Manual de operações de Segurança. Direção Geral da Administração da Justiça

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual de operações de Segurança. Direção Geral da Administração da Justiça"

Transcrição

1 Manual de operações de Segurança Direção Geral da Administração da Justiça 2012

2 Direção Geral da Administração da Justiça Página 2 Índice I INFORMAÇÃO GERAL 1. INTRODUÇÃO APRESENTAÇÃO DO DISPOSITIVO OPERACIONAL ENQUADRAMENTO DA SEGURANÇA II FLUXOGRAMAS OPERACIONAIS 1. ABERTURA DO TRIBUNAL IDENTIFICAÇÃO E CONTROLO DE ACESSOS CONTROLO DE ACESSOS OBJECTOS DE RISCO EQUIPAMENTO MAGNETÓMETRO NA ENTRADA DO TRIBUNAL APOIO AO UTENTE ABORDAGEM A UTENTE FURTO RECLAMAÇÃO DE UTENTE CRIANÇA / UTENTE PERDIDO INCÊNDIO EXPLOSÃO SISMO INUNDAÇÃO AMEAÇA DE BOMBA PACOTE SUSPEITO PRIMEIROS SOCORROS EVACUAÇÃO CORTE DE ENERGIA FUGA DE GÁS.. 41 III - ANEXOS 1. MAPA DA ACTIVIDADE DA SEGURANÇA RELATÓRIO DE SEGURANÇA CHECK LIST DE INSPECÇÃO DE MEIOS RELAÇÃO DE CHAVES DO TRIBUNAL INQUÉRITO DE ACIDENTE RELATÓRIO DE AMEAÇA DE BOMBA CHECK LIST DE MEIOS DE PRIMEIROS SOCORROS FICHA DE PRIMEIROS SOCORROS FICHA DE UTILIZAÇÃO DE EXTINTOR LISTAGEM DE EQUIPAMENTO CCTV SINALÉTICA CCTV PROTOCOLO DE CONFIDENCIALIDADE.. 55

3 Direção Geral da Administração da Justiça Página 3 I Informação Geral

4 Direção Geral da Administração da Justiça Página 4 1. INTRODUÇÃO

5 Direção Geral da Administração da Justiça Página Mensagem de Acolhimento O Manual de Operações integra um conjunto de medidas e informação concorrente para a autoproteção (organização e procedimentos), tendente a evitar ocorrências de emergência e a limitar as suas consequências. A sua elaboração impõe-se pela necessidade de se planificarem ações e respostas de modo coordenado, de modo a conseguir-se economia de esforços, rapidez de atuação e diminuição de prejuízos. O Manual de Operações é um documento dinâmico, periodicamente revisto pela DGAJ e no respetivo tribunal, de forma a validar a sua adequação aos objetivos globais definidos e as circunstâncias específicas de cada tribunal. Este Manual será divulgado na totalidade ou parcialmente conforme as características de cada interveniente ou a necessidade de cada tribunal, devendo ser sempre respeitada a confidencialidade e a segurança da informação do mesmo. O Manual de Operações contém procedimentos para assegurar a operacionalidade na rotina e perante os cenários mais prováveis de emergência, retratando por isso grande parte das funções e responsabilidades que lhe estão confiadas, existindo sempre elementos com essa responsabilidade, sejam ou não de serviços especializados de segurança. Neste documento estão indicadas medidas de autoproteção e orientações a adotar para fazer face a uma situação crítica ou de emergência no tribunal, nomeadamente a organizacional, os meios humanos e materiais a envolver e os procedimentos a cumprir nas situações preconizadas. Este trabalho foi realizado acreditando que o sucesso da sua missão depende do conhecimento e cumprimento integral dos procedimentos constantes neste manual por parte de todos os envolvidos. Não hesite em consultar a DGAJ para qualquer assunto relacionado com este Manual, assim como a sua Chefia direta, que naturalmente estará apta a dar-lhe todas as respostas. Para que este documento permaneça vivo, precisamos que o olhe de uma forma crítica, e contribua para que esteja em permanente atualização. As suas responsabilidades podem ir para além deste documento, não o considere um limite à sua atuação. Este Manual foi estruturado para que possa ser explorado como um documento: Simples e conciso; Flexível e adaptável; Dinâmico e evolutivo. É muito importante que assuma esta documentação como CONFIDENCIAL, pelo que deve assinar o documento Protocolo de Confidencialidade (Anexo 12), que faz parte integrante deste Manual de Operações. Desejamos um bom trabalho e agradecemos a sua colaboração.

6 Direção Geral da Administração da Justiça Página Apresentação da Estrutura do Documento O presente Manual é um documento técnico, que descreve de forma muito objetiva todos os procedimentos considerados relevantes, ao desempenho da estrutura de Segurança nos Tribunais. Para que a informação nele contida possa ser facilmente apreendida, obedece a uma estrutura própria facilitando a sua consulta. O Manual está construído em três capítulos distintos, que interagem entre si: 1.º Capítulo Engloba toda a informação genérica relativa aos Tribunais; Medidas de Segurança existentes nestas Instalações, bem como procedimentos de atuação perante determinado cenário; 2.º Capítulo Fluxogramas de execução permanente, reunindo informações especificas: 3.º Capítulo Reúne os anexos e impressos necessários para cumprimento dos procedimentos definidos nos Capítulos 1 e 2. Esperamos que desta forma, a navegação no documento seja ligeira, facilitando o seu trabalho. Não leia a ultima página antes de ter lido a primeira e conheça bem a estrutura do documento. Todas as páginas estão numeradas, e os n.º de cópias identificados sujeitos a uma marca de água, salvaguardando assim a identificação do infrator. Todas as transformações a esta 1.ª Edição serão registadas, mantendo um arquivo histórico e uma identidade do serviço prestado. Os procedimentos e documentos alterados, serão comunicados aos despectivos executantes, e obedecerão a um processo de registo, onde passará a constar 2.ª Edição e subsequentes. Este Manual pretende constituir um auxiliar para a tomada de decisão e contribuir para a reorientação estratégica a respeito dos processos subsequentes, para minimizar os riscos e para melhorar as condições efetivas e o sentimento de segurança nos tribunais, identificando soluções equilibradas e eficazes, que assegurem um nível de proteção e segurança satisfatório e, simultaneamente possa: Melhorar os níveis de segurança ativa e passiva dos utentes e ocupantes do tribunal; Melhorar as condições de proteção de documentos, bens e instalações; Minimizar as interrupções de operações de serviço, por falta de segurança;

