I IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "I IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO"

Transcrição

1 1 Este roteiro foi cedido pela Coordenação de Fiscalização anitária do Estado do Rio de Janeiro ROTEIRO DE IPEÇÃO DE HOPITAL GERAL I IDETIFICAÇÃO DO ETABELECIMETO Data da Visita: / / ome do Estabelecimento: Endereço CEP Bairro Município Telefone Estado CGC Diretor Clínico do Hospital CRM Processo inicial no. E-08 Planta aprovada pela COFIA? () () Resp. Técnico de Enfermagem CORE Licença Laboratório Anal. Clínicas processo no.e-08 Em dia? () () Resp.Técnico CRM Licença erviço de Radiologia processo no. E- 08 Em dia? () () Resp. Técnico CRM

2 2 Licença erviço de Hemoterapia processo no. E-08 Em dia? () () Resp.Técnico CRM Licença da Farmácia Hospitalar processo no. E- 08 Em dia () () Resp.Técnico CRF II - DADO GERAI ATUREZA DO ERVIÇO ( ) Municipal ( ) Estadual ( ) Federal ( ) Filantrópico ( ) Privado ( ) Convênio U ( ) Universitário ( ) Outros ABRAGÊCIA DO ERVIÇO ( ) Regional ( ) Municipal ( ) Intermunicipal ( ) Estadual O PRÉDIO ETÁ LOCALIZADO: ( ) Vizinho a fábrica ( ) Junto a rio ( ) Em rua muito movimentada ( ) Junto a aterro sanitário ( ) Em área residencial ( ) Isolado III - CLÍICA EPECIALIZADA ÚMERO DE LEITO

3 3 CLÍICA MÉDICA (DICRIMIAR A EPECIALIDADE EXITETE ): CLÍICA CIRURGICA(DICRIMIAR A EPECIALIDADE EXITETE ): PEDIATRIA GIECOLOGIA OBTETRÍCIA UTI ADULTO UTI PEDIÁTRICO BERÇARIO UTI EOATAL ORTOPEDIA PIQUIATRIA ALTA COMPLEXIDADE: (descrever com o no. correspondente de leitos) HEMOTERAPIA, UTRIÇÃO PARETERAL, HEMODIÁLIE, ETC - ODOTOLOGIA OUTRA: (descrever com o no. correspondente de leitos) IV - AMBULATÓRIO úmero de consultórios (por especialidade) : (área física mínima para consultório indiferenciado= 7,5 m2 c/ dimensão mínima =2,2m

4 4 Consultórios especializados acrescentar área para equipamentos ). Dispõe de área física mínima adequada? (sala de espera, posto de enfermagem, banheiro, salas de entrevista e de exame (consultórios),curativos, de rehidratação oral e venosa, de nebulização, de aplicação de medicamentos e vacinação Possui os seguintes equipamentos e instrumental mínimos abaixo relacionados ( consultório indiferenciado)? : mesa e cadeiras (p/ entrevista) mesa de exame escada de 2 degraus foco de luz balança p/ adultos (peso/altura) esfigmomanômetro aneróide, com manguito estetoscópio clínico balde cilíndrico porta detritos com pedal negatoscópio fita métrica não elástica armário suporte de hamper mesa acessório p/ instrumental otoscópio Os consultórios especializados ( básicos) estão devidamente equipados? CLÍICA MÉDICA PEDIATRIA CIRURGIA GERAL OBTETRÍCIA

5 5 GIECOLOGIA ODOTOLOGIA OUTRO (especificar): Possui apoio laboratorial mínimo (radiologia e patologia clínica)? O apoio laboratorial mínimo funciona nas 24 horas? V - EMERGÊCIA/URGÊCIA POUI ITALAÇÕE MÍIMA ADEQUADA? ala de triagem médica e/ou enfermagem, sala de serviço social, de higienização, sala de suturas e curativos, sala de rehidratação, de nebulização, de aplicação de medicamentos, de gesso e redução de fraturas, para exame indiferenciado e sala para exame diferenciado(oftalmologia, otorrino, odontologia, etc.)

6 A EMERGÊCIA POUI O EQUIPAMETO ABAIXO RELACIOADO? ADULTO : - desfibrilador e monitor - ventilador a pressão - aspirador de secreções - carro para material de emergência - mesa para exames/tratamento - mesa para instrumental - negatoscópio - refletor parabólico - suporte de hamper - suporte de soro - escada de 2 degraus - laringoscópio - foco cirúrgico com pedestal - bomba de infusão - estetoscópio unissom - sistema de assistência respiratória de parede - esfigmomanômetro de parede - monitor de ECG - ECG - Banqueta giratória - Maca para transporte - colar cervical Filadélfia - reanimador pulmonar, conjunto portátil completo ( maleta de emergência) PEDIÁTRICO - balança - carro para material de emergência - desfibrilador e monitor - incubadora de transporte - refletor parabólico - reanimador pulmonar manual - estetoscópio infantil - mesa para exame infantil com coxim - negatoscópio - laringoscópio rígido infantil - monitor à pressão não invasivo infantil - ventilador neonatal e pediátrico - ventilador, pressão, neonatal para incubadora - sistema de assistência respiratória de parede - mesa auxiliar para instrumental - suporte para soro - suporte para hamper Assinale ou ao lado do item POUI ÁREA DE RECEPÇÃO DE PACIETE ( para pelo menos uma maca) POUI ÁREA PARA RECEPÇÀO DE AMBULÂCIA? POUI ALA DE IOLAMETO ( dimensão mínima= 8 m2) ALA COLETIVA DE OBERVAÇÃO? ( dimensões mínimas = 8,5 m2 por leito) - DE PEDIATRIA E ADOLECETE? - DE ADULTO : masculina feminina ALA DE PROCEDIMETO IVAIVO / EPECIAI? (dimensões mínimas= 20 m2 ) ÁREA DE ECOVAÇÃO? ( 2 torneiras por cada sala de procedimento ; 1,10 m2 por torneira) ALA DE EMERGÊCIA=POLITRAUMATIMO, PARADA CARDÍACA,ETC? ( dimensões mínimas= 12 m2 por leito; no mínimo 2 leitos com distâncias de 1 m entre estes e paredes) ALA DE GEO E REDUÇÃO DE FRATURA? ( dimensões mínimas = 12 m2 ; quando destinada a mais de um paciente 8,5 m2 por box ) ALA DE HIGIEIZAÇÃO? ( dimensões mínimas= 8 m2) POTO DE EFERMAGEM / PRECRIÇÃO MÉDICA? ( 01 posto para cada 12 leitos de observação ; 6 m2) VI - ORGAIZAÇÃO DA UIDADE 6 A Unidade dispõe de ambulância(s) equipada(s)?

7 7 A ambulância possui(em) licença em dia da Fiscalização anitária? Dispõe de Comissão de Controle de Infecção Hospitalar? Com que freqüência são feitas as reuniões? (anotar data da última reunião) Quais os profissionais que fazem parte da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar?(anotar nome e especialidade ) : Há ormas e Rotinas para as Áreas Assistenciais? Há reuniões de discussão de óbitos com ata? Com que freqüência são feitas as reuniões? (anotar a data da última reunião) Há sistemas de referência e contra- referência? Citar as Unidades: Há cronograma de reuniões clínicas periódicas? Há livro de registro de partos, informando as ocorrências? Há livro de registro de atendimentos de emergência/urgência? Há livro de registro de internações e altas? Há livro de registro de cirurgias? Há livro de registro de nascidos vivos? Livro de registro de óbitos? Todos esses livros são registrados na Fiscalização anitária? Possui Centro de Estudos devidamente registrado? Possui auditório? Há Residência Médica? Há Pesquisas e Pós Graduação? Há acadêmicos ( medicina, odontologia, enfermagem, etc)? Há estagiários de cursos de téc. e aux. enfermagem?

8 8 VII - RECURO HUMAO DA UIDADE PROFIIOAI ROTIA EMERGÊCIA AMBULATÓRIO Enfermeiro Téc. Enfermagem Aux. Enfermagem Pediatra Obstetra Ginecologista Clínico Cirurgião eurologista eurocirurgião Ortopedista utricionista Psicóloga Assistente ocial Radiologista Anestesista Farmacêutico Odontólogo Fisioterapeuta Psiquiatra Gesseiro

9 9 Maqueiro Motoristas de ambulância Pessoal administrativo Outros ( especificar) VIII - LIMPEZA E ZELADORIA ( se necessário entreviste funcionários ) Existe um programa de sanitização da Instituição? Existem registros de sua execução? Existem normas de instrução escrita para limpeza e manuseio do lixo produzido no setor? A limpeza dos setores é feita por funcionário fixo ao setor? erviço de limpeza terceirizado? Existe treinamento dos funcionários da limpeza e da coleta do lixo? Com que freqüência é feito o treinamento? /ano Há rotatividade deste pessoal da limpeza e coleta de lixo? Qual a freqüência? Homem/ano IX - EQUIPAMETO DE PROTEÇÃO IDIVIDUAL Existem procedimentos escritos sobre utilização correta de E.P.I? Os EPI s disponíveis para os funcionários da zeladoria são: Uniforme próprio e/ou avental longo Luvas Máscara Calçado fechado com solado antiderrapante Óculos de proteção

