Desmistificando o Führer: A Contradição Entre o Conceito de Dominação Carismática e o Comando de Adolf Hitler Durante o Terceiro Reich)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Desmistificando o Führer: A Contradição Entre o Conceito de Dominação Carismática e o Comando de Adolf Hitler Durante o Terceiro Reich)"

Transcrição

1 Desmistificando o Führer: A Contradição Entre o Conceito de Dominação Carismática e o Comando de Adolf Hitler Durante o Terceiro Reich) Demystifying the Führer: The Contradiction Between the Concept of Charismatic Domination and the Command of Adolf Hitler During the Third Reich) Desmitificando el Führer: La Contradicción entre el Concepto de Dominación Carismática y el Comando de Adolf Hitler Durante el Tercer Reich) Dissertar 121 Revista Dissertar Nº30 V.1 ANO XIV DOI: / ed Data de submissão: Data de aceite: por Ana Luisa Komora 1 Resumo Alguns autores defendem que Hitler pode ser considerado exemplo de autoridade carismática, nos moldes do descrito por Max Weber. Aproximando-se o olhar para as minúcias descritivas da teoria, e analisando a trajetória e ações do líder, é possível estabelecer claramente uma posição contrária a esta caracterização. Palavras-Chaves: Dominação, Carisma, Hitler Abstract Some authors argue that Hitler can be considered an example of charismatic authority, as described by Max Weber. Approaching the descriptive minutiae of the theory, and analyzing the trajectory and actions of the leader, it is possible to establish clearly a position contrary to this characterization. Keywords: Domination, Charisma, Hitler 1 Ana Luisa Komora: Graduada em Administração pela Unilasalle-RJ, Mestre em Engenharia de Transportes pela COPPE-UFRJ. Atuante em pesquisas nas áreas de Planejamento Urbano. Experiência acadêmica em docência e coordenação em ensino superior. Experiência profissional nas diversas áreas da gestão. Atuante nas áreas de consultoria e auditoria administrativa público e privada.

2 122 Desmistificando o Führer: A Contradição Entre o Conceito de Dominação Carismática e o Comando de Adolf Hitler Durante o Terceiro Reich Resumen Algunos autores defienden que Hitler puede ser considerado un ejemplo de autoridad carismática, en los moldes de lo descrito por Max Weber. Al aproximarse la mirada a las minucias descriptivas de la teoría, y analizando la trayectoria y acciones del líder, es posible establecer claramente una posición contraria a esta caracterización. Palabras Claves: Dominación, Carisma, Hitler Introdução O estudo das teorias administrativas passa pela Teoria Burocrática de Max Weber. Nesta apresentam-se os conceitos de poder, autoridade e dominação, com suas subdivisões em racionallegal, tradicional e carismática. Não raramente, autores apresentam como exemplo de dominação carismática a figura de Adolf Hitler. Contudo, esta posição é questionável, considerando a ação coercitiva do líder, suas artimanhas sociais e sua concentração de poder. O presente artigo busca apresentar uma análise comparativa entre a atuação de Adolf Hitler à frente da Alemanha Nazista (período conhecido como Terceiro Reich) e o conceito de dominação carismática de Max Weber. Seu objetivo principal é apresentar argumentação contrária à opinião de alguns autores, que consideram o Führer como um líder dotado de carisma. Seus objetivos específicos serão a apresentação dos tipos de dominação legítima, da ocorrência de rotinização do carisma, a situação dos alemães subjugados e ao comportamento de Hitler durante o período nazista. Dominação e Carisma WEBER (1999a), em seu trabalho Economia e Sociedade, apresenta importante diferenciação entre os conceitos de poder, dominação e disciplina. A compreensão destas diferenças é fundamental para entender a questão da legitimação da autoridade e a transformação da dominação carismática. Enquanto poder se relaciona à probabilidade de imposição de vontade, mesmo contra resistências, dominação está ligada à obediência às ordens, entre indivíduos de uma determinada relação. Já a disciplina está condicionada à obediência automática e esquemática, entre um grupo de indivíduos, em função de treinamento. O conceito de disciplina inclui treino na obediência em massa, sem crítica nem resistência. (WEBER, 1999a) O autor apresenta, ainda, os três tipos puros de dominação legítima, a saber: Racional, em que a aceitação da autoridade é baseada na crença e na legalidade de leis e regulamentos, também podendo ser chamada

3 Dissertar de dominação legal. Encontrada em grande parte dos governos ocidentais recentes, especialmente nas democracias. 123 Tradicional, também podendo ser identificada como feudal ou patrimonial, em que a aceitação da legitimidade se baseia em tradições ou costumes, hábitos tradicionais ou fatos históricos imemoriais (ALFAYA, 2011). Pode ser identificada nas monarquias, impérios, e na antiguidade. Carismática, em que a aceitação tem origem na lealdade e confiança nas qualidades extraordinárias de quem governa, o ser dotado de carisma. Especificamente, em relação à dominação carismática, ela se apresentaria na presença de líder, chefe, senhor, que personificasse o carisma invulgar ou excepcional (ALFAYA, 2011), que garantiria a legitimidade de sua autoridade. Baseava-se na veneração extracotidiana da santidade, do poder heroico ou do caráter exemplar de uma pessoa e das ordens por esta reveladas ou criadas (WEBER, 1999a). O conceito de carisma apresentado por Weber caracteriza um conjunto de qualidades pessoais excepcionais, algumas de origem inexplicável, que atribuiriam a um indivíduo poderes sobre-humanos, fora do comum, e talvez de origem dita divina. Estas qualidades são avaliadas e ponderadas, de fato, pelos seguidores de tal personalidade carismática, e não através de determinados padrões éticos ou estéticos. A existência de uma autoridade carismática reside na relação interdependente de adoração, reconhecimento e veneração do líder e seus seguidores. Conforme apresenta ROMÃO (2003), o carisma de um indivíduo é um dom nato, não adquirido, que faz com que este tenha qualidades diferenciadas, e em função disto acabe conquistando seguidores. Contudo, frequentemente o conceito é confundido com a capacidade de diálogo, oratória e persuasão, ou de atrair a atenção de pessoas, de multidões, e promover a criação de uma legião de seguidores. Segundo exemplos do próprio autor, Airton Senna e Roberto Carlos são reais exemplos de pessoas carismáticas, uma vez que mantinham (e mantêm) seus seguidores, independentemente de suas opiniões, seus resultados, suas conquistas, ou mesmo sua existência em vida, bem como Jesus Cristo, este talvez o maior exemplo de personalidade carismática. Como dito, por um dom nato. Diferente destes podem ser identificados políticos, por exemplo, hábilmente preparados que realizam discursos para multidões e têm o poder de conquistar a atenção e adesão destes. No caso do político, ele não aprendeu a desenvolver o seu carisma, até porque isto não é possível, mas a seduzir as pessoas, identificar seus problemas e dizer o

