Declaração Universal dos Direitos da Criança

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Declaração Universal dos Direitos da Criança"

Transcrição

1 Declaração Universal dos Direitos da Criança Aprovada pelas Nações Unidas em 3 de Novembro de 1959 Todas as crianças têm direito À igualdade, sem distinção de raça, religião ou nacionalidade. A especial proteção para o desenvolvimento físico, mental e social. A um nome e a uma nacionalidade À alimentação, moradia e assitência médica adequadas para a criança e a mãe. À educação e a cuidados especiais para a criança física ou mentalmente deficiente. À educação gratuita e ao lazer infantil. A ser socorrida em primeiro lugar, em caso de catástrofes. A ser protegida contra abandono e a exploração no trabalho. A crescer dentro de um espírito de solidariedade, compreensão, amizade e justiça ente os povos. Em 12 de Outubro de 199, entrou em vigor o ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE, marco histórico na garantia dos Direitos da Criança e do Adolescente no Brasil. Av. Santo Amaro, º andar São Paulo - SP - Brasil Tel.: (55 11) Fax (55 11) *Texto adaptado e revisado por R. Z. Altman Ao amor e à compreensão por parte dos pais e da sociedade.

2 Presidente Synésio Batista da Costa Conselho de AdministrACAO Andrés Luiz Lavin Cebada Gulliver Audir Queixa Giovani BBRA Carlos Antonio Tilkian Estrela Mauro Antônio Ré Sidepar Charles Kapaz Elka João Carlos Ebert Xalingo José Eduardo Planas Pañella Toyster José Roberto Nicolau Multibrink Marco Antonio Pucci Bandeirante Marcelo Betti Rovai Grow E... Com 75 anos de história, o setor de no Brasil, como qualquer ramo industrial, submete-se e sente os efeitos das políticas econômicas dos governantes, recria-se a cada dia para continuar crescendo e finalmente alcançar a solidez. Este ano estamos completando 3 anos da Abrin. Em todos esses anos, acompanhamos os movimentos do mercado, com periodos bons, outros nem tanto, mas esses anos nos mostram que é possivel seguir existindo e crescendo. Temos orgulho de sermos a 3ª maior feira de brinquedos do mundo, e essa é uma conquista de todo o setor. As estatísticas a seguir objetivam mostrar uma fotografia da performance e do estado da arte e seu desempenho no setor de brinquedos. Conselho Fiscal Geraldo Zinato Carlos Alberto Bazzo Gabriela Gomes Matias Oliveira Cláudio Chen Líder Cotiplás Magic Toys Homeplay Synésio Batista da Costa Presidente Elaboração Nádia Caroline Barbosa Mesquita Thais Gomes de Almeida

3 Sumario Faturamento...5 Sazonalidade das Vendas da Indústria...6 Empregos e Nível de Escolaridade do Setor...8 (R$) Produção Nacional Faturamento (sem IPI - Ex. Fábrica) , 57, 1.315, 856, 822, 1.678, 867, 1.367, 2.234, 963, 1.547,6 2.51,6 Unid.: (R$ Milhões) , , 2.71,8...9 Distribuição de Unidades Industriais, Exportação e Importação por Estado...1 Quantidade de Criados, Lançamentos e Variedade...11 Distribuição dos Preços ao Consumidor Final...12 Vendas por Segmento...13 Vendas por Linhas e Canais...14 Vendas por Estado...15 Vendas - O Mercado Mundial...16 População, Natalidade e Mortalidade...17 PIB x Setor de...18 Importação de x de no Brasil...19 (R$) * Produção Nacional 1.714, , 2.15,1 1.42, , 1.86, ,4 3.46, 3.875,2 4.34, Origem das...2 Mensais Destino das...26 Produção Nacional *Estimativa Fonte: Fabricantes Nacionais / Sistema Aliceweb Distribuído em Abril / 213 5

4 Sazonalidade das vendas da industria Unid.: (%) Unid.: (%) ANO JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ TOTAL ,4 3,3 5,3 4,6 5,3 9,8 9,8 9,5 18,7 7,5 16,4 8,4 1, ,3 3,1 3,1 3,8 4,3 4,8 5,6 1,4 16,5 11,5 25,6 1, 1, ,3 2,2 3,7 3,5 4,4 4,5 5,2 1,4 18,9 11,8 23,2 1,9 1, ,4 2,1 2,1 3, 3,6 3,9 5,5 12,3 18,8 14,9 21,8 1,6 1, ,9 4,2 6,9 6,9 6,6 5,4 7,2 13,5 17,2 6,9 12,2 1,1 1, , 6, 2,8 2,5 3,5 3,8 3,2 6,6 12,1 17,7 26,5 13,3 1, ,3 2,2 4,2 3,1 6, 6,2 6,7 1,9 18,7 1,2 19,1 1,4 1, ,6 4,4 6,4 5,6 5,8 5,7 7,2 1, 15,6 8, 16,5 1,2 1, ,9 4,8 6,2 5,5 5,9 6,2 7,7 1,3 14,9 8,9 15,6 9,1 1, 2 3,8 3,7 4,1 3,6 3,9 5,6 7,4 12,4 18,9 8,1 19,7 8,8 1, 21 3,1 2,5 3,9 3,7 4,5 4,1 7,7 12,2 17,2 1,9 21,3 8,9 1, 22 3,2 2,3 3,7 4, 6,1 6,5 6,5 11,3 16,7 1,4 17,4 11,9 1, 23 6, 5,7 6,6 6, 6,7 6,6 7,7 9,7 13,1 8,8 14,2 8,9 1, 24 4,2 3,8 5,4 7,1 5,9 8,5 9,2 1,1 15, 7,1 16,5 7,2 1, 25 4, 4,2 4,3 4,8 5,3 6,7 7,5 13,3 16,3 7,3 16,2 1,1 1, 26 3,8 4, 4,5 4,6 5,2 6,6 7,4 13,1 16,5 8,1 17,1 9,1 1, 27 3,5 3,8 4,3 4,9 5,6 6,1 7,6 13,4 16,9 8, 17,3 8,6 1, 28 3,1 2,4 3,9 4,1 5, 6, 7,6 14, 18,1 7,4 16,9 11,5 1, 29 3,6 3,7 4,2 4, 5,8 7, 7,8 14,4 17,4 9, 16,1 7, 1, 21 2,4 2,6 4,4 5, 6,3 7,7 6,8 15,8 16,5 7,5 17,3 7,7 1, 211 2,5 3,1 4,4 4,1 6,5 6, 7,7 17, 18,4 6,9 17,6 5,9 1, 212 2,8 2,9 4,3 4,2 6,5 5,5 8, 16,6 17, 8,2 17,8 6,2 1, Fonte: Empresas / Elaboração: ABRINQ 6 7

5 Empregos Fabricas Unid.: quantidade Unid.: quantidade Próprios Terceirizados Próprios Terceirizados o que os fabricantes comentam do ano de 212? Ótimo Bom Regular Ruim 15. 5,9% 43,1% 41,2% 9,8% o que os fabricantes esperam para o ano de 213? Próprios Terceirizados Ótimo Bom Regular Ruim 22,% 46,% 3 2,% Nivel de escolaridade do setor Fonte: Fabricantes Nacionais Escolaridade Analfabetos Ensino Fundamental Ensino Médio Ensino Superior Pós-Graduação Fonte: Fabricantes Nacionais ,5% 34,1% 5,5% 12,7% 2,2% 33,4% 51,2% 11,7%,5% 22,6% 66,% 9,6% 212,2% 24,7% 64,8% 8,3% 2,% 1 8 9

