ROTEIRO. A Linguagem SQL (I parte) CEFET.PHB - PI Prof. Jefferson Silva. As partes da linguagem SQL. A Linguagem de Definição de Dados (SQL-DDL)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ROTEIRO. A Linguagem SQL (I parte) CEFET.PHB - PI Prof. Jefferson Silva. As partes da linguagem SQL. A Linguagem de Definição de Dados (SQL-DDL)"

Transcrição

1 CEFET.PHB - PI Prof. Jefferson Silva SQL (MySql) ROTEIRO I PARTE - INTRODUÇÃO AO SQL COMANDOS E SUAS PARTES DA LINGUAGEM SQL II PARTE ADMINSTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS UTILIZANDO MYSQL PRINCIPAIS INSTRUÇÕES III PARTE - PRÁTICA ESTUDO DE CASO UTILIZANDO MYSQL 1 2 A Linguagem SQL (I parte) Embora se fale que a linguagem SQL é uma linguagem de consulta, essa linguagem possui outras capacidades além de realizar consultas em um banco de dados. A linguagem SQL possui recursos para definição da estrutura de dados, para modificar dados no banco de dados e recursos para especificar restriçõ es de segurança e integridade. SQL (Strutured Query Language). Muitos Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados suportam a linguagem SQL. A SQL estabeleceu-se como a linguagem padrão de banco de dados relacional. Embora existam diversas versões, com algumas diferen ças entre elas, a estrutura da SQL se mantém inalterada desde a sua criação. As partes da linguagem SQL Data Definition Language (DDL) (Linguagem de Definição de Dados). A SQL DDL fornece comandos para definição e modificação de esquemas de relação, remoção de relações e criação de índices. Os principais comandos que fazem parte da DDL são: CREATE, ALTER, DROP. Data Manipulation Language (DML) ( de Dados). A SQL DML inclui uma linguagem de consulta baseada na álgebra relacional e no cálculo relacional. Compreende também comandos para inserir, remover e modificar informações em um banco de dados. Os comandos básicos da DML são: SELECT, INSERT, UPDATE, DELETE 3 4 As partes da linguagem SQL (continuação) Data Control Language (Linguagem de Controle de Dados). É o conjunto de comandos que fazem o cadastramento de usuários e determina seu nível de privilégio para os objetos do banco de dados. Os principais comandos são: GRANT, REVOKE. Transactions control (Controle de Transações). A SQL inclui comandos para especificação do início e fim das transações. Diversas implementações permitem o trancamento explícito de dados para o controle de concorrência. (COMMIT, ROLLBACK, SAVEPOINT) Dados (SQL-DDL) Dados da SQL (SQL-DDL) é um conjunto específico de instruções SQL que fornece meios para a definição e modificação de esquemas de relação, remoção de relações e criação de índices. Criando tabelas Uma tabela (ou relação) SQL é definida usando o comando create table: create table r (A1 D1, A2 D2,...,An Dn) onde r é o nome da relação, Ai é o nome de um atributo no esquema da relação r e Di é o tipo do atributo Ai. 5 6

2 (nome char(30), sexo char(1), CPF number(11), endereco char(30), cidade char(30) ) Uma relação é criada inicialmente vazia. O comando insert pode ser usado para carregar os dados para a relação. Removendo uma Tabela Para remover uma relação de um banco de dados SQL, usa-se o comando droptable. O comando drop table remove todas as informações sobre a relação. O comando drop table r onde r é o nome de uma relação (tabela) existente. 7 8 Alterando uma Tabela O comando alter table é usado para adicionar, excluir ou alterar atributos em uma relação existente. Para inserir um novo atributo em uma tabela é usada a cláusula add. Todas as tuplas na relação são assinaladas como null para o valor do novo atributo. alter table r add ( A1 D1, A2 D2,... ) onde r é o nome de uma relação existente e A1 D1, A2 D2,... é uma lista contendo nome do atributo (A) a ser adicionado e o tipo do atributo (D), respectivamente. Para excluir colunas de uma tabela utiliza-se a cláusula drop. alter table r drop A1, A2,... onde r é o nome de uma relação existente e A1, A2,... é uma lista dos atributos a serem removidos. Para alterar o nome de um atributo de uma tabela utiliza-se a cláusula rename. alter table r rename A NA onde r é o nome de uma relação existente, A é o nome do atributo a ter o seu nome alterado para NA. Para alterar o tipo de um atributo utiliza-se a cláusula modify alter table r modify A1 D1, A2 D2,... onde r é o nome de uma relação existente, A1 D1, A2 D2,... é uma lista contendo o nome do atributo (An) a terá o seu tipo alterado para (Dn). Restrições de Integridade As restrições de integridade servem para garantir as regras inerentes ao sistema que está sendo implementado, prevenindo a entrada de informações inválidas pelos usuários desse sistema. Para isso, o SGBD deve prover ferramentas para a definição de regras de integridade, a fim de evitar a inconsistência dos dados que nele serão armazenados

3 Restrições de Integridade Evitando valores nulos É muito comum definirmos atributos que não podem conter valores nulos. Isto é, o seu preenchimento é obrigatório para que se mantenha a integridade dos dados no sistema. Para evitar que em algum momento uma coluna de uma tabela possa conter valor nulo (ou não conter valor algum) deve-se utilizar a cláusula NOT NULL após a definição da coluna. 13 (nome char(30) NOT NULL, sexo char(1), CPF number(11), cidade char(20) ) No exemplo acima, a atribuição de um valor à coluna nome é obrigatório. Caso o usuário se esqueça de preenche-lo, o SGBD apresentará uma mensagem de erro. 14 Evitando valores duplicados Podem existir situações onde o valor armazenado em um atributo de um registro deve ser único em relação a todos os registros da tabela. Isto é, não pode haver dois registros com o mesmo valor para um determinado atributo. Para implementar esta restrição de integridade deve-se utilizar a cláusula UNIQUE após a especificação de uma coluna. (nome char(30) NOT NULL, sexo char(1), cidade char(20) ) No exemplo acima, caso o usuário atribua ao campo CPF um valor já existente em outro registro desta tabela o SGBD apresentará uma mensagem de erro Definindo valores default Pode-se definir um valor padrão para uma coluna acrescentando à sua definição a cláusula DEFAULT. Esta cláusula permite substituir automaticamente os valores nulos por um valor inicial desejado. (nome char(30) NOT NULL, sexo char(1), cidade char(20) DEFAULT Maceio ) 17 Evitando valores inválidos Existem situações onde o valor de um atributo deve pertencer a um determinado domínio. Para que o valor de um atributo fique restrito a um conjunto de valores, utiliza-se a cláusula CHECK. A finalidade da cláusula CHECK é especificar uma condição, isto é, uma limitação de integridade. ( nome char(30) NOT NULL, sexo char(1) CHECK(sexo IN ( M, F )), cidade char(20) DEFAULT Maceio ) 18

