Universidade Estadual de Campinas Departamento de Matemática. Teorema de Jacobson. Adriana Wagner(RA: ) Gustavo Terra Bastos(RA: )

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade Estadual de Campinas Departamento de Matemática. Teorema de Jacobson. Adriana Wagner(RA: 144768) Gustavo Terra Bastos(RA: 143800)"

Transcrição

1 Universidade Estadual de Campinas Departamento de Matemática Teorema de Jacobson Adriana Wagner(RA: ) Gustavo Terra Bastos(RA: ) Campinas - SP

2 Resumo Nesta monografia apresentamos a demonstração do Teorema de Jacobson por meio de cinco lemas e do Teorema de Wedderburn. 2

3 1 Introdução Temos que é um exercício simples mostar que para todo anel R tal que a 2 = a, a R que R é um anel comutativo, basta desenvolvermos (a+b) 2 e observar que cada elemento a R, temos que a = a. De uma maneira análoga, mas não tão simples, dado um anel R tal que a 3 = a, a R, também obtemos que R é um anel comutativo. Assim poderiamos nos perguntar se em geral isso é válido, ou seja, se existir n N tal que a n = a, a R, então R é um anel comutativo? Veremos com o Teorema de Jacobson que isso é ainda mais geral, ou seja, mostraremos que se R é um anel em que para todo elemento r existe um número inteiro n(r) > 1, dependendo de r tal que r n(r) = r, então R é um anel comutativo. 3

4 2 Preliminares Para introduzirmos os lemas, o Teorema de Wedderburn e finalmente o Teorema de Jacobson, necessitaremos dos seguintes fatos, que não apresentaremos suas demonstrações para não fugir do nosso propósito: Teorema 2.1 Um anel de divisão finito R de característica prima p, tem p n elementos, onde n é a dimensão de R sobre o corpo Z p e todos os elementos de R satisfazem x pn = x. Teorema 2.2 Um corpo finito contém no máximo um subcorpo de q elementos, desde que t q t tem no máximo q raízes nesse corpo. Teorema 2.3 Todo subanel não nulo de um anel de divisão finito é um anel de divisão. 4

5 3 Teorema de Wedderburn Nessa seção apresentaremos um lema e o Teorema de Wedderburn que serão necessários para a demonstração do Teorema de Jacbson. Lema 3.1 Se R é um anel não comutativo de característica p contém um corpo finito F, e se x F mas não no centro de R, então existe um elemento não-zero x R tal que wx = x w, para algum x F, com x x. Demonstração: Defina L x R x = δ : r xr rx, onde denotamos L x = xr, r R e R x = rx, r R. Por hipótese, δ 0 e L x R x = R x L x. Consideremos L x o ideal à esquerda gerado por x F e R x o ideal gerado à direita. Como x U(R) R x = L x = R L x R x = RR = R x L x ). Logo δ p = (L x R x ) p }{{} = L p x R p x = L x p R x p, (1) car(r)=p onde L x p = R = L x p (Análogo para R x p ). Logo δ pm = (L x R x ) pm = L pm x onde p m = F. Portanto, δ F. R pm x = L x p m R x p m = L x R x = δ, (2) Verificamos que, dado z F, temos que L z comuta com L x e também comuta com R x, de acordo com o fato que sendo L x o ideal à esquerda gerado por x F e R x o ideal gerado à direita. Como x U(R) R x = L x = R L x R x = RR = R x L x ). Da teoria de corpos finitos, sabemos que dado F [x] f(x) = x pm x, tem-se f(x) = z F(x z). Em particular, 0 = δ pm δ = L z F (δ L z ). (3) Como δ 0, existe um menor índice k em (3) tal que δ(δ L z1 )...(δ L zk ) 0 e δ(δ L z1 )...(δ L zk )(δ L zk+1 ) = 0. Assim, existe r R tal que w = r.δ(δ L z1 )...(δ L zk ) 0, mas w. ( ) δ L zk+1 = 0 w(xr rx zr) = 0, para todo r R e para algum z F tal que z 1 z z k. Logo, xr rx zr = 0 e para r = w, temos wx xw = zr wx = (x z) w = x w, com x F e x x, pois do contrário, z = 0, contradição! F 5

6 Teorema 3.1 (Wedderburn) Todo anel de divisão finito é um corpo. Demonstração: Suponha que existam anéis de divisões não comutativos finitos e seja R um desses com o menor número de elementos. Então R tem característica prima p e todo subanel próprio de R é um anel de divisão menor que R e assim comutativo ( pois caso contrário, o subanel próprio seria R). Nos referimos a esses subanéis como subcorpos. Um desses subcorpos será o conjunto E = {c c R, cr = rc inr}, chamado o centro de R. Vamos mostrar que: (1) Todo subcorpo de R é auto-conjugado de R; (2) Todo comutador r 1 s 1 rs está em E; (3) R é realmente comutativo. Assim (1) Consideremos F um subcorpo maximal de R, como E e F geram um subanel comutativo de R contendo F, mas como F é maximal temos que E e F geram apenas F, assim F contém E. Como E não é maximal, pois todo extensão E[r] é comutativa, assim E F. Considere x F E, então pelo Lema 1, existe w R com wx = x w, x F, x x. Sendo R anel de divisão, podemos multiplicar wx = x w por w 1 a direita, assim (wx)w 1 = (x w)w 1 wxw 1 = x (ww 1 ) wxw 1 = x Logo wxw 1 = x F, w F. Como wxw 1 = x temos que x = w 1 x w, ou seja, x w 1 F w F. Se o corpo w 1 F w contivesse um elemento não pertencente a F, esses dois corpos gerariam R: mas então x comuta com ambos desses corpos, assim x E, o que contrário o fato de que x F E. Portanto, w 1 F w = F, para um elemento w F. Assim o normalizador N R (F ) = {r r R, rf = F r} é um subanel de R contendo F, assim N R (F ) = R, pois F é maximal. Se K é qualquer subcorpo de R, ele encontra-se em um subcorpo maximal F, e assim r R temos que r 1 Kr r 1 F r = F. Assim K e r 1 Kr são subcorpos de F com o mesmo número de elementos, assim K = r 1 Kr. Portanto todo subcorpo de R é auto-conjugado de R. (2) Suponha que r 1 s 1 rs 1, então r(r 1 s 1 rs) r1 (rr 1 )s 1 rs r s 1 rs r s(s 1 rs) sr (ss 1 )rs sr rs sr 6

7 Assim os corpos E[r] e E[s] juntos geram R, pela minimalidade de R. Mas E[r] E[s] = E, assim qualquer elemento comum comuta com todos os elementos de R. Como (r 1 s 1 r)s E[s] e r 1 (s 1 rs) E[r] temos que r 1 s 1 rs E. Portanto todo comutador r 1 s 1 rs está em E, o centro de R. (3) Como R é não comutativo, existem x and y com xy yx, assim xy = cyx ( ). Também de (2) temos que x(x + y) = c (x + y)x, c E ( ). Subtraindo ( ) de ( ) obtemos xx + xy xy = c xx + c yx cyx xx = c xx + (c c)y xx c x = (c c)y (1 c )x = (c c)y que implica que x e y comutam a menos que os elementos centrais 1 c e c c são ambos zero. Como xy yx, temos que 1 c = 0 e c c = 0 e assim 1 = c = c. Mas de ( ) teríamos que xy = yx, o que é uma contradição. Assim R é comutativo. Portanto, todo anel de divisão finito é um corpo. 4 Resultados essencias para a prova do Teorema de Jacobson Nessa seção apresentaremos mais quatros lemas que utilizaremos na demonstração do Teorema de Jacobson. Entenderemos por condição de Jacobson em um anel R, se R satisfizer as condições assumida no Teorema de Jacobson. Para mostrar que R é comutativo, provaremos que todo subanel x, y, onde x, y denota o subanel gerado por x e y, consiste de somas finitas geradas por x e y. Lema 4.1 Um anel R finitamente gerado com condição de Jacobson tem característica livre de quadrados p 1...p s, para algum p i e algum s, e é a soma direta de subaneis R i de característica p i. Demonstração: Se r n = r e s m = m, então para k = (m 1)(n 1) + 1, temos r k = r e s k = s. De fato, vejamos que r k = r (s k = s é análogo): rrr...rrrr...r (m 1)(n 1)+1 termos = rrr...rrrr...rr n (m 2)(n 1)+1 termos = rrr... r n r n...r n k 1 termos (m k)(n 1)+1 termos 7 =... = r n...r n n termos = }{{} r...r = r. n termos

