PORTARIA N SE Nº 10 DE 27 DE FEVEREIRO DE 2008

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PORTARIA N SE Nº 10 DE 27 DE FEVEREIRO DE 2008"

Transcrição

1 PORTARIA N SE Nº 10 DE 27 DE FEVEREIRO DE 2008 Cria o Manual de Utilização de Viaturas da Guarda Municipal do Rio de Janeiro, que estabelece normas e procedimentos sobre a utilização de viaturas da Corporação. O Superintendente-executivo da Guarda Municipal do Rio de Janeiro, no uso de suas atribuições legais, e tendo em vista o que determina a Portaria A/CSIL/CLO nº 10, de 05 de maio de 2004, que define as Normas e Padrões que Regulamentam o Sistema de Transporte Oficial Municipal, conforme Decreto nº (de 15 de maio de 2003), e também a Portaria N SE NR. 030 (de 14 de junho de 2006), RESOLVE: CAPÍTULO I DAS VIATURAS Art. 1º O presente Manual visa estabelecer normas e procedimentos de uso e manutenção para todas as viaturas que compõem a frota da Guarda Municipal do Rio de Janeiro (GM-Rio), incluindo os veículos automotores (automóveis do tipo passeio, motocicletas, caminhonetes, microônibus, ônibus, caminhões, reboques e veículos elétricos), bicicletas e congêneres. Seção I Definição Art. 2º Define-se como viaturas operacionais aquelas caracterizadas, com a logomarca da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro/Guarda Municipal do Rio de Janeiro. Essas viaturas serão utilizadas, exclusivamente, nas atividades operacionais afetas à Diretoria de Operações (DOP), Inspetorias e Grupamentos Especiais. 1

2 Parágrafo único. As viaturas operacionais exibirão pintura e adesivos nas cores padrão, devendo ser observadas as especificações da logomarca da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, definida pela Secretaria Especial de Publicidade, Propaganda e Pesquisa (Seprop), diretamente ligada ao Gabinete do Prefeito. Em caso de reaplicação ou qualquer alteração visual que se fizer necessária nas viaturas operacionais, caberá à Coordenadoria de Transportes (CTR) consultar a Assessoria de Comunicação Social (Ascom) da GM-Rio, setor responsável pela interação com os órgãos que cuidam da imagem da Prefeitura como um todo. Art. 3º Define-se como viaturas administrativas aquelas sem identificação, distribuídas às diversas Diretorias, Chefia de Gabinete e setores que compõem a Assessoria Direta do Superintendente-executivo. Parágrafo único. As viaturas administrativas serão pintadas de acordo com a padronização da Guarda Municipal do Rio de Janeiro, podendo, em alguns casos, levar a logomarca da Prefeitura. Seção II Destinação Art. 4º As viaturas da Guarda Municipal do Rio de Janeiro (tanto as operacionais como as administrativas) se destinam ao uso da GM-Rio, quer seja em atividades de rotina ou em exercícios de instrução, distribuição de efetivos e serviços operacionais. Parágrafo único. Em casos excepcionais, e por determinação do Superintendenteexecutivo, as viaturas da GM-Rio poderão ser destinadas para apoio a outras Secretarias e Órgãos Municipais. Art. 5º As viaturas operacionais se destinam às atividades táticas ou logísticas diretamente ligadas às operações das Inspetorias e Grupamentos Especiais, sendo dotadas de rádio transmissor, giroscópio e outros equipamentos e/ou acessórios que possibilitam a utilização em condições especiais. 2

3 1º Os giroscópios terão predominância de cor, de acordo com as seguintes destinações: I - Emprego nas atividades de trânsito: cor vermelha. II - Emprego nas Inspetorias e Grupamentos Especiais: cor amarela. 2º Somente as viaturas empregadas nas atividades de trânsito terão sirene, cujo acionamento se dará apenas em casos de extrema necessidade. Art. 6º As viaturas administrativas são aquelas utilizadas nas atividades de rotina, no serviço de natureza sigilosa e apoio logístico a exercícios de instrução e operações, transportando material e funcionários a serviço. Seção III Lotação Art. 7º Para fins de controle e manutenção, as viaturas administrativas serão lotadas na Coordenadoria de Transportes (CTR), e distribuídas à Superintendência-executiva (SUE), Diretoria de Recursos Humanos (DRH), Diretoria Administrativa e Financeira (DAF), Diretoria de Desenvolvimento Tecnológico (DDT), Chefia de Gabinete e Assessorias Diretas do Superintendente-executivo, de acordo com a necessidade do serviço. Art. 8º As viaturas operacionais serão lotadas na DOP, a quem caberá sua distribuição às Unidades Operacionais (Inspetorias e Grupamentos Especiais), visando sempre o eficaz cumprimento da atividade fim. Seção IV Controle Art. 9º Caberá à CTR o controle das viaturas da Guarda Municipal do Rio de Janeiro, devendo, para tal, criar procedimentos de acompanhamento da frota, de forma a prestar informações atualizadas, sempre que necessário. 3

4 Seção V Classificação, Registro e Identificação Art. 10. Quanto às características, as viaturas que compõem a frota da Guarda Municipal do Rio de Janeiro são classificadas da seguinte forma: I - Leves: aquelas de menor porte, destinadas às atividades ordinárias e de menor emprego de efetivo, como automóveis tipo passeio, veículos elétricos, motocicletas, bicicletas e congêneres. II - Médias: aquelas de médio porte, empregadas em atividades ordinárias e de maior emprego de efetivo, como caminhonetes do tipo Pick-up e congêneres. III - Pesadas: aquelas de maior porte, empregadas em atividades de apoio logístico e de maior emprego de efetivo, como ônibus, microônibus, caminhões, reboques e congêneres. Art. 11. As viaturas de serviço operacional deverão ser cadastradas no Centro de Controle Operacional (CCO) da Guarda Municipal do Rio de Janeiro, a fim de serem identificadas pelo sistema. Seção VI Licenciamento, Emplacamento e Documentação Art. 12. Todas as viaturas serão licenciadas junto aos órgãos de trânsito e, conforme prescrições do Código de Trânsito Brasileiro (CTB), deverão portar placas oficiais ou placas particulares autorizadas pelo Detran. 1º As viaturas empregadas em atividades de inteligência serão licenciadas e emplacadas como as demais viaturas administrativas, podendo, no entanto, receber placas particulares autorizadas pelo Detran, de forma a atenderem às suas missões, cumprindo legislação específica que regula a concessão e o controle sobre essas placas. 2º Caberá à DAF, através da CTR, detentora do controle das viaturas, informar à DOP, por CI, a alfa numérica das placas, bem como os prefixos (as que tiverem), assim que registradas no órgão de trânsito. 4

5 3º A lotação, transferência ou qualquer mobilização das viaturas operacionais entre as Unidades Operacionais cabem exclusivamente à DOP. 4º Quando da vistoria anual para licenciamento das viaturas ou outra determinação legal que assim exija, a DAF, através da CTR, encaminhará à DOP solicitação para apresentação das viaturas, devendo esta providenciar cronograma de apresentação, de forma a não prejudicar o bom andamento dos serviços afetos àquela Diretoria. Art. 13. Ocorrendo transferência de uma viatura administrativa para a área operacional, a detentora da carga será responsável por encaminhar, juntamente com a viatura, cópia xerográfica e/ou original de toda a documentação de trânsito da mesma, cabendo à CTR informar o novo prefixo ao CCO. Art. 14. Todas as viaturas de serviço deverão portar o Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo (CRLV) em original. Seção VII Manutenção Art. 15. A manutenção de primeiro escalão das viaturas de serviço será de responsabilidade dos condutores. Art. 16. O condutor da viatura (seu responsável direto) deverá verificar, antes de seu deslocamento, os itens referentes à manutenção de primeiro escalão e preencher a Lista de Checagem (check-list). Os itens são: I - Calibragem dos pneus. II - Nível de água e de óleo do motor e do freio. III - Buzina, luz de alerta, setas, faróis e pára-brisa. IV - Equipamentos de segurança (triângulo, macaco, chave de roda, pneu sobressalente, extintor de incêndio). Art. 17. A manutenção de segundo escalão será de competência exclusiva da CTR que, dentro da esfera de suas atribuições, poderá solicitar, sempre que necessário, serviços de oficinas especializadas, bem como adquirir peças de reposição. 5

