RELATÓRIO DE AUDITORIA MANEJO FLORESTAL PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES PARA PLANTAÇÕES FLORESTAIS. PADRÃO NORMATIVO: NBR : CERFLOR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO DE AUDITORIA MANEJO FLORESTAL PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES PARA PLANTAÇÕES FLORESTAIS. PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.789: 2007 - CERFLOR"

Transcrição

1 RELATÓRIO DE AUDITORIA MANEJO FLORESTAL PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES PARA PLANTAÇÕES FLORESTAIS. PADRÃO NORMATIVO: NBR : CERFLOR EMPRESA AUDITADA: International Paper do Brasil ESCOPO DE CERTIFICAÇÃO: Manejo de Florestas plantadas nos municípios de: Brodowski, Patrocínio Paulista, Altinópolis, Brotas, Ribeirão Bonito, Cajuru, Américo Brasiliense, Araraquara, Guatapará, Ibaté, Luis Antônio, Santa Rita do Passa Quatro, Santa Rosa do Viterbo, São Carlos, São Simão, Serra Azul, Tambaú, Aguaí, Artur Nogueira, Casa Branca, Conchal, Espírito Santo do Pinhal, Estiva Gerbi, Mogi Guaçu, Mogi Mirim, São João da Boa Vista, Vargem Grande do Sul Data: de 19/03/2012 a 23/03/2012 AUDITORIA DE RECERTIFICAÇÃO Auditor Líder: Antônio de Oliveira Equipe auditora: Maria Augusta Godoy, Fábio Alves, Pedro Silveira e Rafaela Guimarães e Silva Bureau Veritas Certification Praça Pio X, 17 8 o andar RIO DE JANEIRO/RJ BRASIL

2 SUMÁRIO SUMÁRIO... 2 RESUMO INFORMAÇÕES GERAIS Histórico da organização Contatos na Organização para o processo de Certificação Localização e Distribuição de Terras de Florestas Plantadas Distribuição de Florestas Plantadas e Áreas Naturais Manejo Florestal Características Regionais Biomas e Ecossistemas presentes Geologia Clima Recursos Hídricos Disponíveis Identificação de Vestígios Arqueológicos e Paleontológicos Unidades de Conservação e Locais de Interesse Comunitário Perfil e Condições Sócio-econômicas das Áreas adjacentes Programas Sócio-ambientais e de Relacionamento PROCESSO DE AVALIAÇÃO Norma ou Padrão Normativo utilizado para avaliação Identificação do OCF Organismo de Certificação Responsável pelo OCF Descrição do Processo de Auditoria Definição da Equipe de Auditoria Planejamento de Reuniões Públicas

3 3.4.3 Planejamento e Realização da Auditoria Relatório Detalhado Resultado da Avaliação dos Princípios e Critérios Cerflor Manejo Florestal Relatório Detalhado Evidências da Equipe de Auditoria Lista de pessoal auditado durante toda a auditoria: Não Conformidades Registradas Oportunidades de Melhoria e Observações Registradas CONSULTAS PÚBLICAS Reuniões Públicas Planejamento, Objetivo e Realização de Reuniões Públicas Entidades e pessoas contatadas Relação dos Participantes nas Reuniões Públicas Respostas aos Questionamentos de Partes Interessadas por parte da Empresa e parecer Bureau Veritas Certification A. AUDITORIA DE FOLLOW-UP A.1. Informações Gerais A.2. Equipe de Auditoria A.3. Descrição do programa de Auditoria A.4. Avaliação das ações corretivas apresentadas para as não conformidades registradas CONCLUSÃO FINAL ANEXOS ANEXO I: Carta Convite de Reunião Pública e Questionário enviado às partes interessadas ANEXO II: Pareceres de revisores técnicos ANEXO III: Outros documentos pertinentes I. PRIMEIRA AUDITORIA DE MANUTENÇÃO Planejamento e Realização da 1ª Auditoria de Manutenção

4 2. Equipe de Auditoria Lista de pessoal auditado durante toda a auditoria: Alterações no Escopo do Certificado Processos Auditados Relatório Detalhado Evidências da Equipe de Auditoria Não Conformidades Registradas Oportunidades de Melhoria e Observações Registradas Conclusão da 1ª Manutenção

5 RESUMO O Bureau Veritas Certification (BVC) é um organismo de certificação reconhecido pelo INMETRO, que atua como organismo acreditador e é atualmente responsável por executar os procedimentos de auditorias anuais pelos próximos 05 anos na empresa International Paper. Essas auditorias são feitas para avaliar as atividades relacionadas ao à gestão florestal de acordo com os Princípios e Critérios do CERFLOR, NBR /2007. A empresa International Paper produz papéis cortados, linha gráfica e celulose. As auditorias feitas pelos auditores do BV durante os dias 19 e 23 de Março de 2012, basearam-se na adaptação do Padrão Normativo NBR :2007 Manejo Florestal Princípios, critérios e indicadores para plantações florestais conhecido como CERFLOR, elaborado pela ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas. A equipe de auditoria avaliou todos os requisitos do padrão e constatou que a empresa International Paper atende às exigências em suas unidades de gestão. Apesar de 08 Não Conformidades Menores serem levantadas, o sistema de gestão está sendo implementado de forma adequada nas áreas cobertas pelo escopo do certificado. A International Paper apresentou planos de ação para atendimento á essas não conformidades menores e será verificada a eficácia dos mesmos na próxima auditoria de 1ª manutenção. Este relatório apresenta as observações dos auditores coletadas durante as avaliações de campo, bem como os resultados da consulta pública. 5

6 1. INFORMAÇÕES GERAIS 1.1 Histórico da organização Identificação da Organização e das Unidades de Manejo Florestal objeto da Certificação A International Paper Company foi constituída em 1898 e, com as absorções das empresas Union Camp (1999) e da Champion International (2000), surge à maior empresa de papel e produtos florestais do mundo. A administração mundial da International Paper está localizada nos Estados Unidos, em Memphis, Tennessee. A companhia tem operações em 24 países nos continentes Americano, Europeu e Asiático, e exporta para mais de 120 países. A empresa iniciou suas atividades no Brasil em 1960, com a aquisição do controle acionário da Panamericana Têxtil. Logo começou a procura do local mais adequado para a construção de uma fábrica, que deveria atender aos fatores de demanda econômica, facilidade de mão-de-obra, suprimento de matéria-prima, água e transporte, inclusive ferroviário. Decidiu-se assim pela cidade paulista de Mogi Guaçu. A aquisição da Champion International Corp. pela International Paper Co., em 19 de junho de 2000, promoveu, em outubro de 2000, a mudança da razão social da Champion Papel e Celulose Ltda. para International Paper do Brasil Ltda. Atualmente a International Paper é líder global com aproximadamente funcionários, tem faturamento de mais de US$ 26 bilhões anuais. Há mais de 100 anos criamos idéias inovadoras a International Paper é conhecida por seu compromisso ambiental e tecnologia de ponta, Empresa do ano em Responsabilidade Social Corporativa (ABTCP), Prêmio Consumidor Moderno de Excelência em Serviços ao Cliente Campeã da Década (Revista Consumidor Moderno), Considerada uma das Empresas mais Éticas no Mundo (Instituto Ethisphere), Considerada uma das Melhores empresas para se trabalhar e uma das melhores empresas para iniciar a carreira, 92ª posição no ranking das maiores empresas da América (Fortune 500) e líder global em papel e produtos para embalagem. Área de Negócios de Papel Envolve as Unidades de Papel _ de Imprimir e Escrever, com fábricas localizadas em Mogi Guaçu e Luiz Antônio (SP) e uma fábrica em Três Lagoas (MS), que produzem papéis brancos e coloridos sem revestimento; Área Florestal Responsável pelo suprimento de madeira das fábricas da International Paper do Brasil e pela administração de todas as operações florestais da empresa. Possui um avançado centro de pesquisas e desenvolvimento florestal, com 6