10 10 Outros Quais? Utilização correta dos EPI durante a inspeção? X REÍDUO HOPITALARE (LIXO) Como é feito o Transporte do lixo? Recipientes com tampa. Carrinho próprio para lixo Há circulação exclusiva para limpos e para sujos? O equipamento que é usado para transportar e portar o lixo, é utilizado para outros propósitos do hospital? Existe separação do lixo hospitalar por categoria? O lixo hospitalar é retirado separado do lixo comum? XI - REÍDUO IFECCIOO Materiais provenientes de salas de isolamento excrementos ou restos de materiais provenientes de sala de isolamento de pacientes com doenças altamente transmissíveis. Materiais biológicos culturas, amostras armazenadas de agentes infecciosos, placas de Petri, vacinas vencidas ou inutilizadas, instrumentos usados para manipular microorganismos, filtros de áreas altam/ contaminadas, etc. angue e hemoderivados amostras de sangue para análises, soro, plasma e outros subprodutos, qualquer material encharcado ou saturados com sangue, ou mesmo que secos, recipientes, sacos plásticos, tubos intravenosos, etc. Resíduos patológicos e cirúrgicos tecidos, órgãos, feto humano, partes e fluidos corporais removidos durante autópsia, cirurgia, etc. Resíduos perfuro-cortantes agulhas hipodérmicas, seringas, pipetas de Pauster, bisturis tubos, placas de cultura, vidraria inteira ou quebrada, etc. Que tiveram contato com paciente ou agentes infecciosos como qualquer elemento que foi jogado fora não utilizado Resíduos animais partes de animais infectados, camas ou palhas provenientes de pesquisa médica ou veterinária XII - REÍDUO EPECIAI Resíduos químicos incluem os resíduos perigosos (tóxicos, corrosivos, inflamáveis, reativos, genotóxicos ou mutagêncos) e não perigosos. Resíduos radioativos sólidos ou líquidos (seringas, papel absorvente, frascos, líquido derramados, urina, fezes) radioativos ou contaminados com radiosótopos de baixa atividade provenientes de laboratórios. Resíduos farmacêuticos medicamentos vencidos, contaminados, desatualizados, não utilizados, etc.

11 11 XIII - REÍDUO COMU Resíduos ñ perigosos similares aos domésticos papéis, papelão, caixas, restos de preparação de alimentos, etc. Há separação dos diversos resíduos no setor? Desinfecção de agulhas antes de descartá-las? Há acondicionamento adequado dos resíduos? Recipiente de material resistente. Recipiente com tampa. Uso de recipiente próprio para agulhas/lâminas. Recipiente com pedal. Os recipientes para descarte estão bem localizados, com avisos claros, visíveis? Há uso de cores/ símbolos/ sinalização indicando o tipo de resíduo e o risco? Os recipientes do lixo são desinfectados? Observe se estão limpos. XIV - ABRIGO DE REÍDUO ÓLIDO (LIXO HOPITALAR) ( TEM QUE ETAR A ÁREA EXTERA DO HOPITAL) Isolado do ambiente com paredes impermeabilizadas para facilitar a limpeza? Refrigerado O setor está em boas condições de higiene? Possui compactador? O lixo é estocado separado por categoria com identificação visível? Há presença de insetos e/ou roedores no local durante a inspeção? A coleta externa é feita por veículo especializado? Existe acesso exclusivo ao setor? XV - ABATECIMETO DE ÁGUA Rede de fornecimento Rede pública Carro pipa Outra Qual a periodicidade que é feita a limpeza do sistema de abastecimento? meses.

12 Qual a data da última limpeza? / / ( peça comprovante) Há reservatório duplo de água potável? Existem sistemas de filtragem? Localização Existe tratamento da água utilizada nas terapias Caso afirmativo, que tipo? Deionização Osmose reversa Outro tipo ( especificar) : Possibilidade de refluxo da água? Caso afirmativo, existem meios de prevenção do refluxo? Existe monitoramento da qualidade da água? Caso afirmativo, nome do Técnico ou órgão responsável: ( anexe cópia do laudo) Qual a Periodicidade? meses Há inspeção dos sistemas/instalações hidráulicas? Data última inspeção / /. O abastecimento d água para os reservatórios prevê uma capacidade para dias. Há reservatório de água inferior (cisterna)? e afirmativo, qual a capacidade? Há reserva técnica para combate a incêndio? e afirmativo, qual a capacidade? Todos os reservatórios ( cisterna, caixa d água, etc) estão em bom estado de higiene e conservação, com tampa, sem vazamentos, etc? 12 XVI - EGOTO Os efluentes vão diretamente para a rede pública? Caso não haja rede pública, há sistema de tratamento para os dejetos? Existe laudo emitido por órgão competente quanto ao tratamento efetuado? ( anexe cópia ) Existe manutenção dos esgotos? (limpeza de caixa de gordura, etc.) Qual a Periodicidade meses XVII - ITEMA DE COMBATE A ICÊDIO

13 Há sistema de combate a incêndio? Caso afirmativo, Qual? Acessos aos instrumentos de combate a incêndios estão livres? Os extintores estão dentro do prazo de validade? os locais onde estão os extintores há demarcação no piso? Existe reserva técnica de abastecimento de água para incêndio? Caso afirmativo, qual a sua capacidade? Existe laudo do Corpo de Bombeiros? Caso afirmativo, data da emissão do laudo / / Pergunte ao funcionários se recebem treinamento para combate a incêndios : Há saídas de emergência sinalizadas? Existe escada externa de emergência com porta corta-fogo? Existe brigada de incêndio? 13 XVIII - UIDADE DE PACIETE ITERO

14 14.º total de enfermarias º de Quartos ( quarto de criança=15 a 20% dos leitos do estabelecimento; deve haver no mínimo 01 quarto de isolamento para cada 30 leitos) ( quarto de adulto= a cada 30 leitos deve existir 01 quarto de isolamento) º Total de Leitos ( enfermarias + quartos + UTI, etc) o. de leitos por especialidade : clínica médica clínica cirúrgica pediatria maternidade ginecologia UTI pediátrica UTI adulto eonatologia Outras Quartos e enfermarias da pediatria possuem painéis de vidro nas paredes divisórias com a circulação? Enfermarias de pediatria possuem cadeiras de repouso para acompanhante?.º de Banheiros - Banheiro para acompanhante na pediatria - Banheiro para pacientes (cada quarto ou enfermaria deve ter acesso direto a um banheiro podendo este servir no máximo a 2 enfermarias) - anitário para o público ala de Exames Possui área de recreação, lazer e refeitório?( 1 para cada unidade de pediatria, psiquiatria e crônicos) ( dimensões mínimas= 1,2 m2 para cada paciente em condições de lazer) Existem normas e rotinas afixadas em locais visíveis? Existe aceitação das normas de Biossegurança? ( pergunte aos funcionários se necessário) Existe programa de Educação Continuada? Área de circulação desobstruída? inalização? Janelas com proteção (TELA) / parapeito? istema de climatização ambiental? Meio de transporte (maca, cadeira de roda)? Possui área para guarda de macas e cadeiras de rodas? Expurgo em condições de uso, sem ser usado como depósito? Possui depósito de equipamentos e materiais? Possui rouparia? Possui copa de distribuição? Acondicionamento adequado do lixo Durante a inspeção observa presença de vetores? Bom conceito em limpeza geral? Disponibilidade de equipamentos básicos (Esfigmomanômetro, Termômetros, Estetoscópio, etc.)? Dispõe de unidade de isolamento com precauções padrão? Disponibilidade de EPI( máscaras, gorros, luvas, capotes, etc.)? Posto de enfermagem organizado e com pia? ( 1 posto para cada 30 leitos) Armários fechados para materiais e medicamentos? Materiais e medicamentos dentro do prazo de validade?

15 15 Perfuro cortante acondicionado corretamente? Materiais em solução acondicionados e dentro do prazo de validade? Carrinho de curativo em condições de uso, limpo e sem avarias? Almotolias limpas, identificadas e com validade? Disponibilidade de roupa hospitalar limpa? Acondicionamento correto da roupa suja? Comadres/patinhos esterilizados? Reaproveitamento de materiais de uso único? Bom nível de satisfação dos usuários internos e externos( entrevistar durante a inspeção ) XIX - UIDADE DE ITERAÇÃO ITEIVA UTI / CTI ( adulto) (A unidade deve existir em hospitais com capacidade igual ou maior que 100 leitos tendo no mínimo 5 leitos) (Havendo ITERAÇÃO EMI-ITEIVA, esta se dá fora da unidade, com acesso facilitado à UTI e inserida em uma unidade de internação geral). Possui posto de enfermagem/prescrição médica? ( 1 p/ cada 12 leitos = medindo no mínimo 8 m2) Área de serviços? ( cada posto deve ser servido por ao menos 1 área = medindo no mínimo 8m2) ÁREA EPECÍFICA ( 10% dos leitos gerais de internação não intensiva. Quando houver internação semi-intensiva, de 6 a 8 % dos leitos gerais de internação não intensiva. Estabelecimentos especializados( cardiologia, urgências, etc.) devem fazer um cálculo específico, caso a caso) : QUARTO DE ADULTO ou de ADOLECETE ( IOLAMETO) ( 12 m2 c/ distância de 1m entre paredes e leito, exceto cabeceira ) ÁREA COLETIVA DE ADULTO ou de ADOLECETE ( 10m2 c/ distância de 1m entre paredes e leito, exceto cabeceira e de 2m entre leitos) AMBIETE DE APOIO: ( marque ou ao lado ) ROUPARIA DEPÓITO DE EQUIPAMETO E MATERIAI ALA DE PREPARO DE EQUIPAMETO / MATERIAL BAHEIRO PARA PACIETE ( GERAL E IOLAMETO) QUARTO DE PLATÃO PARA FUCIOÁRIO ALA DE EPERA PARA ACOMPAHATE E VIITATE ( anexo) ALA ADMIITRATIVA DEPÓITO DE MATERIAL DE LIMPEZA COPA AITÁRIO COM VETIÁRIO PARA FUCIOÁRIO AITÁRIO PARA PÚBLICO ( sala de espera) XX - UIDADE DE ITERAÇÃO ITEIVA UTI / CTI ( pediátrico) (A unidade deve existir em hospitais com capacidade igual ou maior que 100 leitos tendo no mínimo 5 leitos)

