POLÍTICA DA QUALIDADE, SEGURANÇA DE ALIMENTOS, MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "POLÍTICA DA QUALIDADE, SEGURANÇA DE ALIMENTOS, MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO"

Transcrição

1 1

2 POLÍTICA DA QUALIDADE, SEGURANÇA DE ALIMENTOS, MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO A Pedra Agroindustrial S/A tem como sua principal atividade a produção de cana-de-açúcar, etanol, açúcar e energia elétrica, com unidades de negócios nas regiões nordeste e noroeste do Estado de São Paulo, comprometendo-se em: - Promover a conscientização e comunicação em todos os níveis da Organização e na cadeia produtiva; - Atender aos requisitos legais, estatutários, regulamentares e dos clientes aplicáveis no seu sistema de gestão; - Garantir a sustentabilidade dos negócios e a conformidade dos produtos, processos, cadeia produtiva de alimentos bem como promover um ambiente de trabalho seguro e saudável; - Melhorar continuamente os sistemas de gestão da qualidade, segurança de alimentos, meio ambiente, segurança e saúde do trabalho. Versão 8 2

3 SUMÁRIO Finalidade...5 Responsabilidades...6 Diretrizes de segurança e saúde do trabalho para empresas contratadas...7 Condições gerais - legislação...7 Exigências atuais...8 Documentos a serem apresentados pelo autônomo...8 Documentos a serem apresentados pela empresa contratada no ato da contratação...9 Documentos a serem apresentados mensalmente pela empresa contratada...10 Exigências complementares aplicáveis de acordo com as classes de serviços prestados...11 Empresas que se enquadram nos serviços de Classe A (atividades operac. de baixo risco)...11 Empresas que se enquadram nos serviços de Classe B (atividades operac. de risco elevado)...12 Empresas que se enquadram nos serviços de Classe C (atividades administrativas)...13 Exigências complementares aplicáveis de acordo com a necessidade de capacitação da mão-de-obra...13 Serviço especializado em Segurança e Medicina do Trabalho SESMT...15 Comissão interna de prevenção de acidentes da empresa contratada...16 Integração de saúde segurança e meio ambiente...16 Início de atividade...16 Horários de integração...17 Informações gerais referentes à integração...17 Jornada de trabalho...18 Outras considerações...18 Equipamento de Proteção Individual EPI...18 EPI s obrigatórios e mínimos...19 Amostragem das características dos EPI s...21 Cabe aos funcionários da empresa contratada...23 Cabe à empresa contratada...24 Subcontratação...24 Proteção contra incêndio...24 Uniforme e identificação...24 Situações de emergência...24 Comunicação de acidentes envolvendo funcionários da empresa contratada...26 Transporte de pessoal...27 Veículos...27 Da conservação

4 SUMÁRIO Controles...27 Diretrizes das Regras de Ouro...29 Transporte de materiais...30 Dos equipamentos...31 Gestão de contratos avaliação via check-list dos equipamentos / veículos...31 Instruções de segurança do trabalho de ordem geral...32 Sinalização de advertência...33 Trabalhos em altura acima de 2 metros...33 Cuidados especiais em atividades acima de 2 metros...34 Área de vivência e condições sanitárias...35 Escavações...35 Espaços confinados...35 Serviços a quente...36 Trabalhos com eletricidade (painéis elétricos ou casas de força)...36 Instalações elétricas utilizadas durante a prestação de serviço pessoas não advertidas...37 Solda e corte com maçarico...38 Maçarico...38 Solda elétrica...39 Trabalhos com ar comprimido...39 Trabalhos de demolições e perfurações em pisos e paredes...39 Uso de martelete pneumático...39 Trabalhos com lixadeiras...40 Serra circular / policorte...40 Trabalhos com ferramentas manuais em geral...41 Trabalhos de construção, manutenção e montagem...41 Produtos químicos...41 Organização e limpeza...42 Fatores climáticos topográficos...42 Comunicação...42 Do não cumprimento das obrigações

5 FINALIDADE O Manual de Qualificação em Saúde, Segurança do Trabalho e Meio Ambiente para Prestadores de Serviços da Pedra Agroindustrial S.A. foi preparado com o objetivo de selecionar, orientar e auxiliar as empresas e os profissionais que pretendam se tornar prestadores de serviços da Pedra Agroindustrial acerca dos padrões de saúde, segurança e meio ambiente exigidos na empresa, bem como requerer o cumprimento, na íntegra, das legislações Municipais, Estaduais e Federais, além de outras diretrizes aplicáveis. Em decorrência disso, o presente documento é entregue a cada um dos prestadores de serviços e também poderá ser consultado no site É responsabilidade do prestador de serviço assegurar que os seus representantes, empregados ou subcontratados conheçam, entendam e cumpram com o disposto neste manual. Nota: A observância e cumprimento, em todos os locais de trabalho, do disposto neste Manual, não desobrigam a Contratada do cumprimento de outras disposições que, com relação à matéria, sejam determinadas na legislação federal, estadual e/ou municipal, bem como daquelas oriundas de convenções coletivas de trabalho. 5

6 RESPONSABILIDADES É de responsabilidade da Contratada planejar e executar suas atividades de modo a prevenir incidente e acidente de trabalho, preservando a saúde de seus empregados e o meio ambiente. A Contratada é responsável pelos atos e atitudes de seus empregados, representantes e prepostos, bem como dos empregados, representantes e prepostos de empresas eventualmente por ela subcontratadas, decorrentes da inobservância dos procedimentos de Segurança e Saúde no Trabalho; sua responsabilidade significa também a obrigação de interromper qualquer atividade ou postura que represente risco imediato à Segurança e Saúde das pessoas e que possa causar qualquer impacto (dano) ao Meio Ambiente. Em caso de subcontratação é de responsabilidade da Contratada comunicar à Pedra Agroindustrial S.A., previamente, divulgar e fazer cumprir todas as leis, procedimentos, e qualquer regra estabelecida pela Pedra Agroindustrial S.A. no que diz respeito à Saúde, Segurança e Meio Ambiente. A Contratada deverá nomear uma pessoa responsável, com experiência específica para cumprir as obrigações de Saúde, Segurança e Meio Ambiente. Observação: Representante do Prestador de Serviço: Pessoa física legalmente vinculada à Contratada e por ela designada para administrar os empregados ou subcontratados. Nota: Cabe à empresa Contratada e/ou candidata a ser contratada: a) Cumprir e fazer cumprir as normas de Segurança do Trabalho, Saúde Ocupacional e de Meio Ambiente, conforme disposto nesse manual; b) Instruir seus funcionários, através de ordens de serviço, quanto às pre cauções a serem tomadas no sentido de evitar acidentes do trabalho, doenças ocupacionais e danos ao meio ambiente. c) Divulgar as obrigações e proibições que os funcionários devam conhecer e cumprir. 6

7 CONDIÇÕES GERAIS - LEGISLAÇÃO As empresas contratadas pela Pedra Agroindustrial S.A., bem como quaisquer outras empresas sub-contratadas pelas primeiras, participantes do serviço, estão sujeitas à legislação sobre Segurança e Saúde do Trabalho, à observação dos dispositivos da CLT; da Portaria n.º 3.214, de 08/06/78, do Ministério do Trabalho - considerando inclusive as Normas Regulamentadoras NR, à legislação complementar pertinente, às Normas Técnicas da ABNT, à legislação Municipal, etc. Observações: Os empregados, prepostos e representantes da empresa Contratada bem como os empregados, prepostos e representantes de empresas por ela eventualmente subcontratadas, devem permanecer nas suas áreas de trabalho. Isso é muito importante porque em alguns locais são exigidos equipamentos de proteção específicos. Todas as áreas e dependências da Pedra Agroindustrial S.A. são bem sinalizadas, mas, em caso de dúvida sobre localizações, solicitar orientação a um profissional da Pedra Agroindustrial S.A. As indicações de trânsito devem ser respeitadas; Salas de operação e de comando elétrico são de acesso restrito, salvo se os trabalhos forem realizados nestes locais ou quando o acesso for autorizado ou acompanhado por profissionais da Pedra Agroindustrial S.A.; Locais de trabalho, canteiro de obras e veículos da Contratada estão sujeitos à inspeção, sem aviso prévio; Todos os empregados e/ou subcontratados da Contratada e os autônomos estão sujeitos à revista pessoal, quando da entrada e saída do canteiro de obras, promovida por sua vigilância própria e conforme informação do Setor de Segurança Patrimonial da Pedra Agroindustrial S.A. A Contratada é responsável pela manutenção da segurança no canteiro de obras, certificando-se de que todos os seus empregados, prepostos e representantes, bem como empregados, prepostos e representantes das empresas por ela eventualmente subcontratadas, cumpram os regulamentos de segurança e disciplinares em vigor, sendo responsabilizada por danos pessoais e materiais decorrentes de erros, falhas, negligência, imperícia ou imprudência no seu cumprimento; A guarda e segurança dos veículos, materiais, equipamentos próprios e bens patrimoniais, inclusive cedidos por terceiros, é de exclusiva responsabilidade da Contratada, conforme cláusula padrão estabelecida em contrato; O acesso de fornecedores, visitantes e representantes comerciais às instalações da Pedra Agroindustrial S.A. dar-se-á mediante solicitação direta da Contratada junto a um responsável daquela, o qual deverá autorizar a entrada conforme procedimento interno existente; 7

