A Indústria do Vestuário: Procedimentos Básicos na Terceirização da Costura. Adilson da Silva (FURB)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Indústria do Vestuário: Procedimentos Básicos na Terceirização da Costura. Adilson da Silva (FURB) adilson@furb.br"

Transcrição

1 A Indústria do Vestuário: Procedimentos Básicos na Terceirização da Costura Adilson da Silva (FURB) Resumo As indústrias do vestuário vêm utilizando como estratégia a terceirização, principalmente a costura como forma de diminuir os custos e flexibilizar a produção. As literaturas apontam que a fragmentação do processo produtivo é muito comum neste setor, pois permite a dispersão geográfica, mobilidade das atividades, redução dos custos, mas contribui para a precarização do trabalho. No entanto, percebe-se a ausência de abordagens sobre como estas indústrias selecionam as empresas terceirizadas e quais os critérios para avaliar a qualidade dos serviços prestados. Assim, este artigo tem como objetivo verificar como se desenvolve as etapas da terceirização e a partir dos resultados obtidos contribuir com um procedimento que possa ser replicado como mecanismo de melhoria da qualidade e da produtividade. Utilizouse o estudo de caso e o objeto da pesquisa uma indústria que utiliza 48 prestadoras de serviços (facções) para terceirizar 100% da sua produção. Embora a indústria estudada não apresentar procedimentos sistematizados para selecionar, medir e avaliar o nível da qualidade dos serviços prestados pelas facções, este artigo apresenta a partir dos requisitos dos clientes desta empresa um procedimento para cadastrar, selecionar e medir o nível da qualidade dos serviços prestados. Estes procedimentos foram aplicados e se mostraram favoráveis à melhoria da qualidade e da produtividade. Palavras-chave: Indústria do vestuário; Terceirização; Costura; Qualidade e produtividade. Abstract The clothing industries have been using a strategy of outsourcing, especially the stitching as a way to reduce costs and ease production. The literature suggest that the fragmentation of the production process is very common in this sector because it allows the geographical dispersion, mobility activities, reducing costs, but contributes to job insecurity. However, notice the lack of approaches about how these industries select the contractors and the criteria for assessing the quality of services provided. Therefore, this article aims to examine how to develop the steps of outsourcing and from results contribute to a procedure that can be replicated as a mechanism for improving quality and productivity. We used the case study and the object of a research industry that uses 48 service providers (factions) to outsource 100% of its production. Though the industry study does not present systematic procedures for selecting, measuring and evaluating the quality level of services provided by the factions, this article presents from the requirements of the customers of this company to register a procedure, select and measure the quality of services provided. These procedures were implemented and are in favor of improving the quality and productivity. Keywords: Clothing industry; Outsourcing; Sewing; Quality and Productivity.

2 1. Introdução Desde o tempo do império, a indústria têxtil brasileira passou por várias fases, tanto de crescimento, de estabilidade e de retração, mas foi com a abertura do mercado internacional que o setor sofreu maior impacto. Este fator provocou o encerramento das atividades de muitas empresas que não estavam preparadas para competir neste novo cenário. Felizmente o encerramento destas empresas não significou redução da produção têxtil, pois as que permaneceram, acabaram compensando a capacidade perdida. Atualmente, segundo o Iemi (2007), no Brasil as indústrias têxteis e do vestuário são responsáveis por 5,2% do faturamento total da indústria de transformação e por 17,3% do total dos empregos. Diante da intensificação da concorrência, Slack et al (1997) expõe que as indústrias precisam buscar formas de baixar seus custos para se manterem no mercado e também para conquistar novos clientes. Para isto, é necessário adotar múltiplos objetivos como a melhoria da qualidade, flexibilidade, alta produtividade, rapidez e pontualidade. Neste contexto, a indústria do vestuário tem buscado na terceirização a forma para alcançar estes objetivos. Embora a prática da terceirização não seja nova, pois desde o século XIX já se destinava parte do processo produtivo a outras empresas na forma de subcontratação, conhecido como putting out. Tradicionalmente as indústrias de confecção e de calçados são as que muito se utilizam desta prática, mas, outros segmentos também vêm adotando, principalmente as indústrias de médio e grande porte. Esta adoção como estratégia tem crescido e consequentemente recebido críticas por vários autores. Neste contexto, Cruz-Moreira (2003) aponta que a terceirização é uma forma que permite às empresas fragmentar as etapas do processo produtivo com total dispersão geográfica. Esta mobilidade das atividades produtivas possibilita a divisão do trabalho e consequentemente dos lucros de forma muito desigual. Bastos (1993) complementa que a subcontratação tornou-se um procedimento que visa contornar as obrigações tributárias e trabalhistas de forma a reduzir os encargos sociais, o que leva a uma informalização e precarização das relações de produção das empresas entre si e entre os trabalhadores. Segundo Amorim (2003), quando a terceirização é de caráter predatório e está voltada para a redução dos custos e a transferência deste para os terceiros, então esta forma precariza as condições do trabalho, de saúde, contribui para a redução dos salários, dos benefícios, além de exigir alto ritmo de trabalho. Para esta autora, no Brasil as pesquisas têm buscado o entendimento da terceirização e é possível dizer que existem duas modalidades, uma que foca somente a redução dos custos e outra que está relacionada com a transferência de tecnologia à empresa subcontratada em benefício da qualidade, produtividade e de competitividade. Sabe-se que o setor do vestuário e de calçados são setores industriais bem globalizados e permite facilmente a criação das peças num determinado país, mas poderá ter suas partes componentes fabricadas em outro. A costura é um setor que exige poucos investimentos em maquinário, mas é um dos setores industriais que mais utiliza a mão de obra e esta condição pode ser considerada um dos gargalos de todo o processo produtivo. A baixa

3 exigência com relação à escolarização e qualificação dessa mão de obra é mínima, favorecendo o deslocamento espacial das unidades produtivas para lugares mais pobres. No entanto, a terceirização da costura é muito utilizada pela grande maioria das indústrias, mas muito pouco se têm publicado sobre a qualidade dos serviços prestados e quais são critérios e procedimentos para selecionar as empresas terceirizadas, já que a qualidade da costura interfere diretamente nas características do produto. Assim, este artigo, através do estudo de caso tem como objetivo verificar quais os critérios adotados pela empresa para selecionar a prestadora de serviços (facção) e quais os procedimentos adotados para avaliar a qualidade dos serviços destas facções. A partir dos resultados obtidos pretende-se estabelecer um procedimento para que possa ser replicado a outras empresas como mecanismo de ganho de qualidade e produtividade já que não se encontrou na literatura nada semelhante. 2. Procedimentos metodológicos Esta pesquisa utilizará o estudo de caso que Goode (1979) define como sendo um meio de organizar os dados, preservando o objeto estudado e o seu caráter unitário. Na concepção de Lüdke (1986), o estudo de caso deve ser bem delimitado e Hartley (1994) complementa que deve ser uma investigação detalhada podendo envolver uma ou mais organizações de forma a fornecer uma análise do assunto e dos processos envolvidos no fenômeno que se pretende estudar. Para Godoy (1995) e Merrian (1998) esta é forma de estudar o fenômeno que consiste em levantar informações a partir de conhecimentos e pressupostos do pesquisador embasados em bibliografia sobre os conceitos teóricos. Optou-se por delimitar a pesquisa através da seleção proposital de uma única empresa que utiliza 100% a terceirização da costura. Esta decisão parte da premissa que a empresa que terceiriza toda a costura deve ter procedimentos bem definidos para selecionar a prestadora do serviço, bem como, mecanismos para avaliar a qualidade do serviço prestado. O processo inicial foi através de uma entrevista com o presidente da empresa para conhecer a estrutura organizacional e entender a sistemática da terceirização utilizada pela empresa, bem como conhecer o pessoal envolvido. Através dos dados obtidos se formulou as ações necessárias para a execução do trabalho conforme descrito na seção 4.3. Os dados foram coletados no período de fevereiro a junho de 2009 e organizados por categoria para facilitar o entendimento e permitir visualizar os índices de incidência para estabelecer as ações corretivas prioritárias. Para auxiliar os cálculos se utilizou uma planilha eletrônica. 3. Referencial teórico 3.1 Gerenciamento da qualidade

