AEROCLUBE DE SÃO PAULO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AEROCLUBE DE SÃO PAULO"

Transcrição

1 AEROCLUBE DE SÃO PAULO RELAÇÃO DE PROCEDIMENTOS E PRÁTICAS COM VISTA À SEGURANÇA REV 01 JUN/2015 1

2 Sumário 1. Introdução Sistema de Prevenção e Proteção Contra Incêndio e Procedimentos de Evacuação Brigada de Incêndio Alarme e Detecção Iluminação de Emergência Extintores Hidrantes Sinalização de Emergência Acionamento de Socorros Externos Responsabilidade de Atuação dos Órgãos Externos... 8 Defesa Civil Polícia Militar Bombeiro / Brigada Militar... 9 Polícia Civil / Polícia Científica... 9 Administradora Aeroportuária Local - INFRAERO Atendimento a Incêndio Aeronaves Estacionadas em Hangares / Pátio Funções específicas dos funcionários do Aeroclube durante a Emergência Plano de Abandono de Área Acionamento de Apoio Externo Ponto de Encontro Plano de Atendimento Médico e Primeiros Socorros Para o Pronto-Socorro mais próximo REV 01 JUN/2015 2

3 Casos clínicos de indisposição, mal-estar, etc Mapa de Rota de Fuga Restrições Operacionais com vista a Segurança de Voo Planejamento de voo Meteorologia Navegação Combustível Condições gerais (AIP-Brasil, ROTAER, NOTAM) Restrições Operacionais Acesso à ARS Área Restrita de Segurança Recomendações de Segurança na ARS Recomendações para a Partida dos Motores Prevenção e resposta a princípios de incêndio durante o acionamento: Abastecimento de Aeronaves Situações de Emergência fora da Base (em outros Aeródromos) REV 01 JUN/2015 3

4 1. Introdução Este documento tem como objetivo informar alunos dos Cursos Práticos e Teóricos do sobre os sistemas e medidas de segurança a serem adotados e praticados durante sua permanência nas dependências do ou durante as Práticas de Voo em sua base ou fora desta. Os Capítulos 2 e 3 são destinados a todos os alunos dos cursos teóricos e práticos. Nestes capítulos o aluno poderá encontrar informações e orientações de prevenção e resposta contra incêndio em edificações, sistema de alarme e rotas de fuga, bem como conhecer um pouco do nosso sistema e estrutura de resposta a incêndios e da necessidade de evacuação de nossas dependências. No término do Capítulo 3, onde serão explanados o método e esquema de abandono em caso de emergência, o aluno encontrará os Mapas de Rotas de Fuga e Evacuação divididos conforme áreas de circulação. Recomendamos que todos identifiquem as áreas que irão circular e estudem as rotas de evacuação. Já os Capítulos 4 a 8 são destinados aos alunos que irão frequentar os Cursos Práticos de Pilotagem, onde serão explanadas as restrições operacionais para a execução da Prática de Voo, os esquemas específicos de segurança que envolvem o acesso à Área Restrita de Segurança do Aeroporto Campo de Marte (pátios), perigos envolvidos com a circulação nestas áreas e orientações sobre perigos relacionados ao acionamento e abastecimento de aeronaves. É considerada obrigatória a leitura e conhecimento dos aspectos de segurança e estrutura de prevenção e resposta a acidentes e incidentes adotados pelo. REV 01 JUN/2015 4

5 2. Sistema de Prevenção e Proteção Contra Incêndio e Procedimentos de Evacuação O está dotado de um sistema de proteção e prevenção contra incêndios que contam com sistema de alarme e detecção de fumaça, sistema de hidrantes e extintores bem como procedimentos de evacuação com a devida sinalização. Ao chegar às dependências do Aeroclube procure identificar onde se encontram os dispositivos de alarme para acionamento do sistema de alerta e resposta contra incêndios (botoeiras junto aos hidrantes), onde estão localizados os extintores mais próximos e sua utilização correta, bem como das saídas de emergência e rotas de evacuação. Em casos de incêndio ou suspeita deste, você ouvirá um sinal sonoro e deverá imediatamente evacuar-se e direcionar-se ao PONTO DE ENCONTRO (em frente à Sede Administrativa do Secretaria de Atendimento, Sala de Operações de Voo). Mantenha sempre a calma e auxilie pessoas que estejam com dificuldade deslocamento. Siga as sinalizações da rota de fuga (Mapa de Rotas de Fuga anexadas a este documento) e siga sempre a orientação dos brigadistas (que podem ser professores, funcionários da administração, instrutores de voo, etc. Pessoal previamente treinado). Fique sempre atento aos procedimentos de segurança. Não fume em locais proibidos identificados com a sinalização pertinente. Nunca acesse a Área Restrita de Segurança (Pátio de Manobras) sem autorização ou acompanhado de pessoa autorizada. Em caso de acidentes comunique imediatamente um funcionário ou instrutor. Abaixo você terá informações dos equipamentos e estrutura para sua segurança Brigada de Incêndio O conta com profissionais devidamente treinados que conduzirão e orientarão os procedimentos preventivos ou de resposta em caso de emergências (suspeita ou constatação de princípio ou evolução de incêndio). Estes profissionais compõem a Brigada de Incêndio, formada por colaboradores do (funcionários, professores, instrutores, mecânicos, auxiliares de limpeza, vigias, auxiliares de pista, etc.) que anualmente recebem treinamento de empresa especializada e estão treinados para estas situações. Siga sempre as instruções e orientações destes profissionais. REV 01 JUN/2015 5

6 2.2. Alarme e Detecção As dependências do estão estruturadas com sistema de alarme e detecção de fumaça. O sistema de alarme tem como objetivo avisar de maneira clara e objetiva aos ocupantes da edificação que algo pode estar acontecendo e que de maneira preventiva ou emergencial TODOS DEVEM EVACUAR OS LOCAIS E DESLOCAR-SE PARA ÀS ÁREAS DEFINIDAS COMO PONTO DE ENCONTRO. O sistema de alarme, apesar de ser independente do sistema de detecção, podendo ser acionado a qualquer momento (botoeiras presentes junto aos hidrantes que podem ser acionadas da seguinte maneira: ALARME, quebre o vidro, aperte o botão ), será acionado automaticamente quando o sistema de detecção indicar presença de fumaça em qualquer parte da edificação. Independente da forma de acionamento do sistema de alarme, o procedimento de evacuação é OBRIGATÓRIO a todos e deverá ser conduzido conforme procedimentos estabelecidos para a evacuação (rotas de fuga, sinalização permanente e orientação do brigadista) Iluminação de Emergência Nossas dependências também contam com um sistema de iluminação de emergência que será automaticamente acionado em caso de falta de energia. São luminárias independentes espalhadas pela edificação e que o auxiliarão a seguir as rotas de fuga em caso de disparo do sistema de alarme ou simplesmente auxiliá-lo a abandonar os locais em caso de falta de energia nos períodos noturnos Extintores A edificação é protegida por 51 (cinquenta e um) extintores de incêndio entre portáteis / sobre rodas (Conforme IT nº21 Decreto Nº /11): Quantidade Tipo Capacidade 21 ÁGUA PRESSURIZADA 10 Lt 03 GÁS CARBONICO 25 Kg 01 PÓ QUÍMICO SECO 04 Kg 26 PÓ QUÍMICO SECO 06 Kg REV 01 JUN/2015 6

7 2.5. Hidrantes O conta com 23 pontos de hidrantes com saídas simples de 2 ½, e ponto de recalque para o Corpo de Bombeiros. Equipados com 1 lance de mangueiras de 15m ou 1 lance de 30m de 2 ½, esguicho sólido, chave de união, todos devidamente guardados nos armários metálicos junto aos aparelhos. As tubulações da rede são de aço galvanizado com diâmetro de 2 ½ e o sistema é pressurizado por bomba autônoma que liga automaticamente quando acionada pelo sistema de botoeiras presente junto aos hidrantes. Obs: O sistema de hidrantes SÓ DEVE SER ACIONADO por profissional treinado (brigadista) ou pelo Corpo de Bombeiros. O acionamento incorreto deste sistema poderá causar colapso na rede de alimentação dos hidrantes (danificando e indisponibilizando todo o sistema) ou mesmo FERIMENTO GRAVES devido ao despreparo no manejo das mangueiras Sinalização de Emergência Para auxiliá-lo na identificação de todos estes sistemas estão presentes em todas as dependências do placas e avisos para a identificação de: Hidrantes e Botoeiras de Emergência; Extintores; Rota de Fuga (Saída de Emergência); Lotação máxima de pessoas; Zonas de Perigo (alta tensão, líquidos inflamáveis, etc.). Para sua segurança recomendamos que se familiarize com estas sinalizações e as respeite. Em caso de dúvida procure um profissional Acionamento de Socorros Externos Apenas para conhecimento, os seguintes órgãos externos compõem nosso Plano de Prevenção e Resposta Contra Incêndio em Edificações. Estes órgãos serão acionados pelos brigadistas ou por outro profissional treinado. São eles: CORPO DE BOMBEIROS GRUPAMENTO DE BOMBEIROS PB Casa Verde Av. Ordem e Progresso, 1020 Casa Verde São Paulo SP Tel.: (11) REV 01 JUN/2015 7

