MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL MARINHA A U T O R I D A D E M A R Í T I M A N A C I O N A L CAPITANIA DO PORTO DE PONTA DELGADA EDITAL N.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL MARINHA A U T O R I D A D E M A R Í T I M A N A C I O N A L CAPITANIA DO PORTO DE PONTA DELGADA EDITAL N."

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL MARINHA A U T O R I D A D E M A R Í T I M A N A C I O N A L CAPITANIA DO PORTO DE PONTA DELGADA EDITAL N.º 02/2005 NORMAS DE SEGURANÇA PARA MOVIMENTAÇÃO DE PRODUTOS PETROLÍFEROS, POLUENTES, INFLAMÁVEIS OU EXPLOSIVOS NO PORTO DE PONTA DELGADA

2 MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL MARINHA AUTORIDADE MARÍTIMA NACIONAL CAPITANIA DO PORTO DE PONTA DELGADA EDITAL N.º 2/2005 NORMAS DE SEGURANÇA PARA MOVIMENTAÇÃO DE PRODUTOS PETROLÍFEROS, POLUENTES, INFLAMÁVEIS OU EXPLOSIVOS NO PORTO DE PONTA DELGADA João Carlos Beleza Gonçalves Vaz, Capitão-de-mar-e-guerra e Capitão do Porto de Ponta Delgada, no uso das competências que lhe são conferidas pela alínea g) do n.º 4 do artigo 13º do Decreto-Lei n.º 44/2002, de 02 de Março, faz saber que: 1. A movimentação (carga e descarga) de produtos petrolíferos no Porto de Ponta Delgada, deve ser executada de acordo com as normas de segurança e as instruções anexas ao presente Edital e suas sucessivas alterações. 2. Nas infracções à legislação que apoia a regulamentação expressa neste Edital, independentemente das avarias e acidentes pessoais cuja responsabilidade possa caber a qualquer dos intervenientes infractores, terá aplicação o preceituado no Decreto-Lei n.º 45/2002, de 02 de Março, e em tudo o que não se encontrar especialmente previsto neste diploma é aplicável o regime geral das contra-ordenações, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 433/82, de 27 de Outubro, com a nova redacção dada pelo Decreto-Lei n.º 356/89, de 17 de Outubro e pelo Decreto-Lei n.º 244/95, de 14 de Setembro, para além de outra legislação aplicável. 3. Este Edital que vai ser distribuído e afixado nos lugares habituais, entra em vigor a 25 de Julho de 2005 e revoga o Edital 01/2001, de 07 de Maio. Capitania do Porto de Ponta Delgada, 08 de Julho de O Capitão do Porto João Carlos Beleza Gonçalves Vaz Capitão-de-mar-e-guerra

3 Identificação da Alteração ou Correcção e N.º de Registo ( se houver) REGISTO DE ALTERAÇÕES Data em que foi efectuada Quem efectuou (Identificação/Assinatura) Alteração n.º 1 (Anexo B1 e B2) 14/07/2005 AG. PM Fernandes /

4 ÍNDICE Página 1. OBJECTIVO ÂMBITO ABREVIATURAS E DEFINIÇÕES RESPONSABILIDADES MEDIDAS AMBIENTAIS E DE SEGURANÇA RESPEITANTES À ATRACAÇÃO Inspecção do local Condições de atracação Navios Tanques Bunkers / Pesca Cabos de reboque RESPEITANTES ÀS CONDIÇÕES DE SEGURANÇA A ADOPTAR PELO NAVIO/EMBARCAÇÃO ANTES DO INICIO DA CARGA DESCARGA/ABASTECIMENTO DOS PRODUTOS RESPEITANTES AO INÍCIO DA CARGA/DESCARGA/ABASTECIMENTO RESPEITANTES ÀS ÁREAS DE SEGURANÇA DURANTE A CARGA / DESCARGA / ABASTECIMENTO Navios Tanques Área Primária de segurança Delimitação Situações excepcionais Restrições Área Secundária de segurança Delimitação Restrições Bunkers / Pesca Área de segurança Delimitação Restrições RESPEITANTES ÀS ÁREAS DE SEGURANÇA APÓS A CARGA / DESCARGA Navios Tanques... 8

5 Delimitação Restrições RESPEITANTES AO CAIS RESPEITANTE A ABASTECIMENTOS DE COMBUSTÍVEIS OU OUTROS PRODUTOS POLUENTES, INFLAMÁVEIS OU EXPLOSIVOS, COM RECURSO A CAMIÃO CISTERNA OU A TRASFEGA A PARTIR DE BIDÕES Quanto ao camião cisterna Quanto às mangueiras a usar Quanto à documentação do motorista Quanto ao tractor Quanto à Cisterna OUTRAS Interrupção das cargas/descargas Desgaseificação de tanques MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAL EXPLOSIVO, UTILIZAÇÃO DE ENGENHOS PIROTÉCNICOS OU USO DE TIROS DE SALVA MEIOS DISPONÍVEIS PARA COMBATE A INCÊNDIO E/OU CONTENÇÃO DE DERRAME OPERAÇÕES DE CARGA/DESCARGA DE NAVIOS TANQUES Rebocador Bombeiros Meios Humanos Meios Materiais APSM Meios Humanos Meios Materiais Operações sob a responsabilidade do DPNPD OPERAÇÕES DE BUNKERS E DE PESCA ANEXOS A: FICHA DE CONTROLO DE SEGURANÇA PARA NAVIOS TANQUES... A-1 FICHA DE CONTROLO DE SEGURANÇA PARA BUNKERS... A-2 ANEXO B: DISTRIBUIÇÃO... B-1

6 1. OBJECTIVO Regulamentar as actividades de carga, descarga e transporte de produtos petrolíferos, poluentes, inflamáveis ou explosivos no Porto de Ponta Delgada, por forma a assegurar que as mesmas sejam executadas com a devida segurança e sem agressões ao meio ambiente. 2. ÂMBITO Actividades de carga e descarga de navios tanques de produtos petrolíferos, inflamáveis e de gás, bem como abastecimento de combustíveis líquidos a navios/embarcações (Bunkers e Pescas) e através de camião cisterna, no Porto de Ponta Delgada. 3. ABREVIATURAS E DEFINIÇÕES AHBVPD APSM DPNPD SAAGA PM Associação Humanitária de Bombeiros Voluntários de Ponta Delgada Administração dos Portos das Ilhas de S. Miguel e Santa Maria, SA Depósito POL NATO de Ponta Delgada Sociedade Açoreana de Armazenagem de Gás, SA Polícia Marítima Bunkers... Designação comercial para o abastecimento de combustíveis destinados à propulsão de navios sujeitos a regime fiscal próprio. Pescas... Designação comercial para o abastecimento de combustíveis destinados à propulsão de navios e embarcações de pesca sujeitos a regime fiscal próprio. Abastecedor... Agente que efectua o abastecimento de combustível (representante do). Terminal... Terminal de combustíveis proprietário da linha (pipeline) utilizada para o transporte do combustível (representante). Operador... Entidade responsável pela movimentação do produto

7 4. RESPONSABILIDADES O cumprimento das presentes Normas compete às várias entidades envolvidas, na medida da função de cada uma no sistema, sob a forma de co-responsabilidade. A fiscalização do cumprimento das Normas deste Edital compete à Capitania do Porto (através dos Agentes da PM), conjuntamente com a APSM. 5. MEDIDAS AMBIENTAIS E DE SEGURANÇA 5.1. RESPEITANTES À ATRACAÇÃO INSPECÇÃO DO LOCAL O local onde o navio vai atracar deverá ser alvo de uma inspecção prévia pelas entidades seguintes: APSM, PM, AHBVPD ou DPNPD, e Operador. O local deverá estar desimpedido de cargas e de viaturas por forma a garantir-se o acesso fácil dos meios de socorro em caso de emergência (incêndio e/ou derrame) e deverá ser estabelecida uma área de segurança, a qual deverá ser integralmente respeitada CONDIÇÕES DE ATRACAÇÃO NAVIOS TANQUES Os navios tanques de combustíveis líquidos atracarão preferencialmente no cais 10, por ser o que permite respeitar integralmente as distâncias de segurança. No caso de não ser possível a atracação dos navios de combustíveis líquidos no cais 10, de acordo com a APSM, por constrangimento do porto, os referidos navios tanques poderão atracar, em alternativa, no cais 12. Os navios tanques de gás atracarão sempre no cais

8 Os navios tanques deverão atracar aproados para a saída do porto de modo a facilitar, em caso de emergência, a manobra de zarpar pelos seus próprios meios. Deverão, de igual modo, manter as máquinas, principais e auxiliares, em estado de prontidão tal que, sendo necessário, possam zarpar o mais rápidamente possível. Estes navios atracarão sempre directamente ao cais e não será permitida a atracação de braço dado, com qualquer outro navio BUNKERS / PESCA Todos os navios/embarcações a reabastecer atracarão directamente ao cais, posicionando-se de modo a que a tomada de combustível do navio fique o mais próximo possível do ponto de abastecimento (pit) do cais, por forma a serem garantidas as melhores condições de segurança (menor extensão de mangueiras). No caso de não ser possível a atracação dos navios/embarcações directamente ao cais e o navio tiver que ficar atracado de braço dado, será necessário obter a concordância do Comandante ou do Armador do navio ao qual estiver atracado, para a realização das operações (estender mangueiras sobre o convés e estabelecer a área de segurança no navio) CABOS DE REBOQUE Deverão ser preparados à proa e à popa cabos próprios para a operação de reboque de modo que, em caso de emergência, possam os mesmos ser recebidos facilmente por rebocadores (ver n.º 2 do art.º 19.º, do Capitulo VII do Edital 01/2005, de 11 de Julho da CPPD)