4 Chave Primária A função da chave primária é identificar univocamente uma linha da tabela. Cada tabela deve possuir uma chave primária. Quando se define um atributo como chave primaria, fica implícito as cláusulas UNIQUE e NOT NULL para este atributo, não sendo necessário a especificação destas. (codigo number(5) primary key, nome char(30) not null, sexo char(1) CHECK(sexo IN ( M, F )), cidade char(20) DEFAULT Maceio ) (codigo number(5), nome char(30) not null, sexo char(1) CHECK(sexo IN ( M, F )), cidade char(20) DEFAULT Maceio, primary key (codigo) ) Opcionalmente pode-se definir a chave primária após a especificação de todos os atributos da tabela ATENÇÃO: Quando uma tabela possui uma chave primária composta por mais de um atributo, esta forma é OBRIGATÓRIA. create table movimento (agencia number(5), conta number(7), valor number(16,2), primary key (agencia, conta) ) 21 Integridade referencial Freqüentemente desejamos assegurar que o valor de um determinado campo de uma tabela esteja presente na chave primária de outra tabela. Este campo é chamado chave estrangeira (FOREIGN KEY). A SQL original padrão não incluía instruções para especificar chaves estrangeiras. Um aperfeiçoamento posterior foi aprovado como uma adição ao padrão. Este recurso permite a especificação de chaves primárias e estrangeiras como parte da instrução create table. create table movimento (agencia number references agencias(codigo), conta number references contas(numero), valor number, primary key (agencia, conta) ) Assim como na definição da chave primária, pode-se definir a chave estrangeira após a especificação de todos os campos (domínio) da tabela. 22 create table movimento (agencia number conta number valor number, primary key (agencia, conta) foreign key (agencia) references agencias, foreign key (conta) references contas) DML de Dados 23 24

5 de Dados - DML A principal estrutura da SQL DML consiste em três cláusulas: select, from e where. select A1, A2, A3,..., An from r1, r2,..., rm where P onde Ai representa um atributo ri é uma tabela P é um predicado (condição/critério de seleção). 25 de Dados DML (continuação) select Fcodigo, status where cidade = Paris A condição (ou predicado) que segue where pode incluir operadores de comparação =, <> (diferente), >, >=, < e <=; os operadores booleanos AND, OR e NOT. Select Fcodigo, nome where cidade = Paris and status > 20 Fcodigo nome 3 Blake A lista A1, A2,..., An de atributos pode ser substituída por um asterisco (*) para selecionar todos os atributos de todas as relações presentes na cláusula from. select * 26 de Dados DML (continuação) de Dados DML (continuação) O resultado da consulta acima será uma cópia da relação Fornecedor. O resultado de uma consulta SQL éuma relação. select status Linguagens de consultas formais são baseadas em noções matemáticas de relação. Assim, nunca deveriam aparecem tuplas duplicadas nas relações. Na prática, a eliminação de duplicação é uma relativa perda de tempo. Todavia, a SQL permite duplicações em relações. Nos casos em que queremos forçar a eliminação de duplicações, inserimos a palavra distinct depois de select. select distinct status 27 Ordenando o resultado de uma consulta A linguagem SQL oferece uma maneira de controlar a ordem que as tuplas de uma relação serão dispostas. A cláusula ORDER BY ocasiona o aparecimento de tuplas no resultado de uma consulta em uma ordem determinada. SELECT A1, A2,..., An FROM...r1, r2,..., rn WHERE...p ORDER BY A1 [ASC/DESC] A2 [ASC/DESC]... An [ASC/DESC] Onde An são nomes de atributos que servirão como parâmetro de ordenamento da consulta. 28 de Dados DML (continuação) A cláusula ORDER BY permite ordenar as linhas do resultado da consulta segundo algum(s) atributo(s) indicado, em ordem crescentes ou decrescente. Quando for necessário utilizar esta cláusula ela sempre deve aparecer na última linha da consulta. Não há limite quanto ao número de atributos utilizados para ordenação. As palavras ASC e DESC determinam se a ordenação será ascendente ou descendente. Caso nada seja especificado, é assumido a ordenação ascendente (ASC). select distinct status order by status select status, nome order by status DESC, nome ASC Uma vez que a classificação de um grande número de tuplas pode ser custoso, é aconselhável classificar apenas quando necessário. 29 Dados Como inserir remover ou alterar informações usando a SQL Inserção de registros Para inserir um dado em uma relação, ou especificamos uma tupla para ser inserida ou escrevemos uma consulta cujo resultado seja um conjunto de tuplas a serem inseridas. Obviamente, os valores dos atributos para tuplas inseridas precisam ser membros do domínio do atributo. Da mesma forma, as tuplas inseridas precisam ser do mesmo tipo. A instrução insert mais simples é uma requisição para inserir uma tupla. Suponha que desejamos inserir o fato de que Paulo Coelho Farias tem na conta 9732 da agência Pajuçara. 30

6 insert into contas values ( Pajucara,9732, Paulo Coelho Farias,1200) No exemplo acima, os valores são especificados na ordem na qual os atributos correspondentes estão listados no esquema da relação. Para facilitar os usuários que podem não se lembrar da ordem dos atributos, a SQL permite que os atributos sejam especificados como parte da instrução insert. insert into contas(numero_conta, nome_agencia, saldo, nome_cliente) values (9732, Pajucara,1200, Paulo Coelho Farias ) 31 Remoção de registros Uma remoção é expressa da mesma forma que uma consulta. Pode-se remover apenas tuplas inteiras, não podemos remover atributos particulares. delete from r where P P representa um predicado e r representa uma relação. O comando delete opera em apenas uma relação. Se desejarmos remover tuplas de diversas relações, devemos usar um comando delete para cada relação. O predicado na cláusula where pode ser tão complexo quanto uma cláusula where do comando select. Num outro extremo, podemos ter uma cláusula where vazia. A requisição delete from emprestimos remove todas as tuplas da relação empréstimos. 32 "Remova todos os registros da conta de Paulo Coelho Farias" delete from contas where nome_cliente = Paulo Coelho Farias "Remova todos os empréstimos com números entre 1300 e 1500" delete from emprestimos where numero between 1300 and 1500 Alteração de registros Em certas situações, podemos desejar mudar um valor em uma tupla sem mudar todos os valores da tupla. Para isto, a instrução update pode ser usada. Como era o caso para insert e delete, podemos escolher as tuplas que serão atualizadas usando uma consulta. Suponha que esteja sendo feito um pagamento de juros, e que em todos os saldos sejam acrescidos 5%. update contas set saldo = saldo * 1.05 A instrução acima é aplicada uma vez para cada tupla em contas A instrução acima é aplicada uma vez para cada tupla em contas. Suponhamos agora que contas com saldos superiores a recebam 6% de juros e todas as outras recebam 5%. update contas set saldo = saldo * 1.06 where saldo > update contas set saldo = saldo * 1.05 where saldo <= A ordem na qual as duas instruções update são escritas é importante. Se mudarmos a ordem das duas instruções, uma conta cujo saldo esteja abaixo de poderá receber juros de 11.3%. 35 Funções Agregadas A SQL oferece a habilidade para computar funções em grupos de tuplas usando a cláusula group by. O atributo ou atributos utilizados na cláusula group by são usados para formar grupos. Tuplas com o mesmo valor em todos os atributos na cláusula group by são colocados em um grupo. A SQL inclui funções para computar: A linguagem SQL possui algumas função específicas para cálculos em grupos de tuplas: média: avg mínimo: min máximo: max total: sum contar: count As operações como a avg são chamadas funções agregadas porque operam em agregações de tuplas. O resultado de uma função agregada é um valor único. Para ilustrar, considere a consulta: 36