8 Acesso de veículos: a) Todos os veículos estão sujeitos a fiscalizações de rotina pela segurança patrimonial da Pedra Agroindustrial S.A., não somente por ocasião do acesso pelas portarias como também em suas áreas internas para verificação das condições de segurança e trafegabilidade; b) As irregularidades porventura constatadas nas fiscalizações e blitzs serão objeto de relatórios, que serão encaminhados aos respectivos gerentes de áreas da Pedra Agroindustrial S.A., responsáveis pela atividade e para representantes da Contratada para adoção de providências pertinentes; c) O acesso de veículos de autônomos, tanto para retirada de sucatas e resíduos quanto para entrega de materiais, será controlado pela segurança patrimonial da Pedra Agroindustrial S.A., sendo vedado seu ingresso nas áreas restritas. Os veículos que transportam particulados secos e a granel deverão possuir lona de proteção que evite o derramamento de material nas pistas. *Nota Comunicar ao ARH / SSHT da Pedra Agroindustrial sobre mudanças que afetem a saúde, a segurança e o meio ambiente em suas respectivas atividades. EXIGÊNCIAS ATUAIS DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS PELO AUTÔNOMO Documentação: cópia simples CPF, RG, Atestado de saúde ocupacional, ficha de EPI s e inscrição como contribuinte individual junto ao INSS e Prefeitura; Procure a área jurídica; Contratação indireta só será permitida no caso de brasileiro autônomo de empresa de grande porte, devendo o jurídico analisar antecipadamente e se o autorizado emitir Termo de Responsabilidade; Documento de Inscrição no Órgão de Classe. 8

9 DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS PELA EMPRESA CONTRATADA NO ATO DA CON- TRATAÇÃO, ANTES DE INICIAR A PRESTAÇÃO DE SERVIÇO (NO MÍNIMO COM 02 DIAS DE ANTECEDÊNCIA): Da empresa Cópia do Contrato ou Estatuto Social (inicial e alteração); Cópia do Cartão do CNPJ/CEI; Cópia do Termo de Opção Simples (se for o caso); Cópia da Inscrição Estadual e ou Inscrição Municipal; Cópia do Termo de Abertura do Livro de Registro e ou Ficha de Registro. Dos funcionários utilizados na prestação dos serviços contratados (maiores de 18 anos): Cópia autenticada da Ficha e ou Livro de Registro (com preenchimento completo: Assinatura/ Foto/C.P.F./Endereço e identificação da empresa através carimbo CNPJ); Cópia da C.N.H. para funções de Motorista / Operador de Máquinas / Compatíveis; Cópia do ASO (Atestado Saúde Ocupacional) compatível com o cargo / função / atividade; Atestado de Antecedentes Criminais; Cópia das fichas de treinamentos relacionados à atividade que exercerão; Cópias da ficha individual de EPI s, deverá ser apresentada no ato da contratação ao SSHT, via ARH OBS: O ASO deverá conter no mínimo: a. Nome completo do trabalhador. b. Número de registro de sua identidade. c. Função específica do trabalhador. d. O ASO deverá ser Admissional e tem a validade de 12 meses; e. Indicação dos procedimentos médicos a que foi submetido o trabalhador, incluindo os exames complementares e a data em que foram realizados; f. Definição de apto ou inapto para a função específica que o trabalhador irá exercer, estiver exercendo ou exerceu; g. Data e assinatura do médico encarregado do exame e carimbo contendo seu número de inscrição no Conselho Regional de Medicina. O ASO que tenha em seu corpo a indicação de exames complementares de acordo com a função específica (ECG, EEG, oftalmológico, audiométrico, acuidade visual, campimetria, espirometria, etc) que porventura, surja à necessidade de avaliação, o Serviço Médico da Pedra Agroindustrial S.A. poderá solicitar a cópia original ou fotocópia autenticada para arquivo, sendo devolvidos seus originais; 9

10 Os exames médicos quando apresentarem em seu Atestado de Saúde Ocupacional alguma restrição, esta deverá ser especificada pelo médico do trabalho coordenador do PCMSO, quais as atividades em que o funcionário está restrito, anexando os respectivos exames efetuados. Outros Documentos: Lista com a descrição de todos os equipamentos, ferramentas e materiais que serão utilizadas e quando necessário informar as devidas alterações; Cópias do PPRA Programa de Prevenção de Risco Ambiental e PCMSO Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional conforme as exigências complementares; No caso da desobrigação de constituição da CIPA Comissão Interna de Prevenção de Acidentes, a Contratada deverá nomear e indicar ao Gestor do Contrato um preposto para tratar dos assuntos relativos à segurança e saúde do trabalho. Quando os serviços contratados ou parte deles forem ser realizados por empresa subcontratada, além dos documentos acima listados, esta ainda deverá disponibilizar os seguintes documentos: Cópia simples Contrato entre as partes; Carta para subcontratação de serviços disponível no SSHT da Pedra Agroindustrial; Deverão ser fornecidos com antecedência os dados (nome/data nascimento) dos funcionários contratados pela empresa contratada ou por empresa subcontratada por ela; O fornecimento de E.P.I. (Equipamento Proteção Individual) é de responsabilidade da Contratada e contendo necessidade de EPI S complementares às tarefas a serem desempenhadas, o mesmo deverá tomar as devidas providências antes de iniciar a tarefa. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS MENSALMENTE PELA EMPRESA CONTRATADA E PELA EMPRESA SUBCONTRATADA, SE FOR O CASO: Cópia Guia INSS (GPS); FGTS (GFIP) até dia 15 do mês subsequente; Cópia RE (SEFIP) até dia 15 do mês subsequente à prestação do serviço; Cópia da Folha de Pagamento separada - até dia 15 do mês subsequente à prestação do serviço; Cópia das Fichas de Registro: Na substituição ou inclusão de funcionários - Cópia autenticada antes de iniciar o trabalho e após a disponibilidade do mesmo; Cópia da Rescisão de Contrato de Trabalho - imediatamente ao desligamento do funcionário. 10

11 Importante comentário acerca do item anterior: A liberação do pagamento ficará condicionada ao fornecimento dos documentos que deverão ser entregues mensalmente. O descumprimento das obrigações por parte da Contratada facultará à Pedra Agroindustrial S.A. rescindir o contrato de prestação de serviço imediatamente à infração ter sido detectada, conforme previsto no Contrato de Prestação de Serviço. EXIGÊNCIAS COMPLEMENTARES APLICÁVEIS DE ACORDO COM AS CLASSES DE SERVIÇOS PRESTADOS PELAS EMPRESAS CONTRATADAS: A apresentação dos documentos listados nos tópicos anteriores é obrigatória para toda e qualquer empresa Contratada, independentemente da Classe na qual os serviços por ela prestados estejam inseridos. Existem classes de serviços, no entanto, para os quais são necessários documentos complementares, razão pela qual se faz a distinção abaixo. PARA EMPRESAS QUE SE ENQUADRAM NOS SERVIÇOS DE CLASSE A (ATIVIDADES OPERA- CIONAIS DE BAIXO RISCO): Definição: envolvimento de poucas pessoas e com duração inferior a 8 horas, trabalhos não frequentes (menores que 12 vezes ao ano com intervalos mínimos de 30 dias). Os serviços de baixo risco são aqueles que não envolvem nenhuma das situações abaixo listadas: Trabalho em altura acima de 2 metros; Trabalho com eletricidade em baixa tensão; Trabalho com eletricidade em alta tensão; Trabalho em espaços confinados; Intervenção em equipamentos energizado; Intervenção em vasos sob pressão e/ou fluídos inflamáveis; Operação de equipamentos móveis; Atividades com potencial de geração de aspectos e impactos ambientais significativos; Elevação manual de cargas com mais de 25 Kg; Escavação manual e mecânica; Intervenção em máquinas do processo produtivo. Documentos Necessários: aqueles listados nas páginas anteriores. 11