8 Assim, para um número finito de elementos x de R, podemos associar um k = n(x). Para r R e qualquer inteiro k > 1, existe n > 1 tal que r n = r e kr = (kr) n = k n r n = k n r (k n k) r = k n r n kr = 0. Assim, se R = x 1,..., x m,por (1), existem (1) inteiros k i > 1 tal que k i x i = 0, para todo 1 i m.. Sabemos que os inteiros comutam com os elementos de R, o que nos leva a concluir (k 1,.., k m ) R = {0}. Assim, concluímos s que a característica de R é k = k 1...k m = p j i i. Para r R, existe n > 1, tal que i=1 p 1...p s r = (p 1...p s r) n = (p 1...p s r) 1+N(n 1) = (p 1...p s ) 1+N(n 1).r 1+N(n 1) = 0, (4) onde N esgota todos os j i, 1 i s. Agora, os inteiros P i = p 1...p s p i são relativamente primos entre si, ou seja, existem inteiros u i tais que u 1 P u s P s = 1 r r s = r, onde r i = ru i P i, para todo 1 i s e r R. Logo R = R R s, (5) onde R i = P i R é um subanel de R de característica p i. Dados r i e r j em R i e R j, respectivamente, com i j, temos de acordo com (4). Logo r i r j = (P i r i) ( P j r j) = Pi P j r ir j = 0, s r i ri 2 = i=1 s r i r k = 0 ri 2 = 0. (6) k=1 i k Portanto, r i = r n(r i) i = ri 2.r n(r i) 2 i = 0, e assim concluímos que R = R 1... R s, ou seja a soma dos R i é uma soma direta. Lema 4.2 Seja R um anel com condição de Jacobson x R e x n = x. Então a identidade r = x n 1 r + (r x n 1 ) expressa R como uma soma de anéis ortogonais R = I x + A x onde I x = x n 1 R e A x = {r x n 1 r r R}, também I x contém x e tem elemento identidade x n 1, enquanto xa x = A x x = {0}. A soma I x + A x é direta. Demonstração: Como x n = x, multiplicando ambos os lados por x 1 temos que xx 1 = x n x 1, ou ainda e = x n 1. Assim e 2 = (x n 1 ) 2 = x 2n 2 = (x n ) 2 x 2 = x 2 x 2 = e, ou seja, e 2 = e. Vamos mostrar que e comuta com todos os elementos de R. De fato, temos que (ere er) 2 = (ere er)(ere er) = ereere ereer erere erer 8

9 = erere erer erere erer = 0 Logo ere er = 0, pela condição de Jacobson. De maneira análoga, (ere er) 2 = 0 e assim ere er = 0. Então er = ere = re ou seja, e comuta com todos os elementos de R. Agora mostremos que I x e A x são subanéis de R. Temos que I x e A x são fechados para a adição e multiplicação de R, pois se a, b I x e c, d A x, logo a = er 1, b = er 2, c = r 3 er 3 e d = r 4 er 4 e assim a + b = er 1 + er 2 = e(r 1 + r 2 ) I x ab = (er 1 )(er 2 ) = e(r 1 e)r 2 = e(er 1 )r 2 = (ee)(r 1 r 2 ) = e(r 1 r 2 ) I x c + d = (r 3 er 3 ) + (r 4 er 4 ) = (r 3 + r 4 ) e(r 3 + r 4 ) A x cd = (r 3 er 3 )(r 4 er 4 ) = r 3 r 4 r 3 er 4 er 3 r 4 +eer 3 r 4 = r 3 r 4 er 3 r 4 er 3 r 4 +er 3 r 3 = r 3 r 4 er 3 r 4 A x Temos também que I x e A x são ortogonais, pois dados a = er 1 I x e c = r 2 er 2 temos que ac = er 1 (r 2 er 2 ) = er 1 r 2 er 1 er 2 = er 1 r 2 eer 1 r 2 = er 1 r 2 er 1 r 2 = 0 ca = (r 2 er 2 )er 1 = r 2 er 1 er 2 er 1 = er 2 r 1 eer 2 r 1 = er 2 r 1 er 2 r 1 = 0 Agora como x = x n = x n 1 x = ex, obtemos que x I x. Assim e(er) = (ee)r = er, logo e = 1 I x. Também temos que xa x = A x x = {0}, pois como x I x obtemos que x(r x n 1 r) = xr xx n 1 r = xr xx n 1 r = xr x n r = xr xr = 0. Analogamente (r x n 1 r)x = 0.Notemos também que para x 0 temos que I x {0}, enquanto que A x {0} se x n 1 = 1 R. Finalmente, para todo r R temos que r = x n 1 r+(r x n 1 ) I x +A x. E se x I x A x temos que x = x n 1 r = x n 2 xr = 0. Assim R = I x A x, onde denota a soma direta. Lema 4.3 Um anel R, R {0}, que satisfaz a condição de Jacobson r = r n(r) e é finitamente gerado, é uma soma direta de corpos finitos. ( ) Demonstração: Pela comutatividade e pela Condição de Jacobson x n(x i) i = x i para cada gerador de R, temos que R possui um número finito de elementos. Pelo Lema 4.1, temos que R possui característica finita, é finito e pode ser escrito como soma direta finita de anéis (R i ) comutativos de característica prima (p i ). Para provarmos o resultado, basta mostrarmos que cada um dos R i pode ser escrito como uma soma direta de corpos finitos. Consideremos R um desses anéis com característica p e vamos utilizar 9

10 indução na cardinalidade de R, que é maior ou igual a p. Se R = p, então o anel R = {0, 1r,..., (p 1)r} é um anel de divisão pois se 0 = kr.k r = kk r 2 p kk p k ou p k, ou r 2 = 0, contradizendo a hipótese de Jacobson. Assim, dados dois elementos não nulos em R temos kr.k r = kk r 2 = kr e o resultado segue. Portanto R = F q. Se R > p,de acordo com o Lema 3, consideremos R = I x + A x, para cada x R. A hipótese de indução aplicada a I x e A x nos garante que cada um desses subanéis pode ser escrito como soma direta de corpos finitos, a menos que um deles seja {0}; neste caso, como I x {0} A x = {0} R = I x, onde x n 1 = 1 R, para todo x R. Assim, todos os elementos não nulos são invertíveis, o que nos leva a concluir que R é um corpo finito. Isto completa a indução. Lema 4.4 Se R é um anel finito em que cada elemento r existe correspondência um inteiro n(r) > 1 com r = r n(r), então R é comutativo. Demonstração: Primeiramente, pelo Lema4.1 2, podemos considerar apenas o caso de que R tem característica prima p. Assim usando indução sobre (R), como no Lema 4.3, se (R) = p obtemos que R = GF [p], ou seja, R é comutativo, obtendo sucesso na indução a menos que A x = {0}. Agora se R é um anel de divisão finito, pelo Teorema de Wedderburn, R é um corpo, e assim comutativo. Portanto em ambos os casos obtemos que R é comutativo. 5 Teorema de Jacobson Após os resultados apresentados estamos prontos para provar o Teorema de Jacobson. Teorema 5.1 (Jacobson) Seja R uma anel em que para todo elemento r existe um inteiro n(r) > 1, dependendo de r, tal que r = r n(r), então R é comutativo. Demonstração: Para mostrar que xy = yx, x, y R, precisamos apenas provar o Teorema de Jacobson para x, y, assim do Lema 4.1, R será uma soma direta de subaneis de características primas. Como esses elementos a elementos. Desde que esses comutam elemento a elemento, basta mostrar cada comutatividade, para que possamos assumir car(r) = p. Vamos supor que xy yx e chegaremos a uma contradição. Considere o anel x, temos que este satisfaz as condições do Lema 4, logo é soma direta de corpos finitos, esses corpos não podem todos comutar elemento a elemento com y, ou isso seria x. Então, sem perda de generalidade, podemos supor que x pertence a um subcorpo finito de R, 10