6 CAPÍTULO II DOS PROCEDIMENTOS DE UTILIZAÇÃO DE VIATURAS LEVES, MÉDIAS E PESADAS Art. 18. Para a correta utilização e emprego das viaturas da GM-Rio. I - Dos Condutores: a) As Inspetorias e os Grupamentos Especiais deverão informar, por CI enviada à DOP e posterior envio à CTR, a relação dos guardas municipais que conduzirão as citadas viaturas; b) O condutor de veículos automotores, quando em serviço, é o responsável absoluto por sua posse, guarda e integridade, e pela fiel observância às Normas de Trânsito contidas no Código de Trânsito Brasileiro; c) Os condutores deverão preencher corretamente o Check-list das viaturas, no início e término de cada serviço diário e também na entrega ou retirada da viatura baixada à manutenção da CTR; d) É terminantemente proibido às Inspetorias e Grupamentos Especiais fazer consertos nas viaturas sob sua responsabilidade, o que caberá somente à CTR. II - Da Identificação dos Condutores: a) A 1ª via da Credencial de Identificação de Condutor de Veículos Oficiais fornecida pela Coordenadoria Logística (CLO), assim como sua renovação, deverá ser solicitada pela Inspetoria e/ou Grupamento Especial; b) A Credencial de Identificação de Condutor de Veículos Oficiais fornecida pela Coordenadoria Logística (CLO) será cancelada ou suspensa por motivo de rasura, adulteração ou por solicitação das Inspetorias e/ou Grupamentos Especiais, o que deverá ser feito formalmente através de CI enviada à CTR e à DOP. III - Dos Veículos: 1º Objetivando o correto funcionamento e utilização das viaturas, fica proibido: a) Basear, parquear e estacionar deixando a chave na ignição e os vidros abertos; b) Ultrapassar o limite de carga e lotação estabelecido para cada viatura; c) Imprimir velocidade incompatível com a viatura e condições do solo. 2º Deverá o condutor observar atentamente: 6

7 a) Em casos de chuvas torrenciais, procurar basear os veículos em locais seguros; b) A calibragem dos pneus deverá ser feita regularmente, obedecendo a necessidade de cada viatura; c) Os pneus furados serão reparados, exclusivamente, pela CTR; d) Quanto aos veículos elétricos, só deverão rodar com pneus sobressalentes (amarelo) durante o período de conserto do pneu furado que, após reparado, deverá ser recolocado imediatamente no veículo. 3º Caberá às Inspetorias e Grupamentos Especiais: a) Enviar quinzenalmente à CTR os Boletins Diários de Transportes (BDT s), preenchidos com letra legível e sem rasura; b) Enviar mensalmente à CTR o Controle de Utilização de Viaturas por disquete; c) Todas as viaturas da GM-Rio (exceto bicicletas e veículos elétricos) só poderão circular com o uso do Boletim Diário de Transporte (BDT); d) É dever administrativo do G4 de cada Unidade Operacional a fiel observância da quilometragem indicada para troca de óleo do motor, afixada no vidro dianteiro, à esquerda do condutor; e) Quanto às viaturas administrativas, tais providências ficarão a cargo da CTR. CAPÍTULO III DOS PROCEDIMENTOS DE UTILIZAÇÃO DE MOTOCICLETAS Art. 19. Objetivando o correto funcionamento das motocicletas, é obrigatório ao seu condutor: a) O uso do uniforme e capacete, bem como todos os demais equipamentos de segurança, inclusive a antena contra linhas de pipa; b) A manutenção de primeiro escalão (verificação do nível de óleo, nível da água e sistema elétrico); c) Preencher o Check-list; d) Realizar a calibragem dos pneus semanalmente, ou sempre que necessário, conforme orientações específicas de cada modelo. 7

8 Art. 20. A manutenção de segundo escalão será de competência exclusiva da CTR que, dentro da esfera de suas atribuições, poderá solicitar, sempre que necessário, serviços de oficinas especializadas, bem como adquirir peças de reposição. Parágrafo único. Fica proibido ao condutor: a) Transportar pessoas na garupa; b) Subir no meio-fio, degraus e outros obstáculos; c) Fazer manobras desnecessárias ao seu uso, como cavalo-de-pau e empinar; d) Sentar com o descanso arriado. CAPÍTULO IV DOS PROCEDIMENTOS DE UTILIZAÇÃO DE VEÍCULOS ELÉTRICOS Art. 21. Objetivando o correto funcionamento dos veículos elétricos: a) Somente poderão conduzir veículos elétricos os motoristas que tenham CNH (Carteira Nacional de Habilitação), Credencial de Identificação de Condutor de Veículo Elétrico fornecida pela CTR da GM-Rio e Credencial de Identificação de Condutor de Veículos Oficiais, expedida pela Coordenadoria Geral do Sistema de Infra-estrutura e Logística, da Secretaria Municipal de Administração (A/CSIL/CLO); b) Às Inspetorias e Grupamentos Especiais caberá indicar, por CI enviada à DOP, com posterior envio à CTR, a relação dos guardas municipais que conduzirão os veículos elétricos; c) É proibido fumar no veículo elétrico, bem como próximo ao local de recarga dos referidos veículos, evitando qualquer espécie de fogo ou faísca; d) O condutor de veículos elétricos, quando em serviço, será o responsável absoluto por sua posse, guarda e integridade; e) O uso do veículo elétrico é exclusivo de guardas municipais em serviço, sendo vedado o transporte de pessoas estranhas ao serviço, salvo em caso de extrema necessidade, devidamente comprovada; f) Os condutores deverão preencher o Check-list dos veículos elétricos, no início e término de cada serviço diário, e também na entrega ou retirada do veículo pela CTR ou pela empresa contratada para a manutenção dos mesmos. 8

9 1º Da Identificação: a) A Credencial de Identificação de Condutor de Veículo Elétrico será expedida pela CTR, em caráter intransferível e com validade de acordo com a CNH; b) A Credencial de Identificação de Condutor de Veículo Elétrico é uma extensão da CNH na parte documental, cabendo ao guarda municipal atualizar a autorização no prazo previamente estabelecido; c) A 1ª via da Credencial deverá ser solicitada pela Inspetoria e/ou Grupamento Especial; d) Os guardas municipais serão previamente instruídos pela CTR sobre o correto funcionamento e utilização do veículo elétrico, cabendo aos respectivos setores apresentá-los a mesma; e) A Credencial de Identificação de Condutor de Veículo Elétrico será cancelada por motivo de rasura ou a pedido do inspetor das Unidades Operacionais que tenham veículos elétricos a si distribuídos, o que deverá ser feito por CI enviada à CTR; f) À DAF, através da CTR, juntamente com a DOP, compete a suspensão, cancelamento e outros procedimentos inerentes à Credencial de Identificação de Condutor de Veículo Elétrico, com prévio aviso e comunicação. 2º Objetivando manter sempre os veículos elétricos em bom estado de uso e conservação, fica proibido: a) Sua exposição em ambiente e/ou situações que os coloquem em risco; b) Basear, parquear e estacionar com a chave na ignição; c) Ultrapassar o limite de carga em operação, sendo o peso máximo de 360kg (aproximadamente quatro ocupantes); d) Pernoitar em local que não ofereça a segurança necessária ao veículo; e) Descansar os pés no painel ou no pedal de freio; f) Apoiar as costas na parte de trás do toldo; g) Subir em calçadas, degraus ou passar sobre pedras, galhos e terrenos acidentados que venham a colocar em risco a segurança dos pneus; h) Alterar a posição da chave reversora (manípulo) do seletor de marcha à frente/marcha à ré, enquanto o veículo estiver em movimento. 3º O condutor deverá observar atentamente: 9

10 a) Tempo de autonomia (de 8h a 10h); b) Tempo de recarga da bateria (8h); c) Durante o ato de recarga, nunca segurar o cabo pelo fio, sempre utilizando a tomada; d) Em caso de chuva torrencial e/ou incidência de relâmpagos, evitar a utilização dos veículos elétricos; e) A calibragem dos pneus deverá ser observada diariamente, e mantida conforme a especificação do modelo. 4º Em caso de necessidade de baixa de qualquer veículo elétrico, o mesmo deverá ser apresentado à CTR, por CI. a) Cabe exclusivamente à CTR reparar pneus furados; b) Os veículos elétricos só deverão rodar com pneu sobressalente (amarelo) durante o período de conserto do pneu furado que, imediatamente após consertado, deverá ser recolocado; c) Após o serviço diário, deverá ser providenciada a limpeza do veículo elétrico, observando-se sempre que a chave reversora e o carregador não podem ser molhados, em hipótese alguma; d) Carregadores e baterias não podem ficar posicionados no chão, evitando com isso a exposição ao lixo em seu redor e o acúmulo de água, devendo estes permanecerem em local coberto e sem umidade. Parágrafo único. Toda e qualquer ocorrência relacionada a veículos elétricos deverá ser comunicada à CTR por CI. CAPÍTULO V DOS PROCEDIMENTOS DE UTILIZAÇÃO DE BICICLETAS Art. 22. Objetivando o correto funcionamento das bicicletas: I - É obrigatório: a) O uso do uniforme e equipamento de segurança (capacete); b) Proceder semanalmente a manutenção da corrente com óleo lubrificante; 10