16 (Havendo ITERAÇÃO EMI-ITEIVA, esta se dá fora da unidade, com acesso facilitado à UTI e inserida em uma unidade de internação geral). Possui posto de enfermagem/prescrição médica? ( 1 p/ cada 12 leitos = medindo no mínimo 8 m2) Área de serviços? ( cada posto deve ser servido por ao menos 1 área = medindo no mínimo 8m2) ÁREA EPECÍFICA ( 10% dos leitos gerais de internação não intensiva. Quando houver internação semi-intensiva, de 6 a 8 % dos leitos gerais de internação não intensiva. Estabelecimentos especializados( cardiologia, urgências, etc.) devem fazer um cálculo específico, caso a caso) : QUARTO DE RECÉM-ACIDO( IOLAMETO) ( 10 m2 c/ distância de 1m entre paredes e leito, exceto cabeceira) ÁREA COLETIVA DE RECÉM-ACIDO ( 9 m2 c/ distância de 1m entre paredes e leito, exceto cabeceira e de 2 m entre leitos) 16 QUARTO DE LACTETE / CRIAÇA ( IOLAMETO) ( 10 m2 c/ distância de 1m entre paredes e leito, exceto cabeceira) ÁREA COLETIVA DE LACTETE CRIAÇA ( 9 m2 c/ distância de 1m entre paredes e leito, exceto cabeceira) QUARTO PARA ADOLECETE ( IOLAMETO) ( 12 m2 c/ distância de 1m entre paredes e leito, exceto cabeceira ) ÁREA COLETIVA PARA ADOLECETE ( 10m2 c/ distância de 1m entre paredes e leito, exceto cabeceira e de 2m entre leitos) AMBIETE DE APOIO: ( marque ou ao lado ) ROUPARIA DEPÓITO DE EQUIPAMETO E MATERIAI ALA DE PREPARO DE EQUIPAMETO / MATERIAL BAHEIRO PARA PACIETE ( GERAL E IOLAMETO) QUARTO DE PLATÃO PARA FUCIOÁRIO ALA DE EPERA PARA ACOMPAHATE E VIITATE ( anexo) ALA ADMIITRATIVA DEPÓITO DE MATERIAL DE LIMPEZA COPA AITÁRIO COM VETIÁRIO PARA FUCIOÁRIO AITÁRIO PARA PÚBLICO ( sala de espera)

17 17 XXI - UTI EOATAL ( QUADO HOUVER) Equipamentos Quantidade Berço aquecido, calor irradiante Incubadora, dupla parede Umidificador aquecido Capacete de acrílico, para oxigenação, pequeno istema de monitoração fisiológica neonatal Aparelho de fototerapia Bomba de infusão istema de assistência respiratória de parede Oxímetro de pulso Monitor de pressão, não invasivo infantil Aspirador cirúrgico, elétrico, em móvel Carro de Emergência com desfibrilador e monitor Oxímetro para uso em aparelhos Balança para incubadora Estetoscópio infantil Balança eletrônica pediátrica Esfigmomanômetro para R egatoscópio uporte de oro Mesa Antropométrica Mesa para Instrumental

18 18 XXII - CETRO CIRÚRGICO GERAL A -RECURO HUMAO.º total de profissionais existentes.º de médicos existentes.º de anestesistas.º de enfermeiras.º de técnicos de enfermagem.º de auxiliares de enfermagem Outros profissionais Há disponibilidade de cirurgiões e anestesistas nas 24 horas ( não considerar sobre-aviso) B -ÁREA FÍICA E ITALAÇÕE Área física isolada de outros setores livre do risco de contaminação? Área suficiente para a circulação de pacientes, profissionais e carrinhos? Corredores estão desobstruídos para a circulação? As macas circulam livremente? Há área de recepção do paciente? (suficiente p/ o recebimento de 01 maca no mínimo) Possui água quente Possui água fria A() ALA() DE CIRURGIA ( 2 salas. Para cada 50 leitos não especializados ou 15 leitos cirúrgicos deve haver 1 sala. Estabelecimentos especializados como cardiologia, cirurgia, etc., devem fazer um cálculo específico) Em relação à categoria de sala possui dimensões mínimas Adequadas? - sala de pequena cirurgia ( oftalmologia, endoscopia, otorrino., etc.) ( 20 m2 c/ dimensão mínima de 4 m) - cirurgia(geral) ( 25 m2 c/ dimensão mín. de 4,7 m) - sala de grande cirurgia( ortopedia, neurologia, cardiologia, etc.) Possui(em) área desobstruída para circulação? Possui fluxo de entrada e saída? Está equipada com carrinho de anestesia funcionando? Possui régua para assistência respiratória? Está isenta de janelas e/ou soluções de continuidade nas

19 19 paredes? Dispõe de refrigeração controlada? As entradas de ar controlado possuem filtros? (verificar) Dispõe de paredes e pisos impermeáveis, sem soluções de continuidade e de fácil limpeza? Possui salas de barreira c/ vestiário e sanitário separadas por sexo? Possui aspirador de secreção? Possui oxímetro? Possui capnógrafo? Possui monitor? Possui cilindro de oxigênio de reserva? ( deve estar em local seguro) Possui medicamentos dentro do prazo de validade? Há área de escovação de mãos? Deve possuir no mínimo 1,10m 2 p/ torneira (quente e fria). Até 2 salas cirúrgicas = 2 torneiras por cada sala. Mais de 2 salas cirúrgicas = 2 torneiras a cada novo par de salas). Há sala de indução anestésica? ( sala com 2 leitos no mínimo com 8,5m 2 para leito com distância entre estes e paredes, exceto cabeceira de 1,0m.Quando houver mais de 2 leitos deve Ter 6,5m2 ) ala de recuperação pós-anestésica? ( 1 sala = o número de leitos depende dos tipos de cirurgias previstas. De um modo geral estima-se 2 leitos por sala cirúrgica. Medidas da sala : 8,5 m2 p/ leito c/ distância entre estes e paredes, exceto cabeceira, de 1 m. Quando houver mais de 2 leitos deve ser 6,5 m2). Há sala de guarda e preparo de anestésicos? ( 4 m2 ) Há ficha de anestesia com descrição e identificação do profissional que realizou o procedimento preenchida? Há ficha operatória com descrição de todo o procedimento cirúrgico e identificação do profissional que o realizou preenchida? Existe sala de apoio às cirurgias especializadas? ( 12 m2) Há área para prescrição médica? ( 2 m2) Posto de enfermagem e serviços? ( 1 p/ cada 12 leitos de recuperação pós anestésica. Medida mín. = 6 m2) Existe maca de transposição para o paciente acessar ao centro cirúrgico? Existe maca de circulação exclusiva do C. Cirúrgico? As portas de acesso ao C. Cirúrgico possuem barreira física? C - EQUIPAMETO DO CETRO CIRÚRGICO (ala de cirurgia ) Assistência respiratória de parede Coluna retrátil de gases e eletricidade Carrinho de anestesia funcionando Esfigmomanômetro (é recomendável verificar )

20 20 Aspirador cirúrgico elétrico, em móvel Eletrocirurgia, unidade (bisturi elétrico) Mesa para alta cirurgia com acessórios Mesa para anestesia Mesa para instrumental foco cirúrgico de teto Monitor de ECG Oxímetro de pulso D - QUATO À BIOEGURAÇA DO CETRO CIRÚRGICO Todos os profissionais utilizam equipamentos de proteção como individual Luvas? apatilhas? Máscaras? Toucas/Gorros? Pijamas? Os profissionais circulam com roupa do C. Cirúrgico fora de sua área física inclusive com sapatilha? Há sinalização visível por áreas? As salas são desinfectadas após cada cirurgia? O material é todo esterilizado após cada cirurgia? Há programa de boas práticas para o setor? Há manual de práticas de biossegurança? Existe procedimentos de rotina terapêutica em casos de acidentes com HIV? Existe um sistema de ventilação com filtragem de segurança? As portas são dotadas de molas do tipo vai-e-vem"? Há sistema de combate a incêndio no Centro Cirúrgico? Pergunte ao funcionários se conhecem as regras de biossegurança

21 21 E - QUATO AO LIXO DO CETRO CIRÚRGICO Há separação de resíduos? Material perfuro-cortante Material patológico-cirúrgico angue e hemoderivados Restos placentários Restos abortivos Há recipientes adequados para cada tipo de lixo? Há sinalização visível sobre o tipo de resíduo em todos os recipientes? Os recipientes são desinfectados? O(s) funcionário(s) é exclusivo do setor? O funcionário troca de roupa para acessar ao C. Cirúrgico? Como é feita a retirada do lixo do C. Cirúrgico?

