ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST)"

Transcrição

1 S U P E R I N T E N D Ê N C I E S T D U L D O E I O B I E N T E Conselho de Políticas e Gestão do eio mbiente - CONP Superintendência Estadual do eio mbiente SECE Fones: (0**85) / Recepção Fax tendimento: (0**85) NÁLISE DOCUENTL (CHECK LIST) TIVIDDES INDUSTRIIS CÓDIGO a GRUPO/TIVIDDES INDÚSTRI PPD Indústria de Beneficiamento de Borracha Beneficiamento de Borracha Natural; Fabricação de Espuma de Borracha e de rtefatos de Borracha, inclusive látex; Fabricação e Recondicionamento / Recuperação de Pneumáticos; Outros Indústria de Beneficiamento de Couros e Peles cabamentos de Couros e Peles; Curtume e outras Preparações de Couros e Peles; Fabricação de rtefatos diversos de Couros e Peles; Fabricação de Cola animal; Secagem e Salga de Couros e Peles; Outros Indústria de Beneficiamento de Fumo tividades de Beneficiamento de Fumo; Fabricação de Cigarros, Charutos, Cigarrilhas e similares; Outros Indústria de Beneficiamento de adeira Fabricação de rtefatos de adeira; Fabricação de Chapas, Placas de adeira glomerada, Prensada e Compensada; Fabricação de Estruturas de adeira e de óveis; Fabricação de Lápis, Palitos e outros; Preservação e Tratamento de adeira; Serraria e Desdobramento de adeira; Outras Indústria de aterial de Transporte Fabricação de Carrocerias, Tanques e Caçambas para caminhões; Fabricação de Peças e cessórios Fabricação e ontagem de eronaves Fabricação e ontagem de Veículos Ferroviários; Fabricação e ontagem de Veículos Rodoviários; Fabricação e Reparo de Embarcações e Estruturas Flutuantes; Outros Indústria de aterial Elétrico, Eletrônico e de Comunicação Fabricação de ateriais e Componentes GRUPENTO NORTIVO INDÚSTRI INDÚSTRI INDÚSTRI INDÚSTRI INDÚSTRI

2 S U P E R I N T E N D Ê N C I E S T D U L D O E I O B I E N T E Conselho de Políticas e Gestão do eio mbiente - CONP Superintendência Estadual do eio mbiente SECE Fones: (0**85) / Recepção Fax tendimento: (0**85) Elétricos e Eletrônicos; Fabricação de parelhos e Equipamentos Elétricos, Eletrônicos, Eletrodomésticos, Informática e Telecomunicações; Fabricação de Componentes Eletromecânicos; Fabricação de Pilhas, Baterias e Outros cumuladores; Recuperação de Transformadores; Outros Indústria de Beneficiamento de Papel e Celulose Fabricação de rtefatos de Papel, Papelão, Cartolina, Cartão e Fibra Prensada; Fabricação de Celulose e Pasta ecânica; Fabricação de Papel e Papelão a partir da celulose; Transformação e Comercialização de Papel, inclusive Reciclados; Outros Indústria de Produtos limentares e Bebidas groindústria; Beneficiamento de Sal; Beneficiamento, oagem, Torrefação e Fabricação de Produtos limentícios; Destilaria de Álcool Engarrafamento e Gaseificação de Água ineral Fabricação de guardente de Cana-de-açúcar; Fabricação de Bebidas lcoólicas; Fabricação de Bebidas não lcoólicas; Fabricação de Cerveja, Chopes e altes; Fabricação de Conservas; Fabricação de Doces; Fabricação de Farinha de Trigo; Fabricação de Fermentos e Leveduras; Fabricação de Frios e Derivados de Carne; Fabricação de assas limentícias; Fabricação de Produtos Naturais; Fabricação de Rações Balanceadas e de limentos Preparados para nimais; Fabricação de Rapadura e çúcar ascavo; Fabricação de Vinhos e Vinagre; Indústria de Beneficiamento de Coco; Indústria de Beneficiamento de Pimenta alagueta; atadouros, batedouros, Frigoríficos, Charqueadas e Derivados de Origem nimal; icrodestilaria de Álcool; Preparação de Pescados e Fabricação de Conservas de Pescado; Preparação, Beneficiamento e Industrialização de Leite e Derivados Laticínios; Processamento de Frutas; Produção de limentos Congelados; INDÚSTRI INDÚSTRI INDÚSTRI

3 S U P E R I N T E N D Ê N C I E S T D U L D O E I O B I E N T E Conselho de Políticas e Gestão do eio mbiente - CONP Superintendência Estadual do eio mbiente SECE Fones: (0**85) / Recepção Fax tendimento: (0**85) Refino / Preparação de Óleo e Gordura Vegetal; Usina de çúcar e Álcool; Outros Indústria de Produtos de atéria Plástica Fabricação de rtefatos de aterial Plástico; P Fabricação de Componentes Termoplásticos; P Fabricação de Laminados Plásticos; P Fabricação de óveis de Plástico; P Fabricação de Plástico; P Indústria de Produtos Plásticos Tipo PVC e derivados; P Indústria de Sacos de Ráfia e Tecidos Plásticos; P Produção de Espuma Plástica; P Reciclagem de Plásticos; Outros Indústria ecânica Fabricação de áquinas, Peças, Utensílios e cessórios com Tratamento Térmico e sem Tratamento de Superfície; Fabricação de áquinas, Peças, Utensílios e cessórios com Tratamento e Tratamento de Superfície; Fabricação de áquinas, Peças, Utensílios e cessórios sem Tratamento Térmico e com Tratamento de Superfície; Fabricação de áquinas, Peças, Utensílios e cessórios sem Tratamento Térmico e sem Tratamento de Superfície; Fabricação de Instalações Frigoríficas; Fabricações de áquinas de Costuras; Fabricação de Refrigeradores; Fabricação de Ventiladores; Fabricação e ontagem de erogeradores Indústria de Geradores Eólicos e Elétricos Indústria etalmecânica; Industrialização de Sistemas Energéticos; anutenção Industrial ontagem de Bombas Hidráulicas Outros Indústria etalúrgica rtefatos de Ferro / ço e de etais Não Ferrosos com Tratamento de Superfície, inclusive Galvanoplastia; rtefatos de Ferro / ço e de etais Não Ferrosos sem Tratamento de Superfície; Fabricação de ço e de Produtos Siderúrgicos; Fabricação de rtefatos de lumínio; Fabricação de utopeças para Veículos; Fabricação de Componentes para erogeradores; Fabricação de Embalagens etálicas; Fabricação de Estruturas etálicas com Tratamento de Superfície inclusive INDÚSTRI INDÚSTRI

4 S U P E R I N T E N D Ê N C I E S T D U L D O E I O B I E N T E Conselho de Políticas e Gestão do eio mbiente - CONP Superintendência Estadual do eio mbiente SECE Fones: (0**85) / Recepção Fax tendimento: (0**85) Galvanoplastia; Fabricação de Estruturas etálicas sem Tratamento de Superfície; Fabricação de óveis de ço; Fabricação de óveis e Estruturas etálicas; etalurgia de etais Preciosos; etalurgia de Retificação de Peças de áquinas Industriais; etalurgia de Pó, inclusive Peças oldadas / Estamparia; etalurgia dos etais Não Ferrosos, em formas primárias e secundárias, inclusive Ouro Produção de Fundidos de Ferro e ço / Forjados / rames / Laminados com Tratamento de Superfície, inclusive Galvanoplastia; Produção de Fundidos de Ferro e ço / Forjados / rames / Laminados sem Tratamento de Superfície; Produção de Laminados / Ligas / rtefatos de etais Não Ferrosos com Tratamento de Superfície, inclusive Galvanoplastia; Produção de Soldas e nodos; Produção de Soldas e nodos; Relaminação de etais Não-Ferrosos, inclusive Ligas; Serviços de Tratamento de Superfície, inclusive Galvanoplastia; Siderurgia; Têmpera e Cementação de ço, Recozimento de rames, Tratamento de Superfície; Tratamento de etais; Outros Indústria Química Beneficiamento de Cloro; Fabricação de rtefatos de Fibra Sintética; Fabricação de Carvão; Fabricação de Combustíveis Não-Derivados de Petróleo; Fabricação de Concentrados romáticos Naturais, rtificiais e Sintéticos; Fabricação de Saneantes, Inseticidas, Germicidas e Fungicidas; Fabricação de Espuma de Baixa Densidade; Fabricação de Fertilizantes e groquímicos; Fabricação de Fios de Borracha e Látex Sintéticos; Fabricação de Fósforo de Segurança e rtigos Pirotécnicos; Fabricação de Perfumaria e Cosméticos; Fabricação de Pólvora / Explosivos / Detonantes e unição para caça / Desportos; Fabricação de Domissanitários: Preparados para limpeza e Polimento; Fabricação de Produtos Derivados do Processamento de adeira; INDÚSTRI

