AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO DE MANIPULADORES DE ALIMENTOS ANTES E DEPOIS DE PALESTRAS EDUCATIVAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO DE MANIPULADORES DE ALIMENTOS ANTES E DEPOIS DE PALESTRAS EDUCATIVAS"

Transcrição

1 AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO DE MANIPULADORES DE ALIMENTOS ANTES E DEPOIS DE PALESTRAS EDUCATIVAS EVALUATION OF KNOWLEDGE OF MANIPULATORS BEFORE AND AFTER EDUCATIONAL LECTURES Welker Denner Bernardes de ARAÚJO 1 Albano Eurípedes de DEUS 2 Carlos Eduardo Magalhães dos SANTOS 3 Virgínia Ramos PIZZIOLO 4 Martha Elisa Ferreira de ALMEIDA 5 RESUMO Além das transformações no cardápio ocorridas nas últimas décadas, houve também mudanças profundas na forma de se alimentar, com destaque para os segmentos das populações urbanas que se alimentam fora do domicílio, em fast foods, e em self-services. O projeto de extensão teve como objetivo avaliar o conhecimento de manipuladores de alimentos antes e depois de palestras educativas. Utilizou-se como metodologia aulas expositivas (palestras) em quatro eventos. Para avaliar o nível de conhecimento pregresso e o impacto das palestras sobre o aprendizado, utilizou-se um questionário estruturado com 10 perguntas, aplicado antes e após cada evento. Após a realização das palestras nenhum dos participantes apresentou nota que os enquadraria nas classificações de regular, ruim e péssimo, demonstrando que o treinamento apresentou resultado satisfatório quanto à aquisição de novos conhecimentos. A média das notas do questionário aplicado no início e no final dos quatro eventos foi de 8,38 e 9,48; 8,87 e 9,68; 8,3 e 9,25; e 9,20 e 9,80, respectivamente. Conclui-se que o nível de aprendizado e de conhecimento foi elevado e que estratégias de intervenção devem ser discutidas com os diferentes níveis hierárquicos da administração municipal [1] Graduando em Ciências de Alimentos na Universidade Federal de Viçosa, Campus de Rio Paranaíba. [2] Graduando em Ciências de Alimentos na Universidade Federal de Viçosa, Campus de Rio Paranaíba. [3] Docente da Universidade Federal de Viçosa, Campus Universitário, Caixa Postal 22, CEP: , Rio Paranaíba, MG, Brasil. [4] Co-orientadora do projeto de extensão Educação em boas práticas de higiene em alimentação. Docente da Universidade Federal de Viçosa, Campus de Viçosa. Departamento de Bioquímica. Universidade Federal de Viçosa, Avenida PH Rolfs, sn, CEP: , Viçosa, MG, Brasil. [5] Nutricionista e orientadora do projeto de extensão Educação em boas práticas de higiene em alimentação. Docente da Universidade Federal de Viçosa, Campus Universitário, Caixa Postal 22, CEP: , Rio Paranaíba, MG, Brasil. Vivências. Vol.7, N.12: p.23-36, Maio/

2 e dos estabelecimentos para melhorar a qualidade dos alimentos servidos a população na cidade de Rio Paranaíba. Palavras-chave: Segurança Alimentar; Manipuladores de Alimentos; Palestras Educativas. ABSTRACT Besides the menu changes that have occurred in recent decades, there were also profound changes in the way of food intaking, especially the segments of urban populations that eat away from home, in fast foods, and self-services. The extension project was designed to evaluate the knowledge of food handlers before and after training lectures. Expositive talks were carried out in four events. To assess the level of knowledge, and the impact of the talks on learning, a structured questionnaire with 10 questions was used, which was distributed to the participants before and after each event. After completion of the lectures presented none of the participants could be ranked as of regular, bad and very bad, showing that the training offered satisfactory results, regarding the acquisition of new knowledge. The average grade obtained in the beginning and end of the four events was 8.38 and 9.48, 8.87 and 9.68, 8.3 and 9.25, and 9.20 and 9.80, respectively. It is concluded that the level of learning and knowledge was high and that intervention strategies should be discussed with different levels of the administration and municipal institutions to improve the quality of food served population in the city of Rio Paranaíba. Keyword: Food Safety. Food Handlers. Educational Lectures. INTRODUÇÃO Além das transformações no cardápio ocorridas nas últimas décadas, houve mudanças profundas na forma de se alimentar, com destaque para os segmentos das populações urbanas que se alimentam fora do domicílio em fast foods e em self-services (OLIVEIRA et al., 2007). O alimento é essencial tanto para o crescimento como para a manutenção da vida, entretanto ele é um dos principais veículos transmissores de doenças, principalmente nos grupos mais susceptíveis, como as crianças e os idosos. Assim, os estabelecimentos que fornecem alimentação devem fornecer uma dieta equilibrada do ponto de vista nutricional e segura do ponto de vista higiênico-sanitário (OLIVEIRA et al., 2008). Oliveira et al. (2008) afirmam que a educação e o treinamento dos manipuladores são as melhores ferramentas para assegurar a qualidade da alimentação. A Educação Nutricional, como método de ensino, é uma ferramenta fácil e de baixo custo no esclarecimento sobre diversos assuntos relacionados à saúde (TURANO e ALMEIDA, 1999). O projeto de extensão caracterizou-se como uma parceria da Universidade Federal de Viçosa, Campus de Rio Paranaíba (UFV - CRP) conjuntamente com a Prefeitura Municipal e a Vigilância Sanitária, ambos da cidade de Rio Paranaíba e teve como objetivo avaliar o conhecimento de manipuladores de alimentos antes e depois de palestras educativas quanto às medidas de higienização que compreendem os aspectos: ambiente, alimento e manipulador de alimentos. MATERIAIS E MÉTODOS A metodologia proposta baseou-se em ações para a promoção de educação em Boas Práticas Vivências. Vol.7, N.12: p.23-36, Maio/

3 de Fabricação aos manipuladores de alimentos da cidade de Rio Paranaíba, MG, através de quatro eventos compostos por palestras com uma duração média de duas horas. Foi realizada uma pesquisa de opinião com a comunidade universitária da UFV - CRP (discentes, docentes e servidores técnicos administrativos) e a população da cidade de Rio Paranaíba-MG no mês de março de 2009 para avaliar a qualidade dos estabelecimentos de alimentação dessa cidade e seus produtos ofertados. Os eventos (palestras) ocorreram nos meses de abril (n=29), maio (n=38), junho (n=40) e dezembro (n=10), sendo n o número de participantes. Os temas abordados em cada evento foram: higiene pessoal, alimentar e doenças de origem alimentar; higiene do ambiente, dos utensílios e dos equipamentos; recepção e estocagem dos alimentos; e alimentos contaminados e a saúde do consumidor. Para avaliar o nível de conhecimento pregresso de cada assunto abordado, bem como o nível de aproveitamento das palestras, cada participante preencheu um questionário estruturado contendo 10 perguntas no início e no final de cada evento (apêndices 1, 2, 3 e 4). Cada pergunta foi avaliada no valor de um (01) ponto, sendo o mesmo questionário aplicado antes e depois de cada evento. A equipe do projeto não prestava qualquer tipo de informação no momento de aplicação do questionário, visando preservar o conhecimento de cada participante. Todos os questionários foram corrigidos sob o critério: questão certa e questão errada ou não respondida. A efetividade do trabalho foi medida pela comparação das respostas obtidas nos dois questionários aplicados, a fim de verificar se houve a transferência de informações e conhecimentos para os manipuladores de alimentos. Em função da percentagem de respostas certas o nível de conhecimento foi classificado conforme Araújo et al. (2010) como: Excelente: quando o número de respostas certas variou de 9 a 10 pontos; Bom: quando o número de respostas certas variou de 7 a 8 pontos; Regular: quando o número de respostas certas variou de 5 a 6 pontos; Ruim: quando o número de respostas certas variou de 3 a 4 pontos e Péssimo: quando o número de respostas certas foi abaixo de 3 pontos. Os valores das notas obtidas no questionário foram representados como média (M) e desvio padrão (DP). Foi realizado o teste de T de Student ao nível de 5% de probabilidade para verificar se havia diferença significativa entre cada evento (antes x depois). RESULTADOS E DISCUSSÃO Com o seu poder de compra, o consumidor seja ele funcionário público (servidor técnico administrativo ou docente), membro da população e discente, fornece uma grande motivação para modificar práticas de manipulação de alimentos, pois é ele quem escolhe o que irá consumir e o lugar onde irá comprar os alimentos (CARDOSO et al., 2009). Quando se avaliou o item muito satisfeito, observou-se que o público de alunos e professores apresentaram uma maior percentagem de repostas, sendo que 42,8% dos professores demonstram estar muito satisfeitos quanto ao item Simpatia, atenção e educação dos funcionários (Tabela 1). Quanto a insatisfação apresentada pelos 4 tipos de públicos avaliados, observou-se que tanto os funcionários quanto os alunos e a população em geral demonstraram maior frequência de insatisfação com as Instalações sanitárias (pia, sanitários, papel toalha, sabonete líquido, etc.) e com a rapidez no atendimento (tempo de espera). Os professores demonstram-se mais insatisfeitos com a Limpeza e arrumação do local onde é servido o alimento, Conforto oferecido (mesa, cadeira, balcão de atendimento) e com a Temperatura dos alimentos. Quando se avaliou a categoria muito insatisfeito, observou-se que o público dos professores demonstraram uma maior insatisfação quanto a todos os itens avaliados quando comparado aos Vivências. Vol.7, N.12: p.23-36, Maio/