7 laboratórios e pesquisadores nas mais diversas especialidades, com o objetivo de aumentar a qualidade e produtividade das florestas e proteger o meio ambiente, contribuindo para que a International Paper tenha um papel de destaque no setor florestal. Ao longo de mais de 52 anos no país, o grupo brasileiro assumido pela International Paper se firmou como um grupo de sucesso, integrado ao Brasil em todos os processos produtivos, tendo como princípios a ética, parceria com clientes e fornecedores, preservação ambiental e o desenvolvimento social. Empregando aproximadamente 2666 pessoas em suas unidades, a International Paper no Brasil também é comprometida com a segurança e qualidade de vida de seus funcionários e dá suporte às comunidades onde trabalham ou residem. No Brasil, a empresa produz papéis cortados não revestidos, papel offset e celulose. O papel cortado é comercializado para distribuidores e grandes varejistas, que os revendem aos consumidores finais. Já o papel offset é vendido para o mercado gráfico, que o converte para a produção de livros, cadernos, bulas, formulários e diversos artigos. Todos os produtos são fabricados a partir de florestas plantadas 100% renováveis. Atualmente, cerca de 50% da produção brasileira de papel é distribuída para o mercado nacional, e 50% é destinada a países da América Latina, da Ásia e da Europa. a. Papeis Cortados A linha de papéis cortados da IP é composta de diversas marcas: Chamex Linha de papel cortado para imprimir e escrever. Presente no lar, na escola e no trabalho de milhares de pessoas, no Brasil, no Chile, no Peru, na Argentina, na Bolívia, no Uruguai, no Paraguai, no Caribe, na Colômbia, no Equador, na Venezuela, na África e no Oriente Médio. Chamequinho Ideal para atividades em casa e na escola, disponível em pacote de 100 folhas, seja branco, seja reciclado, seja colorido (rosa, azul, marfim, verde e amarelo). HP Papéis para imprimir e escrever com tecnologia Colorlok. b. Papel Offset Chambril é voltado para a área gráfica e tem como diferencial várias gramaturas (de 45 g/m2 a 240 g/m2) e a possibilidade de suportar diversos acabamentos como laminação, verniz de reserva, texturas, relevo e hot stamping. Além do mercado nacional, é exportado para o Chile, a Argentina, a Bolívia, o Paraguai, o Uruguai, 7

8 nações da África, o Caribe, a Colômbia, o Equador, o Oriente Médio, o Peru e a Venezuela. 1.3 Contatos na Organização para o processo de Certificação Miguel Magela Diniz Coordenador de Sistema de Gestão Florestal Endereço: Rodovia SP 340, KM 171, CEP , Mogi Guaçu-SP Fone: (019) Localização e Distribuição de Terras de Florestas Plantadas 1.5 Distribuição de Florestas Plantadas e Áreas Naturais 8

9 Área total auditada: ha, nas quais: Áreas de Manejo Florestal próprias: ha Áreas produtivas: ha Plantadas: ha Condução da Regeneração: 4018 ha Áreas destinadas à conservação/preservação (não comerciais): APP : 5520 ha Reserva Legal: ha Produção de Produtos Florestais Não Madeireiros: Outros: Áreas Naturais Protegidas : 1) RPPN Parque Florestal São Marcelo 2) RPPN Floresta das Águas Perenes 2. Manejo Florestal Descrição das Áreas Manejadas e seus Processos As propriedades próprias da empresa estão inseridas em 27 municípios do Estado de São Paulo (Brodowski, Patrocínio Paulista, Altinópolis, Brotas, Ribeirão Bonito, Cajuru, Américo Brasiliense, Araraquara, Guatapará, Ibaté, Luis Antônio, Santa Rita do Passa Quatro, Santa Rosa do Viterbo, São Carlos, São Simão, Serra Azul, Tambaú, Aguaí, Artur Nogueira, Casa Branca, Conchal, Espírito Santo do Pinhal, Estiva Gerbi, Mogi Guaçu, Mogi Mirim, São João da Boa Vista, Vargem Grande do Sul) havendo três regiões administrativas. O manejo contempla o desenvolvimento das atividades operacionais de produção de mudas, reflorestamento e colheita florestal, bem como as atividades florestais de suporte como inventário e planejamento florestal, Geoprocessamento, pesquisa e desenvolvimento florestal (melhoramento florestal, solos e manejo, biotecnologia, proteção florestal e meio ambiente) Recursos Florestais A empresa possui aproximadamente ha de terras, sendo há destinados ao reflorestamento com eucaliptos e ha para conservação da natureza. As propriedades da empresa estão inseridas em 03 regiões administrativas. O programa de melhoramento genético da International Paper do Brasil foi iniciado na década de 60, com a importação de sementes de Eucalyptus da Austrália, para formação de populações bases de melhoramento. Dentre as mais de 600 espécies do gênero Eucalyptus, a empresa optou por trabalhar mais intensamente com as espécies E. grandis e E. urophylla, devido ao maior potencial de crescimento do E. grandis, a 9

10 maior adaptabilidade do E. urophylla as condições adversas edafoclimáticas e a possibilidade da formação do híbridos entre estas duas espécies e com isso, combinar o crescimento do E. grandis com a adaptabilidade do E. urophylla, em um único material por meio de pomares de produção de sementes e posteriormente, por meio da propagação vegetativa. Mais recentemente, foram introduzidas no programa de melhoramento da International Paper, as espécies E. camaldulensis, E. tereticornis e E. globulus. As duas primeiras com a finalidade de conferir aos híbridos de E. grandis x E. urophylla, maior tolerância ao déficit hídrico e solos arenosos, enquanto que o E. globulus, tem a finalidade de promover a melhoria da qualidade da madeira para produção de celulose e papel. A estratégia de combinação destas espécies está sendo realizada por meio de populações sintéticas, onde estão sendo realizados híbridos simples de E. grandis x E. tereticonis/e. camaldulensis e E. urophylla x E. globulus. Após esta etapa, serão recombinados os híbridos simples, gerando com isso híbridos compostos de 4 espécies, ou seja, (E. grandis x E. tereticonis/e. camaldulensis) x (E. urophylla x E. globulus). Futuramente, está previsto a introdução de mais uma espécie, o E. pellita, com a finalidade de agregar maior tolerância a doenças aos materiais genéticos que compoem as populações de melhoramento atuais. Situação Fundiária A International Paper possui, para todas as suas propriedades, matrículas imobiliárias devidamente registradas nos cartórios de registros de imóveis dos municípios em que possui suas terras. 2.1 Características Regionais Biomas e Ecossistemas presentes As unidades de manejo florestal da empresa localizam-se em zona de transição dos biomas brasileiros, cerrado e mata atlântica, segundo o mapa da vegetação brasileira do IBGE. O cerradão apresenta muitos elementos comuns com a Floresta Estacional Semidecidual em função das características ambientais coincidentes, como a fisionomia florestal, maior disponibilidade hídrica em relação aos cerrados sensu stricto, ciclagem de nutrientes e restrição luminosa no sub-bosque, além de muitas espécies em comum, distinguindo-se basicamente pela condição edáfica e de retenção de água no solo. À medida que a vegetação arbórea se adensa, passa a criar condições de sombreamento crescente e a vegetação herbácea-subarbustiva primitiva vai gradativamente desaparecendo. A grande maioria das árvores é ereta, fornecendo uma boa cobertura arbórea. Tal situação deve-se à inexistência ou menor freqüência de fatores como queimadas ocasionais, solos rasos ou com elementos tóxicos, 10

11 indisponibilidade de nutrientes, exposição á eluviação, ação antropogênica e outros fatores que poderiam causar a formação de campos. De acordo com a predominância de características do ambiente físico, ocorre a distinção dos ecossistemas associados a estes biomas, a exemplo das matas ciliares e florestas paludosas. A disposição dos fragmentos florestais existentes nas unidades de manejo florestal ocorre nos mapas localizados na intranet. Neles estão dispostas as áreas de preservação permanente e reserva legal da empresa Geologia Aproximadamente 60% dos solos das unidades de manejo florestal da International Paper são classificados como Neossolos Quartzarênicos, anteriormente designados por Areias quartzozas, 35% classificados como Latossolos, estes com maior variação em sua composição textural, e 5% de outras classes de solos, incluindo-se os solos podzólicos, cambissolos e hidromórficos. De modo geral, os solos destinados ao cultivo de florestas produtivas da empresa são profundos ou muito profundos apresentando excelente drenagem no perfil de solo, sendo esta variável conforme as características de textura e estrutura do solo, condição de declive e posição topográfica. Devido ao alto volume de macroporos, propiciam uma boa aeração e facilidade de expansão do sistema radicular. A microporosidade, em grande parte deficiente, responde pela reduzida capacidade de retenção de água no perfil, havendo baixa quantidade de água disponível às plantas nos períodos de estiagem (seca edafológica). São solos ácidos, com reduzida soma de bases trocáveis. Sendo assim, a empresa monitora a fertilidade dos solos e define procedimentos de reposição constante de nutrientes, visando garantir a produtividade do sítio. A classificação dos solos e seu agrupamento em unidades de manejo são atualizadas e disponibilizadas para a empresa na Intranet. O relevo plano ou suave ondulado em que estes solos ocorrem permitem facilmente a mecanização. As áreas de P&D Florestal e de Desenvolvimento Operacional da empresa atuam na constante busca por inovações tecnológicas que permitam a empresa alcançar as melhores práticas de preparo e manejo do solo. Em áreas de relevo ondulado, estes solos podem apresentar predisposição aos processos erosivos, devido ao grau de estruturação das partículas unitárias do solo apresentar-se fraco. Sobre estas condições, a estrutura pode ser facilmente rompida pela energia cinética das gotas de chuva e o material de solo ser carreado para as partes mais baixas da paisagem. Desta maneira, se advém à necessidade de práticas conservacionistas, que venham a minimizar as perdas de solo e de nutrientes. Para tanto a empresa possui procedimentos operacionais quanto ao preparo, conservação do solo e construção de estradas visando o controle de impactos ambientais. 11