6 DISTRIBUICAO DE UNIDADES INDUSTRIAIS, EXPORTACAO E IMPORTACAO POR ESTADO Quantidade de brinquedos criados Unid.: quantidade Amazonas,8%,82%,43% Ceará,3%,8%,46% Paraíba,5%,56%,18% Pernambuco,3% 2,8%,72% *Estimativa Fonte: Designers independentes * Bahia LANCAMENTOS Unid.: quantidade Goiás,3%,5% ,5%,1%,17% * 1.75 Mato Grosso do Sul,3% Espírito Santo,3% *Estimativa Fonte: Fabricantes Nacionais e demais expositores,26%,28%,1% 6,12% A VARIEDADE de DE brinquedos BRINQUEDOS Paraná Minas Gerais DISPONIVEl DISPONIVEL NO MERCADO 3,2%,43% 1,4% Rio Grande do Sul Santa Catarina São Paulo Rio de Janeiro,%,59% Unid.: quantidade ,%,2% 1,9% Notas: Unidades Industriais em em 212 (): de outros estados: 11,26% 4 - em 212 (): de outros estados:,16% 2,7% 17,21% 16,35% 85,2% 67,24% 7,8%,% 1,26% Fonte: ABRINQ / Sistema Aliceweb *Estimativa Fonte: Fabricantes Nacionais e demais expositores *

7 Distribuicao dos precos ao consumidor final Unid.: (%) Vendas por segmento Unid.: (%) (R$) até R$ 1, de R$ 11, a R$ 2, de R$ 21, a R$ 3, de R$ 31, a R$ 5, de R$ 51, a R$ 1, acima de R$ 1, 25 19,4% 17,4% 13,2% 5 Fonte: Fabricantes Nacionais Nota: Do total de brinquedos lançados a cada ano 26 14,9% 18,7% 16,4% ,% 27,4% 16,7% 16,3% 13,% 1,6% 18,5% 25,7% 17,1% 17,4% 1 8,8% 16,3% 19,1% 2,3% 19,8% 14,9% 9,6% 14,8% 16,6% 21,4% 21,8% 14,3% 11,% 11,2% 26,% 17,6% 19,5% 12,8% 12,9% 11,8% 22,1% 2,5% 17,6% 14,2% 14,% Desenvolvimento Afetivo Primeira Idade Mundo Técnico Atividades Físicas Atividades Intelectuais Criatividade Relações Sociais 4,5% 16,8% 7,% 12,% 8,4% 8,5% 6,8% Fonte: Fabricantes Nacionais e Varejistas 23,% 16,% 5,% 17,% 14,% 11,% 14,% 26,1% 11,8% 6,5% 1 16,2% 12,1% 17,2% 32,7% 4,4% 11,7% 16,2% 1,8% 12,1% 12,1% 27,1% 5,4% 14,7% 13,6% 1,6% 12,8% 15,8% 22,1% 4,9% 16,3% 21,4% 9,4% 13,1% 12,8% ,3% 13,1% 7,1% 11,2% 13,9% 13,8% 14,6% ,% 16,6% 6,5% 8,4% 14,9% 15,6% 15,% Comportamento dos precos ao consumidor Unid.: (%) Meses Janeiro,63,38 (,8) (,41) (,86) 1,57,42,34 Fevereiro,38,42 (,54),74,86,4,82 (,1) Março,16,2 (,22) (,89),16,28,21 (,1) Abril 1,17 (,26),25 (,44) 1,11 (,37),8 (,43) Maio (,9) (,43) (,1),97 (,17),57,35 (,53) Junho (,29) (1,21) (,57),72,43,16 1,3 (,33) Julho,9,24,36 (,49) (,13),12 (,25),12 Agosto,7,4 (,5),42,87 (,24) (,44),45 Setembro,2,14,22 (,29),28,39,8 1,16 Outubro,25,21,47 1,18 1,62,75 1,58,78 Novembro (,9) (,8) (,35),14,11,27,23,73 Dezembro,61 (,2),7,27 (,17),61,1 (,59) Fonte: FIPE / USP 12 13

8 Vendas por linhas e canais Vendas por estado Unid.: (%) Unid.: (%) Linha de Estado Veículos (carrinhos, motos, pistas) Reprodução Mundo Real (jogos de panela, móveis, kit mecânico) 11,5% 9,5% 13,5% 8,5% 1 9,7% 13,8% 7,1% 11,2% 8,9% 13,7% 7,7% Acre Alagoas Amapá,3%,7%,4%,1%,3%,7%,3%,8%,4%,3%,9%,4%,2% 1,%,3%,3%,9%,3% Blocos de Construção (encaixe para montagem de estruturas) Bonecas e Bonecos Em Geral e Seus Acessórios 4,9% 19,5% 5,4% 2,8% 4,4% 17,8% 5,6% 14,1% 3,9% 17,5% 3,8% 16,2% Amazonas Bahia Ceará 1,4% 2,5%,6% 2,6% 3,9% 2,5% 2,8% 1,7% 1,2% 3,% 2,3% 1,4% 3,6% 2,3% Puericultura (modedores, chocalho, móbile) Jogos (tabuleiro, cartas, figuras, memória) 1,6% 7,1% 9,2% 7,8% 8,3% 8,8% 1,8% 14,% 8,5% 9,4% 7,8% 1,5% Distrito Federal Espírito Santo Goiás 1,9% 1,8% 1,9%,6% 1,5% 2,% 1,6% 2,2% 2,2% 2,1% 1,6% 1,8% 2,5% 2,% 2,2% Pelúcia 5,1% 5,5% 4,2% 4,3% 5,2% 6,1% Maranhão,7%,4%,8%,8% 1,4% Madeira Eletrônicos e Audio-visuais (tablets e laptops de brinquedo, perguntas e respostas, video-games) Esportivo (patins, patinete, triciclo e veículos a pedal ou elétricos, bicicletas, lançadores de água) Fantasias (roupas de personagens ou mitos, acessórios como unha postiça, maquiagem de brinquedo, aplique de cabelo) Outros 7,1% 3,9% 6,9% 11,5% 8,5% 2,1% 7,5% 2,3% 8,9% 9,7% 1,8% 8,6% 1,9% 1 6,6% 9,1% 2,1% 7,4% 8,7% 14,6% 7,2% 2,8% 1 2,9% 1 Mato Grosso Mato Grosso do Sul Minas Gerais Pará Paraíba Paraná Piauí Pernambuco Rio de Janeiro,9%,7% 6,3% 1,6% 1,% 4,5% 1,2% 3,2% 14,3%,7%,4% 4,1%,6% 3,7%,3% 4,% 17,5%,7% 7,% 1,8%,9% 4,% 3,9% 1,5% 12,% 1,6% 1,5% 8,5% 1,7% 1,% 4,9% 1,2% 3,6% 12,8% 1,%,6% 7,4% 2,5% 5,2% 1,% 4,6% 13,5% 1,%,9% 7,8% 2,% 5,1%,9% 4,9% 12,3% Vendas por Canais a) magazines b) autosserviço (supermercados, etc.) c) especializados d) atacadistas e) outros f) internet ,% 15,1% 41,% 24,7% 1,2% 2,3% 15,9% 38,8% 24,5%,5% 19,6% 14,4% 4 23,3% 17,4% 14,% 43,3% 25,3% 16,6% 14,6% 4,6% 26,2% 1,7% ,% 1,5% 33,1% 21,8% 16,6% Rio Grande do Norte Rio Grande do Sul Rondônia Roraima Santa Catarina São Paulo Sergipe Tocantins,6% 4,7%,4%,2% 3,1% 41,8%,9%,7% 5,5%,2%,3% 2,9% 46,7%,9%,3% 1,2% 4,5%,6%,2% 3,8% 38,2% 2,3%,5%,7% 3,8%,5%,2% 3,4% 38,4%,8%,7% 4,4%,5%,4% 4,1% 35,6% 1,6%,5%,8% 4,8%,4%,4% 4,7% 34,% 1,6%,5% Fonte: Fabricantes Nacionais e Varejistas Fonte: Fabricantes Nacionais e Varejistas 14 15