7 Direção Geral da Administração da Justiça Página Missão, Cultura e Visão A segurança é hoje considerada um pilar fundamental de uma vida com qualidade, pessoal e profissional, sendo por isso também uma preocupação comum de todos os membros da comunidade do tribunal magistrados, funcionários e utentes. Em sintonia com a crescente preocupação com os problemas de segurança, a Direção Geral de Administração da Justiça (DGAJ), tem procurado ir além da obrigatoriedade do cumprimento da legislação em vigor, para bem da segurança e do bem-estar dos utilizadores dos tribunais e do público em geral. Uma cultura de segurança deve alicerçar-se numa organização que motive, sensibilize, e desenvolva uma segurança de todos para todos, incentivando todos aqueles que ocupam ou utilizam os tribunais a fazê-lo. Estamos a investir numa ótica de salvaguarda de pessoas e bens, pela incorporação de padrões interventivos cada vez mais exigentes do ponto de vista social. A Direção Geral de Administração da Justiça (DGAJ), tem procurado criar condições que permitam controlar os riscos associados à segurança. De facto, para além de um bom conhecimento e informação neste âmbito, importa criar uma cultura de segurança, nomeadamente interiorizando procedimentos e comportamentos e adotando as necessárias medidas de prevenção. A temática da segurança está integrada num Projeto Global, tendo em vista uma melhor sensibilização de todos e o contributo para o desenvolvimento de um comportamento coletivo de segurança. Atualmente, para além de uma tomada de consciência para esta problemática, há uma maior exigência traduzida pelo desejo de elevação dos níveis de segurança nos tribunais. Por outro lado, assistimos nos últimos anos a uma alteração profunda do enquadramento geo-espacial dos antigos e novos tribunais e a uma diferente conjuntura social, que nos coloca questões de segurança de difícil solução, sobretudo na ausência de respostas proactivas, planeadas, documentadas, praticadas e executadas quando necessário. Este Manual de Operações procura satisfazer uma exigência cada vez maior no plano qualitativo, visando criar condições para ultrapassar as simples medidas de socorro, ou as intervenções de segurança isoladas, traduzindo-se em esforços coordenados de Prevenção e Planeamento. O presente manual pretende orientar para a prevenção e qualidade de resposta operacional perante as situações críticas ou de emergência mais prováveis, procurando a minimização das respetivas consequências para os colaboradores, ocupantes, utentes, ambiente e património, garantindo sempre que possível a continuidade da atividade no tribunal. Em suma, os seus objetivos são: Minimizar, em caso de situação crítica ou de emergência, os danos materiais nas instalações e retomar com a maior brevidade as condições normais; Permitir a coordenação das intervenções com rapidez e eficácia, dos recursos e dos meios internos e, a sua coordenação com os meios de socorro externos. Garantir os conhecimentos adequados aos executantes de segurança no tribunal, para fazer face a situações críticas e de emergência, corrigindo eventuais situações disfuncionais detetadas; Informar, de forma adequada, pelas vias convenientes e autorizadas, quer internamente, quer as partes externas interessadas. Melhorar a capacidade de resposta, mudando os padrões de decisão para níveis de excelência. Ser mais rápido e mais perfeito a decidir a todos os níveis é uma exigência da segurança nos tribunais.

8 Direção Geral da Administração da Justiça Página 8 2. APRESENTAÇÃO Do Dispositivo Operacional

9 Direção Geral da Administração da Justiça Página Mapa Judiciário em atualização

10 Direção Geral da Administração da Justiça Página Lista de contactos (Listagens a preencher pelo Tribunal) Contactos do Tribunal Nome Telefone Fax Empresas prestadoras de serviços do Tribunal Nome Função Telemóvel

11 Direção Geral da Administração da Justiça Página Contactos Emergência Nome Telefone Fax CCN Centro de Controlo Nacional da Segurança dos Tribunais INEM 112 Rede energia Elétrica Rede distribuição de água Anti Venosos G.N.R P.S.P. Proteção Civil Bombeiros Informações 118 (Outros contactos específicos de cada Tribunal no Capítulo III)

12 Direção Geral da Administração da Justiça Página Estrutura Interna Organigrama PRESIDENTE DO TRIBUNAL> DIRETOR DE EMERGÊNCIA Descrição: É o responsável máximo nas situações de emergência, sendo o órgão coordenador e controlador da fase de emergência. Deveres: Conhecer o Manual de Operações; Estar sempre contactável; Garantir o seu substituto em caso de ausência. Missões e Responsabilidades: Avaliar e decidir ativar os procedimentos de segurança ou emergência por sua iniciativa, com o apoio do Magistrado Coordenador do Ministério Público e/ou, de acordo com a informação recebida do Coordenador de Segurança ou do Responsável Operacional, em função da tipologia dos edifícios do tribunal; Convocar e dar instruções (quanto e qual a informação a difundir), com o apoio do Magistrado Coordenador do Ministério Público; Avaliar e decidir com o Coordenador de Segurança ou com o Responsável Operacional, em função da tipologia dos edifícios do tribunal, a evacuação de zonas críticas ou sinistradas, com o apoio do Magistrado Coordenador do Ministério Público;

13 Direção Geral da Administração da Justiça Página 13 Decidir declarar o Estado de Emergência Geral e evacuar a totalidade do tribunal, em função das informações disponibilizadas pelo Responsável Operacional, com o apoio do Magistrado Coordenador do Ministério Público; Avaliar e proclamar o fim da emergência, promovendo os procedimentos de reposição da normalidade, com o apoio do Magistrado Coordenador do Ministério Público COORDENADOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO > CONSULTOR DE EMERGÊNCIA Descrição: É o responsável consultivo do Ministério Público em todas as situações de emergência.. Deveres: Conhecer o Manual de Operações; Estar sempre contactável; Garantir o seu substituto em caso de ausência. Missões e Responsabilidades: Apoiar o Diretor de Emergência a ativar os procedimentos de segurança ou emergência; Apoiar o Diretor de Emergência a convocar e dar instruções (quanto e qual a informação a difundir); Apoiar o Diretor de Emergência relativamente à avaliação e decisão de evacuação de zonas críticas ou sinistradas; Apoiar o Diretor de Emergência a decidir e declarar o estado de emergência; Apoiar o Diretor de Emergência a avaliar e a proclamar o fim da emergência ADMINISTRADOR DO TRIBUNAL > COORDENADOR DE SEGURANÇA Descrição: É o responsável por assegurar a existência de condições de segurança no tribunal. Poderá, por delegação, assumir a coordenação da emergência, informando o Diretor de Emergência da evolução da situação. Deveres: Conhecer o Manual de Operações; Estar sempre contactável; Garantir o seu substituto em caso de ausência. Missões e Responsabilidades: Por delegação do Diretor de Emergência, avaliar e decidir ativar os procedimentos de segurança ou emergência, de acordo com a informação recebida do Responsável Operacional;

14 Direção Geral da Administração da Justiça Página 14 Difundir boas práticas e assegurar a supervisão da implementação dos procedimentos preconizados; Convocar e dar instruções (quanto e qual a informação a difundir); Orientar e esclarecer o Responsável Operacional, sempre que necessário; Contribuir para a avaliação e decisão da evacuação de zonas críticas ou sinistradas; Contribuir com informação útil para a decisão que declare o Estado de Emergência Geral e a evacuação na totalidade do tribunal, em função das informações disponibilizadas pelo Responsável Operacional; Coordenar e supervisionar os procedimentos de reposição da normalidade. Assegurar a melhor articulação com as Forças de Segurança e os Serviços de Emergência locais, agendando reuniões periódicas de coordenação, avaliação e controlo de risco SECRETÁRIO DE JUSTIÇA > RESPONSÁVEL OPERACIONAL Descrição: No local do cenário crítico ou de emergência, avaliará e classificará a situação ou a emergência e assumirá a execução das medidas adequadas face às circunstâncias e aos meios disponíveis, informando o Diretor de Emergência (ou o Coordenador de Segurança, caso exista esta relação hierárquica). Deveres: Conhecer perfeitamente o Manual de Operações, bem como o tribunal e a sua ocupação; Poder deslocar-se ao tribunal, no menor espaço de tempo, para se inteirar da situação e assegurar a resposta adequada no local; Estar sempre localizável/contactável; Garantir ou nomear o seu substituto em caso de ausência. Missões e Responsabilidades: Garantir a permanente atualização da informação do respetivo tribunal, que deve constar no Manual de Operações; Dispor no local de chaves ou meios de acesso que permitam a abertura das portas tanto pelo interior do edifício como pelo seu exterior; Manter informado o Diretor de Emergência (ou o Coordenador de Segurança), sobre a evolução da situação, sobre a necessidade de promover uma evacuação total ou parcial e sobre a necessidade de solicitar meios de socorro externos; Coordenar e gerir a atuação no tribunal; De acordo com a situação, avaliar a situação e estabelecer uma estratégia de intervenção, de acordo com a sua possível evolução, de modo a não afetar outras pessoas ou áreas; Informar o Diretor de Emergência (ou o Coordenador de Segurança) sobre a evolução da situação, as ações entretanto executadas e as necessidades de evacuação e alerta ao socorro externo; Comandar as ações de controlo; Nunca correr riscos desnecessários, nem tentar executar ações para as quais não tem equipamento, meios, formação ou informação adequada; Apoiar o Diretor de Emergência na tomada de decisão e na inspeção do local do sinistro/incidente;

15 Direção Geral da Administração da Justiça Página 15 Manter um registo da situação, para auxiliar, se necessário, a coordenação de operações; Receber, informar e colaborar com os meios de socorro externos, quando necessários para controlar a situação; Realizar os procedimentos de reposição da normalidade; Recolher e compilar informação, transmitindo-a ao Diretor de Emergência, ao Coordenador de Segurança, ou a DGAJ, de acordo com a tipologia da ocorrência ou solicitação específica; Assegurar a melhor articulação com as Forças de Segurança e os Serviços de Emergência locais, agendando reuniões periódicas de coordenação, avaliação e controlo de risco COLABORADORES Deveres: Estarem informados do risco geral e particular nas distintas dependências; Conhecer e cumprir as Instruções Gerais de Segurança; Informar o responsável operacional sobre qualquer anomalia ou incidente que possa por em causa a segurança das pessoas ou das instalações. Missões e Responsabilidades: Assegurar a permanente desobstrução e visibilidade dos meios e caminhos de evacuação, bem como, a prontidão dos meios de intervenção existentes no tribunal; Ao serem informados de uma emergência, devem agir de acordo com as indicações do responsável operacional.