4 Brocka e Brocka (1994) define o gerenciamento da qualidade total (TQM- total quality management) como sendo uma filosofia para melhorar de forma contínua a produtividade em todas as áreas funcionais, combinando técnicas de administração, esforços em melhorias e inovações para aperfeiçoar continuamente todos os processos. Para os mesmos autores não se pode falar em gerenciamento da qualidade sem fazer menção a Philip B. Crosby, W. Edwards Deming, Armand V. Feigenbaum, Kaoru Ishikawa e Joseph M. Juran, que proporcionaram todo o avanço da relação qualidade e produtividade para as indústrias do mundo inteiro. O zero defeito utilizado por Crosby é um padrão de gerenciamento, assegurando que não existe razão para admitir erros ou defeitos em produtos ou serviços. Deming assegura que a qualidade é aquilo que o cliente quer e de que precisa, sendo necessário estar redefinindo as especificações, pois os desejos dos clientes estão sempre mudando. Para Deming inspecionar o produto não agrega valor nenhum nem melhora a qualidade. Feigenbaum descreve a qualidade como uma filosofia e um compromisso para com a excelência. Toda a empresa deve estar envolvida, pois, a qualidade se estende além dos defeitos do chão de fábrica. Kaoru Ishikawa foi o primeiro a usar o termo controle de qualidade total e desenvolveu várias ferramentas, considerando que qualquer trabalhador pudesse efetivamente utilizá-las. Joseph M. Juran aponta que o gerenciamento da qualidade deve envolver três processos básicos gerenciais: planejamento da qualidade, controle de qualidade e melhoria da qualidade, literalmente foi difundido como a Trilogia de Juran (BROCKA e BROCKA, 1994). Conforme apresentado, muitos autores contribuiram com conceitos relevantes para gerenciar a qualidade, definindo conceitos, propondo ferramentas e ensinando a utilização. Na opinião de Paladini (1997) a definição de qualidade mais disseminada nas literaturas é a definição de Juran que conceitua a qualidade como adequação ao uso. Na concepção de Oakland (1994) a qualidade é muito relativa, depende de como cada pessoa percebe, pois o que pode ter qualidade para uns pode não suprir as necessidades de outros, diferenciando e dependendo da percepção e julgamento individual. 3.2 Panorama da indústria do vestuário Segundo Iemi (2007) o consumo de produtos têxteis no ano de 2006 representou 10,7 kg por habitante e a produção foi de 9,3 kg, isto significa que parte desta demanda foi compensada pelo crescimento das importações, principalmente de produtos chineses. A região sudeste concentra o maior número de consumidores e as maiores redes de distribuição, bem como detém a maior parcela da produção nacional. É um segmento que depende muito da mão de obra e utiliza pessoas com pouca qualificação. A costura, por exemplo, é a fase do processo produtivo que demanda cerca de 80% do trabalho manual, conseqüentemente torna o setor altamente dependente da habilidade e do ritmo das pessoas. Desde os tempos passados, basicamente a costura ainda é constituída

5 por um operador e uma máquina e independentemente do tipo de produto que se fabrica e do volume de produção, as condições de fabricação são parecidas em termos de maquinário e de mão de obra utilizada. Segundo Silva (2002) a forma de organização do trabalho é na maioria das vezes rudimentar e sem um procedimento formal de execução o que contribui para a baixa produtividade e para problemas com qualidade. Este fator é também apontado pelo Iemi (2007) quando relata que embora o setor seja importante, moderno e competitivo em relação ao nível tecnológico dos equipamentos instalados, as maiores dificuldades, recaem sobre o grau de organização das empresas, incluindo a qualificação do pessoal e sistemas de controle de desperdícios, manutenção preventiva e gestão da qualidade. Na concepção de Silva (2002), não se pode negar que o setor seja competitivo, principalmente com a evolução da informática e muitos avanços tecnológicos vem sendo apresentados às confecções, principalmente na oferta de sistemas CAD (Computer Aided Design), CAM (Computer Aided Manufacturing) e softwares para criação e desenvolvimento de produto. Estas opções são responsáveis para dar condições de competitividadede, pois reduzem o tempo de operação nas fases de criação, modelagem e corte, o que permite flexibilizar e diminuir o tempo de operação e o desperdício de matéria prima. Há também oferta de máquinas de costura mais sofisticadas (eletrônicas) que proporcionam às empresas maior produtividade. Em todos os casos, tanto no emprego do sistema CAD/CAM, aplicação de softwares como as máquinas eletrônicas, a maior barreira é o alto preço, principalmente para as confecções de pequeno porte. Assim, as indústrias maiores buscam empresas menores para executar parte de seu processo. Diversas são as razões para terceirizar um processo, podendo ser desde a redução de custos, a busca de maior agilidade operacional, atividades que não fazem parte do negócio da organização e até pelo aumento da demanda não esperada. Na indústria do vestuário a costura é a parte do processo que mais se terceiriza. 4. Estudo de caso 4.1 Dados da empresa O objeto de estudo desta pesquisa é uma indústria fabricante de vestuário com 150 funcionários, localizada na cidade de Blumenau-SC. Seus principais clientes são lojas de departamentos como Renner, C&A e Riachuelo. A empresa produz mensalmente 200 mil peças em artigos de malha para o segmento bebê e infanto juvenil e está no mercado há 9 anos. Esta empresa iniciou suas atividades terceirizando todas as fases do processo, da criação à entrega do produto. Com o mercado cada vez mais exigente em termos de velocidade, houve a necessidade de investir em estrutura física e contratar pessoas para a criação e desenvolvimento dos produtos. Atualmente a empresa terceiriza somente a malharia, o tingimento do tecido e toda a costura. Investimentos em tecnologia como CAD, EDI (Eletronic Data Interchange) e software de planejamento e controle estão presentes nesta empresa.

6 4.2 Diagnóstico Para iniciar o processo de verificação de como acontece a terceirização foi levado em consideração somente três questões. A primeira relacionada com os critérios adotados para selecionar a empresa terceirizada, a segunda como se mede o grau de qualidade dos serviços prestados e a última como a qualidade dos produtos é percebida pelo cliente. Todas as respostas obtidas causaram forte impacto negativo, pois não se esperava que uma empresa com 150 funcionários que produz mais de 200 mil peças por mês e que terceiriza toda a costura não consiga perceber falhas tão primárias que compromete seu negócio e contribui para elevar os custos. Para a pergunta : quais os critérios adotados para selecionar as empresas terceirizadas, a resposta obtida foi que muitas das empresas terceirizadas são bem antigas e que iniciaram juntamente com a empresa e outras são de oportunidade e não há um procedimento formalizado para a seleção. Normalmente quando se precisa de mais empresas para prestar serviços, as remanescentes acabam indicando alguma conhecida que faz parte de seu relacionamento. Portanto, não há critérios estabelecidos para seleção das empresas terceirizadas. Para a segunda pergunta, sobre a apuração e o controle do índice de defeito, a resposta foi que não há um controle qualitativo e quantitativo formalizado, pois quando o produto chega na empresa deve ser 100% revisado e as peças com defeito são retiradas do lote e consertadas de imediato em um setor específico para este fim. No entanto, o entrevistado declara que o número de pessoas para executar a revisão e o conserto tem aumentado significativamente nos últimos meses. A terceira pergunta que relaciona a qualidade percebida pelo cliente, a resposta foi que atualmente todos os clientes possuem uma inspeção dentro da fábrica e o produto só sai da empresa após aprovado por esta inspeção. Para este contexto a empresa reclamou dos critérios destas empresas que fazem a inspeção, pois considera que alguns produtos reprovados, os defeitos são considerados normais e o consumidor final não percebe. Diante da situação foi elaborado algumas ações para contribuir com esta empresa para buscar melhores condições no processo da terceirização da costura. O próximo item mostrará estas ações. 4.3 Ações Partindo das informações obtidas, o trabalho iniciou com a criação de um comitê para levantamento de dados e determinação das ações a serem executadas para implantação dos procedimentos para selecionar as facções e medir o grau de qualidade dos serviços prestados objetivando melhorar o nível da qualidade. A figura1 mostra as etapas do processo. O comitê foi composto pelo pesquisador, pelo responsável do setor da terceirização (facção), pelo responsável do setor da revisão, auxiliar de produção e pelo inspetor da qualidade