12 PARA EMPRESAS QUE SE ENQUADRAM NOS SERVIÇOS DE CLASSE B (ATIVIDADES OPERA- CIONAIS DE RISCO ELEVADO): Definição: São as tarefas relacionadas a trabalhos em altura, espaço confinado, eletricidade, vasos de pressão e ou fluídos inflamáveis, operação de máquinas e equipamentos, elevação de carga manual acima de 25 quilos, elevação de carga mecânica, escavações, condução de veículos de grande porte e intervenções em máquinas. Documentos Necessários: Além daqueles exigidos para serviços de Classe A, a empresa contratada deve apresentar antes do início dos serviços: Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA), Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO) NR 7, Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção (PCMAT) NR-18 se aplicável; Atestados de Saúde Ocupacional (ASO) relativos aos exames médicos realizados, previstos pela NR 07 e com os padrões e os protocolos da Pedra Agroindustrial S.A. para saúde ocupacional; Para os serviços de construção civil, a contratada deve apresentar o PCMAT da obra em questão, contemplando todas as fases. Atender as exigências da NR-13 - Caldeiras e Vasos de Pressão. Conceitos: Quanto ao Programa de Prevenção de Riscos Ambientais PPRA, item 9.1.1, da NR-9, fica estabelecida a obrigatoriedade da elaboração e implementação, por parte de todos os empregados e instituições que admitam trabalhadores como empregados, do PPRA, visando à preservação da saúde e da integridade dos trabalhadores, através da antecipação, reconhecimento, avaliação e consequente controle da ocorrência de riscos ambientais existentes ou que venham a existir no ambiente de trabalho, tendo em consideração a proteção do meio ambiente e dos recursos naturais. O Programa deve ser elaborado por um profissional de segurança do trabalho registrado no Ministério do Trabalho ou CREA; O Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional PCMSO, item 7.1.1, da NR-7, fica estabelecida à obrigatoriedade e a implementação, por parte de todos os empregados e instituições que admitam trabalhadores como empregados do Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional PCMSO com o objetivo de promoção e preservação da saúde do conjunto dos seus trabalhadores; 12

13 O Programa de Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção - PCMAT tem por objetivo a implementação de medidas de controle e sistemas preventivos de segurança nos processos, nas condições e no meio ambiente de trabalho na Indústria da Construção em estabelecimentos com 20 ou mais trabalhadores; É de responsabilidade da Empresa Contratada a execução integral dos Programas de Segurança e Saúde; Este programa deve contemplar as exigências do PPRA, do memorial sobre condições e meio ambiente de trabalho nas atividades e operações, levando-se em consideração riscos de acidentes e de doenças do trabalho e suas respectivas medidas preventivas; projeto de instalação das proteções coletivas em conformidade com as etapas de execução da obra; especificação técnica das proteções coletivas e individuais a serem utilizadas; cronograma de implantação das medidas preventivas definidas no PCMAT, layout inicial do canteiro de obras, abrangendo inclusive, previsão de dimensionamento das áreas de vivência e programa educativo contemplando a temática de prevenção de acidentes e doenças do trabalho com sua carga horária. PARA EMPRESAS QUE SE ENQUADRAM NOS SERVIÇOS DE CLASSE C (ATIVIDADES ADMINIS- TRATIVAS): Definição: As documentações mencionadas acima não se aplicam aos prestadores de serviços desta classe, desde que permaneçam em áreas administrativas, como por exemplo, serviços de chaveiro, assessoria e consultoria, manutenção de máquinas de xerox, serviços administrativos. (Em caso de dúvidas, deve ser consultado o responsável dos contratos da Pedra Agroindustrial S.A.) e buscar orientação no ARH / SSHT. Documentos Necessários: Cópia do Contrato ou Estatuto Social (inicial e alteração); Cópia do Cartão do CNPJ/CEI; Cópia do Termo de Opção Simples (se for o caso); Cópia da Inscrição Estadual e ou Inscrição Municipal; Cópia do Termo de Abertura do Livro de Registro e ou Ficha de Registro. EXIGÊNCIAS COMPLEMENTARES APLICÁVEIS DE ACORDO COM A NECESSIDADE DE CAPACI- TAÇÃO DA MÃO-DE-OBRA: Para as funções mencionadas abaixo, há necessidade da apresentação adicional dos seguintes documentos: Eletricista / ajudante de manutenção elétrica: Cópia autenticada dos certificados dos Cursos para atendimento às exigências da NR 10 (Curso 13

14 Básico, Complementar SEP - Sistema Elétrico de Potência Alta Tensão (AT): tensão superior a 1000 volts em corrente alternada ou 1500 volts em corrente contínua, entre fases ou entre fase e terra, etc.). Operador de empilhadeira / guincho / ponte rolante: Cópia autenticada do Curso de Habilitação Específica; Cópia autenticada da C.N.H. Operador de máquinas, tratores e outros equipamentos florestais: Cópia simples C.N. H. (Categoria C); Capacitação para operação de máquinas agrícolas. Motoristas: Cópia autenticada C.N.H compatível com o veículo / carga. Operadores de motosserra: Comprovação do treinamento de capacitação com carga horária mínima de 8 horas conforme item da NR 31 ou NR 12 anexo-1; Trabalhadores em exposição direta que manipulam agrotóxicos, adjuvantes e produtos afins: Comprovação de capacitação profissional com carga mínima de 20 horas, conforme NR 31 item um sistema oficial de Ensino; Cópia do comprovante de qualificação do profissional responsável pelo treinamento, conforme NR 31 item Instrumentista: Cópia autenticada do certificado do Curso técnico de Habilitação. Motoristas cargas perigosas: Cópia autenticada do certificado do Curso de Direção Defensiva; Cópia autenticada do certificado do Curso de Movimentação de Produtos Perigosos; Cópia autenticada da C.N.H. Motoristas de Passageiros: Cópia autenticada do certificado do Curso de Transporte Coletivo; Cópia autenticada da C.N.H. Técnico de segurança: Cópia simples da Carteira de Técnico de Segurança. 14

15 Especialidades relacionadas à profissão de Engenheiro: Cópia simples da Carteira Profissional expedida pelo CREA; Cópia autenticada do CREA do engenheiro responsável; A empresa deverá fornecer ART - Anotação de Responsabilidade Técnica devidamente preenchida, recolhida e assinada pelo engenheiro responsável da empresa. Aviação Agrícola / Sobrevôo ou Taxi Aéreo: Brevê do Piloto; Licença de Operação/Funcionamento da empresa; Certificado de Aeronavegabilidade; Relatório de Manutenção Corretiva e Preventiva da Aeronave. SERVIÇO ESPECIALIZADO EM SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO SESMT A Empresa Contratada deve dimensionar seu SESMT conforme o Quadro II da NR-4 Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho ou NR 31 para Prestadores de Serviço relacionados à área rural, tomando como referência o maior grau de risco constatado entre a Pedra Agroindustrial S.A. e o grau de risco a qual a Empresa Contratada esteja enquadrada na sua atividade principal (ver cadastro do CNPJ). Se a empresa contratada estiver desobrigada a constituir o SESMT de acordo com o quadro II da NR-04 ou NR 31, deverá a mesma designar ou contratar um profissional de Segurança do Trabalho (engenheiro ou técnico) para elaborar e acompanhar o Programa de Segurança e Saúde do Trabalho, conforme disposições da NR-9 - Programa de Prevenção de Riscos Ambientais PPRA e/ou da NR Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção PCMAT de acordo com as características dos trabalhos que serão executados. Neste caso em especial julgamos procedente a presença de um Técnico de Segurança nas prestações de serviço em que a Contratada utilizar-se um número um grupo de funcionários superior a 50 pessoas referente ao contrato em questão. Nota: O SESMT da Pedra Agroindustrial S.A., bem como qualquer preposto da mesma, poderá tomar qualquer medida preventiva ou corretiva que julgar necessária para manter a integridade física e prestar os primeiros socorros aos funcionários da empresa Contratada ou de empresas por ela subcontratadas. A Pedra Agroindustrial S.A. está enquadrada como grau de risco 3, conforme disposto no quadro II da NR4. Portanto, toda empresa com grau de risco 1 ou 2 que vier prestar serviço no interior da Pedra Agroindustrial S.A. também será considerada como grau de risco 3, no mínimo. Se a Contratada já for enquadrado como grau de risco 4, prevalece o maior risco. 15

16 Todas as empresas enquadradas no grau de risco 3 com número inferior a 100 colaboradores e empresas enquadradas no grau de risco 4 com número inferior a 50 colaboradores poderão manter de forma coletiva assessoria de Técnico de Segurança do Trabalho. COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES DA EMPRESA CONTRATADA A empresa Contratada deverá formar a Comissão Interna de Prevenção de Acidentes CIPA, de acordo com o quadro da NR 5, NR 18 ou NR 31 dependendo da sua atividade, regulamentada pela redação da Portaria nº 8, de 23 de fevereiro de 1999, tomando como referência o CNAE Classificação Nacional de Atividade Econômica da empresa do grupo Pedra Agroindustrial S.A. detentora do contrato ou outro item onde a empresa Contratada esteja enquadrada, desde que isso não implique em dimensionamento inferior ao exigido pela NR-5 e NR No caso em que a empresa Contratada for legalmente obrigada a constituir a CIPA, deverá enviar ao gestor do Contrato da Pedra Agroindustrial S.A., a cópia dos certificados do Curso para membros da CIPA, dos funcionários eleitos e/ou indicados. No caso da desobrigação de constituição da CIPA, a empresa deverá nomear e indicar ao gestor do Contrato (empresa Contratada) um preposto para tratar dos assuntos relativos à segurança e saúde do trabalho. Quando solicitado previamente, a empresa Contratada deverá enviar colaborador para assistir, como convidado, às reuniões de CIPA da Pedra Agroindustrial S.A. Aspectos Normativos: NR-5 CIPA do Ministério do Trabalho e Emprego NR-18 PCMAT do Ministério do Trabalho e Emprego NR-31 Segurança e Saúde no Trabalho na Agricultura, Pecuária Silvicultura, Exploração Florestal e Aquicultura do Ministério do Trabalho e Emprego. INTEGRAÇÃO DE SAÚDE, SEGURANÇA E MEIO AMBIENTE INÍCIO DE ATIVIDADE SOMENTE APÓS A VERIFICAÇÃO DOS DOCUMENTOS JUNTO AO ARH E A REALIZAÇÃO DA INTEGRAÇÃO Quando os perigos e riscos associados à atividade forem relevantes, o responsável pelo SESMT (Serviço Especializado em Saúde e Medicina do Trabalho) da empresa Contratada, ou o colaborador designado para representá-la junto à Pedra Agroindustrial S.A. deverá, antes do início das atividades, conhecerem os locais de trabalho, acompanhado por um profissional do setor de Segurança do Trabalho e Saúde da Pedra Agroindustrial S.A. 16