22 22 XXIII - CETRO OBTÉTRICO A - ( REPODER MEMO QUE FUCIOE DETRO DO CETRO CIRÚRGICO GERAL) Área física adequada? Área suficiente para a circulação de pacientes, profissionais e carrinhos? Corredores estão desobstruídos para a circulação? As macas circulam livremente? Há área de recepção da parturiente? (suficiente p/ o recebimento de 01 maca no mínimo) Há sala de exames, admissão e higienização da parturiente? (no mínimo 8m 2 ) Possui água quente Possui água fria Há sala de pré-parto? (o mínimo 01 tendo 01 leito de pré parto p/ cada 10 leitos obstétricos ou fração com as seguintes dimensões mínimas: 9m 2 = individual; 14m 2 = 2 leitos..º máximo de leitos p/ sala = 02) Há divisórias entre os leitos de pré-parto? Há profissionais qualificados na sala de pré-parto? Obstetra Enfermeira obstétrica Pediatra Outros profissionais Quais? A sala de pré-parto dispõe de, no mínimo, os seguintes requisitos: Água fria O 2 Ar comprimido medicinal Elétrica de emergência Elétrica diferenciada Qual o número de salas para parto normal? ( deve ser de, no mínimo, 01 a cada 20 leitos obstétricos ou fração, sendo que a cada 3 salas de P.. deve haver 01 sala cirúrgica. Deve medir 20m 2 com dimensão mínima igual a 4,0m 2 ). A sala de parto é equipada com: Régua para assistência respiratória oxímetro vácuo clínico óxido nitroso

23 ar comprimido equipamentos necessários para analgesia medicamentos cilindro de reserva ar condicionado elétrica de emergência Elétrica diferenciada monitor A sala de parto fica dentro do centro cirúrgico? e a resposta a este item for negativa a sala de parto dispõe dos requisitos necessários a assepsia e antissepsia (sala de barreira c/ sanitário e vestiário, área de escovação, fluxo de entrada e saída, etc.)? O parto é realizado por: Médico Enfermeira obstétrica Outros profissionais Quais A sala de parto cirúrgico/curetagem: Possui dimensões mínimas adequadas (ver item 5) Possui área desobstruída para circulação Possui fluxo de entrada e saída Está equipada com carrinho de anestesia funcionando Possui régua para assistência respiratória ão possui janelas, etc. Dispõe de refrigeração controlada Dispõe de paredes e pisos impermeáveis, sem soluções de continuidade e de fácil limpeza Possui sala de barreira c/ vestiário e sanitário Possui aspirador de secreção Possui oxímetro Possui capnógrafo Possui monitor Possui cilindro de oxigênio de reserva 23

24 24 Possui medicamentos Há área de escovação de mãos? deve possuir no mínimo 1,10m 2 p/ torneira (quente e fria). Até 2 salas cirúrgicas = 2 torneiras por cada sala. Mais de 2 salas cirúrgicas = 2 torneiras a cada novo par de salas). Há sala de indução anestésica? ( sala com 2 leitos no mínimo com 8,5m 2 para leito com distância entre estes e paredes, exceto cabeceira de 1,0m.Quando houver mais de 2 leitos deve ter 6,5m2 ) Há sala de guarda e preparo de anestésicos? Há ficha de anestesia com descrição e identificação do profissional que realizou o procedimento preenchida? Há disponibilidade de anestesista por 24 horas? Há ficha operatória com descrição de todo o procedimento cirúrgico e identificação do profissional que o realizou preenchida? Há central de esterilização própria? Há Unidade transfusional própria? B - EQUIPAMETO POR ALA B1 - ALA DE ADMIÃO E HIGIEIZAÇÃO DA PARTURIETE (no mínimo 8m 2 ) Equipamento Quantidade Detetor de batimento cárdio-fetal Escada de 2 degraus Mesa para exame ginecológico Esfigmomanômetro aneróide, adulto Estetoscópio de Pinard Balança antropométrica, adulto Mesa instrumental Refletores parabólicos Balde p/ detritos com tampa Amnioscópio Cardiotocógrafo B2 - ALA DE PRÉ-PARTO Equipamento Quantidade Régua para assistência respiratória Cama fawler, adulto Estetoscópio duosom, adulto Estetoscópio de Pinard Esfigmomanômetro de pedestal Detetor de batimentos cardíacos Maca para transporte

25 25 B3 - ALA DE PARTO ORMAL Equipamento Quantidade Assistência respiratória de parede Coluna retrátil de gases e 1 eletricidade Detetor de batimento cárdio-fetal Mesa de Mayo Mesa para instrumental Banqueta giratória Balde a chute uporte p/ sino Relógio de parede carro de anestesia B4 - ALA DE PARTO CIRÚRGICO Equipamento Quantidade Assistência respiratória de parede Coluna retrátil de gases e eletricidade Carrinho de anestesia Esfigmomanômetro de pedestal Aspirador cirúrgico elétrico, em móvel Eletrocirurgia, unidade (bisturi elétrico) Mesa para alta cirurgia com acessórios Mesa para anestesia Mesa para instrumental foco cirúrgico de teto Detetor de batimento cárdio-fetal Monitor fetal Monitor de ECG Oxímetro de pulso C - QUATO À BIOEGURAÇA DO CETRO CIRÚRGICO OBTÉTRICO Todos os profissionais utilizam equipamentos de proteção como individual, Luvas? apatilhas? Máscaras? Toucas / gorros? Pijamas?

26 26 Os profissionais circulam com roupa do C. Cirúrgico fora de sua área física inclusive com sapatilha? Há sinalização visível por áreas? As salas são desinfectadas após cada parto normal? As salas são desinfectadas após cada parto cirúrgico? O material é todo esterilizado após cada parto? Há programa de boas práticas para o setor? Há manual de práticas de biossegurança? Existe procedimentos de rotina terapêutica em casos de acidentes com HIV? Existe um sistema de ventilação com filtragem de segurança para a sala de parto cirúrgico e para a de reanimação neonatal? As portas são dotadas de molas do tipo vai-e-vem? Há sistema de combate a incêndio no C. Cirúrgico? Pergunte aos funcionários se conhecem as regras de biossegurança D - QUATO AO LIXO DO CETRO CIRÚRGICO OBTÉTRICO Há separação de resíduos? Material perfuro-cortante Material patológico-cirúrgico angue e hemoderivados Restos placentários Restos abortivos Há recipientes adequados para cada tipo de lixo? Há sinalização visível sobre o tipo de resíduo em todos os recipientes? Os recipientes são desinfetados? Funcionários exclusivos do setor? O funcionário troca de roupa para entrar no c. cirúrgico? Descreva como é feita a retirada do lixo do c. cirúrgico?

IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO

IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Este roteiro foi cedido pela Coordenação de Fiscalização anitária do Estado do Rio de Janeiro ROTEIRO DE IPEÇÃO DE CLÍICA GERIÁTRICA Data da Visita: / / IDETIFICAÇÃO DO ETABELECIMETO ome do Estabelecimento:

Leia mais

Mobiliário, materiais e equipamentos mínimos para UPA. Pronto Atendimento

Mobiliário, materiais e equipamentos mínimos para UPA. Pronto Atendimento Área de recepção e espera para público / pacientes Mobiliário, materiais e equipamentos mínimos para UPA Pronto Atendimento PORTE I Quant. PORTE II Quant. PORTE III Quant. Bebedouro 1 1 2 Balcão de atendimento

Leia mais

INSPEÇÃO EM CLINICAS E CONSULTÓRIOS MÉDICOS I- DADOS CADASTRAIS

INSPEÇÃO EM CLINICAS E CONSULTÓRIOS MÉDICOS I- DADOS CADASTRAIS Prefeitura Municipal do Salvador Secretaria Municipal da Saúde Coordenadoria de Saúde Ambiental Subcoordenadoria de Vigilância Sanitária INSPEÇÃO EM CLINICAS E CONSULTÓRIOS MÉDICOS Razão Social: CGC/CNPJ/CPF:

Leia mais

Roteiro de Inspeção LACTÁRIO. Realiza Programa de Saúde do Trabalhador com controle periódico, admissional e demissional

Roteiro de Inspeção LACTÁRIO. Realiza Programa de Saúde do Trabalhador com controle periódico, admissional e demissional GOVERO DO ETADO DO RIO DE JAEIRO ECRETARIA DE ETADO DE AÚDE COORDEAÇÃO DE FICALIZAÇÃO AITÁRIA CARACTERIZAÇÃO Roteiro de Inspeção LACTÁRIO úmero de funcionários úmero de nutricionistas Responsável técnico:

Leia mais

Anexo 9 Especificações Mínimas de Equipamentos

Anexo 9 Especificações Mínimas de Equipamentos Anexo 9 Especificações Mínimas de s i CONTEXTUALIZAÇÃO... 1 AGRUPAMENTO... 1 LISTA DE EQUIPAMENTOS... 1 1.1 3º SUBSOLO... 1 1.2 1º SUBSOLO... 1 1.3 TÉRREO... 3 1.4 1º PAVIMENTO... 9 1.5 2º PAVIMENTO...