7 FIGURA 1 Atividades relacionadas com a melhoria da qualidade. Fonte: elaborado pelo autor De posse de todos os requisitos da qualidade dos clientes foram elaboradas as especificações de qualidade de forma a contemplar todas as particularidades dos clientes. O quadro 1 mostra estas especificações. Tipo de agulha Pontos por centímetro Tensão das linhas Para todas as máquinas cabo 65 e ponta bola. Poderá ser utilizado até o cabo 70 nas operações que a união dos tecidos sejam superiores a quatro tecidos ou em gramatura superior a 230. As costuras deverão ter quatro pontos por centímetro independente do tipo de máquina. Deve ser regulado para cada tipo de tecido obedecendo o equilíbrio entre as tensões de cada linha ( regulagem do ponto). Linha de Costura Utilizar na agulha o título 120 composição 100% poliéster e no looper título 180 em 100% poliéster texturizado. Antes de iniciar a costura ler a ficha técnica e comparar os dados com a peça piloto. Iniciar a costura das peças sempre pelo maior tamanho. Calça e short, o encontro das costuras da bainha de barra deve ficar para o lado de dentro do entre pernas. Blusa, camiseta, saia, top e vestido, o encontro das costuras da barra deve ficar na lateral Costura esquerda de quem veste e nas mangas na parte inferior (de baixo do braço). O arremate da cobertura e do ponto corrente deverão ter 3,0 cm de comprimento com tolerância de ± 2 mm. Esses arremates devem ser divididos em 1,5 cm para cada lado, tendo como base o centro da costura. Nas costuras de bainha com cobertura não poderá ter sobras de tecido (rebarba) na parte interna da peça. Costuras utilizando a máquina reta deve ter arremate de 1,0 cm com tolerância de ± 2 mm. O arremate com a máquina overlock não deve apresentar bolinha na ponta. Arremate de ombro deve seguir o método de posicionamento em X Não há tolerância de desencontro de costura em recortes. Tabela de Medidas Armazenagem Formação do Pacote Não pode haver emenda em costuras, exceto nas máquinas de ponto fixo (301) e nas costuras internas de overlock (ponto 504). Medir as peças nos pontos de verificação. Observar no procedimento a forma de medir e as tolerâncias aceitáveis de acordo com a tabela de cada cliente. Devem ficar armazenas em estrados forrados. Deve ser identificado através do adesivo de controle e amarrado por cor, tonalidade e tamanho. Conter cinqüenta peças com cinco blocos de dez unidades cada. Peça não conforme, incompletas deve ser separada do lote das peças conformes e identificadas pelo tipo de não conformidade, além do total preenchimento do adesivo. QUADRO 1- Especificações de qualidade. Fonte: Elaborado pelo autor

8 Para organizar o cadastro das facções e para obter maior conhecimento sobre a capacidade produtiva, infra estrutura, responsabilidade social e manter os registros organizados, foi elaborado e aplicado in loco em todas as 48 facções o questionário conforme apresentado no quadro 2. Nome da Facção: RazãoSocial: C.G.C./CPF: Rua: Bairro: CEP: Telefone: Fax: Nome(s) do(s) Responsável(eis): Horário de trabalho: Nº de costureiras: Nº de manuais: Nº de peças/dia: Tipo de Produto Básico ( ) Bermuda/calça ( ) Jaqueta ( ) Pólo ( ) Vestido ( ) T-shirt ( ) Diferenciado ( ) Pijama ( ) Cueca ( ) Calcinha ( ) Outro ( ) Overlock 3 linhas ( ) Overlock 4 linhas ( ) Interlock ( ) Cobertura. Simples ( ) Nº de Máquinas Catraca 4 agulhas ( ) Cobertura friso ( ) Caseado ( ) Cobertura eletrônica ( ) Reta simples ( ) Reta eletrônica ( ) Picoeta ( ) Botão ( ) Experiência com magazines? não ( ) sim ( ) Quais? Para qual empresa trabalha atualmente? N Verificar Sim Não NA 01 O local é de fácil acesso? 02 Os funcionários são devidamente registrados e trabalham sem coação? 03 Os funcionário trabalham em conformidade com a lei vigente? 04 Há presença de criança no local de trabalho? 05 O ambiente de trabalho é seguro? 06 Há extintores no local? 07 O local é bem ventilado? 08 As áreas de trabalho se encontram organizadas e limpas? 09 Os banheiros estão limpos e adequados ao uso? 10 Há local adequado para o recebimento e entrega do produto? 11 Os produtos são revisados antes de sair da empresa? 12 Existe equipe de controle da qualidade? 13 Os funcionários atendem as condições de asseio com o produto? 14 As máquinas e equipamentos se encontram em bom estado de conservação? 15 É observado o uso de equipamentos de segurança? 16 O layout está em condições para atender o produto? 17 Há local destinado e apropriado à inspeção? 18 Há menores trabalhando? Aprovado ( ) Reprovado ( ) Data: / / Ass.: QUADRO 2 Itens de verificação para cadastrar e selecionar a facção. Fonte: Elaborado pelo autor

9 No quesito treinamento das revisoras e do inspetor da qualidade houve a necessidade de dar maior ênfase para o inspetor, já que este aprovava ou reprovava as peças de acordo com o seu próprio critério de julgamento que estava baseado na sua experiência de costurar. Por este motivo foi criado um check list para facilitar a sua atuação, devendo ser preenchido todas as vezes que a inspeção fosse realizada, além da utilização das especificações de qualidade. O quadro 3 esboça os itens do check list. Critério da Avaliação Verificar se: Descrição Ótima Boa Ruim A Estampa O Bordado Na Matéria Prima Na Costura A Etiqueta Está nítida. Está na localização certa Está sem falhas e manchas. Está sem rachadura. Há outras condições que afetam desfavoravelmente a qualidade da estampa. Está nítido Está na localização certa Há outras condições que afetam desfavoravelmente a qualidade do bordado. As partes componentes estão sem problemas de tonalidade. Há manchas e furos. Há enviezamento. Há contaminação de fibras. O tamanho do ponto e a regulagem da tensão do ponto estão de acordo. A agulha está condizente com o produto costurado. Há furo de agulha. Há costura Torta. Há pregas e costuras escapadas. Há marcas de conserto de costuras. O arremate de ombro está conforme o método estabelecido. Há fios pendurados. As condições da costura do friso/debrum estão de acordo com a ficha técnica. Os encontros (encaixe/casamento) dos recortes e da costura atendem as especificações. Os arremates estão sem bolinhas nas pontas Do número do pedido está legível, se confere com o número da ficha técnica e se está na posição correta. De marca confere com o cliente e se está na posição correta. De composição confere com a matéria-prima utilizada. As Medidas Da peça confere com a tabela de cada cliente confrontando com os dados da ficha técnica, observando as tolerâncias. QUADRO 3 Itens de verificação (check list). Fonte: Elaborado pelo autor