5 S U P E R I N T E N D Ê N C I E S T D U L D O E I O B I E N T E Conselho de Políticas e Gestão do eio mbiente - CONP Superintendência Estadual do eio mbiente SECE Fones: (0**85) / Recepção Fax tendimento: (0**85) Fabricação de Produtos Derivados do Processamento de Petróleo; Fabricação de Produtos Derivados do Processamento de Rochas Betuminosas; Fabricação de Produtos Farmacêuticos e Veterinários; Fabricação de produtos Químicos para Borracha; Fabricação de Produtos Químicos para Calçados; Fabricação de Resinas para Lonas de Freio; Fabricação de Resinas, Fibras e Fios rtificiais e Sintéticos; Fabricação de Sabão; Fabricação de Sabões, Detergentes e Velas; Fabricação de Solventes e Graxas; Fabricação de Solventes e Secantes; Fabricação de Tintas em Pó, Solventes e Corantes; Fabricação de Tintas e desivos; Fabricação de Tintas, Vernizes, Esmaltes, Lacas e Impermeabilizantes; Fabricação de Concentrados de Cor para Plásticos; Fabricação de Princípios tivos e Defensivos grícolas; Recuperação de Extintores de Incêndio; Indústria e Comércio de Gases e Equipamentos; Produção de Álcool Etílico, etanol e Similares; Produção de Óleos / Gorduras e Ceras Vegetais e nimais; Produção de Óleos Essenciais, Vegetais e Produtos Similares, da Destilação da adeira; Produtos de Substâncias e Fabricação de Produtos Químicos; Produção de rgamassa e assa de Reboco Especiais para Construção Civil; Produção de CO²; Produção de Gorduras Vegetais Hidrogenadas Produção de Oxigênio Gasoso; Recuperação e Refino de Solventes, Óleos inerais, Vegetais e nimais; Reembalagem de Produtos Químicos (Soda Cáustica); Refinaria de Petróleo; Tancagem de Hidrocarbonetos e Álcool; Outros Indústria Têxtil, de Vestuário, Calçados e rtefatos de Tecidos, Couro e Peles Beneficiamento de Fibras Têxteis, Vegetais, de origem nimal e sintéticos; Confecções; P Fabricação de rtigos de Cama, esa e P Banho; INDÚSTRI

6 S U P E R I N T E N D Ê N C I E S T D U L D O E I O B I E N T E Conselho de Políticas e Gestão do eio mbiente - CONP Superintendência Estadual do eio mbiente SECE Fones: (0**85) / Recepção Fax tendimento: (0**85) Fabricação de Calçados e Componentes para Calçados; Fabricação de Edredons e antas; P Fabricação de Entretelas e Colarinhos; P Fabricação de Estofados; Fabricação de Etiquetas de Poliéster; P Fabricação de Fitas Têxteis; P Fabricação de Sandálias e Solas para Calçados; Fabricação de Zíper; Fiação de lgodão sem tingimento; Fiação e Tecelagem sem tingimento; Indústria Têxtil com tingimento; alharia, Tinturaria / Tingimento, cabamento e Estamparia; Outros cabamentos em peças do Vestuário e rtigos Diversos de Tecidos; Processamento de Sementes de lgodão; Outros Indústrias Diversas Beneficiamento de Vidros; Fabricação de rtefatos de Cimento / Concreto Fabricação de rtefatos de Fibra de Vidro; Fabricação de Chapéu de Palha com tratamento; Fabricação de Chapéu de Palha sem tratamento P Fabricação de Colchões; Fabricação de Giz Escolar; P Fabricação de Isolantes Térmicos; Fabricação de Lentes; P Fabricação de Redes; Fabricação de Semi-Jóias (Bijouterias) sem banho; P Fabricação de Semi-Jóias (Bijouterias) com banho; Fabricação de Utensílios Domésticos; Gráficas e Editoras; Lavanderia Industrial; Produção de Vidros e Similares; Produção de Emulsões sfálticas; Produção de istura sfáltica; Usina de sfalto; Usina de Produção de Concreto; Usina óvel de reia sfáltica(usina a quente) Outros INDÚSTRI INDÚSTRI

7 S U P E R I N T E N D Ê N C I E S T D U L D O E I O B I E N T E Conselho de Políticas e Gestão do eio mbiente - CONP Superintendência Estadual do eio mbiente SECE Fones: (0**85) / Recepção Fax tendimento: (0**85) INDÚSTRI (Códigos:13.00; 14.00; 15.00; 16.00; 17.00; 18.00; 19.00; 20.00; 21.00; 22.00; 23.00; 24.00; 25.00; 26.00) LICENÇ PRÉVI LP - Não autoriza o inicio das obras nem o de qualquer outro tipo de atividade. Concedida na fase preliminar do planejamento do empreendimento ou atividade, aprova sua localização e concepção, estabelecendo os requisitos básicos, estudos e condicionantes a serem atendidos nas próximas fases de sua implementação. Nesta fase será definida a necessidade ou não de Estudo de Impacto mbiental e respectivo Relatório de Impacto mbiental - EI/RI ou de outros estudos específicos, conforme Termo de Referência expedido pela SECE. SI DISCRIINÇÃO Requerimento on line (gerado no agendamento eletrônico) a ser impresso e assinado pelo representante legal do empreendimento, conforme contrato social ou estatuto, ou o seu procurador, mediante apresentação de instrumento procuratório acompanhado de documento de identificação com foto do outorgante e do outorgado. Para pessoa jurídica: Cópia da Identificação de Pessoa Jurídica (CNPJ) atualizado e do contrato social mais último aditivo, ou comprovante de inscrição de empresario individual; Para pessoa física: Cadastro de Pessoa Física (CPF) e documento de identificação com foto do outorgante e do outorgado. atrícula do imóvel ou Certidão expedida pelo Cartório respectivo, em nome do requerente (expedida em até 90 dias da data do requerimento da licença e autenticada). Caso o requerente não seja o titular da propriedade, apresentar autorização do proprietário para utilização do imóvel ou contrato de arrendamento, locação ou escritura de compra e venda, se for o caso; Certidão Negativa de inexistência de registro/matricula do imóvel e declaracão da condição de posse, quando for o caso; Certidão de Ocupação (SPU) para terrenos de marinha; Decreto de utilidade publica ou interesse social para terrenos em processo de desapropriação Publicação em jornal da solicitação de licença prévia, conforme modelo padrão(trazer a folha do jornal inteira); Comprovante de pagamento do custo de licenciamento ambiental (s microempresas estão isentas deste pagamento, desde que comprovem a sua inscrição nessa categoria no Cadastro Geral da Fazenda-CGF, através da apresentação da Ficha de Inscrição Cadastral - FIC) emorial descritivo do processo de fabricação, citando as matérias-primas e auxiliares com a estimativa de consumo mensal das mesmas, relação completa dos produtos e subprodutos fabricados regime de funcionamento da indústria (hora/dia, dias/semana); indicar forma de armazenamento das matérias-primas, produtos e sub-produtos elaborados; Indicar as fontes de resíduos sólidos, líquidos e gasosos, bem como, o tipo de tratamento e/ou controle a ser aplicado aos mesmos; informar o destino final e a estimativa da vazão dos efluentes industriais. presentar teste de absorção do solo e nível do lençol freático. Planta georeferenciada (coordenadas UT DTU SD 69) da poligonal do imóvel, identificando: o empreendimento com as estruturas internas existentes e/ ou projetadas, os recursos hídricos naturais e/ou artificiais existentes, e as áreas de preservação permanente, sendo uma via em meio impresso e outra em meio digital de extensão Shape (.SHP e suas extensões derivadas:.shx,.dbf,.prj), acompanhada da RT do responsável técnico.