4 outros públicos avaliados. Para os itens Competência profissional dos funcionários o público que demonstrou maior frequência de insatisfação foram os alunos. Para o item Rapidez no atendimento (tempo de espera) o público que demonstrou maior porcentagem de insatisfação foi a população. Os alunos apresentaram a maior frequência de respostas quanto a categoria NÃO SABE DIZER. Sugere-se que isto seja proveniente do fato que muitos discentes não residiam na cidade avaliada. Vivências. Vol.7, N.12: p.23-36, Maio/

5 Tabela 1: Percentagem de respostas emitidas no formulário de opinião sobre a qualidade dos estabelecimentos de alimentação e seus produtos ofertados. Rio Paranaíba, Itens avaliados Muito satisfeito Satisfeito Indiferente Insatisfeito Muito Insatisfeito Não sabe dizer F P AL PR F P AL PR F P AL PR F P AL PR F P AL PR F P AL PR 1- Limpeza e arrumação do local onde é servido o alimento 6,7 2,6 2,4-86,6 69,2 52,4 28,6 6,7 10,2 21, ,9 23,8 57,2-14, Instalações sanitárias (pia, sanitários, papel toalha, sabonete líquido) - - 2,4-6,7 12,5 23,8-26,7 17,5 11,9 28,6 66,6 40,0 42,9 14,3-27,5 16,7 42,8-2,5 2,4 14,3 3- Conforto oferecido (mesa, cadeira, balcão de atendimento) - 2,5 2,4-73,4 50,0 47,6-13,3 27,5 21,4 28,6 13,3 17,5 23,8 57, ,4 14,3-2,5 2,4-4- Estética do ambiente (som, cheiro e estrutura física) - 2,6 2,4-46,6 35,9 21,9 14,3 46,6 46,2 31,7 14,3 6,7 15,4 34,1 28, ,7 42, Variedade do cardápio e apresentação dos alimentos - - 4,9-86,7 73,7 36,6 14,3 13,3 18,4 17,1 14,3-7,9 26,8 28, ,3 42, ,3-6- Sabor e aroma dos alimentos - - 4,9-93,3 74,3 65,8 28,6 6,7 15,4 14,6 28,6-10,2 14,6 28, , Temperatura dos alimentos - - 4,9 14,3 86,7 66,7 56,1 14,3 13,3 25,6 17,1 14,3-5,1 14,6 42, ,3 14,3-2, Aparência dos funcionários - - 2,4 14,3 46,6 46,3 39,0 14,3 46,6 26,8 31,7 28,6-21,9 17,1 14,3 6,7 4,9 7,3 28, ,4-9- Competência profissional dos funcionários ,5 28,6 20,0 38,5 42,5 14,3 73,3 28,2 15,0 14,3-30,8 20,0 28,6 6,7 2,6 15,0 14, ,0-10- Simpatia, atenção e educação dos funcionários ,7 42,8 33,3 54,5 41,0 28,6 60,0 15,9 28,2 14,3 6,7 25,0 12,8 14,3-4,5 5, ,1-11- Rapidez no atendimento (tempo de espera) - - 5,0-6,7 12,8 17,5 57,1 26,6 10,3 20,0 14,3 40,0 35,9 32,5-26,6 41,0 22,5 28, ,5 - - não houve resposta, F = Funcionários (n= 15), P = População (n=44), AL = Alunos (n=42), PR = Professor (n=7). Em alguns itens avaliados não houve resposta por parte dos avaliados. Vivências. Vol.7, N.12: p.23-36, Maio/

6 Nenhum dos participantes apresentou notas na etapa antes que os classificou na categoria de péssimo, entretanto 2 participantes obtiveram notas na etapa antes que os classificou na categoria de ruim, e 8 indivíduos apresentaram notas na etapa antes que os classificaram na categoria de regular (Tabela 2). Foi observado que estes indivíduos que apresentaram as menores notas na etapa antes prestaram atenção nas palestras e na marcação das respostas no questionário, fazendo com que suas notas fossem enquadradas na classificação de bom ou excelente. Segundo Almeida et al. (1995) a contaminação da alimentação coletiva está relacionada principalmente a deficiência de conhecimentos dos manipuladores, que pode ser resultante do seu baixo nível de escolaridade. Entretanto, neste estudo não foi avaliada a escolaridade dos participantes, sugerindo assim que os mesmos apresentavam conhecimento deficiente sobre os assuntos abordados. Ao se avaliar o nível de conhecimento considerado excelente (quando o número de respostas certas variou de 9 a 10 pontos) observou-se que no mês de abril 44,83 e 93,10% dos participantes obtiveram a pontuação que os classificaram nesta categoria, nas etapas antes e depois, respectivamente. Ao se observar este mesmo parâmetro nos meses de maio, junho e dezembro observaram-se: 73,69 e 94,74%; 55,00 e 82,50%; 90,00 e 100,00%, respectivamente. Considerou-se que os eventos realizados nos meses de abril, maio e dezembro apresentaram um resultado muito bom quanto à aquisição de novos conhecimentos, uma vez que mais de 90% dos participantes apresentaram notas ao final dos eventos que os classificaram com excelente. Segundo Alves et al. (2009) a evolução de notas evidencia a efetividade da estratégia de educação nutricional adotada, sugerindo uma relação positiva entre o nível de conhecimento préatividade e pós-atividade educativa. Tabela 2 Avaliação do nível de conhecimento dos manipuladores de alimentos em função da evolução do número de pontos (respostas certas). Rio Paranaíba, MG, Evolução de pontos (antes depois) Evento de abril Evento de maio Evento de junho Evento de dezembro Número de participantes Vivências. Vol.7, N.12: p.23-36, Maio/

7 Na palestra do mês de maio, foi perguntado quais as mudanças foram realizadas no dia a dia dos participantes como consequência da palestra de abril. Segue na íntegra a transcrição dos relatos de 22 participantes: Muitas coisas. Aprende muitas coisas importantes; limpeza dos panos de prato cuidados com a carne, uso da faca; uso de jaleco; armazenar com cuidado alimentos. Não lavar carne que estava embalada a vácuo; utilizar água sanitária para prepara alface. Usar sempre pano limpo; água limpa; usar sempre toca; jaleco; tempo certo de deixar os alimentos ferver. Mudei muitas coisas. Procurei fazer de tudo um pouco; procurei usar mais água sanitária na lavagem de frutas e verduras; não usar anéis durante o preparo de comidas; lavar muito bem as mãos ao preparar algum alimento. Que a higiene pessoal e no estabelecimento nunca é demais, a conservação dos alimentos tem que ser bem feita, cuidado com a contaminação dos alimentos. Manusear alimentos, conservar os legumes, limpeza do ambiente, higiene pessoal e com utensílios; não deixar pessoas que não esta trabalhando no local; como lavar verduras e frutas. Como lavar as mãos usar panos limpos e secos; como guardar os alimentos; tempo certo para ferver os alimentos. Observação de normas; práticas adequada consciência de valores gerais; valorização própria importância do trabalho. Devemos ferver bem o leite; não usar tábua de madeira; não usar jóias, lavar as mãos depois que pegar no dinheiro. Usar água sanitária para a limpeza; lavar as mãos por tempo prolongado. Passei a pratica de limpeza mais as mãos todos, os utensílios do meu estabelecimento. Usar sanitizante, usar o álcool 70% para as mãos, avental, touca já era usada, ainda não consegui jóias, esmalte. Pano de prato (troca). Trocar o pano de prato (úmido). Usar somente pano limpo e seco não fumar, não espirar em cima dos alimentos, usar touca e avental, limpar piso todos os dias conservar os alimentos. Pano de prato (seco e limpo). Pano de prato limpo e seco, guardar os utensílios conservar os alimentos. Lavar as mãos; guarda alimentos; higiene total. Retirar os fumantes da cozinha; retirar as pessoas da cozinha; armazenar os alimentos no lugar certo. Manipular os alimentos; retirar pessoas da cozinha retirar fumantes; colocar telas adequadas nas janelas; fazer uma limpeza mais perfeita. Como pode ser observado na Figura 1, considerou-se que o nível de conhecimento sobre os temas abordados era elevado, uma vez que a média das notas antes de todos os eventos foi superior a oito pontos. Em todos os eventos houve uma incorporação de novos conhecimentos, uma vez que o valor médio das notas da avaliação realizada no final de cada evento apresentou superior Vivências. Vol.7, N.12: p.23-36, Maio/