10 Para as revisoras, o treinamento foi simplificado, devido já estarem acostumadas com o processo de revisão e terem conhecimento do que afeta a qualidade do produto. Foi dada ênfase sobre a importância de se ter o índice de qualidade para cada tipo de defeito. Para o funcionário designado como auxiliar de produção foram abordados os cuidados e a forma de coletar os dados e a importância da precisão para que o estudo possa representar a Quanto a divulgação, além das reuniões constantes com o pessoal interno explicando as ações, foi feito uma reunião específica, envolvendo as facções aprovadas pelo resultado do cadastro. Nesta reunião, foi informado sobre as novas diretrizes e as intenções da empresa quanto ao nível de controle a ser executado. Estabeleceu-se conjuntamente o prazo do início do controle, dando oportunidade para que todos pudessem se organizar. Dado o prazo estabelecido, iniciou-se a coleta dos dados e com auxílio de uma planilha eletrônica foi possível calcular o nível da qualidade da costura por facção e por tipo de defeito. O controle foi executado durante quatro meses, sendo que a cada mês a facção recebia o seu relatório com todas as não conformidades detectadas e o seu respectivo índice. Com o passar dos meses foi possível visualizar através dos resultados quais as que estavam melhorando, as estagnadas e também as pioravam. No que se refere as ações corretivas e preventivas vários foram os procedimentos adotados para a melhoria da qualidade. Estes estão descritos na seção seguinte. 4.3 Resultados obtidos Quando foram visitadas todas as 48 facções que constavam no cadastro da empresa, e aplicados os itens de verificação (quadro 2), o comitê decidiu aprovar somente 37 facções. As demais foram excluídas por apresentaram irregularidades e perfil indesejado para a qualidade do trabalho. Com o resultado desta fase, foi possível informar ao setor de planejamento da costura as verdadeiras condições de cada facção, principalmente a real capacidade produtiva, e quais os produtos que melhor se ajustavam às condições de fabricação e de maquinário de cada facção, reduzindo as possibilidades de erros nos prazos de entrega ao cliente. Após o encerramento do primeiro mês de controle, foi possível verificar uma grande disparidade entre as facções em termos de não conformidades. A facção que menos contribuiu para produtos não conformes apresentou o índice de 3,46 % e a maior foi de 36,46% enquanto que a média ficou em 13,58%. O comitê apresentou os dados à diretoria que decidiu eliminar a partir do segundo mês as que apresentassem um índice superior a 15%. Cumprindo a decisão da diretoria, após o segundo mês permaneceram somente trinta facções. No decorrer do estudo foi se percebendo que se continuasse neste ritmo a empresa ficaria sem a sua total capacidade produtiva. No terceiro mês, paralelamente ao estudo foram selecionadas novas facções. Para esta seleção já foi utilizado os procedimentos e critérios apresentados no quadro 2. Ao término do terceiro mês se eliminou mais seis e se contratou mais duas com maior capacidade produtiva compensando a produção das que foram excluídas. A partir do quarto mês a empresa contava com vinte e seis facções que permaneceram até o final do estudo. Estas foram suficientes para produzir toda a capacidade produtiva necessária da empresa. Assim, vários foram os ganhos, principalmente em logística, economia

11 de combustível, tempo do motorista, já que houve uma redução de 54% do número de facções. Através da coleta dos dados e de sua estratificação foi possível obter todos os tipos de defeitos e seu percentual de incidência. Alguns tipos de origem da malharia outros da estamparia. Mesmo sendo oriundo de outros processos, a facção no seu procedimento de revisão deveria detectar a não conformidade e separar dos produtos conformes. Quando isto não acontecia, e eram detectados na revisão final já dentro da empresa, estes eram contabilizados estatisticamente como peça não conforme para a facção que não as separou. Com o resultado final do controle, pode-se verificar que 73,32% de todas as não conformidades tinham origem na costura, 12,59% com relação ao manuseio/transporte, 7,77% relacionado com a matéria-prima (malharia), 6,32% com a estamparia. Com estes dados o comitê selecionou os maiores índices e providenciou ações corretivas e preventivas. A figura 2 mostra os valores e os tipos de não conformidades selecionadas. De todas, a que mais surpreendeu foram as sujas por manuseio e sujas de óleo de máquina, o que justificou o grande número de pessoas no setor de lavação para a execução da limpeza das peças. FIGURA 2- Índice de não conformidade. Fonte: Elaborado pelo autor As ações iniciais adotados para reduzir e eliminar as não conformidades foram as seguintes: a) Para reduzir peças sujas, foi determinado que nenhum produto poderia sair da empresa sem a devida embalagem (em sacos de tecido) e o acondicionamento das peças em estrados forrados e nunca colocadas no chão.

12 b) Para reduzir as manchas de óleo foi solicitado às facções um plano de manutenção preventiva e corretiva para todas as máquinas de costura, pois mancha de óleo nas peças sinaliza precariedade na manutenção. c) Para evitar a costura estourada, ponto falhado, causa provável de deficiência no equilíbrio das linhas de costura (regulagem das tensões), a empresa forneceu às facções um treinamento para as costureiras e supervisores nessas regulagens. Adotar o autocontrole durante a costura também foi exigido para solucionar os problemas de costura escapada. d) Para solucionar o problema de furo de agulha nas bainhas tanto das mangas como da barra, a empresa para não ser incoerente com as facções, pois a origem deste defeito pode estar tanto na agulha com a ponta estragada como na falta de amaciante no processo de beneficiamento do tecido. Para este caso a empresa começou a fazer testes laboratoriais na matéria-prima para apurar o grau de maciez. 5. Considerações Finais No que tange à manufatura, independentemente se a empresa produz para marca própria ou para terceiros, se o produto está mais focado para a personalização ou se é commoditizado, as linhas de produto são modificadas constantemente e as empresa precisam garantir a flexibilidade, agilidade, baixo custo e qualidade. Assim, verifica-se que a terceirização da costura vem crescendo cada vez mais para suportar o mercado competitivo e fundamental para garantir os prazos de entrega que estão cada vez mais curtos. No entanto, como foi percebido pelo resultado do estudo, mesmo uma empresa de porte médio que produz mais de 200 mil peças por mês, fornecedora das principais lojas de departamentos especializadas em vestuário do país acaba negligenciando os fatores primários de planejamento e controle. E quando não se possui dados suficientes para tomada de decisão as ações são tomadas por atitudes mais cômodas, como estava acontecendo com a empresa em estudo, em que se contratava cada vez mais pessoas para atuar na revisão final do produto, no conserto da costura, na lavação das peças e não se tomava nenhuma ação corretiva e preventiva para solucionar o problema. Pode-se perceber no decorrer do estudo com o aparecimento dos resultados, que, muitas atitudes e comportamentos foram mudados, tanto por parte da empresa como por parte das facções. Pode-se dizer que os critérios que foram definidos para a seleção das facções e os procedimentos de controles de não conformidade e as especificações de qualidade são atributos fundamentais para o ganho em qualidade e consequentemente de produtividade quando se trabalha com a terceirização da costura.

13 A princípio parece ser tão primário o estudo, mas, mesmo nas atividades aparentemente mais simples como é o caso da terceirização da costura e principalmente quando há falta de estudos que contribua com o como fazer a distância para se obter resultados favoráveis ficam ainda mais distantes. Finalmente, acredita-se que este trabalho possa servir de alerta para as demais indústrias do vestuário que utilizam o processo de terceirização da costura e possa contribuir para melhorar a compreensão dos problemas gerados pela falta do planejamento e controle. Neste contexto, pode-se ratificar a afirmação do Iemi (2007), segundo o qual, embora o setor seja importante, moderno e competitivo em relação ao nível tecnológico dos equipamentos instalados, as maiores dificuldades, agora, recaem sobre o grau de organização das empresas, incluindo a qualificação do pessoal ocupado e sistemas de controle de desperdícios, manutenção preventiva e gestão da qualidade. Referências AMORIM, E.R.A. No limite da terceirização? terceirização e trabalho feminino na indústria de confecção. 222 f. Dissertação de Mestrado do Departamento de Sociologia do Instituto de Filosofia e ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas UNICAMP, São Paulo, Dez BASTOS, C. Estudo da competitividade da indústria brasileira: Competitividade da indústria do vestuário. Nota técnica setorial do complexo têxtil. IE/UNICAMP IEI/UFRJ FDC FUNCEX. Campinas, SP BROCKA, B.; BROCKA M. Gerenciamento da qualidade: Implementando TQM, passo a passo, através dos processos e ferramentas recomendadas por Juran, Deming, Crosby e outros mestres. São Paulo: Makron Books, CRUZ-MOREIRA, J.R. Industrial Upgrading nas Cadeias Produtivas Globais: Reflexões a Partir dasindústria Têxtil e do Vestuário de Honduras e do Brasil, Tese de Doutorado, USP, Escola Politécnica, GOODE WJ.; HATT PK. Métodos em pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional;1979. GODOY, A. S. Pesquisa qualitativa: tipos fundamentais. RAE-Revista de Administração de Empresas. São Paulo, v.35, n.3, p.20-29,maio/jun HARTLEY, Jean F. Case studies in organizational research. In: CASSELL, Catherine & SYMON, Gillian (Ed.). Qualitative methods in organizational research: a practical guide. London: Sage, IEMI- Instituto de Estudos e Marketing Industrial Ltda. Brasil Têxtil Relatório setorial da indústria têxtil brasileira. São Paulo, v.7, n 7, Ago. 2007, p LÜDKE M.; ANDRÉ MEDA. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU; MERRIAN, S. Qualitative research and case study applications in education. São Francisco, Jossey Bass, 1998