17 Todos os funcionários da empresa Contratada deverão receber treinamento de integração informando os seguintes itens: Política de saúde e segurança da Pedra Agroindustrial S.A.; Importância da comunicação, investigação e análise de acidentes e incidentes; Importância e obrigatoriedade do uso dos EPC Equipamento de Proteção Coletiva e / ou EPI - Equipamento de Proteção Individual. HORÁRIOS DE INTEGRAÇÃO Os funcionários da empresa Contratada ou da empresa por esta subcontratada, deverão comparecer na Pedra Agroindustrial S.A. no mínimo 30 minutos antes do horário definido, para as devidas verificações junto ao ARH / SSHT. Agrícola: De segunda-feira a sexta-feira às 8 horas De terça-feira a quinta-feira às 14 horas Indústria: De segunda-feira a sexta-feira às 8 horas e às 13h30 Nota: Diante de qualquer desvio o SSHT deverá ser consultado; No dia da integração todos os funcionários de terceiros devem estar de posse dos EPI s para a devida avaliação do SSHT; Caso haja dúvidas quanto aos EPI s, a Contratada deve procurar o SSHT da Pedra Agroindustrial S.A. INFORMAÇÕES GERAIS REFERENTES À INTEGRAÇÃO: Todos os empregados de empresas contratadas admitidos após o início dos serviços, deverão participar do Programa Integração de saúde, segurança e meio ambiente da Pedra Agroindustrial S.A; A validade da Integração será em função da vigência do contrato que está em pauta, limitada a 12 meses. Dessa forma, empregados que já tenham passado por integração com período superior a 12 meses deverão realizar a reciclagem; A integração deverá ser realizada nas dependências da Pedra Agroindustrial S.A.,ou diante de negociação entre as partes, poderá ocorrer nas dependências da Contratada. 17

18 JORNADA DE TRABALHO A jornada de trabalho exigida pela empresa contratada ou pela empresa subcontratada por ela, de seus funcionários, deverá respeitar os limites impostos pela CLT. OUTRAS CONSIDERAÇÕES Relações atualizadas das contratadas deverão ser fornecidas à recepção da Pedra Agroindustrial S.A. periodicamente afim de que os vigilantes tomem conhecimento dos funcionários autorizados a adentrarem as dependências da companhia, tendo total liberdade de proibir a entrada caso algum funcionário não constar na listagem ou não portar seu crachá de identificação; Casos não incluídos neste documento deverão ser analisados em conjunto com a Pedra Agroindustrial S.A.; As contratadas devem seguir os procedimentos de Saúde e Segurança da Pedra Agroindustrial S.A., a não ser que elas possuam procedimentos próprios desde que sejam mais restritos que os procedimentos da Pedra Agroindustrial S.A.. Este julgamento deve ser realizado pelo gestor da área e com o Setor de Segurança e Higiene no Trabalho da Pedra Agroindustrial S.A.; A Pedra Agroindustrial S.A. reserva-se no direito de auditar periodicamente as atividades desenvolvidas pela Contratada, objetivando avaliar a performance desta e propor medidas de controle para situações de risco, estas auditorias podem ser realizadas com ou sem aviso prévio e, se necessário, deverá ser acompanhada pelo responsável da Contratada; A empresa contratada deverá nomear uma pessoa responsável. Esta pessoa deverá orientar os contratados e quaisquer subcontratados a trabalharem de acordo com as políticas, princípios e normas de Saúde, Segurança e Meio Ambiente da Pedra Agroindustrial S.A. e todos os requisitos legais aplicáveis. A este responsável caberá todas as atividades de avaliações de riscos, cumprimento das normas e outros aspectos citados acima; Quando uma contratada subcontratar a execução em propriedade da Pedra Agroindustrial S.A., a contratada assumirá integralmente toda a responsabilidade pelo desempenho das atividades da subcontratada, em termos técnicos, de qualidade e saúde e segurança no trabalho. EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL EPI É todo dispositivo de uso individual destinado a proteger a integridade física e a saúde do trabalhador, conforme estabelecido na NR-06 Equipamentos de Proteção Individual - EPI da Portaria de 08/06/78 CA compatível com o risco; 18

19 É utilizado e obrigatório sempre que as medidas de Ordem Geral (EPC Equipamentos de Proteção Coletiva) não ofereçam completa proteção contra os riscos de acidentes do trabalho ou de doenças profissionais e do trabalho. A Empresa Contratada, de acordo com a NR-6, deve fornecer gratuitamente aos seus funcionários os EPI s necessários e adequados à execução dos serviços com segurança, bem como exigir o seu uso, substituí-los quando danificados ou extraviados e fazer sua manutenção e higienização periódica. Todo EPI deve possuir o C.A. Certificado de Aprovação emitido pelo Ministério do Trabalho, que deve estar gravado de forma indelével em seu corpo. É de responsabilidade da Contratada manter um arquivo com cópia de todos os CA s dos EPI`s utilizados pelos seus empregados. Observação: Novos EPI s poderão ser especificados mediante avaliação de risco, em conjunto com o responsável de SSHT Setor de Segurança e Higiene do Trabalho da Pedra Agroindustrial S.A. e da Contratada, caso os trabalhos requeiram novos controles para evitar qualquer tipo de incidentes que comprometa a saúde e a integridade dos empregados ou possa causar danos ao meio ambiente. OS EPI S OBRIGATÓRIOS E MÍNIMOS: Motorista: Óculos de segurança, botina de segurança com bico de aço, luva de raspa ou nitrilon e quando este for de cana inteira será necessário o uso de capacete e cabo protetor de lima. Obs.: Quando for necessário adentrar na indústria ou oficina mecânica haverá a necessidade também do uso de protetor auditivo; Operador de Máquinas: Óculos de segurança, botina de segurança com bico de aço, luva de raspa e/ou nitrilon, protetor auditivo tipo concha ou inserção, cartão de bloqueio e, aos operadores de reboque de cana inteira solicitamos, incluir ainda o uso do capacete de segurança; Mão-de-Obra Operacional que irá exercer atividades na área industrial e oficina mecânica: Óculos de segurança, botina de segurança com bico de aço, luva de raspa e / ou nitrilon, protetor auditivo tipo concha ou inserção e quando mecânico deverá fazer o uso de cartão de bloqueio e luva química (diante de uma possível presença de hidrocarbonetos); Capacete de segurança para área industrial. Nota: Em caso de atividades envolvendo conjuntos de solda oxi-acetilênica, além dos EPI s indicados acima, devem-se adotar: 19

20 Mecanismos contra o retrocesso das chamas nas mangueiras na saída do cilindro e chegada do maçarico (NR 18 item ); Acrescentar o uso dos seguintes EPIs: avental de couro, proteção facial, óculos de maçariqueiro, óculos comum, máscara para serviço de solda e capuz. Serviços de Jateamento: Conjunto de calça e blusão com capuz, equipados com sistema de ar mandado, viseira transparente acrílica com espessura de 5 mm, protetor auditivo e luvas; Atividades Elétricas: Para serviços em eletricidade, com tensão de 220 volts e acima e serviços de bloqueio e desbloqueio de sistemas elétricos, devem ser usados os seguintes EPIs: Vestimentas contra arco-voltaico e fogo repentino, com mangas compridas; Ferramentas tipo VDE ou compatíveis com as especificações da NR 10; Capacete e diante da presença de energia deverá ser utilizado protetor facial específico Classe I; Óculos de proteção modelo Universal; Luvas de vaqueta; Calçado de segurança próprio para eletricistas (com solado injetado isolante, com formato antiderrapante, com biqueira plástica e sem outros componentes metálicos). Para serviços de manobras e manutenção em circuitos de 2,3 Kv, 6,6 Kv, 13,8 Kv e 138 Kv, devem ser usados os seguintes EPIs: Vestimentas contra arco-voltaico e fogo repentino com mangas compridas; Ferramentas tipo VDE ou compatíveis com as especificações da NR 10; Capacete de segurança com viseira em policarbonato Tipo II; Calçado de segurança próprio para eletricistas (com solado injetado isolante, com formato antiderrapante, com biqueira plástica e sem outros componentes metálicos); Óculos de proteção modelo universal; Luvas para alta tensão (20 Kv ou 40 Kv - ASTM/ANSI); Bastão de teste para alta tensão em fibra de vidro, 1.250mm de comprimento, faixa de isolação de 1 a 138 Kv nos casos de trabalhos de manutenção; Vestimentas contra arco-voltaico e fogo repentino para Risco 4. No momento da execução do serviço, a japona deverá estar fechada até a altura da gola. Observação: Para todos os serviços em Eletricidade deve sempre considerar a primeira ação, conforme abaixo. 20

