando não fixado o PU (Preço Unitário), o critério utilizado de pro-rateamento do indexador deverá ser o que contempla a contagem em dias úteis

16 5.4 Fórmula de Cálculo - Cálculo do Valor Nominal Atualizado (*) : a) Data do cálculo coincide com o décimo quinto dia do mês IPCA = VNdb, onde: IPCA VNA t * 0 VNA - Valor Nominal mês fechado; IPCAt - Nº-Índice do IPCA do mês anterior ao de referência, divulgado pelo IBGE; IPCA0 - Nº-Índice do IPCA do mês anterior à data-base, divulgado pelo IBGE; VN - Valor Nominal na data-base = db b) Data do cálculo entre a divulgação, pelo IBGE, do número-índice do IPCA do mês anterior ao de liquidação e o décimo quinto dia do mês. IPCA VNA 1* IPCA = t 1 t 2 du1 du2 VNA t, onde: VNA- Valor Nominal Atualizado; VNA t-1 - Valor Nominal Atualizado do mês anterior ao de referência; IPCA t-1 - Nº-Índice do IPCA do mês anterior ao de referência, divulgado pelo IBGE; IPCA t-2 - Nº-Índice do IPCA de dois meses anteriores à data de referência, divulgado pelo IBGE; du1 Número de dias úteis entre o dia 15 do mês anterior (inclusive) ao da liquidação e a data de liquidação (exclusive); du2 Número de dias úteis entre o dia 15 do mês anterior ao mês de liquidação (inclusive) e o dia 15 do mês de liquidação (exclusive). c) Data do cálculo após o décimo quinto dia do mês Utilização da projeção do IPCA apurada junta ao Comitê de Acompanhamento Macroeconômico da ANDIMA. VNA ( ) ( ) du1 2 + du = 1* 1, onde: VNAt IPCA proj VNA - Valor Nominal Atualizado; VNA t-1 - Valor Nominal Atualizado do mês anterior ao de referência; IPCA proj Projeção do IPCA para o mês de referência apurada junto ao Comitê de Acompanhamento Macroeconômico da ANDIMA, em formato decimal; du1 Número de dias úteis entre o dia 15 dia do mês do mês de referência (inclusive) e a data de liquidação (exclusive) du2 Número de dias úteis entre o dia 15 dia do mês de liquidação (inclusive) e o dia 15 do mês seguinte (exclusive), 16

17 (*) Quando o dia 15 do mês cair em dia não útil, a correção do VNA pelo IPCA oficial do IBGE será feita no dia útil imediatamente posterior. Desta forma, a utilização da projeção do IPCA para correção do Valor Nominal ocorrerá no dia útil seguinte, isto é, o segundo dia útil após o dia Cálculo do Juros em cotação: Juros = i Juros = Taxa de juros do cupom no semestre. i = Taxa de juros (% a.a.) definido no edital de leilão. - Cálculo da Cotação a partir da Taxa efetiva anual: A cotação da operação é o somatório dos pagamentos de juros e do principal, descontados (trazido a valor presente) pela TIR. - 6 i * n Cotação = du i= 1 i TIR TIR dun 252 Cotação = Cotação do título, em relação ao VNA. i = Taxa de juros (% a.a.) definido no edital de leilão. n = Número de fluxos de pagamento do título. TIR = Taxa interna de retorno, corresponde a taxa efetiva anual. du i = Dias úteis entre a data de liquidação (inclusive) e a data do pagamento de juros i (exclusive). du n = Dias úteis entre a data de liquidação (inclusive) e a data de vencimento (exclusive). - Cálculo do PU a partir da Cotação: PU = Cotação VNA PU = Preço unitário. Cotação = Cotação do título, em relação ao VNA. VNA = Valor nominal atualizado. 17

18 18

19 A) NTN-B: DATA DO CÁLCULO COINCIDE COM O 15º DIA DO MÊS (*) Dados Cadastrais: Código SELIC Data Base 15/07/2000 Data de Liquidação: 15/05/2008 Cálculo do Valor Nominal Atualizado (VNA): Valor Nominal na Data Base: 1.000,00 IPCA do mês anterior à Data Base (Jun/00): 1.614,62 IPCA do mês anterior à Data de Liquidação (Abr/08): 2.788,33 Data inicial do IPCA oficial: 15/04/2008 Data final do IPCA oficial: 15/05/2008 Fator acumulado do IPCA oficial: (Nº índice do IPCA de abril/08 / Nº índice de Jun/00) 1, VNA mês fechado : (Fator acumulado*1.000) 1.726, Truncar na 6ª casa decimal (*) - Quando o dia 15 do mês cair em dia não útil, a correção do VNA pelo IPCA oficial do IBGE será feita no dia útil imediatamente posterior. Desta forma, a utilização da projeção do IPCA para correção do Valor Nominal ocorrerá no dia útil seguinte, isto é, o segundo dia útil após o dia 15. B) NTN-B : DATA DO CÁLCULO ENTRE A DIVULGAÇÃO PELO IBGE, DO Nº ÍNDICE DO IPCA DO MÊS AN T E R IO R AO D A L IQ U ID AÇ ÃO, E O 15º D IA D O M Ê S (*) Dados Cadastrais: Código SELIC Data Base du1 15/07/2000 D ata d e L iqu id ação : 12/05/2008 IP CA du 2 t 1 VNA = VNA Cálculo do Valor Nominal Atualizado (VNA): t 1 * IPC At 2 V alor N om inal n a D ata B ase: 1.000,00 IPCA do mês anterior à Data Base (Jun/00): 1.614,62 IPCA do mês anterior à Data de Liquidação (M ar/08) : 2.773,08 IPCA do mês anterior à Data de Liquidação (Abr/08): 2.788,33 D ata inicial do IPC A oficial: 15/04/2008 D ata final do IPC A o ficial: 15/05/2008 Dias úteis entre 15/04/08 e 15/05/08 (d u2) 20 Dias úteis entre 15/04/08 e 12/05/08 (d u1): 17 Variação mês do IPCA Abr/08: 0, Valor N om inal A tu alizado VNA- Valor Nominal Atualizado; VNA t-1 - Valor Nominal Atualizado do mês anterior ao de referência; IPC A t-1- Nº-Índice do IPCA do m ês anterior ao de referência, divulgado pelo IBGE; IPC A t-2 - N º-Índice do IPCA de dois meses anteriores à data de referência, divulgado pelo IBGE; du1 Número de dias úteis entre o dia 15 do mês anterior (inclusive) ao da liquidação e a data de liquidação (exclusive); du2 Número de dias úteis entre o dia 15 do mês anterior ao mês de liquidação (inclusive) e o dia 15 do mês de liquidação (exclusive) , Fator Pro Rata (Pro jeção ) : 1, ,08 VNA t * (N º índice de m arç o/08 / N º índice de J un/00) 1.717, VNA pro rata IPCA m ês fechado : ((VNA T-1 * Fator Pro Rata ) ) 1.725, Truncar na 14ª Truncar na 6ª Truncar na 6ª, (*) - Quando o dia 15 do mês cair em dia não útil, a correção do VN A pelo IPC A oficial do IBG E será feita no dia útil imediatamente posterior. D esta forma, a utilização da projeção do IPCA para correção do Valor Nom inal ocorrerá no dia útil seguinte, isto é, o segundo dia útil após o dia

20 C) NTN-B Data do cálculo após o décimo quinto dia do mês (*) Dados Cadastrais: Código SELIC Data Base 15/07/2000 Data de Liquidação: 20/05/2008 Cálculo do Valor Nominal Atualizado (VNA): Valor Nominal na Data Base: 1.000,00 IPCA do mês anterior à Data Base (Jun/00): 1.614,62 IPCA do mês anterior à Data de Liquidação (Mar/08): 2.773,08 IPCA do mês anterior à Data de Liquidação (Abr/08): 2.788,33 Data inicial do IPCA oficial: 15/05/2008 Data final do IPCA oficial: 16/06/2008 Dias úteis 15/05/2008 e 16/06/2008 (d u2 ) 21 Dias úteis entre 15/05/08 e 20/05/08 (d u1 ): 3 Projeção ANDIMA para o mês de maio/08: 0,46 Valor Nominal Atualizado VNA ( ) ( ) du1 2 + du = 1 * 1 proj VNAt IPCA VNA - Valor Nominal Atualizado; VNA t-1 - Valor Nominal Atualizado do mês anterior ao de referência; IPCA proj Projeção do IPCA para o mês de referência apurada junto ao Comitê de Acompanhamento Macroeconômico da ANDIMA, em formato decimal; du1 Número de dias úteis entre o dia 15 dia do mês do mês de referência (inclusive) e a data de liquidação (exclusive) du2 Número de dias úteis entre o dia 15 dia do mês de liquidação (inclusive) e o dia 15 do mês seguinte (exclusive), ( ) ( ) , Fator Pro Rata (Projeção) : 1, VNA t * (Nº índice de abril/08 / Nº índice de Jun/00) 1.726, VNA pro rata IPCA mês fechado : ((VNA T-1 * Fator Pro Rata ) ) 1.728, Truncar na 14ª casa decimal Truncar na 6ª casa decimal Truncar na 6ª casa decimal (*) - Quando o dia 15 do mês cair em dia não útil, a correção do VNA pelo IPCA oficial do IBGE será feita no dia útil imediatamente posterior. Desta forma, a utilização da projeção do IPCA para correção do Valor Nominal ocorrerá no dia útil seguinte, isto é, o segundo dia útil após o dia