11 c) Realizar a calibragem dos pneus semanalmente, ou sempre que necessário, conforme orientações específicas de cada modelo; d) Preencher o impresso Check-list. II - É proibido: a) Sentar no quadro e empurrar a bicicleta para trás, quando o descanso estiver arriado; b) Subir no meio-fio, calçada, escada e outros obstáculos; c) Fazer manobras desnecessárias ao seu uso, como cavalo-de-pau e empinar; d) Fazer consertos sem a autorização da CTR. CAPÍTULO VI LIVRO DE REGISTRO DE VIATURA Art. 23. Para cada viatura da GM-Rio será destinado um Livro de Registro, no qual deverá constar sua completa identificação contendo marca, tipo, modelo, ano de fabricação, número de chassi, número da placa e, se houver, o número de seu prefixo. Art. 24. Este Livro disporá de espaço para o controle e registro de lavagem e lubrificação da viatura, data do vencimento e pagamento de seguro e IPVA, troca de pneus, além de outras alterações ocorridas com a mesma. 1º A confecção e distribuição do Livro de Registro deverão ser providenciadas pela CTR. 2º O preenchimento e constante atualização do Livro de Registro serão de competência de cada unidade de lotação de cada viatura. CAPÍTULO VII SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE VIATURAS Art. 25. Para fins de controle, este Manual prevê normas e procedimentos também para o sistema de abastecimento de viaturas. I - A utilização do Cartão de Abastecimento destina-se à reposição de combustível (gasolina, óleo diesel, álcool e gás natural veicular). 11

12 II - É obrigatório ao condutor verificar o saldo disponível no cartão da viatura antes do abastecimento, sendo de responsabilidade exclusiva do condutor e do G4 a insuficiência de saldo que, porventura, aparecer. III - O abastecimento de cada viatura só poderá ser feito com o cartão da mesma, ficando expressamente proibida a utilização de um cartão de outra viatura para o abastecimento, sendo este controle responsabilidade do condutor e do G4. IV - No abastecimento, o condutor só poderá utilizar seu próprio cartão (nominal e intransferível), para que seu nome seja registrado no comprovante impresso. V - O condutor deverá conferir o saldo creditado no cartão a cada nova recarga (no dia 02 de cada mês), sempre atento à cota, já que o crédito não é cumulativo. VI - Os créditos só poderão ser remanejados de uma viatura para outra caso a mesma permaneça baixada na CTR por mais de oito dias, e somente com autorização do Coordenador de Transportes. VII - O G4 de cada Unidade Operacional (Inspetorias e Grupamentos Especiais) deverá ter em seu poder a relação atualizada de todos os postos da rede credenciada para abastecimento com cartão. A referida relação deve ser fornecida pela CTR. VIII - A cada abastecimento, é muito importante que sejam observados procedimentos como: a) O condutor deve ter cuidado ao se dirigir ao frentista, sempre solicitando o saldo existente no cartão, jamais a retirada do saldo do cartão, prática que implica em zerar o crédito do cartão, erro de inteira responsabilidade do condutor; b) O saldo do cartão deve ser sempre checado, para que o valor do abastecimento nunca ultrapasse a cota disponível, pois o valor que, porventura, exceder o saldo existente será de inteira responsabilidade do condutor; c) No caso de gasolina, álcool e/ou óleo diesel, será preciso completar o tanque em todo abastecimento, ou quando o marcador apontar 1/4 de combustível, salvo se o saldo do cartão assim não o permitir; d) No caso de gás natural veicular, será preciso completar o cilindro quando o marcador apontar 1 led. 12

13 IX - O condutor deverá acompanhar rigorosamente junto ao frentista a digitação correta de todos os dados referentes ao abastecimento (quilometragem apontada no hodômetro, ignorando a unidade metros, litragem e valor), pois qualquer erro detectado no sistema será de sua responsabilidade. X - Caberá ao G4 de cada Unidade Operacional planejar e controlar diariamente a cota (saldo) de cada viatura, uma vez que não será concedido crédito extra, exceto por determinação superior, mediante apresentação obrigatória de CI ou Ofício (no caso de órgão externo à GM-Rio). XI - O abastecimento em viaturas bi-combustível (gasolina/gás ou gasolina/álcool) no mesmo dia só será permitido em caso de extrema necessidade comprovada, cabendo ao G4 da Unidade estabelecer o critério de abastecimento. XII - Evitar abastecer nos dois dias que antecedam o dia da renovação (o limite é o dia 28 de cada mês), pois poderá ocorrer o débito referente ao abastecimento na cota do mês seguinte. XIII - É proibido o abastecimento quando o hodômetro estiver inoperante (salvo com autorização superior), e a viatura deverá ser imediatamente baixada à CTR para o devido reparo, o que será de responsabilidade do condutor e do G4. XIV - Fica proibida qualquer outra forma de pagamento (dinheiro, cartão de crédito, débito, cheque etc.) nos abastecimentos das viaturas administrativas e operacionais. A GM-Rio não fará ressarcimento de gastos com combustíveis que, porventura, forem efetuados por meios próprios. XV - É proibido o abastecimento no período de 0:00h às 5:00h, o que só poderá ocorrer em caráter excepcional, devidamente comprovado. XVI - Por medida de segurança, fica proibido exibir as senhas nos Cartões de Abastecimento e de Usuário. XVII - Qualquer irregularidade referente aos itens acima relacionados deverá ser imediatamente informada à CTR, por CI ou Ofício (para órgão externo à GM-Rio), o que será de inteira responsabilidade do G4 de cada Unidade. 13

14 CAPÍTULO VIII PRESCRIÇÕES DIVERSAS Art. 26. É proibida a utilização das viaturas em quaisquer atividades fora do serviço. Art. 27. As viaturas administrativas poderão ser conduzidas por empregados em cargo de confiança, agentes de transportes e guardas municipais, todos devidamente credenciados. Quanto às viaturas operacionais, estas serão conduzidas, exclusivamente, por guardas municipais, devidamente uniformizados e com a Carteira Nacional de Habilitação e a Credencial de Identificação de Condutor de Veículos Oficiais expedida pela Coordenadoria Logística (CLO), todas atualizadas. Art. 28. Serão responsáveis pelo pagamento das multas decorrentes das infrações de trânsito os condutores dos veículos, quando provada a sua responsabilidade. 1º Quando não comprovada a responsabilidade pelo cometimento da infração, caberá à GM-Rio o pagamento da(s) multa(s). 2º Caberá à CTR identificar o motorista responsável pela infração de trânsito. Essa identificação será comunicada aos infratores, que deverá assinar o Termo de Responsabilidade. Art. 29. A utilização de viaturas da GM-Rio está restrita, a princípio, ao Município do Rio de Janeiro. Para trafegar fora do Município, é necessária a autorização da Coordenadoria Logística (CLO), que deve ser solicitada com antecedência mínima de 48 horas, exceto em casos comprovadamente excepcionais. Parágrafo único. Cabe exclusivamente à CTR tais solicitações à Coordenadoria Logística (CLO). Art. 30. Somente o Superintendente-executivo, Diretores e Chefe de Gabinete estão autorizados a utilizar veículos administrativos da empresa no trajeto casa-trabalhocasa, desde que não prejudique o interesse operacional da atividade fim da Guarda Municipal do Rio de Janeiro. Art. 31. A solicitação de viatura para atividades administrativas deverá ser feita ao Gerente Operacional de Transportes da CTR, com antecedência mínima de 24 horas, exceto em casos excepcionais devidamente comprovados. 14

15 Art. 32. Fica proibido o transporte de servidores não uniformizados em viaturas operacionais. Art. 33. Deverá ser rigorosamente obedecida a capacidade de transporte (número de passageiros ou carga) pertinente à cada viatura. Art. 34. Qualquer ocorrência de acidente com viatura deverá ser comunicada imediatamente à CTR e à Chefia Imediata, sendo obrigatória a lavratura do Boletim de Registro de Acidente de Trânsito (BRAT), o que poderá ser feito pela própria GM-Rio ou pela Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro. Art. 35. Os condutores e respectivos usuários das viaturas ficam responsáveis por sua conservação e manutenção da limpeza, tanto na parte externa como no interior da mesma (no seu interior e exterior). Art. 36. Em serviço, o condutor não poderá, em hipótese alguma, se afastar da viatura sem antes providenciar um responsável pela guarda da mesma. Art. 37. O condutor deverá receber (do mesário ou responsável) a chave e o BDT da viatura devidamente assinado, preenchido e com as alterações registradas no verso, ao término de cada serviço. Art. 38. Ao sair ou entrar com a viatura em qualquer uma das unidades da GM-Rio, o condutor deverá informar placa, nome, setor, hodômetro, destino (específico para a saída) e número do BDT ao GM responsável pelo controle da Portaria. Art. 39. Os veículos que, porventura, a GM-Rio venha a locar estarão, igualmente aos veículos oficiais, sujeitos a estas normas, exceto quanto à sua manutenção e documentação junto ao Detran. Art. 40. Encontram-se anexos os seguintes formulários referentes aos controles dos veículos da GM-Rio: Boletim Diário de Transportes (BDT), Controle de Utilização de Viatura (Diário), Controle de Utilização de Viatura (Mensal), Check-list do Veículo, Check-list da Motocicleta, Check-list da Bicicleta, Check-list do Veículo Elétrico. Art. 41. Enfatiza-se o fiel cumprimento da Portaria A/CSIL/CLO nº 10, de 05 de maio de 2004, que define as Normas e Padrões que Regulamentam o Sistema de Transporte Oficial Municipal, conforme Decreto nº (de 15 de maio de 2003), e também a Portaria N SE NR. 30 (de 14 de junho de 2006), não se admitindo o seu desconhecimento. 15