8 estatisticamente àquelas apresentadas no início. Segundo Doyle e Feldman (1997) a inserção social de atitudes é determinada pela eficácia do aprendizado. 12 a b a b a b a b Valor médio (pontos) das notas Antes Depois 0 Abril Maio Junho Dezembro Figura 1 Média e desvio padrão de acertos nos questionários aplicados aos manipuladores de alimentos da cidade de Rio Paranaíba, MG, Médias seguidas por letras diferentes foram significantes estatisticamente ao nível de 5% de probabilidade pelo teste T de Student. Alves et al. (2009) observaram que a média de conhecimento nutricional de adolescentes após as aulas foi maior estatisticamente que a média de conhecimento nutricional antes das aulas, assim como observado no presente estudo. Segundo tais autores a Educação Nutricional auxilia o indivíduo a alcançar o máximo de seu potencial de aprendizado e boa saúde; capacita-os a adotar hábitos alimentares saudáveis e melhora a qualidade no consumo alimentar e o estado nutricional da população. Observou-se que vários participantes apresentavam pouco ou nenhum conhecimento quanto a alguns itens avaliados no questionário. As questões com uma maior percentagem de erros foram: no evento realizado em abril (apêndice 1) as questões 9 e 10; no evento realizado em maio (apêndice 2) foram as questões 5 e 10; no evento realizado em junho (apêndice 3) foram as questões 4 e 8; e no evento realizado em dezembro (apêndice 4) foram as questões 2 e 9. Segundo Oliveira et al. (2008) os manipuladores possuem papel fundamental na higiene e sanidade do alimento servido. Não é possível realizar mudanças estruturais nas cozinhas, sem haver a conscientização dos manipuladores, ressaltando a importância contínua das ações educativas envolvendo o programa de Boas Práticas de Fabricação (GÓES et al., 2001), que é importante quanto a estimulação da presença de ambientes limpos e seguros, além da presença de funcionários desempenhando suas funções com mais motivação e produtividade (STEFANELLO et al., 2009). CONCLUSÃO O nível de conhecimento e também de aprendizado foi considerado elevado. Concluiu-se com esse projeto que estratégias de intervenção devem ser discutidas com os diferentes níveis hierárquicos da administração municipal e dos estabelecimentos de Rio Paranaíba para melhorar a qualidade dos alimentos servidos a população, principalmente através da realização de campanhas educativas com ênfase na segurança e qualidade alimentar, voltadas para manipuladores de alimentos e consumidores. Vivências. Vol.7, N.12: p.23-36, Maio/

9 REFERÊNCIAS ALMEIDA, R.C.C.; KUAYE, A.Y.; SERRANO, A.M.; ALMEIDA, P.F. Avaliação e controle da qualidade microbiológica de mãos de manipuladores de alimentos. Revista Saúde Pública. 1995; 29(4): ALVES, L.; MELO, D.H.C.; MELO, J.F. Análise do conhecimento nutricional de adolescentes, pré e pós atividade educativa. Revista Em Extensão. 2009; 8(2): ARAÚJO, W.D.B.; ALMEIDA, M.E.F.; SANTOS, C.E.M.; PIZZIOLO, V.R. Avaliação do conhecimento de manipuladores de alimentos quanto às boas práticas de fabricação. Vivências. 2010; 6(9): CARDOSO, R.C.V.; SANTOS, S.M.C.; SILVA, E.O. Comida de rua e intervenção: estratégias e propostas para o mundo em desenvolvimento. Ciência e Saúde Coletiva. 2009; 14(4): DOYLE, E.I.; FELDMAN, R.H. Factors affecting nutrition behavior among middle-class adolescents in urban area of Northern region of Brazil. Revista de Saúde Pública. 1997; 31(4): GÓES, J.A.W.; FURTUNATO, D.M.N.; VELOSO, I.S.; SANTOS, J.M. Capacitação dos manipuladores de alimentos e a qualidade da alimentação servida. Higiene Alimentar. 2001; 15(82): OLIVEIRA, A.C.G.; SPOTO, M.H.F. CANNIATTI-BRAZACA, S.G.; SOUZA, C.W.O.; SOUZA, C.P. Alimentos e Nutrição. 2007; 18(4): OLIVEIRA, M.N.; BRASIL, A.L.D.; TADDEI, J.A.A.C. Avaliação das condições higiênicosanitárias das cozinhas de creches públicas e filantrópicas. Ciência e Saúde Coletiva. 2008; 13(3): STEFANELLO, C.L.; LINN, D.S.; MESQUITA, M.O. Percepção sobre boas práticas por cozinheiras e auxiliares de cozinha de uma UAN do nordeste do Rio Grande do Sul. Vivências. 2009; 5(8): TURANO, W.; ALMEIDA, C.C.C.A. Educação Nutricional. In: GOUVEIA, E.L.C. Nutrição, Saúde e Comunidade. 2. ed. Rio de Janeiro: Revinter, p Vivências. Vol.7, N.12: p.23-36, Maio/

10 Apêndice 1 Noções básicas das doenças veiculadas por alimentação, higiene pessoal e dos alimentos 1- As infecções alimentares são causadas por seres vivos invisíveis aos nossos olhos? 2- Assinale com um X na letra da alternativa CORRETA sobre a forma de se evitar as doenças alimentares. a) Deixar de alimentar-se b) Fechar os olhos para não ver o que se come c) Adotar as boas práticas de higiene pessoal e dos alimentos 3- A solitária ou tênia é um parasita de corpo achatado que habita o intestino humano, e suas larvas (cisticercos) estão presentes em carnes. Assinale com um X na letra da alternativa CORRETA sobre os tipos de carnes que podemos encontrar os cisticercos. a) Porco e boi b) Frango e peixe c) Carne de soja e peixe 4- A falta de higiene pessoal pode contaminar os alimentos? 5- A aliança (anel) utilizada diariamente pode contaminar os alimentos? 6- Assinale com um X na letra da alternativa CORRETA sobre como devem ser as unhas de um manipulador de alimentos. a) Curtas e com esmalte b) Grandes e sem esmalte c) Curtas e sem esmalte 7- O mais indicado é lavar frutas, verduras e legumes com sabão ou detergente? 8- Posso provar a comida na mão ou com a colher que estou usando no preparo dos alimentos? 9- Assinale com um X na letra da alternativa CORRETA sobre a forma adequada de preparo da solução sanitizante. a) Em 2 litros de água limpa (filtrada ou fervida) devo adicionar 2 colheres de sopa cheia de água sanitária b) Em 2 litros de água que utilizei para lavar os legumes devo adicionar 1 litro de água sanitária c) Adicionar 1 litro de vinagre e 1 litro de água sanitária para preparar a solução 10- É aconselhado lavar todo tipo de carne? Apêndice 2 Vivências. Vol.7, N.12: p.23-36, Maio/

11 Noções básicas de higiene do ambiente, dos utensílios e dos equipamentos 1- A limpeza do ambiente de ser realizada somente com água e sabão? 2- Quando deve ocorrer a higienização das portas e janelas de seu estabelecimento? a) Lavá-las uma vez por semana com esponja, solução de água e detergente b) Lavá-las quando a sujeira aparecer e começar a incomodar c) Lavá-las somente uma vez por semestre 3- Os pontos amassados dos utensílios (panelas e tabuleiros) dificultam a limpeza e se transformam em pontos de contaminação? 4- A limpeza das canaletas e ralos deve ser realizada em qual momento? a) Somente quando estiver visível a sujeira b) No momento que estiver limpando o piso c) Somente quando estiverem entupidos d) Quando estiverem com odores desagradáveis e com a presença de baratas 5- A seguinte frase A higienização da caixa d`água deve ocorrer a cada 6 meses, uma vez que a água é uma das principais vias de transmissão de bactérias que causam doenças no homem está correta? 6- Assinale a maneira correta para a higienização manual dos utensílios e o seu armazenamento. a) Colocar os utensílios em aparadores próprios, esperando o tempo necessário para escorrer e assim que estiverem secos guardá-los b) Após a realização da limpeza, secá-los com pano, armazená-los e compartimentos que tiver produtos de limpeza e mantimentos c) Lavar e guardá-los sem secar em lugares sem higiene d) Lavar somente com água quente e deixar secar com o tempo 7- Como deve ser o armazenamento de alimentos na geladeira? a) Armazenar os alimentos de forma que possa circular ar frio em seu interior b) Não é necessário um cuidado com o armazenamento dos alimentos, pois o importante é armazená-los c) Armazenar alimentos quentes e sem rótulos 8- A solução sanitizante deve ser utilizada apenas para higienização de alimentos? 9- Qual a forma adequada de utilização do liquidificador para evitar que o mesmo estrague? a) Usar somente alimentos macios b) Usar poucas vezes por mês c) Não forçar o motor com excesso de alimentos d) Usar somente para líquidos Vivências. Vol.7, N.12: p.23-36, Maio/