14 SILVA, A. A organização do trabalho na indústria do vestuário: uma proposta para o setor da costura. 128 f. Dissertação de Mestrado em Engenharia de Produção. Universidade Federal de Santa Catarina-UFSC, Florianópolis, SLACK, N., CHAMBERS, S., HARLAND, C., HARRISON, A. & JOHNSTON, R. Administração da Produção. São Paulo: Atlas, OAKLAND, J. S. Gerenciamento da qualidade total. São Paulo: Nobel, PALADINI, Edson Pacheco. Qualidade total na prática: implantação e avaliação de sistemas de qualidade total. São Paulo: Atlas, 1997.

Deming (William Edwards Deming)

Deming (William Edwards Deming) Abordagens dos principais autores relativas ao Gerenciamento da Qualidade. Objetivo: Estabelecer base teórica para o estudo da Gestão da Qualidade Procura-se descrever, a seguir, as principais contribuições

Leia mais

Conceitos. Conceitos. Histórico. Histórico. Disciplina: Gestão de Qualidade ISSO FATEC - IPATINGA

Conceitos. Conceitos. Histórico. Histórico. Disciplina: Gestão de Qualidade ISSO FATEC - IPATINGA Disciplina: FATEC - IPATINGA Gestão de ISSO TQC - Controle da Total Vicente Falconi Campos ISO 9001 ISO 14001 OHSAS 18001 Prof.: Marcelo Gomes Franco Conceitos TQC - Total Quality Control Controle da Total

Leia mais

APLICAÇÃO DE FERRAMENTAS DA QUALIDADE NA OBTENÇÃO DE MELHORIAS DO SISTEMA VAC DE UMA CONFECÇÃO INDUSTRIAL

APLICAÇÃO DE FERRAMENTAS DA QUALIDADE NA OBTENÇÃO DE MELHORIAS DO SISTEMA VAC DE UMA CONFECÇÃO INDUSTRIAL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 APLICAÇÃO DE FERRAMENTAS DA QUALIDADE NA OBTENÇÃO DE MELHORIAS DO SISTEMA VAC DE UMA CONFECÇÃO INDUSTRIAL Priscila Pasti Barbosa 1, Sheila Luz 2, Soraia

Leia mais

Auditoria Operacional no Setor Produtivo em uma Industria de Envelopes de Papel

Auditoria Operacional no Setor Produtivo em uma Industria de Envelopes de Papel Auditoria Operacional no Setor Produtivo em uma Industria de Envelopes de Papel UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO MBA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE SÃO PAULO 2009 Gerson C. Anis e grupo de trabalho SUMÁRIO RESUMO...2

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE E CERTIFICAÇÕES FUNDAMENTOS DA QUALIDADE

GESTÃO DA QUALIDADE E CERTIFICAÇÕES FUNDAMENTOS DA QUALIDADE GESTÃO DA QUALIDADE E CERTIFICAÇÕES FUNDAMENTOS DA QUALIDADE Roteiro Visão sobre Qualidade Cinco abordagens da Qualidade Expectativa e percepção Possíveis lacunas (GAPs) O que dizem os gurus da Qualidade

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

TQC- CONTROLE DE QUALIDADE TOTAL

TQC- CONTROLE DE QUALIDADE TOTAL TQC- CONTROLE DE QUALIDADE TOTAL OLIVEIRA,Ana Paula de¹ OLIVEIRA,Dirce Benedita de¹ NERY,Miriã Barbosa¹ SILVA, Thiago² Ferreira da² RESUMO O texto fala sobre o controle da qualidade total, como ela iniciou

Leia mais

FIC FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA CURSO DE ASSISTENTE DE CONTROLE DE QUALIDADE

FIC FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA CURSO DE ASSISTENTE DE CONTROLE DE QUALIDADE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS JARAGUÁ DO SUL FIC FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA CURSO DE ASSISTENTE DE CONTROLE DE QUALIDADE

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

Gerência da Qualidade

Gerência da Qualidade Gerência da Qualidade Curso de Engenharia de Produção e Transportes PPGEP / UFRGS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Temas Abordados Qualidade Ferramentas da Qualidade 5 Sensos PDCA/MASP Os Recursos Humanos e o TQM

Leia mais

Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço

Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço Adriana Ferreira de Faria (Uniminas) affaria@uniminas.br Adriano Soares Correia (Uniminas) adriano@ep.uniminas.br

Leia mais

Manual de Fornecedores

Manual de Fornecedores Manual de Fornecedores Fornecedores (Responsável pela Qualidade) Carimbo, Assinatura e data. 00 2 de 10 Índice 1. MANUAL DO FORNECEDOR... 3 1.1 INTRODUÇÃO... 3 1.2 OBJETIVO... 3 2. RELAÇÃO DE FORNECEDORES...

Leia mais

CONFECÇÃO DO VESTUÁRIO SENAI, SUA CONQUISTA PROFISSIONAL

CONFECÇÃO DO VESTUÁRIO SENAI, SUA CONQUISTA PROFISSIONAL CONFECÇÃO DO VESTUÁRIO SENAI, SUA CONQUISTA ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DOS CURSOS Catálogo de Cursos COSTUREIRO DE PRODUÇÃO INDUSTRIAL 1. TÍTULO 7632-15 Preparar profissionais para operar máquinas de costura

Leia mais

FERRAMENTAS E MÉTODOS DA GESTÃO DA QUALIDADE: INSTRUMENTOS PARA A COMPETITIVIDADE

FERRAMENTAS E MÉTODOS DA GESTÃO DA QUALIDADE: INSTRUMENTOS PARA A COMPETITIVIDADE FERRAMENTAS E MÉTODOS DA GESTÃO DA QUALIDADE: INSTRUMENTOS PARA A COMPETITIVIDADE Marlette Cassia Oliveira Ferreira marlettecassia@gmail.com FATEC São Sebastião Janaína de Souza Gimenez FAESO Janaina de

Leia mais

O SISTEMA DE QUALIDADE NA INDUSTRIA DE CONFECÇÃO

O SISTEMA DE QUALIDADE NA INDUSTRIA DE CONFECÇÃO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 O SISTEMA DE QUALIDADE NA INDUSTRIA DE CONFECÇÃO Sandra Biégas 1, Patrícia Machado Mellero Cardoso 2 RESUMO: Com base em uma realidade onde indústrias

Leia mais

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS Fábio Luiz Papaiz Gonçalves Faculdade de Administração CEA Centro de Economia e Administração fabiopapaiz@gmail.com

Leia mais

RESUMO EXECUTIVO Todos os direitos reservados. Distribuição e informações:

RESUMO EXECUTIVO Todos os direitos reservados. Distribuição e informações: RESUMO EXECUTIVO Este relatório aborda um processo que tem crescido tanto no Brasil como no mundo: a rastreabilidade de produtos. O processo de rastreabilidade é um instrumento fundamental e surgiu em

Leia mais

Prof. Dr. Fernando Luiz Pereira de Oliveira Sala1 ICEB I DEMAT Email: fernandoest@ig.com.br

Prof. Dr. Fernando Luiz Pereira de Oliveira Sala1 ICEB I DEMAT Email: fernandoest@ig.com.br Introdução e Conceitos Fundamentais Definiçõesda qualidadee da melhoriada qualidade. Prof. Dr. Fernando Luiz Pereira de Oliveira Sala1 ICEB I DEMAT Email: fernandoest@ig.com.br Breve evolução histórica

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Resumo O presente case mostra como ocorreu o processo de implantação do Departamento Comercial em

Leia mais

Por que Lean & Six Sigma?