4 124 Desmistificando o Führer: A Contradição Entre o Conceito de Dominação Carismática e o Comando de Adolf Hitler Durante o Terceiro Reich que estas querem ouvir. Seduz, capta e manipula. Muitas vezes, nas religiões, este fato se repete. ROMEIRO (2012) apresenta questionamentos atuais sobre o grande número de adesões às chamadas religiões modernas, e argumentos baseados em lavagem cerebral. Citando Margaret Singer, detalha as características dos relacionamentos de seita e as interações entre os elementos destes grupos, destacando a ação do líder como uma pessoa que, dotada de alto poder da sedução, induz, propositalmente, os demais elementos à segui-la e tornarem-se total ou parcialmente dependentes desta para decisões na vida, em função da crença que este senhor é dotado de algum talento, dom ou conhecimento especial. Sob pressões cumulativas de controle físico, emocional e intelectual, o autocontrole e crenças pessoais cedem. Isolado do mundo e cercado de armadilhas exóticas, os convertidos absorvem os estilos alterados de pensamento e da vida diária da seita. Em pouco tempo, antes de perceberem o que está acontecendo, os novos adeptos entram num estado mental em que não são mais capazes de pensar por si mesmos. (ROMEIRO apud CONWAY & SIEGELMAN, 2012) Ainda de acordo com os preceitos de WEBER (1999b), o aparecimento de uma real dominação carismática é pontual, e em sua maioria originada em situações externas, em especial às políticas ou econômicas, ou as internas, como psíquicas, religiosas, ou ambas. Surge da excitação coletiva provocada por algum evento extraordinário ou de caráter heroico, e o encerramento do fato em si promove o fim da referida dominação. Contudo, em determinadas situações apresenta-se o anseio coletivo pela continuidade desta relação de comando, e na ausência de um líder, faz-se necessária a nomeação de um sucessor. Uma vez que o carisma, em sua forma pura, não é possível de ser transmitido, não há como haver a continuidade da dominação carismática, e, portanto, esta deverá ser convertida nas formas descritas como racional ou tradicional. A esta necessidade de continuidade dos processos de dominação, WEBER (1999b) intitula de rotinização do carisma, quando determinados grupos buscam a manutenção da figura de um líder carismático, de forma que o processo de dominação seja mantido, no modo como estas já se encontram habituadas. Estes seguidores têm a necessidade de uma figura que determine suas atitudes e crenças. Churchill, Roosevelt, Stalin, Hitler e Mussolini foram líderes personalistas que tiraram partido do culto da personalidade, concentrando poder e ganhando apoio das massas e das mídias da época. (TERRA, 2000).

5 Dissertar 125 Este fenômeno é identificado em relações religiosas, partidárias, profissionais, e pode ser relacionado à necessidade de culto a alguma personalidade. Esta dependência garante a predisposição de grupos à aceitação de novos líderes, que muitas vezes não são dotados de carisma, mas de um bom marketing pessoal e capacidade de sedução e manipulação. DOBRY (2006) esclarece que esta capacidade é fundamental para a conquista de seguidores, por parte das personalidades que pretendem ser vistas como carismáticas. Todos nós temos um algo que é capaz de seduzir alguém, pelo simples fato de que alguém esteja carente deste algo que temos. (ROMÃO, 2003) A Atuação de Hitler De acordo com DOBRY (2006), não é difícil encontrar autores que relacionam o Fenômeno Nazista com a conceituação de Weber sobre o líder carismático: Um exemplo de autoridade carismática seria Hitler na direção do Partido Nazista, prometendo aos operários alemães a destruição do estado burguês e a recuperação do prestígio do povo alemão. (LOBATO, 2007) Contudo, alguns autores conseguem esclarecer a ascensão de Hitler, relacionando-a ao seu marketing pessoal: Em 1924 este se autoproclamou como enviado de Deus, para tomar o comando do provo germânico (DOBRY, 2006). Um orador que se contorcia no palco, cercado de bandeiras gigantescas, música e batalhões com movimentos coreografados, bastava ver os comícios de Hitler para perceber que havia ali algo mais do que simples política. (PAZ, 2007)... quando a questão era representar, Hitler era inigualável. (KERSHAW, 1993) PAZ (2007) questiona Como alguém que foi um completo fracasso até os 30 anos pode ter ascendido até se tornar um homem com o poder de matar milhões e deixar a Europa em ruínas? e apresenta a evolução histórica da trajetória do líder, evidenciando suas estratégias quase circenses para conquistar novos seguidores. Sugere ainda duas outras explicações para sua ascensão, baseada em teorias psicológicas relacionadas ao comportamento humano, ambas evidenciando a predisposição das pessoas a manipulação.

6 126 Desmistificando o Führer: A Contradição Entre o Conceito de Dominação Carismática e o Comando de Adolf Hitler Durante o Terceiro Reich O líder carismático pode ser violento ou pacifista, falso ou verdadeiro, porém de qualquer modo a violência estará instalada durante a vida do líder no exercício do poder ou após a sua morte. (TERRA, 2000) Se WEBER (1999b) considera a dominação carismática como desligada de cargos, de salários, de status, como Hitler poderia ser considerado como uma liderança baseada em carisma, uma vez que aniquilava os que se opusessem ao seu comando ou às suas ordens? De acordo com ENCICLOPEDIA DO HOLOCAUSTO (2012), a Gestapo, polícia secreta do estado, reprimia quaisquer críticas explícitas ao regime nazista, chegando a ser suspeita de um incêndio no parlamento alemão. CARVALHO e SOUZA (2010), indicam, por exemplo, que o fortalecimento do estudo da Psicologia Social nos Estados Unidos se deu devido a grande migração de psicólogos alemães, principalmente após Hitler fechar o Instituto para Pesquisa Social em Frankfurt, para que este não intervisse em seu processo de lavagem cerebral. Ainda de acordo com a ENCICLOPEDIA DO HOLOCAUSTO (2012), com a instituição do governo nazista, o povo alemão perdeu seus direitos básicos, com decreto que suspendeu direitos civis constitucionais. Foi declarado estado de emergência, no qual as decisões governamentais poderiam ser tomadas sem aprovação do parlamento. O governo alemão passou a controlar a cultura, a economia, a educação e a legislação. Foi tentado também o controle sobre as igrejas, em vão. Contudo, a maioria do corpo clérigo católico e protestante acabou por apoiar o regime. O Ditador concentrou as posições de chefe de estado, chefe de governo e chefe do partido nazista, colocando-se fora do estado de direito, e passando a determinar todas as questões políticas da Alemanha e de sua política externa. O falso líder carismático abandona sua carreira e trajetória, quando percebe a possibilidade do fim pessoal trágico, porém o líder carismático verdadeiro tem o amor pela a morte e pelo sangue... (TERRA, 2000) Com a rendição da Alemanha nazista, na iminência de retaliações em virtude de seus atos, Hitler, então já refugiado em seu bunker, tirou a própria vida, com um tiro. Conclusões Inicialmente, a atuação de Hitler pode ser contestada simplesmente baseandose no próprio conceito de Weber, que apresenta a autoridade carismática como residente no caráter exemplar do indivíduo. Há exemplos suficientes das falhas de caráter do Führer. Não bastando sua atuação antiética (e até criminosa) na busca pela eugenia ainda deve ser considerado também o seu posicionamento