8 GRUPAMENTO DE BOMBEIROS PB Santana Av. Braz Leme, 3351 Santana São Paulo SP Tel.: (11) INFRAERO Campo de Marte COE Coordenação de Operações de Emergência do Aeroporto Campo de Marte SICOE INFRAERO Campo de Marte (atendimento apenas dentro do Aeroporto). Av. Santos Dumont, 1979 Santana. Telefone: (11) PRONTO SOCORRO MUNICIPAL Pronto Socorro Municipal Lauro Ribas Braga - Santana End.: Rua Voluntários da Pátria Santana Telefone: (11) (PABX) HOSPITAL DO MANDAQUI Rua Voluntários da Pátria, São Paulo SP Telefone: (11) º BATALHÃO DA POLICIA MILITAR Av. Casa Verde, 677 Casa Verde São Paulo SP Telefone: (11) º DISTRITO POLICIAL Rua Camarés, 94 Carandiru São Paulo SP Telefone: (11) Responsabilidade de Atuação dos Órgãos Externos Defesa Civil Será acionado pelo Corpo de Bombeiros para apoio, isolamento de área e circunvizinhanças e avaliação da estrutura da edificação. Polícia Militar 190 Responsável pela preservação da ordem pública no município e Estado. Deverá efetuar o isolamento de áreas e garantir a preservação da ordem. REV 01 JUN/2015 8

9 Bombeiro / Brigada Militar Compete ao Bombeiro / Brigada Militar realizar serviços de extinção de incêndios, simultaneamente como de proteção e salvamento de vidas humanas e materiais no local do sinistro, bem como de busca e salvamento, prestando socorros em casos de afogamento, inundações, desabamentos, acidentes em geral, catástrofes e calamidades públicas. Polícia Civil / Polícia Científica Deverá ser acionada pela Presidência do Aeroclube, ou seu representante, visando apuração de suposto delito ou óbito. Administradora Aeroportuária Local - INFRAERO É responsável pelo acionamento do Plano de Emergência Aeronáutica em Aeródromo (PEAA) da instituição Atendimento a Incêndio Se for detectado o princípio de incêndio, após acionamento do sistema de alarme e acionamento de suporte externo (Corpo de Bombeiros ou INFRAERO COE) qualquer funcionário treinado (brigadista) presente no local que possua treinamento, poderá se utilizar dos equipamentos de combate ao incêndio. Deve ser providenciada a imediata retirada de pessoas do local (se necessário). É vedada a utilização de extintores e hidrantes por pessoa não treinada. O uso de linha de hidrante é exclusivo para incêndio e deve ser usado somente quando houver a confirmação do corte da energia elétrica. Se o princípio de incêndio for detectado fora do expediente local, além do procedimento citado, o SICOE da INFRAERO ou Corpo de Bombeiros deverá ser acionado tão logo haja a confirmação da emergência. Caso o princípio de incêndio não seja controlado, será acionado o sistema de sirenes do alarme de incêndio e ligar para o Corpo de Bombeiros (fone: 193). É considerado incêndio toda incidência de fogo sem controle, intenso, o qual causa danos e prejuízos à vida, ao meio ambiente e ao patrimônio. Caberá aos funcionários do organizar equipes para o combate e para o abandono da edificação. REV 01 JUN/2015 9

10 O Serviço Médico de Emergência Municipal deverá ser acionado para atendimento de possíveis vítimas nas edificações Aeronaves Estacionadas em Hangares / Pátio A equipe técnica de mecânica é responsável em comunicar qualquer situação de perigo aos usuários que se encontrarem no interior das aeronaves estacionadas, além de acionar imediatamente a Administração Aeroportuária Local. O deslocamento das aeronaves, caso haja risco para o equipamento, deverá ser feito somente por pessoal habilitado, em conformidade com o procedimento operacional, desde que não haja risco à integridade física dos funcionários que realizarão o serviço Funções específicas dos funcionários do Aeroclube durante a Emergência Os funcionários do Aeroclube devem iniciar se necessário e/ou possível o combate ao fogo, podendo ser auxiliados por outros ocupantes do andar/edificação, desde que devidamente treinados, capacitados e protegidos. O incêndio deve ser confinado de modo a evitar a sua propagação e consequências. O combate ao incêndio deve ser efetuado conforme treinamento específico dado aos funcionários. A coordenação do combate ao fogo ficará a cargo do Corpo de Bombeiro quando este se apresentar ao local. A assistência médica às possíveis vítimas deverá ser realizada por pessoa treinada, fora da área de risco, até a chegada do Serviço de Saúde. REV 01 JUN/

11 3. Plano de Abandono de Área Caso seja necessário abandonar a edificação, para que se inicie o abandono, os ocupantes do andar sinistrado devem ser os primeiros a descer, em fila e sem tumulto, com um funcionário treinado liderando a fila e outro encerrando a mesma. Antes do abandono definitivo de cada pavimento, um ou dois funcionários devem verificar se não ficaram ocupantes retardatários e providenciar o fechamento de portas e/ou janelas, se possível. Cada pessoa com deficiência física, permanente ou temporária, deve ser acompanhada por dois voluntários. Todos os demais ocupantes de cada pavimento devem parar o que estiverem fazendo, pegar apenas seus documentos pessoais e agruparem-se no saguão do pavimento, organizados em fila direcionada à porta de saída de emergência. Os ocupantes dos andares devem iniciar o abandono, dando preferência às demais filas (exceto do local sinistrado), quando cruzarem com as mesmas, até a saída, onde devem se deslocar até o Ponto de Encontro. O deslocamento pelas saídas de emergência deverá obedecer à sinalização verde. Qualquer alteração de trajeto deverá ser autorizada apenas pelo funcionário que estiver liderando a evacuação. O líder de abandono da área deverá guiar os funcionários para o Ponto de Encontro da área. Todas as pessoas presentes, sem exceção, deverão se dirigir ao Ponto de Encontro. Serão designados dois voluntários para inspecionar cada área e locais desabitados (banheiros, salas fechadas, depósitos, espaços confinados, etc.). Visitantes e fornecedores deverão acompanhar a equipe de abandono do local em que estiverem. Após o abandono, o líder da evacuação deverá comunicar a saída dos visitantes ao departamento responsável pela visita. O mesmo cabe para funcionários que estão fora de sua estação de trabalho. A Administração do deverá manter uma listagem atualizada de todos os funcionários que estão trabalhando em sua área, que será utilizada para realizar a contagem de funcionários após o abandono da edificação. Os funcionários que estiverem faltantes devem ser imediatamente comunicados ao Coordenador da Contingência ou seu representante. Durante a limpeza e manutenção de aeronaves, após o comunicado de evacuação, caberá a todos os ocupantes abandonar a aeronave e se dirigir ao Ponto de Encontro definido pela e Administração do Aeroclube. REV 01 JUN/