Por que Lean & Six Sigma? CONTEÚDO DA PALESTRA O O que é LEAN? O O que é Six Sigma? Por que? LEAN LEAN ORIGEM DO LEAN A metodologia Lean já existe há algum tempo: A Ford foi pioneira no início do século XX 33 horas para concluir

Leia mais

FICHAS REFERENCIAIS UNIFORMES SENAC

FICHAS REFERENCIAIS UNIFORMES SENAC FICHAS REFERENCIAIS UNIFORMES SENAC RECEPÇÃO - SECRETARIA ESCOLAR - CENTRAL DE MATRÍCULA CAIXAS - CONTACT CENTER - BIBLIOTECA FEMININO - INVERNO 01 RECEPÇÃO - SECRETARIA ESCOLAR - CENTRAL DE MATRÍCULA

Leia mais

PROJETO CONSULTORIA ORGANIZACIONAL CONVÊNIO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA UFG/CAC E UNICON

PROJETO CONSULTORIA ORGANIZACIONAL CONVÊNIO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA UFG/CAC E UNICON PROJETO CONSULTORIA ORGANIZACIONAL CONVÊNIO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA UFG/CAC E UNICON COSTA, Heloisa Machado da¹; SOARES, Julio Cesar Valandro². Palavras-chave: Consultoria, Melhoria, Confecções,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL DUMAS, Ana Carolina¹ Guirado CALDAMONE,Camila¹ Guerino FRANCO, Nathália¹ Ribeiro; Acadêmicos do curso de Administração da Faculdade de Ciências

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

7 CONCLUSÕES A presente dissertação teve como objetivo identificar e compreender o processo de concepção, implantação e a dinâmica de funcionamento do trabalho em grupos na produção, utilizando, para isso,

Leia mais

Fundamentos da Qualidade

Fundamentos da Qualidade Fundamentos da Qualidade Luiz Carlos Monteiro Gerente da Divisão de Orientação e Incentivo à Qualidade Quando surgiu a qualidade? Quando o Homem sente necessidades e cria expectativas. O que é qualidade?

Leia mais

ÍNDICE. Estruturação e Organização da Matéria Prima...

ÍNDICE. Estruturação e Organização da Matéria Prima... ÍNDICE Apuração de Custos Estruturação e Organização I - Custos de Produção Custos Diretos Estruturação para a Apuração de Custo Matérias Primas, Produtos Químicos... Estruturação e Organização da Matéria

Leia mais

DEFINIÇÕES COUNCIL SCM

DEFINIÇÕES COUNCIL SCM ADM DE MATERIAIS DEFINIÇÕES COUNCIL SCM Logística empresarial é a parte do Supply Chain Management que planeja, implementa e controla o eficiente e efetivo fluxo direto e reverso, a estocagem de bens,

Leia mais

Software de gerenciamento de trabalho

Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho GoalPost O software de gerenciamento de trabalho (LMS) GoalPost da Intelligrated fornece informações sob demanda para medir,

Leia mais

Olá!!! É um prazer tê-lo como cliente. Sua presença em nosso dia a dia, nos deixa mais motivados a buscar sempre um ótimo atendimento, entrega rápida

Olá!!! É um prazer tê-lo como cliente. Sua presença em nosso dia a dia, nos deixa mais motivados a buscar sempre um ótimo atendimento, entrega rápida Olá!!! É um prazer tê-lo como cliente. Sua presença em nosso dia a dia, nos deixa mais motivados a buscar sempre um ótimo atendimento, entrega rápida e produtos com ótima qualidade. Nosso bom relacionamento

Leia mais

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Prof. Andréa Cristina dos Santos, Dr. Eng. andreaufs@gmail.com

Leia mais

QUALIDADE II. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves 09/08/2012. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

QUALIDADE II. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves 09/08/2012. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves QUALIDADE II Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor

Leia mais

IETEC Instituto de Educação Tecnológica. Artigo Técnico

IETEC Instituto de Educação Tecnológica. Artigo Técnico IETEC Instituto de Educação Tecnológica Artigo Técnico A Importância Do Desenvolvimento Dos Fornecedores Para A Atividade De Compras Autor: Fernando de Oliveira Fidelis Belo Horizonte MG 11 de Agosto de

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

Introdução à Qualidade. Aécio Costa

Introdução à Qualidade. Aécio Costa Introdução à Qualidade Aécio Costa O que é Qualidade? Percepções Necessidades Resultados O que influencia: Cultura Modelos mentais Tipo de produto ou serviço prestado Necessidades e expectativas Qualidade:

Leia mais

Um novo. modismo gerencial?

Um novo. modismo gerencial? Um novo modismo gerencial? por Cesar Gomes de Mello A imprensa vem divulgando várias notícias sobre empresas e projetos de quarteirização. Afinal, o que é isto? Um novo modismo que aparece no mundo dos

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000)

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) Ao longo do tempo as organizações sempre buscaram, ainda que empiricamente, caminhos para sua sobrevivência, manutenção e crescimento no mercado competitivo.

Leia mais

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010 Uninove Sistemas de Informação Teoria Geral da Administração 3º. Semestre Prof. Fábio Magalhães Blog da disciplina: http://fabiotga.blogspot.com Semana 15 e 16 Controle e Técnicas de controle de qualidade

Leia mais

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ANA LAURA CANASSA BASSETO (UTFPR) alcanassa@hotmail.com Caroline Marqueti Sathler (UTFPR)

Leia mais

Diagnóstico das Áreas de Gestão, Qualidade e Ergonomia: Estudo de Caso em MPEs do Arranjo Produtivo Local de Confecção de Maringá

Diagnóstico das Áreas de Gestão, Qualidade e Ergonomia: Estudo de Caso em MPEs do Arranjo Produtivo Local de Confecção de Maringá Diagnóstico das Áreas de Gestão, Qualidade e Ergonomia: Estudo de Caso em MPEs do Arranjo Produtivo Local de Confecção de Maringá Ariana Martins Vieira (UEM) - arianamvi@yahoo.com.br Henrique Mello (UEM)

Leia mais

Gestão do Processo de Manutenção Eletromecânica A quebra de paradigmas em busca da excelência.

Gestão do Processo de Manutenção Eletromecânica A quebra de paradigmas em busca da excelência. PNQS 2010 Categoria IGS Inovação da Gestão em Saneamento RDPG Relatório de Descrição de Prática de Gestão Gestão do Processo de Manutenção Eletromecânica A quebra de paradigmas em busca da excelência.

Leia mais

O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA

O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA PRÁTICA 1) TÍTULO O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA 2) DESCRIÇÃO DA PRÁTICA - limite de 8 (oito) páginas: A Ouvidoria da Caixa, responsável pelo atendimento, registro,

Leia mais

Gestão da qualidade. Prof. André Jun Nishizawa

Gestão da qualidade. Prof. André Jun Nishizawa Gestão da qualidade Prof. Conceitos O que é qualidade? Como seu conceito se alterou ao longo do tempo? O que é gestão da qualidade e como foi sua evolução? Quem foram os principais gurus da qualidade e

Leia mais

silviaheld@usp.br Italiano, Isabel Cristina. Profa. Dra. - Têxtil e Moda - Escola de Artes, Ciências e RESUMO ABSTRACT

silviaheld@usp.br Italiano, Isabel Cristina. Profa. Dra. - Têxtil e Moda - Escola de Artes, Ciências e RESUMO ABSTRACT MAPEAMENTO DE PROCESSOS DE CONFECÇÃO PARA IDENTIFICAÇÃO DE PONTOS CRÍTICOS DA PRODUÇÃO Espinosa, Caroline Stagi - Bacharel em Têxtil e Moda - Escola de Artes, Ciências e Humanidades - Universidade de São

Leia mais

Evolução dos sistemas ERP nas empresas

Evolução dos sistemas ERP nas empresas Evolução dos sistemas ERP nas empresas Aloísio André dos Santos (ITA) aloisio@mec.ita.br João Murta Alves (ITA) murta@mec.ita.br Resumo Os sistemas ERP são considerados uma evolução dos sistemas de administração

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG.