Leia mais

O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, considerando:

O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, considerando: PORTARIA Nº 3.432/MS/GM, DE 12 DE AGOSTO DE 1998 O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, considerando: a importância na assistência das unidades que realizam tratamento intensivo

Leia mais

ANEXO 3 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES

ANEXO 3 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES ANEXO 3 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES Data da vistoria: / / A CADASTRO

Leia mais

ANEXO 5 DO CONTRATO PLANO DE EQUIPAMENTOS E MOBILIÁRIOS

ANEXO 5 DO CONTRATO PLANO DE EQUIPAMENTOS E MOBILIÁRIOS ANEXO 5 DO CONTRATO PLANO DE EQUIPAMENTOS E MOBILIÁRIOS Centro de Diagnóstico Sul Centro de Diagnóstico Norte Centro de Diagnóstico Leste Centro de Diagnóstico Centro - Oeste SUMÁRIO CENTRO DE DIAGNÓSTICO

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E REDES ASSISTENCIAIS ANEXO I

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E REDES ASSISTENCIAIS ANEXO I MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E REDES ASSISTENCIAIS ANEXO I DE ACORDO COM O ESTABELECIDO PELA PORTARIA Nº 3432 /GM/MS, DE 12 DE AGOSTO DE 1998, REFERENTE

Leia mais

ANEXO III CHECK LIST NOME DA UNIDADE/CNES: MUNICÍPIO TELEFONE: RESPONSÁVEL TÉCNICO PELA UNIDADE:

ANEXO III CHECK LIST NOME DA UNIDADE/CNES: MUNICÍPIO TELEFONE: RESPONSÁVEL TÉCNICO PELA UNIDADE: ANEXO III CHECK LIST DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DATA DA AVALIAÇÃO: / / NOME DA UNIDADE/CNES: MUNICÍPIO TELEFONE: RESPONSÁVEL TÉCNICO PELA UNIDADE: RESPONSÁVEL TÉCNICO PELA AVALIAÇÃO: POSSUI ALVARÁ DA VIGILÂNCIA

Leia mais

ANEXO 2 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE HOSPITAIS

ANEXO 2 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE HOSPITAIS ANEXO 2 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE HOSPITAIS PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE HOSPITAIS Data da vistoria: / / A CADASTRO 1. IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Nome

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO TERMO DE VISTORIA Ao décimo nono dia do mês de janeiro do ano de dois mil e doze, o Conselho Regional de Medicina do Estado de Mato Grosso (CRM/MT) esteve presente no Hospital e Pronto Socorro Municipal

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária Gerência-Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde Unidade de Tecnologia da Organização de Serviços de Saúde

Agência Nacional de Vigilância Sanitária Gerência-Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde Unidade de Tecnologia da Organização de Serviços de Saúde I ESTRUTURA SIM NÃO NA Área física de acordo com a RDC n 50/02 Localização em área de circulação restrita AREA ADMINISTRATIVA Área exclusiva para a recepção de pacientes Barreira física entre circulação

Leia mais

ANEXO I. Área física mínima para UPA

ANEXO I. Área física mínima para UPA ANEXO I ÁREA FÍSICA DA UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO - UPA Para o planejamento e a definição da área física mínima e dos ambientes necessários na Unidade de Pronto Atendimento - UPA, foram levados em consideração

Leia mais

Portaria nº 1032/98 SES/GO de 25 de maio de 1998 NORMA TÉCNICA DOS RESÍDUOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE CAPÍTULO I DA CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS

Portaria nº 1032/98 SES/GO de 25 de maio de 1998 NORMA TÉCNICA DOS RESÍDUOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE CAPÍTULO I DA CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS Portaria nº 1032/98 SES/GO de 25 de maio de 1998 NORMA TÉCNICA DOS RESÍDUOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE CAPÍTULO I DA CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS Art. 1º - São os seguintes os resíduos que apresentam risco potencial

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE PÚBLICA COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE PÚBLICA COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE PÚBLICA COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM LAVANDERIA ESTABELECIMENTO: DATA DA INSPEÇÃO:

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE POR UNIDADE GERADORA E A SEGREGAÇÃO DOS RESÍDUOS POR GRUPO.

CARACTERIZAÇÃO DOS RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE POR UNIDADE GERADORA E A SEGREGAÇÃO DOS RESÍDUOS POR GRUPO. 1 Unidade ou serviço Descrição do Resíduo Grupo Estado -Secreções, excreções, e outros fluidos orgânicos. -Recipientes e materiais resultantes do processo de assistência à saúde, que não contenha sangue

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE PÚBLICA COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE PÚBLICA COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE PÚBLICA COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM AMBULATÓRIO ESTABELECIMENTO: DATA DA INSPEÇÃO:

Leia mais

INSTITUIÇÃO: DATA: RESPONSÁVEL PELA INSPEÇÃO: NOME DO RESP. PELO SERVIÇO;

INSTITUIÇÃO: DATA: RESPONSÁVEL PELA INSPEÇÃO: NOME DO RESP. PELO SERVIÇO; INSTITUIÇÃO: DATA: RESPONSÁVEL PELA INSPEÇÃO: NOME DO RESP. PELO SERVIÇO; Tipo do Serviço: ( ) Próprio ( )terceirizado Nome; Possui Licença sanitária? ( ) SIM ( ) NÃO N /ANO: Há um encarregado do setor

Leia mais

NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE CENTROS DE REFERÊNCIA EM ASSISTÊNCIA A QUEIMADOS

NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE CENTROS DE REFERÊNCIA EM ASSISTÊNCIA A QUEIMADOS NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE CENTROS DE REFERÊNCIA EM ASSISTÊNCIA A QUEIMADOS 1 - NORMAS GERAIS As presentes Normas Gerais são válidas para cadastramento de Centros de Referência em Assistência a Queimados

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO PARA FARMÁCIA HOSPITALAR

ROTEIRO DE INSPEÇÃO PARA FARMÁCIA HOSPITALAR GOVERO DO ETADO DO RIO DE JAEIRO ECRETARIA DE ETADO DE AÚDE COORDEAÇÃO DE FICALIZAÇÃO AITÁRIA ROTEIRO DE IPEÇÃO PARA FARMÁCIA HOPITALAR ome do estabelecimento: ome dos Inspetores / Matrícula / Carimbo:

Leia mais

Página 1. 1.31 Auxiliar de enfermagem da estratégia de Saúde da Família 0

Página 1. 1.31 Auxiliar de enfermagem da estratégia de Saúde da Família 0 1. FUNCIONÁRIOS EFETIVOS Cirurgião dentista clínico geral 0 1.1 Cirurgião dentista endodontista 6 1.2 Cirurgião dentista periodontista 16h 0 1.3 Cirurgião dentista periodontista 20h 3 1.4 Cirurgião dentista

Leia mais

CHECK LIST MICROPROCESSO ESTERILIZAÇÃO DAS UNIDADES DA APS SEMSA/MANAUS

CHECK LIST MICROPROCESSO ESTERILIZAÇÃO DAS UNIDADES DA APS SEMSA/MANAUS CHECK LIST MICROPROCESSO ESTERILIZAÇÃO DAS UNIDADES DA APS SEMSA/MANAUS DISA: DATA: UNIDADE: RECURSOS HUMANOS ÍTEM AVALIAÇÃO FORMA DE VERIFICAÇÃO EM CONFORMI DADE NÃO CONFORMI DADE OBSERVAÇÃO 1) A unidade

Leia mais

ROTEIRO PARA SALÕES DE BELEZAS, INSTITUTO DE BELEZA, ESTETICA, BARBEARIAS E SIMILARES.

ROTEIRO PARA SALÕES DE BELEZAS, INSTITUTO DE BELEZA, ESTETICA, BARBEARIAS E SIMILARES. SUPERINTEDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERENCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL E SAÚDE DO TRABALHADOR COORDERNAÇÃO DE FISCALIZAÇÃO DE AMBIENTES E SAÚDE DO TRABALHADOR Av. Anhanguera, nº 5.195 Setor Coimbra

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM HOTEIS E MOTEIS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM HOTEIS E MOTEIS SUPERINTEDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERENCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL E SAÚDE DO TRABALHADOR COORDERNAÇÃO DE FISCALIZAÇÃO DE AMBIENTES E SAÚDE DO TRABALHADOR Av. Anhanguera, nº 5.195 Setor Coimbra

Leia mais

NORMAS PARA VEÍCULOS DE TRANSPORTE DE PACIENTES

NORMAS PARA VEÍCULOS DE TRANSPORTE DE PACIENTES NORMAS PARA VEÍCULOS DE TRANSPORTE DE PACIENTES C A ÇA D O R - S C DOCUMENTAÇÃO ALVARÁ SANITÁRIO 1. Requerimento DVS 2. CNPJ (jurídica) cópia atualizada 3. Documento do Veiculo 4. Taxa de Emissão de Alvará

Leia mais

Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário COMISSÃO DE CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR

Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário COMISSÃO DE CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR PROGRAMA PREVENÇÃO E CONTROLE DE Sumário COMISSÃO DE CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR ORGANIZAÇÃO DA CCIH Estrutura Atividades FUNCIONAMENTO Coleta de Dados Análise dos Dados Divulgação dos Dados Recursos

Leia mais

UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO - UPA MEMORIAL DESCRITIVO

UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO - UPA MEMORIAL DESCRITIVO UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO - UPA MEMORIAL DESCRITIVO Nome do estabelecimento: UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO - UPA Tipo do estabelecimento: UPA PORTE 02 Proprietária: Fundo Municipal de Saúde de Caicó/RN