9 5.2. RESPEITANTES ÀS CONDIÇÕES DE SEGURANÇA A ADOPTAR PELO NAVIO / EMBARCAÇÃO ANTES DO INÍCIO DA CARGA/DESCARGA/ABASTECIMENTO DOS PRODUTOS O navio ou embarcação que estiver envolvido em operações de carga / descarga / abastecimento do produto, deverá, antes do início das referidas operações, adoptar as seguintes medidas de segurança: - içar a bandeira Bravo do C.I.S. e mantê-la içada durante todo o tempo que durar a operação; - estabelecer a bordo a proibição de fumar ou fazer lume no exterior do navio / embarcação; - as tomadas de combustível do navio / embarcação, bem como os respiradouros dos tanques receptores, deverão estar munidos de tabuleiros de retenção de fugas de líquidos; - a ligação às tomadas de bordo deve ser estanque. Caso contrário, é necessário dispor de válvula de disparo automático; - o circuito de incêndios do navio / embarcação deve estar em carga; - o Capitão do navio ou o Mestre / Arrais da embarcação deve manter pronto a intervir o seu destacamento / piquete de segurança ( constítuido por 2 ou mais elementos, consoante o tipo de navio / embarcação e a operação em apreço) RESPEITANTES AO INÍCIO DA CARGA / DESCARGA /ABASTECIMENTO O início da operação só poderá ter lugar depois de inspeccionadas e asseguradas as condições de segurança pelo Operador, pelo representante do Comandante do navio, pelos AHBVPD/DPNPD e por agentes da PM. No início e no fim da operação deverá ser preenchida e assinada a respectiva Ficha de Controlo de Segurança cujos modelos constam em ANEXO A

10 5.4. RESPEITANTES ÀS ÁREAS DE SEGURANÇA DURANTE A CARGA / DESCARGA / ABASTECIMENTO NAVIOS TANQUES ÁREA PRIMÁRIA DE SEGURANÇA DELIMITAÇÃO É estabelecida uma área de segurança no cais definida por vedações em torno do navio, delimitada a 30 metros dos seus limites físicos. Estas vedações serão constituídas por postes e corrente ou fita e possuirão apenas uma entrada/saída para as viaturas intervenientes na operação. Deverá ser igualmente colocada sinalética adequada. Do lado do mar é interdita a aproximação de navios ou embarcações a menos de 30 metros do navio em operação. As vedações deste lado serão constituídas por bóias sinalizadoras e por barreiras flutuantes de controlo de derrames. No caso destas últimas poderem cumprir simultaneamente as duas funções, serão dispensadas as bóias sinalizadoras. No caso de impossibilidade de colocação no mar de barreiras flutuantes, por razões operacionais ou de mau tempo, estas deverão ser mantidas em estado de prontidão em atrelados nos seus lugares normais de estacionamento, de modo a assegurar com eficácia o seu posicionamento e a sua utilização em caso de necessidade SITUAÇÕES EXCEPCIONAIS Em caso de restrição de espaço em torno do navio tanque poderá esta área ser reduzida, o que será efectuado, após a avaliação da situação pelas seguintes entidades: APSM, PM, Terminal em operação, Comandante do navio tanque e AHBVPD. Sempre que a área primária de segurança for reduzida para menos de 30 metros, os monta- cargas e as demais viaturas que, por motivos de operação, tenham de circular nas proximidades daquela área primária de segurança deverão proteger os tubos de escape com tapa-chamas

11 No cais 12 serão mantidas as distâncias de segurança acima referidas sempre que não haja movimento de carga ou passageiros para o cais da POL NATO. A distância de segurança poderá ser reduzida a 25 metros quando houver movimento de viaturas para o cais da POL NATO e a 20 metros se houver movimento de contentores. Neste caso deverão a Capitania do Porto, APSM, Terminal em operação e AHBVPD assumir o risco calculado em co-responsabilidade e tomar as medidas suplementares de segurança julgadas convenientes. A distância entre o navio tanque e outros que, eventualmente possam estar atracados, deverá ser no mínimo de 30 metros RESTRIÇÕES O interior da área de segurança primária deverá estar livre de materiais desnecessários à execução da operação e em estado apropriado de limpeza. A entrada no recinto delimitado pela vedação será apenas permitida aos tripulantes do navio tanque, pessoal do agente do navio e ao pessoal devidamente autorizado para o efeito pelas entidades acima referenciadas. É proibida a entrada no recinto ou a bordo a pessoal portador de fósforos, isqueiros, armas de fogo, calçado com solas cardadas ou ainda sob o efeito de álcool ou drogas. Está igualmente interdito o uso de telemóveis, máquinas fotográficas e câmaras de vídeo

12 Não é permitido o uso de vestuário em nylon ou fibras análogas devido ao risco de acumulação de cargas electrostáticas. O pessoal que permanecer a bordo ou ali se deslocar para a execução de operações inerentes ao processo de carga/descarga deverá ser portador de calçado de protecção individual que garanta a dissipação de cargas eléctricas. As viaturas autorizadas a entrar nesta zona de segurança ou a nela estacionar deverão estar munidas de tapa-chamas ÁREA SECUNDÁRIA DE SEGURANÇA DELIMITAÇÃO Pelo lado de terra é definida uma área secundária de segurança área rectangular de 50 por 20 metros, centrada com o manifold (tomadas de carga/descarga) do navio e disposta no sentido longitudinal (proa-popa) na qual embora seja permitida a circulação de viaturas é contudo condicionado o estacionamento de Matérias Perigosas RESTRIÇÕES O estacionamento de carga geral está condicionado à sua natureza de modo a que esta não constitua um risco suplementar em caso de sinistro com o navio tanque. Nestas condições a APSM deverá manter fora desta área toda a carga constituída por Matérias Perigosas (cargas IMO) BUNKERS / PESCA ÁREA DE SEGURANÇA DELIMITAÇÃO Uma área de segurança, definida por vedação, que será delimitada em torno do pit de abastecimento ou do camião cisterna e toda a área onde serão colocados os contadores e estendidas as mangueiras de abastecimento. A vedação deve acompanhar o material a uma distância de, pelo menos, 5 metros para cada lado

13 Estas vedações serão no cais constituídas por postes e corrente ou fita e possuirão apenas uma entrada/saída para as viaturas intervenientes na operação RESTRIÇÕES O interior da área de segurança deverá estar livre de materiais desnecessários à execução da operação e deverá estar em estado apropriado de limpeza. A entrada no recinto delimitado pela vedação será apenas permitida ao pessoal necessário para a operação e devidamente autorizado para o efeito pelas entidades acima referenciadas. Durante as operações de abastecimento é proibida a entrada no recinto ou a bordo a pessoal portador de fósforos, isqueiros, armas de fogo, calçado com solas cardadas ou ainda sob o efeito de álcool ou drogas. Está igualmente interdito o uso de telemóveis, máquinas fotográficas e câmaras de vídeo na área onde decorrem as operações de abastecimento. 5.5 RESPEITANTES ÀS ÁREAS DE SEGURANÇA APÓS A CARGA / DESCARGA NAVIOS TANQUE DELIMITAÇÃO No caso do navio tanque estar atracado a aguardar carregamento ou, após carregamento, estar a aguardar saída para o mar, para o lado do cais, deverão ser colocadas vedações (postes, corrente ou fita e sinalética apropriada) a uma distância mínima de 10 metros a todo o comprimento do navio, acrescidas das distâncias à ré e à proa até aos respectivos cabeços de amarração. Este procedimento será da responsabilidade da APSM em colaboração com o navio tanque e obrigará a policiamento por parte da Polícia Marítima sempre que estiver carregado e a aguardar saída para o mar. No caso das descargas de gás a responsabilidade pela vedação será da SAAGA

14 RESTRIÇÕES As referidas em RESPEITANTES AO CAIS Todas as caixas de acesso a pits, válvulas, troços de tubagens e de atravessamento do cais 6, 10 e 12 deverão estar assinaladas no solo por faixas pintadas a amarelo vivo de modo a indicar a proibição de estacionamento. As viaturas, contentores e carga geral deverão estacionar afastadas desses locais de modo a permitir o acesso rápido aos mesmos em caso de emergência. A APSM abster-se-á da utilização de guindastes ou gruas a menos de 25 metros da zona primária de segurança, devendo desligar, no período em que decorre a operação de carga/descarga, todos os circuitos eléctricos desnecessários que a atravessam. Em nenhuma circunstância será admitida a interrupção da carga/descarga do navio tanque para se efectuar a passagem de guindastes ou gruas pela zona primária de segurança. Compete à PM a fiscalização das velocidades das viaturas que circulam no porto, particularmente junto às zonas de segurança que envolvem os navios tanques. 5.7 RESPEITANTES A ABASTECIMENTO DE COMBUSTÍVEIS OU OUTROS PRODUTOS POLUENTES, INFLAMÁVEIS OU EXPLOSIVOS, COM RECURSO A CAMIÃO CISTERNA OU A TRANSFEGA A PARTIR DE BIDÕES No que concerne ao abastecimento de combustíveis ou outros produtos poluentes, inflamáveis ou explosivos, com recurso a camião cisterna ou a transfega a partir de bidões, deverá ser assegurada a existência e conformidade de: - 9 -

