SEGURANÇA E SAÚDE EM LABORATÓRIOS DE ENSAIOS DE ÁGUAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SEGURANÇA E SAÚDE EM LABORATÓRIOS DE ENSAIOS DE ÁGUAS"

Transcrição

1 GUIA APDA APDA Comissão Especializada da Qualidade da Água SEGURANÇA E SAÚDE EM LABORATÓRIOS DE ENSAIOS DE ÁGUAS Julho 2012

2 APDA - Associação Portuguesa de Distribuição e Drenagem de Águas Comissão especializada da Qualidade da Água (CEQA) Av. de Berlim, Lisboa Portugal Tel.: (+351) Fax: (+351) Título : Segurança e Saúde em Laboratórios de Ensaios de Águas AUTORES: Ana Alegria Aguiar (SMAS de Sintra) Cristina Cortez (SM de Loures) Cristina Paiva (SMAS de Oeiras e Amadora) David Cabanas (Câmara Municipal do Barreiro) Elsa Oliveira (SMAS de Leiria) Inês Freitas (Águas do Douro e Paiva) Isabel Hespanhol (Águas do Porto) Maria de Fátima Coimbra (Águas do Mondego) Maria João Benoliel (EPAL) Paula Cabral Sacadura (Aquapor) Paulo Nico Casimiro (SMAS de Almada) Rui Sancho (Águas do Algarve) Sara Branco (Câmara Municipal do Seixal). ISBN:

3 Índice ÍNDICE INTRODUÇÃO ORGANIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO SEGURANÇA ESTRUTURAL CONDIÇÕES DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS (SCIE) ÁREAS DE TRABALHO LABORATORIAL INSTALAÇÃO ELÉTRICA ILUMINAÇÃO VENTILAÇÃO HOTTES FLUIDOS ARMAZENAMENTO DE PRODUTOS QUÍMICOS IDENTIFICAÇÃO DE PERIGOS E AVALIAÇÃO DE RISCOS METODOLOGIA RISCOS ESPECÍFICOS Diretiva ATEX Ruído Ocupacional e Vibrações Ergonomia Luminância Agentes Químicos FORMAÇÃO EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO COLETIVA E INDIVIDUAL EPC EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO COLETIVA Exaustores Câmaras de Segurança Biológica EPI EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Touca Proteção da Face e dos Olhos Proteção dos Ouvidos Proteção das Vias Respiratórias Proteção das Mãos Batas, fatos e aventais de laboratório Proteção dos Pés SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA ORGANIZAÇÃO DA EMERGÊNCIA AGENTES EXTINTORES Classes de fogos Agentes extintores Utilzação de um extintor CHUVEIROS E LAVA - OLHOS DE EMERGÊNCIA PRIMEIROS SOCORROS SIMULACROS REFERÊNCIAS DEFINIÇÕES ANEXOS ANEXO I

4 Índice de figuras TABELA 1 - ESPAÇOS ENTRE SUPERFÍCIES DE TRABALHO... 7 TABELA 2 - ALTURAS DAS SUPERFÍCIES DE TRABALHO... 7 TABELA 3 - SÍMBOLOS DE PERIGOSIDADE TABELA 4 - NOVA SIMBOLOGIA GLOBAL HEALTH SYSTEM GHS TABELA 5 - CORRESPONDÊNCIA DE SIMBOLOGIAS DE PERIGOSIDADE TABELA 6 - COMPATIBILIDADE DE ARMAZENAMENTO DE PRODUTOS QUÍMICOS TABELA 7- EXEMPLO DE ESCALA DE SEVERIDADE TABELA 8 - EXEMPLO DE ESCALA DE PROBABILIDADE DE EXPOSIÇÃO AO RISCO TABELA 9 - EXEMPLO DE MATRIZ DE AVALIAÇÃO DE RISCO TABELA 10 - EXEMPLO DE CLASSIFICAÇÃO DE RISCO TABELA 11 - TABELA DE LUMINÂNCIA SEGUNDO A NORMA ISO TABELA 12 - CÂMARAS DE SEGURANÇA BIOLÓGICA (CBS) SEGUNDO O TIPO DE PROTEÇÃO NECESSÁRIA (OMS, 2004) TABELA 13 - EXEMPLOS DE SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA

5 1. Introdução O objetivo deste guia é a divulgação de algumas práticas de segurança e saúde em laboratórios de ensaios de águas (consumo humano, naturais, salinas, residuais e de processo), que visem proteger os colaboradores e visitantes e proporcionar um meio de trabalho saudável e seguro. Num contexto em que as apertadas regras nos domínios de ambiente, saúde e segurança no trabalho constituem fatores de exigência para as organizações, a preocupação com estas temáticas tem de ser incorporada na gestão do dia a dia. A crescente implementação de sistemas de gestão da segurança e saúde do trabalho de acordo com a Norma OHSAS traz exigências, para além do cumprimento de toda a legislação aplicável, ao nível organizacional com a identificação dos perigos associados às diversas tarefas e avaliação dos respetivos riscos de modo a redefinir funções e/ou métodos de trabalho. Os requisitos normativos obrigam, igualmente, à definição de uma Política de Segurança a nível da gestão de topo e ao estabelecimento de objetivos de modo a evidenciar a melhoria contínua. Com este documento pretende-se dar orientações para a elaboração de um Manual de Segurança e Saúde, ou de um Plano de Prevenção de Riscos Profissionais, ou de um Guia para a implementação de Sistema de Gestão de Segurança e Higiene do Trabalho, alertando para as situações que podem comportar riscos para os trabalhadores e visitantes, se não forem devidamente controladas. 3

6 2. Organização dos Serviços de Segurança e Saúde no Trabalho Se o laboratório existir como empresa, terá de organizar os seus serviços de Segurança e Saúde no Trabalho, de acordo com o disposto na Lei nº 102/2009, de 10 de setembro, que regulamenta o Regime Jurídico da promoção da segurança e saúde no trabalho. Na organização dos serviços de segurança e saúde no trabalho a entidade empregadora pode adotar uma das seguintes modalidades: a) Serviço interno; b) Serviço comum; c) Serviço externo. Havendo vários estabelecimentos, a empresa pode adotar uma modalidade diferente para cada um deles. As atividades de saúde podem ser organizadas separadamente das de segurança. A entidade empregadora tem de comunicar à autoridade competente (ACT) a modalidade escolhida, bem como qualquer alteração, nos 30 dias seguintes à verificação de qualquer dos factos. De acordo com o artigo 97º do diploma anteriormente citado, a atividade do serviço de segurança e de saúde no trabalho visa: Assegurar as condições de trabalho que salvaguardem a segurança e a saúde física e mental dos trabalhadores; Desenvolver as condições técnicas que assegurem a aplicação das medidas de prevenção definidas no artigo 15.º; Informar e formar os trabalhadores no domínio da segurança e saúde no trabalho; Informar e consultar os representantes dos trabalhadores para a segurança e saúde no trabalho ou, na sua falta, os próprios trabalhadores. As atividades inerentes aos serviços de segurança e saúde no trabalho estão descritas no artigo 98º do referido diploma, sendo de referir as seguintes: Planear a prevenção, integrando a todos os níveis e, para o conjunto das atividades da empresa, a avaliação dos riscos e as respetivas medidas de prevenção; Proceder a avaliação dos riscos, elaborando os respetivos relatórios; Participar na elaboração do plano de emergência interno, incluindo os planos específicos de combate a incêndios, evacuação de instalações e primeiros socorros; Colaborar na conceção de locais, métodos e organização do trabalho, bem como na escolha e na manutenção de equipamentos de trabalho; Supervisionar o aprovisionamento, a validade e a conservação dos equipamentos de proteção individual, bem como a instalação e a manutenção da sinalização de segurança; 4

7 Realizar exames de vigilância da saúde, elaborando os relatórios e as fichas, bem como organizar e manter atualizados os registos clínicos e outros elementos informativos relativos ao trabalhador; Conceber e desenvolver o programa de formação para a promoção da segurança e saúde no trabalho; Analisar as causas de acidentes de trabalho ou da ocorrência de doenças profissionais, elaborando os respetivos relatórios. No mesmo diploma, o artigo 112º refere: O empregador deve prestar, no quadro da informação relativa à atividade social da empresa, informação sobre a atividade anual desenvolvida pelo serviço de segurança e de saúde no trabalho em cada estabelecimento. A proteção da saúde dos trabalhadores, no decorrer da sua atividade profissional, é um dos objetivos da atividade de medicina no trabalho, que se rege pelo disposto em vários diplomas legais, nomeadamente no Código do Trabalho. Os laboratórios, enquanto empresas ou parte integrante das mesmas, devem ser contemplados com esta atividade, devendo os seus colaboradores efetuar exames médicos, no mínimo, cada 2 anos ou anualmente, quando a idade é igual ou superior a 50 anos, e sempre que ocorrerem novas admissões. Estes exames, não estando especificados na legislação vigente, devem ser adequados à natureza da atividade profissional. No caso concreto de laboratórios de análises de águas, deve ter-se em atenção o manuseamento de produtos biológicos e químicos e seguir as respetivas recomendações de segurança e saúde relativamente à exposição a esses agentes. A Entidade empregadora, no arranque da atividade e sempre que haja alteração da metodologia, deve efetuar a notificação de atividade com agentes biológicos, conforme o requisito legal do Decreto-Lei 84/97 de 16 de abril. Por outro lado a entidade empregadora, de acordo com a Portaria 55/2010 de 21 de janeiro, deve prestar anualmente informação sobre a atividade social da empresa, nomeadamente sobre remunerações, duração do trabalho, trabalho suplementar, contratação a termo, formação profissional, segurança e saúde no trabalho e quadro de pessoal. Esta informação é apresentada à Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT), por meio informático, em plataforma eletrónica, de 16 março a 15 de abril do ano seguinte ao ano a que se refere a informação. 5