12 10- Qual a forma correta de utilização do moedor de carne para garantir que este equipamento funcione durante muito tempo? a) Picar a carne em pedaços menores e evitar grandes quantidades b) Moer pedaços grandes para economizar tempo c) Deixar o moedor sempre com alguns pedaços de carne para evitar a perda de tempo de funcionário e do consumidor d) Empurrar a carne com a mão para moer mais rapidamente Apêndice 3 Noções básicas de recepção, estocagem, armazenamento e conservação de alimentos, bem como decoração de pratos e ambientes 1- Na recepção dos alimentos é importante verificar a quantidade e a qualidade? 2- Material de limpeza e de dedetização podem ser estocados junto com alimentos em um mesmo armário? 3- Assinale a alternativa correta sobre os pontos que devem ser observados no momento da recepção de alimentos: ( ) Olhar apenas as condições de higiene externa do carro transportador e do entregador. ( ) A presença de degelo, água no piso do caminhão e nas embalagens dos produtos congelados é um sinal de que o alimento está em bom estado de conservação. ( ) A temperatura interna do caminhão que transporta produtos congelados como carne, peixe e frango deve ser de -18 a -15ºC. 4- A carne que foi descongelada pode ser congelada novamente? 5- Qual o selo deve estar presente na carne de frango? ( ) ONU Organização das Nações Unidas ( ) SIF Serviço de Inspeção Federal ( ) OMS Organização Mundial da Saúde 6- Assinale a alternativa correta sob a forma de armazenamento para conservação dos alimentos perecíveis como carnes, peixes e frutas: ( ) Estes alimentos estragam facilmente e devem ser armazenados em geladeira. ( ) Devem ficar em local seco, ventilado, protegidos do calor excessivo e umidade. ( ) Todos estes alimentos devem ser congelados. 7- Assinale a alternativa correta sobre o tempo adequado de conservação dos alimentos na geladeira: ( ) Ovos inteiros: 6 meses ( ) Presunto fatiado: 3 dias ( ) Verdura de folhas: 5 semanas Vivências. Vol.7, N.12: p.23-36, Maio/

13 ( ) Leite integral: 40 dias 8- Dentre as alternativas abaixo assinale aquela correta quanto a um fator importante envolvido na venda de alimentos e bebidas: ( ) Somente a aparência física do estabelecimento é suficiente para garantir as vendas. ( ) Somente a localização geográfica é suficiente para agradar os fregueses. ( ) A disposição da sala de refeições é o item mais importante para estimular a venda de bebidas. ( ) A qualidade dos alimentos e bebidas são itens importantes para garantir a saúde, e consequentemente a sua venda. ( ) Somente a decoração do ambiente e dos pratos é suficiente para estimular a venda de alimentos. 9- As cores estimulam determinadas reações, sendo que elas podem melhorar ou destruir a aparência do seu estabelecimento. 10- A seguinte frase Sirva sempre pratos bem decorados, pois se come primeiro com os olhos está correta? Apêndice 4 Noções básicas dos alimentos e o processo saúde-doença 1. Um alimento contaminado por mofo pode causar doenças? 2. Dona Maria deseja fazer uma deliciosa salada de tomate. Entretanto, quando ela abre o saquinho de tomate guardado na gaveta da geladeira, ela observa que todos os tomates estão mofados. O que ela deve fazer neste caso? ( ) jogar todos os tomates fora, pois estão contaminados ( ) cortar a parte mofada e usar a outra no preparo da salada ( ) lavar os tomates com água e sabão, colocar na solução sanitizante e depois preparar a salada. 3- A data de validade não é importante, pois mesmo depois de estragado o alimento ainda pode ser consumido durante 1 mês. 4- Devemos comprar e preparar grandes quantidades de alimentos no natal e as sobras devem ser guardadas para as festividades de ano novo? 5- Os alimentos podem ser contaminados desde o seu plantio até o momento em que os colocamos no prato? Vivências. Vol.7, N.12: p.23-36, Maio/

14 6- O fornecimento de alimentos seguros é uma responsabilidade apenas do produtor rural? 7- Alimentos como carnes bovinas e peixes apresentam um alto risco de contaminação quando ficam fora da geladeira muitas horas após o seu preparo. 8- Uma das formas de se evitar a contaminação por bactérias seria através da fervura dos alimentos? 9- A falta de higiene em estabelecimentos de alimentação pronta pode ter como consequência o pagamento de indenizações às vítimas de intoxicação alimentar. 10- Em um estabelecimento é importante que a descarga dos sanitários seja acionada com a tampa abaixada para evitar a contaminação do ambiente. Vivências. Vol.7, N.12: p.23-36, Maio/

BOAS PRÁTICAS NO PREPARO DE ALIMENTOS

BOAS PRÁTICAS NO PREPARO DE ALIMENTOS BOAS PRÁTICAS NO PREPARO DE ALIMENTOS SÉRIE: SEGURANÇA ALIMENTAR e NUTRICIONAL Autora: Faustina Maria de Oliveira - Economista Doméstica DETEC Revisão: Dóris Florêncio Ferreira Alvarenga Pedagoga Departamento

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO DO OESTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO DO OESTE PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO DO OESTE PROCESSO SELETIVO Nº001/2010 AUXILIARES DE SERVIÇOS GERAIS NOME DO CANDIDAT0: ASSINATURA: RIO DO OESTE 27 DE JANEIRO DE 2010 Instruções: Antes de começar a realizar

Leia mais

Preparo de Alimentos Seguros

Preparo de Alimentos Seguros Preparo de Alimentos Seguros O que você precisa saber para preparar um alimento próprio para consumo? Alimento Seguro são aqueles que não oferecem riscos à saúde de quem o está consumindo, ou seja, o alimento

Leia mais

Cartilha do. Manipulador de Alimentos

Cartilha do. Manipulador de Alimentos Cartilha do Manipulador de Alimentos apresenta Cartilha do Manipulador de Alimentos Belezas naturais e lugares maravilhosos, assim é o turismo no Brasil, que se desenvolve a cada dia e ocupa um importante

Leia mais

QUALIDADE HIGIÊNICO-SANITÁRIA DA MERENDA ESCOLAR OFERECIDA NO MUNICÍPIO DE LONDRINA, PR

QUALIDADE HIGIÊNICO-SANITÁRIA DA MERENDA ESCOLAR OFERECIDA NO MUNICÍPIO DE LONDRINA, PR QUALIDADE HIGIÊNICO-SANITÁRIA DA MERENDA ESCOLAR OFERECIDA NO MUNICÍPIO DE LONDRINA, PR Elis Carolina de Souza Fatel* Aline Sarabia** Cássia Daiane Givigier** Eliane Kelly Silva Garcia** Indianara Cardoso

Leia mais

Manual Básico para os Manipuladores de Alimentos

Manual Básico para os Manipuladores de Alimentos Secretaria Municipal de Saúde VISA Ponte Nova Manual Básico para os Manipuladores de Alimentos Elaborado pela Equipe da Vigilância Sanitária de Ponte Nova Índice: 1. Manipulador de Alimentos e Segurança

Leia mais

Boas práticas na manipulação do pescado

Boas práticas na manipulação do pescado Boas práticas na manipulação do pescado O Brasil tem uma grande variedade de pescados e todas as condições para a produção deste alimento saudável e saboroso. Para que o pescado continue essa fonte rica

Leia mais

Trabalho com a energia da vida. Tenho orgulho disso. Sou Boa Cozinha.

Trabalho com a energia da vida. Tenho orgulho disso. Sou Boa Cozinha. Trabalho com a energia da vida. Tenho orgulho disso. Sou Boa Cozinha. Sou consciente, escolhido por Deus. Sei o que faço. Amo o meu trabalho, amo a vida. Faço o certo. Aqui tem segurança. Sou comprometido

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAIXIAS DO SUL RS LANÇA MANUAL DO GESTOR PARA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR EM CAPACITAÇÃO ESPECÍFICA.

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAIXIAS DO SUL RS LANÇA MANUAL DO GESTOR PARA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR EM CAPACITAÇÃO ESPECÍFICA. PREFEITURA MUNICIPAL DE CAIXIAS DO SUL RS LANÇA MANUAL DO GESTOR PARA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR EM CAPACITAÇÃO ESPECÍFICA. PREFEITURA DE CAXIAS DO SUL Secretaria Municipal da Educação Setor de Alimentação Escolar

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA MANIPULAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E INTERCORRÊNCIAS NA UTILIZAÇÃO DE DIETAS ENTERAIS

MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA MANIPULAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E INTERCORRÊNCIAS NA UTILIZAÇÃO DE DIETAS ENTERAIS MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA MANIPULAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E INTERCORRÊNCIAS NA UTILIZAÇÃO DE DIETAS ENTERAIS 2ª edição SUMÁRIO Nutrição Enteral: definição 1. Cuidados no preparo da Nutrição Enteral Higiene

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013.