16 Direção Geral da Administração da Justiça Página ENQUADRAMENTO DA Segurança

17 Direção Geral da Administração da Justiça Página Descrição de Tarefas Em seguida são apresentadas as tarefas relacionadas com funções de segurança nos Tribunais: Tarefas na Entrada Tarefas de Execução Móvel A todos aqueles que sejam enquadrados com funções específicas de segurança, corresponde a cada um missões e tarefas particulares e o seu bom desempenho determina o sucesso de toda a operação. Sabendo qual é a sua função, analise a missão e objetivos que lhe estão destinados e apreenda todos os procedimentos e tarefas de rotina ou de emergência que lhe estão associados. Lembre-se que toda a atividade de segurança deve ser evidenciada, por isso, seja rigoroso no preenchimento de todos os documentos que estejam associados à sua função. Em caso de dúvida relativamente ao conteúdo a seguir descrito, não hesite em contactar a sua Chefia direta Tarefas na Entrada Introdução Nesta área tem principal relevância o controlo de acessos de pessoas e bens. Estrutura e Níveis de Reporte Os elementos em desempenho de funções nos Tribunais a quem sejam atribuídas tarefas da entrada do tribunal deverão reportar todas as situações anómalas detetadas ao respetivo Secretário de Justiça Responsável Operacional (podendo dar conhecimento a Centro de Controlo Nacional da Segurança dos Tribunais / DGAJ, neste documento designada como CCN, em função da natureza da ocorrência).

18 Direção Geral da Administração da Justiça Página 18 Ficha de Identificação de Tarefas Local Missão ENTRADA Controlar os acessos às instalações, detetando e alertando para situações consideradas anómalas, quer à entrada dos utentes ou ocupantes/funcionários, quer nas saídas; Assegurar o cumprimento dos procedimentos previamente definidos para a abertura e fecho das instalações. Funções principais Controlo das entradas e saídas, orientado para a deteção e/ou acompanhamento de situações consideradas anómalas ou suspeitas; Controlar o acesso e/ou permanência de pessoas não autorizadas a áreas restritas ou reservadas. Vigiar as entradas do edifício e as áreas adjacentes, de forma a prevenir a ocorrência de conflitos ou outros incidentes que possam comprometer o normal funcionamento; Reportar ao Responsável Operacional todas as situações dignas de registo, solicitando diretrizes de atuação quando necessário; Gestão de alarmes de intrusão e incêndio, (sempre que possível em coordenação com a Centro de Controlo Nacional da DGAJ, neste documento designado como CCN); Monitorizar os sistemas de controlo de acessos e o CCTV, caso estejam disponíveis na entrada; Verificação da operacionalidade dos equipamentos; Manter uma boa relação de trabalho com os elementos das equipas em operação (limpeza e manutenção); Manter atualizada toda a informação útil, procedimentos ou instruções provisórias; Informar, por escrito, de quaisquer situações anómalas que ocorram durante o período de serviço. Conhecimento dos procedimentos em vigor e providenciar alterações ou criação dos mesmos quando existir a necessidade; Ter conhecimento do funcionamento dos sistemas implementados na instalação de modo a saber operar, formar e poder detetar anomalias; Inspecionar e garantir o bom funcionamento dos sistemas implementados e equipamentos disponíveis, efetuando testes e corrigindo possíveis anomalias da forma mais célere possível; Encaminhar os utentes que queiram efetuar alguma observação (reclamação ou opiniões), que os mesmos possam entender como mau funcionamento, em função do teor da reclamação; Elaboração de vários relatórios de modo a registar as anomalias detetadas e modos de resolução, assim como as várias situações decorrentes do serviço; Prestar assistência a utentes e ocupantes/funcionários; Verificar operacionalidade de sistemas de iluminação; Intervenção perante incidentes de saúde, prestando assistência ao nível dos Primeiros Socorros; Proceder à abertura e encerramento das instalações, verificando o cumprimento dos procedimentos definidos para os mesmos; Cumprir e fazer cumprir os regulamentos e outros normativos; Desencadear ações preliminares de correção de anomalias de acordo com as instruções e os meios disponíveis, nomeadamente na prevenção de furtos, agressões, incêndios, inundações, explosões, solicitando a intervenção dos meios de apoio adequados; Intervenção em situações tipificadas como críticas ou de emergência, por sua iniciativa, a pedido do Responsável Operacional ou do CCN, em função das circunstâncias e do nível de ameaça. Recursos materiais Depende de: Rádio; telefone (portátil) da Instalação; CCTV, Centrais de Alarme Secretário de Justiça Responsável Operacional

19 Direção Geral da Administração da Justiça Página Tarefas de Execução Móvel Introdução Estes elementos têm como função principal o controlo de acesso e circulação em áreas condicionadas para dissuasão de furto e ofensas, e apoio ao utente. Estrutura e Níveis de Reporte Os elementos em desempenho de funções nos Tribunais, deverão reportar as situações anómalas detetadas ao Secretário de Justiça Responsável Operacional, dando conhecimento ao CCN/DGAJ em função da natureza da ocorrência.

20 Direção Geral da Administração da Justiça Página 20 Ficha de identificação do posto Local EXECUÇÃO MÓVEL Missão Circular por toda a área, detetando e alertando para situações consideradas anómalas, com especial referência para o apoio e acompanhamento de utentes Funções Principais Realizar rondas de serviço, privilegiando o interior da instalação, verificando o perímetro externo inopinadamente ou quando se justifique; Vigiar as instalações, de forma a prevenir a ocorrência de conflitos ou outros incidentes que possam comprometer o normal funcionamento; Reportar ao Responsável Operacional todas as situações dignas de registo, solicitando diretrizes de atuação quando necessário; Verificação da limpeza solicitando intervenção da equipa da limpeza sempre que as condições não estejam satisfatórias; Verificação de situações anómalas ao nível da manutenção do edifício e reportá-las ao respetivo Secretário de Justiça; Reportar todas as situações dignas de registo, rondas e verificações efetuadas, solicitando diretrizes de atuação quando necessário; Apoio e esclarecimentos a utentes; Verificação e acompanhamento de tarefas e operações de outros serviços, sempre que solicitado pelo Secretário de Justiça; Gestão de alarmes de intrusão e incêndio e reconhecimento local; Verificação da operacionalidade dos equipamentos; Manter uma boa relação de trabalho com os elementos das equipas em operação (limpeza e manutenção, entre outras); Manter atualizada toda a informação útil, procedimentos ou instruções provisórias; Conhecimento dos procedimentos em vigor e propor alterações ou criação dos mesmos quando existir a necessidade; Ter conhecimento do funcionamento dos sistemas implementados na instalação de modo a saber operar, formar e poder detetar anomalias; Garantir o bom funcionamento dos sistemas implementados efetuando testes e corrigindo possíveis anomalias da forma mais célere possível; Encaminhar os utentes que queiram efetuar alguma observação (reclamação ou opiniões), que os mesmos possam entender como mau funcionamento, em função do teor da reclamação; Elaboração de vários relatórios de modo a registar as Anomalias detetadas e modos de resolução, assim como as várias situações decorrentes do serviço; Fazer cumprir as normas da instalação; Intervenção em situações de ofensas verbais e corporais, de elementos que demonstrem má conduta ou em casos de furtos; Efetuar rondas com particular incidência para a deteção de situações de acesso a áreas condicionadas ou reservadas, difusão de informação útil e furto; Verificação do estado dos extintores, carretéis, corredores e itinerários de evacuação, fazendo por os manter permanentemente desobstruídos; Recursos Materiais Depende de: Rádio; telefone (portátil) da Instalação; Secretário de Justiça Responsável operacional