8 3. Segurança Estrutural Entende-se por segurança estrutural o conjunto de infraestruturas que visa diminuir o risco dos trabalhadores expostos em determinadas atividades, garantindo a sua proteção. Este aspeto deverá ser considerado na fase de projeto do Laboratório, pelo que é necessário conhecer previamente os ensaios a efetuar, os materiais, equipamentos e reagentes que serão utilizados, e o número de postos de trabalho. O laboratório deverá ter um sistema de tratamento de ar, adequado a cada área laboratorial, de modo a evitar a sua contaminação. Deve ter locais com ventilação para o armazenamento de produtos químicos, Hottes, equipamento de proteção coletiva e individual, incluindo lava-olhos e chuveiros de segurança e dispositivos para o encaminhamento dos resíduos de acordo com a regulamentação vigente. De acordo com a legislação em vigor devem ser considerados na fase de projeto os acessos para deficientes. No caso de laboratórios que efetuam ensaios de agentes biológicos devem ser aplicadas as medidas de acordo com a natureza das atividades, a avaliação do risco para os trabalhadores e a natureza do agente biológico em questão, seguindo o estabelecido no Anexo III do Decreto-Lei nº 84/97, de 16 de abril e na Norma NP EN Por exemplo, nos laboratórios de águas para consumo humano os agentes biológicos analisados inserem-se normalmente no Grupo 2, devendo dispor de instalações com um nível de confinamento físico no nível 2 (PCL2). As zonas de perigo biológico devem estar claramente assinaladas no exterior, afixando nas portas dos laboratórios avisos de perigo biológico, em conformidade com as Normas ISO 7000 e ISO Condições de Segurança Contra Incêndio em Edifícios (SCIE) A Portaria nº1532/2008 de 29 de dezembro, estabelece as condições de segurança contra incêndio em edifícios e recintos, a que devem obedecer os projetos de arquitetura, os projetos de SCIE e os projetos das restantes especialidades a concretizar em obra, designadamente no que se refere às condições gerais e específicas de SCIE referentes às condições exteriores comuns, às condições de comportamento ao fogo, isolamento e proteção, às condições de evacuação, às condições das instalações técnicas, às condições dos equipamentos e sistemas de segurança e às condições de autoproteção, sendo estas últimas igualmente aplicáveis aos edifícios e recintos já existentes à data de entrada em vigor do Decreto-Lei n.º 220/2008, de 12 de novembro. Deste modo os laboratórios, quer em fase de projeto, quer os já existentes, devem ter em consideração as prescrições técnicas indicadas neste diploma legal Áreas de Trabalho Laboratorial De acordo com a Norma NP EN 12128, é conveniente respeitar os seguintes espaços entre as superfícies de trabalho ou equipamento. 6

9 Tabela 1 - Espaços entre superfícies de trabalho Características Espaço (mm) Um trabalhador sem zona de passagem Um trabalhador com zona de passagem Só zona de passagem Dois trabalhadores de costas voltadas sem zona de passagem Dois trabalhadores de costas voltadas com zona de passagem A aplicação destes espaços depende da disposição do mobiliário e do equipamento. Os limites inferiores são adequados para disposições em península ou ilha até 2400 mm de comprimentos. Maiores superfícies de trabalho requererão os valores máximos indicados. Para trabalho sentado, a relação entre a altura do assento e a da superfície de trabalho deve ser a apresentada no quadro seguinte. Tabela 2 - Alturas das superfícies de trabalho Posição do trabalhador Altura superfície trabalho (mm) Altura do assento (mm) De pé / banco alto Sentado para pequenos trabalhos e escrita Sentado para trabalhos com equipamento alto Deve ser proporcionado um espaço para joelhos de, pelo menos, 600 mm de largura por baixo de cada local de trabalho previsto; a profundidade de superfície livre para trabalho não deve exceder 600 mm. A altura mínima entre o pavimento e o teto deve ser de 3 m. As portas devem ser de dimensão adequada à passagem de equipamentos, no mínimo 1,20m, preferencialmente duplas, abrindo para o exterior das salas, de modo a não criar um obstáculo na circulação do corredor ou espaço envolvente. As superfícies (bancadas, chão, paredes e tetos) devem ser impermeáveis à água, fáceis de limpar e resistentes a desinfetantes, agentes de limpeza, ácidos, álcalis, solventes e outros produtos químicos. O pavimento deve igualmente ser liso, sem ranhuras que facilitem a acumulação de sujidade, e num material que seja antiderrapante e, de preferência, condutor de eletricidade estática. Nos laboratórios de agentes biológicos do nível PLC 2 devem ser instaladas torneiras que possam ser acionadas sem recurso às mãos Instalação elétrica A instalação deve ser dimensionada para suportar a potência dos equipamentos elétricos que possam vir a ser necessários e deve ser protegida com interruptores diferenciais e térmicos. Todas as tomadas devem situar-se junto dos equipamentos para evitar o uso de extensões, e ser em número suficiente. 7

10 Deve garantir-se a existência de um gerador, para fazer face a interrupções de fornecimento de energia superiores a 30 minutos, e devem ser identificados os equipamentos que necessitam de ficar instalados a uma unidade UPS e a estabilizadores de tensão Iluminação O espaço de trabalho deve ser projetado aproveitando a iluminação natural e tendo em conta a existência de iluminação artificial suficiente, para se poder trabalhar apenas com esta última. Deve prever-se que determinadas zonas de trabalho tenham iluminação própria e localizada com o objetivo de facilitar o trabalho, sempre que tal seja necessário (por exemplo comparações colorimétricas ou de turvação, pesagens de precisão, etc.). A iluminação deve estar em conformidade com a Norma ISO 8995, nos laboratórios de agentes biológicos (Norma NP EN 12128) Ventilação A ventilação geral do laboratório deve proporcionar uma fonte de ar para a manutenção de uma atmosfera respirável e ter em consideração a existência de sistemas de ventilação locais. A entrada de ar no sistema de ventilação deverá ser efetuada numa zona de atividade não laboratorial, não provocar um regime turbulento e ser uniforme em todo o laboratório, evitando zonas mortas. A exaustão/descarga de ar não filtrado deve ser feita com o devido cuidado de modo a prevenir a sua reentrada no laboratório. Em laboratórios equipados com dispositivos mecânicos de ventilação, a taxa de renovação horária deve ser devidamente dimensionada, tendo em conta a atividade de cada espaço laboratorial. As salas onde se utilizam ou armazenam líquidos inflamáveis devem estar em depressão; a diferença de pressão deve ser suficiente para assegurar uma barreira que se oponha à difusão de poluentes, mas suficientemente fraca para permitir a abertura de portas. Nas salas isentas de contaminação (salas brancas) devem ser tomadas precauções para prevenir a saída de ar viciado para os locais contíguos, que estão em depressão. Para as salas de ensaios microbiológicos com confinamento físico de nível 2 (PCL2), não é requerida ventilação mecânica. No caso de a ventilação ser mecânica deve ser mantido um fluxo de ar para o interior do laboratório por extração deste para a atmosfera [Norma NP EN 12128]. Para alguns agentes biológicos a ensaiar classificados no Grupo 3 (Anexo da Portaria nº 1036/98, de 15 de dezembro) a ventilação e extração deve estar em conformidade com a Norma NP EN A eficiência dos sistemas de ventilação deve ser verificada periodicamente e a manutenção, incluindo a substituição de filtros, ser programada em função da sua idade, tipo, condições de funcionamento, aconselhando-se a que seja, no mínimo, anual. 8

11 Devem ser registadas todas as ações efetuadas nos mecanismos de ventilação, alterações, reparações, manutenção preventiva ou quaisquer outras ações que determinem ou alterem a eficiência e características da ventilação. Recomenda-se a realização de testes sempre que se proceda a alterações, de modo a demonstrar uma adequada proteção dos ocupantes Hottes O sistema de ventilação geral não substitui os sistemas de proteção da exposição a substâncias tóxicas durante o dia de trabalho. As hottes são unidades fixas destinadas à realização de trabalho de laboratório com libertação de gases e fumos indesejáveis. As hottes são compostas de dois corpos - a base e o corpo superior apenas com a câmara ou célula de energia - ou de três corpos nas hottes que possuem uma câmara técnica, neste caso para filtros colocados acima da câmara. As hottes terão apenas janela ou abertura frontal ao nível da câmara. A base é aproveitada, na generalidade dos casos, para arrumos ou para drenagem e tratamento de efluentes. Existem três tipos de hottes com funções e usos distintos: hottes para usos gerais, hottes para ácidos concentrados e hottes para grandes montagens. O seu interior pode ser revestido a trespa, aço inox, grés cerâmico contínuo ou mosaico cerâmico. As hottes devem ser adequadas e dimensionadas de modo a possibilitar a extração de vapores tóxicos, provenientes dos produtos que serão manipulados no seu interior. Deve equipar-se cada hotte com um sistema de medição de caudal em contínuo de modo a conhecer o seu funcionamento antes de cada utilização. Se não for possível, deve usar-se máscara apropriada. Como mínimo, deve prever-se um metro linear de espaço de hotte por trabalhador. As tomadas das hottes devem estar situadas no exterior, para prevenir deflagrações por faísca na presença de atmosferas explosivas. Os vapores/fumos podem sair das hottes diretamente para o exterior ou, passarem por um filtro molecular, e voltarem a ser introduzidos na hotte. Devem ser utilizadas janelas de vidro temperado de segurança para evitar projeções de líquidos em ebulição e para uso com compostos potencialmente explosivos. As hottes laboratoriais, embora não estejam sujeitas a valores limite de emissão (VLE), devem ter as chaminés a uma altura superior a um metro da cota máxima do edifício (Decreto-Lei nº 78/2004, de 3 de abril). A velocidade facial de extração deverá ser adequada ao seu uso. Para uma hotte comum este valor deverá ser superior a 0,3 m/s, para uma abertura de 500mm (Norma EN ). Recomendam-se testes, com pelo menos periodicidade anual, para verificação do estado de funcionamento do equipamento (norma EN ): Teste do nível do ruído, com o objetivo de medir o nível de ruído emitido pelo equipamento; Teste de intensidade luminosa, com o objetivo de medir a intensidade luminosa no centro da câmara de fluxo; 9

12 Teste de fumos ao comportamento do fluxo de ar com o objetivo de verificar se existe turbulência na zona de trabalho ou refluxos junto à entrada; Teste de velocidade facial; Robustez de confinamento Fluidos As cores para as redes de gases a instalar, deverão cumprir o disposto na Norma NP182 Identificação de fluidos. Por exemplo, para o Azoto, a cor adequada da canalização será ocre-amarelo, assim como para o Oxigénio e o Acetileno. As garrafas de gás comprimido devem ser instaladas no exterior do laboratório, em locais com acesso restrito e protegidas da luz solar. As instalações devem respeitar as normas específicas de cada gás, indicadas nas respetivas fichas de segurança Armazenamento de produtos químicos Os armazéns devem ser concebidos em função do que se vai armazenar e: Estar devidamente identificados; Ter as saídas bem iluminadas, não apresentar vias sem saída e ter as vias de evacuação desimpedidas; Dispor de um ventilador-extrator capaz de renovar adequadamente o ar do armazém; Ser providos de sistema de arrefecimento de ar. Como boas práticas de armazenamento, devem cumprir-se as seguintes regras: O material de maior dimensão deve estar armazenado no chão ou em prateleiras próximas do chão; As embalagens de produtos químicos corrosivos devem ser colocadas abaixo do nível dos olhos; As prateleiras devem ser estáveis e resistentes, estar levemente inclinadas ou ter guardas para evitar a queda das embalagens e estar limpas; Deve ser considerada a colocação de bacias de retenção, em função do tipo e quantidade dos químicos a armazenar. Se a preparação for classificada como perigosa, deve ser rotulada com uma etiqueta com indicações sucintas, facilmente compreensíveis. O rótulo deve ter símbolo(s) com a natureza do perigo associado, com frases reconhecidas internacionalmente, que dão informação sobre o tipo de risco face à exposição a dada substância ou preparação. São frases de Segurança as que se designam por P (Precautionary Statements) seguidas de um número, as quais substituem as anterioriores S. São frases de Risco as que se designam por H (Hazard Statements) seguido de um número, e substituem as anteriores R. As combinações de frases de risco ou de segurança obedecem ao formato indicado, em que cada número é obrigatoriamente separado, do seguinte por um traço vertical. Podem associar-se frases de segurança ou de risco mas então os números serão separados por um hífen. 10