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. BOAS PRÁTICAS PARA COMÉRCIO AMBULANTE DE ALIMENTOS A Secretaria do

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 01. Assinale a alternativa que NÃO apresenta a rotina de trabalho de um (a) Merendeiro(a): A) Executar, sob orientação de Nutricionista, as tarefas relativas à confecção da merenda

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS EM COZINHAS DAS ESCOLAS ESTADUAIS DO MUNICÍPIO DE TRÊS PASSOS/RS

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS EM COZINHAS DAS ESCOLAS ESTADUAIS DO MUNICÍPIO DE TRÊS PASSOS/RS AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS EM COZINHAS DAS ESCOLAS ESTADUAIS DO MUNICÍPIO DE TRÊS PASSOS/RS L. Abreu¹, F.H.Weber², M.E. Lanzanova³, G. Scherer 4, H. Weirch 5 1- Universidade Estadual

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL EM CARÁTER TEMPORÁRIO PARA ATUAR NO MAGISTÉRIO PÚBLICO MUNICIPAL EDITAL Nº 02/2013

PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL EM CARÁTER TEMPORÁRIO PARA ATUAR NO MAGISTÉRIO PÚBLICO MUNICIPAL EDITAL Nº 02/2013 PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL EM CARÁTER TEMPORÁRIO PARA ATUAR NO MAGISTÉRIO PÚBLICO MUNICIPAL EDITAL Nº 02/2013 NOME DO CANDIDATO: Nº DE INSCRIÇÃO: CARGO: MERENDEIRA PROCESSO SELETIVO

Leia mais

GUIA PARA UMA ALIMENTAÇÃO SEGURA

GUIA PARA UMA ALIMENTAÇÃO SEGURA GUIA PARA UMA ALIMENTAÇÃO SEGURA Série Qualidade e Segurança dos Alimentos GUIA PARA UMA ALIMENTAÇÃO SEGURA Série Qualidade e Segurança dos Alimentos 2 0 0 7 2007. SENAI Departamento Nacional Todos os

Leia mais

AVALIAÇÕES DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS DA PRAÇA DE ALIMENTAÇÃO EM UM EVENTO COMERCIAL

AVALIAÇÕES DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS DA PRAÇA DE ALIMENTAÇÃO EM UM EVENTO COMERCIAL V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 AVALIAÇÕES DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS DA PRAÇA DE ALIMENTAÇÃO EM UM EVENTO COMERCIAL Deijiane de Oliveira

Leia mais

Competências Técnicas

Competências Técnicas Missão Atender bem os clientes, com bons produtos, da maneira mais rápida possível, sempre com muita atenção, com os menores preços possíveis, em um local agradável e limpo. Competências Técnicas Formar

Leia mais

*RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009

*RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009 *RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009 O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor, e CONSIDERANDO o Decreto Municipal

Leia mais

3 segurança AlimentAr CHRistianne de VasConCelos affonso Jaqueline girnos sonati 19

3 segurança AlimentAr CHRistianne de VasConCelos affonso Jaqueline girnos sonati 19 3 Segurança Al i m e n ta r Christianne de Vasconcelos Affonso Jaqueline Girnos Sonati 19 Segurança Alimentar Atualmente temos muitas informações disponíveis sobre a importância da alimentação e suas conseqüências

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRONIZADO P O P

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRONIZADO P O P PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRONIZADO P O P P O P DEFINIÇÃO É uma descrição detalhada de todas as operações necessárias para a realização de uma atividade. É um roteiro padronizado para realizar uma atividade.

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS SANEANTES EM DOMICÍLIOS DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA (RS)¹.

UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS SANEANTES EM DOMICÍLIOS DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA (RS)¹. UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS SANEANTES EM DOMICÍLIOS DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA (RS)¹. DEON, Bárbara Cecconi ²; HECKTHEUER, Luiza Helena³; SACCOL, Silvana 4 ; MEDEIROS, Laissa Benites 5 ; ORSOLIN, Giulianna

Leia mais

Oficina Bactérias e Fungos

Oficina Bactérias e Fungos Oficina Bactérias e Fungos Leia todo a material antes de iniciar as atividades. Aproveite esse momento para explorar seus conhecimentos e ter uma aprendizagem significativa. Socialize suas dúvidas e conhecimentos

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO

HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO Bem Vindos! HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO Quem sou? Farmacêutica Bioquímica e Homeopata. Especialista em Análises Clínicas, Micologia, Microbiologia e Homeopatia. 14 anos no varejo farmacêutico

Leia mais

COMIDA DE RUA: SEGURANÇA ALIMENTAR E CRITÉRIOS DE FISCALIZAÇÃO SANITÁRIA

COMIDA DE RUA: SEGURANÇA ALIMENTAR E CRITÉRIOS DE FISCALIZAÇÃO SANITÁRIA Salvador, 07 de agosto de 2014 COMIDA DE RUA: SEGURANÇA ALIMENTAR E CRITÉRIOS DE FISCALIZAÇÃO SANITÁRIA Diretoria de Vigilância á Saúde Vigilância Sanitária SPEIS COMIDA DE RUA: linhas de ação Ambulantes;

Leia mais

MANUAL DO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO

MANUAL DO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO MANUAL DO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO Manual desenvolvido pela equipe de monitoras, sob a supervisão da disciplina de Tecnologia de Alimentos (Curso de Nutrição) para normatização das atividades desenvolvidas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO DE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO DE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO DE 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do Projeto: Curso de Capacitação em Boas Práticas para Serviços de Alimentação. 1.2 Câmpus

Leia mais

Princípios de Higiene Pessoal para Manipuladores da Indústria de Latícinios

Princípios de Higiene Pessoal para Manipuladores da Indústria de Latícinios MINISTERIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO 55 ISSN 0103-6068 Dezembro, 2003 Princípios de Higiene Pessoal para Manipuladores da Indústria de Latícinios Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS E HIGIENE PESSOAL

BOAS PRÁTICAS EM MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS E HIGIENE PESSOAL BOAS PRÁTICAS EM MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS E HIGIENE PESSOAL Manipuladores de alimentos São todas as pessoas que trabalham com alimentos, ou seja, quem produz, vende, transportam recebe, prepara e serve

Leia mais

Sustentável. Alimentação: Receitas deliciosas. O seu dia a dia muito mais saboroso. Dicas orientadas pela nutricionista Miriam Abdel Latif - CRN 3152

Sustentável. Alimentação: Receitas deliciosas. O seu dia a dia muito mais saboroso. Dicas orientadas pela nutricionista Miriam Abdel Latif - CRN 3152 Alimentação: Sustentável Dicas orientadas pela nutricionista Miriam Abdel Latif - CRN 3152 Receitas deliciosas. O seu dia a dia muito mais saboroso. NÚMERO 4 Bolo de Maçã com casca 3 ovos 1 xícara (chá)

Leia mais

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE ARMAZENAMENTO E NA ÁREA DE VENDA

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE ARMAZENAMENTO E NA ÁREA DE VENDA MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE ARMAZENAMENTO E NA ÁREA DE VENDA MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE ARMAZENAMENO E VENDAS CUIDADOS NAS OPERAÇÕES RECEBIMENTO No ato do recebimento dos produtos são conferidos: Procedência;

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM BOAS PRÁTICAS COM MANIPULADORES DA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR DA REDE PÚBLICA DE ENSINO DA REGIÃO CENTRAL DO RIO GRANDE DO SUL 1

CAPACITAÇÃO EM BOAS PRÁTICAS COM MANIPULADORES DA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR DA REDE PÚBLICA DE ENSINO DA REGIÃO CENTRAL DO RIO GRANDE DO SUL 1 CAPACITAÇÃO EM BOAS PRÁTICAS COM MANIPULADORES DA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR DA REDE PÚBLICA DE ENSINO DA REGIÃO CENTRAL DO RIO GRANDE DO SUL 1 Botega, A. de O.²; Gabbardo, F.G.²; Saccol, A.L. de F.³ 1 Projeto

Leia mais

MERENDA ESCOLAR: UMA ANÁLISE SOBRE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS

MERENDA ESCOLAR: UMA ANÁLISE SOBRE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS MERENDA ESCOLAR: UMA ANÁLISE SOBRE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS Adrine Fernanda Pascoal Ayna Carolina Duarte Baia Priscila dos Santos Dantas Laudicéia Soares Urbano INTRODUÇÃO A escola pública no Brasil, além

Leia mais

PREFEITURA DE ORLEANS CONCURSO PÚBLICO Nº 01/2012 PROVA DE COZINHEIRO

PREFEITURA DE ORLEANS CONCURSO PÚBLICO Nº 01/2012 PROVA DE COZINHEIRO CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PREFEITURA DE ORLEANS 01. Cozinhar deve ser um ato seguro. Quem cozinha precisa redobrar a atenção ao executar as suas tarefas, evitando as situações de risco que possam gerar

Leia mais

6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Universidade de Passo Fundo Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária Curso de Medicina Veterinária 6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Médico Veterinário Profº Dr. Elci Lotar

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio!

BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio! BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio! Dra. Marlise Potrick Stefani, MSc Nutricionista Especialista e Mestre em Qualidade, Especialista em Alimentação Coletiva

Leia mais

Anais da 3ª Jornada Científica da UEMS/Naviraí

Anais da 3ª Jornada Científica da UEMS/Naviraí Anais da 3ª Jornada Científica da UEMS/Naviraí 22 a 26 de Outubro de 2013 Naviraí/MS - Brasil www.uems.br/navirai Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul - Unidade de Naviraí 97 Avaliação das Condições

Leia mais

Importância da Higiene

Importância da Higiene Importância da Higiene Anexo 1 1 Semana Pedagógica 1º semestre - 2016 Anexo I Importância da Higiene Você sabe o que é higiene? Higiene é o conjunto de medidas que tomamos para eliminar a sujeira, que

Leia mais

30/8/2010 BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO. BPF_ BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO Parte 1

30/8/2010 BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO. BPF_ BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO Parte 1 São conjunto de princípios e regras que ajudam a reduzir, prevenir e evitar os perigos dos alimentos. BPF_ BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO Parte 1 Condutas para o Controle Higiênico-Sanitário de Alimentos

Leia mais

Centro de Saúde Escola do Butantã/FMUSP. Saúde da Criança. Receitas para as primeiras papinhas do seu bebê

Centro de Saúde Escola do Butantã/FMUSP. Saúde da Criança. Receitas para as primeiras papinhas do seu bebê Centro de Saúde Escola do Butantã/FMUSP Saúde da Criança Receitas para as primeiras papinhas do seu bebê Receita básica para PAPA SALGADA Não podem faltar estes alimentos no preparo do papa para a criança

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CARTILHA DO PESCADOR ARTESANAL Boas Práticas na Manipulação dos Produtos da Pesca Artesanal Carmelita de Fátima Amaral Ribeiro Oriana Trindade de Almeida Sérgio Luiz de Medeiros

Leia mais

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1 1 SEBASTIÃO RODRIGO DE LIMA NASCIMENTO¹, MARIA DA CONCEIÇÃO GONÇALVES MACÊDO 1, ANNE CAROLINE CÂMARA DE ALMEIDA 2, NATAN MEDEIROS GUERRA 3, MAURINA DE LIMA PORTO 4. ¹ Graduando(a) do Curso de Medicina

Leia mais

SIM NÃO B. Equipamentos limpos (geladeira, freezer, fogão, batedeira) SIM NÃO C. Utensílios limpos (panelas, canecas, pratos, talheres)

SIM NÃO B. Equipamentos limpos (geladeira, freezer, fogão, batedeira) SIM NÃO C. Utensílios limpos (panelas, canecas, pratos, talheres) MODELO: ROTEIRO DE VISITAS ÀS ESCOLAS: PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR PNAE ESCOLA DATA PERÍODO CONSELHEIRO(S) 1. HIGIENE PESSOAL DAS MERENDEIRAS A. Mãos lavadas e higienizadas B. Asseio (cabelos,

Leia mais

NUTRIÇÃO ENTERAL HOSPITAL SÃO MARCOS. Heloisa Portela de Sá Nutricionista Clínica do Hospital São Marcos Especialista em Vigilância Sanitária

NUTRIÇÃO ENTERAL HOSPITAL SÃO MARCOS. Heloisa Portela de Sá Nutricionista Clínica do Hospital São Marcos Especialista em Vigilância Sanitária NUTRIÇÃO ENTERAL HOSPITAL SÃO MARCOS Heloisa Portela de Sá Nutricionista Clínica do Hospital São Marcos Especialista em Vigilância Sanitária Secretária Nutricionista Gerente Nutricionista Planejamento

Leia mais

MANUAL DE CONSERVAÇÃO DOS PRODUTOS CRIARE

MANUAL DE CONSERVAÇÃO DOS PRODUTOS CRIARE MANUAL DE CONSERVAÇÃO DOS PRODUTOS CRIARE Para que a vida útil do seu produto seja maior, recomendamos que estas informações sejam transmitidas às pessoas que executam a limpeza da sua casa. DE OLHO NA

Leia mais

Na área de trabalho de uma unidade de processamento de pescado

Na área de trabalho de uma unidade de processamento de pescado Na área de trabalho de uma unidade de processamento de pescado 46 C-52 C 115 F-125 F 00:00:20 Todas as pessoas que entram na área de trabalho de uma unidade de processamento de pescado devem vestir roupas

Leia mais

Cartilha do Manipulador de Alimentos para Distribuição

Cartilha do Manipulador de Alimentos para Distribuição Cartilha do Manipulador de Alimentos para Distribuição Série Qualidade e Segurança dos Alimentos 2 0 0 4 2004. SENAC Departamento Nacional Proibida a reprodução total ou parcial deste material. Todos os

Leia mais

Limpando a Caixa D'água

Limpando a Caixa D'água Limpando a Caixa D'água É muito importante que se faça a limpeza no mínimo 2 (duas) vezes ao ano. Caixas mal fechadas/tampadas permitem a entrada de pequenos animais e insetos que propiciam sua contaminação.

Leia mais

[SELO ALIMENTO SEGURO]

[SELO ALIMENTO SEGURO] 1 Lista de Verificação Selo Alimento Seguro Lista de Verificação com a finalidade de examinar todos os aspectos relacionados com as instalações, equipamentos, ferramentas, instrumentos utilizados pelas

Leia mais

CHECK LIST TÉCNICO - COZINHA, BAR e SALÃO

CHECK LIST TÉCNICO - COZINHA, BAR e SALÃO CHECK LIST TÉCNICO - COZINHA, BAR e SALÃO O QUE É? Impresso utilizado para auxiliar em auditoria técnica na unidade. PORQUE DEVE SER FEITO? ) Para avaliar e registrar a qualidade técnica apresentada na

Leia mais

A - IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA

A - IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA ANEXO II REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DEPARTAMENTO DE FISCALIZAÇÃO DE INSUMOS PECUÁRIOS ROTEIRO DE INSPEÇÃO DAS BOAS

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇÃO - Itens 1. IDENTIFICAÇÃO

LISTA DE VERIFICAÇÃO - Itens 1. IDENTIFICAÇÃO REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA ANEXO XIII LISTA DE VERIFICAÇÃO DE AUTO-INSPEÇÃO 1.1. Nome da embarcação: 1.2. IMO: 1.3. Nome e assinatura do

Leia mais

ROTEIRO DE VISITAÇÃO ÀS ESCOLAS

ROTEIRO DE VISITAÇÃO ÀS ESCOLAS ESCOLA DATA E HORÁRIO DA VISITA 1. ASPECTOS ESTRUTURAIS SIM NÃO A escola possui portaria? Há muro ou cerca ao redor da escola? Tem quadra de esportes? Tem área de convivência? Tem Biblioteca? Quantos livros

Leia mais

Economia de água. Ao usar o vaso sanitário

Economia de água. Ao usar o vaso sanitário Economia de água Economizar água não é mais só um hábito saudável. Atualmente, é uma grande responsabilidade com o futuro. Se não mudarmos nossos hábitos, a escassez de água para o consumo vai nos afetar

Leia mais

PROGRAMA DE BOAS PRÁTICAS EM DOMICÍLIOS DA CIDADE DE SANTA MARIA - RS

PROGRAMA DE BOAS PRÁTICAS EM DOMICÍLIOS DA CIDADE DE SANTA MARIA - RS PROGRAMA DE BOAS PRÁTICAS EM DOMICÍLIOS DA CIDADE DE SANTA MARIA - RS Barbara Cecconi Deon, Luisa Helena Hecktheuer, Mariana Etchepare, Mariele Naissinger, Silvana Saccol Gramado, 31 de maio de 2012 ALIMENTAÇÃO

Leia mais

FORMULÁRIO DE AUTO-INSPEÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO

FORMULÁRIO DE AUTO-INSPEÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO FORMULÁRIO DE AUTO-INSPEÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO Neste formulário estão as exigências mínimas para a instalação e funcionamento de uma Cozinha Industrial. Devem ser observados demais critérios

Leia mais

Empresa terceirizada, contratada para a produção e distribuição de refeições aos usuários da Universidade Federal do Amapá. Nº NOME TELEFONE E-MAIL

Empresa terceirizada, contratada para a produção e distribuição de refeições aos usuários da Universidade Federal do Amapá. Nº NOME TELEFONE E-MAIL PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO - POP Nº 1.1.3.4 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E AÇÕES COMUNITÁRIAS DEPARTAMENTO DO RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO CHEFE

Leia mais

Como funciona seu produto. Refrigerador CRA30. 1 - Porta do Congelador 2 - Congelador 3

Como funciona seu produto. Refrigerador CRA30. 1 - Porta do Congelador 2 - Congelador 3 Como funciona seu produto Comece por aqui. Se você quer tirar o máximo proveito da tecnologia contida neste produto, leia o Guia Rápido por completo. Refrigerador CRA30 1 Características Gerais 1 1 - Porta

Leia mais

Mantenha as portas e as janelas abertas, inclusive nos dias frios, para evitar o aumento de germes no ar, o que facilita a transmissão de doenças.