15 5.7.1 QUANTO AO CAMIÃO CISTERNA - Protecção de escape; - Ligação à terra; - Corte de corrente geral; - Cabos de escoamento de eléctricidade estática; - Extintor de incêndio na cabina; - Extintor de incêndio no atrelado; - Extintores de incêndio (2) na cisterna; - Calço para ajudar a imobilização do veículo; - Existência das etiquetas de perigo e em bom estado QUANTO ÀS MANGUEIRAS A USAR - Se estão certificadas; - Se existem tabuleiros de retenção de fugas de líquidos que possam ocorrer nas uniões entre mangueiras QUANTO À DOCUMENTAÇÃO DO MOTORISTA - Bilhete de identidade; - Carta de condução; - Certificado R.P.E ou A.D.R (Regulamento Nacional de Mercadorias Perigosas por Estrada); - Fichas de segurança QUANTO AO TRACTOR - Livrete; - Título de Registo de Propriedade; - Licença de aluguer; - Certificado R.P.E. ou A.D.R. (Regulamento Nacional de Mercadorias Perigosas por Estrada); - Seguro; - Inspecção periódica (isento no 1º ano)

16 5.7.5 QUANTO À CISTERNA - Livrete; - Título de Registo de Propriedade; - Licença de aluguer; - Certificado R.P.E. ou A.D.R. (Regulamento Nacional de Mercadorias Perigosas por Estrada); - Seguro; - Inspecção periódica (isento no 1º ano). 5.8 OUTRAS INTERRUPÇÃO DAS CARGAS/DESCARGAS Uma vez iniciada a carga/descarga de um navio tanque (combustíveis líquidos, inflamáveis ou gás), não poderá ser a mesma interrompida sem autorização prévia do Operador em conjunto com a APSM e com a Capitania do Porto DESGASEIFICAÇÃO DE TANQUES Não é permitida a desgaseificação de tanques dentro do porto. 5.9 MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAL EXPLOSIVO, UTILIZAÇÃO DE ENGENHOS PIROTÉCNICOS OU USO DE TIROS DE SALVA Sempre que houver carga/descarga de material explosivo não poderão, simultaneamente, haver navios tanques no porto nem operações de reabastecimento de navios/embarcações. Devido aos riscos acrescidos que podem ocorrer da utilização de engenhos pirotécnicos (verylights ou foguetes e fogo de artifício) que possam ser lançados por motivos festivos ou outros, não serão efectuadas operações de carga, descarga ou abastecimento de combustível a navios atracados no porto durante os períodos em que estes lançamentos ocorrerem dentro da área portuária, nem poderão estar atracados navios tanques no porto

17 De igual modo, não serão efectuadas cargas, descargas ou abastecimentos durante a execução de tiros de salva dentro da área portuária. 6. MEIOS DISPONÍVEIS PARA COMBATE A INCÊNDIO E/OU CONTENÇÃO DE DERRAME Nas operações de carga, descarga ou abastecimento de combustíveis aos navios/embarcações deverão existir condições de segurança contra incêndios e contenção de derrames, desde o início das operações até ao seu termo. 6.1 OPERAÇÕES DE CARGA/DESCARGA DE NAVIOS TANQUES REBOCADOR Devido ao facto do porto de Ponta Delgada não estar dotado de um anel fixo de serviço de Incêndios, a APSM deverá disponibilizar um rebocador, com meios de combate a incêndios e a derrames no mar, em regime de prontidão durante todo o período em que decorrem as operações de carga/descarga dos navios tanques BOMBEIROS Nas operações de carga/descarga de combustíveis dos navios tanques deverá estar presente um piquete da AHBVPD desde o início das operações até ao seu termo. No caso da operação ocorrer no cais NATO com intervenção do pessoal do DPNPD, tal não é necessário, uma vez que o DPNPD assegura a operação e utiliza padrões de segurança mais elevados MEIOS HUMANOS No caso de operação de carga de combustíveis líquidos, um piquete constituído por: 1 chefe de piquete e 2 bombeiros. No caso de operação de descarga de combustíveis líquidos ou gás, um piquete constituído por: 1 chefe de piquete e 4 bombeiros

18 MEIOS MATERIAIS Cargas e descargas de combustíveis líquidos: TIPO DE EQUIPAMENTO QUANTIDADE Equipamento S.I.: Viatura PSP, ATP ou PSM 1 Lanços de Mangueira 50 mm 5 X 3 (linhas) Lanços de Mangueira 70 mm 2 Agulheta de água 2 Monitor de água 1 Depósito de espumífero > 100 litros Extintor de pó químico B ou ABC de 50kg 1 Disjuntor 70 > 2X50 1 Bomba eléctrica aspiração directa ao mar 1 Doseador de espumífero com mangueira 1 Extintor de pó químico B ou ABC de 250kg 1 Fatos de aproximação ao fogo e capacetes 5 Cargas e descargas de gás: Equipamento S.I.: TIPO DE EQUIPAMENTO QUANTIDADE Viatura auto-tanque de 10 m3 de água 1 Extintor de pó químico C ou ABC de 250kg 1 Extintor de pó químico C ou ABC de 6kg 2 Agulhetas de nevoeiro ligadas a um disjuntor em V, por sua vez ligado ao auto-tanque. Saída para agulheta de nevoeiro ligada a caixa de rede municipal (parede do edifício da APSM). Esta caixa alimenta também o auto-tanque. 1 Lanços de Mangueira 50 mm 2 5 x 3 (linhas) Fatos de aproximação ao fogo e capacetes

19 6.1.3 APSM MEIOS HUMANOS A definir pela APSM aquando da colocação de barreiras flutuantes no mar MEIOS MATERIAIS Cargas e descargas de combustíveis líquidos: TIPO DE EQUIPAMENTO QUANTIDADE Equipamento Anti-Poluição: Barreiras portuárias de prevenção 1 Camaroeiros 2 Material absorvente (manta/saco) 3 Barreira absorvente 1 Equipamento de Segurança: Bóia salva-vidas com retinida 1 Suporte para bóia salva-vidas 1 Coletes salva-vidas 2 Suporte para coletes salva-vidas 1 Equipamento S.I.: Agulheta de espuma para monitor 1 Agulheta de água para monitor 1 Moto-bomba 1 Mangueiras para moto-bomba 1 Espumífero (emb. de 25 lts) > 4 Doseador de espumífero com mangeira 1 Mangueira 25 mm 2 Mangueira 50 mm 4 Monitor de chão 1 Disjuntor 75 > 2X50 2 Reduções 75/50 2 Equipamento de Iluminação: Grupo Gerador + focos e cabos

20 Cargas e descargas de gás: não aplicável OPERAÇÕES SOB A RESPONSABILIDADE DO DPNPD As movimentações de combustíveis/explosivos no cais NATO, que sejam da responsabilidade do DPNPD, são regidas por legislação da NATO e com normas de segurança próprias, não isentando, no entanto, o policiamento por parte da Polícia Marítima. 6.2 OPERAÇÕES DE BUNKERS E DE PESCA Nas operações de abastecimento de combustíveis de navios e embarcações de pesca as condições de segurança contra incêndios e contenção de derrames deverão ser garantidas por um piquete do terminal ou do agente, constituído por pessoal devidamente habilitado (com formação certificada) e com o material a seguir indicado. TIPO DE EQUIPAMENTO Extintor de pó químico B ou ABC de 50kg, por cada área de 30 metros de diâmetro. QUANTIDADE 1 Extintor de pó químico B ou ABC de 6kg 2 Material absorvente (manta/saco) 1 O navio disponibilizará a bordo os seus meios próprios de combate a incêndios (anel de água, mangueiras e agulhetas e um extintor de pó químico B ou ABC de 12 kg). A APSM disponibilizará em stand by o material e equipamento de contenção e combate à poluição no meio marinho

21 ANEXO A Ficha de Controlo de Segurança para Movimentação de Produto Operations Clearance NAVIOS TANQUE (TANK SHIPS) Navio (Ship) : Data (Date) : / / Operação (Operation): Carga (Charge) Descarga (Discharge) Tipo de produto: Gasolina Gasóleo Fuel-óleo Gás JP1 Asfalto Álcool (Gasoline) (Gasoil) (Fuel-oil) (Gas) (JP1) (Betum) (Alcohol) Nº (No) Acção (Item) Verificação (Check) 1. Qual a quantidade estimada de produto a transferir? How much oil estimated to be transferred? 2. Qual o tempo estimado da operação? How much time the operation will take? 3. O 1º Operador estabeleceu as medidas de segurança? Has the 1º Operator effective safety in place? 4. O 2º Operador estabeleceu as medidas de segurança? Has the 2º Operator effective safety in place? 5. O Navio estabeleceu as medidas de segurança? Has the Ship effective safety in place? 6. A APSM estabeleceu as medidas de segurança? Has the Port Authority effective safety in place? 7. Os Bombeiros estabeleceram as medidas de segurança? Has the Firemen effective safety in place? m3 hora(s) (hour(s)) Nome: (Name) Cargo: (Rank) Assinatura: (Signature) Controlo de Segurança antes do início das operações (Pre-Operations Clearance) Pelo Navio (For the Ship) Pelo 1º Operador (For the 1º Operator) Pelo 2º Operador (For the 2º Operator) Pelos Bombeiros (For the Firemen) Pela APSM (For the Port Authority) Pela PM (For Marítime Police) Nome: (Name) Cargo: (Rank) Assinatura: (Signature) Controlo de Segurança após o fim das operações (End-Operations Clearance) Pelo Navio (For the Ship) Pelo 1º Operador (For the 1º Operator) Pelo 2º Operador (For the 2º Operator) Pelos Bombeiros (For the Firemen) / /, h : m Pela APSM (For the Port Authority) Pela PM (For Marítime Police) Obs: na Se não aplicável (na If not applicable ) / /, h : m A - 1