8 S U P E R I N T E N D Ê N C I E S T D U L D O E I O B I E N T E Conselho de Políticas e Gestão do eio mbiente - CONP Superintendência Estadual do eio mbiente SECE Fones: (0**85) / Recepção Fax tendimento: (0**85) nuência do município declarando que o local e o tipo de empreendimento ou atividade, estão em conformidade com a legislação aplicável ao uso e ocupação do solo, indicando sua localização em área urbana ou rural. Estudo mbiental pertinente, quando couber, após a emissão do TR pela SECE, acompanhado da taxa de análise e Cadastro Técnico Estadual, RT's do(s) técnico(s) responsável(is) por sua elaboração e execução. utorização emitida pela Gerencia da Unidade de Conservação(UC), quando a área do projeto estiver inserida, no todo ou em parte em UC ou em sua zona de amortecimento ou, quando se tratar de UC federal, Requerimento de utorização para Licenciamento mbiental REL (IN n.º 5, de setembro de 2009/ICBio). utorização emitida pela FUNI, no caso de empreendimentos localizados em áreas com ocupação indígena. OBSERVÇÃO: s cópias dos documentos devem ser autenticadas em cartório ou pelo Núcleo Gerencial de tendimento -NUG, mediante a apresentação do original.

9 S U P E R I N T E N D Ê N C I E S T D U L D O E I O B I E N T E Conselho de Políticas e Gestão do eio mbiente - CONP Superintendência Estadual do eio mbiente SECE Fones: (0**85) / Recepção Fax tendimento: (0**85) INDÚSTRI (Códigos: 12.00; 13.00; 14.00; 15.00; 16.00; 17.00; 18.00; 19.00; 20.00; 21.00; 22.00; 23.00; 24.00; 25.00; 26.00) LICENÇ DE INSTLÇÃO LI - Não autoriza o funcionamento do empreendimento ou atividade. utoriza a instalação ou construção do empreendimento ou atividade de acordo com as especificações constantes dos projetos, estudos ambientais, planos, programas e propostas aprovados, incluindo as medidas de controle ambiental e demais condicionantes da qual constituem motivo determinante. SI DISCRIINÇÃO Requerimento on line (gerado no agendamento eletrônico) a ser impresso e assinado pelo representante legal do empreendimento, conforme contrato social ou estatuto, ou o seu procurador, mediante apresentação de instrumento procuratório acompanhado de documento de identificação com foto do outorgante e do outorgado. Solicitação para utorização do Desmatamento (quando constar nos condicionantes da LP); Publicação em jornal da solicitação de licença de instalação, conforme modelo padrão(trazer a folha do jornal inteira); Comprovante de pagamento do custo de licenciamento ambiental (s microempresas estão isentas deste pagamento, desde que comprovem a sua inscrição nessa categoria no Cadastro Geral da Fazenda-CGF, através da apresentação da Ficha de Inscrição Cadastral - FIC) Projetos completos: arquitetônico, hidro-sanitário, da estação de tratamento de resíduos industriais, de controle das emissões atmosféricas, de controle de poluição sonora, quando couber, sendo todos acompanhados da RT do técnico responsável. Outros documentos exigidos nas condicionantes da licença prévia (quando for o caso). OBSERVÇÃO: s cópias dos documentos devem ser autenticadas em cartório ou pelo Núcleo Gerencial de tendimento -NUG, mediante a apresentação do original.

10 S U P E R I N T E N D Ê N C I E S T D U L D O E I O B I E N T E Conselho de Políticas e Gestão do eio mbiente - CONP Superintendência Estadual do eio mbiente SECE Fones: (0**85) / Recepção Fax tendimento: (0**85) INDÚSTRI (Códigos: 12.00; 13.00; 14.00; 15.00; 16.00; 17.00; 18.00; 19.00; 20.00; 21.00; 22.00; 23.00; 24.00; 25.00; 26.00) ) LICENÇ DE OPERÇÃO LO - utoriza a operação da atividade ou empreendimento, após a verificação do efetivo cumprimento do que consta das licenças anteriores, com as medidas de controle ambiental e condicionante determinadas para a operação. SI DISCRIINÇÃO Requerimento on line (gerado no agendamento eletrônico) a ser impresso e assinado pelo representante legal do empreendimento, conforme contrato social ou estatuto, ou o seu procurador, mediante apresentação de instrumento procuratório acompanhado de documento de identificação com foto do outorgante e do outorgado. Publicação em jornal da solicitação de licença de operação, conforme modelo padrão(trazer a folha do jornal inteira). Comprovante de pagamento do custo de licenciamento ambiental (s microempresas estão isentas deste pagamento, desde que comprovem a sua inscrição nessa categoria no Cadastro Geral da Fazenda-CGF, através da apresentação da Ficha de Inscrição Cadastral - FIC) Solicitação de cadastro de consumidor de matéria-prima de origem florestal. Quando se tratar de área rural, apresentar comprovante de verbação da Reserva Legal. Cópia da Outorga de Água, expedida pelo órgão competente (SRH, N). Certificado de Regularidade no Cadastro Técnico Federal de tividades potencialmente poluidoras e ou utilizadoras de recursos naturais, emitidas pelo IB Solicitação de coleta e análise de efluentes industriais, quando for o caso. Plano de gerenciamento de resíduos sólidos, conforme Termo de Referência emitido pela SECE por ocasião da emissão da licença de instalação Outros documentos exigidos nas condicionantes da Licença de Instalação (quando for o caso). OBSERVÇÃO: s cópias dos documentos devem ser autenticadas em cartório ou pelo Núcleo Gerencial de tendimento -NUG, mediante a apresentação do original.

GUIA DE PREENCHIMENTO

GUIA DE PREENCHIMENTO GUIA DE PREENCHIMENTO RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS E UTILIZADORAS DE RECURSOS AMBIENTAIS (RAPP) EMISSÕES ATMOSFÉRICAS PLANTAÇÃO/VEGETAÇÃO NATIVA IBAMA, 2014 Guia de Preenchimento

Leia mais

GUIA DE PREENCHIMENTO

GUIA DE PREENCHIMENTO GUIA DE PREENCHIMENTO RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS E UTILIZADORAS DE RECURSOS AMBIENTAIS (RAPP) EFLUENTES LÍQUIDOS VERSÃO 2 IBAMA JANEIRO, 2015 Efluentes Líquidos 2 Índice Quem

Leia mais

Formulário de Resíduos Sólidos

Formulário de Resíduos Sólidos Quem deve preencher este formulário? Geradores de resíduos sólidos, perigosos ou não, que realizem atividades relacionadas no Anexo I da Instrução Normativa Ibama nº 13/12, disponível no link abaixo (também

Leia mais

GUIA DE PREENCHIMENTO

GUIA DE PREENCHIMENTO GUIA DE PREENCHIMENTO RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS E UTILIZADORAS DE RECURSOS AMBIENTAIS (RAPP) CERTIFICADOS AMBIENTAIS VERSÃO 2 IBAMA JANEIRO, 2015 Certificados ambientais 2