Mantenha as portas e as janelas abertas, inclusive nos dias frios, para evitar o aumento de germes no ar, o que facilita a transmissão de doenças. Soninho Mantenha as portas e as janelas abertas, inclusive nos dias frios, para evitar o aumento de germes no ar, o que facilita a transmissão de doenças. Garanta que entre os colchonetes haja meio metro

Leia mais

CONSUMO CONSCIENTE DE ALIMENTOS Conteúdo desenvolvido pelo Instituto Akatu.

CONSUMO CONSCIENTE DE ALIMENTOS Conteúdo desenvolvido pelo Instituto Akatu. CONSUMO CONSCIENTE DE ALIMENTOS Conteúdo desenvolvido pelo Instituto Akatu. Os impactos do desperdício de alimentos. Pense em um prato de comida à sua frente. Imagine-o sendo jogado no lixo, sem piedade.

Leia mais

Etapas do Plano de Negócios

Etapas do Plano de Negócios Etapas do Plano de Negócios Etapa 3. O negócio 4. Produtos e serviços Detalhes Identificação Definição Equipe Motivação e oportunidades Tecnologia e processos Benefícios e vantagens competitivas Preço

Leia mais

NORMAS DE HIGIENE E SEGURANÇA - TASQUINHAS DAS FESTAS DO BARREIRO 2015 -

NORMAS DE HIGIENE E SEGURANÇA - TASQUINHAS DAS FESTAS DO BARREIRO 2015 - NORMAS DE HIGIENE E SEGURANÇA - TASQUINHAS DAS FESTAS DO BARREIRO 2015 - O presente documento destaca as principais medidas de segurança e higiene no trabalho que deverão ser implementadas e cumpridas

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br Sala de Apoio a Amamentação em Empresas 2010 PORTARIA Anvisa nº 193, de 23 de fevereiro de 2010 Aprova a Nota Técnica Conjunta nº 01/2010, Anvisa e Ministério da Saúde, conforme anexo. OBJETIVO Oi Orientar

Leia mais

PLANO DE HIGIENE ÍNDICE 1 HIGIENE PESSOAL 2 RECEPCÇÃO DE MERCADORIAS 3 ZONAS DE ARMAZENAGEM 4 ZONAS DE PREPARAÇÃO 5 ZONAS DE CONFECÇÃO

PLANO DE HIGIENE ÍNDICE 1 HIGIENE PESSOAL 2 RECEPCÇÃO DE MERCADORIAS 3 ZONAS DE ARMAZENAGEM 4 ZONAS DE PREPARAÇÃO 5 ZONAS DE CONFECÇÃO ÍNDICE 1 HIGIENE PESSOAL 2 RECEPCÇÃO DE MERCADORIAS 3 ZONAS DE ARMAZENAGEM 4 ZONAS DE PREPARAÇÃO 5 ZONAS DE CONFECÇÃO 6 REFEITÓRIO / CAFÉ 7 COPA 8 VESTUÁRIOS e / ou CASAS DE BANHO Elaborado: Aprovado:

Leia mais

Segurança Alimentar no Ambiente Escolar

Segurança Alimentar no Ambiente Escolar 4 Segurança Alimentar no Ambiente Escolar Cleliani de Cassia da Silva Especialista em Nutrição, Saúde e Qualidade de Vida UNICAMP segurança alimentar e nutricional é definida pelo Conselho Nacional de

Leia mais

Frigideira de raviólis

Frigideira de raviólis Frigideira de raviólis (8 pessoas) 100g de bacon picado 500g de carne bovina cortada em cubos 500g de massa tipo ravióli farinha de trigo (cerca de 3 colheres) 1 cebola picada 2 dentes de alho esmagados

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS.

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS. RESOLUÇÃO.../SESA/PR O Secretário Estadual de Saúde, no uso de suas atribuições legais e: CONSIDERANDO a Portaria nº 326/1997/SVS/MS, a Resolução RDC nº275/2002, a Resolução RDC nº 216/2004, da ANVISA,

Leia mais

Boas Práticas no setor de perecíveis: Hortifruti, Frios, Laticínios e Carnes.

Boas Práticas no setor de perecíveis: Hortifruti, Frios, Laticínios e Carnes. Boas Práticas no setor de perecíveis: Hortifruti, Frios, Laticínios e Carnes. Instrutor: Jones dos Reis Andrade, Administrador de Empresas. Tópicos Compras Transporte Recebimento Conferência Armazenagem

Leia mais

Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes

Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO UFERSA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ANIMAIS - DCAn DISCIPLINA: INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes 2013 INTRODUÇÃO Principais

Leia mais

EXERCÍCIO BLH, LACTÁRIO e ERGONOMIA

EXERCÍCIO BLH, LACTÁRIO e ERGONOMIA UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ UNOCHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE NUTRIÇÃO NUTRIÇÃO COLETIVA II Professora: VIVIAN VIEIRA EXERCÍCIO BLH, LACTÁRIO e ERGONOMIA 1. Marque V ou F nas questões

Leia mais

MANUAL DE BOAS PRATICAS DE FABRICAÇÃO DA COZINHA PEDAGOGICA DO CENTRO DE GASTRONOMIA

MANUAL DE BOAS PRATICAS DE FABRICAÇÃO DA COZINHA PEDAGOGICA DO CENTRO DE GASTRONOMIA MANUAL DE BOAS PRATICAS DE FABRICAÇÃO DA COZINHA PEDAGOGICA DO CENTRO DE GASTRONOMIA JOINVILLE Junho 2009 1. INTRODUÇÃO Este manual descreve as operações realizadas nas cozinha pedagogica do centro de

Leia mais

Uma arte que deve andar lado a lado com a saúde. Secretaria de Saúde de Vila Velha Vigilância Sanitária

Uma arte que deve andar lado a lado com a saúde. Secretaria de Saúde de Vila Velha Vigilância Sanitária Uma arte que deve andar lado a lado com a saúde. Secretaria de Saúde de Vila Velha Vigilância Sanitária objetivo Este manual estabelece os critérios de higiene e de boas práticas operacionais para o controle

Leia mais

ESTABELECIMENTOS DE RESTAURAÇÃO E BEBIDAS [recomendações]

ESTABELECIMENTOS DE RESTAURAÇÃO E BEBIDAS [recomendações] ESTABELECIMENTOS DE RESTAURAÇÃO E BEBIDAS [recomendações] Portugal em Acção ESTABELECIMENTOS DE RESTAURAÇÃO E BEBIDAS As estruturas, as instalações e o equipamento dos estabelecimentos de restauração ou

Leia mais

A ROTULAGEM DE ALIMENTOS PROMOVENDO O CONTROLE SANITÁRIO E A ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

A ROTULAGEM DE ALIMENTOS PROMOVENDO O CONTROLE SANITÁRIO E A ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Prefeitura Municipal do Natal Secretaria Municipal de Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Setor de Vigilância Sanitária Distrito Sanitário Oeste Núcleo de Vigilância Sanitária A ROTULAGEM DE ALIMENTOS

Leia mais

ELABORAÇÃO DE MATERIAL EDUCATIVO PARA MANIPULADORES DE ALIMENTOS PRATICANDO A SEGURANÇA ALIMENTAR NA ESCOLA

ELABORAÇÃO DE MATERIAL EDUCATIVO PARA MANIPULADORES DE ALIMENTOS PRATICANDO A SEGURANÇA ALIMENTAR NA ESCOLA ELABORAÇÃO DE MATERIAL EDUCATIVO PARA MANIPULADORES DE ALIMENTOS PRATICANDO A SEGURANÇA ALIMENTAR NA ESCOLA 1 OLIVEIRA, Giovanna Angela Leonel; 2 AIRES, Mayara Gabrielly Gomes Silva; 3 RODRIGUES, Rodrigo

Leia mais

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA DE CONTROLE DE VETORES NO AMBIENTE HOSPITALAR

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA DE CONTROLE DE VETORES NO AMBIENTE HOSPITALAR 1 COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA DE CONTROLE DE VETORES NO AMBIENTE HOSPITALAR Flávia Valério de Lima Gomes Enfermeira da CCIH / SCIH Jair

Leia mais

OBJETIVOS DO TREINAMENTO

OBJETIVOS DO TREINAMENTO OBJETIVOS DO TREINAMENTO O QUE VOCÊ APRENDERÁ NO TREINAMENTO? A importância do cozimento e da preparação dos alimentos. Quais são as tecnologias exclusivas incorporadas na fabricação das panelas icook