9 Vendas - O mercado mundial Ano Fonte: NPD Group Worldwide e ICTI Nota: Inclui videogames Bilhões US$ 61,5 66, 69,4 71,1 69,5 74,4 79,4 84,3 61,2 63,7 67, 7,4 72,1 74, 76,2 75,1 % 7,3 5,2 2,4 (2,3) 7,1 6,7 6,2 (27,4) 4,1 5,2 5,1 2,4 2,6 3, (1,4) ,7 3, Populacao projetada de a 14 anos de idade Grupos de idade a 6 anos Meninos Meninas Menos de 1 ano Meninos Meninas 1 a 4 anos Meninos Meninas 5 e 6 anos Meninos Meninas 7 a 14 anos 7 a 9 anos Meninos Meninas 1 e 11 anos Meninos Meninas 12 anos Meninos Meninas 13 e 14 anos Meninos Meninas População ( a 14 anos) Brasil - 2 / 22 População projetada total de a 14 anos de idade Fonte: Projeto IBGE / Fundo de População das Nações Unidas - UNFPA / Brasil (BRA/98/P8), Sistema Intergrado de Projeções e Estimativas Populacionais e Indicadores Sociodemográficos Ano Taxa de natalidade e mortalidade Taxa média geométrica de crescimento anual (%) 1,25 1,182 1,113 1,45,98,921,866,814 Nascimentos Taxa bruta de natalidade (por 1. hab.) 18,45 17,75 17,6 16,38 15,77 15,2 14,68 14,22 Fonte: IBGE - Projeção da População do Brasil por Sexo e Idade / 25 - Revisão 28 Taxa bruta de Óbitos mortalidade (por 1. hab.) , , , , , , , ,

10 PIB x SETOR DE BRINQUEDOS importacao de brinquedos x total de importacoes brasil Mercado de PIB Variação PIB Milhões Participação do setor de brinquedos no PIB Brasil 1.315, 3,2% ,3,4% 1.678, 4,% ,67,5% 2.234, 6,1% ,57,6% 2.51,6 5,2% ,51,7% de Brasil de Brasil x ,12% ,2% ,16% ,3% Mercado de PIB Variação PIB Milhões Participação do setor de brinquedos no PIB Brasil Fonte: Fabricantes / Sistema Aliceweb / IBGE Elaboração: ABRINQ ,8,3% ,93,7% 3.117,4 7,5% ,64,8% 3.46, 2,7%,9% , ,6,8% 3.875,2,9% de Brasil de Brasil x ,2% ,3% ,17% ,3% de Brasil de Brasil x,19%,3%,18%,3% de Brasil de Brasil x,18%,3%,18%,3% Fonte: Sistema Aliceweb Elaboração: ABRINQ 18 19

11 2 21 Fonte: Secex - Sistema Aliceweb Elaboração: ABRINQ origem das Importacoes origem das Importacoes % % 25 % % ,3% 2,9% 3,7%,4% 2,5%,8%,3%,1%,6%,6%,2%,9%,2%,1% 99,% 1,% 87,1%,2%,7%,1% 1,6% 2,7% 2,7%,3% 1,7%,7%,3%,1%,6%,4% 99,3%,7% ,5% 3,4% 5,% 6,8%,9%,4%,3%,3%,5%,6%,6%,1% 99,6%,4% 8,8%,4%,8% 99,7%,3% 4,8% 7,%,5%,9% 1,%,4%,4%,3% 26 País China Indonésia Malásia Hong Kong Dinamarca Vietnã Taiwan (Formosa) Tailândia Estados Unidos Itália México Tcheca, República Espanha Geral Outros 38 países Subtotal 2 países Paraguai Argentina Canadá Hungria Israel Alemanha Malta % % % % ,3% 2,6% 4,% 7,4%,5% 2,1%,1%,9%,5%,4%,3%,5% 99,7%,3% ,1% 4,3% 4,8%,8% 2,2%,1%,3%,3%,4%,1%,5% 99,4%,6% ,2% 3,8% 5,4%,3%,5%,9%,1%,1%,2%,3%,1%,3%,1% 99,8%,2% ,8% 3,3% 4,1% 4,7%,7%,6%,7%,9%,1%,3%,2%,3%,1%,1%,3%,3% 99,6%,4%

12 origem das Importacoes País % % % % % % % % China Indonésia Malásia Hong Kong Dinamarca Vietnã Taiwan (Formosa) Tailândia México Tcheca, República Itália Estados Unidos Espanha Paraguai Malta Argentina Canadá Hungria Israel Alemanha Subtotal 2 países Outros 38 países Geral ,8% ,% ,4% ,5% ,9% ,6% ,% ,8% ,9% ,9% ,7% ,2% ,% ,2% ,5% ,% ,5% ,2% ,% ,3% ,3% ,8% ,5% ,2% ,3% ,5% ,7% ,2% ,2% ,5% ,4% ,1% ,2% 79.89,2% ,4% 93.41,3% ,2% 5.947,1% ,1% ,% ,9% ,6% ,5% 48.9,2% ,2% ,1% ,1% ,1% ,1% 29.89,1% ,1% ,1% ,1% ,4% ,4% 86.79,2% 84.99,2% ,1% ,1% ,1% ,1% 434.1,2% ,1% ,2% ,8% ,7% ,9% ,7% ,2% ,3% ,1% ,3% ,7% ,7% ,3% ,2% ,1% ,3% ,1% ,9% ,5% ,8% ,6% ,3% ,3% ,% ,9% ,3% ,3% ,7% ,6% ,5% ,5% ,8% ,7% ,9% ,7% ,6% ,8% ,5% ,7% ,6% ,8% ,5% ,4% ,6% ,6% ,2% ,4% ,1% ,3% ,2% ,2% ,2% ,3% ,4% ,4% 76.86,2% ,2% ,1% ,1% ,2% ,2% ,1% ,1% 44.11,1% ,1% ,1% ,1% ,1% ,1% ,1% ,1% ,1% ,1% 23.32,1% ,1% ,1% ,9% ,8% ,9% ,8% 43.47,1% ,2% ,1% 7.884,2% Fonte: Secex - Sistema Aliceweb Elaboração: ABRINQ 22 23