21 6 - NTN-C Notas do Tesouro Nacional, Série C 6.1 Características Emissor: Secretaria do Tesouro Nacional. Tipo de Rentabilidade: Índice de Preço. Função: Prover o Tesouro Nacional de recursos necessários para cobertura de seus déficits explicitados nos orçamentos ou para realização de operações de crédito por antecipação de receita, respeitados a autorização concedida e os limites fixados na Lei Orçamentária, ou em seus créditos adicionais. Prazo: Definido pelo ministro de Estado da Fazenda, quando da emissão do título. Juros: Definido pelo emissor quando da emissão, em porcentagem ao ano. Modalidade: Escritural, nominativa e negociável. Forma de Colocação: Oferta pública. Atualização do Valor Nominal: IGP-M, Índice Geral de Preços do Mercado, apurado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Pagamento de Juros: Semestralmente, com ajuste no primeiro período de fluência, quando couber. O primeiro cupom de juros a ser pago contemplará a taxa integral definida para seis meses, independente da data de emissão do título. Resgate do Principal: Na data do vencimento. Data-Base: Data de referência para atualização do valor nominal, podendo ser anterior à data de emissão. Valor Nominal na Data-Base: R$1.000,00 Base Legal: Lei nº , de 06/02/01; Decreto nº 3.859, de 04/07/01; Portaria nº 442, da STN, de 05/09/00; Portaria nº 554, da STN, de 12/12/01; Portaria nº 573, da STN de 29/8/07; Portaria nº 410, da STN de 04/08/03; Comunicado nº 7.099, do BC, de 29/11/99; Comunicado nº 7.818, do BC, de 31/08/00; Comunicado nº , do BC, de 21/06/ Leilão Primário PROPOSTA: - Na formulação das propostas, deverá ser utilizado cotação com quatro casas decimais, devendo o montante de cada proposta contemplar quantidades múltiplas de cinqüenta títulos. LIQUIDAÇÃO: - A liquidação financeira deverá ser feita na forma de preço unitário (PU) com seis casas decimais, truncando-se a última casa,. RESULTADO: 21

22 - O Banco Central divulga os resultados na forma de cotação com truncagem em quatro casas decimais e taxa efetiva anual, na forma percentual, com quatro casas decimais,. CONTAGEM DE DIAS: - De acordo com o Comunicado nº 7.818, do BC, de 31/08/00, no leilão primário, utiliza-se o critério de contagem de dias úteis entre duas datas, que contempla sempre um ano com 252 dias úteis, por se tratar de um ativo referenciado em reais. PRAZO: - O prazo do papel compreende a data de liquidação (inclusive) até a data de resgate (exclusive). ATUALIZAÇÃO DE VALOR: - A atualização do valor nominal atualizado (VNA) deverá contemplar a variação do IGP-M acumulado desde a data-base (inclusive) até a data de liquidação (exclusive). - No caso de leilão primário de títulos indexados ao IGP-M, cuja data de emissão/data-base não coincida com o 1º dia do mês, é necessário o ajuste pro rata do IGP-M de acordo com a Portaria nº 573, da STN, de 29/8/2007. O normativo define o cálculo em dias corridos, diferentemente do procedimento usado nas negociações no mercado secundário. FLUXO DE PAGAMENTO: - Quando o resgate/pagamento dos juros ocorrer em dia não útil, o resgate/pagamento dos juros será feito no dia útil imediatamente posterior. REMUNERAÇÃO: - As informações utilizadas, número-índice do IGP-M, são disponibilizadas pela FGV através do próprio site: Negociação no Mercado Secundário - A taxa utilizada é a taxa efetiva anual, base 252 dias úteis. - Considera-se o prazo, em dias úteis, de pagamento de juros e principal a decorrer do título. - Para efeito do cálculo do VNA, como a variação mensal do IGP-M é divulgada no final de cada mês, ficou convencionada a utilização da projeção do IGP-M calculada com base no consenso do Comitê de Acompanhamento Macroeconômico da ANDIMA. Para efeito do cálculo do VNA em datas não coincidentes ao primeiro dia do mês (data de aniversário do título), deve-se observar os procedimentos descritos no item 1, alínea d e e do Anexo IV desse código, a saber: - d. nas negociações no mercado secundário, as estimativas do IGP-M e IPCA utilizadas deverão ser sempre acordadas e explicitadas entre as partes. A não-observância desta recomendação implica a aceitação das projeções divulgadas pela ANDIMA como referência para fins de negócio, sempre observada a data de validade em que entrar em vigor uma nova projeção; e - e. nas negociações no mercado secundário envolvendo papéis indexados a Índices de Preços, quando não fixado o PU (Preço Unitário), o critério utilizado de pro-rateamento do indexador deverá ser o que contempla a contagem em dias úteis. - 22

23 6.4 Fórmula de Cálculo Cálculo do Valor Nominal Atualizado (*) : a) Data do cálculo coincide com o primeiro dia do mês IGP M VNA t * 0 IGP M VN =, onde: db VNA - Valor Nominal mês fechado; IGP M t - Nº-Índice do IGP-M do mês de referência divulgado pela Fundação Getulio Vargas; IGP M 0 - Nº-Índice do IGP-M divulgado pela Fundação Getulio Vargas do mês anterior à data-base; VN - Valor Nominal na data-base = db b) Data entre a divulgação do IGP-M e o primeiro dia do mês (IGP-M final do mês) VNA du1 IGP M du2 t = * VNAt 1 t 1 IGP M, onde: VNA - Valor Nominal mês fechado; IGP M t - IGP-M divulgado pela Fundação Getulio Vargas do mês de referência; IGP Mt 1 - IGP-M divulgado pela Fundação Getulio Vargas do mês anterior ao de referência; VNA t-1- Valor Nominal Atualizado do mês anterior ao de referência;; du1 Número de dias úteis entre o 1º dia do mês de referência (inclusive) e a data de liquidação (exclusive); du2 Número de dias úteis entre o 1º dia do mês de referência (inclusive) e o 1º dia do mês seguinte (exclusive). c) Data posterior ao primeiro dia do mês Utilizando a projeção do IGP-M apurada junta ao Comitê de Acompanhamento Macroeconômico da ANDIMA du1 (1 + IGP M proj ) VNA = VNAt 1* ^ du2 100, onde: VNA - Valor Nominal atualizado; VNAt 1- Valor Nominal Atualizado do mês anterior ao de referência; IGP M proj Projeção do IGP-M apurada junto ao Comitê de Acompanhamento Macroeconômico da ANDIMA; du1 Número de dias úteis entre o 1º dia do mês de referência (inclusive) e a data de liquidação (exclusive); du2 Número de dias úteis entre o 1º do mês de referência (inclusive) e o 1º dia do mês seguinte (exclusive). 23

24 (*) Quando o primeiro dia do mês cair em dia não útil, a correção do VNA pelo IGP-M da FGV será feita no dia útil imediatamente posterior. Desta forma, a utilização da projeção do IGP-M para correção do Valor Nominal ocorrerá no dia útil seguinte, isto é, no segundo dia útil após o dia 1º. - Cálculo do Juros em cotação: Juros = Taxa de juros do cupom no semestre. i = Taxa de juros (% a.a.) definido no edital de leilão. 6 i 12 - Juros = Cálculo da Cotação a partir da Taxa efetiva anual: A cotação da operação é o somatório dos pagamentos de juros e do principal, descontados (trazido a valor presente) pela TIR. 6 i * n Cotação = du i= 1 i TIR TIR dun 252 Cotação = Cotação do título, em relação ao VNA. i = Taxa de juros (% a.a.) definido no edital de leilão. n = Número de fluxos de pagamento do título. TIR = Taxa interna de retorno, corresponde a taxa efetiva anual. du i = Dias úteis entre a data de liquidação (inclusive) e a data do pagamento de juros i (exclusive). du n = Dias úteis entre a data de liquidação (inclusive) e a data de vencimento (exclusive). - Cálculo do PU a partir da Cotação: PU = Cotação VNA PU = Preço unitário. Cotação = Cotação do título, em relação ao VNA. VNA = Valor nominal atualizado. 24