PREFEITURA MUNICIPAL DE ARCOS PCT ADM.2013 a 2016 PCT. Programa de Condições de Trabalho Serviços Terceirizados LOCAL : GUARITAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE ARCOS PCT ADM.2013 a 2016 PCT. Programa de Condições de Trabalho Serviços Terceirizados LOCAL : GUARITAS PCT Programa de Condições de Trabalho Serviços Terceirizados Programa de Gerenciamento e Prevenção de Acidentes no Trabalho com a Utilização de Equipamentos de Proteção Individual EPI S Prefeitura Municipal

Leia mais

Procedimento de Segurança e Medicina do Trabalho na execução de obras e serviços por empresas contratadas

Procedimento de Segurança e Medicina do Trabalho na execução de obras e serviços por empresas contratadas 1. Objetivo Este Procedimento tem como objetivo fixar os requisitos de segurança e medicina do trabalho para as atividades de empresas contratadas, que venham a executar obras e/ou serviços nas dependências

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS ASSUNTO PADRONIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, A SEREM EXECUTADAS PELAS EMPRESAS CONTRATADAS PELA INFRAERO RESPONSÁVEL DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO (DA) GERÊNCIA DE DINÂMICA LABORAL

Leia mais

Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas

Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas Responsável: Diretoria de Administração (DA) Superintendência de Recursos Humanos (DARH) Gerência de Dinâmica Laboral

Leia mais

REQUISITOS DE SEGURANÇA PARA PRESTADORES DE SERVIÇOS

REQUISITOS DE SEGURANÇA PARA PRESTADORES DE SERVIÇOS REQUISITOS DE SEGURANÇA PARA PRESTADORES DE SERVIÇOS 1. EPI s (Equipamentos de Proteção Individuais): Equipamento de Segurança de fabricação nacional ou estrangeira destinado a proteger a integridade física

Leia mais

ANEXO Nº I. Liberação: ¾ Termo de Liberação dos gestores da área solicitante para inicio das atividades; Prorrogação:

ANEXO Nº I. Liberação: ¾ Termo de Liberação dos gestores da área solicitante para inicio das atividades; Prorrogação: ANEXO Nº I Item: SERVIÇO Unidade Requisitante: Código Cadastro: Empresa Contratada Especificações de Segurança, Higiene e Medicina do Trabalho para realização de integração na contratante. 1) Itens obrigatórios

Leia mais

Engenharia de Segurança e Meio Ambiente

Engenharia de Segurança e Meio Ambiente Engenharia de Segurança e Meio Ambiente Introdução A Engemix possui uma equipe de Engenheiros de Segurança e Meio Ambiente capacitada para dar todo subsídio técnico para implantação, operação e desmobilização

Leia mais

Anexo contratual: Health and Safety (HAS)

Anexo contratual: Health and Safety (HAS) Com a premissa fundamental de perpetuar a visão preventiva e o controle eficaz dos riscos operacionais, este anexo contratual determina os princípios legais e gerenciais para a manutenção da integridade

Leia mais

CONDIÇÕES MINÍMAS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA

CONDIÇÕES MINÍMAS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA 1/5 I FINALIDADE Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho. a serem exigidas das prestadoras de serviços. II ABRANGÊNCIA Todas Prestadoras de Serviços contratadas pela CERON. III PROCEDIMENTOS

Leia mais

NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO MECÂNICA DMED E DMEE

NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO MECÂNICA DMED E DMEE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO MECÂNICA DMED E DMEE 1.) CONDIÇÕES BÁSICAS 1.1. As Normas Regulamentadoras aplicáveis aos serviços a

Leia mais

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA TERCEIROS

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA TERCEIROS MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA TERCEIROS ANTES DO INÍCIO DOS TRABALHOS Fornecer cópia deste manual a sua equipe de liderança, e exigir o seu cumprimento de acordo com o Artigo 157 Item I

Leia mais

ANEXO IX NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO CONVITE Nº. 003/2012

ANEXO IX NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO CONVITE Nº. 003/2012 ANEXO IX NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO CONVITE Nº. 003/2012 1.) CONDIÇÕES BÁSICAS 1.1. As empreiteiras que admitam trabalhadores deverão cumprir a Norma Regulamentadora nº

Leia mais

RECURSOS HUMANOS ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL SUMÁRIO

RECURSOS HUMANOS ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL SUMÁRIO TERCEIRIZADAS NA SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 02 2. ÂMBITO... 02 3. CONCEITOS... 02 4. NORMAS APLICÁVEIS E DOCUMENTOS DE REFERÊNCIAS... 03 5. INSTRUÇÕES GERAIS... 03 6. PROCEDIMENTOS... 03 7. CONTROLE DE REGISTROS...

Leia mais

Documentos Obrigatórios em UANs

Documentos Obrigatórios em UANs Documentos Obrigatórios em UANs Profa. Ms Kelly Ribeiro Amichi DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Para o funcionamento de uma UAN, existe a documentação obrigatória exigida pela legislação. Essa documentação deve

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO

NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO NR 1 - Disposições Gerais As Normas Regulamentadoras são de observância obrigatória por

Leia mais

TREINAMENTO NR 10 MÓDULO SEGURANÇA NO TRABALHO Engenheiro/técnico de Segurança no trabalho. 1 0 Dia

TREINAMENTO NR 10 MÓDULO SEGURANÇA NO TRABALHO Engenheiro/técnico de Segurança no trabalho. 1 0 Dia TREINAMENTO NR 10 MÓDULO SEGURANÇA NO TRABALHO Engenheiro/técnico de Segurança no trabalho 1 0 Dia Realizar a apresentação dos participantes 1. Técnica de Lista de presença; apresentação e O multiplicador

Leia mais

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE 1. OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Estas exigências definem os deveres e as responsabilidades da CONTRATADA e estabelecem as orientações, requisitos

Leia mais

SUMÁRIO 1 Finalidade 2 Âmbito de Aplicação 3 Conceitos Básicos 4 Descrição 5 Diretrizes de Segurança e Saúde do Trabalho para Empresas Contratadas

SUMÁRIO 1 Finalidade 2 Âmbito de Aplicação 3 Conceitos Básicos 4 Descrição 5 Diretrizes de Segurança e Saúde do Trabalho para Empresas Contratadas SUMÁRIO 1 Finalidade 2 Âmbito de Aplicação 3 Conceitos Básicos 4 Descrição 5 Diretrizes de Segurança e Saúde do Trabalho para Empresas Contratadas 1 FINALIDADE Estabelecer critérios e padronizar os procedimentos

Leia mais

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP DIVISÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL - DVSS Sumário 1. OBJETIVO...

Leia mais

SESMT SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E EM MEDICINA DO TRABALHO.

SESMT SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E EM MEDICINA DO TRABALHO. EMPRESA Conforme o Art. 157 da CLT - Consolidação das Leis Trabalhistas Cabe às empresas: Cumprir e fazer cumprir as normas de segurança e medicina do trabalho; Instruir os empregados, através de ordens

Leia mais

Guia de Mobilização - Vale

Guia de Mobilização - Vale Guia de Mobilização - Vale 2ª Edição Nov/2015 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. APLICAÇÃO... 3 3. MACRO FLUXO DO PROCESSO DE MOBILIZAÇÃO... 3 3.1. CERTIFICAÇÃO... 3 3.2. CONTRATAÇÃO... 4 3.3. MOBILIZAÇÃO...

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS

DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS 1) OBJETO 1.1) As diretrizes aqui apresentadas tem o objetivo de instruir as empresas contratadas pela, UNILA, quanto

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA ÁS PRESTADORAS DE SERVIÇOS

NORMAS DE SEGURANÇA ÁS PRESTADORAS DE SERVIÇOS NORMAS DE SEGURANÇA ÁS PRESTADORAS DE SERVIÇOS 1 O SESMT Serviço Especializado em Segurança e Medicina do Trabalho elaborou esta norma com o objetivo de estabelecer as condições mínimas no cumprimento

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA DE TRABALHO

INSTRUÇÃO TÉCNICA DE TRABALHO 1 Objetivo Promover a permanente melhoria e contínua compatibilização do trabalho com a prevenção da vida, integridade e patrimônio do SAAE Sorocaba e a promoção da saúde e segurança dos profissionais.

