Unama Universidade da Amazônia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Unama Universidade da Amazônia"

Transcrição

1 Unama Universidade da Amazônia Luiz Felipe Fonseca Ferreira Thaíssa Mourão de Menezes INSPEÇÃO DE SEGURANÇA DE COMBATE À INCÊNDIO EM UM POSTO DE LÍQUIDOS, COMBUSTÍVEIS E INFLAMÁVEIS NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM. Belém Pa 2010

2 Luiz Felipe Fonseca Ferreira Thaíssa Mourão de Menezes INSPEÇÃO DE SEGURANÇA DE COMBATE À INCÊNDIO EM UM POSTO DE LÍQUIDOS, COMBUSTÍVEIS E INFLAMÁVEIS NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM. A monografia apresentada à Universidade da Amazônia como parte dos requisitos para obtenção do título de Graduado em Engenharia Civil. Orientador: Prof. Msc. Gracio Paulo Pessoa Serra. Belém Pa 2010

3 Luiz Felipe Fonseca Ferreira Thaíssa Mourão de Menezes INSPEÇÃO DE SEGURANÇA DE COMBATE À INCÊNDIO EM UM POSTO DE LÍQUIDOS, COMBUSTÍVEIS E INFLAMÁVEIS NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM. A monografia apresentada à Universidade da Amazônia como parte dos requisitos para obtenção do título de Graduado em Engenharia Civil. Data da defesa: 15 de dezembro de Conceito: BANCA EXAMINADORA: Prof. Msc. Gracio Paulo Pessoa Serra Prof. Msc. Wandemyr Mata dos Santos Filho Eng.º Civil e Eng.º de Seg. do Trab. José Roberto Nunes Lopes

4 RESUMO A presente monografia tem por objetivo avaliar as condições de segurança e diagnosticar as conformidades do sistema de proteção contra incêndio de um posto de líquidos, combustíveis e inflamáveis, situado na Região Metropolitana de Belém, no qual verificando se o mesmo está em conformidade com as normas de segurança de combate a incêndio estabelecidas na NR23 (Proteção Contra Incêndios) e as normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas ABNT, de Sinalização de Segurança (NBR , 2 E 3/2004), Sistema de Iluminação de Emergência (NBR 10898/1999), Extintores de Incêndio (NBR 12693/1993), Hidrantes (NBR 13714/2003) e Saídas de Emergência (NBR 9077/2001), com o fim de melhorar a segurança dos colaboradores envolvidos nas atividades do Posto em questão bem como a prevenção do patrimônio físico e econômico da empresa. Estas avaliações foram baseadas em pesquisas em campo, da qual foram realizadas inspeções in loco do sistema de combate a incêndio já existente e o que prescrevem as normas acima citadas. O meio de ferramenta utilizado foi registros fotográficos, levantamento da área e vistoria de todos os setores do posto, tendo como alvo a obtenção de ações e melhorias na adequação do sistema de segurança de combate a incêndio. Palavras chave: Segurança. Incêndio. Normas Regulamentadoras.

5 ABSTRACT This monograph is intended to assess the security conditions and diagnose the compliant of fire protection system of a tour, flammable liquids and fuels, located in the metropolitan region of Belém, in which checking whether it complies with the safety standards laid down in the fire fighting NR23 (fire Protection) and the standards of the Brazilian technical standards Association ABNT, safety signs (NBR , 2 and 3/2004), emergency lighting system (NBR 10898/1999), fire extinguishers (NBR 12693/1993), Hydrants (NBR 13714/2003) and emergency exits (NBR 9077/2001), with the aim of improving the safety of employees involved in the activities of the post in question and the prevention of the physical and economic heritage of the company. These evaluations were based on field surveys, which were conducted inspections "in loco" of fire fighting system already exists and which prescribe the standards cited above. The means of tool used was photographic records, lifting area and survey of all sectors of the tour, targeting getting actions and improvements on the adequacy of the security system, fire fighting. Keywords: Security. Fire. Regulatory Standards.

6 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Classificação da edificação quanto a sua ocupação Tabela 2 Classificação da edificação quanto à altura Tabela 3 Classificação da edificação quanto à dimensão em planta Tabela 4 Classificação da edif. quanto a suas características construtivas. 12 Tabela 5 Cargas de incêndio específicas por ocupação Tabela 6 Capacidade de extinção de incêndio Tabela 7 Classificação dos edifícios e aplicabilidade do sistema Tabela 8 Tipo de sistema LISTA DE ILUSTRAÇÕES FIGURA FIGURA FIGURA FIGURA FIGURA FIGURA FIGURA FIGURA FIGURA FIGURA FIGURA FIGURA FIGURA FIGURA FIGURA FIGURA FIGURA

7 FIGURA FIGURA FIGURA FIGURA FIGURA FIGURA FIGURA FIGURA FIGURA FIGURA FIGURA FIGURA

8 SUMÁRIO INTRODUÇÃO OBJETIVO METODOLOGIA INSPEÇÃO DE PREVENÇÃO E COMBATE A INCENDIO NA EDIFICAÇÃO EM QUESTÃO 2.1. Descrição da Edificação Risco de incêndio da Edificação SISTEMA DE PROTEÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO EXISTENTE 3.1. Extintores Saídas de Emergência Iluminação e Sinalização de Segurança Contra Incêndio Hidrantes e Brigada de Incêndio ADEQUAÇÃO DO SISTEMA ENCONTRADO AS NORMAS DE SEGURANÇA DE PREVENÇÃO DE INCÊNDIO 4.1. Extintores Saídas de Emergência Iluminação e Sinalização de Segurança Contra Incêndio Hidrantes e Brigada de Incêndio CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXOS. Anexo A Planta Baixa Anexo B Sugestões para a melhoria do sistema de proteção e combate a incêndio existente... 44

9 P á g i n a 9 INTRODUÇÃO A segurança do trabalho está presente em todos os setores que possa a vir oferecer riscos de acidentes e danos à saúde do trabalhador. Deve haver a prevenção dos riscos relacionada à saúde das pessoas que trabalham em determinados ambiente. Para isso, é de suma importância a vivência do colaborador em seu ambiente de trabalho de forma segura, do qual o ambiente deverá ser um lugar com boas condições para um excelente desempenho do colaborador. A presente monografia foi elaborada especificamente ao fundamento de combate a incêndio relacionado ao Posto de combustíveis, líquidos e inflamáveis, situado na Região Metropolitana de Belém. A importância do sistema de combate a incêndio neste estabelecimento compete o grau de risco e ocupação, pois na maioria das vezes, as pessoas só se dão conta do sinistro quando o fogo propagou-se e muita das vezes não há equipamentos suficientes ou apropriados para combatê-lo, dificultando ainda mais o trabalho do bombeiro e de sua equipe. A falta de conhecimento por parte dos empresários e proprietários de estabelecimentos aos dispositivos normativos de segurança e combate a incêndio previsto na legislação brasileira, implica numa atitude pouco preventiva, e isso talvez seja o fator agravante que mais colabora para o risco de incêndio com combustíveis infláveis em nosso país. Para cada tipo de incêndio, existe um agente extintor correto. Mesmo após um principio de incêndio, a escolha deste agente é fundamental para garantir a segurança do imóvel e de seus usuários. Com o uso de todas as práticas exigidas de acordo com as normas descritas anteriormente, a expectativa dessa monografia é de que o Posto de líquidos, combustíveis e inflamáveis, já existente, esteja dentro das normas vigentes de combate á incêndio, tanto na constatação dos dispositivos de segurança no local, quanto ao estado em que se encontram. Caso o contrário ocorra, proporcionaremos uma adequação do sistema de segurança de combate a incêndio no estabelecimento de acordo com as normas estabelecidas pela ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas).