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Bambuí/MG - 2008 A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Ana Cristina Teixeira AMARAL (1); Wemerton Luis EVANGELISTA

Leia mais

Gestão da qualidade. Prof. André Jun Nishizawa

Gestão da qualidade. Prof. André Jun Nishizawa Gestão da qualidade Prof. Conceitos O que é qualidade? Como seu conceito se alterou ao longo do tempo? O que é gestão da qualidade e como foi sua evolução? Quem foram os principais gurus da qualidade e

Leia mais

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que ANEXO II Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui registro em base de patentes brasileira. Também serão considerados caráter inovador para este Edital os registros de patente de domínio público

Leia mais

COMO PROJETAR AS ENTRADAS DO FLUXO DE CAIXA E OS PAGAMENTOS A FORNECEDORES?

COMO PROJETAR AS ENTRADAS DO FLUXO DE CAIXA E OS PAGAMENTOS A FORNECEDORES? COMO PROJETAR AS ENTRADAS DO FLUXO DE CAIXA E OS PAGAMENTOS A FORNECEDORES?! Qual a importância do orçamento de caixa?! Como os grandes orçamentos da empresa se inter-relacionam?! Quais as maneiras de

Leia mais

DESAFIOS OPERACIONAIS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO: TRANSFORMADO A PERCEPÇÃO DO CONSUMIDOR

DESAFIOS OPERACIONAIS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO: TRANSFORMADO A PERCEPÇÃO DO CONSUMIDOR 1 DESAFIOS OPERACIONAIS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO: TRANSFORMADO A PERCEPÇÃO DO CONSUMIDOR ENEXT CONSULTORIA: SÉRIE DE WHITE PAPERS Produzido por: Gabriel Lima As informações contidas neste White Paper são

Leia mais

O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia

O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia Elaine Gomes Assis (UNIMINAS) elainega@uniminas.br Luciane

Leia mais

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO Umberto Sales Mazzei Bruno Vieira Bertoncini PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO

Leia mais

A EMPRESA. 02 rev. A USINAGEM MECÂNICA. Vista geral do galpão principal. Ferramentaria e afiação próprias. Linha de tornos CNC

A EMPRESA. 02 rev. A USINAGEM MECÂNICA. Vista geral do galpão principal. Ferramentaria e afiação próprias. Linha de tornos CNC A EMPRESA Linha de tornos CNC Linha de centros de usinagem Controle final e Expedição Linha de segundas operações Ambiente de trabalho agradável Vista geral do galpão principal Ferramentaria e afiação

Leia mais

Aplicação dos princípios de gestão da manutenção em uma fábrica de colchões

Aplicação dos princípios de gestão da manutenção em uma fábrica de colchões Aplicação dos princípios de gestão da manutenção em uma fábrica de colchões 1 Laureilton José Almeida BORGES; 1 Débora Cristina de Souza RODRIGUES; 1 Warley Alves Coutinho CHAVES; 1 Caroline Passos de

Leia mais

Qualidade na Confecção dos Uniformes Andréia Garcia MISSÃO Criar moda para o mercado corporativo através de uniformes adequados e modernos para identificar, padronizar e promover a marca da empresa cliente.

Leia mais

Revista Perspectiva em Educação, Gestão & Tecnologia, v.3, n.4, julho-dezembro/2013 QUALIDADE TOTAL

Revista Perspectiva em Educação, Gestão & Tecnologia, v.3, n.4, julho-dezembro/2013 QUALIDADE TOTAL QUALIDADE TOTAL Fabiana Neves Jussara Rodrigues Menezes Faculdade Paulo Setúbal Prof. Engo. Helder Boccaletti Faculdade Paulo Setúbal, Tatuí-SP/ Fatec Itapetininga Revista Perspectiva em Educação, Gestão

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

MARCA PRÓPRIA. Algumas empresas possuem sua própria marca, mas não produzem, apenas desenvolvem a mercadoria.

MARCA PRÓPRIA. Algumas empresas possuem sua própria marca, mas não produzem, apenas desenvolvem a mercadoria. MARCA PRÓPRIA Algumas empresas possuem sua própria marca, mas não produzem, apenas desenvolvem a mercadoria. Normalmente estas empresas iniciaram suas atividades com uma marca que se consolidou no mercado.

Leia mais

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS Sandra Mara Matuisk Mattos (DECON/UNICENTRO) smattos@unicentro.br, Juliane Sachser Angnes (DESEC/UNICENTRO), Julianeangnes@gmail.com

Leia mais

Gestão da qualidade em serviços: um estudo de caso em microempresas do ramo de oficinas mecânicas

Gestão da qualidade em serviços: um estudo de caso em microempresas do ramo de oficinas mecânicas Gestão da qualidade em serviços: um estudo de caso em microempresas do ramo de oficinas mecânicas Eunice Zucchi (CESCAGE) eunicezucchi@gmail.com Balduir Carletto (CESCAGE) bcarletto@uol.com.br Camila Lopes

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Auditoria em Sistemas de Informação Prof. Fabio Costa

Leia mais

CHECKLIST DA RDC 16/2013

CHECKLIST DA RDC 16/2013 CHECKLIST DA RDC 16/2013 Checklist para a RDC 16 de 2013 Página 2 de 10 Checklist 1. 2.1 Disposições gerais Existe um manual da qualidade na empresa? 2. Existe uma política da qualidade na empresa? 3.

Leia mais

A Utilização de Etiquetas de Detecção de Inconveniências na Manutenção Autônoma do TPM

A Utilização de Etiquetas de Detecção de Inconveniências na Manutenção Autônoma do TPM XIII SIMPEP Bauru, SP, Brasil, 6 a 8 de novembro de 6. A Utilização de Etiquetas de Detecção de Inconveniências na Manutenção Autônoma do TPM Marcos Roberto Bormio (UNESP) mbormio@feb.unesp.br Nilson Damaceno

Leia mais

Perguntas e respostas Mais Qualidade

Perguntas e respostas Mais Qualidade Perguntas e respostas Mais Qualidade O que é o Programa Mais Qualidade? O Mais Qualidade é um programa da Bayer CropScience que tem como objetivo a obtenção de frutas com qualidade superior. Tudo isso

Leia mais

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha Macroprocesso Referência: sistema de gestão da qualidade pela NBR ISO 9011:2008. Macroprocesso Para a realização do produto, necessitase da integração

Leia mais

REDUÇÃO DE INCIDENTES DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO COMO MEIO DE COMBATE A FUGA DE INFORMAÇÔES ORGANIZACIONAIS

REDUÇÃO DE INCIDENTES DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO COMO MEIO DE COMBATE A FUGA DE INFORMAÇÔES ORGANIZACIONAIS REDUÇÃO DE INCIDENTES DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO COMO MEIO DE COMBATE A FUGA DE INFORMAÇÔES ORGANIZACIONAIS Autor(a): Tatiene Rochelle Santana Melo Coautor(es): Gliner Dias Alencar INTRODUÇÃO Com o aumento

Leia mais

Título do Case: Desafio de obter a confiança na EJ: Análise de Custos para Grande Empresa. Categoria: Projeto Externo

Título do Case: Desafio de obter a confiança na EJ: Análise de Custos para Grande Empresa. Categoria: Projeto Externo Título do Case: Desafio de obter a confiança na EJ: Análise de Custos para Grande Empresa. Categoria: Projeto Externo Resumo: Uma detalhada análise dos custos incorridos num processo produtivo é de fundamental

Leia mais

Exercicios Produção e Logistica

Exercicios Produção e Logistica 1 PROVA: 1998 PARTE I: QUESTÕES OBJETIVAS 7 Uma empresa fabrica e vende um produto por R$ 100,00 a unidade. O Departamento de Marketing da empresa trabalha com a Equação da Demanda apresentada abaixo,

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Nosso sucesso é sua logística bem-sucedida!