22 ANEXO A Ficha de Controlo de Segurança para Movimentação de Produto Operations Clearance BUNKERS Navio (Ship) : Data (Date) : / / Tipo de produto: Gasóleo Fuel-óleo (Gasoil) (Fuel-oil) Nº (No) Acção (Item) Verificação (Check) 1. Qual a quantidade estimada de produto a transferir? How much oil estimated to be transferred? 2. Qual o tempo estimado da operação? How much time the operation will take? 3. O Operador estabeleceu as medidas de segurança? Has the Operator effective safety in place? 4. O Navio estabeleceu as medidas de segurança? Has the Ship effective safety in place? m3 hora(s) (hour(s)) Controlo de Segurança antes do início das operações (Pre-Operations Clearance) Pelo Navio (For the Ship) Pelo Operador (For the Operator) Pela Polícia Marítima (For Marítime Police) Nome: (Name) Cargo: (Rank) Assinatura: (Signature) / /, h : m Controlo de Segurança após o fim das operações (End-Operations Clearance) Pelo Navio (For the Ship) Pelo Operador (For the Operator) Pela Polícia Marítima (For Marítime Police) Nome: (Name) Cargo: (Rank) Assinatura: (Signature) Obs: na Se não aplicável (na If not applicable ) / /, h : m A - 2

23 ANEXO B DISTRIBUIÇÃO DIRECÇÃO-GERAL DE AUTORIDADE MARÍTIMA (DGAM)... 1 DEPARTAMENTO MARÍTIMO DOS AÇORES (DMA)... 1 COMANDO ZONA MARÍTIMA DOS AÇORES (CZMA)... 1 CAPITANIA DO PORTO DE PONTA DELGADA... 2 COMANDO LOCAL DA POLÍCA MARÍTIMA... 2 PATRÃO-MOR... 1 POLNATO... 1 BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE PONTA DELGADA... 1 DIRECÇÃO REGIONAL DOS TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES... 1 SECRETARIA REGIONAL DO AMBIENTE... 1 ADMINISTRAÇÃO DOS PORTOS (APSM)... 1 TERMINAL DE COMBUSTÍVEIS DA NORDELA... 1 BENCOM... 1 GALP... 1 A.C.CYMBROM SAAGA... 1 SINAGA... 1 SERVIÇO REGIONAL DE PROTECÇÃO CIVIL... 1 AGÊNCIA DE NAVEGAÇÃO TRANSINSULAR... 1 IPTM AÇORES... 1 AGÊNCIA DE NAVEGAÇÃO ALL SHIPS... 1 AGÊNCIA DE NAVEGAÇÃO BENSAÚDE... 1 B - 1 Alteração n.º 1

24 AGÊNCIA DE NAVEGAÇÃO NSL, SOC. UNIP... 1 AGÊNCIA DE NAVEGAÇÃO ALBANO DE OLIVEIRA E SUCESSOR... 1 AGÊNCIA DE NAVEGAÇÃO CMJ RIEFF... 1 AGÊNCIA DE NAVEGAÇÃO BOX LINES... 1 AGÊNCIA DE TRANSPORTES MARÍTIMOS PARECE MACHADO... 1 Total de exemplares distribuídos B - 2 Alteração n.º 1

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto executivo nº. 80/04 de 27 de Julho Havendo necessidade de estabelecer as condições a que devem obedecer os meios de transporte aéreo de produtos petrolíferos; Sendo necessário

Leia mais

CAPÍTULO I. Disposições gerais. Artigo 1.º (Objectivo)

CAPÍTULO I. Disposições gerais. Artigo 1.º (Objectivo) CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º (Objectivo) O presente Regulamento tem por objectivo a definição dos sistemas de prevenção e protecção contra incêndios e derrames acidentais a serem implantados

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL MARINHA A U T O R I D A D E M A R Í T I M A N A C I O N A L CAPITANIA DO PORTO DE PONTA DELGADA EDITAL N.

MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL MARINHA A U T O R I D A D E M A R Í T I M A N A C I O N A L CAPITANIA DO PORTO DE PONTA DELGADA EDITAL N. MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL MARINHA A U T O R I D A D E M A R Í T I M A N A C I O N A L CAPITANIA DO PORTO DE PONTA DELGADA EDITAL N.º 01/2008 NORMAS DE SEGURANÇA E INSTRUÇÕES PARA A NAVEGAÇÃO E PERMANÊNCIA

Leia mais

CAPITANIA DO PORTO DA HORTA

CAPITANIA DO PORTO DA HORTA S. R. MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL MARINHA AUTORIDADE MARÍTIMA NACIONAL CAPITANIA DO PORTO DA HORTA EDITAL N.º 1/2009 INSTRUÇÕES PARA A NAVEGAÇÃO E PERMANÊNCIA NO ESPAÇO DE JURISDIÇÃO MARÍTIMA DA CAPITANIA

Leia mais

EMPRESA NACIONAL DA ADMINISTRAÇÃO DE PORTOS S.A.

EMPRESA NACIONAL DA ADMINISTRAÇÃO DE PORTOS S.A. EMPRESA NACIONAL DA ADMINISTRAÇÃO DE PORTOS S.A. REGULAMENTO DE ACESSO, CIRCULAÇÃO E ESTACIONAMENTO NOS PORTOS DE CABO VERDE Preambulo Com a entrada em vigor do Código ISPS nos Portos da Praia, Mindelo

Leia mais

Medidas de Protecção Contra Explosão

Medidas de Protecção Contra Explosão Medidas de Protecção Contra Explosão a) Líquidos Inflamáveis/Combustíveis Gasóleo Grupos geradores depósito de gasóleo Depósito Enterrado Armazenamento do gasóleo Manutenção Abastecimento do depósito Armazenamento

Leia mais

Distribuição e Venda de Produtos Fitofarmacêuticos

Distribuição e Venda de Produtos Fitofarmacêuticos IMPLEMENTAÇÂO DO DECRETO LEI 173/2005 Distribuição e Venda de Produtos Fitofarmacêuticos Algumas orientações para a construção e beneficiação das instalações bem como para o armazenamento de produtos fitofarmacêuticos

Leia mais

S. R. EDITAL Nº1 / 2008

S. R. EDITAL Nº1 / 2008 S. R. MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL MARINHA AUTORIDADE MARÍTIMA NACIONAL CAPITANIA DO PORTO DE ANGRA DO HEROÍSMO CAPITANIA DO PORTO DA PRAIA DA VITÓRIA EDITAL Nº1 / 2008 JOÃO ANTÓNIO DA CRUZ RODRIGUES

Leia mais

S. R. MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL AUTORIDADE MARÍTIMA NACIONAL DIREÇÃO-GERAL DA AUTORIDADE MARÍTIMA EDITAL Nº 01/2013

S. R. MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL AUTORIDADE MARÍTIMA NACIONAL DIREÇÃO-GERAL DA AUTORIDADE MARÍTIMA EDITAL Nº 01/2013 S. R. MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL AUTORIDADE MARÍTIMA NACIONAL DIREÇÃO-GERAL DA AUTORIDADE MARÍTIMA CAPITANIA DO PORTO DE SANTA CRUZ DAS FLORES EDITAL Nº 01/2013 INSTRUÇÕES PARA A NAVEGAÇÃO E PERMANÊNCIA

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/7 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ARMAZENAGEM DE MATERIAIS, EQUIPAMENTOS E RESÍDUOS 2 DESCRIÇÃO O trabalho preventivo no armazenamento de produtos perigosos, visa não só a protecção

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO REGULAMENTO DE USO DE VEÍCULOS

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO REGULAMENTO DE USO DE VEÍCULOS APROVADO 25 de Junho de 2010 O Presidente, ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO (Paulo Parente) REGULAMENTO DE USO DE VEÍCULOS Capítulo I Disposições gerais Artigo 1.º Objecto Nos termos do n.º 2 do

Leia mais

NORMAS ESPECIFICAS ÍNDICE

NORMAS ESPECIFICAS ÍNDICE MARB REGULAMENTO INTERNO DO MERCADO ABASTECEDOR DA REGIÃO DE BRAGA, S.A. NORMAS ESPECÍFICAS ÍNDICE NE 01: DIAS E HORÁRIOS (ART.9º DO REGULAMENTO GERAL)... 3 NE 02: ACESSO DE VEÍCULOS AO MERCADO (ART.11º

Leia mais

Regulamentação técnica de segurança aplicável ao transporte rodoviário de mercadorias perigosas (ADR)

Regulamentação técnica de segurança aplicável ao transporte rodoviário de mercadorias perigosas (ADR) WORKSHOP FIOVDE (24.10.2011) Regulamentação técnica de segurança aplicável ao transporte rodoviário de mercadorias perigosas (ADR) José Alberto Franco José Silva Carvalho Aspectos que vamos passar em revista

Leia mais

ANEXOS DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

ANEXOS DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 6.6.2016 COM(2016) 371 final ANNEXES 1 to 4 ANEXOS da DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO relativa a um sistema de inspeções para a segurança da exploração de ferries

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL MARINHA AUTORIDADE MARÍTIMA NACIONAL CAPITANIA DO PORTO DE FARO EDITAL Nº 1/2012

MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL MARINHA AUTORIDADE MARÍTIMA NACIONAL CAPITANIA DO PORTO DE FARO EDITAL Nº 1/2012 MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL MARINHA AUTORIDADE MARÍTIMA NACIONAL CAPITANIA DO PORTO DE FARO EDITAL Nº 1/2012 NORMAS E INSTRUÇÕES PARA A NAVEGAÇÃO E PERMANÊNCIA NO ESPAÇO DE JURISDIÇÃO DA CAPITANIA DO

Leia mais

Coletes salva-vidas na quantidade que atenda ao estipulado pela Capitania dos Portos, pelo menos, ou que corresponda ao número da tripulação.

