Não seja um desavisado

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Não seja um desavisado"

Transcrição

1 Associação Brasileira dos Revendedores de GLP SKYPE: asmirgbr Fax: E- Mail: asmirg.com.br vídeo conferência: hotmail.com Cartilha revendedor GLP apoios institucionais 2009 NBR a 2 Edição Não seja um desavisado Todo o poder emana do povo, que exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição. o Art. 1 Parágrafo único Constituição da República Federativa do Brasil Associação Brasileira dos Revendedores de GLP BR

2 Apresentação Desenvolvido para você Revendedor, esta cartilha tem como objetivo informar, prevenir e alertar as revendas de Gás Liquefeito de Petróleo sobre procedimentos a serem adotados no desempenho da atividade de comercialização e armazenamento do GLP. O conteúdo desta cartilha foi extraído das leis e regulamentos que regem a atividade da revenda de GLP de acordo com a ANP Agência Nacional do Petróleo, CBM Corpo de Bombeiro Militar, Código de Trânsito Brasileiro, legislação municipal, estadual e federal. Alguns tópicos relacionados ao CBM estão em destaque e em negritos, assim você revendedor saberá que este item requer mais atenção para as exigências do Corpo de Bombeiros do seu Estado. Alexandre Borjaili Esta cartilha não substitui o disposto nas leis e regulamentos mencionados no apêndice Legislação Básica. A revenda de GLP é considerada de utilidade pública. É regulamentada pela Lei nº 9.478/97, chamada Lei do Petróleo.

3 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), fundada em 1940, é uma entidade privada e sem fins lucrativos. Reconhecida pelo governo como único Foro Nacional de Normalização, dedica-se à gestão do processo de elaboração de normas. Com um acervo quase 10 mil normas técnicas focadas nos mais diversos setores, a ABNT oferece à sociedade conhecimento sistematizado que possibilita a produção, comercialização e uso de bens e serviços de forma competitiva e sustentável nos mercados interno e externo. Dessa forma, a organização contribui para o desenvolvimento científico e tecnológico, a proteção do meio ambiente e a defesa do consumidor. A disseminação das normas técnicas é tão importante quanto a sua elaboração, por isso prestigiamos todas as iniciativas com essa finalidade, como é o caso da Cartilha da Associação Mineira dos Revendedores da Gás Liquefeito de Petróleo (ASMIRG). Os conceitos emitidos nesta publicação são de exclusiva responsabilidade do autor, mas a recomendação do uso de normas tem nosso total apoio. As normas relativas a GLP são elaboradas pelo Comitê Brasileiro de Gases Combustíveis (ABNT/CB-09). Participe. Conheça mais sobre a ABNT. Visite o nosso site Associe-se. Associação Brasileira de Normas Técnicas Com a necessidade de buscar qualidade na prestação de serviços e orientações na regulamentação para comercialização e armazenamento do gás liquefeito de petróleo, em junho de 2007 nasceu a ASMIRG Associação Mineira dos Revendedores de Gás Liquefeito de Petróleo. Voltada ao revendedor, tem desenvolvido um trabalho de consultoria, evidenciando os deveres de nossas revendas e seus direitos garantidos em nossa legislação. Em janeiro de 2009, através de Assembléia Geral Ordinária - AGO a atuação da ASMIRG expandiu para todo território nacional com a - Associação Brasileira dos Revendedores de GLP, firmando o objetivo de levar ao revendedor ferramentas que visam informar, instruir e orienta-lo como empresário do segmento de GLP. Hoje contamos com um jornal com publicação mensal enviado para nossas revendas associadas em todo território nacional. o Com a publicação no DOU da Resolução N 5, de 26 de fevereiro de 2008, passaremos por uma grande modificação dos critérios de segurança em nossa legislação com a ABNT NBR :2007. Visando esclarecer a você revendedor, apresentamos na forma de cartilha todas as adequações necessárias para que esta mudança se faça na forma mais tranqüila e sem prejuízo de sua atividade. Alexandre Borjaili Presidente

4 Sumário Procedimento de Registro (Revenda Nova). Procedimento de Registro de sua empresa (Revenda Nova).. Documentos obrigatórios de uma revenda.. Critérios de segurança.. Mapa decontrole Movimento Mensal MCMM. E.C.F - Emissão Cupom Fiscal. Placas de Sinalização. Venda a Postos NÃO Autorizados (Crime Contra Ordem Econômica). Exigências para armazenamento, transporte e comércio do GLP -Revenda Legalizada x Clandestino. Veículo de entrega de GLP - Regulamentação.. Principais Ocorrências Encontradas em Fiscalizações.. Ensaios parede corta fogo.. Simulador de custos.. Legislação Básica. 1 São necessários os seguintes documentos: 1 Requerimento Pode ser encontrado também no site da ANP: ( P e t r ó l e o e Derivados/Abastecimento/Reve a) Verificar junto a Prefeitura se no ndedor), e também pode ser local onde pretende montar a solicitado através do Centro de revenda está autorizado (Pesquisa Relações com o Consumidor Prévia) de acordo com a lei de CRC da ANP: ocupação do solo. 2 Ficha Cadastral b) Verificar com engenheiro de Pode ser encontrada também segurança se a área deste terreno no site da ANP ou solicitada atende as exigências legais para através do CRC. Deverá ser montagem de uma revenda e se a encaminhada preenchida, classe permitida atenderá suas necessidades. a s s i n a d a e c o m f i r m a reconhecida da assinatura do representante legal da empresa. c) Estando tudo aprovado, contrate seu contador e providencia toda a 3 Comprovante de inscrição e documentação. de situação cadastral no Cadastro Nacional de Pessoa d) Autorização ANP. Jurídica CNPJ, referente ao estabelecimento matriz ou filial Para obter a autorização, o que pretenda exercer a interessado deve encaminhar os atividade de revenda de GLP, documentos, previstos na Portaria contemplando a habilitação ANP nº 297/03, que podem ser para o exercício da atividade de enviados pelo Correio ou entregues revenda de GLP. diretamente na ANP. 2

5 Procedimento de Registro (Revenda Nova) Documentos obrigatórios de uma revenda 4 C ó p i a a u t e n t i c a d a d o publicada no Diário Oficial da documento de inscrição estadual, União DOU a autorização para constando a razão social, o CNPJ e o exercício da atividade de o endereço da empresa. revenda de GLP. 5 Cópia autenticada do estatuto ou 9 - Nos casos em que a contrato social arquivado na Junta documentação foi analisada e Comercial e, quando alterado, de constatado que não atendeu sua mais recente consolidação. No integralmente às exigências, estatuto ou no contrato, deve estar será enviado documento previsto o exercício da atividade de contendo a descrição das revenda de GLP. pendências a serem sanadas, acompanhado de toda a 6 Cópia autenticada do alvará de documentação encaminhada funcionamento, expedido por pelo agente. Prefeitura Municipal, contemplando a atividade de revenda de GLP. Atenção O fato de construir uma 7 Cópia autenticada do Certificado instalação de revenda não quer de Vistoria do Corpo de Bombeiros dizer que ela possa funcionar. MIlitar, que contemple a habilitação Para iniciar o funcionamento da para a atividade de revenda de GLP, revenda é preciso obter a contendo a capacidade de autorização da ANP, que só terá armazenamento das instalações em validade a partir da publicação quilogramas de GLP ou a classe de armazenamento, de acordo com a regulamentação vigente. no DOU - Diário Oficial da União. Os procedimentos apresentados podem sofrer alterações de 8 - A ANP realiza análise de toda a acordo com a legislação documentação recebida e, para o candidato a revendedor que atendeu às exigências, será municipal de sua cidade. Documentação Obrigatória Contrato Social Alvará de Funcioamento Apólice de Seguro (legislação municipal) Cartão CNPJ Cartão Inscrição Estadual D e c l a r a ç ã o C r e d e n c i a m e n t o o u Certificado de Autorização da ANP (válido por três meses) Certificado do Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros - AVCB Anotação de Responsabilidade Técnica ART e Laudo de Segurança (Legislação Municipal) Placa declarando possuir exemplar do Código de Defesa do Consumidor Placa de Preço em local visível 3 4

6 Documentos obrigatórios de uma revenda Documentos obrigatórios de uma revenda Documentação Obrigatória Quadro Horário Trabalho - Funcionários Taxa de Incêndio (Legislação Estadual) Certificado Aferição da Balança -INMETRO Nota Fiscal da última recarga de extintores por empresas autorizadas pelo CBM Projeto Aprovado pelo CBM (Toda atenção em checar se sua empresa está atendendo totalmente o Projeto.) MCMM - Mapa de Controle e Movimento Mensal - Manter 1a Via original da NF Curso de Brigada de Incêndio - Legislação Estadual - CBM Declaração de ISENTO do Alvará de Licença Ambiental (Legislação Estadual) Nota Fiscal de compra dos recipientes transportáveis ou Contrato Comodato firmado com seu Distribuidor. 5 Documentação Obrigatória Nota Fiscal de aquisição dos equipamentos de combate a incêndio, bem como c o m p r o v a n t e d e m a n u t e n ç ã o d o carregamento deles (original) Documentação complementar exigida pela fiscalização da ANP Livro Caixa Registro de Inventários Cópia do último Balanço Patrimonial da empresa Notas Fiscais Modelo 1 ou NF 1.A ou NF-e acompanhada do DANFE Registros de Entradas e Saídas de Mercadorias, compreendendo o período da notificação, acompanhado das respectivas notas fiscais nele lançadas. No caso dos registros serem escriturados por meio de processamento eletrônico, o contador da empresa deverá rubricar na primeira e ultima folhas, lançando carimbo com seu nome e o n do registro no Conselho Regional de Contabilidade; Os livros de escrituração do contabilista somente deverão ser apresentados quando da chegada do agente de fiscalização ao estabelecimento, que na ocasião deverá conceder duas horas de prazo para exibição deles. Portanto, não há necessidade de retenção ou impedimento de prosseguir com a escrituração desses documentos, que são de extrema relevância para o registro dos atos e fatos contábeis. As cópias dos documentos exigidos deverão ser autenticadas se estiverem desacompanhadas dos respectivos originais. Todos os documentos apresentados serão objeto de verificação de autenticidade com o emitente. 6