11 digamos x F = Z p [x]. Agora vamos aplicar o Lema 4.2 para x, y : todos os elementos de A x comutam com x, assim nem todos os elementos de I x podem comutar com x. Indo do anel I x para o anel R que contém o corpo F,estamos no caso em que x n 1 = 1 R. Como F = Z p [x] temos que 1 R F, que resulta 1 R = 1 F e todo elemento de F é inversível em R. Pelo Lema 3.1, existe um elemento w R com wx = x w, com x x, x F. Assim para p(x) Z p [x], temos que wp (x) = P (x )w, e em geral w i P (x) = Q(x)w i para p(x), q(x) Z p [x]. Assim, obtemos que x, y = Z p [x, w] que é o conjunto de todas as somas finitas de elementos da forma x j w i, com 0 j < n(x) e 0 i < n(w). Logo, do Lema 4.4, x, y é finito e assim comutativo. Ou seja, wx = xw = x w, que resulta que xw x w = 0, ou ainda, (x x )w = 0. Como x x, x x F, pois x, x F e todo elemento não nulo de F é inversível em R, obtemos que da equação (x x )w = 0 que w = 0. O que é uma contradição, pois do Lema 3.1 temos que w 0. E a contradição está em supor que xy yx. Portanto R nas condições do Teorema de Jacobson é comutativo. 11

12 Referências [1] K. Rogers: An Elementary Proof of a Theorem of Jacobson [2] I.N. Hernstein: Topics in Algebra, 2 ed- University of Chicago- Editora John Wiley e Sons. [3] T.W. Hungerford: Algebra- Springer,

Alguns exercícios amais para vocês (as resoluções dos exercícios anteriores começam na próxima pagina):

Alguns exercícios amais para vocês (as resoluções dos exercícios anteriores começam na próxima pagina): Alguns exercícios amais para vocês (as resoluções dos exercícios anteriores começam na próxima pagina): Seja A um domínio. Mostre que se A[X] é Euclidiano então A é um corpo (considere o ideal (a, X) onde

Leia mais

Anéis quocientes k[x]/i

Anéis quocientes k[x]/i META: Determinar as possíveis estruturas definidas sobre o conjunto das classes residuais do quociente entre o anel de polinômios e seus ideais. OBJETIVOS: Ao final da aula o aluno deverá ser capaz de:

Leia mais

Módulo de Equações do Segundo Grau. Equações do Segundo Grau: Resultados Básicos. Nono Ano

Módulo de Equações do Segundo Grau. Equações do Segundo Grau: Resultados Básicos. Nono Ano Módulo de Equações do Segundo Grau Equações do Segundo Grau: Resultados Básicos. Nono Ano Equações do o grau: Resultados Básicos. 1 Exercícios Introdutórios Exercício 1. A equação ax + bx + c = 0, com

Leia mais

Bases Matemáticas. Juliana Pimentel. 15 de junho de 2016

Bases Matemáticas. Juliana Pimentel. 15 de junho de 2016 Bases Matemáticas Juliana Pimentel juliana.pimentel@ufabc.edu.br 15 de junho de 016 Princípio de Indução Finita Uma propriedade particularmente importante dos números naturais é expressa pelo Princípio

Leia mais

QUESTÕES COMENTADAS E RESOLVIDAS

QUESTÕES COMENTADAS E RESOLVIDAS LENIMAR NUNES DE ANDRADE INTRODUÇÃO À ÁLGEBRA: QUESTÕES COMENTADAS E RESOLVIDAS 1 a edição ISBN 978-85-917238-0-5 João Pessoa Edição do Autor 2014 Prefácio Este texto foi elaborado para a disciplina Introdução

Leia mais

Generalizações do Teorema de Wedderburn-Malcev e PI-álgebras. Silvia Gonçalves Santos

Generalizações do Teorema de Wedderburn-Malcev e PI-álgebras. Silvia Gonçalves Santos Generalizações do Teorema de Wedderburn-Malcev e PI-álgebras Silvia Gonçalves Santos Definição 1 Seja R um anel com unidade. O radical de Jacobson de R, denotado por J(R), é o ideal (à esquerda) dado pela

Leia mais

Sobre Anéis Primos, Semiprimos e suas Relações

Sobre Anéis Primos, Semiprimos e suas Relações Sobre Anéis Primos, Semiprimos e suas Relações Mateus Medeiros Teixeira 17 de julho de 2014 Resumo Neste trabalho apresentamos os anéis primos e semiprimos, buscando suas caracterizações e relações com

Leia mais

AULA. Corpo de raízes

AULA. Corpo de raízes META: Conceituar corpo de raízes de um polinômio sobre um corpo, determinar sua existência e unicidade e caracterizá-lo por meio de extensões finitas e normais. AULA 10 OBJETIVOS: Ao final da aula o aluno

Leia mais

Respostas de Exercícios Propostos

Respostas de Exercícios Propostos Respostas de Exercícios Propostos Capítulo 1: 1 a) Não é associativa É comutativa ( ) x+y x + y 2 + z (x y) z z x + y + 2z 2 2 4 ( ) y + z x (y z) x x + x+y 2 2x + y + z 2 2 4 x y x + y y + x y x 2 2 b)

Leia mais

Definimos a soma de seqüências fazendo as operações coordenada-a-coordenada:

Definimos a soma de seqüências fazendo as operações coordenada-a-coordenada: Aula 8 polinômios (Anterior: chinês. ) 8.1 séries formais Fixemos um anel A. Denotaremos por A N o conjunto de todas as funções de N = {, 1, 2,... } a valores em A. Em termos mais concretos, cada elemento

Leia mais

GABRIEL BUJOKAS

GABRIEL BUJOKAS APLICAÇÕES DE ÁLGEBRA LINEAR À COMBINATÓRIA GABRIEL BUJOKAS (GBUJOKAS@MIT.EDU) A gente vai discutir algumas das aplicações clássicas de álgebra linear à combinatória. Vamos começar relembrando alguns conceitos

Leia mais

(Ciência de Computadores) 2005/ Diga quais dos conjuntos seguintes satisfazem o Princípio de Boa Ordenação

(Ciência de Computadores) 2005/ Diga quais dos conjuntos seguintes satisfazem o Princípio de Boa Ordenação Álgebra (Ciência de Computadores) 2005/2006 Números inteiros 1. Diga quais dos conjuntos seguintes satisfazem o Princípio de Boa Ordenação (a) {inteiros positivos impares}; (b) {inteiros negativos pares};

Leia mais

R domínio de fatoração única implica R[x] também

R domínio de fatoração única implica R[x] também R domínio de fatoração única implica R[x] também Pedro Manfrim Magalhães de Paula 4 de Dezembro de 2013 Denição 1. Um domínio integral R com unidade é um domínio de fatoração única se 1. Todo elemento

Leia mais

Produtos de potências racionais. números primos.