12 3.1. Acionamento de Apoio Externo A Base deverá ter em todos os turnos de trabalho um responsável pelo acionamento do Supervisor de Aeroporto da Administração Aeroportuária Local, do Corpo de Bombeiros e demais serviços de emergência dando as seguintes informações: Nome e número do telefone utilizado Descrição da Emergência (inclusive proporção) Endereço completo do local Ponto de referência Quantidade e estado das eventuais vítimas 3.2. Ponto de Encontro É previsto como Ponto de Encontro na área comum em frente ao escritório da Sede Administrativa do, salvo sinistro local onde o Ponto de Encontro será na rua de acesso ao Aeroclube, em frente ao Bar Brahma, e poderá ser compartilhado com outros departamentos. A sinalização de Rota de Fuga da edificação conduzirá ao Ponto de Encontro e/ou saída para área externa (rua) Plano de Atendimento Médico e Primeiros Socorros Qualquer pessoa (funcionário, visitante, fornecedor e outros) ao detectar uma situação de acidente nas dependências do, deve procurar o ramal mais próximo, ligar no ramal da Administração. É vedada a intervenção na vítima de acidente sem que haja treinamento específico de Primeiros Socorros Para o Pronto-Socorro mais próximo A administração indicará o local mais próximo para atendimento de urgência conforme rede de atendimento. A remoção deverá ser feita priorizando a seguinte ordem: Serviço de Remoção do Convênio Médico, se disponível; Serviço de Remoção de Emergência Municipal ou Estadual; Serviço de Táxi, em se tratando de casos clínicos (não trauma). REV 01 JUN/

13 Casos clínicos de indisposição, mal-estar, etc. O funcionário ou visitante deverá ser encaminhado para o Serviço de Saúde Municipal ou Estadual, para avaliação médica e conduta condizente com o quadro apresentado. Em função dos riscos da automedicação, não são disponibilizados medicamentos, visto que o manuseio destes é permitido somente aos profissionais especializados ou treinados para esse fim. A remoção da vítima de acidente com trauma do local da emergência, deve ser realizada apenas por pessoal especializado, exceto em caso de risco ambiental iminente para causar morte. Nos casos de múltiplas vítimas, acidentes durante a emergência ou vítima encarcerada (inclusive em espaço confinado), deverão ser contatados imediatamente o Coordenador da Contingência e o serviço de resgate do Corpo de Bombeiros/Brigada Militar. Fora do expediente, a Portaria e Segurança Patrimonial devem também ser comunicadas. REV 01 JUN/

14 Mapa de Rota de Fuga REV 01 JUN/

15 REV 01 JUN/

16 REV 01 JUN/

17 REV 01 JUN/

18 REV 01 JUN/

19 REV 01 JUN/

20 REV 01 JUN/

21 REV 01 JUN/

22 REV 01 JUN/

23 REV 01 JUN/

24 4. Restrições Operacionais com vista a Segurança de Voo Os alunos dos Cursos Práticos do devem atentar às Restrições Operacionais que objetivam a garantia da segurança da Prática de Voo. Estas restrições têm como base as limitações próprias do Aeroporto Campo de Marte, bem como elementos meteorológicos que dificultem ou degradem as margens de segurança para a execução dos treinamentos. Paulo. São exigidos os seguintes mínimos meteorológicos para operação no Aeroclube de São Voos VFR diurno/sob Capota/Noturno Visibilidade: 5000 m Teto: 1700 ft Voos IFR Visibilidade: 3000 m Teto: 1200 ft As operações serão restritas somente a instrução de voo nas seguintes condições: Componente de Vento de Través: superior a 10 kt Existência de Aviso de Aeródromo com reporte de Windshear; Reporte de Vento Forte de Rajadas superior a 15 kt. As operações devem ser suspensas se forem observadas as seguintes condições: Componente de Vento de Través: superior a 15 kt Pressão Atmosférica: inferior a 1010 hpa Temperatura: superior a 30 C Existência de Aviso de Aeródromo; Presença de CBs na vizinhança do aeródromo; Reporte de Teto Baixo nos REAs; As condições meteorológicas devem ser consultadas através do site da REDEMET: e salas AIS. REV 01 JUN/

25 4.1. Planejamento de voo Antes de iniciar um voo, o piloto em comando de uma aeronave deve ter ciência de todas as informações necessárias ao planejamento de voo (ICA / ). Todos os alunos e instrutores devem atentar para os seguintes itens: decolagem Meteorologia O piloto ou aluno deverá ter ciência das condições e previsões meteorológicas: No aeródromo de saída; No aeródromo de destino; Nas alternativas; Na rota. Deverão ser considerados os METARs, SPECIs e TAFs em vigor no horário previsto de Não serão autorizados voos cujos estimados de pouso coincidam com períodos de deterioração do tempo Navegação A navegação deverá ser planejada utilizando-se a carta WAC (ou similar) como base. Utilizar a Planilha de Navegação, contendo estimados de posição e alternativas em rota. Durante o planejamento da navegação observar os seguintes pontos: Manter uma altura mínima de 1000ft sobre o terreno (e 2000ft sobre terrenos montanhosos) respeitando os Níveis de Voo e restrições de altitude da área; Verificar as características e restrições das áreas condicionadas (Proibidas P, Restritas R e Perigosas D); Respeitar os espaços aéreos controlados (TMA, ATZ, etc.) mantendo comunicação bilateral com o órgão ATC, se necessário; Verificar a existência de cartas e procedimentos específicos da região (Ex. REA, VAC); Obter as características do aeródromos de alternativa (pista, elevação, facilidades, auxílios, etc.). REV 01 JUN/

26 O GPS poderá ser utilizado como meio complementar de navegação. É proibido utilizá-lo como meio primário de navegação. Não é permitida a realização de voo noturno solo. Todos os voos noturnos deverão acompanhados de instrutor de voo. ATENÇÃO: Verifique sempre a validade das cartas e atualizações das mesmas Combustível O acompanhamento do abastecimento da aeronave é de responsabilidade do Piloto em Comando do voo. As aeronaves deverão ser abastecidas conforme definido no RBHA-91: VFR Diurno : A -> B + 30 min VFR Noturno: A -> B + 45 min IFR: A -> B -> C + 45 min Onde: A Aeródromo de Partida B Aeródromo de Destino C Alternativa de Vento. Para o planejamento de combustível considerar o vento previsto na rota através da Carta Condições gerais (AIP-Brasil, ROTAER, NOTAM) Verifique os procedimentos e atividades existentes no aeródromo de destino e em rota tais como voo de planador, lançamento de paraquedistas e voos de ultraleves. Ligue para os aeródromos para obter informações mais detalhadas antes de voar. Consulte sempre a publicação AIP-BRASIL/ROTAER e verifique os NOTAMS em vigor de: Aeródromo de Saída; Aeródromo de Destino; Alternativas; Áreas Terminais; Regiões de Informação de Voo (FIR). Como meio complementar pode-se ligar para os aeródromos a fim de obter informações mais detalhadas sobre o local (Ex. se existe local ativo para reabastecimento da aeronave, eventos, condições da pista, etc.). REV 01 JUN/

27 Restrições Operacionais São proibidas as operações nos aeródromos abaixo: Camanducaia Monte Verde, MG (SNEJ); Faz. Vale Eldorado Atibaia, SP (SDVH). Nota: A Fazenda Vale Eldorado (SDVH) poderá ser utilizado em voos de instrução (Duplo Comando). Aeronaves com destino a Região Sul (litoral de Santa Catarina e Rio Grande do Sul) não poderão utilizar a aerovia W45 ou qualquer rota sobre o mar. Seguir via Curitiba (CTB) ou Paranaguá (PNG). REV 01 JUN/

28 5. Acesso à ARS Área Restrita de Segurança Convencionalmente chamamos de Área Restrita de Segurança ARS as áreas limitadas do Aeródromo onde há movimento de aeronaves ou equipamentos e tem seu acesso controlado e restrito à pessoal devidamente identificado e treinado (Pátio de Manobras/Parqueamento, Taxiways e Pista). No, nas áreas comuns o acesso é livre e público, necessitando apenas que o aluno esteja identificado para acessar as salas de aula e salas de operação e briefing. Todavia, o acesso ao Pátio (acesso às aeronaves, na ARS) é restrito à funcionários, instrutores e alunos dos cursos práticos desde de que devidamente identificados ou acompanhados por funcionário treinado ou instrutor de voo. Para o acesso a estas áreas há dois portões com controle digital de identificação (crachá) que só liberarão o acesso mediante reconhecimento de cadastro eletrônico. Em caso de falha no sistema solicitamos ao aluno que informe imediatamente um funcionário do Aeroclube. É vedado a qualquer aluno levar visitantes à ARS sem autorização ou acompanhamento de colaborador identificado do Recomendações de Segurança na ARS Ao ingressar na ARS (Pátio) redobre sua atenção. Evite falar ao celular e nunca abra chama (isqueiro, fósforo, cigarros). Mantenha-se alerta à movimentação de aeronaves e veículos autorizados. Nunca circule entre as aeronaves sem antes observar sinais que possam indicar acionamento iminente ou posterior de aeronaves (tripulantes dentro da aeronave, farol anti-colisão ligado). Movimente-se apenas pelas marcações amarelas no solo que indicam exatamente os locais seguros e livres de interferência para seu deslocamento. Ao se deslocar entre aeronaves SEMPRE PASSE PELO LADO TRASEIRO (por trás) e nunca pela frente. Independente de haver ou não indicação de acionamento, mantenha-se a uma distância mínima de 3 (três) metros das hélices das aeronaves (antes de inspecioná-las, certifique-se que o MASTER esteja desligado e a MISTURA totalmente cortada/recuada). Respeite e siga a orientação dos auxiliares de pista, mecânicos ou instrutores de voo e pilotos mais experientes. Se perceber qualquer situação que coloque em perigo qualquer pessoa ou equipamento, informe imediatamente um funcionário do Aeroclube. REV 01 JUN/