16 Art. 42. Os casos omissos no presente Manual serão avaliados pelo Superintendenteexecutivo, que tomará a decisão que melhor lhe couber. Art. 43. Fica determinado que as Diretorias desta empresa tomarão as devidas providências com vistas ao fiel cumprimento do presente Manual, em suas respectivas esferas de atribuições. Art. 44. Esta Portaria entrará em vigor na data de sua publicação, ficando revogadas todas as Normas em contrário. CARLOS MORAES ANTUNES D.O RIO

17 17

18 18

19 19

20 20

21 21

22 22

23 23

24 24

25 25

26 26

27 27

28 28

29 29

Departamento de Água e Esgoto Sanitário de Juína

Departamento de Água e Esgoto Sanitário de Juína 1) DOS OBJETIVOS: 1.1) Disciplinar e normatizar os procedimentos do Setor de Frotas (Transportes); 1.2) Proteger o Patrimônio Público contra o uso indevido, bem como atender a legislação em vigor e evitar

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA STR SISTEMA DE TRANSPORTES Nº. 001/2015

INSTRUÇÃO NORMATIVA STR SISTEMA DE TRANSPORTES Nº. 001/2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA STR SISTEMA DE TRANSPORTES Nº. 001/2015 DISPÕE SOBRE AS ROTINAS E PROCEDIMENTOS PARA O GERENCIAMENTO E O CONTROLE DO USO DA FROTA DE VEÍCULOS E DOS EQUIPAMENTOS PESADOS DO MUNICÍPIO

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSSUNTOS JURÍDICOS

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSSUNTOS JURÍDICOS DECRETO N o 525, DE 11 DE JULHO DE 2013. Regulamenta a utilização de veículos oficiais pela administração direta e indireta do Município de Palmas. O PREFEITO DE PALMAS, no uso de suas atribuições que

Leia mais

FROTA DE VEÍCULOS DO IFRS CAMPUS PORTO ALEGRE

FROTA DE VEÍCULOS DO IFRS CAMPUS PORTO ALEGRE 11/03/2012 FROTA DE VEÍCULOS DO IFRS CAMPUS PORTO ALEGRE Veículos / Modelo Ano Placas GM MERIVA JOY 2007/2008 IOK2202 NISSAN SENTRA FLEX 2009 IRS4402 GM ZAFIRA ELEGANCE 2010 / 2011 IRS3302 MARCOPOLO Modelo

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS DELIBERAÇÃO Nº 039/2015 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Prefeitura Municipal de Brejetuba

Prefeitura Municipal de Brejetuba INSTRUÇÃO NORMATIVA STR SISTEMA DE TRANSPORTES Nº 001/2015. Versão: 001. Aprovação em: 29/07/2015. Ato de aprovação: Decreto nº 200/2015. DISPÕE SOBRE O GERENCIAMENTO E CONTROLE DO USO DA FROTA E DOS EQUIPAMENTOS,

Leia mais

DECRETO Nº 8.279 DE 27 DE SETEMBRO DE 2007.

DECRETO Nº 8.279 DE 27 DE SETEMBRO DE 2007. DECRETO Nº 8.279 DE 27 DE SETEMBRO DE 2007. Dispõe sobre o uso dos veículos a serviço da Administração Municipal e dá outras providências O PREFEITO MUNICIPAL DO NATAL, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

Prefeitura do Município de Carapicuiba

Prefeitura do Município de Carapicuiba DECRETO Nº 4.337, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2.014. Dispõe sobre as rotinas e procedimentos de gerenciamento, controle e uso da frota de veículos da Administração Direta e Indireta do Município de Carapicuíba.

Leia mais

Estado de Mato Grosso do Sul A Pequena Cativante LEIN 1.195/2001

Estado de Mato Grosso do Sul A Pequena Cativante LEIN 1.195/2001 LEIN 1.195/2001 Institui o Serviço de Transporte Individual de Passageiros em Motocicletas de aluguel (Mototáxi) O Prefeito Municipal de Rio Brilhante, Estado de Mato Grosso do Sul, faz saber que a Câmara

Leia mais

CONSIDERANDO, ainda, a necessidade e conveniência de consolidar todas as regras relativas aos veículos oficiais; CAPÍTULO I. Das Disposições Gerais

CONSIDERANDO, ainda, a necessidade e conveniência de consolidar todas as regras relativas aos veículos oficiais; CAPÍTULO I. Das Disposições Gerais Instrução Normativa DPG nº 02 de 23 de outubro de 2014 Dispõe sobre a gestão operacional e patrimonial da frota de veículos oficiais da Defensoria Pública do Estado do Paraná e dá outras providências.

Leia mais

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE ALAGOAS - DETRAN/AL QUESTÕES SOBRE INFRAÇÃO

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE ALAGOAS - DETRAN/AL QUESTÕES SOBRE INFRAÇÃO O veículo estacionado, afastado da guia da calçada (meio fio) a mais de um metro, faz do seu condutor um infrator cuja punição será: 1 retenção do veículo e multa, infração média. 2 apreensão do veículo

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS Utilização de meios de transporte

NORMA DE PROCEDIMENTOS Utilização de meios de transporte pág.: 1/6 1 Objetivo Estabelecer critérios e procedimentos a serem adotados para a utilização dos meios de transporte na COPASA MG. 2 Referências Para aplicação desta norma, poderá ser necessário consultar:

Leia mais

PORTARIA Nº 15, DE 08 DE MARÇO DE 2007.

PORTARIA Nº 15, DE 08 DE MARÇO DE 2007. PORTARIA Nº 15, DE 08 DE MARÇO DE 2007. Regulamenta o uso dos veículos da frota oficial e estabelece normas gerais sobre as atividades de transporte de usuários da FHDSS-Unesp. O Diretor da Faculdade de

Leia mais

DOS PROCEDIMENTOS QUANTO À OCORRÊNCIA DE SINISTROS COM VEÍCULOS... 6. DO RECEBIMENTO DE BENS DOADOS PELA Receita Federal do Brasil (RFB)...

DOS PROCEDIMENTOS QUANTO À OCORRÊNCIA DE SINISTROS COM VEÍCULOS... 6. DO RECEBIMENTO DE BENS DOADOS PELA Receita Federal do Brasil (RFB)... Manual de Frota 2 SUMÁRIO DO CONTRATO DE MOTORISTAS TERCEIRIZADOS... 3 DAS SOLICITAÇÕES DE VEÍCULOS OFICIAIS... 3 DO ABASTECIMENTO... 4 Do Abastecimento de veículos de outros órgãos... 5 DA MANUTENÇÃO

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE SINOP ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA STR 001/2009

CÂMARA MUNICIPAL DE SINOP ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA STR 001/2009 1 CÂMARA MUNICIPAL DE SINOP ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA STR 001/2009 Versão: 01 Aprovação em: 09/11/2009 Unidade Responsável: Coordenadoria de Administração - CAD STR: Sistema de Transportes

Leia mais

MUNICÍPIO DE GUARANIAÇU Estado do Paraná CNPJ 76.208.818/0001-66

MUNICÍPIO DE GUARANIAÇU Estado do Paraná CNPJ 76.208.818/0001-66 LEI N.º 809/2014 SÚMULA: Disciplina procedimentos de controle da frota e transporte municipal e da outras providências. aprovou, e eu, Prefeito Municipal sanciono a seguinte A Câmara Municipal de Guaraniaçu,,

Leia mais

PRESIDÊNCIA 19/06/2013 RESOLUÇÃO Nº 96/2013

PRESIDÊNCIA 19/06/2013 RESOLUÇÃO Nº 96/2013 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL PRESIDÊNCIA 19/06/2013 RESOLUÇÃO Nº 96/2013 EMENTA: Dispõe sobre o acesso,

Leia mais

Edifício Crespi II Manual do Credenciado

Edifício Crespi II Manual do Credenciado Edifício Crespi II Manual do Credenciado A BrasilPark quer prestar sempre o melhor serviço para seus clientes. Para que isso aconteça, é essencial que você fique atento aos nossos procedimentos de atendimento.