13 Atenção: quando se procede a um transvase é essencial não perder a informação que está no rótulo original. A perigosidade dos produtos químicos é identificada através de simbologia adequada, exemplificada nas tabelas 3 e 4 Tabela 3 - Símbolos de Perigosidade Símbolo CE Perigosidade Explosivos Comburentes Inflamáveis Tóxicos Nocivo Agressivo 11

14 Tabela 4 - Nova Simbologia Global Health System GHS PICTOGRAMAS E CLASSES DE PERIGO DO GHS Oxidantes Peróxidos Orgânicos Inflamáveis Autorreativos Pirofóricos Autoaquecíveis Emite gás inflamável Explosivos Reativos Peróxidos Orgânicos Toxicidade aguda (severa) Corrosivos Gases sob pressão Carcinogénico Sensibilizante à respiração Toxicidade à reprodução Toxicidade em órgão vivo Mutagenicidade Perigoso para o meio ambiente Irritante Sensibilizante dérmico Toxicidade aguda (perigoso) Embora não seja possível estabelecer uma correspondência direta entre a simbologia GHS e o sistema de classificação e rotulagem anterior da União Europeia, pode ser estabelecida a seguinte correspondência com base no Anexo VII do Regulamento CE 1272/2008, de 16 de dezembro, Tabela 5 - Correspondência de simbologias de perigosidade Tabela 5 - Correspondência de simbologias de perigosidade Saúde Humana Físico-Químicos Meio Ambiente 12

15 Os produtos químicos devem ser armazenados de acordo com a sua classificação e respetiva compatibilidade, Tabela 6 - Compatibilidade de armazenamento de produtos químicos. Tabela 6 - Compatibilidade de armazenamento de produtos químicos VERDE - Podem estar armazenados em conjunto. AMARELO - Não devem estar armazenados em conjunto mas se estiverem deverão ser tomadas medidas especiais de proteção. ENCARNADO - Não podem estar armazenados em conjunto. Para o armazenamento de produtos inflamáveis ou explosivos deve considerar-se uma área com iluminação do tipo antideflagrante, isolada dos restantes produtos, ou efetuar-se em armários adequados. Estes produtos devem ser armazenados em armários ventilados, com bacia de retenção, resistentes ao fogo e com sistema de remoção por filtração e devidamente sinalizados. A. De acordo com a norma europeia EN , as condições de segurança dos armários para produtos inflamáveis devem: Garantir a temperatura no seu interior inferior a 180ºC durante o período de tempo (por ex.º 30, 60 e/ou 90 minutos) que permita a atuação das entidades externas de socorro em situação de emergência (incêndio); Ter renovação de ar de 10 vezes/hora, no mínimo; Ter fecho automático de portas; Ter fecho automático das entradas de ar em caso de incêndio. 13

16 4. Identificação de Perigos e Avaliação de Riscos A entidade empregadora, de acordo com o artigo 15º da Lei 102/2009 de 10 de setembro, é responsável pela prevenção dos riscos profissionais que deve assentar numa correta e permanente avaliação de riscos Metodologia As metodologias para identificação de perigos e avaliação de riscos podem ser diversas, encontrando-se descritas em variada bibliografia. O primeiro passo nestas metodologias é identificar os perigos associados aos eventos perigosos (exemplos definidos em 4.2), bem como as boas práticas de Segurança e Saúde no Trabalho (SST) já existentes. É necessário definir uma escala de frequência ou probabilidade e uma escala de gravidade ou severidade, que originam uma matriz, em que os riscos estão quantificados. A atribuição do grau de severidade para cada perigo, e a atribuição da probabilidade de ocorrência do mesmo é definida por cada laboratório, de acordo com a sua realidade. A avaliação de risco pode ser calculada com base no produto das duas escalas: Risco Estimado (RE) = Severidade (S) x Probabilidade (P) Apresentamos em seguida um exemplo de avaliação de riscos profissionais: Tabela 7- Exemplo de Escala de Severidade Grau Descrição 1 Danos ligeiros 2 Sem efeitos irreversíveis para a saúde 3 Efeitos irreversíveis para a saúde 4 Morte Tabela 8 - Exemplo de Escala de Probabilidade de Exposição ao Risco Grau Descrição 1 Exposição ocasional (uma vez por ano) 2 Exposição intermitente (uma vez por mês) 3 Exposição frequente (uma vez por semana) 4 Exposição permanente (pelo menos uma vez por dia) 14

17 Tabela 9 - Exemplo de Matriz de Avaliação de Risco Severidade Probabilidade Tabela 10 - Exemplo de Classificação de Risco Risco 1 <= R < 3 3 <= R < 9 12 <= R < 16 ou com severidade 4 Classificação RISCO TRIVIAL Não é necessário intervir salvo se justifique por uma análise mais precisa RISCO MODERADO Corrigir e adotar medidas RISCO INTOLERÁVEL Situação crítica, correção urgente Uma vez definida a matriz de risco, inicia-se o processo de identificação e descrição das atividades, possíveis eventos perigosos, perigos, e medidas já existentes. É conveniente efetuar este processo em folha de cálculo, apresentando-se no anexo 1 um exemplo de uma matriz de Identificação de Perigos e Avaliação de Riscos. Obtido o risco estimado para cada atividade/tarefa, serão definidas as medidas minimizadoras a implementar, de acordo com a sua classificação, sendo que os riscos avaliados com grau máximo (no exemplo entre 12 e 16, ou severidade de 4) requerem ações urgentes. 4.2 Riscos específicos Num laboratório de ensaios de água os trabalhadores podem estar expostos a diversos perigos, que se podem agrupar em biológicos, elétricos, físicos e químicos. Por outro lado existem regras de boas práticas, de entre as quais se destacam, no âmbito deste Guia, algumas regras de higiene a respeitar, tais como: Não comer ou beber nas instalações; 15

18 Usar o cabelo preso; Usar vestuário de proteção adequado (bata); Lavar as mãos quando sair do laboratório; Usar calçado adequado; Não armazenar alimentos em frigoríficos de armazenamento de amostras e produtos; Retirar o vestuário de trabalho antes de abandonar o local de trabalho. No caso de o laboratório efetuar colheitas de amostras, deve ser avaliado o risco associado a esta atividade específica. Para as colheitas de amostras com maior risco efetuadas sem acompanhamento ou supervisão, deverá ser atendido o disposto na Portaria 762/2002 de 1 de julho Diretiva ATEX Um dos riscos possíveis no âmbito das atividades de um laboratório de ensaio de águas, e que, pela sua especificidade, merece uma atenção particular é a presença de Atmosferas Explosivas. O Decreto-Lei nº 236/2003, de 30 de setembro, transpõe para a ordem jurídica nacional a Diretiva nº 1999/92/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 16 de dezembro (Diretiva ATEX), relativa às prescrições mínimas destinadas a promover a melhoria da proteção da segurança e da saúde dos trabalhadores suscetíveis de serem expostos a riscos derivados de atmosferas explosivas. As áreas onde se possam formar atmosferas explosivas devem ser classificadas em função da frequência e da duração das mesmas. Esta classificação constitui um critério para a seleção dos equipamentos e dos sistemas que assegurem um nível de proteção adequado. O empregador deve avaliar de forma global os riscos de explosão, tendo em conta as suas obrigações gerais previstas no regime aplicável em matéria de segurança, higiene e saúde no trabalho e nomeadamente os seguintes aspetos: a) A probabilidade de ocorrência de atmosferas explosivas, bem como a sua duração; b) A probabilidade da presença de fontes de ignição, incluindo descargas elétricas e a possibilidade de as mesmas se tornarem ativas e causarem risco; c) As descargas eletrostáticas provenientes dos trabalhadores ou do ambiente de trabalho enquanto portadores ou geradores de carga elétrica; d) As instalações, as substâncias utilizadas, os processos e as suas eventuais interações; e) As áreas que estejam ou possam estar ligadas através de aberturas àquelas onde se possam formar atmosferas explosivas; f) A amplitude das consequências previsíveis. As substâncias inflamáveis ou combustíveis devem ser consideradas como substâncias suscetíveis de formar atmosferas explosivas, salvo se da análise das suas propriedades resultar que, em mistura com o ar, não podem propagar, por si próprias, uma explosão. Qualquer laboratório que utilize substâncias suscetíveis de formar atmosferas explosivas deve implementar o disposto neste diploma legal. 16

19 Ruído Ocupacional e Vibrações O Decreto-lei nº182/86, de 06 de setembro, estabelece o valor limite de exposição e os valores de ação de exposição superior e inferior e determina um conjunto de medidas a aplicar sempre que sejam atingidos ou ultrapassados esses valores. A proteção dos trabalhadores à exposição ao ruído excessivo é uma obrigação da entidade empregadora e deve considerada na análise de perigos. Deve ser efetuada uma avaliação de ruído nos locais onde se julgue existir a probabilidade de prejuízo da audição dos colaboradores. O Decreto-Lei nº46/2006, de 24 de fevereiro, estabelece valores limite de exposição e valores de ação de exposição a vibrações transmitidas ao sistema mão/braço e ao corpo inteiro e determina um conjunto de medidas preventivas a aplicar sempre que sejam atingidos ou ultrapassados esses valores. Nos laboratórios, o nível de vibração a que os trabalhadores estão sujeitos não é de um modo geral considerado perigoso Ergonomia A Ergonomia estuda vários aspetos da relação do trabalhador com as condições de trabalho, desde a sua postura e movimentos corporais (sentados, em pé, estáticos e dinâmicos, em esforço ou não), aos fatores ambientais (os ruídos, vibrações, iluminação, clima e agentes químicos), aos equipamentos, aos sistemas de controlo e às tarefas desempenhadas. Todos estes fatores conjugados adequadamente, proporcionam ambientes seguros, saudáveis e confortáveis e eficientes, favorecendo o aumento de produtividade, satisfação e qualidade de vida do trabalhador. Por exemplo, quando se dimensiona a altura da bancada (superfície de trabalho) devem ser considerados os seguintes fatores: A posição dos cotovelos relativamente à bancada de trabalho; Distância dos olhos à tarefa ou objeto de trabalho; Especificidade do tipo de trabalho ou tarefa; O tipo de equipamentos e utensílios utilizados. De facto, uma postura incorreta pode ser definida como a que possibilita o aparecimento de uma incapacidade, dor ou patologia. É necessário ter em consideração que diferentes indivíduos possuem também diferentes suscetibilidades de contrair as diferentes patologias Luminância A Norma ISO 8995 estabelece os níveis de luminância para cada atividade de acordo com a tabela