10 P á g i n a 10 OBJETIVOS A. OBJETIVO GERAL: Esta monografia tem por objetivo analisar os pontos de trabalho presentes no posto de combustíveis, líquidos e inflamáveis situado na Região Metropolitana de Belém, e verificar se o estabelecimento está em conformidade com as normas vigentes de Proteção e Combate à Incêndio, com o intuito de melhorar a segurança dos colaboradores, e caso contrário, elaborar uma proposta de adequação dos ambientes de acordo com as normas de combate a incêndio. B. OBJETIVO ESPECÍFICO: Fazer o levantamento da planta-baixa do Posto de combustíveis, líquidos e inflamáveis; Identificar os pontos de conformidade de acordo com as normas de combate a incêndio, estabelecidas anteriormente; Identificar e adequar os pontos de não conformidade de acordo com as normas de combate a incêndio, estabelecidas anteriormente.

11 P á g i n a METODOLOGIA: A monografia foi desenvolvida, na maior parte, através de inspeção in loco dos dispositivos de segurança existentes que compõem o sistema de proteção e combate a incêndio no posto de combustíveis, líquidos e inflamáveis situado na região metropolitana de Belém, apresentando um laudo panorâmico da situação dos riscos do estabelecimento em questão. Foi realizado um levantamento das cargas de incêndio para identificação do grau de risco, visualizando os pontos mais críticos para o foco de incêndio. Esse estabelecimento, localizado na zona urbana de Belém possui uma área total de 1.578,26 m², onde será realizada a medição dos dados necessários para o estudo de cada ambiente para analise e verificação das conformidades do local com as normas vigentes referentes à prevenção e combate aos focos de incêndio. Sendo que o mesmo possui as seguintes características: - Um posto de abastecimento e serviços automotivos; - Um escritório reservado para a equipe de administração do posto; - Uma loja de conveniência; - Um estacionamento situado aos fundos do estabelecimento; - Dois banheiros de uso público; - Um banheiro e um vestiário de uso privativo; - Dois depósitos em desuso; De acordo com a classificação das edificações quanto a sua ocupação disposta na norma regulamentadora NR 9077 de 2001 (saída de emergência), sua ocupação é denominada como sendo de serviço automotivo e comercial varejista (postos de abastecimento e serviços, garagens e comércio de pequeno poste). Quanto as suas características construtivas, por ser um estabelecimento com armazenagem de combustíveis, líquidos e inflamáveis e que possui um ambiente aberto, a edificação tem estrutura de rápida propagação do fogo, sendo classificada com baixa resistência ao fogo, de acordo com a mesma norma, sendo assim, com essas características, podemos classificar o nível de risco da mesma conforme os seguintes requisitos (ver tabelas abaixo):

12 P á g i n a 12 Tabela 1 Classificação da edificação quanto a sua ocupação: Ocupação Mista GRUPO OCUPAÇÃO/USO DIVISÃO DESCRIÇÃO EXEMPLOS C Comercial Varejista C-1 Comércio em geral, de pequeno poste Armarinhos, mercearias e outro. GRUPO OCUPAÇÃO/USO DIVISÃO DESCRIÇÃO EXEMPLOS G Serviços automotivos Fonte: Adaptado da NBR 9077/2001. G-3 Locais dotados de abastecimento de combustível Postos de abastecimento e serviço, garagens Tabela 2 Classificação da edificação quanto à altura: CÓDIGO TIPO DE EDIFICAÇÃO L Edificações baixas H 6,00 m Fonte: Adaptado da NBR 9077/2001. Tabela 3 Classificação da edificação quanto à dimensão em planta: NATUREZA DO ENFOQUE Quanto a área total St (somatória das áreas de todos os pavimentos da edificação) Fonte: Adaptado da NBR 9077/2001. CÓDIGO V CLASSE DA EDIFICAÇÃO Edificações grandes PARÂMETRO DE ÁREA m² < St < m² Tabela 4 Classificação da edificação quanto a suas características construtivas: CÓDIGO TIPO ESPECIFICAÇÃO EXEMPLOS Edificações em Edificações com Prédios estruturados em madeira, que a estrutura e prédio com entrepisos de ferro e X propagação do entrepisos madeira, pavilhões em arcos de fogo é fácil combustíveis. madeira laminada e outros. Fonte: Adaptado da NBR 9077/2001.

13 P á g i n a INSPEÇÃO DE PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO NA EDIFICAÇÃO EM QUESTÃO: 2.1. Descrição da edificação: Como foi mencionado no item anterior, o estabelecimento, ponto de estudo dessa monografia, é constituído por um posto de abastecimento e serviços automotivos, com dimensões de 18,37 metros de comprimento por 23,00 metros de largura, totalizando uma área de 422,51 m². Uma cobertura metálica com forro de PVC e pé direito igual a 4,45 metros, sendo suas dimensões de 18,37 metros de comprimento por 8,20 de largura, totalizando 150,64 m². Uma loja de conveniência de 5,77 metros de comprimento por 8,01 metros de largura, totalizando uma área de 46,22 m². Dois depósitos sendo um com 3,29 metros de comprimento por 4,71 metros de largura, totalizando uma área de 15,50 m² e o outro com 3,70 metros de comprimento por 2,40 metros de largura totalizando uma área de 8,88 m². Três banheiros e um vestiário totalizando uma área total de 15,90 m².uma sala reservada a administração do posto com 5,15 metros de comprimento por 2,15 metros de largura, totalizando uma área de 11,07 m². Um estacionamento anexo aos fundos de 38,30 m de comprimento por 23,00 metros de largura, totalizando uma área de 880,90 m², composta por uma proteção contra sol e chuva de estrutura de madeira com telhas de fibrocimento. Sendo assim temos um total de área pertencente ao ambiente do posto de combustíveis, líquidos e inflamáveis de 1.578,26 m², conforme figura: Figura 01: Posto de combustíveis, líquidos e inflamáveis.

14 P á g i n a 14 O posto possui duas bombas de abastecimento dispostos na parte central da área reservada ao posto de combustíveis, líquidos e inflamáveis. Foram localizados três reservatórios de combustíveis enterrados no lado direito do posto, tanques com capacidade para litros de combustíveis cada. Figura 02: Tanque de reservatório de combustível enterrado. Fixado ao muro lateral, há um aparelho de ar comprimido usado para serviços automotivos, além de um quadro de energia de alta voltagem, conforme mostram as figuras abaixo: Figura 03: Bomba de ar.

15 P á g i n a 15 Figura 04: Quadro de energia Risco de incêndio da Edificação: De acordo com os materiais combustíveis, líquidos e inflamáveis encontrados, o estabelecimento possui um risco de desenvolvimento de fogo de classe tipo A (quando ocorre em materiais de fácil combustão com a propriedade de queimarem em sua superfície e profundidade), classe tipo B (quando o fogo ocorre em produtos inflamáveis que queimem somente na superfície) e classe tipo C (quando o fogo ocorre em equipamentos elétricos energizados). Em virtude do posto apresentar um alto índice de produtos de fácil combustão e propagação, adotaram-se esses materiais com maior carga de incêndio específica para obter o levantamento da carga de incêndio. Conforme o Anexo A da Instrução Técnica nº 14/2004 (Carga de Incêndio nas Edificações e Áreas de Risco) do Corpo de Bombeiro SP determinou-se as seguintes cargas específicas para o posto estudado:

16 P á g i n a 16 Tabela 5 Cargas de Incêndio específicas por ocupação: OCUPAÇÃO/ USO DESCRIÇÃO DIVISÃO Serviços automotivos e assemelhados Serviços automotivos e assemelhados Comercial Loja varejista, Posto de abastecimentos (tanque enterrado) CARGA DE INCÊNDIO EM MJ/m² G Estacionamentos G-1 / G Armarinhos C Fonte: Adaptado do Anexo A da Instrução Técnica nº 140/2004 Corpo de Bombeiros de São Paulo. Sendo assim, conforme o levantamento das cargas de incêndio especifica, podemos obter a carga de incêndio especifica da edificação de MJ/m², o que a classifica como sendo uma edificação de risco médio (carga de incêndio acima de 300 até MJ/m²), conforme tabela de classificação das edificações e áreas de risco quanto à carga incêndio da Instrução Técnica nº 16 do Corpo de Bombeiros (Sistema de Proteção por Extintores de Incêndio). A partir da identificação do grau de risco de incêndio, foi realizada a verificação do posto de combustíveis, líquidos e inflamáveis para certificar a necessidade de alterações ou não do sistema de combate a incêndio presente, para a adequação as tabelas acima referentes às normas regulamentadoras vigentes. 3. SISTEMA DE PROTEÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO EXISTENTE: 3.1. Extintores de Incêndio: Os sistemas de proteção por extintores de incêndio devem estar localizados em ambientes de fácil acesso e sempre sinalizados para a rápida visualização em caso de emergência, protegidos contra intempéries e danos físicos em potencial, obedecendo às normas técnicas de segurança. Em relação à natureza do fogo, envolvendo materiais combustíveis, podemos classificá-los em quatro níveis:

17 P á g i n a Classe A: são considerados desta classe os materiais combustíveis que queimam em profundidade e extensão, deixando resíduos. Os materiais que constituem esta classe são: madeira, papel, tecidos, algodão, borracha, etc.. O agente extintor mais indicado para combater incêndios desta classe é a água, que tem o poder de penetração e resfriamento. 2. Classe B: nesta classe de incêndio enquadram os materiais que queimam em extensão e geralmente não deixam resíduos. São desta classe de incêndio: gasolina, óleos, gases, graxas, tintas, alcoóis, tinner, etc.. Para os trabalhos de extinção dos incêndios desta classe, são usados pós químicos e agentes espumantes misturados em água que, ao serem aplicados, formam uma camada isolante que impede a presença do oxigênio na combustão. 3. Classe C: Enquadram nesta classe de incêndio os materiais e equipamentos quando energizados, tais como: motores, fios, transformadores, computadores, eletrodomésticos e qualquer outro material metálico usado na aplicação de energia elétrica. A característica fundamental para esta classe de incêndio é a presença da eletricidade no equipamento ou material. Os agentes extintores indicados para combater incêndios desta classe são os pós químicos e gases com poderes de extinção de incêndios, tal como CO2. 4. Classe D: constituem desta classe de incêndio os metais que queimam facilmente quando fundidos, finamente divididos ou em forma de lâminas, como exemplo, o magnésio, o titânio, o sódio, o potássio, dentre outros. O comportamento dos materiais enquadrados nesta classe, por ocasião de um incêndio, é diferente dos demais, visto que durante a combustão forma-se uma reação em cadeia o que dificulta a sua extinção através de procedimentos convencionais. Sua extinção é feita por pó químico especial à base do grafite. Nunca devemos usar água para combater incêndio desta classe.

18 P á g i n a 18 Figura 05: Classificação do fogo e seu respectivo agente extintor. Fonte: No posto de combustíveis, líquidos e inflamáveis detectamos os seguintes extintores portáteis: - Extintores de Gás Carbônico: Possuem efeitos de resfriamento e abafamento do fogo, são utilizados, preferencialmente, no combate aos fogos das Classes B e C, embora possa ser usado também, nos incêndios de Classe A em seu início. Depois dos extintores de água, os extintores de dióxido de carbono são por tradição, um dos mais usados. Os extintores portáteis são oferecidos com cargas de 4 e 6 kg cada e os extintores sobre rodas, com carga de 10, 25, 30 e 50 kg cada.

19 P á g i n a 19 Figura 06: Extintor de gás carbônico com sua respectiva sinalização de parede. No levantamento realizado, foram encontrados três extintores do tipo 1, ou seja, sistema de extintores portáteis fixados nas paredes, com o agente extintor de dióxido de carbono (CO2), com um principio de extinção através de auto-expulsão com o poder de abafamento e resfriamento. Estando localizado um em cada coluna de sustentação da cobertura do posto e o terceiro dentro da loja de conveniência, este possui carga nominal de 4 kg e capacidade extintora de 05 B C. Cada extintor fixado na área externa do posto tem capacidade extintora (medida de poder de extinção de fogo) de 05 B C e com carga nominal de 6 kg, fixados por suportes de ferro na altura de montagem de 1,38 metros da posição do piso acabado até a alça de manuseio. - Extintores de Pó Químico Seco: O pó químico é um material pulverulento finamente dividido, tratado para ser repelente a água e escoar fluidamente em tubulações, eliminando as chamas por interrupção das reações em cadeia. Podem ser empregados em: gases, líquidos e sólidos combustíveis; e, ainda, em equipamentos elétricos energizados. Os tipos de pós são: bicarbonato de sódio, de

20 P á g i n a 20 potássio ou de potássio + uréia (MONEX) e fosfato monoamônio. Este agente é utilizado com mais adequação no combate a incêndios provocados por materiais de classe B, podendo ser utilizado também no combate a incêndios com materiais de classe A, e em último caso de classe C. Figura 07: Extintor de pó químico com sua respectiva sinalização de parede. Há dois extintores a base de pó químico, localizados nas colunas de sustentação do telhado do estacionamento, onde estavam fixados por suportes de ferro na altura de montagem de 1,72 metros da posição do piso acabado até a alça de manuseio. Cada extintor possui um sistema de expulsão a base de pressurização direta, com princípio de extinção através da reação química. Os dispositivos estavam carregados com cargas de pó a base de bicarbonato de sódio, expelindo gás nitrogênio, tendo cada extintor carga de 4 kg e capacidade extintora de 20 B C. As sinalizações de parede dos extintores situavam-se logo acima dos mesmos, sendo constituídos em material PVC, com um desenho de extintor branco pintado de vermelho ao seu redor, estando presente em todos os extintores,

21 P á g i n a 21 conforme figuras 03 e 04. Na inspeção realizada, foi Verificado também que em nenhum dos extintores presentes no estabelecimento, possuíam sinalização de chão. Quanto a sua inspeção e manutenção, pudemos observar que todo os dispositivos de extinção de incêndio existentes apresentam lacres de inviolabilidade intactos, além de selos de segurança compulsória emitidos pelo INMETRO, estando dentro do prazo de validade. Os quadros de instruções encontravam-se perfeitamente legíveis, não sendo detectado nenhum dano mecânico ou físico, como mostram as figuras a seguir: Figura 08: Extintor com lacre de segurança em boa condição

22 P á g i n a 22 Figura 09: Extintor com instruções em boas condições. Quanto à carga dos extintores, os dispositivos de combate a incêndio apresentavam peso normal dentro as especificações de cada extintor. Figura 10: Extintor de incêndio com data da inspeção técnica de manutenção e prazo dentro da validade.

23 P á g i n a 23 Figura 11: Extintor de incêndio com data da inspeção técnica de manutenção e prazo dentro da validade. Figura 12: Marcação da inspeção técnica de manutenção e prazo de validade dos extintores. Figura 13: Marcação da inspeção técnica de manutenção e prazo de validade dos extintores.