Leia mais

CONSELHO DIRETOR ATO DO CONSELHO DIRETOR RESOLUÇÃO INEA Nº 102 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014.

CONSELHO DIRETOR ATO DO CONSELHO DIRETOR RESOLUÇÃO INEA Nº 102 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014. Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado do Ambiente SEA Instituto Estadual do Ambiente INEA CONSELHO DIRETOR ATO DO CONSELHO DIRETOR RESOLUÇÃO INEA Nº 102 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014. DISPÕE

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 14/98. CONSIDERANDO o art. 105, do Código de Trânsito Brasileiro;

RESOLUÇÃO Nº 14/98. CONSIDERANDO o art. 105, do Código de Trânsito Brasileiro; RESOLUÇÃO Nº 14/98 Estabelece os equipamentos obrigatórios para a frota de veículos em circulação e dá outras providências. O Conselho Nacional de Trânsito CONTRAN, usando da competência que lhe confere

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS PROCESSO Nº 1544/04 - PROJETO DE LEI Nº 187 INTERESSADO: Vereador Edson Antonio Fermiano ASSUNTO: Dispõe sobre os serviços de transporte coletivo escolar e dá outras providências. -0- Senhor Presidente

Leia mais

O GAX (resumo da expressão Gas Max) é solução integrada para gestão de frotas e custos mais avançada do mercado. Num único sistema, de forma prática

O GAX (resumo da expressão Gas Max) é solução integrada para gestão de frotas e custos mais avançada do mercado. Num único sistema, de forma prática O GAX (resumo da expressão Gas Max) é solução integrada para gestão de frotas e custos mais avançada do mercado. Num único sistema, de forma prática e simples, é possível ter acesso a todos os dados históricos

Leia mais

Instrução Normativa 002/2009

Instrução Normativa 002/2009 Instrução Normativa 002/2009 Estabelece normas e procedimentos para a utilização de veículos oficiais do Município de Laranjeiras do Sul. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DO SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DO MUNICÍPIO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MORRINHOS Estado de Goiás PROJETO-DE-LEI Nº 1.527, DE 14 DE AGOSTO 1998.

PREFEITURA MUNICIPAL DE MORRINHOS Estado de Goiás PROJETO-DE-LEI Nº 1.527, DE 14 DE AGOSTO 1998. PROJETO-DE-LEI Nº 1.527, DE 14 DE AGOSTO 1998. Disciplina o serviço de mototáxi no Município de Morrinhos, e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE MORRINHOS, Faço saber que a Câmara Municipal

Leia mais

RIO GRANDE DO SUL CONTROLE INTERNO

RIO GRANDE DO SUL CONTROLE INTERNO 1/17 1 - DOS OBJETIVOS a) Regulamentar procedimentos de controle da frota de veículos leves e pesados da Prefeitura, visando otimizar o uso dos mesmos e reduzir custos de manutenção. 2- DOS ASPECTOS CONCEITUAIS

Leia mais

Gabinete do Prefeito Lei nº 120/2009 de 27 de fevereiro de 2009.

Gabinete do Prefeito Lei nº 120/2009 de 27 de fevereiro de 2009. Lei nº 120/2009 de 27 de fevereiro de 2009. Dispõe sobre a utilização de motocicletas no transporte de passageiros no município de Nortelândia, e dá outras providencias. Faço saber que a Câmara Municipal,

Leia mais

Edifício Joviano de Moraes Manual do Credenciado

Edifício Joviano de Moraes Manual do Credenciado Edifício Joviano de Moraes Manual do Credenciado A BrasilPark quer prestar sempre o melhor serviço para seus clientes. Para que isso aconteça, é essencial que você fique atento aos nossos procedimentos

Leia mais

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE ALAGOAS - DETRAN/AL QUESTÕES SOBRE LEGISLAÇÃO

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE ALAGOAS - DETRAN/AL QUESTÕES SOBRE LEGISLAÇÃO Um dos equipamentos obrigatórios a ser vistoriado na inspeção de segurança veicular é o(a): 1 rádio toca-fitas. 2 farol de milha. 3 pneu para chuva. 4 buzina. Entre vários aspectos a serem observados,

Leia mais

Edifício Itower Manual do Credenciado

Edifício Itower Manual do Credenciado Edifício Itower Manual do Credenciado A BrasilPark quer prestar sempre o melhor serviço para seus clientes. Para que isso aconteça, é essencial que você fique atento aos nossos procedimentos de atendimento.

Leia mais

Estabelecer os critérios e os procedimentos para a disponibilização de veículos para deslocamento de pessoas e materiais no âmbito do PJAC.

Estabelecer os critérios e os procedimentos para a disponibilização de veículos para deslocamento de pessoas e materiais no âmbito do PJAC. Código: MAP-DILOG-006 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaborado por: Gerência de Instalações Aprovado por: Diretoria de Logística 1 OBJETIVO Estabelecer os critérios e os procedimentos para a disponibilização

Leia mais

- Responsabilidades do Motorista -

- Responsabilidades do Motorista - NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA UTILIZAÇÃO DE VEÍCULOS OFICIAIS - Responsabilidades do Motorista - 1. Operar conscientemente o veículo, obedecidas as suas características técnicas, e observando rigorosamente

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 37/2008

RESOLUÇÃO Nº 37/2008 RESOLUÇÃO Nº 37/2008 DISPÕE SOBRE O SETOR DE TRANSPORTES, O SISTEMA DE CONTROLE DE FROTA DOS VEÍCULOS AUTOMOTORES DO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DE ALAGOAS, O SISTEMA DE COTAS MENSAIS DE COMBUSTÍVEIS E

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 10, DE 20 DE OUTUBRO DE 2010

RESOLUÇÃO Nº 10, DE 20 DE OUTUBRO DE 2010 RESOLUÇÃO Nº 10, DE 20 DE OUTUBRO DE 2010 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sessão de 20/10/2010, no uso das atribuições que lhe confere o artigo 19 do Estatuto, consubstanciado

Leia mais

RECOMENDAÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 13 DE JULHO DE 2012.

RECOMENDAÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 13 DE JULHO DE 2012. Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Osório RECOMENDAÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 13 DE JULHO

Leia mais

E&L Controle de Frotas. Perguntas Frequentes

E&L Controle de Frotas. Perguntas Frequentes E&L Controle de Frotas Perguntas Frequentes 1. Quando ocorre a integração com o patrimônio e no cadastro de veículos na aba patrimônio o veículo não aparece, qual o procedimento a ser feito para que o

Leia mais

Edifício New England Manual do Credenciado

Edifício New England Manual do Credenciado Edifício New England Manual do Credenciado A BrasilPark quer prestar sempre o melhor serviço para seus clientes. Para que isso aconteça, é essencial que você fique atento aos nossos procedimentos de atendimento.

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO (Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial de 16/09/2010) PORTARIA SEGER N.º 52-R, DE 13 DE SETEMBRO DE 2010. Estabelece normas e procedimentos sobre a administração de veículos no Poder Executivo

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 008, DE 27 JUNHO DE 2007. R E S O L V E

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 008, DE 27 JUNHO DE 2007. R E S O L V E INSTRUÇÃO NORMATIVA N 008, DE 27 JUNHO DE 2007. Recomenda a observação da norma constante no Anexo I. O Sistema de Controle Interno do Município de Lucas do Rio Verde, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

Edifício Centro Empresarial Morumbi Manual do Credenciado

Edifício Centro Empresarial Morumbi Manual do Credenciado Edifício Centro Empresarial Morumbi Manual do Credenciado A BrasilPark quer prestar sempre o melhor serviço para seus clientes. Para que isso aconteça, é essencial que você fique atento aos nossos procedimentos

Leia mais

LEI Nº 237/2010 de 07 de Dezembro de 2010

LEI Nº 237/2010 de 07 de Dezembro de 2010 LEI Nº 237/2010 de 07 de Dezembro de 2010 Súmula: Dispõe Sobre O Serviço de Moto-Táxi no Município Itanhangá MT, e dá Outras Providências. O Prefeito Municipal de Itanhangá, Sr. Vanderlei Proenço Ribeiro,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA STR SISTEMA DE TRANSPORTES Nº. 002/2015. Unidade Responsável: Secretaria Municipal do Interior e Transportes CAPÍTULO I

INSTRUÇÃO NORMATIVA STR SISTEMA DE TRANSPORTES Nº. 002/2015. Unidade Responsável: Secretaria Municipal do Interior e Transportes CAPÍTULO I INSTRUÇÃO NORMATIVA STR SISTEMA DE TRANSPORTES Nº. 002/2015 DISPÕE SOBRE AS ROTINAS E PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DE MANUTENÇÕES PREVENTIVAS E CORRETIVAS DA FROTA DE VEÍCULOS E NOS EQUIPAMENTOS PESADOS,