7 "Encontre a média dos saldos em todas as contas" select avg(saldo) from contas A função agregada count é usada freqüentemente para contar o número de tuplas numa relação. A notação para isto é count(*). Assim para achar o número de tuplas da relação cliente, escrevemos: select count(*) from clientes II E III PARTES II PARTE ADMINSTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS UTILIZANDO MYSQL PRINCIPAIS INSTRUÇÕES III PARTE - PRÁTICA ESTUDO DE CASO UTILIZANDO MYSQL II PARTE ADMINSTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS MYSQL PRINCIPAIS INSTRUÇÕES Visão Geral Conexão com MySql mysql -u root -p supersenha Sintaxe: mysql -u (usuário) -p (senha) ou mysql -h servidor -u(usuário) --password=(senha) Após validada a senha, e pré-supondo que o MySQL tenha sido corretamente instalado, você ver á algo como: Cliente MySQL- NBS Para acessar o servidor MySQL, é preciso utilizar o comando que segue. É importante lembrar, que o MySQL tem seu próprio cadastro de nomes e senhas, sendo que você pode possuir uma conta no servidor SQL, mas não telnet, e o oposto também é válido.. 39 Bem vindo ao monitor do MySQL. Use ; após os comandos ou \g. Sua id é49, e você est áconectado a um servidor versão beta-log Digite ' help' para ajuda. mysql> 40 Criação e Utilização de um Banco de Dados Utilize a instrução SHOW para saber quais bancos de dados existem atualmente no servidor: mysql> SHOW DATABASES; A lista de bancos de dados provavelmente será diferente na sua máquina, mas os bancos de dados mysql e test provavelmente estarão entre eles. O banco de dados mysql é necessário porque ele descreve privilégios de acessos de usuários. O banco de dados test é geralamente fornecido como um espaço para que os usuários possam fazer testes. Criar um bancos de dados não o seleciona para o uso; você deve fazer isso de forma explícita. Para fazer o banco de dados atual, use o comando: USE mysql> USE tabledatabase changed Continuação... DESCRIBE (Descrever)DESCDescreve o layout da tabela DESCRIBE tabeladesc tabela 41 42

8 Continuação... CREATE (criar)create DATABASE nome; Cria um BD totalmente novo. CREATE TABLE nome; define a estrutura de uma tabela dentro do BD, e a forma como todas as tabelas são criadas no MySql. DROP (excluir)drop DATABASE nome; remove todo um BD com o seus arquivos. DROP TABLES nome; apaga uma tabela e seus dados. Tipos de campos no MySQL O MySQL oferece os mais comuns campos. Alguns deles estão aqui listados : CHAR(M) Os campos CHAR são usados para caracteres alfanuméricos, como endereços e nomes. Seu tamanho é fixo e instaurado ao ser criado. Um campo do tipo CHAR pode ter de 1 a 255 caracteres. endereco_comercial CHAR(10); Define um campo chamado 'endereco_comercial', que pode conter até dez letras. Observe que não há acentos no nome do campo, pois muitos servidores não acentuam, e sua tabela teria difícil acesso Contiunuação... CHAR(M) Os campos CHAR são usados para caracteres alfanuméricos, como endereços e nomes. Seu tamanho é fixo e instaurado ao ser criado. Um campo do tipo CHAR pode ter de 1 a 255 caracteres. endereco_comercial CHAR(10); Define um campo chamado 'endereco_comercial', que pode conter até dez letras. Observe que não há acentos no nome do campo, pois muitos servidores não acentuam, e sua tabela teria difícil acesso. Continuação... VARCHAR(M) Sua estrutura e funcionamento é idêntico ao campo anterior, salvo que no tipo CHAR, o tamanho definido é fixo, e mesmo que não usado, aquele espaço em disco é alocado. Já o campo VARCHAR, aloca apenas o espaço necessário para gravação. Contudo, vale lembrar que trocamos espaço por velocidade, pois este campo é 50% mais lento que o anterior. endereco_comercial VARCHAR(10); Define um campo chamado endereco_comercial que pode conter até dez letras. Se você preencher apenas duas, o campo não ocupara todos dez bytes, mas apenas Continuação... INT(M) [Unsigned] O campo INT, que como o pr óprio n úmero diz, suporta o conjunto dos números inteiros numa variaç ão de a O parâmetro Unsigned pode ser passado, excluindo os números negativos, proporcionando um intervalo de 0 até Exemplos: carros_estocados INT; Inteiro válido: -245 Inteiro válido: 245 Inteiro inválido: carros_estocados INT unsigned; Inteiro válido: 245 Inteiro inválido: -245 Inteiro inválido: FLOAT[(M,D)] Os pontos flutuantes (FLOAT) representam pequenos números decimais, e são usados para representar n úmeros com maior precisão. voltagem_cadeira_eletrica FLOAT(4,2); Float v álido: DATE Campo usado para armazenar informaç ões referentes a data. A forma padrão é 'AAAA-MM-DD', onde AAAA corresponde ao ano, MM ao mês, e DD ao dia. Ele pode variar de a O MySQL possui um conjunto poderoso de comandos de formataç ão e manipulação de datas. Consulte documentação adicional, se houver interesse. data_de_nascimento DATE; 47 Data válida: Data inválida:

9 Continuação... TEXT/BLOB Os campos texto e blob são usados para guardar grandes quantidades de caracteres. Podendo conter de 0 a bytes, os blobs e texts são úteis para armazenar documentos completos, como este que você está lendo. A única diferença entre os campos BLOB e TEXT est á no fato de um campo TEXT não ser sens ível a letras mai úsculas e minúscula quando uma comparação é realizada, e os BLOBs sim. relatorio BLOB; BLOB válido: 'Minha terra tem palmeiras onde canta o...' relatorio TEXT; TEXT v álido: 'A que saudades que eu sinto...' 49 Continuação... SET Um campo interessante, que permite que o usuário faça uma escolha dado determinado número de opções. Cada campo pode conter até 64 opções. vicio SET("cafe", "cigarro") NOT NULL; Neste exemplo este campo pode conter apenas os seguintes itens: "" "cafe" "cigarro" "cafe,cigarro" 50 Continuação... ENUM Um campo com funcionamento semelhante ao SET, com a diferença que apenas um valor pode ser escolhido. virtude ENUM("programar", "amar") NOT NULL; Neste exemplo este campo pode conter os seguintes valores: III PARTE - PRÁTICA ESTUDO DE CASO UTILIZANDO MYSQL "" "programar" "amar" 51 52

BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS. Prof. Patrícia Lucas 3º Trimestre

BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS. Prof. Patrícia Lucas 3º Trimestre BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS Prof. Patrícia Lucas 3º Trimestre ROTEIRO PARA O 3º TRIMESTRE 1. O MySQL DDL SQL 1. Como funciona o MySQL 2. Como criar um banco de dados no MySQL 3. Como criar tabelas: comandos

Leia mais

Banco de Dados. Marcio de Carvalho Victorino www.dominandoti.eng.br. Exercícios SQL