12 2.1.3 Clima A região do Estado de São Paulo que abrange as unidades de manejo florestal da International Paper, posiciona-se no limite entre a zona climática intertropical com a zona subtropical. Sofre, desta forma, influência de massas equatoriais e tropicais relacionadas à primeira zona e de massas tropicais e polares vinculadas a segunda. A distribuição pluviométrica anual é o principal fator que define as diferenciações climáticas em diferentes localidades. O clima da região apresenta características que o incluem no tipo Cwa da classificação de Köeppen, ou seja, clima úmido quente, com influência de inverno seco. A temperatura média do mês mais frio é inferior a 18ºC, ao passo que a do mês mais quente ultrapassa 22ºC. Conforme a classificação de NIMER (1972), o clima da região é do tipo Tropical Subquente úmido, apresentando uma variabilidade climática de um a três meses secos. O total das chuvas no mês mais seco não atinge a 30 mm e no mês mais chuvoso pode chegar a atingir mais de 300 mm. O índice médio anual de chuvas está em torno de 1300 mm, sendo que no período mais seco, de abril à setembro, não ultrapassa 300 mm Recursos Hídricos Disponíveis O sistema hidrográfico nas unidades de manejo florestal da empresa é identificado e o acesso a esta informação é obtido nos mapas de cada propriedade florestal, conforme exemplo na figura abaixo. Uma vez identificados são estabelecidos os limites das áreas de preservação permanente, com vistas à conservação dos recursos hídricos. Quando da necessidade de intervenção nas áreas de preservação permanente, são firmados termos de compromisso com o órgão ambiental, visando à restauração ecológica destas áreas. Quando da necessidade de consumo de água para as atividades operacionais, protocola-se um processo no órgão ambiental competente, objetivando a obtenção da outorga de uso dos recursos hídricos ou dispensa da mesma. Os aspectos e impactos ambientais das atividades florestais sobre os recursos hídricos são identificados pela empresa, havendo a implementação de controles operacionais, monitoramentos e controle de registros, a fim de garantir a eficácia da gestão dos recursos hídricos. A empresa também desenvolve projetos de parceria com instituições de pesquisa, visando o monitoramento do impacto das atividades florestais sobre a qualidade e a quantidade de água em microbacias experimentais. 12

13 Identificação de Vestígios Arqueológicos e Paleontológicos Existe o procedimento de identificação e registro, porém não foram identificadas áreas com estas características em nossos hortos e fazendas Unidades de Conservação e Locais de Interesse Comunitário A International Paper do Brasil possui duas unidades de conservação, as quais são áreas protegidas segundo o SNUC. A primeira área certificada como RPPN da IP é a Reserva Particular do Patrimônio Natural Parque Florestal São Marcelo, localizado entre os municípios de Mogi Guaçu e Mogi Mirim-SP. Esta área passou por processo de restauração florestal, sendo realizado o plantio de 101 espécies florestais arbóreas, seguindo procedimento SMA A segunda é a RPPN Florestas das Águas Perenes, a qual recebeu o titulo provisório no dia 26 de dezembro de 2011, sendo a segunda maior RPPN do bioma Cerrado existente no estado de São Paulo, esta UC está localizada no município de Brotas, e possui uma área total de 793,8 hectares Perfil e Condições Sócio-econômicas das Áreas adjacentes O perfil das áreas adjacentes é predominantemente agrário, havendo municípios que se destacam pelo grau de industrialização. As condições sócio-econômicas são demonstradas pelo IDH dos municípios, que se encontram entre médio (0,500 a 0,799) a elevado (maior ou igual a 0,800). 2.2 Programas Sócio-ambientais e de Relacionamento Todos os programas sociais da International Paper são conduzidos pelo Instituto International Paper A) Projeto Formare (Unidades MG e LA) Lançado em 2010 na IP, a Escola Formare, desenvolvida pela Fundação Iochpe (franquia social), oferece cursos de educação profissional ou ensino profissionalizante para jovens de famílias de baixa renda, com certificado reconhecido pelo Ministério da Educação (MEC) emitido pela Universidade Federalde Ensino Tecnológico do Paraná. B) PEA Programa de Educação Ambiental (LA e MG) O PEA (Programa de Educação Ambiental) é realizado há 19 anos em parceria com as Secretarias de Educação e Diretorias de Ensino. O programa já atendeu aproximadamente 69 mil crianças e jovens nas regiões em que a empresa atua. Em 2011, o programa foi realizado com alunos das 3ª e 4ª séries do ensino fundamental e 6º ao 9º ano do ensino fundamental II de escolas públicas e particulares de 28 municípios. C) Projeto Educação Socioabiental (Unidade Mogi Guaçu) 13

14 O Projeto EducAção Socioambiental (Concurso de Redação e Concurso Literário), realizado há 36 anos, além de colaborar com a formação de crianças e adolescentes socialmente responsáveis, realiza a conservação e restauração ambiental de áreas verdes nos municípios de Mogi Guaçu, Mogi Mirim e Estiva Gerbi. O projeto une ações educacionais e socioambientais por meio dos concursos e conservação ambiental, no qual as escolas participantes levam seus alunos para realizar um plantio de mudas nativas em áreas degradadas. A ação, que é itinerante, passou pelos três municípios participantes nos últimos três anos. D) Projeto Guardiões das Águas (Unidade Luís Antônio) O Projeto Guardiões das Águas, realizado há três anos, tem como missão informar e conscientizar os participantes quanto ao uso racional da água, além de incentivar ações de conservação. Por meio de campanha o projeto incentiva os professores a trabalharem com os alunos, tornando-os agentes multiplicadores para a conservação dos recursos hídricos na comunidade. E) Projeto Guardiões do Verde (Unidade Luís Antônio) O Projeto Guardiões do Verde, em três anos de atividade, visa dar oportunidade para adolescentes em vulnerabilidade social, para a sua inserção no mercado de trabalho ou geração de sua própria renda por meio da capacitação para atividade de viveirista. Foi desenvolvido um ciclo de palestras para transmitir aos jovens conhecimentos e informações sobre as diferentes atuações e oportunidades existentes no mercado de trabalho, buscando a motivação pessoal e o constante desenvolvimento profissional dos mesmos. Para a aplicação das palestras, buscamos o apoio de profissionais IP, da própria comunidade, da comunidade acadêmica e de profissionais externos, tais como consultores e especialistas nos variados assuntos. F) Projeto Coleta Seletiva Solidária (Unidade Luís Antônio) O projeto Coleta Seletiva Solidária, iniciado há 5 anos, visa à geração de renda, qualidade de vida e conservação ambiental, por meio da destinação correta dos resíduos sólidos. Com trabalhos voltados aos catadores de materiais recicláveis e para as comunidades dos municípios participantes, o projeto, implanta um mecanismo de coleta sistematizada de recicláveis domésticos, destinando-os para as Associações de Catadores formadas pelo programa. G) Projeto Apicultura Solidária (Unidade Luís Antônio) O projeto Apicultura Solidária, teve início em 2011 e visa o uso múltiplo das florestas de Eucalipto, priorizando o desenvolvimento socioambiental nas áreas de atuação da IP, além de geração de renda para apicultores locais. Apicultura é a ciência, ou arte, de criação de abelhas e, chama-se Apicultura migratória quando o apicultor descarrega as colmeias na plantação de eucalipto durante a floração, e depois retira as colmeias no fim da floração. Assim, durante a floração do eucalipto, instalam-se colmeias para a produção de mel. 14