20 Tabela 11 - Tabela de Luminância segundo a Norma ISO 8995 Luminância (lux) Tipo de área, tarefa ou atividade Zonas de circulação, orientação e visitas curtas Salas não utilizadas continuamente com fins laborais Tarefas com requisitos visuais simples Tarefas com requisitos visuais intermédios (ex: maquinas de média precisão, escritórios, salas de controlo). Tarefas com requisitos visuais exigentes (ex: costura, controlo de qualidade, avaliação de cores, salas de desenho) Tarefas com requisitos visuais difíceis > Tarefas com requisitos visuais especiais Tarefas visuais que exijam muita exatidão (ex: montagem eletrónica de precisão, relojoaria fina e intervenções cirúrgicas) Agentes Químicos Num laboratório de ensaios de águas os colaboradores ao realizar as análises estão frequentemente expostos a produtos químicos perigosos. Assim, é importante que conheçam bem os efeitos tóxicos de tais produtos, as vias de exposição e os riscos que possam estar associados à sua manipulação e armazenagem (ver 3.7). Os fabricantes e/ou fornecedores de produtos químicos são obrigados a fornecer fichas de dados de segurança do produto, em português, que devem estar disponíveis nos locais de armazenamento e manuseamento. A exposição a produtos químicos pode ocorrer por: 1. Inalação; 2. Contacto; 3. Ingestão; 4. Picadas de agulhas; 5. Cortes na pele. A Norma portuguesa NP 1796, que estabelece valores limite de exposição a agentes químicos no ar dos locais de trabalho, pode servir de referência para a respetiva monitorização Agentes biológicos O Decreto-Lei nº 84/97, de 16 de abril, estabelece as regras mínimas de proteção da segurança e da saúde dos trabalhadores contra os riscos de exposição a agentes biológicos durante o trabalho. De acordo com o mesmo diploma legal, os agentes biológicos são classificados, conforme o seu nível de risco infecioso, nos seguintes grupos: 18

21 1. Agente biológico do grupo 1: o agente biológico cuja probabilidade de causar doenças no ser humano é baixa; 2. Agente biológico do grupo 2: o agente biológico que pode causar doenças no ser humano e constituir um perigo para os trabalhadores, sendo escassa a probabilidade de se propagar na coletividade e para o qual existem, em regra, meios eficazes de profilaxia ou tratamento; 3. Agente biológico do grupo 3: o agente biológico que pode causar doenças graves no ser humano e constituir um risco grave para os trabalhadores, sendo suscetível de se propagar na coletividade, mesmo que existam meios eficazes de profilaxia ou de tratamento; 4. Agente biológico do grupo 4: o agente biológico que causa doenças graves no ser humano e constitui um risco grave para os trabalhadores, sendo suscetível de apresentar um elevado nível de propagação na coletividade e para o qual não existem, em regra, meios eficazes de profilaxia ou de tratamento. Estabelece ainda este diploma legal que o agente biológico que não puder ser rigorosamente classificado num dos grupos acima definidos, deve ser classificado no grupo mais elevado em que pode ser incluído. Se existirem vacinas eficazes contra os agentes biológicos a que os trabalhadores estão ou podem estar expostos, a vigilância da saúde deve prever a vacinação gratuita dos trabalhadores não imunizados (número 1, do artº 13 do decreto-lei nº 84/97). Por outro lado, a Portaria nº 1036/98, de 15 de dezembro, altera a parte II (Bactérias e afins), a parte III (Vírus) e a parte V (Fungos) da lista dos agentes biológicos classificados para efeitos da prevenção de riscos profissionais, aprovada pela Portaria nº 405/98, de 11 de julho. A Diretiva 2000/54/CE, de 18 de Setembro, relativa à proteção de trabalhadores contra riscos de exposição a agentes biológicos, ainda não transposta para o direito nacional, é mais exigente no que concerne às medidas a implementar pelo empregador para proteção dos trabalhadores Formação A Lei n.º 102/2009 de 10 de setembro, que regulamenta o regime jurídico da promoção e prevenção da segurança e da saúde no trabalho, refere no ponto 4, do Artº 15º que: Sempre que confiadas tarefas a um trabalhador, devem ser considerados os seus conhecimentos e as suas aptidões em matéria de segurança e de saúde no trabalho, cabendo ao empregador fornecer as informações e a formação necessárias ao desenvolvimento da atividade em condições de segurança e de saúde. Adicionalmente, no Artº 20.º referente especificamente à Formação dos trabalhadores, define: 1 O trabalhador deve receber uma formação adequada no domínio da segurança e saúde no trabalho, tendo em atenção o posto de trabalho e o exercício de atividades de risco elevado. 2 Aos trabalhadores designados para se ocuparem de todas ou algumas das atividades de segurança e de saúde no trabalho deve ser assegurada, pelo empregador, a formação permanente para o exercício das respetivas funções. 19

22 3 Sem prejuízo do disposto no n.º 1, o empregador deve formar, em número suficiente, tendo em conta a dimensão da empresa e os riscos existentes, os trabalhadores responsáveis pela aplicação das medidas de primeiros socorros, de combate a incêndios e de evacuação de trabalhadores, bem como facultar -lhes material adequado. 4 A formação dos trabalhadores da empresa sobre segurança e saúde no trabalho deve ser assegurada de modo a que não possa resultar prejuízo para os mesmos. Por outro lado, também o Decreto-Lei nº 84/97 de 16 de abril, no Artº 17º, indica que o empregador deve assegurar formação adequada aos trabalhadores para a segurança e saúde no trabalho, a qual deve ser periodicamente atualizada. Deve incluir, pelo menos dados sobre: Riscos potenciais para a saúde; Precauções a tomar para evitar a exposição aos riscos existentes; Normas de higiene; Utilização de equipamentos e do vestuário de proteção; Medidas a tomar pelos trabalhadores em caso de incidentes e para a sua prevenção. Ainda de acordo com artº 6º, alínea d), o Decreto-Lei nº 348/93, de 1 de outubro, a entidade empregadora deve assegurar a formação sobre utilização de proteção individual, organizando, se necessário exercícios de segurança. Quando for desenvolvido o plano de formação, deverão ter em conta a avaliação de riscos efetuada de acordo com Tabela 10 - Exemplo de Classificação de Risco. 20

23 5. Equipamentos de Proteção Coletiva e Individual Os equipamentos de proteção são fundamentais para a prevenção e a minimização dos riscos a que os trabalhadores estão expostos, devendo-se dar primazia à proteção coletiva EPC Equipamento de Proteção Coletiva Exaustores Os exaustores devem ser colocados de modo a atuar diretamente por cima do operador. Os exaustores devem ser de aço inox e no caso da absorção atómica ainda podem ser em Polipropileno Câmaras de Segurança Biológica As câmaras de segurança biológica (CSB) foram concebidas para proteger o operador, o ambiente laboratorial e o material de trabalho da exposição a aerossóis e salpicos resultantes do manuseamento de materiais que contêm agentes infeciosos, tais como culturas primárias. As CSB, quando devidamente utilizadas, têm-se revelado altamente eficazes na proteção do operador. Existem 3 tipos de CSB, descrevendo-se no quadro seguinte o tipo de proteção que cada um deles fornece. Tabela 12 - Câmaras de segurança biológica (CBS) segundo o tipo de proteção necessária (OMS, 2004) Tipo de proteção Proteção do pessoal, microrganismos nos Grupos de Risco 1 3 Proteção do pessoal, microrganismos no Grupo de Risco 4, laboratório com porta-luvas Proteção do pessoal, microrganismos no Grupo de Risco 4, laboratório com fatos pressurizados Proteção do produto Proteção contra radionuclídeos/químicos voláteis, quantidades mínimas Proteção contra radionuclídeos/químicos voláteis Classe I, II, III Classe III Classe I, II Seleção de CBS Classe II ou III unicamente se fluxo laminar incluído Classe IIB1, Classe IIA2 de evacuação exterior Classe I, IIB2 ou III Recomendam-se testes com uma periodicidade pelo menos anual, para verificação do estado de funcionamento do equipamento (EN 12469): Teste de penetração dos filtros HEPA Leak Test com o objetivo de verificar se existem fugas nos filtros absolutos HEPA e respetiva estrutura; Teste do nível do ruído, com o objetivo de medir o nível de ruído emitido pelo equipamento; 21

24 Teste de intensidade luminosa, com o objetivo de medir a intensidade luminosa no centro da Câmara de fluxo; Teste de fumos ao comportamento do fluxo de ar com o objetivo de verificar se existe turbulência na zona de trabalho ou refluxos junto à entrada; Teste de velocidade do ar descendente com o objetivo de medir a velocidade do ar descendente do filtro HEPA EPI Equipamento de Proteção Individual O Decreto-Lei nº 348/93, de 1 de outubro, transpõe para o direito nacional a Diretiva nº 89/656/CEE, do Conselho de 30 de novembro, relativa às prescrições mínimas de segurança e saúde dos trabalhadores na utilização de Equipamentos de Proteção Individual (EPI). De acordo com este diploma legal os EPI devem ser usados quando os riscos existentes não puderem ser evitados ou suficientemente limitados, por meios técnicos de proteção coletiva ou por medidas, métodos ou processos de trabalho. A Portaria nº 988/93, de 8 de outubro, apresenta o esquema indicativo a seguir na avaliação das situações de risco com vista à escolha de EPI. A legislação em vigor determina as obrigações do empregador, tal como a de fornecer o equipamento de proteção individual necessário ao cumprimento das atividades dos trabalhadores, assim como as obrigações do trabalhador, nomeadamente o uso e manutenção do EPI. Os EPI devem apresentar aposta a marcação CE e fazerem-se acompanhar da respetiva declaração de conformidade. Estes equipamentos devem respeitar as normas referidas no Despacho 22714/2003 de 21 de novembro Touca É boa prática de trabalho em laboratório o cabelo estar apanhado e protegido, pelo que a utilização de touca pode facilitar esta proteção Proteção da Face e dos Olhos A escolha do equipamento para proteger os olhos e a cara contra salpicos e impactos de objetos depende da operação a efetuar. Os óculos normais ou graduados (pessoais) podem ser fabricados com uma armação especial que permite inserir lentes na frente da armação, utilizando um material inquebrável que acompanha a forma do rosto, ou ser equipados com proteções laterais (óculos de segurança). Os óculos de segurança não são os mais adequados contra salpicos, mesmo quando acompanhados de proteção lateral. Nesse caso, devem utilizar-se óculos de proteção (tipo óculos de soldador) que protegem contra salpicos e impactos, por cima dos óculos graduados ou lentes de contacto (que não oferecem proteção contra perigos biológicos ou químicos). Outra alternativa, e que permite uma proteção completa e simultânea de olhos e face, são as viseiras de proteção facial; são feitas de um material plástico inquebrável, ajustam-se à cara e são fixas à cabeça através de um arnês. Existem viseiras com diversas características de resistência: a produtos químicos, a impactos e até a arcos elétricos de pequena tensão. 22