Leia mais

TÍTULO I Das disposições Gerais

TÍTULO I Das disposições Gerais DECRETO Nº 2.067, DE 11 DE AGOSTO DE 2009. Disciplina a utilização, a aquisição, o cadastramento, a identificação, o controle, a gestão e o licenciamento dos veículos, oficiais e auxiliares, dos órgãos

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPÉ GABINETE DO PREFEITO

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPÉ GABINETE DO PREFEITO DECRETO Nº 486 de 08 de setembro de 2014. EMENTA: Disciplina normas que define os procedimentos decontrole interno para as rotinas da frota etransporte municipale, dá outras providências. O PREFEITO DO

Leia mais

Procedimento Operacional N⁰ do procedimento: PO 20

Procedimento Operacional N⁰ do procedimento: PO 20 1/ 8 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Revisão e Adequação integral do PO 02 Adequação dos Registros e Padrões Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo

Leia mais

CONSIDERANDO, a necessidade de disciplinar e normatizar o uso da frota de veículos do Poder Executivo Municipal;

CONSIDERANDO, a necessidade de disciplinar e normatizar o uso da frota de veículos do Poder Executivo Municipal; 11/Fev/2012 :: Edição 18 :: Cadernos do Poder Executivo Secretaria de Administração e Gestão de Pessoas Secretário: Dácio Rijo Rossiter Filho Instrução Normativa INSTRUÇÃO NORMATIVA SCVE 001.01/2011 Versão:

Leia mais

CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO

CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO INSTRUÇÃO NORMATIVA STR N.º 001/2015 DISPÕE SOBRE GERENCIAMENTO E CONTROLE DO USO DA FROTA E DOS EQUIPAMENTOS NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL. VERSÃO: 01 DATA DE APROVAÇÃO: 01/07/2015 ATO DE APROVAÇÃO:

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA Lote LOTE 01 Estimativa anual Até 3500 diárias livres (CARRO S/ MOTORISTA) Especificações Locação de veículos sem motorista com abrangência em toda região Sul e Centro-Oeste

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA COORDENADORIA DE INFRAESTRUTURA DEPARTAMENTO DE MANUTENÇÃO E SERVIÇO

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA COORDENADORIA DE INFRAESTRUTURA DEPARTAMENTO DE MANUTENÇÃO E SERVIÇO DO ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA STR Nº 01/2011 Versão: 01 Publicação: DJE nº de / /2012 Unidade Responsável: Departamento de Manutenção e Serviços DMST I FINALIDADE Dispor sobre as rotinas

Leia mais

Edifício Evolution Business Center Manual do Credenciado

Edifício Evolution Business Center Manual do Credenciado Edifício Evolution Business Center Manual do Credenciado A BrasilPark quer prestar sempre o melhor serviço para seus clientes. Para que isso aconteça, é essencial que você fique atento aos nossos procedimentos

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 2756/2014

PROJETO DE LEI Nº 2756/2014 PROJETO DE LEI Nº 2756/2014 EMENTA: DISPÕE SOBRE A OBRIGATORIEDADE DE DISPOSITIVO DE ALARME PARA CAMINHÃO COM CAÇAMBA BASCULANTE NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Autor(es): Deputado

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO CÂMARA MUNICIPAL DE CUIABÁ

ESTADO DE MATO GROSSO CÂMARA MUNICIPAL DE CUIABÁ INSTRUÇÃO NORMATIVA SGA Nº. 002/2011 DISPÕE SOBRE AS NORMAS E PROCEDIMENTOS REFERENTES AO USO, GUARDA, CONSERVAÇÃO, MANUTENÇÃO E ABASTECIMENTO DOS VEÍCULOS DA CAMÂRA MUNICIPAL DE CUIABÁ DO ESTADO DE MATO

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA N.º 784/2007. (republicada no DOAL nº 9212, de 12 de março de 2008) (vide publicação original abaixo)

Leia mais

REGULAMENTO PARA USO E FUNCIONAMENTO DO ESTACIONAMENTO DA FACULDADE GUANAMBI (FG)

REGULAMENTO PARA USO E FUNCIONAMENTO DO ESTACIONAMENTO DA FACULDADE GUANAMBI (FG) REGULAMENTO PARA USO E FUNCIONAMENTO DO ESTACIONAMENTO DA FACULDADE GUANAMBI (FG) O DIRETOR GERAL da Faculdade Guanambi (FG), no uso de suas atribuições, e considerando a necessidade de disciplinar o uso

Leia mais

Portaria SUP/DER -17, de 4-4-2005 Dispõe sobre o transporte de trabalhadores rurais por ônibus através das rodovias estaduais

Portaria SUP/DER -17, de 4-4-2005 Dispõe sobre o transporte de trabalhadores rurais por ônibus através das rodovias estaduais Portaria SUP/DER -17, de 4-4-2005 Dispõe sobre o transporte de trabalhadores rurais por ônibus através das rodovias estaduais O Superintendente do Departamento de Estradas de Rodagem do Estado de São Paulo,

Leia mais

REGULAMENTO DE ASSISTÊNCIA 24H MAPFRE WARRANTY. Não haverá franquia quilométrica para os serviços descritos nos itens abaixo: 1.

REGULAMENTO DE ASSISTÊNCIA 24H MAPFRE WARRANTY. Não haverá franquia quilométrica para os serviços descritos nos itens abaixo: 1. 1. DEFINIÇÕES Acidente: é a ocorrência de qualquer fato danoso e imprevisível produzido no veículo, tais como: colisão, abalroamento ou capotagem que provoque sua imobilização, tendo ou não resultado em

Leia mais

NORMA INTERNA STR N.º 08/2007 Versão III atualizada em 09/07/2012 SETORES ENVOLVIDOS:

NORMA INTERNA STR N.º 08/2007 Versão III atualizada em 09/07/2012 SETORES ENVOLVIDOS: PREFEITURA MUNICIPAL DE RONDONÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE DMINISTRAÇÃO VIGENTE A PARTIR DE: 14/08/2007 NORMA INTERNA STR N.º 08/2007 Versão III atualizada em 09/07/2012 ASSUNTO: UTILIZAÇÃO E CONTROLE

Leia mais

Art. 2º Para os fins da presente Resolução, adotam-se as seguintes

Art. 2º Para os fins da presente Resolução, adotam-se as seguintes RESOLUÇÃO N o 004, de 16 de março de 2015. Estabelece procedimentos para utilização de veículos oficiais da UFSJ, e dá outras providências. A PRESIDENTE DO CONSELHO DIRETOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO CNPJ: 18.602.037/0001-55 Insc. Est. Isento São Gotardo Minas Gerais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO CNPJ: 18.602.037/0001-55 Insc. Est. Isento São Gotardo Minas Gerais LEI Nº. 1.937, DE 10 DE AGOSTO DE 2012. Dispõe sobre o serviço de Mototáxi E Motofrete no Município de São Gotardo e dá outras providências. O Povo do Município de São Gotardo, Estado de Minas Gerais,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 003/2012

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 003/2012 ESTADO DA PARAÍBA MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 003/2012 Dispõe sobre a gestão operacional e patrimonial da frota de veículos oficiais do Ministério Público do

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA CGM N.º 003, DE 16 DE AGOSTO DE 2010

INSTRUÇÃO NORMATIVA CGM N.º 003, DE 16 DE AGOSTO DE 2010 INSTRUÇÃO NORMATIVA CGM N.º 003, DE 16 DE AGOSTO DE 2010 Estabelece normas e procedimentos para o Transportes e Frota Municipal. SETORES ENVOLVIDOS: ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA MUNICIPAL DIRETA E INDIRETA. 1

Leia mais

LEGISLAÇÃO DE TRÂNSITO SÉRIE A DE SIMULADOS PRIMEIRO DOS 3 SIMULADOS PREVISTOS NA SÉRIE A

LEGISLAÇÃO DE TRÂNSITO SÉRIE A DE SIMULADOS PRIMEIRO DOS 3 SIMULADOS PREVISTOS NA SÉRIE A LEGISLAÇÃO DE TRÂNSITO SÉRIE A DE SIMULADOS PRIMEIRO DOS 3 SIMULADOS PREVISTOS NA SÉRIE A ASSUNTOS: DO REGISTRO DE VEÍCULOS DO LICENCIAMENTO DA HABILITAÇÃO RESOLUÇÕES 04,110, 168 e 205 01 Com relação ao

Leia mais

PODER EXECUTIVO. Publicado no D.O. de 17.07.2009 DECRETO N 41.952 DE 16 DE JULHO DE 2009