15 3. PROCESSO DE AVALIAÇÃO 3.1 Norma ou Padrão Normativo utilizado para avaliação O processo de avaliação foi efetuado com base no Escopo de Certificação descrito acima, conforme o Padrão Normativo NBR :2007 Manejo Florestal Princípios, critérios e indicadores para plantações florestais conhecido como CERFLOR, elaborado pela ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas. A ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas é uma entidade não-governamental, sem fins lucrativos, reconhecida pelo Conmetro como Fórum Nacional de Normalização. A ABNT é o organismo responsável pelo processo de elaboração e revisão das normas do Programa Cerflor. As Normas Brasileiras, cujo conteúdo é de responsabilidade dos Comitês Brasileiros (ABNT/CB) e dos Organismos de Normalização Setorial (ABNT/ONS), são elaboradas por Comissões de Estudo (CE), formadas por representantes dos setores envolvidos, delas fazendo parte: produtores, consumidores e partes interessadas (universidades, laboratórios, organizações não governamentais e outros). Os Projetos de Norma Brasileira, elaborados no âmbito dos ABNT/CB e ABNT/NOS, circulam para Consulta Pública entre os associados da ABNT e demais interessados. A Norma NBR :2007 foi elaborada pela Comissão de Estudo Especial Temporária (CEET) de Manejo Florestal, formada por especialistas brasileiros representantes dos setores envolvidos. A revisão de 2007 da norma circulou em consulta nacional conforme Edital Nº 08, de 21/07/2007 a 20/08/2008 com o número do projeto ABNT NBR Esta segunda edição cancela e substitui a edição anterior de O Padrão Normativo aqui utilizado faz parte do Sistema Brasileiro de Certificação, em que o INMETRO estabelece as regras para o processo de Certificação. Em 19 de outubro de 2005 o CERFLOR passou a ser reconhecido pelo Programme for the Endorsement of Forest Certification (PEFC). O PEFC é um conselho sem fins lucrativos, que atua de forma independente, tendo sido fundado em 1999 com o objetivo de promover o manejo florestal sustentável em todo o mundo. 15

16 Atualmente conta com 25 sistemas de certificação florestal reconhecidos que passaram por avaliações técnicas. No Brasil o reconhecimento se deu por intermédio do INMETRO, que atua como organismo acreditador, estabelecendo regras específicas para o sistema de certificação do CERFLOR. Maiores informações podem ser obtidas pelo website O CERFLOR contempla um conjunto de princípios, critérios e indicadores, incluindo requisitos ambientais e sociais, a serem atendidos pela organização auditada. No processo de avaliação todos os requisitos normativos são verificados nas unidades de manejo, objeto da certificação. São ao todo 05 (cinco) Princípios, relacionados às atividades de manejo florestal, como indicado a seguir: Princípio 1: Princípio 2: Princípio 3: Princípio 4: Princípio 5: Cumprimento da Legislação; Racionalidade no uso dos recursos florestais a curto, médio e longo prazos, em busca da sua sustentabilidade; Zelo pela diversidade biológica; Respeito às águas, ao solo e ao ar; Desenvolvimento ambiental, econômico e social das regiões em que se insere a atividade florestal. Os princípios estabelecidos nesta norma constituem a referência para o manejo florestal. De acordo com o estabelecido no próprio padrão normativo NBR 14789:07, destacamos que: Os princípios são desdobrados em critérios, que são a expressão dos requisitos que descrevem os estados ou dinâmicas de um ecossistema florestal e do sistema social a ele associado. A verificação do cumprimento de cada critério é estabelecida mediante a avaliação do atendimento de um conjunto de indicadores específicos, que podem ser quantitativos ou qualitativos. Dependendo da localização e da finalidade da unidade de manejo florestal, nem todos os indicadores serão aplicáveis. Contudo será sempre necessário avaliar todos aqueles pertinentes à situação local Identificação do OCF Organismo de Certificação 16

17 O BUREAU VERITAS CERTIFICATION (BVC) está credenciado pelo INMETRO para realização de certificações de manejo de florestas plantadas com base na norma NBR 14789:2007, podendo emitir certificados com a logomarca deste organismo credenciador. O objetivo do BVC é realizar serviços de certificação com alta credibilidade, sendo este o motivo pelo qual optou em realizar tais certificações de acordo com os requisitos do Sistema Brasileiro de Certificação Dados para Contato Escritório São Paulo: BUREAU VERITAS CERTIFICATION (BVC) Sr. José Antônio Ferreira da Cunha: Certification Technical Manager Av. do Café 277 Torre B 5 o andar SÃO PAULO/SP Fone: (0**11) Fax: (0**11)

18 3.3. Responsável pelo OCF BUREAU VERITAS CERTIFICATION (BVC) Sr. Luiz Roberto Duarte Pinho (Diretor de Certificação) Av. do Café 277 Torre B 5 o andar SÃO PAULO/SP Fone: (0**11) Fax: (0**11) Descrição do Processo de Auditoria O processo de auditoria de transferência do CERFLOR compreende: Planejamento inicial da auditoria; Definição da equipe de auditoria; Avaliação documental quanto ao atendimento do CERFLOR; Avaliações de campo quanto ao atendimento do CERFLOR; Emissão e publicação do relatório de auditoria; Planejamento de auditoria complementar e/ou de Follow-up (caso pertinente); Emissão de relatório final após avaliação de ações corretivas (caso pertinente) e demais questões pertinentes. - Descrever áreas auditadas Em função da certificação mantida ao longo de 5 anos pela empresa para as áreas auditadas (mesmo escopo de certificação), consideramos não aplicável a realização desta auditoria o processo de auditoria inicial. Inicia-se um novo ciclo de 05 anos para a ABNT NBR 14790:

19 3.4.1 Definição da Equipe de Auditoria A seguinte equipe foi designada para a realização desta auditoria: Nome Função na Equipe Formação Acadêmica Antônio de Oliviera Auditor Líder Engenheiro Florestal Fábio Alves Auditor Engenheiro Florestal Pedro Silveira Auditor Engenheiro Florestal Maria Augusta Godoy Auditora Engenheira Florestal Rafaela Guimarães e Silva Auditora Engenheira Florestal Planejamento de Reuniões Públicas As reuniões públicas têm como objetivo identificar recomendações, questionamentos, denúncias e demais demandas das partes interessadas, referentes aos princípios do CERFLOR, permitindo ao Bureau Veritas Certification avaliar, durante o processo de auditoria, as questões relevantes registradas. É importante esclarecer que a empresa auditada não participa ativamente das reuniões em função do objetivo destas. Foram realizadas quatro reuniões públicas conduzidas pelos membros da equipe de auditoria. A escolha dos municípios foi feita em função da representatividade regional destes, considerando ainda as atividades da empresa auditada, facilidade de acesso e existência de instalações adequadas para a realização das reuniões. Os municípios escolhidos foram: Mogi Guaçu, Brotas, São Simão e Antinópolis, nas datas 19/03/2012, 20/03/2012, 21/03/2012 e 22/03/2012, respectivamente. 19

20 A documentação gerada no planejamento e realização das reuniões públicas compreende: convites emitidos, questionários de consulta pública preenchidos por partes interessadas, listas de presença nas reuniões públicas e Questionamento de partes interessadas. Todos estes registros estão mantidos pelo Bureau Veritas Certification como parte do processo de auditoria da empresa. Os questionamentos pertinentes, gerados nas reuniões públicas, foram inseridos neste relatório, contemplando as respostas da empresa, assim como avaliação por parte do Bureau Veritas Certification. É importante ressaltar que apenas questões relacionadas aos Princípios do CERFLOR foram contempladas neste relatório Planejamento e Realização da Auditoria De acordo com e Escopo de Certificação pretendida, foram executadas as seguintes atividades: análise de documentação, verificações em campo, entrevistas com colaboradores da empresa, prestadores de serviços e partes interessadas. Foi também avaliado o parecer da empresa sobre os questionamentos, recomendações e comentários das partes interessadas, enviados através de questionários específicos do CERFLOR e identificados nas Reuniões Públicas, referentes ao manejo florestal da empresa frente os critérios do CERFLOR. Como todo o processo de Auditoria, as avaliações ocorreram conforme plano de auditoria estabelecido previamente, considerando o tamanho e complexidade das atividades da empresa e caráter amostral de um processo de auditoria. 20