Produtos de potências racionais. números primos. MATEMÁTICA UNIVERSITÁRIA n o 4 Dezembro/2006 pp. 23 3 Produtos de potências racionais de números primos Mário B. Matos e Mário C. Matos INTRODUÇÃO Um dos conceitos mais simples é o de número natural e

Leia mais

Aula 12 HOMOMORFISMO DE ANÉIS PRÉ REQUISITOS. As aulas 6, 10 e 11. META. Estabelecer o conceito de Homomorfismo de Anéis.

Aula 12 HOMOMORFISMO DE ANÉIS PRÉ REQUISITOS. As aulas 6, 10 e 11. META. Estabelecer o conceito de Homomorfismo de Anéis. Aula 12 HOMOMORFISMO DE ANÉIS META Estabelecer o conceito de Homomorfismo de Anéis. OBJETIVOS Reconhecer e classificar homomorfismos de anéis. Aplicar as propriedades básicas dos homomorfismos na resolução

Leia mais

Recorrendo à nossa imaginação podemos tentar escrever números racionais de modo semelhante: 1 2 = 1 + 3 + 32 +

Recorrendo à nossa imaginação podemos tentar escrever números racionais de modo semelhante: 1 2 = 1 + 3 + 32 + 1 Introdução Comecemos esta discussão fixando um número primo p. Dado um número natural m podemos escrevê-lo, de forma única, na base p. Por exemplo, se m = 15 e p = 3 temos m = 0 + 2 3 + 3 2. Podemos

Leia mais

1 Conjuntos, Números e Demonstrações

1 Conjuntos, Números e Demonstrações 1 Conjuntos, Números e Demonstrações Definição 1. Um conjunto é qualquer coleção bem especificada de elementos. Para qualquer conjunto A, escrevemos a A para indicar que a é um elemento de A e a / A para

Leia mais

Álgebra Linear - Prof. a Cecilia Chirenti. Lista 3 - Matrizes

Álgebra Linear - Prof. a Cecilia Chirenti. Lista 3 - Matrizes Álgebra Linear - Prof. a Cecilia Chirenti Lista 3 - Matrizes. Sejam A = C = 0 3 4 3 0 5 4 0 0 3 4 0 3, B = 3, D = 3,. Encontre: a A+B, A+C, 3A 4B. b AB, AC, AD, BC, BD, CD c A t, A t C, D t A t, B t A,

Leia mais

Aula 11 IDEAIS E ANÉIS QUOCIENTES META. Apresentar o conceito de ideal e definir anel quociente. OBJETIVOS

Aula 11 IDEAIS E ANÉIS QUOCIENTES META. Apresentar o conceito de ideal e definir anel quociente. OBJETIVOS Aula 11 IDEAIS E ANÉIS QUOCIENTES META Apresentar o conceito de ideal e definir anel quociente. OBJETIVOS Aplicar as propriedades de ideais na resolução de problemas. Reconhecer a estrutura algébrica de

Leia mais

Polos Olímpicos de Treinamento. Aula 10. Curso de Álgebra - Nível 3. Diferenças finitas e o polinômio interpolador de Lagrange. 1. Diferenças Finitas

Polos Olímpicos de Treinamento. Aula 10. Curso de Álgebra - Nível 3. Diferenças finitas e o polinômio interpolador de Lagrange. 1. Diferenças Finitas Polos Olímpicos de Treinamento Curso de Álgebra - Nível 3 Prof. Cícero Thiago / Prof. Marcelo Aula 10 Diferenças finitas e o polinômio interpolador de Lagrange. 1. Diferenças Finitas Seja P(x) um polinômio

Leia mais

Produtos Notáveis. Vejamos alguns exemplos para diversos produtos notáveis que auxiliarão na formação de ideias para problemas futuros mais difíceis.

Produtos Notáveis. Vejamos alguns exemplos para diversos produtos notáveis que auxiliarão na formação de ideias para problemas futuros mais difíceis. Polos Olímpicos de Treinamento Curso de Álgebra - Nível Prof. Marcelo Mendes Aula Produtos Notáveis Vários problemas de Álgebra para alunos do Ensino Fundamental utilizam Produtos Notáveis, que são identidades

Leia mais

Definição: Uma função de uma variável x é uma função polinomial complexa se pudermos escrevê-la na forma n

Definição: Uma função de uma variável x é uma função polinomial complexa se pudermos escrevê-la na forma n POLINÔMIO I 1. DEFINIÇÃO Polinômios de uma variável são expressões que podem ser escritas como soma finita de monômios do tipo : a t k k onde k, a podem ser números reais ou números complexos. Exemplos:

Leia mais

1. Prove que (a+b) c = a c+b c para todo a, b, c em ZZ /mzz. (Explique cada passo).

1. Prove que (a+b) c = a c+b c para todo a, b, c em ZZ /mzz. (Explique cada passo). 1 a Lista de Exercícios de Álgebra II - MAT 231 1. Prove que (a+b) c = a c+b c para todo a, b, c em ZZ /mzz. (Explique cada passo). 2. Seja A um anel associativo. Dado a A, como você definiria a m, m IN?

Leia mais

Aritmética dos Restos. Problemas com Congruências. Tópicos Adicionais

Aritmética dos Restos. Problemas com Congruências. Tópicos Adicionais Aritmética dos Restos Problemas com Congruências Tópicos Adicionais Aritmética dos Restos Problemas com Congruências 1 Exercícios Introdutórios Exercício 1. inteiro n Prove que n 5 + 4n é divisível por

Leia mais

XIX Semana Olímpica de Matemática. Nível 3. Polinômios em Z[x] Matheus Secco

XIX Semana Olímpica de Matemática. Nível 3. Polinômios em Z[x] Matheus Secco XIX Semana Olímpica de Matemática Nível 3 Polinômios em Z[x] Matheus Secco O projeto da XIX Semana Olímpica de Matemática foi patrocinado por: Polinômios em Z[x] N3 Professor Matheus Secco 1 Ferramentas

Leia mais

O espaço das Ordens de um Corpo

O espaço das Ordens de um Corpo O espaço das Ordens de um Corpo Clotilzio Moreira dos Santos Resumo O objetivo deste trabalho é exibir corpos com infinitas ordens e exibir uma estrutura topológica ao conjunto das ordens de um corpo.

Leia mais

Números naturais e cardinalidade

Números naturais e cardinalidade Números naturais e cardinalidade Roberto Imbuzeiro M. F. de Oliveira 5 de Janeiro de 2008 Resumo 1 Axiomas de Peano e o princípio da indução Intuitivamente, o conjunto N dos números naturais corresponde

Leia mais

Matrizes - Parte II. Juliana Pimentel. juliana.pimentel. Sala Bloco A, Torre 2

Matrizes - Parte II. Juliana Pimentel.  juliana.pimentel. Sala Bloco A, Torre 2 Matrizes - Parte II Juliana Pimentel juliana.pimentel@ufabc.edu.br http://hostel.ufabc.edu.br/ juliana.pimentel Sala 507-2 - Bloco A, Torre 2 AB BA (Comutativa) Considere as matrizes [ ] [ 1 0 1 2 A =

Leia mais

Análise de Algoritmos

Análise de Algoritmos Análise de Algoritmos Técnicas de Prova Profa. Sheila Morais de Almeida DAINF-UTFPR-PG julho - 2015 Técnicas de Prova Definição Uma prova é um argumento válido que mostra a veracidade de um enunciado matemático.

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Campus Catalão Departamento de Matemática Disciplina: Fundamentos de Análise

Universidade Federal de Goiás Campus Catalão Departamento de Matemática Disciplina: Fundamentos de Análise Universidade Federal de Goiás Campus Catalão Departamento de Matemática Disciplina: Fundamentos de Análise Professor: André Luiz Galdino Gabarito da 1 a Lista de Exercícios 1. Prove que para todo x 0 IR

Leia mais

A DEFINIÇÃO AXIOMÁTICA DO CONJUNTO DOS NÚMEROS NATURAIS.