Leia mais

DATA DA VISITA: 26/11/2013 DATA DA VISITA: 28/04/2015 UNIDADE DE SAÚDE DR MANOEL DA ROCHA COUTINHO

DATA DA VISITA: 26/11/2013 DATA DA VISITA: 28/04/2015 UNIDADE DE SAÚDE DR MANOEL DA ROCHA COUTINHO DATA DA VISITA: 26/11/2013 DATA DA VISITA: 28/04/2015 UNIDADE DE SAÚDE DR MANOEL DA ROCHA COUTINHO Responsável: Adriana dos Santos Leandro Endereço: Rua Fenelon Gomes, 112 Bairro: Ilha do Principe CEP:

Leia mais

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO ASSUNTO: RESÍDUOS SÓLIDOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE -LIXO HOSPITALAR

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO ASSUNTO: RESÍDUOS SÓLIDOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE -LIXO HOSPITALAR 1/6 1) DOS OBJETIVOS: 1.1)Normatizar a classificação, segregação, acondicionamento, coleta, armazenamento interno, transporte interno, armazenamento externo e disposição final dos resíduos; 1.2) Elevar

Leia mais

RC 02/2005 (SEMA/SESA) ANEXO I

RC 02/2005 (SEMA/SESA) ANEXO I RC 02/2005 (SEMA/SESA) ANEXO I PGRSS Objetivo: redução, reaproveitamento e destinação final ambientalmente correta dos resíduos. Contempla os aspectos referentes à geração, segregação, acondicionamento,

Leia mais

ANEXO 4 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE SERVIÇOS DE ODONTOLOGIA

ANEXO 4 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE SERVIÇOS DE ODONTOLOGIA ANEXO 4 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE SERVIÇOS DE ODONTOLOGIA PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE SERVIÇOS DE ODONTOLOGIA Data da vistoria: / / A CADASTRO 1. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (PGRSS)

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (PGRSS) Subcoordenadoria de Vigilância Sanitária Rio Grande do Norte PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (PGRSS) Drogarias Modelo Simplificado 0 RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DA

Leia mais

Consultórios Médicos e Clínicas Médicas

Consultórios Médicos e Clínicas Médicas Subcoordenadoria de Vigilância Sanitária Rio Grande do Norte PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (PGRSS) Consultórios Médicos e Clínicas Médicas Modelo Simplificado 0 RIO GRANDE DO

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos

Gerenciamento de Resíduos Gerenciamento de Resíduos ANVISA RDC 306/04 - REGULAMENTO TÉCNICO PARA GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DE SAÚDE veronica.schmidt@ufrgs.br O perigo do lixo hospitalar. Resíduos biológicos - culturas de microrganismos

Leia mais

Resolução Estadual nº 08, de 11 de março de 1987

Resolução Estadual nº 08, de 11 de março de 1987 Resolução Estadual nº 08, de 11 de março de 1987 O Secretário de Estado da Saúde e do Bem-Estar Social, no uso de suas atribuições conferidas pelos artigos 45, letras A e P da Lei Estadual nº 6636/74,

Leia mais

ANEXO V ROTEIRO DE INSPEÇÃO PARA HOSPITAL PSIQUIÁTRICO DE INTERNAÇÃO E HOSPITAL PSIQUIÁTRICO DIA

ANEXO V ROTEIRO DE INSPEÇÃO PARA HOSPITAL PSIQUIÁTRICO DE INTERNAÇÃO E HOSPITAL PSIQUIÁTRICO DIA ANEXO V ROTEIRO DE INSPEÇÃO PARA HOSPITAL PSIQUIÁTRICO DE INTERNAÇÃO E HOSPITAL PSIQUIÁTRICO DIA 1. IDENTIFIICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Razão Social: 1.2 Nome Fantasia: 1.3 Endereço: (Rua/Av.) Nº: Compl:

Leia mais

2. FUNCIONÁRIOS - CONTRATADOS POR TEMPO DETERMINADO

2. FUNCIONÁRIOS - CONTRATADOS POR TEMPO DETERMINADO 1. FUNCIONÁRIOS - EFETIVOS Médico Clínico 0 Médico Pediatra 1 Médico de Estratégia PSF 3 Psicólogo Clínico 30 horas 0 Psicólogo Clínico 40 horas 1 Cirurgião Dentista 2 Auxiliar de Saúde Bucal 2 Fonoaudiólogo

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO SERVIÇOS DE TERAPIA ANTINEOPLÁSICA STA

ROTEIRO DE INSPEÇÃO SERVIÇOS DE TERAPIA ANTINEOPLÁSICA STA DATA : / / ROTEIRO DE INSPEÇÃO SERVIÇOS DE TERAPIA ANTINEOPLÁSICA STA IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO: RAZÃO SOCIAL: NOME FANTASIA: IDENTIFICAÇÃO CADASTRAL (C.N.P.J.): ENDEREÇO: N.º CEP: TELEFONE: FAX:

Leia mais

ANEXO 5 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE SERVIÇOS DE TERAPIA RENAL SUBSTITUTIVA. Unidade de diálise

ANEXO 5 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE SERVIÇOS DE TERAPIA RENAL SUBSTITUTIVA. Unidade de diálise ANEXO 5 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE SERVIÇOS DE TERAPIA RENAL SUBSTITUTIVA Unidade de diálise PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE SERVIÇOS DE TERAPIA RENAL SUBSTITUTIVA

Leia mais

BIOSSEGURANÇA. com ênfase na RDC ANVISA 302. Prof. Archangelo P. Fernandes

BIOSSEGURANÇA. com ênfase na RDC ANVISA 302. Prof. Archangelo P. Fernandes BIOSSEGURANÇA com ênfase na RDC ANVISA 302 Prof. Archangelo P. Fernandes BIOSSEGURANÇA LABORATORIAL Atitude Bom Senso Comportamento BIOSSEGURANÇA LABORATORIAL Atitude Bom Senso Comportamento Conhecimento

Leia mais

Instrução de Trabalho. Circulação de sala

Instrução de Trabalho. Circulação de sala 1 de 5 526 5 RESULTADO ESPERADO: Promover ato cirúrgico em tempo hábil, com segurança para o paciente e para toda a equipe cirurgica. 526 PROCESSOS RELACIONADOS: Atendimento Cirúrgico (Assistência Cirúrgica)

Leia mais

RESÍDUOS DOS SERVIÇOS DE. Hélida Rosa Silva Enfª Resp. Técnica GRSS CTAALS

RESÍDUOS DOS SERVIÇOS DE. Hélida Rosa Silva Enfª Resp. Técnica GRSS CTAALS RESÍDUOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE Hélida Rosa Silva Enfª Resp. Técnica GRSS CTAALS 1- SUMÁRIO - O que é o plano de gerenciamento (PGRSS) e gerenciamento de resíduos (GRSS)? - Objetivo do PGRSS - Leis que

Leia mais

1. FUNCIONÁRIOS - EFETIVOS

1. FUNCIONÁRIOS - EFETIVOS UNIDADE DE SAÚDE - SANTO ANDRÉ Diretora: Juliana da Conceição Fagundes E-mail: dussandre@correio1.vitoria.es.gov.br Endereço: Rua da Coragem, 200 Telefone: (27) 3323-7222 / 3332-7825 Funcionamento: 7h

Leia mais

Transporte do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola)

Transporte do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola) Transporte do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola) Por orientação do Ministério da Saúde o transporte terrestre do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola), será realizado pelo

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR 2013

HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR 2013 HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR 2013 O Hospital realiza uma combinação complexa de atividades especializadas, onde o serviço de Higienização e Limpeza ocupam um lugar de grande importância. Ao se entrar em um

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO Pg.: 1 de Elaboração Verificação Aprovação Janaina Bacci Data: Data: Data: Título da Atividade: Procedimentos para descarte de Resíduos Quimioterápicos Executante: Colaboradores envolvidos na manipulação

Leia mais

Assinale a alternativa correta: a) V,V,F.F b) V,F,V,F c) V,F,F,F d) V,V,F,V e) V,V,V,F

Assinale a alternativa correta: a) V,V,F.F b) V,F,V,F c) V,F,F,F d) V,V,F,V e) V,V,V,F AUXILIAR OPERACIONAL 1. A desinfecção é o processo de destruição de agentes infecciosos. Assinale a alternativa correta: a) pode ser feita através de meios físicos e químicos b) deve ser realizada com

Leia mais

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais,

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, DECRETO N.º 23915, DE 13 DE JANEIRO DE 2004 DISPÕE SOBRE O LICENCIAMENTO SANITÁRIO A QUE ESTÃO SUJEITOS OS SALÕES DE CABELEIREIROS, OS INSTITUTOS DE BELEZA, ESTÉTICA, PODOLOGIA E ESTABELECIMENTOS CONGÊNERES;

Leia mais

RESOLUÇÃO CREMERJ N. 100/1996. Estabelece as "Normas Mínimas para o Atendimento de Urgências e Emergências no Estado do Rio de Janeiro".