21 3.5 Relatório Detalhado Resultado da Avaliação dos Princípios e Critérios Cerflor Manejo Florestal Princípio 1 - Critério 1.1 Evidenciado respectivo Comprovante de Protocolo, emitido em 03/02/2012, Tipo / Processo E: 1707/2012 pela Prefeitura Municipal de Mogi Guaçu Módulo de Protocolo e Arquivo, relativo à renovação do Alvará Sanitário do Ambulatório. Respectivo Alvará será emitido após respectiva visita de inspeção, em data ainda não definida. Evidenciado a conformidade dos respectivos registros relativos ao Check List de Inspeção Mensal de Extintores, realizadas mensalmente por CARVEREX, conforme exemplos de evidências: - Inspeções realizadas nos dias 10, 11, e 12/01/2012, Horto Mogi Guaçu: Não foram identificados desvios com relação aos extintores disponíveis nos respectivos locais; - Inspeções realizadas nos dias 16 e 17/01/2012, Horto São Simão: Não foram identificados desvios com relação aos extintores disponíveis nos respectivos locais. Adicionalmente, durante as inspeções realizadas em terreno, foi evidenciada de forma geral a disponibilidade de respectiva etiqueta afixada em cada extintor, com respectivo registro das inspeções realizadas, não sendo identificados desvios. Evidenciado a conformidade dos respectivos registros relativos à Pesagem por Período, relativos aos cilindros de pressão injetada, emitido em 25/01/2012 por CARVEREX, conforme exemplo de evidência: 21

RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL

RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL Introdução Este documento é um resumo dos programas e procedimentos da International Paper para a gestão do seu processo florestal, sendo revisado anualmente. I N T

Leia mais

RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL

RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL Introdução Este documento é um resumo dos programas e procedimentos da International Paper para a gestão do seu processo florestal, sendo revisado anualmente. I N T

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL - CADEIA DE CUSTÓDIA REQUISITOS PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2014 - CERFLOR

RELATÓRIO DE AUDITORIA MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL - CADEIA DE CUSTÓDIA REQUISITOS PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2014 - CERFLOR RELATÓRIO DE AUDITORIA MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL - CADEIA DE CUSTÓDIA REQUISITOS PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2014 - CERFLOR EMPRESA AUDITADA: BIGNARDI INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE PAPÉIS E ARTEFATOS LTDA.

Leia mais

Instituto IP RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2011

Instituto IP RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2011 RELATÓRIO DE ATIVIDADES Governança Organograma Instituto International Paper Instituo IP Assembléia Geral Conselho Fiscal Diretoria Conselho Consultivo Fiscalização e Auditoria Governança Geral Orientação

Leia mais

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE 1. OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Estas exigências definem os deveres e as responsabilidades da CONTRATADA e estabelecem as orientações, requisitos

Leia mais

PRESTADORES DE SERVIÇO E FORNECEDORES CRITICOS QUALIFICAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇO E FORNECEDORES CRÍTICOS

PRESTADORES DE SERVIÇO E FORNECEDORES CRITICOS QUALIFICAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇO E FORNECEDORES CRÍTICOS INTERNATIONAL PAPER DO BRASIL LTDA. Unidade Florestal PRESTADORES DE SERVIÇO E FORNECEDORES CRITICOS QUALIFICAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇO E FORNECEDORES CRÍTICOS 1. OBJETIVO Este procedimento estabelece

Leia mais

Silvicultura de Nativas e a Restauração de APP e RL. Robson Oliveira Laprovitera Gerente Florestal

Silvicultura de Nativas e a Restauração de APP e RL. Robson Oliveira Laprovitera Gerente Florestal Silvicultura de Nativas e a Restauração de APP e RL Robson Oliveira Laprovitera Gerente Florestal Outubro/ 2009 Índice 1. Apresentação Institucional 2. Manejo Florestal da International Paper 3. Ecologia

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 Consultoria especializada (pessoa física) para elaborar e implantar novas metodologias

Leia mais

Sistema de Gestão de SMS

Sistema de Gestão de SMS DESCRIÇÃO DA EMPRESA Nome SMART EXPRESS TRANSPORTES LTDA EPP CNPJ 12.103.225/0001-52 Insc.Est. 79.477.680 Atividade: transporte rodoviário de carga em geral Código: 206-2 Nº de funcionários (inclusive

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA MONITORAMENTO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES DESENVOLVIDOS POR MEIO DE TÉCNICAS DE NUCLEAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DOS TERMOS

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

ESCOPO DE FORNECIMENTO DOS DOCUMENTOS DO PROJETO 3RFOLLOWGOGREENER Pág. 1 de 6

ESCOPO DE FORNECIMENTO DOS DOCUMENTOS DO PROJETO 3RFOLLOWGOGREENER Pág. 1 de 6 3RFOLLOWGOGREENER Pág. 1 de 6 Projeto N o Data de entrada: 3RFollowGoGreener-001-10-2010 Data de saída: Título do Projeto: Programa 3RFollowGoGreener - Sistema Follow é composto por Modelos de Documentos

Leia mais

FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL

FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL Uma posição institucional conjunta de: Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais Sociedade Brasileira de Silvicultura Departamento de Ciências

Leia mais

III Seminário Internacional de Direito, Águas, Energia e Aquecimento Global. Políticas Ambientais Empresariais. Campo Grande / MS

III Seminário Internacional de Direito, Águas, Energia e Aquecimento Global. Políticas Ambientais Empresariais. Campo Grande / MS III Seminário Internacional de Direito, Águas, Energia e Aquecimento Global Políticas Ambientais Empresariais Campo Grande / MS 30.10 a 01.11.2007 International Paper no Mundo Companhia global de papel

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA CADEIA DE CUSTÓDIA PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2014 - CERFLOR

RELATÓRIO DE AUDITORIA CADEIA DE CUSTÓDIA PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2014 - CERFLOR RELATÓRIO DE AUDITORIA CADEIA DE CUSTÓDIA PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2014 - CERFLOR EMPRESA AUDITADA: SAMAB CIA. IND. COM. DE PAPEL ESCOPO DE CERTIFICAÇÃO: Importação

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA HISTÓRIA RECENTE DE INCÊNDIOS EM PLANTAÇÕES INDUSTRIAIS NO BRASIL

CARACTERIZAÇÃO DA HISTÓRIA RECENTE DE INCÊNDIOS EM PLANTAÇÕES INDUSTRIAIS NO BRASIL NOVTEC 2010 Workshop Novas Tecnologias em Gestão Florestal Sustentável A gestão do risco de incêndio e a gestão da cadeia de valor 25-26 de Outubro, 2010 Lisboa, Portugal CARACTERIZAÇÃO DA HISTÓRIA RECENTE

Leia mais

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES VERIFICAÇÃO APROVAÇÃO ARQUIVO SQ SIGLA DA UO SULOG RUBRICA SIGLA DA UO G-SCQ RUBRICA 1 OBJETIVO Definir os requisitos e procedimentos mínimos para avaliação e seleção de fornecedores, assegurando fontes

Leia mais

FICHA PROJETO - nº383-mapp

FICHA PROJETO - nº383-mapp FICHA PROJETO - nº383-mapp Mata Atlântica Pequeno Projeto 1) TÍTULO: Restauração da Região Serrana RJ: assistência técnica para consolidar uma rede de produtores rurais e viveiros comunitários. 2) MUNICÍPIOS

Leia mais

N REQUISITOS OBSERVAÇÕES

N REQUISITOS OBSERVAÇÕES N REQUISITOS OBSERVAÇÕES 01 02 03 04 05 06 07 A - MANUTENÇÃO E SUPORTE A empresa fornece produto de software com Verificar se a empresa fornece manual do produto (instalação), documentação de suporte ao

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd)

GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd) GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd) Antonio Keh Chuan Chou Gerente EHS GSC Latin America Sherwin Williams São Paulo, 22 de agosto de 2013 workshop AGENDA workshop Saúde Ocupacional e Segurança do Trabalho Operações

Leia mais

Problemas e desafios Soluções e ações propostas

Problemas e desafios Soluções e ações propostas FÓRUM DAS OFICINAS DO GRUPO DE TRABALHO DE AGRICULTURA ORGÂNICA E AGROECOLOGIA I - Introdução/Apresentações II - Comercialização III - Produção/Pesquisa/Assistência Técnica IV - Produção Animal V - Impactos