13 Importacoes Mensais importacoes de brinquedos de todos os paises do mundo Meses JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ (Ref. NCMs a ) US$ / kg US$ / kg US$ / kg US$ / kg US$ / kg US$ / kg US$ / kg US$ / kg , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,7 importacoes de brinquedos exclusivamente originarias da china Meses US$ / kg US$ / kg US$ / kg US$ / kg US$ / kg US$ / kg US$ / kg US$ / kg JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV ,2 5,9 4,86 5,6 4,78 4,67 4,19 4,12 4,39 3,3 3, ,1 4,26 5,82 5,69 5,9 5,7 5,5 5,66 6,12 5,8 5, ,83 6,96 7,44 8,14 6,42 6,48 6,34 6,6 6,95 7,8 7, ,94 7,19 7,99 7,31 7,32 7,33 7,45 7,22 7,61 7,3 7, ,9 8,32 8,7 8,91 9,96 7,81 7,92 7,69 7,4 7,52 8, ,28 7,49 8,29 8,79 7,99 7,52 9,29 7,91 7,23 5,89 7, ,5 9,23 9,61 9,66 1,16 9,11 8,34 9,11 7,95 6,26 7, ,79 9,11 7,81 9,5 9,19 9,75 8,63 7,65 7,38 7,39 7,9 DEZ , , , , , , , , , , , , , , , ,38 Part. China 83,4% 87,1% 79,5% 8,8% 81,4% 8,3% 82,8% 84,2% 88,% 88,8% 84,5% 86,4% 85,7% 87,7% 83,2% 86,3% Fonte: Secex - Sistema Aliceweb Elaboração: ABRINQ 24 25

14 destino das Exportacoes (Ref. NCMs a ) País Paraguai Argentina Uruguai Bolívia México Angola Venezuela Estados Unidos Chile Bahamas Turquia Itália Alemanha África do Sul Países Baixos (Holanda) Peru Espanha Colômbia Equador Tailândia Subtotal 2 países Outros 91 países Geral % % ,8% ,9% ,7% ,7% ,7% ,1% ,9% ,1% ,3% ,4% ,8% ,1% ,3% ,4% ,8% ,2% ,4% ,6% ,% ,4% 2.54,1% ,1% 28.89,3% 1.115,1% ,3% ,1% 3.883,2% ,8% ,7% ,6% ,1% 97,9% 2,1% ,1% 96,2% 3,8% % % % % % % ,2% ,8% ,8% ,9% ,6% ,6% ,6% ,2% ,9% ,9% ,2% ,8% ,8% ,9% ,7% ,7% ,5% ,2% ,1% ,4% ,8% ,4% ,2% ,5% ,1% ,7% ,5% ,1% ,3% ,5% ,2% ,7% ,2% ,3% ,7% ,6% ,4% ,5% ,4% ,5% ,5% ,5% 7.332,4% ,9% ,9% ,2% ,2% ,% 85. 8,5% ,6% ,8% ,7% ,9% 8.86,5% ,5% ,5% ,8% ,8% 1.593,1% ,% 932,1% ,6% 1.61,1% ,9% 1.147,1% ,7% ,1% ,2% 2.15,1% ,7% 1.64,1% ,9% 3.655,2% ,6% 7.388,4% ,8% 1.614,1% ,1% ,4% ,1% 1.656,1% ,3% ,5% ,5% ,% ,9% 7.688,5% ,8% ,2% 97,5% 2,5% ,2% 95,% 5,% ,2% 96,5% 3,5% ,% 95,% 5,% ,9% 96,4% 3,6% ,6% 94,4% 5,6% 1 Fonte: Secex - Sistema Aliceweb Elaboração: ABRINQ 26 27

15 destino das Exportacoes (Ref. NCMs a ) País Paraguai Argentina Uruguai Bolívia México Angola Venezuela Estados Unidos Chile Bahamas Turquia Itália Alemanha África do Sul Países Baixos (Holanda) Peru Espanha Colômbia Equador Tailândia Subtotal 2 países Outros 91 países Geral % % % % % % % % ,4% ,4% ,% ,8% ,8% ,3% ,9% ,2% ,3% ,4% ,7% ,% ,2% ,2% ,1% ,4% ,5% ,9% ,6% ,6% ,7% ,7% ,2% ,9% ,5% ,8% ,6% ,2% ,7% ,3% ,8% ,9% ,7% ,4% ,8% ,4% ,4% ,2% ,7% ,2% ,6% ,3% 1.47,8% ,4% 1.3 1,% ,2% ,8% ,% ,8% 88.11,7% ,5% ,9% ,2% ,9% 11.17,7% ,7% 4.197,3% ,6% 7.796,6% ,9% 7.346,7% ,8% ,6% ,1% ,3% ,3% 8.64,6% ,8% ,% ,1% ,% 3.68,2% 2.18,2% ,3% ,7% ,8% 9.933,6% ,8% 3.396,2% ,3% 4.278,4% ,5% ,4% ,4% ,5% ,5% ,2% 2.59,2% 35.95,3% 7.698,6% 77.84,6% 4.26,4% ,5% 82,1% ,4% ,4% ,3% 3.166,3% 4.492,4% ,% ,7% ,3% ,4% ,3%,3% 1,% 97,6% ,%,3%,8% 96,9% 3,1% ,1%,8% 97,7% 2,3% ,2%,5% 96,4% 3,6% ,6% 97,9% 2,1% ,1%,2% 2,2% 97,9% 2,1% ,2%,1%,3%,1% 99,2%,8% ,3%,2%,2%,2% 98,8% 1,2% Fonte: Secex - Sistema Aliceweb Elaboração: ABRINQ 28 29

16 Os dados mostram o desenvolvimento do setor de brinquedos. Diante desse retrato do desempenho, a ABRINQ reforça que o ato de brincar e a sinergia entre a indústria e varejo são as premissas para ótimos resultados. IQB - Instituto de Qualificação e Certificação Av. Sto Amaro, º andar - São Paulo - SP Tel.: (11) Fax: (11)

Declaração Universal dos Direitos da Criança

Declaração Universal dos Direitos da Criança Declaração Universal dos Direitos da Criança Aprovada pelas Nações Unidas em 3 de Novembro de 1959 Todas as crianças têm direito À igualdade, sem distinção de raça, religião ou nacionalidade. A especial

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos da Criança

Declaração Universal dos Direitos da Criança Declaração Universal dos Direitos da Criança Aprovada pelas Nações Unidas em 30 de Novembro de 1959 Todas as crianças têm direito À igualdade, sem distinção de raça, religião ou nacionalidade. A especial

Leia mais

BRINQUEDOS. O Desenvolvimento do Setor 2011

BRINQUEDOS. O Desenvolvimento do Setor 2011 BRINQUEDOS O Desenvolvimento do Setor 2011 Presidente Synésio Batista da Costa Conselho de Administração e Fiscal Andrés Luiz Lavin Cebada Audir Queixa Giovani Carlos Antonio Tilkian Mauro Antônio Ré Charles

Leia mais

BRINQUEDOS. A Performance do Setor 2010

BRINQUEDOS. A Performance do Setor 2010 BRINQUEDOS A Performance do Setor 2010 Presidente Synésio Batista da Costa Conselho de Administração Andrés Luiz Lavin Cebada Audir Queixa Giovani Carlos Antonio Tilkian Carlos Alberto Bazzo Cláudio Chen

Leia mais

BRINQUEDOS 2019 Estatísticas

BRINQUEDOS 2019 Estatísticas BRINQUEDOS 219 Estatísticas CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO E FISCAL Audir Queixa Giovani NOVABRINQ Carlos Antonio Tilkian ESTRELA Andres Luiz Lavin Cebada GULLIVER Carlos Alberto Bazzo COTIPLAS José Eduardo

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES JANEIRO 2019 SUMÁRIO PÁG. 1 ANÁLISE 3 2 CAPÍTULO 41 COMPLETO 4 3 DESTINOS.. 5 4 COURO BOVINO POR TIPO 6 5 DISTRIBUIÇÃO POR ESTADO 7 QUALQUER PARTE DESTA OBRA PODERÁ SER REPRODUZIDA, DESDE QUE CITADO COMO