Leia mais

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) REGULARIZAÇÃO

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) REGULARIZAÇÃO ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) REGULARIZAÇÃO Regularização de Licença de Instalação (Empreendimento ou Atividade sem qualquer Licenciamento Ambiental) LICENÇA DE INSTALAÇÃO (Regularização) - Exigida nos

Leia mais

GUIA DE PREENCHIMENTO

GUIA DE PREENCHIMENTO GUIA DE PREENCHIMENTO RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS E UTILIZADORAS DE RECURSOS AMBIENTAIS (RAPP) EMISSÕES ATMOSFÉRICAS EMISSÕES DE POLUENTES ATMOSFÉRICOS VERSÃO 2 IBAMA JANEIRO,

Leia mais

LEI Nº 2.778, DE 22 DE NOVEMBRO DE 2013. Publicada no Diário Oficial nº 4.010

LEI Nº 2.778, DE 22 DE NOVEMBRO DE 2013. Publicada no Diário Oficial nº 4.010 LEI Nº 2.778, DE 22 DE NOVEMBRO DE 2013. Publicada no Diário Oficial nº 4.010 Institui o Cadastro Técnico Estadual de Atividades Potencialmente Poluidoras ou Utilizadoras de Recursos Ambientais - CTE e

Leia mais

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) COLETA, TRANSPORTE, ARMAZENAMENTO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E PRODUTOS

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) COLETA, TRANSPORTE, ARMAZENAMENTO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E PRODUTOS ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) CÓDIGO 03.00 GRUPO/ATIVIDADES RESÍDUOS SÓLIDOS E PPD Armazenamento Temporário de Resíduos A 03.01 das Classes I Perigoso ou A Serviço de Saúde 03.02 Armazenamento Temporário

Leia mais

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST)

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) CÓDIGO 09.00 GRUPO/ATIVIDADES 09.07 Postos de Revenda de Combustíveis e Derivados de Petróleo com ou sem lavagem e ou lubrificação de veículos PPD M AGRUPAMENTO NORMATIVO

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS Gabinete Civil da Governadoria Superintendência de Legislação.

GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS Gabinete Civil da Governadoria Superintendência de Legislação. GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS Gabinete Civil da Governadoria Superintendência de Legislação. LEI N º 14.384, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2002. Institui o Cadastro Técnico Estadual de Atividades Potencialmente Poluidoras

Leia mais

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST)

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) CÓDIGO 03.00 GRUPO/ATIVIDADES RESÍDUOS SÓLIDOS E PPD Armazenamento Temporário de Resíduos A 03.01 das Classes I Perigoso ou A Serviço de Saúde 03.02 Armazenamento Temporário

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei: O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 5438, DE 17 DE ABRIL DE 2009 Institui o cadastro

Leia mais

LEI Nº 14.626, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2011. Faço saber que a Assembleia Legislativa decreta e eu promulgo a seguinte lei:

LEI Nº 14.626, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2011. Faço saber que a Assembleia Legislativa decreta e eu promulgo a seguinte lei: LEI Nº 14.626, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2011. Institui o Cadastro Técnico Estadual de Atividades Potencialmente Poluidoras ou Utilizadoras de Recursos Ambientais, e dá providências correlatas. O Governador

Leia mais

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST)

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) ANÁLISE DOCUENTAL (CHECK LIST) CONSTRUÇÃO CIVIL CÓDIGO 10.00 GRUPO/ATIVIDADES CONSTRUÇÃO CIVIL PPD 10.01 Empreendimentos ultifamiliares Sem Infra- Estrutura (Condomínios e Conjuntos Habitacionais); 10.02

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 1, DE 25 DE JANEIRO DE 2013 (DOU de 30/01/2013 Seção I Pág 82) O PRESIDENTE SUBSTITUTO DO INSTITUTO BRASILEIRO

Leia mais

LEI Nº 13.361, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2007.

LEI Nº 13.361, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2007. LEI Nº 13.361, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2007. Institui o Cadastro Técnico Estadual de Atividades Potencialmente Poluidoras ou Utilizadoras de Recursos Ambientais e a Taxa de Controle e Fiscalização Ambiental

Leia mais

Dados gerais referentes às empresas do setor industrial, por grupo de atividades - 2005

Dados gerais referentes às empresas do setor industrial, por grupo de atividades - 2005 Total... 147 358 6 443 364 1 255 903 923 1 233 256 750 157 359 927 105 804 733 1 192 717 909 681 401 937 511 315 972 C Indústrias extrativas... 3 019 126 018 38 315 470 32 463 760 4 145 236 2 657 977 35

Leia mais

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST)

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) AGROPECUÁRIA CÓDIGO 01.00 GRUPO/ATIVIDADES AGROPECUÁRIA PPD AGRUPAMENTO NORMATIVO 01.01 Criação de Animais Sem Abate(avicultura,ovinocaprinocultura,suino M cultura,bovinocultura,escargot, ranicultura)

Leia mais

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE CÓDIGO 11.00 GRUPO/ATIVIDADES GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE PPD 11.01 Linhas de Distribuição B 11.02 Linhas de Transmissão

Leia mais

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST)

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) LICENÇA SIMPLIFICADA (LS) LICENÇA SIMPLIFICADA LS Autoriza a localização, instalação e operação conforme Art. 5º, incisos V e VI da Resolução COEMA nº 04 de 12 de abril

Leia mais

ANEXO II (REVOGADO PELA INSTRUÇÃO NORMATIVA IBAMA N. 6, DE 15.03.13)

ANEXO II (REVOGADO PELA INSTRUÇÃO NORMATIVA IBAMA N. 6, DE 15.03.13) ANEXO II (REVOGADO PELA INSTRUÇÃO NORMATIVA IBAMA N. 6, DE 15.03.13) TABELA DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS OU UTILIZADORAS DE RECURSOS NATURAIS COD CATEGORIA DESCRICAO GRAU TAXA 1-1 Extração e

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 237, DE 19 DE dezembro DE 1997

RESOLUÇÃO Nº 237, DE 19 DE dezembro DE 1997 RESOLUÇÃO Nº 237, DE 19 DE dezembro DE 1997 O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE - CONAMA, no uso das atribuições e competências que lhe são conferidas pela Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, regulamentadas

Leia mais

Fortaleza, 03 de novembro de 2011.

Fortaleza, 03 de novembro de 2011. ortaria SECE nº 231, de 03 de novembro de 2011 Dispõe sobre a obrigatoriedade de apresentação por ocasião do requerimento de licença ambiental de plantas georreferenciadas em meio digital, formato shapefile

Leia mais

http://servicos.ibama.gov.br/ctf/manual/html/010401.htm

http://servicos.ibama.gov.br/ctf/manual/html/010401.htm Página 1 de Manual do Sistema - Serviços On-Line - IBAMA Tabela de Atividades Fechar Tabela COD CATEGORIA DESCRICAO GRAU TAXA 0-2 Administradora de Projetos Florestais administradora de projetos de florestamento/reflorestamento

Leia mais

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST)

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) LICENÇA DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO (LIO) LICENÇA DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO (LIO) Autoriza a instalação e operação do empreendimento/atividade, conforme Art. 5, Inciso IV da

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA O PRESIDENTE SUBSTITUTO DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

Leia mais

5-2 Fabricação de material elétrico, eletrônico e equipamentos para telecomunicação e informática SIM Elétrico, Eletrônico e

5-2 Fabricação de material elétrico, eletrônico e equipamentos para telecomunicação e informática SIM Elétrico, Eletrônico e ANEXO I TABELA DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS E UTILIZADORAS DE RECURSOS AMBIENTAIS Legenda de cobrança de TCFA: SIM conforme Anexo VIII da Lei nº 6.938, de 1981; conforme Anexo VIII da Lei nº

Leia mais

GUIA DE PREENCHIMENTO

GUIA DE PREENCHIMENTO GUIA DE PREENCHIMENTO RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS E UTILIZADORAS DE RECURSOS AMBIENTAIS (RAPP) EMISSÕES ATMOSFÉRICAS FONTES ENERGÉTICAS VERSÃO 3 IBAMA JANEIRO, 2016 2 Índice

Leia mais

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) SISTEMA DE COMUNICAÇÃO

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) SISTEMA DE COMUNICAÇÃO ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) SISTEMA DE COMUNICAÇÃO CÓDIGO 30.00 GRUPO/ATIVIDADES SISTEMA DE COMUNICAÇÃO PPD 30.01 Estação de Rádio Base para Telefonia Móvel M 30.02 Estação Repetidora Sistema de Telecomunicações

Leia mais

3.1. Empreendimentos e Atividades que necessitam do Licenciamento Ambiental. 3.2. EIA-RIMA como Instrumento do licenciamento Ambiental. Exercícios.