21 Direção Geral da Administração da Justiça Página Entrada - Fita de Tempo - Ronda pelas instalações; - Verificação dos selos das portas de emergência e sistemas de alarme; Fase 1 - Verificação do estado de limpeza; - Verificação dos pórticos, raquetes magnetómetros e outros equipamentos de segurança. Inclusão do seu grau de operacionalidade no mapa para o efeito, caso exista; - Libertação das zonas de circulação de utentes e ocupantes. Fase 2 - Garantir a luminescência adequada ao funcionamento; - Proceder à abertura dos acessos ao público; - Permitir o acesso dos utentes; - Controlo de Acessos; Fase 3 - Encerramento das instalações; - Proceder ao fecho dos acessos; Fase 4 - Ronda pelo interior, verificação de todos os acessos e adaptação/redução da luminescência às necessidades. - Fim do Serviço

22 Direção Geral da Administração da Justiça Página Execução Móvel - Fita de Tempo Fase 1 - Ronda; - Auxiliar nos procedimentos de abertura; - Rondas constantes no interior. Esporadicamente no exterior; - Prestação das assistências necessárias; Fase 2 - Prevenir a ocorrência de conflitos e intervir sempre que necessário, explorando a cortesia e os princípios da necessidade e da proporcionalidade; - Controlar e assegurar o bom encaminhamento dos utentes para o exterior das instalações. Fase 3 - Acompanhar o procedimento de Fecho; Fase 4 - Ronda pelo interior, verificação de todos os acessos.

23 Direção Geral da Administração da Justiça Página 23 II Fluxogramas Operacionais

24 Direção Geral da Administração da Justiça Página 24

25 Direção Geral da Administração da Justiça Página 25

26 Direção Geral da Administração da Justiça Página 26

27 Direção Geral da Administração da Justiça Página 27

28 Direção Geral da Administração da Justiça Página 28

29 Direção Geral da Administração da Justiça Página 29

30 Direção Geral da Administração da Justiça Página 30

31 Direção Geral da Administração da Justiça Página 31

32 Direção Geral da Administração da Justiça Página 32

33 Direção Geral da Administração da Justiça Página 33

34 Direção Geral da Administração da Justiça Página 34

35 Direção Geral da Administração da Justiça Página 35

36 Direção Geral da Administração da Justiça Página 36

37 Direção Geral da Administração da Justiça Página 37

38 Direção Geral da Administração da Justiça Página 38

39 Direção Geral da Administração da Justiça Página 39

40 Direção Geral da Administração da Justiça Página 40

41 Direção Geral da Administração da Justiça Página 41

42 Direção Geral da Administração da Justiça Página 42 III Anexos

43 Direção Geral da Administração da Justiça Página MAPA DE ATIVIDADE DE SEGURANÇA ATIVIDADE DE SEGURANÇA TRIBUNAL DE ATIVIDADE 2011 JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ TOTAL INTERVENÇÕES FURTO - Utentes - Funcionários - Prestadores de serviços INCIDENTES - Incêndios - Inundações - Ameaças de bomba - Cortes de energia - Assistência 1ºs socorros - Vandalismo - Ofensas corporais - Acidentes com utentes - Reclamações - Outros ADMINISTR. SEGURANÇA - Horas de trabalho - Interno - Externo - Postos de trabalho - Quadro de pessoal - Interno - Externo - Serviço da PSP / GNR RELAÇÕES EXTERNAS - Câmara Municipal - Governo Civil - Forças de Segurança - Bombeiros - Proteção Civil LIMPEZA - Horas de trabalho - Abertura - Piquete - Quadro de pessoal (total) - Reclamações

44 Direção Geral da Administração da Justiça Página 44 MAPA DE ATIVIDADE DE SEGURANÇA 2. Avaliação pessoal Indique: Os três incidentes de segurança mais frequentes Os três pontos fortes da segurança do tribunal Os três pontos a melhorar na segurança do tribunal Três investimentos necessários na área da segurança.

45 Direção Geral da Administração da Justiça Página RELATÓRIO DE SEGURANÇA RELATÓRIO DE OCORRÊNCIA(S) VISTO PERÍODO: DAS H DE / / ÀS H DE / / / / OCORRÊNCIA(S) RÚBRICA e IDENTIFICAÇÃO DO RELATOR

46 Direção Geral da Administração da Justiça Página CHECK LIST DE INSPEÇÃO > periodicidade semanal DATA: / / FOLHA 1 ITEM Nº LOCALIZAÇÃO SINAL. VISÍVEL DESIMPEDIDA BOM ESTADO Sim Não Sim Não Sim Não OBSERVAÇÕES Saída Emergência Extintor CO2 Extintor CO2 Extintor Pó Carretel Porta Corta-Fogo Quadro Elétrico Nome Legível e identificação

47 Direção Geral da Administração da Justiça Página RELAÇÃO DE CHAVES DATA DE ACTUALIZAÇÃO: / / Nº Nº LOCALIZAÇÃO Nº CHAVE PORTA CÓPIAS NOME Nº NOME Nº OBSERVAÇÕES

48 Direção Geral da Administração da Justiça Página INQUÉRITO DE ACIDENTE

49 Direção Geral da Administração da Justiça Página RELATÓRIO DE AMEAÇA DE BOMBA

50 Direção Geral da Administração da Justiça Página 50

51 Direção Geral da Administração da Justiça Página CHECK LIST DE PRIMEIROS SOCORROS > periodicidade mensal DATA: / / Descrição conteúdo QTD REF: FARMACIA RECEÇÃO Verificação da validade Sim Não Stock Retificado Luvas Látex 5 Tesoura 1 Termómetro 1 Compressas 5cm X 5cm 5 Compressas 10cm X 10cm 5 Ligaduras Elásticas 4m X 10cm 1 Ligaduras Elásticas 4m X 5cm 1 Adesivo comum 5cm 1 Adesivo comum 1,25cm 1 Pensos hemorrágicos 2 Pensos Rápidos 10 Garrote 1 Toalhete álcool 3 Saco Quente 1 Saco Frio 1 Soro Fisiológico ampolas 5 Iodopovidoma dérmica 125ml 1 Paracetamol 1gr 1 Hirodoid creme 1 Reumon-gel 1 Sim Não Sim Não OBS. Os medicamentos que estejam fora do prazo de validade deverão ser retirados de imediato, devendo ser colocados no recipiente de lixo respetivo ou entregues na farmácia mais próxima NOME LEGÍVEL E IDENTIFICAÇÃO:

PROCEDIMENTO DE GESTÃO

PROCEDIMENTO DE GESTÃO Página: 1 de 7 ÍNDICE 1. OBJECTIVO 2 2. CAMPO DE APLICAÇÃO 2 3. DEFINIÇÕES 2 4. REFERÊNCIAS 2 5. RESPONSABILIDADES E MODOS DE PROCEDER 2 5.1. Cuidados em Situação de Emergência 2 5.2. Cuidados de Saúde

Leia mais

Janeiro 2012. Instruções de Segurança. Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores

Janeiro 2012. Instruções de Segurança. Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores Cenário 1 Alarme de reconhecimento Responsável Bloco faz o reconhecimento Atuação Equipa 1ª Intervenção Alarme Parcial Bloco A Atuação Equipa Evacuação Bloco A Situação Controlada? Sinistro? Sim Não Reposição