29 Lembramos que a utilização de celulares na ARS é desfavorável à segurança promovendo desatenção da pessoa que o utiliza. Deixe para falar no celular apenas fora desta área. Vale ressaltar que terminantemente proibida a utilização de celulares e rádios durante o abastecimento das aeronaves. REV 01 JUN/

30 6. Recomendações para a Partida dos Motores Estas instruções não substituem as orientações e procedimentos de acionamento disponíveis nos Manuais de Voo de cada aeronave. Os procedimentos para acionamento das aeronaves DEVEM OBRIGATORIAMENTE SEGUIR OS RESPECTIVOS MANUAIS DE VOO E SER COORDENADO ATRAVÉS DA UTILIZAÇÃO DOS CHECK- LISTS disponíveis nas pastas das aeronaves. Cada aeronave possui sua sequência e maneira exata de acionamento em diferentes condições e situações. Sempre acompanhe o que está descrito nos Manuais de Voo e Check-Lists de Acionamento de cada aeronave. Nunca invente procedimentos, altere sequência ou pule itens. A garantia do bom funcionamento do motor bem como sua conservação e a segurança de todos depende da execução precisa e calma dos Check-Lists de Acionamento. Antes do acionamento do STARTER (chave de ignição) é OBRIGATÓRIO O CHECK DE ÁREA (esquerda livre, proa livre, direita livre) para verificar se não há pessoas na zona de risco de contato com a hélice, bem como qualquer pessoa que aparentemente se desloque em sua direção. Tente manter contato visual com o auxiliar de pista mais próximo. Em caso de dúvida ou presença de pessoa nas proximidades ABORTE O ACIONAMENTO Prevenção e resposta a princípios de incêndio durante o acionamento: Cada aeronave possui seu procedimento específico de prevenção e extinção de incêndio que deverá obrigatoriamente ser memorizado por todos (instrutores, mecânicos e alunos). Independente do preparo, todo o acionamento deverá preferencialmente ser acompanhado de auxiliar de pista devidamente treinado e munido de extintor de incêndio para resposta imediata em caso de princípio de fogo. Cabe a todos verificar a localização dos extintores de incêndio em cada aeronave, bem como sua funcionalidade (carga disponível e/ou validade). Sendo recomendada a prática de remoção dos extintores de seu suporte, bem como o entendimento sobre sua operação (remoção, rompimento de lacre, dispositivo de aplicação, forma de aplicação). REV 01 JUN/

31 Em caso de persistência do foco de incêndio ABANDONE A AERONAVE IMEDIANTAMENTE. Durante os procedimentos de partida deve haver um auxiliar de pista equipado com um extintor, próximo ao motor a ser girado. REV 01 JUN/

32 7. Abastecimento de Aeronaves Todas as precauções de segurança contra incêndios devem ser observadas durante os processos de abastecimento. Não é permitido utilizar telefones celulares ou rádios comunicadores na aeronave, ou ao seu redor, durante o abastecimento. NUNCA FUME OU ABRA CHAMA NA ARS! Para a execução segura do procedimento de abastecimento da aeronave, recomendamos o acompanhamento de um tripulante ou auxiliar de pista treinado para acompanhar o serviço a ser prestado pela empresa de abastecimento. Contudo vale ressaltar que o abastecimento DEVE SER OBRIGATORIAMENTE ACOMPANHADO E SUPERVISIONADO pelo Piloto em Comando da aeronave, independente do suporte ou presença de outros profissionais durante o procedimento. Durante o abastecimento a aeronave deve ser OBRIGATORIAMENTE ATERRADA pelo operador do carro de abastecimento. NUNCA O AJUDE. Este profissional é treinado e está devidamente preparado para gerenciar possíveis situações adversas. Só proceda se solicitado e orientado por este profissional. NÃO O APRESSE! O abastecimento deverá ocorrer nas áreas definidas e apropriadas, nunca em locais não destinados a isto ou dentro de hangares ou ambientes fechados ou pouco ventilados. Durante o abastecimento a aeronave deve estar TOTALMENTE DESLIGADA (inclusive interruptores elétricos), CALÇADA E ATERRADA. Para o abastecimento não deixe de verificar: Aeronave totalmente DESLIGADA e CALÇADA; O Abastecimento é executado por empresa e por profissional treinado e devidamente identificado; O Piloto em Comando deverá estar presente para acompanhar os procedimentos; O profissional de abastecimentos deverá ATERRAR a aeronave; Durante o abastecimento não haja telefones ou rádios ligados ou operantes nas proximidades da aeronave e do caminhão de abastecimentos (exceto o rádio ou comunicador do abastecedor); Não permita que qualquer pessoa abra chama ou fume próximo à aeronave. Após o término do abastecimento lembre-se de VERIFICAR NÍVEL DE COMBUSTIVÉL NOS TNQUES (visualmente), DRENAR NOVAMENTE OS TANQUES e CERTIFICAR-SE DE FECHAR A TAMPA DO TANQUE CORRETAMENTE. Em caso de dúvidas consulte um auxiliar de pista ou instrutor de voo. REV 01 JUN/

AÇÕES A SEREM SEGUIDAS APÓS A ATIVAÇÃO DO PEL

AÇÕES A SEREM SEGUIDAS APÓS A ATIVAÇÃO DO PEL Usina Termelétrica Gov. LEONEL BRIZOLA/TERMORIO Informe de recursos internos LIMITES DA ÁREA INDUSTRIAL COMPOSIÇÃO DA UTE GLB Planta Outras instalações Rota de fuga ATIVAÇÃO DO PEL Qualquer empregado ou

Leia mais

PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS

PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS PLANO DE EMERGÊNCIA CONTRA INCÊNDIO de acordo com o projeto de norma nº 24:203.002-004 da ABNT ( setembro 2000 ) 1 Objetivo 1.1 Estabelecer

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA. Preparar os funcionários para um rápido e eficiente abandono do edifício, em caso real de incêndio ou qualquer outra emergência.

PLANO DE EMERGÊNCIA. Preparar os funcionários para um rápido e eficiente abandono do edifício, em caso real de incêndio ou qualquer outra emergência. INTRODUÇÃO Em virtude do grande número de vítimas que os incêndios tem causado nos locais de maior concentração humana, principalmente edifícios e, tendo como causas principais à falta de conhecimento

Leia mais

Manual de instalação e operação

Manual de instalação e operação Manual de instalação e operação Central de alarme de incêndio endereçável INC 2000 Central de alarme de incêndio INC 2000 Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Engesul.