25 Proteção dos Ouvidos Deverá ser feita uma avaliação de ruído ocupacional em locais como: hotte, câmaras de segurança biológica, câmaras de exaustão, bombas, geradores, etc. (vide ponto 4.2.2). Com base nesta avaliação poderá concluir-se sobre a necessidade de utilização de tampões ou abafadores com as características necessárias à proteção dos níveis de ruído detetados Proteção das Vias Respiratórias O manuseamento de substâncias perigosas em laboratórios, tais como, pós, m meios de cultura, fibras, vapores, gases, fumos, microrganismos, pode provocar danos significativos à saúde, sendo necessário em determinadas situações utilizar material de proteção respiratória. A escolha do aparelho de proteção respiratória depende da avaliação de riscos, efetuada tendo em conta o perigo, a respetiva natureza, as fontes que contribuem para a exposição, o grau de exposição, a ambiente de trabalho, as tarefa e as pessoas que as executam, etc. Um aparelho de proteção respiratória é composto por dois componentes principais, uma peça facial e filtro(s) ou uma peça facial e dispositivo de ar ou gás respiráveis não contamináveis. As peças faciais usualmente usadas em laboratórios de água são as semi máscaras (cobre o nariz, boca e queixo), quarto de máscaras (cobre nariz e boca) ou completas (cobre olhos, nariz, boca e queixo). Um aparelho filtrante deverá possuir o tipo de filtro adequado aos perigos a que o utilizador está exposto: proteção contra gases, vapores, partículas e microrganismos; é imprescindível que o filtro escolhido corresponda ao tipo apropriado de aparelho filtrante. Para assegurar a proteção ideal, o aparelho deve ser instalado na cara do operador e testado. Na seleção do aparelho filtrante a utilizar deve solicitar-se o conselho de uma pessoa devidamente qualificada. Apresentam-se na Tabela 12, os tipos de filtros identificados na Norma NP EN 529. Os filtros de partículas estão disponíveis em três classes baseadas na respetiva eficiência: P1 baixa eficiência (proteção contra as partículas sólidas grossas sem toxicidade específica p. ex carbonato de cálcio P2 média eficiência (proteção contra os aerossóis sólidos e/ou líquidos, indicados como perigosos ou irritantes - p.ex. silício, carbonato de sódio) P3 alta eficiência (Contra os aerossóis sólidos e/ou líquidos tóxicos p. ex. partículas radioativas) A maior parte dos filtros antigás são divididos em três classes em termos da quantidade de gás ou vapor que consegue reter (classes 1, 2 e 3). A vida útil do filtro é afetada por um conjunto de fatores, tais como tipo de filtro e respetiva capacidade, condições ambientais, a natureza do trabalho, devendo seguir-se as recomendações do fabricante/fornecedor. 23

26 TABELA 12: Tipos de filtros de partículas, antigás e antivapor (NP EN 529) Substância Tipo de Filtro Partículas P Branco Gases e vapores orgânicos (PE > 65ºC) A Castanho como especificado pelo fabricante Gases e vapores inorgânicos como B Cinzento especificado pelo fabricante (excluindo monóxido de carbono CO) Dióxido de enxofre e outros gases e E Amarelo vapores ácidos como especificado pelo fabricante Amoníaco e derivados orgânicos do K Verde amoníaco como especificado pelo fabricante Mercúrio HG Vermelho branco Óxidos de azoto NO Azul Branco Gases e vapores orgânicos (P.E. 65ºC) AX Castanho como especificado pelo fabricante Filtros contra substâncias especificadas pelo fabricante SX Violeta Violeta Branco se combinado com um filtro de partículas Cor Num laboratório, a maioria das operações que gera gotículas e aerossóis é realizada em câmara de segurança, pelo que deve ser avaliada a necessidade de uso de máscara durante a manipulação dos agentes biológicos e químicos. No entanto, quando se efetua o manuseamento de agentes químicos que geram vapores tóxicos, nocivos e irritantes para o trato respiratório, em locais pouco ventilados e sem sistema de extração localizada ou ineficiente, é indispensável o uso de proteção respiratória. Por exemplo, o manuseamento de reagentes químicos que formam atmosferas com vapores perigosos deve ser realizado em hotte devendo, quando considerado necessário, usar-se máscaras equipadas com filtros para gases e vapores adequados aos reagentes manuseados do tipo A, B, E, K, A, SX ou filtros combinados para proteção contra partículas dispersas sólidas e/ou líquidas, gases e vapores, do tipo ABEK, por exemplo ABEK1-P Proteção das Mãos Durante certas manipulações laboratoriais pode ocorrer a contaminação das mãos. Estas são igualmente vulneráveis a ferimentos causados por objetos cortantes. No trabalho normal de laboratório e no manuseamento de agentes infeciosos, usam-se geralmente luvas descartáveis de latex, vinilo ou nitrilo. Pode igualmente recorrerse a luvas reutilizáveis, mas tem de assegurar-se a lavagem, remoção, limpeza e desinfeção adequadas das mesmas. Devem tirar-se as luvas e lavar bem as mãos, após manusear materiais infeciosos, trabalhar em câmaras de segurança biológica e antes de sair do laboratório. Depois de utilizadas, as luvas descartáveis devem ser eliminadas com os resíduos laboratoriais infetados. Reações alérgicas como dermatite e hipersensibilidade imediata têm sido assinaladas em laboratórios e entre outros trabalhadores que utilizam luvas de latex, particularmente nas que contêm pó. Devem estar disponíveis alternativas às luvas de látex com pó. Não devem utilizar-se luvas fora das áreas laboratoriais. 24

27 Estes equipamentos devem respeitar a norma NP EN Batas, fatos e aventais de laboratório As batas a utilizar devem ser confecionadas com tecidos resistentes aos agentes do local a que estejam expostas. Devem ter mangas compridas e ser apertadas atrás com molas de abertura fácil ou de velcro. Quando necessário, podem usar-se aventais por cima dos fatos ou das batas, a fim de dar uma proteção adicional contra o derrame de produtos químicos ou biológicos. É aconselhável a existência de um armário à entrada do laboratório para a colocação das batas de modo a evitar sua a utilização no exterior Proteção dos Pés Deverá utilizar-se sapatos fechados ou então proteções para calçado normal. Estes equipamentos devem respeitar as normas EN ISO 20345, EN ISO e EN ISO

28 6. Sinalização de Segurança A entidade empregadora deve garantir a existência de sinalização de segurança e saúde no trabalho adequada, de acordo com as prescrições mínimas descritas no Decreto-Lei nº 141/95, de 14 de junho, tendo em conta a avaliação de riscos. Os trabalhadores devem ser informados e consultados sobre as medidas relativas à sinalização, bem como receber formação adequada sobre o seu significado e os comportamentos gerais e específicos a adotar. A sinalização de segurança é uma medida complementar para alertar o trabalhador. Não protege mas pode alertar o colaborador no imediato através de identificação legível e clara. Existem vários tipos de sinalização, como por exemplo, a mencionada no ponto 3.8, e na Tabela 13. Tabela 13 - Exemplos de Sinalização de Segurança Tipo / Características Símbolo Significado Perigo Forma triangular, contorno e pictograma a preto e fundo amarelo Perigo de Intoxicação Obrigação Forma circular, fundo azul e pictograma a branco Proteção Obrigatória do Corpo Proibição Forma circular, contorno vermelho, pictograma a preto e fundo branco Proibido Apagar com Água Salvamento ou De Socorro Forma retangular ou quadrada, pictograma branco e fundo verde Chuveiro de Segurança Lava-olhos Outra legislação aplicável sobre esta matéria, para além do diploma acima referido, inclui igualmente a Portaria 1456-A/95, de 11 de dezembro, e a Lei 113/99, de 03 de agosto. 26

Tópicos. Introdução Avaliação/gestão de riscos Normas de segurança Boas práticas laboratoriais (case study) Conclusões

Tópicos. Introdução Avaliação/gestão de riscos Normas de segurança Boas práticas laboratoriais (case study) Conclusões Boas Práticasde Trabalhoem Laboratório Olga Conde Moreira Seminário no âmbito do Projeto AGROPECUÁRIA, TECNOLOGIA ALIMENTAR E AMBIENTE APRENDER CIÊNCIA HANDS-ON Programa Ciência Viva 12 de Março de 2014

Leia mais

INQUÉRITO SOBRE O ESTADO DOS LABORATÓRIOS E CONDIÇÕES DE TRABALHO E SEGURANÇA

INQUÉRITO SOBRE O ESTADO DOS LABORATÓRIOS E CONDIÇÕES DE TRABALHO E SEGURANÇA INQUÉRITO SOBRE O ESTADO DOS LABORATÓRIOS E CONDIÇÕES DE TRABALHO E SEGURANÇA Na sequência da Circular nº04/cd/03, de 17 de Janeiro, vimos por este meio solicitar a colaboração dos Responsáveis pelos Laboratórios

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Código do produto: PSL97 Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Código do produto: Aplicação: Fornecedor: PSL97 Telefone de emergência: (19) 2103-6000 REMOVEDOR DE TINTA CURADA PPG INDUSTRIAL

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ PRODUTO: BATERIA MOURA 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Nome da Empresa: Endereço: Bateria Moura Acumuladores Moura

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico - FISPQ

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico - FISPQ Produto: Antiderrapante para Correias Página 1 de 5 1 Informação do Produto e da Empresa Nome do Produto: Antiderrapante para Correias Fornecedor Nome: Ultralub Química Ltda. Endereço: Estrada dos Crisântemos,