24 P á g i n a Saídas de Emergência contra Incêndio: As saídas de emergência são meios de proteção passiva onde não atuam somente na hora do incêndio, de acordo com a norma, esse tipo de saída pode ser utilizada como saídas comuns do estabelecimento ou como saídas de emergências em casos de emergências. No estabelecimento em questão essa condição é muito nítida, as saídas de emergências são utilizadas como saídas comuns, onde apresentam algumas condições exigíveis indicadas na norma brasileira NBR 9077/2001 (saída de emergências em edificações). Nesse caso o tipo de estabelecimento é um posto de combustíveis, líquidos e inflamáveis, onde é composto por quatro ambientes, não sendo uma edificação complexa. No estacionamento, localizado na parte posterior da edificação, observamos a presença de duas entradas de garagem compostas por dois portões de ferro, a primeira situada no lado direito da loja de conveniência com um vão de 3,10 m e a segunda na outra extremidade com vão de 4,75 m. Figura 14: Vista do estacionamento do posto.

25 P á g i n a 25 Figura 15: Entrada lateral 01 para o estacionamento do posto. Figura 16: Entrada lateral 02 para o estacionamento do posto. No bloco composto pela loja de conveniência não há saídas de emergências, usa-se a mesma de entrada e saída do estabelecimento, sendo composta por uma porta de abrir em vidro medindo 1,79 x 2,10 m.

26 P á g i n a 26 Figura 17: Vista da entrada e saída da loja de conveniência. Com 21,05 m² de área construída, a loja de conveniência é agregada a um pequeno escritório reservado à administração do posto, onde foi observada que a saída de emergência é a mesma utilizada para a entrada e saída. Foi verificado que essa saída composta por uma porta em alumínio e vidro películado com vão de 92 cm, está posicionada atrás de uma prateleira móvel que obstrui a passagem em caso de emergência. Foi observado também, que o pequeno escritório possui janelas de vidro, e que em uma delas há grades que dificultam a fuga, como mostra as fotos abaixo: Figura 18: Vista do escritório da administração do posto.

27 P á g i n a 27 Figura 19: Detalhamento da entrada e saída do escritório da administração do posto. Figura 20: Detalhamento da janela gradeada do escritório. Em relação ao posto propriamente dito, por ser um ambiente onde há o manuseio de produtos de fácil combustão e rapidamente inflamáveis, ele apresenta uma área de escape muito grande favorável a evacuação na ocasião de uma emergência.

28 P á g i n a 28 Figura 21: Vista frontal do posto de abastecimento Iluminação e Sinalização de Segurança contra Incêndio: Foi observado in loco que o local de estudo possui quatro dispositivos de iluminações de emergência nos seguintes locais: uma em cada coluna de sustentação da cobertura do posto de abastecimento e duas no interior do estabelecimento comercial. Foi observada também que não há nenhum tipo de iluminação de emergências na área de estacionamento e no escritório da administração. Não foi detectado nenhuma placa de sinalização de saída de emergência, apenas placas de WC feminino e masculino e pequenas placas de proibido fumar, além de alguns informativos de segurança em péssimo estado.

29 P á g i n a 29 Figura 22: Dispositivo de iluminação de emergência existente no posto de abastecimento. Figura 23: Dispositivo de iluminação de emergência existente na loja de conveniência. Por possuir uma extensa área descoberta, a iluminação, em sua maior parte, é feita através de luz natural. Tendo apenas luz artificial na loja, escritório e banheiros.

30 P á g i n a 30 No estacionamento foi detectado apenas placas de sinalização dos dois extintores existente, não havendo mais nenhum tipo de sinalização de emergência. O bloco do posto de abastecimento apresenta placas de proibição de fumo, indicadas com símbolo circular, pictograma preto, fundo branco com uma faixa circular e barra diametral vermelhas; e de equipamento de extintores de incêndio, indicadas com pictograma fotoluminescente, fundo vermelho e símbolo quadrado, não foi visível a presença de nenhuma placa de sinalização de alerta quanto a risco de incêndio. No departamento de comércio, foi verificado que há a presença de quatro placas de proibição de fumo e uma de indicação de extintor de incêndio, não sendo observada nenhuma sinalização de orientação e salvamento que indicasse saídas de emergência ou rota de fuga. O levantamento realizado no escritório não identificou nenhum tipo de sinalização de emergência presente no local. Não foi encontrado nenhum tipo de faixa de indicação de obstáculos tanto na vertical quanto na horizontal e nem faixa de sinalização de extintores no chão. Figuras 24 e 25: Sinalizações de proibição proibido fumar.

31 P á g i n a 31 Figura 26: Sinalização de equipamento e informativo de segurança em péssimo estado Hidrantes e Brigada de Incêndio: O sistema de hidrantes é um tipo de proteção instalado em edifícios, utilizado como meio de combate a incêndios. É composto basicamente por reservatórios de água, bombas de incêndio, tubulações, hidrantes, abrigos e registros de recalque. O sistema de hidrantes tem como objetivo dar continuidade à ação de combate a incêndios até o domínio e possível extinção. O agente extintor utilizado é a água motivo pelo qual o método principal de extinção a ser aplicado será o resfriamento. Ao utilizar o sistema de hidrantes é fundamental desligar a chave principal de entrada de energia da edificação e/ou do setor onde se vai efetuar o combate, no intuito de evitar acidentes (descargas elétricas). O grupo de pessoas capacitadas para atuar na prevenção e combate de incêndio, tomando medidas e ações para a prevenção ou minimização do impacto destrutivo de uma emergência, sinistro, evacuação de ambientes e prestação de primeiros socorros dentro da empresa, constitui a chamada Brigada de Incêndio. Porém no levantamento realizado do local de estudo não foi detectado nenhum sistema de hidrantes e nem há a presença da brigada de incêndio.

32 P á g i n a ADEQUAÇÃO DO SISTEMA EXISTENTE ÁS NORMAS DE SEGURANÇA E PREVENÇÃO DE INCÊNDIO: 4.1. Extintores de Incêndio: Segundo a Norma Brasileira Regulamentadora de n.º 12693/93, o extintor deve ser instalado de maneira que haja menor probabilidade do fogo obstruir seu acesso; seja visível, para que todos os usuários possam familiarizar a sua posição; permaneçam protegidos contra danos físicos em potencial, estando em lugares cobertos; não fiquem bloqueados por algum tipo de material; estejam juntos ao acesso dos riscos; sua remoção não seja dificultada por suportes mal colocados, bases, abrigos, etc., e não fiquem instalados em escada. Podemos também verificar, se o tipo de extintor que está sendo utilizada é apropriado para o tipo de material existente no recinto, além de determinar se a carga apresentada será suficiente para combater um possível foco de incêndio. Através dos levantamentos realizados in loco, podemos destacar que o estabelecimento estudado está seguindo os padrões adotados na norma vigente em questão. No entanto, foi verificado que o extintor de gás carbônico com carga de 4,0 Kg apresenta capacidade extintora diferente da encontrado na tabela 1 (Capacidade de extinção de incêndio) da norma NBR 11716/04 - Extintores de Incêndio com Carga de CO2, onde mostra que extintores com carga nominal de até 4 kg devem possuir uma capacidade extintora de 2 B, conforme tabela a baixo: Tabela 6 Capacidade de extinção de incêndio: Agente Extintor Carga Capacidade Extintora Encontrada Capacidade Extintora Equivalente Gás Carbônico (CO2) Até 4,0 Kg 5 B 2 B Gás Carbônico (CO2) Gás Carbônico (CO2) Fonte: Acervo do Autor. Acima de 4,0 Kg até 10,0 Kg Acima de 10,0 Kg 5 B 5 B - 10 B

INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO

INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas 4 Definições 5 Generalidades 6 Características e critérios para

Leia mais

IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO

IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências Normativas 4 Definições 5 Generalidades gerais 6- Procedimentos 7 Certificação e validade/garantia INSTRUÇÃO

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO

NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO ANEXO XVI AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica estabelece critérios para proteção contra incêndio

Leia mais

NR 23 - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS COMBATE AO FOGO CLASSES DE FOGO. SENAI - Carlos Eduardo do Vale Melo NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO

NR 23 - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS COMBATE AO FOGO CLASSES DE FOGO. SENAI - Carlos Eduardo do Vale Melo NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO NR- PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO NR - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS A proteção contra incêndios é uma das Normas Regulamentadoras que disciplina sobre as regras complementares de segurança e saúde no trabalho

Leia mais

RESOLUÇÃO TÉCNICA CBMRS Nº 14 EXTINTORES DE INCÊNDIO 2014

RESOLUÇÃO TÉCNICA CBMRS Nº 14 EXTINTORES DE INCÊNDIO 2014 ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA COMANDO DO CORPO DE BOMBEIROS DIVISÃO TÉCNICA DE PREVENÇÃO DE INCÊNDIO E INVESTIGAÇÃO RESOLUÇÃO TÉCNICA CBMRS Nº 14 EXTINTORES DE INCÊNDIO 2014

Leia mais

NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO - PROPOSTA

NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO - PROPOSTA ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO

Leia mais

- NORMA REGULAMENTADORA Nº 23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS

- NORMA REGULAMENTADORA Nº 23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS - NORMA REGULAMENTADORA Nº 23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS Aprovada pela Portaria GM/MTB nº 3.214 - DOU 06/07/1978. 23.1 Todos os empregadores devem adotar medidas de prevenção de incêndios, em conformidade

Leia mais

Tecnologias de Prevenção e Combate a Incêndios João Gama Godoy

Tecnologias de Prevenção e Combate a Incêndios João Gama Godoy Tecnologias de Prevenção e Combate a Incêndios João Gama Godoy Técnico de Segurança do Trabalho Senac - 2010 É proibida a reprodução do conteúdo desta apresentação em qualquer meio de comunicação, eletrônico

Leia mais

ECOM EMPRESA DE CONSTRUÇÕES, CONSULTORIA E MEIO AMBIENTE LTDA

ECOM EMPRESA DE CONSTRUÇÕES, CONSULTORIA E MEIO AMBIENTE LTDA MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DE INSTALAÇÕES DE PREVENÇÃO CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO 1. GENERALIDADES O sistema de proteção proposto busca satisfazer as condições mínimas de segurança preconizadas pela

Leia mais

DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000

DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000 DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000 Aprova a Norma Técnica nº 004/2000-CBMDF, sobre o Sistema de Proteção

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 006/DAT/CBMSC) SISTEMA PREVENTIVO POR EXTINTORES

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 006/DAT/CBMSC) SISTEMA PREVENTIVO POR EXTINTORES ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 006/DAT/CBMSC)

Leia mais

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional Identificação: PROSHISET 06

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional Identificação: PROSHISET 06 Extintores de Incêndio Portáteis. Revisão: 00 Folha: 1 de 7 1. Objetivo Assegurar que todos os canteiros de obras atendam as exigências para utilização dos extintores de incêndio portáteis de acordo com

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS

NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS ANEXO XXV AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica estabelece as medidas de segurança

Leia mais

CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM PEQUENOS ESTABELECIMENTOS

CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM PEQUENOS ESTABELECIMENTOS CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO PARÁ CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM PEQUENOS ESTABELECIMENTOS Belém 2014 / Versão 1.0 1

Leia mais

FORMULÁRIO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO PROJETO TÉCNICO

FORMULÁRIO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO PROJETO TÉCNICO ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA E DA DEFESA SOCIAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS DAT/1 SEÇÃO DE ANÁLISE DE PROJETOS FORMULÁRIO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO

Leia mais

NR 23 - NORMA REGULAMENTADORA 23 PROTEÇÃO CONTRA INCENDIOS

NR 23 - NORMA REGULAMENTADORA 23 PROTEÇÃO CONTRA INCENDIOS NR 23 - NORMA REGULAMENTADORA 23 PROTEÇÃO CONTRA INCENDIOS 23.1 Disposições gerais. 23.1.1 Todas as empresas deverão possuir: a) proteção contra incêndio; b) saídas suficientes para a rápida retirada do

Leia mais

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 13434 DA ABNT

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 13434 DA ABNT ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA JUNTO A DGST REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 13434 DA ABNT ANÁLISE E VISTORIA DOS SISTEMAS DE SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA Objetivo

Leia mais

NR 23 - Proteção Contra Incêndios (123.000-0) b) saídas suficientes para a rápida retirada do pessoal em serviço, em caso de incêndio;

NR 23 - Proteção Contra Incêndios (123.000-0) b) saídas suficientes para a rápida retirada do pessoal em serviço, em caso de incêndio; 3.1 Disposições gerais. 3.1.1 Todas as empresas deverão possuir: NR 3 - Proteção Contra Incêndios (13.000-0) a) proteção contra incêndio; b) saídas suficientes para a rápida retirada do pessoal em serviço,

Leia mais

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas. Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.es/insht/ INTRODUÇÃO Os incêndios e explosões, ainda que representem uma porcentagem

Leia mais

Incêndio: Objetivos de Projeto

Incêndio: Objetivos de Projeto OBJETIVO GERAL Incêndio: Objetivos de Projeto Criar dispositivos capazes de detectar, informar onde iniciou e debelar com presteza um incêndio, evitando danos materiais e perdas de vidas. NORMAS QUE DEVEM

Leia mais

Sistema de proteção por extintores de incêndio

Sistema de proteção por extintores de incêndio Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 021 Sistema de proteção por extintores de incêndio CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão:01 Norma de Procedimento Técnico 5 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº.

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. 35/2011 Túnel rodoviário SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências

Leia mais

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE COMBATE A INCÊNDIO

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE COMBATE A INCÊNDIO SENHORES MANCEBOS, A PROVA REGIMENTAL REFERENTE AO SEGUNDO BIMESTRE DE 2014 TERÁ COMO CONTEÚDO OS TÓPICOS ABORDADOS NAS AULAS E O SEGUINTE COMPLEMENTO TEÓRICO: Definições: INSTALAÇÕES PREDIAIS DE COMBATE

Leia mais

Sistema de Proteção por Extintores de Incêndio

Sistema de Proteção por Extintores de Incêndio SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas 4 Definições 5 Procedimentos Instrução

Leia mais

Projeto de revisão NBR 13434 Parte 2 Sinalização de segurança contra incêndio e pânico Parte 2: Símbolos e suas formas, dimensões e cores.

Projeto de revisão NBR 13434 Parte 2 Sinalização de segurança contra incêndio e pânico Parte 2: Símbolos e suas formas, dimensões e cores. ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas OUT:2001 Projeto de revisão NBR 13434 Parte 2 Sinalização de segurança contra incêndio e pânico Parte 2: Símbolos e suas formas, dimensões e cores. Sede: Rio

Leia mais

NBR 12693 Sistemas de proteção por extintores de incêndio

NBR 12693 Sistemas de proteção por extintores de incêndio ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas Licença de uso exclusivo para Petrobrás S/A FEV 1993 NBR 12693 Sistemas de proteção por extintores de incêndio Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13-28º

Leia mais

NR 23 - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS

NR 23 - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS NR 3 - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS 3. Disposições gerais. 3.. Todas as empresas deverão possuir: a) proteção contra incêndio; b) saídas suficientes para a rápida retirada do pessoal em serviço, em caso de

Leia mais

Memorial de Projeto. Banco de Brasília - BRB Ag. Hospital Regional de Paranoá Novas Instalações. Prevenção e Combate à Incêndio

Memorial de Projeto. Banco de Brasília - BRB Ag. Hospital Regional de Paranoá Novas Instalações. Prevenção e Combate à Incêndio Pág. 1 Memorial de Projeto Prevenção e Combate à Incêndio Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB Ag. Hospital Regional de Paranoá Novas Instalações Código do Projeto: 1089/11 Pág. 2 Índice