Leia mais

Especificações Técnicas

Especificações Técnicas ANEXO IV Referente ao Edital de Pregão nº. 010/2015 Especificações Técnicas 1. OBJETIVO 1.1. A presente licitação tem como objeto a prestação de serviços para realização de cursos para os colaboradores

Leia mais

MEDIDAS DE CONTROLE COM NORMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS QUE PRESTAM SERVIÇOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA.

MEDIDAS DE CONTROLE COM NORMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS QUE PRESTAM SERVIÇOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA. MEDIDAS DE CONTROLE COM NORMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS QUE PRESTAM SERVIÇOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA. CLAUSULA PRIMEIRA: OBJETIVO. 1.1. Estabelecer diretrizes de

Leia mais

- PPRA - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS. Portaria MTE nº 3214/78 Portaria SSST nº 25, de 29/12/94 Norma Regulamentadora NR 09

- PPRA - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS. Portaria MTE nº 3214/78 Portaria SSST nº 25, de 29/12/94 Norma Regulamentadora NR 09 - PPRA - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS Portaria MTE nº 3214/78 Portaria SSST nº 25, de 29/12/94 Norma Regulamentadora NR 09 - ANÁLISE GLOBAL - DESTAQUE AVIAÇÃO AGRÍCOLA LTDA. - SÃO PEDRO DO

Leia mais

Segurança e Medicina Ocupacional

Segurança e Medicina Ocupacional Segurança e Medicina Ocupacional Este documento apresenta as exigências mínimas para prestadores de serviços, referentes a Segurança e Medicina Ocupacional. 1 - Condições Básicas 1.1 - Plano de Segurança

Leia mais

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO - SST No Brasil a Segurança e Medicina no Trabalho é regulamentada pela portaria 3214/78, atualmente com 36 Normas Regulamentadoras do Ministério

Leia mais

ANEXO V REFERENTE AO EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº 002/2011

ANEXO V REFERENTE AO EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº 002/2011 ANEXO V REFERENTE AO EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº 002/2011 NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO

Leia mais

VM - Zinco - TM Código. Documento de Dados Revisão 1.1 REQUISITOS DE DOCUMENTAÇÃO DE HSMQ E DHO PARA CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS

VM - Zinco - TM Código. Documento de Dados Revisão 1.1 REQUISITOS DE DOCUMENTAÇÃO DE HSMQ E DHO PARA CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS TM--087 Páginas 1 / 13 REQUISITOS DE DOCUMENTAÇÃO DE E DHO PARA CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS Todos os prestadores de serviços para a Votorantim Metais devem apresentar a documentação completa, conforme categoria

Leia mais

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP DIVISÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL - DVSS Sumário 1. OBJETIVO...

Leia mais

Higiene e Segurança no Trabalho

Higiene e Segurança no Trabalho Curso Técnico em Mecânica Integrado ao Ensino Médio. Higiene e Segurança no Trabalho EPI & EPC Joinville, outubro de 2014 Medidas de Proteção no Trabalho Quando se fala em Segurança e Saúde no Trabalho

Leia mais

PROCEDIMENTOS GERAIS DE SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS

PROCEDIMENTOS GERAIS DE SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS PROCEDIMENTOS GERAIS DE SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS 1. Do Objeto A Empresa que firmar contrato com a Universidade São Judas Tadeu, obriga-se a cumprir integralmente os Procedimentos

Leia mais

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 3 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 3 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 3 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP DIVISÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL - DVSS Sumário 1. OBJETIVO...

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS

NORMAS REGULAMENTADORAS NORMAS REGULAMENTADORAS As Normas Regulamentadoras estabelecem critérios e procedimentos obrigatórios relacionados à segurança e medicina do trabalho, que devem ser seguidos por empresas de acordo com

Leia mais

ORDEM DE SERVICO nº 4-2011/PR Unidade Transporte Função: MOTORISTA

ORDEM DE SERVICO nº 4-2011/PR Unidade Transporte Função: MOTORISTA ORDEM DE SERVICO nº 4-2011/PR Unidade Transporte Função: MOTORISTA O Instituto de Assistência dos Servidores Públicos do Estado de Goiás - IPASGO, C.N.P.J. 01.246.693/0001-60, em cumprimento às determinações

Leia mais

CONDIÇÕES MINÍMAS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO.PARA. PRESTADORAS DE SERVIÇOS. MANUTENÇÃO E OPERAÇÃO DE USINA

CONDIÇÕES MINÍMAS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO.PARA. PRESTADORAS DE SERVIÇOS. MANUTENÇÃO E OPERAÇÃO DE USINA 1/7 I FINALIDADE Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho. a serem exigidas das prestadoras de serviços. II ABRANGÊNCIA Todas Prestadoras de Serviços contratadas pela CERON. III PROCEDIMENTOS

Leia mais

ANEXO IV SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO

ANEXO IV SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO ANEXO IV SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO 1. OBJETIVO Definir os deveres e as responsabilidades da Contratada e estabelecer as orientações e procedimentos concernentes às atividades de Segurança e Medicina

Leia mais

NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78

NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78 NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI Publicação D.O.U. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78 Alterações/Atualizações D.O.U. Portaria SSMT n.º 05, de 07 de maio de 1982 17/05/82

Leia mais

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma;

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma; TRABALHO EM ALTURA 36.1 Objetivo e Campo de Aplicação 36.1 Objetivo e Definição 36.1.1 Esta Norma tem como objetivo estabelecer os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura,

Leia mais

Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho. a serem exigidas das prestadoras de serviços.

Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho. a serem exigidas das prestadoras de serviços. 1/7 I FINALIDADE Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho. a serem exigidas das prestadoras de serviços. II ABRANGÊNCIA Todas Prestadoras de Serviços contratadas pela CERON. III PROCEDIMENTOS

Leia mais

Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho. a serem exigidas das prestadoras de serviços.

Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho. a serem exigidas das prestadoras de serviços. 1/6 I FINALIDADE Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho. a serem exigidas das prestadoras de serviços. II ABRANGÊNCIA Todas Prestadoras de Serviços contratadas pela CERON. III PROCEDIMENTOS

Leia mais

Departamento de Água e Esgoto Sanitário de Juína

Departamento de Água e Esgoto Sanitário de Juína 1) DOS OBJETIVOS: 1.1) Disciplinar e normatizar os procedimentos do Setor de Frotas (Transportes); 1.2) Proteger o Patrimônio Público contra o uso indevido, bem como atender a legislação em vigor e evitar

Leia mais

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9)

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) 10.1. Esta Norma Regulamentadora - NR fixa as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalham em instalações

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO DO SETOR ELÉTRICO NO ESTADO DE SÃO PAULO

CONVENÇÃO COLETIVA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO DO SETOR ELÉTRICO NO ESTADO DE SÃO PAULO 1 CONVENÇÃO COLETIVA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO DO SETOR ELÉTRICO NO ESTADO DE SÃO PAULO As empresas concessionárias de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica, representando a categoria

Leia mais

NOVO PRISMA AGRO FLORESTAL

NOVO PRISMA AGRO FLORESTAL NOVO PRISMA AGRO FLORESTAL PROCEDIMENTO INTERNO PARA INGRESSO DE COLABORADORES DAS EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS FLORESTAIS HISTÓRICO DAS REVISÕES: REVISÃO DESCRIÇÃO 01 Criação do procedimento 11/2007

Leia mais

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho DISCIPLINA: Prevenção e Controle de Riscos em Máquinas, Equipamentos e Instalações Aula

Leia mais

Procedimento de Segurança para Terceiros

Procedimento de Segurança para Terceiros Página 1 de 6 1. OBJETIVO Sistematizar as atividades dos prestadores de serviços, nos aspectos que impactam na segurança do trabalho de forma a atender à legislação, assim como, preservar a integridade

Leia mais

PROCEDIMENTO DO SISTEMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROCEDIMENTO DO SISTEMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL TÍTULO : SAÚDE E SEGURANÇA 1. OBJETIVO: Informar, conscientizar e instruir os colaboradores, sobre possíveis riscos inerentes as funções desempenhadas em seu dia a dia do trabalho.

Leia mais

Conceitos básicos em Medicina e Segurança do Trabalho

Conceitos básicos em Medicina e Segurança do Trabalho Conceitos básicos em Medicina e Segurança do Trabalho A Consolidação das Leis do Trabalho foi aprovada pelo decreto-lei nº 5.452, de 1º de maio de l.943. Em seu art. 1º a Consolidação estatui as normas

Leia mais

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes.