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES FEVEREIRO / 215 SUMÁRIO PÁG. 1 - ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES 3 2 - EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES - CAPÍTULO 41 COMPLETO 4

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES MARÇO / 215 SUMÁRIO PÁG. 1 - ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES 3 2 - EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES - CAPÍTULO 41 COMPLETO 4 3 -

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES JANEIRO / 215 SUMÁRIO PÁG. 1 - ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES 3 2 - EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES - CAPÍTULO 41 COMPLETO 4 3

Leia mais

BRINQUEDOS ESTATÍSTICAS

BRINQUEDOS ESTATÍSTICAS BRINQUEDOS ESTATÍSTICAS 2018 CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO E FISCAL Audir Queixa Giovani NOVABRINQ Carlos Antonio Tilkian ESTRELA Andres Luiz Lavin Cebada GULLIVER Carlos Alberto Bazzo COTIPLAS José Eduardo

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES MAIO / 215 SUMÁRIO PÁG. 1 - ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES 3 2 - EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES - CAPÍTULO 41 COMPLETO 4 3 -

Leia mais

CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO E FISCAL

CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO E FISCAL CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO E FISCAL Audir Queixa Giovani NOVABRINQ Carlos Antonio Tilkian ESTRELA Andres Luiz Lavin Cebada GULLIVER Carlos Alberto Bazzo COTIPLAS José Eduardo P. Pañella TOYSTER Gabriela

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES ABRIL / 2016 SUMÁRIO PÁG. 1 - ANÁLISE 3 2 - CAPÍTULO 41 COMPLETO 4 3 - DESTINOS 5 4 - COURO BOVINO POR TIPO 6 5 - DISTRIBUIÇÃO POR ESTADO 7 1 ANÁLISE DAS ABRIL 2016 As Exportações de Couros e Peles apresentadas

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES JUNHO / 215 SUMÁRIO PÁG. 1 - ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES 3 2 - EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES - CAPÍTULO 41 COMPLETO 4 3 -

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES JULHO 2018 SUMÁRIO PÁG. 1 ANÁLISE 3 2 CAPÍTULO 41 COMPLETO 4 3 DESTINOS.. 5 4 COURO BOVINO POR TIPO 6 5 DISTRIBUIÇÃO POR ESTADO 7 1 ANÁLISE DAS JULHO 2018 As Exportações de Couros e Peles apresentadas

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES 2015 SUMÁRIO PÁG. 1 - ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES 3 2 - EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES - CAPÍTULO 41 COMPLETO 4 3 - DESTINO

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES OUTUBRO / 2015 SUMÁRIO PÁG. 1 - ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES 3 2 - EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES - CAPÍTULO 41 COMPLETO 4

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES SETEMBRO / 2015 SUMÁRIO PÁG. 1 - ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES 3 2 - EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES - CAPÍTULO 41 COMPLETO 4

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES MARÇO 2017 SUMÁRIO Pág. 1 - ANÁLISE 3 2 - CAPÍTULO 41 COMPLETO 4 3 - DESTINOS 5 4 - COURO BOVINO POR TIPO 6 5 - DISTRIBUIÇÃO POR ESTADO 7 1 ANÁLISE DAS MARÇO 2016 As Exportações de Couros e Peles apresentadas

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ABRIL Número de indústrias de calçados no Brasil por estado. 13 Faturamento na exportação de Calçados

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ABRIL Número de indústrias de calçados no Brasil por estado. 13 Faturamento na exportação de Calçados RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ABRIL 2017 FRANCA População e PIB do município de Franca Piso salarial do sapateiro Estimativa do número de funcionários na indústria de calçados de Franca Dados do

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA JUNHO Número de indústrias de calçados no Brasil por estado. 13 Faturamento na exportação de Calçados

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA JUNHO Número de indústrias de calçados no Brasil por estado. 13 Faturamento na exportação de Calçados RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA JUNHO 2017 FRANCA População e PIB do município de Franca Piso salarial do sapateiro Estimativa do número de funcionários na indústria de calçados de Franca Dados do

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES MAIO 2019 SUMÁRIO PÁG. 1 ANÁLISE 3 2 CAPÍTULO 41 COMPLETO 6 3 DESTINOS.. 7 4 COURO BOVINO POR TIPO 8 5 DISTRIBUIÇÃO POR ESTADO 9 QUALQUER PARTE DESTA OBRA PODERÁ

Leia mais

IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES SETEMBRO 2017 SUMÁRIO PÁG. 1 CAPÍTULO 41 COMPLETO 3 2 ORIGENS 4 3 ORIGENS POR TIPO DE COURO 5 4 ESTADOS 6 5 POR CLASSIFICAÇÃO DAS NCMs 7 1 IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES DEZEMBRO 2018 SUMÁRIO PÁG. 1 ANÁLISE 3 2 CAPÍTULO 41 COMPLETO 4 3 DESTINOS.. 5 4 COURO BOVINO POR TIPO 6 5 DISTRIBUIÇÃO POR ESTADO 7 QUALQUER PARTE DESTA OBRA PODERÁ SER REPRODUZIDA, DESDE QUE CITADO COMO

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES JULHO / 2016 SUMÁRIO Pág. 1 - ANÁLISE 3 2 - CAPÍTULO 41 COMPLETO 4 3 - DESTINOS 5 4 - COURO BOVINO POR TIPO 6 5 - DISTRIBUIÇÃO POR ESTADO 7 1 ANÁLISE DAS JULHO 2016 As Exportações de Couros e Peles apresentadas

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES JULHO 2017 SUMÁRIO Pág. 1 - ANÁLISE 3 2 - CAPÍTULO 41 COMPLETO 4 3 - DESTINOS 5 4 - COURO BOVINO POR TIPO 6 5 - DISTRIBUIÇÃO POR ESTADO 7 1 ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES 2016 SUMÁRIO Pág. 1 - ANÁLISE 3 2 - CAPÍTULO 41 COMPLETO 4 3 - DESTINOS 5 4 - COURO BOVINO POR TIPO 6 5 - DISTRIBUIÇÃO POR ESTADO 7 1 ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES ABRIL 2019 SUMÁRIO PÁG. 1 ANÁLISE 3 2 CAPÍTULO 41 COMPLETO 6 3 DESTINOS.. 7 4 COURO BOVINO POR TIPO 8 5 DISTRIBUIÇÃO POR ESTADO 9 QUALQUER PARTE DESTA OBRA PODERÁ

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES NOVEMBRO 2017 SUMÁRIO PÁG. 1 ANÁLISE 3 2 CAPÍTULO 41 COMPLETO 4 3 DESTINOS.. 5 4 COURO BOVINO POR TIPO 6 5 DISTRIBUIÇÃO POR ESTADO 7 1 - ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES 2017 SUMÁRIO PÁG. 1 ANÁLISE 3 2 CAPÍTULO 41 COMPLETO 4 3 DESTINOS.. 5 4 COURO BOVINO POR TIPO 6 5 DISTRIBUIÇÃO POR ESTADO 7 1 ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS

Leia mais

Estatísticas básicas de turismo. Brasil. Brasília, novembro de 2007.

Estatísticas básicas de turismo. Brasil. Brasília, novembro de 2007. Brasil Brasília, novembro de 2007. Índice Páginas I Turismo no mundo 1. Fluxo receptivo internacional 1.1 - Chegadas de turistas no Mundo por Regiões e Sub-regiões - 2002/2006 03 1.2 - Chegada de turistas:

Leia mais

ABRIL 2016 RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA FRANCA SÃO PAULO BRASIL. Pág.