Leia mais

IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS

IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS IT - 35 CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS SUMÁRIO 1 - Objetivo 7 Exposição ao risco de incêndio 2 - Referências normativas 8 Risco de incêndio 3 Símbolos 9 - Fatores de segurança 4 - Considerações

Leia mais

IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS

IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS SUMÁRIO 1 - Objetivo 7 - Exposição ao risco de incêndio 2 - Referências normativas 8 - Risco de incêndio 3 - Símbolos 9 - Fatores de segurança

Leia mais

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 5

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 5 MÓDULO 5 1 PREVENÇÃO A INCÊNDIO 2 QUÍMICA DO FOGO 3 CLASSES DE INCÊNDIO 4 EXTINTORES PORTÁTEIS 5 PLANO DE EMERGÊNCIA PREVENÇÃO A INCÊNDIO Na PETROBRAS DISTRIBUIDORA S.A., só será permitido fumar em locais

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único Curso Técnico Segurança do Trabalho Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único Meios de Fuga As rotas de fuga devem atender, entre outras, às seguintes condições básicas: Número de saídas O número

Leia mais

Unidade: Instalações prediais de proteção contra incêndio e de gás

Unidade: Instalações prediais de proteção contra incêndio e de gás Unidade: Instalações prediais de proteção contra incêndio e de gás Nesta Unidade da Disciplina tentaremos compreender a questão da problemática envolvida nos tratos dos assuntos atinentes a prevenção e

Leia mais

Extintores de Incêndio

Extintores de Incêndio Extintores de Incêndio Sistema de extintores de incêndio conceituação classificação dos extintores classificação dos fogos e riscos seleção do agente extintor condições de projeto critérios para dimensionamento

Leia mais

A SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS NAS EDIFICAÇÕES

A SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS NAS EDIFICAÇÕES A SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS NAS EDIFICAÇÕES 1 OBJETIVOS DO PROJETO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO A proteção da vida humana A proteção do patrimônio A continuidade do processo produtivo 2 O CÍRCULO DE PROTEÇÃO

Leia mais

DECRETO Nº 37.380, DE 28 DE ABRIL DE 1997. *(Com as Alterações Introduzidas pelo Decreto nº 38.273/98, pub. DOE 10.03.98)

DECRETO Nº 37.380, DE 28 DE ABRIL DE 1997. *(Com as Alterações Introduzidas pelo Decreto nº 38.273/98, pub. DOE 10.03.98) 1 de 7 05/02/2013 11:03 DECRETO Nº 37.380, DE 28 DE ABRIL DE 1997. *(Com as Alterações Introduzidas pelo Decreto nº 38.273/98, pub. DOE 10.03.98) Aprova as Normas Técnicas de Prevenção de Incêndios e determina

Leia mais

Prof.Dr. Wyser José Yamakami

Prof.Dr. Wyser José Yamakami Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho - Campus Ilha Solteira-SP SP Prof.Dr. Wyser José Yamakami Introdução a Engenharia de Segurança: Capítulo 8 Prevenção de Incêndios 8.1 - INTRODUÇÃO

Leia mais

Corpo de Bombeiros. São Paulo

Corpo de Bombeiros. São Paulo Corpo de Bombeiros São Paulo EXTINTORES Fogo É uma reação química em cadeia que desprende luz e calor devido à combustão de materiais diversos. Elementos que compõe o fogo Calor Combustível Comburente

Leia mais

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 10898 DA ABNT

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 10898 DA ABNT ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA JUNTO A DGST REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 10898 DA ABNT ANÁLISE E VISTORIA DOS SISTEMAS DE ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA Objetivo

Leia mais

NORMA TÉCNICA Nº 006/2013 CBMPB

NORMA TÉCNICA Nº 006/2013 CBMPB 1 NORMA TÉCNICA Nº 006/2013 CBMPB Sinalização de Segurança e Emergência Contra Incêndio e Pânico Publicada no Diário Oficial nº xx.xxx de xx de fevereiro de 2013. SUMÁRIO 1-Objetivo 2-Aplicação 3-Referências

Leia mais

Proteção e combate a incêndio

Proteção e combate a incêndio Proteção e combate a incêndio Conceito de fogo Fogo é um processo químico de transformação. Podemos também defini-lo como o resultado de uma reação química que desprende luz e calor devido à combustão

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO

NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO ANEXO XI AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO 1. OBJETIVOS Esta Norma Técnica estabelece princípios gerais para: a) o levantamento de riscos

Leia mais

Recomendações de Segurança do Trabalho

Recomendações de Segurança do Trabalho Recomendações de Segurança do Trabalho Localização e Sinalização dos Extintores Recomendações de Segurança do Trabalho Localização e Sinalização dos Extintores: Apresentação As recomendações aqui descritas

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE DEFESA CIVIL Gerência de Segurança Contra Incêndio e Pânico NORMA TÉCNICA n. 16, de 05/03/07 Plano de Intervenção

Leia mais

ANEXO C MEMORIAL DESCRITIVO DO PRÉDIO

ANEXO C MEMORIAL DESCRITIVO DO PRÉDIO ANEXO A Ao Ilmo Sr. Comandante do Corpo de Bombeiros Militar Cidade: SERTÃO - RS Data: 10/03/2014 Encaminhamos a V. S.ª, para ANÁLISE, o Plano de Prevenção e Proteção Contra Incêndio (PPCI). Nome: INSTITUTO

Leia mais

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE DESCONTOS AOS RISCOS QUE DISPUSEREM DE MEIOS PRÓPRIOS DE DETECÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO (ITEM 2 DO ART. 16 DA TSIB.

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE DESCONTOS AOS RISCOS QUE DISPUSEREM DE MEIOS PRÓPRIOS DE DETECÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO (ITEM 2 DO ART. 16 DA TSIB. REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE DESCONTOS AOS RISCOS QUE DISPUSEREM DE MEIOS PRÓPRIOS DE DETECÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO (ITEM 2 DO ART. 16 DA TSIB.) 1. Instalação de Combate a Incêndio por meio de Extintores

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E VIAÇAO ESCRITÓRIO DE PROJETOS E OBRAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E VIAÇAO ESCRITÓRIO DE PROJETOS E OBRAS PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E VIAÇAO ESCRITÓRIO DE PROJETOS E OBRAS Anexo XIII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA INSTALAÇÕES DE PREVENÇÃO DE INCÊNDIO Obra: Edifício

Leia mais

Símbolos Gráficos Para Projeto de Segurança Contra Incêndio

Símbolos Gráficos Para Projeto de Segurança Contra Incêndio Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 004 Símbolos Gráficos Para Projeto de Segurança Contra Incêndio CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 01 Norma de Procedimento Técnico 17 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo

Leia mais

ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS NORMA TÉCNICA Nº 012 - CAT

ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS NORMA TÉCNICA Nº 012 - CAT ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR Considerando o artigo 3º do Decreto nº 2.125-N, de 12 de setembro de 1985, o Corpo de Bombeiros Militar, através do Centro de Atividades Técnicas, resolve

Leia mais

NPT 029 COMERCIALIZAÇÃO, DISTRIBUIÇÃO E UTILIZAÇÃO DE GÁS NATURAL

NPT 029 COMERCIALIZAÇÃO, DISTRIBUIÇÃO E UTILIZAÇÃO DE GÁS NATURAL Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 029 Comercialização, distribuição e utilização de gás natural CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 01 Norma de Procedimento Técnico 5 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2

Leia mais

2.2 A Administração do Condomínio dá ênfase às medidas preventivas, assim entendidas as seguintes:

2.2 A Administração do Condomínio dá ênfase às medidas preventivas, assim entendidas as seguintes: Fl. 01 de 06 1 Objetivo A presente Regulamentação Especial visa normalizar os procedimentos para o pessoal incumbido de prevenir ou combater um princípio de incêndio e de atuar em situações de emergência,

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 25

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 25 ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 25 Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis Parte 3

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 04/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 04/2011 Instrução Técnica nº 04/2011 - Símbolos gráficos para projeto de segurança contra incêndio 149 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros

Leia mais

PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS: aplicação da NR 23 em bibliotecas universitárias setoriais.

PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS: aplicação da NR 23 em bibliotecas universitárias setoriais. TRABALHO ORAL IMPACTO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NA GESTÃO DA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA Ambiente físico de Bibliotecas face às mudanças decorrentes do impacto das tecnologias PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS:

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 022/DAT/CBMSC) INSTALAÇÕES PARA REABASTECIMENTO DE COMBUSTÍVEL DE USO PRIVATIVO

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 022/DAT/CBMSC) INSTALAÇÕES PARA REABASTECIMENTO DE COMBUSTÍVEL DE USO PRIVATIVO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 022/DAT/CBMSC)

Leia mais

PPCI (PLANO DE PROTEÇÃO DE COMBATE A INCÊNDIO) PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DO CAÍ

PPCI (PLANO DE PROTEÇÃO DE COMBATE A INCÊNDIO) PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DO CAÍ PPCI (PLANO DE PROTEÇÃO DE COMBATE A INCÊNDIO) PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DO CAÍ End.: Rua Mal. Floriano Peixoto, 426 Bairro: Centro São Sebastião do Caí RS Ocupação: Ginásio Poliu Esportivo

Leia mais

NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNCIO

NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNCIO NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNCIO DADOS DA INSPEÇÃO Órgão Responsável pelo Estabelecimento Endereço CNAE Inspetor (es) Estabelecimento Contato Numero de Servidores Referências técnicas (Além desta NR) Acompanhante

Leia mais

Aprova Alterações na Norma Técnica nº 005/2000-CBMDF, sobre a Central Predial de Gás Liqüefeito de Petróleo do Distrito Federal, que especificam.

Aprova Alterações na Norma Técnica nº 005/2000-CBMDF, sobre a Central Predial de Gás Liqüefeito de Petróleo do Distrito Federal, que especificam. DODF Nº 237 de 14 de dezembro de 2000. CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 68/2002-CBMDF, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2002 Aprova Alterações na Norma Técnica nº 005/2000-CBMDF, sobre a

Leia mais

Para aprendermos a combater o fogo, precisamos conhecê-lo muito bem. Fogo - É uma reação em cadeia de três elementos que produz luz e calor.

Para aprendermos a combater o fogo, precisamos conhecê-lo muito bem. Fogo - É uma reação em cadeia de três elementos que produz luz e calor. COMBATE A INCÊNDIO 116 1 Combate a incêndio Para aprendermos a combater o fogo, precisamos conhecê-lo muito bem. Fogo - É uma reação em cadeia de três elementos que produz luz e calor. Os três elementos

Leia mais

sinalização de prevenção e combate a incêndio www.wnbh.com.br

sinalização de prevenção e combate a incêndio www.wnbh.com.br sinalização de prevenção e combate a incêndio www.wnbh.com.br índice Sinalização de alerta e proibição...04 Sinalização de orientação e salvamento...05 Sinalização de equipamentos e combate a incêndio...06

Leia mais

Proprietário Página 1 de 6

Proprietário Página 1 de 6 MEMORIAL DESCRITIVO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO ACOPIARA PREFEITURA MUNICIPAL DE ACOPIARA(CE) DATA 10/11/2011 MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO DE CÁLCULO DO PROJETO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DO SISTEMA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO

MEMORIAL DESCRITIVO DO SISTEMA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO MEMORIAL DESCRITIVO DO SISTEMA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO I - IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO 1.1. OBRA: Regularização e Ampliação de um Complexo Esportivo. 1.2. ENDEREÇO: Conjunto Manuel Julião, Rio

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II ÁGUA QUENTE 1 UTILIZAÇÃO Banho Especiais Cozinha Lavanderia INSTALAÇÕES

Leia mais

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ÁREA DE ABASTECIMENTO E ARMAZENAMENTO DE COMBUSTÍVEL 6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ambiente e seu manuseio e armazenagem também apresentam considerável grau

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE VISTORIAS

ORIENTAÇÕES SOBRE VISTORIAS Regulamentação: ORIENTAÇÕES SOBRE VISTORIAS Em Cascavel a vistoria do Corpo de Bombeiros foi regulamentada, pelo convênio entre a Prefeitura Municipal de Cascavel e o Corpo de Bombeiros, através da Lei

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 20/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 20/2011 Instrução Técnica nº 20/2011 - Sinalização de emergência 457 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 20/2011

Leia mais

Código Símbolo Significado Forma e cor Aplicação. Cuidado, risco de incêndio. Cuidado, risco de explosão. Cuidado, risco de corrosão

Código Símbolo Significado Forma e cor Aplicação. Cuidado, risco de incêndio. Cuidado, risco de explosão. Cuidado, risco de corrosão I - Símbolos da sinalização básica ANEXO B SIMBOLOGIA PARA A SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA Os símbolos adotados por esta norma para sinalização de emergência são apresentados a seguir, acompanhados de exemplos

Leia mais

Instalações Prediais. Manutenção

Instalações Prediais. Manutenção Instalações Prediais Manutenção Legislação Leis nº 10.199/86 e 8382/76 Certificado de manutenção dos sistemas de segurança contra incêndio Lei nº 13.214, de 22 de novembro de 2001. Obrigatoriedade de instalação

Leia mais

ENDEREÇO: Estrada de Itapecerica Nº 2.100.

ENDEREÇO: Estrada de Itapecerica Nº 2.100. PARECER TÉCNICO DAS ANOMALIAS ENCONTRADAS NA EDIFICAÇÃO DE GARANTIA POR PARTE DA CONSTRUTORA. 1ªPARTE TORRES 1 a 3. CONDOMÍNIO: Brink Condomínio Clube. ENDEREÇO: Estrada de Itapecerica Nº 2.100. CIDADE/UF:

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS SOBRE CONFECÇÃO E LOCALIZAÇÃO DAS PLANTAS DE EMERGÊNCIA

ORIENTAÇÕES GERAIS SOBRE CONFECÇÃO E LOCALIZAÇÃO DAS PLANTAS DE EMERGÊNCIA PLANTA DE EMERGÊNCIA ORIENTAÇÕES GERAIS SOBRE CONFECÇÃO E LOCALIZAÇÃO DAS PLANTAS DE EMERGÊNCIA QUAIS EDIFICAÇÕES OU ÁREAS DE RISCO DEVERÃO APRESENTAR AS PLANTAS DE SEGURANÇA? RESOLUÇÃO Nº 097, DE 04 DE

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC) SINALIZAÇÃO PARA ABANDONO DE LOCAL

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC) SINALIZAÇÃO PARA ABANDONO DE LOCAL ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC)

Leia mais

NORMA TÉCNICA 32/2014 Produtos Perigosos em Edificações de Armazenamento e Manejo

NORMA TÉCNICA 32/2014 Produtos Perigosos em Edificações de Armazenamento e Manejo ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA 32/2014 Produtos Perigosos em Edificações de Armazenamento e Manejo SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 20/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 20/2011 Instrução Técnica nº 20/2011 - Sinalização de emergência 457 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 20/2011

Leia mais

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho DISCIPLINA PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO E EXPLOSÕES II ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PREVENÇÃO,

Leia mais

Instrução Técnica nº 43/2011 - Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes 779

Instrução Técnica nº 43/2011 - Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes 779 Instrução Técnica nº 43/2011 - Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes 779 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO

Leia mais

NORMA TÉCNICA 20/2014

NORMA TÉCNICA 20/2014 É ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA 20/2014 Sinalização de Emergência SUMÁRIO 1. Objetivo 2. Aplicação 3. Referências 4. Definições 5. Procedimentos

Leia mais

PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO

PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO DEFINIÇÃO DO FOGO O FOGO É UMA REAÇÃO QUIMICA QUE LIBERA LUZ E CALOR. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO 193 QUAL É O NUMERO DO CORPO DE BOMBEIROS?