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIÍMICO ( FISPQ )

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIÍMICO ( FISPQ ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Anti Ruído Tradicional Aplicação: Reparação e emborrachamento de veículos. Fornecedor: Nome: Mastiflex Indústria e Comércio Ltda Endereço : Rua

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico CHEMFOS 700 A Código do produto: CF700A Página 1 de 5

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico CHEMFOS 700 A Código do produto: CF700A Página 1 de 5 Código do produto: CF700A Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Código do produto: Aplicação: Fornecedor: CF700A Telefone de emergência: (19) 3864-6000 FOSFATO ÁCIDO DE

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS QUÍMICOS FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS QUÍMICOS 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome Comercial do produto: CJI MASTER HARD SS Nome da empresa: Endereço: Rua Hermínio Poltroniere, 198

Leia mais

de Segurança de Produtos Químicos

de Segurança de Produtos Químicos 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome do Produto: Impermeabilizante acrílico a base d água. Fornecedor:. Av Eng Juarez de Siqueira Britto Wanderley, 380 Jd Vale do Sol CEP: 12.238-565 São José

Leia mais

BIOSSEGURANÇA Conceitos e Requisitos do Guia de Boas Práticas da OCDE e ligação com requisitos da ABNT NBR ISO/IEC 17025 e ABNT ISO Guia 34

BIOSSEGURANÇA Conceitos e Requisitos do Guia de Boas Práticas da OCDE e ligação com requisitos da ABNT NBR ISO/IEC 17025 e ABNT ISO Guia 34 Conceitos e Requisitos do Guia de Boas Práticas da OCDE e ligação com requisitos da ABNT NBR ISO/IEC 17025 e ABNT ISO Guia 34 Fernanda Sabagh A origem do conceito Década de 70 na Califórnia inicia uma

Leia mais

Produtos químicos PERIGOSOS

Produtos químicos PERIGOSOS Produtos químicos PERIGOSOS Como podemos identificar os produtos químicos perigosos? Os produtos químicos estão presentes em todo o lado, quer em nossas casas, quer nos locais de trabalho. Mesmo em nossas

Leia mais

HI 701-25 Reagente para Cloro Livre

HI 701-25 Reagente para Cloro Livre Data de revisão: 2013-07-15 Motivo da Revisão: Conformidade com o Regulamento (CE) No. 1272/2008 SECÇÃO 1: IDENTIFICAÇÃO DA SUBSTÂNCIA/MISTURA E DA SOCIEDADE/EMPRESA HI 701-25 Identificador do produto:

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos - FISPQ

Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos - FISPQ Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos - FISPQ Data da emissão: 01.03.2005 Edição substituta de 01.02.2002 1. Identificação do produto e da empresa Identificação da substância/preparação

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico CHEMKLEEN 611L Código do produto: CK611L Página 1 de 5

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico CHEMKLEEN 611L Código do produto: CK611L Página 1 de 5 Código do produto: CK611L Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Código do produto: Aplicação: Fornecedor: CK611L Telefone de emergência: (19) 2103-6000 DESENGRAXANTE ALCALINO

Leia mais

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA SOBRE PRODUTO QUÍMICO. Preparado: Este produto é uma composição de cargas minerais.

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA SOBRE PRODUTO QUÍMICO. Preparado: Este produto é uma composição de cargas minerais. FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA SOBRE PRODUTO QUÍMICO UT-X FE POWDER CÓDIGO FISPQ-1616 REVISÃO 0 EMISSÃO 14/08/2012 APROVAÇÃO 14/08/2012 Page 1 of 5 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FIS 00001 1/6 1) IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Empresa: Endereço: Água sanitária Super Cândida Indústrias Anhembi S/A Matriz: Rua André Rovai, 481 Centro Osasco SP Telefone: Matriz:

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. ph (Solução 0,2%) Aproximadamente 2,00. Ponto de Ebulição 110ºC Densidade 1,150 ( 20ºC ) Completamente solúvel em água.

RELATÓRIO TÉCNICO. ph (Solução 0,2%) Aproximadamente 2,00. Ponto de Ebulição 110ºC Densidade 1,150 ( 20ºC ) Completamente solúvel em água. RELATÓRIO TÉCNICO I - DADOS GERAIS: Nome do Produto: ÁCIDO MURIÁTICO Composição: Água e Ácido Clorídrico Estado Físico: Líquido Cuidados para conservação: Conservar o produto na embalagem original. Proteger

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico Página 1 de 4

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico Página 1 de 4 Página 1 de 4 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA LATEX ACRILICO PLUS Empresa INDUSTRIA E COMERCIO DE TINTAS FERRAZ LTDA RODOVIA INDIO TIBIRIÇA 2520 RAFFO SUZANO SP CEP 008776-960 SAC- (11) 4749-1566

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS Página: 1/10 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome comercial: ITA Anti Espumante. Nome químico do principal componente: Cola Coqueiro Granulada. Código interno de identificação do produto: ITA1228.

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos (MSDS)

Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos (MSDS) Página: 1/5 1 - Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: TEMED (N,N,N,N -Tetramethylenediamine) - Código de identificação do produto: 161-0800N - Nome da Empresa: BioAgency Biotecnologia

Leia mais

SEGURANÇA EM LABORATÓRIOS DE ENSAIOS

SEGURANÇA EM LABORATÓRIOS DE ENSAIOS SEGURANÇA EM LABORATÓRIOS DE ENSAIOS Junho de 2012 Pedro Boareto Goicoechea Nenhum trabalho é tão importante e tão urgente, que não possa ser planejado e executado com segurança! Pedro Boareto Goicoechea

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIMICO - FISPQ

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIMICO - FISPQ Página 1 de 8 1. Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: Poliótimo Oirad - Código interno de identificação do produto: LP 010 - Produto Notificado na ANVISA / MS: - Nome da empresa: POLICLEAN

Leia mais

Escola Secundária com 3.º ciclo Jorge Peixinho

Escola Secundária com 3.º ciclo Jorge Peixinho Escola Secundária com 3.º ciclo Jorge Peixinho Ciências Físico-Químicas: CEF-EM(N2) PROFESSORA: Daniela Oliveira MÓDULO 1 SEGURANÇA EM LABORATÓRIOS DE QUÍMICA Escola Secundária com 3.º ciclo Jorge Peixinho

Leia mais

MANUAL DE NORMAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO DE QUÍMICA. Material organizado pelo Prof. Cristiano Alfredo. Rupp.

MANUAL DE NORMAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO DE QUÍMICA. Material organizado pelo Prof. Cristiano Alfredo. Rupp. MANUAL DE NORMAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO DE QUÍMICA Material organizado pelo Prof. Cristiano Alfredo. Rupp. NORMAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO DE QUÍMICA Para um trabalho com segurança e com menores

Leia mais

FISPQ N 193 N da Revisão 04 FIREGUARD

FISPQ N 193 N da Revisão 04 FIREGUARD Página 1 de 5 1 - Identificação do Produto e da Empresa Nome do produto: Nome da empresa: Anchortec Industrial e Comercial Ltda. Endereço: Rua Tenente Onofre Rodrigues de Aguiar, 800, Mogi das Cruzes -

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ Nome do produto: BIOCAT FISPQ n : 0270/09 Data da última revisão: 05/11/08 Página 1 de 5

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ Nome do produto: BIOCAT FISPQ n : 0270/09 Data da última revisão: 05/11/08 Página 1 de 5 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ Nome do produto: BIOCAT Página 1 de 5 1. Identificação do produto e da empresa Nome do produto: BIOCAT Nome da Empresa: INDÚSTRIA QUÍMICA ZEQUINI

Leia mais

Ingredientes que contribuam para o perigo: Nome químico ou genérico N CAS % Classificação e rotulagem

Ingredientes que contribuam para o perigo: Nome químico ou genérico N CAS % Classificação e rotulagem FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ Nome do produto: DENINPLUS 400-N Página 1 de 5 1. Identificação do produto e da empresa Nome do produto: DENINPLUS 400-N Nome da Empresa: INDÚSTRIA

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS - FISPQ. Produto: SERICRYL SUPER MACIO Código do produto: SM Data: 20/1/2011 Página: 1 de 5

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS - FISPQ. Produto: SERICRYL SUPER MACIO Código do produto: SM Data: 20/1/2011 Página: 1 de 5 Data: 20/1/2011 Página: 1 de 5 1. Identificação do produto e da empresa Nome do produto - Código interno: SERICRYL SUPER MACIO SM Código das Cores: 001, 002, 003, 010, 014, 015, 016, 017, 020, 025, 030,

Leia mais

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas. Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.es/insht/ INTRODUÇÃO Os incêndios e explosões, ainda que representem uma porcentagem

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico - FISPQ

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico - FISPQ PRODUTO: EMULSÃO ASFÁLTICA RR-2C Página 1 de 5 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: EMULSÃO ASFÁLTICA RR-2C Código interno de identificação: BR0259 Nome da empresa: PETROBRAS DISTRIBUIDORA

Leia mais

INDUFIX FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 014 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

INDUFIX FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 014 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA FISPQ 014 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Indufix Código interno: 2000 Empresa: Indutil Indústria de Tintas Ltda. e-mail: indutil@indutil.com.br

Leia mais

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA SOBRE PRODUTO QUÍMICO. Preparado: Yes Este produto é uma composição de óleos lubrificantes e aditivos.