7 Documentos obrigatórios de uma revenda Residências Documentação Obrigatória Contrato de Fornecimento de GLP Resposta ANP quanto ao Contrato de Fornecimento: O contrato de fornecimento, trata-se de peça jurídica de extrema importância para o PR/GLP. Porém, alguns revendedores têm alegado que não celebraram o citado contrato com o seu fornecedor, o que é lamentável. Assim sendo, o revendedor não tem como atender a exigência, devendo, neste caso, declarar por escrito. Armazenagem para consumo próprio Até cinco ou menos recipientes transportáveis, com massa líquida de até 13 kg de GLP, cheios, parcialmente cheios ou vazios. Possuir ventilação natural. Preferencialmente protegido do sol, da chuva e da umidade. Estar afastado de outros produtos inflamáveis, de fontes de calor e de faíscas. Estar afastado, no mínimo, de 1,5 m ralos, caixas de gordura e de esgotos, bem como de galerias subterrâneas e similares. Toda ação fiscal é precedida de uma notificação, visando orientar o agente econômico na separação da documentação a ser analisada pelo agente de fiscalização. Nos vasilhames, a validade é imprensa em relevo, no exemplo, mês 02 de 2008 com a marca do INMETRO ao lado, a validade do vasilhame é de 15 anos. No regulador a validade é vista na parte de trás, no exemplo, 08 é o ano de 2008 e cada ponto em relevo representa um mês, no caso três pontos, fabricado em Março, com validade de 05 anos. Na mangueira observar sua aplicação, Gás GLP e a validade que é impressa em seguida, no exemplo fabricada em 2013 e sua validade é de 05 anos. 7 O SELO DO INMETRO É OBRIGATÓRIO PARA TODOS OS PRODUTOS, CERTIFIQUE-SE. 8

8 Revendas Revendas A T E N Ç Ã O O setor do GLP segue legislação Municipal, Estadual e Federal. De acordo com a ANP, a legislação vigente em janeiro de 2009 é a ABNT NBR , mas seguindo as condições de critérios mais rígidos, as revendas deverão atender os requisitos do Corpo de Bombeiros Militar de seu Estado. Apresentamos as alterações acrescentada da ABNT NBR :2007 necessária para atividade do comércio e armazenamento do GLP. Todas as revendas devem estar atenta quanto a classe de armazenamento, apesar da legislação da ANP ampliar para sete classes, devemos atender as exigências do CBM quanto ao critério de segurança, para que não haja dúvidas, veja na tabela a seguir a classe de sua revenda em acordo com a ABNT NBR :2007. Lembramos a todos que a responsabilidade de adequação e cumprimento dos critérios de segurança exigidos pelo CBM, pela ANP e demais órgãos de fiscalização é de cada revendedor, uma multa ou interdição representa despesas elevadas, seja você o fiscal de sua empresa. 16/02/09 Classificação das área de armazenamento Capacidade de armazenamento Kg de GLP Capacidade de armazenamento equivalente em botijões 13 Kg Até 520 Até 40 Até Até 120 Até Até 480 Até Até 960 Até Até Até Até Até Até Mais de Mais de Classe ANP I II III IV V VI VII ESPECIAL Classe CBMMG Exemplo de MG I II III n existe IV V VI Este check-list não substitui a ABNT NBR 15514:2007 Informações 9 Este check-list não substitui a ABNT NBR 15514:2007 Informações 10

9 Critérios de Segurança Critérios de Segurança Revendas GLP Área de armazenamento em piso plano e nivelado, concretado ou pavimentado, em local ventilado, ao ar livre, podendo ou não a (s) área (s) de armazenamento ser encoberta (s). A área de armazenamento, quando coberta, deve ter no mínimo 2,50 m de pé-direito e possuir um espaço livre, permanente de no mínimo 1,20 m entre o topo da pilha de botijões cheios e a cobertura. A estrutura e a cobertura devem ser construídas com produto resistente ao fogo, tendo a cobertura menor resistência mecânica do que a estrutura que a suporta. Não é permitida a armazenagem de outros materiais na área de armazenamento. A delimitação da área de armazenamento deve ser através de pintura no piso ou por meio de cerca de tela metálica, gradil metálico ou elemento vazado de concreto, cerâmica ou outro material resistente ao fogo, para classe III ou superior utilizar também pintura na demarcação do piso. Os recipientes transportáveis de GLP cheios devem ser armazenados dentro da(s) área(s) de armazenamento, separados dos recipientes parcialmente utilizados ou vazios. Fontes de ignição a uma distância mínima de 3,0 metros da área de armazenamento ou a partir do topo da pilha de vasilhames. Este check-list não substitui a ABNT NBR 15514:2007 Informações 11 Revendas GLP A distância máxima a ser percorrida, de qualquer ponto dentro da área de armazenamento, quando cercada, até uma das aberturas, não pode ser superior a 25 m, conforme ABNT NBR 9441:1998. Quando os recipientes transportáveis de GLP estiverem armazenados sobre plataforma elevada, esta deve ser construída com materiais resistentes ao fogo, possuir ventilação natural, podendo ser coberta ou não. Fica limitada a uma única área de armazenamento, classe I ou II, quando instalada em Postos Revendedores de combustíveis líquidos-pr. Os expositores que delimitam uma área de armazenamento de recipientes transportáveis de GLP somente podem ser classificados como classe I ou II, ainda que no mesmo lote. Não é permitida a circulação de pessoas estranhas ao manuseio dos recipientes transportáveis de GLP na área de armazenamento. Extintores de incêndio com carga de pó que encontram-se dentro do mesmo imóvel e em locais diferentes, porém num raio máximo de 10 m da(s) área(s) de armazenamento, também serão considerados unidades extintoras desta(s) área(s). Este check-list não substitui a ABNT NBR 15514:2007 Informações 12

10 Critérios de Segurança Critérios de Segurança Revendas GLP Revendas GLP Condições Específicas Classe de Armazenamento I II III IV V VI Condições Específicas Classe de Armazenamento I II III IV V VI As operações de carga e descarga de recipientes de GLP devem ser realizadas com cuidado, evitando-se que esses recipientes sejam jogados contra o solo ou a plataforma elevada. Acesso de no mínimo 1,20 m de largura e 2,10 m de altura, que abram de dentro para fora. Acesso de no mínimo 1,50 m de largura e 2,10 m de altura, que abram de dentro para fora. Acesso com dimensões mínimas de 2,00 m de largura e 2,10 m de altura, abrindo de dentro para fora (área de armazenamento aberta). X 1 1 X X 2 X 2 X X X X X 3 X X X 4 Armazenamento de vasilhame até 5 Kg ( pilha de até 1,5 m de altura). Armazenamento de vasilhame igual ou superior a 5 Kg e inferior a 13Kg. (pilha de cinco) Armazenamento de vasilhame VAZIO igual a 13Kg. (pilha de cinco) Lotes de até 600 recipientes Armazenamento de vasilhame Cheio igual a 13Kg. (pilha de quatro) Lotes de até 480 recipientes - - Largura do corredor de inspenção (m) Detector de vazamento - - Atenção: o acesso ou entrada do imóvel que tiver largura maior ao colocado nesta norma, será considerado como um acesso ou uma entrada. Exemplo: um portão ou acesso de 2,40 m de largura e 2,10 de altura não equivale a dois portões ou dois acessos de 1,20 m de largura e 2,10 de altura. ATENÇÃO Verificar a legislação do Corpo de Bombeiro Militar do seu Estado, pode existir restrições de segurança, solicitando mais do que exigido nessa legislação. 13 Este check-list não substitui a ABNT NBR 15514:2007, Informações 14

11 Critérios de Segurança Critérios de Segurança Revendas GLP DISTÂNCIAS MÍN. SEGURANÇA Classe de Armazenamento I II III IV V VI Exemplo: Limite do imóvel delimitado com muros de, no mínimo, 1,80 m de altura) m 1 Limite do imóvel delimitado sem muros ou com muros de menos de 1,80 m de altura) m 2 Limite do imóvel com Vias Ppúblicas m 3 Bombas de combustíveis, descargas de motores à explosão não instalados em veículos, bocais e tubos de ventilação de tanques de combustíveis e máquinas que produzem calor. (m) 1,5 3,0 5,0 6,0 7,5 10,0 5,0 7,5 3,0 5,0 7,5 15,0 20,0 30,0 50,0 3,0 7,5 7,5 7,5 15,0 15,0 15,0 15,0 15,0 Outras fontes de ignição (m) 3,0 3,0 5,0 8,0 8,0 10,0 1 Limite do imóvel delimitado com muros de, no mínimo, 1,80 m de altura. Locais de reunião de público (m) 20,0 30,0 80,0 100,0 150,0 180,0 2 Limite do imóvel delimitado sem muros ou com muros de menos de 1,80 m de altura. Edificação (m) 1,0 2,0 3,0 3,0 3,0 3,0 3 Limite do imóvel com Vias Públicas. As distâncias mínimas de Segurança podem ser reduzidas pela metade com parede resistente ao fogo. Parede resistente ao fogo não pode ter aberturas ou portão. 15 Este check-list não substitui a ABNT NBR 15514:2007, Informações 16