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes. SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S NR-1 DISPOSIÇÕES GERAIS O campo de aplicação de todas as Normas Regulamentadoras de segurança e medicina do trabalho urbano, bem como os direitos e obrigações do

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS FAP E NTEP

NORMAS REGULAMENTADORAS FAP E NTEP NORMAS REGULAMENTADORAS FAP E NTEP LEGISLAÇÃO A Portaria n 3214, de 08/06/1978, aprovou as normas regulamentadoras NR do capítulo V, Título II, da CLT, relativas a segurança e medicina do trabalho. Atualmente

Leia mais

ANEXO XI NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO

ANEXO XI NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO ANEXO XI NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO 1 - CONDIÇÕES BÁSICAS 1.1 As normas aplicáveis aos serviços a serem realizados existentes na Portaria 3214/MTB/78 deverão ser seguidas

Leia mais

DIRETRIZ ORGANIZACIONAL

DIRETRIZ ORGANIZACIONAL TÍTULO: REQUISITOS DE MEIO AMBIENTE, SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS Área Responsável: Gerência Geral de Meio Ambiente Saúde e Segurança 1. OBJETIVO Este procedimento tem como

Leia mais

Sistema de Gestão de SMS

Sistema de Gestão de SMS DESCRIÇÃO DA EMPRESA Nome SMART EXPRESS TRANSPORTES LTDA EPP CNPJ 12.103.225/0001-52 Insc.Est. 79.477.680 Atividade: transporte rodoviário de carga em geral Código: 206-2 Nº de funcionários (inclusive

Leia mais

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO 1 Definição ANEXO I (Incluído pela Portaria SIT n.º 15, de 03 de julho de 2007) ANEXO IV PLATAFORMAS DE TRABALHO AÉREO (Alterado

Leia mais

NR 10 - SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE

NR 10 - SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE NR 10: Portaria n.º 598, de 07/12/2004 (D.O.U. de 08/12/2004 Seção 1) Ementas: Portaria n.º 126, de 03/06/2005 (D.O.U. de 06/06/2005 Seção 1) NR 10 - SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE

Leia mais

ANEXO IX. 1.1. As normas aplicáveis aos serviços a serem realizados existentes na Portaria 3214/MTB/78 deverão ser seguidas integralmente.

ANEXO IX. 1.1. As normas aplicáveis aos serviços a serem realizados existentes na Portaria 3214/MTB/78 deverão ser seguidas integralmente. ANEXO IX NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA SERVIÇOS DE REFORMA, CONSTRUÇÃO E MANUTENÇÃO PREVENTINA DE EQUIPAMENTOS DE SUBESTAÇÃO E USINAS 1.) CONDIÇÕES BÁSICAS 1.1. As normas

Leia mais

PCMSO MEDSET QUALIDADE DE VIDA MEDICINA, SEGURANÇA, ENGENHARIA DO TRABALHO

PCMSO MEDSET QUALIDADE DE VIDA MEDICINA, SEGURANÇA, ENGENHARIA DO TRABALHO PCMSO MEDSET QUALIDADE DE VIDA MEDICINA, SEGURANÇA, ENGENHARIA DO TRABALHO MED-SET QUALIDADE DE VIDA 1 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL EMPRESA: BORSARI - ENGENHARIA E MEIO AMBIENTE

Leia mais

NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2)

NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2) Página 1 de 6 NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2) 7.1. Do objeto. 7.1.1. Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece a obrigatoriedade de elaboração e implementação, por parte

Leia mais

Equipamento de Proteção Individual

Equipamento de Proteção Individual Equipamento de Proteção Individual NR 6 Equipamento de Proteção Individual De acordo com a NR-6 da Portaria nº 3214 de 8 de junho de 1978, do Ministério do Trabalho e Emprego, considera-se Equipamento

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Introdução a Segurança do Trabalho Módulo Único

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Introdução a Segurança do Trabalho Módulo Único Curso Técnico Segurança do Trabalho Introdução a Segurança do Trabalho Módulo Único SeÄÅo IX Das InstalaÄÉes ElÑtricas Art. 179 - O Ministério do Trabalho disporá sobre as condições de segurança e as medidas

Leia mais

Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho a serem exigidas das prestadoras de serviços.

Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho a serem exigidas das prestadoras de serviços. 1/5 I FINALIDADE Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho a serem exigidas das prestadoras de serviços. II ABRANGÊNCIA Todas Prestadoras de Serviços contratadas pela CERON. III PROCEDIMENTOS

Leia mais

01 - DADOS GERAIS DA EMPRESA 02 - NÚMERO DE TRABALHADORES (AS) DA EMPRESA. 03 EPI s EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL

01 - DADOS GERAIS DA EMPRESA 02 - NÚMERO DE TRABALHADORES (AS) DA EMPRESA. 03 EPI s EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Rua Doutor Faivre, 888 - Fone: (41) 3264-4211 Fax: (41) 3264-4292 01 - DADOS GERAIS DA EMPRESA NOME: CNPJ: ENDEREÇO: MUNICÍPIO: CEP: FONE / FAX: PROPRIETÁRIO: ENCARREGADO: 02 - NÚMERO DE TRABALHADORES

Leia mais

International Paper do Brasil Ltda

International Paper do Brasil Ltda International Paper do Brasil Ltda Autor do Doc.: Editores: Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Título: Tipo do Documento: SubTipo: Equipamentos de Transporte

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS

NORMAS REGULAMENTADORAS NORMAS REGULAMENTADORAS De que trata cada Norma Regulamentadora (NR), urbanas e rurais. Nos links (sublinhados), você pode conferir o texto original das Normas, direto no site do Ministério do Trabalho

Leia mais

1.2 EXAME MÉDICO MÓDULO 1 ADMISSÃO

1.2 EXAME MÉDICO MÓDULO 1 ADMISSÃO MÓDULO 1 ADMISSÃO 1.2 EXAME MÉDICO ESTE FASCÍCULO SUBSTITUI O DE IGUAL NÚMERO ENVIADO ANTERIORMENTE AOS NOSSOS ASSINANTES. RETIRE O FASCÍCULO SUBSTITUÍDO, ANTES DE ARQUIVAR O NOVO, PARA EVITAR A SUPERLOTAÇÃO

Leia mais

ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES

ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES 1. JUSTIFICATIVA 1.1. Motivação para a Contratação: A contratação constante do objeto em questão é justificada em virtude do término do atual contrato; da impreterível necessidade

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PÁG. 1/11 1. OBJETIVO Identificar os riscos envolvidos em cada passo da tarefa, estabelecer salvaguardas que garantam a eliminação ou controle dos riscos identificados. Essa ferramenta deve ser utilizada

Leia mais

MANUAL PARA MONTADORAS

MANUAL PARA MONTADORAS 1. PERÍODO DE REALIZAÇÃO DO EVENTO: De 13 a 17 de Abril de 2015, das 08:00 às 18:00h. MANUAL PARA MONTADORAS 2. PERÍODO DE MONTAGENS E DESMONTAGENS DOS STANDS Período de montagem de stands será de 23/03/2015

Leia mais

Checklist aplicável ao Fornecedor ou Subcontratado e Pontuação

Checklist aplicável ao Fornecedor ou Subcontratado e Pontuação Checklist aplicável ao Fornecedor ou Subcontratado e Pontuação Segue abaixo checklist que será utilizado na auditoria no fornecedor ou subcontratado das empresas signatárias.. Formalização da Empresa Peso.

Leia mais

GESMS. Gerência de Engenharia, Saúde, Meio Ambiente e Segurança. Prevencionista da SMS EM OBRAS

GESMS. Gerência de Engenharia, Saúde, Meio Ambiente e Segurança. Prevencionista da SMS EM OBRAS Análise Prevencionista da Tarefa - APT SMS EM OBRAS INTRODUÇÃO Nos slides a seguir, estamos divulgando a APT que é uma ferramenta que complementa a AST, analisando o passo a passo e pontos de atenção das

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA PARA EMPREITEIRAS E PRESTADORES DE SERVIÇOS GERAIS DE EMERGÊNCIA EM REDES DE DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA PARA EMPREITEIRAS E PRESTADORES DE SERVIÇOS GERAIS DE EMERGÊNCIA EM REDES DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA PARA EMPREITEIRAS E PRESTADORES DE SERVIÇOS GERAIS DE EMERGÊNCIA EM REDES DE DISTRIBUIÇÃO Autor(es) Lisandro DSSO Data: Julho / 2007 REVISÃO Autor(es)

Leia mais

Regulamentação do MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO

Regulamentação do MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO Regulamentação do MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO Normas de segurança 1802 INGLATERRA - FRANÇA COMISSÕES DE FÁBRICAS 1923 BRASIL: NA LIGHT RIO DE JANEIRO É CRIADA A PRIMEIRA COMISSÃO DE FÁBRICA 1968 Portaria

Leia mais

Procedimento Institucional Gestão de EPI

Procedimento Institucional Gestão de EPI Tipo de Documento Procedimento Institucional Título do Documento Equipamento de Proteção Individual Elaborado por Paulo Sérgio Bigoni Área Relacionada Saúde e Segurança do Trabalhador Processo ESTRUTURAÇÃO

Leia mais

Regulamentação do MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. Normas de segurança