A DEFINIÇÃO AXIOMÁTICA DO CONJUNTO DOS NÚMEROS NATURAIS. A DEFINIÇÃO AXIOMÁTICA DO CONJUNTO DOS NÚMEROS NATURAIS. SANDRO MARCOS GUZZO RESUMO. A construção dos conjuntos numéricos é um assunto clássico na matemática, bem como o estudo das propriedades das operações

Leia mais

OS TEOREMAS DE JORDAN-HÖLDER E KRULL-SCHMIDT (SEGUNDA VERSÃO)

OS TEOREMAS DE JORDAN-HÖLDER E KRULL-SCHMIDT (SEGUNDA VERSÃO) ! #" $ %$!&'%($$ OS TEOREMAS DE JORDAN-HÖLDER E KRULL-SCHMIDT (SEGUNDA VERSÃO) Neste texto apresentaremos dois teoremas de estrutura para módulos que são artinianos e noetherianos simultaneamente. Seja

Leia mais

é uma proposição verdadeira. tal que: 2 n N k, Φ(n) = Φ(n + 1) é uma proposição verdadeira. com n N k, tal que:

é uma proposição verdadeira. tal que: 2 n N k, Φ(n) = Φ(n + 1) é uma proposição verdadeira. com n N k, tal que: Matemática Discreta 2008/09 Vítor Hugo Fernandes Departamento de Matemática FCT/UNL Axioma (Princípio da Boa Ordenação dos Números Naturais) O conjunto parcialmente (totalmente) ordenado (N, ), em que

Leia mais

Aula 1 Autovetores e Autovalores de Matrizes Aula 2 Autovetores e Autovalores de Matrizes Casos Especiais 17

Aula 1 Autovetores e Autovalores de Matrizes Aula 2 Autovetores e Autovalores de Matrizes Casos Especiais 17 Sumário Aula 1 Autovetores e Autovalores de Matrizes.......... 8 Aula 2 Autovetores e Autovalores de Matrizes Casos Especiais 17 Aula 3 Polinômio Característico................. 25 Aula 4 Cálculo de Autovalores

Leia mais

Técnicas de. Integração

Técnicas de. Integração Técnicas de Capítulo 7 Integração TÉCNICAS DE INTEGRAÇÃO 7.4 Integração de Funções Racionais por Frações Parciais Nessa seção, vamos aprender como integrar funções racionais reduzindo-as a uma soma de

Leia mais

(A1) As operações + e são comutativas, ou seja, para todo x e y em A, x + y = y + x e x y = y x

(A1) As operações + e são comutativas, ou seja, para todo x e y em A, x + y = y + x e x y = y x Notas de aula de MAC0329 (2003) 17 3 Álgebra Booleana Nesta parte veremos uma definição formal de álgebra booleana, a qual é feita via um conjunto de axiomas (ou postulados). Veremos também algumas leis

Leia mais

MAT146 - Cálculo I - Derivada de funções polinomiais, regras de derivação e derivada de funções trigonométricas

MAT146 - Cálculo I - Derivada de funções polinomiais, regras de derivação e derivada de funções trigonométricas MAT146 - Cálculo I - Derivada de funções polinomiais, regras de derivação e derivada de funções trigonométricas Alexandre Miranda Alves Anderson Tiago da Silva Edson José Teixeira Vimos que uma função

Leia mais

Módulo: aritmética dos restos. Divisibilidade e Resto. Tópicos Adicionais

Módulo: aritmética dos restos. Divisibilidade e Resto. Tópicos Adicionais Módulo: aritmética dos restos Divisibilidade e Resto Tópicos Adicionais Módulo: aritmética dos restos Divisibilidade e resto 1 Exercícios Introdutórios Exercício 1. Encontre os inteiros que, na divisão

Leia mais

Um Curso de Nivelamento. Instituto de Matemática UFF

Um Curso de Nivelamento. Instituto de Matemática UFF Introdução à Álgebra Linear Um Curso de Nivelamento Jorge Delgado Depto. de Matemática Aplicada Katia Frensel Depto. de Geometria Instituto de Matemática UFF Março de 2005 J. Delgado - K. Frensel ii Instituto

Leia mais

III) se deste número n subtrairmos o número 3816, obteremos um número formado pelos mesmos algarismos do número n, mas na ordem contrária.

III) se deste número n subtrairmos o número 3816, obteremos um número formado pelos mesmos algarismos do número n, mas na ordem contrária. 1 Projeto Jovem Nota 10 1. (Fuvest 2000) Um número inteiro positivo n de 4 algarismos decimais satisfaz às seguintes condições: I) a soma dos quadrados dos 1 e 4 algarismos é 58; II) a soma dos quadrados

Leia mais

Equação Geral do Segundo Grau em R 2

Equação Geral do Segundo Grau em R 2 8 Equação Geral do Segundo Grau em R Sumário 8.1 Introdução....................... 8. Autovalores e autovetores de uma matriz real 8.3 Rotação dos Eixos Coordenados........... 5 8.4 Formas Quadráticas..................

Leia mais

Errata da lista 1: Na página 4 (respostas), a resposta da letra e da questão 13 é {2, 3, 5, 7, 11, 13, 17} (faltou o número 17)

Errata da lista 1: Na página 4 (respostas), a resposta da letra e da questão 13 é {2, 3, 5, 7, 11, 13, 17} (faltou o número 17) Errata da lista 1: Na página 4 (respostas), a resposta da letra e da questão 13 é {2, 3, 5, 7, 11, 13, 17} (faltou o número 17) Lista 1 - Bases Matemáticas Elementos de Lógica e Linguagem Matemática 1

Leia mais

Diferenciais em Série de Potências

Diferenciais em Série de Potências Existência de Soluções de Equações Diferenciais em Série de Potências Reginaldo J. Santos Departamento de Matemática-ICEx Universidade Federal de Minas Gerais http://www.mat.ufmg.br/ regi 0 de julho de

Leia mais

Equação algébrica Equação polinomial ou algébrica é toda equação na forma anxn + an 1 xn 1 + an 2 xn a 2 x 2 + a 1 x + a 0, sendo x

Equação algébrica Equação polinomial ou algébrica é toda equação na forma anxn + an 1 xn 1 + an 2 xn a 2 x 2 + a 1 x + a 0, sendo x EQUAÇÃO POLINOMIAL Equação algébrica Equação polinomial ou algébrica é toda equação na forma a n x n + a n 1 x n 1 + a n 2 x n 2 +... + a 2 x 2 + a 1 x + a 0, sendo x C a incógnita e a n, a n 1,..., a

Leia mais

Apresentar o conceito de anel, suas primeiras definições, diversos exemplos e resultados. Aplicar as propriedades dos anéis na relação de problemas.