Coletes salva-vidas na quantidade que atenda ao estipulado pela Capitania dos Portos, pelo menos, ou que corresponda ao número da tripulação. Segurança de Balsas Tanque 1. Objetivo Estabelecer as normas de segurança que deverão ser rigorosamente observadas durante as operações de carregamento e descarga de balsas-tanque. 2. Abrangência Este

Leia mais

Regulamento Municipal de Veículos Estacionados Abusiva e/ou Indevidamente na Via Pública

Regulamento Municipal de Veículos Estacionados Abusiva e/ou Indevidamente na Via Pública Regulamento Municipal de Veículos Estacionados Abusiva e/ou Indevidamente na Via Pública Maria Gabriela Pereira Menino Tsukamoto, Presidente da Câmara Municipal de Nisa: Torna público que, por deliberação

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE ABASTECIMENTO DE COMBUSTÍVEIS LÍQUIDOS

REGULAMENTO MUNICIPAL DE ABASTECIMENTO DE COMBUSTÍVEIS LÍQUIDOS REGULAMENTO MUNICIPAL DE ABASTECIMENTO DE COMBUSTÍVEIS LÍQUIDOS (Aprovado na 8ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal realizada em 13 de Abril de 2005) REGULAMENTO MUNICIPAL DE ABASTECIMENTO DE COMBUSTÍVEIS

Leia mais

Índice geral. Apresentação. Prólogo à 2.ª edição. Sumário. Siglas. Agradecimentos. 1. Introdução. 2. O risco de incêndio

Índice geral. Apresentação. Prólogo à 2.ª edição. Sumário. Siglas. Agradecimentos. 1. Introdução. 2. O risco de incêndio Índice geral 3 Prólogo à 2.ª edição 5 Sumário 7 Siglas 9 Agradecimentos 11 1. Introdução 13 Tipificação dos incêndios... Causas de incêndio... Consequências dos incêndios... 2.3.1. Considerações gerais...

Leia mais

Regulamento de ocupação e utilização de vias públicas por motivo de obras. Artº 1º Do licenciamento

Regulamento de ocupação e utilização de vias públicas por motivo de obras. Artº 1º Do licenciamento Regulamento de ocupação e utilização de vias públicas por motivo de obras Artº 1º Do licenciamento 1. A ocupação ou utilização de vias ou locais públicos com quaisquer materiais, objectos, equipamentos

Leia mais

Nota Técnica. Requisitos Gerais para a armazenagem de óleos usados:

Nota Técnica. Requisitos Gerais para a armazenagem de óleos usados: Nota Técnica ARMAZENAGEM DE ÓLEOS USADOS Para efeitos do presente documento, considera-se a definição de óleos usados constante na alínea b) do artigo 2.º do Decreto-lei n.º 153/2003. Define-se reservatório

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MONTIJO ÍNDICE

CÂMARA MUNICIPAL DE MONTIJO ÍNDICE ÍNDICE PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE REMOÇÃO DE VEÍCULOS ABANDONADOS... 3 NOTA JUSTIFICATIVA... 3 CAPÍTULO I... 4 ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 4 Artigo 1º - Âmbito de aplicação... 4 Artigo 2º- Lei habilitante...

Leia mais

MUNICÍPIO DE CHAVES CÂMARA MUNICIPAL NIPC N.º 501 205 551 REGULAMENTO MUNICIPAL DE BLOQUEAMENTO, REMOÇÃO E DEPÓSITO DE VEÍCULOS PREÂMBULO

MUNICÍPIO DE CHAVES CÂMARA MUNICIPAL NIPC N.º 501 205 551 REGULAMENTO MUNICIPAL DE BLOQUEAMENTO, REMOÇÃO E DEPÓSITO DE VEÍCULOS PREÂMBULO REGULAMENTO MUNICIPAL DE BLOQUEAMENTO, REMOÇÃO E DEPÓSITO DE VEÍCULOS PREÂMBULO De acordo com o disposto na alínea. u), do n.º 1, do art. 64º, da Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro, com as alterações introduzidas

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO. Regulamento de Uso de Veículos

INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO. Regulamento de Uso de Veículos INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Regulamento de Uso de Veículos Aprovado em Plenário de CG de 11 de Abril de 2013 1 INDICE Índice - Regulamento de Uso de Veículos 2 Secção I Disposições Gerais Artigo 1.º Objecto.

Leia mais

Anexo B Diretrizes Ambientais para Embarcações

Anexo B Diretrizes Ambientais para Embarcações Anexo B Diretrizes Ambientais para Embarcações Apêndice I Lista de Verificação para Recebimento de Óleo Lubrificante e Retirada de Resíduos Oleosos das Embarcações. 1.0 OBJETIVO Estabelecer as orientações

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regime Jurídico de SCIE NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regime Jurídico de SCIE OBJECTIVO Indicar os critérios gerais que caracterizam os sinais de segurança aplicáveis em SCIE. Listar os sinais específicos exigidos no RT-SCIE,

Leia mais

Por tonelada líquida de registro (TLR) de embarcação destinada ao transporte de passageiros, turismo e recreio, na área do Porto Organizado

Por tonelada líquida de registro (TLR) de embarcação destinada ao transporte de passageiros, turismo e recreio, na área do Porto Organizado Tabela I Utilização da Infraestrutura de Acesso Aquaviário (Taxas devidas pelo armador ou agente) No. Espécie Incidência Valor() 1. Carregamento, descarga ou baldeação, por tonelada ou fração 3,73 2. Carregamento,

Leia mais

REGULAMENTO DE CIRCULAÇÃO E ESTACIONAMENTO PARA A ZONA DE TRANSITO CONDICIONADO DO CENTRO DA CIDADE DE SÃO JOÃO DA MADEIRA. Nota justificativa

REGULAMENTO DE CIRCULAÇÃO E ESTACIONAMENTO PARA A ZONA DE TRANSITO CONDICIONADO DO CENTRO DA CIDADE DE SÃO JOÃO DA MADEIRA. Nota justificativa REGULAMENTO DE CIRCULAÇÃO E ESTACIONAMENTO PARA A ZONA DE TRANSITO CONDICIONADO DO CENTRO DA CIDADE DE SÃO JOÃO DA MADEIRA Nota justificativa As recentes obras realizadas no Centro Cívico da Cidade de

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DAS INSTALAÇÕES DO TREM NAVAL DE COMBATE À POLUIÇÃO E REBOQUES, EM SANTA CATARINA(RUITN)

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DAS INSTALAÇÕES DO TREM NAVAL DE COMBATE À POLUIÇÃO E REBOQUES, EM SANTA CATARINA(RUITN) REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DAS INSTALAÇÕES DO TREM NAVAL DE COMBATE À POLUIÇÃO E REBOQUES, EM SANTA CATARINA(RUITN) Capítulo I 1. Disposições Gerais 1.1 Objecto e âmbito de aplicação 1.2 Competência da

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume XIII Trabalho em Espaços Confinados. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume XIII Trabalho em Espaços Confinados. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume XIII Trabalho em Espaços Confinados um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

PORTARIA N.º 715/89 de 23 de Agosto

PORTARIA N.º 715/89 de 23 de Agosto PORTARIA N.º 715/89 de 23 de Agosto Com a publicação do Decreto-Lei n.º 96/89, de 28 de Março, foi instituído, na Zona Franca da Região Autónoma da Madeira, o Registo Internacional de Navios da Madeira

Leia mais

S. R. MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL MARINHA AUTORIDADE MARÍTIMA NACIONAL CAPITANIA DO PORTO DA NAZARÉ EDITAL N.º1/2011

S. R. MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL MARINHA AUTORIDADE MARÍTIMA NACIONAL CAPITANIA DO PORTO DA NAZARÉ EDITAL N.º1/2011 S. R. MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL MARINHA AUTORIDADE MARÍTIMA NACIONAL CAPITANIA DO PORTO DA NAZARÉ EDITAL N.º1/2011 INSTRUÇÕES PARA A NAVEGAÇÃO E PERMANÊNCIA NO ESPAÇO DE JURISDIÇÃO MARÍTIMA DA CAPITANIA

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE REMOÇÃO E DEPÓSITO DE VEÍCULOS DO CONCELHO DE LAMEGO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE REMOÇÃO E DEPÓSITO DE VEÍCULOS DO CONCELHO DE LAMEGO REGULAMENTO MUNICIPAL DE REMOÇÃO E DEPÓSITO DE VEÍCULOS DO CONCELHO DE LAMEGO [Aprovado pela Câmara Municipal na sua reunião ordinária realizada a 3 de abril de 2012 e na sessão ordinária da Assembleia

Leia mais

CFMA CENTRO DE FORMAÇÃO MARITIMA DE ANGOLA. Prospecto do curso 2013/14

CFMA CENTRO DE FORMAÇÃO MARITIMA DE ANGOLA. Prospecto do curso 2013/14 CFMA CENTRO DE FORMAÇÃO MARITIMA DE ANGOLA Prospecto do curso 2013/14 Patrocinado pela: Índice STCW Primeiros Socorros Básicos... 4 STCW Prevenção de Incêndios e Combate a Incêndios... 5 STCW Segurança