Leia mais

Aspectos e Impactos Ambientais

Aspectos e Impactos Ambientais PÁGINA: 1/18 1 OBJETIVO Estabelecer e garantir uma sistemática para identificar, avaliar e gerenciar os aspectos e impactos ambientais das atividades, produtos ou serviços, da empresa x que possam ser

Leia mais

Sumário. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2. 1.2 Hidrografia 2. 1.3 Topografia 2. 1.4 - Área de reserva florestal legal 3

Sumário. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2. 1.2 Hidrografia 2. 1.3 Topografia 2. 1.4 - Área de reserva florestal legal 3 Sumário Pág. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2 1.2 Hidrografia 2 1.3 Topografia 2 1.4 - Área de reserva florestal legal 3 1.5 Acesso 3 2 Objetivo Geral 4 3 Metodologia 5 3.1

Leia mais

Etapas para a Certificação do Café: Produção Integrada Agropecuária (PI Brasil) Norma Técnica Específica da Produção Integrada do Café

Etapas para a Certificação do Café: Produção Integrada Agropecuária (PI Brasil) Norma Técnica Específica da Produção Integrada do Café Etapas para a Certificação do Café: Produção Integrada Agropecuária (PI Brasil) Norma Técnica Específica da Produção Integrada do Café Marcus Vinícius Martins M.Sc. em Agronomia Fiscal Federal Agropecuária

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09 Prof. Me. Vítor Hugo Magalhães Vono Engenheiro de Segurança do Trabalho Lei 6514 de 12/77 Capítulo V da CLT da Segurança e Medicina do Trabalho (art.

Leia mais

TREINAMENTO NR 10 MÓDULO SEGURANÇA NO TRABALHO Engenheiro/técnico de Segurança no trabalho. 1 0 Dia

TREINAMENTO NR 10 MÓDULO SEGURANÇA NO TRABALHO Engenheiro/técnico de Segurança no trabalho. 1 0 Dia TREINAMENTO NR 10 MÓDULO SEGURANÇA NO TRABALHO Engenheiro/técnico de Segurança no trabalho 1 0 Dia Realizar a apresentação dos participantes 1. Técnica de Lista de presença; apresentação e O multiplicador

Leia mais

Relatório de Atividade Técnica

Relatório de Atividade Técnica RUA DESEMBARGADOR JÚLIO GUIMARÃES, 275 SAÚDE -SÃO PAULO -BR-SP CEP: 04158-060 CNPJ: 46.995.494/0001-92 Telefone: (11) 5058-6066 Pessoa de Contato: ALMO BRACCESI (almo@betta.com.br) Tipo: Auditoria de Manutenção

Leia mais

Módulo 6 Estudos de Caso 1 e 2

Módulo 6 Estudos de Caso 1 e 2 Módulo 6 Estudos de Caso 1 e 2 Orientação para os Estudos de Caso Para a realização de uma auditoria é necessário que o auditor tenha conhecimentos teóricos e práticos e para que você obtivesse este conhecimento

Leia mais

Papel com Reflorestamento. e Reciclagem

Papel com Reflorestamento. e Reciclagem Papel com Reflorestamento e Reciclagem 49 O setor brasileiro de celulose e papel prima pela utilização de madeiras florestais plantadas exclusivamente para fins industriais. O emprego de técnicas de manejo

Leia mais

PROGRAMA DE PROSPECÇÃO E RESGATE ARQUEOLÓGICO

PROGRAMA DE PROSPECÇÃO E RESGATE ARQUEOLÓGICO PROGRAMA DE PROSPECÇÃO E RESGATE ARQUEOLÓGICO O Programa de Prospecção e Resgate Arqueológico da CSP visa atender aos requisitos legais de licenciamento ambiental, identificar e preservar o patrimônio

Leia mais

Impresso em 26/08/2015 10:52:49 (Sem título)

Impresso em 26/08/2015 10:52:49 (Sem título) Aprovado ' Elaborado por Cintia Kikuchi/BRA/VERITAS em 08/01/2015 Verificado por Neidiane Silva em 09/01/2015 Aprovado por Americo Venturini/BRA/VERITAS em 12/01/2015 ÁREA QHSE Tipo Procedimento Regional

Leia mais

Manejo de bacias hidrográficas e gestão de recursos hídricos em empreendimentos florestais

Manejo de bacias hidrográficas e gestão de recursos hídricos em empreendimentos florestais Manejo de bacias hidrográficas e gestão de recursos hídricos em empreendimentos florestais II Encontro Brasileiro de Silvicultura Robson Laprovitera Gerente de Planejamento Florestal Campinas, Abril de

Leia mais

Conservação, preparo de solo e plantio de eucalipto

Conservação, preparo de solo e plantio de eucalipto Conservação, preparo de solo e plantio de eucalipto José Henrique T. Rocha José Henrique Bazani Eduardo S. A. C. Melo José Leonardo de Moraes Gonçalves Departamento de Ciências Florestais ESALQ - USP Conceitos:

Leia mais

II.7.7 - PROGRAMA ESPECÍFICO DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS DO TRABALHADOR

II.7.7 - PROGRAMA ESPECÍFICO DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS DO TRABALHADOR EIA/RIMA para o Desenvolvimento II.7.7 - PROGRAMA ESPECÍFICO DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS DO TRABALHADOR EIA/RIMA para o Desenvolvimento Pág. 1/10 II.7.7 - Programa Específico de A PETROBRAS

Leia mais

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos;

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos; Os 32 itens da NR-32 a serem trabalhados nesta primeira etapa do projeto 32 para implantação nos estabelecimentos de saúde até 2009 foram selecionados e estudados pela diretoria do Sinsaúde por serem os

Leia mais

5º WORSHOP DO ALGODÃO AMPASUL NOÇÕES BÁSICAS DE SEGURANÇA DO TRABALHO RURAL

5º WORSHOP DO ALGODÃO AMPASUL NOÇÕES BÁSICAS DE SEGURANÇA DO TRABALHO RURAL 5º WORSHOP DO ALGODÃO AMPASUL NOÇÕES BÁSICAS DE SEGURANÇA DO TRABALHO RURAL Instituto Algodão Social Missão Promover aos associados do setor algodoeiro a responsabilidade social empresarial, a cidadania,

Leia mais

IV SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÁVEIS- 2011 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS EM MEDICINA LABORATORIAL

IV SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÁVEIS- 2011 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS EM MEDICINA LABORATORIAL IV SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÁVEIS- 2011 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS EM MEDICINA LABORATORIAL São Paulo, 26/09/2011 VALÉRIA APARECIDA FARIA Bióloga Especialização em Gestão Ambiental pela Faculdade

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014)

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014) LIFE-BR-CS-3.0-Português Versão 3.0 Brasil Português (NOVEMBRO/2014) Próxima revisão planejada para: 2017 2 OBJETIVO A partir das Premissas LIFE, definir os Princípios, critérios e respectivos indicadores

Leia mais

P 2: Quais os limites entre aspectos relativos ao meio ambiente e à segurança?

P 2: Quais os limites entre aspectos relativos ao meio ambiente e à segurança? INTERPRETAÇÃO NBR ISO 14001 (1996), JULHO 2001 CB-38/SC-01/GRUPO DE INTERPRETAÇÃO INTRODUÇÃO O CB-38, Comitê Brasileiro de Gestão Ambiental, da ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas, decidiu criar

Leia mais

Resolução SMA nº 70 DE 02/09/2014 Norma Estadual - São Paulo Publicado no DOE em 03 set 2014

Resolução SMA nº 70 DE 02/09/2014 Norma Estadual - São Paulo Publicado no DOE em 03 set 2014 Resolução SMA nº 70 DE 02/09/2014 Norma Estadual - São Paulo Publicado no DOE em 03 set 2014 Define a metodologia a ser adotada em caráter experimental para a conversão das obrigações de reposição florestal

Leia mais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais Alexandre Sylvio Vieira da Costa 1 1.Engenheiro Agrônomo. Professor Universidade Vale do Rio Doce/Coordenador Adjunto da Câmara

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA Páginas: 1 de 13 APROVAÇÃO Este Manual de Gestão está aprovado e representa o Sistema de Gestão Integrada implementado na FOX Comércio de Aparas Ltda. Ricardo Militelli Diretor FOX Páginas: 2 de 13 1.