RESOLUÇÃO CREMERJ N. 100/1996. Estabelece as Normas Mínimas para o Atendimento de Urgências e Emergências no Estado do Rio de Janeiro. RESOLUÇÃO CREMERJ N. 100/1996 Estabelece as "Normas Mínimas para o Atendimento de Urgências e Emergências no Estado do Rio de Janeiro". O CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, no uso

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE - PGRSS (MODELO BÁSICO)

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE - PGRSS (MODELO BÁSICO) PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE - PGRSS (MODELO BÁSICO) PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (MODELO BÁSICO) I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO DE SAÚDE

Leia mais

FARMÁCIAS E DROGARIAS

FARMÁCIAS E DROGARIAS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE FARMÁCIAS E DROGARIAS Nome Fantasia: Razão Social: Endereço: Responsável Técnico: CRF: Telefone: CNPJ: Secretaria Municipal de Saúde de Feira de Santana - Av. João Durval

Leia mais

ROTEIRO FARMÁCIA HOSPITALAR QUIMIOTERÁPICA

ROTEIRO FARMÁCIA HOSPITALAR QUIMIOTERÁPICA IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO: RAZÃO SOCIAL: NOME FANTASIA: IDENTIFICAÇÃO CADASTRAL (C.N.P.J.): ENDEREÇO: N.º CEP: TELEFONE: FAX: E-MAIL: LICENÇA SANITÁRIA: ( )MUNICIPAL NÚMERO: ( ) NÃO POSSUI EMISSÃO:

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 2.918, DE 9 DE JUNHO DE 1998.

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 2.918, DE 9 DE JUNHO DE 1998. MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 2.918, DE 9 DE JUNHO DE 1998. O Ministro de Estado da Saúde no uso de suas atribuições, considerando: - a importância na assistência das unidades que

Leia mais

ROTEIRO PARA ESTABELECIMENTOS DE ENDOSCOPIA GÁSTRICA

ROTEIRO PARA ESTABELECIMENTOS DE ENDOSCOPIA GÁSTRICA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE COORDENADORIA GERAL DE VIGILÂNCIA DA SAÚDE EQUIPE DE VIGILANCIA DE SERVIÇOS E PRODUTOS DE INTERESSE À SAÚDE Módulo I - Informações Gerais

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO PARA AVALIAÇÃO DA ESTRUTURA FÍSICA DAS INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO PARA AVALIAÇÃO DA ESTRUTURA FÍSICA DAS INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS I IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Nome: Endereço: AP: Nome Fantasia: Inscrição Municipal: Nº do Processo: CNPJ: Tipo de Serviço: ( ) Municipal ( ) Filantrópico ( ) Conveniado SUS RJ ( ) Privado ( ) Estadual

Leia mais

Orientações para a construção e ampliação de Unidades Básicas de Saúde - UBS

Orientações para a construção e ampliação de Unidades Básicas de Saúde - UBS Orientações para a construção e ampliação de Unidades Básicas de Saúde - UBS Introdução A Secretaria de Estado da Saúde estabeleceu como ação estruturante para a implantação das redes de atenção no Paraná,

Leia mais

FUMSSAR - FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE SAÚDE DE SANTA ROSA DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

FUMSSAR - FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE SAÚDE DE SANTA ROSA DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA QUIMIOTERAPIA R E N O V A Ç Ã O PARA SOLICITAR A RENOVAÇÃO DO ALVARÁ SANITÁRIO: Juntar os seguintes documentos: 1. Requerimento com os dados do estabelecimento (razão social, endereço, CNPJ,) dirigido

Leia mais

Riscos Ambientais e de Saúde PúblicaP

Riscos Ambientais e de Saúde PúblicaP Resíduos Hospitalares e a sua Perigosidade Segurança a e Higiene na Produção e Tratamento de Resíduos Hospitalares Riscos Ambientais e de Saúde PúblicaP 1. Gestão de Resíduos O Tratamento dos RSH é um

Leia mais

Biossegurança em Biotérios

Biossegurança em Biotérios Biossegurança em Biotérios Prof. André Silva Carissimi Faculdade de Veterinária UFGS Biossegurança é... o conjunto de ações a voltadas para a prevenção, minimização ou eliminação de riscos inerentes às

Leia mais

1 - Abastecimento de água 1. O estabelecimento utiliza água da rede pública?

1 - Abastecimento de água 1. O estabelecimento utiliza água da rede pública? QUESTIONÁRIO PARA DIAGNÓSTICO DE ASPECTOS AMBIENTAIS E MANEJO DE RESÍDUO DAS UNIDADE DE SAÚDE. A) Aspectos Ambientais Avaliação da estrutura Responda os itens abaixo com a seguinte legenda: Sim = S Não

Leia mais

PRINCIPAIS LEGISLAÇÕES SANITÁRIAS REFERENTES A ESTABELECIMENTOS DE SAÙDE PROJETOS UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR

PRINCIPAIS LEGISLAÇÕES SANITÁRIAS REFERENTES A ESTABELECIMENTOS DE SAÙDE PROJETOS UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 1 PRINCIPAIS LEGISLAÇÕES SANITÁRIAS REFERENTES A ESTABELECIMENTOS DE SAÙDE PROJETOS RDC/ANVISA nº 50 de 21 de fevereiro de 2002 RDC/ANVISA nº 307 de 14/11/2002 Dispõe sobre o Regulamento Técnico para planejamento,

Leia mais

1 Documentação 1.1 S N NA

1 Documentação 1.1 S N NA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE COORDEDORIA GERAL DE VIGILÂNCIA DA SAÚDE EQUIPE DE CONTROLE E VIGILÂNCIA DE SERVIÇOS DE SAÚDE versão Maio/2011 ROTEIRO DE INSPEÇÃO PARA

Leia mais

Experiência: O Serviço de Análises Clínicas em Sintonia com o Meio Ambiente

Experiência: O Serviço de Análises Clínicas em Sintonia com o Meio Ambiente Experiência: O Serviço de Análises Clínicas em Sintonia com o Meio Ambiente Universidade Federal do Paraná Hospital de Clínicas Serviço de Análises Clínicas Responsável: Mônica Evelise Silveira Equipe:

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica NORMAS GERAIS PARA USO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CÂMPUS GOVERNADOR

Leia mais

ROTEIRO PARA INSPEÇÃO SANITÁRIA EM COMUNIDADES TERAPÊUTICAS PARA DEPENDENTES DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS

ROTEIRO PARA INSPEÇÃO SANITÁRIA EM COMUNIDADES TERAPÊUTICAS PARA DEPENDENTES DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS ESPECIFICIDADES DO SERVIÇO Data de início das atividades: Cadastro em entidades associativas e/ou federativas Não Sim Especificar: Prestação de serviço Contrato Convênio Especificar: Outros financiamentos

Leia mais

PORTARIA SMSA-SUS/BH Nº 024 DE 24 DE MARÇO DE 1999 NORMATIZA O FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE NO MUNICÍPIO

PORTARIA SMSA-SUS/BH Nº 024 DE 24 DE MARÇO DE 1999 NORMATIZA O FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE NO MUNICÍPIO 1 PORTARIA SMSA-SUS/BH Nº 024 DE 24 DE MARÇO DE 1999 NORMATIZA O FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE NO MUNICÍPIO ÍNDICE DE CONTEÚDO ANEXO I - NORMA TÉCNICA ESPECIAL Nº 002/99 03

Leia mais

Portaria nº 612/97 SES/GO de 25 de novembro de 1997

Portaria nº 612/97 SES/GO de 25 de novembro de 1997 SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE DO ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIVISÃO DE FISCALIZAÇÃO DE FONTES DE RADIAÇÕES IONIZANTES Portaria nº 612/97 SES/GO de 25

Leia mais

CUIDADOS NAS ETAPAS DO PROCESSAMENTODOS ARTIGOS EM CME

CUIDADOS NAS ETAPAS DO PROCESSAMENTODOS ARTIGOS EM CME CUIDADOS NAS ETAPAS DO PROCESSAMENTODOS ARTIGOS EM CME II SIMPÓSIO NORTE/NORDESTE DE ENFERMAGEM EM CENTRO CIRÚRGICO, RECUPERAÇÃO ANESTÉSICA E CENTRO DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO NADJA FERREIRA Enfermeira

Leia mais

Laboratórios de Análises Clínicas e de Citologia

Laboratórios de Análises Clínicas e de Citologia Subcoordenadoria de Vigilância Sanitária Rio Grande do Norte PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (PGRSS) Laboratórios de Análises Clínicas e de Citologia Modelo Simplificado 0 RIO GRANDE

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade PROTOCOLO: Limpeza concorrente e terminal do leito, cortinas, mobiliários e equipamentos hospitalares

Sistema de Gestão da Qualidade PROTOCOLO: Limpeza concorrente e terminal do leito, cortinas, mobiliários e equipamentos hospitalares Página: 1/9 INTRODUÇÃO: A limpeza e a desinfecção de superfícies são elementos que propiciam segurança e conforto aos pacientes, profissionais e familiares nos serviços de saúde. Colabora também para o

Leia mais

ENFERMAGEM HOSPITALAR Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE DE ENFERMAGEM

ENFERMAGEM HOSPITALAR Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM HOSPITALAR Sumário ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE DE ENFERMAGEM Chefia do Serviço de Enfermagem Supervisor de Enfermagem Enfermeiro Encarregado de Unidade/Setor Enfermeiros em Unidade de Terapia Intensiva

Leia mais

International Paper do Brasil Ltda

International Paper do Brasil Ltda International Paper do Brasil Ltda Autor do Doc.: Editores: Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Título: Tipo do Documento: SubTipo: Serviços de Limpeza e Disposição