Regulamentação do MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. Normas de segurança Regulamentação do MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO Normas de segurança 1802 INGLATERRA - FRANÇA COMISSÕES DE FÁBRICAS 1923 1968 BRASIL: NA LIGHT RIO DE JANEIRO É CRIADA A PRIMEIRA COMISSÃO DE FÁBRICA Portaria

Leia mais

Normas de Segurança para o Instituto de Química da UFF

Normas de Segurança para o Instituto de Química da UFF Normas de Segurança para o Instituto de Química da UFF A Comissão de segurança do Instituto de Química da UFF(COSEIQ) ao elaborar essa proposta entende que sua função é vistoriar, fiscalizar as condições

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇÃO / CHECK LIST EM MARMORARIAS

LISTA DE VERIFICAÇÃO / CHECK LIST EM MARMORARIAS LISTA DE VERIFICAÇÃO / CHECK LIST EM MARMORARIAS Manuel Adacio Ramos Paulo Médico do Trabalho Subgerência da Vigilância em Saúde do Trabalhador/GVISAM Coordenação de Vigilância em Saúde/SMS/PMSP LISTA

Leia mais

Gerenciamento de Obras. Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões

Gerenciamento de Obras. Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões Gerenciamento de Obras Prof. Dr. Ivan Xavier Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões Fases do Gerenciamento: 3. Operação e controle da obra. 3. Operação e controle da obra: Reunião de partida da obra;

Leia mais

A GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

A GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO R & W Engenharia Fundada em 19 de abril de 1991. Prestação de serviços em segurança do trabalho atendendo em especial as NRs6, 9, 13, 15, 16 e 17 com emissão de laudos técnicos. Treinamentos como: Cipa,

Leia mais

Secretaria da Administração

Secretaria da Administração Secretaria da Administração Procedimento para Elaboração de Programas de Segurança para Empresas Contratadas PCMSO / PPRA / PCMAT / ARO Revisão 00 2014 1. Objetivo Estabelecer as exigências mínimas sobre

Leia mais

INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE SEGURANÇA 02 sem 2009 PROF. DANIEL BRAATZ DEP/UFSCar TEXTO 03

INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE SEGURANÇA 02 sem 2009 PROF. DANIEL BRAATZ DEP/UFSCar TEXTO 03 INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE SEGURANÇA 02 sem 2009 PROF. DANIEL BRAATZ DEP/UFSCar TEXTO 03 Normas Regulamentadoras do trabalho, trabalho rural..objetivos ESPECÍFICOS Apresentar o modelo legal de organização,

Leia mais

NORMA PROCEDIMENTAL SEGURANÇA NO AMBIENTE DE TRABALHO E USO DO EPI 1. FINALIDADE

NORMA PROCEDIMENTAL SEGURANÇA NO AMBIENTE DE TRABALHO E USO DO EPI 1. FINALIDADE 50.05.007 1/10 1. FINALIDADE Regulamentar a utilização do Equipamento de Proteção Individual EPI, no âmbito da UFTM, visando proporcionar condições de trabalho mais seguras, evitar o risco de acidentes

Leia mais

SEGURANÇA NO TRABALHO. Eng. Daiana Paterno

SEGURANÇA NO TRABALHO. Eng. Daiana Paterno SEGURANÇA NO TRABALHO Eng. Daiana Paterno ATUALMENTE?? PORQUE? O cenário atual da Segurança e Saúde no Trabalho no Brasil ainda é muito distante do desejável. A Previdência Social registra, anualmente,

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial sem autorização Locatec-2012. GUINCHO VELOX e HUCK

MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial sem autorização Locatec-2012. GUINCHO VELOX e HUCK MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA GUINCHO VELOX e HUCK ÍNDICE INTRODUÇÃO... 2 1. INFORMAÇÕES TÉCNICAS... 2 2. PROCEDIMENTOS GERAIS DE SEGURANÇA... 2 2.1. USO DOS GUINCHOS... 3 2.2. LUBRIFICAÇÃO... 3 2.3.

Leia mais

ESCOPO DE FORNECIMENTO DOS DOCUMENTOS DO PROJETO 3RFOLLOWGOGREENER Pág. 1 de 6

ESCOPO DE FORNECIMENTO DOS DOCUMENTOS DO PROJETO 3RFOLLOWGOGREENER Pág. 1 de 6 3RFOLLOWGOGREENER Pág. 1 de 6 Projeto N o Data de entrada: 3RFollowGoGreener-001-10-2010 Data de saída: Título do Projeto: Programa 3RFollowGoGreener - Sistema Follow é composto por Modelos de Documentos

Leia mais

ANEXO X. Referente ao Edital de Tomada de Preços nº. 001/2016

ANEXO X. Referente ao Edital de Tomada de Preços nº. 001/2016 ANEXO X Referente ao Edital de Tomada de Preços nº. 001/2016 NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO Página 1 de 5 1 - CONDIÇÕES BÁSICAS 1.1 As normas aplicáveis aos serviços a serem

Leia mais

Sinalização. Catálogo de Placas EXTINTOR DE INCÊNDIO 164,2/21,3-2.329-K-W/ 10.513.146/0001-94

Sinalização. Catálogo de Placas EXTINTOR DE INCÊNDIO 164,2/21,3-2.329-K-W/ 10.513.146/0001-94 Sinalização Catálogo de Placas EXTINTOR DE INCÊNDIO 164,2/21,3-2.329-K-W/ 10.513.146/0001-94 Materiais VINIL AUTO-ADESIVO PVC / PS Utilizado em ambientes internos e externos. Pode ser confeccionado com

Leia mais

CONDIÇÕES MINÍMAS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO.PARA. PRESTADORAS DE SERVIÇOS.

CONDIÇÕES MINÍMAS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO.PARA. PRESTADORAS DE SERVIÇOS. 1/7 I FINALIDADE Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho. a serem exigidas das prestadoras de serviços. II ABRANGÊNCIA Todas Prestadoras de Serviços contratadas pela CERON. III PROCEDIMENTOS

Leia mais

ANEXO XII NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA MANUTENÇÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA CONCORRÊNCIA 001/2014

ANEXO XII NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA MANUTENÇÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA CONCORRÊNCIA 001/2014 ANEXO XII NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA MANUTENÇÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA CONCORRÊNCIA 001/2014 1.) CONDIÇÕES BÁSICAS 1.1. As normas aplicáveis aos serviços a serem realizados

Leia mais

NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (206.000-0/I0)

NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (206.000-0/I0) NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (206.000-0/I0) 6.1 Para os fins de aplicação desta Norma Regulamentadora NR, considera-se Equipamento de Proteção Individual EPI, todo dispositivo ou produto, de

Leia mais

Treinamento e qualificação de operadores de Plataformas de Trabalho Aéreo

Treinamento e qualificação de operadores de Plataformas de Trabalho Aéreo Treinamento e qualificação de operadores de Plataformas de Trabalho Aéreo Principais tipos de plataformas aéreas Mastro Telescópica Tesoura Unipessoal Articulada A segurança As plataformas foram desenvolvidas

Leia mais

ANEXO III - EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE Página 1 de 7

ANEXO III - EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE Página 1 de 7 Página 1 de 7 1. OBJETIVO 1.1. Estas exigências definem os deveres e as responsabilidades da CONTRATADA e estabelecem as orientações e procedimentos concernentes às atividades de Segurança, Proteção ao

Leia mais

Blog Segurança do Trabalho WWW.BLOGSEGURANCADOTRABALHO.COM.BR

Blog Segurança do Trabalho WWW.BLOGSEGURANCADOTRABALHO.COM.BR NOME DA EMPRESA CHECK LIST - NORMA REGULAMENTADORA Nº 10 Empresa: Inspetor (es): Data da Inspeção: / / Responsável pelo Local de Trabalho / Setor: Local de Trabalho / Setor: ITENS DESCRIÇÃO SIM DA INSPEÇÃO

Leia mais

MANUAL DE DIRETRIZES DE SGSSO PARA PRESTADORES DE SERVIÇO E DE FORNECEDORES CRÍTICOS.

MANUAL DE DIRETRIZES DE SGSSO PARA PRESTADORES DE SERVIÇO E DE FORNECEDORES CRÍTICOS. MANUAL DE DIRETRIZES DE SGSSO PARA PRESTADORES DE SERVIÇO E DE FORNECEDORES CRÍTICOS. Este manual de Diretrizes para Fornecedores e Prestadores de Serviço, tem como objetivo: informar os requisitos necessários

Leia mais

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos;

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos; Os 32 itens da NR-32 a serem trabalhados nesta primeira etapa do projeto 32 para implantação nos estabelecimentos de saúde até 2009 foram selecionados e estudados pela diretoria do Sinsaúde por serem os

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS

NORMAS REGULAMENTADORAS NORMAS REGULAMENTADORAS NORMAS REGULAMENTADORAS ( NR ) PORTARIA Nº 3.214, DE 08 DE JUNHO DE 1978 O MINISTRO DO ESTADO, no uso de suas atribuições legais, considerando o disposto no artigo 200, da Consolidação

Leia mais