PODER EXECUTIVO. Publicado no D.O. de 17.07.2009 DECRETO N 41.952 DE 16 DE JULHO DE 2009 Publicado no D.O. de 17.07.2009 DECRETO N 41.952 DE 16 DE JULHO DE 2009 DISPÕE SOBRE A GESTÃO OPERACIONAL E PATRIMONIAL DA FROTA DE VEÍCULOS OFICIAIS PELOS ÓRGÃOS E ENTIDADES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA ESTADUAL

Leia mais

A REITORA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL, no uso de suas atribuições legais, resolve:

A REITORA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL, no uso de suas atribuições legais, resolve: SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul INSTRUÇÃO NORMATIVA N O 009, de

Leia mais

Coordenadoria da Moralidade Administrativa INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12/CMA/2008 ÁREA: ADMINISTRAÇÃO DIRETA, FUNDOS E FUNDAÇÕES DO MUNICÍPIO DE ITAJAÍ

Coordenadoria da Moralidade Administrativa INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12/CMA/2008 ÁREA: ADMINISTRAÇÃO DIRETA, FUNDOS E FUNDAÇÕES DO MUNICÍPIO DE ITAJAÍ INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12/CMA/2008 ÁREA: ADMINISTRAÇÃO DIRETA, FUNDOS E FUNDAÇÕES DO MUNICÍPIO DE ITAJAÍ ASSUNTO: INSTRUMENTO NORMATIVO HISTÓRICO DELIBERAÇÃO VIGÊNCIA PROTOCOLO Nº DESCRIÇÃO Nº DATA A PARTIR

Leia mais

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS 2 MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS INSTRUÇÃO NORMATIVA 001/2014 ASSUNTO: CONTROLE DE FROTA 30/07/2014 VERSÃO: 01 PG. Página 1 de 10 O CONTROLADOR GERAL DO MUNICIPIO DE ÁGUA FRIA, no uso de suas atribuições

Leia mais

MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES INSTRUÇÃO DE SERVIÇO/DG N 07, DE 26 DE MAIO DE 2009

MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES INSTRUÇÃO DE SERVIÇO/DG N 07, DE 26 DE MAIO DE 2009 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES INSTRUÇÃO DE SERVIÇO/DG N 07, DE 26 DE MAIO DE 2009 O DIRETOR-GERAL DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE PARELHAS, ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, usando das atribuições que lhe são conferidas pela Lei Orgânica do Município.

O PREFEITO MUNICIPAL DE PARELHAS, ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, usando das atribuições que lhe são conferidas pela Lei Orgânica do Município. DECRETO Nº 011/2014, DE 09 DE ABRIL DE 2014. Altera o Anexo I do Decreto n 007/2014, que dispõe sobre as atribuições, escolaridade e salários dos cargos destinados ao Concurso Público do Município de Parelhas/RN.

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO E PLANEJAMENTO MANUAL DE GESTÃO DE FROTAS

INSTITUTO FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO E PLANEJAMENTO MANUAL DE GESTÃO DE FROTAS INSTITUTO FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO E PLANEJAMENTO MANUAL DE GESTÃO DE FROTAS MAIO 2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA Dispõe sobre os procedimentos gerais referentes ao uso dos veículos oficiais

Leia mais

Mantenha os vidros fechados e as portas travadas por dentro. Não dê carona a desconhecidos.

Mantenha os vidros fechados e as portas travadas por dentro. Não dê carona a desconhecidos. NO CARRO Como se prevenir Procure usar um carro que não chame a atenção. Mantenha os vidros fechados e as portas travadas por dentro. Não dê carona a desconhecidos. Evite transportar objetos de valor quando

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA LEI Nº 506, DE 2 DE DEZEMBRO DE 1999. (D.O.E. 07.12.1999 - N... Ano...)

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA LEI Nº 506, DE 2 DE DEZEMBRO DE 1999. (D.O.E. 07.12.1999 - N... Ano...) LEI Nº 506, DE 2 DE DEZEMBRO DE 1999. (D.O.E. 07.12.1999 - N.... Ano...) DISPÕE SOBRE O TRANSPORTE INDIVIDUAL DE PASSAGEIROS ATRAVÉS DE TÁXI. O PREFEITO MUNICIPAL DE MANAUS no uso das atribuições que lhe

Leia mais

TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPITULO I DO SERVIÇO DE MOTO-TÁXI

TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPITULO I DO SERVIÇO DE MOTO-TÁXI LEI Nº 597/98 DATA: 15 de setembro de 1998. SÚMULA: Autoriza o Chefe do Poder Executivo Municipal a instituir normas para exploração dos serviços denominados Moto - Taxi, no município, e dá outras providências.

Leia mais

ATO Nº 030.A de 14 de dezembro de 2009.

ATO Nº 030.A de 14 de dezembro de 2009. ATO Nº 030.A de 14 de dezembro de 2009. Dispõe sobre a utilização e gestão dos veículos próprios e locados pelo CREA-PA, estabelecendo diretrizes e normas a serem cumpridas pelos colaboradores que utilizam

Leia mais

ASSISTÊNCIA 24 HORAS - VEÍCULOS DE PASSEIO E HR

ASSISTÊNCIA 24 HORAS - VEÍCULOS DE PASSEIO E HR ASSISTÊNCIA 24 HORAS - VEÍCULOS DE PASSEIO E HR DEFINIÇÕES Beneficiário Entende-se por Beneficiário, todo o condutor de veículo Assistido, devidamente habilitado e autorizado, assim como, toda pessoa transportadora

Leia mais

Seja bem-vindo à BrasilPark!

Seja bem-vindo à BrasilPark! Seja bem-vindo à BrasilPark! A BrasilPark tem por missão oferecer aos seus clientes serviços de extrema eficiência e satisfação. Para que isto ocorra, deve ser permanente o comprometimento de todos nós

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE INTERNO

SISTEMA DE CONTROLE INTERNO SISTEMA DE CONTROLE INTERNO FOLHAS N o -1/12 INSTRUÇÃO NORMATIVA SCI Nº-012/2009 VERSÃO: 001 APROVAÇÃO EM: 23/12/2009 ATO DE APROVAÇÃO: IN SCI 012/2009 ASSUNTO: TRANSPORTES E FROTA MUNICIPAL. SETORES ENVOLVIDOS:

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINDAMONHANGABA ESTADO DE SÃO PAULO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINDAMONHANGABA ESTADO DE SÃO PAULO LEI Nº 5.305, DE 09 DE DEZEMBRO DE 2011. Altera dispositivos da Lei Municipal n.º 4.794, de 06 de maio de 2008 e dá outras providências. João Antonio Salgado Ribeiro, Prefeito Municipal, faz saber que

Leia mais

PLANO DE BENEFÍCIOS CARRO RESERVA 1.0 DO OBJETIVO DO PLANO:

PLANO DE BENEFÍCIOS CARRO RESERVA 1.0 DO OBJETIVO DO PLANO: PLANO DE BENEFÍCIOS CARRO RESERVA 1.0 DO OBJETIVO DO PLANO: 1.1 A destinação deste plano de benefício é disponibilizar, ora contratado, diárias de veículo econômico com ar para as pessoas físicas ou jurídicas

Leia mais

Dicas de Segurança II

Dicas de Segurança II Dicas de Segurança II Ao Viajar Casa ou apartamento Não comente sua viagem com pessoas estranhas por perto. Avise a um vizinho de confiança sobre a sua viagem. Se possível, deixe um número de telefone

Leia mais

MANUAL DO PLANO ASSOCIADO

MANUAL DO PLANO ASSOCIADO MANUAL DO PLANO ASSOCIADO Capítulo I Do Objetivo Art. 1º - O Plano de Proteção Veicular (PPV) tem o objetivo de proporcionar aos associados, pelo sistema mutualista de rateio, a reparação dos danos acontecidos

Leia mais

PORTARIA Nº 1871/GR, DE 12 DE AGOSTO DE 2013.