Apresentar o conceito de anel, suas primeiras definições, diversos exemplos e resultados. Aplicar as propriedades dos anéis na relação de problemas. Aula 10 O CONCEITO DE ANEL META Apresentar o conceito de anel, suas primeiras definições, diversos exemplos e resultados. OBJETIVOS Definir, exemplificar e classificar anéis. Aplicar as propriedades dos

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Matemática

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Matemática Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Matemática Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Matemática Disciplina : Geometria Analítica e Álgebra Linear - GCI004 Assunto: Espaços vetoriais

Leia mais

CRITÉRIO DE EISENSTEIN. Marília Martins Cabral Orientador: Igor Lima

CRITÉRIO DE EISENSTEIN. Marília Martins Cabral Orientador: Igor Lima CRITÉRIO DE EISENSTEIN 1 Marília Martins Cabral Orientador: Igor Lima NOTAÇÕES a b a divide b. a b a não divide b x n a variável x elevado a potência n. a n coeficiente de x n 2 INTRODUÇÃO: POLINÔMIOS

Leia mais

Teoria dos anéis 1 a parte 3

Teoria dos anéis 1 a parte 3 A U L A Teoria dos anéis 1 a parte 3 Meta da aula Descrever a estrutura algébrica de anel como uma generalização de determinadas propriedades dos números inteiros. objetivos Ao final desta aula, você deverá

Leia mais

Introdução à Teoria dos Números - Notas 4 Máximo Divisor Comum e Algoritmo de Euclides

Introdução à Teoria dos Números - Notas 4 Máximo Divisor Comum e Algoritmo de Euclides Introdução à Teoria dos Números - Notas 4 Máximo Divisor Comum e Algoritmo de Euclides 1 Máximo Divisor Comum Definição 1.1 Sendo a um número inteiro, D a indicará o conjunto de seus divisores positivos,

Leia mais

a = bq + r e 0 r < b.

a = bq + r e 0 r < b. 1 Aritmética dos Inteiros 1.1 Lema da Divisão e o Algoritmo de Euclides Recorde-se que a, o módulo ou valor absoluto de a, designa a se a N a = a se a / N Dados a, b, c Z denotamos por a b : a divide b

Leia mais

Monografia sobre R ser um Domínio de Fatoração Única implicar que R[x] é um Domínio de Fatoração Única.

Monografia sobre R ser um Domínio de Fatoração Única implicar que R[x] é um Domínio de Fatoração Única. Universidade Estadual de Campinas Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica Departamento de Matemática Monografia sobre R ser um Domínio de Fatoração Única implicar que R[x] é um Domínio

Leia mais

Algoritmo da divisão em k[x] 2

Algoritmo da divisão em k[x] 2 AULA Algoritmo da divisão em k[x] 2 META: Introduzir um algoritmo de divisão para anéis de polinômios definidos sobre corpos. OBJETIVOS: Ao fim da aula os alunos deverão ser capazes de: Aplicar o algoritmo

Leia mais

Observação: Todas as letras em negrito abaixo (x, y, z, a e b) representam números reais.

Observação: Todas as letras em negrito abaixo (x, y, z, a e b) representam números reais. Para mostrar que menos vezes menos dá mais precisamos admitir alguns fatos relacionados aos números reais. Vamos chamá-los de axiomas e simplesmente aceitá-los como sendo válidos: Observação: Todas as

Leia mais

Ficha de trabalho Decomposição e resolução de equações e inequações polinomiais

Ficha de trabalho Decomposição e resolução de equações e inequações polinomiais Ficha de trabalho Decomposição e resolução de equações e inequações polinomiais 1. Verifique, recorrendo ao algoritmo da divisão, que: 6 4 0x 54x + 3x + é divisível por x 1.. De um modo geral, que relação

Leia mais

PARTE I EQUAÇÕES DE UMA VARIÁVEL REAL

PARTE I EQUAÇÕES DE UMA VARIÁVEL REAL PARTE I EQUAÇÕES DE UMA VARIÁVEL REAL. Introdução Considere f uma função, não constante, de uma variável real ou complexa, a equação f(x) = 0 será denominada equação de uma incógnita. EXEMPLO e x + senx

Leia mais

Denominamos equação polinomial ou equação algébrica de grau n a toda equação da forma:

Denominamos equação polinomial ou equação algébrica de grau n a toda equação da forma: EQUAÇÕES POLINOMIAIS. EQUAÇÃO POLINOMIAL OU ALGÉBRICA Denominamos equação polinomial ou equação algébrica de grau n a toda equação da forma: p(x) = a n x n + a n x n +a n x n +... + a x + a 0 = 0 onde

Leia mais

Matemática 2 aula 11 COMENTÁRIOS ATIVIDADES PARA SALA COMENTÁRIOS ATIVIDADES PROPOSTAS POLINÔMIOS I. P(x) = 4x (x 1) + (x 1)

Matemática 2 aula 11 COMENTÁRIOS ATIVIDADES PARA SALA COMENTÁRIOS ATIVIDADES PROPOSTAS POLINÔMIOS I. P(x) = 4x (x 1) + (x 1) Matemática aula POLINÔMIOS I. COMENTÁRIOS ATIVIDADES PARA SALA b a P() b P() + + Calculando P (), temos: b a P() b b + b + a ab b a P () b + ( ab) + b + a b Se P () P (), podemos observar que: b + ( ab)

Leia mais

Introduzir os conceitos de base e dimensão de um espaço vetorial. distinguir entre espaços vetoriais de dimensão fnita e infinita;

Introduzir os conceitos de base e dimensão de um espaço vetorial. distinguir entre espaços vetoriais de dimensão fnita e infinita; META Introduzir os conceitos de base e dimensão de um espaço vetorial. OBJETIVOS Ao fim da aula os alunos deverão ser capazes de: distinguir entre espaços vetoriais de dimensão fnita e infinita; determinar

Leia mais

Binomiais e Primos. p p 2 + p 3 + p k. Demonstração. No produto n! = n, apenas os múltiplos de p contribuem com um fator p.

Binomiais e Primos. p p 2 + p 3 + p k. Demonstração. No produto n! = n, apenas os múltiplos de p contribuem com um fator p. Polos Olímpicos de Treinamento Curso de Teoria dos Números - Nível 3 Carlos Gustavo Moreira Aula 16 Binomiais e Primos Começamos lembrando a Proposição 1 (Fatores do Fatorial) Seja p um primo Então a maior

Leia mais

O limite de uma função

O limite de uma função Universidade de Brasília Departamento de Matemática Cálculo 1 O ite de uma função Se s(t) denota a posição de um carro no instante t > 0, então a velocidade instantânea v(t) pode ser obtida calculando-se

Leia mais

Teoria Combinatória dos Números

Teoria Combinatória dos Números Teoria Combinatória dos Números Samuel Feitosa, Yuri Lima, Davi Nogueira 27 de fevereiro de 2004 O objetivo deste artigo é mostrar algumas propriedades dos números inteiros, que combinadas podem originar

Leia mais

INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA

INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA PARA A COMPUTAÇÃO PROF. DANIEL S. FREITAS UFSC - CTC - INE Prof. Daniel S. Freitas - UFSC/CTC/INE/2007 p.1/81 1 - LÓGICA E MÉTODOS DE PROVA 1.1) Lógica Proposicional

Leia mais

Teoria dos Grafos AULA 3

Teoria dos Grafos AULA 3 Teoria dos Grafos Valeriano A. de Oliveira Socorro Rangel Departamento de Matemática Aplicada antunes@ibilce.unesp.br, socorro@ibilce.unesp.br AULA 3 Trajetos, Caminhos, Circuitos, Grafos Conexos Preparado

Leia mais

Soma de Quadrados. Faculdade de Matemática, UFU, MG

Soma de Quadrados. Faculdade de Matemática, UFU, MG Soma de Quadrados Stela Zumerle Soares 1 Antônio Carlos Nogueira (stelazs@gmailcom (anogueira@ufubr Faculdade de Matemática, UFU, MG 1 Resultados Preliminares Historicamente, um problema que tem recebido

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral I

Cálculo Diferencial e Integral I Cálculo Diferencial e Integral I Texto de apoio às aulas. Amélia Bastos, António Bravo Dezembro 2010 Capítulo 1 Números reais As propriedades do conjunto dos números reais têm por base um conjunto restrito

Leia mais

Capítulo 1. Os Números. 1.1 Notação. 1.2 Números naturais não nulos (inteiros positivos) Última atualização em setembro de 2017 por Sadao Massago

Capítulo 1. Os Números. 1.1 Notação. 1.2 Números naturais não nulos (inteiros positivos) Última atualização em setembro de 2017 por Sadao Massago Capítulo 1 Os Números Última atualização em setembro de 2017 por Sadao Massago 1.1 Notação Números naturais: Neste texto, N = {0, 1, 2, 3,...} e N + = {1, 2, 3, }. Mas existem vários autores considerando

Leia mais

r O GABARITO - QUALIFICAÇÃO - Março de 2013

r O GABARITO - QUALIFICAÇÃO - Março de 2013 GABARITO - QUALIFICAÇÃO - Março de 013 Questão 1. (pontuação: 1,5) É dado um retângulo ABCD tal que em seu interior estão duas circunferências tangentes exteriormente no ponto T, como mostra a figura abaixo.