Leia mais

Tatuagem e Colocação de Adornos

Tatuagem e Colocação de Adornos ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DIVISÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Centro Estadual de Vigilância em Saúde Núcleo de Estabelecimento de Saúde Tatuagem e Colocação de Adornos Ana Carolina Kraemer Enfermeira - Especialista

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MODELO SIMPLIFICADO PGRSS - ANEXO I

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MODELO SIMPLIFICADO PGRSS - ANEXO I Prefeitura Municipal de Curitiba Secretaria Municipal do Meio Ambiente Secretaria Municipal da Saúde PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MODELO SIMPLIFICADO PGRSS - ANEXO I SIGLAS UTILIZADAS:

Leia mais

Tecnologia da Organização dos Serviços de Saúde. Instrumento Nacional de Inspeção em Serviços de Saúde - INAISS

Tecnologia da Organização dos Serviços de Saúde. Instrumento Nacional de Inspeção em Serviços de Saúde - INAISS Tecnologia da Organização dos Serviços de Saúde Instrumento Nacional de Inspeção em Serviços de Saúde - INAISS ANEXO Instrumento Nacional para Inspeção de Serviços de Saúde 1. HISTÓRICO A elaboração deste

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA VETERINÁRIA RESOLUÇÃO Nº 1.015, DE 9 DE NOVEMBRO DE 2012

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA VETERINÁRIA RESOLUÇÃO Nº 1.015, DE 9 DE NOVEMBRO DE 2012 CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA VETERINÁRIA RESOLUÇÃO Nº 1.015, DE 9 DE NOVEMBRO DE 2012 Conceitua e estabelece condições para o funcionamento de estabelecimentos médicos veterinários de atendimento a pequenos

Leia mais

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos;

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos; Os 32 itens da NR-32 a serem trabalhados nesta primeira etapa do projeto 32 para implantação nos estabelecimentos de saúde até 2009 foram selecionados e estudados pela diretoria do Sinsaúde por serem os

Leia mais

ESTERILIZAÇÃO. Eliminação de todas as formas de vida

ESTERILIZAÇÃO. Eliminação de todas as formas de vida ESTERILIZAÇÃO Eliminação de todas as formas de vida SISTEMA BEDA BARREIRAS - avental, máscara, gorro, luvas, óculos de proteção. ESTERILIZAÇÃO DESINFECÇÃO ANTI-SEPSIA ESTERILIZAÇÃO Materiais ( instrumental

Leia mais

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde A Portaria MS nº 2616/98 define a Infecção Hospitalar (IH) como sendo aquela adquirida após a admissão do paciente e que se manifesta durante

Leia mais

Medidas de Precaução

Medidas de Precaução Medidas de Precaução INFLUENZA A (H1N1) Gerência-Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde GGTES/Anvisa Medidas de Precaução Precaução Padrão Precauções Baseadas na Transmissão: contato gotículas aerossóis

Leia mais

Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado

Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado Gessilene de Sousa Sobecc, julho2011 Agenda Regulamentação Definição: Centro de Material Esterilizado - CME; Estrutura Física: Áreas de composição; Fluxograma

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE REMOÇÃO EM AMBULÂNCIAS II

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE REMOÇÃO EM AMBULÂNCIAS II ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE REMOÇÃO EM AMBULÂNCIAS II 1. IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO AO QUAL PERTENCE O VEÍCULO Razão social do estabelecimento. Nome fantasia do estabelecimento. CGC. Nome

Leia mais

Clínicas Odontológicas, CEO e Consultórios Odontológicos

Clínicas Odontológicas, CEO e Consultórios Odontológicos Subcoordenadoria de Vigilância Sanitária Rio Grande do Norte PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (PGRSS) Clínicas Odontológicas, CEO e Consultórios Odontológicos Modelo Simplificado

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO CIRÚRGICA RGICA RESPONSABILIDADE COMPARTILHADA INSTRUMENTADOR CIRÚRGICO A INSTRUMENTAÇÃO CIRÚRGICA: é uma atividade de enfermagem, não sendo entretanto, ato privativo da mesma e que o profissional

Leia mais

CENTRO CIRÚRGICO Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário

CENTRO CIRÚRGICO Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário CENTRO CIRÚRGICO Sumário ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO NORMAS E ROTINAS Regulamento Interno do Centro Cirúrgico PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DE ENFERMAGEM - POPs POP 01 - Admissão do paciente POP 02 - Alta

Leia mais

DIRETRIZES PARA HABILITAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS SERVIÇOS DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO, PEDIÁTRICA E NEONATAL

DIRETRIZES PARA HABILITAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS SERVIÇOS DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO, PEDIÁTRICA E NEONATAL MERCOSUL/GMC/RES. Nº 65/06 DIRETRIZES PARA HABILITAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS SERVIÇOS DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO, PEDIÁTRICA E NEONATAL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MANEJO

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MANEJO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MANEJO NATAL/RN OUT/2013 GERENCIAMENTO DOS RSS PROCEDIMENTOS PLANEJADOS E IMPLEMENTADOS minimizar a produção na fonte, destinar e dispor com segurança Planejamento

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO CENTRO CIRÚRGICO E AMPLIAÇÃO

IMPLANTAÇÃO DO CENTRO CIRÚRGICO E AMPLIAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO: 1.1. Título do Projeto IMPLANTAÇÃO DO CENTRO CIRÚRGICO E AMPLIAÇÃO 1.2. Instituição Proponente Nome da instituição: Fundação SOBECCan- Pesq. Prev. Assist. Câncer Endereço: Rua Octávio

Leia mais

9º Congresso Brasileiro da SOBECC

9º Congresso Brasileiro da SOBECC 9º Congresso Brasileiro da SOBECC Nancy Val y Val Peres da Mota nancy.mota@hcnet.usp.br Julho/2009 COMPROMISSO COM A QUALIDADE HOSPITALAR 2 Missão do CQH Contribuir para a melhoria contínua da qualidade

Leia mais

SERVIÇO ESPECIALIZADO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO ANEXO I

SERVIÇO ESPECIALIZADO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO ANEXO I ANEXO I BIOSSEGURANÇA NAS ATIVIDADES EXERCIDAS NA UNIDADE O Ministério da Saúde estabelece que para manipulação de microrganismos, devem ser atendidos alguns requisitos de segurança, conforme sua classe

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1015, DE 9 DE NOVEMBRO DE 2012

RESOLUÇÃO Nº 1015, DE 9 DE NOVEMBRO DE 2012 RESOLUÇÃO Nº 1015, DE 9 DE NOVEMBRO DE 2012 Conceitua e estabelece condições para o funcionamento de estabelecimentos médicoveterinários de atendimento a pequenos animais e dá outras providências. O CONSELHO

Leia mais

PGRSS Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde Odontologia

PGRSS Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde Odontologia Conselho Regional de Odontologia de Rondônia Modelo (Cada estabelecimento deve adequar à sua realidade) PGRSS Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde Odontologia Fonte: http://www.cro-ro.org.br/

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 004 CAGV/IFMG/SETEC/MEC DE 30 DE ABRIL DE 2014.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 004 CAGV/IFMG/SETEC/MEC DE 30 DE ABRIL DE 2014. SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS GOVERNADOR VALADARES CONSELHO ACADÊMICO Av. Minas Gerais, 5.189 - Bairro Ouro

Leia mais

ANEXO 7 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE LABORÁTORIOS DE ANÁLISES CLÍNICAS E OUTRAS ESPECIALIDADES

ANEXO 7 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE LABORÁTORIOS DE ANÁLISES CLÍNICAS E OUTRAS ESPECIALIDADES ANEXO 7 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE LABORÁTORIOS DE ANÁLISES CLÍNICAS E OUTRAS ESPECIALIDADES PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE LABORATÓRIOS DE ANÁLISES CLÍNICAS

Leia mais

ROTEIRO EMPRESA DE CONTROLE DE VETORES E PRAGAS

ROTEIRO EMPRESA DE CONTROLE DE VETORES E PRAGAS ROTEIRO EMPRESA DE CONTROLE DE VETORES E PRAGAS ROTEIRO DE INSPEÇÃO PRESTADORA DE SERVIÇOS / DEDETIZADORAS Data: A - IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA: 1-Razão Social: 2-Nome de Fantasia: 3-Alvará/Licença Sanitária:

Leia mais

BIOSSEGURANÇA/RISCO. S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco.

BIOSSEGURANÇA/RISCO. S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco. BIOSSEGURANÇA/RISCO S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco. SIGLÁRIO ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária CAT Comunicação de Acidente de Trabalho CDC Centro

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS. Art. 1º - Por resíduos perigosos entende-se todo o lixo produzido por:

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS. Art. 1º - Por resíduos perigosos entende-se todo o lixo produzido por: 1 LEI Nº 897, DE 10 DE OUTUBRO DE 2013. DISPÕE SOBRE "PROCEDIMENTOS RELATIVOS AOS RESÍDUOS PERIGOSOS" E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Prefeito Municipal de Mangaratiba faz saber que a Câmara Municipal de Mangaratiba,

Leia mais

ANEXO 8 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE ESTABELECIMENTOS VETERINÁRIOS

ANEXO 8 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE ESTABELECIMENTOS VETERINÁRIOS ANEXO 8 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE ESTABELECIMENTOS VETERINÁRIOS PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE ESTABELECIMENTOS VETERINÁRIOS Data da vistoria: / / A CADASTRO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE TERMO DE REFERÊNCIA PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE CURITIBA

Leia mais