Leia mais

FORMULÁRIOS PARA AUTORIZAÇÃO DE RECUPERAÇÃO OU RESTAURAÇÃO DE ÁREAS PROTEGIDAS COM SUPRESSÃO DE ESPÉCIES EXÓTICAS

FORMULÁRIOS PARA AUTORIZAÇÃO DE RECUPERAÇÃO OU RESTAURAÇÃO DE ÁREAS PROTEGIDAS COM SUPRESSÃO DE ESPÉCIES EXÓTICAS CONDIÇÃO OBRIGATÓRIA EXECUÇÃO DE PROJETO DE RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS CONSIDERADAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE ATINGIDAS COM PLANTIOS E MANUTENÇÃO DE ÁRVORES NATIVAS DA REGIÃO E/OU CONDUÇÃO DA REGENERAÇÃO NATURAL,

Leia mais

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3)

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) 9.1. Do objeto e campo de aplicação. 9.1.1. Esta Norma Regulamentadora

Leia mais

Mobilização - construir parcerias e articulações integradas às dimensões ambientais: social, cultural e econômica.

Mobilização - construir parcerias e articulações integradas às dimensões ambientais: social, cultural e econômica. MISSÃO Desenvolver e implantar projetos que tenham como foco a geração de benefícios para o Planeta, provocando modificações conscientes, tanto no campo das ciências, quanto das atividades humanas. PRINCÍPIOS

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581 Recursos Florestais em Propriedades Agrícolas Trabalho final: Projeto de adequação

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFÊRENCIA PARA ELABORACÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE DEDETIZADORAS, LIMPA FOSSA E EMPRESAS QUE PRESTA SERVIÇO DE LIMPEZA. Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO AMBIENTAL

Leia mais

Desafios das Novas Fronteiras Florestais do Brasil

Desafios das Novas Fronteiras Florestais do Brasil M A N O E L D E F R E I T A S C O N S U L T O R I A F L O R E S T A L Desafios das Novas Fronteiras Florestais do Brasil 1º Congresso Florestal do Tocantins Novembro 2010 Situação florestal do Brasil IBGE

Leia mais

PROGRAMA MAXION WHEELS DE SUSTENTABILIDADE

PROGRAMA MAXION WHEELS DE SUSTENTABILIDADE PROGRAMA MAXION WHEELS DE SUSTENTABILIDADE Marcelo Rodrigues Dias Carneiro IOCHPE-MAXION S.A.- Divisão Maxion Wheels - Fumagalli RESUMO No mundo atual, o tema sustentabilidade é bastante discutido e incentivado

Leia mais

RESUMO PÚBLICO PLANO DE MANEJO FLORESTAL - 2015

RESUMO PÚBLICO PLANO DE MANEJO FLORESTAL - 2015 RESUMO PÚBLICO PLANO DE MANEJO FLORESTAL - 2015 Página2 Página3 APRESENTAÇÃO DA EMPRESA A Madepar Indústria e Comércio de Madeiras LTDA certificou suas florestas de acordo com os Princípios e Critérios

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO

CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO 1/19 Programa do curso Módulo Designação Duração (h) Componente Sócio-Cultural 1 Legislação, regulamentos e normas de segurança,

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL Sumário 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências normativas...2 3.

Leia mais

Dimensão Ambiental. Critério I - Responsabilidade e Compromisso. Indicador 1 - Abrangência. Indicador 2 - Responsabilidade Ambiental

Dimensão Ambiental. Critério I - Responsabilidade e Compromisso. Indicador 1 - Abrangência. Indicador 2 - Responsabilidade Ambiental Os trechos em destaque encontram-se no Glossário. Dimensão Ambiental Critério I - Responsabilidade e Compromisso Indicador 1 - Abrangência 1. A empresa possui uma política ambiental? Caso "" para a pergunta

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM MEDICINA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL DA COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA -

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM MEDICINA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL DA COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM MEDICINA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL DA COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - CODEBA 1. OBJETO Prestação de serviços em medicina

Leia mais

DIRETRIZ ORGANIZACIONAL

DIRETRIZ ORGANIZACIONAL TÍTULO: REQUISITOS DE MEIO AMBIENTE, SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS Área Responsável: Gerência Geral de Meio Ambiente Saúde e Segurança 1. OBJETIVO Este procedimento tem como

Leia mais

FISPQ. FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725 NOME DO PRODUTO: Solução Titulante

FISPQ. FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725 NOME DO PRODUTO: Solução Titulante NOME DO PRODUTO: Solução Titulante 1/12 FISPQ NRº. 28 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome Comercial do Produto: Solução Titulante Nome Químico: Solução Ácida a 0,1 N Nome da Empresa: Hidroazul

Leia mais

Norma de Referência Selo de Conformidade ANFIR

Norma de Referência Selo de Conformidade ANFIR Histórico das alterações: Nº Revisão Data de alteração 00 20.01.204 Emissão inicial do documento. Sumário das Alterações Pág. 1 1. Resumo Esta norma estabelece requisitos técnicos para a concessão do Selo

Leia mais

Histórico. Os Incentivos Fiscais

Histórico. Os Incentivos Fiscais Histórico Há mais de século eram plantadas no Brasil as primeiras mudas de eucalipto, árvore originária da Austrália. Desde então se originou uma história de sucesso: nascia a silvicultura brasileira.

Leia mais

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência Página 1 de 9 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 00 01 20/05/2009 30/09/2009 16/12/09 Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos

Leia mais

PROGRAMA DE SUSTENTABILIDADE NAS UNIDADES DE SAÚDE

PROGRAMA DE SUSTENTABILIDADE NAS UNIDADES DE SAÚDE PROGRAMA DE SUSTENTABILIDADE NAS UNIDADES DE SAÚDE 118 IABAS Relatório de Gestão Rio de Janeiro 2010/2011/2012 Programa de Sustentabilidade nas Unidades de Saúde O Programa de Sustentabilidade promove

Leia mais

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP DIVISÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL - DVSS Sumário 1. OBJETIVO...

Leia mais

VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura

VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura Planejamento da Propriedade Agrícola (APP e RL) Eng o. F tal. Msc. João Carlos Teixeira Mendes Dept o. Ciências Florestais ESALQ/USP Estação Experimental

Leia mais

Aplica-se obrigatoriamente a todas as áreas que possuem empresas contratadas na Vale Fertilizantes.

Aplica-se obrigatoriamente a todas as áreas que possuem empresas contratadas na Vale Fertilizantes. Responsável Técnico: Alex Clementino Ferreira Gerência de Sistema de Gestão Público-alvo: Empregados designados para realizarem as auditorias. 1. OBJETIVO Nº: PGS-3209-82-04 Pág.: 1 de 8 Código de Treinamento:

Leia mais

Módulo 2. Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios.

Módulo 2. Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios. Módulo 2 Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios. História das normas de sistemas de gestão de saúde e segurança

Leia mais

Sistema Ambiental em Minas Gerais

Sistema Ambiental em Minas Gerais Sistema Ambiental em Minas Gerais José Cláudio Junqueira Ribeiro Belo Horizonte, março de 2011 Políticas Ambientais PROTEÇÃO DA BIODIVERSIDADE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS GESTÃO DE RESÍDUOS ENERGIA E MUDANÇAS

Leia mais

PROCEDIMENTO DO SISTEMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROCEDIMENTO DO SISTEMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL TÍTULO : SAÚDE E SEGURANÇA 1. OBJETIVO: Informar, conscientizar e instruir os colaboradores, sobre possíveis riscos inerentes as funções desempenhadas em seu dia a dia do trabalho.

Leia mais

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO 1.1 POLíTICA AMBIENTAL 1.1 - Política Ambiental - Como está estabelecida e documentada a política e os objetivos e metas ambientais dentro da organização? - A política é apropriada à natureza e impactos

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

SMAMA LICENÇA DE OPERAÇÃO DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LO N : 0019/2013.