12 Critérios de Segurança Critérios de Segurança Revendas GLP Condições Específicas Classe de Armazenamento I II III IV V VI Revendas GLP Condições Específicas Classe de Armazenamento I II III IV V VI Na entrada do imóvel, Placa que indica que no mínimo a(s) razão social, CNPJ, classe(s) de armazenamento existente(s) e a capacidade de armazenamento de GLP, em quilogramas, de cada classe. PERIGO-INFLAMÁVEL - Placa a uma altura de 1,80 m, medida do piso acabado à base da placa, distribuída (s) ao longo do perímetro da(s) área(s) de armazenamento. PROIBIDO O USO DE FOGO E DE QUALQUER INSTRUMENTO QUE PRODUZA FAÍSCA - Placa a uma altura de 1,80 m, medida do piso acabado à base da placa, distribuída (s) ao longo do perímetro da(s) área(s) de armazenamento. Placa: OS BOTIJÕES DE GLP À VENDA NESTE ESTABELECIMENTO DEVEM ESTAR DEVIDAMENTE LACRADOS, IDENTIFICADOS E DEVERÃO POSSUIR INFORMAÇÕES RELATIVAS AO PRODUTO E SUA UTILIZAÇÃO EXTINTOR de 40- BC (unidades) A carga e manutenção dos extintores de GLP devem ser realizadas em empresas credenciadas pelo CBM. Sistema de combate a incêndio de acordo com projeto aprovado pelo Corpo de Bombeiros. Sistema preventivo fixo por hidrante de combate a incêndio de acordo com projeto aprovado pelo Corpo de Bombeiros. A distância da área de armazenamento às aberturas para captação de águas pluviais, canaletas, ralos, rebaixos ou similares deve ser de no mínimo 1,5 m. Manter no imóvel líquido, equipamento e/ou outro material necessário para teste de vazamento de GLP dos recipientes ,0 8 A localização e a distância entre os extintores de incêndio deve obedecer ao projeto aprovado pelo CBM Placas com visualização a 3,0 m e com distanciadas entre si em no máximo 15 m. Este check-list não substitui a ABNT NBR 15514:2007 Informações 17 Este check-list não substitui a ABNT NBR 15514:2007 Informações 18

13 Critérios de Segurança Critérios de Segurança Revendas GLP Condições Específicas Classe de Armazenamento I II III IV V VI Revendas GLP Condições Específicas É proibido armazenar vasilhame fora da área de armazenamento. Na carga e descarga o motor do veículo e seus equipamentos elétricos auxiliares (rádio etc.) devem estar desligados e a com a chave de partida na ignição. Veículos estacionados no interior da revenda, não podem estar a uma distância menor do que 3,0 m, contada a partir do bocal de descarga do motor aos limites da (s) área (s) de armazenamento. Balança decimal aferida pelo INMETRO Recipientes de massa líquida superior a 13 kg devem obrigatoriamente ser armazenados na posição vertical, não podendo ser empilhados. As paredes resistentes ao fogo não são obrigatórias para todas as classes de armazenamento, entretanto caso sejam utilizadas, deverão ser totalmente fechadas e construídas em alvenarias sólidas, concretos ou construção similar, com tempo mínimo de resistência ao fogo de (TRF) mínimo de 2 h, conforme ABNT NBR As paredes resistentes ao fogo não podem ser construídas entre os lotes de recipientes. As paredes resistentes ao fogo, devem possuir no mínimo 2,6 m de altura em relação ao piso da área de armazenamento em questão. Quando se tratar de muro de divisa de propriedade, com distância superior a 8,0 metros da área de armazenamento, a altura da parede resistente ao fogo poderá ser de 2,60 m a partir do nível do solo. (CBMMG) A distância mínima entre as paredes resistentes ao fogo e o limite dos lotes de recipientes é de 1,0 m. As paredes resistentes ao fogo não podem ser construídas entre os lotes de recipientes. As áreas de armazenamento de recipientes transportáveis de GLP não podem estar situadas em locais fechados sem ventilação natural. Quando utilizado plataforma elevada, analizar condições de projeto, para verificação se caberá altura de 2,60 m a partir do piso do imóvel ou da plataforma atendendo as exigências do projeto aprovado pelo CBM. Este check-list não substitui a ABNT NBR 15514:2007 Informações 19 Este check-list não substitui a ABNT NBR 15514:2007, Informações 20

14 Critérios de Segurança Critérios de Segurança Revendas GLP Condições Específicas Revendas GLP Armazenamento de recipientes transportáveis de GLP em balsas ou pontões Para reduzir pela metade os afastamentos, as paredes resistentes ao fogo quando existentes, devem ser construídas e posicionadas de maneira que se interponham entre o(s) recipiente(s) de GLP e o ponto considerado, isolando o risco entre estes. Quando a área de armazenamento de recipientes transportáveis de GLP for parcialmente cercada por paredes resistentes ao fogo, essas não podem ser adjacentes e o comprimento total dessas paredes não deve ultrapassar 60% do perímetro da área de armazenamento, de forma a permitir ampla ventilação. O comprimento total da parede resistente ao fogo deve ser igual ao comprimento do lado paralelo da área de armazenamento, acrescido de no mínimo 1 m ou no máximo de 3 m em cada extremidade. Os muros de delimitação da propriedade, construídos conforme as especificações de paredes resistentes ao fogo, podem ser considerados como tal, quando atenderem a todas as considerações estipuladas nesta Norma para este elemento, não considerando neste caso a limitação do comprimento do item anterior. Armazenamento e movimentação de recipientes transportáveis de GLP em paletes A quantidade de máxima de recipientes em paletes bem como o empilhamento dos paletes no armazenamento e transporte devem estar de acordo com a Tabela: A área de armazenamento dos recipientes transportáveis de GLP não pode ter paredes ou similares que impeçam a ampla ventilação. A fileira externa do lote de recipientes deve distar no mínimo 1 m da borda do flutuante. Fica limitada a uma única área de armazenamento, classe I ou II, quando instalada em pontões, sempre em expositor para proteção dos recipientes. As áreas de armazenamento de recipientes transportáveis de GLP situadas sobre balsa ou pontão devem obedecer às condições de segurança e afastamento descritas nesta Norma, não se aplicando aquelas referentes aos limites do imóvel e a passeios públicos. Massa líquida de GLP dos recipientes 5 kg 13 kg 20 kg 45 kg Número máximo de paletes empilhados no armazenamento 2 paletes 6 paletes 2 paletes 2 paletes Número máximo de paletes no transporte e na movimentação 1 palete 4 paletes 1 palete 1 palete Número máximo de recipientes cheios, vazios ou parcialmente utilizados por paletes Este check-list não substitui a ABNT NBR 15514:2007, Informações 22

15 Critérios de Segurança Critérios de Segurança Revendas GLP Revendas GLP Condições Específicas ÁREA DE APOIO Condições Específicas ÁREA DE APOIO I - Para que mais de uma área de armazenamento de recipientes transportáveis de GLP localizadas num mesmo imóvel sejam consideradas separadas, para efeito de aplicação dos limites de distâncias mínimas de segurança previstos na tabela, estas devem estar afastadas entre si da soma das distâncias mínimas de segurança, previstas para os limites do imóvel, com ou sem muros, dependendo da situação. O somatório da capacidade de armazenamento de todas as áreas de armazenamento não pode ser superior à capacidade da classe imediatamente superior à da maior classe existente no imóvel. II - O local utilizado como área de armazenamento de apoio à(s) área(s) de armazenamento de recipientes transportáveis de GLP existente(s) no imóvel deve observar uma das seguintes condições: a) ser considerada uma área de armazenamento de recipientes transportáveis de GLP independente, devendo, neste caso, obedecer ao descrito no ítem I da condição específica - área de apoio desta cartilha, além de todos os demais critérios de segurança e distanciamentos previstos nesta Norma; b) ser considerada como complemento da(s) área(s) de armazenamento de recipientes transportáveis de GLP existente(s) no imóvel, devendo, neste caso, armazenar uma quantidade máxima de recipientes transportáveis de GLP, de tal forma que a capacidade de armazenamento não ultrapasse o limite de uma área de armazenamento classe I e obedecer a todos os critérios de segurança e distanciamentos exigidos nesta Norma para uma área de armazenamento classe I. Além disso, tais recipientes devem ser parte integrante da capacidade de armazenamento da(s) área(s) existente(s) no imóvel. NOTA: As revendas que utilizam área de apoio devem seguir projeto aprovado pelo CBM em conformidade com a ABNT NBR NOTA: As revendas que utilizam área de apoio devem seguir projeto aprovado pelo CBMMG em conformidade com a ABNT NBR Este check-list não substitui a ABNT NBR 15514:2007 Informações 24

16 MCMM - Mapa Controle Movimento Mensal Tipos das instalações: Posto de Revenda - PRT e PRTC: a Empresa comercial legalmente constituída e inscrita em competente Órgão de registro de comércio, portadora de Certificado de Funcionamento emitido pela Distribuidora representada e registrada no CNP, autorizada a comerciar GLP no próprio PR. IV - ESTABELECIMENTOS INTEGRANTES DO SISTEMA NACIONAL DE ABASTECIMENTO DE GLP a) Base de Distribuição Principal - BDP - Estabelecimento destinado a receber GLP a granel por gasoduto, de Refinarias, de Unidades de Processamento de Gás Natural - UPGN's, de Sistema de Tancagem Reguladora-STR, de Terminais de Armazenamento, por importação e/ou cabotagem, sem passar por outra Base, podendo armazenar, envasilhar, distribuir e comerciar o referido produto. b) Base de Distribuição Secundária - BDS - Estabelecimento destinado a receber GLP a granel, por transporte rodoviário, e/ou ferroviário, e/ou fluvial, podendo armazenar, envasilhar, distribuir e comerciar o referido produto. 1) Depósito de Distribuidora - Dep. D - Estabelecimento instalado, operado e mantido diretamente por Empresa Distribuidora de GLP, 2) Depósito de Representante - Dep. R - Estabelecimento instalado, operado e mantido por Representante. d) Posto de Revenda de GLP - PR - Estabelecimento destinado a comerciar GLP envasilhado diretamente para o consumidor e exclusivamente no próprio PR. 1) Posto de Revenda de Distribuidora - PRD - Estabelecimento instalado, operado e mantido diretamente por Empresa Distribuidora de GLP. 2) Posto de Revenda de Representante - PRR - Estabelecimento instalado, operado e mantido diretamente por Representante. 3) Posto de Revenda Conjunto - PRC - Estabelecimento localizado em Área Operacional Metropolitana (AOM), instalado e mantido sob a responsabilidade de todas as Distribuidoras em atividade nessa Área, e operado por apenas uma dessas Empresas. 4) Posto de Revenda de Terceiros - PRT - Estabelecimento instalado, operado e mantido por terceiro, vinculado e abastecido por uma única Distribuidora, e localizado exclusivamente em área de difícil acesso e/ou população rarefeita e/ou de baixo poder aquisitivo, bem como em pequenas concentrações rurais, não podendo ser localizado em AOM, nem dentro dos limites de entrega domiciliar regular e preferencial, onde existir. 5) Posto de Revenda de Terceiros em Conjunto - PRTC - Estabelecimento localizado em AOM, instalado e mantido por terceiros, operando com recipientes transportáveis de todas as e Empresas em atividade na Área e controlado por uma delas. ATENÇÃO No fechamento mensal, antes de enviar para sua contabilidade, tirar cópia e manter uma via do MMD e Nfs na sua revenda, para o caso de uma fiscalização, pois o MMD é obrigatório na empresa. 26