3.1. Empreendimentos e Atividades que necessitam do Licenciamento Ambiental. 3.2. EIA-RIMA como Instrumento do licenciamento Ambiental. Exercícios. Módulo 3 3.1. Empreendimentos e Atividades que necessitam do Licenciamento Ambiental. 3.2. EIA-RIMA como Instrumento do licenciamento Ambiental. Exercícios. 3.1 Empreendimentos e Atividades que necessitam

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 417, DE 27 DE MARÇO DE 1998

RESOLUÇÃO Nº 417, DE 27 DE MARÇO DE 1998 RESOLUÇÃO Nº 417, DE 27 DE MARÇO DE 1998 Dispõe sobre as empresas industriais enquadráveis nos Artigos 59 e 60 da Lei n.º 5.194/66. O CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA, no uso das

Leia mais

MINUTA NOVA RESOLUÇÃO TEXTO CONSOLIDADO

MINUTA NOVA RESOLUÇÃO TEXTO CONSOLIDADO RESOLUÇÃO CONAMA nº XXX, de XX de XXXXXXX de 2015 Dispõe sobre os critérios e diretrizes gerais do licenciamento ambiental, disciplina suas modalidades, estudos ambientais, bem como seus procedimentos,

Leia mais

PROCEDIMENTO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL PARA EMPREENDIMENTOS DE SIGNIFICATIVO IMPACTO

PROCEDIMENTO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL PARA EMPREENDIMENTOS DE SIGNIFICATIVO IMPACTO PROCEDIMENTO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL PARA EMPREENDIMENTOS DE SIGNIFICATIVO IMPACTO Tainara Bruna Montagna 1 William Veloso dos Anjos² RESUMO O presente trabalho apresenta um estudo sobre o licenciamento

Leia mais

Inovações organizacionais e de marketing

Inovações organizacionais e de marketing e de marketing Pesquisa de Inovação 2011 Tabela 1.1.22 -, total e as que não implementaram produto ou processo e sem projetos, com indicação das inovações e gás - Brasil - período 2009-2011 (continua)

Leia mais

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) COMÉRCIO E SERVIÇOS POSTOS DE SERVIÇOS E COMBUSTÍVEIS (CÓDIGO: 08.04)

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) COMÉRCIO E SERVIÇOS POSTOS DE SERVIÇOS E COMBUSTÍVEIS (CÓDIGO: 08.04) ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) COMÉRCIO E SERVIÇOS POSTOS DE SERVIÇOS E COMBUSTÍVEIS (CÓDIGO: 08.04) CÓDIGO 08.00 08.04 GRUPO/ATIVIDADES COMÉRCIO E SERVIÇOS Postos de Revenda de Combustíveis e Derivados

Leia mais

1- O que é o licenciamento ambiental?

1- O que é o licenciamento ambiental? 1- O que é o licenciamento ambiental? O licenciamento ambiental é um importante instrumento de gestão da Política Nacional de Meio Ambiente. Por meio dele, a administração pública busca exercer o necessário

Leia mais

Brasília DF, quinta-feira, 6 de março de 2014 pgs 29 à 34 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE

Brasília DF, quinta-feira, 6 de março de 2014 pgs 29 à 34 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Brasília DF, quinta-feira, 6 de março de 2014 pgs 29 à 34 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 28 DE FEVEREIRO

Leia mais

Região Zona da Mata. Regional Agosto 2013

Região Zona da Mata. Regional Agosto 2013 O mapa mostra a divisão do estado de Minas Gerais para fins de planejamento. A região de planejamento Zona da Mata engloba a Fiemg Regional Zona da Mata. Região Zona da Mata GLOSSÁRIO Setores que fazem

Leia mais

PREFEITURA DE SÃO LUÍS SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE

PREFEITURA DE SÃO LUÍS SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE SUPERINTENDÊNCIA DE QUALIDADE AMBIENTAL - SQA CARTA DE SERVIÇOS DA SEMMAM A Secretaria Municipal de Meio Ambiente SEMMAM por meio da Superintendência de Qualidade Ambiental disponibiliza atualmente as

Leia mais

ANEXO I LISTA DE ATIVIDADES PASSÍVEIS DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL NO ESTADO DO CEARÁ CLASSIFICAÇÃO PELO POTENCIAL POLUIDOR-DEGRADADOR PPD

ANEXO I LISTA DE ATIVIDADES PASSÍVEIS DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL NO ESTADO DO CEARÁ CLASSIFICAÇÃO PELO POTENCIAL POLUIDOR-DEGRADADOR PPD ANEXO I LISTA DE ATIVIDADES PASSÍVEIS DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL NO ESTADO DO CEARÁ CLASSIFICAÇÃO PELO POTENCIAL POLUIDOR-DEGRADADOR PPD CÓDIGO GRUPO/ATIVIDADES PPD AGRUPAMENTO 01.00 AGROPECUÁRIA 01.01

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 6, DE 24 DE MARÇO DE 2014 O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE

Leia mais

ANEXO 03 Atividades Industriais

ANEXO 03 Atividades Industriais ANEXO 03 Atividades Industriais ATIVIDADE INDUSTRIAL INDUSTRIA DE MINERAIS NAO-METALICOS Beneficiamento de Minerais Não-Metálicos Beneficiamento de Minerais Não-Metálicos, sem Tingimento e com Britagem

Leia mais

ANEXO 8B - TIPO DE ATIVIDADES INDUSTRIAIS CLASSIFICADAS POR POTENCIAL POLUIDOR Para atividades não listadas ver classificiação da FEPAM.

ANEXO 8B - TIPO DE ATIVIDADES INDUSTRIAIS CLASSIFICADAS POR POTENCIAL POLUIDOR Para atividades não listadas ver classificiação da FEPAM. INDUSTRIA DE MINERAIS NAO-METÁLICOS Beneficiamento de Minerais Não-Metálicos Beneficiamento de Minerais Não-Metálicos, com Tingimento Beneficiamento de Minerais Não-Metálicos, sem Tingimento Beneficiamento

Leia mais

Art. 2º Para os fins previstos nesta instrução normativa, entende-se por:

Art. 2º Para os fins previstos nesta instrução normativa, entende-se por: INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOSNATURAIS RENOVÁVEIS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 6, DE 24 DE MARÇO DE 2014 O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

Leia mais

Diário Oficial do Município - Belo Horizonte Ano V - Nº: 826-13/02/99 DELIBERAÇÃO NORMATIVA Nº 20/99

Diário Oficial do Município - Belo Horizonte Ano V - Nº: 826-13/02/99 DELIBERAÇÃO NORMATIVA Nº 20/99 Diário Oficial do Município - Belo Horizonte Ano V - Nº: 826-13/02/99 Poder Executivo Conselho Municipal de Meio Ambiente Deliberação Normativa nº 20/99 DELIBERAÇÃO NORMATIVA Nº 20/99 O Conselho Municipal

Leia mais

Coeficiente de Especializaçao dos Empregos na Industria Região Administrativa de Franca

Coeficiente de Especializaçao dos Empregos na Industria Região Administrativa de Franca Coeficiente de Especializaçao dos Empregos na Industria Região Administrativa de Franca Franca Total da Indústria NA NA Indústria Extrativa 0,157899 0,018606 Indústria de Transformação 99,842101 99,981394

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA CPRH Nº 005/2012

INSTRUÇÃO NORMATIVA CPRH Nº 005/2012 INSTRUÇÃO NORATIVA CRH Nº 005/2012 Disciplina o Enquadramento para Licenciamento Ambiental na CRH das Indústrias quanto ao otencial Degradador previsto no item 1.1 da Tabela 1 do Anexo I, da Lei Estadual

Leia mais

LEI º 4.730 DE 28 DE DEZEMBRO DE 2006. O PREFEITO DE SÃO LUÍS, Capital do Estado do Maranhão.