25 25

26 A) NTN-C: DATA DO CÁLCULO COINCIDE COM O 1º DIA DO MÊS (*) Dados Cadastrais: Código SELIC Data Base 01/07/2000 Data de Liquidação: 02/06/2008 Cálculo do Valor Nominal Atualizado (VNA): Valor Nominal na Data Base: 1.000,00 IGP-M do mês anterior à Data Base (Jun/00): 183,745 IGPM do mês anterior à Data de Liquidação (Mai/08): 392,592 Fator acumulado do IGP-M oficial: (Nº índice de maio/08 / Nº índice de Jun/00) 2, VNA mês fechado (Fator acumulado *1.000) 2.136, Truncar na 6ª casa decimal Truncar na 6ª casa decimal (*) Quando o primeiro dia do mês cair em dia não útil, a correção do VNA pelo IGP-M da FGV será feita no dia útil imediatamente posterior. Desta forma, a utilização da projeção do IGP-M para correção do Valor Nominal ocorrerá no dia útil seguinte, isto é, no segundo dia útil após o dia 1º. B) NTN-C: Data anterior ao primeiro dia do mês (*) Dados Cadastrais: Código SELIC Data Base 01/07/2000 Data de Liquidação: 29/05/2008 Cálculo do Valor Nominal Atualizado (VNA): Valor Nominal na Data Base: 1.000,00 IGP-M do mês anterior à Data Base (Jun/00): 183,745 IGP-M do mês anterior à Data de Liquidação (Abr/08): 386,380 IGP-M do mês anterior à Data de Liquidação (Mai/08): 392,592 Data inicial do IGP-M seguinte: 01/05/2008 Data final do IGP-M seguinte: 02/06/2008 Dias úteis entre 01/05/08 e 02/06/08 20 Dias úteis entre 01/05/08 e 29/05/08 18 Variação Mês Fechado IGP-M: 1, Truncado com 16 casas du1 Valor Nominal Atualizado: IGP M du 2 t VNA = * VNAt 1 IGP Mt 1 VNA - Valor Nominal mês fechado; IGP-M t : IGP-M divulgado pela Fundação Getulio Vargas do mês de referência IGP-M t-1: IGP-M divulgado pela Fundação Getulio Vargas do mês anterior ao de referência; VNAt-1- Valor Nominal Atualizado do mês anterior ao de referência;; du1 Número de dias úteis entre o 1º dia do mês de referência (inclusive) e a data de liquidação (exclusive); du2 Número de dias úteis entre o 1º dia do mês de referência (inclusive) e o 1º dia do mês seguinte (exclusive) , VNA = + 1 Fator Pro Rata : 386,380 1, VNA t * (Nº índice de abril/08 / Nº índice de Jun/00) 2.102, VNA pro rata IGP-M mês fechado : (VNA t-1 * Fator Pro Rata ) 2.133, Truncar na 14ª casa decimal Truncar na 6ª casa decimal Truncar na 6ª casa decimal Truncar na 6ª casa decimal (*) Quando o primeiro dia do mês cair em dia não útil, a correção do VNA pelo IGP-M da FGV será feita no dia útil imediatamente posterior. Desta forma, a utilização da projeção do IGP-M para correção do Valor Nominal ocorrerá no dia útil seguinte, isto é, no segundo dia útil após o dia 1º. 26

27 C) NTN-C : Data posterior ao primeiro dia do mês (*) Dados Cadastrais: Código SELIC Data Base 01/07/2000 Data de Liquidação: 05/06/2008 Cálculo do Valor Nominal Atualizado (VNA): Valor Nominal na Data Base: 1.000,00 IGP-M do mês anterior à Data Base (Jun/00): 183,745 IGPM do mês anterior à Data de Liquidação (Mai/08): 392,592 Data inicial do IGP-M seguinte: 01/06/2008 Data final do IGP-M seguinte: 01/07/2008 Dias úteis entre 01/06/2008 e 01/07/ Dias úteis entre 01/06/ /06/ Projeção ANDIMA: 1,10 Arredondar na 2ª casa decimal VNA = VNA t 1 * (1 + IGP M )^ proj du1 du 2 VNA - Valor Nominal atualizado; VNA t-1- Valor Nominal Atualizado do mês anterior ao de referência; IGP-M proj Projeção do IGP-M apurada junto ao Comitê de Acompanhamento Macroeconômico da ANDIMA; du1 Número de dias úteis entre o 1º dia do mês de referência (inclusive) e a data de liquidação (exclusive); du2 Número de dias úteis entre o 1º do mês de referência (inclusive) e o 1º dia do mês seguinte (exclusive). 3 ( 1 + 1, 10 ) Fator Pro Rata (Projeção) : ^ 21 1, Truncar na 14ª casa decimal VNA t * (Nº índice de maio/08 / Nº índice de Jun/00) 2.136, VNA pro rata : (VNA t-1 * Fator Pro Rata ) 2.139, Truncar na 6ª casa decimal Truncar na 6ª casa decimal Truncar na 6ª casa decimal (*) Quando o primeiro dia do mês cair em dia não útil, a correção do VNA pelo IGP-M da FGV será feita no dia útil imediatamente posterior. Desta forma, a utilização da projeção do IGP-M para correção do Valor Nominal ocorrerá no dia útil seguinte, isto é, no segundo dia útil após o dia 1º. 27

28 Anexo VI Títulos Públicos Federais Seção B Metodologia de Precificação Índice 1 - Introdução 2 - Metodologia de apuração das taxas médias, máximas e mínimas 2.1 Principais conceitos 2.2 Cálculo da Taxa Média 2.3 Cálculo das Taxas Máxima e Mínima Retorno Limpo x Retorno Sujo para Títulos Cambiais Interpolação de Taxas Extrapolação pela Taxa a Termo de LTN (a partir de 1/9/2000) Comunicação e Segurança Referências Bibliográficas 3 Metodologia de Apuração do Intervalo Indicativo 3.1 Apresentação Metodologia de Cálculo da ETTJ - Estrutura a Termo de Taxas de Juros Metodologia de Cálculo dos Intervalos Indicativos Situações Especiais Violações Violação detectada ao final do dia Violação detectada ao longo do dia 3.6 Divulgação e Comunicação 1 Para maiores detalhes, consultar relatório completo em metodologia_intervalo-indicativo.pdf). 28

29 Seção B Metodologia de Precificação de Títulos Públicos 1 Introdução O trabalho de precificação dos ativos financeiros pela ANDIMA teve início em novembro de 1999, quando o Banco Central e o Tesouro Nacional delegaram à Associação a atribuição de divulgar parâmetros de taxas para títulos públicos federais negociados no mercado secundário. No Brasil, as características dos títulos e as distribuições das emissões do segmento público geram baixo volume de negócios no mercado secundário, que são concentrados em alguns poucos vértices. Em termos metodológicos, a melhor informação para a precificação seria aquela que tivesse como origem as próprias negociações realizadas entre os participantes do mercado e registradas em sistemas eletrônicos. A realidade do mercado secundário brasileiro, entretanto, afasta, pelo menos temporariamente, esta possibilidade. Neste contexto, a alternativa encontrada pela ANDIMA foi o desenvolvimento e aperfeiçoamento de metodologia própria, que tem por base uma amostra de participantes que enviam diariamente para a Associação informações de duas naturezas distintas: Taxas Máximas e Mínimas, que representam os spreads praticados e/ou observados ao longo do dia, e Taxas Indicativas, que se referem às taxas avaliadas pela instituição como preço justo de negócio para cada vencimento, de acordo com as curvas individuais, independentemente de ter ocorrido negócio com o papel. A montagem da amostra de informantes teve como objetivo reunir as instituições mais ativas no mercado secundário de títulos públicos federais - os price makers da ANDIMA. Além dos dealers de mercado aberto, os price makers foram inicialmente indicados pelo Banco Central e, posteriormente, incorporaram-se outras instituições com destaque no mercado, além de gestores de recursos e intermediários financeiros considerados especializados em títulos públicos. As informações fornecidas pelos price makers são capturadas pelo SUP Sistema Único de Precificação, desenvolvido pela Andima exclusivamente para esta finalidade. Um sub-conjunto dos price makers compõe o Comitê de Precificação de Ativos da Associação, fórum que se reúne mensalmente com o objetivo de propor aperfeiçoamentos ao processo de apuração das taxas indicativas, bem como novas etapas e extensões no projeto de precificação, discutidos e aprovados nessa instância. Para avaliar a qualidade e a assiduidade das informações enviadas diariamente à Associação, foi também criado um sistema de ranqueamento das instituições da amostra, para um intervalo de tempo compreendido em cada mês civil. Este trabalho tem como intuito aprimorar as taxas divulgadas, classificar os informantes e identificar desajustes pontuais nas taxas enviadas. Um relatório é produzido e enviado aos representantes do Comitê, permitindo um acompanhamento de cada instituição em relação a sua contribuição para os cálculos diários. Na prática, como o número de negócios é pequeno e disperso entre os diversos vencimentos, as informações de Taxas Máximas e Mínimas que refletiriam transações ou spreads abertos ao longo do dia que chegam à ANDIMA não são suficientes para que possam ser apuradas taxas para todos os papéis e seus respectivos vencimentos. Já para a coluna Taxas Indicativas, o volume de informações enviadas e a metodologia de cálculo das taxas médias fazem com que a maior parte dos vencimentos sejam precificados. Embora estes sejam preços sintéticos no sentido de não refletirem negócios concretamente realizados -, as comparações ex-post 29