SMAMA LICENÇA DE OPERAÇÃO DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LO N : 0019/2013. LO N : 0019/2013. A Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente, criada pela Lei Municipal n 368 de 20/05/77, no uso das atribuições que lhe confere a Lei n 6.938, de 31/08/81, que dispõe sobre

Leia mais

Marcos Damas. www.bethaconsultoria.com.br. Prezados (as) Senhores (as),

Marcos Damas. www.bethaconsultoria.com.br. Prezados (as) Senhores (as), Prezados (as) Senhores (as), A BETHA CONSULTORIA EM SEGURANÇA DO TRABALHO é uma empresa especializada em assessoria e prestação de serviços na área de segurança e medicina do trabalho para os mais diversos

Leia mais

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e PORTARIA SSST Nº 11, de 13/10/1994 "Publica a minuta do Projeto de Reformulação da Norma Regulamentadora nº 9 - Riscos Ambientais com o seguinte título: Programa de Proteção a Riscos Ambientais". A SECRETARIA

Leia mais

1. FORNECIMENTOS. Requisitos para Fornecedores e Prestadores de Serviços. RG-GE-101 Revisão 12

1. FORNECIMENTOS. Requisitos para Fornecedores e Prestadores de Serviços. RG-GE-101 Revisão 12 1. FORNECIMENTOS Fornecimentos 1.1 - Ácido Clorídrico Comercial Licença da Polícia Federal 1.2 - Hidróxido de Sódio Licença da Polícia Federal 1.3 Produtos químicos em geral 1.4 - Gases Industriais 1.5

Leia mais

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO SELO ECOLÓGICO FALCÃO BAUER

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO SELO ECOLÓGICO FALCÃO BAUER 1. Introdução A Certificação do Selo Ecológico Falcão Bauer possui caráter voluntário e visa demonstrar o desempenho ambiental de produtos e serviços através da avaliação do diferencial ecológico apresentado

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável 1. Objetivos da Chamada de Projetos para esta Linha de Ação Temática O objetivo da chamada

Leia mais

III ENCONTRO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DOS MUNICÍPIOS DA MICRORREGIÃO DO ALTO SAPUCAÍ PCMSO E SAÚDE DO SERVIDOR

III ENCONTRO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DOS MUNICÍPIOS DA MICRORREGIÃO DO ALTO SAPUCAÍ PCMSO E SAÚDE DO SERVIDOR III ENCONTRO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DOS MUNICÍPIOS DA MICRORREGIÃO DO ALTO SAPUCAÍ PCMSO E SAÚDE DO SERVIDOR Sônia Cristina Bittencourt de Paiva Consultora em Saúde Ocupacional e Ergonomia A RELAÇÃO

Leia mais

Café Sustentável. Riqueza do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento CAPA. MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO.

Café Sustentável. Riqueza do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento CAPA. MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO. 12 MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO.indd 12-1 CAPA 1 30.10.09 16:08:10 Data (M/D/A): 10/30/09 Contato: (61) 3344-8502 Formato (F): 200x200 mm Formato (A): 400x200 mm Data (M/D/A): 10/30/09 Ministério

Leia mais

- Visa otimizar e diversificar a produção;

- Visa otimizar e diversificar a produção; Sistemas Agroflorestais (SAF) - Combinação de espécies arbóreas com cultivos agrícolas (fruticultura, plantas anuais, etc) ou criação de animais; - Visa otimizar e diversificar a produção; Sistemas Agroflorestais

Leia mais

Atestado de Conformidade NR 12

Atestado de Conformidade NR 12 TÜV Rheinland do Brasil TÜV Rheinland é um organismo de certificação, inspeção, gerenciamento de projetos e treinamento, que foi fundada na Alemanha em 1872 com o objetivo de proteger os trabalhadores

Leia mais

PROGRAMAS AMBIENTAIS PARQUES EÓLICOS LER 2009

PROGRAMAS AMBIENTAIS PARQUES EÓLICOS LER 2009 PROGRAMAS AMBIENTAIS PARQUES EÓLICOS LER 2009 RELATÓRIO TRIMESTRAL FEVEREIRO DE 2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 1 2 COMUNICAÇÃO SOCIAL 4 EDUCAÇÃO EM SAÚDE 10 3 MONITORAMENTO DE NASCENTES 13 4 VIVEIRO DE MUDAS

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA MANEJO FLORESTAL PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES PARA PLANTAÇÕES FLORESTAIS. PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.789: 2007 - CERFLOR

RELATÓRIO DE AUDITORIA MANEJO FLORESTAL PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES PARA PLANTAÇÕES FLORESTAIS. PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.789: 2007 - CERFLOR RELATÓRIO DE AUDITORIA MANEJO FLORESTAL PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES PARA PLANTAÇÕES FLORESTAIS. PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.789: 2007 - CERFLOR EMPRESA AUDITADA: FRIGG FLORESTAL S.A. ESCOPO DE CERTIFICAÇÃO:

Leia mais

COMPANHIA DOCAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - CODESP AUTORIDADE PORTUÁRIA DE SANTOS

COMPANHIA DOCAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - CODESP AUTORIDADE PORTUÁRIA DE SANTOS RESOLUÇÃO DP Nº. 116.2013, DE 21 DE OUTUBRO DE 2013. ESTABELECE PROCEDIMENTOS PARA OS SERVIÇOS DE LAVAGEM DE PORÕES DE NAVIOS GRANELEIROS NAS ÁREAS DO PORTO ORGANIZADO DE SANTOS O DIRETOR-PRESIDENTE DA

Leia mais

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 162

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 162 PROGRAMA Nº - 162 Monitoramento e Fiscalização Ambiental SUB-FUNÇÃO: 542 CONTROLE AMBIENTAL Promover o monitoramento da poluição do ar, hídrica e sonora indispensável ao desenvolvimento de de controle

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

Considerando que é dever do Estado instaurar condições para a existência de concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições:

Considerando que é dever do Estado instaurar condições para a existência de concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições: MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria nº 109, de 13 de junho de 2005. O PRESIDENTE DO

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA VALIDAÇÃO E VERIFICAÇÃO DE INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NBR ISO 14064

PROCEDIMENTO PARA VALIDAÇÃO E VERIFICAÇÃO DE INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NBR ISO 14064 1 de 10 GP01 INVENTÁRIO DE EMISSÕES Descrição do Processo de Validação e Verificação Bureau Veritas Certification Avenida do Café, 277, 5 andar, Torre B Tel.: +55 (11) 2655-9000 São Paulo/SP - CEP: 04311-000

Leia mais

VALLOUREC UNIDADE FLORESTAL

VALLOUREC UNIDADE FLORESTAL VALLOUREC UNIDADE FLORESTAL A EMPRESA Fundada em 1969, o objetivo principal da Vallourec unidade Florestal é o plantio de florestas de eucalipto para, a partir delas, produzir o carvão vegetal, um dos

Leia mais

1) Considerando os organismos de certificação acreditados pelo INMETRO defina:

1) Considerando os organismos de certificação acreditados pelo INMETRO defina: 1) Considerando os organismos de certificação acreditados pelo INMETRO defina: OCA OCS OCF 2- Considerando a sistemática de uma certificação de sistemas enumere de 1 à 6 a seqüência correta das etapas

Leia mais

Linhas de Financiamento Setor Florestal. 1º Encontro Paulista de Biodiversidade São Paulo, 18 de novembro de 2009 Eduardo Canepa Raul Andrade

Linhas de Financiamento Setor Florestal. 1º Encontro Paulista de Biodiversidade São Paulo, 18 de novembro de 2009 Eduardo Canepa Raul Andrade Linhas de Financiamento Setor Florestal 1º Encontro Paulista de Biodiversidade São Paulo, 18 de novembro de 2009 Eduardo Canepa Raul Andrade Política Ambiental do BNDES O BNDES entende que investimentos

Leia mais

Moratória da Soja no Bioma Amazônia Brasileiro

Moratória da Soja no Bioma Amazônia Brasileiro Moratória da Soja no Bioma Amazônia Brasileiro Uma iniciativa multistakeholder de sucesso no combate ao desflorestamento Conferência da Convenção-Quadro sobre Mudança do Clima Copenhague, Dinamarca Dezembro

Leia mais

Enviado por sanson@tecpar.br. em 19/12/11. Recebido por

Enviado por sanson@tecpar.br. em 19/12/11. Recebido por Pedido nº.: Destinatário/ Addressee: PREFEITURA MUNICIPAL DE COLOMBO ((41) 3656-8161) Data/Date: 16 / 12 / 2011 Nome/Name: ISMAILIN SCHROTTER Fax N : Remetente/Sender: TECPAR CERTIFICAÇÃO Páginas/Pages:

Leia mais

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 Página 1 feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 DZ 056 - Diretriz para Realização de Auditoria Ambiental capa

Leia mais

Plano de Gerenciamento de RSS PGRSS

Plano de Gerenciamento de RSS PGRSS Plano de Gerenciamento de RSS PGRSS Documento que aponta e descreve ações a relativas ao manejo dos resíduos sólidos, s observadas suas características, no âmbito dos estabelecimentos, contemplando os

Leia mais