LEI º 4.730 DE 28 DE DEZEMBRO DE 2006. O PREFEITO DE SÃO LUÍS, Capital do Estado do Maranhão. S E C R E T A R I A M U N I C I P A L D E G O V E R N O 1 INSTITUI O LICENCIAMENTO AMBIENTAL NO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO DE SÃO LUÍS, Capital do Estado do Maranhão. Faço

Leia mais

Notas: Aprovada pela Deliberação CECA n 4887, de 25 de setembro de 2007 Republicada no DOERJ de 08 de novembro de 2007.

Notas: Aprovada pela Deliberação CECA n 4887, de 25 de setembro de 2007 Republicada no DOERJ de 08 de novembro de 2007. DZ-205.R-6 - DIRETRIZ DE CONTROLE DE CARGA ORGÂNICA EM EFLUENTES LÍQUIDOS DE ORIGEM INDUSTRIAL Notas: Aprovada pela Deliberação CECA n 4887, de 25 de setembro de 2007 Republicada no DOERJ de 08 de novembro

Leia mais

RESOLUÇÃO SMAC nº 577 de 02 de dezembro de 2014*

RESOLUÇÃO SMAC nº 577 de 02 de dezembro de 2014* RESOLUÇÃO SMAC nº 577 de 02 de dezembro de 2014* Estabelece parâmetros para o Licenciamento Ambiental das atividades de comércio atacadista e de confecção e fabricação de produtos têxteis. O SECRETÁRIO

Leia mais

Perfil Econômico Municipal

Perfil Econômico Municipal indústria Extração de carvão mineral Extração de petróleo e gás natural Extração de minerais metálicos Extração de minerais não-metálicos Fabricação de alimentos e bebidas Fabricação de produtos do fumo

Leia mais

ANEXO 03 Atividades Industriais

ANEXO 03 Atividades Industriais INDUSTRIA DE MINERAIS NAO-METALICOS Beneficiamento de Minerais Não-Metálicos Beneficiamento de Minerais Não-Metálicos, com Tingimento Beneficiamento de Minerais Não-Metálicos, sem Tingimento Beneficiamento

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E TECNOLOGICO JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DO PIAUÍ ATIVIDADES ECONÔMICAS

GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E TECNOLOGICO JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DO PIAUÍ ATIVIDADES ECONÔMICAS Página: 001 / 052 S ECONÔMICAS A 01 011 0111-3 0111-3/01 0111-3/02 0111-3/03 0111-3/99 0112-1 0112-1/01 0112-1/02 0112-1/99 0113-0 0113-0/00 0114-8 0114-8/00 0115-6 0115-6/00 0116-4 0116-4/01 0116-4/02

Leia mais

Impacto do IMF e do sistema atual sobre os preços

Impacto do IMF e do sistema atual sobre os preços Arroz em casca 15,72 30,25 Milho em grão 15,21 32,16 Trigo em grão e outros cereais 15,70 32,66 Cana-de-açúcar 15,47 32,68 Soja em grão 15,83 33,01 Outros produtos e serviços da lavoura 14,10 31,31 Mandioca

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTO FISCAL n 041/2009 (Consolidada com as alterações das NPFs n. 085/2009 e 058/2011)

NORMA DE PROCEDIMENTO FISCAL n 041/2009 (Consolidada com as alterações das NPFs n. 085/2009 e 058/2011) NPF 041/2009 p. 1 de 10 NORMA DE PROCEDIMENTO FISCAL n 041/2009 (Consolidada com as alterações das NPFs n. 085/2009 e 058/2011) SÚMULA Dispõe sobre a utilização de Nota Fiscal eletrônica NF-e por contribuintes

Leia mais

Portaria nº. 188 de outubro de 2006.

Portaria nº. 188 de outubro de 2006. Portaria nº. 188 de outubro de 2006. O Secretário de Estado do Desenvolvimento Ambiental, no uso das atribuições que lhe confere o Decreto Lei n 8.982, artigo 38 de 31 de Janeiro de 2000. Considerando

Leia mais

Relação de (Classificação Nacional de Atividades Econômicas) cujos contribuintes estão obrigados à Escrituração A partir desta competência, os contribuintes que iniciarem atividades ou que mudarem a atividade

Leia mais

Quadro resumo CNAE 2.0 - subclasses

Quadro resumo CNAE 2.0 - subclasses Quadro resumo CNAE 2.0 - subclasses Seções CNAE 2.0 - subclasses Divisões Grupos Classes Subclasses (Fiscal) A - 01.. 03 - Agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aqüicultura 3 12 34 122 B -

Leia mais

superfície e com pintura ( exceto a pincel ) superfície e com pintura a pincel

superfície e com pintura ( exceto a pincel ) superfície e com pintura a pincel ATIVIDADES POTENCIAL POLUIDOR MÉDIO Atividades Agropecuárias* Irrigação por Aspersão/Localizada Drenagem Agrícola Criação de Aves de Corte Criação de Aves de Postura Criação de Matrizes e Ovos Incubatório

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS PORTARIA Nº 113 /97-N, DE 25 DE SETEMBRO DE 1997. O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS

Leia mais

I-082 - ÍNDICES PARA O CÁLCULO SIMPLIFICADO DE CARGAS ORGÂNICA E INORGÂNICA PRESENTES EM EFLUENTES LÍQUIDOS INDUSTRIAIS

I-082 - ÍNDICES PARA O CÁLCULO SIMPLIFICADO DE CARGAS ORGÂNICA E INORGÂNICA PRESENTES EM EFLUENTES LÍQUIDOS INDUSTRIAIS I-082 - ÍNDICES PARA O CÁLCULO SIMPLIFICADO DE CARGAS ORGÂNICA E INORGÂNICA PRESENTES EM EFLUENTES LÍQUIDOS INDUSTRIAIS Mariza Wagner Espinoza (1) Engenheira Química, formada pela Pontifícia Universidade

Leia mais

Setor produtivo G01 - Alimentação/ Bebidas/ Massas. Contém 1120204 estabelecimentos. DESCRIÇÃO DO CNAE 0111-3/99 Cultivo de outros cereais não

Setor produtivo G01 - Alimentação/ Bebidas/ Massas. Contém 1120204 estabelecimentos. DESCRIÇÃO DO CNAE 0111-3/99 Cultivo de outros cereais não Setor produtivo G01 - Alimentação/ Bebidas/ Massas. Contém 1120204 estabelecimentos. CNAE DESCRIÇÃO DO CNAE 0111-3/99 Cultivo de outros cereais não especificados anteriormente 0116-4/99 Cultivo de outras

Leia mais

Descrição CNAE FABRICACAO DE OLEOS VEGETAIS REFINADOS, EXCETO OLEO DE MILHO 1/4/2010

Descrição CNAE FABRICACAO DE OLEOS VEGETAIS REFINADOS, EXCETO OLEO DE MILHO 1/4/2010 Descrição CNAE Início da obrigatoriedade 0722701 EXTRACAO DE MINERIO DE ESTANHO 1/4/2010 0722702 BENEFICIAMENTO DE MINÉRIO DE ESTANHO 1/4/2010 1011201 FRIGORIFICO - ABATE DE BOVINOS 1/4/2010 1011202 FRIGORÍFICO