Leia mais

ANTE PROGRAMA CAMPEONATO NACIONAL DE MOTONÁUTICA 2015 GP VILA FRANCA DE XIRA RIO TEJO. 18 e 19 de Abril FF, PR 750, T 850 E F4

ANTE PROGRAMA CAMPEONATO NACIONAL DE MOTONÁUTICA 2015 GP VILA FRANCA DE XIRA RIO TEJO. 18 e 19 de Abril FF, PR 750, T 850 E F4 ANTE PROGRAMA CAMPEONATO NACIONAL DE MOTONÁUTICA 2015 GP VILA FRANCA DE XIRA RIO TEJO 18 e 19 de Abril FF, PR 750, T 850 E F4 1-ORGANIZAÇÃO A FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE MOTONÁUTICA, o MUNICIPIO DE VILA FRANCA

Leia mais

S. R. MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL MARINHA AUTORIDADE MARÍTIMA NACIONAL CAPITANIA DO PORTO DA FIGUEIRA DA FOZ EDITAL N.º 01/2012

S. R. MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL MARINHA AUTORIDADE MARÍTIMA NACIONAL CAPITANIA DO PORTO DA FIGUEIRA DA FOZ EDITAL N.º 01/2012 S. R. MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL MARINHA AUTORIDADE MARÍTIMA NACIONAL CAPITANIA DO PORTO DA FIGUEIRA DA FOZ EDITAL N.º 01/2012 INSTRUÇÕES PARA A NAVEGAÇÃO E PERMANÊNCIA NO ESPAÇO DE JURISDIÇÃO MARÍTIMA

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto executivo n.º 57/08 de 22 de Abril Havendo necessidade de se estabelecer as condições técnicas e de segurança a que devem obedecer os meios de transportação terrestre de

Leia mais

REGULAMENTO SOBRE A UTILIZAÇÃO DE ARTIGOS PIROTÉCNICOS

REGULAMENTO SOBRE A UTILIZAÇÃO DE ARTIGOS PIROTÉCNICOS Artigo 1.º Objecto e âmbito de aplicação 1 - O presente Regulamento estabelece as regras a que devem obedecer a utilização de artigos pirotécnicos e a realização de espectáculos com estes artigos. 2 -

Leia mais

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Zona Franca Industrial Plano de Emergência Documento disponível em: www.ibc-madeira.com Plano de Emergência da Zona Franca Industrial Nota de Divulgação

Leia mais

-- I JORNAL OFICIAL REGIAO AUTONOMA DA MADEIRA. I Série - Número 6 Quarta- feira, 28 de Janeiro de 1998. Portaria n, 6/98 SUMÁRIO

-- I JORNAL OFICIAL REGIAO AUTONOMA DA MADEIRA. I Série - Número 6 Quarta- feira, 28 de Janeiro de 1998. Portaria n, 6/98 SUMÁRIO . -...,.. ) -.:'.:» PDF elaborado pela DATAJURIS,.."./ REGIAO AUTONOMA DA MADEIRA -- I JORNAL OFICIAL I Série - Número 6 Quarta- feira, 28 de Janeiro de 1998 SUMÁRIO SECRETARIAS REGIONAIS DO PLANO E DA

Leia mais

! " # $ $! $ % $ " &! "!

!  # $ $! $ % $  &! ! !"#" $%!&'($!))#$&) * )'+ &'&"#'%,*!$ !"#$$!$ %$"&!"!" '% NOTA JUSTIFICATIVA Atentas as alterações legislativas ao Código da Estrada decorrentes da entrada em vigor do Decreto-Lei n.º 44/2005 de 23 de

Leia mais

Regulamento de Uso de Veículos. Secção I Disposições Gerais

Regulamento de Uso de Veículos. Secção I Disposições Gerais Regulamento de Uso de Veículos Secção I Disposições Gerais Artigo 1.º Objecto Nos termos do n.º 2 do artigo 11.º do Decreto-Lei n.º 170/2008, de 26 de Agosto, que define o novo regime jurídico do Parque

Leia mais

SUMÁRIO I SÉRIE - NÚMERO 17 QUINTA-FEIRA, 28 DE ABRIL DE 2005

SUMÁRIO I SÉRIE - NÚMERO 17 QUINTA-FEIRA, 28 DE ABRIL DE 2005 I SÉRIE - NÚMERO 17 QUINTA-FEIRA, 28 DE ABRIL DE 2005 SUMÁRIO GOVERNO REGIONAL Decreto Regulamentar Regional n.º 9/2005/A, de 19 de Abril: Altera os limites geográficos e a identificação cartográfica da

Leia mais

ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGO PORTO DO PECEM

ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGO PORTO DO PECEM ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGO PORTO DO PECEM Perda de carga e equipamentos Falhas ao estudar as condições meteoceanográficas. Falha mecânica (Guindastes, empilhadeiras,. Encalhe em bancos de areia e/ou

Leia mais

PORTOS DE BELÉM, OUTEIRO, MIRAMAR, VILA DO CONDE, SANTARÉM, ITAITUBA, ÓBIDOS, ALTAMIRA, SÃO FRANCISCO E MARABÁ. Nº Espécie e Incidência...

PORTOS DE BELÉM, OUTEIRO, MIRAMAR, VILA DO CONDE, SANTARÉM, ITAITUBA, ÓBIDOS, ALTAMIRA, SÃO FRANCISCO E MARABÁ. Nº Espécie e Incidência... TARIFA COMPANHIA DOCAS DO PARÁ PORTOS DE BELÉM, OUTEIRO, MIRAMAR, VILA DO CONDE, SANTARÉM, ITAITUBA, ÓBIDOS, ALTAMIRA, SÃO FRANCISCO E MARABÁ Tabela I - Utilização da Infraestrutura Aquaviária (Tarifas

Leia mais

TEXTO INTEGRAL. Artigo 1. Objecto e âmbito

TEXTO INTEGRAL. Artigo 1. Objecto e âmbito DATA: 14 de Junho de 1995 EMISSOR: MINISTÉRIO DO EMPREGO E DA SEGURANÇA SOCIAL DIPLOMA/ACTO: Decreto-Lei n.º 141/95 SUMÁRIO: Transpõe para a ordem jurídica interna a Directiva n.º 92/58/CEE, do Conselho,

Leia mais

NR-19 EXPLOSIVOS (119.000-8)

NR-19 EXPLOSIVOS (119.000-8) NR-19 EXPLOSIVOS (119.000-8) 19.1 Depósito, manuseio e armazenagem de explosivos. 19.1.1 Explosivos são substâncias capazes de rapidamente se transformarem em gases, produzindo calor intenso e pressões

Leia mais

Escola Secundária D. Duarte

Escola Secundária D. Duarte 1. CARACTERIZAÇÃO DO ESPAÇO 1.1 Localização geográfica A Escola Secundária D. Duarte fica situada na Rua António Augusto Gonçalves em Santa Clara Coimbra. Vias de acesso para socorros exteriores: Protecção

Leia mais

C I R C U L A R D E I N F O R M A Ç Ã O A E R O N Á U T I C A PORTUGAL

C I R C U L A R D E I N F O R M A Ç Ã O A E R O N Á U T I C A PORTUGAL INSTITUTO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL, I.P. C I R C U L A R D E I N F O R M A Ç Ã O A E R O N Á U T I C A PORTUGAL INFORMAÇÃO AERONÁUTICA Aeroporto da Portela / 1749-034 Lisboa Telefone: 218423502 / Fax:

Leia mais

DIÁRIO DA REPÚBLICA SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE S U M Á R I O. Terça-feira, 11 de Setembro de 2007 Número 44 ASSEMBLEIA NACIONAL

DIÁRIO DA REPÚBLICA SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE S U M Á R I O. Terça-feira, 11 de Setembro de 2007 Número 44 ASSEMBLEIA NACIONAL Terça-feira, 11 de Setembro de 2007 Número 44 SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE DIÁRIO DA REPÚBLICA S U M Á R I O ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º 13/2007. Lei de Base de Segurança Marítima e de Prevenção contra a Poluição

Leia mais

REGULAMENTO DA MARINA

REGULAMENTO DA MARINA REGULAMENTO DA MARINA (Aprovado na Assembleia Geral a 16 de Abril de 1999) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º Objectivo e âmbito de aplicação O presente regulamento contém as disposições fundamentais

Leia mais

REGULAMENTO DE SEGURANÇA DA ADMINISTRAÇÃO DO PORTO DE AVEIRO ÍNDICE

REGULAMENTO DE SEGURANÇA DA ADMINISTRAÇÃO DO PORTO DE AVEIRO ÍNDICE REGULAMENTO DE SEGURANÇA DA ADMINISTRAÇÃO DO PORTO DE AVEIRO ZONA TERRESTRE DO PORTO ÍNDICE TÍTULO I - ZONA TERRESTRE DO PORTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º. Âmbito de aplicação Artigo 2º. Espécies

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VII.I.01/2007-05-31

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VII.I.01/2007-05-31 NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VII.I.01/2007-05-31 RESUMO Indicar os critérios gerais que caracterizam os sinais de segurança aplicáveis em SCIE. Listar os sinais específicos

Leia mais

Índice. Página 1 de 7

Índice. Página 1 de 7 Índice 1 - Considerações gerais...2 1.1 - Introdução...2 2 - Actuação em caso de emergência...2 2.1 - Esquema geral de actuação...2 2.2 - Procedimento gerais de actuação...3 2.2.1 - Em caso de incêndio

Leia mais

Regulamento de Utilização do Centro Náutico de Cheoc-Van

Regulamento de Utilização do Centro Náutico de Cheoc-Van Regulamento de Utilização do Centro Náutico de Cheoc-Van 1 o Objecto 1 O acesso, a permanência e a utilização das instalações do Centro Náutico de Cheoc-Van, adiante designado por Centro, afecto ao Instituto