17 E.C.F - Emissão Cupom Fiscal Placas de Sinalização Federal, os Estados e o Distrito Federal, representados no Conselho de Política Fazendária - CONFAZ. Surgiu, assim, o Convênio ECF 01/98. E S T A B E L E C I M E N T O S D I S P E N S A D O S D A OBRIGATORIEDADE DE USO DO Lei Federal 9.532/97-Artigos 61 à ECF: 63 Seja optante pelo regime previsto Emissão de Cupom Fiscal no Anexo X do RICMS(Simples Minas),esteja enquadrada como Art. 61 As empresas que Microempresa e com receita bruta exercem atividade de venda ou anual igual ou inferior a R$ revenda de bens a varejo e as ,00 (cento e vinte mil reais); empresas prestadoras de serviços equivalente em média a 12(doze) estão obrigadas ao uso de P13Kg dia com valor unitário de equipamento Emissor de Cupom venda de R$30,00. Fiscal O B S. : H a v e n d o o Assim sendo, há previsão genérica desenquadramento do regime de obrigação de uso do ECF para Simples Minas ou ultrapassando o toda e qualquer empresa varejista limite de receita bruta, o de venda de mercadoria ou contribuinte deve implantar o uso empresa prestadora de serviço. O de ECF no prazo de 60 (sessenta) artigo 63 desta mesma lei dias. estabeleceu que a implementação dessa obrigatoriedade dar-se nos ATENÇÃO termos de Convênio celebrado Consulte sua contabilidade entre a Secretaria da Receita para maiores informações. Placa de Preço Dentro do depósito (local visível) Externa ( direto para Rua/Ave.) CUIDADOS ESPECIAIS: NÃO PODE ESTAR APAGADA 27 28

18 Venda a Postos NÃO Autorizados Crime Contra Ordem Econômica Exigências para armazenamento, transporte e comêrcio do GLP Revenda Legalizada x Clandestino PORTARIA ANP Nº 297, DE DOU LEI 8.176, de 08/02/1991 DOU 13/02/1991 DEFINE CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA Pena detenção, de um a cinco anos e multa. - Incorre na mesma pena aquele que, sem autorização legal, adquirir, transportar, industrializar, tiver consigo, consumir ou comercializar produtos ou matéria-prima, obtidos na forma prevista no caput deste artigo - No crime definido neste artigo, a pena de multa será fixada entre dez e trezentos e sessenta dias-multa, conforme seja necessário e suficiente para a reprovação e a prevenção do crime. - O dia-multa será fixado pelo juiz em valor não inferior a quatorze nem superior a duzentos Bônus do Tesouro Nacional (BTN) LEI Nº 9.847, DE DOU Art.3 II importar, exportar, revender, ou comercializar petróleo, seus derivados básicos e produtos solventes, gás natural e condensado, e álcool etílico combustível, em quantidade ou especificação diversa da autorizada, bem como dar ao produto destinação não permitida ou diversa da autorizada, na forma prevista na legislação aplicável: Multa de R$20.000,00 (vinte mil reais) a R$ ,00 (cinco milhões de reais). Art.1º Ficam estabelecidos, pela presente Portaria, os requisitos necessários à autorização para o exercício da atividade de revenda de gás liquefeito de petróleo (GLP) e a sua regulamentação. Art. 2º A atividade de que trata o artigo anterior será exercida por pessoa jurídica constituída sob as leis brasileiras, em estabelecimento denominado posto revendedor de GLP (PRGLP). Parágrafo único. A atividade de revenda de GLP, considerada de utilidade pública, compreende a aquisição, o armazenamento, o transporte e a comercialização em recipientes transportáveis de capacidade de até 90 (noventa) quilogramas do referido produto. Art. 4º A atividade de revenda de GLP somente poderá ser exercida por pessoa jurídica autorizada pela ANP que atender, em caráter permanente, aos requisitos estabelecidos nesta Portaria e às condições mínimas de armazenamento de recipientes transportáveis de até 90 (noventa) quilogramas de GLP, previstas na legislação aplicável. Art. 7º A ANP outorgará a autorização para o exercício da atividade de revenda de GLP, referente a cada estabelecimento da empresa, através de publicação no Diário Oficial da União, no prazo de até 30 (trinta) dias após o encaminhamento pela entidade cadastradora da relação de revendedores que atenderem às exigências previstas nesta Portaria. Parágrafo único. A pessoa jurídica somente poderá exercer a atividade de revenda de GLP após a publicação da autorização de que trata o caput deste artigo

19 EMPRESAS Veículos - Distribuição Revendedor CREDENCIADO: considera-se revendedor credenciado por distribuidor, aquele que já se encontrava em operação antes da publicação da portaria ANP N. 297/03, e que ainda permanece credenciado na base de dados da ANP, ou seja, o revendedor antigo regulado pela Portaria MINFRA N. 843/90. Revendedor AUTORIZADO: considera-se revendedor autorizado pela ANP, aquele que atendeu integralmente às exigências previstas na Portaria ANP N. 297/03 e teve sua autorização publicada no Diário Oficial da União - DOU, condição indispensável para o exercício da atividade. Os veículos (caminhão, caminhonete o u m o t o s ) p a r a n ã o s e r e m c a r a c t e r i z a d o s c o m o i l e g a i s (clandestinos) deverão estar de acordo com a seguinte regulamentação: ATENÇÃO Mesmo que a revenda de GLP esteja legalizada perante os demais órgãos, somente poderá iniciar o exercício da atividade após publicação da autorização no Diário Oficial da União. É permitido que a revenda de GLP seja multi-marca, ou seja, poderá manter vínculo comercial com mais de um distribuidor, desde que informados na Ficha Cadastral no requerimento de autorização. Alterações Cadastrais Revendedor CREDENCIADO: Não deve encaminhar qualquer documento à ANP. As alterações cadastrais (credenciamento, descredenciamento, inclusão ou exclusão de marca de distribuidor, atualização de endereço, classe de armazenamento, etc) devem ser informadas ao(s) distribuidor(es) com o(s) quais esteja(m) credenciado(s). Os distribuidores, por sua vez, Têm a obrigação de atualizar as informações perante a ANP. Revendedor AUTORIZADO: O próprio revendedor deverá encaminhar à ANP nova ficha cadastral de atualização (modelos disponíveis no site no prazo máximo de 30 dias, contados da efetiva alteração, enviando, em anexo, documentação referente à alteração. 1. Veículo conduzido por funcionário REGISTRADO pela REVENDA: Apresentação da carteira de Trabalho do condutor com registro da Revenda (podendo ser validado pelo Ministério do Trabalho em inspeção à Revenda). Manifesto de carga do veículo acompanhado de bloco de notas fiscais ou notas fiscais de venda ao consumidor para cobertura da carga transportada. 2. Veículo conduzido por funcionário REGISTRADO por uma TRANSPORTADORA autorizada pela ANP: Apresentação da carteira de Trabalho do condutor com registro da Transportadora (podendo ser validado pelo Ministério do Trabalho em inspeção à Transportadora). Notas fiscais de venda ao consumidor para cobertura da carga transportada. Neste caso não é permitido a venda automática através de Manifesto de carga

20 Veículo de entrega de GLP Regulamentação Obrigatoriedade para Veículos em Circulação * Carteira de Habilitação (CNH) * Documento do Veículo * Nota Fiscal * Ficha de Emergência * Curso MOPE- Movimento e Operação de Produtos Especiais observar data de expedição ou última reciclagem (máx. 5 anos) * Placas Identificadoras * Extintor Externo * Kit Básico de Ferramentas * Faixa Zebrada * Funcionários Uniformizados e com utilização de crachá de identificação (Recomendado) Na frente do veículo utilizar Painel de Segurança, nas laterais e parte traseira utilizar Painel de Segurança e Rótulo de Risco

PORTARIA DNC Nº 27, DE 16.9.1996 - DOU 17.9.1996

PORTARIA DNC Nº 27, DE 16.9.1996 - DOU 17.9.1996 PORTARIA DNC Nº 27, DE 16.9.1996 - DOU 17.9.1996 Estabelece condições mínimas de segurança das instalações de armazenamento de recipientes transportáveis de GLP. O DIRETOR DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE COMBUSTÍVEIS,

Leia mais

NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 15514

NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 15514 NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 15514 Primeira edição 06.08.2007 Válida a partir de 06.09.2007 Versão corrigida 11.08.2008 Área de armazenamento de recipientes transportáveis de gás liquefeito de petróleo (GLP),

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO PORTARIA ANP Nº 297, DE 18.11.2003 DOU 20.11.2003 Regulamenta o exercício da atividade de revenda de gás liquefeito de petróleo (GLP). O Diretor-Geral da Agência Nacional do

Leia mais

Participação audiência ANP em 11/01/08, confirmação presença até 09/11/08? Curso MOPE Brigada de Incêndio Alexandre Ramos

Participação audiência ANP em 11/01/08, confirmação presença até 09/11/08? Curso MOPE Brigada de Incêndio Alexandre Ramos ASMIRG Associação Mineira dos Revendedores de Gás Liquefeito de Petróleo Reunião Extraordinária 012/08-07 janeiro 2008 Programação: I - Motofrete x BHTRANS Resolução CONTRAN 219 Convidado especial - Sr.