Leia mais

ANEXO 1 Regras aplicáveis aos modelos de documentos fiscais

ANEXO 1 Regras aplicáveis aos modelos de documentos fiscais Padrão Mínimo Tipo de Impresso Emissão Operação Série Subsérie Nota Fiscal, modelo 1 Bloco Manual *, 1 a N 4 3 Nota Fiscal, modelo 1 Jogo Solto Mecanizado *, 1 a N 4 3 Nota Fiscal, modelo 1 Jogo Solto

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE - SEA INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE - SEA INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE - SEA INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE RESOLUÇÃO INEA Nº 25 DE 20 DE DEZEMBRO DE 2010 ESTABELECE PROCEDIMENTOS PARA REQUERIMENTO DAS LICENÇAS

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA IBAMA Nº 06, DE 24 DE MARÇO DE 2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA IBAMA Nº 06, DE 24 DE MARÇO DE 2014 ALTERADA PELA INSTRUÇÃO NORMATIVA IBAMA Nº 01/2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA IBAMA Nº 06, DE 24 DE MARÇO DE 2014 O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA IBAMA Nº 31, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009

INSTRUÇÃO NORMATIVA IBAMA Nº 31, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009 INSTRUÇÃO NORMATIVA IBAMA Nº 31, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009 O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA, nomeado pela Portaria nº 382, de 02 de junho

Leia mais

I DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA SOLICITAÇÃO DE LICENÇA PRÉVIA (LP) IMOBILIÁRIO

I DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA SOLICITAÇÃO DE LICENÇA PRÉVIA (LP) IMOBILIÁRIO I DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA SOLICITAÇÃO DE LICENÇA PRÉVIA (LP) IMOBILIÁRIO ( ) Este documento Requerimento padrão do empreendedor ou representante legal; deve ser preenchido e assinado pelo requerente

Leia mais

LICENCIAMENTO MATADOUROS

LICENCIAMENTO MATADOUROS LICENÇA PRÉVIA (LP): LICENCIAMENTO MATADOUROS 1. Requerimento; 2. Publicações no diário oficial e jornal de grande circulação; 3. Comprovante de pagamento da taxa de licenciamento; 4. Cadastro do empreendimento

Leia mais

CATEGORIAS E GRUPOS PARA ENQUADRAMENTO IMPORTANTE. 1.- Para cada x assinalado, enviar no mínimo 02 (dois) atestados de cada categoria;

CATEGORIAS E GRUPOS PARA ENQUADRAMENTO IMPORTANTE. 1.- Para cada x assinalado, enviar no mínimo 02 (dois) atestados de cada categoria; CATEGORIAS E PARA ENQUADRAMENTO IMPORTANTE 1.- Para cada x assinalado, enviar no mínimo 02 (dois) atestados de cada categoria; 2.- Os atestados deverão: 2.1.- Ser apresentados rigorosamente de acordo com

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA FAZENDA

GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA FAZENDA GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA FAZENDA PORTARIA SEFAZ N o 299, de 01 de março de 2008 Dispõe sobre o Termo de Credenciamento dos contribuintes para a emissão da Nota Fiscal Eletrônica NF-e

Leia mais

ADEQUAÇÃO AO SISTEMA MUNICIPAL DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOCUMENTOS NECESSÁRIOS

ADEQUAÇÃO AO SISTEMA MUNICIPAL DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOCUMENTOS NECESSÁRIOS ADEQUAÇÃO AO SISTEMA MUNICIPAL DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOCUMENTOS NECESSÁRIOS Este documento. Requerimento padrão do empreendedor ou representante legal. Cadastro Descritivo da Atividade - Geral devidamente

Leia mais

Objetivo: Desenvolver percepção para as questões ambientais numa empresa.

Objetivo: Desenvolver percepção para as questões ambientais numa empresa. EXERCÍCIO 3 Módulo 3 Questões ambientais de uma empresa Objetivo: Desenvolver percepção para as questões ambientais numa empresa. Muitos gerentes têm difi culdades em reconhecer as questões ambientais

Leia mais

Marcelo Fernandez CEAGESP 14/08/2009

Marcelo Fernandez CEAGESP 14/08/2009 Projeto Nota Fiscal Eletrônica Marcelo Fernandez CEAGESP 14/08/2009 Agenda Conceitos da NF-e Histórico Modelo Operacional Cancelamento Contingência Consulta Legislação Massificação da NF-e Obrigatoriedade

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO PORTUGUESA DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS (CAE REV. 3) ATIVIDADES OU TRABALHOS DE RISCO ELEVADO INTEGRADOS NOS SETORES DE ATIVIDADE

CLASSIFICAÇÃO PORTUGUESA DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS (CAE REV. 3) ATIVIDADES OU TRABALHOS DE RISCO ELEVADO INTEGRADOS NOS SETORES DE ATIVIDADE S OU TRABALHOS DE RISCO ELEVADO (Artigo 79.º da Lei 102/2009, de 10 de Setembro) CLASSIFICAÇÃO PORTUGUESA DAS S ECONÓMICAS GRUPO CLASSE SUBCLASSE SETORES DE 011 0111 0112 0113 0114 0115 0116 0119 012 0121

Leia mais

Obrigações Legais Ambientais

Obrigações Legais Ambientais Obrigações Legais Ambientais 2015 PROGRAME-SE PARA CUMPRIR AS OBRIGAÇÕES DE NATUREZA AMBIENTAL EM 2015 Alguns dos principais prazos para cadastros, registros, pagamentos de taxas e outras obrigações de

Leia mais

ANEXO 1 COMPOSIÇÃO DAS SEÇÕES DE ATIVIDADE DA CLASSIFICAÇÃO NACIONAL DE ATIVIDADES ECONÔMICAS DOMICILIAR 2.0 - CNAE- DOMICILIAR 2.

ANEXO 1 COMPOSIÇÃO DAS SEÇÕES DE ATIVIDADE DA CLASSIFICAÇÃO NACIONAL DE ATIVIDADES ECONÔMICAS DOMICILIAR 2.0 - CNAE- DOMICILIAR 2. ANEXO 1 COMPOSIÇÃO DAS SEÇÕES DE ATIVIDADE DA CLASSIFICAÇÃO NACIONAL DE ATIVIDADES ECONÔMICAS DOMICILIAR 2.0 - CNAE- DOMICILIAR 2.0 AGRICULTURA, PECUÁRIA, PRODUÇÃO FLORESTAL, PESCA E AQUICULTURA AGRICULTURA,

Leia mais

LEI Nº 3721/2016, DE 16 DE JUNHO DE 2016.

LEI Nº 3721/2016, DE 16 DE JUNHO DE 2016. LEI Nº 3721/2016, DE 16 DE JUNHO DE 2016. INCLUI TIPOLOGIAS DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL NO ANEXO ÚNICO DA LEI Nº 2821/2007, ALTERADA PELAS LEIS 2843/2008, 3084/2010 E 3568/2014. O PREFEITO MUNICIPAL DE

Leia mais

Revisão aprovada na CECA pela Deliberação nº 2491 de 05.10.91, publicada no

Revisão aprovada na CECA pela Deliberação nº 2491 de 05.10.91, publicada no DZ - 205.R-5 DIRETRIZ DE CONTROLE DE CARGA ORGANICA EM EFLUENTES LIQUIDOS DE ORIGEM INDUSTRIAL NOTAS: Revisão aprovada na CECA pela Deliberação nº 2491 de 05.10.91, publicada no D.O.E.R.J. de 24.10.91.

Leia mais

Região Zona da Mata. Regional Dezembro 2013

Região Zona da Mata. Regional Dezembro 2013 O mapa mostra a divisão do estado de Minas Gerais para fins de planejamento. A região de planejamento Zona da Mata engloba a Fiemg Regional Zona da Mata. Região Zona da Mata GLOSSÁRIO Setores que fazem

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE. Resolução CONSEMA n.º 102, de 24 maio de 2005.

CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE. Resolução CONSEMA n.º 102, de 24 maio de 2005. CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE Resolução CONSEMA n.º 102, de 24 maio de 2005. Dispõe sobre os critérios para o exercício da competência do Licenciamento Ambiental Municipal, no âmbito do Estado do

Leia mais

NF-e Nota Fiscal Eletrônica

NF-e Nota Fiscal Eletrônica NF-e Nota Fiscal Eletrônica NF-e SPED Sistema Público de Escrituração Digital Objetivo Principal: Promover a integração entre os órgãos reguladores e de fiscalização da União, Estados e Municípios, mediante

Leia mais

TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR

TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR 1 o SIMPÓSIO SINDIREPA-RS TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR Felipe Saviczki - cntl.att@senairs.org.br Engenheiro Ambiental Técnico de Desenvolvimento - Área de Consultoria

Leia mais

Diretoria de Pesquisas COIND. Índice de Preços ao Produtor

Diretoria de Pesquisas COIND. Índice de Preços ao Produtor Diretoria de Pesquisas COIND Índice de Preços ao Produtor Índice de Preços ao Produtor Indústrias de Transformação Resultados Agosto 2012 Principais Indicadores Indústrias de Transformação JUN JUL AGO

Leia mais

Lei Municipal 3.263/99: ANEXO 3 - CLASSIFICAÇÃO DAS ATIVIDADES QUADRO 1. COMÉRCIO VAREJISTA - CONDIÇÕES PARA INSTALAÇÃO

Lei Municipal 3.263/99: ANEXO 3 - CLASSIFICAÇÃO DAS ATIVIDADES QUADRO 1. COMÉRCIO VAREJISTA - CONDIÇÕES PARA INSTALAÇÃO NA BACIA DE CONTRIBUIÇÃO INDIRETA CÓD. ATIVIDADES EM ÁREA COM IMPLANTADO EM ÁREA SEM COMÉRCIO VAREJISTA DE PRODUTOS ALIMENTÍCIOS 10101 AÇOUGUE E PEIXARIA 10102 BOMBONIÈRE E CONFEITARIA 10103 CONDIMENTOS

Leia mais

LEI Nº 8738 DE 10 DE JULHO DE 2003

LEI Nº 8738 DE 10 DE JULHO DE 2003 LEI Nº 8738 DE 10 DE JULHO DE 2003 Altera as Leis nº 8.230 de 20 de dezembro de 1998, que institui a taxa de licenciamento ambiental, e 8.497, de 18 de dezembro de 2000, que introduz novas atividades licenciá

Leia mais

Lista de Actividades (CAE) elegíveis na Linha de Crédito PME Investe II

Lista de Actividades (CAE) elegíveis na Linha de Crédito PME Investe II Lista de Actividades (CAE) elegíveis na Linha de Crédito PME Investe II Em conformidade com o disposto no nº 1 do Capítulo I, nº 2 do Anexo I, nº 2 do Anexo II e nº 1 do Anexo III, todos do Protocolo da

Leia mais

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS AO LICENCIAMENTO AMBIENTAL AMMA EUSÉBIO PARA CONSTRUÇÃO DE CASAS. ANÁLISE DOCUMENTAL

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS AO LICENCIAMENTO AMBIENTAL AMMA EUSÉBIO PARA CONSTRUÇÃO DE CASAS. ANÁLISE DOCUMENTAL DOCUMENTOS NECESSÁRIOS AO LICENCIAMENTO AMBIENTAL AMMA EUSÉBIO PARA CONSTRUÇÃO DE CASAS. ANÁLISE DOCUMENTAL SIT Nº ÍTEM 1 FASE I (LICENÇA PRÉVIA LP) Requerimento (formulário de solicitação) devidamente

Leia mais

PRÉ - REQUISITOS PARA ABERTURA DE PROCESSOS DOCUMENTOS GERAIS

PRÉ - REQUISITOS PARA ABERTURA DE PROCESSOS DOCUMENTOS GERAIS PESSOA FÍSICA PRÉ - REQUISITOS PARA ABERTURA DE PROCESSOS - Requerimento (modelo Secretaria) - RG e CPF (cópia) - Telefone para contato DOCUMENTOS GERAIS - Documento da Propriedade (Título Definitivo,

Leia mais

Listagem dos grupos de atividades industriais: Ind-1a, Ind-1b, Ind-2 e Ind-3 I. Grupo de atividades: Ind-1a - Usos industriais compatíveis

Listagem dos grupos de atividades industriais: Ind-1a, Ind-1b, Ind-2 e Ind-3 I. Grupo de atividades: Ind-1a - Usos industriais compatíveis Quadro nº 04 Anexo ao Decreto nº 45.817, de 4 de abril de 2005 RETORNAR Listagem dos grupos de atividades industriais: Ind-1a, Ind-1b, Ind-2 e Ind-3 I. Grupo de atividades: Ind-1a - Usos industriais compatíveis

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Eduardo Pereira Nunes Elisio Contini Apresentação à Diretoria da ABAG 13 de setembro de 2000 - São Paulo O PROBLEMA Controvérsias sobre contribuição

Leia mais

Apêndice A: Algumas Tabelas Usadas no Texto

Apêndice A: Algumas Tabelas Usadas no Texto Apêndice A: Algumas Tabelas Usadas no Texto Tabela 1 alança Tecnológica Sectorial de Portugal Período 1996-98 Fonte: anco de Portugal CAE Total Direitos de utilização e Propriedade Industrial Serv. assistência

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE, DOS RECURSOS HÍDRICOS E DA AMAZÔNIA LEGAL INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS IBAMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE, DOS RECURSOS HÍDRICOS E DA AMAZÔNIA LEGAL INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS IBAMA Página 1 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE, DOS RECURSOS HÍDRICOS E DA AMAZÔNIA LEGAL INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS IBAMA PORTARIA NORMATIVA Nº 113 1997 DE 25 DE SETEMBRO

Leia mais

Curso: MBA GESTÃO EM AUDITORIA, PERICIA E LICENCIAMENTO AMBIENTAL

Curso: MBA GESTÃO EM AUDITORIA, PERICIA E LICENCIAMENTO AMBIENTAL [Digite texto] Curso: MBA GESTÃO EM AUDITORIA, PERICIA E LICENCIAMENTO AMBIENTAL Disciplina: Gestão em Avaliação de Impacto Ambiental, Estudo de Impacto Ambiental e Relatório de Impacto do Meio. Prof.

Leia mais

DECRETO Nº 45.630, DE 7 DE JULHO DE 2011 (MG de 08/07/2011) Altera o Regulamento do ICMS aprovado pelo Decreto nº 43.080, de 13 de dezembro de 2002.

DECRETO Nº 45.630, DE 7 DE JULHO DE 2011 (MG de 08/07/2011) Altera o Regulamento do ICMS aprovado pelo Decreto nº 43.080, de 13 de dezembro de 2002. DECRETO Nº 45.630, DE 7 DE JULHO DE 2011 (MG de 08/07/2011) Altera o Regulamento do ICMS aprovado pelo Decreto nº 43.080, de 13 de dezembro de 2002. O GOVERNADOR DO ESTADO DE MINAS GERAIS, no uso de atribuição

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTO FISCAL N 049/2008. (Consolidada com as alterações das NPF 093/2008, 007/2009 e 016/2009)

NORMA DE PROCEDIMENTO FISCAL N 049/2008. (Consolidada com as alterações das NPF 093/2008, 007/2009 e 016/2009) NORMA DE PROCEDIMENTO FISCAL N 049/2008 (Consolidada com as alterações das NPF 093/2008, 007/2009 e 016/2009) O DIRETOR DA COORDENAÇÃO DA RECEITA DO ESTADO, no uso das atribuições que lhe confere o inciso

Leia mais