Leia mais

Desenvolvimento de uma emergência de incêndio

Desenvolvimento de uma emergência de incêndio Desenvolvimento de uma emergência de incêndio Desenvolvimento de uma emergência de incêndio INTRODUÇÃO Ambos a experiência e o bom senso nos dizem que as ações tomadas durante uma emergência são mais eficazes

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC) PLANO DE EMERGÊNCIA

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC) PLANO DE EMERGÊNCIA ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC)

Leia mais

BRIGADA DE INCÊNDIO ORGANIZAÇÃO DA BRIGADA DE INCÊNDIO

BRIGADA DE INCÊNDIO ORGANIZAÇÃO DA BRIGADA DE INCÊNDIO BRIGADA DE INCÊNDIO Brigada de Incêndio: É um grupo organizado de pessoas voluntárias ou não, treinadas e capacitadas para atuarem dentro de uma área previamente estabelecida na prevenção, abandono e combate

Leia mais

FORMULÁRIO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO PROJETO TÉCNICO

FORMULÁRIO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO PROJETO TÉCNICO ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA E DA DEFESA SOCIAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS DAT/1 SEÇÃO DE ANÁLISE DE PROJETOS FORMULÁRIO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO

Leia mais

INCÊNDIO Ambiente SEFAZ (Ed. Vale do Rio Doce) PGI 002 Incêndio

INCÊNDIO Ambiente SEFAZ (Ed. Vale do Rio Doce) PGI 002 Incêndio GESTÃO DA CONTINUADE DOS NEGÓCIOS E DE PGI 002 Incêndio INCÊNDIO Ambiente SEFAZ (Ed. Vale do Rio Doce) PGI 002 Incêndio As informações existentes neste documento e em seus anexos são para uso exclusivo

Leia mais

Comando do Corpo de Bombeiros. Mód 5 Plano de Emergência Contra Incêndio e Brigada de Incêndio. Maj. QOBM Fernando

Comando do Corpo de Bombeiros. Mód 5 Plano de Emergência Contra Incêndio e Brigada de Incêndio. Maj. QOBM Fernando Comando do Corpo de Bombeiros Mód 5 Plano de Emergência Contra Incêndio e Brigada de Incêndio Maj. QOBM Fernando Plano de Emergência Requisitos para Elaboração e Aspectos a serem Observados; Implementação

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único Curso Técnico Segurança do Trabalho Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único Meios de Fuga As rotas de fuga devem atender, entre outras, às seguintes condições básicas: Número de saídas O número

Leia mais

2.2 A Administração do Condomínio dá ênfase às medidas preventivas, assim entendidas as seguintes:

2.2 A Administração do Condomínio dá ênfase às medidas preventivas, assim entendidas as seguintes: Fl. 01 de 06 1 Objetivo A presente Regulamentação Especial visa normalizar os procedimentos para o pessoal incumbido de prevenir ou combater um princípio de incêndio e de atuar em situações de emergência,

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº.

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. 35/2011 Túnel rodoviário SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências

Leia mais

Manual do usuário. Central de alarme de incêndio Slim

Manual do usuário. Central de alarme de incêndio Slim Manual do usuário Central de alarme de incêndio Slim Central de alarme de incêndio Slim Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Engesul. Este manual é válido apenas para

Leia mais

MODELO DE PLANO DE EMERGÊNCIA DO AERÓDROMO

MODELO DE PLANO DE EMERGÊNCIA DO AERÓDROMO MODELO DE PLANO DE EMERGÊNCIA DO AERÓDROMO (Artigo 3.º do Anexo III ao Regulamento n.º 36/2013 do INAC, I.P., publicado no Diário da República, 2.ª série, n.º 14, de 21 de janeiro de 2013) CLASSES I E

Leia mais

Procedimento Operacional Nome do procedimento: Plano de Abandono SINER / Carapicuíba Data da Revisão 05/06/13

Procedimento Operacional Nome do procedimento: Plano de Abandono SINER / Carapicuíba Data da Revisão 05/06/13 1/ 8 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Saída de alguns integrantes da Brigada 02 Alteração do item 4.5 composição da brigada e 4.7 Plano de abandono Demais envolvidos

Leia mais

SISTEMA GLOBAL DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. firesafetybrasil@gmail.com

SISTEMA GLOBAL DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. firesafetybrasil@gmail.com SISTEMA GLOBAL DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO firesafetybrasil@gmail.com RELAÇÃO ENTRE OS FATORES CONDICIONANTES DE RISCO E AS DISTINTAS CATEGORIAS DE RISCO RELAÇÃO DE INTERDEPENDÊNCIA ENTRE AS CINCO CATEGORIAS

Leia mais

NPT 031 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO PARA HELIPONTO E HELIPORTO

NPT 031 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO PARA HELIPONTO E HELIPORTO Janeiro 2012 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 031 Segurança Contra Incêndio para Heliponto e Heliporto CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 02 Norma de Procedimento Técnico 5 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO

NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO ANEXO XI AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO 1. OBJETIVOS Esta Norma Técnica estabelece princípios gerais para: a) o levantamento de riscos

Leia mais

PLANO DE CONTENÇÃO DE EMERGÊNCIA APLICÁVEL AOS TRANSFORMADORES ELEVADORES DA SE 440KV DA UHE JUPIÁ

PLANO DE CONTENÇÃO DE EMERGÊNCIA APLICÁVEL AOS TRANSFORMADORES ELEVADORES DA SE 440KV DA UHE JUPIÁ PLANO DE CONTENÇÃO DE EMERGÊNCIA APLICÁVEL AOS TRANSFORMADORES ELEVADORES DA SE 440KV DA UHE JUPIÁ Autores: Aguinaldo Lima de Moraes Jr. José Natalino Bezerra Luiz Tomohide Sinzato CESP - Companhia Energética

Leia mais

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9)

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) 10.1. Esta Norma Regulamentadora - NR fixa as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalham em instalações

Leia mais

TERMINAL MULTIMODAL DE RONDONÓPOLIS

TERMINAL MULTIMODAL DE RONDONÓPOLIS 1/17 TERMINAL MULTIMODAL DE RONDONÓPOLIS Figura 1: vista do local onde o Terminal será instalado. PLANO DE ATENDIMENTO À EMERGÊNCIAS - PAE Novembro de 2011 2/17 ÍNDICE 1. FINALIDADE:... 3/17 2. CAMPO DE

Leia mais

EDIÇÃO Nº 10 FEVEREIRO 2013 INFORME SERIPA I. Desorientação espacial

EDIÇÃO Nº 10 FEVEREIRO 2013 INFORME SERIPA I. Desorientação espacial EDIÇÃO Nº 10 FEVEREIRO 2013 INFORME SERIPA I Periódico de Prevenção A atitude (posição de voo) de uma aeronave é geralmente determinada pela referência do horizonte natural. Quando este está obscurecido,

Leia mais

REGIONAL RIO DE JANEIRO PLANO

REGIONAL RIO DE JANEIRO PLANO REGIONAL RIO DE JANEIRO PLANO DE EMERGÊNCIA FILIAL DUQUE DE CAXIAS ANO BASE 2009 1. INTRODUÇÃO Todas as instalações que operem com derivados de petróleo devem possuir um PLANO DE EMERGÊNCIA para controle

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS

NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS ANEXO XXV AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica estabelece as medidas de segurança

Leia mais

IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS

IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS SUMÁRIO 1 - Objetivo 7 - Exposição ao risco de incêndio 2 - Referências normativas 8 - Risco de incêndio 3 - Símbolos 9 - Fatores de segurança

Leia mais

DECRETO Nº 37.380, DE 28 DE ABRIL DE 1997. *(Com as Alterações Introduzidas pelo Decreto nº 38.273/98, pub. DOE 10.03.98)

DECRETO Nº 37.380, DE 28 DE ABRIL DE 1997. *(Com as Alterações Introduzidas pelo Decreto nº 38.273/98, pub. DOE 10.03.98) 1 de 7 05/02/2013 11:03 DECRETO Nº 37.380, DE 28 DE ABRIL DE 1997. *(Com as Alterações Introduzidas pelo Decreto nº 38.273/98, pub. DOE 10.03.98) Aprova as Normas Técnicas de Prevenção de Incêndios e determina

Leia mais

Símbolos Gráficos Para Projeto de Segurança Contra Incêndio

Símbolos Gráficos Para Projeto de Segurança Contra Incêndio Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 004 Símbolos Gráficos Para Projeto de Segurança Contra Incêndio CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 01 Norma de Procedimento Técnico 17 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo

Leia mais

Corpo de Bombeiros. São Paulo

Corpo de Bombeiros. São Paulo Corpo de Bombeiros São Paulo EXTINTORES Fogo É uma reação química em cadeia que desprende luz e calor devido à combustão de materiais diversos. Elementos que compõe o fogo Calor Combustível Comburente

Leia mais

SEGURANÇA E PREVENÇÃO CONTRA INCENDIOS

SEGURANÇA E PREVENÇÃO CONTRA INCENDIOS SEGURANÇA E PREVENÇÃO CONTRA INCENDIOS SEGURANÇA DO TRABALHO E BOMBEIROS UNIFESP GUARULHOS 2013/2014 Prezad@s companheiros de atividades, UNIFESP GUARULHOS A notícia que correu o mundo neste inicio de