Leia mais

Capítulo I Disposições Gerais

Capítulo I Disposições Gerais APSS ADMINISTRAÇÃO DOS PORTOS DE SETÚBAL E SESIMBRA, S.A. REGULAMENTO DO EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE AMARRAÇÃO NO PORTO DE SETÚBAL Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º (Objecto e âmbito de aplicação)

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL MARINHA AUTORIDADE MARÍTIMA NACIONAL CAPITANIA DO PORTO DE VILA DO PORTO EDITAL N.º 01/2008 NORMAS DE SEGURANÇA

MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL MARINHA AUTORIDADE MARÍTIMA NACIONAL CAPITANIA DO PORTO DE VILA DO PORTO EDITAL N.º 01/2008 NORMAS DE SEGURANÇA MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL MARINHA AUTORIDADE MARÍTIMA NACIONAL CAPITANIA DO PORTO DE VILA DO PORTO EDITAL N.º 01/2008 NORMAS DE SEGURANÇA E INSTRUÇÕES PARA A NAVEGAÇÃO E PERMANÊNCIA NO ESPAÇO DE JURISDIÇÃO

Leia mais

Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006

Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006 Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006 Ficha técnica Número G 02/2006 Data de aprovação JUL 2006 Data de publicação JUL 2006 Data última revisão

Leia mais

Proposta de Regulamento de Utilização e Funcionamento do Terminal Rodoviário de Arruda dos Vinhos

Proposta de Regulamento de Utilização e Funcionamento do Terminal Rodoviário de Arruda dos Vinhos Proposta de Regulamento de Utilização e Funcionamento do Terminal Rodoviário de Arruda dos Vinhos PREÂMBULO O presente regulamento surge na sequência do Decreto-Lei n.º 170/71, de 27 de Abril, que aprovou

Leia mais

CATÁLOGO. Equipamentos de Segurança contra Incêndio & Sinalização Fotoluminescente

CATÁLOGO. Equipamentos de Segurança contra Incêndio & Sinalização Fotoluminescente CATÁLOGO Equipamentos de Segurança contra Incêndio & Sinalização Fotoluminescente EMPRESA REGISTADA COM O N.º 1418 NA AUTORIDADE NACIONAL DE PROTECÇÃO CIVIL ÍNDICE EQUIPAMENTO DE SEGURANÇA INSTRUÇÕES...3

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume IX Movimentação Mecânica de Cargas. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume IX Movimentação Mecânica de Cargas. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume IX Movimentação Mecânica de Cargas um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

Portos de Pesca de Maputo e Beira. Frigorificação de Pescado e Venda de Gelo. Utilizações Nacionais e Estrangeiras 1 1

Portos de Pesca de Maputo e Beira. Frigorificação de Pescado e Venda de Gelo. Utilizações Nacionais e Estrangeiras 1 1 8 () Diploma Ministerial n. / de de Agosto A Política Pesqueira e a respectiva Estratégia de Implementação, aprovada pela Resolução n. /, de 8 de Maio e o Plano Director das Pescas, definem a propriedade

Leia mais

RESOLUÇÃO 046 10 de agosto de 2009

RESOLUÇÃO 046 10 de agosto de 2009 RESOLUÇÃO 046 10 de agosto de 2009 REGULA A MOVIMENTAÇÃO, ARMAZENAGEM E TRÂNSITO DE MERCADORIAS CLASSIFICADAS PELO CÓDIGO MARÍTIMO INTERNACIONAL DE MERCADORIAS PERIGOSAS (IMDG CODE), DA ORGANIZAÇÃO MARÍTIMA

Leia mais

REGULAMENTO DE GESTÃO DE RESÍDUOS NO PORTO DE AVEIRO. CAPÍTULO 1 Disposições gerais. Artigo 1.º Objectivo e Âmbito de aplicação

REGULAMENTO DE GESTÃO DE RESÍDUOS NO PORTO DE AVEIRO. CAPÍTULO 1 Disposições gerais. Artigo 1.º Objectivo e Âmbito de aplicação REGULAMENTO DE GESTÃO DE RESÍDUOS NO PORTO DE AVEIRO CAPÍTULO 1 Disposições gerais Artigo 1.º Objectivo e Âmbito de aplicação O presente Regulamento aplica-se a toda a área portuária e tem como objectivo

Leia mais

A carta de condução de automóveis pesados habilita a conduzir: Automóveis ligeiros. Motociclos. Qualquer tipo de veículos com motor.

A carta de condução de automóveis pesados habilita a conduzir: Automóveis ligeiros. Motociclos. Qualquer tipo de veículos com motor. A carta de condução de automóveis ligeiros habilita a conduzir: Automóveis de passageiros com lotação até 12 lugares. Motociclos até 125cc. Tractores agrícolas com equipamentos cujo peso máximo não exceda

Leia mais

DESPACHO ISEP/P/28/2010

DESPACHO ISEP/P/28/2010 DESPACHO DESPACHO ISEP/P/28/2010 REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DE VEÍCULOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO Considerando: 1. O disposto no n.º 2 do artigo 11.º do Decreto-Lei n.º 170/2008, de 26

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA Edição revista (*) Nº : 5. 2.2 : Gás não inflamável e não tóxico.

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA Edição revista (*) Nº : 5. 2.2 : Gás não inflamável e não tóxico. Página : 1 2.2 : Gás não inflamável e não tóxico. Atenção 1 Identificação da substância/ preparação e da sociedade/ empresa Identificador do produto Designação Comercial : AR Reconstituido K/AR Comprimido/

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO REGULAMENTO MUNICIPAL DE QUEIMADAS, QUEIMAS, FOGUEIRAS E FOGO-DE-ARTIFÍCIO

PROJECTO DE REGULAMENTO REGULAMENTO MUNICIPAL DE QUEIMADAS, QUEIMAS, FOGUEIRAS E FOGO-DE-ARTIFÍCIO PROJECTO DE REGULAMENTO REGULAMENTO MUNICIPAL DE QUEIMADAS, QUEIMAS, FOGUEIRAS E FOGO-DE-ARTIFÍCIO Nota Justificativa Com a entrada em vigor do Decreto-Lei n 264/2002, de 15 de Novembro, foram transferidas

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CENTROS COORDENADORES DE TRANSPORTES DE CAMINHA E VILA PRAIA DE ÂNCORA

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CENTROS COORDENADORES DE TRANSPORTES DE CAMINHA E VILA PRAIA DE ÂNCORA REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CENTROS COORDENADORES DE TRANSPORTES DE CAMINHA E VILA PRAIA DE ÂNCORA 1990 1 CAPÍTULO I OBJECTIVO E ÂMBITO DE APLICAÇÕES ARTIGO 1º - O presente regulamento destina-se

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº.

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. 35/2011 Túnel rodoviário SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências

Leia mais

EQUIPAMENTOS DAS EMBARCAÇÕES DE RECREIO

EQUIPAMENTOS DAS EMBARCAÇÕES DE RECREIO EQUIPAMENTOS DAS EMBARCAÇÕES DE RECREIO Portaria n.º 1464/2002 de 14 de Novembro Os equipamentos das embarcações de recreio (ER) respeitantes aos meios de salvação, aparelhos, meios de segurança, meios

Leia mais

NE 01: DIAS E HORÁRIOS (ART.9º DO REGULAMENTO GERAL)

NE 01: DIAS E HORÁRIOS (ART.9º DO REGULAMENTO GERAL) NORMAS ESPECÍFICAS ÍNDICE NE 01: DIAS E HORÁRIOS (ART.9º DO REGULAMENTO GERAL)... 2 NE 02: ACESSO DE VEÍCULOS AO MERCADO (ART.11º DO REGULAMENTO GERAL)... 3 NE 03: CIRCULAÇÃO INTERNA (ART.12º DO REGULAMENTO

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL E SHST. Regras de Qualidade, Ambiente e Segurança

GESTÃO AMBIENTAL E SHST. Regras de Qualidade, Ambiente e Segurança Regras de Qualidade, mbiente 1 / 7 provação: I. OBJECTIVO E ÂMBITO Este documento estabelece as regras da Qualidade, mbiente aplicáveis a entidades externas, que venham a desenvolver actividades dentro

Leia mais

FUNÇÃO FICHA DE SEGURANÇA EMPILHADORES DE GARFOS

FUNÇÃO FICHA DE SEGURANÇA EMPILHADORES DE GARFOS FICHA DE SEGURANÇA EMPILHADORES DE GARFOS Fonte: Acedido em http://saudeambiental13.blogspot.pt/ julho 2014 Legenda: 1. Chassis; 2. Contrapeso; 3. Eixo motriz; 4. Eixo de direção; 5. Mastro (que serve

Leia mais

SIGOU. Sistema Integrado de Gestão de Óleos Usados

SIGOU. Sistema Integrado de Gestão de Óleos Usados SIGOU Sistema Integrado de Gestão de Óleos Usados 1 O que é a ECOLUB? A ECOLUB, referência na requalificação de resíduos industriais perigosos, é uma marca registada da SOGILUB, Sociedade de Gestão Integrada

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE REMOÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMÓVEIS

REGULAMENTO MUNICIPAL DE REMOÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMÓVEIS REGULAMENTO MUNICIPAL DE REMOÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMÓVEIS Nota Justificativa a) Designação - Regulamento Municipal de Remoção de Veículos Abandonados. b) Motivação do projecto - a alínea u) do n.º 1 do artigo

Leia mais

NR 23 - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS COMBATE AO FOGO CLASSES DE FOGO. SENAI - Carlos Eduardo do Vale Melo NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO

NR 23 - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS COMBATE AO FOGO CLASSES DE FOGO. SENAI - Carlos Eduardo do Vale Melo NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO NR- PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO NR - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS A proteção contra incêndios é uma das Normas Regulamentadoras que disciplina sobre as regras complementares de segurança e saúde no trabalho

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/5 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA REBOQUE DE GERADORES E SUPORTES DE BOBINAS DE CABOS 2 DESCRIÇÃO Durante os trabalhos diários de exploração e conservação das redes de distribuição

Leia mais

REGULAMENTO DE TARIFAS 2010 DA APDL - ADMINISTRAÇÃO DOS PORTOS DO DOURO E LEIXÕES, S.A.