Leia mais

Sistemas de Coordenadas em uma Reta

Sistemas de Coordenadas em uma Reta Capítulo 1 Sistemas de Coordenadas em uma Reta 1.1 AS COORDENADAS DE UM PONTO Seja uma reta. Escolha um ponto O sobre a reta e chame esse ponto de origem. Agora escolha uma direção ao longo de ; digamos,

Leia mais

Triângulos retângulos com lados inteiros: Procurando as hipotenusas

Triângulos retângulos com lados inteiros: Procurando as hipotenusas MATEMÁTICA UNIVERSITÁRIA n o 41 Dezembro/2006 pp. 1 10 Triângulos retângulos com lados inteiros: Procurando as hipotenusas José F. Andrade 1 Introdução O objetivo principal deste artigo é determinar os

Leia mais

Capítulo 1. Os Números. 1.1 Notação. 1.2 Números naturais (inteiros positivos)

Capítulo 1. Os Números. 1.1 Notação. 1.2 Números naturais (inteiros positivos) Capítulo 1 Os Números 1.1 Notação Números naturais: N = {1, 2, 3,...}, mas existem vários autores considerando N = {0, 1, 2, 3,...}. Por isso, é recomendado dizer números positivos, números não negativos,

Leia mais

Breve referência à Teoria de Anéis. Álgebra (Curso de CC) Ano lectivo 2005/2006 191 / 204

Breve referência à Teoria de Anéis. Álgebra (Curso de CC) Ano lectivo 2005/2006 191 / 204 Breve referência à Teoria de Anéis Álgebra (Curso de CC) Ano lectivo 2005/2006 191 / 204 Anéis Há muitos conjuntos, como é o caso dos inteiros, dos inteiros módulo n ou dos números reais, que consideramos

Leia mais

Funções de Green. Prof. Rodrigo M. S. de Oliveira UFPA / PPGEE

Funções de Green. Prof. Rodrigo M. S. de Oliveira UFPA / PPGEE Funções de Green Prof. Rodrigo M. S. de Oliveira UFPA / PPGEE Funções de Green Suponha que queremos resolver a equação não-homogênea no intervalo a x b, onde f (x) é uma função conhecida. As condições

Leia mais

Notas de Aula - Espaços Vetoriais I

Notas de Aula - Espaços Vetoriais I Notas de Aula - Espaços Vetoriais I 1 O espaço vetorial R 2 A definição de espaço vetorial que veremos adiante faz uso da ideia de operações definidas sobre um conjunto. Iniciaremos nosso estudo explorando

Leia mais

Introdução à Teoria de Grupos Grupos cíclicos Grupos de permutações Isomorfismos Teorema de Lagrange Subgrupos normais e grupos quociente

Introdução à Teoria de Grupos Grupos cíclicos Grupos de permutações Isomorfismos Teorema de Lagrange Subgrupos normais e grupos quociente Classes laterais Sejam G um grupo, H um subconjunto de G e a um elemento de G. Usamos as seguintes notações: ah = {ah h H} e Ha = {ha h H}. Definição (Classe lateral de H em G) Seja H um subgrupo do grupo

Leia mais

ALGA I. Bases, coordenadas e dimensão

ALGA I. Bases, coordenadas e dimensão Módulo 5 ALGA I. Bases, coordenadas e dimensão Contents 5.1 Bases, coordenadas e dimensão............. 58 5.2 Cálculos com coordenadas. Problemas......... 65 5.3 Mudanças de base e de coordenadas..........

Leia mais

Anéis de polinómios a várias indeterminadas

Anéis de polinómios a várias indeterminadas Capítulo 2 Anéis de polinómios a várias indeterminadas Todos os resultados, e respectivas demonstrações, deste capítulo são transcritos do livro Polinómios, Textos de Matemática, Vol. 20, Universidade

Leia mais

Figura 4.1: Diagrama de representação de uma função de 2 variáveis

Figura 4.1: Diagrama de representação de uma função de 2 variáveis 1 4.1 Funções de 2 Variáveis Em Cálculo I trabalhamos com funções de uma variável y = f(x). Agora trabalharemos com funções de várias variáveis. Estas funções aparecem naturalmente na natureza, na economia

Leia mais

Aula 05 - Limite de uma Função - Parte I Data: 30/03/2015

Aula 05 - Limite de uma Função - Parte I Data: 30/03/2015 bras.png Cálculo I Logonewton.png Aula 05 - Limite de uma Função - Parte I Data: 30/03/2015 Objetivos da Aula: Definir limite de uma função Definir limites laterias Apresentar as propriedades operatórias

Leia mais

Matemática 1 a QUESTÃO

Matemática 1 a QUESTÃO Matemática a QUESTÃO IME-007/008 Temos que: i) sen 3 x + cos 3 x = (senx + cosx) (sen x senxcosx + cos x) = (senx + cosx) ( senxcosx) ii) sen xcos x = ( + senxcosx) ( senxcosx) Então, a equação dada é

Leia mais

MÉTODOS MATEMÁTICOS. Claudia Mazza Dias Sandra Mara C. Malta

MÉTODOS MATEMÁTICOS. Claudia Mazza Dias Sandra Mara C. Malta MÉTODOS MATEMÁTICOS Claudia Mazza Dias Sandra Mara C. Malta 1 Métodos Matemáticos Aulas: De 03/11 a 08/11-8:30 as 11:00h Ementa: 1. Funções 2. Eq. Diferenciais Ordinárias de 1 a ordem 3. Sistemas de Equações

Leia mais

extensões algébricas.

extensões algébricas. META: Determinar condições necessárias e/ou suficientes para caracterizar extensões algébricas. OBJETIVOS: Ao final da aula o aluno deverá ser capaz de: Reconhecer se uma dada extensão é algébrica. PRÉ-REQUISITOS

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Matemática DIVISORES DE ZERO LIA FEITAL FUSARO

Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Matemática DIVISORES DE ZERO LIA FEITAL FUSARO Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Matemática ANÉIS DE FATORAÇÃO ÚNICA COM DIVISORES DE ZERO LIA FEITAL FUSARO Belo Horizonte 2008 LIA FEITAL FUSARO ANÉIS

Leia mais

Demonstrações. Terminologia Métodos

Demonstrações. Terminologia Métodos Demonstrações Terminologia Métodos Técnicas de Demonstração Uma demonstração é um argumento válido que estabelece a verdade de uma sentença matemática. Técnicas de Demonstração Demonstrações servem para:

Leia mais

< ()& : 555>?