30 com as taxas efetivamente praticadas revelam uma forte aderência entre ambas as informações, sobretudo para aqueles vencimentos em que o número de registros no SELIC é mais significativo. A metodologia completa utilizada para o cálculo das Taxas Máxima, Mínima e Indicativa encontra-se na seção 2. A disponibilização de um intervalo indicativo para a oscilação dos preços, inicialmente decorrente da observação de desvios padrão em relação às Taxas Indicativas, revelou-se instrumento de orientação relevante para participantes e reguladores do mercado, na medida em que propiciou menor dispersão nos preços efetivos observados no decorrer do tempo. O diagnóstico de que assimetrias importantes no segmento poderiam ser reduzidas a partir de parâmetros de flutuações de taxas, motivou o desenvolvimento pela Andima de metodologia de cálculo mais robusta para um intervalo indicativo, com o objetivo de se constituírem efetivamente instrumentos de monitoramento, incorporando-se à rotina de autorregulação da Associação e dos participantes. A referida metodologia é apresentada na seção 3. 30

31 2 Metodologia de apuração das taxas médias, máximas e mínimas Principais conceitos As informações devem ser enviadas em forma de taxa, expressa: - na forma anual, base 252 dias úteis, no caso de títulos prefixados e indexados a índices de preços (IGP-M e IPCA); - na forma de taxa nominal anual, convenção 30/360, para títulos cambiais; - em taxa efetiva ao ano, base 252 dias úteis, para pós-fixados; e - em percentual do DI, para os cambiais swapados. As taxas requisitadas para os títulos mencionados acima são de duas naturezas: a) Máxima e Mínima: spreads praticados e/ou observados ao longo do dia; b) Indicativas: Taxas avaliadas pela instituição como referência de preço justo de negócio para cada vencimento, de acordo com suas curvas individuais, independentemente de ter havido negócio ou, mesmo, que o título tenha sido cotado no mercado secundário no decorrer do dia. Estas últimas devem ser calculadas após o fechamento do mercado. Algumas convenções foram adotadas a fim de padronizar o envio das informações e o cálculo das taxas médias. São elas: a. Dólar spot: O dólar spot utilizado pela instituição no dia de referência para o cálculo do cupom sujo deve ser enviado para a ANDIMA, que, a partir dessas informações, calcula as taxas limpas de cada instituição para a coluna referente à Taxa Indicativa. Os resultados desse cálculo são submetidos aos filtros descritos a seguir. Depois de definidas as taxas médias, é realizado o cálculo do cupom sujo, a partir do dólar médio apurado com base nas taxas individuais das instituições. Para o cálculo do dólar médio, são excluídas as observações cuja dispersão em relação à mediana seja superior a dois desvios-padrão da amostra. Os cálculos efetuados pela ANDIMA para atingir a taxa limpa estão descritos na seção 2.4. b. Estimativas de IGP-M e IPCA: Com o objetivo de atingir um consenso e facilitar a negociação do título no mercado secundário, a Associação informa, a cada divulgação do IGP-M (prévias e índice final) e do IPCA (índice final), em seu site, uma média das projeções do índice para o mês, apurada junto aos membros do Comitê de Acompanhamento Macroeconômico da Associação. c. Taxas das LTN e Títulos Cambiais: Também no sentido de padronização e compatibilidade das informações recebidas, convencionou-se, no âmbito do Comitê de Precificação de Ativos, que as taxas de LTN e títulos atrelados ao dólar devem considerar o fechamento dos mercados futuros de juros, adicionando-se os prêmios embutidos para negociações no segmento de títulos públicos. d. Horário: O horário-limite para o recebimento das taxas é 17h45min. Esse teto foi fixado após consulta a várias instituições e tem dois objetivos: a) permitir que os participantes tenham tempo de calcular suas curvas de acordo com o fechamento dos mercados; e b) assegurar um tempo mínimo para que a ANDIMA calcule as taxas médias para divulgação por meio da publicação Mercado Secundário, em horário hábil para atender às diversas áreas de cada instituição e o público em geral. A Associação divulga as informações da publicação Mercado Secundário até às 20h., em seu site, salvo casos excepcionais. 31

32 2.2 - Cálculo da Taxa (Média) Indicativa a) Aspectos gerais A metodologia descrita a seguir 2 está dividida em três partes: A primeira tem por objetivo eliminar observações que podem estar erradas e, com isso, contaminar o cálculo da média. Cabe notar que se trata de um cross section de série financeira e que não faz sentido mais de um preço no mesmo instante para o mesmo ativo, pois, se for este o caso, pode-se arbitrar entre os diferentes fornecedores de preço. Considerando-se que o mercado tem baixa liquidez, a principal preocupação será eliminar informações erradas. A segunda trata do cálculo da taxa média propriamente dito, com base nas observações restantes que não forem eliminadas pelos filtros estatísticos; A terceira refere-se ao tratamento visando à divulgação de taxas para vencimentos em que houver falta de informações ou, ainda, que a dispersão não permite a formação de consenso em torno de uma média, calculada segundo a metodologia apresentada. Nestes casos, optou-se pela interpolação, utilizando-se o método Cubic Spline, com exceção das LFT, em que se utiliza a interpolação exponencial. No caso das LTN, utiliza-se o critério de extrapolação a partir da taxa a termo entre os dois últimos vencimentos disponíveis. Diversos problemas podem gerar erros nos dados fornecidos como, por exemplo: digitação; formato da taxa; horário incorreto na geração dos dados; tentativa de manipulação das taxas. Dois tipos de dados podem ser utilizados para eliminar os erros: os fornecidos diretamente pelas instituições financeiras e os obtidos junto a fontes externas (BM&F, CETIP etc.). Os dados fornecidos pelas instituições serão submetidos a dois filtros, que são suficientes para apuração da taxa média. Como a amostra é de tamanho reduzido, usamos a distribuição t para avaliar a estimativa da média no caso das taxas indicativas. O desvio contemporâneo - ou seja, aquele relativo ao dia atual - é afetado pelos possíveis dados errados recebidos no mesmo período. Assim, uma primeira eliminação de taxas espúrias se dará com base na comparação entre o desvio de cada observação e o desvio médio arbitrado. Já as estatísticas obtidas em outras fontes do mercado financeiro compõem um terceiro filtro externo, para identificar informações que estiverem muito distorcidas em relação às taxas de mercado de ativos equivalentes. Esse filtro funcionará como uma ferramenta de gerenciamento das curvas, não sendo atualmente utilizado para a exclusão de informações. Um quarto filtro gerencial é aplicado às informações individuais de cada participante, comparando-as com as medianas das informações recebidas para cada vencimento. O objetivo desse procedimento é o de indicar aos técnicos da ANDIMA aquelas instituições participantes da amostra que sejam lentas no ajuste de suas curvas em períodos de volatilidade dos ativos e instrumentos financeiros. 2 A metodologia foi elaborada com a colaboração de Gyorgy Varga, doutor em economia pela EPGE/FGV e consultor pela FCE. 32

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE NEGOCIAÇÃO DE INSTRUMENTOS FINANCEIROS DELIBERAÇÃO Nº 19

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE NEGOCIAÇÃO DE INSTRUMENTOS FINANCEIROS DELIBERAÇÃO Nº 19 CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE NEGOCIAÇÃO DE INSTRUMENTOS FINANCEIROS DELIBERAÇÃO Nº 19 O Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Negociação de Instrumentos Financeiros, no exercício

Leia mais

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE MERCADO ABERTO DELIBERAÇÃO Nº 3

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE MERCADO ABERTO DELIBERAÇÃO Nº 3 CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE MERCADO ABERTO DELIBERAÇÃO Nº 3 O Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Mercado Aberto, no exercício das atribuições a ele conferidas pelo Código ANBIMA

Leia mais

Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Negociação de Instrumentos Financeiros

Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Negociação de Instrumentos Financeiros Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Negociação de Instrumentos Financeiros DELIBERAÇÃO Nº 03 O Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Negociação de Instrumentos Financeiros, no exercício

Leia mais

METODOLOGIA DE CÁLCULO DOS TÍTULOS PÚBLICOS OFERTADOS NO TESOURO DIRETO

METODOLOGIA DE CÁLCULO DOS TÍTULOS PÚBLICOS OFERTADOS NO TESOURO DIRETO METODOLOGIA DE CÁLCULO DOS TÍTULOS PÚBLICOS OFERTADOS NO TESOURO DIRETO Letras do Tesouro Nacional LTN Características Gerais: Juros: Não há, estão implícitos no deságio do título. Modalidade: Escritural,

Leia mais

METODOLOGIA DE CÁLCULO DOS TÍTULOS PÚBLICOS OFERTADOS NO TESOURO DIRETO

METODOLOGIA DE CÁLCULO DOS TÍTULOS PÚBLICOS OFERTADOS NO TESOURO DIRETO METODOLOGIA DE CÁLCULO DOS TÍTULOS PÚBLICOS OFERTADOS NO TESOURO DIRETO Letras do Tesouro Nacional LTN Características Gerais: Juros: Não há, estão implícitos no deságio do título. Modalidade: Escritural,

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO - MaM

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO - MaM MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO - MaM Índice 1 - Princípios Gerais... 3 I. Objetivo... 3 II. Princípios... 3 2 - Critérios de Precificação de Ativos... 4 I. Definições... 4 A. Curva pré... 4 B. Cota de Abertura...