ABRIL 2016 RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA FRANCA SÃO PAULO BRASIL. Pág. RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ABRIL 2016 FRANCA População e PIB do município de Franca Piso salarial do sapateiro Estimativa do número de funcionários na indústria de calçados de Franca Dados do

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ÍNDICE FEVEREIRO 2015 FRANCA Página População...... 2 Piso salarial do sapateiro... 2 Número de funcionários na indústria de calçados...... 2 Admissões e demissões do

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ÍNDICE OUTUBRO 2013 FRANCA Página População...... 2 Piso salarial do sapateiro... 2 Número de funcionários na indústria de calçados...... 2 Admissões e demissões do

Leia mais

5-8. março a Feira Internacional de Brinquedos. abrin.com.br #Abrin2018 EXPO CENTER NORTE. DIAS h às 20h DIA 8 10h às 18h

5-8. março a Feira Internacional de Brinquedos. abrin.com.br #Abrin2018 EXPO CENTER NORTE. DIAS h às 20h DIA 8 10h às 18h 5-8 EXPO CENTER SÃO PAULO - SP NORTE março 2018 DIAS 5-7 10h às 20h DIA 8 10h às 18h 35 a Feira Internacional de Brinquedos abrin.com.br #Abrin2018 O GRANDE ENCONTRO DO MERCADO DE BRINQUEDOS E A CERTEZA

Leia mais

Solicitante: SINDICATO DA INDÚSTRIA DA CERÂMICA DE LOUÇA DE PÓ DE PEDRA, DA PORCELANA E DA LOUÇA DE BARRO NO ESTADO DE SÃO PAULO - SINDILOUÇA

Solicitante: SINDICATO DA INDÚSTRIA DA CERÂMICA DE LOUÇA DE PÓ DE PEDRA, DA PORCELANA E DA LOUÇA DE BARRO NO ESTADO DE SÃO PAULO - SINDILOUÇA C S E R Departamento Central de Serviços Grupo de Apoio Técnico aos Sindicatos - GAT Dados de Comércio de Importação & Exportação Setor de Louças Solicitante: SINDICATO DA INDÚSTRIA DA CERÂMICA DE LOUÇA

Leia mais

MINISTERIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA SUMÁRIO EXECUTIVO

MINISTERIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA SUMÁRIO EXECUTIVO MINISTERIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA SUMÁRIO EXECUTIVO Arroz em casca ABRIL 2018 ARROZ EM CASCA: Quadro de Suprimento Mil toneladas Posição: abril/2018 MUNDO

Leia mais

MINISTERIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA SUMÁRIO EXECUTIVO

MINISTERIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA SUMÁRIO EXECUTIVO MINISTERIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA SUMÁRIO EXECUTIVO Arroz em casca JUNHO 2018 ARROZ EM CASCA: Quadro de Suprimento Mil toneladas Posição: junho/2018 MUNDO

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ÍNDICE AGOSTO 2012 FRANCA 01) População 02) Piso salarial do sapateiro 03) Número de funcionários na indústria de calçados 04) Admissões e demissões do setor calçadista

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ÍNDICE MARÇO 2015 FRANCA Página População...... 2 Piso salarial do sapateiro... 2 Número de funcionários na indústria de calçados...... 2 Admissões e demissões do setor

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA FRANCA RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ÍNDICE JULHO 2015 Página População... 2 Piso salarial do sapateiro... 2 Número de funcionários na indústria de calçados de Franca... 2 Dados do emprego na indústria

Leia mais

MINISTERIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA SUMÁRIO EXECUTIVO

MINISTERIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA SUMÁRIO EXECUTIVO MINISTERIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA SUMÁRIO EXECUTIVO Arroz em casca AGOSTO 2018 ARROZ EM CASCA: Quadro de Suprimento Mil toneladas Posição: agosto/2018

Leia mais

Economic Research São Paulo - SP - Brasil Apresentação Semanal. De 17 a 21 de Setembro de Lucas Nobrega Augusto (11)

Economic Research São Paulo - SP - Brasil Apresentação Semanal. De 17 a 21 de Setembro de Lucas Nobrega Augusto (11) Economic Research São Paulo - SP - Brasil 2018 Apresentação Semanal De 17 a 21 de Setembro de 2018 Lucas Nobrega Augusto (11) 3553-5263 jul-15 set-15 nov-15 jan-16 mar-16 mai-16 jul-16 set-16 nov-16 jan-17

Leia mais

BRASIL - IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2018 ( t ) ( US$ / t )

BRASIL - IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2018 ( t ) ( US$ / t ) BRASIL IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2018 (POR PAÍS) PAÍSES JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ ARGENTINA Volume ( Ton/Liq ) 618.931,34 410.212,09 455.952,50 656.360,91 374.803,98 492.235,91 540.100,50

Leia mais

BRASIL - IMPORTAÇÃO FARINHA DE TRIGO 2018 ( t ) ( US$ / t )

BRASIL - IMPORTAÇÃO FARINHA DE TRIGO 2018 ( t ) ( US$ / t ) BRASIL IMPORTAÇÃO DE FARINHA DE TRIGO 2018 (POR PAÍS) PAÍSES JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ ARGENTINA Volume ( Ton/Liq ) 31.148,98 30.567,04 30.668,99 27.234,05 26.012,97 145.632,03 Valor

Leia mais

O Comércio de Serviços do Brasil

O Comércio de Serviços do Brasil Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Secretaria de Comércio e Serviços IV Seminário Estadual de Negócios Internacionais do Paraná O Comércio de Serviços do Brasil Curitiba, 17 de

Leia mais

BRASIL IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2018 (POR PAÍS) PAÍSES JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ ARGENTINA Volume ( Ton/Liq ) 618.931,34 410.212,09 455.952,50 656.360,91 374.803,98 492.235,91 540.100,50

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TÊXTIL E CONFECÇÕES MAIO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TÊXTIL E CONFECÇÕES MAIO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TÊXTIL E CONFECÇÕES MAIO DE 2016 1 PRODUTOS 2 A CADEIA TÊXTIL É DIVIDIDA EM 3 SEGMENTOS: FIBRAS E FILAMENTOS TÊXTIL CONFECÇÕES 3 FATURAMENTO DA CADEIA

Leia mais

PIB PAÍSES DESENVOLVIDOS (4 trimestres, %)

PIB PAÍSES DESENVOLVIDOS (4 trimestres, %) PIB PIB PAÍSES DESENVOLVIDOS (4 trimestres, %) dez/92 jun/93 dez/93 jun/94 dez/94 jun/95 dez/95 jun/96 dez/96 jun/97 dez/97 jun/98 dez/98 jun/99 dez/99 jun/00 dez/00 jun/01 dez/01 jun/02 dez/02 jun/03

Leia mais

BRASIL - IMPORTAÇÃO FARINHA DE TRIGO 2018 ( t ) ( US$ / t )

BRASIL - IMPORTAÇÃO FARINHA DE TRIGO 2018 ( t ) ( US$ / t ) BRASIL IMPORTAÇÃO DE FARINHA DE TRIGO 2018 (POR PAÍS) PAÍSES JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ ARGENTINA Volume ( Ton/Liq ) 31.148,98 30.567,04 30.668,99 27.234,05 26.012,97 21.396,66 26.979,63

Leia mais

Panorama Conjuntural do Segmento de Impressos Promocionais e Comerciais

Panorama Conjuntural do Segmento de Impressos Promocionais e Comerciais Panorama Conjuntural do Segmento de Impressos Promocionais e Comerciais Resultado Índices de Custos Variação (%) no Mês Set11/ Ago11 Ac. Ano Jan-Set 2011/ Jan-Set 2010 Var. em 12 Out2010 a Set 2011 Indústria

Leia mais

Brasil Março 2016. Mercado em números

Brasil Março 2016. Mercado em números Março 2016 Mercado em números Guiana Venezuela Suriname Columbia Guiana Francesa Designação oficial: República Federativa do Capital: Brasília Localização: Leste da América do Sul Peru Fronteiras terrestres:

Leia mais

Estatísticas básicas de turismo. Brasil. Brasília, setembro de 2008.