Leia mais

NBR 15514/07 e a Resolução 05/08 da ANP, entenda o que mudou. Marcelo Macedo

NBR 15514/07 e a Resolução 05/08 da ANP, entenda o que mudou. Marcelo Macedo NBR 15514/07 e a Resolução 05/08 da ANP, entenda o que mudou. Marcelo Macedo Legislação Anterior Portaria DNC nº n 27/96 - Condições mínimas m de segurança das instalações de armazenamento de recipientes

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 029/DAT/CBMSC) POSTOS DE REVENDA DE GLP (PRGLP)

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 029/DAT/CBMSC) POSTOS DE REVENDA DE GLP (PRGLP) ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 029/DAT/CBMSC)

Leia mais

PORTARIA Nº 116, DE 5 DE JULHO DE 2000. Das Disposições Gerais

PORTARIA Nº 116, DE 5 DE JULHO DE 2000. Das Disposições Gerais AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO PORTARIA Nº 116, DE 5 DE JULHO DE 2000 Regulamenta o exercício da atividade de revenda varejista de combustível automotivo. O DIRETOR-GERAL da AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO

Leia mais

TRANSPORTADOR DE PRODUTOS PERIGOSOS GLP EXIGÊNCIAS

TRANSPORTADOR DE PRODUTOS PERIGOSOS GLP EXIGÊNCIAS CONDUTOR VEÍCULO CARGA TRANSPORTADOR DE PRODUTOS PERIGOSOS GLP EIGÊNCIAS CNH Carteira Nacional de Habilitação Comprovante de Curso Específico MOPP (Certificado) CRLV Certificado de Registro e Licenciamento

Leia mais

LEI Nº 5628/99 O PREFEITO MUNICIPAL DO SALVADOR, CAPITAL DO ESTADO DA BAHIA, Faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 5628/99 O PREFEITO MUNICIPAL DO SALVADOR, CAPITAL DO ESTADO DA BAHIA, Faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 5628/99 Altera disposições da Lei nº 3.377, de 23 de julho de 1984, referentes à implantação de postos de revenda de Gás Liquefeito de Petróleo GLP e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

Documento sujeito a revisões periódicas CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-2118 / 3232-1975 / 0800-281-1975

Documento sujeito a revisões periódicas CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-2118 / 3232-1975 / 0800-281-1975 Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Armazenamento e Revenda de Recipientes Transportáveis

Leia mais

ANO CLII Nº 101. Brasília DF, sexta-feira, 29 de maio de 2015 págs 100 à 103. MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA

ANO CLII Nº 101. Brasília DF, sexta-feira, 29 de maio de 2015 págs 100 à 103. MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA ANO CLII Nº 101 Brasília DF, sexta-feira, 29 de maio de 2015 págs 100 à 103. MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS Resolução nº 26, de 27 de maio de

Leia mais

4 ESCOLHA O BOTIJÃO CERTO 2

4 ESCOLHA O BOTIJÃO CERTO 2 1 COMPRE DE REVENDEDOR AUTORIZADO 3 CUIDADOS COM A ENTREGA EM CASA Só o comerciante que tiver autorização (em dia) da ANP pode vender gás de botijão (GLP, gás liquefeito de petróleo). O Código de Defesa

Leia mais

O EXERCÍCIO REGULAR DA ATIVIDADE DA REVENDA VAREJISTA

O EXERCÍCIO REGULAR DA ATIVIDADE DA REVENDA VAREJISTA O EXERCÍCIO REGULAR DA ATIVIDADE DA REVENDA VAREJISTA Diante do elevado número de autuações de postos revendedores pela Agência Nacional do Petróleo ANP, por situações que podem ser evitadas, lembramos

Leia mais

CRITÉRIOS DE SEGURANÇA PARA ÁREA DE ARMAZENAMENTO DE RECIPIENTES TRANSPORTÁVEIS DE GLP

CRITÉRIOS DE SEGURANÇA PARA ÁREA DE ARMAZENAMENTO DE RECIPIENTES TRANSPORTÁVEIS DE GLP Módulo 8 - Critérios de Segurança para Área de Armazenamento de Recipientes Transportáveis de GLP. Edição nº 2 - Maio/2010 MANUAL DO REVENDEDOR AUTORIZADO FOGÁS Módulo 8 CRITÉRIOS DE SEGURANÇA PARA ÁREA

Leia mais

Aprova Alterações na Norma Técnica nº 005/2000-CBMDF, sobre a Central Predial de Gás Liqüefeito de Petróleo do Distrito Federal, que especificam.

Aprova Alterações na Norma Técnica nº 005/2000-CBMDF, sobre a Central Predial de Gás Liqüefeito de Petróleo do Distrito Federal, que especificam. DODF Nº 237 de 14 de dezembro de 2000. CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 68/2002-CBMDF, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2002 Aprova Alterações na Norma Técnica nº 005/2000-CBMDF, sobre a

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO PORTARIA ANP Nº 29, DE 9 DE FEVEREIRO DE 1999 Estabelece a regulamentação da atividade de distribuição de combustíveis líquidos derivados de petróleo, álcool combustível, mistura

Leia mais

Comando do Corpo de Bombeiros. Prevenção de Incêndios (Novo CSCIP) Mód 6 Central e Armazenamento de GLP Asp. Of. BM Ericka Ramos

Comando do Corpo de Bombeiros. Prevenção de Incêndios (Novo CSCIP) Mód 6 Central e Armazenamento de GLP Asp. Of. BM Ericka Ramos Comando do Corpo de Bombeiros Prevenção de Incêndios (Novo CSCIP) Mód 6 Central e Armazenamento de GLP Asp. Of. BM Ericka Ramos Central e Armazenamento de GLP Introdução Central de GLP Conceitos e Aplicações

Leia mais

DECRETO Nº 37.380, DE 28 DE ABRIL DE 1997. *(Com as Alterações Introduzidas pelo Decreto nº 38.273/98, pub. DOE 10.03.98)

DECRETO Nº 37.380, DE 28 DE ABRIL DE 1997. *(Com as Alterações Introduzidas pelo Decreto nº 38.273/98, pub. DOE 10.03.98) 1 de 7 05/02/2013 11:03 DECRETO Nº 37.380, DE 28 DE ABRIL DE 1997. *(Com as Alterações Introduzidas pelo Decreto nº 38.273/98, pub. DOE 10.03.98) Aprova as Normas Técnicas de Prevenção de Incêndios e determina

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO PORTARIA ANP N. 127, DE 30.07.99 REVOGADA PELA RESOLUÇÃO ANP N. 20, DE 18.06.09 O DIRETOR da AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO ANP, no uso de suas atribuições legais, conferidas

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO

INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas 4 Definições 5 Generalidades 6 Características e critérios para

Leia mais

PORTARIA ANP Nº 116, DE 5.7.2000 - DOU 6.7.2000 - RETIFICADA DOU 7.7.2000

PORTARIA ANP Nº 116, DE 5.7.2000 - DOU 6.7.2000 - RETIFICADA DOU 7.7.2000 Página 1 de 6 AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS PORTARIA ANP Nº 116, DE 5.7.2000 - DOU 6.7.2000 - RETIFICADA DOU 7.7.2000 Regulamenta o exercício da atividade de revenda varejista

Leia mais

Manual de segurança. para o posto. revendedor de GLP. Normas para o Armazenamento de Recipientes Transportáveis de Gás Liquefeito de Petróleo

Manual de segurança. para o posto. revendedor de GLP. Normas para o Armazenamento de Recipientes Transportáveis de Gás Liquefeito de Petróleo Manual de segurança para o posto revendedor de GLP Normas para o Armazenamento de Recipientes Transportáveis de Gás Liquefeito de Petróleo Manual de segurança para o posto revendedor de GLP Normas para

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO IX DAS DISPOSIÇÕES CONSTITUCIONAIS GERAIS Art. 238. A lei ordenará a venda e revenda de combustíveis de petróleo, álcool carburante e outros combustíveis

Leia mais

ANO XIX - 2008-2ª SEMANA DE MAIO DE 2008 BOLETIM INFORMARE Nº 19/2008 TRIBUTOS FEDERAIS ICMS - CE

ANO XIX - 2008-2ª SEMANA DE MAIO DE 2008 BOLETIM INFORMARE Nº 19/2008 TRIBUTOS FEDERAIS ICMS - CE ANO XIX - 2008-2ª SEMANA DE MAIO DE 2008 BOLETIM INFORMARE Nº 19/2008 TRIBUTOS FEDERAIS SIMPLES NACIONAL - DECLARAÇÃO ANUAL - 2008 - PROCEDIMENTOS Introdução - Obrigatoriedade de Entrega - Preenchimento

Leia mais

Procedimento Preparatório Nº 000382.2010.19.000/8 REPRESENTADO: JOSÉ CARLOS GOMES DE FREITAS (FREITAS REVENDEDORES)

Procedimento Preparatório Nº 000382.2010.19.000/8 REPRESENTADO: JOSÉ CARLOS GOMES DE FREITAS (FREITAS REVENDEDORES) Procedimento Preparatório Nº 000382.2010.19.000/8 REPRESENTADO: JOSÉ CARLOS GOMES DE FREITAS (FREITAS REVENDEDORES) TERMO DE AJUSTE DE CONDUTA nº 585/2010 CONSIDERANDO o disposto no art. 6º, XX c/c 84,

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS PORTARIA Nº 118, DE 11.7.2000 - DOU 12.7.2000 Regulamenta as atividades de distribuição de gás natural liqüefeito (GNL) a granel e de construção,

Leia mais

CONSIDERANDO o disposto no art. 14-A e no inciso IV do art. 26 da Lei nº 10.233, de 05 de junho de 2001;

CONSIDERANDO o disposto no art. 14-A e no inciso IV do art. 26 da Lei nº 10.233, de 05 de junho de 2001; RESOLUÇÃO ANTT Nº 1.737, de 21/11/2006 Estabelece procedimentos de registro e fiscalização, institui infrações e sanções referentes ao Registro Nacional de Transportadores Rodoviários de Carga - RNTRC,

Leia mais

RESOLUÇÃO CGSIM Nº 29, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2012.