Leia mais

NPT 033 COBERTURA DE SAPÉ, PIAÇAVA E SIMILARES

NPT 033 COBERTURA DE SAPÉ, PIAÇAVA E SIMILARES Janeiro 2012 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 033 Cobertura de sapé, piaçava e similares CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 02 Norma de Procedimento Técnico 5 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências

Leia mais

NPT 020 SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA

NPT 020 SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA Outubro 2014 Vigência: 08 outubro 2014 NPT 020 Sinalização de Emergência CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 03 Norma de Procedimento Técnico 38 páginas SUMÁRIO 1 2 3 4 5 6 Objetivo Aplicação Referências Normativas

Leia mais

PROJETOS DE ACORDO COM A LEGISLAÇÃO DO CORPO DE BOMBEIROS

PROJETOS DE ACORDO COM A LEGISLAÇÃO DO CORPO DE BOMBEIROS PROJETOS DE ACORDO COM A LEGISLAÇÃO DO CORPO DE BOMBEIROS Adilson Antonio da Silva Tenente- Coronel do Corpo de Bombeiros Departamento de Prevenção ccbdsci@policiamilitar.sp.gov.br O CORPO DE BOMBEIROS

Leia mais

Prevenção e Combate a Incêndios

Prevenção e Combate a Incêndios Prevenção e Combate a Incêndios Fogo É uma forma de combustão Combustão É uma forma de oxidação Incêndio É um acidente provocado pelo fogo Analogias Geométricas do Fogo Triângulo do Fogo Tetraedro do Fogo

Leia mais

IT - 18 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS

IT - 18 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS IT - 18 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS SUMÁRIO ANEXO 1 Objetivo A - Hidrantes de recalque do sistema de chuveiros automáticos 2 Aplicação B Sinalização dos Hidrantes de Recalque do Sistema de chuveiros

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL

ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL Resolução nº 002 de 09 de maio de 2011. O Comandante Geral do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Maranhão, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 23/2015

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 23/2015 Instrução Técnica nº 23/2011 - Sistemas de chuveiros automáticos 513 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº

Leia mais

IT - 15 SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA

IT - 15 SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA IT - 15 SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA SUMÁRIO ANEXOS 1 Objetivo A - Formas geométricas e dimensões para a sinalização de emergência 2 Aplicação B - Simbologia para sinalização de emergência 3 Referências Normativas

Leia mais

Prevenção de Incêndios (Novo CSCIP) Aula 1 - Introdução

Prevenção de Incêndios (Novo CSCIP) Aula 1 - Introdução Comando do Corpo de Bombeiros Prevenção de Incêndios (Novo CSCIP) Aula 1 - Introdução Cap. QOBM Amarildo Prevenção de Incêndios Introdução SUMÁRIO História e evolução da prevenção Código de Prevenção Conceitos

Leia mais

NR-26 SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA. ELABORADO POR BRUNO MARTINS BUZON Formando em Téc. Seg. do trabalho /3º Sem.

NR-26 SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA. ELABORADO POR BRUNO MARTINS BUZON Formando em Téc. Seg. do trabalho /3º Sem. NR-26 SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA ELABORADO POR BRUNO MARTINS BUZON Formando em Téc. Seg. do trabalho /3º Sem. NR-26 SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA 26.1.1 Esta Norma Regulamentadora NR tem por objetivo fixar as

Leia mais

Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno

Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno PPRA MANUAL PRÁTICO PARA ELABORAÇÃO FORMULÁRIO PARA RECONHECIMENTO DOS RISCOS AMBIENTAIS Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno RECONHECIMENTO DOS RISCOS AMBIENTAIS Esse Formulário deve ser aplicado

Leia mais

IT - 32 SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS

IT - 32 SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS IT - 32 SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS SUMÁRIO ANEXO 1 Objetivo - Figuras, separações e afastamentos entre equipamentos e edificações. 2 Aplicação 3 Referências normativas e bibliográficas 4 Definições 5 Procedimentos

Leia mais

Procedimentos administrativos Parte 5 Plano de Segurança Simplificado

Procedimentos administrativos Parte 5 Plano de Segurança Simplificado Março 2015 Vigência: 15 de março de 2015 NPT 001. Procedimentos administrativos Parte 5 Plano de Segurança Simplificado CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 02 Norma de Procedimento Técnico 6 páginas SUMÁRIO

Leia mais

Art. 1 Aprovar e colocar em vigor a NORMA TÉCNICA N 03/2015-CBMDF, na forma do anexo a presente Portaria.

Art. 1 Aprovar e colocar em vigor a NORMA TÉCNICA N 03/2015-CBMDF, na forma do anexo a presente Portaria. Sistema Integrado de Normas Jurídicas do Distrito Federal SINJ-DF PORTARIA N 09, DE 20 DE MARÇO DE 2015. Aprova a Norma Técnica N 03/2015- CBMDF - Sistema de Proteção por Extintores de Incêndio. O COMANDANTE-GERAL

Leia mais

Cobertura de Sapé, Piaçava e Similares

Cobertura de Sapé, Piaçava e Similares SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 33/2004 Cobertura de Sapé, Piaçava e Similares SUMÁRIO ANEXO 1 Objetivo

Leia mais

Segurança em edificações existentes construídas há mais de 15 anos. Eng. Valdemir Romero

Segurança em edificações existentes construídas há mais de 15 anos. Eng. Valdemir Romero Segurança em edificações existentes construídas há mais de 15 anos Eng. Valdemir Romero Agenda Objetivos Ações propostas Justificativas Riscos Agenda Objetivos Ações propostas Justificativas Riscos Segurança

Leia mais

IT - 15 SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA

IT - 15 SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA IT - 15 SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA SUMÁRIO ANEXO 1 Objetivo A - Formas geométricas e dimensões para a sinalização de emergência 2 Aplicação B - Simbologia para sinalização de emergência 3 Referências Normativas

Leia mais

SPAS MANUAL DE PRÉ-INSTALAÇÃO 51- E

SPAS MANUAL DE PRÉ-INSTALAÇÃO 51- E SPAS MANUAL DE PRÉ-INSTALAÇÃO 51- E 2 PARABÉNS!!!! Você adquiriu um SPA Jacuzzi Premium, feito na mais alta exigência de qualidade. Apenas com alguns cuidados, seu SPA pode proporcionar anos de alegria

Leia mais

REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA PROJETO PREVENTIVO CONTRA INCÊNDIO

REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA PROJETO PREVENTIVO CONTRA INCÊNDIO REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO PREVENTIVO CONTRA INCÊNDIO Responsabilidade e Compromisso com o Meio Ambiente 2 110766_MEMPCI_REFORMA_SALA_MOTORISTAS_R00 MEMORIAL DESCRITIVO

Leia mais

Comando do Corpo de Bombeiros. Prevenção de Incêndios (Novo CSCIP) Mód 6 Central e Armazenamento de GLP Asp. Of. BM Ericka Ramos

Comando do Corpo de Bombeiros. Prevenção de Incêndios (Novo CSCIP) Mód 6 Central e Armazenamento de GLP Asp. Of. BM Ericka Ramos Comando do Corpo de Bombeiros Prevenção de Incêndios (Novo CSCIP) Mód 6 Central e Armazenamento de GLP Asp. Of. BM Ericka Ramos Central e Armazenamento de GLP Introdução Central de GLP Conceitos e Aplicações

Leia mais