Estatísticas básicas de turismo. Brasil. Brasília, setembro de 2008. Brasil Brasília, setembro de 2008. I - Turismo no mundo 1. Fluxo receptivo internacional Índice Páginas 1.1 - Chegadas de turistas no Mundo por Regiões e Sub-regiões - 2003-2007 03 1.2 - Chegada de turistas:

Leia mais

Comércio em Números. Brasil. meses.

Comércio em Números. Brasil. meses. Belo Horizonte MG Agosto de 2016 O é um acompanhamento sistemático das estatísticas econômicas. Trata-se de um estudo que busca acompanhar o comportamento das variáveis de desempenho do consumo e das vendas,

Leia mais

Comércio em Números. Brasil. meses.

Comércio em Números. Brasil. meses. Belo Horizonte MG Dezembro de 2016 O é um acompanhamento sistemático das estatísticas econômicas. Trata-se de um estudo que busca acompanhar o comportamento das variáveis de desempenho do consumo e das

Leia mais

Comércio em Números. Brasil. meses.

Comércio em Números. Brasil. meses. Belo Horizonte MG Novembro de 2016 O é um acompanhamento sistemático das estatísticas econômicas. Trata-se de um estudo que busca acompanhar o comportamento das variáveis de desempenho do consumo e das

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ÍNDICE OUTUBRO 2014 FRANCA Página População...... 2 Piso salarial do sapateiro... 2 Número de funcionários na indústria de calçados...... 2 Admissões e demissões do

Leia mais

Comércio em Números. Brasil. meses.

Comércio em Números. Brasil. meses. Belo Horizonte MG Abril de 2016 O é um acompanhamento sistemático das estatísticas econômicas. Trata-se de um estudo que busca acompanhar o comportamento das variáveis de desempenho do consumo e das vendas,

Leia mais

ANUÁRIO ESTATÍSTICO DA TAXA DE OCUPAÇÃO HOTELEIRA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

ANUÁRIO ESTATÍSTICO DA TAXA DE OCUPAÇÃO HOTELEIRA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO 2012 ABIH-RJ FECOMÉRCIO-RJ ANUÁRIO ESTATÍSTICO DA TAXA DE OCUPAÇÃO HOTELEIRA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Pesquisa mensal da ABIH-RJ que visa acompanhar a taxa de ocupação nas unidades de hospedagem da

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

Panorama Conjuntural do Segmento de Etiquetas Adesivas

Panorama Conjuntural do Segmento de Etiquetas Adesivas Panorama Conjuntural do Segmento de Etiquetas Adesivas São Paulo, janeiro de 2013 Índice Etiquetas adesivas impressas o Produção anual e mensal do segmento de etiquetas o Mercado Externo o Balança Comercial

Leia mais

INDÚSTRIA DE MÓVEIS JUNHO DE 2017

INDÚSTRIA DE MÓVEIS JUNHO DE 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE MÓVEIS JUNHO DE 2017 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MOTOCICLETAS DEZEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MOTOCICLETAS DEZEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MOTOCICLETAS DEZEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MOTOCICLETAS JUNHO DE 2017

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MOTOCICLETAS JUNHO DE 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MOTOCICLETAS JUNHO DE 2017 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por

Leia mais

Comércio em Números. Brasil. meses.

Comércio em Números. Brasil. meses. Belo Horizonte MG Dezembro de 2015 O é um acompanhamento sistemático das estatísticas econômicas. Trata-se de um estudo que busca acompanhar o comportamento das variáveis de desempenho do consumo e das

Leia mais

Panorama Conjuntural do Segmento de Cadernos

Panorama Conjuntural do Segmento de Cadernos Panorama Conjuntural do Segmento de Cadernos Variação no volume vendas no comércio varejista (%) Atividade Vendas de Livros, jornais, revistas e papelaria Estados Acumulado Jan 11 a Set 11 Últimos 12 meses

Leia mais

Tabelas Anexas Capítulo 1

Tabelas Anexas Capítulo 1 Tabelas Anexas Capítulo 1 Tabela anexa 1.1 População, segundo grandes regiões Brasil e Estado de São Paulo 1980-2007 1-3 Tabela anexa 1.2 Analfabetos e total de pessoas na população de 15 anos ou mais,

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

BRASIL - IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2017 ( t ) ( US$ / t )

BRASIL - IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2017 ( t ) ( US$ / t ) BRASIL IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2017 (POR PAÍS) PAÍSES JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ ARGENTINA Volume ( Ton/Liq ) 399.473,26 422.403,60 501.033,08 371.050,32 437.918,87 2.131.879,13 Valor

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

TELEFONIA FIXA E MÓVEL

TELEFONIA FIXA E MÓVEL DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TELEFONIA FIXA E MÓVEL JUNHO DE 2017 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL (ICPN) Março/2013 (dados até Fevereiro)

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL (ICPN) Março/2013 (dados até Fevereiro) ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL (ICPN) Março/2013 (dados até Fevereiro) Sumário Executivo (entrevistas realizadas em fev/13) Este relatório resulta das entrevistas realizadas no mês

Leia mais

16/2009 BALANÇO DAS EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE ROCHAS ORNAMENTAIS E DE REVESTIMENTO NO PERÍODO JANEIRO-SETEMBRO DE

16/2009 BALANÇO DAS EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE ROCHAS ORNAMENTAIS E DE REVESTIMENTO NO PERÍODO JANEIRO-SETEMBRO DE Informe 16/2009 BALANÇO DAS EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE ROCHAS ORNAMENTAIS E DE REVESTIMENTO NO PERÍODO JANEIRO-SETEMBRO DE 2009 Associação Brasileira da Indústria de Rochas Ornamentais ABIROCHAS

Leia mais

- Valor - Fob ( Us$/Mil ) - Preço Médio ( Us$/Ton ) OUTROS

- Valor - Fob ( Us$/Mil ) - Preço Médio ( Us$/Ton ) OUTROS BRASIL IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2018 (POR PAÍS) PAÍSES JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ TOTAL ARGENTINA Volume ( Ton/Liq ) 618.931,34 618.931,34 Valor Fob ( Us$/Mil ) 115.218,56 115.218,56 Preço

Leia mais

COMÉRCIO VAREJISTA JUNHO DE 2017

COMÉRCIO VAREJISTA JUNHO DE 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA JUNHO DE 2017 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Março de 2016

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Março de 2016 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Março de 2016 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Março de 2016 Sumário Executivo Indicadores de confiança são indicadores

Leia mais

Comércio em Números. Março/2018. Estudos Econômicos Fecomércio MG.