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE DEFESA CIVIL Gerência de Segurança Contra Incêndio e Pânico NORMA TÉCNICA n. 16, de 05/03/07 Plano de Intervenção

Leia mais

Etapas do Manual de Operações de Segurança

Etapas do Manual de Operações de Segurança OPERAÇÕES www.proteccaocivil.pt DE SEGURANÇA CARACTERIZAÇÃO DO ESPAÇO IDENTIFICAÇÃO DE RISCOS ETAPAS LEVANTAMENTO DE MEIOS E RECURSOS ESTRUTURA INTERNA DE SEGURANÇA PLANO DE EVACUAÇÃO PLANO DE INTERVENÇÃO

Leia mais

Seminário de Prevenção e Combate a Incêndios CODESP TEAG, 20/OUT/14

Seminário de Prevenção e Combate a Incêndios CODESP TEAG, 20/OUT/14 Seminário de Prevenção e Combate a Incêndios CODESP TEAG, 20/OUT/14 Dezembro, 2014 Agenda O incêndio cronologia Cuidados ambientais adotados durante o sinistro Possíveis causa(s) do incêndio Melhorias

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DO SISTEMA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO

MEMORIAL DESCRITIVO DO SISTEMA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO MEMORIAL DESCRITIVO DO SISTEMA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO I - IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO 1.1. OBRA: Regularização e Ampliação de um Complexo Esportivo. 1.2. ENDEREÇO: Conjunto Manuel Julião, Rio

Leia mais

- NORMA REGULAMENTADORA Nº 23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS

- NORMA REGULAMENTADORA Nº 23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS - NORMA REGULAMENTADORA Nº 23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS Aprovada pela Portaria GM/MTB nº 3.214 - DOU 06/07/1978. 23.1 Todos os empregadores devem adotar medidas de prevenção de incêndios, em conformidade

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO

INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas 4 Definições 5 Generalidades 6 Características e critérios para

Leia mais

GESMS. Gerência de Engenharia, Saúde, Meio Ambiente e Segurança. Prevencionista da SMS EM OBRAS

GESMS. Gerência de Engenharia, Saúde, Meio Ambiente e Segurança. Prevencionista da SMS EM OBRAS Análise Prevencionista da Tarefa - APT SMS EM OBRAS INTRODUÇÃO Nos slides a seguir, estamos divulgando a APT que é uma ferramenta que complementa a AST, analisando o passo a passo e pontos de atenção das

Leia mais

MANUAL TÉCNICO DA CENTRAL E DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO

MANUAL TÉCNICO DA CENTRAL E DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO MANUAL TÉCNICO DA CENTRAL E DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO A EQUIPEL assegura ao proprietário deste aparelho garantia de 01 ano contra qualquer defeito de peça ou de fabricação desde que,

Leia mais

Corpo de Bombeiros. Plano de emergência contra incêndio

Corpo de Bombeiros. Plano de emergência contra incêndio SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. 16/2011 Plano de emergência contra incêndio SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16/2011 Instrução Técnica nº 16/2011 - Plano de emergência contra incêndio 409 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA

Leia mais

Projeto de revisão NBR 13434 Parte 2 Sinalização de segurança contra incêndio e pânico Parte 2: Símbolos e suas formas, dimensões e cores.

Projeto de revisão NBR 13434 Parte 2 Sinalização de segurança contra incêndio e pânico Parte 2: Símbolos e suas formas, dimensões e cores. ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas OUT:2001 Projeto de revisão NBR 13434 Parte 2 Sinalização de segurança contra incêndio e pânico Parte 2: Símbolos e suas formas, dimensões e cores. Sede: Rio

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 04/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 04/2011 Instrução Técnica nº 04/2011 - Símbolos gráficos para projeto de segurança contra incêndio 149 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros

Leia mais

SEGURANÇA na UTILIZAÇÃO de SEGURANÇA NA UTILIZAÇÃO DE PONTES ROLANTES

SEGURANÇA na UTILIZAÇÃO de SEGURANÇA NA UTILIZAÇÃO DE PONTES ROLANTES SEGURANÇA na UTILIZAÇÃO de Objetivos Sensibilizar os operadores de Ponte Rolante quanto à necessidade de neutralizar ao máximo a possibilidade de ocorrência de acidentes. Adotar procedimentos de rotina,

Leia mais

IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO

IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências Normativas 4 Definições 5 Generalidades gerais 6- Procedimentos 7 Certificação e validade/garantia INSTRUÇÃO

Leia mais

CURSOS MINISTRADOS PELA TREINAMENTOS & BRIGADA CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CURSOS MINISTRADOS PELA TREINAMENTOS & BRIGADA CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CURSOS MINISTRADOS PELA TREINAMENTOS & BRIGADA Item Treinamentos C/H 01 Brigada de Incêndio 12 h/a 02 Brigada de Incêndio 16 h/a 03 Primeiros Socorros 08 h/a 04 Trabalho em Altura 08 h/a 05 CIPA 20 h/a

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA AERONÁUTICA EM AERÓDROMO

PLANO DE EMERGÊNCIA AERONÁUTICA EM AERÓDROMO 1 / 11 PLANO DE EMERGÊNCIA AERONÁUTICA EM AERÓDROMO CONTEÚDO Introdução Definições Estabelecidas em Diretriz Específica O Conclusão 2 / 11 I - INTRODUÇÃO Como a expressão "emergência aeroportuária" adquire

Leia mais

GRUPO NOVO BRASIL LINHA DE PRODUTOS 01/2002-REV.00

GRUPO NOVO BRASIL LINHA DE PRODUTOS 01/2002-REV.00 UNID ABRIGOS PARA HIDRANTES E MANGUEIRAS DE INCENDIO Medidas Padrão: Caixa de embutir com moldura removível: 50 x 70 x 25 (cm); Predial / Industrial 75 x 45 x 17 (cm);. Predial / Industrial Caixa externa

Leia mais

ECOM EMPRESA DE CONSTRUÇÕES, CONSULTORIA E MEIO AMBIENTE LTDA

ECOM EMPRESA DE CONSTRUÇÕES, CONSULTORIA E MEIO AMBIENTE LTDA MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DE INSTALAÇÕES DE PREVENÇÃO CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO 1. GENERALIDADES O sistema de proteção proposto busca satisfazer as condições mínimas de segurança preconizadas pela

Leia mais

NR 23 - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS COMBATE AO FOGO CLASSES DE FOGO. SENAI - Carlos Eduardo do Vale Melo NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO

NR 23 - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS COMBATE AO FOGO CLASSES DE FOGO. SENAI - Carlos Eduardo do Vale Melo NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO NR- PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO NR - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS A proteção contra incêndios é uma das Normas Regulamentadoras que disciplina sobre as regras complementares de segurança e saúde no trabalho

Leia mais

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO 1 Definição ANEXO I (Incluído pela Portaria SIT n.º 15, de 03 de julho de 2007) ANEXO IV PLATAFORMAS DE TRABALHO AÉREO (Alterado

Leia mais

Corpo de Bombeiros. São Paulo

Corpo de Bombeiros. São Paulo Corpo de Bombeiros São Paulo ACIDENTES E INCÊNDIOS DOMÉSTICOS ADULTOS Acidentes Os acidentes domésticos são muito comuns. Mesmo com todo o cuidado, há objetos e situações que podem tornar todas as divisões

Leia mais

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas. Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.es/insht/ INTRODUÇÃO Os incêndios e explosões, ainda que representem uma porcentagem

Leia mais

NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO - PROPOSTA

NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO - PROPOSTA ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2013

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2013 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2013 Dispõe sobre normas de segurança essenciais ao funcionamento de boates, casas de show e similares, e define requisitos a serem observados para concessão de alvará a

Leia mais

Índice. Página 1 de 7

Índice. Página 1 de 7 Índice 1 - Considerações gerais...2 1.1 - Introdução...2 2 - Actuação em caso de emergência...2 2.1 - Esquema geral de actuação...2 2.2 - Procedimento gerais de actuação...3 2.2.1 - Em caso de incêndio

Leia mais

PAE PLANO DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA. Empresa: OCIDENTAL COMERCIO DE FRIOS LTDA - FILIAL. Equipe Técnica Executora:

PAE PLANO DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA. Empresa: OCIDENTAL COMERCIO DE FRIOS LTDA - FILIAL. Equipe Técnica Executora: PAE PLANO DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA Vigência: OUTUBRO/ 2015 à OUTUBRO/2016 Empresa: OCIDENTAL COMERCIO DE FRIOS LTDA - FILIAL Equipe Técnica Executora: REGINALDO BESERRA ALVES Eng de Segurança no Trabalho

Leia mais

SUMÁRIO SUBPARTE B [RESERVADO] SUBPARTE C [RESERVADO] SUBPARTE D [RESERVADO]

SUMÁRIO SUBPARTE B [RESERVADO] SUBPARTE C [RESERVADO] SUBPARTE D [RESERVADO] REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 121 EMENDA nº 03 Título: REQUISITOS OPERACIONAIS: OPERAÇÕES DOMÉSTICAS, DE BANDEIRA E SUPLEMENTARES Aprovação: Resolução nº 146, de 17 de março de 2010.