Banco de Dados. Marcio de Carvalho Victorino www.dominandoti.eng.br. Exercícios SQL Banco de Dados Exercícios SQL 1 TRF (ESAF 2006) 32. Analise as seguintes afirmações relacionadas a Bancos de Dados e à linguagem SQL: I. A cláusula GROUP BY do comando SELECT é utilizada para dividir colunas

Leia mais

Faculdade Pitágoras 16/08/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet

Faculdade Pitágoras 16/08/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL A linguagem SQL é responsável por garantir um bom nível

Leia mais

PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1

PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1 INTRODUÇÃO PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1 Leonardo Pereira leonardo@estudandoti.com.br Facebook: leongamerti http://www.estudandoti.com.br Informações que precisam ser manipuladas com mais segurança

Leia mais

EXERCÍCIOS PRÁTICOS. Banco de Dados

EXERCÍCIOS PRÁTICOS. Banco de Dados EXERCÍCIOS PRÁTICOS Banco de Dados Introdução ao uso do SQL Structured Query Language, considerando tanto DDL Data Definition Language quanto DML Data Manipulation Language. Banco de Dados selecionado:

Leia mais

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL A linguagem SQL é responsável por garantir um bom nível de independência do

Leia mais

Comandos de Manipulação

Comandos de Manipulação SQL - Avançado Inserção de dados; Atualização de dados; Remoção de dados; Projeção; Seleção; Junções; Operadores: aritméticos, de comparação,de agregação e lógicos; Outros comandos relacionados. SQL SQL

Leia mais

SQL Linguagem de Definição de Dados. Laboratório de Bases de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri

SQL Linguagem de Definição de Dados. Laboratório de Bases de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri SQL Linguagem de Definição de Dados SQL Structured Query Language Uma das mais importantes linguagens relacionais (se não a mais importante) Exemplos de SGBD que utilizam SQL Oracle Informix Ingress SQL

Leia mais

Banco de Dados. Um momento crucial na organização dos dados é a forma com que cadastramos estes dados, a estrutura de armazenamento que criamos.

Banco de Dados. Um momento crucial na organização dos dados é a forma com que cadastramos estes dados, a estrutura de armazenamento que criamos. Banco de Dados O que é um Banco de Dados? Este assunto é muito vasto, tentaremos resumi-lo para atender as questões encontradas em concursos públicos. Já conhecemos o conceito de dado, ou seja, uma informação

Leia mais

Structured Query Language (SQL)

Structured Query Language (SQL) SQL Histórico Structured Query Language (SQL) Foi desenvolvido pela IBM em meados dos anos 70 como uma linguagem de manipulação de dados (DML - Data Manipulation Language) para suas primeiras tentativas

Leia mais

Linguagem de Consulta Estruturada SQL- DML

Linguagem de Consulta Estruturada SQL- DML Linguagem de Consulta Estruturada SQL- DML INTRODUÇÃO A SQL - Structured Query Language, foi desenvolvido pela IBM em meados dos anos 70 como uma linguagem de manipulação de dados (DML - Data Manipulation

Leia mais

Introdução à Banco de Dados. Nathalia Sautchuk Patrício

Introdução à Banco de Dados. Nathalia Sautchuk Patrício Introdução à Banco de Dados Nathalia Sautchuk Patrício Histórico Início da computação: dados guardados em arquivos de texto Problemas nesse modelo: redundância não-controlada de dados aplicações devem

Leia mais

Linguagem de Consulta - SQL

Linguagem de Consulta - SQL SQL Structured Query Language Linguagem de Consulta Estruturada; Originou-se da linguagem SEQUEL (1974); Revisada e chamada de SQL em 1976/77; Em 1986, padronizada pelo ANSI/ISO - chamada SQL-86; Em 1987

Leia mais

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS BANCO DE DADOS

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS BANCO DE DADOS CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS CLAUDIO RIBEIRO DA SILVA MARÇO 1997 2 1 - CONCEITOS GERAIS DE 1.1 - Conceitos Banco de Dados - Representa

Leia mais

SQL Linguagem de Definição de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri

SQL Linguagem de Definição de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri SQL Linguagem de Definição de Dados Banco de Dados SQL Structured Query Language Uma das mais importantes linguagens relacionais (se não a mais importante) Exemplos de SGBD que utilizam SQL Oracle Informix

Leia mais

O que são Bancos de Dados?

O que são Bancos de Dados? SQL Básico Liojes de Oliveira Carneiro professor.liojes@gmail.com www.professor-liojes.blogspot.com O que são Bancos de Dados? É o software que armazena, organiza, controla, trata e distribui os dados

Leia mais

Comandos DDL. id_modulo = id_m odulo

Comandos DDL. id_modulo = id_m odulo Comandos DDL Estudo de Caso Controle Acadêmico Simplificado Uma escola contém vários cursos, onde cada aluno possui uma matricula num determinado curso. Estes cursos, por sua vez, possuem módulos, aos

Leia mais

LINGUAGEM SQL. SQL Server 2008 Comandos iniciais

LINGUAGEM SQL. SQL Server 2008 Comandos iniciais 1 LINGUAGEM SQL SQL Server 2008 Comandos iniciais SQL - STRUCTURED QUERY LANGUAGE Quando os Bancos de Dados Relacionais estavam sendo desenvolvidos, foram criadas linguagens destinadas à sua manipulação.

Leia mais

Banco de Dados I. Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011

Banco de Dados I. Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011 Banco de Dados I Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011 Plano de Aula SQL Definição Histórico SQL e sublinguagens Definição de dados (DDL) CREATE Restrições básicas em SQL ALTER DROP 08:20 Definição de

Leia mais

Structured Query Language (SQL) Aula Prática

Structured Query Language (SQL) Aula Prática Structured Query Language (SQL) Aula Prática Linguagens de SGBD Durante o desenvolvimento do sistema R, pesquisadores da IBM desenvolveram a linguagem SEQUEL, primeira linguagem de acesso para Sistemas

Leia mais

Programação WEB II. PHP e Banco de Dados. progweb2@thiagomiranda.net. Thiago Miranda dos Santos Souza

Programação WEB II. PHP e Banco de Dados. progweb2@thiagomiranda.net. Thiago Miranda dos Santos Souza PHP e Banco de Dados progweb2@thiagomiranda.net Conteúdos Os materiais de aula, apostilas e outras informações estarão disponíveis em: www.thiagomiranda.net PHP e Banco de Dados É praticamente impossível

Leia mais

Uma expressão básica em SQL consiste em três cláusulas: select, from e where.