RESOLUÇÃO CGSIM Nº 29, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2012. RESOLUÇÃO CGSIM Nº 29, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2012. Dispõe sobre recomendação da adoção de diretrizes para integração do processo de licenciamento pelos Corpos de Bombeiros Militares pertinente à prevenção

Leia mais

NPT 029 COMERCIALIZAÇÃO, DISTRIBUIÇÃO E UTILIZAÇÃO DE GÁS NATURAL

NPT 029 COMERCIALIZAÇÃO, DISTRIBUIÇÃO E UTILIZAÇÃO DE GÁS NATURAL Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 029 Comercialização, distribuição e utilização de gás natural CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 01 Norma de Procedimento Técnico 5 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO

NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO ANEXO XVI AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica estabelece critérios para proteção contra incêndio

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS RESOLUÇÃO Nº 15, DE 18 DE MAIO DE 2005

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS RESOLUÇÃO Nº 15, DE 18 DE MAIO DE 2005 AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS RESOLUÇÃO Nº 15, DE 18 DE MAIO DE 2005 O substituto eventual do DIRETOR-GERAL da AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS-

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 022/DAT/CBMSC) INSTALAÇÕES PARA REABASTECIMENTO DE COMBUSTÍVEL DE USO PRIVATIVO

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 022/DAT/CBMSC) INSTALAÇÕES PARA REABASTECIMENTO DE COMBUSTÍVEL DE USO PRIVATIVO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 022/DAT/CBMSC)

Leia mais

Instituto de Meio Ambiente de Alagoas IMA Diretoria da Presidência DIPRE Diretoria Técnica DIT Diretoria de Licenciamento DILIC POSTOS DE COMBUSTÍVEIS

Instituto de Meio Ambiente de Alagoas IMA Diretoria da Presidência DIPRE Diretoria Técnica DIT Diretoria de Licenciamento DILIC POSTOS DE COMBUSTÍVEIS POSTOS DE COMBUSTÍVEIS LICENÇA PRÉVIA 1. Formulário de requerimento padrão dirigido à Presidência do IMA, devidamente preenchido e assinado; 2. Comprovante de pagamento da Taxa de Concessão da Licença

Leia mais

DECRETO N.º 3.952, DE 02 DE OUTUBRO DE 2013.

DECRETO N.º 3.952, DE 02 DE OUTUBRO DE 2013. DECRETO N.º 3.952, DE 02 DE OUTUBRO DE 2013. Disciplina a liberação, o cancelamento e a baixa de Alvará de Localização e Funcionamento no município de Erechim. O Prefeito Municipal de Erechim, Estado do

Leia mais

NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO - PROPOSTA

NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO - PROPOSTA ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO

Leia mais

Cobras Contabilidade Brasília S/S Ltda

Cobras Contabilidade Brasília S/S Ltda MANUAL DO CLIENTE PROCEDIMENTOS NA ÁREA ADMINISTRATIVA A - QUADROS A.1 - Após a constituição da empresa, deverá ser mantido em local visível seu quadro de avisos para análise da fiscalização os seguintes

Leia mais

Manual de procedimentos do Alvará de Licença e Funcionamento de Atividade

Manual de procedimentos do Alvará de Licença e Funcionamento de Atividade Manual de procedimentos do Alvará de Licença e Funcionamento de Atividade Prefeitura Municipal de São Leopoldo Secretaria Municipal da Fazenda Coordenadoria Tributária Divisão de Tributos Mobiliários Seção

Leia mais

CARGAS EXCEDENTES/INDIVISÍVEIS A t u a l i z a d o e m

CARGAS EXCEDENTES/INDIVISÍVEIS A t u a l i z a d o e m A P Ê N D I C E E CARGAS EXCEDENTES/INDIVISÍVEIS A t u a l i z a d o e m 2 7 / 0 5 / 1 2 NOTA DO AUTOR: este capítulo traz dicas resumidas acerca da fiscalização de veículos e combinações que ultrapassam

Leia mais

RESOLUÇÃO TÉCNICA CBMRS Nº 14 EXTINTORES DE INCÊNDIO 2014

RESOLUÇÃO TÉCNICA CBMRS Nº 14 EXTINTORES DE INCÊNDIO 2014 ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA COMANDO DO CORPO DE BOMBEIROS DIVISÃO TÉCNICA DE PREVENÇÃO DE INCÊNDIO E INVESTIGAÇÃO RESOLUÇÃO TÉCNICA CBMRS Nº 14 EXTINTORES DE INCÊNDIO 2014

Leia mais

PRÁTICA 1) TÍTULO: Gestão da Documentação das Unidades Operacionais

PRÁTICA 1) TÍTULO: Gestão da Documentação das Unidades Operacionais PRÁTICA 1) TÍTULO: Gestão da Documentação das Unidades Operacionais 2) DESCRIÇÃO DA PRÁTICA 2.1 A Liquigás A Liquigás Distribuidora S/A, empresa do sistema Petrobras, atua no engarrafamento, distribuição

Leia mais

A N E X O RESOLUÇÃO ANP Nº 20, DE 3.4.2014 - DOU 4.4.2014. Brasília, 04 de abril de 2014. Prezado (a) Revendedor (a),

A N E X O RESOLUÇÃO ANP Nº 20, DE 3.4.2014 - DOU 4.4.2014. Brasília, 04 de abril de 2014. Prezado (a) Revendedor (a), CIRCULAR SINDICOMBUSTÍVEIS-DF Nº 043/2014 Brasília, 04 de abril de 2014. Prezado (a) Revendedor (a), Enviamos, abaixo, cópia da Resolução ANP 20, de 03 de abril de 2014, publicada no DOU de 04.04.2014,

Leia mais

NPT 028 MANIPULAÇÃO, ARMAZENAMENTO, COMERCIALIZAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE G.L.P.

NPT 028 MANIPULAÇÃO, ARMAZENAMENTO, COMERCIALIZAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE G.L.P. Outubro 2014 Vigência: 08 outubro 2014 NPT 028 Manipulação, armazenamento, comercialização e utilização de gás liquefeito de petróleo (GLP) CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 03 Norma de Procedimento Técnico

Leia mais

Manipulação, Armazenamento, Comercialização e Utilização de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP)

Manipulação, Armazenamento, Comercialização e Utilização de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) É ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO DE OPERAÇÕES DE DEFESA CIVIL Departaento de Proteção Contra Incêndio, Explosão e Pânico NORMA TÉCNICA n. 28/2008 Manipulação,

Leia mais

CADASTRO TÉCNICO FEDERAL CERTIFICADO DE REGULARIDADE Emitido em: Cadastro de Atividades Potencialmente Poluidoras

CADASTRO TÉCNICO FEDERAL CERTIFICADO DE REGULARIDADE Emitido em: Cadastro de Atividades Potencialmente Poluidoras Registro http://servicos.ibama.gov.br/ctf/modulos/certificadoregistro/certificado... 1 de 1 25/09/2013 09:16 Ministério do Meio Ambiente Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis

Leia mais

IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO

IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências Normativas 4 Definições 5 Generalidades gerais 6- Procedimentos 7 Certificação e validade/garantia INSTRUÇÃO

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO

CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO DESPACHO 2007 N O PROJETO DE LEI Nº 1310/2007 INSTITUI O SERVIÇO E COLETA DE PEQUENAS CARGAS, MEDIANTE UTILIZAÇÃO DE MOTOCICLETAS, NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO, DENOMINADO MOTO-FRETE, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

IT - 23 MANIPULAÇÃO, ARMAZENAMENTO, COMERCIALIZAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO (GLP)

IT - 23 MANIPULAÇÃO, ARMAZENAMENTO, COMERCIALIZAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO (GLP) IT - 23 MANIPULAÇÃO, ARMAZENAMENTO, COMERCIALIZAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO (GLP) SUMÁRIO ANEXOS 1 Objetivo A Tabela de afastamentos de segurança para as áreas de amarzenamento de recipientes

Leia mais

NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇOS MUNICÍPIO DE SÃO PAULO

NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇOS MUNICÍPIO DE SÃO PAULO NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇOS MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Cortesia: FARO CONTÁBIL (www.farocontabil.com.br) Matéria publicada originalmente no Diário do Comércio Data: 01/08/2006 01 - CONCEITOS? 1.01.

Leia mais

MUNICÍPIO DE MONTES CLAROS Gabinete do Prefeito Av. Cuia Mangabeira, 211 - Montes Claros - MG - CEP: 39.401-002

MUNICÍPIO DE MONTES CLAROS Gabinete do Prefeito Av. Cuia Mangabeira, 211 - Montes Claros - MG - CEP: 39.401-002 MUNICÍPIO DE MONTES CLAROS Gabinete do Prefeito Av. Cuia Mangabeira, 211 - Montes Claros - MG - CEP: 39.401-002 LEI N 4.158, DE 07 DE OUTUBRO DE 2009. DISPÕE SOBRE FEIRAS ITINERANTES E CONTÉM OUTRAS DISPOSIÇÕES.

Leia mais

INFORMAÇÕES AOS FORNECEDORES SEJA NOSSO FORNECEDOR REGULAMENTO PARA EMISSÃO DO CRC COCEL (parte integrante do site www.cocel.com.