Leia mais

METODOLOGIA DE CÁLCULO DOS TÍTULOS PÚBLICOS OFERTADOS NO TESOURO DIRETO

METODOLOGIA DE CÁLCULO DOS TÍTULOS PÚBLICOS OFERTADOS NO TESOURO DIRETO METODOLOGIA DE CÁLCULO DOS TÍTULOS PÚBLICOS OFERTADOS NO TESOURO DIRETO Notas do Tesouro Nacional, série B NTN-B Notas do Tesouro Nacional, série B NTN-B Características Gerais: Cupom Semestral de Juros:

Leia mais

NTN-D NTN-H NTN-I NTN-M NTN-P NTN-R2

NTN-D NTN-H NTN-I NTN-M NTN-P NTN-R2 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO... 1 2. LISTA DE SIGLAS E SÍMBOLOS... 2 3. Bônus do Tesouro Nacional BTN... 4 4. Letras Financeiras do Tesouro LFT... 7 4.1 Letras Financeiras do Tesouro Série A LFT-A... 9 4.2

Leia mais

Política de Marcação a Mercado

Política de Marcação a Mercado Política de Marcação a Mercado Junho 2016 Índice 1 - Princípios Gerais... 2 I. Objetivo... 2 2 - Critérios de Precificação de Ativos... 3 I. Definições... 3 A. Curva de Juros... 3 B. Cota de Abertura...

Leia mais

Balanço do Tesouro Direto - Agosto 2017

Balanço do Tesouro Direto - Agosto 2017 Balanço do Tesouro Direto - Agosto 2017 1. Vendas e Resgates Em agosto, as vendas do Tesouro Direto atingiram R$ 1.349,3 milhões. Já os resgates totalizaram R$ 1.408,2 milhões, sendo R$ 1.275,2 milhões

Leia mais

TÍTULOS PÚBLICOS FEDERAIS

TÍTULOS PÚBLICOS FEDERAIS TÍTULOS PÚBLICOS FEDERAIS Metodologia de Cálculo dos Títulos Públicos Federais Ofertados nos Leilões Primários O objetivo deste guia é facilitar o entendimento dos investidores sobre algumas peculiaridades

Leia mais

Precificação de Títulos Públicos

Precificação de Títulos Públicos Precificação de Títulos Públicos Precificação de Títulos Públicos > Componentes do preço > Entendendo o que altera o preço Componentes do preço Nesta seção você encontra os fatores que compõem a formação

Leia mais

COMUNICADO SPR N.º 007/94

COMUNICADO SPR N.º 007/94 COMUNICADO SPR N.º 007/94 Aos Participantes do Sistema de Proteção Contra Riscos Financeiros SPR A Central de Custódia e de Liquidação Financeira de Títulos CETIP, comunica que, a partir do dia 22.09.94,

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO OPS 04_01 ANEXO A OPS 04 ADMINISTRAÇÃO CARTEIRA DE VALORES MOBILIÁRIOS Vigência - Fevereiro/2016 1. Princípios Gerais 1.1. Objetivo Este manual visa apresentar os princípios

Leia mais

Leilões de títulos da DPMFi

Leilões de títulos da DPMFi Tesouro Nacional Leilões de títulos da DPMFi I Leilões Tradicionais A grande maioria das emissões de títulos da Dívida Pública Mobiliária Federal interna DPMFi ocorre sob a forma competitiva, por meio

Leia mais

LFT Letras Financeiras do Tesouro

LFT Letras Financeiras do Tesouro 1 Definição 2 Títulos 1 Definição A dívida pública é o conjunto de todas as necessidades geradas na administração do orçamento aprovado para o exercício vigente, a Secretária do Tesouro Nacional atua no

Leia mais

Rio de Janeiro, novembro de 2010. Renato Andrade

Rio de Janeiro, novembro de 2010. Renato Andrade Tesouro Direto Rio de Janeiro, novembro de 2010 Renato Andrade Visão Geral Vantagens Comprando Tributação e Vendendo Títulos Comprando e Vendendo Títulos Entendendo o que altera o preço Simulador do Tesouro

Leia mais

Manual de Precificação de Ativos. Fundos de Investimento. e Carteiras Administradas

Manual de Precificação de Ativos. Fundos de Investimento. e Carteiras Administradas Manual de Precificação de Ativos Fundos de Investimento e Carteiras Administradas Janeiro de 2009 ÍNDICE Introdução 03 Títulos Públicos Federais 05 Pós fixados LFT 06 Pré fixados LTN 07 NTN-B Indexador

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL PORTARIA N 643, DE 3 DE NOVEMBRO DE 2015.

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL PORTARIA N 643, DE 3 DE NOVEMBRO DE 2015. MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL PORTARIA N 643, DE 3 DE NOVEMBRO DE 2015. O Subsecretário da Dívida Pública da Secretaria do Tesouro Nacional Substituto, no uso das atribuições que

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL PORTARIA N 675, DE 22 DE OUTUBRO DE 2007

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL PORTARIA N 675, DE 22 DE OUTUBRO DE 2007 MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL PORTARIA N 675, DE 22 DE OUTUBRO DE 2007 O SECRETÁRIO DO TESOURO NACIONAL, no uso das atribuições que lhe confere a Portaria MF nº 183, de 31 de julho

Leia mais

Manual de Marcação a Mercado. Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A.

Manual de Marcação a Mercado. Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. Manual de Marcação a Mercado Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. 04 de janeiro de 2016 Versão: 01-2016 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 5 2. PRINCÍPIOS GERAIS... 6 3. VISÃO DO PROCESSO... 8 3.1. Coleta de

Leia mais

TERCEIRA COLETÂNEA DE RESPOSTAS DADAS A PEDIDOS DE ESCLARECIMENTO PREGÃO PRESENCIAL Nº 001/2015 - GOIÁS PARCERIAS

TERCEIRA COLETÂNEA DE RESPOSTAS DADAS A PEDIDOS DE ESCLARECIMENTO PREGÃO PRESENCIAL Nº 001/2015 - GOIÁS PARCERIAS TERCEIRA COLETÂNEA DE RESPOSTAS DADAS A PEDIDOS DE ESCLARECIMENTO PREGÃO PRESENCIAL Nº 001/2015 - GOIÁS PARCERIAS Processo n : 201500004029144 Assunto: CONTRATAÇÃO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS TÉCNICOS ESPECIALIZADOS

Leia mais

Guia para Prestação de Informações

Guia para Prestação de Informações Guia para Prestação de Informações Gerência de Preços e Índices - GEPRI Data: 21/11/2016 Sumário/Índice Guia para Prestação de Informações... 3 1. Objetivo... 3 2. Regras gerais... 3 3. Disposições finais...

Leia mais

O F Í C I O C I R C U L A R. Associados da BM&F e Participantes do Mercado de Títulos Públicos

O F Í C I O C I R C U L A R. Associados da BM&F e Participantes do Mercado de Títulos Públicos 04 de dezembro de 2006 135/2006-DG O F Í C I O C I R C U L A R Associados da BM&F e Participantes do Mercado de Títulos Públicos Ref: SISBEX Introdução do Contrato de Operações Compromissadas Genéricas

Leia mais

TÍTULO PÚBLICO FEDERAL. Manoela Barreto

TÍTULO PÚBLICO FEDERAL. Manoela Barreto TÍTULO PÚBLICO FEDERAL Manoela Barreto EXPERIÊNCIA Economista Diretora de ONG que divulga a ENEF Sócia da Ourum Investimentos e Câmbio Demais detalhes TÍTULOS PÚBLICOS FEDERAIS - CONCEITO Um título público

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL PORTARIA N 677, DE 9 DE DEZEMBRO DE 2013.