7 Dissertar nos momentos de ameaça, protegendo a si e um pequeno grupo, confinando-se em seu bunker. O poderio de Hitler frente ao Terceiro Reich deriva muito mais da dependência do povo alemão por um líder, do que pela pessoa do mesmo (SILVA e SCHUSTER, 2011). É inegável o poder de oratória e persuasão do Ditador, contribuindo expressivamente para a adesão de novos membros ao nazismo. Contudo, a obediência destes e principalmente do povo alemão era condicionada a fatores muito mais relevantes do que à imagem do Führer. As relações estabelecidas por WEBER (1999a) deixam claras que a concretização do poder e da dominação podem ser relacionados à disciplina, ou seja, à obediência em função de treinamento, num processo de massificação desta, com ausência de criticas ou de resistência. Uma vez que todo processo de treinamento predispõe uma rotina relacionada a determinados procedimentos, fica caracterizada a necessidade de rotinização do carisma, e desta forma, a obediência deixa de ser relacionada exclusivamente à adoração ou veneração do dito portador deste carisma, e torna-se uma prática. Com isso, a dominação deixa de ser carismática, e evolui para os modelos racional ou tradicional. A ascensão de Hitler ao comando do partido nazista pode ser baseada na crença das pessoas na sua capacidade heroica, mas não é possível generalizar a sua atuação à frente do Terceiro Reich como uma dominação baseada exclusivamente em carisma. Assim, sua relação com o comando da Alemanha Nazista não se caracteriza como um modelo real de dominação carismática, devendo ser analisada de forma desmembrada em etapas pontuais, em virtude de sua pluralidade de situações. 127 Referências ALFAYA, T. V., Teoria Geral da Administração. Faculdade de Tecnologia e Ciências Ensino à Distância. Instituto Mantenedor de Ensino Superior Metropolitano. CARVALHO, B. P.; SOUZA, T. M. S, A Escola de São Paulo de Psicologia Social: Apontamentos Históricos. Psicologia em Estudo. Vol. 15, num. 4, out-dez, Universidade Estadual de Maringá. DOBRY, M., Hitler, Charisma and Structure: Reflections on Historical Methodology. Totalitarian Movements and Political Religions. Vol. 7. No Junho. Ed. Routledge. Londres, Inglaterra. ENCICLOPEDIA DO HOLOCAUSTO, O Terceiro Reich: Visão Geral. United States Holocaust Memorial Museum (

8 128 Desmistificando o Führer: A Contradição Entre o Conceito de Dominação Carismática e o Comando de Adolf Hitler Durante o Terceiro Reich org). Acesso em 17/11/2012. KERSHAW, I., Hitler Um perfil do Poder. 1ªEd. Jorge Zahar, São Paulo. LOBATO, J. P., Teoria Geral da Administração. Departamento de Ensino à Distância. Universidade Salgado de Oliveira. São Gonçalo, RJ. PAZ, M., Como o Poder de Hitler Aconteceu? Blog Jornalista Mariângela Paz ( Publicado em 31/10/2007. Acesso em 17/11/2012. ROMÃO, C., Carisma. Artigos. Publicado em Acesso em 17/11/2012. ROMEIRO, P., A Sedução dos Novos Movimentos Religiosos: Um Breve Estudo Sobre o Processo de Sedução nos Novos Movimentos Religiosos. Programa de Pós Graduação em Ciências da Religião.. Universidade Mackenzie. São Paulo. com.br. Acesso em 18/11/2012. SCHMIDT, J. P., Cultura e Política Alemã: Autoritarismo Secular e Construção Democrática Recente. Barbarói, Vol 16, Santa Cruz do Sul, RS. SILVA, F. C. T.; SCHURSTER, T., Figura Esvaziada de Hitler. Revista de História.com.br ( artigos/figura-esvaziada-dehitler). Publicado em 13/06/2012. Acesso em 17/11/2012. TEIXEIRA, R. S., A Dominação Carismática de Fidel Castro ( ). Dissertação de Mestrado. Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia. Universidade Federal de Goiás. TERRA, N. F., Economia, Poder e Soberania. Revista Direito Mackenzie. Número 1. Ano 1. P São Paulo, SP. VALENTE, M. A. L., Democracia em Max Weber. Revista de Informação Legislativa. Ano 41. Número 164. Out/Dez. P Brasília, DF. WEBER, M., 1999a. Economia e Sociedade: Fundamentos da Sociologia Compreensiva. Vol. 1, 4ª Edição. Editora Universidade de Brasília : São Paulo : Imprensa Oficial do Estado de São Paulo. WEBER, M., 1999b. Economia e Sociedade: Fundamentos da Sociologia Compreensiva. Vol. 2, 4ª Edição. Editora Universidade de Brasília : São Paulo : Imprensa Oficial do Estado de São Paulo.

Administração Pública

Administração Pública Administração Pública Modelos Teóricos da Administração Pública Burocracia, Sistemas Sociais e Tipos de Dominacão ( Max Weber) Prof. Rodrigo Janiques - Burocracia - O tema burocracia e seus desdobramentos,

Leia mais

Política. Como o poder se realiza? Força (violência) Legitimação (consentimento) - carisma, tradição e racionalização.

Política. Como o poder se realiza? Força (violência) Legitimação (consentimento) - carisma, tradição e racionalização. Política Ciência política: Objeto de estudo: o poder político. Principal instituição moderna do poder político: o Estado-nação. Outras instituições políticas modernas: o executivo, o legislativo, os partidos

Leia mais

Faculdade Zumbi dos Palmares RESUMO SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO EDUCAÇÃO E BUROCRACIA O MITO DA EDUCAÇÃO LIBERTADORA

Faculdade Zumbi dos Palmares RESUMO SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO EDUCAÇÃO E BUROCRACIA O MITO DA EDUCAÇÃO LIBERTADORA INSTITUTO AFRO BRASILEIRO DE ENSINO SUPERIOR Faculdade Zumbi dos Palmares Faculdade de Pedagogia RESUMO SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO EDUCAÇÃO E BUROCRACIA O MITO DA EDUCAÇÃO LIBERTADORA JOYCE MOURÃO RODRIGUES

Leia mais

A POLÍTICA COMO. MAX WEBER ( ) (Originalmente, uma conferência para estudantes da Universidade de Munich, Alemanha, em 1919)

A POLÍTICA COMO. MAX WEBER ( ) (Originalmente, uma conferência para estudantes da Universidade de Munich, Alemanha, em 1919) A POLÍTICA COMO VOCAÇÃO MAX WEBER (1864-1920) (Originalmente, uma conferência para estudantes da Universidade de Munich, Alemanha, em 1919) QUESTÕES FUNDAMENTAIS DO TEXTO: - O QUE ÉPOLÍTICA? - O QUE ÉO

Leia mais

A SOCIOLOGIA COMPREENSIVA DE MAX WEBER. Professora: Susana Rolim

A SOCIOLOGIA COMPREENSIVA DE MAX WEBER. Professora: Susana Rolim A SOCIOLOGIA COMPREENSIVA DE MAX WEBER Professora: Susana Rolim MAX WEBER Sociólogo alemão, nascido em 21 de abril de 1864. Seu primeiro trabalho foi A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo (1905).

Leia mais

Da Burocracia a ISO 9.000

Da Burocracia a ISO 9.000 Da Burocracia a ISO 9.000 Aula 5 EAD-610 2017 1 BUROCRACIA Teoria Clássica Administração Científica Taylor e outros Processo Administrativo Fayol Burocracia Weber 2 SUMÁRIO Conceitos sobre autoridade O

Leia mais

Unidade 3: A Teoria da Ação Social de Max Weber. Professor Igor Assaf Mendes Sociologia Geral - Psicologia

Unidade 3: A Teoria da Ação Social de Max Weber. Professor Igor Assaf Mendes Sociologia Geral - Psicologia Unidade 3: A Teoria da Ação Social de Max Weber Professor Igor Assaf Mendes Sociologia Geral - Psicologia A Teoria de Ação Social de Max Weber 1 Ação Social 2 Forma de dominação Legítimas 3 Ética Protestante

Leia mais

Escritos de Max Weber

Escritos de Max Weber Escritos de Max Weber i) 1903-1906 - A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo (1ª parte, em 1904; 2ª parte em 1905; introdução redigida em 1920); - A objetividade do conhecimento nas Ciências Sociais

Leia mais

Weber e a Burocracia 3/18/2014 UM CONJUNTO DE PRECEITOS QUE RESOLVESSE AS LIMITAÇÕES DAS TEORIAS CLÁSSICAS E DAS ESCOLAS DE RELAÇÕES HUMANAS.