INFORMAÇÕES AOS FORNECEDORES SEJA NOSSO FORNECEDOR REGULAMENTO PARA EMISSÃO DO CRC COCEL (parte integrante do site www.cocel.com. 1/7 INFORMAÇÕES AOS FORNECEDORES SEJA NOSSO FORNECEDOR REGULAMENTO PARA EMISSÃO DO CRC COCEL (parte integrante do site www.cocel.com.br) INFORMAÇÕES I. O interessado na inscrição no Cadastro de Fornecedores

Leia mais

Produtos Perigosos em Edificação e Áreas de Risco

Produtos Perigosos em Edificação e Áreas de Risco SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros SUMÁRIO INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 32/2004 Produtos Perigosos em Edificação e Áreas de Risco 1

Leia mais

NORMA OPERACIONAL PARA O LICENCIAMENTO AMBIENTAL DA ATIVIDADE DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE PRODUTOS PERIGOSOS NO ÂMBITO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

NORMA OPERACIONAL PARA O LICENCIAMENTO AMBIENTAL DA ATIVIDADE DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE PRODUTOS PERIGOSOS NO ÂMBITO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 1 OBJETIVO Estabelecer os critérios para o licenciamento ambiental das atividades de transporte rodoviário de produtos perigosos (exceto os das classes 1 e 7 da Resolução ANTT 42) que circulam apenas no

Leia mais

NORMA TÉCNICA 32/2014 Produtos Perigosos em Edificações de Armazenamento e Manejo

NORMA TÉCNICA 32/2014 Produtos Perigosos em Edificações de Armazenamento e Manejo ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA 32/2014 Produtos Perigosos em Edificações de Armazenamento e Manejo SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE VISTORIAS

ORIENTAÇÕES SOBRE VISTORIAS Regulamentação: ORIENTAÇÕES SOBRE VISTORIAS Em Cascavel a vistoria do Corpo de Bombeiros foi regulamentada, pelo convênio entre a Prefeitura Municipal de Cascavel e o Corpo de Bombeiros, através da Lei

Leia mais

LEI Nº 5.162, DE 13 DE SETEMBRO DE 2013

LEI Nº 5.162, DE 13 DE SETEMBRO DE 2013 LEI Nº 5.162, DE 13 DE SETEMBRO DE 2013 Estabelece normas e condições para a instalação, localização e funcionamento de feiras temporárias, exposições, bazares ou eventos similares itinerantes de vendas

Leia mais

Transporte Fracionado de Gás Liquefeito de Petróleo - GLP

Transporte Fracionado de Gás Liquefeito de Petróleo - GLP Transporte Fracionado de Gás Liquefeito de Petróleo - GLP 2 Este Manual foi elaborado com a participação e colaboração: Este manual foi elaborado com base na legislação vigente sobre o transporte de Gás

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 32/2015

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 32/2015 Instrução Técnica nº 26/2011 - Sistema fixo de gases para combate a incêndio 645 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO

Leia mais

DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000

DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000 DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000 Aprova a Norma Técnica nº 004/2000-CBMDF, sobre o Sistema de Proteção

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE DEFESA CIVIL Gerência de Segurança Contra Incêndio e Pânico NORMA TÉCNICA n. 32, de 05/03/07 Produtos Perigosos em

Leia mais

DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 51/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000

DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 51/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000 DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 51/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000 Aprova a Norma Técnica nº 006/2000-CBMDF, sobre a Emissão do Certificado

Leia mais

CHECK LIST EM POSTOS REVENDEDORES

CHECK LIST EM POSTOS REVENDEDORES CHECK LIST EM POSTOS REVENDEDORES Material disponibilizado pelo Fecombustíveis para a verificação do atendimento das principais demandas relativas à regulamentação da atividade e fiscalização. 1) Informações

Leia mais

TABELA A DISTÂNCIA MÍNIMA DO TANQUE À LINHA DE DIVISA DA PROPRIEDADE ADJACENTE

TABELA A DISTÂNCIA MÍNIMA DO TANQUE À LINHA DE DIVISA DA PROPRIEDADE ADJACENTE NR 20 - Líquidos combustíveis e inflamáveis Publicação D.O.U. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78 20.1 Líquidos combustíveis. 20.1.1 Para efeito desta Norma Regulamentadora - NR fica

Leia mais

Manipulação, Armazenamento, Comercialização e Utilização de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP)

Manipulação, Armazenamento, Comercialização e Utilização de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 28/2004 Manipulação, Armazenamento, Comercialização e Utilização de

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA INÍCIO DE OBRA

ORIENTAÇÕES PARA INÍCIO DE OBRA ORIENTAÇÕES PARA INÍCIO DE OBRA Associação Alphaville Salvador Residencial 1 PROCEDIMENTOS PARA INÍCIO DE OBRA 1. Entregar uma cópia do jogo de Plantas Aprovadas pela Prefeitura Municipal de Salvador e

Leia mais

Obrigado por nos ajudar a ajudar sua empresa.

Obrigado por nos ajudar a ajudar sua empresa. Manual do Cliente Manual do cliente Prezado cliente, Para que sua empresa esteja sempre regular perante todas as esferas de fiscalização existentes, é necessário que mensalmente um conjunto de informações

Leia mais

Dispõe sobre o transporte de cargas perigosas no Estado do Rio Grande do Sul, e dá outras providências.

Dispõe sobre o transporte de cargas perigosas no Estado do Rio Grande do Sul, e dá outras providências. LEI Nº 7.877, de 28 de Dezembro de 1983 Dispõe sobre o transporte de cargas perigosas no Estado do Rio Grande do Sul, e dá outras providências. Jair Soares, Governador do Estado do Rio Grande do Sul. Faço

Leia mais

http://www81.dataprev.gov.br/sislex/paginas/05/mtb/20.htm

http://www81.dataprev.gov.br/sislex/paginas/05/mtb/20.htm Page 1 of 5 20.1 Líquidos combustíveis. NR 20 - Líquidos combustíveis e inflamáveis (120.000-3) 20.1.1 Para efeito desta Norma Regulamentadora - NR fica definido "líquido combustível" como todo aquele

Leia mais

MANUAL DO CLIENTE PROCEDIMENTOS NA ÁREA ADMINISTRATIVA A - QUADROS. A.1 - Após a constituição da empresa, deverá ser mantido em local visível

MANUAL DO CLIENTE PROCEDIMENTOS NA ÁREA ADMINISTRATIVA A - QUADROS. A.1 - Após a constituição da empresa, deverá ser mantido em local visível MANUAL DO CLIENTE PROCEDIMENTOS NA ÁREA ADMINISTRATIVA A - QUADROS A.1 - Após a constituição da empresa, deverá ser mantido em local visível seu quadro de avisos para análise da fiscalização os seguintes

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE ÁGUA E ESGOTO AV. HUGO ALESSI Nº 50 B. NDUSTRIAL - FONE: (0**34) 3242-3579/3242-5026 ARAGUARI MG

SUPERINTENDÊNCIA DE ÁGUA E ESGOTO AV. HUGO ALESSI Nº 50 B. NDUSTRIAL - FONE: (0**34) 3242-3579/3242-5026 ARAGUARI MG SUPERINTENDENCIA DE AGUA E ESGOTO DE ARAGUARI DEPARTAMENTO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS COMISSÃO ESPECIAL DE CADASTRO/SETOR DE CADASTRO INSTRUÇÕES GERAIS 1. OBJETIVO Estabelecer normas e procedimentos para

Leia mais

IT - 34 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS E RESPONSÁVEIS TÉCNICOS

IT - 34 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS E RESPONSÁVEIS TÉCNICOS IT - 34 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS E RESPONSÁVEIS TÉCNICOS SUMÁRIO APÊNDICES 1 - Objetivo A - Solicitação de Cadastro de Pessoa Jurídica 2 - Referências normativas B - Solicitação de Cadastro de Pessoa

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VISCONDE DO RIO BRANCO ESTADO DE MINAS GERAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE VISCONDE DO RIO BRANCO ESTADO DE MINAS GERAIS DECRETO Nº 102/2011 Disciplina a emissão de notas fiscais de serviços no Município, define forma e prazo de recolhimento do ISSQN, cria obrigações acessórias pela internet, e dá outras providências. O

Leia mais

LEI Nº 7.877, DE 28 DE DEZEMBRO DE 1983. Dispõe sobre o Transporte de Cargas Perigosas no Estado do Rio Grande do Sul e dá outras providências.

LEI Nº 7.877, DE 28 DE DEZEMBRO DE 1983. Dispõe sobre o Transporte de Cargas Perigosas no Estado do Rio Grande do Sul e dá outras providências. LEI Nº 7.877, DE 28 DE DEZEMBRO DE 1983. Dispõe sobre o Transporte de Cargas Perigosas no Estado do Rio Grande do Sul e dá outras providências. JAIR SOARES, Governador do Estado do Rio Grande do Sul. Faço

Leia mais

*Decreto 26.200/2012: DECRETO Nº 26.200, DE 16 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 489, DE 31 DE MAIO DE 2012.

*Decreto 26.200/2012: DECRETO Nº 26.200, DE 16 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 489, DE 31 DE MAIO DE 2012. *Decreto 26.200/2012: DECRETO Nº 26.200, DE 16 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 489, DE 31 DE MAIO DE 2012. O Prefeito Municipal de Chapecó, Estado de Santa Catarina,

Leia mais

RESOLUÇÃO 942 / 99. Assunto: Aprovação das "NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA", e revogação da Resolução nº 823/94, de 13.4.94.

RESOLUÇÃO 942 / 99. Assunto: Aprovação das NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA, e revogação da Resolução nº 823/94, de 13.4.94. RESOLUÇÃO 942 / 99 Assunto: Aprovação das "NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA", e revogação da Resolução nº 823/94, de 13.4.94. Referência: INFORMAÇÃO PADRONIZADA SD/CCE - 01 /99, de

Leia mais

.3 - Registro obrigatório para abastecimento de GNC Gás Natural Comprimido (se comercializado) ANP - Agência Nacional do Petróleo;

.3 - Registro obrigatório para abastecimento de GNC Gás Natural Comprimido (se comercializado) ANP - Agência Nacional do Petróleo; CHECK LIST 1- Registros Obrigatórios.1 - Registro junto a ANP revenda de GLP.2 - Registro obrigatório para comercio de GNV Gás Natural Veicular (se comercializado) ANP - Agência Nacional de Petróleo, devendo

Leia mais

DISTÂNCIA MÍNIMA DO TANQUE À LINHA DE DIVISA DA PROPRIEDADE ADJACENTE. DISTÂNCIA MÍNIMA DO TANQUE ÀS VIAS PÚBLICAS Acima de 250 até 1.