Nosso sucesso é sua logística bem-sucedida! Nosso sucesso é sua logística bem-sucedida! Sobre a Store Automação A Store Automação é uma das empresas líderes em TI no Brasil. Especializada em softwares orientados à logística e com vinte anos de atuação,

Leia mais

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009 Gestão da Qualidade Políticas Manutenção (corretiva, preventiva, preditiva). Elementos chaves da Qualidade Total satisfação do cliente Priorizar a qualidade Melhoria contínua Participação e comprometimento

Leia mais

ANEXO V PROPOSTA COMERCIAL PADRONIZADA PREGÃO N. 038/2010

ANEXO V PROPOSTA COMERCIAL PADRONIZADA PREGÃO N. 038/2010 À DME Distribuição S/A - DMED PREGÃO N. 038/2010 A empresa..., inscrita no CNPJ/MF sob o n..., estabelecida à Av./Rua..., n..., bairro..., na cidade de..., CEP..., telefone..., fax..., e-mail..., vem pela

Leia mais

Para entendermos melhor a evolução da qualidade, precisamos rememorar alguns pontos na história.

Para entendermos melhor a evolução da qualidade, precisamos rememorar alguns pontos na história. SISTEMA DE QUALIDADE EAD MÓDULO XIX - RESUMO Para entendermos melhor a evolução da qualidade, precisamos rememorar alguns pontos na história. Posteriormente, ocorreu a Revolução Industrial, em que a subsistência

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

O Processo De Melhoria Contínua

O Processo De Melhoria Contínua O Processo De Melhoria Contínua Não existe mais dúvida para ninguém que a abertura dos mercados e a consciência da importância da preservação do meio ambiente e a se transformaram em competitividade para

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

CURSO: Desenvolvimento Web e Comércio Eletrônico DISCIPLINA: Gestão da Qualidade Professor: Ricardo Henrique

CURSO: Desenvolvimento Web e Comércio Eletrônico DISCIPLINA: Gestão da Qualidade Professor: Ricardo Henrique CURSO: Desenvolvimento Web e Comércio Eletrônico DISCIPLINA: Gestão da Qualidade Professor: Ricardo Henrique UNIDADE 6 GERENCIAMENTO DA ROTINA 1 INTRODUÇÃO 3 O GERENCIAMENTO DA ROTINA 4 CAMPO DE APLICAÇÃO

Leia mais

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 Narjara Bárbara Xavier Silva 2 Patrícia Morais da Silva 3 Resumo O presente trabalho é resultado do Projeto de Extensão da Universidade Federal da

Leia mais

SEGURANÇA NR12 AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

SEGURANÇA NR12 AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL SEGURANÇA NR12 AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL SOLUÇÕES INDUSTRIAIS. A EMPRESA Para a SAFE, a tecnologia é somente um dos elementos de qualquer solução industrial. Suporte e serviços técnicos de alto nível são ingredientes

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras?

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Introdução O Contexto econômico do mundo globalizado vem sinalizando para as empresas que suas estratégias de

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

AS CARACTERÍSTICAS DO CMM E O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE COM QUALIDADE

AS CARACTERÍSTICAS DO CMM E O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE COM QUALIDADE REVISTA ELETRÔNICA DE ADMINISTRAÇÃO ISSN 1676-6822 PERIODICIDADE SEMESTRAL EDIÇÃO NÚMERO 8 JUNHO DE 2005 AS CARACTERÍSTICAS DO CMM E O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE COM QUALIDADE Kleber ALMEIDA Docente da

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR PSQ 27 REVISÃO 00 Histórico da Emissão Inicial Data da Revisão 0 Data da Última Revisão Número de Página 15/01/14 15/01/14 1/14 2/14 1 - Objetivo 1.1 Escopo O conteúdo deste Manual contempla os requisitos

Leia mais

PLANEJAMENTO E IMPLANTAÇÕES DE UM ARRANJO FÍSICO (LAYOUT) RESUMO

PLANEJAMENTO E IMPLANTAÇÕES DE UM ARRANJO FÍSICO (LAYOUT) RESUMO PLANEJAMENTO E IMPLANTAÇÕES DE UM ARRANJO FÍSICO (LAYOUT) RESUMO Edilaine Cristina Duarte de Souza Flávia Galdino Silva Com a concorrência acirrada nos dias de hoje, com grandes mudanças a todo tempo,

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE PRODUTO (RPD)

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE PRODUTO (RPD) INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE PRODUTO (RPD) REPRESENTAÇÃO ESQUEMÁTICA PARA DESENVOLVIMENTO INTERNACIONAL DE NOVOS PRODUTOS O esquema abaixo considera o conceito de design de produto, esboços

Leia mais

Sistema de Administração da Produção

Sistema de Administração da Produção Sistema de Administração da Produção (Extraído do livro Planejamento, Programação e Controle da Produção Enrique Correa e Irineu Gianesi e Mauro Caon Ed Atlas, 2001) 1. Definição São sistemas de Informação

Leia mais

Cód. Doc. TAB-RHU-003

Cód. Doc. TAB-RHU-003 1 de 27 ÁREA: SUPERINTENDÊNCIA CARGO: Diretor Superintendente Garantir o correto funcionamento dos sistemas de informação utilizados pela empresa; Aprovar projetos de melhorias nos equipamentos e sistemas

Leia mais

Otimização de abastecimento de pedidos

Otimização de abastecimento de pedidos Otimização de abastecimento de pedidos Quando passar da separação com papel para zero papel automação 1 Otimização que de traz abastecimento resultados de pedidos Otimização de abastecimento de pedidos

Leia mais

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING 1 ÍNDICE 03 04 06 07 09 Introdução Menos custos e mais controle Operação customizada à necessidade da empresa Atendimento: o grande diferencial Conclusão Quando

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E DIAGRAMA DE FLUXO DE DADOS

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E DIAGRAMA DE FLUXO DE DADOS ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E DIAGRAMA DE FLUXO DE DADOS Maria Vitória Marim Ferraz Pinto da SILVA Eng., Mestranda pela Universidade Federal de São Carlos. Rodovia Washington Luiz,

Leia mais

XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção Porto Alegre, RS, Brasil, 29 out a 01 de nov de 2005

XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção Porto Alegre, RS, Brasil, 29 out a 01 de nov de 2005 Laboratório de tecnologia de manufatura - uma experiência aplicada ao ensino da engenharia de produção Wilson de Castro Hilsdorf (FEI) wicastro@fei.edu.br Alexandre Augusto Massote (FEI) massote@fei.edu.br

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

UNIFORME SESI. Especificação Técnica

UNIFORME SESI. Especificação Técnica UNIFORME SESI Especificação Técnica 2015 SUMÁRIO 1. CAMISETA MANGA CURTA 3 2. CAMISETA MANGA LONGA 10 3. REGATA 17 4. POLO MASCULINA 24 5. POLO FEMININA 32 6. JAQUETA MASCULINA - TACTEL 40 7. JAQUETA MASCULINA

Leia mais

Qualidade na empresa. Fundamentos de CEP. Gráfico por variáveis. Capacidade do processo. Gráficos por atributos. Inspeção de qualidade

Qualidade na empresa. Fundamentos de CEP. Gráfico por variáveis. Capacidade do processo. Gráficos por atributos. Inspeção de qualidade Roteiro da apresentação Controle de Qualidade 1 2 3 Lupércio França Bessegato UFMG Especialização em Estatística 4 5 Abril/2007 6 7 Conceito de Qualidade Não há uma única definição. Melhoria da Empresa

Leia mais