Uma expressão básica em SQL consiste em três cláusulas: select, from e where. Introdução a Banco de Dados O.K. Takai; I.C.Italiano; J.E. Ferreira. 67 8 A Linguagem SQL A linguagem SQL é um padrão de linguagem de consulta comercial que usa uma combinação de construtores em Álgebra

Leia mais

Linguagem de Consulta Estruturada (SQL)

Linguagem de Consulta Estruturada (SQL) Linguagem de Consulta Estruturada (SQL) Conceitos sobre a versão ANSI da SQL, a sublinguagem de definição de dados (DDL) e a sublinguagem de manipulação de dados (DML) Prof. Flavio Augusto C. Correia 1

Leia mais

Prof. Carlos Majer Aplicações Corporativas UNICID

Prof. Carlos Majer Aplicações Corporativas UNICID Este material pertence a Carlos A. Majer, Professor da Unidade Curricular: Aplicações Corporativas da Universidade Cidade de São Paulo UNICID Licença de Uso Este trabalho está licenciado sob uma Licença

Leia mais

Introdução à Engenharia da Computação. Banco de Dados Professor Machado

Introdução à Engenharia da Computação. Banco de Dados Professor Machado Introdução à Engenharia da Computação Banco de Dados Professor Machado 1 Sistemas isolados Produção Vendas Compras Banco de Dados Produtos... Banco de Dados Produtos... Banco de Dados Produtos... Desvantagens:

Leia mais

Curso PHP Aula 08. Bruno Falcão brunogfalcao@gmail.com

Curso PHP Aula 08. Bruno Falcão brunogfalcao@gmail.com + Curso PHP Aula 08 Bruno Falcão brunogfalcao@gmail.com + Roteiro Conectividade com BD SQL + SQL Structured Query Language. Padrão para interagir com banco de dados relacionais. + Banco de dados Um banco

Leia mais

SQL Structured Query Language

SQL Structured Query Language Janai Maciel SQL Structured Query Language (Banco de Dados) Conceitos de Linguagens de Programação 2013.2 Structured Query Language ( Linguagem de Consulta Estruturada ) Conceito: É a linguagem de pesquisa

Leia mais

1. Domínio dos Atributos

1. Domínio dos Atributos Structure Query Language SQL Guilherme Pontes lf.pontes.sites.uol.com.br 1. Domínio dos Atributos Por domínio, ou tipo, pode-se entender como a maneira como determinado atributo (ou campo, se tratando

Leia mais

SQL. SQL (Structured Query Language) Comando CREATE TABLE. SQL é uma linguagem de consulta que possibilita:

SQL. SQL (Structured Query Language) Comando CREATE TABLE. SQL é uma linguagem de consulta que possibilita: SQL Tópicos Especiais Modelagem de Dados Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Mestrado Profissional em Ensino de Ciências

Leia mais

LINGUAGEM SQL. DML - Linguagem de Manipulação de Dados

LINGUAGEM SQL. DML - Linguagem de Manipulação de Dados LINGUAGEM SQL Structured Query Language, ou Linguagem de Consulta Estruturada ou SQL, é uma linguagem de pesquisa declarativa para banco de dados relacional (base de dados relacional). Muitas das características

Leia mais

Álgebra Relacional. Conjunto de operações que usa uma ou duas relações como entrada e gera uma relação de saída. Operações básicas:

Álgebra Relacional. Conjunto de operações que usa uma ou duas relações como entrada e gera uma relação de saída. Operações básicas: Álgebra Relacional Conjunto de operações que usa uma ou duas relações como entrada e gera uma relação de saída operação (REL 1 ) REL 2 operação (REL 1,REL 2 ) REL 3 Operações básicas: seleção projeção

Leia mais

SQL - Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados. Professor: José Antônio. José Antônio - CEFET-RN 23/09/2015

SQL - Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados. Professor: José Antônio. José Antônio - CEFET-RN 23/09/2015 SQL - Banco de Dados 1 Disciplina: Banco de Dados Professor: José Antônio 2 Tópicos de discussão Criando um banco de dados Incluindo, atualizando e excluindo linhas nas tabelas Pesquisa básica em tabelas

Leia mais

Linguagem SQL Sub-linguagem DDL

Linguagem SQL Sub-linguagem DDL Linguagem SQL Sub-linguagem DDL A SQL - Structured Query Language, foi desenvolvido pela IBM em meados dos anos 70 como uma linguagem de manipulação de dados (DML - Data Manipulation Language para suas

Leia mais

Structured Query Language (SQL) Ambiente Simplificado de um SGBD

Structured Query Language (SQL) Ambiente Simplificado de um SGBD Structured Query Language (SQL) Ambiente Simplificado de um SGBD 2 1 Características dos SGBDs Natureza auto-contida de um sistema de banco de dados: metadados armazenados num catálogo ou dicionário de

Leia mais

SQL comando SELECT. SELECT [DISTINCT] FROM [condição] [ ; ] Paulo Damico - MDK Informática Ltda.

SQL comando SELECT. SELECT [DISTINCT] <campos> FROM <tabela> [condição] [ ; ] Paulo Damico - MDK Informática Ltda. SQL comando SELECT Uma das tarefas mais requisitadas em qualquer banco de dados é obter uma listagem de registros armazenados. Estas tarefas são executadas pelo comando SELECT Sintaxe: SELECT [DISTINCT]

Leia mais

EXEMPLOS DE COMANDOS NO SQL SERVER

EXEMPLOS DE COMANDOS NO SQL SERVER EXEMPLOS DE COMANDOS NO SQL SERVER Gerenciando Tabelas: DDL - DATA DEFINITION LANGUAG Criando uma tabela: CREATE TABLE CLIENTES ID VARCHAR4 NOT NULL, NOME VARCHAR30 NOT NULL, PAGAMENTO DECIMAL4,2 NOT NULL;

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE VARIAÁ VEL Antes de iniciarmos os comandos referentes a Banco de Dados, precisamos de uma breve descrição técnica sobre Variáveis que serão uma constante em programação seja qual for sua forma de leitura.

Leia mais

APOSTILA BANCO DE DADOS INTRODUÇÃO A LINGUAGEM SQL

APOSTILA BANCO DE DADOS INTRODUÇÃO A LINGUAGEM SQL 1. O que é Linguagem SQL 2. Instrução CREATE 3. CONSTRAINT 4. ALTER TABLE 5. RENAME TABLE 6. TRUCANTE TABLE 7. DROP TABLE 8. DROP DATABASE 1 1. O que é Linguagem SQL 2. O SQL (Structured Query Language)

Leia mais

2008.1 SQL. Autor: Renata Viegas

2008.1 SQL. Autor: Renata Viegas SQL Autor: Renata Viegas A linguagem SQL SQL - Structured Query Language. Foi definida nos laboratórios de pesquisa da IBM em San Jose, California, em 1974. Teve seus fundamentos no modelo relacional Sua

Leia mais

Banco de Dados. Prof. Antonio

Banco de Dados. Prof. Antonio Banco de Dados Prof. Antonio SQL - Structured Query Language O que é SQL? A linguagem SQL (Structure query Language - Linguagem de Consulta Estruturada) é a linguagem padrão ANSI (American National Standards

Leia mais

SQL Linguagem de Manipulação de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri

SQL Linguagem de Manipulação de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri SQL Linguagem de Manipulação de Dados Banco de Dados SQL DML SELECT... FROM... WHERE... lista atributos de uma ou mais tabelas de acordo com alguma condição INSERT INTO... insere dados em uma tabela DELETE

Leia mais

Esta aula tem o objetivo de nos orientar durante este período em nossas aulas de Banco de Dados, não tem a pretensão de ser a única fonte de

Esta aula tem o objetivo de nos orientar durante este período em nossas aulas de Banco de Dados, não tem a pretensão de ser a única fonte de BD Esta aula tem o objetivo de nos orientar durante este período em nossas aulas de Banco de Dados, não tem a pretensão de ser a única fonte de informação para nosso êxito no curso. A intenção de elaborar