Weber e a Burocracia 3/18/2014 UM CONJUNTO DE PRECEITOS QUE RESOLVESSE AS LIMITAÇÕES DAS TEORIAS CLÁSSICAS E DAS ESCOLAS DE RELAÇÕES HUMANAS. Weber e a Burocracia O MODELO DA BUROCRACIA UM CONJUNTO DE PRECEITOS QUE RESOLVESSE AS LIMITAÇÕES DAS TEORIAS CLÁSSICAS E DAS ESCOLAS DE RELAÇÕES HUMANAS. COM AS TRANSFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES EM FUNÇÃO

Leia mais

REGIMES TOTALITÁRIOS NAZIFASCISTAS

REGIMES TOTALITÁRIOS NAZIFASCISTAS REGIMES TOTALITÁRIOS NAZIFASCISTAS Definição: tipo de governo característico de alguns países no período entre guerras (1918 1939). Onde? Principalmente ITA, ALE, POR e ESP. Características básicas: Nacionalismo

Leia mais

Os regimes totalitaristas. Professor Gustavo Pessoa

Os regimes totalitaristas. Professor Gustavo Pessoa Os regimes totalitaristas Professor Gustavo Pessoa O NAZIFASCISMO tipo de governo característico de alguns países no período entre guerras (1918 1939). ONDE? CARACTERÍSTICAS BÁSICAS: Principalmente ITA,

Leia mais

História B aula 18 O Nazismo.

História B aula 18 O Nazismo. História B aula 18 O Nazismo. Adolf Hitler (1889-1945) - nasceu em Braunau (Áustria) 100 km de Munique. - livro: Mein Kampf Minha Luta - aos 35 anos estava preso no presídio militar de Landsberg por ter

Leia mais

Além de promovera igualdade entre desiguais, a política da equidade deve propiciar uma forma ética de lidar com a esfera pública e a esfera privada.

Além de promovera igualdade entre desiguais, a política da equidade deve propiciar uma forma ética de lidar com a esfera pública e a esfera privada. Além de promovera igualdade entre desiguais, a política da equidade deve propiciar uma forma ética de lidar com a esfera pública e a esfera privada. A distinção entre público e privado é um dos valores

Leia mais

FACULDADE JOAQUIM NABUCO. Prof. Deyglis Fragoso

FACULDADE JOAQUIM NABUCO. Prof. Deyglis Fragoso FACULDADE JOAQUIM NABUCO Prof. Deyglis Fragoso (Alemanha, 21 de abril de 1864 14 de junho de 1920) É considerado um dos fundadores do estudo moderno da sociologia, mas sua influência também pode ser sentida

Leia mais

SOCIOLOGIA 1 ANO PROF. DARIO PINHEIRO PROF. JOSINO MALAGUETA ENSINO MÉDIO

SOCIOLOGIA 1 ANO PROF. DARIO PINHEIRO PROF. JOSINO MALAGUETA ENSINO MÉDIO SOCIOLOGIA 1 ANO PROF. DARIO PINHEIRO PROF. JOSINO MALAGUETA ENSINO MÉDIO CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade II Os clássicos da Sociologia 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 3.2 Conteúdo Max Weber 3 CONTEÚDOS

Leia mais

O poder e a política SOCIOLOGIA EM MOVIMENTO

O poder e a política SOCIOLOGIA EM MOVIMENTO Capítulo 6 Poder, política e Estado 1 O poder e a política Poder se refere à capacidade de agir ou de determinar o comportamento dos outros. As relações de poder perpassam todas as relações sociais. As

Leia mais

CAPITULO 4 SOCIOLOGIA ALEMÃ: KARL MARX E MAX WEBER

CAPITULO 4 SOCIOLOGIA ALEMÃ: KARL MARX E MAX WEBER CAPITULO 4 SOCIOLOGIA ALEMÃ: KARL MARX E MAX WEBER Karl Marx (1818-1883) Mercadoria como base das relações sociais Mercantilização: tudo vira mercadoria. Materialismo Histórico Dialético Toda e qualquer

Leia mais

INFLUÊNCIAS TEÓRICAS PRIMEIRAMENTE, É PRECISO DESTACAR A INFLUÊNCIA DO PENSAMENTO ALEMÃO NA SUA

INFLUÊNCIAS TEÓRICAS PRIMEIRAMENTE, É PRECISO DESTACAR A INFLUÊNCIA DO PENSAMENTO ALEMÃO NA SUA MAX WEBER 1864-1920 A SOCIOLOGIA WEBERIANA TEM NO INDIVÍDUO O SEU PONTO PRINCIPAL DE ANÁLISE. ASSIM, O AUTOR SEMPRE PROCURA COMPREENDER O SENTIDO DA AÇÃO INDIVIDUAL NO CONTEXTO EM QUE ELA SE INSERE. O

Leia mais

Regimes Totalitários. Nazifascismo

Regimes Totalitários. Nazifascismo Regimes Totalitários Nazifascismo 1918-1939 http://historiaonline.com.br CONTEXTO Humilhação imposta à Alemanha e à Itália 1ª Guerra Mundial (Tratado de Versalhes), Sentimento nacionalista = revanchismo,

Leia mais

PROGRAD / COSEAC - Administração (Itaperuna, Macaé e Niterói) - Gabarito

PROGRAD / COSEAC - Administração (Itaperuna, Macaé e Niterói) - Gabarito Prova de Conhecimentos Específicos 1 a QUESTÃO: (1,0 ponto) Uma função é dita contínua num intervalo aberto (a,b) se ela satisfaz algumas condições de continuidade, tais como os limites à esquerda e à

Leia mais

1º AULÃO ENEM Sociologia 1) SAS. 2 ENEM

1º AULÃO ENEM Sociologia 1) SAS.  2 ENEM 1º AULÃO 2016 1) SAS 2 1º AULÃO 2016 Na tirinha, Mafalda, após ler o conceito de democracia, não consegue mais parar de rir. Dentre várias interpretações sociológicas sobre as razões do riso contínuo da

Leia mais

Durkheim SOCIEDADE HOMEM. Anos 70 ROCOCÓ DETERMINA OPERÁRIOS

Durkheim SOCIEDADE HOMEM. Anos 70 ROCOCÓ DETERMINA OPERÁRIOS Durkheim Durkheim SOCIEDADE Anos 70 OPERÁRIOS ROCOCÓ DETERMINA HOMEM Sociologia Ciências naturais Sociologia Objetividade Relações causais Bases estatísticas Tipologia Social Sociedades de: Solidariedade

Leia mais

Max Weber. Eduardo; Jeferson; Michelle; Taís; Thiago e Thaise

Max Weber. Eduardo; Jeferson; Michelle; Taís; Thiago e Thaise Max Weber Eduardo; Jeferson; Michelle; Taís; Thiago e Thaise Vida e Obra Karl Emil Maximilian Weber nasceu em Erfurt, Turíngia, Alemanha, em 21 de abril de 1864; Economista, jurista e sociólogo, é considerado

Leia mais

Sociologia da Educação Max Weber. Alessandra Lima Kalani

Sociologia da Educação Max Weber. Alessandra Lima Kalani Sociologia da Educação Max Weber Alessandra Lima Kalani Max Weber Karl Emil Maximilian Weber (1864 1920) Intelectual, economista e jurista alemão; Estudo moderno da Sociologia (como Emile Durkheim e Karl

Leia mais

05 - PERÍODO ENTREGUERRAS: REGIMES TOTALITÁRIOS

05 - PERÍODO ENTREGUERRAS: REGIMES TOTALITÁRIOS 05 - PERÍODO ENTREGUERRAS: REGIMES TOTALITÁRIOS Consequências da Grande Guerra (1914-1918) Perda de muitas vidas e destruição de famílias Grave crise econômica e diminuição territorial para os derrotados

Leia mais

FORMAÇÃO PARA LIDERANÇAS SOCIAIS.