Leia mais

Resposta Hospitalar à Catástrofe Externa e Emergência Interna. Abílio Casaleiro

Resposta Hospitalar à Catástrofe Externa e Emergência Interna. Abílio Casaleiro Resposta Hospitalar à Catástrofe Externa e Emergência Interna 27.02.2015 Apresentação do Hospital de Cascais Plano de Catástrofe Externa Plano de Emergência Interna Hospital de Cascais - Caracterização

Leia mais

Etapas do Manual de Operações de Segurança

Etapas do Manual de Operações de Segurança OPERAÇÕES www.proteccaocivil.pt DE SEGURANÇA CARACTERIZAÇÃO DO ESPAÇO IDENTIFICAÇÃO DE RISCOS ETAPAS LEVANTAMENTO DE MEIOS E RECURSOS ESTRUTURA INTERNA DE SEGURANÇA PLANO DE EVACUAÇÃO PLANO DE INTERVENÇÃO

Leia mais

O Portal da Construção Segurança e Higiene do Trabalho

O Portal da Construção Segurança e Higiene do Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XVIII Plano de Emergência um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a

Leia mais

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO REGULAMENTO ESPECÍFICO MARÇO DE 2014 ÍNDICE ENQUADRAMENTO NORMATIVO... 1 ÂMBITO E DEFINIÇÃO 1 CONDIÇÕES DE ACESSO 1 OBJETIVOS 1 COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER 2 ESTRUTURA E DESENVOLVIMENTO DE PS 2 AVALIAÇÃO

Leia mais

Perfil e Competências Pessoal Não docente. Agrupamento de Escolas de Pinhal de Frades Isabel Gomes Teixeira Ano Letivo 2014/2015

Perfil e Competências Pessoal Não docente. Agrupamento de Escolas de Pinhal de Frades Isabel Gomes Teixeira Ano Letivo 2014/2015 Perfil e Competências Pessoal Não docente Ano Letivo 2014/2015 Introdução A forma de ver e viver na escola dos nossos dias colocou novos desafios à comunidade escolar e levou à necessidade de repensar

Leia mais

Processo de declaração de conformidade de software PEM

Processo de declaração de conformidade de software PEM Processo de declaração de conformidade de software PEM Dezembro, 2012 Versão 1,0 Os direitos de autor deste trabalho pertencem à SPMS e a informação nele contida é confidencial. Este trabalho não pode

Leia mais

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002)

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002) TÍTULO: Planos de Emergência na Indústria AUTORIA: Factor Segurança, Lda PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002) 1. INTRODUÇÃO O Plano de Emergência

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA Na defesa dos valores de integridade, da transparência, da auto-regulação e da prestação de contas, entre outros, a Fundação Casa da Música,

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2 2. OBJECTO 2 3. RESPONSÁVEL DE SEGURANÇA 2 4. MEDIDAS DE PREVENÇÃO 2 ANEXO - LISTA DE VERIFICAÇÕES 7

1. INTRODUÇÃO 2 2. OBJECTO 2 3. RESPONSÁVEL DE SEGURANÇA 2 4. MEDIDAS DE PREVENÇÃO 2 ANEXO - LISTA DE VERIFICAÇÕES 7 Directivas Técnicas 01-02/2007 Prevenção de incêndios em hospitais Ficha técnica Número 01-02/2007 Data de publicação MAI 2007 Data última revisão MAI 2008 Revisão obrigatória MAI 2009 Autoria e edição

Leia mais

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO IV JORNADAS TÉCNICAS DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO DA ESCOLA PROFISSIONAL DE AVEIRO SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO Manuela Mil-Homens Comando Distrital de Operações de Socorro

Leia mais

Regulamento de acesso de viaturas aos arruamentos geridos através de pilaretes retráteis automáticos no Município do Funchal Enquadramento

Regulamento de acesso de viaturas aos arruamentos geridos através de pilaretes retráteis automáticos no Município do Funchal Enquadramento Regulamento de acesso de viaturas aos arruamentos geridos através de pilaretes retráteis automáticos no Município do Funchal Enquadramento Na Cidade do Funchal existem diversos arruamentos destinados apenas

Leia mais

Política de Privacidade de Dados Pessoais Cabovisão - Televisão por Cabo S.A.

Política de Privacidade de Dados Pessoais Cabovisão - Televisão por Cabo S.A. Política de Privacidade de Dados Pessoais Cabovisão - Televisão por Cabo S.A. Princípios Gerais A garantia que os clientes e utilizadores da Cabovisão-Televisão por Cabo S.A. ( Cabovisão ) sabem e conhecem,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR FÉRIAS DA LIPOR 1. Considerações Gerais A Lipor, Serviço Intermunicipalizado de Gestão de Resíduos do Grande Porto, com sede em Baguim do Monte, concelho de Gondomar, realiza atividades de promoção e organização

Leia mais

PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS

PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS PLANO DE EMERGÊNCIA CONTRA INCÊNDIO de acordo com o projeto de norma nº 24:203.002-004 da ABNT ( setembro 2000 ) 1 Objetivo 1.1 Estabelecer

Leia mais

MODELO DE PLANO DE EMERGÊNCIA DO AERÓDROMO

MODELO DE PLANO DE EMERGÊNCIA DO AERÓDROMO MODELO DE PLANO DE EMERGÊNCIA DO AERÓDROMO (Artigo 3.º do Anexo III ao Regulamento n.º 36/2013 do INAC, I.P., publicado no Diário da República, 2.ª série, n.º 14, de 21 de janeiro de 2013) CLASSES I E

Leia mais

Política de Privacidade de dados pessoais na Portugal Telecom

Política de Privacidade de dados pessoais na Portugal Telecom Política de Privacidade de dados pessoais na Portugal Telecom Quem Somos? A Portugal Telecom, SGPS, SA. ( PT ) é a holding de um grupo integrado de Empresas (Grupo PT), que atua na área das comunicações

Leia mais

Portaria n.º 1276/2002 de 19 de Setembro

Portaria n.º 1276/2002 de 19 de Setembro Portaria n.º 1276/2002 de 19 de Setembro O artigo 4.º do Decreto-Lei n.º 410/98, de 23 de Dezembro, que aprovou o Regulamento de Segurança contra Incêndio em Edifícios de Tipo Administrativo, determina

Leia mais

Prevenção de incêndios

Prevenção de incêndios Prevenção de incêndios 1 Prevenção de incêndios Entre 2008 e 2013, os falsos alarmes de incêndio nos centros comerciais da Sonae Sierra dispararam entre 5.000 a 7.000 vezes por ano. Mesmo não pondo em

Leia mais

Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST

Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST O QUE DIZ A LEI OBSERVAÇÕES Todos os trabalhadores têm direito à prestação de trabalho em condições de segurança, higiene e saúde, competindo ao empregador assegurar

Leia mais

CARTA DE AUDITORIA INTERNA GABINETE DE AUDITORIA INTERNA (GAI)

CARTA DE AUDITORIA INTERNA GABINETE DE AUDITORIA INTERNA (GAI) CARTA DE AUDITORIA INTERNA GABINETE DE AUDITORIA INTERNA (GAI) «Para um serviço de excelência» 2015 1. OBJETIVO Pelo Despacho n.º 9/2014, de 21 de novembro, do Diretor-Geral da Administração da Justiça

Leia mais

Plano de Contingência para Serviços e Empresas

Plano de Contingência para Serviços e Empresas Plano de Contingência para Este documento contém: Lista de Verificação de Medidas e Procedimentos para O Plano de Contingência consiste num conjunto de medidas e acções que deverão ser aplicadas oportunamente,

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO

PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO www.zonaverde.pt Página 1 de 10 INTRODUÇÃO Os acidentes nas organizações/estabelecimentos são sempre eventos inesperados, em que a falta de conhecimentos/formação,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR 1 1. Considerações Gerais A Lipor, Serviço Intermunicipalizado de Gestão de Resíduos do Grande Porto, com sede em Baguim do Monte, concelho de Gondomar,

Leia mais

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA GERENCIAMENTO DE REDES Segurança Lógica e Física de Redes 2 Semestre de 2012 SEGURANÇA FÍSICA Introdução Recomendações para o controle do acesso físico Política de segurança

Leia mais

Megaexpansão - Silves

Megaexpansão - Silves 2010 Megaexpansão - Silves DÁRIO AFONSO FERNANDA PIÇARRA [ 21 09 2010 ] ÍNDICE Objectivos (pág. 3) Caracterização do Estabelecimento (pág. 3 a 6) Organização de Emergência (pág. 6 a 8) Plano de Intervenção

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR (A.E.C.)