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL PORTARIA N 677, DE 9 DE DEZEMBRO DE 2013. MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL PORTARIA N 677, DE 9 DE DEZEMBRO DE 2013. O Subsecretário da Dívida Pública da Secretaria do Tesouro Nacional, substituto, no uso das atribuições que

Leia mais

COMUNICADO SNA Nº 004/98

COMUNICADO SNA Nº 004/98 COMUNICADO SNA Nº 004/98 Aos Participantes do Sistema Nacional de Ativos - SNA A Central de Custódia e de Liquidação Financeira de Títulos - CETIP comunica que estará, a partir do dia 05/05/98, aceitando

Leia mais

Entretanto, este benefício se restringe a um teto de 12% da renda total tributável. O plano VGBL é vantajoso em relação ao PGBL para quem:

Entretanto, este benefício se restringe a um teto de 12% da renda total tributável. O plano VGBL é vantajoso em relação ao PGBL para quem: 2 1 3 4 2 PGBL ou VGBL? O plano PGBL, dentre outras, tem a vantagem do benefício fiscal, que é dado a quem tem renda tributável, contribui para INSS (ou regime próprio ou já aposentado) e declara no modelo

Leia mais

COMUNICADO SPR N.º 002/94

COMUNICADO SPR N.º 002/94 COMUNICADO SPR N.º 002/94 Aos Participantes do Sistema de Proteção Contra Riscos Financeiros SPR A Central de Custódia e de Liquidação Financeira de Títulos CETIP, informa os procedimentos a serem adotados

Leia mais

TESOURO DIRETO TÍTULOS PÚBLICOS

TESOURO DIRETO TÍTULOS PÚBLICOS TÍTULOS PÚBLICOS TESOURO DIRETO ESTA INSTITUIÇÃO É ADERENTE AO CÓDIGO ANBIMA DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS PARA ATIVIDADE DE DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS DE INVESTIMENTO NO VAREJO. O Tesouro Nacional utiliza

Leia mais

C O M U N I C A D O E X T E R N O

C O M U N I C A D O E X T E R N O 22 de agosto de 2017 081/2017-DO C O M U N I C A D O E X T E R N O Participantes dos Mercados da B3 Segmento Cetip UTVM Ref.: Oferta Pública de NTN-B Leilões de Compra de Títulos pela STN Módulo Leilão

Leia mais

SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL. PORTARIA No- 490, DE 24 DE AGOSTO DE 2009

SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL. PORTARIA No- 490, DE 24 DE AGOSTO DE 2009 SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL PORTARIA No- 490, DE 24 DE AGOSTO DE 2009 O SECRETÁRIO ADJUNTO DO TESOURO NACIONAL, no uso das atribuições que lhe conferem a Portaria MF nº 183, de 31 de julho de 2003,

Leia mais

Precificação de Títulos Públicos

Precificação de Títulos Públicos Precificação de Títulos Públicos Precificação de Títulos Públicos > Componentes do preço > Entendendo o que altera o preço Componentes do preço Nesta seção você encontra os fatores que compõem a formação

Leia mais

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro de Cupom de IPCA

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro de Cupom de IPCA CONTRATOS DERIVATIVOS Futuro de Cupom de IPCA Futuro de Cupom de IPCA Um instrumento de proteção contra variações na taxa de juro real brasileira O produto O Contrato Futuro de Cupom de IPCA oferece mais

Leia mais

Apostila Mercado de Capitais Uninove. Parte VI Os Títulos do Mercado de Capitais Os Títulos Públicos

Apostila Mercado de Capitais Uninove. Parte VI Os Títulos do Mercado de Capitais Os Títulos Públicos Apostila Mercado de Capitais Uninove Parte VI Os Títulos do Mercado de Capitais Os Títulos Públicos Classificações dos Títulos A classificação mais natural que temos da classificação de títulos é justamente

Leia mais

República Federativa do Brasil Ministério da Fazenda PRECIFICAÇÃO DE TÍTULOS PÚBLICOS

República Federativa do Brasil Ministério da Fazenda PRECIFICAÇÃO DE TÍTULOS PÚBLICOS PRECIFICAÇÃO DE TÍTULOS PÚBLICOS PRECIFICAÇÃO DE TÍTULOS PÚBLICOS Componentes do Preço; Entendendo o que altera o preço. Componentes do Preço O objetivo desta seção é apresentar ao investidor: os fatores

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO Sumário CAPÍTULO I. PRINCÍPIOS GERAIS E POLÍTICAS DE MARCAÇÃO A MERCADO... 2 CAPÍTULO II. TÍTULOS PÚBLICOS FEDERAIS... 8 CAPÍTULO III.TITULOS PRIVADOS... 21 CAPÍTULO IV. RENDA

Leia mais

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro de IPCA

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro de IPCA CONTRATOS DERIVATIVOS Futuro de IPCA Futuro de IPCA Ferramenta de gerenciamento de risco contra a variação da inflação O produto Para auxiliar o mercado a se proteger nas tomadas de decisão com maior segurança,

Leia mais

Manual ANBIMA de Processos para apuração de Taxas e Preços

Manual ANBIMA de Processos para apuração de Taxas e Preços Manual ANBIMA de Processos para apuração de Taxas e Preços Gerência de Preços e Índices - GEPRI Data: 21/11/2016 Sumário/Índice Manual ANBIMA de Processos para apuração de Taxas e Preços... 3 Introdução...

Leia mais

Manual de Marcação a Mercado

Manual de Marcação a Mercado Manual de Marcação a Mercado Versão Resumida V.2.2 Início de Vigência 27/07/205 Propriedade de Banco Bradesco S.A. Proibida a reprodução total ou parcial sem prévia autorização. SUMÁRIO. Princípios Gerais...

Leia mais

REAG ADMINISTRADORA DE RECURSOS LTDA. MANUAL DE PRECIFICAÇÃO DE ATIVOS

REAG ADMINISTRADORA DE RECURSOS LTDA. MANUAL DE PRECIFICAÇÃO DE ATIVOS REAG ADMINISTRADORA DE RECURSOS LTDA. MANUAL DE PRECIFICAÇÃO DE ATIVOS SETEMBRO DE 2016 1 ÍNDICE Capítulo I... 4 Introdução... 4 Objetivo... 4 Princípios... 4 Capítulo II... 6 Definição de Processos de

Leia mais

MANUAL DE PRECIFICAÇÃO DE ATIVOS (MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO - MaM)

MANUAL DE PRECIFICAÇÃO DE ATIVOS (MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO - MaM) MANUAL DE PRECIFICAÇÃO DE ATIVOS (MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO - MaM) I. INTRODUÇÃO II. CONCEITO III. PRINCÍPIOS DE MARCAÇÃO A MERCADO IV. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL V. CÔMITE DE PRECIFICAÇÃO VI. SUPERVISÃO

Leia mais

PORTARIA No- 523, DE 4 DE SETEMBRO DE 2009

PORTARIA No- 523, DE 4 DE SETEMBRO DE 2009 PORTARIA No- 523, DE 4 DE SETEMBRO DE 2009 O SECRETÁRIO ADJUNTO DO TESOURO NACIONAL, no uso das atribuições que lhe conferem a Portaria MF nº 183, de 31 de julho de 2003, e a Portaria STN nº 143, de 12

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL RENDA FIXA TESOURO DIRETO

RELATÓRIO MENSAL RENDA FIXA TESOURO DIRETO RENDA FIXA TESOURO DIRETO CARTEIRA RECOMENDADA A nossa carteira para este mês continua estruturada com base no cenário de queda da taxa de juros no curto prazo. Acreditamos, no entanto, que esse cenário

Leia mais

Gestão da Dívida Mobiliária e Operações de Mercado Aberto

Gestão da Dívida Mobiliária e Operações de Mercado Aberto Diretoria de Política Econômica Gerência-Executiva de Relacionamento com Investidores Gestão da Dívida Mobiliária e Operações de Mercado Aberto Atualizado em agosto de 2004, com dados até junho de 2004

Leia mais

Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto

Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto Tesouro IPCA + com Juros Semestrais NTN B O Tesouro IPCA + com Juros Semestrais (NTN B) é um título pós fixado, cuja rentabilidade

Leia mais

TÍTULOS PÚBLICOS. Tesouro Direto

TÍTULOS PÚBLICOS. Tesouro Direto TÍTULOS PÚBLICOS Tesouro Direto Tesouro Direto Conheça esta alternativa de investimento em renda fixa. O produto O Tesouro Direto é uma alternativa de investimento em que o investidor sabe, no momento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL (UFRGS) ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO (EA) DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS (DCA)

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL (UFRGS) ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO (EA) DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS (DCA) UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL (UFRGS) ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO (EA) DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS (DCA) Bruno Etchepare Dornelles TÍTULOS PÚBLICOS NEGOCIADOS NO TESOURO DIRETO: alternativa

Leia mais

Manual de Marcação a Mercado

Manual de Marcação a Mercado Manual de Marcação a Mercado Versão Resumida - V2. Vigência 4/06/203 Propriedade de Banco Bradesco S.A. Proibida a reprodução total ou parcial sem prévia autorização. SUMÁRIO. Princípios Gerais... 4..