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari*

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari* AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari* Resumo: Vasconcellos, Jorge** As mudanças ocorridas em nosso pais, principalmente a crescente modernização e urbanização,

Leia mais

Profa. Ana Luiza Veltri

Profa. Ana Luiza Veltri Profa. Ana Luiza Veltri EJA Educação de Jovens e Adultos Água de beber Como está distribuída a água no mundo? A Terra, assim como o corpo humano, é constituída por dois terços de água; Apenas 1% da quantidade

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica NORMAS GERAIS PARA USO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CÂMPUS GOVERNADOR

Leia mais

1 Documentação 1.1 S N NA

1 Documentação 1.1 S N NA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE COORDEDORIA GERAL DE VIGILÂNCIA DA SAÚDE EQUIPE DE CONTROLE E VIGILÂNCIA DE SERVIÇOS DE SAÚDE versão Maio/2011 ROTEIRO DE INSPEÇÃO PARA

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2005

PROJETO DE LEI Nº, DE 2005 PROJETO DE LEI Nº, DE 2005 (Do Sr. Alex Canziani) Dispõe sobre a regulamentação do exercício da profissão de cozinheiro. Congresso Nacional decreta: Art. 1º Considera-se cozinheiro, para efeitos desta

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 01. São atitudes corretas de atendimento ao público, EXCETO: A) Ser cortês. B) Tratar bem o cliente. C) Favorecer um ambiente agradável. D) Não dar a mínima importância ao problema

Leia mais

Adriana Andreotti 1 Flávia H. Baleroni¹ Vanessa H. B. Paroschi¹ Sandra Geres Alves Panza 2

Adriana Andreotti 1 Flávia H. Baleroni¹ Vanessa H. B. Paroschi¹ Sandra Geres Alves Panza 2 29 Iniciação Científica Cesumar jan-jun. 2003, Vol. 05 n.01, pp. 29-33 IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO PARA MANIPULADORES DE ALIMENTOS EM RELAÇÃO À HIGIENE PESSOAL Adriana Andreotti 1 Flávia H. Baleroni¹ Vanessa

Leia mais

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde A Portaria MS nº 2616/98 define a Infecção Hospitalar (IH) como sendo aquela adquirida após a admissão do paciente e que se manifesta durante

Leia mais

Relatório sobre a Pesquisa de Satisfação dos usuários do Restaurante Universitário Campus Pontal da Universidade Federal de Uberlândia 2015

Relatório sobre a Pesquisa de Satisfação dos usuários do Restaurante Universitário Campus Pontal da Universidade Federal de Uberlândia 2015 Relatório sobre a Pesquisa de Satisfação dos usuários do Restaurante Universitário Campus Pontal da Universidade Federal de Uberlândia 2015 O objetivo desta pesquisa foi avaliar o grau de satisfação dos

Leia mais

Divisão de Enfermagem CME Página 1 de 6 Título do Procedimento: Limpeza concorrente e terminal da CME

Divisão de Enfermagem CME Página 1 de 6 Título do Procedimento: Limpeza concorrente e terminal da CME Divisão de Enfermagem CME Página 1 de 6 Freqüência em que é realizado: Diário/semanal/quinzenal/mensal Profissional que realiza: Auxiliar ou Técnico de Enfermagem e servidor da empresa terceirizada de

Leia mais

Refrigerador CRM35 / CRM38 / CRM43

Refrigerador CRM35 / CRM38 / CRM43 Como funciona seu produto Comece por aqui. Se você quer tirar o máximo proveito da tecnologia contida neste produto, leia o Guia Rápido por completo. Refrigerador CRM35 / CRM38 / CRM43 Frost Free Seu refrigerador

Leia mais

PROJETO ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL- Coma bem se divertindo Higiene e Saúde Alimentar

PROJETO ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL- Coma bem se divertindo Higiene e Saúde Alimentar PROJETO ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL- Coma bem se divertindo Higiene e Saúde Alimentar Professoras: Eliete, Maria Cristina e Midian INTRODUÇÃO O homem com o seu próprio corpo podem contaminar diretamente os alimentos

Leia mais

SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO DOS AGRONEGÓCIOS

SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO DOS AGRONEGÓCIOS COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO DOS AGRONEGÓCIOS PROJETO ESTADUAL COZINHALIMENTO Marco legal: Decreto Nº 50.807, de 18 de maio de 2006. O Projeto Estadual Cozinhalimento, da Secretaria de Agricultura

Leia mais

Programa de Mobilização e Educação para o Consumo Alimentar. Alimentos

Programa de Mobilização e Educação para o Consumo Alimentar. Alimentos Programa de Mobilização e Educação para o Consumo Alimentar Higiene, Armazenamento e Conservação dos Alimentos É permitida a reprodução parcial ou total desta cartilha desde que seja citada a fonte. Não

Leia mais

Agroindústria Processamento Artesanal de Frutas - Geléias

Agroindústria Processamento Artesanal de Frutas - Geléias 1 de 7 10/16/aaaa 10:34 Agroindústria Agroindústria: Processamento Artesanal de Frutas - Geléias Processamento Nome artesanal de frutas: Geléias Produto Informação Tecnológica Data Agosto -2000 Preço -

Leia mais

Dicas de conservação e limpeza

Dicas de conservação e limpeza Dicas de conservação e limpeza No uso diário de seus armários, alguns cuidados devem ser tomados a fim de prolongar a vida útil do produto. Água Tome cuidado particular em torno da pia, do forno e dos

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO CRECHES, BERÇÁRIOS E SIMILARES.

ROTEIRO DE INSPEÇÃO CRECHES, BERÇÁRIOS E SIMILARES. SUPERINTEDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERENCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL E SAÚDE DO TRABALHADOR COORDERNAÇÃO DE FISCALIZAÇÃO DE AMBIENTES E SAÚDE DO TRABALHADOR Av. Anhanguera, nº 5.195 Setor Coimbra

Leia mais

Alimentix 2. O teu jogo dos Alimentos. Jogar. Como Jogar?

Alimentix 2. O teu jogo dos Alimentos. Jogar. Como Jogar? Alimentix 2 O teu jogo dos Alimentos Jogar Como Jogar? Olá amigo! O Alimentix 2 é um jogo extraordinário onde vais poder explorar o fantástico mundo dos alimentos. Estás pronto? 1. O Alimentix 2 é composto

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO: MASSITA ALIMENTOS

RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO: MASSITA ALIMENTOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO ENGENHARIA QUÍMICA E ALIMENTOS EQA 5611: ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ENGENHARIA DE ALIMENTOS PROFESSOR ORIENTADOR: BRUNO MATTAR CARCIOFI

Leia mais

REQUISITOS GERAIS HÍGIO SANITÁRIOS E TECNICO-FUNCIONAIS PARA A OFERTA E COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS ALIMENTARES NA FEIRA INTERNACIONAL DE LISBOA (FIL)

REQUISITOS GERAIS HÍGIO SANITÁRIOS E TECNICO-FUNCIONAIS PARA A OFERTA E COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS ALIMENTARES NA FEIRA INTERNACIONAL DE LISBOA (FIL) MANUAL REQUISITOS GERAIS HÍGIO SANITÁRIOS E TECNICO-FUNCIONAIS PARA A OFERTA E COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS ALIMENTARES NA FEIRA INTERNACIONAL DE LISBOA (FIL) O objectivo deste manual é fornecer informação

Leia mais

COMIDA DE ESCOLA NA COZINHA. O que é?

COMIDA DE ESCOLA NA COZINHA. O que é? Receitas COMIDA DE ESCOLA O que é? Comida de Escola é um conjunto de vídeos de culinária gravados no ambiente real da escola e destinados às merendeiras. Neles, um chefe e duas cozinheiras compartilham

Leia mais

LOUÇAS E INSTALAÇÕES SANITÁRIAS

LOUÇAS E INSTALAÇÕES SANITÁRIAS Antes de executar qualquer furação nas paredes, consulte a planta de instalações hidráulicas em anexo, para evitar perfurações e danos à rede hidráulica, bem como na impermeabilização. Não jogue quaisquer

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE LIMPEZA DE SOFÁ

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE LIMPEZA DE SOFÁ APÓS SER FEITA A HIGIENIZAÇÃO DO ESTOFADO ELA SERÁ VÁLIDA POR QUANTO TEMPO? Depende. O recomendado é ser efetuada a cada 6 meses, mas se animais e crianças utilizam muito os estofados esse prazo precisa

Leia mais

CÓPIA CONTROLADA POP - PRIMATO 001 / REV. 00

CÓPIA CONTROLADA POP - PRIMATO 001 / REV. 00 Procedimento Operacional Padrão Sistema de Gestão Higiene e Saúde do Pessoal POP - PRIMATO 001 / REV. 00 HIGIENE E SAÚDE DO PESSOAL Toda e qualquer forma de manipulação de ingredientes que na sua junção

Leia mais