Leia mais

CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM PEQUENOS ESTABELECIMENTOS

CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM PEQUENOS ESTABELECIMENTOS CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO PARÁ CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM PEQUENOS ESTABELECIMENTOS Belém 2014 / Versão 1.0 1

Leia mais

REGULAMENTO GERAL. Local: Águia de Fogo Mogi das Cruzes. Data: 07/11/2010 domingo. Horário de chegada: 7h30. Café: 7h30 às 9h00.

REGULAMENTO GERAL. Local: Águia de Fogo Mogi das Cruzes. Data: 07/11/2010 domingo. Horário de chegada: 7h30. Café: 7h30 às 9h00. REGULAMENTO GERAL Local: Águia de Fogo Mogi das Cruzes Data: 07/11/2010 domingo Horário de chegada: 7h30 Café: 7h30 às 9h00 Sorteio: 8h00 Orientações e definição de estratégia: 8h30 às 9h00 Apresentação

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PÁG. 1/11 1. OBJETIVO Identificar os riscos envolvidos em cada passo da tarefa, estabelecer salvaguardas que garantam a eliminação ou controle dos riscos identificados. Essa ferramenta deve ser utilizada

Leia mais

Manual de Segurança e Saúde do Trabalho

Manual de Segurança e Saúde do Trabalho Manual de Segurança e Saúde do Trabalho 1 INTRODUÇÃO A política de recursos humanos da Toledo do Brasil abrange as áreas de recrutamento, seleção, treinamento e desenvolvimento de pessoal; administração

Leia mais

ESTIMADO CLIENTE: 2010 TELE System Electronic do Brasil

ESTIMADO CLIENTE: 2010 TELE System Electronic do Brasil ESTIMADO CLIENTE: Agradecemos por adquirir nosso produto. Lembramos que todas as informações a respeito do uso deste equipamento se encontram neste manual de usuário. Neste documento você pode encontrar

Leia mais

O relatório deverá ser preenchido e enviado para o e-mail relatorio.semestral@anac.gov.br. Para que serve o sistema de envio de relatório semestral?

O relatório deverá ser preenchido e enviado para o e-mail relatorio.semestral@anac.gov.br. Para que serve o sistema de envio de relatório semestral? O relatório deverá ser preenchido e enviado para o e-mail relatorio.semestral@anac.gov.br. Para que serve o sistema de envio de relatório semestral? O sistema de envio de relatório semestral tem por finalidade

Leia mais

A empresa se reserva no direito de fazer alterações sem prévio aviso. Produto produzido por Eletroppar - CNPJ. 02.748.434/0001-08

A empresa se reserva no direito de fazer alterações sem prévio aviso. Produto produzido por Eletroppar - CNPJ. 02.748.434/0001-08 As imagens deste manual são meramente ilustrativas. A empresa se reserva no direito de fazer alterações sem prévio aviso. Produto produzido por Eletroppar - CNPJ. 02.748.434/0001-08 P27130 - Rev. 1 1 Índice

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 121 EMENDA nº 00

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 121 EMENDA nº 00 REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 121 EMENDA nº 00 Título: REQUISITOS OPERACIONAIS: OPERAÇÕES DOMÉSTICAS, DE BANDEIRA E SUPLEMENTARES Aprovação: Resolução nº 146, de 17 de março de 2010,

Leia mais

BRIGADAS DE EMERGÊNCIA

BRIGADAS DE EMERGÊNCIA NICOBELO&ART FINAL Nicobelo@hotmail.com BRIGADAS DE EMERGÊNCIA GRUPO INCÊNDIO DE SOROCABA 1 OBJETIVO É estabelecer Programa de Prevenção e levar a cabo medidas que se implementem para evitar ou mitigar

Leia mais

Bem-vindo à Evonik Degussa Antwerpen

Bem-vindo à Evonik Degussa Antwerpen pagina 1 van 26 Bem-vindo à Evonik Degussa Antwerpen A Evonik Degussa Antwerpen é uma empresa de químicos e parte de um grupo global. A sua segurança, assim como a nossa, é muito importante, pelo que existem

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA OPERACIONAL

INSTRUÇÃO TÉCNICA OPERACIONAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DE MINAS GERAIS ESTADO-MAIOR INSTRUÇÃO TÉCNICA OPERACIONAL EMPREGO DE AERONAVES EM APOIO ÀS OPERAÇÕES DO CBMMG 2007 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DE MINAS GERAIS COMANDO GERAL INSTRUÇÃO

Leia mais

ANEXO C MEMORIAL DESCRITIVO DO PRÉDIO

ANEXO C MEMORIAL DESCRITIVO DO PRÉDIO ANEXO A Ao Ilmo Sr. Comandante do Corpo de Bombeiros Militar Cidade: SERTÃO - RS Data: 10/03/2014 Encaminhamos a V. S.ª, para ANÁLISE, o Plano de Prevenção e Proteção Contra Incêndio (PPCI). Nome: INSTITUTO

Leia mais

Plano de Atendimento a Emergência e Sinistro - PAES. 1. Dados da Empresa:

Plano de Atendimento a Emergência e Sinistro - PAES. 1. Dados da Empresa: Plano de Atendimento a Emergência e Sinistro - PAES 1. Dados da Empresa: Unidade: Têxtil Localização: Urbana Endereço: Rua São Pedro, 2647, Brusque (SC) Vizinhança e arredores: Baixa concentração de residências

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA EM CASO DE INCÊNDIO PROFESSORES

PLANO DE EMERGÊNCIA EM CASO DE INCÊNDIO PROFESSORES PROFESSORES Competências dos professores Quando os professores se encontram numa sala de aula com um grupo de alunos, devem: 1. Ao ouvir o sinal de alarme, avisar os alunos para não tocarem nos interruptores

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO

NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO ANEXO XVI AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica estabelece critérios para proteção contra incêndio

Leia mais

Memorial de Projeto. Banco de Brasília - BRB Ag. Hospital Regional de Paranoá Novas Instalações. Prevenção e Combate à Incêndio

Memorial de Projeto. Banco de Brasília - BRB Ag. Hospital Regional de Paranoá Novas Instalações. Prevenção e Combate à Incêndio Pág. 1 Memorial de Projeto Prevenção e Combate à Incêndio Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB Ag. Hospital Regional de Paranoá Novas Instalações Código do Projeto: 1089/11 Pág. 2 Índice

Leia mais

Normas gerais de circulação e conduta

Normas gerais de circulação e conduta Normas gerais de circulação e conduta É muito importante a leitura do Capítulo III Normas Gerais de Circulação e Conduta, que vai dos artigos 26 ao 67, contidos no Código de Trânsito Brasileiro (CTB).

Leia mais

2.2 - A entrada ou saída de pedestres nas dependências da ULIVING BELA VISTA dar-se-á, pela recepção principal Rua Barata Ribeiro, 61

2.2 - A entrada ou saída de pedestres nas dependências da ULIVING BELA VISTA dar-se-á, pela recepção principal Rua Barata Ribeiro, 61 O Regulamento Interno da ULIVING BELA VISTA, localizado na cidade de SÃO PAULO CAPITAL, à Rua Barata Ribeiro nº 61 estabelece as regras de convivência e as relações entre os usuários do empreendimento.