FORMAÇÃO PARA LIDERANÇAS SOCIAIS. FORMAÇÃO PARA LIDERANÇAS SOCIAIS www.institutocultiva.com.br www.rudaricci.com.br FORMAÇÃO PARA LIDERANÇAS SOCIAIS O termo líder concentra no indivíduo o poder da decisão, já o termo liderança traz a referência

Leia mais

Durkheim. Durkheim. Tipologia Social. Sociologia. Consciência Coletiva. Divisão Social do Trabalho SOCIEDADE HOMEM

Durkheim. Durkheim. Tipologia Social. Sociologia. Consciência Coletiva. Divisão Social do Trabalho SOCIEDADE HOMEM Durkheim Durkheim SOCIEDADE Anos 70 OPERÁRIOS ROCOCÓ DETERMINA HOMEM Ciências naturais Tipologia Social Sociedades de: Solidariedade Mecânica (SSM): arcaicas Solidariedade Orgânica (SSO): avançadas Objetividade

Leia mais

2. PROCEDIMENTOS E AVALIAÇÃO

2. PROCEDIMENTOS E AVALIAÇÃO 1 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE SOCIOLOGIA DISCIPLINA: TEORIA SOCIOLÓGICA I CÓDIGO: 134473 2º SEMESTRE/ 2016 TURMA A PROFESSORA: MARIA FRANCISCA PINHEIRO COELHO coelhofrancisca@gmail.com PROGRAMA

Leia mais

Evolução do Pensamento Administrativo

Evolução do Pensamento Administrativo Evolução do Pensamento Administrativo Rosely Gaeta Abordagem Estruturalista (Weber) E Neoclássica (APO Peter Drucker) Slides de Aula Fonte: Chiavenatto e diversos autores 22/11/2014 Abordagem Estruturalista

Leia mais

UDESC 2016/2 HISTÓRIA. Comentário

UDESC 2016/2 HISTÓRIA. Comentário HISTÓRIA Questão tratou sobre movimentos que emergiram nos EUA dos anos 1960 e suas consequências na Europa e até mesmo no Brasil. I. Verdadeira. 1 II. Falsa. Os movimentos LGBT ocorreram a partir dos

Leia mais

Ciências Humanas História. Totalitarismos ou Regimes Autoritários

Ciências Humanas História. Totalitarismos ou Regimes Autoritários Ciências Humanas História Totalitarismos ou Regimes Autoritários Relembrando Professor Evandro R. Saracino ersaracino@gmail.com Facebook.com/ersaracino Facebook.com/errsaracino Estude o MESMO conteúdo

Leia mais

Burocracia segundo Weber. A Sociedade da Hierarquia Burocrática

Burocracia segundo Weber. A Sociedade da Hierarquia Burocrática Burocracia segundo Weber A Sociedade da Hierarquia Burocrática Problematização l O que há em comum entre a administração pública e a privada, que garante estabilidade política para a primeira e estabilidade

Leia mais

EAD Fundamentos das Ciências Sociais

EAD Fundamentos das Ciências Sociais EAD - 620 AUTORES E TEORIAS CLÁSSICAS DA SOCIOLOGIA II MAX WEBER BUROCRACIA E A QUESTÃO DO PODER RETROSPECTIVA O que vimos até aqui 1. Contribuição da Ciências Sociais para o Administrador 2. Surgimento

Leia mais

TEMA-PROBLEMA. A experiência religiosa como afirmação do espaço espiritual do mundo FENÓMENO UNIVERSAL

TEMA-PROBLEMA. A experiência religiosa como afirmação do espaço espiritual do mundo FENÓMENO UNIVERSAL TEMA-PROBLEMA A experiência religiosa como afirmação do espaço espiritual do mundo RELIGIÃO FENÓMENO UNIVERSAL Religião e as práticas religiosas têm sido uma constante ao longo dos tempos e têm influenciado

Leia mais

COPYRIGHT TODOS OS DIREITOS RESERVADOS - SABER E FÉ

COPYRIGHT TODOS OS DIREITOS RESERVADOS - SABER E FÉ Aviso importante! Esta disciplina é uma propriedade intelectual de uso exclusivo e particular do aluno da Saber e Fé, sendo proibida a reprodução total ou parcial deste conteúdo, exceto em breves citações

Leia mais

POSITIVISMO - Uma primeira forma de pensamento social - século XVIII

POSITIVISMO - Uma primeira forma de pensamento social - século XVIII POSITIVISMO - Uma primeira forma de pensamento social - século XVIII Primeira corrente teórica sistematizada de pensamento sociológico, seu representante Auguste Comte. Tentativa de derivar as ciências

Leia mais

Estado, Poder e Classes Sociais

Estado, Poder e Classes Sociais Estado, Poder e Classes Sociais 1 Edição atualizada, 2016 Capítulo 3 2 Economia Política Internacional Fundamentos Teóricos e Experiência Brasileira Sumário Capítulo 1. Economia Política Internacional:

Leia mais

Argumentação e filosofia

Argumentação e filosofia Argumentação e filosofia 1- Compreender a origem histórica da rivalidade existente entre Filosofia e Retórica. O pensamento racional teve origem na Grécia antiga, na necessidade do desenvolvimento da Polis

Leia mais

TÍTULO: INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA: CONCEITOS PRINCIPAIS DE MAX WEBER

TÍTULO: INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA: CONCEITOS PRINCIPAIS DE MAX WEBER 1 TÍTULO: INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA: CONCEITOS PRINCIPAIS DE MAX WEBER AUTORA: TATIANE BRITO DOS SANTOS CONTATO: tatianebritosantos@hotmail.com OBJETIVO GERAL: Explicar para os estudantes conceitos básicos

Leia mais

TGA PROFA. LUCIANA F. NOVO TEORIA DA BUROCRACIA. Características Disfunções Níveis

TGA PROFA. LUCIANA F. NOVO TEORIA DA BUROCRACIA. Características Disfunções Níveis TGA PROFA. LUCIANA F. NOVO TEORIA DA BUROCRACIA Características Disfunções Níveis RACIONALIDADE DA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL BUSCA NOVA TEORIA MAIS ADEQUADA À COMPLEXIDADE MAX WEBER: PREOCUPAÇÃO CENTRAL RACIONALIDADE

Leia mais

ARQUIDIOCESE DE FORTALEZA

ARQUIDIOCESE DE FORTALEZA 1 ARQUIDIOCESE DE FORTALEZA Regimento Interno do Conselho de Assuntos Econômicos CAPÍTULO I NATUREZA E CONSTITUIÇÃO Art. 1 - O Conselho de Assuntos Econômicos da Arquidiocese de Fortaleza, neste regulamento

Leia mais

Conceito de Soberania

Conceito de Soberania Conceito de Soberania Teve origem na França (souveraineté) e seu primeiro teórico foi Jean Bodin. Jean Bodin Nasceu em Angers, França 1530, e faleceu em Laon, também na França em 1596, foi um jurista francês,