Comércio em Números. Março/2018. Estudos Econômicos Fecomércio MG. Março/2018 Estudos Econômicos Fecomércio MG www.fecomerciomg.org.br Belo Horizonte MG Março de 2018 O é um acompanhamento sistemático das estatísticas do varejo. Trata-se de um estudo que busca acompanhar

Leia mais

PERFIL DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Setembro/2011

PERFIL DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Setembro/2011 PERFIL DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Setembro/2011 2 ÍNDICE 03. Apresentação 04. População Rural 05. Habitantes no Campo 06. Ocupação do Território Brasileiro 07. Estrutura Fundiária Brasileira 08. PIB do

Leia mais

Coordenação geral Kennya Beatriz Siqueira Alziro Vasconcelos Carneiro

Coordenação geral Kennya Beatriz Siqueira Alziro Vasconcelos Carneiro Ano 5 no 44 outubro/2012 Embrapa Gado de Leite Rua Eugênio do Nascimento, 610 Bairro Dom Bosco 36038-330 Juiz de Fora/MG Telefone: (32) 3311-7494 Fax: (32) 3311-7499 e-mail: sac@cnpgl.embrapa.br home page:

Leia mais

Acre Previsão por Coeficiente no Estado

Acre Previsão por Coeficiente no Estado Acre 0,6 121.073,55 262.729,59 0,8 161.431,39 350.306,12 1,0 201.789,24 437.882,66 1,2 242.147,09 525.459,19 1,4 - - 1,6 322.862,79 700.612,25 1,8 363.220,64 788.188,78 2,0 - - 2,2 - - 2,4 - - 2,6 524.652,03

Leia mais

COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2016

COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

INFORME CONJUNTURAL Comportamento do Emprego - Jan-Nov Brasil. 19/12/2014 Subseção DIEESE - Força Sindical

INFORME CONJUNTURAL Comportamento do Emprego - Jan-Nov Brasil. 19/12/2014 Subseção DIEESE - Força Sindical INFORME CONJUNTURAL Comportamento do Emprego - Jan-Nov 2014 - Brasil 19/12/2014 Subseção DIEESE - Força Sindical Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL (ICPN) Maio/2013 (dados até Abril)

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL (ICPN) Maio/2013 (dados até Abril) ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL (ICPN) Maio/2013 (dados até Abril) Sumário Executivo (entrevistas realizadas em Abr/13) Nesta edição o Índice de Confiança dos Pequenos Negócios (ICPN)

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE SUÍNA JUNHO DE 2017

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE SUÍNA JUNHO DE 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE SUÍNA JUNHO DE 2017 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

FLUXO CONSTRUÇÃO - OBRAS DE INFRA- ESTRUTURA POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO CONSTRUÇÃO - OBRAS DE INFRA- ESTRUTURA POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO - OBRAS DE INFRA- ESTRUTURA POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 29 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 29 FLUXO - OBRAS DE INFRA-ESTRUTURA, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Nosso negócio é fazer negócios! MERCADO BRASILEIRO SHOPPING CENTERS

Nosso negócio é fazer negócios! MERCADO BRASILEIRO SHOPPING CENTERS MERCADO BRASILEIRO SHOPPING CENTERS O comércio responde por 13% do PIB brasileiro O comércio varejista é responsável por 42% do comércio geral Os Shopping Centers representam 19% do comércio varejista

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DA RECEITA DO SETOR DE SERVIÇOS (ABRIL )

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DA RECEITA DO SETOR DE SERVIÇOS (ABRIL ) ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DA RECEITA DO SETOR DE SERVIÇOS (ABRIL - 2015) BRASIL: Receita de Serviços Apresenta Variação Positiva Segundo a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS 1 ) divulgada pelo Instituto Brasileiro

Leia mais

Indicadores do Mercado de Meios Eletrônicos de Pagamento

Indicadores do Mercado de Meios Eletrônicos de Pagamento Indicadores do Mercado de Meios Eletrônicos de Pagamento Janeiro de 2008 Apresentado por Fernando Chacon Diretor de Marketing de Cartões do Banco Itaú 1 Mercado de Cartões Faturamento anual: R$ bilhões

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Maio de 2016

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Maio de 2016 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Maio de 2016 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Maio de 2016 Sumário Executivo Indicadores de confiança são indicadores antecedentes,

Leia mais

Falta de competitividade da indústria: a barreira ao crescimento

Falta de competitividade da indústria: a barreira ao crescimento Falta de competitividade da indústria: a barreira ao crescimento Economia beira a estagnação em 2012 Dois anos perdidos para a indústria Principais mensagens PIB com aumento do consumo e queda dos investimentos

Leia mais

ABIH-RJ FECOMÉRCIO- RJ

ABIH-RJ FECOMÉRCIO- RJ 2014 ABIH-RJ FECOMÉRCIO- RJ ANUÁRIO ESTATÍSTICO DA TAXA DE OCUPAÇÃO HOTELEIRA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Pesquisa mensal da ABIH-RJ que visa acompanhar a taxa de ocupação nas unidades de hospedagem da

Leia mais

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PNEUS E BORRACHA NOVEMBRO DE 2016

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PNEUS E BORRACHA NOVEMBRO DE 2016 DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PNEUS E BORRACHA NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Abril de 2016

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Abril de 2016 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Abril de 2016 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Abril de 2016 Sumário Executivo Indicadores de confiança são indicadores

Leia mais

TELEFONIA FIXA E MÓVEL

TELEFONIA FIXA E MÓVEL DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TELEFONIA FIXA E MÓVEL NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

Mercado de Trabalho Empregos formais. Estado de São Paulo Município: Capivari

Mercado de Trabalho Empregos formais. Estado de São Paulo Município: Capivari Mercado de Trabalho Empregos formais Estado de São Paulo Município: Capivari SÍNTESE Estado de São Paulo População estimada em 2014 44.035.304 População 2010 41.262.199 Área (km²) 248.222,36 Densidade

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. Fevereiro/2013 (dados até Janeiro)

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. Fevereiro/2013 (dados até Janeiro) ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL (ICPN) Fevereiro/2013 (dados até Janeiro) Características da pesquisa Objetivo: - medir o impacto da conjuntura econômica nos Pequenos Negócios e suas

Leia mais

Associação Brasileira da Indústria de Hotéis do Estado do Rio de Janeiro Av. das Américas, Bl 1 - Grupo Shopping Bayside - Cep.

Associação Brasileira da Indústria de Hotéis do Estado do Rio de Janeiro Av. das Américas, Bl 1 - Grupo Shopping Bayside - Cep. Associação Brasileira da Indústria de Hotéis do Estado do Rio de Janeiro Av. das Américas, 3.120 - Bl 1 - Grupo 213 - Shopping Bayside - Cep.: 22.640-102 - Rio de Janeiro - RJ Tel (21) 3410-5131 fax (21)

Leia mais

Brasil Setembro Mercado em números

Brasil Setembro Mercado em números Setembro 2016 Mercado em números Guiana Venezuela Suriname Columbia Guiana Francesa Designação oficial: República Federativa do Capital: Brasília Localização: Leste da América do Sul Peru Fronteiras terrestres:

Leia mais

Brasil Junho Mercado em números

Brasil Junho Mercado em números Junho 2016 Mercado em números Guiana Venezuela Suriname Columbia Guiana Francesa Designação oficial: República Federativa do Capital: Brasília Localização: Leste da América do Sul Peru Fronteiras terrestres:

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Fevereiro de 2016

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Fevereiro de 2016 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Fevereiro de 2016 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Fevereiro de 2016 Sumário Executivo Indicadores de confiança são indicadores

Leia mais