REGIMENTO DO PROGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR (A.E.C.) REGIMENTO DO PROGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR (A.E.C.) A G R U P A M E N T O D E E S C O L A S D E B E N A V E N T E INTRODUÇÃO Tendo por base os normativos legais

Leia mais

GUIA DO CONSUMIDOR DE ÁGUA

GUIA DO CONSUMIDOR DE ÁGUA Infomail GUIA DO CONSUMIDOR DE ÁGUA Índice Prestação do serviço de abastecimento de água Está sujeita a regras especiais? É obrigatória? O que é necessário? Como se processa a ligação à rede pública? Quem

Leia mais

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão)

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão) Regulamento Interno O presente regulamento aplica-se a todos os Cursos de formação concebidos, organizados e desenvolvidos pelo Nucaminho - Núcleo dos Camionistas do Minho, com o objetivo de promover o

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 AUDIÊNCIA 3 IMPORTÂNCIA DA INFORMAÇÃO E DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 3 POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 5 RESPONSABILIDADES NA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 6 MANUTENÇÃO E COMUNICAÇÃO DAS

Leia mais

Centro de Saúde de Évora Saúde Escolar. Noções de Primeiros Socorros

Centro de Saúde de Évora Saúde Escolar. Noções de Primeiros Socorros Centro de Saúde de Évora Saúde Escolar Noções de Primeiros Socorros Noções de Primeiros Socorros! O primeiro socorro;! Feridas, picadas e mordeduras;! Produtos e materiais;! Algumas recomendações. O primeiro

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica.

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica. Classificação: RESOLUÇÃO Código: RP.2007.077 Data de Emissão: 01/08/2007 O DIRETOR PRESIDENTE da Companhia de Processamento de Dados do Estado da Bahia - PRODEB, no uso de suas atribuições e considerando

Leia mais

BRIGADAS DE EMERGÊNCIA

BRIGADAS DE EMERGÊNCIA NICOBELO&ART FINAL Nicobelo@hotmail.com BRIGADAS DE EMERGÊNCIA GRUPO INCÊNDIO DE SOROCABA 1 OBJETIVO É estabelecer Programa de Prevenção e levar a cabo medidas que se implementem para evitar ou mitigar

Leia mais

World Disaster Reduction Campaign 2010-2011 Making Cities Resilient: Amadora is Getting Ready!

World Disaster Reduction Campaign 2010-2011 Making Cities Resilient: Amadora is Getting Ready! Parceiros: Câmara Municipal da Amadora Serviço Municipal de Protecção Civil Tel. +351 21 434 90 15 Tel. +351 21 494 86 38 Telm. +351 96 834 04 68 Fax. +351 21 494 64 51 www.cm-amadora.pt www.facebook.com/amadora.resiliente

Leia mais

Normas de Segurança para o Instituto de Química da UFF

Normas de Segurança para o Instituto de Química da UFF Normas de Segurança para o Instituto de Química da UFF A Comissão de segurança do Instituto de Química da UFF(COSEIQ) ao elaborar essa proposta entende que sua função é vistoriar, fiscalizar as condições

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 3 2. AUDIÊNCIA 3 3. VALOR DA INFORMAÇÃO 4 4. IMPORTÂNCIA DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 5 5. MODELO DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 6 6. RESPONSABILIDADES NA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 7 7. MANUTENÇÃO

Leia mais

9.6. Política de segurança para Usuários(PSU)... 14 9.7. Questionários de Segurança da Informação... 14 10. CONCLUSÃO... 14

9.6. Política de segurança para Usuários(PSU)... 14 9.7. Questionários de Segurança da Informação... 14 10. CONCLUSÃO... 14 ANEXO I PSI Índice 1. FINALIDADE... 4 2. ABRANGÊNCIA... 4 3. FREQUÊNCIA DE REVISÃO... 4 4. PORTAL DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO... 4 5. TERMOS E DEFINIÇÕES... 4 5.1. Segurança da Informação... 4 5.2. Confidencialidade...

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA. Março de 2015 4ª Edição

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA. Março de 2015 4ª Edição REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA Março de 2015 4ª Edição Índice 1 O DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO... 3 1.1. POLÍTICA E ESTRATÉGIA... 3 1.2. ESTRUTURA... 3 2 CONDIÇÕES DE FUNCIONAMENTO DA

Leia mais

Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências.

Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências. PORTARIA No- 192, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2010 Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências. O ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO, no uso de suas atribuições

Leia mais

CENTRO ESCOLAR DE POMARES

CENTRO ESCOLAR DE POMARES CENTRO ESCOLAR DE POMARES Objetivos: -Proporcionar aos alunos um primeiro contacto com as regras e procedimentos a adotar em caso de emergência. -Efetuar o reconhecimento do percurso de evacuação de emergência

Leia mais

A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 11ª. REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 11ª. REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, Dispõe sobre a Política de Segurança da Informação no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da 11ª. Região. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 11ª. REGIÃO, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Segurança e Higiene no Trabalho Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/7 ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO

Leia mais

ELABORAÇÃO DE MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO

ELABORAÇÃO DE MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO Praça Nove de Abril, 170. 4200 422 Porto Tel. +351 22 508 94 01/02 www.jct.pt SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS ELABORAÇÃO DE MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO JCT - Consultores de Engenharia, Lda tem como

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A CONGRESSOS NOS DOMÍNIOS DA LÍNGUA E DA CULTURA PORTUGUESAS

REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A CONGRESSOS NOS DOMÍNIOS DA LÍNGUA E DA CULTURA PORTUGUESAS REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A CONGRESSOS NOS DOMÍNIOS DA LÍNGUA E DA CULTURA PORTUGUESAS 2015 Enquadramento A Fundação Calouste Gulbenkian (Fundação), através do Programa Gulbenkian de Língua e Cultura

Leia mais

GRIPE A (H1N1) v. Planos de Contingência para Creches, Jardins-de-infância, Escolas e outros Estabelecimentos de Ensino

GRIPE A (H1N1) v. Planos de Contingência para Creches, Jardins-de-infância, Escolas e outros Estabelecimentos de Ensino GRIPE A (H1N1) v Planos de Contingência para Creches, Jardins-de-infância, Escolas e outros Estabelecimentos de Ensino Orientações para a sua elaboração Este documento contém: Metodologia de elaboração

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ_v5 MANUAL DA QUALIDADE. FORM_001_v1 [Este documento depois de impresso constitui uma cópia não controlada] Página 1 de 22

MANUAL DA QUALIDADE MQ_v5 MANUAL DA QUALIDADE. FORM_001_v1 [Este documento depois de impresso constitui uma cópia não controlada] Página 1 de 22 MANUAL DA QUALIDADE FORM_001_v1 [Este documento depois de impresso constitui uma cópia não controlada] Página 1 de 22 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 4 1.1 Promulgação... 4 1.2 Âmbito e campo de aplicação do SGQ...

Leia mais

REGULAMENTO DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA E CIENTÍFICA DO INFARMED, I.P.