Leia mais

Regimes ditatoriais na Europa

Regimes ditatoriais na Europa Ano Lectivo 2010/2011 HISTÓRIA 12º Ano Escola Secundária/3 da Rainha Santa Isabel de Estremoz Apresentação nº 1 Regimes ditatoriais na Europa Avanço da extrema-direita na Europa Professor Pedro Bandeira

Leia mais

Liderança a e desempenho grupal

Liderança a e desempenho grupal Liderança a e desempenho grupal Definição de liderança Comportamento de liderança Teorias de liderança Copyright, 2006 José Farinha Definição de liderança O que é um líder? l A liderança é o exercício

Leia mais

Os antecedentes do Estado de Direito e as matrizes clássicas. Profa. Nina Ranieri 2017

Os antecedentes do Estado de Direito e as matrizes clássicas. Profa. Nina Ranieri 2017 Os antecedentes do Estado de Direito e as matrizes clássicas Profa. Nina Ranieri 2017 1 Matrizes clássicas - Características comuns 1-Ampliação da liberdade individual e limitação poderes do Estado Elementos:

Leia mais

CONCEITO DE TOTALITARISMO

CONCEITO DE TOTALITARISMO CONCEITO DE TOTALITARISMO Totalitarismo: tipo de Estado, difundido na Europa entre as duas grandes guerras mundiais, que exerce um enorme controle sobre todas as atividades sociais, econômicas, políticas,

Leia mais

A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo.

A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo. A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo. As soluções encontradas por Weber para os intrincados problemas metodológicos que ocuparam a atenção dos cientistas sociais do começo do século XX permitiram-lhe

Leia mais

ROTEIRO ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAS

ROTEIRO ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAS FILIPE S. MARTINS ROTEIRO ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAS LIDERANÇA LIDERANÇA E MOTIVAÇÃO LIDERANÇA É UM DOS PAPÉIS DOS ADMINISTRADORES. O LÍDER INFLUENCIA O COMPORTAMENTO DE UM OU MAIS LIDERADOS OU SEGUIDORES.

Leia mais

Poder (do latim potere) é, literalmente, o direito de deliberar, agir e mandar e também, dependendo do contexto, a faculdade de exercer a autoridade,

Poder (do latim potere) é, literalmente, o direito de deliberar, agir e mandar e também, dependendo do contexto, a faculdade de exercer a autoridade, DIMENSÕES DO PODER Poder (do latim potere) é, literalmente, o direito de deliberar, agir e mandar e também, dependendo do contexto, a faculdade de exercer a autoridade, a soberania, ou o império de determinada

Leia mais

Um Estado soberano é sintetizado pela máxima... Um governo, um povo, um território.

Um Estado soberano é sintetizado pela máxima... Um governo, um povo, um território. ESTADO ESTADO Estado é uma instituição organizada politicamente, socialmente e juridicamente, ocupando um território definido, normalmente onde a lei máxima é uma Constituição escrita, e dirigida por um

Leia mais

Teoria Básica da Administração. Teoria burocrática. Professor: Roberto César

Teoria Básica da Administração. Teoria burocrática. Professor: Roberto César Teoria Básica da Administração Teoria burocrática Professor: Roberto César BUROCRACIA No início do século XX, MAX WEBER, um sociólogo alemão, publicou uma bibliografia a respeito das grandes organizações

Leia mais

Dia 07/11/2016 NOITE AUDITÕRIO DO BLOCO C - UCDB

Dia 07/11/2016 NOITE AUDITÕRIO DO BLOCO C - UCDB TEMA: Migração e Direitos Humanos nas Fronteiras A Comissão organizadora do XIII Congresso Internacional de Direitos Humanos comunica informações importantes referentes ao evento que será realizado nos

Leia mais

EAD Fundamentos das Ciências Sociais

EAD Fundamentos das Ciências Sociais EAD - 620 AUTORES E TEORIAS CLÁSSICAS DA SOCIOLOGIA II MAX WEBER BUROCRACIA E A QUESTÃO DO PODER RETROSPECTIVA O que vimos até aqui 1. Contribuição da Ciências Sociais para o Administrador 2. Surgimento

Leia mais

FORMAS DE GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES DO TERCEIRO SETOR: GESTÃO PARTICIPATIVA E HETEROGESTÃO.

FORMAS DE GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES DO TERCEIRO SETOR: GESTÃO PARTICIPATIVA E HETEROGESTÃO. FORMAS DE GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES DO TERCEIRO SETOR: AUTOGESTÃO, COGESTÃO, GESTÃO PARTICIPATIVA E HETEROGESTÃO. Disciplina de Administração do Terceiro Setor Profª. Mayara Abadia Delfino dos Anjos Ato

Leia mais

A FILOSOFIA NA FORMAÇÃO DO EDUCADOR... PARA QUÊ? * Palavras-chave Filosofia da Educação ; Educação e emancipação ; Formação de professores

A FILOSOFIA NA FORMAÇÃO DO EDUCADOR... PARA QUÊ? * Palavras-chave Filosofia da Educação ; Educação e emancipação ; Formação de professores A FILOSOFIA NA FORMAÇÃO DO EDUCADOR... PARA QUÊ? * ARTIGO Simone dos Santos Resumo O texto aborda a importância da Filosofia na formação de professores a partir de um referencial teórico crítico. Discute

Leia mais

O Cristianismo É uma religião abraâmica monoteísta centrada na vida e nos ensinamentos de Jesus, tais como são apresentados no Novo Testamento; A Fé

O Cristianismo É uma religião abraâmica monoteísta centrada na vida e nos ensinamentos de Jesus, tais como são apresentados no Novo Testamento; A Fé O Cristianismo É uma religião abraâmica monoteísta centrada na vida e nos ensinamentos de Jesus, tais como são apresentados no Novo Testamento; A Fé cristã crer em Jesus como o Cristo, Filho de Deus, Salvador

Leia mais

Devido a grande crise que assolava o mundo em meados de , novas filosofias políticas começam a surgir no território europeu.

Devido a grande crise que assolava o mundo em meados de , novas filosofias políticas começam a surgir no território europeu. Cap. 6 Devido a grande crise que assolava o mundo em meados de 1929-1930, novas filosofias políticas começam a surgir no território europeu. Esses ideais políticos costumeiramente marcavam o autoritarismo

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS

ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS Graduação 1 UNIDADE 4 TEORIA DA BUROCRACIA Nesta unidade, estudaremos a Teoria da Burocracia, que foi a primeira teoria a receber a influência da Sociologia. Para melhor conduzir

Leia mais

TEORIA BUROCRACIA. Profa. Dra. Rosângela F. Caldas

TEORIA BUROCRACIA. Profa. Dra. Rosângela F. Caldas TEORIA BUROCRACIA CONCEITO Trabalho baseado em papéis e documentos, movimentados em seqüência contínua entre as várias unidades componentes da estrutura organizacional DESENVOLVIMENTO Europa - Sec. XX

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PUBLICIDADE E PROPAGANGA

EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PUBLICIDADE E PROPAGANGA EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PUBLICIDADE E PROPAGANGA 1) ASSESSORIA E CONSULTORIA EM COMUNICAÇÃO O mapeamento do campo de atuação em assessoria e consultoria em comunicação, baseado na

Leia mais

AVALIAÇÃO DE RECUPERAÇÃO 24 de outubro

AVALIAÇÃO DE RECUPERAÇÃO 24 de outubro AVALIAÇÃO DE RECUPERAÇÃO 24 de outubro Ambivalência na religião A imagem do joio e do trigo Carisma e Instituição Retomando a última aula... O que é carisma? O que é instituição? Qual é a relação de um