Leia mais

Manual de Marcação a Mercado

Manual de Marcação a Mercado 1. CONTEÚDO DESTE DOCUMENTO 2. VIGÊNCIA / SUBSTITUIÇÃO / ALTERAÇÃO Este manual contém os conceitos e a descrição da metodologia adotada para o registro de todos os ativos, para efeito de valorização e

Leia mais

Taxa de Juros no Período (SELIC)

Taxa de Juros no Período (SELIC) Os títulos públicos federais são emitidos pelo Tesouro Nacional e compõem a dívida pública interna. Servem como instrumento de captação de recursos para que o governo execute suas atividades. Todos os

Leia mais

Universidade de São Paulo Mercado Financeiro I RCC 0407 Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Ribeirão Preto

Universidade de São Paulo Mercado Financeiro I RCC 0407 Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Ribeirão Preto Carlos R. Godoy Universidade de São Paulo Carlos R. Godoy 2 Mercado Financeiro I RCC 0407 Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Ribeirão Preto Mercado Financeiro I RCC 0407 Taxas de Juros

Leia mais

DESTAQUES DO RELATÓRIO. Carteira Recomendada. Cenário Macroeconômico

DESTAQUES DO RELATÓRIO. Carteira Recomendada. Cenário Macroeconômico 08/12/2015 DESTAQUES DO RELATÓRIO Carteira Recomendada Nossa Carteira Recomendada do Tesouro Direto para os próximos 30 dias assume que o cenário fiscal e a inflação continuarão sendo as principais variáveis

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO AZ LEGAN ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS LTDA. Revisado em 16/11/2015 I) PRINCÍPIOS GERAIS As regras aqui adotadas seguem as normas legais estabelecidas e refletem os melhores esforços

Leia mais

PRINCIPAIS PRODUTOS E PERFIL DO INVESTIDOR

PRINCIPAIS PRODUTOS E PERFIL DO INVESTIDOR PRINCIPAIS PRODUTOS E PERFIL DO INVESTIDOR CARACTERÍSTICAS DOS PRODUTOS DE RENDA FIXA OS PRINCIPAIS PRODUTOS DE RENDA FIXA PERFIL DE RISCO DO INVESTIDOR Quais são as diferenças básicas entre Renda Fixa

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO ITAÚ UNIBANCO

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO ITAÚ UNIBANCO MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO ITAÚ UNIBANCO Válido para Fundos de Investimentos e Carteiras de Investimentos Dezembro de 2011 Versão: 1211 V1.0 PRINCÍPIOS GERAIS E POLÍTICAS DE MARCAÇÃO A MERCADO... 3 DEFINIÇÕES...

Leia mais

T souro Direto Belo Horizonte outubro 2011 201 Diogo g Coscrato

T souro Direto Belo Horizonte outubro 2011 201 Diogo g Coscrato Tesouro Direto Belo Horizonte, outubro de 2011 Diogo Coscrato Visão Geral Vantagens Tributação Entendendo o que altera o preço Comprando e Vendendo Títulos Simulador do Tesouro Direto Perfil do Investidor

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A.

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. Válido para Fundos de Investimentos e Carteiras de Investimentos Setembro de 2010 Versão: 0910 V1.0 PRINCÍPIOS GERAIS E POLÍTICAS DE MARCAÇÃO A MERCADO...

Leia mais

Definir as metodologias de apreçamento de ativos e derivativos constantes das carteiras de fundos e carteiras administrados pela BRB-DTVM.

Definir as metodologias de apreçamento de ativos e derivativos constantes das carteiras de fundos e carteiras administrados pela BRB-DTVM. Página 1/35 TÍTULO: CLASSIFICAÇÃO: FINALIDADE: ELABORADOR: APROVAÇÃO: NORMA EXECUTIVA Definir as metodologias de apreçamento de ativos e derivativos constantes das carteiras de fundos e carteiras administrados

Leia mais

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro de Cupom de IGP-M

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro de Cupom de IGP-M CONTRATOS DERIVATIVOS Futuro de Cupom de IGP-M Futuro de Cupom de IGP-M Um instrumento de proteção contra variações na taxa de juro real brasileira O produto O Contrato Futuro de Cupom de IGP-M oferece

Leia mais

Assunto:Registro de Cédula de Credito à Exportação CCE e de Nota de Crédito à Exportação NCE SNA.

Assunto:Registro de Cédula de Credito à Exportação CCE e de Nota de Crédito à Exportação NCE SNA. Comunicado CETIP n o 101/04 12 de novembro de 2004 Assunto:Registro de Cédula de Credito à Exportação CCE e de Nota de Crédito à Exportação NCE SNA. A CETIP Câmara de Custódia e Liquidação, com base no

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO JULHO/2015

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO JULHO/2015 MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO JULHO/05 0/07/05 i Sumário I - INTRODUÇÃO... IV A - O PROCESSO DE MARCAÇÃO A MERCADO NA BB DTVM... iv B - PRINCÍPIOS GERAIS... xi C - METODOLOGIA DAS PRÁTICAS... xiii II APLICAÇÕES...

Leia mais

Produtos e Serviços Financeiros

Produtos e Serviços Financeiros 1 APRESENTAÇÃO DE APOIO Produtos e Serviços Financeiros 3º Encontro Pós-Graduação em Finanças, Investimentos e Banking 2 por Leandro Rassier Complementação + Aplicações práticas METODOLOGIA PARA COMPREENSÃO

Leia mais

02/11/2016. Instrumentos Financeiros Renda Fixa Títulos Públicos. Agenda da Aula - 9. Renda Fixa. Títulos Públicos. Imposto de Renda Renda Fixa

02/11/2016. Instrumentos Financeiros Renda Fixa Títulos Públicos. Agenda da Aula - 9. Renda Fixa. Títulos Públicos. Imposto de Renda Renda Fixa Carls R. Gdy 1 Mercad Financeir I RCC 0407 Agenda da Aula - 9 Carls R. Gdy 2 1. Instruments de Renda Fixa 2. T Públics - Históric 3. Tributaçã em T Públics Instruments Financeirs Renda Fixa Títuls Públics

Leia mais

Manual de Marcação a Mercado MCI 5/12 2ª 1/27

Manual de Marcação a Mercado MCI 5/12 2ª 1/27 Manual de Marcação a Mercado MCI 5/12 2ª 1/27 Sumário 1. PRINCÍPIOS GERAIS... 3 1.1. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E VISÃO GERAL DO PROCESSO... 3 1.2. PRINCIPIOS DA MARCAÇÃO A MERCADO... 4 1.3. CONVENÇÕES ADOTADAS...

Leia mais

MAM Manual de Marcação a Mercado

MAM Manual de Marcação a Mercado MAM Manual de Marcação a Mercado Setembro, 2016 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. PROCESSO DE MARCAÇÃO A MERCADO... 4 2.1. Princípios Gerais... 4 2.2. Estrutura Organizacional... 4 3. CRITÉRIOS DE PRECIFICAÇÃO

Leia mais

CONTRATO FUTURO DE CUPOM DE IPCA. Especificações

CONTRATO FUTURO DE CUPOM DE IPCA. Especificações CONTRATO FUTURO DE CUPOM DE IPCA Especificações 1. Definições IPCA Taxa DI Preço unitário (PU) Saque-reserva Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo, expresso em número-índice (número de pontos),

Leia mais

Manual de Marcação a Mercado

Manual de Marcação a Mercado Manual de Marcação a Mercado Versão Resumida - V11.0 Vigência 11/04/2012 Propriedade de Banco Bradesco S.A. Proibida a reprodução total ou parcial sem prévia autorização. SUMÁRIO 1. Princípios Gerais...

Leia mais

MAM Manual de Marcação a Mercado

MAM Manual de Marcação a Mercado MAM Manual de Marcação a Mercado Elaboração: Administradora / Apoio Código: CPP-012 Aprovação: Diretoria Vigente Desde: 08/2013 Versão: 06 Última Versão: 05/2015 Classificação do Documento: INTERNO 1 Índice

Leia mais

CONTEÚDO 1 OBJETIVO 3 2 CONCEITO Princípios de Marcação a Mercado 3 3 VISÃO DO PROCESSO 4

CONTEÚDO 1 OBJETIVO 3 2 CONCEITO Princípios de Marcação a Mercado 3 3 VISÃO DO PROCESSO 4 CONTEÚDO OBJETIVO 3 CONCEITO 3.. Princípios de Marcação a Mercado 3 3 VISÃO DO PROCESSO 4 3.. Estrutura Organizacional 4 3... Responsabilidade Metodológica 4 3... Responsabilidade pela Aplicação 4 3..

Leia mais

FEA RP USP. Matemática Financeira e Inflação

FEA RP USP. Matemática Financeira e Inflação FEA RP USP Matemática Financeira e Inflação Prof. Dr. 1 Inflação Definição simplificada de inflação É a elevação generalizada dos preços de bens e serviços em uma economia (processo inflacionário). Pode

Leia mais

Manual de Marcação a Mercado

Manual de Marcação a Mercado Manual de Marcação a Mercado Versão Resumida - V2.0 Vigência 9/2/202 Propriedade de Banco Bradesco S.A. Proibida a reprodução total ou parcial sem prévia autorização. SUMÁRIO. Princípios Gerais... 4..