< ()& : 555>? P Ú s Pr s t Pr t Pr r str Pr ss t át P q çõ s r ç s çõ s s é s r r t r Pr r sé rt r P Ú s Pr s t Pr t Pr r str Pr ss t át P q çõ s r ç s çõ s s é s r ss rt çã r s t rt s r q s t s r t çã tít str t r r

Leia mais

Soluções dos trabalhos de 1 a 7

Soluções dos trabalhos de 1 a 7 Universidade Federal Rural do Semiárido-UFERSA Departamento de Ciências Exatas e Naturais Curso: Bacharelado em Ciência e Tecnologia e Computação Disciplina: Álgebra Linear Aluno(a): Soluções dos trabalhos

Leia mais

Polinômios Centrais em Álgebras de Matrizes Rafael Bezerra dos Santos - DMAT - UFMG

Polinômios Centrais em Álgebras de Matrizes Rafael Bezerra dos Santos - DMAT - UFMG Polinômios Centrais em Álgebras de Matrizes Rafael Bezerra dos Santos - DMAT - UFMG Em todo texto, F denotará um corpo, não necessariamente de característica zero, A é uma F -álgebra associativa e F X

Leia mais

Polos Olímpicos de Treinamento. Aula 1. Curso de Teoria dos Números - Nível 3. Divisibilidade 1. Carlos Gustavo Moreira e Samuel Barbosa Feitosa

Polos Olímpicos de Treinamento. Aula 1. Curso de Teoria dos Números - Nível 3. Divisibilidade 1. Carlos Gustavo Moreira e Samuel Barbosa Feitosa Polos Olímpicos de Treinamento Curso de Teoria dos Números - Nível 3 Carlos Gustavo Moreira e Samuel Barbosa Aula 1 Divisibilidade 1 Teorema 1. (Algoritmo da Divisão) Para quaisquer inteiros positivos

Leia mais

Neste módulo, não daremos a definição padrão de determinantes via somatório envolvendo sinais de permutações, pois não há necessidade de entrarmos em

Neste módulo, não daremos a definição padrão de determinantes via somatório envolvendo sinais de permutações, pois não há necessidade de entrarmos em Neste módulo, não daremos a definição padrão de determinantes via somatório envolvendo sinais de permutações, pois não há necessidade de entrarmos em tantos detalhes para os concursos desejados. Assim,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAÚ. 1 a Lista de Exercícios - Comentada - Estruturas Algébricas II Professor Márcio Nascimento

UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAÚ. 1 a Lista de Exercícios - Comentada - Estruturas Algébricas II Professor Márcio Nascimento UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAÚ Coordenação de Matemática 1 a Lista de Exercícios - Comentada - Estruturas Algébricas II - 214.1 Professor Márcio Nascimento 1. Sejam a G com o(a) = n 1 e m Z. Se a

Leia mais

Algoritmo de Euclides Estendido, Relação de Bézout e Equações Diofantinas. O Algortimo de Euclides Estendido. Tópicos Adicionais

Algoritmo de Euclides Estendido, Relação de Bézout e Equações Diofantinas. O Algortimo de Euclides Estendido. Tópicos Adicionais Algoritmo de Euclides Estendido, elação de Bézout e Equações Diofantinas O Algortimo de Euclides Estendido Tópicos Adicionais Tópicos Adicionais O Algoritmo de Euclides Estendido 1 Exercícios Introdutórios

Leia mais

Conceitos Básicos sobre Representações e Caracteres de Grupos Finitos. Ana Cristina Vieira. Departamento de Matemática - ICEx - UFMG

Conceitos Básicos sobre Representações e Caracteres de Grupos Finitos. Ana Cristina Vieira. Departamento de Matemática - ICEx - UFMG 1 Conceitos Básicos sobre Representações e Caracteres de Grupos Finitos Ana Cristina Vieira Departamento de Matemática - ICEx - UFMG - 2011 1. Representações de Grupos Finitos 1.1. Fatos iniciais Consideremos

Leia mais

Introdução à Teoria dos Números - Notas 1 Os Princípios da Boa Ordem e de Indução Finita

Introdução à Teoria dos Números - Notas 1 Os Princípios da Boa Ordem e de Indução Finita Introdução à Teoria dos Números - Notas 1 Os Princípios da Boa Ordem e de Indução Finita 1 Preliminares Neste curso, prioritariamente, estaremos trabalhando com números inteiros mas, quando necessário,

Leia mais

Métodos Matemáticos 2012/2 Notas de Aula Equações Diferencias IV Equações Diferencias Lineares de Segunda Ordem. 22 de outubro de 2012

Métodos Matemáticos 2012/2 Notas de Aula Equações Diferencias IV Equações Diferencias Lineares de Segunda Ordem. 22 de outubro de 2012 Métodos Matemáticos 2012/2 Notas de Aula Equações Diferencias IV Equações Diferencias Lineares de Segunda Ordem A C Tort 22 de outubro de 2012 Uma equação diferencial ordinária linear de segunda ordem

Leia mais

Dedução Indução Contra-exemplos Contradição Contrapositiva Construção Diagonalização

Dedução Indução Contra-exemplos Contradição Contrapositiva Construção Diagonalização Dedução Indução Contra-exemplos Contradição Contrapositiva Construção Diagonalização 1 Provas, lemas, teoremas e corolários Uma prova é um argumento lógico de que uma afirmação é verdadeira Um teorema

Leia mais

Para provar uma implicação se p, então q, é suficiente fazer o seguinte:

Para provar uma implicação se p, então q, é suficiente fazer o seguinte: Prova de Implicações Uma implicação é verdadeira quando a verdade do seu antecedente acarreta a verdade do seu consequente. Ex.: Considere a implicação: Se chove, então a rua está molhada. Observe que

Leia mais

ENSINO ENS. FUNDAMENTAL PROFESSOR(ES) TURNO. 01. A) 83 16 B) 3 2005 D) 103 a. 02. A) 5 2 B) 3 2 C) 6 2 D) a 2006 E) (ab) 3 F) (3a) p 03.

ENSINO ENS. FUNDAMENTAL PROFESSOR(ES) TURNO. 01. A) 83 16 B) 3 2005 D) 103 a. 02. A) 5 2 B) 3 2 C) 6 2 D) a 2006 E) (ab) 3 F) (3a) p 03. SÉRIE 8º ANO OLÍMPICO ENSINO ENS. FUNDAMENTAL PROFESSOR(ES) SEDE ALUNO(A) Nº RESOLUÇÃO TURMA TURNO DATA / / ÁLGEBRA CAPÍTULO POTENCIAÇÃO Exercícios orientados para a sua aprendizagem (Pág. 6 e 7) 0. A)

Leia mais

Teoria da divisibilidade Em k[x]

Teoria da divisibilidade Em k[x] Teoria da divisibilidade Em k[x] META: Obter a propriedade de fatoração única para anéis de polinômios definidos sobre corpos. OBJETIVOS: Ao final da aula o aluno deverá ser capaz de: Estabelecer os principais

Leia mais

Notas de Aulas de Matrizes, Determinantes e Sistemas Lineares

Notas de Aulas de Matrizes, Determinantes e Sistemas Lineares FATEC Notas de Aulas de Matrizes, Determinantes e Sistemas Lineares Prof Dr Ânderson Da Silva Vieira 2017 Sumário Introdução 2 1 Matrizes 3 11 Introdução 3 12 Tipos especiais de Matrizes 3 13 Operações

Leia mais

Axiomatizações equivalentes do conceito de topologia

Axiomatizações equivalentes do conceito de topologia Axiomatizações equivalentes do conceito de topologia Giselle Moraes Resende Pereira Universidade Federal de Uberlândia - Faculdade de Matemática Graduanda em Matemática - Programa de Educação Tutorial

Leia mais

ALGA I. Operadores auto-adjuntos (simétricos e hermitianos). Teorema espectral

ALGA I. Operadores auto-adjuntos (simétricos e hermitianos). Teorema espectral Módulo 9 ALGA I. Operadores auto-adjuntos (simétricos e hermitianos). Teorema espectral Contents 9.1 Operadores auto-adjuntos (simétricos e hermitianos) 136 9. Teorema espectral para operadores auto-adjuntos...........

Leia mais