Leia mais

CRATOLOGIA. Prof. Sergio Loncan Profª Suzane Maranduba AULA 11 28DE JULHO DE 2015 TERÇA-FEIRA CEPE 2015 LIDERANÇA E ÉTICA

CRATOLOGIA. Prof. Sergio Loncan Profª Suzane Maranduba AULA 11 28DE JULHO DE 2015 TERÇA-FEIRA CEPE 2015 LIDERANÇA E ÉTICA CRATOLOGIA LIDERANÇA E ÉTICA AULA 11 28DE JULHO DE 2015 TERÇA-FEIRA CEPE 2015 Prof. Sergio Loncan Profª Suzane Maranduba 1 CARACTERÍSTICAS DOS JOGOS Para efetivar mudanças (3) Candidatos estratégicos indivíduo

Leia mais

PARTE I TEORIA GERAL DO ESTADO

PARTE I TEORIA GERAL DO ESTADO PARTE I TEORIA GERAL DO ESTADO 1. O Momento Histórico Atual e o Direito Político 1.1. As Grandes Transformações e o Fenômeno Político 1.2. A Intervenção Estatal e suas Contradições 1.3. Justificativas

Leia mais

Os Sociólogos Clássicos Pt.2

Os Sociólogos Clássicos Pt.2 Os Sociólogos Clássicos Pt.2 Max Weber O conceito de ação social em Weber Karl Marx O materialismo histórico de Marx Teoria Exercícios Max Weber Maximilian Carl Emil Weber (1864 1920) foi um intelectual

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE DIREITO

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE DIREITO CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE DIREITO Profª: Kátia Paulino dos Santos 6/9/2013 20:00 1 Direitos Humanos Direitos Naturais Direitos Públicos Subjetivos Direitos dos Povos Direitos Morais Direitos

Leia mais

HISTÓRIA. Professor Paulo Aprígio

HISTÓRIA. Professor Paulo Aprígio HISTÓRIA Professor Paulo Aprígio IDEOLOGIAS E MOVIMENTOS POLÍTICOS SÉCULO XIX E XX QUESTÃO 1 Os três tipos de poder representam três diversos tipos de motivações: no poder tradicional, o motivo da obediência

Leia mais

SUMÁRIO INTRODUÇÃO 3 1 EPISTEMOLOGIA CRÍTICA 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS 8 REFERÊNCIA 9

SUMÁRIO INTRODUÇÃO 3 1 EPISTEMOLOGIA CRÍTICA 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS 8 REFERÊNCIA 9 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 3 1 EPISTEMOLOGIA CRÍTICA 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS 8 REFERÊNCIA 9 3 INTRODUÇÃO Este trabalho enfoca o tema epistemologia crítica e foi elaborado segundo a técnica de resumo do texto com

Leia mais

CIDADANIA E POLÍTICA CIDADANIA

CIDADANIA E POLÍTICA CIDADANIA CIDADANIA E POLÍTICA CIDADANIA A palavra vem do latim civitas significa cidade, no sentido de entidade política. Refere-se ao que é próprio da condição daqueles que convivem em uma cidade. Esta relacionado

Leia mais

Nazismo. Adolf Hitler

Nazismo. Adolf Hitler 1889: Nasce em Braunau (Áustria). 1914/18: Participa na 1.ª Guerra Mundial. 1919: Filia-se no Partido Alemão dos Trabalhadores (DAP). 1921: Converte o DAP no Partido Nacional-Socialista Alemão dos Trabalhadores

Leia mais

Liberdade. Religiosa. No Mundo

Liberdade. Religiosa. No Mundo Liberdade Religiosa No Mundo 8.1- DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS 10/12/1948 Palais de Chaillot Paris França 58 Países membros da ONU Artigo 18: Todo o homem tem direito à liberdade de pensamento,

Leia mais

CALVINISMO E POLÍTICA O governo como providência divina. AULA 3 A visão bíblica calvinista na política e no governo Pb José Cordeiro

CALVINISMO E POLÍTICA O governo como providência divina. AULA 3 A visão bíblica calvinista na política e no governo Pb José Cordeiro CALVINISMO E POLÍTICA O governo como providência divina AULA 3 A visão bíblica calvinista na política e no governo Pb José Cordeiro A VISÃO BÍBLICA CALVINISTA SOBRE GOVERNO E POLÍTICA INTRODUÇÃO Por ocasião

Leia mais

O ESTILO DE LIDERANÇA DE CRISTO GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS

O ESTILO DE LIDERANÇA DE CRISTO GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS 2 O ESTILO DE LIDERANÇA DE CRISTO GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS Aucenir Gouveia 2016 Ficha Catalográfica Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (edoc BRASIL, Belo Horizonte/MG) G719e Gouveia,

Leia mais

Sua religião é uma escolha pessoal e deve ser respeitada

Sua religião é uma escolha pessoal e deve ser respeitada Sua religião é uma escolha pessoal e deve ser respeitada O Dia Mundial da Religião, celebrado a 21 de janeiro, tem como principal objetivo sensibilizar a Humanidade para o respeito pelas diferentes crenças

Leia mais

24/02/2018. Psicologia e Políticas Públicas questões preliminares. Algumas Questões Preliminares... Reflexões iniciais sobre a política

24/02/2018. Psicologia e Políticas Públicas questões preliminares. Algumas Questões Preliminares... Reflexões iniciais sobre a política Psicologia e Políticas Públicas questões preliminares Algumas Questões Preliminares... Por que estudar Políticas Públicas no cursos de Psicologia? O que é Política? O que é Política Pública? O que é Democracia?

Leia mais

LIDERANÇA E COMPORTAMENTO HUMANO NO TRABALHO. Caps. 11 e 12 (11ª ed.) Cap. 12 (14ª ed)

LIDERANÇA E COMPORTAMENTO HUMANO NO TRABALHO. Caps. 11 e 12 (11ª ed.) Cap. 12 (14ª ed) LIDERANÇA E COMPORTAMENTO HUMANO NO TRABALHO Caps. 11 e 12 (11ª ed.) Cap. 12 (14ª ed) Profa. Dra. Adriana Cristina Ferreira Caldana Thiago Ferreira Quilice Liderança O que faz um líder? Quais são os atributos

Leia mais

SOCIOLOGIA 1ª SÉRIE 11-SOCIOLOGIA

SOCIOLOGIA 1ª SÉRIE 11-SOCIOLOGIA SOCIOLOGIA 1ª SÉRIE 11-SOCIOLOGIA Série 1ª SÉRIE Área de Conhecimento Ciências humanas e tecnologias Carga Horária Anual DIURNO: 37h OBJETIVO: Compreender o homem como sujeito social político e religioso.

Leia mais

O soberano não representava mais seus príncipes e condes, passando a encarnar diretamente a representação do povo submetido ao seu poder!

O soberano não representava mais seus príncipes e condes, passando a encarnar diretamente a representação do povo submetido ao seu poder! Estado moderno! Europa e Estados Unidos! Centralização crescente e politização do poder! Na estrutura feudal da Idade Média, o poder ainda era uma relação de direito privado no sentido de dependência pessoal

Leia mais

O objectivo da argumentação é estudar as estratégias capazes de tornar os argumentos convincentes.

O objectivo da argumentação é estudar as estratégias capazes de tornar os argumentos convincentes. Francisco Cubal Chama-se argumentação à actividade social, intelectual e discursiva que, utilizando um conjunto de razões bem fundamentadas (argumentos), visa justificar ou refutar uma opinião e obter

Leia mais

Lógica Proposicional. 1- O que é o Modus Ponens?