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA ÍNDICE (Modelo a ser preenchido e adaptado por cada órgão)

PLANO DE EMERGÊNCIA ÍNDICE (Modelo a ser preenchido e adaptado por cada órgão) PLANO DE EMERGÊNCIA ÍNDICE (Modelo a ser preenchido e adaptado por cada órgão) 1 - Identificação do Órgão ou Entidade 2 - Apresentação 3 - Introdução 4 - Objetivos 5 - Procedimentos de manutenção 6 Instruções

Leia mais

Unidade: Instalações prediais de proteção contra incêndio e de gás

Unidade: Instalações prediais de proteção contra incêndio e de gás Unidade: Instalações prediais de proteção contra incêndio e de gás Nesta Unidade da Disciplina tentaremos compreender a questão da problemática envolvida nos tratos dos assuntos atinentes a prevenção e

Leia mais

REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA PROJETO PREVENTIVO CONTRA INCÊNDIO

REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA PROJETO PREVENTIVO CONTRA INCÊNDIO REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO PREVENTIVO CONTRA INCÊNDIO Responsabilidade e Compromisso com o Meio Ambiente 2 110766_MEMPCI_REFORMA_SALA_MOTORISTAS_R00 MEMORIAL DESCRITIVO

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 067 / 2011

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 067 / 2011 PARECER COREN-SP GAB Nº 067 / 2011 1. Do fato Solicitado parecer sobre atuação do profissional Enfermeiro no treinamento ministrado aos componentes de brigadas de incêndio, atendendo a Instrução Técnica

Leia mais

SISTEMAS PREDIAIS II. Segurança contra Incêndio - Detecção e Alarme

SISTEMAS PREDIAIS II. Segurança contra Incêndio - Detecção e Alarme PCC-2466 SISTEMAS PREDIAIS II Segurança contra Incêndio - Detecção e Alarme Sistema de Detecção e Alarme de Incêndio Definição da Norma NBR 9441/98 Sistema constituído pelo conjunto de elementos planejadamente

Leia mais

Seja bem-vindo à BrasilPark!

Seja bem-vindo à BrasilPark! Seja bem-vindo à BrasilPark! A BrasilPark tem por missão oferecer aos seus clientes serviços de extrema eficiência e satisfação. Para que isto ocorra, deve ser permanente o comprometimento de todos nós

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 105 EMENDA nº 00

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 105 EMENDA nº 00 REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 105 EMENDA nº 00 Título: Aprovação: SALTOS DE PARAQUEDAS Resolução ANAC nº xxx, de yyyyy de zzzz de 2010. Origem: SSO/GPNO SUMÁRIO SUBPARTE A - GERAL 105.1

Leia mais

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 5

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 5 MÓDULO 5 1 PREVENÇÃO A INCÊNDIO 2 QUÍMICA DO FOGO 3 CLASSES DE INCÊNDIO 4 EXTINTORES PORTÁTEIS 5 PLANO DE EMERGÊNCIA PREVENÇÃO A INCÊNDIO Na PETROBRAS DISTRIBUIDORA S.A., só será permitido fumar em locais

Leia mais

Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução

Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução Definições e Conceitos AERÓDROMO: Área definida sobre a terra ou água destinada à chegada, partida e movimentação de aeronaves; AERÓDROMO CONTROLADO: Aeródromo

Leia mais

NPT 029 COMERCIALIZAÇÃO, DISTRIBUIÇÃO E UTILIZAÇÃO DE GÁS NATURAL

NPT 029 COMERCIALIZAÇÃO, DISTRIBUIÇÃO E UTILIZAÇÃO DE GÁS NATURAL Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 029 Comercialização, distribuição e utilização de gás natural CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 01 Norma de Procedimento Técnico 5 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2

Leia mais

PROGRAMA PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Rota de Fuga e Análise de Riscos. Maj. QOBM Fernando Raimundo Schunig

PROGRAMA PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Rota de Fuga e Análise de Riscos. Maj. QOBM Fernando Raimundo Schunig PROGRAMA PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA Rota de Fuga e Análise de Riscos Maj. QOBM Fernando Raimundo Schunig 2010 É um mapa que representa, através de símbolos apropriados, o trajeto a ser seguido pelo indivíduo

Leia mais

Uma forma de estimular a correta aplicação dos procedimentos. Além disso, poder contar com o auxílio de pessoas treinadas e

Uma forma de estimular a correta aplicação dos procedimentos. Além disso, poder contar com o auxílio de pessoas treinadas e 01 Uma forma de estimular a correta aplicação dos procedimentos de segurança em situações de emergência é disseminar as informações que podem ajudar a salvar vidas. Além disso, poder contar com o auxílio

Leia mais

PROJETOS DE ACORDO COM A LEGISLAÇÃO DO CORPO DE BOMBEIROS

PROJETOS DE ACORDO COM A LEGISLAÇÃO DO CORPO DE BOMBEIROS PROJETOS DE ACORDO COM A LEGISLAÇÃO DO CORPO DE BOMBEIROS Adilson Antonio da Silva Tenente- Coronel do Corpo de Bombeiros Departamento de Prevenção ccbdsci@policiamilitar.sp.gov.br O CORPO DE BOMBEIROS

Leia mais

IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS

IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS IT - 35 CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS SUMÁRIO 1 - Objetivo 7 Exposição ao risco de incêndio 2 - Referências normativas 8 Risco de incêndio 3 Símbolos 9 - Fatores de segurança 4 - Considerações

Leia mais

Palestrantes: Carlos Cotta Rodrigues José Félix Drigo

Palestrantes: Carlos Cotta Rodrigues José Félix Drigo SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO RELACIONADOS AO NOVO DECRETO ESTADUAL DO CORPO DE BOMBEIROS DO ESTADO DE SÃO PAULO DESAFIO PERMANENTE Palestrantes: Carlos Cotta Rodrigues José Félix Drigo Alguns Números do CBPMESP

Leia mais

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma;

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma; TRABALHO EM ALTURA 36.1 Objetivo e Campo de Aplicação 36.1 Objetivo e Definição 36.1.1 Esta Norma tem como objetivo estabelecer os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura,

Leia mais

Nota! Características gerais. Instalação

Nota! Características gerais. Instalação P26138 - Rev. 0 Índice Características gerais... 4 Instalação... 4 Programação... 7 Cadastro dos números telefônicos... 7 Programando um número telefônico... 8 Apagando um número telefônico... 9 Testando

Leia mais

Espaço Confinado o que você precisa saber para se proteger de acidentes?

Espaço Confinado o que você precisa saber para se proteger de acidentes? Espaço Confinado o que você precisa saber para se proteger de acidentes? Publicado em 13 de outubro de 2011 Por: Tônia Amanda Paz dos Santos (a autora permite cópia, desde que citada a fonte e/ou indicado

Leia mais

1 OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5 TERMINOLOGIA 6 DESCRIÇÃO DO PROCESSO

1 OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5 TERMINOLOGIA 6 DESCRIÇÃO DO PROCESSO Aprovado ' Elaborado por Cintia Kikuchi/BRA/VERITAS em 02/01/2015 Verificado por Rodolfo Ferreira em 08/01/2015 Aprovado por Americo Venturini/BRA/VERITAS em 09/01/2015 ÁREA QHSE Tipo Procedimento Regional

Leia mais

Normas da ABNT precisam ser seguidas

Normas da ABNT precisam ser seguidas Normas da ABNT precisam ser seguidas Além das leis ambientais e toda a burocracia que o negócio da revenda exige, o revendedor precisa realizar os procedimentos de acordo com as normas da Associação Brasileira

Leia mais

Teclados 624 e 640 Manual do Usuário

Teclados 624 e 640 Manual do Usuário Teclados 624 e 640 624 640 Manual do Usuário Sumário 1. Operação Básica... 2 2. Códigos de Acesso... 4 3. Armando e Desarmando...5 4. Zonas de Pânico... 10 5. Programação com Tecla de Acesso...11 6. Características

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA E EVACUAÇÃO Revisão: 00

PLANO DE EMERGÊNCIA E EVACUAÇÃO Revisão: 00 Número: DOC 0006 Página: 1 de 12 1. IDENTIFICAÇÃO INSTITUCIONAL ÓRGÃO: Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho - UFRJ ENDEREÇO: Av. Carlos Chagas Filho 373, CCS, Bloco G, CEP:21941-902 TELEFONE: 21

Leia mais