DISTÂNCIA MÍNIMA DO TANQUE À LINHA DE DIVISA DA PROPRIEDADE ADJACENTE. DISTÂNCIA MÍNIMA DO TANQUE ÀS VIAS PÚBLICAS Acima de 250 até 1. NR 20 - Líquidos combustíveis e inflamáveis (120.000-3) 20.1 Líquidos combustíveis. 20.1.1 Para efeito desta Norma Regulamentadora - NR fica definido "líquido combustível" como todo aquele que possua ponto

Leia mais

Sistema Integrado de Licenciamento - SIL

Sistema Integrado de Licenciamento - SIL Sistema Integrado de Licenciamento - SIL CERTIFICADO DE LICENCIAMENTO INTEGRADO SECRETARIA ESTADUAL DE GESTÃO PÚBLICA Prefeitura do Município de Tatuí Governo do Estado de São Paulo É importante saber

Leia mais

Norma Regulamentadora 20 - NR 20

Norma Regulamentadora 20 - NR 20 Norma Regulamentadora 20 - NR 20 Líquidos combustíveis e inflamáveis 20.1. Líquidos combustíveis. 20.1.1. Para efeito desta Norma Regulamentadora - NR fica definido "líquido combustível" como todo aquele

Leia mais

Instrução Técnica nº 28/2011 - Manipulação, armazenamento, comercialização e utilização de gás liquefeito de petróleo (GLP) 655

Instrução Técnica nº 28/2011 - Manipulação, armazenamento, comercialização e utilização de gás liquefeito de petróleo (GLP) 655 Instrução Técnica nº 28/2011 - Manipulação, armazenamento, comercialização e utilização de gás liquefeito de petróleo (GLP) 655 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO

Leia mais

Instrução Técnica nº 28/2011 - Manipulação, armazenamento, comercialização e utilização de gás liquefeito de petróleo (GLP) 655

Instrução Técnica nº 28/2011 - Manipulação, armazenamento, comercialização e utilização de gás liquefeito de petróleo (GLP) 655 Instrução Técnica nº 28/2011 - Manipulação, armazenamento, comercialização e utilização de gás liquefeito de petróleo (GLP) 655 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO

Leia mais

Formalizando o negócio

Formalizando o negócio NEGÓCIO CERTO COMO CRIAR E ADMINISTRAR BEM SUA EMPRESA Formalizando o negócio Manual Etapa 3/Parte 2 Bem-vindo! É um prazer ter você participando da Etapa 3 do Programa de Auto-Atendimento Negócio Certo,

Leia mais

MANUAL DO SPED FISCAL

MANUAL DO SPED FISCAL MANUAL DO SISTEMA TOP FOR WINDOWS ESCRITA FISCAL - SKILL MANUAL DO SPED FISCAL VERSÃO 2.11 Equipe de Especialistas: Claudio Aparecido Medeiros Cristiano Besson Ederson Von Mühlen Diretor Responsável: João

Leia mais

MANUAL DO SPED FISCAL

MANUAL DO SPED FISCAL MANUAL DO SISTEMA TOP FOR WINDOWS ESCRITA FISCAL - SKILL MANUAL DO SPED FISCAL VERSÃO 2.11 Equipe de Especialistas: Claudio Aparecido Medeiros Cristiano Besson Ederson Von Mühlen Diretor Responsável: João

Leia mais

Portaria 32 AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO PORTARIA Nº 32, DE 6 DE MARÇO DE 2001

Portaria 32 AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO PORTARIA Nº 32, DE 6 DE MARÇO DE 2001 Portaria 32 AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO PORTARIA Nº 32, DE 6 DE MARÇO DE 2001 O DIRETOR-GERAL da AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO - ANP, no uso de suas atribuições, considerando as disposições da Lei nº 9.478,

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA RECEITA 31506_31506

ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA RECEITA 31506_31506 Page 1 of 12 ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA RECEITA 31506_31506 DECRETO Nº 31.506, DE 10 DE AGOSTO DE 2010 PUBLICADO NO DOE DE 11.08.2010 ALTERADO PELO DECRETO Nº: - 31.848/10, DE 07.12.10 -

Leia mais

NORMA REGULAMENTADORA NÚMERO 16 ATIVIDADES E OPERAÇÕES PERIGOSAS

NORMA REGULAMENTADORA NÚMERO 16 ATIVIDADES E OPERAÇÕES PERIGOSAS NORMA REGULAMENTADORA NÚMERO 16 ATIVIDADES E OPERAÇÕES PERIGOSAS 16.1. São consideradas atividades e operações perigosas as constantes dos Anexos números 1 e 2 desta Norma Regulamentadora - NR. 16.2. O

Leia mais

Documentação Exigida para Inscrição no Cadastro Fiscal do Distrito Federal

Documentação Exigida para Inscrição no Cadastro Fiscal do Distrito Federal Documentação Exigida para Inscrição no Cadastro Fiscal do Distrito Federal Secretaria de Estado de Fazenda do Distrito Federal 2005 ÍNDICE 1) SOCIEDADE EMPRESÁRIA LTDA:... 3 2) SOCIEDADE ANONIMA S/A:...

Leia mais

Sistema de proteção por extintores de incêndio

Sistema de proteção por extintores de incêndio Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 021 Sistema de proteção por extintores de incêndio CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão:01 Norma de Procedimento Técnico 5 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ TRANSPORTE INTERMUNICIPAL DE PASSAGEIROS MANUAL DO TRANSPORTADOR

ESTADO DO PARANÁ TRANSPORTE INTERMUNICIPAL DE PASSAGEIROS MANUAL DO TRANSPORTADOR ESTADO DO PARANÁ TRANSPORTE INTERMUNICIPAL DE PASSAGEIROS MANUAL DO TRANSPORTADOR 2012 ÍNDICE 1. DEFINIÇÃO 2. QUEM PODE EXECUTAR O TRANSPORTE INTERMUNICIPAL COM FINS COMERCIAIS 2.1. QUE TIPO DE EMPRESA

Leia mais

Sistema de Proteção por Extintores de Incêndio

Sistema de Proteção por Extintores de Incêndio SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas 4 Definições 5 Procedimentos Instrução

Leia mais

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE TRANSPORTES. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE TRANSPORTES no uso de suas atribuições legais:

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE TRANSPORTES. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE TRANSPORTES no uso de suas atribuições legais: PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE TRANSPORTES RESOLUÇÃO SMTR N o 2545 RIO DE JANEIRO, 20 DE FEVEREIRO DE 2015 ESTABELECE NORMAS RELATIVAS À VISTORIA DOS VEÍCULOS DE ALUGUEL

Leia mais

Art. 15º - Esta lei entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário.

Art. 15º - Esta lei entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário. Veja, na íntegra, os artigos da lei que estabelece normas para obtenção de alvará de licença e funcionamento de feiras, bazares ou eventos similares itinerantes, de venda a varejo ou no atacado e dá outras

Leia mais

RESOLUÇÃO No 273 DE 29 DE NOVEMBRO 2000

RESOLUÇÃO No 273 DE 29 DE NOVEMBRO 2000 RESOLUÇÃO No 273 DE 29 DE NOVEMBRO 2000 O Conselho Nacional do Meio Ambiente-CONAMA, no uso das competências que lhe foram conferidas pela Lei no 6.938, de 31 de agosto de 1981, regulamentada pelo Decreto

Leia mais

MANUAL DA EMPRESA DESENVOLVEDORA DE PROGRAMA APLICATIVO FISCAL - PAF-ECF (RESPONSÁVEL TÉCNICO)

MANUAL DA EMPRESA DESENVOLVEDORA DE PROGRAMA APLICATIVO FISCAL - PAF-ECF (RESPONSÁVEL TÉCNICO) SECRETARIA DA FAZENDA DE GOIÁS SUPERINTENDÊNCIA DA RECEITA ESTADUAL GEAF - GERÊNCIA DE ARRECADAÇÃO E FISCALIZAÇÃO COAF - COORDENAÇÃO DE AUTOMAÇÃO FISCAL MANUAL DA EMPRESA DESENVOLVEDORA DE PROGRAMA APLICATIVO

Leia mais

PORTARIA Nº 27, DE 07 DE MAIO DE 2002

PORTARIA Nº 27, DE 07 DE MAIO DE 2002 PORTARIA Nº 27, DE 07 DE MAIO DE 2002 O DIRETOR DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE TRÂNSITO - DENATRAN, no uso das atribuições que lhe confere o artigo 19 da Lei 9.503, de 23 de setembro de 1997 que instituiu

Leia mais

Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários.

Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários. Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários. Nº PROCESSO REQUERIMENTO RAZÃO SOCIAL IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO NOME DE FANTASIA NÚMERO DO CNPJ NÚMERO ÚLTIMO

Leia mais

IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS

IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS SUMÁRIO 1 - Objetivo 7 - Exposição ao risco de incêndio 2 - Referências normativas 8 - Risco de incêndio 3 - Símbolos 9 - Fatores de segurança

Leia mais

NPT 032 PRODUTOS PERIGOSOS EM EDIFICAÇÕES E ÁREAS DE RISCO

NPT 032 PRODUTOS PERIGOSOS EM EDIFICAÇÕES E ÁREAS DE RISCO Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 032 Produtos perigosos em edificações e áreas de risco CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 01 Norma de Procedimento Técnico 6 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação

Leia mais

Termo de Referência para Posto de Combustível no Município de Teresina

Termo de Referência para Posto de Combustível no Município de Teresina Termo de Referência para Posto de Combustível no Município de Teresina Requisitos e procedimentos para expedição do Licenciamento Ambiental de postos de combustíveis instalados/localizados e/ou a serem

Leia mais