Lógica Proposicional. 1- O que é o Modus Ponens? 1- O que é o Modus Ponens? Lógica Proposicional R: é uma forma de inferência válida a partir de duas premissas, na qual se se afirma o antecedente do condicional da 1ª premissa, pode-se concluir o seu

Leia mais

Administração Material de Apoio Professor Marcos Ferrari

Administração Material de Apoio Professor Marcos Ferrari Liderança Prof. Marco Ferrari @profmarcoferrari Cronograma Conceito Liderança É um fenômeno social, depende da relação das pessoas Capacidade de exercer influência Utilização do PODER para INFLUENCIAR

Leia mais

As formas de controle e disciplina do trabalho no Brasil pós-escravidão

As formas de controle e disciplina do trabalho no Brasil pós-escravidão Atividade extra As formas de controle e disciplina do trabalho no Brasil pós-escravidão Questão 1 Golpe do 18 Brumário O Golpe do 18 Brumário foi um golpe de estado ocorrido na França, e que representou

Leia mais

Política de Comunicação da Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Política de Comunicação da Universidade Tecnológica Federal do Paraná Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Reitoria Diretoria de Comunicação Política de Comunicação da Universidade Tecnológica Federal do Paraná Introdução Esta Política prevê

Leia mais

Liderança 04/11/2011. Fonte: Maximiano (2009)

Liderança 04/11/2011. Fonte: Maximiano (2009) Fonte: Maximiano (2009) Autoridade Formal Fundamenta-se em leis aceitas de comum acordo, que criam figuras de autoridade dotadas do poder de comando. O seguidor obedece à lei incorporada na figura de autoridade,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 6 Discurso na cerimónia de assinatura

Leia mais

Por ocasião das eleições municipais, o Ministério Fé e Política da RCCBRASIL preparou uma carta pra te ajudar ainda mais nessa escolha, confira:

Por ocasião das eleições municipais, o Ministério Fé e Política da RCCBRASIL preparou uma carta pra te ajudar ainda mais nessa escolha, confira: Por ocasião das eleições municipais, o Ministério Fé e Política da RCCBRASIL preparou uma carta pra te ajudar ainda mais nessa escolha, confira: Amados irmãos e irmãs em Cristo Jesus, A Paz de Jesus! A

Leia mais

24/11/2015. Evolução do Pensamento Administrativo. Teoria da Burocracia

24/11/2015. Evolução do Pensamento Administrativo. Teoria da Burocracia Evolução do Pensamento Administrativo 1903 1909 1916 1932 1947 1951 1953 1954 1957 1962 1972 1990 Teoria Abordagem 1903 Administração Científica Clássica 1909 Estruturalista 1916 Teoria Clássica Clássica

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Matriz Curricular do Curso Superior de Tecnologia em

Leia mais

Projeto Mediação Escolar e Comunitária

Projeto Mediação Escolar e Comunitária Projeto Mediação Escolar e Comunitária 2º Encontro 2018 Secretaria de Estado da Educação Sistema de Proteção Escolar SPEC 2º Encontro - 2018 Objetivos: 1- Caracterizar conflito e violência 2- Refletir

Leia mais

1.JOVEM, NÃO SE PRECIPITE. Conselhos importantes para quem quer se casar

1.JOVEM, NÃO SE PRECIPITE. Conselhos importantes para quem quer se casar " Ao homem pertencem os planos do coração; mas a resposta da língua é do Senhor. Todos os caminh Hoje eu quero passar algumas informações principalmente aos juvenis e jovens que pensam em se cas Em dias

Leia mais

A definição do campo artístico: uma perspectiva sociológica sobre a Educação Artística.

A definição do campo artístico: uma perspectiva sociológica sobre a Educação Artística. A definição do campo artístico: uma perspectiva sociológica sobre a Educação Artística. Rodrigo A. Báez Rojas Escuela Superior de Bellas Artes- Universidad Nacional del Este ESBA-UNE Paraguay. Resumo:

Leia mais

A PROSPERIDADE DOS EUA NOS ANOS 20

A PROSPERIDADE DOS EUA NOS ANOS 20 CRISE DE 1929: Ao final da Primeira Guerra, a indústria dos EUA era responsável por quase 50% da produção mundial. O país criou um novo estilo de vida: o american way of life. Esse estilo de vida caracterizavase

Leia mais

1 O que é Sociologia, 1

1 O que é Sociologia, 1 Sumário Prefácio, xvii 1 O que é Sociologia, 1 1.1 Objeto da Sociologia, 1 1.2 Caráter científico da Sociologia, 3 1.2.1 Características do conhecimento científico, 3 1.2.2 Dificuldades da Sociologia,

Leia mais

Sociologia Alemã: Karl Marx e Max Weber. Prof. Robson Vieira 1º ano

Sociologia Alemã: Karl Marx e Max Weber. Prof. Robson Vieira 1º ano Sociologia Alemã: Karl Marx e Max Weber Prof. Robson Vieira 1º ano Karl Marx Karl Marx Fazia uma critica radical ao capitalismo; Suas teorias foram além das obras e das universidades; Ativista do movimento

Leia mais

FUNDAMENTOS HISTÓRICOS E FILOSÓFICOS DA EDUCAÇÃO. A Geografia Levada a Sério

FUNDAMENTOS HISTÓRICOS E FILOSÓFICOS DA EDUCAÇÃO.  A Geografia Levada a Sério FUNDAMENTOS HISTÓRICOS E FILOSÓFICOS DA EDUCAÇÃO 1 O ignorante afirma, o sábio duvida, o sensato reflete Aristóteles 2 O Mito da Caverna - Platão 3 Entendes??? 4 A Filosofia É um estudo relacionado à existência

Leia mais

Encontraram-se a graça e a verdade, a justiça e a paz se beijaram. (Salmos 85.10)

Encontraram-se a graça e a verdade, a justiça e a paz se beijaram. (Salmos 85.10) MANIFESTO O Movimento Reforma Brasil é um movimento cívico apartidário lançado pela Primeira Igreja Presbiteriana Independente de São Paulo em 31 de outubro de 2017 que visa a conclamar todos os cidadãos

Leia mais

PERÍODO ENTREGUERRAS: Estados unidos da América e Europa

PERÍODO ENTREGUERRAS: Estados unidos da América e Europa PERÍODO ENTREGUERRAS: Estados unidos da América e Europa A QUEBRA DA BOLSA DE VALORES DE NOVA YORK -Início do século 20 * E.U.A. despontam como potência mundial * 1ª Guerra: EUA = abastece os países da

Leia mais

Behaviorismo, o controle comportamental nas organizações

Behaviorismo, o controle comportamental nas organizações Behaviorismo, o controle comportamental nas organizações Objetivos Apontar a importância da definição precisa do comportamento Apresentar os conceitos básicos da Escola Behaviorista Descrever o condicionamento

Leia mais

SOCIOLOGIA PRINCIPAIS CORRENTES.

SOCIOLOGIA PRINCIPAIS CORRENTES. SOCIOLOGIA PRINCIPAIS CORRENTES Augusto Comte 1798-1 857 Lei dos três estados: 1ª) Explicação dos fenômenos através de forças comparáveis aos homens. 2ª) Invocação de entidades abstratas (natureza). 3ª)

Leia mais

EMENTA OBJETIVOS DE ENSINO

EMENTA OBJETIVOS DE ENSINO Sociologia I PLANO DE DISCIPLINA COMPONENTE CURRICULAR: Sociologia I CURSO: Técnico em Segurança do Trabalho (Integrado) SÉRIE: 1ª CARGA HORÁRIA: 67 h (80 aulas) DOCENTE: EMENTA A introdução ao pensamento

Leia mais