PORTARIA Nº 1871/GR, DE 12 DE AGOSTO DE 2013. O REITOR DO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS, no uso das atribuições que lhe conferem os artigos 11 e 14 da Lei n 11.892, de 29/12/2008, publicada no DOU em 30/12/2008, nomeado pela Portaria n 987, do, de

Leia mais

Instruções Gerais de Segurança

Instruções Gerais de Segurança Instruções Gerais de Segurança Colocar seu triangulo de segurança em local visível, em distancia segura do carro. Puxar o freio de mão, em caso de carro automático selecionar a posição de estacionar, em

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM PERNAMBUCO. PORTARIA MPF/PRPE/C. Adm./033, DE 17 DE MARÇO DE 2014

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM PERNAMBUCO. PORTARIA MPF/PRPE/C. Adm./033, DE 17 DE MARÇO DE 2014 MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM PERNAMBUCO PORTARIA MPF/PRPE/C. Adm./033, DE 17 DE MARÇO DE 2014 O CHEFE ADMINISTRATIVO DA PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM PERNAMBUCO, no uso de suas

Leia mais

DESCRIÇÃO DO PRODUTO ASSISTÊNCIA 24 HORAS AUTOMÓVEL CREDICARD

DESCRIÇÃO DO PRODUTO ASSISTÊNCIA 24 HORAS AUTOMÓVEL CREDICARD DESCRIÇÃO DAS COBERTURAS CONDIÇÕES GERAIS CREDICARD DESCRIÇÃO DO PRODUTO ASSISTÊNCIA 24 HORAS AUTOMÓVEL CREDICARD DEFINIÇÕES Usuário: é a pessoa física ou jurídica titular ou usuária do serviço de assistência

Leia mais

LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE 1997

LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE 1997 LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE 1997 Institui o Código de Trânsito Brasileiro. CAPÍTULO IX DOS VEÍCULOS Seção II Da Segurança dos Veículos Art. 105. São equipamentos obrigatórios dos veículos, entre

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA. Leia o texto a seguir para responder às questões de 01 a 07. QUESTÃO 06

LÍNGUA PORTUGUESA. Leia o texto a seguir para responder às questões de 01 a 07. QUESTÃO 06 UFG/CS CMTC - 2010 LÍNGUA PORTUGUESA Leia o texto a seguir para responder às questões de 01 a 07. País cumpre só 1/3 das metas para a educação Relatório feito sob encomenda para o Ministério da Educação

Leia mais

DECRETO N 17349 DE 26 DE FEVEREIRO DE 1999

DECRETO N 17349 DE 26 DE FEVEREIRO DE 1999 DECRETO N 17349 DE 26 DE FEVEREIRO DE 1999 Regulamenta a Lei nº 2582, de 28 de outubro de 1997, que instituiu o Serviço de Transporte Coletivo de Passageiros sob o regime de fretamento e dá outras providências.

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 001/2014/SECAF

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 001/2014/SECAF Página 1 de 17 Estabelece normas e procedimentos para o uso dos veículos e máquinas oficiais do município que envolve a Frota de Transporte Municipal da Administração Pública Municipal. O SECRETÁRIO MUNICIPAL

Leia mais

PORTARIA Nº 68, DE 13 DE MARÇO DE 2012 RESOLVE:

PORTARIA Nº 68, DE 13 DE MARÇO DE 2012 RESOLVE: PORTARIA Nº 68, DE 13 DE MARÇO DE 2012 RESOLVE: O PRESIDENTE DA AGÊNCIA MUNICIPAL DE TRÂNSITO, TRANSPORTES E MOBILIDADE, no uso de suas atribuições legais conferidas pela Lei Complementar n 183, de 19

Leia mais

LEI Nº 729/ 13. DE 26 DE 06 DE 2013. A CÂMARA MUNICIPAL DE PIRENÓPOLIS, ESTADO DE GOIÁS aprovou e eu, PREFEITO MUNICIPAL, sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 729/ 13. DE 26 DE 06 DE 2013. A CÂMARA MUNICIPAL DE PIRENÓPOLIS, ESTADO DE GOIÁS aprovou e eu, PREFEITO MUNICIPAL, sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 729/ 13. DE 26 DE 06 DE 2013. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DO EXERCÍCIO DAS ATIVIDADES DOS PROFIS SIONAIS EM TRANSPORTE DE PASSAGEI ROS ATRAVÉS DE MOTOCICLETAS NO MUNICÍPIO DE PIRENÓPOLIS E DÁ

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BRASÍLIA DE MINAS ESTADO DE MINAS GERAIS LEI Nº 1.682, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006

PREFEITURA MUNICIPAL DE BRASÍLIA DE MINAS ESTADO DE MINAS GERAIS LEI Nº 1.682, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006 LEI Nº 1.682, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006 ESTABELECE NORMAS PARA EXPLORAÇÃO DO SERVIÇO DE AUTOMÓVEIS DE ALUGUEL (TÁXI) NO MUNICÍPIO DE BRASÍLIA DE MINAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE BRASÍLIA DE MINAS, Estado

Leia mais

COOPERATIVA DE TRABALHO DOS PROFISSIONAIS DE AGRONOMIA LTDA.

COOPERATIVA DE TRABALHO DOS PROFISSIONAIS DE AGRONOMIA LTDA. Manual de Uso de Veículo Respeito a Vida! TERMO DE RECEBIMENTO R ecebi da Cooperativa de Trabalho dos P r o f i s s i o n a i s d e A g r o n o m i a L t d a. UNICAMPO, o MANUAL DE USO DO VEÍCULO e após

Leia mais

DE AUTOMÓVEIS DE ALUGUEL (TÁXIS), NO MUNICÍPIO

DE AUTOMÓVEIS DE ALUGUEL (TÁXIS), NO MUNICÍPIO 1 LEI Nº 1485/2014 DISPÕE SOBRE AS PERMISSÕES DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE INDIVIDUAL DE PASSAGEIROS, ATRAVÉS DE AUTOMÓVEIS DE ALUGUEL (TÁXIS), NO MUNICÍPIO DE INHAÚMA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal

Leia mais

REGULAMENTOS DAS COBERTURAS OPCIONAIS PREVCAR AUTO

REGULAMENTOS DAS COBERTURAS OPCIONAIS PREVCAR AUTO REGULAMENTOS DAS COBERTURAS OPCIONAIS PREVCAR AUTO RESPONSABILIDADE CIVIL FACULTATIVA ESTA COBERTURA NÃO PODERÁ SER CONTRATADA ISOLADAMENTE FICANDO CONDICIONADA À COBERTURA DO EQUIPAMENTO ATIVO CADASTRADO

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES DE USO DO CARTÃO PRÉ-PAGO ACG

TERMOS E CONDIÇÕES DE USO DO CARTÃO PRÉ-PAGO ACG TERMOS E CONDIÇÕES DE USO DO CARTÃO PRÉ-PAGO ACG O presente instrumento, doravante REGULAMENTO, regula as condições gerais aplicáveis ao aos CARTÕES emitidos pela ACG Administradora de Cartões S/A, doravante

Leia mais

PORTARIA DETRAN N 1.117, DE 20 DE NOVEMBRO 2015.

PORTARIA DETRAN N 1.117, DE 20 DE NOVEMBRO 2015. PORTARIA DETRAN N 1.117, DE 20 DE NOVEMBRO 2015. Dispõe sobre a expedição de autorização destinada aos veículos de transporte escolar, nos termos do artigo 136 do Código de Trânsito Brasileiro. O Diretor

Leia mais

PORTARIA DETRAN Nº 1.310, DE 1 DE AGOSTO DE 2014

PORTARIA DETRAN Nº 1.310, DE 1 DE AGOSTO DE 2014 PORTARIA DETRAN Nº 1.310, DE 1 DE AGOSTO DE 2014 A Diretora Vice Presidente, respondendo pelo expediente da Presidência do Departamento Estadual de Trânsito - DETRAN-SP, considerando as disposições dos

Leia mais

DOS PROCEDIMENTOS QUANTO À OCORRÊNCIA DE SINISTROS COM VEÍCULOS... 7. DO RECEBIMENTO DE BENS DOADOS PELA Receita Federal do Brasil (RFB)...

DOS PROCEDIMENTOS QUANTO À OCORRÊNCIA DE SINISTROS COM VEÍCULOS... 7. DO RECEBIMENTO DE BENS DOADOS PELA Receita Federal do Brasil (RFB)... Manual de Frota 2 SUMÁRIO DO CONTRATO DE MOTORISTAS TERCEIRIZADOS... 3 DAS SOLICITAÇÕES DE VEÍCULOS OFICIAIS... 3 DO ABASTECIMENTO... 4 Do Abastecimento de veículos de outros órgãos... 5 DA MANUTENÇÃO

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA ATO PGJ N. 043/2010

PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA ATO PGJ N. 043/2010 1 ATO PGJ N. 043/2010 Estabelece regras quanto à utilização da frota de veículos do Ministério Público do Estado de Goiás. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA, no uso de suas atribuições legais, previstas no

Leia mais

O Reitor da Universidade Federal de São Carlos, no uso de suas atribuições legais e estatutárias,

O Reitor da Universidade Federal de São Carlos, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS Gabinete do Reitor Via Washington Luís, km 235 Caixa Postal 676 13565-905 São Carlos SP - Brasil Fones: (16) 260-8101/260-8102 Fax: (16) 261-4846/261-2081 E-mail: reitoria@ufscar.br

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 28/09-COPLAD

RESOLUÇÃO Nº 28/09-COPLAD RESOLUÇÃO Nº 28/09-COPLAD Regulamenta a utilização dos veículos da frota oficial da Universidade Federal do Paraná e estabelece normas gerais sobre as atividades de transporte de usuários na UFPR. O CONSELHO

Leia mais