REGULAMENTO DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA E CIENTÍFICA DO INFARMED, I.P. REGULAMENTO DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA E CIENTÍFICA DO INFARMED, I.P. 1. ÂMBITO E MISSÃO... 2 2. LOCALIZAÇÃO... 2 3. HORÁRIO... 2 4. ACESSO... 2 5. LEITORES... 3 6. SERVIÇOS DISPONIBILIZADOS PELO

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA O USO DA VIATURA DO CCD PM CASCAIS

REGULAMENTO INTERNO PARA O USO DA VIATURA DO CCD PM CASCAIS REGULAMENTO INTERNO PARA O USO DA VIATURA DO CCD PM CASCAIS 2014 Regulamento Interno para o uso da viatura do CCD PM Cascais Página 1 Artigo 1º Objeto O presente regulamento interno estabelece as normas

Leia mais

Hilti do Brasil Comercial Ltda. Política de Privacidade e Proteção de Informações Pessoais

Hilti do Brasil Comercial Ltda. Política de Privacidade e Proteção de Informações Pessoais Hilti do Brasil Comercial Ltda. Política de Privacidade e Proteção de Informações Pessoais Nós, Hilti (Brasil) Comercial Ltda. (coletivamente, referido como Hilti, "nós", "nosso" ou "a gente") nessa Política

Leia mais

Escolas. Segurança nas. Escolas. nas. Segurança. Escolas. Segurança das Escolas ajudar os órgãos de gestão dos estabelecimentos.

Escolas. Segurança nas. Escolas. nas. Segurança. Escolas. Segurança das Escolas ajudar os órgãos de gestão dos estabelecimentos. egurança Segurança Segurança A segurança deve ser uma preocupação comum a todos os membros da comunidade educativa pessoal docente e não docente, alunos, pais, encarregados de educação e representantes

Leia mais

REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA

REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA Aprovado pelo Presidente do ISEL a NOTA INTRODUTÓRIA Criado a 19 de Setembro de 2006 e tendo iniciado as suas funções a

Leia mais

Ética A GUARDIAN disponibiliza o presente Código de Conduta a todos os colaboradores, Clientes, Fornecedores e Parceiros.

Ética A GUARDIAN disponibiliza o presente Código de Conduta a todos os colaboradores, Clientes, Fornecedores e Parceiros. Âmbito de aplicação O presente Código de Conduta aplica-se a toda a estrutura GUARDIAN Sociedade de Mediação de Seguros, Lda., seguidamente designada por GUARDIAN, sem prejuízo das disposições legais ou

Leia mais

Política de Gestão de Risco de Fraude

Política de Gestão de Risco de Fraude Política de Gestão de Risco de Fraude Versão: 1.0-2015 Alterada: 2 de junho de 2015 Aprovado por: Conselho de Administração Data: 3 de junho de 2015 Preparado por: Conselho de Administração Data: 2 de

Leia mais

Regulamento de Funcionamento

Regulamento de Funcionamento AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE S. PEDRO DO SUL Avaliação de Desempenho Pessoal não Docente Regulamento de Funcionamento Regulamento da Avaliação de Desempenho do Pessoal não Docente do Agrupamento de Escolas

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

GUIA DE AUDITORIA PARA OS EMPREENDEDORES

GUIA DE AUDITORIA PARA OS EMPREENDEDORES GUIA DE AUDITORIA PARA OS EMPREENDEDORES Março de 2014 www.aqua-hqe.com.br SUMÁRIO 1. Objetivos da auditoria 2. Definições e abreviações 2.1 Mandatário da auditoria 2.2 Auditado 2.3 Equipe de auditoria

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) A CONCERT Technologies S.A. prioriza a segurança de seus Colaboradores, Fornecedores,

Leia mais

Grupo de Trabalho para as Questões da Pessoa Idosa, Dependente ou Deficiente de Grândola REGULAMENTO INTERNO

Grupo de Trabalho para as Questões da Pessoa Idosa, Dependente ou Deficiente de Grândola REGULAMENTO INTERNO Grupo de Trabalho para as Questões da Pessoa Idosa, Dependente ou Deficiente de Grândola REGULAMENTO INTERNO Maio de 2011 Preâmbulo As alterações demográficas que se têm verificado na população portuguesa

Leia mais

ARTIGO 1.º OBJECTO ARTIGO 2.º DEFINIÇÕES

ARTIGO 1.º OBJECTO ARTIGO 2.º DEFINIÇÕES REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO SISTEMA DE TRATAMENTO, AUDIÇÃO E PARTICIPAÇÃO DOS TOMADORES DE SEGUROS, PESSOAS SEGURAS, BENEFICIÁRIOS E OUTROS INTERESSADOS ARTIGO 1.º OBJECTO O presente regulamento visa

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO 1 A avaliação de desempenho é uma apreciação sistemática do desempenho dos trabalhadores nos respectivos cargos e áreas de actuação e do seu potencial de desenvolvimento (Chiavenato).

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO

CÓDIGO DE ÉTICA DOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO CÓDIGO DE ÉTICA DOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO Preâmbulo O presente Código contém as normas éticas que devem ser seguidas pelos Técnicos de Segurança e Higiene do Trabalho e os Técnicos

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA 1- DEFINIÇÃO

PLANO DE SEGURANÇA 1- DEFINIÇÃO PLANO DE SEGURANÇA 1- DEFINIÇÃO O Plano de Segurança é um documento que sistematiza um conjunto de normas e regras, enquadradas nas modalidades de segurança ativa e passiva e destinadas a minimizar os

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO Introdução O presente Regulamento foi concebido a pensar em si, visando o bom funcionamento da formação. Na LauTraining Formação e Consultoria, vai encontrar um ambiente de trabalho e de formação agradável

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE FINANÇAS E ORÇAMENTO APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO

Leia mais

Regime Jurídico de SCIE (Decreto-Lei n.º 220/2008, de 12 de novembro) Regulamento Técnico de SCIE (Portaria n.º 1532/2008, de 29 de dezembro)

Regime Jurídico de SCIE (Decreto-Lei n.º 220/2008, de 12 de novembro) Regulamento Técnico de SCIE (Portaria n.º 1532/2008, de 29 de dezembro) OBJETIVO Especificar as características e os requisitos para a elaboração de considerando estes como a associação dos Registos de Segurança, do Plano de Prevenção (ou Procedimentos de Prevenção) e do Plano

Leia mais

CONDIÇÕES PARA UTILIZAÇÃO DO SETOR DE ESPORTES

CONDIÇÕES PARA UTILIZAÇÃO DO SETOR DE ESPORTES CONDIÇÕES PARA UTILIZAÇÃO DO SETOR DE ESPORTES 1 DEFINIÇÕES Departamento de Esportes Educação Física, doravante designado por Setor de Esportes da PUCPR. Prestador de serviços na área do exercício físico,

Leia mais

Política de Gestão de Reclamações

Política de Gestão de Reclamações Política de Gestão de Reclamações DECLARAÇÃO DE POLÍTICA A Popular Seguros considera cada reclamação como uma oportunidade de melhorar o serviço que presta aos seus Clientes, Colaboradores e Parceiros

Leia mais

Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente 2012/2013. Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova 21.03.2013

Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente 2012/2013. Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova 21.03.2013 2012 2013 Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente 2012/2013 Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova 21.03.2013 1. ÂMBITO Dando cumprimento ao disposto no decreto regulamentar nº 26/2012, de 21 de

Leia mais

Instrução Normativa n.º 001/2008-1/SCI

Instrução Normativa n.º 001/2008-1/SCI [ Página n.º 1 ] DISPÕE SOBRE OS PADRÕES, RESPONSABILIDADES E PROCEDIMENTOS PARA ELABORAÇÃO, EMISSÃO, ALTERAÇÃO, ATUALIZAÇÃO, IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DE INSTRUÇÕES NORMATIVAS A RESPEITO DAS ROTINAS

Leia mais

EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética

EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética 1. Objecto e Âmbito do Regulamento O presente regulamento foi adoptado pelo Conselho Geral e de Supervisão (CGS) e pelo Conselho de Administração Executivo

Leia mais

II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA 30/11/2015 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA - MADEIRA TECNOPOLO FUNCHAL 1

II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA 30/11/2015 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA - MADEIRA TECNOPOLO FUNCHAL 1 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA 30/11/2015 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA - MADEIRA TECNOPOLO FUNCHAL 1 30/11/2015 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Procedimento de Controlo Interno

SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Procedimento de Controlo Interno SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Procedimento de Controlo Interno Edição: 0.1 JUL/2013 Página 2 de 14 ORIGINAL Emissão Aprovação Data Data / / (Orgânica Responsável) / / (Presidente da Câmara) REVISÕES REVISÃO

Leia mais

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes INTRODUÇÃO O direito à protecção da saúde está consagrado na Constituição da República Portuguesa, e assenta num conjunto de valores fundamentais como a dignidade

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Aprovado em 18 de Junho de 2015 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013

CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013 CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 I. Âmbito de Aplicação e Princípios Gerais...4 Artigo 1.º Âmbito Pessoal...4 Artigo 2.º Âmbito Territorial...4 Artigo 3.º Princípios Gerais...4 Artigo

Leia mais

Campo de Férias - FUBI

Campo de Férias - FUBI Campo de Férias - FUBI Regulamento Interno O presente regulamento dos campos de férias FUBI, pretende definir os direitos, deveres e regras a observar por todas as pessoas que envolvem as atividades, para

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO (EXEMPLO) Março 2015. Avaliação e Financiamento de Unidades de Investigação

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO (EXEMPLO) Março 2015. Avaliação e Financiamento de Unidades de Investigação PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO (EXEMPLO) Março 2015 Avaliação e Financiamento de Unidades de Investigação Protocolo de Colaboração (Exemplo) O Termo de Aceitação (TA) do financiamento atribuído pela Fundação

Leia mais

Curso Técnico de Apoio à Gestão Desportiva

Curso Técnico de Apoio à Gestão Desportiva Componente Técnica, Tecnológica e Prática Componente Científica Componente Sociocultural Morada: Rua D. Jaime Garcia Goulart, 1. 9950 361 Madalena do Pico. Telefones: 292 623661/3. Fax: 292 623666. Contribuinte:

Leia mais

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE Objectivos gerais do módulo No final do módulo, deverá estar apto a: Definir o conceito de Help Desk; Identificar os diferentes tipos de Help Desk; Diagnosticar

Leia mais

Regras de procedimentos para transporte de bens e

Regras de procedimentos para transporte de bens e Regras de procedimentos para transporte de bens e Os Sistemas de Gestão Técnica na nova regulamentação para a eficiência energética mercadorias em edifícios Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA

RELATÓRIO DE AUDITORIA IDENTIFICAÇÃO Data da auditoria 23-02-2015 24-02-2015 Organização Morada Sede Representante da Organização Câmara Municipal de Santa Maria da Feira - Biblioteca Municipal Av. Dr. Belchior Cardoso da Costa

Leia mais

Minuta - Regulamento de Uso de Veículos

Minuta - Regulamento de Uso de Veículos Minuta - Regulamento de Uso de Veículos Minuta - Regulamento de Uso de Veículos... 1 Secção I Disposições Gerais... 3 Artigo 1.º - Objeto... 3 Artigo 2.º - Âmbito... 3 Artigo 3.º - Caracterização da frota...

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 467, DE 19 DE SETEMBRO DE 2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 467, DE 19 DE SETEMBRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 467, DE 19 DE SETEMBRO DE 2014 O PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Serviço Social é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

Desenvolvimento de uma emergência de incêndio

Desenvolvimento de uma emergência de incêndio Desenvolvimento de uma emergência de incêndio Desenvolvimento de uma emergência de incêndio INTRODUÇÃO Ambos a experiência e o bom senso nos dizem que as ações tomadas durante uma emergência são mais eficazes

Leia mais

Procedimento de Segurança para Terceiros

Procedimento de Segurança para Terceiros Página 1 de 6 1. OBJETIVO Sistematizar as atividades dos prestadores de serviços, nos aspectos que impactam na segurança do trabalho de forma a atender à legislação, assim como, preservar a integridade

Leia mais

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro)

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) O sistema de avaliação e autorização de introdução no mercado de medicamentos, que tem vindo

Leia mais

Normas para Evitar Conflito de Interesses no Processo de Avaliação

Normas para Evitar Conflito de Interesses no Processo de Avaliação Normas para Evitar Conflito de Interesses no Processo de Avaliação Janeiro de 2008 1. Introdução Uma das condições para que a avaliação cumpra todos os seus objectivos e contribua para a melhoria contínua

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Programa Nacional de Saúde Ocupacional

Direcção-Geral da Saúde Programa Nacional de Saúde Ocupacional Programa Nacional de Saúde Ocupacional Assunto: Emergência e Primeiros Socorros em Saúde Ocupacional DATA: 12.07.2010 Contacto: Coordenador do Programa Nacional de Saúde Ocupacional O serviço de Saúde

Leia mais

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89 N 9º15'50. AGENDA 21 escolar Pensar Global, agir Local Centro de Educação Ambiental Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.84" O 918 773 342 cea@cm-tvedras.pt Enquadramento A Agenda

Leia mais

Parque Tecnológico de Óbidos

Parque Tecnológico de Óbidos Parque Tecnológico de Óbidos Regulamento de obras (Versão preliminar) Fevereiro de 2009 Óbidos Requalifica, E.E.M. Casa do Largo da Porta da Vila, 1.º Tel: +351 262 955 440 obidos.requalifica@mail.telepac.pt

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO E AO FINANCIAMENTO DO TERRORISMO IDENTIFICAÇÃO, CLASSIFICAÇÃO E CADASTRO DE CLIENTES

PROCEDIMENTOS DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO E AO FINANCIAMENTO DO TERRORISMO IDENTIFICAÇÃO, CLASSIFICAÇÃO E CADASTRO DE CLIENTES SUMÁRIO ITEM INDICE FOLHAS 1 Diretriz 2 2 Objetivo 2 3 Referencias 2 4 Funções Envolvidas 2 5 Procedimentos 2 6 Formulários Aplicáveis 6 7 Avaliação da Eficácia 7 REGISTRO DAS ALTERAÇÕES REVISÃO DATA ALTERAÇÃO

Leia mais

Índice Descrição Valor

Índice Descrição Valor 504448064 Índice Descrição Valor 1 Missão, Objectivos e Princípios Gerais de Actuação 11 Cumprir a missão e os objectivos que lhes tenham sido determinados de forma económica, financeira, social e ambientalmente

Leia mais

SIADAP Sistema Integrado de Gestão e Avaliação do Desempenho na Administração Pública

SIADAP Sistema Integrado de Gestão e Avaliação do Desempenho na Administração Pública SIADAP Sistema Integrado de Gestão e Avaliação do Desempenho na Administração Pública (Lei n.º 66-B/2007, de 28 de dezembro, com as alterações introduzidas pela Lei n.º 66-B/2012, de 31 de dezembro) 1

Leia mais

Edição A. Código de Conduta

Edição A. Código de Conduta Edição A Código de Conduta -- A 2011.09.26 1 de 5 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 2 2 PRINCÍPIOS E NORMAS GERAIS... 2 a) Trabalho Infantil... 2 b) Trabalho forçado... 2 c) Segurança e bem-estar no local de trabalho...

Leia mais

REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS. Orientações para o armazenamento de medicamentos, produtos farmacêuticos e dispositivos médicos

REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS. Orientações para o armazenamento de medicamentos, produtos farmacêuticos e dispositivos médicos REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS Orientações para o armazenamento de medicamentos, produtos farmacêuticos e dispositivos médicos 2009 1 INTRODUÇÃO Numerosas empresas, entidades, instituições

Leia mais

Albufeira, Maio 2015 Ana Blanco. Regime Jurídico da Exploração de Estabelecimentos de Alojamento Local (RJAL)

Albufeira, Maio 2015 Ana Blanco. Regime Jurídico da Exploração de Estabelecimentos de Alojamento Local (RJAL) Albufeira, Maio 2015 Ana Blanco Regime Jurídico da Exploração de Estabelecimentos de Alojamento Local (RJAL) Decreto-Lei nº 128/2014, de 29 de agosto, alterado pelo Decreto-Lei nº63/2015, de 23 abril OBJETIVOS

Leia mais