Leia mais

Linguagem SQL. Comandos Básicos

Linguagem SQL. Comandos Básicos Linguagem SQL Comandos Básicos Caetano Traina Júnior Grupo de Bases de Dados e Imagens Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Universidade de São Paulo - São Carlos caetano@icmc.sc.usp.br Comando

Leia mais

BCD29008 Banco de dados

BCD29008 Banco de dados BCD29008 Banco de dados Linguagem SQL Prof. Emerson Ribeiro de Mello Instituto Federal de Santa Catarina IFSC campus São José mello@ifsc.edu.br http://docente.ifsc.edu.br/mello/bcd 21 de agosto de 2017

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS

ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS ARTEFATO 02 AT02 Diversos I 1 Indice ESQUEMAS NO BANCO DE DADOS... 3 CRIANDO SCHEMA... 3 CRIANDO TABELA EM DETERMINADO ESQUEMA... 4 NOÇÕES BÁSICAS SOBRE CRIAÇÃO E MODIFICAÇÃO

Leia mais

2008.1. A linguagem SQL

2008.1. A linguagem SQL SQL 2008.1 A linguagem SQL SQL - Structured Query Language. Foi definida nos laboratórios de pesquisa da IBM em San Jose, California, em 1974. Teve seus fundamentos no modelo relacional Sua primeira versão

Leia mais

Linguagem de Consulta - SQL

Linguagem de Consulta - SQL Complementos da Linguagem SQL - Eliminando Tuplas Repetidas Exemplo: Obter o código das editoras que têm livros publicados CodEditora Titulo Publicacao... 04 Banco de Dados 1989 02 Análise 2000 01 XML

Leia mais

SQL DDL. Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br

SQL DDL. Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br Banco de Dados I SQL DDL Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br Introdução Modelo relacional encontra-se padronizado pela indústria de informática. Ele é chamado de padrão SQL (Structured Query Language)

Leia mais

Banco de dados. Conteúdo: DDL Prof. Patrícia Lucas

Banco de dados. Conteúdo: DDL Prof. Patrícia Lucas Banco de dados Conteúdo: DDL Prof. Patrícia Lucas O mysql MySQL Workbench é uma ferramenta de design de banco de dados visual que integra o desenvolvimento SQL, administração, design de banco de dados,

Leia mais

AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS

AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS POSTGRESQL O PostgreSQL é um sistema gerenciador de banco de dados dos mais robustos e avançados do mundo. Seu código é aberto e é totalmente gratuito,

Leia mais

Modelo de Dados Relacional Restrições de um Banco de Dados Relacional

Modelo de Dados Relacional Restrições de um Banco de Dados Relacional Modelo de Dados Relacional e as Restrições de um Banco de Dados Relacional Modelo de Dados Relacional Conceitos do Modelo Relacional Representa o banco de dados como uma coleção de relações. Comparação

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Modelagem e Projeto de Banco de Dados Especialização em Tecnologia da Informação - Ênfases Março- 2009 1 Modelo Físico Introdução

Leia mais

Programação SQL. Introdução

Programação SQL. Introdução Introdução Principais estruturas duma Base de Dados: Uma BD relacional é constituída por diversas estruturas (ou objectos ) de informação. Podemos destacar: Database: designa a própria BD; Table/Tabela:

Leia mais

Tutorial MySQL Apostilando.com

Tutorial MySQL Apostilando.com Table of Contents Tutorial MySQL...1 Sobre este tutorial...1 Nota do autor...1 Molhando seus pés...2 Breve introdução ao MySQL...2 Indo mais fundo...3 Visão geral...3 Até seu pescoço em MySQL...6 Tabelas

Leia mais

Básico da Linguagem SQL. Definição de Esquemas em SQL. SQL(Structured Query Language)

Básico da Linguagem SQL. Definição de Esquemas em SQL. SQL(Structured Query Language) Básico da Linguagem SQL Definição de Esquemas em SQL SQL(Structured Query Language) Desenvolvida como a linguagem de consulta do protótipo de SGBD Sistema R (IBM, 1976). Adotada como linguagem padrão de

Leia mais

Profº Aldo Rocha. Banco de Dados

Profº Aldo Rocha. Banco de Dados Profº Aldo Rocha Banco de Dados HOJE! CREATE TABLE com uma Chave primária Primeiramente façam um SELECT na tabela pessoa. Percebam que não há NENHUMA CHAVE PRIMÁRIA. utilizem o comando SHOW CREATE TABLE

Leia mais

SQL: Definição de tabelas, Modificações à Base de Dados

SQL: Definição de tabelas, Modificações à Base de Dados SQL: Definição de tabelas, Modificações à Base de Dados Fernando Lobo Base de Dados, Universidade do Algarve 1 / 24 Definição do esquema da base de dados O esquema da BD é composto pelas definições de

Leia mais

SQL. Prof. Márcio Bueno. {bd2tarde,bd2noite}@marciobueno.com

SQL. Prof. Márcio Bueno. {bd2tarde,bd2noite}@marciobueno.com SQL Prof. Márcio Bueno {bd2tarde,bd2noite}@marciobueno.com Material dos professores Ana Carolina Salgado, Fernando Foncesa e Valéria Times (CIn/UFPE) SQL SQL - Structured Query Language Linguagem de Consulta

Leia mais

SQL - Structured Query Language, ou Linguagem de Consulta Estruturada ou SQL

SQL - Structured Query Language, ou Linguagem de Consulta Estruturada ou SQL SQL - Structured Query Language, ou Linguagem de Consulta Estruturada ou SQL Criar uma base de dados (criar um banco de dados) No mysql: create database locadora; No postgresql: createdb locadora Criar

Leia mais

Introdução ao SQL. O que é SQL?

Introdução ao SQL. O que é SQL? Introdução ao SQL 1 O que é SQL? Inicialmente chamada de Sequel, SQL (Structured Query Language), é a linguagem padrão utilizada para comunicar-se com um banco de dados relacional. A versão original foi

Leia mais

Princípio dos anos 70 IBM desenvolve a linguagem Sequel para o System R. Standards ISO e ANSI SQL-86, SQL-89, SQL-92, SQL:1999, SQL:2003

Princípio dos anos 70 IBM desenvolve a linguagem Sequel para o System R. Standards ISO e ANSI SQL-86, SQL-89, SQL-92, SQL:1999, SQL:2003 Bases de Dados Introdução à linguagem SQL História Princípio dos anos 70 IBM desenvolve a linguagem Sequel para o System R Renomeada para SQL (Structured Query Language) Standards ISO e ANSI SQL-86, SQL-89,

Leia mais

SQL SQL BANCO DE DADOS 2. Componentes do SQL (1) Componentes do SQL (2) DDL Criação de banco de dados. Padrões de SQL

SQL SQL BANCO DE DADOS 2. Componentes do SQL (1) Componentes do SQL (2) DDL Criação de banco de dados. Padrões de SQL BANCO DE DADOS 2 SQL (CREATE TABLE, CONSTRAINTS, DELETE, UPDATE e INSERT) Prof. Edson Thizon SQL SQL ( structured query language ) é uma linguagem comercial de definição e manipulação de banco de dados

Leia mais

SQL (Linguagem de Consulta Estruturada)

SQL (Linguagem de Consulta Estruturada) SQL (Linguagem de Consulta Estruturada) M.Sc. Cristiano Mariotti mscmariotti@globo.com Introdução à SQL 1 Visão Geral Introdução Comandos de Definição de Dados Comandos de Manipulação de Dados Introdução

Leia mais

SQL é uma linguagem de consulta que implementa as operações da álgebra relacional de forma bem amigável.