Leia mais

Normas Sistema Gestão da Informação

Normas Sistema Gestão da Informação Normas Sistema Gestão da Informação Visão Anotada INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 1571, DE 02 DE JULHO DE 2015 (Publicado(a) no DOU de 03/07/2015, seção 1, pág. 32) Dispõe sobre a obrigatoriedade de prestação

Leia mais

CARTA CIRCULAR N.º 011

CARTA CIRCULAR N.º 011 Aos Participantes do Sistema de Registro e de Liquidação Financeira de Títulos CARTA CIRCULAR N.º 011 De acordo com o item IV da Resolução n.º 1.155, de 23.07.86, do Banco Central do Brasil, a alíquota

Leia mais

Conjuntura semanal. Itaú Personnalité. Semana de 12 a 16 de Agosto. Fatores externos e internos elevaram o dólar para perto de R$ 2,40;

Conjuntura semanal. Itaú Personnalité. Semana de 12 a 16 de Agosto. Fatores externos e internos elevaram o dólar para perto de R$ 2,40; Semana de 12 a 16 de Agosto Fatores externos e internos elevaram o dólar para perto de R$ 2,40; Curva de juros voltou a precificar mais aumentos de 0,5 p.p. para a taxa Selic; Com a presente semana muito

Leia mais

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE NEGOCIAÇÃO DE INSTRUMENTOS FINANCEIROS DELIBERAÇÃO Nº 18

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE NEGOCIAÇÃO DE INSTRUMENTOS FINANCEIROS DELIBERAÇÃO Nº 18 CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE NEGOCIAÇÃO DE INSTRUMENTOS FINANCEIROS DELIBERAÇÃO Nº 18 O Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Negociação de Instrumentos Financeiros, no exercício

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO (PRECIFICAÇÃO DE ATIVOS)

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO (PRECIFICAÇÃO DE ATIVOS) MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO (PRECIFICAÇÃO DE ATIVOS) Sumário Introdução...4 1. Princípios Gerais e Política de Marcação a Mercado...5 1.1 Princípios da Marcação a Mercado...5 1.2 Definições do Processo...5

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ E MARCAÇÃO A MERCADO - MaM

MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ E MARCAÇÃO A MERCADO - MaM MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ E MARCAÇÃO A MERCADO - MaM Junho de 2016 Sumário 1. OBJETIVO... 3 2. DEFINIÇÃO... 3 3. POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ... 3 3.1 Critérios para

Leia mais

Manual de Marcação a Mercado

Manual de Marcação a Mercado Manual de Marcação a Mercado Votorantim Wealth Management and Services Gestão de Riscos Votorantim Asset Management DTVM Ltda. Versão 1.0 (Nov/2013) Índice 1. Introdução...3 2. Visão do Processo...4 2.1.

Leia mais

Introdução aos Derivativos de Crédito... 1. Conhecendo o produto... 2 Ações dos botões das telas... 5. Registro... 7

Introdução aos Derivativos de Crédito... 1. Conhecendo o produto... 2 Ações dos botões das telas... 5. Registro... 7 Versão: 28/12/2009 Conteúdo Introdução aos Derivativos de Crédito... 1 Conhecendo o produto... 2 Ações dos botões das telas... 5 Registro... 7 Registro de Contrato... 8 Atualização de PU/Fator... 20 Informação

Leia mais

I - Apoio a projetos de pesquisa e bolsistas de produtividade em pesquisa do CNPq

I - Apoio a projetos de pesquisa e bolsistas de produtividade em pesquisa do CNPq FUNDO DE DESENVOLVIMENTO DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO FCAV-PRO APOIO A PROJETOS, PRODUÇÃO DE LIVROS DIDÁTICOS, EDIÇÃO DE LIVROS, REVISÕES E TRADUÇÕES DE ARTIGOS I - Apoio a projetos de pesquisa e bolsistas

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE PSICOLOGIA ESTÁGIO PROFISSIONAL EM PSICOLOGIA (CURRÍCULO 3) I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE PSICOLOGIA ESTÁGIO PROFISSIONAL EM PSICOLOGIA (CURRÍCULO 3) I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE PSICOLOGIA ESTÁGIO PROFISSIONAL EM PSICOLOGIA (CURRÍCULO 3) I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Psicologia é uma atividade obrigatória, em consonância

Leia mais

BARIGUI SECURITIZADORA S.A.

BARIGUI SECURITIZADORA S.A. AVISO AO MERCADO Oferta Pública de Distribuição dos Certificados de Recebíveis Imobiliários das Séries 60ª e 61ª da 1ª Emissão da Barigui Securitizadora S.A. A BARIGUI SECURITIZADORA S.A., inscrita no

Leia mais

INVISTA NO. Tesouro Direto

INVISTA NO. Tesouro Direto INVISTA NO Tesouro Direto Introdução CAPÍTULO 1 OS TÍTULOS E SUAS CARACTERÍSTICAS O Tesouro Nacional criou o Tesouro Direto, programa oferecido em parceria com a B3, que permite ao investidor pessoa física

Leia mais

Ibovespa cai na semana contrariando comportamento das bolsas internacionais.

Ibovespa cai na semana contrariando comportamento das bolsas internacionais. 28 de Outubro de 2013 Juros encerram a semana em queda seguindo comportamento da Treasury; Dólar encerrou a semana em alta de 0,5%, cotado a R$ 2,189; Ibovespa cai na semana contrariando comportamento

Leia mais

COMUNICADO SNA N.º 010/00. Ref.: Trata das novas condições de registro, codificação e remuneração de Certificados do Tesouro Nacional - CFT

COMUNICADO SNA N.º 010/00. Ref.: Trata das novas condições de registro, codificação e remuneração de Certificados do Tesouro Nacional - CFT COMUNICADO SNA N.º 010/00 Aos Participantes do Sistema Nacional de Ativos - SNA Ref.: Trata das novas condições de registro, codificação e remuneração de Certificados do Tesouro Nacional - CFT A Central

Leia mais

CRI Certificados de Recebíveis Imobiliários. Guia para Elaboração dos Fluxos de Pagamentos Data: 16/11/2015

CRI Certificados de Recebíveis Imobiliários. Guia para Elaboração dos Fluxos de Pagamentos Data: 16/11/2015 1 CRI Certificados de Recebíveis Imobiliários Guia para Elaboração dos Fluxos de Pagametos Data: 16/11/2015 Sumário/Ídice CRI - CERTIFICADOS DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS... 1 SUMÁRIO/ÍNDICE... 2 1. OBJETIVO...

Leia mais

Manual de Precificação de Ativos. Marcação a Mercado

Manual de Precificação de Ativos. Marcação a Mercado Manual de Precificação de Ativos Marcação a Mercado Maio de 2015 Marcação a mercado, É o procedimento adotado com o objetivo de aumentar a segurança dos investidores que aplicam na indústria brasileira

Leia mais

DESTAQUES DO RELATÓRIO. Carteira Recomendada. Cenário Macroeconômico

DESTAQUES DO RELATÓRIO. Carteira Recomendada. Cenário Macroeconômico DESTAQUES DO RELATÓRIO Carteira Recomendada Nossa Carteira Recomendada do Tesouro Direto para os próximos 30 dias assume um cenário de inflação ainda pressionada, com o indicador de maio superando expectativas,

Leia mais

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Setembro 2013

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Setembro 2013 Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Setembro 2013 Informamos os procedimentos a serem aplicados durante o mês de setembro de 2013 para a apuração dos

Leia mais

Títulos Públicos. Tesouro Direto

Títulos Públicos. Tesouro Direto Títulos Públicos Tesouro Direto Tesouro Direto Conheça esta alternativa de investimento em renda fixa. O produto O Tesouro Direto é uma alternativa de investimento em que o investidor sabe, no momento

Leia mais

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE MERCADO ABERTO DELIBERAÇÃO Nº 4

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE MERCADO ABERTO DELIBERAÇÃO Nº 4 CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE MERCADO ABERTO DELIBERAÇÃO Nº 4 O Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Mercado Aberto, no exercício das atribuições a ele conferidas pelo Código ANBIMA

Leia mais

Preçário ABANCA CORPORACIÓN BANCARIA, S.A. - SUCURSAL EM PORTUGAL

Preçário ABANCA CORPORACIÓN BANCARIA, S.A. - SUCURSAL EM PORTUGAL Preçário ABANCA CORPORACIÓN BANCARIA, S.A. - SUCURSAL EM PORTUGAL Sucursal de Instituição de Crédito com sede no estrangeiro (autorizada noutro estado membro da Comunidade Europeia) Consulte o FOLHETO

Leia mais

ANEXO II. Da Instrução CVM Nº 404, de 13 de fevereiro de Rendimento pelo IGP-M + Juros

ANEXO II. Da Instrução CVM Nº 404, de 13 de fevereiro de Rendimento pelo IGP-M + Juros ANEXO II Da Instrução CVM Nº 404, de 13 de fevereiro de 2004 Rendimento pelo IGP-M + Juros TERMO DE ADITAMENTO À ESCRITURA DA [N.º de ordem da emissão] EMISSÃO DE DEBÊNTURES SIMPLES DA [Nome da Companhia

Leia mais

Perfis de Investimento

Perfis de Investimento Perfis de Investimento OBJETIVO O presente documento apresenta como principal objetivo a defi nição de uma estrutura de Perfis de Investimento para os Participantes do Plano de Aposentadoria PREVIPLAN.

Leia mais

RENDA FIXA TESOURO DIRETO

RENDA FIXA TESOURO DIRETO DESTAQUES DO RELATÓRIO Carteira Recomendada Nossa Carteira Recomendada do Tesouro Direto para os próximos 30 dias considera os dois principais fatores impactando a curva de juros, a melhora recente do

Leia mais

Investimentos na Duprev

Investimentos na Duprev Investimentos na Duprev Plano de Aposentadoria Duprev CD Contribuições Participantes + = aposentadoria Contribuições da empresa Saldo para Patrimônio Investido Perfis de Investimento Alternativas de aplicação

Leia mais