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA SOBRE PRODUTO QUÍMICO. Preparado: Yes Este produto é uma composição de óleos lubrificantes e aditivos. FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA SOBRE PRODUTO QUÍMICO Accu-Lube LB-4500 CÓDIGO FISPQ-0505 REVISÃO 3 EMISSÃO 27/12/2010 APROVAÇÃO 27/12/2010 Page 1 of 5 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

Leia mais

Revisão 15 Abril/13 FISPQ N o 0002-13 Página 1 de 5

Revisão 15 Abril/13 FISPQ N o 0002-13 Página 1 de 5 FISPQ N o 0002-13 Página 1 de 5 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA NOME COMERCIAL Thinner 2750 NOME DO FABRICANTE ANJO QUIMICA DO BRASIL LTDA Rodovia SC, 447 Km 02 Criciúma Santa Catarina CEP: 88.817-440

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIMICO - FISPQ

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIMICO - FISPQ Página 1 de 8 1. Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: Detergente Concentrado Oirad - Código interno de identificação do produto: LG 010 - Produto Notificado na ANVISA / MS: - Nome da

Leia mais

Sinalização de Segurança e Saúde

Sinalização de Segurança e Saúde 1) Introdução No mundo do trabalho, a sinalização desempenha um papel importante como forma de informar os trabalhadores dos vários riscos inerentes às suas atividades, conduzindoos a atitudes preventivas

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUíMICOS (FISPQ)

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUíMICOS (FISPQ) 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Aplicação: Redutor de ph Empresa: Micheloto Ind. e Com. de Prod. Químicos Ltda EPP Endereço: Est. Vic. Dr. Eduardo Dias de Castro Km 03 B Zona Rural Fernão/SP

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA PROMINOL P 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Data de emissão: 13 / 03 / 08 Nome do produto: Uso do produto: PROMINOL P Adubo Empresa responsável pela comercialização:

Leia mais

Suprimark Brasil Com de tintas e Papeis ltda

Suprimark Brasil Com de tintas e Papeis ltda Produto: Sistema Escrita Prima Amarelo FISPQ: 0005 1 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Sistema Escrita PDVmais Prima amarela Suprimark Brasil de Com. De tintas e Papeis Ltda Rua : Augusto Tolle,

Leia mais

TRIPOLIFOSFATO SODIO TÉCNICO

TRIPOLIFOSFATO SODIO TÉCNICO F0LHA...: 1/5 1 Identificação do Produto e da Empresa: Nome do Produto: Nome da Empresa: Endereço: Av. Gupê, 10497 Telefone: 55 11 4772 4900 TRIPOLIFOSFATO SODIO TÉCNICO Cosmoquimica Indústria e Comércio

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Tinta para demarcação Suprivia base d água Código interno: BA5215 e outros Empresa: Suprivias Indústria e Comercio de Materiais para Demarcação

Leia mais

de Segurança de Produtos Químicos

de Segurança de Produtos Químicos 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome do Produto: CONCRECOR. Fornecedor:. Av Eng Juarez de Siqueira Britto Wanderley, 380 Jd Vale do Sol CEP: 12.238-565 São José dos Campos - SP e-mail: concrecor@concrecor.com.br

Leia mais

EXTRUTOP FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 017 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

EXTRUTOP FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 017 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA FISPQ 017 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Extrutop Código interno: AGM215 e AGM216 Empresa: Indutil Indústria de Tintas Ltda. e-mail: indutil@indutil.com.br

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA 1. Identificação da substância/preparação e da sociedade / empresa Identificação da substância / preparação Nome comercial: LUSO EXTRUDER Código do produto: TPVE 301 Utilização da substância / da preparação:

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico - FISPQ

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico - FISPQ PRODUTO: ENXOFRE Página 1 de 6 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: ENXOFRE Código interno de identificação: Pb0021. Nome da empresa: Petróleo Brasileiro S. A. Endereço: Avenida Chile,

Leia mais

de Segurança de Produtos Químicos

de Segurança de Produtos Químicos 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome do Produto: CONCRECOR CIMENFLEX Fornecedor:. Av Eng Juarez de Siqueira Britto Wanderley, 380 Jd Vale do Sol CEP: 12.238-565 São José dos Campos - SP e-mail:

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS ( FISPQ)

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS ( FISPQ) Nome do Produto DNC Página 01/06 SEÇÃO 1.0 NOME DO PRODUTO Detergente Neutro Concentrado - HERMON Limpeza- Ltda Rua Vicente Melle,771-Bairro Ana Jacinta- Presidente Prudente-São Paulo - CEP: IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade: NBR ISO 9001 Ficha de Segurança de Produto: LAB TIN 3104

Sistema de Gestão da Qualidade: NBR ISO 9001 Ficha de Segurança de Produto: LAB TIN 3104 Código: FSP-261 Revisão: 1 Página: 1/5 1 Informação do produto e da empresa Nome do produto: LAB TIN 3104 Nome da empresa: Lab Analítica e Ambiental Ltda. Endereço: Rodovia Geraldo Scavone, 2300 Condomínio

Leia mais

Página 1 de 6 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ

Página 1 de 6 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ Página 1 de 6 1. Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: Ortolan Sep 791 - Nome da empresa: MC-Bauchemie Brasil Indústria e Comércio Ltda - Endereço: Rua Henry Martin, 235 Vargem Grande

Leia mais

Nome do produto: MC Injekt 2300 Top (A) Data da última revisão: 22/07/2011. - Nome da empresa: MC-Bauchemie Brasil Indústria e Comércio Ltda

Nome do produto: MC Injekt 2300 Top (A) Data da última revisão: 22/07/2011. - Nome da empresa: MC-Bauchemie Brasil Indústria e Comércio Ltda Página 1 de 5 1. Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: MC Injekt 2300 TOP (Parte A) - Nome da empresa: MC-Bauchemie Brasil Indústria e Comércio Ltda - Endereço: Rua Henry Martin, 235

Leia mais

Substâncias perigosas: Esteja atento, avalie e proteja

Substâncias perigosas: Esteja atento, avalie e proteja Substâncias perigosas: Esteja atento, avalie e proteja ON END OPEN Lavandarias a seco e limpezas www.campanhaquimicos.eu Avaliação de riscos na utilização de substâncias perigosas Campanha Europeia CARIT

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume VI Riscos Químicos Parte 1. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume VI Riscos Químicos Parte 1. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume VI Riscos Químicos Parte 1 um Guia Técnico de Março de 2008 Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

Guias práticos EXPOSIÇÃO A AGENTES QUÍMICOS

Guias práticos EXPOSIÇÃO A AGENTES QUÍMICOS Guias práticos EXPOSIÇÃO A AGENTES QUÍMICOS Catalogação Recomendada Exposição a agentes químicos/alice Rodrigues [et al.]. Lisboa: ACT, 2014. 16 p.; 30 cm Semana Europeia / Substâncias perigosas / Produtos

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO Página 1 de 5 FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO FISPQ Em conformidade com ABNT 14725-4/2014 Data: 02.05.2002 Revisão: 4/2014 Produto: WD 40 Aerossol N 0002 1. Identificação do produto

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICOS FISPQ 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E EMPRESA

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICOS FISPQ 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E EMPRESA Pág. 1/6 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICOS FISPQ 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E EMPRESA Nome do produto: REVESTIMENTO FOSFATADO PÓ Cód. Interno de Identificação do Produto: Nome da Empresa:

Leia mais

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS INGREDIENTES

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS INGREDIENTES Página 1 de 8 Página 01/07 SEÇÃO 1.0 NOME DO PRODUTO NOME DO FABRICANTE ENDEREÇO Rua Dr. Fernão Pompeu de Camargo, 1704/52 Jardim do Trevo - Campinas/SP - CEP: 13040-010 SEÇÃO 2.0 TIPO DE PRODUTO PREPARADO

Leia mais

Produto: Denvercril RA701 Nº FISPQ: 079 Revisão: 00. Denver Indústria e Comércio Ltda. denver.resinas@denverresinas.com.br

Produto: Denvercril RA701 Nº FISPQ: 079 Revisão: 00. Denver Indústria e Comércio Ltda. denver.resinas@denverresinas.com.br 1. Identificação do Produto e da Empresa Nome do Produto: Nome da Empresa: Endereço: Denvercril RA701. Denver Indústria e Comércio Ltda. Rua Geny Gusmão dos Santos, 48 Rio Abaixo Suzano-SP. Telefone da

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA SIPFOL MAX

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA SIPFOL MAX FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA SIPFOL MAX 1. IDENTIFICAÇÃO DA PREPARAÇÃO E DA EMPRESA Nome do produto: Identificação: Tipo de formulação: Utilização: SIPFOL MAX Aminoácidos, magnésio e oligoelementos Concentrado

Leia mais

Produto: MAXPREN LAJE PRETO FISPQ n 040 emissão 02/02/09 Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

Produto: MAXPREN LAJE PRETO FISPQ n 040 emissão 02/02/09 Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: MAXPREN LAJE PRETO Código do produto: 16100 Nome da empresa: Maxton Brasil Endereço: Rua Ivo

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS QUÍMICOS FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS QUÍMICOS 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome Comercial do produto: CJI URETANO AR ENDURECEDOR Nome da empresa: Endereço: Rua Hermínio Poltroniere,

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Aditivo Solvente Código do produto: SO-228 Página 1 de 5

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Aditivo Solvente Código do produto: SO-228 Página 1 de 5 Código do produto: SO-228 Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Código do produto: Aplicação: Fornecedor: SO-228 Telefone de emergência: (19) 3864-6000 Utilizado diluído

Leia mais

Rua Manoel Joaquim Filho, 303, cep.13140-000 Paulínia / SP E-mail: ceva@cevabrasil.com.br

Rua Manoel Joaquim Filho, 303, cep.13140-000 Paulínia / SP E-mail: ceva@cevabrasil.com.br Produto: TILDREN Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Nome do Fabricante: Nome do Distribuidor: Endereço: TILDREN La Ballastiere BP 126-33501 Libourne. Ceva Saúde Animal

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade: NBR ISO 9001 Ficha de Segurança de Produto: LAB TAR 1401

Sistema de Gestão da Qualidade: NBR ISO 9001 Ficha de Segurança de Produto: LAB TAR 1401 Código: FSP-250 Revisão: 1 Página: 1/5 1 Informação do produto e da empresa Nome do produto: LAB TAR 1401 Nome da empresa: Lab Analítica e Ambiental Ltda. Endereço: Rodovia Geraldo Scavone, 2300 Condomínio

Leia mais

Ficha Técnica de Informação de Segurança de Produto Químico FISPQ

Ficha Técnica de Informação de Segurança de Produto Químico FISPQ Produto: COLA MINERAL ENGELITE Página 1 de 7 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Cola Mineral ENGELITE Componente predominante Enxofre Nome da empresa: ENGEMAN ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO

Leia mais

Ficha de dados de segurança

Ficha de dados de segurança Página 1 de 5 SECÇÃO 1: Identificação da substância/mistura e da sociedade/empresa 1.1. Identificador do produto 1.2. Utilizações identificadas relevantes da substância ou mistura e utilizações desaconselhadas

Leia mais

Sob condições normais de uso não deve apresentar riscos significativos à saúde. Não se espera nenhum efeito sobre o meio ambiente

Sob condições normais de uso não deve apresentar riscos significativos à saúde. Não se espera nenhum efeito sobre o meio ambiente 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto Lubrificante para corrente Código interno de identificação 00.00.000.000 Nome da empresa Endereço Aeroflex Indústria de Aerosol Ltda. Rod. BR 116

Leia mais

ROBERT BOSCH LIMITADA

ROBERT BOSCH LIMITADA F0LHA...: 1 de 5 1 _ Identificação do Produto e Fabricante Nome do Produto: Acumulador elétrico de energia Nome do Fabricante sob licença da Robert Bosch Ltda.: Enertec do Brasil Ltda. Endereço: Av. Independência,