SQL é uma linguagem de consulta que implementa as operações da álgebra relacional de forma bem amigável. SQL (Structured Query Language) SQL é uma linguagem de consulta que implementa as operações da álgebra relacional de forma bem amigável. Além de permitir a realização de consultas, SQL possibilita: definição

Leia mais

Banco de dados. Linguagens de Banco de Dados II. Wedson Quintanilha da Silva - www.assembla.com/spaces/objetivobd/documents

Banco de dados. Linguagens de Banco de Dados II. Wedson Quintanilha da Silva - www.assembla.com/spaces/objetivobd/documents Banco de dados Linguagens de Banco de Dados II 1 Linguagem de Definição de Dados - DDL Comandos utilizados para criação do esquema de dados; Um DDL permite ao utilizador definir tabelas novas e elementos

Leia mais

SQL TGD/JMB 1. Projecto de Bases de Dados. Linguagem SQL

SQL TGD/JMB 1. Projecto de Bases de Dados. Linguagem SQL SQL TGD/JMB 1 Projecto de Bases de Dados Linguagem SQL SQL TGD/JMB 2 O que é o SQL? SQL ("ess-que-el") significa Structured Query Language. É uma linguagem standard (universal) para comunicação com sistemas

Leia mais

Implementação de Banco de Dados. Cassio Diego cassiodiego.com/bd

Implementação de Banco de Dados. Cassio Diego cassiodiego.com/bd Implementação de Banco de Dados Cassio Diego cassiodiego.com/bd 1 Conteúdo: Aula 3 UNIDADE 2: LINGUAGEM SQL 1. Linguagens de Definição de Dados (DDL) 1.1. Criação de tabela: CREATE 1.2. Alteração de Tabela:

Leia mais

DO BÁSICO AO AVANÇADO PARA MANIPULAÇÃO E OTIMIZAÇÃO DE DADOS. Fábio Roberto Octaviano

DO BÁSICO AO AVANÇADO PARA MANIPULAÇÃO E OTIMIZAÇÃO DE DADOS. Fábio Roberto Octaviano DO BÁSICO AO AVANÇADO PARA MANIPULAÇÃO E OTIMIZAÇÃO DE DADOS Fábio Roberto Octaviano Conceitos da arquitetura Oracle e da Linguagem SQL Recuperar dados por meio de SELECT Criar relatórios de dados classificados

Leia mais

Introdução ao SQL. Aécio Costa

Introdução ao SQL. Aécio Costa Aécio Costa A linguagem SQL é um padrão de linguagem de consulta comercial e possui as seguintes partes: Linguagem de definição de dados (DDL) Linguagem interativa de manipulação de dados (DML) Definição

Leia mais

Banco de Dados. StructuredQuery Language- SQL. Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.

Banco de Dados. StructuredQuery Language- SQL. Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo. Banco de Dados StructuredQuery Language- SQL Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2015 A Origem Em 1970, Ted Codd (pesquisador da IBM) publicou o primeiro

Leia mais

SQL (Tópicos) Structured Query Language

SQL (Tópicos) Structured Query Language SQL (Tópicos) Structured Query Language ISI Introdução aos Sistemas de Informação SQL (Tópicos) 1 SQL: componentes SQL / DDL (Data Definition Language) Permite definir os Esquemas de Relação Permite definir

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE INTRODUÇÃO A SQL

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE INTRODUÇÃO A SQL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE INTRODUÇÃO A SQL Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com 02/06/2016 SUMÁRIO SQL DDL DML SQL (STRUCTURED

Leia mais

Armazenamento organizado facilitando SCRUD; Agiliza processo de desenvolvimento de sistemas;

Armazenamento organizado facilitando SCRUD; Agiliza processo de desenvolvimento de sistemas; Conjunto de informações relacionadas entre si; Armazenamento organizado facilitando SCRUD; Agiliza processo de desenvolvimento de sistemas; Conjunto de Tabelas onde cada linha é um vetor de dados específico;

Leia mais

SQL. Hélder Antero Amaral Nunes

SQL. Hélder Antero Amaral Nunes SQL Hélder Antero Amaral Nunes 2 Introdução Desenvolvida pelo departamento de pesquisa da IBM na década de 1970 (System R); Linguagem padrão de BD Relacionais; Apresenta várias padrões evolutivos: SQL86,

Leia mais

Projeto de Banco de Dados: Empresa X

Projeto de Banco de Dados: Empresa X Projeto de Banco de Dados: Empresa X Modelo de negócio: Empresa X Competências: Analisar e aplicar o resultado da modelagem de dados; Habilidades: Implementar as estruturas modeladas usando banco de dados;

Leia mais

Descrição Tinyint[(M)] Inteiro pequeno. Varia de 128 até +127

Descrição Tinyint[(M)] Inteiro pequeno. Varia de 128 até +127 Disciplina: Tópicos Especiais em TI PHP Este material foi produzido com base nos livros e documentos citados abaixo, que possuem direitos autorais sobre o conteúdo. Favor adquiri-los para dar continuidade

Leia mais

Modelagem de banco de dados com MySQL Workbench

Modelagem de banco de dados com MySQL Workbench Modelagem de banco de dados com MySQL Workbench Após o término desse curso, você estará apto à: Teoria: Reconhecer os principais tipos de dados suportados pelo MySQL 5.0 Otimizar espaço pela escolha certo

Leia mais

Operação de União JOIN

Operação de União JOIN Operação de União JOIN Professor Victor Sotero SGD 1 JOIN O join é uma operação de multi-tabelas Select: o nome da coluna deve ser precedido pelo nome da tabela, se mais de uma coluna na tabela especificada

Leia mais

SQL DML. Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br

SQL DML. Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br Banco de Dados I SQL DML Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br SQL - DML Os exemplos da aula serão elaborados para o esquema de dados a seguir: Empregado(matricula, nome, endereco, salario, supervisor,

Leia mais

Banco de Dados I. Linguagem de Consulta (parte I) DDL DML

Banco de Dados I. Linguagem de Consulta (parte I) DDL DML Banco de Dados I Linguagem de Consulta (parte I) DDL DML Linguagem de Consulta:SQL contéudo Structured Query Language Originalmente SEQUEL Structured English Query Language Projeta e Implementada pela

Leia mais

BANCO DE DADOS: SQL. Edson Anibal de Macedo Reis Batista. 27 de janeiro de 2010

BANCO DE DADOS: SQL. Edson Anibal de Macedo Reis Batista. 27 de janeiro de 2010 BANCO DE DADOS: SQL UERN - Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Departamento de Ciências da Computação. 27 de janeiro de 2010 índice 1 Introdução 2 3 Introdução SQL - Structured Query Language