REGULAMENTO DE TARIFAS 2010 DA APDL - ADMINISTRAÇÃO DOS PORTOS DO DOURO E LEIXÕES, S.A. REGULAMENTO DE TARIFAS 2010 DA APDL - ADMINISTRAÇÃO DOS PORTOS DO DOURO E LEIXÕES, S.A. DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Âmbito de aplicação A APDL - Administração dos Portos do Douro e Leixões, SA, adiante

Leia mais

SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA A IMPLEMENTAR NAS PEDREIRAS A CÉU ABERTO

SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA A IMPLEMENTAR NAS PEDREIRAS A CÉU ABERTO SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA A IMPLEMENTAR NAS PEDREIRAS A CÉU ABERTO Humberto Guerreiro Engenheiro de Minas INTRODUÇÃO A crescente preocupação das entidades oficiais sobre a segurança na indústria extractiva,

Leia mais

Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos. Câmara Municipal de Mora

Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos. Câmara Municipal de Mora Pág.1/12 Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos Câmara Municipal de Mora 2010 Pág.2/12 Identificação da Entidade Informação da Visita Documento Entidade: Câmara Municipal de Mora Entidade:

Leia mais

MAR - Registo Internacional de Navios da Madeira

MAR - Registo Internacional de Navios da Madeira MAR - Registo Internacional de Navios da Madeira MAR: Registo Internacional de Navios da Madeira S.D.M. - Sociedade de Desenvolvimento da Madeira, S.A. Rua da Mouraria, n.º 9-1.º P. O. Box 4164, 9001-801

Leia mais

TARIFA PORTUÁRIA DO PORTO DE ILHÉUS

TARIFA PORTUÁRIA DO PORTO DE ILHÉUS SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA TARIFA PORTUÁRIA DO PORTO DE ILHÉUS TAXAS, PREÇOS, FRANQUIAS E OBSERVAÇÕES Resolução nº 4.093 ANTAQ, de 07/05/2015 Vigência: 15/05/2015 TABELA I - UTILIZAÇÃO

Leia mais

PARTE 8 Prescrições relativas à tripulação, ao equipamento, à operação e à documentação dos veículos

PARTE 8 Prescrições relativas à tripulação, ao equipamento, à operação e à documentação dos veículos PARTE 8 Prescrições relativas à tripulação, ao equipamento, à operação e à documentação dos veículos - 1021 - - 1022 - CAPÍTULO 8.1 PRESCRIÇÕES GERAIS RELATIVAS ÀS UNIDADES DE TRANSPORTE E AO EQUIPAMENTO

Leia mais

NORMAS TRANSITÓRIAS DE FUNCIONAMENTO DO MERCADO DE GADO DE CHAVES. 1.ª Âmbito e Objecto

NORMAS TRANSITÓRIAS DE FUNCIONAMENTO DO MERCADO DE GADO DE CHAVES. 1.ª Âmbito e Objecto NORMAS TRANSITÓRIAS DE FUNCIONAMENTO DO MERCADO DE GADO DE CHAVES 1.ª Âmbito e Objecto As presentes normas visam disciplinar a actividade do Mercado de Gado de Chaves. 2.ª Da organização do Mercado de

Leia mais

M U N I C Í P I O D E OLIVEIRA DO HOSPITAL

M U N I C Í P I O D E OLIVEIRA DO HOSPITAL M U N I C Í P I O D E OLIVEIRA DO HOSPITAL TÍTULO REGULAMENTO DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTE EM TÁXI CLASSIFICAÇÃO GERAL REFERÊNCIA INTERNA DCDET/RGO.006

Leia mais

S. R. MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL MARINHA AUTORIDADE MARÍTIMA NACIONAL CAPITANIA DO PORTO DE VIANA DO CASTELO EDITAL N.º 01/2012

S. R. MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL MARINHA AUTORIDADE MARÍTIMA NACIONAL CAPITANIA DO PORTO DE VIANA DO CASTELO EDITAL N.º 01/2012 S. R. MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL MARINHA AUTORIDADE MARÍTIMA NACIONAL CAPITANIA DO PORTO DE VIANA DO CASTELO EDITAL N.º 01/2012 INSTRUÇÕES PARA A NAVEGAÇÃO E PERMANÊNCIA NO ESPAÇO DE JURISDIÇÃO MARÍTIMA

Leia mais

Curso de Especialização Pós-Graduada em Sistemas de Segurança, Gestão Técnica e Domótica

Curso de Especialização Pós-Graduada em Sistemas de Segurança, Gestão Técnica e Domótica 1. Designação do Curso: Curso de Especialização Pós-Graduada em Sistemas de Segurança, Gestão Técnica e Domótica 2. Denominação do Diploma ou Certificado Diploma de Pós-Graduação em Sistemas de Segurança,

Leia mais

Informação a comunicar ao público sobre estabelecimento abrangido pelo regime de prevenção de acidentes graves que envolvem substâncias perigosas

Informação a comunicar ao público sobre estabelecimento abrangido pelo regime de prevenção de acidentes graves que envolvem substâncias perigosas Informação a comunicar ao público sobre estabelecimento abrangido pelo regime de prevenção de acidentes graves que envolvem substâncias perigosas Porquê ler este documento? Terminal da Trafaria OZ Energia

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS

NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS ANEXO XXV AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica estabelece as medidas de segurança

Leia mais

MUNICÍPIO DE PENAMACOR REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL. Preâmbulo

MUNICÍPIO DE PENAMACOR REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL. Preâmbulo MUNICÍPIO DE PENAMACOR REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL Preâmbulo O novo Regime Jurídico de Instalação, Exploração e Funcionamento dos Empreendimentos Turísticos, aprovado

Leia mais

ADENDO A DO APÊNDICE V AO ANEXO E CONCEITO DA OPERAÇÃO DO PLANO DE COOPERAÇÃO DE BUSCA E SALVAMENTO

ADENDO A DO APÊNDICE V AO ANEXO E CONCEITO DA OPERAÇÃO DO PLANO DE COOPERAÇÃO DE BUSCA E SALVAMENTO PLAO DE AUXÍLIO MÚTUO MARÍTIMO PAM-M ADEDO A DO APÊDICE V AO AEXO E COCEITO DA OPERAÇÃO DO 1. Conceituação: 1.1. AR - abreviatura do inglês "search and rescue" - Busca e alvamento - correspondente a socorro,

Leia mais

Artigo 18.o Lotação de segurança e governo das embarcações auxiliares. CAPÍTULO III Das embarcações Artigo 16.o Embarcações a utilizar

Artigo 18.o Lotação de segurança e governo das embarcações auxiliares. CAPÍTULO III Das embarcações Artigo 16.o Embarcações a utilizar Decreto-Lei n.o 269/2003, de 28 de Outubro Normas em vigor REGULAMENTO DA ACTIVIDADE MARÍTIMO- TURÍSTICA CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.o Objecto O Regulamento da Actividade Marítimo-Turística,

Leia mais

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ÁREA DE ABASTECIMENTO E ARMAZENAMENTO DE COMBUSTÍVEL 6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ambiente e seu manuseio e armazenagem também apresentam considerável grau

Leia mais

Câmara Municipal de Arraiolos

Câmara Municipal de Arraiolos Regulamento de Instalação e Funcionamento dos Estabelecimentos de Hospedagem Preâmbulo O Decreto-Lei nº. 167/97, de 4 de Julho estabelece o novo regime jurídico aplicável á instalação e funcionamento dos

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Executivo nº 195/08 de 16 de Setembro Considerando a necessidade do estabelecimento de disposições relativas as condições de segurança a que devem obedecer a construção,

Leia mais

7368 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 291 19 de Dezembro de 2000

7368 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 291 19 de Dezembro de 2000 7368 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 291 19 de Dezembro de 2000 Nos termos do artigo 25. o,n. o 2, a Convenção entrou em vigor para a Albânia a 1 de Setembro de 2000. Aviso n. o 244/2000 da Argélia

Leia mais

mobimaster 12 V~DC 24 V~DC 230 V~AC 89 830 A401 P

mobimaster 12 V~DC 24 V~DC 230 V~AC 89 830 A401 P mobimaster 12 V~DC 24 V~DC 230 V~AC 89 830 A401 P P Instruções de operação mobimaster Índice 1. Aplicação 2 2. Dados técnicos e acabamento 2 3. Operação 4 4. Equipamento dos veículos de transporte 5 5.

Leia mais

9º Grande Prémio - 150 Minutos

9º Grande Prémio - 150 Minutos 9º Grande Prémio - 150 Minutos REGULAMENTO 1. Definição do percurso O 9º Grande Prémio - 150 Minutos disputar-se-á na pista de Évora, com um perímetro de 908 metros e com a largura de 7 metros e será obrigatoriamente

Leia mais