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico FISPQ

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico FISPQ 1.IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Page 1-6 Nome do Produto: Código Interno: GS-60, GS-500, E-700GS, T-800GSA, GS-1000, GS-1900, T-5000GSA Fornecedor: Trilha Indústria e Comércio Ltda. Av. Jornalista

Leia mais

TÍTULO DA APRESENTAÇÃO 11 de fevereiro de 2013. Saúde e Segurança na agricultura

TÍTULO DA APRESENTAÇÃO 11 de fevereiro de 2013. Saúde e Segurança na agricultura TÍTULO DA APRESENTAÇÃO Saúde e Segurança na agricultura TÍTULO DA APRESENTAÇÃO TÍTULO DA APRESENTAÇÃO DEVERES GERAIS DO EMPREGADOR DEVERES GERAIS DO TÍTULO EMPREGADOR DA APRESENTAÇÃO Admissão de trabalhadores

Leia mais

CÓDIGO FISPQ-0580 REVISÃO 0 EMISSÃO 20/09/2002 APROVAÇÃO 20/09/2002 Pagina 1 de 5

CÓDIGO FISPQ-0580 REVISÃO 0 EMISSÃO 20/09/2002 APROVAÇÃO 20/09/2002 Pagina 1 de 5 CÓDIGO FISPQ-0580 REVISÃO 0 EMISSÃO 20/09/2002 APROVAÇÃO 20/09/2002 Pagina 1 de 5 FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA SOBRE PRODUTO QUÍMICO 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Produto: Aplicação:

Leia mais

NOME DO PRODUTO: MEGA PODIUM Revisão 01 FISPQ Nº 00030 Página 1de 5

NOME DO PRODUTO: MEGA PODIUM Revisão 01 FISPQ Nº 00030 Página 1de 5 FISPQ Nº 00030 Página 1de 5 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA NOME DO PRODUTO: MEGA PODIUM NOME COMERCIAL MEGA PODIUM (COLA UNIVERSAL) NOME DO FABRICANTE JN COM E IND DE PROD QUIMICOS LTDA RUA A

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico AMINA TERCIÁRIA C12 FISPQ 014 1 de 4 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: AMINA TERCIÁRIA C12 Fornecedor: Multichemie Indústria e Comércio de Produtos Químicos Ltda. R. Howard Archibald

Leia mais

A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO

A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO por A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO por Resolução do Conselho 2002/C161/01 Nova Estratégia Comunitária de Saúde e Segurança (2002 2006) Redução dos Acidentes de Trabalho

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS - FISPQ

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS - FISPQ FISPQ nº 007 DATA: 09/09/2009 Revisão: 02 Página: 1/7 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Produto: Pó de Alumínio Empresa: Aldoro Indústria de Pós e Pigmentos Metálicos Ltda Endereço: Av. Suécia, 570

Leia mais

2. COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS IGREDIENTES: CONCENTRAÇÃO %

2. COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS IGREDIENTES: CONCENTRAÇÃO % 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome do Produto: CONCRELATÉX Tinta acrílica base d agua. Fornecedor:. Av Eng Juarez de Siqueira Britto Wanderley, 380 Jd Vale do Sol CEP: 12.238-565 São José dos

Leia mais

FISPQ. Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico ACELERADOR DE VULCANIZAÇÃO MBTS-80 ACELERADOR DE VULCANIZAÇÃO MBTS-80

FISPQ. Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico ACELERADOR DE VULCANIZAÇÃO MBTS-80 ACELERADOR DE VULCANIZAÇÃO MBTS-80 Folha: 1 / 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Código Interno: Principais usos recomendados: Master de acelerador de vulcanização de borracha MBTS-80. Acelerador de vulcanização;

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUÍMICO NAFTALINA

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUÍMICO NAFTALINA 1 de 5 I. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA E DO PRODUTO BÚFALO INDÚSTRIA E COM. DE PROD. QUÍMICOS LTDA. Av. Hélio Ossamu Daikuara, Nº 3071 Vista Alegre Embu das Artes - SP Homepage: www.produtosbufalo.com.br E-mail:

Leia mais

Ficha De Informações De Segurança De Produtos Químicos - FISPQ

Ficha De Informações De Segurança De Produtos Químicos - FISPQ Ficha De Informações De Segurança De Produtos Químicos - FISPQ De acordo com a NBR 14725-4:2012 Data da revisão: 21/10/2013 Revisão: 03 1. Identificação do Produto e da Empresa Nome do produto: Referência

Leia mais

ARMAZENAGEM. 8 O empilhamento dos materiais obstruí a circulação nas vias. Decreto-lei 243/86 de 20 de Agosto. Foto Nº.

ARMAZENAGEM. 8 O empilhamento dos materiais obstruí a circulação nas vias. Decreto-lei 243/86 de 20 de Agosto. Foto Nº. CHECK LIST DE HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO Resposta à check list. A severidade está dividida em 3 níveis, Leve, Médio e Grave Só é preenchida quando a resposta não corresponde ao que a legislação prevê.

Leia mais

Pode causar irritação na mucosa e dores abdominais. Não são conhecidos casos de irritação nas vias respiratórias.

Pode causar irritação na mucosa e dores abdominais. Não são conhecidos casos de irritação nas vias respiratórias. Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos - FISPQ FISPQ nº 032 Página 1 / 5 Data da última revisão 08/05/2008 1 Identificação do produto e da empresa Nome do produto: Tinta P.V.A.para Artesanato

Leia mais

Nome do produto: Botatop DM FISPQ nº: 713 Data da última revisão: 02/04/2007. - Nome da empresa: MC-Bauchemie Brasil Indústria e Comércio Ltda

Nome do produto: Botatop DM FISPQ nº: 713 Data da última revisão: 02/04/2007. - Nome da empresa: MC-Bauchemie Brasil Indústria e Comércio Ltda Página 1 de 6 1. Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: Botatop DM - Código interno do produto: 713/ 714 - Nome da empresa: MC-Bauchemie Brasil Indústria e Comércio Ltda - Endereço: Av.

Leia mais

Versão 1.0 Numero da FISPQ: 000000620508 Data da revisão: 21.09.2015 : PROQUÍMICA: 0800118270 SIKA (DDG): 08007037340

Versão 1.0 Numero da FISPQ: 000000620508 Data da revisão: 21.09.2015 : PROQUÍMICA: 0800118270 SIKA (DDG): 08007037340 SEÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto : Código do produto : 000000620508 Tipo de produto : líquido Detalhes do fabricante ou do fornecedor Empresa : Sika S.A. Avenida Dr. Alberto

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico Nome do Produto: Reticulina Código: EP-12-20021 RETICULINA Seção 1: Identificação do Produto e da Empresa Erviegas Ltda R. Lacedemônia, 268 - São Paulo

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico - FISPQ

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico - FISPQ PRODUTO: GÁS NATURAL Página 1 de 5 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: GÁS NATURAL Código interno de identificação: Pb0027. Nome da empresa: Petróleo Brasileiro S. A. Endereço: Avenida

Leia mais

1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Produto: CURATON CQ FISPQ n 052 emissão 02/02/09 Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Curaton CQ Código do produto: 11130 Nome

Leia mais

de Segurança de Produtos Químicos

de Segurança de Produtos Químicos 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome do Produto: CONCRECOR a base d água. Fornecedor:. Av Eng Juarez de Siqueira Britto Wanderley, 380 Jd Vale do Sol CEP: 12.238-565 São José dos Campos - SP

Leia mais

FISPQ Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico FOSFATO DE ZINCO SOLUÇÃO

FISPQ Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico FOSFATO DE ZINCO SOLUÇÃO Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Nome da Empresa/Fornecedor: Resimapi Produtos Químicos Ltda. Endereço: Av. Osaka, 800 Arujá São Paulo Telefone da Empresa: (xx11)

Leia mais

Ingredientes que contribuam para o perigo: Nome químico ou genérico N CAS % Classificação e rotulagem

Ingredientes que contribuam para o perigo: Nome químico ou genérico N CAS % Classificação e rotulagem FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ Nome do produto: BRANCO POLIFIX Página 1 de 5 1. Identificação do produto e da empresa Nome do produto: BRANCO POLIFIX Nome da Empresa: INDÚSTRIA

Leia mais

NOÇÕES GERAIS DE SEGURANÇA NUM LABORATÓRIO

NOÇÕES GERAIS DE SEGURANÇA NUM LABORATÓRIO NOÇÕES GERAIS DE SEGURANÇA NUM LABORATÓRIO O trabalho desenvolvido num laboratório químico envolve o manuseamento de materiais, que pelas suas características, podem vir a constituir um risco para os que

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA 1. Identificação da substância/preparação e da sociedade / empresa Identificação da substância / preparação Nome comercial: ECOPICRIL BRANCO Utilização da substância /da preparação: Pintura para marcação

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA Edição revista (*) Nº : 5. 2.2 : Gás não inflamável e não tóxico.

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA Edição revista (*) Nº : 5. 2.2 : Gás não inflamável e não tóxico. Página : 1 2.2 : Gás não inflamável e não tóxico. Atenção 1 Identificação da substância/ preparação e da sociedade/ empresa Identificador do produto Designação Comercial : AR Reconstituido K/AR Comprimido/

Leia mais

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO Página 01/07 SEÇÃO 1.0 NOME DO PRODUTO BRILHO CERTEC NOME DO FABRICANTE ENDEREÇO Rua Dr. Fernão Pompeu de Camargo, 1704/52 Jardim do Trevo - Campinas/SP - CEP: 13040-010 SEÇÃO 2.0 TIPO DE PRODUTO PREPARADO

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO Página 1 de 5 FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO FISPQ Em conformidade com ABNT 14725-4/2014 Data: 02.05.2002 Revisão: 5 Data da Revisão: 06/02/15 Produto: WD 40 Líquido N 0040 1. Identificação

Leia mais

Rebrilhar Catalisador Ureia-Formol

Rebrilhar Catalisador Ureia-Formol 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome comercial do Produto: Nome da Empresa: Rebrilhar Resinas e Vernizes Ltda. Endereço: Rua Luiz de Moraes Rego, nº. 505 Jardim do Bosque Leme/SP Telefones: 19-35186900

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 00 REVISÃO: 10/2014 PÁGINA 1/5 INDUCOLA A

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 00 REVISÃO: 10/2014 PÁGINA 1/5 INDUCOLA A FISPQ 00 REVISÃO: 10/2014 PÁGINA 1/5 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Inducola A Código interno: 5003 Empresa: Indutil Indústria de Tintas Ltda. e-mail: indutil@indutil.com.br Endereço:

Leia mais