Leia mais

Capítulo 1 INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS

Capítulo 1 INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS Capítulo 1 INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS 1.1 - BANCO DE DADOS - INTRODUÇÃO...2 1.1.1- Dados...2 1.1.2- Hardware...3 1.1.3- Software...3 1.1.4- Usuários...4 1.2 - SISTEMAS DE ARQUIVOS CONVENCIONAIS...5 1.3

Leia mais

CREATE TABLE AUTOR ( cod_autor int not null primary key, nome_autor varchar (60) )

CREATE TABLE AUTOR ( cod_autor int not null primary key, nome_autor varchar (60) ) TADS Exercício Laboratório I Analise o modelo de banco de dados abaixo: MUSICA FAIXA Codigo_Musica: INTEGER Nome_Musica: VARCHAR(60) Duracao: NUMERIC(6,2) Codigo_Musica: INTEGER (FK) Codigo_CD: INTEGER

Leia mais

Banco de Dados I. Linguagem de Consulta (parte II) Recuperando Dados de Várias Tabelas (JOINS)

Banco de Dados I. Linguagem de Consulta (parte II) Recuperando Dados de Várias Tabelas (JOINS) Banco de Dados I Linguagem de Consulta (parte II) Recuperando Dados de Várias Tabelas (JOINS) Exemplo - pedido Diagrama Entidade-Relacionamento N Pedido N possui N Produto N faz tira 1 Cliente 1 Vendedor

Leia mais

AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS

AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS POSTGRESQL O PostgreSQL é um sistema gerenciador de banco de dados dos mais robustos e avançados do mundo. Seu código é aberto e é totalmente gratuito,

Leia mais

SQL (Structured Query Language)

SQL (Structured Query Language) (Structured Query Language) I DDL (Definição de Esquemas Relacionais)... 2 I.2 Domínios... 2 I.3 Criação de Tabelas... 2 I.4 Triggers... 4 II DML Linguagem para manipulação de dados... 5 II.2 Comando SELECT...

Leia mais

Banco de dados 1. Linguagem SQL DDL e DML. Professor: Victor Hugo L. Lopes

Banco de dados 1. Linguagem SQL DDL e DML. Professor: Victor Hugo L. Lopes Banco de dados 1 Linguagem SQL DDL e DML Professor: Victor Hugo L. Lopes Agenda: Introdução à linguagem de dados; DDL; DML; CRUD; Introdução à linguagem SQL. 2 Por que precisamos da linguagem SQL? A algebra

Leia mais

SQL (Structured Query Language)

SQL (Structured Query Language) SQL (Structured Query Language) Linguagem comercial para BD relacional padrão ISO desde a década de 80 SQL (86); SQL-2 (92); SQL-3 (99) e SQL:2003 não é apenas uma linguagem de consulta! como o nome sugere...

Leia mais

BANCO DE DADOS. info 3º ano. Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br www.diemesleno.com.br

BANCO DE DADOS. info 3º ano. Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br www.diemesleno.com.br BANCO DE DADOS info 3º ano Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br www.diemesleno.com.br Na última aula estudamos Unidade 4 - Projeto Lógico Normalização; Dicionário de Dados. Arquitetura

Leia mais

SQL (Structured Query Language)

SQL (Structured Query Language) SQL (Structured Query Language) Linguagem comercial para BD relacional padrão ISO desde a década de 80 SQL- (86); SQL- (9); SQL- (99) não é apenas uma linguagem de consulta! como o nome sugere... Base

Leia mais

SQL Structured Query Language. SQL Linguagem de Definição de Dados. SQL Structured Query Language. SQL Structured Query Language

SQL Structured Query Language. SQL Linguagem de Definição de Dados. SQL Structured Query Language. SQL Structured Query Language Pós-graduação em Ciência da Computação CCM-202 Sistemas de Banco de Dados SQL Linguagem de Definição de Dados Profa. Maria Camila Nardini Barioni camila.barioni@ufabc.edu.br Bloco B - sala 937 2 quadrimestre

Leia mais

Banco de Dados. Structured Query Language SQL. Prof. Walteno Martins Parreira Jr 1. www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.

Banco de Dados. Structured Query Language SQL. Prof. Walteno Martins Parreira Jr 1. www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo. Banco de Dados Structured Query Language SQL Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2015 Comandos SQL Os comandos do SQL são classificados em três grupos,

Leia mais

SQL (Structured Query Language)

SQL (Structured Query Language) SQL (Structured Query Language) Linguagem comercial para BD relacional padrão ISO desde a década de 80 SQL-1 (86); SQL- (9); SQL- (99) não é apenas uma linguagem de consulta! como o nome sugere... Base

Leia mais

ETEC Dr. Emílio Hernandez Aguilar. Manual Simplificado: MySQL

ETEC Dr. Emílio Hernandez Aguilar. Manual Simplificado: MySQL ETEC Dr. Emílio Hernandez Aguilar Manual Simplificado: MySQL Franco da Rocha 2010 Informações Gerais O programa MySQL (R) é um servidor robusto de bancos de dados SQL (Structured Query Language Linguagem

Leia mais

TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET PROJETO DE BANCO DE DADOS

TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET PROJETO DE BANCO DE DADOS Exemplos de Scripts SQL (PostgreSQL) Pizzaria 1 2 Criação de BANCO DE DADOS CREATE DATABASE nome_do_banco; CREATE DATABASE pizzaria; Criação de TABELAS SOMENTE COM CHAVE PRIMÁRIA CREATE TABLE nome_da_tabela

Leia mais

SQL. Definição do Esquema da Base de Dados. Cristina C. Vieira Departamento de Engenharia Eletrónica e Informática

SQL. Definição do Esquema da Base de Dados. Cristina C. Vieira Departamento de Engenharia Eletrónica e Informática SQL Definição do Esquema da Base de Dados Cristina C. Vieira Departamento de Engenharia Eletrónica e Informática SQL - Esquema da base de dados Definição das tabelas Definição das chaves primárias Definição

Leia mais

Banco de Dados. Maurício Edgar Stivanello

Banco de Dados. Maurício Edgar Stivanello Banco de Dados Maurício Edgar Stivanello Agenda Conceitos Básicos SGBD Projeto de Banco de Dados SQL Ferramentas Exemplo Dado e Informação Dado Fato do mundo real que está registrado e possui um significado

Leia mais

8. Outros tipos de Transação (Modo de Transação de Autoconfirmação e Modo Implícito)

8. Outros tipos de Transação (Modo de Transação de Autoconfirmação e Modo Implícito) 8. Outros tipos de Transação (Modo de Transação de Autoconfirmação e Modo Implícito) Nos itens anteriores vimos transações do tipo explícitas, ou seja, aquelas que iniciam com BEGIN TRANSACTION. As outras

Leia mais

BANCO DE DADOS CONCEITOS BÁSICOS

BANCO DE DADOS CONCEITOS BÁSICOS Universidade Federal da Paraíba UFPB Centro de Energias Alternativas e Renováveis - CEAR Departamento de Eng. Elétrica DEE BANCO DE DADOS CONCEITOS BÁSICOS Isaac Maia Pessoa Introdução O que é um BD? Operações

Leia mais